Em defesa de uma Secretaria Nacional de Igualdade de Oportunidades

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Em defesa de uma Secretaria Nacional de Igualdade de Oportunidades"

Transcrição

1 1 Em defesa de uma Secretaria Nacional de Igualdade de Oportunidades A Comissão Nacional da Questão da Mulher Trabalhadora da CUT existe desde Neste período houve muitos avanços na organização das lutas que envolvem os direitos da mulher no mercado de trabalho e nas entidades sindicais, como por exemplo a política de cotas, direitos reprodutivos, saúde da mulher, assédio sexual e outros direitos garantidos pela Constituição Federal. Mas para analisar as questões relacionadas à mulher trabalhadora não podemos deixar de lado os dados do mercado de trabalho, que passamos a levantar. A taxa de ocupação da mulher teve uma variação de 46% em 1989 para 52,7 em Enquanto a taxa de ocupação dos homens passou de 77,3% para 73,4% no mesmo período. Por outro lado o nível de desemprego das mulheres passou de 10,6% em 1989 para 20,9% em Já os homens sofreram um aumento no desemprego de 7,5% em 1989 para 15,% em Se por um lado houve um aumento na participação da mulher no mercado de trabalho, também devemos ressaltar que essa ocupação deu-se de forma discriminatória. Entre 1990 e 2000 abriu-se maior número de vagas para mulheres na faixa etária dos 18 aos 24 anos, 3,7% contra apenas 0,9% para mulheres com mais de 40 anos. Houve aumento da inserção das mulheres nas ocupações consideradas mais frágeis, sem carteira assinada no setor privado (15,1%), no trabalho autônomo ( 12,3%) e no trabalho doméstico. E mesmo assim as mulheres permanecem mais tempo desempregadas, cerca de 2 anos, e os homens um ano e três meses. Outro aspecto relevante refere-se aos salários: em 1999 a média de salários pagos às mulheres foi de R$ 715,00 e para os homens foi de R$ 1.113,00. Já em 2000 ocorreu queda nos salários médios, sendo que as mulheres receberam R$ 652,00 e os homens R$1.047,00. A DISCRIMINAÇÃO RACIAL COMO FATOR DE DESIGUALDADE SOCIAL Se os dados provam que a mulher é discriminada no mercado de trabalho, os resultados das pesquisas elaboradas pelo DIEESE possibilitam concluir que a discriminação racial se sobrepõe à discriminação de gênero. Destacamos como ponto de partida o nível de ocupação da população negra comparada à ocupação da população não- negra. Levantamento feito pelo DIEESE em 6 regiões metropolitanas demonstram que a taxa de desemprego é maior entre os negros e entre as mulheres de ambos os grupos raciais. Incoerentemente a maior taxa de desemprego da população negra ocorre em Salvador. Lá os negros desempregados, em 2000, representavam 30% e os não negros 21%. A entrada precoce da população negra no mercado de trabalho reduz, também, os níveis de escolaridade. Os analfabetos negros são mais desempregados que os não negros. Mesmo quando os negros concluem o ensino médio ou superior as taxas de desemprego continuam maiores que das populações não negras. Para analisar os indicadores de qualidade de vida, sem dúvida, devemos questionar os rendimentos. Este fator define a situação social do indivíduo ou grupo, e como é distribuída a riqueza da sociedade. Em todas as regiões os negros têm rendimentos inferiores aos não- negros. Enquanto o homem não negro apresentou rendimento médio de R$ 1.236,00 em 2000, o homem negro obteve rendimento médio de R$ 639,00, e a

2 2 mulher negra R$ 412,00, no mesmo ano. Ou seja, a mulher negra recebe apenas 33,36% do que o homem não - negro recebe no mercado de trabalho. Essa divisão é um legado histórico do colonialismo e da escravidão, de onde se origina a categorização racial como forma de justificar novas apropriações e explorações. Todos estes fatores reforçam a estrutura política econômica que gera modos de exploração, marginalização e pobreza racistas e sexista. O resultado é a maior exploração do capital, que sonega parte dos rendimentos às mulheres, à população negra e a outros grupos, aumentando a marginalidade e pobreza da classe trabalhadora. Essas diferenças significam apropriação de riqueza, e o movimento sindical, como um todo, deve ter políticas para combater este comportamento. IGUALDADE DE OPORTUNIDADES Quando falamos de discriminação geralmente citamos dados das questões raciais e de gênero. Porém, os portadores de necessidades especiais, que são cerca de 15 milhões de pessoas no Brasil, denunciam com freqüência as dificuldades para o exercício do direito à educação, saúde, emprego e serviços sociais. A discriminação baseada na faixa etária é comum, as maiores vítimas de demissões são pessoas acima de 40 anos. Conforme a idade avança o exercício da cidadania torna-se mais complicado. Os homossexuais representam cerca de 10% da população mundial, entretanto este grupo social ainda é alvo da violência e da discriminação, tanto na sociedade quanto no trabalho. Para eliminarmos todas as formas de discriminação devemos nos propor a criar espaços voltados para a superação das desigualdades, através de políticas de ações afirmativas, tratando com desigualdade os desiguais para podermos igualá-los. PORQUE SECRETARIA? A proposta de uma Secretaria de Igualdade de Oportunidades passa pela necessidade de superação de uma fase em que o movimento sindical colocava no mesmo espaço as lutas gerais da política sindical e até das políticas sociais com as questões de gênero. Hoje, já podemos visualizar melhor os espaços de atuação dessas secretarias e suas demandas, cada vez maiores, e percebermos que para a implementação de políticas de igualdade de oportunidades temos de abranger todas as formas de discriminação, não apenas a de gênero. Para ampliação da participação dos demais segmentos do movimento sindical nas lutas contra a discriminação no mercado de trabalho temos de propiciar a inclusão de todos os temas em um espaço que possa construir, na prática, relações mais igualitárias. Neste sentido a Secretaria de Igualdade de Oportunidades daria mais visibilidade a toda esta problemática. O status de Secretaria Executiva proporcionará uma ação mais sistemática e eficaz, que poderia ser melhorada ainda mais com planejamento estratégico. Além de proporcionar maior respaldo em nível de negociação e nos espaços governamentais e internacionais. Estimular ação sindical Nossa proposta é a criação da Secretaria de Igualdade de Oportunidades, e manutenção de uma comissão temáticas ligadas a ela, ou seja de Gênero, Raça e Orientação Sexual, que contemplasse o trabalho coletivo e a participação de todos os Estados.

3 3 Outro fator importante é que a criação da Secretaria irá fomentar o debate nas bases, dos sindicatos, junto aos trabalhadores. Discutindo e aprofundando Maior participação nos espaços institucionais Apesar do Brasil ser signatário das convenções e que tratam contra a discriminação sexista e racial e também a plataforma de Bejing, as políticas se restringiram a seminários e debates. Um outro dado importante é que existe no MTE- Ministério do Trabalho e Emprego, desde 1996, um Grupo de Trabalho contra discriminação no Emprego e na Ocupação, mas este grupo tem apenas uma existência formal. No Paraná um Seminário organizado pela ULT e SERT, junto com o MTE, em 20/07/2000, também indicou a criação de um GT de Gênero na SERT, ratificado em reunião do CET Conselho Estadual do Trabalho, mas não prosperou por falta de acompanhamento. São muitas as dificuldades encontradas no meio institucional. Falta fontes de dados sobre gênero, os questionários são inadequados. Os dados sobre beneficiárias no seguro desemprego mostram que as mulheres representam 28,7% dos segurados sendo que 41% se inscreveram. Este resultado mostra a falta de habilitação, rotatividade e principalmente trabalho informal. Em relação a qualificação não há uma política consistente no Planfor Plano Nacional de Formação Profissional, direcionado a questão. A participação nos cursos de qualificação se dão muito mais pela própria iniciativa das trabalhadoras que buscam maior qualificação para enfrentar o mercado, do que uma política direcionada pelo estado. Os cursos direcionados às trabalhadoras são um desastres reforçam ainda mais a segregação como cursos de manicure, cabeleireira, costureira, babá, cozinha, etc. No acesso ao crédito as mulheres também enfrentam dificuldades, o PROGER Programa de Geração de Emprego e Renda por exemplo, encontra um grande limite principalmente em relação ao agente financiador que exige condições, como abertura de conta corrente dentro dos padrões da empresa, que limitam o acesso principalmente as mulheres, que muitas vezes não tem sequer documentação completa. Além disso o Programa não discute políticas voltadas para igualdade de gênero, não tem um direcionamento específico para incentivar mulheres a assumir espaço de comando a serem empreendedoras, consideram que as mulheres estão representadas nas pequenas e micro empresas como mão-de-obra e não como empresárias. A Secretaria de Igualdade de Oportunidades poderia estar atuando de forma mais eficaz junto aos espaços institucionais, fomentado os trabalhadores na ocupação destes espaços de forma propositiva. Não só propondo políticas públicas adequadas mas também fiscalizando pelo cumprimento das mesmas, principalmente no que diz respeito as convenções da OIT, resoluções do CODEFAT, etc. A luta pelo fim da discriminação portanto é uma luta que deve ser de homens e mulheres, a igualdade de oportunidades trará um benefício maior para a família em geral. Texto base para debate sobre a nova proposta de secretaria elaborado a partir do Encontro Estadual da Mulher Trabalhadora no Estado do Paraná. Novembro de Discriminação, emprego e ocupação, 1958 Promoção da igualdade de oportunidade e de tratamento em matéria de emprego e de ocupação 2 Política de Emprego, 1964 Consecução do objetivo do pleno emprego, produtivo e livremente escolhido sem discriminação. Complementada em 1984, através da recomendação 169 (Público alvo mulher erradicação pobreza)

4 4 EM DEFESA DE UMA SECRETARIA NACIONAL DE IGUALDADE DE OPORTUNIDADES A Comissão Nacional da Questão da Mulher Trabalhadora da CUT existe desde Neste período houve muitos avanços na organização das lutas que envolvem os direitos da mulher no mercado de trabalho e nas entidades sindicais, como por exemplo a política de cotas, direitos reprodutivos, saúde da mulher, assédio sexual e outros direitos garantidos pela Constituição Federal. Mas para analisar as questões relacionadas à mulher trabalhadora não podemos deixar de lado os dados do mercado de trabalho, que passamos a levantar. A taxa de ocupação da mulher teve uma variação de 46% em 1989 para 52,7 em Enquanto a taxa de ocupação dos homens passou de 77,3% para 73,4% no mesmo período. Por outro lado o nível de desemprego das mulheres passou de 10,6% em 1989 para 20,9% em Já os homens sofreram um aumento no desemprego de 7,5% em 1989 para 15,% em Se por um lado houve um aumento na participação da mulher no mercado de trabalho, também devemos ressaltar que essa ocupação deu-se de forma discriminatória. Entre 1990 e 2000 abriu-se maior número de vagas para mulheres na faixa etária dos 18 aos 24 anos, 3,7% contra apenas 0,9% para mulheres com mais de 40 anos. Houve aumento da inserção das mulheres nas ocupações consideradas mais frágeis, sem carteira assinada no setor privado (15,1%), no trabalho autônomo ( 12,3%) e no trabalho doméstico. E mesmo assim as mulheres permanecem mais tempo desempregadas, cerca de 2 anos, e os homens um ano e três meses. Outro aspecto relevante refere-se aos salários: em 1999 a média de salários pagos às mulheres foi de R$ 715,00 e para os homens foi de R$ 1.113,00. Já em 2000 ocorreu queda nos salários médios, sendo que as mulheres receberam R$ 652,00 e os homens R$1.047,00. A DISCRIMINAÇÃO RACIAL COMO FATOR DE DESIGUALDADE SOCIAL Se os dados provam que a mulher é discriminada no mercado de trabalho, os resultados das pesquisas elaboradas pelo DIEESE possibilitam concluir que a discriminação racial se sobrepõe à discriminação de gênero. Destacamos como ponto de partida o nível de ocupação da população negra comparada à ocupação da população não- negra. Levantamento feito pelo DIEESE em 6 regiões metropolitanas demonstram que a taxa de desemprego é maior entre os negros e entre as mulheres de ambos os grupos raciais. Incoerentemente a maior taxa de desemprego da população negra ocorre em Salvador. Lá os negros desempregados, em 2000, representavam 30% e os não negros 21%. A entrada precoce da população negra no mercado de trabalho reduz, também, os níveis de escolaridade. Os analfabetos negros são mais desempregados que os não negros. Mesmo quando os negros concluem o ensino médio ou superior as taxas de desemprego continuam maiores que das populações não negras. Para analisar os indicadores de qualidade de vida, sem dúvida, devemos questionar os rendimentos. Este fator define a situação social do indivíduo ou grupo, e como é distribuída a riqueza da sociedade. Em todas as regiões os negros têm rendimentos

5 5 inferiores aos não- negros. Enquanto o homem não negro apresentou rendimento médio de R$ 1.236,00 em 2000, o homem negro obteve rendimento médio de R$ 639,00, e a mulher negra R$ 412,00, no mesmo ano. Ou seja, a mulher negra recebe apenas 33,36% do que o homem não - negro recebe no mercado de trabalho. Essa divisão é um legado histórico do colonialismo e da escravidão, de onde se origina a categorização racial como forma de justificar novas apropriações e explorações. Todos estes fatores reforçam a estrutura política econômica que gera modos de exploração, marginalização e pobreza racistas e sexista. O resultado é a maior exploração do capital, que sonega parte dos rendimentos às mulheres, à população negra e a outros grupos, aumentando a marginalidade e pobreza da classe trabalhadora. Essas diferenças significam apropriação de riqueza, e o movimento sindical, como um todo, deve ter políticas para combater este comportamento. IGUALDADE DE OPORTUNIDADES Quando falamos de discriminação geralmente citamos dados das questões raciais e de gênero. Porém, os portadores de necessidades especiais, que são cerca de 15 milhões de pessoas no Brasil, denunciam com freqüência as dificuldades para o exercício do direito à educação, saúde, emprego e serviços sociais. A discriminação baseada na faixa etária é comum, as maiores vítimas de demissões são pessoas acima de 40 anos. Conforme a idade avança o exercício da cidadania torna-se mais complicado. Os homossexuais representam cerca de 10% da população mundial, entretanto este grupo social ainda é alvo da violência e da discriminação, tanto na sociedade quanto no trabalho. Para eliminarmos todas as formas de discriminação devemos nos propor a criar espaços voltados para a superação das desigualdades, através de políticas de ações afirmativas, tratando com desigualdade os desiguais para podermos igualá-los. PORQUE SECRETARIA? A proposta de uma Secretaria de Igualdade de Oportunidades passa pela necessidade de superação de uma fase em que o movimento sindical colocava no mesmo espaço as lutas gerais da política sindical e até das políticas sociais com as questões de gênero. Hoje, já podemos visualizar melhor os espaços de atuação dessas secretarias e suas demandas, cada vez maiores, e percebermos que para a implementação de políticas de igualdade de oportunidades temos de abranger todas as formas de discriminação, não apenas a de gênero. Para ampliação da participação dos demais segmentos do movimento sindical nas lutas contra a discriminação no mercado de trabalho temos de propiciar a inclusão de todos os temas em um espaço que possa construir, na prática, relações mais igualitárias. Neste sentido a Secretaria de Igualdade de Oportunidades daria mais visibilidade a toda esta problemática. O status de Secretaria Executiva proporcionará uma ação mais sistemática e eficaz, que poderia ser melhorada ainda mais com planejamento estratégico. Além de proporcionar maior respaldo em nível de negociação e nos espaços governamentais e internacionais. Estimular ação sindical Nossa proposta é a criação da Secretaria de Igualdade de Oportunidades, e manutenção de uma comissão temáticas ligadas a ela, ou seja de Gênero, Raça e

6 6 Orientação Sexual, que contemplasse o trabalho coletivo e a participação de todos os Estados. Outro fator importante é que a criação da Secretaria irá fomentar o debate nas bases, dos sindicatos, junto aos trabalhadores. Discutindo e aprofundando Maior participação nos espaços institucionais Apesar do Brasil ser signatário das convenções e que tratam contra a discriminação sexista e racial e também a plataforma de Bejing, as políticas se restringiram a seminários e debates. Um outro dado importante é que existe no MTE- Ministério do Trabalho e Emprego, desde 1996, um Grupo de Trabalho contra discriminação no Emprego e na Ocupação, mas este grupo tem apenas uma existência formal. No Paraná um Seminário organizado pela ULT e SERT, junto com o MTE, em 20/07/2000, também indicou a criação de um GT de Gênero na SERT, ratificado em reunião do CET Conselho Estadual do Trabalho, mas não prosperou por falta de acompanhamento. São muitas as dificuldades encontradas no meio institucional. Falta fontes de dados sobre gênero, os questionários são inadequados. Os dados sobre beneficiárias no seguro desemprego mostram que as mulheres representam 28,7% dos segurados sendo que 41% se inscreveram. Este resultado mostra a falta de habilitação, rotatividade e principalmente trabalho informal. Em relação a qualificação não há uma política consistente no Planfor Plano Nacional de Formação Profissional, direcionado a questão. A participação nos cursos de qualificação se dão muito mais pela própria iniciativa das trabalhadoras que buscam maior qualificação para enfrentar o mercado, do que uma política direcionada pelo estado. Os cursos direcionados às trabalhadoras são um desastres reforçam ainda mais a segregação como cursos de manicure, cabeleireira, costureira, babá, cozinha, etc. No acesso ao crédito as mulheres também enfrentam dificuldades, o PROGER Programa de Geração de Emprego e Renda por exemplo, encontra um grande limite principalmente em relação ao agente financiador que exige condições, como abertura de conta corrente dentro dos padrões da empresa, que limitam o acesso principalmente as mulheres, que muitas vezes não tem sequer documentação completa. Além disso o Programa não discute políticas voltadas para igualdade de gênero, não tem um direcionamento específico para incentivar mulheres a assumir espaço de comando a serem empreendedoras, consideram que as mulheres estão representadas nas pequenas e micro empresas como mão-de-obra e não como empresárias. A Secretaria de Igualdade de Oportunidades poderia estar atuando de forma mais eficaz junto aos espaços institucionais, fomentado os trabalhadores na ocupação destes espaços de forma propositiva. Não só propondo políticas públicas adequadas mas também fiscalizando pelo cumprimento das mesmas, principalmente no que diz respeito as convenções da OIT, resoluções do CODEFAT, etc. A luta pelo fim da discriminação portanto é uma luta que deve ser de homens e mulheres, a igualdade de oportunidades trará um benefício maior para a família em geral. 3 Discriminação, emprego e ocupação, 1958 Promoção da igualdade de oportunidade e de tratamento em matéria de emprego e de ocupação 4 Política de Emprego, 1964 Consecução do objetivo do pleno emprego, produtivo e livremente escolhido sem discriminação. Complementada em 1984, através da recomendação 169 (Público alvo mulher erradicação pobreza)

7 Texto base para debate sobre a nova proposta de secretaria elaborado a partir do Encontro Estadual da Mulher Trabalhadora no Estado do Paraná. Novembro de

Roteiro de Diretrizes para Pré-Conferências Regionais de Políticas para as Mulheres. 1. Autonomia econômica, Trabalho e Desenvolvimento;

Roteiro de Diretrizes para Pré-Conferências Regionais de Políticas para as Mulheres. 1. Autonomia econômica, Trabalho e Desenvolvimento; Roteiro de Diretrizes para Pré-Conferências Regionais de Políticas para as Mulheres 1. Autonomia econômica, Trabalho e Desenvolvimento; Objetivo geral Promover a igualdade no mundo do trabalho e a autonomia

Leia mais

Presidência da República Federativa do Brasil. Secretaria Especial de Políticas de Promoção da Igualdade Racial

Presidência da República Federativa do Brasil. Secretaria Especial de Políticas de Promoção da Igualdade Racial Presidência da República Federativa do Brasil Secretaria Especial de Políticas de Promoção da Igualdade Racial A SEPPIR CRIAÇÃO A Seppir (Secretaria Especial de Políticas de Promoção da Igualdade Racial)

Leia mais

O Programa de Fortalecimento Institucional para a Igualdade de Gênero e Raça, Erradicação da Pobreza e Geração de Emprego - GRPE

O Programa de Fortalecimento Institucional para a Igualdade de Gênero e Raça, Erradicação da Pobreza e Geração de Emprego - GRPE O Programa de Fortalecimento Institucional para a Igualdade de Gênero e Raça, Erradicação da Pobreza e Geração de Emprego - GRPE Marcia Vasconcelos - OIT Reunión de Especialistas Género, Probreza, Raza,

Leia mais

No entanto, a efetividade desses dispositivos constitucionais está longe de alcançar sua plenitude.

No entanto, a efetividade desses dispositivos constitucionais está longe de alcançar sua plenitude. A MULHER NA ATIVIDADE AGRÍCOLA A Constituição Federal brasileira estabelece no caput do art. 5º, I, que homens e mulheres são iguais em direitos e obrigações e reconhece no dispositivo 7º a igualdade de

Leia mais

Tabela 1 Total da população 2010 Total de homens Total de mulheres Homens % Mulheres % Distrito Federal 2.562.963 1.225.237 1.337.

Tabela 1 Total da população 2010 Total de homens Total de mulheres Homens % Mulheres % Distrito Federal 2.562.963 1.225.237 1.337. PROGRAMA TÉMATICO: 6229 EMANCIPAÇÃO DAS MULHERES OBJETIVO GERAL: Ampliar o acesso das mulheres aos seus direitos por meio do desenvolvimento de ações multissetoriais que visem contribuir para uma mudança

Leia mais

Inclusão bancária: bancos públicos efetivam seu papel social

Inclusão bancária: bancos públicos efetivam seu papel social Inclusão bancária: bancos públicos efetivam seu papel social Inclusão bancária Acesso a produtos e serviços bancários a cidadãos de baixa renda; Serviços bancários + preocupação social. Ações para inclusão

Leia mais

Harmonização de Conceitos de Ações Afirmativas em DST/Aids para a População Negra e a Interface com a PNSIPN

Harmonização de Conceitos de Ações Afirmativas em DST/Aids para a População Negra e a Interface com a PNSIPN Harmonização de Conceitos de Ações Afirmativas em DST/Aids para a População Negra e a Interface com a PNSIPN Simone Cruz Psicóloga; Mestre em Saúde Coletiva Plano Estadual de Ações Afirmativas em Prevenção

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE URUAÇU ESTADO DE GOIÁS PODER EXECUTIVO SECRETARIA MUNICIPAL DE ADMINISTRAÇÃO CNPJ 01.219.807/0001-82

PREFEITURA MUNICIPAL DE URUAÇU ESTADO DE GOIÁS PODER EXECUTIVO SECRETARIA MUNICIPAL DE ADMINISTRAÇÃO CNPJ 01.219.807/0001-82 Lei nº 1.591/2010 Altera a Lei Municipal 1.313/205, Cria a Coordenadoria Especial de Políticas para Mulheres, Cria a Coordenadoria Especial de Promoção da Igualdade Racial, e dá outras providências. O

Leia mais

Sugestões para uma política de igualdade de oportunidades entre homens e mulheres no mundo do trabalho

Sugestões para uma política de igualdade de oportunidades entre homens e mulheres no mundo do trabalho Sugestões para uma política de igualdade de oportunidades entre homens e mulheres no mundo do trabalho Junho 2010 ISP Brasil A mulher trabalhadora e o mundo do trabalho: algumas considerações o trabalho

Leia mais

SECRETARIA MUNICIPAL DE PLANEJAMENTO E DESENVOLVIMENTO SOCIOECONÔMICO PROJETO

SECRETARIA MUNICIPAL DE PLANEJAMENTO E DESENVOLVIMENTO SOCIOECONÔMICO PROJETO SECRETARIA MUNICIPAL DE PLANEJAMENTO E DESENVOLVIMENTO SOCIOECONÔMICO PROJETO ABRIL / 2005 Apresentação SMPDSE SECRETARIA MUNICIPAL DE PLANEJAMENTO E A Secretaria Municipal de Planejamento e Desenvolvimento

Leia mais

JORNADA DAS MARGARIDAS 2013

JORNADA DAS MARGARIDAS 2013 JORNADA DAS MARGARIDAS 2013 PAUTA INTERNA 1 - ORGANIZAÇÃO E PARTICIPAÇÃO SINDICAL 1 Assegurar condições de igualdade para homens e mulheres exercerem com autonomia o trabalho sindical nas diversas secretarias

Leia mais

Por que criar mecanismos de gênero nos órgãos governamentais?

Por que criar mecanismos de gênero nos órgãos governamentais? Presidência da República Secretaria de Políticas para as Mulheres Seminário de Capacitação dos Mecanismos de Gênero no Governo Federal Por que criar mecanismos de gênero nos órgãos governamentais? Lourdes

Leia mais

Andréa Bolzon Escritório da OIT no Brasil. Salvador, 08 de abril de 2013

Andréa Bolzon Escritório da OIT no Brasil. Salvador, 08 de abril de 2013 Andréa Bolzon Escritório da OIT no Brasil Salvador, 08 de abril de 2013 Fundada em 1919 (Tratado de Versalhes) Mandato: promover a justiça social e o reconhecimento internacional dos direitos humanos e

Leia mais

Pesquisa Mensal de Emprego - PME

Pesquisa Mensal de Emprego - PME Pesquisa Mensal de Emprego - PME Dia Internacional da Mulher 08 de março de 2012 M U L H E R N O M E R C A D O D E T R A B A L H O: P E R G U N T A S E R E S P O S T A S A Pesquisa Mensal de Emprego PME,

Leia mais

25 de novembro - Dia Internacional de Combate à Violência Contra as Mulheres. Carta de Brasília

25 de novembro - Dia Internacional de Combate à Violência Contra as Mulheres. Carta de Brasília Anexo VI 25 de novembro - Dia Internacional de Combate à Violência Contra as Mulheres Carta de Brasília Na véspera do Dia Internacional de Combate à Violência Contra as Mulheres nós, trabalhadoras dos

Leia mais

Salários na Construção Civil nos anos 2000: entre a formalização e a rotatividade

Salários na Construção Civil nos anos 2000: entre a formalização e a rotatividade Dezembro 2011 Nº 6 Salários na Construção Civil nos anos 2000: entre a formalização e a rotatividade Durante a década de 1990, com o enfraquecimento das instituições reguladoras da economia e da sociedade

Leia mais

Dimensão social. Educação

Dimensão social. Educação Dimensão social Educação 218 Indicadores de desenvolvimento sustentável - Brasil 2004 36 Taxa de escolarização Representa a proporção da população infanto-juvenil que freqüenta a escola. Descrição As variáveis

Leia mais

Manutenção das desigualdades nas condições de inserção

Manutenção das desigualdades nas condições de inserção A INSERÇÃO DA MULHER NO MERCADO DE TRABALHO DA REGIÃO METROPOLITANA DE BELO HORIZONTE MARÇO 2014 Manutenção das desigualdades nas condições de inserção De maneira geral, as mulheres enfrentam grandes dificuldades

Leia mais

Bacharelado em Serviço Social

Bacharelado em Serviço Social Informações gerais: Bacharelado em Serviço Social Duração do curso: 04 anos (08 semestres) Horário: Vespertino e Noturno Número de vagas: 300 vagas anuais Coordenador do Curso: Profª Ms. Eniziê Paiva Weyne

Leia mais

Pesquisa Mensal de Emprego

Pesquisa Mensal de Emprego Pesquisa Mensal de Emprego EVOLUÇÃO DO EMPREGO COM CARTEIRA DE TRABALHO ASSINADA 2003-2012 Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE 2 Pesquisa Mensal de Emprego - PME I - Introdução A Pesquisa

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA SE-001/2011

TERMO DE REFERÊNCIA SE-001/2011 TERMO DE REFERÊNCIA SE-001/2011 Objeto da contratação Consultor sênior Título do Projeto Projeto BRA 07/010 Designação funcional Duração do contrato Consultoria por produto 04 meses Data limite para envio

Leia mais

Pesquisa. Há 40 anos atrás nos encontrávamos discutindo mecanismos e. A mulher no setor privado de ensino em Caxias do Sul.

Pesquisa. Há 40 anos atrás nos encontrávamos discutindo mecanismos e. A mulher no setor privado de ensino em Caxias do Sul. Pesquisa A mulher no setor privado de ensino em Caxias do Sul. Introdução Há 40 anos atrás nos encontrávamos discutindo mecanismos e políticas capazes de ampliar a inserção da mulher no mercado de trabalho.

Leia mais

Carta Política. Campanha Cidades Seguras para as Mulheres

Carta Política. Campanha Cidades Seguras para as Mulheres Carta Política Campanha Cidades Seguras para as Mulheres Brasil - 2014 Nós, mulheres de diversas localidades e comunidades de Pernambuco, Rio Grande do Norte, Rio de Janeiro e São Paulo, que há muito

Leia mais

Escola de Políticas Públicas

Escola de Políticas Públicas Escola de Políticas Públicas Política pública na prática A construção de políticas públicas tem desafios em todas as suas etapas. Para resolver essas situações do dia a dia, é necessário ter conhecimentos

Leia mais

Eixo 1 - Autonomia econômica e igualdade no mundo do trabalho, com inclusão social.

Eixo 1 - Autonomia econômica e igualdade no mundo do trabalho, com inclusão social. Eixo 1 - Autonomia econômica e igualdade no mundo do trabalho, com inclusão social. Estes dados são resultado de um processo participativo sem desenho amostral e cumprimento de cotas, cuja margem de erro

Leia mais

PESQUISA DE EMPREGO E DESEMPREGO NA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO

PESQUISA DE EMPREGO E DESEMPREGO NA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO PESQUISA DE EMPREGO E DESEMPREGO NA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO 2007 O MERCADO DE TRABALHO SOB A ÓPTICA DA RAÇA/COR Os dados da Pesquisa de Emprego e Desemprego permitem diversos tipos de detalhamento

Leia mais

TEMA: A Mulher no Mercado de Trabalho em Goiás.

TEMA: A Mulher no Mercado de Trabalho em Goiás. TEMA: A Mulher no Mercado de Trabalho em Goiás. O Dia Internacional da Mulher, celebrado dia 8 de março, traz avanços do gênero feminino no mercado de trabalho formal. Segundo informações disponibilizadas

Leia mais

Igualdade de oportunidades e não discriminação: elementos centrais da Agenda do Trabalho Decente

Igualdade de oportunidades e não discriminação: elementos centrais da Agenda do Trabalho Decente Igualdade de oportunidades e não discriminação: elementos centrais da Agenda do Trabalho Decente Laís Abramo Socióloga, Mestre e Doutora em Sociologia Diretora do Escritório da OIT no Brasil Salvador,

Leia mais

Agendas Transversais

Agendas Transversais Reunião do Conselho Nacional de Direitos da Mulher - CNDM Agendas Transversais Maria do Rosário Cardoso Andrea Ricciardi 02/10/2013 Ministério do Planejamento 1 AGENDAS TRANSVERSAIS Igualdade Racial, Comunidades

Leia mais

Declaração de Brasília sobre Trabalho Infantil

Declaração de Brasília sobre Trabalho Infantil Declaração de Brasília sobre Trabalho Infantil Nós, representantes de governos, organizações de empregadores e trabalhadores que participaram da III Conferência Global sobre Trabalho Infantil, reunidos

Leia mais

OS NEGROS NO MERCADO DE TRABALHO. Em alusão ao Dia da Consciência Negra

OS NEGROS NO MERCADO DE TRABALHO. Em alusão ao Dia da Consciência Negra OS NEGROS NO MERCADO DE TRABALHO DA REGIÃO METROPOLITANA DE PORTO ALEGRE Novembro de 2010 OS NEGROS NO MERCADO DE TRABALHO E O ACESSO AO SISTEMA PÚBLICO DE EMPREGO, TRABALHO E RENDA Em alusão ao Dia da

Leia mais

A SECRETARIA MUNICIPAL DE POLÍTICAS PARA MULHERES AS AÇÕES SÃO DESENVOLVIDAS POR QUATRO ÁREAS ESTRATÉGICAS:

A SECRETARIA MUNICIPAL DE POLÍTICAS PARA MULHERES AS AÇÕES SÃO DESENVOLVIDAS POR QUATRO ÁREAS ESTRATÉGICAS: O QUE É QUE FAZ A SECRETARIA MUNICIPAL DE POLÍTICAS PARA MULHERES A Prefeitura de São Paulo, em maio de 2013, seguindo a política implementada nacionalmente e atendendo uma reivindicação histórica do movimento

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS, GERAÇÃO DE EMPREGO E INCLUSÃO SOCIAL. XII Seminario del CILEA Bolívia 23 a 25/06/2006

DESENVOLVIMENTO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS, GERAÇÃO DE EMPREGO E INCLUSÃO SOCIAL. XII Seminario del CILEA Bolívia 23 a 25/06/2006 DESENVOLVIMENTO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS, GERAÇÃO DE EMPREGO E INCLUSÃO SOCIAL. XII Seminario del CILEA Bolívia 23 a 25/06/2006 Conteúdo 1. O Sistema SEBRAE; 2. Brasil Caracterização da MPE; 3. MPE

Leia mais

SECRETARIA EXECUTIVA DE DESENVOLVIMENTO E ASSISTÊNCIA SOCIAL - SEDAS GERÊNCIA DE PLANEJAMENTO, PROJETOS E CAPACITAÇÃO TEXTO I

SECRETARIA EXECUTIVA DE DESENVOLVIMENTO E ASSISTÊNCIA SOCIAL - SEDAS GERÊNCIA DE PLANEJAMENTO, PROJETOS E CAPACITAÇÃO TEXTO I TEXTO I Igualdade de Gênero no Enfrentamento à Violência Contra a Mulher As desigualdades são sentidas de formas diferentes pelas pessoas dependendo do seu envolvimento com a questão. As mulheres sentem

Leia mais

INSTITUTOS SUPERIORES DE ENSINO DO CENSA PROGRAMA INSTITUCIONAL DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA PROVIC PROGRAMA VOLUNTÁRIO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA

INSTITUTOS SUPERIORES DE ENSINO DO CENSA PROGRAMA INSTITUCIONAL DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA PROVIC PROGRAMA VOLUNTÁRIO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA INSTITUTOS SUPERIORES DE ENSINO DO CENSA PROGRAMA INSTITUCIONAL DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA PROVIC PROGRAMA VOLUNTÁRIO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA IMPACTO DA CONSTRUÇÃO CIVIL NO PRODUTO INTERNO BRUTO BRASILEIRO

Leia mais

Neste dia, apelamos:

Neste dia, apelamos: Neste dia, apelamos: A reformas legislativas e políticas para garantir a eliminação do trabalho infantil no trabalho doméstico e a criação de condições de trabalho dignas e de proteção adequada para os(as)

Leia mais

SAÚDE E EDUCAÇÃO INFANTIL Uma análise sobre as práticas pedagógicas nas escolas.

SAÚDE E EDUCAÇÃO INFANTIL Uma análise sobre as práticas pedagógicas nas escolas. SAÚDE E EDUCAÇÃO INFANTIL Uma análise sobre as práticas pedagógicas nas escolas. SANTOS, Silvana Salviano silvanasalviano@hotmail.com UNEMAT Campus de Juara JESUS, Lori Hack de lorihj@hotmail.com UNEMAT

Leia mais

PROGRAMA. Brasil, Gênero e Raça. Orientações Gerais

PROGRAMA. Brasil, Gênero e Raça. Orientações Gerais PROGRAMA Brasil, Gênero e Raça Orientações Gerais Presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva Ministro do Trabalho e Emprego Luiz Marinho Secretário-Executivo Marco Antonio de Oliveira Secretário

Leia mais

X SEMINÁRIO DO FÓRUM NACIONAL DE GESTÃO DA ÉTICA NAS EMPRESAS ESTATAIS

X SEMINÁRIO DO FÓRUM NACIONAL DE GESTÃO DA ÉTICA NAS EMPRESAS ESTATAIS X SEMINÁRIO DO FÓRUM NACIONAL DE GESTÃO DA ÉTICA NAS EMPRESAS ESTATAIS PAINEL : FERRAMENTA PARA A GESTÃO DA ÉTICA E DOS DIREITOS HUMANOS RONI ANDERSON BARBOSA INSTITUTO OBSERVATORIO SOCIAL INSTITUCIONAL

Leia mais

Dinamismo do mercado de trabalho eleva a formalização das relações de trabalho de homens e mulheres, mas a desigualdade persiste

Dinamismo do mercado de trabalho eleva a formalização das relações de trabalho de homens e mulheres, mas a desigualdade persiste Dinamismo do mercado de trabalho eleva a formalização das relações de trabalho de homens e mulheres, mas a desigualdade persiste Introdução De maneira geral, as mulheres enfrentam grandes dificuldades

Leia mais

Não discriminação e igualdade de oportunidades: elementos centrais da Agenda do Trabalho Decente

Não discriminação e igualdade de oportunidades: elementos centrais da Agenda do Trabalho Decente Não discriminação e igualdade de oportunidades: elementos centrais da Agenda do Trabalho Decente Laís Abramo Socióloga, Mestre e Doutora em Sociologia Diretora Escritório da OIT no Brasil Brasília, 3 de

Leia mais

Expediente: Autor: Érika Andreassy Editor Responsável: Érika Andreassy Diagramação: Érika Andreassy Abril/ 2012 2

Expediente: Autor: Érika Andreassy Editor Responsável: Érika Andreassy Diagramação: Érika Andreassy Abril/ 2012 2 A mulher no mercado de trabalho e na organização sindical Expediente: Produzido pelo Instituto Latinoamericano de Estudos Socioeconômicos. Praça Padre Manuel da Nóbrega, 16-4º andar. Sé - São Paulo SP.

Leia mais

PO AÇORES 2020 FEDER FSE

PO AÇORES 2020 FEDER FSE Apresentação pública PO AÇORES 2020 FEDER FSE Anfiteatro C -Universidade dos Açores -Ponta Delgada 04 de marçode 2015 8EIXO EMPREGO E MOBILIDADE LABORAL > Administração regional Objetivo Específico 8.1.1

Leia mais

QUESTIONÁRIO Formas de discriminação que limitam o exercício pleno dos direitos econômicos, sociais e culturais das mulheres

QUESTIONÁRIO Formas de discriminação que limitam o exercício pleno dos direitos econômicos, sociais e culturais das mulheres QUESTIONÁRIO Formas de discriminação que limitam o exercício pleno dos direitos econômicos, sociais e culturais das mulheres Este questionário foi preparado como parte do plano de trabalho da Relatoria

Leia mais

FORMAÇÃO SOBRE: GÉNERO E DESENVOLVIMENTO

FORMAÇÃO SOBRE: GÉNERO E DESENVOLVIMENTO Projecto PIGEM FORMAÇÃO SOBRE: GÉNERO E DESENVOLVIMENTO LUBANGO 28 DE ABRIL DE 2015 ELABORADO POR: MARIANA SOMA /PRELECTORA 1 GÉNERO E DESENVOLVIMENTO CONCEITO É uma abordagem que se concentra nas relações

Leia mais

OS NEGROS NO MERCADO DE TRABALHO

OS NEGROS NO MERCADO DE TRABALHO OS NEGROS NO MERCADO DE TRABALHO DO DISTRITO FEDERAL Novembro de 2010 OS NEGROS NO MERCADO DE TRABALHO E O ACESSO AO SISTEMA PÚBLICO DE EMPREGO, TRABALHO E RENDA Em comemoração ao Dia da Consciência Negra

Leia mais

RELATÓRIO DAS ATIVIDADES 2004

RELATÓRIO DAS ATIVIDADES 2004 RELATÓRIO DAS ATIVIDADES 2004 1. Palestras informativas O que é ser voluntário Objetivo: O voluntariado hoje, mais do que nunca, pressupõe responsabilidade e comprometimento e para que se alcancem os resultados

Leia mais

REFORMA UNIVERSITÁRIA: contribuições da FENAJ, FNPJ e SBPJor. Brasília, outubro de 2004

REFORMA UNIVERSITÁRIA: contribuições da FENAJ, FNPJ e SBPJor. Brasília, outubro de 2004 REFORMA UNIVERSITÁRIA: contribuições da FENAJ, FNPJ e SBPJor Brasília, outubro de 2004 FEDERAÇÃO NACIONAL DOS JORNALISTAS FENAJ http://www.fenaj.org.br FÓRUM NACIONAL DOS PROFESSORES DE JORNALISMO - FNPJ

Leia mais

VIII JORNADA DE ESTÁGIO DE SERVIÇO SOCIAL

VIII JORNADA DE ESTÁGIO DE SERVIÇO SOCIAL VIII JORNADA DE ESTÁGIO DE SERVIÇO SOCIAL CONSIDERAÇÕES SOBRE O TRABALHO REALIZADO PELO SERVIÇO SOCIAL NO CENTRO PONTAGROSSENSE DE REABILITAÇÃO AUDITIVA E DA FALA (CEPRAF) TRENTINI, Fabiana Vosgerau 1

Leia mais

Os males da terceirização

Os males da terceirização Boletim Econômico Edição nº 02 setembro de 2013 Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor econômico Os males da terceirização 1 Introdução A terceirização instaurou uma nova dinâmica nas relações

Leia mais

CARTA DA IGUALDADE 11 COMPROMISSOS PARA UM TERRITÓRIO MAIS IGUAL

CARTA DA IGUALDADE 11 COMPROMISSOS PARA UM TERRITÓRIO MAIS IGUAL CARTA DA IGUALDADE 11 COMPROMISSOS PARA UM TERRITÓRIO MAIS IGUAL PREÂMBULO A igualdade das mulheres e dos homens é um direito fundamental para todos e todas, constituindo um valor capital para a democracia.

Leia mais

Desafios da EJA: flexibilidade, diversidade e profissionalização PNLD 2014

Desafios da EJA: flexibilidade, diversidade e profissionalização PNLD 2014 Desafios da EJA: flexibilidade, diversidade e profissionalização Levantamento das questões de interesse Perfil dos alunos, suas necessidades e expectativas; Condições de trabalho e expectativas dos professores;

Leia mais

O que é Programa Rio: Trabalho e Empreendedorismo da Mulher? Quais suas estratégias e ações? Quantas instituições participam da iniciativa?

O que é Programa Rio: Trabalho e Empreendedorismo da Mulher? Quais suas estratégias e ações? Quantas instituições participam da iniciativa? Destaque: Somos, nós mulheres, tradicionalmente responsáveis pelas ações de reprodução da vida no espaço doméstico e a partir da última metade do século passado estamos cada vez mais inseridas diretamente

Leia mais

O EMPREGO DOMÉSTICO. Boletim especial sobre o mercado de trabalho feminino na Região Metropolitana de São Paulo. Abril 2007

O EMPREGO DOMÉSTICO. Boletim especial sobre o mercado de trabalho feminino na Região Metropolitana de São Paulo. Abril 2007 O EMPREGO DOMÉSTICO Boletim especial sobre o mercado de trabalho feminino na Abril 2007 Perfil de um emprego que responde por 17,7% do total da ocupação feminina e tem 95,9% de seus postos de trabalho

Leia mais

A economia solidária como estratégia de inclusão produtiva no Programa Bolsa Família

A economia solidária como estratégia de inclusão produtiva no Programa Bolsa Família A economia solidária como estratégia de inclusão produtiva no Programa Bolsa Família Adriane Vieira Ferrarini Docente e pesquisadora do Programa de Pós graduação em Ciências Sociais da Unisinos Estelamaris

Leia mais

Tema do Projeto: REMUNERAÇÃO IGUAL PARA HOMENS E MULHERES

Tema do Projeto: REMUNERAÇÃO IGUAL PARA HOMENS E MULHERES Federação de Associações de Mulheres de Negócios do Brasil CNPJ- 32901555/0001-09 Nome do Projeto: TRABALHO IGUAL. SALÁRIO IGUAL Tema do Projeto: REMUNERAÇÃO IGUAL PARA HOMENS E MULHERES Nome das Organizações

Leia mais

POLÍTICAS PERMANENTES DE HABITAÇÃO

POLÍTICAS PERMANENTES DE HABITAÇÃO POLÍTICAS PERMANENTES DE HABITAÇÃO A IMPORTÂNCIA DO PROGRAMA MINHA CASA MINHA VIDA Outubro / 2014 POLÍTICAS PERMANENTES DE HABITAÇÃO Histórico recente da evolução do crédito à moradia Impactos dos investimentos

Leia mais

CARTA PÚBLICA. À Excelentíssima Sra. Presidenta da República Dilma Rousseff

CARTA PÚBLICA. À Excelentíssima Sra. Presidenta da República Dilma Rousseff À Excelentíssima Sra. Presidenta da República Dilma Rousseff A instituição de Organismos de Políticas Públicas para as Mulheres pelo Poder Executivo é uma proposta dos movimentos feministas e de mulheres

Leia mais

3Apesar dos direitos adquiridos pelas

3Apesar dos direitos adquiridos pelas objetivo. promover a igualdade entre os sexos e a autonomia das mulheres mulheres ao longo do século 20, ainda há considerável desigualdade entre os gêneros no mundo. Em geral, as mulheres sofrem com a

Leia mais

Estratégia Europeia para o Emprego Promover a melhoria do emprego na Europa

Estratégia Europeia para o Emprego Promover a melhoria do emprego na Europa Estratégia Europeia para o Emprego Promover a melhoria do emprego na Europa Comissão Europeia O que é a Estratégia Europeia para o Emprego? Toda a gente precisa de um emprego. Todos temos necessidade de

Leia mais

Compromisso para IPSS Amigas do Envelhecimento Ativo CONFEDERAÇÃO NACIONAL INSTITUIÇÕES DE SOLIDARIEDADE

Compromisso para IPSS Amigas do Envelhecimento Ativo CONFEDERAÇÃO NACIONAL INSTITUIÇÕES DE SOLIDARIEDADE 2014 Compromisso para IPSS Amigas do Envelhecimento Ativo CONFEDERAÇÃO NACIONAL INSTITUIÇÕES DE SOLIDARIEDADE MANIFESTO E COMPROMISSO DA CNIS IPSS AMIGAS DO ENVELHECIMENTO ATIVO As modificações significativas

Leia mais

Apoio às políticas públicas já existentes;

Apoio às políticas públicas já existentes; Uma voz complementa a outra, um sorriso cativa o próximo e é nesse pensamento que o Instituto Mundo Melhor, organização sem fins lucrativos liderada pelo Grupo MM Mercadomóveis, trabalha com projetos sociais

Leia mais

Secretaria Nacional da Juventude da Força Sindical BRASIL BRASIL MERCADO DE TRABALHO DESEMPREGO POLÍTICAS PÚBLICAS PARA O PRIMEIRO EMPREGO

Secretaria Nacional da Juventude da Força Sindical BRASIL BRASIL MERCADO DE TRABALHO DESEMPREGO POLÍTICAS PÚBLICAS PARA O PRIMEIRO EMPREGO Secretaria Nacional da Juventude da Força Sindical BRASIL População Jovem no Brasil 17% Não Jovens Jovens 83% 180 Milhões de Habitantes 30,8 Milhões de Jovens (17,1%) Fonte: IBGE 2004 BRASIL Distribuição

Leia mais

Pacto Gaúcho pelo Fim do Racismo Institucional

Pacto Gaúcho pelo Fim do Racismo Institucional Pacto Gaúcho pelo Fim do Racismo Institucional Aos 21 de março de 2014, dia em que o mundo comemora o Dia Internacional contra a Discriminação Racial instituído pela ONU em 1966, adotamos o presente Pacto

Leia mais

Rogério Medeiros medeirosrogerio@hotmail.com

Rogério Medeiros medeirosrogerio@hotmail.com Programa Nacional de Capacitação do SUAS - Sistema Único de Assistência Social CAPACITASUAS CURSO 2 Indicadores para diagnóstico e acompanhamento do SUAS e do BSM Ministrado por Rogério de Souza Medeiros

Leia mais

Boletim Econômico. Federação Nacional dos Portuários. Sumário

Boletim Econômico. Federação Nacional dos Portuários. Sumário Boletim Econômico Federação Nacional dos Portuários Agosto de 2014 Sumário Indicadores de desenvolvimento brasileiro... 2 Emprego... 2 Reajuste dos salários e do salário mínimo... 3 Desigualdade Social

Leia mais

Curso de Formação de Conselheiros em Direitos Humanos Abril Julho/2006

Curso de Formação de Conselheiros em Direitos Humanos Abril Julho/2006 Curso de Formação de Conselheiros em Direitos Humanos Abril Julho/2006 Realização: Ágere Cooperação em Advocacy Apoio: Secretaria Especial dos Direitos Humanos/PR Módulo III: Conselhos dos Direitos no

Leia mais

Pesquisa Mensal de Emprego PME. Algumas das principais características dos Trabalhadores Domésticos vis a vis a População Ocupada

Pesquisa Mensal de Emprego PME. Algumas das principais características dos Trabalhadores Domésticos vis a vis a População Ocupada Pesquisa Mensal de Emprego PME Algumas das principais características dos Trabalhadores Domésticos vis a vis a População Ocupada Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE Algumas das principais

Leia mais

DISCRIMINAÇÃO RACIAL PRECONCEITO DE COR NO BRASIL

DISCRIMINAÇÃO RACIAL PRECONCEITO DE COR NO BRASIL DISCRIMINAÇÃO RACIAL E PRECONCEITO DE COR NO BRASIL Fundação Perseu Abramo Fundação Rosa Luxemburgo DISCRIMINAÇÃO RACIAL E PRECONCEITO DE COR NO BRASIL TRABALHO REMUNERADO PARTICIPAÇÃO NA PEA POSIÇÃO NA

Leia mais

Agenda Nacional de Trabalho Decente

Agenda Nacional de Trabalho Decente Agenda Nacional de Trabalho Decente Brasília, 2006 Sumário Gerar Trabalho Decente para Combater a Pobreza e as Desigualdades Sociais A. Antecedentes...5 B. Prioridades...9 B.1. Prioridade 1: Gerar mais

Leia mais

Melhora nos indicadores da presença feminina no mercado de trabalho não elimina desigualdades

Melhora nos indicadores da presença feminina no mercado de trabalho não elimina desigualdades A INSERÇÃO DA MULHER NO MERCADO DE TRABALHO DE PORTO ALEGRE NOS ANOS 2000 Boletim Especial: Dia Internacional das Mulheres MARÇO/2010 Melhora nos indicadores da presença feminina no mercado de trabalho

Leia mais

Programa Pernambuco: Trabalho e Empreendedorismo da Mulher. Termo de Referência. Assessoria à Supervisão Geral Assessor Técnico

Programa Pernambuco: Trabalho e Empreendedorismo da Mulher. Termo de Referência. Assessoria à Supervisão Geral Assessor Técnico Programa Pernambuco: Trabalho e Empreendedorismo da Mulher Termo de Referência Assessoria à Supervisão Geral Assessor Técnico No âmbito do Programa Pernambuco Trabalho e Empreendedorismo da Mulher conveniado

Leia mais

Relatório de reunião do Reunião do Comitê de Mulheres da ISP. 19 de agosto de 2015 SP CSA

Relatório de reunião do Reunião do Comitê de Mulheres da ISP. 19 de agosto de 2015 SP CSA Relatório de reunião do Reunião do Comitê de Mulheres da ISP 19 de agosto de 2015 SP CSA 1. Abertura e apresentação do programa do dia Jocélio Drummond Secretário regional da ISP abriu a reunião, dando

Leia mais

A MULHER E OS TRATADOS INTERNACIONAIS DE DIREITOS HUMANOS

A MULHER E OS TRATADOS INTERNACIONAIS DE DIREITOS HUMANOS A MULHER E OS TRATADOS INTERNACIONAIS DE DIREITOS HUMANOS Os Direitos Humanos surgiram na Revolução Francesa? Olympe de Gouges (1748-1793) foi uma revolucionária e escritora francesa. Abraçou com destemor

Leia mais

SUMÁRIO APRESENTAÇÃO...3 CONSIDERAÇÕES DA SECRETARIA MUNICIPAL DE POLÍTICAS PARA AS MULHERES SPM...5

SUMÁRIO APRESENTAÇÃO...3 CONSIDERAÇÕES DA SECRETARIA MUNICIPAL DE POLÍTICAS PARA AS MULHERES SPM...5 PLANO MUNICIPAL DE POLÍTICAS PARA MULHERES ICATÚ 2013-2015 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO...3 CONSIDERAÇÕES DA SECRETARIA MUNICIPAL DE POLÍTICAS PARA AS MULHERES SPM...5 1. PRINCÍPIOS DA POLÍTICA NACIONAL PARA AS

Leia mais

INTRODUÇÃO. Sobre o Sou da Paz: Sobre os Festivais Esportivos:

INTRODUÇÃO. Sobre o Sou da Paz: Sobre os Festivais Esportivos: 1 INTRODUÇÃO Sobre o Sou da Paz: O Sou da Paz é uma organização que há mais de 10 anos trabalha para a prevenção da violência e promoção da cultura de paz no Brasil, atuando nas seguintes áreas complementares:

Leia mais

Tendências dos direitos humanos na política de atendimento a crianças e adolescentes no município de Maceió.

Tendências dos direitos humanos na política de atendimento a crianças e adolescentes no município de Maceió. Tendências dos direitos humanos na política de atendimento a crianças e adolescentes no município de Maceió. Autores:Márcia Iara Costa da Silva Martha Daniella Tenório de Oliveira OBJETO DA PESQUISA: Crianças

Leia mais

A Introdução dos Domínios Adicionais no Departamento de Ciências Sociais

A Introdução dos Domínios Adicionais no Departamento de Ciências Sociais A Introdução dos Domínios Adicionais no A implantação de Domínios Adicionais em diversos cursos de graduação da PUC-Rio tem como objetivo estimular a formação interdisciplinar, capacitando os estudantes

Leia mais

Estudo Estratégico n o 5. Desenvolvimento socioeconômico na metrópole e no interior do Rio de Janeiro Adriana Fontes Valéria Pero Camila Ferraz

Estudo Estratégico n o 5. Desenvolvimento socioeconômico na metrópole e no interior do Rio de Janeiro Adriana Fontes Valéria Pero Camila Ferraz Estudo Estratégico n o 5 Desenvolvimento socioeconômico na metrópole e no interior do Rio de Janeiro Adriana Fontes Valéria Pero Camila Ferraz PANORAMA GERAL ERJ é o estado mais urbano e metropolitano

Leia mais

OS OBJETIVOS DO DESENVOLVIMENTO DO MILÊNIO NA PERSPECTIVA DE GÊNERO

OS OBJETIVOS DO DESENVOLVIMENTO DO MILÊNIO NA PERSPECTIVA DE GÊNERO OS OBJETIVOS DO DESENVOLVIMENTO DO MILÊNIO NA PERSPECTIVA DE GÊNERO Conjuntura Para além de enfrentarem a discriminação social e familiar, muitas mulheres ainda lutam para ultrapassar os obstáculos ao

Leia mais

AGENDA NACIONAL DE TRABALHO DECENTE PARA OS TRABALHADORES E TRABALHADORAS DO SUS (ANTD-SUS)

AGENDA NACIONAL DE TRABALHO DECENTE PARA OS TRABALHADORES E TRABALHADORAS DO SUS (ANTD-SUS) AGENDA NACIONAL DE TRABALHO DECENTE PARA OS TRABALHADORES E TRABALHADORAS DO SUS (ANTD-SUS) Brasília, 20 de novembro de 2014 II Encontro Nacional das Mesas de Negociação do SUS Agenda Nacional de Trabalho

Leia mais

Nova ética emergindo de crises mudança no sistema de emprego exclusão/marginalização social aumento das demandas sociais concentração de poder e

Nova ética emergindo de crises mudança no sistema de emprego exclusão/marginalização social aumento das demandas sociais concentração de poder e PROGRAMA NACIONAL DE EDUCAÇÃO FISCAL - PNEF A EDUCAÇÃO FISCAL COMO EXERCÍCIO DE CIDADANIA CONTEXTO Nova ética emergindo de crises mudança no sistema de emprego exclusão/marginalização social aumento das

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2008 (Do Sr. Antonio Carlos Mendes Thame)

PROJETO DE LEI Nº, DE 2008 (Do Sr. Antonio Carlos Mendes Thame) PROJETO DE LEI Nº, DE 2008 (Do Sr. Antonio Carlos Mendes Thame) Regulamenta o inciso XVI do art. 22 da Constituição Federal que trata da organização do sistema nacional de emprego, para a adoção de políticas

Leia mais

TEXTO 2. Inclusão Produtiva, SUAS e Programa Brasil Sem Miséria

TEXTO 2. Inclusão Produtiva, SUAS e Programa Brasil Sem Miséria TEXTO 2 Inclusão Produtiva, SUAS e Programa Brasil Sem Miséria Um dos eixos de atuação no Plano Brasil sem Miséria diz respeito à Inclusão Produtiva nos meios urbano e rural. A primeira está associada

Leia mais

Observatórios do Trabalho

Observatórios do Trabalho Observatórios do Trabalho O que são? Ferramentas de estudo, análise e de apoio ao diálogo social e à elaboração de políticas públicas de emprego, trabalho e renda e de desenvolvimento local / regional.

Leia mais

Observatório de micro e pequenos empreendimentos no Rio de Janeiro IETS

Observatório de micro e pequenos empreendimentos no Rio de Janeiro IETS Proposta para SEBRAE/RJ Observatório de micro e pequenos empreendimentos no Rio de Janeiro IETS Maio de 2011 Introdução As boas perspectivas de desenvolvimento para o Estado do Rio de Janeiro, com grandes

Leia mais

Pequim+20. Empoderar Mulheres. Empoderar a Humanidade. Imagine! Tótens Pequim + 20. Tótem 01 Painel 01. Cliente ONU Mulheres A RICCHIERO FILHO

Pequim+20. Empoderar Mulheres. Empoderar a Humanidade. Imagine! Tótens Pequim + 20. Tótem 01 Painel 01. Cliente ONU Mulheres A RICCHIERO FILHO Pequim+20 Empoderar Mulheres. Empoderar a Humanidade. Imagine! Tótem 01 Painel 01 Pequim+20 A exposição Pequim+20 foi inspirada nos 12 temas prioritários da Plataforma de Ação de Pequim, documento resultante

Leia mais

Patrocínio Institucional Parceria Apoio

Patrocínio Institucional Parceria Apoio Patrocínio Institucional Parceria Apoio InfoReggae - Edição 82 Desemprego 22 de maio de 2015 O Grupo AfroReggae é uma organização que luta pela transformação social e, através da cultura e da arte, desperta

Leia mais

TRABALHO INFANTIL E POBREZA DA POPULAÇÃO FEMININA BRASILEIRA: UMA DISCUSSÃO DA INTER-RELAÇÃO ENTRE ESTES DOIS FATORES

TRABALHO INFANTIL E POBREZA DA POPULAÇÃO FEMININA BRASILEIRA: UMA DISCUSSÃO DA INTER-RELAÇÃO ENTRE ESTES DOIS FATORES 1 CONGRESSO INTERNACIONAL INTERDISCIPLINAR EM SOCIAIS E HUMANIDADES Niterói RJ: ANINTER-SH/ PPGSD-UFF, 03 a 06 de Setembro de 2012, ISSN 2316-266X TRABALHO INFANTIL E POBREZA DA POPULAÇÃO FEMININA BRASILEIRA:

Leia mais

Declaração de Pequim adotada pela Quarta Conferência Mundial sobre as Mulheres: Ação para Igualdade, Desenvolvimento e Paz (1995)

Declaração de Pequim adotada pela Quarta Conferência Mundial sobre as Mulheres: Ação para Igualdade, Desenvolvimento e Paz (1995) Declaração de Pequim adotada pela Quarta Conferência Mundial sobre as Mulheres: Ação para Igualdade, Desenvolvimento e Paz (1995) 1. Nós, os Governos, participante da Quarta Conferência Mundial sobre as

Leia mais

estão de Pessoas e Inovação

estão de Pessoas e Inovação estão de Pessoas e Inovação Luiz Ildebrando Pierry Secretário Executivo Programa Gaúcho da Qualidade e Produtividade Prosperidade e Qualidade de vida são nossos principais objetivos Qualidade de Vida (dicas)

Leia mais

FORMAÇÃO DA CIDADANIA OBJETIVOS E METAS

FORMAÇÃO DA CIDADANIA OBJETIVOS E METAS FORMAÇÃO DA CIDADANIA OBJETIVOS E METAS 1. Garantir a participação juvenil na elaboração e acompanhamento das políticas públicas na área de cidadania, em nível municipal, estadual e nacional, promovendo

Leia mais

PROJETO INFORMÁTICA E CIDADANIA

PROJETO INFORMÁTICA E CIDADANIA PROJETO INFORMÁTICA E CIDADANIA 1. HISTÓRICO A Diocese de Abaetetuba, através de sua Associação Obras Sociais, sentindo a necessidade de dar resposta aos anseios das crianças e adolescentes empobrecidas

Leia mais

O Mercado de Trabalho nas Atividades Culturais no Brasil, 1992-2001

O Mercado de Trabalho nas Atividades Culturais no Brasil, 1992-2001 1 Ministério da Cultura Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (IPEA) Data de elaboração da ficha: Ago 2007 Dados das organizações: Nome: Ministério da Cultura (MinC) Endereço: Esplanada dos Ministérios,

Leia mais

II Encontro MPSP/MEC/UNDIME-SP. Material das Palestras

II Encontro MPSP/MEC/UNDIME-SP. Material das Palestras II Encontro MPSP/MEC/UNDIME-SP Material das Palestras II Encontro MPSP e MEC Educação Inclusiva MARCOS LEGAIS CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL Art. 208. O dever do Estado com a educação

Leia mais

Programa: Programa Interagencial para a Promoção da Igualdade de Gênero e Raça

Programa: Programa Interagencial para a Promoção da Igualdade de Gênero e Raça TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE CONSULTORIA PARA ACOMPANHAR O SEMINÁRIO - REFERÊNCIAS CURRICULARES PARA A LEI 10.639/03, REGISTRAR E SISTEMATIZAR AS CONTRIBUIÇÕES E PROPOSIÇÕES LEVANTADAS DURANTE

Leia mais

ANEXO I ROTEIRO PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS FIA 2011. Cada projeto deve conter no máximo 20 páginas

ANEXO I ROTEIRO PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS FIA 2011. Cada projeto deve conter no máximo 20 páginas Cada projeto deve conter no máximo 20 páginas 1. APRESENTAÇÃO Faça um resumo claro e objetivo do projeto, considerando a situação da criança e do adolescente, os dados de seu município, os resultados da

Leia mais

BRASIL EXCLUDENTE E CONCENTRADOR. Colégio Anglo de Sete Lagoas Prof.: Ronaldo Tel.: (31) 2106 1750

BRASIL EXCLUDENTE E CONCENTRADOR. Colégio Anglo de Sete Lagoas Prof.: Ronaldo Tel.: (31) 2106 1750 BRASIL EXCLUDENTE E CONCENTRADOR As crises econômicas que se sucederam no Brasil interromperam a política desenvolvimentista. Ocorre que o modelo de desenvolvimento aqui implantado (modernização conservadora

Leia mais