DIRETORIA TÉCNICA PLANEJAMENTO E ENGENHARIA DE AT E MT DECISÃO TÉCNICA DT-104/2010 R-03

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "DIRETORIA TÉCNICA PLANEJAMENTO E ENGENHARIA DE AT E MT DECISÃO TÉCNICA DT-104/2010 R-03"

Transcrição

1 DIRETORIA TÉCNICA PLANEJAMENTO E ENGENHARIA DE AT E MT DECISÃO TÉCNICA /2010 R-

2 FOLHA DE CONTROLE

3 I APRESENTAÇÃO A presente Decisão Técnica R substitui a R02 e visa estabelecer instruções técnicas para projeto e instalação de grupos geradores particulares, objetivando assegurar condições técnicas e de segurança adequadas. Elaboração: José Deusimar Ferreira Normas e Procedimentos : Raquel Santos Gondim Normas e Procedimentos Equipe de Consenso: Antônio Ribamar Melo Filgueira Eudes Barbosa de Medeiros Marcus Superbus de Medeiros Roberto Sampaio Junior Normas e Procedimentos Planejamento da Operação Planejamento da Operação Planejamento e Controle da Manutenção de Linhas AT, MT e SE Apoio: Pedro Paulo Menezes Neto Sandra Lúcia Alenquer da SIlva Normas e Procedimentos Normas e Procedimentos

4 II S U M Á R I O 1 OBJETIVO REFERÊNCIAS NORMATIVAS CAMPO DE APLICAÇÃO TERMINOLOGIA DISPOSIÇÕES GERAIS GERADORES COM INTERRUPÇÃO NA TRANSFERÊNCIA DE CARGAS GERADORES SEM INTERRUPÇÃO NA TRANSFERÊNCIA DE CARGAS (SISTEMA DE TRANSFERÊNCIA EM RAMPA) PROCEDIMENTOS RECOMENDAÇÕES DE SEGURANÇA INSTALAÇÃO DO GRUPO GERADOR GERADORES COM INTERRUPÇÃO NA TRANSFERÊNCIA DE CARGAS Intertravamento Proteção Apresentação do Projeto GERADORES SEM INTERRUPÇÃO NA TRANSFERÊNCIA DE CARGAS (SISTEMA DE TRANSFERÊNCIA EM RAMPA) Intertravamento Proteção Apresentação do Projeto Acordo Operacional Acordo Operativo Verificação final ÓRGÃO EMITENTE E RESPONSÁVEL DISTRIBUIÇÂO...5 ANEXOS ANEXO A - TERMO DE RESPONSABILIDADE POR OPERAÇÃO DE GRUPO GERADOR...6 ANEXO B MODELO DE ACORDO OPERACIONAL...7 ANEXO C DIRETRIZES PARA O ACORDO OPERATIVO...11 DESENHO / FOLHA 1/2 DIAGRAMA UNIFILAR GERADOR CONECTADO NA BT...12 DESENHO / FOLHA 2/2 DIAGRAMA UNIFILAR GERADOR CONECTADO NA MT...13 DESENHO / FOLHA 1/2 DIAGRAMA UNIFILAR PRÉDIO DE MÚLTIPLAS UNIDADES CONSUMIDORAS TIPO 1 - GERADOR CONECTADO NA BT DESENHO / FOLHA 2/2 DIAGRAMA UNIFILAR PRÉDIO DE MÚLTIPLAS UNIDADES CONSUMIDORAS TIPO 2 - GERADOR CONECTADO NA BT DESENHO 104. / FOLHA 1/2 DIAGRAMA UNIFILAR SISTEMA DE TRANSFERÊNCIA EM RAMPA GERADOR CONECTADO NA MT DESENHO 104. / FOLHA 1/2 DIAGRAMA UNIFILAR SISTEMA DE TRANSFERÊNCIA EM RAMPA GERADOR CONECTADO NA BT... 17

5 1/17 1 OBJETIVO Estabelecer instruções técnicas para projeto e instalação de grupos geradores particulares, objetivando assegurar condições técnicas e de segurança adequadas. 2 REFERÊNCIAS NORMATIVAS 2.1 Ministério do Trabalho e Emprego NR 20, Líquidos Combustíveis e Inflamáveis. 2.2 Aneel Resolução da ANEEL Nº 456, de 29 de novembro de 2000 Estabelece as disposições atualizadas e consolidadas, relativas as Condições Gerais de Fornecimento de Energia Elétrica, a serem observadas na prestação e utilização do serviço público de energia elétrica, tanto pelas concessionárias e permissionárias quanto pelos consumidores. 3 CAMPO DE APLICAÇÃO Esta Decisão Técnica se aplica as unidades consumidoras e projetistas que pretendem realizar a instalação de grupos gerados particulares. 4 TERMINOLOGIA 4.1 Acordo operativo (AO) Acordo, celebrado entre as partes, que descreve e define as atribuições, responsabilidades e o relacionamento técnico-operacional do ponto de conexão e instalações de conexão, quando o caso, e estabelece os procedimentos necessários ao Sistema de Medição para Faturamento - SMF. 4.2 Intertravamento Conexão mecânica, elétrica, eletromecânica ou eletrônica que relaciona dois mecanismos, tornandoos interdependentes, ou seja, a liberação da operação de um mecanismo depende de condições predeterminadas de outro e vice-versa. Aplicam-se as operações de chaves de manobras dos sistemas elétricos, onde a possibilidade do fechamento de uma está condicionada a condição prévia da abertura de outra chave e vice-versa. Não atendida esta condição o sistema trava, impedindo a operação e, evitando-se manobras indesejáveis. 4.3 Operação em Rampa Transferência de carga de modo gradativo entre a Coelce e um gerador de consumidor ou viceversa. 4.4 Paralelismo Momentâneo Operação em paralelo de um gerador de consumidor com a rede da Coelce, por tempo limitado para permitir a transferência de carga da Coelce para o gerador ou vice-versa. 4.5 Ponto de Conexão Conjunto de equipamentos que se destina a estabelecer a conexão na fronteira entre as instalações da Coelce e do acessante. 4.6 Ponto de Entrega Ponto de conexão do sistema elétrico da concessionária com as instalações elétricas da unidade consumidora, caracterizando-se como o limite de responsabilidade do fornecimento.

6 2/17 5 DISPOSIÇÕES GERAIS 5.1 Geradores com Interrupção na Transferência de Cargas Para instalação de grupo gerador particular, em unidades consumidoras atendidas pelo sistema da Coelce, deve ser obrigatoriamente apresentado projeto para análise pela mesma Não será permitido o paralelismo entre os geradores e o sistema elétrico da Coelce Quando um grupo gerador suprir os mesmos circuitos alimentados pela Coelce em regime normal deve ser exigida uma chave com intertravamento mecânico ou eletromecânico visível, capaz de evitar o paralelismo do grupo gerador com o sistema da Coelce A energia elétrica proveniente do gerador não pode causar nenhuma interferência na medição da Coelce O gerador deve ser instalado na baixa tensão. Caso seja necessário a instalação na média tensão deve ser utilizado transformador(es) elevador(es). 5.2 Geradores sem interrupção na Transferência de Cargas (Sistema de Transferência em Rampa) No Sistema de Transferência em Rampa, no qual as cargas são transferidas do sistema elétrico da Coelce para o grupo gerador e vice-versa de forma ininterrupta, é permitido o paralelismo momentâneo entre o grupo gerador e o sistema elétrico da Coelce, garantindo um tempo máximo de 15s de paralelismo A energia fornecida por duas fontes distintas deve ser supervisionada por uma Unidade de Supervisão, Controle e Proteção, com o objetivo de supervisionar o sincronismo, controlar, e proteger o sistema de possíveis defeitos no grupo gerador A energia elétrica proveniente do gerador não pode causar nenhuma interferência na medição da Coelce Caso o consumidor seja alimentado em MT, o proprietário deve assinar um acordo operacional conforme modelo do Anexo B Caso o consumidor seja alimentado em AT, deve ser assinado um acordo operativo, conforme diretrizes do Anexo C, a Coelce e o proprietário O gerador deve ser instalado na baixa tensão. Caso seja necessário a instalação na média tensão deve ser utilizado transformador(es) elevador(es). 6 PROCEDIMENTOS 6.1 Recomendações de Segurança Os grupos geradores devem ser operados apenas por pessoal qualificado É de total responsabilidade do proprietário do grupo gerador qualquer problema que venha a ocorrer e que possa ocasionar danos a pessoas ou bens, inclusive ao funcionamento do sistema elétrico da Coelce Todas as caixas e dutos até a medição devem ser selados A cabine onde está localizado o gerador não deve servir de depósito nem deve ser utilizado para guardar qualquer tipo de material Na porta da cabine do gerador dever ter uma placa de advertência visível, indicando perigo O grupo gerador não pode ser utilizado para atender mais de um cliente ou a um só cliente quando este possuir mais de um ponto de entrega, independente do nível de tensão em ambos os casos.

7 3/ Para armazenamento e utilização dos combustíveis a serem utilizados no grupo gerador devem ser observadas as recomendações da Norma Regulamentadora Nº 20, do Ministério do Trabalho e Emprego. 6.2 Instalação do Grupo Gerador O grupo gerador deve ficar em área segura e fisicamente separada do recinto onde estão instalados os equipamentos da subestação, caso haja A localização do grupo gerador deve ser em local apropriado com ventilação natural ou forçada e iluminação adequada, devendo ser instalado em espaço livre suficiente para facilitar a sua operação e manutenção. 6.3 Geradores com Interrupção na Transferência de Cargas Intertravamento Devem ser observadas as seguintes condições: a) O intertravamento deve ser visível, devendo ser mecânico ou eletromecânico. b) Não é permitido o emprego exclusivo de intertravamento elétrico. c) Ver exemplo de intertravamento nos desenhos , Proteção Devem ser observadas as seguintes condições: a) A proteção deve ser feita através de disjuntor tripolar conforme desenhos e ; b) O consumidor deve instalar uma Unidade de Supervisão de Corrente Alternada USCA; c) A USCA deve possuir, no mínimo, as seguintes funções de proteção: 27: subtensão; 27N: subtensão de neutro; 46: desequilíbrio de corrente de fase. 59: sobretensão; 59N: sobretensão de neutro. d) Os ajustes das funções de proteção, para este tipo de geração, são de responsabilidade do cliente Apresentação do Projeto O projeto deve ser apresentado, em vias, para análise pela Coelce, contendo no mínimo: a) Uma via da ART Anotação de Responsabilidade Técnica, emitida pelo Conselho Regional de Engenharia, Arquitetura e Agronomia - CREA; b) Plantas com cortes e detalhes da cabine do gerador; c) Diagrama unifilar elétrico e funcional, contendo detalhes do intertravamento e da proteção, não sendo necessário a apresentação dos ajustes das funções de proteção para análise; d) Detalhes do sistema de aterramento; e) Termo de Responsabilidade por Operação de Grupo Gerador, assinado pelo proprietário; f) Memorial descritivo contendo no mínimo: Caracterização da(s) Unidade(s) Consumidora(s) com a atividade nela exercida; Discriminação das cargas a serem atendidas pelo grupo gerador; Cálculo da demanda das cargas essenciais; Detalhe do tanque de contenção do óleo combustível segundo a NR-20; Informar o volume do tanque de óleo combustível;

8 4/17 Dimensionamento dos condutores; Características do grupo gerador como: Potência aparente em kva, Tensão nominal em Volts, Número de fases, Freqüência, Autonomia em horas, etc. 6.4 Geradores sem Interrupção na Transferência de Cargas (Sistema de Transferência em Rampa) Intertravamento Devem ser observadas as seguintes condições: a) O intertravamento deve ser elétrico e possuir as proteções indicadas no item 6.4.2; b) Ver exemplo de intertravamento no desenho Proteção Devem ser observadas as seguintes condições: a) A proteção deve ser feita através de disjuntor tripolar com relés contendo funções 50/51, 50/51N, 67 e 67N, conforme desenho 104.; b) Deve possuir um transformador de acoplamento, em caso de intertravamento na MT, conforme Desenho 104., Folha 1; c) Deve possuir uma unidade de supervisão, controle e proteção do sistema. Esta unidade deve fazer a verificação do sincronismo entre o grupo gerador e o sistema Coelce referente à freqüência (60Hz) e tensão (módulo e ângulo), e executar a transferência de cargas de forma automática; d) A Unidade de Supervisão de Corrente Alternada USCA deve conter, no mínimo, as seguintes funções de proteção: 25: sincronismo; 27: subtensão; 27N: subtensão de neutro; 46: desequilíbrio de corrente de fase; 47: desequilíbrio de tensão; 50/51: sobrecorrente instantânea e temporizada de fase; 50/51N: sobrecorrente instantânea e temporizada de neutro; 59: sobretensão; 59N: sobretensão de neutro; 67: sobrecorrente direcional; 67N: sobrecorrente direcional de neutro; 81 O/U: sobrefrequência e subfrequência. Funções opcionais podem ser instaladas na USCA, a critério do cliente ou por solicitação da Coelce, são elas as seguintes: 32: direcional de Potência; 51V: sobrecorrente com restrição de tensão; 62: temporizador. e) As funções exigidas no item anterior, com exceção das funções 25 e 27, podem ser instaladas no disjuntor geral em substituição a USCA com prévia análise da Coelce. f) No caso de falta de fornecimento de energia elétrica pelo sistema elétrico da Coelce, o tempo de entrada do gerador em funcionamento deve ser superior a 90 segundos.

9 5/ Apresentação do Projeto O projeto deve ser apresentado, em 2 vias, para análise pela Coelce, contendo no mínimo: a) Uma via da ART Anotação de Responsabilidade Técnica, emitida pelo Conselho Regional de Engenharia, Arquitetura e Agronomia - CREA; b) Plantas com cortes e detalhes da cabine do gerador; c) Diagrama unifilar elétrico e funcional, contendo detalhes do intertravamento e da proteção; d) Detalhes do sistema de aterramento; e) Cálculo da proteção e ajustes do relé; f) Manual do gerador; g) Memorial descritivo contendo no mínimo: Caracterização da(s) Unidade(s) Consumidora(s) com a atividade nela exercida; Discriminação das cargas a serem atendidas pelo grupo gerador; Cálculo da demanda das cargas essenciais; Dimensionamento dos condutores; Detalhe do tanque de contenção do óleo combustível segundo a NR-20; Informar o volume do tanque de óleo combustível; Características do grupo gerador como: Potência aparente em kva, Tensão nominal em Volts, Número de fases, Freqüência, Autonomia em horas, impedância do gerador. NOTA: Para consumidores Grupo B e prédios de múltiplas unidades consumidoras, não é permitida a instalação de grupos geradores com sistema de transferência em rampa Acordo Operacional O consumidor alimentado em baixa ou média tensão que for realizar a instalação de grupo gerador com sistema de transferência de carga sem interrupção, deve firmar um Acordo Operacional com a Coelce, conforme modelo do Anexo B Acordo Operativo O consumidor alimentado em alta tensão que for realizar a instalação de grupo gerador com sistema de transferência em rampa deve firmar um Acordo Operativo com a Coelce, conforme diretrizes do Anexo C Verificação final Antes da colocação em serviço do grupo gerador, deve ser feita inspeção pela Coelce, a fim de verificar se a obra foi executada de acordo com o projeto. A responsabilidade dessa verificação é da área que executa a ligação do cliente. 7 ÓRGÃO EMITENTE E RESPONSÁVEL Área de Normas e Procedimentos 8 DISTRIBUIÇÂO Diretorias: Técnica / Comercial Áreas: Planejamento de Engenharia de AT e MT / Distribuição Fortaleza e Metropolitana / Distribuição Norte / Distribuição Sul / Operação Técnica / Perdas / Grandes Clientes / Serviços ao Cliente

10 6/17 Anexo A - Termo de Responsabilidade por Operação de Grupo Gerador A inscrita no CNPJ/CPF com sede / residência a Rua/Av. na cidade, conectada ao sistema de distribuição em kv, neste ato representada pelo(a) Sr.(a) abaixo assinado, residente a Rua/Av. cidade de se compromete a operar corretamente de forma que o grupo gerador não fique em paralelo com o Sistema da Coelce em nenhum momento, assumindo total responsabilidade por qualquer acidente que possa ocorrer devido a uma possível energização da Rede de Energia Elétrica da Coelce pelo gerador de sua propriedade. E por estar de acordo com o teor do presente termo, o assino com mais duas testemunhas, para que produza seus efeitos legais., de de NOME: CPF: TESTEMUNHAS: NOME: CPF: NOME: CPF:

11 7/17 Anexo B Modelo de Acordo Operacional 1 OBJETIVO Este anexo tem por objetivo descrever as condições técnicas e operacionais que deverão existir entre a Coelce e a, bem como as demais disposições referentes à comunicação de interrupção de fornecimento, qualidade de energia e as proteções associadas a serem adotadas. 2 CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS 2.1. Local da instalação: 2.2. Forma de Fornecimento: Conectada a barra de 69kV da SED. Alimentador 13,8kV pertencente a SED Potência do gerador: kva 2.4. Tensão de geração: / V 2.5 Impedância do Gerador 2.6. Transformador de acoplamento: kva 2.7. Potência instalada: kva 2.8. Regime de operação: Horário de Ponta ( às hs) e na falta de fornecimento de energia; 2.9. Fator de potência médio: 0, Freqüência de Operação: 60Hz 3 PROTEÇÃO 3.1 A deverá proteger suas instalações internas contra quaisquer falhas que possam ocorrer no sistema elétrico da Coelce; 3.2 Na sincronização do gerador com o sistema elétrico da Coelce, e posterior tempo de absorção da carga em rampa, o tempo para absorção das cargas deverá ser no máximo de 15 segundos, de acordo com os dados fornecidos pelo fabricante; 3.3 Na sincronização do gerador com o sistema elétrico da Coelce, e posterior tempo de transferência de carga para a Coelce, o tempo para transferência das cargas deverá ser no máximo de 15 segundos, de acordo com os dados fornecidos pela fabricante; 3.4 O Sistema de Proteção deverá permanecer devidamente ajustado e coordenado, de tal forma que o sistema não trabalhe em paralelo com o sistema da Coelce, a menos do tempo máximo de 15 segundos, configuração padrão adotada pelo fabricante; 3.5 No caso de falta de fornecimento de energia elétrica pelo sistema elétrico da Coelce, tempo mínimo para que o gerador receba o comando para entrar é 90 segundos; 3.6 O grupo gerador deverá absorver o limite de cargas, de acordo com a sua capacidade de alimentação; 3.7 A não poderá fazer alteração nos ajustes do (Sistema de Supervisão, Controle e Proteção para o Grupo Gerador), os quais

12 8/17 foram analisados pela Coelce. Caso ocorra alguma necessidade de alteração nos ajustes a deverá enviar a proposta à Coelce para nova análise. 3.8 A não poderá fazer alteração no ajuste dos relés microprocessados associados aos disjuntores do lado da rede (CRD) e do lado do gerador (GRD) descritos abaixo, os quais foram analisados pela Coelce. Caso ocorra alguma necessidade de alteração nos ajustes a deverá enviar a Coelce para nova análise. AJUSTES DOS RELÉS Disjuntor Geral dos Grupos Geradores: Modelo A / kv Potência de geração : kva / kv. I nominal = A I máxima = A Ajuste da função 51(I>) Sobrecorrente: Ajuste da função 50(I>>) Curto circuito temporizado: Ajuste da função 50(I>>>) Curto circuito instantâneo: Ajuste da função 51N(Io>) Fuga á terra: Disjuntor de Rede Modelo A / kv. Demanda máxima kva / kv. I máximo = A Ajuste da função 51(I>) Sobrecorrente. Ajuste da função 50(I>>) Curto circuito temporizado. Ajuste da função 50(I>>>) Curto circuito instantâneo. Ajuste da função 51N(Io>) Fuga á terra. Supervisão de Sobrecorrente 100,00 Tempo de disparo 10,00 1,00 1 1,1 1,2 1,3 1,4 1,5 1,6 1,7 1,8 1,9 2 I / Inom

13 9/17 4 INSTRUÇÕES OPERACIONAIS 4.1 Notificações e Comunicações Salvo se de outra forma expressamente prevista neste acordo, qualquer notificação ou comunicação de outra natureza, enviada ou efetuada nos termos deste instrumento deverá ser por escrito Todas as notificações ou comunicações de natureza não operacional deverão ser enviadas para o seguinte endereço: Coelce Relacionamento com Grandes Clientes NOME: ENDEREÇO: Rua Padre Valdevino, 150 TELEFONE: (85) EMPRESA NOME: ENDEREÇO: TELEFONE: O destinatário principal, o endereço e o número de telefone de cada uma das partes, para os fins de comunicação operacional são os seguintes: COELCE Operação Redes AT/MT NOME: ENDEREÇO: Rua Padre Valdevino, 150 TELEFONE: (085) EMPRESA NOME: ENDEREÇO: TELEFONE:

14 10/ Cada uma das partes deverá notificar às demais a sua mudança de nome do destinatário principal, endereço e número de telefone, sempre que esta mudança for conveniente para as partes A Coelce poderá solicitar à, a qualquer momento, quaisquer outras informações técnicas operacionais que possam, de uma forma ou de outra, serem necessárias aos estudos do sistema elétrico da Coelce Os índices de qualidade de fornecimento de energia da Coelce aos seus consumidores, não devem ser perturbados devido à operação do gerador da Caso haja comprovação que o gerador está interferindo na qualidade de serviço da Coelce, a deverá tomar providências para corrigir as falhas sob pena de não poder operar o equipamento, de acordo com o Artigo 17 da Resolução 456 da ANEEL Quaisquer danos causados a terceiros ou ao sistema da Coelce por operação indevida das instalações do consumidor serão de inteira responsabilidade do mesmo. Local, data Proprietário: CPF: Representante Coelce

15 11/17 Anexo C Diretrizes para o Acordo Operativo 1 Objetivo 2 Estrutura de Operação 3 Meios de Comunicação 4 Conexão do Consumidor ao Sistema da Distribuidora 5 Proteção 6 Planejamento e Programação da Operação 7 Interligação 10 Suspensão do Fornecimento 11 Medição de Faturamento 12 Fluxo de Informações 13 Procedimentos Operacionais 14 Acesso para Execução de Atividades no Ponto de Entrega/Conexão

16

17

18

19

20

21

DECISÃO TÉCNICA DT-104/2015 R-04

DECISÃO TÉCNICA DT-104/2015 R-04 DIRETORIA TÉCNICA PLANEJAMENTO E ENGENHARIA DA REDE /2015 DECISÃO TÉCNICA /2015 R- FOLHA DE CONTROLE I APRESENTAÇÃO A presente Decisão Técnica R- substitui a R-03 e visa estabelecer instruções técnicas

Leia mais

REQUISITOS MÍNIMOS PARA INSTALAÇÃO DE GERADOR POR PARTICULARES

REQUISITOS MÍNIMOS PARA INSTALAÇÃO DE GERADOR POR PARTICULARES REQUISITOS MÍNIMOS PARA INSTALAÇÃO DE GERADOR POR PARTICULARES NTD-22 CONTROLE DE VERSÕES NTD 22- REQUISITOS MÍNIMOS PARA INSTALAÇÃO DE GERADOR POR PARTICULARES Nº.: DATA VERSÃO 01 04/2010 Original INDICE

Leia mais

NT 6.005. Nota Técnica. Diretoria de Planejamento e Engenharia Gerência de Engenharia. Felisberto M. Takahashi Elio Vicentini. Preparado.

NT 6.005. Nota Técnica. Diretoria de Planejamento e Engenharia Gerência de Engenharia. Felisberto M. Takahashi Elio Vicentini. Preparado. NT.005 Requisitos Mínimos para Interligação de Gerador de Consumidor Primário com a Rede de Distribuição da Eletropaulo Metropolitana com Paralelismo Momentâneo Nota Técnica Diretoria de Planejamento e

Leia mais

Realizar Novas Ligações. Executar Ligação AT. HISTÓRICO DE MODIFICAÇÕES Edição Data Alterações em relação à edição anterior

Realizar Novas Ligações. Executar Ligação AT. HISTÓRICO DE MODIFICAÇÕES Edição Data Alterações em relação à edição anterior Paralelismo Momentâneo de Gerador com o Sistema de Distribuição com Processo Atividade Realizar Novas Ligações Executar Ligação AT Código Edição Data SM04.08-00.005 2ª Folha 1 DE 10 11/11/2010 HISTÓRICO

Leia mais

PROCEDIMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO Título PARALELISMO MOMENTÂNEO DE GERADOR COM O SISTEMA PRIMÁRIO DE DISTRIBUIÇÃO ATÉ 25 kv, COM OPERAÇÃO EM RAMPA

PROCEDIMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO Título PARALELISMO MOMENTÂNEO DE GERADOR COM O SISTEMA PRIMÁRIO DE DISTRIBUIÇÃO ATÉ 25 kv, COM OPERAÇÃO EM RAMPA PROCEDIMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO Título PARALELISMO MOMENTÂNEO DE GERADOR COM O SISTEMA PRIMÁRIO DE DISTRIBUIÇÃO ATÉ 25 kv, COM OPERAÇÃO EM RAMPA Código NTD-00.024 Data da emissão 05.11.2009 Data da última

Leia mais

NT 6.010. Nota Técnica. Diretoria de Planejamento e Engenharia Gerência de Engenharia. Elio Vicentini Ermínio Belvedere João Martins.

NT 6.010. Nota Técnica. Diretoria de Planejamento e Engenharia Gerência de Engenharia. Elio Vicentini Ermínio Belvedere João Martins. NT 6.010 Requisitos Mínimos Para Interligação de Gerador de Consumidor Secundário com a Rede de Distribuição da Eletropaulo Metropolitana com Paralelismo Momentâneo Nota Técnica Diretoria de Planejamento

Leia mais

NORMA DE DISTRIBUIÇÃO UNIFICADA NDU - 020

NORMA DE DISTRIBUIÇÃO UNIFICADA NDU - 020 NORMA DE DISTRIBUIÇÃO UNIFICADA NDU - 020 EXIGÊNCIAS MÍNIMAS PARA INTERLIGAÇÃO DE GERADOR DE CONSUMIDOR PRIMÁRIO COM A REDE DE DISTRIBUIÇÃO DA ENERGISA COM PARALELISMO MOMENTÂNEO SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO...

Leia mais

3.3 Operação em Rampa Transferência de carga de modo gradativo entre a Distribuidora e um gerador de consumidor ou vice-versa.

3.3 Operação em Rampa Transferência de carga de modo gradativo entre a Distribuidora e um gerador de consumidor ou vice-versa. O SISTEMA DE DISTRIBUIÇÃO, COM OPERAÇÃO Processo: PROJETO E CONSTRUÇÃO Subprocesso: INSTALAÇÃO ELÉTRICA DE CONSUMIDOR PCI.00.05 1/9 Primeira 1. OBJETIVO Estabelecer os critérios e requisitos necessários

Leia mais

NOTA TÉCNICA 6.008. Página 1 de 24. Diretoria de Planejamento e Engenharia. Gerência de Planejamento do Sistema. Gerência da Distribuição

NOTA TÉCNICA 6.008. Página 1 de 24. Diretoria de Planejamento e Engenharia. Gerência de Planejamento do Sistema. Gerência da Distribuição Página 1 de 4 NOTA TÉCNICA 6.008 REQUISITOS MÍNIMOS PARA INTERLIGAÇÃO DE GERADOR PARTICULAR COM A REDE DE DISTRIBUIÇÃO DA AES ELETROPAULO UTILIZANDO SISTEMA DE TRANSFERÊNCIA AUTOMÁTICA COM INTERRUPÇÃO

Leia mais

Edição Data Alterações em relação à edição anterior. Nome dos grupos

Edição Data Alterações em relação à edição anterior. Nome dos grupos Instalação de Geradores Particulares em Baixa Tensão Processo Realizar Novas Ligações Atividade Executar Ligações BT Código Edição Data SM04.14-01.007 2ª Folha 1 DE 6 18/08/2009 HISTÓRICO DE MODIFICAÇÕES

Leia mais

NORMA DE DISTRIBUIÇÃO UNIFICADA NDU 019

NORMA DE DISTRIBUIÇÃO UNIFICADA NDU 019 NORMA DE DISTRIBUIÇÃO UNIFICADA NDU 019 EXIGÊNCIAS MÍNIMAS PARA INTERLIGAÇÃO DE GERADOR DE CONSUMIDOR PRIMÁRIO COM A REDE DE DISTRIBUIÇÃO DA ENERGISA COM PARALELISMO PERMANENTE SUMÁRIO 1.INTRODUÇÃO...

Leia mais

NORMA TÉCNICA SUMÁRIO 1 FINALIDADE... 3 2 CAMPO DE APLICAÇÃO... 3 3 RESPONSABILIDADES... 3 4 DEFINIÇÕES... 3

NORMA TÉCNICA SUMÁRIO 1 FINALIDADE... 3 2 CAMPO DE APLICAÇÃO... 3 3 RESPONSABILIDADES... 3 4 DEFINIÇÕES... 3 30 / 08 / 2012 1 de 19 SUMÁRIO 1 FINALIDADE... 3 2 CAMPO DE APLICAÇÃO... 3 3 RESPONSABILIDADES... 3 4 DEFINIÇÕES... 3 4.1 Associação Brasileira de Normas Técnicas - ABNT... 3 4.2 Agência Nacional de Energia

Leia mais

MICROGERAÇÃO E MINIGERAÇÃO DISTRIBUIDA

MICROGERAÇÃO E MINIGERAÇÃO DISTRIBUIDA MICROGERAÇÃO E MINIGERAÇÃO DISTRIBUIDA Versão: 01 Data: 12/01/2013 SUMÁRIO 1. Objetivo 03 2. Normas e Regulamentos Complementares 03 3. Definições 04 3.1. Acesso 04 3.2 Acordo Operativo 04 3.3. Condições

Leia mais

Edição Data Alterações em relação à edição anterior. 4ª 13/08/2007 Inclusão dos itens 4.9, 4.10 e substituição do ANEXO III e IV.

Edição Data Alterações em relação à edição anterior. 4ª 13/08/2007 Inclusão dos itens 4.9, 4.10 e substituição do ANEXO III e IV. Paralelismo Momentâneo de Gerador com o Sistema de Distribuição, com Processo Atendimento aos Clientes Atividade Código Edição Data SM01.00-00.007 7ª Folha 1 DE 15 21/07/2010 HISTÓRICO DE MODIFICAÇÕES

Leia mais

Edição Data Alterações em relação à edição anterior. 3ª 16/05/2008 Adequação ao novo padrão de normativos no SGN. Nome dos grupos

Edição Data Alterações em relação à edição anterior. 3ª 16/05/2008 Adequação ao novo padrão de normativos no SGN. Nome dos grupos Instalação de Geradores Particulares em Baixa Tensão Processo Atendimento aos Clientes Atividade Código Edição Data SM01.00-00.006 3ª Folha 1 DE 6 16/05/2008 HISTÓRICO DE MODIFICAÇÕES Edição Data Alterações

Leia mais

NOTA TÉCNICA 6.005. Página 1 de 20. Diretoria de Planejamento e Engenharia. Gerência de Planejamento do Sistema. Gerência da Distribuição

NOTA TÉCNICA 6.005. Página 1 de 20. Diretoria de Planejamento e Engenharia. Gerência de Planejamento do Sistema. Gerência da Distribuição Página 1 de 0 NOTA TÉCNICA 6.005 REQUISITOS MÍNIMOS PARA INTERLIGAÇÃO DE GERADOR PARTICULAR DE CONSUMIDOR PRIMÁRIO COM A REDE DE DISTRIBUIÇÃO DA AES ELETROPAULO UTILIZANDO SISTEMA DE TRANSFERÊNCIA AUTOMÁTICA

Leia mais

NOTA TÉCNICA 6.010. Página 1 de 19. Diretoria de Planejamento e Engenharia. Gerência de Planejamento do Sistema. Gerência da Distribuição

NOTA TÉCNICA 6.010. Página 1 de 19. Diretoria de Planejamento e Engenharia. Gerência de Planejamento do Sistema. Gerência da Distribuição Página 1 de 19 NOTA TÉCNICA 6.010 REQUISITOS MÍNIMOS PARA INTERLIGAÇÃO DE GERADOR PARTICULAR DE CONSUMIDOR SECUNDÁRIO COM A REDE DE DISTRIBUIÇÃO DA AES ELETROPAULO UTILIZANDO SISTEMA DE TRANSFERÊNCIA AUTOMÁTICA

Leia mais

PROCEDIMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO Título PARALELISMO MOMENTÂNEO DE GERADOR COM O SISTEMA PRIMÁRIO DE DISTRIBUIÇÃO ATÉ 69 kv, COM OPERAÇÃO EM RAMPA

PROCEDIMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO Título PARALELISMO MOMENTÂNEO DE GERADOR COM O SISTEMA PRIMÁRIO DE DISTRIBUIÇÃO ATÉ 69 kv, COM OPERAÇÃO EM RAMPA PROCEDIMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO Título PARALELISMO MOMENTÂNEO DE GERADOR COM O SISTEMA PRIMÁRIO DE DISTRIBUIÇÃO ATÉ 69 kv, COM OPERAÇÃO EM RAMPA Código NTD-00.024 Data da emissão 05.11.2009 Data da última

Leia mais

Sem Excedentes - O autoprodutor produz energia elétrica que é totalmente consumida nas suas instalações.

Sem Excedentes - O autoprodutor produz energia elétrica que é totalmente consumida nas suas instalações. DISTRIBUIÇÃO POR AGENTES GERADORES DE Processo: PROJETO E CONSTRUÇÃO Subprocesso: INSTALAÇÃO ELÉTRICA DE CONSUMIDOR PCI.00.03 1/14 Primeira 1. OBJETIVO Estabelecer os critérios e requisitos necessários

Leia mais

Manual de Aprovação de Projeto para Clientes de Média Tensão

Manual de Aprovação de Projeto para Clientes de Média Tensão Manual de Aprovação de Projeto para Clientes de Média Tensão 1 2 Clientes de Média Tensão São aqueles conectados ao sistema de distribuição de energia de 13.800 volts (Rede de MT) da Coelce. Definidos

Leia mais

DIRETORIA TÉCNICA GERÊNCIA DE PLANEJAMENTO E ENGENHARIA DE AT E MT 034/2008 PADRÃO DE ESTRUTURA PE-034/2008 R-02 ESTRUTURAS ESPECIAIS

DIRETORIA TÉCNICA GERÊNCIA DE PLANEJAMENTO E ENGENHARIA DE AT E MT 034/2008 PADRÃO DE ESTRUTURA PE-034/2008 R-02 ESTRUTURAS ESPECIAIS DIRETORIA TÉCNICA GERÊNCIA DE PLANEJAMENTO E ENGENHARIA DE AT E MT 034/2008 PADRÃO DE ESTRUTURA PE-034/2008 R-02 ESTRUTURAS ESPECIAIS FOLHA DE CONTROLE PADRÃO DE ESTRUTURA ESTRUTURAS ESPECIAIS Código Página

Leia mais

Páginas 1 de 17 Requisitos para a Conexão de Micro ou Mini Geradores de Energia ao Sistema - Empresa Força e Luz de Urussanga Ltda. 1. FINALIDADE A presente Instrução Normativa tem como finalidade estabelecer

Leia mais

PROCEDIMENTOS PARA CONEXÃO DE MICRO E MINIGERAÇÃO DISTRIBUÍDA

PROCEDIMENTOS PARA CONEXÃO DE MICRO E MINIGERAÇÃO DISTRIBUÍDA PROCEDIMENTOS PARA CONEXÃO DE MICRO E MINIGERAÇÃO DISTRIBUÍDA AO SISTEMA ELÉTRICO DA SANTA MARIA REVISÃO DEZEMBRO/2012 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO 2 TERMINOLOGIA 3 CRITÉRIOS E PADRÕES TÉCNICOS 4 - SOLICITAÇÃO

Leia mais

Uma viagem pelas instalações elétricas. Conceitos & aplicações

Uma viagem pelas instalações elétricas. Conceitos & aplicações Uma viagem pelas instalações elétricas. Conceitos & aplicações Workshop Etapa BRASÍLIA CEB CEB 01 UPS 150 kva IGBT/IGBT BASEADO NAS INFORMAÇÕES DO DIAGRAMA UNIFILAR APRESENTADO, DEFINIR: 1 - Corrente nominal

Leia mais

S i s t e m a N o r m a t i vo Corporativo

S i s t e m a N o r m a t i vo Corporativo S i s t e m a N o r m a t i vo Corporativo PROCEDIMENTO VERSÃO Nº DELIBERAÇÃO Nº APROVAÇÃO DATA DATA DE PUBLICAÇÃO 01-24/06/2014 04/07/2014 APROVADO POR MARCELO POLTRONIERI DTES-ES RODNEY P. MENDERICO

Leia mais

Procedimento de Acesso para Microgeração e Minigeração Distribuída

Procedimento de Acesso para Microgeração e Minigeração Distribuída Procedimento de Acesso para Microgeração e Minigeração CÓDIGO VERSÃO Nº APROVAÇÃO RESPONSÁVEL DATA DATA DA VIGÊNCIA 00 15/12/2012 SUMÁRIO 1 OBJETIVO... 3 2 ÂMBITO DE APLICAÇÃO... 3 3 DEFINIÇÕES... 3 4

Leia mais

COMPANHIA CAMPOLARGUENSE DE ENERGIA - COCEL NORMAS TÉCNICAS CONEXÃO DE MICRO E MINI GERAÇÃO DISTRIBUÍDA

COMPANHIA CAMPOLARGUENSE DE ENERGIA - COCEL NORMAS TÉCNICAS CONEXÃO DE MICRO E MINI GERAÇÃO DISTRIBUÍDA COMPANHIA CAMPOLARGUENSE DE ENERGIA - COCEL NORMAS TÉCNICAS CONEXÃO DE MICRO E MINI GERAÇÃO DISTRIBUÍDA 2012 ÍNDICE 1 OBJETIVO 1 2 ABRANGÊNCIA 1 3 TERMINOLOGIA 1 4 DISPOSIÇÕES GERAIS 9 5 REQUISITOS TÉCNICOS

Leia mais

HIDROPAN Hidroelétrica Panambi S/A NORMA DE CONEXÃO DE MICRO E MINIGERAÇÃO DISTRIBUÍDA SOB SISTEMA DE COMPENSAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA

HIDROPAN Hidroelétrica Panambi S/A NORMA DE CONEXÃO DE MICRO E MINIGERAÇÃO DISTRIBUÍDA SOB SISTEMA DE COMPENSAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA 1 HIDROPAN Hidroelétrica Panambi S/A NORMA DE CONEXÃO DE MICRO E MINIGERAÇÃO DISTRIBUÍDA SOB SISTEMA DE COMPENSAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA Conexão em Baixa e Média Tensão 1 Edição Panambi - RS Janeiro 2013

Leia mais

Geração Própria NT 07 05 014

Geração Própria NT 07 05 014 Geração Própria NT 07 05 014 SUMÁRIO CONTEÚDO PG. 1. OBJETIVO 02 2. ÂMBITO 02 3. DEFINIÇÕES 05 4. NORMAS E LEGISLAÇÃO APLICÁVEIS E DOCUMENTOS COMPLEMENTARES 06 5. INSTRUÇÕES GERAIS 06 6. PROCEDIMENTOS

Leia mais

Tipo: FECO-G-03 Norma Técnica e Padronização

Tipo: FECO-G-03 Norma Técnica e Padronização Tipo: Norma Técnica e Padronização Requisitos Conexão Mini Micro Geradores Sistema SUMÁRIO INTRODUÇÃO...4 1 OBJETIVO...6 2 CAMPO DE APLICAÇÃO...6 3 RESPONSABILIDADES...6 4 CONCEITOS...7 5 ETAPAS PARA VIABILIZAÇÃO

Leia mais

NORMA TÉCNICA PARA A CONEXÃO DE ACESSANTES A REDE DE DISTRIBUIÇÃO DAS DISTRIBUIDORAS DA ELETROBRAS CONEXÃO EM MÉDIA TENSÃO 1/51

NORMA TÉCNICA PARA A CONEXÃO DE ACESSANTES A REDE DE DISTRIBUIÇÃO DAS DISTRIBUIDORAS DA ELETROBRAS CONEXÃO EM MÉDIA TENSÃO 1/51 PARA A CONEXÃO DE ACESSANTES A REDE DE DISTRIBUIÇÃO DAS DISTRIBUIDORAS DA ELETROBRAS CONEXÃO EM MÉDIA TENSÃO 1/51 MPN-DP-01/N-6 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 4 1.1 Objetivos... 4 1.2 Terminologia... 4 1.3 Disposições

Leia mais

Substações MT/BT Teoria e exemplos de cálculo das correntes de curto circuito trifásicas

Substações MT/BT Teoria e exemplos de cálculo das correntes de curto circuito trifásicas Substações MT/BT Teoria e exemplos de cálculo das correntes de curto circuito trifásicas Filippe Pereira Dolgoff Engenheiro de Aplicação Produtos e Sistema de Baixa Tensão ABB 1 INTRODUÇÃO Um sistema elétrico

Leia mais

INSTRUÇÃO TÉCNICA IT-81.081

INSTRUÇÃO TÉCNICA IT-81.081 INSTRUÇÃO TÉCNICA IT-81.081 Acesso de Microgeração e Minigeração com Fontes Renováveis e Cogeração Qualificada ao Sistema de Distribuição Processo: Expansão Versão: 3.0 Início de Vigência: 24-11-2014 Órgão

Leia mais

CONEXÃO DE MINI E MICROGERADORES AO SISTEMA DE DISTRIBUIÇÃO EM MT

CONEXÃO DE MINI E MICROGERADORES AO SISTEMA DE DISTRIBUIÇÃO EM MT S istema Normativo Corporativo PROCEDIMENTO VERSÃO Nº ATA Nº DATA DATA DA VIGÊNCIA 01-10/12/2012 15/12/2012 APROVADO POR () EDSON HIDEKI TAKAUTI (-BD) MARCELO POLTRONIERI (-ES) SUMÁRIO 1. RESUMO... 3 2.

Leia mais

Realizar Novas Ligações. Executa Ligação AT. HISTÓRICO DE MODIFICAÇÕES Edição Data Alterações em relação à edição anterior

Realizar Novas Ligações. Executa Ligação AT. HISTÓRICO DE MODIFICAÇÕES Edição Data Alterações em relação à edição anterior Acesso, Conexão e Uso do Sistema de Distribuição por Agentes Geradores Processo Atividade Realizar Novas Ligações Executa Ligação AT Código Edição Data SM04.08-00.003 2ª Folha 1 DE 17 23/10/2008 HISTÓRICO

Leia mais

NORMA TÉCNICA NT-6.012

NORMA TÉCNICA NT-6.012 Página 1 de 25 NORMA TÉCNICA NT-6.012 REQUISITOS MÍNIMOS PARA INTERLIGAÇÃO DE MICROGERAÇÃO E MINIGERAÇÃO DISTRIBUÍDA COM REDE DE DISTRIBUIÇÃO DA AES ELETROPAULO COM PARALELISMO PERMANENTE ATRAVÉS DO USO

Leia mais

REQUISITOS TÉCNICOS PARA CONEXÃO DE MICRO E MINIGERAÇÃO AO SISTEMA DE DISTRIBUIÇÃO

REQUISITOS TÉCNICOS PARA CONEXÃO DE MICRO E MINIGERAÇÃO AO SISTEMA DE DISTRIBUIÇÃO REQUISITOS TÉCNICOS PARA CONEXÃO DE MICRO AO SISTEMA DE DISTRIBUIÇÃO EMISSÃO: 10/04/2013 REVISÃO: --/--/---- PÁG. 1/42 Sumário 1. Objetivo... 3 2. Aplicação... 3 3. Documentos de Referência... 3 4. Definições...

Leia mais

010/2012 NORMA TÉCNICA NT-010/2012 R-00 CONEXÃO DE MICRO E MINIGERAÇÃO DISTRIBUÍDA AO SISTEMA ELÉTRICO DA COELCE

010/2012 NORMA TÉCNICA NT-010/2012 R-00 CONEXÃO DE MICRO E MINIGERAÇÃO DISTRIBUÍDA AO SISTEMA ELÉTRICO DA COELCE 010/2012 010/2012 DIRETORIA TÉCNICA PLANEJAMENTO E ENGENHARIA DE AT E MT NORMA TÉCNICA /2012 R- CONEXÃO DE MICRO E MINIGERAÇÃO DISTRIBUÍDA AO SISTEMA ELÉTRICO DA FOLHA DE CONTROLE I APRESENTAÇÃO Esta Norma

Leia mais

Introdução: O que é uma Subestação? Definição NBR 5460 / 1992

Introdução: O que é uma Subestação? Definição NBR 5460 / 1992 Subestações Introdução: O que é uma Subestação? Definição NBR 5460 / 1992 Parte de um sistema de potência, concentrada em um dado local, compreendendo primordialmente as extremidades de linhas de transmissão

Leia mais

Iguaçu Distribuidora de Energia Elétrica Ltda.

Iguaçu Distribuidora de Energia Elétrica Ltda. Iguaçu Distribuidora de Energia Elétrica Ltda. NORMA TÉCNICA PARA CONEXÃO DE MINIGERAÇÃO E MICROGERAÇÃO DISTRIBUÍDA DE ENERGIA, AO SISTEMA ELÉTRICO DA IGUAÇU ENERGIA 1 Bibliografia utilizada e consultada:

Leia mais

Proteção contra motorização e correntes desbalanceadas, falha de disjuntor e energização inadvertida Por Geraldo Rocha e Paulo Lima*

Proteção contra motorização e correntes desbalanceadas, falha de disjuntor e energização inadvertida Por Geraldo Rocha e Paulo Lima* 30 Capítulo VI Proteção contra motorização e correntes desbalanceadas, falha de disjuntor e energização inadvertida Por Geraldo Rocha e Paulo Lima* Proteção contra motorização e correntes desbalanceadas

Leia mais

COMPANHIA DE ÁGUA E ESGOTOS DA PARAÍBA DIRETORIA DE EXPANSÃO GERÊNCIA EXECUTIVA DE PLANEJAMENTO E PROJETOS

COMPANHIA DE ÁGUA E ESGOTOS DA PARAÍBA DIRETORIA DE EXPANSÃO GERÊNCIA EXECUTIVA DE PLANEJAMENTO E PROJETOS 1 ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DO GRUPO GERADOR - 30 KVA ESTAÇÃO ELEVATÓRIA DE ESGOTO - EEE1 JARDIM CIDADE UNIVERSITÁRIA 1. OBJETIVO Esta especificação técnica apresenta as características técnicas e comerciais

Leia mais

COMUNICADO TÉCNICO CT - 56 SOLICITAÇÃO DE ATENDIMENTO TÉCNICO ATRAVÉS DOS CANAIS DE ATENDIMENTO ELETRÔNICO. Página 1 de 16

COMUNICADO TÉCNICO CT - 56 SOLICITAÇÃO DE ATENDIMENTO TÉCNICO ATRAVÉS DOS CANAIS DE ATENDIMENTO ELETRÔNICO. Página 1 de 16 Página 1 de 16 COMUNICADO TÉCNICO CT - 56 SOLICITAÇÃO DE ATENDIMENTO TÉCNICO ATRAVÉS DOS CANAIS DE ATENDIMENTO ELETRÔNICO Diretoria de Engenharia e Serviços Gerência de Engenharia da Distribuição Gerência

Leia mais

IMPRESSÃO NÃO CONTROLADA

IMPRESSÃO NÃO CONTROLADA SUMÁRIO 1. FINALIDADE... 2 2. ÂMBITO DE APLICAÇÃO... 2 3. DEFINIÇÕES... 2 4. REQUISITOS GERAIS...3 5. REQUISITOS ESPECÍFICOS... 5 5.1 Requisitos para as Instalações do Acessante... 5 5.2 Paralelismo Acidental...7

Leia mais

NORMA TÉCNICA DE DISTRIBUIÇÃO - NTE 014 FORNECIMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA EM TENSÃO PRIMÁRIA DE DISTRIBUIÇÃO. Cuiabá Mato Grosso - Brasil

NORMA TÉCNICA DE DISTRIBUIÇÃO - NTE 014 FORNECIMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA EM TENSÃO PRIMÁRIA DE DISTRIBUIÇÃO. Cuiabá Mato Grosso - Brasil NORMA TÉCNICA DE DISTRIBUIÇÃO - NTE 014 FORNECIMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA EM TENSÃO PRIMÁRIA DE DISTRIBUIÇÃO Cuiabá Mato Grosso - Brasil SUMÁRIO APRESENTAÇÃO...3 1-OBJETIVO...4 2-AMPLITUDE...4 3-RESPONSABILIDADE

Leia mais

Edição Data Alterações em relação à edição anterior

Edição Data Alterações em relação à edição anterior Acesso, Conexão e Uso do Sistema de Distribuição por Agentes Geradores Processo Gerenciamento da Compra, da Utilização e da Conexão do Sistema Elétrico Atividade Código Edição Data VM02.00-00.001 4ª Folha

Leia mais

Procedimentos de Distribuição de Energia Elétrica no Sistema Elétrico Nacional PRODIST. Módulo 3 Acesso aos Sistemas de Distribuição

Procedimentos de Distribuição de Energia Elétrica no Sistema Elétrico Nacional PRODIST. Módulo 3 Acesso aos Sistemas de Distribuição Agência Nacional de Energia Elétrica ANEEL Procedimentos de Distribuição de Energia Elétrica no Sistema Elétrico Nacional PRODIST Módulo 3 Acesso aos Sistemas de Distribuição Revisão Motivo da Revisão

Leia mais

GERAÇÃO DISTRIBUIDA - MANUAL DE PROCEDIMENTOS

GERAÇÃO DISTRIBUIDA - MANUAL DE PROCEDIMENTOS GERAÇÃO DISTRIBUIDA - MANUAL DE PROCEDIMENTOS INTRODUÇÃO Denomina-se geração distribuída ou descentralizada a produção de energia elétrica próxima ao ponto de consumo, podendo ser este ponto de consumo

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO ENTRADA DE ENERGIA EM ALTA TENSÃO

MEMORIAL DESCRITIVO ENTRADA DE ENERGIA EM ALTA TENSÃO MEMORIAL DESCRITIVO ENTRADA DE ENERGIA EM ALTA TENSÃO Responsável Técnico: Proprietário / Responsável Legal: Marcos Antônio de Sordi Instituto Federal de Ciência e Eng.º Eletricista CREA PR-73895/D Tecnologia

Leia mais

PRIMERAS JORNADAS REGIONALES DE CALIDAD DE ENERGÍA 2006 8 y 9 de Setiembre de 2006 - Uruguai

PRIMERAS JORNADAS REGIONALES DE CALIDAD DE ENERGÍA 2006 8 y 9 de Setiembre de 2006 - Uruguai PRIMERAS JORNADAS REGIONALES DE CALIDAD DE ENERGÍA 2006 8 y 9 de Setiembre de 2006 - Uruguai CONEXÃO DE GERADORES COM O SISTEMA ELÉTRICO DE DISTRIBUIÇÃO Senne, E. F.; CPFL Energia; flausino@cpfl.com.br;

Leia mais

DIRETORIA DE PLANEJAMENTO E

DIRETORIA DE PLANEJAMENTO E DIRETORIA DE PLANEJAMENTO E EXPANSÃO NORMA TÉCNICA DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA NTD 09 NORMA TÉCNICA DE DISTRIBUIÇÃO PARA CONEXÃO DE ACESSANTES À REDE DE DISTRIBUIÇÃO DA CEA. CONEXÃO EM MÉDIA TENSÃO DEZEMBRO/2013

Leia mais

CHAVES DE TRANSFERÊNCIA AUTOMÁTICA. Sistemas de Baixa Tensão

CHAVES DE TRANSFERÊNCIA AUTOMÁTICA. Sistemas de Baixa Tensão CHAVES DE TRANSFERÊNCIA AUTOMÁTICA Sistemas de Baixa Tensão Toda instalação onde se utiliza o grupo gerador como fonte alternativa de energia necessita, obrigatoriamente, de uma chave reversora ou comutadora

Leia mais

NORMA TÉCNICA DE DISTRIBUIÇÃO NTD - 011

NORMA TÉCNICA DE DISTRIBUIÇÃO NTD - 011 NORMA TÉCNICA DE DISTRIBUIÇÃO NTD - 011 FORNECIMENTO EM TENSÃO PRIMÁRIA DE DISTRIBUIÇÃO Departamento Responsável Superintendência de Engenharia Primeira Edição - Dezembro de 06 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO...6

Leia mais

Submódulo 2.6. Requisitos mínimos para os sistemas de proteção e de telecomunicações

Submódulo 2.6. Requisitos mínimos para os sistemas de proteção e de telecomunicações Submódulo 2.6 Requisitos mínimos para os sistemas de proteção e de telecomunicações Rev. Nº. Motivo da revisão Data de aprovação pelo ONS Data e instrumento de aprovação pela ANEEL 0.0 Este documento foi

Leia mais

Procedimentos de Distribuição de Energia Elétrica no Sistema Elétrico Nacional PRODIST

Procedimentos de Distribuição de Energia Elétrica no Sistema Elétrico Nacional PRODIST Agência Nacional de Energia Elétrica ANEEL Procedimentos de Distribuição de Energia Elétrica no Sistema Elétrico Nacional PRODIST Módulo 3 Acesso ao Sistema de Distribuição Revisão 0 1 2 3 4 Motivo da

Leia mais

NORMA TÉCNICA PARA A CONEXÃO DE ACESSANTES A REDE DE DISTRIBUIÇÃO DAS DISTRIBUIDORAS DA ELETROBRAS CONEXÃO EM BAIXA TENSÃO

NORMA TÉCNICA PARA A CONEXÃO DE ACESSANTES A REDE DE DISTRIBUIÇÃO DAS DISTRIBUIDORAS DA ELETROBRAS CONEXÃO EM BAIXA TENSÃO PARA A CONEXÃO DE ACESSANTES A REDE DE DISTRIBUIÇÃO DAS DISTRIBUIDORAS DA ELETROBRAS CONEXÃO EM BAIXA TENSÃO MPN-DC-1/N-7 19/11/213 RES nº 14/213, 19/11/213 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 4 1.1 Objetivos... 4

Leia mais

TÉCNICA NTE - 014 FORNECIMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA EM TENSÃO PRIMÁRIA DE DISTRIBUIÇÃO

TÉCNICA NTE - 014 FORNECIMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA EM TENSÃO PRIMÁRIA DE DISTRIBUIÇÃO NORMA TÉCNICA NTE - 014 FORNECIMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA EM TENSÃO PRIMÁRIA DE DISTRIBUIÇÃO Cuiabá Mato Grosso - Brasil APRESENTAÇÃO...3 1-OBJETIVO...4 2-AMPLITUDE...4 3-RESPONSABILIDADE QUANTO AO CUMPRIMENTO...4

Leia mais

Edição Data Alterações em relação à edição anterior. Atualização das informações. Nome dos grupos

Edição Data Alterações em relação à edição anterior. Atualização das informações. Nome dos grupos Instalação de Banco de Capacitores em Baixa Tensão Processo Realizar Novas Ligações Atividade Executar Ligações BT Código Edição Data SM04.14-01.008 2ª Folha 1 DE 9 26/10/2009 HISTÓRICO DE MODIFICAÇÕES

Leia mais

PROCEDIMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO Título ACESSO DE MICRO E MINI GERAÇÃO COM FONTES RENOVÁVEIS E COGERAÇÃO QUALIFICADA AO SISTEMA DE DISTRIBUIÇÃO

PROCEDIMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO Título ACESSO DE MICRO E MINI GERAÇÃO COM FONTES RENOVÁVEIS E COGERAÇÃO QUALIFICADA AO SISTEMA DE DISTRIBUIÇÃO PROCEDIMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO Título ACESSO DE MICRO E MINI GERAÇÃO COM FONTES RENOVÁVEIS E COGERAÇÃO QUALIFICADA AO SISTEMA DE DISTRIBUIÇÃO Código NTD-00.081 Data da emissão 17.12.2012 Data da última

Leia mais

COMUNICADO TÉCNICO Nº 60

COMUNICADO TÉCNICO Nº 60 Página 1 de 15 COMUNICADO TÉCNICO Nº 60 ALTERAÇÃO DE TENSÃO SECUNDÁRIA DE NOVOS EMPREENDIMENTOS NO SISTEMA RETICULADO SUBTERRÂNEO (NETWORK) Diretoria de Engenharia e Serviços Gerência de Engenharia da

Leia mais

NORMA TÉCNICA DE DISTRIBUIÇÃO NTD - 014

NORMA TÉCNICA DE DISTRIBUIÇÃO NTD - 014 NORMA TÉCNICA DE DISTRIBUIÇÃO NTD - 014 CONEXÃO DE GERAÇÃO AO SISTEMA DE DISTRIBUIÇÃO EM MEDIA TENSÃO MODALIDADE COMPENSAÇÃO Departamento Responsável Gerência de Operação do Sistema Diretoria de Operações

Leia mais

SUBESTAÇÃO 150KVA SEC. DE SAÚDE DO ESTADO DO CE. SESA

SUBESTAÇÃO 150KVA SEC. DE SAÚDE DO ESTADO DO CE. SESA Memorial descritivo e de cálculo SUBESTAÇÃO 150KVA SEC. DE SAÚDE DO ESTADO DO CE. SESA 1 ÍNDICE 1. APRESENTAÇÃO 2. IDENTIFICAÇÃO 3. CARACTERÍSTICAS DA SUBESTAÇÃO 4. PROJETO ELÉTRICO 4.1. MEMORIAL DESCRITIVO

Leia mais

ENE065 Instalações Elétricas I

ENE065 Instalações Elétricas I 12/03/2012 ENE065 Instalações Elétricas I Prof.: Ivo Chaves da Silva Junior ivo.junior@ufjf.edu.br Informações ENE065 http://www.ufjf.br/ivo_junior/ ENE065_NOTURNO Generalidades Sistema Elétrico de Potência

Leia mais

Uma viagem pelas instalações elétricas. Conceitos & aplicações

Uma viagem pelas instalações elétricas. Conceitos & aplicações Uma viagem pelas instalações elétricas. Conceitos & aplicações Conceitos modernos de especificação e uso de Subestações e Painéis de média tensão Eng. Nunziante Graziano, M. Sc. AGENDA - NORMAS DE REFERÊNCIA

Leia mais

Metodologia de Proteção e Análise de Impacto no Sistema Elétrico

Metodologia de Proteção e Análise de Impacto no Sistema Elétrico Metodologia de Proteção e Análise de Impacto no Sistema Elétrico NT 07 05 008 SUMÁRIO CONTEÚDO PG. 1. OBJETIVO 03 2. ÂMBITO 03 3. DEFINIÇÕES 03 4. NORMAS E LEGISLAÇÃO APLICÁVEIS E DOCUMENTOS COMPLEMENTARES

Leia mais

SCHWEITZER ENGINEERING LABORATORIES, COMERCIAL LTDA.

SCHWEITZER ENGINEERING LABORATORIES, COMERCIAL LTDA. Nr Denominação 1 Elemento Principal 2 Relé de partida ou fechamento temporizado 3 Relé de verificação ou interbloqueio 4 Contator principal 5 Dispositivo de interrupção 6 Disjuntor de partida 7 Relé de

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO DE SUBESTAÇÃO ABAIXADORA DE ENERGIA ELÉTRICA

MEMORIAL DESCRITIVO DE SUBESTAÇÃO ABAIXADORA DE ENERGIA ELÉTRICA MEMORIAL DESCRITIVO DE SUBESTAÇÃO ABAIXADORA DE ENERGIA ELÉTRICA CLIENTE: EMPRESA BRASILEIRA DE CORREIOS E TELÉGRAFOS- DR/PE CNPJ 34.028.316/0021-57 LOCAL: AVENIDA GUARARAPES Nº250-SANTO ANTÕNIO RECIFE-PE.

Leia mais

TARIFA HORO-SAZONAL HORÁRIO DE PONTA

TARIFA HORO-SAZONAL HORÁRIO DE PONTA TARIFA HOROSAZOAL HORÁRIO DE POTA Ao longo das horas do dia, o consumo de energia varia, atingindo valores máximos entre as e horas. De acordo com o perfil da carga de cada concessionária, são escolhidas

Leia mais

Conexão de Acessante a Rede de Distribuição com Sistema de Compensação de Energia - Geração Distribuída

Conexão de Acessante a Rede de Distribuição com Sistema de Compensação de Energia - Geração Distribuída Dezembro / 2012 Praça Leoni Ramos n 1 São Domingos Niterói RJ Cep 24210-205 http:\\ www.ampla.com Conexão de Acessante a Rede de Distribuição com Sistema de Compensação de Energia - Geração Distribuída

Leia mais

CENTRO DE EDUCAÇÃO E ESPORTES GERAÇÃO FUTURA

CENTRO DE EDUCAÇÃO E ESPORTES GERAÇÃO FUTURA MEMORIAL DESCRITIVO E JUSTIFICATIVO DE CÁLCULO PROJETO DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS EM MÉDIA TENSÃO 13.8KV CENTRO DE EDUCAÇÃO E ESPORTES GERAÇÃO FUTURA RUA OSVALDO PRIMO CAXILÉ, S/N ITAPIPOCA - CE 1. INTRODUÇÃO

Leia mais

Equipamentos Elétricos e Eletrônicos de Potência Ltda.

Equipamentos Elétricos e Eletrônicos de Potência Ltda. Equipamentos Elétricos e Eletrônicos de Potência Ltda. Confiança e economia na qualidade da energia. Recomendações para a aplicação de capacitores em sistemas de potência Antes de iniciar a instalação,

Leia mais

COMUNICADO TÉCNICO CT - 59. CRITÉRIOS PARA ATENDIMENTO DE CLIENTES COM CARGA INSTALADA ACIMA DE 75 kw. Página 1 de 11. Diretoria de Engenharia

COMUNICADO TÉCNICO CT - 59. CRITÉRIOS PARA ATENDIMENTO DE CLIENTES COM CARGA INSTALADA ACIMA DE 75 kw. Página 1 de 11. Diretoria de Engenharia Página 1 de 11 COMUNICADO TÉCNICO CT - 59 CRITÉRIOS PARA ATENDIMENTO DE CLIENTES COM CARGA INSTALADA ACIMA DE 75 kw Diretoria de Engenharia Diretoria de Operações e Planejamento Diretoria Comercial Gerência

Leia mais

Edição Data Alterações em relação à edição anterior. Incluído o item 4.4.5. Incluídos os anexos V e VI com formulários.

Edição Data Alterações em relação à edição anterior. Incluído o item 4.4.5. Incluídos os anexos V e VI com formulários. Conexão de Microgeradores ao Sistema de Distribuição em Baixa Tensão Processo Realizar Novas Ligações Atividade Executa Ligação BT Código Edição Data SM04.14-01.011 5ª Folha 1 DE 31 30/06/2014 HISTÓRICO

Leia mais

LAUDO TÉCNICO DE AVALIAÇÃO DAS INSTALAÇÕES ELÉTRICAS DE ENTRADA CONDOMÍNIO DO EDIFÍCIO SOLAR DAS LARANJEIRAS

LAUDO TÉCNICO DE AVALIAÇÃO DAS INSTALAÇÕES ELÉTRICAS DE ENTRADA CONDOMÍNIO DO EDIFÍCIO SOLAR DAS LARANJEIRAS LAUDO TÉCNICO DE AVALIAÇÃO DAS INSTALAÇÕES ELÉTRICAS DE ENTRADA DO CONDOMÍNIO DO EDIFÍCIO SOLAR DAS LARANJEIRAS 1 INDICE 1 OBJETIVO 2 NORMAS APLICÁVEIS 3 GENERALIDADES 4 METODOLOGIA 5 MEDIÇÕES DE GRANDEZAS

Leia mais

SUBESTAÇÃO 300KVA SEC. DE EDUCAÇÃO DO ESTADO DO CE. SEDUC

SUBESTAÇÃO 300KVA SEC. DE EDUCAÇÃO DO ESTADO DO CE. SEDUC Memorial descritivo e de cálculo SUBESTAÇÃO 300KVA SEC. DE EDUCAÇÃO DO ESTADO DO CE. SEDUC 1 ÍNDICE 1. APRESENTAÇÃO 2. IDENTIFICAÇÃO 3. CARACTERÍSTICAS DA SUBESTAÇÃO 4. PROJETO ELÉTRICO 4.1. MEMORIAL DESCRITIVO

Leia mais

Tabela de Funções Ansi

Tabela de Funções Ansi Tabela de Funções Ansi A ANSI visando a padronização dos códigos das funções de proteções, criou uma tabela de códigos com das funções de proteção. Na verdade, esta tabela veio da ASA e posteriormente

Leia mais

NORMAS TÉCNICAS PARA GERAÇÃO DE ENERGIA ALTERNATIVA

NORMAS TÉCNICAS PARA GERAÇÃO DE ENERGIA ALTERNATIVA - NORMAS TÉCNICAS PARA GERAÇÃO DE ENERGIA ALTERNATIVA Procedimentos para a Conexão de Acessantes ao Sistema de Distribuição da Informação Técnica DTE/DTP 01/12, de 13 de dezembro de 2012 Palavras-chave:

Leia mais

Edição Data Alterações em relação à edição anterior

Edição Data Alterações em relação à edição anterior Conexão de Microgeradores e Minigeradores ao Sistema de Distribuição de Processo Gerenciamento da Compra, da Utilização e da Conexão do Sistema Elétrico Atividade Código Edição Data VM02.00-00.005 2ª Folha

Leia mais

Edição Data Alterações em relação à edição anterior. Incluído o item 4.4.7. Incluídos os anexos II e III. Nome dos grupos

Edição Data Alterações em relação à edição anterior. Incluído o item 4.4.7. Incluídos os anexos II e III. Nome dos grupos Conexão de Minigeração ao Sistema de Distribuição em Média Tensão Processo Realizar Novas Ligações Atividade Executa Ligação BT Código Edição Data SM04.08-01.009 2ª Folha 1 DE 23 27/12/2013 HISTÓRICO DE

Leia mais

DIRETORIA DE OPERAÇÃO - DO

DIRETORIA DE OPERAÇÃO - DO ANEXO VI ESPECIFICAÇÃO DISPOSITIVOS ELETRÔNICOS INTELIGENTES A6. Dispositivos Eletrônicos Inteligentes IED s (Relés Microprocessados) A6.1 Introdução Esta especificação técnica tem como objetivo estabelecer

Leia mais

SISTEMAS PREDIAIS II. Segurança contra Incêndio - Detecção e Alarme

SISTEMAS PREDIAIS II. Segurança contra Incêndio - Detecção e Alarme PCC-2466 SISTEMAS PREDIAIS II Segurança contra Incêndio - Detecção e Alarme Sistema de Detecção e Alarme de Incêndio Definição da Norma NBR 9441/98 Sistema constituído pelo conjunto de elementos planejadamente

Leia mais

Instalações Elétricas Prediais A

Instalações Elétricas Prediais A Instalações Elétricas Prediais A ENG04482 Prof. Luiz Fernando Gonçalves AULA 9 Divisão da Instalação em Circuitos Porto Alegre - 2012 Tópicos Quadros de distribuição Disjuntores Divisão da instalação elétrica

Leia mais

NORMAS TÉCNICAS COPEL NTC 905200 ACESSO DE MICRO E MINIGERAÇÃO DISTRIBUÍDA AO SISTEMA DA COPEL

NORMAS TÉCNICAS COPEL NTC 905200 ACESSO DE MICRO E MINIGERAÇÃO DISTRIBUÍDA AO SISTEMA DA COPEL NORMAS TÉCNICAS COPEL ACESSO DE MICRO E MINIGERAÇÃO DISTRIBUÍDA AO SISTEMA DA COPEL Emissão: Fevereiro / 2014 Superintendência de Engenharia de Operação e Manutenção Superintendência Comercial da Distribuição

Leia mais

Fornecimento de Energia Elétrica em Tensão Primária de Distribuição NORMA. Junho/2008 NORMA NC.02

Fornecimento de Energia Elétrica em Tensão Primária de Distribuição NORMA. Junho/2008 NORMA NC.02 Fornecimento de Energia Elétrica em Tensão Primária de Distribuição NORMA NORMA NC.02 NC.02 Fornecimento de Energia Elétrica em Tensão Primária de Distribuição - CERVAM Cooperativa de Energização e de

Leia mais

NORMA DE DISTRIBUIÇÃO UNIFICADA NDU-015

NORMA DE DISTRIBUIÇÃO UNIFICADA NDU-015 NORMA DE DISTRIBUIÇÃO UNIFICADA NDU-015 CRITÉRIOS PARA A CONEXÃO DE ACESSANTES DE GERAÇÃO DISTRIBUÍDA AO SISTEMA DE DISTRIBUIÇÃO DA ENERGISA - CONEXÃO EM MÉDIA TENSÃO NDU-015 ESE/EPB/EBO/EMG/ENF VERSÃO

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA SUMÁRIO CONTEÚDO PG. 1. OBJIVO 02 2. ÂMBITO 02 3. CONCEITOS 02 4. NORMAS, LEGISLAÇÃO APLICÁVEIS E DOCUMENTOS COMPLEMENTARES 02 5. INSTRUÇÕES GERAIS 03 5.1. Local da realização dos serviços 03 5.2. Condições

Leia mais

Manual de instalação e operação

Manual de instalação e operação Manual de instalação e operação Central de alarme de incêndio endereçável INC 2000 Central de alarme de incêndio INC 2000 Parabéns, você acaba de adquirir um produto com a qualidade e segurança Engesul.

Leia mais

Adequação do Sistema de Medição em Consumidores Livres e Especiais. Celso Yamada - Gerência de Engenharia de Medição

Adequação do Sistema de Medição em Consumidores Livres e Especiais. Celso Yamada - Gerência de Engenharia de Medição ID-6.016 Adequação do Sistema de Medição em Consumidores Livres e Especiais Instrução Técnica Diretoria de Engenharia e Serviços Gerência de Engenharia de Medição Elaborado por: Colaboradores: Verificado

Leia mais

NTC 903100 FORNECIMENTO EM TENSÃO PRIMÁRIA DE DISTRIBUIÇÃO

NTC 903100 FORNECIMENTO EM TENSÃO PRIMÁRIA DE DISTRIBUIÇÃO NORMAS TÉCNICAS COPEL NTC 903100 FORNECIMENTO EM TENSÃO PRIMÁRIA DE DISTRIBUIÇÃO COPEL Distribuição DEND/NOR Diretoria de Engenharia - Normalização da Engenharia de Distribuição APRESENTAÇÃO Dando prosseguimento

Leia mais

ENGENHARIA E PROJETOS ELÉTRICOS LTDA MEMORIAL DESCRITIVO PROJETO ELÉTRICO

ENGENHARIA E PROJETOS ELÉTRICOS LTDA MEMORIAL DESCRITIVO PROJETO ELÉTRICO MEMORIAL DESCRITIVO PROJETO ELÉTRICO OBRA: SUBESTAÇÃO 500KVA PROPRIETÁRIO: TRT TRIBUNAL REGIONALDO TRABALHO 12ºREGIÃO RESPONSÁVEL TÉCNICO: ENG. EMERSON CESAR PADOIN PADOIN ENGENHARIA E PROJETOS LTDA MEMORIAL

Leia mais

Informação Técnica DTE/DTP 01/12, de 13 de dezembro de 2012

Informação Técnica DTE/DTP 01/12, de 13 de dezembro de 2012 Informação Técnica DTE/DTP 01/12, de 13 de dezembro de 2012 Procedimentos para a Conexão de Microgeração e Minigeração ao Sistema de Distribuição da Light SESA BT e MT Até 34,5kV Palavras-chave: Paralelismo,

Leia mais

Instalações Elétricas Prediais A

Instalações Elétricas Prediais A Instalações Elétricas Prediais A ENG04482 Prof. Luiz Fernando Gonçalves AULA 7 Simbologia de Projetos Elétricos Porto Alegre - 2012 Tópicos Projeto de instalações elétricas prediais Simbologia para instalações

Leia mais

Como reduzir sua conta de energia elétrica

Como reduzir sua conta de energia elétrica Como reduzir sua conta de energia elétrica Com REDULIGHT você tem energia de melhor qualidade e economiza até 25% na conta Saiba como O que é e como funciona o filtro REDULIGHT O Redulight é um Filtro

Leia mais

NORMA TÉCNICA DE DISTRIBUIÇÃO NTD - 013

NORMA TÉCNICA DE DISTRIBUIÇÃO NTD - 013 NORMA TÉCNICA DE DISTRIBUIÇÃO NTD - 013 CONEXÃO DE GERAÇÃO AO SISTEMA DE DISTRIBUIÇÃO EM BAIXA TENSÃO Departamento Responsável Gerência de Operação do Sistema Diretoria de Operações Primeira Edição - Dezembro

Leia mais

REQUISITOS PARA CONEXÃO DE MICRO E MINIGERADORES AO SISTEMA DE DISTRIBUIÇÃO DA CHESP NORMA TÉCNICA DE DISTRIBUIÇÃO NTD 05

REQUISITOS PARA CONEXÃO DE MICRO E MINIGERADORES AO SISTEMA DE DISTRIBUIÇÃO DA CHESP NORMA TÉCNICA DE DISTRIBUIÇÃO NTD 05 PÁGINAS 1 de 42 NORMA TÉCNICA DE DISTRIBUIÇÃO NTD 05 Requisitos para conexão de Micro e Minigeradores ao Sistema de Distribuição da CHESP PÁGINAS 2 de 42 Treinamento recomendado: ( X ) Formal ( ) Leitura

Leia mais

Conexão de Acessante a Rede de Distribuição com Sistema de Compensação de Energia - Geração Distribuída

Conexão de Acessante a Rede de Distribuição com Sistema de Compensação de Energia - Geração Distribuída Fevereiro / 2013 Praça Leoni Ramos n 1 São Domingos Niterói RJ Cep 24210-205 http:\\ www.ampla.com Conexão de Acessante a Rede de Distribuição com Sistema de Compensação de Energia - Geração Distribuída

Leia mais

MANUTENÇÃO PREVENTIVA E CORRETIVA EM MÉDIA TENSÃO

MANUTENÇÃO PREVENTIVA E CORRETIVA EM MÉDIA TENSÃO MANUTENÇÃO PREVENTIVA E CORRETIVA EM MÉDIA TENSÃO TECNOLOGIA, QUALIDADE E ENERGIA A SERVIÇO DA ECONOMIA. Engelétrica Indústria, Comércio e Serviços Elétricos Ltda. Rua Xavier da Rocha, 10 Vila Prudente

Leia mais

Tipo: FECO-G-03 Norma Técnica e Padronização

Tipo: FECO-G-03 Norma Técnica e Padronização Tipo: Norma Técnica e Padronização Requisitos Conexão Mini Micro Geradores Sistema SUMÁRIO INTRODUÇÃO... 4 1 OBJETIVO... 6 2 CAMPO DE APLICAÇÃO...6 3 RESPONSABILIDADES...6 4 CONCEITOS...7 5 ETAPAS PARA

Leia mais

COELCE DECISÃO TÉCNICA CRITÉRIO PARA INSTALAÇÃO DT - 106 RELIGADOR AUTOMÁTICO TRIFÁSICO DE 15 KV USO EM POSTE

COELCE DECISÃO TÉCNICA CRITÉRIO PARA INSTALAÇÃO DT - 106 RELIGADOR AUTOMÁTICO TRIFÁSICO DE 15 KV USO EM POSTE DECISÃO TÉCNICA CRITÉRIO PARA INSTALAÇÃO DT - 16 RELIGADOR AUTOMÁTICO TRIFÁSICO DE 15 KV USO EM POSTE DOCUMENTO NORMATIVO DA TRANSMISSÃO DESIM -896-1 I JUN/1 Í N D I C E 1 OBJETIVO...1 2 NORMAS E TRABALHOS...1

Leia mais

Transformadores trifásicos

Transformadores trifásicos Transformadores trifásicos Transformadores trifásicos Transformadores trifásicos Por que precisamos usar transformadores trifásicos Os sistemas de geração, transmissão e distribuição de energia elétrica

Leia mais