REQUISITOS MÍNIMOS PARA INSTALAÇÃO DE GERADOR POR PARTICULARES

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "REQUISITOS MÍNIMOS PARA INSTALAÇÃO DE GERADOR POR PARTICULARES"

Transcrição

1 REQUISITOS MÍNIMOS PARA INSTALAÇÃO DE GERADOR POR PARTICULARES NTD-22

2 CONTROLE DE VERSÕES NTD 22- REQUISITOS MÍNIMOS PARA INSTALAÇÃO DE GERADOR POR PARTICULARES Nº.: DATA VERSÃO 01 04/2010 Original

3 INDICE 1 OBJETIVO DEFINIÇÕES DISPOSIÇÕES GERAIS PROCEDIMENTO DIAGRAMAS Geradores com Operação isolada Geradores com Paralelismo Momentâneo Geradores com Paralelismo Permanente ANEXOS... 9 ANEXO I TERMO DE RESPONSABILIDADE POR OPERAÇÃO ISOLADA (PROJETO) ANEXO II TERMO DE RESPONSABILIDADE PARA OPERAÇÃO ISOLADA (OPERAÇÃO) ANEXO III TERMO DE RESPONSABILIDADE POR INSTALAÇÃO EM PARALELISMO MOMENTÂNEO ANEXO IV TERMO DE RESPONSABILIDADE POR OPERAÇÃO EM PARALELISMO MOMENTÂNEO... 13

4 1 OBJETIVO Estabelecer os requisitos mínimos necessários para a instalação de grupos geradores particulares, visando assegurar as condições técnicas de proteção, operação e segurança, tendo como base às resoluções da ANEEL. 2 DEFINIÇÕES 2.1 Transferência de Carga É a ação que transfere a carga de uma fonte de alimentadora para outra. 2.2 Transferência de Carga com Interrupção de Energia Transferência de fonte alimentadora com o desligamento da carga. 2.3 Transferência de Carga sem Interrupção de Energia Transferência de fonte alimentadora sem a interrupção da carga. 2.4 Paralelismo Momentâneo Operação em paralelo de um gerador com a rede da CELPA, por tempo limitado para permitir a transferência de carga da CELPA para o gerador e vice-versa. 2.5 Operação em Rampa Transferência de carga de modo gradativo entre a rede da CELPA e o gerador do cliente ou vice-versa. 3 DISPOSIÇÕES GERAIS 3.1 Instalação de grupo Gerador Todos os clientes estabelecidos na área de concessão da CELPA, independente da classe de tensão de fornecimento e do tipo de operação, devem apresentar por escrito, quando da eventual utilização ou instalação de um grupo gerador de energia em sua unidade consumidora. A utilização dos mesmos está condicionada à análise e aprovação do projeto, bem como da inspeção, teste e a liberação para o funcionamento por parte da CELPA; 3.2 Grupo Gerador com Operação Isolada Grupo gerador particular, destinado a operar nos casos emergenciais ou a critério do cliente, sem a possibilidade de operação em paralelo com a rede da CELPA; O sistema de geração poderá assumir parte das cargas ou toda carga da instalação; Quando o grupo gerador for atender a mesma carga que normalmente é atendida pela CELPA, deverá ser instalada a chave comutadora (reversora) ou o sistema automático de transferência com interrupção, que deve desligar primeiro uma fonte para ligar a outra, impedindo qualquer possibilidade de paralelismo entre o gerador e a rede da CELPA A energia elétrica proveniente do gerador não pode causar nenhuma interferência no sistema de medição de faturamento da CELPA Deve ser assinado pelo responsável técnico e o proprietário Termo de Responsabilidade por Operação Isolada para Projeto conforme ANEXO I e para Operação conforme ANEXO II. EMISSÃO: ABRIL/10 ORIGINAL 1/13

5 3.3 Grupo Gerador com Operação de Paralelismo Momentâneo A conexão do sistema de geração do cliente com a rede da CELPA deve ser através de disjuntor de interligação; O disjuntor de interligação deve ser supervisionado por reles de check sincronismo e monitorado por sistema de supervisão, comando, proteção e controle de transferência de carga em rampa, no qual as cargas são transferidas ininterruptamente de forma automática da rede da CELPA para o sistema de geração própria, e vice-versa, garantindo um tempo máximo de 20 segundos de paralelismo; A energia elétrica proveniente do gerador não pode causar nenhuma interferência no sistema de medição de faturamento da CELPA Deve ser assinado pelo responsável técnico e pelo cliente, o Termo de Responsabilidade por Instalação de Paralelismo Momentâneo conforme ANEXO III e Termo de Responsabilidade por Operação de Paralelismo Momentâneo conforme ANEXO IV. 3.4 Grupo Gerador com Operação de Paralelismo Permanente Para esta conexão deverá ser instalado um religador padrão CELPA no ponto de tomada de energia. Este equipamento deverá ser instalado em local de livre transito para no caso de uma eventual necessidade, a Celpa possa acessar o religador; O religador deve possuir no mínimo as funções de proteções Relé direcional de potência (32), Relé de sobrecorrente direcional em corrente alternada (67) e check sincronismo; O religador deverá ser equipado com recursos de comunicação que permitam a telesupervisão e telecomando do equipamento através do Centro de Operação da CELPA; Os custos inerentes ao religador e de sua tele supervisão são do cliente Não é permitida a injeção de potencia ativa ou reativa na rede da CELPA acima do limite definido pela proteção 32; As distorções harmônicas devem estar dentro dos limites estabelecidos pelo PRODIST (Procedimento de Distribuição da Aneel). 4 PROCEDIMENTOS 4.1 Projeto O projeto deve ser apresentado em 3 vias para análise da CELPA, contendo no mínimo: Grupo Gerador com Operação Isolada a) ART do projeto de instalação do grupo gerador; b) Diagrama unifilar das instalações, contendo detalhes do intertravamento e da proteção; c) Detalhe do sistema de aterramento; d) Planta com cortes e detalhes da cabine do gerador; e) Manual do gerador; f) Memorial Descritivo, contendo no mínimo: EMISSÃO: ABRIL/10 ORIGINAL 2/13

6 Características da unidade consumidora com a atividade exercida; Cálculo da demanda; Discriminação das cargas a serem atendidas pelo grupo gerador; Dimensionamento dos condutores; Detalhe de operação da operação do gerador, descrição da seqüência para transferir as cargas da rede para o gerador e vice-versa; Dados do grupo gerador como: potência aparente em kva, tensão nominal em volts, número de fases, freqüência, autonomia em horas, etc; g) Termo de responsabilidade por operação isolada Grupo Gerador com Operação de Paralelismo Momentâneo a) Diagrama unifilar das instalações, incluindo comprimentos e bitolas dos cabos; b) Diagrama funcional do sistema de paralelismo; c) Memorial Descritivo, com descrição das situações em que ocorrerá o paralelismo; d) Características dos TPs, TCs e disjuntores que fazem parte do sistema de paralelismo; e) Dados do(s) gerador(es): Potencia nominal e operativa; Impedância subtransitória, transitória e de regime permanente; Tipo de máquina; Fator de potencia; Autonomia; Tensão máxima e mínima; Ligação; f) Dados do(s) transformador(es): Potencia; Tensão; Impedância (nas suas bases); g) Estudo de curto circuito nas instalações do consumidor; h) Memorial de cálculo das proteções geral de entrada e da interligação; i) Dados dos relés de proteção catálogos; j) Termo de responsabilidade por operação com paralelismo momentâneo; k) ART de projeto da instalação do grupo gerador; l) ART especifica do estudo, cálculos, coordenação e seletividade das proteções; m) ART especifica de operação do grupo gerador. EMISSÃO: ABRIL/10 ORIGINAL 3/13

7 4.2 Instalação do Grupo Gerador O grupo gerador deve ficar em área segura e fisicamente separada do recinto onde estão instalados os equipamentos de medição e transformação; A localização do grupo gerador deve ser em local seco com iluminação adequada, deve possuir espaço livre suficiente para facilitar a sua operação e manutenção. 4.3 Recomendações Técnicas O grupo gerador que possui o sistema de transferência automático de carga para atender a falta de energia, deve possuir sensores que detectam a falta de tensão na rede, acionando a abertura do disjuntor da rede e fechamento do disjuntor do gerador. Para reverter a alimentação para a rede, aguardar no mínimo 120 segundos para confirmar o total restabelecimento da tensão na rede; O paralelismo momentâneo do gerador do cliente com a rede da CELPA só será permitida se houver total segurança para o sistema e para os outros clientes ligados nessa rede; O projeto com paralelismo momentâneo deve ser submetida à consulta prévia da CELPA, que avaliará esta possibilidade. Uma vez aprovada, em qualquer momento a empresa quando necessário, poderá solicitar a instalação de novos equipamentos para aumentar a confiabilidade do sistema de geração em rampa; O paralelismo momentâneo é permitido somente para gerador trifásico de 60 hz; Todos os equipamentos específicos para instalação do sistema de paralelismo devem atender os requisitos mínimos contidos nesta norma, reservando-nos direito de solicitar a substituição e/ou inclusão de novos equipamentos; É de responsabilidade do cliente a proteção de seus equipamentos, razão pela qual a CELPA não se responsabiliza por algum eventual dano que possa ocorrer em seu(s) gerador(es) ou qualquer outra parte do seu sistema elétrico, devido defeitos, surto e etc; Para viabilizar o paralelismo do gerador com o sistema elétrico da CELPA, os equipamentos de manobra e proteção devem ser instalados pelo cliente na unidade consumidora. O propósito da instalação desses equipamentos é garantir a separação dos sistemas do consumidor e da concessionária quando da ocorrência de anomalia no sistema elétrico da CELPA ou na própria instalação do consumidor; É de responsabilidade do cliente a instalação, operação e manutenção dos equipamentos que permitem o estabelecimento das condições de sincronismo por ocasião de cada manobra de execução do paralelismo de seus geradores com a rede da CELPA. Os relatórios de manutenções devem ser conservados pelo cliente e disponibilizados para consulta e analise pela CELPA; É de responsabilidade civil objetiva e criminal do operador em rampa e de seus prepostos a ocorrência de qualquer evento decorrente da geração em rampa para alimentação das cargas em paralelo com o sistema de distribuição desta concessionária em desrespeito de quaisquer normas pertinentes, intencionalmente e acidentalmente; A sala de comando deverá ser instalada em ambiente separado do gerador; Cabe ao cliente solicitar as licenças de funcionamento junto aos órgãos competentes como: Prefeituras, Órgão Ambientais, Corpos de Bombeiros, etc. 4.4 Proteção Na média tensão o cliente poderá optar por religador em substituição ao disjuntor com relé secundário, o religador pode ser instalado no poste ao tempo; EMISSÃO: ABRIL/10 ORIGINAL 4/13

8 4.4.2 Na ocorrência de uma falta de energia na rede da CELPA durante a operação de paralelismo, a Unidade de Supervisão e Controle deve desligar o disjuntor de interligação e isolar a unidade consumidora do cliente da rede, antes do primeiro religamento do alimentador da CELPA; O ajuste de proteção do relé direcional de potência (32) deverá ser limitado a 5% da corrente nominal, durante 0,5 segundos com a rede da CELPA, onde será permitido neste intervalo um fluxo reverso de potência em virtude da equalização entre a potência da rede da CELPA e do gerador na ocasião do paralelismo momentâneo; O ajuste de proteção do relé de sobrecorrente direcional (67) é limitado a 10% da corrente nominal do menor gerador, ou de um gerador, quando o grupo possuir unidades de mesma potência Disjuntores, chaves seccionadoras e/ou qualquer outro equipamento de manobra que permita o paralelismo sem supervisão do relé de sincronismo deverão possuir intertravamento que evitem o fechamento de paralelismo por esses equipamentos; Não será permitido o religamento automático nos disjuntores e/ou religadores que possam efetuar o paralelismo; Não será permitido em hipótese alguma ao cliente, energizar o circuito da CELPA que estiver fora de operação, cabendo ao cliente total responsabilidade (civil e criminal) caso esse fato venha a ocorrer, não cabendo a CELPA nenhuma responsabilidade por eventuais danos matérias e humanos. Assim, é imprescindível a instalação de relés de tensão que inibam o fechamento do disjuntor de interligação, quando o circuito da CELPA estiver desenergizado A proteção também contará com a proteção dos relés de sobrecorrente instantâneo e temporizado (50/51), relés de Subtensão (27) e relés de interrupção ou abertura temporizada (62), conforme os diagramas da seção Inspeção e Testes A execução física do sistema, deverá obedecer fielmente ao projeto analisado, sendo a instalação recusada caso ocorra discrepâncias; Serão verificados e testados todos os mecanismos e equipamentos que compõem o sistema de paralelismo; Serão realizadas diversas operações de entrada e saída de paralelismo para certificar-se do bom desempenho do sistema; À CELPA é reservado o direito de efetuar a qualquer momento, por meio de notificação prévia, inspeções às instalações do cliente para averiguação das condições do sistema de paralelismo; A realização da vistoria não transfere para a CELPA a responsabilidade civil e criminal por danos a pessoas ou bens, que venham a ocorrer em virtude de deficiência técnica ou má utilização das instalações internas da unidade do cliente. EMISSÃO: ABRIL/10 ORIGINAL 5/13

9 5 DIAGRAMAS 5.1 Geradores com Operação Isolada Cliente com Potência Instalada Menor que 300 kva Geração com conexão na baixa tensão. Disjuntor geral de entrada com proteção primária e com disjuntores no lado da CELPA e no lado da geração do cliente, com chave reversora. 5.2 Geradores com Paralelismo Momentâneo Geração com Conexão na Média Tensão Geração com conexão na média tensão Disjuntor geral de entrada com proteção secundária e com disjuntores de interligação no lado da CELPA e no lado da geração do cliente. EMISSÃO: ABRIL/10 ORIGINAL 6/13

10

11 5.2.2 Geração com Conexão na Baixa Tensão com Disjuntores de Interligação Cliente com potência Instalada maior que 300 kva ou com mais de um transformador. Disjuntor geral de entrada com proteção secundária e com disjuntores de interligação no lado da CELPA e no lado da geração do cliente Geração com Conexão na Baixa Tensão com Contactores de Interligação Cliente com potência Instalada maior que 300 kva ou com mais de um transformador. Disjuntor geral de entrada com proteção secundária. Disjuntor geral na baixa tensão e contactores de interligação no lado da CELPA e no lado da geração do cliente. EMISSÃO: ABRIL/10 ORIGINAL 7/13

12 5.2.4 Geração com Conexão na Baixa Tensão com Disjuntores de Interligação com Proteção Direta na Média Tensão Cliente com potência Instalada igual ou menor que 300 kva e transformador único. Com disjuntor de entrada com proteção primária. Disjuntores de interligação no lado da CELPA e no lado da geração do cliente Geração com Conexão na Baixa Tensão com Contactores de Interligação com Proteção Direta na Média Tensão Cliente com potência Instalada igual ou menor que 300 kva e transformador único. Com disjuntor de entrada com proteção primária. Disjuntor geral de baixa tensão e contactores de interligação no lado da CELPA e no lado da geração do cliente. EMISSÃO: ABRIL/10 ORIGINAL 8/13

13 5.3 Geradores com Paralelismo Permanente Geração com conexão na média tensão, com religador no ponto de tomada e disjuntor geral de entrada com proteção secundária e com disjuntores de interligação no lado da CELPA e no lado da geração do cliente. 6 ANEXOS ANEXO I - TERMO DE RESPONSABILIDADE POR OPERAÇÃO ISOLADA ANEXO II - TERMO DE RESPONSABILIDADE POR OPERAÇÃO DE PARALELISMO MOMENTÂNEO 7 APROVAÇÃO Otávio Luiz Renno Grilo Diretor de Serviços Operacionais EMISSÃO: ABRIL/10 ORIGINAL 9/13

14 ANEXO I TERMO DE RESPONSABILIDADE POR OPERAÇÃO ISOLADA -PROJETO- A Empresa/ Proprietário, CGC n.º, representada pelo(a) Responsável Técnico(a), registrado no CREA sob o n.º abaixo assinado, residente a Rua /Av. cidade de, declara ser responsável pelo projeto, dimensionamento dos equipamentos, dispositivos de proteção e instalação do Sistema de Operação Isolada Rede/Gerador com Operação Isolada, instalado no consumidor, situado à, Município de, o qual está assumindo total responsabilidade civil e criminal, na ocorrência de acidentes ocasionados por insuficiência técnica do projeto. EMISSÃO: ABRIL/10 ORIGINAL 10/13

15 ANEXO II TERMO DE RESPONSABILIDADE POR OPERAÇÃO ISOLADA -OPERAÇÃO- A Empresa/Proprietário CGC/CPF com sede / residência a Rua / Av. na cidade neste ato representada pelo(a) Responsável Técnico(a), registrado no CREA sob o n. abaixo assinado, residente a Rua /Av. cidade de se compromete a operar corretamente de forma que o grupo gerador não fique em paralelo com o sistema da CELPA em nenhum momento, assumindo total responsabilidade por qualquer acidente que possa ocorrer devido a uma possível energização da Rede de Energia Elétrica da CELPA pelo gerador de sua propriedade e ocorrência de acidentes ocasionados por defeitos ou operação inadequada dos equipamentos desse sistema. Por estar de acordo com o teor do presente termo, assino com mais duas testemunhas, para que produza seus efeitos legais. EMISSÃO: ABRIL/10 ORIGINAL 11/13

16 ANEXO III TERMO DE RESPONSABILIDADE POR INSTALAÇÃO DE PARALELISMO MOMENTÂNEO A Empresa/ Proprietário, CGC n.º, representada pelo(a) Responsável Técnico(a), registrado no CREA sob o n.º abaixo assinado, residente a Rua /Av. cidade de, declara ser responsável pelo projeto, dimensionamento dos equipamentos, dispositivos de proteção e instalação do Sistema de Transferência Automática Rede/Gerador com Operação Isolada, instalado no consumidor, situado à, Município de, o qual está assumindo total responsabilidade civil e criminal, na ocorrência de acidentes ocasionados por insuficiência técnica do projeto. EMISSÃO: ABRIL/10 ORIGINAL 12/13

17 ANEXO IV TERMO DE RESPONSABILIDADE POR OPERAÇÃO DE PARALELISMO MOMENTÂNEO A Empresa/Proprietário CGC/CPF com sede / residência a Rua / Av. na cidade neste ato representada pelo(a) Responsável Técnico(a), registrado no CREA sob o n. abaixo assinado, residente a Rua /Av. cidade de se compromete a operar corretamente de forma que o grupo gerador não fique em paralelo com o sistema da CELPA em nenhum momento, assumindo total responsabilidade por qualquer acidente que possa ocorrer devido a uma possível energização da Rede de Energia Elétrica da CELPA pelo gerador de sua propriedade e ocorrência de acidentes ocasionados por defeitos ou operação inadequada dos equipamentos desse sistema. Por estar de acordo com o teor do presente termo, assino com mais duas testemunhas, para que produza seus efeitos legais. EMISSÃO: ABRIL/10 ORIGINAL 13/13

PROCEDIMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO Título PARALELISMO MOMENTÂNEO DE GERADOR COM O SISTEMA PRIMÁRIO DE DISTRIBUIÇÃO ATÉ 25 kv, COM OPERAÇÃO EM RAMPA

PROCEDIMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO Título PARALELISMO MOMENTÂNEO DE GERADOR COM O SISTEMA PRIMÁRIO DE DISTRIBUIÇÃO ATÉ 25 kv, COM OPERAÇÃO EM RAMPA PROCEDIMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO Título PARALELISMO MOMENTÂNEO DE GERADOR COM O SISTEMA PRIMÁRIO DE DISTRIBUIÇÃO ATÉ 25 kv, COM OPERAÇÃO EM RAMPA Código NTD-00.024 Data da emissão 05.11.2009 Data da última

Leia mais

NT 6.005. Nota Técnica. Diretoria de Planejamento e Engenharia Gerência de Engenharia. Felisberto M. Takahashi Elio Vicentini. Preparado.

NT 6.005. Nota Técnica. Diretoria de Planejamento e Engenharia Gerência de Engenharia. Felisberto M. Takahashi Elio Vicentini. Preparado. NT.005 Requisitos Mínimos para Interligação de Gerador de Consumidor Primário com a Rede de Distribuição da Eletropaulo Metropolitana com Paralelismo Momentâneo Nota Técnica Diretoria de Planejamento e

Leia mais

NT 6.010. Nota Técnica. Diretoria de Planejamento e Engenharia Gerência de Engenharia. Elio Vicentini Ermínio Belvedere João Martins.

NT 6.010. Nota Técnica. Diretoria de Planejamento e Engenharia Gerência de Engenharia. Elio Vicentini Ermínio Belvedere João Martins. NT 6.010 Requisitos Mínimos Para Interligação de Gerador de Consumidor Secundário com a Rede de Distribuição da Eletropaulo Metropolitana com Paralelismo Momentâneo Nota Técnica Diretoria de Planejamento

Leia mais

NOTA TÉCNICA 6.008. Página 1 de 24. Diretoria de Planejamento e Engenharia. Gerência de Planejamento do Sistema. Gerência da Distribuição

NOTA TÉCNICA 6.008. Página 1 de 24. Diretoria de Planejamento e Engenharia. Gerência de Planejamento do Sistema. Gerência da Distribuição Página 1 de 4 NOTA TÉCNICA 6.008 REQUISITOS MÍNIMOS PARA INTERLIGAÇÃO DE GERADOR PARTICULAR COM A REDE DE DISTRIBUIÇÃO DA AES ELETROPAULO UTILIZANDO SISTEMA DE TRANSFERÊNCIA AUTOMÁTICA COM INTERRUPÇÃO

Leia mais

NORMA DE DISTRIBUIÇÃO UNIFICADA NDU - 020

NORMA DE DISTRIBUIÇÃO UNIFICADA NDU - 020 NORMA DE DISTRIBUIÇÃO UNIFICADA NDU - 020 EXIGÊNCIAS MÍNIMAS PARA INTERLIGAÇÃO DE GERADOR DE CONSUMIDOR PRIMÁRIO COM A REDE DE DISTRIBUIÇÃO DA ENERGISA COM PARALELISMO MOMENTÂNEO SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO...

Leia mais

Realizar Novas Ligações. Executar Ligação AT. HISTÓRICO DE MODIFICAÇÕES Edição Data Alterações em relação à edição anterior

Realizar Novas Ligações. Executar Ligação AT. HISTÓRICO DE MODIFICAÇÕES Edição Data Alterações em relação à edição anterior Paralelismo Momentâneo de Gerador com o Sistema de Distribuição com Processo Atividade Realizar Novas Ligações Executar Ligação AT Código Edição Data SM04.08-00.005 2ª Folha 1 DE 10 11/11/2010 HISTÓRICO

Leia mais

3.3 Operação em Rampa Transferência de carga de modo gradativo entre a Distribuidora e um gerador de consumidor ou vice-versa.

3.3 Operação em Rampa Transferência de carga de modo gradativo entre a Distribuidora e um gerador de consumidor ou vice-versa. O SISTEMA DE DISTRIBUIÇÃO, COM OPERAÇÃO Processo: PROJETO E CONSTRUÇÃO Subprocesso: INSTALAÇÃO ELÉTRICA DE CONSUMIDOR PCI.00.05 1/9 Primeira 1. OBJETIVO Estabelecer os critérios e requisitos necessários

Leia mais

NORMA DE DISTRIBUIÇÃO UNIFICADA NDU 019

NORMA DE DISTRIBUIÇÃO UNIFICADA NDU 019 NORMA DE DISTRIBUIÇÃO UNIFICADA NDU 019 EXIGÊNCIAS MÍNIMAS PARA INTERLIGAÇÃO DE GERADOR DE CONSUMIDOR PRIMÁRIO COM A REDE DE DISTRIBUIÇÃO DA ENERGISA COM PARALELISMO PERMANENTE SUMÁRIO 1.INTRODUÇÃO...

Leia mais

DIRETORIA TÉCNICA PLANEJAMENTO E ENGENHARIA DE AT E MT DECISÃO TÉCNICA DT-104/2010 R-03

DIRETORIA TÉCNICA PLANEJAMENTO E ENGENHARIA DE AT E MT DECISÃO TÉCNICA DT-104/2010 R-03 DIRETORIA TÉCNICA PLANEJAMENTO E ENGENHARIA DE AT E MT DECISÃO TÉCNICA /2010 R- FOLHA DE CONTROLE I APRESENTAÇÃO A presente Decisão Técnica R substitui a R02 e visa estabelecer instruções técnicas para

Leia mais

Edição Data Alterações em relação à edição anterior. 4ª 13/08/2007 Inclusão dos itens 4.9, 4.10 e substituição do ANEXO III e IV.

Edição Data Alterações em relação à edição anterior. 4ª 13/08/2007 Inclusão dos itens 4.9, 4.10 e substituição do ANEXO III e IV. Paralelismo Momentâneo de Gerador com o Sistema de Distribuição, com Processo Atendimento aos Clientes Atividade Código Edição Data SM01.00-00.007 7ª Folha 1 DE 15 21/07/2010 HISTÓRICO DE MODIFICAÇÕES

Leia mais

NORMA TÉCNICA SUMÁRIO 1 FINALIDADE... 3 2 CAMPO DE APLICAÇÃO... 3 3 RESPONSABILIDADES... 3 4 DEFINIÇÕES... 3

NORMA TÉCNICA SUMÁRIO 1 FINALIDADE... 3 2 CAMPO DE APLICAÇÃO... 3 3 RESPONSABILIDADES... 3 4 DEFINIÇÕES... 3 30 / 08 / 2012 1 de 19 SUMÁRIO 1 FINALIDADE... 3 2 CAMPO DE APLICAÇÃO... 3 3 RESPONSABILIDADES... 3 4 DEFINIÇÕES... 3 4.1 Associação Brasileira de Normas Técnicas - ABNT... 3 4.2 Agência Nacional de Energia

Leia mais

NOTA TÉCNICA 6.005. Página 1 de 20. Diretoria de Planejamento e Engenharia. Gerência de Planejamento do Sistema. Gerência da Distribuição

NOTA TÉCNICA 6.005. Página 1 de 20. Diretoria de Planejamento e Engenharia. Gerência de Planejamento do Sistema. Gerência da Distribuição Página 1 de 0 NOTA TÉCNICA 6.005 REQUISITOS MÍNIMOS PARA INTERLIGAÇÃO DE GERADOR PARTICULAR DE CONSUMIDOR PRIMÁRIO COM A REDE DE DISTRIBUIÇÃO DA AES ELETROPAULO UTILIZANDO SISTEMA DE TRANSFERÊNCIA AUTOMÁTICA

Leia mais

NOTA TÉCNICA 6.010. Página 1 de 19. Diretoria de Planejamento e Engenharia. Gerência de Planejamento do Sistema. Gerência da Distribuição

NOTA TÉCNICA 6.010. Página 1 de 19. Diretoria de Planejamento e Engenharia. Gerência de Planejamento do Sistema. Gerência da Distribuição Página 1 de 19 NOTA TÉCNICA 6.010 REQUISITOS MÍNIMOS PARA INTERLIGAÇÃO DE GERADOR PARTICULAR DE CONSUMIDOR SECUNDÁRIO COM A REDE DE DISTRIBUIÇÃO DA AES ELETROPAULO UTILIZANDO SISTEMA DE TRANSFERÊNCIA AUTOMÁTICA

Leia mais

DECISÃO TÉCNICA DT-104/2015 R-04

DECISÃO TÉCNICA DT-104/2015 R-04 DIRETORIA TÉCNICA PLANEJAMENTO E ENGENHARIA DA REDE /2015 DECISÃO TÉCNICA /2015 R- FOLHA DE CONTROLE I APRESENTAÇÃO A presente Decisão Técnica R- substitui a R-03 e visa estabelecer instruções técnicas

Leia mais

PROCEDIMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO Título PARALELISMO MOMENTÂNEO DE GERADOR COM O SISTEMA PRIMÁRIO DE DISTRIBUIÇÃO ATÉ 69 kv, COM OPERAÇÃO EM RAMPA

PROCEDIMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO Título PARALELISMO MOMENTÂNEO DE GERADOR COM O SISTEMA PRIMÁRIO DE DISTRIBUIÇÃO ATÉ 69 kv, COM OPERAÇÃO EM RAMPA PROCEDIMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO Título PARALELISMO MOMENTÂNEO DE GERADOR COM O SISTEMA PRIMÁRIO DE DISTRIBUIÇÃO ATÉ 69 kv, COM OPERAÇÃO EM RAMPA Código NTD-00.024 Data da emissão 05.11.2009 Data da última

Leia mais

Sem Excedentes - O autoprodutor produz energia elétrica que é totalmente consumida nas suas instalações.

Sem Excedentes - O autoprodutor produz energia elétrica que é totalmente consumida nas suas instalações. DISTRIBUIÇÃO POR AGENTES GERADORES DE Processo: PROJETO E CONSTRUÇÃO Subprocesso: INSTALAÇÃO ELÉTRICA DE CONSUMIDOR PCI.00.03 1/14 Primeira 1. OBJETIVO Estabelecer os critérios e requisitos necessários

Leia mais

Edição Data Alterações em relação à edição anterior. Nome dos grupos

Edição Data Alterações em relação à edição anterior. Nome dos grupos Instalação de Geradores Particulares em Baixa Tensão Processo Realizar Novas Ligações Atividade Executar Ligações BT Código Edição Data SM04.14-01.007 2ª Folha 1 DE 6 18/08/2009 HISTÓRICO DE MODIFICAÇÕES

Leia mais

NORMA TÉCNICA NT-6.012

NORMA TÉCNICA NT-6.012 Página 1 de 25 NORMA TÉCNICA NT-6.012 REQUISITOS MÍNIMOS PARA INTERLIGAÇÃO DE MICROGERAÇÃO E MINIGERAÇÃO DISTRIBUÍDA COM REDE DE DISTRIBUIÇÃO DA AES ELETROPAULO COM PARALELISMO PERMANENTE ATRAVÉS DO USO

Leia mais

Realizar Novas Ligações. Executa Ligação AT. HISTÓRICO DE MODIFICAÇÕES Edição Data Alterações em relação à edição anterior

Realizar Novas Ligações. Executa Ligação AT. HISTÓRICO DE MODIFICAÇÕES Edição Data Alterações em relação à edição anterior Acesso, Conexão e Uso do Sistema de Distribuição por Agentes Geradores Processo Atividade Realizar Novas Ligações Executa Ligação AT Código Edição Data SM04.08-00.003 2ª Folha 1 DE 17 23/10/2008 HISTÓRICO

Leia mais

PROCEDIMENTOS PARA CONEXÃO DE MICRO E MINIGERAÇÃO DISTRIBUÍDA

PROCEDIMENTOS PARA CONEXÃO DE MICRO E MINIGERAÇÃO DISTRIBUÍDA PROCEDIMENTOS PARA CONEXÃO DE MICRO E MINIGERAÇÃO DISTRIBUÍDA AO SISTEMA ELÉTRICO DA SANTA MARIA REVISÃO DEZEMBRO/2012 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO 2 TERMINOLOGIA 3 CRITÉRIOS E PADRÕES TÉCNICOS 4 - SOLICITAÇÃO

Leia mais

Edição Data Alterações em relação à edição anterior

Edição Data Alterações em relação à edição anterior Acesso, Conexão e Uso do Sistema de Distribuição por Agentes Geradores Processo Gerenciamento da Compra, da Utilização e da Conexão do Sistema Elétrico Atividade Código Edição Data VM02.00-00.001 4ª Folha

Leia mais

MICROGERAÇÃO E MINIGERAÇÃO DISTRIBUIDA

MICROGERAÇÃO E MINIGERAÇÃO DISTRIBUIDA MICROGERAÇÃO E MINIGERAÇÃO DISTRIBUIDA Versão: 01 Data: 12/01/2013 SUMÁRIO 1. Objetivo 03 2. Normas e Regulamentos Complementares 03 3. Definições 04 3.1. Acesso 04 3.2 Acordo Operativo 04 3.3. Condições

Leia mais

NORMA TÉCNICA DE DISTRIBUIÇÃO NTD - 011

NORMA TÉCNICA DE DISTRIBUIÇÃO NTD - 011 NORMA TÉCNICA DE DISTRIBUIÇÃO NTD - 011 FORNECIMENTO EM TENSÃO PRIMÁRIA DE DISTRIBUIÇÃO Departamento Responsável Superintendência de Engenharia Primeira Edição - Dezembro de 06 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO...6

Leia mais

IMPRESSÃO NÃO CONTROLADA

IMPRESSÃO NÃO CONTROLADA SUMÁRIO 1. FINALIDADE... 2 2. ÂMBITO DE APLICAÇÃO... 2 3. DEFINIÇÕES... 2 4. REQUISITOS GERAIS...3 5. REQUISITOS ESPECÍFICOS... 5 5.1 Requisitos para as Instalações do Acessante... 5 5.2 Paralelismo Acidental...7

Leia mais

REQUISITOS TÉCNICOS PARA CONEXÃO DE MICRO E MINIGERAÇÃO AO SISTEMA DE DISTRIBUIÇÃO

REQUISITOS TÉCNICOS PARA CONEXÃO DE MICRO E MINIGERAÇÃO AO SISTEMA DE DISTRIBUIÇÃO REQUISITOS TÉCNICOS PARA CONEXÃO DE MICRO AO SISTEMA DE DISTRIBUIÇÃO EMISSÃO: 10/04/2013 REVISÃO: --/--/---- PÁG. 1/42 Sumário 1. Objetivo... 3 2. Aplicação... 3 3. Documentos de Referência... 3 4. Definições...

Leia mais

Edição Data Alterações em relação à edição anterior. 3ª 16/05/2008 Adequação ao novo padrão de normativos no SGN. Nome dos grupos

Edição Data Alterações em relação à edição anterior. 3ª 16/05/2008 Adequação ao novo padrão de normativos no SGN. Nome dos grupos Instalação de Geradores Particulares em Baixa Tensão Processo Atendimento aos Clientes Atividade Código Edição Data SM01.00-00.006 3ª Folha 1 DE 6 16/05/2008 HISTÓRICO DE MODIFICAÇÕES Edição Data Alterações

Leia mais

Tipo: FECO-G-03 Norma Técnica e Padronização

Tipo: FECO-G-03 Norma Técnica e Padronização Tipo: Norma Técnica e Padronização Requisitos Conexão Mini Micro Geradores Sistema SUMÁRIO INTRODUÇÃO... 4 1 OBJETIVO... 6 2 CAMPO DE APLICAÇÃO...6 3 RESPONSABILIDADES...6 4 CONCEITOS...7 5 ETAPAS PARA

Leia mais

PROCEDIMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO Título ACESSO DE MICRO E MINI GERAÇÃO COM FONTES RENOVÁVEIS E COGERAÇÃO QUALIFICADA AO SISTEMA DE DISTRIBUIÇÃO

PROCEDIMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO Título ACESSO DE MICRO E MINI GERAÇÃO COM FONTES RENOVÁVEIS E COGERAÇÃO QUALIFICADA AO SISTEMA DE DISTRIBUIÇÃO PROCEDIMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO Título ACESSO DE MICRO E MINI GERAÇÃO COM FONTES RENOVÁVEIS E COGERAÇÃO QUALIFICADA AO SISTEMA DE DISTRIBUIÇÃO Código NTD-00.081 Data da emissão 17.12.2012 Data da última

Leia mais

Tipo: FECO-G-03 Norma Técnica e Padronização

Tipo: FECO-G-03 Norma Técnica e Padronização Tipo: Norma Técnica e Padronização Requisitos Conexão Mini Micro Geradores Sistema SUMÁRIO INTRODUÇÃO...4 1 OBJETIVO...6 2 CAMPO DE APLICAÇÃO...6 3 RESPONSABILIDADES...6 4 CONCEITOS...7 5 ETAPAS PARA VIABILIZAÇÃO

Leia mais

TARIFA HORO-SAZONAL HORÁRIO DE PONTA

TARIFA HORO-SAZONAL HORÁRIO DE PONTA TARIFA HOROSAZOAL HORÁRIO DE POTA Ao longo das horas do dia, o consumo de energia varia, atingindo valores máximos entre as e horas. De acordo com o perfil da carga de cada concessionária, são escolhidas

Leia mais

CHAVES DE TRANSFERÊNCIA AUTOMÁTICA. Sistemas de Baixa Tensão

CHAVES DE TRANSFERÊNCIA AUTOMÁTICA. Sistemas de Baixa Tensão CHAVES DE TRANSFERÊNCIA AUTOMÁTICA Sistemas de Baixa Tensão Toda instalação onde se utiliza o grupo gerador como fonte alternativa de energia necessita, obrigatoriamente, de uma chave reversora ou comutadora

Leia mais

HIDROPAN Hidroelétrica Panambi S/A NORMA DE CONEXÃO DE MICRO E MINIGERAÇÃO DISTRIBUÍDA SOB SISTEMA DE COMPENSAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA

HIDROPAN Hidroelétrica Panambi S/A NORMA DE CONEXÃO DE MICRO E MINIGERAÇÃO DISTRIBUÍDA SOB SISTEMA DE COMPENSAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA 1 HIDROPAN Hidroelétrica Panambi S/A NORMA DE CONEXÃO DE MICRO E MINIGERAÇÃO DISTRIBUÍDA SOB SISTEMA DE COMPENSAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA Conexão em Baixa e Média Tensão 1 Edição Panambi - RS Janeiro 2013

Leia mais

Edição Data Alterações em relação à edição anterior. Atualização das informações. Nome dos grupos

Edição Data Alterações em relação à edição anterior. Atualização das informações. Nome dos grupos Instalação de Banco de Capacitores em Baixa Tensão Processo Realizar Novas Ligações Atividade Executar Ligações BT Código Edição Data SM04.14-01.008 2ª Folha 1 DE 9 26/10/2009 HISTÓRICO DE MODIFICAÇÕES

Leia mais

PRIMERAS JORNADAS REGIONALES DE CALIDAD DE ENERGÍA 2006 8 y 9 de Setiembre de 2006 - Uruguai

PRIMERAS JORNADAS REGIONALES DE CALIDAD DE ENERGÍA 2006 8 y 9 de Setiembre de 2006 - Uruguai PRIMERAS JORNADAS REGIONALES DE CALIDAD DE ENERGÍA 2006 8 y 9 de Setiembre de 2006 - Uruguai CONEXÃO DE GERADORES COM O SISTEMA ELÉTRICO DE DISTRIBUIÇÃO Senne, E. F.; CPFL Energia; flausino@cpfl.com.br;

Leia mais

FORNECIMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA. Introdução

FORNECIMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA. Introdução FORNECIMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA Introdução A questão do fornecimento de energia elétrica é de suma importância para um funcionamento adequado de equipamentos eletro-eletrônicos. Assim sendo, cabe ao poder

Leia mais

NORMA TÉCNICA DE DISTRIBUIÇÃO - NTE 014 FORNECIMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA EM TENSÃO PRIMÁRIA DE DISTRIBUIÇÃO. Cuiabá Mato Grosso - Brasil

NORMA TÉCNICA DE DISTRIBUIÇÃO - NTE 014 FORNECIMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA EM TENSÃO PRIMÁRIA DE DISTRIBUIÇÃO. Cuiabá Mato Grosso - Brasil NORMA TÉCNICA DE DISTRIBUIÇÃO - NTE 014 FORNECIMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA EM TENSÃO PRIMÁRIA DE DISTRIBUIÇÃO Cuiabá Mato Grosso - Brasil SUMÁRIO APRESENTAÇÃO...3 1-OBJETIVO...4 2-AMPLITUDE...4 3-RESPONSABILIDADE

Leia mais

Tabela de Funções Ansi

Tabela de Funções Ansi Tabela de Funções Ansi A ANSI visando a padronização dos códigos das funções de proteções, criou uma tabela de códigos com das funções de proteção. Na verdade, esta tabela veio da ASA e posteriormente

Leia mais

Geração Própria NT 07 05 014

Geração Própria NT 07 05 014 Geração Própria NT 07 05 014 SUMÁRIO CONTEÚDO PG. 1. OBJETIVO 02 2. ÂMBITO 02 3. DEFINIÇÕES 05 4. NORMAS E LEGISLAÇÃO APLICÁVEIS E DOCUMENTOS COMPLEMENTARES 06 5. INSTRUÇÕES GERAIS 06 6. PROCEDIMENTOS

Leia mais

Iguaçu Distribuidora de Energia Elétrica Ltda.

Iguaçu Distribuidora de Energia Elétrica Ltda. Iguaçu Distribuidora de Energia Elétrica Ltda. NORMA TÉCNICA PARA CONEXÃO DE MINIGERAÇÃO E MICROGERAÇÃO DISTRIBUÍDA DE ENERGIA, AO SISTEMA ELÉTRICO DA IGUAÇU ENERGIA 1 Bibliografia utilizada e consultada:

Leia mais

S i s t e m a N o r m a t i vo Corporativo

S i s t e m a N o r m a t i vo Corporativo S i s t e m a N o r m a t i vo Corporativo PROCEDIMENTO VERSÃO Nº DELIBERAÇÃO Nº APROVAÇÃO DATA DATA DE PUBLICAÇÃO 01-24/06/2014 04/07/2014 APROVADO POR MARCELO POLTRONIERI DTES-ES RODNEY P. MENDERICO

Leia mais

COMUNICADO TÉCNICO Nº 60

COMUNICADO TÉCNICO Nº 60 Página 1 de 15 COMUNICADO TÉCNICO Nº 60 ALTERAÇÃO DE TENSÃO SECUNDÁRIA DE NOVOS EMPREENDIMENTOS NO SISTEMA RETICULADO SUBTERRÂNEO (NETWORK) Diretoria de Engenharia e Serviços Gerência de Engenharia da

Leia mais

Proteção contra motorização e correntes desbalanceadas, falha de disjuntor e energização inadvertida Por Geraldo Rocha e Paulo Lima*

Proteção contra motorização e correntes desbalanceadas, falha de disjuntor e energização inadvertida Por Geraldo Rocha e Paulo Lima* 30 Capítulo VI Proteção contra motorização e correntes desbalanceadas, falha de disjuntor e energização inadvertida Por Geraldo Rocha e Paulo Lima* Proteção contra motorização e correntes desbalanceadas

Leia mais

MANUTENÇÃO PREVENTIVA E CORRETIVA EM MÉDIA TENSÃO

MANUTENÇÃO PREVENTIVA E CORRETIVA EM MÉDIA TENSÃO MANUTENÇÃO PREVENTIVA E CORRETIVA EM MÉDIA TENSÃO TECNOLOGIA, QUALIDADE E ENERGIA A SERVIÇO DA ECONOMIA. Engelétrica Indústria, Comércio e Serviços Elétricos Ltda. Rua Xavier da Rocha, 10 Vila Prudente

Leia mais

PROCEDIMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO

PROCEDIMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO PRODIMENTOS ASSO DE MICRO E MINI GERAÇÃO COM FONTES 1 SUMÁRIO 1. OBJETIVO... 1 2. NORMAS E DOCUMENTOS COMPLEMENTARES... 2 3. DEFINIÇÕES... 3 4. CONDIÇÕES GERAIS... 8 5. CONDIÇÕES ESPECÍFICAS... 11 6. VIGÊNCIA...

Leia mais

9º ENTEC Encontro de Tecnologia: 23 a 28 de novembro de 2015

9º ENTEC Encontro de Tecnologia: 23 a 28 de novembro de 2015 DETERMINAÇÃO DA CORRENTE DE CURTO - CIRCUITO FASE TERRA NO MEIO INDUSTRIAL Felipe Miquelino¹; Edilberto Teixeira² 1 Universidade de Uberaba, Uberaba-MG 2 Universidade de Uberaba, Uberaba-MG fmiquelinof@gmail.com;

Leia mais

Capítulo III. Faltas à terra no rotor e proteções de retaguarda. Proteção de geradores. Faltas à terra no rotor. Tipos de sistemas de excitação

Capítulo III. Faltas à terra no rotor e proteções de retaguarda. Proteção de geradores. Faltas à terra no rotor. Tipos de sistemas de excitação 24 Capítulo III Faltas à terra no rotor e proteções de retaguarda Por Geraldo Rocha e Paulo Lima* Faltas à terra no rotor A função primária do sistema de excitação de um gerador síncrono é regular a tensão

Leia mais

COELCE DECISÃO TÉCNICA CRITÉRIO PARA INSTALAÇÃO DT - 106 RELIGADOR AUTOMÁTICO TRIFÁSICO DE 15 KV USO EM POSTE

COELCE DECISÃO TÉCNICA CRITÉRIO PARA INSTALAÇÃO DT - 106 RELIGADOR AUTOMÁTICO TRIFÁSICO DE 15 KV USO EM POSTE DECISÃO TÉCNICA CRITÉRIO PARA INSTALAÇÃO DT - 16 RELIGADOR AUTOMÁTICO TRIFÁSICO DE 15 KV USO EM POSTE DOCUMENTO NORMATIVO DA TRANSMISSÃO DESIM -896-1 I JUN/1 Í N D I C E 1 OBJETIVO...1 2 NORMAS E TRABALHOS...1

Leia mais

Uma viagem pelas instalações elétricas. Conceitos & aplicações

Uma viagem pelas instalações elétricas. Conceitos & aplicações Uma viagem pelas instalações elétricas. Conceitos & aplicações Workshop Etapa BRASÍLIA CEB CEB 01 UPS 150 kva IGBT/IGBT BASEADO NAS INFORMAÇÕES DO DIAGRAMA UNIFILAR APRESENTADO, DEFINIR: 1 - Corrente nominal

Leia mais

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DA PARAÍBA TEMA DA AULA PROFESSOR: RONIMACK TRAJANO DE SOUZA

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DA PARAÍBA TEMA DA AULA PROFESSOR: RONIMACK TRAJANO DE SOUZA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DA PARAÍBA TEMA DA AULA EQUIPAMENTOS DA SE PROFESSOR: RONIMACK TRAJANO DE SOUZA COMPONENTES SUBESTAÇÕES OBJETIVOS Apresentar os principais equipamentos

Leia mais

Como reduzir sua conta de energia elétrica

Como reduzir sua conta de energia elétrica Como reduzir sua conta de energia elétrica Com REDULIGHT você tem energia de melhor qualidade e economiza até 25% na conta Saiba como O que é e como funciona o filtro REDULIGHT O Redulight é um Filtro

Leia mais

Páginas 1 de 17 Requisitos para a Conexão de Micro ou Mini Geradores de Energia ao Sistema - Empresa Força e Luz de Urussanga Ltda. 1. FINALIDADE A presente Instrução Normativa tem como finalidade estabelecer

Leia mais

COMPANHIA CAMPOLARGUENSE DE ENERGIA - COCEL NORMAS TÉCNICAS CONEXÃO DE MICRO E MINI GERAÇÃO DISTRIBUÍDA

COMPANHIA CAMPOLARGUENSE DE ENERGIA - COCEL NORMAS TÉCNICAS CONEXÃO DE MICRO E MINI GERAÇÃO DISTRIBUÍDA COMPANHIA CAMPOLARGUENSE DE ENERGIA - COCEL NORMAS TÉCNICAS CONEXÃO DE MICRO E MINI GERAÇÃO DISTRIBUÍDA 2012 ÍNDICE 1 OBJETIVO 1 2 ABRANGÊNCIA 1 3 TERMINOLOGIA 1 4 DISPOSIÇÕES GERAIS 9 5 REQUISITOS TÉCNICOS

Leia mais

Substações MT/BT Teoria e exemplos de cálculo das correntes de curto circuito trifásicas

Substações MT/BT Teoria e exemplos de cálculo das correntes de curto circuito trifásicas Substações MT/BT Teoria e exemplos de cálculo das correntes de curto circuito trifásicas Filippe Pereira Dolgoff Engenheiro de Aplicação Produtos e Sistema de Baixa Tensão ABB 1 INTRODUÇÃO Um sistema elétrico

Leia mais

CONEXÃO DE MINI E MICROGERADORES AO SISTEMA DE DISTRIBUIÇÃO EM MT

CONEXÃO DE MINI E MICROGERADORES AO SISTEMA DE DISTRIBUIÇÃO EM MT S istema Normativo Corporativo PROCEDIMENTO VERSÃO Nº ATA Nº DATA DATA DA VIGÊNCIA 01-10/12/2012 15/12/2012 APROVADO POR () EDSON HIDEKI TAKAUTI (-BD) MARCELO POLTRONIERI (-ES) SUMÁRIO 1. RESUMO... 3 2.

Leia mais

NORMA TÉCNICA CELG D. Fornecimento de Energia Elétrica em Tensão Primária de Distribuição. NTC-05 Revisão 2

NORMA TÉCNICA CELG D. Fornecimento de Energia Elétrica em Tensão Primária de Distribuição. NTC-05 Revisão 2 NORMA TÉCNICA CELG D Fornecimento de Energia Elétrica em Tensão Primária de Distribuição NTC-05 Revisão 2 ÍNDICE SEÇÃO TÍTULO PÁGINA 1. INTRODUÇÃO 1 2. OBJETIVO 2 3. CAMPO DE APLICAÇÃO 3 4. TERMINOLOGIA

Leia mais

1. ECE 2.46.01 ( Esquema desabilitado ) 2. Esquema de corte de geração da UHE Itá. 3. Empresa responsável: TRACTEBEL

1. ECE 2.46.01 ( Esquema desabilitado ) 2. Esquema de corte de geração da UHE Itá. 3. Empresa responsável: TRACTEBEL 1. ECE 2.46.01 ( Esquema desabilitado ) 2. Esquema de corte de geração da UHE Itá 3. Empresa responsável: 4. Categoria do esquema: Corte de geração 5. Finalidade: A finalidade deste esquema é evitar que

Leia mais

DIRETORIA DE PLANEJAMENTO E

DIRETORIA DE PLANEJAMENTO E DIRETORIA DE PLANEJAMENTO E EXPANSÃO NORMA TÉCNICA DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA NTD 09 NORMA TÉCNICA DE DISTRIBUIÇÃO PARA CONEXÃO DE ACESSANTES À REDE DE DISTRIBUIÇÃO DA CEA. CONEXÃO EM MÉDIA TENSÃO DEZEMBRO/2013

Leia mais

Equipamentos Elétricos e Eletrônicos de Potência Ltda.

Equipamentos Elétricos e Eletrônicos de Potência Ltda. Equipamentos Elétricos e Eletrônicos de Potência Ltda. Confiança e economia na qualidade da energia. Recomendações para a aplicação de capacitores em sistemas de potência Antes de iniciar a instalação,

Leia mais

TÉCNICA NTE - 014 FORNECIMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA EM TENSÃO PRIMÁRIA DE DISTRIBUIÇÃO

TÉCNICA NTE - 014 FORNECIMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA EM TENSÃO PRIMÁRIA DE DISTRIBUIÇÃO NORMA TÉCNICA NTE - 014 FORNECIMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA EM TENSÃO PRIMÁRIA DE DISTRIBUIÇÃO Cuiabá Mato Grosso - Brasil APRESENTAÇÃO...3 1-OBJETIVO...4 2-AMPLITUDE...4 3-RESPONSABILIDADE QUANTO AO CUMPRIMENTO...4

Leia mais

Edição Data Alterações em relação à edição anterior

Edição Data Alterações em relação à edição anterior Conexão de Microgeradores e Minigeradores ao Sistema de Distribuição de Processo Gerenciamento da Compra, da Utilização e da Conexão do Sistema Elétrico Atividade Código Edição Data VM02.00-00.005 2ª Folha

Leia mais

Blog Segurança do Trabalho WWW.BLOGSEGURANCADOTRABALHO.COM.BR

Blog Segurança do Trabalho WWW.BLOGSEGURANCADOTRABALHO.COM.BR NOME DA EMPRESA CHECK LIST - NORMA REGULAMENTADORA Nº 10 Empresa: Inspetor (es): Data da Inspeção: / / Responsável pelo Local de Trabalho / Setor: Local de Trabalho / Setor: ITENS DESCRIÇÃO SIM DA INSPEÇÃO

Leia mais

NORMA DE DISTRIBUIÇÃO UNIFICADA NDU-015

NORMA DE DISTRIBUIÇÃO UNIFICADA NDU-015 NORMA DE DISTRIBUIÇÃO UNIFICADA NDU-015 CRITÉRIOS PARA A CONEXÃO DE ACESSANTES DE GERAÇÃO DISTRIBUÍDA AO SISTEMA DE DISTRIBUIÇÃO DA ENERGISA - CONEXÃO EM MÉDIA TENSÃO NDU-015 ESE/EPB/EBO/EMG/ENF VERSÃO

Leia mais

INSTRUÇÃO TÉCNICA IT-81.081

INSTRUÇÃO TÉCNICA IT-81.081 INSTRUÇÃO TÉCNICA IT-81.081 Acesso de Microgeração e Minigeração com Fontes Renováveis e Cogeração Qualificada ao Sistema de Distribuição Processo: Expansão Versão: 3.0 Início de Vigência: 24-11-2014 Órgão

Leia mais

LAUDO TÉCNICO DE AVALIAÇÃO DAS INSTALAÇÕES ELÉTRICAS DE ENTRADA CONDOMÍNIO DO EDIFÍCIO SOLAR DAS LARANJEIRAS

LAUDO TÉCNICO DE AVALIAÇÃO DAS INSTALAÇÕES ELÉTRICAS DE ENTRADA CONDOMÍNIO DO EDIFÍCIO SOLAR DAS LARANJEIRAS LAUDO TÉCNICO DE AVALIAÇÃO DAS INSTALAÇÕES ELÉTRICAS DE ENTRADA DO CONDOMÍNIO DO EDIFÍCIO SOLAR DAS LARANJEIRAS 1 INDICE 1 OBJETIVO 2 NORMAS APLICÁVEIS 3 GENERALIDADES 4 METODOLOGIA 5 MEDIÇÕES DE GRANDEZAS

Leia mais

Capítulo IX. Exemplos de automação em sistemas de supervisão e controle de subestações e redes de distribuição. Automação de subestações

Capítulo IX. Exemplos de automação em sistemas de supervisão e controle de subestações e redes de distribuição. Automação de subestações 54 Capítulo IX Exemplos de automação em sistemas de supervisão e controle de subestações e redes de distribuição A operação do sistema elétrico de potência é extremante dependente das informações de estados,

Leia mais

Introdução: O que é uma Subestação? Definição NBR 5460 / 1992

Introdução: O que é uma Subestação? Definição NBR 5460 / 1992 Subestações Introdução: O que é uma Subestação? Definição NBR 5460 / 1992 Parte de um sistema de potência, concentrada em um dado local, compreendendo primordialmente as extremidades de linhas de transmissão

Leia mais

NTC 903100 FORNECIMENTO EM TENSÃO PRIMÁRIA DE DISTRIBUIÇÃO

NTC 903100 FORNECIMENTO EM TENSÃO PRIMÁRIA DE DISTRIBUIÇÃO NORMAS TÉCNICAS COPEL NTC 903100 FORNECIMENTO EM TENSÃO PRIMÁRIA DE DISTRIBUIÇÃO COPEL Distribuição DEND/NOR Diretoria de Engenharia - Normalização da Engenharia de Distribuição APRESENTAÇÃO Dando prosseguimento

Leia mais

NORMA TÉCNICA DE DISTRIBUIÇÃO NTD - 014

NORMA TÉCNICA DE DISTRIBUIÇÃO NTD - 014 NORMA TÉCNICA DE DISTRIBUIÇÃO NTD - 014 CONEXÃO DE GERAÇÃO AO SISTEMA DE DISTRIBUIÇÃO EM MEDIA TENSÃO MODALIDADE COMPENSAÇÃO Departamento Responsável Gerência de Operação do Sistema Diretoria de Operações

Leia mais

Dispositivos de Proteção

Dispositivos de Proteção 4 Dispositivos de Proteção Todos os circuitos deverão ser protegidos, a fim de garantir a integridade física das pessoas das instalações e equipamentos. Para isso, existem diversos dispositivos e equipamentos

Leia mais

NORMA TÉCNICA PARA A CONEXÃO DE ACESSANTES A REDE DE DISTRIBUIÇÃO DAS DISTRIBUIDORAS DA ELETROBRAS CONEXÃO EM MÉDIA TENSÃO 1/51

NORMA TÉCNICA PARA A CONEXÃO DE ACESSANTES A REDE DE DISTRIBUIÇÃO DAS DISTRIBUIDORAS DA ELETROBRAS CONEXÃO EM MÉDIA TENSÃO 1/51 PARA A CONEXÃO DE ACESSANTES A REDE DE DISTRIBUIÇÃO DAS DISTRIBUIDORAS DA ELETROBRAS CONEXÃO EM MÉDIA TENSÃO 1/51 MPN-DP-01/N-6 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 4 1.1 Objetivos... 4 1.2 Terminologia... 4 1.3 Disposições

Leia mais

Conexão de Acessante a Rede de Distribuição com Sistema de Compensação de Energia - Geração Distribuída

Conexão de Acessante a Rede de Distribuição com Sistema de Compensação de Energia - Geração Distribuída Dezembro / 2012 Praça Leoni Ramos n 1 São Domingos Niterói RJ Cep 24210-205 http:\\ www.ampla.com Conexão de Acessante a Rede de Distribuição com Sistema de Compensação de Energia - Geração Distribuída

Leia mais

Contrato nº XXX/2015 Chamada Pública nº XXX/2015 CONTRATO DE ADESÃO DE GERAÇÃO PRÓPRIA N.º 000/2015 QUE ENTRE SI FAZEM A E, NA FORMA ABAIXO:

Contrato nº XXX/2015 Chamada Pública nº XXX/2015 CONTRATO DE ADESÃO DE GERAÇÃO PRÓPRIA N.º 000/2015 QUE ENTRE SI FAZEM A E, NA FORMA ABAIXO: A CONTRATO DE ADESÃO DE GERAÇÃO PRÓPRIA N.º 000/2015 QUE ENTRE SI FAZEM A E, NA FORMA ABAIXO:, com sede na cidade de, Endereço, inscrita no CNPJ/MF sob o n., doravante denominada DISTRIBUIDORA, neste ato

Leia mais

eccosystems@eccosystems.com.br janaina@eccosystems.com.br

eccosystems@eccosystems.com.br janaina@eccosystems.com.br eccosystems@eccosystems.com.br janaina@eccosystems.com.br 51 3307 6597 A ECCOSYSTEMS está estruturada para a prestação de serviços de engenharia, consultoria, elaboração de estudos, planejamento, projetos

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA SUMÁRIO CONTEÚDO PG. 1. OBJIVO 02 2. ÂMBITO 02 3. CONCEITOS 02 4. NORMAS, LEGISLAÇÃO APLICÁVEIS E DOCUMENTOS COMPLEMENTARES 02 5. INSTRUÇÕES GERAIS 03 5.1. Local da realização dos serviços 03 5.2. Condições

Leia mais

Área de Distribuição e Comercialização Identificação do Trabalho: BR-53 São Paulo, Brasil, Setembro de 2002

Área de Distribuição e Comercialização Identificação do Trabalho: BR-53 São Paulo, Brasil, Setembro de 2002 COMISSÃO DE INTEGRAÇÃO ENERGÉTICA REGIONAL IV CIERTEC SEMINÁRIO INTERNACIONAL SOBRE AUTOMAÇÃO DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA E CENTROS DE CONTROLE Área de Distribuição e Comercialização Identificação

Leia mais

NORMA TÉCNICA PARA A CONEXÃO DE ACESSANTES A REDE DE DISTRIBUIÇÃO DAS DISTRIBUIDORAS DA ELETROBRAS CONEXÃO EM BAIXA TENSÃO

NORMA TÉCNICA PARA A CONEXÃO DE ACESSANTES A REDE DE DISTRIBUIÇÃO DAS DISTRIBUIDORAS DA ELETROBRAS CONEXÃO EM BAIXA TENSÃO PARA A CONEXÃO DE ACESSANTES A REDE DE DISTRIBUIÇÃO DAS DISTRIBUIDORAS DA ELETROBRAS CONEXÃO EM BAIXA TENSÃO MPN-DC-1/N-7 19/11/213 RES nº 14/213, 19/11/213 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 4 1.1 Objetivos... 4

Leia mais

Metodologia de Proteção e Análise de Impacto no Sistema Elétrico

Metodologia de Proteção e Análise de Impacto no Sistema Elétrico Metodologia de Proteção e Análise de Impacto no Sistema Elétrico NT 07 05 008 SUMÁRIO CONTEÚDO PG. 1. OBJETIVO 03 2. ÂMBITO 03 3. DEFINIÇÕES 03 4. NORMAS E LEGISLAÇÃO APLICÁVEIS E DOCUMENTOS COMPLEMENTARES

Leia mais

Controle e Corte Emergencial de Cargas com Recomposição Automática Através do Sistema SCADA BRASIL

Controle e Corte Emergencial de Cargas com Recomposição Automática Através do Sistema SCADA BRASIL Controle e Corte Emergencial de Cargas com Recomposição Automática Através do Sistema SCADA MONTENEGRO, J. C. F. S. (José Carlos de França e Silva Montenegro) BANDEIRANTE BRASIL MARQUES, R. (Rogério Marques)

Leia mais

Procedimentos de Distribuição de Energia Elétrica no Sistema Elétrico Nacional PRODIST. Módulo 3 Acesso aos Sistemas de Distribuição

Procedimentos de Distribuição de Energia Elétrica no Sistema Elétrico Nacional PRODIST. Módulo 3 Acesso aos Sistemas de Distribuição Agência Nacional de Energia Elétrica ANEEL Procedimentos de Distribuição de Energia Elétrica no Sistema Elétrico Nacional PRODIST Módulo 3 Acesso aos Sistemas de Distribuição Revisão Motivo da Revisão

Leia mais

Procedimento de Acesso para Microgeração e Minigeração Distribuída

Procedimento de Acesso para Microgeração e Minigeração Distribuída Procedimento de Acesso para Microgeração e Minigeração CÓDIGO VERSÃO Nº APROVAÇÃO RESPONSÁVEL DATA DATA DA VIGÊNCIA 00 15/12/2012 SUMÁRIO 1 OBJETIVO... 3 2 ÂMBITO DE APLICAÇÃO... 3 3 DEFINIÇÕES... 3 4

Leia mais

Proteção contra. choques elétricos e incêndios. Proteção contra. choques elétricos e incêndios

Proteção contra. choques elétricos e incêndios. Proteção contra. choques elétricos e incêndios Proteção contra choques elétricos e incêndios Proteção contra choques elétricos e incêndios Fabricado no Brasil Dispositivos D Proteção contra correntes de fuga à terra em instalações elétricas de baixa

Leia mais

Introdução ENERGIA ELÉTRICA: GERAÇÃO, TRANSMISSÃO E DISTRIBUIÇÃO.

Introdução ENERGIA ELÉTRICA: GERAÇÃO, TRANSMISSÃO E DISTRIBUIÇÃO. ENERGIA ELÉTRICA: GERAÇÃO, TRANSMISSÃO E DISTRIBUIÇÃO. Introdução A energia elétrica que alimenta as indústrias, comércio e nossos lares é gerada principalmente em usinas hidrelétricas, onde a passagem

Leia mais

COMUNICADO TÉCNICO CT - 56 SOLICITAÇÃO DE ATENDIMENTO TÉCNICO ATRAVÉS DOS CANAIS DE ATENDIMENTO ELETRÔNICO. Página 1 de 16

COMUNICADO TÉCNICO CT - 56 SOLICITAÇÃO DE ATENDIMENTO TÉCNICO ATRAVÉS DOS CANAIS DE ATENDIMENTO ELETRÔNICO. Página 1 de 16 Página 1 de 16 COMUNICADO TÉCNICO CT - 56 SOLICITAÇÃO DE ATENDIMENTO TÉCNICO ATRAVÉS DOS CANAIS DE ATENDIMENTO ELETRÔNICO Diretoria de Engenharia e Serviços Gerência de Engenharia da Distribuição Gerência

Leia mais

DD-27 GERADOR DE OZÔNIO

DD-27 GERADOR DE OZÔNIO DD-27 GERADOR DE OZÔNIO MANUAL DE INSTRUÇÕES & OPERAÇÃO DE MÁQUINA www.deox.com.br Página 1 de 6 SUMÁRIO 1 INSTRUÇÕES GERAIS... 2 2 ESPECIFICAÇÕES DO EQUIPAMENTO... 2 3 INSTALAÇÃO... 3 3.1 SOLICITAÇÕES

Leia mais

CONSTRUÇÃO DO FÓRUM DA COMARCA DE UBERABA AV. MARANHÃO COM AV. CORONEL ANTÔNIO RIOS, S/N B. UNIVERSITÁRIO

CONSTRUÇÃO DO FÓRUM DA COMARCA DE UBERABA AV. MARANHÃO COM AV. CORONEL ANTÔNIO RIOS, S/N B. UNIVERSITÁRIO CONSTRUÇÃO DO FÓRUM DA COMARCA DE UBERABA AV. MARANHÃO COM AV. CORONEL ANTÔNIO RIOS, S/N B. UNIVERSITÁRIO MEMORIAL DESCRITIVO DA SUBESTAÇÃO ELÉTRICA ELÉTRICO-SUBESTAÇÃO ABRIGADA 2MVA 1/6 NOVO FÓRUM DA

Leia mais

Proteção da Interconexão de Cogeradores em Paralelo com o Sistema de Distribuição da CPFL

Proteção da Interconexão de Cogeradores em Paralelo com o Sistema de Distribuição da CPFL XVIII Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica SENDI 2008-06 a 10 de outubro Olinda - Pernambuco - Brasil Proteção da Interconexão de Cogeradores em Paralelo com o Sistema de Distribuição

Leia mais

GERAÇÃO DISTRIBUIDA - MANUAL DE PROCEDIMENTOS

GERAÇÃO DISTRIBUIDA - MANUAL DE PROCEDIMENTOS GERAÇÃO DISTRIBUIDA - MANUAL DE PROCEDIMENTOS INTRODUÇÃO Denomina-se geração distribuída ou descentralizada a produção de energia elétrica próxima ao ponto de consumo, podendo ser este ponto de consumo

Leia mais

fornecimento de energia elétrica Tensão de Subtransmissão 88/138 kv Subgrupo A2

fornecimento de energia elétrica Tensão de Subtransmissão 88/138 kv Subgrupo A2 fornecimento de energia elétrica Tensão de Subtransmissão 88/138 kv Subgrupo A2 ORIENTAÇÕES GERAIS PARA FORNECIMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA SUBGRUPO A2 Diretoria de Planejamento e Engenharia Gerência de Engenharia

Leia mais

ÃO AO CURSO LEGENDA WS 01 S 01 ENGENHARIA ELÉTRICA. Valor: 1,0. 1 a QUESTÃO. Tomada de 350 W. Luminária de 250 W monofásica. Interruptor simples

ÃO AO CURSO LEGENDA WS 01 S 01 ENGENHARIA ELÉTRICA. Valor: 1,0. 1 a QUESTÃO. Tomada de 350 W. Luminária de 250 W monofásica. Interruptor simples CONCURSO DE ADMISSÃ ÃO AO CURSO DE FORMAÇÃO ENGENHARIA ELÉTRICA CADERNO DE QUESTÕES 2009 1 a QUESTÃO Valor: 1,0 3m 02 g 3m 3m 4m 3m e 6m 4m 6m 6m d 4m 4m 02 02 02 4m 02 S g f 4m S S f e 4m c S d WS ab

Leia mais

CENTRO DE EDUCAÇÃO E ESPORTES GERAÇÃO FUTURA

CENTRO DE EDUCAÇÃO E ESPORTES GERAÇÃO FUTURA MEMORIAL DESCRITIVO E JUSTIFICATIVO DE CÁLCULO PROJETO DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS EM MÉDIA TENSÃO 13.8KV CENTRO DE EDUCAÇÃO E ESPORTES GERAÇÃO FUTURA RUA OSVALDO PRIMO CAXILÉ, S/N ITAPIPOCA - CE 1. INTRODUÇÃO

Leia mais

NOVA NORMA REGULAMETADORA NR10 SEGURANÇA EM SERVIÇOS E INSTALAÇÕES ELÉTRICAS NOVA NR-10 SEGURANÇA EM SERVIÇOS E INSTALAÇÕES ELÉTRICAS

NOVA NORMA REGULAMETADORA NR10 SEGURANÇA EM SERVIÇOS E INSTALAÇÕES ELÉTRICAS NOVA NR-10 SEGURANÇA EM SERVIÇOS E INSTALAÇÕES ELÉTRICAS NOVA NR-10 SEGURANÇA EM SERVIÇOS E INSTALAÇÕES ELÉTRICAS NOVA NORMA REGULAMETADORA NR10 Dispõe sobre as diretrizes básicas para a implementação de medidas de controle e sistemas preventivos, destinados

Leia mais

Melhoria na confiabilidade da aplicação dos reles digitais através do monitor MDP

Melhoria na confiabilidade da aplicação dos reles digitais através do monitor MDP Melhoria na confiabilidade da aplicação dos reles digitais através do monitor MDP Eng. Fernando Azevedo COPEL Distribuição Eng. Henrique Florido Filho - Pextron 1 A Copel Companhia Paranaense de Energia,

Leia mais

NT - CRITÉRIOS PARA PROJETOS DE REDES E LINHA AÉREAS DE DISTRIBUIÇÃO IT - APRESENTAÇÃO DE PROJETOS DE REDE DE DISTRIBUIÇÃO E SUBESTAÇÃO REBAIXADORA

NT - CRITÉRIOS PARA PROJETOS DE REDES E LINHA AÉREAS DE DISTRIBUIÇÃO IT - APRESENTAÇÃO DE PROJETOS DE REDE DE DISTRIBUIÇÃO E SUBESTAÇÃO REBAIXADORA Página 1 de 1. OBJETIVO 2. ÂMBO DE APLICAÇÃO 3. NORMAS E/OU DOCUMENTOS COMPLEMENTARES 4. CONDIÇÕES GERAIS 5. ANEXOS 6. VIGÊNCIA. APROVAÇÃO Página 2 de 1. OBJETIVO Esta norma estabelece as condições exigíveis

Leia mais

NTC 903100 FORNECIMENTO EM TENSÃO PRIMÁRIA DE DISTRIBUIÇÃO

NTC 903100 FORNECIMENTO EM TENSÃO PRIMÁRIA DE DISTRIBUIÇÃO NORMAS TÉCNICAS COPEL NTC 903100 FORNECIMENTO EM TENSÃO PRIMÁRIA DE DISTRIBUIÇÃO COPEL Distribuição DEND/NOR Diretoria de Engenharia - Normalização da Engenharia de Distribuição APRESENTAÇÃO Dando prosseguimento

Leia mais

INSTALAÇÕES ELÉTRICAS

INSTALAÇÕES ELÉTRICAS INSTALAÇÕES ELÉTRICAS Capítulo 4 Parte 2 Condutores elétricos: 1. semestre de 2011 Abraham Ortega Número de condutores isolados no interior de um eletroduto Eletroduto é um elemento de linha elétrica fechada,

Leia mais

Instalações Elétricas Prediais A

Instalações Elétricas Prediais A Instalações Elétricas Prediais A ENG04482 Prof. Luiz Fernando Gonçalves AULA 9 Divisão da Instalação em Circuitos Porto Alegre - 2012 Tópicos Quadros de distribuição Disjuntores Divisão da instalação elétrica

Leia mais

Conexão de Acessante a Rede de Distribuição com Sistema de Compensação de Energia - Geração Distribuída

Conexão de Acessante a Rede de Distribuição com Sistema de Compensação de Energia - Geração Distribuída Fevereiro / 2013 Praça Leoni Ramos n 1 São Domingos Niterói RJ Cep 24210-205 http:\\ www.ampla.com Conexão de Acessante a Rede de Distribuição com Sistema de Compensação de Energia - Geração Distribuída

Leia mais

DIRETORIA DE OPERAÇÃO - DO

DIRETORIA DE OPERAÇÃO - DO ANEXO VI ESPECIFICAÇÃO DISPOSITIVOS ELETRÔNICOS INTELIGENTES A6. Dispositivos Eletrônicos Inteligentes IED s (Relés Microprocessados) A6.1 Introdução Esta especificação técnica tem como objetivo estabelecer

Leia mais

NORMA TÉCNICA DE DISTRIBUIÇÃO NTD - 013

NORMA TÉCNICA DE DISTRIBUIÇÃO NTD - 013 NORMA TÉCNICA DE DISTRIBUIÇÃO NTD - 013 CONEXÃO DE GERAÇÃO AO SISTEMA DE DISTRIBUIÇÃO EM BAIXA TENSÃO Departamento Responsável Gerência de Operação do Sistema Diretoria de Operações Primeira Edição - Dezembro

Leia mais

MANUAL DE INSTALAÇÃO DA CHAVE ESTÁTICA MONOFÁSICA 2 A 6 KVA

MANUAL DE INSTALAÇÃO DA CHAVE ESTÁTICA MONOFÁSICA 2 A 6 KVA MANUAL DE INSTALAÇÃO DA CHAVE ESTÁTICA MONOFÁSICA 2 A 6 KVA ÍNDICE Introdução 01 Principais aplicações 01 Características técnicas 02 Descrição de funcionamento 03 Instalação 04 Armazenamento 05 Assistência

Leia mais