TÍTULO: A FAUNA DA INFRAORDEM BRACHYURA NO MANGUEZAL DO PORTINHO, PRAIA GRANDE, SP: ASPECTOS ECOLÓGICOS E POPULACIONAIS.

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "TÍTULO: A FAUNA DA INFRAORDEM BRACHYURA NO MANGUEZAL DO PORTINHO, PRAIA GRANDE, SP: ASPECTOS ECOLÓGICOS E POPULACIONAIS."

Transcrição

1 TÍTULO: A FAUNA DA INFRAORDEM BRACHYURA NO MANGUEZAL DO PORTINHO, PRAIA GRANDE, SP: ASPECTOS ECOLÓGICOS E POPULACIONAIS. CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS INSTITUIÇÃO: UNIVERSIDADE SANTA CECÍLIA AUTOR(ES): NICOLE FERREIRA BONANI ORIENTADOR(ES): ROBERTO PEREIRA BORGES

2 RESUMO Os manguezais são ecossistemas costeiros, de transição entre os ambientes terrestres e marinhos, característicos de regiões tropicais e subtropicais, sujeitos ao regime de marés. O presente trabalho teve como objetivos, determinar a riqueza de espécies de caranguejos que habitam a área de manguezal do Portinho, no Município de Praia Grande; caracterizar o bosque de mangue em termos de densidade relativa de árvores, através do censo de árvores e detectar possível ocorrência de interferências antrópicas sobre as populações de caranguejos. A área estudada possui como parte de sua fauna a infraordem Brachyura, com as espécies Aratus pisonii, Eurytium limosum, Goniopsis cruentata e Ucides cordatus.a estrutura do bosque de mangue foi analisada com a delimitação da área de manguezal em 2 parcelas, sendo a primeira (10x10m) esta sob efeito de marés e a segunda (10x8) junto a uma rua na área estudada. As espécies de mangue encontradas foram Rizophora mangle, Avicennia schaueriana e Laguncularia racemosa.os resultados de densidade de caranguejos (indivíduos/m 2 ) foi proporcional ao resultado da densidade relativa encontradas nas espécies de mangue, sendo Aratus pisonii 0.12 e 0.01, Eurytium limosum 0.01 e 0, Goniopsis cruentata 0.04 e 0, e Ucides cordatus 0.2 e 0.4, parcelas 1 e 2 respectivamente.os resultados indicam diferenças que podem ser devido à interferência antrópica. A construção desta rua resultou em uma área degradada, que neste estudo denominamos em parcela 2. Sendo a população de caranguejos atingida diretamente devido estas espécies estar relacionadas com árvores que compõe este ecossistema. Palavras chaves: manguezal, caranguejos, interferência antrópica. INTRODUÇÃO Os manguezais são ecossistemas de transição entre a terra e o mar que se distribuem nas regiões tropicais e subtropicais. Estes ecossistemas que ocorrem em regiões costeiras sofrem alterações conforme o regime das marés. (SHAEFFER- NOVELLI, 1995) A respeito dos manguezais, Vannucci (1999) afirmou: As características morfológicas e fisiológicas das plantas e animais de manguezais exibem adaptações convergentes que lhes permitem viver naquele ambiente tão peculiar. Essas adaptações são as que dão ao ecossistema manguezal seu aspecto particular.. As florestas de mangue do estado de São Paulo são formadas por três espécies características: Rizophora mangle, Avicennia schaueriana e Laguncularia racemosa. Sua estrutura pode ser alterada dependendo de suas condições ambientais. Segundo Vannucci (1999): As diferenças são devidas sobretudo à variações espaciais e temporais dos fatores ecológicos. São fatores decisivos: temperatura, regime e amplitude das marés, fisiografia e topografia da zona costeira,

3 natureza física, química e físico-química dos sedimentos e das águas, suprimento de água marinha e clima. Neste ecossistema estão inseridos organismos da Infraordem Brachyura que compreendem os caranguejos e siris. Contendo cerca de 35 famílias, 700 gêneros e espécies.(melo, 1996) Segundo SHAEFFER-Novelli os braquiúros compõem parte da fauna do ecossistema manguezal, tendo importância significativa na cadeia alimentar, decomposição de matéria orgânica e a renovação do solo deste ambiente. Certas espécies se alimentam das folhas que caem das árvores fazendo com que bactérias se alimentem de seus retalhos e assim os nutrientes retornarão para as outras plantas. Além disso, os caranguejos cavam túneis que são importantes para a aeração do solo e destaca-se por sua importância econômica, sendo um dos principais recursos pesqueiros no Brasil, o que gera expressivo impacto sobre suas populações naturais. No Brasil o manguezal é considerado como área de preservação incluída na Constituição Federal e Constituições Estaduais (Schaeffer-Novelli, 1994). De acordo com Vannucci (1999) os manguezais de forma geral sofrem diretamente com a interferência do homem, seja ela por expansão de território, resultando nos aterros e degradação da flora, utilização desse ecossistema para depósito e eliminação de resíduos ou até mesmo a exploração insustentável da fauna como recurso pesqueiro. O homem usa a área a seu favor e acaba causando a degradação da região, interferindo de maneira considerável nesse ambiente (Vannucci,1999). No Brasil, estudo relacionado à ecologia de caranguejos braquiúros e o impacto da interferência antrópica foi realizado por (Costa, 2012) na costa do Rio de Janeiro. Estudos sobre caranguejos foram efetuados por outros autores em diversos estados, como Mendonça e Lucena (2009) com a avaliação das capturas de caranguejo UÇÁ Ucides cordatus no município de Iguape, Litoral Sul de São Paulo, que tiveram por objetivo analisar as capturas de caranguejo-uçá no município de Iguape e propor ações de gestão para sua extração. Oshiro et al. (1998) para contribuir com o conhecimento da fauna de braquiúros na Baia de Sepetiba-RJ e Branco (1991) com objetivo de obter informações básicas sobre a bioecologia de U. cordatus do manguezal do Itacorubi (Florianópolis, SC).

4 Vários pesquisadores têm realizado trabalhos nos manguezais, porém, com foco especifico em determinadas espécies e nem sempre avaliando a interferência antrópica nas populações. Este trabalho tem como objetivo levantar a fauna de braquiúros da área de manguezal conhecida como Portinho, situada no município de Praia Grande no estado de São Paulo, área que se apresenta bastante vulnerável à interferência antrópica e região de escassos estudos. OBJETIVOS - Determinar a riqueza de espécies de caranguejos que habitam a área de manguezal do Portinho, no Município de Praia Grande; - Caracterizar o bosque de mangue em termos de densidade relativa de árvores, através do censo de árvores; - Detectar e qualificar possível ocorrência de interferências antrópicas sobre as populações de caranguejos. METODOLOGIA Área de estudo As coletas de caranguejos e o censo de árvores foram realizados em um manguezal de Praia Grande do estado de São Paulo nas coordenadas 23 59'13.9"S 46 24'20.0"W, em área conhecida como Portinho (Figura 1). Para a caracterização do bosque de manguezal, foi aplicado o método de parcelas, proposto por Schaeffer-Novelli e Cintrón (1986).

5 Figura 1: Imagem de satélite, com destaque para a região de estudo. DESENVOLVIMENTO Para a caracterização do bosque foram delimitadas duas parcelas com fita de isolamento. A primeira parcela (10x10m), sob efeito de marés e a segunda parcela (10x8m). Esta parcela foi posicionada mais próxima a uma rua que foi construída dentro da área de manguezal, com o intuito de verificar a interferência antrópica neste local; devido à restrição de espaço, a parcela 2 apresentou tamanho reduzido em comparação com a primeira parcela. (Figura 2). Foi efetuado um levantamento de todos os indivíduos vivos de espécies arbóreas. Para caracterizar a fauna da infraordem Brachyura foram realizadas coletas com periodicidade mensal, de março até maio de A área utilizada para a coleta foi à mesma do estudo fitossociológico. Os caranguejos das espécies G. cruentata, A. pisonii e E. limosum foram capturados manualmente, durante períodos de marés baixas. Aplicou-se a metodologia de captura por unidade de esforço (CPUE) empregando 1 homem/60min em cada parcela. A espécie U. cordatus não foi capturada devido à dificuldade por habitarem dentro de longas galerias. Essas etapas foram necessárias para estabelecer quais espécies estavam ocorrendo naquela área de manguezal. Os caranguejos

6 capturados totalizaram 25 indivíduos, que foram fixados em formol 4% - salino. A identificação foi efetuada com o auxílio do manual de identificação de Melo (1995). Devido à diversidade de espécies e ao fato de cada uma apresentar um hábito diferente da outra, vivendo em troncos de árvores, no sedimento, alimentando-se de animais em decomposição ou em galerias resultando em tocas abertas no sedimento, utilizamos diferentes formas para contagem dos indivíduos. Tal estratégia também foi adotada nos trabalhos de Lima et al (2010), Cardoso (2007) e Wunderlich et al. (2008). Para a espécie A. pisonii que apresenta hábito arborícola, a contagem foi realizada nos troncos das árvores, sendo que cada um dos coletores ficava de um lado do tronco para isso. Já a espécie G. cruentata que se alimenta de folhas, as visualizações foram efetuadas no próprio sedimento. Para a espécie U. cordatus, que vive em galerias largas e rasas, a quantificação foi efetuada através da contagem de tocas abertas, considerando que cada toca aberta é habitada por um único indivíduo, de acordo com Ivo e Gesteira (1999) e Alcântara Filho (1978) Para a espécie Eurytium limosum a contagem também foi realizada com visualizações no sedimento. Os dados foram tratados para se obter a densidade em indivíduos/m 2. Densidade de caranguejos (indivíduos/m 2 ), e tocas determinadas na mesma área do estudo é uma técnica utilizada em estudos populacionais de braquiúros no Brasil, como nos trabalhos de Cardoso (2007) e Wunderlich et al. (2008).

7 Figura 2 Rua construída dentro da área de manguezal conhecida como Portinho em Praia Grande; SP, ao lado esquerdo área onde foi efetuado o estudo. RESULTADOS Riqueza de espécies Quadro 1 Classificação dos organismos da Infraordem Brachyura (Latreille, 1802) capturados na área de Manguezal conhecida como Portinho, Praia Grande; SP Família Espécie Grapsidae Goniopsis cruentata (Latreille, 1803) Sesarmidae Aratus pisonii (H. Milne-Edwards, 1837) Ocypodidae Ucides cordatus (Linnaeus, 1763) Panopeidae Eurytium limosum (Say, 1818) Tabela 1 Densidade de caranguejos (indivíduos/m 2 ) observada em cada parcela. Espécies PARCELA 1 PARCELA 2 Aratus pisonii E. limosum G. cruentata Ucides Cordatus

8 Número de indivíduos Na parcela 1 foi possível realizar a contagem de 20 tocas da espécie U. cordatus, 12 indivíduos da espécie A. pisonii, 4 indivíduos da espécie G. cruentata e somente 1 individuo da espécie E. limosum (Figura 3) Espécies Parcela Parcela 2 Figura 3 Abundância total em cada parcela. De acordo com ChristofolettI (2005), o caranguejo da espécie U. cordatus apresenta maior preferência por folhas de Avicennia, esta apresentando maior valor nutritivo quando comparado com outras espécies estudas (R. mangle e L.racemosa).Esta preferência explica o fato da densidade relativa para a espécie U. cordatus apresentar se mais alta na parcela 2. (Figura 3 e 5) Segundo Araujo & Maciel (1979) a espécie G. cruentata alimenta-se de folhas de espécies vegetais presentes na região de manguezal. Esta espécie apresentou densidade maior na Parcela 1 onde a densidade relativa de árvores foi maior, comparado com a parcela 2.(Tabela 1) e (Figura 4 e 5) O fato de a espécie E. limosum apresentar densidade 0 na parcela 2 pode ser explicado através de sua preferência por solos mais úmidos o que não ocorre na parcela 2. (Tabela 1) Segundo Beever et al. (1979) a espécie A. pisonni faz parte da comunidade da espécie R. mangle, destruindo e prejudicando suas folhas devido ao seu hábito herbívoro. A densidade de Rhizophora foi maior na parcela 1, diretamente proporcional a densidade de caranguejos 0,12 e 0,01, parcela 1 e 2 respectivamente. (Tabela 1) e (Figura 4 e 5)

9 Densidade relativa do bosque de mangue Densidade relativa na parcela 1 foi de 41,93 para a espécie R.mangle, 16,12 para L. racemosa e 41,93 para A. schaueriana. Enquanto que na parcela 2 a densidade relativa foi de 7,14 para R. mangle, 39,28 L. racemosa e 53,57 para A. schaueriana.(figura 4 e 5). PARCELA Rizophora Laguncularia Avicennia Densidade relativa Figura 4: Densidade Relativa referente à parcela 2. PARCELA Rizophora Laguncularia Avicennia Densidade relativa Figura 5: Densidade Relativa referente à parcela 2.

10 Dos gêneros típicos de manguezais, A. schaueriana é considerado o mais tolerante ao estresse ambiental (CINTRÓN-MOLERO; SCHAEFFER-NOVELLI, 1992), o que pode justificar o fato de esta espécie apresentar densidade relativa alta na parcela 2, a mais afetada pela presença da rua no meio de uma área de preservação permanente. CONSIDERAÇÕES FINAIS Diante do exposto pode-se observar que a área de manguezal do Portinho no Município de Praia Grande apresenta as seguintes espécies de caranguejos: A. pisonii, E. limosum, G. cruentata e U.cordatus. Cada espécie mostrou preferências tanto em relação à vegetação como em relação ao solo do manguezal. A densidade relativa do bosque mostrou-se aparentemente proporcional à densidade de caranguejos por parcela. Com o censo de árvores foi possível detectar os prováveis efeitos da construção de uma rua dentro da área de manguezal. Esta interferência resultou em diferenças na densidade relativa entre as duas parcelas estudadas, constatando-se que na parcela 1 (sob efeito de marés) ocorreram maiores valores de densidade relativa de árvores e densidade de caranguejos. FONTES CONSULTADAS ALCÂNTARA-FILHO, P. Contribuição ao estudo da Biologia e Ecologia do caranguejo-uçá, Ucides cordatus(linnaeus, 1763), no manguezal do rio Ceará (Brasil). Arq. Ciên. Mar., Fortaleza, v.18, n.1/2, p.1-41,1978. ARAUJO, D., MACIEL, N Os Manguezais do Recôncavo da Baía de Guanabara.FEEMA. Rio de Janeiro. BRANCO. J.O. ASPECTOS BIOECOLÓGICOS DO CARANGUEJO Ucides cordatus(linnaeus 1763) (CRUSTACEA, DECAPODA) DO MANGUEZAL DO ITACORUBI, SANTA CATARINA, BR CARDOSO, R.C.F. Ecologia do caranguejo chama-maré Uca leptodactyla Rathbun, 1898 (Crustacea, Ocypodidae) em bancos de areia estuarinos no litoral norte do Estado de São Paulo. Tese (doutorado), Instituto de Biociências de Botucatu, Universidade Estadual Paulista, 2007.

11 COSTA. T. Ecologia de caranguejos braquiúros em dois estuários sobre forte influência antrópica na costa do estado do Rio de Janeiro IVO, C.T.C ; GESTEIRA, T.C.V. Sinopse das Observações sobre a bioecologia e pesca do caranguejo uçá Ucides cordatus cordatus (Linnaeus, 1763), capturado em estuários de sua área de ocorrência no Brasil. Bol. Téc.Cient. Cepene, v. 7, n.1, p. 9-52, LAMBERTI, A. Contribuição ao conhecimento da ecologia das plantas do manguezal de Itanhaém MACIEL, D. C. & ALVES, A. G. C. Local knowledge and practices related to Goniopsis cruentata (Latreille, 1803) in a coastal village in the State of Pernambuco, Northeast Brazil MASUNARI, S & N. DISSENHA. Alometria no crescimento de Uca mordax (Smith) (Crustacea, Decapoda, Ocypodidae) na Baia de Guaratuba, Paraná, Brasil, Revista Brasileira de Zoologia 22 (4): , dezembro 2005 MENDONÇA,J.T & LUCENA, A.C.P. Avaliação das capturas de caranguejo- Uça Ucides cordatus No município de Iguape, Litoral Sul de São Paulo, Brasil B.Inst. Pesca, São Paulo, 35 (2): , 2009 MELO, G.A. S Manual de Identificação dos Brachyura (Caranguejos e Siris) do Litoral Brasileiro. Editora Plêiade - FAPESP, Museu de Zoologia, Universidade de São Paulo, SP, 603p OSHIRO.et al Composição da fauna de Braquiúros (Crustáceo Decapoda) dos manguezais da Baía de Sepetiba RJ. SCHAEFFER-NOVELLI, Y Manguezal. Ecossistema entre a Terra e o Mar. EDUSP, São Paulo. 64p SCHAEFFER-NOVELLI, Y. & CINTRÓN, G Guia para estudo de áreas de manguezal: estrutura, função e flora. Caribbean Ecological Research.São Paulo. VANNUCCI, M. Os manguezais e nós. São Paulo: FAPESP/IICA, 1999, p.41 WUNDERLICH, A. C.; PINHEIRO, M. A. A.; RODRIGUES, A. M. T. Biologia do caranguejo-uçá, Ucides cordatus (Crustacea: Decapoda: Brachyura), na Baía da Babitonga, Santa Catarina, Brasil. Revista Brasileira de Zoologia, 2008, v.. 25, n. 2, p

TÍTULO: AVALIAÇÃO DO CRESCIMENTO DE PROPÁGULOS DA RIZOPHORA MANGLE EM DOIS TRATAMENTOS

TÍTULO: AVALIAÇÃO DO CRESCIMENTO DE PROPÁGULOS DA RIZOPHORA MANGLE EM DOIS TRATAMENTOS TÍTULO: AVALIAÇÃO DO CRESCIMENTO DE PROPÁGULOS DA RIZOPHORA MANGLE EM DOIS TRATAMENTOS CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: ECOLOGIA INSTITUIÇÃO: UNIVERSIDADE SANTA CECÍLIA AUTOR(ES):

Leia mais

ASPECTOS ECOLÓGICOS DOS BRACHYURA (CRUSTACEA: DECAPODA) NO MANGUEZAL DO ITACORUBI, SC, BRASIL. Joaquim Olinto Branco 2

ASPECTOS ECOLÓGICOS DOS BRACHYURA (CRUSTACEA: DECAPODA) NO MANGUEZAL DO ITACORUBI, SC, BRASIL. Joaquim Olinto Branco 2 ASPECTOS ECOLÓGICOS DOS BRACHYURA (CRUSTACEA: DECAPODA) NO MANGUEZAL DO ITACORUBI, SC, BRASIL Joaquim Olinto Branco 2 1 Trabalho realizado dentro do 1 plano setorial para os recursos do mar, convênio n

Leia mais

ZONA COSTEIRA, MANGUEZAIS E A MUDANÇA CLIMÁTICA

ZONA COSTEIRA, MANGUEZAIS E A MUDANÇA CLIMÁTICA ZONA COSTEIRA, MANGUEZAIS E A MUDANÇA CLIMÁTICA Eng. Renaldo Tenório de Moura, D.Sc. IBAMA ZONA COSTEIRA NO BRASIL Recife 8.500km Lei 7661/88 Institui a PNGC; Dec. 5300/2004 Regras de uso e ocupação; Critérios

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO AMBIENTAL DO ECOSSISTEMA MANGUEZAL NA COSTA LESTE DE SALINAS DA MARGARIDA-BAHIA

CARACTERIZAÇÃO AMBIENTAL DO ECOSSISTEMA MANGUEZAL NA COSTA LESTE DE SALINAS DA MARGARIDA-BAHIA I Congresso Baiano de Engenharia Sanitária e Ambiental COBESA CARACTERIZAÇÃO AMBIENTAL DO ECOSSISTEMA MANGUEZAL NA COSTA LESTE DE SALINAS DA MARGARIDA-BAHIA Augusto César da Silva Machado Copque Geógrafo

Leia mais

DESAFIOS E PERSPECTIVAS DOS MANGUEZAIS NO MUNICÍPIO DE MAGÉ BAIXADA FLUMINENSE

DESAFIOS E PERSPECTIVAS DOS MANGUEZAIS NO MUNICÍPIO DE MAGÉ BAIXADA FLUMINENSE DESAFIOS E PERSPECTIVAS DOS MANGUEZAIS NO MUNICÍPIO DE MAGÉ BAIXADA FLUMINENSE Gabriel de Lima Souza, licenciando em Geografia gabriel.geo2010@gmail.com Jessica Damiana Pires Fernandes, licencianda em

Leia mais

TÍTULO: AUTORES: ÁREA TEMÁTICA: Introdução

TÍTULO: AUTORES: ÁREA TEMÁTICA: Introdução TÍTULO: PRODUÇÃO DE MUDAS DE MANGUE VERMELHO (RIZOPHORA MANGLE) E MANGUE BRANCO (LAGUNCULARIA RACEMOSA) NA TENTATIVA DE CONSERVAÇÃO DOS MANGUEZAIS EM COMUNIDADES CARENTES DO LITORAL NORTE DO ESTADO DE

Leia mais

PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Disponível em: <http://www.pubvet.com.br/texto.php?id=368>.

PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Disponível em: <http://www.pubvet.com.br/texto.php?id=368>. PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Disponível em: . Sinopse preliminar sobre a ocorrência de caranguejos nos manguezais do Estado do Ceará

Leia mais

O manguezal. Se você costuma viajar para o litoral, provavelmente

O manguezal. Se você costuma viajar para o litoral, provavelmente A U A UL LA O manguezal Se você costuma viajar para o litoral, provavelmente já viu pela estrada algumas pessoas vendendo caranguejos. Esses animais tornam-se verdadeiras iguarias nos restaurantes. Muitos

Leia mais

HABITATS MARINHOS E COSTEIROS

HABITATS MARINHOS E COSTEIROS HABITATS MARINHOS E COSTEIROS Manguezais Marismas e planícies de maré Estuários e Lagunas Praias Costões Rochosos Recifes de Coral Plataforma Continental Mar Profundo Fontes Hidrotermais MANGUEZAIS Compreendem

Leia mais

www.institutocarijos.org.br Leonildo Lepre Filho nidolepre@gmail.com Eduardo Paulo Pires Pereira dudu_p3@hotmail.com

www.institutocarijos.org.br Leonildo Lepre Filho nidolepre@gmail.com Eduardo Paulo Pires Pereira dudu_p3@hotmail.com www.institutocarijos.org.br Leonildo Lepre Filho nidolepre@gmail.com Eduardo Paulo Pires Pereira dudu_p3@hotmail.com O Sistema Nacional de Unidades de Conservação da Natureza (SNUC) foi instituído, no

Leia mais

ESTIMATIVA DA BIOMASSA E CARBONO EXISTÊNCIA: O CASO DO MANGUEZAL NA ÁREA DO SÍTIO SANDI, SANTOS-SP

ESTIMATIVA DA BIOMASSA E CARBONO EXISTÊNCIA: O CASO DO MANGUEZAL NA ÁREA DO SÍTIO SANDI, SANTOS-SP ESTIMATIVA DA BIOMASSA E CARBONO EXISTÊNCIA: O CASO DO MANGUEZAL NA ÁREA DO SÍTIO SANDI, SANTOS-SP Emerson Silva Ribas*, Gabriel de Jesus Almeida*, Giovani Augusto Pedro*, Paulo de Salles Penteado Sampaio**

Leia mais

Manguezais. As florestas da. Amazônia costeira. 34 CiênCia Hoje vol. 4 4 nº 264

Manguezais. As florestas da. Amazônia costeira. 34 CiênCia Hoje vol. 4 4 nº 264 Manguezais As florestas da Amazônia costeira 34 CiênCia Hoje vol. 4 4 nº 264 Os manguezais da costa amazônica, distribuídos por Amapá, Pará e Maranhão, ocupam uma área de 9 mil km2 e correspondem a 70%

Leia mais

Terminologia Vegetal Aciculifoliadas folhas em forma de agulha; Latifoliadas folhas largas e grandes; Perenes nunca perdem as folhas por completo; Caducas (decíduas) perdem as folhas antes de secas ou

Leia mais

Formações de Santa Catarina. Profa. Elisa Serena Gandolfo Martins Março/2015

Formações de Santa Catarina. Profa. Elisa Serena Gandolfo Martins Março/2015 Formações de Santa Catarina Profa. Elisa Serena Gandolfo Martins Março/2015 O Estado de Santa Catarina está totalmente inserido dentro do Bioma Mata Atlântica. A Mata Atlântica "O espaço que contém aspectos

Leia mais

E C O L O G I A. Incluindo todos os organismos e todos os processos funcionais que a tornam habitável

E C O L O G I A. Incluindo todos os organismos e todos os processos funcionais que a tornam habitável E C O L O G I A Deriva do grego oikos, com sentido de casa e logos com sentido de estudo Portanto, trata-se do estudo do ambiente da casa Incluindo todos os organismos e todos os processos funcionais que

Leia mais

Educação Ambiental Projeto 2013 Estrutura

Educação Ambiental Projeto 2013 Estrutura Educação Ambiental Projeto 2013 Estrutura Metodologia O projeto será realizado em Escolas Municipais do Município de Santos (SP), sendo voltado para alunos do Ensino Fundamental. Serão ministradas palestras

Leia mais

- Brasil. Mariella Mendes Revilla Coelba. Cinira de A. F. Fernandes Instituto. Sandra Neusa. Salvador Ribeiro. Coelba. Resumo. Localizado na região

- Brasil. Mariella Mendes Revilla Coelba. Cinira de A. F. Fernandes Instituto. Sandra Neusa. Salvador Ribeiro. Coelba. Resumo. Localizado na região XVIII Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica SENDI 2008-06 a 10 de outubro Olinda - Pernambuco - Brasil Guardiões do Mangue Cinira de A. F. Fernandes Instituto Floresta Viva cinira@florestaviva.org.br

Leia mais

Diagnóstico Socioeconômico e Ambiental dos Catadores de Caranguejo de Magé-RJ

Diagnóstico Socioeconômico e Ambiental dos Catadores de Caranguejo de Magé-RJ ISSN 1984-9354 Diagnóstico Socioeconômico e Ambiental dos Catadores de Caranguejo de Magé-RJ Camilla Ribeiro da Silva Lírio (LATEC/UFF) Este trabalho é parte integrante do Projeto Caranguejo Uçá, realizado

Leia mais

SUMÁRIO PROGRAMA DE DIAGNÓSTICO E MONITORAMENTO DA CARCINOFAUNA DO ESTUÁRIO DA MARGEM DIREITA DO RIO BAETANTÃ... 2. 1. Introdução...

SUMÁRIO PROGRAMA DE DIAGNÓSTICO E MONITORAMENTO DA CARCINOFAUNA DO ESTUÁRIO DA MARGEM DIREITA DO RIO BAETANTÃ... 2. 1. Introdução... 1/11 SUMÁRIO PROGRAMA DE DIAGNÓSTICO E MONITORAMENTO DA CARCINOFAUNA DO ESTUÁRIO DA MARGEM DIREITA DO RIO BAETANTÃ... 2 1. Introdução... 2 2. Objetivos... 3 3. Metodologia... 3 3.1. Estações de amostragem...

Leia mais

ALUNO: FERNANDO FERREIRA DE BRITO - RM 6035

ALUNO: FERNANDO FERREIRA DE BRITO - RM 6035 F A C U L D A D E D O N D O M E N I C O CURSO: MUNDO CONTEMPORÂNEO PROFª MESTRE: ÂNGELA VAZ OMATTI AGUIAR ALUNO: FERNANDO FERREIRA DE BRITO - RM 6035 G U A R U J Á ONTEM... E HOJE. Guarujá (SP) apoia o

Leia mais

2 - Proponente: Ministério Público: 3ª. (terceira) Promotoria de Justiça de Valença -BA

2 - Proponente: Ministério Público: 3ª. (terceira) Promotoria de Justiça de Valença -BA 1 - Projeto: Conhecendo e Protegendo os nossos Manguezais 2 - Proponente: Ministério Público: 3ª. (terceira) Promotoria de Justiça de Valença -BA 3 - Órgão Executor: Nome: IDEIA Instituto de Defesa, Estudo

Leia mais

O MANGUEZAL NA VISÃO ETNOBIOLÓGICA DE ESTUDANTES DO ENSINO FUNDAMENTAL DE UMA ESCOLA PÚBLICA, NATAL/RN.

O MANGUEZAL NA VISÃO ETNOBIOLÓGICA DE ESTUDANTES DO ENSINO FUNDAMENTAL DE UMA ESCOLA PÚBLICA, NATAL/RN. O MANGUEZAL NA VISÃO ETNOBIOLÓGICA DE ESTUDANTES DO ENSINO FUNDAMENTAL DE UMA ESCOLA PÚBLICA, NATAL/RN. Clécio Danilo Dias Da Silva 1 ; Carmem Maria da Rocha Fernendes 3 ; Álvaro da Costa Freire 4, Daniele

Leia mais

NOTA SOBRE A BIOLOGIA E CAPTURA DO CARANGUEJO UÇÁ, Ucides cordatus (LINNAEUS, 1763) NA COMUNIDADE INDÍGENA DOS TAPEBAS, CAUCAIA, CEARÁ, BRASIL

NOTA SOBRE A BIOLOGIA E CAPTURA DO CARANGUEJO UÇÁ, Ucides cordatus (LINNAEUS, 1763) NA COMUNIDADE INDÍGENA DOS TAPEBAS, CAUCAIA, CEARÁ, BRASIL NOTA SOBRE A BIOLOGIA E CAPTURA DO CARANGUEJO UÇÁ, Ucides cordatus (LINNAEUS, 1763) NA COMUNIDADE INDÍGENA DOS TAPEBAS, CAUCAIA, CEARÁ, BRASIL Jullyermes Araújo Lourenço 1, Carlos Henrique dos Anjos dos

Leia mais

O USO DA BIODIVERSIDADE COMO PRESERVAÇÃO AMBIENTAL

O USO DA BIODIVERSIDADE COMO PRESERVAÇÃO AMBIENTAL O USO DA BIODIVERSIDADE COMO PRESERVAÇÃO AMBIENTAL Stefani de Souza Patricia de Freitas Co-autor - Prof. MSc. Cristian Coelho Silva cristian_coelho@yahoo.com.br luscheuer@hotmail.com Palavras-chave: sustentabilidade,

Leia mais

Terminologia Vegetal

Terminologia Vegetal Terminologia Vegetal Aciculifoliadas folhas em forma de agulha; Latifoliadas folhas largas e grandes; Perenes nunca perdem as folhas por completo; Caducas (decíduas) perdem as folhas antes de secas ou

Leia mais

Figura 1: Bosque de Casal do Rei, alguns meses após o incêndio que ocorreu no Verão de 2005.

Figura 1: Bosque de Casal do Rei, alguns meses após o incêndio que ocorreu no Verão de 2005. Estudo da vegetação 1. Introdução A intensa actividade humana desenvolvida na região Centro ao longo dos últimos milénios conduziu ao desaparecimento gradual de extensas áreas de floresta autóctone, que

Leia mais

GLOSSÁRIO: - MEIO URBANO; - UNIDADES DE CONSERVAÇÃO AMBIENTAL; - RISCOS AMBIENTAIS; - IMPACTO SIGNIFICATIVO.

GLOSSÁRIO: - MEIO URBANO; - UNIDADES DE CONSERVAÇÃO AMBIENTAL; - RISCOS AMBIENTAIS; - IMPACTO SIGNIFICATIVO. FUNDAÇÃO EDUCACIONAL SERRA DOS ÓRGÃOS CENTRO DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIA DISCIPLINA: NAI PROFESSORA: Drª CÁTIA FARIAS GLOSSÁRIO: - MEIO URBANO; - UNIDADES DE CONSERVAÇÃO AMBIENTAL; - RISCOS AMBIENTAIS; -

Leia mais

B I O G E O G R A F I A

B I O G E O G R A F I A B I O G E O G R A F I A FLORESTA AMAZÔNICA 2011 Aula XII O bioma Amazônia representa aproximadamente 30% de todas as florestas tropicais remanescentes do mundo e nele se concentra a maioria das florestas

Leia mais

A problemática que envolve a questão do manguezal.

A problemática que envolve a questão do manguezal. Autora: Giselle Ferreira Borges Graduanda em Geografia Universidade Federal Fluminense - UFF- Niterói, RJ gitop@hotmail.com A problemática que envolve a questão do manguezal. Introdução O trabalho tem

Leia mais

BIODIVERSIDADE E MANEJO SUSTENTÁVEL DA FLORESTA TROPICAL 1 BIODIVERSIDADE

BIODIVERSIDADE E MANEJO SUSTENTÁVEL DA FLORESTA TROPICAL 1 BIODIVERSIDADE BIODIVERSIDADE E MANEJO SUSTENTÁVEL DA FLORESTA TROPICAL 1 João Artur Silva 2 Márcio Ribeiro² Wilson Junior Weschenfelder² BIODIVERSIDADE Modelos de Diversidade A diversidade biológica varia fortemente

Leia mais

praiais estuarino manguezais

praiais estuarino manguezais 3.2.2 Ecossistemas Relevantes Um ecossistema pode ser definido como a interação de comunidades de espécies de animais, vegetais e microorganismos entre si e o seu habitat num grau de equilíbrio estável.

Leia mais

II SIMPÓSIO INTERNACIONAL DE CIENCIAS INTEGRADAS DA UNAERP CAMPUS GUARUJÁ. A importância dos manguezais para o equilíbrio ambiental

II SIMPÓSIO INTERNACIONAL DE CIENCIAS INTEGRADAS DA UNAERP CAMPUS GUARUJÁ. A importância dos manguezais para o equilíbrio ambiental II SIMPÓSIO INTERNACIONAL DE CIENCIAS INTEGRADAS DA UNAERP CAMPUS GUARUJÁ A importância dos manguezais para o equilíbrio ambiental Henrique Cesar Nanni Mestrando em Gestão de Negócios UNISANTOS Universidade

Leia mais

IMPACTOS AMBIENTAIS NO MANGUEZAL DO BAIRRO TREZE DE JULHO

IMPACTOS AMBIENTAIS NO MANGUEZAL DO BAIRRO TREZE DE JULHO IMPACTOS AMBIENTAIS NO MANGUEZAL DO BAIRRO TREZE DE JULHO Kaio Eduardo de Jesus Oliveira Graduando em Geografia, Universidade Tiradentes, GPSEHM/CNPq kaioeduardojo@gmail.com Auro de Jesus Rodrigues Mestre

Leia mais

ASPECTOS BIOECOLÓGICOS DO CARANGUEJO Ucides cordatus (LINNAEUS 1763) (CRUSTACEA, DECAPODA) DO MANGUEZAL DO ITACORUBI, SANTA CATARINA, BR.

ASPECTOS BIOECOLÓGICOS DO CARANGUEJO Ucides cordatus (LINNAEUS 1763) (CRUSTACEA, DECAPODA) DO MANGUEZAL DO ITACORUBI, SANTA CATARINA, BR. ASPECTOS BIOECOLÓGICOS DO CARANGUEJO Ucides cordatus (LINNAEUS 1763) (CRUSTACEA, DECAPODA) DO MANGUEZAL DO ITACORUBI, SANTA CATARINA, BR. Joaquim Olinto Branco* Núcleo de Estudos do Mar - NEMAR/CCB-UFSC.

Leia mais

Quais foram as evidências anatômicas presentes que permitiram reconhecer a estrutura como:

Quais foram as evidências anatômicas presentes que permitiram reconhecer a estrutura como: 1)Analisando-se ao microscópio óptico uma lâmina contendo um corte transversal de uma estrutura vegetal, chegou-se a conclusão de que se tratava de um caule de Monocotiledônea típico. Quais foram as evidências

Leia mais

Prof. MSc. Leandro Felício

Prof. MSc. Leandro Felício Prof. MSc. Leandro Felício Ecossistema: Sistema integrado e auto funcionante que consiste em interações dos elementos bióticos e abióticos e cujas dimensões podem variar consideravelmente. Bioma: Conjunto

Leia mais

As Mudanças climáticas e os ecossistemas marinhos e costeiros. Situação dos manguezais brasileiros

As Mudanças climáticas e os ecossistemas marinhos e costeiros. Situação dos manguezais brasileiros As Mudanças climáticas e os ecossistemas marinhos e costeiros. Situação dos manguezais brasileiros Comissão Mista Permanente Sobre Mudanças Climáticas CMMC Assembléia Legislativa do Estado de Pernambuco

Leia mais

O Ecossistema Manguezal

O Ecossistema Manguezal 1º TEXTO O Ecossistema Manguezal O manguezal é um ecossistema complexo e um dos mais produtivos do planeta. É considerado um ecossistema costeiro de transição entre os ambientes terrestre e marinho. Característico

Leia mais

-- De São Paulo a Santos -- Colégio Santa Clara Prof. Marcos

-- De São Paulo a Santos -- Colégio Santa Clara Prof. Marcos -- De São Paulo a Santos -- Colégio Santa Clara Prof. Marcos São Paulo tem déficit de água Região Metropolitana de São Paulo População: aprox. 20 milhões Consumo médio de água: 73 mil litros por segundo

Leia mais

Organismos, fatores limitantes e nicho ecológico

Organismos, fatores limitantes e nicho ecológico Texto Base: Aula 25 Organismos, fatores limitantes e nicho ecológico Autor: Ana Lúcia Brandimarte Ecologia: significado e escopo As aulas finais de Biologia Geral serão dedicadas ao estudo da Ecologia,

Leia mais

ANÁLISE DA TEMPERATURA E UMIDADE DO AR EM ÁREA DE MANGUEZAL NA REGIÃO BRAGANTINA-PA

ANÁLISE DA TEMPERATURA E UMIDADE DO AR EM ÁREA DE MANGUEZAL NA REGIÃO BRAGANTINA-PA ANÁLISE DA TEMPERATURA E UMIDADE DO AR EM ÁREA DE MANGUEZAL NA REGIÃO BRAGANTINA-PA Vanda Maria Sales de Andrade Antônio Carlos Lôla da Costa Universidade Federal do Pará Rua Augusto Corrêa nº 01, Bairro

Leia mais

Testes de Diagnóstico

Testes de Diagnóstico INOVAÇÃO E TECNOLOGIA NA FORMAÇÃO AGRÍCOLA agrinov.ajap.pt Coordenação Técnica: Associação dos Jovens Agricultores de Portugal Coordenação Científica: Miguel de Castro Neto Instituto Superior de Estatística

Leia mais

Figura 2.1. Baía de Todos os Santos (Grupo de Recomposição Ambiental/ Gérmen).

Figura 2.1. Baía de Todos os Santos (Grupo de Recomposição Ambiental/ Gérmen). 18 2 Área de Estudo A Baía de Todos os Santos (BTS) (figura 2.1), localizada no estado da Bahia, considerada como área núcleo da Reserva da Biosfera da Mata Atlântica é a maior Baía do Brasil, com cerca

Leia mais

Capítulo 3 Área de Estudo

Capítulo 3 Área de Estudo Capítulo 3 Área de Estudo A Baía de Guanabara constitui a segunda maior baía, em extensão, do litoral brasileiro, com uma área de aproximadamente 380 km². As profundidades médias na baía são de 3 metros

Leia mais

ANÁLISE TEMPORAL DO COMPLEXO ESTUARINO DA BAIXADA SANTISTA-SP, POR MEIO DE IMAGENS TM-LANDSAT

ANÁLISE TEMPORAL DO COMPLEXO ESTUARINO DA BAIXADA SANTISTA-SP, POR MEIO DE IMAGENS TM-LANDSAT ANÁLISE TEMPORAL DO COMPLEXO ESTUARINO DA BAIXADA SANTISTA-SP, POR MEIO DE IMAGENS TM-LANDSAT Alessandro Rosini (rosini_ale@hotmail.com) Professor de Ensino Médio e cursos pré-vestibular Fone: (13) 3261-4533

Leia mais

ECOSSISTEMA MANGUEZAL: UMA PERSPECTIVA SOBRE O PROCESSO DE (RE) PRODUÇÃO DOS ESPACO URBANO

ECOSSISTEMA MANGUEZAL: UMA PERSPECTIVA SOBRE O PROCESSO DE (RE) PRODUÇÃO DOS ESPACO URBANO ECOSSISTEMA MANGUEZAL: UMA PERSPECTIVA SOBRE O PROCESSO DE (RE) PRODUÇÃO DOS ESPACO URBANO Kaio Eduardo de Jesus Oliveira Graduando em Geografia, Universidade Tiradentes, Pesquisador do GPSEHM/CNPq kaioeduardojo@gmail.com

Leia mais

O ESTOQUE DA OSTRA DE MANGUE Crassostrea SP. NO ESTUÁRIO DE CANANÉIA, SÃO PAULO, BRASIL NO ANO DE 2007

O ESTOQUE DA OSTRA DE MANGUE Crassostrea SP. NO ESTUÁRIO DE CANANÉIA, SÃO PAULO, BRASIL NO ANO DE 2007 340 O ESTOQUE DA OSTRA DE MANGUE Crassostrea SP. NO ESTUÁRIO DE CANANÉIA, SÃO PAULO, BRASIL NO ANO DE 2007 Ingrid Cabral Machado 1 ; Marcelo Barbosa Henriques 2 ; Orlando Martins Pereira 3 e Nivaldo Nordi

Leia mais

AVALIAÇÃO DA BALNEABILIDADE DAS PRAIAS DO MUNICÍPIO DE SANTOS/SP NOS ÚLTIMOS DEZ ANOS

AVALIAÇÃO DA BALNEABILIDADE DAS PRAIAS DO MUNICÍPIO DE SANTOS/SP NOS ÚLTIMOS DEZ ANOS Revista Ceciliana Jun 4(1): 55-59, 2012 - Universidade Santa Cecília Disponível online em http://www.unisanta.br/revistaceciliana AVALIAÇÃO DA BALNEABILIDADE DAS PRAIAS DO MUNICÍPIO DE SANTOS/SP NOS ÚLTIMOS

Leia mais

Mapeamento da Cobertura Vegetal do Município do Rio de Janeiro, 2010 Autores:

Mapeamento da Cobertura Vegetal do Município do Rio de Janeiro, 2010 Autores: Mapeamento da Cobertura Vegetal do Município do Rio de Janeiro, 2010 Desafios Uma cidade com a natureza exuberante e diferenciada merece um levantamento a sua altura: Inédito Único no Brasil Multidisciplinar

Leia mais

DENDROLOGIA Histórico, Conceitos e Importância da Dendrologia

DENDROLOGIA Histórico, Conceitos e Importância da Dendrologia DENDROLOGIA Histórico, Conceitos e Importância da Dendrologia Prof. Dr. Israel Marinho Pereira imarinhopereira@gmail.com Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri UFVJM e Ecologia Florestal-LDEF

Leia mais

SISTEMA NACIONAL DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO - SNUC

SISTEMA NACIONAL DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO - SNUC - SNUC PREVISÃO LEGAL Art. 225. Todos têm direito ao meio ambiente ecologicamente equilibrado, bem de uso comum do povo e essencial à sadia qualidade de vida, impondo-se ao Poder Público e àcoletividade

Leia mais

B I O G E O G R A F I A

B I O G E O G R A F I A B I O G E O G R A F I A A Distribuição Geográfica das Espécies 2011 Aula 1 Objetivos Discutir os principais conceitos de biogeografia e conhecer seus campos de estudos. Compreender a influência de fatores

Leia mais

2000 árvores/minuto **

2000 árvores/minuto ** http://www.nominuto.com/noticias/natureza/alertas-de-desmatamento-tiveram-aumento-de-9-na-amazonia-legal/115318/ 20 minutos: 0,2 km 2* (200.000 m 2 = 18,5 campos de futebol) da Amazônia legal; 2000 árvores/minuto

Leia mais

Nosso Território: Ecossistemas

Nosso Território: Ecossistemas Nosso Território: Ecossistemas - O Brasil no Mundo - Divisão Territorial - Relevo e Clima - Fauna e Flora - Ecossistemas - Recursos Minerais Um ecossistema é um conjunto de regiões com características

Leia mais

Fotografias PauloHSilva//siaram. Saber Mais... Ambiente Açores

Fotografias PauloHSilva//siaram. Saber Mais... Ambiente Açores Fotografias PauloHSilva//siaram Saber Mais... Ambiente Açores Convenção Diversidade Biológica O que é a Convenção da Diversidade Biológica? A Convenção da Diversidade Biológica é um acordo assinado entre

Leia mais

A Biodiversidade é uma das propriedades fundamentais da natureza, responsável pelo equilíbrio e estabilidade dos ecossistemas, e fonte de imenso

A Biodiversidade é uma das propriedades fundamentais da natureza, responsável pelo equilíbrio e estabilidade dos ecossistemas, e fonte de imenso Biodiversidade Pode ser definida como a variedade e a variabilidade existente entre os organismos vivos e as complexidades ecológicas nas quais elas ocorrem. Pode ser entendida como uma associação de vários

Leia mais

PROJETO MORRO DO PILAR. Considerações sobre os aspectos de cobertura vegetal para manutenção das condições microclimáticas e tróficas das cavidades

PROJETO MORRO DO PILAR. Considerações sobre os aspectos de cobertura vegetal para manutenção das condições microclimáticas e tróficas das cavidades PROJETO MORRO DO PILAR Considerações sobre os aspectos de cobertura vegetal para manutenção das condições microclimáticas e tróficas Belo Horizonte / MG Junho/2014 EMPRESA RESPONSÁVEL PELO EMPREENDIMENTO

Leia mais

PROCESSO DE COLONIZAÇÃO DO MANGUEZAL DO RIO TAVARES POR ANÁLISE DA ESTRUTURA DE DIFERENTES BOSQUES

PROCESSO DE COLONIZAÇÃO DO MANGUEZAL DO RIO TAVARES POR ANÁLISE DA ESTRUTURA DE DIFERENTES BOSQUES Braz. J. Aquat. Sci. Technol., 2014, 18(1):9-18. PROCESSO DE COLONIZAÇÃO DO MANGUEZAL DO RIO TAVARES POR ANÁLISE DA ESTRUTURA DE DIFERENTES BOSQUES INTRODUÇÃO Manguezal é um ecossistema que ocorre em regiões

Leia mais

PROF. JEFERSON CARDOSO DE SOUZA

PROF. JEFERSON CARDOSO DE SOUZA PROF. JEFERSON CARDOSO DE SOUZA UFRGS 2012 São fatores limitantes dos biomas: Umidade: ausência ou excesso; Solo: tipo de nutrientes e tempo de intemperismo; Temperatura: Amplitude Térmica; Luz solar:

Leia mais

Biomas Brasileiros. 1. Bioma Floresta Amazônica. 2. Bioma Caatinga. 3. Bioma Cerrado. 4. Bioma Mata Atlântica. 5. Bioma Pantanal Mato- Grossense

Biomas Brasileiros. 1. Bioma Floresta Amazônica. 2. Bioma Caatinga. 3. Bioma Cerrado. 4. Bioma Mata Atlântica. 5. Bioma Pantanal Mato- Grossense Biomas Brasileiros 1. Bioma Floresta Amazônica 2. Bioma Caatinga 3. Bioma Cerrado 4. Bioma Mata Atlântica 5. Bioma Pantanal Mato- Grossense 6. Bioma Pampas BIOMAS BRASILEIROS BIOMA FLORESTA AMAZÔNICA

Leia mais

Mudanças Cimáticas Globais e Biodiversidade Aquática. Odete Rocha. Departamento de Ecologia Universidade Federal de São Carlos

Mudanças Cimáticas Globais e Biodiversidade Aquática. Odete Rocha. Departamento de Ecologia Universidade Federal de São Carlos Mudanças Cimáticas Globais e Biodiversidade Aquática Odete Rocha Departamento de Ecologia Universidade Federal de São Carlos O que sabemos e o que devemos fazer?" O funcionamento dos ecossistemas aquáticos

Leia mais

Em quais LINHAS ESTRATÉGICAS atuar para a conservação da biodiversidade? Como garantir a EFETIVIDADE DOS RECURSOS aplicados em conservação?

Em quais LINHAS ESTRATÉGICAS atuar para a conservação da biodiversidade? Como garantir a EFETIVIDADE DOS RECURSOS aplicados em conservação? Em quais LINHAS ESTRATÉGICAS atuar para a conservação da biodiversidade? Como garantir a EFETIVIDADE DOS RECURSOS aplicados em conservação? Como escolher uma AÇÃO EFETIVA para a conservação da biodiversidade?

Leia mais

FUNDAÇÃO TOYOTA DO BRASIL

FUNDAÇÃO TOYOTA DO BRASIL FUNDAÇÃO TOYOTA DO BRASIL Criada em 2009 Unificação dos esforços sociais da Toyota do Brasil Respeito pelo meio ambiente Contribuir com o desenvolvimento sustentável Promover a sustentabilidade, por meio

Leia mais

PLANIFICAÇÃO CIÊNCIAS NATURAIS (8.º ANO) 2015/2016 Docentes: João Mendes, Madalena Serra e Vanda Messenário

PLANIFICAÇÃO CIÊNCIAS NATURAIS (8.º ANO) 2015/2016 Docentes: João Mendes, Madalena Serra e Vanda Messenário PLANIFICAÇÃO CIÊNCIAS NATURAIS (8.º ANO) 2015/2016 Docentes: João Mendes, Madalena Serra e Vanda Messenário 1 Metras Curriculares Estratégias Tempo Avaliação TERRA UM PLANETA COM VIDA Sistema Terra: da

Leia mais

Cap. 26 De norte a sul, de leste a oeste: os biomas brasileiros. Sistema de Ensino CNEC Equipe de Biologia. Bioma

Cap. 26 De norte a sul, de leste a oeste: os biomas brasileiros. Sistema de Ensino CNEC Equipe de Biologia. Bioma Cap. 26 De norte a sul, de leste a oeste: os biomas brasileiros Sistema de Ensino CNEC Equipe de Biologia Bioma Conjunto de vida, vegetal e animal, constituído pelo agrupamento de tipos de vegetação, condições

Leia mais

Os Manguezais nos Livros de Ciências Naturais

Os Manguezais nos Livros de Ciências Naturais Universidade do Estado do Rio de Janeiro Instituto de Biologia Roberto Alcantara Gomes Departamento de Ensino de Ciências e Biologia Amanda da Silva Macedo Os Manguezais nos Livros de Ciências Naturais

Leia mais

Universidade Federal do Paraná

Universidade Federal do Paraná * Universidade Federal do Paraná * *O que são Biomas? *Bioma é uma unidade biológica ou espaço geográfico caracterizado de acordo com o macroclima, a fitofisionomia (aspecto da vegetação de um lugar),

Leia mais

Universidade Federal de Pernambuco Centro de Tecnologia e Geociências Departamento de Oceanografia

Universidade Federal de Pernambuco Centro de Tecnologia e Geociências Departamento de Oceanografia Universidade Federal de Pernambuco Centro de Tecnologia e Geociências Departamento de Oceanografia Biologia populacional do caranguejo-uçá Ucides cordatus (Linnaeus, 1763) (Crustacea, Decapoda, Brachyura)

Leia mais

Ecologia: interações ecológicas

Ecologia: interações ecológicas FACULDADES OSWALDO CRUZ Curso: Engenharia Ambiental Disciplina: Microbiologia Aplicada Prof a MsC. Vanessa Garcia Aula 12 (2º semestre): Ecologia: interações ecológicas Objetivos: analisar os principais

Leia mais

Ecologia. 1) Níveis de organização da vida

Ecologia. 1) Níveis de organização da vida Introdução A ciência que estuda como os seres vivos se relacionam entre si e com o ambiente em que vivem e quais as conseqüências dessas relações é a Ecologia (oikos = casa e, por extensão, ambiente; logos

Leia mais

Manguezais da Baixada Santista, São Paulo - Brasil: uma bibliografia.

Manguezais da Baixada Santista, São Paulo - Brasil: uma bibliografia. VI Seminário Latino Americano de Geografia Física II Seminário Ibero Americano de Geografia Física Universidade de Coimbra, Maio de 2010 Manguezais da Baixada Santista, São Paulo - Brasil: uma bibliografia.

Leia mais

Parte III - Crustáceos / Crustaceans 1958 comentários pelo Dr. Lejeune de Oliveira, 1958

Parte III - Crustáceos / Crustaceans 1958 comentários pelo Dr. Lejeune de Oliveira, 1958 Parte III - Crustáceos / Crustaceans 1958 comentários pelo Dr. Lejeune de Oliveira, 1958 Jaime L. Benchimol Magali Romero Sá Orgs. SciELO Books / SciELO Livros / SciELO Libros BENCHIMOL, JL., and SÁ, MR.,

Leia mais

PROGRAMA PETROBRAS SOCIOAMBIENTAL: Desenvolvimento Sustentável e Promoção de Direitos

PROGRAMA PETROBRAS SOCIOAMBIENTAL: Desenvolvimento Sustentável e Promoção de Direitos PROGRAMA PETROBRAS SOCIOAMBIENTAL: Desenvolvimento Sustentável e Promoção de Direitos Pra começo de conversa, um video... NOVO PROGRAMA Programa Petrobras SOCIOAMBIENTAL 2014-2018 3 ELABORAÇÃO DO NOVO

Leia mais

Praticando seus conhecimentos sobre desertificação

Praticando seus conhecimentos sobre desertificação Praticando seus conhecimentos sobre desertificação O fenômeno de desertificação pode ocorrer através de um processo natural ou pela ação humana. O manejo inadequado do solo para agricultura, atividades

Leia mais

Com base nos conhecimentos sobre usinas hidrelétricas e na análise do mapa, atribua V (verdadeiro) ou F (falso) para as afirmativas a seguir.

Com base nos conhecimentos sobre usinas hidrelétricas e na análise do mapa, atribua V (verdadeiro) ou F (falso) para as afirmativas a seguir. Relatório do vestibular UEL Questões da Primeira Fase: Trata-se de um vestibular de elevada qualidade, com questões diversificadas nos temas trabalhados, incluindo assuntos de atualidades e com relevância

Leia mais

Maxillaria silvana Campacci

Maxillaria silvana Campacci Ecologia Aula 1 Habitat É o lugar que reúne as melhores condições de vida para uma espécie. Temperatura, quantidade de água, intensidade da luz solar e tipo de solo determinam se o habitat é adequado ao

Leia mais

1. Acções de sensibilização

1. Acções de sensibilização PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL / 2013-2014 As atividades propostas compreendem diferentes momentos de reflexão, discussão e ação, dirigindo-se a toda a comunidade educativa que contempla diferentes níveis

Leia mais

BIOLOGIA COMENTÁRIO DA PROVA DE BIOLOGIA

BIOLOGIA COMENTÁRIO DA PROVA DE BIOLOGIA COMENTÁRIO DA PROVA DE BIOLOGIA Nota-se claramente que a prova de biologia da segunda fase da UFPR refletiu um esforço no sentido de privilegiar questões que envolvam raciocínio lógico aplicado ao domínio

Leia mais

COLÉGIO ADVENTISTA DE CIDADE ADEMAR

COLÉGIO ADVENTISTA DE CIDADE ADEMAR COLÉGIO ADVENTISTA DE CIDADE ADEMAR Roteiro de Geografia - Professor: Vilson P. Rodrigues - 7 Ano B Primeiro Bimestre de 2010 Observações Gerais: Alunos e Senhores Pais de Alunos - O roteiro sempre estará

Leia mais

B I O G E O G R A F I A

B I O G E O G R A F I A B I O G E O G R A F I A BIOMAS DO MUNDO SAVANAS E DESERTOS 2011 Aula VI AS PRINCIPAIS FORMAÇÕES VEGETAIS DO PLANETA SAVANAS As savanas podem ser encontradas na África, América do Sul e Austrália sendo

Leia mais

Ano: 8 Turma: 81 / 82

Ano: 8 Turma: 81 / 82 COLÉGIO NOSSA SENHORA DA PIEDADE Programa de Recuperação Final 3ª Etapa 2012 Disciplina: Ciências Professor (a): Felipe Cesar Ano: 8 Turma: 81 / 82 Caro aluno, você está recebendo o conteúdo de recuperação.

Leia mais

FLORESTAS PLANTADAS E CONSERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE NO BRASIL

FLORESTAS PLANTADAS E CONSERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE NO BRASIL FLORESTAS PLANTADAS E CONSERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE NO BRASIL Uma posição institucional conjunta de: Instituto de Pesquisas e Estudos Florestais Sociedade Brasileira de Silvicultura Departamento de Ciências

Leia mais

Diversidade e distribuição dos Crustacea Brachyura dos manguezais dos rios Ariquindá e Mamucabas, litoral sul de Pernambuco, Brasil *

Diversidade e distribuição dos Crustacea Brachyura dos manguezais dos rios Ariquindá e Mamucabas, litoral sul de Pernambuco, Brasil * http://www.aprh.pt/rgci/pdf/rgci-493_araújo.pdf DOI:10.5894/rgci493 Diversidade e distribuição dos Crustacea Brachyura dos manguezais dos rios Ariquindá e Mamucabas, litoral sul de Pernambuco, Brasil *

Leia mais

Diagnós(co Ambiental e Plano de. Restauração Florestal da ZPEC - Suape

Diagnós(co Ambiental e Plano de. Restauração Florestal da ZPEC - Suape Diagnós(co Ambiental e Plano de Coordenação geral: Prof. Dr. Ricardo Ribeiro Rodrigues Prof. Dr. Felipe Melo Eng. Agr. Dr. André Gustavo Nave Biólogo Michel Metran da Silva Restauração Florestal da ZPEC

Leia mais

Educação: Horizontes Possíveis: Desafios Imediatos UENP Centro de Ciências Humanas e da Educação Centro de Letras Comunicação e Artes

Educação: Horizontes Possíveis: Desafios Imediatos UENP Centro de Ciências Humanas e da Educação Centro de Letras Comunicação e Artes COMPOSIÇÃO FLORÍSTICA TÍPICA DE MANGUEZAIS E SUAS ADAPTAÇÕES Camila Aparecida Castelani DELBONE 1 Helder Rodrigues da SILVA 2 Renata Lucas LANDO 3 RESUMO A vegetação presente nos mangues exibe estratégias

Leia mais

ECOLOGIA GERAL FLUXO DE ENERGIA E MATÉRIA ATRAVÉS DE ECOSSISTEMAS

ECOLOGIA GERAL FLUXO DE ENERGIA E MATÉRIA ATRAVÉS DE ECOSSISTEMAS ECOLOGIA GERAL Aula 05 Aula de hoje: FLUXO DE ENERGIA E MATÉRIA ATRAVÉS DE ECOSSISTEMAS Sabemos que todos os organismos necessitam de energia para se manterem vivos, crescerem, se reproduzirem e, no caso

Leia mais

Palavras-chave: Aquecimento global, Mídias, Tecnologias, Ecossistema.

Palavras-chave: Aquecimento global, Mídias, Tecnologias, Ecossistema. Aquecimento Global e Danos no Manguezal Pernambucano SANDRA MARIA DE LIMA ALVES 1 - sandrali@bol.com.br RESUMO Este artigo procura enriquecer a discussão sobre o fenômeno do aumento da temperatura na terra

Leia mais

AULA 2 A CONTABILIDADE E O MEIO AMBIENTE. Professor: ALAN Coordenador: Prof. LAÉRCIO

AULA 2 A CONTABILIDADE E O MEIO AMBIENTE. Professor: ALAN Coordenador: Prof. LAÉRCIO Professor: ALAN Coordenador: Prof. LAÉRCIO 1 2 1. Conceituar a Contabilidade Ambiental; 2. Definir Meio Ambiente 3. Citar as finalidades da Contabilidade Ambiental; 4. Conhecer a evolução histórica; 3

Leia mais

Marina de Sá Leitão Câmara de Araújo

Marina de Sá Leitão Câmara de Araújo Universidade Federal de Pernambuco UFPE Centro de Tecnologia e Geociência CTG Departamento de Oceanografia DOCEAN Laboratório de Carcinologia - Labcarcino Marina de Sá Leitão Câmara de Araújo Recife, Março/2013

Leia mais

Fitogeografia do Brasil.

Fitogeografia do Brasil. Fitogeografia do Brasil. Profº Me. Fernando Belan Alexander Fleming Introdução Devido as grandes dimensões territoriais, estabelecemse muitas formações vegetais características de alguma região do Brasil.

Leia mais

Matéria e Energia no Ecossistema

Matéria e Energia no Ecossistema Matéria e Energia no Ecossistema Qualquer unidade que inclua a totalidade dos organismos (comunidade) de uma área determinada, interagindo com o ambiente físico, formando uma corrente de energia que conduza

Leia mais

Mestre não é quem ensina, mas quem, de repente, aprende.

Mestre não é quem ensina, mas quem, de repente, aprende. Imagem do Museu da Língua Portuguesa (Estação da Luz - São Paulo, SP). Mestre não é quem ensina, mas quem, de repente, aprende. João Guimarães Rosa Política Estadual de Mudanças Climáticas e o Pagamento

Leia mais

Téc. Agroecologia U.C. Fundamentos de Agroecologia FUNDAMENTOS DE ECOSSISTEMAS

Téc. Agroecologia U.C. Fundamentos de Agroecologia FUNDAMENTOS DE ECOSSISTEMAS Téc. Agroecologia U.C. Fundamentos de Agroecologia FUNDAMENTOS DE ECOSSISTEMAS 2014 ECOLOGIA DE ECOSSISTEMAS Conceitos ecológicos Fatores bióticos e abióticos Ecossistemas e Agroecossistemas Relação entre

Leia mais

Capítulo 1. Introdução

Capítulo 1. Introdução Capítulo 1 Introdução O manguezal é um ecossistema costeiro, de transição entre os ambientes terrestre e marinho, típico de regiões tropicais e subtropicais, que está sujeito ao regime de marés. Este ecossistema

Leia mais

ETNOBIOINDICADORES USADOS POR POPULAÇÕES DE PESCADORES E MARISQUEIRAS COMO MARCADORES DE MUDANÇAS AMBIENTAIS NA BAÍA DE TODOS-OS-SANTOS BAHIA

ETNOBIOINDICADORES USADOS POR POPULAÇÕES DE PESCADORES E MARISQUEIRAS COMO MARCADORES DE MUDANÇAS AMBIENTAIS NA BAÍA DE TODOS-OS-SANTOS BAHIA 49 ETNOBIOINDICADORES USADOS POR POPULAÇÕES DE PESCADORES E MARISQUEIRAS COMO MARCADORES DE MUDANÇAS AMBIENTAIS NA BAÍA DE TODOS-OS-SANTOS BAHIA Elaine Souza Messias 1 & Fabio Pedro Souza de Ferreira Bandeira

Leia mais

Atlas ambiental do município de Itanhaém 2012. Capítulo 6 - Conservação ambiental

Atlas ambiental do município de Itanhaém 2012. Capítulo 6 - Conservação ambiental Capítulo 6 - Conservação ambiental 71 72 6.1 Unidades de Conservação As Unidades de Conservação da Natureza (UCs) constituem espaços territoriais e mari- 46 55' 46 50' 46 45' nhos detentores de atributos

Leia mais

REQUERIMENTO Nº, DE 2008 (Do Senhor Flávio Bezerra)

REQUERIMENTO Nº, DE 2008 (Do Senhor Flávio Bezerra) REQUERIMENTO Nº, DE 2008 (Do Senhor Flávio Bezerra) Requer o envio desta Indicação ao Poder Executivo, por intermédio do Ministério do Meio Ambiente para a recriação de Recifes Artificiais por meio de

Leia mais

Teses e Dissertações. Ano Base. Área de Avaliação CIÊNCIAS BIOLÓGICAS I. Área Básica OCEANOGRAFIA 1.08.00.00-0. Instituição

Teses e Dissertações. Ano Base. Área de Avaliação CIÊNCIAS BIOLÓGICAS I. Área Básica OCEANOGRAFIA 1.08.00.00-0. Instituição Ano Base 2001 Área de Avaliação CIÊNCIAS BIOLÓGICAS I Área Básica OCEANOGRAFIA 1.08.00.00-0 Instituição UFPE - UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO (PE) Programa OCEANOGRAFIA 25001019034P-2 1 de 5 Mestrado

Leia mais

AVALIAÇÃO DOS ATRIBUTOS QUÍMICOS DE UM SOLO SOB FLORESTA ATLÂNTICA NA FAZENDA SANTA RITA, FARIA LEMOS, MG

AVALIAÇÃO DOS ATRIBUTOS QUÍMICOS DE UM SOLO SOB FLORESTA ATLÂNTICA NA FAZENDA SANTA RITA, FARIA LEMOS, MG AVALIAÇÃO DOS ATRIBUTOS QUÍMICOS DE UM SOLO SOB FLORESTA ATLÂNTICA NA FAZENDA SANTA RITA, FARIA LEMOS, MG Maria José Reis da Rocha 1, Camila Aparecida da Silva Martins 2, Aderbal Gomes da Silva 3, Mauro

Leia mais