A ESCRITA MULTIMEIOS DE SAMUEL BECKETT: FILM ( ), ENTRE A IMAGEM E A PALAVRA.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A ESCRITA MULTIMEIOS DE SAMUEL BECKETT: FILM (1963-64), ENTRE A IMAGEM E A PALAVRA."

Transcrição

1 A ESCRITA MULTIMEIOS DE SAMUEL BECKETT: FILM ( ), ENTRE A IMAGEM E A PALAVRA. Mauro de Araújo Menine Jr * ABSTRACT: The writing of Samuel Beckett ( ) is inter-media as it is articulated in the entr'acte of multiple means of expression - cinema, literature, theater, television and radio. The historical course of his artistic production reveals relationships intertextuality, transversality and trans-creativity in his work as writer, director, producer, screenwriter and adapter itself. From his only screenplay, Film ( ), are introduced the aesthetic elements dialogic between word and image that contaminate multimedia author's writing. KEYWORDS: comparative literature, Samuel Beckett, Film ( ). RESUMO: A escrita de Samuel Beckett ( ) é inter-midiática, uma vez que se articula no entreato de múltiplos meios de expressão cinema, literatura, teatro, televisão e rádio. O percurso histórico de sua produção artística desvela relações de intertextualidade, transversalidade e trans-criatividade em sua atuação como escritor, diretor, encenador, roteirista e adaptador de si mesmo. A partir de seu único roteiro cinematográfico, Film ( ), introduzem-se os elementos estéticos dialógicos entre a palavra e a imagem que contaminarão a escrita multimídia do autor. PALAVRAS-CHAVE: literatura comparada, Samuel Beckett, Film ( ). Introduzindo Beckett A escrita de Samuel Beckett ( ) é multimídia, uma vez que se articula no entreato de múltiplos meios de expressão, como cinema, literatura, teatro, televisão e rádio. O percurso histórico de sua produção artística desvela relações de intertextualidade, transversalidade e transcriatividade em sua atuação como critico literário, diretor, escritor, roteirista, tradutor e adaptador de si mesmo. Partindo de um formalismo abstrato e de uma cosmovisão nonsense, dá-se a identificação de uma taxonomia de elementos ético-estéticos e intertextuais, compreendendo-se a [in]formação de um imaginário idiossincrático e de uma * Doutorando em Literatura Comparada Linha: Teorias Literárias e Intertextualidades - Programa de Pós-graduação em Letras da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS)

2 economia poética oblíquos a todos os multimeios em que se expressou, por exemplo, presentes tanto na inerente teatralidade de seus textos em primeira pessoa quanto de suas audiovisualidades experimentais. Assim, a representação beckettiana é equacionada em personagens solitários, prisioneiros em um espaço-tempo indeterminado, autores-narradores de suas próprias histórias e impressões, em permanente devir à espera de algo que nunca se sabe o que realmente é. Logo, o elemento solipsista é recorrente e o monólogo interior é, por excelência, a sua técnica narrativa. O presente relato do projeto de tese de doutorado em Literatura Comparada (Linha de Pesquisa: Teorias Literárias e Interdisciplinaridade), intitulado O Monólogo Multimídia de Samuel Beckett, desenvolvida dentro do PPGLetras/UFRGS, destacando o recorte acerca da transcriação e as relações entre imagem e palavra, a partir de seu único roteiro e realização cinematográfica, Film 1 ( ). A pesquisa se constituiu a partir dos seguintes pressupostos: o monólogo como estrutura predominante; a transcriação literária em outro medium; e, obras em que Beckett atuou como escritor, diretor, encenador, roteirista, tradutor ou adaptador de si mesmo em qualquer estágio de transposição de um meio a outro. Assim, definiu-se o corpus: Krapp s Last Tape (peça teatral, 1958), Embers (peça-radiofônica, 1959), Film (roteiro cinematográfico, ) e Not I (peça teatral adaptada como tele-peça, 1972), a fim de identificar sua ética-estética [in]formadora de uma poética própria. Inicialmente, apresentar-se-ão algumas das reflexões teóricas articuladoras dos fundamentos do estudo, por conseguinte, um recorte da produção artística e intelectual do autor, partido de uma abordagem mais ampla para se deter na problemática específica do monólogo interior, indicadores de sua poética e objeto propriamente da futura tese. Posteriormente, situar-se-ão as relações de Beckett com as novas tecnologias de seu tempo, exemplificando-as em algumas de suas criações e traduções nas diferentes mídias e de como as mesmas influenciaram a solitária produção cinematográfica, comprovando sua estética trans-midiática e o qualificando como um dos pioneiros no contágio irreversível das linguagens. Segundo S.E.Gontarski, muito da prosa curta de Beckett habita as margens entre prosa e poesia, entre narrativa e drama, e, finalmente, entre completude e incompletude 2 (GONTARSKI, 1995, p.xii), ou seja, por extensão a escrita beckettiana é um traçado híbrido entre as fronteiras dos gêneros literários, assim como destes em relação as suas respectivas transliterações para outros meios. Originalmente, tal espaço entre que a obra [in]forma se encontra esboçado em sua produção crítica e epistolar, logo, tais completudes e incompletudes revelam ao pesquisador que explorar tal universo é um processo de leitura em

3 die cutting, camada por camada. Em sua Carta Alemã à Axel Kaun, de 1937, justifica-se por seu procedimento de depuração da linguagem: Está se tornando mais e mais difícil, até sem sentido, para mim, escrever num inglês oficial. E, mais e mais, minha própria língua me parece como um véu que precisa ser rasgado para chegar às coisas (ou ao Nada) por trás dele. [...] Uma máscara. [...] Como não podemos eliminar a linguagem de uma vez por todas, devemos pelo menos não deixar por fazer nada que possa contribuir para sua desgraça. Cavar nela um buraco atrás do outro, até que aquilo que está a espreita por trás seja isto alguma coisa ou nada comece atravessar; não consigo imaginar um objetivo mais elevado para um escritor hoje 3 (BECKETT apud ANDRADE, 2001, p.169). Tal atitude de desfiguração da realidade frente ao ato criativo visava, em primeiro lugar, combater as convenções literárias do real-naturalismo dominante à época, identificada na ideia de que na Recherche proustiana o autor não terá liberdade absoluta para separar efeito e causa. [...] Pesaroso, ele aceita a régua e o compasso sagrados da geometria literária (BECKETT, 2003, p.09-10). Isto é, a descrição espacial cede à descrição temporal, às projeções imagéticas de um espaço-tempo indeterminados, introduzindo o vácuo narrativo como no conto Assumption (1929), de Beckett. Dessa forma, encontram-se diferenças estilísticas entre as obras em terceira pessoa como Murphy ( ) e Watt ( ), que não distanciam-se de uma mimese aristotélica, em relação à narrativas em primeira pessoa como a trilogia aberta por Molloy e a radicalidade de Comment c est ( ), obras antimiméticas. Para a busca de uma linguagem própria, Beckett optou por ultrapassar a sedutora apoteose joyceana da palavra em busca de uma desconfiança da mesma a fim de transformar a linguagem, ou melhor, renová-la através de um estilo transparente e depurado, além de dissolver os mitos em personagens efêmeros, negando o subjetivismo ou a abstração em seu tratamento, enfim, de uma prosa eivada de coincidência dos contrários (BECKETT, 1992, 324), isto é, lado a lado, a recusa à representação do mundo e a aderência à hipersubjetividade, o solipsismo como última fronteira, uma realidade que escapa ao logos porque incompleta. Em ensaios como Dante... Bruno, Vico... Joyce (1929), Le monde et le pantalon (1945), Peintres de l empêchement (1948), Bram van Veld (1948) e Henri Hayden, hommepeintre (1952) extraem-se alguns dos traços vaticinadores dessa ética-estética, contudo, é em Proust (1931) - crítica de À la recherche du temps perdu ( ), de Marcel Proust - que se desvela preliminarmente a visão de mundo beckettiana: estamos sós. Incapazes de compreender e incapazes de sermos compreendidos. O homem é a criatura que não consegue

4 sair de si, que só conhece os outros em si mesmo e que, quando afirma o contrário, mente (BECKETT, 2003, p.70). Ou ainda, na narrativa curta The Calmative (1946): todos os mortais que eu via estavam sós e como que afogados em si mesmos. Deve-se ver isso todos os dias, mas misturado com outra coisa, imagino 4. Ao contrário da apoteose da palavra do contemporâneo James Joyce, que, da negação do ser, nasça uma crença renovada no próprio ser, Samuel Beckett descrê na expressão pela palavra ou mesmo na redenção desse mesmo ser. Para Beckett, crítica literária não é contabilidade 5 (BECKETT, 1992, p.323), isto é, devem-se comparar as semelhanças e dissemelhanças entre os textos originais e suas respectivas traduções para o inglês ou francês, e vice-versa, para sobrepô-los sobre a camada da adaptação ao medium em questão, exemplificando: Whoroscope 6 (1930), o primeiro poema publicado sob seu nome é acompanhado por notas explicativas que, de certa forma, são a extensão do mesmo; a edição bilíngue de Quatre Poèmes/Four Poems (1937, 1948) traduzida pelo próprio autor; por fim, o monólogo Not I (publicado originalmente em inglês, no ano de 1972) é sobreposto à Pas Moi (a tradução francesa de 1975) que, por sua vez, perpassam pela releitura da transcriação televisiva de Not I (produzida para a rede de televisão inglesa BBC2, em 1977). A prática é beckettiana em si. No plano ficcional, o espaço entre permite que forma e conteúdo de Quoi oú (1982), drama em um ato, originalmente publicado e encenado no teatro, fosse transcrito posteriormente para a televisão; por outro lado, narrativas curtas como Premier amour (1946) e Enough (1960) são adaptadas ao palco por sua intrínseca teatralidade, do mesmo modo que a peça radiofônica All that Fall (1956); Krapp s Last Tape (1958) foi dos palcos às transmissões de rádio; a trilogia de romances composta por Molloy (1951), Malone muert (1951) e L Innommable (1953) e a peça teatral A Piece of Monologue (1979) são monólogos abertos tanto à literalidade da narrativa quanto à performance teatral e radiofônica. Para E.Grossman, trata-se de uma espécie de tecido que a quase tudo cobre com "sua beleza plástica e musical dos textos-quadros, esses textos-partituras" (GROSSMAN, 1998, p.9), que moldam-se aos diferentes meios expressivos da linguagem. O monólogo evoca as imagens e as sonoridades, assim como alimenta a bidimensionalidade da tela ou do som e a tridimensionalidade da cena, tanto do presentepassado quanto do presente-presente do texto: pode ser imaginário e/ou imaginação, portanto, molda-se conforme a necessidade da linguagem do meio operado. Enfim, a voz em primeira pessoa dos autores-narradores becketianos constrói uma fronteira adaptável às diferentes linguagens.

5 A fusão da relação entre o Eu narrador e o Eu da ação, ou seja, a autonarração monologada como atividade norteadora do discursivo, recai na representação evocativa de memória, de retrospecção, de incursão ao escrutínio do passado. O discurso se apresenta ao mesmo tempo de forma dissonante ao privilegiar o Eu narrador frente ao Eu da ação, bem como de maneira consonante ao evidenciar uma estrutura narrativa em que o passado é aceito como incongruente, onírico, mera impressão para o Eu presente da narr[ação]. O solipsismo é a própria realidade, a forma e o conteúdo da escrita ou, sob a perspectiva filosófica de L.Wittgenstein - influência decisiva na visão de mundo de Beckett -, que o mundo é meu mundo, mostra-se no fato de que os limites da [minha] linguagem significam os limites de meu mundo (WITTGENSTEIN, 1959, 5.62). Concluindo, para ultrapassar o sentido literal da ilustração empírica do real ou o conteúdo abstrato e filosófico de qualquer camada textual 7 e aproximar o olhar e a leitura sobre a imagem produzida de forma literária, sonora ou visual, é imprescindível que tanto roteiro quanto filme sejam interpretados como uma única obra constituída por superfícies dialógicas e interdependentes. Film: imagens e palavras beckettianas A partir do anos 1950, o autor implode com o naturalismo e o realismo teatral, ao escrever e encenar peças que rompiam com as regras do drama burguês, logo, com a representação paradigmática da mimese realista, elevando a palavra acima dos elementos integrantes da teatralidade. A depuração da linguagem cênica tem início com En attendant Godot ( ) e Fin de Partie (1957), todavia a imobilidade da cena, do discurso e da ação tem em peças como Happy Days (1961), Not I (1972) e That Time (1975) seu ápice ao decompor o corpo, a voz e a ação, até o limite da [re]presentação: a dissolução entre o espaço e o tempo, entre o diálogo monologado ou não e a ação, entre o real e o imaginário dos personagens, instauram um estado de inércia, de opacidade, de fantasmagoria. É inegável a reciprocidade ética-estética entre os meios eletrônicos rádio, cinema e televisão e o teatro de Beckett, uma vez que nos mesmos anos 1950, o autor inicia seu trabalho na Radio BBC. A obra do autor foi uma das precursoras no dialogismo entre literatura, teatralidade e as novas tecnologias de sua geração ao colaborar, a partir dos anos 1950, com a Radio BBC 8 (Inglaterra) e a ORTF 9 (França), e nos anos 1960, com as emissoras BBC2 10 (Inglaterra) e SDR 11 (Alemanha). Para G.Borges, os trabalhos de Beckett para o cinema e para a televisão [e, por que não, para o teatro] não podem ser analisados se não for

6 considerada a sua experimentação no meio radiofônico. A sua fascinação pelo rádio foi marcante na exploração da voz, dos sons e na busca de ritmos diversos (BORGES, 2009, p.29). O contato com a linguagem do rádio introduziu alguns dos futuros recursos de depuração da teatralidade beckettiana. Nas peças radiofônicas All That Fall 12 (1956) e Embers 13 ( ), a composição entre as vozes, os efeitos sonoros e os ruídos sublinhados pela música, criam para a primeira um efeito pitoresco, enquanto que, para a última, uma atmosfera de melancolia. O flerte com certo realismo na representação sonora se faz presente, contudo antecede o uso da música como personagem ao executar Der Tod und das Madchen (1824), de F.P. Schubert em All That Fall e um piano em Embers. O mesmo ocorre em Words and Music 14 (1962), Cascando 15 (1963) e Rough for Radio I e II 16 (1976), em que a música protagoniza com as vozes um estranho diálogo: o realismo cede ao abstracionismo. Na televisão, estreia em 1966, na SDR, a tele-peça He Joe 17, seguida por sua versão inglesa Eh Joe 18, na BBC2, e francesa Dis Joe 19, em 1968, tendo ainda outras duas versões, co-dirigidas por Beckett, respectivamente em 1979 e O roteiro retoma uma temática cara a Beckett, o olhar e a percepção do olhar - a câmera-olho e Voice, personagens que atormentam o personagem principal num diálogo entre imaginação e memória. Em Ghost trio 20 (1977), a abstração preenche o quadro com os fantasmas de Waiting for Godot. As imagens da memória e a intertextualidade com seu próprio universo, evocando a escrita de Marcel Proust, sob a inspiração do poema The Tower, de W.B. Yeats, materializam...but the clouds (1977). Em Quad 22 (1981), repetição e diferença no fluxo televisual do espaçotempo incessantemente desenhado por bailarinos-personagens. Por fim, a última tele-peça escrita é Nacht und Träume 23 (1983), em que as imagens dissolvem a relação espaçotemporal, criando uma atmosfera onírica, sob a música de F.P. Schubert. As criações de Beckett para a televisão se caracterizam pelo seu não-naturalismo e anti-realismo, pela opacidade dos meios técnicos operados e pelo desarranjo das noções de espaço e tempo narrativos. Através de manipulações formais da linguagem audiovisual, como o uso da edição, criava efeitos de distanciamento crítico e de recusa ao espectador da cômoda transparência do cinema clássico, dessa maneira o público se via obrigado a abandonar seus pré-conceitos narrativos e fílmicos, embarcando numa diegese que lhe exigia, antes de tudo, reflexão, nunca absorção. As transcriações beckettianas, além dos jogos de linguagem nas traduções de seus próprios textos entre o inglês, francês e alemão e as transmutações do texto para a performance da cena, do som e da tela e/ou vice-versa comprovam o contágio da linguagem

7 na própria operação de se reescreverem em outros meios que não os seus de origem. O diálogo entre o cinema, o ensaio, a literatura, o rádio e a televisão se fazem presentes tanto nas possibilidades de adaptação de sua obra entre os meios, como, por exemplo, a peça teatral What Where 24 (1986) para televisão, além dos trabalhos supracitados, quanto nas incorporações de referências aos meios nas indicações de textos, como o gravador de voz em That Time (1974) e Rockaby (1980). Em 1963, Beckett escreveu seu único roteiro cinematográfico, Film. Dirigido por Alan Schneider, no ano de 1964, em Nova York, com co-direção do próprio autor e protagonizado por Buster Keaton, é laureado com o Prêmio da Jovem Crítica, no Festival de Veneza, em 1965, entre outras premiações posteriores. Durante sua realização, Beckett reescrevia o roteiro conforme as impossibilidades técnicas apareciam na captação das imagens, assim como adaptava os enquadramentos conforme as indicações de seu texto. O roteiro inicia com o aforismo de Berkeley Esse est percipi ( existir é ser percebido ) na qual o filme é inspirado. O enredo se constitui a partir da cisão do protagonista O (personagem-objeto interpretado por Buster Keaton) em seu duplo E (personagem-câmera derivado da palavra inglesa eye, olho em português), em que O escapa da percepção de E, mas não da percepção de si mesmo, o que se descobre apenas no final da projeção. Tal processo é desencadeado pelo recurso técnico da câmera-olho ou câmera subjetiva que parte em dois o ponto de vista do espectador, negando-lhe os pontos de vista da própria câmera que captura a ação enquadrada a partir do jogo com o protagonista em perceber a si mesmo como ser observador e objeto observado. Para tanto, Beckett estabelece um ângulo de imunidade de 45 graus, em que O está imune à percepção de E, todavia quando ultrapassado o protagonista entra na zona de agonia de percepção, tomando consciência do outro e de si. A história é dividida em três partes interdependentes: nas duas primeiras, respectivamente, A Rua e As Escadas, onde a percepção predominante é a de E, para que na última parte, O Quarto, as percepções sejam intercaladas com O. Segundo C. Berrettinni, introduz Beckett o tema do olhar e da percepção no centro de sua marcha criadora e esta, como bem aponta Alfred Simon, questiona o próprio espetáculo, pois cada um apenas existe na medida em que é visto pelo olhar das mídias (BERRETTINNI, 2004, p. 197). Isto é, Beckett ao eleger a câmera ou E como antagonista do personagem O, o duplo frente ao real que o percebe e é percebido por ele, exerce a metalinguagem como ferramenta de reflexão do dispositivo cinematográfico e da própria condição humana: retoma-se a noção wittgensteiniana do meu mundo como o limite do próprio mundo, ou seja, o solipsismo como única visão de mundo. Film introduz os elementos

8 estéticos dialógicos entre a palavra e a imagem do autor que contaminarão o trabalho posterior em suas produções televisivas experimentais citadas anteriormente. A produção é um curta-metragem preto e branco, sem áudio, exceto por um sssh! na primeira parte do filme. A abertura, segundo o roteiro, seria realizada por um plano-sequência que situaria a diegese fílmica no tempo e no espaço, contudo fora substituída por um olho em close-up, revelando sua estrutura circular ao ser finalizado pelo mesmo enquadramento com o rosto de Buster Keaton e seu tapa-olho. Com uma atmosfera cômica e irreal, ambientado em 1929, faz inúmeras referências estéticas aos filmes dada-surrealistas da década de 1920 e ao cinema mudo, além de citações à Un chien andalou (1929), de Luiz Buñuel e Salvador Dali como o olho na sequencia de abertura. Apesar da interpretação de Buster Keaton, Film não segue as convenções de gênero das comédias mudas no estilo slapstick humor saturado de situações absurdas - e vaudeville o primeiro cinema de atrações variadas -, pois prima por uma narrativa com enquadramentos em planos médios, em movimento, sem música ou letreiros, com uma economia nas gags visuais e no gestual do ator. As notas de produção reproduzidas no roteiro demonstram a preocupação do autor na transcriação do texto em filme de tal maneira que algumas indicações são demonstradas por desenhos como o ângulo de imunidade de 45 graus, o encontro com o casal na fuga pela rua, a subida das escadas, a circularidade do quarto e a gag com o gato. As descrições são precisas, embora não totalmente realizadas na filmagem. De forma implícita o aforismo de Berkeley existir é ser percebido é a referência para a construção do personagem que ao mesmo tempo é objeto e sujeito da percepção, isto é, perceber e ser percebido. Tanto objeto quanto sujeito existem nesta relação entre percepções, assim em nenhum deles está o domínio da mesma. Film [re]cria uma poética dialógica entre suas audiovisualidades, sonoridades e teatralidades, através de um minimalismo, ou melhor, de uma economia estética desagregadora da ficção, do real e do imaginário através da cisão do personagem e da negação ao espectador de uma percepção de autoria para o filme, pois o que é percebido é a visão de mundo do personagem O/E. Instaura-se um estranhamento pelo deslocamento do olhar que impede a identificação com o que se está assistindo. Da mesma maneira que decompõe a própria linguagem do ser, tal escrita fílmica introduz um universo onde o visível e o invisível se revelam na circularidade da narrativa. A importância de Beckett na relação entre palavra e imagem não se encontra em seu pioneirismo na miscigenação das tecnologias no seu trabalho, mas no fato de que sua obra descerra novas práticas estéticas para o que comumente [re]conhecemos como teatralidade,

9 audiovisualidade e sonoridade. Enfim, na transformação da própria noção de representação cênica, audiovisual e/ou sonora ao agregar aos textos, às vozes, às imagens, ao gestual e à ação do performer outras corporalidades e técnicas que constroem outra ficção para o espaçotempo da cena, do enquadramento e do som, em que todos são tridimensionais, seja no real ou no imaginário. 1 Film (curta-metragem, mudo, p&b, 22, ). Vencedor do Prêmio da Crítica do Festival de Veneza (1965), Prêmio Especial do Júri do Festival Internacional de Curtas de Tours (1966) e o Prêmio Especial do Festival de Oberhausen (1966). 2 Todas as traduções são de minha responsabilidade. 3 Cf. BECKETT, Samuel. Carta de Samuel Beckett a Axel Kaun, a Carta Alemã de 1937 in ANDRADE, Fábio de Souza. Samuel Beckett: o silêncio possível. Cotia: Ateliê Editorial, Cf. All the mortals I saw were alone and as if sunk in themselves. It must be a commom sight, but mixed with something else I imagine. In: GONTARSKI, S.E. The Complete Short Prose, New York, Groove Press, 1995, p Cf.BECEKTT, Samuel. Dante... Bruno. Vico... Joyce in NESTROVSKI, Arthur (org). Riverun: ensaios sobre James Joyce. Tradução de Lya Luft. Rio de Janeiro: Imago, 1992, p Publicado originalmente em: BECKETT et al., Our Examination Round His Factificarion for Incaminatio os Work in Progress (Paris, Shakespeare & Co., 1929). 6 BECKETT, Samuel. Poems in english. London, Calder and Boyars, Originalmente publicado por Nancy Cunard, em The Hours Press, no ano de Existe uma tradução para o português realizada por Jorge Rosa e Armando da Silva Carvalho e publicada nos Cadernos de Poesia 10, pela Dom Quixote de Lisboa, em Cf. HALL, Stuart. Representation: Cultural Representations and Signifying Pratices. London, Sage, Cf. sigla para British Broadcasting Corporation, emissora pública de rádio e televisão britânica, fundada em (fonte: - acessado em 1º/06/2012) 9 Cf. sigla para Office de Radiodiffusion-Télévision Française, emissora pública de radio e televisão francesa, fundada em 1964, a partir da formação da Radiodiffusion Française (RDF), em 1945, posteriormente renomeada, em 1949, de Radiodiffusion-Télévision Française (RTF). (fonte: - acessado em 1º/06/2012). 10 Cf. nota Cf. sigla para Süddeutscher Rundfunk, emissora pública de rádio e televisão alemã, localizada em Stuttgart e fundada em Em 1998, é renomeada para SWR - Südwestrundfunk. (fonte: - acessado em 1º/06/2010) 12 Dirigida por Donald McWhinnie, estreou em 1957 na Radio BBC. 13 Dirigida por Donald McWhinnie, estreou em 1959 na Radio BBC, ganhando o prêmio da RAI (Radiotelevizione Italiana). 14 Com música composta por John Beckett, estreou em 1962, na Radio BBC. 15 Com música composta por Marcel Mihalovici, estreou em 1963, na ORTF e em 1963, na Radio BBC. 16 Ambas as peças radiofônicas foram escritas no início dos anos 1960, porém, publicas em livro e estreadas no rádio em 1976, na BBC Radio Dirigida por Samuel Beckett. 18 Dirigida por Alan Gibson e Samuel Beckett. 19 Dirigida por Pierre Bureau na ORTF. 20 Dirigido por Samuel Beckett na SDR, e por Tristam Powell na BBC2. 21 Dirigido por Tristam Powell na BBC2, e por Samuel Beckett na SDR com o título de... nur noch Gewölk Dirigido por Samuel Beckett para a BBC2 e na versão para a SDR, com o título de Quadrat Dirigido por Samuel Beckett na SDR. 24 Dirigido por Samuel Beckett na SDR. BIBLIOGRAFIA ANDRADE, Fábio de Souza. Samuel Beckett: o silêncio possível. Cotia: Ateliê Editorial, Beckett on Film, Ambrose Video (US), BECKETT, Samuel. The Complete Dramatic Works, Faber and Faber Limited, Dante... Bruno. Vico... Joyce in NESTROVSKI, Arthur (org). Riverun: ensaios sobre James Joyce. Tradução de Lya Luft. Rio de Janeiro: Imago, 1992, p Disjecta. Miscelaneous writings and a dramatic fragment. Ed. Ruby Cohn. London: John Calders Publishers Lt., 1983.

10 . Poems in english. London, Calder and Boyars, Proust. São Paulo: Cosac & Naify, BERRETTINI, Célia. Samuel Beckett: escritor plural. São Paulo: Perspectiva, BORGES, Gabriela. A poética televisual de Samuel Beckett. São Paulo: FAPESP/Annablume, GONTARSKI, S.E. Beckett after Beckett, University Press of Florida, The Faber Companion to Samuel Beckett: A Reader's Guide to His Life, Works, and Thought, Faber and Faber, The Theatrical Notebooks of Samuel Beckett, Volume IV: The Shorter Plays, Grove Press, The Complete Short Prose, , New York, Groove Press, The Theatrical Notebooks of Samuel Beckett, Volume II: Endgame, Grove Press, 1993; On Beckett: Essays and Criticism, Grove Press, GROSSMAN, Evelyne. L'Esthétique de Beckett. Paris, SEDES, HALL, Stuart. Representation: Cultural Representations and Signifying Pratices. London, Sage, HUMPHEREY, Robert. O fluxo da consciência. São Paulo : McGraw-Hill, KNOWLSON, James. Damned to Fame: The life of Samuel Beckett. London, Bloomsbury, LAURENT, Jullier; MARIE, Michel. Lendo as imagens do cinema. São Paulo: SENAC, MCFARLANE, James. Modernismo: guia geral São Paulo: Companhia das Letras, p WITTGENSTEIN, Ludwig. Tractatus Logico-Philosophicus. Madri: Revista Ocidente, Fontes da internet: - Acesso em 1º/06/ Acesso em 1º/06/ Acesso em 1º/06/2010.

Para pensar o. livro de imagens. Para pensar o Livro de imagens

Para pensar o. livro de imagens. Para pensar o Livro de imagens Para pensar o livro de imagens ROTEIROS PARA LEITURA LITERÁRIA Ligia Cademartori Para pensar o Livro de imagens 1 1 Texto visual Há livros compostos predominantemente por imagens que, postas em relação,

Leia mais

FACULDADE DE ARTES DO PARANÁ CURSO DE BACHARELADO EM CINEMA E VÍDEO Ano Acadêmico de 2008 MATRIZ CURRICULAR

FACULDADE DE ARTES DO PARANÁ CURSO DE BACHARELADO EM CINEMA E VÍDEO Ano Acadêmico de 2008 MATRIZ CURRICULAR MATRIZ CURRICULAR Carga Horária Semestral por Disciplina Disciplinas 1º semestre 2º semestre 3º semestre 4º semestre 5º semestre 6º semestre 7º semestre 8º semestre Total Obrigatórias Optativas Fundamentos

Leia mais

O CHÃO DA PALAVRA: CINEMA E LITERATURA NO BRASIL: A CULTURA CINEMATOGRÁFICA E LITERÁRIA BRASILEIRAS SOB O OLHAR DE JOSÉ CARLOS AVELLAR

O CHÃO DA PALAVRA: CINEMA E LITERATURA NO BRASIL: A CULTURA CINEMATOGRÁFICA E LITERÁRIA BRASILEIRAS SOB O OLHAR DE JOSÉ CARLOS AVELLAR O CHÃO DA PALAVRA: CINEMA E LITERATURA NO BRASIL: A CULTURA CINEMATOGRÁFICA E LITERÁRIA BRASILEIRAS SOB O OLHAR DE JOSÉ CARLOS AVELLAR Matheus Oliveira Knychala Biasi* Universidade Federal de Uberlândia

Leia mais

Sumário. PARTE 1 A arte do cinema e a realização cinematográfica 1 CAPÍTULO O cinema como arte: Criatividade, tecnologia e negócios...

Sumário. PARTE 1 A arte do cinema e a realização cinematográfica 1 CAPÍTULO O cinema como arte: Criatividade, tecnologia e negócios... Sumário APRESENTAÇÃO DA EDIÇÃO BRASILEIRA... 13 PREFÁCIO... 19 PARTE 1 A arte do cinema e a realização cinematográfica 1 CAPÍTULO O cinema como arte: Criatividade, tecnologia e negócios... 29 Decisões

Leia mais

DRAMATURGIA ATORAL: ENTREVISTA AO DRAMATURGO ESPANHOL JOSÉ SANCHIS SINISTERRA

DRAMATURGIA ATORAL: ENTREVISTA AO DRAMATURGO ESPANHOL JOSÉ SANCHIS SINISTERRA 1 DRAMATURGIA ATORAL: ENTREVISTA AO DRAMATURGO ESPANHOL JOSÉ SANCHIS SINISTERRA Mariana Muniz 1 Sanchis Sinisterra é um ícone da dramaturgia espanhola contemporânea. Sua peça de maior repercusão foi Ay

Leia mais

QUESTÃO 04 QUESTÃO 05

QUESTÃO 04 QUESTÃO 05 QUESTÃO 01 Arte abstrata é uma arte: a) que tem a intenção de representar figuras geométricas. b) que não pretende representar figuras ou objetos como realmente são. c) sequencial, como, por exemplo, a

Leia mais

Não Era uma Vez... Contos clássicos recontados

Não Era uma Vez... Contos clássicos recontados elaboração: PROF. DR. JOSÉ NICOLAU GREGORIN FILHO Não Era uma Vez... Contos clássicos recontados escrito por Vários autores Os Projetos de Leitura: concepção Buscando o oferecimento de subsídios práticos

Leia mais

fotografia fotografia GLOBAL ESSENCIAL curso de fotografia sobre criação, poesia e percepção

fotografia fotografia GLOBAL ESSENCIAL curso de fotografia sobre criação, poesia e percepção fotografia fotografia GLOBAL ESSENCIAL curso de fotografia sobre criação, poesia e percepção curso de fotografia sobre criação, poesia e percepção Por que tenho saudade de você, no retrato ainda que o

Leia mais

fotografia ESSENCIAL curso de fotografia sobre criação, poesia e percepção

fotografia ESSENCIAL curso de fotografia sobre criação, poesia e percepção fotografia ESSENCIAL curso de fotografia sobre criação, poesia e percepção Por que tenho saudade de você, no retrato ainda que o mais recente? E por que um simples retrato, mais que você, me comove, se

Leia mais

Prof. Gamba Jr. Departamento de Artes e Design (PUC-Rio) Êta, Seu Bonequeiro! A Interdisciplinaridade e sua dimensão política

Prof. Gamba Jr. Departamento de Artes e Design (PUC-Rio) Êta, Seu Bonequeiro! A Interdisciplinaridade e sua dimensão política Prof. Gamba Jr. Departamento de Artes e Design (PUC-Rio) Êta, Seu Bonequeiro! A Interdisciplinaridade e sua dimensão política A Vida na lembrança torna-se um filme mudo. Todos nós temos na mente a imagem

Leia mais

EXERCÍCIOS E EXPERIMENTAÇÕES: ABORDAGENS DO ENSINO DE ARTE EM

EXERCÍCIOS E EXPERIMENTAÇÕES: ABORDAGENS DO ENSINO DE ARTE EM EXERCÍCIOS E EXPERIMENTAÇÕES: ABORDAGENS DO ENSINO DE ARTE EM Resumo: SALA DE AULA Mariza Barbosa de Oliveira mariza.barbosa.oliveira@gmail.com Escola Municipal Professor Eurico Silva As experiências relatadas

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS FACULDADE DE ARTES VISUAIS CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CULTURA VISUAL MESTRADO PLANO DE ENSINO DISCIPLINA:

UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS FACULDADE DE ARTES VISUAIS CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CULTURA VISUAL MESTRADO PLANO DE ENSINO DISCIPLINA: UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS FACULDADE DE ARTES VISUAIS CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CULTURA VISUAL MESTRADO ANO: PLANO DE ENSINO DISCIPLINA: Disciplina: Tópicos Especiais em Arte e Visualidades - Imagem

Leia mais

Pioneirismo e Inovação na Obra Audiovisual de Samuel Beckett 1

Pioneirismo e Inovação na Obra Audiovisual de Samuel Beckett 1 Pioneirismo e Inovação na Obra Audiovisual de Samuel Beckett 1 BORGES, Gabriela (Doutorado) 2 Universidade Federal de Juiz de Fora/MG Resumo: Este artigo aborda a produção audiovisual dos textos televisuais

Leia mais

Constelação 1 RESUMO. PALAVRAS-CHAVE: haicai; minimalismo; poesia; imaginação INTRODUÇÃO

Constelação 1 RESUMO. PALAVRAS-CHAVE: haicai; minimalismo; poesia; imaginação INTRODUÇÃO Constelação 1 Bruno Henrique de S. EVANGELISTA 2 Daniel HERRERA 3 Rafaela BERNARDAZZI 4 Williane Patrícia GOMES 5 Ubiratan NASCIMENTO 6 Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, RN RESUMO Este

Leia mais

En-Quadrando a tele-peça Quad, de Samuel Beckett

En-Quadrando a tele-peça Quad, de Samuel Beckett En-Quadrando a tele-peça Quad, de Samuel Beckett Gabriela Borges Índice 1 Introdução 1 2 Beckett e a tecnologia 2 3 Heidegger e a tecnologia 3 4 Quad 5 5 En-Quadrando Beckett e Heidegger 6 6 Bibliografia

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO DISCIPLINA FLEXÍVEL

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO DISCIPLINA FLEXÍVEL PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO FACULDADE DE FILOSOFIA, COMUNICAÇÃO, LETRAS E ARTE CURSO DE COMUNICAÇÃO E MULTIMEIOS DISCIPLINA FLEXÍVEL Disciplina: Música-voz-som e processos criativos:

Leia mais

PROJETO DE PESQUISA TÍTULO: CINEMA E PUBLICIDADE: RELAÇÕES INTERTEXTUAIS E MERCADOLÓGICAS. CURSO: Programa de Mestrado em Comunicação

PROJETO DE PESQUISA TÍTULO: CINEMA E PUBLICIDADE: RELAÇÕES INTERTEXTUAIS E MERCADOLÓGICAS. CURSO: Programa de Mestrado em Comunicação PROJETO DE PESQUISA TÍTULO: CINEMA E PUBLICIDADE: RELAÇÕES INTERTEXTUAIS E MERCADOLÓGICAS CURSO: Programa de Mestrado em Comunicação LINHA DE PESQUISA: Inovações na Linguagem e na Cultura Midiática PROFESSOR

Leia mais

Peça teatral Aldeotas : processos de criação e relações entre o teatro narrativo, a encenação e a voz cênica do ator Gero Camilo.

Peça teatral Aldeotas : processos de criação e relações entre o teatro narrativo, a encenação e a voz cênica do ator Gero Camilo. Peça teatral Aldeotas : processos de criação e relações entre o teatro narrativo, a encenação e a voz cênica do ator Gero Camilo. Palavras-chave: teatro narrativo; corpo vocal; voz cênica. É comum que

Leia mais

A DRAMATURGIA NO ATO TEATRAL

A DRAMATURGIA NO ATO TEATRAL A DRAMATURGIA NO ATO TEATRAL Calixto de Inhamuns A palavra dramaturgia, usando a pesquisa do mestre Alexandre Mate, nasce de drama (sentido conotativo de) ação e tourgia (sentido de trabalho, de tecimento),

Leia mais

Todos os direitos reservados a Fluxo - Escola de Fotografia Expandida. por Caio Amon. Imagens Sonoras. A Expansão da Imagem pelo Som

Todos os direitos reservados a Fluxo - Escola de Fotografia Expandida. por Caio Amon. Imagens Sonoras. A Expansão da Imagem pelo Som Imagens Sonoras por Caio Amon A Expansão da Imagem pelo Som Todos os direitos reservados a Fluxo - Escola de Fotografia Expandida Aprenda a produzir som e trilha para seus projetos. Imagens Sonoras A Expansão

Leia mais

UM MINUTO PRA FALAR DO MUNDO Davina Marques Ludmila Alexandra dos Santos Sarraipa

UM MINUTO PRA FALAR DO MUNDO Davina Marques Ludmila Alexandra dos Santos Sarraipa CULTURAS E CONHECIMENTOS DISCIPLINARES ANO 3 EDIÇÃO 16 UM MINUTO PRA FALAR DO MUNDO Davina Marques Ludmila Alexandra dos Santos Sarraipa O sabiá Teco vai fugir da gaiola em busca de um lugar melhor para

Leia mais

Guia de como elaborar um Projeto de Documentário

Guia de como elaborar um Projeto de Documentário Guia de como elaborar um Projeto de Documentário Prof. Dr. Cássio Tomaim Departamento de Ciências da Comunicação Universidade Federal de Santa Maria (UFSM)/Cesnors Adaptação: Prof. Claudio Luiz Fernandes

Leia mais

O uso do desenho e da gravura sobre fotografia como práxis poética da memória

O uso do desenho e da gravura sobre fotografia como práxis poética da memória O uso do desenho e da gravura sobre fotografia como práxis poética da memória Vinicius Borges FIGUEIREDO; José César Teatini CLÍMACO Programa de pós-graduação em Arte e Cultura Visual FAV/UFG viniciusfigueiredo.arte@gmail.com

Leia mais

PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO DA DISCIPLINA AUDIOVISUAL DA ESCOLA POLITÉCNICA DE SAÚDE JOAQUIM VENÂNCIO

PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO DA DISCIPLINA AUDIOVISUAL DA ESCOLA POLITÉCNICA DE SAÚDE JOAQUIM VENÂNCIO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO DA DISCIPLINA AUDIOVISUAL DA ESCOLA POLITÉCNICA DE SAÚDE JOAQUIM VENÂNCIO 1. AUDIOVISUAL NO ENSINO MÉDIO O audiovisual tem como finalidade realizar-se como crítica da cultura,

Leia mais

Paula Almozara «Paisagem-ficção»

Paula Almozara «Paisagem-ficção» Rua da Atalaia, 12 a 16 1200-041 Lisboa + (351) 21 346 0881 salgadeiras@sapo.pt www.salgadeiras.com Paula Almozara «Paisagem-ficção» No âmbito da sua estratégia internacional, a Galeria das Salgadeiras

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO ESCOLAR

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO ESCOLAR PRÓREITORIA DE GRADUAÇÃO Curso: 50 CINEMA Documentação: jetivo: Titulação: Diplomado em: criado pela Resolução n 008/CEG/2003, de 18 de dezembro de 2003 Resolução nº 020/CEG/2008, de 26/11/2008 Reconhecido

Leia mais

Dossiê Cinema e Audiovisual: entre o sensível e o reflexivo

Dossiê Cinema e Audiovisual: entre o sensível e o reflexivo Apresentação Milene de Cássia Silveira Gusmão* ** *** *Doutora em Ciências Sociais pela Universidade Federal da Bahia (UFBA). Docente do Bacharelado em Cinema e Audiovisual e do Programa de Pós-Graduação

Leia mais

Fig. 247 Storyboard 2

Fig. 247 Storyboard 2 173 Fig. 247 Storyboard 2 174 Fig. 248 Storyboard 2 Fig. 249 Storyboard 2 175 176 3.2.5 Edição visual e sonora Foram realizadas algumas etapas: análise, seleção e edição da imagem (correção de cor, luz,

Leia mais

Radionovela para e com deficientes visuais 1

Radionovela para e com deficientes visuais 1 Radionovela para e com deficientes visuais 1 Gabriela Rodrigues Pereira CAPPELLINI 2 Raquel PELLEGRINI 3 Christian GODOI 4 Centro Universitário do Monte Serrat, Santos, SP RESUMO Narrar histórias a deficientes

Leia mais

UM CAMINHO DE UMA PRODUÇÃO AUDIOVISUAL

UM CAMINHO DE UMA PRODUÇÃO AUDIOVISUAL UM CAMINHO DE UMA PRODUÇÃO AUDIOVISUAL Existem infinitas maneiras de organizar, produzir e finalizar uma obra audiovisual. Cada pessoa ou produtora trabalha da sua maneira a partir de diversos fatores:

Leia mais

Veja São Paulo. Guia da Folha

Veja São Paulo. Guia da Folha Veja São Paulo Guia da Folha A companhia Solas de Vento estréia seu primeiro espetáculo para o publico infantil com direção de Carla Candiotto, uma adaptação livre do famoso romance de Julio Verne. Release:

Leia mais

Componente de Formação Técnica. Disciplina de

Componente de Formação Técnica. Disciplina de CURSOS PROFISSIONAIS DE NÍVEL SECUNDÁRIO Técnico de Fotografia PROGRAMA Componente de Formação Técnica Disciplina de Técnicas de Comunicação Escolas Proponentes / Autores ETIC José Pacífico (Coordenador)

Leia mais

GRADE CURRICULAR DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM LETRAS: ESTUDOS LITERÁRIOS DA UFMG

GRADE CURRICULAR DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM LETRAS: ESTUDOS LITERÁRIOS DA UFMG GRADE CURRICULAR DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM LETRAS: ESTUDOS LITERÁRIOS DA UFMG DISCIPLINAS DAS ÁREAS DE CONCENTRAÇÃO Área de concentração: TEORIA DA LITERATURA - NÍVEL MESTRADO DISCIPLINAS CRÉDITOS

Leia mais

Resumo expandido CONPEEX 2011. A Construção da Narrativa Fílmica Através do Discurso Fotográfico na Obra de Chris Marker.

Resumo expandido CONPEEX 2011. A Construção da Narrativa Fílmica Através do Discurso Fotográfico na Obra de Chris Marker. Resumo expandido CONPEEX 2011 TÍTULO A Construção da Narrativa Fílmica Através do Discurso Fotográfico na Obra de Chris Marker. NOMES DOS AUTORES, UNIDADE ACADÊMICA E ENDEREÇO ELETRÔNICO Luciana Miranda

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO AMAZONAS TEXTO DE APOIO

GOVERNO DO ESTADO DO AMAZONAS TEXTO DE APOIO AULA 2.2 - A SIGNIFICAÇÃO NA ARTE TEXTO DE APOIO 1. A especificidade da informação estética Teixeira Coelho Netto, ao discutir a informação estética, comparando-a à semântica, levanta aspectos muito interessantes.

Leia mais

Regulamento das oficinas

Regulamento das oficinas Regulamento das oficinas As oficinas oferecidas pelo Cine Festival Inconfidentes Festival Nacional de Cinema e Vídeo de Mariana são gratuitas e abertas à participação da comunidade; Cada pessoa poderá

Leia mais

Apostila Artes Audiovisuais

Apostila Artes Audiovisuais INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO CAMPUS SERTÃOZINHO Apostila Artes Audiovisuais ROTEIRO Cinema,Televisão e Vídeo 3a. Revisão 2010 Prof. MS. Ricardo Stefanelli 1 Projeto para Roteiro Audiovisual Vídeo Artes

Leia mais

A fotografia como testemunho material das reflexões de alunos do ensino médio na aula de arte.

A fotografia como testemunho material das reflexões de alunos do ensino médio na aula de arte. A fotografia como testemunho material das reflexões de alunos do ensino médio na aula de arte. Doutorando: Laudo Rodrigues Sobrinho Universidade Metodista de Piracicaba-UNIMEP e-mail: laudinho@bol.com.br

Leia mais

A FOTOGRAFIA COMO INSTRUMENTO DIDÁTICO NO ENSINO DE GEOGRAFIA NA PERSPECTIVA DO CONCEITO DE PAISAGEM ENSINO FUNDAMENTAL II ( ANOS FINAIS )

A FOTOGRAFIA COMO INSTRUMENTO DIDÁTICO NO ENSINO DE GEOGRAFIA NA PERSPECTIVA DO CONCEITO DE PAISAGEM ENSINO FUNDAMENTAL II ( ANOS FINAIS ) Thainá Santos Coimbra Secretaria de Estado de Educação do Rio de Janeiro thainahappy@hotmail.com A FOTOGRAFIA COMO INSTRUMENTO DIDÁTICO NO ENSINO DE GEOGRAFIA NA PERSPECTIVA DO CONCEITO DE PAISAGEM ENSINO

Leia mais

PROJETO DE LEITURA PRÉ-LEITURA

PROJETO DE LEITURA PRÉ-LEITURA PROJETO DE LEITURA PRÉ-LEITURA ATIVIDADES ANTERIORES À LEITURA INTENÇÃO: LEVANTAR HIPÓTESES SOBRE A AUTORA, SOBRE O LIVRO, INSTIGAR A CURIOSIDADE E AMPLIAR O REPERTÓRIO DO ALUNO Para o professor Ou isto

Leia mais

apaixonados um pelo outro. Fábio é homossexual e tem em torno de 45 anos. Madalena também tem mais ou menos a mesma idade, e é heterossexual.

apaixonados um pelo outro. Fábio é homossexual e tem em torno de 45 anos. Madalena também tem mais ou menos a mesma idade, e é heterossexual. Apresentação Este projeto é simples e pretende levar para o público algo de elevado conteúdo artístico. O orçamento da pré-produção e da produção é pequeno, já que a peça será encenada por dois atores

Leia mais

João Canijo e a Tragédia Grega: adaptação da trilogia Oresteia ao cinema português contemporâneo 1 Daniel Ribas

João Canijo e a Tragédia Grega: adaptação da trilogia Oresteia ao cinema português contemporâneo 1 Daniel Ribas João Canijo e a Tragédia Grega: adaptação da trilogia Oresteia ao cinema português contemporâneo 1 Daniel Ribas Nas entrevistas que se sucederam à estreia nacional de Noite Escura, em 2004, João Canijo

Leia mais

II FESTIVAL NACIONAL CURTA NO CELULAR GUIA CURTA FÁCIL

II FESTIVAL NACIONAL CURTA NO CELULAR GUIA CURTA FÁCIL II FESTIVAL NACIONAL CURTA NO CELULAR GUIA CURTA FÁCIL O FEST CURT CELU Guia Curta Fácil 2 A câmera de cinema funciona como se fosse uma máquina fotográfica que dispara milhares de foto em um espaço muito

Leia mais

MEMÓRIAS DE UM SARGENTO DE MILÍCIAS E SUAS ADAPTAÇÕES

MEMÓRIAS DE UM SARGENTO DE MILÍCIAS E SUAS ADAPTAÇÕES MEMÓRIAS DE UM SARGENTO DE MILÍCIAS E SUAS ADAPTAÇÕES Simone de Souza Burguês (PIBIC/CNPq-UEM), Mirian Hisae Yaegashi Zappone (Orientadora), e-mail: mirianzappone@gmail.com Universidade Estadual de Maringá/Departamento

Leia mais

Plano de Trabalho Docente - 2014. Ensino Médio

Plano de Trabalho Docente - 2014. Ensino Médio Plano de Trabalho Docente - 2014 Ensino Médio Código: 0262 ETEC ANHANQUERA Município: Santana de Parnaíba Área de Conhecimento: Linguagens, códigos e suas tecnologias. Componente Curricular: Artes Série:

Leia mais

Cadê? 1. PALAVRAS-CHAVE: Cinema; curta-metragem; ficção; roteiro; visão.

Cadê? 1. PALAVRAS-CHAVE: Cinema; curta-metragem; ficção; roteiro; visão. Cadê? 1 Mirielle Katarine do Nascimento CAHUHY 2 Claudilma Marques Mendes da SILVA 3 Karen Alves de LIMA 4 Sara Raquel REIS 5 Anaelson Leandro de SOUSA 6 Universidade do Estado da Bahia, Juazeiro, BA RESUMO

Leia mais

Antropologia da Face Gloriosa. Arthur Omar

Antropologia da Face Gloriosa. Arthur Omar Antropologia da Face Gloriosa Arthur Omar Arthur Omar é um artista brasileiro múltiplo, com presença de ponta em várias áreas da produção artística contemporânea. Formado em antropologia e etnografia,

Leia mais

Romance familiar poesia familiar

Romance familiar poesia familiar Romance familiar poesia familiar Em busca de imagens para uma apresentação, dou com a foto, feita em estúdio, de um garoto de 11 anos de idade chamado Walter Benjamin (1892-1940). Serve de ilustração a

Leia mais

WORKSHOP DE EXPRESSÃO AUDIOVISUAL

WORKSHOP DE EXPRESSÃO AUDIOVISUAL WORKSHOP DE EXPRESSÃO AUDIOVISUAL PROGRAMA Tronco Comum SESSÃO 1 Apresentação do Workshop e Introdução à Linguagem Audiovisual 3 horas Apresentação dos intervenientes (formador e formandos). Apresentação

Leia mais

BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR DA EDUCAÇÃO INFANTIL

BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR DA EDUCAÇÃO INFANTIL BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR DA EDUCAÇÃO INFANTIL 1988 CONSTITUIÇÃO FEDERAL ANTECEDENTES Art. 210. Serão fixados conteúdos mínimos para o ensino fundamental, de maneira a assegurar formação básica comum

Leia mais

Formação de Português 2013/2014

Formação de Português 2013/2014 Formação de Português 2013/2014 Oficina de formação: Ler para compreender, interpretar, reagir e apreciar 6.ª sessão Objetivos do ensino da leitura de poesia Alimentar o gosto pela sonoridade da língua

Leia mais

A CENA SE FEZ OVO E HABITOU ENTRE NÓS

A CENA SE FEZ OVO E HABITOU ENTRE NÓS A CENA SE FEZ OVO E HABITOU ENTRE NÓS Ismael Scheffler Universidade Tecnológica Federal do Paraná UTFPR Processo de criação, dramaturgia, pesquisa sonora e corporal. Introdução Em março de 2006, estreou

Leia mais

Estética Contemporânea

Estética Contemporânea Estética Contemporânea Mário Xavier Gomes Rocha Ua 71145 Nicolas Provost Moving Stories Nicolas Provost é um realizador e artista visual, que vive e trabalha em Bruxelas. Estudou na Royal Academy of Fine

Leia mais

O ator-autor a questão da autoria nas formas teatrais contemporâneas

O ator-autor a questão da autoria nas formas teatrais contemporâneas O ator-autor a questão da autoria nas formas teatrais contemporâneas Fernanda Coutinho Bond Programa de Pós-Graduação em Artes Cênicas - UNIRIO Doutoranda Or. Prof. Dra. Ângela Materno Resumo: Este trabalho

Leia mais

ESTRUTURA IDEOLÓGICA E POÉTICA NO TEATRO DE GRUPO: QUAL RAZÃO PARA QUE SE CONTINUE? 1 Vinicius Pereira (IC)

ESTRUTURA IDEOLÓGICA E POÉTICA NO TEATRO DE GRUPO: QUAL RAZÃO PARA QUE SE CONTINUE? 1 Vinicius Pereira (IC) 009 ESTRUTURA IDEOLÓGICA E POÉTICA NO TEATRO DE GRUPO: QUAL RAZÃO PARA QUE SE CONTINUE? 1 Vinicius Pereira (IC) André Carreira (Orientador) (UDESC - CNPq) RESUMO: Esta pesquisa busca compreender como a

Leia mais

Dalcídio Jurandir inspira projeto teatral Por Luciana Medeiros, colaboradora do Guiart

Dalcídio Jurandir inspira projeto teatral Por Luciana Medeiros, colaboradora do Guiart Dalcídio Jurandir inspira projeto teatral Por Luciana Medeiros, colaboradora do Guiart Ponta de Pedras, ilha do Marajó, Pará, 10 de janeiro de 1909. Nasce ali e naquela data uma das maiores expressões

Leia mais

TÍTULO / TÍTULO: A DIVULGAÇÃO CIENTÍFICA AUDIOVISUAL ENTRE O TELEJORNALISMO E O CINEMA

TÍTULO / TÍTULO: A DIVULGAÇÃO CIENTÍFICA AUDIOVISUAL ENTRE O TELEJORNALISMO E O CINEMA TÍTULO / TÍTULO: A DIVULGAÇÃO CIENTÍFICA AUDIOVISUAL ENTRE O TELEJORNALISMO E O CINEMA AUTOR / AUTOR: Iara Cardoso INSTITUIÇÃO / INSTITUCIÓN: Laboratório de Estudos Avançados em Jornalismo (Labjor) Unicamp,

Leia mais

Missão. Objetivo Geral

Missão. Objetivo Geral SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO Curso: CINEMA E AUDIOVISUAL Missão O Curso de Cinema e Audiovisual da Universidade Estácio de Sá tem como missão formar um profissional humanista, com perfil técnico e artístico

Leia mais

Ampliando o olhar sobre a Arte

Ampliando o olhar sobre a Arte Ampliando o olhar sobre a Arte A Arte reflete a história da humanidade. Desde as primeiras expressões artísticas (Arte rupestre) até os dias de hoje, podemos compreender o desenvolvimento do homem em cada

Leia mais

CINEMATOGRAFIA JOGOS DE LUZES E SOMBRAS NA DIREÇÃO DE FOTOGRAFIA. por Bruno Polidoro

CINEMATOGRAFIA JOGOS DE LUZES E SOMBRAS NA DIREÇÃO DE FOTOGRAFIA. por Bruno Polidoro CINEMATOGRAFIA JOGOS DE LUZES E SOMBRAS NA DIREÇÃO DE FOTOGRAFIA por Bruno Polidoro O CURSO O curso pretende um mergulho do participante no universo da direção de fotografia para o audiovisual, com foco

Leia mais

A relação entre a fala e a escrita

A relação entre a fala e a escrita A relação entre a fala e a escrita Karen Alves da Silva Proposta e objetivo: Partindo de um episódio de escrita, podemos refletir sobre: de que maneira está posta a relação entre escrita e oralidade; como

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO PUBLICIDADE E PROPAGANDA GRADE DETALHADA DO CURSO COM AS EMENTAS DAS DISCIPLINAS

CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO PUBLICIDADE E PROPAGANDA GRADE DETALHADA DO CURSO COM AS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO PUBLICIDADE E PROPAGANDA GRADE DETALHADA DO CURSO COM AS EMENTAS DAS DISCIPLINAS Cultura Brasileira 1º PERÍODO O fenômeno cultural. Cultura(s) no Brasil. Cultura regional e

Leia mais

Como citar este artigo Número completo Mais artigos Home da revista no Redalyc

Como citar este artigo Número completo Mais artigos Home da revista no Redalyc Diálogos - Revista do Departamento de História e do Programa de Pós-Graduação em História ISSN: 1415-9945 rev-dialogos@uem.br Universidade Estadual de Maringá Brasil Amarante Oliveira, Wellington Em busca

Leia mais

PÉ NO PALCO PROJETO INTERDISCIPLINAR DO ENSINO FUNDAMENTAL II DO COLÉGIO NACIONAL UBERLÂNDIA

PÉ NO PALCO PROJETO INTERDISCIPLINAR DO ENSINO FUNDAMENTAL II DO COLÉGIO NACIONAL UBERLÂNDIA PÉ NO PALCO PROJETO INTERDISCIPLINAR DO ENSINO FUNDAMENTAL II DO COLÉGIO NACIONAL UBERLÂNDIA Getúlio Góis de Araújo getulio_araujo @nacionalnet.com.br Colégio Nacional Ensino Fundamental II Relato de Experiência

Leia mais

SUPLEMENTO DE ATIVIDADES

SUPLEMENTO DE ATIVIDADES SUPLEMENTO DE ATIVIDADES NOME: N O : ESCOLA: SÉRIE: 1 Considerado um dos mais importantes escritores de todos os tempos, Edgar Allan Poe se inscreveu na história da literatura mundial com seu estilo inconfundível.

Leia mais

Guia Curta Fácil 1 Festival Nacional Curta no Celular de Taubaté

Guia Curta Fácil 1 Festival Nacional Curta no Celular de Taubaté 1 Conteúdo TIPOS DE PLANOS... 3 PLANO GERAL... 3 PLANO MÉDIO... 3 PLANO AMERICANO... 4 PRIMEIRO PLANO OU CLOSE-UP... 4 PRIMEIRÍSSIMO PLANO... 4 MOVIMENTOS DE CÂMERA... 5 PANORÂMICAS - PANS... 5 PANORÂMICA

Leia mais

ESCOLA E SONHO E VAN GOGH E VIDA... OU, POR QUE AINDA VALE A PENA SONHAR COM A EDUCAÇÃO?

ESCOLA E SONHO E VAN GOGH E VIDA... OU, POR QUE AINDA VALE A PENA SONHAR COM A EDUCAÇÃO? ESCOLA E SONHO E VAN GOGH E VIDA... OU, POR QUE AINDA VALE A PENA SONHAR COM A EDUCAÇÃO? Carlos Eduardo Ferraço Marco Antonio Oliva Gomes DIALOGANDO COM UM SONHO DE KUROSAWA Escolhemos o sonho Corvos de

Leia mais

ILUSTRAÇÃO TAMBÉM SE LÊ

ILUSTRAÇÃO TAMBÉM SE LÊ 1 ILUSTRAÇÃO TAMBÉM SE LÊ Rodrigo da Costa Araujo 1 A leitura é sempre o esforço conjugado de compreender e de incorporar (SCHOLES, Robert. Protocolos de Leitura. Edições 70, 1991, p.25) A epígrafe acima,

Leia mais

A Cobronça, a Princesa e a Surpresa

A Cobronça, a Princesa e a Surpresa elaboração: PROF. DR. JOSÉ NICOLAU GREGORIN FILHO A Cobronça, a Princesa e a Surpresa escrito por & ilustrado por Celso Linck Fê Os Projetos de Leitura: concepção Buscando o oferecimento de subsídios práticos

Leia mais

Pronac Nº 1111032 Você em Cenna é um concurso cultural que irá eleger atores e atrizes amadores de todo o país, que enviarão vídeos de suas performances para votação popular e de júri especializado. Os

Leia mais

FRANCISCO JOSÉ PAOLIELLO PIMENTA

FRANCISCO JOSÉ PAOLIELLO PIMENTA FRANCISCO JOSÉ PAOLIELLO PIMENTA Figura 1 - Francisco Paoliello Pimenta, professor na Universidade Federal de Juiz de Fora acervo pessoal de Francisco Paoliello Pimenta Não há separação entre o conhecimento

Leia mais

Interação Música-Imagem 1

Interação Música-Imagem 1 Interação Música-Imagem 1 Sérgio Basbaum Quase todo o material disponível em português sobre a questão do uso do som no cinema é bastante ingênuo. Esta aula visa mapear o território a partir dos livros

Leia mais

A Arte e as Crianças

A Arte e as Crianças A Arte e as Crianças A criança pequena consegue exteriorizar espontaneamente a sua personalidade e as suas experiências inter-individuais, graças aos diversos meios de expressão que estão à sua disposição.

Leia mais

PIC. Componentes da PIC 2. o bimestre. Produção Integrada ao Conteúdo

PIC. Componentes da PIC 2. o bimestre. Produção Integrada ao Conteúdo PIC VERSÃO PARA O PROFESSOR VERSÃO PARA O PROFESSOR 9. o ano Ensino Fundamental Produção Integrada ao Conteúdo Componentes da PIC 2. o bimestre Arte Ciências Geografia História A nota da PIC é a média

Leia mais

Os pequenos nadas. Uma criação de Anton Coimbra e Nuno Pinto. Produçao de Último Comboio.

Os pequenos nadas. Uma criação de Anton Coimbra e Nuno Pinto. Produçao de Último Comboio. Os pequenos nadas Uma criação de Anton Coimbra e Nuno Pinto. Produçao de Último Comboio. "Teatro artesanal (...) Tudo em vista: a máquina de cinema minúscula, que eles resgataram do desmantelamento, os

Leia mais

LEONARDO KOURY MARTINS ENSAIO DISCURSIVO. Concepções acerca de uma nova ordem societária

LEONARDO KOURY MARTINS ENSAIO DISCURSIVO. Concepções acerca de uma nova ordem societária LEONARDO KOURY MARTINS ENSAIO DISCURSIVO Concepções acerca de uma nova ordem societária LEONARDO KOURY MARTINS ENSAIO DISCURSIVO CONCEPÇÕES ACERCA DE UMA NOVA ORDEM SOCIETÁRIA O passado não se pode ser

Leia mais

ESTRUTURAS NARRATIVAS DO JOGO TEATRAL. Prof. Dr. Iremar Maciel de Brito Comunicação oral UNIRIO Palavras-chave: Criação -jogo - teatro

ESTRUTURAS NARRATIVAS DO JOGO TEATRAL. Prof. Dr. Iremar Maciel de Brito Comunicação oral UNIRIO Palavras-chave: Criação -jogo - teatro ESTRUTURAS NARRATIVAS DO JOGO TEATRAL 1 Prof. Dr. Iremar Maciel de Brito Comunicação oral UNIRIO Palavras-chave: Criação -jogo - teatro I - Introdução O teatro, como todas as artes, está em permanente

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO-OESTE - UNICENTRO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MÍDIAS NA EDUCAÇÃO

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO-OESTE - UNICENTRO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MÍDIAS NA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO-OESTE - UNICENTRO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MÍDIAS NA EDUCAÇÃO FERNANDA SERRER ORIENTADOR(A): PROFESSOR(A) STOP MOTION RECURSO MIDIÁTICO NO PROCESSO DE ENSINO E DE APRENDIZAGEM

Leia mais

O olhar voraz da câmera-personagem no filme de Samuel Beckett

O olhar voraz da câmera-personagem no filme de Samuel Beckett O olhar voraz da câmera-personagem no filme de Samuel Beckett Gabriela Borges Índice 1 Apresentação 1 2 A produção 2 3 A agonia da percepção 3 4 A voracidade da câmera-olho 7 5 Bibliografia 9 Resumo Em

Leia mais

Pré-requisito: Conhecimentos básicos de língua inglesa.

Pré-requisito: Conhecimentos básicos de língua inglesa. Pare de assistir e comece a escrever, criar e produzir para a televisão! A arte de contar histórias é a força cultural dominante no mundo contemporâneo, e as séries televisivas são o meio mais atraente

Leia mais

UMA CÂMERA OU CELULAR NA MÃO E UMA IDEIA NA CABEÇA: TRABALHANDO O GÊNERO DOCUMENTÁRIO EM SALA DE AULA

UMA CÂMERA OU CELULAR NA MÃO E UMA IDEIA NA CABEÇA: TRABALHANDO O GÊNERO DOCUMENTÁRIO EM SALA DE AULA UMA CÂMERA OU CELULAR NA MÃO E UMA IDEIA NA CABEÇA: TRABALHANDO O GÊNERO DOCUMENTÁRIO EM SALA DE AULA Wanda Patrícia de Sousa Gaudêncio (UFPB/PROFLETRAS) wandapatricia@evl.com.br Sandra Regina Pereira

Leia mais

Evolução Filmes e Processo Multiartes Grafo Audiovisual, Par ou Ímpar e Off Beat apresentam

Evolução Filmes e Processo Multiartes Grafo Audiovisual, Par ou Ímpar e Off Beat apresentam Evolução Filmes e Processo Multiartes Grafo Audiovisual, Par ou Ímpar e Off Beat apresentam direção_adriano Esturilho e Fábio Allon Longa-metragem digital de ficção contemplado pelo Prêmio Estadual de

Leia mais

GÔDA. dobrar. GôDA Teatro. Público Geral. Sessões especiais para a Infância e Público Sénior

GÔDA. dobrar. GôDA Teatro. Público Geral. Sessões especiais para a Infância e Público Sénior GôDA Teatro Público Geral Sessões especiais para a Infância e Público Sénior GÔDA O que se esconde por detrás de uma porta antiga e enferrujada? O que se guarda por entre papéis e as fotografias velhas?

Leia mais

Palavras-chave: Dramaturgia do Ator, Tradução Intersemiótica, Inteligências Múltiplas

Palavras-chave: Dramaturgia do Ator, Tradução Intersemiótica, Inteligências Múltiplas Tradução Intersemiótica na elaboração da Dramaturgia do Ator Brenda de Oliveira Programa de Pós Graduação em Artes Cênicas USP Mestranda Pedagogia do Teatro Or. Prof. Dr. Armando Sérgio da Silva Bolsa

Leia mais

A paisagem sonora em práticas teatrais na escola: voz e escuta

A paisagem sonora em práticas teatrais na escola: voz e escuta A paisagem sonora em práticas teatrais na escola: voz e escuta Raquel Guerra Universidade Federal de Santa Maria - UFSM Graduação Programa de Pós-Graduação em Teatro - UDESC. Professora Resumo: Neste artigo

Leia mais

Planejamento. Educação infantil Ciranda Nível 3. Unidade 1: Cirandando

Planejamento. Educação infantil Ciranda Nível 3. Unidade 1: Cirandando Linguagem oral e escrita Planejamento Educação infantil Ciranda Nível 3 Unidade 1: Cirandando Formas textuais Conhecer diferentes tipos de textos. Conhecer um texto instrucional e sua função social. Priorizar

Leia mais

Circuito de Oficinas: Mediação de Leitura em Bibliotecas Públicas

Circuito de Oficinas: Mediação de Leitura em Bibliotecas Públicas Circuito de Oficinas: Mediação de Leitura em Bibliotecas Públicas outubro/novembro de 2012 A leitura mediada na formação do leitor. Professora Marta Maria Pinto Ferraz martampf@uol.com.br A leitura deve

Leia mais

GRADE CURRICULAR DO BACHARELADO INTERDISCIPLINAREM ARTES E DESIGN http://www.ufjf.br/biad/

GRADE CURRICULAR DO BACHARELADO INTERDISCIPLINAREM ARTES E DESIGN http://www.ufjf.br/biad/ GRADE CURRICULAR DO BACHARELADO INTERDISCIPLINAREM ARTES E DESIGN http://www.ufjf.br/biad/ ESTRUTURA CURRICULAR DO 1º CICLO Bacharelado interdisciplinar em Artes e Design 3 anos Componentes curriculares

Leia mais

Projeto Conto de Fadas

Projeto Conto de Fadas Projeto Conto de Fadas 1. Título: Tudo ao contrário 2. Dados de identificação: Nome da Escola: Escola Municipal Santo Antônio Diretora: Ceriana Dall Mollin Tesch Coordenadora do Projeto: Mônica Sirtoli

Leia mais

ALGUMAS CONSIDERAÇÕES ACERCA DO DISCURSO SIMBOLISTA NO BRASIL

ALGUMAS CONSIDERAÇÕES ACERCA DO DISCURSO SIMBOLISTA NO BRASIL ALGUMAS CONSIDERAÇÕES ACERCA DO DISCURSO SIMBOLISTA NO BRASIL Élcio Aloisio Fragoso 1 INTRODUÇÃO Neste texto, faremos algumas considerações acerca do discurso simbolista no Brasil, relativamente à história

Leia mais

Análise do filme: Waking Life

Análise do filme: Waking Life Trabalho realizado por e publicado nos Cadernos Junguianos No. 2 2006, Revista Anual da Associação Junguiana do Brasil, São Paulo, Ferrari-Editora e Artes Gráficas LTDA, São Paulo www.psicologiasandplay.com.br

Leia mais

Figura 56. Tema Folclore. Figura 58 Personagens ou Imagens do Folclore Brasileiro: Cuca

Figura 56. Tema Folclore. Figura 58 Personagens ou Imagens do Folclore Brasileiro: Cuca O tema do folclore pintado pelos alunos passou por uma seleção de imagens escolhidas por eles mesmos, desenhadas anteriormente em classe para depois tais desenhos serem apresentados para a votação. As

Leia mais

O JOGO TEATRAL NA CONTRUÇÃO DO QUEM ROBSON TADEU CATALINHA UNIVERSIDADE DE SOROCABA Palavras-chave: JOGO TEATRAL PROCESSO DE CRIAÇÃO

O JOGO TEATRAL NA CONTRUÇÃO DO QUEM ROBSON TADEU CATALINHA UNIVERSIDADE DE SOROCABA Palavras-chave: JOGO TEATRAL PROCESSO DE CRIAÇÃO O JOGO TEATRAL NA CONTRUÇÃO DO QUEM ROBSON TADEU CATALINHA UNIVERSIDADE DE SOROCABA Palavras-chave: JOGO TEATRAL PROCESSO DE CRIAÇÃO As três montagens dirigidas por Ingrid Koudela na Universidade de Sorocaba,

Leia mais

O olho no caleidoscópio: novas cenas para novos espectadores.

O olho no caleidoscópio: novas cenas para novos espectadores. O olho no caleidoscópio: novas cenas para novos espectadores. Oliveira, Areias Fernanda.São Luís: Universidade Federal do Maranhão. UFMA, Professora Mestra. Assistente 1 departamento de Artes. Diretora

Leia mais

As esferas acústicas da cena e o cinema

As esferas acústicas da cena e o cinema As esferas acústicas da cena e o cinema César Lignelli Programa de Pós-Graduação em Educação UnB Doutorando Educação e Comunicação Or. Profa. Dra. Laura Coutinho Professor Assistente do Departamento de

Leia mais

O ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA E OS GÊNEROS TEXTUAIS

O ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA E OS GÊNEROS TEXTUAIS CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM LÍNGUA PORTUGUESA COM ÊNFASE EM MULTILETRAMENTOS O ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA E OS GÊNEROS TEXTUAIS Monissa Mattos - 2 Ten CMPA LETRAMENTO letrar é mais do que alfabetizar,

Leia mais

edgar allan poe a filosofia da composição p r e fá c i o pedro süssekind t r a d u ç ã o léa viveiros de castro

edgar allan poe a filosofia da composição p r e fá c i o pedro süssekind t r a d u ç ã o léa viveiros de castro edgar allan poe a filosofia da composição p r e fá c i o pedro süssekind t r a d u ç ã o léa viveiros de castro sumário 9 prefácio. A lição aristotélica de Poe [Pedro Süssekind] 17 A filosofia da composição

Leia mais

A essa altura, você deve estar se perguntando qual é a diferença entre cinema e vídeo, audiovisual e multimídia, não é mesmo?

A essa altura, você deve estar se perguntando qual é a diferença entre cinema e vídeo, audiovisual e multimídia, não é mesmo? Pré-Vestibular Social Grupo SOA Suporte à Orientação Acadêmica Ela faz cinema Ela faz cinema Ela é demais (Chico Buarque) CINEMA Chegou o momento de escolher um curso. Diante de tantas carreiras e faculdades

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO SUPERINTENDÊNCIA DA EDUCAÇÃO DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO BÁSICA

SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO SUPERINTENDÊNCIA DA EDUCAÇÃO DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO BÁSICA SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO SUPERINTENDÊNCIA DA EDUCAÇÃO DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO BÁSICA MOVIMENTO PARANÁ SEM CORRUPÇÃO Primeiro voto: o papel do jovem eleitor em relação ao combate à corrupção ROTEIRO

Leia mais

Videoclipe: Só sei dançar com você 1

Videoclipe: Só sei dançar com você 1 Videoclipe: Só sei dançar com você 1 Bruno Olhero BOTAS 2 Gabriela dos Santos SILVA 3 Grazielli FERRACCIOLLI 4 Guilherme Henrique de SOUZA 5 Isa Dias Colombo SANTOS 6 Rahessa da Silva VITÓRIO 7 Yasmin

Leia mais