Cidade de São Paulo. 3ª CLÍNICA INTEGRADA ENTRE USO DO SOLO E TRANSPORTES Rio, out/2011

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Cidade de São Paulo. 3ª CLÍNICA INTEGRADA ENTRE USO DO SOLO E TRANSPORTES Rio, out/2011"

Transcrição

1 Cidade de São Paulo 3ª CLÍNICA INTEGRADA ENTRE USO DO SOLO E TRANSPORTES Rio, out/2011

2 LOCALIZAÇÃO POPULAÇÃO (Censo 2010) RMSP habitantes Município de São Paulo habitantes

3 Estatuto da Cidade Lei Federal nº /2001 : cidades com mais de 20 mil hab devem ter Plano Diretor Revisão do Plano Diretor a cada 10 anos Lei nº / Plano Diretor Estratégico e o Sistema de Planejamento e Gestão do Desenvolvimento Urbano do Município de São Paulo revisão prevista 2006: encontra-se na Câmara Municipal para aprovação Lei / Estabelece normas complementares ao Plano Diretor Estratégico, institui os Planos Regionais Estratégicos das Subprefeituras, dispõe sobre o parcelamento, disciplina e ordena o Uso e Ocupação do Solo do Município de São Paulo LEGISLAÇÃO

4 31 subprefeituras e distritos Planos Regionais por subprefeitura: Aprovados em 2004 Audiências públicas Lei do zoneamento: Definição de zonas de uso e características de ocupação Limites de estoques construtivos por Distrito e por uso (residencial e não residencial) ORGANIZAÇÃO ADMINISTRATIVA

5 Coeficiente de aproveitamento: Área construída Área do terreno Mínimo: serve para indicar terrenos urbanos subutilizados Básico: Valor não oneroso 1 a 2 Máximo : mediante o pagamento de contrapartida 2 a 4 COEFICIENTE DE APROVEITAMENTO

6 OUTORGA ONEROSA C.A. básico OPERAÇÃO URBANA C.A. máximo COEFICIENTE DE APROVEITAMENTO

7 OUTORGA ONEROSA DO DIREITO DE CONSTRUIR: a Prefeitura outorga onerosamente o direito de construir mediante contrapartida financeira do beneficiário (Art. 209 da Lei /2001) Em áreas em restrição de ocupação Até o limite do estoque de cada distrito INSTRUMENTOS URBANÍSTICOS

8 Cálculo da contrapartida valores estabelecidos em lei Ct = Fp + Fs + B Ct = contrapartida financeira relativa a cada m² de área construída adicional Fp = fator de planejamento, entre 0,5 e 1,4 Fs = fator de interesse social, entre 0 e 1,0 B = benefício econômico agregado ao imóvel, B = vt CAb vt = valor do m² do terreno fixado na Planta Genérica de Valores CAb = Coeficiente de Aproveitamento Básico OUTORGA ONEROSA DO DIREITO DE CONSTRUIR

9 Área construída aprovada em São Paulo 2009 uso Total construída Outorga onerosa residencial m² m² Interesse social m² Não residencial m² m² Total m² m² Estoque total de área adicional = m² De set/2002 a dez/2010 consumidos m² (38,22%) 76,90% uso residencial 23,10% não residencial Contrapartida auferida: R$ ,50, sendo: 53,67% uso residencial 46,33% uso não residencial OUTORGA ONEROSA DO DIREITO DE CONSTRUIR

10 Fundo de Desenvolvimento Urbano FUNDURB administra os recursos da outorga onerosa Conselho Gestor: executivo + sociedade aplicação em: execução de programas e projetos habitacionais de interesse social, incluindo a regularização fundiária e a aquisição de imóveis para constituição de reserva fundiária; transporte coletivo público urbano; ordenamento e direcionamento da expansão urbana, incluindo infra-estrutura, drenagem e saneamento; implantação de equipamentos urbanos e comunitários, espaços públicos de lazer e áreas verdes; proteção de outras áreas de interesse histórico, cultural ou paisagístico, incluindo o financiamento de obras em imóveis públicos classificados como ZEPEC; criação de unidades de conservação ou proteção de outras áreas de interesse ambiental. OUTORGA ONEROSA DO DIREITO DE CONSTRUIR

11 Aplicação dos recursos do FUNDURB deliberada em 2010 pelo Grupo Gestor ITEM parques 17,20% melhorias de calçadas e ruas 17,10% obras de drenagem e saneamento 7,71% implantação de equipamentos urbanos: implantação de sinalização viária, substituição de controladores eletromecânicos, adequações geométricas das estações de transferências com reflexo na sinalização de trânsito 11,49% regularização de loteamentos (infraestrutura de assentamentos precários) 31,54% recuperação de patrimônio histórico e cultural 14,95% TOTAL 100,00% OUTORGA ONEROSA DO DIREITO DE CONSTRUIR

12 3 2 1 implantadas 1 CENTRO 2 ÁGUA BRANCA 3 FARIA LIMA 4 ÁGUA ESPRAIADA 4 Ferrovia existente Metrô existente Metrô previsto OPERAÇÕES URBANAS

13 Ferrovia existente Metrô existente Metrô previsto 8 implantadas 1 CENTRO 2 ÁGUA BRANCA 3 FARIA LIMA 4 ÁGUA ESPRAIADA Em estudo 5 VILA SONIA 6 LAPA/BRÁS 7 MOOCA / VILA CARIOCA 8 RIO VERDE/JACU OPERAÇÕES URBANAS

14 ESTUDOS URBANÍSTICOS Aprovação de LEI ESPECÍFICA da O.U. DELIMITAÇÃO DE ÁREA PROGRAMA DE INTERVENÇÕES ESTOQUE MÁXIMO DE ÁREA ADICIONAL E OUTROS BENEFÍCIOS CÁLCULO DA CONTRAPARTIDA GRUPO GESTOR aprovação EIA/RIMA ATENDIMENTO DAS EXIGÊNCIAS OPERAÇÕES URBANAS

15 SÉ REPUBLICA BRÁS Área = 630 ha Objetivos: Revitalização da área central incentivo à recuperação de imóveis históricos adensamento habitacional OPERAÇÃO URBANA CENTRO - Lei /1997

16 RESUMO FINANCEIRO (28/02/2010) ENTRADAS R$ ,394 Outorga onerosa R$ ,23 Receita financeira líquida R$ ,71 SAÍDAS R$ ,55 Obras e serviços: urbanização de espaços públicos R$ ,26 Taxa de administração R$ ,03 Desapropriação - HIS R$ ,93 Despesas bancárias e financeiras R$ ,33 SALDO R$ ,39 Recuperação de imóveis históricos (transferência de potencial construtivo entre particulares = R$ 4 milhões OPERAÇÃO URBANA CENTRO - Lei /1997

17 Área = 540 ha Objetivos: solucionar problemas de drenagem Adensamento em área industrial desativada ocupação da orla ferroviária OPERAÇÃO URBANA ÁGUA BRANCA - Lei /95

18 ESTOQUES DE ÁREA ADICIONAL DE CONSTRUÇÃO B D A C E OPERAÇÃO URBANA ÁGUA BRANCA - Lei /95

19 RESUMO FINANCEIRO (31/08/2011) ENTRADAS R$ ,99 Outorga onerosa R$ ,25 Receita financeira líquida R$ ,74 SAÍDAS R$ ,23 Obras e serviços: ampliação do sistema viário e projetos de drenagem R$ ,27 Taxa de administração R$ Desapropriação - HIS R$ ,58 Despesas bancárias e financeiras R$ ,67 SALDO R$ ,76 OPERAÇÃO URBANA ÁGUA BRANCA - Lei /95

20 Área = 650 ha Objetivos: conformar centralidade de serviços de alto padrão na região sudoeste Lei /2004 e Lei /2004 OPERAÇÃO URBANA CONSORCIADA FARIA LIMA

21 Setor Hélio Pelegrino Setor Olimpíadas Setor Faria Lima Setor Pinheiros OPERAÇÃO URBANA CONSORCIADA FARIA LIMA

22 RESUMO FINANCEIRO (31/08/2011) ENTRADAS R$ ,03 Outorga onerosa R$ ,64 Leilão de CEPAC R$ ,18 CEPAC colocação privada R$ ,42 Outras entradas e receitas financeiras R$ ,79 SAÍDAS R$ ,72 Obras e serviços: obras viárias, reurbanização e terminal de ônibus R$ ,39 Habitação de interesse social R$ ,87 Transporte coletivo - Metrô R$ ,86 Desapropriação R$ ,65 Taxa de administração R$ ,29 Despesas bancárias e financeiras R$ ,66 SALDO R$ ,31 Recursos disponíveis à PMSP R$ ,27 Recursos vinculados - HIS R$ ,12 Recursos vinculados - METRÔ R$ ,92 OPERAÇÃO URBANA CONSORCIADA FARIA LIMA

23 Área = ha Objetivos: implantação de sistema viário estrutural drenagem/urbanização de córrego atendimento para famílias em favelas Lei /2001 e Lei /2010 OPER. URBANA CONSORCIADA ÁGUA ESPRAIADA

24 ESTOQUES DE ÁREA CONSTRUÍDA BERRINI BROOKLIN JABAQUARA PINHEIROS CHUCRI ZAIDAN OPER. URBANA CONSORCIADA ÁGUA ESPRAIADA

25 RESUMO FINANCEIRO (31/08/2011) ENTRADAS R$ ,90 Leilão de CEPAC R$ ,00 CEPAC colocação privada R$ ,86 receitas financeiras R$ ,04 SAÍDAS R$ ,77 Obras e serviços: obras viárias (ponte estaiada) R$ ,26 Habitação de interesse social R$ ,50 Desapropriação R$ ,68 Taxa de administração R$ ,33 Despesas bancárias e financeiras R$ ,00 SALDO R$ ,13 Recursos disponíveis à PMSP R$ ,83 Recursos vinculados - HIS R$ ,49 Recursos vinculados - METRÔ R$ ,81 OPER. URBANA CONSORCIADA ÁGUA ESPRAIADA

26 CONCESSÃO URBANÍSTICA (Art. 239 da Lei nº /2002 ) está sendo aplicada pela primeira vez em São Paulo autoriza delegar a empresas ou consórcio de empresas, mediante licitação, a realização de obras de urbanização de regiões da cidade cuja remuneração serás obtida mediante exploração dos terrenos e edificações destinados a usos privados que resultarem da obra realizada OUTROS INSTRUMENTOS

27 300m AIUs Área de Intervenção Urbana (Art. 221 da Lei nº /2001) Áreas de adensamento (CA máx = 4) para: implantação de rede viária estrutural; implantação de rede estrutural de transporte público coletivo áreas envoltórias do Rodoanel Não foram regulamentadas ESTAÇÃO Faixas adensáveis ao longo do Sistema de Transportes de Alta Capacidade OUTROS INSTRUMENTOS

28 aprovação de EIA/RIMA Estudo de Impacto Ambiental e Relatório de Impacto do Meio Ambiente: empreendimentos ou atividades de impacto ambiental local: projetos de drenagem com retificação e canalização de córregos com extensão igual ou superior a m e área da seção de drenagem igual ou superior a 6 m2; projetos viários com extensão igual ou superior a 1000 m; proposição de operações urbanas; terminais rodoviários interurbanos de cargas ou passageiros, com área de terreno igual ou superior a m2; sistemas de transporte coletivo urbano sobre trilhos ou pneus OUTROS INSTRUMENTOS medidas mitigadoras

29 POLOS GERADORES DE TRÁFEGO lei /2010 São polos geradores: Edifício residenciais com mais de 500 vagas Edifício não residenciais com mais de 280 vagas Equipamentos culturais, de lazer e esportivos com área superior a m² Equipamentos de saúde com área superior a 7.500m² Locais de reunião com capacidade superior a 500 pessoas Medidas mitigadoras até 5% do valor da obra 1% do valor da obra para o Fundo Municipal de Desenvolvimento de Trânsito OUTROS INSTRUMENTOS medidas mitigadoras

30 Consulta pública pela internet A CIDADE QUE QUEREMOS CONSULTA PÚBLICA

31 Contato SPUrbanismo Rua São Bento, CEP: São Paulo SP Marilena Fajersztajn Tel: (11)

LEI DOS INSTRUMENTOS

LEI DOS INSTRUMENTOS LEI DOS INSTRUMENTOS LEI Nº 2.333 DE 06 DE OUTUBRO DE 2006 Dispõe sobre os Instrumentos de Política Urbana no Município de Itápolis. MAJOR AVIADOR MOACYR ZITELLI, Prefeito do Município de Itápolis, Estado

Leia mais

A aplicação da Outorga Onerosa do Direito de Construir em São Paulo

A aplicação da Outorga Onerosa do Direito de Construir em São Paulo A aplicação da Outorga Onerosa do Direito de Construir em São Paulo Nilza Maria Toledo Antenor Porto Velho Setembro / 2009 Sumário 1- A Outorga Onerosa do Direito de Construir e de Alteração de Uso: Conceitos

Leia mais

Título III Do Uso e Ocupação do Solo

Título III Do Uso e Ocupação do Solo Título III Do Uso e Ocupação do Solo RETORNAR Capítulo I Das Macrozonas Seção I Da Macrozona de Estruturação e Qualificação Urbana Art. 26 A Subprefeitura da Mooca encontra-se integralmente contida na

Leia mais

Terceira Clínica de Integração entre Uso de Solo e Transporte, e sua Conexão com a Qualidade do Ar e a Mudança Climática

Terceira Clínica de Integração entre Uso de Solo e Transporte, e sua Conexão com a Qualidade do Ar e a Mudança Climática Terceira Clínica de Integração entre Uso de Solo e Transporte, e sua Conexão com a Qualidade do Ar e a Mudança Climática Outubro 2011 1. Ferramentas de Financiamento e seu Uso a) Que ferramentas para a

Leia mais

Novo Plano Diretor de SP 2014. Novas diretrizes e consequências para o mercado imobiliário

Novo Plano Diretor de SP 2014. Novas diretrizes e consequências para o mercado imobiliário Novo Plano Diretor de SP 2014 Novas diretrizes e consequências para o mercado imobiliário 1 Eixos de Estruturação de Transformação Urbana (4 x) O que é o Eixo? São áreas próximas à infraestrutura de transporte

Leia mais

TRANSFERÊNCIA DO POTENCIAL CONSTRUTIVO

TRANSFERÊNCIA DO POTENCIAL CONSTRUTIVO ESTADO DA PARAÍBA PREFEITURA MUNICIPAL DE JOÃO PESSOA Assessoria Técnica SEPLAM Sobre a Lei nº. 12.145 de 08 de Setembro de 2011, que regulamentou o Instrumento: TRANSFERÊNCIA DO POTENCIAL CONSTRUTIVO

Leia mais

AVALIAÇÃO NOVO PDE. Claudio Bernardes

AVALIAÇÃO NOVO PDE. Claudio Bernardes AVALIAÇÃO NOVO PDE Claudio Bernardes ORDENAÇÃO TERRITORIAL MACROÁREAS MACROZONEAMENTO ZONEAMENTO ZONAS ESPECIAIS EIXOS DE ESTRUTURAÇÃO DA TRANSFORMAÇÃO URBANA MACROZONAS I Macrozona de Proteção e Recuperação

Leia mais

Plano Diretor Estratégico de São Paulo e Reflexos nos Negócios Imobiliários. Rodrigo Bicalho

Plano Diretor Estratégico de São Paulo e Reflexos nos Negócios Imobiliários. Rodrigo Bicalho Plano Diretor Estratégico de São Paulo e Reflexos nos Negócios Imobiliários Rodrigo Bicalho Objetivos do Plano Aproximar local de residência e trabalho Concentrar o adensamento nos eixos de transporte

Leia mais

REVISÃO PARTICIPATIVA DO PLANO DIRETOR ESTRATÉGICO DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO PL 688/13. Lapa. Dezembro de 2013

REVISÃO PARTICIPATIVA DO PLANO DIRETOR ESTRATÉGICO DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO PL 688/13. Lapa. Dezembro de 2013 REVISÃO PARTICIPATIVA DO PLANO DIRETOR ESTRATÉGICO DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO PL 688/13 Lapa Dezembro de 2013 ESTRUTURA DA MINUTA DO PROJETO DE LEI DE REVISÃO DO PDE TÍTULO I DOS PRINCÍPIOS E OBJETIVOS

Leia mais

Incentivar a instalação de usos não residenciais em regiões dormitório com a intenção de diminuir a necessidade de deslocamentos na cidade.

Incentivar a instalação de usos não residenciais em regiões dormitório com a intenção de diminuir a necessidade de deslocamentos na cidade. OUTORGA ONEROSA DO DIREITO DE CONSTRUIR O interessado em construir além da área do seu terreno adquire do Poder Público o direito de construção da área excedente. O preço pago por este direito servirá

Leia mais

MÓDULO IV - Gestão social da valorização imobiliária para a inclusão territorial

MÓDULO IV - Gestão social da valorização imobiliária para a inclusão territorial MÓDULO IV - Gestão social da valorização imobiliária para a inclusão territorial Produção social da valorização imobiliária A valorização imobiliária é definida por: Distribuição de investimentos públicos

Leia mais

O Plano Diretor e a Sustentabilidade Ambiental das Cidades Eng Civil e PHD em Saúde Ambiental Ivan Carlos Maglio

O Plano Diretor e a Sustentabilidade Ambiental das Cidades Eng Civil e PHD em Saúde Ambiental Ivan Carlos Maglio O Plano Diretor e a Sustentabilidade Ambiental das Cidades Eng Civil e PHD em Saúde Ambiental Ivan Carlos Maglio A Sustentabilidade Ambiental: Novo Desafio para o Plano Diretor A posição oficial da Organização

Leia mais

REVISÃO PARTICIPATIVA DO PLANO DIRETOR ESTRATÉGICO DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO PL 688/13. Outubro de 2013

REVISÃO PARTICIPATIVA DO PLANO DIRETOR ESTRATÉGICO DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO PL 688/13. Outubro de 2013 REVISÃO PARTICIPATIVA DO PLANO DIRETOR ESTRATÉGICO DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO PL 688/13 Outubro de 2013 ESTRUTURA DA MINUTA DO PROJETO DE LEI DE REVISÃO DO PDE TÍTULO I DOS PRINCÍPIOS E OBJETIVOS QUE

Leia mais

SP-URBANISMO. Nova Luz Projeto Urbanístico Consolidado

SP-URBANISMO. Nova Luz Projeto Urbanístico Consolidado SP-URBANISMO Nova Luz Projeto Urbanístico Consolidado Setembro 2011 Perímetro da Nova Luz Sala São Paulo Parque da Luz Praça Princesa Isabel Largo do Arouche Igreja de Santa Ifigênia Praça da República

Leia mais

PROGRAMA PARAISÓPOLIS Regularização Fundiária

PROGRAMA PARAISÓPOLIS Regularização Fundiária PROGRAMA PARAISÓPOLIS Regularização Fundiária POLÍTICA HABITACIONAL DA CIDADE DE SÃO PAULO Plano Diretor Estratégico do Município (Lei 13.430/02, art. 79): Moradia digna é aquela que garante ao morador

Leia mais

ZEIS ZONAS ESPECIAIS DE INTERESSE SOCIAL SECOVI-SP VICE- PRESIDÊNCIA DE INCORPORAÇÃO E TERRENOS URBANOS 18-04-2013

ZEIS ZONAS ESPECIAIS DE INTERESSE SOCIAL SECOVI-SP VICE- PRESIDÊNCIA DE INCORPORAÇÃO E TERRENOS URBANOS 18-04-2013 ZEIS ZONAS ESPECIAIS DE INTERESSE SOCIAL SECOVI-SP VICE- PRESIDÊNCIA DE INCORPORAÇÃO E TERRENOS URBANOS 18-04-2013 ZEIS-ZONAS ESPECIAIS DE INTERESSE SOCIAL década de 1980 surgimento de movimentos sociais

Leia mais

Ocupação de áreas contaminadas na cidade de São Paulo: atuação da SVMA nos processos de aprovação de empreendimentos Geólogo Milton Tadeu Motta

Ocupação de áreas contaminadas na cidade de São Paulo: atuação da SVMA nos processos de aprovação de empreendimentos Geólogo Milton Tadeu Motta Ocupação de áreas contaminadas na cidade de São Paulo: atuação da SVMA nos processos de aprovação de empreendimentos Geólogo Milton Tadeu Motta Prefeitura Municipal de São Paulo Secretaria Municipal do

Leia mais

O SISTEMA JURÍDICO BRASILEIRO LAND READJUSTMENT KUKAKU-SEIRI REAJUSTE DE TERRENOS REDESENVOLVIMENTO. Cintia@pgm.curitiba.pr.gov.br

O SISTEMA JURÍDICO BRASILEIRO LAND READJUSTMENT KUKAKU-SEIRI REAJUSTE DE TERRENOS REDESENVOLVIMENTO. Cintia@pgm.curitiba.pr.gov.br O SISTEMA JURÍDICO BRASILEIRO LAND READJUSTMENT KUKAKU-SEIRI REAJUSTE DE TERRENOS REDESENVOLVIMENTO Cintia@pgm.curitiba.pr.gov.br Programa para Programa para LAND READJUSTMENT - REAJUSTE DE TERRENOS Administração

Leia mais

INSTRUMENTO DA OPERAÇÃO URBANA ÁGUA BRANCA

INSTRUMENTO DA OPERAÇÃO URBANA ÁGUA BRANCA INSTRUMENTO DA OPERAÇÃO URBANA ÁGUA BRANCA LOCALIZAÇÃO E CONTEXTO Jundiaí Campinas Rio de Janeiro Sorocaba Guarulhos OUC AB Congonhas CPTM E METRÔ: REDE EXISTENTE E PLANEJADA OUC AB SISTEMA VIÁRIO ESTRUTURAL

Leia mais

DIRETRIZES URBANÍSTICAS EXPANSÃO DO PARANOÁ

DIRETRIZES URBANÍSTICAS EXPANSÃO DO PARANOÁ 1 DIRETRIZES URBANÍSTICAS EXPANSÃO DO PARANOÁ Brasília, 29 de novembro de 2012 DIRETRIZES URBANÍSTICAS Marco Legal 2 Lei nº 6.766/79: Art. 6 - Antes da elaboração do projeto de loteamento, o interessado

Leia mais

AS PRINCIPAIS MUDANÇAS PROPOSTAS PELA PREFEITURA DE SÃO PAULO PARA O NOVO PLANO DIRETOR ESTRATÉGICO DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO

AS PRINCIPAIS MUDANÇAS PROPOSTAS PELA PREFEITURA DE SÃO PAULO PARA O NOVO PLANO DIRETOR ESTRATÉGICO DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO AS PRINCIPAIS MUDANÇAS PROPOSTAS PELA PREFEITURA DE SÃO PAULO PARA O NOVO PLANO DIRETOR ESTRATÉGICO DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO Marcia Heloisa P. S. Buccolo, consultora jurídica de Edgard Leite Advogados

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE CURITIBA. OPERAÇÃO URBANA CONSORCIADA LINHA VERDE - Setembro. 2012 -

PREFEITURA MUNICIPAL DE CURITIBA. OPERAÇÃO URBANA CONSORCIADA LINHA VERDE - Setembro. 2012 - PREFEITURA MUNICIPAL DE CURITIBA OPERAÇÃO URBANA CONSORCIADA LINHA VERDE - Setembro. 2012 - OPERAÇÃO URBANA CONSORCIADA - LINHA VERDE - Lei de criação : Lei Municipal n.º 13.919 de 19 de dezembro de 2011

Leia mais

Programa de Qualidade do Ar e Transporte Sustentável

Programa de Qualidade do Ar e Transporte Sustentável Programa de Qualidade do Ar e Transporte Sustentável Terceira Clínica de Integração entre Uso de Solo e Transporte, e sua Conexão com a Qualidade do Ar e a Mudança Climática Questionário preparatório a)

Leia mais

SETOR CHUCRI ZAIDAN. Plano Urbanístico

SETOR CHUCRI ZAIDAN. Plano Urbanístico SETOR CHUCRI ZAIDAN Plano Urbanístico Operação Urbana Consorciada Água Espraiada Fevereiro 2013 SETOR CHUCRI ZAIDAN Legislação EXIGÊNCIAS DA LICENÇA AMBIENTAL PRÉVIA - LAP nº 17.SVMA.G/2003 - Operação

Leia mais

LEI Nº 13.885, DE 25 DE AGOSTO DE 2004 (Projeto de Lei nº 139/04, do Executivo, aprovado na forma de Substitutivo do Legislativo)

LEI Nº 13.885, DE 25 DE AGOSTO DE 2004 (Projeto de Lei nº 139/04, do Executivo, aprovado na forma de Substitutivo do Legislativo) LEI Nº 13.885, DE 25 DE AGOSTO DE 2004 (Projeto de Lei nº 139/04, do Executivo, aprovado na forma de Substitutivo do Legislativo) Estabelece normas complementares ao Plano Diretor Estratégico, institui

Leia mais

Tabela 1 - Instrumentos elaborados para a área central de São Paulo

Tabela 1 - Instrumentos elaborados para a área central de São Paulo OBSERVATÓRIO DO USO DO SOLO E DA GESTÃO FUNDIÁRIA DO CENTRO DE SÃO PAULO: Avaliação dos instrumentos instituídos ou implementados nos últimos 15 anos na área central de São Paulo Resumo Executivo Parte

Leia mais

COMISSÃO DE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL

COMISSÃO DE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL COMISSÃO DE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL PROJETO DE LEI N o 4.095, DE 2012 Altera a Lei nº 10.257, de 10 de julho 2001, que regulamenta os arts. 182 e 183 da Constituição Federal, estabelece

Leia mais

6º Seminário Estadual Áreas Contaminadas e Saúde:

6º Seminário Estadual Áreas Contaminadas e Saúde: O ESTATUTO DA CIDADE: lei 10.257 de 10/07/2001 Regulamenta os arts. 182 e 183 da Constituição Federal, estabelece diretrizes gerais da política urbana e dá outras providências. Art. 182. A política de

Leia mais

Parte I - Estabelece Normas Complementares ao Plano Diretor Estratégico - PDE;

Parte I - Estabelece Normas Complementares ao Plano Diretor Estratégico - PDE; LEI Nº 13.885, DE 25 DE AGOSTO DE 2004 DATA DE PUBLICAÇÃO: 06/10/2004 Projeto de Lei nº 139/04, do Executivo, aprovado na forma de Substitutivo do Legislativo) A ÍNTEGRA DESTA LEI COM SEUS ANEXOS FORAM

Leia mais

Os Impactos do novo Plano Diretor na Vila Madalena PDE LEI Nº16.050 (31 de Julho de 2014)

Os Impactos do novo Plano Diretor na Vila Madalena PDE LEI Nº16.050 (31 de Julho de 2014) Os Impactos do novo Plano Diretor na Vila Madalena PDE LEI Nº16.050 (31 de Julho de 2014) Ivan Maglio Eng Civil e Dr em Saúde Ambiental Coordenador do PDE 2002, Planos Regionais das Subprefeituras e LUOS

Leia mais

DE SÃO PAULO. 3.1. Plano Diretor Estratégico do Município de São Paulo (2002). 3.1.1. Estruturação e conteúdo.

DE SÃO PAULO. 3.1. Plano Diretor Estratégico do Município de São Paulo (2002). 3.1.1. Estruturação e conteúdo. 80 CAPÍTULO 3 PLANOS DIRETORES ESTRATÉGICOS DE SÃO PAULO 3.1. Plano Diretor Estratégico do Município de São Paulo (2002). 3.1.1. Estruturação e conteúdo. Ao contrário do que normalmente acontece, o Plano

Leia mais

Plano Regional Estratégico da Subprefeitura Penha

Plano Regional Estratégico da Subprefeitura Penha Plano Regional Estratégico da Subprefeitura Penha RETORNAR Sumário Título I Das Políticas Públicas Regionais Capítulo I Dos Objetivos da Política de Desenvolvimento Urbano e Ambiental da Região Título

Leia mais

PUBLICADO DOC 10/01/2012, p. 1 c. todas

PUBLICADO DOC 10/01/2012, p. 1 c. todas PUBLICADO DOC 10/01/2012, p. 1 c. todas LEI Nº 15.525, DE 9 DE JANEIRO DE 2012 (Projeto de Lei nº 470/11, do Executivo, aprovado na forma de Substitutivo do Legislativo) Institui o Projeto Estratégico

Leia mais

O principal instrumento de planejamento urbano do município

O principal instrumento de planejamento urbano do município O que é um PDU O principal instrumento de planejamento urbano do município Conjunto de regras e indicações para: Organizar o crescimento e o desenvolvimento da cidade, no interesse de todos que nela moram;

Leia mais

Curso de Formação para a Elaboração, Monitoramento e Acompanhamento do PLHIS

Curso de Formação para a Elaboração, Monitoramento e Acompanhamento do PLHIS Curso de Formação para a Elaboração, Monitoramento e Acompanhamento do PLHIS Módulo IV Política Habitacional e as políticas urbanas Política Habitacional: o papel dos estados e municípios Regina Fátima

Leia mais

Projeto Porto Maravilha

Projeto Porto Maravilha Projeto Porto Maravilha www.portomaravilhario.com.br LOCALIZAÇÃO PRIVILEGIADA Aeroporto Internacional Tom Jobim 11 km Características da região: Delimitação: Bairros completos (Santo Cristo, Gamboa e Saúde)

Leia mais

Prevenção e mediação de conflitos fundiários urbanos

Prevenção e mediação de conflitos fundiários urbanos Prevenção e mediação de conflitos fundiários urbanos 1 Fatores geradores dos conflitos fundiários urbanos Reintegração de posse de imóveis públicos e privados, em que o processo tenha ocorrido em desconformidade

Leia mais

FLUXO LICENCIAMENTO DE GRANDES EMPREENDIMENTOS À LUZ DAS LEIS 13.885/04 E 16.050/14

FLUXO LICENCIAMENTO DE GRANDES EMPREENDIMENTOS À LUZ DAS LEIS 13.885/04 E 16.050/14 PREFEITURA DA CIDADE DE SÃO PAULO SECRETARIA MUNICIPAL DE LICENCIAMENTO I SEL SECRETARIA EXECUTIVA DOS ÓRGÃOS COLEGIADOS I SEC MANUAL DE EMPREENDIMENTOS DE GRANDE PORTE nr1 nr2 nr3 SÃO PAULO 2014 EMPREENDIMENTOS

Leia mais

4.9 PROJETO DE LEI DO DIREITO DE PREEMPÇÃO

4.9 PROJETO DE LEI DO DIREITO DE PREEMPÇÃO 302 4.9 PROJETO DE LEI DO DIREITO DE PREEMPÇÃO Regulamento o exercício do direito de preempção pelo Poder Público Municipal de acordo com a Lei de Revisão do Plano Diretor, e dá outras providências. A

Leia mais

Plano Regional Estratégico da Subprefeitura São Miguel - MP

Plano Regional Estratégico da Subprefeitura São Miguel - MP Plano Regional Estratégico da Subprefeitura São Miguel - MP RETORNAR Sumário Título I Das Políticas Públicas Regionais. Capítulo I Da Política de Desenvolvimento Urbano e Ambiental da Região. Capítulo

Leia mais

OPERAÇÕES URBANAS CONSORCIADAS Instrumentos de viabilização de projetos urbanos integrados

OPERAÇÕES URBANAS CONSORCIADAS Instrumentos de viabilização de projetos urbanos integrados OPERAÇÕES URBANAS CONSORCIADAS Instrumentos de viabilização de projetos urbanos integrados DEAP/SNAPU/MCIDADES Maio/2015 Contexto brasileiro Necessidade de obras públicas para requalificação e reabilitação

Leia mais

OPERAÇÃO URBANA CONSORCIADA ÁGUA ESPRAIADA 34ª Reunião Ordinária 13/05/2014

OPERAÇÃO URBANA CONSORCIADA ÁGUA ESPRAIADA 34ª Reunião Ordinária 13/05/2014 OPERAÇÃO URBANA CONSORCIADA ÁGUA ESPRAIADA 34ª Reunião Ordinária 13/05/2014 1. Aspectos Financeiros 2. HIS Cadastro das Comunidades 3. Áreas com Imissão na Posse: Contrato de Vigilância 4. Assuntos Gerais

Leia mais

Esta apresentação foi realizada no âmbito do projeto Moradia é Central durante o seminário do projeto em Recife.

Esta apresentação foi realizada no âmbito do projeto Moradia é Central durante o seminário do projeto em Recife. Esta apresentação foi realizada no âmbito do projeto Moradia é Central durante o seminário do projeto em Recife. Data: dia 29 de abril de 2009 Local: sede da ONG Etapas no Recife PROGRAMA REABILITAÇÃO

Leia mais

Taller sobre EL FUTURO DEL FINANCIAMIENTO URBANO + Instituto de Pesquisa e Planejamento Urbano de Curitiba

Taller sobre EL FUTURO DEL FINANCIAMIENTO URBANO + Instituto de Pesquisa e Planejamento Urbano de Curitiba Taller sobre EL FUTURO DEL FINANCIAMIENTO URBANO EN AMÉRICA LATINA LATINA PORTO ALEGRE Curitiba População: SÃO PAULO 1 751 907 hab 1.751.907 hab. Taxa de crescimento pop. 2000-2009: 1,71% 2008-2009: 1,26%

Leia mais

LEI Nº 13.885, DE 25 DE AGOSTO DE 2004

LEI Nº 13.885, DE 25 DE AGOSTO DE 2004 LEI Nº 13.885, DE 25 DE AGOSTO DE 2004 DO 06-10-200 (Projeto de Lei nº 139/04, do Executivo, aprovado na forma de Substitutivo do Legislativo) Estabelece normas complementares ao Plano Diretor Estratégico,

Leia mais

CONSTRUINDO CIDADES E CIDADANIA

CONSTRUINDO CIDADES E CIDADANIA UCLG Congress Parallel Session: CONSTRUINDO CIDADES E CIDADANIA Inês da Silva Magalhães Secretária Nacional de Habitação - Brasil Cidade do México 18 de novembro de 2010 PRINCIPAIS MARCOS INSTITUCIONAIS

Leia mais

Plano Regional Estratégico da Subprefeitura Campo Limpo

Plano Regional Estratégico da Subprefeitura Campo Limpo Plano Regional Estratégico da Subprefeitura Campo Limpo RETORNAR Sumário Título I Das Políticas Públicas Regionais Capítulo I Dos Objetivos e Diretrizes de Desenvolvimento Urbano e Ambiental da Região

Leia mais

ZONAS ESPECIAIS DE INTERESSE SOCIAL ZEIS

ZONAS ESPECIAIS DE INTERESSE SOCIAL ZEIS ZONAS ESPECIAIS DE INTERESSE SOCIAL ZEIS De acordo com o Plano Diretor as ZONAS ESPECIAIS DE INTERESSE SOCIAL ZEIS são porções do território destinadas, prioritariamente, à recuperação urbanística, à regularização

Leia mais

POLÍTICA URBANA E DINAMIZAÇÃO DO COMÉRCIO DE RUA

POLÍTICA URBANA E DINAMIZAÇÃO DO COMÉRCIO DE RUA POLÍTICA URBANA E DINAMIZAÇÃO DO COMÉRCIO DE RUA Seminário GVcev: Polos Varejistas de Rua: Oportunidades para o varejo e a revitalização das cidades Fernando de Mello Franco 11 novembro 2014 DOMINGO, 09

Leia mais

6. VALORIZAÇÃO IMOBILIÁRIA

6. VALORIZAÇÃO IMOBILIÁRIA 6. VALORIZAÇÃO IMOBILIÁRIA 6.1 INTRODUÇÃO E OBJETIVOS Este estudo visa avaliar a valorização imobiliária do solo urbano decorrente da urbanização do promovida pelo poder público municipal e da implantação

Leia mais

O DIREITO À MORADIA E O PROCESSO DE VALORIZAÇÃO DO SOLO. Instrumentos de planejamento e gestão do solo urbano em disputa

O DIREITO À MORADIA E O PROCESSO DE VALORIZAÇÃO DO SOLO. Instrumentos de planejamento e gestão do solo urbano em disputa Promoção: O DIREITO À MORADIA E O PROCESSO DE VALORIZAÇÃO DO SOLO Instrumentos de planejamento e gestão do solo urbano em disputa Rosane Biasotto Coordenadora técnica Planos de Habitação de Interesse Social

Leia mais

LEI COMPLEMENTAR Nº 003, DE 09 DE OUTUBRO DE 2006 TÍTULO I DISPOSIÇÃO PRELIMINAR

LEI COMPLEMENTAR Nº 003, DE 09 DE OUTUBRO DE 2006 TÍTULO I DISPOSIÇÃO PRELIMINAR LEI COMPLEMENTAR Nº 003, DE 09 DE OUTUBRO DE 2006 Promove a revisão do Plano Diretor do Município de Campina Grande. TÍTULO I DISPOSIÇÃO PRELIMINAR Art. 1º Em atendimento ao disposto no art 182, 1º, da

Leia mais

Manual de Licenciamento de Projetos

Manual de Licenciamento de Projetos Manual de Licenciamento de Projetos Conteúdo Apresentação... 3 O que é o licenciamento de projetos?... 4 O que observar antes de fazer o projeto?... 5 Zoneamento... 6 Uso e Ocupação do Solo... 7 Melhoramento

Leia mais

PREFEITURA DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO

PREFEITURA DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR N 25/2009 Modifica o Plano Diretor, autoriza o Poder Executivo a instituir a Operação Urbana Consorciada da Região do Porto do Rio e dá outras providências. Autor : Poder Executivo

Leia mais

Institui o novo Plano Diretor.

Institui o novo Plano Diretor. LEI COMPLEMENTAR N.º 415, DE 29 DE DEZEMBRO DE 2.004 Institui o novo Plano Diretor. O PREFEITO DO MUNICÍPIO DE JUNDIAÍ, Estado de São Paulo, de acordo com o que decretou a Câmara Municipal em Sessão Extraordinária

Leia mais

Revisão do Plano Diretor Estratégico o que muda na legislação urbanística da cidade de São Paulo PL 688/2013

Revisão do Plano Diretor Estratégico o que muda na legislação urbanística da cidade de São Paulo PL 688/2013 Revisão do Plano Diretor Estratégico o que muda na legislação urbanística da cidade de São Paulo PL 688/2013 EDUARDO DELLA MANNA PPU PLANEJAMENTO E PROJETOS URBANOS LTDA sócio-diretor NIIT NÚCLEO DE INFORMAÇÕES

Leia mais

P L A N O S DIRETORES

P L A N O S DIRETORES PLANOS REGIONAIS ESTRATÉGICOS DAS SUBPREFEITURAS LEI Nº 13.885, DE 25 DE AGOSTO DE 2004 Projeto de Lei nº 139/04, do Executivo, aprovado na forma de Substitutivo do Legislativo Estabelece normas complementares

Leia mais

LEI Nº 13.885, DE 25 DE AGOSTO DE 2004 (Projeto de Lei nº 139/04, do Executivo, aprovado na forma de Substitutivo do Legislativo)

LEI Nº 13.885, DE 25 DE AGOSTO DE 2004 (Projeto de Lei nº 139/04, do Executivo, aprovado na forma de Substitutivo do Legislativo) LEI Nº 13.885, DE 25 DE AGOSTO DE 2004 (Projeto de Lei nº 139/04, do Executivo, aprovado na forma de Substitutivo do Legislativo) Estabelece normas complementares ao Plano Diretor Estratégico, institui

Leia mais

OPERAÇÃO URBANA CONSORCIADA FARIA LIMA

OPERAÇÃO URBANA CONSORCIADA FARIA LIMA Prospecto de Registro (o Prospecto ) da OPERAÇÃO URBANA CONSORCIADA FARIA LIMA Emissor Edifício Matarazzo, Viaduto do Chá nº 15, 5º andar Código ISIN nº BRPMSPCPA018 A Prefeitura do Município de São Paulo

Leia mais

Revisão Participativa dos Instrumentos de Planejamento e Gestão da Cidade de São Paulo Volume 1

Revisão Participativa dos Instrumentos de Planejamento e Gestão da Cidade de São Paulo Volume 1 Revisão Participativa dos Instrumentos de Planejamento e Gestão da Cidade de São Paulo Volume 1 Entenda quais são os Instrumentos de Planejamento e Gestão Urbana que serão revistos Revisão Participativa

Leia mais

MODELO DE CARTA-CONSULTA PAC 2 MOBILIDADE MÉDIAS CIDADES IDENTIFICAÇÃO DO PROPONENTE

MODELO DE CARTA-CONSULTA PAC 2 MOBILIDADE MÉDIAS CIDADES IDENTIFICAÇÃO DO PROPONENTE MODELO DE CARTA-CONSULTA PAC 2 MOBILIDADE MÉDIAS CIDADES IDENTIFICAÇÃO DO PROPONENTE Proponente: Município Beneficiado: Estado: Nome Entidade: CNPJ: Endereço da Sede: CEP: Tel/Fax: Representante Legal:

Leia mais

Déficit habitacional é a principal preocupação da política urbana

Déficit habitacional é a principal preocupação da política urbana Página 1 de 5 Busca Déficit habitacional é a principal preocupação da política urbana O Estatuto da Cidade prevê a criação de planos pilotos para o desenvolvimento de cidades e municípios. Para tornar

Leia mais

OBJETIVOS DO EVENTO APRESENTAÇÃO DO PROGRAMA MINHA CASA MINHA VIDA II

OBJETIVOS DO EVENTO APRESENTAÇÃO DO PROGRAMA MINHA CASA MINHA VIDA II OBJETIVOS DO EVENTO APRESENTAÇÃO DO PROGRAMA MINHA CASA MINHA VIDA II NIVELAMENTO DAS INFORMAÇÕES DIRIMIR DÚVIDAS COLHER SUGESTÕES MINHA CASA, MINHA VIDA Ampliação das oportunidades de acesso das famílias

Leia mais

OPERAÇÃO URBANA CONSORCIADA ÁGUAESPRAIADA. Introdução. (Marginal do Rio Pinheiros) e a Rodovia dos Imigrantes.

OPERAÇÃO URBANA CONSORCIADA ÁGUAESPRAIADA. Introdução. (Marginal do Rio Pinheiros) e a Rodovia dos Imigrantes. OPERAÇÃO URBANA CONSORCIADA ÁGUAESPRAIADA Introdução regulamentada A Operação Urbana pelo Decreto Consorciada 44.845, Água de 14 Espraiada de junho de foi 2004. criada pela Lei 13.260 de 28 de dezembro

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE EMPRESA OU CONSÓRCIO DE EMPRESAS PARA A ELABORAÇÃO DE ESTUDOS E PROJETOS PARA A OPERAÇÃO URBANA CONSORCIADA

TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE EMPRESA OU CONSÓRCIO DE EMPRESAS PARA A ELABORAÇÃO DE ESTUDOS E PROJETOS PARA A OPERAÇÃO URBANA CONSORCIADA TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE EMPRESA OU CONSÓRCIO DE EMPRESAS PARA A ELABORAÇÃO DE ESTUDOS E PROJETOS PARA A OPERAÇÃO URBANA CONSORCIADA MOOCA-VILA CARIOCA TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO

Leia mais

REDE DE AVALIAÇÃO E CAPACITAÇÃO PARA A IMPLEMENTAÇÃO DOS PLANOS DIRETORES PARTICIPATIVOS

REDE DE AVALIAÇÃO E CAPACITAÇÃO PARA A IMPLEMENTAÇÃO DOS PLANOS DIRETORES PARTICIPATIVOS Plano Diretor de CURITIBA/PR Estudo de Caso REDE DE AVALIAÇÃO E CAPACITAÇÃO PARA A IMPLEMENTAÇÃO DOS PLANOS DIRETORES PARTICIPATIVOS INDICE PARTE A Informações... 2 1. Informações iniciais... 2 2. Informações

Leia mais

PROPOSTA ORÇAMENTÁRIA 2015 PREFEITURA DE SÃO PAULO

PROPOSTA ORÇAMENTÁRIA 2015 PREFEITURA DE SÃO PAULO PROPOSTA ORÇAMENTÁRIA 2015 PREFEITURA DE SÃO PAULO Projeto de Lei 467/2014 SUMÁRIO I. Resumo das Receitas e Despesas por Categoria Econômica... 3 II. III. IV. Investimentos em Obras e Instalações (Administração

Leia mais

PORTO MARAVILHA. Permanências e Mudanças

PORTO MARAVILHA. Permanências e Mudanças PORTO MARAVILHA Permanências e Mudanças MOMENTO ESPECIAL CV Rio + 20 Copa das Confederações 450 Anos da Cidade & Copa América Jogos Olímpicos de 2016 2011 2012 2013 2014 2015 2016 LOCALIZAÇÃO PRIVILEGIADA

Leia mais

Plano Diretor de Desenvolvimento Urbano de Salvador

Plano Diretor de Desenvolvimento Urbano de Salvador Plano Diretor de Desenvolvimento Urbano de Salvador O Plano Diretor é uma lei aprovada na Câmara de Vereadores de cada município, com a participação ativa da comunidade. Mas do que isto, o Plano Diretor

Leia mais

Revisão Participativa dos Instrumentos de Planejamento. Reunião com Entidades da Subprefeitura de Pinheiros

Revisão Participativa dos Instrumentos de Planejamento. Reunião com Entidades da Subprefeitura de Pinheiros Revisão Participativa dos Instrumentos de Planejamento Urbano da Cidade de São Paulo Reunião com Entidades da Subprefeitura de Pinheiros 1 Revisão Participativa dos Instrumentos de Planejamento Urbano

Leia mais

COPA DO MUNDO DA FIFA BRASIL 2014 Cidade-sede Natal RN

COPA DO MUNDO DA FIFA BRASIL 2014 Cidade-sede Natal RN GT - INFRAESTRUTURA GT - INFRAESTRUTURA Grupo de Trabalho INFRAESTRUTURA Responsável pela proposição de projetos e operações de infraestrutura, além do acompanhamento na execução destes, necessários à

Leia mais

www.plano500.salvador.ba.gov.br

www.plano500.salvador.ba.gov.br www.plano500.salvador.ba.gov.br 14ª Audiência Pública do Plano Salvador 500, PDDU e LOUOS Centro de Cultura da Câmara Municipal de Salvador 26 de Outubro de 2015, das 9h às 15h Abertura da Audiência Pública

Leia mais

A CIDADE DE SÃO PAULO NO CONTEXTO DO PLANEJAMENTO E DO ESTATUTO DA CIDADE

A CIDADE DE SÃO PAULO NO CONTEXTO DO PLANEJAMENTO E DO ESTATUTO DA CIDADE A CIDADE DE SÃO PAULO NO CONTEXTO DO PLANEJAMENTO E DO ESTATUTO DA CIDADE Seminário Planejamento, Desenvolvimento Urbano e Sustentabilidade Escola de Formação do Servidor Público Municipal São Paulo -

Leia mais

LEI MUNICIPAL Nº2.557 0/08

LEI MUNICIPAL Nº2.557 0/08 LEI MUNICIPAL Nº2.557 0/08 INSTITUI A POLÍTICA MUNICIPAL DE HABITAÇÃO DE INTERESSE SOCIAL, E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. A Câmara Municipal de Caeté, Minas Gerais, aprova: Art. 1º - Fica instituída a Política

Leia mais

Modelo De Desenvolvimento Policêntrico Orientado Pelo Transporte. Bruno de Lima Borges 1 ; Marcelo Fonseca Ignatios 2

Modelo De Desenvolvimento Policêntrico Orientado Pelo Transporte. Bruno de Lima Borges 1 ; Marcelo Fonseca Ignatios 2 Modelo De Desenvolvimento Policêntrico Orientado Pelo Transporte. Bruno de Lima Borges 1 ; Marcelo Fonseca Ignatios 2 1;2 SPUrbanismo, Diretoria de Desenvolvimento, Superintendência de Estruturação de

Leia mais

BREVES NOTAS SOBRE O PLANEJAMENTO FÍSICO-TERRITORIAL. Prof. Leandro Cardoso Trabalho Integralizador Multidisciplinar 1 (TIM-1) Engenharia Civil

BREVES NOTAS SOBRE O PLANEJAMENTO FÍSICO-TERRITORIAL. Prof. Leandro Cardoso Trabalho Integralizador Multidisciplinar 1 (TIM-1) Engenharia Civil BREVES NOTAS SOBRE O PLANEJAMENTO FÍSICO-TERRITORIAL Prof. Leandro Cardoso Trabalho Integralizador Multidisciplinar 1 (TIM-1) Engenharia Civil PLANEJAMENTO URBANO O planejamento urbano é o processo de

Leia mais

Considerando ainda que toda e qualquer revisão de Plano deve acontecer a partir de uma avaliação de sua aplicação, procurando responder às questões:

Considerando ainda que toda e qualquer revisão de Plano deve acontecer a partir de uma avaliação de sua aplicação, procurando responder às questões: EM DEFESA DE UMA CIDADE DEMOCRÁTICA, PACÍFICA, INCLUDENTE E SUSTENTÁVEL - CONTRA O APROFUNDAMENTO DA BARBÁRIE SOCIAL EM SÃO PAULO - CONTRA O ATUAL PROCESSO DE REVISÃO DO PLANO DIRETOR Publicado em: 11/06/2007

Leia mais

ÍNDICE. Capítulo I...5. Do Sub-Sistema Viário Estrutural...5. Capítulo II...5. Do Sub-Sistema de Apoio...5 DISPOSIÇÕES FINAIS...6

ÍNDICE. Capítulo I...5. Do Sub-Sistema Viário Estrutural...5. Capítulo II...5. Do Sub-Sistema de Apoio...5 DISPOSIÇÕES FINAIS...6 ÍNDICE Capítulo I...5 Do Sub-Sistema Viário Estrutural...5 Capítulo II...5 Do Sub-Sistema de Apoio...5 DISPOSIÇÕES FINAIS...6 1 PREFEITURA MUNICIPAL DE CRATEÚS PLANO DIRETOR DE DESENVOLVIMENTO URBANO PDDU

Leia mais

REPARTIÇÃO DE COMPETÊNCIAS E NORMAS GERAIS DE DIREITO URBANÍSTICO

REPARTIÇÃO DE COMPETÊNCIAS E NORMAS GERAIS DE DIREITO URBANÍSTICO REPARTIÇÃO DE COMPETÊNCIAS E NORMAS GERAIS DE DIREITO URBANÍSTICO O Desenvolvimento Urbano e a Constituição Federal AS COMPETÊNCIAS DA UNIÃO Art. 21. Compete à União: XX - instituir diretrizes para o desenvolvimento

Leia mais

O Processo de Adensamento de Corredores de Transporte. Instituto de Pesquisa e Planejamento Urbano de Curitiba

O Processo de Adensamento de Corredores de Transporte. Instituto de Pesquisa e Planejamento Urbano de Curitiba O Processo de Adensamento de Corredores de Transporte Instituto de Pesquisa e Planejamento Urbano de Curitiba Curitiba SÃO PAULO População: 1.828.092 hab. Taxa de crescimento pop. 2000-2009: 1,71% 2008-2009:

Leia mais

Fazendo a cidade com as próprias mãos Entenda a revisão da Lei de Zoneamento

Fazendo a cidade com as próprias mãos Entenda a revisão da Lei de Zoneamento Fazendo a cidade com as próprias mãos ato do Vere nd Subprefeitura O PO LI or ad Ma Entenda a revisão da Lei de Zoneamento CE NE São Miguel Distritos Vila Jacuí, São Miguel Paulista e Jardim Helena T A

Leia mais

Esta apresentação foi realizada no âmbito do projeto Moradia é Central durante o seminário do projeto em Recife.

Esta apresentação foi realizada no âmbito do projeto Moradia é Central durante o seminário do projeto em Recife. Esta apresentação foi realizada no âmbito do projeto Moradia é Central durante o seminário do projeto em Recife. Data: dia 29 de abril de 2009 Local: sede da ONG Etapas no Recife . PROJETO MORADIA É CENTRAL

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI Nº 11.124, DE 16 DE JUNHO DE 2005. Mensagem de veto Dispõe sobre o Sistema Nacional de Habitação de Interesse Social SNHIS, cria

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO FACULDADE DE ENGENHARIA Centro de Estudos - CEFEN

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO FACULDADE DE ENGENHARIA Centro de Estudos - CEFEN Parecer Final Quando da elaboração do Plano Estratégico, em 1995, a Cidade do Rio de Janeiro estava em um processo de deterioração crescente, gerado pelo empobrecimento de sua população, pela ocupação

Leia mais

Oportunidades criadas pelo Plano Diretor Estratégico

Oportunidades criadas pelo Plano Diretor Estratégico A CRIAÇÃO DE TERRITÓRIOS DE OPORTUNIDADE JUNTO AO SISTEMA METRO-FERROVIÁRIO: EM PROL DE UMA PARCERIA MAIS EFETIVA NOS PROCESSOS DE TRANSFORMAÇÃO URBANA NO ENTORNO DAS ESTAÇÕES. ABSTRACT Ao longo dos trinta

Leia mais

OBJETIVOS DO EVENTO APRESENTAÇÃO DO PROGRAMA MINHA CASA MINHA VIDA II NIVELAMENTO DAS INFORMAÇÕES DIRIMIR DÚVIDAS COLHER SUGESTÕES

OBJETIVOS DO EVENTO APRESENTAÇÃO DO PROGRAMA MINHA CASA MINHA VIDA II NIVELAMENTO DAS INFORMAÇÕES DIRIMIR DÚVIDAS COLHER SUGESTÕES OBJETIVOS DO EVENTO APRESENTAÇÃO DO PROGRAMA MINHA CASA MINHA VIDA II NIVELAMENTO DAS INFORMAÇÕES DIRIMIR DÚVIDAS COLHER SUGESTÕES MINHA CASA, MINHA VIDA Ampliação das oportunidades de acesso das famílias

Leia mais

Gilberto Kassab PREFEITO DE SÃO PAULO SECRETARIA MUNICIPAL DE DESENVOLVIMENTO URBANO. Miguel Luiz Bucalem SECRETÁRIO

Gilberto Kassab PREFEITO DE SÃO PAULO SECRETARIA MUNICIPAL DE DESENVOLVIMENTO URBANO. Miguel Luiz Bucalem SECRETÁRIO Gilberto Kassab PREFEITO DE SÃO PAULO SECRETARIA MUNICIPAL DE DESENVOLVIMENTO URBANO A Secretaria Municipal de Desenvolvimento Urbano (SMDU), órgão da administração do município de São Paulo, é responsável

Leia mais

Operações Urbanas e o Desenvolvimento da Zona Leste. Miguel Luiz Bucalem Secretário Municipal de Desenvolvimento Urbano

Operações Urbanas e o Desenvolvimento da Zona Leste. Miguel Luiz Bucalem Secretário Municipal de Desenvolvimento Urbano Operações Urbanas e o Desenvolvimento da Zona Leste Miguel Luiz Bucalem Secretário Municipal de Desenvolvimento Urbano Agosto / 2011 Desenvolvimento Urbano Sustentável - Desafios Desenvolvimento da Zona

Leia mais

Revisão Participativa. dos Instrumentos de Planejamento e Gestão da Cidade de São Paulo

Revisão Participativa. dos Instrumentos de Planejamento e Gestão da Cidade de São Paulo Revisão Participativa dos Instrumentos de Planejamento e Gestão da Cidade de São Paulo Volume II Revisão Participativa do Plano Diretor Estratégico (PDE) 1. A importância do PDE (Plano Diretor Estratégico)

Leia mais

Recursos e Fontes de Financiamento

Recursos e Fontes de Financiamento Recursos e Fontes de Financiamento Recursos e Fontes de Financiamento A disponibilidade de recursos financeiros para a implementação do Plano Local de HIS é fundamental para a concretização dos objetivos

Leia mais

SOLUÇÕES CAIXA EM HABITAÇÃO DE INTERESSE SOCIAL. Residencial Jacinta Andrade Teresina - PI

SOLUÇÕES CAIXA EM HABITAÇÃO DE INTERESSE SOCIAL. Residencial Jacinta Andrade Teresina - PI SOLUÇÕES CAIXA EM HABITAÇÃO DE INTERESSE SOCIAL Residencial Jacinta Andrade Teresina - PI SOLUÇÕES EM HABITAÇÃO DE INTERESSE SOCIAL A CAIXA tem um importante papel de contribuir na redução do déficit habitacional

Leia mais

COPA DO MUNDO FIFA 2014 Belo Horizonte Brasil. Ações do Governo de Minas Gerais

COPA DO MUNDO FIFA 2014 Belo Horizonte Brasil. Ações do Governo de Minas Gerais COPA DO MUNDO FIFA 2014 Belo Horizonte Brasil Ações do Governo de Minas Gerais 27 de Outubro de 2009 Roteiro Estratégia de Execução Modernização do Mineirão Reforma dos Estádios Alternativos Mobilidade

Leia mais

MINISTÉRIO DAS CIDADES Secretaria Nacional de Habitação. CAIXA ECONÔMICA FEDERAL Representação de Apoio ao Desenvolvimento Urbano

MINISTÉRIO DAS CIDADES Secretaria Nacional de Habitação. CAIXA ECONÔMICA FEDERAL Representação de Apoio ao Desenvolvimento Urbano MINISTÉRIO DAS CIDADES Secretaria Nacional de Habitação CAIXA ECONÔMICA FEDERAL Representação de Apoio ao Desenvolvimento Urbano SNHIS / FNHIS - Lei nº 11.124/05 REQUISITOS PARA ADESÃO DOS MUNICÍPIOS AO

Leia mais

RESUMO DAS INTERVENÇÕES APONTADAS COMO LEGADO DAS OLIMPÍADAS PARA A CIDADE

RESUMO DAS INTERVENÇÕES APONTADAS COMO LEGADO DAS OLIMPÍADAS PARA A CIDADE OLIMPÍADAS 2016 RESUMO DAS INTERVENÇÕES APONTADAS COMO LEGADO DAS OLIMPÍADAS PARA A CIDADE 1 Principais intervenções previstas para as Olimpíadas: A Infraestrutura urbana Porto Maravilha Projeto de revitalização

Leia mais

Gestão social da valorização fundiária urbana

Gestão social da valorização fundiária urbana Gestão social da valorização fundiária urbana Audiência Pública PL n 5.015/2013 Ministério das Cidades Brasília, 20 de novembro de 2013 O que é a gestão social da valorização fundiária urbana? Ações e

Leia mais

MARÇO DE 2010 JORGE WILHEIM PLANOS URBANÍSTICOS

MARÇO DE 2010 JORGE WILHEIM PLANOS URBANÍSTICOS MARÇO DE 2010 QUADRO HABITACIONAL DAS METRÓ- POLES PAULISTAS São Paulo. Cliente: Emplasa - Empresa Paulista de Planejamento Metropolitano SA 2009 Consultoria compreendendo a compartimentação espacial georeferenciada

Leia mais

Superintendência de Habitação Popular Divisão Técnica de Atendimento Habitacional Habi - Centro

Superintendência de Habitação Popular Divisão Técnica de Atendimento Habitacional Habi - Centro Superintendência de Habitação Popular Divisão Técnica de Atendimento Habitacional Habi - Centro DIAGNÓSTICO Habi-Centro Região central www.habisp.inf.br Assentamentos precários na região Centro tipo de

Leia mais

Produto 04 Relatório 2 - Instrumentos Legais Necessários à Implantação de Parques Lineares

Produto 04 Relatório 2 - Instrumentos Legais Necessários à Implantação de Parques Lineares PROJETO PESQUISA E ANÁLISE DE APLICAÇÃO DE INSTRUMENTOS EM PLANEJAMENTO URBANO AMBIENTAL NO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO Produto 04 Relatório 2 - Instrumentos Legais Necessários à Implantação de Parques Lineares

Leia mais

Com tantas discussões sobre as

Com tantas discussões sobre as Mercado A LEGISLAÇÃO DO DESENVOLVIMENTO MUNICIPAL Plano Diretor e alguns de seus instrumentos reguladores: Zoneamento e Operações Urbanas Consorciadas Com tantas discussões sobre as Operações Urbanas e

Leia mais