PARQUE VÁRZEAS TIETÊ

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PARQUE VÁRZEAS TIETÊ"

Transcrição

1

2 INTRODUÇÃO

3 PARQUE VÁRZEAS TIETÊ O Programa Parque Várzeas do Tietê (PVT), visa a recuperação da capacidade de contenção de cheias que ocorrem nas várzeas do rio Tietê desde a barragem da Penha até o município de Salesópolis. Objetivo: Restabelecer a função das várzeas para o amortecimento de cheias, por meio de ações voltadas à proteção e à recuperação do ambiente natural e da promoção de usos sustentáveis e compatíveis, bem como proteção e recuperação da flora e fauna.

4 RMSP E A BACIA HIDROGRÁFICA DO ALTO TIETÊ

5 OCUPAÇÃO DAS VÁRZEAS

6 OCUPAÇÃO DAS VÁRZEAS Em meados do século XX, o grande crescimento econômico e populacional já indicavam a transformação de São Paulo em uma metrópole industrial, polarizando as cidades vizinhas, que formariam a gigantesca mancha urbana, a Grande São Paulo. Nessa fase, as pressões demográficas produziram o adensamento urbano no centro da cidade, a ocupação sistemática das marginais dos grandes rios e formase um intenso fluxo populacional em direção às periferias, que vai alcançar e envolver as margens dos ribeirões e córregos. As fotos mostram o avanço da urbanização no centro de São Paulo. Vista aérea da cidade de São Paulo, em Autor anônimo. Vista aérea do Parque Dom Pedro II, mostra a ocupação da antiga várzea do Tamanduateí. Foto de Henri Ballot, 1954.

7 OCUPAÇÃO DAS VÁRZEAS

8 OCUPAÇÃO DAS VÁRZEAS Marginais inundadas pelo Tietê, revista VEJA, Edição nº 78, de 4 de março de 1970.

9 SITUAÇÃO ATUAL Mapa de Uso e Ocupação da Região Várzeas do Alto Tiête Áreas verdes Áreas antropizadas

10 CONCEITO BÁSICO DO PVT Meta: mínimo de 50 metros em cada margem

11 EIXOS DE INTERVENÇÃO Recuperação Preservação Núcleos de Lazer Habitações dignas Via Parque para automóveis, ciclovia e passeios arborizados

12 OBJETIVOS E VIABILIZAÇÃO DO PROGRAMA (1ª ETAPA) OBJETIVOS Recuperar e preservar a função ambiental das várzeas. Assegurar o controle de cheias à jusante, (Vazão máxima de 498 m³/s na Barragem da Penha). Criar opções de lazer, turismo, cultura e educação. Garantir habitações dignas para população reassentada. VIABILIZAÇÃO 1ª ETAPA Operação de crédito externo (BID - em negociação). Contrapartida do Tesouro Estadual. Compensações ambientais de obras com impacto na bacia do Alto Tietê.

13 COMPONENTES DO PROGRAMA COMPONENTE A OBRAS A1 Intervenções Hidráulicas A2 Parques (Núcleos) A3 Via Parque A4 Ciclovia COMPONENTE B REASSENTAMENTO B1 Desapropriação B2 Remoção e Reassentamento Populacional COMPONENTE C SUSTENTABILIDADE AMBIENTAL E SOCIAL C1 Recomposição de Matas Ciliares C2 Unidades de Conservação C3 Educação Ambiental COMPONENTE D SUPORTE TÉCNICO E GERENCIAMENTO D1 Estudos, Projetos e Gerenciamento

14 ETAPAS E PERÍODO DE IMPLANTAÇÃO 5 anos ( ) 3 anos ( ) 3 anos ( ) = 11 anos

15 PRINCIPAIS QUANTITATIVOS COMPONENTES 1 a ETAPA DO PROGRAMA PROGRAMA COMPLETO A - OBRAS 48 km de Via Parque (25 km em São Paulo e 23 km em Guarulhos) 48 km de ciclovia (25 km em São Paulo e 23 km em Guarulhos) 4 Núcleos de lazer implantados* (15 campos de futebol e 14 quadras poliesportivas) 230 km de Via Parque 230 km de ciclovia 33 Núcleos de lazer implantados (77 campos de futebol e 129 quadras poliesportivas) Intervenções Hidráulicas - Sistemas de controle de enchentes com efeitos para a proteção da população da área de influência direta (AID) B REASSENTA- MENTO Famílias Removidas e Reassentadas (5.000 em São Paulo e 500 em Guarulhos) Famílias Removidas e Reassentadas C SUSTENTA- BILIDADE AMBIENTAL E SOCIAL 110 ha de áreas degradadas recuperadas 250 ha de áreas degradadas recuperadas 125 ha com recomposição de mata ciliar e paisagismo 380 ha com recomposição de mata ciliar e paisagismo m 2 de passeios arborizados m 2 de passeios arborizados

16 PRINCIPAIS QUANTITATIVOS Município Pop. Diretamente Beneficiada Área do Parque (ha) Núcleos(*) São Paulo ,6 7 Guarulhos ,9 5 Itaquaquecetuba ,9 4 Poá ,4 1 Suzano ,2 4 Mogi das Cruzes ,4 5 Biritiba Mirim ,6 3 Salesópolis ,4 4 Total ,4 33 (*) Centros com equipamentos de Lazer, esportes, cultura, educação e promoção do turismo.

17 1ª ETAPA DO PROGRAMA

18 1ª ETAPA: DADOS GERAIS

19 1ª ETAPA: PARQUE VÁRZEAS DO TIETÊ Município Extensão Financiamento BID São Paulo 25 km - Guarulhos 23 km Projeto e Obra

20 ÁREAS DE INTERVENÇÃO LINDEIRAS AO RIO

21 PROPOSTA DE RECUPERAÇÃO

22 PROPOSTA DE RECUPERAÇÃO Exemplo de equipamentos nos Núcleos de Lazer: Oficina de Música

23 1ª ETAPA: OBRAS

24 OBRAS CONCLUÍDAS Núcleo Jacuí no município de São Paulo Inaugurado em Março de 2010

25 OBRAS CONCLUÍDAS Polder do Jardim Romano Concluído em Novembro de 2010

26 OBRAS EM ANDAMENTO Via Parque no município de São Paulo Concluído 15 km A concluir 10 km

27 OBRAS COMPLEMENTARES EM ANDAMENTO Desassoreamento

28 OBRAS A REALIZAR Núcleos propostos para a 1ª Etapa Município Núcleo Financiamento BID Jardim Helena Projeto e Obra São Paulo Itaim Biacica Projeto e Obra Guarulhos Jardim Any-Jaci Projeto e Obra

29 1ª ETAPA: ATENDIMENTO SOCIAL

30 1ª ETAPA: PARQUE VÁRZEAS DO TIETÊ E A B C D F

31 REMOÇÕES E NÚCLES DE LAZER - PIRACICABA AO SAFIRA Eldorado Núcleo de Lazer São Miguel Núcleo de Lazer Três Meninas Núcleo de Lazer Pimentas Núcleo de Lazer Jd. Helena Piracicaba Res. Eldorado Favela da Paz Assentamento da Paz Safira

32 REMOÇÕES E NÚCLES DE LAZER SAFIRA AO JD. ROMANO Núcleo de Lazer Jd. Helena Safira Núcleo de Lazer Itaim Biacica Aimoré/ Anelhe Vanderlei do Prado Núcleo de Lazer AnyJaci Benedito Vicente Gruta das Princesas Jd. Romano

33 ATENDIMENTO SOCIAL Cadastro + Diagnóstico + Plano de Atendimento Social Unidade Habitacional 500 Rio Tietê Guarulhos SEHAB CDHU São Paulo DAEE cadastros Cadastro + Diagnóstico Plano de Atendimento Social Unidade Habitacional Auxílio Aluguel Termo de Compromisso Plano de Atendimento Social Unidade Habitacional Atendimentos com UH

34 ATENDIMENTO SOCIAL - AÇÕES DE REASSENTAMENTO Requisitos e Condicionantes para as Ações de Reassentamento: Cadastro Socioeconômico, selagem dos imóveis e diagnóstico Levantamento fundiário e ações de desapropriação Gerenciamento Social Atendimento Habitacional: Construção de Unidades Habitacionais Remoção e Reassentamento Pós-Ocupação Atendimento das Políticas Habitacionais Estabelecimento de Convênios e Parcerias (DAEE, CDHU/SH e SEHAB/PMSP)

35 1ª ETAPA: SUSTENTABILIDADE AMBIENTAL

36 RECUPERAÇÃO AMBIENTAL Plantio de mudas de árvores Novas Áreas para Plantio

37 2ª E 3ª ETAPAS DO PROGRAMA

38 PARQUE VÁRZEAS DO TIETÊ: 2ª ETAPA

39 PARQUE VÁRZEAS DO TIETÊ: 3ª ETAPA

40 PARQUE VÁRZEAS DO TIETÊ: 3ª ETAPA

41 PARQUE VÁRZEAS DO TIETÊ: 3ª ETAPA

42 AVANÇADOS ESPERADOS

43 AVANÇOS ESPERADOS E PRINCIPAIS DESAFIOS Controle permanente dos problemas de enchentes na região Melhoria das condições urbanas e de qualidade de vida da população residente e reassentada Proteção das áreas de várzeas e de suas funções ecológicas Controle do uso e ocupação do solo, ordenamento das ocupações nas margens do rio Tietê Sustentabilidade ambiental e das obras, sobretudo dos parques e núcleos de lazer Aprimoramento dos mecanismos de integração e participação de grupos sociais, entidades públicas e privadas Motivar o investimento continuado na região

44

45 DAEE DEPARTAMENTO DE ÁGUAS E ENERGIA ELÉTRICA Engº Genivaldo Maximiliano de Aguiar Coordenador da Unidade de Gerenciamento de Projetos Várzeas Contatos: (11) /

10 ANOS DO PLANO DIRETOR DE MACRODRENAGEM DA BACIA HIDROGRÁFICA DO ALTO TIETÊ. 2 a 4 de dezembro de 2008 São Paulo VÁRZEAS DO TIETÊ

10 ANOS DO PLANO DIRETOR DE MACRODRENAGEM DA BACIA HIDROGRÁFICA DO ALTO TIETÊ. 2 a 4 de dezembro de 2008 São Paulo VÁRZEAS DO TIETÊ 10 ANOS DO PLANO DIRETOR DE MACRODRENAGEM DA BACIA HIDROGRÁFICA DO ALTO TIETÊ 2 a 4 de dezembro de 2008 São Paulo O PROJETO VÁRZEAS DO TIETÊ ROTEIRO DA APRESENTAÇÃO Breve Histórico do Rio Tietê e a cidade

Leia mais

Departamento de Águas e Energia Elétrica

Departamento de Águas e Energia Elétrica 13 de Novembro de 2012 Departamento de Águas e Energia Elétrica O DAEE foi criado há 60 anos, em 12/12/1951, tendo como principais competências, no âmbito do Estado de SP: Elaborar o planejamento, os estudos,

Leia mais

SEMINÁRIO ENCHENTES NA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO SITUAÇÃO ATUAL DA CALHA DO RIO TIETÊ

SEMINÁRIO ENCHENTES NA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO SITUAÇÃO ATUAL DA CALHA DO RIO TIETÊ SEMINÁRIO ENCHENTES NA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO SITUAÇÃO ATUAL DA CALHA DO RIO TIETÊ 10 de novembro de 2009 DAS CHEIAS ÀS INUNDAÇÕES Em meados do século XIX, surgem os primeiros registros da transformação

Leia mais

PLANO DIRET O DIRET R O DE MACR MA ODRENA CR GEM ODRENA DA BACIA DO ALTO TIETÊ

PLANO DIRET O DIRET R O DE MACR MA ODRENA CR GEM ODRENA DA BACIA DO ALTO TIETÊ PLANO DIRETOR DE MACRODRENAGEM DA PLANO DIRETOR DE MACRODRENAGEM DA BACIA DO ALTO TIETÊ MAPA DE LOCALIZAÇÃO A ANÁLISE E O ENCAMINHAMENTO DE SOLUÇÕES PARA AS QUESTÕES DE DRENAGEM URBANA TÊM SIDO UM DOS

Leia mais

ZL VÓRTICE A ZONA LESTE DE SÃO PAULO SITUAÇÕES CRÍTICAS

ZL VÓRTICE A ZONA LESTE DE SÃO PAULO SITUAÇÕES CRÍTICAS ZL VÓRTICE A ZONA LESTE DE SÃO PAULO SITUAÇÕES CRÍTICAS ZL Vórtice é um projeto de investigação e práticas urbanas experimentais. Reúne pesquisadores, arquitetos, engenheiros e artistas, junto com as comunidades

Leia mais

Desafios e metas do Estado de São Paulo

Desafios e metas do Estado de São Paulo 1º Seminário Saneamento Básico Universalização do Saneamento: Desafios e Metas para o Setor 07 de novembro de 2011 Desafios e metas do Estado de São Paulo Edson Giriboni Secretário de Saneamento e Recursos

Leia mais

os projetos de urbanização de favelas 221

os projetos de urbanização de favelas 221 5.15 Favela Jardim Floresta. Vielas e padrão de construção existente. 5.16 Favela Jardim Floresta. Plano geral de urbanização e paisagismo. 5.17 Favela Jardim Floresta. Seção transversal. 5.18 Favela Jardim

Leia mais

Rio Urbanos, Bacias Urbanas: Projetos Integradores outubro 2013

Rio Urbanos, Bacias Urbanas: Projetos Integradores outubro 2013 Rio Urbanos, Bacias Urbanas: Projetos Integradores outubro 2013 Segurança hídrica - Declaração Ministerial do 2o Fórum Mundial da Água, 2001 Acesso físico e econômico à água em quantidade e qualidade suficiente

Leia mais

Programa Paraisópolis

Programa Paraisópolis Programa Paraisópolis Identificação das Comunidades Cemitério Getsemani Jd. Colombo Paraisópolis Porto Seguro Cemitério do Morumbi Colégio Visconde de Porto Seguro Programa Paraisópolis Caracterização

Leia mais

POLÍTICA DE REDUÇÃO DO RISCO DE INUNDAÇÕES EM BELO HORIZONTE

POLÍTICA DE REDUÇÃO DO RISCO DE INUNDAÇÕES EM BELO HORIZONTE POLÍTICA DE REDUÇÃO DO RISCO DE INUNDAÇÕES EM BELO HORIZONTE Secretaria Municipal de Obras e Infraestrutura - SMOBI Superintendência de Desenvolvimento da Capital - SUDECAP OUTUBRO DE 2013 POLÍTICA DO

Leia mais

Programa Urbano Ambiental Macambira Anicuns Informações Gerais

Programa Urbano Ambiental Macambira Anicuns Informações Gerais Programa Urbano Ambiental Macambira Anicuns Informações Gerais O Programa Urbano Ambiental Macambira Anicuns corresponde a um conjunto de ações a serem desenvolvidas pela Prefeitura Municipal de Goiânia,

Leia mais

Reunião Técnica Plano de Manejo APA Várzea do Tietê

Reunião Técnica Plano de Manejo APA Várzea do Tietê Reunião Técnica Plano de Manejo APA Várzea do Tietê CIESP DISTRITAL OESTE 07/08/2014 Apresentação para Ciesp Oeste - Agosto/2014 Sumário: 1. UNIDADES DE CONSERVAÇÃO CONSIDERAÇÕES GERAIS 2. PLANO DEMANEJO

Leia mais

ÓRGÃO: 14000 - SECRETARIA MUNICIPAL DE MEIO-AMBIENTE PROGRAMA DE TRABALHO

ÓRGÃO: 14000 - SECRETARIA MUNICIPAL DE MEIO-AMBIENTE PROGRAMA DE TRABALHO PLANO PLURIANUAL 2010-2013 CÓDIGO ESPECIFICAÇÃO - FUNCIONAL PROGRAMÁTICA 18000000 GESTÃO AMBIENTAL 18542000 CONTROLE AMBIENTAL 18542010 PROGRAMA MUNICIPAL DE MEIO AMBIENTE 185420102.074 COORDENAÇÃO DOS

Leia mais

Workshop ZL-Vórtice e CDHU

Workshop ZL-Vórtice e CDHU A OCUPAÇÃO DA VÁRZEA DO RIO TIETÊ ELEMENTOS HISTÓRICOS PARA UMA LEITURA CRÍTICA DOS ANTECEDENTES À INTERVENÇÃO URBANÍSTICA DO GOVERNO DO ESTADO EM ÁREAS DE VULNERABILIDADE SOCIOAMBIENTAL PROJETO VILA JACUÍ

Leia mais

PROGRAMA DE RECUPERAÇÃO SOCIOAMBIENTAL DA SERRA DO MAR

PROGRAMA DE RECUPERAÇÃO SOCIOAMBIENTAL DA SERRA DO MAR PROGRAMA DE RECUPERAÇÃO SOCIOAMBIENTAL DA SERRA DO MAR PROJETOS SOCIAIS PARA FOMENTO AO DESENVOLVIMENTO LOCAL O Programa de Recuperação Socioambiental da Serra do Mar e do Sistema de Mosaicos da Mata Atlântica

Leia mais

DECRETO Nº 47.696, DE 07 DE MARÇO DE 2003(*) GERALDO ALCKMIN, Governador do Estado de São Paulo, no uso de suas atribuições legais.

DECRETO Nº 47.696, DE 07 DE MARÇO DE 2003(*) GERALDO ALCKMIN, Governador do Estado de São Paulo, no uso de suas atribuições legais. DECRETO Nº 47.696, DE 07 DE MARÇO DE 2003(*) Regulamenta o artigo 37-A da Lei nº 1.172, de 17 de novembro de 1976, acrescido pela Lei nº 11.216, de 22 de julho de 2002, que delimita as áreas de proteção

Leia mais

BOA GOVERNANÇA PARA GESTÃO SUSTENTÁVEL DAS ÁGUAS URBANAS PROGRAMA DRENURBS

BOA GOVERNANÇA PARA GESTÃO SUSTENTÁVEL DAS ÁGUAS URBANAS PROGRAMA DRENURBS BOA GOVERNANÇA PARA GESTÃO SUSTENTÁVEL DAS ÁGUAS URBANAS PROGRAMA DRENURBS Um programa para integrar objetivos ambientais e sociais na gestão das águas Superintendência de Desenvolvimento da Capital -

Leia mais

Projeto Rio Maranguapinho Contexto Geral

Projeto Rio Maranguapinho Contexto Geral Projeto Rio Maranguapinho Contexto Geral Os desequilíbrios urbanos presentes na maioria dos municípios brasileiros, notadamente os localizados em regiões metropolitanas, têm sido objeto de preocupação

Leia mais

DOSSIÊ Sistema Alto Tietê

DOSSIÊ Sistema Alto Tietê Espaço das Águas Fundação Patrimônio Histórico da Energia e Saneamento Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo Sabesp DOSSIÊ Sistema Alto Tietê Fevereiro 2009 1. Histórico da Implantação

Leia mais

Tabela 1. Tema Dado Atributo Fonte

Tabela 1. Tema Dado Atributo Fonte Tabela 1 Tema Dado Atributo Fonte 1. Base Cartográfica Básica a. Limites municipais b. Limites Distritais c. Localidades d. Rodovias e Ferrovias d. Rodovias e Ferrovias e. Linhas de Transmissão f. Estações

Leia mais

EDITAL DE MANIFESTAÇÃO DE INTERESSE PARQUE AMBIENTAL: JANELAS PARA O RIO

EDITAL DE MANIFESTAÇÃO DE INTERESSE PARQUE AMBIENTAL: JANELAS PARA O RIO EDITAL DE MANIFESTAÇÃO DE INTERESSE PARQUE AMBIENTAL: JANELAS PARA O RIO A AGÊNCIA PERNAMBUCANA DE ÁGUAS E CLIMA APAC, de acordo com o Plano Hidroambiental da Bacia do Rio Capibaribe, está recebendo manifestações

Leia mais

Compromissos com o Meio Ambiente e a Qualidade de Vida Agenda Socioambiental para o Desenvolvimento Sustentável do Amapá

Compromissos com o Meio Ambiente e a Qualidade de Vida Agenda Socioambiental para o Desenvolvimento Sustentável do Amapá Compromissos com o Meio Ambiente e a Qualidade de Vida Agenda Socioambiental para o Desenvolvimento Sustentável do Amapá Eu, ( ) (sigla do partido) me comprometo a promover os itens selecionados abaixo

Leia mais

EDUCAÇÃO AMBIENTAL COMO INSTRUMENTO DE PRESERVAÇÃO DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO MACHADO

EDUCAÇÃO AMBIENTAL COMO INSTRUMENTO DE PRESERVAÇÃO DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO MACHADO EDUCAÇÃO AMBIENTAL COMO INSTRUMENTO DE PRESERVAÇÃO DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO MACHADO FÁBIO VIEIRA MARTINS Pós-graduando em Educação Ambiental e Recursos Hídricos CRHEA/USP fabio.vieirageo@hotmail.com

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE TAPEJARA SECRETARIA DE AGRICULATURA E MEIO AMBIENTE

PREFEITURA MUNICIPAL DE TAPEJARA SECRETARIA DE AGRICULATURA E MEIO AMBIENTE PREFEITURA MUNICIPAL DE TAPEJARA SECRETARIA DE AGRICULATURA E MEIO AMBIENTE AUDIÊNCIA PÚBLICA - ESTUDOS TÉCNICOS MACRODRENAGEM E APP S EM ÁREAS URBANA CONSOLIDADA PROPOSTA DE CONDICIONANTES E RESTRIÇÕES

Leia mais

Dilma Pena, secretária estadual de Saneamento e Energia de São Paulo

Dilma Pena, secretária estadual de Saneamento e Energia de São Paulo Dilma Pena, secretária estadual de Saneamento e Energia de São Paulo (pronunciamento na abertura do seminário Tecnologia e eficiência em saneamento ambiental, do Valor Econômico) O tripé formado por investimentos

Leia mais

CONSERVADOR DAS ÁGUAS LEI MUNICIPAL 2.100/2005

CONSERVADOR DAS ÁGUAS LEI MUNICIPAL 2.100/2005 CONSERVADOR DAS ÁGUAS LEI MUNICIPAL 2.100/2005 EXTREMA EXTREMO SUL DE MINAS. SERRA DA MANTIQUEIRA. 480 KM BH E 100 KM DA CIDADE DE SP. POPULAÇÃO 24.800 HABITANTES. CONTINUIDADE ADMINISTRATIVA DE 20 ANOS

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DO MEIO AMBIENTE PREFEITURA DE SUMARÉ SECRETARIA MUNICIPAL DE AÇÃO SOCIAL SECRETARIA MUNICIPAL DE MEIO AMBIENTE 3M DO BRASIL

SECRETARIA DE ESTADO DO MEIO AMBIENTE PREFEITURA DE SUMARÉ SECRETARIA MUNICIPAL DE AÇÃO SOCIAL SECRETARIA MUNICIPAL DE MEIO AMBIENTE 3M DO BRASIL SECRETARIA DE ESTADO DO MEIO AMBIENTE PREFEITURA DE SUMARÉ SECRETARIA MUNICIPAL DE AÇÃO SOCIAL SECRETARIA MUNICIPAL DE MEIO AMBIENTE 3M DO BRASIL SOCIEDADE HUMANA DESPERTAR LABORATÓRIO DE ECOLOGIA E RESTAURAÇÃO

Leia mais

Grupo Temático: Áreas de Proteção. Ambiental Natural. Coordenador: Walter Koch. Facilitador: Karla. Relator:Eloísa

Grupo Temático: Áreas de Proteção. Ambiental Natural. Coordenador: Walter Koch. Facilitador: Karla. Relator:Eloísa Grupo Temático: Áreas de Proteção Coordenador: Walter Koch Facilitador: Karla Ass.: Ass.: Ass.: Relator:Eloísa Porto Alegre, 06 e 07 de maio de 2006. No. Grupo Temático 58 Áreas de Proteção Rejeitado Proposta

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE CURITIBA. OPERAÇÃO URBANA CONSORCIADA LINHA VERDE - Setembro. 2012 -

PREFEITURA MUNICIPAL DE CURITIBA. OPERAÇÃO URBANA CONSORCIADA LINHA VERDE - Setembro. 2012 - PREFEITURA MUNICIPAL DE CURITIBA OPERAÇÃO URBANA CONSORCIADA LINHA VERDE - Setembro. 2012 - OPERAÇÃO URBANA CONSORCIADA - LINHA VERDE - Lei de criação : Lei Municipal n.º 13.919 de 19 de dezembro de 2011

Leia mais

QUALIDADE DE VIDA NA CIDADE DE SÃO PAULO

QUALIDADE DE VIDA NA CIDADE DE SÃO PAULO QUALIDADE DE VIDA NA CIDADE DE SÃO PAULO SECRETÁRIO RIO DO VERDE E MEIO AMBIENTE RICARDO TEIXEIRA MUNICÍPIO DE SÃO PAULO Cobertura Vegetal -ÁREA DA COBERTURA VEGETAL DO MUNICÍPIO: 687.654.400 m² -ÁREA

Leia mais

Curso de Gestão de Águas Pluviais

Curso de Gestão de Águas Pluviais Curso de Gestão de Águas Pluviais Capítulo 4 Prof. Carlos E. M. Tucci Prof. Dr. Carlos E. M. Tucci Ministério das Cidades 1 Capítulo 4 Gestão Integrada Conceito Marcos Mundiais, Tendência e Estágio Institucional

Leia mais

EXPOSIÇÃO DE MOTIVOS

EXPOSIÇÃO DE MOTIVOS EXPOSIÇÃO DE MOTIVOS Considerando a ratificação do Pacto Internacional de Direitos Econômicos, Sociais e Culturais, que reconhece o direito de todos a um adequado nível de vida, incluindo alimentação adequada,

Leia mais

COSEMA - FIESP Programas e Ações A para os grandes problemas da RMSP. Paulo Massato Yoshimoto Diretor Metropolitano - Sabesp

COSEMA - FIESP Programas e Ações A para os grandes problemas da RMSP. Paulo Massato Yoshimoto Diretor Metropolitano - Sabesp COSEMA - FIESP Programas e Ações A da Sabesp para os grandes problemas da RMSP Paulo Massato Yoshimoto Diretor Metropolitano - Sabesp Evolução Populacional - RMSP Reversão da centrifugação Menor pressão

Leia mais

DECRETO Nº 050, DE 11 DE MARÇO DE 2010

DECRETO Nº 050, DE 11 DE MARÇO DE 2010 DECRETO Nº 050, DE 11 DE MARÇO DE 2010 Define o Modelo Localizado de Gestão Urbana para o Projeto Parque Linear do Rio Ressaca. O Prefeito Municipal de São José dos Pinhais, Estado do Paraná, no uso de

Leia mais

A Construção de um Programa de Revitalização na Bacia do rio São Francisco

A Construção de um Programa de Revitalização na Bacia do rio São Francisco A Construção de um Programa de Revitalização na Bacia do rio São Francisco Antônio Thomaz Gonzaga da Matta Machado Projeto Manuelzão/UFMG Conceito de Revitalização Caráter técnico-científico Legislação

Leia mais

SÃO PAULO - SP. Domicílios total da cidade 3.039.104 domicílios em favelas e cortiços 405.857 (14%)*

SÃO PAULO - SP. Domicílios total da cidade 3.039.104 domicílios em favelas e cortiços 405.857 (14%)* URbanização de FaveLas 2010 SÃO PAULO - SP População total da cidade - 11 milhões* total de residentes em moradias precárias: 3,4 milhões (1,6 milhões em loteamentos clandestinos ou irregulares, 1,2 milhões

Leia mais

ENCONTRO E PROSA PARA MELHORIA DE PASTAGENS: SISTEMAS SILVIPASTORIS

ENCONTRO E PROSA PARA MELHORIA DE PASTAGENS: SISTEMAS SILVIPASTORIS ENCONTRO E PROSA PARA MELHORIA DE PASTAGENS: SISTEMAS SILVIPASTORIS 10 DE DEZEMBRO DE 2013 REALIZAÇÃO: CATI SECRETARIA DE AGRICULTURA E ABASTECIMENTO E SECRETARIA DO MEIO AMBIENTE GOVERNO DO ESTADO DE

Leia mais

PLANO MUNICIPAL DA HABITAÇÃO LESTE

PLANO MUNICIPAL DA HABITAÇÃO LESTE PLANO MUNICIPAL DA HABITAÇÃO PLANO DE AÇÃO REGIONAL LESTE Legenda: Subprefeitura Vias Principais de acesso Linha de Metrô / CPTM Região Leste 08 Subprefeituras: Penha, Ermelino Matarazzo, São Miguel Paulista,

Leia mais

NOÇÕES GERAIS DE GERENCIAMENTO DE ÁREAS DE RISCO

NOÇÕES GERAIS DE GERENCIAMENTO DE ÁREAS DE RISCO NOÇÕES GERAIS DE GERENCIAMENTO DE ÁREAS DE RISCO PERGUNTAS BÁSICAS 1. O QUE E COMO OCORRE: Processos 2. ONDE OCORREM OS PROBLEMAS: Mapeamento 3. QUANDO OCORREM OS PROBLEMAS: Correlação, monitoramento 4.

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE EMPRESA DE CONSULTORIA

TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE EMPRESA DE CONSULTORIA TERMO DE REFERÊNCIA PARA ELABORAÇÃO DE UM PLANO DE GESTÃO PARA REMEDIAÇÃO E PROTEÇÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS DA SUB-BACIA ATIBAIA COM ENFASE NO RESERVATÓRIO DE SALTO GRANDE AMERICANA SP TERMO DE REFERÊNCIA

Leia mais

VIII EXPOSIÇÃO DE EXPERIÊNCIAS MUNICIPAIS EM SANEAMENTO

VIII EXPOSIÇÃO DE EXPERIÊNCIAS MUNICIPAIS EM SANEAMENTO ASSEMAE VIII EXPOSIÇÃO DE EXPERIÊNCIAS MUNICIPAIS EM SANEAMENTO Título do trabalho O SEMASA E O TRATAMENTO DE ESGOTO NA CIDADE DE SANTO ANDRÉ Nome do Autor ISABEL CRISTINA ALEIXO DIAS CURRÍCULO DO AUTOR

Leia mais

PROGRAMA DE ACELERAÇÃO DO CRESCIMENTO PAC - RIO

PROGRAMA DE ACELERAÇÃO DO CRESCIMENTO PAC - RIO PROGRAMA DE ACELERAÇÃO DO CRESCIMENTO PAC - RIO ARCO METROPOLITANO TRAÇADO GERAL E SEGMENTAÇÃO Ligação entre a BR 101/NORTE em Manilha/Itaboraí a BR-101/SUL (Rod. Rio-Santos) em Itaguaí Extensão de 145

Leia mais

Plano de Bairro de Canabrava

Plano de Bairro de Canabrava Plano de Bairro de Canabrava PROGRAMA CATA AÇÃO Coordenador Geral: Antonio Bunchaft Coordenador Local: Moises Leão Gil PLANO DE BAIRRO DE CANABRAVA Equipe Técnica: Ronaldo Silveira Lyrio - Coordenação

Leia mais

PLANO DE RECUPERAÇÃO AMBIENTAL E URBANIZAÇÃO

PLANO DE RECUPERAÇÃO AMBIENTAL E URBANIZAÇÃO As ocupações irregulares em áreas de Manancial configuram o principal problema ambiental da Região Metropolitana de Curitiba. A problemática ambiental que envolve o município de Campo Magro é complexa.

Leia mais

Alejandra Maria Devecchi SVMA - PMSP

Alejandra Maria Devecchi SVMA - PMSP Mudanças climáticas globais e os impactos na hidrologia urbana: as experiências de São Paulo e as necessidades de pesquisa Alejandra Maria Devecchi SVMA - PMSP Identificação do papel das medidas nãoestruturais

Leia mais

INSTRUMENTO DA OPERAÇÃO URBANA ÁGUA BRANCA

INSTRUMENTO DA OPERAÇÃO URBANA ÁGUA BRANCA INSTRUMENTO DA OPERAÇÃO URBANA ÁGUA BRANCA LOCALIZAÇÃO E CONTEXTO Jundiaí Campinas Rio de Janeiro Sorocaba Guarulhos OUC AB Congonhas CPTM E METRÔ: REDE EXISTENTE E PLANEJADA OUC AB SISTEMA VIÁRIO ESTRUTURAL

Leia mais

O QUE É O PROAMBIENTE?

O QUE É O PROAMBIENTE? O QUE É O PROAMBIENTE? Fruto da discussão da sociedade civil para a promoção do desenvolvimento socioambiental das populações rurais da Amazônia; Proposta de política pública com nova concepção de desenvolvimento

Leia mais

PMS-MT Cartilha. Breve histórico e Abrangência Objetivos gerais e benefícios esperados Componentes. Governança Funcionamento do Programa

PMS-MT Cartilha. Breve histórico e Abrangência Objetivos gerais e benefícios esperados Componentes. Governança Funcionamento do Programa PMS-MT Cartilha Breve histórico e Abrangência Objetivos gerais e benefícios esperados Componentes Fortalecimento da gestão ambiental municipal Contexto e benefícios Tarefas Regularização ambiental e fundiária

Leia mais

PROGRAMA PARAISÓPOLIS Regularização Fundiária

PROGRAMA PARAISÓPOLIS Regularização Fundiária PROGRAMA PARAISÓPOLIS Regularização Fundiária POLÍTICA HABITACIONAL DA CIDADE DE SÃO PAULO Plano Diretor Estratégico do Município (Lei 13.430/02, art. 79): Moradia digna é aquela que garante ao morador

Leia mais

ANEXO VII ESTRATÉGIA DE COMPATIBILIZAÇÃO DOS INVESTIMENTOS

ANEXO VII ESTRATÉGIA DE COMPATIBILIZAÇÃO DOS INVESTIMENTOS ANEXO VII ESTRATÉGIA DE COMPATIBILIZAÇÃO DOS INVESTIMENTOS MUNICÍPIO DE SANTOS 1 1. OBJETIVO O presente Plano tem por objetivo ordenar os trabalhos necessários para a viabilização das obras de Saneamento

Leia mais

Gestão da Demanda de Água Através de Convênios e Parcerias com o Governo do Estado de São Paulo e Prefeitura da Cidade de São Paulo SABESP

Gestão da Demanda de Água Através de Convênios e Parcerias com o Governo do Estado de São Paulo e Prefeitura da Cidade de São Paulo SABESP Gestão da Demanda de Água Através de Convênios e Parcerias com o Governo do Estado de São Paulo e Prefeitura da Cidade de São Paulo SABESP R. R. Chahin a a. Companhia de Saneamento Básico do Estado de

Leia mais

- RJ O Gerenciamento dos Recursos HídricosH nas grandes Cidades. Paulo Massato Yoshimoto Diretor Metropolitano - Sabesp

- RJ O Gerenciamento dos Recursos HídricosH nas grandes Cidades. Paulo Massato Yoshimoto Diretor Metropolitano - Sabesp III Pré-ENCOB - RJ O Gerenciamento dos Recursos HídricosH nas grandes Cidades Paulo Massato Yoshimoto Diretor Metropolitano - Sabesp Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo - Sabesp 5ª Maior

Leia mais

Sustentabilidade Ambiental na Cidade de Belo Horizonte

Sustentabilidade Ambiental na Cidade de Belo Horizonte Sustentabilidade Ambiental na Cidade de Belo Horizonte Vasco de Oliveira Araujo Secretário Municipal Adjunto de Meio Ambiente Prefeitura de Belo Horizonte Abril 2013 A Construção de uma Cidade Sustentável

Leia mais

ü Contribuir para equacionar os problemas ambientais, urbanís4cos e sociais ü Devido ao crescimento populacional nas áreas dos fundos de vale, os 83

ü Contribuir para equacionar os problemas ambientais, urbanís4cos e sociais ü Devido ao crescimento populacional nas áreas dos fundos de vale, os 83 CONDEITO E JUSTIFICATIVA DO PUAMA ü Contribuir para equacionar os problemas ambientais, urbanís4cos e sociais que afetam a cidade de Goiânia, resultantes da ocupação desordenada do espaço urbano, em especial

Leia mais

Perfil CAIXA 70,2. 65 Mil. 97,9 Empregados 5.564. Milhões de clientes. Anos de existência. Pontos de Atendimento

Perfil CAIXA 70,2. 65 Mil. 97,9 Empregados 5.564. Milhões de clientes. Anos de existência. Pontos de Atendimento Perfil CAIXA 152 Anos de existência 70,2 Milhões de clientes 65 Mil Pontos de Atendimento 5.564 Presente em todos os municípios brasileiros Mil 97,9 Empregados Eixos de Trabalho BANCO COMERCIAL PENHOR

Leia mais

AÇÕES EMENDÁVEIS POR REGIÃO SUDESTE

AÇÕES EMENDÁVEIS POR REGIÃO SUDESTE AÇÕES EMENDÁVEIS POR REGIÃO SUDESTE SD ÓRGÃO: MINISTÉRIO DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO COD. ÓRGÃO: 24000 Ação Ação Produto 2059 POLÍTICA NUCLEAR 1393 IMPLANTAÇÃO DA USINA DE ENRIQUECIMENTO DE URÂNIO

Leia mais

Vulnerabilidade em área de Risco: O que fazer? - CBCS 08/03/2010. CBCS - Vulnerabilidade em área de risco: O que fazer?

Vulnerabilidade em área de Risco: O que fazer? - CBCS 08/03/2010. CBCS - Vulnerabilidade em área de risco: O que fazer? CBCS - Vulnerabilidade em área de risco: O que fazer? PREFEITO GILBERTO KASSAB SECRETARIA DAS SUBPREFEITURAS 11.500 funcionários zelando pela cidade 31 subprefeituras ATUAÇÃO: Uso e ocupação do solo Obras

Leia mais

PLHIS - Plano Local de Habitação de Interesse Social

PLHIS - Plano Local de Habitação de Interesse Social SÃO VICENTE PLHIS - Plano Local de Habitação de Interesse Social Encontro Regional Discussão Pública do Plano Estadual de Habitação (PEH-SP) SEHAB - SECRETARIA DE HABITAÇÃO Prefeitura Municipal de São

Leia mais

ELABORAÇÃO DE PLANO DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL DO MEIO RURAL DO MUNICÍPIO DE JAÚ -SP

ELABORAÇÃO DE PLANO DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL DO MEIO RURAL DO MUNICÍPIO DE JAÚ -SP ELABORAÇÃO DE PLANO DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL DO MEIO RURAL DO MUNICÍPIO DE JAÚ -SP INTRODUÇÃO A Agenda 21 Local é um instrumento de planejamento de políticas públicas que envolve tanto a sociedade

Leia mais

Gestão Participativa em BH. Belo Horizonte, 01 de dezembro 2010

Gestão Participativa em BH. Belo Horizonte, 01 de dezembro 2010 Gestão Participativa em BH Belo Horizonte, 01 de dezembro 2010 1 Gestão Participativa em BH Belo Horizonte tem um longo histórico de gestão democrático-popular; Existe forte determinação política para:

Leia mais

ARCO TIETÊ ESTRATÉGIAS DE PARCERIAS PARA O DESENVOLVIMENTO URBANO BRASÍLIA. DEZEMBRO 2013

ARCO TIETÊ ESTRATÉGIAS DE PARCERIAS PARA O DESENVOLVIMENTO URBANO BRASÍLIA. DEZEMBRO 2013 ARCO TIETÊ ESTRATÉGIAS DE PARCERIAS PARA O DESENVOLVIMENTO URBANO BRASÍLIA. DEZEMBRO 2013 CHAMAMENTO PÚBLICO OBJETIVO Realizar estudos para orientar um desenvolvimento urbano mais equilibradodo ponto

Leia mais

SELO DE MÉRITO ABC/FNSHDU EDIÇÃO 2013 AÇÕES INTEGRADAS DE REQUALIFICAÇÃO URBANA E SOCIOAMBIENTAL NO BAIRRO COTA 200 DO MUNICÍPIO DE CUBATÃO - SP

SELO DE MÉRITO ABC/FNSHDU EDIÇÃO 2013 AÇÕES INTEGRADAS DE REQUALIFICAÇÃO URBANA E SOCIOAMBIENTAL NO BAIRRO COTA 200 DO MUNICÍPIO DE CUBATÃO - SP SELO DE MÉRITO ABC/FNSHDU EDIÇÃO 2013 AÇÕES INTEGRADAS DE REQUALIFICAÇÃO URBANA E SOCIOAMBIENTAL NO BAIRRO COTA 200 DO MUNICÍPIO DE CUBATÃO - SP ANTECEDENTES DO PROJETO ATORES Cooperação Técnica entre:

Leia mais

Urbanismo infraestrutural Mutações na Zona Leste de São Paulo. Nelson Brissac

Urbanismo infraestrutural Mutações na Zona Leste de São Paulo. Nelson Brissac Urbanismo infraestrutural Mutações na Zona Leste de São Paulo Nelson Brissac Nos limites da cidade, os processos urbanos envolvem grandes obras de infraestrutura metropolitana, moradia precária e necessidade

Leia mais

PROJETO DE RECUPERAÇÃO DE MATAS CILIARES GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO

PROJETO DE RECUPERAÇÃO DE MATAS CILIARES GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO PROJETO DE RECUPERAÇÃO DE MATAS CILIARES GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO Secretaria do Meio Ambiente Secretaria da Agricultura e Abastecimento Dezembro de 2005 COBERTURA FLORESTAL (Inventário Florestal,

Leia mais

EVOLUÇÃO INSTITUCIONAL DO SETOR DE ÁGUA EM SÃO PAULO. Edson Giriboni Secretário de Saneamento e Recursos Hídricos

EVOLUÇÃO INSTITUCIONAL DO SETOR DE ÁGUA EM SÃO PAULO. Edson Giriboni Secretário de Saneamento e Recursos Hídricos EVOLUÇÃO INSTITUCIONAL DO SETOR DE ÁGUA EM SÃO PAULO Edson Giriboni Secretário de Saneamento e Recursos Hídricos Organização da Secretaria de Saneamento e Recursos Hidricos Gabinete do Secretario Saneamento

Leia mais

O projeto Magia da Reforma na revitalização de Paraisópolis. Maria Teresa Diniz

O projeto Magia da Reforma na revitalização de Paraisópolis. Maria Teresa Diniz O projeto Magia da Reforma na revitalização de Paraisópolis Maria Teresa Diniz Município de São Paulo População = 10, 5 milhões hab. Área = 1.509 km² Subprefeituras = 31 Distâncias: Norte-Sul = 60 Km Leste-Oeste

Leia mais

Outorga do Sistema Cantareira Renovações de 2004 e 2014. Rui Brasil Assis Assessor do Gabinete da SSRH

Outorga do Sistema Cantareira Renovações de 2004 e 2014. Rui Brasil Assis Assessor do Gabinete da SSRH Outorga do Sistema Cantareira Renovações de 2004 e 2014 Rui Brasil Assis Assessor do Gabinete da SSRH Contexto da renovação da outorga em 2004 ATORES REGIONAIS 1. Comitê PCJ 2. Consórcio PCJ 3. Conselho

Leia mais

PLANO HABITACIONAL FRANCA PLHIS PLANO LOCAL DE HABITAÇÃO DE INTERESSE SOCIAL

PLANO HABITACIONAL FRANCA PLHIS PLANO LOCAL DE HABITAÇÃO DE INTERESSE SOCIAL PLANO HABITACIONAL FRANCA PLHIS PLANO LOCAL DE HABITAÇÃO DE INTERESSE SOCIAL HABITAÇÃO: COMO NECESSIDADE HUMANA ABRIGO As pessoas precisam de proteção para si e suas famílias contra as intempéries da natureza.

Leia mais

Easy PDF Creator is professional software to create PDF. If you wish to remove this line, buy it now.

Easy PDF Creator is professional software to create PDF. If you wish to remove this line, buy it now. PROGRAMA : ADMINISTRAÇÃO GERAL OBJETIVO : Manter as atividades administrativas e operacionais dos órgãos para melhoria da prestação de serviços ao público Valores (R$ 1,00) 2006 11.700,000 Manutenção das

Leia mais

PARQUE LINEAR EM BATAGUASSU/MS COMO PAISAGEM, PLANEJAMENTO E CONTROLE URBANOS

PARQUE LINEAR EM BATAGUASSU/MS COMO PAISAGEM, PLANEJAMENTO E CONTROLE URBANOS 493 PARQUE LINEAR EM BATAGUASSU/MS COMO PAISAGEM, PLANEJAMENTO E CONTROLE URBANOS Brysa Yanara de Mendonça Thomazini 1, Sibila Corral de Arêa Leão Honda 2 1 Discente do curso de Arquitetura e Urbanismo

Leia mais

Oficina de Planejamento do Subcomitê do Sistema Lagunar de Jacarepaguá Barra da Tijuca 29/08/2014

Oficina de Planejamento do Subcomitê do Sistema Lagunar de Jacarepaguá Barra da Tijuca 29/08/2014 PREFEITURA DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO SECRETARIA MUNICIPAL DE OBRAS FUNDAÇÃO INSTITUTO DAS ÁGUAS DO MUNICÍPIO DO RIO DE JANEIRO RIO-ÁGUAS Oficina de Planejamento do Subcomitê do Sistema Lagunar de Jacarepaguá

Leia mais

REVITALIZAÇÃO DO RIO SÃO FRANCISCO METAS E RESULTADOS

REVITALIZAÇÃO DO RIO SÃO FRANCISCO METAS E RESULTADOS REVITALIZAÇÃO DO RIO SÃO FRANCISCO METAS E RESULTADOS Localização da Bacia do Rio São Francisco 13 milhões de habitantes 8% da população do País 8% 503 municípios 7 Unidades da Federação: Bahia (48,0%

Leia mais

-Esta apresentação foi realizada no âmbito do projeto Moradia é Central durante a Oficina 3 - Financiamento para habitação social em Centros.

-Esta apresentação foi realizada no âmbito do projeto Moradia é Central durante a Oficina 3 - Financiamento para habitação social em Centros. -Esta apresentação foi realizada no âmbito do projeto Moradia é Central durante a Oficina 3 - Financiamento para habitação social em Centros. -Data: 05/12/2008 -Local: Instituto Pólis MORADIA É CENTRAL

Leia mais

GESTÃO DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO

GESTÃO DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO GESTÃO DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO ÁREAS DE PROTEÇÃO AMBIENTAL APA José Fernando (Zéca) Bianca 1. Objetivo Informar agentes de transformação social: instituições representantes do poder público; da sociedade

Leia mais

Política Ambiental das Empresas Eletrobras

Política Ambiental das Empresas Eletrobras Política Ambiental das Empresas Eletrobras Versão 2.0 16/05/2013 Sumário 1 Objetivo... 3 2 Princípios... 3 3 Diretrizes... 3 3.1 Diretrizes Gerais... 3 3.1.1 Articulação Interna... 3 3.1.2 Articulação

Leia mais

OPERAÇÕES URBANAS CONSORCIADAS Instrumentos de viabilização de projetos urbanos integrados

OPERAÇÕES URBANAS CONSORCIADAS Instrumentos de viabilização de projetos urbanos integrados OPERAÇÕES URBANAS CONSORCIADAS Instrumentos de viabilização de projetos urbanos integrados DEAP/SNAPU/MCIDADES Maio/2015 Contexto brasileiro Necessidade de obras públicas para requalificação e reabilitação

Leia mais

Seminário Nacional Capacitação para Gestores e Comunidades dos CEUS das Artes e Esportes Unificados Política Nacional de Habitação

Seminário Nacional Capacitação para Gestores e Comunidades dos CEUS das Artes e Esportes Unificados Política Nacional de Habitação Seminário Nacional Capacitação para Gestores e Comunidades dos CEUS das Artes e Esportes Unificados Política Nacional de Habitação Brasília dezembro de 2014 GRAVES PROBLEMAS FUNDIÁRIOS Falta de registro

Leia mais

Programa de Reabilitação de Áreas Urbanas Centrais. Secretaria Nacional de Programas Urbanos

Programa de Reabilitação de Áreas Urbanas Centrais. Secretaria Nacional de Programas Urbanos Programa de Reabilitação de Áreas Urbanas Centrais Secretaria Nacional de Programas Urbanos CONCEITOS Área Urbana Central Bairro ou um conjunto de bairros consolidados com significativo acervo edificado

Leia mais

BANCO DE PROJETOS. A infra-estrutura dos Estados e Municípios necessita ser planejada;

BANCO DE PROJETOS. A infra-estrutura dos Estados e Municípios necessita ser planejada; BANCO DE PROJETOS É O ACERVO DE PROJETOS EXECUTADOS COM ANTERIORIDADE PARA DAR SUPORTE A UM PROGRAMA DE OBRAS, ESPECIALMENTE DE MÉDIO E LONGO PRAZO, COM VISTAS A UM EFICIENTE PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DE

Leia mais

Direito à moradia e áreas de preservação ambiental - o caso da Favela Monte Taó SP

Direito à moradia e áreas de preservação ambiental - o caso da Favela Monte Taó SP Direito à moradia e áreas de preservação ambiental - o caso da Favela Monte Taó SP Maria de Lourdes Pereira Fonseca, Fabiana Cristina Luz, Jean Leonardo Tanajura Correia Resumo Grande parcela da população

Leia mais

Políticas de moradia: entre o direito e a violação de direitos humanos. Demian Garcia Castro

Políticas de moradia: entre o direito e a violação de direitos humanos. Demian Garcia Castro Políticas de moradia: entre o direito e a violação de direitos humanos Demian Garcia Castro Hipótese central: a nova rodada de mercantilização da cidade vem ampliando os processos de segregação socioespacial

Leia mais

Banco Interamericano de Desenvolvimento. Instrução Operacional CAMPANHAS DE CONSCIENTIZAÇÃO

Banco Interamericano de Desenvolvimento. Instrução Operacional CAMPANHAS DE CONSCIENTIZAÇÃO Instrução Operacional CAMPANHAS DE CONSCIENTIZAÇÃO CAMPANHAS DE CONSCIENTIZAÇÃO SUMÁRIO Página INTRODUÇÃO 3 1. ÁREA DE ATUAÇÃO 4 2. DOCUMENTOS A SEREM APRESENTADOS AO BNB 4 3. RECOMENDAÇÕES TÉCNICAS 5

Leia mais

Mostra de Projetos 2011. Programa Águas de Araucária

Mostra de Projetos 2011. Programa Águas de Araucária Mostra de Projetos 2011 Programa Águas de Araucária Mostra Local de: Araucária. Categoria do projeto: I - Projetos em implantação, com resultados parciais. Nome da Instituição/Empresa: Secretaria Municipal

Leia mais

Plano Diretor de Drenagem e Manejo de Águas Pluviais de São Paulo PMAP-SP. Miguel Bucalem Secretário Municipal de Desenvolvimento Urbano

Plano Diretor de Drenagem e Manejo de Águas Pluviais de São Paulo PMAP-SP. Miguel Bucalem Secretário Municipal de Desenvolvimento Urbano Plano Diretor de Drenagem e Manejo de Águas Pluviais de São Paulo PMAP-SP Miguel Bucalem Secretário Municipal de Desenvolvimento Urbano 12 Julho 2012 São Paulo e a Bacia do Alto Tietê Estado de São Paulo

Leia mais

Desafios e oportunidades associadas ao Cadastro Ambiental Rural (CAR) 7ª CONSEGURO setembro 2015

Desafios e oportunidades associadas ao Cadastro Ambiental Rural (CAR) 7ª CONSEGURO setembro 2015 Desafios e oportunidades associadas ao Cadastro Ambiental Rural (CAR) 7ª CONSEGURO setembro 2015 Meta brasileira de redução das emissões até 2020 36,1% a 38,9% das 3.236 MM de tonco2eq de emissões projetadas

Leia mais

Enfrentando um dos desafios da megacidade: Urbanização de Assentamentos Precários e Recuperação Ambiental

Enfrentando um dos desafios da megacidade: Urbanização de Assentamentos Precários e Recuperação Ambiental Enfrentando um dos desafios da megacidade: Urbanização de Assentamentos Precários e Recuperação Ambiental Tássia Regino Secretária de Habitação - Prefeitura de São Bernardo do Campo ROTEIRO 1 Assentamentos

Leia mais

ATIVIDADE DE ANALISE CRITICA DOS EIXOS, PROG

ATIVIDADE DE ANALISE CRITICA DOS EIXOS, PROG ATIVIDADE DE ANALISE CRITICA DOS EIXOS, PROG EIXOS E PROGRAMAS EIXO 1 - Uso sustentável dos recursos naturais Programa de fortalecimento do sistema de gestão ambiental Programa de formação e manutenção

Leia mais

Configuração e tipologias

Configuração e tipologias OsE s p a ç o sp ú b l i c o ses u ai n f l u ê n c i an ame l h o r i ad aq u a l i d a d ed ev i d a O que são Espaços Públicos? P O espaço público é considerado como aquele que, dentro do território

Leia mais

Proposta Responsável/Sugestões Indicador

Proposta Responsável/Sugestões Indicador Coordenador: MEIO AMBIENTE Visão: Que Santa Maria seja um município bom para se viver, propício ao desenvolvimento de empreendimentos sustentáveis e que cumpre as diretrizes das Conferências Mu Elaborar,

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE VOLTA REDONDA SECRETARIA MUNICIPAL DE PLANEJAMENTO DEPARTAMENTO DE ORÇAMENTO E CONTROLE SECRETARIA MUNICIPAL DE OBRAS

PREFEITURA MUNICIPAL DE VOLTA REDONDA SECRETARIA MUNICIPAL DE PLANEJAMENTO DEPARTAMENTO DE ORÇAMENTO E CONTROLE SECRETARIA MUNICIPAL DE OBRAS SECRETARIA MUNICIPAL DE OBRAS PROGRAMA Nº - 034 Recuperação Geológica de Áreas de Risco Contenção de Encostas SUB-FUNÇÃO: 543 RECUPERAÇÃO DE ÁREA DEGRADADAS Identificar áreas de risco; desenvolver projetos

Leia mais

PROGRAMAS: HABITAR BRASIL E HABITAR BRASIL BID PREFEITURA MUNICIPAL DE FLORIANÓPOLIS SECRETARIA MUNICIPAL DA HABITAÇÃO E SANEAMENTO AMBIENTAL

PROGRAMAS: HABITAR BRASIL E HABITAR BRASIL BID PREFEITURA MUNICIPAL DE FLORIANÓPOLIS SECRETARIA MUNICIPAL DA HABITAÇÃO E SANEAMENTO AMBIENTAL Ã ÇÃ ÇÃ Á PROGRAMAS: HABITAR BRASIL E HABITAR BRASIL BID PREFEITURA MUNICIPAL DE FLORIANÓPOLIS SECRETARIA MUNICIPAL DA HABITAÇÃO E SANEAMENTO AMBIENTAL APRESENTAÇÃO O projeto Chico Mendes compreende uma

Leia mais

O programa é uma parceria entre as Secretarias do Verde e do Meio. Assistência e Desenvolvimento Social (SMADS).

O programa é uma parceria entre as Secretarias do Verde e do Meio. Assistência e Desenvolvimento Social (SMADS). O PAVS surge em 2007, da necessidade de se implementar políticas voltadas para a inclusão de questões ambientais no conjunto das ações de Promoção de Saúde e melhoria da qualidade de vida da população,

Leia mais

Produto 04 Relatório 2 - Instrumentos Legais Necessários à Implantação de Parques Lineares

Produto 04 Relatório 2 - Instrumentos Legais Necessários à Implantação de Parques Lineares PROJETO PESQUISA E ANÁLISE DE APLICAÇÃO DE INSTRUMENTOS EM PLANEJAMENTO URBANO AMBIENTAL NO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO Produto 04 Relatório 2 - Instrumentos Legais Necessários à Implantação de Parques Lineares

Leia mais

Definição de Educação Ambiental*:

Definição de Educação Ambiental*: Programa de Educação Ambiental PEA Sabesp Planejamento e Gestão da Educação Ambiental na Sabesp Superintendência de Gestão Ambiental TA Programa de Educação Ambiental PEA Sabesp Definição de Educação Ambiental*:

Leia mais

LICENCIAMENTO AMBIENTAL DE EMPREENDIMENTOS HIDRELÉTRICOS

LICENCIAMENTO AMBIENTAL DE EMPREENDIMENTOS HIDRELÉTRICOS Fórum de Debates da agpch LICENCIAMENTO AMBIENTAL DE EMPREENDIMENTOS HIDRELÉTRICOS RAFAEL VOLQUIND Diretor Técnico 01 de Outubro de 2015 Porto Alegre RS Brasil IMPACTOS AMBIENTAIS DE EMPREENDIMENTOS HIDRELÉTRICOS

Leia mais

Paulo Massato Yoshimoto. Diretor Metropolitano - Sabesp

Paulo Massato Yoshimoto. Diretor Metropolitano - Sabesp Paulo Massato Yoshimoto Diretor Metropolitano - Sabesp O papel da SABESP no ciclo de vida da água Redução do volume produzido. Preservação e despoluição dos mananciais. Água de reúso Controle de Perdas

Leia mais

MESA 4 ALERTA. Mario Thadeu Leme de Barros

MESA 4 ALERTA. Mario Thadeu Leme de Barros MESA 4 MONITORAMENTO E SISTEMA DE ALERTA Mario Thadeu Leme de Barros 1 A QUESTÃO DO CONTROLE DE CHEIAS URBANAS Medidas Estruturais versus Medidas Não Estruturais 2 Medidas não estruturais que se destacam:

Leia mais

INTEGRAÇÃO DOS INSTRUMENTOS DE GESTÃO DE RECURSOS HÍDRICOS COM O PLANO DE BACIA

INTEGRAÇÃO DOS INSTRUMENTOS DE GESTÃO DE RECURSOS HÍDRICOS COM O PLANO DE BACIA INTEGRAÇÃO DOS INSTRUMENTOS DE GESTÃO DE RECURSOS HÍDRICOS COM O PLANO DE BACIA COBRANÇA PELO USO DA ÁGUA Reconhecer a água como bem econômico e dar ao usuário uma indicação de seu real valor Incentivar

Leia mais

TÍTULO: PRINCÍPIOS E GESTÃO DO PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL GUARULHOS: SANEAMENTO AMBIENTAL E QUALIDADE DE VIDA

TÍTULO: PRINCÍPIOS E GESTÃO DO PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL GUARULHOS: SANEAMENTO AMBIENTAL E QUALIDADE DE VIDA TÍTULO: PRINCÍPIOS E GESTÃO DO PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL GUARULHOS: SANEAMENTO AMBIENTAL E QUALIDADE DE VIDA Autora: Erotides Lacerda Choueri Outros autores: Marcos Tsutomu Tamai, Vânia Maria Nunes

Leia mais

COMISSÃO DE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL

COMISSÃO DE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL COMISSÃO DE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL PROJETO DE LEI N o 4.095, DE 2012 Altera a Lei nº 10.257, de 10 de julho 2001, que regulamenta os arts. 182 e 183 da Constituição Federal, estabelece

Leia mais