Departamento de Águas e Energia Elétrica

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Departamento de Águas e Energia Elétrica"

Transcrição

1 13 de Novembro de 2012

2 Departamento de Águas e Energia Elétrica O DAEE foi criado há 60 anos, em 12/12/1951, tendo como principais competências, no âmbito do Estado de SP: Elaborar o planejamento, os estudos, os projetos, as obras e os serviços relacionados a recursos hídricos; Executar o Código das Águas; Outorgar permissões e autorizações para uso de águas do domínio estadual; Cobrar pelo uso da água; Dar assistência técnica a entidades públicas ou particulares relacionadas a recursos hídricos. 2

3 DAEE - Organograma PARCERIAS CTH RH UGP PVT GESTÃO EMPRESARIAL ASS. TÉC. AUDITORIA BACIAS AÇÃO INSTITUCIONAL Secretaria de Saneamento e Recursos Hídricos Superintendência LICITAÇÕES E CONTRATOS GESTÃO DE OBRAS CH. GABINETE PROC. JURÍDICA RECURSOS HÍDRICOS ADM. E SISTEMAS OUTORGA E FISCALIZ. ENG. E OBRAS FINANCEIRA 3

4 DAEE Unidades de Gerenciamento BPB Bacia do Paraíba e Lit. Norte BAT Bacia do Alto Tietê e Baixada BRB Bacia do Ribeira e Lit. Sul BMT Bacia do Médio Tietê BPG Bacia do Pardo Grande BTG Bacia do Turvo Grande BBT Bacia do Baixo Tietê BPP Bacia do Peixe Paranapanema 4

5 DAEE Unidades Hidrográficas (UGRHI) 5

6 DAEE Atividades Desempenhadas Atendimento aos municípios no campo dos recursos hídricos, na elaboração de estudos e projetos, assistência e assessoria técnica. Autorização ou concessão que faculta o uso e intervenções em cursos d água. Apoio as Agências de Bacias na implementação dos instrumentos de gestão dos recursos hídricos. Monitoramento pluviométrico preventivo relacionado ao impacto das chuvas e preditiva subsidiando a elaboração de estudos e projetos (base de dados). Realização de estudos, projetos e obras a partir das definições estratégicas da implantação de ações para o controle de enchentes. 6

7 DAEE - Principais Investimentos AMPLIAÇÃO DA CALHA DO RIO TIETÊ Escopo: Obras de ampliação da calha do Tietê, da canalização do Rio Cabuçu de Cima e a construção das barragens de Biritiba e Paraitinga Valor Total: R$ 1,7 bilhões Recursos GESP: R$ 1,0 bilhão Valor Financiado: R$ 700 milhões Agência de Fomento: JBIC Período: 1995 / 2006 (12 anos) 7

8 DAEE - Principais Investimentos RESERVATÓRIOS DE RETENÇÃO Escopo: Construção de 28 piscinões na RMSP com capacidade de armazenamento de 5,1 milhões de m³ Valor Total: R$300 milhões Recursos GESP: R$ 300 milhões Período: 1995 /

9

10 DAEE - Principais Investimentos PROGRAMA ÁGUA LIMPA Escopo: Afastamento e tratamento de esgoto doméstico, nos municípios não atendidos pela SABESP, com população inferior a 50 mil habitantes. População Beneficiada > 3,1 milhões pessoas. Valor Total: R$ 236 milhões Legenda: 76 Municípios com obras concluídas 33 Municípios com obras em andamento 33 Municípios com projetos já elaborados 63 Municípios com projetos a concluir 44 Municípios com 100% de saneamento antes do Programa Recursos GESP: R$ 236 milhões Período: 2005 / 2012 (8 anos) 10

11 DAEE - Principais Investimentos PROGRAMA ÁGUA LIMPA 11

12 DAEE - Principais Investimentos PARQUE VÁRZEAS DO TIETÊ Implantação do maior parque linear do mundo, com 75 km de extensão e 107 km² em oito municípios: São Paulo, Guarulhos, Itaquaquecetuba, Suzano, Poá, Mogi das Cruzes, Biritiba Mirim e Salesópolis Valor Total do Projeto: R$ 200 milhões Período: 2011 /

13 DAEE - Principais Investimentos 5 anos ( ) 3 anos ( ) 3 anos ( ) 13

14 DAEE - Principais Investimentos OUTROS INVESTIMENTOS ( ): Desassoreamento de rios e córregos da RMSP: R$ 347,6 milhões; Obras de macro drenagem: R$ 243,2 milhões; Manutenção de estruturas hidráulicas: R $ 80 milhões; Estudos, planos e projetos de obras de drenagem: R$ 42 milhões. 14

15 DAEE - Principais Investimentos INVESTIMENTOS PLANEJADOS: Continuidade do desassoreamento de rios e córregos da RMSP (R$ 320 milhões / ); PPP Sistema de Reservatórios de Controle de Cheia da RMSP de 45 Reservatórios com capacidade de armazenamento de 9,4 milhões m³ (R$ 4,5 bilhões / ); Construção de 22 novos reservatórios com capacidade de armazenamento de 4,1 milhões m³ (R$ 2 bilhões / ); Implantação das Fases II e III do Parque Várzeas do Tietê (R$ 2,5 bilhões / ); Implantação das Fases I, II e III do Programa Baquirivu-Guaçu (R$ 1 bilhão/ ). 15

16 EQUIPAMENTOS DE MONITORAMENTO RADAR METEREOLÓGICO Localização: Barragem de Ponte Nova - Salesópolis Raio de cobertura do radar é de 240km, com resolução de 1x1km.

17 RADAR METEREOLÓGICO - Funcionamento

18 PRINCIPAIS PRODUTOS - CAPPI 3km DE ALTURA mm/h

19 PRINCIPAIS PRODUTOS - CHUVA ACUMULADA DO EVENTO mm

20

21 EQUIPAMENTOS DE MONITORAMENTO REDE TELEMÉTRICA Sistema monitorado por 200 Estações Telemétricas

22 POSTO TELEMÉTRICO PADRÃO RIO TIETÊ - PONTE DO LIMÃO

23 ABRANGÊNCIA DO SISTEMA DE ALERTA A INUNDAÇÕES - SP

24 PERSPECTIVA DA BACIA DO ALTO TIETÊ E CUBATÃO

25 ABRANGÊNCIA DO SISTEMA DE ALERTA A INUNDAÇÕES - SP BACIA Nº DE MUNICÍPIOS ÁREA(km²) POPULAÇÃO (milhões) Alto Tietê e Baixada Santista ,6 Médio Tietê ,5 Paraiba e Litoral Norte ,2 Ribeira de Iguape e Litoral Sul ,4 TOTAL ,7

26

27 DIAGRAMA UNIFILAR DA BACIA DO PIRACICABA

28

29

30 DISTRIBUIÇÃO DE POSTOS NAS REDES TELEMÉTRICAS ALTO TIETÊ/CUBATÃO/PIRACICABA

31 PRODUTOS DA REDE TELEMÉTRICA

32

33

34 REDE TELEMÉTRICA MONITORAMENTO DOS PISCINÕES

35 PREVISÃO DE NÍVEL NAS ESTAÇÕES FLUVIOMÉTRICAS 2h

36

37

38

39 Governo do Estado de São Paulo Secretaria Estadual de Saneamento e Recursos Hídricos DEPARTAMENTO DE ÁGUAS E ENERGIA ELÉTRICA Alfredo Pisani (11)

Desafios e metas do Estado de São Paulo

Desafios e metas do Estado de São Paulo 1º Seminário Saneamento Básico Universalização do Saneamento: Desafios e Metas para o Setor 07 de novembro de 2011 Desafios e metas do Estado de São Paulo Edson Giriboni Secretário de Saneamento e Recursos

Leia mais

Alceu Segamarchi Junior

Alceu Segamarchi Junior GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA DE SANEAMENTO E RECURSOS HÍDRICOS DEPARTAMENTO DE ÁGUAS E ENERGIA ELÉTRICA Alceu Segamarchi Junior Superintendente do Departamento de Águas e Energia Elétrica

Leia mais

PLANO DIRET O DIRET R O DE MACR MA ODRENA CR GEM ODRENA DA BACIA DO ALTO TIETÊ

PLANO DIRET O DIRET R O DE MACR MA ODRENA CR GEM ODRENA DA BACIA DO ALTO TIETÊ PLANO DIRETOR DE MACRODRENAGEM DA PLANO DIRETOR DE MACRODRENAGEM DA BACIA DO ALTO TIETÊ MAPA DE LOCALIZAÇÃO A ANÁLISE E O ENCAMINHAMENTO DE SOLUÇÕES PARA AS QUESTÕES DE DRENAGEM URBANA TÊM SIDO UM DOS

Leia mais

PARQUE VÁRZEAS TIETÊ

PARQUE VÁRZEAS TIETÊ INTRODUÇÃO PARQUE VÁRZEAS TIETÊ O Programa Parque Várzeas do Tietê (PVT), visa a recuperação da capacidade de contenção de cheias que ocorrem nas várzeas do rio Tietê desde a barragem da Penha até o município

Leia mais

MESA 4 ALERTA. Mario Thadeu Leme de Barros

MESA 4 ALERTA. Mario Thadeu Leme de Barros MESA 4 MONITORAMENTO E SISTEMA DE ALERTA Mario Thadeu Leme de Barros 1 A QUESTÃO DO CONTROLE DE CHEIAS URBANAS Medidas Estruturais versus Medidas Não Estruturais 2 Medidas não estruturais que se destacam:

Leia mais

EVOLUÇÃO INSTITUCIONAL DO SETOR DE ÁGUA EM SÃO PAULO. Edson Giriboni Secretário de Saneamento e Recursos Hídricos

EVOLUÇÃO INSTITUCIONAL DO SETOR DE ÁGUA EM SÃO PAULO. Edson Giriboni Secretário de Saneamento e Recursos Hídricos EVOLUÇÃO INSTITUCIONAL DO SETOR DE ÁGUA EM SÃO PAULO Edson Giriboni Secretário de Saneamento e Recursos Hídricos Organização da Secretaria de Saneamento e Recursos Hidricos Gabinete do Secretario Saneamento

Leia mais

DOSSIÊ Sistema Alto Tietê

DOSSIÊ Sistema Alto Tietê Espaço das Águas Fundação Patrimônio Histórico da Energia e Saneamento Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo Sabesp DOSSIÊ Sistema Alto Tietê Fevereiro 2009 1. Histórico da Implantação

Leia mais

10 ANOS DO PLANO DIRETOR DE MACRODRENAGEM DA BACIA HIDROGRÁFICA DO ALTO TIETÊ. 2 a 4 de dezembro de 2008 São Paulo VÁRZEAS DO TIETÊ

10 ANOS DO PLANO DIRETOR DE MACRODRENAGEM DA BACIA HIDROGRÁFICA DO ALTO TIETÊ. 2 a 4 de dezembro de 2008 São Paulo VÁRZEAS DO TIETÊ 10 ANOS DO PLANO DIRETOR DE MACRODRENAGEM DA BACIA HIDROGRÁFICA DO ALTO TIETÊ 2 a 4 de dezembro de 2008 São Paulo O PROJETO VÁRZEAS DO TIETÊ ROTEIRO DA APRESENTAÇÃO Breve Histórico do Rio Tietê e a cidade

Leia mais

- RJ O Gerenciamento dos Recursos HídricosH nas grandes Cidades. Paulo Massato Yoshimoto Diretor Metropolitano - Sabesp

- RJ O Gerenciamento dos Recursos HídricosH nas grandes Cidades. Paulo Massato Yoshimoto Diretor Metropolitano - Sabesp III Pré-ENCOB - RJ O Gerenciamento dos Recursos HídricosH nas grandes Cidades Paulo Massato Yoshimoto Diretor Metropolitano - Sabesp Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo - Sabesp 5ª Maior

Leia mais

BOA GOVERNANÇA PARA GESTÃO SUSTENTÁVEL DAS ÁGUAS URBANAS PROGRAMA DRENURBS

BOA GOVERNANÇA PARA GESTÃO SUSTENTÁVEL DAS ÁGUAS URBANAS PROGRAMA DRENURBS BOA GOVERNANÇA PARA GESTÃO SUSTENTÁVEL DAS ÁGUAS URBANAS PROGRAMA DRENURBS Um programa para integrar objetivos ambientais e sociais na gestão das águas Superintendência de Desenvolvimento da Capital -

Leia mais

Dilma Pena, secretária estadual de Saneamento e Energia de São Paulo

Dilma Pena, secretária estadual de Saneamento e Energia de São Paulo Dilma Pena, secretária estadual de Saneamento e Energia de São Paulo (pronunciamento na abertura do seminário Tecnologia e eficiência em saneamento ambiental, do Valor Econômico) O tripé formado por investimentos

Leia mais

GERENCIAMENTO 12 DAS SUBTERRÂNEAS. Elcio Linhares Silveira 6 14

GERENCIAMENTO 12 DAS SUBTERRÂNEAS. Elcio Linhares Silveira 6 14 GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO EXPERIÊNCIA E CASOS PRÁTICOS NO GERENCIAMENTO DAS ÁGUAS 15 8 18 GERENCIAMENTO 12 DAS 19 SUBTERRÂNEAS 4 16 20 21 22 17 X ÁREA CONTAMINADA 13 11 5 1 10 2 Elcio Linhares Silveira

Leia mais

Outorga do Sistema Cantareira Renovações de 2004 e 2014. Rui Brasil Assis Assessor do Gabinete da SSRH

Outorga do Sistema Cantareira Renovações de 2004 e 2014. Rui Brasil Assis Assessor do Gabinete da SSRH Outorga do Sistema Cantareira Renovações de 2004 e 2014 Rui Brasil Assis Assessor do Gabinete da SSRH Contexto da renovação da outorga em 2004 ATORES REGIONAIS 1. Comitê PCJ 2. Consórcio PCJ 3. Conselho

Leia mais

Investimentos O desafio da Universalização. 11 de dezembro de 2013

Investimentos O desafio da Universalização. 11 de dezembro de 2013 Investimentos O desafio da Universalização 11 de dezembro de 2013 Estado de São Paulo 248.196.960 km 2 População total: 41.262.199 População urbana: 39.585.251 645 municípios Fonte: IBGE, Censo Demográfico

Leia mais

POLÍTICA DE REDUÇÃO DO RISCO DE INUNDAÇÕES EM BELO HORIZONTE

POLÍTICA DE REDUÇÃO DO RISCO DE INUNDAÇÕES EM BELO HORIZONTE POLÍTICA DE REDUÇÃO DO RISCO DE INUNDAÇÕES EM BELO HORIZONTE Secretaria Municipal de Obras e Infraestrutura - SMOBI Superintendência de Desenvolvimento da Capital - SUDECAP OUTUBRO DE 2013 POLÍTICA DO

Leia mais

INTEGRAÇÃO DOS INSTRUMENTOS DE GESTÃO DE RECURSOS HÍDRICOS COM O PLANO DE BACIA

INTEGRAÇÃO DOS INSTRUMENTOS DE GESTÃO DE RECURSOS HÍDRICOS COM O PLANO DE BACIA INTEGRAÇÃO DOS INSTRUMENTOS DE GESTÃO DE RECURSOS HÍDRICOS COM O PLANO DE BACIA COBRANÇA PELO USO DA ÁGUA Reconhecer a água como bem econômico e dar ao usuário uma indicação de seu real valor Incentivar

Leia mais

Crise da Água em São Paulo Balanço e Propostas contribuição para o debate

Crise da Água em São Paulo Balanço e Propostas contribuição para o debate Crise da Água em São Paulo Balanço e Propostas contribuição para o debate Câmara dos Deputados 14 de Julho de 2015 Comissão Especial da Crise Hídrica O porque do colapso dos sistemas A Pergunta é: Precisávamos

Leia mais

Projetos de Expansão e Modernização

Projetos de Expansão e Modernização Projetos de Expansão e Modernização Março/2012 Jundiaí Várzea Paulista Campo Limpo Paulista Francisco Morato Franco da Rocha Caieiras REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO Itaquaquecetuba Osasco Barueri São

Leia mais

O Sistema de Monitoramento Hidrológico dos Reservatórios Hidrelétricos Brasileiros

O Sistema de Monitoramento Hidrológico dos Reservatórios Hidrelétricos Brasileiros O Sistema de Monitoramento Hidrológico dos Reservatórios Hidrelétricos Brasileiros Carlos Alexandre Cernach Silveira 2 Gabrielle Rodrigues de Macedo 2 Ludimila Lima da Silva 1 Mauro Silvio Rodrigues 2

Leia mais

XVIII Congresso Brasileiro de Recursos Hídricos

XVIII Congresso Brasileiro de Recursos Hídricos SECRETARIA DE SANEAMENTO E ENERGIA XVIII Congresso Brasileiro de Recursos Hídricos Mesa redonda: Marco Regulatório do Setor Saneamento Desafios do Saneamento e Regulação dos Serviços no Estado de São Paulo

Leia mais

USO ESTRATÉGICO DA ÁGUA: DESAFIOS E OPORTUNIDADES

USO ESTRATÉGICO DA ÁGUA: DESAFIOS E OPORTUNIDADES USO ESTRATÉGICO DA ÁGUA: DESAFIOS E OPORTUNIDADES Pontos Principais... A Sabesp tem compromisso com a política pública e com critérios de eficiência de mercado O novo marco regulatório do saneamento encerra

Leia mais

Paulo Massato Yoshimoto. Diretor Metropolitano - Sabesp

Paulo Massato Yoshimoto. Diretor Metropolitano - Sabesp Paulo Massato Yoshimoto Diretor Metropolitano - Sabesp O papel da SABESP no ciclo de vida da água Redução do volume produzido. Preservação e despoluição dos mananciais. Água de reúso Controle de Perdas

Leia mais

COPASA COMPANHIA DE SANEAMENTO DE MINAS GERAIS

COPASA COMPANHIA DE SANEAMENTO DE MINAS GERAIS COPASA COMPANHIA DE SANEAMENTO DE MINAS GERAIS Apresentação A Companhia de Saneamento de Minas Gerais, COPASA, criada em 1963, é uma empresa vinculada à Secretaria de Desenvolvimento Regional e Política

Leia mais

DESAFIOS E OPORTUNIDADES

DESAFIOS E OPORTUNIDADES DESAFIOS E OPORTUNIDADES Pontos Principais... A Sabesp tem compromisso com a política pública e com critérios de eficiência de mercado O novo marco regulatório do saneamento encerra desafios e oportunidades

Leia mais

Região Metropolitana de Belo Horizonte e Norte de Minas receberão novos investimentos em abastecimento de água

Região Metropolitana de Belo Horizonte e Norte de Minas receberão novos investimentos em abastecimento de água Região Metropolitana de Belo Horizonte e Norte de Minas receberão novos investimentos em abastecimento de água Governador Antonio Anastasia preside solenidade na qual foi assinado contrato para a implantação

Leia mais

ASSEMBLÉIA GERAL DA RELOB AS ESTRUTURAS DE GESTÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS NAS BACIAS PCJ

ASSEMBLÉIA GERAL DA RELOB AS ESTRUTURAS DE GESTÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS NAS BACIAS PCJ ASSEMBLÉIA GERAL DA RELOB AS ESTRUTURAS DE GESTÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS NAS BACIAS PCJ Dalto Favero Brochi Consórcio PCJ Rio de Janeiro Novembro / 2008 LOCALIZAÇÃO DAS BACIAS PCJ CARACTERIZAÇÃO DAS BACIAS

Leia mais

O AGENTE DA MOBILIDADE URBANA NO SISTEMA MUNICIPAL DE DEFESA CIVIL

O AGENTE DA MOBILIDADE URBANA NO SISTEMA MUNICIPAL DE DEFESA CIVIL O AGENTE DA MOBILIDADE URBANA NO SISTEMA MUNICIPAL DE DEFESA CIVIL Autores: Carlos Aparecido de Lima - carlosaparecido@emdec.com.br José Eduardo Vasconcellos - eduardovasconcellos@emdec.com.br Carlos Roberto

Leia mais

10.3 Cronograma de Implantação e Orçamento

10.3 Cronograma de Implantação e Orçamento 10.3 Cronograma de Implantação e Orçamento A Tabela 85, a seguir, apresenta o Cronograma de Implantação e Orçamento detalhado para os programas propostos com o PERH/PB, objeto do capítulo anterior. Para

Leia mais

Audiência Pública. Piedade. 20 de Junho de 2013

Audiência Pública. Piedade. 20 de Junho de 2013 Audiência Pública Piedade 20 de Junho de 2013 Objetivo do Encontro Audiência Pública sobre o Convênio com o Governo do Estado, Contrato de Programa com a Sabesp e Plano Municipal de Saneamento do município

Leia mais

COSEMA - FIESP Programas e Ações A para os grandes problemas da RMSP. Paulo Massato Yoshimoto Diretor Metropolitano - Sabesp

COSEMA - FIESP Programas e Ações A para os grandes problemas da RMSP. Paulo Massato Yoshimoto Diretor Metropolitano - Sabesp COSEMA - FIESP Programas e Ações A da Sabesp para os grandes problemas da RMSP Paulo Massato Yoshimoto Diretor Metropolitano - Sabesp Evolução Populacional - RMSP Reversão da centrifugação Menor pressão

Leia mais

Rede Automática de Monitoramento da Qualidade das Águas Superficiais do Estado de São Paulo

Rede Automática de Monitoramento da Qualidade das Águas Superficiais do Estado de São Paulo Rede Automática de Monitoramento da Qualidade das Águas Superficiais do Estado de São Paulo O que é monitoramento automático da qualidade das águas? É o acompanhamento contínuo (em tempo real) da qualidade

Leia mais

WEB VISUALIZADOR SSD SABESP - MANANCIAIS DA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO

WEB VISUALIZADOR SSD SABESP - MANANCIAIS DA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO WEB VISUALIZADOR SSD SABESP - MANANCIAIS DA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO Nilzo Renê Fumes 1 ; Carlos Toshio Wada 2 Resumo - O desenvolvimento do visualizador do Sistema de Suporte a Decisões da Sabesp

Leia mais

Elaboração dos Planos de Saneamento Básico 13/12/2010. Nossa Realidade. Nossa Realidade. Nova Organização da Prestação de Serviços

Elaboração dos Planos de Saneamento Básico 13/12/2010. Nossa Realidade. Nossa Realidade. Nova Organização da Prestação de Serviços 13/12/2010 Quem somos Da união das indústrias Amanco, Braskem, Solvay Indulpa e Tigre, foi criado em julho de 2007, o Instituto Trata Brasil, uma Organização da Sociedade Civil de Interesse Público, para

Leia mais

Mudanças Climáticas Ações em SC SECRETARIA DE ESTADO DO DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO SUSTENTÁVEL

Mudanças Climáticas Ações em SC SECRETARIA DE ESTADO DO DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO SUSTENTÁVEL Mudanças Climáticas Ações em SC SECRETARIA DE ESTADO DO DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO SUSTENTÁVEL Funções da SDS Mudanças Climáticas Política Estadual sobre Mudanças Climáticas Objetivos: Fomento e incentivo

Leia mais

Simpósio Estadual Saneamento Básico e Resíduos Sólidos: Avanços Necessários MPRS 20.08.2015

Simpósio Estadual Saneamento Básico e Resíduos Sólidos: Avanços Necessários MPRS 20.08.2015 Simpósio Estadual Saneamento Básico e Resíduos Sólidos: Avanços Necessários MPRS 20.08.2015 O saneamento básico no Brasil não condiz com o país que é a 7ª. economia do mundo da população não possui coleta

Leia mais

2.6. Sistemas de Abastecimento de Água

2.6. Sistemas de Abastecimento de Água 2.6. Sistemas de Abastecimento de Água A RMSP está localizada na porção sudeste do estado de São Paulo e abrange 39 municípios. Destes, 33 são operados pela SABESP e 6 têm Administração Municipal. Do total

Leia mais

Rio Urbanos, Bacias Urbanas: Projetos Integradores outubro 2013

Rio Urbanos, Bacias Urbanas: Projetos Integradores outubro 2013 Rio Urbanos, Bacias Urbanas: Projetos Integradores outubro 2013 Segurança hídrica - Declaração Ministerial do 2o Fórum Mundial da Água, 2001 Acesso físico e econômico à água em quantidade e qualidade suficiente

Leia mais

4º ENCOVISAS 12 / ANR 19. TEMA: Condições 21 para 13 a Outorga de Poços. Tubulares Profundos

4º ENCOVISAS 12 / ANR 19. TEMA: Condições 21 para 13 a Outorga de Poços. Tubulares Profundos GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO 4 16 20 9 TEMA: Condições 21 para 13 a Outorga de Poços 22 15 8 18 8 18 4º ENCOVISAS 12 / ANR 19 Tubulares Profundos 17 5 1 14 11 10 Helio Koga 7 2 6 3 3 Geólogo da Diretoria

Leia mais

Gestão da Demanda de Água Através de Convênios e Parcerias com o Governo do Estado de São Paulo e Prefeitura da Cidade de São Paulo SABESP

Gestão da Demanda de Água Através de Convênios e Parcerias com o Governo do Estado de São Paulo e Prefeitura da Cidade de São Paulo SABESP Gestão da Demanda de Água Através de Convênios e Parcerias com o Governo do Estado de São Paulo e Prefeitura da Cidade de São Paulo SABESP R. R. Chahin a a. Companhia de Saneamento Básico do Estado de

Leia mais

PROGRAMA DE RECUPERAÇÃO AMBIENTAL DA REGIÃO METROPOLITANA DA BAIXADA SANTISTA

PROGRAMA DE RECUPERAÇÃO AMBIENTAL DA REGIÃO METROPOLITANA DA BAIXADA SANTISTA PROGRAMA DE RECUPERAÇÃO AMBIENTAL DA REGIÃO METROPOLITANA DA BAIXADA SANTISTA Diretoria de Tecnologia, Empreendimentos e Meio Ambiente - T Sistema Produtor de Água Mambu - Branco REUNIÃO DO COMITÊ TÉCNICO

Leia mais

As Lições da Crise Hídrica na Região Metropolitana de São Paulo João Alberto Viol

As Lições da Crise Hídrica na Região Metropolitana de São Paulo João Alberto Viol As Lições da Crise Hídrica na Região Metropolitana de São Paulo João Alberto Viol Vice Presidente de Gestão e Assuntos Institucionais Resumo Planejamento das atividades de Infraestrutura de Saneamento

Leia mais

Contratualização do Serviço de Abastecimento de Água e Esgotamento Sanitário RMSP. Paulo Massato Yoshimoto - Diretor Metropolitano Sabesp

Contratualização do Serviço de Abastecimento de Água e Esgotamento Sanitário RMSP. Paulo Massato Yoshimoto - Diretor Metropolitano Sabesp Contratualização do Serviço de Abastecimento de Água e Esgotamento Sanitário RMSP Paulo Massato Yoshimoto - Diretor Metropolitano Sabesp Região Metropolitana de São Paulo São Paulo 39 municípios - 20,1

Leia mais

Título. Mudanças Climáticas. Programa Corporativo de Gestão das Emissões de Gases de Efeito Estufa

Título. Mudanças Climáticas. Programa Corporativo de Gestão das Emissões de Gases de Efeito Estufa Mudanças Climáticas Título Programa Corporativo de Gestão das Emissões de Gases de Efeito Estufa Wanderley da Silva Paganini Superintendente de Gestão Ambiental - Sabesp São Paulo, 13 de junho de 2013.

Leia mais

Estrutura do trabalho

Estrutura do trabalho Estrutura do trabalho Primeira Parte Processamento da informação; Percepção da realidade e Visão sistêmica Apresentação do texto Alegoria da Caverna Segunda Parte Definição de bacia hidrográfica, Estrutura

Leia mais

Gestão de Recursos Hídricos no Complexo da Penitenciária Feminina de Santana

Gestão de Recursos Hídricos no Complexo da Penitenciária Feminina de Santana Gestão de Recursos Hídricos no Complexo da Penitenciária Feminina de Santana Autor Edson Geraldo Vitorino de Souza SABESP Superintendência de Gestão de Empreendimentos da Metropolitana Disponibilidade

Leia mais

A Sabesp STATUS: Fundada em 1973 como sociedade de (Governo do Estado de São Paulo, acionistas privados e municípios) ATRIBUIÇÕES:

A Sabesp STATUS: Fundada em 1973 como sociedade de (Governo do Estado de São Paulo, acionistas privados e municípios) ATRIBUIÇÕES: Novembro/2007 A Sabesp STATUS: Fundada em 1973 como sociedade de participação acionária (Governo do Estado de São Paulo, acionistas privados e municípios) ATRIBUIÇÕES: PATRIMÔNIO LÍQUIDO: L EMPREGADOS:

Leia mais

INSTRUÇÃO TÉCNICA DPO Nº 001, de 30/07/2007

INSTRUÇÃO TÉCNICA DPO Nº 001, de 30/07/2007 INSTRUÇÃO TÉCNICA DPO Nº 001, de 30/07/2007 Atualizada em 01/04/2013 Objeto: Esta Instrução tem por objeto complementar o item 6 da Norma da Portaria DAEE nº 717/96. Trata dos requerimentos, documentação

Leia mais

Perspectivas do Setor de Saneamento em relação à Cobrança

Perspectivas do Setor de Saneamento em relação à Cobrança Seminário Cobrança pelo Uso dos Recursos Hídricos Urbanos e Industriais Comitê da Bacia Hidrográfica Sorocaba e Médio Tietê Perspectivas do Setor de Saneamento em relação à Cobrança Sorocaba, 10 de setembro

Leia mais

Implementação do Plano de Segurança da Água na SANASA Campinas

Implementação do Plano de Segurança da Água na SANASA Campinas Implementação do Plano de Segurança da Água na SANASA Campinas Bacia Hidrográfica do Piracicaba, Capivari e Jundiaí Plano de Segurança da Água na SANASA Um Breve Histórico A SANASA sempre se preocupou

Leia mais

Plano Nacional de Gestão de Riscos e Resposta a Desastres Naturais

Plano Nacional de Gestão de Riscos e Resposta a Desastres Naturais Plano Nacional de Gestão de Riscos e Resposta a Desastres Naturais 2012 2014 Novos Investimentos R$ 18,8 bilhões Socorro, assistência e reconstrução Prevenção Obras estruturantes Resposta Mapeamento Monitoramento

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 12, DE 03 DE SETEMBRO DE 2008.

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 12, DE 03 DE SETEMBRO DE 2008. INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 12, DE 03 DE SETEMBRO DE 2008. Dispõe sobre procedimentos referentes à emissão de Declaração de Reserva de Disponibilidade Hídrica (DRDH) e de outorga de direito de uso de recursos

Leia mais

Análise da rede de monitoramento hidrometeorológico do estado de Sergipe

Análise da rede de monitoramento hidrometeorológico do estado de Sergipe Análise da rede de monitoramento hidrometeorológico do estado de Sergipe George Alves Monteiro 1 & Ana Paula Barbosa Ávila Macêdo 2 RESUMO: Este trabalho faz uma análise da rede de monitoramento hidrometeorológico

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico Coordenação-Geral de Infraestrutura Urbana e Recursos Naturais

MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico Coordenação-Geral de Infraestrutura Urbana e Recursos Naturais MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico Coordenação-Geral de Infraestrutura Urbana e Recursos Naturais Parecer Analítico sobre Regras Regulatórias nº 037/COGUN/SEAE/MF Brasília, 05

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DO MEIO AMBIENTE PREFEITURA DE SUMARÉ SECRETARIA MUNICIPAL DE AÇÃO SOCIAL SECRETARIA MUNICIPAL DE MEIO AMBIENTE 3M DO BRASIL

SECRETARIA DE ESTADO DO MEIO AMBIENTE PREFEITURA DE SUMARÉ SECRETARIA MUNICIPAL DE AÇÃO SOCIAL SECRETARIA MUNICIPAL DE MEIO AMBIENTE 3M DO BRASIL SECRETARIA DE ESTADO DO MEIO AMBIENTE PREFEITURA DE SUMARÉ SECRETARIA MUNICIPAL DE AÇÃO SOCIAL SECRETARIA MUNICIPAL DE MEIO AMBIENTE 3M DO BRASIL SOCIEDADE HUMANA DESPERTAR LABORATÓRIO DE ECOLOGIA E RESTAURAÇÃO

Leia mais

Articulação e operacionalização do sistema de alerta de cheias da Bacia Hidrográfica do rio Itajaí

Articulação e operacionalização do sistema de alerta de cheias da Bacia Hidrográfica do rio Itajaí Articulação e operacionalização do sistema de alerta de cheias da Bacia Hidrográfica do rio Itajaí Competências dos atores intervenientes Dra. Noemia Bohn (FURB) Lei nº 9.433/97 Política Nacional de Recursos

Leia mais

Carta Regional dos Municípios de Itaguaí, Mangaratiba, Seropédica e Rio de Janeiro.

Carta Regional dos Municípios de Itaguaí, Mangaratiba, Seropédica e Rio de Janeiro. Carta Regional dos Municípios de Itaguaí, Mangaratiba, Seropédica e Rio de Janeiro. Nós, membros do poder público, usuários e sociedade civil organizada, estudantes e profissionais da educação, reunidos

Leia mais

para apoio ao gerenciamento do Programa Onda Limpa

para apoio ao gerenciamento do Programa Onda Limpa SISTEMA /2008 INFORMATIZADO para apoio ao gerenciamento do Programa Onda Limpa O presente artigo tem por objetivo apresentar em linhas gerais o sistema informatizado desenvolvido e implementado pelo Consórcio

Leia mais

II-338 PLANO DE MELHORIA OPERACIONAL DO SISTEMA INTEGRADO DOS COLETORES TRONCO DA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO

II-338 PLANO DE MELHORIA OPERACIONAL DO SISTEMA INTEGRADO DOS COLETORES TRONCO DA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO II-338 PLANO DE MELHORIA OPERACIONAL DO SISTEMA INTEGRADO DOS COLETORES TRONCO DA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO Antônio Simões Teixeira Filho (1) Engenheiro Civil / Sanitarista pela Pontifícia Universidade

Leia mais

FUNDAÇÃO AGÊNCIA DAS BACIAS HIDROGRÁFICAS DOS RIOS PIRACICABA, CAPIVARI E JUNDIAÍ. AGÊNCIA DAS BACIAS PCJ

FUNDAÇÃO AGÊNCIA DAS BACIAS HIDROGRÁFICAS DOS RIOS PIRACICABA, CAPIVARI E JUNDIAÍ. AGÊNCIA DAS BACIAS PCJ FUNDAÇÃO AGÊNCIA DAS BACIAS HIDROGRÁFICAS DOS RIOS PIRACICABA, CAPIVARI E JUNDIAÍ. AGÊNCIA DAS BACIAS PCJ BOLETIM DE MONITORAMENTO DOS RESERVATÓRIOS DO SISTEMA CANTAREIRA ANO 2012 BOLETIM DE MONITORAMENTO

Leia mais

IMPACTO DA BARRAGEM DE CAMARÁ SOBRE O HIDROGRAMA DE CHEIA NA CIDADE DE ALAGOA GRANDE/PB. Elisângela do Rego Lima

IMPACTO DA BARRAGEM DE CAMARÁ SOBRE O HIDROGRAMA DE CHEIA NA CIDADE DE ALAGOA GRANDE/PB. Elisângela do Rego Lima IMPACTO DA BARRAGEM DE CAMARÁ SOBRE O HIDROGRAMA DE CHEIA NA CIDADE DE ALAGOA GRANDE/PB Elisângela do Rego Lima INTRODUÇÃO As inundações (freqüência e magnitude); Alagoa Grande (332,6 km²); Maior enchente

Leia mais

Vulnerabilidade em área de Risco: O que fazer? - CBCS 08/03/2010. CBCS - Vulnerabilidade em área de risco: O que fazer?

Vulnerabilidade em área de Risco: O que fazer? - CBCS 08/03/2010. CBCS - Vulnerabilidade em área de risco: O que fazer? CBCS - Vulnerabilidade em área de risco: O que fazer? PREFEITO GILBERTO KASSAB SECRETARIA DAS SUBPREFEITURAS 11.500 funcionários zelando pela cidade 31 subprefeituras ATUAÇÃO: Uso e ocupação do solo Obras

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 131, DE 11 DE MARÇO DE 2003

RESOLUÇÃO Nº 131, DE 11 DE MARÇO DE 2003 RESOLUÇÃO Nº 131, DE 11 DE MARÇO DE 2003 Dispõe sobre procedimentos referentes à emissão de declaração de reserva de disponibilidade hídrica e de outorga de direito de uso de recursos hídricos, para uso

Leia mais

NOÇÕES GERAIS DE GERENCIAMENTO DE ÁREAS DE RISCO

NOÇÕES GERAIS DE GERENCIAMENTO DE ÁREAS DE RISCO NOÇÕES GERAIS DE GERENCIAMENTO DE ÁREAS DE RISCO PERGUNTAS BÁSICAS 1. O QUE E COMO OCORRE: Processos 2. ONDE OCORREM OS PROBLEMAS: Mapeamento 3. QUANDO OCORREM OS PROBLEMAS: Correlação, monitoramento 4.

Leia mais

13/10/2010 LICENCIAMENTO AMBIENTAL. CIESP de Indaiatuba AS IMPLICAÇÕES DO SISTEMA DE GERENCIAMENTO DE RECURSOS HÍDRICOS PARA OS USUÁRIOS

13/10/2010 LICENCIAMENTO AMBIENTAL. CIESP de Indaiatuba AS IMPLICAÇÕES DO SISTEMA DE GERENCIAMENTO DE RECURSOS HÍDRICOS PARA OS USUÁRIOS 13/10/ CIESP de Indaiatuba 08 de outubro de AS IMPLICAÇÕES DO SISTEMA DE GERENCIAMENTO DE RECURSOS HÍDRICOS PARA OS USUÁRIOS COMITÊS DE BACIAS CIESP de Indaiatuba 08 de outubro de Organização ( Lei n 6938/81

Leia mais

Mobilidade Urbana Planos e Estratégias do GESP

Mobilidade Urbana Planos e Estratégias do GESP Mobilidade Urbana Planos e Estratégias do GESP Mancha Urbana da MMP e Sistema Viário PIB da MMP 2009/2010 (em milhões correntes) PIB 2009 PIB 2010 29.758 55.595 27.886 39.993 34.178 6.303 4.790 RMSP RMC

Leia mais

MUDANÇAS DO CLIMA E OS RECURSOS HÍDRICOS. São Carlos, 25 de fevereiro de 2010

MUDANÇAS DO CLIMA E OS RECURSOS HÍDRICOS. São Carlos, 25 de fevereiro de 2010 MUDANÇAS DO CLIMA E OS RECURSOS HÍDRICOS São Carlos, 25 de fevereiro de 2010 A BACIA HIDROGRÁFICA COMO UNIDADE DE PLANEJAMENTO OCUPAÇÃO DA BACIA HIDROGRÁFICA O DESMATAMENTO DAS BACIAS OCUPAÇÃO DA BACIA

Leia mais

Governo do Estado do Ceará Secretaria do Planejamento e Gestão SEPLAG Instituto de Pesquisa e Estratégia Econômica do Ceará - IPECE

Governo do Estado do Ceará Secretaria do Planejamento e Gestão SEPLAG Instituto de Pesquisa e Estratégia Econômica do Ceará - IPECE Governo do Estado do Ceará Secretaria do Planejamento e Gestão SEPLAG Instituto de Pesquisa e Estratégia Econômica do Ceará - IPECE TERMO DE REFERÊNCIA CONTRATAÇÃO DE ESPECIALISTA EM LICITAÇÕES PARA O

Leia mais

DAAE - Depto. Aut. de Água e Esgoto de Araraquara Contab - Sistema de Contabilidade Pública

DAAE - Depto. Aut. de Água e Esgoto de Araraquara Contab - Sistema de Contabilidade Pública UNIDADE ORÇAMENTÁRIA: 030101 - Superintendência 030101.17 Saneamento 1.245.000,00 1.245.000,00 030101.17122 Administração Geral 1.245.000,00 1.245.000,00 030101.171220107 Desenvolvimento Organizacional

Leia mais

ROTEIRO PARA A ELABORAÇÃO DO RAS - Obras de Telecomunicação

ROTEIRO PARA A ELABORAÇÃO DO RAS - Obras de Telecomunicação 1 Informações iniciais Indentificação do empreendedor Responsável pelo empreendimento: Responsável pelo RAS ROTEIRO PARA A ELABORAÇÃO DO RAS - Obras de Telecomunicação Razão Social CNPJ Telefone Nome CPF

Leia mais

Paulista. Uma abordagem integrada.

Paulista. Uma abordagem integrada. CONTROLE DE ENCHENTES. 10 anos do Plano Diretor de Macrodrenagem da Bacia Hidrográfica do Alto Tietê. Mesa de Discussão 3: Águas e Planejamento Urbano nas Grandes Metrópoles Águas e saneamento na Macrometrópole

Leia mais

AGENDA METROPOLITANA ALTO TIETÊ RELATÓRIO

AGENDA METROPOLITANA ALTO TIETÊ RELATÓRIO AGENDA METROPOLITANA ALTO TIETÊ RELATÓRIO Suzano, 10 de setembro de 2012 1 ÍNDICE GERAL 1. INTRODUÇÃO... 3 2. CONSTRUÇÃO DAS PROPOSTAS... 3 3. PRIORIDADES GESP E CONDEMAT... 5 4. CONCLUSÃO... 9 5. ANEXO

Leia mais

Projetos de Expansão e Modernização

Projetos de Expansão e Modernização Projetos de Expansão e Modernização Mário Manuel Seabra Rodrigues Bandeira Diretor Presidente maio/2013 REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO Jundiaí Várzea Paulista Campo Limpo Paulista Francisco Morato Franco

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE ÁGUAS

AGÊNCIA NACIONAL DE ÁGUAS AGÊNCIA NACIONAL DE ÁGUAS MERCOSUL MEIO AMBIENTE - SGT6 - Gestão de Recursos Hídricos em Bacias Compartilhadas Gisela Forattini Superintendente de Fiscalização Brasília DF setembro/2002 Bacia Amazônica

Leia mais

PROGRAMA DE ACELERAÇÃO DO CRESCIMENTO PAC - RIO

PROGRAMA DE ACELERAÇÃO DO CRESCIMENTO PAC - RIO PROGRAMA DE ACELERAÇÃO DO CRESCIMENTO PAC - RIO ARCO METROPOLITANO TRAÇADO GERAL E SEGMENTAÇÃO Ligação entre a BR 101/NORTE em Manilha/Itaboraí a BR-101/SUL (Rod. Rio-Santos) em Itaguaí Extensão de 145

Leia mais

Curso de Gestão de Águas Pluviais

Curso de Gestão de Águas Pluviais Curso de Gestão de Águas Pluviais Capítulo 4 Prof. Carlos E. M. Tucci Prof. Dr. Carlos E. M. Tucci Ministério das Cidades 1 Capítulo 4 Gestão Integrada Conceito Marcos Mundiais, Tendência e Estágio Institucional

Leia mais

Oficina de Planejamento do Subcomitê do Sistema Lagunar de Jacarepaguá Barra da Tijuca 29/08/2014

Oficina de Planejamento do Subcomitê do Sistema Lagunar de Jacarepaguá Barra da Tijuca 29/08/2014 PREFEITURA DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO SECRETARIA MUNICIPAL DE OBRAS FUNDAÇÃO INSTITUTO DAS ÁGUAS DO MUNICÍPIO DO RIO DE JANEIRO RIO-ÁGUAS Oficina de Planejamento do Subcomitê do Sistema Lagunar de Jacarepaguá

Leia mais

COMITÊ DE BACIAS PCJ SISTEMA CANTAREIRA CONDICIONANTES DE 2004 CONDICIONANTES PARA 2014 BARRAGENS DE PEDREIRA E DUAS PONTES TRANSPOSIÇÃO DO RIO

COMITÊ DE BACIAS PCJ SISTEMA CANTAREIRA CONDICIONANTES DE 2004 CONDICIONANTES PARA 2014 BARRAGENS DE PEDREIRA E DUAS PONTES TRANSPOSIÇÃO DO RIO COMITÊ DE BACIAS PCJ SISTEMA CANTAREIRA CONDICIONANTES DE 2004 CONDICIONANTES PARA 2014 BARRAGENS DE PEDREIRA E DUAS PONTES TRANSPOSIÇÃO DO RIO PARAÍBA DO SUL ADENSAMENTO POPULACIONAL DA RMC COMITÊ DE

Leia mais

PROBLEMAS DE OPERAÇÃO DE ESTAÇÕES DE TRATAMENTO DE ESGOTOS. Jorge Medeiros Gerente de Operações do Unidade do Macrossitema de Fortaleza

PROBLEMAS DE OPERAÇÃO DE ESTAÇÕES DE TRATAMENTO DE ESGOTOS. Jorge Medeiros Gerente de Operações do Unidade do Macrossitema de Fortaleza PROBLEMAS DE OPERAÇÃO DE ESTAÇÕES DE TRATAMENTO DE ESGOTOS 1 Jorge Medeiros Gerente de Operações do Unidade do Macrossitema de Fortaleza CAGECE COMPANHIA DE ÁGUA E ESGOTO DO CEARÁ 2 Criada em 1971 sob

Leia mais

DELIBERAÇÃO CEIVAP Nº 226/2015 DE 24 DE MARÇO DE 2015.

DELIBERAÇÃO CEIVAP Nº 226/2015 DE 24 DE MARÇO DE 2015. DELIBERAÇÃO CEIVAP Nº 226/2015 DE 24 DE MARÇO DE 2015. Aprova a Deliberação CEIVAP ad referendum nº 225/2015 e dispõe complementarmente sobre à criação do Subcomponente: Ações Emergenciais Estresse Hídrico

Leia mais

I - Insuficiência de Informações

I - Insuficiência de Informações I - Insuficiência de Informações 2 Insuficiência de informações Primeira fase da Audiência Pública Preliminar: Não foram publicados o Plano de Negócios e o Laudo da Base de Ativos da SABESP Informações

Leia mais

01. Câmara Municipal. 02. Secretaria Municipal de Governo. 03. Gabinete do Vice-Prefeito. 04. Procuradoria Geral do Município

01. Câmara Municipal. 02. Secretaria Municipal de Governo. 03. Gabinete do Vice-Prefeito. 04. Procuradoria Geral do Município Estrutura Administrativa e Principais 01. Câmara Municipal - Lei Orgânica do Município de Teresina, de 05 de abril de 1991. - Votar o Orçamento Anual e o Plano Plurianual, bem como autorizar abertura de

Leia mais

Os desafios da gestão de recursos hídricos e as ações para redução do potencial de escassez de água

Os desafios da gestão de recursos hídricos e as ações para redução do potencial de escassez de água Os desafios da gestão de recursos hídricos e as ações para redução do potencial de escassez de água Mierzwa, José Carlos Departamento de Engenharia Hidráulica e Ambiental Escola Politécnica da Universidade

Leia mais

MISSÃO, VISÃO E VALORES

MISSÃO, VISÃO E VALORES 2015 A EMPRESA A HIDRÁULICA E SANEAMENTO é uma empresa de consultoria e projetos de instalações hidráulicas, infraestrutura urbana e meio ambiente. Pioneira em Diadema/SP com objetivo de suprir a demanda

Leia mais

SEMINÁRIO ENCHENTES NA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO SITUAÇÃO ATUAL DA CALHA DO RIO TIETÊ

SEMINÁRIO ENCHENTES NA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO SITUAÇÃO ATUAL DA CALHA DO RIO TIETÊ SEMINÁRIO ENCHENTES NA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO SITUAÇÃO ATUAL DA CALHA DO RIO TIETÊ 10 de novembro de 2009 DAS CHEIAS ÀS INUNDAÇÕES Em meados do século XIX, surgem os primeiros registros da transformação

Leia mais

Maubertec (2001) Projeto de Melhoria Hidráulica do Rio Tietê

Maubertec (2001) Projeto de Melhoria Hidráulica do Rio Tietê Maubertec (2001) Projeto de Melhoria Hidráulica do Rio Tietê Realizado a pedido do DAEE, contém, dentre outras coisas, especificações da eclusa da Barragem Móvel e estudos hidráulicos e hidrológicos realizados

Leia mais

POTENCIAL DE PPPs NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO

POTENCIAL DE PPPs NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO POTENCIAL DE PPPs NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO RILEY RODRIGUES Conselho Empresarial de Infraestrutura Sistema FIRJAN Principais desafios Os programas precisam ser estruturados, dentro de seus setores, como

Leia mais

SOROCABA. Prefeitura de. Gabinete do Prefeito GP-RI-1723/14. Sorocaba, 7 de novembro de 2Q14. Senhor Presidente,

SOROCABA. Prefeitura de. Gabinete do Prefeito GP-RI-1723/14. Sorocaba, 7 de novembro de 2Q14. Senhor Presidente, GP-RI-1723/14 Prefeitura de SOROCABA Gabinete do Prefeito Sorocaba, 7 de novembro de 2Q14. Senhor Presidente, J. AO EXPEDI~WXTERNO EM17No,Í2' GONÇREW ESIDENU 1 Em atenção ao requerime o 205 1/2014, de

Leia mais

Workshop ZL-Vórtice e CDHU

Workshop ZL-Vórtice e CDHU A OCUPAÇÃO DA VÁRZEA DO RIO TIETÊ ELEMENTOS HISTÓRICOS PARA UMA LEITURA CRÍTICA DOS ANTECEDENTES À INTERVENÇÃO URBANÍSTICA DO GOVERNO DO ESTADO EM ÁREAS DE VULNERABILIDADE SOCIOAMBIENTAL PROJETO VILA JACUÍ

Leia mais

CONTRATO DE EMPRÉSTIMO Nº. 2268/OC-BR PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO URBANO INTEGRADO DO MUNICÍPIO DE CATANDUVA RELATÓRIO INICIAL EXERCÍCIO 2011

CONTRATO DE EMPRÉSTIMO Nº. 2268/OC-BR PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO URBANO INTEGRADO DO MUNICÍPIO DE CATANDUVA RELATÓRIO INICIAL EXERCÍCIO 2011 CONTRATO DE EMPRÉSTIMO Nº. 2268/OC-BR PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO URBANO INTEGRADO DO MUNICÍPIO DE CATANDUVA RELATÓRIO INICIAL EXERCÍCIO 2011 1 ÍNDICE 1. RESUMO EXECUTIVO...3 2. O PROGRAMA... 4 2.1 Objetivos...

Leia mais

EIXO 4 PLANEJAMENTO E GESTÃO ORÇAMENTÁRIA E FINANCEIRA

EIXO 4 PLANEJAMENTO E GESTÃO ORÇAMENTÁRIA E FINANCEIRA EIXO 4 PLANEJAMENTO E GESTÃO ORÇAMENTÁRIA E FINANCEIRA Disciplina: D.4.6. Gestão, Avaliação e Revisão do PPA (20h) (Caso 3: Gestão de Riscos e Resposta a Desastres) Professora: Cristiane Collet Battiston

Leia mais

Município: VARGEM COORD. UTM (km) Prazo USO RECURSO HÍDRICO N E MC (anos) Barramento Rio Jaguari 7.465,00 354,00 45º 10

Município: VARGEM COORD. UTM (km) Prazo USO RECURSO HÍDRICO N E MC (anos) Barramento Rio Jaguari 7.465,00 354,00 45º 10 PORTARIA DAEE N o 1213, DE 06 DE AGOSTO DE 2004 O SUPERINTENDENTE DO, no uso de suas atribuições legais e com fundamento no artigo 11, incisos I e XVI do Decreto Estadual n o 52.636 de 03/02/71, e à vista

Leia mais

AÇÕES DE GOVERNO LITORAL NORTE

AÇÕES DE GOVERNO LITORAL NORTE GOVERNO DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL GOVERNO DE RESULTADOS AÇÕES DE GOVERNO LITORAL NORTE GOVERNADORA YEDA CRUSIUS IMBÉ Janeiro/2010 SUPERANDO DESAFIOS PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO CORAGEM PARA FAZER 40

Leia mais

O Plano para a Macrometrópole e a renovação da outorga do Sistema Cantareira

O Plano para a Macrometrópole e a renovação da outorga do Sistema Cantareira Departamento de Infraestrutura Diretoria de Saneamento Básico O Plano para a Macrometrópole e a renovação da outorga do Sistema Cantareira Hiroaki Makibara Secretaria de Saneamento e Recursos Hídricos

Leia mais

Agenda. A Companhia. Nossa Operação. 3 Nossa Performance Financeira

Agenda. A Companhia. Nossa Operação. 3 Nossa Performance Financeira APIMEC RIO Resultados do 1T12 Diretoria Econômico-Financeira e de Relações com Investidores Aviso Esta apresentação pode conter considerações futuras referentes às perspectivas do negócio, estimativas

Leia mais

Water resources management and metering regulation A gestão de recursos hídricos e a regulação da medição de água Gisela Forattini

Water resources management and metering regulation A gestão de recursos hídricos e a regulação da medição de água Gisela Forattini Water resources management and metering regulation A gestão de recursos hídricos e a regulação da medição de água Gisela Forattini A Gestão de Recursos Hídricos H e a Regulação da Medição de Água Situação

Leia mais

Secretaria de Logística e Transportes DEPARTAMENTO DE ESTRADAS DE RODAGEM

Secretaria de Logística e Transportes DEPARTAMENTO DE ESTRADAS DE RODAGEM Matriz de Transporte Brasil Estado de São Paulo Modal Participação Modal Participação Rodoviário 61,20% Ferroviário 20,70% Hidroviário 13,60% Dutoviário 4,20% Aéreo 0,40% Rodoviário 93,10% Ferroviário

Leia mais

Comitê Gestor do PAC

Comitê Gestor do PAC RORAIMA Apresentação Esta publicação apresenta informações regionalizadas do 4º balanço do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC), referente a abril de 2008. Traz, também, dados sobre outros importantes

Leia mais

Compromissos com o Meio Ambiente e a Qualidade de Vida Agenda Socioambiental para o Desenvolvimento Sustentável do Amapá

Compromissos com o Meio Ambiente e a Qualidade de Vida Agenda Socioambiental para o Desenvolvimento Sustentável do Amapá Compromissos com o Meio Ambiente e a Qualidade de Vida Agenda Socioambiental para o Desenvolvimento Sustentável do Amapá Eu, ( ) (sigla do partido) me comprometo a promover os itens selecionados abaixo

Leia mais

Utilização do Google Earth e Google Maps na CEMIG

Utilização do Google Earth e Google Maps na CEMIG Utilização do Google Earth e Google Maps na CEMIG Roberto Proença da Silva Carlos Alberto Moura Companhia Energética de Minas Gerais - CEMIG Superintendência de Tecnologia da Informação - TI Gerência de

Leia mais

Apresentação do Modelo SISAR: envolvimento da população, gestão compartilhada, pagamentos dos serviços e resultados obtidos

Apresentação do Modelo SISAR: envolvimento da população, gestão compartilhada, pagamentos dos serviços e resultados obtidos SEMINÁRIO REGIONAL DE SANEAMENTO RURAL Apresentação do Modelo SISAR: envolvimento da população, gestão compartilhada, pagamentos dos serviços e resultados obtidos Campinas(SP), 23 de Junho 2015 Mobilização

Leia mais