HABITATS MARINHOS E COSTEIROS

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "HABITATS MARINHOS E COSTEIROS"

Transcrição

1 HABITATS MARINHOS E COSTEIROS Manguezais Marismas e planícies de maré Estuários e Lagunas Praias Costões Rochosos Recifes de Coral Plataforma Continental Mar Profundo Fontes Hidrotermais

2 MANGUEZAIS Compreendem as áreas entre-marés colonizadas por uma vegetação arbórea adaptada a um substrato inconsolidado, anóxico e sujeito à grandes variações de salinidade. Ocorrem apenas nas áreas tropicais e intertropicais (em torno de 30 de latitude N e S), apresentando maior diversidade nos oceanos Pacífico e Índico (provável origem) ESPÉCIES MAIS COMUNS NO BRASIL: Rhizophora mangle (mangue vermelho) Laguncularia racemosa (mangue branco) Avicennia schaueriana (mangue preto) IMPORTÂNCIA: 1. São agentes estabilizadores dos processos erosivos que atuam sobre a linha de costa durante as tempestades ou ressacas; 2. Retêm os sedimentos continentais, minimizando a taxa de assoreamento dos corpos d agua adjacentes; 3. Enriquecem as águas costeiras através da exportação de nutrientes; 4. Fornecem abrigo e alimento para as formas marinhas jovens.

3 Manguezais - Adaptações (1) Raízes escoras e pneumatóforos As trocas gasosas são feitas através das lenticelas durante a baixa-mar. (2) Mecanismos filtradores ou excretores de sal (3) Viviparidade (plântulas)

4 Manguezais - Zonação

5 MARISMAS: Espécies Dominantes e Zonação Os marismas são dominados por angiospermas herbáceas adaptadas a altas salinidades e grande amplitude térmica. Marismas baixas, freqüentemente alagadas, são dominadas pela grama alta macega-mol* (Spartina alterniflora). OBS: * "mol" expressão para "mole" dos colonos portugueses; usada devido a grande quantidade de tecido esponjoso nas hastes. Macega Mol Marismas ocasionalmente alagadas (em pisos intermareais médios) são dominadas pela grama alta macega (Spartina densiflora). Macega As áreas mais altas das marismas são dominadas pelo Junco (Juncus effusus) Junco

6 ESTUÁRIOS Estuários são corpos d água semi fechados onde ocorrem os processos de mistura das águas marinhas e fluviais. Classificação quanto a origem: Estuários de Planície Costeira: Estuários Tectônicos: Estuários Ilha Barreira: Fiordes:

7 ESTUÁRIOS Classificação quanto aos processos de mistura das águas: Estuários Estratificados ou Tipo Cunha Salina: Estuários Parcialmente Misturados: Estuários Verticalmente Homogêneos:

8 LAGUNAS Kjerfve (1994) define laguna como um corpo de água normalmente orientado paralelamente à linha de costa, separado do oceano por uma barreira arenosa e conectado a este por um ou mais canais, cujas profundidades raramente excedem alguns metros. FEIÇÕES LAGUNARES

9 CLASSIFICAÇÃO LAGUNAR QUANTO AO NUMERO DE DESEMBOCADURAS E HIDRODINÂMICA Lagoa dos Patos -Brasil TIPOS SEGUNDO KJERFVE (1986) 1. SUFOCADA Laguna de Tèrminos - México 2. RESTRITA 3. VAZADA DINAMARCA

10 PROCESSOS EVOLUTIVOS DE UM CORPO LAGUNAR 1. SEGMENTAÇÃO 2. ACRESÇÃO VERTICAL 3. ACRESÇÃO LATERAL Exemplos de segmentação:

11 ESTUÁRIOS E LAGUNAS: Gradiente Biológico

12 PRAIAS Horikawa (1988) define praia como sendo um ambiente dominado por sedimentos inconsolidados, facilmente deformável pela ação das ondas e que se estende a partir da profundidade efetiva de mobilização dos sedimentos marinhos até o limite máximo de ação de ondas de tempestade sobre a praia ou até as dunas frontais, quando estas existirem.

13 FEIÇÕES PRAIAIS MARCAS ONDULADAS CUSPIDES PRAIAIS BERMA

14 CORRENTES DE RETORNO

15 VARIAÇÕES NO PERFIL PRAIAL

16 PRAIAS ARENOSAS Abertura da galeria cavada por um caranguejo maria-farinha Rastros do molusco gastrópode Olivella na areia de uma praia, durante a maré baixa

17 DUNAS COSTEIRAS As dunas costeiras formaram-se durante os últimos 5000 anos pela interação entre o mar, o vento, a areia e a vegetação. As correntes marítimas litorâneas transportam grandes quantidades de areia. Parte destes grãos são depositados nas praias pelas marés altas. A areia acumulada é transportada pelos ventos dominantes para áreas mais elevadas da praia. Esse complexo ecossistema estende-se por 600 Km no litoral gaúcho, desde o arroio Chuí, ao sul, até o rio Mampituba, ao norte, formando o maior sistema de praias arenosas do mundo. As dunas servem de barreira natural à invasão da água do mar e da areia em áreas interiores e balneários. Também protegem o lençol de água doce evitando a entrada de água do mar.

18 FORMAÇÃO DE DUNAS

19 As dunas costeiras formaram-se durante os últimos 5000 anos no Brasil pela interação entre o mar, o vento, a areia e a vegetação. As correntes marítimas litorâneas transportam grandes quantidades de areia. Parte destes grãos são depositados nas praias pelas marés altas. A areia acumulada é transportada pelos ventos dominantes para áreas mais elevadas da praia. São plantas adaptadas às condições ambientais extremas como salinidade, atrito dos grãos e movimentos de areia. A medida que a vegetação pioneira cresce, as dunas ganham volume e altura. Com o passar do tempo outras plantas colonizam o local, mantendo o equilíbrio ecológico e a estabilidade do cordão de dunas litorâneas. O tuco-tuco é um pequeno roedor que habita galerias escavadas nas areias. Caules e raízes da vegetação nativa compõe a sua alimentação.

20 RECIFES DE CORAL São estruturas calcárias construidas por uma variada associação de plantas e animais, destacando-se os corais escleractíneos e as algas coralinas. Distribuição e Fatores Limitantes Ocorrem apenas na zona intertropical, onde as águas apresentam temperaturas entre 20 e 28 C. Estão restritos à áreas rasas e claras (limites verticais determinados pela ocorrência das zooxantelas simbióticas Os principais tipos de recifes são: - Tipo Franja:projetam-se diretamente para o mar; - Tipo Barreira:são separados dos continentes por uma laguna - Atol: são circulares ou ovais formando uma laguna central e estão associados aos ápices de vulcões submersos.

IMPACTOS DAS MUDANÇAS CLIMÁTICAS NO LITORAL DO ESTADO DE SÃO PAULO: EFEITOS DA ELEVAÇÃO DO NÍVEL DO MAR

IMPACTOS DAS MUDANÇAS CLIMÁTICAS NO LITORAL DO ESTADO DE SÃO PAULO: EFEITOS DA ELEVAÇÃO DO NÍVEL DO MAR IMPACTOS DAS MUDANÇAS CLIMÁTICAS NO LITORAL DO ESTADO DE SÃO PAULO: EFEITOS DA ELEVAÇÃO DO NÍVEL DO MAR Celia Regina de Gouveia Souza Pesquisadora Científica - Instituto Geológico-SMA/SP Profa. Colaboradora

Leia mais

DEFINIÇÃO MAIS SIMPLES

DEFINIÇÃO MAIS SIMPLES DINÂMICA COSTEIRA DEFINIÇÃO MAIS SIMPLES A costa é onde a terra, a água e o ar se encontram. As águas desta junção tríplice podem ser doces o salgadas. A costa é melhor observada como zona de mistura ou

Leia mais

OS VENTOS, AS ONDAS E AS MARÉS COMO AGENTES GEOLÓGICOS DE SUPERFÍCIE MODELADORES DAS FAIXAS LITORÂNEAS ARTIGO 9. Pelo Geólogo Josué Barroso

OS VENTOS, AS ONDAS E AS MARÉS COMO AGENTES GEOLÓGICOS DE SUPERFÍCIE MODELADORES DAS FAIXAS LITORÂNEAS ARTIGO 9. Pelo Geólogo Josué Barroso OS VENTOS, AS ONDAS E AS MARÉS COMO AGENTES GEOLÓGICOS DE SUPERFÍCIE MODELADORES DAS FAIXAS LITORÂNEAS 1 Origens dos Agentes Geológicos ARTIGO 9 Pelo Geólogo Josué Barroso Inicialmente, como base para

Leia mais

Luciana Scur Felipe Gonzatti Eduardo Valduga Ronaldo Adelfo Wasum

Luciana Scur Felipe Gonzatti Eduardo Valduga Ronaldo Adelfo Wasum Luciana Scur Felipe Gonzatti Eduardo Valduga Ronaldo Adelfo Wasum Restinga é um termo bastante discutido, tanto por sua origem, se portuguesa, espanhola ou inglesa, quanto por seus conceitos. Várias definições

Leia mais

GEOLOGIA GERAL CIÊNCIAS BIOLÓGICAS

GEOLOGIA GERAL CIÊNCIAS BIOLÓGICAS GEOLOGIA GERAL CIÊNCIAS BIOLÓGICAS Quarta 14 às 18h museu IC II Aula 18 Praias e Ambiente Marinho Turma: 2015/1 Profª. Larissa Bertoldi larabertoldi@gmail.com Praias Definição de praia zona de material

Leia mais

OS ESTUÁRIOS NA MARGEM CONTINENTAL SUL dialética do acontecimento sedimentar

OS ESTUÁRIOS NA MARGEM CONTINENTAL SUL dialética do acontecimento sedimentar OS ESTUÁRIOS NA MARGEM CONTINENTAL SUL dialética do acontecimento sedimentar Publicado no site em 13/11/2014 Euripedes Falcão Vieira*/** Na margem continental sul-brasileira a presença de dois estuários

Leia mais

CLASSIFICAÇÃO DOS AMBIENTES MARINHOS

CLASSIFICAÇÃO DOS AMBIENTES MARINHOS CLASSIFICAÇÃO DOS AMBIENTES MARINHOS Introdução Os oceanos ocupam cerca de 71% da superfície da Terra As partes mais profundas atingem quase 11000 metros Profundidade média dos oceanos é 3800 m. Volume

Leia mais

Ecologia BB.. 0 4 0 4 Pa P isa s ge g ns s n at a ura r is s e bio i d o iv i e v rs r i s d i ad a e e (P ( a P r a t r e t I ). ) Pá P g. á g.

Ecologia BB.. 0 4 0 4 Pa P isa s ge g ns s n at a ura r is s e bio i d o iv i e v rs r i s d i ad a e e (P ( a P r a t r e t I ). ) Pá P g. á g. Ecologia BB. 04 Paisagens naturais e biodiversidade (Parte I). Pág. 61 Estrutura da Terra Atmosfera camada gasosa Hidrosfera massa líquida (rios,lagos, oceanos) Biosfera porção do planeta onde se desenvolvem

Leia mais

4. Reuniões Técnicas (Mini-Seminário por Bioma) Objetivo das Reuniões Técnicas

4. Reuniões Técnicas (Mini-Seminário por Bioma) Objetivo das Reuniões Técnicas (Mini-Seminário por Bioma) Objetivo das Reuniões Técnicas. Definição dos objetos conservação. Definição de metas de importância relativa de cada objeto. Definição das principais fontes de dados/informações

Leia mais

45 mm INDICADORES DE PALEOLINHAS DE COSTA E VARIAÇÕES DO NÍVEL DO MAR NA PLATAFORMA CONTINENTAL SUL DE ALAGOAS

45 mm INDICADORES DE PALEOLINHAS DE COSTA E VARIAÇÕES DO NÍVEL DO MAR NA PLATAFORMA CONTINENTAL SUL DE ALAGOAS INDICADORES DE PALEOLINHAS DE COSTA E VARIAÇÕES DO NÍVEL DO MAR NA PLATAFORMA CONTINENTAL SUL DE ALAGOAS Fontes, L.C.S. 1 ; Santos, L.A. 1 ; Santos J.R. 1 ; Mendonça, J.B.S. 1 ; Santos, V.C.E 1 ; Figueiredo

Leia mais

Criado e Desenvolvido por: Todos os direitos são reservados 2015. www.tioronni.com

Criado e Desenvolvido por: Todos os direitos são reservados 2015. www.tioronni.com Criado e Desenvolvido por: Todos os direitos são reservados 2015. www.tioronni.com BIOMAS É um conjunto de vários ecossistemas, que possuem certo nível de homogeneidade. Composto pelo fatores bióticos

Leia mais

ZONA COSTEIRA, MANGUEZAIS E A MUDANÇA CLIMÁTICA

ZONA COSTEIRA, MANGUEZAIS E A MUDANÇA CLIMÁTICA ZONA COSTEIRA, MANGUEZAIS E A MUDANÇA CLIMÁTICA Eng. Renaldo Tenório de Moura, D.Sc. IBAMA ZONA COSTEIRA NO BRASIL Recife 8.500km Lei 7661/88 Institui a PNGC; Dec. 5300/2004 Regras de uso e ocupação; Critérios

Leia mais

praiais estuarino manguezais

praiais estuarino manguezais 3.2.2 Ecossistemas Relevantes Um ecossistema pode ser definido como a interação de comunidades de espécies de animais, vegetais e microorganismos entre si e o seu habitat num grau de equilíbrio estável.

Leia mais

DESAFIOS E PERSPECTIVAS DOS MANGUEZAIS NO MUNICÍPIO DE MAGÉ BAIXADA FLUMINENSE

DESAFIOS E PERSPECTIVAS DOS MANGUEZAIS NO MUNICÍPIO DE MAGÉ BAIXADA FLUMINENSE DESAFIOS E PERSPECTIVAS DOS MANGUEZAIS NO MUNICÍPIO DE MAGÉ BAIXADA FLUMINENSE Gabriel de Lima Souza, licenciando em Geografia gabriel.geo2010@gmail.com Jessica Damiana Pires Fernandes, licencianda em

Leia mais

PROF. JEFERSON CARDOSO DE SOUZA

PROF. JEFERSON CARDOSO DE SOUZA PROF. JEFERSON CARDOSO DE SOUZA UFRGS 2012 São fatores limitantes dos biomas: Umidade: ausência ou excesso; Solo: tipo de nutrientes e tempo de intemperismo; Temperatura: Amplitude Térmica; Luz solar:

Leia mais

A importância das dunas frontais na avaliação da evolução da linha de costa- O caso da Praia da Manta Rota

A importância das dunas frontais na avaliação da evolução da linha de costa- O caso da Praia da Manta Rota A importância das dunas frontais na avaliação da evolução da linha de costa- O caso da Praia da Manta Rota Luís Pina Rebêlo; Pedro Oliveira Brito. Departamento de Geologia Marinha - INETI 1- Introdução

Leia mais

PRAIAS. i - Terminologia ii Quebra de ondas iii Morfologia iv Transport de sedimentos. v Impcto mpact of tidal ranges on beach morphol

PRAIAS. i - Terminologia ii Quebra de ondas iii Morfologia iv Transport de sedimentos. v Impcto mpact of tidal ranges on beach morphol PRAIAS i - Terminologia ii Quebra de ondas iii Morfologia iv Transport de sedimentos Transversal à praia Longitudinal à praia v Impcto mpact of tidal ranges on beach morphol Terminologia A praia é um depósito

Leia mais

B I O G E O G R A F I A

B I O G E O G R A F I A B I O G E O G R A F I A BIOMAS DO MUNDO SAVANAS E DESERTOS 2011 Aula VI AS PRINCIPAIS FORMAÇÕES VEGETAIS DO PLANETA SAVANAS As savanas podem ser encontradas na África, América do Sul e Austrália sendo

Leia mais

Figura 1: Localização da Praia de Panaquatira. Fonte: ZEE, Adaptado Souza, 2006.

Figura 1: Localização da Praia de Panaquatira. Fonte: ZEE, Adaptado Souza, 2006. CARACTERIZAÇÃO GEOMORFOLOGICA E PA COSTEIRA DE PANAQUATIRA, MUNICIPIO DE SÃO JOSÉ DE RIBAMAR-MA SOUZA, U.D.V¹ ¹NEPA/UFMA, e-mail: ulissesdenache@hotmail.com PEREIRA, M. R. O² ²UFMA, e-mail: mayrajany21@yahoo.com.br

Leia mais

As Mudanças climáticas e os ecossistemas marinhos e costeiros. Situação dos manguezais brasileiros

As Mudanças climáticas e os ecossistemas marinhos e costeiros. Situação dos manguezais brasileiros As Mudanças climáticas e os ecossistemas marinhos e costeiros. Situação dos manguezais brasileiros Comissão Mista Permanente Sobre Mudanças Climáticas CMMC Assembléia Legislativa do Estado de Pernambuco

Leia mais

SISTEMAS COSTEIROS CLÁSTICOS DOMINADOS POR ONDA

SISTEMAS COSTEIROS CLÁSTICOS DOMINADOS POR ONDA SISTEMAS COSTEIROS CLÁSTICOS DOMINADOS POR ONDA Os sistemas costeiros dominados por onda envolvem ambientes contínuos de deposição desde a praia até a plataforma rasa. Estes depósitos podem formar-se em

Leia mais

LEGISLAÇÃO FLORESTAL APLICADA. Docentes Eng. Ftal. Irene Tosi Ahmad Eng. Agr. Renata Inês Ramos

LEGISLAÇÃO FLORESTAL APLICADA. Docentes Eng. Ftal. Irene Tosi Ahmad Eng. Agr. Renata Inês Ramos LEGISLAÇÃO FLORESTAL APLICADA Docentes Eng. Ftal. Irene Tosi Ahmad Eng. Agr. Renata Inês Ramos BIOMAS ESTADO DE SÃO PAULO O que é vegetação nativa? O conjunto de plantas nativas de certo local que se encontram

Leia mais

(Ponto I) (Ponto II) 2. A lagoa encontra-se de facto poluída embora à primeira vista pareça um ecossistema saudável.

(Ponto I) (Ponto II) 2. A lagoa encontra-se de facto poluída embora à primeira vista pareça um ecossistema saudável. Soluções: Ficha 1º Ciclo (Ponto I) 2. F L A M I N G O A Q T S S F F S A G G A S A U T P A E O J P A S G A C I L R E C A R P F L A U F L L H A E C Z L T E O Q R I A Q E U O C A I M A O I R U E Ç T I I A

Leia mais

TÍTULO: AUTORES: ÁREA TEMÁTICA: Introdução

TÍTULO: AUTORES: ÁREA TEMÁTICA: Introdução TÍTULO: PRODUÇÃO DE MUDAS DE MANGUE VERMELHO (RIZOPHORA MANGLE) E MANGUE BRANCO (LAGUNCULARIA RACEMOSA) NA TENTATIVA DE CONSERVAÇÃO DOS MANGUEZAIS EM COMUNIDADES CARENTES DO LITORAL NORTE DO ESTADO DE

Leia mais

www.institutocarijos.org.br Leonildo Lepre Filho nidolepre@gmail.com Eduardo Paulo Pires Pereira dudu_p3@hotmail.com

www.institutocarijos.org.br Leonildo Lepre Filho nidolepre@gmail.com Eduardo Paulo Pires Pereira dudu_p3@hotmail.com www.institutocarijos.org.br Leonildo Lepre Filho nidolepre@gmail.com Eduardo Paulo Pires Pereira dudu_p3@hotmail.com O Sistema Nacional de Unidades de Conservação da Natureza (SNUC) foi instituído, no

Leia mais

Aula 5 PLANÍCIES E LAGUNAS COSTEIRAS. Aracy Losano Fontes

Aula 5 PLANÍCIES E LAGUNAS COSTEIRAS. Aracy Losano Fontes Aula 5 PLANÍCIES E LAGUNAS COSTEIRAS META Apresentar os conceitos relacionados às planícies e lagunas costeiras, fatores de formação e características principais. OBJETIVOS Ao final desta aula, o aluno

Leia mais

Cap. 26 De norte a sul, de leste a oeste: os biomas brasileiros. Sistema de Ensino CNEC Equipe de Biologia. Bioma

Cap. 26 De norte a sul, de leste a oeste: os biomas brasileiros. Sistema de Ensino CNEC Equipe de Biologia. Bioma Cap. 26 De norte a sul, de leste a oeste: os biomas brasileiros Sistema de Ensino CNEC Equipe de Biologia Bioma Conjunto de vida, vegetal e animal, constituído pelo agrupamento de tipos de vegetação, condições

Leia mais

INTERAÇÃO DUNA-PRAIA E SUA INFLUÊNCIA NA VEGETAÇÃO DE FRONTAL NA COSTA LESTE DA ILHA SANTA CATARINA, BRASIL

INTERAÇÃO DUNA-PRAIA E SUA INFLUÊNCIA NA VEGETAÇÃO DE FRONTAL NA COSTA LESTE DA ILHA SANTA CATARINA, BRASIL INTERAÇÃO DUNA-PRAIA E SUA INFLUÊNCIA NA VEGETAÇÃO DE FRONTAL NA COSTA LESTE DA ILHA SANTA CATARINA, BRASIL Janice Rezende Vieira Peixoto 1 ; Tânia Castellani Tarabini 2 tartbr@yahoo.com.br 1 - Universidade

Leia mais

Quais foram as evidências anatômicas presentes que permitiram reconhecer a estrutura como:

Quais foram as evidências anatômicas presentes que permitiram reconhecer a estrutura como: 1)Analisando-se ao microscópio óptico uma lâmina contendo um corte transversal de uma estrutura vegetal, chegou-se a conclusão de que se tratava de um caule de Monocotiledônea típico. Quais foram as evidências

Leia mais

Aula 14 Distribuição dos Ecossistemas Brasileiros Floresta Amazônica Mais exuberante região Norte e parte do Centro Oeste; Solo pobre em nutrientes; Cobertura densa ameniza o impacto da água da chuva;

Leia mais

Efeitos das Mudanças Globais Sobre os Estuários.

Efeitos das Mudanças Globais Sobre os Estuários. SBPC - 2010 UFRN - Natal, julho de 2010 Efeitos das Mudanças Globais Sobre os Estuários. Carlos A.F. Schettini Laboratório de Oceanografía Física Instituto de Ciências do Mar Universidade Federal do Ceará

Leia mais

Ecossistemas Brasileiros

Ecossistemas Brasileiros Ecossistemas Brasileiros Biomas - É o conjunto de ecossistemas que funcionam de forma estável. Um bioma é caracterizado por um tipo principal de vegetação (num mesmo bioma podem existir diversos tipos

Leia mais

Atividade de Perfuração Marítima nos Blocos BM-PAMA-16 e BM-PAMA-17 Bacia do Pará - Maranhão

Atividade de Perfuração Marítima nos Blocos BM-PAMA-16 e BM-PAMA-17 Bacia do Pará - Maranhão B1. Costões Rochosos Costão rochoso é o ambiente costeiro formado por rochas situado na transição entre os meios terrestre e aquático. É um ambiente extremamente heterogêneo que pode ser formado por paredões

Leia mais

Universidade Federal do Paraná

Universidade Federal do Paraná * Universidade Federal do Paraná * *O que são Biomas? *Bioma é uma unidade biológica ou espaço geográfico caracterizado de acordo com o macroclima, a fitofisionomia (aspecto da vegetação de um lugar),

Leia mais

Elementos e Fatores de Diferenciação

Elementos e Fatores de Diferenciação VEGETAÇÃO Elementos e Fatores de Diferenciação VEGETAÇÃO E ZONEAMENTO CLIMÁTICO A interferência climática sobre a cobertura vegetal é um dos principais fatores que possibilitam uma pluralidade paisagística.

Leia mais

Climas e Formações Vegetais no Mundo. Capítulo 8

Climas e Formações Vegetais no Mundo. Capítulo 8 Climas e Formações Vegetais no Mundo Capítulo 8 Formações Vegetais Desenvolvem-se de acordo com o tipo de clima, relevo, e solo do local onde se situam.de todos estes, o clima é o que mais se destaca.

Leia mais

A Carcinicultura e os Mangues no Ceará: Novo estudo demonstra com maior precisão os

A Carcinicultura e os Mangues no Ceará: Novo estudo demonstra com maior precisão os A Carcinicultura e os Mangues no Ceará: Novo estudo demonstra com maior precisão os fatos Padrões de uso direto de unidades de paisagem costeiras pela carcinicultura marinha cearense Por: Prof. Dr. Márcio

Leia mais

BIOLOGIA BIOMAS BRASILEIROS

BIOLOGIA BIOMAS BRASILEIROS BIOLOGIA BIOMAS BRASILEIROS Caatinga Maranhão, Piauí, Ceará, Rio Grande do Norte, Paraíba, Pernambuco, Sergipe, Alagoas, Bahia e Norte de Minas. Forte presença de arbustos com galhos retorcidos e com raízes

Leia mais

Regime Patrimonial dos Espaços Litorâneos

Regime Patrimonial dos Espaços Litorâneos Regime Patrimonial dos Espaços Litorâneos É na faixa litorânea em que se encontra situada uma parcela significativa dos bens públicos, uma vez que, por disposição contida na Constituição Federal de 1988,

Leia mais

O Ecossistema Manguezal

O Ecossistema Manguezal 1º TEXTO O Ecossistema Manguezal O manguezal é um ecossistema complexo e um dos mais produtivos do planeta. É considerado um ecossistema costeiro de transição entre os ambientes terrestre e marinho. Característico

Leia mais

BIOLOGIA. BIOMAS Jogo: Biomas mundiais CADERNO DE PISTAS HEMISFÉRIO SUL

BIOLOGIA. BIOMAS Jogo: Biomas mundiais CADERNO DE PISTAS HEMISFÉRIO SUL 1 BIOLOGIA BIOMAS Jogo: Biomas mundiais CADERNO DE PISTAS HEMISFÉRIO SUL 11 TABELA DE CONVERSÃO SUL Hemisfério Sul Oeste Coordenadas Coord. 1 2 3 4 5 6 7 H 14 11 8 40 12 57 56 G 21 18 20 50 47 17 F 24

Leia mais

Terminologia Vegetal Aciculifoliadas folhas em forma de agulha; Latifoliadas folhas largas e grandes; Perenes nunca perdem as folhas por completo; Caducas (decíduas) perdem as folhas antes de secas ou

Leia mais

1 a Lista de Exercícios

1 a Lista de Exercícios UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO INSTITUTO OCEANOGRÁFICO IOF1202 - Oceanografia Física Descritiva Arquivo obtido em: http://www.danilorvieira.com/ 1 a Lista de Exercícios 2 a Semestre de 2007 Aluno Danilo Rodrigues

Leia mais

GEOLOGIA GERAL GEOGRAFIA

GEOLOGIA GERAL GEOGRAFIA GEOLOGIA GERAL GEOGRAFIA Segunda 18 às 20h Quarta 20 às 22h museu IC II Aula 15 Ambientes de transição Deltas Turma: 2016/01 Profª. Larissa Bertoldi larabertoldi@gmail.com Retrogradante Progradante Retrogradante

Leia mais

Figura 2.1. Baía de Todos os Santos (Grupo de Recomposição Ambiental/ Gérmen).

Figura 2.1. Baía de Todos os Santos (Grupo de Recomposição Ambiental/ Gérmen). 18 2 Área de Estudo A Baía de Todos os Santos (BTS) (figura 2.1), localizada no estado da Bahia, considerada como área núcleo da Reserva da Biosfera da Mata Atlântica é a maior Baía do Brasil, com cerca

Leia mais

Areias e Ambientes Sedimentares

Areias e Ambientes Sedimentares Areias e Ambientes Sedimentares As areias são formadas a partir de rochas. São constituídas por detritos desagregados de tamanhos compreendidos entre 0,063 e 2 milímetros. Areias: Ambiente fluvial As areias

Leia mais

GEOGRAFIA DO RIO GRANDE DO SUL

GEOGRAFIA DO RIO GRANDE DO SUL GEOGRAFIA DO RIO GRANDE DO SUL 1. Posição e situação geográfica. O Rio Grande do Sul é o estado mais meridional do Brasil, localiza-se no extremo sul do país. Tem um território de 282.062 km 2, ou seja,

Leia mais

Projeto Lagoas Costeiras

Projeto Lagoas Costeiras Projeto Lagoas Costeiras Curso de formação para multiplicadores Módulos 1 e 2: Ecologia da Restinga Águas Subterrâneas Formação da Água Subterrânea: Ciclo de água Ciclo de água e volumes distribuídos nas

Leia mais

BE180. Floresta Atlântica. Um bioma diverso e ameaçado

BE180. Floresta Atlântica. Um bioma diverso e ameaçado BE180 Floresta Atlântica Um bioma diverso e ameaçado Distribuição: Corresponde a um dos 6 biomas brasileiros e está delimitada pelos biomas do Cerrado (centro-oeste), Caatinga (nordeste) e Campos Sulinos

Leia mais

TÍTULO: A FAUNA DA INFRAORDEM BRACHYURA NO MANGUEZAL DO PORTINHO, PRAIA GRANDE, SP: ASPECTOS ECOLÓGICOS E POPULACIONAIS.

TÍTULO: A FAUNA DA INFRAORDEM BRACHYURA NO MANGUEZAL DO PORTINHO, PRAIA GRANDE, SP: ASPECTOS ECOLÓGICOS E POPULACIONAIS. TÍTULO: A FAUNA DA INFRAORDEM BRACHYURA NO MANGUEZAL DO PORTINHO, PRAIA GRANDE, SP: ASPECTOS ECOLÓGICOS E POPULACIONAIS. CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS

Leia mais

GEOLOGIA GERAL CIÊNCIAS BIOLÓGICAS

GEOLOGIA GERAL CIÊNCIAS BIOLÓGICAS GEOLOGIA GERAL CIÊNCIAS BIOLÓGICAS Quarta 14 às 18h museu IC II Aula 16 Ação Geológica do Vento Turma: 2015/1 Profª. Larissa Bertoldi larabertoldi@gmail.com Stanley Breeden/DRK Ação Geológica do vento

Leia mais

2 - Proponente: Ministério Público: 3ª. (terceira) Promotoria de Justiça de Valença -BA

2 - Proponente: Ministério Público: 3ª. (terceira) Promotoria de Justiça de Valença -BA 1 - Projeto: Conhecendo e Protegendo os nossos Manguezais 2 - Proponente: Ministério Público: 3ª. (terceira) Promotoria de Justiça de Valença -BA 3 - Órgão Executor: Nome: IDEIA Instituto de Defesa, Estudo

Leia mais

O manguezal. Se você costuma viajar para o litoral, provavelmente

O manguezal. Se você costuma viajar para o litoral, provavelmente A U A UL LA O manguezal Se você costuma viajar para o litoral, provavelmente já viu pela estrada algumas pessoas vendendo caranguejos. Esses animais tornam-se verdadeiras iguarias nos restaurantes. Muitos

Leia mais

Exercícios de Alteração na Paisagem e Morfologia Litorânea

Exercícios de Alteração na Paisagem e Morfologia Litorânea Exercícios de Alteração na Paisagem e Morfologia Litorânea Material de apoio do Extensivo 1. (UNIOESTE) O relevo apresenta grande diversidade de formas que se manifestam, ao longo do tempo e do espaço,

Leia mais

PRINCIPAIS SOLOS DO LITORAL DO PARANÁ

PRINCIPAIS SOLOS DO LITORAL DO PARANÁ PRINCIPAIS SOLOS DO LITORAL DO PARANÁ Prof. Dr. Marcelo R. de Lima (UFPR-Curitiba) mrlima@ufpr.br Prof. M.Sc. Jaime B. dos Santos Junior (UFPA-Altamira) jaime@ufpa.br Os solos são formados pela interação

Leia mais

Geotecnologia aplicadas à análise histórica humana /intervenções urbanas e evolução da linha de costa

Geotecnologia aplicadas à análise histórica humana /intervenções urbanas e evolução da linha de costa Geotecnologia aplicadas à análise histórica humana /intervenções urbanas e evolução da linha de costa Marcia Cristina de Souza Matos Carneiro marcia.carneiro@ibge.gov.br NEXUS : Sociedade e Natureza UFPE

Leia mais

Informação sobre Ecossistemas Locais

Informação sobre Ecossistemas Locais Informação sobre Ecossistemas Locais Bandeira Azul 2015 1. Biodiversidade local O litoral de Vila Nova de Gaia apresenta uma considerável biodiversidade, com fauna e flora característica dos substratos

Leia mais

45 mm MORFODINÂMICA DA BARRA DO RIO ITAGUARÉ, BERTIOGA SP. UNESP; Praça Infante Don Henrique, s/n Bairro Bitarú. São Vicente, SP, 11330-900

45 mm MORFODINÂMICA DA BARRA DO RIO ITAGUARÉ, BERTIOGA SP. UNESP; Praça Infante Don Henrique, s/n Bairro Bitarú. São Vicente, SP, 11330-900 MORFODINÂMICA DA BARRA DO RIO ITAGUARÉ, BERTIOGA SP Maurício César Sinício Abib 1 ; Kátia Cristina Cruz Capel 2 ; Francisco Sekiguchi Buchmann 1 abib.mauricio@hotmail.com 1 - Laboratório de Estratigrafia

Leia mais

COLÉGIO SÃO JOSÉ PROF. JOÃO PAULO PACHECO GEOGRAFIA 1 EM 2011. Correntes marítimas

COLÉGIO SÃO JOSÉ PROF. JOÃO PAULO PACHECO GEOGRAFIA 1 EM 2011. Correntes marítimas COLÉGIO SÃO JOSÉ PROF. JOÃO PAULO PACHECO GEOGRAFIA 1 EM 2011 Correntes marítimas Correntes marítimas Nas aulas anteriores aprendemos sobre a importância do Sol em nossas vidas. Revimos os movimentos da

Leia mais

COLÉGIO MARQUES RODRIGUES - SIMULADO

COLÉGIO MARQUES RODRIGUES - SIMULADO COLÉGIO MARQUES RODRIGUES - SIMULADO PROFESSOR JULIO BESSA DISCIPLINA GEOGRAFIA SIMULADO: P4 Estrada da Água Branca, 2551 Realengo RJ Tel: (21) 3462-7520 www.colegiomr.com.br ALUNO TURMA 601 Questão 1

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº 18/2014 Deputado(a) Catarina Paladini

PROJETO DE LEI Nº 18/2014 Deputado(a) Catarina Paladini DIÁRIO OFICIAL DA ASSEMBLEIA LEGISLATIVA Porto Alegre, terça-feira, 10 de fevereiro de 2015. PRO 1 PROJETO DE LEI Nº 18/2014 Reconhece como de relevante interesse cultural e ambiental o Balneário dos prazeres,

Leia mais

ECOLOGIA MARINHA Pedro Ré (DBA/FCUL)

ECOLOGIA MARINHA Pedro Ré (DBA/FCUL) ECOLOGIA MARINHA Pedro Ré (DBA/FCUL) A) PROGRAMA E CONTEÚDO DAS AULAS TEÓRICAS Introdução (Tempo lectivo- 1,5 horas, 1 aula) I- Algumas Características do Ambiente Marinho e Estuarino (Tempo lectivo- 3

Leia mais

A ILHA DE SANTA CATARINA E SEU QUADRO NATURAL

A ILHA DE SANTA CATARINA E SEU QUADRO NATURAL A ILHA DE SANTA CATARINA E SEU QUADRO NATURAL O GONDWANA O continente de Gondwana, englobando partes das atuais Austrália, Antártica, Índia, África e América do Sul iniciou há cerca de 180 milhões de anos

Leia mais

01- O que é tempo atmosférico? R.: 02- O que é clima? R.:

01- O que é tempo atmosférico? R.: 02- O que é clima? R.: PROFESSOR: EQUIPE DE GEOGRAFIA BANCO DE QUESTÕES - GEOGRAFIA - 6º ANO - ENSINO FUNDAMENTAL ============================================================================================= TEMPO ATMOSFÉRICO

Leia mais

O Clima do Brasil. É a sucessão habitual de estados do tempo

O Clima do Brasil. É a sucessão habitual de estados do tempo O Clima do Brasil É a sucessão habitual de estados do tempo A atuação dos principais fatores climáticos no Brasil 1. Altitude Quanto maior altitude, mais frio será. Não esqueça, somente a altitude, isolada,

Leia mais

ECOSSISTEMA INDIVÍDUO

ECOSSISTEMA INDIVÍDUO Biodiversidade O diversidade biológica - descreve a riqueza e a variedade do mundo natural. As plantas, os animais e os microrganismos fornecem alimentos, remédios e boa parte da matéria-prima industrial

Leia mais

ANÁLISE COMPARATIVA DAS DERIVAÇÕES ANTROPOGÊNICAS EM ÁREAS DE MANGUEZAIS EM ARACAJU-SE. Geisedrielly Castro dos Santos¹

ANÁLISE COMPARATIVA DAS DERIVAÇÕES ANTROPOGÊNICAS EM ÁREAS DE MANGUEZAIS EM ARACAJU-SE. Geisedrielly Castro dos Santos¹ NÁLISE COMPRTIV DS DERIVÇÕES NTROPOGÊNICS EM ÁRES DE MNGUEZIS EM RCJU-SE. Geisedrielly Castro dos Santos¹ 1 Mestra e Doutoranda em Geografia, UFS, racaju-se, geisecastrosantos@hotmail.com. RESUMO: Os manguezais

Leia mais

ANÁLISE TEMPORAL DO COMPLEXO ESTUARINO DA BAIXADA SANTISTA-SP, POR MEIO DE IMAGENS TM-LANDSAT

ANÁLISE TEMPORAL DO COMPLEXO ESTUARINO DA BAIXADA SANTISTA-SP, POR MEIO DE IMAGENS TM-LANDSAT ANÁLISE TEMPORAL DO COMPLEXO ESTUARINO DA BAIXADA SANTISTA-SP, POR MEIO DE IMAGENS TM-LANDSAT Alessandro Rosini (rosini_ale@hotmail.com) Professor de Ensino Médio e cursos pré-vestibular Fone: (13) 3261-4533

Leia mais

CLIMATOLOGIA. Profª Margarida Barros. Geografia - 2013

CLIMATOLOGIA. Profª Margarida Barros. Geografia - 2013 CLIMATOLOGIA Profª Margarida Barros Geografia - 2013 CLIMATOLOGIA RAMO DA GEOGRAFIA QUE ESTUDA O CLIMA Sucessão habitual de TEMPOS Ação momentânea da troposfera em um determinado lugar e período. ELEMENTOS

Leia mais

Nesta edição: O ecossistema do manguezal com sua fauna e sua flora características, curiosidades e ainda passatempos divertidos!!!

Nesta edição: O ecossistema do manguezal com sua fauna e sua flora características, curiosidades e ainda passatempos divertidos!!! anguezal Nesta edição: O ecossistema do manguezal com sua fauna e sua flora características, curiosidades e ainda passatempos divertidos!!! EDITORIAL Pelas páginas desta revista, você encontrará muitos

Leia mais

ALUNO: FERNANDO FERREIRA DE BRITO - RM 6035

ALUNO: FERNANDO FERREIRA DE BRITO - RM 6035 F A C U L D A D E D O N D O M E N I C O CURSO: MUNDO CONTEMPORÂNEO PROFª MESTRE: ÂNGELA VAZ OMATTI AGUIAR ALUNO: FERNANDO FERREIRA DE BRITO - RM 6035 G U A R U J Á ONTEM... E HOJE. Guarujá (SP) apoia o

Leia mais

A problemática que envolve a questão do manguezal.

A problemática que envolve a questão do manguezal. Autora: Giselle Ferreira Borges Graduanda em Geografia Universidade Federal Fluminense - UFF- Niterói, RJ gitop@hotmail.com A problemática que envolve a questão do manguezal. Introdução O trabalho tem

Leia mais

Mudanças. climáticas. globais CAÇANDO INDICADORES NO NORDESTE BRASILEIRO. Litoral cearense, junto à foz do rio Jaguaribe

Mudanças. climáticas. globais CAÇANDO INDICADORES NO NORDESTE BRASILEIRO. Litoral cearense, junto à foz do rio Jaguaribe Mudanças climáticas globais CAÇANDO INDICADORES NO NORDESTE BRASILEIRO Litoral cearense, junto à foz do rio Jaguaribe 32 CiênCia Hoje vol. 46 nº 272 As mudanças climáticas globais atraem hoje a atenção

Leia mais

marianamanb@hotmail.com ; leilanecabofrio@hotmail.com. brunolopescosta@gmail.com ;

marianamanb@hotmail.com ; leilanecabofrio@hotmail.com. brunolopescosta@gmail.com ; Estudo da Dinâmica Costeira da Praia de Piratininga em Niterói (RJ), analisando a relação homem-natureza através da intervenção da sociedade em um ambiente praial. SILVA, Mariana da Costa 1 ; COSTA, Bruno

Leia mais

Milene Fornari 1 ; Paulo César Fonseca Giannini 2 ; Francisco Sekiguchi Buchmann 3 ; Juliana de Moraes Leme 2 milenefornari@yahoo.com.

Milene Fornari 1 ; Paulo César Fonseca Giannini 2 ; Francisco Sekiguchi Buchmann 3 ; Juliana de Moraes Leme 2 milenefornari@yahoo.com. IMPORTÂNCIA DO NÍVEL DO MAR, DE MUDANÇAS NA PISTA DE VENTO E DO SUPRIMENTO SEDIMENTAR NA EVOLUÇÃO GEOMORFOLÓGICA DA PALEOBAÍA DE JAGUARUNA-LAGUNA, SANTA CATARINA, BRASIL Milene Fornari 1 ; Paulo César

Leia mais

Professores: Clodoaldo e Jaime

Professores: Clodoaldo e Jaime Professores: Clodoaldo e Jaime A atmosfera é uma camada gasosa que envolve a Terra composta por vários gases. Ela é dividida em camadas de acordo com a altitude e as propriedades físicas, e composição

Leia mais

O ambiente marinho, principais divisões e componentes

O ambiente marinho, principais divisões e componentes O ambiente marinho, principais divisões e componentes Oceanografia GEO 232 Francisco Barros PPGEB- Instituto de Biologia CNPq -UFBA LAMEB barrosf@ufba.br Oceanos 71% da superfície da Terra Profundidade

Leia mais

Santa Catarina - Altitude

Santa Catarina - Altitude Santa Catarina - Altitude RELEVO O relevo catarinense caracteriza-se por sua ondulação, que variam dependendo da região do estado. No litoral, o que predomina são as planícies, as chamadas baixadas litorâneas,

Leia mais

C O N H E C E R PA R A P R E S E R V A R

C O N H E C E R PA R A P R E S E R V A R MATAS CILIARES CONHECER PARA PRESERVAR Irlian Venâncio PREFEITURA MUNICIPAL DE BERTIOGA José Mauro Dedemo Orlandini Prefeito do Município de Bertioga Marisa Roitman Secretária de Meio Ambiente Bolivar

Leia mais

ECOSSISTEMA MANGUEZAL: UMA PERSPECTIVA SOBRE O PROCESSO DE (RE) PRODUÇÃO DOS ESPACO URBANO

ECOSSISTEMA MANGUEZAL: UMA PERSPECTIVA SOBRE O PROCESSO DE (RE) PRODUÇÃO DOS ESPACO URBANO ECOSSISTEMA MANGUEZAL: UMA PERSPECTIVA SOBRE O PROCESSO DE (RE) PRODUÇÃO DOS ESPACO URBANO Kaio Eduardo de Jesus Oliveira Graduando em Geografia, Universidade Tiradentes, Pesquisador do GPSEHM/CNPq kaioeduardojo@gmail.com

Leia mais

Prof: Alexandre Barcelos

Prof: Alexandre Barcelos Prof: Alexandre Barcelos DEFINIÇÃO São as divisões da BIOSFERA. SÃO AS PORÇÕES DO PLANETA HABITADAS POR SERES VIVOS. Biosfera 18 Km 13000 Km de Diâmetro DIVISÕES TALASSOCICLO BIOCICLO DE ÁGUA SALGADA BIOCICLO

Leia mais

Interacção Oceano-Atmosfera. O transporte de calor pelos oceanos. Os oceanos como reguladores do clima.

Interacção Oceano-Atmosfera. O transporte de calor pelos oceanos. Os oceanos como reguladores do clima. Interacção Oceano-Atmosfera. O transporte de calor pelos oceanos. Os oceanos como reguladores do clima. Vimos como o oceano, através da influência que exerce no conteúdo de humidade da atmosfera afecta

Leia mais

PRAIA DO SACO EM ESTÂNCIA/SE: análise dos processos de uso e ocupação do solo costeiro

PRAIA DO SACO EM ESTÂNCIA/SE: análise dos processos de uso e ocupação do solo costeiro PRAIA DO SACO EM ESTÂNCIA/SE: análise dos processos de uso e ocupação do solo costeiro Ana Cláudia Cardoso Lima Josefa Edilani de Souza Prof. Dr. Lício Valério Lima Vieira (Orientador) RESUMO No Brasil,

Leia mais

REPLANTIO DA VEGETAÇÃO DO ECOSSISTEMA MANGUEZAL DO SACO DA FAZENDA, ITAJAÍ (SC)

REPLANTIO DA VEGETAÇÃO DO ECOSSISTEMA MANGUEZAL DO SACO DA FAZENDA, ITAJAÍ (SC) REPLANTIO DA VEGETAÇÃO DO ECOSSISTEMA MANGUEZAL DO SACO DA FAZENDA, ITAJAÍ (SC) TOGNELLA-DE-ROSA, M.M.P. 1 ; OLIVEIRA, R.G. 2 ; LUGLI, D.O. 3 ; WILLRICH, J.F.; MEIRELES, R.P. & T.V. POLETTO Laboratório

Leia mais

Avaliação Ambiental Estratégica nas zonas costeiras e a subida do nível médio do mar

Avaliação Ambiental Estratégica nas zonas costeiras e a subida do nível médio do mar Avaliação Ambiental Estratégica nas zonas costeiras e a subida do nível médio do mar Pedro Bettencourt Coutinho, Sónia Alcobia, Carlos César Jesus, Pedro Fernandes, Cláudia Fulgêncio nemus@nemus.pt ÍNDICE

Leia mais

OLIMPÍADA NACIONAL DE OCEANOGRAFIA - 2008 GABARITO - NÍVEL I (ENSINO FUNDAMENTAL)

OLIMPÍADA NACIONAL DE OCEANOGRAFIA - 2008 GABARITO - NÍVEL I (ENSINO FUNDAMENTAL) OLIMPÍADA NACIONAL DE OCEANOGRAFIA - 2008 GABARITO - NÍVEL I (ENSINO FUNDAMENTAL) Em 31 de julho de 2008, o presidente Luiz Ignácio Lula da Silva assinou a lei n o 11.760, que regulamenta o exercício da

Leia mais

PLANO DE ESTUDOS DE GEOGRAFIA - 7.º ANO

PLANO DE ESTUDOS DE GEOGRAFIA - 7.º ANO DE GEOGRAFIA - 7.º ANO Ano Letivo 2014 2015 PERFIL DO ALUNO Dentro do domínio da geografia e o território, o aluno deve compreender o objeto e o método da Geografia. No dominio da representação da superfície

Leia mais

B I O G E O G R A F I A

B I O G E O G R A F I A B I O G E O G R A F I A FLORESTA AMAZÔNICA 2011 Aula XII O bioma Amazônia representa aproximadamente 30% de todas as florestas tropicais remanescentes do mundo e nele se concentra a maioria das florestas

Leia mais

Aspectos Territoriais: Relevo

Aspectos Territoriais: Relevo América Latina: Aspectos Geográficos Aspectos Territoriais: Relevo América do Sul: diversidade do relevo: O relevo sul americano está distribuído em três grandes porções: Porção leste: formado por um relevo

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO AMBIENTAL DO ECOSSISTEMA MANGUEZAL NA COSTA LESTE DE SALINAS DA MARGARIDA-BAHIA

CARACTERIZAÇÃO AMBIENTAL DO ECOSSISTEMA MANGUEZAL NA COSTA LESTE DE SALINAS DA MARGARIDA-BAHIA I Congresso Baiano de Engenharia Sanitária e Ambiental COBESA CARACTERIZAÇÃO AMBIENTAL DO ECOSSISTEMA MANGUEZAL NA COSTA LESTE DE SALINAS DA MARGARIDA-BAHIA Augusto César da Silva Machado Copque Geógrafo

Leia mais

O NOSSO MEIO AMBIENTE

O NOSSO MEIO AMBIENTE Projeto de Educação e Comunicação Ambiental Palestra O NOSSO MEIO AMBIENTE Ecossistemas da Região do Entorno da Este produto foi elaborado em cumprimento à Condicionante 10 da LO 003/2003 - Programa Rodoverde,

Leia mais

CAPÍTULO 3 ESTRUTURA E DINÂMICA DO MEIO NATURAL

CAPÍTULO 3 ESTRUTURA E DINÂMICA DO MEIO NATURAL CAPÍTULO 3 ESTRUTURA E DINÂMICA DO MEIO NATURAL 3.1 CONSIRAÇÕES INICIAIS O meio natural representa um dos grandes bens da humanidade, pois sobre ele o homem desencadeia suas ações e se apropria de acordo

Leia mais

MANUAL DE ATUAÇÃO ZONA COSTEIRA

MANUAL DE ATUAÇÃO ZONA COSTEIRA MANUAL DE ATUAÇÃO ZONA COSTEIRA 1 ZONA COSTEIRA Sumário: 1. Os ecossistemas da zona costeira; 1.1. Tipologias; 1.2. Importância ambiental; 1.3. Relações; 4. Legislação Aplicável. OS ECOSSISTEMAS DA ZONA

Leia mais

Biomas Brasileiros I. Floresta Amazônica Caatinga Cerrado. Mata Atlântica Pantanal Campos Sulinos ou Pampas Gaúchos

Biomas Brasileiros I. Floresta Amazônica Caatinga Cerrado. Mata Atlântica Pantanal Campos Sulinos ou Pampas Gaúchos Biomas Brasileiros I Floresta Amazônica Caatinga Cerrado Mata Atlântica Pantanal Campos Sulinos ou Pampas Gaúchos Floresta Amazônica Localizada na região norte e parte das regiões centro-oeste e nordeste;

Leia mais

Rotas de aprendizagem - Projetos

Rotas de aprendizagem - Projetos Página1 Rotas de aprendizagem - Projetos Domínio - A Terra: Estudos e Representações Subdomínio: A e o Território 1/2 Quinzenas (Inicio: 1.º período) 1) Reconhecer a como a ciência que estuda os territórios

Leia mais

Prof. MSc. Leandro Felício

Prof. MSc. Leandro Felício Prof. MSc. Leandro Felício Ecossistema: Sistema integrado e auto funcionante que consiste em interações dos elementos bióticos e abióticos e cujas dimensões podem variar consideravelmente. Bioma: Conjunto

Leia mais

Terminologia Vegetal

Terminologia Vegetal Terminologia Vegetal Aciculifoliadas folhas em forma de agulha; Latifoliadas folhas largas e grandes; Perenes nunca perdem as folhas por completo; Caducas (decíduas) perdem as folhas antes de secas ou

Leia mais

TÍTULO: AVALIAÇÃO DO CRESCIMENTO DE PROPÁGULOS DA RIZOPHORA MANGLE EM DOIS TRATAMENTOS

TÍTULO: AVALIAÇÃO DO CRESCIMENTO DE PROPÁGULOS DA RIZOPHORA MANGLE EM DOIS TRATAMENTOS TÍTULO: AVALIAÇÃO DO CRESCIMENTO DE PROPÁGULOS DA RIZOPHORA MANGLE EM DOIS TRATAMENTOS CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: ECOLOGIA INSTITUIÇÃO: UNIVERSIDADE SANTA CECÍLIA AUTOR(ES):

Leia mais

PROVA DE GEOGRAFIA 3 o TRIMESTRE DE 2012

PROVA DE GEOGRAFIA 3 o TRIMESTRE DE 2012 PROVA DE GEOGRAFIA 3 o TRIMESTRE DE 2012 PROFa. JULIANA NOME N o 8 o ANO A compreensão do enunciado faz parte da questão. Não faça perguntas ao examinador. A prova deve ser feita com caneta azul ou preta.

Leia mais

Praias em Processo de Urbanização

Praias em Processo de Urbanização Praias em Processo de Urbanização Conforme citado anteriormente, os perfis 3, 4, 6, (Passo de Torres), 11, 12, 15, 16, 18, 43 (Balneário Gaivota), 20, 22, 23, 26,44, 45 (Arroio do Silva), 28, 29, 30, 32,

Leia mais