Permanente Programável Rotina Computacional

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Permanente Programável Rotina Computacional"

Transcrição

1 Número do SEP Categoria do esquema Alívio de carga. Empresa responsável CPFL Status Habilitado Nome Emissão: 06/07/2004 Esquemas de Alívio de Carregamento da Transformação 345/138 kv 5x150 MVA da Subestação Campinas (FCE) Região principal Sudeste Finalidade Os esquemas buscam preservar uma área mínima da região de Campinas, que pode ser suprida pela transformação de Campinas (FCE), quando da ocorrência de emergências envolvendo o Sistema Interligado. Descrição da lógica do funcionamento - Na perda de uma unidade transformadora e com o carregamento nos remanescentes atingindo o valor de 150 MVA (100% da capacidade nominal dos mesmos), serão abertos instantaneamente os disjuntores: SE Tanquinho LT 138 kv Tanquinho Nova Aparecida c1 e c2 e LT 69 kv Tanquinho Trevo SE Paulínia LT 138 kv Carioba Paulínia; SE Invista LT 138 kv Carioba Invista; SE Viracopos LT 138kV Viracopos Valinhos e LT 138kV Viracopos Colonial; SE Paineiras LT 138 kv Paineiras Trevo. Medida operativa automática: - Estando as 5 unidades em operação e com o carregamento medido no lado de 138 kv atingindo 150 MVA por mais de 10 segundos (capacidade nominal dos ATR 345/138 kv), serão abertos os disjuntores: SE Tanquinho LT 138 kv Tanquinho Nova Aparecida c1 e c2 e LT 69 kv Tanquinho Trevo SE Paulínia LT 138 kv Carioba Paulínia; SE Invista LT 138 kv Carioba Invista; SE Viracopos LT 138kV Viracopos Valinhos e LT 138kV Viracopos Colonial; SE Trevo LT 138 kv Paineiras Trevo. Ajuste dos Sensores Os valores foram ajustados no sistema supervisório do Centro de Operação do Sistema da CPFL, via software, conforme descrito anteriormente e com base em estudos de fluxo de potência. Caráter do esquema Lógica do esquema Tecnologia empregada Permanente Programável Rotina Computacional Entrada em operação Última revisão Página: 1

2 Motivo Incorporar medidas operativas e alterações decorrentes do fechamento do Barramento 138 kv da SE Sta. Bárbara D Oeste (CTEEP). Relatório / Ata Referência Outras informações Página 2

3 ECE Esquemas de Alívio de Carregamento da Transformação 345/138 kv 5x150 MVA da Subestação Campinas (FCE). Página 3

4 Emissão: 06/07/2004 Número do SEP Nome Categoria do esquema Ilhamento Ilhamento das usinas da CESP. Empresa responsável CPFL/CTEEP Região principal Sudeste Status Habilitado Finalidade Salvaguardar partes do sistema elétrico durante severas contingências com perdas de grandes blocos de geração e carga. Descrição da lógica do funcionamento Através da atuação de relés de freqüência distribuídos pelo sistema, são secionadas linhas e barras previamente selecionadas de modo a se ter um adequado balanço geração x carga (ver ECEs da CTEEP). Ilhas da CPFL a) Nova Avanhadava, Ibitinga e Promissão Esta ilha é constituída pela abertura de disjuntores da CTEEP e pelos seguintes pontos da CPFL - SE Mirassol: Aberto a LT Monte Aprazível 69 kv e LT Jardim Paulista 69 kv - SE S.J. Rio Preto: Aberto a LT Barretos 138 kv - SE Terra Branca: Aberto a LT Marília 138 kv e LT Lençóis Paulista 138 kv - SE Marília: Aberto a LT Terra Branca 138 kv - SE Lençóis Paulista: Aberto a LT Terra Branca 138 kv - SE Lins: Aberto a LT Presidente Alves 2 69 kv e LT Penápolis 69 kv - SE Araçatuba: Aberto a LT Penápolis 69 kv e a LT Guararapes 69 kv - SE Us. Gavião Peixoto: Aberto a LT Jaú 69 kv b) Caconde, Euclides da Cunha e Limoeiro Esta ilha é formada pela atuação de relés somente da CTEEP. c) Barra Bonita e Bariri Esta ilha é constituída pela abertura de disjuntores da CTEEP e pelos seguintes pontos da CPFL: - SE Us. Gavião Peixoto: Aberto a LT Jaú 69 kv - SE Jaú: Aberto ATR kv Ajuste dos Sensores Todos os relés de subfrequência são ajustados em 56 Hz. Caráter do esquema Lógica do esquema Tecnologia empregada Permanente Fixa Relés Página: 1

5 Entrada em operação Motivo Última revisão 2012 Relatório / Ata Referência Outras informações Página 2

6 Número do SEP Categoria do esquema Alívio de carga. Empresa responsável CPFL Status DESATIVADO Nome Emissão: Junho/2004 Esquema de Alívio de Carregamento de 440/138 kv 3X150 MVA da Subestação Bauru (CTEEP) Região principal Sudeste Finalidade Evitar sobrecarga nos transformadores remanescentes quando da perda de uma das unidades transformadoras de 150 MVA, em períodos de baixa hidraulicidade no médio Tietê. Descrição da lógica do funcionamento - Será ativado pela CPFL somente quando da previsão de baixa hidraulicidade no médio Tietê. - Estando duas unidades em operação e ocorrendo carregamento com valor superior a 120% da nominal em uma unidade (valor medido no lado de 138 kv), será aberto imediatamente o disjuntor 2 da SE Terra Branca. Se após esta abertura, o autotransformador remanescente permanecer com carregamento superior ao patamar descrito, o disjuntor 1 da SE Terra Branca será aberto após 10 segundos. Ajuste dos Sensores Os valores anteriormente descritos foram ajustados no sistema supervisório do Centro de Operação do Sistema da CPFL, via software, com base em estudos de fluxo de potência. Caráter do esquema Lógica do esquema Tecnologia empregada Temporário Programável Rotina Computacional Entrada em operação Última revisão Motivo Relatório / Ata Referência Outras informações Data: Outubro/2008 Entrada em operação do 3º ATR Bauru CTEEP. Página: 1

7 Esquema de Alívio de Carregamento de 440/138 Kv 2X150 MVA da Subestação Bauru (CTEEP) ECE Nº Diagrama unifilar Página 2

8 Esquema de Alívio de Carregamento de 440/138 Kv 2X150 MVA da Subestação Bauru (CTEEP) ECE Nº Diagrama lógico Página 3

9 Emissão: Junho/2004 Número do SEP Nome Esquema de Alívio de Carregamento de 345/88 kv 2X400 MVA da Subestação Baixada Santista (CTEEP). Categoria do esquema Alívio de carga. Empresa responsável CPFL Região principal Sudeste Status Habilitado Finalidade Evitar sobrecarga no banco de transformadores remanescente quando da perda de uma das unidades transformadoras de 400 MVA e não fechamento do disjuntor de 88 kv do TR-3 (reserva quente). Descrição da lógica do funcionamento Estando as duas unidades em operação e ocorrendo o desligamento do disjuntor secundário de uma unidade transformadora com a unidade remanescente apresentando carregamento superior a 119% da nominal, haverá atuação do esquema que, dependendo do valor da sobrecarga, efetuará cortes de carga em até quatro estágios, de maneira cumulativa, conforme descrito abaixo: - Primeiro estágio, para carregamento a partir de 119% - desligamento imediato, na SE Baixada Santista, dos disjuntores 21 e 22 da LT Baixada Santista - Capuava c.1 e c.2, correspondendo a um corte de carga de 100 MW; - Segundo estágio, para carregamento a partir de 140% - corte de carga do primeiro estágio somado a 70 MW nos alimentadores de SEs da CPFL Piratininga; - Terceiro estágio, para carregamento a partir de 155% - corte de carga do primeiro e segundo estágios somados a 60 MW nos alimentadores de SEs da CPFL Piratininga; - Quarto estágio, para carregamento a partir de 170% - corte de carga do primeiro, segundo e terceiro estágios somados a 40 MW nos alimentadores de SEs da CPFL Piratininga. Caso a unidade transformadora remanescente apresente carregamento superior a 155% por 30 segundos, esta será imediatamente desligada após este tempo. Ajuste dos Sensores Os relés instalados na SE Baixada Santista foram ajustados com os valores percentuais de carregamento anteriormente descritos. Caráter do esquema Lógica do esquema Tecnologia empregada Temporário Programável Relés e Rotina Computacional Entrada em operação Última revisão Motivo Relatório / Ata Referência Outras informações Página: 1

10 ECE Esquema de Alívio de Carregamento de 345/88 kv 2X400 MVA da Subestação Baixada Santista (CTEEP). Página 2

11 ECE Esquema de Alívio de Carregamento de 345/88 kv 2X400 MVA da Subestação Baixada Santista (CTEEP). Página 3

4. CATEGORIA DO ESQUEMA - Alívio de Cargas. 6. DESCRIÇÃO DA LÓGICA DE FUNCIONAMENTO:

4. CATEGORIA DO ESQUEMA - Alívio de Cargas. 6. DESCRIÇÃO DA LÓGICA DE FUNCIONAMENTO: 1. ECE Nº 5.34.01 2. Esquema de Corte de Carga por sobrecarga nos Transformadores 230/69 kv 2X100MVA da SE Pici II. 3. EMPRESA RESPONSÁVEL. 4. CATEGORIA DO ESQUEMA - Alívio de Cargas. 5. FINALIDADE: Para

Leia mais

Autor : Fredner Leandro Cardoso. Empresa : CPFL

Autor : Fredner Leandro Cardoso. Empresa : CPFL Autor : Fredner Leandro Cardoso Empresa : CPFL 2 GRUPO CPFL EERGIA 4 istema Interligado acional (I) Região ul/udeste ubsistema 138kV CPFL da Grande Campinas Radializado ubsistema 138kV CPFL da Grande Campinas

Leia mais

X EDAO ENCONTRO PARA DEBATES DE ASSUNTOS DE OPERAÇÃO MANOBRA ENCADEADA PARA RADIALIZAÇÃO DO SISTEMA CPFL

X EDAO ENCONTRO PARA DEBATES DE ASSUNTOS DE OPERAÇÃO MANOBRA ENCADEADA PARA RADIALIZAÇÃO DO SISTEMA CPFL X EDAO ENCONTRO PARA DEBATES DE ASSUNTOS DE OPERAÇÃO MANOBRA ENCADEADA PARA RADIALIZAÇÃO DO SISTEMA CPFL Fredner Leandro Cardoso CPFL Paulista Campinas SP RESUMO Manobra Encadeada é um sistema de manobras

Leia mais

Permanente Fixa Eletromecânica

Permanente Fixa Eletromecânica Número do SEP 6.16.01 Categoria do esquema Alívio de carga Empresa responsável Status Habilitado Nome Emissão: Janeiro/2004 Esquema de preservação de carga das áreas Goiás e Brasília para perda das 2 LT's

Leia mais

Esquema de Corte de Geração na Usina de São Simão.

Esquema de Corte de Geração na Usina de São Simão. Número do SEP Categoria do esquema Corte de geração Empresa responsável Status DESATIVADO Nome Emissão: 02/10/2003 1.08.01 Esquema de Corte de Geração na Usina de São Simão. Região principal Sudeste Finalidade

Leia mais

Evandro Luis de Moraes. Operador de Sistema. ISA-CTEEP Brasil. Trabalho: Automatismo do TR-1 138/13,8 kv da SE MOM-II

Evandro Luis de Moraes. Operador de Sistema. ISA-CTEEP Brasil. Trabalho: Automatismo do TR-1 138/13,8 kv da SE MOM-II Evandro Luis de Moraes Operador de Sistema ISA-CTEEP Brasil Trabalho: Automatismo do TR-1 138/13,8 kv da SE MOM-II Automatismo do TR-1 138/13,8 kv da SE MOM-II Objetivo Descrever o funcionamento operacional

Leia mais

Permanente Flexível Rotina computacional

Permanente Flexível Rotina computacional Número do SEP Categoria do esquema Corte de carga. Empresa responsável COPEL Status Habilitado Nome Emissão: 21/05/2010 2.12.01 Esquema regional de alívio de carga por subtensão. Região principal Finalidade

Leia mais

ESQUEMA DE CONTROLE DE EMERGÊNCIA POR CLP DA INTERLIGACÁO NORTE/SUDESTE CENTRO OESTE E SISTEMA DE 500 KV ASSOCIADO A UHE DE SERRA DA MESA

ESQUEMA DE CONTROLE DE EMERGÊNCIA POR CLP DA INTERLIGACÁO NORTE/SUDESTE CENTRO OESTE E SISTEMA DE 500 KV ASSOCIADO A UHE DE SERRA DA MESA SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GAT - 20 16 a 21 Outubro de 2005 Curitiba - Paraná GRUPO IV GRUPO DE ESTUDO DE ANÁLISE E TÉCNICAS DE SISTEMAS DE POTÊNCIA - GAT ESQUEMA

Leia mais

Adriano Caetano da Silva Rogerio Marques Marcio da Costa Jardim. Empresa Bandeirante de Energia S/A

Adriano Caetano da Silva Rogerio Marques Marcio da Costa Jardim. Empresa Bandeirante de Energia S/A XXII Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétri SENDI 2016-07 a 10 de novembro Curitiba - PR - Brasil Adriano Caetano da Silva Rogerio Marques Marcio da Costa Jardim EDP Bandeirante Empresa Bandeirante

Leia mais

REDUÇÃO DO NÍVEL DE CURTO EM SISTEMAS DE SUBTRANSMISSÃO UTILIZANDO REATORES COM NUCLEO DE AR

REDUÇÃO DO NÍVEL DE CURTO EM SISTEMAS DE SUBTRANSMISSÃO UTILIZANDO REATORES COM NUCLEO DE AR REDUÇÃO DO NÍVEL DE CURTO EM SISTEMAS DE SUBTRANSMISSÃO UTILIZANDO REATORES COM NUCLEO DE AR Fredner L. Cardoso CPFL Luiz C. P. da Silva DSE-FEEC-UNICAMP RESUMO Este artigo apresenta os resultados de simulações

Leia mais

Desafios para a Operação em Tempo Real das Usinas Eólicas Existentes. Flávio Lins Ricardo Vieira ONS

Desafios para a Operação em Tempo Real das Usinas Eólicas Existentes. Flávio Lins Ricardo Vieira ONS Desafios para a Operação em Tempo Real das Usinas Eólicas Existentes Flávio Lins Ricardo Vieira ONS Sumário Panorama Mundial da Geração Eólica Dados Gerais da Geração Eólica no Brasil Características da

Leia mais

Esquema de preservação de carga das áreas Goiás e Brasília para perda das 2 LT's Samambaia - Brasília Sul 345 kv

Esquema de preservação de carga das áreas Goiás e Brasília para perda das 2 LT's Samambaia - Brasília Sul 345 kv Número do SEP 6.16.01 Categoria do esquema lívio de carga Empresa responsável Status DESTIVDO Nome Emissão: Janeiro/ 2004 Esquema de preservação de carga das áreas Goiás e Brasília para perda das 2 LT's

Leia mais

Alívio de cargas. CENTRO-OESTE ELETRONORTE / CEMAT HABILITADO. Permanente Fixa Relés 01/10/1988 01/06/2000 ONS-DPP-XX/2000

Alívio de cargas. CENTRO-OESTE ELETRONORTE / CEMAT HABILITADO. Permanente Fixa Relés 01/10/1988 01/06/2000 ONS-DPP-XX/2000 Número do SEP Categoria do esquema Alívio de cargas. Empresa responsável Nome Emissão: 29/06/2000 6.14.16 Esquema de alívio de carga por subtensão na SE Várzea Grande ELETRONORTE / CEMAT Status HABILITADO

Leia mais

5- Finalidade: Corte automático de carga por subfreqüência para equilibrar carga e geração diante de contingências no sistema interligado.

5- Finalidade: Corte automático de carga por subfreqüência para equilibrar carga e geração diante de contingências no sistema interligado. 1- ECE nº: 2.04.01 2- Esquema regional de alívio de carga - ERAC 3- Empresa responsável:. 4- Categoria do esquema: Corte de carga. 5- Finalidade: Corte automático de carga por subfreqüência para equilibrar

Leia mais

ESQUEMA DE CONTROLE DE EMERGÊNCIA PARA O SISTEMA DE 750 kv

ESQUEMA DE CONTROLE DE EMERGÊNCIA PARA O SISTEMA DE 750 kv BANCO D DADOS D SISTMAS SPCIAIS D PROTÇÃO DPP/GP SISTMA ITAIPÚ ITAIPU # 1 TR 1 SQUMA D CONTROL D MRGÊNCIA PARA O SISTMA D 750 kv FOZ VT VT DIAGRAMA GRAL IVAIPORÃ ITABRÁ T. PRTO 345 kv TR 7 TR 6 TR 4 60

Leia mais

Capítulo 2. Metodologia

Capítulo 2. Metodologia Metodologia 35 2 METODOLOGIA ADOTADA No Sistema Interligado Nacional (SIN), utilizam-se diversos níveis de tensão para alimentar a malha de transmissão de energia elétrica, através de linhas de transmissão

Leia mais

REDE DE OPERAÇÃO DO ONS DEMAIS INSTALAÇÕES DA TRANSMISSÃO - DIT CTEEP

REDE DE OPERAÇÃO DO ONS DEMAIS INSTALAÇÕES DA TRANSMISSÃO - DIT CTEEP BANCO DE DADOS DOS SISTEMAS ESPECIAIS DE PROTEÇÃO - SEP REDE DE OPERAÇÃO DO ONS DEMAIS INSTALAÇÕES DA TRANSMISSÃO - DIT CTEEP Revisão: 20 Vigência: 25/01/2011 DIVISÃO DE ANÁLISE DA OPERAÇÃO ESTUDOS DE

Leia mais

EXPLORAÇÃO DE RECURSOS DE AUTOMAÇÃO DE SUBESTAÇÕES

EXPLORAÇÃO DE RECURSOS DE AUTOMAÇÃO DE SUBESTAÇÕES EXPLORAÇÃO DE RECURSOS DE AUTOMAÇÃO DE SUBESTAÇÕES COELBA SÉRGIO EDUARDO LESSA E SILVA INTRODUÇÃO A automação de subestações tem permitido a Coelba operação mais adequada do sistema elétrico, sem aporte

Leia mais

Submódulo Gerenciamento da carga

Submódulo Gerenciamento da carga Submódulo 10.10 Gerenciamento da carga Rev. Nº. 0.1 0.2 Motivo da revisão Este documento foi motivado pela criação do Operador Nacional do Sistema Elétrico. Esta revisão tem como motivo a adequação à nova

Leia mais

1. ECE nº: 1.09.01 - DESATIVADO. 2. Esquema de rejeição de máquinas na Usina de Capivara. 3. Empresa responsável: CTEEP

1. ECE nº: 1.09.01 - DESATIVADO. 2. Esquema de rejeição de máquinas na Usina de Capivara. 3. Empresa responsável: CTEEP REGIÃO SUDESTE 1. ECE nº: 1.09.01 - DESATIVADO 2. Esquema de rejeição de máquinas na Usina de Capivara. 3. Empresa responsável: 4. Categoria do esquema: Corte de geração. 5. Finalidade: Na perda da LT

Leia mais

QUE FORMA TEM A SUA ENERGIA? 29 º FIEE Painel ADOÇÃO DE NOVAS TECNOLOGIAS PARA GESTÃO ENERGÉTICA MAIS EFICAZ Roberta Tenenbaum 25/07/2017

QUE FORMA TEM A SUA ENERGIA? 29 º FIEE Painel ADOÇÃO DE NOVAS TECNOLOGIAS PARA GESTÃO ENERGÉTICA MAIS EFICAZ Roberta Tenenbaum 25/07/2017 QUE FORMA TEM A SUA ENERGIA? 29 º FIEE Painel ADOÇÃO DE NOVAS TECNOLOGIAS PARA GESTÃO ENERGÉTICA MAIS EFICAZ Roberta Tenenbaum 25/07/2017 Uma das maiores empresas privadas do setor de geração Concessão

Leia mais

REDE DE OPERAÇÃO DO ONS DEMAIS INSTALAÇÕES DA TRANSMISSÃO - DIT CTEEP

REDE DE OPERAÇÃO DO ONS DEMAIS INSTALAÇÕES DA TRANSMISSÃO - DIT CTEEP BANCO DE DADOS DOS SISTEMAS ESPECIAIS DE PROTEÇÃO - SEP REDE DE OPERAÇÃO DO ONS DEMAIS INSTALAÇÕES DA TRANSMISSÃO - DIT CTEEP Revisão: 21 Vigência: 05/11/2012 DIVISÃO DE ANÁLISE DA OPERAÇÃO ESTUDOS DE

Leia mais

São apresentadas a seguir as principais características do comportamento da carga:

São apresentadas a seguir as principais características do comportamento da carga: A diversidade de comportamento dos consumidores de energia elétrica é uma característica que ameniza variações bruscas na curva de carga do sistema. Mas o que pode acontecer se, em todo o país, todos os

Leia mais

Presença no Estado de São Paulo

Presença no Estado de São Paulo Presença no Estado de São Paulo DRACENA ANDRADINA PRESIDENTE PRUDENTE JALES BIRIGUI ADAMANTINA ARAÇATUBA PENÁPOLIS TUPÃ ASSIS FERNANDÓPOLIS VOTUPORANGA MARÍLIA LINS OURINHOS S. JOSÉ DO RIO PRETO CATANDUVA

Leia mais

ET720 Sistemas de Energia Elétrica I. Capítulo 4: Transformadores de potência. Exercícios

ET720 Sistemas de Energia Elétrica I. Capítulo 4: Transformadores de potência. Exercícios ET720 Sistemas de Energia Elétrica I Capítulo 4: Transformadores de potência Exercícios 4.1 Um transformador monofásico de dois enrolamentos apresenta os seguintes valores nominais: 20 kva, 480/120 V,

Leia mais

OPERAÇÃO DE SISTEMAS DE POTÊNCIA. TEE Aula 12 Prof. Vitor Hugo Ferreira

OPERAÇÃO DE SISTEMAS DE POTÊNCIA. TEE Aula 12 Prof. Vitor Hugo Ferreira Universidade Federal Fluminense Escola de Engenharia Departamento de Engenharia Elétrica OPERAÇÃO DE SISTEMAS DE POTÊNCIA TEE-04091 Aula 12 Prof. Vitor Hugo Ferreira Operação em tempo real e planejamento

Leia mais

PRINCIPAIS PERTURBAÇÕES OCORRIDAS NO SISTEMA INTERLIGADO NACIONAL SÍNTESE GERENCIAL PERÍODO: SEMANA DE 26/05/2008 A 01/06/2008

PRINCIPAIS PERTURBAÇÕES OCORRIDAS NO SISTEMA INTERLIGADO NACIONAL SÍNTESE GERENCIAL PERÍODO: SEMANA DE 26/05/2008 A 01/06/2008 PRINCIPAIS PERTURBAÇÕES OCORRIDAS NO SISTEMA INTERLIGADO NACIONAL SÍNTESE GERENCIAL PERÍODO: SEMANA DE 26/05/2008 A 01/06/2008 RELATÓRIO ONS - 3/112/08 EMITIDO EM: 06/06/2008 1 PROCESSO: Análise de Perturbações

Leia mais

Padrão de Dados para Redes de Distribuição de Energia Elétrica

Padrão de Dados para Redes de Distribuição de Energia Elétrica Laboratório de Planejamento de Sistemas de Energia Elétrica Comissão de Padronização Padrão de Dados para Redes de Distribuição de Energia Elétrica Ilha Solteira, Janeiro de 2011 TR Dados da Linha (Código

Leia mais

OPERAÇÃO DO SISTEMA INTERLIGADO NACIONAL DURANTE O ANO NOVO

OPERAÇÃO DO SISTEMA INTERLIGADO NACIONAL DURANTE O ANO NOVO OPERAÇÃO DO SISTEMA INTERLIGADO NACIONAL DURANTE O ANO NOVO - 2010 Operador Nacional do Sistema Elétrico Diretoria de Operação Setor Ind e Abast Sul, Área Serv Públicos, Lote A 71215-000 Brasília DF tel

Leia mais

INSTRUÇÃO TÉCNICA DE DISTRIBUIÇÃO. Critérios para Dimensionamento e Ajustes da Proteção de Redes Aéreas de Distribuição Classes 15 e 36,2 kv ITD-17

INSTRUÇÃO TÉCNICA DE DISTRIBUIÇÃO. Critérios para Dimensionamento e Ajustes da Proteção de Redes Aéreas de Distribuição Classes 15 e 36,2 kv ITD-17 INSTRUÇÃO TÉCNICA DE DISTRIBUIÇÃO Critérios para Dimensionamento e Ajustes da Proteção de Redes Aéreas de Distribuição Classes 15 e 36,2 kv ITD-17 ÍNDICE SEÇÃO TÍTULO PÁGINA 1. OBJETIVO 1 2. NORMAS E

Leia mais

Submódulo Indicadores de segurança elétrica

Submódulo Indicadores de segurança elétrica Submódulo 25.5 Indicadores de segurança elétrica Rev. Nº. 0.0 1.0 1.1 Motivo da revisão Atendimento à Resolução Normativa ANEEL nº 115, de 29 de novembro de 2004. Versão decorrente da Audiência Pública

Leia mais

DATA DATA PADRÃO SUBESTAÇÕES DE 500 kv PROJ: DEEC/SETEM 08/2007 ROTEIRO DE CÁLCULO - DIMENSIONAMENTO CONFERIDO:

DATA DATA PADRÃO SUBESTAÇÕES DE 500 kv PROJ: DEEC/SETEM 08/2007 ROTEIRO DE CÁLCULO - DIMENSIONAMENTO CONFERIDO: N DISCRIMINAÇÃO DAS REVISÕES DATA CONFERIDO DATA APROVAÇÃO APROVAÇÃO D ES DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DO SISTEMA ELETROSUL CENTRAIS ELÉTRICAS S.A. DATA DATA PADRÃO SUBESTAÇÕES DE 500 kv PROJ: DEEC/SETEM

Leia mais

ANEXO I - Edital 01/2012 VAGAS PREVISTAS PARA NÍVEL EDUCAÇÃO PROFISSIONAL DE NÍVEL MÉDIO

ANEXO I - Edital 01/2012 VAGAS PREVISTAS PARA NÍVEL EDUCAÇÃO PROFISSIONAL DE NÍVEL MÉDIO ANEXO I - Edital 01/2012 PARA NÍVEL EDUCAÇÃO PROFISSIONAL DE NÍVEL MÉDIO ÁREA DO CURSO Técnico em Administração ADAMANTINA 1 Técnico em Administração ARARAQUARA 1 Técnico em Administração ATIBAIA 4 Técnico

Leia mais

Alerta de Perda de Carga

Alerta de Perda de Carga Junho de 2015 Alerta de Perda de Carga Presented by Marcelo Palácio Coelce - Operação em Tempo Real cel: 85-999939606 email: marcelo.palacio@enel.com BT MT AT O Sistema Elétrico da Coelce para atender

Leia mais

Olinda - Pernambuco - Brasil. Influência de Bancos de Capacitores na Subestação para Regular a Tensão de Distribuição e Reativo

Olinda - Pernambuco - Brasil. Influência de Bancos de Capacitores na Subestação para Regular a Tensão de Distribuição e Reativo XVIII Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica SENDI 2008-06 a 10 de outubro Olinda - Pernambuco - Brasil Influência de Bancos de Capacitores na Subestação para Regular a Tensão de Distribuição

Leia mais

15ª Região Campinas/SP Ano de 2011

15ª Região Campinas/SP Ano de 2011 1ª de Adamantina 895 714 519 1ª de Americana 2.093 2.606 2.217 2ª de Americana 2.113 2.407 2.141 P. Avanç. de Américo Brasiliense 539 668 289 1ª de Amparo 667 776 252 1ª de Andradina 1.605 1.182 1.948

Leia mais

Apresentação Corporativa Bradesco BBI 17 de Agosto de /05

Apresentação Corporativa Bradesco BBI 17 de Agosto de /05 Apresentação Corporativa Bradesco BBI 17 de Agosto de 2016 13/05 AES Corporation Uma Companhia Global Gás Natural e Usinas Termelétricas 25,9 GW de capacidade instalada 36 GW de capacidade Instalada Atendendo

Leia mais

XX Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica SENDI a 26 de outubro Rio de Janeiro - RJ - Brasil

XX Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica SENDI a 26 de outubro Rio de Janeiro - RJ - Brasil XX Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica SENDI 2012-22 a 26 de outubro Rio de Janeiro - RJ - Brasil WOLNEY SILVA NETTO Companhia de Eletricidade do Estado da Bahia wsnetto@coelba.com.br

Leia mais

ANEXO I - Edital 004/2012 VAGAS PREVISTAS PARA NÍVEL EDUCAÇÃO PROFISSIONAL DE NÍVEL MÉDIO

ANEXO I - Edital 004/2012 VAGAS PREVISTAS PARA NÍVEL EDUCAÇÃO PROFISSIONAL DE NÍVEL MÉDIO ANEXO I - Edital 004/2012 VAGAS PREVISTAS PARA NÍVEL EDUCAÇÃO PROFISSIONAL DE NÍVEL MÉDIO ÁREA DO CURSO Técnico em Administração ADAMANTINA 1 Técnico em Administração ARARAQUARA 1 Técnico em Administração

Leia mais

Organograma Societário

Organograma Societário 1 Organograma Societário AES BNDES V: 50,01% P: 0,00% T: 46,15% Brasiliana Energia V: 49,99% P: 100,00% T: 53,84% T: 100% AES Tietê Holdings T: 100% AES Tietê Holdings II T: 100% T: 100% T: 100% AES Tietê

Leia mais

2 Materiais e Equipamentos Elétricos Capítulo 9 Mamede

2 Materiais e Equipamentos Elétricos Capítulo 9 Mamede 2 Materiais e Equipamentos Elétricos Capítulo 9 Mamede 1 De modo geral para a especificação de materiais e equipamentos, é necessário conhecer: Tensão nominal; Corrente Nominal; Frequência nominal; Potência

Leia mais

Operação de Parques Eólicos A experiência da CPFL Renováveis. Bruno Monte Gerente de Planejamento da Operação CPFL Renováveis

Operação de Parques Eólicos A experiência da CPFL Renováveis. Bruno Monte Gerente de Planejamento da Operação CPFL Renováveis Operação de Parques Eólicos A experiência da CPFL Renováveis Bruno Monte Gerente de Planejamento da Operação CPFL Renováveis Junho 2016 Agenda 1. CPFL Renováveis 2 Energia renovável Potencial a ser explorado

Leia mais

Submódulo Operação das instalações da Rede de Operação

Submódulo Operação das instalações da Rede de Operação Submódulo 10.12 Operação das instalações da Rede de Operação Rev. Nº. 1.1 2016.12 Motivo da revisão Adequação ao artigo nº 20 da Resolução Normativa ANEEL nº 376/09, de 25 de agosto de 2009. Versão decorrente

Leia mais

ORGANOGRAMA CREA-SP 2017

ORGANOGRAMA CREA-SP 2017 PRESIDENTE PRES Gabinete da Presidência Assessoria da Presidência GP AS Divisão de Desempenho Institucional DDI Consultoria Jurídica CJ Superintendência de Gestão de Recursos SUPGER Superintendência de

Leia mais

Avaliação da Estabilidade de Sistemas de Distribuição Considerando a Presença de Elevada Penetração de Geração Distribuída

Avaliação da Estabilidade de Sistemas de Distribuição Considerando a Presença de Elevada Penetração de Geração Distribuída Avaliação da Estabilidade de Sistemas de Distribuição Considerando a Presença de Elevada Penetração de Geração Distribuída Alisson Guedes Chagas e Antônio Carlos Zambroni de Souza Cemig Distribuição S.A.

Leia mais

Nº do BISE: Emissão: (x) Rede de Operação ( ) Fora da Rede de Operação

Nº do BISE: Emissão: (x) Rede de Operação ( ) Fora da Rede de Operação Nº do BISE: Emissão: (x) Rede de Operação ONS 040/2017 05/09/2017 às 16h30 ( ) Fora da Rede de Operação Data e hora da ocorrência: GIE no SIN (N/NE): Classificação: 29/08/2017 à 15h48 4,00 Perturbação

Leia mais

AUTOMAÇÃO DE SISTEMAS ELÉTRICOS DE POTÊNCIA

AUTOMAÇÃO DE SISTEMAS ELÉTRICOS DE POTÊNCIA AUTOMAÇÃO DE SISTEMAS ELÉTRICOS DE POTÊNCIA 1 Introdução/recordação Sistemas de Potência Os sistemas de potência são divididos em três zonas funcionais para fins de planejamento, operação e análise: geração,

Leia mais

XX Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica SENDI a 26 de outubro Rio de Janeiro - RJ - Brasil

XX Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica SENDI a 26 de outubro Rio de Janeiro - RJ - Brasil XX Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica SENDI 2012-22 a 26 de outubro Rio de Janeiro - RJ - Brasil Mauro Sergio Silveira Glenio Abejanda Gonçalves Elizio Barboza Aes Sul Distribuidora

Leia mais

XXIV SNPTEE SEMINÁRIO NACIONALDE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DEENERGIA ELÉTRICA. 22 a 25 de outubro de 2017 Curitiba - PR

XXIV SNPTEE SEMINÁRIO NACIONALDE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DEENERGIA ELÉTRICA. 22 a 25 de outubro de 2017 Curitiba - PR XXIV SNPTEE SEMINÁRIO NACIONALDE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DEENERGIA ELÉTRICA CB/GPC/21 22 a 25 de outubro de 2017 Curitiba - PR GRUPO - V GRUPO DE ESTUDO DE PROTEÇÃO, MEDIÇÃO, CONTROLE E AUTOMAÇÃO EM SISTEMAS

Leia mais

REGIÃO - GRANDE SÃO PAULO

REGIÃO - GRANDE SÃO PAULO REGIÃO - SÃO PAULO CENTRO LOCAL: ADJ XAVIER DE TOLEDO 3º ANDAR. ENDEREÇO: R. CEL. XAVIER DE TOLEDO, 290 REPÚBLICA HORÁRIO: 12:00 horas LESTE LOCAL: GERENCIA DO INSS TATUAPÉ. ENDEREÇO: R. EUCLIDES PACHECO

Leia mais

SEP sistêmico para controle de sobrecargas

SEP sistêmico para controle de sobrecargas XXII Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétri SENDI 2016-07 a 10 de novembro Curitiba - PR - Brasil André Katayama dos Santos Copel Distribuição S.A. andre.katayama@copel.com Anderson Teruya

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 560/2012

RESOLUÇÃO Nº 560/2012 caderno 1 ADMINISTRATIVO Presidente: Ivan Ricardo Garisio Sartori Ano V Edição 1139 São Paulo, Quinta-feira, 8 de Março de 2012 www.dje.tjsp.jus.br TRIBUNAL DE JUSTIÇA RESOLUÇÃO Nº 560/2012 O TRIBUNAL

Leia mais

IMPORTÂNCIA DA UTN ANGRA 3 PARA O ATENDIMENTO DO SIN

IMPORTÂNCIA DA UTN ANGRA 3 PARA O ATENDIMENTO DO SIN ONS NT-0020/2017 IMPORTÂNCIA DA UTN ANGRA 3 PARA O ATENDIMENTO DO SIN FEVEREIRO DE 2017 Operador Nacional do Sistema Elétrico Rua Júlio do Carmo, 251 - Cidade Nova 20211-160 Rio de Janeiro RJ Tel (+21)

Leia mais

São Paulo - SP - Brasil. Integração Técnico-Comercial: A utilização da geração própria do cliente em auxílio à segurança da rede elétrica da CELG D.

São Paulo - SP - Brasil. Integração Técnico-Comercial: A utilização da geração própria do cliente em auxílio à segurança da rede elétrica da CELG D. XIX Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica SENDI 2010 22 a 26 de novembro São Paulo - SP - Brasil Integração Técnico-Comercial: A utilização da geração própria do cliente em auxílio à segurança

Leia mais

REUNIÃO EXTRAORDINÁRIA DA COMISSÃO DE MINAS E ENERGIA - CÂMARA DOS DEPUTADOS 10 de abril de 2013

REUNIÃO EXTRAORDINÁRIA DA COMISSÃO DE MINAS E ENERGIA - CÂMARA DOS DEPUTADOS 10 de abril de 2013 REUNIÃO EXTRAORDINÁRIA DA COMISSÃO DE MINAS E ENERGIA - CÂMARA DOS DEPUTADOS 10 de abril de 2013 1 Estrutura da apresentação O SIN - Sistema Interligado Nacional Robustez do SIN Ações em curso para aprimorar

Leia mais

Do Propósito. Da Disponibilização. Da Periodicidade

Do Propósito. Da Disponibilização. Da Periodicidade RDD Do Propósito A descrição das alterações nos arquivos de dados de entrada para o Cálculo do Preço tem como propósito aumentar a transparência na determinação do PLD. Da Disponibilização Em atendimento

Leia mais

AULA 4 PROTEÇÃO DE GERADORES RAFAEL DE OLIVEIRA RIBEIRO 1

AULA 4 PROTEÇÃO DE GERADORES RAFAEL DE OLIVEIRA RIBEIRO 1 AULA 4 PROTEÇÃO DE GERADORES RAFAEL DE OLIVEIRA RIBEIRO 1 A máquina síncrona, operando como gerador é um equipamento vital ao sistema elétrico. 2 Sua capacidade de geração limita a demanda que pode ser

Leia mais

A REESTRUTURAÇÃO DA OPERAÇÃO NA COMPANHIA DE TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA PAULISTA CTEEP. VANDERLEI SOARES DA COSTA

A REESTRUTURAÇÃO DA OPERAÇÃO NA COMPANHIA DE TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA PAULISTA CTEEP. VANDERLEI SOARES DA COSTA TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA PAULISTA CTEEP VANDERLEI SOARES DA COSTA vscosta@cteep.com.br EDSON BUENO ebueno@cteep.com.br JOÃO CARLOS BOLLINI jbollini@cteep.com.br CTEEP COMPANHIA DE TRANSMISSÃO DE

Leia mais

Mariana Carneiro Fernandes Copel Distribuição S.A.

Mariana Carneiro Fernandes Copel Distribuição S.A. XXII Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétri SENDI 2016-07 a 10 de novembro Curitiba - PR - Brasil Mariana Carneiro Fernandes Copel Distribuição S.A. mariana.fernandes@copel.com O Uso da Proteção

Leia mais

Energia para o Desenvolvimento do Interior Paulista A Visão e o Papel do Estado. João Carlos de Souza Meirelles Secretário

Energia para o Desenvolvimento do Interior Paulista A Visão e o Papel do Estado. João Carlos de Souza Meirelles Secretário Energia para o Desenvolvimento do Interior Paulista A Visão e o Papel do Estado João Carlos de Souza Meirelles Secretário Potência de Geração de Energia Elétrica Tipos de Geração Capacidade Instalada (GW)

Leia mais

AULA 7 Interpretação dos Diagramas Unifilares das Subestações Elétricas

AULA 7 Interpretação dos Diagramas Unifilares das Subestações Elétricas QUAL O SIGNIFICADO DO TERMO UNIFILAR? AULA 7 Interpretação dos Diagramas Unifilares das Subestações Elétricas UNIFILAR SIGNIFICA DIZER QUE, EMBORA O SISTEMA ELÉTRICO POSSA INCORPORAR CIRCUITOS A DOIS OU

Leia mais

Submódulo Recomposição da rede de operação após perturbação

Submódulo Recomposição da rede de operação após perturbação Submódulo 10.11 Recomposição da rede de operação após perturbação Rev. Nº. Motivo da revisão Data de aprovação pelo ONS Data e instrumento de aprovação pela ANEEL 0.1 Este documento foi motivado pela criação

Leia mais

DISPOSITIVO DE PARTIDA DE GRANDES MÁQUINAS ELÉTRICAS OPERANDO A GRANDES DISTÂNCIAS

DISPOSITIVO DE PARTIDA DE GRANDES MÁQUINAS ELÉTRICAS OPERANDO A GRANDES DISTÂNCIAS DISPOSITIVO DE PARTIDA DE GRANDES MÁQUINAS ELÉTRICAS OPERANDO A GRANDES DISTÂNCIAS CONSIDERAÇÕES GERAIS OS GRANDES DESAFIOS DA ENGENHARIA ELÉTRICA Em todos os segmentos da sociedade, em todas profissões,

Leia mais

Janeiro de transposição na SE Tucuruí da LT Tucuruí-Vila do Conde C1 para o vão I.

Janeiro de transposição na SE Tucuruí da LT Tucuruí-Vila do Conde C1 para o vão I. Número do SP 4.14.01 Categoria do esquema Abertura sequencial. mpresa responsável LTRONORT e TB Status DSATIVADO Nome missão: 09/09/2004 squema de abertura sequencial dos disjuntores das LT 500kV Tucuruí-Vila

Leia mais

Tabela 1 - Preços da gasolina nos municípios do Estado de São Paulo

Tabela 1 - Preços da gasolina nos municípios do Estado de São Paulo Tabela 1 - Preços da gasolina nos municípios do Estado de São Paulo Nº DE POSTOS PREÇO AO CONSUMIDOR MARGEM DO PREÇO DE VENDA DA DISTRIBUIDORA AMOSTRADOS PREÇO MÉDIO PREÇO MÍNIMO PREÇO MÁXIMO POSTO PREÇO

Leia mais

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA Versão 1.0 XXX.YY 22 a 25 Novembro de 2009 Recife - PE GRUPO VII PLANEJAMENTO DE SISTEMAS ELÉTRICOS - GPL AVALIAÇÃO DO SISTEMA

Leia mais

Principais desafios e melhores práticas voltadas á operação na visão do ONS

Principais desafios e melhores práticas voltadas á operação na visão do ONS Principais desafios e melhores práticas voltadas á operação na visão do ONS Flávio Guimarães Lins Gerente de Pré-operação e Tempo Real do ONS/COSR-NE Natal-RN, 27 de junho de 2017 Sumário Os Centros de

Leia mais

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GRUPO X GRUPO DE ESTUDO DE DESEMPENHO DE SISTEMAS ELÉTRICOS - GDS

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GRUPO X GRUPO DE ESTUDO DE DESEMPENHO DE SISTEMAS ELÉTRICOS - GDS XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA Versão 1.0 22 a 25 Novembro de 2009 Recife - PE GRUPO X GRUPO DE ESTUDO DE DESEMPENHO DE SISTEMAS ELÉTRICOS - GDS UTILIZAÇÃO DE

Leia mais

Audiência Pública. 21 de dezembro de 2005

Audiência Pública. 21 de dezembro de 2005 Audiência Pública 21 de dezembro de 2005 Agenda 1. Descrição da Empresa A. Informações Operacionais B. Meio Ambiente e Responsabilidade Social C. A Receita Anual Permitida D. Informações Econômico-Financeiras

Leia mais

Dispositivos de proteção

Dispositivos de proteção Dispositivos de proteção Conceitos básicos e aplicações Giovanni Manassero Junior Depto. de Engenharia de Energia e Automação Elétricas Escola Politécnica da USP 14 de março de 2013 EPUSP Giovanni Manassero

Leia mais

PRINCIPAIS PERTURBAÇÕES OCORRIDAS NO SISTEMA INTERLIGADO NACIONAL SÍNTESE GERENCIAL PERÍODO: SEMANA DE 23/07/2007 A 29/07/2007

PRINCIPAIS PERTURBAÇÕES OCORRIDAS NO SISTEMA INTERLIGADO NACIONAL SÍNTESE GERENCIAL PERÍODO: SEMANA DE 23/07/2007 A 29/07/2007 PRINCIPAIS PERTURBAÇÕES OCORRIDAS NO SISTEMA INTERLIGADO NACIONAL SÍNTESE GERENCIAL PERÍODO: SEMANA DE 23/07/2007 A 29/07/2007 RELATÓRIO ONS - 3/164/07 EMITIDO EM: 03/08/2007 1 PROCESSO: Análise de Perturbações

Leia mais

Principais desafios e melhores práticas voltadas á operação na visão do ONS

Principais desafios e melhores práticas voltadas á operação na visão do ONS Principais desafios e melhores práticas voltadas á operação na visão do ONS Flávio Guimarães Lins Gerente de Pré-operação e Tempo Real do ONS/COSR-NE Natal-RN, 27 de junho de 2017 Sumário Os Centros de

Leia mais

Harmônicos em sistemas industriais: uma cooperação entre concessionária e consumidor

Harmônicos em sistemas industriais: uma cooperação entre concessionária e consumidor Por Flávio Resende Garcia Harmônicos em sistemas industriais: uma cooperação entre concessionária e consumidor Este artigo objetiva mostrar os resultados obtidos com as medições e os estudos de harmônicos

Leia mais

USINA DO GASÔMETRO Rede de Distribuição de Energia para Iluminação de Fachada

USINA DO GASÔMETRO Rede de Distribuição de Energia para Iluminação de Fachada Anexo XII - MEMORIAL DESCRITIVO 1 - APRESENTAÇÃO: O presente memorial visa descrever as diretrizes básicas, a serem observadas na execução de serviço de circuitos de distribuição de energia para iluminação

Leia mais

Página: 1 de 10 INTERCONEXÃO DE GERAÇÃO AO SISTEMA ELÉTRICO DA RGE SUL NTD

Página: 1 de 10 INTERCONEXÃO DE GERAÇÃO AO SISTEMA ELÉTRICO DA RGE SUL NTD Página: 1 de 10 1. Objetivo O presente documento visa estabelecer os requisitos técnicos mínimos necessários para o paralelismo permanente ou temporário de produtores independentes e autoprodutores de

Leia mais

PMO de Dezembro Semana Operativa de 16/12/2017 a 22/12/2017

PMO de Dezembro Semana Operativa de 16/12/2017 a 22/12/2017 1. APRESENTAÇÃO Na semana de 09 a 15/12/2017 ocorreu precipitação nas bacias dos rios Grande, Paranaíba, São Francisco e Tocantins. Para o início da semana de 16 a 22/12/2017 há previsão de pancadas de

Leia mais

Submódulo 25.2 Apuração dos dados

Submódulo 25.2 Apuração dos dados Submódulo 25.2 Apuração dos dados Rev. Nº. 0.0 1.0 Motivo da revisão Atendimento à Resolução Normativa ANEEL nº 115, de 29 de novembro de 2004. Versão decorrente da Audiência Pública nº 061/2008, submetida

Leia mais

1. ECE 2.46.01 ( Esquema desabilitado ) 2. Esquema de corte de geração da UHE Itá. 3. Empresa responsável: TRACTEBEL

1. ECE 2.46.01 ( Esquema desabilitado ) 2. Esquema de corte de geração da UHE Itá. 3. Empresa responsável: TRACTEBEL 1. ECE 2.46.01 ( Esquema desabilitado ) 2. Esquema de corte de geração da UHE Itá 3. Empresa responsável: 4. Categoria do esquema: Corte de geração 5. Finalidade: A finalidade deste esquema é evitar que

Leia mais

OPERAÇÃO DO SISTEMA INTERLIGADO NACIONAL - SIN DURANTE O PERÍODO DO CARNAVAL 2010

OPERAÇÃO DO SISTEMA INTERLIGADO NACIONAL - SIN DURANTE O PERÍODO DO CARNAVAL 2010 OPERAÇÃO DO SISTEMA INTERLIGADO NACIONAL - SIN DURANTE O PERÍODO DO CARNAVAL 2010 Operador Nacional do Sistema Elétrico Rua da Quitanda, 196 - Centro 20091-005 Rio de Janeiro RJ Tel (+21) 2203-9400 Fax

Leia mais

O DEPRN atua em todo o território do Estado por meio de 7 divisões regionais compostas por Equipes Técnicas.

O DEPRN atua em todo o território do Estado por meio de 7 divisões regionais compostas por Equipes Técnicas. ANEXO - Relação das Diretorias e Equipes Técnicas do DEPRN Diretoria Geral Rua Anete Queiroz Lacerda, 80 Vila Gomes, São Paulo - SP CEP 05591-080 Atendimento ao Público: entrada pela Av. Prof. Lucas de

Leia mais

Controle e Corte Emergencial de Cargas com Recomposição Automática Através do Sistema SCADA BRASIL

Controle e Corte Emergencial de Cargas com Recomposição Automática Através do Sistema SCADA BRASIL Controle e Corte Emergencial de Cargas com Recomposição Automática Através do Sistema SCADA MONTENEGRO, J. C. F. S. (José Carlos de França e Silva Montenegro) BANDEIRANTE BRASIL MARQUES, R. (Rogério Marques)

Leia mais

ANÁLISE DE SEGURANÇA DE ESQUEMAS DE PROTEÇÃO PARA SISTEMAS ELÉTRICOS DE POTÊNCIA. Marcelo de Castro Guarini

ANÁLISE DE SEGURANÇA DE ESQUEMAS DE PROTEÇÃO PARA SISTEMAS ELÉTRICOS DE POTÊNCIA. Marcelo de Castro Guarini COPPE/UFRJ ANÁLISE DE SEGURANÇA DE ESQUEMAS DE PROTEÇÃO PARA SISTEMAS ELÉTRICOS DE POTÊNCIA Marcelo de Castro Guarini Dissertação de Mestrado apresentada ao Programa de Pós-graduação em Engenharia Elétrica,

Leia mais

a 11/07/17 SOM DHVL AMP RDA Arquivo. REV. DATA PREP. VERIF. VISTO APROV. DESCRIÇÃO CEMIG GERAÇÃO E TRANSMISSÃO S.A. Sistema Elétrico SE SÃO SIMÃO

a 11/07/17 SOM DHVL AMP RDA Arquivo. REV. DATA PREP. VERIF. VISTO APROV. DESCRIÇÃO CEMIG GERAÇÃO E TRANSMISSÃO S.A. Sistema Elétrico SE SÃO SIMÃO DISTR. QTDE/TIPO ORGÃO DISTRIBUIÇÃO AUTOMÁTICA DE CÓPIAS TOTAL a 11/07/17 SOM DHVL AMP RDA Arquivo. REV. DATA PREP. VERIF. VISTO APROV. DESCRIÇÃO RESERVADO CONT. CLASSIFICAÇÃO ELABORADO POR: VISTO POR:

Leia mais

Submódulo Acompanhamento de manutenção: visão geral

Submódulo Acompanhamento de manutenção: visão geral Submódulo 16.1 Acompanhamento de manutenção: visão geral Rev. Nº. Motivo da revisão 1.0 Versão decorrente da Audiência Pública nº 049/2008, submetida para aprovação em caráter definitivo pela ANEEL. 2016.12

Leia mais

Electron do Brasil. Tecnologia ao seu alcance. Catálogo Monitemp Plus - rev5. Qualidade Comprovada! Ensaios de Tipo Realizados. Produtos Certificados!

Electron do Brasil. Tecnologia ao seu alcance. Catálogo Monitemp Plus - rev5. Qualidade Comprovada! Ensaios de Tipo Realizados. Produtos Certificados! Electron do Brasil Tecnologia Digital Qualidade Comprovada! Ensaios de Tipo Realizados Tecnologia ao seu alcance Catálogo Monitemp Plus - rev5 Produtos Certificados! 105.3 O Monitor de Temperatura MoniTemp

Leia mais

BENEFÍCIOS DA IMPLANTAÇÃO DO HORÁRIO DE VERÃO 2015/2016

BENEFÍCIOS DA IMPLANTAÇÃO DO HORÁRIO DE VERÃO 2015/2016 BENEFÍCIOS DA IMPLANTAÇÃO DO HORÁRIO DE VERÃO 2015/2016 Operador Nacional do Sistema Elétrico Rua Júlio do Carmo, 251 Cidade Nova 20211-160 Rio de Janeiro RJ Tel (+21) 3444-9400 Fax (+21) 3444-9444 2016/ONS

Leia mais

Capítulo 3. Modelagem da Rede Elétrica Estudada

Capítulo 3. Modelagem da Rede Elétrica Estudada Modelagem da Rede Elétrica Estudada 58 3 MODELAGEM DA REDE ELÉTRICA ESTUDADA. A primeira fase do estudo foi a escolha da subestação e dos alimentadores aéreos primários. A subestação, bem como seus circuitos

Leia mais

LEILÃO DE ENERGIA DE RESERVA - 3º LER/2015: MARGENS DE CAPACIDADE PARA ESCOAMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA PELA REDE BÁSICA E DIT

LEILÃO DE ENERGIA DE RESERVA - 3º LER/2015: MARGENS DE CAPACIDADE PARA ESCOAMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA PELA REDE BÁSICA E DIT LEILÃO DE ENERGIA DE RESERVA - 3º LER/2015: MARGENS DE CAPACIDADE PARA ESCOAMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA PELA REDE BÁSICA E DIT Operador Nacional do Sistema Elétrico Rua Júlio do Carmo, 251 - Cidade Nova

Leia mais

Décimo Quinto Encontro Regional Ibero-americano do CIGRÉ Foz do Iguaçu-PR, Brasil 19 a 23 de maio de 2013

Décimo Quinto Encontro Regional Ibero-americano do CIGRÉ Foz do Iguaçu-PR, Brasil 19 a 23 de maio de 2013 ANÁLISE DA INFLUÊNCIA DOS NOVOS EMPREENDIMENTOS DE TRANSMISSÃO (LOTE D EXPANSÃO DA INTERLIGAÇÃO NORTE SUL III) IMPLANTADOS NO SIN EM 2009, NA ÁREA MINAS GERAIS, ATRAVÉS DO CÁLCULO DE REGIÃO DE SEGURANÇA

Leia mais

CHAMADA PÚBLICA RC/PEE 001/2016

CHAMADA PÚBLICA RC/PEE 001/2016 CHAMADA PÚBLICA RC/PEE 001/2016 RESULTADO PÓS RECURSOS - CHAMADA PÚBLICA RC/PEE 001/2016 CPFL PAULISTA 12 de julho de 2016 O grupo CPFL ENERGIA unica que na CHAMADA PÚBLICA RC/PEE 001/2016, após análise

Leia mais

DEFINIÇÃO DOS REFORÇOS NA REGIÃO SUDESTE ASSOCIADOS À AMPLIAÇÃO DA INTERLIGAÇÃO NORTE-SUL (NORTE-SUL 3)

DEFINIÇÃO DOS REFORÇOS NA REGIÃO SUDESTE ASSOCIADOS À AMPLIAÇÃO DA INTERLIGAÇÃO NORTE-SUL (NORTE-SUL 3) SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GPL 19 16 a 21 Outubro de 2005 Curitiba - Paraná GRUPO VII GRUPO DE ESTUDO DE PLANEJAMENTO DE SISTEMA ELÉTRICO - GPL DEFINIÇÃO DOS

Leia mais

Décimo Quinto Encontro Regional Ibero-americano do CIGRÉ Foz do Iguaçu-PR, Brasil 19 a 23 de maio de 2013

Décimo Quinto Encontro Regional Ibero-americano do CIGRÉ Foz do Iguaçu-PR, Brasil 19 a 23 de maio de 2013 DETERMINAÇÃO DOS PARÂMETROS DO CIRCUITO PRINCIPAL DE COMPENSADORES ESTÁTICOS INSTALADOS PARA INTEGRAÇÃO AO SISTEMA INTERLIGADO BRASILEIRO DE PARQUES EÓLICOS: O EXEMPLO DO CE EXTREMOZ Manfredo Correia Lima

Leia mais

ONS RE 4/102/2016 ACOMPANHAMENTO DA OPERAÇÃO DO SIN DURANTE OS JOGOS OLÍMPICOS RIO 2016 DE 03 A 21 DE AGOSTO DE 2016

ONS RE 4/102/2016 ACOMPANHAMENTO DA OPERAÇÃO DO SIN DURANTE OS JOGOS OLÍMPICOS RIO 2016 DE 03 A 21 DE AGOSTO DE 2016 ONS RE 4/102/2016 ACOMPANHAMENTO DA OPERAÇÃO DO SIN DURANTE OS JOGOS OLÍMPICOS RIO 2016 DE 03 A 21 DE AGOSTO DE 2016 Revisões do relatório Minuta emitida em 22/09/2016 Seção páginas descrição Versão Final

Leia mais

SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GRUPO IV GRUPO DE ESTUDO DE ANÁLISE E TÉCNICAS DE SISTEMAS DE POTÊNCIA CA E CC

SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GRUPO IV GRUPO DE ESTUDO DE ANÁLISE E TÉCNICAS DE SISTEMAS DE POTÊNCIA CA E CC SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA Versão 1.0 22 a 25 Novembro de 2009 Recife - PE GRUPO IV GRUPO DE ESTUDO DE ANÁLISE E TÉCNICAS DE SISTEMAS DE POTÊNCIA CA E CC CRITÉRIO

Leia mais

TE 131 Proteção de Sistemas Elétricos. Capitulo 8 Proteção de Sistemas de Distribuição

TE 131 Proteção de Sistemas Elétricos. Capitulo 8 Proteção de Sistemas de Distribuição TE 131 Proteção de Sistemas Elétricos Capitulo 8 Proteção de Sistemas de Distribuição 1. Introdução As redes de distribuição são essencialmente radiais, o que exige a utilização intensa de dispositivos

Leia mais

NOVOS RESULTADOS DA CONFIABILIDADE DO SIB. A. V. de Negreiros Universidade Federal de Pernambuco / Operador Nacional do Sistema Elétrico

NOVOS RESULTADOS DA CONFIABILIDADE DO SIB. A. V. de Negreiros Universidade Federal de Pernambuco / Operador Nacional do Sistema Elétrico X SEPOPE 21 a 25 de maio de 2006 May 21 rst to 25 th 2006 FLORIANÓPOLIS (SC) BRASIL X SIMPÓSIO DE ESPECIALISTAS EM PLANEJAMENTO DA OPERAÇÃO E EXPANSÃO ELÉTRICA X SYMPOSIUM OF SPECIALISTS IN ELECTRIC OPERATIONAL

Leia mais

TRANSMISSÃO E DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA TDE. Aula 4 Subestações

TRANSMISSÃO E DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA TDE. Aula 4 Subestações TRANSMISSÃO E DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA TDE Aula 4 Subestações Definição de Subestação (SE) Uma subestação é o conjunto de máquinas, aparelhos e circuitos cuja finalidade é controlar os níveis de tensão

Leia mais

Enunciados de problemas sobre cálculo aproximado de correntes de curto-circuito e dimensionamento de canalizações eléctricas e suas protecções

Enunciados de problemas sobre cálculo aproximado de correntes de curto-circuito e dimensionamento de canalizações eléctricas e suas protecções Enunciados de problemas sobre cálculo aproximado de correntes de curto-circuito e dimensionamento de canalizações eléctricas e suas protecções J. Neves dos Santos J. Rui Ferreira M. Costa Matos J. Tomé

Leia mais

PEA5918 Redes Elétricas Inteligentes e Microrredes (Smart Grids e Microgrids)

PEA5918 Redes Elétricas Inteligentes e Microrredes (Smart Grids e Microgrids) PEA5918 Redes Elétricas Inteligentes e Microrredes (Smart Grids e Microgrids) Métodos Avançados de Controle Giovanni Manassero Junior Depto. de Engenharia de Energia e Automação Elétricas Escola Politécnica

Leia mais

Gerência de Planejamento do Sistema e Atendimento Técnico

Gerência de Planejamento do Sistema e Atendimento Técnico Página 1 de 19 NOTA TÉCNICA 6.009 REQUISITOS MÍNIMOS PARA INTERLIGAÇÃO DE GERADOR PARTICULAR DE CONSUMIDOR PRIMÁRIO COM A REDE DE DISTRIBUIÇÃO DA AES ELETROPAULO UTILIZANDO SISTEMA DE TRANSFERÊNCIA AUTOMÁTICA

Leia mais