UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAÍ UNIVALI CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE PRÓ-REITORIA DE ENSINO CURSO DE PSICOLOGIA BIGUAÇU

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAÍ UNIVALI CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE PRÓ-REITORIA DE ENSINO CURSO DE PSICOLOGIA BIGUAÇU"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAÍ UNIVALI CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE PRÓ-REITORIA DE ENSINO CURSO DE PSICOLOGIA BIGUAÇU PSICOMOTRICIDADE: PREVENÇÃO E INTERVENÇÃO NA DIFICULDADE DE APRENDIZAGEM SÔNIA MARIA PEREIRA DIAS BIGUAÇU 2008

2 2 UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAÍ UNIVALI CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE PRÓ-REITORIA DE ENSINO CURSO DE PSICOLOGIA BIGUAÇU PSICOMOTRICIDADE: PREVENÇÃO E INTERVENÇÃO NA DIFICULDADE DE APRENDIZAGEM Monografia apresentada como requisito para a obtenção do grau Bacharel em Psicologia na Universidade do Vale do Itajaí. Pró-Reitoria de Ensino - Centro de Ciências da Saúde. Curso de Psicologia- Biguaçu. Profº Orientador: MSc. Mauro José da Rosa. BIGUAÇU 2008

3 3 AGRADECIMENTOS Ao Deus de todas as coisas que me proveu além do normal para seguir adiante em busca de meus objetivos. Em especial a memória de minha mãe que me fez compreender que a humildade é o princípio da sabedoria, como também que a perseverança e o amor são a base do que se almeja alcançar. A minha família que me incentivou a continuar em face de dificuldades acreditando que unidos poderíamos superá-las Agradeço ao meu supervisor e professor Mauro José da Rosa pelas orientações, partilhando seu conhecimento para que o trabalho de conclusão de curso se concretizasse.

4 4 DIAS. Sônia Maria Pereira. Psicomotricidade: Prevenção e Intervenção na Dificuldade de Aprendizagem. Trabalho de Conclusão de Curso TCC (Curso de psicologia Graduação) Universidade do Vale do Itajaí, Biguaçu, RESUMO Este trabalho tem como objetivo considerar nos estudos oriundos da psicomotricidade estratégias preventivas e interventivas para aplicação na dificuldade de aprendizagem. Além disso, promover a disseminação de informações entre profissionais que trabalham na educação de crianças: Pedagogos, psicopedagogos, Psicólogos entre outros com o intuito de redimensionar a ação dos profissionais através da aplicação de atividades psicomotoras na prevenção e intervenção diante da dificuldade de aprendizagem. Trata-se de uma pesquisa bibliográfica, deste modo inclui alguns clássicos como: Fonseca (1995; 1998; 2004), Bueno (1998), Le Boulch (1986), Rosa Neto (2002) entre outros. Os dados da pesquisa foram analisados de modo que na elucidação do assunto tornou-se possível perceber que os autores apontam como de suma importância a psicomotricidade para o desenvolvimento da criança, sendo considerada de base elementar do nascimento até a idade de oito anos. A psicomotricidade é reconhecida como a ciência que permite educar o movimento e desenvolver a inteligência do indivíduo. Palavras Chaves- Psicomotricidade; Dificuldade de Aprendizagem; Prevenção; Intervenção Orientador: Msc Mauro José da Rosa Membros da banca examinadora: Especialista Hebe Régis -; Msc. Ivânia Jann-

5 5 IDENTIFICAÇÃO ÁREA DE PESQUISA: Educação Desenvolvimento Infantil TEMA: Dificuldade de Aprendizagem TÍTULO DO PROJETO: Psicomotricidade: Prevenção da Dificuldade de Aprendizagem ALUNA / ACADÊMICA Nome: Sônia Maria Pereira Dias Centro IV Biguaçu Curso: Psicologia Semestre: 7º Orientador Nome: Mauro José da Rosa Categoria Profissional: Psicólogo e Educador Físico / Professor Titulação: Mestre em Psicologia e graduação em Educação Física Curso: Psicologia Centro IV Biguaçu

6 6 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO METODOLOGIA REVISÃO BIBLIOGRÁFICA DIMENSÕES INTERDISCIPLINARES ENTRE A PSICOMOTRICIDADE E A PEDAGOGIA DIFICULDADE DE APRENDIZAGEM A FUNÇÃO INTEGRADORA DA PSICOMOTRICIDADE NA PRÁTICA EDUCATIVA PSICOMOTRICIDADE NA MODALIDADE INTERVENTIVA E PREVENTIVA DISCUSSÃO CONSIDERAÇOES FINAIS REFERÊNCIAS... 40

7 7 1. INTRODUÇÃO O objetivo desse trabalho é aprofundar o conhecimento em relação a psicomotricidade na prevenção da dificuldade de aprendizagem através de uma perspectiva interdisciplinar. Diante disso, a revisão bibliográfica será permeada por vários estudos publicados desde, artigos, livros, revistas especializadas e endereços eletrônicos de cunho científico, a fim de elucidar a compreensão sobre o tema relacionado a psicomotricidade. Atuar na área da Educação por vários anos, como também estagiar na área de Psicologia Educacional permitiu que a acadêmica deste trabalho tivesse uma preocupação especial com o processo de desenvolvimento da criança, ainda mais no que diz respeito a formação de base indispensável para o desenvolvimento motor, afetivo e psicológico da criança. Ao passo que considera de suma importância na prevenção de problemas de aprendizagem. Segundo Costa (2001) a Psicopedagogia e a Psicomotricidade são áreas do conhecimento que se completam por sua similaridade. Portanto, apresentam ponto de intersecção no atendimento aos problemas de aprendizagem. A Psicomotricidade como processo de intervenção educativa, reeducativa e terapêutica tem sido considerada, em inúmeros países, uma medida indispensável em múltiplas estruturas de educação, reabilitação, saúde e segurança social, nomeadamente em centros de saúde mental infantil, de medicina psiquiátrica, de medicina física e reabilitação, centros médicos psicopedagógicos, de reeducação e apoio pedagógico, jardim de infância, escolas pré-primárias, etc. (FONSECA, 2004). A educação psicomotora trabalha a globalidade do indivíduo, integrando a vivência corporal, o significado das palavras e a relação entre sujeito, objeto e meio na realização de uma atividade. Desta forma, a psicomotricidade é um conhecimento científico que permite educar o movimento e desenvolver a inteligência do indivíduo (BUENO, 1998). Partindo desses pressupostos, a criança desenvolve suas aptidões perceptivas como meio de ajustamento do comportamento psicomotor. Para que a criança desenvolva o

8 8 controle mental de sua expressão motora, a recreação deve realizar atividades considerando seus níveis de maturação biológica. A recreação dirigida proporciona a aprendizagem das crianças em várias atividades esportivas que ajudam na conservação da saúde física, mental e no equilíbrio sócio-afetivo. Conforme Fonseca (2004), O processo psíquico da criança é concreto e emerge da experiência motora também concreta, só que socialmente contextualizada. Assim, qualquer alteração global da criança, seja ela de natureza morfológica, neurológica ou cognitiva, é resultante da sua atividade e motricidade socializadas, sendo este o contexto sócio-histórico em que concretamente se garante à criança a sua evolução psicomotora harmoniosa, plena e completa para se transformar num adulto ativo crítico e criativo. A relevância acadêmica e social deste estudo é o de sistematizar o conhecimento científico já publicado concernente a psicomotricidade e a inter-relação com a Pedagogia no processo de aprendizagem (visando a prevenção da dificuldade de aprendizagem), visando compreender as implicações de sua aplicação na prevenção de problemas de aprendizagem. Além disso, promover a disseminação de informações entre profissionais que trabalham na educação de crianças: Pedagogos, Psicólogos entre outros com intuito de instrumentalizar sua prática criando alternativas de ação levando-se em conta atividades psicomotoras na prevenção de dificuldade de aprendizagem, como fator de equilíbrio na vida das pessoas, expresso na interação entre espírito e o corpo, a afetividade e a energia, a criança e o grupo, promovendo a totalidade do ser humano. Nas décadas de 60 e 70 fez com que predominasse o modelo médico e fosse instituído um diagnóstico padrão classificatório ao portador de distúrbios psicomotores e de aprendizagem, (DCM) disfunção cerebral mínima e (DDA) distúrbio de déficit de atenção. Os sintomas asseguram que tais dificuldades e, consequentemente, o fracasso escolar tinha sua origem bem definida em uma lesão cerebral. A criança era marcada pela diferença, com rótulo da incapacidade intelectual é estigmatizada pela sociedade. De modo que Costa (2001) menciona a origem de um problema social. Sendo o sujeito único, portanto diferente, o mais importante não seria ser tratado devidamente para que consiga alcançar seu objetivo: aprender.

9 9 Sassaki (2005) considera duas razões pelas quais o termo deficiência intelectual torna-se apropriado na atualidade. A primeira razão por referir-se ao funcionamento do intelecto e não da mente como um todo. E a segunda razão trata-se da distinção entre os fenômenos: deficiência mental e doença mental. Diante disso, cabe a psicomotricidade em parceria com a psicopedagogia resgatar o desejo de aprender eliminando os possíveis obstáculos responsáveis pelo fracasso escolar. Portanto, quais estratégias de intervenção podem ser aplicadas na aquisição das habilidades psicomotoras como forma preventiva à dificuldade de aprendizagem?

10 10 OBJETIVO GERAL Pesquisar nos estudos oriundos da psicomotricidade educativa estratégias preventivas e de intervenção na dificuldade de aprendizagem em material bibliográfico disponível. OBJETIVOS ESPECÍFICOS Descrever as perspectivas interdisciplinares entre a psicomotricidade e a psicopedagogia; Estudar a função integradora da psicomotricidade na prática educativa; Contribuir, através desta pesquisa, para a divulgação do conhecimento científico a respeito da psicomotricidade na prevenção da dificuldade de aprendizagem.

11 11 2. METODOLOGIA A pesquisa científica é uma investigação metódica acerca de um assunto determinado com o objetivo de esclarecer aspectos do objeto em estudo. A finalidade das pesquisas a nível de graduação é levar o estudante a refazer os caminhos já percorridos, repensando o mundo (KELLER, 1998). Nesse sentido o exame ou consulta de livros, como também documentação escrita torna-se necessário sobre determinado assunto, de modo que a pesquisa bibliográfica destina-se a coleta de dados através do exame de publicações de diversos autores, a respeito de um tema em comum. O pesquisador procura conhecer as contribuições científicas sobre o determinado assunto, de modo que seleciona, analisa e interpreta a partir das contribuições teóricas existentes sobre o assunto considerado. Os autores pesquisadores abordam o assunto de psicomotricidade e descrevem sua função em nível de prevenção, como também de intervenção frente às dificuldades de aprendizagem, e ainda consideram a correlação entre sua função integradora em nível motor, social e afetivo. A fundamentação da pesquisa bibliográfica inclui clássicos como Fonseca (2004), Bueno (1998), Le Boulch (1986), bem como autores com recente publicação Torres (2003), Rosa Neto (2002 ), entre outros disponíveis em endereços eletrônicos no período de 1996 a Os dados da pesquisa serão analisados através da pesquisa qualitativa. De acordo com CHIZZOTTI (1991), entre o mundo real/ objetivo e o sujeito há uma relação dinâmica e indissociável, não podendo ser traduzida em números, envolvendo a interpretação dos fenômenos e atribuição de significados, sem o uso de métodos e técnicas estatísticas. Deste modo, não será apenas, uma mera explicação dos fatos acontecidos, pois para a pesquisa qualitativa o sujeito-observador é parte integrante do processo de conhecimento e interpreta os fenômenos, dando-lhe significados. A fenomenologia assegura que o mergulho no cotidiano e a familiaridade com os fatos se fazem necessário para desvendar, o que se faz oculto, ultrapassando as aparências e alcançando a essência dos fenômenos. A dialética também reafirma a idéia da relação dinâmica entre sujeito e o objeto, no processo de conhecimento, o pesquisador é um ativo descobridor do significado das ações e das

12 12 relações que ocultam nas estruturas sociais, CHIZZOTTI (1991 p.80). Logo a finalidade da pesquisa qualitativa é intervir em uma situação insatisfatória, mudar condições percebidas como transformáveis, onde pesquisador e pesquisados assumem, voluntariamente, uma posição reativa. CHIZZOTTI (1991, p.89).

13 13 3. REVISÃO BIBLIOGRÁFICA 3.1 DIMENSÕES INTERDISCIPLINARES ENTRE A PSICOMOTRICIDADE E A PEDAGOGIA Conforme os estudos de Torres (2003), o corpo é o eixo comum na prática da Psicopedagogia e da Psicomotricidade, porta-voz dos sistemas e sede dos problemas de aprendizagem e também psicomotores. É através do corpo que a criança interage com o mundo. A fase importante para trabalhar com todos os aspectos do desenvolvimento (motor, intelectual e sócio-emocional) é na faixa etária que compreende o nascimento até completar 8 anos. É nesse período que se instalam as principais dificuldades em todas as áreas de relação com o meio ao qual está inserido e que, se não forem exploradas e trabalhadas a tempo, certamente trarão prejuízos com dificuldades na escrita, na leitura, na fala, na socialização, entre outros. (BUENO, 1998) Na tentativa de redimensionar sua prática, ressignificar seu corpo teórico e compreender melhor os problemas de aprendizagem na sua dimensão subjetiva, a Psicomotricidade e a Psicopedagogia buscam subsídios na Neurologia Lingüística, Psicologia, Sociologia e Psicanálise. Portanto, a prevenção e a clínica, abordam o sujeito agente de aprendizagem em sua dimensão psicomotora, social, cognitiva e emocional. (TORRES, 2003) Para Bueno (1981 apud Lê Boulch 1998) a educação psicomotora deve ser considerada como uma educação de base na escola elementar, ponto de partida de todas as aprendizagens pré-escolares e escolares. Além disso, considera a reeducação psicomotora como possibilidade de retomar as vivências anteriores da educação ultrapassadas inadequadamente, e assim educar o que o indivíduo não assimilar adequadamente em etapas anteriores. Essa modalidade está contida em várias áreas profissionais: pedagogia, fonoaudiologia, fisioterapia, psicologia, educadores, dentre outros.

14 14 A psicomotricidade trabalha a globalidade do indivíduo, integrando a vivência corporal, o significado das palavras e a relação entre sujeito, objeto e meio na realização de uma atividade. Desta forma, a psicomotricidade é um conhecimento científico que permite educar o movimento e desenvolver a inteligência do indivíduo. (BUENO, 1998) Do ponto de vista educativo, Bueno (1998), o papel e lugar da educação psicomotora na educação geral corresponderá, naturalmente, às diferentes etapas do desenvolvimento da criança. Somente numa ação interdisciplinar o psicopedagogo poderá mediar, de forma eficaz, o sujeito aprendente. A atitude de busca de referenciais teóricos da pesquisa e da reflexão válida e sustenta a prática psicopedagógica, sendo que a reflexão precede a ação, por isso a exigência da formação continuada do psicopedagogo e do psicomotrista. (TORRES, 2003) Na importância do papel preventivo da psicomotricidade, Bueno (1996 apud Danyalgil & Schier 1998) refere-se ao seguinte comentário: Para todos nós, profissionais imbuídos nesse processo de relação de ajuda, fica um convite, o de tentar não mais trabalhar na sintomatologia, forçando a criança a adequar-se a uma proposta que não reconhece, e sim o de tentarmos substituir o desprazer pelo prazer (...) reativar e desenvolver competências e habilidades de negociação, de comunicação e de relação. Pág.56 Toda criança seja devidamente considerada para que alcance seu objetivo, salienta Torres (2003). O biológico, o emocional, o social, o cognitivo e o motor estão presentes no não-aprender, seja ele classificado por qualquer dos conceitos. Cabe ao psicopedagogo resgatar o desejo de aprender do sujeito, eliminando os possíveis obstáculos. A psicomotricidade, voltada para o corpo em movimento, tem a contribuição indispensável nos processos de aprender, pois, do início ao fim, a aprendizagem passa pelo corpo. (TORRES, 2003).

15 DIFICULDADE DE APRENDIZAGEM Em seus estudos, Beyer (1996) considera o importante trabalho reconhecido de Reuven Feuerstein (1980) no que se refere ao campo dos distúrbios cognitivos por assessorar professores e psicopedagogos no sentido tanto do diagnóstico mais preciso como no planejamento da intervenção de apoio, visando a superação das dificuldades identificadas. Para Bayer (1996), torna-se um erro diagnosticar, em crianças com dificuldades cognitivas, o baixo rendimento escolar como mera ausência de conhecimento ou como simples reflexo de um baixo nível intelectual. Contudo, salienta a importância de averiguar quais funções deficientes prejudicam a ação individual; pois pode-se resultar na falha em localizar a fonte do erro da criança, afetando assim, seriamente a eficiência de qualquer ação do professor ou do psicólogo. Na elucidação dessa consideração a tarefa do psicopedagogo passa a ser, segundo o autor, avaliar as funções cognitivas da criança para decidir que medida de apoio devem ser conduzidas, de modo que o processo mental é entendido de maneira integrada e dinâmica. Sendo diferente de um arranjo artificial baseado apenas em três momentos: assimilação, elaboração e resposta. Conforme Fonseca (1979), apud Feuerstein (2004), independentemente da classificação da (DI) deficiência intelectual estar sujeita a inúmeras criticas, que encerram freqüentes abordagens passivas à problemática de sua habilitação, a sua diferenciação atípica em leve, moderada, severa ainda subsiste em vários contextos médicos e psicopedagógicos, sendo fundamental que subentenda de preferência quais os tipos de serviço de apoio que devem ser criados, visando a maximização do potencial adaptativo dos indivíduos assim identificados. Dessa forma, é importante estar citando, p. 16), que esta pode exprimir alguns aspectos presentes na práxis educacional, tais como cognitivos, emocionais e sociais em que o ser em transformação, é compreendido como agente ativo de sua própria experiência e desenvolvimento, não apenas analisando por seu desempenho intelectual, já que os aspectos emocionais e socioculturais também serão analisados.

16 16 Em seus estudos, Vasconcellos (1995), considera a importância da Psicologia que reconhece a práxis pedagógica como um espaço de interação social, no qual o indivíduo e a sociedade se forma e se transformam simultaneamente, levando em conta as contribuições das teorias de Vygotsky e Wallon, como também o construtivismo Piagetiano. A inteligência de uma criança não deve ser apenas avaliada com base na sua capacidade intelectual registrada psicometricamente, mas, antes, através da capacidade intelectual da aprendizagem por ela demonstrada (BEYER, 1996, p. 23) Segundo Fonseca (1995), as dificuldades de aprendizagem remetem não só a problemas pedagógicos, mas também a problemas econômicos e sociais, de modo que a escola atualmente desenvolve a noção de aluno perfeito e de gênio que constituem aspirações de pais e professores. Goleman (2001), em seu livro Inteligência Emocional cita que o modelo de Gardner vai muito além do conceito padrão de QI como fator único e imutável. Reconhece que os testes que nos tiranizaram quando passamos pela escola (...) se baseiam numa noção limitada de inteligência, uma noção sem ligação com a verdadeira gama de talentos e aptidões que são importantes para a vida, acima e além do QI (quociente de inteligência). Gardner (1987) identificou inicialmente sete inteligências: a Lingüística, que envolve sensibilidade para a língua falada e escrita, habilidade de aprender línguas e capacidade de usar a língua para atingir certos objetivos; é a capacidade de lidar com as palavras de forma criativa; a Lógico-Matemática, envolvendo a capacidade de analisa r problemas com lógica, realizar operações matemáticas e investigar questões cientificamente; está ligada ao confronto com o mundo dos objetos; a Espacial, que tem o potencial de reconhecer e manipular os padrões do espaço, bem como os padrões das áreas mais confinadas; é a habilidade de perceber e harmonizaras formas; a Musical, que acarreta habilidades na atuação, na composição e apreciação de padrões musicais; permite a percepção especial de organização de sons de forma harmoniosa e criativa; a Corporal-Cinestésica, capacidade de usar o corpo para resolver problemas ou fabricar produtos; é a habilidade de controlar os movimentos do próprio corpo;

17 17 a Interpessoal, que denota capacidades de entender as intenções ou motivações e os desejos do próximo e, conseqüentemente, de trabalhar de modo eficiente com terceiros; é a habilidade de motivar as pessoas e perceber seus temperamentos e de relacionar-se com elas; a Intrapessoal, que envolve a capacidade de a pessoa se conhecer, de ter um modelo individual de trabalho eficiente e de usar estas informações com eficiência para regulara própria vida; é a habilidade de perceber os próprios sentimentos. Recentemente, mais duas inteligências foram acrescentadas: a Naturalista, que alia uma descrição de habilidade no reconhecimento e classificação das espécies da flora e da fauna do seu meio ambiente. a Existencial, que é a capacidade de se preocupar com aspectos da vida, da morte e do universo. Para Fonseca (2004, p. 112), os déficits no desempenho cognitivo dependem da adaptabilidade dos contextos às características dos indivíduos, inclusive pessoas com DI, (deficiência intelectual) dado que o seu baixo rendimento pode predizer ou não a falta de adaptação. Para os educadores, o baixo rendimento escolar, conforme considera Fávero & Calsa (2003) é a manifestação mais evidente das dificuldades de aprendizagem, e pode servir como indicativo de que criança apresenta ou pode vir a apresentar dificuldade, principalmente no que diz respeito a preocupação dos alfabetizadores. A disgrafia, uma das mais apontadas pelos professores como também chamada de letra feia, segundo as autoras, ocorre em geral em decorrência da dificuldade de recordar a grafia correta para representar um determinado som ouvido ou elaborado mentalmente. O sujeito é capaz de ler e falar, mas não de escrever. Sabe-se que alguns estudos, a causa dessas dificuldades são fatores sociais, outros emocionais, e alguns, ainda a atrasos no desenvolvimento psicomotor. A psicomotricidade não é a solução para todos os problemas de aprendizagem, e nem tão pouco afirmar que um desenvolvimento psicomotor inadequado pode ser a causa de todas as dificuldades escolares. (FAVERO & CALSA, 2003, p. 115) Entretanto, na contribuição de seus estudos são considerados (LE BOULCH, 1992; LAPIERRE, 1982) como sendo de fundamental importância para compreensão de que a

18 18 psicomotricidade no desenvolvimento cognitivo, na aprendizagem da leitura e da escrita e na formação da inteligência. Nesse sentido, em termos psicomotores, o rendimento pode ser modificado em função das mudanças que possam ser introduzidas no enriquecimento dos programas, dos equipamentos e dos materiais, o que sugere que o desenvolvimento psicomotor do indivíduo pode ser modificado positivamente, dependendo em grande parte, da qualidade dos sistemas ecológicos onde ele se estrutura. 3.3 A FUNÇÃO INTEGRADORA DA PSICOMOTRICIDADE NA PRÁTICA EDUCATIVA Segundo Torres (2003), o corpo foi visto sob a ótica filosófica até o fim do século XVIII. A partir do século XIX, passou a ser considerado como objeto sujeito a estudos sistemáticos e profundos no âmbito da experimentação. Passou a ser de interesse como objeto de estudo em diferentes segmentos da ciência. Na tentativa de compreender a estrutura e funcionamento cerebral, bem como suas patologias, o estudo foi direcionado à Neuropsicologia e à Neurologia. A partir do século XIX o corpo passou a ser estudado por neurologistas, por necessidade de compreensão das estruturas cerebrais, e por psiquiatras, para classificação de fatores patológicos. (BUENO, 1998) Para compreender a evolução da inteligência e suas perturbações, passou a ser estudado, também, pelos psicólogos e psiquiatras, tendo recebido a atenção a contribuição da Psicologia genética, da Fenomenologia, da Psicanálise. (TORRES, 2003) Segundo a autora, o psiquiatra Dupré (1909), motivado a buscar a relação entre o sintoma e a localização cerebral após as dificuldades enfrentadas pela Neurologia para explicar as perturbações; criou o termo Psicomotricidade, que significa relação entre o movimento, o pensamento e a afetividade. Assim, concluiu que as perturbações psicológicas tinham estreitas relações com as perturbações motoras.

19 19 A psicomotricidade, inicialmente encarada como prescrição da medicina psiquiátrica (DUPRÉ, 1915), atingiu com H. Wallon (1925,1934,1947, etc.) e J. Ajuriaguerra (1977,1988, etc.) uma dimensão teórica e prática sobre o desenvolvimento humano deveras significativa, razão pela qual se torna, na atualidade, uma intervenção preventiva, educativa, reeducativa e psicoterapêutica de transcendente originalidade. (FONSECA, 2004) Conforme o autor em psicomotricidade, o psíquico e o motor não são uma conseqüência linear um do outro; são os dois componentes complementares, solidários e dialéticos, da mesma totalidade sistêmica, encarando o corpo e a motricidade como elementos essenciais da estrutura psicológica do Eu, pois é na ação que se toma consciência de si próprio e do mundo. Segundo Torres (2002 apud Rosa Neto 2003), o que é importante na ação corporal não é o movimento nem a própria ação, e sim, a intenção e a realização que conduz a uma organização cerebral. Para Lê Boulch (1986) a educação psicomotora na idade escolar deve ser antes de tudo uma experiência ativa de confrontação com o meio. A ajuda educativa, proveniente dos pais e do meio escolar, tem a finalidade não de ensinar à criança comportamentos motores, mas sim de permitir-lhe, mediante o jogo, exercer sua função de ajustamento igualmente ou com outras crianças. No estágio escolar, a primeira prioridade constitui a atividade motora lúdica, fonte de prazer, permitindo à criança prosseguir a organização de sua imagem do corpo. Os teóricos Mendes, Lê Boulch, Vayer, Ajuriaguerra, Schilder e Piaget falam da importância do desenvolvimento motor como precursor de todas as demais áreas. Para o neuropsiquiatra infantil Ajuriaguerra, o esquema corporal é o resumo e a síntese de toda a experiência corporal no mundo. É pelo esquema corporal que a criança vai conseguindo realizar movimentos cada vez mais ajustados e criadores, através dos quais fica apta a descobrir o mundo que a cerca e envolve. (TORRES, 2003, p. 43) A Psicomotricidade como área de conhecimento segundo Torres (2003), vem adquirindo uma relação teórico-prática que valoriza a unidade em detrimento da dualidade, do reducionismo e do separatismo (...) faz parte um sistema representado pela tríade social, psicológica e orgânica, enriquecida por conhecimentos de ordem emocional, lingüística e

20 20 psicanalítica. Contudo a educação psicomotora, como proposta preventiva, visa trabalhar qualquer criança, independentemente dela manifestar dificuldade psicomotora ou não. Considerar a importância da corporeidade da criança é buscar resgatar a sua condição de sujeito ativo na construção de seu desenvolvimento, é a possibilidade de sua interação com o mundo. Recorrer à compreensão da Psicomotricidade em Psicopedagogia se faz necessário para opormos à idéia de aprendizagem como ato puramente mental. (TORRES, 2003) Além disso, ressalta a necessidade aos profissionais alfabetizadores a importância e a responsabilidade de que se reveste a sua atuação junto à criança na faixa etária entre 6 e 8 anos, uma vez que estas se encontram, à essa época, no ápice de desenvolvimento psicomotor. E, ainda aponta como tarefa do bom professor observar, identificar e estimular as habilidades e potencialidades de seus alunos, fazendo com que se constituam em facilitadores no processo ensino-aprendizagem.

21 PSICOMOTRICIDADE NA MODALIDADE INTERVENTIVA E PREVENTIVA A revista neurociências ao considerar as dificuldades de aprendizagem decorrentes de queixas escolares a partir de um diagnóstico por uma equipe multidisciplinar, entre psicólogos e docentes constataram-se, (Sawaia 2001, apud Ricardo et.al 2006), que as intervenções nas dificuldades de aprendizagem são delineadas em consonância com as concepções que os profissionais possuem das queixas e diagnósticos. Portanto, a análise do fenômeno não da aprendizagem, como também o planejamento das intervenções devem levar em conta a tríade criança, família e escola. Para tanto, é fundamental que o diagnóstico a intervenção ocorram de forma interdisciplinar (psicologia, neuropsicologia,, psicomotricidade, pedagogia, fonoaudiologia, neurologia, psiquiatria), de acordo com as necessidades apresentadas pela criança. A presença de queixas de diferentes naturezas aponta para a necessidade do atendimento multi e interdisciplinar às dificuldades de aprendizagem da criança e do adolescente. Deste modo, acreditamos que a avaliação e o diagnóstico não devem ser realizados por um único especialista. Na maior parte dos casos, o diagnóstico precoce constitui uma condição favorável para uma intervenção mais eficaz com a criança, além de orientações para a família e para a escola. Nesse sentido a Educação Psicomotora pode ser aplicada como modalidade tanto preventiva como também interventiva, visto que abrange todas as aprendizagens da criança, processando-se por etapas progressivas e específicas conforme o desenvolvimento geral de à cada indivíduo. Realiza-se em todos os momentos da vida por meio de percepções vivenciadas, com uma intervenção direta a nível cognitivo, motor e emocional, estruturando o individuo como um todo. BUENO (1998 p. 84) A educação, segundo o autor passa pela facilitação das condições naturais e também pela prevenção de distúrbios corporais. Portanto refere-se à escola, a família e ao meio social com a participação dos educadores, dos pais, inclusive aos professores em geral (de natação, judô, balé e ginástica, etc.). As pesquisas mais recentes desvendaram uma nova realidade e sugerem a possibilidade de um conhecimento mais amplo e diferenciado sobre inteligências. De acordo com Gardner (1987), diversos estudiosos do comportamento têm documentado que

22 22 o sistema nervoso humano não é um órgão com propósito único, como também é infinitamente plástico. Segundo a Annual Review of Neuroscience (2005), traduzida por Pedro Lourenço Gomes o conceito de plasticidade seria: Plástico deriva do grego ó (plastos), que significa moldado. De acordo com o Oxford English Dictionary, ser plástico refere-se à habilidade de passar por mudanças de forma. William James (1890), em The Principles of Psychology, foi o primeiro a introduzir o termo plasticidade nas neurociências em referência à susceptibilidade do comportamento humano para modificação. (p. vol.28: ) Dessa maneira, os estudos revelam que não deveríamos conceber o cérebro como um objeto estacionário capaz de ativar uma torrente de mudanças que chamamos de plasticidade, nem como um fluxo ordenado de eventos guiados pela plasticidade. Ao invés, devemos pensar o sistema nervoso como uma estrutura continuamente em mudança, da qual a plasticidade é uma propriedade integral e conseqüência obrigatória de cada input sensorial, ato motor, associação, sinal de recompensa, plano de ação, ou percepção. Nesta estrutura, noções tais como processos psicológicos enquanto distintos das funções ou disfunções de base orgânica cessam de ser informativas. O comportamento levará a modificações no sistema de circuitos do cérebro, assim como mudanças no sistema de circuitos do cérebro levarão a modificações do comportamento. O estudo dos processos corticais realizados por (Álvaro et.al 2005), informações de valor inestimável e revela importantes caminhos para o conhecimento do sistema funcional complexo que é o cérebro. Segundo os autores o sistema nervoso, concebido como um ordenador assegura a integração das informações que recebe do mundo exterior e do próprio organismo, endereçando, finalmente, de forma coordenada, aos órgãos efetores, as ordens necessárias à vida do indivíduo (motricidade voluntária, funções psíquicas, respiração, digestão, circulação sanguínea e sobrevivência da espécie). O cérebro, com seus dois hemisférios, funciona como um todo, estruturando a conduta do indivíduo em seus aspectos cognitivo e afetivo. Ambos os hemisférios estão integrados pela presença das comissuras interhemisféricas, e o córtex cerebral está relacionado, através das vias de associação, às estruturas subcorticais: corpo estriado, tálamo óptico, tronco encefálico, medula e cerebelo (p.01) O cérebro mostra-se como um órgão estruturado de maneira bastante complexa. Cada parte sua corresponde a uma área com funções específicas, mas que estão interligadas traz

23 23 entre si. Sabe-se que existe uma divisão das estruturas cerebrais onde cada uma possui sua função exclusiva, contudo trabalhando de forma integrada. E, para cada uma dessas regiões se desenvolverem atingindo plenamente seus potenciais é necessário que recebam estímulos adequados para aumentar sua capacidade de plasticidade. Uma maneira de estimular o surgimento e o crescimento de novas e mais complexas conexões entre células, é através da psicomotricidade. Tanto que ela tem origem nos estudos neurológicos que visavam a reabilitação de pacientes com debilidades mentais ou que haviam sofrido acidentes, que deixaram seqüelas motoras e cognitivas. Só mais tarde que ela tomou proporções de prevenção e estimulação do potencial em indivíduos típicos. (FONSECA, 1995). Para (Barreto et.al 2000), ao desenvolver estudos sobre Organismo como referência fundamental para a compreensão do desenvolvimento refere-se a Piaget, com relação ao modo como o autor descreve a inteligência como: estado de equilíbrio para o qual tendem todas as estruturas cognitivas e não como uma faculdade. Em suas considerações refere-se a dicotomia cartesiana pensamento versus corpo, como sendo modos distintos em seu campo específico, um contínuo corpo-mente no qual se encontram extremos que se tocam por uma indiferenciação gradativa. Entretanto, a essas realidades salientam que não se justapõem, mas a primeira é referência para a outra sem que a última a ela se reduza. Assim os autores apontam para um processo contínuo é um prolongamento de formas adaptativas tanto quanto os sentidos que desenvolvem e aperfeiçoam para aprimorar a ação. A teoria cognitiva de Jean Piaget exerce relevante papel na atualidade em todas as áreas da psicologia e nos campos aplicativos à educação e à psicoterapia. Abandonando a idéia de avaliar o nível de inteligência de um indivíduo por meio de suas respostas a itens de determinados testes, adotou um método clínico pelo qual procurou acompanhar o processo do pensamento da criança, para então, chegar ao conceito de inteligência como capacidade geral de adaptação do organismo. A sua teoria descreve uma interação entre fatores biológicos e sociais, enfatizando cinco conceitos fundamentais: (1) Esquema padrões originais de pensamento que a pessoas usa para lidar com situações específicas em seu ambiente (unidade estrutural do

24 24 desenvolvimento cognitivo); (2) Acomodação- processo pelo qual o indivíduo ajusta seu pensamento às condições ou situações existentes; (3) Assimilação- aquisição de novas informações pelo uso das estruturas cognitivas já existentes, (4) Adaptação- ajuste de novas informações, criando outras estruturas cognitivas; (5) Equilíbrio- harmonia entre o esquema e a adaptação. (Taille et.al, 1992) Para o autor, a criança dos sete anos aos dez anos se encontra na fase das operações concretas. O termo operação se refere especificamente a esquemas internos eficazes, quando a criança já possui a capacidade de reversibilidade, ou seja, que a criança pode rever cadeia de pensamentos, não mais se limitando a uma conclusão errada inflexível característica de estágios anteriores à evolução cognitiva. O caráter associativo de pensamento significa que uma série de pensamentos ou elementos cognitivos podem ser interpretados. Essa capacidade permite evoluir na objetividade do pensamento, classificando, seriando e enumerando os objetos e suas propriedades (peso e volume). Ela passa a ter interesse por jogo com regras, interpretando-as e modificando-as de acordo com as situações vivenciadas em aula. Ainda considera quatro períodos para o desenvolvimento infantil: Primeira, sensório-motor- caracterizado pelas atividades reflexivas; Segunda, pré operacional- em que a criança pode lidar simbolicamente com certos aspectos da realidade, mas seu pensamento ainda se caracteriza pela irreversibilidade; Terceira operações concretas- em que a criança adquire o esquema de conservação; A quarta e última, operações formais- caracterizado pelo pensamento proposicional, representa o ideal da evolução cognitiva do ser humano. A intervenção pedagógica enfatizada por Vygotsky também merece ser considerada nesse trabalho acadêmico ao passo que exerce um papel relevante na compreensão do desenvolvimento da criança, pois através de sua teoria torna-se possível exercer a prática educativa sob a luz de seus conceitos, tanto na modalidade preventiva como também de interventiva no processo educacional. Visando assim, o indispensável e fundamental papel que o professor exerce enquanto personagem que interfere diretamente na zona de desenvolvimento proximal dos alunos. Conforme Flores (2005) na concepção de Vygotsky, o funcionamento psicológico parte do princípio de mediação, ou seja, o indivíduo ao estabelecer relações,

25 25 necessariamente precisa contar com um elemento intermediário, e essa mediação entre o sujeito e o objeto, pode sofrer a intervenção, logo, o que antes era apenas estímulo-resposta, agora se tornar mais complexo com a presença do elemento mediador forma de atuar sobre a zona de desenvolvimento proximal. Para o autor a criança atravessa dois níveis de aprendizagem: o primeiro quando necessita de auxilio, que Vygotsky denomina de Zona de Desenvolvimento Potencial, e quando consegue realizar tarefas independentes de ajuda, a qual denominou de Zona de Desenvolvimento Real. Entre os dois níveis de desenvolvimento existe, um estágio de transição que significa um momento em que o indivíduo está amadurecendo para alcançar o desenvolvimento real, a este estágio, denominou de Zona de Desenvolvimento Proximal, e é fundamental a interferência de outros indivíduos nesses períodos, porém, ressalta que essa ação só terá efeito caso a criança já tenha desencadeado o processo de desenvolvimento de determinada habilidade. Para Vygotsky o cérebro é a base biológica, e suas peculiaridades definem limites e possibilidades para o desenvolvimento humano. Essas concepções fundamentam sua idéia de que as funções psicológicas superiores (por ex. linguagem, memória) são construídas ao longo da história social do homem, em sua relação com o mundo. Desse modo, as funções psicológicas superiores referem-se a processos voluntários, ações conscientes, mecanismos intencionais e dependem de processos de aprendizagem. (Ricardo 2006, pág.21) Diante disso, a Vygotsky valoriza o trabalho coletivo, cooperativo, ao contrário de Piaget, que considera a criança como construtora de seu conhecimento de forma individual. Através da interação entre sujeitos, permeada pela linguagem humana e pela linguagem da máquina, força o desempenho intelectual porque faz os sujeitos reconhecerem e coordenarem os conflitos gerados por uma situação problema, construindo um conhecimento novo a partir de seu nível de competência que se desenvolve sob a influência de um determinado contexto sócio-histórico-cultural. Nesse sentido, as contribuições de Bueno (1998) vêem ao encontro de dados norteadores com relação ao desenvolvimento infantil levando em consideração a capacidade e maturidade conforme a faixa etária e as possibilidades através da: estimulação, educação e reeducação psicomotora:

26 26 * Por volta de 3 a 4 anos a criança está com uma boa noção do espaço à sua volta e do seu corpo em relação a esse espaço, de modo que as atividades recomendadas devem envolver a noção de amplitude de movimentos. * Aos 5 anos aproximadamente atividades que envolvam a coordenação global de membros superiores e inferiores e inferiores podem sugeridas, e com 6 anos movimentos dissociados podem ser incluídos. *Aos 7 e 8 anos pode-se explorar o aperfeiçoamento das habilidades adquiridas anteriormente, e até cerca de 9 anos desenvolver a mecanização dos movimentos habituais e a aceleração natural dos movimentos. A criança já está em condições de controlar suas ações, com freio inibitório adequado entre uma ação e outra. * A partir dos 7 anos até o início da adolescência é o período em que se desenvolvem valências físicas como força, velocidade, resistência, coordenação e habilidade. Toda atividade nesse sentido deverá ser incentivada. Bueno 1998 sugere algumas atividades de jogos e brincadeiras para desenvolvimento psicomotor. ATIVIDADES Movimentos amplos do corpo: correr, andar, rolar, saltar, saltitar, engatinhar, etc. *Andar com uma bola entre as pernas; na ponta dos pés, como o calcanhar; agachado; em todos os sentidos; de quatro, de joelhos; sobre um banco. * Saltar de diferentes formas: com um pé só; com dois pés; de cócoras; por cima dos objetos; de um pó dois degraus da escada; de uma mesa; o mais longe possível, de arco em arco. Atirar bolas; petecas; sacos de areia em alvo determinado. Andar sobre plano elevado; parar de correr ao toque do apito; jogo de estátuas. Arrastar-se livremente no chão; passar por dentro dos túneis, pneus, caixas etc. Brincar de trem, dando as mãos, em fila indiana, segurando-se pelos ombros. Amarelinha: empurrar com o pé um saquinho, um pequeno ladrilho, pedrinha etc. Lançar uma bola contra a parede e apanhá-la quando retorna; lançar uma bola ao ar e apanhá-la. Trepar no espaldar, alternando braços e pernas, subindo e descendo.

27 27 Coordenação Motora Fina Segundo o autor é a capacidade de controlar os pequenos músculos para exercícios refinados como: recorte, perfuração, colagem, encaixe, etc. De modo que considera a coordenação viso-motora como a capacidade de coordenar os movimentos em relação ao alvo visual. Atividades *pentear-se; catar objetos no chão; colocar água do balde na garrafa. * Jogo de pega-varetas;escravos de Jó; jogos de cinco Marias e bola de gude. *Pintura com os dedos dos pés. *Rosquear e desrosquear tampas de vasilhames. Fazer um nó simples; um laço; dobraduras;abotoar;modelagem;apontar lápis;pintur a com pincel ;bordado. *Recortar;rasgar;colagem de pedaços de papel;perfurar papéis de texturas diferentes;contorno;colorir nos limites. Bueno 1998 Equilíbrio È a base de toda a coordenação dinâmica global. È a noção de distribuição do peso em relação a um espaço a um tempo e em relação ao eixo da gravidade. O equilíbrio depende do essencialmente do sistema labiríntico e do sistema plantar. Para Ferreira (2000 p. 104) a manutenção do equilíbrio em uma posição durante um tempo determinado. Pode ser estático, dinâmico ou recuperado. Como exemplo é possível desenvolver atividades que possibilitem essa capacidade: *Brincadeira de estátua, marcha nos calcanhares, permanência de pé numa perna só, andar igual ao saci pererê, andar de bicicleta, andar por cima de uma corda,andar de perna de pau,etc.

28 28 Esquema Corporal Segundo Fonseca (1995) a noção de corpo em psicomotricidade não se detém apenas em avaliar as realizações motoras, mas procura também se centrar no estudo da sua em avaliar as representação psicológica e lingüística e em suas relações inseparáveis com o potencial de aprendizagem. Conforme o autor, a noção de corpo serve de base para o ajustamento de outras habilidades psicomotoras como a estruturação espacial, a orientação temporal e a lateralidade. O esquema corporal está entre às habilidades básicas elementares à alfabetização. O esquema corporal é um elemento básico indispensável para a formação da personalidade da criança, sendo seu núcleo central, pois reflete o equilíbrio entre as funções psicomotoras e sua maturidade. A consciência do corpo é alcançada pela percepção do mundo exterior, da mesma forma que a consciência do mundo exterior acontece por meio do corpo. È o conhecimento intelectual das partes o corpo e de suas funções. (Bueno 1998) Ao referir-se sobre a tomada de consciência corporal, Ferreira 2000 menciona que nada tem a ver com elementos distintos, como um quebra-cabeça, ao qual iria pouco a pouco encaixar-se uns nos outros para compor um corpo completo a partir de um corpo desmembrado. Conforme o autor o esquema corporal revela-se gradativamente à criança. Para o desenvolvimento da percepção global do corpo deve-se criar um ambiente que propicie a experimentação de diferentes possibilidades de movimentação e deslocamento no espaço utilizando diferentes habilidades e capacidades motoras. Como exemplo: o que é que vocês estão fazendo? As crianças fazem o barulho do som de um motor...vocês estão dirigindo? È um carro? Para onde vocês estão levando o carro? Para lá (apontando uma direção). Que parte do corpo você estão tocando no carro? Lateralidade Bueno (1998) define lateralidade como a capacidade motora de percepção integradora dos dois lados do corpo: direito e esquerdo. Sendo o elemento fundamental de relação e orientação com o mundo exterior. A lateralidade liga-se ao desenvolvimento do esquema corporal. A predominância de um dos lados do corpo se faz em função do hemisfério cerebral.

29 29 Durante o crescimento, naturalmente se define uma dinâmica lateral na criança, ou seja, será mais forte, mais ágil do lado esquerdo do seu corpo, e descobrimos avaliando do ponto de vista da força (chutar a bola) e da precisão (desenhar) a nível dos membros superiores ou inferiores, dos olhos e dos ouvidos. Pode-se observar: lateralidade homogênea- dominância destra ou canhota; a lateralidade cruzada- destra da mão, canhota do pé, do olho e do ouvido ou vice-versa e a ambidestra: é tão hábil tanto do lado esquerdo como do direito. No diz respeito a lateralidade na educação é ajudar a criança a lateralizar-se claramente. Hoje em dia se pensa ser melhor que um lado predomine o outro. Pode-se defini-la atendendo a: *sua natureza: normal ou patológica; seu grau: mais ou menos forte; sua homogeneidade: homogênea ou cruzada. Prática *Pular com ambos os pés dentro de um círculo, depois um pé, depois o outro; pular com o pé direito depois o esquerdo; pular para frente, para trás, de lado, de outro. * Percorrer espaços demarcados o chão com linhas, ora com um pé, ora com outro. *Imitar posições feitas pelo educador, respeitando a lateralidade. *Controlar uma bola com pés. *Jogos para reconhecimento de direita-esquerda :colocar um elástico/fita no pulso direito para ponto de referência e fazer movimentos segundo a ordem do educador. *Jogo de amarelinha. Relaxamento È uma forma de atividade psicomotora na qual objetiva a redução das tensões psíquicas levando à descontração muscular. Proporciona melhor conhecimento do esquema corporal estruturação, melhor estruturação espacial-temporal e equilíbrio, contração e descontração. Sua finalidade básica é o afinamento, valorizando a integração conscientizada do diferentes estados tensionais e promovendo progressivamente a unificação psicossomática.

30 30 Pretende atingir um estado de repouso e de calma interior, proporcionando uma integração da corporali dade.(bueno 1998) Prática *Relaxamento global informal: pedir à pessoa que fique deitada e dura como um boneco de gelo; em seguida pedir que fique mole, depois o gelo derreteu. *Relaxamento dos membros inferiores, superiores, da cabeça e do pescoço, das mãos e dos pés; fechar as mãos, abrir e soltar os braços, retesar as pernas, relaxar, estender todo o corpo; ordenar : -Você vai ficar mole. Sem pensar em nada, apenas lembre-se que deve relaxar ao máximo. *Relaxamento segmentário (poderá ser associado a respiração):elevar os braços, inspirando,e mantê-lo nesta posição por alguns instantes (em pé, sentada, deitada); elevar os braços e pernas. Apoiar fortemente a cabeça no chão, soltar; elevar os braços, as pernas, apertar as mãos e braços, apertar os pés e as pernas bem a cabeça no chão, permanecer por alguns instantes, soltar todos os membros e lentamente fazê-los retornar à posição inicial. Organização Espacial Segundo Fonseca (1995) a estruturação espaço-temporal depende do grau de integração e organização de habilidades psicomotoras anteriores. Ou seja, sem uma lateralidade bem definida e um esquema corporal devidamente estabelecido, as elaborações de suas capacidades não podem estabelecer uma adequada estruturação espaço-temporal. Isso pode se refletir em vários aspectos da aprendizagem. Como por exemplo: a dislexia (patologia relativa à dificuldade em identificar e compreender as palavras na leitura e a disgrafia (patologia relativa a dificuldade no traçado das letras). Ao tratar do assunto Educação Inclusiva a autora Andrada (2005) considera os distúrbios da aprendizagem da seguinte forma: Dislexia - específico da linguagem, caracterizada por dificuldade na decodificação de palavras. Insuficiência no processo fonológico. Apresenta sintomas variados. É hereditária e não acompanha, em absoluto, comprometimento da inteligência. Não é vista como doença e não apresenta comprometimento neurológico. E ainda a Disgrafia - semelhante à dislexia, ocasionando

31 31 dificuldades no desenvolvimento da escrita manual. Os portadores desse distúrbio podem escrever perfeitamente bem com máquinas de escrever ou teclados de computador. Em seus estudos esclarece que embora em situação, geralmente transitória, em que a pessoas apresenta incapacidade (física, sensorial, mental), quando submetidas a terapias especializadas: médicas, pedagógicas, psicológicas, psicopedagógicas, fonoaudiológicas, entre outras, podem ser reversíveis. È a tomada de consciência da situação das coisas entre si. É a possibilidade, para a pessoa, de organizar-se perante o mundo que a cerca, de organizar as coisas entre si, de colocá-las em um lugar, de movimentá-las. È a noção de direção (acima, abaixo, à frente, atrás, ao lado), e de distância (longe, perto, curto, comprido) em integração. A carência espacial pode comprometer a aprendizagem da leitura (percepção óculomotora, lateralidade, motricidade, motricidade ocular e sucessão e progressão de letras orientadas) BUENO 1998, p. 65. Prática Globalização de dobradura- de uma folha em duas, em quatro, o chapéu, o barco, avião de papel, jogar e observar qual foi mais longe, mais perto. Comparações sobre a própria posição e dos demais colegas. Sala com obstáculos, percorrer determinado trajeto depois do professor; a seguir passar para o papel o trajeto feito. Ditado de figura, por meio do posicionamento de linhas, sem nomear formas. Depois confrontar o desenho original e o ditado. Crianças em círculo, uma delas saí da sala, a s outras mudam de lugar e acriança que saiu deve reconhecer quem mudou e para onde. Televisão e Jogos eletrônicos Na atualidade é comum deparar-se com a substituição das tradicionais atividades familiares, pela imagem televisiva e os atraentes jogos eletrônicos, têm vindo a modificar radicalmente os hábitos de ludismo das crianças. Gastam mais tempo em frente a televisão do que qualquer outra atividade, exceto dormir. NETO 1999, p. 132.

Desenvolvimento cognitivo e motor na infância: necessidades de jogos e brincadeiras

Desenvolvimento cognitivo e motor na infância: necessidades de jogos e brincadeiras Desenvolvimento cognitivo e motor na infância: necessidades de jogos e brincadeiras XVIII Semana de Estudos Pedagógicos, FAFICA Prof. Marcelo Velloso Heeren Catanduva, 2012 Sistema Nervoso Neurônio Neurônio

Leia mais

EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR E A INTERVENÇÃO DA PSICOMOTRICIDADE NO PROCESSO DE APRENDIZAGEM

EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR E A INTERVENÇÃO DA PSICOMOTRICIDADE NO PROCESSO DE APRENDIZAGEM EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR E A INTERVENÇÃO DA PSICOMOTRICIDADE NO PROCESSO DE APRENDIZAGEM CAROLINE SILVA DE OLIVEIRA Discente do Curso de Licenciatura Plena do Curso de Educação Física das Faculdades Integradas

Leia mais

DIVISÃO DE REGISTROS ACADÊMICOS Registros Acadêmicos da Graduação. Ementas por Curso 09/05/2011 15:06

DIVISÃO DE REGISTROS ACADÊMICOS Registros Acadêmicos da Graduação. Ementas por Curso 09/05/2011 15:06 Curso: 9 DIVISÃO DE REGISTROS ACADÊMICOS Centro de Ciências da Educação Pedagogia (Noturno) Ano/Semestre: 0/ 09/0/0 :06 s por Curso Magistério: Educação Infantil e Anos Iniciais do Ens. Fundamental CNA.0.00.00-8

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES TEÓRICAS DE LEV VYGOTSKY (1896-1934) 1

CONTRIBUIÇÕES TEÓRICAS DE LEV VYGOTSKY (1896-1934) 1 . PREFEITURA MUNICIPAL DO SALVADOR Secretaria Municipal de Educação e Cultura SMEC Coordenadoria de Ensino e Apoio Pedagógico CENAP CONTRIBUIÇÕES TEÓRICAS DE LEV VYGOTSKY (1896-1934) 1 Angela Freire 2

Leia mais

UNIVERSIDADE DO CONTESTADO UnC CAMPUS MAFRA/RIO NEGRINHO/PAPANDUVA NÚCLEO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE E MEIO AMBIENTE

UNIVERSIDADE DO CONTESTADO UnC CAMPUS MAFRA/RIO NEGRINHO/PAPANDUVA NÚCLEO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE E MEIO AMBIENTE UNIVERSIDADE DO CONTESTADO UnC CAMPUS MAFRA/RIO NEGRINHO/PAPANDUVA NÚCLEO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE E MEIO AMBIENTE PROJETO AVALIAÇÃO INTEGRAL DA CRIANÇA MAFRA 2009 Núcleo de Ciências da Saúde e Meio Ambiente

Leia mais

A Importância da psicomotricidade no desenvolvimento infantil

A Importância da psicomotricidade no desenvolvimento infantil A Importância da psicomotricidade no desenvolvimento infantil Aline Daniela Gomes da Silva Vieira Discente de Psicologia Universidade Sagrado Coração Bauru-SP. e-mail: ninedvieira@hotmail.com Raquel Regina

Leia mais

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2008.1A

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2008.1A 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL Fase: 1ª Prática: 15 h/a Carga Horária: 60 h/a Créditos: 4 A biologia educacional e os fundamentos da educação. As bases biológicas do crescimento e desenvolvimento humano. A dimensão

Leia mais

Centro de Estudos Avançados em Pós Graduação e Pesquisa

Centro de Estudos Avançados em Pós Graduação e Pesquisa EDUCAÇÃO INFANTIL JUSTIFICATIVA O momento social, econômico, político e histórico em que vivemos está exigindo um novo perfil de profissional, de cidadão: informado, bem qualificado, crítico, ágil, criativo,

Leia mais

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2004.1. Disciplinas do Núcleo Comum 01 ANTROPOLOGIA CULTURAL

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2004.1. Disciplinas do Núcleo Comum 01 ANTROPOLOGIA CULTURAL Disciplinas do Núcleo Comum 01 ANTROPOLOGIA CULTURAL Fase: 1ª Carga Horária: 30 h/a Prática: 10 h/a Créditos: 2 : A Antropologia enquanto ciência e seus principais ramos. Metodologia da pesquisa em Antropologia

Leia mais

EDUCAÇÃO FÍSICA NA ESCOLA

EDUCAÇÃO FÍSICA NA ESCOLA EDUCAÇÃO FÍSICA NA ESCOLA Q U E S T Õ E S E R E F L E X Õ E S Suraya Cristina Dar ido Mestrado em Educação Física, na Escola de Educação Física da Universidade de São Paulo, SP, 1987 1991 Doutorado em

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO FISICA NAS SÉRIES INICIAIS DA EDUCAÇÃO BÁSICA LEILA REGINA VALOIS MOREIRA

A IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO FISICA NAS SÉRIES INICIAIS DA EDUCAÇÃO BÁSICA LEILA REGINA VALOIS MOREIRA 1 A IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO FISICA NAS SÉRIES INICIAIS DA EDUCAÇÃO BÁSICA LEILA REGINA VALOIS MOREIRA INTRODUÇÃO O tema a ser estudado tem como finalidade discutir a contribuição da Educação Física enquanto

Leia mais

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2008.1

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2008.1 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL Fase: 1ª Carga Horária: 60 h Prática: 15 h Créditos: 4 A Biologia e o educador. Herança e meio, a hereditariedade. Reprodução humana. As funções vegetativas (digestão e alimentos,

Leia mais

11. Com base na Teoria Piagetiana, relacione os conceitos da primeira coluna de acordo com as definições apresentadas na segunda coluna:

11. Com base na Teoria Piagetiana, relacione os conceitos da primeira coluna de acordo com as definições apresentadas na segunda coluna: TÉCNICO EM ASSUNTOS EDUCACIONAIS 4 CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS QUESTÕES DE 11 A 25 11. Com base na Teoria Piagetiana, relacione os conceitos da primeira coluna de acordo com as definições apresentadas na

Leia mais

CORPOREIDADE: UMA PROPOSTA PEDAGÓGICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL

CORPOREIDADE: UMA PROPOSTA PEDAGÓGICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL UNIVERSIDADE METROPOLITANA DE SANTOS NÚCLEO DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA FACULDADE DE EDUCAÇÃO E CIÊNCIAS HUMANAS CURSO DE PEDAGOGIA Educação Mediadora Ana Lucia Rodrigues Nunes Teixeira Carla Trindade da Silva

Leia mais

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES CENTRO DE PÓS-GRADUAÇÃO. Sumário I) OBJETIVO 02. 1) Público alvo 02. 2) Metodologia 02. 3) Monografia / Trabalho final 02

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES CENTRO DE PÓS-GRADUAÇÃO. Sumário I) OBJETIVO 02. 1) Público alvo 02. 2) Metodologia 02. 3) Monografia / Trabalho final 02 Sumário Pág. I) OBJETIVO 02 II) ESTRUTURA DO CURSO 1) Público alvo 02 2) Metodologia 02 3) Monografia / Trabalho final 02 4) Avaliação da aprendizagem 03 5) Dias e horários de aula 03 6) Distribuição de

Leia mais

Principais discussões sobre o ensino-aprendizagem de matemática na educação infantil

Principais discussões sobre o ensino-aprendizagem de matemática na educação infantil 1 Introdução: A matemática é uma disciplina de fundamental importância na vida de todo mundo. Desde tempos antigos o ensino dessa matéria vem fazendo cada vez mais parte da vida dos seres humanos. Basta

Leia mais

EDUCAÇÃO INFANTIL LINGUAGEM ORAL E ESCRITA. Premissas básicas:

EDUCAÇÃO INFANTIL LINGUAGEM ORAL E ESCRITA. Premissas básicas: EDUCAÇÃO INFANTIL A Educação Infantil, enquanto segmento de ensino que propicia um maior contato formal da criança com o mundo que a cerca, deve favorecer a socialização da criança, permitir a interação

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE PEDAGOGIA Disciplina: Comunicação e Expressão Ementa: A leitura como vínculo leitor/texto através do conhecimento veiculado pelo texto escrito. Interpretação:

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO MATRIZ CURRICULAR Curso: Graduação: Habilitação: Regime: Duração: PEDAGOGIA LICENCIATURA FORMAÇÃO PARA O MAGISTÉRIO EM EDUCAÇÃO INFANTIL SERIADO ANUAL - NOTURNO 4 (QUATRO) ANOS LETIVOS Integralização:

Leia mais

CURSO DE PÓS GRADUAÇÃO LATO SENSU EM PSICOPEDAGOGIA PROJETO PEDAGÓGICO

CURSO DE PÓS GRADUAÇÃO LATO SENSU EM PSICOPEDAGOGIA PROJETO PEDAGÓGICO CURSO DE PÓS GRADUAÇÃO LATO SENSU EM PSICOPEDAGOGIA PROJETO PEDAGÓGICO Campo Limpo Paulista 2012 1 CURSO DE PÓS GRADUAÇÃO LATO SENSU EM PSICOPEDAGOGIA Marcos Legais Resolução CNE CES 1 2002 Resolução CNE

Leia mais

ASSEMBLEIA LEGISLATIVA GABINETE DA DEPUTADA LUZIA TOLEDO PROJETO DE LEI Nº 157/2010

ASSEMBLEIA LEGISLATIVA GABINETE DA DEPUTADA LUZIA TOLEDO PROJETO DE LEI Nº 157/2010 PROJETO DE LEI Nº 157/2010 A semana de conscientização sobre transtornos de aprendizagem, no âmbito do Estado do Espírito Santo. A ASSEMBLEIA LEGISLATIVA DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO DECRETA: Art. 1º Fica

Leia mais

ÁREAS DE CONTEÚDO: O QUE SÃO? COMO SE DEFINEM?

ÁREAS DE CONTEÚDO: O QUE SÃO? COMO SE DEFINEM? ÁREAS DE CONTEÚDO: O QUE SÃO? COMO SE DEFINEM? As Áreas de Conteúdo são áreas em que se manifesta o desenvolvimento humano ao longo da vida e são comuns a todos os graus de ensino. Na educação pré-escolar

Leia mais

Índice. 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3

Índice. 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3 GRUPO 6.1 MÓDULO 4 Índice 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3 1.1. Desenvolvimento e Aprendizagem de Jovens e Adultos... 4 1.1.1. Educar na Diversidade... 5 1.2. Os Efeitos da Escolarização/Alfabetização

Leia mais

Dislexia: Como Suspeitar e Identificar Precocemente o Transtorno na Escola. Dislexia

Dislexia: Como Suspeitar e Identificar Precocemente o Transtorno na Escola. Dislexia Dislexia: Como Suspeitar e Identificar Precocemente o Transtorno na Escola. Dislexia Artigo original: Fga: Profª Telma Pântano Adaptação: Fgas: Profª Lana Bianchi(CRFª: 2907/ SP) e Profª Vera Mietto(CFFª

Leia mais

A imagem do corpo e o brincar virtual: perspectivas sobre a infância contemporânea

A imagem do corpo e o brincar virtual: perspectivas sobre a infância contemporânea A imagem do corpo e o brincar virtual: perspectivas sobre a infância contemporânea Érica Fróis O objetivo deste trabalho é discutir o brincar na internet e a construção da Imagem do corpo na criança a

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE PSICOLOGIA Ementário/abordagem temática/bibliografia básica (3) e complementar (5) Morfofisiologia e Comportamento Humano Ementa: Estudo anátomo funcional

Leia mais

e (Transtornos Específicos da Aprendizagem (TEA)) Dulcelene Bruzarosco Psicóloga/Terapeuta de Família e Casal.

e (Transtornos Específicos da Aprendizagem (TEA)) Dulcelene Bruzarosco Psicóloga/Terapeuta de Família e Casal. e (Transtornos Específicos da Aprendizagem (TEA)) Dulcelene Bruzarosco Psicóloga/Terapeuta de Família e Casal. Entre os gregos e romanos antigos, havia divergências quanto à maneira de ver e considerar

Leia mais

UNIVERSIDADE LUTERANA DO BRASIL CURSO DE GRADUAÇAO EM PEDAGOGIA LICENCIAMENTO EAD

UNIVERSIDADE LUTERANA DO BRASIL CURSO DE GRADUAÇAO EM PEDAGOGIA LICENCIAMENTO EAD UNIVERSIDADE LUTERANA DO BRASIL CURSO DE GRADUAÇAO EM PEDAGOGIA LICENCIAMENTO EAD Município: Pirassununga Estado: São Paulo Turma: 440 Pólo: Fundação de Ensino de Pirassununga Tutor (a): Inez Nunes Paula

Leia mais

Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola

Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola Brincar é fonte de lazer, mas é, simultaneamente, fonte de conhecimento; é esta dupla natureza que nos leva a considerar o brincar

Leia mais

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EDUCAÇÃO INCLUSIVA 400h. Estrutura Curricular do Curso Disciplinas

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EDUCAÇÃO INCLUSIVA 400h. Estrutura Curricular do Curso Disciplinas CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EDUCAÇÃO INCLUSIVA 400h Ética profissional na Educação Fundamentos históricos, conceitos, sociais e legais na Educação Inclusiva Legislação Aplicável na Educação Inclusiva Fundamentos

Leia mais

CONHECIMENTOS GERAIS (5 questões)

CONHECIMENTOS GERAIS (5 questões) 1. Paulo Freire na sua concepção pedagógica parte de alguns princípios que marcam, de forma clara e objetiva, o seu modo de entender o ato educativo. Considerando as características do pensamento desse

Leia mais

Ciclos educativos. Desenvolvimento Humano

Ciclos educativos. Desenvolvimento Humano Estágios; Processo; Desenvolvimento; Conhecimento; Experiência cultural; Múltiplas inteligências; Aprendizagem; Educação; Desenvolvimento Humano Ciclos educativos Infantil; Fundamental; Fund. I e II Médio;

Leia mais

A Educação Inclusiva, realidade ou utopia?

A Educação Inclusiva, realidade ou utopia? A Educação Inclusiva, realidade ou utopia? Gloria Contenças Marques de Arruda (Escola Municipal Luiz de Lemos) Baseado em informações dos conteúdos estudados, Michels (2006) diz que "[...] as reformas

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES DE JEAN PIAGET E DE LEV. S. VYGOTSKY PARA A PSICOLOGIA EDUCACIONAL E PARA O PROFESSOR

CONTRIBUIÇÕES DE JEAN PIAGET E DE LEV. S. VYGOTSKY PARA A PSICOLOGIA EDUCACIONAL E PARA O PROFESSOR 1 CONTRIBUIÇÕES DE JEAN PIAGET E DE LEV. S. VYGOTSKY PARA A PSICOLOGIA EDUCACIONAL E PARA O PROFESSOR Paulo Gomes Lima Prof. Adjunto da FAED/UFGD MS. Área Fundamentos da Educação A Psicologia Educacional,

Leia mais

PRÁTICA EDUCATIVA EM EDUCAÇÃO FÍSICA: A CONTRIBUIÇÃO DAS ÁREAS DE ESTUDO E SUAS RELAÇÕES COM O TRABALHO DOCENTE

PRÁTICA EDUCATIVA EM EDUCAÇÃO FÍSICA: A CONTRIBUIÇÃO DAS ÁREAS DE ESTUDO E SUAS RELAÇÕES COM O TRABALHO DOCENTE PRÁTICA EDUCATIVA EM EDUCAÇÃO FÍSICA: A CONTRIBUIÇÃO DAS ÁREAS DE ESTUDO E SUAS RELAÇÕES COM O TRABALHO DOCENTE RESUMO Leandro Pedro de Oliveira José Rubens de Lima Jardilino (orientador) Este trabalho

Leia mais

Dist úrbios e Dificuldades de Aprendizagem

Dist úrbios e Dificuldades de Aprendizagem Dist úrbios e Dificuldades de Aprendizagem Considerações sobre o normal e o patológico Segundo Leticia Lanz: a pessoa é considerada normal quando sua conduta corresponde aos padrões e expectativas do sistema.

Leia mais

A importância e influências no desenvolvimento psicomotor em crianças iniciantes na prática do Futebol

A importância e influências no desenvolvimento psicomotor em crianças iniciantes na prática do Futebol A importância e influências no desenvolvimento psicomotor em crianças iniciantes na prática do Futebol Autor: Daniel Brugni Guimarães Orientador: Prof. Me. Fabio Aires da Cunha Ar Rass Saudi Arabia 2012

Leia mais

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2010.2

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2010.2 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL Fase: 1ª Carga Horária: 30 h/a Prática: 30 h/a Créditos: 4 A biologia educacional e os fundamentos da educação. As bases biológicas do crescimento e desenvolvimento humano. A dimensão

Leia mais

DIVISÃO DE REGISTROS ACADÊMICOS Registros Acadêmicos da Graduação. Ementas por Currículo 07/02/2012 19:33

DIVISÃO DE REGISTROS ACADÊMICOS Registros Acadêmicos da Graduação. Ementas por Currículo 07/02/2012 19:33 7//1 19:33 Centro de Ciências da Educação Curso: 9 Pedagogia (Noturno) Currículo: 11/ 1 CNA.157.-3 Biologia Humana Ementa: Natureza Biológica e Visão Sistêmica do Ser humano. Sistemas do corpo humano.

Leia mais

A ABORDAGEM DA GEOMETRIA COM CRIANÇAS NA PRÉ-ESCOLA: NÍVEL II

A ABORDAGEM DA GEOMETRIA COM CRIANÇAS NA PRÉ-ESCOLA: NÍVEL II 1 A ABORDAGEM DA GEOMETRIA COM CRIANÇAS NA PRÉ-ESCOLA: NÍVEL II Donizeth Henrique Aleluia Vieira 1 Paula Rodrigues de Souza 2 Suely Miranda Cavalcante Bastos 3 Resumo: Juntamente com o campo dos Números

Leia mais

12 Teoria de Vigotsky - Conteúdo

12 Teoria de Vigotsky - Conteúdo Introdução Funções psicológicas superiores Pilares da teoria de Vigotsky Mediação Desenvolvimento e aprendizagem Processo de internalização Níveis de desenvolvimento Esquema da aprendizagem na teoria de

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO APRESENTAÇÃO O Projeto Político Pedagógico da Escola foi elaborado com a participação da comunidade escolar, professores e funcionários, voltada para a

Leia mais

As crianças, a cultura. Lisandra Ogg Gomes

As crianças, a cultura. Lisandra Ogg Gomes As crianças, a cultura lúdica e a matemática Lisandra Ogg Gomes Aprendizagens significativas: Como as crianças pensam o cotidiano e buscam compreendê-lo? (Caderno de Apresentação, 2014, p. 33). O que as

Leia mais

Pós-Graduação Especialização em Psicomotricidade e/ou Educação Infantil. Local: Avenida Pereira Rego, 1545, Centro, Candelária

Pós-Graduação Especialização em Psicomotricidade e/ou Educação Infantil. Local: Avenida Pereira Rego, 1545, Centro, Candelária Pós-Graduação Especialização em Psicomotricidade e/ou Educação Infantil Local: Avenida Pereira Rego, 1545, Centro, Candelária Carga horária: 360 horas Resolução 01/2007 CES/CNE/MEC: "Art. 5. Os cursos

Leia mais

Curso de Especialização em EDUCAÇÃO INFANTIL E PSICOMOTRICIDADE CLÍNICA

Curso de Especialização em EDUCAÇÃO INFANTIL E PSICOMOTRICIDADE CLÍNICA Curso de Especialização em EDUCAÇÃO INFANTIL E PSICOMOTRICIDADE CLÍNICA ÁREA DO CONHECIMENTO: Educação NOME DO CURSO: Curso de Pós-Graduação Lato Sensu, especialização em Educação Infantil e Psicomotrocidade

Leia mais

A CONSTRUÇÃO DO CURRÍCULO DE EDUCAÇÃO INFANTIL DA REDE MUNICIPAL DE ENSINO DE CHAPECÓ SC

A CONSTRUÇÃO DO CURRÍCULO DE EDUCAÇÃO INFANTIL DA REDE MUNICIPAL DE ENSINO DE CHAPECÓ SC A CONSTRUÇÃO DO CURRÍCULO DE EDUCAÇÃO INFANTIL DA REDE MUNICIPAL DE ENSINO DE CHAPECÓ SC FIGUEIREDO, Anelice Maria Banhara - SME / Chapecó/SC anelicefigueiredo@gmail.com LORENZET, Simone Vergínia - SME

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR 1.ª SÉRIE DE OFERTA 99-8791-04 DIDÁTICA 160 0 160 99-8792-04

MATRIZ CURRICULAR 1.ª SÉRIE DE OFERTA 99-8791-04 DIDÁTICA 160 0 160 99-8792-04 Curso: Graduação: Regime: Duração: PEDAGOGIA LICENCIATURA PLENA MATRIZ CURRICULAR SERIADO ANUAL - NOTURNO 4 (QUATRO) ANOS LETIVOS Integralização: A) TEMPO TOTAL - MÍNIMO = 04 (QUATRO) ANOS LETIVOS - MÁXIMO

Leia mais

O USO DE SOFTWARE EDUCATIVO NA EDUCAÇÃO INCLUSIVA DE CRIANÇA COM SEQUELAS DECORRENTES DE PARALISIA CEREBRAL

O USO DE SOFTWARE EDUCATIVO NA EDUCAÇÃO INCLUSIVA DE CRIANÇA COM SEQUELAS DECORRENTES DE PARALISIA CEREBRAL O USO DE SOFTWARE EDUCATIVO NA EDUCAÇÃO INCLUSIVA DE CRIANÇA COM SEQUELAS DECORRENTES DE PARALISIA CEREBRAL Introdução Com frequência as tecnologias digitais estão sendo empregadas pelos educadores em

Leia mais

Brincadeira é Jogo Sério. Resumo. Flávia Moretto de Oliveira 1 Luciane Canto Vargas 2

Brincadeira é Jogo Sério. Resumo. Flávia Moretto de Oliveira 1 Luciane Canto Vargas 2 Brincadeira é Jogo Sério Flávia Moretto de Oliveira 1 Luciane Canto Vargas 2 Resumo A infância é fascinante, durante a vida é neste período que exteriorizamos nossos sentimentos, nossas experiências e

Leia mais

Psicomotricidade na Educação Infantil. e suas contribuições no desenvolvimento e no. processo da aprendizagem.

Psicomotricidade na Educação Infantil. e suas contribuições no desenvolvimento e no. processo da aprendizagem. A importância da Psicomotricidade na Educação Infantil e suas contribuições no desenvolvimento e no processo da aprendizagem. O que é psicomotricidade? É a relação entre os aspectos motores, intelectuais

Leia mais

A Educação Física como meio de inclusão social: mito ou verdade?

A Educação Física como meio de inclusão social: mito ou verdade? A Educação Física como meio de inclusão social: mito ou verdade? Discente em formação do curso de Licenciatura Plena em Educação Física, da Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia - UESB, Campus Jequié.

Leia mais

PSICOMOTRICIDADE. Professora Tatiana Comiotto

PSICOMOTRICIDADE. Professora Tatiana Comiotto PSICOMOTRICIDADE Professora Tatiana Comiotto Significado PSICO: Intelectual, cognitivo emocional, afetivo, mental e neurológico. MOTRICIDADE: Movimento, ato, ação, gesto. PSICOMOTRICIDADE é a realização

Leia mais

O BRINCAR E SUA FUNÇÃO NA INTERVENÇÃO PSICOPEDAGÓGICA EM INSTITUIÇÕES ESCOLARES: O QUE DIZEM OS PSICOPEDAGOGOS? DIOGO SÁ DAS NEVES

O BRINCAR E SUA FUNÇÃO NA INTERVENÇÃO PSICOPEDAGÓGICA EM INSTITUIÇÕES ESCOLARES: O QUE DIZEM OS PSICOPEDAGOGOS? DIOGO SÁ DAS NEVES 1 O BRINCAR E SUA FUNÇÃO NA INTERVENÇÃO PSICOPEDAGÓGICA EM INSTITUIÇÕES ESCOLARES: O QUE DIZEM OS PSICOPEDAGOGOS? Introdução DIOGO SÁ DAS NEVES A Psicopedagogia compromete-se primordialmente com o sistema

Leia mais

Desenvolvimento motor do deficiente auditivo. A deficiência auditiva aparece, por vezes, associada a outras deficiências, como

Desenvolvimento motor do deficiente auditivo. A deficiência auditiva aparece, por vezes, associada a outras deficiências, como Texto de apoio ao Curso de Especialização Atividade Física Adaptada e Saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira Desenvolvimento motor do deficiente auditivo A deficiência auditiva aparece, por vezes, associada

Leia mais

Apontamentos iniciais sobre os Tipos de Movimentos

Apontamentos iniciais sobre os Tipos de Movimentos Apontamentos iniciais sobre os Tipos de Movimentos RICARDO MARTINS PORTO LUSSAC ricardolussac@yahoo.com.br (Brasil) Mestrando do Programa de Mestrado em Ciência da Motricidade Humana - Universidade Castelo

Leia mais

Valores de Referência nacional de honorários dos Psicólogos em (R$), por hora de trabalho, atualizados pelo INPC (1,4382) de novembro/02 a junho/07

Valores de Referência nacional de honorários dos Psicólogos em (R$), por hora de trabalho, atualizados pelo INPC (1,4382) de novembro/02 a junho/07 Valores de Referência nacional de honorários dos Psicólogos em (R$), por hora de trabalho, atualizados pelo INPC (1,4382) de novembro/02 a junho/07 Fonte - CFP/CRPs/FENAPSI (Última atualização agosto/2007)

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA PSICOMOTRICIDADE NA EDUCAÇÃO INFANTIL: PRÁTICAS DESENVOLVIDAS NO CENTRO EDUCACIONAL LUÍS DA CÂMARA CASCUDO EM MACAÍBA / RN

A IMPORTÂNCIA DA PSICOMOTRICIDADE NA EDUCAÇÃO INFANTIL: PRÁTICAS DESENVOLVIDAS NO CENTRO EDUCACIONAL LUÍS DA CÂMARA CASCUDO EM MACAÍBA / RN A IMPORTÂNCIA DA PSICOMOTRICIDADE NA EDUCAÇÃO INFANTIL: PRÁTICAS DESENVOLVIDAS NO CENTRO EDUCACIONAL LUÍS DA CÂMARA CASCUDO EM MACAÍBA / RN Autora: Eliza Christina Toscano de Mendonça 1 Co-autores: Luanda

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU EM PSICOPEDAGOGIA

PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU EM PSICOPEDAGOGIA PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU EM PSICOPEDAGOGIA Ementário Relações Interpessoais e Ética Profissional Concepções sobre o Processo Inter-relacional no Trabalho; Competência Interpessoal; Qualidade de Vida no

Leia mais

CONCEPÇÕES MATEMÁTICA APRESENTADAS POR PROFESSORES DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM PSICOPEDAGOGIA

CONCEPÇÕES MATEMÁTICA APRESENTADAS POR PROFESSORES DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM PSICOPEDAGOGIA CONCEPÇÕES MATEMÁTICA APRESENTADAS POR PROFESSORES DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM PSICOPEDAGOGIA Jacqueline Oliveira de Melo Gomes Faculdade de Formação de Professores da Mata Sul / FAMASUL-PE jacomgomes@yahoo.com.br

Leia mais

A Educação Psicomotora como instrumento no Processo de Aprendizagem

A Educação Psicomotora como instrumento no Processo de Aprendizagem A Educação Psicomotora como instrumento no Processo de Aprendizagem Maria Fernanda Borges 1 Juliana de Alcântara Silveira Rubio 2 Resumo Durante o processo de aprendizagem, os elementos básicos da psicomotricidade

Leia mais

ESTRATÉGIA DE ENSINO - BRINQUEDOS E BRINCADEIRAS TRADICIONAIS NA EDUCAÇÃO FÍSICA INFANTIL.

ESTRATÉGIA DE ENSINO - BRINQUEDOS E BRINCADEIRAS TRADICIONAIS NA EDUCAÇÃO FÍSICA INFANTIL. ESTRATÉGIA DE ENSINO - BRINQUEDOS E BRINCADEIRAS TRADICIONAIS NA EDUCAÇÃO FÍSICA INFANTIL. Carmem Regina Calegari Cunha E. M. de Educação Infantil Prof Edna Aparecida de Oliveira - UDI Resumo Trabalho

Leia mais

PSICOMOTRICIDADE E SUA RELAÇÃO COM A INTELIGÊNCIA E A EMOÇÃO. AGUIAR, Oscar Xavier de

PSICOMOTRICIDADE E SUA RELAÇÃO COM A INTELIGÊNCIA E A EMOÇÃO. AGUIAR, Oscar Xavier de PSICOMOTRICIDADE E SUA RELAÇÃO COM A INTELIGÊNCIA E A EMOÇÃO AGUIAR, Oscar Xavier de Docente do Curso de Psicologia da Faculdade de Ciências da Saúde FASU/ACEG GARÇA/SP BRASIL e-mail: oscarxa@bol.com.br

Leia mais

PROGRAMA ATIVIDADE MOTORA ADAPTADA

PROGRAMA ATIVIDADE MOTORA ADAPTADA PROGRAMA ATIVIDADE MOTORA ADAPTADA Angela T. Zuchetto Departamento de Educação Física, Centro de Desportos Universidade Federal de Santa Catarina Fone: 3318558 zuchetto@cds.ufsc.br Introdução O programa

Leia mais

VISÃO: ser referência na comunidade na área de educação Infantil

VISÃO: ser referência na comunidade na área de educação Infantil VISÃO: ser referência na comunidade na área de educação Infantil NOSSA MISSÃO: Por meio da educação formar cidadãos felizes, independentes, éticos e solidários VALORES: Respeito, honestidade, boa moral

Leia mais

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA 1 CURSO DE EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS BRUSQUE (SC) 2012 2 SUMÁRIO 1ª FASE... 4 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL... 4 02 INVESTIGAÇÃO PEDAGÓGICA: DIVERSIDADE CULTURAL NA APRENDIZAGEM... 4 03 METODOLOGIA CIENTÍFICA...

Leia mais

Marta Kohl de Oliveira Algumas Contribuições da Psicologia Cognitiva

Marta Kohl de Oliveira Algumas Contribuições da Psicologia Cognitiva Marta Kohl de Oliveira Algumas Contribuições da Psicologia Cognitiva A criança que chega à escola é um indivíduo que sabe coisas e que opera intelectualmente de acordo com os mecanismos de funcionamento

Leia mais

Revista Eletrônica Acolhendo a Alfabetização nos Países de Língua Portuguesa ISSN: 1980-7686 suporte@mocambras.org Universidade de São Paulo Brasil

Revista Eletrônica Acolhendo a Alfabetização nos Países de Língua Portuguesa ISSN: 1980-7686 suporte@mocambras.org Universidade de São Paulo Brasil Revista Eletrônica Acolhendo a Alfabetização nos Países de Língua Portuguesa ISSN: 1980-7686 suporte@mocambras.org Universidade de São Paulo Brasil Hernandes Santos, Amarílis Alfabetização na inclusão

Leia mais

Composição musical na educação infantil: uma experiência possível

Composição musical na educação infantil: uma experiência possível Composição musical na educação infantil: uma experiência possível Francine Kemmer Cernev francine@cernev.com.br Universidade Estadual de Londrina/ Colégio Nossa Senhora do Rosário, Cornélio Procópio/PR/

Leia mais

RESUMO. Palavras chave: Brinquedo. Brincar. Ambiente escolar. Criança. INTRODUÇÃO

RESUMO. Palavras chave: Brinquedo. Brincar. Ambiente escolar. Criança. INTRODUÇÃO A FUNÇÃO DO BRINQUEDO E OS DIVERSOS OLHARES Érica Cristina Marques de Oliveira- erikacmo06@hotmail.com Rafaela Brito de Souza - rafa_pdgg@hotmail.com.br Raquel Cardoso de Araújo- raquelins1@hotmail.com

Leia mais

Tecnologia do Pará IFPA. gomesisaias68@yahoo.com.br. 1 Graduando do Curso de Licenciatura em Geografia do Instituto Federal de Educação, Ciência e

Tecnologia do Pará IFPA. gomesisaias68@yahoo.com.br. 1 Graduando do Curso de Licenciatura em Geografia do Instituto Federal de Educação, Ciência e GEOGRAFANDO BELÉM Isaias Gomes de Jesus Junior 1 Resumo O presente artigo vem apresentar a Tecnologia Educacional Geografando Belém. Esta Tecnologia Educacional, de princípio, foi desenvolvida para apresentar

Leia mais

LUDICIDADE E MOVIMENTO: EDUCAÇÃO FÍSICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL

LUDICIDADE E MOVIMENTO: EDUCAÇÃO FÍSICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL LUDICIDADE E MOVIMENTO: EDUCAÇÃO FÍSICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL Resumo RIBEIRO, Amanda de Cassia Borges - UFSM acbr_amanda@hotmail.com JAHN, Angela Bortoli UFSM abjahn@terra.com.br BELING, Vivian Jamile UFSM

Leia mais

A ARTE DE BRINCAR NA EDUCAÇÃO INFANTIL. Estudante de Pedagogia pela FECLESC / UECE Resumo

A ARTE DE BRINCAR NA EDUCAÇÃO INFANTIL. Estudante de Pedagogia pela FECLESC / UECE Resumo A ARTE DE BRINCAR NA EDUCAÇÃO INFANTIL Maria Elany Nogueira da Silva Estudante de Pedagogia pela FECLESC / UECE Resumo Este presente artigo pretende refletir idéias sobre o brincar na Educação Infantil,

Leia mais

UM ESTUDO EXPLORATÓRIO DA IMPLANTAÇÃO DO ENSINO FUNDAMENTAL DE NOVE ANOS NA REDE PÚBLICA E PRIVADA

UM ESTUDO EXPLORATÓRIO DA IMPLANTAÇÃO DO ENSINO FUNDAMENTAL DE NOVE ANOS NA REDE PÚBLICA E PRIVADA CIÊNCIAS HUMANAS EDUCAÇÃO UM ESTUDO EXPLORATÓRIO DA IMPLANTAÇÃO DO ENSINO FUNDAMENTAL DE NOVE ANOS NA REDE PÚBLICA E PRIVADA NATÁLIA CORRÊA Curso de Pedagogia Faculdade de Educação NEIDE BARBOSA SAISI

Leia mais

O tônus muscular enquanto portador de significado: subsídios para a compreensão do tono como linguagem corporal

O tônus muscular enquanto portador de significado: subsídios para a compreensão do tono como linguagem corporal O tônus muscular enquanto portador de significado: subsídios para a compreensão do tono como linguagem corporal RICARDO MARTINS PORTO LUSSAC ricardolussac@yahoo.com.br (Brasil) Mestrando do Programa de

Leia mais

ESTADO DO PARANÁ SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO ESPECIAL E INCLUSÃO EDUCACIONAL

ESTADO DO PARANÁ SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO ESPECIAL E INCLUSÃO EDUCACIONAL ORIENTAÇÃO PARA A ELABORAÇÃO DO RELATÓRIO DA AVALIAÇÃO QUALITATIVA DA APRENDIZAGEM SEMESTRAL Educação Infantil Estimulação Essencial e Pré-Escolar O relatório da Educação Infantil - Estimulação Essencial

Leia mais

Uma Perspectiva Sócio-Histórica do Processo de Alfabetização com Conscientização do Contexto Sociocultural

Uma Perspectiva Sócio-Histórica do Processo de Alfabetização com Conscientização do Contexto Sociocultural Uma Perspectiva Sócio-Histórica do Processo de Alfabetização com Conscientização do Contexto Sociocultural Camila Turati Pessoa (Universidade Federal de Uberlândia) camilatpessoa@gmail.com Ruben de Oliveira

Leia mais

É preciso amor pra poder pulsar

É preciso amor pra poder pulsar Autismo: ideias e práticas inclusivas É preciso amor pra poder pulsar Eugênio Cunha eugenio@eugeniocunha.com www.eugeniocunha.com O que fazer para educar essas crianças? Como podem trabalhar escola e

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA

CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA RELAÇÃO DE RESUMOS DE MONOGRAFIAS E ARTIGOS DE PÓS- GRADUAÇÃO Lato sensu Curso: Língua Inglesa/2005 Nome Aluno(a) Título Monografia/Artigo Orientador/Banca Annelise Lima

Leia mais

Carolina Fernanda Nunes Paiva Monique Alves Felix Tayná Pinheiro Alves

Carolina Fernanda Nunes Paiva Monique Alves Felix Tayná Pinheiro Alves Carolina Fernanda Nunes Paiva Monique Alves Felix Tayná Pinheiro Alves O desenvolvimento do desenho na criança de acordo com Jean Piaget Trabalho apresentado na disciplina Psicologia da Educação III, ministrada

Leia mais

Proposta Pedagógica. Buscando atender às necessidades da comunidade local, o Colégio La Salle Brasília oferece educação infantil, fundamental e médio.

Proposta Pedagógica. Buscando atender às necessidades da comunidade local, o Colégio La Salle Brasília oferece educação infantil, fundamental e médio. Proposta Pedagógica Visão: Ser um centro de excelência em Educação Infantil, Ensino Fundamental e Médio que busca alcançar a utopia que tem de pessoa e sociedade, segundo os critérios do evangelho, vivenciando

Leia mais

DIVISÃO DE REGISTROS ACADÊMICOS Registros Acadêmicos da Graduação. Ementas por Currículo 24/01/2013 15:10. Centro de Ciências da Educação

DIVISÃO DE REGISTROS ACADÊMICOS Registros Acadêmicos da Graduação. Ementas por Currículo 24/01/2013 15:10. Centro de Ciências da Educação /1/13 15:1 Centro de Ciências da Educação Curso: 166 Educação Especial (Noturno) Currículo: 11/ 1 EDU.175.-1 Educação Inclusiva Educação Inclusiva: contextualização histórica, fundamentos e concepções.

Leia mais

Curso de Especialização Educação Infantil 2ª Edição EMENTA DAS DISCIPLINAS

Curso de Especialização Educação Infantil 2ª Edição EMENTA DAS DISCIPLINAS Curso de Especialização Educação Infantil 2ª Edição EMENTA DAS DISCIPLINAS Psicologia do Desenvolvimento e Aprendizagem da Criança de 0 a 5 anos Docente do Curso Gilza Maria Zauhy Garms Total da Carga

Leia mais

O JOGO EDUCATIVO NA EDUCAÇÃO INFANTIL. Valéria Cristina Giacometti 1, Rosiclaire Barcelos 1, Carmen Lúcia Dias 2

O JOGO EDUCATIVO NA EDUCAÇÃO INFANTIL. Valéria Cristina Giacometti 1, Rosiclaire Barcelos 1, Carmen Lúcia Dias 2 1099 O JOGO EDUCATIVO NA EDUCAÇÃO INFANTIL. Valéria Cristina Giacometti 1, Rosiclaire Barcelos 1, Carmen Lúcia Dias 2 1 Discente do Mestrado em Educação da Universidade do Oeste Paulista UNOESTE. 2 Docente

Leia mais

Estimulação precoce e a Terapia Ocupacional, uma união que promove o desenvolvimento psicomotor de crianças com Síndrome de Down.

Estimulação precoce e a Terapia Ocupacional, uma união que promove o desenvolvimento psicomotor de crianças com Síndrome de Down. Estimulação precoce e a Terapia Ocupacional, uma união que promove o desenvolvimento psicomotor de crianças com Síndrome de Down. Conceituando a Síndrome de Down (SD) Pedromônico; Perissinoto; Ramalho

Leia mais

Tais mudanças podem ser biológicas, psicológicas e até social, todas inerentes a nossa condição humana.

Tais mudanças podem ser biológicas, psicológicas e até social, todas inerentes a nossa condição humana. I - A PSICOLOGIA DO DESENVOLVIMENTO 1.1. Caracterização O desenvolvimento humano (DH) enquanto área de estudo, preocupa-se em investigar e interpretar todos os processos de mudanças pelos quais o ser humano

Leia mais

DESENVOLVIMENTO COGNITIVO MUSICAL ATRAVÉS DE JOGOS E BRINCADEIRAS

DESENVOLVIMENTO COGNITIVO MUSICAL ATRAVÉS DE JOGOS E BRINCADEIRAS 175 ANAIS III FÓRUM DE PESQUISA CIENTÍFICA EM ARTE Escola de Música e Belas Artes do Paraná. Curitiba, 2005 DESENVOLVIMENTO COGNITIVO MUSICAL ATRAVÉS DE JOGOS E BRINCADEIRAS Marta Deckert * RESUMO: Como

Leia mais

Brincadeiras que ensinam. Jogos e brincadeiras como instrumentos lúdicos de aprendizagem

Brincadeiras que ensinam. Jogos e brincadeiras como instrumentos lúdicos de aprendizagem Brincadeiras que ensinam Jogos e brincadeiras como instrumentos lúdicos de aprendizagem Por que as crianças brincam? A atividade inerente à criança é o brincar. A criança brinca para atribuir significados

Leia mais

Sugestões de como trabalhar (ensinar) a turma toda Cinara Rizzi Cecchin Uma das primeiras certezas que o professor deve ter é que as crianças sempre

Sugestões de como trabalhar (ensinar) a turma toda Cinara Rizzi Cecchin Uma das primeiras certezas que o professor deve ter é que as crianças sempre Sugestões de como trabalhar (ensinar) a turma toda Cinara Rizzi Cecchin Uma das primeiras certezas que o professor deve ter é que as crianças sempre sabem alguma coisa, todo educando pode aprender, mas

Leia mais

METODOLOGIA PARA O ENSINO DA MATEMÁTICA: UM OLHAR A PARTIR DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO

METODOLOGIA PARA O ENSINO DA MATEMÁTICA: UM OLHAR A PARTIR DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO METODOLOGIA PARA O ENSINO DA MATEMÁTICA: UM OLHAR A PARTIR DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO Flávia Nascimento de Oliveira flavinhamatematica@hotmail.com Rivânia Fernandes da Costa Dantas rivafern@hotmail.com

Leia mais

DINÂMICA CURRICULAR DO CURSO DE PEDAGOGIA - 2008. Disciplinas Teórica Prática Estágio Total. 1º Período

DINÂMICA CURRICULAR DO CURSO DE PEDAGOGIA - 2008. Disciplinas Teórica Prática Estágio Total. 1º Período MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Universidade Federal de Alfenas. UNIFAL-MG Rua Gabriel Monteiro da Silva, 700. Alfenas/MG. CEP 37130-000 Fone: (35) 3299-1000. Fax: (35) 3299-1063 DINÂMICA CURRICULAR DO CURSO DE

Leia mais

Pedagogia. Objetivos deste tema. 3 Sub-temas compõem a aula. Tecnologias da informação e mídias digitais na educação. Prof. Marcos Munhoz da Costa

Pedagogia. Objetivos deste tema. 3 Sub-temas compõem a aula. Tecnologias da informação e mídias digitais na educação. Prof. Marcos Munhoz da Costa Pedagogia Prof. Marcos Munhoz da Costa Tecnologias da informação e mídias digitais na educação Objetivos deste tema Refletir sobre as mudanças de experiências do corpo com o advento das novas tecnologias;

Leia mais

RELATO DE EXPERIÊNCIA. Sequência Didática II Brincadeira Amarelinha

RELATO DE EXPERIÊNCIA. Sequência Didática II Brincadeira Amarelinha ESCOLA MUNICIPAL JOSÉ EVARISTO COSTA RELATO DE EXPERIÊNCIA Sequência Didática II Brincadeira Amarelinha Professoras: Maria Cristina Santos de Campos. Silvana Bento de Melo Couto. Público Alvo: 3ª Fase

Leia mais

As 11 dúvidas mais frequentes

As 11 dúvidas mais frequentes As 11 dúvidas mais frequentes Deyse Campos Assessora de Educação Infantil dcampos@positivo.com.br Frequentemente recebemos solicitações de professores de escolas que estão utilizando o Sistema Positivo

Leia mais

FP 108501 FUNDAMENTOS DA GINÁSTICA

FP 108501 FUNDAMENTOS DA GINÁSTICA Ementas das Disciplinas de Educação Física Estão relacionadas abaixo, as ementas e a bibliografia dos diferentes eixos curriculares do Curso, identificadas conforme os ciclos de formação: Ciclo de Formação

Leia mais

mhtml:file://c:\documents and Settings\Angela Freire\Meus documentos\cenap 2...

mhtml:file://c:\documents and Settings\Angela Freire\Meus documentos\cenap 2... Page 1 of 6 O lúdico na educação infantil Com relação ao jogo, Piaget (1998) acredita que ele é essencial na vida da criança. De início tem-se o jogo de exercício que é aquele em que a criança repete uma

Leia mais

Psicomotricidade e psicopedagogia

Psicomotricidade e psicopedagogia Unisalesiano 2012 Psicomotricidade e psicopedagogia Profa. Denise Rocha Pereira Como sujeitos temos mente e corpo. Não há como separá-los quando falamos em aprendizagem. Antes de aprender a linguagem

Leia mais

Problema de Aprendizagem: Possíveis Intervenções Psicopedagógicas

Problema de Aprendizagem: Possíveis Intervenções Psicopedagógicas Problema de Aprendizagem: Possíveis Intervenções Psicopedagógicas *Vanessa Ferreira Silva Breve histórico da psicopedagogia De acordo com Bossa (2000, p.37) a psicopedagogia surgiu na Europa, mais precisamente

Leia mais

PLANEJAMENTO NA EDUCAÇÃO INFANTIL: UMA CONSTRUÇÃO COLETIVA.

PLANEJAMENTO NA EDUCAÇÃO INFANTIL: UMA CONSTRUÇÃO COLETIVA. PLANEJAMENTO NA EDUCAÇÃO INFANTIL: UMA CONSTRUÇÃO COLETIVA. OLIVEIRA 1, Jordânia Amorim da Silva. SOUSA 2, Nádia Jane de. TARGINO 3, Fábio. RESUMO Este trabalho apresenta resultados parciais do projeto

Leia mais

REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE PSICOLOGIA DA FACULDADE ANGLO-AMERICANO

REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE PSICOLOGIA DA FACULDADE ANGLO-AMERICANO REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE PSICOLOGIA DA FACULDADE ANGLO-AMERICANO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º O Estágio, pela sua natureza, é uma atividade curricular obrigatória,

Leia mais

Lev Semenovich Vygotsky, nasce em 17 de novembro de 1896, na cidade de Orsha, em Bielarus. Morre em 11 de junho de 1934.

Lev Semenovich Vygotsky, nasce em 17 de novembro de 1896, na cidade de Orsha, em Bielarus. Morre em 11 de junho de 1934. Lev Semenovich Vygotsky, nasce em 17 de novembro de 1896, na cidade de Orsha, em Bielarus. Morre em 11 de junho de 1934. Lev Vygotsky, viveu na mesma época que Piaget (ambos nasceram em 1896 entanto Vygotsky

Leia mais