PROVA DE FÍSICA 2º ANO - ACUMULATIVA - 2º TRIMESTRE TIPO A

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PROVA DE FÍSICA 2º ANO - ACUMULATIVA - 2º TRIMESTRE TIPO A"

Transcrição

1 PROA DE FÍSICA º ANO - ACUMULATIA - º TRIMESTRE TIPO A 0) Considere as seguintes roosições referentes a um gás erfeito. I. Na transformação isotérmica, o roduto. é roorcional à temeratura do gás. II. Na transformação isobárica, o volume do gás é diretamente roorcional à temeratura absoluta da amostra. III. Na transformação isocórica, à medida que a temeratura aumenta, a ressão do gás diminui na mesma roorção. I. A transformação isotérmica é reresentada graficamente no lano. or uma hiérbole denominada de isoterma.. Um gás real se comorta como ideal em altas temeraturas e altas ressões. Estão corretas as roosições: a) I, II e I. b) I, III e. c) I, II e III. d) II, I e. e) II, III e I. 0) Uma massa gasosa a 47 o C tem seu volume aumentado de /4 do seu valor rimitivo e a sua ressão diminuída de /8 de seu valor inicial. Calcule a nova temeratura do gás T T 0 T 4 7. T 47º C 0K T 0 T T? 7 0 T T.0 0 T T 0K 7 8 0) Um colega lhe ergunta: É ossível ceder calor a um gás e sua temeratura não sofrer variação? ocê deverá resonder corretamente: a) Sim, orque esse calor ode aarecer em forma de aumento na energia interna do gás. b) Não, já que semre que se cede calor a um coro a temeratura deste aumenta. c) Sim, ois o gás ode realizar um trabalho sobre a sua vizinhança exatamente igual ao calor fornecido a ele. d) Não, orque o calor é uma forma de energia e a energia semre se conserva. e) Sim, já que esse calor ode ser emregado em um aumento da energia cinética das moléculas do gás. 04) Uma amostra de gás erfeito assa do estado A ara o B conforme a figura. Sabendo que, nessa transformação, o gás erdeu cal de calor, qual foi a variação de sua energia interna? B A m 0m Q cal 00J U? τ Area traezio ( b+ B). h τ ( + ). τ (8). τ τ 4. τ 00J U Q τ U 00 ( 00) U U 400J

2 0) Coloque na(s) afirmativa(s) verdadeira(s) e F na(s) falsa(s). () Fontes de luz fosforescentes são fontes de luz rimárias luminescentes. () Um observador A mira um eselho ara enxergar um outro observador B. Se B olhar ara o eselho, consegue enxergar A. Esse fenômeno evidencia o rincíio da reversibilidade do raio de luz. (F) Durante um eclise lunar, a lua fica localizada entre o Sol e a Terra. () O fenômeno resonsável elo aquecimento de suerfícies exostas à luz é chamado de absorção. () Objetos escuros absorvem mais luz do que a refletem. 0) Na câmara escura de orifício usamos a semelhança de triângulos ara determinar a relação entre altura e distância do objeto e imagem. Podemos usar o mesmo rincíio ara estabelecer uma relação entre a altura e a sombra de dois objetos. Baseado no que foi colocado, resolva a seguinte situação: Em um dado instante, uma vara de 00cm de altura, vertical, rojeta no solo, horizontal, uma sombra de 00mm de comrimento. Se a sombra de um rédio róximo, no mesmo instante, tem comrimento de m, qual a altura desse rédio? H D h 00cm m h d d 00mm 0,m H D m 0, H? H 0. H 0m 07) Para realizar uma camanha, um fotógrafo necessita de 7 objetos idênticos em cena, mas, orque estava com roblemas financeiros, comrou aenas. Como foi aluno do Colégio Energia, lembrou-se que odia fazer uma associação de eselhos lanos ara resolver seu roblema. Aós conseguir os dois eselhos emrestados, montou o sistema ara fazer as fotos. Utilizando esses mesmos conhecimentos, determine o ângulo em que o fotógrafo disôs os eselhos. 7 objetos objetos reais 0 imagens imagens or objeto n? n 0º 08) Dois eselhos lanos associados,e e E, formam entre si um ângulo de 0º. Um raio de luz incide no eselho E com um ângulo de incidência de 40º. Fazendo uso de seus conhecimentos sobre as leis da reflexão, determine geometricamente o ângulo indicado na figura abaixo. (Obs.: O desenho não está em escala.) 0º

3 09) Considere as seguintes afirmações. I. Cada raio de luz que se roaga em um meio é indeendente de qualquer outro raio. II. Na reflexão o raio incidente e o raio refletido estão contidos no mesmo lano que a normal, ortanto são congruentes. III. Podemos considerar que a sombra de uma nuvem rojetada sobre o solo é do mesmo tamanho da rória nuvem devido aos raios solares serem aroximadamente aralelos. I. A luz emitida or um vaga-lume é um exemlo de fonte rimária luminescente.. O fato de todos em uma sala de aula oderem ver, ao mesmo temo, o que está escrito no quadro é devido à reflexão difusa. Podemos dizer que são corretas: a) I, II e III. b) I, III e I. c) II e III. d) I, III, I e. e) III e. 0) Uma garota, ara observar seu enteado, coloca-se em frente a um eselho lano de arede, situado a 40cm de uma flor resa na arte de trás dos seus cabelos. Buscando uma visão melhor do arranjo da flor no cabelo, ela segura, com uma das mãos, um equeno eselho lano atrás da cabeça, a cm da flor. Determine esquematicamente a menor distância entre a flor e a imagem desta, vista ela garota no eselho de arede. Aresente seu raciocínio. a) 0 cm b) 0 cm c) 90 cm d) 4 cm e) cm cm cm 40cm 0cm 40cm cm cm

4 PROA DE FÍSICA º ANO - ACUMULATIA - º TRIMESTRE TIPO B 0) Uma amostra de gás erfeito assa do estado A ara o B conforme a figura. Sabendo que, nessa transformação, o gás erdeu 0cal de calor, qual foi a variação de sua energia interna? τ Area traezio B m ( b+ B). h U Q τ τ A m U 480 ( 70) Q 0cal 480J ( + ).0 U τ U? U 40J (7).0 τ τ 70J 0) Para realizar uma camanha, um fotógrafo necessita de 7 objetos idênticos em cena, mas, orque estava com roblemas financeiros, comrou aenas 8. Como foi aluno do Colégio Energia, lembrou-se que odia fazer uma associação de eselhos lanos ara resolver seu roblema. Aós conseguir os dois eselhos emrestados, montou o sistema ara fazer as fotos. Utilizando esses mesmos conhecimentos, determine o ângulo em que o fotógrafo disôs os eselhos. n 7 objetos 8 objetos reais 4 imagens 8 imagens or objeto n 8? º 0) Considere as seguintes roosições referentes a um gás erfeito. I. Na transformação isotérmica, o roduto. é roorcional à temeratura do gás. II. Na transformação isobárica, o volume do gás é inversamente roorcional à temeratura absoluta da amostra. III. Na transformação isocórica, à medida que a temeratura aumenta, a ressão do gás aumenta na mesma roorção. I. A transformação isotérmica é reresentada graficamente no lano. or uma hiérbole denominada de isoterma.. Um gás real se comorta como ideal em altas temeraturas e baixas ressões. Estão corretas as roosições: a) I, II, I e. b) II, I e. c) II, III e I. d) II, III, I e. e) I, III, I e. 04) Considere as seguintes afirmações. I. Cada raio de luz que se roaga em um meio é indeendente de qualquer outro raio. II. Na reflexão o raio incidente e o raio refletido estão contidos no mesmo lano que a normal, ortanto são congruentes. III. Podemos considerar que a sombra de uma nuvem rojetada sobre o solo é do mesmo tamanho da rória nuvem devido aos raios solares serem aroximadamente aralelos. I. A luz emitida or um vaga-lume é um exemlo de fonte rimária luminescente.. O fato de todos em uma sala de aula oderem ver, ao mesmo temo, o que está escrito no quadro é devido à reflexão regular. Podemos dizer que são corretas: a) II e III. b) III e. c) I, III, I e. d) I, III e I. e) I, II e III.

5 0) Um colega lhe ergunta: É ossível ceder calor a um gás e sua temeratura não sofrer variação? ocê deverá resonder corretamente: a) Não, orque o calor é uma forma de energia e a energia semre se conserva. b) Sim, orque esse calor ode aarecer em forma de aumento na energia interna do gás. c) Não, já que semre que se cede calor a um coro a temeratura deste aumenta. d) Sim, já que esse calor ode ser emregado em um aumento da energia cinética das moléculas do gás. e) Sim, ois o gás ode realizar um trabalho sobre a sua vizinhança exatamente igual ao calor fornecido a ele. 0) Uma garota, ara observar seu enteado, coloca-se em frente a um eselho lano de arede, situado a 40cm de uma flor resa na arte de trás dos seus cabelos. Buscando uma visão melhor do arranjo da flor no cabelo, ela segura, com uma das mãos, um equeno eselho lano atrás da cabeça, a cm da flor. Determine esquematicamente a menor distância entre a flor e a imagem desta, vista ela garota no eselho de arede. Aresente seu raciocínio. a) cm b) 4 cm c) 0 cm d) 90 cm e) 0 cm cm cm 40cm 0cm 40cm cm cm 07) Na câmara escura de orifício usamos a semelhança de triângulos ara determinar a relação entre altura e distância do objeto e imagem. Podemos usar o mesmo rincíio ara estabelecer uma relação entre a altura e a sombra de dois objetos. Baseado no que foi colocado, resolva a seguinte situação: Em um dado instante, uma vara de 00cm de altura, vertical, rojeta no solo, horizontal, uma sombra de 00mm de comrimento. Se a sombra de um rédio róximo, no mesmo instante, tem comrimento de 0m, qual a altura desse rédio? H D h 00cm m h d d 00mm 0,m H 0 D 0m 0, H? H 0. H 40m 08) Uma massa gasosa a 07 o C tem seu volume aumentado de /4 do seu valor rimitivo e a sua ressão diminuída de / de seu valor inicial. Calcule a nova temeratura do gás. 4 T 07º C 480K T?.. T T T T T 480 4T 0 T T T.0 00K

6 09) Dois eselhos lanos associados,e e E, formam entre si um ângulo de 0º. Um raio de luz incide no eselho E com um ângulo de incidência de º. Fazendo uso de seus conhecimentos sobre as leis da reflexão, determine geometricamente o ângulo indicado na figura abaixo. (Obs.: O desenho não está em escala.) 0º 0) Coloque na(s) afirmativa(s) verdadeira(s) e F na(s) falsa(s). () Objetos escuros absorvem mais luz do que a refletem. () O fenômeno resonsável elo aquecimento de suerfícies exostas à luz é chamado de absorção. () Fontes de luz fosforescentes são fontes de luz rimárias luminescentes. (F) Durante um eclise lunar, a lua fica localizada entre o Sol e a Terra. () Um observador A mira um eselho ara enxergar um outro observador B. Se B olhar ara o eselho, consegue enxergar A. Esse fenômeno evidencia o rincíio da reversibilidade do raio de luz.

7 PROA DE FÍSICA º ANO - ACUMULATIA - º TRIMESTRE TIPO C 0) As moléculas de um gás, devido às colisões entre si e com as aredes do reciiente, modificam constantemente a direção e a velocidade do seu movimento, causando a variação da energia cinética de cada uma delas, no entanto, a energia cinética média das artículas que comõem esse gás não sofre alteração. Com base no enunciado, assinale a alternativa correta. a) A energia cinética das artículas é inversamente roorcional ao número de colisões dessas artículas. b) A energia cinética média das artículas é diretamente roorcional à temeratura absoluta do gás. c) A energia cinética média das artículas é inversamente roorcional à temeratura absoluta do gás. d) A energia cinética média das artículas é variável. e) A velocidade média das moléculas gasosas indeende da temeratura do gás. 0) Uma certa massa de gás ocua um volume de m sob ressão de atmosferas. Reduzindo a temeratura em um terço do valor inicial, determine a ressão final quando o volume final desse gás for a quinta arte do inicial. m T T T T atm? 0) Uma amostra de gás erfeito assa do estado A ara o B conforme o diagrama abaixo. Sabendo que, nessa transformação, foi fornecida ao gás uma quantidade de calor igual a 0 calorias, determine a variação da energia interna dessa amostra. τ A B m 0m Q 0cal 480J U?.. T T.. T T. T T Area traezio ( b+ B). h τ ( + 4). τ (). τ τ 4J.. 0atm U Q τ U 480 (4) U 4J 04) Analise as afirmações abaixo e assinale se verdadeiro e F se falso. () Na transformação isométrica, a energia interna está associada à temeratura do sistema. () Quando o sistema ganha ou erde energia unicamente através das trocas de calor, dizemos que esse sistema está sofrendo uma transformação isocórica. () Na transformação isobárica, o trabalho que é realizado sobre ou elo gás indeende da temeratura do sistema. () Numa transformação adiabática, quando o sistema recebe trabalho sua energia interna aumenta. () Numa transformação cíclica, toda a energia que o sistema ganha na forma de calor é gasta na realização de trabalho.

8 0) Analise as roosições abaixo. I. Quando dois ou mais raios luminosos se cruzam, estes aresentam mudanças em suas direções de roagação. II. O fenômeno dos eclises se deve ao fato da luz se roagar em linha reta. III. Se fosse ossível aagar o Sol, e ainda assim ele fosse visível, or estar sendo iluminado or outra estrela, ele então seria uma fonte de luz secundária. I. Os raios de luz refletidos or uma suerfície não-olida são aralelos entre si.. Num eselho lano, toda imagem refletida é virtual, direita, igual e simétrica em relação ao objeto refletido. Estão corretas as afirmações: a) I, II e III. b) II, III e I. c) III, I e. d) II, III e. e) I, III e. 0) O olho de um observador está na osição O, e três equenos objetos estão nas osições A, B e C, conforme a figura abaixo. DE é um equeno eselho lano. Nestas condições ode-se afirmar que o observador: a) ode ver sua imagem no eselho. b) não ode ver nenhuma das imagens no eselho. c) ode ver todas imagens no eselho. d) ode somente ver a imagem do objeto B. e) ode ver as imagens dos objetos B e C. 07) Assinale ara a(s) afirmativa(s) verdadeira(s) e F ara a(s) falsa(s). () O rincíio da roagação retilínea da luz exlica o aarecimento das regiões de sombra e enumbra durante os eclises solares. (F) Um objeto é dito ontual quando suas dimensões são consideráveis em comaração com a distância da qual está sendo observado. (F) Nas estradas existem lacas de sinalização que trazem a seguinte informação: Ao cruzar com outros veículos, use luz baixa. Essa informação é sugerida ao motorista or causa do rincíio da indeendência dos raios luminosos. () Camo visual de um eselho lano é a região do esaço entre os raios incidentes no eselho lano. () É ossível um objeto absorver radiação luminosa e ao mesmo temo refletir uma arte da radiação que incide sobre ele. 08) Dois eselhos lanos formam entre si um ângulo 0. Reduzindo esse ângulo de um determinado valor, o número de imagens, roduzidas elo sistema, de um único objeto é aumentado de imagens. Determine em quantos graus o valor do ângulo entre os eselhos foi reduzido. n 7 n' n 8 diminuiu em 0º 0 n + n 8 n imagens + 0º

9 09) A altura da imagem de um objeto, rojetada em uma câmara escura, é de cm. Determine a distância do objeto à câmara, em metros, sabendo que se o afastarmos de um metro de sua osição rimitiva, a imagem será diminuída de / da sua altura inicial. h cm 0,0m d D'. h' Dh. D? H h H h' ( D+ ). h Dh. H D d D' d Hd. Dh. Hd. D'. h' D+ D h' h D m D' D+ 0) Dois eselhos lanos, E e E, formam entre si um ângulo de 0. Um raio luminoso incide no rimeiro, reflete-se, incide no segundo, reflete-se e, finalmente, emerge do sistema. X 0º Sabendo que a linha tracejada corta o ângulo de 0 exatamente no meio e que forma 90 com o raio que emerge do eselho E e que este incide em E, calcule o valor de X.

10 PROA DE FÍSICA º ANO - ACUMULATIA - º TRIMESTRE TIPO D 0)Assinale ara a(s) afirmativa(s) verdadeira(s) e F ara a(s) falsa(s). (F) rincíio da reversibilidade dos raios luminosos exlica o aarecimento das regiões de sombra e enumbra durante os eclises solares. () Um objeto é dito ontual quando suas dimensões são desrezíveis em comaração com a distância da qual está sendo observado. (F) Nas estradas existem lacas de sinalização que trazem a seguinte informação: Ao cruzar com outros veículos, use luz baixa. Essa informação é sugerida ao motorista or causa do rincíio da reversibilidade dos raios luminosos. (F) Camo visual de um eselho lano é a região do esaço entre os raios refletidos elo eselho lano. (F) É imossível um objeto absorver radiação luminosa e ao mesmo temo refletir uma arte da radiação que incide sobre ele. 0) O olho de um observador está na osição O, e três equenos objetos estão nas osições, e, conforme a figura abaixo. 4 e é um equeno eselho lano. Nessas condições, ode-se afirmar que: a) o observador ode ver as imagens dos objetos e. b) o observador ode ver todas as imagens no eselho. c) o observador ode ver sua imagem no eselho. d) o observador não ode ver nenhuma das imagens no eselho. e) o observador ode somente ver a imagem do objeto. 0) As moléculas de um gás, devido às colisões entre si e com as aredes do reciiente, modificam constantemente a direção e a velocidade do seu movimento, causando a variação da energia cinética de cada uma delas, no entanto, a energia cinética média das artículas que comõem esse gás não sofre alteração. Com base nesse enunciado, assinale a alternativa correta. a) A velocidade média das moléculas gasosas indeende da temeratura do gás. b) A energia cinética média das artículas é inversamente roorcional à temeratura absoluta do gás. c) A energia cinética das artículas que comõem é inversamente roorcional ao número de colisões dessas artículas. d) A energia cinética média das artículas é diretamente roorcional à temeratura absoluta do gás. e) a energia cinética média das artículas é variável. 04) Dois eselhos lanos, E e E, formam entre si um ângulo de 0. Um raio luminoso incide no rimeiro, reflete-se, incide no segundo, reflete-se e, finalmente, emerge do sistema. X 0º Sabendo que o ângulo entre o raio que incide e o que emerge do eselho E é 40, determine o valor de X.

11 0) Uma certa massa de gás ocua um volume de m sob ressão de atmosferas. Aumentando a temeratura em um terço do valor inicial, determine a ressão final quando seu volume final for a quinta arte do inicial... m T T... 4 T T T 4T 4T T 4. atm. 0atm? T 4T 0) Analise as afirmações abaixo e assinale se verdadeiro e F se falso. () Na transformação isotérmica, a energia interna está associada à temeratura do sistema. (F) Quando o sistema ganha ou erde energia unicamente através das trocas de calor, dizemos que esse sistema está sofrendo uma transformação isobárica. (F) Na transformação isobárica, o trabalho que é realizado sobre ou elo gás deende da temeratura do sistema. (F) Numa transformação adiabática, quando o sistema realiza trabalho, sua energia interna aumenta. (F) Numa transformação cíclica, toda a energia que o sistema erde na forma de calor é recebida na realização de trabalho. 07) Uma amostra de gás erfeito assa do estado A ara o estado B conforme o diagrama abaixo. Sabendo que, nessa transformação, foi retirada do gás uma quantidade de calor igual a 00 calorias, determine a variação da energia interna dessa amostra de gás. B A m 0m Q 00cal 800J U? τ Area traezio ( b+ B). h τ (+ 4). τ (). τ τ 7,J U 800 ( 7,) U , U 7,J 08) Analise as roosições abaixo. I. O fenômeno dos eclises se deve ao fato de a luz se roagar em linha reta. II. Os raios de luz refletidos or uma suerfície olida são aralelos entre si. III. Se fosse ossível aagar o Sol, e ainda assim ele fosse visível, or estar sendo iluminado or outra estrela, ele então seria uma fonte de luz secundária. I. Quando dois ou mais raios luminosos se cruzam, estes aresentam mudanças em suas direções de roagação.. Num eselho lano, todo objeto refletido é virtual, direito, igual e simétrico em relação à imagem refletida. Estão corretas as afirmações: a) I, II e III. b) II, III e I. c) III, I e. d) II, III e. e) I, III e. U Q τ

12 09) Dois eselhos lanos formam entre si um ângulo 40. Aumentando esse ângulo de um determinado valor, o número de imagens, roduzidas elo sistema, de um único objeto é diminuído de imagens. Determine em quantos graus o valor do ângulo entre os eselhos foi aumentado. n n' n aumentou em 0º 40 n n 9 8 n 8imagens 0º 0) Um aarelho fotográfico rudimentar é constituído or uma câmara escura com um orifício em uma face e um antearo de vidro fosco na face oosta. Um objeto luminoso encontra-se a 4m do orifício, e sua imagem no antearo é 00 vezes menor que seu tamanho natural. Determine o comrimento da câmara escura. H D h d H h 00 d? D 4m H H 4 H d 00 4 d d 4 d 0,04m

Física B Semiextensivo V. 1

Física B Semiextensivo V. 1 Física Semiextensivo V. Exercícios 0) D luz é uma onda eletromagnética, ois se roaga em todos os meios, inclusive no vácuo. 0) x V. t x 3. 0 8. 3.. 0 7 x 9,6. 0 5 m 03) C I. Falsa. É transarente. II. Falsa.

Leia mais

Título: Professor: Turma: 2ª Lista de Física II Tadeu 2ª Ano. Questão 1. Questão 4

Título: Professor: Turma: 2ª Lista de Física II Tadeu 2ª Ano. Questão 1. Questão 4 Título: Professor: Turma: 2ª Lista de Física II Tadeu 2ª Ano Questão 1 Um raio luminoso emitido por um laser de um ponto F incide em um ponto I de um espelho plano. O ponto F está a uma distância b do

Leia mais

ÓPTICA GEOMÉTRICA PREGOLINI

ÓPTICA GEOMÉTRICA PREGOLINI ÓPTICA GEOMÉTRICA PREGOLINI ÓPTICA GEOMÉTRICA É a parte da Física que estuda os fenômenos relacionados com a luz e sua interação com meios materiais quando as dimensões destes meios é muito maior que o

Leia mais

Óptica é a parte da física que estuda a luz: energia radiante (ondas eletromagnéticas) capaz de causar, em nós, a sensação da visão.

Óptica é a parte da física que estuda a luz: energia radiante (ondas eletromagnéticas) capaz de causar, em nós, a sensação da visão. Professor : DUDU Disciplina : Física Óptica (FO) Introdução Óptica é a parte da física que estuda a luz: energia radiante (ondas eletromagnéticas) capaz de causar, em nós, a sensação da visão. Fontes de

Leia mais

II- Quanto mais próximo está um objeto de um espelho plano, mais distante está sua imagem do espelho.

II- Quanto mais próximo está um objeto de um espelho plano, mais distante está sua imagem do espelho. Professor: DUDU (óptica geométrica e espelhos planos) 1ºLista de exercícios física 1-Considere a figura a seguir que representa uma caixa cúbica que tem, em uma de suas faces, um espelho plano com a face

Leia mais

Exercícios de Óptica Conceitos básicos

Exercícios de Óptica Conceitos básicos COLÉGIO TIRADENTES DA POLÍCIA MILITAR BARBACENA MG POLÍCIA MILITAR DE MINAS GERAIS Exercícios de Recuperação de Física 1ª prova DATA: SOESP: Profª. Eliane Ensino Médio Série 2º Turmas 201-202-203 1ª etapa

Leia mais

Física. Óptica Geométrica parte 2. Prof. César Bastos. Óptica Geométrica prof. César Bastos 1

Física. Óptica Geométrica parte 2. Prof. César Bastos. Óptica Geométrica prof. César Bastos 1 Física Óptica Geométrica parte 2 Prof. César Bastos Óptica Geométrica prof. César Bastos 1 Óptica Geométrica Reflexão em superfícies curvas Antes de estudar a formação de imagens em espelhos esféricos

Leia mais

1- Fonte Primária 2- Fonte Secundária. 3- Fonte Puntiforme 4- Fonte Extensa

1- Fonte Primária 2- Fonte Secundária. 3- Fonte Puntiforme 4- Fonte Extensa Setor 3210 ÓPTICA GEOMÉTRICA Prof. Calil A Óptica estuda a energia denominada luz. 1- Quando nos preocupamos em estudar os defeitos da visão e como curá-los, estamos estudando a Óptica Fisiológica. Estudar

Leia mais

3) Da figura temos: 4) a altura total (h ) do vértice da cúpula até o piso é dada por: 5) Mas f > h e, portanto:

3) Da figura temos: 4) a altura total (h ) do vértice da cúpula até o piso é dada por: 5) Mas f > h e, portanto: Lista de Exercícios de Física II Eselhos Eséricos Pro: Tadeu Turma: Ano do Ensino Médio Data: 08/06/009 ) (ITA) Um objeto linear de altura h está assentado erendicularmente no eixo rincial de um eselho

Leia mais

MÓDULO DE RECUPERAÇÃO

MÓDULO DE RECUPERAÇÃO DISCIPLINA Física II 2º ANO ENSINO MÉDIO MÓDULO DE RECUPERAÇÃO ALUNO(A) Nº TURMA TURNO Manhã 1º SEMESTRE DATA / / 01- A figura representa um feixe de raios paralelos incidentes numa superfície S e os correspondentes

Leia mais

O maior ângulo entre os espelhos, para que se possam enxergar onze imagens inteiras desse objeto, será de: a) 20 b) 30 c) 45 d) 60 e) 120

O maior ângulo entre os espelhos, para que se possam enxergar onze imagens inteiras desse objeto, será de: a) 20 b) 30 c) 45 d) 60 e) 120 Colégio Jesus Adolescente Ensino Médio 1º Bimestre Disciplina Física Setor B Turma 1º ANO Professor Gnomo Lista de Exercício Bimestral Aulas 6 a 8 1) A figura a seguir representa um raio de luz incidindo

Leia mais

GABARITO. Física B 07) 56 08) A 09) E. Nas lentes divergentes as imagens serão sempre virtuais. 10) A

GABARITO. Física B 07) 56 08) A 09) E. Nas lentes divergentes as imagens serão sempre virtuais. 10) A Física B Extensivo V. 4 Exercícios 0) V V V V F 0. Verdadeiro. Lentes, disositivos que ormam imagem usando essencialmente as leis da reração. 0. Verdadeiro. Eselhos vértice, oco, centro de curvatura. Lentes:

Leia mais

FÍSICA Questões de 1 a 20

FÍSICA Questões de 1 a 20 2ªSérieLISTA DE EXERCÍCIOS DE FÍSICA FÍSICA Questões de 1 a 20 1) (UFRN) Os carros modernos usam diferentes tipos de espelhos retrovisores, de modo que o motorista possa melhor observar os veículos que

Leia mais

LISTA DE EXERCÍCIOS 1º ANO ACADÊMICO PROF. FELIPE KELLER TURMAS: 1C01 a 1C10 Lista para a prova da 1UL

LISTA DE EXERCÍCIOS 1º ANO ACADÊMICO PROF. FELIPE KELLER TURMAS: 1C01 a 1C10 Lista para a prova da 1UL LISTA DE EXERCÍCIOS 1º ANO ACADÊMICO PROF. FELIPE KELLER TURMAS: 1C01 a 1C10 Lista para a prova da 1UL 1 (Unirio) Durante a final da Copa do Mundo, um cinegrafista, desejando alguns efeitos especiais,

Leia mais

TIPOS DE REFLEXÃO Regular Difusa

TIPOS DE REFLEXÃO Regular Difusa Reflexão da luz TIPOS DE REFLEXÃO Regular Difusa LEIS DA REFLEXÃO RI = raio de luz incidente i normal r RR = raio de luz refletido i = ângulo de incidência (é formado entre RI e N) r = ângulo de reflexão

Leia mais

Apostila 2 Capítulo 8. Página 305. Reflexões. Gnomo

Apostila 2 Capítulo 8. Página 305. Reflexões. Gnomo Apostila 2 Capítulo 8 Página 305 Reflexões Fenômenos Ópticos Reflexão Refração Absorção Tipos de Reflexão Reflexão Especular Reflexão Difusa Na reflexão especular os raios de luz que entram paralelos são

Leia mais

Física 3 Professor: Rodolfo DATA: / /

Física 3 Professor: Rodolfo DATA: / / Física 3 Professor: Rodolfo DATA: / / 1. A condição para que ocorra um Eclipse é que haja um alinhamento total ou parcial entre Sol, Terra e Lua. A inclinação da órbita da Lua com relação ao equador da

Leia mais

FÍSICA ÓPTICA GEOMÉTRICA FÍSICA 1

FÍSICA ÓPTICA GEOMÉTRICA FÍSICA 1 2014_Física_2 ano FÍSICA Prof. Bruno ÓPTICA GEOMÉTRICA FÍSICA 1 1. (Uftm 2012) Uma câmara escura de orifício reproduz uma imagem de 10 cm de altura de uma árvore observada. Se reduzirmos em 15 m a distância

Leia mais

15/09/2015 1 PRINCÍPIOS DA ÓPTICA O QUE É A LUZ? A luz é uma forma de energia que não necessita de um meio material para se propagar.

15/09/2015 1 PRINCÍPIOS DA ÓPTICA O QUE É A LUZ? A luz é uma forma de energia que não necessita de um meio material para se propagar. O QUE É A LUZ? A luz é uma forma de energia que não necessita de um meio material para se propagar. PRINCÍPIOS DA ÓPTICA A luz do Sol percorre a distância de 150 milhões de quilômetros com uma velocidade

Leia mais

Módulo VI Luz e Príncipios da Óptica Geométrica

Módulo VI Luz e Príncipios da Óptica Geométrica Módulo VI Luz e Príncipios da Óptica Geométrica Luz: O omem sempre necessitou de luz para enxergar as coisas a seu redor: luz do Sol, de toca, de vela, de lâmpada. Mas afinal, o que é luz? Luz : é uma

Leia mais

Tópico 5 88 PARTE I TERMOLOGIA

Tópico 5 88 PARTE I TERMOLOGIA 88 PRTE I TERMOLOGI Tóico 5 1 ocê já deve ter notado que ao esfregar as mãos durante algum temo elas f icam mais quentes. Isso ocorre orque: a) aumenta a circulação do sangue, elevando a rodução de calor;

Leia mais

introdução à Óptica Geométrica

introdução à Óptica Geométrica PARTE II Unidade E capítulo 10 introdução à Óptica Geométrica seções: 101 Conceitos fundamentais 102 Princípios da Óptica Geométrica antes de estudar o capítulo Veja nesta tabela os temas principais do

Leia mais

Óptica. Estudo da luz, como sendo a onda eletromagnética pertencentes à faixa do espectro visível (comprimento de 400 nm até 700 nm).

Óptica. Estudo da luz, como sendo a onda eletromagnética pertencentes à faixa do espectro visível (comprimento de 400 nm até 700 nm). Óptica Estudo da luz, como sendo a onda eletromagnética pertencentes à faixa do espectro visível (comprimento de 400 nm até 700 nm). Fenômenos ópticos Professor: Éder (Boto) Sobre a Luz O que emite Luz?

Leia mais

Atmosfera Padrão. Atmosfera Padrão

Atmosfera Padrão. Atmosfera Padrão 7631 2º Ano da Licenciatura em Engenharia Aeronáutica 1. Introdução O desemenho de aviões e de motores atmosféricos deende da combinação de temeratura, ressão e densidade do ar circundandante. O movimento

Leia mais

UNIVERSIDADE DE ÉVORA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA RURAL

UNIVERSIDADE DE ÉVORA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA RURAL UNIVERSIDDE DE ÉVOR DEPRTMENTO DE ENGENHRI RURL HIDRÁULIC GERL PONTMENTOS DS ULS TEÓRICS ENGENHRI GRÍCOL ENGENHRI BIOFÍSIC ENGENHRI GEOLÓGIC Maria Madalena V. Moreira Vasconcelos Évora, 004 Caítulo 1 FORÇS

Leia mais

LISTA DE EXERCÍCIOS 1ª SÉRIE

LISTA DE EXERCÍCIOS 1ª SÉRIE 1. (Uemg 2014) Em uma aula sobre Gravitação, o professor de Física resolveu escrever um poema e mostrá-lo a seus alunos: O Sol e a Lua num balé em torno da Terra. Ora a Lua está entre o Sol e a Terra.

Leia mais

Valores eternos. MATÉRIA PROFESSOR(A) ---- ----

Valores eternos. MATÉRIA PROFESSOR(A) ---- ---- Valores eternos. TD Recuperação ALUNO(A) MATÉRIA Física II PROFESSOR(A) Fernando ANO SEMESTRE DATA 2º 1º Julho/2013 TOTAL DE ESCORES ESCORES OBTIDOS ---- ---- 1. Considere a figura ao lado. Com base no

Leia mais

Segunda aula de mecânica dos fluidos básica. Estática dos Fluidos capítulo 2 do livro do professor Franco Brunetti

Segunda aula de mecânica dos fluidos básica. Estática dos Fluidos capítulo 2 do livro do professor Franco Brunetti Segunda aula de mecânica dos fluidos básica Estática dos Fluidos caítulo 2 do livro do rofessor Franco Brunetti NO DESENVOLVIMENTO DESTA SEGUNDA AULA NÃO IREI ME REPORTAR DIRETAMENTE AO LIVRO MENCIONADO

Leia mais

As divisões da óptica

As divisões da óptica ÓPTICA As divisões da óptica Óptica física : Estuda a natureza da luz. Óptica fisiológica: Estuda os mecanismos responsáveis pela visão. Óptica geométrica: Estuda os fenômenos relacionados à trajetória

Leia mais

ÓPTICA. Conceito. Divisões da Óptica. Óptica Física: estuda os fenômenos ópticos que exigem uma teoria sobre a natureza das ondas eletromagnéticas.

ÓPTICA. Conceito. Divisões da Óptica. Óptica Física: estuda os fenômenos ópticos que exigem uma teoria sobre a natureza das ondas eletromagnéticas. ÓPTICA Conceito A óptica é um ramo da Física que estuda os fenomenos relacionados a luz ou, mais amplamente, a radiação eletromagnética, visível ou não. A óptica explica os fenômenos de reflexão, refração

Leia mais

LISTA DE EXERCÍCIOS COMPLEMENTARES 2ª SÉRIE

LISTA DE EXERCÍCIOS COMPLEMENTARES 2ª SÉRIE LISTA DE EXERCÍCIOS COMPLEMENTARES FÍSICA - A - 2012 ALUNO: TURMA: CARTEIRA: MATRÍCULA: DATA: / / Unidade 01 - Introdução à Óptica Geométrica Unidade 02 - Reflexão da Luz REFAZER OS EXERCÍCIOS DO LIVRO:

Leia mais

Reflexão. A reflexão ocorre quando a luz incide sobre a superfície de separação entre dois meios com propriedades distintas.

Reflexão. A reflexão ocorre quando a luz incide sobre a superfície de separação entre dois meios com propriedades distintas. Ótica Reflexão A reflexão ocorre quando a luz incide sobre a superfície de separação entre dois meios com propriedades distintas. A reflexibilidade é a tendência dos raios de voltarem para o mesmo meio

Leia mais

SECRETARIA DE SEGURANÇA PÚBLICA/SECRETARIA DE EDUCAÇÃO

SECRETARIA DE SEGURANÇA PÚBLICA/SECRETARIA DE EDUCAÇÃO DISCIPLINA: FÍSICA SECRETARIA DE SEGURANÇA PÚBLICA/SECRETARIA DE EDUCAÇÃO POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE GOIÁS COMANDO DE ENSINO POLICIAL MILITAR COLÉGIO DA POLÍCIA MILITAR UNIDADE POLIVALENTE MODELO VASCO

Leia mais

REFLEXÃO E ESPELHOS PLANOS e ESFÉRICOS

REFLEXÃO E ESPELHOS PLANOS e ESFÉRICOS REFLEXÃO E ESPELHOS PLANOS e ESFÉRICOS Leis da Reflexão: 1º- O raio refletido, a normal e o raio incidente pertencem ao mesmo plano. 2º- A medida do ângulo de reflexão é igual à medida do ângulo de incidência.

Leia mais

MÓDULO 9. A luz branca, que é a luz emitida pelo Sol, pode ser decomposta em sete cores principais:

MÓDULO 9. A luz branca, que é a luz emitida pelo Sol, pode ser decomposta em sete cores principais: A COR DE UM CORPO MÓDULO 9 A luz branca, que é a luz emitida pelo Sol, pode ser decomposta em sete cores principais: luz branca vermelho alaranjado amarelo verde azul anil violeta A cor que um corpo iluminado

Leia mais

Física. Resolução das atividades complementares. F7 Introdução à Óptica geométrica

Física. Resolução das atividades complementares. F7 Introdução à Óptica geométrica Resolução das atividades complementares 3 Física F7 Introdução à Óptica geométrica p. 10 1 (FMTM-MG) O princípio da reversibilidade da luz fica bem exemplificado quando: a) holofotes iluminam os atores

Leia mais

LISTA 3 - Prof. Jason Gallas, DF UFPB 10 de Junho de 2013, às 14:28. Jason Alfredo Carlson Gallas, professor titular de física teórica,

LISTA 3 - Prof. Jason Gallas, DF UFPB 10 de Junho de 2013, às 14:28. Jason Alfredo Carlson Gallas, professor titular de física teórica, Exercícios Resolvidos de Física Básica Jason Alfredo Carlson Gallas, rofessor titular de física teórica, Doutor em Física ela Universidade Ludwig Maximilian de Munique, Alemanha Universidade Federal da

Leia mais

cü Çv Ñ Éá wt Ñà vt y á vt

cü Çv Ñ Éá wt Ñà vt y á vt óptica cü Çv Ñ Éá wt Ñà vt y á vt Luz é um agente físico que pode se propagar tanto no vácuo quanto em certos meios materiais, se propaga em linha reta. Óptica física e óptica Geométrica Óptica física

Leia mais

-10 0 10 20 30 40 50 60 70 80

-10 0 10 20 30 40 50 60 70 80 . Uma artícula desloca-se sobre uma reta na direção x. No instante t =, s, a artícula encontra-se na osição e no instante t = 6, s encontra-se na osição, como indicadas na figura abaixo. Determine a velocidade

Leia mais

Interbits SuperPro Web

Interbits SuperPro Web 1. (Unesp 2014) Uma pessoa está parada numa calçada plana e horizontal diante de um espelho plano vertical E pendurado na fachada de uma loja. A figura representa a visão de cima da região. Olhando para

Leia mais

LISTA EXTRA ESPELHOS PLANOS 1ª SÉRIE

LISTA EXTRA ESPELHOS PLANOS 1ª SÉRIE 1. (Udesc 2014) Recentemente, um grupo de astrônomos brasileiros da Universidade de São Paulo (USP) e da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN) em parceria com o Observatório Europeu do Sul

Leia mais

DEFINIÇÃO DE LUZ ONDA PARTÍCULA PROPAGAÇÃO EFEITO FOTOÉLETRICO

DEFINIÇÃO DE LUZ ONDA PARTÍCULA PROPAGAÇÃO EFEITO FOTOÉLETRICO DEFINIÇÃO DE LUZ ONDA PROPAGAÇÃO PARTÍCULA EFEITO FOTOÉLETRICO FONTES DE LUZ Primária Corpo luminoso Secundária Corpo iluminado Incandescente Quente Luminescente Fria Fluorescente c / agente Fosforescente

Leia mais

3º Bimestre. Física II. Autor: Geraldo Velazquez

3º Bimestre. Física II. Autor: Geraldo Velazquez 3º Bimestre Autor: Geraldo Velazquez SUMÁRIO UNIDADE I Óptica Geométrica... 4 1 Natureza Da Luz... 4 2 Conceitos Preliminares... 5 2.1 Raios e Feixes... 5 2.2 Fontes De Luz... 6 2.3 MEIOS ÓPTICOS... 6

Leia mais

Física B Semiextensivo V. 2

Física B Semiextensivo V. 2 Física B Semiextensivo V Exercícios 0) V V V V F 04) E 0) E Verdadeira Verdadeira Verdadeira Verdadeira Falsa Ele refrata, afastando-se da normal Resolução Na rimeira figura o raio de luz que sai do bastão

Leia mais

Física José Ranulfo (joranulfo@hotmail.com)

Física José Ranulfo (joranulfo@hotmail.com) 05. (UFPE 97/Fís. 3) Considere um raio de luz contido em um plano perpendicular aos dois espelhos planos, conforme a figura abaixo. O raio refletido formará o ângulo γ com o feixe incidente, cujo valor

Leia mais

Unidade VII - Teoria Cinética dos Gases

Unidade VII - Teoria Cinética dos Gases Unidade VII - eoria Cinética dos Gases fig. VII.. Nesse rocesso, a ressão em um gás aumenta e o olume diminui. Isto é, a colisão de suas moléculas dee aumentar, sua energia cinética aumenta e diminui a

Leia mais

Espelho Plano. www.nsaulasparticulares.com.br Página 1 de 21

Espelho Plano. www.nsaulasparticulares.com.br Página 1 de 21 Espelho Plano 1. (Fuvest 2013) O telêmetro de superposição é um instrumento ótico, de concepção simples, que no passado foi muito utilizado em câmeras fotográficas e em aparelhos de medição de distâncias.

Leia mais

LENTES ESFÉRICAS Fórmula de Gauss

LENTES ESFÉRICAS Fórmula de Gauss LENTES ESFÉRICAS Fórmula de Gauss. (Unicamp 203) Um objeto é disposto em frente a uma lente convergente, conforme a figura abaixo. Os focos principais da lente são indicados com a letra F. Pode-se afirmar

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL INSTITUTO DE FÍSICA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENSINO DE FÍSICA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL INSTITUTO DE FÍSICA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENSINO DE FÍSICA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL INSTITUTO DE FÍSICA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENSINO DE FÍSICA Mestrando Patrese Coelho Vieira Porto Alegre, maio de 2012 O presente material é uma coletânea

Leia mais

OBJETIVO Verificar as leis da Reflexão Verificar qualitativamente e quantitativamente a lei de Snell. Observar a dispersão da luz em um prisma.

OBJETIVO Verificar as leis da Reflexão Verificar qualitativamente e quantitativamente a lei de Snell. Observar a dispersão da luz em um prisma. UNIVERSIDADE CATÓLICA DE BRASÍLIA CURSO DE FÍSICA LABORATÓRIO ÓPTICA REFLEXÃO E REFRAÇÃO OBJETIVO Verificar as leis da Reflexão Verificar qualitativamente e quantitativamente a lei de Snell. Observar a

Leia mais

Óptica. Feixe de Raios Paralelos: A luz do sol que atinge a terra pode ser considerada um feixe de raios paralelos.

Óptica. Feixe de Raios Paralelos: A luz do sol que atinge a terra pode ser considerada um feixe de raios paralelos. Óptica Os fenômenos ópticos que observamos através do nosso aparelho de visão (Olho Humano) são todos devidos às propriedades da luz. Para estudarmos a óptica, ou seja, os efeitos sofridos pela luz, utilizaremos

Leia mais

1. ENTALPIA. (a) A definição de entalpia. A entalpia, H, é definida como:

1. ENTALPIA. (a) A definição de entalpia. A entalpia, H, é definida como: 1 Data: 31/05/2007 Curso de Processos Químicos Reerência: AKINS, Peter. Físico- Química. Sétima edição. Editora, LC, 2003. Resumo: Proas. Bárbara Winiarski Diesel Novaes 1. ENALPIA A variação da energia

Leia mais

SECRETARIA DE SEGURANÇA PÚBLICA/SECRETARIA DE EDUCAÇÃO

SECRETARIA DE SEGURANÇA PÚBLICA/SECRETARIA DE EDUCAÇÃO DISCIPLINA: FÍSICA SECRETARIA DE SEGURANÇA PÚBLICA/SECRETARIA DE EDUCAÇÃO POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE GOIÁS COMANDO DE ENSINO POLICIAL MILITAR COLÉGIO DA POLÍCIA MILITAR UNIDADE POLIVALENTE MODELO VASCO

Leia mais

Estudo dos gases. Antes de estudar o capítulo PARTE I

Estudo dos gases. Antes de estudar o capítulo PARTE I PARTE I Unidade D 8 Caítulo Estudo dos gases Seções: 81 As transformações gasosas 82 Conceito de mol Número de Avogadro 83 Equação de Claeyron 84 Teoria cinética dos gases Antes de estudar o caítulo eja

Leia mais

INTRODUÇÃO À ÓPTICA GEOMÉTRICA

INTRODUÇÃO À ÓPTICA GEOMÉTRICA INTRODUÇÃO À ÓPTICA GEOMÉTRICA FONTES DE LUZ Tudo aquilo que podemos ver está emitindo luz, portanto deve ser considerado uma fonte de luz. Tudo emite luz?não, ocorre que certos tipos de fontes emitem

Leia mais

UFSC Universidade Federal de Santa Catarina Depto De Eng. Química e de Eng. De Alimentos EQA 5313 Turma 645 Op. Unit. de Quantidade de Movimento

UFSC Universidade Federal de Santa Catarina Depto De Eng. Química e de Eng. De Alimentos EQA 5313 Turma 645 Op. Unit. de Quantidade de Movimento UFSC Universidade Federal de Santa Catarina Deto De Eng. Química e de Eng. De Alimentos EQA 5313 Turma 645 O. Unit. de Quantidade de Movimento CENTRIFUGAÇÃO Esta oeração unitária tem or objetivo searar

Leia mais

Construindo a câmara escura

Construindo a câmara escura Construindo a câmara escura Shizue Introdução Captar e registrar imagens tornou-se possível com a câmara escura de orifício. Essa câmara nada mais é do que uma lata, preta por dentro para não refletir

Leia mais

Matemática. Resolução das atividades complementares. M1 Trigonometria no ciclo. 1 Expresse: p 4 rad. rad em graus. 4 rad 12 p b) 330 em radianos.

Matemática. Resolução das atividades complementares. M1 Trigonometria no ciclo. 1 Expresse: p 4 rad. rad em graus. 4 rad 12 p b) 330 em radianos. Resolução das atividades comlementares Matemática M Trigonometria no ciclo. 7 Eresse: a) em radianos c) em radianos e) rad em graus rad rad b) 0 em radianos d) rad em graus f) rad 0 rad em graus a) 80

Leia mais

1. Introdução. 2. Fontes de luz. Óptica geométrica

1. Introdução. 2. Fontes de luz. Óptica geométrica 1. Introdução Óptica geométrica Vamos iniciar nosso estudo, fazendo uma breve introdução sobre a óptica geométrica. Quando estudamos a Óptica nos centramos na compreensão da natureza e propriedades da

Leia mais

LUZ: se propaga por meio de ondas eletromagnéticas. É o agente físico responsável pela sensação visual.

LUZ: se propaga por meio de ondas eletromagnéticas. É o agente físico responsável pela sensação visual. LUZ: É uma forma de energia radiante, que se propaga por meio de ondas eletromagnéticas. É o agente físico responsável pela sensação visual. RAIO DE LUZ: É uma representação da propagação da Luz RAIO DE

Leia mais

Física B Extensivo V. 1

Física B Extensivo V. 1 Física B Extensivo V. 1 Exercícios 01) 38 01. Falsa. f Luz > f Rádio 02. Verdadeira. Todas as ondas eletromagnéticas são transversais. 04. Verdadeira. Do tipo secundária. 08. Falsa. Do tipo secundária.

Leia mais

Lista 2 Espelhos Planos Construções Extensivo Noite

Lista 2 Espelhos Planos Construções Extensivo Noite 1. (Fuvest 2007) A janela de uma casa age como se fosse um espelho e reflete a luz do Sol nela incidente, atingindo, às vezes, a casa vizinha. Para a hora do dia em que a luz do Sol incide na direção indicada

Leia mais

1 P r o j e t o F u t u r o M i l i t a r w w w. f u t u r o m i l i t a r. c o m. b r

1 P r o j e t o F u t u r o M i l i t a r w w w. f u t u r o m i l i t a r. c o m. b r Exercícios de Espelhos Planos 1-Um objeto amarelo, quando observado em uma sala iluminada com luz monocromática azul, será visto: a) amarelo. b) azul. c) preto. d) violeta. e) vermelho. 2-Ana Maria, modelo

Leia mais

ALUNO: Nº SÉRIE: DATA: / / PROF.: VICTOR GERMINIO EXERCÍCIOS DE REVISÃO II UNIDADE FÍSICA 3º ANO ENSINO MÉDIO

ALUNO: Nº SÉRIE: DATA: / / PROF.: VICTOR GERMINIO EXERCÍCIOS DE REVISÃO II UNIDADE FÍSICA 3º ANO ENSINO MÉDIO ALUNO: Nº SÉRIE: DATA: / / PROF.: VICTOR GERMINIO EXERCÍCIOS DE REVISÃO II UNIDADE FÍSICA 3º ANO ENSINO MÉDIO 1) Em uma atividade de um engenheiro civil, o mesmo precisa determinar a altura de um edifício.

Leia mais

1. Analisa a seguinte imagem e responde às questões que se seguem:

1. Analisa a seguinte imagem e responde às questões que se seguem: C.F.Q. 8ºA Outubro 1 1. Analisa a seguinte imagem e responde às questões que se seguem: 1.1. Qual é o detetor de luz? O olho. 1.2. Qual é o recetor de luz? A bola. 1.3. De que cor veremos a bola se ela

Leia mais

INTRODUÇÃO À ÓPTICA GEOMÉTRICA 411EE

INTRODUÇÃO À ÓPTICA GEOMÉTRICA 411EE 1 T E O R I A 1. SOMBRA Define se sombra como uma região do espaço desprovida de luz. Uma sombra é produzida quando um objeto opaco impede que raios de luz provenientes de uma fonte luminosa iluminem uma

Leia mais

Ciências da Natureza I Ensino Médio Oficina Espelhos Material do aluno

Ciências da Natureza I Ensino Médio Oficina Espelhos Material do aluno Caro aluno, Este material foi produzido objetivando que você aprofunde seus conhecimentos sobre os espelhos planos e os espelhos esféricos côncavos e convexos. Antes de iniciar as atividades desta oficina

Leia mais

o oxigênio comporta-se B como um gás ideal de massa molar M = 32 g, calcule a temperatura T do sistema.

o oxigênio comporta-se B como um gás ideal de massa molar M = 32 g, calcule a temperatura T do sistema. Lista de Exercícios de Recuperação do 3 Bimestre Instruções gerais: Resolver os exercícios à caneta e em folha de papel almaço ou monobloco (folha de fichário). Copiar os enunciados das questões. Entregar

Leia mais

Exercícios sobre Espelhos Esféricos

Exercícios sobre Espelhos Esféricos Exercícios sobre Espelhos Esféricos 1-Quando colocamos um pequeno objeto real entre o foco principal e o centro de curvatura de um espelho esférico côncavo de Gauss, sua respectiva imagem conjugada será:

Leia mais

REFLEXÃO. Leis da reflexão Os fenômenos em que acontecem as reflexões, tanto regular quanto difusa, obedecem a duas leis fundamentais que são:

REFLEXÃO. Leis da reflexão Os fenômenos em que acontecem as reflexões, tanto regular quanto difusa, obedecem a duas leis fundamentais que são: REFLEXÃO Como já foi dito anteriormente, reflexão é o fenômeno pelo qual, a luz incide sobre uma superfície e retorna ao meio de incidência. Iremos agora, estudar a reflexão da luz em espelhos planos e

Leia mais

10/11/2014 PROF. ROBINSON PROF. ROBINSON FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA, CAMPUS DE JI-PARANÁ, DEPARTAMENTO DE FÍSICA DE JI-PARANÁ DEFIJI

10/11/2014 PROF. ROBINSON PROF. ROBINSON FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA, CAMPUS DE JI-PARANÁ, DEPARTAMENTO DE FÍSICA DE JI-PARANÁ DEFIJI FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA, CAMPUS DE JI-PARANÁ, DEPARTAMENTO DE FÍSICA DE JI-PARANÁ DEFIJI DISCIPLINA DE FÍSICA EXPERIMENTAL II SEMESTRE 2014/2 LABORATÓRIO 5: LEIS DA ÓPTICA GEOMÉTRICA

Leia mais

Como n lente = n meioa, não há refração. Ou seja, o sistema óptico não funciona como lente.

Como n lente = n meioa, não há refração. Ou seja, o sistema óptico não funciona como lente. 01 Como n lente = n meioa, não há refração. Ou seja, o sistema óptico não funciona como lente. Como n lente < n meiob, a lente de bordas finas opera como lente divergente. Resposta: A 1 02 A gota de água

Leia mais

2- TRABALHO NUMA TRANSFORMAÇÃO GASOSA 4-1ª LEI DA TERMODINÂMICA

2- TRABALHO NUMA TRANSFORMAÇÃO GASOSA 4-1ª LEI DA TERMODINÂMICA AULA 07 ERMODINÂMICA GASES 1- INRODUÇÃO As variáveis de estado de um gás são: volume, pressão e temperatura. Um gás sofre uma transformação quando pelo menos uma das variáveis de estado é alterada. Numa

Leia mais

Construção Geométrica com Espelhos Esféricos

Construção Geométrica com Espelhos Esféricos Construção Geométrica com Espelhos Esféricos 1. (Ufsm 2012) A figura de Escher, Mão com uma esfera espelhada, apresentada a seguir, foi usada para revisar propriedades dos espelhos esféricos. Então, preencha

Leia mais

r 5 200 m b) 1 min 5 60 s s t a 5

r 5 200 m b) 1 min 5 60 s s t a 5 Resolução das atividades comlementares Matemática M Trigonometria no ciclo. 0 Um atleta desloca-se à velocidade constante de 7,8 m/s numa ista circular de raio 00 m. Determine as medidas, em radianos e

Leia mais

Luz e Visão. Capítulo 8 8º ano - CSA

Luz e Visão. Capítulo 8 8º ano - CSA Luz e Visão Capítulo 8 8º ano - CSA 2014 Afinal, o que é luz? Luz é uma forma de transmissão de energia pelo espaço. Como a luz se propaga? Propagação da luz Corpos luminosos: emitem a própria luz. São

Leia mais

a) Qual a pressão do gás no estado B? b) Qual o volume do gás no estado C

a) Qual a pressão do gás no estado B? b) Qual o volume do gás no estado C Colégio Santa Catarina Unidade XIII: Termodinâmica 89 Exercícios de Fixação: a) PV = nr T b)pvn = RT O gráfico mostra uma isoterma de uma massa c) PV = nrt d) PV = nrt de gás que é levada do e) PV = nrt

Leia mais

Grupo: Ederson Luis Posselt Geovane Griesang Ricardo Cassiano Fagundes

Grupo: Ederson Luis Posselt Geovane Griesang Ricardo Cassiano Fagundes Curso: Ciências da computação Disciplina: Física aplicada a computação Professor: Benhur Borges Rodrigues Relatório experimental 05: Formação da imagem e propagação retilínea da luz; Medida da distância

Leia mais

Espelhos Planos. Parte I. www.soexatas.com Página 1. = 3 m e entre os espelhos fixo e giratório é D = 2,0 m.

Espelhos Planos. Parte I. www.soexatas.com Página 1. = 3 m e entre os espelhos fixo e giratório é D = 2,0 m. Parte I Espelhos Planos 1. (Unesp 2014) Uma pessoa está parada numa calçada plana e horizontal diante de um espelho plano vertical E pendurado na fachada de uma loja. A figura representa a visão de cima

Leia mais

GOIÂNIA, / / 2015. ALUNO(a): LISTA DE EXERCÍCIOS DE FÍSICA 4BI L1

GOIÂNIA, / / 2015. ALUNO(a): LISTA DE EXERCÍCIOS DE FÍSICA 4BI L1 GOIÂNIA, / / 2015 PROFESSOR: Fabrízio Gentil Bueno DISCIPLINA: FÍSICA SÉRIE: 2 o ALUNO(a): NOTA: No Anhanguera você é + Enem LISTA DE EXERCÍCIOS DE FÍSICA 4BI L1 01 - (UDESC) João e Maria estão a 3m de

Leia mais

Reflexão da luz. Espelhos planos

Reflexão da luz. Espelhos planos PARTE II Unidade E 11 capítulo Reflexão da luz Espelhos planos seções: 111 Reflexão da luz Leis da reflexão 112 Imagens em um espelho plano 113 Deslocamento de um espelho plano 114 Imagens de um objeto

Leia mais

CAPÍTULO 3 - RETIFICAÇÃO

CAPÍTULO 3 - RETIFICAÇÃO CAPÍTULO 3 - RETFCAÇÃO A maioria dos circuitos eletrônicos recisa de uma tensão cc ara oder trabalhar adequadamente Como a tensão da linha é alternada, a rimeira coisa a ser feita em qualquer equiamento

Leia mais

UFMG - 2003 2º DIA FÍSICA BERNOULLI COLÉGIO E PRÉ-VESTIBULAR

UFMG - 2003 2º DIA FÍSICA BERNOULLI COLÉGIO E PRÉ-VESTIBULAR UFMG - 2003 2º DIA FÍSICA BERNOULLI COLÉGIO E PRÉ-VESTIBULAR Física Questão 01 Durante uma brincadeira, Rafael utiliza o dispositivo mostrado nesta figura para lançar uma bolinha horizontalmente. Nesse

Leia mais

Colégio Paula Frassinetti Atividade de Física 3º ano do Ensino Médio - / /2012 Prof. Luciano Soares Pedroso

Colégio Paula Frassinetti Atividade de Física 3º ano do Ensino Médio - / /2012 Prof. Luciano Soares Pedroso 1. (Ufrj) Uma criança segura uma bandeira do Brasil como ilustrado na figura 1. A criança está diante de dois espelhos planos verticais A e B que fazem entre si um ângulo de 60. A figura 2 indica seis

Leia mais

Curso: Ensino Fundamental II Disciplina: MATEMÁTICA Professor: Álvaro / Leandro

Curso: Ensino Fundamental II Disciplina: MATEMÁTICA Professor: Álvaro / Leandro Nome do aluno: nº série/turma 9 Curso: Ensino Fundamental II Disciplina: MATEMÁTICA Professor: Álvaro / Leandro Data: De 17 a 21/08/2009 Bimestre: 3º Tipo de atividade: Lista de Exercícios A REFLEXÃO DA

Leia mais

Turma: 2201 Turno: Manhã Professor: Douglas Baroni

Turma: 2201 Turno: Manhã Professor: Douglas Baroni Colégio Zaccaria TELEFAX: (0 XX 21) 3235-9400 www.zaccaria.g12.br Lista de exercícios Física II (Recuperação) 2º Período 2014 Aluno(a): N.º Turma: 2201 Turno: Manhã Professor: Douglas Baroni QUESTÃO 1

Leia mais

A descoberta do princípio p do barômetro ("tubo de Torricelli", "vácuo de Torricelli") aconteceu

A descoberta do princípio p do barômetro (tubo de Torricelli, vácuo de Torricelli) aconteceu Caítulo Estática dos luidos. exeriência de Torricelli descoberta do rincíio do barômetro ("tubo de Torricelli" "vácuo de Torricelli") aconteceu em 64. Evangelista Torricelli (608-647) físico e matemático

Leia mais

5 A 1 a Lei da Termodinâmica, aplicada a uma transformação gasosa, 6 E.R. Um gás perfeito sofre uma expansão, realizando um

5 A 1 a Lei da Termodinâmica, aplicada a uma transformação gasosa, 6 E.R. Um gás perfeito sofre uma expansão, realizando um T de Física 1 Você já deve ter notado que ao esfregar as mãos durante algum temo elas f icam mais quentes. Isso ocorre orque: a) aumenta a circulação do sangue, elevando a rodução de calor; b) o movimento

Leia mais

Extensivo noite - Aulas 01 e 02

Extensivo noite - Aulas 01 e 02 1. (Unesp 2011) A figura 1 mostra um quadro de Georges Seurat, grande expressão do pontilhismo. De forma grosseira podemos dizer que a pintura consiste de uma enorme quantidade de pontos de cores puras,

Leia mais

Prof. André Motta - mottabip@hotmail.com_

Prof. André Motta - mottabip@hotmail.com_ Exercícios Lentes Esféricas 1- Analise as afirmações a seguir e assinale a correta. A) É impossível obter uma imagem maior que o objeto com uma lente divergente. B) Quando um objeto está localizado a uma

Leia mais

Teste de Avaliação 3 B - 08/02/2013

Teste de Avaliação 3 B - 08/02/2013 E s c o l a S e c u n d á r i a d e A l c á c e r d o S a l Ano letivo 2012/2013 Ciências Físico-químicas 8º an o Teste de Avaliação 3 B - 08/02/2013 Nome Nº Turma 1. A figura mostra um feixe de luz muito

Leia mais

Laboratório Virtual Kit Óptico

Laboratório Virtual Kit Óptico Laboratório Virtual Kit Óptico Reflexão A luz nem sempre se propaga indefinidamente em linha reta: em algumas situações eles podem se quebrar, como acontece quando um espelho é colocado em seu caminho.

Leia mais

ESTUDO DIRIGIDO DE REVISÃO PARA RECUPERAÇÃO FINAL - 2015

ESTUDO DIRIGIDO DE REVISÃO PARA RECUPERAÇÃO FINAL - 2015 Nome: 2ª série: n o Professor: Luiz Mário Data: / / 2015. ESTUDO DIRIGIDO DE REVISÃO PARA RECUPERAÇÃO FINAL - 2015 Orientações: - Este estudo dirigido poderá ser usado para revisar a matéria que será cobrada

Leia mais

13. MEDIÇÃO DE VAZÃO. 1. Introdução. 2. Aferição e Padrões

13. MEDIÇÃO DE VAZÃO. 1. Introdução. 2. Aferição e Padrões 3. MEDIÇÃO DE VZÃO. Introdução Vazão é uma das grandezas mais utilizadas na indústria. s alicações são inúmeras, indo desde de medição de vazão de água em estações de tratamento e residências, até medição

Leia mais

Um carro está andando ao longo de uma estrada reta e plana. Sua posição em função do tempo está representada neste gráfico:

Um carro está andando ao longo de uma estrada reta e plana. Sua posição em função do tempo está representada neste gráfico: PROVA DE FÍSICA QUESTÃO 0 Um carro está andando ao longo de uma estrada reta e plana. Sua posição em função do tempo está representada neste gráfico: Sejam v P, v Q e v R os módulos das velocidades do

Leia mais

Curso Wellington - Física Óptica Espelhos Planos Prof Hilton Franco

Curso Wellington - Física Óptica Espelhos Planos Prof Hilton Franco 1. Considere um objeto luminoso pontual, fixo no ponto P, inicialmente alinhado com o centro de um espelho plano E. O espelho gira, da posição E 1 para a posição E 2, em torno da aresta cujo eixo passa

Leia mais

Lista 04. F.02 Espelhos Planos e Esféricos

Lista 04. F.02 Espelhos Planos e Esféricos F.02 Espelhos Planos e Esféricos 2º Série do Ensino Médio Turma: Turno: Vespertino Lista 03 Lista 04 Questão 01) Obedecendo às condições de Gauss, um espelho esférico fornece, de um objeto retilíneo de

Leia mais

Resoluções dos testes propostos

Resoluções dos testes propostos da física Caítulo 8 Estudo dos gases Resoluções dos testes roostos.49 Resosta: c Dados: A ; A ; B ; B Alicando a lei geral dos gases erfeitos, obtemos: A A A B B A B B A B B A.5 Resosta: d A transformação

Leia mais

Meios de Propagação. Raios e Feixes de Luz. O que é a Luz 2/4/2012. Fundamentos de. Fontes de Luz. Óptica Geométrica NÃO. Tipos de Pincéis de luz

Meios de Propagação. Raios e Feixes de Luz. O que é a Luz 2/4/2012. Fundamentos de. Fontes de Luz. Óptica Geométrica NÃO. Tipos de Pincéis de luz Óptica Geométrica Módulo 1 Óptica Geométrica : Estuda o comportamento de um raio de luz desde o momento que é emitido por uma fonte de luz, até a cegada a um sistema óptico para formação de imagens. Fundamentos

Leia mais

ficou no torpedo 6

ficou no torpedo 6 PROA DE FÍSICA º ANO - ª MENSA - º RIMESRE IPO A 0) Uma amostra de gás erfeito foi submetida às transformações indicadas no diagrama a seguir. Nessa seqüência de transformações, os estados de maior e de

Leia mais