Física B Semiextensivo V. 1

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Física B Semiextensivo V. 1"

Transcrição

1 Física Semiextensivo V. Exercícios 0) D luz é uma onda eletromagnética, ois se roaga em todos os meios, inclusive no vácuo. 0) x V. t x x 9, m 03) C I. Falsa. É transarente. II. Falsa. É translúcido. III. Verdadeira. 04) 45 05) D 0. Verdadeira. O sol emite luz à altas temeraturas. 0. Falsa. lua é uma onte de luz secundária, ois a luz emita rovém da luz do Sol(onte rimária). 04. Verdadeira. Neste caso, a luz emitida deve vir de uma onte rimária. 08. Verdadeira. Um io ao rubro, seria um io "brasa". Emite luz à altas temeraturas. 6. Falsa. Olho de gato é onte de luz secundária, necessita de uma onte rimária ara ser visto. 3. Verdadeira. Emite luz a baixas temeraturas. s radiações visíveis (luz) conseguem se roagar nos meios transarentes(gás carbônico na atmosera), dierentemente das radiações inravermelhas(ondas de calor) reletidas ela Terra, que não conseguem sair da atmosera devido á alta concentração de gás carbônico(meio oaco). 06) 0. Falsa. Princíio da roagação retilinea da luz. 0. Falsa. Modelo ondulatório da luz, a luz é uma onda nesse caso. 04. Verdadeira. Os eclises também são exlicados elo ato de a luz se roagar em linha reta. 08. Verdadeira. Do tio rimária incandescente. 6. Falsa. Quanto maior o comrimento da sombra, mais róximo está do nascer/ôr do Sol. 3. Falsa. osição do gnômon se altera, ois a Terra também ossui movimento(rotação). 07) 0 0. Falsa. Se ele está vendo a água dentro do rasco o enômeno luminoso é relexão. 08) 09) E 0) D 0. Verdadeira. imagem é visível no aarelho ótico, nesse caso, a rória água. 04. Falsa. imagem não está sendo rojetada na água, e sim reletida ela mesma. 08. Verdadeira. suerície da água não é lisa, então ocorre relexão diusa, o cachorrinho está vendo sua imagem na água(relexão esecular), e ao mesmo temo está vendo o undo do rasco(reração), ois a luz muda o meio de roagação.. 6. Falsa. luz muda de meio, logo, ocorre reração. 3. Falsa. água nesse caso é um meio translúcido, ois aceita arcialmente a assagem da luz e relete arte dos raios luminosos. Nesse caso, a vitrina se comorta como um meio translúcido, ois arte da luz e reletida e outra arte é reratada, logo, a ormação dessa imagem ode ser exlicada ela relexão arcial da luz. trajetória seguida or um raio de luz não deende do sentido em que o ercursso é eito. Então, isso exlica o ato de o assageiro olhar ara o mesmo eselho, e também ver o motorista. O eclise solar acontece quando a sombra e a enunmbra da lua, determinadas ela luz solar, são rojetadas sobre a Terra(Lua nova). O eclise lunar, ocorre quando a lua, durante sua trajetória ao redor da Terra, assa or uma região na qual não receba luz do sol, logo deixa de ser visível no cone de sombra da Terra. ) Falsa. Ocorre quando a lua se interõe entre o sol e a Terra. 0. Verdadeira. 04. Verdadeira. 08. Falsa. Terra imede que a luz do sol atinja a lua. 6. Verdadeira. 3. Verdadeira. ) 3 0. Verdadeira. s ases da lua são consequências da roagação retilinea da luz. 0. Falsa. lua não ossui luz rória, logo, é onte de luz secundária. Física

2 3) D 04. Verdadeira. lua ica no cone de sombra da Terra, ou seja, Terra osicionada entre sol e lua, então a lua é cheia. 08. Verdadeira. Devido à interação gravitacional entre as matérias. 6. Falsa. Lua cheia sim, orém outros lugares ainda será dia. 3. Falsa. s ases da lua são consequências da roagação retilinea da luz. 64. Falsa. s estações resultam do eixo de rotação da Terra ser inclinado em relação ao lano orbital. 7) a) b) 0,4 m 5 x x d 8) d 0,4 m Como o Sol é uma onte extensa, observe nas iguras abaixo, o que ocorre com a sombra de um objeto oaco à medida que ele se aroxima do solo. H h H h S S E 4) 60 m O sombra do ediício sombra do observador Note que a região de enumbra vai diminuindo, a região de sombra vai aumentando, até que a imagem assa de ouco nítida ( a igura) ara muito nítida (última igura), quando sombra e enumbra raticamente se conundem. Isso só ocorre orque o Sol é uma onte extensa de luz. 9) 5) E h? m 5 m 50 cm 0,5 m H H 60 m 5 05, O eclise total ocorre numa região de sombra, já o eclise arcial ocorre numa região de enumbra (região arcialmente iluminada). Então, na região lenamente iluminada não veriica-se o eclise. 6) h 3,6. 0 m Com base na igura temos: h h 3,6. 0 m 5 distância que mínima de cada barraca à árvore, deve ser a altura da árvore. Então:, logo, substituindo os valores na 0) 03 relação temos: 0. Verdadeira. O coro é onte secundária de luz, logo, deende da luz que nele incide. 0. Verdadeira. Cor-luz (imagem) e cor-tinta(igmento) 04. Falsa. É caaz de absorver todas, exceto a radiação vermelha. 08. Falsa. Luzes undamentais: vermelho, azul e verde. 6. Falsa. Pigmentos undamentais: vermelho, azul e amarelo. Física

3 ) ) C 3. Falsa. Será vista azul, ois o igmento verde, é comosta de amarelo e azul, logo, absorve o vermelho e relete o azul. dierença da radiação ultravioleta ara a luz negra, é que esta não ossui o revestimento de ósoro, deixando, assim, assar toda radiação ultravioleta. Então, somente as camisetas brancas serão ercebidas como violeta (luz branca relete todas). s outras absorvem toda a luz violeta, ou seja, serão vistas como reta. luz branca é comosta de todas as radiações do esectro, então relete todas as radiações que nele incidem. Então é melhor vestir uma roua na cor branca quando caminhar ao longo de uma estrada á noite, ara ter mais segurança, orque ela relete melhor a luz dos veículos. 7) C 8) E 9) E I. Verdadeira. imagem deve ser simétrica. Dica a soma da hora real com a hora virtual deve dar horas. II. Verdadeira. imagem deve ser simétrica, logo, se o objeto se aroxima do eselho com velocidade 0 m/s, a imagem também se aroxima do mesmo com velocidade de mesmo módulo. III. Falsa. O enômeno chama-se indeendência dos raios luminosos. 3) 4) Se o vestido quando iluminado com a luz do sol aresentou a cor vermelha, então sua cor igmento é vermelho. Sendo vermelho um cor-tinta rimária(undamental) então ser iluminado com luz monocromática verde, será visto reto, orque o vestido só relete a luz vermelha. Verde: verde, ois reletirá diusamente o verde. ranca: verde, ois reletirá diusamente o verde. Vermelha: reta, ois absorverá o verde. 30) E 5) ) C lei de relexão diz que os raios incidentes e reletidos devem ser iguais e colanares. reração ocorre quando a luz muda o meio de roagação, sorendo alteração na trajetória do raio incidente. Porém, mesmo com essa alteração continuam colanares. Física 3

4 3) D 35) D I. Verdadeira. ' ' E II. Falsa. Imagem direita, orém trocada. III. Falsa. imagem deve ser simétrica, ou seja, a imagem levanta a mão que ossui o relógio. IV. Verdadeira. imagem deve ter o mesmo tamanho (altura) do objeto. 3 3) E e O 36) C 37) O desvio angular do raio reletido corresonde ao dobro do deslocamento angular do eselho lano. lei da relexão diz que o ângulo de incidência deve ser igual ao ângulo de relexão. Tomando como reerência os "quadradinhos" da igura, concluimos que o raio que atinge o observador O é PDO. I 3 I 33) I I 4 I 34) Em m será visto, como sua velocidade é m/s, então em isso ocorrerá s. C 38) D s imagens e são as únicas imagens trocadas ormadas da associação. Objeto v objeto x t v objeto ( ) v objeto 50 cm/s v objeto 0,5 m/s velocidade do objeto em relação ao eselho 4 Física

5 39) C Imagem v imagem v objeto v imagem 0,5 m/s velocidade da imagem em relação ao eselho Velocidade relativa v i θ m/s velocidade da imagem em relação ao objeto Logo, a imagem se aasta do objeto com velocidade de m/s. Cálculo da altura de um eselho lano vertical ara que, a artir do chão, uma essoa ossa ver-se de coro inteiro, desde a cabeça até os és. N N 6 5 imagens Na otograia, aarecerão as bailarinas(6) juntamente com as imagens de cada uma (5 x 6 30). Então o número máximo de bailarinas que odem aarecer em uma otograia da aresentação é 36. 4) E Leila oderá enxergar, or relexão no eselho, estando ela na osição O, os objetos, 3 e 5. Reseitando a lei da relexão temos a ilustração abaixo. 4) C Ligar, com linha ontilhada, ' e ' ao olho da essoa objeto, que intercetam o eselho nos ontos M (inerior) e N (suerior), que delimitam o tamanho mínimo do eselho ara que a essoa ossa ver-se de coro inteiro no eselho. Observe que os triângulos omn e o '' são semelhantes e dessa semelhança tiramos o tamanho mínimo do eselho MN, como d d '' H. Então, sendo MN o tamanho do eselho, temos que H eselho H H eselho 00,,00 m altura que eselho deve estar a artir do solo é dada ela semelhança entre os triângulos o' e M'P (em vermelho). Logo, MP o, como o H'. Então, sendo MP a distância d d da arte inerior do eselho até o solo, temos que: 40) D d H d 00, 04, 0,93 m 93 cm. Calculando o número de imagens de cada bailarina. N 360, sendo o ângulo entre os eselhos 60 o, α temos: Calculando o ângulo entre os eselhos N 360, sendo o número de imagens de um α objeto n, temos: 360 α α 30 o 43) F V V V F Falsa. Eselhos convexos só roduzem imagens virtuais de objetos reais. Verdadeira. Toda imagem de um objeto real rojetada é real, logo, roduzida or um eselho côncavo. Verdadeira. Se você oberva sua imagem no aarelho reletor, certamente ela é virtual, e se or reduzida, só oderá ser um eselho convexo. Verdadeira. Ilustração. Falsa. O eselho côncavo também ode ser usado, basta que o objeto esteja osicionado entre o oco e o vértice do eixo rincial do mesmo(imagem virtual, maior e direita). Física 5

6 44) 6 0. Falsa. Nos eselhos lanos, o tamanho da imagem não deende da distância do objeto ao eselho. 0. Verdadeira. 04. Verdadeira. 08. Verdadeira. 6. Verdadeira. 3. Verdadeira. 64. Falsa. enas as imagens reais odem ser rojetadas. 48) D Os eselhos convexos só roduzem imagens virtuais de "objetos reais", ou seja, também roduzem imagens reais de objetos virtuais. O que odemos airmar é que a imagem roduzida or um eselho convexo é semre menor que o objeto. Ilustração. 45) 46) E 47) I. Verdadeira. II. Verdadeira. III. Falsa. Todo raio que incide ao assar elo oco é reletido aralelamente ao eixo rincial. Para estudar as ormações de imagem em eselhos eséricos, odemos considerar diversos raios que reseitem a lei da relexão quando reletidos na suerície eselhada(î r). Destes odemos destacar o raio que incide assando elo oco do eselho sendo reletido aralelamente ao eixo rincial do mesmo. Com certeza odemos descartar as alternativas que mencionam eselhos convexos, ois estes só ormam imagens virtuais, menores e direitas. Já nos eselhos côncavos, a única ossibilidade que ode ormar uma imagem maior é a alternativa c. Perceba. I 49) Falsa. Um objeto colocado no centro de curvatura roduz uma imagem igual e invertida, ortanto a amliação seria igual a, em módulo. 0. Falsa. É ossível obtermos imagens virtuais desde que o objeto se encontre entre o oco e o vértice. 04. Falsa. s bolas metalizadas se comortam como eselhos convexos (ocos virtuais). 08. Falsa. Nos retrovisores, com a inalidade de aumentar o camo visual, utilizamos eselhos convexos. 6. Verdadeira. Objeto no ininito, a imagem se orma no lano ocal. 50) E Se o objeto se encontra no centro de curvatura de um eselho côncavo, teremos uma imagem igual, invertida e real. Perceba: o F C F i 6 Física

7 5) virtual igual 53) o 4 cm P 36 cm R 4 cm cm convexo 0. virtual igual 04. C F V real maior invertida a) + ' ' 36 + ' 36 ' ' 9 cm (virtual) b) ' ( 9) 36 4 imagem é virtual (+) e 4x maior que o objeto. ssim i 4 4 cm. c) Virtual. 08. C F V virtual menor direita 54) 6 cm o i 6. C F V virtual menor direita C F v 5) C C F V C F V 5 cm 0 cm + 0 ' 4 cm virtual. virtual maior direita real menor invertida 5 + ' ' ' 6 ' (6 ) virtual + 3 direita ssim: ' 6 + Logo: ' ( 6 + ) P 4 cm cm Como R R cm Física 7

8 55) D o 6 cm 4 cm R 36 cm 8 cm 56) + ' ' ' 7 cm ' (real e invertida) Ou seja: a imagem é real e 3 vezes maior que o objeto. ssim: i cm 59) Verdadeira. ' 5 cm que é igual à metade do raio de curvatura. 6. Falsa. O sistema ótico orma uma imagem que está situada entre o oco e o vértice, de tamanho menor que o objeto. R 0 cm 0 cm( Convexo) o 5 cm 5 cm '? i + ' ' 6 cm ' i o ' i ' ( 6) i cm 57) Na situação descrita, odemos entender que o objeto se encontra sobre o centro de curvatura do eselho (real, igual e invertida). ssim: R: 40 cm 0 cm R 80 cm 40 cm o 3 cm 50 cm ssim: ) 96 R 40 cm o cm 60 cm 0. Verdadeira. o 60 cm 0 cm imagem é real e invertida ( ) e 4x maior que o objeto. Logo: i 4. 3 cm. C F 58) 09 R 0 cm 5 cm convexo Quando o objeto está no ininito, a imagem está no lano local. Logo, a uma distância de 5 cm do eselho. 0. Verdadeira. 0. Falsa. Se o objeto é real, o eselho é convexo, a imagem só ode ser virtual, direita e menor. 04. Falsa. Se o objeto é real, o eselho é convexo, a imagem só ode ser virtual, direita e menor. 0. Falsa. + ' ' ' 30 cm Se o objeto está a 60 cm do eselho e a imagem a 30 cm do eselho, então o objeto está a 30 cm da imagem. 04. Falsa. É real ' 08. Falsa. ' 30 0,5 real Falsa. Toda imagem real é invertida. 8 Física

9 3. Verdadeira. 64. Verdadeira. O objeto estará exatamente no centro de curvatura ormando uma imagem real, invertida e do mesmo tamanho. 6) 74 O individuo observa sua imagem no rório eselho, logo, a imagem é virtual e 5% menor. Se o raio de curvatura vale 40 cm, concluimos que o oco vale 0 cm (eselho convexo) 0. Falsa. imagem é virtual 0. Verdadeira. O individuo observa sua imagem no rório eselho. 04. Falsa. O eselho é convexo. 08. Verdadeira. Imagem visível no rório aarelho ótico. 6. Falsa. O rosto do individuo está a 60 cm do eselho. Se i, sendo o 4i, então i o 4 i, logo, 4'. Fazendo, ( 0) ( 4 ) 0 0 ' 5 cm Concluimos que 4( 5) 60 cm 3. Falsa. imagem do rosto do individuo está a 5cm do eselho ('-5 cm) 64. Verdadeira. Distância do individuo até sua imagem vale 75 cm. Ilustração. 63) C 0. Falsa. imagem será real, invertida e maior que objeto (3º caso) 04. Verdadeira. imagem será virtual, direita e maior que o objeto (5º caso) 08. Falsa. imagem será virtual, direita e maior que o objeto (5º caso) 6. Verdadeira. imagem será virtual, direita e menor que o objeto (caso único) 3. Verdadeira. imagem será virtual, direita e menor que o objeto (caso único) 64. Falsa. imagem será virtual, direita e menor que o objeto (caso único) θ h h i 5 5 cm Como a imagem é direita e menor, o eselho é convexo, logo a imagem será virtual. mliação () h i o ' 5 ' 3 cm virtual 5 h Foco () + ' 3,75 cm Raio de curvatura (R) R R (3,75) R 7,5 cm ) E 6) Verdadeira. Real, Invertida e de mesmo tamanho (º caso) Qualquer raio que incide em um eselho esérico côncavo relete assando elo oco do eixo rincial do mesmo. Física 9

GABARITO. Física B 07) 56 08) A 09) E. Nas lentes divergentes as imagens serão sempre virtuais. 10) A

GABARITO. Física B 07) 56 08) A 09) E. Nas lentes divergentes as imagens serão sempre virtuais. 10) A Física B Extensivo V. 4 Exercícios 0) V V V V F 0. Verdadeiro. Lentes, disositivos que ormam imagem usando essencialmente as leis da reração. 0. Verdadeiro. Eselhos vértice, oco, centro de curvatura. Lentes:

Leia mais

PROVA DE FÍSICA 2º ANO - ACUMULATIVA - 2º TRIMESTRE TIPO A

PROVA DE FÍSICA 2º ANO - ACUMULATIVA - 2º TRIMESTRE TIPO A PROA DE FÍSICA º ANO - ACUMULATIA - º TRIMESTRE TIPO A 0) Considere as seguintes roosições referentes a um gás erfeito. I. Na transformação isotérmica, o roduto. é roorcional à temeratura do gás. II. Na

Leia mais

3) Da figura temos: 4) a altura total (h ) do vértice da cúpula até o piso é dada por: 5) Mas f > h e, portanto:

3) Da figura temos: 4) a altura total (h ) do vértice da cúpula até o piso é dada por: 5) Mas f > h e, portanto: Lista de Exercícios de Física II Eselhos Eséricos Pro: Tadeu Turma: Ano do Ensino Médio Data: 08/06/009 ) (ITA) Um objeto linear de altura h está assentado erendicularmente no eixo rincial de um eselho

Leia mais

Física B Extensivo V. 1

Física B Extensivo V. 1 Física B Extensivo V. 1 Exercícios 01) 38 01. Falsa. f Luz > f Rádio 02. Verdadeira. Todas as ondas eletromagnéticas são transversais. 04. Verdadeira. Do tipo secundária. 08. Falsa. Do tipo secundária.

Leia mais

Valores eternos. MATÉRIA PROFESSOR(A) ---- ----

Valores eternos. MATÉRIA PROFESSOR(A) ---- ---- Valores eternos. TD Recuperação ALUNO(A) MATÉRIA Física II PROFESSOR(A) Fernando ANO SEMESTRE DATA 2º 1º Julho/2013 TOTAL DE ESCORES ESCORES OBTIDOS ---- ---- 1. Considere a figura ao lado. Com base no

Leia mais

PROVA DE FÍSICA 2º ANO - 4ª MENSAL - 2º TRIMESTRE TIPO A

PROVA DE FÍSICA 2º ANO - 4ª MENSAL - 2º TRIMESTRE TIPO A PROVA DE FÍSICA 2º ANO - 4ª MENSAL - 2º TRIMESTRE TIPO A 0) No gráico abaixo, que representa uma máquina térmica ideal, temos uma seqüência de transormações gasosas que segue a ordem ABCDA. De acordo com

Leia mais

Propriedades. 1- Todo raio de luz que incide num espelho esférico paralelamente ao eixo principal reflete numa direção que passa pelo foco.

Propriedades. 1- Todo raio de luz que incide num espelho esférico paralelamente ao eixo principal reflete numa direção que passa pelo foco. ESPELHOS ESFÉRICOS Eselhos eséricos são suerícies reletoras que têm a orma de calota esérica. São côncavos se a suerície reletora or a arte interna, ou convexos, se a suerície reletora or a arte externa.

Leia mais

Óptica. Estudo da luz, como sendo a onda eletromagnética pertencentes à faixa do espectro visível (comprimento de 400 nm até 700 nm).

Óptica. Estudo da luz, como sendo a onda eletromagnética pertencentes à faixa do espectro visível (comprimento de 400 nm até 700 nm). Óptica Estudo da luz, como sendo a onda eletromagnética pertencentes à faixa do espectro visível (comprimento de 400 nm até 700 nm). Fenômenos ópticos Professor: Éder (Boto) Sobre a Luz O que emite Luz?

Leia mais

Material Extra de Física

Material Extra de Física Material Extra de Física ÓPTIA 01 (UFG GO) Em abril de 2010, o telescópio espacial Hubble completou 20 anos em órbita O avanço na obtenção de imagens permitiu descobertas de novas galáxias e inormações

Leia mais

Apostila 2 Capítulo 8. Página 305. Reflexões. Gnomo

Apostila 2 Capítulo 8. Página 305. Reflexões. Gnomo Apostila 2 Capítulo 8 Página 305 Reflexões Fenômenos Ópticos Reflexão Refração Absorção Tipos de Reflexão Reflexão Especular Reflexão Difusa Na reflexão especular os raios de luz que entram paralelos são

Leia mais

ALUNO: Nº SÉRIE: DATA: / / PROF.: VICTOR GERMINIO EXERCÍCIOS DE REVISÃO II UNIDADE FÍSICA 3º ANO ENSINO MÉDIO

ALUNO: Nº SÉRIE: DATA: / / PROF.: VICTOR GERMINIO EXERCÍCIOS DE REVISÃO II UNIDADE FÍSICA 3º ANO ENSINO MÉDIO ALUNO: Nº SÉRIE: DATA: / / PROF.: VICTOR GERMINIO EXERCÍCIOS DE REVISÃO II UNIDADE FÍSICA 3º ANO ENSINO MÉDIO 1) Em uma atividade de um engenheiro civil, o mesmo precisa determinar a altura de um edifício.

Leia mais

Resoluções das Atividades

Resoluções das Atividades Resoluções das Atividades Sumário Módulo 4 Prismas, dioptro plano e lâminas de aces paralelas... Módulo 5 Lentes eséricas... 4 Módulo 6 Óptica da visão e revisão de óptica geométrica... 6 0 E Módulo 4

Leia mais

DEFINIÇÃO DE LUZ ONDA PARTÍCULA PROPAGAÇÃO EFEITO FOTOÉLETRICO

DEFINIÇÃO DE LUZ ONDA PARTÍCULA PROPAGAÇÃO EFEITO FOTOÉLETRICO DEFINIÇÃO DE LUZ ONDA PROPAGAÇÃO PARTÍCULA EFEITO FOTOÉLETRICO FONTES DE LUZ Primária Corpo luminoso Secundária Corpo iluminado Incandescente Quente Luminescente Fria Fluorescente c / agente Fosforescente

Leia mais

ÓPTICA. Conceito. Divisões da Óptica. Óptica Física: estuda os fenômenos ópticos que exigem uma teoria sobre a natureza das ondas eletromagnéticas.

ÓPTICA. Conceito. Divisões da Óptica. Óptica Física: estuda os fenômenos ópticos que exigem uma teoria sobre a natureza das ondas eletromagnéticas. ÓPTICA Conceito A óptica é um ramo da Física que estuda os fenomenos relacionados a luz ou, mais amplamente, a radiação eletromagnética, visível ou não. A óptica explica os fenômenos de reflexão, refração

Leia mais

ÓPTICA GEOMÉTRICA PREGOLINI

ÓPTICA GEOMÉTRICA PREGOLINI ÓPTICA GEOMÉTRICA PREGOLINI ÓPTICA GEOMÉTRICA É a parte da Física que estuda os fenômenos relacionados com a luz e sua interação com meios materiais quando as dimensões destes meios é muito maior que o

Leia mais

LISTA DE EXERCÍCIOS 1º ANO ACADÊMICO PROF. FELIPE KELLER TURMAS: 1C01 a 1C10 Lista para a prova da 1UL

LISTA DE EXERCÍCIOS 1º ANO ACADÊMICO PROF. FELIPE KELLER TURMAS: 1C01 a 1C10 Lista para a prova da 1UL LISTA DE EXERCÍCIOS 1º ANO ACADÊMICO PROF. FELIPE KELLER TURMAS: 1C01 a 1C10 Lista para a prova da 1UL 1 (Unirio) Durante a final da Copa do Mundo, um cinegrafista, desejando alguns efeitos especiais,

Leia mais

Física B Semiextensivo V. 2

Física B Semiextensivo V. 2 Física B Semiextensivo V Exercícios 0) V V V V F 04) E 0) E Verdadeira Verdadeira Verdadeira Verdadeira Falsa Ele refrata, afastando-se da normal Resolução Na rimeira figura o raio de luz que sai do bastão

Leia mais

O maior ângulo entre os espelhos, para que se possam enxergar onze imagens inteiras desse objeto, será de: a) 20 b) 30 c) 45 d) 60 e) 120

O maior ângulo entre os espelhos, para que se possam enxergar onze imagens inteiras desse objeto, será de: a) 20 b) 30 c) 45 d) 60 e) 120 Colégio Jesus Adolescente Ensino Médio 1º Bimestre Disciplina Física Setor B Turma 1º ANO Professor Gnomo Lista de Exercício Bimestral Aulas 6 a 8 1) A figura a seguir representa um raio de luz incidindo

Leia mais

Física B Extensivo v. 2

Física B Extensivo v. 2 Física B Extensivo v. Exercícios 0) 6 8 4 5 9 7 0) C Então: A + 90 + 45 = 80 A = 45 45 Â 0) 40 cm. 04) 75 km/h Primeiramente perceba que o observador (logo, o espelho) está no cro, que está a 60 km/h.

Leia mais

Óptica é a parte da física que estuda a luz: energia radiante (ondas eletromagnéticas) capaz de causar, em nós, a sensação da visão.

Óptica é a parte da física que estuda a luz: energia radiante (ondas eletromagnéticas) capaz de causar, em nós, a sensação da visão. Professor : DUDU Disciplina : Física Óptica (FO) Introdução Óptica é a parte da física que estuda a luz: energia radiante (ondas eletromagnéticas) capaz de causar, em nós, a sensação da visão. Fontes de

Leia mais

1- Fonte Primária 2- Fonte Secundária. 3- Fonte Puntiforme 4- Fonte Extensa

1- Fonte Primária 2- Fonte Secundária. 3- Fonte Puntiforme 4- Fonte Extensa Setor 3210 ÓPTICA GEOMÉTRICA Prof. Calil A Óptica estuda a energia denominada luz. 1- Quando nos preocupamos em estudar os defeitos da visão e como curá-los, estamos estudando a Óptica Fisiológica. Estudar

Leia mais

Aluno(a): Nº. Professor: Fabrízio Gentil Série: 3 o ano Disciplina: Física - Óptica

Aluno(a): Nº. Professor: Fabrízio Gentil Série: 3 o ano Disciplina: Física - Óptica Lista de Exercícios Pré Universitário Uni-Anhanguera Aluno(a): Nº. Professor: Fabrízio Gentil Série: 3 o ano Disciplina: Física - Óptica 01 - (PUC SP) Um objeto é inicialmente posicionado entre o foco

Leia mais

FÍSICA ÓPTICA GEOMÉTRICA FÍSICA 1

FÍSICA ÓPTICA GEOMÉTRICA FÍSICA 1 2014_Física_2 ano FÍSICA Prof. Bruno ÓPTICA GEOMÉTRICA FÍSICA 1 1. (Uftm 2012) Uma câmara escura de orifício reproduz uma imagem de 10 cm de altura de uma árvore observada. Se reduzirmos em 15 m a distância

Leia mais

As divisões da óptica

As divisões da óptica ÓPTICA As divisões da óptica Óptica física : Estuda a natureza da luz. Óptica fisiológica: Estuda os mecanismos responsáveis pela visão. Óptica geométrica: Estuda os fenômenos relacionados à trajetória

Leia mais

Curso: Ensino Fundamental II Disciplina: MATEMÁTICA Professor: Álvaro / Leandro

Curso: Ensino Fundamental II Disciplina: MATEMÁTICA Professor: Álvaro / Leandro Nome do aluno: nº série/turma 9 Curso: Ensino Fundamental II Disciplina: MATEMÁTICA Professor: Álvaro / Leandro Data: De 17 a 21/08/2009 Bimestre: 3º Tipo de atividade: Lista de Exercícios A REFLEXÃO DA

Leia mais

REFLEXÃO E ESPELHOS PLANOS e ESFÉRICOS

REFLEXÃO E ESPELHOS PLANOS e ESFÉRICOS REFLEXÃO E ESPELHOS PLANOS e ESFÉRICOS Leis da Reflexão: 1º- O raio refletido, a normal e o raio incidente pertencem ao mesmo plano. 2º- A medida do ângulo de reflexão é igual à medida do ângulo de incidência.

Leia mais

Como n lente = n meioa, não há refração. Ou seja, o sistema óptico não funciona como lente.

Como n lente = n meioa, não há refração. Ou seja, o sistema óptico não funciona como lente. 01 Como n lente = n meioa, não há refração. Ou seja, o sistema óptico não funciona como lente. Como n lente < n meiob, a lente de bordas finas opera como lente divergente. Resposta: A 1 02 A gota de água

Leia mais

Título: Professor: Turma: 2ª Lista de Física II Tadeu 2ª Ano. Questão 1. Questão 4

Título: Professor: Turma: 2ª Lista de Física II Tadeu 2ª Ano. Questão 1. Questão 4 Título: Professor: Turma: 2ª Lista de Física II Tadeu 2ª Ano Questão 1 Um raio luminoso emitido por um laser de um ponto F incide em um ponto I de um espelho plano. O ponto F está a uma distância b do

Leia mais

Exercícios de Óptica

Exercícios de Óptica Exercícios de Óptica PROFESSOR WALESCKO 22 de dezembro de 2005 Sumário 1 Exercícios 1 2 UFRGS 11 3 Gabarito 24 1 Exercícios 1. A figura abaixo representa um raio de luz que incide no espelho plano E e

Leia mais

Lista de Revisão Óptica na UECE e na Unifor Professor Vasco Vasconcelos

Lista de Revisão Óptica na UECE e na Unifor Professor Vasco Vasconcelos Lista de Revisão Óptica na UECE e na Unifor Professor Vasco Vasconcelos 0. (Unifor-998. CE) Um objeto luminoso está inicialmente parado a uma distância d de um espelho plano fixo. O objeto inicia um movimento

Leia mais

Tópicos de óptica geométrica:

Tópicos de óptica geométrica: Tópicos de óptica geométrica: espelhos eséricos O tópico vai nos apresentar o estudo dos dioptros curvos reletores. Serão também apresentados os elementos e raios notáveis para espelhos eséricos, nas aces

Leia mais

MÓDULO DE RECUPERAÇÃO

MÓDULO DE RECUPERAÇÃO DISCIPLINA Física II 2º ANO ENSINO MÉDIO MÓDULO DE RECUPERAÇÃO ALUNO(A) Nº TURMA TURNO Manhã 1º SEMESTRE DATA / / 01- A figura representa um feixe de raios paralelos incidentes numa superfície S e os correspondentes

Leia mais

Física B Extensivo v. 2

Física B Extensivo v. 2 Física B Extensivo v. Exercícios 0) 6 8 4 5 9 7 0) Então: A + 90 + 45 = 80 A = 45 45 Â 0) 40 cm. 04) 75 km/h Primeiramente perceba que o observador (logo, o espelho) está no cro, que está a 60 km/h. cro

Leia mais

Resoluções. 1. E Da figura obtemos: E 1. 50 a b 120. i =? E 2

Resoluções. 1. E Da figura obtemos: E 1. 50 a b 120. i =? E 2 Resoluções Segmento: Pré-vestibular oleção: Alfa, eta e Gama. Disciplina: Física aderno de xercícios 1 Unidade VIII Óptica Geométrica Série 2: studo da reflexão e dos sistemas refletores 1. Da figura obtemos:

Leia mais

Construção Geométrica com Espelhos Esféricos

Construção Geométrica com Espelhos Esféricos Construção Geométrica com Espelhos Esféricos 1. (Ufsm 2012) A figura de Escher, Mão com uma esfera espelhada, apresentada a seguir, foi usada para revisar propriedades dos espelhos esféricos. Então, preencha

Leia mais

GOIÂNIA, / / 2015. ALUNO(a): LISTA DE EXERCÍCIOS DE FÍSICA 4BI L1

GOIÂNIA, / / 2015. ALUNO(a): LISTA DE EXERCÍCIOS DE FÍSICA 4BI L1 GOIÂNIA, / / 2015 PROFESSOR: Fabrízio Gentil Bueno DISCIPLINA: FÍSICA SÉRIE: 2 o ALUNO(a): NOTA: No Anhanguera você é + Enem LISTA DE EXERCÍCIOS DE FÍSICA 4BI L1 01 - (UDESC) João e Maria estão a 3m de

Leia mais

EXERCÍCIOS 1ª SÉRIE ESPELHOS ESFÉRICOS

EXERCÍCIOS 1ª SÉRIE ESPELHOS ESFÉRICOS EXERCÍCIOS 1ª SÉRIE ESPELHOS ESFÉRICOS 1. (Uel 2011) Considere a figura a seguir. Com base no esquema da figura, assinale a alternativa que representa corretamente o gráfico da imagem do objeto AB, colocado

Leia mais

II- Quanto mais próximo está um objeto de um espelho plano, mais distante está sua imagem do espelho.

II- Quanto mais próximo está um objeto de um espelho plano, mais distante está sua imagem do espelho. Professor: DUDU (óptica geométrica e espelhos planos) 1ºLista de exercícios física 1-Considere a figura a seguir que representa uma caixa cúbica que tem, em uma de suas faces, um espelho plano com a face

Leia mais

MÓDULO 9. A luz branca, que é a luz emitida pelo Sol, pode ser decomposta em sete cores principais:

MÓDULO 9. A luz branca, que é a luz emitida pelo Sol, pode ser decomposta em sete cores principais: A COR DE UM CORPO MÓDULO 9 A luz branca, que é a luz emitida pelo Sol, pode ser decomposta em sete cores principais: luz branca vermelho alaranjado amarelo verde azul anil violeta A cor que um corpo iluminado

Leia mais

Física 3 Professor: Rodolfo DATA: / /

Física 3 Professor: Rodolfo DATA: / / Física 3 Professor: Rodolfo DATA: / / 1. A condição para que ocorra um Eclipse é que haja um alinhamento total ou parcial entre Sol, Terra e Lua. A inclinação da órbita da Lua com relação ao equador da

Leia mais

NOTAS AULAS DE FÍSICA ÓPTICA 05/2015

NOTAS AULAS DE FÍSICA ÓPTICA 05/2015 NOTAS AULAS DE FÍSICA ÓPTICA 05/2015 Professor Danilo Lima Site: estudeadistancia.professordanilo.com PREFÁCIO Estas notas são divulgadas periodicamente no blog estudeadistancia.professordanilo.com A data

Leia mais

Exercícios sobre Espelhos Esféricos

Exercícios sobre Espelhos Esféricos Exercícios sobre Espelhos Esféricos 1-Quando colocamos um pequeno objeto real entre o foco principal e o centro de curvatura de um espelho esférico côncavo de Gauss, sua respectiva imagem conjugada será:

Leia mais

e) 02) Com os dados fornecidos na figura abaixo (espelho côncavo), calcule a que distância do vértice (V) se encontra a imagem do objeto (O).

e) 02) Com os dados fornecidos na figura abaixo (espelho côncavo), calcule a que distância do vértice (V) se encontra a imagem do objeto (O). PROVA DE FÍSICA 2º ANO - ª MENSAL - 3º TRIMESTRE TIPO A 0) Um objeto O é colocado em rente a um eselho côncavo de centro de curvatura em C. Assnale a oção que melhor determna a osção e o tamanho da magem

Leia mais

Física. Resolução das atividades complementares. F7 Introdução à Óptica geométrica

Física. Resolução das atividades complementares. F7 Introdução à Óptica geométrica Resolução das atividades complementares 3 Física F7 Introdução à Óptica geométrica p. 10 1 (FMTM-MG) O princípio da reversibilidade da luz fica bem exemplificado quando: a) holofotes iluminam os atores

Leia mais

Cor e frequência. Frequência ( ) Comprimento de onda ( )

Cor e frequência. Frequência ( ) Comprimento de onda ( ) Aula Óptica Luz visível A luz que percebemos tem como característica sua freqüência que vai da faixa de 4.10 14 Hz ( vermelho) até 8.10 14 Hz (violeta). Esta faixa é a de maior emissão do Sol, por isso

Leia mais

15/09/2015 1 PRINCÍPIOS DA ÓPTICA O QUE É A LUZ? A luz é uma forma de energia que não necessita de um meio material para se propagar.

15/09/2015 1 PRINCÍPIOS DA ÓPTICA O QUE É A LUZ? A luz é uma forma de energia que não necessita de um meio material para se propagar. O QUE É A LUZ? A luz é uma forma de energia que não necessita de um meio material para se propagar. PRINCÍPIOS DA ÓPTICA A luz do Sol percorre a distância de 150 milhões de quilômetros com uma velocidade

Leia mais

Meios de Propagação. Raios e Feixes de Luz. O que é a Luz 2/4/2012. Fundamentos de. Fontes de Luz. Óptica Geométrica NÃO. Tipos de Pincéis de luz

Meios de Propagação. Raios e Feixes de Luz. O que é a Luz 2/4/2012. Fundamentos de. Fontes de Luz. Óptica Geométrica NÃO. Tipos de Pincéis de luz Óptica Geométrica Módulo 1 Óptica Geométrica : Estuda o comportamento de um raio de luz desde o momento que é emitido por uma fonte de luz, até a cegada a um sistema óptico para formação de imagens. Fundamentos

Leia mais

FÍSICA E TECNOLOGIAS DA ÓPTICA 414EE TEORIA

FÍSICA E TECNOLOGIAS DA ÓPTICA 414EE TEORIA 1 TEORIA 1. O QUE ACONTECE QUANDO UM FEIXE DE LUZ ATINGE UMA SUPERFÍCIE? Aqui a luz, ao incidir sobre uma superície polida, sore relexão Figura 1 Figura 2 Aqui a luz, ao incidir sobre uma superície da

Leia mais

TIPOS DE REFLEXÃO Regular Difusa

TIPOS DE REFLEXÃO Regular Difusa Reflexão da luz TIPOS DE REFLEXÃO Regular Difusa LEIS DA REFLEXÃO RI = raio de luz incidente i normal r RR = raio de luz refletido i = ângulo de incidência (é formado entre RI e N) r = ângulo de reflexão

Leia mais

o oxigênio comporta-se B como um gás ideal de massa molar M = 32 g, calcule a temperatura T do sistema.

o oxigênio comporta-se B como um gás ideal de massa molar M = 32 g, calcule a temperatura T do sistema. Lista de Exercícios de Recuperação do 3 Bimestre Instruções gerais: Resolver os exercícios à caneta e em folha de papel almaço ou monobloco (folha de fichário). Copiar os enunciados das questões. Entregar

Leia mais

Lista 2 Espelhos Planos Construções Extensivo Noite

Lista 2 Espelhos Planos Construções Extensivo Noite 1. (Fuvest 2007) A janela de uma casa age como se fosse um espelho e reflete a luz do Sol nela incidente, atingindo, às vezes, a casa vizinha. Para a hora do dia em que a luz do Sol incide na direção indicada

Leia mais

Interbits SuperPro Web

Interbits SuperPro Web 1. (Unesp 2014) Uma pessoa está parada numa calçada plana e horizontal diante de um espelho plano vertical E pendurado na fachada de uma loja. A figura representa a visão de cima da região. Olhando para

Leia mais

Aula do Curso Noic de Física, feito pela parceria do Noic com o Além do Horizonte

Aula do Curso Noic de Física, feito pela parceria do Noic com o Além do Horizonte Espelhos esféricos são superfícies refletoras muito comuns e interessantes de se estudar. Eles são capazes de formar imagens maiores ou menores, inversas ou direitas, dependendo do tipo de espelho, suas

Leia mais

Reflexão. A reflexão ocorre quando a luz incide sobre a superfície de separação entre dois meios com propriedades distintas.

Reflexão. A reflexão ocorre quando a luz incide sobre a superfície de separação entre dois meios com propriedades distintas. Ótica Reflexão A reflexão ocorre quando a luz incide sobre a superfície de separação entre dois meios com propriedades distintas. A reflexibilidade é a tendência dos raios de voltarem para o mesmo meio

Leia mais

Laboratório Virtual Kit Óptico

Laboratório Virtual Kit Óptico Laboratório Virtual Kit Óptico Reflexão A luz nem sempre se propaga indefinidamente em linha reta: em algumas situações eles podem se quebrar, como acontece quando um espelho é colocado em seu caminho.

Leia mais

Exercícios de Óptica Conceitos básicos

Exercícios de Óptica Conceitos básicos COLÉGIO TIRADENTES DA POLÍCIA MILITAR BARBACENA MG POLÍCIA MILITAR DE MINAS GERAIS Exercícios de Recuperação de Física 1ª prova DATA: SOESP: Profª. Eliane Ensino Médio Série 2º Turmas 201-202-203 1ª etapa

Leia mais

www.fisicanaveia.com.br

www.fisicanaveia.com.br www.fisicanaveia.com.br Lentes Esféricas Lentes Esféricas: construção Biconvexa Lentes Esféricas: construção PLANO-CONVEXA Lentes Esféricas: construção CÔNCAVO-CONVEXA Lentes Esféricas: construção BICÔNCAVA

Leia mais

Espelhos Esféricos Gauss 2013

Espelhos Esféricos Gauss 2013 Espelhos Esféricos Gauss 2013 1. (Unesp 2012) Observe o adesivo plástico apresentado no espelho côncavo de raio de curvatura igual a 1,0 m, na figura 1. Essa informação indica que o espelho produz imagens

Leia mais

Óptica Geométrica 3. Questões do ENEM 7. Refração de Imagem 10 Questões do ENEM 15. Refração da Luz 18 Questões do ENEM 23

Óptica Geométrica 3. Questões do ENEM 7. Refração de Imagem 10 Questões do ENEM 15. Refração da Luz 18 Questões do ENEM 23 1 3º Unidade Capítulo IX Óptica Geométrica 3 Questões do ENEM 7 Capítulo X Refração de Imagem 10 Questões do ENEM 15 Capítulo XI Refração da Luz 18 Questões do ENEM 23 Capítulo XII Ondas 26 Questões do

Leia mais

Introdução à Óptica Luz

Introdução à Óptica Luz Introdução à Óptica Luz A luz é uma forma de energia que se propaga nos meios materiais e também no vácuo. A luz emitida pelo Sol estrela mais próxima da Terra chega a nós em 8 minutos e 20 segundos, percorrendo

Leia mais

)tvlfd,, 0,(QJ4XtPLFD. ²ž6HPHVWUH ÐSWLFD

)tvlfd,, 0,(QJ4XtPLFD. ²ž6HPHVWUH ÐSWLFD )tvlfd,, 0,(QJ4XtPLFD Óptica Geométrica ²ž6HPHVWUH ÐSWLFD Exercício 1: Um feixe de luz cujo comprimento de onda é 650 nm propaga-se no vazio. a) Qual é a velocidade da luz desse feixe ao propagar-se num

Leia mais

1. Analisa a seguinte imagem e responde às questões que se seguem:

1. Analisa a seguinte imagem e responde às questões que se seguem: C.F.Q. 8ºA Outubro 1 1. Analisa a seguinte imagem e responde às questões que se seguem: 1.1. Qual é o detetor de luz? O olho. 1.2. Qual é o recetor de luz? A bola. 1.3. De que cor veremos a bola se ela

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL INSTITUTO DE FÍSICA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENSINO DE FÍSICA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL INSTITUTO DE FÍSICA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENSINO DE FÍSICA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL INSTITUTO DE FÍSICA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENSINO DE FÍSICA Mestrando Patrese Coelho Vieira Porto Alegre, maio de 2012 O presente material é uma coletânea

Leia mais

Física: Óptica. c) preto. d) violeta. e) vermelho. Resp.: c. Questões de treinamento para a banca Cesgranrio elaborada pelo prof.

Física: Óptica. c) preto. d) violeta. e) vermelho. Resp.: c. Questões de treinamento para a banca Cesgranrio elaborada pelo prof. Física: Óptica Questões de treinamento para a banca Cesgranrio elaborada pelo prof. Alex Regis Questão 01 Com relação às afirmações: I. A luz amarelada e a luz verde têm a mesma freqüência. II. No interior

Leia mais

Colégio Jesus Adolescente

Colégio Jesus Adolescente Colégio Jesus Adolescente Ensino Médio 2º Bimestre Disciplina Física Turma 9º ANO Professor Gnomo Lista de Exercício Bimestral Capitulo 6 1) Assinale a alternativa que contém apenas fontes de luz primárias

Leia mais

1 P r o j e t o F u t u r o M i l i t a r w w w. f u t u r o m i l i t a r. c o m. b r

1 P r o j e t o F u t u r o M i l i t a r w w w. f u t u r o m i l i t a r. c o m. b r Exercícios de Espelhos Planos 1-Um objeto amarelo, quando observado em uma sala iluminada com luz monocromática azul, será visto: a) amarelo. b) azul. c) preto. d) violeta. e) vermelho. 2-Ana Maria, modelo

Leia mais

Classificação das fontes Todos os corpos visíveis são fontes de luz e podem classificar-se em primária ou secundária.

Classificação das fontes Todos os corpos visíveis são fontes de luz e podem classificar-se em primária ou secundária. Luz: é uma onda eletromagnética, que tem comprimento de onda (do espectro visível) na faixa de 400 nm a 700 nm (nm = nanômetros = 10-9 m). Além da luz visível, existem outras onda eletromagnéticas om diferentes

Leia mais

Colégio Paula Frassinetti Atividade de Física 3º ano do Ensino Médio - / /2012 Prof. Luciano Soares Pedroso

Colégio Paula Frassinetti Atividade de Física 3º ano do Ensino Médio - / /2012 Prof. Luciano Soares Pedroso 1. (Ufrj) Uma criança segura uma bandeira do Brasil como ilustrado na figura 1. A criança está diante de dois espelhos planos verticais A e B que fazem entre si um ângulo de 60. A figura 2 indica seis

Leia mais

SECRETARIA DE SEGURANÇA PÚBLICA/SECRETARIA DE EDUCAÇÃO

SECRETARIA DE SEGURANÇA PÚBLICA/SECRETARIA DE EDUCAÇÃO DISCIPLINA: FÍSICA SECRETARIA DE SEGURANÇA PÚBLICA/SECRETARIA DE EDUCAÇÃO POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE GOIÁS COMANDO DE ENSINO POLICIAL MILITAR COLÉGIO DA POLÍCIA MILITAR UNIDADE POLIVALENTE MODELO VASCO

Leia mais

LISTA DE EXERCÍCIOS 1ª SÉRIE

LISTA DE EXERCÍCIOS 1ª SÉRIE 1. (Uemg 2014) Em uma aula sobre Gravitação, o professor de Física resolveu escrever um poema e mostrá-lo a seus alunos: O Sol e a Lua num balé em torno da Terra. Ora a Lua está entre o Sol e a Terra.

Leia mais

Anual de Física 2014 1ª Lista de embasamento Espelhos Planos e Esféricos

Anual de Física 2014 1ª Lista de embasamento Espelhos Planos e Esféricos nual de Física 2014 Questão 01 figura mostra um par de espelhos E 1 e E 2 verticais distanciados 40 cm entre si. Dois pontos e encontram-se alinhados verticalmente e equidistantes dos dois espelhos como

Leia mais

Resoluções de Exercícios

Resoluções de Exercícios Resoluções de Exercícios FÍSICA III Caítulo 13 Sistemas Óticos Reflexivos 01 D Dados: Para odermos determinar a alternativa correta, devemos determinar, e R. Equação de Gauss: 01 A) Imagem real, untiforme

Leia mais

Óptica. Feixe de Raios Paralelos: A luz do sol que atinge a terra pode ser considerada um feixe de raios paralelos.

Óptica. Feixe de Raios Paralelos: A luz do sol que atinge a terra pode ser considerada um feixe de raios paralelos. Óptica Os fenômenos ópticos que observamos através do nosso aparelho de visão (Olho Humano) são todos devidos às propriedades da luz. Para estudarmos a óptica, ou seja, os efeitos sofridos pela luz, utilizaremos

Leia mais

cü Çv Ñ Éá wt Ñà vt y á vt

cü Çv Ñ Éá wt Ñà vt y á vt óptica cü Çv Ñ Éá wt Ñà vt y á vt Luz é um agente físico que pode se propagar tanto no vácuo quanto em certos meios materiais, se propaga em linha reta. Óptica física e óptica Geométrica Óptica física

Leia mais

Óptica Geométrica Ocular Séries de Exercícios 2009/2010

Óptica Geométrica Ocular Séries de Exercícios 2009/2010 Óptica Geométrica Ocular Séries de Exercícios 2009/2010 2 de Junho de 2010 Série n.1 Propagação da luz 1. A velocidade da luz amarela de sódio num determinado líquido é 1, 92 10 8 m/s. Qual o índice de

Leia mais

LENTES ESFÉRICAS CONSTRUÇÕES

LENTES ESFÉRICAS CONSTRUÇÕES LENTES ESFÉRICAS CONSTRUÇÕES 1. (G1 - cps 2012) Nas plantações de verduras, em momentos de grande insolação, não é conveniente molhar as folhas, pois elas podem queimar a não ser que se faça uma irrigação

Leia mais

Rotação de Espelhos Planos

Rotação de Espelhos Planos Rotação de Espelhos Planos Introdução Um assunto que costuma aparecer em provas, isoladamente ou como parte de um exercício envolvendo outros tópicos, é a rotação de espelhos planos. Neste artigo, exploraremos

Leia mais

CAPÍTULO 3 - RETIFICAÇÃO

CAPÍTULO 3 - RETIFICAÇÃO CAPÍTULO 3 - RETFCAÇÃO A maioria dos circuitos eletrônicos recisa de uma tensão cc ara oder trabalhar adequadamente Como a tensão da linha é alternada, a rimeira coisa a ser feita em qualquer equiamento

Leia mais

introdução à Óptica Geométrica

introdução à Óptica Geométrica PARTE II Unidade E capítulo 10 introdução à Óptica Geométrica seções: 101 Conceitos fundamentais 102 Princípios da Óptica Geométrica antes de estudar o capítulo Veja nesta tabela os temas principais do

Leia mais

FÍSICA Questões de 1 a 20

FÍSICA Questões de 1 a 20 2ªSérieLISTA DE EXERCÍCIOS DE FÍSICA FÍSICA Questões de 1 a 20 1) (UFRN) Os carros modernos usam diferentes tipos de espelhos retrovisores, de modo que o motorista possa melhor observar os veículos que

Leia mais

ÓPTICA GEOMÉTRICA ÓPTICA REFLEXÃO MEIOS DE PROPAGAÇÃO DA LUZ CORPOS TRANSPARENTES CORPOS TRANSLÚCIDOS CORPOS OPACOS

ÓPTICA GEOMÉTRICA ÓPTICA REFLEXÃO MEIOS DE PROPAGAÇÃO DA LUZ CORPOS TRANSPARENTES CORPOS TRANSLÚCIDOS CORPOS OPACOS 12. Num calorímetro de capacidade térmica 8,0 cal/ o C inicialmente a 10º C são colocados 200g de um líquido de calor específico 0,40 cal/g. o C. Verifica-se que o equilíbrio térmico se estabelece a 50º

Leia mais

ELEMENTOS DE ÓPTICA. c v n

ELEMENTOS DE ÓPTICA. c v n ELEMENTOS DE ÓPTICA ÓPTICA GEOMÉTICA Dimesões dos comoetes óticos muito sueriores ao comrimeto de oda da luz. Um eixe lumioso como um cojuto de raios erediculares à rete de oda. ÍNDICES DE EFACÇÃO, LEI

Leia mais

Física. Óptica Geométrica parte 2. Prof. César Bastos. Óptica Geométrica prof. César Bastos 1

Física. Óptica Geométrica parte 2. Prof. César Bastos. Óptica Geométrica prof. César Bastos 1 Física Óptica Geométrica parte 2 Prof. César Bastos Óptica Geométrica prof. César Bastos 1 Óptica Geométrica Reflexão em superfícies curvas Antes de estudar a formação de imagens em espelhos esféricos

Leia mais

( ) ( ) ( ( ) ( )) ( )

( ) ( ) ( ( ) ( )) ( ) Física 0 Duas partículas A e, de massa m, executam movimentos circulares uniormes sobre o plano x (x e representam eixos perpendiculares) com equações horárias dadas por xa ( t ) = a+acos ( ωt ), ( t )

Leia mais

Espelho, espelho meu...

Espelho, espelho meu... A UU L AL A Espelho, espelho meu... No meio do trânsito ouve-se a sirene da ambulância. Ernesto vira-se e pergunta ao pai: - Por que as letras escritas no capô da ambulância estão todas invertidas? Figura

Leia mais

Curso Wellington - Física Óptica Espelhos Planos Prof Hilton Franco

Curso Wellington - Física Óptica Espelhos Planos Prof Hilton Franco 1. Considere um objeto luminoso pontual, fixo no ponto P, inicialmente alinhado com o centro de um espelho plano E. O espelho gira, da posição E 1 para a posição E 2, em torno da aresta cujo eixo passa

Leia mais

Espelhos Esféricos. Definições e Elementos:

Espelhos Esféricos. Definições e Elementos: Definições e Elementos: Calota Esférica. Espelho Esférico é uma calota esférica na qual uma das faces é refletora. Espelho Côncavo Superfície refletora interna. Espelho Convexo Superfície refletora externa.

Leia mais

TEORIA 08/12/2014. Reflexão. Refração INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO REFLEXÃO E REFRACÃO RAIOS INTRODUÇÃO 1 1 = 2 2 O ÍNDICE DE REFRAÇÃO

TEORIA 08/12/2014. Reflexão. Refração INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO REFLEXÃO E REFRACÃO RAIOS INTRODUÇÃO 1 1 = 2 2 O ÍNDICE DE REFRAÇÃO ÍNDICE DE REFRAÇÃ INTRDUÇÃ Ótica Lentes Esféricos DEFIJI Semestre204-2 Quando a luz passa de um meio para outro, sua velocidade aumenta ou diminui devido as diferenças das estruturas atômicas das duas

Leia mais

LUZ: se propaga por meio de ondas eletromagnéticas. É o agente físico responsável pela sensação visual.

LUZ: se propaga por meio de ondas eletromagnéticas. É o agente físico responsável pela sensação visual. LUZ: É uma forma de energia radiante, que se propaga por meio de ondas eletromagnéticas. É o agente físico responsável pela sensação visual. RAIO DE LUZ: É uma representação da propagação da Luz RAIO DE

Leia mais

Física Experimental - Óptica - Banco óptico linear com lanterna de luz branca - EQ045.

Física Experimental - Óptica - Banco óptico linear com lanterna de luz branca - EQ045. Índice Remissivo... 4 Abertura... 7 As instruções básicas de funcionamento dos aparelhos utilizados nas atividades experimentais dos manuais, identificadas no canto superior direito da página pelos números

Leia mais

1. ENTALPIA. (a) A definição de entalpia. A entalpia, H, é definida como:

1. ENTALPIA. (a) A definição de entalpia. A entalpia, H, é definida como: 1 Data: 31/05/2007 Curso de Processos Químicos Reerência: AKINS, Peter. Físico- Química. Sétima edição. Editora, LC, 2003. Resumo: Proas. Bárbara Winiarski Diesel Novaes 1. ENALPIA A variação da energia

Leia mais

ergtax btcnekl ergtax btcnekl ergtax btcnekl Física 823 103 Módulo 1 Óptica geométrica

ergtax btcnekl ergtax btcnekl ergtax btcnekl Física 823 103 Módulo 1 Óptica geométrica 103 Física 823 103 Módulo 1 Óptica geométrica Introdução óptica é a parte da Física que estuda os fenômenos relacionados à luz; já a óptica geométrica estuda esses fenômenos sem levar em conta a natureza

Leia mais

01) INTRODUÇÃO À ÓPTICA GEOMÉTRICA: Para efeitos didáticos, podemos dividir o estudo da óptica em duas outras

01) INTRODUÇÃO À ÓPTICA GEOMÉTRICA: Para efeitos didáticos, podemos dividir o estudo da óptica em duas outras LISTA DE TEORIA 01 Goiânia, 03 de Fevereiro de 2015 Série: 3º ano e Curso Turma: Aluno(a): Disciplina: Física Professor: Caçu e-mail: manoel.fisica@gmail.com 01) INTRODUÇÃO À ÓPTICA GEOMÉTRICA: Para efeitos

Leia mais

REFLEXÃO DA LUZ: ESPELHOS 412EE TEORIA

REFLEXÃO DA LUZ: ESPELHOS 412EE TEORIA 1 TEORIA 1 DEFININDO ESPELHOS PLANOS Podemos definir espelhos planos como toda superfície plana e polida, portanto, regular, capaz de refletir a luz nela incidente (Figura 1). Figura 1: Reflexão regular

Leia mais

Turma: 2201 Turno: Manhã Professor: Douglas Baroni

Turma: 2201 Turno: Manhã Professor: Douglas Baroni Colégio Zaccaria TELEFAX: (0 XX 21) 3235-9400 www.zaccaria.g12.br Lista de exercícios Física II (Recuperação) 2º Período 2014 Aluno(a): N.º Turma: 2201 Turno: Manhã Professor: Douglas Baroni QUESTÃO 1

Leia mais

Primeira lista de física para o segundo ano 1)

Primeira lista de física para o segundo ano 1) Primeira lista de física para o segundo ano 1) Dois espelhos planos verticais formam um ângulo de 120º, conforme a figura. Um observador está no ponto A. Quantas imagens de si mesmo ele verá? a) 4 b) 2

Leia mais

Ciências da Natureza I Ensino Médio Oficina Espelhos Material do aluno

Ciências da Natureza I Ensino Médio Oficina Espelhos Material do aluno Caro aluno, Este material foi produzido objetivando que você aprofunde seus conhecimentos sobre os espelhos planos e os espelhos esféricos côncavos e convexos. Antes de iniciar as atividades desta oficina

Leia mais

SECRETARIA DE SEGURANÇA PÚBLICA/SECRETARIA DE EDUCAÇÃO

SECRETARIA DE SEGURANÇA PÚBLICA/SECRETARIA DE EDUCAÇÃO DISCIPLINA: FÍSICA SECRETARIA DE SEGURANÇA PÚBLICA/SECRETARIA DE EDUCAÇÃO POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE GOIÁS COMANDO DE ENSINO POLICIAL MILITAR COLÉGIO DA POLÍCIA MILITAR UNIDADE POLIVALENTE MODELO VASCO

Leia mais

3º Bimestre. Física II. Autor: Geraldo Velazquez

3º Bimestre. Física II. Autor: Geraldo Velazquez 3º Bimestre Autor: Geraldo Velazquez SUMÁRIO UNIDADE I Óptica Geométrica... 4 1 Natureza Da Luz... 4 2 Conceitos Preliminares... 5 2.1 Raios e Feixes... 5 2.2 Fontes De Luz... 6 2.3 MEIOS ÓPTICOS... 6

Leia mais

Formação de imagens por superfícies esféricas

Formação de imagens por superfícies esféricas UNIVESIDADE FEDEAL DO AMAZONAS INSTITUTO DE CIÊNCIAS EXATAS DEPATAMENTO DE FÍSICA Laboratório de Física Geral IV Formação de imagens por superfícies esféricas.. Objetivos:. Primeira parte: Espelho Côncavo

Leia mais