NOTA SOBRE A BIOLOGIA E CAPTURA DO CARANGUEJO UÇÁ, Ucides cordatus (LINNAEUS, 1763) NA COMUNIDADE INDÍGENA DOS TAPEBAS, CAUCAIA, CEARÁ, BRASIL

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "NOTA SOBRE A BIOLOGIA E CAPTURA DO CARANGUEJO UÇÁ, Ucides cordatus (LINNAEUS, 1763) NA COMUNIDADE INDÍGENA DOS TAPEBAS, CAUCAIA, CEARÁ, BRASIL"

Transcrição

1 NOTA SOBRE A BIOLOGIA E CAPTURA DO CARANGUEJO UÇÁ, Ucides cordatus (LINNAEUS, 1763) NA COMUNIDADE INDÍGENA DOS TAPEBAS, CAUCAIA, CEARÁ, BRASIL Jullyermes Araújo Lourenço 1, Carlos Henrique dos Anjos dos Santos 2, Herbster Ranielle Lira de Carvalho 3, Henrique José Mascarenhas dos Santos Costa 3, Moisés Almeida de Oliveira 3, Marco Antonio Igarashi 4 Resumo O caranguejo-uçá (Ucides cordatus) desempenha relevante função ecológica e destaca-se entre um dos recursos mais importantes na economia na comunidade dos Tapebas, município de Caucaia-CE. Este recurso é constantemente explorado no manguezal do estuário do Rio Ceará, sendo comercializado nos restaurantes, mercados e até mesmo nas estradas. O objetivo deste trabalho foi investigar a biologia e a captura do caranguejo-uçá na tribo indígena dos Tabepas, como atividade principal para comunidade. Os pescadores que trabalham no mangue da comunidade adotaram esta prática como forma de subsistência. Os caranguejos capturados nas áreas de manguezais do Rio Ceará são comercializados próximos á comunidade, sendo que esta atividade fornece aos moradores uma significante contribuição financeira. Neste contexto, a consolidação da produção de caranguejo na comunidade dos Tapebas é muito importante onde existem poucas alternativas de renda e alimento. Na pesquisa, tornou-se evidente a utilização de artes-de-pesca simples como a utilização do forjo, tido como apetrecho de pesca predatório. Este fato deve ser levado em consideração quando da elaboração de medidas que visem a regulamentação da captura do caranguejo-uçá. Portanto, esta atividade pode ser melhor avaliada, utilizando métodos de controle da captura, como dos estoques reprodutores e juvenis e, sob o ponto de vista econômico, considerando a captura e o mercado como uma atividade sócioeconômica onde o emprego possa ser mantido. Palavras chave: captura, caranguejo, comunidade indígena, arte-de-pesca, Ucides cordatus Introdução O caranguejo Ucides cordatus (Ocypodidae, Linnaeus, 1763) ocorre no lado Atlântico da América do Norte, sendo sua ocorrência observada da Flórida até o Atlântico da América do Sul no Uruguai (BURGGREN; McMAHON, 1988). Neste contexto, o caranguejo-uça é encontrado no ecossistema de manguezal em praticamente todo litoral brasileiro indo do Oiapoque (04º30 N) até Laguna (28º30 S) em Santa Catarina, limite de ocorrência desse ecossistema no litoral Atlântico da América do Sul (COELHO JÚNIOR, 2000). Os estuários possuem uma importância que abrange aspectos ecológicos, econômicos e sociais, destacando-se como uma área de produção, criação e reprodução de várias espécies 1 Bolsista do CNPq e Mestrando em Recursos Pesqueiros e Engenharia de Pesca - UFC. 2 Bolsista da CAPES e Mestrando em Recursos Pesqueiros e Engenharia de Pesca - UFC. 3 Colaboradores do Centro de Tecnologia em Aqüicultura CTA/UFC. 4 Professor Ph.D do Departamento de Engenharia de Pesca da UFC e Coordenador do Centro de Tecnologia em Aqüicultura - CTA/UFC. 1

2 biológicas como os moluscos, peixes e crustáceos, entre outros grupos, que inclui espécies de importância comercial (ASMUS, 1996). O caranguejo-uçá é um animal semiterrestre que habita as regiões de mangue nas zonas entremarés, galerias (tocas) escavadas no lodo, que podem atingir até 1,60 m de profundidade, alimentam-se de vegetação de mangue e de matéria orgânica em decomposição (PAIVA et al., 1971). Ostrensky (2001) relatou que o tamanho comercial do caranguejo (largura da carapaça superior a 5 cm) é atingido geralmente após o quinto ano de vida. Segundo Nascimento (1993), para o caranguejo-uçá alcance um bom tamanho comercial, ele deve demorar em torno de 10 anos, o que inviabilizaria em alguns anos a continuidade da captura deste indivíduo. Estima-se que essa produção encontra-se em franco declínio, com perspectivas de inviabilizar comercialmente a produção no Estado do Ceará para os próximos anos, pela menor disponibilidade de caranguejos e agregação de novos comerciantes do produto. Os caranguejos podem ser encontrados à venda, amarrados em fileiras (Figura 1) em mercados e em várias localidades do Brasil. Possuem grande resistência, permanecendo ainda com vida horas após a sua captura fora do ambiente úmido onde normalmente são encontrados. Figura 1. Forma de comercialização do caranguejo Ucides cordatus. No Estado do Ceará, a população da Comunidade dos Tapebas, localizada às margens do Rio Ceará (Caucaia-CE), tem como principal atividade econômica a captura do caranguejo-uçá Ucides cordatus. Com as inovações tecnológicas começaram a surgir apetrechos para a captura do U. cordatus, como a utilização do forjo, possibilitando maior produção com menor esforço físico. Além disso, com o crescente consumo deste crustáceo, Fortaleza se tornou a principal região consumidora no litoral Nordestino, onde verificou-se nos últimos anos um enorme aumento na demanda. Todavia, há uma grande carência de informações a respeito da biologia e da utilização dos métodos de captura do caranguejo-uçá (U. cordatus). Portanto, o objetivo desta pesquisa foi abordar a biologia e a captura do U. cordatus na comunidade indígena dos Tapebas, como uma das principais fontes de renda da comunidade. Comportamento 2

3 O caranguejo-uçá (Figura 2) vive em galerias escavadas em fundos de lama nas zonas entremarés. São espécies semiterrestres que podem viver tanto no ambiente aéreo em contato com o solo, bem como em ambientes úmidos sujeitos as inundações, locais estes típicos de áreas estuarinas com formações de manguezais (Figura 3). Figura 2. Caranguejo Ucides cordatus. (adaptado de NASCIMENTO, 1993). Figura 3. Detalhe do ambiente de manguezal. As galerias ou tocas (Figura 4) estão sempre cheias ou com alguma água e profundidades que variam entre 0,6 m e 1,5 m, sendo ocupadas por um único indivíduo (NASCIMENTO, 1993). Os Uçás são territorialistas, sendo que os maiores indivíduos são encontrados nas regiões de mesolitoral, enquanto que os indivíduos menores predominam nas zonas mais altas do mangue (OSTRENSKY, 2001). 3

4 Figura 4. Detalhe da galeria utilizada pelo caranguejo Ucides cordatus como abrigo. No período de reprodução do caranguejo-uçá, um fato curioso e interessante é observado durante a mudança da lua nova ou cheia, este fenômeno é conhecido como andada. De acordo com Pinheiro e Fiscarelli (2001), a "andada" ocorre nos meses de maior fotoperíodo, temperatura e precipitação, manifestando-se poucos dias após a mudança da fase da lua. De acordo com os mesmos autores, a "andada" pode ocorrer de dezembro a abril, com uma maior intensidade nas luas cheias. A captura do caranguejo-uçá durante a "andada" é uma prática fácil e proibida, já que esta fase é uma das mais importantes do ciclo de vida da espécie. Esse fenômeno teve essa conotação pelas comunidades litorâneas, devido em determinadas épocas do ano os machos e fêmeas saírem de suas tocas e se deslocarem no manguezal com o único intuito de acasalamento e reprodução (NASCIMENTO, 1993). Reprodução A reprodução é uma das etapas do ciclo de vida fundamental dos organismos vivos, pois é a partir desse processo que se promove a manutenção dos estoques, através da reposição constante de novos indivíduos as populações. Segundo Pinheiro e Fiscarelli (2001), o caranguejo-uçá atinge a maturidade funcional com o tamanho de 4,3 cm para as fêmeas (Figura 5) e 5,3 cm para os machos (Figura 6), sendo que no ambiente natural as fêmeas atingem a maturidade sexual antes dos machos. Figura 5. Detalhe de uma fêmea do caranguejo Ucides cordatus. 4

5 Figura 6. Detalhe de um macho do caranguejo Ucides cordatus. Assim sendo, o acasalamento e a cópula do caranguejo-uçá ocorre quando a fêmea adota posição de decúbito dorsal e o macho a cobre depositando o líquido seminal nas pequenas aberturas existentes nos gonopóros (MOTA ALVES, 1975), portanto é necessário que as fêmeas apresentem os gonopóros abertos, não sendo necessário que o ovário esteja maduro no momento do acasalamento. O desenvolvimento do ovário estará completo quando os óvulos estiverem formados (PINHEIRO; FISCARELLI, 2001). Nascimento (1993) relatou que ainda é discutível se a fecundação ocorre internamente, dentro da cavidade abdominal ou externamente. Após a fecundação, os ovos ficam aglomerados em forma de cachos, fixos as cerdas dos endopoditos dos pleópodos das fêmeas. Dependendo da região, nos meses de janeiro a maio podem ser observadas fêmeas carregando em média ovos. Este número pode variar amplamente conforme o tamanho da fêmea. Desse modo, se espera que fêmeas maiores tenham maior potencial reprodutivo do que as menores, o que colaboraria significativamente para a liberação no ambiente natural um maior número de larvas. De acordo com Pinheiro e Fiscarelli (2001), o caranguejo U. cordatus apresenta reprodução sazonal, pois as fêmeas ovígeras ocorrem em apenas cinco meses do ano (novembro a março). Pinheiro (2001) relatou que o desenvolvimento embrionário pode levar em média 18 dias quando mantida a uma temperatura constante de 27 C. Holthuis apud Ivo e Gesteira (1999) sugeriram que a eclosão das larvas do caranguejouçá ocorre no mar. No entanto, Nascimento apud citado por Ivo e Gesteira (1999) relataram que este fenômeno deva ocorrer na região do mangue onde a fêmea se mantém fixa ou próxima sua toca. Este fato deve-se a presença de fêmeas ovígeras dentro de suas tocas e também pela presença de larvas no estágio de zoea na coluna d água. Foi verificado que o período larval do caranguejo-uçá em cativeiro apresenta seis estágios de zoea e um estágio de megalopa (RODRIGUES; HEBLING, 1989). No laboratório, após 1 dia da eclosão, em determinados experimentos foram fornecidos as larvas dos U. cordatus náuplios recém eclodidos de Artemia sp. como alimento na proporção de 4-8 náuplios/ml. Com pouco mais de 2 semanas, próximo de se completar 3 semanas, poderão surgir as primeiras larvas megalopas e o caranguejo juvenil na fase I com aproximadamente 1 mês ou até 2 meses após a eclosão dos ovos. Durante a fase juvenil, os caranguejos vão adquirindo o comportamento bentônico que é característico da fase adulta. Segundo Nascimento (1993), alguns indivíduos jovens durante o seu crescimento podem mudar 3 vezes com 6 meses de idade e a partir de 3,0 cm de carapaça a freqüência de muda caiu para apenas 1 muda por ano e indivíduos com carapaça entre 6,0 a 6,5 cm de comprimento o 5

6 processo da muda se detém. Ostrensky (2001) relatou que, o caranguejo-uçá é uma espécie onívora podendo se alimentar de vários itens que possa encontrar próximo a sua toca. Captura do Caranguejo No Brasil podemos verificar várias formas de captura de caranguejo-uçá, tais como: redinha (PINHEIRO; FISCARELLI, 2001), carbureto (PINHEIRO; FISCARELLI, 2001), tapamento ou tapado, Vanga (ou cavadeira) (PINHEIRO; FISCARELLI, 2001), Raminho (IVO; GESTEIRA, 1999), o laço, cambito e o gancho (BOTELHO et al., 2000) forjo e o braceamento. As capturas por braceamento (Figura 7) são realizadas durante os períodos de baixa-mar e de maneira tradicional nas áreas de pesca deste crustáceo na região Norte e Nordeste do Brasil. A técnica consiste em o catador introduzir seu braço na galeria ou tocas, verificado a presença do indivíduo, pega-o pela região dorsal e retira-o de forma segura, sem que o animal consiga fugir. Muitos catadores utilizam luvas como forma de proteção contra as quelas do animal que podem machucar ou até mesmo ferir. Figura 7. Detalhe da forma de captura por braceamento do caranguejo Ucides cordatus. Segundo Ivo e Gesteira (1999), o teste "F" aplicado por Nordi, para avaliar a eficiência da produção de caranguejo oriundo da captura por "braceamento e "tapamento", métodos estes mais utilizados no Estado da Paraíba, verificou que a época do ano em que ocorre maior produção é no período do verão, sendo que as produções são mais altas independentes das formas de capturas utilizadas. Por outro lado, a captura por braceamento é considerada mais eficiente ao longo do ano. De acordo com os mesmos autores, ao utilizar o "braceamento", um catador produz 2,5 cordas de caranguejo/hora (3,4 kg/hora) no inverno e 2,9 cordas de caranguejo/hora (4,1 kg/hora) no verão. Já utilizando o "tapamento", um catador captura 1,2 cordas de caranguejo/hora (2,4 kg/hora) no inverno e 1,5 cordas de caranguejo/hora (2,8 kg/hora) no verão, observe-se que uma corda de caranguejos contém 12 indivíduos. Os caranguejos capturados podem ser mantidos em sacos de ráfia e previamente lavados com a água do próprio estuário. Em seguida são levados para um galpão, onde podem ser lavados novamente e amarrados em número determinado pelo comprador, que são denominadas de "cordas" ou de "fieiras (Figura 8). 6

7 Figura 8. Forma de comercialização em corda do caranguejo Ucides cordatus. O forjo outra arte de pesca utilizada para captura do caranguejo é considerada predatória e é construído com lata de óleo cilíndrica, estando no interior da lata uma isca presa a uma corda (Anexo 1). Na busca por alimento o caranguejo entra na lata ficando posteriormente preso na mesma. O forjo como arte de pesca não é seletiva, podendo capturar indivíduos de qualquer tamanho e caso este material seja deixado como lixo no manguezal, poderá ocasionar a morte de outros indivíduos que poderão entrar e não mais sair. Na comunidade dos Tapebas, cada catador sai de sua casa pela manhã levando consigo 80 a 100 armadilhas (forjos), com média estimada de 90 artes de pesca por pessoa/dia. Estas armadilhas são confeccionadas pelos próprios pescadores que compram parte do material (latas, câmaras de ar de pneu e arame) em sucatas e borracharias e a outra parte retiram das áreas do mangue, como a madeira para reforço e confecção do sistema de disparo da armadilha. As armadilhas são armadas de forma a fechar totalmente a entrada das tocas dos caranguejos (Figura 9). São usadas como iscas, folhas retiradas do mangue-sapateiro (Rizophora mangle) (Figura 10), em seguida, é fechado o suspiro da toca, garantindo que o animal não tenha por onde sair. Figura 9. Detalhe do posicionamento do forjo na saída da toca. 7

8 Figura 10. Raízes respiratórias e folhas do mangue Rizophora mangle. A comunidade indígena dos Tapebas é muito carente, tendo como principal atividade econômica a pesca e sobrevivem principalmente da extração do seu ambiente natural o caranguejo-uçá U. cordatus. Considerações Finais Para a exploração da atividade deve-se examinar cuidadosamente importantes fatores econômicos e ecológicos para se conservar a fauna e evitar os riscos em potencial das capturas. Portanto, a captura de caranguejo deve ser executada de maneira sustentável. Este declínio da população natural pode ser devido a sobrepesca e a perda do ambiente natural, especialmente os mangues. Outro fator que devemos priorizar para uma melhor preservação dos mangues seria a implantação de um programa de educação ambiental nos locais de produção de caranguejo que se localizam próximos às áreas de mangues, de modo que a população se conscientize dos males que a sobrepesca e a poluição causam a estes ecossistemas, bem como a produtividade dos recursos dali retirados para sua sobrevivência. O forjo utilizado pela a comunidade indígena dos Tapebas é um apetrecho de pesca predatório, visto que a sua baixa seletividade ocasiona de forma indiscriminada a captura de machos e fêmeas de caranguejo-uçá de vários tamanhos. Referências Bibliográficas ASMUS, M. L. Análise e Usos do Sistema Estuário da Lagoa dos Patos. In: REUNIÃO ESPECIAL DA SBPC: ECOSSISTEMAS COSTEIROS, DO CONHECIMENTO À GESTÃO, 3, 1996, Florianópolis. Anais... Florianópolis, 1996, p BOTELHO, E. R. O.; SANTOS, M. C. F.; PONTES, A. C. P. Algumas considerações sobre o uso da redinha na captura do caranguejo-uçá, Ucides cordatus (Linnaeus, 1763) no litoral sul de Pernambuco-Brasil. Boletim Técnico Científico CEPENE. Tamandaré, v. 8, n. 1, p , BURGGREN, W. W.; MCMAHON, B. R. Biology of the land crabs. Cambridge University Press, p. COELHO JUNIOR, C. Impactos da Carcinicultura Sobre os Estuários e o Ecossistema Manguezal. In: SEMINÁRIO INTERNACIONAL, PERSPECTIVAS E IMPLICAÇÕES 8

9 DA CARCINICULTURA ESTUÁRINA DE ESTADO DE PERNAMBUCO, 1, 2000, Recife. Anais... Recife: Editora Bagaço, 2000, p IVO, C. T. C.; GESTEIRA, T. C. V. Sinopse das observações sobre a bioecologia e pesca do caranguejo-uçá, Ucides cordatus cordatus (Linnaeus, 1763), capturado em estuários de sua área de ocorrência no Brasil. Boletim Técnico Científico do CEPENE. Tamandaré, v. 7, n. 1, p. 9-52, MOTA ALVES, M. I. Sobre a reprodução do caranguejo-uçá, Ucides cordatus (Linnaeus, 1763), em mangues do Estado do Ceará (Brasil). Arquivo de Ciências do Mar. Fortaleza, v. 15, n. 2, p , NASCIMENTO, S. A. Biologia do caranguejo uçá (Ucides cordatus). Administração Estadual do Meio ambiente Adema. Aracajú. 45p OSTRENSKY, A. Ucides cordatus. In: ECOLOGIA E DESENVOLVIMENTO. Ano. 11, n. 98, nov./dez. p PAIVA, M. P.; BEZERRA, R. C. F.; FONTELES FILHO, A. A. Tentativa de avaliação dos recursos pesqueiros do Nordeste brasileiro. Arquivo de Ciências do Mar. Fortaleza, v. 11, n. 1, p. 1-43, PINHEIRO, M. A. A. Biologia do caranguejo-uçá Ucides cordatus (Linnaeus, 1763) no litoral Sul do Estado de São Paulo. Relatório Científico Final do Projeto Uçá. Jaboticabal: FAPESP (Proc. 98/6055-0). 211p PINHEIRO, M. A. A.; FISCARELLI, A. G. Manual de apoio à fiscalização do caranguejo- Uçá (Ucides cordatus). Jaboticabal: UNESP/CEPSUL/IBAMA. 43 p RODRIGUES, M. D.; HEBLING, N. J. Ucides cordatus cordatus (Linnaeus, 1763) Crustacea, Decapoda). Complete larval development under laboratory conditions and its systematic position. Revista Brasileira de Zoologia, v. 6, n. 1, p ,

10 Seqüência de preparação do forjo Anexo 1. Preparação do forjo com isca (folha do mangue). forjo fechado e sem isca Técnica de armação da armadilha Detalhe de preparação da isca forjo armado pronto para ser colocado na entrada da toca Boca do forjo 10

AGUILAR DE OLIVEIRA SANT'ANNA

AGUILAR DE OLIVEIRA SANT'ANNA UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO DE CIÊNCIAS HUMANAS E NATURAIS DEPARTAMENTO DE ECOLOGIA E RECURSOS NATURAIS CURSO DE GRADUAÇÃO EM OCEANOGRAFIA AGUILAR DE OLIVEIRA SANT'ANNA INFLUÊNCIA DA

Leia mais

TÍTULO: A FAUNA DA INFRAORDEM BRACHYURA NO MANGUEZAL DO PORTINHO, PRAIA GRANDE, SP: ASPECTOS ECOLÓGICOS E POPULACIONAIS.

TÍTULO: A FAUNA DA INFRAORDEM BRACHYURA NO MANGUEZAL DO PORTINHO, PRAIA GRANDE, SP: ASPECTOS ECOLÓGICOS E POPULACIONAIS. TÍTULO: A FAUNA DA INFRAORDEM BRACHYURA NO MANGUEZAL DO PORTINHO, PRAIA GRANDE, SP: ASPECTOS ECOLÓGICOS E POPULACIONAIS. CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS

Leia mais

ATIVIDADES DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL REALIZADAS NA COMUNIDADE ILHA DE DEUS, RECIFE-PE

ATIVIDADES DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL REALIZADAS NA COMUNIDADE ILHA DE DEUS, RECIFE-PE ATIVIDADES DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL REALIZADAS NA COMUNIDADE ILHA DE DEUS, RECIFE-PE Juliana dos Santos Silva 1, Anália Carmem Silva de Almeida 2, Arlindo de Paula Machado Neto 3 e Carlos Augusto Sampaio

Leia mais

Documentos 139. Caranguejo-Uçá: Métodos para captura, estocagem e transporte

Documentos 139. Caranguejo-Uçá: Métodos para captura, estocagem e transporte ISSN 0104-866X Dezembro, 2006 Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Embrapa Meio-Norte Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Documentos 139 Caranguejo-Uçá: Métodos para captura, estocagem

Leia mais

BIOMA. dominante. http://www.brazadv.com/passeios_ecol %C3%B3gicos_mapas/biomas.asp

BIOMA. dominante. http://www.brazadv.com/passeios_ecol %C3%B3gicos_mapas/biomas.asp BIOMAS DO BRASIL BIOMA Definição: Bioma, ou formação planta - animal, deve ser entendido como a unidade biótica de maior extensão geográfica, compreendendo varias comunidades em diferentes estágios de

Leia mais

ASPECTOS BIOECOLÓGICOS DO CARANGUEJO Ucides cordatus (LINNAEUS 1763) (CRUSTACEA, DECAPODA) DO MANGUEZAL DO ITACORUBI, SANTA CATARINA, BR.

ASPECTOS BIOECOLÓGICOS DO CARANGUEJO Ucides cordatus (LINNAEUS 1763) (CRUSTACEA, DECAPODA) DO MANGUEZAL DO ITACORUBI, SANTA CATARINA, BR. ASPECTOS BIOECOLÓGICOS DO CARANGUEJO Ucides cordatus (LINNAEUS 1763) (CRUSTACEA, DECAPODA) DO MANGUEZAL DO ITACORUBI, SANTA CATARINA, BR. Joaquim Olinto Branco* Núcleo de Estudos do Mar - NEMAR/CCB-UFSC.

Leia mais

NA LAMA, A DURA BATALHA DOS CATADORES DE CARANGUEJOS

NA LAMA, A DURA BATALHA DOS CATADORES DE CARANGUEJOS NA LAMA, A DURA BATALHA DOS CATADORES DE CARANGUEJOS Edison Barbieri (edisonbarbieri@yahoo.com.br) e Jocemar Tomasino Mendonça (jmendonca@pesca.sp.gov.br) Núcleo de Pesquisa e Desenvolvimento do Litoral

Leia mais

BIOLOGIA - 2 o ANO MÓDULO 20 ECOLOGIA

BIOLOGIA - 2 o ANO MÓDULO 20 ECOLOGIA BIOLOGIA - 2 o ANO MÓDULO 20 ECOLOGIA Como pode cair no enem (ENEM) Várias estratégias estão sendo consideradas para a recuperação da diversidade biológica de um ambiente degradado, dentre elas, a criação

Leia mais

Cap. 26 De norte a sul, de leste a oeste: os biomas brasileiros. Sistema de Ensino CNEC Equipe de Biologia. Bioma

Cap. 26 De norte a sul, de leste a oeste: os biomas brasileiros. Sistema de Ensino CNEC Equipe de Biologia. Bioma Cap. 26 De norte a sul, de leste a oeste: os biomas brasileiros Sistema de Ensino CNEC Equipe de Biologia Bioma Conjunto de vida, vegetal e animal, constituído pelo agrupamento de tipos de vegetação, condições

Leia mais

Palavras-chave: Aquecimento global, Mídias, Tecnologias, Ecossistema.

Palavras-chave: Aquecimento global, Mídias, Tecnologias, Ecossistema. Aquecimento Global e Danos no Manguezal Pernambucano SANDRA MARIA DE LIMA ALVES 1 - sandrali@bol.com.br RESUMO Este artigo procura enriquecer a discussão sobre o fenômeno do aumento da temperatura na terra

Leia mais

Universidade Federal de Pernambuco Centro de Tecnologia e Geociências Departamento de Oceanografia

Universidade Federal de Pernambuco Centro de Tecnologia e Geociências Departamento de Oceanografia Universidade Federal de Pernambuco Centro de Tecnologia e Geociências Departamento de Oceanografia Biologia populacional do caranguejo-uçá Ucides cordatus (Linnaeus, 1763) (Crustacea, Decapoda, Brachyura)

Leia mais

O MANGUEZAL NA VISÃO ETNOBIOLÓGICA DE ESTUDANTES DO ENSINO FUNDAMENTAL DE UMA ESCOLA PÚBLICA, NATAL/RN.

O MANGUEZAL NA VISÃO ETNOBIOLÓGICA DE ESTUDANTES DO ENSINO FUNDAMENTAL DE UMA ESCOLA PÚBLICA, NATAL/RN. O MANGUEZAL NA VISÃO ETNOBIOLÓGICA DE ESTUDANTES DO ENSINO FUNDAMENTAL DE UMA ESCOLA PÚBLICA, NATAL/RN. Clécio Danilo Dias Da Silva 1 ; Carmem Maria da Rocha Fernendes 3 ; Álvaro da Costa Freire 4, Daniele

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO AMBIENTAL DO ECOSSISTEMA MANGUEZAL NA COSTA LESTE DE SALINAS DA MARGARIDA-BAHIA

CARACTERIZAÇÃO AMBIENTAL DO ECOSSISTEMA MANGUEZAL NA COSTA LESTE DE SALINAS DA MARGARIDA-BAHIA I Congresso Baiano de Engenharia Sanitária e Ambiental COBESA CARACTERIZAÇÃO AMBIENTAL DO ECOSSISTEMA MANGUEZAL NA COSTA LESTE DE SALINAS DA MARGARIDA-BAHIA Augusto César da Silva Machado Copque Geógrafo

Leia mais

Diagnóstico Socioeconômico e Ambiental dos Catadores de Caranguejo de Magé-RJ

Diagnóstico Socioeconômico e Ambiental dos Catadores de Caranguejo de Magé-RJ ISSN 1984-9354 Diagnóstico Socioeconômico e Ambiental dos Catadores de Caranguejo de Magé-RJ Camilla Ribeiro da Silva Lírio (LATEC/UFF) Este trabalho é parte integrante do Projeto Caranguejo Uçá, realizado

Leia mais

ZONA COSTEIRA, MANGUEZAIS E A MUDANÇA CLIMÁTICA

ZONA COSTEIRA, MANGUEZAIS E A MUDANÇA CLIMÁTICA ZONA COSTEIRA, MANGUEZAIS E A MUDANÇA CLIMÁTICA Eng. Renaldo Tenório de Moura, D.Sc. IBAMA ZONA COSTEIRA NO BRASIL Recife 8.500km Lei 7661/88 Institui a PNGC; Dec. 5300/2004 Regras de uso e ocupação; Critérios

Leia mais

REQUERIMENTO Nº, DE 2008 (Do Senhor Flávio Bezerra)

REQUERIMENTO Nº, DE 2008 (Do Senhor Flávio Bezerra) REQUERIMENTO Nº, DE 2008 (Do Senhor Flávio Bezerra) Requer o envio desta Indicação ao Poder Executivo, por intermédio do Ministério do Meio Ambiente para a recriação de Recifes Artificiais por meio de

Leia mais

BOLETIM DO LEGISLATIVO Nº 17, DE 2012

BOLETIM DO LEGISLATIVO Nº 17, DE 2012 BOLETIM DO LEGISLATIVO Nº 17, DE 2012 Rio+20: oceanos, mares e zonas costeiras Carmen Rachel Scavazzini Marcondes Faria Tarciso Dal Maso Jardim A Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável,

Leia mais

Embrapa elabora estudo sobre gestão ambiental de estabelecimentos rurais na APA da Barra do Rio Mamanguape (PB)

Embrapa elabora estudo sobre gestão ambiental de estabelecimentos rurais na APA da Barra do Rio Mamanguape (PB) Embrapa elabora estudo sobre gestão ambiental de estabelecimentos rurais na APA da Barra do Rio Mamanguape (PB) Geraldo Stachetti Rodrigues Maria Cristina Tordin Jaguariúna, junho 2005. A equipe de pesquisadores

Leia mais

Implantação de espécies nativas em área de preservação no IFMG - Câmpus Bambuí José Augusto Melo de RESENDE¹; Maria Carolina Gaspar BOTREL²;

Implantação de espécies nativas em área de preservação no IFMG - Câmpus Bambuí José Augusto Melo de RESENDE¹; Maria Carolina Gaspar BOTREL²; Implantação de espécies nativas em área de preservação no IFMG - Câmpus Bambuí José Augusto Melo de RESENDE¹; Maria Carolina Gaspar BOTREL²; ¹ Aluno do curso de Agronomia e bolsista do Programa Institucional

Leia mais

Biomas Brasileiros. 1. Bioma Floresta Amazônica. 2. Bioma Caatinga. 3. Bioma Cerrado. 4. Bioma Mata Atlântica. 5. Bioma Pantanal Mato- Grossense

Biomas Brasileiros. 1. Bioma Floresta Amazônica. 2. Bioma Caatinga. 3. Bioma Cerrado. 4. Bioma Mata Atlântica. 5. Bioma Pantanal Mato- Grossense Biomas Brasileiros 1. Bioma Floresta Amazônica 2. Bioma Caatinga 3. Bioma Cerrado 4. Bioma Mata Atlântica 5. Bioma Pantanal Mato- Grossense 6. Bioma Pampas BIOMAS BRASILEIROS BIOMA FLORESTA AMAZÔNICA

Leia mais

ECOLOGIA E ATIVIDADE LAGOSTEIRA NO ESTADO DO CEARÁ, BRASIL

ECOLOGIA E ATIVIDADE LAGOSTEIRA NO ESTADO DO CEARÁ, BRASIL ECOLOGIA E ATIVIDADE LAGOSTEIRA NO ESTADO DO CEARÁ, BRASIL Carlos Henrique dos Anjos dos Santos 1, Jullyermes Araújo Lourenço 2, Henrique José Mascarenhas dos Santos Costa 3, Raimundo Anderson Lobão de

Leia mais

SISTEMA NACIONAL DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO - SNUC

SISTEMA NACIONAL DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO - SNUC - SNUC PREVISÃO LEGAL Art. 225. Todos têm direito ao meio ambiente ecologicamente equilibrado, bem de uso comum do povo e essencial à sadia qualidade de vida, impondo-se ao Poder Público e àcoletividade

Leia mais

CONSCIENTIZAÇÃO AMBIENTAL COM ESTUDANTES ORIUNDOS DA ZONA RURAL DO MUNICÍPIO DE PELOTAS

CONSCIENTIZAÇÃO AMBIENTAL COM ESTUDANTES ORIUNDOS DA ZONA RURAL DO MUNICÍPIO DE PELOTAS CONSCIENTIZAÇÃO AMBIENTAL COM ESTUDANTES ORIUNDOS DA ZONA RURAL DO MUNICÍPIO DE PELOTAS EJE. Comunicacion y Extensión PETER, Cristina Mendes ¹; ZANI João Luiz ²; MONTEIRO, Alegani Vieira³; PICOLI,Tony

Leia mais

EDUCAÇÃO AMBIENTAL: UM ENFOQUE PARA A CONSCIENTIZAÇÃO, PRESERVAÇÃO E SUSTENTABILIDADE DO BIOMA CAATINGA

EDUCAÇÃO AMBIENTAL: UM ENFOQUE PARA A CONSCIENTIZAÇÃO, PRESERVAÇÃO E SUSTENTABILIDADE DO BIOMA CAATINGA EDUCAÇÃO AMBIENTAL: UM ENFOQUE PARA A CONSCIENTIZAÇÃO, PRESERVAÇÃO E SUSTENTABILIDADE DO BIOMA CAATINGA Kevison Romulo da Silva França Jéssica de Sousa Pereira Risoneide Henriques da Silva Jessica Rafhaelly

Leia mais

Projeto Gestão Pesqueira

Projeto Gestão Pesqueira Projeto Gestão Pesqueira Quando todos querem a mesma coisa... Litoral Sul - SP...Ela vira realidade! ATIVIDADE PESQUEIRA NO COMPLEXO ESTUARINO-LAGUNAR DE CANANÉIA, IGUAPE E ILHA COMPRIDA ORDENAMENTO, PLANO

Leia mais

O manguezal. Se você costuma viajar para o litoral, provavelmente

O manguezal. Se você costuma viajar para o litoral, provavelmente A U A UL LA O manguezal Se você costuma viajar para o litoral, provavelmente já viu pela estrada algumas pessoas vendendo caranguejos. Esses animais tornam-se verdadeiras iguarias nos restaurantes. Muitos

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 3.605, DE 10 DE SETEMBRO DE 2007

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 3.605, DE 10 DE SETEMBRO DE 2007 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 3.605, DE 10 DE SETEMBRO DE 2007 Homologa o Parecer n. 092/07-CEG, que aprova o Projeto

Leia mais

DECRETO Nº 4.895, DE 25 DE NOVEMBRO DE 2003. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 84, inciso IV, da Constituição, e

DECRETO Nº 4.895, DE 25 DE NOVEMBRO DE 2003. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 84, inciso IV, da Constituição, e DECRETO Nº 4.895, DE 25 DE NOVEMBRO DE 2003 Dispõe sobre a autorização de uso de espaços físicos de corpos d água de domínio da União para fins de aquicultura, e dá outras providências. O PRESIDENTE DA

Leia mais

MANEJO E MANUTENÇÃO DE NOVA ESPÉCIE DE DENDROBATIDAE (AMPHIBIA: ANURA) NO ZOOPARQUE ITATIBA: UM MODELO PARA CONSERVAÇÃO EX- SITU

MANEJO E MANUTENÇÃO DE NOVA ESPÉCIE DE DENDROBATIDAE (AMPHIBIA: ANURA) NO ZOOPARQUE ITATIBA: UM MODELO PARA CONSERVAÇÃO EX- SITU MANEJO E MANUTENÇÃO DE NOVA ESPÉCIE DE DENDROBATIDAE (AMPHIBIA: ANURA) NO ZOOPARQUE ITATIBA: UM MODELO PARA CONSERVAÇÃO EX- SITU Felipe Garcia de Camargo¹ ¹ Zooparque Itatiba, Rodovia Dom Pedro I, Km 95,5.

Leia mais

Simone de Souza Prado, pesquisadora da Embrapa Meio Ambiente

Simone de Souza Prado, pesquisadora da Embrapa Meio Ambiente Cupins subterrâneos Simone de Souza Prado, pesquisadora da Embrapa Meio Ambiente Os cupins são insetos da ordem Isoptera, também conhecidos por térmitas, siriris ou aleluias. Estes insetos são espécies

Leia mais

FUNDAÇÃO TOYOTA DO BRASIL

FUNDAÇÃO TOYOTA DO BRASIL FUNDAÇÃO TOYOTA DO BRASIL Criada em 2009 Unificação dos esforços sociais da Toyota do Brasil Respeito pelo meio ambiente Contribuir com o desenvolvimento sustentável Promover a sustentabilidade, por meio

Leia mais

Climatologia. humanos, visto que diversas de suas atividades

Climatologia. humanos, visto que diversas de suas atividades Climatologia É uma parte da que estuda o tempo e o clima cientificamente, utilizando principalmente técnicas estatísticas na obtenção de padrões. É uma ciência de grande importância para os seres humanos,

Leia mais

Dimensão ambiental. Oceanos, mares e áreas costeiras

Dimensão ambiental. Oceanos, mares e áreas costeiras Dimensão ambiental Oceanos, mares e áreas costeiras Indicadores de desenvolvimento sustentável - Brasil 2004 81 11 Balneabilidade Apresenta o estado da qualidade da água para fins de recreação de contato

Leia mais

TÍTULO: AUTORES: ÁREA TEMÁTICA: Introdução

TÍTULO: AUTORES: ÁREA TEMÁTICA: Introdução TÍTULO: PRODUÇÃO DE MUDAS DE MANGUE VERMELHO (RIZOPHORA MANGLE) E MANGUE BRANCO (LAGUNCULARIA RACEMOSA) NA TENTATIVA DE CONSERVAÇÃO DOS MANGUEZAIS EM COMUNIDADES CARENTES DO LITORAL NORTE DO ESTADO DE

Leia mais

Como Eu Ensino Biomas brasileiros Material de apoio

Como Eu Ensino Biomas brasileiros Material de apoio Roteiro da atividade: Jogo da Sobrevivência Como jogar 1. Cada jogador iniciará o jogo com uma população de sessenta quatis na primeira geração e, portanto, marcará na folha-região 60 indivíduos no eixo

Leia mais

Informação sobre Ecossistemas Locais

Informação sobre Ecossistemas Locais Informação sobre Ecossistemas Locais Bandeira Azul 2015 1. Biodiversidade local O litoral de Vila Nova de Gaia apresenta uma considerável biodiversidade, com fauna e flora característica dos substratos

Leia mais

UNIVERSIDADE DO CONTESTADO CAMPUS MAFRA

UNIVERSIDADE DO CONTESTADO CAMPUS MAFRA UNIVERSIDADE DO CONTESTADO PROJETO GERAÇÃO DE RENDA COM USO DE MATERIAIS ALTERNATIVOS Mafra, outubro de 2008. SUMÁRIO 1 APRESENTAÇÃO... 3 2 JUSTIFICATIVA... 3 3 CARACTERIZAÇÃO DO PÚBLICO ENVOLVIDO... 4

Leia mais

Líderes da Conservação - Instituto de Desenvolvimento Sustentável

Líderes da Conservação - Instituto de Desenvolvimento Sustentável Líderes da Conservação - Instituto de Desenvolvimento Sustentável Considerada uma das mais avançadas do mundo. Sua estrutura começou a ser composta em 1981, a partir da Lei 6.938. Da Política Nacional

Leia mais

Universidade Federal do Paraná

Universidade Federal do Paraná * Universidade Federal do Paraná * *O que são Biomas? *Bioma é uma unidade biológica ou espaço geográfico caracterizado de acordo com o macroclima, a fitofisionomia (aspecto da vegetação de um lugar),

Leia mais

DESAFIOS E PERSPECTIVAS DOS MANGUEZAIS NO MUNICÍPIO DE MAGÉ BAIXADA FLUMINENSE

DESAFIOS E PERSPECTIVAS DOS MANGUEZAIS NO MUNICÍPIO DE MAGÉ BAIXADA FLUMINENSE DESAFIOS E PERSPECTIVAS DOS MANGUEZAIS NO MUNICÍPIO DE MAGÉ BAIXADA FLUMINENSE Gabriel de Lima Souza, licenciando em Geografia gabriel.geo2010@gmail.com Jessica Damiana Pires Fernandes, licencianda em

Leia mais

ALUNO: FERNANDO FERREIRA DE BRITO - RM 6035

ALUNO: FERNANDO FERREIRA DE BRITO - RM 6035 F A C U L D A D E D O N D O M E N I C O CURSO: MUNDO CONTEMPORÂNEO PROFª MESTRE: ÂNGELA VAZ OMATTI AGUIAR ALUNO: FERNANDO FERREIRA DE BRITO - RM 6035 G U A R U J Á ONTEM... E HOJE. Guarujá (SP) apoia o

Leia mais

193 - TRABALHOS COM HORTAS ESCOLARES NO MUNICÍPIO DE DIONÍSIO CERQUEIRA, SC

193 - TRABALHOS COM HORTAS ESCOLARES NO MUNICÍPIO DE DIONÍSIO CERQUEIRA, SC Sociedade e Natureza Monferrer RESUMO 193 - TRABALHOS COM HORTAS ESCOLARES NO MUNICÍPIO DE DIONÍSIO CERQUEIRA, SC Fabia Tonini 1 ; Andréia Tecchio 2 O espaço Horta Escolar pode ser utilizado como meio

Leia mais

Terminologia Vegetal

Terminologia Vegetal Terminologia Vegetal Aciculifoliadas folhas em forma de agulha; Latifoliadas folhas largas e grandes; Perenes nunca perdem as folhas por completo; Caducas (decíduas) perdem as folhas antes de secas ou

Leia mais

É esta imensidão de oceano, que mais tarde ou mais cedo teremos de aproveitar de um modo sustentável.

É esta imensidão de oceano, que mais tarde ou mais cedo teremos de aproveitar de um modo sustentável. Pescas Senhor Presidente da Assembleia Senhoras e Senhores Deputados Senhor Presidente do Governo Senhoras e Senhores Membros do Governo É inevitável olhar as ilhas na sua descontinuidade e imaginá-las

Leia mais

O projeto visa dar continuidade ao experimento conhecido como Área Fechada de Tamandaré para avaliar a eficiência da implantação e monitoramento de

O projeto visa dar continuidade ao experimento conhecido como Área Fechada de Tamandaré para avaliar a eficiência da implantação e monitoramento de CONTINUIDADE DO EXPERIMENTO E MONITORAMENTO DA EFICÁCIA DA ÁREA FECHADA DE TAMANDARÉ COMO REFERÊNCIA METODOLÓGICA PARA AS ZONAS DE PRESERVAÇÃO DA VIDA MARINHA DA APA COSTA DOS CORAIS UFPE O projeto visa

Leia mais

Fitogeografia do Brasil.

Fitogeografia do Brasil. Fitogeografia do Brasil. Profº Me. Fernando Belan Alexander Fleming Introdução Devido as grandes dimensões territoriais, estabelecemse muitas formações vegetais características de alguma região do Brasil.

Leia mais

ETNOBIOINDICADORES USADOS POR POPULAÇÕES DE PESCADORES E MARISQUEIRAS COMO MARCADORES DE MUDANÇAS AMBIENTAIS NA BAÍA DE TODOS-OS-SANTOS BAHIA

ETNOBIOINDICADORES USADOS POR POPULAÇÕES DE PESCADORES E MARISQUEIRAS COMO MARCADORES DE MUDANÇAS AMBIENTAIS NA BAÍA DE TODOS-OS-SANTOS BAHIA 49 ETNOBIOINDICADORES USADOS POR POPULAÇÕES DE PESCADORES E MARISQUEIRAS COMO MARCADORES DE MUDANÇAS AMBIENTAIS NA BAÍA DE TODOS-OS-SANTOS BAHIA Elaine Souza Messias 1 & Fabio Pedro Souza de Ferreira Bandeira

Leia mais

Nesta edição: O ecossistema do manguezal com sua fauna e sua flora características, curiosidades e ainda passatempos divertidos!!!

Nesta edição: O ecossistema do manguezal com sua fauna e sua flora características, curiosidades e ainda passatempos divertidos!!! anguezal Nesta edição: O ecossistema do manguezal com sua fauna e sua flora características, curiosidades e ainda passatempos divertidos!!! EDITORIAL Pelas páginas desta revista, você encontrará muitos

Leia mais

Aula 14 Distribuição dos Ecossistemas Brasileiros Floresta Amazônica Mais exuberante região Norte e parte do Centro Oeste; Solo pobre em nutrientes; Cobertura densa ameniza o impacto da água da chuva;

Leia mais

Aulas de Ciências de 12 a 21 5ª série. A Biosfera A terra, um planeta habitado. Biomas e ambientes aquáticos. Os biomas terrestres

Aulas de Ciências de 12 a 21 5ª série. A Biosfera A terra, um planeta habitado. Biomas e ambientes aquáticos. Os biomas terrestres Aulas de Ciências de 12 a 21 5ª série A Biosfera A terra, um planeta habitado De todos os planetas conhecidos do Sistema Solar, a Terra é o único que apresenta uma biosfera, onde a vida se desenvolve.

Leia mais

LEI Nº 8.349, DE 17 DE JULHO DE 2003

LEI Nº 8.349, DE 17 DE JULHO DE 2003 LEI Nº 8.349, DE 17 DE JULHO DE 2003 Cria a Reserva de Desenvolvimento Sustentável Estadual Ponta do Tubarão, na região de Diogo Lopes e Barreiras nos Municípios de Macau e Guamaré no Rio Grande do Norte

Leia mais

Colégio Policial Militar Feliciano Nunes Pires

Colégio Policial Militar Feliciano Nunes Pires Colégio Policial Militar Feliciano Nunes Pires Professor: Josiane Vill Disciplina: Geografia Série: 1ª Ano Tema da aula: Dinâmica Climática e Formações Vegetais no Brasil Objetivo da aula: conhecer a diversidade

Leia mais

Nosso Território: Ecossistemas

Nosso Território: Ecossistemas Nosso Território: Ecossistemas - O Brasil no Mundo - Divisão Territorial - Relevo e Clima - Fauna e Flora - Ecossistemas - Recursos Minerais Um ecossistema é um conjunto de regiões com características

Leia mais

DECRETO Nº 32.488, DE 17 DE OUTUBRO DE 2008

DECRETO Nº 32.488, DE 17 DE OUTUBRO DE 2008 DECRETO Nº 32.488, DE 17 DE OUTUBRO DE 2008 Declara como Área de Proteção Ambiental APA a região que compreende os Municípios de Itamaracá e Itapissuma e parte do Município de Goiana, e dá outras providências.

Leia mais

Universidade Estadual de Santa Cruz

Universidade Estadual de Santa Cruz Universidade Estadual de Santa Cruz Programa Regional de Pós-graduação em Desenvolvimento e Meio Ambiente UESC Mestrado em Desenvolvimento Regional e Meio Ambiente BIOLOGIA DO CARANGUEJO-UÇÁ E PERFIS SÓCIO-

Leia mais

A Biodiversidade é uma das propriedades fundamentais da natureza, responsável pelo equilíbrio e estabilidade dos ecossistemas, e fonte de imenso

A Biodiversidade é uma das propriedades fundamentais da natureza, responsável pelo equilíbrio e estabilidade dos ecossistemas, e fonte de imenso Biodiversidade Pode ser definida como a variedade e a variabilidade existente entre os organismos vivos e as complexidades ecológicas nas quais elas ocorrem. Pode ser entendida como uma associação de vários

Leia mais

BIOVESTIBA.NET BIOLOGIA VIRTUAL Profº Fernando Teixeira UFRGS. ECOLOGIA Conceitos e Sucessão Ecológica

BIOVESTIBA.NET BIOLOGIA VIRTUAL Profº Fernando Teixeira UFRGS. ECOLOGIA Conceitos e Sucessão Ecológica UFRGS ECOLOGIA Conceitos e Sucessão Ecológica 1. (Ufrgs 2014) Considere as seguintes afirmações sobre conceitos utilizados em ecologia. I. Nicho ecológico é a posição biológica ou funcional que um ecossistema

Leia mais

OS CUIDADOS COM A ÁGUA NA ESCOLA FUNDAMENTAL PROFESSOR ADAILTON COELHO COSTA

OS CUIDADOS COM A ÁGUA NA ESCOLA FUNDAMENTAL PROFESSOR ADAILTON COELHO COSTA OS CUIDADOS COM A ÁGUA NA ESCOLA FUNDAMENTAL PROFESSOR ADAILTON COELHO COSTA Dantas 1, Mayara; Gomes 1, Márcia; Silva 1, Juliene; Silva 1, Jaciele; 1 Discente do Curso de Bacharelado em Ecologia; 2 Professora

Leia mais

FACULDADES INTEGRADAS TERESA D ÁVILA NÚCLEO DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA. Formulário para Registro de Projetos de Extensão Universitária

FACULDADES INTEGRADAS TERESA D ÁVILA NÚCLEO DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA. Formulário para Registro de Projetos de Extensão Universitária FACULDADES INTEGRADAS TERESA D ÁVILA NÚCLEO DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA Formulário para Registro de Projetos de Extensão Universitária Ano Base: 2014 Título do Projeto: Extensão Corpus Christ Tipo de Projeto:

Leia mais

Respostas das questões sobre as regiões do Brasil

Respostas das questões sobre as regiões do Brasil Respostas das questões sobre as regiões do Brasil Região Norte 1. Qual a diferença entre região Norte, Amazônia Legal e Amazônia Internacional? A região Norte é um conjunto de 7 estados e estes estados

Leia mais

Processo de regulamentação para o repovoamento de peixes em bacias

Processo de regulamentação para o repovoamento de peixes em bacias Processo de regulamentação para o repovoamento de peixes em bacias hidrográficas brasileiras DBFLO/CGFAP/COOPE Rogério Inácio de Carvalho rogerio.carvalho@ibama.gov.br (61)3316-1703 Normas Ambientais Art.

Leia mais

Educação Ambiental, Permacultura, Etnoecologia e Lixo Tecnológico Ferramentas Para a Sustentabilidade

Educação Ambiental, Permacultura, Etnoecologia e Lixo Tecnológico Ferramentas Para a Sustentabilidade Educação Ambiental, Permacultura, Etnoecologia e Lixo Tecnológico Ferramentas Para a Sustentabilidade Rodrigo de Santana Saraiva 1 1 Graduado em Ciências Biológicas - Universidade Católica do Salvador

Leia mais

Reutilização de materiais na construção de recursos didáticos de zoologia

Reutilização de materiais na construção de recursos didáticos de zoologia Reutilização de materiais na construção de recursos didáticos de zoologia Patrícia Mariana Vasco de Góz, Ábina Profiro de Oliveira, Rafael Ferreira da Silva, Maria Aparecida Oliveira de Melo, Jonathan

Leia mais

BIOLOGIA COMENTÁRIO DA PROVA DE BIOLOGIA

BIOLOGIA COMENTÁRIO DA PROVA DE BIOLOGIA COMENTÁRIO DA PROVA DE BIOLOGIA Nota-se claramente que a prova de biologia da segunda fase da UFPR refletiu um esforço no sentido de privilegiar questões que envolvam raciocínio lógico aplicado ao domínio

Leia mais

TÍTULO: AVALIAÇÃO DO CRESCIMENTO DE PROPÁGULOS DA RIZOPHORA MANGLE EM DOIS TRATAMENTOS

TÍTULO: AVALIAÇÃO DO CRESCIMENTO DE PROPÁGULOS DA RIZOPHORA MANGLE EM DOIS TRATAMENTOS TÍTULO: AVALIAÇÃO DO CRESCIMENTO DE PROPÁGULOS DA RIZOPHORA MANGLE EM DOIS TRATAMENTOS CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: ECOLOGIA INSTITUIÇÃO: UNIVERSIDADE SANTA CECÍLIA AUTOR(ES):

Leia mais

Prof. MSc. Leandro Felício

Prof. MSc. Leandro Felício Prof. MSc. Leandro Felício Ecossistema: Sistema integrado e auto funcionante que consiste em interações dos elementos bióticos e abióticos e cujas dimensões podem variar consideravelmente. Bioma: Conjunto

Leia mais

Testes de Diagnóstico

Testes de Diagnóstico INOVAÇÃO E TECNOLOGIA NA FORMAÇÃO AGRÍCOLA agrinov.ajap.pt Coordenação Técnica: Associação dos Jovens Agricultores de Portugal Coordenação Científica: Miguel de Castro Neto Instituto Superior de Estatística

Leia mais

O homem e o meio ambiente

O homem e o meio ambiente A U A UL LA O homem e o meio ambiente Nesta aula, que inicia nosso aprendizado sobre o meio ambiente, vamos prestar atenção às condições ambientais dos lugares que você conhece. Veremos que em alguns bairros

Leia mais

RELATÓRIO FINAL DO PROJETO

RELATÓRIO FINAL DO PROJETO RELATÓRIO FINAL DO PROJETO I. DADOS BÁSICOS Nome da organização: Instituto de Conservação de Ambientes Litorâneos da Mata Atlântica Título do projeto: Coastal Environments of the Atlantic Forest - Phase

Leia mais

TÍTULO: ETNOECOLOGIA DE CAÇÕES NA PRAIA DOS PESCADORES DE ITANHAÉM/SP.

TÍTULO: ETNOECOLOGIA DE CAÇÕES NA PRAIA DOS PESCADORES DE ITANHAÉM/SP. TÍTULO: ETNOECOLOGIA DE CAÇÕES NA PRAIA DOS PESCADORES DE ITANHAÉM/SP. CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: ECOLOGIA INSTITUIÇÃO: UNIVERSIDADE SANTA CECÍLIA AUTOR(ES): ALINE

Leia mais

B I O G E O G R A F I A

B I O G E O G R A F I A B I O G E O G R A F I A FLORESTA AMAZÔNICA 2011 Aula XII O bioma Amazônia representa aproximadamente 30% de todas as florestas tropicais remanescentes do mundo e nele se concentra a maioria das florestas

Leia mais

CARTILHA TÉCNICA DE APICULTURA

CARTILHA TÉCNICA DE APICULTURA CARTILHA TÉCNICA DE APICULTURA Maio de 2015 Patrocínio: LISTA DE FIGURAS Figura 1. Produtos da apicultura.... 4 Figura 2. Abelha Rainha.... 5 Figura 3. Operárias numa caixa de abelha.... 6 Figura 4. Zangões....

Leia mais

2 - Proponente: Ministério Público: 3ª. (terceira) Promotoria de Justiça de Valença -BA

2 - Proponente: Ministério Público: 3ª. (terceira) Promotoria de Justiça de Valença -BA 1 - Projeto: Conhecendo e Protegendo os nossos Manguezais 2 - Proponente: Ministério Público: 3ª. (terceira) Promotoria de Justiça de Valença -BA 3 - Órgão Executor: Nome: IDEIA Instituto de Defesa, Estudo

Leia mais

ANDAM GOLFINHOS NA COSTA

ANDAM GOLFINHOS NA COSTA ANDAM GOLFINHOS NA COSTA ESCOLA DE MAR INVESTIGAÇÃO, PROJECTOS E EDUCAÇÃO EM AMBIENTE E ARTES Delphinus delphis Toninha, assim se chama o mais comum dos golfinhos em Portugal. O golfinho-comum (Delphinus

Leia mais

praiais estuarino manguezais

praiais estuarino manguezais 3.2.2 Ecossistemas Relevantes Um ecossistema pode ser definido como a interação de comunidades de espécies de animais, vegetais e microorganismos entre si e o seu habitat num grau de equilíbrio estável.

Leia mais

Promovendo a maricultura no Rio de Janeiro Sudeste do Brasil

Promovendo a maricultura no Rio de Janeiro Sudeste do Brasil Promovendo a maricultura no Rio de Janeiro Sudeste do Brasil Artur N. Rombenso, Viviana Lisboa y Luís A. Sampaio Introdução Cultivo de Cobia de 3 a 4 Kg. A maricultura no Brasil tem um modesto desenvolvimento

Leia mais

Unidade de Conservação marinha passa a ser o 11º sítio Ramsar brasileiro e o primeiro na Bahia

Unidade de Conservação marinha passa a ser o 11º sítio Ramsar brasileiro e o primeiro na Bahia Unidade de Conservação marinha passa a ser o 11º sítio Ramsar brasileiro e o primeiro na Bahia Ao anunciar o título de "Sítio Ramsar" ao Parque Nacional Marinho de Abrolhos, o ministro do Meio Ambiente

Leia mais

DOMÍNIO DOS MARES DE MORROS

DOMÍNIO DOS MARES DE MORROS DOMÍNIO DOS MARES DE MORROS Situação Geográfica Este domínio estende-se se do sul do Brasil até o Estado da Paraíba (no nordeste), obtendo uma área total de aproximadamente 1.000.000 km².. Situado mais

Leia mais

Peixes e crustaceos Nativos da PVSuL

Peixes e crustaceos Nativos da PVSuL Peixes e crustaceos Nativos da PVSuL Alguns, encobertos pela água. Outros, ativos à noite. A maioria, raramente vista. Os peixes e crustáceos presentes no PV-Sul representam dois grupos de animais presentes

Leia mais

Reprodução de Pomacea bridgesii

Reprodução de Pomacea bridgesii Reprodução de Pomacea bridgesii Olá a todos! Desde 2006 venho mantendo e acompanhando a reprodução das ampulárias (Pomacea bridgesii), particularmente gosto muito desses gastrópodes e acho que possuem

Leia mais

Trabalho realizado por: João Rabaça. 11º Ano do Curso Técnico de gestão de Equipamentos Informáticos

Trabalho realizado por: João Rabaça. 11º Ano do Curso Técnico de gestão de Equipamentos Informáticos Trabalho realizado por: João Rabaça 11º Ano do Curso Técnico de gestão de Equipamentos Informáticos Introdução Animais em vias de extinção - O que são? - O que é a extinção? -O cachalote -O Lince Ibérico

Leia mais

Fitogeografia do Brasil

Fitogeografia do Brasil Prof. Me. Fernando Belan Fitogeografia do Brasil BIOLOGIA MAIS Introdução Devido as grandes dimensões territoriais, estabelecem-se muitas formações vegetais características de alguma região do Brasil.

Leia mais

GOVERNO DE MATO GROSSO Fundação Estadual do Meio Ambiente FEMA-MT

GOVERNO DE MATO GROSSO Fundação Estadual do Meio Ambiente FEMA-MT Atividade Conjunta Fundação Estadual do Meio Ambiente FEMA-MT e Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis IBAMA-MT de: Monitoramento da Atividade Reprodutiva dos Peixes Migradores

Leia mais

Porto Alegre, 19 de agosto de 2015

Porto Alegre, 19 de agosto de 2015 Biologia e ecologia do mosquito vetor da dengue Porto Alegre, 19 de agosto de 2015 Biologia do vetor Aedes aegypti macho Aedes aegypti Aedes albopictus Mosquitos do gênero Aedes. Característica Aedes aegypti

Leia mais

Sugestão de avaliação

Sugestão de avaliação Sugestão de avaliação 7 CIÊNCIAS Professor, esta sugestão de avaliação corresponde ao terceiro bimestre escolar ou às Unidades 3 e 4 do livro do Aluno. Avaliação Ciências NOME: TURMA: escola: PROfessOR:

Leia mais

HABITATS MARINHOS E COSTEIROS

HABITATS MARINHOS E COSTEIROS HABITATS MARINHOS E COSTEIROS Manguezais Marismas e planícies de maré Estuários e Lagunas Praias Costões Rochosos Recifes de Coral Plataforma Continental Mar Profundo Fontes Hidrotermais MANGUEZAIS Compreendem

Leia mais

L 201/8 Jornal Oficial da União Europeia 30.7.2008

L 201/8 Jornal Oficial da União Europeia 30.7.2008 L 201/8 Jornal Oficial da União Europeia 30.7.2008 REGULAMENTO (CE) N. o 734/2008 DO CONSELHO de 15 de Julho de 2008 relativo à protecção dos ecossistemas marinhos vulneráveis do alto mar contra os efeitos

Leia mais

Climas e Formações Vegetais no Mundo. Capítulo 8

Climas e Formações Vegetais no Mundo. Capítulo 8 Climas e Formações Vegetais no Mundo Capítulo 8 Formações Vegetais Desenvolvem-se de acordo com o tipo de clima, relevo, e solo do local onde se situam.de todos estes, o clima é o que mais se destaca.

Leia mais

BI de algumas das principais espécies de peixes

BI de algumas das principais espécies de peixes BI de algumas das principais espécies de peixes Pescada (Merluccius merluccius) Dammous, S. (http://fishbase.sinica.edu.tw/photos/picturessummary.php?resultpage=2&startrow=0&id=30&what=s pecies&totrec=6)

Leia mais

Formações de Santa Catarina. Profa. Elisa Serena Gandolfo Martins Março/2015

Formações de Santa Catarina. Profa. Elisa Serena Gandolfo Martins Março/2015 Formações de Santa Catarina Profa. Elisa Serena Gandolfo Martins Março/2015 O Estado de Santa Catarina está totalmente inserido dentro do Bioma Mata Atlântica. A Mata Atlântica "O espaço que contém aspectos

Leia mais

Eixo Temático ET-04-005 - Gestão Ambiental em Saneamento PROPOSTA DE SANEAMENTO BÁSICO NO MUNICÍPIO DE POMBAL-PB: EM BUSCA DE UMA SAÚDE EQUILIBRADA

Eixo Temático ET-04-005 - Gestão Ambiental em Saneamento PROPOSTA DE SANEAMENTO BÁSICO NO MUNICÍPIO DE POMBAL-PB: EM BUSCA DE UMA SAÚDE EQUILIBRADA 225 Eixo Temático ET-04-005 - Gestão Ambiental em Saneamento PROPOSTA DE SANEAMENTO BÁSICO NO MUNICÍPIO DE POMBAL-PB: EM BUSCA DE UMA SAÚDE EQUILIBRADA Marcos Antônio Lopes do Nascimento¹; Maria Verônica

Leia mais

Rota de Aprendizagem 2015/16 5.º Ano

Rota de Aprendizagem 2015/16 5.º Ano Projeto 1 Onde existe Vida? Tempo Previsto: 4 quinzenas (do 1ºPeríodo) Ciências Naturais A ÁGUA, O AR, AS ROCHAS E O SOLO MATERIAIS TERRESTRES 1.ª Fase: Terra um planeta com vida 2.ª Fase: A importância

Leia mais

COLÉGIO MARQUES RODRIGUES - SIMULADO

COLÉGIO MARQUES RODRIGUES - SIMULADO COLÉGIO MARQUES RODRIGUES - SIMULADO Estrada da Água Branca, 2551 Realengo RJ Tel: (21) 3462-7520 www.colegiomr.com.br PROFESSOR ALUNO ANA CAROLINA DISCIPLINA GEOGRAFIA A TURMA SIMULADO: P3 501 Questão

Leia mais

Manguezais. As florestas da. Amazônia costeira. 34 CiênCia Hoje vol. 4 4 nº 264

Manguezais. As florestas da. Amazônia costeira. 34 CiênCia Hoje vol. 4 4 nº 264 Manguezais As florestas da Amazônia costeira 34 CiênCia Hoje vol. 4 4 nº 264 Os manguezais da costa amazônica, distribuídos por Amapá, Pará e Maranhão, ocupam uma área de 9 mil km2 e correspondem a 70%

Leia mais

INFLUÊNCIA DOS FACTORES DO MEIO ADAPTAÇÕES MORFOLÓGICAS

INFLUÊNCIA DOS FACTORES DO MEIO ADAPTAÇÕES MORFOLÓGICAS INFLUÊNCIA DOS FACTORES DO MEIO A variação de factores do meio, como a luz, a humidade e a temperatura, pode determinar nos animais: - adaptações morfológicas ou - alterações no comportamento nos animais

Leia mais

Projeto Rainha Solidária CEMIG D MEL NOBRE MEL NOBRE. dilzair@cemig.com.br melnobregv@hotmail.com mnunesmenezes@uol.com.br CEMIG D CEMIG D CEMIG D

Projeto Rainha Solidária CEMIG D MEL NOBRE MEL NOBRE. dilzair@cemig.com.br melnobregv@hotmail.com mnunesmenezes@uol.com.br CEMIG D CEMIG D CEMIG D XIX Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica SENDI 2010 22 a 26 de novembro São Paulo - SP - Brasil Projeto Rainha Solidária Dilzair Alvimar de Oliveira Nelson Gonçalves da Silva Marcos Nunes

Leia mais

Manguezal. Alimento, Trabalho. e Renda. Manejo de Manguezal = Garantia de

Manguezal. Alimento, Trabalho. e Renda. Manejo de Manguezal = Garantia de Manguezal Manejo de Manguezal = Garantia de e Renda Alimento, Trabalho Geilson Silva Tenório Julita Jaciara de Araújo Silva Tenório Elbert Herison Mesquita Pereira Dados para catalogação na fonte Setor

Leia mais

enxertia de araucária para produção de pinhão

enxertia de araucária para produção de pinhão enxertia de araucária para produção de pinhão A Araucaria angustifolia, espécie quase exclusiva do Brasil, está ameaçada de extinção, restando apenas 2 a 3% de sua área original. Neste sentido, é fundamental

Leia mais

O nome Camaleão significa Leão da Terra e é derivado das palavras gregas Chamai (na terra, no chão) e Leon (leão).

O nome Camaleão significa Leão da Terra e é derivado das palavras gregas Chamai (na terra, no chão) e Leon (leão). Nome científico: Chamaeleo chamaeleon Nome popular: camaleão-comum Classe: Reptilia Ordem: Squamata Subordem: Sauria Família: Chamaeleontidae Etimologia: O nome Camaleão significa Leão da Terra e é derivado

Leia mais

ANEXO CHAMADA III DESENVOLVIMENTO DE AÇÕES PARA GESTÃO E AVALIAÇÃO DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO ESTADUAIS

ANEXO CHAMADA III DESENVOLVIMENTO DE AÇÕES PARA GESTÃO E AVALIAÇÃO DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO ESTADUAIS ANEXO CHAMADA III DESENVOLVIMENTO DE AÇÕES PARA GESTÃO E AVALIAÇÃO DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO ESTADUAIS OBJETIVO Esta chamada tem por objetivo financiar projetos relacionados a ações de gestão e avaliação

Leia mais