Confederação Nacional do Comércio Conselho de Turismo

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Confederação Nacional do Comércio Conselho de Turismo"

Transcrição

1 Confederação Nacional do Comércio Conselho de Turismo

2 DIRETORIA DA CONFEDERAÇÃO NACIONAL DO COMÉRCIO Mandato: 19 de novembro de 2004 a 18 de novembro de 2010 PRESIDENTE Antonio Oliveira Santos VICE-PRESIDENTES 1º - Abram Abe Szajman 2º - Renato Rossi 3º - Orlando Santos Diniz Adelmir Araujo Santana Carlos Fernando Amaral José Arteiro da Silva Jose Evaristo dos Santos José Marconi Medeiros de Souza José Roberto Tadros Josias Silva de Albuquerque Lelio Vieira Carneiro VICE-PRESIDENTE ADMINISTRATIVO Flavio Roberto Sabbadini VICE-PRESIDENTE FINANCEIRO Luiz Gil Siuffo Pereira DIRETORES SECRETÁRIOS 2º - Antonio Edmundo Pacheco 3º - Antonio Airton Oliveira Dias DIRETORES TESOUREIROS 2º - Antonio Osório 3º - Jamil Boutros Nadaf DIRETORES Canuto Medeiros de Castro Carlos Marx Tonini Darci Piana Euclides Carli Francisco Teixeira Linhares Francisco Valdeci de Sousa Cavalcante Joseli Angelo Agnolin Ladislao Pedroso Monte Laercio José de Oliveira Leandro Domingos Teixeira Pinto Luiz Gastão Bittencourt da Silva Marcantoni Gadelha de Souza Marco Aurelio Sprovieri Rodrigues Norton Luiz Lenhart Pedro Coêlho Neto Sebastião Vieira D Avila Walker Martins Carvalho CONSELHO FISCAL Hiram dos Reis Corrêa Arnaldo Soter Braga Cardoso Antônio Vicente da Silva SUPLENTES DA DIRETORIA Aderson Santos da Frota Alberto Ivair Rogoski Horny Antonio Fernando Pereira de Carvalho Antonio Florêncio de Queiroz Junior Antonio Trevisan Ari Faria Bittencourt Armando Vergilio dos Santos Junior Bernardo Peixoto dos Santos O. Sobrinho Bruno Breithaupt Daniel Mansano Diocesmar Felipe de Faria Edson Duarte Mascarenhas Francisco Regis Cavalcante Dias Gilberto Batista de Lucena Hamilton Azevedo Rebello Jaime Simão Jerfferson Simões João Dinarte Patriota Joaquim Tadeu Pereira José Aloizio Teixeira de Souza Julio Maito Filho Luciano Figliolia Lucio Emilio de Faria Junior Marcelino Ramos Araujo Marcelo Baiocchi Carneiro Marcio Olivio Fernandes da Costa Miguel Setembrino Emery de Carvalho Moacyr Schukster Pedro José Maria Fernandes Wähmann Pedro Jamil Nadaf Pedro Richard Neto Rubens Torres Medrano Zildo De March SUPLENTES DO CONSELHO FISCAL João Luiz Ramalho de Oliveira Guilherme Alexandre da Silva Santos Idemar José Ferreira

3 COLETÂNEA TURÍSTICA 2006

4 PRESIDENTE Oswaldo Trigueiros Jr. ASSISTENTE Maria Joseneide Amorim Fernandes MEMBROS Aimone Camardella Alex Canziani Alexandre Sampaio de Abreu Alfredo Laufer Angelo Muniz Freire Vivacqua Antonio Henrique Borges de Paula Aquiléa Correa Homem de Carvalho Ayrton Baffa Arnaldo Ballesté Filho Aroldo Araújo Arthur Bosisio Junior Aspásia Camargo Bayard do Coutto Boiteux Beatriz Helena Biancardini Scvirer Caio Luiz de Carvalho Carlos Alberto Amorim Ferreira Carlos Alberto de Andrade Pinto Carlos Alberto Raggio Davies Carlos Américo Sampaio Vianna Carmen Fridman Sirotsky Cláudio Magnavita Castro Constança Ferreira de Carvalho Cleber Brisis de Oliveira Daltro Assunção Nogueira Dirceu Ezequiel de Azevedo Eduardo Jenner Farah de Araujo Genaro Cesário George Irmes Gilberto F. Ramos Gilson Campos Gilson Gomes Novo Glória de Britto Pereira Glória Konrath Nabuco Harvey José Silvello Hélio Alonso Horácio Neves Isaac Haim Jacob Mureb Joandre Antonio Ferraz João Augusto de Souza Lima João Flávio Pedrosa Jomar Pereira da Silva Roscoe José Hilário Júnior Leila Serra Menezes Farah de Araújo Luiz Carlos Barboza Luiz Felipe Bonilha Luiz Guilherme Neiva Cartolano Luiz Gustavo M. Barbosa Malú Santa Rita Margaret Rose de Oliveira Santos Maria Carmen Inês G. S. C. Garcia Maria Eliza de Mattos Maria Ercília Baker Botelho Leite de Castro Mário Braga Mário Reynaldo Tadros Maureen Flores Maurício de Maldonado Werner Filho Mauro José de Miranda Gandra Mauro Pereira de Lima e Câmara Murillo Couto Nely Wyse Abaurre Nilo Sergio Félix Nilson Guilhem Guilhem Norton Luiz Lenhart Orlando Machado Sobrinho Orlando Kremer Machado Paulo Barreto de Araujo Paulo Dias Pizão Paulo Solmucci Júnior Pedro Fortes Percy Lourenço Rodrigues Ricardo Frazão do Nascimento Ronaldo Vasconcellos Roque Vicente Ferrer Rosele Brum Fernandes Pimentel Rubens Moreira Mendes Filho Sávio Neves Filho Sergio Reynaldo Allevato Sérgio Ricardo Martins de Almeida Tânia Guimarães Omena Trajano Ricardo Monteiro Ribeiro Venâncio Grossi Waldir de Araujo Castro

5

6 Confederação Nacional do Comércio Brasília SBN Quadra 01 Bloco B n o 14, 15 o ao 18 o andar Edifício Confederação Nacional do Comércio CEP PABX (61) Rio de Janeiro Avenida General Justo, 307 CEP Rio de Janeiro Tel.: (21) Fax (21) Web site: Publicação Bianual Diagramação: SG - DAD - SDI/UPV CONFEDERAÇÃO NACIONAL DO COMÉRCIO Coletânea Turística. Rio de Janeiro: CNC, Conselho de Turismo, p. 1. Turismo. I. Confederação Nacional do Comércio. II. Conselho de Turismo. III. Título

7 APRESENTAÇÃO Antonio Oliveira Santos Presidente da Confederação Nacional do Comércio OCongresso Nacional instituiu 2006 como o Ano do Turismo. O objetivo da Lei sancionada pelo Presidente da República é promover a sensibilização de milhões de brasileiros para o papel de destaque do turismo na economia como gerador de divisas, empregos e renda, e, ainda, como fonte de preservação da nossa cultura e do nosso vasto patrimônio ambiental e histórico. O Conselho do Turismo, sob a égide do Ano do Turismo e dessa mobilização nacional, lança mais uma publicação de referência para quem deseja mergulhar fundo nos meandros dessa fascinante atividade. A Coletânea Turística 2006 registra o espírito progessista e a fundamentada opinião de ilustres personagens do pensamento estratégico nacional. Caio Luiz de Carvalho, Ernane Gâlveas, Herculano Anghinetti, Aspásia Camargo, João Augusto de Souza Lima, Mariovane Weiss, Norton Luiz Lenhart e outros assinam artigos reveladores focados na força e na pujança do turismo brasileiro. Marketing, ética, inovação, responsabilidade, gestão pública, planejamento e controle são conceitos fundamentais para o fomento e a modernização da atividade turística, abordados nesta obra de forma bastante objetiva, revelando toda a contemporaneidade de se buscar novos modelos para o desenvolvimento turístico no País. No Ano do Turismo, o nosso Conselho convida a todos a participar, com palavras, idéias e ações, da construção de um novo momento para o Turismo Brasileiro. Boa leitura!

8

9 SUMÁRIO Marketing e Aviação, 9 Oswaldo Trigueiros Jr. Turismo e Desenvolvimento, 15 Ernane Galvêas Estrada Real Desenvolvimento Socioeconômico Regional através do Turismo, 21 Eberhard Hans Aichinger Turismo em Minas Gerais: Perspectivas, Desenvolvimento e Atividade Econômica, 31 Herculano Anghinetti O Futuro do Agente de Viagens, 43 Tasso Gadzanis A Energia da Inovação no Setor de Turismo, 51 Alfredo Laufer Tempo de Pensar e Renovar Estratégias na Atividade Turística, 57 Caio Luiz de Carvalho A Imprensa Especializada em Turismo: A sua Responsabilidade e o seu Papel no Desenvolvimento do Turismo no Brasil, 69 Cláudio Magnavita Castro Ética em Turismo, 85 Nely Wyse Abaurre A Importância do Planejamento e do Controle nas Áreas de Alimentos e Bebidas, 99 Carlos Alberto Raggio Davies A Nova Embratur, 107 José Francisco de Salles Lopes Política Municipal de Turismo, 119 Otávio Leite A Captação do Turismo Internacional para o Brasil Uma Proposta da Bolsa de Negócios BRITE (Brazilian International Tourism Exchange), 127 Gilson Gomes Novo São Borja Portão Turístico do Mercosul, 135 Mariovane Weiss Marketing Turístico, 141 Bayard do Couto Boiteux Turismo e o Novo Plano Diretor da Cidade do Rio de Janeiro, 153 Aspásia Camargo As Câmaras Bilaterais como Alavanca ao Desenvolvimento do Turismo Internacional, 163 João Augusto de Souza Lima Ações para Otimizar o Turismo, 171 Mário Braga

10 Sucesso em Vendas na Atividade Turística, 183 Maurício de Maldonado Werner Filho Transportes Turísticos, 193 George Irmes O Setor Empresarial e o Turismo, 205 Norton Luiz Lenhart Turismo no Rio de Janeiro, 225 Sergio Ricardo Martins de Almeida

11 MARKETING X AVIAÇÃO Oswaldo Trigueiros Jr. Presidente do Conselho de Turismo da CNC Não é possível realizar um plano de marketing e planejamento de qualidade em qualquer país sem conhecer suas especificações. Idem em relação ao Brasil e suas perversões, jeitinhos, inconsciências, distorções, preferências, desigualdades, temperos, insegurança. Cada país é único, por essa razão, deve haver um plano de marketing específico para atender a cada realidade. À medida que, do ponto de vista tecnológico, o marketing é, a cada dia que passa, mais individual e seu poder de invasividade é crescente, precisa ser mais respeitoso e sensível. O que implica, dentre outras providências, rever e mudar uma série de procedimentos adequando-os às necessidades do mercado alvo. A começar pela manifestação de inteligência e modernidade mediante o reconhecimento, por meio da prática, de que as pessoas hoje, mais que nunca, exigem respeito por suas privacidades. Ou seja, voltar a aprender a bater na porta antes de entrar. Voltar a pedir licença. E depois de ouvir o pode entrar, dizer o que foi fazer e o que pretende fazer com todas as informações sobre o dono da casa a que tiver acesso. É o advento do Permission Marketing, ou a volta do marketing bem educado dos anos 60 e 70. O novo marketing, à medida que as empresas reduziram substancialmente suas estruturas internas, passando a trabalhar com dezenas de fornecedores mediante processos de terceirização, elege um novo e terceiro rei: seus fornecedores. O consumidor continua sendo o rei mais importante. Só que, para chegar a esse último, decisivo e definitivo rei, tem de passar por dois outros: sua equipe interna de colaboradores, seus funcionários, e sua equipe externa de colaboradores, seus fornecedores. 9

12 10 E, ainda, o novo marketing já vem enfrentando e terá de se manter vigilante diante da utilização banalizada que a imprensa, de uma forma geral, vem fazendo da palavra marketing. Como se fosse sinônimo de esperteza, de malandragem; uma espécie de sucessor da lei de Gerson. O marketing não é uma arma de planejamento e execução de metas tão-somente para a atividade privada, ele tem de atuar também e principalmente na área do governo, e de forma consistente em parceria iniciativa público-privada. Todo mundo tem acesso às estratégias já estabelecidas que fazem parte integrante do marketing direto; mas para que um negócio cresça a um ritmo firme, estratégias personalizadas são essenciais. As estratégias que se desenvolvem deve se relacionar à sua concorrência e ao estágio em que seu produto se situa no ciclo de vida do produto. Cada produto ou linha de produto que se desenvolve atravessa quatro etapas: (1) introdução; (2) crescimento; (3) maturidade e saturação; e (4) declínio. CHANCES DESPERDIÇADAS A atual situação da Varig poderia ter sido, pelo menos parcialmente, evitada por um projeto desenvolvido dentro de sua subsidiária Rio Sul depois incorporada junto com a Nordeste à companhia-mãe. O projeto com o nome provisório PopStar previa uma subsidiária da companhia sob o conceito low cost, low fare (baixos custos, baixas tarifas) para enfrentar a concorrência da então recém-criada Gol. Desenvolvido no início de 2002, o plano previa a utilização de aviões Boeing das duas subsidiárias absorvidas pela Varig e a operação a custos reduzidos, com a eliminação de certos serviços e estrutura própria e enxuta. Naquela ocasião o Presidente da Varig, cancelou o projeto afirmando que a Gol não era concorrente para a Varig, diz um dos envolvidos no desenvolvimento do PopStar. Este ano, a Gol tomou da antiga Varig o segundo lugar no ranking da aviação doméstica do País. Outra companhia que vem crescendo, apesar de ter nascido para ocupar um simples nicho no setor de fretamento, é a BRA (Brasil Rodo Aéreo), desenvolvida dentro da própria Varig no fim dos anos 90. A companhia foi criada em parceria com a operadora de turismo Panexpress, sua atual controladora, para atuar no setor de fretamento com o nome de Varig Travel. Quando a Varig desistiu do negócio, a Panexpress criou a BRA, que hoje, além de linhas regulares e autorização para voar até na disputada Ponte Aérea Rio-São Paulo, já opera uma frota de 11 aeronaves entre elas um Boeing que pretende atender a três destinos europeus e espera incorporar mais dois aviões até o fim do ano. CONCEITO DE MARKETING Há o conceito de marketing que pode ser descrito como uma filosofia, ou atitude da mente, e deve ser aplicado para dirigir ou orientar toda a organização e operação de um negócio. A essência do conceito é portanto: identificar o mercado potencial e suas necessidades, e vendê-lo de maneira eficiente e ao preço certo criando assim uma empresa lucrativa e bem-sucedida. Qualquer organização ou empresa que adotar e empregar o conceito de marketing, deverá ser orientada no sentido do consumidor, e com uma visão extrovertida. Ela estará preocupada em pesquisar e analisar o mercado para assegurar que o produto seja modificado como, quando e onde for necessário.

13 Ela estará observando e analisando os sucessos e as falhas de seus concorrentes. Por outro lado organizações do governo ou empresas que não adotaram o conceito de marketing, são invariavelmente orientadas para o produto e introspectivas. Elas são orgulhosas de seus produtos, crêem que todos devem querê-los, e não sonhariam jamais em mudálos, mesmo cientes das conseqüências. O que acabo de dizer é um conceito em terrenos gerais e igualmente aplicável a todos os meios de transportes, quer sejam estradas de ferro, companhias de navegação, aéreas e marítimas. A experiência que deve ser assimilada por todas as empresas de transportes parte do conceito de marketing, é que seu objetivo não é meramente o de operar uma estrada de ferro, companhia aérea ou marítima tecnicamente eficiente e segura, mas de suprir e comercializar os meios de transportes para passageiros e carga (não esquecendo de distinguir entre os dois), onde, como e quando eles se fizeram necessários. E somente quando este objetivo estiver adotado é que uma organização de transporte terá chance de ser bemsucedida e lucrativa. O CONCEITO DE MARKETING APLICADO AO TRANSPORTE AÉREO A estrutura governamental tem de estar alerta as variantes operacionais da constituição de uma empresa. O objetivo primordial de uma companhia que oferece transporte, é o de fornecer e comercializar seu produto quando se fizer necessário. A primeira tarefa é, então, identificar o mercado em termos de rotas, freqüências, tipos de equipamento, configuração e tarifas que produzirão o volume de tráfego necessário. Seguir etapas acompanhando-as com profissionais estrategistas. Muitos desses fatores, estão evidentemente interligados. O tamanho do equipamento e a configuração usada, determina a freqüência necessária, bem como os fatores externos e a posição da concorrência nas rotas em questão e a manutenção dos equipamentos. As empresas não operam num mercado completamente livre. Freqüências, rotas, alguns aspectos do serviço de bordo e em particular as tarifas, são regidas nas rotas internacionais, por acordos feitos pela IATA e aprovados pelos governos. Essas restrições não reduzem a importância de profunda pesquisa de mercado quanto às necessidades e do seu potencial. Somente com tal conhecimento é que uma companhia de aviação poderá obter resultados satisfatórios. Entretanto todo o trabalho de marketing e planejamento efetuados pelas companhias aéreas, visando melhores resultados depende em grande parte da participação do governo, principalmente no Brasil, onde sofremos com diversos fatores como, distribuição de rotas (disciplinas tarifárias) custo do combustível, importação de peças e presteza para desembaraçar. Estudo por parte das autoridades reguladoras do desempenho da atividade da aviação comercial, quer seja na qualidade e na quantidade das aeronaves, como e principalmente na capacidade de gerenciamento. Afinal, as rotas são uma concessão governamental, cabe ao governo estabelecer uma política séria, sustentável e periódica. Esses aviões deverão ser utilizados para freqüências nacionais e em países da América do Sul. Essa opera- 11

14 12 ção, a maior da história da Boeing com uma companhia da América Latina. Foi feito um estudo dos mercados? A que nível de Break-Even irão operar essas aeronaves. Serão eles rentáveis para sustentar as operações, no nível de mais 60% de aproveitamento? Aí está um perigo para o futuro pois se houver algum tropeço na trajetória, quem será o culpado? A empresa não pode ser sacrificada se não houver uma parceria de estudo de mercado! O governo deveria e deve participar das iniciativas da aviação comercial. Na entrada de novas companhias, retomada de freqüências, investimentos em novas aeronaves e tarifas promocionais, são práticas das áreas para ampliar a participação no mercado doméstico. A entrada de empresas novas como a Webjet e a AirMinas que deverá operar ainda este mês além do crescimento dos vôos charter (fretados), também são indicadores de mudanças no market share do mercado como um todo, diz Amaryllis Romano, economista da Tendências Consultoria. Outra Companhia que está investindo em aeronaves para ampliar a sua freqüência é a OceanAir. Com aporte de US$ 100 milhões, a Companhia, que conta com 0,5% de participação no mercado, receberá nos próximos anos 29 aeronaves modelos MK28, antigo Fokker 100. Pretendemos atender cidades das regiões Sul, Sudeste e Nordeste, além de Manaus e Belém ainda este ano com três novos aparelhos que deveremos receber, diz Jorge Vianna, vice-presidente. Em receita a companhia deve crescer 24% este ano sobre Este é outro exemplo típico da ausência do governo, a compra de equipamentos de diversas origens, formando um verdadeiro jardim zoológico de tipos de aeronaves. É prejudicial para a economia das empresas, seria mais lógico um ou dois tipos de aeronave. O panorama da aviação brasileira contrasta fortemente com o que é antevisto pela maioria das grandes frotas internacionais. A veloz escalada dos preços do petróleo, cuja cotação internacional passou de US$ o barril, no fim de 2003, para US$ nos últimos dias de junho passado, terá impacto menor para os brasileiros que para os norte-americanos e europeus, em virtude da valorização do real em relação ao Dólar e ao Euro, nos últimos dois meses. As estrangeiras não se beneficiam desta compensação, esclarece um consultor da aviação. De fato, no dia 26 de junho, as agências internacionais anunciaram uma queda das ações da British Airways e da Lufthansa na Bolsa de Tóquio, com repercussões em praticamente todo o mercado europeu e norte-americano. A relativa salvaguarda não evita, no entanto, previsões de reajuste de tarifas, no caso do preço do combustível se fixar no novo patamar. Trabalhamos com uma previsão de US$ o barril, mas é lógico que o novo preço, 20% ou mais acima do previsto, nos obrigará a um pequeno reajuste, afirma o presidente de uma grande companhia brasileira, que também prevê um impacto maior sobre a operação das companhias recém-chegadas ao mercado, que operam em nichos específicos, como os regionais dedicados ao tráfego de turismo. Mas mesmo aí o Brasil também é menos vulnerável. Embora com maior taxa de crescimento que de outros países, o setor de turismo aéreo, que é o que sente em primeiro lugar os aumentos de preços das tarifas, tem menor peso

15 no mix dos clientes. Turismo é um dos primeiros cortes nos orçamentos dos clientes, diz Daniel Torelli, da consultoria Aerogrips. Enquanto na Europa nada menos de 49% dos passageiros são turistas, e nos Estados Unidos este número chega a 25%, apenas 20% dos passageiros brasileiros viajam como turista. Assim, embora o preço da tarifa seja o de maior peso na escolha do passageiro médio brasileiro depois vem a facilidade da reserva e só em terceiro lugar a segurança de vôo um eventual aumento atingirá uma faixa menor do mercado, porque é voz corrente na aviação brasileira que quem viaja a trabalho não pode deixar de voar. O PRODUTO Vamos agora considerar a natureza do produto que a companhia aérea tem de comercializar, que é basicamente passagens e volume de carga nos serviços de transporte oferecidos. O produto do transporte aéreo é altamente perecível. Até o momento da partida do vôo, ou mais precisamente, no momento que o vôo é fechado, cada poltrona e unidade de carga tem um valor de centenas, e alguns casos de milhares de dólares. Cada poltrona vazia ou espaço de carga que não tenha sido vendida até aquele momento, torna-se instantaneamente isenta de qualquer valor. Poucos são os ramos de negócio, que podem sofrer uma desvalorização tão grande de um produto do custo tão elevado. Outro fator que deve ser levado em consideração é que apesar dele ser basicamente passagens e espaço de carga, as razões que venham o consumidor a adquirilos são muito mais complexas e variadas do que na maioria dos demais produtos. A estrutura de marketing de uma empresa de transporte aéreo deve, portanto, ser eficiente a ponto de comercializar um produto tão perecível, cujo valor desaparece em um único momento. Ao mesmo tempo deverá ser capaz de conduzir a sua comercialização de tal maneira que o consumidor possa ser persuadido através de diversas razões, quase todas, porém, envolvendo o produto como um meio de alcançar algo dele inteiramente desvinculado. Nesta pesquisa deve-se analisar os conjuntos. O fato é que a aviação está mudando o conceito de comercialização. Hoje temos procurado estimular o nosso mercado de forma idêntica ao de qualquer outra indústria. Nossa mercadoria depende de imagem e estilo para atrair o cliente em potencial. Para tanto, procuramos, na conquista dos mercados, atuar em três áreas de características distintas: Mercado interceptivo Mercado criativo Mercado atrativo AEROPORTOS O Brasil é um País imprevidente. Basta analisar a situação das cidades para chegar a esta conclusão. O tráfego de veículos nos grandes centros é caótico e, no caso da aviação, o quadro não é diferente. O descuido das autoridades é latente, sobretudo em relação aos aeroportos principais. Os prejuízos causados pelos atrasos no sistema de controle de tráfego são incalculáveis e o que se vê é uma completa apatia por parte das autoridades responsáveis pela aviação civil brasileira. Em 1993, uma comissão parlamentar dos Estados Unidos, encarregada de investigar os problemas na 13

16 aviação comercial norte-americana, apontou perdas de US$ 10 bilhões em três anos causados por atrasos nos sistemas de controle de tráfego aéreo no solo e em vôo. No Brasil a situação é mais grave. Um exemplo típico é o Aeroporto de Congonhas, em São Paulo, um dos mais importantes da América Latina. O inferno começa já no embarque, sobretudo quando estes não acontecem por fingers, ou pontes de embarque. Os passageiros têm de fazer verdadeiros malabarismos para chegarem à aeronave. Os tripulantes enfrentam uma realidade pior do que a dos passageiros, pois têm horários a cumprir e precisam justificar qualquer atraso no vôo. A via-crúcis começa na autorização para o push back e o acionamento de motores. Nos horários de pico, a pressão sobre os controladores de tráfego aéreo e os tripulantes é brutal, gerando uma alta carga de estresse. Quando a autorização é concedida, inicia-se uma corrida maluca para a cabeceira, onde acontecerá o alinhamento para decolagem. Já amarguei atrasos de 38 minutos entre a chamada para o acionamento de motores e a posição três para a decolagem. Detalhe: para um vôo de 35 minutos. Além dos problemas durante os procedimentos para a decolagem, os tripulantes também sofrem com as reduções de velocidade nas descidas e aproximações, a manutenção de órbitas de espera, o alongamento de pernas, entre outros expedientes. Esta é uma situação que vem se agravando nos grandes aeroportos brasileiros. As terríveis tensões entre tripulantes e controladores, o desconforto de passageiros e as brutais perdas para os operadores são cada vez mais freqüentes no País. A título de ilustração vou citar mais um exemplo da situação interna dos aeroportos: RÁDIO É COISA DO PASSADO O Comandante Marcelo Greanin, fez a seguinte exposição na revista Aero Magazine, n o 134, ano 12, que achamos muito oportuna. A Infraero (Empresa Brasileira de Infra-estrutura Aeroportuária) e o Decea (Departamento de Controle de Espaço Aéreo) iniciaram no segundo trimestre deste ano os primeiros testes com equipamentos de emissão D-ATIS (Sistema Automático de Informações de Terminal Digital) e D-CL (Sistema de Autorização de Plano de Vôo Digital) no Aeroporto Internacional de São Paulo/Guarulhos. O D-ATIS fornece informações atualizadas das condições operacionais e meteorológicas do aeroporto e o D-CL transmite à aeronave o plano de vôo aprovado pelo ACC (Centro de Controle de Área). A diferença destes para os sistemas que estão em funcionamento no resto do País é que pilotos e controladores de tráfego aéreo deixam de utilizar o rádio VHF e passam a empregar a comunicação digital via satélite. No caso do sistema D-CL, o piloto não precisa sintonizar a freqüência da posição tráfego para solicitar a autorização do seu de plano de vôo. Ele simplesmente digita a solicitação no FMGS (Flight Management and Guidance System) da aeronave e aciona a tecla envia. 06 de setembro de

17 TURISMO E DESENVOLVIMENTO Ernane Galveas Consultor Econômico da Presidência da Confederação Nacional do Comércio N as minhas andanças e nos meus contatos com a Diretoria da Varig, com Erick de Carvalho, Hélio Schmidt e Oswaldo Trigueiros, aprendi a conhecer o valor que tem o turismo para o desenvolvimento econômico. Aprendi muito, também, nos contatos que tive com a Embratur. Numa certa ocasião, até, como Presidente do Banco Central, empenhei-me, com o Miguel Colassuono, para realizar o sonho de abrir portais na Europa e nos Estados Unidos. Começamos os famosos portais do Nordeste. Colocamos as agências do Banco do Brasil no mundo todo a serviço do turismo nacional. Então, aprendi mais uma coisa: entendi que o Brasil tinha uma grande vocação para o turismo, mas que estava fora das rotas do turismo internacional. Na Europa, várias vezes estudamos a questão dos charters, dos vôos de afretamento. Mas nos disseram o seguinte: pergunte à Organização Mundial do Turismo (OMT) onde é que eles se realizam. Ele se realiza nas curtas distâncias. Oitenta por cento do turismo internacional é feito em curta distância. O que significa isso? É que o turismo, mais do que internacional, é interno. É o chamado turismo de fronteira. Então, o Canadá tem um enorme turismo com os Estados Unidos e vice-versa, os Estados Unidos com o México, os países da América do Norte com o Caribe e a América Central, a França com Espanha, Portugal, Alemanha e Itália, e o Brasil com a Argentina. Fiquei, então, assim: é preciso descobrir no Brasil, que está fora das rotas do turismo internacional, algumas coisas especiais para realizarmos essa vocação turística que entendemos que tem o Brasil. Por que vocação turística? Porque temos coisas fantásticas para mostrar, a começar pela beleza do Rio de Janeiro; depois, pelos outros sítios históricos do Brasil, as cidades, toda a nossa história, o interior do Brasil, as florestas brasileiras, as cachoeiras, os rios fantásticos, belezas naturais de toda grandeza. 15

18 16 Temos de encontrar um caminho. E eu acho que estamos encontrando um caminho agora. Parece que o Ministro Walfrido Mares Guia lançou um programa chamado Vai Brasil e que vamos entrar, realmente, num processo de descobrir as fontes em que esse turismo nacional pode ser bem desenvolvido. Há um interesse nacional. O Governo brasileiro está empenhado nesse programa; não é só o Ministro do Turismo, mas o Secretário Nacional, a Embratur, todos nós, os companheiros das empresas de viagens, aqueles que estão ligados ao setor, todos estamos, hoje, tomados de uma certa euforia com relação a esse programa. No ano passado, pelo que me consta, ou neste ano, vamos receber cinco milhões de turistas estrangeiros; e esperamos, com o programa que está desenhado pelo Ministro Walfrido Mares Guia, que esteve aqui conosco conversando muito sobre turismo, que em pouco tempo elevemos esse número para nove milhões de turistas. Continuo acreditando que o turismo brasileiro ainda não está aí. O turismo brasileiro ainda está aqui dentro do Brasil. É o turismo interno, é o turismo de curta distância, é o turismo que se faz de ônibus, de automóvel ou de caminhão, e que se faz entre o Brasil e a Argentina, entre Minas Gerais e o Rio de Janeiro ou entre Minas Gerais e o Espírito Santo. Então, esse turismo pode ter um desenvolvimento extraordinário e pode ser um impulsionador fantástico do crescimento econômico. Vi, também, na OMT um dado fantástico. O turismo movimenta, em valores, uma importância maior do que todo o comércio de petróleo. Ora, o petróleo é um negócio fantástico move os aviões, os navios, os automóveis, as indústrias. É um negócio fantástico no mundo todo. Então, vem a OMT e diz que o turismo representa, hoje, em valor, transações superiores ao montante das transações do petróleo, ou seja, é realmente uma força econômica extraordinária de criação de riquezas e de geração de empregos. E não é só isso: é que ele está crescendo. A globalização foi um fato novo em matéria de integração internacional. Mais homens de negócios, mais pessoas de terceira idade, mais turistas passaram, realmente, a utilizar todos os meios de transporte para passar de um país para outro e fazer turismo turismo de negócio, de lazer. E nós estamos acompanhando isso com o maior interesse para, inclusive, ajudar o Brasil a crescer, a criar empregos. A OMT diz que este ano o turismo deve aumentar, no mundo, entre 6% e 7%. Ora, foi um ano difícil, porque, depois do apagão de 11 de setembro de 2001, acreditávamos que as restrições, o excesso de fiscalização, o medo do terrorismo criariam, realmente, grandes empecilhos à expansão do turismo e às viagens internacionais como realmente aconteceu no primeiro momento. Entretanto, hoje já vemos que isso está ultrapassado. As viagens foram retomadas; os negócios internacionais foram retomados. O 11 de setembro, de uma maneira geral, ficou para trás, assim como os acontecimentos de Madri e de Londres. Então, a força do turismo falo de turismo de negócios e de turismo de lazer está vencendo, por meio do processo de globalização, inclusive o medo e o receio do terrorismo internacional. Quer dizer, é uma força maior, muito mais vibrante, muito mais potente que o turismo internacional. Os números que encontramos nas informações sobre turismo são impressionantes e nos dão um ânimo extraordinário; renovam nosso entusiasmo por esse processo, por esse programa de desenvolvimento do tu-

19 rismo no Brasil. Anotei, aqui, alguns números da OMT segundo os quais o Brasil recebe cinco milhões de turistas estrangeiros e está fazendo um programa para nove milhões recebe cinco milhões de turistas. Acho que é porque está fora das rotas internacionais, está distante, está longe, pois a França recebe 77 milhões de turistas e a Espanha recebe 52 milhões de turistas. Os Estados Unidos têm um índice que fala em 42 milhões e um outro que fala em 60 milhões. Acredito mais no índice de 60 milhões. A China recebe 37 milhões. Tomei conhecimento de um dado, ontem, segundo o qual a China não recebe 37 milhões; recebe 75 milhões de turistas por ano. A Itália recebe 40 milhões, a Inglaterra recebe 24 milhões, o México recebe 19 milhões, a Rússia, com todas as barreiras que, durante 70 anos, a fecharam para o resto do mundo, recebe, hoje, 22 milhões de turistas. É verdade que a maior parte desse turismo é turismo de fronteira; é turismo no qual você atravessa de trem, de ônibus e de automóvel são os 80% aos quais se refere a OMT e que representam todo esse movimento. Em termos de receitas, as coisas, então, são fabulosas. A França recebe, de turismo, US$ 30 bilhões, a Espanha recebe US$ 30 bilhões e os Estados Unidos recebem US$ 80 bilhões. Sem falar em Portugal, Itália, na própria Grécia e nos países que fazem do turismo um dos elementos principais de suas atividades econômicas. Nós, aqui, estamos com uma vocação já em vigor, mas que poderá ter uma expansão importantíssima, que é o Mercosul. Estamos muito ligados. E o nosso turismo com a Argentina já é de grande importância, porque é um turismo de fronteira. Então, temos, realmente, de explorar essa proximidade com a Argentina, com o Paraguai e com o Uruguai para um intercâmbio de turistas que pode nos levar a todos esses objetivos que temos em vista. Estamos todos engajados, desde o Ministro até os seus Secretários e todos os Ministérios. O Presidente Lula, há poucos dias, foi ao Congresso da Associação Brasileira dos Agentes de Viagens (ABAV), no Riocentro, e demonstrou o interesse de todo o Governo no desenvolvimento desse programa, apoiando o Ministro Walfrido Mares Guia e o programa Vai Brasil, inclusive liberando verbas para que esses programas sejam realizados. É dentro desse quadro que vejo a nossa CNC. Esta bancada daqui para lá é toda da CNC, incluindo a Inês, a Margaret, o Paulo Caringe. Estamos realmente exercendo uma vocação. Primeiro porque é um dos objetivos escritos nos nossos estatutos o desenvolvimento do turismo. A CNC é pioneira em matéria do grande turismo no Brasil. Em 1948, já em Bertioga, iniciamos um programa criando centros de lazer. Vou falar sobre isso um pouco mais detalhadamente. Hoje, somos uma grande organização de turismo receptivo, de turismo social e de turismo ambiental. Ocupamos três áreas importantes no setor de turismo. Vou mencionar isso porque acho que é importante mostrar como a CNC principalmente o Sesc, com suas atividades sociais e também com o Programa do Pantanal está empenhadíssima no crescimento e na expansão desse tipo de atividade econômica e de lazer. Bom, estamos nesse processo esperando que cada vez cresça mais. Acho que a globalização é um processo irreversível. A integração internacional vai nos levar nessa direção. E é dentro desse quadro que estamos trabalhando. 17

20 18 Temos, aqui, o Conselho de Turismo da CNC, entregue ao entusiasmo e à competência do Oswaldo Trigueiros, ao qual todos vocês emprestam o seu apoio. Todos, aqui, se reúnem, discutem os problemas, levam às autoridades e divulgam suas realizações. Este Conselho de Turismo da CNC é uma força nesse sentido. Estamos acompanhando o desenvolvimento de todo esse setor e oferecendo uma colaboração que eu considero da maior importância. Criamos, agora, o Comitê Empresarial de Turismo, entregue ao Presidente da Federação Nacional de Hotéis, Restaurantes, Bares e Similares (FNHRBS), Norton Luiz Lenhart, o qual, se não me engano, proferiu, aqui, uma extraordinária conferência. Sinto-me humilhado de trazer aqui algumas pobres informações, depois de saber que o Norton passou por aqui. Ele é que é o especialista; é o nosso representante nesse setor. Ainda bem que o Norton passou por aqui e deixou a sua marca, pois não deixou espaço para os que viessem depois dele. Trouxe, aqui, alguns dados que, pela gentileza do Maron Emile Abi-Abib, recebi ontem. São extraordinários. Começam com esse histórico, que eu mencionei, de que somos realmente pioneiros no turismo organizado. Em 1948, quando se organizou a colônia de férias de Bertioga, em São Paulo, dávamos início a um programa extraordinário de oferecer possibilidade de turismo de lazer aos comerciários. A mesma coisa é feita na indústria. Hoje, é feita no setor de transporte, no setor de cada uma das confederações, mas começamos com essas colônias de férias e esses centros de lazer desde A partir daí, fomos crescendo, desenvolvendo, criando novas unidades, oferecendo aos 40 milhões de comerciários e seus familiares a possibilidade de freqüentar os hotéis dessas colônias e todo o sistema de lazer piscina, esporte etc. que eles oferecem. Temos, hoje, uma dimensão extraordinária que surpreende as próprias pessoas do setor que passem por aqui. O Ministro Walfrido Mares Guia ficou impressionado quando viu os nossos números, pois tínhamos 41 meios de hospedagem, leitos, excursões realizadas no ano de 2004; 191 mil pessoas turistas do setor do comércio e familiares haviam utilizado essas nossas instituições e, portanto, estávamos provendo uma abertura numa área que realmente é utilizada pelas pessoas de maior poder aquisitivo. Nossas estatísticas comprovam que mais de 90% de todo esse movimento de 191 mil usuários dos nossos serviços eram de renda baixa, entre um e seis salários mínimos. Portanto, é também um programa de igualdade social; é um programa de nivelamento social. Estamos dando oportunidade às pessoas de baixa renda no setor comércio, aberto a outros setores e aos seus familiares, de usarem, no sistema de turismo, os sistemas de hotelaria, lazer e esporte que oferecemos. São serviços extraordinários. Podemos considerar, inclusive, que são serviços de primeiro mundo. Alguns até chegam a dizer que somos tão eficientes que estamos criando uma certa concorrência com o resto do sistema, com hotéis, hospedagens e estalagens. Não é verdade, responde o Maron Emile Abi-Abib. Em todo esse sistema, com todo esse volume de gente, de movimento de pessoal, representamos 0,23% do total de meios de hospedagem. Então, estamos fazendo como o beija-flor que carregava no bico uma gota d água para apagar um incêndio na floresta. Estamos fazendo a nossa parte, com a coragem e o entusiasmo do Oswaldo Trigueiros, do Norton Lenhart e de todos aqueles que se empenham em utilizar e descobrir, de todos os modos, os caminhos que o turismo pode oferecer a um País gran-

A decolagem do turismo

A decolagem do turismo A decolagem do turismo OBrasil sempre foi considerado detentor de um enorme potencial turístico. Em 1994, no entanto, o país recebeu menos de 2 milhões de turistas internacionais, um contingente que, na

Leia mais

Estrada Real é Nossa vai dar descontos em restaurantes. Passaporte ER chega ao Caminho do Sabarabuçu. Programa do IER treina condutores dos parques

Estrada Real é Nossa vai dar descontos em restaurantes. Passaporte ER chega ao Caminho do Sabarabuçu. Programa do IER treina condutores dos parques Ano 1 Nº 3 Informativo Estrada Real é Nossa vai dar descontos em restaurantes Pág. 02 Novo portal do Instituto Estrada Real é lançado Pág. 03 Passaporte ER chega ao Caminho do Sabarabuçu Pág. 05 Programa

Leia mais

TURMA 10 H. CURSO PROFISSIONAL DE: Técnico de Multimédia RELAÇÃO DE ALUNOS

TURMA 10 H. CURSO PROFISSIONAL DE: Técnico de Multimédia RELAÇÃO DE ALUNOS Técnico de Multimédia 10 H 7536 Alberto Filipe Cardoso Pinto 7566 Ana Isabel Lomar Antunes 7567 Andreia Carine Ferreira Quintela 7537 Bruno Manuel Martins Castro 7538 Bruno Miguel Ferreira Bogas 5859 Bruno

Leia mais

Aéreas terão subsídios para operar rotas já existentes

Aéreas terão subsídios para operar rotas já existentes Fonte: Dr. Renato Kloss Seção: Economia Versão: Online Data: 28/07 Aéreas terão subsídios para operar rotas já existentes Medida do governo deve beneficiar cem linhas rentáveis. Subvenção pode somar R$

Leia mais

a diferenciação como estratégia de sobrevivência

a diferenciação como estratégia de sobrevivência Central de Cases TAM: a diferenciação como estratégia de sobrevivência www.espm.br/centraldecases Central de Cases TAM: a diferenciação como estratégia de sobrevivência Preparado pelo Prof. Marcos Henrique

Leia mais

Empresas aéreas continuam a melhorar a rentabilidade Margem de lucro líquida de 5,1% para 2016

Empresas aéreas continuam a melhorar a rentabilidade Margem de lucro líquida de 5,1% para 2016 COMUNICADO No: 58 Empresas aéreas continuam a melhorar a rentabilidade Margem de lucro líquida de 5,1% para 2016 10 de dezembro de 2015 (Genebra) - A International Air Transport Association (IATA) anunciou

Leia mais

MAIS TURISMO, MAIS DESENVOLVIMENTO

MAIS TURISMO, MAIS DESENVOLVIMENTO Ministério do Turismo MAIS TURISMO, MAIS DESENVOLVIMENTO INDICADORES 2012 MAIS TURISMO, MAIS DESENVOLVIMENTO INDICADORES maio - 2013 Lagoa Azul, Parque Nacional dos Lençóis Maranhenses, MA Mais Turismo

Leia mais

FERRAMENTAS UTILIZADAS PELO SEBRAE / MT

FERRAMENTAS UTILIZADAS PELO SEBRAE / MT MISSÃO SEBRAE Missão: Ser uma organização de desenvolvimento, ética e séria, gerando alternativas de soluções para nossos clientes tornarem-se competitivos alinhados à sustentabilidade da vida. ÁREA DE

Leia mais

Anuário Estatístico de Turismo - 2013

Anuário Estatístico de Turismo - 2013 Secretaria Nacional de Políticas de Turismo Ministério do Turismo Anuário Estatístico de Turismo - 2013 Volume 40 Ano base 2012 Guia de leitura Guia de leitura O Guia de Leitura tem o propósito de orientar

Leia mais

Dispomos de filiais em Natal/RN, bairro de Ponta Negra.

Dispomos de filiais em Natal/RN, bairro de Ponta Negra. Quem Somos? Atua há 22 anos firmada no mercado como agência especializada na negociação, planejamento, divulgação e execução das atividades turísticas. Empresa esta, devidamente cadastrada pelos órgãos

Leia mais

MARKETING PARA TURISMO RODOVIÁRIO. Rosana Bignami Outubro_2015

MARKETING PARA TURISMO RODOVIÁRIO. Rosana Bignami Outubro_2015 MARKETING PARA TURISMO RODOVIÁRIO Rosana Bignami Outubro_2015 ATRATIVOS CIDADES PESSOAS TRANSPORTES SISTEMA DE TRANSPORTE VEÍCULO ATENDE LOCAIS E ATENDE A MINHA EMPRESA ESTÁ PRONTA PARA O MARKETING? OUÇA

Leia mais

FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE TIRO COM ARMAS DE CAÇA. FOSSO UNIVERSAL CAMPEONATO REGIONAL NORTE - 2007 2ª. CONTAGEM - 24 e 25 de Março

FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE TIRO COM ARMAS DE CAÇA. FOSSO UNIVERSAL CAMPEONATO REGIONAL NORTE - 2007 2ª. CONTAGEM - 24 e 25 de Março GERAL 1 1 129 00817 Herculano Lopes do Nascimento 8 C.C. Matosinhos S 25 24 25 25 1 99 2 113 00540 Rodrigo Dourado Fernandes 10 C.T. S. Pedro de Rates S 25 25 24 25 0 99 3 88 00588 Carlos Augusto Torres

Leia mais

200 4 Anuário Estatístico

200 4 Anuário Estatístico 2004 Anuário Estatístico REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL LUIZ INÁCIO LULA DA SILVA Presidente MINISTÉRIO DO TURISMO WALFRIDO SILVINO DOS MARES GUIA Ministro INSTITUTO BRASILEIRO DE TURISMO EMBRATUR EDUARDO

Leia mais

ASSOCIAÇÃO CULTURAL E EDUCACIONAL DE GARÇA FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS CURSO DE BACHARELADO EM TURISMO RA: 31.902

ASSOCIAÇÃO CULTURAL E EDUCACIONAL DE GARÇA FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS CURSO DE BACHARELADO EM TURISMO RA: 31.902 ASSOCIAÇÃO CULTURAL E EDUCACIONAL DE GARÇA FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS CURSO DE BACHARELADO EM TURISMO RA: 31.902 O TURISMO DE EVENTOS ENQUANTO MECANISMO DE PRESERVAÇÃO E PROPAGAÇÃO DE IDENTIDADES CULTURAIS

Leia mais

Descrição do Sistema de Franquia. Histórico do Setor. O Fórum Setorial de Franquia

Descrição do Sistema de Franquia. Histórico do Setor. O Fórum Setorial de Franquia Descrição do Sistema de Franquia Franquia é um sistema de distribuição de produtos, tecnologia e/ou serviços. Neste sistema uma empresa detentora de know-how de produção e/ou distribuição de certo produto

Leia mais

ATENDIMENTO CORPORATIVO LIVE TRAVEL TURISMO 2013

ATENDIMENTO CORPORATIVO LIVE TRAVEL TURISMO 2013 ATENDIMENTO CORPORATIVO LIVE TRAVEL TURISMO 2013 LIVETRAVEL Um iniciou a carreira como advogado, o outro em uma mesa de operações de um grande banco. Duas carreiras que pareciam não se cruzar. Uma grande

Leia mais

RESULTADOS. Nome Global ( /100) PT1840719 ADÃO AZEVEDO MALHEIRO MATOS BARBOSA 94 B1 PT1840720 ADRIANA MORAIS SOUSA 52 A1

RESULTADOS. Nome Global ( /100) PT1840719 ADÃO AZEVEDO MALHEIRO MATOS BARBOSA 94 B1 PT1840720 ADRIANA MORAIS SOUSA 52 A1 PT1840719 ADÃO AZEVEDO MALHEIRO MATOS BARBOSA 94 B1 PT1840720 ADRIANA MORAIS SOUSA 52 A1 PT1840721 ADRIANA XAVIER DA SILVA FERNANDES 38 Pré-A1 PT1840722 ALEXANDRA FILIPA AZEVEDO SANTOS 52 A1 PT1840723

Leia mais

ESCOLA E.B. 2,3 DE LAMAÇÃES 2013-2014

ESCOLA E.B. 2,3 DE LAMAÇÃES 2013-2014 5º1 1 ANA CATARINA R FREITAS SIM 2 BEATRIZ SOARES RIBEIRO SIM 3 DIOGO ANTÓNIO A PEREIRA SIM 4 MÁRCIO RAFAEL R SANTOS SIM 5 MARCO ANTÓNIO B OLIVEIRA SIM 6 NÁDIA ARAÚJO GONÇALVES SIM 7 SUNNY KATHARINA G

Leia mais

COMÉRCIO INTERNACIONAL CURSO DE ECONOMIA

COMÉRCIO INTERNACIONAL CURSO DE ECONOMIA COMÉRCIO INTERNACIONAL CURSO DE ECONOMIA CLASSIFICAÇÕES DO SEGUNDO TESTE E DA AVALIAÇÃO CONTINUA Classificações Classificação Final Alex Santos Teixeira 13 13 Alexandre Prata da Cruz 10 11 Aleydita Barreto

Leia mais

Vencedor Estadual Novos Projetos

Vencedor Estadual Novos Projetos COMO MUDAR A PERSPECTIVA DE SUA CIDADE O desenvolvimento acontece com a força dos Pequenos Negócios Vencedores do 8º Prêmio Sebrae Prefeito Empreendedor (2013-2014) Vencedor Estadual Novos Projetos Município

Leia mais

Disciplina Turma Dia Hora início Duração Sala Docente Curso Informações. Maria Teresa dos Reis Pedroso de Lima

Disciplina Turma Dia Hora início Duração Sala Docente Curso Informações. Maria Teresa dos Reis Pedroso de Lima Segunda-feira 08:30 1h Anfiteatro 1.1 Quinta-feira 08:30 1h Anfiteatro 1.1 Terça-feira 11:30 1h Anfiteatro 3.1 Quinta-feira 10:30 1h Anfiteatro 3.1 Maria Teresa dos Reis Pedroso de Lima Maria Teresa dos

Leia mais

PROJETO: 8 - AMPLIAÇÃO DA REDE HOTELEIRA PARA COPA DO MUNDO 2014.

PROJETO: 8 - AMPLIAÇÃO DA REDE HOTELEIRA PARA COPA DO MUNDO 2014. PROJETO: 8 - AMPLIAÇÃO DA REDE HOTELEIRA PARA COPA DO MUNDO 2014. Objetivo: Acompanhar trabalhos de ampliação do número de leitos na rede hoteleira na cidade de Curitiba. Justificativa: A cidade de Curitiba

Leia mais

COMISSÃO ELEITORAL REDUZIDA. Ata da Quarta Reunião

COMISSÃO ELEITORAL REDUZIDA. Ata da Quarta Reunião ELEIÇÃO PARA OS ÓRGÃOS SOCIAIS DA ASSOCIAÇÃO DE ESTUDANTES DA FACULDADE DE CIÊNCIAS DA UNIVERSIDADE DO PORTO COMISSÃO ELEITORAL REDUZIDA Ata da Quarta Reunião Ao sexto dia do mês de novembro de dois mil

Leia mais

Elas formam um dos polos mais dinâmicos da economia brasileira, e são o principal sustentáculo do emprego e da distribuição de renda no país.

Elas formam um dos polos mais dinâmicos da economia brasileira, e são o principal sustentáculo do emprego e da distribuição de renda no país. Fonte: http://www.portaldaindustria.org.br 25/02/2015 PRONUNCIAMENTO DO PRESIDENTE DO CONSELHO DELIBERATIVO NACIONAL (CDN) DO SERVIÇO BRASILEIRO DE APOIO ÀS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS (SEBRAE), NA SOLENIDADE

Leia mais

Corrida da Saúde. Infantis A - Feminino

Corrida da Saúde. Infantis A - Feminino Corrida da Saúde Classificação geral do corta-mato, realizado no dia 23 de Dezembro de 2007, na Escola E.B. 2,3 de Valbom. Contou com a participação dos alunos do 4º ano e do 2º e 3º ciclos do Agrupamento

Leia mais

REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL. Presidente da República Dilma Vana Rousseff. Vice-Presidencia da República Michel Miguel Elias Temer Lulia

REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL. Presidente da República Dilma Vana Rousseff. Vice-Presidencia da República Michel Miguel Elias Temer Lulia 1 3 4 REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL Presidente da República Dilma Vana Rousseff Vice-Presidencia da República Michel Miguel Elias Temer Lulia Ministra de Estado Chefe da Casa civil da Presidência da

Leia mais

LISTA DE CANDIDATOS ADMITIDOS E NÃO ADMITIDOS. Concurso Oferta de Escola para Contratação de Docente Grupo 110. Ano Letivo - 2014/2015

LISTA DE CANDIDATOS ADMITIDOS E NÃO ADMITIDOS. Concurso Oferta de Escola para Contratação de Docente Grupo 110. Ano Letivo - 2014/2015 LISTA DE CANDIDATOS ADMITIDOS E NÃO ADMITIDOS Concurso Oferta de Escola para Contratação de Docente Grupo 110 Ano Letivo - 2014/2015 CANDIDATOS ADMITIDOS: Nº Candidato NOME OSERVAÇÕES 1367130034 Alexandra

Leia mais

MFIG - TRABALHO Codigo Nome turma Nota Trabalho 110402106 Adriana Castro Valente 2 15,0 110402107 Alex da Silva Carvalho 3 14,9 70402122 Alexandre

MFIG - TRABALHO Codigo Nome turma Nota Trabalho 110402106 Adriana Castro Valente 2 15,0 110402107 Alex da Silva Carvalho 3 14,9 70402122 Alexandre MFIG - TRABALHO Codigo Nome turma Nota Trabalho 110402106 Adriana Castro Valente 2 15,0 110402107 Alex da Silva Carvalho 3 14,9 70402122 Alexandre Jorge Costelha Seabra 2 18,2 110402182 Ana Catarina Linhares

Leia mais

Itaguaí realiza Fórum

Itaguaí realiza Fórum Edição Extra nº 426 Ano: 08 Publicado Semanalmente quarta-feira, 12 de agosto de 2015 Distribuição Gratuita Itaguaí realiza Fórum de Desenvolvimento da Cadeia Produtiva Meta é formular proposta de incentivo

Leia mais

POR QUE INTERIORIZAR O TRANSPORTE AÉREO?

POR QUE INTERIORIZAR O TRANSPORTE AÉREO? CONECTANDO O BRASIL CONECTANDO O BRASIL POR QUE INTERIORIZAR O TRANSPORTE AÉREO? O Brasil é um país de 8 milhões de quilômetros quadrados de área. Esse imenso território demanda ser integrado por uma

Leia mais

PESQUISA DE INTENÇÃO DE COMPRAS PARA O DIA DOS NAMORADOS Junho de 2015 IMPERATRIZ

PESQUISA DE INTENÇÃO DE COMPRAS PARA O DIA DOS NAMORADOS Junho de 2015 IMPERATRIZ PESQUISA DE INTENÇÃO DE COMPRAS C PARA O DIA DOS NAMORADOS ADOS Junho de 2015 IMPERATRIZ ANÁLISE DO LEVANTAMENTO DE INTENÇÃO DE CONSUMO PARA O DIA DOS NAMORADOS 2015 EM IMPERATRIZ-MA A Pesquisa de Intenção

Leia mais

Lista de Contactos do Departamento de Engenharia Informática

Lista de Contactos do Departamento de Engenharia Informática Lista de Contactos do Departamento de Engenharia Informática Gabinete/Cargo Nome Extensão E-mail Diretor Luiz Felipe Rocha de Faria 1450 lef@isep.ipp.pt Sub-diretor(es) António Constantino Lopes 1462 acm@isep.ipp.pt

Leia mais

SEQUÊNCIA LISTA NOMINAL DOS CANDIDATOS APROVADOS 1 MAURO ROBERTO P. DUARTE 2 PAULO RENATO PEDRONI DE ALMEIDA 3 ALEX LOPES LYRIO 4 MARCOS ANDRE MURTA

SEQUÊNCIA LISTA NOMINAL DOS CANDIDATOS APROVADOS 1 MAURO ROBERTO P. DUARTE 2 PAULO RENATO PEDRONI DE ALMEIDA 3 ALEX LOPES LYRIO 4 MARCOS ANDRE MURTA LISTA NOMINAL DOS CANDIDATOS APROVADOS 1 MAURO ROBERTO P. DUARTE 2 PAULO RENATO PEDRONI DE ALMEIDA 3 ALEX LOPES LYRIO 4 MARCOS ANDRE MURTA RIBEIRO 5 ALEXANDRE FERREIRA DE MENEZES 6 ADALBERTO GOMES DA SILVA

Leia mais

A importância do Conselho de Classe no Estado Entrevista com Karla de Melo - presidente do Ceiconrerp - 10ª Região

A importância do Conselho de Classe no Estado Entrevista com Karla de Melo - presidente do Ceiconrerp - 10ª Região A importância do Conselho de Classe no Estado Entrevista com Karla de Melo - presidente do Ceiconrerp - 10ª Região Marcello Chamusca Graduada em Comunicação Social com Habilitação em Relações Públicas

Leia mais

Nome Curso Golos Amarelos Vermelhos

Nome Curso Golos Amarelos Vermelhos Nome Curso s Amarelos Vermelhos Carlos Júnior Mestrado 4 Jogo 15 Rui Nascimento Mestrado Jerónimo Mestrado 1 Jogo 15 Pedro Francês Mestrado 1 Andre Figueiredo Mestrado 3 Jogo6 Artur Daniel Mestrado 2 João

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DO TRANSPORTE AQUAVIÁRIO. Cláudio Roberto Fernandes Décourt Vice-Presidente Executivo

DESENVOLVIMENTO DO TRANSPORTE AQUAVIÁRIO. Cláudio Roberto Fernandes Décourt Vice-Presidente Executivo DESENVOLVIMENTO DO TRANSPORTE AQUAVIÁRIO Cláudio Roberto Fernandes Décourt Vice-Presidente Executivo Outubro / 2003 A MARINHA MERCANTE BRASILEIRA MMB ítens abordados: transporte internacional; cabotagem;

Leia mais

Turismo de Negócios, Congressos e Eventos. 1º. Encontro de Secretários de Turismo da Rede Mercocidades. Mercodestinos Capitais Gauchas Rotas Tchê

Turismo de Negócios, Congressos e Eventos. 1º. Encontro de Secretários de Turismo da Rede Mercocidades. Mercodestinos Capitais Gauchas Rotas Tchê Turismo de Negócios, Congressos e Eventos 1º. Encontro de Secretários de Turismo da Rede Mercocidades Mercodestinos Capitais Gauchas Rotas Tchê Visão, Acordos, Compromissos, Estratégias e Ações Porto Alegre,

Leia mais

Discurso do Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, na audiência com personalidades do mundo do livro

Discurso do Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, na audiência com personalidades do mundo do livro , Luiz Inácio Lula da Silva, na audiência com personalidades do mundo do livro Brasília - DF, 21 de setembro de 2006 Eu poderia deixar você falar, Paim, mas o microfone é alto e você não vai alcançar aqui.

Leia mais

CURSO: ANIMADOR SOCIOCULTURAL LISTA PROVISÓRIA DE ALUNOS SELECIONADOS

CURSO: ANIMADOR SOCIOCULTURAL LISTA PROVISÓRIA DE ALUNOS SELECIONADOS CURSO: ANIMADOR SOCIOCULTURAL Adriana da Conceição Palhares Lopes Alexandra Rodrigues Barbosa Ana Salomé Lopes Queirós Andreia Dias da Costa Bianca Patricia Gonçalves Ramos Carina Filipa Monteiro Rodrigues

Leia mais

Ano: 08 Publicado Semanalmente sexta-feira, 04 de setembro de 2015 Distribuição Gratuita

Ano: 08 Publicado Semanalmente sexta-feira, 04 de setembro de 2015 Distribuição Gratuita Edição nº 432 Ano: 08 Publicado Semanalmente sexta-feira, 04 de setembro de 2015 Distribuição Gratuita Agora, a população de Itaguaí pode aproveitar melhor o espaço da Secretaria de Meio Ambiente, que

Leia mais

PANORAMA EMPRESARIAL DO TURISMO RURAL BRASILEIRO 2010 TENDÊNCIAS E OPORTUNIDADES

PANORAMA EMPRESARIAL DO TURISMO RURAL BRASILEIRO 2010 TENDÊNCIAS E OPORTUNIDADES PANORAMA EMPRESARIAL DO TURISMO RURAL BRASILEIRO 2010 TENDÊNCIAS E OPORTUNIDADES Organizador Patrocínio Apoio PANORAMA EMPRESARIAL DO TURISMO RURAL BRASILEIRO 2010 O Turismo é uma das maiores fontes de

Leia mais

PANORAMA DO MERCADO Asiático

PANORAMA DO MERCADO Asiático Boletim PANORAMA DO MERCADO Asiático Edição nº 1 Julho/2015 Coordenação Geral de Mercados Americanos/Asiático - CGMA Diretoria de Mercados Internacionais - DMINT Apresentação A série Boletim Panorama dos

Leia mais

MINISTÉRIO DOS NEGÓCIOS ESTRANGEIROS. Gabinete do Secretário de Estado das Comunidades Portuguesas

MINISTÉRIO DOS NEGÓCIOS ESTRANGEIROS. Gabinete do Secretário de Estado das Comunidades Portuguesas MINISTÉRIO DOS NEGÓCIOS ESTRANGEIROS Gabinete do Secretário de Estado das Comunidades Portuguesas Aviso n.º 6326/2003 (2.ª série). O Secretário de Estado das Comunidades Portuguesas faz publicar por círculos

Leia mais

FECOMÉRCIO FALTOU NO CLIPPING VEÍCULO: GAZETA DO OESTE DATA: 08.02.15 EDITORIA: CIDADES

FECOMÉRCIO FALTOU NO CLIPPING VEÍCULO: GAZETA DO OESTE DATA: 08.02.15 EDITORIA: CIDADES FECOMÉRCIO FALTOU NO CLIPPING VEÍCULO: GAZETA DO OESTE DATA: 08.02.15 EDITORIA: CIDADES VEÍCULO: GAZETA DO OESTE DATA: 08.02.15 EDITORIA: LISTZ MADRUGA VEÍCULO: GAZETA DO OESTE DATA: 08.02.15 EDITORIA:

Leia mais

ASSOCIAÇÃO CULTURAL E EDUCACIONAL DE GARÇA FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS CURSO DE BACHARELADO EM TURISMO RA: 31.951

ASSOCIAÇÃO CULTURAL E EDUCACIONAL DE GARÇA FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS CURSO DE BACHARELADO EM TURISMO RA: 31.951 ASSOCIAÇÃO CULTURAL E EDUCACIONAL DE GARÇA FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS CURSO DE BACHARELADO EM TURISMO RA: 31.951 A ATIVIDADE TURÍSTICA E O SEGMENTO DE EVENTOS. PERSPECTIVAS DE CRESCIMENTO GRAÇAS À COPA

Leia mais

REFLEXÕES SOBRE O TURISMO E O DESENVOLVIMENTO HOTELEIRO NO BRASIL

REFLEXÕES SOBRE O TURISMO E O DESENVOLVIMENTO HOTELEIRO NO BRASIL REFLEXÕES SOBRE O TURISMO E O DESENVOLVIMENTO HOTELEIRO NO BRASIL Turismo é o estudo do deslocamento humano para fora de seu habitat usual, da indústria que responde por suas necessidades e dos impactos

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 32 Discurso na inauguração da ala

Leia mais

Página 1 de 5 Ministério da Justiça - MJ Conselho Administrativo de Defesa Econômica - CADE SEPN 515 Conjunto D, Lote 4 Ed. Carlos Taurisano, 2º andar - Bairro Asa Norte, Brasília/DF, CEP 70770-504 Telefone:

Leia mais

Módulo VIII Fomento à Aviação Regional

Módulo VIII Fomento à Aviação Regional Módulo VIII Fomento à Aviação Regional Anderson Ribeiro Correia João Luiz de Castro Fortes Parte 3 Impactos Sociais e Econômicos de um Aeroporto Roteiro Aeroporto como Gerador de Atividade Econômica Medição

Leia mais

Anuário Estatístico de Turismo - 2012

Anuário Estatístico de Turismo - 2012 Secretaria Nacional de Políticas de Turismo Ministério do Turismo Anuário Estatístico de Turismo - 2012 Volume 39 Ano base 2011 Sumário I Turismo receptivo 1. Chegadas de turistas ao Brasil - 2010-2011

Leia mais

CENTRO HISTÓRICO EMBRAER. Entrevista: Arlindo de Figueiredo Filho. São José dos Campos SP. Agosto de 2011

CENTRO HISTÓRICO EMBRAER. Entrevista: Arlindo de Figueiredo Filho. São José dos Campos SP. Agosto de 2011 CENTRO HISTÓRICO EMBRAER Entrevista: Arlindo de Figueiredo Filho São José dos Campos SP Agosto de 2011 Apresentação e Formação Acadêmica O meu nome é Arlindo de Figueiredo Filho, estou no momento..., completei

Leia mais

Observatório do Turismo

Observatório do Turismo USUS 2012 Observatório do Turismo Cidade de São Paulo Brasil Turismo no Mundo 9,0% Representatividade no PIB Mundial em 2011 US$ 6,3 TRILHÕES Movimentação Financeira em 2011 980 MILHÕES Viagens no Mundo,

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 42 Discurso no Hotel Tropical MANAUS,

Leia mais

Capítulo 03 Mercados regionais

Capítulo 03 Mercados regionais Capítulo 03 Mercados regionais As organizações decidem atuar no mercado global quando sabem que o crescimento externo será maior do que o interno. Nesse sentido, a China é um dos mercados para onde as

Leia mais

Medidas anunciadas pelo governo afetam mercado imobiliário, cursinhos e servidores públicos federais

Medidas anunciadas pelo governo afetam mercado imobiliário, cursinhos e servidores públicos federais Fonte: O Globo Data: 16/09/2015 Seção: Economia Versão: Impresso (página 25) e Online Medidas anunciadas pelo governo afetam mercado imobiliário, cursinhos e servidores públicos federais Retomada de cobrança

Leia mais

LISTA ORDENADA POR GRADUAÇÃO PROFISSIONAL - DGAE

LISTA ORDENADA POR GRADUAÇÃO PROFISSIONAL - DGAE Nome da Escola : Agrupamento de Escolas de Almancil, Loulé Horário n.º: 27-18 horas 2013-10-09 Grupo de Recrutamento: 420 - Geografia LISTA ORDENADA POR GRADUAÇÃO PROFISSIONAL - DGAE Ordenação Graduação

Leia mais

PROCESSO SELETIVO - AMA / AMA-E. 1ª Convocação para Dinâmica de Grupo

PROCESSO SELETIVO - AMA / AMA-E. 1ª Convocação para Dinâmica de Grupo PROCESSO SELETIVO - AMA / AMA-E Categoria Profissional: Técnico em Radiologia 1ª Convocação para Dinâmica de Grupo Prezado candidato, caso tenha realizado a inscrição no período de 16/05/2013 a 20/05/2013

Leia mais

RESULTADO PRELIMINAR PROVA PRÁTICA

RESULTADO PRELIMINAR PROVA PRÁTICA Carpinteiro RESULTADO PRELIMINAR PROVA PRÁTICA PREFEITURA MUNICIPAL DA ESTÂNCIA BALNEÁRIA DE /SP 533003901 Joan Cesar Ferreira De Almeida 40 Aprovado Página 1 de 11 PREFEITURA MUNICIPAL DA ESTÂNCIA BALNEÁRIA

Leia mais

PESQUISA DE INTENÇÃO DE COMPRA E CONFIANÇA DO CONSUMIDOR

PESQUISA DE INTENÇÃO DE COMPRA E CONFIANÇA DO CONSUMIDOR DEZEMBRO/2010 PESQUISA DE INTENÇÃO DE COMPRA E CONFIANÇA DO CONSUMIDOR RELATÓRIO MENSAL DA PESQUISA DE INTENÇÃO DE COMPRA E CONFIANÇA DO CONSUMIDOR DE MANAUS, ANO 2010 - N 12 MANAUS AM 67,2% dos consumidores

Leia mais

ASSOCIAÇÃO DE ATLETISMO DO PORTO TRANSFERÊNCIAS 2010/2011

ASSOCIAÇÃO DE ATLETISMO DO PORTO TRANSFERÊNCIAS 2010/2011 162.024 Renata Sofia Mendes Barbosa Infantil Assoc. Rec. Luz e Vida Gondomarense Alunos de Meirim Futebol Clube 157.431 Bruno Manuel Ribeiro da Silva Juvenil Futebol Clube do Porto Alunos de Meirim Futebol

Leia mais

Entrevistado: Almir Barbassa Entrevistador: - Data:11/08/2009 Tempo do Áudio: 23 30

Entrevistado: Almir Barbassa Entrevistador: - Data:11/08/2009 Tempo do Áudio: 23 30 1 Entrevistado: Almir Barbassa Entrevistador: - Data:11/08/2009 Tempo do Áudio: 23 30 Entrevistador- Como o senhor vê a economia mundial e qual o posicionamento do Brasil, após quase um ano da quebra do

Leia mais

1º Ciclo 1ª Categoria. 5.º Campeonato Regional de Jogos Matemáticos. Classificação Nome Escola 1º 9 Vasco Batista. 2º 2 Rodrigo de Carvalho F.

1º Ciclo 1ª Categoria. 5.º Campeonato Regional de Jogos Matemáticos. Classificação Nome Escola 1º 9 Vasco Batista. 2º 2 Rodrigo de Carvalho F. 1º 9 Vasco Batista Matriz 2º 2 Rodrigo de Carvalho F. Junior y 3º 7 Beatriz Cunha São Roque 4º 1 Isabel Maria C. R. da Ponte Medina y 5º 5 Maria João Cabral 6º 4 Ângela Oliveira 7º 6 Letícia Rego 8º 3

Leia mais

PROCESSO SELETIVO RESIDÊNCIA MÉDICA 2015 CLASSIFICAÇÃO GERAL POR CURSO

PROCESSO SELETIVO RESIDÊNCIA MÉDICA 2015 CLASSIFICAÇÃO GERAL POR CURSO Inscrição GILBRAN COSTA GUIMARÃES 003020851100087 662,64 Cirurgia Geral 1 * MARCELA SILVA VIEIRA 003027851100098 655,49 Cirurgia Geral 2 * GUTENBERG DINIZ BORBOREMA 003021851100096 619,4 Cirurgia Geral

Leia mais

MESTRADOS E DOUTORAMENTOS - 2015

MESTRADOS E DOUTORAMENTOS - 2015 MESTRADOS E DOUTORAMENTOS - 2015 2ª FASE - ECT SUPLENTE EXCLUÍDO LISTA DE CANDIDATOS SERIAÇÃO CARLA MARIA CARNEIRO ALVES Doutoramento em Didática de Ciências e Tecnologias 3,9 de 5 4 CARLOS EDUARDO DOS

Leia mais

DTR DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO REGIONAL. ADEOSC Agência de Desenvolvimento do Extremo Oeste de Santa Catarina

DTR DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO REGIONAL. ADEOSC Agência de Desenvolvimento do Extremo Oeste de Santa Catarina DTR DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO REGIONAL ADEOSC Agência de Desenvolvimento do Extremo Oeste de Santa Catarina Sistema Federação das Indústrias do Estado de Santa Catarina FIESC Instituto Euvaldo Lodi IEL

Leia mais

Escola Secundária de S. Pedro do Sul (AESPS)

Escola Secundária de S. Pedro do Sul (AESPS) Sala B5 KFS ALEXANDRE DE ALMEIDA SILVA ALEXANDRE HENRIQUE DA ROCHA OLIVEIRA ALEXANDRE MIGUEL DE ALMEIDA PEREIRA ALEXANDRE SILVA FIGUEIREDO ANA CATARINA GOMES MOREIRA ANA CATARINA MARQUES GOMES ANA MARGARIDA

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 17 Discurso no encerramento do Fórum

Leia mais

Odebrecht TransPort assume operação do Galeão

Odebrecht TransPort assume operação do Galeão nº 338 agosto 2014 Odebrecht TransPort assume operação do Galeão Odebrecht 70 anos: trajetória em aeroportos Novos serviços para usuários-clientes de água e esgoto Rota do Oeste deve investir R$5,5 bilhões

Leia mais

1ª Avaliação Parlamentar Copa do Mundo 2014. Logística

1ª Avaliação Parlamentar Copa do Mundo 2014. Logística 1ª Avaliação Parlamentar Copa do Mundo 2014 Logística Economia Brasileira Gráfico 1 Crescimento Econômico Brasileiro e Mundial PIB 2002 a 2016 (em %) 8,0 6,0 4,0 2,0 0,0-2,0 7,5 61 6,1 5,7 4,6 5,3 5,2

Leia mais

'É necessário ter um cesto de soluções'

'É necessário ter um cesto de soluções' Vitória (ES), edição de 11 e 12 de agosto de 2007 ENTREVISTA MARIO PETROCCHI Consultor de Turismo e professor universitário O plano turístico para o Espírito Santo precisa ser um somatório 'É NECESSÁRIO

Leia mais

Perspetivas de colaboração Portugal China, Apoios à internacionalização e o papel da AICEP

Perspetivas de colaboração Portugal China, Apoios à internacionalização e o papel da AICEP Perspetivas de colaboração Portugal China, Apoios à internacionalização e o papel da AICEP AIMINHO Braga, 24 de Outubro, 2014 1 P a g e Distintas Entidades aqui presentes, Senhores Empresários, Minhas

Leia mais

Jobim diz que empresas aéreas fazem "terrorismo" para impedir mudanças

Jobim diz que empresas aéreas fazem terrorismo para impedir mudanças Jobim diz que empresas aéreas fazem "terrorismo" para impedir mudanças CAPA KLÉCIO SANTOS A bordo de um avião da FAB, ZH acompanhou a primeira vinda de Nelson Jobim a Porto Alegre como ministro da Defesa.

Leia mais

AGENDA DE MEIO AMBIENTE E SUSTENTABILIDADE COPA 2014

AGENDA DE MEIO AMBIENTE E SUSTENTABILIDADE COPA 2014 Code-P0 AGENDA DE MEIO AMBIENTE E SUSTENTABILIDADE COPA 2014 Agenda de Trabalho Junho 2011 Claudio Langone Code-P1 OPORTUNIDADE PARA O BRASIL 2011 - Jogos Militares Mundiais 2012 - RIO + 20 - Cúpula das

Leia mais

Relatório de Estágio

Relatório de Estágio INSTITUTO TECNOLÓGICO DE AERONÁUTICA CURSO DE ENGENHARIA CIVIL-AERONÁUTICA Relatório de Estágio São Paulo, 26 de agosto de 2011 Aluna: Michelle Moreira FOLHA DE APROVAÇÃO Relatório Final de Estágio Curricular

Leia mais

Dorsal Nome Equipa Tipo Nome da Equipa 101 Lucio Gustavo Coelho Pina individual Individual - 102 Diogo Gonçalves Azuribike Mangualde Team Individual

Dorsal Nome Equipa Tipo Nome da Equipa 101 Lucio Gustavo Coelho Pina individual Individual - 102 Diogo Gonçalves Azuribike Mangualde Team Individual Dorsal Nome Equipa Tipo Nome da Equipa 101 Lucio Gustavo Coelho Pina individual Individual - 102 Diogo Gonçalves Azuribike Mangualde Team Individual - 103 Hugo Neves Dão Nelas Btt/Livestrong Individual

Leia mais

Os Desafios da Fileira da Construção. As Oportunidades nos Mercados Externos

Os Desafios da Fileira da Construção. As Oportunidades nos Mercados Externos Os Desafios da Fileira da Construção As Oportunidades nos Mercados Externos Agradeço o convite que me foi dirigido para participar neste Seminário e felicito a AIP pela iniciativa e pelo tema escolhido.

Leia mais

Miguel Nicolelis: Vamos transformar o RN na Califórnia

Miguel Nicolelis: Vamos transformar o RN na Califórnia Miguel Nicolelis: Vamos transformar o RN na Califórnia Emanuel Amaral CIÊNCiA - Reconhecido internacionalmente, Miguel Nicolelis tem planos ambiciosos para o RN 05/08/2007 - Tribuna do Norte Anna Ruth

Leia mais

ALCATEIA ACAGRUP 2014 - SIERRA NORTE - MADRID - ESPANHA PARTICIPANTES: 26 60% INCIDÊNCIA NO GRUPO 20%

ALCATEIA ACAGRUP 2014 - SIERRA NORTE - MADRID - ESPANHA PARTICIPANTES: 26 60% INCIDÊNCIA NO GRUPO 20% ALCATEIA Sec NIN NOME NIN NOME Lob 1215050143005 Alice Neto Santos Nascimento 1215050143015 Afonso da Fonseca Machado Lob 1215050143010 Amélia Maria Mesquita Aleixo Alves 1115050143010 Afonso Jesus Dias

Leia mais

Universidade. Estácio de Sá. Turismo, Hotelaria e Gastronomia

Universidade. Estácio de Sá. Turismo, Hotelaria e Gastronomia Universidade Estácio de Sá Turismo, Hotelaria e Gastronomia A Estácio Hoje reconhecida como a maior instituição particular de ensino superior do país, a Universidade Estácio de Sá iniciou suas atividades

Leia mais

GERAÇÃO DE EMPREGO E RENDA NA ECONOMIA NACIONAL. Mapa de oportunidades para Agências de Viagens

GERAÇÃO DE EMPREGO E RENDA NA ECONOMIA NACIONAL. Mapa de oportunidades para Agências de Viagens GERAÇÃO DE EMPREGO E RENDA NA ECONOMIA NACIONAL Mapa de oportunidades para Agências de Viagens O que é ABAV? Entidade empresarial, sem fins lucrativos, que representa as Agências de Viagens espalhadas

Leia mais

FECOMÉRCIO VEÍCULO: TRIBUNA DO NORTE DATA: 02.06.15 EDITORIA: CAPA E ECONOMIA

FECOMÉRCIO VEÍCULO: TRIBUNA DO NORTE DATA: 02.06.15 EDITORIA: CAPA E ECONOMIA FECOMÉRCIO VEÍCULO: TRIBUNA DO NORTE DATA: 02.06.15 EDITORIA: CAPA E ECONOMIA Classificação: Positiva VEÍCULO: PONTO DE VISTA ONLINE DATA: 01.06.15 Motores do Desenvolvimento discutirá Perspectivas e

Leia mais

Síntese dos Assuntos/Deliberações 2003/2004: 1. 15 de janeiro de 2003, Brasília (DF) 14ª Reunião Ordinária/Extraordinária.

Síntese dos Assuntos/Deliberações 2003/2004: 1. 15 de janeiro de 2003, Brasília (DF) 14ª Reunião Ordinária/Extraordinária. Síntese dos Assuntos/Deliberações 2003/2004: 1. 15 de janeiro de 2003, Brasília (DF) 14ª Reunião Ordinária/Extraordinária. Eleição da Diretoria 2003/2005. Redefinição das 10 Prioridades - Oficio ao Ministro

Leia mais

As condições de acessibilidade e mobilidade nas cidades receptoras. Diretoria de Engenharia - DE

As condições de acessibilidade e mobilidade nas cidades receptoras. Diretoria de Engenharia - DE As condições de acessibilidade e mobilidade nas cidades receptoras Diretoria de Engenharia - DE Cidades candidatas e seus aeroportos Aeroportos da INFRAERO primeira e última imagem que o turista estrangeiro

Leia mais

O Paraná no mercado de turismo

O Paraná no mercado de turismo O TURISMO NO PARANÁ O Paraná no mercado de turismo Os principais pontos positivos são: 1.Cataratas de Foz de Iguaçu patrimônio natural da Humanidade (UNESCO), 3º destino mais visitado por turistas, além

Leia mais

ORÇAMENTOS DA UNIÃO EXERCÍCIO FINANCEIRO 2006 PROJETO DE LEI ORÇAMENTÁRIA

ORÇAMENTOS DA UNIÃO EXERCÍCIO FINANCEIRO 2006 PROJETO DE LEI ORÇAMENTÁRIA Mensagem Presidencial Projeto de Lei Orçamentária - 2006 Secretaria de Orçamento Federal Ministério do Planejamento REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO SECRETARIA

Leia mais

GRUPO CGSC INVESTE FORTE NO BRASIL

GRUPO CGSC INVESTE FORTE NO BRASIL Ano XVI Nº 157 2015 R$ 20,00 GRUPO CGSC INVESTE FORTE NO BRASIL Fábio Basilone Presidente da CGSC para o Brasil Especial: saiba tudo sobre o 4º Encontro de Resseguro do Rio de Janeiro reuniu mais de 500

Leia mais

Como a Copa do Mundo 2014 vai movimentar o Turismo Brasileiro

Como a Copa do Mundo 2014 vai movimentar o Turismo Brasileiro Como a Copa do Mundo 214 vai movimentar o Turismo Brasileiro 9 dias O estudo As empresas Principais conclusões a 9 dias da Copa 1 principais emissores 1 Desempenho das cidades-sede Chegadas internacionais

Leia mais

Resultado dos Processos Seletivos do Sescoop-RJ 2010

Resultado dos Processos Seletivos do Sescoop-RJ 2010 Resultado dos Processos Seletivos do Sescoop-RJ 2010 1ª Etapa: Análise Curricular INSTRUÇÕES GERAIS PARA TODOS OS CANDIDATOS a) O candidato deverá chegar ao local com uma hora de antecedência do i nício

Leia mais

PACOTES CRUZEIROS. e Turismo www.faypassagens.com.br A SUA VIAGEM COMEÇA AQUI!

PACOTES CRUZEIROS. e Turismo www.faypassagens.com.br A SUA VIAGEM COMEÇA AQUI! CORPORATE FRETAMENTOS CRUZEIROS PACOTES A SUA VIAGEM COMEÇA AQUI! QUEM SOMOS QUEM SOMOS A Fay Passagens é uma agência que atua há mais de 10 anos, o nosso principal objetivo é prestar atendimento personalizado

Leia mais

INFORMES SETORIAL Aeronáutica fala sobre a segurança nos céus do Brasil

INFORMES SETORIAL Aeronáutica fala sobre a segurança nos céus do Brasil INFORMES SETORIAL Aeronáutica fala sobre a segurança nos céus do Brasil A reportagem exibida na semana passada mostrava algumas falhas na comunicação entre o avião monomotor em que estava o nosso repórter

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 93 Exposição na abertura do encontro

Leia mais

PLANO DE AÇÕES NA REGIÃO DO PANTANAL

PLANO DE AÇÕES NA REGIÃO DO PANTANAL Luis Carlos Morente 1 PLANO DE AÇÕES NA REGIÃO DO PANTANAL 1 Gerente de Políticas e Programas de Desenvolvimento do Turismo da Fundação de Turismo, MS - FUNDTUR. Rua desembargador Leão Neto do Carmo, s/nº,

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE MACAPÁ

PREFEITURA MUNICIPAL DE MACAPÁ PREFEITURA MUNICIPAL DE MACAPÁ João Henrique Rodrigues Pimentel Prefeito Gilson Ubiratan Rocha Vice-Prefeito Sec. Mun. de Planejamento e Coord. Geral Procurador Geral do Município Secretário do Gabinete

Leia mais

Como participar pequenos negócios Os parceiros O consumidor

Como participar pequenos negócios Os parceiros O consumidor Movimento incentiva a escolha pelos pequenos negócios na hora da compra A iniciativa visa conscientizar o consumidor que comprar dos pequenos é um ato de cidadania que contribui para gerar mais empregos,

Leia mais

Escola sede: Escola Secundária de S. Pedro do Sul Alunos Matriculados - 2015/2016

Escola sede: Escola Secundária de S. Pedro do Sul Alunos Matriculados - 2015/2016 13948 5 A 2.º Ciclo do Ensino Básico Ana Gabriela Pedro Fernandes Escola Básica n.º 2 de São Pedro do Sul 13933 5 A 2.º Ciclo do Ensino Básico Ana Júlia Capela Pinto Escola Básica n.º 2 de São Pedro do

Leia mais

Fam Tours Press Trips. Cliente Oculto

Fam Tours Press Trips. Cliente Oculto Embarque na Viagem Seu portal de Turismo, Lazer, Entretenimento e Gastronomia. Media Kit 2013 Notícias Fam Tours Press Trips Redes Sociais Publicidade Difenciada Projetos Especiais Perfil Cliente Oculto

Leia mais

ConstruBusiness - Rumo a 2022

ConstruBusiness - Rumo a 2022 ConstruBusiness - Rumo a 2022 EXPRESS ANO 1/12 Nº44 DEZ/12 CONSTRUBUSINESS 2012 10º CONGRESSO BRASILEIRO DA CONSTRUÇÃO Em sua 10ª edição, o Construbusiness elaborou o programa Compete Brasil, com soluções

Leia mais

RELAÇÃO DOS DIRIGENTES E COORDENADORES DE CURSOS

RELAÇÃO DOS DIRIGENTES E COORDENADORES DE CURSOS RELAÇÃO DOS DIRIGENTES E COORDENADORES DE CURSOS Presidente Fundação Mineira de Educação e Cultura Prof. Mateus José Ferreira Conselho de Curadores Prof. Pedro Arthur Victer - Presidente Prof. Erix Morato

Leia mais

OUTROS INSTRUMENTOS CONTRATUAIS - EXERCÍCIO 2015 - TCE/RJ

OUTROS INSTRUMENTOS CONTRATUAIS - EXERCÍCIO 2015 - TCE/RJ 1 Doação 303.762-1/14 SN 23/02/2015 Doação de Bens móveis de propriedade do TCE-RJ, relacionados no Anexo I. 00.517.666/0001-11 RIO SOLIDÁRIO - OBRA SOCIAL DO RIO DE JANEIRO R$ 0,00 2 3 4 300.781-8/15

Leia mais