TRIBUNAL DE CONTAS DA UNIÃO Segepres/ISC/Cedoc Serviço de Gestão Documental

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "TRIBUNAL DE CONTAS DA UNIÃO Segepres/ISC/Cedoc Serviço de Gestão Documental"

Transcrição

1 TRIBUNAL DE CONTAS DA UNIÃO Segepres/ISC/Cedoc Serviço de Gestão Documental MANUAL DE TRATAMENTO E GUARDA DE DOCUMENTOS ESPECIAIS AVULSOS Setembro/2013 1

2 PROCEDIMENTOS DE RECEBIMENTO E GUARDA DE DOCUMENTOS ESPECIAIS AVULSOS 1. APRESENTAÇÃO Uma gestão de documentos eficiente garante o controle desde sua criação até a destinação final. Por isso, é de fundamental importância a padronização dos procedimentos adotados pelas unidades do Tribunal de Contas da União - TCU e pelo Serviço de Gestão Documental - Seged no que diz respeito à guarda e ao arquivamento de documentos. O estabelecimento de um padrão tem o objetivo de organizar e preservar os documentos produzidos e/ou recebidos pelas diversas áreas, visando atender as necessidades administrativas e exigências legais, bem como contribuir para a preservação da história institucional. A racionalização dos procedimentos contribui para o aperfeiçoamento da instituição, uma vez que torna possível a guarda apenas do que é efetivamente consultado ou tem valor permanente, facilitando o acesso tempestivo à informação. O modelo de tratamento de processos em papel no TCU já está consolidado na Portaria- TCU nº 108/2005 e encontra-se detalhado no Manual de Remessa de Processos Para Arquivamento. A partir de agosto de 2010, com o início do Processo Eletrônico de Controle Externo e- TCU, surgiu a necessidade de tratamento dos documentos recebidos em papel e convertidos para o meio digital com vistas à inclusão em autos eletrônicos, após a devida certificação digital. Em consequência disso, fez-se necessário o tratamento dos objetos avulsos recebidos pelo TCU chamados de Documentos Especiais (CDs, DVDs, fitas, fotografias, etc.), e que também se relacionam com os processos eletrônicos. Nesse contexto, com a finalidade de se criar uma metodologia de gestão dessa documentação que melhor se adequasse à realidade, foi feito um diagnóstico, em fevereiro de 2011, sobre as práticas de guarda adotadas nas unidades do Tribunal. Conforme estabelecido em lei, processos que se formaram em papel deverão ser tratados neste suporte até o término de sua temporalidade. Sendo assim, as peças, vinculadas a processos já existentes, recebidas nas Unidades ou no Serviço de Protocolo Seprot deverão ser juntadas aos respectivos autos em papel. Da mesma maneira, processos eletrônicos devem passar por uma gestão eletrônica de documentos e suas peças físicas deverão ser identificadas, relacionadas aos processos pertencentes e 2

3 arquivadas de acordo com o prazo de guarda estabelecido no Código de Classificação e Tabela de Temporalidade do TCU. A gestão documental é um procedimento dinâmico. Desta forma, este manual estará sempre em processo de aperfeiçoamento e, portanto, sujeito a alterações decorrentes da incorporação de novas normas ou da aplicação de outras rotinas. 2. OBJETIVOS Regulamentar o 3º do artigo 5º da Portaria-TCU nº 325/2011, que dispõe sobre o recebimento e a gestão de documentos e objetos protocolados junto ao Tribunal de Contas da União, orientando a padronização de procedimentos para guarda, devolução ou descarte de objetos protocolados no TCU, cuja digitação não seja tecnicamente viável; Definir as rotinas de tratamento de documentos que, por sua natureza ou dimensão, não podem ser convertidos ou representados em formato eletrônico; Orientar, de acordo com o tópico 6 do Manual de Procedimentos de Guarda de Documentos Originais em Papel, sobre o tratamento adequado à guarda e utilização de arquivos especiais. 3. CONSIDERAÇÕES SOBRE DOCUMENTOS ESPECIAIS Entende-se como Documento Especial o documento em linguagem não textual, em suporte não convencional, ou, no caso de papel, em formato e dimensões excepcionais, que exige procedimentos específicos para seu processamento técnico, guarda e preservação, e cujo acesso depende, na maioria das vezes, de intermediação tecnológica. O suporte é o material no qual são registradas as informações Logo, o Arquivo Especial é aquele que tem sob sua guarda documentos de formas físicas diversas fotografias, discos, fitas, micrografias, slides, disquetes, CD-ROM e que, por essa razão, merecem tratamento especial não apenas no que se refere ao seu armazenamento, como também ao registro, acondicionamento, controle, conservação etc. Com a publicação da IN-TCU nº 68/2011, regulamentada pela Portaria-TCU nº 325, e considerando a necessidade de tratar e padronizar procedimentos para a conversão, quando possível, e 3

4 o arquivamento de documentos especiais guardados no âmbito do TCU, criou-se uma rotina de recebimento dessas peças. De acordo com a Portaria-TCU nº 325/2011, considera-se cópia todo documento duplicado de forma fiel a partir do original por meio de utilização de diferentes métodos; e original, todo documento registro de fato que se quer preservar originalmente produzido e autenticado pelo autor e conservado no suporte e formato em que foi emitido, com os devidos sinais de validação. Ora, tratando-se de Documentos Especiais, o que devemos considerar cópia e o que devemos tratar como original? CDs ou DVDs contendo documentos que constituem peças de processos eletrônicos passíveis de inserção em meio digital, fotografias digitalizáveis ou objetos que podem ser inseridos no sistema institucional por meios alternativos, podem, segundo o prazo especificado na referida IN-TCU (Art. 4º, 5 ), ser descartados pela própria unidade após seis meses, tratando-se de cópias, ou serem devolvidos ao seu interessado. Segundo a Portaria-TCU (Art. 5º, 1 ), objetos cuja digitalização não seja tecnicamente possível podem ser convertidos em arquivo eletrônico por meios alternativos, tais como captura de vídeo, imagem fotográfica ou áudio, de modo a viabilizar a sua inserção nos autos eletrônicos, cabendo a posterior devolução desses objetos ao respectivo fornecedor. No caso de documentos originais ou documentos não digitalizáveis, o procedimento adequado será o tratamento e a guarda na própria unidade e posterior transferência ao Seged de acordo com os prazos estabelecidos na Tabela de Temporalidade. documentos. A seguir, estão estabelecidas algumas rotinas para o tratamento e transferência desses 4. ROTINA OPERACIONAL DE RECEBIMENTO E GUARDA TEMPORÁRIA DE DOCUMENTOS ESPECIAIS QUE INTEGRAM PROCESSOS ELETRÔNICOS Após receber os documentos especiais que irão ser arquivados pelo TCU e registrar o seu número de protocolo, a unidade custodiante deve realizar as seguintes ações: 1º) Agrupar todos os documentos relacionados aos mesmos autos; 4

5 2º) Acondicionar os documentos especiais, separados por tipos de suportes, em envelopes do TCU e lacrá-los com fita adesiva. Ex.: guardar CDs no mesmo envelope e fitas em um envelope diferente; 3º) Vincular o documento especial ao respectivo processo por meio de anotação manual em etiqueta (Anexo 1) fixada na capa do envelope contendo as seguintes informações: Número do TC Quantidade de itens Restrição de Acesso (Ostensivo ou Sigiloso) Tipo de Suporte Unidade Responsável 4º) Arquivar o documento especial na unidade por 1 (um) ano após o encerramento do processo; 5º) Transferir a documentação para o Seged com a devida identificação. 5. TRATAMENTOS ESPECÍFICOS DESTINADOS AOS DIFERENTES SUPORTES a) Papel: deve-se evitar dobrar páginas e folhas de documentos; manter as mãos limpas ao manusear os documentos; não fazer uso de fitas adesivas; não escrever nos documentos; não apoiar os membros do corpo, bem como objetos em cima dos documentos ao ler ou consultar; não se alimentar próximo ao acervo e não utilizar a saliva ou líquidos umedecedores para folhear as páginas de documentos. b) Fotografias: devem receber proteção individualizada e de boa qualidade; utiliza-se mobiliário de aço para o seu arquivamento e o manuseio deve ser feito com o uso de luvas de algodão; ter o cuidado necessário ao tentar separar uma fotografia que, com o tempo, grudou em outra; anotar com lápis macio somente o necessário, no verso da fotografia. c) Diapositivos: utilizar arquivos metálicos; fazer uso de materiais de acondicionamento adequados, como cartelas flexíveis de polietileno ou polipropileno; produzir duplicatas para projeções que são constantemente exibidas. d) Microfilmes: indispensável à produção de duplicatas; o armazenamento deve ser feito em cofre, arquivos ou armários à prova de fogo; a sujeira deve ser removida utilizando-se um pano limpo; deve-se acondicioná-los em compartimentos vedados à umidade. e) Disquetes e CD-ROM: utilizar softwares antivírus; utilizar mídias de boa qualidade; acondicionálas em embalagens que os proteja de sujeira e contato físico (arranhões); mantê-los distantes de materiais magnéticos e em local arejado. 5

6 ANEXO 1 Modelo de Etiqueta de identificação de Documentos Especiais FORMA DE PREENCHIMENTO 1. TC: Informar o Número do TC relacionado ao Documento Especial; 2. Quantidade de itens: Informar a quantidade de itens dentro do envelope; 3. Sigiloso: Informar se o documento é sigiloso ou não; 4. Tipo de Suporte: Informar o tipo de suporte do Documento Especial. Ex.: CD, DVD, Fita etc. 5. Unidade Responsável: Informar o nome (Sigla) da unidade que recebeu o documento. 6

7 7

TRIBUNAL DE CONTAS DA UNIÃO Segepres/ISC/Cedoc Serviço de Gestão Documental MANUAL DE TRATAMENTO DE DOCUMENTOS DIGITALIZADOS

TRIBUNAL DE CONTAS DA UNIÃO Segepres/ISC/Cedoc Serviço de Gestão Documental MANUAL DE TRATAMENTO DE DOCUMENTOS DIGITALIZADOS TRIBUNAL DE CONTAS DA UNIÃO Segepres/ISC/Cedoc Serviço de Gestão Documental MANUAL DE TRATAMENTO DE DOCUMENTOS DIGITALIZADOS Abril/2015 Sumário 1 APRESENTAÇÃO... 3 2 OBJETIVOS... 5 3 CONSIDERAÇÕES SOBRE

Leia mais

1. Conceito Arquivo Biblioteca- Museu

1. Conceito Arquivo Biblioteca- Museu Arquivo 1. Conceito Arquivo é o conjunto de documentos oficialmente produzido e recebido por um governo, organização ou firma, no decorrer de suas atividades, arquivados e conservador por si e seus sucessores

Leia mais

PORTARIA TC Nº 433, DE 5 DE DEZEMBRO DE 2014.

PORTARIA TC Nº 433, DE 5 DE DEZEMBRO DE 2014. PORTARIA TC Nº 433, DE 5 DE DEZEMBRO DE 2014. Institui o processo administrativo eletrônico no âmbito do Tribunal de Contas do Estado de Pernambuco. O PRESIDENTE DO DO ESTADO DE PERNAMBUCO, no uso de suas

Leia mais

PROCEDIMENTOS PARA ORGANIZAÇÃO E ENTREGA DE DOCUMENTOS NOVOS

PROCEDIMENTOS PARA ORGANIZAÇÃO E ENTREGA DE DOCUMENTOS NOVOS PROCEDIMENTOS PARA ORGANIZAÇÃO E ENTREGA DE DOCUMENTOS NOVOS Este manual foi elaborado para orientar o Cliente, Órgão/Entidade, sobre os procedimentos necessários a serem seguidos com relação à preparação

Leia mais

Manual de Captura, Descrição, Guarda e Transferência do Acervo de Imagens em Papel e/ou Digitais da Prefeitura da Cidade do Rio de Janeiro

Manual de Captura, Descrição, Guarda e Transferência do Acervo de Imagens em Papel e/ou Digitais da Prefeitura da Cidade do Rio de Janeiro Manual de Captura, Descrição, Guarda e Transferência do Acervo de Imagens em Papel e/ou Digitais da Prefeitura da Cidade do Rio de Janeiro Rio de Janeiro 2013 FICHA TÉCNICA Arquivo Geral da Cidade do Rio

Leia mais

PROCURADORIA-GERAL DE JUSTIÇA RESOLUÇÃO Nº 43/2012-PGJ

PROCURADORIA-GERAL DE JUSTIÇA RESOLUÇÃO Nº 43/2012-PGJ PROCURADORIA-GERAL DE JUSTIÇA Publicado no D.O.E. Nº 12.665 Edição de 15 / 03 / 2012 RESOLUÇÃO Nº 43/2012-PGJ Dispõe sobre a gestão documental no âmbito do Ministério Público do Rio Grande do Norte O PROCURADOR

Leia mais

Para fins de entendimento deste manual, apresentam-se as seguintes definições:

Para fins de entendimento deste manual, apresentam-se as seguintes definições: Código: MAP-DIINF-001 Versão: 00 Data de Emissão: 01/01/2013 Elaborado por: Gerência de Acervos Aprovado por: Diretoria de Informação Institucional 1 OBJETIVO Definir os procedimentos de arquivamento e

Leia mais

Arquivo Estrutura Básica Necessária Recursos Humanos

Arquivo Estrutura Básica Necessária Recursos Humanos 1/7 2. Técnicas de atendimento (presencial e a distância) ao cliente interno e externo: técnicas de triagem, organização e registro fluxo documental; planejamento e organização do ambiente de trabalho/

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA-TCU Nº 68, DE 25 DE OUTUBRO DE 2011

INSTRUÇÃO NORMATIVA-TCU Nº 68, DE 25 DE OUTUBRO DE 2011 INSTRUÇÃO NORMATIVA-TCU Nº 68, DE 25 DE OUTUBRO DE 2011 Dispõe sobre o recebimento de documentos a serem protocolados junto ao Tribunal de Contas da União. O TRIBUNAL DE CONTAS DA UNIÃO, no uso de suas

Leia mais

POP Organização de Documentos Administrativos;

POP Organização de Documentos Administrativos; PÁGINA: 1/18 ELABORADO POR: Luciana Lott de Almeida Cunha APROVADO POR: Luciana Lott A. Cunha 1 OBJETIVO DO DOCUMENTO: Este documento tem o objetivo de estabelecer a metodologia de a ser utilizada por

Leia mais

Ordem de Serviço nº 003/2013, de 25 de setembro de 2013.

Ordem de Serviço nº 003/2013, de 25 de setembro de 2013. MINISTÉRIO DA JUSTIÇA ARQUIVO NACIONAL Ordem de Serviço nº 003/2013, de 25 de setembro de 2013. O DIRETOR-GERAL DO ARQUIVO NACIONAL, no uso de suas atribuições, previstas no art. 45 do Anexo I do Decreto

Leia mais

NORMA DE ARQUIVO - NOR 208

NORMA DE ARQUIVO - NOR 208 MANUAL DE ADMINISTRAÇÃO E FINANÇAS COD. 200 ASSUNTO: GESTÃO DE DOCUMENTOS ADMINISTRATIVOS APROVAÇÃO: Resolução DIREX nº 528/2012, de 10/12/2012 VIGÊNCIA: 11/12/2012 NORMA DE ARQUIVO - NOR 208 1/21 ÍNDICE

Leia mais

ARQUIVOLOGIA - TIPOLOGIAS DOCUMENTAIS E SUPORTES FÍSICOS. Prof. Antonio Victor Botão

ARQUIVOLOGIA - TIPOLOGIAS DOCUMENTAIS E SUPORTES FÍSICOS. Prof. Antonio Victor Botão ARQUIVOLOGIA - TIPOLOGIAS DOCUMENTAIS E SUPORTES FÍSICOS Prof. Antonio Victor Botão TÉCNICAS MODERNAS DE ARQUIVAMENTO Anteriormente tratamento somente de suporte papel em arquivos, os materiais especiais

Leia mais

Revogado pela Instrução Normativa STJ/GDG n. 8 de 4 de maio de 2015

Revogado pela Instrução Normativa STJ/GDG n. 8 de 4 de maio de 2015 Revogado pela Instrução Normativa STJ/GDG n. 8 de 4 de maio de 2015 SUPERIOR TRIBUNAL DE JUSTIÇA ANEXO I ROTINAS E PROCEDIMENTOS DO PROGRAMA DE GESTÃO DOCUMENTAL CRIAÇÃO, CAPTURA E DIGITALIZAÇÃO DE DOCUMENTOS

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO RESOLUÇÃO nº483/2009 Data da Norma: 04/03/2009 Órgão expedidor: ÓRGÃO ESPECIAL DO TRIBUNAL DE JUSTIÇA Fonte: DJE de 22/06/2009, p. 1-77 Ementa: Cria o Programa de Gestão de Documentos Arquivísticos do

Leia mais

Envio de Caixas-Box ao Arquivo Geral (Relativos às peças digitalizadas para descarte)

Envio de Caixas-Box ao Arquivo Geral (Relativos às peças digitalizadas para descarte) PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO AMAZONAS DIVISÃO DE GESTÃO DA QUALIDADE Sistema de Gestão da Qualidade PROCEDIMENTO PTJAM 61 Envio de Caixas-Box ao Arquivo Geral (Relativos às peças digitalizadas

Leia mais

Universidade de Brasília. Departamento de Ciência da Informação e Documentação

Universidade de Brasília. Departamento de Ciência da Informação e Documentação Universidade de Brasília Departamento de Ciência da Informação e Documentação Profa.: Lillian Alvares Aspectos Gerais O uso da tecnologia digital traz grandes perspectivas de trabalho para os arquivos

Leia mais

GLOSSÁRIO. 1 ACERVO Totalidade dos documentos sob custódia de um arquivo.

GLOSSÁRIO. 1 ACERVO Totalidade dos documentos sob custódia de um arquivo. 43 RECOMENDAÇÕES Após a homologação do Código de Classificação e da Tabela de Temporalidade pela Comissão de Homologação, através de um documento normatizador, estes deverão ser publicados. Uma cópia destes

Leia mais

Preservação de Acervos Digitais

Preservação de Acervos Digitais Preservação de Acervos Digitais Humberto Celeste Innarelli Analista de Desenvolvimento de Sistemas e Administrador de Rede do Sistema do Arquivo Central do Arquivos da UNICAMP Professor da área de Tecnologia

Leia mais

PORTARIA N.º 249, DO DIA 13 DE FEVEREIRO DE 2014

PORTARIA N.º 249, DO DIA 13 DE FEVEREIRO DE 2014 PODER JUDICIÁRIO. TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE RORAIMA Seção de Biblioteca "Amazônia, patrimônio dos brasileiros" Este texto não substitui o original publicado no DJE PORTARIA N.º 249, DO DIA 13 DE

Leia mais

Documentação técnica e material arquivístico. Documentação técnica. Documentação natural. Fabrício Mariano

Documentação técnica e material arquivístico. Documentação técnica. Documentação natural. Fabrício Mariano Documentação técnica e material arquivístico Documentação técnica Fabrício Mariano Um documento é uma unidade de registro de informações, independente do suporte utilizado, sendo o suporte o material no

Leia mais

ELIMINAR DOCUMENTOS NAS UNIDADES ORGANIZACIONAIS

ELIMINAR DOCUMENTOS NAS UNIDADES ORGANIZACIONAIS Proposto por: Divisão de Gestão de Documentos - DIGED Analisado por: Diretor do Departamento de Gestão de Acervos Arquivísticos (DEGEA) Aprovado por: Diretor-Geral de Apoio aos Órgãos Jurisdicionais (DGJUR)

Leia mais

ANEXO XI ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS REFERENTE AO EDITAL DE PREGÃO PARA REGISTRO DE PREÇOS Nº 008/2011

ANEXO XI ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS REFERENTE AO EDITAL DE PREGÃO PARA REGISTRO DE PREÇOS Nº 008/2011 ANEXO XI ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS REFERENTE AO EDITAL DE PREGÃO PARA REGISTRO DE PREÇOS Nº 008/2011 OBJETO Prestação de serviços de organização arquivística, guarda física, digitalização e gerenciamento

Leia mais

ISBN ISBN. Manual de instruções, preenchimento das guias e documentação.

ISBN ISBN. Manual de instruções, preenchimento das guias e documentação. ISBN Manual de instruções, preenchimento das guias e documentação. O QUE É? International Standard Book Number - É um sistema internacional padronizado que identifica numericamente os livros segundo o

Leia mais

PROCEDIMENTOS DE PROTOCOLO NA APF

PROCEDIMENTOS DE PROTOCOLO NA APF PROCEDIMENTOS DE PROTOCOLO NA APF DOCUMENTOS DIGITAIS Protocolo Integrado e Processo Eletrônico Nacional: Novos Paradigmas para a Administração Pública Federal 10 de março de 2015 Claudia Lacombe Rocha

Leia mais

MSYS - Cópia de segurança

MSYS - Cópia de segurança O Sistema MSYS integra os controles financeiros e de custos de sua empresa, além de controles adicionais e os cadastros de clientes e fornecedores. Assim, muitas informações extremamente importantes são

Leia mais

Tecnologia da Informação

Tecnologia da Informação Tecnologia da Informação Componentes Sistema Informação Hardware - Computadores - Periféricos Software - Sistemas Operacionais - Aplicativos - Suítes Peopleware - Analistas - Programadores - Digitadores

Leia mais

MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO CENTRO DE DOCUMENTAÇÃO E MEMÓRIA MAESTRO GUERRA-PEIXE

MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO CENTRO DE DOCUMENTAÇÃO E MEMÓRIA MAESTRO GUERRA-PEIXE MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO CENTRO DE DOCUMENTAÇÃO E MEMÓRIA MAESTRO GUERRA-PEIXE PAÇO DO FREVO GERÊNCIA DE CONTEÚDO NÚCLEO DE DOCUMENTAÇÃO E PESQUISA CENTRO DE DOCUMENTAÇÃO E MEMÓRIA MAESTRO GUERRA-PEIXE

Leia mais

Carlos Augusto Silva Ditadi Arquivo Nacional. SIGA - III Seminário: A Gestão de Documentos Arquivísticos na. Administração Pública Federal

Carlos Augusto Silva Ditadi Arquivo Nacional. SIGA - III Seminário: A Gestão de Documentos Arquivísticos na. Administração Pública Federal As Boas Práticas para a Digitalização de Documentos na Administração Pública Federal Carlos Augusto Silva Ditadi Arquivo Nacional SIGA - III Seminário: A Gestão de Documentos Arquivísticos na Administração

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO ARQUIVO PÚBLICO MUNICIPAL DE BAGÉ

REGIMENTO INTERNO DO ARQUIVO PÚBLICO MUNICIPAL DE BAGÉ REGIMENTO INTERNO DO ARQUIVO PÚBLICO MUNICIPAL DE BAGÉ Art. 1 - O Arquivo Público Municipal de Bagé, criado pela lei nº 3.399/97, de julho/97 alterado e complementado pelas leis 3.817/2001 e 3.935/2002,

Leia mais

Orientações práticas para arquivistas auxiliarem os doadores na preparação de seu arquivo pessoal digital para doação

Orientações práticas para arquivistas auxiliarem os doadores na preparação de seu arquivo pessoal digital para doação 1 Orientações práticas para arquivistas auxiliarem os doadores na preparação de seu arquivo pessoal digital para doação Rosely Curi Rondinelli Jorge Phelipe Lira de Abreu Setembro de 2015 2 Orientações

Leia mais

ÍNDICE MANUAL DO USUÁRIO PROGRAMA DE COMPUTADOR. Introdução Pág. 03 a 04 Características Pág. 05 a 06 Documentação Formal Pág.

ÍNDICE MANUAL DO USUÁRIO PROGRAMA DE COMPUTADOR. Introdução Pág. 03 a 04 Características Pág. 05 a 06 Documentação Formal Pág. ÍNDICE Introdução Pág. 03 a 04 Características Pág. 05 a 06 Documentação Formal Pág. 08 a 15 Passo a passo do Formulário Pág. 16 a 24 Documentação Técnica Pág. 25 a 28 Depósito Pág. 29 a 30 Acompanhamento

Leia mais

Lembre-se: I - CADASTRAMENTO DE PROCESSOS E DOCUMENTOS 1.1 AUTUAÇÃO DE PROCESSOS

Lembre-se: I - CADASTRAMENTO DE PROCESSOS E DOCUMENTOS 1.1 AUTUAÇÃO DE PROCESSOS I - CADASTRAMENTO DE PROCESSOS E DOCUMENTOS 1.1 AUTUAÇÃO DE PROCESSOS O que é preciso para autuar um processo? Para atuar processo é necessário que o documento seja original ou cópia, desde que autenticada

Leia mais

PORTARIA NORMATIVA Nº.., DE DE... DE 2010.

PORTARIA NORMATIVA Nº.., DE DE... DE 2010. CASA CIVIL DA PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA PORTARIA NORMATIVA Nº.., DE DE... DE 2010. Dispõe sobre os procedimentos gerais para o desenvolvimento das atividades de protocolo nos órgãos e entidades integrantes

Leia mais

Orientações práticas para a gestão do seu arquivo pessoal digital

Orientações práticas para a gestão do seu arquivo pessoal digital Orientações práticas para a gestão do seu arquivo pessoal digital Rosely Curi Rondinelli Jorge Phelipe Lira de Abreu Julho de 2015 2 Orientações práticas para a gestão do seu arquivo pessoal digital 1

Leia mais

SERVIÇOS DE FOTO E IMAGEM

SERVIÇOS DE FOTO E IMAGEM SERVIÇOS DE FOTO E IMAGEM LABORATÓRIO CENTRAL - ATENDIMENTO FONE: 3255 5550 Válida após 15/12/2003 página Serviços convencionais página Imagem Digital Introdução e observações principais 10 Arquivo digital

Leia mais

RESOLUÇÃO N. 165/2014/TCE-RO

RESOLUÇÃO N. 165/2014/TCE-RO RESOLUÇÃO N. 165/2014/TCE-RO Regulamenta o Processo de Contas Eletrônico no âmbito do Tribunal de Contas do Estado de Rondônia. O PRESIDENTE DO TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DE RONDÔNIA, no uso das atribuições

Leia mais

PORTARIA Nº 412, DE 5 DE SETEMBRO DE 2012

PORTARIA Nº 412, DE 5 DE SETEMBRO DE 2012 PORTARIA Nº 412, DE 5 DE SETEMBRO DE 2012 Estabelece diretrizes para a implementação da política de Gestão da Informação Corporativa no âmbito do Ministério da Previdência Social e de suas entidades vinculadas

Leia mais

COMO FAZER? Como preencher adequadamente um envelope para expedição de documentos e processos?... 2

COMO FAZER? Como preencher adequadamente um envelope para expedição de documentos e processos?... 2 COMO FAZER? Como preencher adequadamente um envelope para expedição de documentos e processos?... 2 Como preencher adequadamente uma comunicação interna CI?... 3 Como montar um processo físico?... 4 Como

Leia mais

INSTRUÇÕES PARA PREENCHIMENTO DO FORMULÁRIO DE SOLICITAÇÃO DO ISBN. Preencher com o título e subtítulo (se houver) da obra a ser editada.

INSTRUÇÕES PARA PREENCHIMENTO DO FORMULÁRIO DE SOLICITAÇÃO DO ISBN. Preencher com o título e subtítulo (se houver) da obra a ser editada. INSTRUÇÕES PARA PREENCHIMENTO DO FORMULÁRIO DE SOLICITAÇÃO DO ISBN 1 TÍTULO Preencher com o título e subtítulo (se houver) da obra a ser editada. Ex: Catálogo de editores 2006 Manual do ISBN: instruções

Leia mais

Empresa de Gestão de Recursos do Piauí EMGERPI MANUAL DE PROTOCOLO/PROTOCOLADO

Empresa de Gestão de Recursos do Piauí EMGERPI MANUAL DE PROTOCOLO/PROTOCOLADO Empresa de Gestão de Recursos do Piauí EMGERPI MANUAL DE PROTOCOLO/PROTOCOLADO TERESINA (PI), JUNHO DE 2008 GOVERNADOR DO ESTADO DO PIAUÍ José Wellington Barroso de Araújo Dias SECRETÁRIA DE ESTADO DA

Leia mais

Gerência do SABi INSTRUÇÕES PARA LEITURA DE ESTANTES COM COLETOR DE DADOS

Gerência do SABi INSTRUÇÕES PARA LEITURA DE ESTANTES COM COLETOR DE DADOS Gerência do SABi INSTRUÇÕES PARA LEITURA DE ESTANTES COM COLETOR DE DADOS A leitura de estantes das bibliotecas é efetuada com coletores de dados portáteis, disponíveis junto à Gerência do SABi. A leitura

Leia mais

Gerenciamento Total da Informação

Gerenciamento Total da Informação INSTRUÇÕES NORMATIVAS MINISTÉRIO DA JUSTIÇA ARQUIVO NACIONAL INSTRUÇÃO NORMATIVA AN/Nº 1, DE 18 DE ABRIL DE 1997 Estabelece os procedimentos para entrada de acervos arquivísticos no Arquivo Nacional O

Leia mais

RESOLUÇÃO N. 23, DE 19 DE SETEMBRO DE 2008.

RESOLUÇÃO N. 23, DE 19 DE SETEMBRO DE 2008. Anexo II Consolidação Normativa da Gestão Documental RESOLUÇÃO N. 23, DE 19 DE SETEMBRO DE 2008. Estabelece a Consolidação Normativa do Programa de Gestão Documental da Justiça Federal de 1º e 2º Graus.

Leia mais

Modernização da gestão da documentação pública do Estado do Rio de Janeiro e reestruturação do Arquivo Público.

Modernização da gestão da documentação pública do Estado do Rio de Janeiro e reestruturação do Arquivo Público. Modernização da gestão da documentação pública do Estado do Rio de Janeiro e reestruturação do Arquivo Público. BENEFICIADOS: Administração Estadual. Pesquisadores. Entidades científicas brasileiras. Demais

Leia mais

GUIA PRÁTICO Mensuração do acervo documental

GUIA PRÁTICO Mensuração do acervo documental GUIA PRÁTICO Mensuração do acervo documental do Ministério Público do Estado do Paraná Curitiba 2015 P223g Paraná. Ministério Público. Departamento de Gestão Documental Guia prático para a mensuração do

Leia mais

Manual de Boas Práticas para Identificação, Transferência e Armazenamento de Imagens em Movimento da Prefeitura da Cidade do Rio de Janeiro

Manual de Boas Práticas para Identificação, Transferência e Armazenamento de Imagens em Movimento da Prefeitura da Cidade do Rio de Janeiro Manual de Boas Práticas para Identificação, Transferência e Armazenamento de Imagens em Movimento da Prefeitura da Cidade do Rio de Janeiro Rio de Janeiro 2015 FICHA TÉCNICA Arquivo Geral da Cidade do

Leia mais

RESUMO DE CATALOGAÇÃO

RESUMO DE CATALOGAÇÃO RESUMO DE CATALOGAÇÃO CLASSIFICAÇÃO DISTINTA Contatos: Cirineo Zenere (c.zenere@pucpr.br) Eulália M. Soares (eulalia.soares@pucpr.br) Josilaine O. Cezar (josilaine.cezar@pucpr.br) SUMÁRIO INICIANDO A CATALOGAÇÃO...2

Leia mais

PROVIMENTO Nº 12/2011 CGJ

PROVIMENTO Nº 12/2011 CGJ PROVIMENTO Nº 12/2011 CGJ Modifica o Provimento nº 71/2008, estabelecendo novas regras para a gravação audiovisual de audiências. atribuições legais, O Corregedor-Geral da Justiça, no uso de suas Considerando

Leia mais

Conteúdo. Políticas de Backup 4/22/2009. pia de segurança. Políticas de Backup 1. Introdução O que é backup/cópia

Conteúdo. Políticas de Backup 4/22/2009. pia de segurança. Políticas de Backup 1. Introdução O que é backup/cópia Políticas de Backup FATEC Americana Tecnologia em Análise de Sistemas e Tecnologias da Informação Diagnóstico e solução de problemas de TI Prof. Humberto Celeste Innarelli Conteúdo Introdução O que é backup/cópia

Leia mais

TRATAMENTO E GESTÃO DOCUMENTAL DIARQ/CDA/CGLA/SPOA/SE/MDS

TRATAMENTO E GESTÃO DOCUMENTAL DIARQ/CDA/CGLA/SPOA/SE/MDS TRATAMENTO E GESTÃO DOCUMENTAL DIARQ/CDA/CGLA/SPOA/SE/MDS 1 Divisão de Arquivo está subordinada à Coordenação de Documentação e Arquivo Atividades Arquivar e desarquivar documentos/processos; Dar orientação

Leia mais

a) Apresentam sugestões de obras de interesse para sua formação ou desenvolvimento profissional.

a) Apresentam sugestões de obras de interesse para sua formação ou desenvolvimento profissional. POLÍTICA DE FORMAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DO ACERVO PFDA DA BIBLIOTECA DO INSTITUO J. ANDRADE 1. Objetivo Para que o acervo da biblioteca esteja em conformidade com as necessidades e os objetivos da Instituição

Leia mais

INTRODUÇÃO A GESTÃO DOCUMENTAL NO TCU

INTRODUÇÃO A GESTÃO DOCUMENTAL NO TCU INTRODUÇÃO A GESTÃO DOCUMENTAL NO TCU 1 INTRODUÇÃO A GESTÃO DOCUMENTAL NO TCU Organizado por: Ana Claudia de Carvalho Cabral Lopes 2012 2 SUMÁRIO Conteúdo SUMÁRIO... 3 APRESENTAÇÃO... 4 INTRODUÇÃO... 5

Leia mais

Estabelecer critérios e procedimentos relativos ao envio eletrônico de processos aos Tribunais Superiores.

Estabelecer critérios e procedimentos relativos ao envio eletrônico de processos aos Tribunais Superiores. ENCAMINHAR AUTOS DIGITALIZADOS AOS TRIBUNAIS SUPERIORES Proposto por: Equipe do Serviço dos Tribunais Superiores (SETRI) Analisado por: Diretor da Divisão de Comunicação Externa e Gestão (DICOM) Aprovado

Leia mais

PROJETO PARA INSTALAÇÃO DE LABORATÓRIO DE DIGITALIZAÇÃO E GESTÃO DE REPOSITÓRIOS DE DOCUMENTOS ARQUIVÍSITCOS DIGITAIS AUTÊNTICOS

PROJETO PARA INSTALAÇÃO DE LABORATÓRIO DE DIGITALIZAÇÃO E GESTÃO DE REPOSITÓRIOS DE DOCUMENTOS ARQUIVÍSITCOS DIGITAIS AUTÊNTICOS ARQUIVO CENTRAL DO SISTEMA DE ARQUIVOS PROJETO PARA INSTALAÇÃO DE LABORATÓRIO DE DIGITALIZAÇÃO E GESTÃO DE REPOSITÓRIOS DE DOCUMENTOS ARQUIVÍSITCOS DIGITAIS AUTÊNTICOS 2011 PROJETO PARA INSTALAÇÃO DE LABORATÓRIO

Leia mais

Regulamento SIGA. Versão 1.0. Outubro, 2013. Página 1 de 16

Regulamento SIGA. Versão 1.0. Outubro, 2013. Página 1 de 16 Regulamento SIGA Versão 1.0 Outubro, 2013 Página 1 de 16 Sumário Objetivo deste Regulamento...3 Introdução...4 Definição...4 O que é documento para o SIGA...4 Numeração dos documentos no SIGA...4 Disposição

Leia mais

Orienta os órgãos e entidades da Administração Pública do Poder Executivo Estadual, quanto à gestão de documentos arquivísticos.

Orienta os órgãos e entidades da Administração Pública do Poder Executivo Estadual, quanto à gestão de documentos arquivísticos. INSTRUÇÃO CONJUNTA SAEB/SECULT Nº 001 Orienta os órgãos e entidades da Administração Pública do Poder Executivo Estadual, quanto à gestão de documentos arquivísticos. OS SECRETÁRIOS DA ADMINISTRAÇÃO E

Leia mais

A seguir, sugerimos algumas formas de acondicionamento por tipo de material a ser enviado.

A seguir, sugerimos algumas formas de acondicionamento por tipo de material a ser enviado. Acondicionamento Para o cliente que deseja enviar um objeto via Correios, o correto acondicionamento dos objetos é muito importante para assegurar que as remessas cheguem bem a seus destinos. Recomenda-se

Leia mais

TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DE SERGIPE Coordenadoria de Modernização, Suporte, Infraestrutura e Sistema

TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DE SERGIPE Coordenadoria de Modernização, Suporte, Infraestrutura e Sistema TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DE SERGIPE Coordenadoria de Modernização, Suporte, Infraestrutura e Sistema MANUAL DO PROCESSO ELETRÔNICO Processos de Concessão de Benefícios Histórico da Revisão Data Versão

Leia mais

Para que um sistema de arquivos seja considerado completo é necessário que ele comporte três fases distintas definidas como:

Para que um sistema de arquivos seja considerado completo é necessário que ele comporte três fases distintas definidas como: Manual de Arquivo IINTRODUÇÃO A elaboração do presente manual de arquivo tem como objetivo disponibilizar um instrumento de auxílio aos usuários dos arquivos setoriais, intermediário e permanente que integram

Leia mais

MINISTÉRIO DA JUSTIÇA CONSELHO ADMINISTRATIVO DE DEFESA ECONÔMICA

MINISTÉRIO DA JUSTIÇA CONSELHO ADMINISTRATIVO DE DEFESA ECONÔMICA Ref.: Consulta Pública nº 04/2014 DESPACHO nº 339/2014/PRES/CADE Submeto a Resolução anexa que institui o Sistema Eletrônico de Informações SEI como sistema oficial de gestão de documentos eletrônicos

Leia mais

Seção 20 Da Gravação de Audiências

Seção 20 Da Gravação de Audiências Seção 20 Da Gravação de Audiências 2.20.1 Nas audiências criminais, salvo impossibilidade material momentânea, devidamente anotada em ata, o registro dos depoimentos do investigado, do indiciado, do ofendido

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Com relação aos fundamentos da arquivologia e à terminologia arquivística, julgue os itens a seguir. 61 Informações orgânicas registradas, produzidas durante o exercício das funções de um órgão ou instituição,

Leia mais

PROCEDIMENTOS RELATIVOS a. ARQUIVAMENTO DIÁRIO e ANUAL ORIENTAÇÕES GERAIS

PROCEDIMENTOS RELATIVOS a. ARQUIVAMENTO DIÁRIO e ANUAL ORIENTAÇÕES GERAIS PROCEDIMENTOS RELATIVOS a ARQUIVAMENTO DIÁRIO e ANUAL ORIENTAÇÕES GERAIS Francisca Deusa Sena da Costa 2 APRESENTAÇÃO Com o processo de redemocratização do país, iniciado ainda no final da década de 1970,

Leia mais

Curso II. Portaria nº 1.224, 18.12.2013. Orientações sobre as normas de manutenção e guarda do acervo acadêmico das instituições de educação superior.

Curso II. Portaria nº 1.224, 18.12.2013. Orientações sobre as normas de manutenção e guarda do acervo acadêmico das instituições de educação superior. Curso II Portaria nº 1.224, 18.12.2013. Orientações sobre as normas de manutenção e guarda do acervo acadêmico das instituições de educação superior. KRÜGER, M.H. MAIO/2014. Portaria nº 1.224, 18.12.2013.

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO UNIVERSITÁRIO

UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO UNIVERSITÁRIO UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO N 33/2014 Institui o Sistema Integrado de Patrimônio e Administração e Contratos (SIPAC) no âmbito da Universidade Federal da Paraíba (UFPB)

Leia mais

CORREÇÂO - ESAF Concurso Público: Assistente Técnico-Administrativo - ATA - 2012 Provas 1 e 2 Gabarito 1 ARQUIVOLOGIA PROF.

CORREÇÂO - ESAF Concurso Público: Assistente Técnico-Administrativo - ATA - 2012 Provas 1 e 2 Gabarito 1 ARQUIVOLOGIA PROF. CORREÇÂO - ESAF Concurso Público: Assistente Técnico-Administrativo - ATA - 2012 Provas 1 e 2 Gabarito 1 ARQUIVOLOGIA PROF. RODRIGO BARBATI ARQUIVOLOGIA 21- São gêneros documentais encontrados nos arquivos,exceto:

Leia mais

Gestão eletrônica do cadastro de corretora de valores

Gestão eletrônica do cadastro de corretora de valores Gestão eletrônica do cadastro de corretora de valores 1. INTRODUÇÃO As corretoras de valores devem armazenar todos os documentos cadastrais de seus clientes para ter acesso a esse material quando necessário.

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Acerca dos princípios e conceitos arquivísticos, julgue os itens que Julgue os itens seguintes, que versam acerca das normas nacionais se seguem. e internacionais de arquivo.

Leia mais

GESTÃO DOCUMENTAL EM ARQUIVO JURÍDICO 1

GESTÃO DOCUMENTAL EM ARQUIVO JURÍDICO 1 GESTÃO DOCUMENTAL EM ARQUIVO JURÍDICO 1 Mailza Paulino de Brito e Silva Souza 2 Sandra Pontual da Silva 3 Sara Sunaria Almeida da Silva Xavier 4 Orientadora: Prof.ª Renata Passos Filgueira de Carvalho

Leia mais

Minicurso MoReq-Jus Mar/2010

Minicurso MoReq-Jus Mar/2010 Minicurso MoReq-Jus Mar/2010 Pauta O que é um Modelo de Requisitos? Modelo de Requisitos: Benefícios Pirâmide de Requisitos MoReq-Jus Motivação Objetivos Principais referências Evolução Abrangência dos

Leia mais

SIMARPE Sistema de Arquivo Permanente

SIMARPE Sistema de Arquivo Permanente SIMARPE Sistema de Arquivo Permanente Documentos formam a grande massa de conhecimentos de uma organização seja ela privada ou pública, esses documentos em sua maioria são parte do seu patrimônio. A Gestão

Leia mais

ANEXO 1 DA PORTARIA Nº 252, DE 30 DE DEZEMBRO DE 2015. I- Caberá ao órgão ou entidade detentor(a) do acervo:

ANEXO 1 DA PORTARIA Nº 252, DE 30 DE DEZEMBRO DE 2015. I- Caberá ao órgão ou entidade detentor(a) do acervo: ANEXO 1 DA PORTARIA Nº 252, DE 30 DE DEZEMBRO DE 2015. Procedimentos para transferência ou recolhimento de acervos arquivísticos públicos, em qualquer suporte, pelos órgãos e entidades do Poder Executivo

Leia mais

Instruções para o funcionamento do Sistema Eletrônico de Informações (SEI-MP) no âmbito do Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão (MP).

Instruções para o funcionamento do Sistema Eletrônico de Informações (SEI-MP) no âmbito do Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão (MP). Instruções para o funcionamento do Sistema Eletrônico de Informações (SEI-MP) no âmbito do Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão (MP). 1 Versão 1.3 2 Os perfis de acesso ao SEI-MP são: PERFIS

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÕES DE PREENCHIMENTO DOS ANEXOS

MANUAL DE INSTRUÇÕES DE PREENCHIMENTO DOS ANEXOS Prefeitura Municipal de João Pessoa Fundação Cultural de João Pessoa PROGRAMA MAIS CULTURA PONTO DE CULTURA PONTOS DE CULTURA DO MUNICIPIO DE JOÃO PESSOA MANUAL DE INSTRUÇÕES DE PREENCHIMENTO DOS ANEXOS

Leia mais

CONSÓRCIO INTERMUNICIPAL DO SUL DO ESTADO DE ALAGOAS PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO

CONSÓRCIO INTERMUNICIPAL DO SUL DO ESTADO DE ALAGOAS PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO Este POP tem como objetivo fixar procedimentos para assegurar o correto recebimento de medicamentos, tanto em quantidade quanto em qualidade dos medicamentos. PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO TÍTULO: Recebimento

Leia mais

Id: 1567758 GLOSSÁRIO A ABERTURA DE PROCESSO Ver AUTUAÇÃO ABERTURA DE VOLUME É a abertura (criação) de volume a partir de um processo. Sempre que o volume do documento atingir aproximadamente 200 páginas

Leia mais

RESOLUÇÃO CFM Nº 1.821/07 (Publicada no D.O.U. de 23 nov. 2007, Seção I, pg. 252)

RESOLUÇÃO CFM Nº 1.821/07 (Publicada no D.O.U. de 23 nov. 2007, Seção I, pg. 252) RESOLUÇÃO CFM Nº 1.821/07 (Publicada no D.O.U. de 23 nov. 2007, Seção I, pg. 252) Aprova as normas técnicas concernentes à digitalização e uso dos sistemas informatizados para a guarda e manuseio dos documentos

Leia mais

Patrocínio Institucional Parceria Apoio

Patrocínio Institucional Parceria Apoio Patrocínio Institucional Parceria Apoio InfoReggae - Edição 79 Memória Institucional - Documentação 17 de abril de 2015 O Grupo AfroReggae é uma organização que luta pela transformação social e, através

Leia mais

Gerenciamento do ciclo de vida de um documento Simone de Abreu

Gerenciamento do ciclo de vida de um documento Simone de Abreu Gerenciamento do ciclo de vida de um documento Simone de Abreu É o gerenciamento do ciclo de vida de todos os registros, em todos os tipos de mídia, desde a criação até a destruição ou arquivo permanente.

Leia mais

Guia Prático para Gestão de Documentos Correntes ou Setoriais

Guia Prático para Gestão de Documentos Correntes ou Setoriais Guia Prático para Gestão de Documentos Correntes ou Setoriais S É R I E TSE PUBLICAÇÕES ARQUIVÍSTICAS 6 Secretaria de Gestão da Informação 2012 2012 Tribunal Superior Eleitoral Secretaria de Gestão da

Leia mais

CURSO DE CAPACITAÇÃO EM GESTÃO DOCUMENTAL. MÓDULO I Nível Básico

CURSO DE CAPACITAÇÃO EM GESTÃO DOCUMENTAL. MÓDULO I Nível Básico CURSO DE CAPACITAÇÃO EM GESTÃO DOCUMENTAL MÓDULO I Nível Básico CURSO DE CAPACITAÇÃO EM GESTÃO DOCUMENTAL MÓDULO I Nível Básico Organizado por: Dirlei Maria Kafer Gonçalves CRB14/637 Edição revista, ampliada

Leia mais

MALOTE DIGITAL. Autores Conselho Nacional de Justiça TRE-MG

MALOTE DIGITAL. Autores Conselho Nacional de Justiça TRE-MG MALOTE DIGITAL Este Manual foi adaptado pela Coordenadoria da Escola dos Servidores do Tribunal de Justiça do Estado de Mato Grosso e DAPI Departamento de Aprimoramento da 1ª Instância Autores Conselho

Leia mais

SEGURANÇA DE INFORMAÇÕES

SEGURANÇA DE INFORMAÇÕES SEGURANÇA DE INFORMAÇÕES Data: 17 de dezembro de 2009 Pág. 1 de 11 SUMÁRIO SUMÁRIO 2 1. INTRODUÇÃO 3 2. FINALIDADE 3 3. ÂMBITO DE APLICAÇÃO 3 4. PRINCÍPIOS GERAIS DE UTILIZAÇÃO DOS RECURSOS DE INFORMAÇÃO

Leia mais

Prof a. Lillian Alvares. Curso de Arquivologia

Prof a. Lillian Alvares. Curso de Arquivologia Prof a. Lillian Alvares Curso de Arquivologia Universidade id d de Brasília Datasul Collecta Gartner Group Universidade Federal de Pernambuco, Departamento de Ciência da Informação Estatísticas Estatísticas

Leia mais

RESOLUÇÃO CFM Nº 1.638, DE 10 DE JULHO DE 2002

RESOLUÇÃO CFM Nº 1.638, DE 10 DE JULHO DE 2002 CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA RESOLUÇÃO CFM Nº 1.638, DE 10 DE JULHO DE 2002 Define prontuário médico e torna obrigatória a criação da Comissão de Revisão de Prontuários nas instituições de saúde. O CONSELHO

Leia mais

TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 4ª REGIÃO PROVIMENTO Nº 09, DE 18 NOVEMBRO DE 2010.

TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 4ª REGIÃO PROVIMENTO Nº 09, DE 18 NOVEMBRO DE 2010. PROVIMENTO Nº 09, DE 18 NOVEMBRO DE 2010. Disciplina, no âmbito da Justiça do Trabalho da 4ª Região, a digitalização e a remessa de processos através de sistema eletrônico ao Tribunal Superior do Trabalho,

Leia mais

MALOTE DIGITAL. Autores Conselho Nacional de Justiça TRE-MG

MALOTE DIGITAL. Autores Conselho Nacional de Justiça TRE-MG MALOTE DIGITAL Autores Conselho Nacional de Justiça TRE-MG Adaptações TJMT Lise Mangabeira Escola dos Servidores Reginaldo Cardoso DAPI Ruy Castrilon D.A. Readaptações TCE MT (Download do manual no site

Leia mais

PORTARIA NORMATIVA N 3, DE 18 DE NOVEMBRO DE 2011

PORTARIA NORMATIVA N 3, DE 18 DE NOVEMBRO DE 2011 PORTARIA NORMATIVA N 3, DE 18 DE NOVEMBRO DE 2011 Cria o Assentamento Funcional Digital - AFD e estabelece orientação aos órgãos e entidades integrantes do Sistema de Pessoal Civil da Administração Publica

Leia mais

MULTIACERVO Implementações da versão 19 - Completa

MULTIACERVO Implementações da versão 19 - Completa Data: Fevereiro / 2014 Tela de detalhes dos empréstimos Passa a exibir a matrícula do leitor e sua quantidade de itens emprestados. Gestão de doações Permite registrar as doações, tanto de entrada como

Leia mais

SEAP / CAS. Manual V1.0

SEAP / CAS. Manual V1.0 SEAP / CAS Manual V1.0 Janeiro - 2013 Coordenadoria de Administração de Serviços - CAS Palácio das Araucárias Rua Jacy Loureiro de Campos, s/nº 80530-140 - Centro Cívico - Curitiba Paraná Fone: (41) 3313-6071

Leia mais

3. Definições: Procedimento (POP) Unidade Organizacional (UO) Código: POP-STGARQ-001. Revisão: 03. Páginas 06. Data 19/04/2010

3. Definições: Procedimento (POP) Unidade Organizacional (UO) Código: POP-STGARQ-001. Revisão: 03. Páginas 06. Data 19/04/2010 : 1. Objetivo: Padronizar os procedimentos relacionados aos pedidos de arquivamento e desarquivamento dos autos processuais findos oriundos das Unidades Organizacionais (UO s) do TJ/AM Área-Fim. 2. Campo

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 139, DE 29 DE JUNHO DE 2012

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 139, DE 29 DE JUNHO DE 2012 Publicada no Boletim de Serviço, n. 7, p. 13-18 em 6/7/2012 INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 139, DE 29 DE JUNHO DE 2012 Dispõe sobre o fornecimento e a autenticação de cópias e impressões e dá outras providências.

Leia mais

Questionamento 3. Ano. Série. Nome do Aluno. Escola

Questionamento 3. Ano. Série. Nome do Aluno. Escola Questionamento 3 Pergunta 1: Conforme página 3 do TR existe a necessidade de cadastro em sistema de gestão documental informatizado, conforme requisitos abaixo listados: Ano Série Nome do Aluno Escola

Leia mais

CARTILHA PARA AUTUAÇÃO DE PROCESSOS. (1ª Edição)

CARTILHA PARA AUTUAÇÃO DE PROCESSOS. (1ª Edição) CARTILHA PARA AUTUAÇÃO DE PROCESSOS (1ª Edição) MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO AMAZONAS João Martins Dias Reitor Antônio Venâncio Castelo Branco Pró-Reitor

Leia mais

Gerenciamento Total da Informação

Gerenciamento Total da Informação RESOLUÇÃO CFM nº 1.639/2002 Aprova as "Normas Técnicas para o Uso de Sistemas Informatizados para a Guarda e Manuseio do Prontuário Médico", dispõe sobre tempo de guarda dos prontuários, estabelece critérios

Leia mais

Gestão de Documento. 1. Introdução

Gestão de Documento. 1. Introdução Gestão de Documento 1. Introdução Os documentos possuem um incrível poder em ambientes de negócios do governo e estão passando pela maior evolução que agitará os negócios governamentais e que os reformará

Leia mais

Multimídia. Conceitos Básicos (Parte II)

Multimídia. Conceitos Básicos (Parte II) Universidade do Estado de Minas Gerais Campus de Frutal Sistemas de Informação 7º Período Multimídia Conceitos Básicos (Parte II) Prof. Sérgio Carlos Portari Jr profsergio@frutalhost.com.br Carga Horária:

Leia mais

PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO

PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO Página 1 de 9 1. OBJETIVO Estabelecer as diretrizes básicas pertinentes ao tratamento e manutenção de acervos arquivísticos ou bibliográficos, sejam administrativos, técnicos ou especializados nas instalações

Leia mais

Ficha técnica do material. Políticas de Backup 1

Ficha técnica do material. Políticas de Backup 1 Ficha técnica do material Autor: Humberto Celeste Innarelli Origem: Apostila Preservação de Documentos Digitais Páginas: 24 a 28 Mês/Ano: 12/2003 Entidade promotora do curso: UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS

Leia mais