GESTÃO DE DOCUMENTOS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "GESTÃO DE DOCUMENTOS"

Transcrição

1 GESTÃO DE DOCUMENTOS Portaria nº 40, 30 de abril de 2013, no art. 55, inciso I a VI, cria a Coordenação de Documentação e Informação compete gerir a política de documentação do Ministério, garantindo a recuperação da informação, o acesso ao documento e a preservação de sua memória. COORDENAÇÃO DE DOCUMENTAÇÃO E INFORMAÇÃO / MINC

2 APRESENTAÇÃO Adleide Catarina Falcão Mariela Carvalho Arquivista Bibliotecária Coordenadora CODIN Chefe da Bibioteca Aline Lucena Rezende Arquivista Chefe da Divisão de Arquivo - DiIARQ Francisco Carvalho Chefe da Divisão de Protocolo

3 Histórico situação antes Arquivo

4 Biblioteca Protocolo Protocolo

5 Biblioteca Arquivo

6 Histórico situação depois Protocolo

7 Biblioteca e Arquivo

8 TÓPICOS - Serviço de Protocolo SERVIÇOS DE EXPEDIÇÃO: Serviço de Malote Serviço de Motoboy Serviço de Correios ECT SERVIÇOS DE RECEPÇÃO Serviço de Malote Serviço de Correios ECT Atendimento no balcão CADASTRO DE DOCUMENTOS- SAD E SALIC

9 EXPEDIÇÃO: MALOTE Serviço de transporte e entrega rápida de correspondência e encomendas

10 EXPEDIÇÃO: MALOTE Percursos Representações Regionais: Rio de Janeiro (Capital) São Paulo (Capital) Minas Gerais (BH- MG) Sul (Porto Alegre RS Norte(Belém PA) Rio Branco Acre AC Nordeste (Recife -PE) Bahia Salvador - BA

11 EXPEDIÇÃO: MALOTE Instituições Vinculadas: Autarquias: ANCINE IPHAN IBRAM Fundações: FCRB FCP FUNARTE FBN

12 MALOTE Média de custo Brasília/São Paulo PERCURSO ORIGEM DESTINO CEP: Endereço: Esplanada dos Ministérios Bloco B Rua Formosa, 367 Bairro: Zona Cívico-Administrativa Centro Cidade/UF: Brasília /DF São Paulo /SP Freqüência: Segunda, Quarta, Sexta Segunda, Quarta, Sexta Peso Estimado de cada Remessa do Percurso: 10 quilos; Valor de uma Remessa de 10 quilos no Percurso Consultado: R$ 80,07; Remessas Mensais Previstas para o Percurso: 26; Valor Mensal Estimado do Percurso: R$ 2.081,82.

13 MALOTE Média de custo Brasília/Porto Alegre PERCURSO ORIGEM DESTINO CEP: Endereço: Esplanada dos Ministérios Bloco B Rua André Puente Bairro: Zona Cívico-Administrativa Independência Cidade/UF: Brasília /DF Porto Alegre /RS Freqüência: Segunda, Quarta, Sexta Segunda, Quarta, Sexta Peso Estimado de cada Remessa do Percurso: 10 quilos; Valor de uma Remessa de 10 quilos no Percurso Consultado: R$ 146,14; Remessas Mensais Previstas para o Percurso: 26; Valor Mensal Estimado do Percurso: R$ 3.799,64.

14 GUIA DE MALOTE

15 EXPEDIÇÃO: Motoboy Serviço usado para entrega de documentos em Brasília e Regiões Administrativas. - Entre as unidades do próprio MinC Esplanada/Ed. Parque da Cidade - Entre outros Órgãos Públicos - Para pessoa física

16 GUIA DE MOTOBOY

17 EXPEDIÇÃO: ECT Envio de correspondência ou encomendas. Carta simples Carta registrada AR Telegrama Sedex Sedex 10 PAC (até 30 Quilos)

18

19

20

21

22

23

24 Guia dos Correios

25 LEGISLAÇÃO ARQUIVÍSTICA BRASILEIRA

26 LEGISLÃÇÃO DE PROTOCOLO E ARQUIVO Lei nº 9.784/1999 Regula o processo adm. no âmbito da Adm. Pública Federal. Portaria SLTI/MP nº 05/2002 Dispõe sobre procedimentos gerais para a utilização de serviços de protocolo na Adm. Pública Federal. Portaria SLTI/MP nº 03/2003 Dispõe sobre comunicações administrativas e numeração única de processos e documentos.

27

28 DOCUMENTOS PARA AUTUAÇÃO DE PROCESSO Não se constituirá em primeira peça do processo os documentos que tenham caráter transitório tais como: Convites para festividades, Comunicação de posse, Remessa para publicação, Pedido de cópia de processo, Desarquivamento de processo e outros.

29 AUTUAÇÃO DE PROCESSO O processo deve ser autuado, preferencialmente, por um documento original; no entanto, pode ser utilizada cópia considerando-se que o servidor tem fé pública para autenticar documentos e fazer reconhecimento de firmas no próprio órgão. NOTA: Deverá ser inserido despacho ao documento informando o motivo da utilização de cópias e não de originais.

30 Portaria SLTI/MP nº 05 de 2002 CORRESPONDÊNCIA - É toda espécie de comunicação escrita, que circula nos órgãos ou entidades, à exceção dos processos. A correspondência classifica-se em: interna e externa, oficial e particular, recebida e expedida.

31 CAPA DO PROCESSO Deverá ser fixada etiqueta: Número do processo Data Partes Resumo do assunto

32

33

34 NUMERAÇÃO DE FOLHA As folhas dos processos serão numeradas em ordem crescente, sem rasuras, devendo ser utilizado carimbo próprio para colocação do número, aposto no canto superior direito da página, recebendo, a primeira folha, o número 1. Preenchendo com os seguintes dados: a) número da folha; b) rubrica do servidor que fez as anotações; O nome do órgão ou entidade deverá circundar o carimbo.

35 QUEM EFETUA A NUMERAÇÃO DE FOLHA? As peças iniciais serão numeradas pela unidade autuadora. As peças subseqüentes serão numeradas e rubricadas pelas unidades que as adicionarem, em ordem crescente. NOTA: Não se admite a numeração repetida de folhas ou diferenciação por meio de letras ou quaisquer outros artifícios, nem rasuras.

36 RENUMERAÇÃO DE FOLHA Quando for constatada a necessidade da correção da numeração de qualquer folha do processo, deve-se inutilizar a anterior, sem rasuras, fazendo-se um "X" sobre o carimbo. Deve-se apor novamente o carimbo de numeração no canto superior direito de cada folha, inserindo o número da folha e rubricando. NOTA: Deve-se certificar a renumeração por meio de despacho, logo após o último despacho proferido no processo.

37 PEÇA EM TAMANHO REDUZIDO Nos casos em que a peça do processo estiver em tamanho reduzido, será colada em folha de papel branco, apondo-se o carimbo da numeração de peças de tal forma que o canto superior direito do documento seja atingido pelo referido carimbo.

38 VOLUMES DE PROCESSO O processo poderá ser dividido em volumes quando exceder a duzentas folhas, devendo ser inseridos termos de abertura e encerramento, e registrado a ocorrência também no Sistema. Os volumes deverão ser referenciados na capa do processo, com a inscrição de 1º volume, 2º volume etc.

39

40

41 ENCERRAMENTO DE VOLUME O encerramento de volume ocorrerá em folha suplementar mediante inserção de despacho de Encerramento de Volume devidamente numerado.

42 ABERTURA DE VOLUME Deve-se incluir em folha suplementar, logo após a capa, o despacho de Abertura de Volume, devidamente numerado, obedecendo-se à seqüência numérica do volume anterior.

43 A abertura de um novo volume será executada pela unidade cadastradora das unidades organizacionais correspondentes, que deverá solicitar a etiqueta e a capa de processo às unidades autuadoras correspondentes, certificando a sua abertura e atualizando no sistema.

44 INSERÇÃO DE ENVELOPE NO PROCESSO O envelope encaminhando a correspondência não será peça do processo, devendo ser descartado, anotando-se ou registrando-se as informações necessárias referentes ao endereço do remetente. NOTA: Poderá ser incluído em processo apenas o envelope que por motivo previamente definido, tenha que comprovar a data de postagem do seu conteúdo.

45 INSERÇÃO DE IMPRESSO As mensagens e documentos encaminhados por não devem se constituir em peças de processo. NOTAS: As mensagens geradas apenas eletronicamente serão inseridas no processo mediante elaboração de despacho ou memorando que ratifique as informações constantes da mensagem. Nos casos de elaboração de memorando as mensagens geradas eletronicamente deverão constar como anexo.

46 JUNTADA DE PROCESSO É a união de um processo ao outro, com o qual tem a relação ou dependência, podendo se dar por: APENSAÇÃO OU ANEXAÇÃO

47 Portaria SLTI/MP nº 05 de 2002 JUNTADA POR ANEXAÇÃO - É a união definitiva e irreversível de 01 (um) ou mais processo(s)/documento(s), a 01 (um) outro processo (considerado principal), desde que pertencentes a um mesmo interessado e que contenham o mesmo assunto. JUNTADA POR APENSAÇÃO - É a união provisória de um ou mais processos a um processo mais antigo, destinada ao estudo e à uniformidade de tratamento em matérias semelhantes, com o mesmo interessado ou não. PÁGINA DO PROCESSO É cada uma das faces de uma folha de papel do processo.

48

49

50 ESPAÇOS EM BRANCO Ao autuar um processo, apor o carimbo "EM BRANCO", em páginas e espaços que não contenham informações.

51 JUNTADA POR APENSAÇÃO A juntada por apensação se dá quando há união temporária de um ou mais processos ao processo principal, destinada ao estudo e à uniformidade de tratamento em matérias semelhantes, com o mesmo interessado ou não. Nota: Conservando cada processo sua identidade, independência e numeração.

52 A apensação de um processo a outro deve ocorrer apenas para que as informações nele contidas sirvam como subsídio para a decisão do processo principal, devendo ser desapensado ao final da tomada de decisão. Notas: - No ato da apensação os processos devem ser superpostos um ao outro. - Quando da apensação, sob hipótese alguma as folhas do processo apensado será renumerada em continuidade ao processo principal, devendo permanecer com sua numeração original.

53 - Deve-se lavrar o Despacho de Juntada por Apensação na última folha do processo principal, o qual, no ato da apensação, ficará em primeiro lugar, como também na última folha do processo acessório.

54 DESAPENSAÇÃO A desapensação consiste na separação de dois ou mais processos quando finalizado o efeito que o levou a apensação.

55 Deve-se incluir o Despacho de Desapensação na última folha do processo principal, como também, na última folha do processo acessório e registrar no sistema, a desapensação.

56 JUNTADA POR ANEXAÇÃO A juntada por anexação se dá quando há união definitiva e irreversível de um ou mais processo ou documento a um outro processo (considerado principal), desde que pertencentes a um mesmo interessado e que contenham o mesmo assunto ou assuntos semelhantes.

57 Processo principal é aquele que contém o assunto de maior interesse ou predominância, independentemente da sua data de abertura. O processo principal fica à frente e o acessório é anexado a ele.

58 - Na anexação, as folhas do processo anexado deverão ser renumeradas em seqüência à numeração do processo principal. - O processo acessório deverá ser colocado logo após a última folha do processo principal, incluindo sua capa que não deverá ser numerada.

59 TERMO DE RESSALVA Este termo será lavrado no protocolo central ou setorial, quando, no momento da anexação de processos, for constatada a ausência de peça(s) em um dos processos anexados.

60 Deve-se lavrar o "Despacho de Juntada por Anexação na última folha do processo principal e também do acessório.

61

62

63 DESENTRANHAMENTO O desentranhamento (retirada de peça do processo) poderá ocorrer quando houver interesse do órgão, ou a pedido de terceiros, desde que autorizada, com despacho prévio da autoridade competente.

64 - Sempre que houver retirada de peças deve-se lavrar, no verso da última folha da cópia do documento desentranhado, o carimbo Termo de Desentranhamento".

65 DESMEMBRAMENTO É a separação de parte da documentação de um processo, para formar outro, mediante despacho da autoridade competente. Nota: O processo que tiver peças desmembradas conservará a numeração original de suas folhas, e no local de onde se retirou o documento original deverá ser colocado as cópias do documento.

66 Sempre que houver desmembramento de peças deve-se lavrar, no verso da última folha da cópia do documento desmembrado, o "Despacho de Desmembramento".

67

68 O processo original que for extraviado ou destruído acidentalmente, no âmbito do órgão, será reconstituído. Notas: RECONSTITUIÇÃO DE PROCESSO - Tem caráter excepcional - Não exclui procedimento administrativo destinado a apurar a responsabilidade do servidor detentor do processo no momento do extravio.

69 Deve-se atribuir uma nova numeração ao processo reconstituído e registrar no sistema a ocorrência citando o número do processo extraviado e o atual. Deve-se colocar uma folha inicial informando a reconstituição do processo, constando o seu número, a procedência, o interessado, o assunto e outras informações que forem julgadas convenientes.

70 CARIMBOS DE PROCESSO Os carimbos sugeridos na Instrução Normativa numero 5 poderão ser emitidos por via informatizada, nos casos dos órgãos e entidades que utilizam sistemas próprios de protocolo, com medidas definidas pela conveniência de cada instituição. Preservando as recomendações quanto às informações, conforme os exemplos a seguir.

71 URGENTE: será usado em documentos cuja tramitação requeira maior celeridade que a rotineira. Usarão o carimbo "urgente" os servidores competentes para classificar o documento como tal. Esse carimbo será aposto na capa do processo, ou sobre o documento assim classificado.

72 RESERVADO: (Lei /2011) será usado para caracterizar os documentos cujo assunto não deva ser do conhecimento do público em geral. Usarão o carimbo "reservado", os servidores competentes para classificar o documento como tal. Esse carimbo será aposto sobre o fechamento do envelope que protege o documento ou processo, precedido da assinatura e identificação do servidor que o classificou. As unidades de protocolo também deverão usar este carimbo após a autuação de documento classificado como "reservado", observados os procedimentos definidos nesta norma. Prazo de segredo: 5 anos

73 SECRETO: (Lei /2011) será utilizado para salvaguardar o documento ou processo cujo trato requeira alto grau de segurança e cujo teor deva ser, exclusivamente, do conhecimento de servidores diretamente ligados ao seu estudo ou manuseio. Poderão usar o carimbo de "secreto", exclusivamente, os servidores competentes para classificar o documento como tal. Esse carimbo será aposto sobre o lacre do envelope que protege o documento ou processo, precedido da assinatura e identificação do servidor que o classificou. As unidades de protocolo também deverão usar este carimbo após a autuação de documento classificado como "secreto", observados os procedimentos definidos nesta norma. Prazo de segredo: 15 anos

74 Portaria SLTI/MP nº 03 de 2003 FAIXA NUMÉRICA: Os processos autuados pelos órgãos públicos federais deverão adotar a sistemática de numeração única: A PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA A ADVOCACIA-GERAL DA UNIÃO A MINISTÉRIO DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA A MINISTÉRIO DA CULTURA A MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE A MINISTÉRIO DO ESPORTE A MINISTÉRIO DA JUSTIÇA A GABINETE DO MINISTRO EXTRAORDINÁRIO DE SEGURANÇA ALIMENTAR E COMBATE À FOME

75 Portaria SLTI/MP nº 03 de 2003 NÚMERO DE REGISTRO Composto inicialmente pelo código SENAPRO, numeração seqüencial, ano e dígito verificador /

76

77

78 O conhecimento é um tesouro, mas a prática é a chave para ele. (Thomas Fuller) Adleide Catarina Falcão Coordenadora Aline Lucena Rezende Chefe de Divisão de Arquivo (Atualmente responsável: Isaías Ferreira da Silva) Francisco Alves Carvalho Chefe de Divisão de Protocolo Mariela Carvalho Bibliotecária Coordenação de Documentação e Informação/MinC (61) / 2050 /2265 /

CARTILHA PARA AUTUAÇÃO DE PROCESSOS. (1ª Edição)

CARTILHA PARA AUTUAÇÃO DE PROCESSOS. (1ª Edição) CARTILHA PARA AUTUAÇÃO DE PROCESSOS (1ª Edição) MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO AMAZONAS João Martins Dias Reitor Antônio Venâncio Castelo Branco Pró-Reitor

Leia mais

PORTARIA NORMATIVA Nº.., DE DE... DE 2010.

PORTARIA NORMATIVA Nº.., DE DE... DE 2010. CASA CIVIL DA PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA PORTARIA NORMATIVA Nº.., DE DE... DE 2010. Dispõe sobre os procedimentos gerais para o desenvolvimento das atividades de protocolo nos órgãos e entidades integrantes

Leia mais

NORMA DE AUTUAÇÃO E CONTROLE DE PROCESSOS - NOR 206

NORMA DE AUTUAÇÃO E CONTROLE DE PROCESSOS - NOR 206 MANUAL DE ADMINISTRAÇÃO E FINANÇAS COD. 200 ASSUNTO: AUTUAÇÃO, MOVIMENTAÇÃO E CONTROLE DE PROCESSOS APROVAÇÃO: Resolução DIREX nº 109/2013, de 01/07/2013 VIGÊNCIA: 01/07/2013 NORMA DE AUTUAÇÃO E CONTROLE

Leia mais

CARTILHA DE FORMAÇÃO DE PROCESSOS ORIENTAÇÕES

CARTILHA DE FORMAÇÃO DE PROCESSOS ORIENTAÇÕES CARTILHA DE FORMAÇÃO DE PROCESSOS ORIENTAÇÕES Cartilha de Formação de Processos Brasília, 2010 Copyright 2004 (Funasa) Ministério da Saúde 1ª edição revisada Editor Assessoria de Comunicação e Educação

Leia mais

Universidade da Integração Internacional da Lusofonia Afro-Brasileira - UNILAB

Universidade da Integração Internacional da Lusofonia Afro-Brasileira - UNILAB Universidade da Integração Internacional da Lusofonia Afro-Brasileira - UNILAB SILTON BATISTA LIMA BEZERRA Procurador Chefe FELIPE GRANGEIRO DE CARVALHO Procurador ELANA RODRIGUES Secretária Executiva

Leia mais

PORTARIA NORMATIVA Nº 05, DE 19 DE DEZEMBRO DE 2002.

PORTARIA NORMATIVA Nº 05, DE 19 DE DEZEMBRO DE 2002. PORTARIA NORMATIVA Nº 05, DE 19 DE DEZEMBRO DE 2002. Ementa: Dispõe sobre os procedimentos gerais para utilização dos serviços de protocolo, no âmbito da Administração Pública Federal, para os órgãos e

Leia mais

Empresa de Gestão de Recursos do Piauí EMGERPI MANUAL DE PROTOCOLO/PROTOCOLADO

Empresa de Gestão de Recursos do Piauí EMGERPI MANUAL DE PROTOCOLO/PROTOCOLADO Empresa de Gestão de Recursos do Piauí EMGERPI MANUAL DE PROTOCOLO/PROTOCOLADO TERESINA (PI), JUNHO DE 2008 GOVERNADOR DO ESTADO DO PIAUÍ José Wellington Barroso de Araújo Dias SECRETÁRIA DE ESTADO DA

Leia mais

ESTADO DE GOIÁS SECRETARIA DE ESTADO DE GESTÃO E PLANEJAMENTO. INSTRUÇÃO NORMATIVA nº 11-2012/SEGPLAN

ESTADO DE GOIÁS SECRETARIA DE ESTADO DE GESTÃO E PLANEJAMENTO. INSTRUÇÃO NORMATIVA nº 11-2012/SEGPLAN Publicada no DOE do dia 25/02/2013 INSTRUÇÃO NORMATIVA nº 11-2012/SEGPLAN Regulamenta os procedimentos para abertura de processos, juntada, cópia e demais rotinas de tramitação de processos e documentos

Leia mais

SECRETARIA DE LOGÍSTICA E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO PORTARIA NORMATIVA Nº 5, DE 19 DE DEZEMBRO DE 2002 (*)

SECRETARIA DE LOGÍSTICA E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO PORTARIA NORMATIVA Nº 5, DE 19 DE DEZEMBRO DE 2002 (*) SECRETARIA DE LOGÍSTICA E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO PORTARIA NORMATIVA Nº 5, DE 19 DE DEZEMBRO DE 2002 (*) Dispõe sobre os procedimentos gerais para utilização dos serviços de protocolo, no âmbito da Administração

Leia mais

MANUAL DE GESTÃO DE DOCUMENTOS DO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO

MANUAL DE GESTÃO DE DOCUMENTOS DO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO PORTARIA Nº 1.042, DE 17 DE AGOSTO DE 2012 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINISTRO DOU de 20/08/2012 (nº 161, Seção 1, pág. 9) O MINISTRO DE ESTADO DA EDUCAÇÃO, no uso da atribuição conferida pelo

Leia mais

ORDEM DE SERVIÇO Nº 9, DE 8 DE OUTUBRO DE 2003.

ORDEM DE SERVIÇO Nº 9, DE 8 DE OUTUBRO DE 2003. ORDEM DE SERVIÇO Nº 9, DE 8 DE OUTUBRO DE 2003. Disciplina a formação de processos administrativos no âmbito do Supremo Tribunal Federal. O DIRETOR-GERAL DA SECRETARIA DO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL, no uso

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINISTRO. Art. 2º Fica recomendada a utilização do Manual no âmbito das entidades vinculadas a este Ministério.

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINISTRO. Art. 2º Fica recomendada a utilização do Manual no âmbito das entidades vinculadas a este Ministério. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 1.042, DE 17 DE AGOSTO DE 2012 O MINISTRO DE ESTADO DA EDUCAÇÃO, no uso da atribuição conferida pelo art. 87, parágrafo único, inciso II da Constituição

Leia mais

NORMA PROCEDIMENTAL GESTÃO DE DOCUMENTOS

NORMA PROCEDIMENTAL GESTÃO DE DOCUMENTOS 50.03.013 1/26 1. FINALIDADE Uniformizar os procedimentos gerais referentes à gestão de processos e documentos, otimizando as rotinas administrativas e os serviços de protocolo. 2. ÂMBITO DE APLICAÇÃO

Leia mais

Manual de procedimentos de protocolo e arquivo do Ifes

Manual de procedimentos de protocolo e arquivo do Ifes Manual de procedimentos de protocolo e arquivo do Ifes 1ª edição INSTITUTO FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO MANUAL DE PROCEDIMENTOS DE PROTOCOLO E ARQUIVO DO IFES Vitória 2014 Realização Comissão Permanente de

Leia mais

COMO FAZER? Como preencher adequadamente um envelope para expedição de documentos e processos?... 2

COMO FAZER? Como preencher adequadamente um envelope para expedição de documentos e processos?... 2 COMO FAZER? Como preencher adequadamente um envelope para expedição de documentos e processos?... 2 Como preencher adequadamente uma comunicação interna CI?... 3 Como montar um processo físico?... 4 Como

Leia mais

FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA PRÓ-REITORIA DE PLANEJAMENTO

FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA PRÓ-REITORIA DE PLANEJAMENTO 1 INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 001 de 29 de Abril de 2011. FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA PRÓ-REITORIA DE PLANEJAMENTO Disciplina no âmbito da UDESC o controle dos serviços de postagem e remessa

Leia mais

MANUAL DE GESTÃODE DOCUMENTOS DO IF CATARINENSE

MANUAL DE GESTÃODE DOCUMENTOS DO IF CATARINENSE MANUAL DE GESTÃODE DOCUMENTOS DO IF CATARINENSE MANUAL DE GESTÃO DE DOCUMENTOS DO IF CATARINENSE 2. CONCEITOS DE PROTOCOLO Para efeito deste Manual, foram utilizados os seguintes conceitos: 2.1. PROTOCOLO

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 191, DE 27 DE MARÇO DE 2015

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 191, DE 27 DE MARÇO DE 2015 Publicada no Boletim de Serviço, n. 4, p. 6-12 em 10/4/2015. INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 191, DE 27 DE MARÇO DE 2015 Disciplina a formação de processos administrativos no âmbito do Supremo Tribunal Federal

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA FARROUPILHA

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA FARROUPILHA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA FARROUPILHA MANUAL DE PROTOCOLO E ACOMPANHAMENTO PROCESSUAL BRASIL RS ABRIL

Leia mais

Vice-Reitor da Universidade Federal de São Carlos. - UFSCar Prof. Dr. Targino de Araújo Filho. - UFSCar Prof. Dr. Adilson Jesus Aparecido De Oliveira

Vice-Reitor da Universidade Federal de São Carlos. - UFSCar Prof. Dr. Targino de Araújo Filho. - UFSCar Prof. Dr. Adilson Jesus Aparecido De Oliveira Reitor da Universidade Federal de São Carlos - UFSCar Prof. Dr. Targino de Araújo Filho Vice-Reitor da Universidade Federal de São Carlos - UFSCar Prof. Dr. Adilson Jesus Aparecido De Oliveira Gabinete

Leia mais

ATENÇÃO: A cópia impressa a partir da intranet é cópia não controlada.

ATENÇÃO: A cópia impressa a partir da intranet é cópia não controlada. Proposto por: Diretor da Divisão de Protocolo Administrativo da Corregedoria (DIPAC) Analisado por: Diretor do Departamento de Suporte Operacional (DESOP) Aprovado por: Diretor-Geral da Diretoria-Geral

Leia mais

ORIENTAÇÕES PARA PROCESSAMENTO E DISTRIBUIÇÃO DE DOCUMENTOS

ORIENTAÇÕES PARA PROCESSAMENTO E DISTRIBUIÇÃO DE DOCUMENTOS ORIENTAÇÕES PARA PROCESSAMENTO E DISTRIBUIÇÃO DE DOCUMENTOS 1- REGISTRO, CONTROLE, DEFINIÇÃO DE PROCESSO E CORRESPONDÊNCIA. 1.1 O cadastro, envio, recebimento e demais registros de processos, no âmbito

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO UNIVERSITÁRIO

UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO UNIVERSITÁRIO UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO N 33/2014 Institui o Sistema Integrado de Patrimônio e Administração e Contratos (SIPAC) no âmbito da Universidade Federal da Paraíba (UFPB)

Leia mais

Setor de Protocolo Administrativo do TJAM

Setor de Protocolo Administrativo do TJAM PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO AMAZONAS DIVISÃO DE GESTÃO DA QUALIDADE Sistema de Gestão da Qualidade PROCEDIMENTO 50 Setor de Protocolo Elaborado por: Adriano Ramos Gomes Setor de Protocolo

Leia mais

Lembre-se: I - CADASTRAMENTO DE PROCESSOS E DOCUMENTOS 1.1 AUTUAÇÃO DE PROCESSOS

Lembre-se: I - CADASTRAMENTO DE PROCESSOS E DOCUMENTOS 1.1 AUTUAÇÃO DE PROCESSOS I - CADASTRAMENTO DE PROCESSOS E DOCUMENTOS 1.1 AUTUAÇÃO DE PROCESSOS O que é preciso para autuar um processo? Para atuar processo é necessário que o documento seja original ou cópia, desde que autenticada

Leia mais

GLOSSÁRIO DE TERMOS ARQUIVÍSTICOS

GLOSSÁRIO DE TERMOS ARQUIVÍSTICOS GLOSSÁRIO DE TERMOS ARQUIVÍSTICOS ACERVO - Documentos de uma entidade produtora ou de uma entidade que possui sua guarda. ACESSIBILIDADE - Condição ou possibilidade de acesso a serviços de referência,

Leia mais

MANUAL DE NORMAS E PROCEDIMENTOS DE PROTOCOLO ADMINISTRATIVO

MANUAL DE NORMAS E PROCEDIMENTOS DE PROTOCOLO ADMINISTRATIVO Senado Federal Secretaria de Gestão de Informação e Documentação - SGIDOC Coordenação de Arquivo - COARQ MANUAL DE NORMAS E PROCEDIMENTOS DE PROTOCOLO ADMINISTRATIVO 2 ed. Brasília 2013 SENADO FEDERAL

Leia mais

TERMO DE ABERTURA DE VOLUME

TERMO DE ABERTURA DE VOLUME ANEXO II TERMO DE ABERTURA DE VOLUME Aos...dias do mês de...de..., procedemos a abertura deste volume nº... do processo nº..., que se inicia com a folha nº...para constar, eu (nome do servidor)...,(cargo

Leia mais

CARTILHA DE NORMATIZAÇÃO DE PROCESSOS

CARTILHA DE NORMATIZAÇÃO DE PROCESSOS SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RN AUDITORIA GERAL/REITORIA Rua Dr. Nilo Bezerra Ramalho, 1692, Tirol CEP 59015-300, Telefone: (84)

Leia mais

MINISTÉRIO DA CULTURA. Pág. 32

MINISTÉRIO DA CULTURA. Pág. 32 Pág. 32 Pág. 33 ANEXO II PASSO A PASSO CADASTRO SALIC WEB E SAD 1. CADASTRO DE DOCUMENTOS NO SALICWEB (perfil somente do Protocolo Central) A documentação que é recebida no Protocolo do MinC é cadastrada

Leia mais

(DODF nº. 109, Seção 01, p. 37, de 30 de maio de 2014)

(DODF nº. 109, Seção 01, p. 37, de 30 de maio de 2014) INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 02, DE 28 DE MAIO DE 2014. Aprova o Manual de Gestão de Documentos Administrativos do Governo do Distrito Federal, e dá outras providências. O SECRETÁRIO DE ESTADO DE PLANEJAMENTO

Leia mais

Prefeitura Municipal de São José do Calçado - ES

Prefeitura Municipal de São José do Calçado - ES TRAMITAÇÃO DE PROCESSOS E DOCUMENTOS PRINCÍPIOS GERAIS: Cabe à chefia dos pontos de tramitação fiscalizar a movimentação de processos e documentos na Unidade Administrativa pela qual respondem; O encaminhamento

Leia mais

ESTADO DE MATO GROSSO CÂMARA MUNICIPAL DE CUIABÁ

ESTADO DE MATO GROSSO CÂMARA MUNICIPAL DE CUIABÁ INSTRUÇÃO NORMATIVA SGA Nº. 007/2011 DISPÕE SOBRE OS PROCEDIMENTOS DE RECEBIMENTO, REGISTRO, TRAMITAÇÃO, CONTROLE E EXPEDIÇÃO DE DOCUMENTOS NA. Versão: 01 Aprovação: 13/06/2011 Ato de aprovação: 13/06/2011

Leia mais

ORIENTAÇÃO PARA POSTAGEM DE CORRESPONDÊNCIAS E ENDEREÇAMENTO NO ÂMBITO DA UFG

ORIENTAÇÃO PARA POSTAGEM DE CORRESPONDÊNCIAS E ENDEREÇAMENTO NO ÂMBITO DA UFG MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS PRÓ-REITORIA DE ADMINISTRAÇÃO E FINANÇAS CENTRO DE INFORMAÇÃO, DOCUMENTAÇÃO E ARQUIVO ORIENTAÇÃO PARA POSTAGEM DE CORRESPONDÊNCIAS E ENDEREÇAMENTO NO

Leia mais

PORTARIA Nº 102 DE 14 DE JUNHO DE 2011

PORTARIA Nº 102 DE 14 DE JUNHO DE 2011 ESTADO DE PERNAMBUCO PROCURADORIA GERAL DO ESTADO PORTARIA Nº 102 DE 14 DE JUNHO DE 2011 O PROCURADOR GERAL DO ESTADO, no exercício de suas atribuições legais, para fins de uniformizar procedimentos relativos

Leia mais

Recebimento e Expedição (Unidades de Recebimento e Expedição)

Recebimento e Expedição (Unidades de Recebimento e Expedição) MINISTÉRIO DA FAZENDA SECRETARIA EXECUTIVA SUBSECRETARIA DE PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E ADMINISTRAÇÃO COORDENAÇÃO-GERAL DE RECURSOS LOGÍSTICOS Manual Recebimento e Expedição (Unidades de Recebimento e Expedição)

Leia mais

MANUSEIO DE PROCESSOS

MANUSEIO DE PROCESSOS Orientações MANUSEIO DE PROCESSOS Coordenadoria de Material e Patrimônio Abril, 2012 1 MANUSEIO DE PROCESSOS 1. Numeração das Folhas Processos terão cada uma de suas folhas numeradas e carimbadas, sendo

Leia mais

informações previsto no inciso XXXIII do art. 5º, no inciso II do 3º do art. 37 e no 2 o do art. 216 da

informações previsto no inciso XXXIII do art. 5º, no inciso II do 3º do art. 37 e no 2 o do art. 216 da PORTARIA NORMATIVA Nº 003, DE 10 DE JUNHO DE 2013. Regulamenta dispositivos da Resolução nº 34/2011-CS/IFB e aprova normas e procedimentos de gestão documental no âmbito do Instituto Federal de Brasília

Leia mais

ORIENTAÇÃO PARA POSTAGEM DE CORRESPONDÊNCIAS E ENDEREÇAMENTO NO ÂMBITO DA UFG

ORIENTAÇÃO PARA POSTAGEM DE CORRESPONDÊNCIAS E ENDEREÇAMENTO NO ÂMBITO DA UFG MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS PRÓ-REITORIA DE ADMINISTRAÇÃO E FINANÇAS CENTRO DE INFORMAÇÃO, DOCUMENTAÇÃO E ARQUIVO ORIENTAÇÃO PARA POSTAGEM DE CORRESPONDÊNCIAS E ENDEREÇAMENTO NO

Leia mais

ATENÇÃO: A cópia impressa a partir da intranet é cópia não controlada.

ATENÇÃO: A cópia impressa a partir da intranet é cópia não controlada. Proposto por: RECEBER E ENCAMINHAR CORRESPONDÊNCIAS Serviço de Expediente e Arquivo (SEARQ) Analisado por: Departamento de Suporte Operacional (DESOP) Aprovado por: Diretor-Geral da Diretoria Geral de

Leia mais

TRIBUNAL DE CONTAS DA UNIÃO Segepres/ISC/Cedoc Serviço de Gestão Documental MANUAL DE TRATAMENTO DE DOCUMENTOS DIGITALIZADOS

TRIBUNAL DE CONTAS DA UNIÃO Segepres/ISC/Cedoc Serviço de Gestão Documental MANUAL DE TRATAMENTO DE DOCUMENTOS DIGITALIZADOS TRIBUNAL DE CONTAS DA UNIÃO Segepres/ISC/Cedoc Serviço de Gestão Documental MANUAL DE TRATAMENTO DE DOCUMENTOS DIGITALIZADOS Abril/2015 Sumário 1 APRESENTAÇÃO... 3 2 OBJETIVOS... 5 3 CONSIDERAÇÕES SOBRE

Leia mais

Estabelecer os procedimentos para o controle e o tratamento de produto não conforme, no âmbito da Diretoria Geral de Gestão do Conhecimento.

Estabelecer os procedimentos para o controle e o tratamento de produto não conforme, no âmbito da Diretoria Geral de Gestão do Conhecimento. Proposto por: Equipe da Diretoria Geral de Gestão do Conhecimento (GBCON) Analisado por: Representante da Administração Superior (RD) Aprovado por: Diretor - Geral da Diretoria Geral de Gestão do Conhecimento

Leia mais

Padrão de Dados Integração de Protocolos do Governo Federal versão 1.0

Padrão de Dados Integração de Protocolos do Governo Federal versão 1.0 Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão Secretaria de Logística e Tecnologia da Informação Departamento de Governo Eletrônico www.governoeletronico.gov.br Ministério da Justiça Arquivo Nacional

Leia mais

Revogado pela Instrução Normativa STJ/GDG n. 8 de 4 de maio de 2015

Revogado pela Instrução Normativa STJ/GDG n. 8 de 4 de maio de 2015 Revogado pela Instrução Normativa STJ/GDG n. 8 de 4 de maio de 2015 SUPERIOR TRIBUNAL DE JUSTIÇA ANEXO I ROTINAS E PROCEDIMENTOS DO PROGRAMA DE GESTÃO DOCUMENTAL CRIAÇÃO, CAPTURA E DIGITALIZAÇÃO DE DOCUMENTOS

Leia mais

Estabelecer critérios e procedimentos para a autuação de processos judiciais e incidentais.

Estabelecer critérios e procedimentos para a autuação de processos judiciais e incidentais. RAD- Proposto por: Equipe da Vara Empresarial AUTUAR PROCESSOS JUDICIAIS Analisado por: RAS da Vara Empresarial Aprovado por: Juiz de Direito da Vara Empresarial 1 OBJETIVO Estabelecer critérios e procedimentos

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS DOCUMENTAIS

MANUAL DE PROCEDIMENTOS DOCUMENTAIS Pág. 1 SECRETARIA EXECUTIVA SUBSECRETARIA DE PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E ADMINISTRAÇÃO COORDENAÇÃO-GERAL DE RECURSOS LOGÍSTICOS COORDENAÇÃO DE DOCUMENTAÇÃO E INFORMAÇÃO MANUAL DE PROCEDIMENTOS DOCUMENTAIS

Leia mais

MANUAL DE GESTÃO DE DOCUMENTOS, ARQUIVOS E BIBLIOTECA

MANUAL DE GESTÃO DE DOCUMENTOS, ARQUIVOS E BIBLIOTECA MANUAL DE GESTÃO DE DOCUMENTOS, ARQUIVOS E BIBLIOTECA Agência Nacional de Águas Diretoria Colegiada José Machado Diretor-Presidente Benedito Braga Oscar de Morais Cordeiro Netto Secretária-Geral Mayui

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 01 TCE-TO de 07 de março de 2012. Dispõe sobre o processo eletrônico no âmbito do Tribunal de Contas do Estado do Tocantins.

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 01 TCE-TO de 07 de março de 2012. Dispõe sobre o processo eletrônico no âmbito do Tribunal de Contas do Estado do Tocantins. INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 01 TCE-TO de 07 de março de 2012. Dispõe sobre o processo eletrônico no âmbito do Tribunal de Contas do Estado do Tocantins. O TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DO TOCANTINS, no uso de

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DE JUSTIÇA SEPN Quadra 514 Norte Lote 7 Bloco B CEP 70760 542 Brasília DF www.cnj.jus.br INSTRUÇÃO NORMATIVA

CONSELHO NACIONAL DE JUSTIÇA SEPN Quadra 514 Norte Lote 7 Bloco B CEP 70760 542 Brasília DF www.cnj.jus.br INSTRUÇÃO NORMATIVA CONSELHO NACIONAL DE JUSTIÇA SEPN Quadra 514 Norte Lote 7 Bloco B CEP 70760 542 Brasília DF www.cnj.jus.br INSTRUÇÃO NORMATIVA INSTRUÇÃO NORMATIVA 67, DE 5 DE AGOSTO DE 2015 Regulamenta a Portaria SEI

Leia mais

PROCEDIMENTOS E ROTINAS INERENTES AO SETOR DE REGISTRO E PROTOCOLO COM RELAÇÃO A PROCESSOS

PROCEDIMENTOS E ROTINAS INERENTES AO SETOR DE REGISTRO E PROTOCOLO COM RELAÇÃO A PROCESSOS PROCEDIMENTOS E INERENTES AO SETOR DE REGISTRO E PROTOCOLO COM RELAÇÃO A PROCESSOS Rotinas para montagem de processos Processo físico O processo físico deverá ser constituído por documentos que pela natureza

Leia mais

SECRETARIA GERAL GABINETE DO SECRETÁRIO-GERAL

SECRETARIA GERAL GABINETE DO SECRETÁRIO-GERAL República. AUTORIZO o gozo de Licença Prêmio por Tempo de Serviço, no período de 13 de outubro a 13 de novembro de 1999, relativa ao qüinqüênio de 07 de dezembro de 1993 a 10 de dezembro de 1998, com fundamento

Leia mais

MANUAL DE GESTÃO DE DOCUMENTOS E ARQUIVOS

MANUAL DE GESTÃO DE DOCUMENTOS E ARQUIVOS MANUAL DE GESTÃO DE DOCUMENTOS E ARQUIVOS República Federativa do Brasil Luiz Inácio Lula da Silva Presidente da República Ministério do Meio Ambiente Marina Silva Ministra do Meio Ambiente Agência Nacional

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 001/2010

RESOLUÇÃO Nº 001/2010 RESOLUÇÃO Nº 001/2010 ALTERA O REGIMENTO INTERNO DA OUVIDORIA DO MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE GOIÁS. O COLÉGIO DE PROCURADORES DE JUSTIÇA, no uso das atribuições conferidas pelo artigo 18, inciso XVII,

Leia mais

Para fins de entendimento deste manual, apresentam-se as seguintes definições:

Para fins de entendimento deste manual, apresentam-se as seguintes definições: Código: MAP-DIINF-001 Versão: 00 Data de Emissão: 01/01/2013 Elaborado por: Gerência de Acervos Aprovado por: Diretoria de Informação Institucional 1 OBJETIVO Definir os procedimentos de arquivamento e

Leia mais

MINISTÉRIO DA CULTURA GABINETE DA MINISTRA EDITAL Nº 1, DE 08 DE MAIO DE 2014.

MINISTÉRIO DA CULTURA GABINETE DA MINISTRA EDITAL Nº 1, DE 08 DE MAIO DE 2014. MINISTÉRIO DA CULTURA GABINETE DA MINISTRA EDITAL Nº 1, DE 08 DE MAIO DE 2014. HABILITAÇÃO DE ENTIDADES PARA INDICAÇÃO DOS MEMBROS QUE COMPORÃO A COMISSÃO NACIONAL DE INCENTIVO À CULTURA CNIC A MINISTRA

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO RESOLUÇÃO nº483/2009 Data da Norma: 04/03/2009 Órgão expedidor: ÓRGÃO ESPECIAL DO TRIBUNAL DE JUSTIÇA Fonte: DJE de 22/06/2009, p. 1-77 Ementa: Cria o Programa de Gestão de Documentos Arquivísticos do

Leia mais

RESOLUÇÃO N. TC-0109/2015

RESOLUÇÃO N. TC-0109/2015 RESOLUÇÃO N. TC-0109/2015 Dispõe sobre o procedimento de reconstituição e restauração dos autos de processos do Tribunal de Contas do Estado de Santa Catarina e dá outras providências. O TRIBUNAL DE CONTAS

Leia mais

SEC. 02 OFÍCIOS E TEXTOS

SEC. 02 OFÍCIOS E TEXTOS 1 de 23 OFÍCIOS E TEXTOS MACROPROCESSO ADMINISTRATIVO PROCESSO OFÍCIOS E TEXTOS OFÍCIOS E TEXTOS 1. OBJETIVO... 2 2. ABRANGÊNCIA... 2 3. DOCUMENTOS RELACIONADOS... 2 4. PROCEDIMENTOS... 2 4.1 DEFINIÇÃO

Leia mais

Edição nº 141/2015 Brasília - DF, segunda-feira, 10 de agosto de 2015 INSTRUÇÃO NORMATIVA 67, DE 5 DE AGOSTO DE 2015

Edição nº 141/2015 Brasília - DF, segunda-feira, 10 de agosto de 2015 INSTRUÇÃO NORMATIVA 67, DE 5 DE AGOSTO DE 2015 INSTRUÇÃO NORMATIVA 67, DE 5 DE AGOSTO DE 2015 Regulamenta a Portaria-SEI 1 de 4 de agosto de 2015, que instituiu o Sistema Eletrônico de Informações - SEI no âmbito do Conselho Nacional de Justiça. O

Leia mais

QUESTÕES COMENTADAS TEORIA COMPLETA 498 PÁGINAS DE RESUMOS 1.200 QUESTÕES COMENTADAS. Escrevente do T J/SP. Wander Garcia e Renan Flumian

QUESTÕES COMENTADAS TEORIA COMPLETA 498 PÁGINAS DE RESUMOS 1.200 QUESTÕES COMENTADAS. Escrevente do T J/SP. Wander Garcia e Renan Flumian Wander Garcia e Renan Flumian Coordenadores PARA CONCURSO DE Escrevente do T J/SP TEORIA COMPLETA QUESTÕES COMENTADAS 498 PÁGINAS DE RESUMOS 1.200 QUESTÕES COMENTADAS ATUALIZAÇÃO Outubro/2014 A EDITORA

Leia mais

GUIA RÁPIDO PARA TRANSFERÊNCIA OU ELIMINAÇÃO DE DOCUMENTOS

GUIA RÁPIDO PARA TRANSFERÊNCIA OU ELIMINAÇÃO DE DOCUMENTOS MINISTÉRIO DA SAÚDE GUIA RÁPIDO PARA TRANSFERÊNCIA OU ELIMINAÇÃO DE DOCUMENTOS Brasília DF 2014 coleção arquivo MINISTÉRIO DA SAÚDE Secretaria-Executiva Subsecretaria de Assuntos Administrativos GUIA RÁPIDO

Leia mais

Regulamento SIGA. Versão 1.0. Outubro, 2013. Página 1 de 16

Regulamento SIGA. Versão 1.0. Outubro, 2013. Página 1 de 16 Regulamento SIGA Versão 1.0 Outubro, 2013 Página 1 de 16 Sumário Objetivo deste Regulamento...3 Introdução...4 Definição...4 O que é documento para o SIGA...4 Numeração dos documentos no SIGA...4 Disposição

Leia mais

PROCEDIMENTOS DE PROTOCOLO NA APF

PROCEDIMENTOS DE PROTOCOLO NA APF PROCEDIMENTOS DE PROTOCOLO NA APF DOCUMENTOS DIGITAIS Protocolo Integrado e Processo Eletrônico Nacional: Novos Paradigmas para a Administração Pública Federal 10 de março de 2015 Claudia Lacombe Rocha

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS SISTEMA DE PROTOCOLO ÚNICO

MANUAL DE PROCEDIMENTOS SISTEMA DE PROTOCOLO ÚNICO MANUAL DE PROCEDIMENTOS SISTEMA DE PROTOCOLO ÚNICO Revisão 2 junho/2004 COORDENADORIA GERAL DE ADMINISTRAÇÃO 1 APRESENTAÇÃO O Sistema de Protocolo Único SPU foi instituído por meio da Resolução SF 67,

Leia mais

O QUE É DOCUMENTO PARA O SIGA

O QUE É DOCUMENTO PARA O SIGA APRESENTAÇÃO O SIGA - Sistema Integrado de Gestão Administrativa é o sistema oficial de gestão documental do Poder Judiciário baiano que permite a criação, transferência, assinatura e demais atos de tramitação

Leia mais

Universidade Estadual do Centro-Oeste Reconhecida pelo Decreto Estadual nº 3.444, de 8 de agosto de 1997

Universidade Estadual do Centro-Oeste Reconhecida pelo Decreto Estadual nº 3.444, de 8 de agosto de 1997 RESOLUÇÃO CONJUNTA Nº 9-CEPE-CAD/UNICENTRO, DE 21 DE MAIO DE 2009. Aprova o Regulamento do Protocolo Geral da UNICENTRO. O REITOR DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO-OESTE, UNICENTRO: Faço saber que o Conselho

Leia mais

Estabelecer critérios e procedimentos para a autuação de processos judiciais.

Estabelecer critérios e procedimentos para a autuação de processos judiciais. Proposto por: Equipe da 5ª Vara de Órfãos e Sucessões da Capital Analisado por: Representante da Administração Superior (RAS) Aprovado por: Juiz de Direito 5ª Vara de Órfãos e Sucessões da Capital 1 OBJETIVO

Leia mais

REGULAMENTO PARA EMISSÃO, REGISTRO E EXPEDIÇÃO DE DIPLOMA DE CURSO TÉCNICO TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

REGULAMENTO PARA EMISSÃO, REGISTRO E EXPEDIÇÃO DE DIPLOMA DE CURSO TÉCNICO TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES REGULAMENTO PARA EMISSÃO, REGISTRO E EXPEDIÇÃO DE DIPLOMA DE CURSO TÉCNICO TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º O Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Mato Grosso do Sul - IFMS,

Leia mais

SIPAR Sistema Integrado de Protocolo e Arquivo

SIPAR Sistema Integrado de Protocolo e Arquivo MINISTÉRIO DA SAÚDE SIPAR Sistema Integrado de Protocolo e Arquivo Curso Básico de Protocolo 2.ª edição ampliada 10.ª reimpressão Série A. Normas e Manuais Técnicos Brasília DF 2005 2001 Ministério da

Leia mais

Ministério da Educação GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 1.042, DE 4 DE NOVEMBRO DE 2015

Ministério da Educação GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 1.042, DE 4 DE NOVEMBRO DE 2015 Ministério da Educação GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 1.042, DE 4 DE NOVEMBRO DE 2015 Dispõe sobre a implantação e o funcionamento do processo eletrônico no âmbito do Ministério da Educação. O MINISTRO

Leia mais

FORMALIZAÇÃO DE PROCESSOS ADMINISTRATIVOS

FORMALIZAÇÃO DE PROCESSOS ADMINISTRATIVOS PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE JI-PARANÁ FORMALIZAÇÃO DE PROCESSOS ADMINISTRATIVOS Realização: CONTROLADORIA GERAL DO MUNICÍPIO Elias Caetano da Silva Controlador Geral Ji-Paraná, Março de 2013 FORMALIZAÇÃO

Leia mais

ELIMINAR DOCUMENTOS NAS UNIDADES ORGANIZACIONAIS

ELIMINAR DOCUMENTOS NAS UNIDADES ORGANIZACIONAIS Proposto por: Divisão de Gestão de Documentos - DIGED Analisado por: Diretor do Departamento de Gestão de Acervos Arquivísticos (DEGEA) Aprovado por: Diretor-Geral de Apoio aos Órgãos Jurisdicionais (DGJUR)

Leia mais

Manual de Procedimentos GGAF

Manual de Procedimentos GGAF Manual de Procedimentos GGAF 2014 Ficha Técnica Diretoria Diretor Presidente: Marcelo Pacho dos Guaranys Diretor de Aeronavegabilidade: Cláudio Passos Simão Diretor de Regulação Econômica: Ricardo Sérgio

Leia mais

Id: 1567758 GLOSSÁRIO A ABERTURA DE PROCESSO Ver AUTUAÇÃO ABERTURA DE VOLUME É a abertura (criação) de volume a partir de um processo. Sempre que o volume do documento atingir aproximadamente 200 páginas

Leia mais

INSTITUTO DE MEIO AMBIENTE DO ACRE IMAC

INSTITUTO DE MEIO AMBIENTE DO ACRE IMAC PORTARIA NORMATIVA N.º 003 DE 1º DE JUNHO DE 2010 A Presidente do Instituto de Meio Ambiente do Acre -, no uso de suas atribuições legais que lhe confere o art. 1º, da Lei Estadual nº. 851, de 23 de tubro

Leia mais

AUTORIZAÇÃO PARA FUNCIONAMENTO DE ORGANIZAÇÕES ESTRANGEIRAS DESTINADAS A FINS DE INTERESSE COLETIVO NO BRASIL

AUTORIZAÇÃO PARA FUNCIONAMENTO DE ORGANIZAÇÕES ESTRANGEIRAS DESTINADAS A FINS DE INTERESSE COLETIVO NO BRASIL AUTORIZAÇÃO PARA FUNCIONAMENTO DE ORGANIZAÇÕES ESTRANGEIRAS DESTINADAS A FINS DE INTERESSE COLETIVO NO BRASIL 1. Organizações estrangeiras destinadas a fins de interesse coletivo 1 No direito brasileiro,

Leia mais

ATO Nº 303/2015. O DESEMBARGADOR-PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 7ª REGIÃO, no uso de suas atribuições legais e regimentais,

ATO Nº 303/2015. O DESEMBARGADOR-PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 7ª REGIÃO, no uso de suas atribuições legais e regimentais, ATO Nº 303/2015 Disciplina a implantação do Processo Administrativo Eletrônico (Proad) no âmbito do Tribunal Regional do Trabalho da 7ª Região. O DESEMBARGADOR-PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO

Leia mais

PROVIMENTO CONJUNTO Nº 13, DE 5 DE NOVEMBRO DE 2014.

PROVIMENTO CONJUNTO Nº 13, DE 5 DE NOVEMBRO DE 2014. PROVIMENTO CONJUNTO Nº 13, DE 5 DE NOVEMBRO DE 2014. Regulamenta os procedimentos a serem adotados no âmbito da Justiça do Trabalho da 4ª Região em virtude da implantação do PJe- JT, revoga o Provimento

Leia mais

Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade SISTEMA GERENCIADOR DE DOCUMENTOS SGDOC

Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade SISTEMA GERENCIADOR DE DOCUMENTOS SGDOC Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade SISTEMA GERENCIADOR DE DOCUMENTOS SGDOC Manual de instruções para utilização do Sistema Gerenciador de Documentos SGDOC - Versão 2-2012 Sumário Manual

Leia mais

Funções Institucionais

Funções Institucionais Advocacia-Geral da União Secretaria-Geral Coordenação-Geral de Documentação e Informação Subcomissão SIGA/AGU Comissão Permanente de Avaliação de Documentos - CAD Brasília Junho/2010 Funções Institucionais

Leia mais

APOSTILA Gestão de Documentos Públicos e Arquivos SIGED Parte Teórica

APOSTILA Gestão de Documentos Públicos e Arquivos SIGED Parte Teórica APOSTILA Gestão de Documentos Públicos e Arquivos SIGED Parte Teórica SUMÁRIO 1 CONCEITOS PRINCIPAIS... 3 1.1 Documento: gênero, espécie e natureza... 3 1.2 Ciclo de vida dos documentos... 7 1.3 Arquivo:

Leia mais

NORMA DE CORRESPONDÊNCIA NOR 103

NORMA DE CORRESPONDÊNCIA NOR 103 MANUAL DE ORGANIZAÇÃO COD. 100 ASSUNTO: CORRESPONDÊNCIA COD: NOR 103 APROVAÇÃO: Resolução nº 024, de 02/09/03 NORMA DE CORRESPONDÊNCIA NOR 103 1/13 SUMÁRIO 1. FINALIDADE... 02 2. CONCEITUAÇÃO... 02 3.

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL SECRETARIA-GERAL

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL SECRETARIA-GERAL MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL SECRETARIA-GERAL INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 3, DE 30 DE DEZEMBRO DE 2002. Estabelece normas e procedimentos para o arquivamento de processos e documentos administrativos. 1 - FINALIDADE

Leia mais

Dúvidas sobre livros mercantis

Dúvidas sobre livros mercantis Dúvidas sobre livros mercantis 1 - Para o registro do balanço como documento de interesse, na Junta Comercial, exige-se que seja informado o número das folhas do livro Diário em que foi retirado o balanço?

Leia mais

ATENÇÃO: A cópia impressa a partir da intranet é cópia não controlada.

ATENÇÃO: A cópia impressa a partir da intranet é cópia não controlada. Proposto por: Chefe do Serviço de Malotes (SEMAL) Analisado por: Diretor do Departamento de Infra Estrutura Operacional (DEIOP) Aprovado por: Diretor da Diretoria-Geral de Logística (DGLOG) 1 OBJETIVO

Leia mais

Instrução Normativa nº 1, de 30 de dezembro de 2010 (Pág. 46) Estabelece procedimentos relativos à certificação de entidades beneficentes de

Instrução Normativa nº 1, de 30 de dezembro de 2010 (Pág. 46) Estabelece procedimentos relativos à certificação de entidades beneficentes de Instrução Normativa nº 1, de 30 de dezembro de 2010 (Pág. 46) Estabelece procedimentos relativos à certificação de entidades beneficentes de assistência social, no âmbito do Ministério do Desenvolvimento

Leia mais

Política e Gestão da Saúde Pública para o Ministério Público

Política e Gestão da Saúde Pública para o Ministério Público DEVIDO À GREVE DOS TRABALHADORES DA FIOCRUZ PODERÁ HAVER ALGUMA DIFICULDADE EM EVENTUAL CONTATO TELEFÔNICO E POSSÍVEIS ATRASOS NAS RESPOSTAS AOS E-MAILS PARA SANAR DÚVIDAS SOBRE ESSE PROCESSO SELETIVO.

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça Vide Instrução Normativa STJ/GDG n. 26 de 18 de dezembro de 2015 (Alteração = art. 12) RESOLUÇÃO STJ N. 2 DE 4 DE FEVEREIRO DE 2015. Dispõe sobre os serviços de telecomunicações do Superior Tribunal de

Leia mais

Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI Nº 11.419, DE 19 DE DEZEMBRO DE 2006. Mensagem de veto Dispõe sobre a informatização do processo judicial; altera a Lei n o 5.869, de 11 de janeiro de 1973

Leia mais

SIDAP 1º INSTÂNCIA. Resolução CNJ 65 Padronização do número dos Processos Judiciais

SIDAP 1º INSTÂNCIA. Resolução CNJ 65 Padronização do número dos Processos Judiciais SIDAP 1º INSTÂNCIA Resolução CNJ 65 Padronização do número dos Processos Judiciais ÍNDICE 1. APRESENTAÇÃO... 3 2. RESOLUÇÃO Nº 65/2008 - OBJETIVOS DA NUMERAÇÃO PADRONIZADA... 3 3. NUMERAÇÃO PADRONIZADA

Leia mais

Guia Prático para Gestão de Documentos Correntes ou Setoriais

Guia Prático para Gestão de Documentos Correntes ou Setoriais Guia Prático para Gestão de Documentos Correntes ou Setoriais S É R I E TSE PUBLICAÇÕES ARQUIVÍSTICAS 6 Secretaria de Gestão da Informação 2012 2012 Tribunal Superior Eleitoral Secretaria de Gestão da

Leia mais

Secretaria Municipal de Planejamento, Orçamento e Gestão Curso de Integração: Arquitetos e Engenheiros Setembro de 2013

Secretaria Municipal de Planejamento, Orçamento e Gestão Curso de Integração: Arquitetos e Engenheiros Setembro de 2013 DIVISÃO DOS PROCESSOS MUNICIPAIS DGDP - 1 PAULO ROBERTO DUTRA E-mail: prdutra@prefeitura.sp.gov.br Fone: 3101-1733 / 3396-7079 / 3396-7276 Curso sobre Manuseio de Processos para: Secretaria Municipal de

Leia mais

1 PROCEDIMENTOS PARA TRAMITAÇÃO DE PROCESSOS E PROTOCOLADOS 1.1 PROCEDIMENTOS PARA AUTUAÇÃO

1 PROCEDIMENTOS PARA TRAMITAÇÃO DE PROCESSOS E PROTOCOLADOS 1.1 PROCEDIMENTOS PARA AUTUAÇÃO 1 PROCEDIMENTOS PARA TRAMITAÇÃO DE PROCESSOS E PROTOCOLADOS 1.1 PROCEDIMENTOS PARA AUTUAÇÃO 1.1.1 - Os documentos com conteúdo que não constam na Tabela de Assuntos devem ser avaliados pela Comissão da

Leia mais

Manual do Sistema. SMARsa. Módulo WEB

Manual do Sistema. SMARsa. Módulo WEB Manual do Sistema SMARsa Módulo WEB Índice INTRODUÇÃO...1 OBJETIVOS....1 TELA DE LOGIN...2 Como Utilizar?...2 INICIANDO O TRABALHO...3 TELA INICIAL...3 PERDA DE CONEXÃO:...4 1. ADMINISTRAÇÃO...5 1.1. Alterar

Leia mais

RESOLUÇÃO N. 165/2014/TCE-RO

RESOLUÇÃO N. 165/2014/TCE-RO RESOLUÇÃO N. 165/2014/TCE-RO Regulamenta o Processo de Contas Eletrônico no âmbito do Tribunal de Contas do Estado de Rondônia. O PRESIDENTE DO TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DE RONDÔNIA, no uso das atribuições

Leia mais

Manual de Gestão da Informação e Documentação. (MGID) Módulo II - Gerenciar documentos arquivísticos

Manual de Gestão da Informação e Documentação. (MGID) Módulo II - Gerenciar documentos arquivísticos (MGID) Módulo II - Gerenciar documentos arquivísticos PORTARIA Nº 157, DE 2 DE ABRIL DE 2013. Aprova o Modulo II do Manual de Gestão da Informação e Documentação - MGID no âmbito do Ministério da Previdência

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS DA ÁREA DE PROTOCOLO E INFORMAÇÃO DO COMÉRCIO

MANUAL DE PROCEDIMENTOS DA ÁREA DE PROTOCOLO E INFORMAÇÃO DO COMÉRCIO GOVERNO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO SECRETARIA DE ESTADO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO, ENERGIA, INDÚSTRIA E SERVIÇOS JUNTA COMERCIAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO MANUAL DE PROCEDIMENTOS DA ÁREA DE PROTOCOLO

Leia mais

RESOLUÇÃO - RDC Nº 124, DE 13 DE MAIO DE 2004.

RESOLUÇÃO - RDC Nº 124, DE 13 DE MAIO DE 2004. RESOLUÇÃO - RDC Nº 124, DE 13 DE MAIO DE 2004. Dispõe sobre os procedimentos gerais para utilização dos serviços de protocolo de correspondências e documentos técnicos no âmbito da Anvisa e sobre as formas

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA DO TRABALHO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 5ª REGIÃO Gabinete da Presidência PROVIMENTO GP - 02, DE 24 DE JULHO DE 2012 *

PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA DO TRABALHO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 5ª REGIÃO Gabinete da Presidência PROVIMENTO GP - 02, DE 24 DE JULHO DE 2012 * PROVIMENTO GP - 02, DE 24 DE JULHO DE 2012 * Dispõe sobre o Sistema Integrado de Protocolização e Fluxo de Documentos Eletrônicos (e DOC), bem como a indisponibilidade dos equipamentos de facsímile (fax)

Leia mais