Os textos podem ser agrupados segundo algumas características comuns.

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Os textos podem ser agrupados segundo algumas características comuns."

Transcrição

1 O Conto

2 Os textos podem ser agrupados segundo algumas características comuns. Diante de um texto desconhecido, a pergunta o que é? leva-nos a uma primeira resposta que se fundamenta, muitas vezes, em uma indicação que diz respeito ao gênero: um romance, um poema, uma crônica etc.

3 Gêneros Literários A classificação dos gêneros literários foi proposta, na Antiguidade Clássica, pelo filósofo grego Aristóteles (384 a.c.-322 a.c.) dividida em: Lírico, Épico e Dramático. Para ele, o gênero lírico representa a palavra cantada, o gênero épico, a palavra narrada e o gênero dramático, a palavra representada.

4 Classificação dos Gêneros Literários LÍRICO: Caracteriza-se basicamente por se tratar de uma manifestação do eu do artista, sendo, por isso, uma expressão de seus sentimentos e de suas emoções: o seu mundo interior. A palavra lírico deriva de lira. Principais formas: soneto, canção, ode etc.

5 ÉPICO: O gênero épico representa a mais antiga das manifestações literárias e abarca as narrativas históricas literárias de grandes acontecimentos, com presença de temas terrenos, mitológicos e lendários. Note que o termo épico vem da palavra epopeia, que do grego ( épos ) simboliza a narrativa em versos de fatos grandiosos centrados na figura de um herói ou de um povo. Os elementos essenciais das narrativas épicas são: narrador (quem narra a história), enredo (sucessão dos acontecimentos), personagens (principais e secundárias), tempo (época dos fatos) e espaço (local dos episódios). Atualmente, os estudiosos referem-se a esse gênero como narrativo. Principais formas: diferentes tipos de romance, epopeias (narram histórias de um povo ou de uma nação, envolvendo aventuras, guerras, viagens, gestos heroicos etc).

6 DRAMÁTICO: O gênero dramático envolve a literatura teatral para ser apresentada, encenada (do grego, a palavra drama significa ação). Por esse motivo, o diálogo é um recurso muito utilizado, de forma que a tríade essencial dos textos literários dramáticos são o autor, o texto e o público. Assim, algumas modalidades dos textos dramáticos: Principais formas: Peças de teatro, monólogos dramáticos.

7 O Conto Não sendo por acaso seu nome, o conto teve início junto com a civilização humana. As pessoas sempre contaram histórias, reais ou fabulosas, oralmente ou por meio da escrita. O conceito de conto, hoje em dia, foi ampliado, porque escritores passaram a adotar esse tipo de texto como uma forma de escrever, e essa tentativa tem sido promissora. Além de utilizar uma linguagem simples, direta e dinâmica o conto é a narração de um fato inusitado, mas possível, que pode ocorrer na vida das pessoas embora não seja tão comum. Toda história é um encadeamento de fatos que, ao serem narrados, vão conferindo sentido ao enredo e envolvendo o leitor mediante os acontecimentos.

8 Características do conto Há algumas características que podem nos ajudar a identificar um conto: É uma narrativa linear e curta, tanto em extensão quanto no tempo em que se passa. A linguagem é simples e direta, não se utiliza de muitas figuras de linguagem ou de expressões com diversos sentidos. Todas as ações se encaminham rumo ao desfecho. Em geral há um só conflito. Envolve poucas personagens, e as que existem se movimentam em torno de uma única ação. As ações se passam em um só espaço, constituem um só eixo temático e um só conflito. A habilidade com as palavras é muito importante, principalmente para se utilizar de alusões ou sugestões, frequentemente presentes nesse tipo de texto.

9 O enredo do conto deve apresentar em linhas gerais, as seguintes fases: 1. Apresentação; 2. Complicação ou evolução; 3. Clímax; 4. Solução ou desfecho.

10 Um Apólogo Era uma vez uma agulha, que disse a um novelo de linha: Por que está você com esse ar, toda cheia de si, toda enrolada, para fingir que vale alguma cousa neste mundo? Deixe-me, senhora. Que a deixe? Que a deixe, por quê? Porque lhe digo que está com um ar insuportável? Repito que sim, e falarei sempre que me der na cabeça. Que cabeça, senhora? A senhora não é alfinete, é agulha. Agulha não tem cabeça. Que lhe importa o meu ar? Cada qual tem o ar que Deus lhe deu. Importe-se com a sua vida e deixe a dos outros. Mas você é orgulhosa. Decerto que sou.

11 Mas por quê? É boa! Porque coso. Então os vestidos e enfeites de nossa ama, quem é que os cose, senão eu? Você? Esta agora é melhor. Você é que os cose? Você ignora que quem os cose sou eu e muito eu? Você fura o pano, nada mais; eu é que coso, prendo um pedaço ao outro, dou feição aos babados... Sim, mas que vale isso? Eu é que furo o pano, vou adiante, puxando por você, que vem atrás obedecendo ao que eu faço e mando Também os batedores vão adiante do imperador. Você é imperador?

12 Não digo isso. Mas a verdade é que você faz um papel subalterno, indo adiante; vai só mostrando o caminho, vai fazendo o trabalho obscuro e ínfimo. Eu é que prendo, ligo, ajunto... Estavam nisto, quando a costureira chegou à casa da baronesa. Não sei se disse que isto se passava em casa de uma baronesa, que tinha a modista ao pé de si, para não andar atrás dela. Chegou a costureira, pegou do pano, pegou da agulha, pegou da linha, enfiou a linha na agulha, e entrou a coser. Uma e outra iam andando orgulhosas, pelo pano adiante, que era a melhor das sedas, entre os dedos da costureira, ágeis como os galgos de Diana para dar a isto uma cor poética. E dizia a agulha: Então, senhora linha, ainda teima no que dizia há pouco? Não repara que esta distinta costureira só se importa comigo; eu é que vou aqui entre os dedos dela, unidinha a eles, furando abaixo e acima A linha não respondia; ia andando. Buraco aberto pela agulha era logo enchido por ela, silenciosa e ativa, como quem sabe o que faz, e não está para ouvir palavras loucas. A agulha, vendo que ela não lhe dava resposta, calou-se também, e foi andando. E era tudo silêncio na saleta de costura; não se ouvia mais que o plic-plic-plic-plic da agulha no pano. Caindo o sol, a costureira dobrou a costura, para o dia seguinte. Continuou ainda nessa e no outro, até que no quarto acabou a obra, e ficou esperando o baile.

13 Veio a noite do baile, e a baronesa vestiu-se. A costureira, que a ajudou a vestir-se, levava a agulha espetada no corpinho, para dar algum ponto necessário. E enquanto compunha o vestido da bela dama, e puxava de um lado ou outro, arregaçava daqui ou dali, alisando, abotoando, acolchetando, a linha para mofar da agulha, perguntou-lhe: Ora, agora, diga-me, quem é que vai ao baile, no corpo da baronesa, fazendo parte do vestido e da elegância? Quem é que vai dançar com ministros e diplomatas, enquanto você volta para a caixinha da costureira, antes de ir para o balaio das mucamas? Vamos, diga lá. Parece que a agulha não disse nada; mas um alfinete, de cabeça grande e não menor experiência, murmurou à pobre agulha: Anda, aprende, tola. Cansas-te em abrir caminho para ela e ela é que vai gozar da vida, enquanto aí ficas na caixinha de costura. Faze como eu, que não abro caminho para ninguém. Onde me espetam, fico. Contei esta história a um professor de melancolia, que me disse, abanando a cabeça: Também eu tenho servido de agulha a muita linha ordinária! Machado de Assis Texto extraído do livro "Para Gostar de Ler - Volume 9 - Contos", Editora Ática - São Paulo, 1984, pág. 59.

14 O que é um apólogo? Apólogo é uma narrativa que busca ilustrar lições de sabedoria ou ética, por meio de personalidades de índole diversa, imaginárias ou reais, com personagens na maioria das vezes inanimados ou animais.

15 Contexto de Um Apólogo O conto Um Apólogo foi publicado em 1896, no livro Várias Histórias, uma coletânea de contos de Machado de Assis. Quando publicado, o Brasil estava numa nova fase: fim da escravidão, proclamação da república, início da economia cafeeira e a chegada de imigrantes europeus. Machado é conhecido por analisar e criticar os valores da sociedade de sua época.

16

17 Vamos analisar: Foco narrativo: no conto lido, o foco narrativo é em terceira pessoa; ou seja, o narrador não participa da história, ele limita-se a contá-la. Era uma vez uma agulha, que disse a um novelo de linha Depois, mais adiante, o narrador volta a dar o ar da graça: Não sei se disse que isso se passava em casa de uma baronesa. E por fim volta a marcar presença: Contei esta história a um professor de melancolia

18 Tipos de discurso Discurso Direto: as personagens ganham voz. É o que ocorre normalmente em diálogos. Isso permite que traços da fala e da personalidade das personagens sejam destacados e expostos no texto. O discurso direto reproduz fielmente as falas das personagens. Verbos como dizer, falar, perguntar, entre outros, servem para que as falas das personagens sejam expressas: Então, senhora linha, ainda teima no que dizia há pouco? Não repara que esta distinta costureira só se importa comigo; eu é que vou aqui entre os dedos dela, unidinha a eles, furando abaixo e acima Discurso Indireto: O narrador conta a história, reproduz fala e narra as atitudes e reações das personagens. Em geral é em em terceira pessoa. Nesse caso, o narrador se utiliza de palavras DELE para reproduzir o que foi dito pela personagem. A fala do personagem é expressa pelo narrador. Elisiário confessou que estava com sono. (Machado de Assis) Mariana perguntou o que podia fazer para ajudar. Descartes afirmou que pensava, logo existia.

19 Personagens Temos dois personagens principais nesse conto: a agulha e a linha. O conto é sobre elas, que são mencionadas logo no primeiro parágrafo. Os outros personagens são secundários: alfinete, professor, costureira, baronesa, modista.

20 Espaço Na narrativa, o espaço físico é o lugar em que as personagens circulam, onde as ações são realizadas e a história é ambientada. Em Um Apólogo não há uma ambientação detalhada, mas o narrador nos informa que as cenas de discussão entre a agulha e a linha ocorrem na casa da baronesa. O que podemos concluir é que se passa numa casa de um aristocrata, por ali residir uma baronesa a modista e a costureira iam até a casa dela para preparar o vestido que a baronesa usaria no baile.

21 Considerações O que podemos concluir sobre a agulha e a linha é que elas agem como humanos agiriam movidos pelo orgulho, vaidade e arrogância, a fim de provarem que uma é mais importante que a outra. Costureira x Baronesa E o alfinete? E a Baronesa e o novelo?

22 Quem vai ao baile?

23 E o professor?

24 O professor é o profissional que alavanca todas as demais profissões e não é reconhecido por isso. Ao ler o conto sobre a Agulha e o Alfinete, ele reconhece a si mesmo no texto como sendo uma Agulha que por meio da qual os outros são reconhecidos.

25 Temas Existem pessoas que facilitam a vida de outras, ajudando, abrindo caminhos, e, na hora da conquista, quem recebe os benefícios é aquela que foi ajudada. Valores como superioridade, inferioridade, vaidade. É possível viver sem a ajuda de ninguém?

26 Tarefa para a próxima aula

27 Leia os contos Feliz Aniversário, de Clarice Lispector, e Moça Tecelã, de Marina Colasanti ambos integram o livro Contos Brasileiros Contemporâneos.

28 Em seguida, responda às seguintes perguntas com base nos textos lidos: 1. Quais são os personagens principais? 2. O que acontece na história? 3. Em que tempo e em que lugar se passa a história narrada? 4. Quem narra? De que jeito? O narrador conta como se estivesse fora da história ou ele também é um dos personagens?

Os textos podem ser agrupados segundo algumas características comuns.

Os textos podem ser agrupados segundo algumas características comuns. O Conto Os textos podem ser agrupados segundo algumas características comuns. Diante de um texto desconhecido, a pergunta o que é? leva-nos a uma primeira resposta que se fundamenta, muitas vezes, em uma

Leia mais

Narrativa e seus elementos. Prof. Caio Castro

Narrativa e seus elementos. Prof. Caio Castro Narrativa e seus elementos Prof. Caio Castro Elementos A narrativa deve tentar responder às seguintes perguntas essenciais: QUEM? - a personagem ou personagens; O QUÊ? - o enredo, ou seja, os acontecimentos;

Leia mais

ROTEIRO DE RECUPERAÇÃO DE LíNGUA PORTUGUESA

ROTEIRO DE RECUPERAÇÃO DE LíNGUA PORTUGUESA ROTEIRO DE RECUPERAÇÃO DE LíNGUA PORTUGUESA Nome: Nº 8 ºano Data / / Professor: Nota: (Valor: 2,0) A - Introdução Neste bimestre, revisamos alguns de nossos estudos de gramática, como os conceitos de sujeito,

Leia mais

SIMULADO NÍVEL MÉDIO ESCOLAR

SIMULADO NÍVEL MÉDIO ESCOLAR UNIVERSIDADE DE CAXIAS DO SUL PROGRAMA DE LÍNGUAS ESTRANGEIRAS PORTUGUÊS PARA ESTRANGEIROS SIMULADO NÍVEL MÉDIO ESCOLAR PROVA 1 Compreensão leitora e aspectos linguísticos INSTRUÇÕES: As questões de 1

Leia mais

ROTEIRO DE RECUPERAÇÃO DE LÍNGUA PORTUGUESA

ROTEIRO DE RECUPERAÇÃO DE LÍNGUA PORTUGUESA ROTEIRO DE RECUPERAÇÃO DE LÍNGUA PORTUGUESA Nome: Nº 8º ano Data: / /2016 Professor: Nota: (valor: 1,0) 2º bimestre A - Introdução Neste bimestre, revisamos alguns estudos de gramática, além de termos

Leia mais

Médio Escolar Compreensão Leitora e Aspectos Linguísticos. As questões de 1 a 15 referem-se ao texto 1. Texto 1 Um apólogo

Médio Escolar Compreensão Leitora e Aspectos Linguísticos. As questões de 1 a 15 referem-se ao texto 1. Texto 1 Um apólogo Médio Escolar Compreensão Leitora e Aspectos Linguísticos As questões de 1 a 15 referem-se ao texto 1. Texto 1 Um apólogo 01 02 03 04 05 06 07 08 09 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27

Leia mais

INSTITUTO DE EDUCAÇÃO INFANTIL E JUVENIL VERÃO, LONDRINA, DE. NOME: ANO: TEMPO INÍCIO: TÉRMINO: TOTAL: LITERATURA GÊNEROS

INSTITUTO DE EDUCAÇÃO INFANTIL E JUVENIL VERÃO, LONDRINA, DE. NOME: ANO: TEMPO INÍCIO: TÉRMINO: TOTAL: LITERATURA GÊNEROS INSTITUTO DE EDUCAÇÃO INFANTIL E JUVENIL VERÃO, 2017. LONDRINA, DE. NOME: ANO: TEMPO INÍCIO: TÉRMINO: TOTAL: LITERATURA GÊNEROS Semelhanças e Diferenças Leia o texto abaixo, retirado do site Brasil Escola,

Leia mais

Análise do percurso gerativo de sentido no conto Um Apólogo de Machado de Assis

Análise do percurso gerativo de sentido no conto Um Apólogo de Machado de Assis Análise do percurso gerativo de sentido no conto Um Apólogo de Machado de Assis Maíra Aparecida Pedroso de Moraes Benedito A ciência semiótica é inserida no parâmetro de uma teoria que se preocupa com

Leia mais

MÓDULO 9 PORTUGUÊS. Linguagens, Códigos e suas Tecnologias

MÓDULO 9 PORTUGUÊS. Linguagens, Códigos e suas Tecnologias Linguagens, Códigos e suas Tecnologias PORTUGUÊS MÓDULO 9 as questões de n os. 1 a 11 referem-se ao seguinte texto: A FLAUTA E O SABIÁ Em rico estojo de veludo, pousado sobre uma mesa de charão, jazia

Leia mais

A exploração de textos em classes de português

A exploração de textos em classes de português A exploração de textos em classes de português MARIA ZELY DE SOUZA MUNIZ * I - INTRODUÇÃO Em números anteriores de CURRICULUM, publicamos artigos nos quais ressaltamos a importância da escolha dos textos

Leia mais

Ano: 9º Turmas: 9.1 e 9.2

Ano: 9º Turmas: 9.1 e 9.2 COLÉGIO NOSSA SENHORA DA PIEDADE Programa de Recuperação Paralela 3ª Etapa 2012 Disciplina: Língua Portuguesa Professor (a): Cristiane Ano: 9º Turmas: 9.1 e 9.2 Caro aluno, você está recebendo o conteúdo

Leia mais

LEIA COM ATENÇÃO AS SEGUINTES INSTRUÇÕES ATENÇÃO: FOLHA DE RESPOSTA SEM ASSINATURA NÃO TEM VALIDADE.

LEIA COM ATENÇÃO AS SEGUINTES INSTRUÇÕES ATENÇÃO: FOLHA DE RESPOSTA SEM ASSINATURA NÃO TEM VALIDADE. CONCURSO PÚBLICO de Provas e Títulos para provimento de cargos de TÉCNICO- ADMINISTRATIVOS em Educação Edital nº 11/2014 AUXILIAR EM ADMINISTRAÇÃO Código 202 LEIA COM ATENÇÃO AS SEGUINTES INSTRUÇÕES 1

Leia mais

CADERNO DE QUESTÕES OBSERVAÇÕES IMPORTANTES

CADERNO DE QUESTÕES OBSERVAÇÕES IMPORTANTES PROCESSO SELETIVO PARA OS CURSOS TÉCNICOS PRESENCIAIS 2016 MODALIDADE CURSOS SUBSEQUENTES Edital Nº 111/2015 de 04 de setembro de 2015 Resolução nº 121, de 31 de julho de 2015 CADERNO DE QUESTÕES OBSERVAÇÕES

Leia mais

PORTUGUÊS. III. É marcado pela presença de ironia, que é responsável pelo processo de construção de sentido(s) para o texto.

PORTUGUÊS. III. É marcado pela presença de ironia, que é responsável pelo processo de construção de sentido(s) para o texto. PORTUGUÊS Para a resolução das questões de 01 a 05, considere o Texto I. TEXTO I III. É marcado pela presença de ironia, que é responsável pelo processo de construção de sentido(s) para o texto. A) I,

Leia mais

LEIA COM ATENÇÃO AS SEGUINTES INSTRUÇÕES ATENÇÃO: FOLHA DE RESPOSTA SEM ASSINATURA NÃO TEM VALIDADE.

LEIA COM ATENÇÃO AS SEGUINTES INSTRUÇÕES ATENÇÃO: FOLHA DE RESPOSTA SEM ASSINATURA NÃO TEM VALIDADE. CONCURSO PÚBLICO de Provas e Títulos para provimento de cargos de TÉCNICO- ADMINISTRATIVOS em Educação Edital nº 11/2014 ASSISTENTE DE ADMINISTRAÇÃO Código 301 LEIA COM ATENÇÃO AS SEGUINTES INSTRUÇÕES

Leia mais

A LITERATURA É A ARTE QUE SE MANIFESTA PELA PALAVRA, SEJA ELA FALADA OU ESCRITA

A LITERATURA É A ARTE QUE SE MANIFESTA PELA PALAVRA, SEJA ELA FALADA OU ESCRITA GÊNEROS LITERÁRIOS A LITERATURA É A ARTE QUE SE MANIFESTA PELA PALAVRA, SEJA ELA FALADA OU ESCRITA Na Antiguidade Clássica os textos literários dividiam em em três gêneros: GÊNERO LÍRICO GÊNERO DRAMÁTICO

Leia mais

0324 PROFESSOR DE EDUCAÇÃO INFANTIL

0324 PROFESSOR DE EDUCAÇÃO INFANTIL PORTUGUÊS Leia a tirinha para responder as questões 01 e 02: QUESTÃO 01 Na tirinha foi usado o verbo lembrar no 2º e no 4º quadrinho. Em ambos, a regência do verbo está de acordo com a norma padrão. Marque

Leia mais

0321 PROFESSOR DAS SÉRIES INICIAIS

0321 PROFESSOR DAS SÉRIES INICIAIS PORTUGUÊS Leia a tirinha para responder as questões 01 e 02: QUESTÃO 01 Na tirinha foi usado o verbo lembrar no 2º e no 4º quadrinho. Em ambos, a regência do verbo está de acordo com a norma padrão. Marque

Leia mais

Gêneros Literários OBRAS LITERÁRIAS: QUANTO À FORMA = VERSO & PROSA QUANTO AO CONTEÚDO = GÊNEROS LITERÁRIOS

Gêneros Literários OBRAS LITERÁRIAS: QUANTO À FORMA = VERSO & PROSA QUANTO AO CONTEÚDO = GÊNEROS LITERÁRIOS GÊNEROS LITERÁRIOS Gêneros Literários OBRAS LITERÁRIAS: QUANTO À FORMA = VERSO & PROSA QUANTO AO CONTEÚDO = GÊNEROS LITERÁRIOS Gêneros Literários GÊNERO ÉPICO (NARRATIVO) = Quando é contada uma história.

Leia mais

Língua portuguesa: ultrapassar fronteiras, juntar culturas

Língua portuguesa: ultrapassar fronteiras, juntar culturas Língua portuguesa: ultrapassar fronteiras, juntar culturas (Eds.) Mª João Marçalo & Mª Célia Lima Hernandes, Elisa Esteves, Mª do Céu Fonseca, Olga Gonçalves, Ana LuísaVilela, Ana Alexandra Silva Copyright

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO SEBASTIÃO DA BOA VISTA - PA CONCURSO PÚBLICO Edital 001/2016 CADERNO DE QUESTÕES FISIOTERAPEUTA NÍVEL SUPERIOR

PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO SEBASTIÃO DA BOA VISTA - PA CONCURSO PÚBLICO Edital 001/2016 CADERNO DE QUESTÕES FISIOTERAPEUTA NÍVEL SUPERIOR PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO SEBASTIÃO DA BOA VISTA - PA CONCURSO PÚBLICO Edital 001/2016 CADERNO DE QUESTÕES NOME: Nº DE INSCRIÇÃO: LEIA COM ATENÇÃO 1. Este CADERNO DE QUESTÕES contém 30 QUESTÕES de múltipla

Leia mais

LITERATURA: GÊNEROS E MODOS DE LEITURA - EM PROSA E VERSOS; - GÊNEROS LITERÁRIOS; -ELEMENTOS DA NARRATIVA. 1º ano OPVEST Mauricio Neves

LITERATURA: GÊNEROS E MODOS DE LEITURA - EM PROSA E VERSOS; - GÊNEROS LITERÁRIOS; -ELEMENTOS DA NARRATIVA. 1º ano OPVEST Mauricio Neves LITERATURA: GÊNEROS E MODOS DE LEITURA - EM PROSA E VERSOS; - GÊNEROS LITERÁRIOS; -ELEMENTOS DA NARRATIVA. 1º ano OPVEST Mauricio Neves EM VERSO E EM PROSA Prosa e Poesia: qual a diferença? A diferença

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO SEBASTIÃO DA BOA VISTA - PA CONCURSO PÚBLICO Edital 001/2016 CADERNO DE QUESTÕES BIOQUÍMICO / FARMACÊUTICO NÍVEL SUPERIOR

PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO SEBASTIÃO DA BOA VISTA - PA CONCURSO PÚBLICO Edital 001/2016 CADERNO DE QUESTÕES BIOQUÍMICO / FARMACÊUTICO NÍVEL SUPERIOR PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO SEBASTIÃO DA BOA VISTA - PA CONCURSO PÚBLICO Edital 001/2016 CADERNO DE QUESTÕES NOME: Nº DE INSCRIÇÃO: LEIA COM ATENÇÃO 1. Este CADERNO DE QUESTÕES contém 30 QUESTÕES de múltipla

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO SEBASTIÃO DA BOA VISTA - PA CONCURSO PÚBLICO Edital 001/2016 CADERNO DE QUESTÕES

PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO SEBASTIÃO DA BOA VISTA - PA CONCURSO PÚBLICO Edital 001/2016 CADERNO DE QUESTÕES PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO SEBASTIÃO DA BOA VISTA - PA CONCURSO PÚBLICO Edital 001/2016 CADERNO DE QUESTÕES NOME: Nº DE INSCRIÇÃO: LEIA COM ATENÇÃO 1. Este CADERNO DE QUESTÕES contém 30 QUESTÕES de múltipla

Leia mais

PORTUGUÊS. III. É marcado pela presença de ironia, que é responsável pelo processo de construção de sentido(s) para o texto.

PORTUGUÊS. III. É marcado pela presença de ironia, que é responsável pelo processo de construção de sentido(s) para o texto. PORTUGUÊS Para a resolução das questões de 01 a 05, considere o Texto I. TEXTO I III. É marcado pela presença de ironia, que é responsável pelo processo de construção de sentido(s) para o texto. A) I,

Leia mais

Leia atentamente os textos abaixo e responda as questões que a eles se referem:

Leia atentamente os textos abaixo e responda as questões que a eles se referem: LÍNGUA PORTUGUESA QUESTÕES DE 01 A 10 Leia atentamente os textos abaixo e responda as questões que a eles se referem: Um Apólogo 1 Era uma vez uma agulha, que disse a um novelo de linha: Por que está você

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO SEBASTIÃO DA BOA VISTA - PA CONCURSO PÚBLICO Edital 001/2016 CADERNO DE QUESTÕES

PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO SEBASTIÃO DA BOA VISTA - PA CONCURSO PÚBLICO Edital 001/2016 CADERNO DE QUESTÕES PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO SEBASTIÃO DA BOA VISTA - PA CONCURSO PÚBLICO Edital 001/2016 CADERNO DE QUESTÕES NOME: Nº DE INSCRIÇÃO: LEIA COM ATENÇÃO 1. Este CADERNO DE QUESTÕES contém 30 QUESTÕES de múltipla

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO SEBASTIÃO DA BOA VISTA - PA CONCURSO PÚBLICO Edital 001/2016 CADERNO DE QUESTÕES MÉDICO CIRURGIÃO NÍVEL SUPERIOR

PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO SEBASTIÃO DA BOA VISTA - PA CONCURSO PÚBLICO Edital 001/2016 CADERNO DE QUESTÕES MÉDICO CIRURGIÃO NÍVEL SUPERIOR PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO SEBASTIÃO DA BOA VISTA - PA CONCURSO PÚBLICO Edital 001/2016 CADERNO DE QUESTÕES NOME: Nº DE INSCRIÇÃO: LEIA COM ATENÇÃO 1. Este CADERNO DE QUESTÕES contém 30 QUESTÕES de múltipla

Leia mais

0205 AUXILIAR BIBLIOTECÁRIO

0205 AUXILIAR BIBLIOTECÁRIO PORTUGUÊS Leia a tirinha para responder as questões 01 e 02: QUESTÃO 01 Na tirinha foi usado o verbo lembrar no 2º e no 4º quadrinho. Em ambos, a regência do verbo está de acordo com a norma padrão. Marque

Leia mais

LEIA COM ATENÇÃO AS SEGUINTES INSTRUÇÕES ATENÇÃO: FOLHA DE RESPOSTA SEM ASSINATURA NÃO TEM VALIDADE.

LEIA COM ATENÇÃO AS SEGUINTES INSTRUÇÕES ATENÇÃO: FOLHA DE RESPOSTA SEM ASSINATURA NÃO TEM VALIDADE. CONCURSO PÚBLICO de Provas e Títulos para provimento de cargos de TÉCNICO- ADMINISTRATIVOS em Educação Edital nº 11/2014 ASSISTENTE DE ALUNO Código 203 LEIA COM ATENÇÃO AS SEGUINTES INSTRUÇÕES 1 - Este

Leia mais

Estudo dos gêneros literários

Estudo dos gêneros literários Estudo dos gêneros literários Os gêneros literários são um conjunto de obras que apresentam características semelhantes tanto em termos de forma como conteúdo. Existem três categorias básicas de gênero:

Leia mais

Um Apólogo Análise através da semiótica

Um Apólogo Análise através da semiótica Um Apólogo Análise através da semiótica Rosangela Pereira de Souza 1 Introdução Alguns estudos sobre teoria de análise de texto focam apenas na análise interna enquanto outros centram-se apenas na análise

Leia mais

ONG Práxis Processo Seletivo OPTE 2014 UM APÓLOGO Machado de Assis

ONG Práxis Processo Seletivo OPTE 2014 UM APÓLOGO Machado de Assis ONG Práxis Processo Seletivo OPTE 014 UM APÓLOGO Machado de Assis Era uma vez uma agulha, que disse a um novelo de linha: - Por que está você com esse ar, toda cheia de si, toda enrolada, para fingir que

Leia mais

GÊNEROS LITERÁRIOS. Dramático, Épico, Narrativo e Lírico

GÊNEROS LITERÁRIOS. Dramático, Épico, Narrativo e Lírico GÊNEROS LITERÁRIOS Dramático, Épico, Narrativo e Lírico O QUE SÃO GÊNEROS LITERÁRIOS? Designam as famílias de obras literárias dotadas de características iguais ou semelhantes. Porém, os gêneros não são

Leia mais

Análise do conto Um Apólogo, de Machado de Assis

Análise do conto Um Apólogo, de Machado de Assis Análise do conto Um Apólogo, de Machado de Assis Mariana Barbieri Mantoanelli Este artigo tem por objetivo a analise do conto Um Apólogo, de Machado de Assis, utilizando a metodologia semiótica de linha

Leia mais

UM APÓLOGO: A CONSTRUÇÃO DE SENTIDOS A PARTIR DA TEORIA SEMIÓTICA GREIMASIANA

UM APÓLOGO: A CONSTRUÇÃO DE SENTIDOS A PARTIR DA TEORIA SEMIÓTICA GREIMASIANA UM APÓLOGO: A CONSTRUÇÃO DE SENTIDOS A PARTIR DA TEORIA SEMIÓTICA GREIMASIANA Camila de Araújo Beraldo LUDOVICE (UNIFRAN) 1 Juliana Spirlandeli BATISTA (UNIFRAN) 2 Ruth Maria de Freitas BECKER (UNIFRAN)

Leia mais

PROCESSO SELETIVO IFSP - 2º SEM/11 PROVA DO ENSINO TÉCNICO

PROCESSO SELETIVO IFSP - 2º SEM/11 PROVA DO ENSINO TÉCNICO PROCESSO SELETIVO IFSP - 2º SEM/11 PROVA DO ENSINO TÉCNICO Exame: 31/07/11 (domingo), às 13h SIMPLIFICADO CADERNO DE QUESTÕES Nome do(a) candidato(a): Nº de inscrição: Caro candidato, Antes de iniciar

Leia mais

* Programada pela Prof.a MARIA ZELY DE MUNIZ para a 2. a série de Português SUGESTÕES 1. LEITURA DRAMATIZADA *

* Programada pela Prof.a MARIA ZELY DE MUNIZ para a 2. a série de Português SUGESTÕES 1. LEITURA DRAMATIZADA * SUGESTÕES 1. LEITURA DRAMATIZADA * UM APÓLOGO Machado de Assis Era uma vez uma agulha, que disse a um novêlo de linha: - Por que está você com êsse ar, tôda cheia de si, tôda enrolada, para fingir que

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO SEBASTIÃO DA BOA VISTA - PA CONCURSO PÚBLICO Edital 001/2016 CADERNO DE QUESTÕES ODONTÓLOGO NÍVEL SUPERIOR

PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO SEBASTIÃO DA BOA VISTA - PA CONCURSO PÚBLICO Edital 001/2016 CADERNO DE QUESTÕES ODONTÓLOGO NÍVEL SUPERIOR PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO SEBASTIÃO DA BOA VISTA - PA CONCURSO PÚBLICO Edital 001/2016 CADERNO DE QUESTÕES NOME: Nº DE INSCRIÇÃO: LEIA COM ATENÇÃO 1. Este CADERNO DE QUESTÕES contém 30 QUESTÕES de múltipla

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO SEBASTIÃO DA BOA VISTA - PA CONCURSO PÚBLICO Edital 001/2016 CADERNO DE QUESTÕES

PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO SEBASTIÃO DA BOA VISTA - PA CONCURSO PÚBLICO Edital 001/2016 CADERNO DE QUESTÕES PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO SEBASTIÃO DA BOA VISTA - PA CONCURSO PÚBLICO Edital 001/2016 CADERNO DE QUESTÕES PROFESSOR DOCENTE CIÊNCIAS DA RELIGIÃO NOME: Nº DE INSCRIÇÃO: LEIA COM ATENÇÃO 1. Este CADERNO

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE: Escrita espetacular, pedagogia do teatro, improvisação.

PALAVRAS-CHAVE: Escrita espetacular, pedagogia do teatro, improvisação. FARIA, Alessandra Ancona de. A escrita espetacular como aproximação para fazer e ensinar teatro. São Paulo: MASP Museu de Arte de São Paulo. Pósdoutoranda da Faculdade de Educação da UNICAMP com supervisão

Leia mais

0329 PSICÓLOGO PORTUGUÊS. O texto a seguir servirá de base para as questões 03 a 07: Leia a tirinha para responder as questões 01 e 02: Um Apólogo

0329 PSICÓLOGO PORTUGUÊS. O texto a seguir servirá de base para as questões 03 a 07: Leia a tirinha para responder as questões 01 e 02: Um Apólogo PORTUGUÊS Leia a tirinha para responder as questões 01 e 02: QUESTÃO 01 Na tirinha foi usado o verbo lembrar no 2º e no 4º quadrinho. Em ambos, a regência do verbo está de acordo com a norma padrão. Marque

Leia mais

UNICAMP II GÊNEROS DISCURSIVOS. CRÔNICA: Trata fatos do cotidiano cujo objetivo é despertar no leitor reflexão. CONTEÚDO:

UNICAMP II GÊNEROS DISCURSIVOS. CRÔNICA: Trata fatos do cotidiano cujo objetivo é despertar no leitor reflexão. CONTEÚDO: UNICAMP II GÊNEROS DISCURSIVOS CRÔNICA: Trata fatos do cotidiano cujo objetivo é despertar no leitor reflexão. CONTEÚDO: Temas cotidianos; Tom de realidade; Conteúdo subjetivo por não ser fiel à realidade.

Leia mais

A Ilíada Homero Odisseia Homero Os Lusíadas Luís Vaz de Camões O Uraguai Basílio da Gama Mensagem Fernando Pessoa

A Ilíada Homero Odisseia Homero Os Lusíadas Luís Vaz de Camões O Uraguai Basílio da Gama Mensagem Fernando Pessoa GÊNEROS LITERÁRIOS ÉPICO (OU NARRATIVO) Longa narrativa literária de caráter heroico, grandioso e de interesse nacional e social. Atmosfera maravilhosa de acontecimentos heroicos passados que reúnem mitos,

Leia mais

0307 CONTADOR PORTUGUÊS. O texto a seguir servirá de base para as questões 03 a 07: Leia a tirinha para responder as questões 01 e 02: Um Apólogo

0307 CONTADOR PORTUGUÊS. O texto a seguir servirá de base para as questões 03 a 07: Leia a tirinha para responder as questões 01 e 02: Um Apólogo PORTUGUÊS Leia a tirinha para responder as questões 01 e 02: QUESTÃO 01 Na tirinha foi usado o verbo lembrar no 2º e no 4º quadrinho. Em ambos, a regência do verbo está de acordo com a norma padrão. Marque

Leia mais

A) I, II e III B) I e II C) I e III D) II e III E) apenas I. 01 Era uma vez uma agulha, que disse a um novelo de linha:

A) I, II e III B) I e II C) I e III D) II e III E) apenas I. 01 Era uma vez uma agulha, que disse a um novelo de linha: PORTUGUÊS Para a resolução das questões de 01 a 05, considere o Texto I. TEXTO I III. É marcado pela presença de ironia, que é responsável pelo processo de construção de sentido(s) para o texto. A) I,

Leia mais

PROCESSO SELETIVO VAGAS RESIDUAIS 2016 UFBA

PROCESSO SELETIVO VAGAS RESIDUAIS 2016 UFBA PROCESSO SELETIVO VAGAS RESIDUAIS 2016 UFBA 23 PORTUGUÊS ESTUDOS ORGANIZACIONAIS REDAÇÃO INSTRUÇÕES Para a realização das provas, você recebeu este Caderno de Questões, uma Folha de Respostas para as Provas

Leia mais

0207 INSPETOR SANITÁRIO

0207 INSPETOR SANITÁRIO PORTUGUÊS Leia a tirinha para responder as questões 01 e 02: QUESTÃO 01 Na tirinha foi usado o verbo lembrar no 2º e no 4º quadrinho. Em ambos, a regência do verbo está de acordo com a norma padrão. Marque

Leia mais

Há quatro GÊNEROS principais e clássicos e mais um gênero moderno (a partir do séc. XIX); são eles:

Há quatro GÊNEROS principais e clássicos e mais um gênero moderno (a partir do séc. XIX); são eles: Gêneros Literários Há quatro GÊNEROS principais e clássicos e mais um gênero moderno (a partir do séc. XIX); são eles: Gênero épico (fatos heroicos) Guerras, batalhas e grandes feitos 3ª pessoa; Expressa

Leia mais

A) I, II e III B) I e II C) I e III D) II e III E) apenas I. 01 Era uma vez uma agulha, que disse a um novelo de linha:

A) I, II e III B) I e II C) I e III D) II e III E) apenas I. 01 Era uma vez uma agulha, que disse a um novelo de linha: PORTUGUÊS Para a resolução das questões de 01 a 05, considere o Texto I. TEXTO I III. É marcado pela presença de ironia, que é responsável pelo processo de construção de sentido(s) para o texto. A) I,

Leia mais

I. LÍNGUA PORTUGUESA (1 A 10) Um Apólogo Machado de Assis Era uma vez uma agulha, que disse a um novelo de linha: Por que está você com esse ar, toda

I. LÍNGUA PORTUGUESA (1 A 10) Um Apólogo Machado de Assis Era uma vez uma agulha, que disse a um novelo de linha: Por que está você com esse ar, toda CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DA PARAÍBA CARGO: CONTADOR INSTRUÇÕES: VERIFIQUE SE ESTE CADERNO: Corresponde a sua opção de cargo. Contém 50 (cinquenta) questões, numeradas de 01 a 50, caso contrário,

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO SEBASTIÃO DA BOA VISTA - PA CONCURSO PÚBLICO Edital 001/2016 CADERNO DE QUESTÕES

PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO SEBASTIÃO DA BOA VISTA - PA CONCURSO PÚBLICO Edital 001/2016 CADERNO DE QUESTÕES PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO SEBASTIÃO DA BOA VISTA - PA CONCURSO PÚBLICO Edital 001/2016 CADERNO DE QUESTÕES NOME: Nº DE INSCRIÇÃO: LEIA COM ATENÇÃO 1. Este CADERNO DE QUESTÕES contém 30 QUESTÕES de múltipla

Leia mais

Análise de O Apólogo de Machado de Assis: Um teor crítico frente à sociedade que esse engenhoso artista/escritor, universalizou.

Análise de O Apólogo de Machado de Assis: Um teor crítico frente à sociedade que esse engenhoso artista/escritor, universalizou. Análise de O Apólogo de Machado de Assis: Um teor crítico frente à sociedade que esse engenhoso artista/escritor, universalizou. *David Bruno Narciso Este trabalho objetiva-se analisar o texto Um Apólogo

Leia mais

0304 BIBLIOTECONOMISTA

0304 BIBLIOTECONOMISTA PORTUGUÊS Leia a tirinha para responder as questões 01 e 02: QUESTÃO 01 Na tirinha foi usado o verbo lembrar no 2º e no 4º quadrinho. Em ambos, a regência do verbo está de acordo com a norma padrão. Marque

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO SEBASTIÃO DA BOA VISTA - PA CONCURSO PÚBLICO Edital 001/2016 CADERNO DE QUESTÕES ANALISTA AMBIENTAL NÍVEL SUPERIOR

PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO SEBASTIÃO DA BOA VISTA - PA CONCURSO PÚBLICO Edital 001/2016 CADERNO DE QUESTÕES ANALISTA AMBIENTAL NÍVEL SUPERIOR PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO SEBASTIÃO DA BOA VISTA - PA CONCURSO PÚBLICO Edital 001/2016 CADERNO DE QUESTÕES NOME: Nº DE INSCRIÇÃO: LEIA COM ATENÇÃO 1. Este CADERNO DE QUESTÕES contém 30 QUESTÕES de múltipla

Leia mais

A) I, II e III B) I e II C) I e III D) II e III E) apenas I. 01 Era uma vez uma agulha, que disse a um novelo de linha:

A) I, II e III B) I e II C) I e III D) II e III E) apenas I. 01 Era uma vez uma agulha, que disse a um novelo de linha: PORTUGUÊS Para a resolução das questões de 01 a 05, considere o Texto I. TEXTO I III. É marcado pela presença de ironia, que é responsável pelo processo de construção de sentido(s) para o texto. A) I,

Leia mais

Linguagens UECEVEST TD LINGUAGENS, LITERATURA E REDAÇÃO. Prof. Teófilo Beviláqua. 15/março/2014

Linguagens UECEVEST TD LINGUAGENS, LITERATURA E REDAÇÃO. Prof. Teófilo Beviláqua. 15/março/2014 UECEVEST TD LINGUAGENS, LITERATURA E REDAÇÃO. Prof. Teófilo Beviláqua 15/março/2014 Estudo de Linguagens, Literatura e Redação através de textos Linguagens 1. Verbos VERBO NO INFINITO Ser criado, gerar-se,

Leia mais

Aulas 21 à 24 TEXTO NARRATIVO

Aulas 21 à 24 TEXTO NARRATIVO Aulas 21 à 24 Prof. Sabrina Moraes TEXTO NARRATIVO Maioritariamente escrito em prosa, o texto narrativo é caracterizado por narrar uma história, ou seja, contar uma história através de uma sequência de

Leia mais

Texto Narrativo. P R O F. ª A n a L ú c i a M o t a

Texto Narrativo. P R O F. ª A n a L ú c i a M o t a Texto Narrativo P R O F. ª A n a L ú c i a M o t a Texto narrativo É um relato de um acontecimento ou uma série de acontecimentos, reais ou imaginários; Exemplos de textos narrativos: conto, novela, romance,

Leia mais

LISTA DE EXERCÍCIOS PARA PROVA FINAL/2015

LISTA DE EXERCÍCIOS PARA PROVA FINAL/2015 ESCOLA ADVENTISTA SANTA EFIGÊNIA EDUCAÇÃO INFANTIL E ENSINO FUNDAMENTAL Rua Prof Guilherme Butler, 792 - Barreirinha - CEP 82.700-000 - Curitiba/PR Fone: (41) 3053-8636 - e-mail: ease.acp@adventistas.org.br

Leia mais

TEXTO NARRATIVO: COMO É ESSE GÊNERO?

TEXTO NARRATIVO: COMO É ESSE GÊNERO? AULAS 9 À 12 Prof. Sabrina Moraes TEXTO NARRATIVO: COMO É ESSE GÊNERO? A narração é um tipo de texto que conta uma sequência de fatos, sejam eles reais ou imaginários, nos quais as personagens atuam em

Leia mais

Técnico em Contabilidade / Geral. prova objetiva. Leia com atenção as Instruções

Técnico em Contabilidade / Geral. prova objetiva. Leia com atenção as Instruções Concurso Público - Edital nº 455/2017 Técnico em Contabilidade / Geral B-223 prova objetiva Leia com atenção as Instruções 1. Você recebeu do fi scal um cartão de respostas da prova objetiva e este caderno

Leia mais

INSTRUÇÃO: Leia o texto seguinte e responda as questões de números 20 e 21.

INSTRUÇÃO: Leia o texto seguinte e responda as questões de números 20 e 21. PORTUGUÊS INSTRUÇÃO: Leia o texto seguinte e responda as questões de números 20 e 21. (1) E acompanhando sua filha, D. Antônio foi ao encontro do índio que já subia a esplanada. (2) Peri trazia um pequeno

Leia mais

Elementos da narrativa

Elementos da narrativa Elementos da narrativa Narrador presente narrador ausente O narrador é aquele que conta a história Uma narrativa Quando não participa na história narrada, relatando apenas acontecimentos na terceira pessoa

Leia mais

Técnico de Laboratório / Edificações - Mobilidade. prova objetiva. Leia com atenção as Instruções

Técnico de Laboratório / Edificações - Mobilidade. prova objetiva. Leia com atenção as Instruções Concurso Público - Edital nº 455/2017 Técnico de Laboratório / B-219 prova objetiva Leia com atenção as Instruções 1. Você recebeu do fi scal um cartão de respostas da prova objetiva e este caderno de

Leia mais

0218 TELEFONISTA PORTUGUÊS. O texto a seguir servirá de base para as questões 03 a 07: Leia a tirinha para responder as questões 01 e 02: Um Apólogo

0218 TELEFONISTA PORTUGUÊS. O texto a seguir servirá de base para as questões 03 a 07: Leia a tirinha para responder as questões 01 e 02: Um Apólogo PORTUGUÊS Leia a tirinha para responder as questões 01 e 02: QUESTÃO 01 Na tirinha foi usado o verbo lembrar no 2º e no 4º quadrinho. Em ambos, a regência do verbo está de acordo com a norma padrão. Marque

Leia mais

unesp UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA VESTIBULAR MEIO DE ANO 2004 PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CADERNO DE QUESTÕES INSTRUÇÕES

unesp UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA VESTIBULAR MEIO DE ANO 2004 PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CADERNO DE QUESTÕES INSTRUÇÕES unesp UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA VESTIBULAR MEIO DE ANO 2004 Nome do candidato Número da carteira ÁREA DE HUMANIDADES PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CADERNO DE QUESTÕES INSTRUÇÕES 1. Dobrar este

Leia mais

COUTINHO, A. Notas de teoria literária. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1973 (adaptado).

COUTINHO, A. Notas de teoria literária. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1973 (adaptado). O ENEM E OS GÊNEROS TEXTUAIS (LITERÁRIOS) (ENEM 2009) Gênero dramático é aquele em que o artista usa como intermediária entre si e o público a representação. A palavra vem do grego drao (fazer) e quer

Leia mais

Elementos da narrativa. Acção. Tempo. Espaço. Personagens. Narrador. Modos de Expressão e representação. Narratário

Elementos da narrativa. Acção. Tempo. Espaço. Personagens. Narrador. Modos de Expressão e representação. Narratário Elementos da narrativa Acção Tempo Espaço Personagens Narrador Modos de Expressão e representação Narratário O texto narrativo Conta acontecimentos ou experiências conhecidas ou imaginadas, o que implica

Leia mais

REVISÃO PROFESSORA FÁTIMA DANTAS

REVISÃO PROFESSORA FÁTIMA DANTAS REVISÃO PROFESSORA FÁTIMA DANTAS RELATOS DE VIAGEM Características e finalidade VAMOS RECORDAR? O autor regista fatos e acontecimentos ocorridos ao longo de uma viagem, por meio de suas próprias perspectivas

Leia mais

0214 TÉCNICO EM SAÚDE BUCAL

0214 TÉCNICO EM SAÚDE BUCAL PORTUGUÊS Leia a tirinha para responder as questões 01 e 02: QUESTÃO 01 Na tirinha foi usado o verbo lembrar no 2º e no 4º quadrinho. Em ambos, a regência do verbo está de acordo com a norma padrão. Marque

Leia mais

PROFESSOR: Daniel. ALUNO (a):

PROFESSOR: Daniel. ALUNO (a): GOIÂNIA, / / 2015 PROFESSOR: Daniel DISCIPLINA: Literatura SÉRIE:1 ano ALUNO (a): NOTA: No Anhanguera você é + Enem LISTA DE EXERCÍCIOS P2 2 BIMESTRE Gêneros literários Texto 1 Para que ninguém a quisesse

Leia mais

Tempo Caracteriza o desencadear dos fatos. Tempo cronológico ou tempo da história - determinado pela sucessão cronológica dos acontecimentos

Tempo Caracteriza o desencadear dos fatos. Tempo cronológico ou tempo da história - determinado pela sucessão cronológica dos acontecimentos Tempo Caracteriza o desencadear dos fatos. Tempo cronológico ou tempo da história - determinado pela sucessão cronológica dos acontecimentos narrados. Tempo histórico - refere-se à época ou momento histórico

Leia mais

O conto é a forma narrativa, em prosa, de menor extensão (no sentido estrito de tamanho), ainda que contenha os mesmos componentes do romance.

O conto é a forma narrativa, em prosa, de menor extensão (no sentido estrito de tamanho), ainda que contenha os mesmos componentes do romance. Ensino Médio 1º ano O conto é a forma narrativa, em prosa, de menor extensão (no sentido estrito de tamanho), ainda que contenha os mesmos componentes do romance. Entre suas principais características,

Leia mais

Classicismo. Literatura brasileira 1ª EM Prof.: Flávia Guerra

Classicismo. Literatura brasileira 1ª EM Prof.: Flávia Guerra Classicismo Literatura brasileira 1ª EM Prof.: Flávia Guerra Contexto O século XV traz o ser humano para o centro dos acontecimentos, relegando para segundo plano o deus todopoderoso do período medieval.

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO SEBASTIÃO DA BOA VISTA - PA CONCURSO PÚBLICO Edital 001/2016 CADERNO DE QUESTÕES

PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO SEBASTIÃO DA BOA VISTA - PA CONCURSO PÚBLICO Edital 001/2016 CADERNO DE QUESTÕES PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO SEBASTIÃO DA BOA VISTA - PA CONCURSO PÚBLICO Edital 001/2016 CADERNO DE QUESTÕES NOME: Nº DE INSCRIÇÃO: LEIA COM ATENÇÃO 1. Este CADERNO DE QUESTÕES contém 30 QUESTÕES de múltipla

Leia mais

0302 ASSISTENTE SOCIAL

0302 ASSISTENTE SOCIAL PORTUGUÊS Leia a tirinha para responder as questões 01 e 02: QUESTÃO 01 Na tirinha foi usado o verbo lembrar no 2º e no 4º quadrinho. Em ambos, a regência do verbo está de acordo com a norma padrão. Marque

Leia mais

Concurso IFAL 2011 Prova tipo SET

Concurso IFAL 2011 Prova tipo SET Texto 1 PORTUGUÊS Crônica tem esta vantagem: não obriga ao paletó-e-gravata do editorialista, forçado a definir uma posição correta diante dos grandes problemas; não exige de quem o faz o nervosismo saltitante

Leia mais

texto narrativo ação espaço tempo personagens narrador. narração descrição diálogo monólogo

texto narrativo ação espaço tempo personagens narrador. narração descrição diálogo monólogo Português 2014/2015 O texto narrativo conta acontecimentos ou experiências conhecidas ou imaginadas. Contar uma história, ou seja, construir uma narrativa, implica uma ação, desenvolvida num determinado

Leia mais

UNIDADE: Pegar o bonde andando / Brasil SITUAÇÃO DE USO Aprendizagem sobre ditos populares. MARCADORES Cultura; Arte popular; Folclore.

UNIDADE: Pegar o bonde andando / Brasil SITUAÇÃO DE USO Aprendizagem sobre ditos populares. MARCADORES Cultura; Arte popular; Folclore. UNIDADE: Pegar o bonde andando / Brasil SITUAÇÃO DE USO Aprendizagem sobre ditos populares. MARCADORES Cultura; Arte popular; Folclore. EXPECTATIVAS DE APRENDIZAGEM - Aprender sobre ditos populares brasileiros.

Leia mais

Tempo Caracteriza o desencadear dos fatos. Tempo cronológico ou tempo da história - determinado pela sucessão cronológica dos acontecimentos

Tempo Caracteriza o desencadear dos fatos. Tempo cronológico ou tempo da história - determinado pela sucessão cronológica dos acontecimentos Tempo Caracteriza o desencadear dos fatos. Tempo cronológico ou tempo da história - determinado pela sucessão cronológica dos acontecimentos narrados. Tempo histórico - refere-se à época ou momento histórico

Leia mais

A) I, II e III B) I e II C) I e III D) II e III E) apenas I. 01 Era uma vez uma agulha, que disse a um novelo de linha:

A) I, II e III B) I e II C) I e III D) II e III E) apenas I. 01 Era uma vez uma agulha, que disse a um novelo de linha: PORTUGUÊS Para a resolução das questões de 01 a 05, considere o Texto I. TEXTO I III. É marcado pela presença de ironia, que é responsável pelo processo de construção de sentido(s) para o texto. A) I,

Leia mais

0209 MOTORISTA (AMBULANCIA)

0209 MOTORISTA (AMBULANCIA) PORTUGUÊS Leia a tirinha para responder as questões 01 e 02: QUESTÃO 01 Na tirinha foi usado o verbo lembrar no 2º e no 4º quadrinho. Em ambos, a regência do verbo está de acordo com a norma padrão. Marque

Leia mais

LITERATURA E CINEMA: POSSIBILIDADES INVESTIGATIVAS NO TRABALHO EM SALA DE AULA

LITERATURA E CINEMA: POSSIBILIDADES INVESTIGATIVAS NO TRABALHO EM SALA DE AULA LITERATURA E CINEMA: POSSIBILIDADES INVESTIGATIVAS NO TRABALHO EM SALA DE AULA Elaine Perpétua Dias Martins (1); Maria Lucivânia Leandro Andrade (1); Nilson de Sousa Rutizat (2); Jocenilton Cesário da

Leia mais

1ª edição Projeto Timóteo Como Pregar Mensagens Bíblicas Apostila do Orientador

1ª edição Projeto Timóteo Como Pregar Mensagens Bíblicas Apostila do Orientador Como Pregar Mensagens Bíblicas Projeto Timóteo Apostila do Orientador Como Pregar Mensagens Bíblicas Projeto Timóteo Coordenador do Projeto Dr. John Barry Dyer Equipe Pedagógica Marivete Zanoni Kunz Tereza

Leia mais

GOIÂNIA, / / PROFESSOR: Daniel DISCIPLINA: LITERATURA. Antes de iniciar a lista de exercícios leia atentamente as seguintes orientações:

GOIÂNIA, / / PROFESSOR: Daniel DISCIPLINA: LITERATURA. Antes de iniciar a lista de exercícios leia atentamente as seguintes orientações: GOIÂNIA, / / 2017. PROFESSOR: Daniel DISCIPLINA: LITERATURA SÉRIE: ALUNO(a): No Anhanguera você é + Enem Antes de iniciar a lista de exercícios leia atentamente as seguintes orientações: - É fundamental

Leia mais

0326 PROFESSOR DE LÍNGUA PORTUGUESA

0326 PROFESSOR DE LÍNGUA PORTUGUESA PORTUGUÊS Leia a tirinha para responder as questões 01 e 02: QUESTÃO 01 Na tirinha foi usado o verbo lembrar no 2º e no 4º quadrinho. Em ambos, a regência do verbo está de acordo com a norma padrão. Marque

Leia mais

Você conhece a sua bíblia?

Você conhece a sua bíblia? Você conhece a sua bíblia? RECORDANDO... Um breve tratado sobre as Escrituras - 66 livros: 39 AT + 27 NT - Ela é a revelação de Deus - Autores diferentes mas uma mesma mente formadora Interpretando a Bíblia

Leia mais

LITERÁRIOS. Soneto, ode, etc. Lírica. POESIA Épica. Poema, poemeto, epopéia... Conto, novela, romance. PROSA

LITERÁRIOS. Soneto, ode, etc. Lírica. POESIA Épica. Poema, poemeto, epopéia... Conto, novela, romance. PROSA POESIA & PROSA GÊNEROS LITERÁRIOS ESPÉCIES FORMAS Lírica Soneto, ode, etc. POESIA Épica Poema, poemeto, epopéia... PROSA Conto, novela, romance. É uma questão antiga! Para muitos é insolúvel!!! O problema

Leia mais

Gênero discursivo: Crônicas. Professora KATIUSCIA

Gênero discursivo: Crônicas. Professora KATIUSCIA Gênero discursivo: Crônicas Professora KATIUSCIA Crônica A crônica é um gênero literário que, a princípio, era um "relato cronológico dos fatos sucedidos em qualquer lugar"1, isto é, uma narração de episódios

Leia mais

Narrativa: Elementos Estruturais (1)

Narrativa: Elementos Estruturais (1) Narrativa: Elementos Estruturais (1) Narrativa de ficção Discurso figurativo inscrito em coordenadas espaço-temporais. Sucessão temporal de ações (funções). Narrativa simples: passagem de um estado anterior

Leia mais

Um texto narrativo é um texto no qual é contada uma história, através de um narrador, que pode ser personagem, observador ou onisciente.

Um texto narrativo é um texto no qual é contada uma história, através de um narrador, que pode ser personagem, observador ou onisciente. O texto narrativo Um texto narrativo é um texto no qual é contada uma história, através de um narrador, que pode ser personagem, observador ou onisciente. Estrutura Um texto narrativo geralmente é organizado

Leia mais

Géneros textuais e tipos textuais Armando Jorge Lopes

Géneros textuais e tipos textuais Armando Jorge Lopes Géneros textuais e tipos textuais [texto de apoio para o curso de doutoramento em ciências da linguagem aplicadas ao ensino de línguas/universidade Pedagógica, Maputo, Outubro de 2015] Armando Jorge Lopes

Leia mais

CENTRO EDUCACIONAL SIGMA

CENTRO EDUCACIONAL SIGMA 5ºAno 1.5 LÍNGUA PORTUGUESA 1º período 5 de abril de 2016 Cuide da organização da sua prova. Escreva de forma legível. Fique atento à ortografia e elabore respostas claras. Tudo isso será considerado na

Leia mais

Aula 8 NOVAS MODALIDADES DO GÊNERO ÉPICO. Antonio Cardoso Filho

Aula 8 NOVAS MODALIDADES DO GÊNERO ÉPICO. Antonio Cardoso Filho Aula 8 NOVAS MODALIDADES DO GÊNERO ÉPICO META Introduzir algumas modalidades do gênero e mostrar as modificações na passagem da épica clássica para a narrativa moderna. OBJETIVOS Ao final desta aula, o

Leia mais

Planificação Anual GR Disciplina Português (Ensino Profissional) 3.º

Planificação Anual GR Disciplina Português (Ensino Profissional) 3.º Planificação Anual GR 300 - Disciplina Português (Ensino Profissional) 3.º Módulo 9: Textos Líricos (Fernando Pessoa ortónimo e heterónimos) 30 horas (40 aulas) Objectivos de Aprendizagem -Distinguir a

Leia mais

Análise de discursos textuais: questões

Análise de discursos textuais: questões Análise de discursos textuais: questões Com base no texto a seguir, responda às questões (1) e (2): Os Poemas Os poemas são pássaros que chegam não se sabe de onde e pousam no livro que lês. Quando fechas

Leia mais

0203 AGENTE RURAL / TÉCNICO

0203 AGENTE RURAL / TÉCNICO PORTUGUÊS Leia a tirinha para responder as questões 01 e 02: QUESTÃO 01 Na tirinha foi usado o verbo lembrar no 2º e no 4º quadrinho. Em ambos, a regência do verbo está de acordo com a norma padrão. Marque

Leia mais

COORDENADORIA INSTITUCIONAL DE PROGRAMAS ESPECIAIS SECRETARIA DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA LICENCIATURA EM LETRAS/PORTUGUÊS

COORDENADORIA INSTITUCIONAL DE PROGRAMAS ESPECIAIS SECRETARIA DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA LICENCIATURA EM LETRAS/PORTUGUÊS COORDENADORIA INSTITUCIONAL DE PROGRAMAS ESPECIAIS SECRETARIA DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA LICENCIATURA EM LETRAS/PORTUGUÊS MARIA EUGÊNIA OLIVEIRA DE LIMA SOUZA RELATÓRIO FINAL DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO IV

Leia mais