APRESENTAÇÃO DA SÉRIE FEDERAÇÃO DE ÓRGÃOS PARA ASSISTÊNCIA SOCIAL E EDUCACIONAL (FASE)

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "APRESENTAÇÃO DA SÉRIE FEDERAÇÃO DE ÓRGÃOS PARA ASSISTÊNCIA SOCIAL E EDUCACIONAL (FASE)"

Transcrição

1 APRESENTAÇÃO DA SÉRIE FEDERAÇÃO DE ÓRGÃOS PARA ASSISTÊNCIA SOCIAL E EDUCACIONAL (FASE) Esta série contempla documentos produzidos pela Fase Federação de Órgãos Para Assistência Social e Educacional. Trata-se de cartilhas utilizadas para o trabalho educativo junto aos trabalhadores rurais e para o trabalho de educação popular executado pela Fase, além de documentos institucionais. Está organizada em três dossiês independentes (Educação Popular, Planejamento e Estrutura; e Sindicalismo Rural) e possui três subséries (Campanhas; Estudos e Reflexões; Programas e Projetos).

2 DESCRIÇÃO: FUNDO: MOVIMENTOS SOCIAIS E POLÍTICAS PÚBLICAS NO CAMPO CONJUNTO: ORGANIZAÇÕES NÃO GOVERNAMENTAIS SUBSÉRIE: CAMPANHAS DOSSIÊ: Campanha O Brasil tem fome de direitos CLASSIFICAÇÃO: FUNDO: MSPP CONJUNTO: ong SUBSÉRIE: cam COMPLEMENTO:cfd CÓDIGO: MSPP/Ong Fase.cam.cfd DOCUMENTOS NÚMERO DE PASTAS: 01 PRODUÇÃO: PERÍODO: 00/00/2004 ANO DE: 2004 PRECISÃO DE DATA SEM DATA [ ] DATA EXATA [ ] DATA PROVÁVEL [x] DÉCADA CERTA [ ] DÉCADA PROVÁVEL [ ]

3 RESUMO: Trata-se de documentação a respeito da Campanha O Brasil tem fome de direitos, como a apresentação da proposta de campanha, os resultados parciais, comentários a respeito da campanha e material de divulgação sobre a mesma. NOTAS: OBSERVAÇÕES: A campanha teve como objetivo a divulgação do artigo 6 da Constituição Federal de forma a exigir do Estado o cumprimento dos direitos sociais ali estabelecidos através de políticas públicas. ANEXOS: REMISSIVAS DESCRITORES: Campanha O Brasil tem fome de direitos (Fase) Constituição Federal (1988) Direitos sociais Fase Federação de Órgãos Para Assistência Social e Educacional Legislação

4 DESCRIÇÃO FUNDO: MOVIMENTOS SOCIAIS E POLÍTICAS PÚBLICAS NO CAMPO CONJUNTO: ORGANIZAÇÕES NÃO GOVERNAMENTAIS SUBSÉRIE: Estudos e Reflexões DOSSIÊ: Diversos CLASSIFICAÇÃO FUNDO: MSPP CONJUNTO: ong SUBSÉRIE: er COMPLEMENTO:di CÓDIGO: MSPP/ong FASE.er.di DOCUMENTOS NÚMERO DE PASTAS: 01 PRODUÇÃO: PERÍODO: 01/10/1973 a 00/12/1998 ANO DE: 1973 até 1998 PRECISÃO DE DATA SEM DATA [ ] DATA EXATA [x] DATA PROVÁVEL [ ] DÉCADA CERTA [ ] DÉCADA PROVÁVEL [ ]

5 RESUMO Trata-se de reflexões produzidas pela Fase (Federação de Órgãos Para Assistência Social e Educacional) de assuntos diversos que não possuem, atualmente, uma identidade comum além da perspectiva sobre o campo. São textos como: os aspectos históricos da formação do latifúndio no Brasil; o processo de desenvolvimento capitalista no campo; o trabalho com assalariados rurais; a violência contra trabalhadores rurais; entre outros. NOTAS: OBSERVAÇÕES: Consta ainda três números do boletim Fase Hoje (1998) ANEXOS: REMISSIVAS: DESCRITORES Agricultura alternativa Assalariados rurais Banco Mundial Constituição Federal Democratização do campo Expansão capitalista Fase Federação de Órgãos Para Assistência Social e Educacional Latifúndio Luta pela terra Previdência social Propriedades físicas do solo Reforma agrária Trabalhador rural Violência no campo

6 DESCRIÇÃO FUNDO: MOVIMENTOS SOCIAIS E POLÍTICAS PÚBLICAS NO CAMPO CONJUNTO: ORGANIZAÇÕES NÃO GOVERNAMENTAIS SUBSÉRIE: Estudos e Reflexões DOSSIÊ: Norte CLASSIFICAÇÃO FUNDO: MSPP CONJUNTO: ong SUBSÉRIE: er COMPLEMENTO:n CÓDIGO: MSPP/ong FASE.er.n DOCUMENTOS NÚMERO DE PASTAS: 01 PRODUÇÃO PERÍODO: 00/03/1991 a 00/00/2001 ANO DE: 1991 até 2001 PRECISÃO DE DATA SEM DATA [ ] DATA EXATA [x] DATA PROVÁVEL [ ] DÉCADA CERTA [ ] DÉCADA PROVÁVEL [ ]

7 RESUMO A documentação refere-se a estudos e reflexões produzidas pela Fase Pará/Amazônia (Federação de Órgãos Para Assistência Social e Educacional) sobre questões no Norte do Brasil. Possuem temáticas diversas como: a questão do desenvolvimento sustentável; a expansão econômica da Amazônia; publicação sobre instituições financeiras internacionais e investimentos nas políticas agrárias; propostas alternativas de assistência técnica e extensão rural para a Amazônia. NOTAS OBSERVAÇÕES: ANEXOS: REMISSIVAS DESCRITORES Acre Amazônia Ater Assistência Técnica e Extensão Rural Banco Mundial Belém (PA) BID Banco Interamericano de Desenvolvimento Democratização do campo Desenvolvimento regional Fase Federação de Órgãos Para Assistência Social e Educacional FMI Fundo Monetário Internacional FNO Fundo Constitucional de Financiamento do Norte Governo Fernando Henrique Cardoso ( ) Reforma agrária Rondônia Tocantins Trabalhador rural

8 DESCRIÇÃO: FUNDO: MOVIMENTOS SOCIAIS E POLÍTICAS PÚBLICAS NO CAMPO CONJUNTO: ORGANIZAÇÕES NÃO GOVERNAMENTAIS SUBSÉRIE: Estudos e Reflexões DOSSIÊ: Nordeste CLASSIFICAÇÃO FUNDO: MSPP CONJUNTO: ong SUBSÉRIE: er COMPLEMENTO:ne CÓDIGO: MSPP/ong FASE.er.ne DOCUMENTOS NÚMERO DE PASTAS: 02 PRODUÇÃO PERÍODO: 00/11/1972 até 00/00/1995 ANO DE: 1972 até 1995 PRECISÃO DE DATA SEM DATA [ ] DATA EXATA [x] DATA PROVÁVEL [ ] DÉCADA CERTA [ ] DÉCADA PROVÁVEL [ ]

9 RESUMO Trata-se de documentação diversa sobre os estados do Nordeste produzida pela Fase (Federação de Órgãos Para Assistência Social e Educacional). São documentos como: estudo sobre a situação salarial dos canavieiros nordestinos; história dos plantadores de tomate e fábrica de peixe no agreste meridional de Pernambuco; estudo sobre os mandioqueiros e a cooperativa de Calçado (PE); um diagnóstico da miséria do Nordeste; um perfil da realidade do Estado do Maranhão; relatório do II Seminário sobre condições de vida e saúde dos trabalhadores canavieiros, realizado em São Miguel dos Campos (AL); trabalho sobre violência e processos de trabalho no complexo sucroalcooleiro em Alagoas; entre outros. NOTAS OBSERVAÇÕES: ANEXOS: REMISSIVAS DESCRITORES Alagoas Assalariados rurais Cooperativismo Cultura da cana de açúcar Democratização do campo Desenvolvimento regional Fase Federação de Órgãos Para Assistência Social e Educacional Maranhão Nordeste Pernambuco Proálcool Programa Nacional do Álcool Relações de trabalho no campo Salário rural Seminário sobre Condições de Trabalho Canavieiro (Maceió/AL, I, 1990) Seminário sobre Condições de Vida e Saúde dos Trabalhadores Canavieiros (AL, II, 1993) Setor sucroalcooleiro Sindicalismo Trabalhador rural

10 DESCRIÇÃO FUNDO: MOVIMENTOS SOCIAIS E POLÍTICAS PÚBLICAS NO CAMPO CONJUNTO: ORGANIZAÇÕES NÃO GOVERNAMENTAIS SUBSÉRIE: Estudos e Reflexões DOSSIÊ: Organização Sindical CLASSIFICAÇÃO: FUNDO: MSPP CONJUNTO: ong SUBSÉRIE: er COMPLEMENTO:os CÓDIGO: MSPP/ong FASE.er.os DOCUMENTOS NÚMERO DE PASTAS: 01 PRODUÇÃO PERÍODO: 00/00/1984 a 13/05/1985 ANO DE: 1984 até 1985 PRECISÃO DE DATA SEM DATA [ ] DATA EXATA [x] DATA PROVÁVEL [ ] DÉCADA CERTA [ ] DÉCADA PROVÁVEL [ ]

11 RESUMO Trata-se de estudos e reflexões produzidos pela Fase (Federação de Órgãos Para Assistência Social e Educacional) sobre a organização sindical no Brasil. NOTAS OBSERVAÇÕES: ANEXOS: REMISSIVAS: DESCRITORES: Fase Federação de Órgãos Para Assistência Social e Educacional Organização sindical Relações de trabalho Sindicalismo Trabalhador rural

12 DESCRIÇÃO: FUNDO: MOVIMENTOS SOCIAIS E POLÍTICAS PÚBLICAS NO CAMPO CONJUNTO: ORGANIZAÇÕES NÃO GOVERNAMENTAIS SUBSÉRIE: Estudos e Reflexões DOSSIÊ: Sudeste CLASSIFICAÇÃO: FUNDO: MSPP CONJUNTO: ong SUBSÉRIE: er COMPLEMENTO:se CÓDIGO: MSPP/ong FASE.er.se DOCUMENTOS NÚMERO DE PASTAS: 01 PRODUÇÃO PERÍODO: 00/05/1991 até 00/00/2003 ANO DE: 1991 até 2003 PRECISÃO DE DATA SEM DATA [ ] DATA EXATA [x] DATA PROVÁVEL [ ] DÉCADA CERTA [ ] DÉCADA PROVÁVEL [ ]

13 RESUMO A documentação refere-se a estudos e reflexões produzidos pela Fase (Federação de Órgãos Para Assistência Social e Educacional) sobre questões em São Paulo e no Espírito Santo. Possuem temáticas diversas como: o movimento sindical de assalariados rurais em Ribeirão Preto; sindicalismo e negociações coletivas; intervenções no setor sucroalcooleiro em Ribeirão Preto; produção de carvão vegetal no Espírito Santo; entre outros. NOTAS OBSERVAÇÕES: ANEXOS: REMISSIVAS DESCRITORES Assalariados rurais Aracruz Celulose S.A. Campanha salarial Democratização do campo Desenvolvimento regional Eca Agência de Crédito de Exportação Espírito Santo Fase Federação de Órgãos Para Assistência Social e Educacional Próalcool Programa Nacional do Álcool Relações de trabalho Ribeiro Preto (SP) São Paulo Sindicalismo Trabalhador rural

14 DESCRIÇÃO FUNDO: MOVIMENTOS SOCIAIS E POLÍTICAS PÚBLICAS NO CAMPO CONJUNTO: ORGANIZAÇÕES NÃO GOVERNAMENTAIS SUBSÉRIE: Programas e Projetos DOSSIÊ: Diversos CLASSIFICAÇÃO: FUNDO: MSPP CONJUNTO: ong SUBSÉRIE: pp COMPLEMENTO:di CÓDIGO: MSPP/ong FASE.pp.di DOCUMENTOS NÚMERO DE PASTAS: 02 PRODUÇÃO PERÍODO: 00/05/1991 a 00/00/1998 ANO DE: 1991 até 1998 PRECISÃO DE DATA SEM DATA [ ] DATA EXATA [x] DATA PROVÁVEL [ ] DÉCADA CERTA [ ] DÉCADA PROVÁVEL [ ]

15 RESUMO A documentação refere-se a programas e projetos desenvolvidos pela Fase (Federação de Órgãos Para Assistência Social e Educacional). São eles: o Programa Trabalho e Cidadania em Complexos Agroindustriais; o Programa Núcleo Trabalho e Renda; Programa Piloto para a Amazônia. NOTAS OBSERVAÇÕES: ANEXOS: REMISSIVAS: DESCRITORES Amazônia Agroindústria Assalariados rurais Democratização do campo Fase Federação de Órgãos Para Assistência Social e Educacional Próalcool Programa Nacional do Álcool Programa Núcleo Trabalho e Renda (Fase) PTCCAI Programa Trabalho e Cidadania nos Complexos Agroindustriais (Fase) Relações de trabalho Ribeirão Preto (SP) Setor canavieiro Sindicalismo Trabalhador rural

16 DESCRIÇÃO FUNDO: MOVIMENTOS SOCIAIS E POLÍTICAS PÚBLICAS NO CAMPO CONJUNTO: ORGANIZAÇÕES NÃO GOVERNAMENTAIS SUBSÉRIE: Programas e Projetos DOSSIÊ: Sedepe Seter de Pesquisa e Debates (Fase) CLASSIFICAÇÃO FUNDO: MSPP CONJUNTO: ong SUBSÉRIE: pp COMPLEMENTO:sed CÓDIGO: MSPP/ong FASE.pp.sed DOCUMENTOS NÚMERO DE PASTAS: 02 PRODUÇÃO PERÍODO: Décadas de 1980 e 1990 ANO DE: Décadas de 1980 e 1990 PRECISÃO DE DATA SEM DATA [ ] DATA EXATA [ ] DATA PROVÁVEL [ ] DÉCADA CERTA [x] DÉCADA PROVÁVEL [ ]

17 RESUMO O dossiê traz documentos do Sedepe (Setor de Pesquisa e Debates/Fase), sua proposta de trabalho, programas desenvolvidos, relatório de atividades, convênios realizados; entre outros. NOTAS OBSERVAÇÕES: O Sedepe situa-se na interseção entre práticas sociais e reflexão teórica, entre a pesquisa e o movimento popular. Visa desenvolver com os trabalhadores e os grupos populares, análises que atendam às suas práticas sociais. Trata-se de um espaço de encontro entre movimento popular, educadores/assessores e pesquisadores para socialização do conhecimento. ANEXOS: REMISSIVAS: DESCRITORES Fase Federação de Órgãos Para Assistência Social e Educacional Relações de trabalho Sedepe Setor de Pesquisa e Debates (Fase) Sindicalismo Trabalhador rural

18 DESCRIÇÃO FUNDO: MOVIMENTOS SOCIAIS E POLÍTICAS PÚBLICAS NO CAMPO CONJUNTO: ORGANIZAÇÕES NÃO GOVERNAMENTAIS SUBSÉRIE: DOSSIÊ: Educação popular CLASSIFICAÇÃO: FUNDO: MSPP CONJUNTO: ONG SÉRIE: fase SUBSÉRIE: COMPLEMENTO:ep CÓDIGO: MSPP/Ong Fase.ep DOCUMENTOS NÚMERO DE PASTAS: 03 PRODUÇÃO PERÍODO: 00/00/1985 a 00/00/2011 ANO DE: 1985 até 2011 PRECISÃO DE DATA SEM DATA [ ] DATA EXATA [ ] DATA PROVÁVEL [x] DÉCADA CERTA [ ] DÉCADA PROVÁVEL [ ]

19 RESUMO: Trata-se das cartilhas utilizadas para o trabalho de educação popular executado pela Fase. NOTAS: OBSERVAÇÕES: Destaque para cartilha com entrevista de Jorge Eduardo Saavedra Durão, então coordenador da Fase. Destacamos também os cordéis produzidos pelos trabalhadores, bem como os cadernos de memória resultado do trabalho com as comunidades. ANEXOS: REMISSIVAS DESCRITORES: Amazônia Alagoinhas (PE) Banco de semente Cidades periurbanas Contag - Confederação Nacional dos Trabalhadores na Agricultura Direito a Justiça Ecologia Fase Federação de Órgãos Para Assistência Social e Educacional Legislação trabalhista Literatura de Cordel Luta pela terra Mulher Parceria Pesqueira (PE) Poção (PE) Posseiro Produção de peixe Reforma agrária Sanharó (PE) São Bento do Uma (PE) Seca Sindicalismo

20 DESCRIÇÃO FUNDO: MOVIMENTOS SOCIAIS E POLÍTICAS PÚBLICAS NO CAMPO CONJUNTO: ORGANIZAÇÕES NÃO GOVERNAMENTAIS SÉRIE: Fase SUBSÉRIE: DOSSIÊ: Planejamento e estrutura CLASSIFICAÇÃO: FUNDO: MSPP CONJUNTO: ONG SÉRIE: Fase SUBSÉRIE: COMPLEMENTO:pe CÓDIGO: MSPP/ Ong Fase.pe DOCUMENTOS NÚMERO DE PASTAS: 03 PRODUÇÃO PERÍODO: 00/00/1975 a 14/08/2003 ANO DE: 1975 até 2003 PRECISÃO DE DATA SEM DATA [ ] DATA EXATA [x] DATA PROVÁVEL [ ] DÉCADA CERTA [ ] DÉCADA PROVÁVEL [ ]

21 RESUMO Traz documentos institucionais da organização, tais como relatórios anuais; planos trienais; correspondências; posicionamento frente a diferentes assuntos; entre outros. NOTAS OBSERVAÇÕES: ANEXOS: REMISSIVAS DESCRITORES Assalariado rural Banco Mundial Fase Federação de Órgãos Para Assistência Social e Educacional Grito da Terra Brasil Luiz Antonio da Silva (Fase) Maria Izabel V. Botelho (Fase) PCT Programa Cédula da Terra Projeto institucional Rosemeire A. Scopinho (Fase/SP) Transgênicos

22 DESCRIÇÃO FUNDO: MOVIMENTOS SOCIAIS E POLÍTICAS PÚBLICAS NO CAMPO CONJUNTO: ORGANIZAÇÕES NÃO GOVERNAMENTAIS SUBSÉRIE: DOSSIÊ: Sindicalismo rural CLASSIFICAÇÃO FUNDO: MSPP CONJUNTO: ONG SÉRIE: Fase SUBSÉRIE: COMPLEMENTO: sr CÓDIGO: MSPP/Ong Fase.sr DOCUMENTOS NÚMERO DE PASTAS: 01 PRODUÇÃO PERÍODO: Década de 1980 ANO DE: 1980 a 1986 PRECISÃO DE DATA SEM DATA [ ] DATA EXATA [ ] DATA PROVÁVEL[x] DÉCADA CERTA [ ] DÉCADA PROVÁVEL [ ]

23 RESUMO São cartilhas utilizadas para o trabalho educativo junto dos trabalhadores rurais nos estados de atuação da entidade. NOTAS OBSERVAÇÕES: ANEXOS: REMISSIVAS: DESCRITORES Acidente de trabalho Assalariado rural Campanha salarial Direitos trabalhistas Fase Federação de Órgãos Para Assistência Social e Educacional Fase (Vitória/ES) Lavrador Mão-de-obra volante Negociação coletiva Sindicalismo rural STR Sindicato de Trabalhadores Rurais União dos Palmares, Maceió (Alagoas)

APRESENTAÇÃO DA SÉRIE GRITOS

APRESENTAÇÃO DA SÉRIE GRITOS APRESENTAÇÃO DA SÉRIE GRITOS As mobilizações conhecidas como "Gritos ocorrem desde o início da década de 1990. O primeiro Grito do Campo aconteceu em maio de 1991 em Belém do Pará. O II Grito do Campo,

Leia mais

APRESENTAÇÃO DA SÉRIE REDE DE TECNOLOGIAS ALTERNATIVAS

APRESENTAÇÃO DA SÉRIE REDE DE TECNOLOGIAS ALTERNATIVAS APRESENTAÇÃO DA SÉRIE REDE DE TECNOLOGIAS ALTERNATIVAS Esta série agrega documentos sobre o PTA (Projeto Tecnologias Alternativas), sobre a ONG AS-PTA (Assessoria e Serviços a Projetos em Agricultura Alternativa),

Leia mais

APRESENTAÇÃO DA SÉRIE OUTROS MOVIMENTOS

APRESENTAÇÃO DA SÉRIE OUTROS MOVIMENTOS APRESENTAÇÃO DA SÉRIE OUTROS MOVIMENTOS A série abarca documentos de organizações importantes da luta pela terra no Brasil, composta por quatro dossiês: Movimento de Lavradores; Movimento dos Agricultores

Leia mais

APRESENTAÇÃO DA SÉRIE ORGANIZAÇÕES PARTIDÁRIAS

APRESENTAÇÃO DA SÉRIE ORGANIZAÇÕES PARTIDÁRIAS APRESENTAÇÃO DA SÉRIE ORGANIZAÇÕES PARTIDÁRIAS A série Organizações Partidárias traz os programas de governo e as diretrizes políticas de partidos políticos para as questões agrária e social no Brasil,

Leia mais

APRESENTAÇÃO DA SÉRIE INSTITUIÇÕES INTERNACIONAIS

APRESENTAÇÃO DA SÉRIE INSTITUIÇÕES INTERNACIONAIS APRESENTAÇÃO DA SÉRIE INSTITUIÇÕES INTERNACIONAIS Nesta série estão os documentos concernentes às diretrizes de órgãos internacionais para a política no campo. É composta por sete subséries: Banco Interamericano

Leia mais

FLUXO ATIVIDADES FINANCEIRAS, DE SEGUROS E SERVIÇOS RELACIONADOS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009

FLUXO ATIVIDADES FINANCEIRAS, DE SEGUROS E SERVIÇOS RELACIONADOS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 FLUXO ATIVIDADES FINANCEIRAS, DE SEGUROS E RELACIONADOS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA

Leia mais

APRESENTAÇÃO DA SÉRIE MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO AGRÁRIO (MDA)

APRESENTAÇÃO DA SÉRIE MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO AGRÁRIO (MDA) APRESENTAÇÃO DA SÉRIE MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO AGRÁRIO (MDA) Esta série reúne documentos produzidos pelo Ministério do Desenvolvimento Agrário e abrange o período entre a década de 1980 e os anos

Leia mais

APRESENTAÇÃO DA SÉRIE ENCONTROS E CONFERÊNCIAS

APRESENTAÇÃO DA SÉRIE ENCONTROS E CONFERÊNCIAS APRESENTAÇÃO DA SÉRIE ENCONTROS E CONFERÊNCIAS Trata-se de documentação concernente às atividades articuladas internacionalmente para debater questões sobre o desenvolvimento rural e as políticas agrárias

Leia mais

APRESENTAÇÃO DA SÉRIE ENCONTROS E CONFERÊNCIAS

APRESENTAÇÃO DA SÉRIE ENCONTROS E CONFERÊNCIAS APRESENTAÇÃO DA SÉRIE ENCONTROS E CONFERÊNCIAS Esta série apresenta encontros, conferências e reuniões entre países da América Hispânica. Atualmente compõe-se de três dossiês: Cumbre de los Pueblos de

Leia mais

RESGATE DOS ENCONTROS ANTERIORES

RESGATE DOS ENCONTROS ANTERIORES RESGATE DOS ENCONTROS ANTERIORES I ENCONTRO NACIONAL DE FORMAÇÃO ENAFOR, 24 a 28 de outubro de 2005 160 participantes da CONTAG e de 26 Federações (incluindo FETADFE) Mote: Construindo uma Política Nacional

Leia mais

APRESENTAÇÃO DA SÉRIE MOVIMENTO DOS TRABALHADORES RURAIS SEM TERRA (MST)

APRESENTAÇÃO DA SÉRIE MOVIMENTO DOS TRABALHADORES RURAIS SEM TERRA (MST) APRESENTAÇÃO DA SÉRIE MOVIMENTO DOS TRABALHADORES RURAIS SEM TERRA (MST) Série que reúne a documentação do MST. É composta pelos seguintes dossiês: Análises estruturais e conjunturais; Congressos; Cooperativismo

Leia mais

A EXTENSÃO RURAL NA REGIÃO SUL: PERSPECTIVA E SITUAÇÃO DOS PAÍSES BRASIL

A EXTENSÃO RURAL NA REGIÃO SUL: PERSPECTIVA E SITUAÇÃO DOS PAÍSES BRASIL A EXTENSÃO RURAL NA REGIÃO SUL: PERSPECTIVA E SITUAÇÃO DOS PAÍSES BRASIL Argileu Martins da Silva Secretário Adjunto/Diretor do DATER A FASE DA INOVAÇÃO Um Jeep, um homem, uma mulher desafiam os costumes

Leia mais

Grandes Regiões e Unidades da Federação: Esperança de vida ao nascer segundo projeção populacional: 1980, 1991-2030 - Ambos os sexos

Grandes Regiões e Unidades da Federação: Esperança de vida ao nascer segundo projeção populacional: 1980, 1991-2030 - Ambos os sexos e Unidades da Federação: Esperança de vida ao nascer segundo projeção populacional: 1980, 1991-2030 - Ambos os sexos Unidades da Federação 1980 1991 1992 1993 1994 1995 1996 1997 1998 1999 2000 2001 2002

Leia mais

FLUXO ATIVIDADES DOS SERVIÇOS DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009

FLUXO ATIVIDADES DOS SERVIÇOS DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 FLUXO ATIVIDADES DOS DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009

Leia mais

Serviço de Acolhimento para Adultos e Famílias: expansão e reordenamento

Serviço de Acolhimento para Adultos e Famílias: expansão e reordenamento Serviço de Acolhimento para Adultos e Famílias: expansão e reordenamento Brasília, 06/03/2014 Contextualização Em 2008, a Pesquisa Nacional sobre a População em Situação de Rua apontou que 76,15% da população

Leia mais

46ª 47ª 81ª 82ª 83ª 48ª 49ª

46ª 47ª 81ª 82ª 83ª 48ª 49ª Extraordinárias do Conselho Nacional do Meio Ambiente CONAMA realizadas nos exercícios 2006 e 2007 2006 2007 46ª Reunião Extraordinária do CONAMA, 21 e 22/02/2006 85ª Reunião Ordinária do CONAMA, 25 e

Leia mais

A LEI GERAL DE ATER, CHAMADAS PÚBLICAS E CONTRATOS DE ATER SEMINÁRIO DE BALANÇO ATER FEIRA DE SANTANA, 18/01/2012

A LEI GERAL DE ATER, CHAMADAS PÚBLICAS E CONTRATOS DE ATER SEMINÁRIO DE BALANÇO ATER FEIRA DE SANTANA, 18/01/2012 A LEI GERAL DE ATER, CHAMADAS PÚBLICAS E CONTRATOS DE ATER SEMINÁRIO DE BALANÇO ATER FEIRA DE SANTANA, 18/01/2012 Contexto Retomada dos Serviços de Assistência Técnica e Extensão Rural no país em 2003;

Leia mais

DATA AÇÕES GERAIS SECRETARIAS ENVOLVIDAS. Seminário estadual da CUT/AL; Capacitação para Diretores da FETAG sobre habitação Rural; (Centro Social)

DATA AÇÕES GERAIS SECRETARIAS ENVOLVIDAS. Seminário estadual da CUT/AL; Capacitação para Diretores da FETAG sobre habitação Rural; (Centro Social) PLANO DE AÇÃO AÇÕES GERAIS JANEIRO FEVEREIRO DATA AÇÕES GERAIS SECRETARIAS ENVOLVIDAS 24 e 25 Seminário estadual da CUT/AL; Todas 25 a 27 Plenária para Grito dos Assalariados; (CONTAG); 02 08 e 09 Capacitação

Leia mais

DISTRIBUIÇÃO DO CAPITAL SOCIAL NO BRASIL: UMA ANÁLISE DOS PADRÕES RECENTES

DISTRIBUIÇÃO DO CAPITAL SOCIAL NO BRASIL: UMA ANÁLISE DOS PADRÕES RECENTES DISTRIBUIÇÃO DO CAPITAL SOCIAL NO BRASIL: UMA ANÁLISE DOS PADRÕES RECENTES Barbara Christine Nentwig Silva Professora do Programa de Pós Graduação em Planejamento Territorial e Desenvolvimento Social /

Leia mais

Departamento de Geração de Renda e

Departamento de Geração de Renda e Departamento de Geração de Renda e Agregação de Valor - DGRAV ESTRUTURA DO MDA Gabinete do Ministro Secretaria Executiva Secretaria da Agricultura Familiar SAF Secretaria de Reordenamento Agrário - SRA

Leia mais

FLUXO TRANSPORTE AQUAVIÁRIO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009

FLUXO TRANSPORTE AQUAVIÁRIO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009 FLUXO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009 Estados Norte 0 0,00 0 0 0 0,00 Rondônia

Leia mais

Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro Programa de Pós-graduação de Ciências Sociais em Desenvolvimento, Agricultura e Sociedade (CPDA)

Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro Programa de Pós-graduação de Ciências Sociais em Desenvolvimento, Agricultura e Sociedade (CPDA) Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro Programa de Pós-graduação de Ciências Sociais em Desenvolvimento, Agricultura e Sociedade (CPDA) Relatório com as principais notícias divulgadas pela mídia

Leia mais

EDITAL PROCESSO SELETIVO 2013 - PROGRAMA NOSSAS CRIANÇAS

EDITAL PROCESSO SELETIVO 2013 - PROGRAMA NOSSAS CRIANÇAS EDITAL PROCESSO SELETIVO 2013 - PROGRAMA NOSSAS CRIANÇAS O seguinte edital tem por objetivo convidar organizações da sociedade civil a participarem do processo de seleção de projetos para obtenção de apoio

Leia mais

FLUXO ATIVIDADES DE SEDES DE EMPRESAS E DE CONSULTORIA EM GESTÃO EMPRESARIAL POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO DO ESTADO DA PARAÍBA 2009

FLUXO ATIVIDADES DE SEDES DE EMPRESAS E DE CONSULTORIA EM GESTÃO EMPRESARIAL POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO DO ESTADO DA PARAÍBA 2009 FLUXO ATIVIDADES DE SEDES DE EMPRESAS E DE CONSULTORIA EM GESTÃO EMPRESARIAL POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO DO ESTADO DA PARAÍBA 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO ATIVIDADES DE SEDES DE EMPRESAS

Leia mais

FLUXO DE ATIVIDADES DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE INFORMAÇÃO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009

FLUXO DE ATIVIDADES DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE INFORMAÇÃO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 FLUXO DE ATIVIDADES DE PRESTAÇÃO DE DE INFORMAÇÃO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO DE, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA -

Leia mais

INVESTIMENTOS, ABORDAGENS E ESFORÇOS COMUNS NO SANEAMENTO RURAL

INVESTIMENTOS, ABORDAGENS E ESFORÇOS COMUNS NO SANEAMENTO RURAL VI SEMINÁRIO NACIONAL DE SANEAMENTO RURAL I ENCONTRO LATINO-AMERICANO DE SANEAMENTO RURAL INVESTIMENTOS, ABORDAGENS E ESFORÇOS COMUNS NO SANEAMENTO RURAL Ernani Ciríaco de Miranda Diretor SNSA/MCIDADES

Leia mais

FLUXO FABRICAÇÃO DE VEÍCULOS AUTOMOTORES, REBOQUES E CARROCERIAS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009

FLUXO FABRICAÇÃO DE VEÍCULOS AUTOMOTORES, REBOQUES E CARROCERIAS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 FLUXO FABRICAÇÃO DE VEÍCULOS AUTOMOTORES, REBOQUES E CARROCERIAS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO

Leia mais

Termo de Referência INTRODUÇÃO E CONTEXTO

Termo de Referência INTRODUÇÃO E CONTEXTO Termo de Referência CONSULTORIA PARA AVALIAÇÃO DOS FINANCIAMENTOS DO BANCO DA AMAZÔNIA BASA, PARA FORTALECIMENTO DA AGENDA DE DESENVOLVIMENTO RURAL SUSTENTÁVEL DA AMAZÔNIA BRASILEIRA, COM DESTAQUE PARA

Leia mais

PROJETO ALTERNATIVO DE DESENVOLVIMENTO RURAL SUSTENTÁVEL E SOLIDÁRIO - PADRSS

PROJETO ALTERNATIVO DE DESENVOLVIMENTO RURAL SUSTENTÁVEL E SOLIDÁRIO - PADRSS SISTEMA CONTAG DE ORGANIZAÇÃO DA PRODUÇÃO SEC. DE POLÍTICA AGRÍCOLA - CONTAG - 1 PROJETO ALTERNATIVO DE DESENVOLVIMENTO RURAL SUSTENTÁVEL E SOLIDÁRIO - PADRSS SISTEMA CONTAG DE ORGANIZAÇÃO DA PRODUÇÃO

Leia mais

Políticas Educacionais para a Primeira Infância

Políticas Educacionais para a Primeira Infância Políticas Educacionais para a Primeira Infância Secretaria de Educação Básica A creche - Albert Samuel Anker Ministério da Educação Principais Marcos Normativos Constituição Federal - 1988 Lei de Diretrizes

Leia mais

Demonstrativo das Receitas Diretamente Arrecadadas por Órgão/Unidade Orçamentária

Demonstrativo das Receitas Diretamente Arrecadadas por Órgão/Unidade Orçamentária Demonstrativo das Receitas Diretamente Arrecadadas por Órgão/Unidade Orçamentária 01. 000 Câmara dos Deputados 1.462.885 1.388.134 74.751 01. 901 Fundo Rotativo da Câmara dos Deputados 1.462.885 1.388.134

Leia mais

Políticas de Desenvolvimento para as Mulheres Rurais a partir de uma perspectiva de Raça a e Gênero. Andrea Butto

Políticas de Desenvolvimento para as Mulheres Rurais a partir de uma perspectiva de Raça a e Gênero. Andrea Butto Políticas de Desenvolvimento para as Mulheres Rurais a partir de uma perspectiva de Raça a e Gênero Andrea Butto Ministério do Desenvolvimento Agrário Temas abordados Estados assumiram compromissos que

Leia mais

No entanto, a efetividade desses dispositivos constitucionais está longe de alcançar sua plenitude.

No entanto, a efetividade desses dispositivos constitucionais está longe de alcançar sua plenitude. A MULHER NA ATIVIDADE AGRÍCOLA A Constituição Federal brasileira estabelece no caput do art. 5º, I, que homens e mulheres são iguais em direitos e obrigações e reconhece no dispositivo 7º a igualdade de

Leia mais

Dimensão social. Educação

Dimensão social. Educação Dimensão social Educação 218 Indicadores de desenvolvimento sustentável - Brasil 2004 36 Taxa de escolarização Representa a proporção da população infanto-juvenil que freqüenta a escola. Descrição As variáveis

Leia mais

Projeto Alvorada: ação onde o Brasil é mais pobre

Projeto Alvorada: ação onde o Brasil é mais pobre Projeto Alvorada: ação onde o Brasil é mais pobre N o Brasil há 2.361 municípios, em 23 estados, onde vivem mais de 38,3 milhões de pessoas abaixo da linha de pobreza. Para eles, o Governo Federal criou

Leia mais

JORNADA DAS MARGARIDAS 2013

JORNADA DAS MARGARIDAS 2013 JORNADA DAS MARGARIDAS 2013 PAUTA INTERNA 1 - ORGANIZAÇÃO E PARTICIPAÇÃO SINDICAL 1 Assegurar condições de igualdade para homens e mulheres exercerem com autonomia o trabalho sindical nas diversas secretarias

Leia mais

Ministério da Cultura

Ministério da Cultura SISTEMA NACIONAL DE CULTURA Processo de articulação, gestão, comunicação e de promoção conjunta de políticas públicas de cultura, mediante a pactuação federativa. Objetivo Geral do SNC Implementar políticas

Leia mais

Escola de Políticas Públicas

Escola de Políticas Públicas Escola de Políticas Públicas Política pública na prática A construção de políticas públicas tem desafios em todas as suas etapas. Para resolver essas situações do dia a dia, é necessário ter conhecimentos

Leia mais

Uma Nova Agenda para a Reforma do

Uma Nova Agenda para a Reforma do Uma Nova Agenda para a Reforma do Setor Saúde: Fortalecimento das Funções Essenciais da Saúde Pública e dos Sistemas de Saúde FORO REGIONAL ANTIGUA/GUATEMALA 19-22 DE JULHO DE 2004 PERSPECTIVAS NACIONAIS

Leia mais

Política Nacional de Educação Infantil. Secretaria de Educação Básica Ministério da Educação

Política Nacional de Educação Infantil. Secretaria de Educação Básica Ministério da Educação Política Nacional de Educação Infantil Secretaria de Educação Básica Ministério da Educação Principais Marcos Normativos Constituição Federal - 1988 Lei de Diretrizes e Bases (LDB) - 1996 Estatuto da Criança

Leia mais

PROJETOS ESPECIAIS DE QUALIFICAÇÃO PROESQs

PROJETOS ESPECIAIS DE QUALIFICAÇÃO PROESQs PROJETOS ESPECIAIS DE QUALIFICAÇÃO PROESQs As metodologias, currículos e demais tecnologias sociais elaborados no âmbito dos PROESQs são de caráter público e encontram-se disponíveis para utilização. Os

Leia mais

Boletim Informativo. Junho de 2015

Boletim Informativo. Junho de 2015 Boletim Informativo Junho de 2015 Extrato Geral Brasil 1 EXTRATO BRASIL ÁREA ** 397.562.970 ha 227.679.854 ha 57,27% Número de Imóveis cadastrados: 1.727.660 Observações: Dados obtidos do Sistema de Cadastro

Leia mais

PROJETO DE DESENVOLVIMENTO RURAL SUSTENTÁVEL DO ESTADO DA BAHIA. Banco Mundial

PROJETO DE DESENVOLVIMENTO RURAL SUSTENTÁVEL DO ESTADO DA BAHIA. Banco Mundial PROJETO DE DESENVOLVIMENTO RURAL SUSTENTÁVEL DO ESTADO DA BAHIA POR QUE O PROJETO Decisão Estratégica do Governo do Estado da Bahia Necessidade de avançar na erradicação da pobreza rural Existência de

Leia mais

O QUE É. Uma política de governo para redução da pobreza e da fome utilizando a energia como vetor de desenvolvimento. Eletrobrás

O QUE É. Uma política de governo para redução da pobreza e da fome utilizando a energia como vetor de desenvolvimento. Eletrobrás O QUE É Uma política de governo para redução da pobreza e da fome utilizando a energia como vetor de desenvolvimento 1 QUEM SÃO Total de Pessoas: 12.023.703 84% Rural 16% Urbano Total: 10.091.409 Total:

Leia mais

Figura 1: Distribuição de CAPS no Brasil, 25. RORAIMA AMAPÁ AMAZONAS PARÁ MARANHÃO CEARÁ RIO GRANDE DO NORTE PAIUÍ PERNAMBUCO ACRE ALAGOAS SERGIPE TOCANTINS RONDÔNIA PARAÍBA BAHIA MATO GROSSO DISTRITO

Leia mais

INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA. TERMO DE REFERÊNCIA CONS - OPE 03 01 Vaga

INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA. TERMO DE REFERÊNCIA CONS - OPE 03 01 Vaga INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA TERMO DE REFERÊNCIA CONS - OPE 03 01 Vaga 1. IDENTIFICAÇÃO DA CONSULTORIA Consultoria para promover estudos, formular proposições e apoiar as Unidades

Leia mais

Anexo II - Programas de Gestão, Manutenção e Serviços ao Estado

Anexo II - Programas de Gestão, Manutenção e Serviços ao Estado Anexo II - Programas de Gestão, Manutenção e Serviços ao Estado PROGRAMA: 0553 - Atuação Legislativa da Câmara dos Deputados 3.185.780 9.806.513 Despesas Correntes 2.978.153 9.065.847 Despesas de Capital

Leia mais

PROGRAMA: 0553 - Atuação Legislativa da Câmara dos Deputados. PROGRAMA: 0551 - Atuação Legislativa do Senado Federal

PROGRAMA: 0553 - Atuação Legislativa da Câmara dos Deputados. PROGRAMA: 0551 - Atuação Legislativa do Senado Federal PROGRAMA: 0553 - Atuação Legislativa da Câmara dos Deputados 3.172.280 9.772.013 Despesas Correntes 2.964.653 9.031.347 Despesas de Capital 207.627 740.666 3.172.280 12.944.292 9.772.013 PROGRAMA: 0551

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa LEI Nº 11.914, DE 20 DE MAIO DE 2003. (publicada no DOE nº 096, de 21 de maio de 2003) Cria o Conselho de Segurança

Leia mais

Boletim Informativo. Maio de 2015. * Errata: Tabela Fonte de Dados - Por Estado

Boletim Informativo. Maio de 2015. * Errata: Tabela Fonte de Dados - Por Estado Boletim Informativo Maio de 2015 * Errata: Tabela Fonte de Dados - Por Estado Extrato Geral Brasil EXTRATO BRASIL ÁREA ** 397.562.970 ha 212.920.419 ha 53,56 % Número de Imóveis cadastrados: 1.530.443

Leia mais

Painel 1: Agricultura e Segurança Alimentar e Nutricional

Painel 1: Agricultura e Segurança Alimentar e Nutricional Painel 1: Agricultura e Segurança Alimentar e Nutricional Relatora Elíria Alves Teixeira Engenheira Agrônoma, M.Sc. Coordenadora da Câmara Especializada de Agronomia CREA/GO Presidente do Colegiado de

Leia mais

75,4. 1,95 mulher, PNAD/08) Taxa de analfabetismo (15 anos ou mais em %) 4,4% População urbana 5.066.324

75,4. 1,95 mulher, PNAD/08) Taxa de analfabetismo (15 anos ou mais em %) 4,4% População urbana 5.066.324 SEMINÁRIO ESTRUTURA E PROCESSO DA NEGOCIAÇÃO COLETIVA CONJUNTURA DO SETOR RURAL E MERCADODETRABALHOEMSANTA DE EM CATARINA CONTAG CARACTERÍSTICAS C C S GERAIS CARACTERÍSTICA GERAIS DE SANTA CATARINA Área

Leia mais

DR. SIZENANDO DA SILVA CAMPOS JÚNIORJ DIRETOR PRESIDENTE DA UNIMED GOIÂNIA

DR. SIZENANDO DA SILVA CAMPOS JÚNIORJ DIRETOR PRESIDENTE DA UNIMED GOIÂNIA DR. SIZENANDO DA SILVA CAMPOS JÚNIORJ DIRETOR PRESIDENTE DA UNIMED GOIÂNIA Lei 5764/71 de 16/12/1971 COOPERATIVA DE 3º GRAU CONFEDERAÇÃO COOPERATIVA DE 2º GRAU FEDERAÇÃO OU CENTRAL COOPERATIVA DE 1º GRAU

Leia mais

POLÍTICAS PUBLICAS E AGRICULTURA FAMILIAR. FORTALEZA, 21 de novembro de 2014

POLÍTICAS PUBLICAS E AGRICULTURA FAMILIAR. FORTALEZA, 21 de novembro de 2014 POLÍTICAS PUBLICAS E AGRICULTURA FAMILIAR FORTALEZA, 21 de novembro de 2014 Crédito e Proteção DFPP Assistência Técnica DATER Comercialização e Organização Produtiva DGRAV Secretaria da AGRICULTURA FAMILIAR

Leia mais

Tabela 1 - Conta de produção por operações e saldos, segundo as Grandes Regiões e as Unidades da Federação - 2004-2008

Tabela 1 - Conta de produção por operações e saldos, segundo as Grandes Regiões e as Unidades da Federação - 2004-2008 (continua) Produção 5 308 622 4 624 012 4 122 416 3 786 683 3 432 735 1 766 477 1 944 430 2 087 995 2 336 154 2 728 512 Consumo intermediário produtos 451 754 373 487 335 063 304 986 275 240 1 941 498

Leia mais

Desenvolvimento Rural Sustentável na Abordagem Territorial. Alexandre da Silva Santos Consultor da SDT/MDA Balneário Camboriu, Novembro de 2011

Desenvolvimento Rural Sustentável na Abordagem Territorial. Alexandre da Silva Santos Consultor da SDT/MDA Balneário Camboriu, Novembro de 2011 Desenvolvimento Rural Sustentável na Abordagem Territorial Alexandre da Silva Santos Consultor da SDT/MDA Balneário Camboriu, Novembro de 2011 Apresentação: Território Rural de Identidade; Programa Territórios

Leia mais

Ministério da Cultura Secretaria de Articulação Institucional SAI

Ministério da Cultura Secretaria de Articulação Institucional SAI Secretaria de Articulação Institucional SAI Seminário Metas do Plano e dos Sistemas Municipal, Estadual e Nacional de Cultura Vitória-ES 05/Dez/2011 Secretaria de Articulação Institucional SAI A Construção

Leia mais

Desenvolvimento da Agricultura Irrigada no Brasil, sob Cenários Sustentáveis (PCT BRA/IICA/08/002)

Desenvolvimento da Agricultura Irrigada no Brasil, sob Cenários Sustentáveis (PCT BRA/IICA/08/002) Desenvolvimento da Agricultura Irrigada no Brasil, sob Cenários Sustentáveis (PCT BRA/IICA/08/002) Data do Início: 01/01/2008 Data do Término: 31/12/2011 Valor: R$ 21.000.000,00 Objetivo: Desenvolvimento

Leia mais

NOVA SUDAM DESENVOLVIMENTO COM JUSTIÇA SOCIAL E CONSERVAÇÃO DOS RECURSOS NATURAIS NA AMAZÔNIA

NOVA SUDAM DESENVOLVIMENTO COM JUSTIÇA SOCIAL E CONSERVAÇÃO DOS RECURSOS NATURAIS NA AMAZÔNIA NOVA SUDAM DESENVOLVIMENTO COM JUSTIÇA SOCIAL E CONSERVAÇÃO DOS RECURSOS NATURAIS NA AMAZÔNIA ASIL DESIGUALDADES REGIONAIS E SUBREGIONA Mesorregiões TAXA DE CRESCIMENTO Crescimento Médio Anual do Produto

Leia mais

RETRATOS DA SOCIEDADE BRASILEIRA: PROBLEMAS E PRIORIDADES DO BRASIL PARA 2014 FEVEREIRO/2014

RETRATOS DA SOCIEDADE BRASILEIRA: PROBLEMAS E PRIORIDADES DO BRASIL PARA 2014 FEVEREIRO/2014 16 RETRATOS DA SOCIEDADE BRASILEIRA: PROBLEMAS E PRIORIDADES DO BRASIL PARA 2014 FEVEREIRO/2014 16 Retratos da Sociedade Brasileira: Problemas e Prioridades do Brasil para 2014 CONFEDERAÇÃO NACIONAL DA

Leia mais

O SORGO SACARINO É UMA ALTERNATIVA PARA COMPLEMENTO DA CANA-DE-AÇÚCAR NA PRODUÇÃO DE ETANOL E BIOMASSA PARA COGERAÇÃO DE ENERGIA.

O SORGO SACARINO É UMA ALTERNATIVA PARA COMPLEMENTO DA CANA-DE-AÇÚCAR NA PRODUÇÃO DE ETANOL E BIOMASSA PARA COGERAÇÃO DE ENERGIA. Seminário Temático Agroindustrial de Produção de Sorgo Sacarino para Bioetanol, 2. Ribeirão Preto, SP, 20-21/Setembro/2012. O SORGO SACARINO É UMA ALTERNATIVA PARA COMPLEMENTO DA CANA-DE-AÇÚCAR NA PRODUÇÃO

Leia mais

Política Nacional de Agroecologia e Produção Orgânica PNAPO BRASIL AGROECOLÓGICO

Política Nacional de Agroecologia e Produção Orgânica PNAPO BRASIL AGROECOLÓGICO Política Nacional de Agroecologia e Produção Orgânica PNAPO BRASIL AGROECOLÓGICO Sumário Contexto Processo de construção Estrutura do Decreto Objetivos e Interfaces Diretrizes Eixos e objetivos Medidas

Leia mais

Atuação do Banco do Nordeste

Atuação do Banco do Nordeste São Luis MA Novembro de 2012 Atuação do Banco do Nordeste O Banco do Nordeste tem como área básica de atuação os nove Estados da região Nordeste, o norte e os Vales do Mucuri e do Jequitinhonha do Estado

Leia mais

CARTA DE RIBEIRÃO PRETO

CARTA DE RIBEIRÃO PRETO CARTA DE RIBEIRÃO PRETO O Fórum de Inovação Tecnológica, Inclusão Social e Redes de Cooperação realizou-se no município de Ribeirão Preto nos dias 19 e 20 de Outubro de 2005. O Fórum pode ser considerado

Leia mais

PERFIL DOS ESTADOS E DOS MUNICÍPIOS BRASILEIROS: INCLUSÃO PRODUTIVA.

PERFIL DOS ESTADOS E DOS MUNICÍPIOS BRASILEIROS: INCLUSÃO PRODUTIVA. PERFIL DOS ESTADOS E DOS MUNICÍPIOS BRASILEIROS: INCLUSÃO PRODUTIVA. FICHA TÉCNICA Coordenação de População e Indicadores Sociais: Bárbara Cobo Soares Gerente de Pesquisas e Estudos Federativos: Antônio

Leia mais

Agência Nacional de Vigilância Sanitária

Agência Nacional de Vigilância Sanitária Agência Nacional de Vigilância Sanitária RESOLUÇÃO DE DIRETORIA COLEGIADA n 49/13 Esta resolução tem por objetivo aplicar no âmbito da vigilância sanitária as diretrizes e os objetivos do Decreto nº 7.492,

Leia mais

AÇÕES AGROECOLÓGICAS E DESENVOLVIMENTO RURAL: PRÁTICAS SUSTENTÁVEIS NO ASSENTAMENTO PRIMEIRO DO SUL CAMPO DO MEIO, MG. Área Temática: Meio Ambiente

AÇÕES AGROECOLÓGICAS E DESENVOLVIMENTO RURAL: PRÁTICAS SUSTENTÁVEIS NO ASSENTAMENTO PRIMEIRO DO SUL CAMPO DO MEIO, MG. Área Temática: Meio Ambiente AÇÕES AGROECOLÓGICAS E DESENVOLVIMENTO RURAL: PRÁTICAS SUSTENTÁVEIS NO ASSENTAMENTO PRIMEIRO DO SUL CAMPO DO MEIO, MG Área Temática: Meio Ambiente Responsável pelo trabalho: Artur Leonardo Andrade Universidade

Leia mais

TRATADO SOBRE AGRICULTURA SUSTENTÁVEL PREÂMBULO

TRATADO SOBRE AGRICULTURA SUSTENTÁVEL PREÂMBULO [25] TRATADO SOBRE AGRICULTURA SUSTENTÁVEL PREÂMBULO Entendendo que: 1. O sistema sócio-econômico e político internacionalmente dominante, ao qual se articula o modelo industrial de produção agrícola e

Leia mais

Expansão da Educação Infantil e o desafio da garantia do direito ao atendimento e à qualidade

Expansão da Educação Infantil e o desafio da garantia do direito ao atendimento e à qualidade Expansão da Educação Infantil e o desafio da garantia do direito ao atendimento e à qualidade Cem Linguagens Profª Ms. Maria de Jesus Araújo Ribeiro Dezembro/2013 Programa Nacional de Reestruturação e

Leia mais

A atividade agrícola e o espaço agrário. Prof. Bruno Batista

A atividade agrícola e o espaço agrário. Prof. Bruno Batista A atividade agrícola e o espaço agrário Prof. Bruno Batista A agropecuária É uma atividade primária; É obtida de forma muito heterogênea no mundo países desenvolvidos com agricultura moderna, e países

Leia mais

UCLEO DE ATIVIDADES, ESTUDOS E PESQUISA SOBRE EDUCAÇÃO, AMBIE TE E DIVERSIDADE CAPÍTULO I. DA NATUREZA E FINALIDADE(Vínculo)

UCLEO DE ATIVIDADES, ESTUDOS E PESQUISA SOBRE EDUCAÇÃO, AMBIE TE E DIVERSIDADE CAPÍTULO I. DA NATUREZA E FINALIDADE(Vínculo) Regimento Interno UCLEO DE ATIVIDADES, ESTUDOS E PESQUISA SOBRE EDUCAÇÃO, AMBIE TE E DIVERSIDADE CAPÍTULO I DA NATUREZA E FINALIDADE(Vínculo) Artigo 1º - O NEED, Núcleo de atividades, estudos e pesquisa

Leia mais

FLUXO ATIVIDADES ADMINISTRATIVAS E SERVIÇOS COMPLEMENTARES POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009

FLUXO ATIVIDADES ADMINISTRATIVAS E SERVIÇOS COMPLEMENTARES POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 FLUXO ATIVIDADES ADMINISTRATIVAS E COMPLEMENTARES POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009

Leia mais

Informalidade. É um dos principais obstáculos ao desenvolvimento do país.

Informalidade. É um dos principais obstáculos ao desenvolvimento do país. Informalidade Fenômeno revelador da heterogeneidade estrutural do mercado de trabalho brasileiro e da assimetria de poder entre trabalho e capital. Estabelece clara diferenciação no acesso à proteção social,

Leia mais

PLANO SAFRA DA PESCA E AQUICULTURA 2015/2016

PLANO SAFRA DA PESCA E AQUICULTURA 2015/2016 PLANO SAFRA DA PESCA E AQUICULTURA 2015/2016 PLANO SAFRA DA PESCA E AQUICULTURA 2015/2016 Pilares do PSPA CRÉDITO PROMOÇÃO PROMOÇÃO DO DO CONSUMO PESQUEIRO PSPA INFRAESTRUTURA ASSISTÊNCIA TÉCNICA COMERCIALI

Leia mais

Agenda Regional de Desenvolvimento Sustentável Eixo 4: Gestão Regional Integrada

Agenda Regional de Desenvolvimento Sustentável Eixo 4: Gestão Regional Integrada Agenda Regional de Desenvolvimento Sustentável Eixo 4: Gestão Regional Integrada 1 O Projeto Litoral Sustentável 1ª Fase (2011/2012): Diagnósticos municipais (13 municípios) Diagnóstico regional (Já integralmente

Leia mais

Painel IV: Panorama do Crédito no Banco do Brasil. Ary Joel de Abreu Lanzarin Diretor de Micro e Pequenas Empresas

Painel IV: Panorama do Crédito no Banco do Brasil. Ary Joel de Abreu Lanzarin Diretor de Micro e Pequenas Empresas Painel IV: Panorama do Crédito no Banco do Brasil Ary Joel de Abreu Lanzarin Diretor de Micro e Pequenas Empresas As diretrizes estratégicas dão foco ao negócio Perspectivas Simplificar e agilizar a utilização

Leia mais

"Movimentos Sociais e Políticas Públicas na Interface com o Campo de Conhecimento. Maria da Glória Gohn UNICAMP/CNPq

Movimentos Sociais e Políticas Públicas na Interface com o Campo de Conhecimento. Maria da Glória Gohn UNICAMP/CNPq "Movimentos Sociais e Políticas Públicas na Interface com o Campo de Conhecimento UNICAMP/CNPq AGENDA Redes- Conceitos e Tipos Pressupostos Formas de Organização da Ação Coletiva na Sociedade Brasileira

Leia mais

PORTIFÒLIO DA FASE. A Apresentação institucional. A.1 Objetivos da entidade -

PORTIFÒLIO DA FASE. A Apresentação institucional. A.1 Objetivos da entidade - PORTIFÒLIO DA FASE A Apresentação institucional A.1 Objetivos da entidade - Fundada em 1961, a Federação de Órgãos para Assistência Social e Educacional (FASE) é uma organização não governamental brasileira,

Leia mais

Coordenação: Profª. Alexandra Filipak IFSP Matão e Profª. Drª. Sany Spínola Aleixo UNIRP Centro Universitário de São José do Rio Preto.

Coordenação: Profª. Alexandra Filipak IFSP Matão e Profª. Drª. Sany Spínola Aleixo UNIRP Centro Universitário de São José do Rio Preto. Atividades desenvolvidas a partir do Projeto: As mulheres rurais e a agroecologia na Região Sudeste: tecnologias para autonomia econômica, segurança alimentar e conservação da biodiversidade IFSP Campus

Leia mais

SEMINÁRIO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DO CAMPO SANTA CATARINA CHAPECÓ, 28 A 30 DE AGOSTO DE 2013 CARTA ABERTA À SOCIEDADE CATARINENSE E BRASILEIRA

SEMINÁRIO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DO CAMPO SANTA CATARINA CHAPECÓ, 28 A 30 DE AGOSTO DE 2013 CARTA ABERTA À SOCIEDADE CATARINENSE E BRASILEIRA SEMINÁRIO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DO CAMPO SANTA CATARINA CHAPECÓ, 28 A 30 DE AGOSTO DE 2013 CARTA ABERTA À SOCIEDADE CATARINENSE E BRASILEIRA 1. Nós, 350 educadores e educadoras das escolas públicas do campo,

Leia mais

Inserção da Agricultura Familiar na Alimentação Escolar. Estratégia e Políticas Públicas de Apoio da SAF/MDA

Inserção da Agricultura Familiar na Alimentação Escolar. Estratégia e Políticas Públicas de Apoio da SAF/MDA Inserção da Agricultura Familiar na Alimentação Escolar Estratégia e Políticas Públicas de Apoio da SAF/MDA Objetivo da Apresentação Possibilitar a compreensão das políticas públicas relacionadas e/ou

Leia mais

FÓRUM MUNDIAL DE DIREITOS HUMANOS. Data: 10 a 13 de Dezembro de 2013 Local: Brasília

FÓRUM MUNDIAL DE DIREITOS HUMANOS. Data: 10 a 13 de Dezembro de 2013 Local: Brasília FÓRUM MUNDIAL DE DIREITOS HUMANOS Data: 10 a 13 de Dezembro de 2013 Local: Brasília Nome do Evento: Fórum Mundial de Direitos Humanos Tema central: Diálogo e Respeito às Diferenças Objetivo: Promover um

Leia mais

FLUXO ATIVIDADES IMOBILIÁRIAS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009

FLUXO ATIVIDADES IMOBILIÁRIAS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 FLUXO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009 Estados Norte 7.938 0,37 0 0,00-7.938 0,37

Leia mais

MOVIMENTOS SOCIAIS AGRÁRIOS E O ESTADO E O QUE DIZ O DIREITO 1. CANNO, Daniele Cristina; OLIVEIRA, Alex Luciano; SEVERINO, Silvia Regina

MOVIMENTOS SOCIAIS AGRÁRIOS E O ESTADO E O QUE DIZ O DIREITO 1. CANNO, Daniele Cristina; OLIVEIRA, Alex Luciano; SEVERINO, Silvia Regina MOVIMENTOS SOCIAIS AGRÁRIOS E O ESTADO E O QUE DIZ O DIREITO 1 CANNO, Daniele Cristina; OLIVEIRA, Alex Luciano; SEVERINO, Silvia Regina FACULDADE MARECHAL RONDON/ UNINOVE NPI NÚCLEO DE PESQUISA INTERDISCIPLINAR

Leia mais

Psicólogo: o seu fazer nos interessa!

Psicólogo: o seu fazer nos interessa! Serviço de Enfrentamento à Violência, Abuso e Exploração Sexual Contra Crianças e Adolescentes Pesquisa Online Centro de Referência Técnica em Psicologia e Políticas Públicas Psicólogo: o seu fazer nos

Leia mais

OBJETIVOS. Identificar e caracterizar os objetivos dos órgãos de. Assunto 6: A SUDAM Superintendência de Desenvolvimento da Amazônia - (pag. 159).

OBJETIVOS. Identificar e caracterizar os objetivos dos órgãos de. Assunto 6: A SUDAM Superintendência de Desenvolvimento da Amazônia - (pag. 159). I A INTEGRAÇÃO REGIONAL NO BRASIL OBJETIVOS Identificar e caracterizar os objetivos dos órgãos de desenvolvimento regional na Amazônia. Assunto 6: A SUDAM Superintendência de Desenvolvimento da Amazônia

Leia mais

Especial Online RESUMO DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO. Serviço Social 2011-2 ISSN 1982-1816. www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais.

Especial Online RESUMO DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO. Serviço Social 2011-2 ISSN 1982-1816. www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais. Especial Online ISSN 1982-1816 www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais.html DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO Serviço Social 2011-2 A INSERÇÃO DO SERVIÇO SOCIAL NO PROGRAMA PROJOVEM URBANO Alunos: VARGAS,

Leia mais

Ranking de salário e benefícios dos Tribunais de Justiça Estadual. Julho 2013

Ranking de salário e benefícios dos Tribunais de Justiça Estadual. Julho 2013 Ranking de salário e benefícios dos Tribunais de Justiça Estadual Julho 2013 SS JUSTIÇA MG SS Justiça MG Julho 2013 Tabela 1 Tribunais de Justiça Estadual posicionados conforme Vencimento Básico Vencimentos

Leia mais

PAUTA UNITÁRIA DOS MOVIMENTOS SINDICAIS E SOCIAIS DO CAMPO

PAUTA UNITÁRIA DOS MOVIMENTOS SINDICAIS E SOCIAIS DO CAMPO PAUTA UNITÁRIA DOS MOVIMENTOS SINDICAIS E SOCIAIS DO CAMPO São Paulo, 12 de março de 2015. No consenso de nossas concepções, dos movimentos sociais do campo e das florestas, inclusive pactuadas no Encontro

Leia mais

Em defesa de uma Secretaria Nacional de Igualdade de Oportunidades

Em defesa de uma Secretaria Nacional de Igualdade de Oportunidades 1 Em defesa de uma Secretaria Nacional de Igualdade de Oportunidades A Comissão Nacional da Questão da Mulher Trabalhadora da CUT existe desde 1986. Neste período houve muitos avanços na organização das

Leia mais

NÚCLEOS DE EXTENSÃO EM DESENVOLVIMENTO TERRITORIAL. PARCERIA MDA / CNPq. Brasília, 13 de maio de 2014

NÚCLEOS DE EXTENSÃO EM DESENVOLVIMENTO TERRITORIAL. PARCERIA MDA / CNPq. Brasília, 13 de maio de 2014 NÚCLEOS DE EXTENSÃO EM DESENVOLVIMENTO TERRITORIAL PARCERIA MDA / CNPq Brasília, 13 de maio de 2014 A política de desenvolvimento territorial Desde 2004 a SDT implementa a estratégia de desenvolvimento

Leia mais

Ministério do Desenvolvimento Agrário CONDRAF. Conselho Nacional. Familiar. Desenvolvimento Rural Reforma Agrária

Ministério do Desenvolvimento Agrário CONDRAF. Conselho Nacional. Familiar. Desenvolvimento Rural Reforma Agrária CONSELHO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO RURAL SUSTENTÁVEL CONDRAF CONDRAF Conselho Nacional Agricultu ra Familiar Desenvolvimento Rural Reforma Agrária O que é o CONDRAF? Órgão Colegiado integrante da estrutura

Leia mais

Objetivos Consolidar uma política garantidora de direitos Reduzir ainda mais a desigualdade social

Objetivos Consolidar uma política garantidora de direitos Reduzir ainda mais a desigualdade social AGENDA SOCIAL AGENDA SOCIAL Estamos lutando por um Brasil sem pobreza, sem privilégios, sem discriminações. Um país de oportunidades para todos. A melhor forma para um país crescer é fazer que cada vez

Leia mais

Plano Plurianual DESENVOLVIMENTO, PRODUTIVIDADE E INCLUSÃO SOCIAL ANEXO II

Plano Plurianual DESENVOLVIMENTO, PRODUTIVIDADE E INCLUSÃO SOCIAL ANEXO II Plano Plurianual 216 219 DESENVOLVIMENTO, PRODUTIVIDADE E INCLUSÃO SOCIAL ANEXO II PROGRAMA: 21 - Aprimoramento do Ministério Público Orçamentos Fiscal e da Seguridade Social 82.71 268.863 Despesas Correntes

Leia mais

Assistência Técnica e Extensão Rural para a Agricultura Familiar e Reforma Agrária

Assistência Técnica e Extensão Rural para a Agricultura Familiar e Reforma Agrária Assistência Técnica e Extensão Rural para a Agricultura Familiar e Reforma Agrária Congresso Estadual da Agropecuária Umuarama-PR, 27 de agosto de 2015 Contexto Geral Retomada em 2003, por parte do Governo

Leia mais

COLÉGIO BRSILEIRO DE CIÊNCIAS DO ESPORTE RELATÓRIO DE GESTÃO DIREÇÃO NACIONAL BIÊNIO 2007-2009 2009 Fernando Mascarenhas Presidente Dinah Vasconcellos Terra Vice-Presidente Yara Maria de Carvalho Diretora

Leia mais

Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Tocantins decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Tocantins decreta e eu sanciono a seguinte Lei: LEI Nº 1.374, DE 08 DE ABRIL DE 2003. Publicado no Diário Oficial nº 1.425. Dispõe sobre a Política Estadual de Educação Ambiental e adota outras providências. O Governador do Estado do Tocantins Faço

Leia mais

DIRETRIZES DO FUNCIONAMENTO DO MOVIMENTO NACIONAL PELA CIDADANIA E SOLIDARIEDADE/NÓS PODEMOS. (aprovada em 2010 e 1ª revisão em agosto de 2012)

DIRETRIZES DO FUNCIONAMENTO DO MOVIMENTO NACIONAL PELA CIDADANIA E SOLIDARIEDADE/NÓS PODEMOS. (aprovada em 2010 e 1ª revisão em agosto de 2012) DIRETRIZES DO FUNCIONAMENTO DO MOVIMENTO NACIONAL PELA CIDADANIA E SOLIDARIEDADE/NÓS PODEMOS (aprovada em 2010 e 1ª revisão em agosto de 2012) Artigo 1º O Movimento Nacional pela Cidadania e Solidariedade/Nós

Leia mais

SISTEMA NACIONAL DE PESQUISA DE CUSTOS E ÍNDICES DA CONSTRUÇÃO CIVIL S I N A P I RESULTADOS DE JUNHO/2014

SISTEMA NACIONAL DE PESQUISA DE CUSTOS E ÍNDICES DA CONSTRUÇÃO CIVIL S I N A P I RESULTADOS DE JUNHO/2014 SISTEMA NACIONAL DE PESQUISA DE CUSTOS E ÍNDICES DA CONSTRUÇÃO CIVIL S I N A P I RESULTADOS DE JUNHO/2014 COMENTÁRIOS Índice Nacional da Construção Civil varia 0,59% em Junho O Índice Nacional da Construção

Leia mais