RACIONAL EXPECTATIONS AND THE THEORY OF PRICE MOVEMENTS, uma análise

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "RACIONAL EXPECTATIONS AND THE THEORY OF PRICE MOVEMENTS, uma análise"

Transcrição

1 RACIONAL EXPECTATIONS AND THE THEORY OF PRICE MOVEMENTS, uma análise Ana Isabel Quinteiro Lopes Gonçalves Loureiro, Faculdade de Economia do Porto Bárbara Andrea Pereira Ribeiro, Faculdade de Economia do Porto Mariana Baptista de Sá, Faculdade de Economia do Porto Patrícia Rodrigues Esteves, Faculdade de Economia do Porto TP9, Grupo 1 Resumo: Muth (1961) introduz na teoria económica o conceito de expectativas racionais, que tem um impacto significativo na Economia (ver Robert Lucas (1969)). A hipótese das expectativas racionais não tem ligação com a forma como os agentes económicos as determinam, mas com o resultado agregado das suas previsões. No contexto de um modelo, a nível individual podem ocorrer erros de previsão mas em média o resultado estará tão correcto como o previsto pelo modelo (coincidindo com a previsão da teoria económica relevante, Muth, 1961, p. 315). Muth (1961) analisa variações ao modelo considerando que os termos de perturbação estão correlacionados e que existem desvios de racionalidade. Neste contexto, analisa o impacto das expectativas racionais na especulação da acumulação de stocks. Termina comparando as previsões do Teorema Teia de Aranha baseado em expectativas racionais e adaptativas, reforçando a sua hipótese de que as expectativas racionais estão mais de acordo com a evidência empírica. Palavras-chave: expectativas racionais, especulação de stocks, expectativa de preço, macroeconomia. Códigos JEL: E30, B22 1. Introdução Muth (1961) verifica que, em geral, a teoria económica assumia racionalidade mas que o mesmo não se passava em relação às expectativas. Anteriormente considerava-se que a inclusão de racionalidade originava teorias frágeis (i.e. que não estão de acordo com a evidência empírica). Muth (1961) considera, contrariamente a Simon (1959), que essa incoerência se deve ao facto de não se adoptar racionalidade suficiente. Assume, por indução, a hipótese das expectativas racionais na formulação da previsão do preço (i.e. em média o preço previsto para o futuro vai ser igual ao que se vai efectivamente verificar [Muth, 1961, EX. 3.4]). A hipótese de Muth (1961) permitiu que Robert Lucas (1969) altera-se a compreensão do ajustamento da curva de Phillips, passando a ser representada por uma curva vertical. Esta explica a relação negativa entre inflação e produto ao longo do tempo. O ajustamento passou a ser entendido como ocorrendo de forma instantânea.

2 É importante perceber como é que os agentes tratam a informação na formulação das suas expectativas, uma vez que isso tem impacto no funcionamento da economia. Segundo a hipótese das expectativas racionais os agentes económicos utilizam toda a informação disponível e relevante (i.e. que tem influência na variável considerada) na formulação das suas previsões. 2. Desenvolvimento 2.1. A hipótese das expectativas racionais Muth (1961) analisa um mercado onde existe um desfasamento na produção sendo que o empresário decide hoje a quantidade de produção com base num preço previsto para o momento da venda (no futuro). Considerando um mercado em que as funções da procura e da oferta são especificadas, respectivamente, da seguinte forma: Em que a primeira equação representa a quantidade procurada pelos consumidores, que é função do preço no momento da compra e varia negativamente com este. A segunda equação diz respeito à quantidade oferecida pelos produtores, sendo esta função do preço esperado para o momento da venda adicionado de um termo de perturbação. A hipótese das expectativas racionais assumida por Muth (1961) traduz-se pela seguinte expressão: significando que o valor esperado do preço de equilíbrio coincide com a expectativa do preço. Na tomada de decisão das quantidade a produzir, os produtores cometem erros de previsão. Alguns esperaram preços superiores, outros inferiores ao preço que efectivamente se vai verificar compensando-se uns aos outros. Assim sendo a média dos erros será zero. Se houvesse diferenças na previsão realizada pela teoria relevante e a feita pelos agentes, haveria lugar a ganhos para quem detivesse informação privilegiada, quer pela diminuição do erro de previsão aproximando a produção à procura efectiva, quer pela possibilidade de venda dessa informação Críticas Erros correlacionados Para alguns mercados é importante assumir que uma parte dos acontecimentos futuros pode ser prevista com base em informação dos acontecimentos passados (i.e. assumindo correlação entre os termos de perturbação). No sentido de aumentar a robustez do modelo base, Muth (1961) testa a sua hipótese neste contexto. Desta forma, o preço efectivo e o preço esperado

3 vão ser função do peso atribuído aos acontecimentos passados, embora o preço efectivo contemple a informação do período actual, ao contrário do preço esperado. No entanto, a introdução da correlação entre os termos de perturbação não afecta as conclusões de Muth (1961), uma vez que os resultados a que chega são os mesmos que no caso de não se considerar correlação. Esta conclusão é válida quer os acontecimentos sejam de carácter transitório ou permanente, ou seja, afectem a Economia num só período ou em todos os períodos futuros Os desvios da racionalidade Muth (1961) modeliza os desvios da racionalidade por diferentes ponderações atribuídas à informação actual. Se fosse conhecida a relação entre acontecimentos passados e actuais seria possível estimar de forma óptima o ponderador. O ponderador será menor que a unidade caso a informação actual seja considerada mais relevante em comparação com o ponderador óptimo (informação actual valorizada) e será superior à unidade caso contrário (informação actual desvalorizada). Considerando que se os erros cometidos pelas empresas não estiverem correlacionados, em média compensam-se, sendo que as previsões médias e também o efeito no mercado são negligenciáveis. Pelo contrário, se o erro de previsão das empresas for no mesmo sentido não haverá coincidência entre o preço esperado e o preço de equilíbrio. 2.3.Consequências da especulação pela acumulação de stocks Muth (1961) acrescenta na sua análise a especulação pela acumulação de stocks. Esta vai depender da diferença entre o preço esperado e o preço actual, sendo este conhecido no momento da decisão. Se o preço actual for maior que o preço esperado para o futuro, não haverá lugar à constituição de stocks. A dimensão do stock a constituir depende, por um lado, da expectativa de ganho e será tanto maior quanto maior esta. Por outro lado, depende da aversão ao risco, diminuindo com esta (o inverso da aversão ao risco é o parâmetro ) [Muth, 1961, EX. 4.9]. A acumulação de stocks depende do tipo de bem em questão, ou seja, da possibilidade de armazenamento por parte das famílias, da dimensão do mercado e da sua durabilidade. Ao introduzir na sua análise a especulação de stocks, Muth (1961) encontra um novo equilíbrio de mercado, onde a procura adicionada dos stocks especulativos vai ser igual à oferta mais os stocks especulativos do ano anterior: Sendo, a procura de stocks no período actual a procura de stocks no período anterior Tendo em conta as considerações feitas em 2.2 (i.e. pesos atribuídas à informação passada e correlação entre informação passada e presente); Muth (1961) conclui que o preço esperado

4 relaciona-se unicamente com o preço no período anterior ponderado por um parâmetro, que se prende com a procura, a oferta e os stocks [Muth, 1961, EX. 4.20]. Se os stocks especulativos forem importantes este parâmetro tende para o valor 1, ou seja, o preço esperado será muito próximo do preço no período anterior (i.e. há correlação positiva entre os dois preços). Se as expectativas sobre os preços formadas pelos agentes económicos forem racionais, concluise que podem existir efeitos da especulação de bens, reduzindo a variação dos preços por repartir esses efeitos por diversos períodos de tempo. Pode-se afirmar que quanto menor a atracção pelo risco mais negligenciável é o seu efeito na especulação de stocks, pois há uma menor variabilidade na produção, o que permite escolher de forma mais correcta a quantidade de stocks, diluindo assim o efeito no tempo Aplicação ao Teorema Teia de Aranha A fim de fortalecer a sua hipótese, Muth (1961) aplica-a ao Teorema Teia de Aranha. Compara os resultados empíricos do preço do gado suíno, com os obtidos pelo referido Teorema para expectativas adaptativas e racionais. As expectativas adaptativas foram introduzidas por um estudo realizado por Phillip Cagan (1956) e tornaram-se as mais populares à época. Para a sua formulação os agentes económicos baseiam-se em informações do comportamento passado das variáveis relevantes e nos erros cometidos. Deste tipo de expectativas resulta normalmente um enviesamento, ou seja, uma diferença entre os valores esperados e os efectivos. De acordo com o Teorema Teia de Aranha, quando utiliza as expectativas adaptativas, o preço está negativamente correlacionado com os erros da previsão das empresas, conhecidos os preços dos períodos anteriores. Enquanto que com expectativas racionais não haverá correlação, uma vez que em média o preço esperado coincide com a expectativa do preço [Muth, 1961, EX. 5.1]. Aplicando as expectativas adaptativas ao Teorema Teia de Aranha, chega-se a resultados diferentes das expectativas formuladas pelas empresas. Contudo, há alguns estudos que concluem empiricamente que as empresas em média acertam, porque há evidência sobre a qualidade das suas previsões, uma vez que estas prevêem factos que se vêm a verificar. Por outro lado, quando se aplicam as expectativas racionais verifica-se que passa a haver concordância com a evidência empírica. Concluímos assim, que o uso das expectativas racionais, postuladas por Muth (1961) levam a resultados mais consistentes. 3. Conclusão A hipótese fundamental de Muth (1961) que consiste na igualdade entre o valor esperado para o preço de equilíbrio futuro e a média das expectativas dos agentes económicos, veio fazer frente ao anterior conceito de expectativas adaptativas. Esta hipótese surgiu por, no entendimento de Muth (1961) a racionalidade estar em geral presente em todos os aspectos da macroeconomia embora o mesmo não se passasse em relação

5 às expectativas. Um outro motivo é que sem esta hipótese há oportunidades de lucro para os detentores de informação privilegiada. Por fim, a racionalidade é um conceito mais facilmente revisto, como por exemplo alterando o tipo e/ou a quantidade de informação. Para verificar a validade da sua hipótese, Muth (1961) aplica-a a um mercado isolado de forma a perceber como é que as decisões dos agentes económicos são tomadas em relação à produção. Estas decisões são influenciadas pela expectativa do preço futuro. Existem erros de previsão a nível individual, no entanto em média, estes anulam-se por compensação. O modelo é fortalecido ao verificar que nem os erros correlacionados nem os desvios da racionalidade alteram as suas conclusões. Analisa também as consequências da sua hipótese na especulação pela acumulação de stocks. Por esta via chega a duas conclusões. A primeira é que com expectativas racionais há uma menor variabilidade do preço por o efeito da especulação ser distribuído por vários períodos. A segunda conclusão, prende-se com a propensão ao risco, que quanto maior for maior será o stock constituído. Finaliza o seu estudo confrontando o Teorema Teia de Aranha com expectativas adaptativas e também com racionais. Concluindo que este Teorema terá mais aderência à realidade quando aplica as expectativas racionais. Pela nossa análise da hipótese de Muth (1961) podemos concluir que o seu estudo foi um marco na história económica, porque revolucionou todo um pensamento em relação a um ponto crucial da Macroeconomia.

6 Bibliografia Muth, J. F.: Rational expectations and the theory of price movements, Econometrica, Vol. 29, No. 3 (Jul.,1961) Stein, J. L., Cobwebs, Rational Expectations and Futures Markets, Futures Markets, Vol. II, pp (1996) Gordon, J. R.: Macroeconomics, 9 th ed., International edition (2003) Lucas, E. R.: Expectation and the Neutrality of Money, Journal of Economic Theory 4, pp (September, 1972) Begg, David K. H.: The Rational Expectations revolution in Macroeconomics: theories and evidence, (Oxford : Philip Allan, 1988) Saraiva, A.: Compêndio de Microeconomia I, Instituto Superior de Contabilidade e Administração do Porto, (2005) Webgrafia FEP/Macroeconomia

Programa de Unidade Curricular

Programa de Unidade Curricular Programa de Unidade Curricular Faculdade Ciências Empresariais Licenciatura Ciências Económicas e Empresariais Unidade Curricular Política Económica e Financeira Semestre: 5 Nº ECTS: 3,0 Regente Helena

Leia mais

O MODELO IS/LM: ECONOMIA FECHADA GRANDE ECONOMIA ABERTA. Vitor Manuel Carvalho 1G202 Macroeconomia I Ano lectivo 2008/09

O MODELO IS/LM: ECONOMIA FECHADA GRANDE ECONOMIA ABERTA. Vitor Manuel Carvalho 1G202 Macroeconomia I Ano lectivo 2008/09 O MODELO IS/LM: ECONOMIA FECHADA OU GRANDE ECONOMIA ABERTA Vitor Manuel Carvalho 1G202 Macroeconomia I Ano lectivo 2008/09 O modelo IS/LM, na sua versão mais simples, descreve, formalizando analítica e

Leia mais

ÍNDICE DE CONDIÇÕES MONETÁRIAS PARA PORTUGAL*

ÍNDICE DE CONDIÇÕES MONETÁRIAS PARA PORTUGAL* ÍNDICE DE CONDIÇÕES MONETÁRIAS PARA PORTUGAL* Paulo Soares Esteves** 1. INTRODUÇÃO Este artigo tem como objectivo calcular um Índice de Condições Monetárias (ICM) para a economia portuguesa, o qual constitui

Leia mais

As leis da procura e oferta são fundamentais para o entendimento correcto do funcionamento do sistema de mercado.

As leis da procura e oferta são fundamentais para o entendimento correcto do funcionamento do sistema de mercado. CAPÍTULO 3 PROCURA, OFERTA E PREÇOS Introdução As leis da procura e oferta são fundamentais para o entendimento correcto do funcionamento do sistema de mercado. O conhecimento destas leis requer que, em

Leia mais

Curso DSc Bacen - Básico Provas 2001-2010 - Macroeconomia. Prof.: Antonio Carlos Assumpção

Curso DSc Bacen - Básico Provas 2001-2010 - Macroeconomia. Prof.: Antonio Carlos Assumpção Curso DSc Bacen - Básico Provas 2001-2010 - Macroeconomia Prof.: Antonio Carlos Assumpção Contabilidade Nacional Balanço de Pagamentos Sistema Monetário 26- Considere a seguinte equação: Y = C + I + G

Leia mais

Um estudo da correlação dos resultados patrimoniais e operacionais das seguradoras Francisco Galiza, Mestre em Economia (FGV)

Um estudo da correlação dos resultados patrimoniais e operacionais das seguradoras Francisco Galiza, Mestre em Economia (FGV) Um estudo da correlação dos resultados patrimoniais e operacionais das seguradoras Francisco Galiza, Mestre em Economia (FGV) Este estudo aborda a correlação entre os resultados operacionais e patrimoniais

Leia mais

ECONOMIA INTERNACIONAL II Professor: André M. Cunha

ECONOMIA INTERNACIONAL II Professor: André M. Cunha Introdução: economias abertas Problema da liquidez: Como ajustar desequilíbrios de posições entre duas economias? ECONOMIA INTERNACIONAL II Professor: André M. Cunha Como o cada tipo de ajuste ( E, R,

Leia mais

Faculdade Politécnica POLICAMP Sistemas de Informação 7º Semestre Economia e Finanças Aula 02 Prof. Carlos A. B. Viviani Email: carlosviviani@policamp.edu.br Microeconomia O termo Microeconomia designa

Leia mais

Aluguer e Venda de Bens Duráveis em Caso de Monopólio

Aluguer e Venda de Bens Duráveis em Caso de Monopólio TEXTO PARA DISCUSSÃO DGE-08/00 Aluguer e Venda de Bens Duráveis em Caso de Monopólio Carlos Osório, Paulo Maçãs Julho 00 Departamento de Gestão e Economia (DGE) Universidade da Beira Interior Pólo das

Leia mais

AVALIAÇÃO DE INVESTIMENTOS APÓS A SUA REALIZAÇÃO* Carlos Videira Martins Economista Mestre em Finanças Professor Adjunto da ESTV

AVALIAÇÃO DE INVESTIMENTOS APÓS A SUA REALIZAÇÃO* Carlos Videira Martins Economista Mestre em Finanças Professor Adjunto da ESTV AVALIAÇÃO DE INVESTIMENTOS APÓS A SUA REALIZAÇÃO* Carlos Videira Martins Economista Mestre em Finanças Professor Adjunto da ESTV O trabalho da Avaliação de Investimentos limita-se quase sempre a uma análise

Leia mais

Contrastação empírica do modelo CAPM aplicada ao mercado bolsista português

Contrastação empírica do modelo CAPM aplicada ao mercado bolsista português Contrastação empírica do modelo CAPM aplicada ao mercado bolsista português Tânia Cristina Simões de Matos dos Santos Instituto Politécnico de Leiria 2012 Working paper nº 83/2012 globadvantage Center

Leia mais

8. Mercado de Trabalho, Emprego e Desemprego

8. Mercado de Trabalho, Emprego e Desemprego 8. Mercado de Trabalho, Emprego e Desemprego 8.1. Introdução 8.3. Interpretação Estática do Desemprego 8.4. Interpretação Dinâmica do Desemprego Burda & Wyplosz, 5ª Edição, Capítulo 5 1 8.1. Introdução

Leia mais

MACROECONOMIA (1º Ano Gestão, ano lectivo 2003/2004) Exercícios de Apoio ao Capítulo 4 (O mercado de bens)

MACROECONOMIA (1º Ano Gestão, ano lectivo 2003/2004) Exercícios de Apoio ao Capítulo 4 (O mercado de bens) 4.1. Determine a função representativa do consumo privado de uma economia em relação à qual se sabe o seguinte: - As intenções de consumo das famílias são caracterizadas por uma dependência linear relativamente

Leia mais

Política Monetária Monetarismo Marco II

Política Monetária Monetarismo Marco II Política Monetária Monetarismo Marco II SE 506 Economia Monetária e Financeira - UFPR Professor Fabiano Abranches Silva Dalto Referências: CARVALHO, F. J. C. et. alli. Economia Monetária e Financeira:

Leia mais

INTRODUÇÃO À ECONOMIA:CONCEITOS E PRINCÍPIOS

INTRODUÇÃO À ECONOMIA:CONCEITOS E PRINCÍPIOS INTRODUÇÃO À ECONOMIA:CONCEITOS E PRINCÍPIOS OBJETIVOS: Apresentar conceitos importantes para entender a Ciência Econômica; Discorrer sobre os princípios que envolvem a tomada de decisões dos indivíduos.

Leia mais

3.1 Da c onta t bil i i l d i ade nacio i nal para r a t e t ori r a i ma m cro r econômi m c i a Det e er e mi m n i a n ç a ã ç o ã o da d

3.1 Da c onta t bil i i l d i ade nacio i nal para r a t e t ori r a i ma m cro r econômi m c i a Det e er e mi m n i a n ç a ã ç o ã o da d Determinação da renda e produtos nacionais: O mercado de Bens e Serviços Capítulo III 3.1 Da contabilidade nacional para a teoria macroeconômica A Contabilidade Nacional: medição do produto efetivamente

Leia mais

2.3. TEORIAS E MODELOS DE DIFUSÃO DA INOVAÇÃO

2.3. TEORIAS E MODELOS DE DIFUSÃO DA INOVAÇÃO 2.3. TEORIAS E MODELOS DE DIFUSÃO DA INOVAÇÃO 2.3.1. Teoria epidémica, difusão logística (E.Mansfield) 2.3.2. Modelo probit cronológico e seccional (David, Davies) 2.3.3. Perspectiva Evolucionista (Siverberg,

Leia mais

2. CONTABILIDADE NACIONAL

2. CONTABILIDADE NACIONAL 2. CONTABILIDADE NACIONAL 2.1. MEDIÇÃO DO PRODUTO 1. Uma boa contabilidade transforma dados em informação. Estudamos contabilidade nacional por duas razões. Em primeiro lugar, porque fornece a estrutura

Leia mais

GESTÃO ESTRATÉGICA. Texto de Apoio 1. Análise Económica e Financeira

GESTÃO ESTRATÉGICA. Texto de Apoio 1. Análise Económica e Financeira INSTITUTO POLITÉCNICO DE SETÚBAL ESCOLA SUPERIOR DE CIÊNCIAS EMPRESARIAIS Departamento de Economia e Gestão (ce.deg@esce.ips.pt) GESTÃO ESTRATÉGICA Texto de Apoio 1 à Análise Económica e Financeira Silva

Leia mais

Apontamentos de Contabilidade Nacional

Apontamentos de Contabilidade Nacional Apontamentos de Contabilidade Nacional Nuno Cancelo :: 31401 :: ISEL :: Semestre Verão :: Ano Lectivo 2009/2010 1/8 Índice Índices de Preços...3 Produto, Rendimento e Despesa...3 Produto...3 O Produto

Leia mais

2. Condições de Equilíbrio do Modelo No modelo keynesiano simples, a economia estará em equilíbrio se:

2. Condições de Equilíbrio do Modelo No modelo keynesiano simples, a economia estará em equilíbrio se: Macroeconomia Aula 2 1. Modelo Keynesiano Simples 1.1. Clássicos x Keynes Para os economistas clássicos, a economia de mercado era auto-regulável e tendia quase que automaticamente para o pleno emprego.

Leia mais

Gestão Financeira. O custo do capital. MBA em Finanças FEP 2007/08 Rui Padrão

Gestão Financeira. O custo do capital. MBA em Finanças FEP 2007/08 Rui Padrão Gestão Financeira O custo do capital MBA em Finanças FEP 2007/08 Rui Padrão A criação de valor para os accionistas/sócios pressupõe a remuneração do capital investido a uma taxa superior à do custo desse

Leia mais

Programa de Unidade Curricular

Programa de Unidade Curricular Programa de Unidade Curricular Faculdade Ciências Empresariais Licenciatura Ciências Económicas e Empresariais, Contabilidade Unidade Curricular Macroeconomia Semestre: 1 Nº ECTS: 6,0 Regente Eduardo Luís

Leia mais

Previsão de demanda em uma empresa farmacêutica de manipulação

Previsão de demanda em uma empresa farmacêutica de manipulação Previsão de demanda em uma empresa farmacêutica de manipulação Ana Flávia Brito Rodrigues (Anafla94@hotmail.com / UEPA) Larissa Pinto Marques Queiroz (Larissa_qz@yahoo.com.br / UEPA) Luna Paranhos Ferreira

Leia mais

Gestão de Stocks. Maria Antónia Carravilla. Março 2000. Maria Antónia Carravilla

Gestão de Stocks. Maria Antónia Carravilla. Março 2000. Maria Antónia Carravilla Gestão de Stocks Março 2000 Introdução Objectivos Perceber o que é o stock Saber como classificar stocks Saber fazer uma análise ABC Saber comparar modelos de gestão de stocks Saber utilizar modelos de

Leia mais

UFCD 8 Controlo e armazenagem de mercadorias Carga horária 50 horas ARMAZENAGEM DAS MERCADORIAS

UFCD 8 Controlo e armazenagem de mercadorias Carga horária 50 horas ARMAZENAGEM DAS MERCADORIAS ARMAZENAGEM DAS MERCADORIAS O que é a armazenagem? A armazenagem é constituída por um conjunto de funções: - de recepção, - descarga, - carregamento, matérias-primas, - arrumação produtos acabados ou semi-acabados

Leia mais

Impostos Diferidos e o SNC

Impostos Diferidos e o SNC Impostos Diferidos e o SNC Na vigência do anterior Plano Oficial de Contabilidade (POC) a Directriz Contabilistica (DC) nº 28, da Comissão de Normalização Contabilística (CNC) veio, em tempo, estabelecer

Leia mais

IV Fórum do Sector Segurador e Fundos de Pensões. Lisboa, 15 de Abril de 2009

IV Fórum do Sector Segurador e Fundos de Pensões. Lisboa, 15 de Abril de 2009 IV Fórum do Sector Segurador e Fundos de Pensões Lisboa, 15 de Abril de 2009 Foi com todo o gosto e enorme interesse que aceitei o convite do Diário Económico para estar presente neste IV Fórum do sector

Leia mais

Também chamada Teoria de Preços, estuda o comportamento dos consumidores, produtores e o mercado onde estes interagem.

Também chamada Teoria de Preços, estuda o comportamento dos consumidores, produtores e o mercado onde estes interagem. Microeconomia Também chamada Teoria de Preços, estuda o comportamento dos consumidores, produtores e o mercado onde estes interagem. A macroeconomia, por sua vez, estuda os fenômenos da economia em geral,

Leia mais

SUSTENTABILIDADE FINANCEIRA, PRESTAÇÃO DE CONTAS E RESPONSABILIDADE

SUSTENTABILIDADE FINANCEIRA, PRESTAÇÃO DE CONTAS E RESPONSABILIDADE V EUROSAI/OLACEFS CONFERENCE SUSTENTABILIDADE FINANCEIRA, PRESTAÇÃO DE CONTAS E RESPONSABILIDADE CONCLUSÕES E RECOMENDAÇÕES A V Conferência EUROSAI/OLACEFS reuniu, em Lisboa, nos dias 10 e 11 de Maio de

Leia mais

BROMBERGER, Dalton (UTFPR) daltonbbr@yahoo.com.br. KUMMER, Aulison André (UTFPR) aulisonk@yahoo.com.br. PONTES, Herus³ (UTFPR) herus@utfpr.edu.

BROMBERGER, Dalton (UTFPR) daltonbbr@yahoo.com.br. KUMMER, Aulison André (UTFPR) aulisonk@yahoo.com.br. PONTES, Herus³ (UTFPR) herus@utfpr.edu. APLICAÇÃO DAS TÉCNICAS DE PREVISÃO DE ESTOQUES NO CONTROLE E PLANEJAMENTO DA PRODUÇÃO DE MATÉRIA- PRIMA EM UMA INDÚSTRIA PRODUTORA DE FRANGOS DE CORTE: UM ESTUDO DE CASO BROMBERGER, Dalton (UTFPR) daltonbbr@yahoo.com.br

Leia mais

INTRODUÇÃO À MACROECONOMIA

INTRODUÇÃO À MACROECONOMIA UNIVERSIDADE DA MADEIRA Departamento de Gestão e Economia INTRODUÇÃO À MACROECONOMIA 2º Semestre 2004/2005 2º CADERNO DE EXERCÍCIOS Estudo dos Ciclos Económicos 1. O MERCADO DO PRODUTO 1.1. Modelo Simples

Leia mais

b : nas representações gráficas de funções do tipo

b : nas representações gráficas de funções do tipo do as suas escolhas a partir daí. Nesta situação, tendem a identificar as assímptotas verticais, as assímptotas horizontais e a associar as representações analítica e gráfica que têm estas características

Leia mais

Modelo de Solow: Efeitos de Transição Dinâmica

Modelo de Solow: Efeitos de Transição Dinâmica Capítulo 4 Modelo de Solow: Efeitos de Transição Dinâmica No capítulo anterior vimos que, quando a economia atinge o seu equilíbrio de longo prazo, todas as variáveis endógenas passam a crescer a uma taxa

Leia mais

O trabalho desenvolvido enquadra-se nos desenvolvimentos da teoria da

O trabalho desenvolvido enquadra-se nos desenvolvimentos da teoria da Conclusão O trabalho desenvolvido enquadra-se nos desenvolvimentos da teoria da empresa. As condições decorrentes da teoria da dualidade, entre produção e custos, permitiram a opção pela abordagem centrada

Leia mais

Mercados de Bens e Financeiros: O Modelo IS-LM

Mercados de Bens e Financeiros: O Modelo IS-LM Mercados de Bens e Financeiros: O Modelo IS-LM Fernando Lopes - Universidade dos AçoresA Mercado de Bens e a Relação IS Existe equilíbrio no mercado de bens quando a produção, Y, é igual à procura por

Leia mais

Capítulo 3. Taxas de câmbio e mercados de divisas. Objectivos do capítulo

Capítulo 3. Taxas de câmbio e mercados de divisas. Objectivos do capítulo Capítulo 3 Taxas de câmbio e mercados de divisas Objectivos do capítulo A função das taxas de câmbio no comércio internacional; Como se determinam as taxas de câmbio? Preços e decisões dos agentes económicos

Leia mais

Estudos sobre a Taxa de Câmbio no Brasil

Estudos sobre a Taxa de Câmbio no Brasil Estudos sobre a Taxa de Câmbio no Brasil Fevereiro/2014 A taxa de câmbio é um dos principais preços relativos da economia, com influência direta no desempenho macroeconômico do país e na composição de

Leia mais

Macroeconomia - Lição 3 - Oferta e Procura Global

Macroeconomia - Lição 3 - Oferta e Procura Global Macroeconomia - Lição 3 - Oferta e Procura Global João Sousa Andrade 18 de Novembro de 2004 Faculdade de Economia - Mestrado de Economia Ano Lectivo de 2004/05 Texto com carácter provisório para acompanhamento

Leia mais

Apesar de menor, deflação continua

Apesar de menor, deflação continua 1 São Paulo, 06 de julho de 2006. NOTA À IMPRENSA Apesar de menor, deflação continua Pelo terceiro mês consecutivo, o Índice do Custo de Vida (ICV) calculado pelo DIEESE - Departamento Intersindical de

Leia mais

A curva de Phillips demonstrada na equação abaixo é ampliada e com expectativas racionais (versão contemporânea da curva de Phillips):

A curva de Phillips demonstrada na equação abaixo é ampliada e com expectativas racionais (versão contemporânea da curva de Phillips): Concurso TCE/MG elaborado pela FCC em abril de 2007. Atendendo a alguns pedidos de colegas que frequentaram o curso de Economia parte teórica nos meses de fevereiro, março e abril de 2007 bem como aqueles

Leia mais

PPCP Planejamento, Programação e Controle da Produção. Qualidade, confiabilidade, custo, flexibilidade

PPCP Planejamento, Programação e Controle da Produção. Qualidade, confiabilidade, custo, flexibilidade PPCP Planejamento, Programação e Controle da Produção Wheelwrigt Skinner Swamidass Leong Slack Qualidade, confiabilidade, custo, flexibilidade Custo, entrega, qualidade, serviço confiável, flexibilidade

Leia mais

DOCUMENTOS DE GESTÃO FINANCEIRA Realizado por GESTLUZ - Consultores de Gestão

DOCUMENTOS DE GESTÃO FINANCEIRA Realizado por GESTLUZ - Consultores de Gestão DOCUMENTOS DE GESTÃO FINANCEIRA Realizado por GESTLUZ - Consultores de Gestão A Análise das Demonstrações Financeiras Este artigo pretende apoiar o jovem empreendedor, informando-o de como utilizar os

Leia mais

Microeconomia NATÉRCIA MIRA EDIÇÕES SÍLABO

Microeconomia NATÉRCIA MIRA EDIÇÕES SÍLABO Microeconomia NATÉRCIA MIRA EDIÇÕES SÍLABO É expressamente proibido reproduzir, no todo ou em parte, sob qualquer forma ou meio, NOMEADAMENTE FOTOCÓPIA, esta obra. As transgressões serão passíveis das

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA

ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS - UNICAMP INSTITUTO DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS HUMANAS - IFCH DEPARTAMENTO DE ECONOMIA E PLANEJAMENTO ECONÔMICO - DEPE CENTRO TÉCNICO ECONÔMICO DE ASSESSORIA EMPRESARIAL

Leia mais

AULAS 04 E 05 Estatísticas Descritivas

AULAS 04 E 05 Estatísticas Descritivas 1 AULAS 04 E 05 Estatísticas Descritivas Ernesto F. L. Amaral 19 e 28 de agosto de 2010 Metodologia de Pesquisa (DCP 854B) Fonte: Triola, Mario F. 2008. Introdução à estatística. 10 ª ed. Rio de Janeiro:

Leia mais

O Comportamento da Taxa de Juros. Introdução. Economia Monetária I (Turma A) - UFRGS/FCE 6/10/2005. Prof. Giácomo Balbinotto Neto 1

O Comportamento da Taxa de Juros. Introdução. Economia Monetária I (Turma A) - UFRGS/FCE 6/10/2005. Prof. Giácomo Balbinotto Neto 1 O Comportamento da Taxa de Juros Prof. Giácomo Balbinotto Neto Introdução A taxa de juros é o preço que é pago por um tomador de empréstimos a um emprestador pelo uso dos recursos durante um determinado

Leia mais

Correlação e Regressão Linear

Correlação e Regressão Linear Correlação e Regressão Linear A medida de correlação é o tipo de medida que se usa quando se quer saber se duas variáveis possuem algum tipo de relação, de maneira que quando uma varia a outra varia também.

Leia mais

EXAME PARA CONTABILISTA CERTIFICADO DELIBERAÇÃO Nº 001/CTEC/2013 - NOVEMBRO-DEZEMBRO DE 2013 PROVA DE ECONOMIA GERAL

EXAME PARA CONTABILISTA CERTIFICADO DELIBERAÇÃO Nº 001/CTEC/2013 - NOVEMBRO-DEZEMBRO DE 2013 PROVA DE ECONOMIA GERAL DELIBERAÇÃO Nº 001/CTEC/2013 - NOVEMBRO-DEZEMBRO DE 2013 PROVA DE I - Ao receber o Enunciado da Prova escreva seu nome e número do documento de identificação. II - Ao entregar a Prova, depois de resolvida,

Leia mais

Aula Sobre a Teoria do Dinheiro de Keynes

Aula Sobre a Teoria do Dinheiro de Keynes Aula Sobre a Teoria do Dinheiro de Keynes Professor Fabiano Abranches Silva Dalto SE506-Economia Monetária e Financeira Bibliografia Utilizada: KEYNES, John Maynard. A Teoria Geral do Emprego, do Juros

Leia mais

Escolha de Portfólio. Professor do IE-UNICAMP http://fernandonogueiracosta.wordpress.com/

Escolha de Portfólio. Professor do IE-UNICAMP http://fernandonogueiracosta.wordpress.com/ Escolha de Portfólio considerando Risco e Retorno Aula de Fernando Nogueira da Costa Fernando Nogueira da Costa Professor do IE-UNICAMP http://fernandonogueiracosta.wordpress.com/ Relação entre risco e

Leia mais

Prof. Tatiele Lacerda. Curso de administração

Prof. Tatiele Lacerda. Curso de administração Prof. Tatiele Lacerda Curso de administração Vamos estudar a política fiscal: nessa visão ela é mais influente para o atingimento do pleno emprego, sem inflação Modelo keynesiano básico: preocupa-se mais

Leia mais

MQUA. Relatório do trabalho prático. pg. 1

MQUA. Relatório do trabalho prático. pg. 1 pg. 1 pg. 2 pg. 3 pg. 4 Índice 2. Despacho, Operador de Mercado e Contractos Bilaterais Página 6 a) Despacho dos Geradores Página 7 b) Pool Simétrico Página 14 c) Pool Assimétrico Página 24 d) Trânsito

Leia mais

METAS PARA A INFLAÇÃO, INTERVENÇÕES ESTERILIZADAS E SUSTENTABILIDADE FISCAL

METAS PARA A INFLAÇÃO, INTERVENÇÕES ESTERILIZADAS E SUSTENTABILIDADE FISCAL METAS PARA A INFLAÇÃO, INTERVENÇÕES ESTERILIZADAS E SUSTENTABILIDADE FISCAL Aluno: Carolina Machado Orientador: Márcio G. P. Garcia Introdução A liquidez abundante no mercado financeiro internacional e

Leia mais

4 Avaliação Econômica

4 Avaliação Econômica 4 Avaliação Econômica Este capítulo tem o objetivo de descrever a segunda etapa da metodologia, correspondente a avaliação econômica das entidades de reservas. A avaliação econômica é realizada a partir

Leia mais

Sem figuras nem imagens, Entrelinha 1,5. Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos.

Sem figuras nem imagens, Entrelinha 1,5. Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. Exame Nacional do Ensino Secundário Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março Prova Escrita de Economia A 10.º e 11.º Anos de Escolaridade Prova 712/1.ª Fase 11 Páginas Sem figuras nem imagens, Entrelinha

Leia mais

COMO CONSTRUIR CENÁRIOS MACROECONÔMICOS. Autor: Gustavo P. Cerbasi(gcerbasi@mandic.com.br) ! O que é cenário macroeconômico?

COMO CONSTRUIR CENÁRIOS MACROECONÔMICOS. Autor: Gustavo P. Cerbasi(gcerbasi@mandic.com.br) ! O que é cenário macroeconômico? COMO CONSTRUIR CENÁRIOS! O que é cenário macroeconômico?! Quais os elementos necessários para construção de cenários?! Etapas para elaboração de cenários macroeconômicos! Análise do comportamento das variáveis

Leia mais

Gestão de Stocks. Gestão de Stocks. Gestão de Stocks. Gestão de Stocks. Gestão de Stocks. Gestão de Stocks. Tipos de inventários (Galloway):

Gestão de Stocks. Gestão de Stocks. Gestão de Stocks. Gestão de Stocks. Gestão de Stocks. Gestão de Stocks. Tipos de inventários (Galloway): Um inventário (stock) é uma reserva de materiais para facilitar a produção ou satisfazer a procura pelos clientes. Os stocks funcionam como almofadas entre as diversas taxas de procura e produção Os inventários

Leia mais

Módulo 4 PREVISÃO DE DEMANDA

Módulo 4 PREVISÃO DE DEMANDA Módulo 4 PREVISÃO DE DEMANDA Conceitos Iniciais Prever é a arte e a ciência de predizer eventos futuros, utilizando-se de dados históricos e sua projeção para o futuro, de fatores subjetivos ou intuitivos,

Leia mais

A Taxa de Câmbio no Longo Prazo

A Taxa de Câmbio no Longo Prazo A Taxa de Câmbio no Longo Prazo Organização do Capítulo Introdução A Lei do Preço Único Paridade do Poder de Compra Modelo da Taxa de Câmbio de Longo Prazo Baseado na PPC A PPC e a Lei do Preço Único na

Leia mais

Ciclos Econômicos. Expectativas adaptativas do monetarismo Ciclo real de negócios novoclássico Rigidez de preços novokeynesiana

Ciclos Econômicos. Expectativas adaptativas do monetarismo Ciclo real de negócios novoclássico Rigidez de preços novokeynesiana Ciclos Econômicos Abordagem keynesiana X neoclássica Expectativas adaptativas do monetarismo Ciclo real de negócios novoclássico Rigidez de preços novokeynesiana Aula de Fernando Nogueira da Costa Professor

Leia mais

Análise de Projectos ESAPL / IPVC. Introdução Alguns Conceitos Básicos O Conceito de Investimento Tipologias de Investimentos

Análise de Projectos ESAPL / IPVC. Introdução Alguns Conceitos Básicos O Conceito de Investimento Tipologias de Investimentos Análise de Projectos ESAPL / IPVC Introdução Alguns Conceitos Básicos O Conceito de Investimento Tipologias de Investimentos Uma definição de empresa Uma empresa é um sistema em que se coordenam, para

Leia mais

Seminários Extraordinários do Departamento de Economia. Edmund Phelps Prémio Nobel da Economia 2006. Miguel St. Aubyn (ISEG/UTL)

Seminários Extraordinários do Departamento de Economia. Edmund Phelps Prémio Nobel da Economia 2006. Miguel St. Aubyn (ISEG/UTL) Seminários Extraordinários do Departamento de Economia Edmund Phelps Miguel St. Aubyn (ISEG/UTL) ISEG, 11 de Outubro de 2006 Síntese Algumas considerações sobre o prémio Nobel As principais contribuições

Leia mais

CONTABILIDADE NACIONAL 1

CONTABILIDADE NACIONAL 1 CONTABILIDADE NACIONAL 1 Ópticas de cálculo do valor da produção O produto de um país pode ser obtido por três ópticas equivalentes: Óptica do Produto permite-nos conhecer o valor do produto por sector

Leia mais

RECOMENDAÇÃO N.º 6/ B / 2004 [art.º 20.º, n.º 1, alínea b), da Lei n.º 9/91, de 9 de Abril]

RECOMENDAÇÃO N.º 6/ B / 2004 [art.º 20.º, n.º 1, alínea b), da Lei n.º 9/91, de 9 de Abril] Número: 6/B/2004 Data: 25-03-2004 Entidade visada: Secretária de Estado da Administração Pública Assunto: Curso de Estudos Avançados em Gestão Pública. Promoção a técnico superior de 1.ª classe. Processo:

Leia mais

Economia Geral e Regional. Professora: Julianna Carvalho

Economia Geral e Regional. Professora: Julianna Carvalho Economia Geral e Regional Professora: Julianna Carvalho 1 Introdução à Economia Conceito Segundo VASCONCELOS, 2011, p. 2) é: a ciência social que estuda de que maneira a sociedade decide (escolhe) empregar

Leia mais

CONCEITOS E FUNÇÕES DO PLANEJAMENTO, DA PROGRAMAÇÃO E DO CONTROLE DA PRODUÇÃO PPCP (Petrônio Garcia Martins / Fernando Piero Martins Capítulo 7)

CONCEITOS E FUNÇÕES DO PLANEJAMENTO, DA PROGRAMAÇÃO E DO CONTROLE DA PRODUÇÃO PPCP (Petrônio Garcia Martins / Fernando Piero Martins Capítulo 7) CONCEITOS E FUNÇÕES DO PLANEJAMENTO, DA PROGRAMAÇÃO E DO CONTROLE DA PRODUÇÃO PPCP (Petrônio Garcia Martins / Fernando Piero Martins Capítulo 7) A ESTRATÉGIA DA MANUFATURA E O SISTEMA PPCP: A estratégia

Leia mais

C O N T A B I L I D A D E

C O N T A B I L I D A D E Licenciatura em Gestão de Recursos Humanos ISCSP (UTL), Lisboa C O N T A B I L I D A D E Pedro V Matos ISEG-UTL 1 Análise Financeira e Contabilidade 2 1 Função Financeira O que é a Função Financeira? Consiste

Leia mais

INE 7001 - Procedimentos de Análise Bidimensional de variáveis QUANTITATIVAS utilizando o Microsoft Excel. Professor Marcelo Menezes Reis

INE 7001 - Procedimentos de Análise Bidimensional de variáveis QUANTITATIVAS utilizando o Microsoft Excel. Professor Marcelo Menezes Reis INE 7001 - Procedimentos de Análise Bidimensional de variáveis QUANTITATIVAS utilizando o Microsoft Excel. Professor Marcelo Menezes Reis O objetivo deste texto é apresentar os principais procedimentos

Leia mais

MEET Project: Management E-learning Experience for Training secondary school's students. Code: LLP-LDV-TOI-10-IT-560

MEET Project: Management E-learning Experience for Training secondary school's students. Code: LLP-LDV-TOI-10-IT-560 MEET Project: Management E-learning Experience for Training secondary school's students Code: LLP-LDV-TOI-10-IT-560 Lifelong Learning Programme (2007-2013) Leonardo da Vinci Programme Multilateral projects

Leia mais

AS DESIGUALDADES DE REMUNERAÇÕES ENTRE HOMENS E MULHERES AUMENTAM COM O AUMENTO DO NIVEL DE ESCOLARIDADE E DE QUALIFICAÇÃO DAS MULHERES

AS DESIGUALDADES DE REMUNERAÇÕES ENTRE HOMENS E MULHERES AUMENTAM COM O AUMENTO DO NIVEL DE ESCOLARIDADE E DE QUALIFICAÇÃO DAS MULHERES Desigualdades graves entre Homens e Mulheres com escolaridade e qualificação elevadas Pág. 1 AS DESIGUALDADES DE REMUNERAÇÕES ENTRE HOMENS E MULHERES AUMENTAM COM O AUMENTO DO NIVEL DE ESCOLARIDADE E DE

Leia mais

5-1 Introdução à Microeconomia Bibliografia: Lipsey & Chrystal cap.6, 7 Samuelson cap. 5

5-1 Introdução à Microeconomia Bibliografia: Lipsey & Chrystal cap.6, 7 Samuelson cap. 5 5-1 Introdução à Microeconomia 1º ano da licenciatura de Gestão ISEG 2004 / 5 1º semestre Bibliografia: Lipsey & Chrystal cap.6, 7 Samuelson cap. 5 5-2 Principais questões A utilidade marginal é um conceito

Leia mais

Definições (parágrafo 9) 9 Os termos que se seguem são usados nesta Norma com os significados

Definições (parágrafo 9) 9 Os termos que se seguem são usados nesta Norma com os significados Norma contabilística e de relato financeiro 14 Concentrações de actividades empresariais Esta Norma Contabilística e de Relato Financeiro tem por base a Norma Internacional de Relato Financeiro IFRS 3

Leia mais

3 Concurso de Rentabilidade

3 Concurso de Rentabilidade 3 Concurso de Rentabilidade 3.1.Motivação O capítulo anterior mostra que a motivação dos fundos de investimento é a maximização da expectativa que a população tem a respeito da rentabilidade de suas carteiras.

Leia mais

A demanda pode ser entendida como a disposição dos clientes ao consumo de bens e serviços ofertados por uma organização.

A demanda pode ser entendida como a disposição dos clientes ao consumo de bens e serviços ofertados por uma organização. Previsão da Demanda As previsões têm uma função muito importante nos processos de planejamento dos sistemas logísticos, pois permite que os administradores destes sistemas antevejam o futuro e planejem

Leia mais

NORMA CONTABILISTICA E DE RELATO FINANCEIRO 14 CONCENTRAÇÕES DE ACTIVIDADES EMPRESARIAIS. Objectivo ( 1) 1 Âmbito ( 2 a 8) 2

NORMA CONTABILISTICA E DE RELATO FINANCEIRO 14 CONCENTRAÇÕES DE ACTIVIDADES EMPRESARIAIS. Objectivo ( 1) 1 Âmbito ( 2 a 8) 2 NORMA CONTABILISTICA E DE RELATO FINANCEIRO 14 CONCENTRAÇÕES DE ACTIVIDADES EMPRESARIAIS Esta Norma Contabilística e de Relato Financeiro tem por base a Norma Internacional de Contabilidade IFRS 3 Concentrações

Leia mais

5 Análise Orçamental RELATÓRIO E CONTAS

5 Análise Orçamental RELATÓRIO E CONTAS 5 Análise Orçamental RELATÓRIO E CONTAS 1 PRINCIPAIS DESTAQUES [Indicadores] Indicadores 2010 2011 RECEITA Crescimento da Receita Total 19,8 3,7 Receitas Correntes / Receita Total 61 67,2 Crescimento das

Leia mais

6. Moeda, Preços e Taxa de Câmbio no Longo Prazo

6. Moeda, Preços e Taxa de Câmbio no Longo Prazo 6. Moeda, Preços e Taxa de Câmbio no Longo Prazo 6. Moeda, Preços e Taxa de Câmbio no Longo Prazo 6.1. Introdução 6.2. O Princípio da Neutralidade da Moeda 6.3. Taxas de Câmbio Nominais e Reais 6.4. O

Leia mais

Curso Gabarito Macroeconomia

Curso Gabarito Macroeconomia Curso Gabarito Macroeconomia Introdução Prof.: Antonio Carlos Assumpção Prof. Antonio Carlos Assumpção Site: acjassumpcao77.webnode.com Bibliografia Macroeconomia : Blanchard, O. 5ª ed. Macroeconomia :

Leia mais

NºAULAS PONTO PROGRAMA Cap. 35 1 1 INTRODUÇÃO 1

NºAULAS PONTO PROGRAMA Cap. 35 1 1 INTRODUÇÃO 1 ECONOMIA MONETÁRIA E FINANCEIRA CURSO de ECONOMIA 2004-2005 NºAULAS PONTO PROGRAMA Cap. 35 1 1 INTRODUÇÃO 1 Porquê estudar mercados financeiros? Porquê estudar os bancos e as outras instituições financeiras?

Leia mais

INTRODUÇÃO. Análise Financeira. Gestão Financeira

INTRODUÇÃO. Análise Financeira. Gestão Financeira INTRODUÇÃO 1 Análise Financeira Dar a conhecer a situação económico-financeira e monetária A partir de documentos de informação contabilística Situação financeira Equilíbrio Financeiro, Solvabilidade,

Leia mais

Manutenção em tempos de crise económica Importância da Gestão da Manutenção

Manutenção em tempos de crise económica Importância da Gestão da Manutenção Manutenção em tempos de crise económica Importância da Gestão da Manutenção Por: Patrícia Isabel Correia* A ausência de um Sistema de Gestão de Manutenção provocou, ao longo de muitos anos, a deterioração

Leia mais

DOCUMENTO JUSTIFICATIVO DA ALTERAÇÃO DO REGULAMENTO TARIFÁRIO DO SECTOR DO GÁS NATURAL

DOCUMENTO JUSTIFICATIVO DA ALTERAÇÃO DO REGULAMENTO TARIFÁRIO DO SECTOR DO GÁS NATURAL DOCUMENTO JUSTIFICATIVO DA ALTERAÇÃO DO REGULAMENTO TARIFÁRIO DO SECTOR DO GÁS NATURAL Dezembro 2010 ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS Rua Dom Cristóvão da Gama n.º 1-3.º 1400-113 Lisboa Tel.:

Leia mais

INDICADORES ECONÔMICOS PARA ANÁLISE DE CONJUNTURA. Fernando J. Ribeiro Grupo de Estudos de Conjuntura (GECON) - DIMAC

INDICADORES ECONÔMICOS PARA ANÁLISE DE CONJUNTURA. Fernando J. Ribeiro Grupo de Estudos de Conjuntura (GECON) - DIMAC INDICADORES ECONÔMICOS PARA ANÁLISE DE CONJUNTURA Fernando J. Ribeiro Grupo de Estudos de Conjuntura (GECON) - DIMAC FORTALEZA, Agosto de 2013 SUMÁRIO 1. Fundamentos da Análise de Conjuntura. 2. Tipos

Leia mais

Introdução à Empresa

Introdução à Empresa Faculdade de Economia da Universidade Nova de Lisboa Introdução à Empresa 2º Semestre - 2009/2010 - Exame de 1ª Época NÃO VIRE ESTA FOLHA NEM NENHUMA DAS OUTRAS QUE CONSTITUEM A PROVA ANTES DE RECEBER

Leia mais

Slides de Estatística Descritiva na HP-12C 01/10/2009 ESTATÍSTICAS. Na HP-12C. 01/10/2009 Bertolo 2. O que é Estatística?

Slides de Estatística Descritiva na HP-12C 01/10/2009 ESTATÍSTICAS. Na HP-12C. 01/10/2009 Bertolo 2. O que é Estatística? ESTATÍSTICAS Na HP-12C 01/10/2009 Bertolo 1 O que é Estatística? A estatística pode ser entendida como um conjunto de ferramentas envolvidas no estudo de métodos e procedimentos usados para 1. colecionar,

Leia mais

Módulo 2. 2.3 Diagramas causais, construção de modelos e o software STELLA. Análise de Sistemas Ambientais 2011/2012

Módulo 2. 2.3 Diagramas causais, construção de modelos e o software STELLA. Análise de Sistemas Ambientais 2011/2012 Módulo 2 2.3 Diagramas causais, construção de modelos e o software STELLA Bibliografia específica: - Caderno de exercícios do módulo 2 - Ford (1999). Capítulos 2, 3, 7, 8, Anexo C - Jørgensen (2009). Capítulos

Leia mais

A taxa de variação média do IPC foi -0,3% em 2014 e a taxa de variação homóloga situou-se em -0,4% em dezembro

A taxa de variação média do IPC foi -0,3% em 2014 e a taxa de variação homóloga situou-se em -0,4% em dezembro 13 de janeiro de 2015 ÍNDICE DE PREÇOS NO CONSUMIDOR Dezembro de 2014 A taxa de variação média do IPC foi -0,3% em 2014 e a taxa de variação homóloga situou-se em -0,4% em dezembro Em 2014, o Índice de

Leia mais

CEAV Macroeconomia. Introdução. Prof.: Antonio Carlos Assumpção

CEAV Macroeconomia. Introdução. Prof.: Antonio Carlos Assumpção CEAV Macroeconomia Introdução Prof.: Antonio Carlos Assumpção Prof. Antonio Carlos Assumpção Site: acjassumpcao77.webnode.com Bibliografia Macroeconomia : Blanchard, O. 5ª ed. Macroeconomia : Dornbusch,

Leia mais

Plataforma da Informação. Finanças

Plataforma da Informação. Finanças Plataforma da Informação Finanças O que é gestão financeira? A área financeira trata dos assuntos relacionados à administração das finanças das organizações. As finanças correspondem ao conjunto de recursos

Leia mais

COMENTÁRIO AFRM/RS 2012 ESTATÍSTICA Prof. Sérgio Altenfelder

COMENTÁRIO AFRM/RS 2012 ESTATÍSTICA Prof. Sérgio Altenfelder Comentário Geral: Prova muito difícil, muito fora dos padrões das provas do TCE administração e Economia, praticamente só caiu teoria. Existem três questões (4, 45 e 47) que devem ser anuladas, por tratarem

Leia mais

Módulo 2 Custos de Oportunidade e Curva de Possibilidades de Produção

Módulo 2 Custos de Oportunidade e Curva de Possibilidades de Produção Módulo 2 Custos de Oportunidade e Curva de Possibilidades de Produção 2.1. Custo de Oportunidade Conforme vínhamos analisando, os recursos produtivos são escassos e as necessidades humanas ilimitadas,

Leia mais

GESTÃO FINANCEIRA. Objectivo

GESTÃO FINANCEIRA. Objectivo GESTÃO FINANCEIRA MÓDULO V Objectivo Análise do Risco Operacional e Financeiro Grau de Alavanca Operacional Grau de Alavanca Financeiro Grau de Alavanca Combinado O Efeito Alavanca Financeiro RISCO E ANÁLISE

Leia mais

CAPÍTULO 2 INTRODUÇÃO À GESTÃO DAS ORGANIZAÇÕES

CAPÍTULO 2 INTRODUÇÃO À GESTÃO DAS ORGANIZAÇÕES Processos de Gestão ADC/DEI/FCTUC/2000/01 CAP. 2 Introdução à Gestão das Organizações 1 CAPÍTULO 2 INTRODUÇÃO À GESTÃO DAS ORGANIZAÇÕES 2.1. Conceito de Gestão Vivemos numa sociedade de organizações (dos

Leia mais

Gerenciamento de Projeto: Monitorando e Controlando o Projeto II. Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br

Gerenciamento de Projeto: Monitorando e Controlando o Projeto II. Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br Gerenciamento de Projeto: Monitorando e Controlando o Projeto II Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br Sumário Reportar o Desempenho Realizar o Controle Integrado de Mudanças Reportar o

Leia mais

Relatório Global sobre os Salários 2012/13

Relatório Global sobre os Salários 2012/13 Relatório Global sobre os Salários 212/13 Salários e crescimento equitativo Organização Internacional do Trabalho Genebra Principais tendências nos salários A crise continua a refrear os salários Em termos

Leia mais

Faculdade de Direito da Universidade de Macau Ano Lectivo 2011-2012

Faculdade de Direito da Universidade de Macau Ano Lectivo 2011-2012 Parte I Introdução 1 Economia: conceito, objecto e método 2 Organização da actividade económica 3 Breve história da economia e dos sistemas económicos Parte II Microeconomia 4 O comportamento dos consumidores

Leia mais

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. Na folha de respostas, indique, de forma legível, a versão da prova.

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. Na folha de respostas, indique, de forma legível, a versão da prova. Exame Nacional do Ensino Secundário Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março Prova Escrita de Economia A 10.º e 11.º Anos de Escolaridade Prova 712/1.ª Fase 8 Páginas Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância:

Leia mais

DECLARAÇÃO INICIAL DO GOVERNADOR DO BANCO DE PORTUGAL NA APRESENTAÇÃO DO BOLETIM ECONÓMICO DA PRIMAVERA (2009)

DECLARAÇÃO INICIAL DO GOVERNADOR DO BANCO DE PORTUGAL NA APRESENTAÇÃO DO BOLETIM ECONÓMICO DA PRIMAVERA (2009) Conferência de Imprensa em 14 de Abril de 2009 DECLARAÇÃO INICIAL DO GOVERNADOR DO BANCO DE PORTUGAL NA APRESENTAÇÃO DO BOLETIM ECONÓMICO DA PRIMAVERA (2009) No contexto da maior crise económica mundial

Leia mais