A ordem do nome das notas

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A ordem do nome das notas"

Transcrição

1 Teoria Musical1 Cap.1 Altura dos sons João Carlos Almeida 1 1. ALTURA O SOM tem quatro características principais: Altura sons graves, médios e agudos; Duração sons curtos e longos; Intensidade sons muito ou pouco intensos (piano, meio forte, forte, ). Timbre sons de origens sonoras diferentes; Assim, um trecho musical é constituído por sons de altura diferente (melodias), organizado em diferentes durações (ritmo), interpretado por um ou vários instrumentos (timbre orquestração) e com intensidades variáveis (dinâmica). PAUTA - Conjunto de cinco linhas e quatro espaços, horizontais e equidistantes. Serve para representar a altura dos sons. NOTAS - Símbolos que representam a altura dos sons 1 : dó, ré, mi, fá, sol, lá, si. A ordem do nome das notas Ré Fá Mi Sol Lá Si Si Lá Sol Fá Mi Ré Nas notações inglesa e alemã as notas designam-se por letras. Países latinos Lá Si Ré Mi Fá Sol Notação inglesa A B C D E F G Notação alemã A H C D E F G B designa o Si b 1 Invenção de Guido d Arezzo ( ) com origem num hino a S. João Batista Ut queant laxis / Resonare fibris / Mira gestorum / Famuli tuorum / Solve polluti / Labii reatum / Sancte Ioannes, que significa: "Para que teus servos, / possam ressoar claramente / a maravilha dos teus feitos, / limpe nossos lábios impuros, ó São João." a nota Ut passou a ser chamada de dó, para facilitar o canto com a terminação da sílaba em vogal.

2 Teoria Musical1 Cap.1 Altura dos sons João Carlos Almeida Ré Mi Fá Sol Lá Si Ré Mi Fá Sol Lá Si Ré Mi Fá Sol Lá Si É possível escrever nove notas na pauta. Na parte de baixo da partitura escrevem-se os sons mais graves, na parte de cima os sons mais agudos. LEITURA DO NOME DAS NOTAS POR RELATIVIDADE O nome de uma nota depende do nome da nota anterior (depende do nome da primeira nota), e não da posição que ocupa na pauta. Notas repetidas ou por segundas (notas seguidas) Exemplo:

3 Teoria Musical1 Cap.1 Altura dos sons João Carlos Almeida Notas por terceiras São fáceis de ler: estão situadas em linhas ou em espaços consecutivos da pauta. Notas por quintas Também são fáceis de ler, conforme este exemplo:

4 Teoria Musical1 Cap.1 Altura dos sons João Carlos Almeida nessa linha. CLAVES - Símbolos que servem para determinar o nome da nota e a altura do som. Existe uma correspondência entre a clave e a linha em que se situa, e o nome da nota escrita

5 Teoria Musical1 Cap.1 Altura dos sons João Carlos Almeida 5 Claves mais utilizadas: - Sol na ª Linha Determina que a nota situada na segunda linha da pauta é o sol índice três. É utilizada para representar os sons mais agudos, em instrumentos como por exemplo: - Flauta, oboé, clarinete, saxofone (saxofone soprano e saxofone alto); - Trompa (registo agudo), trompete; - Violino; - Piano, órgão, cravo, clavicórdio, celesta, harpa, acordeão, bandoneón ; - Xilofone, metalofone, marimba ; - Voz (soprano, contralto e tenor 5 ); - Guitarra; na ª linha Determina que a nota situada na terceira linha da pauta é o dó índice três 6. É utilizada para representar sons intermédios. Assim, é utilizada em instrumentos como por exemplo: - Corne inglês; - Viola de arco 7. na ª linha Determina que a nota situada na quarta linha da pauta é o Sol situado na oitava central, portanto imediatamente acima do dó central. Devido à sua extensão, usa-se a pauta dupla na escrita para estes instrumentos. Devido à sua extensão, pode usar-se a pauta dupla na escrita para estes instrumentos. 5 Porém, a voz dos tenores soa uma oitava abaixo relativamente ao que está escrito na pauta. 6 central. 7 Porém, as partituras da viola de arco também podem estar escritas em clave de sol ou clave de fá.

6 Teoria Musical1 Cap.1 Altura dos sons João Carlos Almeida 6 dó índice três. É utilizada para representar sons intermédios. Assim, é utilizada em instrumentos como por exemplo: - Fagote, Trombone, Violoncelo (não é a clave mais usual na escrita para estes instrumentos; porém, é usada no registo médio deles); Fá na ª linha (clave de baixo) Determina que a nota situada na quarta linha da pauta é o fá índice dois 8. É utilizada para representar sons intermédios. Assim, é utilizada em instrumentos como por exemplo: - Fagote, contrafagote registo grave; - Registo grave da trompa e trombone, tuba; - Violoncelo, contrabaixo; - Registo grave do piano, órgão, cravo, clavicórdio, harmónio, celesta, harpa, lira 9 ; - Timbales; - Voz de barítono e baixo. 8 Fá situado na oitava abaixo da oitava central, isto é, fá imediatamente abaixo do dó central. 9 Devido à sua extensão, usa-se a pauta dupla na escrita para estes instrumentos.

7 Teoria Musical1 Cap.1 Altura dos sons João Carlos Almeida 7 Pauta dupla Duas claves em duas pautas ligadas por uma chaveta usadas simultaneamente por um instrumentista. É utilizada em instrumentos como por exemplo: piano, órgão, cravo, clavicórdio, celesta, harpa, acordeão, bandónion. Notas na pauta dupla: Podem-se representar mais notas na pauta, recorrendo-se ao uso de LINHAS E ESPAÇOS SUPLEMENTARES ou LINHAS DE OITAVA.

8 Teoria Musical1 Cap.1 Altura dos sons João Carlos Almeida 8 LINHAS E ESPAÇOS SUPLEMENTARES - Permitem representar mais notas na pauta. mais agudo. Neste Exemplo musical, as notas cantadas são também tocadas pelo piano: à mesma altura e, simultaneamente, num registo LINHA DE OITAVA - Evita o uso de muitas linhas suplementares. A partitura de cima equivale à de baixo. Porém, a de cima é de mais fácil leitura.

9 Teoria Musical1 Cap.1 Altura dos sons João Carlos Almeida 9

10 Teoria Musical1 Cap.1 Altura dos sons João Carlos Almeida 10

A Notação Musical no Ocidente: uma História

A Notação Musical no Ocidente: uma História A Notação Musical no Ocidente: uma História O sistema de notação musical moderno teve suas origens nos NEUMAS (do latim: sinal), pequenos símbolos que representavam as notas musicais em peças vocais do

Leia mais

ESCOLA BÁSICA 2º CICLO GASPAR FRUTUOSO PROGRAMA DE EDUCAÇÃO MUSICAL

ESCOLA BÁSICA 2º CICLO GASPAR FRUTUOSO PROGRAMA DE EDUCAÇÃO MUSICAL ESCOLA BÁSICA 2º CICLO GASPAR FRUTUOSO PROGRAMA DE EDUCAÇÃO MUSICAL 2011/2012 5º ANO Timbre: a qualidade do som que permite identificar a sua fonte. Figuras rítmicas: sinais musicais que indicam a duração

Leia mais

CORAL INFANTIL DO LICEU

CORAL INFANTIL DO LICEU CORAL INFANTIL DO LICEU : BAIRRO: C CEP: RG: ÓRGAO EMISSOR: NATURAL ESCOLAR / / GRUPO DE PRÁTICA DE SOPROS E PERCUSSÃO GPS ALUNO/BOLSISTA MONITOR/ BOLSISTA INSTRUMENTOS OBOÉ TROMPETE FLAUTA TRANSVERSAL

Leia mais

ANEXO 4 CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS DAS PROVAS DE AFERIÇÃO E EXAMES DOS DIFERENTES INSTRUMENTOS PARA O ENSINO ESPECIALIZADO DE MÚSICA

ANEXO 4 CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS DAS PROVAS DE AFERIÇÃO E EXAMES DOS DIFERENTES INSTRUMENTOS PARA O ENSINO ESPECIALIZADO DE MÚSICA ANEXO 4 CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS DAS PROVAS DE AFERIÇÃO E EXAMES DOS DIFERENTES INSTRUMENTOS PARA O ENSINO ESPECIALIZADO DE MÚSICA 1 GRUPO DE SOPROS A- Conteúdos programáticos das Provas de Aferição 1.

Leia mais

Página 1 de 18. CANTO PRA VIVER WWW.CANTOPRAVIVER.COM 2568-6544 cantopraviver@cantopraviver.com

Página 1 de 18. CANTO PRA VIVER WWW.CANTOPRAVIVER.COM 2568-6544 cantopraviver@cantopraviver.com Página 1 de 18 Página 2 de 18 APOSTILA PERCEPÇÃO HARMÔNICA BÁSICO A OFICINA DE PERCEPÇÃO HARMÔNICA SERÁ TRABALHADA EM DOIS NÍVEIS (MÓDULOS): MÓDULO A ==> Serão passadas noções de teoria musical, intervalos,

Leia mais

A RELAÇÃO MATEMÁTICA E MÚSICA. Resumo: Este trabalho procura estudar a relação entre a matemática e a música.

A RELAÇÃO MATEMÁTICA E MÚSICA. Resumo: Este trabalho procura estudar a relação entre a matemática e a música. A RELAÇÃO MATEMÁTICA E MÚSICA Adriano Luís Simonato (Faculdades Integradas FAFIBE) Maria Palmira Minholi Dias (Faculdade de Ciências e Tecnologia de Birigüi/SP) Resumo: Este trabalho procura estudar a

Leia mais

HISTÓRIA INSTRUMENTOS DOS POR

HISTÓRIA INSTRUMENTOS DOS POR HISTÓRIA DOS INSTRUMENTOS POR 1 HISTÓRIA DOS INSTRUMENTOS FLAUTA A flauta faz parte da família dos instrumentos de madeira, mesmo, ao longo dos anos, tendo sido feita de madeira ou metal. Sabemos que já

Leia mais

Semana da Música (5 a 10 de maio de 2014) Programa

Semana da Música (5 a 10 de maio de 2014) Programa Semana da Música (5 a 10 de maio de 2014) Programa Sessão de Abertura - Excelentíssimo Senhor Secretário Regional da Educação e Recursos Humanos 10:00 do CEPAM Piano - António Rosado Bandolim - Percussão

Leia mais

NOTAÇÃO MUSICAL TRADICIONAL: Como se escrever música?

NOTAÇÃO MUSICAL TRADICIONAL: Como se escrever música? NOTAÇÃO MUSICAL TRADICIONAL: Como se escrever música? A música é uma linguagem sonora como a fala. Assim como representamos a fala por meio de símbolos do alfabeto, podemos representar graficamente a música

Leia mais

1. Leitura de notas numa partitura

1. Leitura de notas numa partitura COMO LER UMA PARTITURA MUSICAL Este documento tem como objectivo fornecer os fundamentos mínimos para a leitura de partituras musicais. Não pretende ser demasiado rigoroso nem profundo, mas sim dar uma

Leia mais

REGULAMENTO DE ALUGUER E EMPRÉSTIMO DE INSTRUMENTOS MUSICAIS

REGULAMENTO DE ALUGUER E EMPRÉSTIMO DE INSTRUMENTOS MUSICAIS REGULAMENTO DE ALUGUER E EMPRÉSTIMO DE INSTRUMENTOS MUSICAIS Novembro de 2011 REGULAMENTO DE ALUGUER E EMPRÉSTIMO DE INSTRUMENTOS MUSICAIS 1. INTRODUÇÃO O Conservatório de Música de Coimbra dispõe de instrumentos

Leia mais

ESCOLA DE MÚSICA DE TERESINA

ESCOLA DE MÚSICA DE TERESINA EMT - Ranildo Lopes - Teoria IMAIL: ranildope@bol.com.br 1 Prof. Ranildo Lopes https://escolademusicadeteresina.ordpress.com/ TEORIA MUSICAL MUSICA: DEFINIÇÃO É a arte e a ciência dos sons, pelo meio da

Leia mais

CEM BENJAMIM JOSÉ DE ALMEIDA PROJETO INTERDISCIPLINAR EINSTEIN E A MÚSICA PROFESSORES: ROSEVALDO CELESTINO BARROS FÁBIO JÚNIOR MILHOMEM

CEM BENJAMIM JOSÉ DE ALMEIDA PROJETO INTERDISCIPLINAR EINSTEIN E A MÚSICA PROFESSORES: ROSEVALDO CELESTINO BARROS FÁBIO JÚNIOR MILHOMEM CEM BENJAMIM JOSÉ DE ALMEIDA PROJETO INTERDISCIPLINAR EINSTEIN E A MÚSICA PROFESSORES: ROSEVALDO CELESTINO BARROS FÁBIO JÚNIOR MILHOMEM ARAGUAÍNA, DEZEMBRO DE 2015 A FÍSICA NA MÚSICA A música, de um modo

Leia mais

REGULAMENTO DE ALUGUER E EMPRÉSTIMO DE INSTRUMENTOS MUSICAIS

REGULAMENTO DE ALUGUER E EMPRÉSTIMO DE INSTRUMENTOS MUSICAIS REGULAMENTO DE ALUGUER E EMPRÉSTIMO DE INSTRUMENTOS MUSICAIS REGULAMENTO DE ALUGUER E EMPRÉSTIMO DE INSTRUMENTOS MUSICAIS 1. INTRODUÇÃO O Conservatório de Música de Porto dispõe de instrumentos musicais

Leia mais

TEORIA MUSICAL EM FOCO

TEORIA MUSICAL EM FOCO TEORIA MUSICAL EM FOCO LEM I Módulo 01 HENRIQUE RODRIGUES www.teoriamusicalemfoco.com Teoria Musical em Foco 1 Música, Som e Suas Propriedades O que é Música? Música é a arte que expressa os diversos sentimentos,

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CENTRO DE CIÊNCIAS HUMANAS UNIDADE ACADÊMICA DE ARTE E MÍDIA TESTE DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CENTRO DE CIÊNCIAS HUMANAS UNIDADE ACADÊMICA DE ARTE E MÍDIA TESTE DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CENTRO DE CIÊNCIAS HUMANAS UNIDADE ACADÊMICA DE ARTE E MÍDIA TESTE DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS O Teste de Conhecimentos Específicos em Música (TCE) tem por objetivo

Leia mais

Informação para os Testes de Ingresso Prova de Execução Instrumental - 5º Ano

Informação para os Testes de Ingresso Prova de Execução Instrumental - 5º Ano Percussão planificações da disciplina. 1 Peça de Peles (2) 1 Peça de Lâminas (2) 1 Peça de Peles 1 Peça de Lâminas Notas: 1 A seleção do programa a executar realiza-se no momento da prova. 2 - Cada andamento

Leia mais

Título da peça: 2. FAURÉ. G. Uma canção, à escolha do candidato, entre as relacionadas no Edital de Programa de 2009. Título da peça: Título da peça:

Título da peça: 2. FAURÉ. G. Uma canção, à escolha do candidato, entre as relacionadas no Edital de Programa de 2009. Título da peça: Título da peça: CANTO 1. BACH, J.S. Uma ária ou canção, à escolha do candidato, entre as relacionadas no Edital de Programa de 2009. Título da peça: 2. FAURÉ. G. Uma canção, à escolha do candidato, entre as relacionadas

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO N. o 203 3-9-1998 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-B 4595 mento. Pelo Ministro Adjunto, Fausto de Sousa Correia, Secretário de Estado da Administração Pública e da Modernização Administrativa. A Ministra da

Leia mais

Três características diferem os sinais sonoros: a altura do som, a intensidade e o timbre.

Três características diferem os sinais sonoros: a altura do som, a intensidade e o timbre. Três características diferem os sinais sonoros: a altura do som, a intensidade e o timbre. A altura do som relaciona-se com a freqüência (audível 20 Hz a 20 khz). Um som mais baixo (respect. alto) é mais

Leia mais

NOTAÇÃO MUSICAL: Como se escreve música?

NOTAÇÃO MUSICAL: Como se escreve música? NOTAÇÃO MUSICAL: Como se escreve música? A música é uma linguagem sonora como a fala. Assim como representamos a fala por meio de símbolos do alfabeto, podemos representar graficamente a música por meio

Leia mais

TEMAS PARA BANCAS DE PSS ÁREA DE MÚSICA TODOS OS PROFESSORES DEVERÃO APRESENTAR O PLANO DE AULA PROCESSO SELETIVO

TEMAS PARA BANCAS DE PSS ÁREA DE MÚSICA TODOS OS PROFESSORES DEVERÃO APRESENTAR O PLANO DE AULA PROCESSO SELETIVO TEMAS PARA BANCAS DE PSS ÁREA DE MÚSICA TODOS OS PROFESSORES DEVERÃO APRESENTAR O PLANO DE AULA PROCESSO SELETIVO Componente Curricular OBOÉ FAGOTE FLAUTA TRANSVERSAL Temas respiração, aplicados ao ensino

Leia mais

Você quer se formar em Música?

Você quer se formar em Música? Você quer se formar em Música? Faça um dos cursos de Graduação em Música oferecidos pela Escola de Música e Artes Cênicas da Universidade Federal de Goiás (EMAC/UFG)! 1) Quais são os Cursos Superiores

Leia mais

ESCOLA DE MÚSICA DO ESTADO DE SÃO PAULO TOM JOBIM Edital de 30 de janeiro de 2015 Processo Seletivo Nº 2 para ingresso de alunos na EMESP em 2015

ESCOLA DE MÚSICA DO ESTADO DE SÃO PAULO TOM JOBIM Edital de 30 de janeiro de 2015 Processo Seletivo Nº 2 para ingresso de alunos na EMESP em 2015 ESCOLA DE MÚSICA DO ESTADO DE SÃO PAULO TOM JOBIM Edital de 30 de janeiro de 2015 Processo Seletivo Nº 2 para ingresso de alunos na EMESP em 2015 ÍNDICE Dispõe sobre o segundo Processo Seletivo para preenchimento

Leia mais

Início em Arranjos Musicais

Início em Arranjos Musicais Marcelo Morales Torcato Início em Arranjos Musicais 1ª. Edição Pauliceia Marcelo Morales Torcato 2009 PRIMEIRA AULA. As notas musicais são sete: dó; ré; mi; fá; sol; lá; si. Também podem ser representadas

Leia mais

TIPO A TEORIA MUSICAL. As questões 01 a 03 referem-se ao trecho musical a seguir, de Lulli:

TIPO A TEORIA MUSICAL. As questões 01 a 03 referem-se ao trecho musical a seguir, de Lulli: 1 TEORIA MUSICAL As questões 01 a 03 referem-se ao trecho musical a seguir, de Lulli: 1. Observe o trecho musical acima e responda: 0-0) A tonalidade predominante deste trecho musical é Si bemol Maior.

Leia mais

Prova Específica de Música do Concurso Vestibular 2015 Regência Coral

Prova Específica de Música do Concurso Vestibular 2015 Regência Coral Prova Específica de Música do Concurso Vestibular 2015 Regência Coral I. INFORMAÇÕES COMUNS A TODAS AS PROVAS A Prova de Habilitação Específica para o Curso de Graduação em Música da Universidade Federal

Leia mais

FUVEST - VESTIBULAR 2011 PROVA DE APTIDÃO EM MÚSICA

FUVEST - VESTIBULAR 2011 PROVA DE APTIDÃO EM MÚSICA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA DE COMUNICAÇÕES E ARTES DEPARTAMENTO DE MÚSICA FUVEST - VESTIBULAR 2011 PROVA DE APTIDÃO EM MÚSICA Curso: ( ) Licenciatura ( ) Canto ( ) Instrumento ( ) Regência ( ) Composição

Leia mais

O Maestro & ==============

O Maestro & ============== Vamos aprender colorindo? ================== I M P R I M A E S T E D O C U M E N T O P A R A P I N T A R C O M L Á P I S D E C O R Nome: Comum CCB: I N T R O D U Ç Ã O : Esta apostila livre foi desenvolvida

Leia mais

Apostila de Teoria Musical Básica

Apostila de Teoria Musical Básica Apostila de Teoria Musical Básica Criação e edição: MIGUEL URTADO Distribuição: CÂNONE MUSICAL CÂNONE MUSICAL *Cursos relacionado a música* www.canone.com.br São Carlos Brasil Maio de 2009 ----**---- Para

Leia mais

FACULDADE ANCHIETA DE ENSINO SUPERIOR DO PARANÁ FAESP BACHARELADO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO INFOMASTER MUSIC

FACULDADE ANCHIETA DE ENSINO SUPERIOR DO PARANÁ FAESP BACHARELADO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO INFOMASTER MUSIC FACULDADE ANCHIETA DE ENSINO SUPERIOR DO PARANÁ FAESP BACHARELADO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO INFOMASTER MUSIC Curitiba, 2005 FACULDADE ANCHIETA DE ENSINO SUPERIOR DO PARANÁ FAESP BACHARELADO EM SISTEMAS

Leia mais

CONSERVATÓRIO DE MÚSICA DO PORTO

CONSERVATÓRIO DE MÚSICA DO PORTO EDITAL Contratação de Escola 2015/2016 Nos termos do Artigo 15º da Portaria n.º 942/2009, de 21 de Agosto e do Artigo 38º do Decreto-Lei nº132/2012, de 27 de Junho, na redação que lhe é dada pelo Decreto-lei

Leia mais

UFJF CONCURSO VESTIBULAR 2013 E MÓDULO III DO PISM TRIÊNIO PROVA DE HABILIDADE ESPECÍFICA BACHARELADO EM MÚSICA

UFJF CONCURSO VESTIBULAR 2013 E MÓDULO III DO PISM TRIÊNIO PROVA DE HABILIDADE ESPECÍFICA BACHARELADO EM MÚSICA A questão 01 é acompanhada de um exemplo musical gravado, que será repetido 4 vezes, com um silêncio de 30 segundos entre cada repetição; um som de aviso (quatro toques ) aparecerá antes do extrato musical

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CENTRO DE CIÊNCIAS HUMANAS UNIDADE ACADÊMICA DE ARTE E MÍDIA CURSO DE GRADUAÇÃO EM MÚSICA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CENTRO DE CIÊNCIAS HUMANAS UNIDADE ACADÊMICA DE ARTE E MÍDIA CURSO DE GRADUAÇÃO EM MÚSICA UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CENTRO DE CIÊNCIAS HUMANAS UNIDADE ACADÊMICA DE ARTE E MÍDIA CURSO DE GRADUAÇÃO EM MÚSICA Teste de Habilidade Específica (THE) O Teste de Habilidade Específica (THE)

Leia mais

ESCOLA DE MÚSICA BACHARELADO E LICENCIATURA TESTE DE HABILIDADE ESPECÍFICA

ESCOLA DE MÚSICA BACHARELADO E LICENCIATURA TESTE DE HABILIDADE ESPECÍFICA ESCOLA DE MÚSICA BACHARELADO E LICENCIATURA TESTE DE HABILIDADE ESPECÍFICA PARTE I: FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA (Para todos os candidatos ao Bacharelado em Música e Licenciatura em Música). Prova 1 Escrita 1.1.

Leia mais

TEORIA MUSICAL EM FOCO

TEORIA MUSICAL EM FOCO TEORIA MUSICAL EM FOCO Curso Lendo Partituras Em Minutos HENRIQUE RODRIGUES www.teoriamusicalemfoco.com Teoria Musical em Foco 1 Música, Som e Suas Propriedades O que é Música? Música é a arte que expressa

Leia mais

Projeto Tocarei ao Senhor

Projeto Tocarei ao Senhor Projeto Tocarei ao Senhor Formando Bandas Sinfônicas nas igrejas Objetivo: Formar Bandas Sinfônicas com uso de instrumentos de sopro (madeiras flautas, clarinetes, saxofones, oboé, fagote), metais (trompetes,

Leia mais

Teoria Musical em Foco

Teoria Musical em Foco Henrique Rodrigues Teoria Musical em Foco Primeiros Passos Para Começar a Ler Partituras Versão 1.0 2 Índice Índice 3 Introdução 5 Capítulo 1: Música e Som 6 1.1 O que é Música 6 1.2 Mas o que é som? 7

Leia mais

1º MÓDULO. 6RPé tudo o que impressiona os órgãos auditivos, resulta do choque de dois corpos. O nosso

1º MÓDULO.  6RPé tudo o que impressiona os órgãos auditivos, resulta do choque de dois corpos. O nosso 620 1º MÓDULO 6RPé tudo o que impressiona os órgãos auditivos, resulta do choque de dois corpos. O nosso ouvido percebe duas espécies de sons: musicais e não musicais. O som musical é resultado de vibrações

Leia mais

Renato Bon - Artigo: Klangfarbenmelodien. Klangfarbenmelodien

Renato Bon - Artigo: Klangfarbenmelodien. Klangfarbenmelodien 1 Klangfarbenmelodien O presente artigo trata da técnica desenvolvida por Schoenberg, Klangfarbenmelodien, melodias de timbres. A primeira peça constituída inteiramente com esta técnica é Farben, a terceira

Leia mais

PROGRAMA QUALIDADE NA PRÁTICA PEDAGÓGICA MÚSICA VERA MARIA RODRIGUES ALVES SÃO PAULO ABRIL

PROGRAMA QUALIDADE NA PRÁTICA PEDAGÓGICA MÚSICA VERA MARIA RODRIGUES ALVES SÃO PAULO ABRIL 1 PROGRAMA QUALIDADE NA PRÁTICA PEDAGÓGICA MÚSICA VERA MARIA RODRIGUES ALVES SÃO PAULO ABRIL 2015 ROTEIRO 2 1. O que é Música 2. Para fazer música na creche é preciso: 3. O que devemos evitar 4. Qualidades

Leia mais

O básico da Guitarra - Aula 6 J. Junior. Acordes Básicos

O básico da Guitarra - Aula 6 J. Junior. Acordes Básicos O básico da Guitarra - Aula 6 J. Junior Acordes Básicos Muitas vezes, o que mexe com a gente e nos faz querer tocar guitarra é aquele solo ou riff do guitarrista da nossa banda favorita, mas devemos saber

Leia mais

PROGRAMAÇÃO DO PROJETO EDUCATIVO. Concerto encenado em classe de conjunto: estudo sobre perceções e aprendizagens

PROGRAMAÇÃO DO PROJETO EDUCATIVO. Concerto encenado em classe de conjunto: estudo sobre perceções e aprendizagens PROGRAMAÇÃO DO PROJETO EDUCATIVO Concerto encenado em classe de conjunto: estudo sobre perceções e aprendizagens Ana Estevens, nº 120138001 Trabalho realizado na Unidade Curricular de Processos de Experimentação

Leia mais

Prova Específica de Música do Concurso Vestibular 2016

Prova Específica de Música do Concurso Vestibular 2016 1 Prova Específica de Música do Concurso Vestibular 2016 I. INFORMAÇÕES COMUNS A TODAS AS PROVAS A Prova de Habilitação Específica para o Curso de Graduação em Música da Universidade Federal do Rio Grande

Leia mais

REGULAMENTO 1º CONCURSO DE COMPOSIÇÃO ERUDITA GRAMADO IN CONCERT

REGULAMENTO 1º CONCURSO DE COMPOSIÇÃO ERUDITA GRAMADO IN CONCERT REGULAMENTO 1º CONCURSO DE COMPOSIÇÃO ERUDITA GRAMADO IN CONCERT A Organização do 2º Gramado In Concert torna público o presente Edital que regulamenta o 1º Concurso de Composição Erudita Gramado In Concert.

Leia mais

ANEXO 1 CONTEÚDO PROGRAMÁTICO DOS TESTES PRÁTICOS DIAS E HORÁRIOS BOLSA-PERFORMANCE

ANEXO 1 CONTEÚDO PROGRAMÁTICO DOS TESTES PRÁTICOS DIAS E HORÁRIOS BOLSA-PERFORMANCE ANEXO 1 CONTEÚDO PROGRAMÁTICO DOS TESTES PRÁTICOS DIAS E HORÁRIOS BOLSA-PERFORMANCE 1- ORQUESTRA SINFÔNICA Cordas (Violino, Viola, Violoncelo e Contrabaixo) Data dos testes: 12/12/2014 às 15h30 Local:

Leia mais

APRENDA MÚSICA Vol I 1. As notas musicais no endecagrama

APRENDA MÚSICA Vol I 1. As notas musicais no endecagrama APRENDA MÚSICA Vol I 1. As notas musicais no endecagrama Devido à grande extensão do teclado e conseqüentemente um grande número de notas, localizadas em diferentes oitavas, precisamos de dois pentagramas.

Leia mais

Parâmetros do som. 24 Capítulo 2

Parâmetros do som. 24 Capítulo 2 Parâmetros do som Ouvimos diversos sons produzidos por uma quantidade enorme de fontes sonoras. Sons diferentes e também sons que conhecemos e reconhecemos diariamente. Uma mesma nota musical pode ser

Leia mais

ANEXO 1 CONTEÚDO PROGRAMÁTICO DOS TESTES PRÁTICOS DIAS E HORÁRIOS BOLSA-PERFORMANCE

ANEXO 1 CONTEÚDO PROGRAMÁTICO DOS TESTES PRÁTICOS DIAS E HORÁRIOS BOLSA-PERFORMANCE ANEXO 1 CONTEÚDO PROGRAMÁTICO DOS TESTES PRÁTICOS DIAS E HORÁRIOS BOLSA-PERFORMANCE 1- ORQUESTRA SINFÔNICA Cordas (Violino, Viola, Violoncelo e Contrabaixo) Violino Sinfonia nº 2 de Camargo Guarnieri:

Leia mais

PROGRAMA DAS PROVAS DE HABILIDADES ESPECÍFICAS ESCOLA DE MÚSICA CURSO: MÚSICA / BACHARELADO

PROGRAMA DAS PROVAS DE HABILIDADES ESPECÍFICAS ESCOLA DE MÚSICA CURSO: MÚSICA / BACHARELADO PROGRAMA DAS PROVAS DE HABILIDADES ESPECÍFICAS ESCOLA DE MÚSICA CURSO: MÚSICA / BACHARELADO - HABILITAÇÃO EM INSTRUMENTO - HABILITAÇÃO EM CANTO PROVA PRÁTICA DE INSTRUMENTO OU CANTO INFORMAÇÕES PRELIMINARES

Leia mais

Escola Básica 2,3/S Dr. Azevedo Neves

Escola Básica 2,3/S Dr. Azevedo Neves Escola Básica 2,3/S Dr. Azevedo Neves 5º e 6º ano Professor Hugo Costa 2009/2010 A Cappella música vocal sem acompanhamento de instrumentos musicais. Accelerando - Aumento gradual do andamento de uma parte

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO Resolução n 35/ 2009 Aprova o Projeto Político-Pedagógico do Curso de Graduação em Música, Modalidade

Leia mais

Curso de Teoria Musical

Curso de Teoria Musical Curso de Teoria Musical PARTE I - 1 - Propriedades do Som Estamos iniciando o curso sobre Teoria Musical. Vamos começar com o que há de mais elementar, mas que dará base sólida ao estudante que estará

Leia mais

Questionário de Música de Munique

Questionário de Música de Munique Reabilitação Questionário de Música de Munique Para registar os hábitos de escuta de música por parte de pessoas com surdez pós-lingual após implantação coclear Desenvolvido por: S.J. Brockmeier Adaptado

Leia mais

Provas de Habilidades Específicas em Música Composição e Licenciatura

Provas de Habilidades Específicas em Música Composição e Licenciatura Provas de Habilidades Específicas em Música Composição e Licenciatura Percepção Ditado Melódico 1: Reconhecimento de notas erradas na partitura (duração da questão 01min 30s). 1. Ouviremos a seguir um

Leia mais

FICHAS DE ENTREGA DO PROGRAMA PARA PROVA DE ACESSO AO 6º GRAU

FICHAS DE ENTREGA DO PROGRAMA PARA PROVA DE ACESSO AO 6º GRAU FICHAS DE ENTREGA DO PROGRAMA PARA PROVA DE ACESSO AO 6º GRAU Acordeão Alaúde Clarinete Contrabaixo Cravo Fagote Flauta de Bisel Flauta Transversal Guitarra Portuguesa Harpa Oboé Órgão Percussão Piano

Leia mais

Reconhecendo os instrumentos musicais

Reconhecendo os instrumentos musicais É possível que seus alunos já tenham várias informações e mesmo alguma experiência no que se refere a instrumentos musicais, por isso é fundamental que antes de começar qualquer explanação sobre o tema,

Leia mais

Marcelo Morales Torcato (Marcelo Torca) Curso de Música. 1ª. Edição. Paulicéia Marcelo Morales Torcato 2008. Curso de Música 1

Marcelo Morales Torcato (Marcelo Torca) Curso de Música. 1ª. Edição. Paulicéia Marcelo Morales Torcato 2008. Curso de Música 1 Marcelo Morales Torcato (Marcelo Torca) Curso de Música 1ª. Edição Paulicéia Marcelo Morales Torcato 2008 Curso de Música 1 ISBN Curso de Música 2 Índice. As Noras Si, Dó e Ré para Baixo pág. 15 As Noras

Leia mais

Edital 03/FOSPA/2015. Viola de Arco turno tarde 1 Violoncelo turno tarde 2 Contrabaixo Acústico tocado com Arco turno tarde

Edital 03/FOSPA/2015. Viola de Arco turno tarde 1 Violoncelo turno tarde 2 Contrabaixo Acústico tocado com Arco turno tarde Edital 03/FOSPA/2015 O PRESIDENTE DA - FOSPA, no uso de suas atribuições legais que lhe confere o art. 17, inciso VII, Decreto nº 51.370, de 10 de abril de 2014, TORNA PÚBLICO A ABERTURA DAS INSCRIÇÕES

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE SARZEDO Estado de Minas Gerais

PREFEITURA MUNICIPAL DE SARZEDO Estado de Minas Gerais ANEXO I ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS Violino Viola em violino ou na modalidade violino ou na modalidade Licenciatura em em viola ou na modalidade viola ou na ministrar aulas de violino e avaliar o aprendizado

Leia mais

exemplo musical correspondente

exemplo musical correspondente Nas questões de 1 a 9, responda de acordo com o comando de cada uma delas. A questão 1 exige resposta a ser construída pelo próprio candidato; as questões 2, 5, 6, 7, 8 e 9 são de associação ou complementação.

Leia mais

Repertório exigido para inscrição no 46º Festival de Inverno de Campos do Jordão

Repertório exigido para inscrição no 46º Festival de Inverno de Campos do Jordão ANEXO REPERTÓRIO DE ADMISSÃO Repertório exigido para inscrição no 46º Festival de Inverno de Campos do Jordão Violino Concerto nº 1, nº 2, nº 3, nº 4 ou nº 5: 1º movimento com cadência Sinfonia no.9, op.

Leia mais

APRENDENDO A LER PARTITURAS

APRENDENDO A LER PARTITURAS APRENDENDO A LER PARTITURAS Conceitos Básicos da Codificação dos símbolos musicais Prof. Denis Nogueira PARTITURA NÃO É MÚSICA A Partitura é uma série de sinais que representam música. Para um músico profissional,

Leia mais

COMO LER E ESCREVER PARTITURAS - I

COMO LER E ESCREVER PARTITURAS - I COMO LER E ESCREVER PARTITURAS - I ALTURAS Philippe Lobo 03 Introdução Um pouco de História 06 Conhecimentos Preliminares Contextualização Teórica Cordas Soltas + Escala Cromática 08 Entendendo a Pauta

Leia mais

Caderno de Musicalização: Canto e Flauta Doce

Caderno de Musicalização: Canto e Flauta Doce Secretaria de Estado da Educação Universidade Federal do Paraná Programa de Desenvolvimento Educacional Área de Arte Caderno de Musicalização: Canto e Flauta Doce EM REVISÃO CURITIBA 2007 Walmir Marcelino

Leia mais

CURSO DE MÚSICA - BACHARELADO

CURSO DE MÚSICA - BACHARELADO UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO UFPE CENTRO DE ARTES E COMUNICAÇÃO - CAC CURSO DE MÚSICA - BACHARELADO Coordenador do Curso: Prof. Rinaldo de Melo Fonseca IDENTIFICAÇÃO DO CURSO 1. Denominação dos Cursos:

Leia mais

13 de fevereiro INÍCIO: 8h DURAÇÃO: 4 horas. 20 questões MÚSICA NOME: CARTEIRA :

13 de fevereiro INÍCIO: 8h DURAÇÃO: 4 horas. 20 questões MÚSICA NOME: CARTEIRA : 13 de fevereiro 2011 INÍCIO: 8h DURAÇÃO: 4 horas CONTEÚDO: 20 questões MÚSICA NOME: CARTEIRA : PERCEPÇÃO MUSICAL 01. Indique a notação correta da melodia que será ouvida a seguir. A melodia será tocada

Leia mais

Gramática e Teoria Musical

Gramática e Teoria Musical Gramática e Teoria Musical Hugo L. Ribeiro hugolribeiro@yahoo.com.br 15 de janeiro de 2007 1 Gramática Musical 1.1 Pentagrama É o conjunto de cinco linhas e quatro espaços sobre os quais se escrevem as

Leia mais

A VER A BANDA... MARCHAR

A VER A BANDA... MARCHAR A VER A BANDA... MARCHAR Por: DR. JOÃO MENEZES Quando se tomam algumas decisões em relação ao que quer que seja, há sempre comentários e perguntas que surgem por parte de quem não tem formação para o assunto,

Leia mais

Prova Específica de Música do Concurso Vestibular 2015 Música Popular Canto e instrumentos musicais

Prova Específica de Música do Concurso Vestibular 2015 Música Popular Canto e instrumentos musicais Prova Específica de Música do Concurso Vestibular 2015 Música Popular Canto e instrumentos musicais I. INFORMAÇÕES COMUNS A TODAS AS PROVAS A Prova de Habilitação Específica para o Curso de Graduação em

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DR. VIEIRA DE CARVALHO Escola Básica e Secundária Dr. Vieira de Carvalho

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DR. VIEIRA DE CARVALHO Escola Básica e Secundária Dr. Vieira de Carvalho AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DR. VIEIRA DE CARVALHO Escola Básica e Secundária Dr. Vieira de Carvalho Departamento de Expressões e Tecnologias Planificação Anual de Educação Musical 5º ano Ano Letivo 2013/2014

Leia mais

Noções Básicas de Teoria Musical. por Alessandro Penezzi

Noções Básicas de Teoria Musical. por Alessandro Penezzi Noções Básicas de Teoria Musical por Alessandro Penezzi São Paulo, 1999 1) INTRODUÇÃO...4 a) Som é tudo o que ouvimos....4 b) Música é a arte de combinar sons....4 c) Notas Musicais...4 d) Grau Conjunto...5

Leia mais

XVII CONCURSO OSPA PARA JOVENS SOLISTAS, REGENTES E COMPOSITORES REGULAMENTO

XVII CONCURSO OSPA PARA JOVENS SOLISTAS, REGENTES E COMPOSITORES REGULAMENTO XVII CONCURSO OSPA PARA JOVENS SOLISTAS, REGENTES E COMPOSITORES 1 DO OBJETIVO REGULAMENTO O XVII CONCURSO OSPA PARA JOVENS SOLISTAS, REGENTES E COMPOSITORES, promovido pela FOSPA - Fundação Orquestra

Leia mais

Dó Dó# - Ré Ré# - Mi Fá Fá# - Sol Sol# - Lá Lá# - Si Dó

Dó Dó# - Ré Ré# - Mi Fá Fá# - Sol Sol# - Lá Lá# - Si Dó Introdução às Escalas Musicais Por certo todos já ouviram falar de escalas musicais. A mais conhecida de todas é a escala de Dó maior, onde abrange as notas: Dó, Ré, Mi, Fá, Sol, Lá, Si. Além dessas notas,

Leia mais

Música 2. PROGRAMA. Modalidades composição, regência e instrumento

Música 2. PROGRAMA. Modalidades composição, regência e instrumento Aptidão Música 1. INTRODUÇÃO O exame de aptidão em Música tem por objetivo avaliar a formação musical do candidato, bem como o seu potencial artístico. Em seu aspecto técnico, o exame avalia o conhecimento

Leia mais

TIMBRE E TEXTURA NA ESCRITA SINFÔNICA DE ALMEIDA PRADO: CARTAS CELESTES NO.8 ORÉ-JACYTATÁ

TIMBRE E TEXTURA NA ESCRITA SINFÔNICA DE ALMEIDA PRADO: CARTAS CELESTES NO.8 ORÉ-JACYTATÁ TIMBRE E TEXTURA NA ESCRITA SINFÔNICA DE ALMEIDA PRADO: CARTAS CELESTES NO.8 ORÉ-JACYTATÁ autor: Nikolai Brucher e-mail: nikolaibrucher@yahoo.com.br orientadora: Profª. Drª. Carole Gubernikoff Introdução

Leia mais

www.meloteca.com Jorge Salgueiro Lista de obras Cidade de veludo com coro e grupo rock 69, 1999 4 10 min.

www.meloteca.com Jorge Salgueiro Lista de obras Cidade de veludo com coro e grupo rock 69, 1999 4 10 min. www.meloteca.com Jorge Salgueiro Lista de obras Canto - Coro Misto (1 a Cidade de veludo com coro e grupo rock 69, 1999 Pino do verão ópera com solistas, coro misto e grande ensemble 89, 5 60 Ode a euterpe

Leia mais

9322 Diário da República, 2.ª série N.º de março de 2016

9322 Diário da República, 2.ª série N.º de março de 2016 9322 Diário da República, 2.ª série N.º 53 16 de março de 2016 3 As taxas em caso de mudança de orientador ou entidade recetora do estagiário só são exigíveis quando tal mudança decorra por razões imputáveis

Leia mais

ANDRÉ LUIZ DE MACEDO COUTO. FÍSICA DO VIOLÃO Análise Qualitativa do Som de Violões

ANDRÉ LUIZ DE MACEDO COUTO. FÍSICA DO VIOLÃO Análise Qualitativa do Som de Violões UNIVERSIDADE CATÓLICA DE BRASÍLIA PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO Curso de Física Física do Violão Autor: André Luiz de Macedo Couto Orientador: Prof. Dr. Paulo Eduardo de Brito

Leia mais

PLANO DE ESTUDOS DE EDUCAÇÃO MUSICAL 5.º ANO

PLANO DE ESTUDOS DE EDUCAÇÃO MUSICAL 5.º ANO DE EDUCAÇÃO MUSICAL 5.º ANO Ano Letivo 2015 2016 PERFIL DO ALUNO Perfil do aluno no final do 5.º Ano O aluno canta a solo e em grupo, com intencionalidade expressiva, canções em diferentes tonalidades

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DA BATALHA

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DA BATALHA AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DA BATALHA candidato regime Ano esc. instrumento Colocação Alannah Serra Kelly Articulado 5º Violino ADMITIDO Alannah Serra Kelly Articulado 5º Fagote ADMITIDO Alannah Serra Kelly

Leia mais

AMOSTRA ATENÇÃO: SUMÁRIO. Introdução...1. Notação musical...3. Teoria musical...13. Harmonia...30. Escalas...44. Dicionário de acordes...

AMOSTRA ATENÇÃO: SUMÁRIO. Introdução...1. Notação musical...3. Teoria musical...13. Harmonia...30. Escalas...44. Dicionário de acordes... AMOSTRA ATENÇÃO: ESTE DOCUMENTO SE TRATA APENAS DE UMA AMOSTRA. AS PÁGINAS AQUI EXPOSTAS SÃO PÁGINAS ALEATÓRIAS DA APOSTILA, MESCLADAS DO APRENDIZADO ADULTO COM O APRENDIZADO INFANTIL, COM EFEITO APENAS

Leia mais

BANDA LARGA 2015 Regulamento Festival de Bandas de Música Civis do Estado do Rio de Janeiro - Maratona de Bandas

BANDA LARGA 2015 Regulamento Festival de Bandas de Música Civis do Estado do Rio de Janeiro - Maratona de Bandas BANDA LARGA 2015 Regulamento Festival de Bandas de Música Civis do Estado do Rio de Janeiro - Maratona de Bandas Artigo 1º Objeto REGULAMENTO GERAL CAPÍTULO I Disposições gerais O presente regulamento

Leia mais

Oração a São Francisco

Oração a São Francisco Guia Arrano: Manoel Ferreira Flauta C & Requinta Eb & 1º Clarinete Bb & º, 3º Clarinete Bb & Sax Soprano Bb & 1º, º Sax Alto Eb & Sax Tenor Bb & Sax Barítono Eb & 1º Trompete Bb & º, 3º Trompete Bb & Sax

Leia mais

APOSTILAS DAS ESPECIALIDADES DO CLUBE TERRAS

APOSTILAS DAS ESPECIALIDADES DO CLUBE TERRAS APOSTILAS DAS ESPECIALIDADES DO CLUBE TERRAS I - INTRODUÇÃO Para começar precisamos entender dois conceitos principais. 1. SOM: Onda que vibra no ar, numa freqüência em que o ouvido capta essa vibração

Leia mais

04 Clarinete Habilitação própria para os cursos básicos e complementares. Subgrupo Código Curso Grau Condições especiais

04 Clarinete Habilitação própria para os cursos básicos e complementares. Subgrupo Código Curso Grau Condições especiais 3144 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-B N. o 78 21 de Abril de 2005 MINISTÉRIOS DA AGRICULTURA, PESCAS E FLO- RESTAS E DO AMBIENTE E DO ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO. Portaria n. o 434/2005 de 21 de Abril Pela

Leia mais

A Física da Música. Características sonoras

A Física da Música. Características sonoras A Física da Música Características sonoras A ciência pode hoje apontar certas características físicas de um som musical que o distingue de sons que são apenas ruídos. Utilizando instrumentos que transcrevem

Leia mais

Concurso Público para Cargos Técnico-Administrativos em Educação UNIFEI 30/08/2009

Concurso Público para Cargos Técnico-Administrativos em Educação UNIFEI 30/08/2009 Questão 21 Conhecimentos Específicos - Instrumento Musical Em 1914, Erich von Hornbostel e Curt Sachs classificaram os instrumentos musicais de acordo com a maneira como é produzido o som. Nesse sistema,

Leia mais

FORMAÇÃO E ESTRUTURAS DOS ACORDES; ESCALAS:

FORMAÇÃO E ESTRUTURAS DOS ACORDES; ESCALAS: FORMAÇÃO E ESTRUTURAS DOS ACORDES; ESCALAS: CROMÁTICA, DIATÔNICA, NATURAL, GREGAS, MELÓDICAS, HARMÔNICAS, DIMINUTAS, PENTATÔNICAS. SINAIS COMUNS E SÍMBOLOS MUSICAIS NOÇÕES DE IMPROVISAÇÃO: RITÍMICA, BASE

Leia mais

CONSERVATÓRIO DE MÚSICA DO PORTO

CONSERVATÓRIO DE MÚSICA DO PORTO EDITAL Contratação de Escola 2016/2017 Nos termos do Artigo 15º da Portaria n.º 942/2009, de 21 de Agosto, conjugado com o disposto nos Artigos 38º e 39º do Decreto-Lei nº132/2012, de 27 de Junho, na redação

Leia mais

EDITAL DE INGRESSO N 19/DEING/2016/1

EDITAL DE INGRESSO N 19/DEING/2016/1 EDITAL DE INGRESSO N 19/DEING/2016/1 A Reitora do Instituto Federal de Santa Catarina torna de conhecimento público a abertura de inscrições, no período de 08 de dezembro de 2015 a 27 de janeiro de 2016,

Leia mais

Sopros: Instrumentos e vagas: Regras gerais: A prova será dividida em 5 etapas:

Sopros: Instrumentos e vagas: Regras gerais: A prova será dividida em 5 etapas: Instrumentos e vagas: Regras gerais: A prova será dividida em 5 etapas: 1- Peça de Confronto 2- Peça de Livre Escolha. 3- Excertos do Repertório da Orquestra Jazz Sinfônica 4- Leitura à Primeira Vista

Leia mais

CONCURSO JOVEM.COM REGULAMENTO 2015 - EMCN

CONCURSO JOVEM.COM REGULAMENTO 2015 - EMCN CONCURSO JOVEM.COM REGULAMENTO 2015 - EMCN A) CONCURSO 1- O Concurso Jovem.COM é um concurso de Interpretação. Tem como objetivos: - Promover os Conservatórios Oficiais de Música e suas cidades; - Premiar

Leia mais

música. Exemplo de instrumentos de ritmo: Instrumentos de Percussão (bateria, pandeiro, tamborim, etc.)

música. Exemplo de instrumentos de ritmo: Instrumentos de Percussão (bateria, pandeiro, tamborim, etc.) Introdução A Teoria Musical é tida por muitos como uma coisa chata e difícil, mas quando compreendida torna-se fácil e muito interessante, pois nos fará entender, questionar, definir e escrever o que tocamos

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA 4470 Diário da República, 1.ª série N.º 178 15 de Setembro de 2011 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA Portaria n.º 267/2011 de 15 de Setembro Tendo em conta o reajustamento da organização curricular dos

Leia mais

Os instrumentos musicais são classificados conforme o material de que são confeccionados e a forma como o som é produzido.

Os instrumentos musicais são classificados conforme o material de que são confeccionados e a forma como o som é produzido. Instrumentos Musicais O homem primitivo começou a construir instrumentos musicais para tentar imitar os sons da natureza. Os primeiros instrumentos de que se têm notícia são aqueles feitos de ossos de

Leia mais

MÚSICA / INSTRUMENTOS DE SOPRO

MÚSICA / INSTRUMENTOS DE SOPRO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO PIAUÍ (IFPI) Aplicação: 26/02/2012 Duração da prova: 04 (quatro) horas MÚSICA / INSTRUMENTOS DE SOPRO LEIA COM ATENÇÃO AS INSTRUÇÕES ABAIXO 01 Você

Leia mais

FUVEST - VESTIBULAR 2012 PROVA DE APTIDÃO EM MÚSICA

FUVEST - VESTIBULAR 2012 PROVA DE APTIDÃO EM MÚSICA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA DE COMUNICAÇÕES E ARTES DEPARTAMENTO DE MÚSICA FUVEST - VESTIBULAR 2012 PROVA DE APTIDÃO EM MÚSICA Curso: ( ) Licenciatura ( ) Canto ( ) Instrumento ( ) Regência ( ) Composição

Leia mais

XIV SEMANA ELEAZAR DE CARVALHO CONCURSO JOVENS SOLISTAS E REGENTES 2015

XIV SEMANA ELEAZAR DE CARVALHO CONCURSO JOVENS SOLISTAS E REGENTES 2015 XIV SEMANA CONCURSO JOVENS SOLISTAS E REGENTES 2015 Etapa Região Sudeste Data: 18 de novembro 2015 14h30 para Candidatos de Regência Local: FAAM-FIAM Av. Liberdade, 107 São Paulo/SP Data: 23 de novembro

Leia mais

Projeto de Orquestra de Sopros e Percussão de Penacova

Projeto de Orquestra de Sopros e Percussão de Penacova Projeto de Orquestra de Sopros e Percussão de Penacova Nome do Projeto Orquestra de Sopros do Centro Cultural de Penacova (este nome será discutido à posteriori) Local onde se irá desenvolver Centro Cultural

Leia mais