GESTÃO ESTRATÉGICA. Texto de Apoio 1. Análise Económica e Financeira

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "GESTÃO ESTRATÉGICA. Texto de Apoio 1. Análise Económica e Financeira"

Transcrição

1 INSTITUTO POLITÉCNICO DE SETÚBAL ESCOLA SUPERIOR DE CIÊNCIAS EMPRESARIAIS Departamento de Economia e Gestão GESTÃO ESTRATÉGICA Texto de Apoio 1 à Análise Económica e Financeira Silva Ribeiro, Março de Baseado em Magro, Acácio (1983), A Gestão Financeira da sua Empresa, Cadernos da Pequena e Média Empresa, Nº2, CGD e IAPMEI. 1

2 OBJECTIVO No âmbito da avaliação contínua da disciplina de Gestão Estratégica é pretendido a elaboração em grupo e discussão de um Diagnóstico e Análise Estratégica sobre uma empresa, isto é, simular-se um plano de desenvolvimento estratégico. Uma das componentes a analisar no diagnóstico interno é a situação económica-financeira da empresa, com base nos Balanços e Demonstração dos Resultados (rácios financeiros e económicos). Tendo em vista os objectivos de tal trabalho, pretende-se, estritamente, verificar qual a situação da empresa no que se refere aos aspectos financeiros (se a sua estrutura financeira está ou não equilibrada, qual a sua capacidade para solver os seus compromissos a curto, médio e longo prazos) e aos aspectos económicos (qual a evolução da empresa em termos de proveitos, custos e resultados, se a empresa é rentável), situações estas que condicionam a formulação de estratégias. Este texto corresponde, por conseguinte, a um apoio à realização de análises muito simples e não a uma análise aprofundada sobre a situação económica e financeira. 2

3 A ESTRUTURA FINANCEIRA DE UMA EMPRESA Como é evidente, para uma empresa funcionar terá de dispor de: Instalações (terrenos, edifícios) próprias ou alugadas; Equipamentos; Stocks de matérias primas e componentes (disponíveis para a produção ou para a realização de um serviço); Produtos em processo de fabrico (ainda não concluídos e que se encontram, em qualquer momento, em curso de transformação); Stocks de produtos acabados (já fabricados, tendo em vista a sua venda com curtos prazos de entrega); Algumas disponibilidades financeiras (caixa ou depósitos bancários) para fazer face a necessidades de funcionamento. Para dispor destes bens, a empresa precisa de fundos financeiros que, normalmente, se iniciam com a constituição de um capital social (que pode ser aumentado ao longo da actividade) e com os lucros que não sejam distribuídos (conjunto de meios financeiros que os sócios ou accionistas disponibilizam para o negócio) ou, ainda, de empréstimos de terceiros. Também se deve considerar que os fornecedores dos bens necessários à actividade da empresa podem conceder algum crédito (pagamentos a efectuar após algum prazo da entrega de tais bens). Da mesma forma, a empresa também pode conceder algum crédito aos seus clientes (recebimento das vendas após algum período da entrega). O conjunto dos meios postos à disposição da empresa constitui as ORIGENS DE FUNDOS. O conjunto dos bens e direitos adquiridos com a utilização destes meios constitui as APLICAÇÕES DE FUNDOS. ORIGEM DE FUNDOS MEIOS PRÓPRIOS CAPITAL SOCIAL LUCROS NÃO DISTRIBUÍDOS MEIOS DE TERCEIROS EMPRÉSTIMOS (curto, médio e longo prazo) CRÉDITO DE FORNECEDORES OUTROS VALORES APLICAÇÃO DE FUNDOS TERRENOS EDIFÍCIOS EQUIPAMENTOS STOCKS (matérias-primas, produtos acabados e semi-acabados produtos e trabalhos em curso, etc.) CRÉDITO A CLIENTES DEPÓSITOS BANCÁRIOS CAIXA 3

4 Ao analisar-se as ORIGENS DE FUNDOS, verifica-se que, com excepção dos meios próprios, elas se tornarão exigíveis a empresa terá de as liquidar num determinado prazo. EMPRÉSTIMOS BANCÁRIOS CRÉDITO DE FORNECEDORES Prazo do empréstimo Prazo concedido pelo fornecedor Pagamento Pagamento Torna-se, assim, fundamental, repartir o montante global das ORIGENS DE FUNDOS em meios próprios e meios de terceiros. Ao analisar-se as APLICAÇÕES DE FUNDOS, verifica-se que parte delas se tornarão disponíveis serão transformadas em dinheiro num determinado prazo. CAIXA E DEPÓSITOS À ORDEM DEPÓSITOS A PRAZO CLIENTES STOCK (produtos acabados) STOCK (matérias-primas) Imediatamente disponíveis Prazo do depósito Prazo de pagamento concedido pela empresa Prazo médio de existência em armazém Prazo médio de existência em armazém disponibilidades disponibilidades Venda Clientes Início produção Prazo de pagamento concedido pela empresa Prazo médio de fabrico Stock de produtos acabados disponibilidades Prazo médio de existência em armazém Venda Clientes Prazo de pagamento concedido pela empresa disponibilidades Ao longo da vida de uma empresa, esta terá que liquidar as origens de fundos que se vão tornando exigíveis com as aplicações de fundos que se tornam disponíveis. Assim, A ESTRUTURA FINANCEIRA DE UMA EMPRESA ESTÁ EQUILIBRADA QUANDO A DISTRIBUIÇÃO DAS ORIGENS E DAS APLICAÇÕES DE FUNDOS PERMITE QUE, EM CADA MOMENTO, EXISTAM OS MEIOS FINANCEIROS SUFICIENTES PARA LIQUIDAR AS DÍVIDAS QUE SE VÃO VENCENDO. 4

5 ANÁLISE CRÍTICA DA ESTRUTURA FINANCEIRA O Balanço representa a situação financeira duma empresa num dado momento, pelo que a respectiva estrutura financeira se poderá analisar através de tal peça contabilística, podendo ainda analisar-se a respectiva evolução em registos de vários períodos consecutivos. Os Balanços são elaborados em conformidade com o Plano Oficial de Contabilidade (POC). No quadro seguinte é apresentado uma forma simplificada de Balanço. ACTIVO Ano... CAPITAL PRÓPRIO E PASSIVO Ano IMOBILIZADO CAPITAL PRÓPRIO 1.1. IMOBILIZACÕES INCORPÓREAS CAPITAL IMOBILIZAÇÕES CORPÓREAS PRESTAÇÕES SUPLEMENTARES INVESTIMENTOS FINANCEIROS RESERVAS AMORTIZAÇÕES ACUMULADAS RESULTADOS TRANSITADOS OUTROS ACTIVOS DE MÉDIO/LONGO PRAZO RESULTADO LÍQUIDO DO EXERCÍCIO CIRCULANTE... TOTAL DO CAPITAL PRÓPRIO EXISTÊNCIAS MATÉRIAS PRIMAS/SUBSIDIÁRIAS... PASSIVO PRODUTOS ACABADOS DÍVIDAS A TERCEIROS DE MÉDIO/LONGO PRAZO MERCADORIAS DÍVIDAS A INSTITUIÇÕES DE CRÉDITO PROVISÕES PARA DEPRECIAÇÃO DE EXIST DIVERSOS DÍVIDAS DE TERCEIROS DE CURTO PRAZO LEASING CLIENTES DÍVIDAS A TERCEIROS DE CURTO PRAZO OUTROS DEVEDORES DÍVIDAS A INSTITUIÇÕES DE CRÉDITO PROVISÕES PARA COBRANÇAS DUVIDOSAS FORNECEDORES DISPONIBILIDADES ESTADO E OUTROS ENTES PÚBLICOS TÍTULOS NEGOCIÁVEIS EMPRÉSTIMOS DOS DETENTORES DO CAPITAL DEPÓSITOS BANCÁRIOS ACRÉSCIMOS E DIFERIMENTOS CAIXA... TOTAL DO PASSIVO PROVISÕES PARA APLICAÇÕES DE TESOURARIA ACRÉSCIMOS E DIFERIMENTOS... BALANÇO EM 31 de Dezembro de... TOTAL DO ACTIVO... TOTAL DO CAPITAL PRÓPRIO E DO PASSIVO... Ao analisar-se as APLICAÇÕES DE FUNDOS, verifica-se que estas se repartem por dois grandes grupos: As que têm um ciclo de disponibilização a médio e longo prazos (superior a um ano) Imobilizado Líquido (terrenos, instalações, equipamentos); As que têm um ciclo de disponibilização a curto prazo (inferior a um ano) Existências (stocks), dívidas de clientes, disponibilidades. O montante correspondente ao primeiro grupo designa-se por VALORES IMOBILIZADOS LÍQUIDOS ou ACTIVO FIXO. O montante correspondente ao segundo grupo designa-se por CAPITAIS CIRCULANTES ou ACTIVO CIRCULANTE. Ao analisar-se as ORIGENS DE FUNDOS, verifica-se, também, que estas se repartem por dois grandes grupos: As que se vão tornar exigíveis num prazo superior a um ano do balanço dívidas a terceiros e empréstimos de médio e longo prazos e os capitais próprios (capital social, reservas e lucros não distribuídos); As que se vão tornar exigíveis dentro do prazo de um ano dívidas a terceiros e empréstimos de curto prazo. 5

6 O montante correspondente ao primeiro grupo designa-se por CAPITAIS PERMANENTES. O montante correspondente ao segundo grupo designa-se por EXIGÍVEL A CURTO PRAZO. ACTIVO CAPITAL PRÓPRIO E PASSIVO IMOBILIZADO LÍQUIDO ou ACTIVO FIXO CAPITAIS PERMANENTES IMOBILIZACÕES INCORPÓREAS - AMORTIZAÇÕES CAPITAL PRÓPRIO IMOBILIZAÇÕES CORPÓREAS - AMORTIZAÇÕES CAPITAL INVESTIMENTOS FINANCEIROS PRESTAÇÕES SUPLEMENTARES OUTROS ACTIVOS DE MÉDIO/LONGO PRAZO RESERVAS RESULTADOS TRANSITADOS CAPITAIS CIRCULANTES ou ACTIVO CIRCULANTE RESULTADO LÍQUIDO DO EXERCÍCIO EXISTÊNCIAS MATÉRIAS PRIMAS/SUBSIDIÁRIAS - PROVISÃO PARA DEPRECIAÇÃO PASSIVO PRODUTOS ACABADOS - PROVISÃO PARA DEPRECIAÇÃO DÍVIDAS A TERCEIROS DE MÉDIO/LONGO PRAZO MERCADORIAS - PROVISÃO PARA DEPRECIAÇÃO DÍVIDAS DE TERCEIROS DE CURTO PRAZO EXIGÍVEL A CURTO PRAZO CLIENTES - PROVISÕES PARA COBRANÇAS DUVIDOSAS PROVISÕES OUTROS DEVEDORES - PROVISÕES PARA COBRANÇAS DUVIDOSAS DÍVIDAS A TERCEIROS DE CURTO PRAZO DISPONIBILIDADES DÍVIDAS A INSTITUIÇÕES DE CRÉDITO TÍTULOS NEGOCIÁVEIS - PROVISÕES PARA APLICAÇÕES DE TESOURARIA FORNECEDORES DEPÓSITOS BANCÁRIOS ESTADO E OUTROS ENTES PÚBLICOS CAIXA EMPRÉSTIMOS DOS DETENTORES DO CAPITAL ACRÉSCIMOS E DIFERIMENTOS ACRÉSCIMOS E DIFERIMENTOS TOTAL DO PASSIVO TOTAL DO ACTIVO TOTAL DO CAPITAL PRÓPRIO E DO PASSIVO Pode-se, por conseguinte, afirmar que uma estrutura financeira estará equilibrada quando o montante dos CAPITAIS CIRCULANTES for, pelo menos, igual ao EXIGÍVEL A CURTO PRAZO, pois só assim se garante o pontual pagamento de todas as dívidas que se irão vencer no prazo de um ano. À diferença entre os montantes dos CAPITAIS CIRCULANTES e o EXIGÍVEL A CURTO PRAZO, é designada por FUNDO DE MANEIO. Face à igualdade dos membros do Balanço (Activo = Capital próprio + Passivo), o Fundo de Maneio tem de corresponder a Capitais Permanentes Imobilizado Líquido, isto é, o Fundo de Maneio tem de ser financiado por Capitais Permanentes. NECESSIDADES DE FUNDO DE MANEIO 2 O conceito de Necessidades de Fundo de Maneio, está intimamente ligado ao ciclo de exploração da empresa. De facto, este indicador, evidencia as necessidades financeiras da actividade normal. Para tal, compara as necessidades cíclicas com os recursos cíclicos, gerados pela exploração. A ideia é simples: o negócio da empresa gera proveitos e custos que, em termos financeiros, têm repercussões directas na situação de tesouraria através dos prazos de recebimento e de pagamento negociados, bem como do volume de compras realizado para constituir os stocks necessários ao nível de serviço pretendido. Assim, as Necessidades de Fundo de Maneio, confrontam as necessidades financeiras com os recursos financeiros criados normalmente através do ciclo de exploração, tornando possível a observação da situação de tesouraria provocada pela actividade regular da empresa. Nesta sequência de ideias, as necessidades de fundo de maneio são calculadas através da seguinte formula: 2 Elaborado com apoio do Prof. Nuno Teixeira 6

7 NFM = Necessidades Cíclicas Recursos Cíclicas Pode-se incluir as seguintes rubricas nas necessidades cíclicas e nos recursos cíclicos: Necessidades Cíclicas: Existências; Dívidas de Clientes e Outros Devedores de exploração; Saldos devedores de Estado e outros entes públicos (EOEP) de exploração; Adiantamentos a Fornecedores; Acréscimos e Diferimentos Activos de exploração. Recursos Cíclicos: Dívidas a Fornecedores e Outros Credores de exploração; Saldos credores de EOEP de exploração; Adiantamentos de clientes; Acréscimos e Diferimentos Passivos de exploração. Através das NFM verifica-se se a actividade normal da empresa gera necessidades ou recursos financeiros. Se o indicador der um valor positivo, quer dizer que as necessidades financeiras do ciclo de exploração são superiores aos recursos financeiros gerados igualmente pelo negócio da empresa, sendo essencial encontrar outras fontes de financiamento para suprimir as dificuldades de tesouraria. Se o valor for negativo, significa que os recursos financeiros de exploração cobrem na totalidade as necessidades financeiras provenientes da actividade normal, gerando-se fundos monetários disponíveis para financiar outras rubricas do activo. TESOURARIA Se compararmos o fundo de maneio (diferença entre os montantes dos capitais circulantes e o exigível a curto prazo, conforme anteriormente referido) com as necessidades de fundo de maneio, calculamos o indicador de tesouraria da empresa: Tesouraria = FM NFM Através deste indicador verifica-se se os recursos financeiros gerados nas decisões estratégicas de financiamento e de investimento são suficientes para cobrir as necessidades do ciclo de exploração, medidas nas necessidades de fundo de maneio. LIQUIDEZ GERAL Para se analisar a Liquidez de uma empresa, se se recorrer somente ao Fundo de Maneio, por este corresponder a uma diferença, é uma medida pouco efectiva para comparações entre vários períodos. Deverá, portanto, utilizarem-se rácios que são medidas relativas. A LIQUIDEZ GERAL corresponde à relação: 7

8 LIQUIDEZ GERAL = CAPITAIS CIRCULANTES EXIGÍVEL A CURTO PRAZO Conforme anteriormente referido, para se garantir o pontual pagamento de todas as dívidas que se irão vencer no prazo de um ano, o montante dos Capitais Circulantes deve ser, pelo menos, igual ao Exigível a Curto Prazo, ou seja, a LIQUIDEZ GERAL deverá ser, pelo menos, igual a 1. Rácios da Liquidez Geral entre 1,3 e 1,5 correspondem, em geral, a situações de liquidez perfeitamente aceitáveis, dependendo, contudo de sector para sector. LIQUIDEZ REDUZIDA Sabendo-se, conforme inicialmente referido, que os prazos para que os stocks se tornem disponíveis não são muito curtos, também se pode utilizar um rácio complementar da Liquidez Geral, que é designado por LIQUIDEZ REDUZIDA e que corresponde a: LIQUIDEZ REDUZIDA = CAPITAIS CIRCULANTES EXIGÍVEL A CURTO Este rácio é frequentemente designado por Rácio de Tesouraria. STOCKS PRAZO Rácios da Liquidez Reduzida (ou de Tesouraria) entre 0,9 e 1,1 correspondem, em geral, a situações de liquidez reduzida perfeitamente aceitáveis, dependendo, contudo de sector para sector. A comparação da liquidez geral com a reduzida evidencia o peso das existências em relação ao restante activo circulante. Assim, a liquidez reduzida pressupõe que possa haver dificuldades no esgotamento das existências e inclusive vendas abaixo do preço de custo. Para se melhorar a Liquidez duma empresa sem recorrer a autofinanciamento (aumento de capital ou prestações suplementares) ou a crédito bancário, haverá que: Diminuir o prazo médio do crédito concedido aos clientes; Aumentar a rotação dos stocks; Promover o aumento do prazo médio dos créditos dos fornecedores. O comportamento destes elementos pode ser efectuado através da análise periódica dos seguintes rácios: SALDO DE CLIENTES + LETRAS A RECEBER PRAZO MÉDIO DE RECEBIMENTO = X 12 VENDAS ANUAIS Este rácio permite acompanhar as consequências da política de crédito concedido pela empresa, ligada à política de promoção de vendas. Convém ser o mais baixo possível sem afectar a política de vendas. SALDO DE FORNECEDORES + LETRAS A PAGAR PRAZO MÉDIO DE PAGAMENTO = X 12 COMPRAS ANUAIS Este rácio expressa a adequação da política de pagamentos da empresa e objectivos de correcto aproveitamento do financiamento e descontos proporcionados pelos seus fornecedores. Convém ser o mais alto possível sem afectar a imagem da empresa e os custos de aquisição. 8

9 Estes rácios são expressos em meses. ROTAÇÃO DOS STOCKS = VENDAS ANUAIS AO PREÇO STOCKS MÉDIOS DO DE ANO CUSTO Este rácio fornece o peso dos Stocks num determinado período. Convém que este seja o mais alto que a actividade desenvolvida pela empresa permita. SOLVABILIDADE A Solvabilidade duma empresa corresponde à sua capacidade para solver os seus compromissos a médio e longo prazo. Para se analisar a Solvabilidade de uma empresa, pode-se utilizar um dos seguintes rácios: CAPITAIS PRÓPRIOS SOLVABILID ADE = ou PASSIVO TOTAL se... SOLVABILID ADE = CAPITAIS PRÓPRIOS ACTIVO TOTAL CAPITAIS PRÓPRIOS 0,5 ou PASSIVO TOTAL CAPITAIS PRÓPRIOS ACTIVO TOTAL existirá uma forte dependência relativa aos credores da empresa (normalmente fornecedores e banca) o que poderá obrigar a autofinaciamento (aumento de capital ou prestações suplementares) ou a exigir-se uma gestão mais cuidadosa sobre os valores dos activos (stocks, clientes, imobilizado com baixa ou sem utilização). A ESTRUTURA ECONÓMICA DE UMA EMPRESA No âmbito da sua actividade, uma empresa tem proveitos e custos de exploração, designadamente: Em termos de proveitos, podem-se considerar: Vendas (mercadorias e produtos) Prestações de serviços Variação da produção (diferença das existência de produtos acabados ou em curso entre períodos distintos); Outros proveitos e ganhos (rendimentos de aplicações, subsídios, juros, etc.). Em termos de custos, podem-se considerar: Pessoal (remunerações e encargos sociais); Matérias-primas vendidas ou consumidas (CMVMC); Amortizações do imobilizado (depreciações); Outros custos (juros, impostos, custos extraordinários). À diferença entre os proveitos e custos totais de exploração corresponde os resultados de uma empresa que, naturalmente, se pretendem que sejam o maior possível. 9

10 ANÁLISE CRÍTICA DA ESTRUTURA ECONÓMICA A Demonstração dos Resultados representa a situação económica duma empresa num determinado período de tempo (ano, trimestre, mês), pelo que a respectiva estrutura económica se poderá analisar através de tal peça contabilística. As Demonstrações dos Resultados são elaboradas em conformidade com o Plano Oficial de Contabilidade (POC). No quadro seguinte é apresentado uma forma simplificada de Demonstração de Resultados. DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS EM 31 de Dezembro de... PROVEITOS E GANHOS Ano... Vendas... Proveitos suplementares... Variação da produção... Outros proveitos e ganhos... Total (A)... CUSTOS E PERDAS CMVMC... FST... Impostos... Custos com o Pessoal... Outros Custos... Amortizações e reintegrações... Total (B)... Resultados antes de Juros e impostos (C=A-B)... Encargos Financeiros (D)... Resultados antes de impostos (E=C-D)... Impostos sobre lucros (F)... RESULTADOS LÍQUIDOS (G=E-F)... Com suporte em registos de vários períodos consecutivos (ano, trimestre, mês), pode analisar-se: A evolução dos proveitos (se estão a evoluir ou não favoravelmente); A evolução dos custos (pessoal, cmvmc, etc.) per si mas também relativamente às vendas (por exemplo: % de pessoal/vendas, % de cmvmc/vendas) o que nos trará informação sobre a evolução da estrutura de custos; A evolução dos Resultados. RENDIBILIDADE A Rendibilidade duma empresa pode ser verificada através de alguns rácios, cuja análise permitirá determinar as respectivas origens e variações ao longo do tempo e, consequentemente, conhecer os aspectos onde se poderá agir prioritariamente para a melhorar. RENDIBILIDADE DAS VENDAS A Rendibilidade das Vendas permite conhecer a margem que as vendas estão a produzir e como tem evoluído essa margem, podendo ser avaliada através dos seguintes rácios. 10

11 RENDIBILID ADE ECONÓMICA DAS VENDAS = RESULTADOS ANTES DE VALOR LÍQUIDO JUROS E IMPOSTOS DAS VENDAS RENDIBILID ADE LÍQUIDA DAS VENDAS = VALOR RESULTADOS LÍQUIDO LÍQUIDOS DAS VENDAS Quanto maior é o rácio maior é a contribuição de cada unidade vendida para a formação dos resultados. Um deficiente valor de rendibilidade corresponde a, pelo menos, uma das seguintes razões: Preços líquidos de venda baixos; Custos de produção e/ou distribuição exagerados; Encargos financeiros muito elevados. Sabendo-se que os preços são determinados, fundamentalmente, pelo mercado, para se melhorar a rendibilidade duma empresa, haverá que actuar ao nível dos custos, existindo dois tipos: Os CUSTOS VARIÁVEIS, constituídos pela matéria-prima, energia, mão de obra directa, despesas de transporte, etc., isto é, os custos que variam directamente com as unidades vendidas e produzidas; Os CUSTOS FIXOS, constituídos pela mão de obra indirecta, amortizações, alugueres e conservação das instalações e equipamentos, etc., isto é, os custos que decorrem da existência duma estrutura e que não dependem das quantidades vendidas ou produzidas, mas da capacidade instalada e da racionalidade da respectiva estrutura. MATÉRIAS PRIMAS ENERGIA MÃO DE OBRA DIRECTA... CUSTOS DIRECTOS OU CUSTOS VARIÁVEIS MÃO DE OBRA INDIRECTA AMORTIZÇÃÇÕES ALUGUERES CONSERVAÇÃO... CUSTOS FIXOS OU ENCARGOS DE ESTRUTURA Relativamente aos custos variáveis, haverá que tomar medidas que permitam melhorar a sua produtividade ( procurement, racionalização, redução de desperdícios e de tempos de inactividade, etc.). Relativamente aos custos fixos, haverá que procurar optimizar a utilização da capacidade da empresa e ajustá-la à procura. Existe, por conseguinte, a necessidade de controlar os custos, actuando prioritariamente nas variáveis que representam um maior peso na estrutura de custos, por exemplo, nos rácios % de pessoal/vendas, % de cmvmc/vendas, % stocks/vendas, conforme anteriormente referido. 11

12 RETURN ON INVESTMENT (ROI) 3 O conceito de rendibilidade da empresa está relacionado com a capacidade da actividade gerar lucros suficientes para rentabilizar os investimentos realizados a uma taxa desejada. Por isso, a maioria dos estudos económicos e de gestão que observam o desempenho de empresas, utilizam o Return on Investment (ROI) como indicador principal de análise, em que: ROI = RESULTADOS ACTIVO OPERACIONAIS x 100 LÍQUIDO Nota: Resultados Operacionais (resultados antes de juros e impostos) O ROI representa, em percentagem, o lucro criado pelo negócio face ao Total de Investimento na actividade. É um indicador extremamente importante porque permite ao gestor identificar o nível de retorno do investimento efectuado. Para se perceber melhor a sua evolução, deverá ser acompanhado periodicamente e comparado com os valores sectoriais ou de concorrentes directos. Para se identificar melhor o impacto das decisões da gestão na evolução da actividade operacional da empresa, mais concretamente no montante de investimento necessário e na estrutura de custos fixos e variáveis a adoptar, pode-se utilizar uma versão decomposta do ROI, de modo a obter-se informação mais pormenorizada: ROI = MARGEM BRUTA RESULTADOSOPERACIONAIS VOLUME DE NEGÓCIOS x x x100 VOLUME DE NEGÓCIOS MARGEM BRUTA ACTIVO LÍQUIDO Rendibilidade Bruta do VN Efeito dos Custos Fixos Rotação do Activo Nota: Margem Bruta é a diferença entre o volume de negócios e os custos directos. Rendibilidade Bruta do Volume de Negócios: representa a percentagem de resultados que o volume de negócios está a gerar após cobrir os seus custos variáveis. Neste caso, pretende-se medir a eficiência dos custos variáveis; Efeito dos Custos Fixos: evidencia o peso dos custos fixos. Quanto menor for o valor deste rácio, menores são os Resultados Operacionais face à Margem Bruta, o que significa que os custos fixos estão a consumir uma parte maior dos proveitos gerados. Por outro lado, quanto maior for o valor deste rácio, menor será o impacto dos custos fixos nos resultados. Rotação do Activo: representa o número de vezes que a empresa consegue gerar o total de capital investido na sua actividade, através do volume de negócios; ROI: na fórmula apresentada, compara-se a eficiência da estrutura de custos variáveis e fixos da actividade normal com a capacidade comercial e de gestão de activos da empresa. 3 Elaborado com apoio do Prof. Nuno Teixeira 12

DOCUMENTOS DE GESTÃO FINANCEIRA Realizado por GESTLUZ - Consultores de Gestão

DOCUMENTOS DE GESTÃO FINANCEIRA Realizado por GESTLUZ - Consultores de Gestão DOCUMENTOS DE GESTÃO FINANCEIRA Realizado por GESTLUZ - Consultores de Gestão A Análise das Demonstrações Financeiras Este artigo pretende apoiar o jovem empreendedor, informando-o de como utilizar os

Leia mais

GESTÃO FINANCEIRA UMA ANÁLISE SIMPLIFICADA

GESTÃO FINANCEIRA UMA ANÁLISE SIMPLIFICADA GESTÃO FINANCEIRA UMA ANÁLISE SIMPLIFICADA Pág. 1 Índice 1. BALANCETE... 3 2. BALANÇO... 5 3. DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS... 10 4. RESUMO... 12 Pág. 2 1. BALANCETE O balancete é um documento contabilístico

Leia mais

Análise Financeira. Universidade do Porto Faculdade de Engenharia Mestrado Integrado em Engenharia Electrotécnica e de Computadores Economia e Gestão

Análise Financeira. Universidade do Porto Faculdade de Engenharia Mestrado Integrado em Engenharia Electrotécnica e de Computadores Economia e Gestão Análise Financeira Universidade do Porto Faculdade de Engenharia Mestrado Integrado em Engenharia Electrotécnica e de Computadores Economia e Gestão Introdução Objectivos gerais avaliar e interpretar a

Leia mais

MUNICÍPIO DO PORTO SANTO RELATÓRIO DE GESTÃO CONSOLIDADO

MUNICÍPIO DO PORTO SANTO RELATÓRIO DE GESTÃO CONSOLIDADO MUNICÍPIO DO PORTO SANTO RELATÓRIO DE GESTÃO CONSOLIDADO EXERCÍCIO DO ANO 2011 INTRODUÇÃO A crescente utilização pelos municípios de formas organizacionais de diversa natureza (nomeadamente empresarial),

Leia mais

RELATÓRIO E CONTAS 2010 6 ANÁLISE ECONÓMICO - FINANCEIRA

RELATÓRIO E CONTAS 2010 6 ANÁLISE ECONÓMICO - FINANCEIRA 6 ANÁLISE ECONÓMICO - FINANCEIRA 1 ANÁLISE DO BALANÇO O Balanço e o Sistema Contabilístico adequam-se ao previsto no Plano Oficial de Contabilidade das Autarquias Locais (POCAL), espelhando a situação

Leia mais

GESTÃO. 6. A Informação Financeira. 6. A Informação financeira 1

GESTÃO. 6. A Informação Financeira. 6. A Informação financeira 1 GESTÃO 6. A Informação Financeira 6. A Informação financeira 1 Conteúdo Temático 1. A organização da informação financeira: o papel da Contabilidade; Introdução aos principais mapas e conceitos 2. O Balanço

Leia mais

Contabilidade II Licenciatura em Economia Ano Lectivo 2007/2008. Contabilidade II. CIN - Corporação Industrial do Norte, S.A. 2005

Contabilidade II Licenciatura em Economia Ano Lectivo 2007/2008. Contabilidade II. CIN - Corporação Industrial do Norte, S.A. 2005 Contabilidade II II. Demonstração dos Fluxos de Caixa Introdução CIN - Corporação Industrial do Norte, S.A. 2005 2004 2005 2004 ACTIVO AB AA AL AL CAP. PRÓPRIO E PASSIVO Imobilizado Capital próprio Imob.

Leia mais

MAPAS FISCAIS DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS ANALÍTICA EXERCICIOS 2009 2008. Custos e perdas

MAPAS FISCAIS DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS ANALÍTICA EXERCICIOS 2009 2008. Custos e perdas MAPAS FISCAIS DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS ANALÍTICA Contas POC Descricao Custos e perdas EXERCICIOS 2009 2008 Custo mercadorias vendidas mater.consu 611+612 Mercadorias 62,08 31,56 616a619 Materias 62,08

Leia mais

C N C. Indice 11 - CÓDIGO DE CONTAS CLASSE 1 - DISPONIBILIDADES 11 - CÓDIGO DE CONTAS... 1

C N C. Indice 11 - CÓDIGO DE CONTAS CLASSE 1 - DISPONIBILIDADES 11 - CÓDIGO DE CONTAS... 1 Indice 11 - CÓDIGO DE CONTAS... 1 CLASSE 1 - DISPONIBILIDADES... 1 CLASSE 2 - TERCEIROS*... 2 CLASSE 3 - EXISTÊNCIAS*... 4 CLASSE 4 - IMOBILIZAÇÕES*... 5 CLASSE 5 - CAPITAL, RESERVAS E RESULTADOS TRANSITADOS...

Leia mais

EMPREENDEDORISMO PLANO FINANCEIRO VÍTOR GONÇALVES PROJECTO-EMPREENDEDORISMO ESCS_AULA_4 SLIDE 1

EMPREENDEDORISMO PLANO FINANCEIRO VÍTOR GONÇALVES PROJECTO-EMPREENDEDORISMO ESCS_AULA_4 SLIDE 1 EMPREENDEDORISMO PLANO FINANCEIRO SLIDE 1 Sistemas de Informação na Gestão CONTABILIDADE FINANCEIRA Os sistemas de informação fornecem um conjunto de dados sobre a empresa, que se destina essencialmente

Leia mais

Relatório Tipo Dezembro de 20XX

Relatório Tipo Dezembro de 20XX Relatório Tipo Dezembro de 20XX Alvim & Rocha Consultoria de Gestão, Lda. Tel.: 22 831 70 05; Fax: 22 833 12 34 Rua do Monte dos Burgos, 848 Email: mail@alvimrocha.com 4250-313 Porto www.alvimrocha.com

Leia mais

Contabilidade e Controlo de Gestão. 5. Elaboração do orçamento anual e sua articulação. Contabilidade e Controlo de Gestão. Gestão Turística -3º ano

Contabilidade e Controlo de Gestão. 5. Elaboração do orçamento anual e sua articulação. Contabilidade e Controlo de Gestão. Gestão Turística -3º ano Contabilidade e Controlo de Gestão Ano letivo 2013/2014 Gustavo Dias 5.º Semestre Orçamento anual: instrumento de planeamento a curto prazo que permitirá à empresa quantificar os seus objectivos em termos

Leia mais

Fundação Denise Lester

Fundação Denise Lester Relatório e Contas 2010 Fundação Denise Lester Fundação Denise Lester 1/14 Balanço ACTIVO Notas Exercício findo a 31/12/2010 Exercício findo a 31/12/2009 Activo não corrente Activos fixos tangíveis 2.291.289,31

Leia mais

Princípios Fundamentais Contabilidade

Princípios Fundamentais Contabilidade Princípios Fundamentais Contabilidade 1 Princípios Contábeis. Resolução CFC 750 de 29 de dezembro de 1993. Art. 3 São Princípios de Contabilidade:(2) I o da ENTIDADE; II o da CONTINUIDADE; III o da OPORTUNIDADE;

Leia mais

8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS POR NATUREZA

8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS POR NATUREZA 8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS POR NATUREZA As demonstrações financeiras anexas foram preparadas com base nos livros e registos contabilísticos da ESHTE mantidos em conformidade com

Leia mais

Regras de utilização. Principais regras de utilização:

Regras de utilização. Principais regras de utilização: Regras de utilização Para a melhor utilização do presente modelo o empreendedor deverá dominar conceitos básicos de análise económica e financeira ou, não sendo esse o caso, deve explorar as potencialidades

Leia mais

ABC da Gestão Financeira

ABC da Gestão Financeira ABC da Gestão Financeira As demonstrações financeiras são instrumentos contabilísticos que reflectem a situação económico-financeira da empresa, evidenciando quantitativamente os respectivos pontos fortes

Leia mais

Marketing e Publicidade 2ºANO 1º SEMESTRE

Marketing e Publicidade 2ºANO 1º SEMESTRE INSTITUTO POLITÉCNICO DE SANTARÉM ESCOLA SUPERIOR DE GESTÃO E TECNOLOGIA DE SANTARÉM Marketing e Publicidade 2ºANO 1º SEMESTRE FINANÇAS Docente: Professor Coordenador - António Mourão Lourenço Discentes:

Leia mais

Conselho Fiscal do Clube dos Galitos

Conselho Fiscal do Clube dos Galitos Conselho Fiscal do Clube dos Galitos Parecer do Conselho Fiscal sobre as Contas do Clube dos Galitos relativas ao exercício económico de 2014 1. Introdução O presente parecer do Conselho Fiscal do Clube

Leia mais

ANEXO A à. Proposta de REGULAMENTO DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO. relativo ao Sistema europeu de contas nacionais e regionais na União Europeia

ANEXO A à. Proposta de REGULAMENTO DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO. relativo ao Sistema europeu de contas nacionais e regionais na União Europeia PT PT PT COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, 20.12.2010 COM(2010) 774 final Anexo A/Capítulo 08 ANEXO A à Proposta de REGULAMENTO DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO relativo ao Sistema europeu de contas nacionais

Leia mais

MUNICÍPIO DE MATOSINHOS

MUNICÍPIO DE MATOSINHOS 1. INTRODUÇÃO Nos últimos anos tem-se assistido, em Portugal, a uma alteração de paradigma ao nível do desenvolvimento das atribuições e competências dos municípios, que, numa lógica de grupo municipal,

Leia mais

PLANO DE CONTAS ATIVO - CONTAS DEVEDORAS PASSIVO - CONTAS CREDORAS DESPESAS - CONTAS DEVEDORAS RECEITAS - CONTAS CREDORAS APURAÇÃO DE RESULTADO

PLANO DE CONTAS ATIVO - CONTAS DEVEDORAS PASSIVO - CONTAS CREDORAS DESPESAS - CONTAS DEVEDORAS RECEITAS - CONTAS CREDORAS APURAÇÃO DE RESULTADO PLANO DE CONTAS O plano de Contas normalmente é composto de cinco grupos. ATIVO - CONTAS DEVEDORAS PASSIVO - CONTAS CREDORAS DESPESAS - CONTAS DEVEDORAS RECEITAS - CONTAS CREDORAS APURAÇÃO DE RESULTADO

Leia mais

Análise Financeira 2º semestre

Análise Financeira 2º semestre ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA DE VISEU DEPARTAMENTO DE GESTÃO Análise Financeira 2º semestre Caderno de exercícios CAP II Luís Fernandes Rodrigues António Manuel F Almeida CAPITULO II 2011 2012 Página

Leia mais

UNIVERSIDADE DOS AÇORES

UNIVERSIDADE DOS AÇORES UNIVERSIDADE DOS AÇORES 2013 RELATÓRIO DE CONTAS RELATÓRIO DE CONTAS 1 ÍNDICE 1 INTRODUÇÃO -------------------------------------------------------------------4 2 SALDO DE GERÊNCIA-----------------------------------------------------------5

Leia mais

MANUAL FORMAÇÃO PME GESTÃO FINANCEIRA. Programa Formação PME Manual de Formação para Empresários 1/22

MANUAL FORMAÇÃO PME GESTÃO FINANCEIRA. Programa Formação PME Manual de Formação para Empresários 1/22 MANUAL FORMAÇÃO PME GESTÃO FINANCEIRA 1/22 INTRODUÇÃO... 3 ANÁLISE DA ACTIVIDADE DA EMPRESA... 4 ESTRUTURA DE CUSTOS... 7 VALOR ACRESCENTADO BRUTO... 7 ANÁLISE DOS FLUXOS DE TESOURARIA... 9 ANÁLISE DOS

Leia mais

Fundo de Investimento Imobiliário Fechado Imorocha

Fundo de Investimento Imobiliário Fechado Imorocha Fundo de Investimento Imobiliário Fechado Imorocha RELATÓRIO & CONTAS 2007 ÍNDICE ACTIVIDADE DO FUNDO 2 BALANÇO 4 DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS 5 DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS MONETÁRIOS 6 ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES

Leia mais

ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS DO EXERCÍCIO DE 2009

ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS DO EXERCÍCIO DE 2009 1 ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS DO EXERCÍCIO DE 2009 00. Introdução a) A firma Custódio A. Rodrigues, Lda., designada também por CORPOS Corretagem Portuguesa de Seguros, pessoa colectiva

Leia mais

GLOSSÁRIO. Capítulo 5 Informação Financeira

GLOSSÁRIO. Capítulo 5 Informação Financeira GLOSSÁRIO Capítulo 5 Informação Financeira Este Glossário foi elaborado unicamente para apoiar os slides do Cap.5 da disciplina de Gestão e destina-se a ser utilizado exclusivamente pelos alunos de Gestão

Leia mais

GESTÃO FINANCEIRA. Objectivo

GESTÃO FINANCEIRA. Objectivo GESTÃO FINANCEIRA MÓDULO IV Objectivo Teoria tradicional do Equilíbrio Financeiro O Fundo de Maneio Funcional e as NFM A Tesouraria Líquida Estratégias de Financiamento face ao Risco ISEG/UTL Teoria Tradicional

Leia mais

INTRODUÇÃO. Análise Financeira. Gestão Financeira

INTRODUÇÃO. Análise Financeira. Gestão Financeira INTRODUÇÃO 1 Análise Financeira Dar a conhecer a situação económico-financeira e monetária A partir de documentos de informação contabilística Situação financeira Equilíbrio Financeiro, Solvabilidade,

Leia mais

GESTÃO FINANCEIRA E ORÇAMENTÁRIA I

GESTÃO FINANCEIRA E ORÇAMENTÁRIA I GESTÃO FINANCEIRA E ORÇAMENTÁRIA I BALANÇO PATRIMONIAL 2 CONCEITO É a demonstração contábil destinada a evidenciar, qualitativa e quantitativamente, numa determinada data, o Patrimônio e o Patrimônio Líquido

Leia mais

ANÁLISE DA SITUAÇÃO ECONÓMICA

ANÁLISE DA SITUAÇÃO ECONÓMICA ANÁLISE DA SITUAÇÃO ECONÓMICA 1 - Nota introdutória As contas de 2008 do Conselho Distrital de Faro da Ordem dos Advogados, integram, como habitualmente, o Conselho Distrital de Deontologia e as 9 Delegações

Leia mais

Câmara Municipal de Alenquer

Câmara Municipal de Alenquer Código das Contas POCAL Imobilizado Câmara Municipal de Alenquer BALANÇO ANO : 2008 Exercícios ACTIVO 2008 200 AB AP AL AL Bens de domínio público 45 452 Terrenos e recursos naturais 28.942,4 28.942,4

Leia mais

ANÁLISE FINANCEIRA. Objectivo

ANÁLISE FINANCEIRA. Objectivo ISEG/UTL ANÁLISE FINANCEIRA MÓDULO III Objectivo Teoria tradicional do Equilíbrio Financeiro Fundo de Maneio Funcional e as NFM Tesouraria Líquida Estratégias de Financiamento face ao Risco EQUILÍBRIO

Leia mais

8.2.1 Disposições do Plano Oficial de Contabilidade (POCAL) e Derrogações

8.2.1 Disposições do Plano Oficial de Contabilidade (POCAL) e Derrogações NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS Introdução: As notas que a seguir se apresentam visam facultar aos órgãos autárquicos a informação necessária ao exercício das suas competências, permitindo

Leia mais

Finanças Empresariais 1º semestre

Finanças Empresariais 1º semestre ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA E GESTÃO DE VISEU MESTRADO EM FINANÇAS EMPRESARIAIS Finanças Empresariais 1º semestre Caderno de exercícios Luís Fernandes Rodrigues Manuel F Almeida 5º 6º edição 1 Caso 1.1

Leia mais

ANO DE 2010 BALANÇO DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA

ANO DE 2010 BALANÇO DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA CONTAS ANO DE 2010 BALANÇO DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE PARAQUEDISMO RUA DA UNIDADE, 9 7000-719

Leia mais

8.2.1 Disposições do POCAL derrogadas e seus efeitos no Balanço e Demonstração de Resultados

8.2.1 Disposições do POCAL derrogadas e seus efeitos no Balanço e Demonstração de Resultados 8.2 O Balanço e a Demonstração de Resultados encontram-se elaborados de acordo com os princípios contabilísticos definidos pelo Plano Oficial de Contabilidade das Autarquias Locais (POCAL) e demais legislação

Leia mais

Fundo de Investimento Imobiliário Fechado Beirafundo

Fundo de Investimento Imobiliário Fechado Beirafundo Fundo de Investimento Imobiliário Fechado Beirafundo RELATÓRIO & CONTAS 2007 ÍNDICE ACTIVIDADE DO FUNDO 2 BALANÇO 4 DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS 5 DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS MONETÁRIOS 6 ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES

Leia mais

ANEXOS ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS

ANEXOS ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS ANEXOS ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS Conforme preceitua o Decreto Lei n.º 54-A/99 de 22 de Fevereiro, com as devidas alterações, os anexos às Demonstrações Financeiras visam facultar aos órgãos autárquicos

Leia mais

Índice. 02 Relatório de Gestão. 02 Considerações Gerais. 03 Situação Económico-Financeira. 09 Demonstrações Financeiras.

Índice. 02 Relatório de Gestão. 02 Considerações Gerais. 03 Situação Económico-Financeira. 09 Demonstrações Financeiras. 1º Semestre de Relatório e Contas 2008 Índice 02 Relatório de Gestão 02 Considerações Gerais 03 Situação Económico-Financeira 09 Demonstrações Financeiras 10 Balanço 12 Demonstração de Resultados por Natureza

Leia mais

Manual do Revisor Oficial de Contas IAS 7 (1) NORMA INTERNACIONAL DE CONTABILIDADE IAS 7 (REVISTA EM 1992) Demonstrações de Fluxos de Caixa

Manual do Revisor Oficial de Contas IAS 7 (1) NORMA INTERNACIONAL DE CONTABILIDADE IAS 7 (REVISTA EM 1992) Demonstrações de Fluxos de Caixa IAS 7 (1) NORMA INTERNACIONAL DE CONTABILIDADE IAS 7 (REVISTA EM 1992) Demonstrações de Fluxos de Caixa Esta Norma Internacional de Contabilidade revista substitui a NIC 7, Demonstração de Alterações na

Leia mais

Consolidação de Contas Município do Barreiro / Serviços Municipalizados de Transportes Colectivos do Barreiro

Consolidação de Contas Município do Barreiro / Serviços Municipalizados de Transportes Colectivos do Barreiro Consolidação de s Município do Barreiro / Serviços Municipalizados de Transportes Colectivos do Barreiro 1 - Introdução De acordo com o n.º 1, do art.º 46º da Lei n.º 2 / 2007 de 15 de Janeiro Lei das

Leia mais

GESTÃO FINANCEIRA. Demonstração de Fluxos de Caixa

GESTÃO FINANCEIRA. Demonstração de Fluxos de Caixa GESTÃO FINANCEIRA MÓDULO VIII Objectivo Comparação com a Demonstração de Resultados Métodos de Cálculo Rácios baseados nos fluxos de caixa Documento que mostra a variação das disponibilidades entre dois

Leia mais

Fundo de Investimento Imobiliário Fechado Fundolis

Fundo de Investimento Imobiliário Fechado Fundolis Fundo de Investimento Imobiliário Fechado Fundolis RELATÓRIO & CONTAS 2007 ÍNDICE ACTIVIDADE DO FUNDO 2 BALANÇO 4 DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS 5 DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS MONETÁRIOS 6 ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES

Leia mais

Trabalho nº1 Análise Económico Financeira. BRISA Auto-Estradas de Portugal, S.A.

Trabalho nº1 Análise Económico Financeira. BRISA Auto-Estradas de Portugal, S.A. Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto Licenciatura em Engenharia Electrotécnica e de Computadores 5º Ano, 1º Semestre Economia e Gestão - 2000/2001 Trabalho nº1 Análise Económico Financeira

Leia mais

Anexo à Instrução nº 16/96

Anexo à Instrução nº 16/96 Anexo à Instrução nº 16/96 SOCIEDADES DE LOCAÇÃO FINANCEIRA SITUAÇÃO ANALÍTICA CONTAS COM SALDOS DEVEDORES 10 - CAIXA VALORES (em contos) 11 - DEPÓSITOS À ORDEM NO BANCO DE PORTUGAL 12 - DISPONIBILIDADES

Leia mais

NOVA CONTABILIDADE DAS AUTARQUIAS LOCAIS

NOVA CONTABILIDADE DAS AUTARQUIAS LOCAIS CONTACTOS DAS ENTIDADES QUE INTEGRAM O Direcção-Geral das Autarquias Locais Morada: Rua José Estêvão,137, 4.º a 7.º 1169-058 LISBOA Fax: 213 528 177; Telefone: 213 133 000 E-mail: helenacurto@dgaa.pt Centro

Leia mais

Contabilidade Geral. Gestão do Desporto 2011/2012

Contabilidade Geral. Gestão do Desporto 2011/2012 Contabilidade Geral Gestão do Desporto 2011/2012 OPERAÇÕES CORRENTES 1. Meios Financeiros Líquidos Esta Classe destina-se a registar os meios financeiros líquidos que incluem quer o dinheiro e depósitos

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Texto para as questões de 31 a 35 conta saldo despesa de salários 10 COFINS a recolher 20 despesas de manutenção e conservação 20 despesa de depreciação 20 PIS a recolher 30 despesas

Leia mais

Fundo de Investimento Imobiliário Fechado Imomar

Fundo de Investimento Imobiliário Fechado Imomar Fundo de Investimento Imobiliário Fechado Imomar RELATÓRIO & CONTAS 2007 ÍNDICE ACTIVIDADE DO FUNDO 2 BALANÇO 4 DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS 5 DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS MONETÁRIOS 6 ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES

Leia mais

Sistema de contas. Capítulo 2 Sistema de contas

Sistema de contas. Capítulo 2 Sistema de contas Sistema de contas Capítulo 2 Sistema de contas SUMÁRIO: 1. Conceito 2. Teoria das contas 2.1. Teoria personalística (ou personalista) 2.2. Teoria materialística (ou materialista) 2.3. Teoria patrimonialista

Leia mais

Relatório de Gestão. Exercício de 2014 INSTITUTO CARDIOLOGIA PREVENTIVA DE ALMADA. Audite Gestão Financeira

Relatório de Gestão. Exercício de 2014 INSTITUTO CARDIOLOGIA PREVENTIVA DE ALMADA. Audite Gestão Financeira Relatório de Gestão INSTITUTO CARDIOLOGIA PREVENTIVA DE ALMADA Audite Exercício de 2014 11-03-2015 Linda-a Velha, 11 de Março de 2015 Estimado cliente, O presente relatório pretende dar-lhe um flash da

Leia mais

Relatório Trimestral 1º Trimestre 2008 (1/Jan a 31/Mar) 1º Trimestre 2008

Relatório Trimestral 1º Trimestre 2008 (1/Jan a 31/Mar) 1º Trimestre 2008 Relatório Trimestral 1º Trimestre 2008 (1/Jan a 31/Mar) 1º Trimestre 2008 O presente relatório analisa a actividade desenvolvida pelo OPART no primeiro trimestre de 2008 e enquadrada na temporada 2007/08.

Leia mais

ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA E GESTÃO DE VISEU DEPARTAMENTO DE GESTÃO LICENCIATURA EM GESTÃO DE EMPRESAS GESTÃO FINANCEIRA. 3º Ano 1º Semestre

ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA E GESTÃO DE VISEU DEPARTAMENTO DE GESTÃO LICENCIATURA EM GESTÃO DE EMPRESAS GESTÃO FINANCEIRA. 3º Ano 1º Semestre DEPARTAMENTO DE GESTÃO LICENCIATURA EM GESTÃO DE EMPRESAS GESTÃO FINANCEIRA 3º Ano 1º Semestre Caderno de exercícios Planeamento Financeiro de ML/ Prazo Ano letivo 2015/2016 1 Planeamento Financeiro de

Leia mais

Demonstração dos Resultados

Demonstração dos Resultados Sistemas de Informação bilística e Financeira As demonstrações financeiras CET em Técnicas e Gestão em Turismo 2012/2013 ATIVO Investimentos Inventários e ativos biológicos s a receber Meios financeiros

Leia mais

Documentos de Prestação de Contas

Documentos de Prestação de Contas Documentos de Prestação de Contas E DOCUMENTOS ANEXOS Segundo a Resolução nº04/2001-2ª Secção APROVAÇÃO Câmara Municipal - Reunião de / / Assembleia Municipal - Sessão de / / ACÓRDÃO DO TRIBUNAL DE CONTAS

Leia mais

ESTRUTURA DO BALANÇO PATRIMONIAL. FASF - Faculdade Sagrada Família - Curso de Administração - Disciplina Contabilidade Geral - 3º periodo

ESTRUTURA DO BALANÇO PATRIMONIAL. FASF - Faculdade Sagrada Família - Curso de Administração - Disciplina Contabilidade Geral - 3º periodo ESTRUTURA DO BALANÇO PATRIMONIAL Introdução Já sabemos que o Patrimônio é objeto da contabilidade, na qual representa o conjunto de bens, diretos e obrigações. Esta definição é muito importante estar claro

Leia mais

IV - 2. LISTA E ÂMBITO DAS CONTAS CLASSE 7 CUSTOS POR NATUREZA. As contas desta classe registam os custos correntes do exercício.

IV - 2. LISTA E ÂMBITO DAS CONTAS CLASSE 7 CUSTOS POR NATUREZA. As contas desta classe registam os custos correntes do exercício. Anexo à Instrução nº 4/96 IV - 2. LISTA E ÂMBITO DAS CONTAS CLASSE 7 CUSTOS POR NATUREZA As contas desta classe registam os custos correntes do exercício. 70 - JUROS E CUSTOS EQUIPARADOS Encargos financeiros

Leia mais

MESTRADO EM GESTÃO DE EMPRESAS

MESTRADO EM GESTÃO DE EMPRESAS MESTRADO EM GESTÃO DE EMPRESAS Sistemas de Informação Contabilística e Financeira CASO 5 PARTE 1 e 2 (enunciado e resolução) 2007/2008 CASO 5 Enunciado (PARTE 1) Questão 1 Alínea a) Sabendo que a sociedade

Leia mais

RESOLUÇÃO EXAME CONTABILIDADE FINANCEIRA I

RESOLUÇÃO EXAME CONTABILIDADE FINANCEIRA I RESOLUÇÃO EXAME CONTABILIDADE FINANCEIRA I 1 1 Elaboração da Reconciliação Bancária (Anexo I) Reconciliação Bancária 3112N Saldo da Empresa 4.102,50 Saldo do Banco 4.102,50 2911N Emp. Bancário C/Prazo

Leia mais

C O N T A B I L I D A D E

C O N T A B I L I D A D E Licenciatura em Gestão de Recursos Humanos ISCSP (UTL), Lisboa C O N T A B I L I D A D E Pedro V Matos ISEG-UTL 1 Análise Financeira e Contabilidade 2 1 Função Financeira O que é a Função Financeira? Consiste

Leia mais

FEUP - 2010 RELATÓRIO DE CONTAS BALANÇO

FEUP - 2010 RELATÓRIO DE CONTAS BALANÇO relatório de contas 2 FEUP - 2010 RELATÓRIO DE CONTAS BALANÇO FEUP - 2010 RELATÓRIO DE CONTAS 3 4 FEUP - 2010 RELATÓRIO DE CONTAS DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS POR NATUREZAS DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA

Leia mais

Balanço Patrimonial: Grupo de Contas

Balanço Patrimonial: Grupo de Contas 3 Balanço Patrimonial: Grupo de Contas 3.1 JUSTIFICATIVAS Como foi visto no capítulo anterior, o Balanço Patrimonial é constituído de Ativo, Passivo e Patrimônio Líquido. O Ativo, por sua vez, compõe-se

Leia mais

8.2. NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS

8.2. NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS 8.2. NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS 8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS As Demonstrações Financeiras anexas foram elaboradas de acordo com os princípios contabilísticos

Leia mais

10. Balanço Patrimonial. 10.1 Plano de Contas

10. Balanço Patrimonial. 10.1 Plano de Contas 10. Balanço Patrimonial 10.1 Plano de Contas É um elemento sistematizado e metódico de todas as contas movimentadas por uma empresa. Cada empresa deverá ter seu próprio plano de contas de acordo com suas

Leia mais

Relatório e Contas CARREGOSA BRASIL VALOR FUNDO DE INVESTIMENTO ABERTO FLEXÍVEL PERÍODO FINDO EM 30 DE JUNHO DE

Relatório e Contas CARREGOSA BRASIL VALOR FUNDO DE INVESTIMENTO ABERTO FLEXÍVEL PERÍODO FINDO EM 30 DE JUNHO DE Relatório e Contas CARREGOSA BRASIL VALOR FUNDO DE INVESTIMENTO ABERTO FLEXÍVEL PERÍODO FINDO EM 30 DE JUNHO DE 2011 Índice 1 Relatório de Gestão... 3 Enquadramento Geral da actividade até 30 de Junho

Leia mais

PLANO ANUAL E PLURIANUAL DE ACTIVIDADES / INVESTIMENTOS - 2011-2014

PLANO ANUAL E PLURIANUAL DE ACTIVIDADES / INVESTIMENTOS - 2011-2014 PLANO ANUAL E PLURIANUAL DE ACTIVIDADES / INVESTIMENTOS - 2011-2014 ACTIVOS FIXOS TANGÍVEIS 2011 "Edifícios e Outras Construções": Remodelação das instalações afectas ao serviço de manutenção da frota.

Leia mais

Contabilidade II (LEC110)

Contabilidade II (LEC110) Contabilidade II (LEC110) IV. Consolidação de contas III. Consolidação de Contas 1. Perímetro de consolidação 1º ANO ANO LECTIVO 7/8 1. Perímetro de Consolidação A definição do perímetro de consolidação

Leia mais

PRESTAÇÃO DE CONTAS 2007 O Órgão Executivo; O Órgão Deliberativo;

PRESTAÇÃO DE CONTAS 2007 O Órgão Executivo; O Órgão Deliberativo; PRESTAÇÃO DE CONTAS 2007 Junto se remetem os Documentos de Prestação de Contas referentes à Gerência de 2007, organizados em conformidade com o POCAL e de acordo com a Resolução n.º 04/2001 2.ª Secção,

Leia mais

ASSOCIAÇÃO DE SOLIDARIEDADE SOCIAL "AS COSTUREIRINHAS" CAVERNÃES

ASSOCIAÇÃO DE SOLIDARIEDADE SOCIAL AS COSTUREIRINHAS CAVERNÃES ASSOCIAÇÃO DE SOLIDARIEDADE SOCIAL "AS COSTUREIRINHAS" CAVERNÃES ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS EM 31/12/2014 Nota - 1 Identificação da entidade 1,1 Associação de Solidariedade Social "As Costureirinhas"

Leia mais

ANÁLISE DE FLUXOS A DEMONSTRAÇÃO DO FLUXO DE CAIXA

ANÁLISE DE FLUXOS A DEMONSTRAÇÃO DO FLUXO DE CAIXA ANÁLISE DE FLUXOS A DEMONSTRAÇÃO DO FLUXO DE CAIXA ESTGV-IPV 1. O Fluxo de Caixa para á Análise Financeira A análise baseada nos fluxos visa ultrapassar algumas das limitações da análise tradicional e

Leia mais

Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto Mestrado Integrado em Engenharia Electrotécnica e de Computadores Economia e Gestão 2006/2007

Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto Mestrado Integrado em Engenharia Electrotécnica e de Computadores Economia e Gestão 2006/2007 Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto Mestrado Integrado em Engenharia Electrotécnica e de Computadores Economia e Gestão 2006/2007 Exercícios de Análise Financeira 1. Considere o inventário

Leia mais

Folha de cálculo para Plano de Negócios. 7 de Novembro 2009

Folha de cálculo para Plano de Negócios. 7 de Novembro 2009 Folha de cálculo para Plano de Negócios 7 de Novembro 2009 9 de Novembro de 2009 Modelo 9 de Novembro de 2009 2 Objectivos ferramenta Disponibilizar uma ferramenta que possibilite a um empreendedor efectuar

Leia mais

Entidades intervenientes

Entidades intervenientes Entidades intervenientes As candidaturas deverão ser apresentadas, preferencialmente, no Município de Vizela, ou nas entidades abaixo indicadas. Câmara Municipal de Vizela Rua Dr. Alfredo Pinto, 42 4815-391

Leia mais

Empresa Demo 1 PT500000001

Empresa Demo 1 PT500000001 Empresa Demo 1 PT500000001 Member of Federation of Business Information Service Índice Índice Introdução...3 Classificação total...4 Classificação por dimensão... 5 Quota de mercado...6 Volume de negócios

Leia mais

ADAPTAÇÃO DAS REGRAS DO IRC ÀS NIC

ADAPTAÇÃO DAS REGRAS DO IRC ÀS NIC ADAPTAÇÃO DAS REGRAS DO IRC ÀS NIC V Conferência Internacional OTOC/IDEFF/Direcção - Geral dos Impostos 8 e 9 de Outubro de 2010 Apresentado por: José Vieira dos Reis 1 1. Normalização Contabilística 2.

Leia mais

NOTAS ÀS CONTAS DO EXERCÍCIO DE 2012

NOTAS ÀS CONTAS DO EXERCÍCIO DE 2012 NOTAS ÀS CONTAS DO EXERCÍCIO DE 2012 Nota Introdutória: A prestação de contas de 2012 é elaborada de acordo com o SNC 1. Não existiram alterações no capital nem perdas ou ganhos por imparidade. As presentes

Leia mais

ATIVO Notas 2009 2008

ATIVO Notas 2009 2008 BALANÇOS PATRIMONIAIS EM 31 DE DEZEMBRO DE ATIVO Notas 2009 2008 CIRCULANTE Caixa e bancos 20.723 188.196 Contas a receber 4 903.098 806.697 Outras contas a receber 5 121.908 115.578 Estoques 11.805 7.673

Leia mais

INTRODUÇÃO À GESTÃO FINANCEIRA ESTGV-IPV

INTRODUÇÃO À GESTÃO FINANCEIRA ESTGV-IPV INTRODUÇÃO À GESTÃO FINANCEIRA ESTGV-IPV Gestão financeira Ciclo de exploração Gestão Ciclo de investimento Financeira Ciclo de financiamento 2 Fluxos nas entidades Fluxos reais Fluxos reais Fornecedores

Leia mais

Contabilidade Geral - Teoria e Exercícios Curso Regular Prof. Moraes Junior Aula 10 Demonstração do Fluxo de Caixa. Conteúdo

Contabilidade Geral - Teoria e Exercícios Curso Regular Prof. Moraes Junior Aula 10 Demonstração do Fluxo de Caixa. Conteúdo Aula 10 Demonstração do Fluxo de Caixa. Conteúdo 12. Demonstração do Fluxo de Caixa 2 12.1. Introdução 2 12.2. Conceitos Importantes 2 12.3. Atividades Operacionais 5 12.4. Atividades de Investimento 7

Leia mais

Avaliação Distribuída 2º Mini-Teste (30 de Abril de 2007 15h00) Os telemóveis deverão ser desligados e guardados antes do início do teste.

Avaliação Distribuída 2º Mini-Teste (30 de Abril de 2007 15h00) Os telemóveis deverão ser desligados e guardados antes do início do teste. LICENCIATURA EM ECONOMIA MACROECONOMIA II LEC 206 (2006-2007) Avaliação Distribuída 2º Mini-Teste (30 de Abril de 2007 15h00) Duração: 60 minutos Não é permitida qualquer forma de consulta. Os telemóveis

Leia mais

Fundo de Investimento Imobiliário Aberto. ES LOGISTICA (CMVM nº 1024)

Fundo de Investimento Imobiliário Aberto. ES LOGISTICA (CMVM nº 1024) Relatório de Gestão ES LOGISTICA Fundo de Investimento Imobiliário Aberto Fundo de Investimento Imobiliário Aberto ES LOGISTICA (CMVM nº 1024) Relatório de Gestão Dezembro de 2008 ESAF Fundos de Investimento

Leia mais

Norma contabilística e de relato financeiro 9. e divulgações apropriadas a aplicar em relação a locações financeiras e operacionais.

Norma contabilística e de relato financeiro 9. e divulgações apropriadas a aplicar em relação a locações financeiras e operacionais. Norma contabilística e de relato financeiro 9 Locações Esta Norma Contabilística e de Relato Financeiro tem por base a Norma Internacional de Contabilidade IAS 17 Locações, adoptada pelo texto original

Leia mais

31. A DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA

31. A DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA 31. A DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA A demonstração de fluxos de caixa é um mapa de fluxos que releva a entradas e as saídas de caixa, durante um exercício. A Demonstração de fluxos de caixa é estruturada

Leia mais

BLOCO 12. ASSUNTOS: O estudo de caso de uma empresa agro-industrial PROBLEMAS: PROBLEMA 1

BLOCO 12. ASSUNTOS: O estudo de caso de uma empresa agro-industrial PROBLEMAS: PROBLEMA 1 BLOCO 12 ASSUNTOS: O estudo de caso de uma empresa agro-industrial PROBLEMAS: PROBLEMA 1 A SILOS, SA é uma sociedade anónima agro-industrial que se dedica ao fabrico e à venda de rações para animais. A

Leia mais

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DAS FINANÇAS RELATÓRIO DE EXECUÇÃO DO ORÇAMENTO DO ESTADO

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DAS FINANÇAS RELATÓRIO DE EXECUÇÃO DO ORÇAMENTO DO ESTADO REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO S FINANÇAS RELATÓRIO DE EXECUÇÃO DO ORÇAMENTO DO ESTADO ANO 2012 JANEIRO A JUNHO RELATÓRIO 1. Introdução 2. Equilíbrio Orçamental 3. Receitas do Estado 4. Financiamento

Leia mais

Contabilidade Decifrada. Módulo III - Demonstrações Luiz Eduardo

Contabilidade Decifrada. Módulo III - Demonstrações Luiz Eduardo Contabilidade Decifrada Módulo III - Demonstrações Luiz Eduardo Demonstrações Contábeis - balanço patrimonial; - demonstração do resultado do exercício; e, - demonstração de lucros ou prejuízos acumulados.

Leia mais

OTOC - Ordem dos Técnicos Oficiais de Contas

OTOC - Ordem dos Técnicos Oficiais de Contas Normas contabilísticas e de relato financeiro Norma contabilística e de relato financeiro 1 - Estrutura e conteúdo das demonstrações financeiras Norma contabilística e de relato financeiro 2 - Demonstração

Leia mais

As empresas agrícolas similares, consideradas de referência, apresentam em média os seguintes indicadores financeiros, que

As empresas agrícolas similares, consideradas de referência, apresentam em média os seguintes indicadores financeiros, que BLOCO 10 ASSUNTOS: Controlo Análise dos Registos Contabilísticos Balanço e Conta de Exploração PROBLEMAS: PROBLEMA 1 Os Balanços sucessivos dos anos n-2, n-1 e n referem-se a outra exploração agrícola

Leia mais

(a) Propriedade detida por locatários que seja contabilizada como propriedade de investimento (ver NCRF 11 - Propriedades de Investimento);

(a) Propriedade detida por locatários que seja contabilizada como propriedade de investimento (ver NCRF 11 - Propriedades de Investimento); NCRF 9 Locações Esta Norma Contabilística e de Relato Financeiro tem por base a Norma Internacional de Contabilidade IAS 17 - Locações, adoptada pelo texto original do Regulamento (CE) n.º 1126/2008 da

Leia mais

DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS

DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS Balanço IMOBILIZADO: ACTIVO BALANÇO ANALITICO E X E R C I C I O S ACTIVO BRUTO AMORT / PROV ACTIVO LIQUIDO ACTIVO LIQUIDO Imobilizações Incorpóreas: 431 Despesas de Instalação

Leia mais

8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS

8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS 8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS As Demonstrações Financeiras anexas foram elaboradas de acordo com os princípios contabilísticos definidos pelo Plano Oficial de Contabilidade das Autarquias

Leia mais

ANEXO. Prestação de Contas 2011

ANEXO. Prestação de Contas 2011 1. IDENTIFICAÇÃO DA ENTIDADE 1.1. Designação da entidade Fluviário de Mora, E.E.M. NIPC: 507 756 754 1.2. Sede Parque Ecológico do Gameiro - Cabeção 1.3. Natureza da Actividade O Fluviário de Mora, é uma

Leia mais

Contabilidade Geral e Financeira. Enunciado da Prova

Contabilidade Geral e Financeira. Enunciado da Prova Governo da Região Administrativa Especial de Macau Comissão de Registo dos Auditores e dos Contabilistas Ano de 2015 (1.ª É poca) Prestação de provas para registo como auditor de contas 30 de Maio de 2015

Leia mais

1.1 Demonstração dos Fluxos de Caixa

1.1 Demonstração dos Fluxos de Caixa 1 Exercícios de Fixação (Questões de concurso) 1.1 Demonstração dos Fluxos de Caixa 1.1.1 Concurso para AFRF 2000 prova de contabilidade avançada - Questão 15 ENUNCIADO 15- Aplicações em Investimentos

Leia mais

Formulário de Candidatura

Formulário de Candidatura (a preencher pela ADRAL) N.º de Processo: Data de Entrada : (a preencher pela entidade receptora) Entidade Receptora : Local e data : Criação de Empresa: SIM NÃO Prazo de Financiamento Ano de Carência

Leia mais

Lançamento nº 2 - Eliminação de operações internas (VNDs e CMPs) entre A e B

Lançamento nº 2 - Eliminação de operações internas (VNDs e CMPs) entre A e B LEC11 CONTABILIDADE II CAPÍTULO IV CONSOLIDAÇÃO DE CONTAS COMENTÁRIOS À RESOLUÇÃO DO EXERCÍCIO 1 Lançamento nº 1 - Eliminação de saldos entre empresas do grupo As empresas do Grupo efectuaram operações

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO DAS MUTAÇÕES DO PATRIMÔNIO LÍQUIDO REFERENTES AOS EXERCÍCIOS FINDOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2011 E 2010 (Valores expressos em reais)

DEMONSTRAÇÃO DAS MUTAÇÕES DO PATRIMÔNIO LÍQUIDO REFERENTES AOS EXERCÍCIOS FINDOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2011 E 2010 (Valores expressos em reais) DEMONSTRAÇÃO DAS MUTAÇÕES DO PATRIMÔNIO LÍQUIDO Adiantamento para futuro Capital Prejuízos aumento Explicativa n o social acumulados Subtotal de capital Total SALDO EM 01 DE DEZEMBRO DE 2010 255.719.100

Leia mais

Financiamento. Financiamento

Financiamento. Financiamento É preciso ter em conta o valor de: Imobilizações corpóreas Imobilizações incorpóreas Juros durante a fase de investimento Capital circulante permanente 1 O capital circulante tem que financiar o ciclo

Leia mais