PLANO DIRET O DIRET R O DE MACR MA ODRENA CR GEM ODRENA DA BACIA DO ALTO TIETÊ

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PLANO DIRET O DIRET R O DE MACR MA ODRENA CR GEM ODRENA DA BACIA DO ALTO TIETÊ"

Transcrição

1 PLANO DIRETOR DE MACRODRENAGEM DA PLANO DIRETOR DE MACRODRENAGEM DA BACIA DO ALTO TIETÊ

2 MAPA DE LOCALIZAÇÃO

3 A ANÁLISE E O ENCAMINHAMENTO DE SOLUÇÕES PARA AS QUESTÕES DE DRENAGEM URBANA TÊM SIDO UM DOS MAIORES DESAFIOS DOS PLANEJADORES E ADMINISTRADORES DOS GRANDES CENTROS URBANOS DO MUNDO. A REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO RMSP FORMA UMA MANCHA URBANA CONTÍNUA, ALTAMENTE IMPERMEABILIZADA, OCASIONANDO UM PROBLEMA DE ALOCAÇÃO DE ESPAÇOS PARA A DESTINAÇÃO DAS ÁGUAS PRECIPITADAS.

4 Bacia do Alto Tietê e o ritmo da ocupação Mancha Urbana 1905 Reservatório em operação Mancha Urbana

5 Bacia do Alto Tietê e o ritmo da ocupação Mancha Urbana 1954 Reservatório em operação Mancha Urbana População: 4,8 milhões Área Urbana: 930 Km²

6 Bacia do Alto Tietê e o ritmo da ocupação Mancha Urbana 1973 Reservatório em operação Mancha Urbana População: 9 milhões Área Urbana: Km²

7 Bacia do Alto Tietê e o ritmo da ocupação Mancha Urbana 1985 Reservatório em operação Mancha Urbana População: 13 milhões Área Urbana: Km²

8 Bacia do Alto Tietê e o ritmo da ocupação Mancha Urbana 1985 e 2005 Reservatório em operação População: 17,8 milhões Área Urbana: km²

9 AS VÁRZEAS E TALVEGUES NATURAIS (ENCOSTAS) APROPRIADOS PELO PROCESSO DE URBANIZAÇÃO, COM EDIFICAÇÕES E PAVIMENTAÇÕES, SÃO SUBSTITUIDOS POR NOVAS ÁREAS INUNDÁVEIS A JUSANTE.

10 DIAGRAMA UNIFILAR DO RIO TIETÊ

11 A NECESSIDADE DE UM PLANO DIRETOR DE MACRODRENAGEM PARA A BACIA DO ALTO TIETÊ ERA SENTIDA, HÁ MUITO, PELOS ÓRGÃOS RESPONSÁVEIS PELA DRENAGEM NA RMSP.

12 ASPECTO DA INUNDAÇÃO EM 1929 (IN: LYSANDRO PEREIRA DA SILVA, DÉC. 50)

13 INUNDAÇÃO NO ANHANGABAU EM 1929 (IN: LYSANDRO PEREIRA DA SILVA, DÉC. 50)

14 INUNDAÇÃO DAS MARGINAIS DO RIO TIETÊ

15 INUNDAÇÃO DAS MARGINAIS DO RIO TIETÊ

16 1890 NOMEADA COMISSÃO PARA ESTUDAR AS VÁRZEAS DO TIETÊ E TAMANDUATEÍ 1924 SATURNINO DE BRITO APRESENTA PROJETO DE RETIFICAÇÃO DO RIO TIETÊ ENTRE OSASCO E A BARRAGEM DA PENHA 1968 PLANO HIBRACE 1986 PROJETO PROMON A RÁPIDA EVOLUÇÃO DAS ÁREAS URBANIZADAS OBRIGOU A SUCESSIVAS REAVALIAÇÕES DOS ESTUDOS, PRINCIPALMENTE QUANTO ÀS VAZÕES. VAZÃO DE PROJETO NO TRECHO ENTRE O TAMANDUATEI E OSASCO 174 m³/s (1893) 400 m³/s (1925) 650 m³/s (1968) m³/s (1986)

17 PROJETO DE REGULARIZAÇÃO DO RIO TIETÊ E DIQUE MARGINAL

18 RIO TIETÊ - PROJETOS ANTERIORES

19 PROJETO DE MELHORAMENTOS ENTRE OSASCO E PENHA / 1925

20 PROPOSTA DE RETIFICAÇÃO DO RIO TIETÊ PREFEITO PRESTES MAIA - DÉCADA DE 40

21 Retificação do Rio Tietê pelo Estado (Década de 70) (Continuidade à obra da PMSP: Osasco até Barragem E. Souza) São Paulo e Osasco Barueri Sta. Parnaíba

22 EM 1998 NASCE O PLANO DIRETOR DE MACRODRENAGEM DA BACIA DO ALTO TIETÊ PDMAT, COM OBJETIVO DE: AVALIAR A SITUAÇÃO DA ÉPOCA; DIAGNOSTICAR OS PROBLEMAS; DIMENSIONAR AS INTERVENÇÕES NECESSÁRIAS; HORIZONTE DE PROJETO 2020.

23 CONCEPÇÃO DO PLANO CORRETO DIAGNÓSTICO HIDRÁULICO/HIDROLÓGICO VISÃO ABRANGENTE E INTEGRADA DA BACIA RETENÇÃO DAS ÁGUAS NAS CABECEIRAS AUMENTO DA CAPACIDADE DE ESCOAMENTO DOS CURSOS D ÁGUA MONITORAMENTO COM TELEMETRIA E PLUVIOMETRIA CONTENÇÃO DO DESMATAMENTO PRESERVAÇÃO DAS VÁRZEAS

24 PLANO DIRETOR DE MACRODRENAGEM AO LONGO DOS 10 ANOS Diagnóstico Hidráulico-Hidrológico Hidrológico da Calha do Rio Tietê e das bacias: Córrego Pirajuçara; Rio Aricanduva; Ribeirão dos Meninos (Tamanduateí Superior); Ribeirões dos Couros (Tamanduateí Superior); Córrego Oratório (Tamanduateí Superior); Rio Tamanduateí Inferior; Ribeirão Vermelho; Médio Juqueri; Rio Baquirivu Guaçu.

25 PLANO DIRETOR DE MACRODRENAGEM AO LONGO DOS 10 ANOS OBRAS REALIZADAS: 42 reservatórios de retenção (piscinões) implantados 40 km de ampliação da Calha do Rio Tietê 10 km de canalização do Rio Cabuçu de Cima construção de 2 reservatórios (barragens) no Alto Tietê 1,5 km de canalização do Ribeirão Vermelho TOTALIZANDO INVESTIMENTOS DA ORDEM DE: Calha do Rio Tietê R$ 1,7 bilhão Piscinões e Canalizações R$ 0,3 bilhão Parcerias junto às Prefeituras

26 PLANO DIRETOR DE MACRODRENAGEM AO LONGO DOS 10 ANOS CANALIZAÇÃO DO RIO CABUÇUDE CIMA 10,5KM CONSTRUÇÃO BARRAGEM DE PARAITINGA AMPLIAÇÃO DA CALHA DO RIO TIETÊ 16,5 KM AMPLIAÇÃO DA CALHA DO RIO TIETÊ 24,5 KM CONSTRUÇÃO BARRAGEM DE BIRITIBA INTERVENÇÕES DA FASE I INTERVENÇÕES DA FASE II

27 PLANO DIRETOR DE MACRODRENAGEM AO LONGO DOS 10 ANOS 42 piscinões já estão prontos na Grande São Paulo 24 deles foram feitos pelo Estado 18 construídos pelas prefeituras de São Paulo, as do Grande ABC e Mogi das Cruzes 4 novos do Estado estão em obras, sendo 2 no ABC (córrego Taboão), 1 no ribeirão i Vermelho e 1 no Pirajuçara

28

29

30

31 VISÃO GERAL DA OBRA DE AMPLIAÇÃO DA CALHA

32 FASE I - Ampliação da Calha do Rio Tietê - 16,5 km Barragem de Edgard de Souza - Barragem Móvel

33 FASE I Canalização do Rio Cabuçu de Cima - 10,5 km

34 FASE I Construção dos Reservatórios de Biritiba e Paraitinga Biritiba Paraitinga

35 FASE II Ampliação da Calha do Rio Tietê - 24,5 km Barragem Móvel - Barragem da Penha

36 CONFIGURAÇÃO FINAL PROJETADA Margem Direita Margem Esquerda Taludes c/ Berma (cota~716) proteção 1V:1,7H Taludes 1V:1,3H nos substratos t mais resistentes NA (Cota~713) Cota~ a 46 m Taludes 1V:1,3H nos substratos mais resistentes Taludes c/ proteção 1V:1,7H Cota média do fundo do canal na cota 711 m Rebaixamento de 2,5 m ao longo de toda a calha Nível d água operacional médio na cota 713 m em 95% do tempo Viabilidade de navegação Período de recorrência de cheias de 100 anos

37 OS PISCINÕES EM OPERAÇÃO ARMAZENAM 8 MILHÕES m³. O EQUIVALENTE AOS 40 KM DO RIO TIETÊ COM 4 METROS DE LÂMINA.

38 PROGRAMA DE MANUTENÇÃO PAISAGISMO E DRENAGEM DO TIETÊ R$ 4,9 milhões LIMPEZA DOS TALUDES DO TAMANDUATEÍ 6 5 DESASSOREAMENTO DO TIETÊ R$ 27,2 milhões 1 PROGRAMA DE MANUTENÇÃO 4 2 DESASSOREAMENTO DO CABUÇU R$ 6,0 milhões LIMPEZA DOS PISCINÕES R$ 1,2 R$ 6,0 milhões milhões 3 LIMPEZA DAS BERMAS E TALUDES DO RIO TIETÊ R$ 3,7 milhões TOTAL ANUAL = R$ 49 MILHÕES

39 RESULTADOS CONTROLE DE ENCHENTES NOS PRINCIPAIS CURSOS D ÁGUA DA RMSP, COM BENEFÍCIOS À SAÚDE PÚBLICA, SISTEMAS VIÁRIOS, ATIVIDADES ECONÔMICAS E CONDIÇÕES AMBIENTAIS; RECUPERAÇÃO DE ÁREAS DEGRADADAS, COM INCORPORAÇÃO DE PAISAGISMO E INFRAESTRUTURA DE LAZER; PREVISÃO EM TEMPO REAL DE OCORRÊNCIA DE EVENTOS PLUVIOMÉTRICOS CRÍTICOS, PELA REDE TELEMÉTRICA; MAIOR INTEGRAÇÃO ENTRE ESTADO E PREFEITURAS DA RMSP NA QUESTÃO DE CONTROLE DE CHEIAS; EDUCAÇÃO AMBIENTAL;

40 FUTURO CANALIZAÇÃO DO PIRAJUÇARA (EM CONTRATAÇÃO) CANALIZAÇÃO DO CÓRREGO JACÚ-PESSEGO (JÁ CONTRATADO) ESTUDO DE CANALIZAÇÃO DO ORATÓRIO (PROJETO CONCLUÍDO) ESTUDO DE CANALIZAÇÃO DO RIBEIRÃO VERMELHO (PROJETO CONTRATADO) REVISÃO DO PLANO DIRETOR (CONTRATADO) IMPLANTAÇÃO DE NOVOS PISCINÕES ESTUDOS PARA BENEFICIAMENTO DE MATERIAL DE ASSOREAMENTO (USINA) RECUPERAÇÃO E PRESERVAÇÃO DE VÁRZEAS (CONTRATADO)

41

42 RC -1 / VILA ROSA Volume: m³ Inaugurado em: jul/1999 São Bernardo / Ribeirão dos Couros

43 RC -2 / PIRAPORINHA Volume: m³ Inaugurado em: jul/1999 Diadema / Ribeirão dos Couros

44 RC - 9 / FORD São Bernardo do Campo / Ribeirão dos Couros

45 RM - 11 / SÃO CAETANO Volume: m³ Inaugurado em: out/2005 São Caetano / Ribeirão dos Meninos

46 RPI 2A / MARIA SAMPAIO Volume: m³ Inaugurado em: jun/2004 Taboão da Serra / Córrego Pirajuçara

47 RM 7 / CANARINHO Volume: m³ Inaugurado em: Mar/1999 São Bernardo do Campo / Córrego Saracantan

48 RM - 3 / FACULDADE DE MEDICINA Volume: m³ Inaugurado em: Jul/1999 Santo André / Ribeirão dos Meninos

49 RC - 6 / ECOVIAS IMIGRANTES Volume: m³ Inaugurado em: Dez/2001 Diadema / Ribeirão Capela

50 RM - 6 / PRAÇA DOS BOMBEIROS Volume: m³ Inaugurado em: Jul/1999 São Bernardo do Campo / Córrego Rotary

51 RT - 1A / PAÇO MUNICIPAL Volume: m³ Inaugurado em: Jun/1999 Mauá / Córrego Taboão

52 RT - 3 / PETROBRAS Volume: m³ Inaugurado em: Jul/2002 Mauá / Rio Tamanduateí

53 RO - 1 / JARDIM SÔNIA MARIA Volume: m³ Inaugurado em: Ago/2004 São Paulo / Mauá - Córrego Oratório

54 RPI - 7 / ELISEU DE ALMEIDA Volume: m³ Inaugurado em: Out/2004 São Paulo / Córrego Pirajuçara

55 RVBo - 1 / Bonança Volume: m³ Inaugurado em: Dez/2006 Osasco - Córrego Bonança

56

57

58

59

60

61

10 ANOS DO PLANO DIRETOR DE MACRODRENAGEM DA BACIA HIDROGRÁFICA DO ALTO TIETÊ. 2 a 4 de dezembro de 2008 São Paulo VÁRZEAS DO TIETÊ

10 ANOS DO PLANO DIRETOR DE MACRODRENAGEM DA BACIA HIDROGRÁFICA DO ALTO TIETÊ. 2 a 4 de dezembro de 2008 São Paulo VÁRZEAS DO TIETÊ 10 ANOS DO PLANO DIRETOR DE MACRODRENAGEM DA BACIA HIDROGRÁFICA DO ALTO TIETÊ 2 a 4 de dezembro de 2008 São Paulo O PROJETO VÁRZEAS DO TIETÊ ROTEIRO DA APRESENTAÇÃO Breve Histórico do Rio Tietê e a cidade

Leia mais

Departamento de Águas e Energia Elétrica

Departamento de Águas e Energia Elétrica 13 de Novembro de 2012 Departamento de Águas e Energia Elétrica O DAEE foi criado há 60 anos, em 12/12/1951, tendo como principais competências, no âmbito do Estado de SP: Elaborar o planejamento, os estudos,

Leia mais

SEMINÁRIO ENCHENTES NA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO SITUAÇÃO ATUAL DA CALHA DO RIO TIETÊ

SEMINÁRIO ENCHENTES NA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO SITUAÇÃO ATUAL DA CALHA DO RIO TIETÊ SEMINÁRIO ENCHENTES NA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO SITUAÇÃO ATUAL DA CALHA DO RIO TIETÊ 10 de novembro de 2009 DAS CHEIAS ÀS INUNDAÇÕES Em meados do século XIX, surgem os primeiros registros da transformação

Leia mais

PARQUE VÁRZEAS TIETÊ

PARQUE VÁRZEAS TIETÊ INTRODUÇÃO PARQUE VÁRZEAS TIETÊ O Programa Parque Várzeas do Tietê (PVT), visa a recuperação da capacidade de contenção de cheias que ocorrem nas várzeas do rio Tietê desde a barragem da Penha até o município

Leia mais

POLÍTICA DE REDUÇÃO DO RISCO DE INUNDAÇÕES EM BELO HORIZONTE

POLÍTICA DE REDUÇÃO DO RISCO DE INUNDAÇÕES EM BELO HORIZONTE POLÍTICA DE REDUÇÃO DO RISCO DE INUNDAÇÕES EM BELO HORIZONTE Secretaria Municipal de Obras e Infraestrutura - SMOBI Superintendência de Desenvolvimento da Capital - SUDECAP OUTUBRO DE 2013 POLÍTICA DO

Leia mais

Plano Diretor de Drenagem e Manejo de Águas Pluviais de São Paulo PMAP-SP. Miguel Bucalem Secretário Municipal de Desenvolvimento Urbano

Plano Diretor de Drenagem e Manejo de Águas Pluviais de São Paulo PMAP-SP. Miguel Bucalem Secretário Municipal de Desenvolvimento Urbano Plano Diretor de Drenagem e Manejo de Águas Pluviais de São Paulo PMAP-SP Miguel Bucalem Secretário Municipal de Desenvolvimento Urbano 12 Julho 2012 São Paulo e a Bacia do Alto Tietê Estado de São Paulo

Leia mais

Rio Urbanos, Bacias Urbanas: Projetos Integradores outubro 2013

Rio Urbanos, Bacias Urbanas: Projetos Integradores outubro 2013 Rio Urbanos, Bacias Urbanas: Projetos Integradores outubro 2013 Segurança hídrica - Declaração Ministerial do 2o Fórum Mundial da Água, 2001 Acesso físico e econômico à água em quantidade e qualidade suficiente

Leia mais

VIII EXPOSIÇÃO DE EXPERIÊNCIAS MUNICIPAIS EM SANEAMENTO

VIII EXPOSIÇÃO DE EXPERIÊNCIAS MUNICIPAIS EM SANEAMENTO ASSEMAE VIII EXPOSIÇÃO DE EXPERIÊNCIAS MUNICIPAIS EM SANEAMENTO Título do trabalho O SEMASA E O TRATAMENTO DE ESGOTO NA CIDADE DE SANTO ANDRÉ Nome do Autor ISABEL CRISTINA ALEIXO DIAS CURRÍCULO DO AUTOR

Leia mais

Workshop ZL-Vórtice e CDHU

Workshop ZL-Vórtice e CDHU A OCUPAÇÃO DA VÁRZEA DO RIO TIETÊ ELEMENTOS HISTÓRICOS PARA UMA LEITURA CRÍTICA DOS ANTECEDENTES À INTERVENÇÃO URBANÍSTICA DO GOVERNO DO ESTADO EM ÁREAS DE VULNERABILIDADE SOCIOAMBIENTAL PROJETO VILA JACUÍ

Leia mais

59ª Reunião do Fórum Paulista Presidente Prudente/SP. Tema: Outros Modais

59ª Reunião do Fórum Paulista Presidente Prudente/SP. Tema: Outros Modais 59ª Reunião do Fórum Paulista Presidente Prudente/SP Tema: Outros Modais Secretaria de Transportes e Vias Públicas ETCSBC Empresa de Transporte Coletivo de São Bernardo do Campo Alberto Alécio Batista

Leia mais

A produção desses mananciais é apresentada no Quadro 2.6.4 a seguir.

A produção desses mananciais é apresentada no Quadro 2.6.4 a seguir. A produção desses mananciais é apresentada no Quadro 2.6.4 a seguir. Quadro112.6.4. Mananciais e Produção (m 3 /s). Sistema Disponibilidade Capacidade Produção População Produtor Manancial ETA s Out/02-set/03

Leia mais

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE SÃO BERNARDO DO CAMPO Secretaria de Habitação e Meio Ambiente Diretoria de Licenciamento e Avaliação Ambiental

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE SÃO BERNARDO DO CAMPO Secretaria de Habitação e Meio Ambiente Diretoria de Licenciamento e Avaliação Ambiental PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE SÃO BERNARDO DO CAMPO Secretaria de Habitação e Meio Ambiente Diretoria de Licenciamento e Avaliação Ambiental São Bernardo do Campo, 15 de maio de 2009. Introdução Tendo em

Leia mais

Desafios e metas do Estado de São Paulo

Desafios e metas do Estado de São Paulo 1º Seminário Saneamento Básico Universalização do Saneamento: Desafios e Metas para o Setor 07 de novembro de 2011 Desafios e metas do Estado de São Paulo Edson Giriboni Secretário de Saneamento e Recursos

Leia mais

Maubertec (2001) Projeto de Melhoria Hidráulica do Rio Tietê

Maubertec (2001) Projeto de Melhoria Hidráulica do Rio Tietê Maubertec (2001) Projeto de Melhoria Hidráulica do Rio Tietê Realizado a pedido do DAEE, contém, dentre outras coisas, especificações da eclusa da Barragem Móvel e estudos hidráulicos e hidrológicos realizados

Leia mais

MESA 4 ALERTA. Mario Thadeu Leme de Barros

MESA 4 ALERTA. Mario Thadeu Leme de Barros MESA 4 MONITORAMENTO E SISTEMA DE ALERTA Mario Thadeu Leme de Barros 1 A QUESTÃO DO CONTROLE DE CHEIAS URBANAS Medidas Estruturais versus Medidas Não Estruturais 2 Medidas não estruturais que se destacam:

Leia mais

Adensamento do tecido urbano e drenagem de águas pluviais Arquiteto Prof. Nestor Goulart Reis

Adensamento do tecido urbano e drenagem de águas pluviais Arquiteto Prof. Nestor Goulart Reis Adensamento do tecido urbano e drenagem de Arquiteto Prof. Nestor Goulart Reis Enchentes, no campo, são problemas naturais. Em áreas urbanas, são problemas sociais Nosso primeiro objetivo: origem dos problemas.

Leia mais

PROGRAMA DE ACELERAÇÃO DO CRESCIMENTO PAC - RIO

PROGRAMA DE ACELERAÇÃO DO CRESCIMENTO PAC - RIO PROGRAMA DE ACELERAÇÃO DO CRESCIMENTO PAC - RIO ARCO METROPOLITANO TRAÇADO GERAL E SEGMENTAÇÃO Ligação entre a BR 101/NORTE em Manilha/Itaboraí a BR-101/SUL (Rod. Rio-Santos) em Itaguaí Extensão de 145

Leia mais

Falta de água e excesso de água

Falta de água e excesso de água Falta de água e excesso de água Quando era aluno na Escola Politécnica da Universidade de São Paulo, o professor doutor José Meiches era Secretário de Obras Públicas do Estado de São Paulo em seu primeiro

Leia mais

Alejandra Maria Devecchi SVMA - PMSP

Alejandra Maria Devecchi SVMA - PMSP Mudanças climáticas globais e os impactos na hidrologia urbana: as experiências de São Paulo e as necessidades de pesquisa Alejandra Maria Devecchi SVMA - PMSP Identificação do papel das medidas nãoestruturais

Leia mais

COSEMA - FIESP Programas e Ações A para os grandes problemas da RMSP. Paulo Massato Yoshimoto Diretor Metropolitano - Sabesp

COSEMA - FIESP Programas e Ações A para os grandes problemas da RMSP. Paulo Massato Yoshimoto Diretor Metropolitano - Sabesp COSEMA - FIESP Programas e Ações A da Sabesp para os grandes problemas da RMSP Paulo Massato Yoshimoto Diretor Metropolitano - Sabesp Evolução Populacional - RMSP Reversão da centrifugação Menor pressão

Leia mais

- RJ O Gerenciamento dos Recursos HídricosH nas grandes Cidades. Paulo Massato Yoshimoto Diretor Metropolitano - Sabesp

- RJ O Gerenciamento dos Recursos HídricosH nas grandes Cidades. Paulo Massato Yoshimoto Diretor Metropolitano - Sabesp III Pré-ENCOB - RJ O Gerenciamento dos Recursos HídricosH nas grandes Cidades Paulo Massato Yoshimoto Diretor Metropolitano - Sabesp Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo - Sabesp 5ª Maior

Leia mais

INUNDAÇÕES NO BRASIL

INUNDAÇÕES NO BRASIL INUNDAÇÕES NO BRASIL Dr. Adilson Pinheiro CEOPS Centro de Operação do Sistema de Alerta da Bacia Hidrográfica do Rio Itajaí Universidade Regional de Blumenau CEOPS Bacia do Rio Itajaí ENCHENTE Processos

Leia mais

BOA GOVERNANÇA PARA GESTÃO SUSTENTÁVEL DAS ÁGUAS URBANAS PROGRAMA DRENURBS

BOA GOVERNANÇA PARA GESTÃO SUSTENTÁVEL DAS ÁGUAS URBANAS PROGRAMA DRENURBS BOA GOVERNANÇA PARA GESTÃO SUSTENTÁVEL DAS ÁGUAS URBANAS PROGRAMA DRENURBS Um programa para integrar objetivos ambientais e sociais na gestão das águas Superintendência de Desenvolvimento da Capital -

Leia mais

DRENAGEM URBANA SUSTENTÁVEL

DRENAGEM URBANA SUSTENTÁVEL Fabiana Y. Kobayashi 3695130 Flávio H. M. Faggion 4912391 Lara M. Del Bosco 4913019 Maria Letícia B. Chirinéa 4912241 Marília Fernandes 4912683 DRENAGEM URBANA SUSTENTÁVEL escola politécnica - USP Novembro

Leia mais

ANEXO VII ESTRATÉGIA DE COMPATIBILIZAÇÃO DOS INVESTIMENTOS

ANEXO VII ESTRATÉGIA DE COMPATIBILIZAÇÃO DOS INVESTIMENTOS ANEXO VII ESTRATÉGIA DE COMPATIBILIZAÇÃO DOS INVESTIMENTOS MUNICÍPIO DE SANTOS 1 1. OBJETIVO O presente Plano tem por objetivo ordenar os trabalhos necessários para a viabilização das obras de Saneamento

Leia mais

EVOLUÇÃO INSTITUCIONAL DO SETOR DE ÁGUA EM SÃO PAULO. Edson Giriboni Secretário de Saneamento e Recursos Hídricos

EVOLUÇÃO INSTITUCIONAL DO SETOR DE ÁGUA EM SÃO PAULO. Edson Giriboni Secretário de Saneamento e Recursos Hídricos EVOLUÇÃO INSTITUCIONAL DO SETOR DE ÁGUA EM SÃO PAULO Edson Giriboni Secretário de Saneamento e Recursos Hídricos Organização da Secretaria de Saneamento e Recursos Hidricos Gabinete do Secretario Saneamento

Leia mais

Dilma Pena, secretária estadual de Saneamento e Energia de São Paulo

Dilma Pena, secretária estadual de Saneamento e Energia de São Paulo Dilma Pena, secretária estadual de Saneamento e Energia de São Paulo (pronunciamento na abertura do seminário Tecnologia e eficiência em saneamento ambiental, do Valor Econômico) O tripé formado por investimentos

Leia mais

Gestão de águas urbanas: conquistas, desafios e oportunidades

Gestão de águas urbanas: conquistas, desafios e oportunidades Associação Brasileira de Recursos Hídricos Gestão de águas urbanas: conquistas, desafios e oportunidades Vladimir Caramori CTEC/UFAL Fortaleza, novembro de 2010 Gestão das águas urbanas Tema complexo reconhecido

Leia mais

Paulo Massato Yoshimoto. Diretor Metropolitano - Sabesp

Paulo Massato Yoshimoto. Diretor Metropolitano - Sabesp Paulo Massato Yoshimoto Diretor Metropolitano - Sabesp O papel da SABESP no ciclo de vida da água Redução do volume produzido. Preservação e despoluição dos mananciais. Água de reúso Controle de Perdas

Leia mais

Sumário Executivo do Plano Diretor

Sumário Executivo do Plano Diretor Sumário Executivo do Plano Diretor 1. Objetivo do estudo i) Elaborar o plano diretor de medidas de mitigação dos desastres de enchentes e escorregamentos ii) Realizar estudos de viabilidade dos projetos

Leia mais

Oficina de Planejamento do Subcomitê do Sistema Lagunar de Jacarepaguá Barra da Tijuca 29/08/2014

Oficina de Planejamento do Subcomitê do Sistema Lagunar de Jacarepaguá Barra da Tijuca 29/08/2014 PREFEITURA DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO SECRETARIA MUNICIPAL DE OBRAS FUNDAÇÃO INSTITUTO DAS ÁGUAS DO MUNICÍPIO DO RIO DE JANEIRO RIO-ÁGUAS Oficina de Planejamento do Subcomitê do Sistema Lagunar de Jacarepaguá

Leia mais

RELATÓRIO. Tragédia na Região Serrana do Rio de Janeiro após decorridos 6 meses

RELATÓRIO. Tragédia na Região Serrana do Rio de Janeiro após decorridos 6 meses RELATÓRIO Tragédia na Região Serrana do Rio de Janeiro após decorridos 6 meses 1 TRAGÉDIA ANUNCIADA! Após 6 meses decorridos da tragédia na Região Serrana em janeiro/2011, onde morreram mais de 900 pessoas,

Leia mais

Abordagens para Drenagem Urbana no Município de São Paulo: Ações de curto e longo prazos

Abordagens para Drenagem Urbana no Município de São Paulo: Ações de curto e longo prazos Abordagens para Drenagem Urbana no Município de São Paulo: Ações de curto e longo prazos Miguel Luiz Bucalem Secretário Municipal de Desenvolvimento Urbano Organização Agosto / 2010 São Paulo e a Bacia

Leia mais

3º Relatório de Inspeção à Região Serrana do Estado do Rio de Janeiro

3º Relatório de Inspeção à Região Serrana do Estado do Rio de Janeiro 3º Relatório de Inspeção à Região Serrana do Estado do Rio de Janeiro JANEIRO/2012 (Um ano após a tragédia ocorrida em janeiro/2011) www.crea-rj.org.br APRESENTAÇÃO Já temos um ano decorrido após a tragédia

Leia mais

DECRETO Nº 050, DE 11 DE MARÇO DE 2010

DECRETO Nº 050, DE 11 DE MARÇO DE 2010 DECRETO Nº 050, DE 11 DE MARÇO DE 2010 Define o Modelo Localizado de Gestão Urbana para o Projeto Parque Linear do Rio Ressaca. O Prefeito Municipal de São José dos Pinhais, Estado do Paraná, no uso de

Leia mais

NOÇÕES GERAIS DE GERENCIAMENTO DE ÁREAS DE RISCO

NOÇÕES GERAIS DE GERENCIAMENTO DE ÁREAS DE RISCO NOÇÕES GERAIS DE GERENCIAMENTO DE ÁREAS DE RISCO PERGUNTAS BÁSICAS 1. O QUE E COMO OCORRE: Processos 2. ONDE OCORREM OS PROBLEMAS: Mapeamento 3. QUANDO OCORREM OS PROBLEMAS: Correlação, monitoramento 4.

Leia mais

II-338 PLANO DE MELHORIA OPERACIONAL DO SISTEMA INTEGRADO DOS COLETORES TRONCO DA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO

II-338 PLANO DE MELHORIA OPERACIONAL DO SISTEMA INTEGRADO DOS COLETORES TRONCO DA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO II-338 PLANO DE MELHORIA OPERACIONAL DO SISTEMA INTEGRADO DOS COLETORES TRONCO DA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO Antônio Simões Teixeira Filho (1) Engenheiro Civil / Sanitarista pela Pontifícia Universidade

Leia mais

Programa Paraisópolis

Programa Paraisópolis Programa Paraisópolis Identificação das Comunidades Cemitério Getsemani Jd. Colombo Paraisópolis Porto Seguro Cemitério do Morumbi Colégio Visconde de Porto Seguro Programa Paraisópolis Caracterização

Leia mais

PLANO DA BACIA HIDROGRÁFICA DO ALTO TIETÊ

PLANO DA BACIA HIDROGRÁFICA DO ALTO TIETÊ COMITÊ DA BACIA HIDROGRÁFICA DO ALTO TIETÊ PLANO DA BACIA HIDROGRÁFICA DO ALTO TIETÊ RELATÓRIO FINAL Volume 4/4 Fundação de Apoio à Universidade de São Paulo Dezembro de 2009 PLANO DA BACIA DO ALTO TIETÊ

Leia mais

Seminários PROGRAMA DRENAR E AS ENCHENTES EM SÃO BERNARDO DO CAMPO

Seminários PROGRAMA DRENAR E AS ENCHENTES EM SÃO BERNARDO DO CAMPO Escola Politécnica da Universidade de São Paulo Departamento de Engenharia Hidráulica e Ambiental PHA PHA2537 Água em Ambientes Urbanos Seminários PROGRAMA DRENAR E AS ENCHENTES EM SÃO BERNARDO DO CAMPO

Leia mais

PLANO DIRETOR DE DRENAGEM URBANA

PLANO DIRETOR DE DRENAGEM URBANA II Seminário Estadual de Saneamento Ambiental PLANO DIRETOR DE DRENAGEM URBANA Prof. Dr. Eng. Civil Adilson Pinheiro Programa de Pós-Graduação em Engenharia Ambiental Departamento de Engenharia Civil UNIVERSIDADE

Leia mais

DOSSIÊ Sistema Alto Tietê

DOSSIÊ Sistema Alto Tietê Espaço das Águas Fundação Patrimônio Histórico da Energia e Saneamento Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo Sabesp DOSSIÊ Sistema Alto Tietê Fevereiro 2009 1. Histórico da Implantação

Leia mais

UTILIZAÇÃO DE POLDER PARA CONTROLE DE ENCHENTES. Solução ou Problema?

UTILIZAÇÃO DE POLDER PARA CONTROLE DE ENCHENTES. Solução ou Problema? UTILIZAÇÃO DE POLDER PARA CONTROLE DE ENCHENTES Solução ou Problema? Matheus Martins de Sousa 1 ; Osvaldo Moura Rezende 2 ; Marcelo Gomes Miguez 3 & Paulo Canedo de Magalhães 4 RESUMO --- A utilização

Leia mais

GESTÃO URBANA E GESTÃO DAS ÁGUAS: CAMINHOS DA INTEGRAÇÃO 1

GESTÃO URBANA E GESTÃO DAS ÁGUAS: CAMINHOS DA INTEGRAÇÃO 1 GESTÃO URBANA E GESTÃO DAS ÁGUAS: CAMINHOS DA INTEGRAÇÃO 1 Ricardo Toledo Silva 1 Monica Ferreira do Amaral Porto 2 1. GESTÃO DA ÁGUA NO MEIO URBANO 3 Este trabalho apóia-se no Plano da Bacia do Alto Tietê,

Leia mais

IX-078- CONTROLE DE CHEIAS EM VILA FRATERNIDADE (DUQUE DE CAXIAS/RJ) SIMULAÇÃO MATEMÁTICA DE CENÁRIOS DE PROJETO

IX-078- CONTROLE DE CHEIAS EM VILA FRATERNIDADE (DUQUE DE CAXIAS/RJ) SIMULAÇÃO MATEMÁTICA DE CENÁRIOS DE PROJETO IX-078- CONTROLE DE CHEIAS EM VILA FRATERNIDADE (DUQUE DE CAXIAS/RJ) SIMULAÇÃO MATEMÁTICA DE CENÁRIOS DE PROJETO Aline Pires Veról (1) Engenheira Civil pela Escola Politécnica da UFRJ. Mestre em Ciências

Leia mais

Projeto PLADE (JICA) Foz do Rio Itajaí-Açu. Por: Dr. João Luiz Baptista de Carvalho

Projeto PLADE (JICA) Foz do Rio Itajaí-Açu. Por: Dr. João Luiz Baptista de Carvalho Projeto PLADE (JICA) Foz do Rio Itajaí-Açu Por: Dr. João Luiz Baptista de Carvalho Para a região da foz do Itajaí-Açu Melhoramento fluvial ao longo do rio Itajaí; Canal extravasor; Melhoramento fluvial

Leia mais

Orientações Básicas. feam - FUNDAÇÃO ESTADUAL DO MEIO AMBIENTE

Orientações Básicas. feam - FUNDAÇÃO ESTADUAL DO MEIO AMBIENTE Orientações Básicas P A R A D R E N A G E M U R B A N A Secretaria de Estado de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável Fundação Estadual do Meio Ambiente Diretoria de Licenciamento de Infra-Estrutura

Leia mais

Usina Hidrelétrica Belo Monte APRESENTAÇÃO GERAL DO EMPREENDIMENTO

Usina Hidrelétrica Belo Monte APRESENTAÇÃO GERAL DO EMPREENDIMENTO Usina Hidrelétrica Belo Monte APRESENTAÇÃO GERAL DO EMPREENDIMENTO BREVE HISTÓRICO Estudo de Inventário do rio Xingu: realizados na década de 1970 com relatório técnico emitido no final de 1979 Estudos

Leia mais

RESERVATÓRIO DE RETENÇÃO PISCINÃO TC-9 FORD SÃO BERNARDO DO CAMPO

RESERVATÓRIO DE RETENÇÃO PISCINÃO TC-9 FORD SÃO BERNARDO DO CAMPO UNIVERSIDADE ANHEMBI MORUMBI FÁBIO MARTINS FERNANDES RESERVATÓRIO DE RETENÇÃO PISCINÃO TC-9 FORD SÃO BERNARDO DO CAMPO Trabalho de Conclusão de Curso apresentado à Universidade Anhembi Morumbi no âmbito

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 131, DE 11 DE MARÇO DE 2003

RESOLUÇÃO Nº 131, DE 11 DE MARÇO DE 2003 RESOLUÇÃO Nº 131, DE 11 DE MARÇO DE 2003 Dispõe sobre procedimentos referentes à emissão de declaração de reserva de disponibilidade hídrica e de outorga de direito de uso de recursos hídricos, para uso

Leia mais

Porto Alegre, Rio Grande do Sul, Brasil

Porto Alegre, Rio Grande do Sul, Brasil Kit de Treinamento SWITCH 1 Porto Alegre, Rio Grande do Sul, Brasil O Plano Diretor de Drenagem Urbana da Cidade de Porto Alegre Assim como muitas cidades brasileiras, Porto Alegre enfrenta problemas relacionados

Leia mais

DUPLICAÇÃO DA RODOVIA ELIEZER MAGALHÃES NA REGIÃO DE ARAÇATUBA 2.000.000,00 2.000.000,00 DUPLICAÇÃO DA RODOVIA ASSIS CHATEAUBRIAND NA REGIÃO DE

DUPLICAÇÃO DA RODOVIA ELIEZER MAGALHÃES NA REGIÃO DE ARAÇATUBA 2.000.000,00 2.000.000,00 DUPLICAÇÃO DA RODOVIA ASSIS CHATEAUBRIAND NA REGIÃO DE Região Administrativa/Região Metropolitana Secretaria TEOR Araçatuba Justiça e Defesa da Cidadania Despesas de Capital Valor REFORMA DO ESQUELETO DO HOSPITAL MODELO PARA ABRIGAR FORUM 3.000.000,00 3.000.000,00

Leia mais

MODELO PARA ABRIGAR FORUM 3.000.000,00 3.000.000,00 ARAÇATUBA 5.000.000,00 5.000.000,00 MAGALHÃES NA REGIÃO DE ARAÇATUBA 2.000.000,00 2.000.

MODELO PARA ABRIGAR FORUM 3.000.000,00 3.000.000,00 ARAÇATUBA 5.000.000,00 5.000.000,00 MAGALHÃES NA REGIÃO DE ARAÇATUBA 2.000.000,00 2.000. Região Administrativa/Região Metropolitana Secretaria TEOR Justiça e Defesa da REFORMA DO ESQUELETO DO HOSPITAL Araçatuba Cidadania HOSPITAL REGIONAL NA REGIÃO DE Araçatuba Saúde DUPLICAÇÃO DA RODOVIA

Leia mais

Outorga do Sistema Cantareira Renovações de 2004 e 2014. Rui Brasil Assis Assessor do Gabinete da SSRH

Outorga do Sistema Cantareira Renovações de 2004 e 2014. Rui Brasil Assis Assessor do Gabinete da SSRH Outorga do Sistema Cantareira Renovações de 2004 e 2014 Rui Brasil Assis Assessor do Gabinete da SSRH Contexto da renovação da outorga em 2004 ATORES REGIONAIS 1. Comitê PCJ 2. Consórcio PCJ 3. Conselho

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE TAPEJARA SECRETARIA DE AGRICULATURA E MEIO AMBIENTE

PREFEITURA MUNICIPAL DE TAPEJARA SECRETARIA DE AGRICULATURA E MEIO AMBIENTE PREFEITURA MUNICIPAL DE TAPEJARA SECRETARIA DE AGRICULATURA E MEIO AMBIENTE AUDIÊNCIA PÚBLICA - ESTUDOS TÉCNICOS MACRODRENAGEM E APP S EM ÁREAS URBANA CONSOLIDADA PROPOSTA DE CONDICIONANTES E RESTRIÇÕES

Leia mais

VANESSA ROCHA SIQUEIRA

VANESSA ROCHA SIQUEIRA 0 UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO ESCOLA POLITÉCNICA CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM ENGENHARIA URBANA VANESSA ROCHA SIQUEIRA DRENAGEM URBANA NO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO: ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE O PLANO

Leia mais

SISTEMA DE CONTENÇÃO DE ÁGUAS PLUVIAIS

SISTEMA DE CONTENÇÃO DE ÁGUAS PLUVIAIS SISTEMA DE CONTENÇÃO DE ÁGUAS PLUVIAIS Com a crescente urbanização e expansão das cidades os problemas resultantes das chuvas tem se tornado cada vez mais frequentes e mais graves devido a diversos fatores:

Leia mais

NOTA TÉCNICA DE AVALIAÇÃO DA EFICÁCIA DO MURO DE ARRIMO EM PORTO GRANDE

NOTA TÉCNICA DE AVALIAÇÃO DA EFICÁCIA DO MURO DE ARRIMO EM PORTO GRANDE PLANO BÁSICO AMBIENTAL DA AHE CACHOEIRA CALDEIRÃO NOTA TÉCNICA DE AVALIAÇÃO DA EFICÁCIA DO MURO DE ARRIMO EM PORTO GRANDE Licença Prévia 0112/2012 Condicionante Específica Nº 2.26 Elaborar um estudo específico

Leia mais

DECRETO Nº 47.696, DE 07 DE MARÇO DE 2003(*) GERALDO ALCKMIN, Governador do Estado de São Paulo, no uso de suas atribuições legais.

DECRETO Nº 47.696, DE 07 DE MARÇO DE 2003(*) GERALDO ALCKMIN, Governador do Estado de São Paulo, no uso de suas atribuições legais. DECRETO Nº 47.696, DE 07 DE MARÇO DE 2003(*) Regulamenta o artigo 37-A da Lei nº 1.172, de 17 de novembro de 1976, acrescido pela Lei nº 11.216, de 22 de julho de 2002, que delimita as áreas de proteção

Leia mais

Município: VARGEM COORD. UTM (km) Prazo USO RECURSO HÍDRICO N E MC (anos) Barramento Rio Jaguari 7.465,00 354,00 45º 10

Município: VARGEM COORD. UTM (km) Prazo USO RECURSO HÍDRICO N E MC (anos) Barramento Rio Jaguari 7.465,00 354,00 45º 10 PORTARIA DAEE N o 1213, DE 06 DE AGOSTO DE 2004 O SUPERINTENDENTE DO, no uso de suas atribuições legais e com fundamento no artigo 11, incisos I e XVI do Decreto Estadual n o 52.636 de 03/02/71, e à vista

Leia mais

126Z - Implantação do Sistema de Macrodrenagem da Baixada Campista, no Estado do Rio de Janeiro

126Z - Implantação do Sistema de Macrodrenagem da Baixada Campista, no Estado do Rio de Janeiro Programa 2040 - Gestão de Riscos e Resposta a Desastres Número de Ações 25 10SG - Apoio a Sistemas de Drenagem Urbana Sustentável e de Manejo de Águas Pluviais em Municípios com População Superior a 50

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 12, DE 03 DE SETEMBRO DE 2008.

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 12, DE 03 DE SETEMBRO DE 2008. INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 12, DE 03 DE SETEMBRO DE 2008. Dispõe sobre procedimentos referentes à emissão de Declaração de Reserva de Disponibilidade Hídrica (DRDH) e de outorga de direito de uso de recursos

Leia mais

ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DOS ESTUDOS NECESSÁRIOS À ELABORAÇÃO DO PLANO DA BACIA HIDROGRÁFICA DO ALTO TIETÊ. São Paulo, agosto/2014

ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DOS ESTUDOS NECESSÁRIOS À ELABORAÇÃO DO PLANO DA BACIA HIDROGRÁFICA DO ALTO TIETÊ. São Paulo, agosto/2014 (Proc. FABHAT Nº 005/2013-Prov. 1) ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DOS ESTUDOS NECESSÁRIOS À ELABORAÇÃO DO PLANO DA BACIA HIDROGRÁFICA DO ALTO TIETÊ São Paulo, agosto/2014 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO...

Leia mais

APP ÁREA DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE. Feições de Relevo com alta fragilidade, que exercem funções essenciais a vida

APP ÁREA DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE. Feições de Relevo com alta fragilidade, que exercem funções essenciais a vida APP ÁREA DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE Feições de Relevo com alta fragilidade, que exercem funções essenciais a vida Dispositivo legal aplicado em distintos ambientes: Urbano, Rural ou Florestal Área de Preservação

Leia mais

Gestão das Águas Pluviais no Meio Urbano

Gestão das Águas Pluviais no Meio Urbano Gestão das Águas Pluviais no Meio Urbano PROF. DR. JOSÉ RODOLFO SCARATI MARTINS ESCOLA POLITÉCNICA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO A CIDADE É O GRANDE VILÃO AMBIENTAL Grandes demandas concentradas sobre uma

Leia mais

PROGRAMA DE CORREDORES METROPOLITANOS. Instituto de Engenharia

PROGRAMA DE CORREDORES METROPOLITANOS. Instituto de Engenharia PROGRAMA DE CORREDORES METROPOLITANOS Instituto de Engenharia Introdução quem é a EMTU/SP Estrutura Organizacional EMTU/SP responsabilidades Gerenciamento do sistema de transporte público intermunicipal

Leia mais

DOSSIÊ Sistema Rio Grande

DOSSIÊ Sistema Rio Grande Espaço das Águas Fundação Patrimônio Histórico da Energia e Saneamento Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo Sabesp DOSSIÊ Sistema Rio Grande Fevereiro 2009 1. Histórico do Sistema Rio

Leia mais

PLANO DA BACIA HIDROGRÁFICA DO ALTO TIETÊ

PLANO DA BACIA HIDROGRÁFICA DO ALTO TIETÊ COMITÊ DA BACIA HIDROGRÁFICA DO ALTO TIETÊ PLANO DA BACIA HIDROGRÁFICA DO ALTO TIETÊ RELATÓRIO FINAL Volume 2/4 Fundação de Apoio à Universidade de São Paulo Dezembro de 2009 SUMÁRIO Textos 2.5. Uso e

Leia mais

METODOLOGIA E AMOSTRA

METODOLOGIA E AMOSTRA SOBRE A PESQUISA METODOLOGIA E AMOSTRA Pesquisa quantitativa, com aplicação de questionário estruturado através de entrevistas pessoais. Objetivo Geral O projeto tem por objetivo geral mapear as percepções,

Leia mais

Enchente - caracteriza-se por uma vazão relativamente grande de escoamento superficial. Inundação - caracteriza-se pelo extravasamento do canal.

Enchente - caracteriza-se por uma vazão relativamente grande de escoamento superficial. Inundação - caracteriza-se pelo extravasamento do canal. Capítulo Controle de Enchentes e Inundações 10 1. DEFINIÇÃO Enchente - caracteriza-se por uma vazão relativamente grande de escoamento superficial. Inundação - caracteriza-se pelo extravasamento do canal.

Leia mais

Dimensões Humanas das Mudanças Climáticas: Vulnerabilidade as Enchentes e Inundações na Região Metropolitana de São Paulo*

Dimensões Humanas das Mudanças Climáticas: Vulnerabilidade as Enchentes e Inundações na Região Metropolitana de São Paulo* Dimensões Humanas das Mudanças Climáticas: Vulnerabilidade as Enchentes e Inundações na Região Metropolitana de São Paulo* Palavras-chave: Bacia do Alto - Tietê, precipitação intensa, metrópole Resumo

Leia mais

Planejamento na Drenagem Urbana: o caso de Porto Alegre RS

Planejamento na Drenagem Urbana: o caso de Porto Alegre RS Planejamento na Drenagem Urbana: o caso de Porto Alegre RS Prefeitura Municipal de Porto Alegre - PMPA Departamento de Esgotos Pluviais - DEP Dados Gerais do Município de Porto Alegre ~1,4 milhões de habitantes

Leia mais

2.6. Sistemas de Abastecimento de Água

2.6. Sistemas de Abastecimento de Água 2.6. Sistemas de Abastecimento de Água A RMSP está localizada na porção sudeste do estado de São Paulo e abrange 39 municípios. Destes, 33 são operados pela SABESP e 6 têm Administração Municipal. Do total

Leia mais

Experiências de Gestão Abrangente de Enchentes no Japão

Experiências de Gestão Abrangente de Enchentes no Japão Estudo Preparatório para o Projeto de Prevenção de Desastres e Medidas Mitigatórias na Bacia do Rio Itajaí Experiências de Gestão Abrangente de Enchentes no Japão JICA Survey Team 18 de Maio de 2010 1

Leia mais

As áreas verdes, a permeabilidade do solo e a recarga de aqüíferos

As áreas verdes, a permeabilidade do solo e a recarga de aqüíferos As áreas verdes, a permeabilidade do solo e a recarga de aqüíferos Gestão de Águas Pluviais na RMBH Workshop SME Nilo Nascimento Belo Horizonte, 6 de março de 2012 As áreas verdes, a permeabilidade dos

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE EMPRESA DE CONSULTORIA

TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE EMPRESA DE CONSULTORIA TERMO DE REFERÊNCIA PARA ELABORAÇÃO DE UM PLANO DE GESTÃO PARA REMEDIAÇÃO E PROTEÇÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS DA SUB-BACIA ATIBAIA COM ENFASE NO RESERVATÓRIO DE SALTO GRANDE AMERICANA SP TERMO DE REFERÊNCIA

Leia mais

... Completando 75 anos em 2011 hoje presente em 12 capitais brasileiras é mantida pela indústria brasileira de cimento, com o propósito de promover

... Completando 75 anos em 2011 hoje presente em 12 capitais brasileiras é mantida pela indústria brasileira de cimento, com o propósito de promover ... Completando 75 anos em 2011 hoje presente em 12 capitais brasileiras é mantida pela indústria brasileira de cimento, com o propósito de promover o desenvolvimento da construção civil. Clique para editar

Leia mais

Programa Urbano Ambiental Macambira Anicuns Informações Gerais

Programa Urbano Ambiental Macambira Anicuns Informações Gerais Programa Urbano Ambiental Macambira Anicuns Informações Gerais O Programa Urbano Ambiental Macambira Anicuns corresponde a um conjunto de ações a serem desenvolvidas pela Prefeitura Municipal de Goiânia,

Leia mais

INSTRUÇÃO TÉCNICA DPO Nº 5, de 10/11/2011

INSTRUÇÃO TÉCNICA DPO Nº 5, de 10/11/2011 INSTRUÇÃO TÉCNICA DPO Nº 5, de 10/11/2011 1. Objeto. 2. Referências. OUTORGA DE APROVEITAMENTOS HIDRELÉTRICOS UHE / PCH / CGH 3. Obtenção de outorgas junto ao. 4. Fluxograma dos procedimentos para uso

Leia mais

Prefeitura do Município de São Paulo. Secretaria do Verde e Meio Ambiente. Os parques lineares como estratégia de recuperação ambiental

Prefeitura do Município de São Paulo. Secretaria do Verde e Meio Ambiente. Os parques lineares como estratégia de recuperação ambiental Prefeitura do Município de São Paulo Secretaria do Verde e Meio Ambiente Os parques lineares como estratégia de recuperação ambiental na cidade de São Paulo. Autores: Alejandra Maria Devecchi, Rosélia

Leia mais

O sistema ora descrito apresenta as seguintes unidades operacionais:

O sistema ora descrito apresenta as seguintes unidades operacionais: A elevatória apresenta três conjuntos moto-bombas (Foto 3), dos quais dois operam em paralelo, ficando um de reserva, cada um associado a um motor elétrico de 150 cv de potência e recalcando uma vazão

Leia mais

Belo Horizonte, Estado de Minas Gerais, Brasil

Belo Horizonte, Estado de Minas Gerais, Brasil Kit de Treinamento SWITCH 1 Belo Horizonte, Estado de Minas Gerais, Brasil Gestão Integrada das Águas Urbanas: o caso de Belo Horizonte Belo Horizonte é uma das maiores metrópoles do Brasil. Uma grande

Leia mais

Secretaria Município Valor Estado

Secretaria Município Valor Estado Secretaria Município Valor Estado Objeto (R$) Arujá 30.000,00 Academia ao Ar Livre no Parque Rodrigo Barreto Arujá 30.000,00 Academia ao Ar Livre no Bairro Jd. Real Arujá 30.000,00 Academia ao Ar Livre

Leia mais

SEMINÁRIO PROJETO BÁSICO E PROJETO EXECUTIVO NAS CONTRATAÇÕES PÚBLICAS ASPECTOS TÉCNICOS SIURB

SEMINÁRIO PROJETO BÁSICO E PROJETO EXECUTIVO NAS CONTRATAÇÕES PÚBLICAS ASPECTOS TÉCNICOS SIURB SEMINÁRIO PROJETO BÁSICO E PROJETO EXECUTIVO NAS CONTRATAÇÕES PÚBLICAS ASPECTOS TÉCNICOS SIURB PROJETOS DE INFRAESTRUTURA URBANA DRENAGEM CANAIS RESERVATÓRIOS MICRODRENAGEM OU DRENAGEM SUPERFICIAL OBRAS

Leia mais

Urbanismo infraestrutural Mutações na Zona Leste de São Paulo. Nelson Brissac

Urbanismo infraestrutural Mutações na Zona Leste de São Paulo. Nelson Brissac Urbanismo infraestrutural Mutações na Zona Leste de São Paulo Nelson Brissac Nos limites da cidade, os processos urbanos envolvem grandes obras de infraestrutura metropolitana, moradia precária e necessidade

Leia mais

Curso de Gestão de Águas Pluviais

Curso de Gestão de Águas Pluviais Curso de Gestão de Águas Pluviais Capítulo 5 Prof. Carlos E. M. Tucci Prof. Dr. Carlos E. M. Tucci Ministério das Cidades 1 Cap5 Plano Diretor de Águas Pluviais A gestão das águas pluviais dentro do município

Leia mais

BARRAGENS DE TERRA E DE ENROCAMENTO AULA 1. Prof. Romero César Gomes - Departamento de Engenharia Civil /UFOP

BARRAGENS DE TERRA E DE ENROCAMENTO AULA 1. Prof. Romero César Gomes - Departamento de Engenharia Civil /UFOP BARRAGENS DE TERRA E DE ENROCAMENTO AULA 1 Prof. Romero César Gomes - Departamento de Engenharia Civil /UFOP Conceitos Gerais As barragens convencionais são estruturas construídas transversalmente aos

Leia mais

Lei nº 10200 DE 08/01/2015

Lei nº 10200 DE 08/01/2015 Lei nº 10200 DE 08/01/2015 Norma Estadual - Maranhão Publicado no DOE em 12 jan 2015 Dispõe sobre a Política Estadual de Gestão e Manejo Integrado de Águas Urbanas e dá outras providências. O Governador

Leia mais

[Artigo] - Educação Ambiental em Ação

[Artigo] - Educação Ambiental em Ação Página 1 de 6 ISSN 1678-0701 [Exibindo artigos de todos os números] anteriores... Números Início Cadastre-se! Procurar Apresentação Artigos Dicas e Curiosidades Reflexão Textos de sensibilização Dinâmicas

Leia mais

O AGENTE DA MOBILIDADE URBANA NO SISTEMA MUNICIPAL DE DEFESA CIVIL

O AGENTE DA MOBILIDADE URBANA NO SISTEMA MUNICIPAL DE DEFESA CIVIL O AGENTE DA MOBILIDADE URBANA NO SISTEMA MUNICIPAL DE DEFESA CIVIL Autores: Carlos Aparecido de Lima - carlosaparecido@emdec.com.br José Eduardo Vasconcellos - eduardovasconcellos@emdec.com.br Carlos Roberto

Leia mais

GOVERNANÇA METROPOLITANA. As cidades e os desafios da Mobilidade Urbana

GOVERNANÇA METROPOLITANA. As cidades e os desafios da Mobilidade Urbana As cidades e os desafios da Mobilidade Urbana Março / 2012 Mobilidade é o deslocamento de pessoas e bens nas cidades. É sustentável quando: Valoriza o deslocamento do pedestre. Proporciona mobilidade às

Leia mais

IMPLANTAÇÃO DE AÇÕES PREVISTAS PELO PLANO DIRETOR DE DRENAGEM URBANA DE PORTO ALEGRE

IMPLANTAÇÃO DE AÇÕES PREVISTAS PELO PLANO DIRETOR DE DRENAGEM URBANA DE PORTO ALEGRE IMPLANTAÇÃO DE AÇÕES PREVISTAS PELO PLANO DIRETOR DE DRENAGEM URBANA DE PORTO ALEGRE 1) INTRODUÇÃO A cidade de Porto Alegre, capital do estado do Rio Grande do Sul, tem aproximadamente 1.300.000 habitantes

Leia mais

DIRETRIZES DA POLÍTICA DE TRANSPORTE COLETIVO EM SP

DIRETRIZES DA POLÍTICA DE TRANSPORTE COLETIVO EM SP DIRETRIZES DA POLÍTICA DE TRANSPORTE COLETIVO EM SP JUNHO 2013 DIMENSÃO DO DESAFIO EM TRANSPORTE COLETIVO PMSP Coletivo 10,1 milhões viagens 56% Individual 7,9 milhões viagens 44% DIMENSÃO DO DESAFIO EM

Leia mais

D esgraça anunciada: 30 pontos de alagamento. De novo, as enchentes...socorro!

D esgraça anunciada: 30 pontos de alagamento. De novo, as enchentes...socorro! Enchentes São Paulo Foto: Tiago Silva/DGABC De novo, as enchentes...socorro! Uma rotina de omissão e descaso das autoridades expõe os paulistanos às tragédias previsíveis no calendário, ano após ano Marisa

Leia mais

Santo André, Estado de São Paulo, Brasil

Santo André, Estado de São Paulo, Brasil 1 Santo André, Estado de São Paulo, Brasil Saneamento Integrado e Inovação Santo André está localizada na Região Metropolitana de São Paulo. Desde 1999, a cidade adotou o saneamento ambiental e realiza

Leia mais

Exercício 1: Calcular a declividade média do curso d água principal da bacia abaixo, sendo fornecidos os dados da tabela 1:

Exercício 1: Calcular a declividade média do curso d água principal da bacia abaixo, sendo fornecidos os dados da tabela 1: IPH 111 Hidráulica e Hidrologia Aplicadas Exercícios de Hidrologia Exercício 1: Calcular a declividade média do curso d água principal da bacia abaixo, sendo fornecidos os dados da tabela 1: Tabela 1 Características

Leia mais

Paulista. Uma abordagem integrada.

Paulista. Uma abordagem integrada. CONTROLE DE ENCHENTES. 10 anos do Plano Diretor de Macrodrenagem da Bacia Hidrográfica do Alto Tietê. Mesa de Discussão 3: Águas e Planejamento Urbano nas Grandes Metrópoles Águas e saneamento na Macrometrópole

Leia mais

RESERVATÓRIOS DE DETENÇÃO HIDRICA: SOLUÇÃO PARA PROBLEMAS DE DRENAGEM URBANA NO MUNICÍPIO DE CAMPINA GRANDE - PB

RESERVATÓRIOS DE DETENÇÃO HIDRICA: SOLUÇÃO PARA PROBLEMAS DE DRENAGEM URBANA NO MUNICÍPIO DE CAMPINA GRANDE - PB RESERVATÓRIOS DE DETENÇÃO HIDRICA: SOLUÇÃO PARA PROBLEMAS DE DRENAGEM URBANA NO MUNICÍPIO DE CAMPINA GRANDE - PB Yuri Tomaz Neves 1 ; Laércio Leal dos Santos 2 ; Jonathan Nóbrega Gomes 3 ; Bruno Menezes

Leia mais

ITAPIRAPUÃ PAULISTA. OBRAS E AÇÕES Gestão 2007-2010 2010 R$ 2.515.600,00

ITAPIRAPUÃ PAULISTA. OBRAS E AÇÕES Gestão 2007-2010 2010 R$ 2.515.600,00 ITAPIRAPUÃ PAULISTA OBRAS E AÇÕES Gestão 2007-2010 2010 R$ 2.515.600,00 AGRICULTURA: Distribuição de Leite: distribuídos 128.532 litros de leite, no período Jan/2007 a Abr/2009 - Custo: R$ 169 mil, beneficiando

Leia mais

Obras de Mobilidade Urbana em Belo Horizonte COPA 2014

Obras de Mobilidade Urbana em Belo Horizonte COPA 2014 INFRAESTRUTURA PARA A COPA 2014 Obras de Mobilidade Urbana em Belo Horizonte COPA 2014 Novembro/12 Agosto/2011 Empreendimentos de Mobilidade Urbana BRT Antônio Carlos/Pedro I Meta 1: Interseção com Av.

Leia mais