Crescimento Econômico, Progresso Técnico e Distribuição de Renda : uma abordagem pluralista

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Crescimento Econômico, Progresso Técnico e Distribuição de Renda : uma abordagem pluralista"

Transcrição

1 Caítulo 7 O Modelo de Crescimento Harrod-Domar e seus desdobramentos. 7.1 Introdução. A abordagem ós-keynesiana ara o crescimento e distribuição de renda tem sua origem com as contribuições seminais de Harrod (1939) e Domar (1946), as quais são uma tentativa de extensão ara o longo-razo dos resultados obtidos or John Maynard Keynes em sua Teoria Geral do Emrego, do Juro e da Moeda. Como é bem sabido, Keynes anuncia o rincíio da demanda efetiva segundo o qual a renda seria a variável de ajuste entre as decisões de ouança e investimento (cf. Amadeo, 1989) num contexto em que o estoque dos diferentes tios de bens de caital é dado (cf. Keynes, 1936,.37). Coube a Horrod e a Domar demonstrar a ossibilidade de ocorrência de uma situação semelhante ao equilíbrio com desemrego de Keynes em um contexto no qual o estoque de caital estivesse crescendo de forma contínua ao longo do temo. O resultado fundamental do modelo Harrod-Domar é que a obtenção de uma trajetória de crescimento estável com leno-emrego da força de trabalho é ossível, mas altamente imrovável. Dessa forma, as economias caitalistas deverão, via de regra, aresentar um crescimento irregular alternando eríodos de crescimento acelerado com eríodos de queda acentuada do nível de atividade econômica e desemrego elevado. A incomatibilidade desse resultado com a exeriência histórica das economias caitalistas desenvolvidas no eríodo levou autores ós-keynesianos como, or exemlo, Nickolas Kaldor e Luigi Pasinetti a desenvolverem modelos em que a trajetória de crescimento de longo-razo fosse estável e caracterizada elo leno-emrego da força de trabalho. Para tanto foi necessário o desenvolvimento de uma nova teoria da distribuição funcional da renda, na qual a articiação dos salários e dos lucros na renda assa a ser a variável de ajuste entre as decisões de ouança e de investimento. A imortância dessa nova teoria da distribuição de renda foi estabelecer um segundo mecanismo elo qual o 1

2 investimento ode determinar a ouança ao invés de ser determinado ela mesma. Com efeito, Keynes havia mostrado na Teoria Geral que um aumento exógeno do investimento iria gerar um aumento equivalente da ouança através do efeito do multilicador. Kaldor e Pasinetti, or sua vez, mostraram que uma variação do investimento irá gerar semre numa economia fechada e sem governo uma variação equivalente na ouança devido aos efeitos daquela variação sobre a distribuição da renda entre salários e lucros. A extensão do aradoxo da arcimônia 1 ara o longo-razo foi feito or Joan Robinson (1962). No modelo de crescimento de Robinson um aumento da roensão a ouar irá resultar numa redução da articiação dos lucros na renda e, dado o grau de utilização da caacidade rodutiva, numa redução da taxa de lucro. Suondo que o investimento deende diretamente da taxa de lucro, segue-se que como resultado do aumento da roensão a ouar haverá uma redução da taxa de investimento. Daqui se segue que, no longo-razo, um aumento da roensão a ouar será seguido or uma redução da taxa de investimento e da rória taxa de ouança. Isso osto, o resente caítulo está estruturado da seguinte forma. A seção 7.2 está dedicada a aresentação do modelo Harrod-Domar. Na seção 7.3 aresentamos a reformulação do modelo Harrod-Domar roosta or Kaldor (1956) e Pasinetti ( ). A seção 7.4 aresenta o modelo de crescimento de Robinson (1962). A seção 7.5 faz uma breve recaitulação das conclusões obtidas ao longo deste caítulo. As questões ara a discussão estão aresentadas na seção O assim chamado aradoxo da arcimônia foi estabelecido or Keynes na Teoria Geral. Esse aradoxo está relacionado com os efeitos macroeconômicos de um aumento da fração da renda que os indivíduos desejam ouar. A idéia do aradoxo é a seguinte. Um indivíduo tomado isoladamente ode aumentar a sua ouança se decidir aumentar a fração ouada da sua renda. Isso orque a renda do indivíduo é indeendente da sua decisão de gasto. Contudo, a nível macroeconômico a renda é determinada elas decisões de gasto de todos os indivíduos. Sendo assim, se todos os indivíduos resolverem reduzir os seus gastos de consumo na eserança de, com isso, aumentar a sua ouança, o efeito final será uma redução de tal magnitude na renda dos indivíduos que a ouança continuará exatamente igual ao que revalecia antes da redução dos gastos de consumo. 2

3 7.2 O modelo de crescimento Harrod-Domar e a ossibilidade de crescimento equilíbrado com desemrego. A característica central do assim chamado modelo Harrod-Domar de crescimento consiste na determinação das condições necessárias ara a manutenção do equilíbrio entre ouança e investimento ao longo do temo. A análise de Keynes havia mostrado que a manutenção do leno-emrego e/ou lena-utilização da caacidade rodutiva exigia que os emresários estivessem disostos a investir uma magnitude igual ao roduto entre a roensão a ouar da sociedade e o nível de renda de leno-emrego, ou seja : I = s f (7.1) Onde : s é a roensão a ouar da renda disonível, f é o nível de renda de lenoemrego. Para que ossamos entender a lógica dessa argumentação, suonhamos que, num determinado instante do temo, os emresários tenham, de fato, tomado decisões de investimento no montante dado or (7.1), e que estejam disostos a manter indefinidamente esse nível de gastos de investimento. Será que, em tais condições, essa economia irá oerar indefinidamente em leno-emrego? A resosta dada or Harrod e Domar é não. Isso se deve a dula-natureza do investimento. Por um lado, o investimento é um comonente da demanda agregada. Como tal contribui ositivamente ara a utilização efetiva dos meios de rodução existentes. Mas, or outro lado, o fim último do investimento é aumentar a caacidade de rodução da economia, ou seja, aumentar o nível de renda de leno-emrego. Dessa forma, o investimento realizado em um instante determinado do temo irá, mais cedo ou mais tarde, maturar na forma de uma maior caacidade de rodução. Sendo assim, ara manter o leno-emrego ao longo do temo não é suficiente que, num dado momento, os emresários desejem realizar gastos de investimento na magnitude dada ela equação (7.1). Também é necessário que eles estejam disostos a aumentar esses gastos 2. 2 Nas alavras de Domar: Dado que o investimento no sistema Keynesiano é aenas um instrumento de geração de renda; o mesmo não leva em consideração o fato essencial, elementar e bem conhecido de que o 3

4 Para demonstrar a validade dessa afirmação, defina-se σ como sendo igual a rodutividade social do investimento, ou seja, o acréscimo no roduto otencial da economia que resulta da realização de um determinado volume de investimento. Temos, então, que : & = σ I (7.2) Sabemos que, com base no rincíio da demanda efetiva, o nível de renda e de rodução de equilíbrio numa economia fechada e sem governo, é determinado elo mecanismo do multilicador Keynesiano, ou seja : 1 = I (7.3) s Consideremos, agora, que o onto de artida da economia é uma situação de lenautilização da caacidade rodutiva, ou seja : = (7.4) Diferenciando (7.4) com reseito ao temo e substituindo (7.2) e (7.3) na equação resultante, obtemos : I& = σs I (7.5) A equação (7.5) aresenta a taxa na qual o investimento deve crescer ara que demanda agregada cresça no mesmo ritmo que a caacidade rodutiva, de forma a manter a lena-utilização da caacidade rodutiva ao longo do temo. Em outras alavras, se o investimento estiver crescendo a uma taxa igual a σs; então a demanda agregada criada elo rocesso do multilicador do investimento irá acomanhar o crescimento da caacidade rodutiva que resulta das decisões de investimento tomadas elos emresários. investimento também aumenta a caacidade rodutiva. Essa natureza dual do investimento torna a determinação da taxa de crescimento de equilíbrio mais fácil do onto de vista do investimento : se é verdade que o investimento gera caacidade rodutiva e renda, então ele roorciona os dois lados da equação cuja solução determina a taxa de crescimento de equilíbrio (1946,.46). 4

5 Dessa forma, a oferta e a demanda agregada estarão se exandindo exatamente no mesmo ritmo e a lena-utilização da caacidade rodutiva oderá ser sustentada indefinidamente. Devemos, contudo, ter muito cuidado com a interretação da equação (7.5). Com efeito, essa equação não diz que o investimento irá crescer necessariamente a uma taxa igual a σs. Na verdade, o modelo Harrod-Domar não estabelece nenhum mecanismo que garanta o atendimente automático da equação (7.5). Esta equação deve ser entendida, não como uma equação que aresenta a determinação da taxa de crescimento do investimento; mas como uma condição que, se atendida, assegura a ermanência de uma situação de lena-utilização da caacidade rodutiva. Essa observação é consequência da rória autonomia da decisão de investimento no âmbito da teoria keynesiana. De fato, uma das características essenciais da teoria keynesiana do investimento é a autonomia da decisão de investimento em caital fixo com relação a qualquer outra variável econômica. O investimento deende fundamentalmente das exectativas dos emresários a reseito da rentabilidade do equiamento de caital ao longo da sua vida útil. Essas exectativas são, em larga medida, indeendentes da situação revalecente na economia no momento em que os emresários estão tomando as suas decisões de investimento. Isso se deve a rória durabilidade (longa) do equiamento de caital. A viabilidade ou não de um rojeto de investimento 3 deende de exectativas a reseito dos lucros que oderão ser obtidos com esse equiamento. Em função da rória durabilidade do equiamento de caital, essas exectativas irão envolver revisões sobre lucros a serem obtidos em um futuro muito distante. Como o ambiente econômico está em contínua mudança, segue-se que os lucros efetivamente obtidos com o esse equiamento de caital não só terão ouca relação com as exectativas iniciais, bem como com os lucros 3 O critério usual de determinação da viabilidade de um rojeto de investimento é o chamado valor resente líquido (VPL), o qual é definido como o valor resente do fluxo de caixa que se esera obter do rojeto ao longo de sua vida útil (descontado or uma taxa de juros d que reflete o custo de oortunidade do rojeto de investimento) menos o custo do referido rojeto. Matematicamente, o VPL é dado ela exressão : n Ci VPL = C i 0, onde : C i é o fluxo de caixa obtido no eríodo i, C 0 é o custo de realização do i= 1 (1 + d) rojeto de investimento. Um rojeto de investimento é dito economicamente viável se o VPL for ositivo. 5

6 obtidos sobre o equiamento de caital existente no momento em que o emresário está decidindo sobre a imlementação de um determinado rojeto de investimento. Nesse contexto, as exectativas dos emresários sobre a rentabilidade futura do equiamento de caital deendem fundamentalmente do seu otimismo esontâneo 4 o qual Keynes havia denominado de animal sirits de tal forma que as mesmas odem ser consideradas como uma variável exógena ao sistema econômico. Desse raciocínio se segue que não há nenhuma garantia de que os emresários estarão, de fato, disostos a aumentar os gastos de investimento à taxa sσ. Tudo deende do seu otimismo esontâneo, o qual é uma variável sobre a qual os economistas tem muito ouco a dizer. Uma outra questão relevante é a relação entre lena-utilização da caacidaderodutiva e leno-emrego da força de trabalho. Será que a utilização da caacidade rodutiva ao seu nível máximo ou otencial é suficiente ara garantir o leno-emrego da força de trabalho? Enquanto não esecificarmos a tecnologia emregada na economia em consideração, não seremos caazes de afirmar que a manutenção da lena-utilização da caacidade rodutiva ao longo do temo é equivalente ao leno-emrego da força de trabalho. Tudo deende da hiótese feita a reseito da substitubilidade entre caital e trabalho. No modelo neoclássico adrão (Solo) aresentado no caítulo 2, a tecnologia de rodução era do tio Cobb-Douglas. Essa tecnologia admite a ossibilidade de substituição entre caital e trabalho no rocesso rodutivo. Nesse contexto, o leno-emrego da força de trabalho imlica lena-utilização da caacidade rodutiva. Por outro lado, nos modelos clássico-marxista de crescimento e distribuição de renda, que serão aresentados no caítulo 14, se suõe que a tecnologia é do tio Leontieff, ou seja, a rodução se dá através da utilização dos fatores de rodução em roorções fixas. Nesses modelos, a lena-utilização da caacidade rodutiva, garantida ela Lei de Say, não é suficiente ara assegurar o leno-emrego da força de trabalho. Isso orque o estoque de caital existente na economia ode não ser suficientemente grande ara absorver 4 Essa questão será novamente abordada no modelo de crescimento de Robinson que será aresentado na seção

7 todos os trabalhadores disoníveis. Se isso ocorrer, então a economia irá aresentar desemrego estrutural da força de trabalho 5. Isso osto, iremos agora aresentar uma versão mais comleta do modelo Harrod- Domar de crescimento, a qual nos ermita tratar essas questões de forma rigorosa o rimeiro e o segundo roblemas de Harrod 7 Consideremos uma economia na qual : i) Um único bem seja roduzido, o qual serve simultâneamente com bem de consumo e bem de caital. ii) iii) iv) A ouança lanejada é uma função linear da renda agregada (), tal como a aresentada ela seguinte equação : S = s (7.6) A força de trabalho cresça a uma taxa constante e exógena η, sendo comletamente desvinculada de outros comonentes do sistema econômico. A tecnologia de rodução é do tio Leontieff, com coeficientes fixos, não havendo a ossibilidade de substituição entre caital e trabalho. Essa tecnologia ode ser reresentada or intermédio da seguinte função de rodução : K L = min, (7.7) vr u Onde : v r é a relação caital-roduto requerida (mostra o estoque de caital que é técnicamente necessário ara se roduzir uma unidade de roduto), u é o requisito unitário de mão-de-obra (mostra a quantidade de trabalho que é técnicamente necessária ara roduzir uma unidade de roduto). 5 A esse reseito ver Oreiro (1997). 6 Essas questões não foram tratadas or Domar, mas sim or Harrod. Aquele se limitou a demonstrar sob quais condições é ossível a existência de um crescimento equilibrado com lena-utilização da caacidade rodutiva. Os modelos que aresentaremos a seguir rocuram analisar a maneira ela qual Harrod resondeu as questões em consideração. 7 A aresentação a seguir baseia-se em Jones (1975, caítulo 3). 7

8 É conveniente, contudo, distinguir entre a relação caital-roduto efetiva (v) da relação caital-roduto requerida (v r ). A relação caital-roduto efetiva mede simlesmente a relação existente entre o estoque de caital ossuído elas firmas e o seu nível de rodução num determinado onto do temo; sem avaliar se as firmas ossuem ou não o estoque de caital aroriado à esse nível de rodução. Nesse contexto, se v > v r então as firmas ossuem mais caital do que o necessário ara roduzir o seu volume corrente de rodução, ou seja, estarão oerando com caacidade ociosa. Por outro lado, se v < v r então o estoque de caital que as firmas ossuem não é suficiente ara roduzir o volume de rodução corrente, isto é, as firmas estarão sobre-utilizando a caacidade existente. De (7.7) temos que 8 : K = v I = K& = v & (7.8) r r A equação (7.8) mostra que o investimento desejado elas firmas é roorcional à variação (eserada) do nível de rodução. Trata-se do assim chamado rincíio da aceleração segundo o qual o investimento é induzido elas variações (eseradas) do nível de rodução. Isso decorre da hiótese de que as firmas investem de forma a ajustar o estoque de caital que elas efetivamente ossuem ao estoque de caital que elas desejam, o qual é determinado elo nível eserado de rodução. Nesse contexto, se as firmas anteciam um aumento futuro no nível de rodução (or exemlo, orque eseram um aumento futuro nas vendas); então elas irão aumentar o seu estoque de caital de forma a ajustar a sua caacidade rodutiva ao volume eserado de vendas. Por outro lado, se elas eseram uma redução futura no nível de rodução então elas irão desinvestir de forma a eliminar a sua caacidade ociosa ao longo do temo. A condição de equilíbrio macroeconômico é que a ouança seja igual ao investimento, ou seja, S = I. Dessa forma, substituindo (7.8) em (7.6) temos que : 8 No que se segue estamos suondo que a dereciação do estoque de caital é igual a zero. Dessa forma, não é necessário distinguir entre o investimento bruto e o investimento líquido. 8

9 s g = & = (7.9) v r A equação (7.9) aresenta a assim chamada taxa garantida de crescimento, ou seja, a taxa de crescimento da renda a qual, se obtida, fará com que : (i) seja mantido o equilíbrio entre ouança e investimento ao longo do temo; (ii) os emresários fiquem satisfeitos com o estoque de caital que ossuem, melhor dito, o estoque de caital em cada onto do temo será exatamente aroriado ara roduzir a quantidade de bens que as firmas desejam roduzir. Deve-se ressaltar que essa taxa de crescimento reresenta, de fato, uma taxa de crescimento de equilíbrio. Isso orque se a economia crescer à essa taxa; então a caacidade rodutiva estará crescendo ao mesmo ritmo que a demanda, a caacidade ociosa estará no seu nível normal e as exectativas dos emresários sobre o aumento das vendas estarão sendo confirmadas elos resultados efetivamente obtidos. Nesse contexto, os emresários não terão nenhum incentivo ara reduzir ou aumentar a taxa de crescimento do roduto, ou ara alterarem as suas decisões de investimento 9. Entretanto, não há nenhuma razão ela qual se deva eserar que : (i) a taxa de crescimento efetiva seja igual a garantida 10 e (ii) a taxa de crescimento garantida corresonda ao leno-emrego da força de trabalho. 9 Nas alavras de Harrod: A linha de crescimento da rodução traçada ela taxa garantida de crescimento é um equilíbrio móvel, no sentido em que aresenta o nível de rodução ara o qual os rodutores acreditarão que terão feito a coisa certa, e irá induzi-los a continuar no mesmo caminho de exansão (1939,.52). 10 Essa observação é extremamente imortante ara se evitar interretações equivocadas a reseito do modelo Harrod-Domar. Consideremos, or exemlo, um aumento da roensão a ouar das famílias. A equação (3.9) mostra que haverá um aumento da taxa garantida de crescimento. Com base nesse resultado, será que odemos afirmar que se houver um aumento da roensão a ouar então haverá um aumento da taxa efetiva de crescimento? A resosta é não. O aumento da roensão a ouar roduz simlesmente um acréscimo da taxa na qual a economia ode crescer de forma a manter o equilíbrio entre ouança e investimento ao longo do temo. Se irá ocorrer ou não um aumento da taxa de crescimento efetiva, isso vai deender das decisões de investimento dos emresários. Nesse contexto, se o aumento da roensão a ouar for seguido or um aumento do investimento, então a taxa de crescimento efetiva oderá aumentar. Caso contrário, com base no multilicador Keynesiano, haverá uma retração do nível de atividade econômica, isto é, uma redução da taxa de crescimento efetiva, a qual se torna negativa. 9

10 Para demonstrar a validade dessas afirmações, consideremos que a economia se encontra inicialmente oerando com leno-emrego da força de trabalho. Para que essa situação seja mantida ao longo do temo é necessário que : G A = G = η (7.10) Onde : G A é a taxa efetiva de crescimento do roduto, G é a taxa garantida de crescimento do roduto. Se a condição (7.10) for atendida, então o roduto crescerá a taxa η - a qual iremos denominar de taxa natural de crescimento daqui ara frente - de forma que a demanda de trabalho irá crescer ao mesmo ritmo que o número de trabalhadores disoníveis. Se isso ocorrer, então a economia estará numa trajetória de crescimento denominada de Idade Dourada. Observemos, contudo, que somente or uma feliz coincidência é que a taxa garantida de crescimento será igual a taxa natural, ou seja, a taxa de crescimento da força de trabalho. Isso orque s, v r e η são determinados de forma indeendente uns dos outros, não existindo qualquer mecanismo endógeno ao modelo Harrod-Domar que assegure o atendimento dessa condição. Chegamos, então, ao assim chamado rimeiro roblema de Harrod, o qual é anunciado formalmente abaixo (cf. Jones, 1975,.64) : Primeiro Problema de Harrod : Ainda que o crescimento com leno-emrego seja ossível, tal idade dourada é altamente imrovável ois as variáveis constitutivas da condição de equilíbrio são indeendentes entre si. Paralelamente, ode-se demonstrar que a taxa garantida de crescimento reresenta um equilíbrio instável no sentido de que qualquer afastamento da taxa efetiva de crescimento com relação à taxa garantida, não só não se corrige ao longo do temo, como é, de fato, cumulativo. Para demonstrar a validade dessa afirmação consideremos a versão de A.Sen do modelo Harrod-Domar de crescimento. 10

11 Seja E t o nível de rodução eserado elos emresários no eríodo t, t o nível de rodução efetivo no eríodo t, G E t a taxa eserada de crescimento do roduto entre t-1 e t, G t a taxa efetiva de crescimento do roduto entre t-1 e t. Temos, então, que : 1+ G 1+ G E t t t = t = E t t 1 (7.11) Considere ainda que o nível efetivo de rodução é determinado elo mecanismo do multilicador Keynesiano, ou seja : I t t = (7.12) s Por fim, suonha que o investimento é determinado com base no rincíio da aceleração : E ( ) I (7.13) t = vr t t 1 Substituindo (7.13) em (7.12), temos aós os algebrismos necessários que : t E t v E Gt 1+ G r = E s t (7.14) Para que os emresários acertem as suas revisões a reseito do nível de rodução do eríodo t é necessário que : t = E t. Mas, nesse caso, temos que : E s G t = = G (7.15) v s Ou seja, os emresários devem anteciar uma taxa de crescimento do roduto igual a [s /(v-s)], a qual é igual a taxa garantida de crescimento no caso de temo discreto. 11

12 Se os emresários anteciarem uma taxa de crescimento igual à garantida, então eles irão vender exatamente aquilo que haviam eserado vender. Nesse caso, eles não terão nenhuma razão ara eserar uma taxa de crescimento diferente ara o róximo eríodo. Mas suonha que, or algum motivo, os emresários anteciem uma taxa de crescimento diferente da garantida. Concretamente, suonha que G E t > [s /(v-s)]. Nesse caso, odemos facilmente demonstrar que t > E t. Em alavras, se os emresários anteciarem uma taxa de crescimento das vendas maior que a garantida, então as suas decisões de rodução e investimento irão resultar num volume de rodução e de vendas suerior ao eserado originalmente. Dessa forma, os emresários terão sub-estimado o nível efetivo de rodução e de vendas. Tal fato levará os mesmos a acreditar que isso ocorreu devido à uma sub-estimação da taxa de crescimento das vendas. Suondo que as suas exectativas a reseito do nível futuro de rodução são formadas com base na hiótese de exectativas adatativas 11 ; então, eles irão eserar uma taxa de crescimento das vendas ainda maior no róximo eríodo, o que irá reroduzir, em escala amliada, o erro inicial de revisão. A economia irá se afastar cada vez mais da trajetória de crescimento equilibrado reresentada ela taxa garantida de crescimento. Nas alavras de Harrod : De forma análoga, odemos igualmente demonstrar que, se G E t < [s /(v-s)]; então E t > t, levando os emresários a eserar uma taxa de crescimento das vendas ainda menor ara o róximo eríodo. Nesse contexto, verifica-se que uma situação de excesso geral de mercadorias não-vendidas (general glut) é causada, na verdade, or firmas que, no seu conjunto, roduziram menos do que deveriam ter roduzido (cf. Jones, 1975,.69). Se as firmas tivessem anteciado uma taxa de crescimento maior ara as vendas e igual a taxa garantida então a suer-rodução não teria ocorrido. 11 A nível formal a hiótese de exectativas adatativas ode ser aresentada ela seguinte equação: e e e t = t 1 + λ( t 1 t 1 ) 0 < λ < 1. Ou seja, a rodução eserada ara o eríodo t deende da exectativa a reseito do nível de rodução formulada no eríodo anterior mais um termo que reflete a correção do erro de revisão a reseito do nível de rodução e vendas ocorrido no eríodo anterior. 12

13 Isso osto, odemos enunciar o assim chamado segundo roblema de Harrod, o qual afirma que (Ibid,.69): Segundo Problema de Harrod : Os desvios da taxa efetiva de crescimento com relação a taxa garantida, não somente não são auto-corretivos, como são de fato cumulativos. Dessa forma, a taxa garantida de crescimento corresonde à um equilíbrio sob fio da navalha 12, ois se a economia se afastar mimimamente dessa osição, jamais irá retornar a mesma. Resumindo, o modelo de crescimento Harrod-Domar aresenta os seguintes resultados fundamentais : i) o crescimento equilibrado com leno-emrego da força de trabalho é ossível, mas é imrovável, sendo resultado de uma feliz coincidência entre os valores dos arâmetros fundamentais s, v r e η. ii) A taxa garantida de crescimento é instável, no sentido de que qualquer afastamento com relação a mesma não só não é auto-corretivo, mas sim cumulativo. 7.3 distribuição de renda e o equilíbrio entre ouança e investimento A exeriência das economias caitalistas aós a Segunda Guerra Mundial não corroborou os resultados do modelo Harrod-Domar de crescimento. O eríodo comreendido entre 1950 e 1973 foi caracterizado or elevadas taxas de crescimento, baixo desemrego e uma enorme estabilidade macroeconômica em todas as economias caitalistas avançadas. Já na década de 50, oucos economistas estavam convencidos de que os roblemas de Harrod fossem uma caraterística fundamental do crescimento de longo-razo dessas economias. Isso levou ao desenvolvimento de novas teorias de crescimento. No camo neoclássico, a alternativa ao modelo Harrod-Domar foi dada elo modelo de crescimento Solo-San. Para Solo, a razão ela qual o modelo Harrod-Domar roduzia resultados aarentemente tão contrários a exeriência das economias caitalistas avançadas era de que 12 A exressão fio da navalha não é devida a Harrod, mas sim a Solo (cf. Jones, 1975,.69). Harrod rejeitou veementemente esse tio de nomenclatura, afirmando que Nada do que eu algum dia escrevi (ou falei) justifica essa descrição de minhas idéias (Aud Jones, 1975,.69-70). 13

14 o mesmo estava baseado em hióteses muito restritivas a reseito da tecnologia emregada or essas economias. Em articular, Solo discordava da hiótese de coeficientes fixos como uma descrição adequada das ossibilidades técnicas de rodução. Nas alavras de Solo : (...) essa oosição fundamental entre as taxas garantida e natural de crescimento advém, no final das contas, da hiótese crucial de que a rodução se desenvolve sob roorções fixas. Não existe a ossibilidade de substituição de caital or trabalho no rocesso rodutivo. Se essa hiótese for abandonada, então a noção de um equilíbrio sob fio da navalha também desaarece (1956, ). No camo Keynesiano, foram desenvolvidos novos modelos de crescimento que fossem caazes de exlicar a exeriência das economias caitalistas avançadas ós-segunda guerra sem aelar ara as hióteses neoclássicas tradicionais de substitubilidade entre os fatores de rodução e identidade entre ouança e investimento. Nesse contexto, destacamse articularmente os modelos de Kaldor (1956, 1957) e Pasinetti ( ); os quais rocuram resolver os roblemas de Harrod através da endogeinização da roensão agregada a ouar. Essa endogeinização, contudo, ressuôs o desenvolvimento de uma nova teoria da distribuição de renda, radicalmente diferente da teoria neoclássica da distribuição os roblemas de Harrod e a teoria ós-keynesiana da distribuição de renda. Vimos na seção anterior que o rimeiro roblema de Harrod resulta do fato de que os determinantes das taxas de crescimento garantida e natural são determinados de forma exógena ao modelo Harrod-Domar; de forma que, exceto or uma feliz coincidência, as referidas taxas serão diferentes entre si. Mas há uma outra forma de visualizar o rimeiro roblema de Harrod, a qual se constituiu num asso extremamente imortante ara o desenvolvimento da teoria ós- Keynesiana da distribuição de renda. Essa forma consiste na constatação de que existe uma única taxa agregada de ouança que é comatível com o crescimento equilibrado estável com leno-emrego da força de trabalho. Mais recisamente : 14

15 s = ηv r (7.16) Se a roensão a ouar agregada for igual à aquela aresentada or (7.16) então a economia estará sobre uma trajetória de crescimento equilibrado com leno-emrego da força de trabalho. No modelo Harrod-Domar s é exógeno, de forma que nada garante que a condição (3.17) será atendida. Entretanto, se fosse ossível endogeinizar a roensão a ouar agregada, de forma que ela se ajustasse semre ao lado direito de (7.16); então o rimeiro roblema de Harrod seria eliminado. Mas or que razão deveríamos suor que s é endógeno? Afinal de contas, a roensão a ouar deende, em larga medida, dos hábitos e costumes dos indivíduos; coisas sobre as quais a teoria econômica tradicionalmente refere tratar como exógenos; uma vez que são exlicados or fatores culturais, sociológicos, antroológicos e etc. Economistas como Kaldor, Robinson e Pasinetti argumentaram que é erfeitamente ossível tratar as roensões individuais a ouar como dadas; sem que isso imlique necessariamente numa roensão a ouar agregada constante. Isso orque a roensão a ouar agregada nada mais é do que a média das roensões individuais a ouar onderada ela distribuição de renda (cf. Pasinetti, 1974,.104). Esta, ao contrário dos hábitos e costumes dos indivíduos, é um assunto essencialmente econômico. Sendo assim, não haveria nenhuma razão, a riori, ara se tratar a roensão agregada a ouar como um dado. Contudo, ara que o rimeiro roblema de Harrod seja eliminado, não basta reconhecer que a distribuição de renda é um dos determinantes da roensão agregada a ouar. Também é necessário mostrar que ela se ajusta de forma a garantir o atendimento da condição (7.16). Para tanto, consideremos uma economia na qual toda a renda seja aroriada sob a forma de salários e lucros. Para fins de simlificação, iremos suor que a renda dos trabalhadores é comosta unicamente elos salários, ao asso que a renda dos caitalistas é 15

16 constituída somente or lucros 13. Considere também que as roensões a ouar a artir de classes diferentes de rendimentos são diferenciadas; mais esecificamente, que a roensão a ouar a artir dos salários é menor do que a roensão a ouar a artir dos lucros. Segundo Kaldor (1966,.310), a existência de roensões a ouar diferenciadas segundo a classe de rendimentos é uma decorrência do fato de que : (i) (ii) (iii) A contínua exansão da caacidade rodutiva das emresas só é ossível, no longo-razo, se uma arte do financiamento necessário a essa exansão advir dos lucros retidos elas emresas. Em função da existência de retornos crescentes de escala, a osição cometitiva de qualquer emresa num dado mercado deende do seu market share. A contínua exansão da firma individual é necessária ara manter inalterada a sua osição cometitiva na indústria. Nesse contexto, a origem da renda imorta : aqueles indivíduos que obtém a sua renda de outras fontes que não os lucros não estão submetidos a mesma ressão cometitiva ara ouar a maior fração ossível de suas rendas e, ortanto, tem um incentivo menor a ouar. Por fim, consideremos uma economia na qual as emresas estão oerando com lena-utilização da caacidade rodutiva. Isso significa que as variações da demanda agregada irão resultar em variações dos reços e das margens de lucro das emresas, mantendo-se constante o nível de rodução Essa hiótese é relaxada or Pasinetti ( ), o qual mostra que os mesmos resultados que iremos derivar em seguida odem ser igualmente obtidos ao se suor que tanto caitalistas como trabalhadores recebem salários e lucros como renda. 14 A suosição de lena-utilização da caacidade rodutiva não deixa de ser surreendente ao ser feita or autores de clara e inquestionável formação keynesiana. Autores como Possas (1987) afirmam que essa hiótese é uma forma de re-introduzir a lei de Say no âmbito dos modelos keynesianos de crescimento e distribuição de renda. No entanto, há uma boa exlicação ara a suosição de lena-utilização da caacidaderodutiva. Para Kaldor e Pasinetti o roblema com o modelo Harrod-Domar é que o mesmo não conseguia exlicar adequadamente as roriedades de longo-razo das economias caitalistas. Se o foco é o longo-razo então não faz sentido trabalhar com uma economia na qual o grau de utilização da caacidade rodutiva é menor do que o normal. Isso orque o longo-razo é definido or esses autores como o intervalo de temo 16

17 A nossa economia ode ser descrita elo seguinte sistema de equações : = W + P S S = s = s S = S I = I S = I W P + S (7.17) (7.18) (7.19) (7.20) (7.21) (7.22) Onde : é a renda agregada, W é a massa de salários, P é o montante total de lucros, S é a ouança dos trabalhadores, S é a ouança dos caitalistas, S é a ouança agregada, I é o investimento agregado (o qual é tido como exógeno), s é a roensão a ouar a artir dos salários e s é a roensão a ouar a artir dos lucros (s < s ). Algumas observações são necessárias a reseito da equação (7.21). Nessa equação estamos assumindo que o investimento é exógeno ao modelo. Mas o que isso significa recisamente? Uma interretação ossível (mas não a única) ara o significado dessa equação é dada or Pasinetti ( ). Segundo esse autor, essa equação é uma mera formalização da hiótese de que, no longo-razo, o investimento é determinado elo crescimento da oulação e elo rogresso tecnológico. Isso é o mesmo que assumir que a taxa de crescimento do estoque de caital é, no longo-razo, determinada ela taxa natural de crescimento. Mas se assumimos de antemão que a taxa de crescimento do estoque de caital é igual a taxa natural de crescimento, então não estaremos descartando a existência do rimeiro roblema de Harrod; melhor dito, não estaríamos assumindo como hiótese o resultado que deveríamos demonstrar? Não necessariamente. Mesmo que tenhamos assumido de antemão a validade de um determinado resultado, odemos ainda avaliar sob quais condições o mesmo é válido. No que é logicamente necessário ara que as emresas ajustem a escala e comosição da caacidade rodutiva à escala e comosição da demanda. Sendo assim, no longo-razo, or definição, não ode haver caacidade ociosa, ou seja, a economia deve oerar com lena-utilização da caacidade rodutiva. Em outras alavras, a hiótese de lena-utilização da caacidade rodutiva decorre da definição de longo-razo que esses autores adotam em seus modelos de crescimento e distribuição. Deve-se ressaltar, contudo, que essa não é definição ossível de longo-razo na teoria econômica. A esse reseito ver Carvalho (2003). 17

18 caso em consideração, trata-se de analisar se a igualdade entre a taxa de crescimento do estoque de caital e a taxa natural de crescimento ode ocorrer ara algum nível de distribuição de renda. Uma vez que se tenha demonstrado a existência desse nível, o róximo asso será mostrar que a distribuição de renda semre se ajusta ao mesmo; de maneira a garantir que a igualdade entre a taxa garantida e a taxa natural de crescimento não será resultado de uma feliz coincidência, mas da oeração do rório sistema econômico. Retornando ao nosso sistema de equações, substituindo (7.18) e (7.19) em (7.20), obtemos que: S ( s s ) P s = (7.23) + A equação (7.23) aresenta a ouança agregada como uma função (i) do montante de lucros e (ii) da renda agregada. Dividindo-se (7.23) or, obtemos a taxa de ouança (S/) como uma função da articiação dos lucros na renda (P/), tal como se observa na equação abaixo : S P ( s s ) + s = (7.24) Por outro lado, dividindo-se (7.21) or temos que: I I = (7.25) A equação (7.25) mostra que a taxa de investimento não deende da articiação dos lucros na renda, sendo, ortanto, autonoma. O equilíbrio macroeconômico exige que a taxa de ouança seja igual a taxa de investimento. Esse equilíbrio, or suz vez, será obtido através de variações da distribuição de renda entre salários e lucros, mais recisamente, através de variações na articiação dos lucros na renda. De fato, substituindo (7.25) em (7.24), temos aós os algebrismos necessários que : 18

19 P = s 1 s I s s s (7.26) A equação (7.26) mostra que a articiação dos lucros na renda deende (i) da taxa de investimento desejada elas firmas, (ii) da roensão a ouar a artir dos lucros e (iii) da roensão a ouar artir dos salários. Se adotarmos a hiótese simlificadora de que s = 0 (ou seja, se suormos que os trabalhadores gastam aquilo que ganham ) então : P 1 I = (7.27) s Na equação (3.27) verificamos que a articiação dos lucros na renda é determinada unicamente ela taxa de investimento e ela roensão a ouar a artir dos lucros. Daqui se segue que os caitalistas ganham aquilo que eles gastam, ou seja, a roorção da renda que será aroriada elos caitalistas sob a forma de lucros deende unicamente de suas decisões de gasto em consumo e investimento (cf. Kaldor, 1956,.96). A visualização da determinação da articiação dos lucros na renda or ser feita or intermédio da figura 7.1. S/, I/ S = s P I = I (P/) * P/ Figura

20 Pode-se facilmente demonstrar que um raciocínio análogo também é válido ara a determinação da taxa de lucro. De fato, dividindo-se (7.26) e (7.27) or K temos que : R = P K 1 R = s = s I K 1 s [ se I K s s s s = 0] K (7.28) (7.29) Na equação (7.29), observamos que a taxa de lucro é determinada ela taxa de crescimento do estoque de caital e ela roensão a ouar a artir dos lucros. Mas, como estamos suondo que g = η, temos que : R = η/s (7.30) A equação (7.30) é a famosa equação de Cambridge, a qual estabelece que a taxa de lucro, ao longo da trajetória de crescimento de Idade Dourada, é igual a razão entre a taxa natural de crescimento e a roensão a ouar dos caitalistas. De que forma é ossível que os caitalistas sejam caazes de determinar a arcela da renda agregada que eles irão se aroriar sob a forma de lucros? Que ou quais mecanismos tornam as decisões dos caitalistas tão imortantes ara a determinação da distribuição de renda? Para resonder a essa ergunta consideremos o seguinte exerimento lógico. Suonha que, or algum motivo, os caitalistas decidam aumentar a taxa de investimento. Ao valor inicial da articiação dos lucros na renda haverá um excesso de investimento sobre ouança e, ortanto, um excesso de demanda agregada no mercado de bens. Esse excesso de demanda agregada deverá roduzir, num contexto de lena-utilização da caacidade rodutiva, um aumento do nível geral de reços. Suonha, agora, que os trabalhadores não sejam caazes de exigir um aumento em seus salários nominais que seja roorcional ao aumento verificado nos reços 15. Se isso 15 Isso ode ser decorrência, or exemlo, da existência de contratos de trabalho de longa duração, os quais fixam os salários nominais dos trabalhadores or um certo eríodo de temo. Durante o eríodo de vigência dos contratos de trabalho, os salários nominais são fixos de forma que variações do nível de reços não irão 20

21 ocorrer então haverá uma redução do salário real e, dado o requisito unitário de mão-deobra, uma redução da articiação dos salários na renda 16. Como a renda é inteiramente aroriada sob a forma de salários e lucros, segue-se que haverá um aumento da articiação dos lucros na renda. Dado que a roensão a ouar a artir dos lucros é maior do que a roensão a ouar a artir dos salários, segue-se que essa mudança na distribuição de renda entre salários e lucros irá rovocar um aumento da ouança agregada, restabelecendo dessa forma o equilíbrio entre ouança e investimento. Desse raciocínio se segue que os caitalistas são caazes de fazer o que quiserem com a distribuição de renda orque os trabalhadores são imotentes ara determinar o nível de salário real (cf. Oreiro, 1997,.53). Se os trabalhadores udessem resistir às reduções de salário real, então o aumento de reços não resultaria numa redução da articiação dos salários na renda, imedindo, dessa forma, o ajuste entre ouança e investimento via mudanças na distribuição de renda. Segue-se, ortanto, que a hiótese central da teoria ós- Keynesiana da distribuição e o que a diferencia radicalmente das teorias clássica e neoclássica é a suosição de que os trabalhadores não são caazes de determinar a taxa de salário real. Essa hiótese foi formalmente exlicitada or Keynes em sua Teoria Geral do Emrego, do Juro e da Moeda. Nas suas alavras : A hiótese de que o nível geral do salário real deende das barganhas entre emregadores e emregados a reseito do nível dos salários nominais é obviamente incorreta (...) Não existe nenhum método elo qual os trabalhadores como um todo ossam igualar o equivalente em bens-salário dos seus salários nominais com o atamar dado ela desutilidade marginal do volume corrente de emrego. Não existe nenhum exediente elo qual os trabalhadores como um todo ossam reduzir o seu salário real através da revisão dos seus salários nominais junto aos emregadores (1936,.12-13). gerar demandas or variações nos salários nominais. A hiótese de salário nominal fixo é feita exlicitamente or Robinson (1962,.334). W L 16 Pode-se mostrar que a articiação dos salários na renda é dada or: = = u, onde W é a X folha de salários, é a renda nominal, é a taxa nominal de salários, é o nível geral de reços, L é o número de trabalhadores emregados, X é a renda real, / é o salário real e u é o requisito unitário de mãode-obra. 21

22 Retornemos, agora, ao rimeiro roblema de Harrod. O raciocínio que acabamos de aresentar mostra que, qualquer que seja a taxa de investimento, a distribuição de renda irá se ajustar de tal forma a roduzir uma taxa de ouança comatível com o equilíbrio no mercado de bens. Em articular, isso também é verdade ara o caso em que a taxa de crescimento do estoque de caital é igual a taxa natural de crescimento. Sendo assim, a flexibilidade na distribuição funcional da renda garante que a economia irá trilhar uma trajetória de crescimento equilibrado com leno-emrego da força de trabalho. Os resultados aresentados até agora ressuõem, no entanto, que a roensão a ouar dos trabalhadores é igual a zero. Contudo, ode-se demonstrar, com base em Pasinetti ( ), que os mesmos não deendem de nenhuma hiótese articular a reseito do valor da roensão a ouar dos trabalhadores. Para demonstrar a validade dessa afirmação, consideremos uma economia na qual os trabalhadores ouam uma fração s de suas rendas de tal forma que suondo que o caital é o único ativo existente na economia uma arte do estoque de caital é de roriedade dos trabalhadores. Nesse contexto, uma arte do lucro gerado nessa economia será aroriado elos trabalhadores, os quais continuam recebendo uma massa de salários igual a W. Seja P o montante de lucros que é aroriado elos caitalistas, P o montante de lucros que é aroriado elos trabalhadores, s a fração da sua renda que os trabalhadores desejam ouar e s a fração da sua renda que os caitalistas desejam ouar. Temos, então, o seguinte sistema de equações : S S = s = s S = S I = S ( W + P ) P + S W (7.31) (7.32) (7.33) (7.34) Substituindo (7.31) e (7.32) em (7.33) e a resultante em (7.34), obtemos - aós dividir tudo or K - que : P c K = I K ( s s ) ( s s )K 1 s (7.35) Como P c = P P, odemos reescrever (7.35) da seguinte forma : P K = I K K P + ( s s ) ( s s ) K 1 s (7.36) 22

23 Seja K a arcela do estoque de caital que é de roriedade dos trabalhadores. Iremos suor que os trabalhadores emrestam esse caital aos caitalistas, obtendo uma taxa de juros r sobre esses emréstimos. Dessa forma é verdade que Substituindo (7.37) em (7.36) temos que : P K = I K K K + r ( s s ) ( s s ) K 1 s (7.38) P = rk (7.37). Na exressão (7.38) a taxa de lucro deende entre outras coisas da fração do estoque de caital que é de roriedade dos trabalhadores. Para determinar essa fração devemos ter em mente que, em steady-state, a seguinte condição tem que ser satisfeita 17 : K S s ( P ) = = (7.39) K S I De (7.36) odemos obter a seguinte exressão : s (7.40) ( s s ) ( s s ) 1 ( P ) = I Substituindo (7.40) em (7.39) obtemos aós os algebrismos necessários que : K K ss = s s I s ( s s ) (7.41) Por fim, substituindo (7.41) em (7.38) e suondo que P/K = r 18, obtemos que : P 1 I r = = (7.42) K s K Suondo que a nossa economia está trilhando uma trajetória de crescimento equilibrado, então é verdade que I/K = η, de tal forma que : η r = (7.43) s Dessa forma, foi ossível obter novamente a equação de Cambridge num contexto em que s > 0. Daqui se segue que a roensão a ouar dos trabalhadores é irrelevante na determinação da taxa de lucro ao longo da trajetória de crescimento balanceado com 17 Em steady-state a fração do estoque de caital que é de roriedade dos trabalhadores deve ermanecer constante ao longo do temo. Para tanto, é necessário que a taxa de crescimento da riqueza dos trabalhadores dada or S /K seja igual a taxa de crescimento da riqueza agregada dada or S/K. 18 Essa hiótese é insirada na teoria clássica (Ricardiana) da taxa de juros, segundo a qual a taxa de retorno sobre o caital determina o limite suerior da taxa de juros sobre os emréstimos na economia. 23

24 leno-emrego. Além disso, o desenvolvimento algébrico feito até aqui mostra que o único valor da taxa de lucro que é comatível com a existência de uma trajetória de crescimento balanceado é aquele dado ela equação de Cambridge. Multilicando-se (7.42) or (/K), obtemos a seguinte equação: P η = (7.43) s A equação (7.43) aresenta o valor da articiação dos lucros na renda que é comatível com a igualdade entre a taxa garantida e a taxa natural de crescimento. Daqui se segue que, mesmo no caso em que s >0, a distribuição funcional da renda ode funcionar como a variável de ajuste entre a taxa garantida e a taxa natural de crescimento. 7.4 Crescimento, distribuição e o aradoxo da arcimônia : o modelo de Robinson A teoria ós-keynesiana da distribuição estabelece que, qualquer que seja a taxa de investimento, a articiação dos lucros na renda irá se ajustar de forma a roduzir a taxa de ouança necessária ara o equilíbrio no mercado de bens. Contudo, essa teoria em si mesma nada diz a reseito dos determinantes da taxa de investimento. Em articular, não é uma decorrência lógica dessa teoria que a taxa de crescimento do estoque de caital isto é, a taxa garantida de crescimento seja determinada ela taxa natural. Esse é o onto de artida do modelo de crescimento de Joan Robinson (1962). Consideremos uma economia tal como a descrita na seção anterior, de forma que a taxa corrente de lucro seja determinada ela equação (3.30). Essa equação mostra que a taxa de lucro é determinada ela taxa de acumulação de caital, mas nada diz a reseito dos determinantes desta última. Robinson suõe que a taxa desejada de acumulação de caital é dada ela seguinte equação : I g = = ϕ( R r; Θ) ; ϕ > 0; ϕ > 0 (7.44) K ( R r) Θ Onde : r é o nível da taxa real de juros, Θ é o animal sirits dos emresários Algumas observações são necessárias a reseito da equação (7.44). Em rimeiro lugar, ela estabelece que a taxa desejada de acumulação é uma função da taxa corrente de 24

25 lucro. A rimeira vista essa não arece ser uma hiótese muito razoável. De fato, o investimento é uma decisão essencialmente forard looking (ou seja, voltada ara o futuro); de maneira que o mesmo deende das exectativas que os agentes formulam a reseito da rentabilidade futura dos bens de caital. Sendo assim, deveríamos incluir a taxa eserada de lucro como argumento da função investimento; ao invés do valor corrente da mesma. Nesse coxtexto, a equação (7.44) arece sugerir que a taxa corrente de lucro ode ser utilizada como uma roxi das exectativas dos emresários a reseito da rentabilidade futura dos bens de caital, ou seja, que o resente serve como um guia ara o futuro. Mas será que essa é uma suosição razoável a reseito da maneira ela qual os agentes econômicos formam as suas exectativas sobre a rentabilidade futura dos bens de caital? A resosta a essa ergunta foi dada or Keynes em sua Teoria Geral do Emrego, do Juro e da Moeda. Segundo Keynes, as decisões econômicas e, em articular, as decisões de investimento, são tomadas em um contexto de incerteza com relação ao futuro. Keynes define incerteza como uma situação na qual os agentes não são caazes de conhecer todos os resultados ossíveis de suas decisões, ou seja, uma situação onde é ossível a ocorrência de um evento ineserado. Nesse contexto, os agentes econômicos rocuram adotar convenções isto é, regras coletivas de comortamento que, or um lado, torne ossível a tomada de decisão; e, or outro, limite os efeitos otencialmente adversos da ocorrência de um evento ineserado. Entre as diversas convenções ossíveis, destaca-se a convenção da estabilidade que consiste em suor que a situação existente nos negócios continuará or temo indefinido, a não ser que tenhamos razões concretas ara eserar uma mudança (Keynes, 1982,.126). Mas qual a racionalidade de se suor que a situação corrente nos negócios irá continuar indefinidamente; se, na rática, verifica-se que isso jamais ocorre (Ibid,.126)? Primeiramente, odemos argumentar que a existência de incerteza, no sentido em que Keynes definiu esse termo, imlica que o futuro é imrevísivel. Mas se o futuro não ode ser revisto, então os agentes não são caazes de rever que ou quais mudanças irão ocorrer 25

26 no mundo dos negócios, bem como a intensidade das mesmas (ainda que a exeriência mostre que a mudança é a essência da vida econômica). Por outro lado, o único dado concreto que os agentes ossuem é fornecido ela situação corrente. Sendo assim, uma estretégia de menor esforço consiste recisamente em usar os dados fornecidos ela situação corrente como base ara as revisões sobre o futuro, isto é, rojetar o resente no futuro. Um outro argumento é que, embora a vida econômica esteja mudando continuamente; também é verdade que, na maior arte das vezes, a mudança é aenas incremental e não radical (Natura non facit saltum a natureza não dá saltos ). Sendo assim, a adoção da convenção da estabilidade é também uma estratégia de minimização de erros de revisão, ois os agentes sabem que, embora o futuro seja imrevísivel, ele não será radicalmente diferente da situação corrente. Uma segunda observação refere-se ao significado do termo animal sirits. Este é definido or Keynes como o instinto esontâneo de agir ao invés de não fazer nada (Keynes, 1982,.133). Trata-se, ortanto, da disosição com a qual os agentes enfrentam a incerteza. Se essa disosição for fraca, então eles tenderão a adiar o comrometimento de recursos, com receio dos efeitos otencialmente adversos da ocorrência de algum evento ineserado. Nesse caso, o investimento será baixo. Por outro lado, se essa disosição for forte, então os agentes estarão roensos a comrometer os seus recursos e, consequentemente, o investimento será alto. Deve-se observar que o animal sirits não deende aenas da sicologia dos tomadores de decisão, mas ode ser influenciado or fatores sócio-olíticos. Nas alavras de Keynes : (...) não só as crises e as deressões têm a sua intensidade agravada, como também que a roseridade econômica deende, excessivamente, de um clima olítico e social que satisfaça ao tio médio do homem de negócios. Quando o temor de um governo trabalhista ou de um Ne Deal derime a emresa, esta situação não é, necessariamente, conseuqência de revisões ou de manobras com finalidades olíticas; é o simles resultado de um transtorno no delicado equilíbrio do otimismo esontâneo. Ao calcular as ersectivas que se oferecem ao investimento devemos levar em conta os nervos e a histeria, além das digestões e das reações às condições 26

FINANCEIRA. Reginaldo J. Santos. Universidade Federal de Minas Gerais http://www.mat.ufmg.br/~regi Agosto de 2005. 10 de abril de 2009

FINANCEIRA. Reginaldo J. Santos. Universidade Federal de Minas Gerais http://www.mat.ufmg.br/~regi Agosto de 2005. 10 de abril de 2009 INTRODUÇÃO À MATEMÁTICA FINANCEIRA Reginaldo J. Santos Deartamento de Matemática-ICEx Universidade Federal de Minas Gerais htt://www.mat.ufmg.br/~regi Agosto de 2005 última atualização em 10 de abril de

Leia mais

CAPÍTULO 3 - RETIFICAÇÃO

CAPÍTULO 3 - RETIFICAÇÃO CAPÍTULO 3 - RETFCAÇÃO A maioria dos circuitos eletrônicos recisa de uma tensão cc ara oder trabalhar adequadamente Como a tensão da linha é alternada, a rimeira coisa a ser feita em qualquer equiamento

Leia mais

Neste pequeno artigo resolveremos o problema 2 da USAMO (USA Mathematical Olympiad) 2005: (x 3 + 1)(x 3 + y) = 147 157 (x 3 + y)(1 + y) = 157 147 z 9

Neste pequeno artigo resolveremos o problema 2 da USAMO (USA Mathematical Olympiad) 2005: (x 3 + 1)(x 3 + y) = 147 157 (x 3 + y)(1 + y) = 157 147 z 9 Ésófatorar... Serámesmo? Neste equeno artigo resolveremos o roblema 2 da USAMO (USA Mathematical Olymiad) 2005: Problema. Prove que o sistema x 6 + x + x y + y = 147 157 x + x y + y 2 + y + z 9 = 157 147

Leia mais

MICROECONOMIA II (2011-12) João Correia da Silva (joao@fep.up.pt) 26-03-2012

MICROECONOMIA II (2011-12) João Correia da Silva (joao@fep.up.pt) 26-03-2012 MICROECONOMIA II 1E108 (2011-12) 26-03-2012 João Correia da Silva (joao@fe.u.t) 1. A EMPRESA 1.1. Tecnologia de Produção. 1.2. Minimização do Custo. 1.3. Análise dos Custos. 1.4. Maximização do Lucro.

Leia mais

MICROECONOMIA II (2011-12) João Correia da Silva (joao@fep.up.pt) 29-03-2012

MICROECONOMIA II (2011-12) João Correia da Silva (joao@fep.up.pt) 29-03-2012 MICROECONOMIA II 1E108 (2011-12) 29-03-2012 João Correia da ilva (joao@fe.u.t) 2. Estruturas de Mercado 2.1. Concorrência Perfeita. 2.2. Monoólio. 2 CONCORRÊNCIA PERFEITA O modelo de concorrência erfeita

Leia mais

Elasticidade - Demanda e Preço

Elasticidade - Demanda e Preço José Lásaro Cotta Elasticidade - Demanda e Preço Monografia aresentada ao Curso de Esecialização em Matemática Para Professores, elaborado elo Deartamento de Matemática da Universidade Federal de Minas

Leia mais

Crescimento em longo prazo

Crescimento em longo prazo Crescimento em longo prazo Modelo de Harrod-Domar Dinâmica da relação entre produto e capital Taxa de poupança e produto http://fernandonogueiracosta.wordpress.com/ Modelo keynesiano Crescimento = expansão

Leia mais

Uma análise aplicada de decisão com opção de venda utilizando cadeias de Markov

Uma análise aplicada de decisão com opção de venda utilizando cadeias de Markov UMA ANÁLISE APLICADA DE DECISÃO COM OPÇÃO DE VENDA UTILIZANDO CADEIAS DE MARKOV JOSÉ CÉSAR CRUZ JÚNIOR; RICARDO MENDONÇA FONSECA; LUIZ FERNANDO OHARA KAMOGAWA; ESALQ/USP PIRACICABA - SP - BRASIL cesarcruzjr@hotmail.com

Leia mais

1. ENTALPIA. (a) A definição de entalpia. A entalpia, H, é definida como:

1. ENTALPIA. (a) A definição de entalpia. A entalpia, H, é definida como: 1 Data: 31/05/2007 Curso de Processos Químicos Reerência: AKINS, Peter. Físico- Química. Sétima edição. Editora, LC, 2003. Resumo: Proas. Bárbara Winiarski Diesel Novaes 1. ENALPIA A variação da energia

Leia mais

Colégio Politécnico da UFSM DPADP0024 : Processamento Digital de Imagens (Prof. Dr. Elódio Sebem)

Colégio Politécnico da UFSM DPADP0024 : Processamento Digital de Imagens (Prof. Dr. Elódio Sebem) Para melhor aroveitamento das informações roduzidas or diferentes sensores, alguns métodos de rocessamento de imagens têm sido roostos. Estes métodos combinam imagens de diferentes características esectrais

Leia mais

Protocolo Internacional Harmonizado para ensaios de proficiência de laboratórios analíticos (químicos)

Protocolo Internacional Harmonizado para ensaios de proficiência de laboratórios analíticos (químicos) Protocolo Internacional Harmonizado ara ensaios de roficiência de laboratórios analíticos (químicos) (Relatório Técnico IUPAC) Resumo: As organizações internacionais de normalização AOAC International,

Leia mais

A INTEGRAÇÃO DOS INTERMEDIA RIOS FINANCEIROS NUM MOD:f:LO DE POLíTICA MONETÁRIA

A INTEGRAÇÃO DOS INTERMEDIA RIOS FINANCEIROS NUM MOD:f:LO DE POLíTICA MONETÁRIA A INTEGRAÇÃO DOS INTERMEDIA RIOS FINANCEIROS NUM MOD:f:LO DE POLíTICA MONETÁRIA José de Freitas Uchoa ( ) A - INTRODUÇAO O esfôrço que, há alguns anos, tem sido continuamente desenvolvido no Brasil através

Leia mais

instituto politécnico do porto instituto superior de contabilidade e administração micro economia compêndio curso de contabilidade e administração

instituto politécnico do porto instituto superior de contabilidade e administração micro economia compêndio curso de contabilidade e administração instituto suerior de contabilidade e administração instituto olitécnico do orto micro economia I comêndio curso de contabilidade e administração MICROECONOMIA II 1. Tecnologia da rodução... 3 1.1. Função

Leia mais

microeconomia compêndio licenciatura em contabilidade e administração

microeconomia compêndio licenciatura em contabilidade e administração microeconomia comêndio licenciatura em contabilidade e administração 2010 Índice das figuras... 3 1. Formalização do roblema económico... 5 1.1. Necessidades e afectação eficiente de recursos escassos...

Leia mais

Mestrado em Finanças e Economia Empresarial Microeconomia - 6 a Lista de Exercícios Prof.: Carlos Eugênio Monitora:Amanda Schutze

Mestrado em Finanças e Economia Empresarial Microeconomia - 6 a Lista de Exercícios Prof.: Carlos Eugênio Monitora:Amanda Schutze Mestrado em Finanças e Economia Emresarial Microeconomia - 6 a Lista de Exercícios Prof.: Carlos Eugênio Monitora:Amanda Schutze (schutze@fgvmail.br) Parte I - Exercícios Básicos a Questão As funções de

Leia mais

PROVA DE FÍSICA 2º ANO - ACUMULATIVA - 2º TRIMESTRE TIPO A

PROVA DE FÍSICA 2º ANO - ACUMULATIVA - 2º TRIMESTRE TIPO A PROA DE FÍSICA º ANO - ACUMULATIA - º TRIMESTRE TIPO A 0) Considere as seguintes roosições referentes a um gás erfeito. I. Na transformação isotérmica, o roduto. é roorcional à temeratura do gás. II. Na

Leia mais

Modelagem Conceitual parte II

Modelagem Conceitual parte II Modelagem Conceitual arte II Vitor Valerio de Souza Camos Objetivos Aresentar o conceito de. Mostrar a cardinalidade de. Aresentar os tios de s. Aresentar o conceito de entidade fraca Aresentar o conceito

Leia mais

RELATÓRIO DE CONSULTORIA

RELATÓRIO DE CONSULTORIA Recomendação ao Sr. Silva RELATÓRIO DE CONSULTORIA CONSTITUIÇÃO DO ÍNDICE PSI0 ALTRI SGPS, S.A. BCP Banco Comercial Português, S.A. BES Banco Esírito Santo, S.A. BPI Banco Português de Investimento, S.A.

Leia mais

Modelo Fuzzy de tomada de decisão para avaliação de projetos de Responsabilidade Socioambiental (RSA)

Modelo Fuzzy de tomada de decisão para avaliação de projetos de Responsabilidade Socioambiental (RSA) Modelo uzzy de tomada de decisão ara avaliação de rojetos de Resonsabilidade Socioambiental (RSA) Katia Cristina Garcia Laboratório Interdiscilinar de Meio Ambiente - COPPE/URJ Centro de Tecnologia, Bloco

Leia mais

3.1 Da c onta t bil i i l d i ade nacio i nal para r a t e t ori r a i ma m cro r econômi m c i a Det e er e mi m n i a n ç a ã ç o ã o da d

3.1 Da c onta t bil i i l d i ade nacio i nal para r a t e t ori r a i ma m cro r econômi m c i a Det e er e mi m n i a n ç a ã ç o ã o da d Determinação da renda e produtos nacionais: O mercado de Bens e Serviços Capítulo III 3.1 Da contabilidade nacional para a teoria macroeconômica A Contabilidade Nacional: medição do produto efetivamente

Leia mais

MICROECONOMIA II (2010-11) João Correia da Silva (joao@fep.up.pt) 11-04-2011

MICROECONOMIA II (2010-11) João Correia da Silva (joao@fep.up.pt) 11-04-2011 MICROECONOMIA II E08 00- -04-0 João Correia da Silva joao@fe.u.t . Estruturas de Mercado.. Concorrência Perfeita... Monoólio. MONOPÓLIO O Monoólio é uma estrutura de mercado na ual:. Existe aenas emresa

Leia mais

Prof. Tatiele Lacerda. Curso de administração

Prof. Tatiele Lacerda. Curso de administração Prof. Tatiele Lacerda Curso de administração Vamos estudar a política fiscal: nessa visão ela é mais influente para o atingimento do pleno emprego, sem inflação Modelo keynesiano básico: preocupa-se mais

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DE PERNAMBUCO DEPARTAMENTO DE FÍSICA E MATEMÁTICA

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DE PERNAMBUCO DEPARTAMENTO DE FÍSICA E MATEMÁTICA UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DE PERNAMBUCO DEPARTAMENTO DE FÍSICA E MATEMÁTICA CURSO: LICENCIATURA EM COMPUTAÇÃO DISCIPLINA: PROGRAMAÇÃO PARALELA E DISTRIBUÍDA PROFESSOR: JONES OLIVEIRA ALUNO: JONAS FRANCISCO

Leia mais

Levando em conta decisões de investimento não-triviais.

Levando em conta decisões de investimento não-triviais. Levando em conta decisões de investimento não-triviais. Olivier Blanchard* Abril de 2002 *14.452. 2º Trimestre de 2002. Tópico 4. 14.452. 2º Trimestre de 2002 2 No modelo de benchmark (e na extensão RBC),

Leia mais

P(seleção de um elemento baixo) = p P(seleção de um elemento médio) = p. P(seleção de um elemento alto) = p

P(seleção de um elemento baixo) = p P(seleção de um elemento médio) = p. P(seleção de um elemento alto) = p . A Distribuição Multinomial - Teste Qui-Quadrado. Inferência Estatística Uma imortante generalização da rova de Bernoulli (), é a chamada rova multinomial. Uma rova de Bernoulli () ode roduzir dois resultados

Leia mais

Eric Maskin, Prêmio Nobel de Economia 2007

Eric Maskin, Prêmio Nobel de Economia 2007 P I R ATA R I A N O B R A S I L R A D I O G R A F I A D O C O N S U M O A esécie humana é essencialmente egoísta e, com frequência, recisa receber estímulos individuais ara agir em rol de uma causa que

Leia mais

A influência da responsabilidade social corporativa sobre o retorno das ações de empresas de capital aberto no Brasil

A influência da responsabilidade social corporativa sobre o retorno das ações de empresas de capital aberto no Brasil XXIV Encontro Nac. de Eng. de Produção - Florianóolis, SC, Brasil, 03 a 05 de nov de 2004 A influência da resonsabilidade social cororativa sobre o retorno das ações de emresas de caital aberto no Brasil

Leia mais

Projeto de Trabalho de Conclusão de Curso

Projeto de Trabalho de Conclusão de Curso MARCELO RIBEIRO DA LUZ MARCOS KUFNER Projeto de Trabalho de Conclusão de Curso Trabalho aresentado ara a discilina de Laboratório de Estatística II do curso de graduação em Estatística da Universidade

Leia mais

What Are the Questions?

What Are the Questions? PET-Economia UnB 06 de abril de 2015 Joan Robinson Mrs. Robinson Formou-se em Economia na Universidade de Cambridge em 1925 Em 1965, obteve a cadeira de professora titular em Cambridge Economista pós-keynesiana

Leia mais

1. Introdução 2. OMCC e a Pesquisa Perfil-Opinião

1. Introdução 2. OMCC e a Pesquisa Perfil-Opinião Perfil Socioeconômico e Cultural dos Visitantes dos Museus Fluminenses e Paulistas: Uma Análise Comarativa. Camila Pereira Koehler (ENCE); José Matias de Lima (ENCE); Leandro Lins Marino (Fundação Cesgranrio)

Leia mais

3 Custos Incorridos pelos Agentes Prestadores dos Serviços de Reservas Operativas e de Regulação de Freqüência

3 Custos Incorridos pelos Agentes Prestadores dos Serviços de Reservas Operativas e de Regulação de Freqüência 3 Custos Incorridos elos Agentes Prestadores dos Serviços de Reservas Oerativas e de Regulação de Freqüência 3.1 Custo da Produção da Energia Elétrica A avaliação dos custos incorridos na geração da energia

Leia mais

Atmosfera Padrão. Atmosfera Padrão

Atmosfera Padrão. Atmosfera Padrão 7631 2º Ano da Licenciatura em Engenharia Aeronáutica 1. Introdução O desemenho de aviões e de motores atmosféricos deende da combinação de temeratura, ressão e densidade do ar circundandante. O movimento

Leia mais

ROGÉRIO S. COSTA, RODRIGO S. TEIXEIRA, DARIZON A. DE ANDRADE, AUGUSTO A. FLEURY

ROGÉRIO S. COSTA, RODRIGO S. TEIXEIRA, DARIZON A. DE ANDRADE, AUGUSTO A. FLEURY MOTOR A RELUTÂNCIA CHAVEADO MONOFÁSICO ROGÉRIO S COSTA, RODRIGO S TEIXEIRA, DARIZON A DE ANDRADE, AUGUSTO A FLEURY Laboratório de Acionamentos Elétricos, Deartamento de Engenharia Elétrica, Universidade

Leia mais

O Comportamento da Taxa de Juros. Introdução. Economia Monetária I (Turma A) - UFRGS/FCE 6/10/2005. Prof. Giácomo Balbinotto Neto 1

O Comportamento da Taxa de Juros. Introdução. Economia Monetária I (Turma A) - UFRGS/FCE 6/10/2005. Prof. Giácomo Balbinotto Neto 1 O Comportamento da Taxa de Juros Prof. Giácomo Balbinotto Neto Introdução A taxa de juros é o preço que é pago por um tomador de empréstimos a um emprestador pelo uso dos recursos durante um determinado

Leia mais

Mecanismo de Transmissão Monetário:

Mecanismo de Transmissão Monetário: Mecanismo de Transmissão Monetário: Interação e Iteração Canais de transmissão Idéia-chave heterodoxa Decisões fundamentais http://fernandonogueiracosta.wordpress.com/ 1. Metodologia: interação e iteração.

Leia mais

2. Condições de Equilíbrio do Modelo No modelo keynesiano simples, a economia estará em equilíbrio se:

2. Condições de Equilíbrio do Modelo No modelo keynesiano simples, a economia estará em equilíbrio se: Macroeconomia Aula 2 1. Modelo Keynesiano Simples 1.1. Clássicos x Keynes Para os economistas clássicos, a economia de mercado era auto-regulável e tendia quase que automaticamente para o pleno emprego.

Leia mais

CAPITULO VI. LIMITES E CONTINUIDADE DE FUNÇÕES EM R n

CAPITULO VI. LIMITES E CONTINUIDADE DE FUNÇÕES EM R n CAPITULO VI LIMITES E CONTINUIDADE DE FUNÇÕES EM R n. Generalidades O conceito geral de função e outros associados foram já estudados quando se tratou da teoria dos conjuntos. Foi igualmente estudado com

Leia mais

A Teoria da Endogeneidade da Moeda:Horizontalistas X Estruturalistas

A Teoria da Endogeneidade da Moeda:Horizontalistas X Estruturalistas A Teoria da Endogeneidade da Moeda:Horizontalistas X Estruturalistas Professor Fabiano Abranches Silva Dalto Departamento de Economia da UFPR Disciplina Economia Monetária e Financeira Bibliografia Sugerida:

Leia mais

EA072 Prof. Fernando J. Von Zuben DCA/FEEC/Unicamp. Tópico P2.7: Teoria de Jogos 3. EA072 Prof. Fernando J. Von Zuben DCA/FEEC/Unicamp

EA072 Prof. Fernando J. Von Zuben DCA/FEEC/Unicamp. Tópico P2.7: Teoria de Jogos 3. EA072 Prof. Fernando J. Von Zuben DCA/FEEC/Unicamp Teoria de Jogos ntrodução... Exemlo de jogos... 5. Pilha de alitos... 5. Jogo de sinuca (bilhar inglês ou snooker)... 5.3 Duelo... 6.4 Lançamento de novos rodutos no mercado... 6.5 Dilema do risioneiro...

Leia mais

Pindyck & Rubinfeld, Capítulo 15, Mercado de Capitais::REVISÃO

Pindyck & Rubinfeld, Capítulo 15, Mercado de Capitais::REVISÃO Pindyck & Rubinfeld, Capítulo 15, Mercado de Capitais::REVISÃO 1. Uma empresa utiliza tecidos e mão-de-obra na produção de camisas em uma fábrica que foi adquirida por $10 milhões. Quais de seus insumos

Leia mais

COMPARAÇÃO DO DESEMPENHO ACADÊMICO DOS INGRESSANTES EM GEOGRAFIA PELO VESTIBULAR E PELO PAIES

COMPARAÇÃO DO DESEMPENHO ACADÊMICO DOS INGRESSANTES EM GEOGRAFIA PELO VESTIBULAR E PELO PAIES COMPARAÇÃO DO DESEMPENHO ACADÊMICO DOS INGRESSANTES EM GEOGRAFIA PELO VESTIBULAR E PELO PAIES Sylio Luiz Andreozzi 1 Fláia Aarecida Vieira de Araújo 2 Introdução As uniersidades úblicas brasileiras determinam

Leia mais

APLICAÇÕES DO CONTROLE ESTATÍSTICO MULTIVARIADO DA QUALIDADE: MONITORAMENTO DE GARRAFEIRAS PLÁSTICAS NUMA EMPRESA DO ESTADO DA PARAÍBA

APLICAÇÕES DO CONTROLE ESTATÍSTICO MULTIVARIADO DA QUALIDADE: MONITORAMENTO DE GARRAFEIRAS PLÁSTICAS NUMA EMPRESA DO ESTADO DA PARAÍBA APLICAÇÕES DO CONTROLE ESTATÍSTICO MULTIVARIADO DA QUALIDADE: MONITORAMENTO DE GARRAFEIRAS PLÁSTICAS NUMA EMPRESA DO ESTADO DA PARAÍBA Marcio Botelho da Fonseca Lima (UFPB) tismalu@uol.com.br ROBERTA DE

Leia mais

CAPÍTULO 11. Poupança, acumulação de capital e produto. Olivier Blanchard Pearson Education

CAPÍTULO 11. Poupança, acumulação de capital e produto. Olivier Blanchard Pearson Education Olivier Blanchard Pearson Education Poupança, acumulação de capital e CAPÍTULO 11 2006 Pearson Education Macroeconomics, 4/e Olivier Blanchard Poupança, Os efeitos da taxa de poupança a razão entre a poupança

Leia mais

Revisão e Dicas de Projeto Conceitual Modelo ER

Revisão e Dicas de Projeto Conceitual Modelo ER Revisão e Dicas de Projeto Conceitual Modelo ER Modelo definido or Peter Chen em 1976 modelo sofreu diversas extensões e notações ao longo do temo Padrão ara modelagem conceitual de BD modelo simles oucos

Leia mais

Probabilidade parte 2. Robério Satyro

Probabilidade parte 2. Robério Satyro Probabilidade arte Robério Satyro Definição de robabilidade Vamos analisar o fenômeno aleatório lançamento de uma moeda erfeita. Nesse caso, temos: = {C, C} () = Os subconjuntos de são, {C}, { C} e {C,

Leia mais

c) Repita as alíneas (a) e (b), admitindo que o investidor pretende agora obter um rendimento esperado de 12%.

c) Repita as alíneas (a) e (b), admitindo que o investidor pretende agora obter um rendimento esperado de 12%. Casos Práticos Caso 3.1 Considere as seguintes inormações relativas a duas acções: cção cção Rendibilidade eserada 15% 10% Desvio adrão da rentabilidade eserada 1% 8% Valor de cotação EUR10 EUR15 Coeiciente

Leia mais

-10 0 10 20 30 40 50 60 70 80

-10 0 10 20 30 40 50 60 70 80 . Uma artícula desloca-se sobre uma reta na direção x. No instante t =, s, a artícula encontra-se na osição e no instante t = 6, s encontra-se na osição, como indicadas na figura abaixo. Determine a velocidade

Leia mais

Journal of Transport Literature Vol. x, n. x, pp. xxx-xxx, xxx xxxx Research Directory. [In Press, Corrected Proof]

Journal of Transport Literature Vol. x, n. x, pp. xxx-xxx, xxx xxxx Research Directory. [In Press, Corrected Proof] B T P S Brazilian Transortation Planning Society Journal of Transort Literature Vol. x, n. x,. xxx-xxx, xxx xxxx Research Directory [In Press, Corrected Proof] JTL RELIT www.transort-literature.org ISSN

Leia mais

Microeconomia. Guião das aulas. António Saraiva

Microeconomia. Guião das aulas. António Saraiva Microeconomia Guião das aulas António Saraiva Instituto Suerior de Contabilidade e Administração do Porto MICROECONOMIA António Fernando Martins Garcia Saraiva 1998 3 Índice 1. Persectiva histórica sumária

Leia mais

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA ELÉTRICA

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA ELÉTRICA Camus de Ilha Solteira PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA ELÉTRICA Análise da Relação entre o Faturamento do Consumo de Energia Elétrica e Demanda de Potência Ativa e Reativa Utilizando Hierbolóides

Leia mais

Journal of Transport Literature Vol. 8, n. 1, pp. 125-158, Jan. 2014 Research Directory

Journal of Transport Literature Vol. 8, n. 1, pp. 125-158, Jan. 2014 Research Directory B T P S Brazilian Transortation Planning Society Journal of Transort Literature Vol. 8, n. 1,. 125-158, Jan. 2014 Research Directory JTL RELIT www.transort-literature.org ISSN 2238-1031 Sistema de aoio

Leia mais

A MOTIVAÇÃO PARA APRENDER NO ENSINO SUPERIOR

A MOTIVAÇÃO PARA APRENDER NO ENSINO SUPERIOR A OTIVAÇÃO PARA APREER O ESIO SUPERIOR ébora enegazzo de Sousa Almeida - UEL Sueli Édi Rufini - UEL RESUO este estudo foi investigada a motivação de alunos do ensino suerior e os fatores a ela relacionados.

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DA GRANDE DOURADOS UFGD FACULDADE DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS FACET WILHELM DOS SANTOS PAES

UNIVERSIDADE FEDERAL DA GRANDE DOURADOS UFGD FACULDADE DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS FACET WILHELM DOS SANTOS PAES UNIVERSIDADE FEDERAL DA GRANDE DOURADOS UFGD FACULDADE DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS FACET WILHELM DOS SANTOS PAES CRIPTOGRAFIA EM BLOCOS: UM ENFOQUE EM SUA APLICAÇÃO NO ENSINO DE MATRIZES DISSERTAÇÃO

Leia mais

10. Risco, Retorno e Mercado

10. Risco, Retorno e Mercado 10. Risco, Retorno e Mercado 10.1 Mercado eficiente 10.2 Risco e retorno eserados 10.3 Retorno eserado de um ortfólio 10.4 Risco na estrutura de uma carteira de ativos 1/3/2009 1 Introdução A incerteza

Leia mais

13. MEDIÇÃO DE VAZÃO. 1. Introdução. 2. Aferição e Padrões

13. MEDIÇÃO DE VAZÃO. 1. Introdução. 2. Aferição e Padrões 3. MEDIÇÃO DE VZÃO. Introdução Vazão é uma das grandezas mais utilizadas na indústria. s alicações são inúmeras, indo desde de medição de vazão de água em estações de tratamento e residências, até medição

Leia mais

Ciclos Econômicos. Expectativas adaptativas do monetarismo Ciclo real de negócios novoclássico Rigidez de preços novokeynesiana

Ciclos Econômicos. Expectativas adaptativas do monetarismo Ciclo real de negócios novoclássico Rigidez de preços novokeynesiana Ciclos Econômicos Abordagem keynesiana X neoclássica Expectativas adaptativas do monetarismo Ciclo real de negócios novoclássico Rigidez de preços novokeynesiana Aula de Fernando Nogueira da Costa Professor

Leia mais

Prova de Macroeconomia

Prova de Macroeconomia UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CURSO DE MESTRADO EM ECONOMIA PROCESSO SELETIVO 2010 Prova de Macroeconomia INSTRUÇÕES PARA A PROVA Leia atentamente as questões. A interpretação das questões faz parte da

Leia mais

Relação Entre Comunicação Interna e Comprometimento Afetivo em Pequenas Indústrias de Calçados

Relação Entre Comunicação Interna e Comprometimento Afetivo em Pequenas Indústrias de Calçados Relação Entre Comunicação Interna e Comrometimento Afetivo em Pequenas Indústrias de Calçados Francisco Roberto PINTO (UECE) Marilia FALCIONI (UECE) Ana Maria Souza de ARAÚJO (UFC) Resumo: No mundo organizacional

Leia mais

micro economia compêndio instituto superior de contabilidade e administração instituto politécnico do porto antónio saraiva

micro economia compêndio instituto superior de contabilidade e administração instituto politécnico do porto antónio saraiva instituto suerior de contabilidade e administração instituto olitécnico do orto micro economia II comêndio curso de contabilidade e administração antónio saraiva www.isca.i.t/~asaraiva MICOECONOMIA I

Leia mais

Noções de Testes de Hipóteses

Noções de Testes de Hipóteses Noções de Testes de Hióteses Outro tio de roblema da Inferência Estatística é o de testar se uma conjectura sobre determinada característica de uma ou mais oulações é, ou não, aoiada ela evidência obtida

Leia mais

Teoria dos ciclos de investimento

Teoria dos ciclos de investimento Teoria dos ciclos de investimento elaborada por Kalecki KALECKI, Michal. Teoria da dinâmica econômica. São Paulo, Abril Cultural, 1976. (original de 1954). COSTA (2000), Lição 6.3: 241-245. http://fernandonogueiracosta.wordpress.com/

Leia mais

LISTA 5A. Conceitos importantes: 1) Determinantes da produção e da produtividade de um país 2) Financiamento do investimento: poupança

LISTA 5A. Conceitos importantes: 1) Determinantes da produção e da produtividade de um país 2) Financiamento do investimento: poupança LISTA 5A Conceitos importantes: 1) Determinantes da produção e da produtividade de um país 2) Financiamento do investimento: poupança 3) Poupança, crescimento econômico e sistema financeiro 4) Mercado

Leia mais

Título : B2 Matemática Financeira. Conteúdo :

Título : B2 Matemática Financeira. Conteúdo : Título : B2 Matemática Financeira Conteúdo : A maioria das questões financeiras é construída por algumas fórmulas padrão e estratégias de negócio. Por exemplo, os investimentos tendem a crescer quando

Leia mais

Política monetária e senhoriagem: depósitos compulsórios na economia brasileira recente

Política monetária e senhoriagem: depósitos compulsórios na economia brasileira recente Política monetária e senhoriagem: depósitos compulsórios na economia brasileira recente Roberto Meurer * RESUMO - Neste artigo se analisa a utilização dos depósitos compulsórios sobre depósitos à vista

Leia mais

NOTA CEMEC 03/2015 FATORES DA QUEDA DO INVESTIMENTO 2010-2014

NOTA CEMEC 03/2015 FATORES DA QUEDA DO INVESTIMENTO 2010-2014 NOTA CEMEC 03/2015 FATORES DA QUEDA DO INVESTIMENTO 2010-2014 Março 2015 1 NOTA CEMEC 03/2015 SUMÁRIO Os dados de Contas Nacionais atualizados até o terceiro trimestre de 2014 revelam a continuidade da

Leia mais

Estudos sobre a Taxa de Câmbio no Brasil

Estudos sobre a Taxa de Câmbio no Brasil Estudos sobre a Taxa de Câmbio no Brasil Fevereiro/2014 A taxa de câmbio é um dos principais preços relativos da economia, com influência direta no desempenho macroeconômico do país e na composição de

Leia mais

MACROECONOMIA II PROFESSOR JOSE LUIS OREIRO PRIMEIRA LISTA DE EXERCÍCIOS

MACROECONOMIA II PROFESSOR JOSE LUIS OREIRO PRIMEIRA LISTA DE EXERCÍCIOS MACROECONOMIA II PROFESSOR JOSE LUIS OREIRO PRIMEIRA LISTA DE EXERCÍCIOS 1 Questão: Considere uma economia na qual os indivíduos vivem por dois períodos. A população é constante e igual a N. Nessa economia

Leia mais

Microeconomia Teoria do Consumidor Oferta - Equilíbrio

Microeconomia Teoria do Consumidor Oferta - Equilíbrio Aula 6 Abordagens da Teoria do Consumidor Microeconomia Teoria do Consumidor Oferta - Equilíbrio Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves UNESP Sorocaba -SP Historicamente, ao observar-se o desenvolvimento da

Leia mais

Teoria Básica de Oferta e Demanda

Teoria Básica de Oferta e Demanda Teoria Básica de Oferta e Demanda Este texto propõe que você tenha tido um curso introdutório de economia. Mas se você não teve, ou se sua teoria básica de economia está um pouco enferrujada, então este

Leia mais

ANHANGUERA EDUCACIONAL ANHANGUERA - PÓS-GRADUAÇÃO

ANHANGUERA EDUCACIONAL ANHANGUERA - PÓS-GRADUAÇÃO ANHANGUERA EDUCACIONAL ANHANGUERA - PÓS-GRADUAÇÃO ANHANGUERA EDUCACIONAL 5 Aula Disciplina : GESTÃO FINANCEIRA Prof.: Carlos Nogueira Agenda 19h00-20h15: Matemática Financeira 20h15-20h30: Métodos de Avaliação

Leia mais

Aula 5 Técnicas de estimação causal. Aula 7. Cálculo do Retorno Econômico: Prática

Aula 5 Técnicas de estimação causal. Aula 7. Cálculo do Retorno Econômico: Prática Aula 5 Técnicas de estimação causal Aula 7 Cálculo do Retorno Econômico: Prática O Curso Aula 1: Introdução - escopo e objetivos do curso Aula 2: Como estruturar projetos sociais pela ótica da avaliação

Leia mais

Tópicos Especiais de Análise de Balanços

Tópicos Especiais de Análise de Balanços Tópicos Especiais de Análise de Balanços 1- ECONÔMICO X FINANCEIRO Talvez não existam palavras mais empregadas no mundo dos negócios do que econômico e financeiro. Econômico: Refere-se a lucro, no sentido

Leia mais

MICROECONOMIA II ( ) João Correia da Silva

MICROECONOMIA II ( ) João Correia da Silva MICROECONOMIA II 1E108 (2011-12) 29-02-2012 João Correia da Silva (joao@fe.u.t) 1. A EMPRESA 1.1. Tecnologia de Produção. 1.2. Minimização do Custo. 1.3. Análise dos Custos. 1.4. Maximização do ucro. 2

Leia mais

MARGEM DE CONTRIBUIÇÃO: QUANTO SOBRA PARA SUA EMPRESA?

MARGEM DE CONTRIBUIÇÃO: QUANTO SOBRA PARA SUA EMPRESA? MARGEM DE CONTRIBUIÇÃO: QUANTO SOBRA PARA SUA EMPRESA? Que nome estranho! O que é isso? Essa expressão, Margem de Contribuição, pode soar estranha aos ouvidos, mas entender o que significa ajudará muito

Leia mais

A curva de Phillips demonstrada na equação abaixo é ampliada e com expectativas racionais (versão contemporânea da curva de Phillips):

A curva de Phillips demonstrada na equação abaixo é ampliada e com expectativas racionais (versão contemporânea da curva de Phillips): Concurso TCE/MG elaborado pela FCC em abril de 2007. Atendendo a alguns pedidos de colegas que frequentaram o curso de Economia parte teórica nos meses de fevereiro, março e abril de 2007 bem como aqueles

Leia mais

O MODELO IS/LM: ECONOMIA FECHADA GRANDE ECONOMIA ABERTA. Vitor Manuel Carvalho 1G202 Macroeconomia I Ano lectivo 2008/09

O MODELO IS/LM: ECONOMIA FECHADA GRANDE ECONOMIA ABERTA. Vitor Manuel Carvalho 1G202 Macroeconomia I Ano lectivo 2008/09 O MODELO IS/LM: ECONOMIA FECHADA OU GRANDE ECONOMIA ABERTA Vitor Manuel Carvalho 1G202 Macroeconomia I Ano lectivo 2008/09 O modelo IS/LM, na sua versão mais simples, descreve, formalizando analítica e

Leia mais

B 02-(FCC/EMATER-2009)

B 02-(FCC/EMATER-2009) Ola, pessoal! Seguem aqui mais questões comentadas de Macroeconomia, visando a preparação para o excelente concurso de fiscal de rendas de SP. Todas as questões são da FCC. Bom treinamento! Marlos marlos@pontodosconcursos.com.br

Leia mais

UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA -IE TEORIA DOS NÚMEROS. Texto de aula. Professor Rudolf R. Maier

UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA -IE TEORIA DOS NÚMEROS. Texto de aula. Professor Rudolf R. Maier UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA -IE TEORIA DOS NÚMEROS Texto de aula Professor Rudolf R Maier Versão atualizada 005 Estas notas são o resultado da exeriência nas aulas do curso do mesmo

Leia mais

3.1 Cálculo de Limites

3.1 Cálculo de Limites 3. Cálculo de Limites EXERCÍCIOS & COMPLEMENTOS 3. FORMAS INDETERMINADAS 0 0 0 0 OPERAÇÕES COM OS SÍMBOLOS + = = ( ) = k = ; se k > 0 k = ; se k < 0 ( ) ( ) = k = ; se k > 0 = ; se > 0 = 0; se < 0 k =

Leia mais

Rememorando. Situação-problema 5. Teorema do Limite Central. Estatística II. Aula II

Rememorando. Situação-problema 5. Teorema do Limite Central. Estatística II. Aula II UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA CAMPUS DE JI-PARAN PARANÁ DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA AMBIENTAL Rememorando Estatística II Aula II Profa. Renata G. Aguiar 1 Figura 7 Distribuição de uma amostra (n = 150).

Leia mais

UFSC Universidade Federal de Santa Catarina Depto De Eng. Química e de Eng. De Alimentos EQA 5313 Turma 645 Op. Unit. de Quantidade de Movimento

UFSC Universidade Federal de Santa Catarina Depto De Eng. Química e de Eng. De Alimentos EQA 5313 Turma 645 Op. Unit. de Quantidade de Movimento UFSC Universidade Federal de Santa Catarina Deto De Eng. Química e de Eng. De Alimentos EQA 5313 Turma 645 O. Unit. de Quantidade de Movimento CENTRIFUGAÇÃO Esta oeração unitária tem or objetivo searar

Leia mais

Sumário. Conceitos básicos 63 Estrutura do balanço de pagamentos 64 Poupança externa 68

Sumário. Conceitos básicos 63 Estrutura do balanço de pagamentos 64 Poupança externa 68 Sumário CAPÍTULO l As CONTAS NACIONAIS * l Os agregados macroeconômicos e o fluxo circular da renda 2 Contas nacionais - modelo simplificado 4 Economia fechada e sem governo 4 Economia fechada e com governo

Leia mais

Segunda aula de mecânica dos fluidos básica. Estática dos Fluidos capítulo 2 do livro do professor Franco Brunetti

Segunda aula de mecânica dos fluidos básica. Estática dos Fluidos capítulo 2 do livro do professor Franco Brunetti Segunda aula de mecânica dos fluidos básica Estática dos Fluidos caítulo 2 do livro do rofessor Franco Brunetti NO DESENVOLVIMENTO DESTA SEGUNDA AULA NÃO IREI ME REPORTAR DIRETAMENTE AO LIVRO MENCIONADO

Leia mais

UNIVERSIDADE DE ÉVORA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA RURAL

UNIVERSIDADE DE ÉVORA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA RURAL UNIVERSIDDE DE ÉVOR DEPRTMENTO DE ENGENHRI RURL HIDRÁULIC GERL PONTMENTOS DS ULS TEÓRICS ENGENHRI GRÍCOL ENGENHRI BIOFÍSIC ENGENHRI GEOLÓGIC Maria Madalena V. Moreira Vasconcelos Évora, 004 Caítulo 1 FORÇS

Leia mais

GPME Prof. Marcelo Cruz

GPME Prof. Marcelo Cruz GPME Prof. Marcelo Cruz Política de Crédito e Empréstimos Objetivos Compreender os tópicos básicos da administração financeira. Compreender a relação da contabilidade com as decisões financeiras. Compreender

Leia mais

A PROBLEMÁTICA DO COPOM

A PROBLEMÁTICA DO COPOM A PROBLEMÁTICA DO COPOM Na ata de reunião terminada em 17 de outubro, em que houve a decisão unânime de manter a taxa SELIC em 11,25%, o COPOM dá uma indicação de sua motivação principal: 19. O Copom considera

Leia mais

Origem e objeto da Ciência Econômica

Origem e objeto da Ciência Econômica Origem e objeto da Ciência Econômica Roteiro da apresentação dois sistemas escolhidos na História do pensamento econômico por sua relevância histórica e seu poder de ilustração da problemática da Economia

Leia mais

DEMANDA EFETIVA E PROPENSÃO A CONSUMIR

DEMANDA EFETIVA E PROPENSÃO A CONSUMIR DEMANDA EFETIVA E PROPENSÃO A CONSUMIR Mara Janaina Gomes de Oliveria 1 ¹Mestre em Economia pela Unesp Professora do IMMES RESUMO Os postulados da Teoria Geral, defendidos por Keynes 2, servem para contrastar

Leia mais

MATEMÁTICA FINANCEIRA - ADMINISTRAÇÃO

MATEMÁTICA FINANCEIRA - ADMINISTRAÇÃO MATEMÁTICA FINANCEIRA - ADMINISTRAÇÃO DESCONTO 1) Determinar o desconto por fora sofrido por uma letra de R$ 5.000,00 à taxa de 5% aa, descontada 5 anos antes de seu vencimento. Resp: R$ 1.250,00 2) Uma

Leia mais

A Lei dos Mercados de J.B.Say

A Lei dos Mercados de J.B.Say A Lei dos Mercados de J.B.Say Prof. José Luis Oreiro Departamento de Economia UnB Pesquisador Nível N I do CNPq. A Lei dos Mercados de Say O enunciado original da Lei de Say,, tal como foi concebida originalmente

Leia mais

III APRESENTAÇÃO E INTERPRETAÇÃO DOS RESULTADOS

III APRESENTAÇÃO E INTERPRETAÇÃO DOS RESULTADOS III APRESENTAÇÃO E INTERPRETAÇÃO DOS RESULTADOS A aresentação dos resultados advém dos factos observados durante a colheita de dados e do tratamento estatístico. O tratamento dos dados é efectuado através

Leia mais

ROTINA COMPUTACIONAL PARA A PREVISÃO DA CAPACIDADE DE CARGA EM ESTACAS

ROTINA COMPUTACIONAL PARA A PREVISÃO DA CAPACIDADE DE CARGA EM ESTACAS 38 ROTINA COMPUTACIONA PARA A PREVISÃO DA CAPACIDADE DE CARGA EM ESTACAS Comutational routine to rovision of the caacity of load in iles. Tobias Ribeiro Ferreira 1, Rodrigo Gustavo Delalibera 2, Wellington

Leia mais

PROCESSO N : P266505/2014

PROCESSO N : P266505/2014 FL. 1 ORIGEM DA LICITAÇÃO: SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE - SMS PROCESSO N : P266505/2014 OBJETO: CRITÉRIO DE JULGAMENTO: MODO DE DISPUTA: REGIME DE EXECUÇÃO: A PRESENTE LICITAÇÃO TEM COMO OBJETO A CONTRATAÇÃO

Leia mais

AS LEIS DE NEWTON PROFESSOR ANDERSON VIEIRA

AS LEIS DE NEWTON PROFESSOR ANDERSON VIEIRA CAPÍTULO 1 AS LEIS DE NEWTON PROFESSOR ANDERSON VIEIRA Talvez o conceito físico mais intuitivo que carregamos conosco, seja a noção do que é uma força. Muito embora, formalmente, seja algo bastante complicado

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 07. Subvenção e Assistência Governamentais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 07. Subvenção e Assistência Governamentais COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 07 Subvenção e Assistência Governamentais Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 20 (IASB) Índice Item OBJETIVO E ALCANCE

Leia mais

Quem precisa de metas afinal? Por que ter metas?

Quem precisa de metas afinal? Por que ter metas? Metas e Objetivos Muito se confunde a respeito destes dois conceitos quando se faz um planejamento estratégico do negócio. A diferença entre Meta e Objetivo, no entanto, é bastante clara como será apresentada

Leia mais

3 Literatura teórica

3 Literatura teórica 23 3 Literatura teórica O FFP é um exemplo de programa bem sucedido na indução de lealdade dos consumidores. Tal programa recompensa consumidores por acúmulo de viagens numa mesma companhia, enquanto pune

Leia mais

Capítulo 7 - Wattímetros

Capítulo 7 - Wattímetros Caítulo 7 - Wattímetros 7. Introdução Os wattímetros eletromecânicos ertencem à uma classe de instrumentos denominados instrumentos eletrodinâmicos. Os instrumentos eletrodinâmicos ossuem dois circuitos

Leia mais

KEYNES: A CRÍTICA AO MODELO CLÁSSICO E A CRIAÇÃO DA MACROECONOMIA

KEYNES: A CRÍTICA AO MODELO CLÁSSICO E A CRIAÇÃO DA MACROECONOMIA Revista Eletrônica Novo Enfoque, ano 2011, v. 13, n. 13, p. 62 71 KEYNES: A CRÍTICA AO MODELO CLÁSSICO E A CRIAÇÃO DA MACROECONOMIA BIELSCHOWSKY, Pablo 1 CUSTÓDIO, Marcos da Cunha 2 1 Doutorando em Economia

Leia mais