1. ECE ( Esquema desabilitado ) 2. Esquema de corte de geração da UHE Itá. 3. Empresa responsável: TRACTEBEL

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "1. ECE 2.46.01 ( Esquema desabilitado ) 2. Esquema de corte de geração da UHE Itá. 3. Empresa responsável: TRACTEBEL"

Transcrição

1 1. ECE ( Esquema desabilitado ) 2. Esquema de corte de geração da UHE Itá 3. Empresa responsável: 4. Categoria do esquema: Corte de geração 5. Finalidade: A finalidade deste esquema é evitar que a freqüência se eleve acima de 66 Hz no sistema sul, o que levaria ao bloqueio das usinas térmicas da região, no caso da abertura da interligação sul-sudeste com excesso de geração no sul. 6. Descrição da lógica de funcionamento: O esquema desliga máquinas buscando equilibrar a carga e a geração. Em condições de excesso de geração, com rápida elevação de freqüência, sensores de taxa de variação de freqüência são utilizados para cortar as máquinas habilitadas. Vide diagrama. 7. Ajuste dos sensores/parâmetros: taxa de corte 1 Hz/s Primeiro nível de medição = 62 Hz Segundo nível de medição = 62,5 Hz Temporizador = 0,5 s 8. Caráter do esquema: Permanente 9. Lógica do esquema: Fixa. 10.Tecnologia empregada : Relés. 11.Data de entrada em operação: 12.Última revisão / motivo: O esquema está desativado na UHE Itá, aguardando definição dos ajustes pelo ONS. 13.Data da emissão: 01/06/2004 ECE

2 ESQUEMA DE CORTE DE GERAÇÃO DA UHE ITÁ ECE (Esquema desabilitado) Unidade Habilitada para Corte de Geração Trip relé 86 PR Relé Taxa Variação de Freqüência 81 ( F / T ) ECE

3 1. ECE Esquema de conversão síncrono gerador da UHE Itá 3. Empresa responsável: 4. Categoria do esquema: Conversão de síncrono para gerador. 5. Finalidade: Converter rapidamente as máquinas operando como compensadores síncronos para geradores quando houver déficit de geração no sistema. 6. Descrição da lógica de funcionamento: Um relé função 81 é sensibilizado quando há queda de frequência. Vide diagrama. 7. Ajuste dos sensores/parâmetros: Relé Hz Temporização 0,2 s 8. Caráter do esquema: Permanente. 9. Lógica do esquema: Fixa. 10. Tecnologia empregada : Relés. 11. Data de entrada em operação: 12. Última revisão / motivo: 13. Data da emissão: 01/06/2004. ECE

4 ESQUEMA DE CONVERSÃO SÍNCRONO GERADOR DA UHE ITÁ ECE F 1 & t1 O R Alarme 0,1-2,0 seg. F 2 & t2 O R Alarme Não utilizado no projeto 0,1-2,0 seg. F 3 & t3 0,1-2,0 seg. F 4 & t4 O R Reversão para Gerador BLOCK VOLTAGE (27UG) 0,6-0,95Un 0,1-2,0 seg. BLOCK INPUT ECE

5 1. ECE Esquema de conversão síncrono gerador da UHE Passo Fundo 3. Empresa responsável: 4. Categoria do esquema: Conversão síncrono para gerador. 5. Finalidade: Converter rapidamente as máquinas operando como compensadores síncronos para geradores quando ocorrer uma das condições abaixo: - alta temperatura nos anéis de desgaste da turbina, através do fechamento dos contatos de termômetro - abertura do disjuntor principal da unidade ou do disjuntor de transferência, desde que não seja por atuação do relé de bloqueio 86G - Obs: não há conversão para gerador por subfreqüência 6. Descrição da lógica de funcionamento: Vide diagrama 7. Ajuste dos sensores/parâmetros: Relé de temperatura dos anéis 35 C. 8. Caráter do esquema: Permanente. 9. Lógica do esquema:fixa. 10. Tecnologia empregada : Relés. 11.Data de entrada em operação: 12.Última revisão / motivo: 13.Data de emissão: 01/06/2004. ECE

6 ESQUEMA DE CONVERSÃO SINCRONO-GERADOR DA UHE PASSO FUNDO ECE Unidade Rodando a Vazio Unidade Sincronizada Chave 43 GC - Gerador 86 G Reversão Para Gerador Unidade Rodando a Vazio 86 G Temperatura nos anéis de desgastes da turbina - alta > 35ºC Abertura disjuntor principal ou disjuntor transferência 86 G Unidade Rodando a Vazio ECE

7 Número do SEP Categoria do esquema Nome Emissão: 01/06/ Esquema de conversão síncrono gerador da UHE Salto Santiago Conversão síncrono para gerador. Empresa responsável Status Habilitado Região principal Finalidade Converter rapidamente as máquinas operando como compensadores síncronos para geradores quando houver redução da freqüência no sistema. Sul Descrição da lógica do funcionamento A unidade geradora que estiver operando como compensador síncrono, reverte para gerador se a freqüência do sistema se mantiver igual ou abaixo de 59 Hz por 0,2 segundos. Ajuste dos Sensores Relé Siemens 7SJ621 / função 81-3 / ajuste 59 Hz. Caráter do esquema Lógica do esquema Tecnologia empregada Permanente Fixa Relés digitais Entrada em operação Motivo Troca da proteção. Última revisão 30/03/2011 Relatório / Ata Referência Outras informações Página: 1

8 Página 2

9 1. ECE Esquema de conversão síncrono gerador da UHE Salto Osório 3. Empresa responsável: 4. Categoria do esquema: Conversão de síncrono para gerador. 5. Finalidade: Converter rapidamente as máquinas operando como compensadores síncronos para geradores quando houver subfreqüência no sistema. 6. Descrição da lógica de funcionamento: Um relé 81 é sensibilizado quando a freqüência cai no sistema e aciona as máquinas que estão operando como síncronos. Vide diagrama. 7. Ajuste dos sensores/parâmetros : sensor de subfreqüencia 81 = 59,5 Hz temporização = 0,5 s. 8. Caráter do esquema: Permanente. 9. Lógica do esquema: Fixa. 10. Tecnologia empregada : Relés. 11. Data de entrada em operação: 12. Última revisão / motivo: 13. Data da emissão: 01/06/2004. ECE

10 SISTEMA ELÉTRICO ESQUEMA DE CONVERSÃO SINCRONO-GERADOR DA UHE SALTO OZÓRIO ECE CHAVE B-81 SELETORA DE INFORMAÇÃO PELOS TP's DA BARRA P OU PT (SUBESTAÇÃO) P PT SENSOR DE SUB FREQÜÊNCIA - 81 FREQÜÊNCIA 59,5 Hz / 0,5 s SIM ALGUMA UNIDADE OPERANDO COMO COMPENSADOR SIM ENERGIZA RELÉ AUXILIAR 81X ALARME Reversão Auto Relé Sub-freqüência NÃO NÃO CHAVE REVERSÃO AUTO LIGADA (43 81)/ b24 NÃO UNIDADE PERMANECE COMO COMPENSADOR ECE SIM REVERSÃO AUTO DA UNIDADE PARA GERADOR

11 Número do SEP Categoria do esquema Corte de geração Empresa responsável Status Habilitado Nome Emissão: 31/08/ Esquema de corte de geração da usina Salto Santiago. Região principal Finalidade Resguardar o sistema do sul de elevados níveis de frequência, com a perda da interligação Ivaiporã- Itaberá 750 kv, evitando, assim, o bloqueio das usinas térmicas. Sul Descrição da lógica do funcionamento O desligamento das unidades geradoras da UHSS conectadas ao esquema de corte de geração por sobrefrequência ocorre quando a frequência do sistema atinge um valor igual ou superior a 62,5 Hz, desde que a taxa de variação no intervalo de 62,0 a 62,5Hz seja igual ou superior a 1,0 Hz/s. A seleção das unidades geradoras para corte é efetuada pelos operadores das usinas mediante chaves seletoras do tipo ON/OFF e coordenada pelo COSR-S. A taxa de variação de frequência é feita na versão atualizada do relé Siemens 7SJ621, função 81CG, internamente por meio de cálculo numérico da derivada da frequência. As figuras 1 e 2 ilustram o novo esquema de corte de geração. Ajuste dos Sensores Através da supervisão de estado dos disjuntores do circuito da LT 525 kv Ivaiporã/Salto Santiago, habilita-se a entrada em operação do esquema, caso haja abertura trifásica deste circuito e desde que o fluxo polarizado (do Sul para o Sudeste) seja maior ou igual a 2600 MW. Caráter do esquema Lógica do esquema Tecnologia empregada Permanente Fixa Relés digitais Entrada em operação Última revisão 10/04/2011 Motivo Relatório / Ata Referência Outras informações Página: 1

12 ESQUEMA DE CORTE DE GERAÇÃO DA USINA SALTO SANTIAGO Página 2

Alívio de cargas. CENTRO-OESTE ELETRONORTE / CEMAT HABILITADO. Permanente Fixa Relés 01/10/1988 01/06/2000 ONS-DPP-XX/2000

Alívio de cargas. CENTRO-OESTE ELETRONORTE / CEMAT HABILITADO. Permanente Fixa Relés 01/10/1988 01/06/2000 ONS-DPP-XX/2000 Número do SEP Categoria do esquema Alívio de cargas. Empresa responsável Nome Emissão: 29/06/2000 6.14.16 Esquema de alívio de carga por subtensão na SE Várzea Grande ELETRONORTE / CEMAT Status HABILITADO

Leia mais

DPP/GPE -120 < IZPD C1+C2 < 1900 MW; 900 < IZPD + IZCO < 1900 MW; - Janela de tempo de observação de pré-falta =2,0 SEG.

DPP/GPE -120 < IZPD C1+C2 < 1900 MW; 900 < IZPD + IZCO < 1900 MW; - Janela de tempo de observação de pré-falta =2,0 SEG. 1. ECE 7.14.27 ESQUEMA DESABILITADO 2. ESQUEMA DE CONTROLE DE TENSÃO POR ABERTURA DA 3. EMPRESA RESPONSÁVEL: ELETRONORTE. 4. CATEGORIA DO ESQUEMA: Abertura de linhas de transmissão. 5. FINALIDA DE: Este

Leia mais

Finalidade Evitar a operação das proteções de sobretensão, quando da rejeição da linha sobre o terminal de Campos Novos.

Finalidade Evitar a operação das proteções de sobretensão, quando da rejeição da linha sobre o terminal de Campos Novos. Número do SEP 2.15.01 Categoria do esquema Nome Abertura automática de linha de transmissão. Empresa responsável ELETROSUL Status Habilitado Emissão: 30/07/2000 Esquema de Transferência de Disparo da LT

Leia mais

2. Esquema de Transferência de Disparo da LT AREIA CAMPOS NOVOS 525 kv. 4. Categoria do esquema: Abertura automática de linha de transmissão.

2. Esquema de Transferência de Disparo da LT AREIA CAMPOS NOVOS 525 kv. 4. Categoria do esquema: Abertura automática de linha de transmissão. 1. ECE n : 2.15.01 2. Esquema de Transferência de Disparo da LT AREIA CAMPOS NOVOS 525 kv. 3. Empresa responsável: 4. Categoria do esquema: Abertura automática de linha de transmissão. 5. Finalidade: Evitar

Leia mais

Proteção contra motorização e correntes desbalanceadas, falha de disjuntor e energização inadvertida Por Geraldo Rocha e Paulo Lima*

Proteção contra motorização e correntes desbalanceadas, falha de disjuntor e energização inadvertida Por Geraldo Rocha e Paulo Lima* 30 Capítulo VI Proteção contra motorização e correntes desbalanceadas, falha de disjuntor e energização inadvertida Por Geraldo Rocha e Paulo Lima* Proteção contra motorização e correntes desbalanceadas

Leia mais

SCHWEITZER ENGINEERING LABORATORIES, COMERCIAL LTDA.

SCHWEITZER ENGINEERING LABORATORIES, COMERCIAL LTDA. Nr Denominação 1 Elemento Principal 2 Relé de partida ou fechamento temporizado 3 Relé de verificação ou interbloqueio 4 Contator principal 5 Dispositivo de interrupção 6 Disjuntor de partida 7 Relé de

Leia mais

Monitor de Temperatura M96

Monitor de Temperatura M96 ELECTRON TECNOLOGIA DIGITAL LTDA Página 1/5 INTRODUÇÃO O Monitor de Temperatura M96 foi desenvolvido para supervisionar até 8 (oito) canais de temperatura simultaneamente, ele é utilizado para proteger

Leia mais

DPP/GPE. Janela : 51-52 Hz - Corta a segunda máquina

DPP/GPE. Janela : 51-52 Hz - Corta a segunda máquina DPP/GP BANCO D DADOS D SISTMAS SPCIAIS D PROTÇÃO Relatório ONS R 3/04/004 SISTMA ITAIPÚ - C n o : 3.47.0 - squema de corte de geração em Itaipu 50Hz, quando de bloqueio de 4 ou mais conversores do lo CC,

Leia mais

Monitor de Temperatura MONITEMP

Monitor de Temperatura MONITEMP ELECTRON TECNOLOGIA DIGITAL LTDA Página 1/5 INTRODUÇÃO O Monitor de Temperatura MoniTemp foi desenvolvido para supervisionar até 3 (três) canais de temperatura simultaneamente, ele é utilizado para proteger

Leia mais

5- Finalidade: Corte automático de carga por subfreqüência para equilibrar carga e geração diante de contingências no sistema interligado.

5- Finalidade: Corte automático de carga por subfreqüência para equilibrar carga e geração diante de contingências no sistema interligado. 1- ECE nº: 2.04.01 2- Esquema regional de alívio de carga - ERAC 3- Empresa responsável:. 4- Categoria do esquema: Corte de carga. 5- Finalidade: Corte automático de carga por subfreqüência para equilibrar

Leia mais

REDE DE OPERAÇÃO DO ONS DEMAIS INSTALAÇÕES DA TRANSMISSÃO - DIT CTEEP

REDE DE OPERAÇÃO DO ONS DEMAIS INSTALAÇÕES DA TRANSMISSÃO - DIT CTEEP BANCO DE DADOS DOS SISTEMAS ESPECIAIS DE PROTEÇÃO - SEP REDE DE OPERAÇÃO DO ONS DEMAIS INSTALAÇÕES DA TRANSMISSÃO - DIT CTEEP Revisão: 20 Vigência: 25/01/2011 DIVISÃO DE ANÁLISE DA OPERAÇÃO ESTUDOS DE

Leia mais

Capítulo III. Faltas à terra no rotor e proteções de retaguarda. Proteção de geradores. Faltas à terra no rotor. Tipos de sistemas de excitação

Capítulo III. Faltas à terra no rotor e proteções de retaguarda. Proteção de geradores. Faltas à terra no rotor. Tipos de sistemas de excitação 24 Capítulo III Faltas à terra no rotor e proteções de retaguarda Por Geraldo Rocha e Paulo Lima* Faltas à terra no rotor A função primária do sistema de excitação de um gerador síncrono é regular a tensão

Leia mais

Electron do Brasil. Tecnologia ao seu alcance. Tecnologia Digital. www.electrondobrasil.com. Catálogo Monitemp - rev3. Qualidade Comprovada!

Electron do Brasil. Tecnologia ao seu alcance. Tecnologia Digital. www.electrondobrasil.com. Catálogo Monitemp - rev3. Qualidade Comprovada! Electron do Brasil Tecnologia Digital Qualidade Comprovada! Ensaios de Tipo Realizados Tecnologia ao seu alcance Catálogo Monitemp - rev3 Produtos Certificados! www.electrondobrasil.com O Monitor de Temperatura

Leia mais

Controle e Corte Emergencial de Cargas com Recomposição Automática Através do Sistema SCADA BRASIL

Controle e Corte Emergencial de Cargas com Recomposição Automática Através do Sistema SCADA BRASIL Controle e Corte Emergencial de Cargas com Recomposição Automática Através do Sistema SCADA MONTENEGRO, J. C. F. S. (José Carlos de França e Silva Montenegro) BANDEIRANTE BRASIL MARQUES, R. (Rogério Marques)

Leia mais

Tabela de Funções Ansi

Tabela de Funções Ansi Tabela de Funções Ansi A ANSI visando a padronização dos códigos das funções de proteções, criou uma tabela de códigos com das funções de proteção. Na verdade, esta tabela veio da ASA e posteriormente

Leia mais

ANSI - 23 26 45 49 49I 62 74 77 94

ANSI - 23 26 45 49 49I 62 74 77 94 ELECTRON TECNOLOGIA DIGITAL LTDA Página 1/7 INTRODUÇÃO O Monitor de Temperatura MASTERTEMP foi desenvolvido para monitorar a temperatura de óleo e enrolamento, comandar a ventilação e proteger transformadores

Leia mais

Manual de Instruções. C o n t r o l a d o r D i f e r e n c i a l para P i s c i n a. Rev. B

Manual de Instruções. C o n t r o l a d o r D i f e r e n c i a l para P i s c i n a. Rev. B Manual de Instruções C o n t r o l a d o r D i f e r e n c i a l para P i s c i n a Rev. B 1. Descrição Índice 1.Descrição... pág 1 2.Dados Técnicos... pág 2 3.Instalação... pág 3 4.Ajuste e Operação...

Leia mais

REQUISITOS MÍNIMOS PARA INSTALAÇÃO DE GERADOR POR PARTICULARES

REQUISITOS MÍNIMOS PARA INSTALAÇÃO DE GERADOR POR PARTICULARES REQUISITOS MÍNIMOS PARA INSTALAÇÃO DE GERADOR POR PARTICULARES NTD-22 CONTROLE DE VERSÕES NTD 22- REQUISITOS MÍNIMOS PARA INSTALAÇÃO DE GERADOR POR PARTICULARES Nº.: DATA VERSÃO 01 04/2010 Original INDICE

Leia mais

MICROGERAÇÃO E MINIGERAÇÃO DISTRIBUIDA

MICROGERAÇÃO E MINIGERAÇÃO DISTRIBUIDA MICROGERAÇÃO E MINIGERAÇÃO DISTRIBUIDA Versão: 01 Data: 12/01/2013 SUMÁRIO 1. Objetivo 03 2. Normas e Regulamentos Complementares 03 3. Definições 04 3.1. Acesso 04 3.2 Acordo Operativo 04 3.3. Condições

Leia mais

* R. Real Grandeza, 281 Rio de Janeiro RJ CEP: 22283-900 Fone: (21) 5282188 / fax: (21) 5285576 / e-mail: alfarias@furnas.com.br

* R. Real Grandeza, 281 Rio de Janeiro RJ CEP: 22283-900 Fone: (21) 5282188 / fax: (21) 5285576 / e-mail: alfarias@furnas.com.br GAT/029 21 a 26 de Outubro de 2001 Campinas - São Paulo - Brasil GRUPO IV GRUPO DE ESTUDO DE ANÁLISE E TÉCNICAS DE SISTEMAS DE POTÊNCIA (GAT) ESQUEMA DE CONTROLE DE EMERGÊNCIAS NA CONFIGURAÇÃO FINAL DO

Leia mais

Relé de proteção do diferencial 865

Relé de proteção do diferencial 865 Relé de proteção do diferencial 865 Para a proteção do diferencial de motores, transformadores e geradores Boletim 865, Série A Guia de especificações Sumário Página de descrição da seção 1.0 Características

Leia mais

PROCEDIMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO Título PARALELISMO MOMENTÂNEO DE GERADOR COM O SISTEMA PRIMÁRIO DE DISTRIBUIÇÃO ATÉ 69 kv, COM OPERAÇÃO EM RAMPA

PROCEDIMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO Título PARALELISMO MOMENTÂNEO DE GERADOR COM O SISTEMA PRIMÁRIO DE DISTRIBUIÇÃO ATÉ 69 kv, COM OPERAÇÃO EM RAMPA PROCEDIMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO Título PARALELISMO MOMENTÂNEO DE GERADOR COM O SISTEMA PRIMÁRIO DE DISTRIBUIÇÃO ATÉ 69 kv, COM OPERAÇÃO EM RAMPA Código NTD-00.024 Data da emissão 05.11.2009 Data da última

Leia mais

Módulo de Aquisição de Dados e Controle. Catálogo

Módulo de Aquisição de Dados e Controle. Catálogo DM Catálogo Módulo de Aquisição de Dados e Controle O Módulo de Aquisição de Dados e Controle - DM efetua a interface de sistemas digitais com qualquer equipamento analógico ou eletromecânico que não possui

Leia mais

Módulo FGM721. Controlador P7C - HI Tecnologia

Módulo FGM721. Controlador P7C - HI Tecnologia Automação Industrial Módulo Controlador P7C - HI Tecnologia 7C O conteúdo deste documento é parte do Manual do Usuário do controlador P7C da HI tecnologia (PMU10700100). A lista de verbetes consta na versão

Leia mais

NT 6.005. Nota Técnica. Diretoria de Planejamento e Engenharia Gerência de Engenharia. Felisberto M. Takahashi Elio Vicentini. Preparado.

NT 6.005. Nota Técnica. Diretoria de Planejamento e Engenharia Gerência de Engenharia. Felisberto M. Takahashi Elio Vicentini. Preparado. NT.005 Requisitos Mínimos para Interligação de Gerador de Consumidor Primário com a Rede de Distribuição da Eletropaulo Metropolitana com Paralelismo Momentâneo Nota Técnica Diretoria de Planejamento e

Leia mais

Leandro N.Alem 1351/53 -(1871)- Dock Sud Buenos Aires - Argentina T.E.:4201-5316 / 4222-9821 FAX:4222-9821 Web:www.ingecozs.com MANUAL DE OPERAÇÃO

Leandro N.Alem 1351/53 -(1871)- Dock Sud Buenos Aires - Argentina T.E.:4201-5316 / 4222-9821 FAX:4222-9821 Web:www.ingecozs.com MANUAL DE OPERAÇÃO Leandro N.Alem 1351/53 -(1871)- Dock Sud Buenos Aires - Argentina T.E.:4201-5316 / 4222-9821 FAX:4222-9821 Web:www.ingecozs.com MANUAL DE OPERAÇÃO ÍNDICE Especificações... 3 INSTALAÇÃO... 3 Operação...

Leia mais

REDE DE OPERAÇÃO DO ONS DEMAIS INSTALAÇÕES DA TRANSMISSÃO - DIT CTEEP

REDE DE OPERAÇÃO DO ONS DEMAIS INSTALAÇÕES DA TRANSMISSÃO - DIT CTEEP BANCO DE DADOS DOS SISTEMAS ESPECIAIS DE PROTEÇÃO - SEP REDE DE OPERAÇÃO DO ONS DEMAIS INSTALAÇÕES DA TRANSMISSÃO - DIT CTEEP Revisão: 21 Vigência: 05/11/2012 DIVISÃO DE ANÁLISE DA OPERAÇÃO ESTUDOS DE

Leia mais

Manual de Instruções. C o n t r o l a d o r D i f e r e n c i a l T e m p o r i z a d o. Rev. C

Manual de Instruções. C o n t r o l a d o r D i f e r e n c i a l T e m p o r i z a d o. Rev. C Manual de Instruções C o n t r o l a d o r D i f e r e n c i a l T e m p o r i z a d o Rev. C 1. Descrição Índice 1.Descrição...pág 1 2.Dados Técnicos...pág 3 3.Instalação...pág 4 4.Ajuste e Operação...pág

Leia mais

PRINCIPAIS PERTURBAÇÕES OCORRIDAS NO SISTEMA INTERLIGADO NACIONAL SÍNTESE GERENCIAL PERÍODO: SEMANA DE 29/05/2006 A 04/06/2006

PRINCIPAIS PERTURBAÇÕES OCORRIDAS NO SISTEMA INTERLIGADO NACIONAL SÍNTESE GERENCIAL PERÍODO: SEMANA DE 29/05/2006 A 04/06/2006 PRINCIPAIS PERTURBAÇÕES OCORRIDAS NO SISTEMA INTERLIGADO NACIONAL SÍNTESE GERENCIAL PERÍODO: SEMANA DE 29/05/2006 A 04/06/2006 RELATÓRIO ONS - 3/159/06 EMITIDO EM: 08/06/2006 PROCESSO: Análise de Perturbações

Leia mais

Monitor de Temperatura Digital para transformadores MONITEMP PLUS

Monitor de Temperatura Digital para transformadores MONITEMP PLUS ELECTRON TECNOLOGIA DIGITAL LTDA Página 1/6 INTRODUÇÃO O Monitor de Temperatura MoniTemp Plus foi desenvolvido para monitorar a temperatura de óleo e enrolamento, comandar a ventilação e proteger transformadores

Leia mais

SUPLEMENTO Nº 03. 1. Com referência ao Pregão Eletrônico PE.GCM.A.00175.2013, informamos que este Suplemento visa alterar:

SUPLEMENTO Nº 03. 1. Com referência ao Pregão Eletrônico PE.GCM.A.00175.2013, informamos que este Suplemento visa alterar: PE.GCM.A.0075.203 /6 SUPLEMENTO Nº 03. Com referência ao Pregão Eletrônico PE.GCM.A.0075.203, informamos que este Suplemento visa alterar:.. Edital, Seção V, Anexo II, Formulário 02 Acessórios e Ferramentas

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÕES AOB508-G21 CONTROLADOR DE TEMPERATURA E PROCESSO IBRATEC

MANUAL DE INSTRUÇÕES AOB508-G21 CONTROLADOR DE TEMPERATURA E PROCESSO IBRATEC IBRATEC www.sibratec.ind.br MANUAL DE INSTRUÇÕES AOB508-G21 CONTROLADOR DE TEMPERATURA E PROCESSO 1 - INTRODUÇÃO O AOB508-G21 é um controlador digital de grandezas de alta precisão que pode ser utilizado

Leia mais

CABINES METÁLICAS PRÉ-FABRICADAS DESTINADAS À MEDIÇÃO,PROTEÇÃO E TRANSFORMAÇÃO DE ENERGIA

CABINES METÁLICAS PRÉ-FABRICADAS DESTINADAS À MEDIÇÃO,PROTEÇÃO E TRANSFORMAÇÃO DE ENERGIA CABINES METÁLICAS PRÉ-FABRICADAS DESTINADAS À MEDIÇÃO,PROTEÇÃO E TRANSFORMAÇÃO DE ENERGIA ROMAGNOLE Produtos Elétricos S.A. 1 2 ROMAGNOLE Produtos Elétricos S.A. A energia é o núcleo dos acontecimentos,

Leia mais

MANUAL DE INSTALAÇÃO E OPERAÇÃO

MANUAL DE INSTALAÇÃO E OPERAÇÃO MANUAL DE INSTALAÇÃO E OPERAÇÃO Renz Multimedidor MGG-92 ÍNDICE 1.0 INTRODUÇÃO 3 1.1 Aplicação 2.0 CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS 2.1 Mecânicas 2.2 Elétricas 2.3 Grandezas Elétricas medidas e/ou calculadas 3.0

Leia mais

1. ECE nº: 1.09.01 - DESATIVADO. 2. Esquema de rejeição de máquinas na Usina de Capivara. 3. Empresa responsável: CTEEP

1. ECE nº: 1.09.01 - DESATIVADO. 2. Esquema de rejeição de máquinas na Usina de Capivara. 3. Empresa responsável: CTEEP REGIÃO SUDESTE 1. ECE nº: 1.09.01 - DESATIVADO 2. Esquema de rejeição de máquinas na Usina de Capivara. 3. Empresa responsável: 4. Categoria do esquema: Corte de geração. 5. Finalidade: Na perda da LT

Leia mais

PRINCIPAIS PERTURBAÇÕES OCORRIDAS NO SISTEMA INTERLIGADO NACIONAL SÍNTESE GERENCIAL PERÍODO: SEMANA DE 17/04/2006 A 23/04/2006

PRINCIPAIS PERTURBAÇÕES OCORRIDAS NO SISTEMA INTERLIGADO NACIONAL SÍNTESE GERENCIAL PERÍODO: SEMANA DE 17/04/2006 A 23/04/2006 PRINCIPAIS PERTURBAÇÕES OCORRIDAS NO SISTEMA INTERLIGADO NACIONAL SÍNTESE GERENCIAL PERÍODO: SEMANA DE 17/04/2006 A 23/04/2006 RELATÓRIO ONS - 3/107/06 EMITIDO EM: 28/04/2006 PROCESSO: Análise de Perturbações

Leia mais

MANUAL DO USUÁRIO SISTEMA GUARDIAN

MANUAL DO USUÁRIO SISTEMA GUARDIAN MANUAL DO USUÁRIO SISTEMA GUARDIAN FUNCIONAMENTO DO SISTEMA GUARDIAN. A central de alarmes Guardian realiza o monitoramento continuo de três entradas de alarmes, fornecendo três saídas de alarmes distintas,

Leia mais

Relé de Proteção do Motor RPM ANSI 37/49/50/77/86/94 CATÁLOGO. ELECTRON TECNOLOGIA DIGITAL LTDA Página 1/5

Relé de Proteção do Motor RPM ANSI 37/49/50/77/86/94 CATÁLOGO. ELECTRON TECNOLOGIA DIGITAL LTDA Página 1/5 CATÁLOGO ELECTRON TECNOLOGIA DIGITAL LTDA Página 1/5 INTRODUÇÃO O Relé de Proteção de Motores RPM foi desenvolvido para supervisionar até 2 (dois) grupos ventiladores/motores simultaneamente, é utilizado

Leia mais

SISTEMA DE MONITORAMENTO DIGITAL

SISTEMA DE MONITORAMENTO DIGITAL SISTEMA DE MONITORAMENTO DIGITAL Módulos para automação Características gerais - Processamento independente - Possui alerta sonoro e luminoso de falta de conexão - Não precisa ser configurado (Plug and

Leia mais

Melhoria na confiabilidade da aplicação dos reles digitais através do monitor MDP

Melhoria na confiabilidade da aplicação dos reles digitais através do monitor MDP Melhoria na confiabilidade da aplicação dos reles digitais através do monitor MDP Eng. Fernando Azevedo COPEL Distribuição Eng. Henrique Florido Filho - Pextron 1 A Copel Companhia Paranaense de Energia,

Leia mais

INTERLIGAÇÃO DAS BARRAS DE GARABI 1 E GARABI 2, TESTES REAIS E CONSEQUÊNCIAS PARA OPERAÇÃO E MANUTENÇÃO DO SISTEMA

INTERLIGAÇÃO DAS BARRAS DE GARABI 1 E GARABI 2, TESTES REAIS E CONSEQUÊNCIAS PARA OPERAÇÃO E MANUTENÇÃO DO SISTEMA INTERLIGAÇÃO DAS BARRAS DE GARABI 1 E GARABI 2, TESTES REAIS E CONSEQUÊNCIAS PARA OPERAÇÃO E MANUTENÇÃO DO SISTEMA Equipe de Proteção e Controle - Garabi DIEGO ROBERTO MORAIS, DR. ENG. CONHECENDO O GRUPO

Leia mais

BOLETIM DE GARANTIA. (N o 05 / 2013) LED do TIMER pisca frequência de 1Hz / segundo. LED do TIMER pisca freqüência de 1Hz / segundo.

BOLETIM DE GARANTIA. (N o 05 / 2013) LED do TIMER pisca frequência de 1Hz / segundo. LED do TIMER pisca freqüência de 1Hz / segundo. BOLETIM DE GARANTIA (N o 05 / 2013) Código de erro do Cassete e Piso-Teto No. TIPO DESCRIÇÃO Flash Blink Código Nota 1 Falha 2 Falha 3 Falha 4 Falha 5 Falha 6 Falha Placa acusa erro no sensor de temperatura

Leia mais

PRIMERAS JORNADAS REGIONALES DE CALIDAD DE ENERGÍA 2006 8 y 9 de Setiembre de 2006 - Uruguai

PRIMERAS JORNADAS REGIONALES DE CALIDAD DE ENERGÍA 2006 8 y 9 de Setiembre de 2006 - Uruguai PRIMERAS JORNADAS REGIONALES DE CALIDAD DE ENERGÍA 2006 8 y 9 de Setiembre de 2006 - Uruguai CONEXÃO DE GERADORES COM O SISTEMA ELÉTRICO DE DISTRIBUIÇÃO Senne, E. F.; CPFL Energia; flausino@cpfl.com.br;

Leia mais

Relés de Nível. Manual de Instalação. Relé de Nível Inferior (RNAI) Relé de Nível Superior (RNAS) C205726 - REV 1

Relés de Nível. Manual de Instalação. Relé de Nível Inferior (RNAI) Relé de Nível Superior (RNAS) C205726 - REV 1 Relés de Nível Relé de Nível Inferior (RNAI) Relé de Nível Superior (RNAS) Manual de Instalação C205726 - REV 1 1) Apresentação Relés de Nível RNAI e RNAS Este manual descreve as características de funcionamento,

Leia mais

PROCEDIMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO Título PARALELISMO MOMENTÂNEO DE GERADOR COM O SISTEMA PRIMÁRIO DE DISTRIBUIÇÃO ATÉ 25 kv, COM OPERAÇÃO EM RAMPA

PROCEDIMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO Título PARALELISMO MOMENTÂNEO DE GERADOR COM O SISTEMA PRIMÁRIO DE DISTRIBUIÇÃO ATÉ 25 kv, COM OPERAÇÃO EM RAMPA PROCEDIMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO Título PARALELISMO MOMENTÂNEO DE GERADOR COM O SISTEMA PRIMÁRIO DE DISTRIBUIÇÃO ATÉ 25 kv, COM OPERAÇÃO EM RAMPA Código NTD-00.024 Data da emissão 05.11.2009 Data da última

Leia mais

NORMA DE DISTRIBUIÇÃO UNIFICADA NDU - 020

NORMA DE DISTRIBUIÇÃO UNIFICADA NDU - 020 NORMA DE DISTRIBUIÇÃO UNIFICADA NDU - 020 EXIGÊNCIAS MÍNIMAS PARA INTERLIGAÇÃO DE GERADOR DE CONSUMIDOR PRIMÁRIO COM A REDE DE DISTRIBUIÇÃO DA ENERGISA COM PARALELISMO MOMENTÂNEO SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO...

Leia mais

VBWK Módulo de Entrada em MT para Instalações em Alvenaria. Motores Automação Energia Transmissão & Distribuição Tintas

VBWK Módulo de Entrada em MT para Instalações em Alvenaria. Motores Automação Energia Transmissão & Distribuição Tintas VBWK Módulo de Entrada em MT para Instalações em Alvenaria Motores Automação Energia Transmissão & Distribuição Tintas Solução Integrada para Instalações em Alvenaria O kit de entrada em média tensão VBWK

Leia mais

ELIPSE POWER AUTOMATIZA A SUBESTAÇÃO CRUZ ALTA DA CPFL, UTILIZANDO OS PROTOCOLOS IEC 61850 E DNP3

ELIPSE POWER AUTOMATIZA A SUBESTAÇÃO CRUZ ALTA DA CPFL, UTILIZANDO OS PROTOCOLOS IEC 61850 E DNP3 ELIPSE POWER AUTOMATIZA A SUBESTAÇÃO CRUZ ALTA DA CPFL, UTILIZANDO OS PROTOCOLOS IEC 61850 E DNP3 Solução da Elipse Software apresenta rápida integração com os equipamentos da subestação localizada em

Leia mais

NT 6.010. Nota Técnica. Diretoria de Planejamento e Engenharia Gerência de Engenharia. Elio Vicentini Ermínio Belvedere João Martins.

NT 6.010. Nota Técnica. Diretoria de Planejamento e Engenharia Gerência de Engenharia. Elio Vicentini Ermínio Belvedere João Martins. NT 6.010 Requisitos Mínimos Para Interligação de Gerador de Consumidor Secundário com a Rede de Distribuição da Eletropaulo Metropolitana com Paralelismo Momentâneo Nota Técnica Diretoria de Planejamento

Leia mais

Hera Indústria de Equipamentos Eletrônicos LTDA. Manual de Instalação e Operação. Discadora por Celular HERA HR2048.

Hera Indústria de Equipamentos Eletrônicos LTDA. Manual de Instalação e Operação. Discadora por Celular HERA HR2048. Discadora por Celular HERA HR2048 Manual do Usuário Índice: Paginas: 1. Introdução 03 1.1 Visão Geral 03 2. Características 04 3. Funcionamento 04, 05 e 06 3.1 Mensagens 06 e 07 4. Instalação da Discadora

Leia mais

DISTRIBUIDOR - REPRESENTANTE SELCON SISTEMAS ELETRÔNICOS DE CONTROLE LTDA.

DISTRIBUIDOR - REPRESENTANTE SELCON SISTEMAS ELETRÔNICOS DE CONTROLE LTDA. PRODUTO: CHM-E-I-1 FOLHA TÉCNICA 1/7 1. CERTIFICAÇÕES DA SELCON 2. APLICAÇÃO O relé CHM-E é um detector de presença de chama recomendado para queimadores a gás de uso industrial ou comercial com ciclo

Leia mais

NOTA TÉCNICA 6.008. Página 1 de 24. Diretoria de Planejamento e Engenharia. Gerência de Planejamento do Sistema. Gerência da Distribuição

NOTA TÉCNICA 6.008. Página 1 de 24. Diretoria de Planejamento e Engenharia. Gerência de Planejamento do Sistema. Gerência da Distribuição Página 1 de 4 NOTA TÉCNICA 6.008 REQUISITOS MÍNIMOS PARA INTERLIGAÇÃO DE GERADOR PARTICULAR COM A REDE DE DISTRIBUIÇÃO DA AES ELETROPAULO UTILIZANDO SISTEMA DE TRANSFERÊNCIA AUTOMÁTICA COM INTERRUPÇÃO

Leia mais

NORMA DE DISTRIBUIÇÃO UNIFICADA NDU 019

NORMA DE DISTRIBUIÇÃO UNIFICADA NDU 019 NORMA DE DISTRIBUIÇÃO UNIFICADA NDU 019 EXIGÊNCIAS MÍNIMAS PARA INTERLIGAÇÃO DE GERADOR DE CONSUMIDOR PRIMÁRIO COM A REDE DE DISTRIBUIÇÃO DA ENERGISA COM PARALELISMO PERMANENTE SUMÁRIO 1.INTRODUÇÃO...

Leia mais

MVB06G Sensor de Vibração de 3 eixos, com Relés de Estado Sólido

MVB06G Sensor de Vibração de 3 eixos, com Relés de Estado Sólido MVB06G Sensor de Vibração de 3 eixos, com Relés de Estado Sólido 1) DESCRIÇÃO O MVB06G é um Sensor de Vibração desenvolvido com Tecnologia Micromachine (MEM s), apresentando alta precisão e confiabilidade.

Leia mais

MICROCONTROLADOR WISE T

MICROCONTROLADOR WISE T MICROCONTROLADOR WISE T Sumário 1. INTRODUÇÃO...3 1.1 VANTAGENS E BENEFÍCIOS...3 2. PONTOS DE CONTROLE...4 3. LÓGICA DE CONTROLE...5 4. MONITORAÇÃO... 16 5. CONFIGURAÇÕES...20 6. ESCALA DOS SENSORES...26

Leia mais

Manual de Parametrização pela IHM

Manual de Parametrização pela IHM Manual de Parametrização pela IHM Liberando acesso para modo de parametrização Pressione o botão para aparecer à seguinte tela: A senha de fábrica é: 0000 Caso tenha alterado a senha, coloque a senha atual.

Leia mais

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DA PARAÍBA TEMA DA AULA PROFESSOR: RONIMACK TRAJANO DE SOUZA

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DA PARAÍBA TEMA DA AULA PROFESSOR: RONIMACK TRAJANO DE SOUZA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DA PARAÍBA TEMA DA AULA EQUIPAMENTOS DA SE PROFESSOR: RONIMACK TRAJANO DE SOUZA COMPONENTES SUBESTAÇÕES OBJETIVOS Apresentar os principais equipamentos

Leia mais

BT QCC 1000 Quadro elétrico para câmaras frigoríficas até 3HP 220V2F

BT QCC 1000 Quadro elétrico para câmaras frigoríficas até 3HP 220V2F BTQCC1000v1_0.docx - Página 1 de 6 BT QCC 1000 Quadro elétrico para câmaras frigoríficas até 3HP 220V2F 1.0 Descrições gerais: BT QCC 1000 é amplamente usado para pequenas e médias câmaras frigoríficas,

Leia mais

3.3 Operação em Rampa Transferência de carga de modo gradativo entre a Distribuidora e um gerador de consumidor ou vice-versa.

3.3 Operação em Rampa Transferência de carga de modo gradativo entre a Distribuidora e um gerador de consumidor ou vice-versa. O SISTEMA DE DISTRIBUIÇÃO, COM OPERAÇÃO Processo: PROJETO E CONSTRUÇÃO Subprocesso: INSTALAÇÃO ELÉTRICA DE CONSUMIDOR PCI.00.05 1/9 Primeira 1. OBJETIVO Estabelecer os critérios e requisitos necessários

Leia mais

CDE4000 MANUAL 1. INTRODUÇÃO 2. SOFTWARE DE CONFIGURAÇÃO 3. COMUNICAÇÃO

CDE4000 MANUAL 1. INTRODUÇÃO 2. SOFTWARE DE CONFIGURAÇÃO 3. COMUNICAÇÃO CDE4000 MANUAL 1. INTRODUÇÃO O controlador CDE4000 é um equipamento para controle de demanda e fator de potência. Este controle é feito em sincronismo com a medição da concessionária, através dos dados

Leia mais

PLANTA DA ULBRA USINA DE CANOAS /RS ESTUDO DE CURTO E SELETIVIDADE ORDEM DE COMPRA 210779

PLANTA DA ULBRA USINA DE CANOAS /RS ESTUDO DE CURTO E SELETIVIDADE ORDEM DE COMPRA 210779 RELATÓRIO DO ESTUDO DE CURTO CIRCUITO E DA PLANTA DA ULBRA - PARTE 1 CONFORME SOLICITAÇÃO DA ORDEM DE COMPRA STEMAC - 210779 EMITIDA EM 01/03/2007. REVISÃO 1 19/04/2007 Introdução. O presente documento

Leia mais

110,5 x 22,5 x 114 (term. mola)

110,5 x 22,5 x 114 (term. mola) Supervisão de parada de emergência e monitoramento de portas Supervisão de sensores de segurança magnéticos codificados Entrada para 1 ou 2 canais Categoria de Segurança até 4 conforme EN 954-1 Para aplicações

Leia mais

POWERTRANS ELETRÔNICA INDUSTRIAL LTDA MANUAL DE INSTALAÇÃO, OPERAÇÃO E PARAMETRIZAÇÃO DO SOFT STARTER

POWERTRANS ELETRÔNICA INDUSTRIAL LTDA MANUAL DE INSTALAÇÃO, OPERAÇÃO E PARAMETRIZAÇÃO DO SOFT STARTER MANUAL DE INSTALAÇÃO, OPERAÇÃO E PARAMETRIZAÇÃO DO SOFT STARTER SOFT STARTER - NUM. SÉRIE... - POTÊNCIA... - TENSÃO AC DE BARRAMENTO... - TENSÃO AUXILIAR... Cliente: Projeto: Conv. Resp: Olaia Arq:.MANUAL_SOFTmP.doc

Leia mais

Numeraēćo e funēões dos dispositivos IEEE

Numeraēćo e funēões dos dispositivos IEEE Numeraēćo e funēões dos dispositivos IEEE FOLHETO Cód. cat. 1500 Descrição Os dispositivos em equipamentos de comutação são referidos por números, com sufixos de letras adequados quando necessário, de

Leia mais

APLICAÇÃO DO SOFTWARE ELIPSE E3 PARA AUTOMATIZAR O CENTRO DE OPERAÇÃO DA GERAÇÃO (COG) QUE CONTROLA 17 USINAS HIDRELÉTRICAS DO GRUPO CPFL ENERGIA

APLICAÇÃO DO SOFTWARE ELIPSE E3 PARA AUTOMATIZAR O CENTRO DE OPERAÇÃO DA GERAÇÃO (COG) QUE CONTROLA 17 USINAS HIDRELÉTRICAS DO GRUPO CPFL ENERGIA APLICAÇÃO DO SOFTWARE ELIPSE E3 PARA AUTOMATIZAR O CENTRO DE OPERAÇÃO DA GERAÇÃO (COG) QUE CONTROLA 17 USINAS HIDRELÉTRICAS DO GRUPO CPFL ENERGIA Este case apresenta a aplicação do Elipse E3 para controlar

Leia mais

Termômetro Digital pt100 ITTM-917

Termômetro Digital pt100 ITTM-917 Termômetro Digital pt100 ITTM-917 CONTEÚDO 1. FUNÇÕES... 1 2. ESPECIFICAÇÕES... 1 2-1 Especificações Gerais...1 2-2 Especificações Elétricas... 2 3. DESCRIÇÃO DO PAINEL FRONTAL... 3 3-1 Display...3 3-2

Leia mais

DESAFIOS DA EXPANSÃO DA TRANSMISSÃO DO SISTEMA INTERLIGADO NACIONAL COM O AUMENTO DAS FONTES RENOVÁVEIS INTERMITENTES. Abril/2014

DESAFIOS DA EXPANSÃO DA TRANSMISSÃO DO SISTEMA INTERLIGADO NACIONAL COM O AUMENTO DAS FONTES RENOVÁVEIS INTERMITENTES. Abril/2014 DESAFIOS DA EXPANSÃO DA TRANSMISSÃO DO SISTEMA INTERLIGADO NACIONAL COM O AUMENTO DAS FONTES RENOVÁVEIS INTERMITENTES Abril/2014 Dificuldades no Processo de Implantação dos Empreendimentos de Transmissão

Leia mais

KPF08 e KPF-12. Controladores de Fator de Potência. [1] Introdução. [4] Grandezas medidas. [2] Princípio de funcionamento.

KPF08 e KPF-12. Controladores de Fator de Potência. [1] Introdução. [4] Grandezas medidas. [2] Princípio de funcionamento. [1] Introdução Controladores de fator de potência são instrumentos utilizados para medição e compensação de potência reativa em instalações elétricas. O fator de potência, definido pela razão entre potência

Leia mais

PRINCIPAIS PERTURBAÇÕES OCORRIDAS NO SISTEMA INTERLIGADO NACIONAL SÍNTESE GERENCIAL PERÍODO: SEMANA DE 24/07/2006 A 30/07/2006

PRINCIPAIS PERTURBAÇÕES OCORRIDAS NO SISTEMA INTERLIGADO NACIONAL SÍNTESE GERENCIAL PERÍODO: SEMANA DE 24/07/2006 A 30/07/2006 PRINCIPAIS PERTURBAÇÕES OCORRIDAS NO SISTEMA INTERLIGADO NACIONAL SÍNTESE GERENCIAL PERÍODO: SEMANA DE 24/07/2006 A 30/07/2006 RELATÓRIO ONS - 3/216/06 EMITIDO EM: 04/08/2006 PROCESSO: Análise de Perturbações

Leia mais

APÊNDICE B. Ensaio da Performance do Protótipo. MATRBDA-HAW560-75kW

APÊNDICE B. Ensaio da Performance do Protótipo. MATRBDA-HAW560-75kW APÊNDICE B Ensaio da Performance do Protótipo MATRBDA-HAW560-75kW 282 LABORATÓRIO DE ENSAIOS ELÉTRICOS - BAIXA TENSÃO WEG MÁQUINAS RELATÓRIO DE ENSAIO DE PROTÓTIPO MATRBDA 560 POTÊNCIA: 75KW / 25KW TENSÃO

Leia mais

Manual Módulo Vidro Elétrico NANO. www.softautomotiva.com.br

Manual Módulo Vidro Elétrico NANO. www.softautomotiva.com.br O Sistema para acionamento de vidros elétricos, foi projetado para promover o máximo de conforto e segurança para você e seu veículo. Utilizando um Microcontrolador de última geração e tecnologia SMT Surface

Leia mais

CR20PW. Manual do Usuário

CR20PW. Manual do Usuário CR20PW Manual do Usuário R Índice Termostato eletrônico com saída controlada CR20PW... 3 Descrição Geral... 3 Características Técnicas... 3 Modo de Operação... 4 Programação... 4 Esquema de ligações...

Leia mais

DIRETORIA TÉCNICA PLANEJAMENTO E ENGENHARIA DE AT E MT DECISÃO TÉCNICA DT-104/2010 R-03

DIRETORIA TÉCNICA PLANEJAMENTO E ENGENHARIA DE AT E MT DECISÃO TÉCNICA DT-104/2010 R-03 DIRETORIA TÉCNICA PLANEJAMENTO E ENGENHARIA DE AT E MT DECISÃO TÉCNICA /2010 R- FOLHA DE CONTROLE I APRESENTAÇÃO A presente Decisão Técnica R substitui a R02 e visa estabelecer instruções técnicas para

Leia mais

A Chave de partida compensadora é um dos métodos utilizados para reduzir a corrente de partida de motores trifásicos.

A Chave de partida compensadora é um dos métodos utilizados para reduzir a corrente de partida de motores trifásicos. INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SANTA CATARINA Campus Araranguá Curso: Eletromecânica Disciplina: Instalações Elétricas Local: Laboratório de Eletrotécnica Professor: Giovani Batista

Leia mais

3.3 SENSOR DE TEMPERATURA Sensor de temperatura: * Termo-resistência PT100: -50,0 a 200,0ºC.

3.3 SENSOR DE TEMPERATURA Sensor de temperatura: * Termo-resistência PT100: -50,0 a 200,0ºC. . CARACTERÍSTICAS O MVH é um controlador de temperatura microcontrolado versátil, dispondo de controle de temperatura PID, com sintonia automática, controle on-off, modo manual ou automático, alarmes configuráveis

Leia mais

67.22-4300 67.23-4300. 2 NA Distância entre contatos abertos 3 mm Montagem em circuito impresso. Vista do lado do cobre

67.22-4300 67.23-4300. 2 NA Distância entre contatos abertos 3 mm Montagem em circuito impresso. Vista do lado do cobre Série 67 - Relé de potência para PCI 50 SÉRIE 67 Características 67.22-4300 67.23-4300 Montagem em circuito (abertura 3 mm) 50 Relé de potência para PCI Versões com 2 e 3 contatos N, com dupla abertura

Leia mais

DIRETORIA DE OPERAÇÃO - DO

DIRETORIA DE OPERAÇÃO - DO ANEXO VI ESPECIFICAÇÃO DISPOSITIVOS ELETRÔNICOS INTELIGENTES A6. Dispositivos Eletrônicos Inteligentes IED s (Relés Microprocessados) A6.1 Introdução Esta especificação técnica tem como objetivo estabelecer

Leia mais

Catálogo de Produtos. Qualidade, tecnologia e baixo custo

Catálogo de Produtos. Qualidade, tecnologia e baixo custo Catálogo de Produtos Qualidade, tecnologia e baixo custo Índice Temporizador Termostato Termostato e Temporizador Controlador para Refrigeração Painel Eletrônico de LED Fluoreled Contador Indicador Universal

Leia mais

ST 160 ST 160 0 # Manual de Referência e Instalação

ST 160 ST 160 0 # Manual de Referência e Instalação ST 160 ST 160 1 2 3 4 5 6 7 8 9 0 # Manual de Referência e Instalação Descrições 1 1 2 3 4 5 6 7 8 9 0 # 3 2 Número Descrição 1 Indicador de modo 2 Antena 3 Matriz do Teclado 4 Parafuso Especificações

Leia mais

Manual; Módulo de Alarme com Sirene Piezo Elétrica Dedicada; Dois Transmissores com Bateria; Chicote de Potência.

Manual; Módulo de Alarme com Sirene Piezo Elétrica Dedicada; Dois Transmissores com Bateria; Chicote de Potência. COMPOSIÇÃO DO SISTEMA DE ALARME Manual; Módulo de Alarme com Sirene Piezo Elétrica Dedicada; Dois Transmissores com Bateria; Chicote de Potência. INFORMAÇÕES AO PROPRIETÁRIO 1. OPERAÇÕES BÁSICAS DO ALARME

Leia mais

4.3. Máquina de estados: São utilizados em sistemas de complexos, é de fácil transformação para ladder desde que não haja muitas ramificações.

4.3. Máquina de estados: São utilizados em sistemas de complexos, é de fácil transformação para ladder desde que não haja muitas ramificações. Parte 4 - Técnicas de programação (Lógica simples) INTRODUÇÃO Programar em ladder é muito simples, desde que ele tenha uma estrutura sob a qual o programa deve ser desenvolvido, ou seja, se deve ter um

Leia mais

Monitor de Nível de Óleo para Transformadores - MNO

Monitor de Nível de Óleo para Transformadores - MNO ELECTRON TECNOLOGIA DIGITAL LTDA Página 1/5 INTRODUÇÃO O Monitor de Nível de Óleo para Transformadores e reatores MNO, é um equipamento microprocessado de alta precisão que indica o nível de óleo em escala

Leia mais

Proteção ao circuitos elétricos Baixo custo Conformidade IEC 60947-2

Proteção ao circuitos elétricos Baixo custo Conformidade IEC 60947-2 Proteção ao circuitos elétricos Baixo custo Conformidade IEC 60947-2 Disjuntores FM101 - Linha de Disjuntores em Caixa moldada Disjuntores FM101 - Linha de Disjuntores em Caixa moldada Os disjuntores FM

Leia mais

GLOBUS SISTEMAS ELETRÔNICOS

GLOBUS SISTEMAS ELETRÔNICOS 89 mm 3, 8 mm Controlador Tipo para Instalação em Painel, com Teclado e Características Principais O é um controlador desenvolvido para acionamento, controle de temperatura e degelo e supervisão de defeitos,

Leia mais

Realizar Novas Ligações. Executar Ligação AT. HISTÓRICO DE MODIFICAÇÕES Edição Data Alterações em relação à edição anterior

Realizar Novas Ligações. Executar Ligação AT. HISTÓRICO DE MODIFICAÇÕES Edição Data Alterações em relação à edição anterior Paralelismo Momentâneo de Gerador com o Sistema de Distribuição com Processo Atividade Realizar Novas Ligações Executar Ligação AT Código Edição Data SM04.08-00.005 2ª Folha 1 DE 10 11/11/2010 HISTÓRICO

Leia mais

3.4 ENTRADA DIGITAL * 1 entrada digital, para acionamento do stand-by.

3.4 ENTRADA DIGITAL * 1 entrada digital, para acionamento do stand-by. . EECIFICAÇÕES. NÍVEL DE PROGRAMAÇÃO MANUAL DE INSTRUÇÕES CONTROLADOR DE TEMPERATURA MVHN - 0~0Vca - P7 VERSÃO. - JULHO/0. GERAIS * Sintonia automática dos parâmetros PID. * Display s a led s vermelhos

Leia mais

MANUAL DE OPERAÇÃO CAIXA DE CALIBRAÇÃO DE RELÉS MODELO: HMCCR-100

MANUAL DE OPERAÇÃO CAIXA DE CALIBRAÇÃO DE RELÉS MODELO: HMCCR-100 MANUAL DE OPERAÇÃO CAIXA DE CALIBRAÇÃO DE RELÉS MODELO: HIGHMED SOLUÇÕES EM TECNOLOGIA DE MEDIÇÃO LTDA Av Vila Ema, 3863 Conj 4 Vila Ema São Paulo SP CEP: 032.81-001 PABX: (11) 2717-7760 Email: vendas@highmed.com.br

Leia mais

PRINCIPAIS PERTURBAÇÕES OCORRIDAS NO SISTEMA INTERLIGADO NACIONAL SÍNTESE GERENCIAL PERÍODO: SEMANA DE 13/10/2008 A 19/10/2008

PRINCIPAIS PERTURBAÇÕES OCORRIDAS NO SISTEMA INTERLIGADO NACIONAL SÍNTESE GERENCIAL PERÍODO: SEMANA DE 13/10/2008 A 19/10/2008 PRINCIPAIS PERTURBAÇÕES OCORRIDAS NO SISTEMA INTERLIGADO NACIONAL SÍNTESE GERENCIAL PERÍODO: SEMANA DE 13/10/2008 A 19/10/2008 RELATÓRIO ONS - 3/221/08 EMITIDO EM: 24/10/2008 1 PROCESSO: Análise de Perturbações

Leia mais

Nobreak. 160 e 300 kva. senoidal on-line trifásico PERFIL PROTEÇÕES

Nobreak. 160 e 300 kva. senoidal on-line trifásico PERFIL PROTEÇÕES Nobreak senoidal on-line trifásico dupla convers o 60 a 300 kva 60 kva de 80 a 120 kva 160 e 300 kva PERFIL Os nobreaks on-line de dupla conversão da linha Gran Triphases foram desenvolvidos com o que

Leia mais

TRANSFORMADOR A SECO Geafol de 75 a 25.000 kva

TRANSFORMADOR A SECO Geafol de 75 a 25.000 kva Com a linha Geafol, obteve-se um transformador com excelentes características elétricas, mecânicas e térmicas que, adicionalmente, ainda é ecológico. São produzidos sob certificação DQS, ISO 9001 e ISO

Leia mais

Máx Unid Padrão. Mín 1 / 0.1 0/0 0/0 0/0 0/0 100 / 6.9 100 / 6.9 100 / 6.9 999 150.0 / 302 5.0/9 2 -50.0 / -58 0.1/1 1 / 0.

Máx Unid Padrão. Mín 1 / 0.1 0/0 0/0 0/0 0/0 100 / 6.9 100 / 6.9 100 / 6.9 999 150.0 / 302 5.0/9 2 -50.0 / -58 0.1/1 1 / 0. PCT6 plus CONTROLADOR DIGITAL DE PRESSÃO PARA CENTRAIS DE REFRIGERAÇÃO Ver. PCT6VT74. DESCRIÇÃO O PCT6 plus é um controlador de pressão para ser utilizado em centrais de refrigeração que necessitem de

Leia mais

CARACTERÍSTICAS E MODOS DE FUNCIONAMENTO MODOS DE OPERAÇÃO DOS BOTÕES PROTEÇÃO ANTIESMAGAMENTO MODO FAIL

CARACTERÍSTICAS E MODOS DE FUNCIONAMENTO MODOS DE OPERAÇÃO DOS BOTÕES PROTEÇÃO ANTIESMAGAMENTO MODO FAIL CARACTERÍSTICAS E MODOS DE FUNCIONAMENTO Os módulos da linha TOTALSAFE PRO foram desenvolvidos para agregar além de conforto, segurança total na automação dos vidros elétricos. Essa linha de produtos oferece

Leia mais

Submódulo 2.6. Requisitos mínimos para os sistemas de proteção e de telecomunicações

Submódulo 2.6. Requisitos mínimos para os sistemas de proteção e de telecomunicações Submódulo 2.6 Requisitos mínimos para os sistemas de proteção e de telecomunicações Rev. Nº. Motivo da revisão Data de aprovação pelo ONS Data e instrumento de aprovação pela ANEEL 0.0 Este documento foi

Leia mais

INFORMATIVO DE PRODUTO

INFORMATIVO DE PRODUTO Temporizador Automático / Relógio Programador de Horário Para Acionamento Automático de Sirenes e Outros Equipamentos Código: AFKITPROG 2 O REGISTRADOR ELETRÔNICO DE PONTO REP O Relógio Acionador Automático

Leia mais

OCUPAÇÃO 19 DESCRITIVO TÉCNICO. Data de Aprovação:18/12/2003 Data de Revisão: Dezembro de 2005

OCUPAÇÃO 19 DESCRITIVO TÉCNICO. Data de Aprovação:18/12/2003 Data de Revisão: Dezembro de 2005 DESCRITIVO TÉCNICO OCUPAÇÃO 19 Data de Aprovação:18/12/2003 Data de Revisão: Dezembro de 2005 A Comissão de Diretores do SENAI Coordenadora das Olimpíadas do Conhecimento determina, de acordo com as normas

Leia mais

Esquema de Rejeição de Cargas Flexível e de Alta Velocidade Usando Crosspoint Switches

Esquema de Rejeição de Cargas Flexível e de Alta Velocidade Usando Crosspoint Switches Esquema de Rejeição de Cargas Flexível e de Alta Velocidade Usando Crosspoint Switches Will Allen e Tony Lee, Schweitzer Engineering Laboratories Resumo Os sistemas de rejeição de cargas industriais devem

Leia mais

POWERTRANS ELETRÔNICA INDUSTRIAL LTDA MANUAL DE INSTALAÇÃO, OPERAÇÃO E PARAMETRIZAÇÃO DO CONVERSOR AC/DC

POWERTRANS ELETRÔNICA INDUSTRIAL LTDA MANUAL DE INSTALAÇÃO, OPERAÇÃO E PARAMETRIZAÇÃO DO CONVERSOR AC/DC MANUAL DE INSTALAÇÃO, OPERAÇÃO E PARAMETRIZAÇÃO DO CONVERSOR AC/DC RETIFICADOR CONVERSOR AC/DC - NUM. SÉRIE... - CORRENTE NOMINAL... - TENSÃO AC DE BARRAMENTO... - TENSÃO AUXILIAR... Cliente: Projeto:

Leia mais

Os fusíveis NH e Diazed são dotados de características de limitação de corrente. Assim, para

Os fusíveis NH e Diazed são dotados de características de limitação de corrente. Assim, para 5 Proteção e Coordenação Dimensionamento da Proteção 36 Fusível NH Zonasde Atuação 224 A Fusível NH Zonasde Atuação 355 A 5 Proteção e Coordenação Dimensionamento da Proteção 37 5 Proteção e Coordenação

Leia mais

Autores: Luis Fabiano dos Santos, Odair Tolardo, Anderson S. Nogueira

Autores: Luis Fabiano dos Santos, Odair Tolardo, Anderson S. Nogueira Esquema de Rejeição de Cargas Inteligente com Funcionalidade Distribuída Utilizando Recursos da Norma IEC61850 Autores: Luis Fabiano dos Santos, Odair Tolardo, Anderson S. Nogueira Apresentado por: Maurício

Leia mais

Permanente Flexível Rotina computacional

Permanente Flexível Rotina computacional Número do SEP Categoria do esquema Corte de carga. Empresa responsável COPEL Status Habilitado Nome Emissão: 21/05/2010 2.12.01 Esquema regional de alívio de carga por subtensão. Região principal Finalidade

Leia mais