Usina Hidrelétrica Belo Monte APRESENTAÇÃO GERAL DO EMPREENDIMENTO

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Usina Hidrelétrica Belo Monte APRESENTAÇÃO GERAL DO EMPREENDIMENTO"

Transcrição

1 Usina Hidrelétrica Belo Monte APRESENTAÇÃO GERAL DO EMPREENDIMENTO

2 BREVE HISTÓRICO Estudo de Inventário do rio Xingu: realizados na década de 1970 com relatório técnico emitido no final de 1979 Estudos de Viabilidade Primeira Fase: realizados na década de 1980 e relatório técnico emitido no final de 1988 Estudos de Viabilidade Segunda Fase : realizados entre 2000 e 2002 (o eixo da barragem principal foi deslocado cerca de 70 km para montante) e relatório final emitido em Fevereiro de 2002 Estudo de Impacto Ambiental: relatório submetido ao IBAMA em Fevereiro de Licença Prévia emitida em Fevereiro de 2010 Leilão de Concessão da ANEEL em Abril de 2010: NORTE ENERGIA S/A vencedora do Leilão Contrato entre Norte Energia e Consórcio Construtor firmado em 18/02/2011 Licença de Instalação emitida pelo IBAMA em 01/06/2011

3 NORTE ENERGIA S.A. ELETROBRAS, ELETRONORTE, CHESF PETROS, FUNCEF, CEVIX NEOENERGIA, CEMIG/LIGHT VALE, SINOBRAS, J. MALUCELLI CONSÓRCIO CONSTRUTOR BELO MONTE - CCBM ANDRADE GUTIERREZ CAMARGO CORREA, NORBERTO ODEBRECHT QUEIROZ GALVÃO, OAS GALVÃO, CONTERN SERVENG CETENCO, J. MALUCELLI

4 EQUIPAMENTOS ELETROMECÂNICOS - FORNECIMENTOS CONSÓRCIO ELM: ALSTOM, VOITH, ANDRITZ IMPSA CONSÓRCIO PROJETISTA DAS OBRAS CIVIS INTERTECHNE ENGEVIX PCE

5

6 UHE Babaquara UHE Kararaô Barragem Juruá

7 PROJETO BÁSICO CONSOLIDADO Arranjo Geral

8 CARACTERÍSTICAS PRINCIPAIS DO PROJETO Área de Drenagem km² Vazões Vazão Máxima Registrada m³/s (1980) TR anos m³/s Cheia Máxima Provável m³/s Trecho de Vazão Reduzida Hidrogramas A e B Hidrograma Jan Fev Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Out Nov Dez A B

9 HIDROLOGIA Vazões Médias Mensais Valores Médios

10 GEOLOGIA Bacia Sedimentar Embasamento Cristalino

11 ESTUDO DE VIABILIDADE Sítio Belo Monte Reservatório Intermediário Sítio Bela Vista Canais de Derivação Sítio Pimental

12 BARRAGEM DO SANTO ANTÔNIO Viabilidade Projeto Básico Consolidado

13 UHE BELO MONTE SÍTIO PIMENTAL

14 DADOS BÁSICOS Sítio Pimental Área do Reservatório 359 km² Nível de Água Máximo Normal El. 97,0 Nível de Água Máximo Maximorum El. 97,5 Queda de Referência Potência Instalada 11,4 m 233,1 MW Número de Unidades 6 Turbina Bulbo

15 SÍTIO PIMENTAL Arranjo Geral

16 SÍTIO PIMENTAL BARRAGEM LATERAL ESQUERDA NA Máx Normal 97,0 NA Máx Máx 97,50 93,5 100,0 96,0 94,5 Fluxo

17 SÍTIO PIMENTAL BARRAGEM DO CANAL DIREITO Fluxo NA Máx Máx 97,50 NA Máx Normal 97,0 87,0 98,0 100,0 94,0 86,0

18 SÍTIO PIMENTAL Vertedouro

19 SÍTIO PIMENTAL Vertedouro - Seção 100,0 98,0 NA Máx Máx 97,50 NA Máx Normal 97,0 76,0 75,5 NA Máx Máx 95,44 NA Máx Normal 83,64 NA Mín Normal 81,93 68,0 67,0

20 SÍTIO PIMENTAL Tomada D Água / Casa de Força / Área de Montagem

21 SÍTIO PIMENTAL Casa de Força - Seção 100,0 NA Máx Máx 97,50 NA Máx Normal 97,0 NA Máx Máx 95,44 NA Máx Normal 83,59 NA Mín Normal 81,83 64,34 65,84 68,09

22 SÍTIO PIMENTAL Casa de Força - Seção

23 SIST. AUXILIAR POR TERRA TRANSPOSIÇÃO PEQUENAS EMBARCAÇÕES SÍTIO PIMENTAL Seqüência Construtiva 1º Ano Ilha do Meio Ilha da Serra ENSECADEIRA 1º FASE (MONTANTE) El. 95,0 TR 100 anos EIXO BARRAGEM LATERAL ESQUERDA Ilha do Forno ENSECADEIRA 1º FASE (JUSANTE) El.93,8 TR 100 anos Ilha do Reinaldo ACESSO El. 94,50 TR 50 anos Ilha Pimental CANTEIRO

24 SÍTIO PIMENTAL Seqüência Construtiva 2º Ano SIST. AUXILIAR POR TERRA TRANSPOSIÇÃO PEQUENAS EMBARCAÇÕES Ilha do Meio Ilha da Serra ENSECADEIRA 1º FASE (MONTANTE) BARRAGEM LATERAL ESQUERDA Ilha do Forno ENSECADEIRA 1º FASE (JUSANTE) Ilha do Reinaldo ACESSO Ilha Pimental CANTEIRO

25 SIST. AUXILIAR POR TERRA TRANSPOSIÇÃO PEQUENAS EMBARCAÇÕES Ilha do Meio SIST. DEFINITIVO TRANSPOSIÇÃO EMBARCAÇÕES SÍTIO PIMENTAL Seqüência Construtiva 3º Ano ENSECADEIRA DE 2º FASE (JUSANTE) El. 93,3 TR 100 anos Ilha da Serra ENSECADEIRA DE 2º FASE (MONTANTE) ENSECADEIRA DE 2º FASE El. 97,6 TR 100 anos BARRAGEM LATERAL ESQUERDA Ilha do Forno Ilha do Reinaldo ACESSO Ilha Pimental CANTEIRO

26 UHE BELO MONTE CANAL DE DERIVAÇÃO

27 DADOS BÁSICOS Canal de Derivação Comprimento Total 20.2 km Vazão de Dimensionamento m³/s

28 CANAL DE DERIVAÇÃO

29 VIABILIDADE ALTERNATIVA 1 ALTERNATIVA 2 ALTERNATIVA 3

30 ALTERNATIVA 4e ALTERNATIVA 4f ALTERNATIVA 5 ALTERNATIVA 6

31 REVESTIMENTO DOS CANAIS Alternativas Analisadas: Fundo do canal com concreto e taludes laterais com enrocamento Fundo do canal e taludes laterais com enrocamento Fundo do canal e taludes laterais com concreto

32 COMPARAÇÃO ENTRE VIABILIDADE E PROJETO BÁSICO Item Estudos de Viabilidade Perda de Carga (m) Projeto Básico Consolidado Rendimento Turbina - Gerador 91,80% 93,35% Perda de Carga Total 2,73 4,30 Canais de Derivação 1,71 1,00 Reservatório Intermediário 0,97 2,68 Circuito de Geração 1,00 1,12 1,73 Canal de Fuga 0,73 0,40 1,52 Contingência 0,00 0,10

33 CANAL DE DERIVAÇÃO PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS Comprimento Total 20.2 km Cota do Fundo El. 75,0 Largura do Fundo com CCR 200,0 m Escavação Comum m 3 Esc. Em Rocha a Céu Aberto m 3 Concreto Fundo m 3 Revestimento Lateral m 3 Aterro de Conformação m 3

34 CANAL DE DERIVAÇÃO - Seções 100,0 A SEÇÃO 1 ENTRADA DO CANAL 87,0 545,0 14,70 A SEÇÃO 2 TRECHO EM CONCRETO 100,0 84,0 93,0 14,70 75,0 14,70 200,0

35 CANAL DE DERIVAÇÃO - Seções SEÇÃO 3 TRECHO EM CONCRETO 100,0 A 75,0 84,0 93,0 14,70 200,0 A SEÇÃO 4 TRECHO EM ENROCAMENTO 14,70 75,0 280,0

36 UHE BELO MONTE MANEJO DOS IGARAPÉS

37 MANEJO DOS IGARAPÉS

38 MANEJO DOS IGARAPÉS Sistema Galhoso

39 MANEJO DO IGARAPÉS Sistema Xingu e Di Maria

40 CANAL DE DERIVAÇÃO Seqüência Construtiva 2º Ano

41 CANAL DE DERIVAÇÃO Seqüência Construtiva 3º Ano

42 CANAL DE DERIVAÇÃO Seqüência Construtiva 3º Ano

43 UHE BELO MONTE RESERVATÓRIO INTERMEDIÁRIO

44 DADOS BÁSICOS Reservatório Intermediário Área do Reservatório 116 km² Canais de Transposição 7 Comprimento Canais de Transposição 8.1 km Diques 27 Comprimento Total Altura Máxima 16.3 km 62 m (DiqueC) Comprimento Máximo 2.1 km (Dique 13) Volume Máximo m³ (Dique 13)

45 RESERVATÓRIO INTERMEDIÁRIO

46 DIQUES Dique 14 C

47 DIQUES Dique 14 C - Seção NA Máx Máx 97,50 NA Máx Normal 97,00 92,50 5,00 100,00 90,0 80,0 48, ,00 (TIP) 2,0 1

48 UHE BELO MONTE SÍTIO BELO MONTE

49 DADOS BÁSICOS Sítio Belo Monte Nível de Água Máximo Normal El. 97,0 Nível de Água Mínimo Normal El. 94,22 Número de Unidades 18 Turbina Francis Potência Instalada MW Garantia Física 4.418,9 MW Queda de Referência 87 m Vazão Unitária Nominal 775 m³/s Diâmetro do Conduto Forçado 11,6 m

50 SÍTIO BELO MONTE Barragens de Fechamento

51 SÍTIO BELO MONTE Barragem da Vertente do Santo Antônio

52 SÍTIO BELO MONTE Barragem da Vertente do Santo Antônio 5,00 100,00 NA Máx Máx 97,50 NA Máx Normal 97,0 NA Min Oper. 94, ,00 40,00 Terreno Natural 80,00 15, ,00 82,50 NA Máx Máx 97,50 NA Máx Normal 97,0 NA Min Oper. 94,22 92,50 5,0 100,00 90, ,00 55, ,00 60,00 50,00 4,0 38,00 40,00

53 SÍTIO BELO MONTE Circuito de Geração

54 SÍTIO BELO MONTE Seção Longitudinal na Linha de Centro das Unidades

55 SÍTIO BELO MONTE Seção Transversal na Linha de Centro da Unidade

56 SÍTIO BELO MONTE Casa de Força

57 SÍTIO BELO MONTE Casa de Força

58 BARRAGEM DE FECHAMENTO ESQUERDA ENSECADEIRA DE 1ª FASE SÍTIO BELO MONTE Seqüência Construtiva 2ª Fase TOMADA D ÁGUA BARRAGEM DE FECHAMENTO DIREITA CANAL DE FUGA CASA DE FORÇA ENSECADEIRA DE 2ª FASE

59 BARRAGEM DE FECHAMENTO ESQUERDA SÍTIO BELO MONTE Seqüência Construtiva 3ª Fase ÁREA DE MONTAGEM PONTE TRANSAMAZÔNICA TOMADA D ÁGUA CANAL DE FUGA CANAL DE ADUÇÃO SEPTO DE ROCHA BARRAGEM DE FECHAMENTO DIREITA CASA DE FORÇA ENSECADEIRA DE 2ª FASE

60 BARRAGEM DE FECHAMENTO ESQUERDA SÍTIO BELO MONTE Seqüência Construtiva 4ª Fase PONTE TRANSAMAZÔNICA TOMADA D ÁGUA CANAL DE FUGA CANAL DE ADUÇÃO SEPTO DE ROCHA BARRAGEM DE FECHAMENTO DIREITA CASA DE FORÇA ENSECADEIRA DE PROTEÇÃO DA CASA DE FORÇA ENSECADEIRA DE 2ª FASE

61 BARRAGEM DE FECHAMENTO ESQUERDA SÍTIO BELO MONTE Seqüência Construtiva 5ª Fase PONTE TRANSAMAZÔNICA CANAL DE FUGA TOMADA D ÁGUA CANAL DE ADUÇÃO SEPTO DE ROCHA BARRAGEM DE FECHAMENTO DIREITA CASA DE FORÇA ENSECADEIRA DE PROTEÇÃO DA CASA DE FORÇA ENSECADEIRA DE 2ª FASE

62 Sítio Pimental Vista Geral do Acampamento Definitivo

63 Sítio Belo Monte Vista Geral do Acampamento Definitivo

64 Sítio Belo Monte Central de Concreto e Britagem

65 Sítio Pimental Trecho de Acesso às Ilhas

66 Sítio Canal de Derivação Desmatamento do Canal

67 Sítio Canal de Derivação Escavação Comum

68 Sítio Canal de Derivação Escavação em Rocha

69 Sítio Belo Monte Ensecadeira de 1ª Fase do Canal de Fuga - Vista Aérea

70 Sítio Belo Monte Circuito de Geração Escavação em Rocha

USINA HIDRELÉTRICA BELO MONTE EMPRESA: CONSÓRCIO NORTE ENERGIA POTÊNCIA INSTALADA: 11.233,1 MW ETAPA: PROJETO BÁSICO DATA: 18/08/10

USINA HIDRELÉTRICA BELO MONTE EMPRESA: CONSÓRCIO NORTE ENERGIA POTÊNCIA INSTALADA: 11.233,1 MW ETAPA: PROJETO BÁSICO DATA: 18/08/10 USINA HIDRELÉTRICA BELO MONTE EMPRESA: CONSÓRCIO NORTE ENERGIA POTÊNCIA INSTALADA: 11.233,1 MW ETA: PROJETO BÁSICO DATA: 18/08/10 CONTATO: TEL.: 1. LOCALIZAÇÃO RIO: XINGU SUB-BACIA: RIO XINGU RIO XINGU

Leia mais

AHE SIMPLÍCIO QUEDA ÚNICA* Luiz Antônio Buonomo de PINHO Gerente / Engenheiro Civil Furnas Centrais Elétricas S. A.

AHE SIMPLÍCIO QUEDA ÚNICA* Luiz Antônio Buonomo de PINHO Gerente / Engenheiro Civil Furnas Centrais Elétricas S. A. AHE SIMPLÍCIO QUEDA ÚNICA* Luiz Antônio Buonomo de PINHO Gerente / Engenheiro Civil Furnas Centrais Elétricas S. A. Rogério Sales GÓZ Gerente / Engenheiro Civil Furnas Centrais Elétricas S. A. Brasil RESUMO

Leia mais

NORTE ENERGIA S.A. -NESA UHE BELO MONTE. Rio Xingu, Brasil

NORTE ENERGIA S.A. -NESA UHE BELO MONTE. Rio Xingu, Brasil NORTE ENERGIA S.A. -NESA UHE BELO MONTE Rio Xingu, Brasil Dezembro 2010 Localização UHE BELO MONTE BREVE HISTÓRICO Estudo de Inventário do rio Xingu: realizados na década de 1970 com relatório técnico

Leia mais

UHE Belo Monte. IBRACON - 53 Congresso Brasileiro de Concreto Florianópolis -SC 03/Nov./2011

UHE Belo Monte. IBRACON - 53 Congresso Brasileiro de Concreto Florianópolis -SC 03/Nov./2011 UHE Belo Monte IBRACON - 53 Congresso Brasileiro de Concreto Florianópolis -SC 03/Nov./2011 LOCALIZAÇÃO Volta Grande do Xingu Pará Altamira Transamazônica Belo Monte Vitória do Xingu Brasil Novo Anapu

Leia mais

UHE BELO MONTE PROJETO BÁSICO DE ENGENHARIA

UHE BELO MONTE PROJETO BÁSICO DE ENGENHARIA CÓDIGO DO DOCUMENTO BEL-B-GR-DE-GER-000-0001 GERAL - LOCALIZAÇÃO E ACESSOS UHE BELO MONTE PROJETO BÁSICO DE ENGENHARIA GERAL TÍTULO BEL-B-GR-DE-GER-000-0002 BEL-B-GR-DE-GER-000-0003 BEL-B-GR-DE-GER-000-0004

Leia mais

1979 Estudos de Inventário da Bacia Hidrográfica do Rio Xingu ELETRONORTE Estudos de Viabilidade - 1ª Etapa ELETRONORTE

1979 Estudos de Inventário da Bacia Hidrográfica do Rio Xingu ELETRONORTE Estudos de Viabilidade - 1ª Etapa ELETRONORTE HISTÓRICO 1979 Estudos de Inventário da Bacia Hidrográfica do Rio Xingu ELETRONORTE AHE Altamira, à montante da cidade de Altamira (antigo Babaquara) UHE Belo Monte com geração em Kararaô e barramento

Leia mais

Anexo 3.1 5 Balanço de materiais dos sítios, referente ao primeiro semestre de 2013

Anexo 3.1 5 Balanço de materiais dos sítios, referente ao primeiro semestre de 2013 4 RELATÓRIO CONSOLIDADO DE ANDAMENTO DO PBA E DO ATENDIMENTO DE CONDICIONANTES CAPÍTULO 2 ANDAMENTO DO PROJETO BÁSICO AMBIENTAL Anexo 3.1 5 Balanço de materiais dos sítios, referente ao primeiro semestre

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 131, DE 11 DE MARÇO DE 2003

RESOLUÇÃO Nº 131, DE 11 DE MARÇO DE 2003 RESOLUÇÃO Nº 131, DE 11 DE MARÇO DE 2003 Dispõe sobre procedimentos referentes à emissão de declaração de reserva de disponibilidade hídrica e de outorga de direito de uso de recursos hídricos, para uso

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 12, DE 03 DE SETEMBRO DE 2008.

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 12, DE 03 DE SETEMBRO DE 2008. INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 12, DE 03 DE SETEMBRO DE 2008. Dispõe sobre procedimentos referentes à emissão de Declaração de Reserva de Disponibilidade Hídrica (DRDH) e de outorga de direito de uso de recursos

Leia mais

19 Relatório. Fotográfico. Infraestrutura Vila Residencial Altamira - Jatobá. Vila Jatobá - Vista Aérea. Vila Jatobá - Vista Aérea

19 Relatório. Fotográfico. Infraestrutura Vila Residencial Altamira - Jatobá. Vila Jatobá - Vista Aérea. Vila Jatobá - Vista Aérea Infraestrutura Vila Residencial Altamira - Jatobá Vila Jatobá - Vista Aérea Vila Jatobá - Vista Aérea Vila Jatobá - Vista Aérea 138 Infraestrutura Vila Residencial Altamira - São Joaquim Vila São Joaquim

Leia mais

Grupo Investidor 50,1% 24,5% 24,5% 0,9%

Grupo Investidor 50,1% 24,5% 24,5% 0,9% Gerência Técnica Grupo Investidor 50,1% 24,5% 24,5% 0,9% Grupo Construtor Obras Civis e Montagem Eletromecânica Engenharia Contratada: Fornecimentos Eletromecânicos Fornecimentos Eletromecânicos Principais

Leia mais

Valor Econômico 16/01/2015 Belo Monte tem risco de novo atraso

Valor Econômico 16/01/2015 Belo Monte tem risco de novo atraso Valor Econômico 16/01/2015 Belo Monte tem risco de novo atraso As consequências financeiras da operação Lava Jato, da Polícia Federal, para algumas construtoras aumentam o risco de não cumprimento do

Leia mais

NORTE ENERGIA S.A. NESA UHE BELO MONTE. CIER TUCURUÍ / PA UHE Belo Monte

NORTE ENERGIA S.A. NESA UHE BELO MONTE. CIER TUCURUÍ / PA UHE Belo Monte NORTE ENERGIA S.A. NESA UHE BELO MONTE CIER TUCURUÍ / PA UHE Belo Monte 22.11.2011 1 Breve Histórico Estudo de Inventário do rio Xingu: realizados na década de 1970 com relatório técnico emitido no final

Leia mais

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GRUPO VII GRUPO DE ESTUDO DE PLANEJAMENTO DE SISTEMAS ELÉTRICOS - GPL

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GRUPO VII GRUPO DE ESTUDO DE PLANEJAMENTO DE SISTEMAS ELÉTRICOS - GPL XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA Versão 1.0 GPL VII 22 a 25 Novembro de 2009 Recife - PE GRUPO VII GRUPO DE ESTUDO DE PLANEJAMENTO DE SISTEMAS ELÉTRICOS - GPL

Leia mais

FURNAS CENTRAIS ELÉTRICAS S.A. marcelle@furnas.com.br

FURNAS CENTRAIS ELÉTRICAS S.A. marcelle@furnas.com.br FURNAS CENTRAIS ELÉTRICAS S.A. USINAS HIDRELÉTRICAS marcelle@furnas.com.br GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA EMPREENDIMENTOS DO SETOR ELÉTRICO HIDROELETRICOS CGH PCH UHE Potência Instalada < = 1,0 MW 1,0 MW

Leia mais

PBA BELO MONTE APROVEITAMENTO HIDRELÉTRICO PROJETO BÁSICO AMBIENTAL DA USINA HIDRELÉTRICA BELO MONTE NORTE ENERGIA S.A. Planos, Programas e Projetos

PBA BELO MONTE APROVEITAMENTO HIDRELÉTRICO PROJETO BÁSICO AMBIENTAL DA USINA HIDRELÉTRICA BELO MONTE NORTE ENERGIA S.A. Planos, Programas e Projetos NORTE ENERGIA S.A. APROVEITAMENTO HIDRELÉTRICO BELO MONTE PROJETO BÁSICO AMBIENTAL DA USINA HIDRELÉTRICA BELO MONTE Planos, Programas e Projetos VOLUME 1 Versão Final PBA PROJETO BÁSICO AMBIENTAL SUMÁRIO

Leia mais

* Desvio - Critérios de Projeto. * Tipos de Desvios: Exemplos. * Casos históricos importantes

* Desvio - Critérios de Projeto. * Tipos de Desvios: Exemplos. * Casos históricos importantes MARÇO/2011 EXPERIÊNCIA BRASILEIRA EM DESVIO DE GRANDES RIOS ERTON CARVALHO COMITÊ BRASILEIRO DE BARRAGENS - CBDB PRESIDENTE * Desvio - Critérios de Projeto * Etapas de Desvio * Tipos de Desvios: Exemplos

Leia mais

(VERSÃO ORIGINAL COM EXCLUSÃO DE NOMES E IMAGENS DE PESSOAS)

(VERSÃO ORIGINAL COM EXCLUSÃO DE NOMES E IMAGENS DE PESSOAS) PCAI Programa de Controle Ambiental Intrínseco SÍTIO BELO MONTE (VERSÃO ORIGINAL COM EXCLUSÃO DE NOMES E IMAGENS DE PESSOAS) Foto 01: Casa de força de Belo / vista de montante para jusante. Situação atual

Leia mais

Assunto: AHE Belo Monte. Origem: COHID/CGENE/DILIC/IBAMA. PARECER nº 52/2011

Assunto: AHE Belo Monte. Origem: COHID/CGENE/DILIC/IBAMA. PARECER nº 52/2011 MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS Diretoria de Licenciamento Ambiental Coordenação Geral de Infraestrutura de Energia Elétrica Coordenação

Leia mais

A redução no número de unidades geradoras das Casas de Força Complementar e Intermediária, sem alteração na energia a ser gerada; e

A redução no número de unidades geradoras das Casas de Força Complementar e Intermediária, sem alteração na energia a ser gerada; e 11 1. CARACTERIZAÇÃO DO EMP REENDIMENTO 1.1. Introdução O arranjo geral da Usina Hidrelétrica (UHE) Belo Monte desenvolvido no Projeto Básico de Engenharia, e referência para a elaboração deste Plano Básico

Leia mais

MODULO 1 - IDENTIFICAÇÃO Identificação do requerente Pessoa física. Caixa Postal Município UF CEP DDD Fone Fax E-mail

MODULO 1 - IDENTIFICAÇÃO Identificação do requerente Pessoa física. Caixa Postal Município UF CEP DDD Fone Fax E-mail 1 Definição: Retirada de minerais (como areia, argila e etc.) do fundo dos rios com a utilização de dragas, para fins industriais ou de comercialização. Nome CPF Endereço MODULO 1 - IDENTIFICAÇÃO Identificação

Leia mais

USINA HIDRELÉTRICA (UHE) SINOP EXECUTORA: CONSTRUTORA TRIUNFO SETEMBRO/2015

USINA HIDRELÉTRICA (UHE) SINOP EXECUTORA: CONSTRUTORA TRIUNFO SETEMBRO/2015 USINA HIDRELÉTRICA (UHE) SINOP EXECUTORA: CONSTRUTORA TRIUNFO SETEMBRO/2015 O EMPREENDIMENTO LOCALIZAÇÃO POTÊNCIA MUNICÍPIOS RIO BACIA HIDROGRÁFICA TURBINAS POTÊNCIA INSTALADA Itaúba/MT (Margem Esquerda

Leia mais

PCH BARUÍTO PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS DO PROJETO

PCH BARUÍTO PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS DO PROJETO PCH BARUÍTO PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS DO PROJETO CUIABÁ MT OUTUBRO DE 2003 1 PCH BARUITO PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS DO PROJETO Empreendedor : Global Energia Elétrica S/A Empreendimento:

Leia mais

INSTRUÇÃO TÉCNICA DPO Nº 5, de 10/11/2011

INSTRUÇÃO TÉCNICA DPO Nº 5, de 10/11/2011 INSTRUÇÃO TÉCNICA DPO Nº 5, de 10/11/2011 1. Objeto. 2. Referências. OUTORGA DE APROVEITAMENTOS HIDRELÉTRICOS UHE / PCH / CGH 3. Obtenção de outorgas junto ao. 4. Fluxograma dos procedimentos para uso

Leia mais

TRANSPOSIÇÃO DO RIO SÃO FRANCISCO. Professor Afonso Henriques Moreira Santos, D.Sc.

TRANSPOSIÇÃO DO RIO SÃO FRANCISCO. Professor Afonso Henriques Moreira Santos, D.Sc. TRANSPOSIÇÃO DO RIO SÃO FRANCISCO Professor Afonso Henriques Moreira Santos, D.Sc. Bacia do Rio São Francisco Reservatório de Furnas Bacia do São Francisco TRÊS MARIAS ITAPARICA SOBRADINHO MOXOTÓ PAULO

Leia mais

ESTUDOS PARA LICITAÇÃO DA EXPANSÃO DA GERAÇÃO

ESTUDOS PARA LICITAÇÃO DA EXPANSÃO DA GERAÇÃO ESTUDOS PARA LICITAÇÃO DA EXPANSÃO DA GERAÇÃO UHE JIRAU (Rio Madeira) ESTUDO DE VIABILIDADE OTIMIZAÇÃO DO PROJETO DE ENGENHARIA Ministério de Minas e Energia GOVERNO FEDERAL MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA

Leia mais

2.1. O Estudo de Inventário da UHE Colíder foi aprovado conforme a seguir discriminado:

2.1. O Estudo de Inventário da UHE Colíder foi aprovado conforme a seguir discriminado: ANEXO VIII AO EDITAL DE LEILÃO Nº. 03/2010-ANEEL ANEXO VIII CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS E INFORMAÇÕES BÁSICAS PARA A EXPLORAÇÃO DA UHE FERREIRA GOMES A exploração da UHE Ferreira Gomes, pela Concessionária,

Leia mais

VISITA DA ORDEM DOS ENGENHEIROS REGIÃO NORTE

VISITA DA ORDEM DOS ENGENHEIROS REGIÃO NORTE Reforço de Potência de Bemposta VISITA DA ORDEM DOS ENGENHEIROS REGIÃO NORTE BEMPOSTA, 13 de Novembro de 2010 António Freitas da Costa Agenda 1. Objectivo 2. O Aproveitamento Hidroeléctrico do Douro Internacional

Leia mais

EDITAL DE TOMADA DE PREÇOS Nº

EDITAL DE TOMADA DE PREÇOS Nº ANEXO I EDITAL DE TOMADA DE PREÇOS Nº 006/2015 PROJETO DE VIABILIDADE TÉCNICA PARA ALTEAMENTO DO NIVEL NOMAL DO RESERVATÓRIO DO CIPÓ E AMPLIAÇÃO DAS USINAS BORTOLAN E VÉU DAS NOIVAS 1 - INTRODUÇÃO Esta

Leia mais

PCH SANTA LAURA CONTROLE DO PLANEJAMENTO. Giorgia Zomer Fenili GASPARETTO Engenheira Civil ENGEVIX ENGENHARIA S.A.

PCH SANTA LAURA CONTROLE DO PLANEJAMENTO. Giorgia Zomer Fenili GASPARETTO Engenheira Civil ENGEVIX ENGENHARIA S.A. COMITÊ BRASILEIRO DE BARRAGENS VI SIMPÓSIO BRASILEIRO SOBRE PEQUENAS E MÉDIAS CENTRAIS HIDRELÉTRICAS BELO HORIZONTE MG, 21 A 25 DE ABRIL DE 2008 T23 A01 PCH SANTA LAURA CONTROLE DO PLANEJAMENTO Giorgia

Leia mais

POÇOS DE ALÍVIO PARA RESTABELECER OS CRITÉRIOS DE SEGURANÇA NA BARRAGEM DE SOBRADINHO

POÇOS DE ALÍVIO PARA RESTABELECER OS CRITÉRIOS DE SEGURANÇA NA BARRAGEM DE SOBRADINHO GGH/006 21 a 26 de Outubro de 2001 Campinas - São Paulo - Brasil GRUPO I GRUPO DE ESTUDO DE GERAÇÃO HIDRÁULICA - GGH POÇOS DE ALÍVIO PARA RESTABELECER OS CRITÉRIOS DE SEGURANÇA NA BARRAGEM DE SOBRADINHO

Leia mais

INTRODUÇÃO. Este Relatório de Meio Ambiente descreve o andamento das atividades ambientais no período de Outubro/2003 a Maio/2004.

INTRODUÇÃO. Este Relatório de Meio Ambiente descreve o andamento das atividades ambientais no período de Outubro/2003 a Maio/2004. INTRODUÇÃO Este Relatório de Meio Ambiente descreve o andamento das atividades ambientais no período de Outubro/2003 a Maio/2004. A seguir, estão apresentados os cronogramas gerais das três usinas do Complexo

Leia mais

Sociedade da Água Consultoria Ambiental Ltda. UHE Baixo Iguaçu Estudo de Impacto Ambiental - EIA. Capitulo III Caracterização do empreendimento

Sociedade da Água Consultoria Ambiental Ltda. UHE Baixo Iguaçu Estudo de Impacto Ambiental - EIA. Capitulo III Caracterização do empreendimento Sociedade da Água Consultoria Ambiental Ltda. UHE Baixo Iguaçu Estudo de Impacto Ambiental - EIA Capitulo III Caracterização do empreendimento Curitiba, abril de 2008 III 2 Sumário p. 1 - Localização e

Leia mais

MADEIRA ENERGIA S.A MESA

MADEIRA ENERGIA S.A MESA MADEIRA ENERGIA S.A MESA MADEIRA ENERGIA S.A MESA SUMÁRIO VOLUME I SEÇÃO 01 - Apresentação SEÇÃO 02 - Programa Ambiental para a Construção - PAC Sistema de Gestão Ambiental - SGA SEÇÃO 03 - Programa de

Leia mais

U H E S Ã O S A LVA D O R

U H E S Ã O S A LVA D O R SÃO SALVADOR Estudo de impacto ambiental U H E S Ã O S A LVA D O R Anexos Volume IV Anexo A A-1 Anexo A. Capítulo I Caracterização do empreendimento Anexo A A-2 A1. Fases de Desvio do rio Tocantins para

Leia mais

(VERSÃO ORIGINAL COM EXCLUSÃO DE NOMES E IMAGENS DE PESSOAS)

(VERSÃO ORIGINAL COM EXCLUSÃO DE NOMES E IMAGENS DE PESSOAS) PCAI Programa de Controle Ambiental Intrínseco SÍTIO BELO MONTE (VERSÃO ORIGINAL COM EXCLUSÃO DE NOMES E IMAGENS DE PESSOAS) Foto 01: Aterro do acesso interno (próximo à nova central de britagem): Neste

Leia mais

Desempenho da Calha Rochosa Não-Revestida do Vertedouro da Usina Hidrelétrica Governador Ney Braga (Segredo) após 14 anos de Operação

Desempenho da Calha Rochosa Não-Revestida do Vertedouro da Usina Hidrelétrica Governador Ney Braga (Segredo) após 14 anos de Operação Desempenho da Calha Rochosa Não-Revestida do Vertedouro da Usina Hidrelétrica Governador Ney Braga (Segredo) após 14 anos de Operação Roberto Werneck Seara; Benedito de Souza Neto; Fabiano Rossini COPEL

Leia mais

PEQUENA CENTRAL HIDRELÉTRICA BOA VISTA PROJETO BÁSICO

PEQUENA CENTRAL HIDRELÉTRICA BOA VISTA PROJETO BÁSICO PEQUENA CENTRAL HIDRELÉTRICA BOA VISTA PROJETO BÁSICO PROCESSO N 48500.000923/2016-22 CEG PCH.PH.MG. 035139-3.01 VOLUME I TEXTOS CAPÍTULO 11 FICHA TÉCNICA DEZEMBRO, 2016 ÍNDICE 11 - FICHA TÉCNICA... 1

Leia mais

DEMONSTRATIVO DE CÁLCULO DE APOSENTADORIA - FORMAÇÃO DE CAPITAL E ESGOTAMENTO DAS CONTRIBUIÇÕES

DEMONSTRATIVO DE CÁLCULO DE APOSENTADORIA - FORMAÇÃO DE CAPITAL E ESGOTAMENTO DAS CONTRIBUIÇÕES Página 1 de 28 Atualização: da poupança jun/81 1 133.540,00 15,78 10,00% 13.354,00 10,00% 13.354,00 26.708,00-0,000% - 26.708,00 26.708,00 26.708,00 jul/81 2 133.540,00 15,78 10,00% 13.354,00 10,00% 13.354,00

Leia mais

Usina Hidrelétrica Jirau

Usina Hidrelétrica Jirau ENERGIA SUSTENTÁVEL DO BRASIL S.A. Usina Hidrelétrica Jirau Outubro de 2009 Dep. Federal MOREIRA MENDES Energia Sustentável do Brasil 2 GDF Suez (50,1%) Contrato de Concessão ANEEL/MME) Financiamento (BNDES)

Leia mais

O SETOR DE ENERGIA ELÉTRICA NO BRASIL HOJE. Evandro Leite Vasconcelos Diretor de Energia e de Desenvolvimento de Negócios

O SETOR DE ENERGIA ELÉTRICA NO BRASIL HOJE. Evandro Leite Vasconcelos Diretor de Energia e de Desenvolvimento de Negócios 1 O SETOR DE ENERGIA ELÉTRICA NO BRASIL HOJE Evandro Leite Vasconcelos Diretor de Energia e de Desenvolvimento de Negócios ESTRUTURA SETORIAL CARACTERIZAÇÃO DO SISTEMA ELÉTRICO BRASILEIRO 3 PRINCIPAIS

Leia mais

Sistema Cantareira. Sistema Cantareira. Capacidade total = 33,0 m 3 /s. Concepção: DAEE, Projeto Juqueri, 1966, consolidado pelo Plano Hibrace,

Sistema Cantareira. Sistema Cantareira. Capacidade total = 33,0 m 3 /s. Concepção: DAEE, Projeto Juqueri, 1966, consolidado pelo Plano Hibrace, Sistema Cantareira represa Jaguari represa Jacareí represa Cachoeira 2ª Fase: Capacidade 22,0 m 3 /s Obras: início 1977 término 1982 Sistema Cantareira represa Atibainha Capacidade total = 33,0 m 3 /s

Leia mais

PROJETOS BÁSICOS DE PCH s. EVERSON BATISTA thever@gmail.com

PROJETOS BÁSICOS DE PCH s. EVERSON BATISTA thever@gmail.com PROJETOS BÁSICOS DE PCH s EVERSON BATISTA thever@gmail.com DEFINIÇÃO DE PCH Pequena Central Hidrelétrica(PCH) É toda Usina Hidrelétrica de pequena porte cuja a capacidade instalada seja superior a 1 MW

Leia mais

BARRAGENS DE TERRA E DE ENROCAMENTO AULA 1. Prof. Romero César Gomes - Departamento de Engenharia Civil /UFOP

BARRAGENS DE TERRA E DE ENROCAMENTO AULA 1. Prof. Romero César Gomes - Departamento de Engenharia Civil /UFOP BARRAGENS DE TERRA E DE ENROCAMENTO AULA 1 Prof. Romero César Gomes - Departamento de Engenharia Civil /UFOP Conceitos Gerais As barragens convencionais são estruturas construídas transversalmente aos

Leia mais

PRÓ-TRANSPORTE - MOBILIDADE URBANA - PAC COPA 2014 - CT 318.931-88/10

PRÓ-TRANSPORTE - MOBILIDADE URBANA - PAC COPA 2014 - CT 318.931-88/10 AMPLIAÇÃO DA CENTRAL DE Simpl Acum Simpl Acum jul/10 a jun/11 jul/11 12 13 (%) (%) (%) (%) 1.72.380,00 0,00 0,00 0,00 361.00,00 22,96 22,96 1/11 AMPLIAÇÃO DA CENTRAL DE ago/11 Simpl Acum Simpl Acum Simpl

Leia mais

Pela presente apresento as Sugestões referentes à Proposta para Aperfeiçoamentos à Resolução nº 395/1998.

Pela presente apresento as Sugestões referentes à Proposta para Aperfeiçoamentos à Resolução nº 395/1998. BACAL, BARRAGENS LTDA. OTIMIZAÇÃO DE PROJETOS, ENGENHARIA CIVIL, CUSTOS Rua Murillo Furtado nº 117/402, Bairro Petrópolis Porto Alegre/RS CEP 90470-440 Fone/Fax: (51) 3334.7883 - (21) 2540-4809 (21) 9871-6692

Leia mais

PRÓ-TRANSPORTE - MOBILIDADE URBANA - PAC COPA 2014 - CT 318.931-88/10

PRÓ-TRANSPORTE - MOBILIDADE URBANA - PAC COPA 2014 - CT 318.931-88/10 AMPLIAÇÃO DA CENTRAL DE Simpl Acum Simpl Acum jul/10 a jun/11 jul/11 12 13 (%) (%) (%) (%) 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 1/11 AMPLIAÇÃO DA CENTRAL DE ago/11 Simpl Acum Simpl Acum Simpl Acum 14 set/11 15

Leia mais

O PROJETO BELO MONTE III SEMINÁRIO INTERNACIONAL DE INTEGRACIÓN ENERGÉTICA PERU BRASIL

O PROJETO BELO MONTE III SEMINÁRIO INTERNACIONAL DE INTEGRACIÓN ENERGÉTICA PERU BRASIL III SEMINÁRIO INTERNACIONAL DE INTEGRACIÓN ENERGÉTICA PERU BRASIL EL SISTEMA ELÉCTRICO BRASILEÑO Y LAS CUESTIONES SOCIO AMBIENTALES O PROJETO BELO MONTE Energia para os novos tempos Lima, 18 de Novembro

Leia mais

Processo: 9502/2008 Protocolo: 639621/2008. Modo de Uso do Recurso Hídrico 20 - APROVEITAMENTO DE POTENCIAL HIDRELÉTRICO

Processo: 9502/2008 Protocolo: 639621/2008. Modo de Uso do Recurso Hídrico 20 - APROVEITAMENTO DE POTENCIAL HIDRELÉTRICO Processo: 9502/2008 Protocolo: 639621/2008 Dados do Requerente/ Empreendedor Nome: HIDRELÉTRICA CACHOEIRÃO S/A CPF/CNPJ: 08596628/0001-03 Endereço: RUA AURÉLIO GATTI, 22 Bairro: BAIRRO ESPLANADA Município:

Leia mais

2. CARACTERIZAÇÃO DO EMPREENDIMENTO

2. CARACTERIZAÇÃO DO EMPREENDIMENTO 2. CARACTERIZAÇÃO DO EMPREENDIMENTO 2.1 IDENTIFICAÇÃO O empreendimento objeto destes estudos constitui-se da implantação do AHE Serra do Facão, no rio São Marcos. A barragem está situada no Estado de Goiás,

Leia mais

Processo: 02122/2008 Protocolo: 522284/2008

Processo: 02122/2008 Protocolo: 522284/2008 Folha: 1/15 Processo: 02122/2008 Protocolo: 522284/2008 Dados do Requerente/ Empreendedor Nome: SPE BARRA DA PACIÊNCIA ENERGIA S.A. CNPJ: 09.079.142/0001-60 Endereço: AV. BRIGADEIRO FARIA LIMA, N O 1309

Leia mais

PORTARIA SERLA N 591, de 14 de agosto de 2007

PORTARIA SERLA N 591, de 14 de agosto de 2007 PORTARIA SERLA N 591, de 14 de agosto de 2007 ESTABELECE OS PROCEDIMENTOS TÉCNICOS E ADMINISTRATIVOS PARA EMISSÃO DA DECLARAÇÃO DE RESERVA DE DISPONIBILIDADE HÍDRICA E DE OUTORGA PARA USO DE POTENCIAL

Leia mais

EDP Energias do Brasil

EDP Energias do Brasil EDP Energias do Brasil III BTG Pactual Utilities Day outubro, 2014 0 Disclaimer Esta apresentação pode incluir declarações que representem expectativas sobre eventos ou resultados futuros de acordo com

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA ENERGIA EÓLICA NA OFERTA DE ENERGIA DO SISTEMA INTERLIGADO NACIONAL

A IMPORTÂNCIA DA ENERGIA EÓLICA NA OFERTA DE ENERGIA DO SISTEMA INTERLIGADO NACIONAL A IMPORTÂNCIA DA ENERGIA EÓLICA NA OFERTA DE ENERGIA DO SISTEMA INTERLIGADO NACIONAL São Paulo, 03 de junho de 2008 Sistema Elétrico Brasileiro e o Sistema ELETROBRÁS Linhas de Transmissão SIN Capacidade

Leia mais

NOME DA INSTITUIÇÃO: Prime Projetos e Consultoria Ltda.

NOME DA INSTITUIÇÃO: Prime Projetos e Consultoria Ltda. MODELO PARA ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 068/2012 2ª FASE NOME DA INSTITUIÇÃO: Prime Projetos e Consultoria Ltda. AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL ATO REGULATÓRIO:

Leia mais

Participação na Hidrelétrica de Belo Monte. 26 de outubro de 2011

Participação na Hidrelétrica de Belo Monte. 26 de outubro de 2011 Participação na Hidrelétrica de Belo Monte 26 de outubro de 2011 1 Termo de Renúncia Algumas declarações e estimativas contidas neste material podem representar expectativas sobre eventos ou resultados

Leia mais

USINAS HIDRELETRICAS X HIDROVIAS / ECLUSAS 54º CONGRESSO BRASILEIRO DE CONCRETO IBRACON MACEIO AL OUTUBRO DE 2012

USINAS HIDRELETRICAS X HIDROVIAS / ECLUSAS 54º CONGRESSO BRASILEIRO DE CONCRETO IBRACON MACEIO AL OUTUBRO DE 2012 USINAS HIDRELETRICAS X HIDROVIAS / ECLUSAS 54º CONGRESSO BRASILEIRO DE CONCRETO IBRACON MACEIO AL OUTUBRO DE 2012 ECLUSA DE TUCURUI 54º CONGRESSO BRASILEIRO DO CONCRETO IBRACON MACEIO OUTUBRO DE 2012

Leia mais

IBRACON 2011 UHE FOZ DO CHAPECÓ

IBRACON 2011 UHE FOZ DO CHAPECÓ IBRACON 2011 UHE FOZ DO CHAPECÓ Novembro/2011 ACIONISTAS CPFL Geração de Energia S.A. - 51% FURNAS Centrais Elétricas S.A. - 40% COMPANHIA ESTADUAL DE ENERGIA ELÉTRICA Cia Estadual de Energia Elétrica

Leia mais

FECHAMENTO DO SISTEMA DE DESVIO UTILIZANDO PAINÉIS PRÉ-MOLDADOS DE CONCRETO NA UHE FUNDÃO. Rafael de LARA Engenheiro Civil Júnior / COPEL

FECHAMENTO DO SISTEMA DE DESVIO UTILIZANDO PAINÉIS PRÉ-MOLDADOS DE CONCRETO NA UHE FUNDÃO. Rafael de LARA Engenheiro Civil Júnior / COPEL COMITÊ BRASILEIRO DE BARRAGENS XXVII SEMINÁRIO NACIONAL DE GRANDES BARRAGENS BELÉM PA, 03 A 07 DE JUNHO DE 2007 T100 A22 FECHAMENTO DO SISTEMA DE DESVIO UTILIZANDO PAINÉIS PRÉ-MOLDADOS DE CONCRETO NA UHE

Leia mais

USINAS E APROVEITAMENTOS HIDROELÉTRICOS

USINAS E APROVEITAMENTOS HIDROELÉTRICOS usina / 1 USINAS E APROVEITAMENTOS HIDROELÉTRICOS Desde início da década de 60, a THEMAG assume a liderança entre as empresas de engenharia brasileiras com capacidade de desenvolver projetos e estudos

Leia mais

Apresentação. Este documento que você tem em mãos é o Relatório de Impacto Ambiental (RIMA) do Aproveitamento Hidrelétrico São Luiz do Tapajós.

Apresentação. Este documento que você tem em mãos é o Relatório de Impacto Ambiental (RIMA) do Aproveitamento Hidrelétrico São Luiz do Tapajós. Coordenadora do Grupo de Estudos Tapajós RIMA AHE SÃO LUIZ DO TAPAJÓS R E L AT Ó R I O D E I M PA C T O A M B I E N TA L CAMARGO CORRÊA Apresentação Este documento que você tem em mãos é o Relatório de

Leia mais

SEMINÁRIO DAS GRANDES CONSTRUÇÕES

SEMINÁRIO DAS GRANDES CONSTRUÇÕES CICLO PRODUTIVO DO CONCRETO TENDENCIAS FUTURAS Luiz Prado Vieira Jr. Technocret SITUAÇÂO ATUAL Concessionárias visam lucro Geração: quanto antes melhor Projetos e construção no menor prazo possível Projeto

Leia mais

LIGHT ENERGIA S.A. 1º TRIMESTRE DE 2014

LIGHT ENERGIA S.A. 1º TRIMESTRE DE 2014 Rio de Janeiro, 15 de maio de 2014. LIGHT ENERGIA S.A. 1º TRIMESTRE DE 2014 Desempenho Operacional O total de venda, líquida da compra de energia, no primeiro trimestre de 2014 foi equivalente a 1.264,1

Leia mais

INSPEÇÃO FORMAL DE GEOLOGIA DE ENGENHARIA DA BARRAGEM, ESTRUTURAS CIVIS ANEXAS E TALUDES

INSPEÇÃO FORMAL DE GEOLOGIA DE ENGENHARIA DA BARRAGEM, ESTRUTURAS CIVIS ANEXAS E TALUDES INSPEÇÃO FORMAL DE GEOLOGIA DE ENGENHARIA DA BARRAGEM, ESTRUTURAS CIVIS ANEXAS E TALUDES UHE ROSAL CEMIG GERAÇÃO E TRANSMISSÃO S.A. GERÊNCIA DE SEGURANÇA DE BARRAGENS AG/SB 1. OBJETO Realização de inspeção

Leia mais

Aspectos de mudanças climáticas no componente hidrológico dos projetos e operação de barragens

Aspectos de mudanças climáticas no componente hidrológico dos projetos e operação de barragens Aspectos de mudanças climáticas no componente hidrológico dos projetos e operação de barragens Mesa redonda: Mudanças Climáticas (ClimateChanges) XXVIII Seminário Nacional de Grandes Barragens Rio de Janeiro.

Leia mais

2. HISTÓRICO RESUMIDO DO PROCESSO

2. HISTÓRICO RESUMIDO DO PROCESSO MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS Diretoria de Licenciamento Ambiental Coordenação Geral de Infraestrutura de Energia Elétrica Coordenação

Leia mais

ANEXO VIII CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS E INFORMAÇÕES BÁSICAS PARA A EXPLORAÇÃO DA UHE TELES PIRES

ANEXO VIII CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS E INFORMAÇÕES BÁSICAS PARA A EXPLORAÇÃO DA UHE TELES PIRES ANEXO VIII CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS E INFORMAÇÕES BÁSICAS PARA A EXPLORAÇÃO DA UHE TELES PIRES A exploração da UHE Teles Pires, pela Concessionária, será realizada em conformidade com a legislação em vigor

Leia mais

Gerencia de Planejamento do Sistema GPS FORMULÁRIO DE CONSULTA DE ACESSO

Gerencia de Planejamento do Sistema GPS FORMULÁRIO DE CONSULTA DE ACESSO A consulta de acesso deve ser formulada pelo acessante à acessada com o objetivo de obter informações técnicas que subsidiem os estudos pertinentes ao acesso, sendo facultada ao acessante a indicação de

Leia mais

APROVEITAMENTO HIDROELÉCTRICO DE AGILDE

APROVEITAMENTO HIDROELÉCTRICO DE AGILDE APROVEITAMENTO HIDROELÉCTRICO DE AGILDE Ribeira de Santa Natália Concelho de Celorico de Basto Acesso rodoviário Açude Canal e conduta forçada Câmara de carga Central hidroeléctrica O aproveitamento hidroeléctrico

Leia mais

SUMÁRIO EXECUTIVO AGOSTO/2015

SUMÁRIO EXECUTIVO AGOSTO/2015 AGOSTO/2015 SUMÁRIO EXECUTIVO AGOSTO/2015 PROJETO DE INTEGRAÇÃO DO RIO SÃO FRANCISCO O Projeto de Integração do Rio São Francisco vai garantir a segurança hídrica a 12 milhões de habitantes, em 390 municípios,

Leia mais

SUMÁRIO EXECUTIVO MAIO/2015

SUMÁRIO EXECUTIVO MAIO/2015 MAIO/2015 SUMÁRIO EXECUTIVO MAIO/2015 PROJETO DE INTEGRAÇÃO DO RIO SÃO FRANCISCO O Projeto de Integração do Rio São Francisco vai garantir a segurança hídrica a 12 milhões de habitantes, em 390 municípios,

Leia mais

MODELO PARA ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 038/2008 AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL

MODELO PARA ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 038/2008 AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL MODELO PARA ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 038/2008 NOME DA INSTITUIÇÃO: BACAL, BARRAGENS LTDA. AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL ATO REGULATÓRIO: RESOLUÇÃO NORMATIVA

Leia mais

2.6.12-1 Implementação de Medidas de Controle de Processos Erosivos

2.6.12-1 Implementação de Medidas de Controle de Processos Erosivos 2.6.12 O PCPE foi implementado com base no Plano Ambiental para Construção PAC a fim de proteger, estabilizar e mitigar as interferências na faixa de servidão, bota-foras, acessos, canteiro de obras e

Leia mais

Condicionantes do componente indígena do processo de licenciamento ambiental da Usina Hidrelétrica de Belo Monte1.

Condicionantes do componente indígena do processo de licenciamento ambiental da Usina Hidrelétrica de Belo Monte1. Condicionantes do componente indígena do processo de licenciamento ambiental da Usina Hidrelétrica de Belo Monte1. Condicionante Responsável Condicionantes de viabilidade do empreendimento sem prazo explicito

Leia mais

DATA DIA DIAS DO FRAÇÃO DATA DATA HORA DA INÍCIO DO ANO JULIANA SIDERAL T.U. SEMANA DO ANO TRÓPICO 2450000+ 2460000+

DATA DIA DIAS DO FRAÇÃO DATA DATA HORA DA INÍCIO DO ANO JULIANA SIDERAL T.U. SEMANA DO ANO TRÓPICO 2450000+ 2460000+ CALENDÁRIO, 2015 7 A JAN. 0 QUARTA -1-0.0018 7022.5 3750.3 1 QUINTA 0 +0.0009 7023.5 3751.3 2 SEXTA 1 +0.0037 7024.5 3752.3 3 SÁBADO 2 +0.0064 7025.5 3753.3 4 DOMINGO 3 +0.0091 7026.5 3754.3 5 SEGUNDA

Leia mais

EVENTO EXPO construction 2011-SP UHE - BELO MONTE UHE BELO MONTE

EVENTO EXPO construction 2011-SP UHE - BELO MONTE UHE BELO MONTE UHE BELO MONTE EVENTO EXPO construction 2011-SP UHE - BELO MONTE EQUIPAMENTOS CONTRATADOS PARA BELO MONTE ALSTOM BRASIL ENERGIA E TRANSPORTE LTDA ANDRITZ HYDRO INEPAR DO BRASIL S/A VOITH HYDRO LTDA IMPSA

Leia mais

OTIMIZAÇÃO DA VIABILIDADE DO AHE BELO MONTE

OTIMIZAÇÃO DA VIABILIDADE DO AHE BELO MONTE OTIMIZAÇÃO DA VIABILIDADE DO AHE BELO MONTE Setembro de 2009 1- LOCALIZAÇÃO E CARACTERÍSTICAS DO EMPREENDIMENTO 2- CRITÉRIOS ADOTADOS PELA EPE NO ESTUDO DE OTIMIZAÇÃO 3- ESTUDOS HIDROLÓGICOS E HIDRÁULICOS

Leia mais

Luiz Fernando Rufato CREA-MG 16.918/D Diretor de Construção UHE BELO MONTE 10. SÍTIO BELO MONTE

Luiz Fernando Rufato CREA-MG 16.918/D Diretor de Construção UHE BELO MONTE 10. SÍTIO BELO MONTE 10. SÍTIO BELO MONTE 10.1. CONCEPÇÃO GERAL DO PROJETO Em termos gerais a disposição das estruturas que compõem o sitio Belo Monte não sofreram alterações significativas com relação ao arranjo estabelecido

Leia mais

Ibitiúva Bioenergética S. A. Projeto UTE Ibitiúva Bioenergética. Novembro/2010

Ibitiúva Bioenergética S. A. Projeto UTE Ibitiúva Bioenergética. Novembro/2010 Ibitiúva Bioenergética S. A. Projeto UTE Ibitiúva Bioenergética Novembro/2010 Portfólio balanceado de ativos, com localização estratégica Capacidade instalada de 6.469,1 MW em 21 usinas operadas pela Companhia:

Leia mais

NOTA TÉCNICA DE AVALIAÇÃO DA EFICÁCIA DO MURO DE ARRIMO EM PORTO GRANDE

NOTA TÉCNICA DE AVALIAÇÃO DA EFICÁCIA DO MURO DE ARRIMO EM PORTO GRANDE PLANO BÁSICO AMBIENTAL DA AHE CACHOEIRA CALDEIRÃO NOTA TÉCNICA DE AVALIAÇÃO DA EFICÁCIA DO MURO DE ARRIMO EM PORTO GRANDE Licença Prévia 0112/2012 Condicionante Específica Nº 2.26 Elaborar um estudo específico

Leia mais

LIGHT ENERGIA S.A. 1º TRIMESTRE DE 2013

LIGHT ENERGIA S.A. 1º TRIMESTRE DE 2013 Rio de Janeiro, 10 de maio de 2013. LIGHT ENERGIA S.A. 1º TRIMESTRE DE 2013 Desempenho Operacional LIGHT ENERGIA (GWh) 1T13 1T12 % Venda no Ambiente de Contratação Regulada 263,7 1.052,0-74,9% Venda no

Leia mais

Hidrovia Tapajós s / Teles Pires

Hidrovia Tapajós s / Teles Pires MINISTÉRIO DOS TRANSPORTES Hidrovia Tapajós s / Teles Pires Apresentação: Edison de Oliveira Vianna Jr E-mail: edison.vianna@transportes.gov.br Colaboração: Rodrigo Cardoso Paranhos E-mail: rodrigo.paranhos@transportes.gov.br

Leia mais

Reforço de Potência Aproveitamento Hidroeléctrico de Vila Nova/Venda Nova. (Venda Nova II) Relatório de Visita de Estudo.

Reforço de Potência Aproveitamento Hidroeléctrico de Vila Nova/Venda Nova. (Venda Nova II) Relatório de Visita de Estudo. ISEL INSTITUTO SUPERIOR DE ENGENHARIA DE LISBOA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELECTROTÉCNICA E AUTOMAÇÃO Reforço de Potência Aproveitamento Hidroeléctrico de Vila Nova/Venda Nova (Venda Nova II) Relatório

Leia mais

Transferência da UHE Estreito para a Tractebel Energia

Transferência da UHE Estreito para a Tractebel Energia Transferência da UHE Estreito para a Tractebel Energia Conference Call 221 de dezembro de 2009 Aviso importante Este material pode incluir declarações que representem expectativas sobre eventos ou resultados

Leia mais

ESTUDOS PARA LICITAÇÃO DA EXPANSÃO DA GERAÇÃO

ESTUDOS PARA LICITAÇÃO DA EXPANSÃO DA GERAÇÃO ESTUDOS PARA LICITAÇÃO DA EXPANSÃO DA GERAÇÃO AHE SANTO ANTÔNIO (Rio Madeira) ESTUDO DE VIABILIDADE OTIMIZAÇÃO DO PROJETO DE ENGENHARIA Ministério de Minas e Energia 1 GOVERNO FEDERAL MINISTÉRIO DE MINAS

Leia mais

UHE Belo Monte O Desafio

UHE Belo Monte O Desafio UHE Belo Monte O Desafio 03 de julho de 2012 Consórcio Construtor Belo Monte - CCBM Localização do Empreendimento UHE Belo Monte Principais Acessos Belém Santarém ALTAMIRA UHE BELO MONTE Tucuruí Itaituba

Leia mais

APLICAÇÃO DE GEOWEB EM REVESTIMENTO DE CANAL AEROPORTO INTERNACIONAL GUARULHOS SP

APLICAÇÃO DE GEOWEB EM REVESTIMENTO DE CANAL AEROPORTO INTERNACIONAL GUARULHOS SP APLICAÇÃO DE GEOWEB EM REVESTIMENTO DE CANAL AEROPORTO INTERNACIONAL GUARULHOS SP Autor: Departamento Técnico - Atividade Bidim Distribuidor: Ramalho Comercial Ltda. PERÍODO 2006/2007 Revisado ABRIL 2011

Leia mais

Múltiplos no Brasil. Joaquim Gondim SUPERINTENDENTE DE USOS MÚLTIPLOS. Campo Grande, 23/11/2009

Múltiplos no Brasil. Joaquim Gondim SUPERINTENDENTE DE USOS MÚLTIPLOS. Campo Grande, 23/11/2009 Principais Conflitos por Usos Múltiplos no Brasil Joaquim Gondim SUPERINTENDENTE DE USOS MÚLTIPLOS Campo Grande, 23/11/2009 DISPONIBILIDADE DEMANDAS DISPONIBILIDADE DEMANDAS POLUIÇÃO SÃO PAULO Evolução

Leia mais

Procedimentos de licenciamento ambiental para implantação de Empreendimentos Hidrelétricos no Paraná

Procedimentos de licenciamento ambiental para implantação de Empreendimentos Hidrelétricos no Paraná Procedimentos de licenciamento ambiental para implantação de Empreendimentos Hidrelétricos no Paraná 1 LEGISLAÇÃO APLICÁVEL Resolução Conjunta SEMA/IAP n 09 de 03 de novembro de 2010; Resolução Conjunta

Leia mais

PREÇO UNIT. CUSTO CUSTO CUSTO CONTA ITEM UN. QUANT. R$ R$ 10³ US$ 10³ $A 10³

PREÇO UNIT. CUSTO CUSTO CUSTO CONTA ITEM UN. QUANT. R$ R$ 10³ US$ 10³ $A 10³ MANUAL DE INVENTÁRIO HIDRELÉTRICO DE BACIAS HIDROGRÁFICAS TÍTULO: ORÇAMENTO PADRÃO - ESTUDOS FINAIS ARQUIVO 56ope.xls REVISÃO: 1 Data base-dez-2008 1,1771 2,3944 0,6984 PREÇO UNIT. CUSTO CUSTO CUSTO.10.

Leia mais

PREÇO UNIT. CUSTO CUSTO CUSTO CONTA ITEM UN. QUANT. R$ R$ 10³ US$ 10³ $A 10³

PREÇO UNIT. CUSTO CUSTO CUSTO CONTA ITEM UN. QUANT. R$ R$ 10³ US$ 10³ $A 10³ MANUAL DE INVENTÁRIO HIDRELÉTRICO DE BACIAS HIDROGRÁFICAS TÍTULO: ORÇAMENTO PADRÃO - ESTUDOS FINAIS ARQUIVO 56ope.xls REVISÃO: 1 Data base-dez-2008 1,1771 2,3944 0,6984 PREÇO UNIT. CUSTO CUSTO CUSTO.10.

Leia mais

FACULDADE DE ENGENHARIA

FACULDADE DE ENGENHARIA FACULDADE DE ENGENHARIA Impactos ambientais das hidrelétricas na Amazônia Profa. Aline Sarmento Procópio Dep. Engenharia Sanitária e Ambiental Amazônia: alguns dados A Região Amazônica compreende a maior

Leia mais

PLANO DIRET O DIRET R O DE MACR MA ODRENA CR GEM ODRENA DA BACIA DO ALTO TIETÊ

PLANO DIRET O DIRET R O DE MACR MA ODRENA CR GEM ODRENA DA BACIA DO ALTO TIETÊ PLANO DIRETOR DE MACRODRENAGEM DA PLANO DIRETOR DE MACRODRENAGEM DA BACIA DO ALTO TIETÊ MAPA DE LOCALIZAÇÃO A ANÁLISE E O ENCAMINHAMENTO DE SOLUÇÕES PARA AS QUESTÕES DE DRENAGEM URBANA TÊM SIDO UM DOS

Leia mais

SUMÁRIO LISTA DOS QUADROS

SUMÁRIO LISTA DOS QUADROS SUMÁRIO APÊNDICE 4.1 Parâmetros Geotécnicos Considerados nos Estudos de Estabilidade das Obras de Terra e Enrocamento no Sítio Pimental...3 APÊNDICE 4.2 Condições, Tratamentos de Fundação e Resultados

Leia mais

www.ccee.org.br Nº 011 Novembro/2014 0800 10 00 08 Nº de usinas

www.ccee.org.br Nº 011 Novembro/2014 0800 10 00 08 Nº de usinas Introdução O Boletim de Operação das Usinas é uma publicação mensal que apresenta os principais resultados consolidados de capacidade, garantia física e geração das usinas, tendo como referência a contabilização

Leia mais

TABELA PRÁTICA PARA CÁLCULO DOS JUROS DE MORA ICMS ANEXA AO COMUNICADO DA-87/12

TABELA PRÁTICA PARA CÁLCULO DOS JUROS DE MORA ICMS ANEXA AO COMUNICADO DA-87/12 JANEIRO 2,8451 2,7133 2,4903 2,3303 2,1669 1,9859 1,7813 1,6288 1,4527 1,3148 1,1940 1,0684 FEVEREIRO 2,8351 2,6895 2,4758 2,3201 2,1544 1,9676 1,7705 1,6166 1,4412 1,3048 1,1840 1,0584 MARÇO 2,8251 2,6562

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DO EMPREENDIMENTO 1) APRESENTAÇÃO DO CONSÓRCIO ENER REDE COUTO MAGALHÃES

CARACTERIZAÇÃO DO EMPREENDIMENTO 1) APRESENTAÇÃO DO CONSÓRCIO ENER REDE COUTO MAGALHÃES REDE COUTO MAGALHÃES ENERGIA S.A. CAPÍTULO II) CARACTERIZAÇÃO DO EMPREENDIMENTO 1) APRESENTAÇÃO DO CONSÓRCIO ENER REDE COUTO MAGALHÃES O empreendimento em estudo, AHE Couto Magalhães, tem como concessionário

Leia mais

Os investimentos no setor elétrico e as mudanças sociais e econômicas no Brasil

Os investimentos no setor elétrico e as mudanças sociais e econômicas no Brasil Os investimentos no setor elétrico e as mudanças sociais e econômicas no Brasil Jerson Kelman PEC COPPE UFRJ APINE 07 de novembro de 2013 1) Concessão de bacias hidrográficas para uso múltiplo de recursos

Leia mais

Do rio que tudo arrasta se diz que é violento Mas ninguém diz violentas as margens que o comprimem. Bertold Brecht

Do rio que tudo arrasta se diz que é violento Mas ninguém diz violentas as margens que o comprimem. Bertold Brecht Do rio que tudo arrasta se diz que é violento Mas ninguém diz violentas as margens que o comprimem Bertold Brecht Instalações Elétricas Prediais A ENG04482 Prof. Luiz Fernando Gonçalves AULA 3 Usinas Hidrelétricas

Leia mais

Viabilidade Econômica em Barragens de Concreto pela Ferramenta de Regresão Multivariável para Implantação de Pequenas Centrais Hidrelétrica (PCH)

Viabilidade Econômica em Barragens de Concreto pela Ferramenta de Regresão Multivariável para Implantação de Pequenas Centrais Hidrelétrica (PCH) Energia 2030: Desafios para uma nova Matriz Energética 08 a 10 de setembro de 2010 São Paulo - SP Viabilidade Econômica em Barragens de Concreto pela Ferramenta de Regresão Multivariável para Implantação

Leia mais