REOLOGIA DE PRODUTOS FARMACÊUTICOS

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "REOLOGIA DE PRODUTOS FARMACÊUTICOS"

Transcrição

1 Universidade Estadual de Londrina Centro de Ciências da Saúde Depto. de Ciências Farmacêuticas REOLOGIA DE PRODUTOS FARMACÊUTICOS Profa. Daniela Cristina de Medeiros

2 Definições e conceitos Grego: rheos=escoamento logos=conhecimento fundamentais Reologia: estudo do escoamento e deformação e de um material, quando submetido a uma tensão; * Estudo do fluxo levando em conta as características de viscosidade do material Reometria: determinação das propriedades reológicas dos corpos; Análise reológica: aplicação de uma força tangencial a um corpo e observação da deformação subsequente;

3 Aplicação em farmácia Determinação do índice de consistência de formulações semisólidas (cremes, pastas, loções) : - Caracterizar a facilidade do produtos ser despejado (frasco), apertado (tubo) ou aplicado na pele; Desenvolvimento e Produção: mistura e envase escolha de equipamentos industriais e embalagem; Estabilidade: emulsões, suspensões, pastas, supositórios: -manutenção das propriedades intrínsecas e de escoamento do produto durante a estocagem;

4 Parâmetros da reologia Pequena viscosidade Grande viscosidade Um líquido escoando pode ter uma região de maior velocidade que outra No escoamento num tubo, a velocidade do centro é a máxima, enquanto nas paredes é nula V 0 F d V Fluido Metade do tubo V= 0 (atrito)

5 Parâmetros da reologia Modelo de reologia: Dois planos afastados por uma distância X; Entre eles um material com uma certa viscosidade; Aplica-se uma força F ao plano superior, que pode se mover na horizontal, com uma velocidade V; O plano inferior permanece imóvel; Forma-se um gradiente de velocidade dv/dx entre os dois planos;

6 Parâmetros da reologia F=Força V=vel y x dy O gradiente formado dv/dx= gradiente de cisalhamento = = dv/dx A=área A força (F) por unidade de área que provoca a deformação tensão de cisalhamento = = F/A

7 Parâmetros da reologia

8 Parâmetros da reologia Viscosidade ou coeficiente de viscosidade do sistema ( ): é a cte de proporcionalidade entre a tensão de cisalhamento e o gradiente de cisalhamento = / Viscosidade de um fluido No estudo do escoamento dos fluidos, a viscosidade é considerada como uma medida da RESISTÊNCIA que um fluido oferece a uma força de cisalhamento aplicada. * Resistência ao fluxo ou movimento.

9 Parâmetros da reologia Unidade da viscosidade: Poise (P) Poise é a força de cisalhamento necessária para produzir uma velocidade de 1cm/seg entre dois planos paralelos do líquido, cada um com área de 1cm 2, separados por uma distância de 1cm. A unidade mais usual é o centipoise ou cp (equivalente a 0,01 poise) Viscosidade da água = 1cP No sist. Internacional - a un. da viscosidade que corresponde a 1cP é o mili pascal segundo (mpas)

10 Parâmetros da reologia Fluidez - é a recíproca da viscosidade = 1/ * Quanto mais viscoso, menos fluido Deformação = = dy/x dy = deslocamento; x= distância entre os 2 planos

11 Faixa de comportamento reológico dos materiais Fluido Newtoniano Com tensão de cisalhamento inicial Plástico de Bingham Pseudoplático* Não newtoniano Sem tensão de cisalhamento inicial Dilatante* Dependentes do tempo Tixotrópico Reopético Classificação simplificada do comportamento reológico * Podem ter tensão de cisalhamento inicial

12 Comportamento Reológico Classificação Newtoniano: gradiente de cisalhamento é diretamente proporcional à tensão de cisalhamento. O reograma (curva de escoamento) é uma reta que passa pela origem. caracteriza-se por viscosidade constante, independente da velocidade de cisalhamento aplicada. Ex: materiais quimicamente puros, soluções com solutos de PM

13 Reograma de um líquido newtoniano

14 Viscosidade de um líquido newtoniano

15 Comportamento Reológico Classificação Não-newtoniano: não se verifica uma relação linear direta entre a tensão de cisalhamento e o gradiente de cisalhamento. Caracteriza-se por uma mudança na viscosidade com o aumento da velocidade de cisalhamento. Ocorre com a maioria dos sistemas de interesse em farmácia

16 Comportamento Reológico: Classificação Não-newtoniano fluxo plástico (ou corpos de Bingham): não há escoamento até que a tensão de cisalhamento exceda o valor de cedência o reograma não passa pela origem ocorre em suspensões concentradas, particularmente se a fase contínua for de alta viscosidade

17 Reograma de uma subst. com fluxo plástico

18 Viscosidade de uma subst. com fluxo plástico

19 Comportamento Reológico: Classificação Não-newtoniano Pseudoplástico: redução na viscosidade aparente com aumento do gradiente de cisalhamento soluções de polímeros e maioria dos sistemas semi-sólidos que contenham componentes poliméricos; acredita-se que a diminuição da viscosidade ocorra quando as moléculas, sobretudo poliméricas, se alinham longitudinalmente entre si, devido a tensão aplicada (quebra das ligações). Dessa forma oferecem menos resistência ao fluxo e liberam a água que estava aprisionada.

20 Reograma de uma subst. com fluxo pseudoplástico Tensão de cisalhamento numa proporção menor que o gradiente de cisalhamento

21 Viscosidade de uma subst. com fluxo pseudoplástico

22 Comportamento Reológico: Classificação Não-newtoniano Dilatante: aumento da viscosidade aparente com aumento do gradiente de cisalhamento. EX. Suspensão concentrada de magnésia pode ocorrer em dispersões que contém uma alta concentração (~50%) de partículas sólidas pequenas, defloculadas. Com o aumento da veloc. de cisalhamento, as partículas que estavam homogeneamente distribuidas formam agregados, resultando na criação de espaços vazios, nos quais flui o veículo, aumentando a viscosidade.

23 Reograma de uma subst. com fluxo dilatante Tensão de cisalhamento numa proporção maior que o gradiente de cisalhamento

24 Viscosidade de uma subst. com fluxo dilatante

25 Reograma de diferentes materiais não newtonianos

26 Tixotropia e Reopexia O estresse aplicado a um sistema pode causar uma quebra de estrutura que não se recompõem imediatamente após o estresse ser removido: - Recuperação imediata - ramos ascendentes e descendentes do reograma são idênticos; - Recuperação não imediata: * o reograma descendentes apresentará valores de tensão inferiores para cada valor de gradiente de cisalhamento - Tixotropia * o reograma descendentes apresentará valores de tensão superiores para cada valor de gradiente de cisalhamento - Reopexia

27 Reograma ascendente e descendente

28 Tixotropia - Recuperação não imediata: o reograma descendentes apresentará valores de tensão inferiores para cada valor de gradiente de cisalhamento Tixotropia: a visc diminui com o tempo para ou ctes, devido a destruição de estruturas. É uma propriedade desejável nas formulações farmacêuticas

29 Reopexia - Recuperação não imediata: o reograma descendentes apresentará valores de tensão superiores para cada valor de gradiente de cisalhamento Reopexia: visc aumenta com o tempo para ou ctes, devido a formação de estruturas (ocorre raramente) * A área formada entre as curvas ascendentes e descendentes do escoamento de um sistema tixotrópico ou reopético é a área de histerese

30 Tensão de Cisalhamento Área de histerese Área de histerese Gradiente de Cisalhamento

31

32

33 Reometria Viscosímetro capilar: líquido escoa num tubo capilar, verifica-se uma resistência de escoamento devido à viscosidade; O líquido nas paredes está estacionário enquanto o líquido no centro tem vel máxima; Ex: Viscosímetro de Ostwald (determinações da viscosidade relativa são obtidos por comparações com um padrão de viscosidade conhecida)

34 Viscosímetro capilar: Reometria

35 Reômetros rotativos: Reometria

36 Reometria Reômetros rotativos: Cilindro concêntrico Cone e placa Placa paralela

37 Reometria Reômetros rotativos: Hastes (spindles) utilizadas no viscosímetro e reômetros Brookfield

38 IMPORTÂNCIA DA REOLOGIA NAS FORMULAÇÕES COSMÉTICAS Reologia assunto de importância crescente na industria cosmética e farmacêutica qualidade e controle de qualidade Maioria das formulações dermocosméticas fluidos psedoplásticos

39 Bibliografia ANSEL, H.C., POPOVICH, N. G., ALLEN Jr, L. V. Farmacotécnica: Formas Farmacêuticas & Sistemas de liberação de fármacos. 6 ªed. São Paulo, AULTON, M. E. Delineamento de formas farmacêuticas, 2a.ed. Porto Alegre Artmed Editora, LACHMAN, L., LIEBERMAN, H. A., KANIG, J. L. Teoria e prática na indústria farmacêutica. Lisboa Fundação Calouste Gulbenkian, 2001.

ANÁLISE DO ESCOAMENTO DE UM FLUIDO REAL: água

ANÁLISE DO ESCOAMENTO DE UM FLUIDO REAL: água UFF Universidade Federal Fluminense Escola de Engenharia Departamento de Engenharia Química e de Petróleo Integração I Prof.: Rogério Fernandes Lacerda Curso: Engenharia de Petróleo Alunos: Bárbara Vieira

Leia mais

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE Decanato Acadêmico

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE Decanato Acadêmico Unidade Universitária: ESCOLA DE ENGENHARIA Curso: ENGENHARIA DE MATERIAIS Disciplina: REOLOGIA Professor(es): Núcleo Temático: DISCIPLINA ESPECÍFICA Código da Disciplina: 261.1605.7 DRT: Etapa: 1140135

Leia mais

REOLOGIA. A Reologia é a ciência que estuda a deformação e o escoamento de corpos sólidos ou fluídos (gases ou líquidos).

REOLOGIA. A Reologia é a ciência que estuda a deformação e o escoamento de corpos sólidos ou fluídos (gases ou líquidos). REOLOGIA A Reologia é a ciência que estuda a deformação e o escoamento de corpos sólidos ou fluídos (gases ou líquidos). Importância: Dimensionamento de bombas e tubulações, agitadores, trocadores de calor,

Leia mais

Monografia: Comportamento Reológico de Emulsões de água em óleo na Indústria Petrolífera

Monografia: Comportamento Reológico de Emulsões de água em óleo na Indústria Petrolífera Universidade Federal de Itajubá Programa de Recursos Humanos da Agência Nacional do Petróleo Monografia: Comportamento Reológico de Emulsões de água em óleo na Indústria Petrolífera Bolsista: Mauricio

Leia mais

Físico-Química Experimental I Bacharelado em Química Engenharia Química

Físico-Química Experimental I Bacharelado em Química Engenharia Química Físico-Química Experimental I Bachaado em Química Engenharia Química Prof. Dr. Sergio Pilling Prática 4 Determinação da Viscosidade de Líquidos. Tipos de viscosímetros. Viscosidade ativa, viscosidade intrínseca

Leia mais

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE Decanato Acadêmico

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE Decanato Acadêmico Unidade Universitária: ESCOLA DE ENGENHARIA Curso: ENGENHARIA DE MATERIAIS Disciplina: REOLOGIA Professor(es): Núcleo Temático: DISCIPLINA ESPECÍFICA Código da Disciplina: 261.1605.7 DRT: Etapa: 1140135

Leia mais

Aspectos da Reometria

Aspectos da Reometria Aspectos da Reometria Aula 2 Prof. Hamilton Viana A lei básica A medida de viscosidade dos líquidos requer: definição dos parâmetros envolvidos no fluxo. Devem-se encontrar condições adequadas de teste

Leia mais

LÍQUIDOS: DETERMINAÇÃO DA VISCOSIDADE I. 1. Introdução

LÍQUIDOS: DETERMINAÇÃO DA VISCOSIDADE I. 1. Introdução LÍQUIDOS: DETERMINAÇÃO DA VISCOSIDADE I 1. Introdução No estado líquido as moléculas estão mais próximas uma das outras e entre elas existem forças atrativas. Para um líquido fluir suas moléculas devem

Leia mais

EXPERIMENTO 08 REOLOGIA - VISCOSIDADE DE LÍQUIDOS. b) Reagentes. - Óleo mineral; - Biodiesel; - Mel ou melado.

EXPERIMENTO 08 REOLOGIA - VISCOSIDADE DE LÍQUIDOS. b) Reagentes. - Óleo mineral; - Biodiesel; - Mel ou melado. ŀ EXPERIMENTO 08 UNIVERSIDADE COMUNITÁRIA REGIONAL DE CHAPECÓ ÁREA DE CIÊNCIAS EXATAS E AMBIENTAIS ENGENHARIA DE ALIMENTOS/ENGENHARIA QUÍMICA DISCIPLINA: FÍSICO-QUÍMICA EXPERIMENTAL PROFESSOR: JACIR DAL

Leia mais

Viscosimetria de soluções diluídas. Ricardo Cunha Michel sala J-210 e J-126 (LAFIQ) 3938-7228 rmichel@ima.ufrj.br

Viscosimetria de soluções diluídas. Ricardo Cunha Michel sala J-210 e J-126 (LAFIQ) 3938-7228 rmichel@ima.ufrj.br de soluções diluídas Ricardo Cunha Michel sala J-210 e J-126 (LAFIQ) 3938-7228 rmichel@ima.ufrj.br Viscosidade em líquidos * A viscosidade pode ser descrita como sendo a resistência que o fluido impõe

Leia mais

Instituto Superior de Engenharia do Porto

Instituto Superior de Engenharia do Porto Instituto Superior de Engenharia do Porto Laboratório de Engenharia Química Engenharia Química Determinação da relação entre a Viscosidade Dinâmica de um líquido e a Temperatura Nome: Vera Pereira Nº 990542

Leia mais

PROPRIEDADES REOLÓGICAS A APROXIMAÇÃO PSICOLÓGICA E REOLÓGICA PARA O COMPORTAMENTO MECÂNICO

PROPRIEDADES REOLÓGICAS A APROXIMAÇÃO PSICOLÓGICA E REOLÓGICA PARA O COMPORTAMENTO MECÂNICO PROPRIEDADES REOLÓGICAS A APROXIMAÇÃO PSICOLÓGICA E REOLÓGICA PARA O COMPORTAMENTO MECÂNICO Da mesma forma que os alimentos têm cor, sabor e cheiro, eles exibem comportamentos mecânicos: eles reagem de

Leia mais

Operação Unitária de Centrifugação

Operação Unitária de Centrifugação UFPR Setor de Ciências da Saúde Curso de Farmácia Disciplina de Física Industrial Operação Unitária de Centrifugação Prof. Dr. Marco André Cardoso Centrifugação Operação unitária com a principal finalidade

Leia mais

FENÓMENOS DE TRANSPORTE. Reologia

FENÓMENOS DE TRANSPORTE. Reologia FENÓMENOS DE TRANSPORTE Reologia REOLOGIA: SIGNIFICADO REOLOGIA: GENERALIDADES Processos industriais Acompanhamento de reacções químicas Controlo de qualidade dos produtos durante o processamento Controlo

Leia mais

TÍTULO: CARACTERIZAÇÃO REOLÓGICA DE FLUIDOS NÃO NEWTONIANOS ATRAVÉS DO VISCOSÍMETRO DE STORMER

TÍTULO: CARACTERIZAÇÃO REOLÓGICA DE FLUIDOS NÃO NEWTONIANOS ATRAVÉS DO VISCOSÍMETRO DE STORMER Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: CARACTERIZAÇÃO REOLÓGICA DE FLUIDOS NÃO NEWTONIANOS ATRAVÉS DO VISCOSÍMETRO DE STORMER CATEGORIA:

Leia mais

CAPITULO 1 INTRODUÇÃO ÀS CIÊNCIAS TÉRMICAS 1.1 CIÊNCIAS TÉRMICAS

CAPITULO 1 INTRODUÇÃO ÀS CIÊNCIAS TÉRMICAS 1.1 CIÊNCIAS TÉRMICAS CAPITULO 1 INTRODUÇÃO ÀS CIÊNCIAS TÉRMICAS 1.1 CIÊNCIAS TÉRMICAS Este curso se restringirá às discussões dos princípios básicos das ciências térmicas, que são normalmente constituídas pela termodinâmica,

Leia mais

Processamento de materiais cerâmicos + H 2 O. Ivone

Processamento de materiais cerâmicos + H 2 O. Ivone + H 2 O Ivone Umidade (%) Colagem 100 Líquido Plástico Semi-Sólido Índice de Plasticidade - IP Limite de Liquidez - LL Limite de Plasticidade - LP COLAGEM EXTRUSÃO Sólido Limite de Contração - LC PRENSAGEM

Leia mais

Determinação da viscosidade. Método de Stokes e viscosímetro de Hoppler

Determinação da viscosidade. Método de Stokes e viscosímetro de Hoppler Determinação da viscosidade Método de Stokes e viscosímetro de Hoppler A viscosidade é uma das variáveis que caracteriza reologicamente uma substância. O que vem a ser reologicamente? Num sentido amplo,

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO Departamento de Engenharia Mecânica

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO Departamento de Engenharia Mecânica UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO Departamento de Engenharia Mecânica Elementos de Máquinas II Elementos de Apoio F T O = 0 Óleo e.sen O F h máx e Eixo Mancal L Óleo F d n h min d Q máx F pmáx p O

Leia mais

MISTURADORES E AGITADORES ALIMENTÍCIOS

MISTURADORES E AGITADORES ALIMENTÍCIOS MISTURADORES E AGITADORES ALIMENTÍCIOS A mistura de um produto alimentício pode ser definida como uma operação durante a qual se efetua a combinação uniforme de vários componentes de uma formulação. A

Leia mais

COMPORTAMENTO REOLÓGICO DE FORMULAÇÕES PARA DENTIFRÍCIOS

COMPORTAMENTO REOLÓGICO DE FORMULAÇÕES PARA DENTIFRÍCIOS COMPORTAMENTO REOLÓGICO DE FORMULAÇÕES PARA DENTIFRÍCIOS Marcelo Vaqueiro de Souza e Silva Roberto Guimarães Pereira Universidade Federal Fluminense, Departamento de Engenharia Mecânica Rua Passos da Pátria,

Leia mais

COMPORTAMENTO REOLÓGICO DE SUCO DE LARANJA CONCENTRADO CONGELADO

COMPORTAMENTO REOLÓGICO DE SUCO DE LARANJA CONCENTRADO CONGELADO 173 COMPORTAMENTO REOLÓGICO DE SUCO DE LARANJA CONCENTRADO CONGELADO Ivanise Guilherme Branco 1, Carlos Alberto Gasparetto 2 RESUMO A tecnologia de fabricação de suco de laranja concentrado vem se transformando

Leia mais

Física Parte 2. Fórmulas para obtenção das grandezas: 1.Superfície 2.Volume 3.Densidades 4.Vazão 5.Pressão 6.Teorema de Pascal 7.

Física Parte 2. Fórmulas para obtenção das grandezas: 1.Superfície 2.Volume 3.Densidades 4.Vazão 5.Pressão 6.Teorema de Pascal 7. Física Parte 2 Fórmulas para obtenção das grandezas: 1.Superfície 2.Volume 3.Densidades 4.Vazão 5.Pressão 6.Teorema de Pascal 7.Empuxo Introdução A memorização de unidades para as diversas grandezas existentes

Leia mais

LIGANTES ASFÁLTICOS PARA PAVIMENTAÇÃO ENSAIOS E CLASSIFICAÇÕES (PARTE 2)

LIGANTES ASFÁLTICOS PARA PAVIMENTAÇÃO ENSAIOS E CLASSIFICAÇÕES (PARTE 2) LIGANTES ASFÁLTICOS PARA PAVIMENTAÇÃO ENSAIOS E CLASSIFICAÇÕES (PARTE 2) Pavimentação NATURAIS ROCHAS ASFÁLTICAS XISTOS E ARENITOS LAGOS ASFÁLTICOS LIGANTES BETUMINOSOS PETRÓLEO ALCATRÃO SÓLIDOS OXIDADOS

Leia mais

MISTURA- Conceituação MISTURA DE LÍQUIDOS. Seleção de misturadores. ALM 602- Operações Unitárias da Indústria Farmacêutica. Equipamentos de mistura

MISTURA- Conceituação MISTURA DE LÍQUIDOS. Seleção de misturadores. ALM 602- Operações Unitárias da Indústria Farmacêutica. Equipamentos de mistura FACULDADE DE FARMÁCIA DA UFMG DEPARTAMENTO DE ALIMENTOS ALM 602- Operações Unitárias da Indústria Farmacêutica MISTURA DE LÍQUIDOS Accácia Júlia Guimarães Pereira Messano 2010 MISTURA- Conceituação A operação

Leia mais

Faculdade de Tecnologia Programa de Pós Graduação em Engenharia de Recursos Amazônicos Reologia Prof. Lucas Freitas Berti 1 a Lista de exercícios

Faculdade de Tecnologia Programa de Pós Graduação em Engenharia de Recursos Amazônicos Reologia Prof. Lucas Freitas Berti 1 a Lista de exercícios Faculdade de Tecnologia Programa de Pós Graduação em Engenharia de Recursos Amazônicos Reologia Prof. Lucas Freitas Berti 1 a Lista de exercícios 1-) Questão Comente sobre os seguintes personagens científicos,

Leia mais

Módulo 06 - VISCOSÍMETRO DE STOKES

Módulo 06 - VISCOSÍMETRO DE STOKES Módulo 06 - VISCOSÍMETRO DE STOKES Viscosímetros são instrumentos utilizados para medir a viscosidade de líquidos. Eles podem ser classificados em dois grupos: primário e secundário. No grupo primário

Leia mais

MÓDULO 03 - PROPRIEDADES DO FLUIDOS. Bibliografia

MÓDULO 03 - PROPRIEDADES DO FLUIDOS. Bibliografia MÓDULO 03 - PROPRIEDADES DO FLUIDOS Bibliografia 1) Estática dos Fluidos Professor Dr. Paulo Sergio Catálise Editora, São Paulo, 2011 CDD-620.106 2) Introdução à Mecânica dos Fluidos Robert W. Fox & Alan

Leia mais

FACULDADE DE FARMÁCIA DA UFMG DEPARTAMENTO DE ALIMENTOS

FACULDADE DE FARMÁCIA DA UFMG DEPARTAMENTO DE ALIMENTOS FACULDADE DE FARMÁCIA DA UFMG DEPARTAMENTO DE ALIMENTOS ALM 60- Operações Unitárias da Indústria Farmacêutica MISTURA DE SÓLIDOS Accácia Júlia Guimarães Pereira Messano 010 Introdução Mistura de sólidos

Leia mais

SUSPENSÕES E SOLUÇÕES

SUSPENSÕES E SOLUÇÕES SUSPENSÕES E SOLUÇÕES Definições SUSPENSÃO Mistura heterogênea de substâncias Ex.: sangue (suspensão de plasma e células) água e óleo; água e areia, água e açúcar SOLUÇÃO Mistura homogênea de substâncias

Leia mais

Processos em Engenharia: Modelagem Matemática de Sistemas Fluídicos

Processos em Engenharia: Modelagem Matemática de Sistemas Fluídicos Processos em Engenharia: Modelagem Matemática de Sistemas Fluídicos Prof. Daniel Coutinho coutinho@das.ufsc.br Departamento de Automação e Sistemas DAS Universidade Federal de Santa Catarina UFSC DAS 5101

Leia mais

Mecânica dos Fluidos. Unidade 1- Propriedades Básicas dos Fluidos

Mecânica dos Fluidos. Unidade 1- Propriedades Básicas dos Fluidos Mecânica dos Fluidos Unidade 1- Propriedades Básicas dos Fluidos Quais as diferenças fundamentais entre fluido e sólido? Fluido é mole e deformável Sólido é duro e muito Sólido é duro e muito pouco deformável

Leia mais

Características de um fluido

Características de um fluido FLUIDOS - Propriedades Características de um fluido Gases e liquídos podem ambos ser considerados fluidos. Há certas características partilhadas por todos os fluidos que podem usar-se para distinguir liquidos

Leia mais

CURSO DE AQUITETURA E URBANISMO

CURSO DE AQUITETURA E URBANISMO 1- Generalidades PROPRIEDADES DO CONCRETO FRESCO Todas as misturas de concreto devem ser adequadamente dosadas para atender aos requisitos de: Economia; Trabalhabilidade; Resistência; Durabilidade. Esses

Leia mais

EXPERIMENTO 2 MEDIDAS DE VISCOSIDADE DE FLUIDOS NEWTONIANOS E NÃO-NEWTONIANOS

EXPERIMENTO 2 MEDIDAS DE VISCOSIDADE DE FLUIDOS NEWTONIANOS E NÃO-NEWTONIANOS Universidade de Brasília Faculdade de Tecnologia Departamento de Engenharia Mecânica Disciplina: Mecânica dos Fluidos II Professores: Francisco Ricardo da Cunha / Gustavo Coelho Abade Monitores: Adriano

Leia mais

Métodos de determinação da Massa Molecular

Métodos de determinação da Massa Molecular Métodos de determinação da Massa Molecular Métodos absolutos a) Massa molecular média em número - Análise de grupos terminais - Elevação ebulioscópica - Depressão crioscópica - Abaixamento da pressão de

Leia mais

Reutilização da Água da Estação de Tratamento de Efluentes em Esmaltes de Monoporosa

Reutilização da Água da Estação de Tratamento de Efluentes em Esmaltes de Monoporosa Reutilização da Água da Estação de Tratamento de Efluentes em Esmaltes de Monoporosa Aline Ribeiro a,b, Israel Brandão Maurício a,b, Jonas Volpato Romagna a,b, Maicon João Bortolatto a,b, Paula Bortolatto

Leia mais

Fenômenos de Transporte

Fenômenos de Transporte Objetivos Fenômenos de Transporte I - Conceitos Fundamentais Identificar o campo de atuação da disciplina. Conceituar as variáveis básicas trabalhadas em Fenômenos de Transporte. Explanar sobre os conceitos

Leia mais

Prova Experimental Física, Química, Biologia

Prova Experimental Física, Química, Biologia Prova Experimental Física, Química, Biologia Complete os espaços: Nomes dos estudantes: Número do Grupo: País: BRAZIL Assinaturas: A proposta deste experimento é extrair DNA de trigo germinado e, posteriormente,

Leia mais

Departamento de Engenharia Sanitária e Ambiental - Faculdade de Engenharia Universidade Federal de Juiz de Fora Mecânica dos Fluidos Prática

Departamento de Engenharia Sanitária e Ambiental - Faculdade de Engenharia Universidade Federal de Juiz de Fora Mecânica dos Fluidos Prática Aula prática n o 1 1.1. Tema: Medida de viscosidade dinâmica Fluido é uma substância que, quando submetida a uma tensão de cisalhamento, deforma-se continuamente, independente da grandeza dessa tensão.

Leia mais

Sistemas de Pasta Fluida DuPont

Sistemas de Pasta Fluida DuPont Sistemas de Pasta Fluida DuPont Abstrato Serviços de pasta fluida DuPont são listados e as considerações do projeto para o sistema de pasta fluida são discutidos. Novembro de 1998 Copyright 00 E.I. du

Leia mais

EDITAL 04/2015 - SELEÇÃO DE ESTAGIÁRIOS BOLSITAS PARA O NUPLAM

EDITAL 04/2015 - SELEÇÃO DE ESTAGIÁRIOS BOLSITAS PARA O NUPLAM Universidade Federal do Rio Grande do Norte UFRN Núcleo de Pesquisa em Alimentos e Medicamentos NUPLAM EDITAL 04/2015 - SELEÇÃO DE ESTAGIÁRIOS BOLSITAS PARA O NUPLAM Tendo em vista a procura por vagas

Leia mais

Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro PUC-Rio. CIV 1111 Sistemas Estruturais na Arquitetura I

Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro PUC-Rio. CIV 1111 Sistemas Estruturais na Arquitetura I Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro PUC-Rio CIV 1111 Sistemas Estruturais na Arquitetura I Profa. Elisa Sotelino Prof. Luiz Fernando Martha Propriedades de Materiais sob Tração Objetivos

Leia mais

III- TIPOS DE FORMULAÇÕES DE AGROTÓXICOS

III- TIPOS DE FORMULAÇÕES DE AGROTÓXICOS III- TIPOS DE FORMULAÇÕES DE AGROTÓXICOS Ingrediente ativo x inerte Ingrediente ativo (i.a.) Composto com atividade biológica Geralmente insolúvel em água Ingrediente inerte Outros componentes (cargas,

Leia mais

APOSTILA DE PROCESSOS 4

APOSTILA DE PROCESSOS 4 1 APOSTILA DE PROCESSOS 4 EMC 5744 PARTE 1: FUNDAMENTOS DE REOLOGIA DE MATERIAIS POLIMÉRICOS 2 PROFESSOR: GUILHERME BARRA SUMÁRIO Pg 1.1 DEFINIÇÃO DE REOLOGIA 03 1.2 FUNDAMENTOS DE POLÍMEROS 04 1.3 DEFORMAÇÃO

Leia mais

INTRODUÇÃO ESTUDO DAS PROPRIEDADES REOLÓGICAS DO XAROPE DE CANA BRUTO E FLOTADO DE ACORDO COM O TEOR DE SÓLIDOS SOLÚVEIS (⁰BRIX)

INTRODUÇÃO ESTUDO DAS PROPRIEDADES REOLÓGICAS DO XAROPE DE CANA BRUTO E FLOTADO DE ACORDO COM O TEOR DE SÓLIDOS SOLÚVEIS (⁰BRIX) 1 ESTUDO DAS PROPRIEDADES REOLÓGICAS DO XAROPE DE CANA BRUTO E FLOTADO DE ACORDO COM O TEOR DE SÓLIDOS SOLÚVEIS (⁰BRIX) INTRODUÇÃO Mário Augusto VERGANI Discente do curso de Engenharia de Alimentos da

Leia mais

Viscosidade Viscosidade

Viscosidade Viscosidade Viscosidade Atrito nos fluidos - Entre o fluido e as paredes dos recipientes - Entre camadas adjacentes de fluido Move-se com velocidade da placa Manter placa superior em movimento requer F A v l Viscosidade

Leia mais

Propriedades dos Materiais CAP 3

Propriedades dos Materiais CAP 3 Universidade Federal do Ceará Resistência dos Materiais I Propriedades dos Materiais CAP 3 Profa. Tereza Denyse de Araújo Março/2010 Roteiro de aula Ensaio de Cisalhamento Ensaio de Torção Falhas de Materiais

Leia mais

Técnicas adotas para seu estudo: soluções numéricas (CFD); experimentação (análise dimensional); teoria da camada-limite.

Técnicas adotas para seu estudo: soluções numéricas (CFD); experimentação (análise dimensional); teoria da camada-limite. Escoamento externo Técnicas adotas para seu estudo: soluções numéricas (CFD); experimentação (análise dimensional); teoria da camada-limite. Soluções numéricas, hoje um campo interessante de pesquisa e

Leia mais

Reologia de concretos de alto desempenho aplicados na construção civil - Revisão

Reologia de concretos de alto desempenho aplicados na construção civil - Revisão 63 Cerâmica 57 (2011) 63-75 Reologia de concretos de alto desempenho aplicados na construção civil - Revisão (Review article: Rheology of high performance concretes applied in building site) A. L. de Castro

Leia mais

CONCURSO DE ADMISSÃO AO CURSO DE FORMAÇÃO E GRADUAÇÃO FÍSICA CADERNO DE QUESTÕES

CONCURSO DE ADMISSÃO AO CURSO DE FORMAÇÃO E GRADUAÇÃO FÍSICA CADERNO DE QUESTÕES CONCURSO DE ADMISSÃO AO CURSO DE FORMAÇÃO E GRADUAÇÃO FÍSICA CADERNO DE QUESTÕES 1 a QUESTÃO Valor: 1,00 A L 0 H mola apoio sem atrito B A figura acima mostra um sistema composto por uma parede vertical

Leia mais

Aula 23 Trocadores de Calor

Aula 23 Trocadores de Calor Aula 23 Trocadores de Calor UFJF/Departamento de Engenharia de Produção e Mecânica Prof. Dr. Washington Orlando Irrazabal Bohorquez Definição: Trocadores de Calor Os equipamentos usados para implementar

Leia mais

OBJETIVOS: Mostrar o comportamento das correntes de ar e pressão através do gerador de fluxo de ar.

OBJETIVOS: Mostrar o comportamento das correntes de ar e pressão através do gerador de fluxo de ar. UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ UF PI CENTRO DE CIÊNCIAS DANATUREZA CCN DEPARTAMENTO DE FÍSICA DISCIPLINA: FÍSICA EXPERIMENTAL II PROF. : JEREMIAS ARAÚJO Prática V: APLICAÇÕES DA EQUAÇÃO DE BERNOULLI OBJETIVOS:

Leia mais

HIDRODINÂMICA CONDUTOS SOB PRESSÃO

HIDRODINÂMICA CONDUTOS SOB PRESSÃO HIDRODINÂMICA CONDUTOS SOB PRESSÃO CONDUTOS SOB PRESSÃO Denominam-se condutos sob pressão ou condutos forçados, as canalizações onde o líquido escoa sob uma pressão diferente da atmosférica. As seções

Leia mais

Propriedades Mecânicas. Prof. Hamilton M. Viana

Propriedades Mecânicas. Prof. Hamilton M. Viana Propriedades Mecânicas Prof. Hamilton M. Viana Propriedades Mecânicas Propriedades Mecânicas Definem a resposta do material à aplicação de forças (solicitação mecânica). Força (tensão) Deformação Principais

Leia mais

CALORIMETRIA - TEORIA

CALORIMETRIA - TEORIA CALORIMETRIA - TEORIA A calorimetria é a parte da Física que estuda a quantificação e as trocas de energia entre os corpos, quando esta troca ocorre sob a forma de calor. Temos, então, a primeira pergunta:

Leia mais

Construção. Adesivo para colagem estrutural. Descrição do produto Campos de aplicação. Características / Vantagens. Testes. Dados do Produto.

Construção. Adesivo para colagem estrutural. Descrição do produto Campos de aplicação. Características / Vantagens. Testes. Dados do Produto. Ficha de Produto Edição 02/09/2010 Identificação n 02 04 01 04 001 0 000001 Sikadur 30 Adesivo para colagem estrutural. Descrição do produto Campos de aplicação Características / Vantagens Testes Sikadur

Leia mais

Medicamento O que é? Para que serve?

Medicamento O que é? Para que serve? Medicamento O que é? Para que serve? Os Medicamentos são produtos farmacêuticos, tecnicamente obtidos ou elaborados, com finalidade profilática, curativa, paliativa ou para fins de diagnóstico (Lei nº

Leia mais

CQ049 : FQ IV - Eletroquímica. CQ049 FQ Eletroquímica. prof. Dr. Marcio Vidotti LEAP Laboratório de Eletroquímica e Polímeros mvidotti@ufpr.

CQ049 : FQ IV - Eletroquímica. CQ049 FQ Eletroquímica. prof. Dr. Marcio Vidotti LEAP Laboratório de Eletroquímica e Polímeros mvidotti@ufpr. CQ049 FQ Eletroquímica prof. Dr. Marcio Vidotti LEAP Laboratório de Eletroquímica e Polímeros mvidotti@ufpr.br 1 a estrutura I-S (água) ion central moléculas de água orientadas interações ion - dipolo

Leia mais

Kcr = número crítico de Reynolds Vcr = Velocidade crítica, m/s D = Diâmetro do tubo, m ʋ = Viscosidade cinemática, m²/s

Kcr = número crítico de Reynolds Vcr = Velocidade crítica, m/s D = Diâmetro do tubo, m ʋ = Viscosidade cinemática, m²/s 1/5 NÚMERO DE REYNOLDS O número de Reynolds, embora introduzido conceitualmente em l851 por um cientista da época, tornou-se popularizado na mecânica dos fluidos pelo engenheiro hidráulico e físico Irlandes,

Leia mais

Mesa Redonda Módulo de Elasticidade, influências diretas sobre a estrutura pré-moldada

Mesa Redonda Módulo de Elasticidade, influências diretas sobre a estrutura pré-moldada Mesa Redonda Módulo de Elasticidade, influências diretas sobre a estrutura pré-moldada Módulo de Elasticidade do Concreto Normalização, fatores de influência e interface com o pré-moldado Enga. Inês Laranjeira

Leia mais

Capítulo 2 Introdução à Mecânica dos Fluidos: Conceitos Fundamentais

Capítulo 2 Introdução à Mecânica dos Fluidos: Conceitos Fundamentais Capítulo 2 Introdução à Mecânica dos Fluidos: Conceitos Fundamentais Escoamento em volta de veículo para análise de sua performance aerodinâmica. Universidade Federal Fluminense EEIMVR - VEM Mecânica dos

Leia mais

Introdução à Reologia

Introdução à Reologia Introdução à Reologia O que é Reologia? η Faixa do Comportamento Reológico dos Materiais Reologia: O estudo das deformações e fluxo da matéria. Faixa de comportamento dos materiais Sólido ---------Líquido

Leia mais

CONCEITOS. Prof. Roberto Monteiro de Barros Filho. Prof. Roberto Monteiro de Barros Filho

CONCEITOS. Prof. Roberto Monteiro de Barros Filho. Prof. Roberto Monteiro de Barros Filho CONCEITOS Materiais e Processos de Produção ESTRUTURA DA MATÉRIA ÁTOMOS PRÓTONS NÊUTRONS ELÉTRONS MOLÉCULAS ESTADOS DA MATÉRIA TIPO DE LIGAÇÃO ESTRUTURA (ARRANJO) IÔNICA COVALENTE METÁLICA CRISTALINO AMORFO

Leia mais

MECÂNICA DOS FLUIDOS 2 ME262

MECÂNICA DOS FLUIDOS 2 ME262 UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO CENTRO DE TECNOLOGIA E GEOCIÊNCIAS (CTG) DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA MECÂNICA (DEMEC) MECÂNICA DOS FLUIDOS ME6 Prof. ALEX MAURÍCIO ARAÚJO (Capítulo 5) Recife - PE Capítulo

Leia mais

LABORATÓRIO DE MECÂNICA DOS FLUIDOS MEDIDAS DE PERDAS DE CARGA LOCALIZADAS

LABORATÓRIO DE MECÂNICA DOS FLUIDOS MEDIDAS DE PERDAS DE CARGA LOCALIZADAS Nome: n o MEDIDAS DE PERDAS DE CARGA LOCALIZADAS - OBJETIVO Consolidar o conceito de perda de carga a partir do cálculo das perdas localizadas em uma tubulação. - PERDA DE CARGA LOCALIZADA Na prática,

Leia mais

TM703 Ciência dos Materiais PIPE Pós - Graduação em Engenharia e Ciências de Materiais

TM703 Ciência dos Materiais PIPE Pós - Graduação em Engenharia e Ciências de Materiais TM703 Ciência dos Materiais PIPE Pós - Graduação em Engenharia e Ciências de Materiais Carlos Mauricio Lepienski Laboratório de Propriedades Nanomecânicas Universidade Federal do Paraná Aulas 7 1º sem.

Leia mais

1. Noção de tensão e de deformação

1. Noção de tensão e de deformação Capítulo 2 CONCEITOS BÁSICOS DE MECÂNIC 1. Noção de tensão e de deformação Tensão: = F - Tensão (N/m 2 ou Pa) F força (N) Área (m 2 ) Estado interno gerado num corpo para equilibrar a força F aplicada

Leia mais

Ivan Guilhon Mitoso Rocha. As grandezas fundamentais que serão adotadas por nós daqui em frente:

Ivan Guilhon Mitoso Rocha. As grandezas fundamentais que serão adotadas por nós daqui em frente: Rumo ao ITA Física Análise Dimensional Ivan Guilhon Mitoso Rocha A análise dimensional é um assunto básico que estuda as grandezas físicas em geral, com respeito a suas unidades de medida. Como as grandezas

Leia mais

Escoamentos Internos

Escoamentos Internos Escoamentos Internos Escoamento Interno Perfil de velocidades e transição laminar/turbulenta Perfil de temperaturas Perda de carga em tubulações Determinação da perda de carga distribuída Determinação

Leia mais

Curso Calibração, Ajuste, Verificação e Certificação de Instrumentos de Medição

Curso Calibração, Ajuste, Verificação e Certificação de Instrumentos de Medição Curso Calibração, Ajuste, Verificação e Certificação de Instrumentos de Medição Instrutor Gilberto Carlos Fidélis Eng. Mecânico com Especialização em Metrologia pelo NIST - Estados Unidos e NAMAS/UKAS

Leia mais

Problemas de Fluidos

Problemas de Fluidos Problemas de Fluidos DADOS: ρ água = g cm 3 γ água = 0,073 N m ρ mercúrio = 3,6 g cm 3 γ mercúrio = 0,54 N m ρ glicerina =,6 g cm 3 ρ ar =,5 kg m 3 g = 9,8 m s Densidade; Pressão; Tensão Superficial; Capilaridade

Leia mais

F A. Existe um grande número de equipamentos para a medida de viscosidade de fluidos e que podem ser subdivididos em grupos conforme descrito abaixo:

F A. Existe um grande número de equipamentos para a medida de viscosidade de fluidos e que podem ser subdivididos em grupos conforme descrito abaixo: Laboratório de Medidas de Viscosidade Nome: n turma: Da definição de fluido sabe-se que quando se aplica um esforço tangencial em um elemento de fluido ocorre uma deformação. Considere a situação em que

Leia mais

Pressão Estática, de Estagnação e Dinâmica

Pressão Estática, de Estagnação e Dinâmica Pressão Estática, de Estagnação e Dinâmica p V gz cte p 1 V z cte A pressão p que aparece na equação de Bernoulli é a pressão termodinâmica, comumente chamada de pressão estática. Para medirmos p, poderíamos

Leia mais

Processo de fundição: Tixofundição

Processo de fundição: Tixofundição Processo de fundição: Tixofundição Disciplina: Processos de Fabricação. Professor Marcelo Carvalho. Aluno: Gabriel Morales 10/44940. Introdução O processo de fabricação conhecido como fundição pode ser

Leia mais

As forças atrativas entre duas moléculas são significativas até uma distância de separação d, que chamamos de alcance molecular.

As forças atrativas entre duas moléculas são significativas até uma distância de separação d, que chamamos de alcance molecular. Tensão Superficial Nos líquidos, as forças intermoleculares atrativas são responsáveis pelos fenômenos de capilaridade. Por exemplo, a subida de água em tubos capilares e a completa umidificação de uma

Leia mais

PROVA DE QUÍMICA - 1998 Segunda Etapa

PROVA DE QUÍMICA - 1998 Segunda Etapa PROVA DE QUÍMICA - 1998 Segunda Etapa QUESTÃO 01 Num laboratório químico, havia três frascos que continham, respectivamente, um alcano, um álcool e um alqueno. Foram realizados experimentos que envolviam

Leia mais

Mecânica de Solos Prof. Fabio Tonin

Mecânica de Solos Prof. Fabio Tonin Compactação dos Solos Mecânica de Solos Prof. Fabio Tonin Compactação É o processo mecânico de aplicação de forças externas, destinadas a reduzir o volume dos vazios do solo, até atingir a massa específica

Leia mais

DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA DOS MATERIAIS SETOR DE MATERIAIS

DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA DOS MATERIAIS SETOR DE MATERIAIS UFBA-ESCOLA POLITÉCNICA-DCTM DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA DOS MATERIAIS SETOR DE MATERIAIS ROTEIRO DE AULAS CONCRETO FRESCO Unidade III Prof. Adailton de O. Gomes CONCRETO FRESCO Conhecer o comportamento

Leia mais

Pontifícia Universidade Católica de Goiás Departamento de Biologia Prof. Hugo Henrique Pádua M.Sc. Fundamentos de Biofísica.

Pontifícia Universidade Católica de Goiás Departamento de Biologia Prof. Hugo Henrique Pádua M.Sc. Fundamentos de Biofísica. Pontifícia Universidade Católica de Goiás Departamento de Biologia Prof. Hugo Henrique Pádua M.Sc. Fundamentos de Biofísica Eletroforese Introdução a Eletroforese Eletroforese migração de moléculas ionizadas,

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO REOLÓGICA DAS DIFERENTES FASES DE EXTRATO DE INULINA DE RAÍZES DE CHICÓRIA, OBTIDAS POR ABAIXAMENTO DE TEMPERATURA 1

CARACTERIZAÇÃO REOLÓGICA DAS DIFERENTES FASES DE EXTRATO DE INULINA DE RAÍZES DE CHICÓRIA, OBTIDAS POR ABAIXAMENTO DE TEMPERATURA 1 CARACTERIZAÇÃO REOLÓGICA DAS DIFERENTES FASES DE EXTRATO DE INULINA DE RAÍZES DE CHICÓRIA, OBTIDAS POR ABAIXAMENTO DE TEMPERATURA 1 JULIANA T. C. LEITE 2, KIL J. PARK 3, JOÃO R. P. RAMALHO 4, DAVI M. FURLAN

Leia mais

BLOCOS, ARGAMASSAS E IMPORTÂNCIA DOS BLOCOS CARACTERÍSTICAS DA PRODUÇÃO CARACTERÍSTICAS DA PRODUÇÃO. Prof. Dr. Luiz Sérgio Franco 1

BLOCOS, ARGAMASSAS E IMPORTÂNCIA DOS BLOCOS CARACTERÍSTICAS DA PRODUÇÃO CARACTERÍSTICAS DA PRODUÇÃO. Prof. Dr. Luiz Sérgio Franco 1 Escola Politécnica da USP PCC 2515 Alvenaria Estrutural BLOCOS, ARGAMASSAS E GRAUTES Prof. Dr. Luiz Sérgio Franco IMPORTÂNCIA DOS BLOCOS! DETERMINA CARACTERÍSTICAS IMPORTANTES DA PRODUÇÃO! peso e dimensões

Leia mais

10 CICLONES. b) Não tem peças móveis (baixo custo de manutenção).

10 CICLONES. b) Não tem peças móveis (baixo custo de manutenção). 10 CICLONES ENTRE OS EQUIPAMENTOS DE SEPARAÇÃO DE PARTÍCULAS SÓLIDAS OU DE GOTÍCULAS LÍQUIDAS, DO TIPO CENTRÍFUGO, O MAIS AMPLAMENTE USADO É O CICLONE. 10.1 VANTAGENS DO CICLONE a) Baixo custo. b) Não

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Técnico Etec: Professor Massuyuki Kawano Código: 136 Município: Tupã Área de conhecimento: Ambiente, Saúde e Segurança Componente Curricular: Farmacotécnica II Série:

Leia mais

17º Congresso de Iniciação Científica INFLUÊNCIA DO AGENTE UMECTANTE NO COMPORTAMENTO REOLÓGICO DE FORMULAÇÕES DE USO TÓPICO

17º Congresso de Iniciação Científica INFLUÊNCIA DO AGENTE UMECTANTE NO COMPORTAMENTO REOLÓGICO DE FORMULAÇÕES DE USO TÓPICO 17º Congresso de Iniciação Científica INFLUÊNCIA DO AGENTE UMECTANTE NO COMPORTAMENTO REOLÓGICO DE FORMULAÇÕES DE USO TÓPICO Autor(es) SILAS ARANDAS MONTEIRO E SILVA Orientador(es) GISLAINE RICCI LEONARDI

Leia mais

Universidade Federal de Santa Catarina - UFSC

Universidade Federal de Santa Catarina - UFSC Universidade Federal de Santa Catarina - UFSC Ismael Casagrande Bellettini Prof. Dr. Edson Minatti Disciplina: Físico-Química Experimental II QMC 5409 Turma 729 B Introdução Reologia vem do grego rheo

Leia mais

1.1.2 PROPRIEDADES FUNDAMENTAIS DOS FLUIDOS

1.1.2 PROPRIEDADES FUNDAMENTAIS DOS FLUIDOS UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS ESCOLA DE AGRONOMIA E ENGENHARIA DE ALIMENTOS SETOR DE ENGENHARIA RURAL Prof. Adão Wagner Pêgo Evangelista 1.1.2 PROPRIEDADES FUNDAMENTAIS DOS FLUIDOS A) MASSA ESPECÍFICA

Leia mais

PROPRIEDADES DO CONCRETO FRESCO

PROPRIEDADES DO CONCRETO FRESCO PROPRIEDADES DO CONCRETO FRESCO Consistência Textura Trabalhabilidade Integridade da massa Segregação Poder de retenção de água Exsudação Massa específica TRABALHABILIDADE É a propriedade do concreto fresco

Leia mais

Misturadores a jato e sistemas de mistura em tanques

Misturadores a jato e sistemas de mistura em tanques Misturadores a jato e sistemas de mistura em tanques Misturadores a jato Os misturadores a jato da Koerting são os principais componentes de sistemas de mistura especiais, podendo ser utilizados em operações

Leia mais

Mecânica dos Fluidos Fundamentos da Cinemática dos Fluidos

Mecânica dos Fluidos Fundamentos da Cinemática dos Fluidos Mecânica dos Fluidos Fundamentos da Cinemática dos Fluidos Prof. Dr. Gabriel L. Tacchi Nascimento O que estuda a Cinemática? A cinemática dos fluidos estuda o movimento dos fluidos em termos dos deslocamentos,

Leia mais

Comandos Eletro-eletrônicos SENSORES

Comandos Eletro-eletrônicos SENSORES Comandos Eletro-eletrônicos SENSORES Prof. Roberto Leal Sensores Dispositivo capaz de detectar sinais ou de receber estímulos de natureza física (tais como calor, pressão, vibração, velocidade, etc.),

Leia mais

Evocar os conceitos do MRUV (movimento retilíneo uniformemente variado), do MRU (movimento retilíneo uniforme) e a decomposição de forças.

Evocar os conceitos do MRUV (movimento retilíneo uniformemente variado), do MRU (movimento retilíneo uniforme) e a decomposição de forças. 14 Curso Básico de Mecânica dos Fluidos Objetivos da segunda aula da unidade 1: Evocar os conceitos do MRUV (movimento retilíneo uniformemente variado), do MRU (movimento retilíneo uniforme) e a decomposição

Leia mais

Escola de Engenharia de Lorena USP - Cinética Química Capítulo 05 Reações Irreversiveis a Volume Varíavel

Escola de Engenharia de Lorena USP - Cinética Química Capítulo 05 Reações Irreversiveis a Volume Varíavel 1 - Calcule a fração de conversão volumétrica (ε A) para as condições apresentadas: Item Reação Condição da Alimentação R: (ε A ) A A 3R 5% molar de inertes 1,5 B (CH 3 ) O CH 4 + H + CO 30% em peso de

Leia mais

Mecânica dos Fluidos. Prof. Engº Franco Brunetti.

Mecânica dos Fluidos. Prof. Engº Franco Brunetti. Mecânica dos Fluidos. Prof. Engº Franco Brunetti. Resolução dos Exercícios. Por Josenei Godoi( Dúvidas,sugestões ou correções enviar email para joseneigodoi@yahoo.com.br). Resumo de fórmulas: - Tensão

Leia mais

ADITIVOS. Reforçar ou introduzir certas características. Em pequenas quantidades (< 5%). Pode ou não ser lançado diretamente na betoneira

ADITIVOS. Reforçar ou introduzir certas características. Em pequenas quantidades (< 5%). Pode ou não ser lançado diretamente na betoneira ADITIVOS 1. OBJETIVO Reforçar ou introduzir certas características 2. UTILIZAÇÃO Em pequenas quantidades (< 5%). Pode ou não ser lançado diretamente na betoneira 3. FUNÇÕES BÁSICAS DOS ADITIVOS CONCRETO

Leia mais

PRÁTICA 12: VISCOSIDADE DE LÍQUIDOS

PRÁTICA 12: VISCOSIDADE DE LÍQUIDOS PRÁTICA 12: VISCOSIDADE DE LÍQUIDOS Viscosidade é uma característica dos líquidos que está relacionada com a sua habilidade de fluir. Quanto maior a viscosidade de um líquido (ou de uma solução) mais difícil

Leia mais

FISSURAS NO CONCRETO: PRINCIPAIS CAUSAS E COMO PREVENIR

FISSURAS NO CONCRETO: PRINCIPAIS CAUSAS E COMO PREVENIR FISSURAS NO CONCRETO: PRINCIPAIS CAUSAS E COMO PREVENIR COMITÊ GO 12.211 FISSURAÇÂO DO CONCRETO Coordenador: José Dafico Alves Membro: Luciano Martin Teixeira INTRODUCÃO As fissuras são eventos importantes

Leia mais

Propriedades do Concreto

Propriedades do Concreto Programa de Pós-Graduação em Engenharia Urbana Universidade Estadual de Maringá Centro de Tecnologia Departamento de Engenharia Civil Propriedades do Concreto Referência desta aula Agosto - 2008 1 Propriedades

Leia mais

INTRODUÇÃO AO ESTUDO DE EQUAÇÕES DIFERENCIAIS

INTRODUÇÃO AO ESTUDO DE EQUAÇÕES DIFERENCIAIS INTRODUÇÃO AO ESTUDO DE EQUAÇÕES DIFERENCIAIS Terminologia e Definições Básicas No curso de cálculo você aprendeu que, dada uma função y f ( ), a derivada f '( ) d é também, ela mesma, uma função de e

Leia mais