QUALIDADE DE VIDA NO TRABALHO (QVT): INDICADOR DO GRAU DE SATISFAÇÃO DO TRABALHADOR E DO AUMENTO DA PRODUTIVIDADE DA ORGANIZAÇÃO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "QUALIDADE DE VIDA NO TRABALHO (QVT): INDICADOR DO GRAU DE SATISFAÇÃO DO TRABALHADOR E DO AUMENTO DA PRODUTIVIDADE DA ORGANIZAÇÃO"

Transcrição

1 ISSN QUALIDADE DE VIDA NO TRABALHO (QVT): INDICADOR DO GRAU DE SATISFAÇÃO DO TRABALHADOR E DO AUMENTO DA PRODUTIVIDADE DA ORGANIZAÇÃO Regina de Assis Damas Costa (UFF) Osvaldo Luiz Gonçalves Quelhas (UFF) Resumo: O ambiente laboral é o local onde as pessoas passam grande parte de seu tempo, e, com a necessidade das organizações de competirem no mercado, elas perceberam que a qualidade de vida no trabalho é algo essencial para a permanência do Capital Humano na organização. Assim sendo, através de uma pesquisa bibliográfica, este artigo trata da qualidade de vida no trabalho, analisando a mesma como um indicador do grau de satisfação do trabalhador e do aumento da produtividade da organização. Para isso, faz-se necessário analisar a valorização do Capital Humano na organização, assim como a motivação, ações e programas importantes em QVT e a satisfação do trabalhador dentro da empresa. A QVT, vista como uma estratégia organizacional vai promover, não somente melhorias na qualidade devida do trabalhador, mas ocasionará aumento na produtividade da empresa. Melhorar a qualidade de vida do Capital Humano de uma empresa vem sendo a melhor maneira de manter a todos motivados e comprometidos com o trabalho, o que tem como consequência o aumento da produção e da lucratividade da organização. Palavras-chaves: Qualidade de Vida no Trabalho; Capital Humano; Organização.

2 1. INTRODUÇÃO Devido aos grandes desafios por que passa o mundo empresarial, existe a necessidade de que as organizações possuam uma força de trabalho produtiva, motivada e preparada para a competitividade dos dias atuais. Assim, quando se trata de produtividade de uma empresa fala-se também do tema da qualidade de vida no trabalho voltado para as pessoas que trabalham na organização. Na atualidade, segundo Vieira e Limongi-França (2004) são discutidos muitos temas relativos às condições de trabalho das pessoas nas empresas. Vem acontecendo nas organizações uma maior conscientização social e ambiental e um maior rigor nas leis, assim como, o cumprimento de normas de qualidade e maior atenção às questões de segurança, de saúde e estresse no trabalho. Tais fatores, aliados a globalização e a tecnologia, fizeram com que surgisse uma demanda em relação à qualidade de vida no trabalho na sociedade pós-industrial. As empresas, segundo os autores, estão mais atentas para o fato de que trabalhadores mais felizes são mais comprometidos e produzem mais, isso faz com que as mesmas pensem em investir em seus talentos internos, em desenvolvê-los cada vez mais para que permaneçam na empresa. Desse modo, diante da atualidade do tema, este artigo formula a seguinte situação problema: as organizações consideram a qualidade de vida no trabalho, de fato, como um indicador da satisfação do trabalhador e do aumento da produtividade da organização? Para Padilha (2010), a qualidade de vida do trabalhador está imersa num contexto de equilíbrio entre o trabalho e outras esferas da vida. Observa-se que tem aumentado, por parte dos empreendedores, empregadores, patrões, elementos de chefia, etc., a preocupação com a qualidade de vida dos trabalhadores e isto é relevante diante da competitividade que existe entre empresas no mercado. Justifica-se a escolha do tema ao se considerar a importância do mesmo diante da preocupação existente na sociedade quanto à qualidade de vida do indivíduo e quanto à qualidade de vida do mesmo no contexto de seu trabalho. Conforme Rodriguez e Alves (2008), não é de hoje a preocupação do homem com a sua qualidade de vida, pois a vontade de manter uma vida melhor e mais saudável é antiga e isso se aplica também ao mundo do trabalho. É relevante salientar que, para que tudo funcione corretamente dentro de uma organização é preciso que exista o fator humano, o centro da solução deve ser a pessoa. O ser humano com toda a sua potencialidade é a figura principal na formatação destes novos tempos e efetivamente pode fazer a 2

3 diferença no sentido de construir empresas mais ágeis e lucrativas. Considera ainda a autora que, são as pessoas os maiores ativos das organizações (DALLOSTO, 2010, p. 17). Dallosto (2010) ressalta que sem dar o devido valor ao elemento humano nenhuma empresa terá sucesso, nem atingirá metas e objetivos, e, por consequência, não alcançará os resultados esperados. Desse modo, torna-se inevitável que gestores, líderes, empregadores, que desejam o melhor para suas organizações, procurem valorizar o seu Capital Humano proporcionando-lhe melhor qualidade de vida, pois só ele pode impulsionar uma empresa para o sucesso. Entretanto, ainda existem muitas empresas que não tem como foco a qualidade de vida no trabalho de seus colaboradores e isso acarreta a desmotivação dos mesmos para o trabalho. Desse modo, este estudo pretende abrir espaços para discussões e debates dentro do tema qualidade de vida no trabalho, tanto no mundo acadêmico, como no mundo do trabalho, ou seja, no contexto das organizações. 1.1 Objetivo O objetivo deste artigo é analisar a qualidade de vida no trabalho como um indicador do grau de satisfação do trabalhador e como indicador do aumento da produtividade da organização. Ou seja, melhorando a qualidade de vida no trabalho do colaborador, aumentará seu grau de satisfação para com a empresa e, automaticamente, este trabalhará mais feliz e mais comprometido, gerando um ambiente positivo dentro da organização, aumentando sua produtividade e impulsionando-a para o sucesso. 1.2 Metodologia O estudo em questão se estruturou a partir de uma abordagem qualitativa, pois tal pesquisa, segundo Gerhard e Silveira (2009, p. 32), preocupa-se com aspectos da realidade que não podem ser quantificados, centrando-se na compreensão e explicação da dinâmica das relações sociais. A pesquisa, quanto ao procedimento é de caráter bibliográfico, pois é feita a partir do levantamento de referências teóricas já analisadas e publicadas em meios escritos e eletrônicos, em periódicos e artigos científicos (GERHARDT; SILVEIRA, 2009). Quanto aos fins é descritiva, visto que, segundo Vergara (2009) trata-se de uma pesquisa que apresenta as características de uma situação, de determinada população ou determinado fenômeno. 3

4 Foi realizada uma seleção de artigos encontrados em banco de dados na internet como: Scielo (Scientific Eletronic Library Online), CNEG (Congresso Nacional de Excelência em Gestão) e outros, considerados dentro dos anos de 2003 a As palavras-chaves utilizadas foram: qualidade de vida no trabalho, capital humano, valorização do trabalhador, motivação na organização, satisfação do trabalhador. 2. QUALIDADE DE VIDA NO TRABALHO (QVT) O movimento sobre qualidade de vida no trabalho teve sua origem no ano de 1950, na Inglaterra, a partir de estudos de Eric Trist 1 e seus colaboradores que faziam parte do Tavistock Institute, onde estudavam a relação entre indivíduo, trabalho e organização (RODRIGUES, 1991 apud DESCANIO; LUNARDELLI, 2007). De acordo com Vieira e Limongi-França (2004), em 1970 começou a primeira fase da Qualidade de Vida no Trabalho nos Estados Unidos e tais estudos foram liderados por Walton 2, mas com a grande crise econômica que assolou o mundo a preocupação com os trabalhadores ficou para depois, pois era urgente a sobrevivência das empresas. Durante os anos 80, conforme Descanio e Lunardelli (2007), a dedicação exaustiva ao trabalho era o forte da época, o trabalho era o principal e deixava-se de lado o lazer e o prazer. Os trabalhadores começaram a se queixar da rotina cansativa, das condições de trabalho inadequadas e desumanas. A insatisfação trouxe problemas como a rotatividade de mão de obra, muitas reclamações e greves, o que veio a marcar fortemente a saúde mental e física dos trabalhadores. Descanio e Lunardelli (2007) acrescentam que a qualidade de vida no trabalho vem na tentativa de humanizar o trabalho nas organizações, pois, antigamente, os trabalhadores é que deviam se adequar aos parâmetros das organizações e seus desejos e interesses não eram considerados. Na década de 1990, devido ao fato de entrarem no país empresas internacionais e mais competitivas, as organizações brasileiras iniciaram os estudos e logo depois a implantação de programas de qualidade de vida no trabalho. Iniciou-se então, a segunda etapa dos programas de qualidade de vida no trabalho com o pensamento de que a empresa que apresentasse maior índice de 1 Eric Trist: Eminente estudioso, professor, pesquisador, organizador, facilitador de grupo, e um dos fundadores do Instituto Tavistock de Pesquisa Social em Londres. Disponível em: https://www.organizationaldynamics.upenn.edu/node/ Richard E. Walton, em 1973, analisou modelos que se propõem a descrever um conjunto de ações para obter a qualidade de vida no trabalho. (http://www.whatishumanresource.com/quality-of-work-life) 4

5 produtividade, valorizando seu funcionário, quebrando paradigmas organizacionais, dando maior autonomia aos funcionários, assim como, aumento dos benefícios, sobreviveria no mercado (VIEIRA; LIMONGI-FRANÇA, 2004). Alves (2011) acrescenta que a inclusão da qualidade de vida no trabalho no contexto empresarial gera muitos benefícios tanto para a empresa como para o trabalhador. Angeluci et al. (2005) considera a redução de custos com a saúde dos trabalhadores, assim como o menor índice de estresse, e a minimização da incidência e prevalência de doenças ocupacionais como um fator importante de ganho de produtividade para a empresa. De acordo com Matos apud Alves (2011, p. 63), a QVT tem a ver com a cultura organizacional, e esta cultura pode ser entendida como os valores, a filosofia da empresa, com a sua missão, o clima participativo, a satisfação do empregado em fazer parte da organização, e também as perspectivas que esse empregado tem em relação à empresa, o que gera a sua identificação com ela. 3. A VALORIZAÇÃO DO CAPITAL HUMANO NA ORGANIZAÇÃO De acordo com Dallosto (2010, p. 15), as organizações são marcadas pelas pessoas e essas pessoas, isto é, o Capital Humano, são o principal combustível para movimentar a empresa. O Capital Humano de uma empresa, é determinado pelo conjunto de qualidades, aptidões e saúde de um indivíduo. O Capital Humano representa o estoque de qualidade intrínseca aos indivíduos que deve ser visto como forma de investimento. Pedroso e Pilatti (2009) salientam que o trabalho ocupa uma parcela muito significativa na vida dos trabalhadores, assim constatam que as vivências no ambiente do trabalho influenciam direta e significativamente a qualidade de vida do trabalhador. Sendo assim, nas mudanças que tem ocorrido nas organizações, a importância dada ao capital humano aumentou muito, pois, as pessoas são mais valorizadas a cada dia. O Capital Humano de uma organização, um ativo intangível pertencente ao próprio indivíduo, contempla todos os seus conhecimentos, ideias, aptidões, tecnologias, competências, expertise e outros bens intelectuais. (DALLOSTO, 2010, p. 21). Na visão de Alves (2011) a introdução da qualidade de vida no trabalho em uma empresa só acontece quando tal empresa entende que o seu colaborador é o bem mais importante e fundamental de sua organização. 5

6 Marasea e Andrade (2006), afirmam que a valorização do Capital Humano nas empresas é primordial. Quando os colaboradores não são valorizados pode acarretar pensamentos e atitudes desencontrados com os objetivos da organização, pois eles deixam de vestir a camisa da empresa e passam a trabalhar apenas pelo salário. Conforme os autores, valorizar o empregado preocupando-se com sua qualidade de vida é necessário, pois quando se depara com alguém que se afastou do serviço em decorrência do estresse, ou que está estressado devido ao trabalho repetitivo, é que se percebe a relevância do assunto e se procura adotar condutas preventivas. 3.1 Qualidade de Vida no Trabalho e Motivação Analisar a motivação dentro do contexto deste artigo é pertinente, visto que, procura investigar a percepção dos trabalhadores quanto à qualidade de vida, e, a motivação pertence ao conjunto de fatores que levam à melhoria da qualidade de vida de uma pessoa, tanto profissional quanto pessoal. Freitas e Rodrigues (2011, p. 4), ressaltam que motivação é uma força e energia que nos impulsiona na direção de alguma coisa, de forma intrínseca, ou seja, que está dentro de nós, nasce de nossas necessidades interiores [...]. O indivíduo desenvolve uma atividade pelo prazer de fazê-lo e pela recompensa que vem do desenvolvimento da atividade. Para os autores, quando se fala em motivação, é preciso considerar a existência das diferenças individuais e culturais de cada pessoa. Esse diferencial não só pode afetar significativamente a interpretação de um desejo, como também o entendimento da maneira particular como as pessoas agem na busca dos seus objetivos. Os indivíduos já carregam dentro de si expectativas pessoais que ativam as buscas pelos objetivos (FREITAS; RODRIGUES, 2011, p. 5). Ressaltam os autores, que o salário, remuneração e benefícios são importantes sim, mas somente isso não vai causar motivação, se bem que a falta disso pode levar a desmotivação. Entretanto, existem outros aspectos na empresa que são relevantes para o bem-estar dos colaboradores, como por exemplo, trabalho em equipe, o ambiente de trabalho seguro e saudável, o desenvolvimento das pessoas. Para Gonçalves et al. (2013, p. 68), a motivação é uma das grandes forças impulsionadoras do comportamento humano. É ela que irá determinar os níveis de desempenho pessoal e profissional obtidos na empresa. A organização que prioriza a motivação está valorizando e mantendo um alto nível de comunicação com toda a equipe. 6

7 3.2 Ações e programas em QVT Alves (2011, p. 65) ressalta a importância de se planejar estrategicamente para se implantar qualquer ação ou programa de QVT. Estas ações e programas, envolvem diagnósticos e implantação de melhorias, inovações gerenciais, inovações tecnológicas e estruturais dentro e fora do ambiente de trabalho, visando propiciar condições plenas de desenvolvimento humano para e durante a realização do trabalho. Esse planejamento, segundo o autor, é necessário para que o programa de QVT a ser implantado não seja visto como mais um modismo. O diagnóstico na empresa é importante para direcionar as estratégias de promoção à saúde, descobrindo quais são as reais necessidades a curto, médio e longo prazo. Alves (2011) relaciona algumas ações e ou programas de promoção da QVT que foram implantados por grandes empresas e que obtiveram resultados positivos. Por isso se tornaram referências e modelos a serem seguidos. Os exercícios físicos (ginástica laboral): aumentam a disposição e satisfação dos trabalhadores, aumentam a tolerância ao estresse e reduzem o absenteísmo, assim como reduzem acidentes de trabalho e melhoram o relacionamento interpessoal; O treinamento e desenvolvimento dos trabalhadores: aumentam o capital intelectual, aperfeiçoam a atividade levando a satisfação profissional e ao aumento da produtividade; A Ergonomia: aumenta o desempenho nas atividades e reduz acidentes de trabalho prevenindo e reabilitando nas doenças ocupacionais. Como ações de QVT, segundo Alves (2011), ainda aparecem os benefícios: levam a motivação, satisfação profissional, satisfação das necessidades pessoais e aumento da produtividade; Avaliação de desempenho: aumenta o desempenho do trabalhador, aumentando a produtividade e a satisfação; Higiene e segurança do trabalho: constrói um ambiente mais saudável, previne riscos à saúde, diminui acidentes de trabalho, diminui o absenteísmo e aumenta a produtividade; Estudo de cargos e salários: aumenta a motivação e satisfação com o trabalho, mantendo as pessoas na empresa e aumentando a produção; Controle de álcool e drogas: reduzem riscos, melhora na segurança operacional, melhora na saúde e na autoestima do trabalhador, diminui acidentes e o absenteísmo; A preparação para a aposentadoria: leva a motivação, a satisfação profissional, melhora nas relações interpessoais, leva ao descobrimento de novas habilidades e competências e aos benefícios na vida social e familiar do colaborador; Orientações nutricionais: diminuem a obesidade, levam a mudança de comportamento, aumento de desempenho e disposição e aumento da produtividade; Terapias alternativas: aumentam a tolerância ao estresse, melhoram o relacionamento interpessoal e 7

8 aumentam a produtividade; Musicoterapia: aumenta a autoestima, o desempenho profissional, melhora o relacionamento interpessoal, diminui o estresse e previne doenças; Antitabagismo: aumenta a autoestima, aumenta o desempenho e disposição, previne doenças (ALVES, 2011). Bortolozo (2011, p. 1) ressalta que, uma organização que se preocupa e tem ações voltadas à qualidade de vida de seus funcionários passará confiança aos mesmos, pois são organizações que se preocupam com o bem-estar, satisfação, segurança, saúde e a motivação dos mesmos. Ações onde os funcionários possam interagir de modo descontraído são importantes, pois quando os funcionários trabalham satisfeitos, a produtividade é bem maior. Desse modo, com ações e programas de qualidade de vida no trabalho a vantagem é para os dois lados, a organização e o capital humano, a família e a sociedade. 4. SATISFAÇÃO DO TRABALHADOR DENTRO DA EMPRESA Ressaltam Descanio e Lunardelli (2007, p. 164) que se pode entender a qualidade de vida no trabalho como, um programa que visa satisfazer as necessidades do trabalhador que desenvolve suas atividades na organização, tendo como ideia básica o fato de que as pessoas são mais produtivas quando estão mais satisfeitas e envolvidas com o próprio trabalho. Os autores defendem que, quando se melhora as condições de trabalho os operários ficam mais satisfeitos, especialmente se a QVT atingir as suas necessidades individuais, o que fará com que o trabalhador possa aperfeiçoar a sua capacidade e seu desempenho. Para Vendrami (2011), quando a gestão cuida da qualidade de vida no trabalho dos colaboradores, contribui para a elevação dos índices de satisfação no trabalho e incrementa a produtividade através das ações dessa nova competência. Gonçalves et al. (2013, p. 65) consideram que, a qualidade de vida no trabalho tem sido utilizada como indicador das experiências humanas no local de trabalho e do grau de satisfação das pessoas que desempenham o trabalho. A qualidade de vida deve vir acompanhada de muito respeito pelas pessoas, pois isso fará com que se alcance elevados níveis de qualidade e de produtividade. Hoje há uma unanimidade na certeza que o fator humano é o principal elemento diferenciador, e o agente responsável pelo sucesso de todo e qualquer negócio. Moretti (2003) ressalta que apesar de se falar muito sobre a qualidade de vida no trabalho, há que se entender que a satisfação do indivíduo no seu trabalho não deve se isolar da sua própria vida como um todo, pois quando a vida em família não vai bem o trabalho acaba sendo o único meio de 8

9 satisfação e o mesmo vai assumindo enormes dimensões na vida da pessoa. Continua a autora relatando que a qualidade de vida no trabalho tem como definição um modo de pensar que envolve pessoas, trabalho e organizações e que gera duas preocupações relevantes: o bem-estar do trabalhador e o sucesso da organização; e a integração de quem trabalha nas decisões e nos problemas do trabalho. Vieira; Limongi-França (2004, p. 7) concordam que, na atualidade, não é possível entender que, as ações em qualidade de vida sejam feitas unicamente como um modismo ou para melhorar a imagem da empresa. Ações em QVT não podem ser encaradas como algo de curto prazo e como uma forma de marketing institucional. Continuam os autores dizendo que variadas empresas adotaram o programa de qualidade de vida no trabalho sem nenhum planejamento, pensando apenas em aumentar a satisfação do seu empregado, entretanto, estas empresas deixaram de aplicar as ferramentas da QVT, abandonando-as após algum tempo, pois faltou planejamento a longo prazo. Ocorreu uma mudança no enfoque do que seria administrar o bem-estar do trabalhador, então, Essa nova competência sugere que a Gestão da Qualidade de Vida no Trabalho emerge como um instrumento para a tomada de decisão empresarial e não somente um instrumento para elevar o índice de satisfação e motivação do cliente interno auxiliando áreas empresariais como a de qualidade, produção, comunicação e estratégia de negócios procurando, assim, incorporar as revoluções conceituais, ideias inovadoras e novas formas de administrar para a empresa e auxiliando a integração comunitária, organizacional e da pessoa no trabalho, tendo como resultado o bem-estar do indivíduo e do grupo (VIEIRA; LIMONGI-FRANÇA, 2004, p. 8). De acordo com Bento (2006, p. 9), a qualidade de vida no trabalho precisa ser desenvolvida de maneira progressiva, por meio de programas de ações de estratégias que vão mobilizar os colaboradores em termos de organização grupal. Sendo assim, pode-se utilizar a tecnologia de QVT com o intuito de renovar as formas de organização no trabalho das empresas, fazendo com que, ao mesmo tempo em que se eleve o nível de satisfação do pessoal, se eleve também a produtividade das empresas, como resultado de maior participação dos empregados nos processos relacionados ao seu trabalho. 4.1 A qualidade de vida no trabalho e a produtividade da organização Gerir a qualidade de vida no trabalho objetiva elevar os índices de satisfação no trabalho e assim, elevar a produtividade da empresa. Ao propor a gestão da qualidade de vida no trabalho, propõe-se discutir as práticas, as políticas e as expectativas das pessoas nos níveis gerencial e operacional da organização (VIEIRA; LIMONGI-FRANÇA, 2004). 9

10 De acordo com Alves (2011, p. 76), a busca pela QVT não pode ser considerada como um custo nas planilhas das empresas, uma vez que os custos com afastamentos e ações trabalhistas são maiores do que uma medida preventiva. As organizações precisam rever sua cultura e mudar suas práticas para a diminuição de riscos no ambiente de trabalho, pois essas mudanças em relação à implantação de ações em QVT resultarão em um considerável aumento na produtividade da empresa. De acordo com Vendrami (2011, p. 43), muitas organizações, hoje, têm a consciência de que o seu grande capital são as pessoas. Quanto melhor sua condição de trabalho e de vida, melhor seu desempenho na empresa, tornando-a mais lucrativa e competitiva. Maior do que a técnica dos empregados, a grande diferença é o seu comprometimento e sua motivação para trabalhar, levando a maior qualidade e excelência no trabalho que realizam. A qualidade de vida no trabalho caracteriza-se por uma constante busca pelo equilíbrio entre o indivíduo e a organização, valorizando o trabalhador como ser humano e sua posição na organização, requerendo a construção de um espaço organizacional que valorize a subjetividade dos trabalhadores, considerando-os sujeitos de seu trabalho e não objeto de produção (GONÇALVES et al., 2013, p. 66). Vieira e Limongi-França (2004) acrescentam que adotar sistemas de qualidade de vida no trabalho só levará ao sucesso se forem analisados os problemas ambientais, sociais e organizacionais e se os empreendedores passarem a entender o colaborador das empresas não mais como um insumo do processo, mas como um agente que participa e decide para o pleno sucesso das organizações. 5. CONCLUSÃO As questões relacionadas à Qualidade de Vida no Trabalho são realmente de grande importância. O mundo vive em um cenário cada vez mais competitivo, cuja característica principal é a busca por maior produtividade e pela qualidade dos produtos e serviços. Ao pensar na qualidade de vida de seus funcionários, a organização estará resgatando valores humanos e ambientais que foram deixados para trás devido ao grande avanço da tecnologia, da produtividade e do crescimento econômico, sendo cada vez maior o impacto negativo de tais fatores na qualidade de vida do trabalhador. É necessário que a alta gestão se sensibilize para haver a implantação de estratégias e ações para a melhoria da qualidade de vida do trabalhador. É preciso o entendimento de que as ações e programas de QVT vão colaborar no sentido de diminuir os custos para a empresa, com a saúde dos colaboradores e aumentar a produtividade. Entretanto, implementar programas ou ações de QVT de 10

11 maneira imediatista, sem qualquer planejamento, poderá incorrer em resultados diferentes dos aguardados. É necessário que se realize um diagnóstico dos problemas da organização relativos ao Capital Humano, para que se possa planejar e executar ações de melhoria. Respondendo a questão elaborada na situação problema: as organizações consideram a qualidade de vida no trabalho, de fato, como um indicador da satisfação do trabalhador e do aumento da produtividade da organização? A literatura demonstra que as organizações já compreenderam que investir em qualidade de vida para os seus colaboradores é relevante para a maior produtividade da empresa. A produtividade sofre influência de diversos fatores, mas o fator humano é o mais importante, e isso faz com que as organizações passem a valorizar os empregados e os considerem como indivíduos e não objetos de produção. Garantir a igualdade social e a qualidade de vida em projetos que tenha o homem como centro é, de fato, um grande desafio para todos os que lutam por uma sociedade mais justa. Existe a necessidade de se inserir a gestão da qualidade de vida nas organizações, assim como, a adoção de ferramentas que orientem os gestores para levar a qualidade de vida aos profissionais que trabalham, em sua maioria, desanimados, desmotivados e propensos ao estresse. Existe ainda um distanciamento entre o discurso e a prática para que os colaboradores das organizações tenham uma melhoria relevante em sua qualidade de vida no trabalho. É necessário que a qualidade de vida no trabalho passe a fazer parte dos planos estratégicos da organização e, para isso é relevante que as empresas ouçam seus colaboradores, deem a eles oportunidades de se expressar e participar nas tomadas de decisões. Quando a empresa reconhece a capacidade de seu funcionário isso poderá refletir na sua qualidade de vida, chegando até a melhoria da produtividade da organização, gerando benefícios para todos. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS ALVES, Everton Fernando. Programas e ações de qualidade de vida no trabalho. Revista INTERFACEHS-Revista de Saúde, Meio Ambiente e Sustentabilidade. v. 6, n.1, abr Disponível em: <http://www3.sp.senac.br/hotsites/blogs/interfacehs/wpcontent/uploads/2013/08/4_artigo_vol6n1.pdf>. Acesso em: 5 abr ANGELUCI, Fabio Luciano et al. A qualidade de vida no ambiente de trabalho e a aplicação dos princípios relativos ao programa de controle médico de saúde ocupacional f. Monografia. (Especialização em Engenharia de Segurança no trabalho). Universidade Estadual de 11

12 Ponta Grossa. Guarapuava, Disponível em: <http://www.uepg.br/denge/eng_seg_2004/tcc/tcc%209.pdf>. Acesso em: 28 mar BORTOLOZO, Aline. Qualidade de vida no trabalho: os fatores que melhoram a qualidade de vida no trabalho. 1º Simpósio Nacional de Iniciação Científica Unifil. 3 a 7 out. Centro Universitário Filadélfia Disponível em: <http://www.unifil.br/portal/arquivos/publicacoes/paginas/2012/1/420_685_publipg.pdf>. Acesso em: 6 abr DALLOSTO, Jordana Morais. A valorização do capital humano e sua relação com a motivação e o comprometimento. Revista da Graduação. Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul. Uruguaiana. Rio Grande do Sul. v. 4, n. 1, Disponível em: < Acesso em: 25 mar DESCANIO, Denise; LUNARDELLI, Maria Cristina. Saúde e qualidade de vida na empresa familiar. rpot Revista Psicologia: Organizações e Trabalho. Brasília, DF. v. 7, n. 1, Disponível em:<https://periodicos.ufsc.br/index.php/rpot/article/view/3272/5408>. Acesso em: 7 jan FREITAS, Natália Gomes; RODRIGUES, Manoel Gonçalves. Uma reflexão sobre liderança e motivação sob enfoque organizacional. Associação Educacional Dom Bosco. Rezende, RJ Disponível em: <http://www.aedb.br/seget/artigos09/32_nati_publicacao-final.pdf>. Acesso em: jan GERHARDT, Tatiana Engel; SILVEIRA, Denise Tolfo (Orgs.). Métodos de Pesquisa. Universidade Aberta do Brasil. Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Porto Alegre: Editora da UFRGS, Disponível em: <http://www.ufrgs.br/cursopgdr/downloadsserie/derad005.pdf>. Acesso em: 26 mar GONÇALVES, Fabio Nascimento et al. A importância da qualidade de vida no trabalho e sua influência na relações humanas. Anuário de Produções Acadêmico-científicas dos discentes da Faculdade Araguaia. V. 2, p , Disponível em: < Acesso em: 7 abr MARASEA, Daniela Carnio C.; ANDRADE, Priscila. Motivação e Qualidade de Vida: fatores que influenciam no desempenho dos funcionários. In: XIII SIMPEP. Bauru, SP. 6 a 8 nov Disponível em:<http://www.simpep.feb.unesp.br/anais/anais_13/artigos/231.pdf>. Acesso em: 5 jan MORETTI, Silvinha. Qualidade de vida no trabalho x autorrealização humana. Revista Leonardo pós-órgão de Divulgação Científica e Cultural do ICPG. Blumenau, 2003, p Instituto 12

13 Catarinense de Pós-Graduação ICPG Gestão Estratégica de Recursos Humanos. Disponível em: <<http://www.posuniasselvi.com.br/artigos/rev03-12.pdf>.acesso em: 13 jan PADILHA, Valquíria. Qualidade de vida no trabalho num cenário de precarização: a panaceia delirante. Revista Trabalho Educação e Saúde. Rio de Janeiro, 2010, v.7, n. 3, p Disponível em:<http://www.scielo.br/pdf/tes/v7n3/09.pdf.> Acesso em: 4 jan PEDROSO, Bruno; PILATTI, Luiz Alberto. Motivação e trabalho: análise do modelo de qualidade de vida no trabalho de Hackman e Oldham. Revista brasileira de qualidade de vida. Programa de Pós- Graduação em Engenharia de Produção-PPGEP. Universidade Tecnológica Federal do Paraná. Ponta Grossa, PR. V. 1, n. 2, p , jul./dez Disponível em: < Acesso em: 27 mar RODRIGUEZ, Martius Vicente Rodriguez Y; ALVES, Joemar Braga. Qualidade de vida dos professores: um bem para todos. IV CNEG - Congresso Nacional de Excelência em Gestão, 31 jul. a 02 ago Disponível em: <http://www.excelenciaemgestao.org/portals/2/documents/cneg4/anais/t7_0049_0018.pdf>. Acesso em: 28 mar VENDRAMI, Flaviana Taís. Em busca da qualidade de vida no trabalho: fatores que motivam e inibem. Protestantismo em Revista. Revista Eletrônica do Núcleo de Estudos e Pesquisas do Protestantismo da Faculdade EST., v. 24, jan. abr São Leopoldo, RS. Disponível em:<http://periodicos.est.edu.br/index.php/nepp/article/download/113/164.acesso em: 20 jan VERGARA, Syvia Constant. Projetos e relatórios de pesquisa em administração. 10. ed. Editora Atlas, p. VIEIRA, C. G.; LIMONGI-FRANÇA, A. C. Um breve histórico sobre a atividade de gestão de pessoas e os fatores críticos da gestão de qualidade de vida no trabalho em entidades estudantis. In: VII SEMEAD. Faculdade de Economia e Administração USP. São Paulo, Disponível Em: <http://www.ead.fea.usp.br/semead/7semead/paginas/artigos%20recebidos/rh/rh53_- _Um_breve_historico atividade_gestao_de.pdf>. Acesso em: 5 jan

QUALIDADE DE VIDA NO TRABALHO

QUALIDADE DE VIDA NO TRABALHO ISSN 1984-9354 QUALIDADE DE VIDA NO TRABALHO JAQUELINE ARAUJO DOS SANTOS (LATEC / UFF) Resumo: Os temas relacionados à qualidade de vida no trabalho estão cada vez mais sendo objeto de estudo e presentes

Leia mais

Qualidade de Vida no Trabalho

Qualidade de Vida no Trabalho 1 Qualidade de Vida no Trabalho Alessandra Cristina Rubio¹ Thiago Silva Guimarães² Simone Cristina Fernandes Naves³ RESUMO O presente artigo tem como tema central a Qualidade de Vida no Trabalho, com um

Leia mais

QUALIDADE DE VIDA NO TRABALHO: O DESAFIO DAS ORGANIZAÇÕES. CARDOSO, Sandra Regina 1. BERVIQUE, Janete de Aguirre 2

QUALIDADE DE VIDA NO TRABALHO: O DESAFIO DAS ORGANIZAÇÕES. CARDOSO, Sandra Regina 1. BERVIQUE, Janete de Aguirre 2 QUALIDADE DE VIDA NO TRABALHO: O DESAFIO DAS ORGANIZAÇÕES CARDOSO, Sandra Regina 1 BERVIQUE, Janete de Aguirre 2 RESUMO Este artigo tem por finalidade apresentar fatores que influenciam na qualidade de

Leia mais

A Prevenção de Doenças Ocupacionais na Gestão de Qualidade Empresarial

A Prevenção de Doenças Ocupacionais na Gestão de Qualidade Empresarial A Prevenção de Doenças Ocupacionais na Gestão de Qualidade Empresarial 2 Alessandra Maróstica de Freitas A Prevenção de Doenças Ocupacionais na Gestão de Qualidade Empresarial ALESSANDRA MARÓSTICA DE FREITAS

Leia mais

Palavra chave: Capital Humano, Gestão de Pessoas, Recursos Humanos, Vantagem Competitiva.

Palavra chave: Capital Humano, Gestão de Pessoas, Recursos Humanos, Vantagem Competitiva. COMPREENDENDO A GESTÃO DE PESSOAS Karina Fernandes de Miranda Helenir Celme Fernandes de Miranda RESUMO: Este artigo apresenta as principais diferenças e semelhanças entre gestão de pessoas e recursos

Leia mais

A QUALIDADE DE VIDA NO TRABALHO E SATISFAÇÃO: UM ESTUDO MULTI-CASOS COM OS FUNCIONÁRIOS DAS EMPRESAS DO SISTEMA S

A QUALIDADE DE VIDA NO TRABALHO E SATISFAÇÃO: UM ESTUDO MULTI-CASOS COM OS FUNCIONÁRIOS DAS EMPRESAS DO SISTEMA S A QUALIDADE DE VIDA NO TRABALHO E SATISFAÇÃO: UM ESTUDO MULTI-CASOS COM OS FUNCIONÁRIOS DAS EMPRESAS DO SISTEMA S Marcos Henrique Pazini (Pós-Graduado da UNICENTRO), Sílvio Roberto Stefano (Orientador),

Leia mais

CAPITAL INTELECTUAL COMO VANTAGEM COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES EMPRESARIAIS

CAPITAL INTELECTUAL COMO VANTAGEM COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES EMPRESARIAIS CAPITAL INTELECTUAL COMO VANTAGEM COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES EMPRESARIAIS Cesar Aparecido Silva 1 Patrícia Santos Fonseca 1 Samira Gama Silva 2 RESUMO O presente artigo trata da importância do capital

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA QUALIDADE DE VIDA PARA O TRABALHADOR NA GRÁFICA E EDITORA BRASIL

A IMPORTÂNCIA DA QUALIDADE DE VIDA PARA O TRABALHADOR NA GRÁFICA E EDITORA BRASIL FACULDADES INTEGRADAS DO PLANALTO CENTRAL Aprovadas pela Portaria SESu/MEC Nº. 368/08 (DOU 20/05/2008) CURSO DE ADMINISTRAÇÃO A IMPORTÂNCIA DA QUALIDADE DE VIDA PARA O TRABALHADOR NA GRÁFICA E EDITORA

Leia mais

REFLEXÃO. (Warren Bennis)

REFLEXÃO. (Warren Bennis) RÉSUMÉ Consultora nas áreas de Desenvolvimento Organizacional e Gestão de Pessoas; Docente de Pós- Graduação; Coaching Experiência de mais de 31 anos na iniciativa privada e pública; Doutorado em Administração;

Leia mais

ARTIGOS AÇÕES MOTIVACIONAIS

ARTIGOS AÇÕES MOTIVACIONAIS ARTIGOS AÇÕES MOTIVACIONAIS ÍNDICE em ordem alfabética: Artigo 1 - ENDOMARKETING: UMA FERRAMENTA ESTRATÉGICA PARA DESENVOLVER O COMPROMETIMENTO... pág. 2 Artigo 2 - MOTIVANDO-SE... pág. 4 Artigo 3 - RECURSOS

Leia mais

QUALIDADE DE VIDA 1. FINALIDADE DO PROJETO ESTRATÉGICO 2. JUSTIFICATIVA. Promover a saúde e a segurança dos servidores e magistrados.

QUALIDADE DE VIDA 1. FINALIDADE DO PROJETO ESTRATÉGICO 2. JUSTIFICATIVA. Promover a saúde e a segurança dos servidores e magistrados. QUALIDADE DE VIDA 1. FINALIDADE DO PROJETO ESTRATÉGICO Promover a saúde e a segurança dos servidores e magistrados. 2. JUSTIFICATIVA Segundo França (1996), a Qualidade de Vida no Trabalho (QVT) representa

Leia mais

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Justificativa: As transformações ocorridas nos últimos anos têm obrigado as organizações a se modificarem constantemente e de forma

Leia mais

Professora Débora Dado. Prof.ª Débora Dado

Professora Débora Dado. Prof.ª Débora Dado Professora Débora Dado Prof.ª Débora Dado Planejamento das aulas 7 Encontros 19/05 Contextualizando o Séc. XXI: Equipes e Competências 26/05 Competências e Processo de Comunicação 02/06 Processo de Comunicação

Leia mais

Especial Online RESUMO DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO. Recursos Humanos 2011-1 ISSN 1982-1816. www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais.

Especial Online RESUMO DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO. Recursos Humanos 2011-1 ISSN 1982-1816. www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais. Especial Online ISSN 1982-1816 www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais.html DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO Recursos Humanos 2011-1 DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO LIDERANÇA AUTOCRÁTICA: O RELACIONAMENTO

Leia mais

QUALIDADE DE VIDA NAS ORGANIZAÇÕES

QUALIDADE DE VIDA NAS ORGANIZAÇÕES 1 QUALIDADE DE VIDA NAS ORGANIZAÇÕES Alguns pesquisadores brasileiros que se destacaram por seus trabalhos sobre Qualidade de Vida no Trabalho (QVT) consideram que só recentemente a abordagem da Qualidade

Leia mais

ANEXO B CONTEXTUALIZAÇÃO DA PROMOÇÃO DA SAÚDE EM MODELO DE GESTÃO ORGANIZACIONAL DE ALTO DESEMPENHO

ANEXO B CONTEXTUALIZAÇÃO DA PROMOÇÃO DA SAÚDE EM MODELO DE GESTÃO ORGANIZACIONAL DE ALTO DESEMPENHO ANEXO B CONTEXTUALIZAÇÃO DA PROMOÇÃO DA SAÚDE EM MODELO DE GESTÃO ORGANIZACIONAL DE ALTO DESEMPENHO Autoria: Elaine Emar Ribeiro César Fonte: Critérios Compromisso com a Excelência e Rumo à Excelência

Leia mais

MOTIVAÇÃO UM NOVO COMBUSTÍVEL EMPRESARIAL

MOTIVAÇÃO UM NOVO COMBUSTÍVEL EMPRESARIAL MOTIVAÇÃO UM NOVO COMBUSTÍVEL EMPRESARIAL Daniele Cristine Viana da Silva 1 Maria José Vencerlau 2 Regiane da Silva Rodrigues 3 André Rodrigues da Silva 4 Fábio Fernandes 5 RESUMO O Artigo Científico tem

Leia mais

Planejamento de Recursos Humanos

Planejamento de Recursos Humanos UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA Faculdade de Filosofia e Ciências Câmpus de Marília Departamento de Ciência da Informação Planejamento de Recursos Humanos Profa. Marta Valentim Marília 2014 As organizações

Leia mais

CLIMA E CULTURA ORGANIZACIONAL NO AMBIENTE EMPRESARIAL. LIMA, Sílvia Aparecida Pereira 1 RESUMO

CLIMA E CULTURA ORGANIZACIONAL NO AMBIENTE EMPRESARIAL. LIMA, Sílvia Aparecida Pereira 1 RESUMO CLIMA E CULTURA ORGANIZACIONAL NO AMBIENTE EMPRESARIAL LIMA, Sílvia Aparecida Pereira 1 RESUMO A presente pesquisa aborda os conceitos de cultura e clima organizacional com o objetivo de destacar a relevância

Leia mais

Política de Gestão de Pessoas

Política de Gestão de Pessoas julho 2010 5 1. Política No Sistema Eletrobras, as pessoas são agentes e beneficiárias do fortalecimento organizacional, contribuindo para a competitividade, rentabilidade e sustentabilidade empresarial.

Leia mais

A atividade de Relações Públicas como suporte para a gestão socialmente responsável

A atividade de Relações Públicas como suporte para a gestão socialmente responsável A atividade de Relações Públicas como suporte para a gestão socialmente responsável Felipe de Oliveira Fernandes Vivemos em um mundo que está constantemente se modificando. O desenvolvimento de novas tecnologias

Leia mais

Administração de Pessoas

Administração de Pessoas Administração de Pessoas MÓDULO 14: QUALIDADE DE VIDA NO TRABALHO E RELAÇÕES SINDICAIS 14.1 O processo de segurança e qualidade de vida O processo de segurança é o que visa estabelecer disciplina e segurança,

Leia mais

PLANO DE REMUNERAÇÃO VARIÁVEL - PRV

PLANO DE REMUNERAÇÃO VARIÁVEL - PRV 1 RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO PLANO DE REMUNERAÇÃO VARIÁVEL - PRV 1. PRÁTICA EFICAZ DE GESTÃO DE PESSOAS 1.1 Histórico da Prática Eficaz A Nova Escola tem aplicado a Meritocracia como um recurso na Gestão de

Leia mais

Programa de Ginástica Laboral

Programa de Ginástica Laboral Programa de Ginástica Laboral 1. IDENTIFICAÇÃO Nome: Programa de Ginástica Laboral (PGL) Promoção e Organização: Centro de Educação Física, Esportes e Recreação Coordenadoria do Campus de Ribeirão Preto.

Leia mais

Análise da qualidade de vida no trabalho em uma empresa prestadora de serviços de fotocópias e serviços diversos no município de Bambuí/MG

Análise da qualidade de vida no trabalho em uma empresa prestadora de serviços de fotocópias e serviços diversos no município de Bambuí/MG Análise da qualidade de vida no trabalho em uma empresa prestadora de serviços de fotocópias e serviços diversos no município de Bambuí/MG Kamyla Espíndola Gibram REIS 1 ; Estefânia Paula da SILVA 2 ;

Leia mais

AÇÕES EFETIVAS DE GERENCIAMENTO DO STRESS OCUPACIONAL: Desafio de Conciliar Embasamento Científico e Planejamento Estratégico

AÇÕES EFETIVAS DE GERENCIAMENTO DO STRESS OCUPACIONAL: Desafio de Conciliar Embasamento Científico e Planejamento Estratégico AÇÕES EFETIVAS DE GERENCIAMENTO DO STRESS OCUPACIONAL: Desafio de Conciliar Embasamento Científico e Planejamento Estratégico Sâmia Simurro Novembro/2011 FATOS SOBRE O STRESS Inevitável Nível positivo?

Leia mais

ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MBA EM GESTÃO DE PESSOAS, LIDERANÇA E COACHING

ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MBA EM GESTÃO DE PESSOAS, LIDERANÇA E COACHING ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MBA EM GESTÃO DE PESSOAS, LIDERANÇA E COACHING CENÁRIO E TENDÊNCIAS DOS NEGÓCIOS 8 h As mudanças do mundo econômico e as tendências da sociedade contemporânea.

Leia mais

Com isso, Nadler e Lawler (1983, p.22-24) realizaram definições evolutivas da Qualidade de Vida no Trabalho:

Com isso, Nadler e Lawler (1983, p.22-24) realizaram definições evolutivas da Qualidade de Vida no Trabalho: Qualidade de vida no trabalho, saúde e segurança no trabalho: reflexões e interseções O presente artigo trata da Qualidade de Vida no Trabalho, bem como sua origem e evolução histórica, aspectos conceituais

Leia mais

CURSOS DE PÓS - GRADUAÇÃO

CURSOS DE PÓS - GRADUAÇÃO CURSOS DE PÓS - GRADUAÇÃO ESPECIALIZAÇÃO EM ECOTURISMO Objetivo: O Curso tem por objetivo capacitar profissionais, tendo em vista a carência de pessoas qualificadas na área do ecoturismo, para atender,

Leia mais

6 Considerações Finais

6 Considerações Finais 6 Considerações Finais Este capítulo apresenta as conclusões deste estudo, as recomendações gerenciais e as recomendações para futuras pesquisas, buscadas a partir da análise dos casos das empresas A e

Leia mais

PAF Programa de Acompanhamento Funcional

PAF Programa de Acompanhamento Funcional PAF Programa de Acompanhamento Funcional MINISTÉRIO PÚBLICO MILITAR Márcio de Moura Pereira Motivação do Projeto SITUAÇÃO PROBLEMA Necessidade de atender a demandas já existentes de servidores e membros

Leia mais

PESQUISA DE CLIMA ORGANIZACIONAL UTILIZANDO O MÉTODO SURVEY, COM OS COLABORADORES DE UMA EMPRESA DO RAMO DA CONTRUÇÃO CIVIL

PESQUISA DE CLIMA ORGANIZACIONAL UTILIZANDO O MÉTODO SURVEY, COM OS COLABORADORES DE UMA EMPRESA DO RAMO DA CONTRUÇÃO CIVIL PESQUISA DE CLIMA ORGANIZACIONAL UTILIZANDO O MÉTODO SURVEY, COM OS COLABORADORES DE UMA EMPRESA DO RAMO DA CONTRUÇÃO CIVIL Julia Ferreira de Moraes (EEL-USP) moraes.julia@hotmail.com Everton Azevedo Schirmer

Leia mais

GESTÃO EMPRESARIAL E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

GESTÃO EMPRESARIAL E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO GESTÃO EMPRESARIAL E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO * César Raeder Este artigo é uma revisão de literatura que aborda questões relativas ao papel do administrador frente à tecnologia da informação (TI) e sua

Leia mais

Autor(a): Cicera Aparecida da Silva Coautor(es): Rosana de Fátima Oliveira Pedrosa Email: aparecidasilva@pe.senac.br

Autor(a): Cicera Aparecida da Silva Coautor(es): Rosana de Fátima Oliveira Pedrosa Email: aparecidasilva@pe.senac.br BENEFÍCIOS SOCIAIS: um modelo para retenção de talentos Autor(a): Cicera Aparecida da Silva Coautor(es): Rosana de Fátima Oliveira Pedrosa Email: aparecidasilva@pe.senac.br Introdução Este artigo aborda

Leia mais

PT03 - Qualidade de vida no trabalho (QVT)

PT03 - Qualidade de vida no trabalho (QVT) PT03 - Qualidade de vida no trabalho (QVT) BIBLIOGRAFIA Oliveira, Aristeu de. Manual de Salários e Benefícios. 1. ed. São Paulo : Atlas, 2006. Cap. 20 pág. 71 a 73. MAXIMIANO, Antonio César Amaru. Teoria

Leia mais

Jardim Fim de Semana UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO E CONTABILIDADE

Jardim Fim de Semana UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO E CONTABILIDADE UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO E CONTABILIDADE Jardim Fim de Semana Bruna de Carvalho Raggi Terra Carolina Ramos Troeira Fabio Jose Cação Kono Gustavo Perticarati Ruiz Polido

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Elaboração Luiz Guilherme D CQSMS 10 00 Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes Avaliação da Necessidade de Treinamento

Leia mais

CONSULTORIA DE DESENVOLVIMENTO ORGANIZACIONAL

CONSULTORIA DE DESENVOLVIMENTO ORGANIZACIONAL CONSULTORIA DE DESENVOLVIMENTO ORGANIZACIONAL Somos especializados na identificação e facilitação de soluções na medida em que você e sua empresa necessitam para o desenvolvimento pessoal, profissional,

Leia mais

MBA Executivo em Gestão de Pessoas

MBA Executivo em Gestão de Pessoas ISCTE BUSINESS SCHOOL INDEG_GRADUATE CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO MBA Executivo em Gestão de Pessoas www.strong.com.br/alphaville - www.strong.com.br/osasco - PABX: (11) 3711-1000 MBA

Leia mais

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU (ESPECIALIZAÇÃO) MBA em Gestão de Pessoas Coordenação Acadêmica: Drª. Ana Maria Viegas Reis

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU (ESPECIALIZAÇÃO) MBA em Gestão de Pessoas Coordenação Acadêmica: Drª. Ana Maria Viegas Reis CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU (ESPECIALIZAÇÃO) MBA em Gestão de Pessoas Coordenação Acadêmica: Drª. Ana Maria Viegas Reis APRESENTAÇÃO A FGV é uma instituição privada sem fins lucrativos, fundada em

Leia mais

4. Tendências em Gestão de Pessoas

4. Tendências em Gestão de Pessoas 4. Tendências em Gestão de Pessoas Em 2012, Gerenciar Talentos continuará sendo uma das prioridades da maioria das empresas. Mudanças nas estratégias, necessidades de novas competências, pressões nos custos

Leia mais

Conteúdo de qualidade com leveza e bom humor

Conteúdo de qualidade com leveza e bom humor Conteúdo de qualidade com leveza e bom humor Sólidos conteúdos com alegria - essas são algumas características das palestras de Marcelo de Elias. A maioria absoluta das avaliações obtêm excelentes resultados,

Leia mais

Qualidade de vida no Trabalho

Qualidade de vida no Trabalho Qualidade de Vida no Trabalho Introdução É quase consenso que as empresas estejam cada vez mais apostando em modelos de gestão voltados para as pessoas, tentando tornar-se as empresas mais humanizadas,

Leia mais

MBA em Gestão de Pessoas

MBA em Gestão de Pessoas REFERÊNCIA EM EDUCAÇÃO EXECUTIVA MBA em Gestão de Pessoas Coordenação Acadêmica: Profª. Dra. Ana Ligia Nunes Finamor A Escola de Negócios de Alagoas. A FAN Faculdade de Administração e Negócios foi fundada

Leia mais

PERCEPÇÕES DE PROFISSIONAIS DE RECURSOS HUMANOS REFERENTES À AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO HUMANO NAS ORGANIZAÇÕES

PERCEPÇÕES DE PROFISSIONAIS DE RECURSOS HUMANOS REFERENTES À AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO HUMANO NAS ORGANIZAÇÕES 26 a 29 de outubro de 2010 ISBN 978-85-61091-69-9 PERCEPÇÕES DE PROFISSIONAIS DE RECURSOS HUMANOS REFERENTES À AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO HUMANO NAS ORGANIZAÇÕES Jaqueline Reinert Godoy 1 ; Talita Conte Ribas

Leia mais

CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO INSTITUIÇÃO: FACULDADES INTEGRADAS DE BOTUCATU

CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO INSTITUIÇÃO: FACULDADES INTEGRADAS DE BOTUCATU TÍTULO: QUALIDADE DE VIDA, HIGIENE E SEGURANÇA DO TRABALHO NAS EMPRESAS EM BOTUCATU E REGIÃO - SOB A ÓTICA DOS ALUNOS DO 5º E 7º SEMESTRE DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS DA UNIFAC BOTUCATU CATEGORIA:

Leia mais

PESQUISA DO CLIMA ORGANIZACIONAL EM UMA EMPRESA DE MÁRMORES E GRANITOS DO MUNICÍPIO DE COLIDER - MT.

PESQUISA DO CLIMA ORGANIZACIONAL EM UMA EMPRESA DE MÁRMORES E GRANITOS DO MUNICÍPIO DE COLIDER - MT. PESQUISA DO CLIMA ORGANIZACIONAL EM UMA EMPRESA DE MÁRMORES E GRANITOS DO MUNICÍPIO DE COLIDER - MT. 1 NATÁLIA SALVADEGO, 2 FRANCIANNE BARONI ZANDONADI 1 Bacharel em Engenheira Florestal (UNEMAT) e Estudante

Leia mais

Qualidade de vida no trabalho: uma análise das condições de trabalho na Santa Casa

Qualidade de vida no trabalho: uma análise das condições de trabalho na Santa Casa Qualidade de vida no trabalho: uma análise das condições de trabalho na Santa Casa Valcenir Silva Bernanrdo vanessadelvale@doctum.edu.br Vanessa Del Vale Pinto vanessadelvale@doctum.edu.br Flávia Rodrigues

Leia mais

A GESTÃO DE UM CURSO SUPERIOR: DESAFIOS OU FRUSTRAÇÕES?

A GESTÃO DE UM CURSO SUPERIOR: DESAFIOS OU FRUSTRAÇÕES? A GESTÃO DE UM CURSO SUPERIOR: DESAFIOS OU FRUSTRAÇÕES? BARREIROS, Marat Guedes Especialização em Gestão Estratégica de Recursos Humanos Coordenador de Curso, Professor Faculdade do Guarujá GODOY, Valdir

Leia mais

ENDOMARKETING: Utilização como ferramenta de crescimento organizacional

ENDOMARKETING: Utilização como ferramenta de crescimento organizacional ENDOMARKETING: Utilização como ferramenta de crescimento organizacional Carlos Henrique Cangussu Discente do 3º ano do curso de Administração FITL/AEMS Marcelo da Silva Silvestre Discente do 3º ano do

Leia mais

Business & Executive Coaching - BEC

Business & Executive Coaching - BEC IAC International Association of Coaching Empresas são Resultados de Pessoas José Roberto Marques - JRM O Atual Cenário no Mundo dos Negócios O mundo dos negócios está cada vez mais competitivo, nesse

Leia mais

FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO E CONTABILIDADE DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FEA USP ARTIGO

FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO E CONTABILIDADE DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FEA USP ARTIGO FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO E CONTABILIDADE DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FEA USP ARTIGO COMO AS MUDANÇAS NAS ORGANIZAÇÕES ESTÃO IMPACTANDO A ÁREA DE RECURSOS HUMANOS Paola Moreno Giglioti Administração

Leia mais

Clima organizacional e o desempenho das empresas

Clima organizacional e o desempenho das empresas Clima organizacional e o desempenho das empresas Juliana Sevilha Gonçalves de Oliveira (UNIP/FÊNIX/UNESP) - jsgo74@uol.com.br Mauro Campello (MC Serviços e Treinamento) - mcampello@yahoo.com Resumo Com

Leia mais

Conflitos. Conflitos, como superá-los com eficácia? por Alexandre Cristiano Rosaneli

Conflitos. Conflitos, como superá-los com eficácia? por Alexandre Cristiano Rosaneli Conflitos Conflitos, como superá-los com eficácia? por Alexandre Cristiano Rosaneli Conflitos, quem nunca passou por um momento de conflito? A palavra CONFLITO possui uma conotação negativa, sempre imaginamos

Leia mais

AVALIAÇÃO DO PLANO DE T&D

AVALIAÇÃO DO PLANO DE T&D AVALIAÇÃO DO PLANO DE T&D Ariadne Cedraz 1 Léa Monteiro Rocha 2 Luciana Cristina Andrade Costa Franco 3 A quarta e última etapa do processo refere-se à avaliação que tem por objetivo averiguar se os resultados

Leia mais

CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MBA EXECUTIVO EM MARKETING E GESTÃO DE EQUIPES

CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MBA EXECUTIVO EM MARKETING E GESTÃO DE EQUIPES CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MBA EXECUTIVO EM MARKETING E GESTÃO DE EQUIPES ÁREA DO CONHECIMENTO: Educação NOME DO CURSO: Curso de Pós-Graduação Lato Sensu, especialização em MBA Executivo e Marketing e

Leia mais

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES CENTRO DE PÓS-GRADUAÇÃO. Sumário I) OBJETIVO 02. 1) Público alvo 02. 2) Metodologia 02. 3) Monografia / Trabalho final 02

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES CENTRO DE PÓS-GRADUAÇÃO. Sumário I) OBJETIVO 02. 1) Público alvo 02. 2) Metodologia 02. 3) Monografia / Trabalho final 02 Sumário Pág. I) OBJETIVO 02 II) ESTRUTURA DO CURSO 1) Público alvo 02 2) Metodologia 02 3) Monografia / Trabalho final 02 4) Avaliação da aprendizagem 03 5) Dias e horários de aula 03 6) Distribuição de

Leia mais

Formar LÍDERES e equipes. Atrair e reter TALENTOS. www.grupovalure.com.br

Formar LÍDERES e equipes. Atrair e reter TALENTOS. www.grupovalure.com.br Formar LÍDERES e equipes. Atrair e reter TALENTOS. www.grupovalure.com.br www.grupovalure.com.br Estes são alguns dos grandes desafios da atualidade no mundo profissional e o nosso objetivo é contribuir

Leia mais

Sejam Bem Vindos! Disciplina: Gestão de Pessoas 1 Prof. Patrício Vasconcelos. *Operários (1933) Tarsila do Amaral.

Sejam Bem Vindos! Disciplina: Gestão de Pessoas 1 Prof. Patrício Vasconcelos. *Operários (1933) Tarsila do Amaral. Sejam Bem Vindos! Disciplina: Gestão de Pessoas 1 Prof. Patrício Vasconcelos *Operários (1933) Tarsila do Amaral. A Função Administrativa RH É uma função administrativa compreendida por um conjunto de

Leia mais

Business & Executive Coaching - BEC

Business & Executive Coaching - BEC IAC International Association of Coaching Empresas são Resultados de Pessoas José Roberto Marques - JRM O Novo Cenário no Mundo dos Negócios O mundo dos negócios está cada vez mais competitivo e as empresas

Leia mais

REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE PSICOLOGIA DA FACULDADE ANGLO-AMERICANO

REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE PSICOLOGIA DA FACULDADE ANGLO-AMERICANO REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE PSICOLOGIA DA FACULDADE ANGLO-AMERICANO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º O Estágio, pela sua natureza, é uma atividade curricular obrigatória,

Leia mais

Equipe de Alta Performance

Equipe de Alta Performance Equipe de Alta Performance Como chegar a ser uma EAP? Intelectual Razão Cognição Meta Estratégia EQUIPE EAP (Time) BANDO GRUPO Emocional Motivação Relação Ajuda O que é uma Equipe? Éumgrupodepessoas: com

Leia mais

Título do Case: Departamento Comercial com foco nas expectativas do cliente Categoria: Projeto Interno

Título do Case: Departamento Comercial com foco nas expectativas do cliente Categoria: Projeto Interno Título do Case: Departamento Comercial com foco nas expectativas do cliente Categoria: Projeto Interno Resumo O presente case mostra como ocorreu o processo de implantação do Departamento Comercial em

Leia mais

Resenha. Inovação: repensando as organizações (BAUTZER, Daise. São Paulo: Atlas, 2009.)

Resenha. Inovação: repensando as organizações (BAUTZER, Daise. São Paulo: Atlas, 2009.) Resenha Inovação: repensando as organizações (BAUTZER, Daise. São Paulo: Atlas, 2009.) Patrícia Morais da Silva 1 Superar as expectativas do mercado atendendo de forma satisfatória as demandas dos clientes

Leia mais

ESF Estratégia de Saúde da Família GESTÃO DE PESSOAS. 40 Relatório de Gestão 2014. Copyright. Proibida cópia ou reprodução sem autorização do IABAS.

ESF Estratégia de Saúde da Família GESTÃO DE PESSOAS. 40 Relatório de Gestão 2014. Copyright. Proibida cópia ou reprodução sem autorização do IABAS. ESF Estratégia de Saúde da Família GESTÃO DE PESSOAS 40 Relatório de Gestão 2014 B lanço Soci l ESF Estratégia de Saúde da Família Relatório de Gestão 2014 41 GESTÃO DE PESSOAS Gestão de Pessoas Com o

Leia mais

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão de Pessoas

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão de Pessoas Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão de Pessoas Apresentação O programa de Pós-graduação Lato Sensu em Gestão de Pessoas tem por objetivo o fornecimento de instrumental que possibilite

Leia mais

Projeto Pedagógico Institucional PPI FESPSP FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI

Projeto Pedagógico Institucional PPI FESPSP FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI Grupo Acadêmico Pedagógico - Agosto 2010 O Projeto Pedagógico Institucional (PPI) expressa os fundamentos filosóficos,

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO RIO GRANDE DO NORTE SECRETARIA DE GESTÃO ESTRATÉGICA RELATÓRIO SINTÉTICO - CLIMA ORGANIZACIONAL 2014

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO RIO GRANDE DO NORTE SECRETARIA DE GESTÃO ESTRATÉGICA RELATÓRIO SINTÉTICO - CLIMA ORGANIZACIONAL 2014 TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO RIO GRANDE DO NORTE SECRETARIA DE GESTÃO ESTRATÉGICA RELATÓRIO SINTÉTICO - CLIMA ORGANIZACIONAL 2014 Natal, outubro de 2014 DESEMBARGADOR PRESIDENTE ADERSON SILVINO JUÍZES RESPONSÁVEIS

Leia mais

CONCEITOS FUNDAMENTAIS PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO RESPEITAR PONTO DE VISTA. Material preparado e de responsabilidade de Júlio Sérgio de Lima

CONCEITOS FUNDAMENTAIS PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO RESPEITAR PONTO DE VISTA. Material preparado e de responsabilidade de Júlio Sérgio de Lima INDICADORES DE RH E METAS ORGANIZACIONAIS JÚLIO SÉRGIO DE LIMA Blumenau SC PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO PLANEJAMENTO ESTRATEGICO E PERSPECTIVAS DE NEGOCIO, ARQUITETURA DE MEDIÇÃO DO DESEMPENHO E NIVEIS DOS

Leia mais

O PAPEL DO PSICÓLOGO NA GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS DAS ORGANIZAÇÕES

O PAPEL DO PSICÓLOGO NA GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS DAS ORGANIZAÇÕES O PAPEL DO PSICÓLOGO NA GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS DAS ORGANIZAÇÕES CHAVES, Natália Azenha Discente do Curso de Psicologia da Faculdade de Ciências da Saúde FASU/ACEG GARÇA/SP BRASIL e-mail: natalya_azenha@hotmail.com

Leia mais

GESTÃO ESTRATÉGICA DE NEGÓCIOS NÚCLEO COMUM

GESTÃO ESTRATÉGICA DE NEGÓCIOS NÚCLEO COMUM GESTÃO ESTRATÉGICA DE NEGÓCIOS NÚCLEO COMUM DISCIPLINA: Gestão de Pessoas EMENTA: O sistema clássico de estruturação da gestão de recursos humanos e suas limitações: recrutamento e seleção, treinamento

Leia mais

LIDERANÇA & GESTÃO DE PESSOAS 12 DESAFIOS, 3 FERRAMENTAS E UMA DECISÃO

LIDERANÇA & GESTÃO DE PESSOAS 12 DESAFIOS, 3 FERRAMENTAS E UMA DECISÃO LIDERANÇA & GESTÃO DE PESSOAS 12 DESAFIOS, 3 FERRAMENTAS E UMA DECISÃO INTRODUÇÃO O setor de RH deve ser extinto. Ram Charan em artigo na Harvard Business Review Você concorda? OBJETIVOS DESTE WORKSHOP

Leia mais

Nisto poderemos perguntar, por que pensar em liderança: Vejamos alguns pontos de vital importância:

Nisto poderemos perguntar, por que pensar em liderança: Vejamos alguns pontos de vital importância: LIDERANÇA EMPRESARIAL EVIDÊNCIAS DO COACHING COMO ESTRATÉGIA DE SUCESSO Prof. Dr. Edson Marques Oliveira, Doutor em Serviço Social pela Unesp-Franca-SP, mestre em Serviço Social pela PUC-SP e bacharel

Leia mais

Consultoria em Treinamento & Desenvolvimento de Pessoas

Consultoria em Treinamento & Desenvolvimento de Pessoas Consultoria em Treinamento & Desenvolvimento de Pessoas Evolução PMC têm atuação diferenciada na gestão de pessoas e clima organizacional, gerando na equipe mais agilidade para a mudança e maior capacidade

Leia mais

Aula 7: TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO

Aula 7: TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO Aula 7: TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO OBJETIVOS Definir com maior precisão o que é marketing; Demonstrar as diferenças existentes entre marketing externo, marketing interno e marketing de treinamento;

Leia mais

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS GESTÃO POR COMPETÊNCIAS STM ANALISTA/2010 ( C ) Conforme legislação específica aplicada à administração pública federal, gestão por competência e gestão da capacitação são equivalentes. Lei 5.707/2006

Leia mais

humor : Como implantar um programa de qualidade de vida no trabalho no serviço público Profa. Dra. Ana Magnólia Mendes

humor : Como implantar um programa de qualidade de vida no trabalho no serviço público Profa. Dra. Ana Magnólia Mendes Universidade de Brasília -UnB Instituto de Psicologia - IP Departamento de Psicologia Social e do Trabalho - PST Só de Pensar em vir Trabalhar, jáj Fico de mau-humor humor : Como implantar um programa

Leia mais

25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1

25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 RECURSOS HUMANOS EM UMA ORGANIZAÇÃO HOSPITALAR COM PERSPECTIVA DE DESENVOLVIVENTO DO CLIMA ORGANIZACONAL: O CASO DO HOSPITAL WILSON ROSADO EM MOSSORÓ RN

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO. Curso de Graduação Tecnológica em Marketing

PROJETO PEDAGÓGICO. Curso de Graduação Tecnológica em Marketing PROJETO PEDAGÓGICO Curso de Graduação Tecnológica em Marketing Porto alegre, 2011 1 1. Objetivos do Curso O projeto do curso, através de sua estrutura curricular, está organizado em módulos, com certificações

Leia mais

www.marcelodeelias.com.br Palestras Inteligentes

www.marcelodeelias.com.br Palestras Inteligentes www.marcelodeelias.com.br Palestras Inteligentes Sólidos conteúdos com alegria - essas são algumas características das palestras de Marcelo de Elias. Outra característica marcante: Cada palestra é um projeto

Leia mais

Quitéria Amâncio Carvalho Vera Cristina Gomes Calado

Quitéria Amâncio Carvalho Vera Cristina Gomes Calado CURSO DE ATUALIZAÇÃO Gestão das Condições de Trabalho e Saúde dos Trabalhadores da Saúde Estruturação da Seção de Qualidade de Vida do Trabalha no HGE Novos Desafios Quitéria Amâncio Carvalho Vera Cristina

Leia mais

Saiba como gerir uma equipe com essas dicas REALIZAÇÃO

Saiba como gerir uma equipe com essas dicas REALIZAÇÃO Comunicação empresarial eficiente: Saiba como gerir uma equipe com essas dicas REALIZAÇÃO Sumário 01 Introdução 02 02 03 A comunicação dentro das empresas nos dias de hoje Como garantir uma comunicação

Leia mais

As Organizações e o Processo de Inclusão

As Organizações e o Processo de Inclusão As Organizações e o Processo de Inclusão Introdução Não há nada permanente, exceto a mudança. Heráclito, filósofo grego (544-483 a.c.). Mudança é o processo no qual o futuro invade nossas vidas. Alvin

Leia mais

MBA Executivo Liderança e Desenvolvimento de Pessoas

MBA Executivo Liderança e Desenvolvimento de Pessoas MBA Executivo Liderança e Desenvolvimento de Pessoas Proposta do curso: O curso de MBA Executivo em Liderança e Desenvolvimento de Pessoas proporciona ao participante o conhecimento sobre liderança, motivação

Leia mais

A SATISFAÇÃO DOS CLIENTES DE UMA TRANSPORTADORA DA CIDADE DE SÃO PAULO: UM ESTUDO DE CASO

A SATISFAÇÃO DOS CLIENTES DE UMA TRANSPORTADORA DA CIDADE DE SÃO PAULO: UM ESTUDO DE CASO 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 A SATISFAÇÃO DOS CLIENTES DE UMA TRANSPORTADORA DA CIDADE DE SÃO PAULO: UM ESTUDO DE CASO Marcelo Cristian Vieira 1, Carolina Zavadzki Martins 2,Gerliane

Leia mais

MUDANÇAS NO PERFIL ORGANIZACIONAL DE EMPRESAS PRIVADAS NA ATUALIDADE BRASILEIRA 1. Fabíola dos Santos Passanha. Faculdade de Agudos - FAAG RESUMO

MUDANÇAS NO PERFIL ORGANIZACIONAL DE EMPRESAS PRIVADAS NA ATUALIDADE BRASILEIRA 1. Fabíola dos Santos Passanha. Faculdade de Agudos - FAAG RESUMO MUDANÇAS NO PERFIL ORGANIZACIONAL DE EMPRESAS PRIVADAS NA ATUALIDADE BRASILEIRA 1 Fabíola dos Santos Passanha Faculdade de Agudos - FAAG RESUMO Adotar estratégias de mudança que sejam efetivas envolve

Leia mais

XII Encontro de Pós-Graduação e Pesquisa Universidade de Fortaleza 22 à 26 de Outubro de 2012

XII Encontro de Pós-Graduação e Pesquisa Universidade de Fortaleza 22 à 26 de Outubro de 2012 XII Encontro de Pós-Graduação e Pesquisa Universidade de Fortaleza 22 à 26 de Outubro de 2012 GESTÃO PARTICIPATIVA NA CONSTRUÇÃO DA QUALIDADE DE ENSINO EM COOPERATIVAS EDUCACIONAIS DO PIAUÍ Cyjara Orsano

Leia mais

ESCOLA DE DESENVOLVIMENTO E APERFEIÇOAMENTO PROFISSIONAL

ESCOLA DE DESENVOLVIMENTO E APERFEIÇOAMENTO PROFISSIONAL ESCOLA DE DESENVOLVIMENTO E APERFEIÇOAMENTO PROFISSIONAL MBA EXECUTIVO EM LIDERANÇA E GESTÃO ORGANIZACIONAL ESCOLA SUPERIOR DE PROPAGANDA E MARKETING POS GRADUAÇÃO EM: GESTÃO ESTRATÉGICA DE NEGÓCIOS CIÊNCIAS

Leia mais

TRABALHOS TÉCNICOS Coordenação de Documentação e Informação INOVAÇÃO E GERENCIAMENTO DE PROCESSOS: UMA ANÁLISE BASEADA NA GESTÃO DO CONHECIMENTO

TRABALHOS TÉCNICOS Coordenação de Documentação e Informação INOVAÇÃO E GERENCIAMENTO DE PROCESSOS: UMA ANÁLISE BASEADA NA GESTÃO DO CONHECIMENTO TRABALHOS TÉCNICOS Coordenação de Documentação e Informação INOVAÇÃO E GERENCIAMENTO DE PROCESSOS: UMA ANÁLISE BASEADA NA GESTÃO DO CONHECIMENTO INTRODUÇÃO Os processos empresariais são fluxos de valor

Leia mais

O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO

O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO Josiane Corrêa 1 Resumo O mundo dos negócios apresenta-se intensamente competitivo e acirrado. Em diversos setores da economia, observa-se a forte

Leia mais

PROGRAMA EDUCAÇÃO AMBIENTAL DA SAMARCO. Programa de Educação Ambiental Interno

PROGRAMA EDUCAÇÃO AMBIENTAL DA SAMARCO. Programa de Educação Ambiental Interno PROGRAMA EDUCAÇÃO AMBIENTAL DA SAMARCO Programa de Educação Ambiental Interno Condicionante 57 LO 417/2010 SUMÁRIO 1. APRESENTAÇÃO 04 2. IDENTIFICAÇÃO DA EMPRESA 05 3. REGULAMENTO APLICÁVEL 06 3.1. FEDERAL

Leia mais

Um modelo para avaliação da Qualidade de Vida no Trabalho em universidades públicas

Um modelo para avaliação da Qualidade de Vida no Trabalho em universidades públicas Revista Eletrônica Sistemas & Gestão 4 (2) 136-154 Programa de Pós-Graduação em Sistemas de Gestão, TEP/TCE/CTC/PROPP/UFF Um modelo para avaliação da Qualidade de Vida no Trabalho em universidades públicas

Leia mais

INESUL / FAEC FACULDADE EDUCACIONAL DE COLOMBO. Programa de Responsabilidade Social

INESUL / FAEC FACULDADE EDUCACIONAL DE COLOMBO. Programa de Responsabilidade Social INESUL / FAEC FACULDADE EDUCACIONAL DE COLOMBO Programa de Responsabilidade Social APRESENTAÇÃO 2 O equilíbrio de uma sociedade em última instância, é formada pelo tripé: governo, família e empresa. Esperar

Leia mais

A MOTIVAÇÃO COMO FATOR DE SUCESSO NA ORGANIZAÇÃO UM ESTUDO DE CASO NA EMPRESA MARF

A MOTIVAÇÃO COMO FATOR DE SUCESSO NA ORGANIZAÇÃO UM ESTUDO DE CASO NA EMPRESA MARF A MOTIVAÇÃO COMO FATOR DE SUCESSO NA ORGANIZAÇÃO UM ESTUDO DE CASO NA EMPRESA MARF Danilo Domingos Gonzales Simão 1 Fábio Augusto Martins Pereira 2 Gisele Maciel de Lima 3 Jaqueline de Oliveira Rocha 4

Leia mais

MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA CENTRO DE INVESTIGAÇÃO E PREVENÇÃO DE ACIDENTES AERONÁUTICOS

MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA CENTRO DE INVESTIGAÇÃO E PREVENÇÃO DE ACIDENTES AERONÁUTICOS MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA CENTRO DE INVESTIGAÇÃO E PREVENÇÃO DE ACIDENTES AERONÁUTICOS Manual de Aplicação Questionário de Levantamento Organizacional e de Fatores Humanos Brasília, novembro

Leia mais

A Integração de Remuneração, Reconhecimento e Recompensa. Luiz Edmundo Rosa São Paulo, 26.03.09

A Integração de Remuneração, Reconhecimento e Recompensa. Luiz Edmundo Rosa São Paulo, 26.03.09 A Integração de Remuneração, Reconhecimento e Recompensa Luiz Edmundo Rosa São Paulo, 26.03.09 AGENDA 1. Posicionando a Remuneração e Reconhecimento 2. Tendências e impactos na Gestão 3. Melhores Práticas:

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS Válida para os acadêmicos ingressantes a partir de 2010/1

MATRIZ CURRICULAR DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS Válida para os acadêmicos ingressantes a partir de 2010/1 Matriz Curricular aprovada pela Resolução nº 18/09-CONSUNI, de 1º de dezembro de 2009. MATRIZ CURRICULAR DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS Válida para os acadêmicos ingressantes

Leia mais

VIVENCIANDO ATIVIDADE DE EXTENSÃO NUMA COMUNIDADE CARENTE ATRAVÉS DA CONSULTA DE ENFERMAGEM À MULHERES 1

VIVENCIANDO ATIVIDADE DE EXTENSÃO NUMA COMUNIDADE CARENTE ATRAVÉS DA CONSULTA DE ENFERMAGEM À MULHERES 1 1 VIVENCIANDO ATIVIDADE DE EXTENSÃO NUMA COMUNIDADE CARENTE ATRAVÉS DA CONSULTA DE ENFERMAGEM À MULHERES 1 Anna Maria de Oliveira Salimena 2 Maria Carmen Simões Cardoso de Melo 3 Ívis Emília de Oliveira

Leia mais

Desenvolvimento Humano

Desenvolvimento Humano ASSESSORIA EM GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS Desenvolvimento Humano ADVISORY Os desafios transformam-se em fatores motivacionais quando os profissionais se sentem bem preparados para enfrentá-los. E uma equipe

Leia mais

INTRODUÇÃO À GESTÃO DE PESSOAS Comparativo entre idéias

INTRODUÇÃO À GESTÃO DE PESSOAS Comparativo entre idéias FACULDADE GOVERNADOR OZANAM COELHO PÓS-GRADUAÇÃO EM GESTÃO DE PESSOAS INTRODUÇÃO À GESTÃO DE PESSOAS Comparativo entre idéias ALINE GUIDUCCI UBÁ MINAS GERAIS 2009 ALINE GUIDUCCI INTRODUÇÃO À GESTÃO DE

Leia mais