Groupware. Protocolos e Artefatos de Coordenação em CSCW Cleidson de Souza Exemplos. Protocolos e Artefatos de Coordenação

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Groupware. Protocolos e Artefatos de Coordenação em CSCW Cleidson de Souza cdesouza@ufpa.br. Exemplos. Protocolos e Artefatos de Coordenação"

Transcrição

1 Groupware Protocolos e Artefatos de Coordenação em CSCW Cleidson de Souza Tecnologia computacional para auxiliar o trabalho cooperativo Mas Como o trabalho cooperativo é executado? Como as pessoas trabalham em conjunto? Como a tecnologia existente facilita (ou dificulta) este trabalho? Conceitos, técnicas, abordagens, considerações gerais sobre o trabalho cooperativo. pag. 2 Protocolos e Artefatos de Coordenação Exemplos pag. 3 Em ambientes colaborativos complexos, a articulação ou coordenação da atividades requer artefatos especializados que quando usados no contexto das convenções, protocolos e procedimentos locais permite uma redução na complexidade do trabalho de cooperação facilitando o trabalho em grupo. Schmidt, Kjeld and Carla Simone: 'Coordination mechanisms: Towards a conceptual foundation of CSCW systems design', Computer Supported Cooperative Work: The Journal of Collaborative Computing, vol. 5, no. 2-3, 1996, pp pag. 4 Descrição de um bug (bug report) em desenvolvimento de software; Pedaços de papel entre controladores de trafégo aéreo (paper flight strips); Tabelas de horários (schedules) e prontuários eletrônicos em hospitais; Tabelas (time tables) no transporte urbano (metrô de Londres); Cronogramas em projetos de desenvolvimento de software; Tabelas de classificação usadas em repositórios; Etc, etc etc.

2 Exemplo 1 pag. 5 Bug Reports Relatório que descreve um problema a ser consertado durante a atividade de desenvolvimento de software, ou um novo requisito a ser implementado; Este relatório deve ser escrito pra cada novo problema ou requisito; Ele pode ser manual ou implementado através de uma ferramenta: Bug Report pag. 6 Bugzilla, TRAC, Rational ClearQuest, etc. Bug Reports Ferramentas de bug-tracking geralmente são associadas a ferramentas de controle de versão; Desta forma, é possível identificar que linhas de código são responsáveis por corrigir um determinado problema ou implementar uma nova funcionalidade: pag. 7 pag. 8 Alterações no código podem criar outros problemas; Testes de regressão; Geralmente usadas no processo de manutenção;

3 Bug Reports Bug Reports - Protocolo pag. 9 Estudo de campo com o time MVP Software para auxílio a trafégo aéreo desenvolvido pela NASA / Ames: Usado por alguns aeroportos; 10 ferramentas diferentes; Vários processos diferentes compartilhados entre as ferramentas; Desenvolvedores (25) e time de verificação e validação (6); Escrevem código; Testam o código; Mantém o manual das ferramentas; pag. 10 Time de teste identifica um problema Preenche um bug report com informações sobre ferramenta, processos, parâmetros do processo e aeroporto; Desenvolvedor usa esta informação pra repetir o problema e assim poder corrigi-lo; Preenche no bug report informações sobre: o projeto desenvolvido pra corrigir o problema; como testar o software para verificar que o problema foi corrigido; O manual da ferramenta: precisa ser modificado ou não? Bug Reports - Protocolo Gerente usa a informação do bug report Para verificar que a mudança no código não afeta a arquitetura do sistema; Time de teste usa esta informação Para gerar as matrizes de teste de regressão; Para verificar se é necessário ou não atualizar o manual; Bug Reports Um bug report facilita a coordenação das atividades deste time de desenvolvimento de software Permite que cada membro trabalhe individualmente, mas que receba as informações necessárias a seu trabalho; Flexibilidade na ferramenta de apoio; Dependência entre artefatos torna os bug reports mais importantes; pag. 11 pag. 12

4 Exemplo 2 Uma dentre as inúmeras tecnologias utilizadas por controladores de trafégo aéreo para permitir o desempenho de suas atividades: Segurança; Colaboração; Etc. pag. 13 pag. 14 pag. 15 Complementar ao radar. pag. 16 A flight strip é um documento público para os membros do time, uma representação do histórico de controle de uma aeronave e do trabalho para controlá-lo. Informação sobre rota (origem, destino, e pontos intermediários), altitude atual e anterior, etc.

5 Minutos antes de um avião entrar no espaço aéreo de um centro de controle, uma strip é impressa com informações básicas. O controlador pega a strip na impressora e o posiciona na sua área de trabalho. Este ato serve como uma checagem da informação do avião. Inconsistências perigosas podem ser identificadas neste processo. pag. 17 pag. 18 A organização das strips tem um significado para os controladores. A simples colocação de uma strip entre as outras requer atenção e funciona como um esquema de segurança. O layout das strips informa aspectos interessantes do trabalho: o estado do trafego aéreo; conflitos que podem surgir; Etc. pag. 19 Aeronaves passam de uma setor para outro, portanto strips passam de um controlador para outro. Controladores monitoram seus colegas: pag. 20 observando rapidamente anotações nas strips ; ouvindo conversas no telefone; observando rapidamente a disposição das strips ; Através de interação física (prox slide); Habilidade difícil de ser aprendida;

6 pag. 21 A idéia de que o computador deva sempre automatizar tarefas manuais tediosas é falsa. O computador não deve organizar automaticamente estas strips. Um sistema computacional deve ser flexível para seus usuários. De um modo geral, o que deve e o que não deve ser automatizado? pag. 22 Exemplo 3 Exemplo 4 Prontuários Médicos pag. 23 E daí? Contém informação sobre um paciente: sintomas, medicação (tipo e dosagem), efeitos colaterais, etc; Tabelas de alocação do metrô de Londes (time tables) pag. 24 Próxima aula

7 Conclusões Leituras pag. 25 É necessário entender como a coordenação é feita para o projeto de ferramentas de groupware; Válido também para outros aspectos tecnológicos (não somente o desenvolvimento de software); Frequentemente, artefatos são desenvolvidos ou adaptados para facilitar a cooperação. Mas, estes artefatos são acompanhados de um protocolo. Mecanismos de coordenação = artefato + protocolo; pag. 26 Esta aula: Mackay, W. (1999) Is Paper Safer? The Role of Paper Flight Strips in Air Traffic Control. ACM TOCHI, vol 6, n. 4, pp de Souza, C. R. B., D. F. Redmiles, et al. (2003). "Breaking the Code", Moving between Private and Public Work in Collaborative Software Development. International Conference on Supporting Group Work (GROUP'2003), Sanibel Island, Florida, USA. pag. 27 Leituras Próxima Aula: Dourish, P. and V. Bellotti (1992). Awareness and Coordination in Shared Workspaces. Conference on Computer- Supported Cooperative Work (CSCW '92), Toronto, Ontario, Canada, ACM Press. Heath, C. and P. Luff (1992). "Collaboration and Control: Crisis Management and Multimedia Technology in London Underground Control Rooms." Computer Supported Cooperative Work 1(1-2):

Groupware. Protocolos e Artefatos de Coordenação. Mecanismo de Coordenação. Cleidson de Souza cdesouza@ufpa.br. Artefatos.

Groupware. Protocolos e Artefatos de Coordenação. Mecanismo de Coordenação. Cleidson de Souza cdesouza@ufpa.br. Artefatos. Groupware Tecnologia computacional para auxiliar o trabalho cooperativo Mas Como o trabalho cooperativo é executado? Como as pessoas trabalham em conjunto? Como a tecnologia existente facilita (ou dificulta)

Leia mais

O Conceito de Awareness (Percepção) em CSCW

O Conceito de Awareness (Percepção) em CSCW O Conceito de Awareness (Percepção) em CSCW Cleidson de Souza cdesouza@ufpa.br Faculdade de Computação Instituto de Ciências Exatas e Naturais Universidade Federal do Pará Leituras obrigatórias da aula

Leia mais

Sistemas Colaborativos: uma aplicação no contexto de gestão de risco de inundação

Sistemas Colaborativos: uma aplicação no contexto de gestão de risco de inundação Sistemas Colaborativos: uma aplicação no contexto de gestão de risco de inundação Lívia Castro Degrossi degrossi@icmc.usp.br Abril/2014 1 Contextualização 07/04/2014 Lívia Castro Degrossi 2 2 Contextualização

Leia mais

GROUPWARE & CSCW: Conceitos Básicos

GROUPWARE & CSCW: Conceitos Básicos GROUPWARE & CSCW: Conceitos Básicos Cleidson R. B. Souza cdesouza@ufpa.br Dep. Informática Universidade Federal do Pará Roteiro Introdução Motivação Consequências Definição Outras Definições Porque Groupware

Leia mais

Sistemas Cooperativos

Sistemas Cooperativos Comércio Eletrônico e Sistemas Cooperativos Sistemas Cooperativos Prof. Hélio de Sousa Lima Filho helio.slfilho@hotmail.com 1. Definição Sistemas mais dinâmicos Exige maior interação entre os usuários

Leia mais

Engenharia de Sistemas Computacionais

Engenharia de Sistemas Computacionais Engenharia de Sistemas Detalhes no planejamento UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALAGOAS Curso de Ciência da Computação Engenharia de Software I Prof. Rômulo Nunes de Oliveira Introdução Na aplicação de um sistema

Leia mais

Gestão de Modificações. Fabrício de Sousa

Gestão de Modificações. Fabrício de Sousa Gestão de Modificações Fabrício de Sousa Introdução Inevitáveis quando o software é construído Confusão As modificações não são analisadas antes de serem feitas Não são registradas antes de serem feitas

Leia mais

Etnografia é, ao mesmo tempo, ciência e arte. Frameworks Analíticos (Analytical Frameworks) Cognição Distribuída (Distributed Cognition ou DCog)

Etnografia é, ao mesmo tempo, ciência e arte. Frameworks Analíticos (Analytical Frameworks) Cognição Distribuída (Distributed Cognition ou DCog) Etnografia é, ao mesmo tempo, ciência e arte. Frameworks Analíticos (Analytical Frameworks) Ciência nos métodos analíticos durante a análise dos dados, na constante comparação, no rigor das provas, etc;

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 06 PROFª BRUNO CALEGARO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 06 PROFª BRUNO CALEGARO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 06 PROFª BRUNO CALEGARO Santa Maria, 27 de Setembro de 2013. Revisão aula anterior Desenvolvimento Ágil de Software Desenvolvimento e entrega

Leia mais

Coordinators. Agenda. Definição. Definição Exemplos Artefatos Funcionalidades. Modelo de Coordenação

Coordinators. Agenda. Definição. Definição Exemplos Artefatos Funcionalidades. Modelo de Coordenação Agenda Coordinators Cleidson R. B. Souza cdesouza@ufpa.br Dep. Informática Universidade Federal do Pará Definição Exemplos Artefatos Funcionalidades Execução Modelagem Definição Em alguns casos a cooperação

Leia mais

Sistemas Colaborativos Fundamentos e Aplicações

Sistemas Colaborativos Fundamentos e Aplicações Laboratório de Engenharia de Software Departamento de Sistemas de Computação Universidade de São Paulo Sistemas Colaborativos Fundamentos e Aplicações Seiji Isotani sisotani@icmc.usp.br Contextualização

Leia mais

Instruções do Jogo INSTRUÇÕES DO JOGO

Instruções do Jogo INSTRUÇÕES DO JOGO INSTRUÇÕES DO JOGO Introdução Objetivo do jogo: concluir um projeto de software Número de jogadores (primeira versão): recomenda-se de 2 a 3 jogadores, mas poderia ser jogado individualmente. Composição

Leia mais

Gerenciamento de configuração. Gerenciamento de Configuração. Gerenciamento de configuração. Gerenciamento de configuração. Famílias de sistemas

Gerenciamento de configuração. Gerenciamento de Configuração. Gerenciamento de configuração. Gerenciamento de configuração. Famílias de sistemas Gerenciamento de Gerenciamento de Configuração Novas versões de sistemas de software são criadas quando eles: Mudam para máquinas/os diferentes; Oferecem funcionalidade diferente; São configurados para

Leia mais

CAPITULO 4 A ARQUITETURA LÓGICA PARA O AMBIENTE

CAPITULO 4 A ARQUITETURA LÓGICA PARA O AMBIENTE CAPITULO 4 A ARQUITETURA LÓGICA PARA O AMBIENTE A proposta para o ambiente apresentada neste trabalho é baseada no conjunto de requisitos levantados no capítulo anterior. Este levantamento, sugere uma

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 10 PROFª BRUNO CALEGARO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 10 PROFª BRUNO CALEGARO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 10 PROFª BRUNO CALEGARO Santa Maria, 10 de Outubro de 2013. Revisão aula anterior Documento de Requisitos Estrutura Padrões Template Descoberta

Leia mais

Gerência de Configuração de Software Funções

Gerência de Configuração de Software Funções Universidade Estadual de Maringá Departamento de Informática Ciência da Computação Processo de Engenharia de Software II Gerência de Configuração de Software Funções Rafael Leonardo Vivian {rlvivian.uem

Leia mais

COMPETÊNCIAS FUNCIONAIS QUALIDADE

COMPETÊNCIAS FUNCIONAIS QUALIDADE COMPETÊNCIAS FUNCIONAIS QUALIDADE DESCRIÇÕES DOS NÍVEIS APRENDIZ SABER Aprende para adquirir conhecimento básico. É capaz de pôr este conhecimento em prática sob circunstâncias normais, buscando assistência

Leia mais

ARCO - Associação Recreativa dos Correios. Sistema para Gerenciamento de Associações Recreativas Plano de Desenvolvimento de Software Versão <1.

ARCO - Associação Recreativa dos Correios. Sistema para Gerenciamento de Associações Recreativas Plano de Desenvolvimento de Software Versão <1. ARCO - Associação Recreativa dos Correios Sistema para Gerenciamento de Associações Recreativas Versão Histórico da Revisão Data Versão Descrição Autor Página

Leia mais

Gerenciamento de Configuração de Software

Gerenciamento de Configuração de Software Gerenciamento de Configuração de Software Prof. Ricardo Argenton Ramos [Baseado na apresentação do prof. Masiero ICMC-USP] Contexto para Gerência de Configuração 2 Problema dos Dados Compartilhados Desenvolvedor

Leia mais

Rational Quality Manager. Nome: Raphael Castellano Campus: AKXE Matrícula: 200601124831

Rational Quality Manager. Nome: Raphael Castellano Campus: AKXE Matrícula: 200601124831 Rational Quality Manager Nome: Raphael Castellano Campus: AKXE Matrícula: 200601124831 1 Informações Gerais Informações Gerais sobre o RQM http://www-01.ibm.com/software/awdtools/rqm/ Link para o RQM https://rqmtreina.mvrec.local:9443/jazz/web/console

Leia mais

Atividades da Engenharia de Software GERENCIAMENTO DA CONFIGURAÇÃO DE SOFTWARE. Atividades da Engenharia de Software. Processo de Desenvolvimento de

Atividades da Engenharia de Software GERENCIAMENTO DA CONFIGURAÇÃO DE SOFTWARE. Atividades da Engenharia de Software. Processo de Desenvolvimento de SCE186-ENGENHARIA DE SOFTWARE Módulo 1 Atividades da Engenharia de GERENCIAMENTO DA CONFIGURAÇÃO DE SOFTWARE Profª Rosely Sanches rsanches@icmc.usp.br 2003 DEFINIÇÃO CONSTRUÇÃO SOFTWARE PRODUTO MANUTENÇÃO

Leia mais

Glossário Apresenta a definição dos termos, siglas e abreviações utilizadas no contexto do projeto Citsmart.

Glossário Apresenta a definição dos termos, siglas e abreviações utilizadas no contexto do projeto Citsmart. Apresenta a definição dos termos, siglas e abreviações utilizadas no contexto do projeto Citsmart. Versão 1.6 15/08/2013 Visão Resumida Data Criação 15/08/2013 Versão Documento 1.6 Projeto Responsáveis

Leia mais

VANT-EC-SAME. Software de Suporte do VANT V-SUP Caso de Desenvolvimento Versão 1.0

VANT-EC-SAME. Software de Suporte do VANT V-SUP Caso de Desenvolvimento Versão 1.0 VANT-EC-SAME Software de Suporte do VANT V-SUP Caso de Desenvolvimento Versão 1.0 Histórico da Revisão Data Versão Descrição Autor 17/0/07 1.0 Versão Inicial Douglas Moura Confidencial VANT-EC-SAME, 2007

Leia mais

Software. Gerenciamento de Manutenção

Software. Gerenciamento de Manutenção Software Gerenciamento de Manutenção Importância de um Software de Manutenção Atualmente o departamento de manutenção das empresas, como todos outros departamentos, necessita prestar contas de sua atuação

Leia mais

ENGENHARIA DE SOFTWARE I

ENGENHARIA DE SOFTWARE I ENGENHARIA DE SOFTWARE I Prof. Cássio Huggentobler de Costa [cassio.costa@ulbra.br] Twitter: www.twitter.com/cassiocosta_ Agenda da Aula (002) Metodologias de Desenvolvimento de Softwares Métodos Ágeis

Leia mais

Introdução ao Groupware e ao CSCW

Introdução ao Groupware e ao CSCW MAC0434 e MAC5798 Desenvolvimento de Sistemas Colaborativos Introdução ao Groupware e ao CSCW Marco A. Gerosa gerosa@ime.usp.br Marco A. Gerosa 1 IME / USP O que é colaboração? Classifique as seguintes

Leia mais

Sistemas Cooperativos. Professor Alan Alves Oliveira

Sistemas Cooperativos. Professor Alan Alves Oliveira Sistemas Cooperativos Professor Alan Alves Oliveira 1. Sistemas de Informação e Sistemas Cooperativos 2 Sistemas de Informação 3 Sistemas de Informação Sistemas ampamente utilizados em organizações para

Leia mais

Planejamento de Projetos. Professor Gabriel Baptista ( gabriel.baptista@uninove.br ) ( http://sites.google.com/site/professorgabrielbaptista )

Planejamento de Projetos. Professor Gabriel Baptista ( gabriel.baptista@uninove.br ) ( http://sites.google.com/site/professorgabrielbaptista ) Qualidade de Software Aula 9 (Versão 2012-01) 01) Planejamento de Projetos Professor Gabriel Baptista ( gabriel.baptista@uninove.br ) ( http://sites.google.com/site/professorgabrielbaptista ) Revisando...

Leia mais

O que é um processo de software?

O que é um processo de software? O que é um processo de software? Um conjunto de atividades realizadas por pessoas cujo objetivo é desenvolvimento ou evolução de software e sua documentação. Atividades genéricas em todos os processos:

Leia mais

ITIL V3 (aula 2) AGENDA: GERENCIAMENTO DE MUDANÇA GERENCIAMENTO DE LIBERAÇÃO GERENCIAMENTO DE CONFIGURAÇÃO

ITIL V3 (aula 2) AGENDA: GERENCIAMENTO DE MUDANÇA GERENCIAMENTO DE LIBERAÇÃO GERENCIAMENTO DE CONFIGURAÇÃO ITIL V3 (aula 2) AGENDA: GERENCIAMENTO DE MUDANÇA GERENCIAMENTO DE LIBERAÇÃO GERENCIAMENTO DE CONFIGURAÇÃO Gerência de Mudanças as Objetivos Minimizar o impacto de incidentes relacionados a mudanças sobre

Leia mais

21/03/2012. WorkFlow. Gestão Eletrônica de Documentos. Workflow HISTÓRICO

21/03/2012. WorkFlow. Gestão Eletrônica de Documentos. Workflow HISTÓRICO WorkFlow Gestão Eletrônica de Documentos Workflow HISTÓRICO 1 CSCW - Computer-supported CooperativeWork trabalho cooperativo auxiliado por computador Estudo dos conceitos que definem e desenvolvem o trabalho

Leia mais

Planejamento e Gerenciamento de Software. Tema 3. Gerência de Projetos Profa. Susana M. Iglesias

Planejamento e Gerenciamento de Software. Tema 3. Gerência de Projetos Profa. Susana M. Iglesias Planejamento e Gerenciamento de Software Tema 3. Gerência de Projetos Profa. Susana M. Iglesias Planejamento A primeira atividade do gerenciamento de projeto é Planejamento Depende de estimativas (Grado

Leia mais

Aula 03 - Redes e Conectividade. Prof. Hugo V. L. Souza

Aula 03 - Redes e Conectividade. Prof. Hugo V. L. Souza Aula 03 - Redes e Conectividade Prof. Hugo V. L. Souza Agenda Introdução as Redes de Computadores Fundamentos das redes de alta velocidades e a internet Redes locais e privadas - LANs Redes locais sem

Leia mais

Introdução ao OpenUP (Open Unified Process)

Introdução ao OpenUP (Open Unified Process) Introdução ao OpenUP (Open Unified Process) Diferentes projetos têm diferentes necessidades de processos. Fatores típicos ditam as necessidades de um processo mais formal ou ágil, como o tamanho da equipe

Leia mais

DAS6607 - Inteligência Artificial Aplicada à Controle de Processos e Automação Industrial

DAS6607 - Inteligência Artificial Aplicada à Controle de Processos e Automação Industrial DAS6607 - Inteligência Artificial Aplicada à Controle de Processos e Automação Industrial Aluno: André Faria Ruaro Professores: Jomi F. Hubner e Ricardo J. Rabelo 29/11/2013 1. Introdução e Motivação 2.

Leia mais

Teleprocessamento e Redes Universidade Católica do Salvador. Aula 04 - Estrutura de Redes de Comunicação. Objetivo : Roteiro da Aula :

Teleprocessamento e Redes Universidade Católica do Salvador. Aula 04 - Estrutura de Redes de Comunicação. Objetivo : Roteiro da Aula : Teleprocessamento e Redes Universidade Católica do Salvador Aula 04 - Estrutura de Redes de Comunicação Objetivo : Nesta aula, vamos começar a entender o processo de interligação entre os equipamentos

Leia mais

Plano de Gerência de Configuração

Plano de Gerência de Configuração Plano de Gerência de Configuração Objetivo do Documento Introdução A aplicação deste plano garante a integridade de códigos-fonte e demais produtos dos sistemas do, permitindo o acompanhamento destes itens

Leia mais

Gerência de Portfólio de Projetos com IBM Rational Portfolio Manager

Gerência de Portfólio de Projetos com IBM Rational Portfolio Manager Gerência de Portfólio de Projetos com IBM Rational Portfolio Manager Sumário Sumário O problema O desafio IBM Rational Portfolio Manager O problema Cenário atual 84% das organizações ou não montam o business

Leia mais

A Disciplina Gerência de Projetos

A Disciplina Gerência de Projetos A Disciplina Gerência de Projetos Atividades, Artefatos e Responsabilidades hermano@cin.ufpe.br Objetivos Apresentar atividades da disciplina Gerência de Projetos Discutir os artefatos e responsáveis envolvidos

Leia mais

Questões atualizadas no PMBoK 5ª edição versão 2015. Respostas comentadas com justificativa e seção do PMBoK correspondente.

Questões atualizadas no PMBoK 5ª edição versão 2015. Respostas comentadas com justificativa e seção do PMBoK correspondente. Copyright 2015 PMtotal.com.br - Todos os direitos reservados PMI, Guia PMBOK, PMP, CAPM são marcas registradas do Project Management Institute, Inc Simulado de 20 questões para as provas CAPM e PMP do

Leia mais

SISTEMAS DISTRIBUÍDOS

SISTEMAS DISTRIBUÍDOS Arquiteturas www.pearson.com.br capítulo 2 slide 1 2.1 Estilos Arquitetônicos Formado em termos de componentes, do modo como esses componentes estão conectados uns aos outros, dos dados trocados entre

Leia mais

ISO/IEC 12207: Gerência de Configuração

ISO/IEC 12207: Gerência de Configuração ISO/IEC 12207: Gerência de Configuração Durante o processo de desenvolvimento de um software, é produzida uma grande quantidade de itens de informação que podem ser alterados durante o processo Para que

Leia mais

Introdução ao Modelos de Duas Camadas Cliente Servidor

Introdução ao Modelos de Duas Camadas Cliente Servidor Introdução ao Modelos de Duas Camadas Cliente Servidor Desenvolvimento de Sistemas Cliente Servidor Prof. Esp. MBA Heuber G. F. Lima Aula 1 Ciclo de Vida Clássico Aonde estamos? Page 2 Análise O que fizemos

Leia mais

Implantação de um Laboratório de Trabalho Colaborativo e de Simulação no CEFET-RJ

Implantação de um Laboratório de Trabalho Colaborativo e de Simulação no CEFET-RJ Implantação de um Laboratório de Trabalho Colaborativo e de Simulação no CEFET-RJ Antonio José C. Pithon (CEFET-RJ) pithon@cefet-rj.br Marina Rodrigues Brochado (CEFET-RJ) marina@cefet-rj.br Resumo Atualmente

Leia mais

Floricultura Beija-Flor

Floricultura Beija-Flor Floricultura Beija-Flor PLANO DE GERENCIAMENTO DE RECURSOS HUMANOS Preparado Samily Rocha Gois e Francisco Luiz Sobrinho Versão: 101.1 por Aprovado por Samily Rocha Gois Data: 27/11/2012 1.

Leia mais

Palavras chave: Extensão universitária, Aquisição de dados, Observação; Tempo, Serie histórica

Palavras chave: Extensão universitária, Aquisição de dados, Observação; Tempo, Serie histórica MONITORAMENTO DO TEMPO E MANUTENÇÃO DO SISTEMA DE INFORMAÇÃO PARA GERENCIAMENTO E USO DE DADOS METEOROLÓGICOS DA ESTAÇÃO AGROMETEOROLÓGICA DO CAV/UDESC LAGES, SC Célio Orli Cardoso, Centro de Ciências

Leia mais

CONCEITOS E APLICAÇÕES DA COMPUTAÇÃO EM NUVEM

CONCEITOS E APLICAÇÕES DA COMPUTAÇÃO EM NUVEM CONCEITOS E APLICAÇÕES DA COMPUTAÇÃO EM NUVEM Rogério Schueroff Vandresen¹, Willian Barbosa Magalhães¹ ¹Universidade Paranaense(UNIPAR) Paranavaí-PR-Brasil rogeriovandresen@gmail.com, wmagalhaes@unipar.br

Leia mais

WORKFLOW. Mapeamento de Processos de Negócio 26/11/2009. Tadeu Cruz, Prof. M.Sc. TODOS OS DIREITOS RESERVADOS

WORKFLOW. Mapeamento de Processos de Negócio 26/11/2009. Tadeu Cruz, Prof. M.Sc. TODOS OS DIREITOS RESERVADOS WORKFLOW Mapeamento de Processos de Negócio Tadeu Cruz, Prof. M.Sc. TODOS OS DIREITOS RESERVADOS É proibido a reprodução total ou parcial de qualquer forma ou por qualquer meio sem a expressa autorização

Leia mais

Um modelo baseado em context-awareness para disseminação de informações em um Ambiente de Desenvolvimento Distribuído de Software

Um modelo baseado em context-awareness para disseminação de informações em um Ambiente de Desenvolvimento Distribuído de Software Um modelo baseado em context-awareness para disseminação de informações em um Ambiente de Desenvolvimento Distribuído de Software Ana Paula Chaves, Igor Scaliante Wiese, César Alberto da Silva e Elisa

Leia mais

Demais Áreas de Conhecimento do PMBOK

Demais Áreas de Conhecimento do PMBOK Residência em Arquitetura de Software Demais Áreas de Conhecimento do PMBOK Prof. Dr. Sandro Ronaldo Bezerra Oliveira srbo@ufpa.br www.ufpa.br/srbo Gerência de Desenvolvimento 2008.2 Faculdade de Computação

Leia mais

Clientes gerentes Usuarios finais do sistema Clientes engenheiros Gerentes contratantes Arquitetos do sistema. Definicao de requisitos

Clientes gerentes Usuarios finais do sistema Clientes engenheiros Gerentes contratantes Arquitetos do sistema. Definicao de requisitos А А А А Definicao de de do software Clientes gerentes Usuarios finais Clientes engenheiros Gerentes contratantes Arquitetos Usuarios finais Clientes engenheiros Arquitetos Desenvolvedores de software Clientes

Leia mais

definido por um documento de padronização. A Fig. 1 representa a organização dos Grupos de Processos juntamente com os documentos exigidos.

definido por um documento de padronização. A Fig. 1 representa a organização dos Grupos de Processos juntamente com os documentos exigidos. A GESTÃO DE PROJETOS EXISTENTE NA NORMA DO-178B Matheus da Silva Souza, matheusdasilvasouza@gmail.com Prof. Dr. Luiz Alberto Vieira Dias, vdias@ita.br Instituto Tecnológico de Aeronáutica Praça Marechal

Leia mais

CSCW - Trabalho Cooperativo Suportado por Computador

CSCW - Trabalho Cooperativo Suportado por Computador CSCW - Trabalho Cooperativo Suportado por Computador Luís Manuel Borges Gouveia Aveiro, Janeiro de 2002 evolução dos sistemas de interacção o impacto dos computadores e a preocupação das TI foi-se desenvolvendo

Leia mais

Princípios da Engenharia de Software aula 05 Gerenciamento de planejamento de projetos. Prof.: Franklin M. Correia

Princípios da Engenharia de Software aula 05 Gerenciamento de planejamento de projetos. Prof.: Franklin M. Correia 1 Princípios da Engenharia de Software aula 05 Gerenciamento de planejamento de projetos Prof.: Franklin M. Correia Na aula anterior... Metodologias ágeis Princípios do Manifesto ágil 12 itens do manifesto

Leia mais

O uso do gestor de conteúdos plone no suporte a processos de software

O uso do gestor de conteúdos plone no suporte a processos de software O uso do gestor de conteúdos plone no suporte a processos de software Fernando Silva Parreiras Objetivo Demonstrar a aplicação de ferramentas de gestão de conteúdo, especificamente o plone, no apoio a

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO DE PESSOAS SEBRAE/TO UNIDADE: GESTÃO ESTRATÉGICA PROCESSO: TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

SISTEMA DE GESTÃO DE PESSOAS SEBRAE/TO UNIDADE: GESTÃO ESTRATÉGICA PROCESSO: TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO SISTEMA DE GESTÃO DE PESSOAS SEBRAE/TO UNIDADE: GESTÃO ESTRATÉGICA PROCESSO: TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Competências Analista 1. Administração de recursos de infra-estrutura de tecnologia da informação 2.

Leia mais

Aula 2 Governança do projeto Papéis e Responsabilidades

Aula 2 Governança do projeto Papéis e Responsabilidades Aula 2 Governança do projeto Papéis e Responsabilidades Objetivos da Aula: Nesta aula, iremos conhecer os diversos papéis e responsabilidades das pessoas ou grupos de pessoas envolvidas na realização de

Leia mais

Computer Supported Cooperative Work - CSCW

Computer Supported Cooperative Work - CSCW Computer Supported Cooperative Work - CSCW trabalho cooperativo auxiliado por computador http://www.professores.uff.br/screspo/ CSCW O termo CSCW - Computer Supported Cooperative Work, foi criado oficialmente

Leia mais

Julio Cezar Fialho Freire de Carvalho 1, Aline Maria Malachini Miotto Amaral 2 1 INTRODUÇÃO

Julio Cezar Fialho Freire de Carvalho 1, Aline Maria Malachini Miotto Amaral 2 1 INTRODUÇÃO 26 a 29 de outubro de 2010 ISBN 978-85-61091-69-9 ESTUDO E DEFINIÇÃO DA APLICAÇÃO PARA CONTROLE DE VERSÕES DOS ARTEFATOS GERENCIADOS PELA FERRAMENTA S.A.Do.M (SOFTWARE ARTIFACTS DOCUMENTATION AND MANAGEMENT)

Leia mais

Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software

Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE Curso Técnico em Informática ENGENHARIA DE SOFTWARE Prof.: Clayton Maciel Costa clayton.maciel@ifrn.edu.br Clayton Maciel Costa

Leia mais

Gerência de Configuração. Profº Rômulo César

Gerência de Configuração. Profº Rômulo César Gerência de Configuração Profº Rômulo César Gerência de Configuração Cenário Atual Projetos cada vez mais complexos em relação ao tamanho, sofisticação e tecnologias envolvidas Grandes equipes geograficamente

Leia mais

Guia do Nexus. O Guia Definitivo para o Nexus: O exoesqueleto do desenvolvimento Scrum escalado. Desenvolvido e mantido por Ken Schwaber e Scrum.

Guia do Nexus. O Guia Definitivo para o Nexus: O exoesqueleto do desenvolvimento Scrum escalado. Desenvolvido e mantido por Ken Schwaber e Scrum. Guia do Nexus O Guia Definitivo para o Nexus: O exoesqueleto do desenvolvimento Scrum escalado Desenvolvido e mantido por Ken Schwaber e Scrum.org Tabela de Conteúdo Visão Geral do Nexus... 2 O Propósito

Leia mais

Ferramenta Colaborativa para Groupware

Ferramenta Colaborativa para Groupware Ferramenta Colaborativa para Groupware Rodolpho Brock UFSC Universidade Federal de Santa Catarina INE Deparrtamento de Informática e Estatística Curso de Graduação em Sistema de Informação rbrock@inf.ufsc.br

Leia mais

DISCIPLINA ENGENHARIA DE SOFTWARE Aula 03 Desenvolvimento Ágil Modelos Ágeis. Profª Esp.: Maysa de Moura Gonzaga

DISCIPLINA ENGENHARIA DE SOFTWARE Aula 03 Desenvolvimento Ágil Modelos Ágeis. Profª Esp.: Maysa de Moura Gonzaga DISCIPLINA ENGENHARIA DE SOFTWARE Aula 03 Desenvolvimento Ágil Modelos Ágeis Profª Esp.: Maysa de Moura Gonzaga 2º Semestre / 2011 Extreme Programming (XP); DAS (Desenvolvimento Adaptativo de Software)

Leia mais

Aula 6 Modelo de Divisão em Camadas TCP/IP

Aula 6 Modelo de Divisão em Camadas TCP/IP Aula 6 Modelo de Divisão em Camadas TCP/IP Camada Conceitual APLICATIVO TRANSPORTE INTER-REDE INTERFACE DE REDE FÍSICA Unidade de Dados do Protocolo - PDU Mensagem Segmento Datagrama /Pacote Quadro 01010101010100000011110

Leia mais

Engenharia de Software I

Engenharia de Software I Engenharia de Software I Rogério Eduardo Garcia (rogerio@fct.unesp.br) Bacharelado em Ciência da Computação Aula 03 In a calm sea every man is a pilot. Engenharia de Software I Aula 3 Gerenciamento de

Leia mais

Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul Faculdade de Informática / Campus Global

Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul Faculdade de Informática / Campus Global Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul Faculdade de Informática / Campus Global Sistema de Aproveitamento de Disciplinas da Faculdade de Informática da PUCRS: uma sistemática de gerência

Leia mais

SISTEMA PARA O CONTROLE DO FLUXO DE PROPOSTAS DE CUSTOMIZAÇÃO

SISTEMA PARA O CONTROLE DO FLUXO DE PROPOSTAS DE CUSTOMIZAÇÃO UNIVERSIDADE REGIONAL DE BLUMENAU CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO SISTEMA PARA O CONTROLE DO FLUXO DE PROPOSTAS DE CUSTOMIZAÇÃO Valcir Willi Schmidt Prof. Wilson Pedro Carli, Orientador ROTEIRO DA APRESENTAÇÃO

Leia mais

Sistemas Colaborativos: Conceito, Característicasdes e Funcionalidades

Sistemas Colaborativos: Conceito, Característicasdes e Funcionalidades Sistemas Colaborativos: Conceito, Característicasdes e Funcionalidades Carla Oliveira (e-mail) é formada pela FATEC - Faculdade de Tecnologia de São Paulo, no curso de Automação de Escritórios e Secretariado.

Leia mais

ESTUDO E IMPLEMENTAÇÃO DE UM SISTEMA PARA CONTROLE DE VERSÕES

ESTUDO E IMPLEMENTAÇÃO DE UM SISTEMA PARA CONTROLE DE VERSÕES ISBN 978-85-61091-05-7 Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 27 a 30 de outubro de 2009 ESTUDO E IMPLEMENTAÇÃO DE UM SISTEMA PARA CONTROLE DE VERSÕES Vilson Raphael Vello de Andrade 1 ;

Leia mais

Universidade Paulista

Universidade Paulista Universidade Paulista Ciência da Computação Sistemas de Informação Gestão da Qualidade Principais pontos da NBR ISO/IEC 12207 - Tecnologia da Informação Processos de ciclo de vida de software Sergio Petersen

Leia mais

Metodologia de Desenvolvimento de Sistemas

Metodologia de Desenvolvimento de Sistemas Metodologia de Desenvolvimento de Sistemas Aula 1 Ementa Fases do Ciclo de Vida do Desenvolvimento de Software, apresentando como os métodos, ferramentas e procedimentos da engenharia de software, podem

Leia mais

REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO Curso Superior de Tecnologia em Sistemas para Internet 2/2012

REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO Curso Superior de Tecnologia em Sistemas para Internet 2/2012 REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO Curso Superior de Tecnologia em Sistemas para Internet 2/2012 Das Disposições Preliminares O Trabalho de Conclusão de Curso (TCC) é um componente curricular

Leia mais

Princípios da Engenharia de Software Aula 02. Prof.: Franklin M. Correia

Princípios da Engenharia de Software Aula 02. Prof.: Franklin M. Correia Princípios da Engenharia de Software Aula 02 Prof.: Franklin M. Correia Na aula anterior... Introdução a Engenharia de Software O que é software? O que é Engenharia de Software? Conceitos importantes Tipos

Leia mais

Development Case. Project: VENSSO. Data 27/05/2005. Vesões do Documento 2.00

Development Case. Project: VENSSO. Data 27/05/2005. <location to access at CVS or URL> Vesões do Documento 2.00 Project: VNSSO Data 27/05/2005 Responsável Documento ID Localização Ana Paula Cavalcanti VNSSO_PRC_20050601 Vesões do Documento 2.00 VNSSO_PRO_20050601 Histórico de Date

Leia mais

Fórum Social Mundial Memória FSM memoriafsm.org

Fórum Social Mundial Memória FSM memoriafsm.org Este documento faz parte do Repositório Institucional do Fórum Social Mundial Memória FSM memoriafsm.org documento inicial Site preparatório FSM Dacar introdução Neste documento, a Ethymos apresenta uma

Leia mais

Sistemas Distribuídos. Professora: Ana Paula Couto DCC 064

Sistemas Distribuídos. Professora: Ana Paula Couto DCC 064 Sistemas Distribuídos Professora: Ana Paula Couto DCC 064 Arquiteturas Capítulo 2 Agenda Estilos Arquitetônicos Arquiteturas de Sistemas Arquiteturas Centralizadas Arquiteturas Descentralizadas Arquiteturas

Leia mais

Arquitetura dos Sistemas de Informação Distribuídos

Arquitetura dos Sistemas de Informação Distribuídos Arquitetura dos Sistemas de Informação Distribuídos Quando se projeta um sistema cuja utilização é destinada a ser feita em ambientes do mundo real, projeções devem ser feitas para que o sistema possa

Leia mais

6.46 - RiskFree Uma ferramenta de apoio à gerência de riscos em projetos de software

6.46 - RiskFree Uma ferramenta de apoio à gerência de riscos em projetos de software 6.46 - RiskFree Uma ferramenta de apoio à gerência de riscos em projetos de software Alunos Filipi Silveira Flávio Knob Orientadores Afonso Orth Rafael Prikladnicki Agenda O problema O processo O projeto

Leia mais

Gerenciamento de Projetos Modulo I Conceitos Iniciais

Gerenciamento de Projetos Modulo I Conceitos Iniciais Gerenciamento de Projetos Modulo I Conceitos Iniciais Prof. Walter Cunha falecomigo@waltercunha.com http://waltercunha.com Bibliografia* Project Management Institute. Conjunto de Conhecimentos em Gerenciamento

Leia mais

Extração de Requisitos

Extração de Requisitos Extração de Requisitos Extração de requisitos é o processo de transformação das idéias que estão na mente dos usuários (a entrada) em um documento formal (saída). Pode se entender também como o processo

Leia mais

Fundamentos de Teste de Software

Fundamentos de Teste de Software Núcleo de Excelência em Testes de Sistemas Fundamentos de Teste de Software Módulo 3 Planejamento e Aula 8 do Projeto Aula 08 do Projeto SUMÁRIO INTRODUÇÃO... 3 ACOMPANHAMENTO DO PROJETO... 3 1. do Progresso...

Leia mais

Peer-to-Peer. Introdução. Motivação. Definição. Definição. Definição. Everton Flávio Rufino Seára Murilo R. de Lima

Peer-to-Peer. Introdução. Motivação. Definição. Definição. Definição. Everton Flávio Rufino Seára Murilo R. de Lima Introdução Peer-to-Peer Everton Flávio Rufino Seára Murilo R. de Lima Peer-to-Peer (P2P) é a base da operação de sistemas distribuídos como SETI@home e Kazaa; caracterizada por compartilhamento direto

Leia mais

Bancos de dados distribuídos Prof. Tiago Eugenio de Melo tiagodemelo@gmail.com. http://www.tiagodemelo.info

Bancos de dados distribuídos Prof. Tiago Eugenio de Melo tiagodemelo@gmail.com. http://www.tiagodemelo.info Bancos de dados distribuídos Prof. Tiago Eugenio de Melo tiagodemelo@gmail.com Última atualização: 20.03.2013 Conceitos Banco de dados distribuídos pode ser entendido como uma coleção de múltiplos bds

Leia mais

Qualidade de Processo de Software Normas ISO 12207 e 15504

Qualidade de Processo de Software Normas ISO 12207 e 15504 Especialização em Gerência de Projetos de Software Qualidade de Processo de Software Normas ISO 12207 e 15504 Prof. Dr. Sandro Ronaldo Bezerra Oliveira srbo@ufpa.br Qualidade de Software 2009 Instituto

Leia mais

Introdução aos Sistemas Colaborativos (Groupware & CSCW)

Introdução aos Sistemas Colaborativos (Groupware & CSCW) cdesouza@ufpa.br 2 Introdução aos Sistemas Colaborativos (Groupware & CSCW) Cleidson R. B. Souza cdesouza@ufpa.br Faculdade de Computação Universidade Federal do Pará! Introdução! Definições! Mais Definições!

Leia mais

Engenharia de Software II: Criando a Declaração de Escopo. Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br

Engenharia de Software II: Criando a Declaração de Escopo. Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br Engenharia de Software II: Criando a Declaração de Escopo Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br Sumário Desenvolvendo o Plano de Gerenciamento do Projeto. Coletando Requisitos. Declarando

Leia mais

Project Charter. 1.1 Justificativa do projeto

Project Charter. 1.1 Justificativa do projeto Project Charter Empresa: 51GoodIdea Nome do projeto: QuickList Elaborado por: Jadiel Duque (jds2) João Vitor Bizerra (jvba) Matheus Henrique (mhbs) Pedro de Brito (pbcn) Data: 11/11/2013 Versão: 1.0 1.1

Leia mais

IBM Software Demos Rational Software Delivery Platform - Apresentação do cenário da demonstração

IBM Software Demos Rational Software Delivery Platform - Apresentação do cenário da demonstração As demonstrações desta seção apresentam um cenário do cotidiano de uma equipe de desenvolvimento usando o IBM Rational Software Delivery Platform. Esse é o novo nome do Rational Software Development Platform

Leia mais

Rede de Laboratórios de Produtividade de Software

Rede de Laboratórios de Produtividade de Software Rede de Laboratórios de Produtividade de Software Gerenciamento de projetos com dotproject Programa de Capacitação em Testes de Software Roteiro Introdução a gerência de projetos (slides baseados na aula

Leia mais

Retorno de Investimento em Testes. Robert Pereira Pinto robert@base2.com.br

Retorno de Investimento em Testes. Robert Pereira Pinto robert@base2.com.br Retorno de Investimento em Testes Robert Pereira Pinto robert@base2.com.br Palestrante Robert Pereira Pinto Sócio diretor da Base2 Tecnologia Mestre e Bacharel em Ciência da Computação pela UFMG Certified

Leia mais

Planejamento da disciplina: Modelagem de processos de negócio

Planejamento da disciplina: Modelagem de processos de negócio UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS / INSTITUTO DE CIÊNCIAS EXATAS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO Planejamento da disciplina: Modelagem de processos de negócio Professor: Clarindo Isaías Pereira

Leia mais

Ciência da Computação ENGENHARIA DE SOFTWARE. Recursos e Cronograma

Ciência da Computação ENGENHARIA DE SOFTWARE. Recursos e Cronograma Ciência da Computação ENGENHARIA DE SOFTWARE Recursos e Cronograma Prof. Claudinei Dias email: prof.claudinei.dias@gmail.com Roteiro Introdução; Recursos; Pessoal; Software; Hardware; Outros recursos;

Leia mais

Geração de Locks na Edição Colaborativa de Diagramas da UML

Geração de Locks na Edição Colaborativa de Diagramas da UML Geração de Locks na Edição Colaborativa de Diagramas da UML Abstract. Collaborative applications require mechanisms of control in order to make the collaboration more effective. The synchronous collaboration

Leia mais

Engenharia de Software

Engenharia de Software Engenharia de Software Introdução à Melhoria de Processos de Software baseado no MPS.BR Prof. Maxwell Anderson www.maxwellanderson.com.br Agenda Introdução MPS.BR MR-MPS Detalhando o MPS.BR nível G Introdução

Leia mais

Metodologia para Planejamento, Execução e Controle de Teste de Software. Roteiro

Metodologia para Planejamento, Execução e Controle de Teste de Software. Roteiro Metodologia para Planejamento, Execução e Controle de Teste de Software Arilo Claudio Dias Neto - acdn@cos.ufrj.br Gladys Machado P. S. Lima - gladysmp@cos.ufrj.br Guilherme Horta Travassos - ght@cos.ufrj.br

Leia mais

Pós Graduação Engenharia de Software

Pós Graduação Engenharia de Software Pós Graduação Engenharia de Software Ana Candida Natali COPPE/UFRJ Programa de Engenharia de Sistemas e Computação FAPEC / FAT Estrutura do Módulo Parte 1 QUALIDADE DE SOFTWARE PROCESSO Introdução: desenvolvimento

Leia mais

Engenharia de Software III

Engenharia de Software III Engenharia de Software III Casos de uso http://dl.dropbox.com/u/3025380/es3/aula6.pdf (flavio.ceci@unisul.br) 09/09/2010 O que são casos de uso? Um caso de uso procura documentar as ações necessárias,

Leia mais