RECURSOS DIDÁTICOS PARA O ENSINO DE BIOLOGIA: O QUE PENSAM AS/OS DOCENTES

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "RECURSOS DIDÁTICOS PARA O ENSINO DE BIOLOGIA: O QUE PENSAM AS/OS DOCENTES"

Transcrição

1 RECURSOS DIDÁTICOS PARA O ENSINO DE BIOLOGIA: O QUE PENSAM AS/OS DOCENTES Me. Vinícius Colussi Bastos (Programa de Pós-Graduação em Ensino de Ciências e Educação Matemática UEL Bolsista CAPES) Jéssica Cristina da Silva (UEM Bolsista USF) Adriana Vieira de Miranda (UEM Bolsista USF) Claudiane Chefer (Graduação em Ciências Biológicas UEM Bolsista USF) Camilla Borges Gazolla (Graduação em Ciências Biológicas UEM Bolsista USF) Rejane Guimarães Melo (Graduação em Ciências Biológicas UEM Bolsista USF) Tamires Tolomeotti Pereira (Graduação em Ciências Biológicas UEM Bolsista USF) Dra. Dulcinéia Ester Pagani Gianotto (Departamento de Biologia UEM) Dra. Marion Haruko Machado (Departamento de Biologia UEM) Resumo No contexto de um curso que tem como tema o uso de recursos didáticos alternativos no Ensino de Biologia, nossos objetivos foram: identificar que tipos de recursos as/os cursistas participantes conhecem, quais preferem utilizar e por quê; reconhecer suas noções a respeito das contribuições dos recursos didáticos e saber se, na opinião deles, há recursos mais apropriados ao Ensino de Biologia. Por meio da Análise de Conteúdo, identificamos que, apesar de haver uma confusão entre recursos e modalidades didáticas, as/os cursistas preferem o uso de recursos audiovisuais e aulas experimentais, por facilitar, dinamizar e estimular as ações de ensino e aprendizagem, assim como ampliar as relações com o conteúdo. Ressaltamos ainda, a importância da construção de saberes em Didática das Ciências. Palavras-chave: Ensino de Biologia; Recursos Didáticos; Noções de docentes. Introdução A disciplina de Biologia possui conteúdos que são complexos e por vezes não familiares às/aos estudantes. É consenso na literatura da área de Ensino de Biologia a discussão de que mesmo com os avanços da Ciência e das tecnologias, o ensino de Biologia se encontra limitado às aulas expositivas, ou seja, ao modelo tradicional com um professor ativo e estudantes passivos em sala de aula. Não podemos esquecer que a disciplina de Biologia traz consigo uma rica lista de novos vocábulos, de termos latinizados, que na interpretação da/do estudante, não passa de decoreba sem utilidades futuras e isso pode gerar um desconforto ou desinteresse pelo conteúdo, fazendo da aula de Biologia tediosa (KRASILCHICK, 2008). 7332

2 Sendo assim, é fundamental que as/os docentes reflitam sobre a importância de renovar as suas práticas em sala de aula, não simplesmente a ação pela ação, mas desenvolvendo habilidades e competências que permitem a representação e comunicação, investigação e compreensão, bem como a contextualização sociocultural dos diferentes conteúdos que integram a disciplina de Biologia. Uma possível maneira para renovar a ação docente é o uso adequado de modalidades e recursos didáticos, sejam aulas experimentais, de campo, atividades lúdicas como jogos, ou recursos audiovisuais, visuais, manuais e naturais. Diante disso, nosso problema de pesquisa pode ser expresso pelas seguintes questões: quais recursos didáticos são mais utilizados no Ensino de Biologia? De que maneira esses recursos contribuem para o processo de ensino e aprendizagem? Há recursos que são mais adequados ao Ensino de Biologia? Assim, no contexto de um curso de extensão que tem como tema o uso de recursos didáticos alternativos no Ensino de Biologia, desenvolvido como parte das atividades do projeto de extensão Renovando a Prática no Ensino de Biologia: alternativas pedagógicas para o ensino de Citologia e Zoologia do departamento de Biologia da Universidade Estadual de Maringá (UEM), Programa Universidade Sem Fronteiras, Subprograma Apoio ás Licenciaturas (SETI-PR), para promover a formação continuada de docentes de Biologia, nossos objetivos foram: identificar que tipos de recursos as/os participantes deste curso conhecem, quais preferem utilizar e por quê; reconhecer suas noções a respeito das contribuições dos recursos didáticos e saber se, na opinião deles, há recursos mais adequados ao Ensino de Biologia. 1. Recursos Didáticos e o Ensino de Biologia Nas últimas décadas os professores têm convivido com o discurso constante da necessidade de atualização permanente (SOUZA & GOUVÊA, 2006). Segundo Castoldi & Polinarski (2009), grande parte dos professores tende em adotar métodos tradicionais de ensino, pelo receio do novo ou mesmo pela inércia, a muito estabelecida, em nosso sistema educacional. Diversos trabalhos, como o de Carvalho (2003), defendem que é papel da/do docente atuar como mediador do processo de ensino e aprendizagem. Assim, ao ensinar Biologia, a/o docente deve priorizar o desenvolvimento de atitudes e valores das/dos 7333

3 estudantes, utilizando metodologias que promovam o questionamento, o debate, e a investigação minimizando, desta maneira, as limitações de um aprendizado passivo ainda presente no contexto escolar (KLEIN et al., 2005). Souza (2007) define recurso didático como todo material utilizado para o auxílio no processo de ensino e aprendizagem do conteúdo proposto. Para esta autora: Utilizar recursos didáticos no processo de ensino- aprendizagem é importante para que o aluno assimile o conteúdo trabalhado, desenvolvendo sua criatividade, coordenação motora e habilidade de manusear objetos diversos que poderão ser utilizados pelo professor na aplicação de suas aulas (SOUZA, 2007, p ). Existe uma variedade de recursos didáticos que as/os docentes de Biologia podem desenvolver e aplicar nos ambientes de ensino e aprendizagem, sendo importante a escolha de um recurso adequado aos objetivos de ensino do conteúdo, uma vez que, O uso de materiais didáticos no ensino escolar, deve ser sempre acompanhado de uma reflexão pedagógica quanto a sua verdadeira utilidade no processo de ensino e de aprendizagem, para que alcance o objetivo proposto (SOUZA, 2007, p. 113). Ao utilizar recursos didáticos, as/os docentes poderão diversificar suas aulas, despertar o interesse das/dos estudantes em construir seu próprio conhecimento, dinamizar e criar situações que as/os levem a refletir e estabelecer relação entre diversos contextos (BECKER, 1992). Zuanon, Diniz e Nascimento (2010) afirmam que além de ser necessário diversificar as metodologias de ensino, é importante o uso de recursos educativos que sejam também motivacionais para o desenvolvimento de competências que auxiliam no processo cognitivo. Gianotto e Araújo (2012) organizam os diferentes tipos de recursos didáticos em naturais, técnicos tradicionais e contemporâneos. Segundo Freitas (2013) os recursos tradicionais, como quadro-negro, livro didático e textos científicos são os mais utilizados e muitas vezes são tidos como único tipo de recurso disponível. Já os contemporâneos, como materiais visuais e informatizados, talvez sejam os mais utilizados depois dos tradicionais, havendo um consenso de que tornam o processo educativo mais atraente e dinâmico (FREITAS, 2013). Coscarelli (1998) defende que esse tipo de recurso estimula as/os estudantes a desenvolverem habilidades intelectuais e cooperação, em que mostram interesse em aprender e buscar informações sobre um determinado assunto. Os recursos audiovisuais, por exemplo, proporcionam uma aula diferenciada permitindo diversificar as atividades e assumir um papel motivador do processo de ensino e aprendizagem (SANTOS, 2010). Além dos recursos didáticos tradicionais e contemporâneos, existe uma gama de materiais que podem ser utilizados como recursos alternativos. Dentre esses, os recursos 7334

4 manuais, como maquetes, são pertinentes para representar uma ideia, um objeto, um acontecimento, um processo ou um sistema criado com um objetivo específico (GILBERT, BOULTER & ELMER, 2000). Outro tipo de recurso são os jogos didáticos, que se caracterizam como uma importante e viável alternativa lúdica para auxiliar e favorecer a construção do conhecimento (CAMPOS, BORTOLOTO & FELÍCIO, 2003). O jogo didático, quando bem elaborado, pode proporcionar ao estudante a capacidade de interação com o conteúdo, bem como favorecer o desenvolvimento de habilidades quanto à cognição, a afeição, a socialização, a motivação e a criatividade (MIRANDA, 2001). Já os recursos didáticos naturais, como materiais biológicos, possibilitam uma interação entre teoria e prática, pois não se baseiam somente em abstrações típicas, mas também na observação do material real (XAVIER, 2007). Jacob (2009) sugere que o uso de recursos naturais no ensino de Biologia e Ciências desenvolvem nas/nos estudantes capacidades de resolução de problemas, de investigação, além de favorecer a construção de significado dos conceitos teóricos. Há um consenso entre as/os docentes de Biologia de que a aula experimental em laboratório é o recurso didático mais adequado para o ensino de Biologia, entretanto, a aula experimental, assim como a aula de campo, é uma modalidade didática, que se refere à maneira como os conteúdos selecionados serão apresentados e trabalhados, englobando tanto as ações docentes como as ações discentes (KRASILCHIK, 2008). Vale destacar que, vários recursos podem ser utilizados em uma determinada modalidade didática ou método de ensino, não é o recurso que determina se a aula será tradicional, ou construtivista, ou de outra maneira, e sim as relações estabelecidas entre estudantes e docentes. Partindo do princípio de que a mediação das/dos docentes é fundamental ao processo de ensino e aprendizagem, todos os recursos didáticos são adequados ao ensino de Biologia, mesmo os mais rudimentares, pois estes requerem uma metodologia de ensino, que determina sua escolha, forma e momento de uso (AMARAL, 2006). Pode-se dizer, então, que a eficácia de um recurso didático é expressa por uma equação entre o seu grau de especialização, o perfil dos sujeitos envolvidos e as características da situação de ensino (RANGEL, 2005). 7335

5 2. Abordagem Metodológica Considerando os objetivos pretendidos com esta investigação, desenvolvemos uma pesquisa qualitativa de cunho interpretativo (BOGDAN & BIKLEN, 1994), pautada na Análise de Conteúdo Temático Categorial (BARDIN, 2004). Para a coleta de dados elaboramos um questionário com cinco questões abertas que versaram a respeito do uso e das contribuições de recursos didáticos para o Ensino de Biologia. Esse questionário foi respondido por participantes de um curso de extensão de longa duração voltado para professores de Biologia, que tem como tema a produção e o uso de recursos didáticos alternativos no Ensino de Biologia. No total, 16 cursistas responderam o questionário, compreendendo 14 mulheres e dois homens, em que todos assinaram um termo de consentimento esclarecido autorizando o uso dos dados coletados para fins de pesquisa e divulgação acadêmica. Esta pesquisa foi autorizada pelo Comitê de Ética da Universidade Estadual de Maringá sob o registro Para a discussão dos dados as/os sujeitos da pesquisa serão identificados por letras e números, conforme segue: C01, C02, C03... C16. Para o tratamento dos dados, elaboramos Unidades de Contexto (UC) e de Registro (UR) prévias, com base no referencial teórico, e a partir dessas unidades, unitarizamos os fragmentos textuais obtidos com as respostas dadas ao questionário e realizamos o processo de inferência para a discussão dos mesmos. Apresentamos em cada uma das UR, sua frequência relativa, em porcentagem, à UC correspondente. Essas Unidades de análise foram decodificadas intersubjetivamente nos seus significados pela equipe do projeto de extensão Renovando a Prática no Ensino de Biologia: alternativas pedagógicas para o ensino de Citologia e Zoologia. 3. Resultados e discussões Com base na metodologia de Análise de Conteúdo Temático Categorial proposta por Laurence Bardin (2004), apresentamos a seguir a descrição dos resultados obtidos com os questionários e as discussões realizadas por meio do processo de inferência a partir da fundamentação teórica. Para a Questão 01 Você utiliza recursos didáticos em suas aulas?, elaboramos a UC1 Uso de recursos didáticos, na qual reunimos os fragmentos textuais que possibilitam 7336

6 inferir pela análise se as/os cursistas utilizam recursos didáticos em suas aulas. Agrupamos na UR 1.1 Utilizam, 14 registros (87,5%), que indicam o uso de recursos didáticos em sala de aula, como por exemplo: Sempre que possível, sim (C12); Muito pouco. O mais usado é o vídeo (C16). Não houve registros que contemplassem a UR 1.2 Não utilizam, elaborada previamente para agrupar registros que indicam o não uso de recursos didáticos. Agrupamos na UR 1.3 Resposta não contempla dois (12,5%) registros, que não contemplam o objetivo da questão, como: Não estou lecionando (C06); Os professores que licenciam no curso de graduação utilizam recursos didáticos, e isso é essencial (C11). Apesar das conhecidas contribuições dos recursos didáticos, sabe-se que não são todas/todos as/os docentes que exploram diariamente suas potencialidades; outras/outros ainda usam sempre os mesmos recursos. Segundo Krasilchik (2008), isso pode ocorrer por falta de confiança ou por comodismo por parte da/do docente, que possui uma tendência em adotar métodos tradicionais de ensino, por medo de inovar ou mesmo pela inércia estabelecida em nosso sistema de ensino. Por meio dos registros obtidos, identificamos maior frequência relativa (87,5%) que indica o uso de recursos didáticos pelas/pelos cursistas. Esse número é significativo e sugere que as/os cursistas buscam alternativas ao modelo tradicional de ensino, uma vez que, ao utilizar recursos didáticos, as/os docentes podem facilitar, diversificar, estimular as ações de ensino e aprendizagem (BECKER, 1992; SOUZA, 2007; ZUANON, DINIZ & NASCIMENTO, 2010). Para a Questão 02 Em sua opinião, como um recurso didático pode contribuir para o processo de ensino e aprendizagem?, elaboramos a UC2 Contribuição dos recursos didáticos, na qual reunimos os fragmentos textuais que possibilitam inferir pela análise a opinião das/dos cursistas a respeito de como um recurso didático pode contribuir para o processo de ensino e aprendizagem. Agrupamos na UR 2.1 Facilitar, seis registros (33,3%), que identificam que os recursos didáticos facilitam o processo de ensino e aprendizagem, como por exemplo: [...] Já os recursos didáticos possuem informações que facilitam a aprendizagem (C03). Na UR 2.2 Dinamizar, agrupamos cinco registros (27,8%), que identificam que os recursos didáticos dinamizam o processo de ensino e aprendizagem, como: Contribui por uma melhor aula [...] além de uma melhor interação entre professor e alunos (C09); Pode contribuir no sentido de tornar o aprendizado mais dinâmico e atrativo para os educandos, uma vez que se aprende fazendo (C14). Na UR 2.3 Estimular, identificamos sete registros (38,9%), que identificam que os recursos didáticos estimulam o processo de ensino e aprendizagem, como: Na escolha 7337

7 de um recurso didático a ser utilizado em sala de aula, procura-se despertar o interesse do aluno pelo assunto e reflexão quanto àquilo que está sendo estudado (C07); Observo o quanto é positivo a utilização dos recursos didáticos pela motivação dos meus alunos [...] (C08); [...] o uso de recurso didático torna as aulas mais atrativas cativando o aluno para melhor entender o conteúdo [...] (C09). Não houve registros que contemplassem a UR 2.4 Resposta não contempla. Diante disso, podemos inferir que a maioria das/dos cursistas indica que utilizam recursos didáticos por estes facilitarem o processo de ensino e aprendizagem, assim como, por estimularem o interesse das/dos estudantes com o conteúdo estudado. Esse resultado está em consonância com discussões da área, como as de Gianotto e Araújo (2012), Souza (2007) e Klein et. al (2005), entre outros, que defendem que o uso de recursos didáticos no ensino de Biologia facilita o aprendizado das/dos estudantes, uma vez que, possibilita a visualização do objeto de estudo de maneira alternativa. Como também, o uso de recursos alternativos ajuda o professor a diversificar suas estratégias de ensino, que além de dinamizar as relações existentes nos processos de ensino e aprendizagem, podem estimular as/os estudantes a se interessarem pelos conteúdos estudados (GIANOTTO & ARAÚJO, 2012; ZUANON, DINIZ & NASCIMENTO, 2010). Para a Questão 03 Cite exemplos de recursos didáticos (Cinco ou mais), elaboramos a UC3 Exemplos de Recursos Didáticos, na qual reunimos os fragmentos textuais que possibilitam inferir pela análise se as/os cursistas conhecem diferentes tipos de recursos didáticos. Agrupamos 15 registros (25%) na UR 3.1 Audiovisuais, relacionados a recursos didáticos técnicos audiovisuais, como por exemplo: Vídeos (filmes, pequenos trechos de documentários) [...] (C01); TV pendrive, internet (C07). Na UR 3.2 Visuais, identificamos nove registros (15%), relacionados a recursos técnicos visuais, como: [...] cartazes (C02); Imagens projetadas [...] (C11); [...]. Para a UR 3.3 Manuais, agrupamos oito registros (13,34%), relacionados a recursos didáticos manuais, como: Modelos de animais (para zoologia) (C01); [...] maquetes (confecção) [...]. Apenas dois registros (3,33%) foram identificados para a UR 3.4 Naturais, relacionados a recursos naturais, como: [...] materiais biológicos fixados (herbários, insetários) (C03); [...] observação dos artrópodes [...] (C08). Para a UR 3.5 Jogos, identificamos dez registros (16,67%), relacionados a jogos, tanto aos didáticos, quanto aos de expressão corporal e dinâmicas de grupo, como: Teatros, dança e músicas (C02); cruzadinhas e jogos (C12); [...] confecção de quebra cabeça; dominó (C15). 7338

8 Na UR 3.6 Tradicionais, houve cinco registros (8,33%), relacionados a recursos técnicos tradicionais, como: [...] notícias (jornais, revistas) (C07); [...] quadro negro; livro didático (C13). Na UR 3.7 Não são recursos didáticos, agrupamos 11 registros (18,33%), não são relacionados a recursos didáticos, como: Prática em laboratório (C02); Sala de informática; laboratório (C04); Aulas de campo (C15). Não houve registros na UR 3.8 Resposta não contempla. Com isso, notamos que os recursos audiovisuais (25%), visuais (15%) e jogos (16,76%), foram os mais citados pelas/pelos cursistas, fato que pode ser atribuído à popularidade da rede de informações em que estamos inseridos, cujas ferramentas (principalmente o computador e a internet) ganharam espaço no âmbito escolar. Já os jogos, por potencializarem as interações com o conteúdo, parecem facilmente fugir do modelo tradicional, o que contribui para sua lembrança como recurso didático (MIRANDA, 2001). Os recursos manuais (13,34%), naturais (3,33%) e tradicionais (8,33%) são os menos citados, fato este atribuído a carência de recursos naturais nas escolas e a demanda de um maior tempo de execução nos recursos manuais. Houve também um expressivo número de registros (18,33%) que nos mostraram uma dificuldade em discernir recurso de modalidade didática (aulas de laboratório e de campo). As modalidades se referem à maneira como os conteúdos serão apresentados e trabalhados, ou seja, ás estratégias que englobam tanto as ações docentes como as discentes e os recursos didáticos são o material auxiliar utilizado nessas aulas (KRASILCHIK, 2008). Para a Questão 04 Quais recursos você prefere utilizar? Por quê?, que possibilitam inferir pela análise quais recursos didáticos as/os cursistas preferem utilizar em suas aulas e o motivo pelo qual preferem tal recurso, elaboramos duas UC. A UC4A Recursos didáticos preferidos, na qual reunimos os fragmentos textuais que indicam quais são os recursos didáticos preferidos, e a UC4B Motivos da preferência, que reunimos os fragmentos textuais que indicam o motivo pelo qual as/os cursistas preferem utilizar um determinado recurso didático. Agrupamos 10 registros (41,67%) na UR 4A.1 Audiovisuais, que indicam a preferência por recursos técnicos audiovisuais, como por exemplo: Em primeiro lugar, os vídeos, pela facilidade em utilizar a TV, que está instalada em quase todas as salas de aula da rede estadual. [...] (C03); [...] slides, filmes [...] (C09). Na UR 4A.2 Visuais, agrupamos dois registros (8,33%), que indicam a preferência por recursos técnicos visuais, como: Gosto muito do recurso visual, mas depende do conteúdo e da série. E o que funciona em uma 7339

9 turma não funciona, necessariamente, na outra (C01); Eu, particularmente, gosto de [...] imagens [...] (C14). Não houve registros que contemplassem às UR 4A.3 Manuais e UR 4A.4 Naturais. Para a UR 4A.5 Jogos, agrupamos três registros (12,5%), que indicam a preferência por jogos, como: Jogos didáticos, porque os alunos conseguem assimilar assuntos complexos com mais calma, em atividades que geralmente praticam em sua rotina (C06). Identificamos apenas dois registros (8,33%) na UR 4A.6 Tradicionais, que indicam a preferência por recursos técnicos tradicionais, como: [...] Quadro negro; [...] Textos e artigos; [...] (C13). Já para a UR 4A.7 Não são recursos didáticos, agrupamos seis registros (25%) como: Sala de informática [...] (C04). Houve apenas 1 registro (4,17%) em que a resposta não contemplava a pergunta, identificado para a UR 4A.8 Resposta não contempla: Atualmente, como a escola em que trabalho oferece muitos recursos, utilizo um pouco de cada recurso citado na questão anterior. O assunto abordado é analisado para a escolha do recurso (C05). Já na UR 4B.1 Facilitar, agrupamos cinco registros (31,25%), que identificam a preferência das/dos cursistas por determinado recurso por este ser facilitador do processo de ensino e aprendizagem, como exemplo: Em primeiro lugar, os vídeos, pela facilidade em utilizar a TV, que está instalada em quase todas as salas de aula da rede estadual [...] (C03); Em ordem de utilização: 1º Quadro negro; 2º Data show; 3º Textos e artigos; 4º Aulas práticas; 5º Filmes. Não seria por preferência esta ordem e, sim, por praticidade [...](C13).Agrupamos na UR 4B.2 Dinamizar, quatro registros (25%), que relacionam a preferência com a dinamização do processo de ensino e aprendizagem, como: Filmes (documentários), para mostrar o conteúdo de uma maneira diferente através de exemplos (C10). Agrupamos na UR 4B.3 Inovar, um registro (6,25%), que relaciona a preferência com a inovação do processo de ensino e aprendizagem, como: Filmes (documentários), para mostrar o conteúdo de uma maneira diferente através de exemplos (C10). Agrupamos na UR 4B.4 Resposta não contempla, seis registros (37,5%), que não contemplam o objetivo da questão, como por exemplo: Gosto muito do recurso visual, mas depende do conteúdo e da série. E o que funciona em uma turma não funciona, necessariamente, na outra (C01). Com base nos dados obtidos nas UC4A e UC4B, podemos inferir que a maioria das/dos cursistas preferem usar recursos didáticos audiovisuais (41,67%), principalmente por estes serem de fácil acesso (31,25%) e não por facilitarem o processo de ensino e aprendizagem durante as aulas, como é o caso das TVs pendrive instaladas nas salas de aula das escolas da rede pública do Paraná, a partir de 2007, por meio do Programa Nacional de 7340

10 Tecnologia Educacional (ProInfo). Vale ressaltar que os recursos audiovisuais também contribuem para dinamizar e inovar o processo de ensino e aprendizagem, assim como despertar o interesse da/do estudante em relação ao conteúdo (BECKER, 1992). Destacamos que na UR5A7 (25%) as/os cursistas não distinguiram recurso didático e modalidade didática, pois citaram aulas experimentais em laboratório e aulas de campo, que são modalidades e não recursos (KRASILCHIK, 2008), sendo assim, não contemplaram o objetivo em questão. Na UR5B4 (37,5%) os objetivos da questão também não foram contemplados, pois as/os cursistas não explicitaram por quais motivos preferem utilizar determinado recurso didático. Para a Questão 05 Há recursos didáticos mais adequados para o Ensino de Biologia? Justifique, elaboramos a UC5 Recursos didáticos mais adequados, na qual agrupamos os fragmentos que possibilitam saber se, para as/os cursistas, há recursos didáticos mais adequados ao ensino de Biologia. Em relação à UR 5.1 Recursos mais adequados, identificamos sete registros (50%), que apontam a existência de recursos didáticos mais adequados ao ensino de Biologia, como exemplo: Desenhos/Ilustrações, pois, a visualização na Biologia é muito importante, já que definimos estruturas, características, etc [...] (C06). Na UR 5.2 Ausência de recursos mais adequados agrupamos três registros (21,4%), que não identificam a existência de recursos didáticos mais adequados ao ensino de Biologia, como: Acredito que todos os recursos podem ser adequados para o ensino de Biologia (C03). Em relação à UR 5.3 Resposta não contempla, quatro registros (28,5%), que não contemplam o objetivo da questão, como: Laboratório [...] (C04). Com base nos dados obtidos na UC6 é possível inferir que metade das/dos cursistas aponta a existência de recursos mais adequados ao ensino de Biologia, como imagens, maquetes e vídeos. É inteligível que os recursos técnicos contemporâneos sejam os mais citados, pois estão relacionados com os sentidos de captação mais efetivos na aquisição de conhecimentos e apreensão de informações (GIANOTTO & ARAÚJO, 2012). Identificamos também que 21,4% dos registros indicam que não há recursos mais adequados ao ensino de Biologia e que são universais ao ensino de qualquer disciplinas. Partindo do princípio de que a mediação é fundamental ao processo de ensino e aprendizagem, todos os recursos didáticos são adequados ao ensino de Biologia, mesmo os mais rudimentares (AMARAL, 2006). Entre os registros que não contemplam os objetivos da questão, notamos, mais uma vez, a confusão entre modalidade e recursos didáticos. 7341

11 4. Considerações finais Foi consenso entre as/os cursistas entrevistados que o uso de recursos didáticos é uma estratégia para renovar o ensino de Biologia, pois estes possibilitam alternativas de representação do objeto de ensino, como os recursos técnicos audiovisuais, que na atualidade são tanto mediadores entre informações e os sujeitos, quanto das relações entre os sujeitos. Apesar de haver uma confusão na distinção entre recursos e modalidades didáticas, as/os cursistas acreditam que esses facilitam, dinamizam e estimulam as ações de ensino e aprendizagem, uma vez que ampliam as relações com o conteúdo. Assim, diante desta experiência, ressaltamos a importância de ações formativas que estimule uma construção continua de saberes em Didáticas das Ciências, fundamentais para renovar de maneira adequada as relações existentes no processo de ensino e aprendizagem em Biologia. Referências AMARAL, Ivan Amorosino do. Os fundamentos do ensino de Ciências e o livro didático. In: FRACALANZA, Hilário; MEGID NETO, Jorge (Org.). O livro didático de ciências no Brasil. Campinas: Komedi, BECKER, Fernando. Epistemologia subjacente ao trabalho docente. Porto Alegre: FACED/UFRGS, CARVALHO, Anna Maria Pessoa de. Formação continuada de professores: uma releitura das áreas de conteúdo. São Paulo: Pioneira Thomson Learning, CASTOLDI, Rafael; POLINARSKI, Celso Aparecido. Considerações sobre estágio supervisionado por alunos licenciandos em Ciências Biológicas. Anais do VII Encontro Nacional de Pesquisa em Educação em Ciências, Florianópolis, FREITAS, Anne Caroline de Oliveira. Utilização de recursos visuais e audiovisuais como estratégia no ensino da biologia Monografia (Graduação) Universidade Estadual do Ceará, Centro de Ciências da Saúde, Curso de Ciências Biológicas, GIANOTTO, Dulcinéia Ester Pagani; ARAUJO, Maria Augusta de Lima. Recursos didáticos alternativos e sua utilização no ensino de Ciências. In: GIANOTTO, Dulcinéia Ester Pagani 7342

12 (Org.) Formação docente e instrumentalização para o ensino de ciências. Formação de professores em Ciências Biológicas EAD. Maringá: EDUEM, 2012, p GILBERT, John K., BOULTER, Carolyn J., ELMER, Roger. Positioning models in science education and in design and technology education. In: John K. Gilbert & Carolyn J. Boulter (Ed.), Developing models in science education. Dordrecht: Kluwer Academic Publishers, 2000 JACOB, Priscila Lima; Et. Al. Formação de conceitos científicos em Biologia através de atividades teórico-práticas. XI Encontro de Extensão, XII encontro de Iniciação a docência, UFPB, KRASILCHIK, Myriam. Prática de Ensino de Biologia. 6.ed. São Paulo: Edusp, MIRANDA, Simão de. No Fascínio do jogo, a alegria de aprender. Ciência Hoje, São Paulo, v.28, p.64-66, jan KLEIN, T. A. da S.; OLIVEIRA, V. L. B. de; PEGORARO O. M. E.; CUPELLI, R. L. Oficinas pedagógicas: uma proposta para a formação continuada de professores de biologia. In: Anais do V Encontro Nacional de Pesquisa em Educação em Ciências, n 5, 2005, p (completar nomes) RANGEL, Egon. Livro didático de língua portuguesa: o retorno do recalcado. In: DIONISIO, Ângela Paiva; BEZERRA, Maria Auxiliadora. O livro didático de português: múltiplos olhares. Rio de Janeiro: Lucerna, SANTOS, Priscila Carmona. A utilização de recursos audiovisuais no ensino de ciências: Tendências entre 1997 e Dissertação (Mestrado em Educação) - Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo, São Paulo: SOUZA, Salete Eduardo. O uso de recursos didáticos no ensino escolar. In: I ENCONTRO DE PESQUISA EM EDUCAÇAO, IV JORNADA DE PRÁTICA DE ENSINO, XIII SEMANA DE PEDAGOGIA DA UEM: INFANCIA E PRATICAS EDUCATIVAS. Maringá, PR, XAVIER, Klerton Rodrigues Forte, et. al. O uso de materiais biológicos como elementos facilitadores do processo de ensino e aprendizagem em atividades teórico-práticas. IX Encontro de Extensão, X encontro de Iniciação a docência, UFPB, ZUANON, Átima Clemente Alves; DINIZ, Raphael Hermano Santos; NASCIMENTO, Luiziane Helena do. Construção de jogos didáticos para o ensino de Biologia: um recurso para integração dos alunos à prática docente. R. B. E. C. T., vol 3, núm 3, set./dez

O USO DA INTERNET E SUA INFLUÊNCIA NA APRENDIZAGEM COLABORATIVA DE ALUNOS E PROFESSORES NUMA ESCOLA PÚBLICA DE MACEIÓ

O USO DA INTERNET E SUA INFLUÊNCIA NA APRENDIZAGEM COLABORATIVA DE ALUNOS E PROFESSORES NUMA ESCOLA PÚBLICA DE MACEIÓ O USO DA INTERNET E SUA INFLUÊNCIA NA APRENDIZAGEM COLABORATIVA DE ALUNOS E PROFESSORES NUMA ESCOLA PÚBLICA DE MACEIÓ Rose Maria Bastos Farias (UFAL) rmbfarias@hotmail.com RESUMO: Trata-se de uma pesquisa

Leia mais

OS RECURSOS AUDIOVISUAIS NO ESPAÇO ESCOLAR

OS RECURSOS AUDIOVISUAIS NO ESPAÇO ESCOLAR OS RECURSOS AUDIOVISUAIS NO ESPAÇO ESCOLAR Fundação Universidade Federal do Tocantins Maria Jose de Pinho mjpgon@mail.uft.edu.br Professora orientadora do PIBIC pedagogia Edieide Rodrigues Araújo Acadêmica

Leia mais

O USO DO SOFTWARE GEOGEBRA COMO METODOLOGIA DE ENSINO DE MATEMÁTICA NO 9º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL DO COLÉGIO SÃO JOÃO BATISTA, CEDRO-CE

O USO DO SOFTWARE GEOGEBRA COMO METODOLOGIA DE ENSINO DE MATEMÁTICA NO 9º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL DO COLÉGIO SÃO JOÃO BATISTA, CEDRO-CE O USO DO SOFTWARE GEOGEBRA COMO METODOLOGIA DE ENSINO DE MATEMÁTICA NO 9º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL DO COLÉGIO SÃO JOÃO BATISTA, CEDRO-CE ¹C. J. F. Souza (ID); ¹M. Y. S. Costa (ID); ²A. M. Macêdo (CA)

Leia mais

Pesquisa com Professores de Escolas e com Alunos da Graduação em Matemática

Pesquisa com Professores de Escolas e com Alunos da Graduação em Matemática Pesquisa com Professores de Escolas e com Alunos da Graduação em Matemática Rene Baltazar Introdução Serão abordados, neste trabalho, significados e características de Professor Pesquisador e as conseqüências,

Leia mais

Oficina de jogos pedagógicos de ensino de ecologia e educação ambiental como estratégia de ensino na formação de professores

Oficina de jogos pedagógicos de ensino de ecologia e educação ambiental como estratégia de ensino na formação de professores Oficina de jogos pedagógicos de ensino de ecologia e educação ambiental como estratégia de ensino na formação de professores Pedagogical games workshop of ecology teaching and environmental education as

Leia mais

CONSTRUÇÃO DE JOGOS DIDÁTICOS NA DISCIPLINA DE FISIOLOGIA VEGETAL E SUA CONTRIBUIÇÃO PARA A FORMAÇÃO DOCENTE EM CIÊNCIAS BIOLÓGICAS

CONSTRUÇÃO DE JOGOS DIDÁTICOS NA DISCIPLINA DE FISIOLOGIA VEGETAL E SUA CONTRIBUIÇÃO PARA A FORMAÇÃO DOCENTE EM CIÊNCIAS BIOLÓGICAS Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 736 CONSTRUÇÃO DE JOGOS DIDÁTICOS NA DISCIPLINA DE FISIOLOGIA VEGETAL E SUA CONTRIBUIÇÃO PARA A FORMAÇÃO DOCENTE EM

Leia mais

USO DA INFORMÁTICA COMO FERRAMENTA DIDÁTICA NO ENSINO DE CIÊNCIAS NO 9º ANO

USO DA INFORMÁTICA COMO FERRAMENTA DIDÁTICA NO ENSINO DE CIÊNCIAS NO 9º ANO USO DA INFORMÁTICA COMO FERRAMENTA DIDÁTICA NO ENSINO DE CIÊNCIAS NO 9º ANO Luciano Bernardo Ramo; Maria Betania Hermenegildo dos Santos Universidade Federal da Paraíba. luciano_bernardo95@hotmail.com

Leia mais

RELATO DO PROJETO OBSERVATÓRIO DA EDUCAÇÃO. GT 06 Formação de professores de Matemática: práticas, saberes e desenvolvimento profissional

RELATO DO PROJETO OBSERVATÓRIO DA EDUCAÇÃO. GT 06 Formação de professores de Matemática: práticas, saberes e desenvolvimento profissional RELATO DO PROJETO OBSERVATÓRIO DA EDUCAÇÃO GT 06 Formação de professores de Matemática: práticas, saberes e desenvolvimento profissional Maria Madalena Dullius, madalena@univates.br Daniela Cristina Schossler,

Leia mais

UMA PROPOSTA PARA INTEGRAÇÃO DAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO NAS LICENCIATURAS EM MATEMÁTICA

UMA PROPOSTA PARA INTEGRAÇÃO DAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO NAS LICENCIATURAS EM MATEMÁTICA 1 UMA PROPOSTA PARA INTEGRAÇÃO DAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO NAS LICENCIATURAS EM MATEMÁTICA Resumo. Este artigo apresenta os resultados de uma pesquisa realizada nas Instituições de Ensino

Leia mais

ESTRATÉGIAS PEDAGÓGICAS DO ENSINO DE CIÊNCIAS NO FUNDAMENTAL I: UMA ANÁLISE A PARTIR DE DISSERTAÇÕES

ESTRATÉGIAS PEDAGÓGICAS DO ENSINO DE CIÊNCIAS NO FUNDAMENTAL I: UMA ANÁLISE A PARTIR DE DISSERTAÇÕES ESTRATÉGIAS PEDAGÓGICAS DO ENSINO DE CIÊNCIAS NO FUNDAMENTAL I: UMA ANÁLISE A PARTIR DE DISSERTAÇÕES Tamiris Andrade Nascimento (Mestranda do Programa Educação Cientifica e Formação de Professores da Universidade

Leia mais

A UTILIZAÇÃO DO LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA PELOS DOCENTES COMO UMA FERRAMENTA DE ENSINO

A UTILIZAÇÃO DO LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA PELOS DOCENTES COMO UMA FERRAMENTA DE ENSINO A UTILIZAÇÃO DO LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA PELOS DOCENTES COMO UMA FERRAMENTA DE ENSINO Maria Dasdores Vieira de França marri_ce@hotmail.com Programa de Pós-Graduação em Educação Universidade Federal de

Leia mais

Palavras-chave: Fisioterapia; Educação Superior; Tecnologias de Informação e Comunicação; Práticas pedagógicas.

Palavras-chave: Fisioterapia; Educação Superior; Tecnologias de Informação e Comunicação; Práticas pedagógicas. A INTERAÇÃO DOS PROFESSORES DO CURSO DE FISIOTERAPIA COM AS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO NO PROCESSO PEDAGÓGICO Heloisa Galdino Gumueiro Ribeiro 1, Prof. Dirce Aparecida Foletto De Moraes 2

Leia mais

O ENSINO DE EDUCAÇÃO FINANCEIRA NA EDUCAÇÃO DOS JOVENS E ADULTOS EM UMA ABORDAGEM CTS 1. Educação Matemática na Educação de Jovens e Adultos GT 11

O ENSINO DE EDUCAÇÃO FINANCEIRA NA EDUCAÇÃO DOS JOVENS E ADULTOS EM UMA ABORDAGEM CTS 1. Educação Matemática na Educação de Jovens e Adultos GT 11 O ENSINO DE EDUCAÇÃO FINANCEIRA NA EDUCAÇÃO DOS JOVENS E ADULTOS EM UMA ABORDAGEM CTS 1 Educação Matemática na Educação de Jovens e Adultos GT 11 Ana Luiza Araujo COSTA anaepietro26@gmail.com Maria Simone

Leia mais

UM PROJETO COMO CATALISADOR DA INTERDISCIPLINARIDADE NO ENSINO DE CIÊNCIAS 1

UM PROJETO COMO CATALISADOR DA INTERDISCIPLINARIDADE NO ENSINO DE CIÊNCIAS 1 UM PROJETO COMO CATALISADOR DA INTERDISCIPLINARIDADE NO ENSINO DE CIÊNCIAS 1 Christian Dias Azambuja christian.dias.92@gmail.com Bianca Silveira silveirabianca41@gmail.com Geovânia dos Santos geovania_dos_santos@hotmail.com

Leia mais

Música e inclusão: a formação de professores de música para o trabalho com alunos com deficiência visual Raphael Ota 1, Vânia Gizele Malagutti 2

Música e inclusão: a formação de professores de música para o trabalho com alunos com deficiência visual Raphael Ota 1, Vânia Gizele Malagutti 2 Música e inclusão: a formação de professores de música para o trabalho com alunos com deficiência visual Raphael Ota 1, Vânia Gizele Malagutti 2 Resumo: Este trabalho tem por objetivo relatar a experiência

Leia mais

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EDUCAÇÃO INCLUSIVA 400h. Estrutura Curricular do Curso Disciplinas

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EDUCAÇÃO INCLUSIVA 400h. Estrutura Curricular do Curso Disciplinas CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EDUCAÇÃO INCLUSIVA 400h Ética profissional na Educação Fundamentos históricos, conceitos, sociais e legais na Educação Inclusiva Legislação Aplicável na Educação Inclusiva Fundamentos

Leia mais

FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE CIÊNCIAS QUANTO ÀS TEMÁTICAS ASTRONOMIA E INFORMÁTICA: REFLEXÕES E POSSIBILIDADES

FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE CIÊNCIAS QUANTO ÀS TEMÁTICAS ASTRONOMIA E INFORMÁTICA: REFLEXÕES E POSSIBILIDADES 945 FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE CIÊNCIAS QUANTO ÀS TEMÁTICAS ASTRONOMIA E INFORMÁTICA: REFLEXÕES E POSSIBILIDADES Fernando Temporini Frederico 1, Dulcinéia Ester Pagani Gianoto 2 1 Mestrado em Educação

Leia mais

Ensinar ciências fazendo ciência com professores e alunos da educação básica

Ensinar ciências fazendo ciência com professores e alunos da educação básica Ensinar ciências fazendo ciência com professores e alunos da educação básica Pavão, Antonio, C.¹, Rocha, Claudiane, F..S.², Silva, Ana, P.³ Espaço Ciência - www.espacociencia.pe.gov.br pavao@ufpe.br¹,

Leia mais

DOCÊNCIA ASSISTIDA NO ENSINO SUPERIOR: EXPERIÊNCIA NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES NO CURSO DE MÚSICA LICENCIATURA DA UFRN

DOCÊNCIA ASSISTIDA NO ENSINO SUPERIOR: EXPERIÊNCIA NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES NO CURSO DE MÚSICA LICENCIATURA DA UFRN DOCÊNCIA ASSISTIDA NO ENSINO SUPERIOR: EXPERIÊNCIA NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES NO CURSO DE MÚSICA LICENCIATURA DA UFRN Autor: Anne Charlyenne Saraiva Campos; Co-autor: Emerson Carpegiane de Souza Martins

Leia mais

A EXTENSÃO EM MATEMÁTICA: UMA PRÁTICA DESENVOLVIDA NA COMUNIDADE ESCOLAR. GT 05 Educação Matemática: tecnologias informáticas e educação à distância

A EXTENSÃO EM MATEMÁTICA: UMA PRÁTICA DESENVOLVIDA NA COMUNIDADE ESCOLAR. GT 05 Educação Matemática: tecnologias informáticas e educação à distância A EXTENSÃO EM MATEMÁTICA: UMA PRÁTICA DESENVOLVIDA NA COMUNIDADE ESCOLAR GT 05 Educação Matemática: tecnologias informáticas e educação à distância Nilce Fátima Scheffer - URI-Campus de Erechim/RS - snilce@uri.com.br

Leia mais

Procuramos verificar o que propõem alguns professores que ministram disciplinas relacionadas aos temas em questão nos cursos de licenciatura em

Procuramos verificar o que propõem alguns professores que ministram disciplinas relacionadas aos temas em questão nos cursos de licenciatura em A SISTEMATIZAÇÃO DOS CONTEÚDOS DA EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR RELACIONADA AOS TEMAS JOGOS E BRINCADEIRAS E CAPOEIRA, NA PERSPECTIVA DE DOCENTES DO ENSINO SUPERIOR André Barros Laércio Iório Luciana Venâncio

Leia mais

EaD como estratégia de capacitação

EaD como estratégia de capacitação EaD como estratégia de capacitação A EaD no processo Ensino Aprendizagem O desenvolvimento das tecnologias de informação e comunicação (tics) deu novo impulso a EaD, colocando-a em evidência na última

Leia mais

PESQUISA AÇÃO: ACOMPANHANDO OS IMPACTOS DO PIBID NA FORMAÇÃO DOCENTE

PESQUISA AÇÃO: ACOMPANHANDO OS IMPACTOS DO PIBID NA FORMAÇÃO DOCENTE PESQUISA AÇÃO: ACOMPANHANDO OS IMPACTOS DO PIBID NA FORMAÇÃO DOCENTE Rafaela Souza SANTOS, Valquiria Rodrigues do NASCIMENTO, Dayane Graciele dos SANTOS, Tamíris Divina Clemente URATA, Simara Maria Tavares

Leia mais

LUDICIDADE EM SALA DE AULA: O JOGO DA PIRÂMIDE ALIMENTAR COMO UMA PROPOSTA PARA O ESTUDO DOS ALIMENTOS E DA NUTRIÇÃO NO ENSINO MÉDIO

LUDICIDADE EM SALA DE AULA: O JOGO DA PIRÂMIDE ALIMENTAR COMO UMA PROPOSTA PARA O ESTUDO DOS ALIMENTOS E DA NUTRIÇÃO NO ENSINO MÉDIO LUDICIDADE EM SALA DE AULA: O JOGO DA PIRÂMIDE ALIMENTAR COMO UMA PROPOSTA PARA O ESTUDO DOS ALIMENTOS E DA NUTRIÇÃO NO ENSINO MÉDIO Luciana Araújo Montenegro (Universidade Federal do Rio Grande do Norte)

Leia mais

ENSINO DE FÍSICA EM ANGICAL DO PIAUÍ PI: EM BUSCA DA FORMAÇÃO DOS PROFESSORES E DE METODOLOGIAS EFICAZES

ENSINO DE FÍSICA EM ANGICAL DO PIAUÍ PI: EM BUSCA DA FORMAÇÃO DOS PROFESSORES E DE METODOLOGIAS EFICAZES ENSINO DE FÍSICA EM ANGICAL DO PIAUÍ PI: EM BUSCA DA FORMAÇÃO DOS PROFESSORES E DE METODOLOGIAS EFICAZES MARCELA NEIVA SOUSA 1 SAMARA MARIA VIANA DA SILVA 2 RESUMO O presente artigo tem como objetivo investigar

Leia mais

BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR DA EDUCAÇÃO INFANTIL

BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR DA EDUCAÇÃO INFANTIL BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR DA EDUCAÇÃO INFANTIL 1988 CONSTITUIÇÃO FEDERAL ANTECEDENTES Art. 210. Serão fixados conteúdos mínimos para o ensino fundamental, de maneira a assegurar formação básica comum

Leia mais

CIÊNCIA ENCANTADA POR MEIO DE JOGOS DIDÁTICOS: UMA EXPERIÊNCIA NO ESTÁGIO DO 9º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL

CIÊNCIA ENCANTADA POR MEIO DE JOGOS DIDÁTICOS: UMA EXPERIÊNCIA NO ESTÁGIO DO 9º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL CIÊNCIA ENCANTADA POR MEIO DE JOGOS DIDÁTICOS: UMA EXPERIÊNCIA NO ESTÁGIO DO 9º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL Waldemar Borges de OLIVEIRA JUNIOR 1 waldemarjuniorcn@gmail.com Luzilene Cordeiro PEREIRA 1 lenecpereira@yahoo.com.br

Leia mais

O MINISTRO DE ESTADO DA EDUCAÇÃO

O MINISTRO DE ESTADO DA EDUCAÇÃO Portaria nº 808, de 8 de junho de 00. Aprova o instrumento de avaliação para reconhecimento de Cursos Pedagogia, no âmbito do Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior - SINAES. O MINISTRO DE

Leia mais

LIVRO POP-UP NO ENSINO DE CIÊNCIAS: UMA OFICINA COM PROFESSORES DO ENSINO BÁSICO

LIVRO POP-UP NO ENSINO DE CIÊNCIAS: UMA OFICINA COM PROFESSORES DO ENSINO BÁSICO LIVRO POP-UP NO ENSINO DE CIÊNCIAS: UMA OFICINA COM PROFESSORES DO ENSINO BÁSICO Kaline Soares de Oliveira (Mestranda do Programa de Pós-graduação em Ensino de Ciências Naturais e Matemática UFRN) Maria

Leia mais

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓCIO: 2010. Carga Horária Semestral: 80 Semestre do Curso: 6º

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓCIO: 2010. Carga Horária Semestral: 80 Semestre do Curso: 6º PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓCIO: 2010 Curso: Pedagogia Disciplina: Conteúdos e Metodologia de Ciências Carga Horária Semestral: 80 Semestre do Curso: 6º 1 - Ementa (sumário, resumo) Conteúdos e fundamentos

Leia mais

História e ensino da tabela periódica através de jogo educativo

História e ensino da tabela periódica através de jogo educativo História e ensino da tabela periódica através de jogo educativo Caroline Gomes Romano e-mail: carolgromano@hotmail.com Ana Letícia Carvalho e-mail: anale.carvalho03@gmail.com Isabella Domingues Mattano

Leia mais

PNAIC. CEAD-UFOP: Coordenadora Geral: Profa. Dra. Gláucia Jorge Coordenador Adjunto: Prof. Dr. Hércules Corrêa

PNAIC. CEAD-UFOP: Coordenadora Geral: Profa. Dra. Gláucia Jorge Coordenador Adjunto: Prof. Dr. Hércules Corrêa PNAIC POLO DE POÇOS OS DE CALDAS Equipe do PNAIC-CEAD CEAD-UFOP: Coordenadora Geral: Profa. Dra. Gláucia Jorge Coordenador Adjunto: Prof. Dr. Hércules Corrêa Supervisão de avaliação ão: Profa. Dra. Carla

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO COORDENAÇÃO DE APERFEIÇOAMENTO DE PESSOAL DE NÍVEL SUPERIOR DIRETORIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA PRESENCIAL DEB

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO COORDENAÇÃO DE APERFEIÇOAMENTO DE PESSOAL DE NÍVEL SUPERIOR DIRETORIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA PRESENCIAL DEB MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO COORDENAÇÃO DE APERFEIÇOAMENTO DE PESSOAL DE NÍVEL SUPERIOR DIRETORIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA PRESENCIAL DEB ANEXO II EDITAL Nº 001/2011/CAPES PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO

Leia mais

AVALIAÇÃO DA UNIDADE CURRICULAR ADMINISTRAÇÃO GERAL E ECONOMIA NUM CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM

AVALIAÇÃO DA UNIDADE CURRICULAR ADMINISTRAÇÃO GERAL E ECONOMIA NUM CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM AVALIAÇÃO DA UNIDADE CURRICULAR ADMINISTRAÇÃO GERAL E ECONOMIA NUM CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM Resumo Maria Aparecida de Oliveira Freitas 1 - EPE/UNIFESP Rosana Rodrigues Figueira Fogliano 2 - EPE/UNIFESP

Leia mais

AÇÕES DO PROGRAMA ARTE E MATEMÁTICA: POSSIBILIDADES INTERDISCIPLINARES NA EDUCAÇÃO BÁSICA

AÇÕES DO PROGRAMA ARTE E MATEMÁTICA: POSSIBILIDADES INTERDISCIPLINARES NA EDUCAÇÃO BÁSICA ISSN 2316-7785 AÇÕES DO PROGRAMA ARTE E MATEMÁTICA: POSSIBILIDADES INTERDISCIPLINARES NA EDUCAÇÃO BÁSICA Resumo Tiago Dziekaniak Figueiredo Universidade Federal do Rio Grande FURG tiago@furg.br José Alexandre

Leia mais

GUIA DE IMPLEMENTAÇÃO DO CURRICULO ANO 2 - APROFUNDAMENTO

GUIA DE IMPLEMENTAÇÃO DO CURRICULO ANO 2 - APROFUNDAMENTO ESTRUTURA GERAL DOS ROTEIROS DE ESTUDOS QUINZENAL Os roteiros de estudos, cujo foco está destacado nas palavras chaves, estão organizados em três momentos distintos: 1º MOMENTO - FUNDAMENTOS TEÓRICOS -

Leia mais

Título: A formação do professor para o uso do jornal na sala de aula no ensino

Título: A formação do professor para o uso do jornal na sala de aula no ensino Título: A formação do professor para o uso do jornal na sala de aula no ensino fundamental Resumo O projeto de iniciação científica está vinculado à pesquisa Uso do jornal em sala de aula e compreensão

Leia mais

CONTEÚDOS ATITUDINAIS E PROCEDIMENTAIS NO ENSINO DA METAMORFOSE DE BORBOLETAS

CONTEÚDOS ATITUDINAIS E PROCEDIMENTAIS NO ENSINO DA METAMORFOSE DE BORBOLETAS IX CONGRESO INTERNACIONAL SOBRE INVESTIGACIÓN EN DIDÁCTICA DE LAS CIENCIAS Girona, 9-12 de septiembre de 2013 COMUNICACIÓN CONTEÚDOS ATITUDINAIS E PROCEDIMENTAIS NO ENSINO DA METAMORFOSE DE BORBOLETAS

Leia mais

Cronograma do IV SID

Cronograma do IV SID 06/10 07/10 08/10 De 15h às 17h - Investigando As Expectativas Dos Alunos Da Escola Estadual Evandro Ávila Quanto À Construção De Um Projeto De Educação Ambiental (Biologia) - Ensino De Ciências Para Alunos

Leia mais

REDES SOCIAIS COMO AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM PARA O ENSINO DE CIÊNCIAS DA NATUREZA

REDES SOCIAIS COMO AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM PARA O ENSINO DE CIÊNCIAS DA NATUREZA REDES SOCIAIS COMO AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM PARA O ENSINO DE CIÊNCIAS DA NATUREZA Guilherme Garcez Cunha, UNIPAMPA Campus Dom Pedrito, guilhermecunha@unipampa.edu.br; Franciele B. de O. Coelho,

Leia mais

FUNDAÇÃO CARMELITANA MÁRIO PALMÉRIO FACIHUS FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS Educação de qualidade ao seu alcance

FUNDAÇÃO CARMELITANA MÁRIO PALMÉRIO FACIHUS FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS Educação de qualidade ao seu alcance SUBPROJETO: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS Formação de professores de Biologia e a prática docente no contexto do ensino por investigação INTRODUÇÃO Para superar os entraves que dificultam a construção do ensino

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE Projeto de Extensão. Blog. Participação do público alvo.

PALAVRAS-CHAVE Projeto de Extensão. Blog. Participação do público alvo. 13. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( X) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA

Leia mais

CONCEPÇÕES MATEMÁTICA APRESENTADAS POR PROFESSORES DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM PSICOPEDAGOGIA

CONCEPÇÕES MATEMÁTICA APRESENTADAS POR PROFESSORES DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM PSICOPEDAGOGIA CONCEPÇÕES MATEMÁTICA APRESENTADAS POR PROFESSORES DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM PSICOPEDAGOGIA Jacqueline Oliveira de Melo Gomes Faculdade de Formação de Professores da Mata Sul / FAMASUL-PE jacomgomes@yahoo.com.br

Leia mais

Educação Física Escolar: análise do cotidiano pedagógico e possibilidades de intervenção

Educação Física Escolar: análise do cotidiano pedagógico e possibilidades de intervenção Educação Física Escolar: análise do cotidiano pedagógico e possibilidades de intervenção Silvia Christina Madrid Finck E-mail: scmfinck@ uol.com.br Resumo: Este artigo refere-se ao projeto de pesquisa

Leia mais

DESENVOLVIMENTO E APLICAÇÃO DE UM JOGO EDUCATIVO COMO AUXÍLIO PARA O ENSINO DA TABELA PERIÓDICA

DESENVOLVIMENTO E APLICAÇÃO DE UM JOGO EDUCATIVO COMO AUXÍLIO PARA O ENSINO DA TABELA PERIÓDICA DESENVOLVIMENTO E APLICAÇÃO DE UM JOGO EDUCATIVO COMO AUXÍLIO PARA O ENSINO DA TABELA PERIÓDICA Hellen Regina Guimarães da Silva, Janelene Freire Diniz, Yasmim Mendes Souto, Verônica Evangelista de Lima

Leia mais

FÍSICA BRINCANDO E APRENDENDO (FI.BR.A.): DEMOSTRAÇÕES EXPERIMENTAIS, MOTIVANDO O APRENDIZADO DE FÍSICA NO ENSINO MÉDIO

FÍSICA BRINCANDO E APRENDENDO (FI.BR.A.): DEMOSTRAÇÕES EXPERIMENTAIS, MOTIVANDO O APRENDIZADO DE FÍSICA NO ENSINO MÉDIO FÍSICA BRINCANDO E APRENDENDO (FI.BR.A.): DEMOSTRAÇÕES EXPERIMENTAIS, MOTIVANDO O APRENDIZADO DE FÍSICA NO ENSINO MÉDIO Área Temática: Educação: Educação Básica, Ensino Médio Equipe Executora: Antonio

Leia mais

O LUDICO NA MATEMÁTICA: UMA PROPOSTA DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA

O LUDICO NA MATEMÁTICA: UMA PROPOSTA DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA O LUDICO NA MATEMÁTICA: UMA PROPOSTA DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA Thaís Koseki Salgueiro 1 ; Ms. Ozilia Geraldini Burgo 2 RESUMO: Este projeto tem como objetivo apresentar o trabalho de campo desenvolvido

Leia mais

OS CONHECIMENTOS DE ACADÊMICOS DE EDUCAÇÃO FÍSICA E SUA IMPLICAÇÃO PARA A PRÁTICA DOCENTE

OS CONHECIMENTOS DE ACADÊMICOS DE EDUCAÇÃO FÍSICA E SUA IMPLICAÇÃO PARA A PRÁTICA DOCENTE OS CONHECIMENTOS DE ACADÊMICOS DE EDUCAÇÃO FÍSICA E SUA IMPLICAÇÃO PARA A PRÁTICA DOCENTE Maria Cristina Kogut - PUCPR RESUMO Há uma preocupação por parte da sociedade com a atuação da escola e do professor,

Leia mais

ATIVIDADES EXPERIMENTAIS PARA O ESTUDO DA ASTRONOMIA: CONSTRUINDO O SISTEMA SOLAR REDUZIDO

ATIVIDADES EXPERIMENTAIS PARA O ESTUDO DA ASTRONOMIA: CONSTRUINDO O SISTEMA SOLAR REDUZIDO ATIVIDADES EXPERIMENTAIS PARA O ESTUDO DA ASTRONOMIA: CONSTRUINDO O SISTEMA SOLAR REDUZIDO José da Silva de Lima¹; José Rodolfo Neves da Silva²; Renally Gonçalves da Silva³; Alessandro Frederico da Silveira

Leia mais

METODOLOGIA PARA O ENSINO DA MATEMÁTICA: UM OLHAR A PARTIR DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO

METODOLOGIA PARA O ENSINO DA MATEMÁTICA: UM OLHAR A PARTIR DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO METODOLOGIA PARA O ENSINO DA MATEMÁTICA: UM OLHAR A PARTIR DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO Flávia Nascimento de Oliveira flavinhamatematica@hotmail.com Rivânia Fernandes da Costa Dantas rivafern@hotmail.com

Leia mais

PERCEPÇÃO SOBRE A IMPORTÂNCIA DE MAQUETES NA EDUCAÇÃO INTERATIVA

PERCEPÇÃO SOBRE A IMPORTÂNCIA DE MAQUETES NA EDUCAÇÃO INTERATIVA PERCEPÇÃO SOBRE A IMPORTÂNCIA DE MAQUETES NA EDUCAÇÃO INTERATIVA DIAS, A. C. 1 ; CAVERSAN, B. 1 ; SILVA, K. A. da. 1 ; SILVA, J. F. da. 1 ; SILVA, C. V. da. 2 1 Discentes do Curso de Ciências Biológicas

Leia mais

FORMAÇÃO DE PROFESSORES QUE ENSINAM MATEMÁTICA

FORMAÇÃO DE PROFESSORES QUE ENSINAM MATEMÁTICA FORMAÇÃO DE PROFESSORES QUE ENSINAM MATEMÁTICA Fabiana de Jesus Oliveira União de Ensino do Sudoeste do Paraná fabiana@unisep.edu.br Diversas são as pesquisas que têm mostrado que o ensino encontra-se

Leia mais

PROFESSORES DE CIÊNCIAS E SUAS ATUAÇÕES PEDAGÓGICAS

PROFESSORES DE CIÊNCIAS E SUAS ATUAÇÕES PEDAGÓGICAS PROFESSORES DE CIÊNCIAS E SUAS ATUAÇÕES PEDAGÓGICAS PIAIA, Thaís; RICHTER, Luciana Iniciação Científica - Curso de Ciências Biológicas financiado pelo Programa PEIPSM/UFSM Universidade Federal de Santa

Leia mais

INSTITUTO SINGULARIDADES CURSO PEDAGOGIA MATRIZ CURRICULAR POR ANO E SEMESTRE DE CURSO

INSTITUTO SINGULARIDADES CURSO PEDAGOGIA MATRIZ CURRICULAR POR ANO E SEMESTRE DE CURSO INSTITUTO SINGULARIDADES CURSO PEDAGOGIA MATRIZ CURRICULAR POR ANO E SEMESTRE DE CURSO 1º N1 1. Espaços e Práticas Culturais 40h N1 2. Oficina de Artes Visuais 80h N1 3. Prática de Leitura e escrita 80h

Leia mais

X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010

X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010 PESQUISA E PRODUÇÃO DE MATERIAL DE APOIO REGIONAL AOS DOCENTES DA EDUCAÇÃO INFANTIL E SÉRIES INICIAIS Aldaiza Sudré Pereira Universidade Federal do Tocantins aldaizasudre@hotmail.com José Ricardo e Souza

Leia mais

Palavras Chaves: Monitorias; Jogos; Resolução de Problemas.

Palavras Chaves: Monitorias; Jogos; Resolução de Problemas. 1 Resumo Este trabalho se refere a um projeto do Programa de Iniciação à Docência (PIBID) que é realizado com alunos das séries finais do Ensino Fundamental em uma escola municipal da cidade de Jataí-GO.

Leia mais

Fundação Carmelitana Mário Palmério - FUCAMP Faculdade de Ciências Humanas e Sociais - FACIHUS Educação de qualidade ao seu alcance

Fundação Carmelitana Mário Palmério - FUCAMP Faculdade de Ciências Humanas e Sociais - FACIHUS Educação de qualidade ao seu alcance SUBPROJETO DE LETRAS PORTUGUÊS/ESPANHOL O ensino da língua espanhola no contexto da escola pública INTRODUÇÃO Este plano procura articular-se de forma integrada com o plano de trabalho institucional, que

Leia mais

DESCOBRINDO O SEGREDO DAS FÓRMULAS DE ÁREA

DESCOBRINDO O SEGREDO DAS FÓRMULAS DE ÁREA DESCOBRINDO O SEGREDO DAS FÓRMULAS DE ÁREA Antonia Natanayana Lima Mesquita Universidade do Estado da Bahia - UNEB natanayana@hotmail.com Daniela Batista Santos Universidade do Estado da Bahia - UNEB dansantosd@yahoo.com.br

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO-OESTE - UNICENTRO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MÍDIAS NA EDUCAÇÃO

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO-OESTE - UNICENTRO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MÍDIAS NA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO-OESTE - UNICENTRO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MÍDIAS NA EDUCAÇÃO FERNANDA SERRER ORIENTADOR(A): PROFESSOR(A) STOP MOTION RECURSO MIDIÁTICO NO PROCESSO DE ENSINO E DE APRENDIZAGEM

Leia mais

A DANÇA NO ENSINO FUNDAMENTAL: UMA EXPERIÊNCIA COM O ESTILO HIP-HOP 1

A DANÇA NO ENSINO FUNDAMENTAL: UMA EXPERIÊNCIA COM O ESTILO HIP-HOP 1 A DANÇA NO ENSINO FUNDAMENTAL: UMA EXPERIÊNCIA COM O ESTILO HIP-HOP 1 Claudiane da S. EUSTACHIO Dayana Pires Alves GARCIA Fátima RODRIGUES Jean de J. SANTANA 2 Juliana CESANA 3 Ana Lucia de Carvalho MARQUES

Leia mais

CADEIA ALIMENTAR: ATIVIDADE DIDÁTICA EM UMA ESCOLA PÚBLICA NA CIDADE DE PARNAÍBA-PI

CADEIA ALIMENTAR: ATIVIDADE DIDÁTICA EM UMA ESCOLA PÚBLICA NA CIDADE DE PARNAÍBA-PI CADEIA ALIMENTAR: ATIVIDADE DIDÁTICA EM UMA ESCOLA PÚBLICA NA CIDADE DE PARNAÍBA-PI Thaynara Fontenele de Oliveira (Universidade Federal do Piauí UFPI/CMRV) Email: thaynarafontenele@outlook.com Maria das

Leia mais

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2010.2

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2010.2 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL Fase: 1ª Carga Horária: 30 h/a Prática: 30 h/a Créditos: 4 A biologia educacional e os fundamentos da educação. As bases biológicas do crescimento e desenvolvimento humano. A dimensão

Leia mais

USO DE ATIVIDADES EXPERIMENTAIS COMO ESTRATÉGIA DE ENSINO DE CIÊNCIAS DHALIDA MORGANNA RODRIGUES DE SALES & FLAVIA PEREIRA DA SILVA

USO DE ATIVIDADES EXPERIMENTAIS COMO ESTRATÉGIA DE ENSINO DE CIÊNCIAS DHALIDA MORGANNA RODRIGUES DE SALES & FLAVIA PEREIRA DA SILVA 1 USO DE ATIVIDADES EXPERIMENTAIS COMO ESTRATÉGIA DE ENSINO DE CIÊNCIAS DHALIDA MORGANNA RODRIGUES DE SALES & FLAVIA PEREIRA DA SILVA Introdução Atualmente nas escolas o ensino de Ciências Naturais tem

Leia mais

INCLUSÃO SOCIAL DE SURDOS PELA CIÊNCIA: DESENVOLVIMENTO DE UMA ABORDAGEM EXPERIMENTAL DE ENSINO

INCLUSÃO SOCIAL DE SURDOS PELA CIÊNCIA: DESENVOLVIMENTO DE UMA ABORDAGEM EXPERIMENTAL DE ENSINO INCLUSÃO SOCIAL DE SURDOS PELA CIÊNCIA: DESENVOLVIMENTO DE UMA ABORDAGEM EXPERIMENTAL DE ENSINO CRUZ 1, Anne Izbelle Soares; SILVA 2, Palloma Farias; RODRIGUES-MASCARENHAS 3, Sandra. Centro de Biotecnologia/

Leia mais

PLANO DE ENSINO E ESTRATÉGIAS

PLANO DE ENSINO E ESTRATÉGIAS PLANO DE ENSINO E ESTRATÉGIAS Profª. Msc. Clara Maria Furtado claramaria@terra.com.br clara@unifebe.edu.br PLANEJAMENTO Representa uma organização de ações em direção a objetivos bem definidos, dos recursos

Leia mais

PROJETO XADREZ NA ESCOLA. Palavras-Chave: Xadrez, Ferramenta de Aprendizagem e Matemática.

PROJETO XADREZ NA ESCOLA. Palavras-Chave: Xadrez, Ferramenta de Aprendizagem e Matemática. PROJETO XADREZ NA ESCOLA FERREIRA, Massako Saiki Alves 1 SILVA, Lázaro Fernando Rodrigues 2 Palavras-Chave: Xadrez, Ferramenta de Aprendizagem e Matemática. Introdução O Ensino de Xadrez é defendido por

Leia mais

FORMAÇÃO CONTINUADA CAMINHOS PARA O ENSINO

FORMAÇÃO CONTINUADA CAMINHOS PARA O ENSINO FORMAÇÃO CONTINUADA CAMINHOS PARA O ENSINO SUPERIOR PLANO DE ENSINO E ESTRATÉGIAS Profª Msc. Clara Maria Furtado PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO CURRÍCULO ORGANIZAÇÃO CURRICULAR PLANEJAMENTO DO CURSO OBJETIVOS

Leia mais

PLAYGROUND DA MATEMÁTICA: UM PROGRAMA DE EXTENSÃO VOLTADO PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL

PLAYGROUND DA MATEMÁTICA: UM PROGRAMA DE EXTENSÃO VOLTADO PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL ISSN 2316-7785 PLAYGROUND DA MATEMÁTICA: UM PROGRAMA DE EXTENSÃO VOLTADO PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL Ivanete Zuchi Siple ivazuchi@gmail.com Marnei Mandler mmandler@gmail.com Tatiana Comiotto Menestrina comiotto.tatiana@gmail.com

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES DO PIBID BIOLOGIA NO PROCESSO DE ENSINO- APRENDIZAGEM DE ALUNOS DE UMA ESCOLA DA EDUCAÇÃO BÁSICA: RELATO DE EXPERIÊNCIA

CONTRIBUIÇÕES DO PIBID BIOLOGIA NO PROCESSO DE ENSINO- APRENDIZAGEM DE ALUNOS DE UMA ESCOLA DA EDUCAÇÃO BÁSICA: RELATO DE EXPERIÊNCIA CONTRIBUIÇÕES DO PIBID BIOLOGIA NO PROCESSO DE ENSINO- APRENDIZAGEM DE ALUNOS DE UMA ESCOLA DA EDUCAÇÃO BÁSICA: RELATO DE EXPERIÊNCIA José Carlos da Silva Souza (1), Kélvia Vieira dos Santos (2), Maria

Leia mais

USO DE ROTEIROS DIDÁTICOS NO ENSINO- APRENDIZAGEM NAS AULAS PRÁTICAS DE ANATOMIA HUMANA: REVISÃO DE LITERATURA EM IES BRASILEIRAS

USO DE ROTEIROS DIDÁTICOS NO ENSINO- APRENDIZAGEM NAS AULAS PRÁTICAS DE ANATOMIA HUMANA: REVISÃO DE LITERATURA EM IES BRASILEIRAS USO DE ROTEIROS DIDÁTICOS NO ENSINO- APRENDIZAGEM NAS AULAS PRÁTICAS DE ANATOMIA HUMANA: REVISÃO DE LITERATURA EM IES BRASILEIRAS GT 13- Popularização da Ciência Gleidially Nayara Bezerra de Moraes; Paulo

Leia mais

O ENSINO DE FUNÇÕES AFINS E QUADRÁTICAS COM O AUXÍLIO DO COMPUTADOR E DO SOFTWARE GEOGEBRA

O ENSINO DE FUNÇÕES AFINS E QUADRÁTICAS COM O AUXÍLIO DO COMPUTADOR E DO SOFTWARE GEOGEBRA O ENSINO DE FUNÇÕES AFINS E QUADRÁTICAS COM O AUXÍLIO DO COMPUTADOR E DO SOFTWARE GEOGEBRA 1 Samara Araújo Melo; 2 Arthur Gilzeph Farias Almeida; 3 Maria Lúcia Serafim 1 E.E.E.F.M Professor Raul Córdula,

Leia mais

O uso da informática na escola: Webquest como estratégia de aprendizagem construtivista

O uso da informática na escola: Webquest como estratégia de aprendizagem construtivista O uso da informática na escola: Webquest como estratégia de aprendizagem construtivista Maira Teresinha Lopes Penteado 1 Gisele Dorneles Fernandes 2 RESUMO: O presente artigo tem por finalidade esclarecer

Leia mais

ENALIC 2014 INOVAÇÃO E CRIATIVIDADE NAS AULAS DE QUÍMICA: UMA ABORDAGEM NO ENSINO MÉDIO

ENALIC 2014 INOVAÇÃO E CRIATIVIDADE NAS AULAS DE QUÍMICA: UMA ABORDAGEM NO ENSINO MÉDIO ENALIC 2014 INOVAÇÃO E CRIATIVIDADE NAS AULAS DE QUÍMICA: UMA ABORDAGEM NO ENSINO MÉDIO ¹SOUSA, Emanuel Victor de Oliveira; ²LIMA, Natália Parente de; ³PORTELA, Rafael Ribeiro. ¹Bolsista de Iniciação à

Leia mais

AS TECNOLOGIAS, A CIÊNCIA E A PESQUISA NA ESCOLA DE EDUCAÇÃO INFANTIL

AS TECNOLOGIAS, A CIÊNCIA E A PESQUISA NA ESCOLA DE EDUCAÇÃO INFANTIL AS TECNOLOGIAS, A CIÊNCIA E A PESQUISA NA ESCOLA DE EDUCAÇÃO INFANTIL Márcia Adriana Rosmann 1 Francieli da Veiga dos Santos 2 Palavras-chaves: Formação. Informação. Comunicação. Escola. A escola de Educação

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO PIBID NA FORMAÇÃO DE FUTUROS PROFESSORES Vitor José Petry Universidade Federal da Fronteira Sul - UFFS vitor.petry@uffs.edu.

A IMPORTÂNCIA DO PIBID NA FORMAÇÃO DE FUTUROS PROFESSORES Vitor José Petry Universidade Federal da Fronteira Sul - UFFS vitor.petry@uffs.edu. ISSN 2316-7785 A IMPORTÂNCIA DO PIBID NA FORMAÇÃO DE FUTUROS PROFESSORES Vitor José Petry Universidade Federal da Fronteira Sul - UFFS vitor.petry@uffs.edu.br Resumo O artigo é resultado da análise de

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR 1.ª SÉRIE DE OFERTA 99-8791-04 DIDÁTICA 160 0 160 99-8792-04

MATRIZ CURRICULAR 1.ª SÉRIE DE OFERTA 99-8791-04 DIDÁTICA 160 0 160 99-8792-04 Curso: Graduação: Regime: Duração: PEDAGOGIA LICENCIATURA PLENA MATRIZ CURRICULAR SERIADO ANUAL - NOTURNO 4 (QUATRO) ANOS LETIVOS Integralização: A) TEMPO TOTAL - MÍNIMO = 04 (QUATRO) ANOS LETIVOS - MÁXIMO

Leia mais

Atividades CTS em uma abordagem argumentativa: a reflexão de um futuro professor

Atividades CTS em uma abordagem argumentativa: a reflexão de um futuro professor Atividades CTS em uma abordagem argumentativa: a reflexão de um futuro professor Ariane Baffa Lourenço 1, Maria Lúcia V. dos S. Abib 2 e Salete Linhares Queiroz 3 1 Programa de Pós-Graduação Interunidades

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E ESPORTE. Curso: Licenciatura em Educação Física Projeto Pedagógico

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E ESPORTE. Curso: Licenciatura em Educação Física Projeto Pedagógico UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E ESPORTE Curso: Licenciatura em Educação Física Projeto Pedagógico Ingressantes em 2007 Dados: Sigla: Licenciatura em Educação Física Área: Biológicas

Leia mais

O DESENVOVIMENTO DE PROJETOS NOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL: RESULTADOS DA EXPERIÊNCIA REALIZADA NO COLÉGIO DE APLICAÇÃO CAMPUS UEL

O DESENVOVIMENTO DE PROJETOS NOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL: RESULTADOS DA EXPERIÊNCIA REALIZADA NO COLÉGIO DE APLICAÇÃO CAMPUS UEL O DESENVOVIMENTO DE PROJETOS NOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL: RESULTADOS DA EXPERIÊNCIA REALIZADA NO COLÉGIO DE APLICAÇÃO CAMPUS UEL Kenya Vieira de Souza e Silva Vanessa Duarte Resumo A educação

Leia mais

XI Encontro de Iniciação à Docência

XI Encontro de Iniciação à Docência 4CCHSADCSAMT04 A MONITORIA COMO SUBSÍDIO AO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM: O CASO DA DISCIPLINA ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA NO CCHSA-UFPB Moisés de Assis Alves Soares (1) ; Kadidja Ferreira Santos (3) ;

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO DO CURSO DE LICENCIATURA PLENA EM HISTÓRIA

REGULAMENTO DE ESTÁGIO DO CURSO DE LICENCIATURA PLENA EM HISTÓRIA Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Goiás Departamento de Áreas Acadêmicas I Coordenação de Ciências Humanas

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA CAMPUS DE JAGUARÃO CURSO DE LICENCIATURA EM LETRAS PLANO DE ENSINO

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA CAMPUS DE JAGUARÃO CURSO DE LICENCIATURA EM LETRAS PLANO DE ENSINO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA CAMPUS DE JAGUARÃO CURSO DE LICENCIATURA EM LETRAS PLANO DE ENSINO DISCIPLINA: Pesquisa em Educação PROFESSOR: Ms. Everton Fêrrêr de Oliveira I IDENTIFICAÇÃO 1. Universidade

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO MATRIZ CURRICULAR Curso: Graduação: Habilitação: Regime: Duração: PEDAGOGIA LICENCIATURA FORMAÇÃO PARA O MAGISTÉRIO EM EDUCAÇÃO INFANTIL SERIADO ANUAL - NOTURNO 4 (QUATRO) ANOS LETIVOS Integralização:

Leia mais

A ABORDAGEM DA GEOMETRIA COM CRIANÇAS NA PRÉ-ESCOLA: NÍVEL II

A ABORDAGEM DA GEOMETRIA COM CRIANÇAS NA PRÉ-ESCOLA: NÍVEL II 1 A ABORDAGEM DA GEOMETRIA COM CRIANÇAS NA PRÉ-ESCOLA: NÍVEL II Donizeth Henrique Aleluia Vieira 1 Paula Rodrigues de Souza 2 Suely Miranda Cavalcante Bastos 3 Resumo: Juntamente com o campo dos Números

Leia mais

MINI STÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINI STRO P ORTARIA Nº 808, DE 18 DE JUNHO DE 2010

MINI STÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINI STRO P ORTARIA Nº 808, DE 18 DE JUNHO DE 2010 MINI STÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINI STRO P ORTARIA Nº 808, DE 18 DE JUNHO DE 2010 Aprova o instrumento de avaliação para reconhecimento de Cursos Pedagogia, no âmbito do Sistema Nacional de Avaliação

Leia mais

NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES

NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES Edson Crisostomo dos Santos Universidade Estadual de Montes Claros - UNIMONTES edsoncrisostomo@yahoo.es

Leia mais

Elaboração de projetos

Elaboração de projetos Ano: 2013 CENTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL ARLINDO RIBEIRO Professor: ELIANE STAVINSKI PORTUGUÊS Disciplina: LÍNGUA PORTUGUESA / LITERATURA Série: 2ª A e B CONTEÚDO ESTRUTURANTE: DISCURSO COMO

Leia mais

Módulo IV Bloco II 03 a 21/06

Módulo IV Bloco II 03 a 21/06 Unidade: O Estágio Curricular Supervisionado: perspectivas e diretrizes na formação do biólogo docente. Módulo IV Bloco II 03 a 21/06 Docente: Alexandra Marselha Siqueira Pitolli Algumas definições de

Leia mais

RELATO DE EXPERIÊNCIA. Sequência Didática II Brincadeira Amarelinha

RELATO DE EXPERIÊNCIA. Sequência Didática II Brincadeira Amarelinha ESCOLA MUNICIPAL JOSÉ EVARISTO COSTA RELATO DE EXPERIÊNCIA Sequência Didática II Brincadeira Amarelinha Professoras: Maria Cristina Santos de Campos. Silvana Bento de Melo Couto. Público Alvo: 3ª Fase

Leia mais

ANEXO I - EDITAL Nº 15/2015 QUADRO GERAL DE DISTRIBUIÇÃO DE VAGAS POR DISCIPLINA E CURSOS LICENCIATURA EM FÍSICA

ANEXO I - EDITAL Nº 15/2015 QUADRO GERAL DE DISTRIBUIÇÃO DE VAGAS POR DISCIPLINA E CURSOS LICENCIATURA EM FÍSICA INSTITUTO FEDERAL DO AMAZONAS PRÓ-REITORIA DE ENSINO PROCESSO SELETIVO DO 2º SEMESTRE 205 ANEXO I - EDITAL Nº 5/205 QUADRO GERAL DE DISTRIBUIÇÃO DE VAGAS POR DISCIPLINA E CURSOS LICENCIATURA EM FÍSICA

Leia mais

Desenvolvimento de um Aplicativo Visando à Educação Ambiental.

Desenvolvimento de um Aplicativo Visando à Educação Ambiental. Desenvolvimento de um Aplicativo Visando à Educação Ambiental. Guilherme José Vicente Ferbek gui.ferbek10@gmail.com IFES - Alegre Paulicia Sabatini Vila p.sabatini12@gmail.com IFES - Alegre Resumo:O presente

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CONSELHO PLENO RESOLUÇÃO CNE/CP Nº 1, DE 15 DE MAIO DE 2006. (*)

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CONSELHO PLENO RESOLUÇÃO CNE/CP Nº 1, DE 15 DE MAIO DE 2006. (*) CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CONSELHO PLENO RESOLUÇÃO CNE/CP Nº 1, DE 15 DE MAIO DE 2006. Institui Diretrizes Curriculares Nacionais para o Curso de Graduação em Pedagogia, licenciatura. O Presidente

Leia mais

FRANCISCO JORGE DE SOUZA JOBSON DE FARIAS LIMA MARIA JOSIVÂNIA DE LIMA ABDALA MAXSUEL DA SILVA EMILIANO NÉLTTER NEYSON FREIRE DE PONTES

FRANCISCO JORGE DE SOUZA JOBSON DE FARIAS LIMA MARIA JOSIVÂNIA DE LIMA ABDALA MAXSUEL DA SILVA EMILIANO NÉLTTER NEYSON FREIRE DE PONTES FRANCISCO JORGE DE SOUZA JOBSON DE FARIAS LIMA MARIA JOSIVÂNIA DE LIMA ABDALA MAXSUEL DA SILVA EMILIANO NÉLTTER NEYSON FREIRE DE PONTES A APLICAÇÃO DE ELEMENTOS TECNOLÓGICOS NO ENSINO DA MATEMÁTICA E SUAS

Leia mais

AS REDES SOCIAIS COMO AUXÍLIO NA COMUNICAÇÃO DE ALUNOS DE GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO FÍSICA NO MUNICÍPIO DE ITAPERUNA- RJ

AS REDES SOCIAIS COMO AUXÍLIO NA COMUNICAÇÃO DE ALUNOS DE GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO FÍSICA NO MUNICÍPIO DE ITAPERUNA- RJ 1 AS REDES SOCIAIS COMO AUXÍLIO NA COMUNICAÇÃO DE ALUNOS DE GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO FÍSICA NO MUNICÍPIO DE ITAPERUNA- RJ Autor(es) e instituição: Prof. Ms. Érica Pereira Neto Prof. Ms. Márcio Cabral da Silva

Leia mais

INTRODUÇÃO. Palavras-chave: Estágio Supervisionado. Regências. Alunos do Ensino Médio. Campina Grande, REALIZE Editora, 2012 1

INTRODUÇÃO. Palavras-chave: Estágio Supervisionado. Regências. Alunos do Ensino Médio. Campina Grande, REALIZE Editora, 2012 1 CONCEPÇÃO DOS ALUNOS DO ENSINO MÉDIO EM RELAÇÃO ÀS AULAS DE BIOLOGIA MINISTRADAS PELOS ESTAGIÁRIOS DO CURSO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS DA FACULDADE DE EDUCAÇÃO DE ITAPIPOCA- FACEDI Carmen Virgínie Sampaio

Leia mais

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓGICO: 2010. Carga Horária Semestral: 40 Semestre do Curso: 3 º

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓGICO: 2010. Carga Horária Semestral: 40 Semestre do Curso: 3 º PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓGICO: 2010 Curso: Pedagogia Disciplina: Psicologia do Desenvolvimento e da Aprendizagem Carga Horária Semestral: 40 Semestre do Curso: 3 º 1 - Ementa (sumário, resumo) Relações

Leia mais

QUEM É O PROFESSOR QUE ALFABETIZA NAS ESCOLAS MUNICIPAIS DE BELO HORIZONTE? Maria do Socorro Macedo (FAE/UFMG)

QUEM É O PROFESSOR QUE ALFABETIZA NAS ESCOLAS MUNICIPAIS DE BELO HORIZONTE? Maria do Socorro Macedo (FAE/UFMG) 1 QUEM É O PROFESSOR QUE ALFABETIZA NAS ESCOLAS MUNICIPAIS DE BELO HORIZONTE? Maria do Socorro Macedo (FAE/UFMG) Este trabalho tem por objetivo traçar um perfil dos professores alfabetizadores da rede

Leia mais

Fundamentação Teórica

Fundamentação Teórica Atividades Estruturadas 1 Fundamentação Teórica Atividades Estruturadas, embasadas no Art. 2º, item II da Resolução CNE/CES nº 3, de 2 de julho de 2007, implicam a construção de conhecimento, com autonomia,

Leia mais

JOGOS MATEMÁTICOS NO ENSINO MÉDIO UMA EXPERIÊNCIA NO PIBID/CAPES/IFCE

JOGOS MATEMÁTICOS NO ENSINO MÉDIO UMA EXPERIÊNCIA NO PIBID/CAPES/IFCE JOGOS MATEMÁTICOS NO ENSINO MÉDIO UMA EXPERIÊNCIA NO PIBID/CAPES/IFCE Myrlene Oliveira Nascimento myrlene.oliveira@yahoo.com.br Janaína Marques e Melo janaina_gauss@yahoo.com.br Luiza Santos Pontello lpontello@yahoo.com.br

Leia mais