CAPÍTULO 3 - RETIFICAÇÃO

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CAPÍTULO 3 - RETIFICAÇÃO"

Transcrição

1 CAPÍTULO 3 - RETFCAÇÃO A maioria dos circuitos eletrônicos recisa de uma tensão cc ara oder trabalhar adequadamente Como a tensão da linha é alternada, a rimeira coisa a ser feita em qualquer equiamento eletrônico é converter a tensão ac em cc Este rocesso de conversão de ac ara cc é conhecido como retificação Neste caítulo, estudaremos os circuitos retificadores e suas características Tais emregam diodos semicondutores de silício O Retificador de Meia Onda O retificador de meia onda converte uma tensão de entrada ac em uma tensão ulsante cc usando aenas um diodo, tal como ilustra o circuito da Figura 31 abaixo (a) (b) Figura 31 (a) Circuito retificador de meia onda 1 e são as tensões no rimário e no secundário, resectivamente (b) Tensão de saída aós o diodo, suondo a chave SW aberta Considere a chave SW aberta, na Figura 31-(a) No semiciclo ositivo da tensão do secundário o diodo D está olarizado diretamente ara todas as tensões maiores que a tensão de limiar (aroximadamente 0,7 ara os diodos de silício) sto roduz aroximadamente uma meia onda senoidal de tensão através do resistor de carga R Logo, o ico da tensão retificada é igual à tensão de ico do secundário, como mostra a Figura 31-(b) Na metade negativa do ciclo, o diodo está com olarização reversa gnorando as correntes de fuga (o mesmo que as correntes reversas), a corrente de carga (do resistor) cai a zero Por essa razão, a tensão de carga cai à zero entre 180º e 360º O mais imortante a ser observado no retificador de meia onda é o seguinte: ele converteu a tensão de entrada ac numa tensão ulsante cc Em outras alavras, a tensão de carga é semre ositiva ou zero, deendendo de que metade do ciclo ela se encontra Ou seja, a corrente de carga se dá semre no mesmo sentido (corrente direta) Tensão Média A tensão média é o valor que indica o voltímetro cc ligado através do resistor de carga Desrezando a queda de tensão no diodo, a tensão média ou valor cc do sinal de meia onda na Figura 31 é dada ela equação =, (31) π onde é a tensão de ico do enrolamento secundário do transformador, conforme a Figura 31

2 A equação acima mostra que a tensão média é 1/π vezes a tensão de ico do enrolamento secundário do transformador (que é de 1ac, ou seja, 6ac+6ac) A mesma fórmula ode ser obtida fazendo-se uma média dos valores de uma onda senoidal retificada Esecificação de Corrente de um Diodo Pelo fato do retificador de meia onda ser um circuito com uma única malha, a corrente cc do diodo será igual à corrente cc da carga (corrente média) Nas folhas de dados dos diodos, cc geralmente aarece como O Este valor informa a quantidade de corrente direta que o diodo ode suortar É bom semre escolher uma corrente O maior do que a calculada Tensão de Pico nversa No instante em que a tensão ac no secundário atinge o seu ico máximo negativo, em um retificador de meia onda, o diodo está desligado Como o diodo está com olarização reversa, não há corrente de carga, ou seja, toda a tensão do secundário deve aarecer através do diodo Esta tensão é chamada de tensão de ico inversa P, do inglês eak inverse voltage Regra rática ara rojetos: escolher diodos cuja esecificação P deve ser o dobro do que a tensão de ico do secundário, inclusive ara os retificadores que serão vistos mais adiante Freqüência Em um retificador de meia onda, o eríodo de saída é igual ao de entrada, o que quer dizer que a freqüência de saída é a mesma que a freqüência de entrada Em outras alavras, ara cada ciclo na saída você tem um ciclo na entrada Por esse motivo, a freqüência que sai do retificador de meia onda é de 60Hz, o mesmo valor da freqüência da linha ac local Filtragem da Onda A saída dos retificadores é uma cc ulsante A utilização desse tio de saída está limitada à carga de baterias, rotação de motores cc e de algumas outras alicações O que a maioria dos circuitos eletrônicos recisa é de uma cc constante, do mesmo tio da roduzida or uma bateria de carro, or exemlo Para converter uma tensão cc ulsante em tensão cc constante recisamos usar um filtro Essa é função do caacitor nos circuitos que mostraremos ao longo deste texto: filtrar os sinais retificados Filtragem da Meia Onda No circuito retificador de meia onda da Figura 31, ao ligarmos o caacitor ela chave (SW) tal funciona como um filtro, transformando a tensão cc ulsante em uma tensão cc contínua (que não varia ao longo do temo) Durante o rimeiro quarto de ciclo de tensão do secundário do transformador, o diodo está com olarização direta Como o diodo liga a fonte diretamente através do caacitor, o mesmo se carrega até a tensão de ico Logo deois de assado o ico ositivo, o diodo ara de conduzir, se comortando como uma chave aberta Com o diodo agora aberto, o caacitor se descarrega através da resistência de carga Como a constante de temo de descarga (o roduto RC) é muito maior do que eríodo T do sinal de entrada, o caacitor erde somente uma equena arte da sua carga durante o temo em que está desligado o diodo Quando a tensão do secundário atinge novamente o seu ico, o diodo conduz or um breve intervalo de temo e recarrega o caacitor até a tensão de ico Em outras alavras, deois do caacitor ter sido inicialmente carregado durante o rimeiro quarto de ciclo, sua tensão é aroximadamente igual a tensão de ico da fonte A tensão de carga é agora uma

3 tensão cc quase erfeita se não fossem elas equenas ondulações (denominadas tensão de Rile r ou, também, tensão de ondulação ond ) causadas elas cargas e descargas do caacitor Na montagem do circuito, a ondulação é vista somente reduzindo consideravelmente a escala de tensão do osciloscóio, ois em uma escala aroriada (geralmente em torno de 5 or quadro de divisão) a tensão observada é de uma cc contínua ura, isto é, sem o Rile, conforme sugere a Figura 3 HtL 0 SAÍDA FLTRADA HtL 0 SAÍDA FLTRADA t t (a) (b) Figura 3 (a) Tensão cc de saída com Rile (b) Tensão cc de saída sem Rile A equação ara se determinar a tensão de ondulação (Rile) é dada or rr = ond =, (3) f C na qual ond = rr é a tensão de ico a ico da ondulação (Tensão de Rile), é corrente de carga contínua da carga, f é a freqüência de saída no secundário e C é a caacitância Da equação (3), observamos que quanto maior o caacitor, menor será a ondulação de ico a ico À ida que a ondulação diminui, o caacitor fica maior e mais caro Para obter uma ondulação equena e uma caacitância grande, muitos rojetistas utilizam a regra dos 10% Essa regra determina a escolha de um caacitor que mantenha uma ondulação de ico a ico de aroximadamente 10% da tensão de ico Mesmo assim, as resostas que obtivermos conterão algum erro, orém ainda são úteis em rática sto ocorre orque o caacitor eletrolítico tem uma tolerância de mais ou menos 0%, de modo que as resostas exatas são desnecessárias Portanto, na rática, = = 10 % rr ond Tensão cc filtrada dealmente a tensão de carga cc filtrada (cc) é igual à tensão de ico do secundário ( ) Como odemos ermitir até 10% de ondulação, há uma equação um ouco mais recisa, sendo esta dada or cc = ond D, (33) a qual leva em conta o efeito da ondulação ( ond ) e inclui a queda de tensão no diodo ( D ) A queda de tensão no diodo assa a ser desrezível ara tensões de secundário sueriores a 1ca Quando você estiver tratando com retificadores de meia onda de baixa tensão (isto é, de tensões menores que 1ca no secundário), ode melhorar as resostas usando a equação (33) ale aqui dizer que tais considerações também odem ser feitas ara o retificador em onda comleta, a dois diodos, conforme veremos adiante 3

4 EXEMPLO 1 Suonha que o circuito retificador de meia onda descrito anteriormente, na Figura 31, tenha sido montado ara uma exeriência O mesmo foi conectado em uma rede de 0ca, a qual oscila em uma freqüência de 60Hz As seguintes grandezas foram idas, conforme mostra a tabela: Material usado: Transformador 0 or (6ac+6ac)/1A; Diodo 1N4003; Resistor k / 1/4W; Caacitor eletrolítico 1000µF/5; Multímetro; Osciloscóio; GRANDEZAS ALORES MEDDOS rms 11,94 máx 16,00 5,04 cc 15,70 r 0,15 Assim, ede-se ara calcular todas as grandezas indicadas na tabela utilizando as relações vistas ara os circuitos retificadores de meia onda Comare esses valores calculados com os idos na exeriência Resolvendo: Como estamos usando todo o enrolamento secundário do transformador, a tensão rms no secundário é = = = rms ef ac 1 A tensão cc sem o caacitor de filtro é aroximadamente a tensão média ( ) sobre o resistor de carga, isto é, máx 16,97 = = = 5, π 3,14 4 A tensão cc com o caacitor de filtro é, idealmente, a tensão de ico ( ) sobre o resistor de carga, = = = (1 ) = 16, máx rms 97 Agora, ara calcular a ondulação de ico a ico ( ond ), recisamos rimeiro determinar o valor da corrente da carga R Assim, 16,97 R = = = 7, 7mA R,kΩ A freqüência de saída no secundário f s, aós o diodo, é igual à de entrada f e, isto é, f e = f s = 60Hz Portanto: 3 R 7,7 10 A = f C (60Hz) ( ond = = 0, 13 6 s F) 4

5 À seguir, de acordo com a equação (33), odemos refinar a resosta da tensão de carga cc, inicialmente estimada em 16,97, ao desrezarmos a queda de tensão de 0,7 no diodo de silício Então, ond 0,13 cc = D = 16,97 0,7 = 16, 0 Por fim, montamos uma tabela ara comaração dos valores idos e calculados ara a exeriência: GRANDEZAS ALORES ALORES MEDDOS CALCULADOS rms 11,94 1,00 máx 16,00 16,97 méd 5,04 5,40 cc 15,70 16,0 r 0,15 0,13 Nos cálculos efetuados anteriormente, note que determinamos, inicialmente, todas as grandezas que constam na tabela desrezando a queda de tensão do diodo, isto é, tratando o mesmo como se fosse ideal Ao final, refinamos o resultado ara a tensão de carga cc (cc) ela equação (33), ao incluirmos o efeito da ondulação de ico a ico ( ond ) e, também, a queda de tensão no diodo ( D ) Embora ossa arecer incorreto, isto é usual, ois não sabemos se o caacitor está ou não dimensionado de acordo com a regra dos 10% Essa metodologia deve ser seguida nos futuros exercícios roostos, bem como ara o dimensionamento de rojetos de circuitos retificadores; esecialmente quando não é indicado o valor do caacitor e não se menciona se tal esteja de acordo com a regra dos 10% O Retificador de Onda Comleta O retificador de onda comleta converte uma tensão de entrada ac numa tensão ulsante cc usando dois diodos, tal como ilustra o circuito da Figura 33 abaixo (a) (b) Figura 33 (a) Circuito retificador de onda comleta 1 e são as tensões no rimário e no secundário, resectivamente (b) Tensão de saída aós os diodos, suondo a chave SW aberta Considere a chave SW aberta, na Figura 33-(a) No semiciclo ositivo da tensão do secundário o diodo D1 está com olarização direta e o diodo D com olarização reversa Portanto, a corrente assa elo diodo D1, elo resistor de carga e ela metade suerior do enrolamento secundário do transformador Durante o semiciclo negativo, a corrente assa elo diodo D1, elo resistor de carga R e ela metade inferior do enrolamento 5

6 secundário do transformador Observa-se, na Figura 33-(b), que a tensão na carga tem a mesma olaridade orque a corrente no resistor de carga está no mesmo sentido, indeendentemente de qual diodo esteja conduzindo É or esse motivo que a tensão de carga é o sinal com retificação de onda comleta que aarece no gráfico acima Efeito do Secundário com Derivação Central Um retificador de onda comleta se arece com dois retificadores de meia onda voltados de costas um ara o outro, com um retificador controlando o rimeiro semiciclo e o outro controlando o segundo semiciclo Por causa do enrolamento do secundário com derivação central (center tae), cada circuito do diodo recebe aenas metade da tensão do secundário sto quer dizer que a tensão de ico retificada é (S ) =, (34) onde (S) é a tensão de ico de todo o enrolamento secundário do transformador Tensão Média A tensão média ( ) de uma onda com retificação comleta é o dobro da saída de um retificador com meia onda controlado ela mesma tensão do secundário A tensão média ou valor cc do sinal de onda comleta no gráfico acima é dado elas equações ou (S ) = (35) π = (36) π Devido à derivação central, a tensão de ico que chega a cada diodo é somente a metade do valor da tensão de ico do secundário A equação (36) mostra que a tensão média é /π vezes a tensão de ico da metade do enrolamento secundário Esecificações das Correntes dos Diodos A esecificação O de cada diodo ara um retificador de onda comleta só recisa ser maior que a metade da corrente de carga cc Por quê? No circuito retificador de onda comleta mostrado anteriormente, observamos que cada diodo conduz somente durante meio ciclo sto significa que a corrente cc através de cada diodo é metade da corrente cc de carga Outra forma de entender o que está se assando é suor que amerímetros estejam em série com cada um dos diodos e com a resistência de carga Então, cada um dos amerímetros dos diodos indicariam uma leitura de metade da corrente da carga, enquanto que a corrente total obviamente estaria assando ela resistência de carga 6

7 Ângulo de Condução de um Diodo Nos retificadores de média (sem o caacitor de filtro) cada diodo tem um ângulo de condução de 180º, significando que cada diodo é ligado e desligado durante aroximadamente 180º do ciclo Nos retificadores de ico (com caacitor de filtro) cada diodo tem um ângulo de condução de uns oucos graus aenas sto orque os diodos que acomanham o filtro com caacitor de entrada são ligados or um breve intervalo de temo róximo ao ico, e são desligados durante o resto do ciclo Freqüência A freqüência ara um retificador de onda comleta já é diferente de um retificador de meia onda Observando o gráfico da tensão versus temo ara o circuito em questão, vemos que o eríodo de saída é igual a metade do eríodo da entrada, o que quer dizer que a freqüência de saída é o dobro da freqüência de entrada Em outras alavras, ocorrem dois semiciclos na saída ara cada ciclo na entrada sto ocorre orque o retificador de onda comleta inverteu a metade negativa do ciclo de entrada Por esse motivo, a freqüência que sai do retificador de onda comleta é de 10Hz, exatamente o dobro da freqüência da linha Filtragem de Onda Comleta No circuito da Figura 33, ao ligarmos o caacitor ela chave (SW) tal funciona como um filtro, transformando a tensão cc ulsante em uma tensão cc contínua (que não varia ao longo do temo) Um retificador de onda comleta é também uma forma de reduzir a ondulação orque a freqüência de ondulação será de 10Hz em vez de 60Hz Neste caso, o caacitor é carregado com uma freqüência duas vezes maior e tem somente metade do temo de descarga Como conseqüência, a ondulação é menor e a tensão de saída cc se aroxima mais da tensão de ico, conforme sugere a Figura 34 HtL 0 SAÍDA FLTRADA HtL 0 SAÍDA FLTRADA t t (a) (b) Figura 34 (a) Tensão cc de saída com Rile (b) Tensão cc de saída sem Rile Tensão cc filtrada dealmente a tensão de carga cc filtrada (cc) é igual à tensão de ico da metade do secundário ( ) Como odemos ermitir até 10% de ondulação, odemos também considerar a equação (33) ara este retificador As mesmas considerações feitas sobre a tensão cc filtrada ara o retificador em meia onda valem ara o retificador em onda comleta 7

8 EXEMPLOS Suonha que o circuito retificador de onda comleta descrito anteriormente, na Figura 33, tenha sido montado ara uma exeriência O mesmo foi conectado em uma rede de 0ca, a qual oscila em uma freqüência de 60Hz As seguintes grandezas foram idas, conforme mostra a tabela: Material usado: Transformador 0 or (1ac+1ac)/1A; Diodos 1N4003; Resistor k / 1/4W; Caacitor 1000µF/5; Multímetro; Osciloscóio; GRANDEZAS ALORES MEDDOS rms 11,94 máx 16,00 méd 10,00 cc 15,88 r 0,060 Assim, ede-se ara calcular todas as grandezas indicadas na tabela utilizando as relações vistas ara os circuitos retificadores de onda comleta Comare esses valores calculados com os idos na exeriência Resolvendo: Como estamos usando aenas a metade do enrolamento secundário do transformador ara cada semiciclo (conseqüentemente, ara cada diodo), odemos considerar que a tensão rms no secundário (que é de 4ac = 1ac+1ac), ara cada semiciclo, é 4 = ef = ac = = rms 1 Como cada circuito dos diodos recebe aenas metade da tensão do secundário, o valor máximo ou de ico da tensão ara cada diodo é = = = (1 ) = 16,, máx rms 97 a qual é, idealmente, a tensão cc com caacitor de filtro sobre o resistor de carga A tensão cc sem filtro é a tensão média ( ) sobre o resistor de carga: = π (16,97 ) = = 10, 3,14 máx 80 Agora, ara calcular a ondulação de ico a ico, recisamos rimeiro calcular o valor da corrente da carga R : 16,97 R = = = 7, 7mA R,kΩ No retificador de onda comleta, a freqüência de saída no secundário f s, aós os diodos, é o dobro da freqüência de entrada f e, isto é, f e = f s = (60Hz) = 10Hz Portanto: 8

9 3 R 7,7 10 A ond = = = 0,064 = 64m 6 f C (10 Hz) ( F) s À seguir, de acordo com a equação (33), odemos refinar a resosta da tensão de carga cc, inicialmente estimada em 16,97 Assim, ond 0,064 cc = D = 16,97 0,7 = 16, 4 Por fim, montamos uma tabela ara comaração dos valores idos e calculados ara a exeriência: GRANDEZAS ALORES ALORES MEDDOS CALCULADOS rms 11,94 1,00 máx 16,00 16,97 méd 10,00 10,80 cc 15,88 16,4 r 0,060 0,064 3 Dimensione um retificador de onda comleta, com caacitor de filtro, ara uma carga com 9 DC e corrente máxima de A O rimário do transformador deve ser conectado em uma rede de 0ca, a qual oscila em 60Hz O rojeto também deve, or segurança, informar de quanto deve ser o valor do fusível de roteção em seu rimário Resolvendo: Para dimensionar um retificador de onda comleta, com caacitor de filtro, ara alimentar uma carga com 9 DC com uma corrente máxima de A, recisamos também esecificar o transformador e o caacitor a serem usados, além dos diodos ejamos o circuito retificador de onda comleta roosto ara o roblema em questão: Dados: R L = resistência da carga RL = 9 DC RL = máx = ef = A f secundário = 10Hz amos admitir, ara fins de cálculos, que os diodos usados sejam ideais Assim, a tensão cc filtrada da carga R L é idealmente a metade da tensão de ico no secundário do transformador ( cc = = RL = ), ois a retificação em onda comleta utiliza a derivação central (center tae) do 9 secundário Assim, calculamos a tensão de ico no secundário ( (S) ): ( S ) = = (9 ) = 18 9

10 Em seguida, determinamos a tensão rms do enrolamento secundário: s 18 = ac = ef = = = 1, rms 7 Como o retificador usa derivação central, o secundário é comosto de dois enrolamentos de 6,36, que é a metade do valor obtido acima Portanto, nosso transformador será de ( 6,36 + 6,36 ) / 3A Note que a corrente considerada ara o secundário não será de A, e sim suerior Um transformador não deve oerar no seu limite, de modo a evitar o sueraquecimento dos enrolamentos Assim, uma corrente de folga de 1A, acrescentada naquela indicada ara o rojeto (no caso, de A), é adequada ara muitos rojetos A regra dos 10% diz que devemos escolher um caacitor que mantenha uma ondulação de ico a ico igual a 10% da tensão de ico da metade do secundário: ond = 10 % = 0,1 = 0,1 (9 ) = 0, 9 Agora, odemos determinar o valor do caacitor: RL C = f ond s A = (0,9 ) (10 Hz) = 18518µ F O valor obtido ara o caacitor foi bem alto, visto que a corrente no circuito é alta e a tensão (do secundário) muito baixa, relativamente à do rimário Portanto, como este é um valor calculado, vamos usar um valor adrão de mercado róximo, iiatamente acima do calculado: 000µ F Quanto aos diodos, a corrente direta de carga é alta, mas somente metade desta assa através de cada diodo, ou seja, 1A Devemos, então, esecificar dois diodos com corrente direta acima de 1A, ara segurança do circuito, com vistas também a evitar correntes de fuga or sueraquecimento dos mesmos Então, esecificaremos dois diodos de 1,5A cada Utilizando os resultados acima, odemos determinar a tensão cc na carga usando a equação (33), ois se considerarmos a ondulação de ico a ico e as quedas nos diodos, de acordo com a equação indicada, a tensão ficará mais reduzida Ou seja, ond 0,9 cc = RL = D = 9 0,7 = 7, 85 Observamos que a tensão cc sobre a carga ficou abaixo da indicada anteriormente (de 9) Como a diferença entre os valores da tensão de oeração da carga (de 9) e o valor calculado acima (de 7,85) é de 1,15, vamos somar esta diferença nas tensões dos enrolamentos secundários ( 6,36 + 1,15 = 7,51 7, 50 ), de modo que nosso transformador assará a ser de ( 7,5 + 7,5 ) / 3A Agora, recalculamos o valor de ico da tensão retificada, da ondulação de ico a ico, do caacitor e da tensão cc da carga usando rms = 7, 5 Assim, = ( 7,5 ) = 10, 60, 10

11 ond = 0,1 (10,60 ) = 1, 06, RL A C = = = 15713µ F f (1,06 ) (10 Hz) ond s Embora não há roblema em usar o caacitor de 000µF, vamos usar um valor adrão de mercado róximo, iiatamente acima do calculado novamente: 18000µF Assim, a tensão cc na carga, de acordo com a equação (33), será ond 1,06 cc = RL = 0,7 = 10,60 0,7 = 9, 37 Observamos que a tensão cc sobre a carga ficou um ouco acima da indicada anteriormente (de 9), o que é satisfatório Agora, odemos dizer que nosso rojeto está bem dimensionado Observa-se, entretanto, que não foi considerado que uma variação de 10% a 0% ara mais na tensão da rede roduza variações na tensão do secundário, o que imlicaria atingir uma corrente de até,4a no secundário Devido a isso, torna-se desejável, além de requisitado no enunciado da questão, dimensionar um fusível ara o circuito Considerando a tensão da rede de 0 e as demais informações do rojeto, temos ela relação de tensão e correntes ara um transformador (suosto ideal) que: (A) (9 ) 1 = = = 8mA 0 1 sto significa que devemos dimensionar um fusível com um valor 0% a mais do que o calculado, levando em conta as erdas no transformador e o fato da tensão da linha ser alta Portanto: FUSÍEL = 1, 1 = 1, (8mA) = 98, 4mA O valor de fusível adrão no mercado, iiatamente suerior ao calculado acima, seria de 100mA No caso da tensão da rede ser de 110, o valor do fusível dobraria ara 00mA, ois: (A) (9 ) 1 = = = 164mA 00mA Finalmente, as esecificações ara o rojeto são: Transformador : (7,5 + 7,5 ) / 3A Diodos : ( diodo Caacitor :18000µ F ara 1,5 A) Fusível :100mA ( ara0 ) Fusível : 00mA ( ara110 ) Nos cálculos efetuados anteriormente, note que determinamos todas as grandezas que constam na esecificação final do rojeto levando em conta a diferença de tensão de 1,15 na carga, aós a rimeira etaa de cálculos sto é, fizemos o rojeto tratando os diodos como se fossem ideais Ao final, refinamos o resultado ara a tensão de carga cc (cc) ela equação (33), ao incluirmos o efeito da ondulação de ico a ico ( ond ) e, também, a queda de tensão nos diodos ( D ) Notamos que a tensão cc disonível ara a carga ficou abaixo do 11

12 revisto, isto é, de 7,85, ao invés de 9 Então, consideramos a diferença de 1,15 na tensão da carga ara o secundário do transformador dimensionado na rimeira análise, de maneira que este assou a ser de 7,5ac + 7,5ac, e reetimos a mesma seqüência de cálculos da rimeira análise Ao final dessa (segunda) análise verificamos que a tensão cc disonível ara a carga era de 9,37, o que é satisfatório Essa metodologia deve ser seguida nos futuros exercícios roostos, bem como ara o dimensionamento de rojetos de circuitos retificadores O Retificador em Ponte O retificador em onte converte uma tensão de entrada ac em uma tensão ulsante cc usando quatro diodos É uma das formas de retificações mais usadas, ois o retificador em onte alcança a tensão de ico comleta de um retificador de meia onda e o valor médio mais alto de tensão de um retificador de onda comleta, além de outras vantagens eja o circuito da Figura 35 abaixo Figura 35 (a) Circuito retificador em onte 1 e são as tensões no rimário e no secundário, resectivamente (b) Tensão de saída aós os diodos, suondo a chave SW aberta Considere a chave SW aberta, na Figura 35-(a) Durante o semiciclo ositivo da tensão do enrolamento suerior do secundário, os diodos D3 e D estão em olarização direta, enquanto que os diodos D1 e D4 estão abertos Durante o semiciclo negativo, os diodos D1 e D4 estão em olarização direta, enquanto que os diodos D3 e D estão abertos Em qualquer dos dois semiciclos, a tensão de carga tem a mesma olaridade orque a corrente de carga está no mesmo sentido, indeendentemente de qual diodo esteja conduzindo É or isso que a tensão da carga é o sinal com retificação comleta mostrado no gráfico acima Tensão Média Pelo fato da saída da onte ser um sinal de onda comleta, o valor médio da tensão de saída ( ) é dado or equações idênticas àquelas em (35) e (36), resectivamente Ou seja, ou (S ) = (37) π = (38) π onde (S) é a tensão de ico de todo o enrolamento secundário do transformador, e é a tensão de ico da metade do enrolamento secundário do transformador 1

13 No entanto, observe no circuito da Figura 35 que ao utilizarmos um retificador em onte, eliminamos a necessidade de uma derivação central Essa é a grande vantagem do retificador em onte sto se traduz no sentido de que tal retificador alcança a tensão de ico comleta de um retificador de meia onda e o valor médio mais alto de um retificador de onda comleta Para observar isto melhor, retomemos, ara comaração, alguns dos resultados da segunda exeriência, ara o retificador em onda comleta, na qual determinamos, ara cada semiciclo, que ef = 1, = 16,97 e = 10,80 Agora, consideremos que o secundário do transformador usado nesta segunda exeriência (retificador em onda comleta; com dois diodos) fosse de 1ac (= 6ac+6ac), assim como aquele que usamos na rimeira exeriência (o retificador de meia onda, onde determinamos que ef = 1, = 16,97 e = 5,4) Para a segunda exeriência (retificador de onda comleta) termos de usar a derivação central do secundário Como suomos que nosso secundário agora seja de 1ac = 6ac+6ac, isto imlica que a tensão de ico que cada diodo recebe seja aenas a metade da tensão de ico do secundário Refazendo os cálculos, obteríamos, ara cada semiciclo, que ef = 6, = 8,48 e = 5,4 Agora, se o secundário de 1ac = 6ac+6ac for usado ara o retificador em onte, que não usa a derivação central, teremos que ef = 1, = 16,97 e = 10,80 Observe que, aroximadamente, toda a tensão do secundário aarece através do resistor de carga Este é um dos motivos que torna o retificador em onte melhor que o retificador de onda comleta discutido anteriormente, onde somente metade da tensão do secundário chegava até a carga A economia comensa de longe o custo dos diodos adicionais, ao invés de usar um transformador mais caro (4ac = 1ac+1ac) Ou seja, ara um retificador em onte não recisaríamos usar um transformador com secundário de 4ac (= 1ac+1ac) Um transformador com secundário de 1ac (= 6ac+6ac) seria suficiente sto orque ao utilizarmos um retificador em onte, eliminamos a necessidade de uma derivação central, sendo esta a grande vantagem deste retificador Freqüência Tal como no retificador de onda comleta a dois diodos, como o sinal de saída é também uma onda comleta, no retificador em onte, a freqüência de saída é o dobro da freqüência de entrada Esecificações das Correntes dos Diodos Similarmente ao retificador de onda comleta mostrado anteriormente, observamos no retificador em onte que cada ar de diodos conduz somente durante meio ciclo sto significa que a corrente cc através de cada um desses diodos é metade da corrente cc de carga Tensão cc filtrada Tal como nos retificadores anteriores, idealmente a tensão de carga cc filtrada (cc) é igual à tensão de ico do secundário ( ) Mas diferentemente do retificador em onda comleta com dois diodos, no retificador em onte, a cada semiciclo, atuam dois diodos Assim, temos uma queda de 1,4 a cada semiciclo Como odemos ermitir até 10% de ondulação, há uma equação um ouco mais recisa, similar à equação (33) Tal é dada or cc ond = D (39) Quando você estiver tratando com retificadores em onte com baixa tensão, ode melhorar as resostas usando a equação (39) 13

14 EXEMPLO 4 Suonha que o circuito retificador em onte descrito anteriormente tenha sido montado ara uma exeriência O mesmo foi conectado em uma rede de 0ca, a qual oscila em uma freqüência de 60Hz As seguintes grandezas foram idas, conforme mostra a tabela: Material usado: Transformador 0 or (6ac+6ac)/1A; Diodos 1N4003; Resistor k / 1/4W; Caacitor 1000µF/5; Multímetro; Osciloscóio; GRANDEZAS ALORES MEDDOS rms 11,94 máx 16,00 méd 9,55 cc 15,10 r 0,050 Assim, ede-se ara calcular todas as grandezas indicadas na tabela utilizando as relações vistas ara os circuitos retificadores em onte Comare esses valores calculados com os idos na exeriência Resolvendo: Neste caso, não usamos a derivação central, e sim todo o enrolamento secundário do transformador, de maneira que = = = rms ef ac 1 Então, o valor máximo ou de ico da tensão, ara cada semiciclo, é = = = (1 ) = 16,, máx rms 97 a qual é, idealmente, a tensão cc com caacitor de filtro sobre o resistor de carga A tensão cc sem filtro é a tensão média ( ) sobre o resistor de carga: = π (16,97 ) = = 10, 3,14 máx 80 Agora, ara calcular a ondulação de ico a ico, recisamos rimeiro calcular o valor da corrente da carga R : 16,97 R = = = 7, 7mA R,kΩ No retificador em onte, a freqüência de saída no secundário f s, aós os diodos, é o dobro da freqüência de entrada f e, isto é, f e = f s = (60Hz) = 10Hz Portanto: 3 R 7,7 10 A ond = = = 0,064 = 64m 6 f C (10 Hz) ( F) s 14

15 À seguir, de acordo com a equação (39), odemos refinar a resosta da tensão de carga cc, inicialmente estimada em 16,97 Assim, ond 0,064 cc = D = 16,97 (0,7 ) = 16,94 1,4 = 15, 54 Por fim, montamos uma tabela ara comaração dos valores idos e calculados ara a exeriência: GRANDEZAS ALORES ALORES MEDDOS CALCULADOS rms 11,94 1,00 máx 16,00 16,97 méd 9,55 10,80 cc 15,10 15,54 r 0,050 0,064 Alicação do Retificador em Ponte: Fonte Simétrica Uma fonte simétrica consiste de um retificador em onte usando a derivação central do transformador (center tae) como referência ara obtermos duas tensões de saída: + e, idealmente (considerando os diodos ideais) A Figura 36 ilustra o circuito da fonte simétrica e o gráfico da tensão de saída retificada HqL SAÍDA RETFCADA q - - Figura 36 Circuito retificador usado ara fazer uma fonte simétrica O funcionamento e as demais características quanto à tensão média, freqüência e filtragem da onda são idênticos ao retificador em onte discutido anteriormente Porém, aqui, usa-se a derivação central (0ac) como referência, de modo que obtemos duas tensões na saída da onte: + e (idealmente), sendo estas corresondentes à metade da tensão de ico de todo o secundário ( (S) ), devido ao efeito da derivação central Note que a laca ositiva do caacitor C, no esquema elétrico acima, deve estar conectada ao 0ac do secundário A Figura 37 aresenta os gráficos da tensão cc de saída ara a fonte simétrica 15

16 HtL SAÍDA FLTRADA HtL SAÍDA FLTRADA t t - - (a) (b) Figura 37 (a) Tensão cc de saída com Rile (b) Tensão cc de saída sem Rile Freqüência Tal como no retificador em onte, como o sinal de saída é também uma onda comleta, a freqüência de saída é o dobro da freqüência de entrada Esecificações das Correntes dos Diodos Similarmente ao retificador em onte, na fonte simétrica cada ar de diodos conduz somente durante meio ciclo sto significa que a corrente cc através de cada um dos diodos é metade da corrente cc de carga Tensão cc filtrada Devido ao uso da derivação central ara a fonte simétrica, idealmente a tensão de carga cc filtrada (cc) é igual à metade da tensão de ico do secundário ( (S) ) Tal como no retificador em onte, a cada semiciclo atuam dois diodos Assim, temos uma queda de 1,4 a cada semiciclo Como odemos ermitir até 10% de ondulação, a equação (39) também ode ser usada ara a fonte simétrica No entanto, vale lembrar que a tensão de ico ( ) que aarece nesta equação deve corresonder a metade da tensão de ico do secundário ( (S) ), devido ao uso da derivação central EXEMPLO 5 Considere a fonte simétrica da Figura 36 O rimário do transformador deve ser conectado em uma rede de 0ca, a qual oscila em 60Hz A tensão fornecida no secundário é de 4ca (isto é, de 1ca+1ca) e os caacitores de filtro são de 1000µF Para cada uma das saídas de tensão da fonte (entre o ositivo e o 0, e entre o negativo e o 0) foi conectada uma carga de,kω Sendo assim, determine: a) O valor da tensão cc sobre a carga que está conectada ao terminal ositivo de saída da fonte Resolvendo: A tensão rms no secundário é = = = Como estamos usando, ara cada ar de rms ef ac 4 diodos, aenas a metade do enrolamento secundário do transformador no circuito, temos que 16

17 4 = ef = ac = = rms 1 Como cada circuito dos diodos recebe aenas metade da tensão do secundário, o valor máximo ou de ico da tensão, ara cada semiciclo, é = = = (1 ) = 16,, máx rms 97 a qual é, idealmente, a tensão cc com caacitor de filtro sobre o resistor de carga Agora, ara calcular a ondulação de ico a ico, recisamos rimeiro calcular o valor da corrente da carga R : 16,97 R = = = 7, 7mA R,kΩ Tal como ara o retificador em onte, a freqüência de saída no secundário da fonte simétrica, aós os diodos, é o dobro da freqüência de entrada, isto é, f e = f s = (60Hz) = 10Hz Portanto: 3 R 7,7 10 A = f C (10 Hz) ( = 0,064 F) ond = = 64 6 s m À seguir, de acordo com a equação (39), odemos refinar a resosta da tensão de carga cc, inicialmente estimada em 16,97 Assim, cc ond 0,064 = D = 16,97 (0,7 ) = 16,94 1,4 15, 54 ( + ) = b) O valor da tensão cc sobre a carga que está conectada ao terminal negativo de saída da fonte No terminal negativo, devido à simetria em relação à derivação central, teremos que cc = 15, 54 ( ) EXERCÍCOS PROPOSTOS 1 Considere o retificador em meia onda da Figura 31 O rimário do transformador deve ser conectado em uma rede de 0ca, a qual oscila em 60Hz O caacitor de filtro é de 500µF e a carga é de 500Ω Sabese que a tensão fornecida no secundário é de 30ca Suondo a chave SW aberta, determine: a) A tensão de ico no secundário b) A tensão média na carga c) A corrente média da carga d) A corrente do diodo Considere o retificador em meia onda do exercício anterior Suondo a chave SW fechada, determine: 17

18 a) A corrente da carga b) A corrente do diodo c) A tensão de ondulação d) A tensão da carga 3 Considere o retificador em onte do exercício anterior Se considerarmos que a tensão de ondulação deve obedecer à regra dos 10%, qual deveria ser o valor do caacitor de filtro, em microfarads (µf) 4 Considere o retificador em onda comleta da Figura 33 O rimário do transformador deve ser conectado em uma rede de 0ca, a qual oscila em 60Hz O caacitor de filtro é de 700µF e a carga é de 68Ω Sabe-se que a tensão fornecida no secundário é de 40ca Suondo a chave SW aberta, determine: a) A tensão de ico no secundário b) A tensão média na carga c) A corrente média da carga d) A corrente do diodo D1 e) A corrente do diodo D 5 Considere o retificador em onda comleta do exercício anterior Suondo a chave SW fechada, determine: a) A corrente da carga b) A corrente do diodo D1 c) A corrente do diodo D d) A tensão de ondulação e) A tensão da carga 6 Considere o retificador em onte do exercício anterior Se considerarmos que a tensão de ondulação deve obedecer à regra dos 10%, qual deveria ser o valor do caacitor de filtro, em microfarads (µf) 7 Considere o retificador em onte da Figura 35 O rimário do transformador deve ser conectado em uma rede de 0ca, a qual oscila em 60Hz O caacitor de filtro é de 1000µF e a carga é de 100Ω Sabe-se que a tensão fornecida no secundário é de 17,7ca Suondo a chave SW aberta, determine: a) A tensão de ico no secundário b) A tensão média na carga c) A corrente média da carga d) A corrente do diodo D1 e) A corrente do diodo D f) A corrente do diodo D3 g) A corrente do diodo D4 8 Considere o retificador em onte do exercício anterior Suondo a chave SW fechada, determine: a) A corrente da carga b) A corrente do diodo D1 c) A corrente do diodo D d) A corrente do diodo D3 e) A corrente do diodo D4 f) A tensão de ondulação g) A tensão da carga 18

19 9 Considere o retificador em onte do exercício anterior Se considerarmos que a tensão de ondulação deve obedecer à regra dos 10%, qual deveria ser o valor do caacitor de filtro, em microfarads (µf) 10 Considere a fonte simétrica da figura abaixo O rimário do transformador deve ser conectado em uma rede de 0ca, a qual oscila em 60Hz Os caacitores de filtro são de 500µF e as cargas de 00Ω Sabe-se que a tensão fornecida no secundário é de 17,7ca Suondo a chave SW aberta, determine: a) O valor absoluto da corrente em cada uma das cargas b) O valor absoluto da tensão de ondulação c) O valor da tensão cc filtrada que sai da junção dos diodos D1 e D4 d) O valor da tensão cc filtrada que sai da junção dos diodos D e D3 e) O valor que indicaria um voltímetro cc conectado com sua onteira vermelha entre a junção dos diodos D1 e D4 e a onteira reta entre a junção dos diodos D e D3 11 Dimensione um retificador de meia onda, tal como o da Figura 31, com caacitor de filtro, ara uma carga com 1 DC e corrente máxima de 1,5A O rimário do transformador deve ser conectado em uma rede de 0ca, a qual oscila em 60Hz O rojeto também deve, or segurança, informar de quanto deve ser o valor do fusível de roteção em seu rimário 1 Dimensione um retificador de onda comleta, tal como o da Figura 33, com caacitor de filtro, ara uma carga com 1 DC e corrente máxima de 1,5A O rimário do transformador deve ser conectado em uma rede de 0ca, a qual oscila em 60Hz O rojeto também deve, or segurança, informar de quanto deve ser o valor do fusível de roteção em seu rimário 13 Dimensione um retificador em onte, tal como o da Figura 35, com caacitor de filtro, ara uma carga com 1 DC e corrente máxima de 1,5A O rimário do transformador deve ser conectado em uma rede de 0ca, a qual oscila em 60Hz O rojeto também deve, or segurança, informar de quanto deve ser o valor do fusível de roteção em seu rimário RESPOSTAS DOS EXERCÍCOS PROPOSTOS 1 a) 4,43; b) 13,51; c) 7,01mA; d) 7,01mA a) 84,85mA; b) 84,85mA; c),83; d) 40, ,33µF 19

20 4 a) 56,57; b) 8,8; c) 64,8mA; d) 13,4mA; e) 13,4mA 5 a) 415,95mA; b) 07,97mA; c) 07,97mA; d) 1,8; e) 6, ,75µF 7 a) 5,03; b) 7,97; c) 79,7mA; d) 39,84mA; e) 39,84mA; f) 39,84mA; g) 39,84mA 8 a) 50,3mA; b) 15,16mA; c) 15,16mA; d) 15,16mA; e) 15,16mA; f),09; g), ,33µF 10 a) 6,58mA; b) 1,04; c) 10,59; d) 10,59; e) 1,19 11 Transformador: (5,54+5,54)/,5A; Um diodo ara,5a; Caacitor de 18000µF (valor comercial); Fusível de 100mA ara 0 ou 00mA ara Transformador: (9,79+9,79)/,5A; Dois diodos ara 1,5A; Caacitor de 10000µF (valor comercial); Fusível de 100mA ara 0 ou 00mA ara Transformador: (5,54+5,54)/,5A; Quatro diodos ara 1,5A; Caacitor de 800µF (valor comercial); Fusível de 100mA ara 0 ou 00mA ara 110 0

www.corradi.junior.nom.br - Eletrônica Básica - UNIP - Prof. Corradi Informações elementares - Projetos práticos. Circuitos retificadores

www.corradi.junior.nom.br - Eletrônica Básica - UNIP - Prof. Corradi Informações elementares - Projetos práticos. Circuitos retificadores www.corradi.junior.nom.br - Eletrônica Básica - UNIP - Prof. Corradi Informações elementares - Projetos práticos. Circuitos retificadores Introdução A tensão fornecida pela concessionária de energia elétrica

Leia mais

I Retificador de meia onda

I Retificador de meia onda Circuitos retificadores Introdução A tensão fornecida pela concessionária de energia elétrica é alternada ao passo que os dispositivos eletrônicos operam com tensão contínua. Então é necessário retificá-la

Leia mais

Eletrônica Diodo 01 CIN-UPPE

Eletrônica Diodo 01 CIN-UPPE Eletrônica Diodo 01 CIN-UPPE Diodo A natureza de uma junção p-n é que a corrente elétrica será conduzida em apenas uma direção (direção direta) no sentido da seta e não na direção contrária (reversa).

Leia mais

MAF 1292. Eletricidade e Eletrônica

MAF 1292. Eletricidade e Eletrônica PONTIFÍCIA UNIERIDADE CATÓICA DE GOIÁ DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA E FÍICA Professor: Renato Medeiros MAF 1292 Eletricidade e Eletrônica NOTA DE AUA II Goiânia 2014 Diodos Retificadores Aqui trataremos dos

Leia mais

EXPERIÊNCIA Nº 2 1. OBJETIVO

EXPERIÊNCIA Nº 2 1. OBJETIVO Universidade Federal do Pará - UFPA Faculdade de Engenharia da Computação Disciplina: Laboratório de Eletrônica Analógica TE - 05181 Turma 20 Professor: Bruno Lyra Alunos: Adam Dreyton Ferreira dos Santos

Leia mais

Eletrônica Básica - Curso Eletroeletrônica - COTUCA Lista 4 Análise de circuitos a diodos c.a.

Eletrônica Básica - Curso Eletroeletrônica - COTUCA Lista 4 Análise de circuitos a diodos c.a. Eletrônica Básica - Curso Eletroeletrônica - COTUCA Lista 4 Análise de circuitos a diodos c.a. 1. A Figura abaixo apresenta o oscilograma da forma de onda de tensão em um determinado nó de um circuito

Leia mais

Circuitos com Diodos. Eletrônica I Alexandre Almeida Eletrônica dos Semicondutores.

Circuitos com Diodos. Eletrônica I Alexandre Almeida Eletrônica dos Semicondutores. Circuitos com Diodos Eletrônica I Alexandre Almeida Eletrônica dos Semicondutores. O TRANSFORMADOR DE ENTRADA As companhias de energia elétrica no Brasil fornecem.umatensão senoidal monofásica de 127V

Leia mais

FINANCEIRA. Reginaldo J. Santos. Universidade Federal de Minas Gerais http://www.mat.ufmg.br/~regi Agosto de 2005. 10 de abril de 2009

FINANCEIRA. Reginaldo J. Santos. Universidade Federal de Minas Gerais http://www.mat.ufmg.br/~regi Agosto de 2005. 10 de abril de 2009 INTRODUÇÃO À MATEMÁTICA FINANCEIRA Reginaldo J. Santos Deartamento de Matemática-ICEx Universidade Federal de Minas Gerais htt://www.mat.ufmg.br/~regi Agosto de 2005 última atualização em 10 de abril de

Leia mais

Neste pequeno artigo resolveremos o problema 2 da USAMO (USA Mathematical Olympiad) 2005: (x 3 + 1)(x 3 + y) = 147 157 (x 3 + y)(1 + y) = 157 147 z 9

Neste pequeno artigo resolveremos o problema 2 da USAMO (USA Mathematical Olympiad) 2005: (x 3 + 1)(x 3 + y) = 147 157 (x 3 + y)(1 + y) = 157 147 z 9 Ésófatorar... Serámesmo? Neste equeno artigo resolveremos o roblema 2 da USAMO (USA Mathematical Olymiad) 2005: Problema. Prove que o sistema x 6 + x + x y + y = 147 157 x + x y + y 2 + y + z 9 = 157 147

Leia mais

EE531 - Turma S. Diodos. Laboratório de Eletrônica Básica I - Segundo Semestre de 2010

EE531 - Turma S. Diodos. Laboratório de Eletrônica Básica I - Segundo Semestre de 2010 EE531 - Turma S Diodos Laboratório de Eletrônica Básica I - Segundo Semestre de 2010 Professor: José Cândido Silveira Santos Filho Daniel Lins Mattos RA: 059915 Raquel Mayumi Kawamoto RA: 086003 Tiago

Leia mais

EXPERIMENTS MANUAL Manual de Experimentos Manual de Experimentos

EXPERIMENTS MANUAL Manual de Experimentos Manual de Experimentos SEMICONDUCTOR I Semiconductor I Semicondutor I M-1104A *Only illustrative image./imagen meramente ilustrativa./ Imagem meramente ilustrativa. EXPERIMENTS MANUAL Manual de Experimentos Manual de Experimentos

Leia mais

Corrente Alternada o básico do básico Revisão para o Provão Elaborado por Gabriel Vinicios

Corrente Alternada o básico do básico Revisão para o Provão Elaborado por Gabriel Vinicios 01 Corrente Alternada o básico do básico Revisão para o Provão Elaborado por Gabriel Vinicios Corrente Alternada: é toda tensão cuja polaridade muda ao longo do tempo. Forma mais comum: Senoidal: Na imagem

Leia mais

AULA LAB 04 PRINCÍPIOS DE CORRENTE ALTERNADA E TRANSFORMADORES 2 MEDIÇÃO DE VALORES MÉDIO E EFICAZ COM MULTÍMETRO

AULA LAB 04 PRINCÍPIOS DE CORRENTE ALTERNADA E TRANSFORMADORES 2 MEDIÇÃO DE VALORES MÉDIO E EFICAZ COM MULTÍMETRO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SANTA CATARINA DEPARTAMENTO ACADÊMICO DE ELETRÔNICA CURSO TÉCNICO DE ELETRÔNICA Eletrônica Básica AULA LAB 04 PRINCÍPIOS DE CORRENTE ALTERNADA E TRANSFORMADORES

Leia mais

FÍSICA 3 Circuitos Elétricos em Corrente Contínua. Circuitos Elétricos em Corrente Contínua

FÍSICA 3 Circuitos Elétricos em Corrente Contínua. Circuitos Elétricos em Corrente Contínua FÍSICA 3 Circuitos Elétricos em Corrente Contínua Prof. Alexandre A. P. Pohl, DAELN, Câmpus Curitiba EMENTA Carga Elétrica Campo Elétrico Lei de Gauss Potencial Elétrico Capacitância Corrente e resistência

Leia mais

Eletrônica Aula 07 CIN-UPPE

Eletrônica Aula 07 CIN-UPPE Eletrônica Aula 07 CIN-UPPE Amplificador básico Amplificador básico É um circuito eletrônico, baseado em um componente ativo, como o transistor ou a válvula, que tem como função amplificar um sinal de

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA FACULDADE DE CIÊNCIAS INTEGRADAS DO PONTAL FÍSICA EXPERIMENTAL III

UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA FACULDADE DE CIÊNCIAS INTEGRADAS DO PONTAL FÍSICA EXPERIMENTAL III UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA FACULDADE DE CIÊNCIAS INTEGRADAS DO PONTAL FÍSICA EXPERIMENTAL III 1. OBJETIVOS CARGA E DESCARGA DE UM CAPACITOR a) Levantar, em um circuito RC, curvas de tensão no resistor

Leia mais

Corrente Alternada Transformadores Retificador de Meia Onda

Corrente Alternada Transformadores Retificador de Meia Onda Centro Federal de Educação Tecnológica de Santa Catarina Departamento de Eletrônica Eletrônica Básica e Projetos Eletrônicos Corrente Alternada Transformadores Retificador de Meia Onda Clóvis Antônio Petry,

Leia mais

Instituição Escola Técnica Sandra Silva. Direção Sandra Silva. Título do Trabalho Fonte de Alimentação. Áreas Eletrônica

Instituição Escola Técnica Sandra Silva. Direção Sandra Silva. Título do Trabalho Fonte de Alimentação. Áreas Eletrônica Instituição Escola Técnica Sandra Silva Direção Sandra Silva Título do Trabalho Fonte de Alimentação Áreas Eletrônica Coordenador Geral Carlos Augusto Gomes Neves Professores Orientadores Chrystian Pereira

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DE PERNAMBUCO DEPARTAMENTO DE FÍSICA E MATEMÁTICA

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DE PERNAMBUCO DEPARTAMENTO DE FÍSICA E MATEMÁTICA UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DE PERNAMBUCO DEPARTAMENTO DE FÍSICA E MATEMÁTICA CURSO: LICENCIATURA EM COMPUTAÇÃO DISCIPLINA: PROGRAMAÇÃO PARALELA E DISTRIBUÍDA PROFESSOR: JONES OLIVEIRA ALUNO: JONAS FRANCISCO

Leia mais

CONVERSORES E CONTROLADORES DE FASE. Circuitos de retificação monofásicos

CONVERSORES E CONTROLADORES DE FASE. Circuitos de retificação monofásicos CONVERSORES E CONTROLADORES DE FASE Um conversor é um equipamento utilizado para converter potência alternada em potência contínua. Num conversor simples, que usa somente diodos retificadores, a tensão

Leia mais

Experimento 8 Circuitos RC e filtros de freqüência

Experimento 8 Circuitos RC e filtros de freqüência Experimento 8 Circuitos RC e filtros de freqüência 1. OBJETIVO O objetivo desta aula é ver como filtros de freqüência utilizados em eletrônica podem ser construídos a partir de um circuito RC. 2. MATERIAL

Leia mais

Fluxo de Potência em Redes de Distribuição Radiais

Fluxo de Potência em Redes de Distribuição Radiais COE/UFRJ rograma de Engenharia Elétrica COE 751 Análise de Redes Elétricas Fluxo de otência em Redes de Distribuição Radiais 1.1 Formulação do roblema Os métodos convencionais de cálculo de fluxo de otência

Leia mais

DIAGRAMA DE BLOCOS DE UMA FONTE DE TENSÃO

DIAGRAMA DE BLOCOS DE UMA FONTE DE TENSÃO DIAGRAMA DE BLOCOS DE UMA FONTE DE TENSÃO Essa deficiência presente nos retificadores é resolvida pelo emprego de um filtro Essa deficiência presente nos retificadores é resolvida pelo emprego de um filtro

Leia mais

Aula 4 Corrente Alternada e Corrente Contínua

Aula 4 Corrente Alternada e Corrente Contínua FUNDMENTOS DE ENGENHI ELÉTIC PONTIFÍCI UNIVESIDDE CTÓLIC DO IO GNDE DO SUL FCULDDE DE ENGENHI ula 4 Corrente lternada e Corrente Contínua Introdução Corrente lternada e Corrente Contínua Transformadores

Leia mais

CAPACITOR. Simbologia: Armazenamento de carga

CAPACITOR. Simbologia: Armazenamento de carga CAPACITOR O capacitor é um componente eletrônico capaz de armazenar cargas elétricas. É composto por duas placas de material condutor, eletricamente neutras em seu estado natural, denominadas armaduras,

Leia mais

Aula Prática 6 Circuitos Elétricos III Carga e Descarga da Capacitores

Aula Prática 6 Circuitos Elétricos III Carga e Descarga da Capacitores Aula Prática 6 Circuitos Elétricos III Carga e Descarga da Capacitores Disciplinas: Física III (ENG 06034) Fundamentos de Física III (ENG 10079) Física Experimental II ( DQF 10441) Depto Química e Física

Leia mais

Disciplina: Eletrônica de Potência (ENGC48)

Disciplina: Eletrônica de Potência (ENGC48) Universidade Federal da Bahia Escola Politécnica Departamento de Engenharia Elétrica Disciplina: Eletrônica de Potência (ENGC48) Tema: Conversores CA-CC Monofásicos Controlados Prof.: Eduardo Simas eduardo.simas@ufba.br

Leia mais

Colégio Politécnico da UFSM DPADP0024 : Processamento Digital de Imagens (Prof. Dr. Elódio Sebem)

Colégio Politécnico da UFSM DPADP0024 : Processamento Digital de Imagens (Prof. Dr. Elódio Sebem) Para melhor aroveitamento das informações roduzidas or diferentes sensores, alguns métodos de rocessamento de imagens têm sido roostos. Estes métodos combinam imagens de diferentes características esectrais

Leia mais

REVISÃO: DIAGRAMA EM BLOCOS Estrutura convencional de um sistema de retificação :

REVISÃO: DIAGRAMA EM BLOCOS Estrutura convencional de um sistema de retificação : UNIERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ DEPARTAMENTO ACADÊMICO DE ELETROTÉCNICA ELETRÔNICA 1 ET74C Profª Elisabete N Moraes AULA 8 RETIFICADOR MONOFÁSICO DE ONDA COMPLETA Em 22 de outubro de 2014. REISÃO:

Leia mais

Resposta Transitória de Circuitos com Elementos Armazenadores de Energia

Resposta Transitória de Circuitos com Elementos Armazenadores de Energia ENG 1403 Circuitos Elétricos e Eletrônicos Resposta Transitória de Circuitos com Elementos Armazenadores de Energia Guilherme P. Temporão 1. Introdução Nas últimas duas aulas, vimos como circuitos com

Leia mais

Técnico em Eletrotécnica

Técnico em Eletrotécnica Técnico em Eletrotécnica Caderno de Questões Prova Objetiva 2015 01 Em uma corrente elétrica, o deslocamento dos elétrons para produzir a corrente se deve ao seguinte fator: a) fluxo dos elétrons b) forças

Leia mais

1. ENTALPIA. (a) A definição de entalpia. A entalpia, H, é definida como:

1. ENTALPIA. (a) A definição de entalpia. A entalpia, H, é definida como: 1 Data: 31/05/2007 Curso de Processos Químicos Reerência: AKINS, Peter. Físico- Química. Sétima edição. Editora, LC, 2003. Resumo: Proas. Bárbara Winiarski Diesel Novaes 1. ENALPIA A variação da energia

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS TÉCNICO EM ELETRÔNICA

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS TÉCNICO EM ELETRÔNICA CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS TÉCNICO EM ELETRÔNICA 26. Com relação aos materiais semicondutores, utilizados na fabricação de componentes eletrônicos, analise as afirmativas abaixo. I. Os materiais semicondutores

Leia mais

Concurso Público para Cargos Técnico-Administrativos em Educação UNIFEI 13/06/2010

Concurso Público para Cargos Técnico-Administrativos em Educação UNIFEI 13/06/2010 Questão 21 Conhecimentos Específicos - Técnico em Eletrônica Calcule a tensão Vo no circuito ilustrado na figura ao lado. A. 1 V. B. 10 V. C. 5 V. D. 15 V. Questão 22 Conhecimentos Específicos - Técnico

Leia mais

P(seleção de um elemento baixo) = p P(seleção de um elemento médio) = p. P(seleção de um elemento alto) = p

P(seleção de um elemento baixo) = p P(seleção de um elemento médio) = p. P(seleção de um elemento alto) = p . A Distribuição Multinomial - Teste Qui-Quadrado. Inferência Estatística Uma imortante generalização da rova de Bernoulli (), é a chamada rova multinomial. Uma rova de Bernoulli () ode roduzir dois resultados

Leia mais

Os capacitores são componentes largamente empregados nos circuitos eletrônicos. Eles podem cumprir funções tais como o armazenamento de cargas

Os capacitores são componentes largamente empregados nos circuitos eletrônicos. Eles podem cumprir funções tais como o armazenamento de cargas Os capacitores são componentes largamente empregados nos circuitos eletrônicos. Eles podem cumprir funções tais como o armazenamento de cargas elétricas ou a seleção de freqüências em filtros para caixas

Leia mais

Exercícios Leis de Kirchhoff

Exercícios Leis de Kirchhoff Exercícios Leis de Kirchhoff 1-Sobre o esquema a seguir, sabe-se que i 1 = 2A;U AB = 6V; R 2 = 2 Ω e R 3 = 10 Ω. Então, a tensão entre C e D, em volts, vale: a) 10 b) 20 c) 30 d) 40 e) 50 Os valores medidos

Leia mais

Amplificador Operacional Básico. Amplificador Operacional Básico

Amplificador Operacional Básico. Amplificador Operacional Básico Amplificador Operacional Básico Eng.: Roberto Bairros dos Santos. Um empreendimento Bairros Projetos didáticos www.bairrospd.kit.net Este artigo descreve como identificar o amplificador operacional, mostra

Leia mais

Retificadores Monofásicos de Meia Onda com Carga Resistiva-Indutiva

Retificadores Monofásicos de Meia Onda com Carga Resistiva-Indutiva 6 Capítulo Retificadores Monofásicos de Meia Onda com Carga Resistiva-Indutiva Meta deste capítulo Estudar os conversores ca-cc monofásicos operando com carga resistiva-indutiva objetivos Entender o funcionamento

Leia mais

Laboratório 7 Circuito RC *

Laboratório 7 Circuito RC * Laboratório 7 Circuito RC * Objetivo Observar o comportamento de um capacitor associado em série com um resistor e determinar a constante de tempo do circuito. Material utilizado Gerador de função Osciloscópio

Leia mais

Números Complexos. Note com especial atenção o sinal "-" associado com X C. Se escrevermos a expressão em sua forma mais básica, temos: = 1

Números Complexos. Note com especial atenção o sinal - associado com X C. Se escrevermos a expressão em sua forma mais básica, temos: = 1 1 Números Complexos. Se tivermos um circuito contendo uma multiplicidade de capacitores e resistores, se torna necessário lidar com resistências e reatâncias de uma maneira mais complicada. Por exemplo,

Leia mais

Retificadores CAPÍTULO 1. Prof. Dr. Rogério Furlan 1.1 INTRODUÇÃO

Retificadores CAPÍTULO 1. Prof. Dr. Rogério Furlan 1.1 INTRODUÇÃO CAPÍTULO 1 Retificadores Prof. Dr. Rogério Furlan 1.1 INTRODUÇÃO A energia elétrica, hoje disponível em grande quantidade graças às extensas redes de distribuição, apresenta-se sob a forma de Corrente

Leia mais

Segunda aula de mecânica dos fluidos básica. Estática dos Fluidos capítulo 2 do livro do professor Franco Brunetti

Segunda aula de mecânica dos fluidos básica. Estática dos Fluidos capítulo 2 do livro do professor Franco Brunetti Segunda aula de mecânica dos fluidos básica Estática dos Fluidos caítulo 2 do livro do rofessor Franco Brunetti NO DESENVOLVIMENTO DESTA SEGUNDA AULA NÃO IREI ME REPORTAR DIRETAMENTE AO LIVRO MENCIONADO

Leia mais

PROVA DE FÍSICA 2º ANO - ACUMULATIVA - 2º TRIMESTRE TIPO A

PROVA DE FÍSICA 2º ANO - ACUMULATIVA - 2º TRIMESTRE TIPO A PROA DE FÍSICA º ANO - ACUMULATIA - º TRIMESTRE TIPO A 0) Considere as seguintes roosições referentes a um gás erfeito. I. Na transformação isotérmica, o roduto. é roorcional à temeratura do gás. II. Na

Leia mais

Introdução. (Eletrônica 1) GRECO-CIN-UFPE Prof. Manoel Eusebio de Lima

Introdução. (Eletrônica 1) GRECO-CIN-UFPE Prof. Manoel Eusebio de Lima Introdução (Eletrônica 1) GRECO-CIN-UFPE Prof. Manoel Eusebio de Lima O que são sistemas eletrônicos? Sistemas elétricos, como os circuitos da sua casa, usam corrente elétrica para alimentar coisas como

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO UNIVERSITÁRIO NORTE DO ESPÍRITO SANTO

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO UNIVERSITÁRIO NORTE DO ESPÍRITO SANTO 34 4.4 Experimento 4: Capacitância, capacitores e circuitos RC 4.4.1 Objetivos Fundamentar o conceito de capacitância e capacitor; Realizar leituras dos valores de capacitância de capacitores; Associar

Leia mais

Crescimento Econômico, Progresso Técnico e Distribuição de Renda : uma abordagem pluralista

Crescimento Econômico, Progresso Técnico e Distribuição de Renda : uma abordagem pluralista Caítulo 7 O Modelo de Crescimento Harrod-Domar e seus desdobramentos. 7.1 Introdução. A abordagem ós-keynesiana ara o crescimento e distribuição de renda tem sua origem com as contribuições seminais de

Leia mais

Circuitos Retificadores

Circuitos Retificadores Circuitos Retificadores 1- INTRODUÇÃO Os circuito retificadores, são circuitos elétricos utilizados em sua maioria para a conversão de tensões alternadas em contínuas, utilizando para isto no processo

Leia mais

LEI DE OHM LEI DE OHM. Se quisermos calcular o valor da resistência, basta dividir a tensão pela corrente.

LEI DE OHM LEI DE OHM. Se quisermos calcular o valor da resistência, basta dividir a tensão pela corrente. 1 LEI DE OHM A LEI DE OHM é baseada em três grandezas, já vistas anteriormente: a Tensão, a corrente e a resistência. Com o auxílio dessa lei, pode-se calcular o valor de uma dessas grandezas, desde que

Leia mais

COORDENADORIA DE ELETROTÉCNICA ELETRÔNICA BÁSICA - LISTA DE EXERCÍCIOS DIODOS SEMICONDUTORES. II III IV Dopagem com impureza. II Lado da junção a) N

COORDENADORIA DE ELETROTÉCNICA ELETRÔNICA BÁSICA - LISTA DE EXERCÍCIOS DIODOS SEMICONDUTORES. II III IV Dopagem com impureza. II Lado da junção a) N COORDENADORIA DE ELETROTÉCNICA ELETRÔNICA BÁSICA - LISTA DE EXERCÍCIOS DIODOS SEMICONDUTORES 1. Associe as informações das colunas I, II, III e IV referentes às características do semicondutor I II III

Leia mais

Universidade Federal da Paraíba Centro de Ciências Exatas e da Natureza Departamento de Informática

Universidade Federal da Paraíba Centro de Ciências Exatas e da Natureza Departamento de Informática Universidade Federal da Paraíba Centro de Ciências Exatas e da Natureza Departamento de Informática Francisco Erberto de Sousa 11111971 Saulo Bezerra Alves - 11111958 Relatório: Capacitor, Resistor, Diodo

Leia mais

Eletrônica Industrial Apostila sobre Modulação PWM página 1 de 6 INTRODUÇÃO

Eletrônica Industrial Apostila sobre Modulação PWM página 1 de 6 INTRODUÇÃO Eletrônica Industrial Apostila sobre Modulação PWM página 1 de 6 Curso Técnico em Eletrônica Eletrônica Industrial Apostila sobre Modulação PWM Prof. Ariovaldo Ghirardello INTRODUÇÃO Os controles de potência,

Leia mais

Unidade VII - Teoria Cinética dos Gases

Unidade VII - Teoria Cinética dos Gases Unidade VII - eoria Cinética dos Gases fig. VII.. Nesse rocesso, a ressão em um gás aumenta e o olume diminui. Isto é, a colisão de suas moléculas dee aumentar, sua energia cinética aumenta e diminui a

Leia mais

LABORATÓRIO DE ELETRICIDADE ANALÓGICA LELA2

LABORATÓRIO DE ELETRICIDADE ANALÓGICA LELA2 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SÃO PAULO CAMPUS DE PRESIDENTE EPITÁCIO LABORATÓRIO DE ELETRICIDADE ANALÓGICA LELA2 CURSO: TÉCNICO EM AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL

Leia mais

LEIS DE KIRCHHOFF ANÁLISE DE REDES DC

LEIS DE KIRCHHOFF ANÁLISE DE REDES DC LEIS DE KIRCHHOFF ANÁLISE DE REDES DC 1. Análise de correntes nas malhas 2. Análise de tensão nodal 3. Superposição As Leis de Kirchhoff são assim denominadas em homenagem ao físico alemão Gustav Kirchhoff

Leia mais

Projeto de um Controlador de Temperatura Proporcional, Analógico, com Sensor de Temperatura Usando Transistor Bipolar

Projeto de um Controlador de Temperatura Proporcional, Analógico, com Sensor de Temperatura Usando Transistor Bipolar Projeto de um Controlador de Temperatura Proporcional, Analógico, com Sensor de Temperatura Usando Transistor Bipolar Introdução O objetivo deste Laboratório de EE-641 é proporcionar ao aluno um ambiente

Leia mais

DIODOS. Professor João Luiz Cesarino Ferreira

DIODOS. Professor João Luiz Cesarino Ferreira DIODOS A união de um cristal tipo p e um cristal tipo n, obtém-se uma junção pn, que é um dispositivo de estado sólido simples: o diodo semicondutor de junção. Figura 1 Devido a repulsão mútua os elétrons

Leia mais

Circuitos Elétricos Análise de Potência em CA

Circuitos Elétricos Análise de Potência em CA Introdução Circuitos Elétricos Análise de Potência em CA Alessandro L. Koerich Engenharia de Computação Pontifícia Universidade Católica do Paraná (PUCPR) Potência é a quantidade de maior importância em

Leia mais

Universidade Federal do Rio de Janeiro. Circuitos Elétricos I EEL420. Módulo 2

Universidade Federal do Rio de Janeiro. Circuitos Elétricos I EEL420. Módulo 2 Universidade Federal do Rio de Janeiro Circuitos Elétricos I EEL420 Módulo 2 Thévenin Norton Helmholtz Mayer Ohm Galvani Conteúdo 2 Elementos básicos de circuito e suas associações...1 2.1 Resistores lineares

Leia mais

Circuitos Capacitivos

Circuitos Capacitivos CEFET BA Vitória da Conquista Análise de Circuitos Circuitos Capacitivos Prof. Alexandre Magnus Conceito Um capacitor é um dispositivo elétrico formado por 2 placas condutoras de metal separadas por um

Leia mais

Fonte de alimentação com duas saídas e proteção

Fonte de alimentação com duas saídas e proteção Fonte de alimentação com duas saídas e proteção Elias Bernabé Turchiello Técnico responsável Este manual se destina unicamente a orientar o montador interessado neste projeto, portanto não se encontram

Leia mais

Calculando resistor limitador para LED.

Calculando resistor limitador para LED. Calculando resistor limitador para LED. Texto Adaptado de: http://www.py2bbs.qsl.br/led.php. Acesso em: 01/03/2011 Aviso: Leia este texto completamente, não pule partes, pois explico o básico do básico

Leia mais

Capítulo 7 - Wattímetros

Capítulo 7 - Wattímetros Caítulo 7 - Wattímetros 7. Introdução Os wattímetros eletromecânicos ertencem à uma classe de instrumentos denominados instrumentos eletrodinâmicos. Os instrumentos eletrodinâmicos ossuem dois circuitos

Leia mais

Introdução teórica aula 6: Capacitores

Introdução teórica aula 6: Capacitores Introdução teórica aula 6: Capacitores Capacitores O capacitor é um elemento capaz de armazenar energia. É formado por um par de superfícies condutoras separadas por um material dielétrico ou vazio. A

Leia mais

AULA #4 Laboratório de Medidas Elétricas

AULA #4 Laboratório de Medidas Elétricas AULA #4 Laboratório de Medidas Elétricas 1. Experimento 1 Geradores Elétricos 1.1. Objetivos Determinar, experimentalmente, a resistência interna, a força eletromotriz e a corrente de curto-circuito de

Leia mais

Disciplina Eletrônica de Potência (ENGC48) Tema: Conversores de Corrente Contínua para Corrente Alternada (Inversores)

Disciplina Eletrônica de Potência (ENGC48) Tema: Conversores de Corrente Contínua para Corrente Alternada (Inversores) Universidade Federal da Bahia Escola Politécnica Departamento de Engenharia Elétrica Disciplina Eletrônica de Potência (ENGC48) Tema: Conversores de Corrente Contínua para Corrente Alternada (Inversores)

Leia mais

ROTEIRO PARA LABORATÓRIO 1

ROTEIRO PARA LABORATÓRIO 1 1 Princípios de Eletricidade e Eletrônica Engenharia Ambiental Prof. Marcio Kimpara data: ROTEIRO PARA LABORATÓRIO 1 Resistores e Tensão Alternada Senoidal Objetivos: Familiarização com os osciloscópios

Leia mais

EXPERIMENTO 1: MEDIDAS ELÉTRICAS

EXPERIMENTO 1: MEDIDAS ELÉTRICAS EXPERIMENTO 1: MEDIDAS ELÉTRICAS 1.1 OBJETIVOS Familiarização com instrumentos de medidas e circuitos elétricos. Utilização do multímetro nas funções: voltímetro, amperímetro e ohmímetro. Avaliação dos

Leia mais

Lista VI de Eletrônica Analógica I Retificadores e Filtro Capacitivo

Lista VI de Eletrônica Analógica I Retificadores e Filtro Capacitivo Lista VI de Eletrônica Analógica I Retificadores e Filtro Capacitivo Prof. Gabriel Vinicios Silva Maganha (http://www.gvensino.com.br) Lista de Exercícios 6 de Eletrônica Analógica Introdução Teórica Os

Leia mais

Lista de Exercícios de Eletrônica Analógica. Semicondutores, Diodos e Retificadores

Lista de Exercícios de Eletrônica Analógica. Semicondutores, Diodos e Retificadores Lista de Exercícios de Eletrônica Analógica Semicondutores, Diodos e Retificadores Questões sobre Semicondutores: 1) O que é um material semicondutor? Dê 2 exemplos. 2) O que é camada de valência? 3) O

Leia mais

Diodos. TE214 Fundamentos da Eletrônica Engenharia Elétrica

Diodos. TE214 Fundamentos da Eletrônica Engenharia Elétrica Diodos TE214 Fundamentos da Eletrônica Engenharia Elétrica Sumário Circuitos Retificadores Circuitos Limitadores e Grampeadores Operação Física dos Diodos Circuitos Retificadores O diodo retificador converte

Leia mais

Quando comparado com uma chave mecânica, uma chave eletrônica apresenta vantagens e desvantagens.

Quando comparado com uma chave mecânica, uma chave eletrônica apresenta vantagens e desvantagens. Chave eletrônica Introdução O transistor, em sua aplicação mais simples, é usado como uma chave eletrônica, ou seja, pode ser usado para acionar cargas elétricas. A principal diferença entre o transistor

Leia mais

Estabilizada de. PdP. Autor: Luís Fernando Patsko Nível: Intermediário Criação: 22/02/2006 Última versão: 18/12/2006

Estabilizada de. PdP. Autor: Luís Fernando Patsko Nível: Intermediário Criação: 22/02/2006 Última versão: 18/12/2006 TUTORIAL Fonte Estabilizada de 5 Volts Autor: Luís Fernando Patsko Nível: Intermediário Criação: 22/02/2006 Última versão: 18/12/2006 PdP Pesquisa e Desenvolvimento de Produtos http://www.maxwellbohr.com.br

Leia mais

Cap.4 - Medição de Tensão e Corrente Cap. 5 - Medidas com Multímetros Analógicos e Digitais

Cap.4 - Medição de Tensão e Corrente Cap. 5 - Medidas com Multímetros Analógicos e Digitais Universidade Federal de Itajubá UNIFEI Cap.4 - Cap. 5 - Medidas com Multímetros Analógicos e Digitais Prof. Dr. Fernando Nunes Belchior fnbelchior@hotmail.com fnbelchior@unifei.edu.br Medição de Tensão

Leia mais

Texto Teórico 04: Multímetro e Fonte de Alimentação CC.

Texto Teórico 04: Multímetro e Fonte de Alimentação CC. Texto Teórico 04: Multímetro e Fonte de Alimentação CC. I - MULTÍMETRO O multímetro, também denominado multiteste, é um equipamento versátil, capaz de desempenhar 3 funções básicas distintas, selecionadas

Leia mais

Análise de Circuitos com Díodos

Análise de Circuitos com Díodos Teoria dos Circuitos e Fundamentos de Electrónica 1 Análise de Circuitos com Díodos Teresa Mendes de Almeida TeresaMAlmeida@ist.utl.pt DEEC Área Científica de Electrónica T.M.Almeida IST-DEEC- ACElectrónica

Leia mais

Eletrônica II. Amplificadores de Potência. Notas de Aula José Maria P. de Menezes Jr.

Eletrônica II. Amplificadores de Potência. Notas de Aula José Maria P. de Menezes Jr. Eletrônica II Amplificadores de Potência Notas de Aula José Maria P. de Menezes Jr. Amplificadores Amplificador é um equipamento que utiliza uma pequena quantidade de energia para controlar uma quantidade

Leia mais

UNISANTA Universidade Santa Cecília Santos SP Disciplina: Eletrônica I Próf: João Inácio

UNISANTA Universidade Santa Cecília Santos SP Disciplina: Eletrônica I Próf: João Inácio Exercícios 1 Materiais Semicondutores e Junção PN 1- Em relação à teoria clássica que trata da estrutura da matéria (átomo- prótons e elétrons) descreva o que faz um material ser mal ou bom condutor de

Leia mais

Instrumentos de Medidas Elétricas I Voltímetros, Amperímetros e Ohmímetros

Instrumentos de Medidas Elétricas I Voltímetros, Amperímetros e Ohmímetros nstrumentos de Medidas Elétricas Nesta prática vamos estudar o princípios de funcionamentos de instrumentos de medidas elétrica, em particular, voltímetros, amperímetros e ohmímetros. Sempre que surgir

Leia mais

XXXIV OLIMPÍADA PAULISTA DE MATEMÁTICA Prova da Fase Final (6 de novembro de 2010) Nível α (6 o e 7 o anos do Ensino Fundamental)

XXXIV OLIMPÍADA PAULISTA DE MATEMÁTICA Prova da Fase Final (6 de novembro de 2010) Nível α (6 o e 7 o anos do Ensino Fundamental) V OLMPÍD PULST D MTMÁTC Prova da Fase Final (6 de novembro de Nível α (6 o e 7 o anos do nsino Fundamental wwwommatbr Folha de Perguntas nstruções: duração da rova é de hmin O temo mínimo de ermanência

Leia mais

Associação de resistores

Associação de resistores Associação de resistores É comum nos circuitos elétricos a existência de vários resistores, que encontram-se associados. Os objetivos de uma associação de resistores podem ser: a necessidade de dividir

Leia mais

Pontifícia Universidade Católica do RS Faculdade de Engenharia

Pontifícia Universidade Católica do RS Faculdade de Engenharia Pontifícia Universidade Católica do RS Faculdade de Engenharia LABORATÓRIO DE ELETRÔNICA DE POTÊNCIA EXPERIENCIA N 11: GRADADORES MONOFÁSICOS OBJETIVO Verificar qualitativa e quantitativamente o funcionamento

Leia mais

Capítulo 11 MOTORES ELÉTRICOS DE CORRENTE CONTÍNUA E UNIVERSAL. Introdução

Capítulo 11 MOTORES ELÉTRICOS DE CORRENTE CONTÍNUA E UNIVERSAL. Introdução Capítulo 11 MOTORES ELÉTRICOS DE CORRENTE CONTÍNUA E UNIVERSAL Esta aula apresenta o princípio de funcionamento dos motores elétricos de corrente contínua, o papel do comutador, as características e relações

Leia mais

Laboratório de Circuitos Elétricos II

Laboratório de Circuitos Elétricos II PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO PARANÁ ESCOLA POLITÉCNICA CURSO DE ENGENHARIA DE COMPUTAÇÃO DISCIPLINA DE CIRCUITOS ELÉTRICOS II NOME DO ALUNO: Laboratório de Circuitos Elétricos II Prof. Alessandro

Leia mais

fig. 1 - símbolo básico do diodo

fig. 1 - símbolo básico do diodo DIODOS São componentes que permitem a passagem da corrente elétrica em apenas um sentido. Produzidos à partir de semicondutores, materiais criados em laboratórios uma vez que não existem na natureza, que

Leia mais

Nomes: Augusto, Gabriel Vaz e Monique.

Nomes: Augusto, Gabriel Vaz e Monique. Nomes: Augusto, Gabriel Vaz e Monique. O filtro de linha é um elemento de proteção para equipamentos eletrônicos. Ele atenua as impurezas da rede elétrica que causam interferências eletromagnéticas (EMI)

Leia mais

Receptores elétricos

Receptores elétricos Receptores elétricos 1 Fig.20.1 20.1. A Fig. 20.1 mostra um receptor elétrico ligado a dois pontos A e B de um circuito entre os quais existe uma d.d.p. de 12 V. A corrente que o percorre é de 2,0 A. A

Leia mais

O Capacitor Q = V. C. V C = Vcc. (1 e t/τ ) τ = R. C

O Capacitor Q = V. C. V C = Vcc. (1 e t/τ ) τ = R. C O Capacitor Componente eletrônico constituído de duas placas condutoras, separadas por um material isolante. É um componente que, embora não conduza corrente elétrica entre seus terminais, é capaz de armazenar

Leia mais

Matemática. Resolução das atividades complementares. M1 Trigonometria no ciclo. 1 Expresse: p 4 rad. rad em graus. 4 rad 12 p b) 330 em radianos.

Matemática. Resolução das atividades complementares. M1 Trigonometria no ciclo. 1 Expresse: p 4 rad. rad em graus. 4 rad 12 p b) 330 em radianos. Resolução das atividades comlementares Matemática M Trigonometria no ciclo. 7 Eresse: a) em radianos c) em radianos e) rad em graus rad rad b) 0 em radianos d) rad em graus f) rad 0 rad em graus a) 80

Leia mais

ELETRICIDADE: CIRCUITOS ELÉTRICOS Experimento 1 Parte II: Medidas de corrente elétrica, tensão e resistência em circuitos de corrente

ELETRICIDADE: CIRCUITOS ELÉTRICOS Experimento 1 Parte II: Medidas de corrente elétrica, tensão e resistência em circuitos de corrente OBJETIVOS 9 contínua NOME ESCOLA EQUIPE SÉRIE PERÍODO DATA Familiarizar-se com o multímetro, realizando medidas de corrente, tensão e resistência. INTRODUÇÃO Corrente elétrica FÍSICA ELETRICIDADE: CIRCUITOS

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA FACULDADE DE CIÊNCIAS INTEGRADAS DO PONTAL FÍSICA EXPERIMENTAL III CAPACITORES E CIRCUITOS RC COM ONDA QUADRADA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA FACULDADE DE CIÊNCIAS INTEGRADAS DO PONTAL FÍSICA EXPERIMENTAL III CAPACITORES E CIRCUITOS RC COM ONDA QUADRADA UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA FACULDADE DE CIÊNCIAS INTEGRADAS DO PONTAL FÍSICA EXPERIMENTAL III CAPACITORES E CIRCUITOS RC COM ONDA QUADRADA 1. OBJETIVO O objetivo desta aula é estudar o comportamento

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA FACULDADE DE CIÊNCIAS INTEGRADAS DO PONTAL FÍSICA EXPERIMENTAL III INDUTORES E CIRCUITOS RL COM ONDA QUADRADA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA FACULDADE DE CIÊNCIAS INTEGRADAS DO PONTAL FÍSICA EXPERIMENTAL III INDUTORES E CIRCUITOS RL COM ONDA QUADRADA UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA FACULDADE DE CIÊNCIAS INTEGRADAS DO PONTAL FÍSICA EXPERIMENTAL III INDUTORES E CIRCUITOS RL COM ONDA QUADRADA 1. OBJETIVO O objetivo desta aula é estudar o comportamento

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS O diodo de junção possui duas regiões de materiais semicondutores dos tipos N e P. Esse dispositivo é amplamente aplicado em circuitos chaveados, como, por exemplo, fontes de

Leia mais

Atmosfera Padrão. Atmosfera Padrão

Atmosfera Padrão. Atmosfera Padrão 7631 2º Ano da Licenciatura em Engenharia Aeronáutica 1. Introdução O desemenho de aviões e de motores atmosféricos deende da combinação de temeratura, ressão e densidade do ar circundandante. O movimento

Leia mais

Caracterização temporal de circuitos: análise de transientes e regime permanente. Condições iniciais e finais e resolução de exercícios.

Caracterização temporal de circuitos: análise de transientes e regime permanente. Condições iniciais e finais e resolução de exercícios. Conteúdo programático: Elementos armazenadores de energia: capacitores e indutores. Revisão de características técnicas e relações V x I. Caracterização de regime permanente. Caracterização temporal de

Leia mais

ROGÉRIO S. COSTA, RODRIGO S. TEIXEIRA, DARIZON A. DE ANDRADE, AUGUSTO A. FLEURY

ROGÉRIO S. COSTA, RODRIGO S. TEIXEIRA, DARIZON A. DE ANDRADE, AUGUSTO A. FLEURY MOTOR A RELUTÂNCIA CHAVEADO MONOFÁSICO ROGÉRIO S COSTA, RODRIGO S TEIXEIRA, DARIZON A DE ANDRADE, AUGUSTO A FLEURY Laboratório de Acionamentos Elétricos, Deartamento de Engenharia Elétrica, Universidade

Leia mais

3 Conceitos Fundamentais

3 Conceitos Fundamentais 3 Coneitos Fundamentais Neste aítulo são aresentados oneitos fundamentais ara o entendimento e estudo do omressor axial, assim omo sua modelagem termodinâmia 3 Máquinas de Fluxo As máquinas de fluxo odem

Leia mais

AULA #4 Laboratório de Medidas Elétricas

AULA #4 Laboratório de Medidas Elétricas AULA #4 Laboratório de Medidas Elétricas 1. Experimento 1 Geradores Elétricos 1.1. Objetivos Determinar, experimentalmente, a resistência interna, a força eletromotriz e a corrente de curto-circuito de

Leia mais

Universidade Federal do Rio de Janeiro. Princípios de Instrumentação Biomédica. Módulo 4

Universidade Federal do Rio de Janeiro. Princípios de Instrumentação Biomédica. Módulo 4 Universidade Federal do Rio de Janeiro Princípios de Instrumentação Biomédica Módulo 4 Faraday Lenz Henry Weber Maxwell Oersted Conteúdo 4 - Capacitores e Indutores...1 4.1 - Capacitores...1 4.2 - Capacitor

Leia mais