Manual de Gestão Documental

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Manual de Gestão Documental"

Transcrição

1 Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade MANUAL DE GESTÃO DOCUMENTAL Manual de Gestão Documental 105 Maio, 2010

2 Presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva Ministra do Meio Ambiente Izabella Mônica Vieira Teixeira Secretário Executivo José Machado 108 Presidente do Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade ICMBio Rômulo José Fernandes Barreto Mello Diretora de Planejamento, Administração e Logística Silvana Canuto Medeiros Diretor de Unidades de Conservação de Proteção Integral Ricardo José Soavinski Diretor de Unidades de Conservação de Uso Sustentável e Populações Tradicionais Paulo Fernando Maier Souza Diretor de Conservação da Biodiversidade Marcelo Marcelino de Oliveira Equipe Técnica Responsável Aline Ramalho Bezerra Borges Lorena Maria Borges da Silva Colaboradores Luciano Luiz de Jesus Marli dos Reis Alves Soares Nataniel Fragoso Ribeiro Adriana Rodrigues Alves Adriane Correia de Souza Projeto Gráfico Eduardo Guimarães

3 Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade MANUAL DE GESTÃO DOCUMENTAL Manual de Gestão Documental 1 CDOC Este material contém informações importantes para o usuário, orientando como produzir, tramitar e destinar seus documentos de forma padronizada. A modernização da área de documentação também é exposta no manual, dando a dimensão do que está sendo feito para aprimorar o serviço e o atendimento ao usuário. Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade Centro de Documentação Tel:(61) Fax:(61) /05/2010

4 Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade MANUAL DE GESTÃO DOCUMENTAL SUMÁRIO APRESENTAÇÃO... 7 DEFINIÇÕES...8 GESTÃO DE DOCUMENTOS Definição de Documento Produção de Documentos...13 Modelos e Formatação CENTRO DE DOCUMENTAÇÃO Protocolo Geral Recepção (Recebimento de documentos)...17 Expedição (Serviço de Postagem e Malote) Instrução Processual...21 Processamento Digital...26 Informações sobre o trâmite físico de documentos Sede e Unidades Arquivo Central...29 Biblioteca...31 Gestão da Informação SGI...32 REFERÊNCIA...34 ANEXO I...35 REDAÇÃO OFICIAL IDENTIDADE VISUAL QUALIDADE E CARACTERÍSTICAS FUNDAMENTAIS DA REDAÇÃO OFICIAL Clareza Coesão...38 Concisão...38 Formalidade e uniformidade...38 Impessoalidade...39

5 PADRONIZAÇÃO...39 Pronomes de Tratamento...39 Fechos Identificação do Signatário Formatação...42 ATOS DE COMUNICAÇÃO...44 Documentos Padrão Ofício...44 Ofício...46 Ofício Circular...48 Memorando...50 Memorando Circular...54 Despacho...56 Fax...60 Correio Eletrônico ATOS NORMATIVOS...62 Apostila...62 Atestado...64 Certidão...66 Ata...68 Portaria Nota Técnica...74 Instrução Normativa...76 Ordem de Serviço...78 Parecer...80 Resolução...82 REFERÊNCIAS...84 ANEXO II Logomarca ICMBio...85 ANEXO III Guias de Remessa de Correspondência e Malote...86 ANEXO IV Quadro de Ações sobre Processos ANEXO V Guias de Arquivo e Espelhos de Identificação...93

6 Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade MANUAL DE GESTÃO DOCUMENTAL 5 LEI Nº 8.159, DE 8 DE JANEIRO DE Art. 1º É dever do Poder Público a gestão documental e a de proteção especial a documentos de arquivos, como instrumento de apoio à administração, à cultura, ao desenvolvimento científico e como elementos de prova e informação. Lei nº 8.159, de 8/1/1991

7 6

8 Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade MANUAL DE GESTÃO DOCUMENTAL APRESENTAÇÃO O Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade alçou o Projeto de Gestão Documental com o objetivo de estruturar a área de documentação, modernizando suas atividades e serviços. O Projeto busca a equalização das atividades com a implantação de padrões para produção, trâmite e destinação de documentos com o auxílio de manuais e capacitação, inserindo o usuário em uma nova realidade. A estrutura da área de documentos é: COORDENAÇÃO DE DOCUMENTAÇÃO GESTÃO DA INFORMAÇÃO ATENDIMENTO AO USUÁRIO MODERNIZAÇÃO E ANÁLISE DOCUMENTAL 7 PROTOCOLO GERAL PROCESSAMENTO DIGITAL ARQUIVO CENTRAL BIBLIOTECA MEMORIAL A Coordenação de Documentação é ligada à Coordenação Geral de Administração e Tecnologia da Informação CGATI/DIPLAN. Este manual é apresentado com a finalidade de sintetizar o tratamento que será aplicado à documentação do Instituto, com parâmetros e métodos que irão mudar a cultura e hábitos pré-existentes. As ações já iniciadas mostram o impacto positivo na realidade do ICMBio. Os Servidores passam a ter capacitação para tratar a documentação. No seu cotidiano terá o controle da informação, dispondo de ferramentas para isso. A Instituição está aprendendo a ter a informação de maneira mais ágil e eficiente, dando ainda mais celeridade a suas ações. E é neste contexto que a busca principal se torna o comprometimento das pessoas no desenvolvimento das tarefas que envolvam documentos, de maneira que promova melhoria a todos, atingindo, direta ou indiretamente, o meio ambiente, pois o tempo é precioso em nossa atividade. Coordenação de Documentação/CGATI/DIPLAN

9 DEFINIÇÕES Assunto - É a matéria, motivo ou tema a que se refere o documento, determinando o conteúdo de que se trata. Autuação e/ou formação de processo - É o termo que caracteriza a abertura do processo. Correspondência - É toda espécie de comunicação escrita, que circula nos órgãos ou entidades, à exceção dos processos. Desapensação - É a separação física de processos apensados. Desentranhamento de peças - É a retirada de peças de um processo, que poderá ocorrer quando houver interesse da Administração ou a pedido do interessado. Desmembramento É a separação de parte da documentação de um ou mais processos para formação de novo processo; o desmembramento de processo dependerá de autorização e instruções específicas do órgão interessado. Despacho - Decisão proferida pela autoridade administrativa em caso que lhe é submetido à apreciação; o despacho pode ser favorável ou desfavorável à pretensão solicitada pelo administrador, servidor público ou não. 8 Diligência - É o ato pelo qual um processo que, tendo deixado de atender as formalidades indispensáveis ou de cumprir alguma disposição legal, é devolvido ao órgão que assim procedeu, a fim de corrigir ou sanar as falhas apontadas. Distribuição - É a remessa do processo ou documento às unidades, sendo direcionado conforme despacho ou informação constante no documento. Documento - É toda informação registrada em um suporte material, suscetível de consulta, estudo, prova e pesquisa, pois comprova fatos, fenômenos, formas de vida e pensamentos do homem numa determinada época ou lugar. Espelho de identificação - É a identificação visual padronizada de uma caixa ou pasta, com informações de seu conteúdo. Gestão de documentos - Conjunto de procedimentos e operações técnicas referentes à sua produção, tramitação, uso, avaliação e arquivamento. Guia de andamento - É uma nota utilizada para certificar o encaminhamento do processo ou do documento por uma unidade administrativa a outra unidade administrativa, devendo conter o número de volumes e o número de folhas. Guia de remessa de correspondência - É um formulário que deve ser preenchido, quando for encaminhada mais de uma correspondência no mesmo envelope, devendo ser autenticada com a assinatura do seu emissor e do seu receptor. Guia de remessa de malote - É um formulário que deve ser preenchido com informações

10 Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade MANUAL DE GESTÃO DOCUMENTAL sobre o conteúdo do malote de correspondência que esta sendo enviado, devendo ser autenticado com a assinatura do seu emissor e do seu receptor. Interessado - É a pessoa, empresa ou órgão que será beneficiada com a ação. Juntada - É a união de um processo a outro, ou de um documento a um processo; realiza-se por Anexação ou Apensação. Juntada por anexação - É a união definitiva e irreversível de 01 (um) ou mais processo(s)/ documento(s), a 01 (um) outro processo (considerado principal), desde que pertencentes a um mesmo interessado e que contenham o mesmo assunto. Juntada por apensação - É a união provisória de um ou mais processos a um processo mais antigo, destinada ao estudo e à uniformidade de tratamento em matérias semelhantes, com o mesmo interessado ou não. Ex. Um processo de solicitação de aposentadoria de servidor público estadual, apensado ao outro referente à solicitação de revisão de percepção, constituirá um único processo, caracterizando a apensação do processo acessório ao processo principal. Numeração de peças - É a numeração atribuída às partes integrantes do processo. Peça do processo - É o documento que, sob diversas formas, integra o processo. Ex: Folha, folha de talão de cheque, passagem aérea, brochura, termo de convênio, contrato, fita de vídeo, nota fiscal, entre outros. Procedência - A instituição que originou o documento. Processo - É o documento ou o conjunto de documentos que exige um estudo mais detalhado, bem como procedimentos expressados por despachos, pareceres técnicos, anexos ou, ainda, instruções para pagamento de despesas; assim, o documento é protocolado e autuado pelos órgãos autorizados a executar tais procedimentos. 9 Processo acessório - É o processo que apresenta matéria indispensável à instrução do processo principal. Processo principal - É o processo que, pela natureza de sua matéria, poderá exigir a anexação de um ou mais processos como complemento à sua decisão. Protocolo geral - É a unidade junto ao órgão ou entidade, encarregada dos procedimentos com relação às rotinas de recebimento e expedição de documentos. Registro - É a reprodução dos dados do documento, feita em sistema próprio, destinado a controlar a movimentação da correspondência e de processo e fornecer dados de suas características fundamentais, aos interessados. Termo de arquivamento e desarquivamento - É uma nota utilizada para informar o arquivamento ou desarquivamento do processo/documento mediante despacho motivado da autoridade competente ou a requerimento do interessado. Termo de desapensação - É uma nota utilizada para registrar a separação física de dois ou mais processos apensados. Definições

11 Termo de desentranhamento de peças - É uma nota utilizada para informar sobre a retirada de peça(s) de um processo. Termo de encerramento - É uma nota utilizada para registrar o encerramento do processo. Termo de juntada de peça - É uma nota utilizada para registrar a juntada de folha(s) ou peça(s) ao processo. Termo de ressalva - É uma nota utilizada para informar que uma peça foi retirada do processo quando do ato da anexação, isto é, ao proceder a anexação foi constatada a ausência de uma peça. Termo de retirada de peça - É uma nota utilizada para registrar a retirada de folha(s) ou peça(s) do processo. Tramitação - É a movimentação do processo e/ou documento de uma unidade à outra, interna ou externa, através de sistema próprio. GESTÃO DE DOCUMENTOS 10 A Gestão de Documentos foi definida na LEI Nº 8.159, DE 8 DE JANEIRO DE 1991, que dispõe sobre a política nacional de arquivos públicos e privados e dá outras providências, Art. 3º Considera-se gestão de documentos o conjunto de procedimentos e operações técnicas referentes à sua produção, tramitação, uso, avaliação e arquivamento em fase corrente e intermediária, visando a sua eliminação ou recolhimento para guarda permanente. A aplicação desta técnica permite que a Instituição utilize a documentação de maneira correta e passe a controlar o seu acervo documental. Desta forma a Instituição soluciona os problemas decorrentes da falta de um programa de gestão, como: perda, duplicidade e extravio de documentos; falta de espaço; dificuldade no acesso e na localização da informação; controle manual de fluxo; e falta de padrão para elaboração e tratamento de documentos. Na gestão documental considera-se, também, o cidadão, que na forma desta lei (Lei nº 8.159, de 8 de janeiro de 1991), tem o direito a informação, conforme dispõe o Art. 4º Todos têm direito a receber dos órgãos públicos informações de seu interesse particular ou de interesse coletivo ou geral, contidas em documentos de arquivos, que serão prestadas no prazo da lei, sob pena de responsabilidade, ressalvadas aquelas cujos sigilo seja imprescindível à segurança da sociedade e do Estado, bem como à inviolabilidade da intimidade, da vida privada, da honra e da imagem das pessoas. A Instituição não deve se organizar apenas por necessidade própria, mas também para atender as demandas do Governo Federal e os anseios da sociedade. No Art. 1º É dever do Poder Público a gestão documental e a de proteção especial a documentos de arquivos, como instrumento de apoio à administração, à cultura, ao desenvolvimento científico e como elementos de prova e informação, também é exposta a

12 Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade MANUAL DE GESTÃO DOCUMENTAL necessidade de proteção do acervo documental, referindo-se à conservação dos documentos e a preservação da informação. O Art. 25 complementa a informação do art.1 com as penalidades, dispondo: Ficará sujeito à responsabilidade penal, civil e administrativa, na forma da legislação em vigor, aquele que desfigurar ou destruir documentos de valor permanente ou considerado como de interesse público e social. A preservação também faz parte do projeto de gestão, buscando a conscientização do usuário no manuseio do documento, dando a devida importância ao que é sua ferramenta de trabalho. As sanções penais podem ser vistas no Decreto-Lei nº2.848, de 7 de dezembro de Código Penal/ Dos crimes contra o patrimônio. A informação em tempo hábil e correta é um grande instrumento de trabalho para a Instituição, que deve mantê-la atualizada e disponível. Definição de Documento Documento é toda informação registrada em um suporte material, suscetível de consulta, estudo, prova e pesquisa, pois comprova fatos, fenômenos, formas de vida e pensamento do homem numa determinada época ou lugar. Os documentos podem ser caracterizados segundo o gênero, a espécie e a natureza, de acordo com seus diversos elementos, formas e conteúdos, conforme descrito a seguir. a) Caracterização quanto ao gênero Documentos textuais: São os documentos manuscritos, datilografados ou impressos; 11 Documentos cartográficos: São os documentos em formatos e dimensões variáveis, contendo representações geográficas arquitetônicas ou de engenharia. Ex.: mapas, plantas e perfis; Documentos iconográficos: São documentos em suporte sintético, em papel emulsionado, contendo imagens estáticas. Ex.: fotografias (diapositivos, ampliações e negativos fotográficos), desenhos e gravuras; Documentos filmográficos: São documentos em películas cinematográficas e fitas magnéticas de imagem (tapes), conjugadas ou não a trilhas sonoras, com bitolas e dimensões variáveis, contendo imagens em movimento. Ex.: filmes e fitas vídeo magnéticas; Documentos sonoros: São os documentos com dimensões e rotações variáveis, contendo registros fonográficos. Ex.: discos (CD) e fitas audiomagnéticas; Documentos micrográficos: São documentos em suporte fílmico resultante da microrreprodução de imagens, mediante utilização de técnicas específicas. Ex.: rolo, microficha, jaqueta e cartão-janela; Documentos informáticos: São os documentos produzidos, tratados e armazenados em computador. Ex.: disco flexível (disquete), disco rígido (Winshester) e disco óptico. Gestão de Documentos

13 b) Caracterização quanto à espécie Atos normativos: Expedidos por autoridades administrativas, com a finalidade de dispor e deliberar sobre matérias específicas. Ex.: medida provisória, decreto, estatuto, regimento, regulamento, resolução, portaria, instrução normativa, ordem de serviço, decisão, acórdão, despacho decisório, lei; Atos enunciativos: São os opinativos, que esclarecem os assuntos, visando a fundamentar uma solução. Ex.: parecer, relatório, voto, despacho interlocutório; Atos de assentamento: São os configurados por registros, consubstanciando assentamento sobre fatos ou ocorrências. Ex.: apostila, ata, termo, auto de infração; Atos comprobatórios: São os que comprovam assentamentos, decisões etc. Ex.: traslado, certidão, atestado, cópia autêntica ou idêntica; Atos de ajuste: São representados por acordos em que a Administração Pública Federal, Estadual ou Municipal - é parte. Ex: tratado, convênio, contrato, termos (transação, ajuste etc.); Atos de correspondência: Objetivam a execução dos atos normativos, em sentido amplo. Ex: aviso, ofício, carta, memorando, mensagem, edital, intimação, exposição de motivos, notificação, telegrama, telex, telefax, alvará, circular. 12 c) Caracterização quanto à natureza Documentos Secretos: São os que requerem rigorosas medidas de segurança e cujo teor ou característica possam ser do conhecimento de servidores que, embora sem ligação íntima com seu estudo e manuseio, sejam autorizados a deles tomarem conhecimento em razão de sua responsabilidade funcional; Documentos Urgentes: São os documentos cuja tramitação requer maior celeridade que a rotineira. Ex.: Pedidos de informação oriundos do Poder Executivo, do Poder Judiciário e da Assembléia Legislativa do Estado (Câmaras Municipais); mandados de segurança; licitações judiciais ou administrativas; pedidos de exoneração ou dispensa; demissão; auxílio - funeral; diárias para afastamento da Instituição; folhas de pagamento; outros que, por conveniência da Administração ou por força de lei, exijam tramitação preferencial; Documentos Ostensivos: São documentos cujo acesso é irrestrito; Documentos Reservados: São aqueles cujo assunto não deva ser do conhecimento do público em geral. Produção de Documentos Na elaboração e/ou produção de documento deverá ser considerado os padrões da ABNT e da Redação Oficial da Presidência da República, podendo a Instituição determinar os parâmetros a serem adotados.

14 Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade MANUAL DE GESTÃO DOCUMENTAL No Manual de Redação Oficial do ICMBio são relacionados os formatos que deverão ser utilizados no âmbito da Instituição. Para produzir um documento é necessário entender sua finalidade, e assim, utilizar o melhor instrumento para transmitir a informação. Este esclarecimento é precioso para iniciar um bom entendimento entre o locutor e o receptor da mensagem. No quadro abaixo há a definição dos tipos mais utilizados. ESPÉCIE/TIPO DE DOCUMENTO FINALIDADE MEMORANDO Modalidade de comunicação entre unidades administrativas de um mesmo órgão, que podem estar hierarquicamente em mesmo nível ou em níveis diferentes. Trata-se, portanto, de uma forma de comunicação eminentemente interna. MEMORANDO-CIRCULAR Comunicação interna expedida em diversas vias, dirigidas a pessoas diferentes de um mesmo órgão, que podem estar hierarquicamente em mesmo nível ou em níveis diferentes. OFÍCIO OFÍCIO-CIRCULAR O tratamento de assuntos oficiais pelos órgãos da Administração Pública entre si e também com particulares. Comunicação expedida em diversas vias, dirigidas a pessoas diferentes. Tem como finalidade o tratamento de assuntos oficiais entre órgãos da Administração Pública ou a particulares. 13 FAX É utilizado para a transmissão de mensagens urgentes e para o envio antecipado de documentos. Se necessário o arquivamento, deve-se fazê-lo com cópia xerox do fax e não com o próprio fax, cujo papel, em certos modelos, se deteriora rapidamente. O correio eletrônico ( ), por seu baixo custo e celeridade, transformou-se na principal forma de comunicação para transmissão de documentos. Nos termos da legislação em vigor, para que a mensagem de correio eletrônico tenha valor documental, é necessário existir certificação digital que ateste a identidade do remetente, na forma estabelecida em lei. O institucional já é considerado como documento comprobatório. DESPACHO Decisão proferida sobre ofício, memorando, parecer, informação, requerimento ou demais documentos submetidos pelas partes a seu conhecimento e solução. Pode ocorrer também despacho de encaminhamento de um órgão para outro. O despacho pode constituirse de uma palavra, de uma expressão ou de um texto mais longo. Gestão de Documentos

15 Modelos e Formatação Os documentos têm padrões de formatação que devem ser seguidos, facilitando a sua identificação e o entendimento do seu objetivo. Os mais conhecidos são o Memorando e o Ofício. Expedientes que se diferenciam antes pela finalidade do que pela forma. Com o fito de uniformizá-los, será adotada uma diagramação única, que siga o que chamamos de padrão ofício. Poderão ser impressos em ambas as faces do papel. Neste caso, as margens esquerda e direita terão as distâncias invertidas nas páginas pares (margem espelho). Também é obrigatório constar o número da página a partir da segunda. Devem conter as seguintes partes: a) tipo e número do expediente, seguido da sigla da coordenação, diretoria e órgão que o expede. Exemplo: Memorando nº 001/2009-CADM/CGATI/DIPLAN/ICMBio Ofício nº 001/2009-CADM/CGATI/DIPLAN/ICMBio Nota: A numeração dos documentos padrão ofício recomeça a cada ano. 14 b) local e data: por extenso, com alinhamento à direita logo abaixo do tipo. Exemplo: Brasília, 15 de março de c) destinatário: o nome e o cargo da pessoa a quem é dirigida a comunicação. Nota: No caso do ofício deve ser incluído também o endereço, cidade, estado e CEP. d) assunto: resumo do teor do documento. Deve estar em negrito. Exemplo: Assunto: Produtividade do Instituto em Assunto: Necessidade de aquisição de novos computadores. e) vocativo: que invoca o destinatário, seguido de vírgula. Exemplo: Senhor Coordenador de Administração, f) texto: o expediente deve conter a seguinte estrutura: - introdução: apresentação do assunto que motiva a comunicação. Não use as formas: Tenho a honra de, Tenho o prazer de, Cumpre-me informar que, empregue a forma direta; - desenvolvimento: assunto detalhado; se o texto contiver mais de uma idéia sobre o assunto, elas devem ser tratadas em parágrafos distintos, o que confere maior clareza à exposição; - conclusão: apresentação da posição recomendada sobre o assunto. Nota: os parágrafos do texto devem ser numerados, exceto nos casos em que esses estejam organizados em itens ou títulos e subtítulos.

16 Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade MANUAL DE GESTÃO DOCUMENTAL g) fecho: Respeitosamente (para hierarquia superior) ou Atenciosamente (hierarquia igual ou inferior) h) assinatura do autor da comunicação. i) identificação do signatário. Os documentos do Padrão Ofício devem obedecer à seguinte forma de apresentação: CONFIGURAÇÕES PADRÃO Fonte Número de páginas Tamanho Orientação Impressão Início de parágrafo Espaçamento entre parágrafos Espaçamento entre linhas Alinhamento Margem esquerda Margem direita Margem superior Margem inferior Símbolo Times New Roman de corpo 12 no texto em geral, 11 nas citações, e 10 nas notas de rodapé.. É obrigatório constar a partir da segunda página. Todos os tipos de documentos do Padrão Ofício (oficio e memorando) devem ser impressos em papel de tamanho A-4, ou seja, 29,7 x 21,0 cm. O documento deverá ser impresso como Retrato. Os ofícios, memorandos e anexos destes poderão ser impressos em ambas as faces do papel. Neste caso, as margens esquerda e direita terão as distâncias invertidas nas páginas pares ( margem espelho ); A impressão dos textos deve ser feita na cor preta em papel branco. A impressão colorida deve ser usada apenas para gráficos e ilustrações. O início de cada parágrafo do texto deve ter 2,5 cm de distância da margem esquerda. Deve ser utilizado espaçamento de 2,5cm. Deve ser utilizado espaçamento simples entre as linhas. O texto deve ser justificado. O campo destinado à margem lateral esquerda terá, no mínimo, 3,0 cm de largura. O campo destinado à margem lateral direita terá 1,5 cm. O campo destinado à margem superior terá 2 cm. O campo destinado à margem inferior terá 2 cm. No modelo Ofício utilizar o Brasão da República, nos demais documentos utilizar apenas o símbolo do ICMBio. Todos os documentos produzidos devem apresentar o símbolo da Instituição. 15 Gestão de Documentos

17 Identidade Visual Todos os papéis de expediente, bem como os convites e as publicações oficiais deverão possuir a logomarca do ICMBio. Logomarca (Anexo II), é a marca que reúne graficamente letras do nome de uma instituição e elementos formais puros, abstratos. Pode-se ainda defini-la como qualquer representação gráfica padronizada e distintiva utilizada como marca. CENTRO DE DOCUMENTAÇÃO A Coordenação de Documentação tem em sua atribuição planejar, organizar, controlar e coordenar todas as atividades relacionadas a documentos. Compete à Coordenação: auxiliar as Diretorias em trabalhos voltados ao tratamento de documentos, inclusive no planejamento; atender a demanda de usuários e proporcionar o atendimento personalizado no Sistema Gerenciador de Documentos e Processos - SGDOC; planejar treinamentos, cursos e elaborar manuais, bem comopromover reciclagem para atualizar o usuário quanto às atividades; desenvolver programas de conscientização do usuário quanto à gestão documental; orientar os profissionais que executam as atividades relacionadas à gestão; e buscar continuamente a modernização de todas as atividades desenvolvidas nas áreas do Centro de Documentação, considerando os recursos tecnológicos. 16 Protocolo Geral O Protocolo Geral está sendo modernizado para suprir a necessidade de controlar a documentação do Instituto, dando celeridade, confiabilidade e exatidão no acesso a informação e auxiliando a tomada de decisão. Os procedimentos adotados no Protocolo Geral (PG) são baseados na Portaria Normativa nº 05, de 19 de dezembro de 2002 do Ministério do Planejamento. A nova metodologia tem como principal ferramenta de trabalho o sistema SGDOC (Sistema Gerenciador de Documentos e Processos), que gerencia os dados do documento e processos, possibilitando a busca e localização por qualquer uma das informações. O sistema disponibiliza imagem do documento digitalizada e histórico do trâmite, permite ainda cadastrar despachos e comentário (em ordem cronológica). No registro de processo o sistema permite a inclusão de informações direcionadas a atividade fim da Instituição. As atividades do Protocolo Geral foram redefinidas, são elas: 1. Gerar cadastro no SGDOC de todos os documentos externos; 2. Autuar documento (formalizar processo); 3. Manter a base de dados do sistema de autuação de processos e documentos atualizada; 4. Orientar, auxiliar e capacitar as Unidades Protocolizadoras (UP) sobre a execução do serviço de protocolo;

18 Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade MANUAL DE GESTÃO DOCUMENTAL 5. Encaminhar os documentos de âmbito externo; 6. Administrar despesas com serviços de postagens e malote; 7. Controlar o fluxo das correspondências enviadas diariamente pelo serviço de correios; 8. Atender as demandas dos usuários de forma ágil e com exatidão; Recepção (Recebimento de documentos) A área de Recepção tem uma função muito importante na gestão de documentos, pois a forma como o documento é recebido no Centro de Documentação definirá o tratamento do mesmo. Compete a esta área: 1. Receber o documento externo, gerando um pré-cadastro no SGDOC, com data e hora exata de entrada, inseridos automaticamente pelo sistema; 2. Receber documentos internos (trâmite interno), avaliar todas as informações do documento, inclusive imagem; 3. Atender as demandas dos usuários internos ou externos de forma ágil e com exatidão; 4. Organizar o serviço de entrega de documentos externos (motoboy); Orientações ao usuário Recebimento de documentos pelo Protocolo Geral (PG) 17 Para realizar um bom atendimento, seguem algumas orientações ao usuário sobre o novo procedimento adotado pelo PG: a) Receber documentos, processos e correspondências a. Procedimentos: i. Documentos: todo documento será pesquisado no sistema, não estando cadastrado, o mesmo receberá um digital (código de barras) e será cadastrado, digitalizado e tramitado; 1. O documento que já estiver cadastrado será identificado com o numero da digital (no canto superior direito), que consta no sistema e será informado no despacho o trâmite dado pelo PG, conforme o que estiver descrito no documento. ii. Processos: o processo será recebido, estando este com o despacho de encaminhamento, numerado até 200 páginas, com capa em condições adequada. Com exceção das minutas, não será recebido processo com documento grampeado na capa. Os documentos em suportes como cd, fita, disquete e outros, deverão constar como peças do processo. Centro de Documentação

19 iii. Correspondência: No recebimento da correspondência externas, todas as cartas serão abertas e cadastradas, salvo particulares, confidenciais, sigilosas, secretas e ultra-secretas, conforme legislação vigente. Expedição (Serviço de Postagem e Malote) A expedição de documentos é realizada com a utilização do contrato de serviços de correios, que tem como base o cartão de postagem e o serviço de malote. Ambos podem ser solicitados ao Protocolo Geral, por meio de memorando. A novidade para envio de correspondências ao ICMBio é a Caixa Postal, uma maneira mais eficiente de garantir o recebimento de correspondências na Instituição em tempo hábil. Para envio de correspondência ao ICMBio, no espaço destinado para informar o destinatário deve constar apenas o nome da Instituição, a caixa postal e o CEP de identificação, conforme determina o modelo abaixo. Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade ICMBIO CAIXA POSTAL 7993 CEP: Para envio de documentos ao ICMBio (Sede), as unidade externas deverão utilizar um modelo de GUIA DE REMESSA DE CORRESPONDÊNCIA-GRC (Anexo III), quando houver mais de um documento por envelope, o que facilitará a identificação dos documentos e quantidade enviadas. Serviço de Postagem O quadro abaixo apresenta os serviços disponíveis, com suas definições e prazos. No quadro seguinte temos um demonstrativo de valores aplicados a estes serviços, em Estados localizados nas extremidades do país. A finalidade é que o usuário tenha uma visão do custo x prazo, considerando que muitas vezes os prazos de entrega dos serviços são praticamente o mesmo, mas têm uma diferença muito grande de valores. QUADRO DE SERVIÇOS DE POSTAGEM DISPONÍVEIS SERVIÇO DESCRIÇÃO PRAZO DE ENTREGA Carta Registrada Sedex Convencional Sedex 10* Sedex hoje* Carta com n de registro que possibilita rastreamento. Sedex comum com n de registro para rastreamento. Sedex rápido com n de registro para rastreamento. Sedex rápido com n com n de registro para rastreamento. 3 a 5dias úteis 2 a 3 dias úteis É entregue até as 10 horas do dia seguinte (considerar dia útil). Entrega no mesmo dia da postagem.

20 Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade MANUAL DE GESTÃO DOCUMENTAL SERVIÇO DESCRIÇÃO PRAZO DE ENTREGA PAC Serviço para pacotes, com custo mais baixo. 5 a 8 dias úteis Carta simples Carta sem n de registro. É destinado a 3 a 5 dias úteis documentos s/n ou circulares. Tem baixo custo. AR AR é um formulário que deve ser preenchido - Aviso de Recebimento com o remetente e destinatário, com a finalidade que na entrega da correspondência, o destinatário assine o mesmo para comprovar o recebimento, devendo ser devolvido ao remetente. O valor da AR é acrescentado no valor da postagem. Telegrama Serviço de envio de mensagem, sendo 4 horas (entre capitais) necessário apenas a disponibilização do texto ao Correios. Impresso especiais Serviço com foco para os materiais de até 5kg por objeto, com mesmo padrão de formato. Não pode ser confidencial. 11 dias (entre capitais) *Sujeito a consulta no site dos correios para confirmar disponibilidade do serviço para o trecho. Para rastreamento de correspondência, o usuário deve acessar o site: o campo rastreamento fica localizado no canto inferior esquerdo da página. SERVIÇO CARTA REGISTRADA 3 a 5 dias úteis SEDEX CONVENCIONAL 2 a 3 dias SEDEX 10 Até as 10 h do seguinte dia útil SEDEX HOJE Entrega no mesmo dia PAC 5 a 8 dias úteis CARTA SIMPLES 3 a 5 dias úteis QUADRO DEMONSTRATIVO DE CUSTO ORIGEM DESTINO PESO TIPO VALOR VALOR VALOR VALOR Sem AR Com AR Brasília Manaus 300 gramas Envelope R$ 6,00 R$8,60 Brasília Porto Alegre 300 gramas Envelope R$ 6,00 R$8,60 Brasília Manaus 300 gramas Envelope R$ 35,10 R$37.70 Brasília Porto Alegre 300 gramas Envelope R$ 38,30 R$40,90 Brasília Manaus 300 gramas Envelope R$ 55,00 R$57,60 Brasília Porto Alegre 300 gramas Envelope R$ 53,50 R$56,10 Brasília São Paulo 300 gramas Envelope R$ 55,50 R$58,10 Brasília Goiânia 300 gramas Envelope R$ 28,30 R$30,90 Brasília Manaus 300 gramas Caixa R$ 16,00 R$18,60 Brasília Porto Alegre 300 gramas Caixa R$ 18,00 R$20,60 Brasília Manaus 300 gramas Envelope R$ 3,50 R$6,10 Brasília Porto Alegre 300 gramas Envelope R$ 3,50 R$6,10 19 Centro de Documentação

PORTARIA NORMATIVA Nº 05, DE 19 DE DEZEMBRO DE 2002.

PORTARIA NORMATIVA Nº 05, DE 19 DE DEZEMBRO DE 2002. PORTARIA NORMATIVA Nº 05, DE 19 DE DEZEMBRO DE 2002. Ementa: Dispõe sobre os procedimentos gerais para utilização dos serviços de protocolo, no âmbito da Administração Pública Federal, para os órgãos e

Leia mais

CARTILHA PARA AUTUAÇÃO DE PROCESSOS. (1ª Edição)

CARTILHA PARA AUTUAÇÃO DE PROCESSOS. (1ª Edição) CARTILHA PARA AUTUAÇÃO DE PROCESSOS (1ª Edição) MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO AMAZONAS João Martins Dias Reitor Antônio Venâncio Castelo Branco Pró-Reitor

Leia mais

PORTARIA NORMATIVA Nº.., DE DE... DE 2010.

PORTARIA NORMATIVA Nº.., DE DE... DE 2010. CASA CIVIL DA PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA PORTARIA NORMATIVA Nº.., DE DE... DE 2010. Dispõe sobre os procedimentos gerais para o desenvolvimento das atividades de protocolo nos órgãos e entidades integrantes

Leia mais

Universidade da Integração Internacional da Lusofonia Afro-Brasileira - UNILAB

Universidade da Integração Internacional da Lusofonia Afro-Brasileira - UNILAB Universidade da Integração Internacional da Lusofonia Afro-Brasileira - UNILAB SILTON BATISTA LIMA BEZERRA Procurador Chefe FELIPE GRANGEIRO DE CARVALHO Procurador ELANA RODRIGUES Secretária Executiva

Leia mais

CARTILHA DE FORMAÇÃO DE PROCESSOS ORIENTAÇÕES

CARTILHA DE FORMAÇÃO DE PROCESSOS ORIENTAÇÕES CARTILHA DE FORMAÇÃO DE PROCESSOS ORIENTAÇÕES Cartilha de Formação de Processos Brasília, 2010 Copyright 2004 (Funasa) Ministério da Saúde 1ª edição revisada Editor Assessoria de Comunicação e Educação

Leia mais

ESTADO DE GOIÁS SECRETARIA DE ESTADO DE GESTÃO E PLANEJAMENTO. INSTRUÇÃO NORMATIVA nº 11-2012/SEGPLAN

ESTADO DE GOIÁS SECRETARIA DE ESTADO DE GESTÃO E PLANEJAMENTO. INSTRUÇÃO NORMATIVA nº 11-2012/SEGPLAN Publicada no DOE do dia 25/02/2013 INSTRUÇÃO NORMATIVA nº 11-2012/SEGPLAN Regulamenta os procedimentos para abertura de processos, juntada, cópia e demais rotinas de tramitação de processos e documentos

Leia mais

SECRETARIA DE LOGÍSTICA E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO PORTARIA NORMATIVA Nº 5, DE 19 DE DEZEMBRO DE 2002 (*)

SECRETARIA DE LOGÍSTICA E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO PORTARIA NORMATIVA Nº 5, DE 19 DE DEZEMBRO DE 2002 (*) SECRETARIA DE LOGÍSTICA E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO PORTARIA NORMATIVA Nº 5, DE 19 DE DEZEMBRO DE 2002 (*) Dispõe sobre os procedimentos gerais para utilização dos serviços de protocolo, no âmbito da Administração

Leia mais

GLOSSÁRIO DE TERMOS ARQUIVÍSTICOS

GLOSSÁRIO DE TERMOS ARQUIVÍSTICOS GLOSSÁRIO DE TERMOS ARQUIVÍSTICOS ACERVO - Documentos de uma entidade produtora ou de uma entidade que possui sua guarda. ACESSIBILIDADE - Condição ou possibilidade de acesso a serviços de referência,

Leia mais

Empresa de Gestão de Recursos do Piauí EMGERPI MANUAL DE PROTOCOLO/PROTOCOLADO

Empresa de Gestão de Recursos do Piauí EMGERPI MANUAL DE PROTOCOLO/PROTOCOLADO Empresa de Gestão de Recursos do Piauí EMGERPI MANUAL DE PROTOCOLO/PROTOCOLADO TERESINA (PI), JUNHO DE 2008 GOVERNADOR DO ESTADO DO PIAUÍ José Wellington Barroso de Araújo Dias SECRETÁRIA DE ESTADO DA

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO UNIVERSITÁRIO

UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO UNIVERSITÁRIO UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO N 33/2014 Institui o Sistema Integrado de Patrimônio e Administração e Contratos (SIPAC) no âmbito da Universidade Federal da Paraíba (UFPB)

Leia mais

Lembre-se: I - CADASTRAMENTO DE PROCESSOS E DOCUMENTOS 1.1 AUTUAÇÃO DE PROCESSOS

Lembre-se: I - CADASTRAMENTO DE PROCESSOS E DOCUMENTOS 1.1 AUTUAÇÃO DE PROCESSOS I - CADASTRAMENTO DE PROCESSOS E DOCUMENTOS 1.1 AUTUAÇÃO DE PROCESSOS O que é preciso para autuar um processo? Para atuar processo é necessário que o documento seja original ou cópia, desde que autenticada

Leia mais

NORMA DE CORRESPONDÊNCIA NOR 103

NORMA DE CORRESPONDÊNCIA NOR 103 MANUAL DE ORGANIZAÇÃO COD. 100 ASSUNTO: CORRESPONDÊNCIA COD: NOR 103 APROVAÇÃO: Resolução nº 024, de 02/09/03 NORMA DE CORRESPONDÊNCIA NOR 103 1/13 SUMÁRIO 1. FINALIDADE... 02 2. CONCEITUAÇÃO... 02 3.

Leia mais

GESTÃO DE DOCUMENTOS

GESTÃO DE DOCUMENTOS GESTÃO DE DOCUMENTOS Portaria nº 40, 30 de abril de 2013, no art. 55, inciso I a VI, cria a Coordenação de Documentação e Informação compete gerir a política de documentação do Ministério, garantindo a

Leia mais

Setor de Protocolo Administrativo do TJAM

Setor de Protocolo Administrativo do TJAM PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO AMAZONAS DIVISÃO DE GESTÃO DA QUALIDADE Sistema de Gestão da Qualidade PROCEDIMENTO 50 Setor de Protocolo Elaborado por: Adriano Ramos Gomes Setor de Protocolo

Leia mais

Regulamento SIGA. Versão 1.0. Outubro, 2013. Página 1 de 16

Regulamento SIGA. Versão 1.0. Outubro, 2013. Página 1 de 16 Regulamento SIGA Versão 1.0 Outubro, 2013 Página 1 de 16 Sumário Objetivo deste Regulamento...3 Introdução...4 Definição...4 O que é documento para o SIGA...4 Numeração dos documentos no SIGA...4 Disposição

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINISTRO. Art. 2º Fica recomendada a utilização do Manual no âmbito das entidades vinculadas a este Ministério.

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINISTRO. Art. 2º Fica recomendada a utilização do Manual no âmbito das entidades vinculadas a este Ministério. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 1.042, DE 17 DE AGOSTO DE 2012 O MINISTRO DE ESTADO DA EDUCAÇÃO, no uso da atribuição conferida pelo art. 87, parágrafo único, inciso II da Constituição

Leia mais

TERMO DE ABERTURA DE VOLUME

TERMO DE ABERTURA DE VOLUME ANEXO II TERMO DE ABERTURA DE VOLUME Aos...dias do mês de...de..., procedemos a abertura deste volume nº... do processo nº..., que se inicia com a folha nº...para constar, eu (nome do servidor)...,(cargo

Leia mais

MANUAL DE GESTÃO DE DOCUMENTOS DO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO

MANUAL DE GESTÃO DE DOCUMENTOS DO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO PORTARIA Nº 1.042, DE 17 DE AGOSTO DE 2012 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINISTRO DOU de 20/08/2012 (nº 161, Seção 1, pág. 9) O MINISTRO DE ESTADO DA EDUCAÇÃO, no uso da atribuição conferida pelo

Leia mais

Revogado pela Instrução Normativa STJ/GDG n. 8 de 4 de maio de 2015

Revogado pela Instrução Normativa STJ/GDG n. 8 de 4 de maio de 2015 Revogado pela Instrução Normativa STJ/GDG n. 8 de 4 de maio de 2015 SUPERIOR TRIBUNAL DE JUSTIÇA ANEXO I ROTINAS E PROCEDIMENTOS DO PROGRAMA DE GESTÃO DOCUMENTAL CRIAÇÃO, CAPTURA E DIGITALIZAÇÃO DE DOCUMENTOS

Leia mais

NORMA DE AUTUAÇÃO E CONTROLE DE PROCESSOS - NOR 206

NORMA DE AUTUAÇÃO E CONTROLE DE PROCESSOS - NOR 206 MANUAL DE ADMINISTRAÇÃO E FINANÇAS COD. 200 ASSUNTO: AUTUAÇÃO, MOVIMENTAÇÃO E CONTROLE DE PROCESSOS APROVAÇÃO: Resolução DIREX nº 109/2013, de 01/07/2013 VIGÊNCIA: 01/07/2013 NORMA DE AUTUAÇÃO E CONTROLE

Leia mais

NORMA PROCEDIMENTAL GESTÃO DE DOCUMENTOS

NORMA PROCEDIMENTAL GESTÃO DE DOCUMENTOS 50.03.013 1/26 1. FINALIDADE Uniformizar os procedimentos gerais referentes à gestão de processos e documentos, otimizando as rotinas administrativas e os serviços de protocolo. 2. ÂMBITO DE APLICAÇÃO

Leia mais

O QUE É DOCUMENTO PARA O SIGA

O QUE É DOCUMENTO PARA O SIGA APRESENTAÇÃO O SIGA - Sistema Integrado de Gestão Administrativa é o sistema oficial de gestão documental do Poder Judiciário baiano que permite a criação, transferência, assinatura e demais atos de tramitação

Leia mais

Definições. Órgãos de Documentação. Classificação dos Arquivos. Quanto à Abrangência

Definições. Órgãos de Documentação. Classificação dos Arquivos. Quanto à Abrangência Definições Informação: Produto de um documento. Documento: Tudo aquilo que pode transmitir uma idéia, pensamento ou acontecimento, ou seja, uma informação. Arquivo: Lugar onde se guardam os documentos

Leia mais

MANUAL DE GESTÃODE DOCUMENTOS DO IF CATARINENSE

MANUAL DE GESTÃODE DOCUMENTOS DO IF CATARINENSE MANUAL DE GESTÃODE DOCUMENTOS DO IF CATARINENSE MANUAL DE GESTÃO DE DOCUMENTOS DO IF CATARINENSE 2. CONCEITOS DE PROTOCOLO Para efeito deste Manual, foram utilizados os seguintes conceitos: 2.1. PROTOCOLO

Leia mais

ATENÇÃO: A cópia impressa a partir da intranet é cópia não controlada.

ATENÇÃO: A cópia impressa a partir da intranet é cópia não controlada. Proposto por: Diretor da Divisão de Protocolo Administrativo da Corregedoria (DIPAC) Analisado por: Diretor do Departamento de Suporte Operacional (DESOP) Aprovado por: Diretor-Geral da Diretoria-Geral

Leia mais

Vice-Reitor da Universidade Federal de São Carlos. - UFSCar Prof. Dr. Targino de Araújo Filho. - UFSCar Prof. Dr. Adilson Jesus Aparecido De Oliveira

Vice-Reitor da Universidade Federal de São Carlos. - UFSCar Prof. Dr. Targino de Araújo Filho. - UFSCar Prof. Dr. Adilson Jesus Aparecido De Oliveira Reitor da Universidade Federal de São Carlos - UFSCar Prof. Dr. Targino de Araújo Filho Vice-Reitor da Universidade Federal de São Carlos - UFSCar Prof. Dr. Adilson Jesus Aparecido De Oliveira Gabinete

Leia mais

Id: 1567758 GLOSSÁRIO A ABERTURA DE PROCESSO Ver AUTUAÇÃO ABERTURA DE VOLUME É a abertura (criação) de volume a partir de um processo. Sempre que o volume do documento atingir aproximadamente 200 páginas

Leia mais

COMO FAZER? Como preencher adequadamente um envelope para expedição de documentos e processos?... 2

COMO FAZER? Como preencher adequadamente um envelope para expedição de documentos e processos?... 2 COMO FAZER? Como preencher adequadamente um envelope para expedição de documentos e processos?... 2 Como preencher adequadamente uma comunicação interna CI?... 3 Como montar um processo físico?... 4 Como

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO RESOLUÇÃO nº483/2009 Data da Norma: 04/03/2009 Órgão expedidor: ÓRGÃO ESPECIAL DO TRIBUNAL DE JUSTIÇA Fonte: DJE de 22/06/2009, p. 1-77 Ementa: Cria o Programa de Gestão de Documentos Arquivísticos do

Leia mais

ELIMINAR DOCUMENTOS NAS UNIDADES ORGANIZACIONAIS

ELIMINAR DOCUMENTOS NAS UNIDADES ORGANIZACIONAIS Proposto por: Divisão de Gestão de Documentos - DIGED Analisado por: Diretor do Departamento de Gestão de Acervos Arquivísticos (DEGEA) Aprovado por: Diretor-Geral de Apoio aos Órgãos Jurisdicionais (DGJUR)

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DE JUSTIÇA SEPN Quadra 514 Norte Lote 7 Bloco B CEP 70760 542 Brasília DF www.cnj.jus.br INSTRUÇÃO NORMATIVA

CONSELHO NACIONAL DE JUSTIÇA SEPN Quadra 514 Norte Lote 7 Bloco B CEP 70760 542 Brasília DF www.cnj.jus.br INSTRUÇÃO NORMATIVA CONSELHO NACIONAL DE JUSTIÇA SEPN Quadra 514 Norte Lote 7 Bloco B CEP 70760 542 Brasília DF www.cnj.jus.br INSTRUÇÃO NORMATIVA INSTRUÇÃO NORMATIVA 67, DE 5 DE AGOSTO DE 2015 Regulamenta a Portaria SEI

Leia mais

APOSTILA Gestão de Documentos Públicos e Arquivos SIGED Parte Teórica

APOSTILA Gestão de Documentos Públicos e Arquivos SIGED Parte Teórica APOSTILA Gestão de Documentos Públicos e Arquivos SIGED Parte Teórica SUMÁRIO 1 CONCEITOS PRINCIPAIS... 3 1.1 Documento: gênero, espécie e natureza... 3 1.2 Ciclo de vida dos documentos... 7 1.3 Arquivo:

Leia mais

Edição nº 141/2015 Brasília - DF, segunda-feira, 10 de agosto de 2015 INSTRUÇÃO NORMATIVA 67, DE 5 DE AGOSTO DE 2015

Edição nº 141/2015 Brasília - DF, segunda-feira, 10 de agosto de 2015 INSTRUÇÃO NORMATIVA 67, DE 5 DE AGOSTO DE 2015 INSTRUÇÃO NORMATIVA 67, DE 5 DE AGOSTO DE 2015 Regulamenta a Portaria-SEI 1 de 4 de agosto de 2015, que instituiu o Sistema Eletrônico de Informações - SEI no âmbito do Conselho Nacional de Justiça. O

Leia mais

ORDEM DE SERVIÇO Nº 9, DE 8 DE OUTUBRO DE 2003.

ORDEM DE SERVIÇO Nº 9, DE 8 DE OUTUBRO DE 2003. ORDEM DE SERVIÇO Nº 9, DE 8 DE OUTUBRO DE 2003. Disciplina a formação de processos administrativos no âmbito do Supremo Tribunal Federal. O DIRETOR-GERAL DA SECRETARIA DO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL, no uso

Leia mais

GLOSSÁRIO. 1 ACERVO Totalidade dos documentos sob custódia de um arquivo.

GLOSSÁRIO. 1 ACERVO Totalidade dos documentos sob custódia de um arquivo. 43 RECOMENDAÇÕES Após a homologação do Código de Classificação e da Tabela de Temporalidade pela Comissão de Homologação, através de um documento normatizador, estes deverão ser publicados. Uma cópia destes

Leia mais

RDC n 25/11. RESOLUÇÃO - RDC No- 25, DE 16 DE JUNHO DE 2011

RDC n 25/11. RESOLUÇÃO - RDC No- 25, DE 16 DE JUNHO DE 2011 RDC n 25/11 RESOLUÇÃO - RDC No- 25, DE 16 DE JUNHO DE 2011 Dispõe sobre os procedimentos gerais para utilização dos serviços de protocolo de documentos no âmbito da Anvisa. A Diretoria Colegiada da Agência

Leia mais

ESTADO DE MATO GROSSO CÂMARA MUNICIPAL DE CUIABÁ

ESTADO DE MATO GROSSO CÂMARA MUNICIPAL DE CUIABÁ INSTRUÇÃO NORMATIVA SGA Nº. 007/2011 DISPÕE SOBRE OS PROCEDIMENTOS DE RECEBIMENTO, REGISTRO, TRAMITAÇÃO, CONTROLE E EXPEDIÇÃO DE DOCUMENTOS NA. Versão: 01 Aprovação: 13/06/2011 Ato de aprovação: 13/06/2011

Leia mais

Manual de procedimentos de protocolo e arquivo do Ifes

Manual de procedimentos de protocolo e arquivo do Ifes Manual de procedimentos de protocolo e arquivo do Ifes 1ª edição INSTITUTO FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO MANUAL DE PROCEDIMENTOS DE PROTOCOLO E ARQUIVO DO IFES Vitória 2014 Realização Comissão Permanente de

Leia mais

2012 Copyright. Curso Agora Eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. ATA Assistente Técnico Administrativo Arquivologia Alexandre Américo

2012 Copyright. Curso Agora Eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. ATA Assistente Técnico Administrativo Arquivologia Alexandre Américo 2012 Copyright. Curso Agora Eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. ATA Assistente Técnico Administrativo Arquivologia Alexandre Américo TERMINOLOGIAS ARQUIVÍSTICAS INFORMAÇÃO: resultado do processamento,

Leia mais

Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade SISTEMA GERENCIADOR DE DOCUMENTOS SGDOC

Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade SISTEMA GERENCIADOR DE DOCUMENTOS SGDOC Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade SISTEMA GERENCIADOR DE DOCUMENTOS SGDOC Manual de instruções para utilização do Sistema Gerenciador de Documentos SGDOC - Versão 2-2012 Sumário Manual

Leia mais

PORTARIA Nº 412, DE 5 DE SETEMBRO DE 2012

PORTARIA Nº 412, DE 5 DE SETEMBRO DE 2012 PORTARIA Nº 412, DE 5 DE SETEMBRO DE 2012 Estabelece diretrizes para a implementação da política de Gestão da Informação Corporativa no âmbito do Ministério da Previdência Social e de suas entidades vinculadas

Leia mais

TRIBUNAL DE CONTAS DA UNIÃO Segepres/ISC/Cedoc Serviço de Gestão Documental MANUAL DE TRATAMENTO DE DOCUMENTOS DIGITALIZADOS

TRIBUNAL DE CONTAS DA UNIÃO Segepres/ISC/Cedoc Serviço de Gestão Documental MANUAL DE TRATAMENTO DE DOCUMENTOS DIGITALIZADOS TRIBUNAL DE CONTAS DA UNIÃO Segepres/ISC/Cedoc Serviço de Gestão Documental MANUAL DE TRATAMENTO DE DOCUMENTOS DIGITALIZADOS Abril/2015 Sumário 1 APRESENTAÇÃO... 3 2 OBJETIVOS... 5 3 CONSIDERAÇÕES SOBRE

Leia mais

RESOLUÇÃO N. 165/2014/TCE-RO

RESOLUÇÃO N. 165/2014/TCE-RO RESOLUÇÃO N. 165/2014/TCE-RO Regulamenta o Processo de Contas Eletrônico no âmbito do Tribunal de Contas do Estado de Rondônia. O PRESIDENTE DO TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DE RONDÔNIA, no uso das atribuições

Leia mais

Coordenação Geral de Tecnologia da Informação - CGTI. SIGED - Sistema de Gestão Eletrônica de Documentos MANUAL DO USUÁRIO Módulo de Documentos

Coordenação Geral de Tecnologia da Informação - CGTI. SIGED - Sistema de Gestão Eletrônica de Documentos MANUAL DO USUÁRIO Módulo de Documentos SIGED - Sistema de Gestão Eletrônica de Documentos MANUAL DO USUÁRIO Módulo de Documentos O objetivo deste Manual é permitir a reunião de informações dispostas de forma sistematizada, criteriosa e segmentada

Leia mais

Anexo I (Art. 1º da Instrução Normativa STJ/GDG n. 8 de 4 de maio de 2015) ROTINAS E PROCEDIMENTOS DO PROGRAMA DE GESTÃO DOCUMENTAL

Anexo I (Art. 1º da Instrução Normativa STJ/GDG n. 8 de 4 de maio de 2015) ROTINAS E PROCEDIMENTOS DO PROGRAMA DE GESTÃO DOCUMENTAL Anexo I (Art. 1º da Instrução Normativa STJ/GDG n. 8 de 4 de maio de 2015) ROTINAS E PROCEDIMENTOS DO PROGRAMA DE GESTÃO DOCUMENTAL Seção I Da Criação, da Captura e da Digitalização de Documentos Art.

Leia mais

ATO Nº 303/2015. O DESEMBARGADOR-PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 7ª REGIÃO, no uso de suas atribuições legais e regimentais,

ATO Nº 303/2015. O DESEMBARGADOR-PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 7ª REGIÃO, no uso de suas atribuições legais e regimentais, ATO Nº 303/2015 Disciplina a implantação do Processo Administrativo Eletrônico (Proad) no âmbito do Tribunal Regional do Trabalho da 7ª Região. O DESEMBARGADOR-PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO

Leia mais

SGD - Sistema de Gestão de Documentos

SGD - Sistema de Gestão de Documentos Agosto/2012 SGD - Sistema de Gestão de Documentos Manual do Módulo Documentos Características Orientações de utilização do Módulo Documentos. Apresentação das funcionalidades. Telas explicativas e passo

Leia mais

Recebimento e Expedição (Unidades de Recebimento e Expedição)

Recebimento e Expedição (Unidades de Recebimento e Expedição) MINISTÉRIO DA FAZENDA SECRETARIA EXECUTIVA SUBSECRETARIA DE PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E ADMINISTRAÇÃO COORDENAÇÃO-GERAL DE RECURSOS LOGÍSTICOS Manual Recebimento e Expedição (Unidades de Recebimento e Expedição)

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS MPR/SIA-602-R00

MANUAL DE PROCEDIMENTOS MPR/SIA-602-R00 MANUAL DE PROCEDIMENTOS MPR/SIA-602-R00 AUTOS DE INFRAÇÃO E MULTAS 03/2014 PÁGINA INTENCIONALMENTE EM BRANCO 2 Brasília, 17 de março de 2014. Aprovado, Fabio Faizi Rahnemay Rabbani 3 PÁGINA INTENCIONALMENTE

Leia mais

APRESENTAÇÃO 1. ARQUIVOLOGIA

APRESENTAÇÃO 1. ARQUIVOLOGIA APRESENTAÇÃO 1 Essa é a primeira de uma série de aulas de Arquivologia voltadas para o concurso do TSE/TRE s, mas que certamente serão aproveitadas em diversos concursos de nível médio que cobrem Arquivologia,

Leia mais

LEI Nº 1381/2015 CAPÍTULO I. Disposições gerais CAPÍTULO II. Do arquivo público municipal

LEI Nº 1381/2015 CAPÍTULO I. Disposições gerais CAPÍTULO II. Do arquivo público municipal LEI Nº 1381/2015 Dispõe sobre a criação do Arquivo Público Municipal de Rubineia, define as diretrizes da política municipal de arquivos públicos e privados e cria o Sistema Municipal de Arquivos SISMARQ.

Leia mais

RESOLVE baixar a presente ORDEM DE SERVIÇO determinando que:

RESOLVE baixar a presente ORDEM DE SERVIÇO determinando que: ORDEM DE SERVIÇO N o 003/2014 Em 16 de janeiro de 2014, o Reitor em exercício da Universidade Federal de São João del-rei UFSJ, usando de suas atribuições, tendo em vista a ampliação da eficácia e da eficiência

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA CONSELHO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 15/2011

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA CONSELHO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 15/2011 CONSELHO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 15/2011 Cria o Arquivo Central e dispõe sobre o Sistema de Arquivos da UFJF O Conselho Superior da Universidade Federal de Juiz de Fora, no uso de suas atribuições, tendo

Leia mais

PORTARIANº 032/2015-DF

PORTARIANº 032/2015-DF PORTARIANº 032/2015-DF O Doutor ARISTEU DIAS BATISTA VILELLA, Juiz de Direito e Diretor do Foro da, no uso de suas atribuições legais, com fundamento nos artigos 52, inciso XV, da Lei nº 4.964, de 26 de

Leia mais

Gestão de Acervos Municipais: Físico, Digitalizado e Memória

Gestão de Acervos Municipais: Físico, Digitalizado e Memória Gestão de Acervos Municipais: Físico, Digitalizado e Memória Erenilda Custódio dos Santos Amaral Salvador Objetivo; Motivação; Proposta; AGENDA O que se entende nesta proposta como Política de Gestão Documental;

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO ARQUIVO PÚBLICO MUNICIPAL DE BAGÉ

REGIMENTO INTERNO DO ARQUIVO PÚBLICO MUNICIPAL DE BAGÉ REGIMENTO INTERNO DO ARQUIVO PÚBLICO MUNICIPAL DE BAGÉ Art. 1 - O Arquivo Público Municipal de Bagé, criado pela lei nº 3.399/97, de julho/97 alterado e complementado pelas leis 3.817/2001 e 3.935/2002,

Leia mais

PORTARIA PGE Nº 054/2011

PORTARIA PGE Nº 054/2011 PORTARIA PGE Nº 054/2011 Institui a comunicação interna eletrônica no âmbito da Procuradoria-Geral do Estado de Alagoas. O PROCURADOR-GERAL DO ESTADO DE ALAGOAS no uso da atribuição que lhe confere o artigo

Leia mais

Ministério da Educação GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 1.042, DE 4 DE NOVEMBRO DE 2015

Ministério da Educação GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 1.042, DE 4 DE NOVEMBRO DE 2015 Ministério da Educação GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 1.042, DE 4 DE NOVEMBRO DE 2015 Dispõe sobre a implantação e o funcionamento do processo eletrônico no âmbito do Ministério da Educação. O MINISTRO

Leia mais

FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA PRÓ-REITORIA DE PLANEJAMENTO

FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA PRÓ-REITORIA DE PLANEJAMENTO 1 INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 001 de 29 de Abril de 2011. FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA PRÓ-REITORIA DE PLANEJAMENTO Disciplina no âmbito da UDESC o controle dos serviços de postagem e remessa

Leia mais

PORTARIA TC Nº 433, DE 5 DE DEZEMBRO DE 2014.

PORTARIA TC Nº 433, DE 5 DE DEZEMBRO DE 2014. PORTARIA TC Nº 433, DE 5 DE DEZEMBRO DE 2014. Institui o processo administrativo eletrônico no âmbito do Tribunal de Contas do Estado de Pernambuco. O PRESIDENTE DO DO ESTADO DE PERNAMBUCO, no uso de suas

Leia mais

ARQUIVOS E DOCUMENTOS CONCEITOS E CARACTERÍSTICAS

ARQUIVOS E DOCUMENTOS CONCEITOS E CARACTERÍSTICAS Resumo de Arquivologia Assunto: ARQUIVOS E DOCUMENTOS CONCEITOS E CARACTERÍSTICAS Autor: ARQUIVO NACIONAL 2 1 ARQUIVOS E DOCUMENTOS: CONCEITOS E CARACTERÍSTICAS 1.1 - Conceituação de Documentos Documento

Leia mais

FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA PRÓ-REITORIA DE ADMINISTRAÇÃO

FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA PRÓ-REITORIA DE ADMINISTRAÇÃO INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 001 de 03 de julho de 2012. FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA PRÓ-REITORIA DE ADMINISTRAÇÃO Regulamenta os procedimentos para movimentação física dos bens patrimoniais,

Leia mais

RESOLUÇÃO N. 23, DE 19 DE SETEMBRO DE 2008.

RESOLUÇÃO N. 23, DE 19 DE SETEMBRO DE 2008. Anexo II Consolidação Normativa da Gestão Documental RESOLUÇÃO N. 23, DE 19 DE SETEMBRO DE 2008. Estabelece a Consolidação Normativa do Programa de Gestão Documental da Justiça Federal de 1º e 2º Graus.

Leia mais

Arquivo Estrutura Básica Necessária Recursos Humanos

Arquivo Estrutura Básica Necessária Recursos Humanos 1/7 2. Técnicas de atendimento (presencial e a distância) ao cliente interno e externo: técnicas de triagem, organização e registro fluxo documental; planejamento e organização do ambiente de trabalho/

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA - TCU Nº 71, DE 28 DE NOVEMBRO DE 2012

INSTRUÇÃO NORMATIVA - TCU Nº 71, DE 28 DE NOVEMBRO DE 2012 INSTRUÇÃO NORMATIVA - TCU Nº 71, DE 28 DE NOVEMBRO DE 2012 Dispõe sobre a instauração, a organização e o encaminhamento ao Tribunal de Contas da União dos processos de tomada de contas especial. O TRIBUNAL

Leia mais

RESOLUÇÃO N 427, DE 20 DE ABRIL DE 2010

RESOLUÇÃO N 427, DE 20 DE ABRIL DE 2010 Publicada no DJE/STF, n. 72, p. 1-2 em 26/4/2010 RESOLUÇÃO N 427, DE 20 DE ABRIL DE 2010 Regulamenta o processo eletrônico no âmbito do Supremo Tribunal Federal e dá outras providências. O PRESIDENTE DO

Leia mais

Orienta os órgãos e entidades da Administração Pública do Poder Executivo Estadual, quanto à gestão de documentos arquivísticos.

Orienta os órgãos e entidades da Administração Pública do Poder Executivo Estadual, quanto à gestão de documentos arquivísticos. INSTRUÇÃO CONJUNTA SAEB/SECULT Nº 001 Orienta os órgãos e entidades da Administração Pública do Poder Executivo Estadual, quanto à gestão de documentos arquivísticos. OS SECRETÁRIOS DA ADMINISTRAÇÃO E

Leia mais

Dúvidas sobre livros mercantis

Dúvidas sobre livros mercantis Dúvidas sobre livros mercantis 1 - Para o registro do balanço como documento de interesse, na Junta Comercial, exige-se que seja informado o número das folhas do livro Diário em que foi retirado o balanço?

Leia mais

MINISTÉRIO DA JUSTIÇA CONSELHO ADMINISTRATIVO DE DEFESA ECONÔMICA

MINISTÉRIO DA JUSTIÇA CONSELHO ADMINISTRATIVO DE DEFESA ECONÔMICA Ref.: Consulta Pública nº 04/2014 DESPACHO nº 339/2014/PRES/CADE Submeto a Resolução anexa que institui o Sistema Eletrônico de Informações SEI como sistema oficial de gestão de documentos eletrônicos

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 8ª REGIÃO

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 8ª REGIÃO RESOLUÇÃO Nº 221/2011 Regulamenta as atividades da Central de Atendimento, a forma de assinatura eletrônica e a utilização do meio eletrônico para a prática de atos processuais e dá outras providências.

Leia mais

SETIM Secretaria de Tecnologia da Informação e Modernização

SETIM Secretaria de Tecnologia da Informação e Modernização Realização: SETIM Secretaria de Tecnologia da Informação e Modernização Histórico de Revisões Data Versão Descrição Autor 28/02/2013 1.0 Criação do documento. Diego Motta 03/03/2013 1.1 Revisão do documento.

Leia mais

REDAÇÃO FINAL PROJETO DE LEI Nº 0155/09 - AL Autor: Deputado Manoel Mandi

REDAÇÃO FINAL PROJETO DE LEI Nº 0155/09 - AL Autor: Deputado Manoel Mandi REDAÇÃO FINAL PROJETO DE LEI Nº 0155/09 - AL Autor: Deputado Manoel Mandi Dispõe sobre a criação do Arquivo Público Estadual e define as diretrizes da Política Estadual de Arquivos Públicos e Privados

Leia mais

TRIBUNAL DE CONTAS DA UNIÃO Segepres/ISC/Cedoc Serviço de Gestão Documental

TRIBUNAL DE CONTAS DA UNIÃO Segepres/ISC/Cedoc Serviço de Gestão Documental TRIBUNAL DE CONTAS DA UNIÃO Segepres/ISC/Cedoc Serviço de Gestão Documental MANUAL DE TRATAMENTO E GUARDA DE DOCUMENTOS ESPECIAIS AVULSOS Setembro/2013 1 PROCEDIMENTOS DE RECEBIMENTO E GUARDA DE DOCUMENTOS

Leia mais

RESOLUÇÃO CFM Nº 1.821/07 (Publicada no D.O.U. de 23 nov. 2007, Seção I, pg. 252)

RESOLUÇÃO CFM Nº 1.821/07 (Publicada no D.O.U. de 23 nov. 2007, Seção I, pg. 252) RESOLUÇÃO CFM Nº 1.821/07 (Publicada no D.O.U. de 23 nov. 2007, Seção I, pg. 252) Aprova as normas técnicas concernentes à digitalização e uso dos sistemas informatizados para a guarda e manuseio dos documentos

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA-TCU Nº 68, DE 25 DE OUTUBRO DE 2011

INSTRUÇÃO NORMATIVA-TCU Nº 68, DE 25 DE OUTUBRO DE 2011 INSTRUÇÃO NORMATIVA-TCU Nº 68, DE 25 DE OUTUBRO DE 2011 Dispõe sobre o recebimento de documentos a serem protocolados junto ao Tribunal de Contas da União. O TRIBUNAL DE CONTAS DA UNIÃO, no uso de suas

Leia mais

NORMA DE ARQUIVO - NOR 208

NORMA DE ARQUIVO - NOR 208 MANUAL DE ADMINISTRAÇÃO E FINANÇAS COD. 200 ASSUNTO: GESTÃO DE DOCUMENTOS ADMINISTRATIVOS APROVAÇÃO: Resolução DIREX nº 528/2012, de 10/12/2012 VIGÊNCIA: 11/12/2012 NORMA DE ARQUIVO - NOR 208 1/21 ÍNDICE

Leia mais

Gerenciamento Total da Informação

Gerenciamento Total da Informação INSTRUÇÕES NORMATIVAS MINISTÉRIO DA JUSTIÇA ARQUIVO NACIONAL INSTRUÇÃO NORMATIVA AN/Nº 1, DE 18 DE ABRIL DE 1997 Estabelece os procedimentos para entrada de acervos arquivísticos no Arquivo Nacional O

Leia mais

Estabelecer critérios e procedimentos para a autuação de processos judiciais e incidentais.

Estabelecer critérios e procedimentos para a autuação de processos judiciais e incidentais. RAD- Proposto por: Equipe da Vara Empresarial AUTUAR PROCESSOS JUDICIAIS Analisado por: RAS da Vara Empresarial Aprovado por: Juiz de Direito da Vara Empresarial 1 OBJETIVO Estabelecer critérios e procedimentos

Leia mais

PORTARIA Nº 126, DE 12 DE MARÇO DE 2014.

PORTARIA Nº 126, DE 12 DE MARÇO DE 2014. PORTARIA Nº 126, DE 12 DE MARÇO DE 2014. Dispõe sobre a implantação e o funcionamento do processo eletrônico no âmbito do Ministério das Comunicações. O MINISTRO DE ESTADO DAS COMUNICAÇÕES, no uso das

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA N o 19, DE 16 DE SETEMBRO DE 2011

INSTRUÇÃO NORMATIVA N o 19, DE 16 DE SETEMBRO DE 2011 INSTRUÇÃO NORMATIVA N o 19, DE 16 DE SETEMBRO DE 2011 Regulamenta o uso de imagens de unidades de conservação federais, dos bens ambientais nestas incluídos e do seu patrimônio, bem como a elaboração de

Leia mais

RESOLUÇÃO - RDC Nº 124, DE 13 DE MAIO DE 2004.

RESOLUÇÃO - RDC Nº 124, DE 13 DE MAIO DE 2004. RESOLUÇÃO - RDC Nº 124, DE 13 DE MAIO DE 2004. Dispõe sobre os procedimentos gerais para utilização dos serviços de protocolo de correspondências e documentos técnicos no âmbito da Anvisa e sobre as formas

Leia mais

RIO GRANDE DO NORTE LEI Nº 9.461, DE 04 DE MARÇO DE 2011.

RIO GRANDE DO NORTE LEI Nº 9.461, DE 04 DE MARÇO DE 2011. RIO GRANDE DO NORTE LEI Nº 9.461, DE 04 DE MARÇO DE 2011. Dispõe sobre a simplificação do atendimento público prestado ao cidadão, ratifica a dispensa do reconhecimento de firma em documentos produzidos

Leia mais

Nº Versão/Data: Validade: 2.0 22/10/2014 OUTUBRO/2015 SA. 05 EXPEDIÇÃO MACROPROCESSO ADMINISTRATIVO PROCESSO EXPEDIÇÃO

Nº Versão/Data: Validade: 2.0 22/10/2014 OUTUBRO/2015 SA. 05 EXPEDIÇÃO MACROPROCESSO ADMINISTRATIVO PROCESSO EXPEDIÇÃO 1 de 10 EXPEDIÇÃO MACROPROCESSO ADMINISTRATIVO PROCESSO EXPEDIÇÃO EXPEDIÇÃO 1. OBJETIVO... 2 2. ABRANGÊNCIA... 2 3. DOCUMENTOS RELACIONADOS... 2 4. PROCEDIMENTOS... 2 4.1 DEFINIÇÃO DO SERVIÇO E SUA ABRANGÊNCIA...

Leia mais

ORIENTAÇÕES PARA PROCESSAMENTO E DISTRIBUIÇÃO DE DOCUMENTOS

ORIENTAÇÕES PARA PROCESSAMENTO E DISTRIBUIÇÃO DE DOCUMENTOS ORIENTAÇÕES PARA PROCESSAMENTO E DISTRIBUIÇÃO DE DOCUMENTOS 1- REGISTRO, CONTROLE, DEFINIÇÃO DE PROCESSO E CORRESPONDÊNCIA. 1.1 O cadastro, envio, recebimento e demais registros de processos, no âmbito

Leia mais

A- SUBPROCURADORIA-GERAL DE JUSTIÇA JURÍDICA ATO NORMATIVO Nº 706/2011-PGJ, DE 29 DE JULHO DE 2011 (Protocolado nº 80.329/11)

A- SUBPROCURADORIA-GERAL DE JUSTIÇA JURÍDICA ATO NORMATIVO Nº 706/2011-PGJ, DE 29 DE JULHO DE 2011 (Protocolado nº 80.329/11) A- SUBPROCURADORIA-GERAL DE JUSTIÇA JURÍDICA ATO NORMATIVO Nº 706/2011-PGJ, DE 29 DE JULHO DE 2011 (Protocolado nº 80.329/11) Texto compilado até o Ato (N) nº 791/2013 PGJ de 11/10/2013 Estabelece normas

Leia mais

PROVIMENTO Nº 148, DE 16 DE ABRIL DE 2008. (Ver Provimento n. 70, de 9.1.2012 DJMS, de 17.1.2012.)

PROVIMENTO Nº 148, DE 16 DE ABRIL DE 2008. (Ver Provimento n. 70, de 9.1.2012 DJMS, de 17.1.2012.) PROVIMENTO Nº 148, DE 16 DE ABRIL DE 2008. (Ver Provimento n. 70, de 9.1.2012 DJMS, de 17.1.2012.) Institui, no âmbito da Justiça de Primeiro Grau do Estado de Mato Grosso do Sul, o sistema eletrônico

Leia mais

RESOLUCAO TJ/OE Nº 16, de 30/11/2009 (ESTADUAL) DJERJ, ADM 60 (8) - 01/12/2009

RESOLUCAO TJ/OE Nº 16, de 30/11/2009 (ESTADUAL) DJERJ, ADM 60 (8) - 01/12/2009 RESOLUCAO TJ/OE Nº 16, de 30/11/2009 (ESTADUAL) DJERJ, ADM 60 (8) - 01/12/2009 RESOLUÇÃO Nº. 16/2009 Autoriza a implantação do Processo Eletrônico no âmbito do Tribunal de Justiça do Estado do Rio de Janeiro

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS MPR/ASCOM-001-R00 PUBLICIDADE E COMUNICAÇÃO DIGITAL

MANUAL DE PROCEDIMENTOS MPR/ASCOM-001-R00 PUBLICIDADE E COMUNICAÇÃO DIGITAL MANUAL DE PROCEDIMENTOS MPR/ASCOM-001-R00 PUBLICIDADE E COMUNICAÇÃO DIGITAL 09/2015 PÁGINA INTENCIONALMENTE EM BRANCO 2 30 de setembro de 2015. Aprovado, Gabriela de Souza Leal 3 PÁGINA INTENCIONALMENTE

Leia mais

Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI Nº 11.419, DE 19 DE DEZEMBRO DE 2006. Mensagem de veto Dispõe sobre a informatização do processo judicial; altera a Lei n o 5.869, de 11 de janeiro de 1973

Leia mais

SIMPROC SISTEMA DE PROCESSO ADMINISTRATIVO E CONTROLE DOCUMENTAL

SIMPROC SISTEMA DE PROCESSO ADMINISTRATIVO E CONTROLE DOCUMENTAL 1 SIMPROC SISTEMA DE PROCESSO ADMINISTRATIVO E CONTROLE DOCUMENTAL Toda organização, pública ou privada, independente de seu tamanho, deve constituir uma área para atendimento às demandas dos colaboradores

Leia mais

SEC. 02 OFÍCIOS E TEXTOS

SEC. 02 OFÍCIOS E TEXTOS 1 de 23 OFÍCIOS E TEXTOS MACROPROCESSO ADMINISTRATIVO PROCESSO OFÍCIOS E TEXTOS OFÍCIOS E TEXTOS 1. OBJETIVO... 2 2. ABRANGÊNCIA... 2 3. DOCUMENTOS RELACIONADOS... 2 4. PROCEDIMENTOS... 2 4.1 DEFINIÇÃO

Leia mais

CORREÇÂO - ESAF Concurso Público: Assistente Técnico-Administrativo - ATA - 2012 Provas 1 e 2 Gabarito 1 ARQUIVOLOGIA PROF.

CORREÇÂO - ESAF Concurso Público: Assistente Técnico-Administrativo - ATA - 2012 Provas 1 e 2 Gabarito 1 ARQUIVOLOGIA PROF. CORREÇÂO - ESAF Concurso Público: Assistente Técnico-Administrativo - ATA - 2012 Provas 1 e 2 Gabarito 1 ARQUIVOLOGIA PROF. RODRIGO BARBATI ARQUIVOLOGIA 21- São gêneros documentais encontrados nos arquivos,exceto:

Leia mais

Estabelecer os procedimentos para o controle e o tratamento de produto não conforme, no âmbito da Diretoria Geral de Gestão do Conhecimento.

Estabelecer os procedimentos para o controle e o tratamento de produto não conforme, no âmbito da Diretoria Geral de Gestão do Conhecimento. Proposto por: Equipe da Diretoria Geral de Gestão do Conhecimento (GBCON) Analisado por: Representante da Administração Superior (RD) Aprovado por: Diretor - Geral da Diretoria Geral de Gestão do Conhecimento

Leia mais

Coordenação Geral de Tecnologia da Informação - CGTI. SIGED - Sistema de Gestão Eletrônica de Documentos MANUAL DO USUÁRIO Módulo de Arquivos

Coordenação Geral de Tecnologia da Informação - CGTI. SIGED - Sistema de Gestão Eletrônica de Documentos MANUAL DO USUÁRIO Módulo de Arquivos SIGED - Sistema de Gestão Eletrônica de Documentos MANUAL DO USUÁRIO Módulo de Arquivos O objetivo deste Manual é permitir a reunião de informações dispostas de forma sistematizada, criteriosa e segmentada

Leia mais

Manual de Procedimentos GGAF

Manual de Procedimentos GGAF Manual de Procedimentos GGAF 2014 Ficha Técnica Diretoria Diretor Presidente: Marcelo Pacho dos Guaranys Diretor de Aeronavegabilidade: Cláudio Passos Simão Diretor de Regulação Econômica: Ricardo Sérgio

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 47, DE 13 DE AGOSTO DE 2010.

AGÊNCIA NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 47, DE 13 DE AGOSTO DE 2010. AGÊNCIA NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 47, DE 13 DE AGOSTO DE 2010. Estabelece as diretrizes básicas para classificação, tratamento e gestão de documentos em qualquer suporte, conforme

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS DA DIRETORIA DO CENTRO DE ESTUDOS DA DEFENSORIA PÚBLICA DO ESTADO DO PARÁ

MANUAL DE PROCEDIMENTOS DA DIRETORIA DO CENTRO DE ESTUDOS DA DEFENSORIA PÚBLICA DO ESTADO DO PARÁ MANUAL DE PROCEDIMENTOS DA DIRETORIA DO CENTRO DE ESTUDOS DA DEFENSORIA PÚBLICA DO ESTADO DO PARÁ SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO, 3 2 FUNCIONALIDADE ADMINISTRATIVA, 3 2 S ORGANIZACIONAIS DO CENTRO DE ESTUDOS, 3

Leia mais

DECRETO Nº 6.029, DE 1º DE FEVEREIRO DE 2007

DECRETO Nº 6.029, DE 1º DE FEVEREIRO DE 2007 SENADO FEDERAL SUBSECRETARIA DE INFORMAÇÕES DECRETO Nº 6.029, DE 1º DE FEVEREIRO DE 2007 Institui Sistema de Gestão da Ética do Poder Executivo Federal, e dá outras providências. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA,

Leia mais