GROUPWARE & CSCW: Conceitos Básicos

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "GROUPWARE & CSCW: Conceitos Básicos"

Transcrição

1 GROUPWARE & CSCW: Conceitos Básicos Cleidson R. B. Souza Dep. Informática Universidade Federal do Pará Roteiro Introdução Motivação Consequências Definição Outras Definições Porque Groupware é necessário Histórico Classificação de Sistemas de Groupware Conclusões Pág. 2 Motivação - Porque auxiliar o trabalho em grupo? A maior parte dos problemas atuais - incluindo desenvolvimento de software- são muito grandes e complexos. Uma única pessoa não é capaz de lidar com esta complexidade. O todo é maior que a soma das partes : Durante o processo, os colaboradores desenvolvem uma melhor compreensão do que se tivessem trabalhado sozinhos. Motivação - Porque auxiliar o trabalho em grupo? O trabalho em grupo é uma característica inerente ao ser humano. Ele também promove o aprendizado e motiva os funcionários. : Analistas de sistemas passam 70% do seu tempo trabalhando em grupo. Um americano médio gasta 60% do seu tempo em reuniões. Pág. 3 Pág. 4

2 Conseqüências Definição Mudança de atitude Pessoas precisam aprender a a trabalhar em grupos e como equipes (cooperar) Pessoas necessitam trocar informações freqüentemente (comunicação) O sucesso de uma equipe não dependerá apenas das habilidades dos indivíduos que a compõem, mas principalmente no nível de cooperação Ferramentas adequadas para apoiar o trabalho em grupo. Pág. 5 Groupware são os sistemas baseados em tecnologias de computação e telecomunicações que auxiliam grupos de usuários a exercer uma atividade. CSCW (Computer Supported Cooperative Work) é o nome da área de pesquisa que estuda o uso das tecnologias de computação e telecomunicações que auxiliam atividades de grupos de usuários. Pág. 6 Definição Groupware e CSCW são dois termos distintos que frequentemente são confundidos. No entanto, a idéia inerente a ambos é auxiliar o trabalho de grupos de usuários: Pequenos (dois usuários escrevendo um texto) ou grandes (usuários em uma eleição) e que podem ter o mesmo objetivo ou objetivos distintos, sem que um usuário conheça o outro. Definição CSCW é o contexto mais amplo onde groupware está incluído. CSCW adota métodos, técnicas e abordagens de áreas como: psicologia, antropologia (estudos etnográficos), economia, sociologia, ciência da computação, teoria das organizações, ergonomia, aspectos culturais, etc. Pág. 7 Pág. 8

3 Definição Outras Definições Groupware , editores colaborativos, workflow CSCW - metodologias para reuniões -fatores sociais que influenciam a adoção de ferramentas de groupware - análise/medida da utilização de mail Pág. 9 CSCW: Computer-assisted coordinated activity such as communication and problem solving, carried out by a group of collaborating individuals [Baecker 94] CSCW addresses "how collaborative activities and their coordination can be supported by means of computer systems. [Carstensen and Schmidt, 2002] CSCW [is] a generic term, which combines the understanding of the way people work in groups with the enabling technologies of computer networking, and associated hardware, software, services and techniques. Pág. 10 Outras Definições Definição - em resumo Groupware Computer mediated collaboration that increases the productivity or functionality of person-to-person processes. [Coleman 92] Groupware represents a paradigm shift, in which human-human rather than human-machine communications and problem solving are emphasized. [Baecker 94] "computer-based systems that support groups of people engaged in a common task (or goal) and that provide an interface to a shared environment. [Ellis, 1991] Pág. 11 Em geral, um dos fundamentais aspectos de CSCW (e groupware) é o desenvolvimento de aplicações que são realmente úteis: Como as pessoas cooperam? Como a tecnologia pode auxiliar estas pessoas? Quais as implicações da utilização desta tecnologia? Quem se beneficia da tecnologia? Como sistemas computacionais podem influenciar ou reforçar padrões de controle que já existem na organização? O modelo implícito do trabalho, das interfaces e das funcionalidades dos sistemas tem de estar de acordo com os diferentes aspectos onde o sistema computacional vai ser implementado. Pág. 12

4 Definição - em resumo : Problema clássico das agendas de Grupo na DEC; Gerente se beneficia do trabalho Sistema The Coordinator Limita o escopo das aplicações GDSS s no Japão Decisões são tomadas em outros momentos Sistema de controle de trafégo aéreo Diversas tentativas de implantar um sistema falharam Porque GW é necessário? Para tornar o trabalho em grupo mais eficiente!tempo gasto nas atividades em grupo!custo de realização das atividades em grupo Para atingir melhores resultados "QUALIDADE dos resultados Para possibilitar certos tipos de tarefas em grupo que seriam impossíveis (ou quase) de ser realizadas sem o suporte computacional Pág. 13 Pág. 14 Porque GW é necessário? Melhor Controle de Custo Produtividade Crescente Melhor serviço ao cliente Menos reuniões Automação de processos rotineiros Integração de equipes distribuídas Novos serviços que diferenciarão a organização Aumenta o conhecimento profissional Correio eletrônico Exemplo mais famoso de groupware e, provavelmente, o mais usado. Vídeo-conferência SESPA: diagnóstico a distância; Chat s Workflow desenvolvido a partir da noção de processo em sistemas de manufatura e automação de escritórios; Exemplo onde existe mais dinheiro sendo investido no momento; Pág. 15 Pág. 16

5 Ferramentas individuais adaptadas para o trabalho em grupo Editores e Planilhas Cooperativos Comentários e Revisões no Microsoft Word; Ferramentas Gráficas; Agendas de Grupo (Lotus Notes); Novas ferramentas criadas especialmente para apoio ao trabalho em grupo Reuniões eletrônicas, Vídeo-conferência, Workflow; Redes Sociais é a aplicação de groupware mais bem sucedida até agora, e dificilmente deixará de ser. pode ser usado: para trocar idéias e armazenar opiniões (brainstorm); para apoiar discussões e decisões; para reuniões assíncronas; Pág. 17 Scheduling (Agenda de Grupo Eletrônica) Objetivos permitir a marcação de compromissos coletivos de forma mais rápida e eficiente Benefícios Agendamento rápido e ótimo de compromissos coletivos Induzir a organização e melhor uso do tempo Histórico Em meados dos anos 70, existiu um grande interesse na área chamada de Automação de Escritórios (onde a maior parte do trabalho é feita em grupos). Integrar e transformar aplicações mono-usuário de forma a permitir o acesso simultâneo de um grupo. Posteriormente, percebeu-se a necessidade de realizar estudos sobre o comportamento dos grupos Desta forma, sociólogos, psicólogos, antropólogos, educadores, etc. Pág. 20

6 Histórico Nesta epóca abandonou-se automação de escritórios e surgiu a área de CSCW. Em 1986, a sigla foi CSCW publicamente lançada em um workshop. Em 1988 houve a primeira conferencia na area nos EUA e em 1989 a primeira ECSCW, a conferencia européia do tema. Classificações de Groupware Classificação Tempo x Espaço Matriz Tempo - Espaço: (linha contínua ) Mesmo tempo Tempo diferente Mesmo local interação face-a-face interação assíncrona Local diferente interação síncrona distribuída interação distribuída assíncrona Exemplo: Mesmo tempo Tempo diferente Mesmo local Tecnologia de sala de reunião Sistema de BBS Local diferente Editor de documento de tempo real Sistema de Pág. 21 Pág. 22 Outras Classificações de Groupware Área de Aplicação [Ellis, 1991] Classificação de acordo com o domínio da aplicação: Sistemas de mensagens , bulletin boards, etc; Editores multi-usuários: edição e revisão de grupo Síncronos ou assíncronos; Sistemas suporte à decisão de grupo gibis, etc. Tele-conferência Agentes Inteligentes Utilização de inteligência artificial Sistemas de coordenação: processo de software e workflow; Pág. 23 Editores/Revisores Cooperativos Objetivos Permitir que vários autores/revisores modifiquem ou troquem idéias sobre um tema no próprio documento Substitui (ou reduz) Síncrono: Reuniões Assíncrono: Troca de documentos Benefícios Menor Tempo, Qualidade

7 Sistemas de Suporte a Decisões Objetivos Apoiar a discussão sobre temas visando a tomada de decisões, documentando alternativas e prós e contras. Síncrono: Reuniões e votações Assíncrono: Consultas Benefícios Menor Tempo, Qualidade, etc. Trabalho colaborativo? Apenas trabalho colaborativo? Hoje em dia adota-se uma visão mais aberta sobre o trabalho colaborativo, i.e., aceita-se o entretenimento colaborativo (jogos, blogs, etc), religião colaborativa, visitas a museus, tagging (flickr), etc. Aprendizado colaborativo: CSCL; Pág. 26 Conclusões Área altamente promissora Grande potencial de utilização de groupware na Internet Tem o poder de revolucionar a maneira com a qual as pessoas interagem nos dias de hoje Ainda necessita de uma padronização mais bem determinada Próxima Aula Leitura do artigo do Schmidt & Bannon, 1992; [não se preocupar com seção 3.2] Pág. 27 Pág. 28

Introdução aos Sistemas Colaborativos (Groupware & CSCW)

Introdução aos Sistemas Colaborativos (Groupware & CSCW) cdesouza@ufpa.br 2 Introdução aos Sistemas Colaborativos (Groupware & CSCW) Cleidson R. B. Souza cdesouza@ufpa.br Faculdade de Computação Universidade Federal do Pará! Introdução! Definições! Mais Definições!

Leia mais

CSCW - Trabalho Cooperativo Suportado por Computador

CSCW - Trabalho Cooperativo Suportado por Computador CSCW - Trabalho Cooperativo Suportado por Computador Luís Manuel Borges Gouveia Aveiro, Janeiro de 2002 evolução dos sistemas de interacção o impacto dos computadores e a preocupação das TI foi-se desenvolvendo

Leia mais

Sistemas Colaborativos Fundamentos e Aplicações

Sistemas Colaborativos Fundamentos e Aplicações Laboratório de Engenharia de Software Departamento de Sistemas de Computação Universidade de São Paulo Sistemas Colaborativos Fundamentos e Aplicações Seiji Isotani sisotani@icmc.usp.br Contextualização

Leia mais

Sistemas Cooperativos. Professor Alan Alves Oliveira

Sistemas Cooperativos. Professor Alan Alves Oliveira Sistemas Cooperativos Professor Alan Alves Oliveira 1. Sistemas de Informação e Sistemas Cooperativos 2 Sistemas de Informação 3 Sistemas de Informação Sistemas ampamente utilizados em organizações para

Leia mais

Computer Supported Cooperative Work - CSCW

Computer Supported Cooperative Work - CSCW Computer Supported Cooperative Work - CSCW trabalho cooperativo auxiliado por computador http://www.professores.uff.br/screspo/ CSCW O termo CSCW - Computer Supported Cooperative Work, foi criado oficialmente

Leia mais

Coordinators. Agenda. Definição. Definição Exemplos Artefatos Funcionalidades. Modelo de Coordenação

Coordinators. Agenda. Definição. Definição Exemplos Artefatos Funcionalidades. Modelo de Coordenação Agenda Coordinators Cleidson R. B. Souza cdesouza@ufpa.br Dep. Informática Universidade Federal do Pará Definição Exemplos Artefatos Funcionalidades Execução Modelagem Definição Em alguns casos a cooperação

Leia mais

CAPITULO 4 A ARQUITETURA LÓGICA PARA O AMBIENTE

CAPITULO 4 A ARQUITETURA LÓGICA PARA O AMBIENTE CAPITULO 4 A ARQUITETURA LÓGICA PARA O AMBIENTE A proposta para o ambiente apresentada neste trabalho é baseada no conjunto de requisitos levantados no capítulo anterior. Este levantamento, sugere uma

Leia mais

Introdução ao Groupware e ao CSCW

Introdução ao Groupware e ao CSCW MAC0434 e MAC5798 Desenvolvimento de Sistemas Colaborativos Introdução ao Groupware e ao CSCW Marco A. Gerosa gerosa@ime.usp.br Marco A. Gerosa 1 IME / USP O que é colaboração? Classifique as seguintes

Leia mais

Groupware. Protocolos e Artefatos de Coordenação em CSCW Cleidson de Souza cdesouza@ufpa.br. Exemplos. Protocolos e Artefatos de Coordenação

Groupware. Protocolos e Artefatos de Coordenação em CSCW Cleidson de Souza cdesouza@ufpa.br. Exemplos. Protocolos e Artefatos de Coordenação Groupware Protocolos e Artefatos de Coordenação em CSCW Cleidson de Souza cdesouza@ufpa.br Tecnologia computacional para auxiliar o trabalho cooperativo Mas Como o trabalho cooperativo é executado? Como

Leia mais

O Conceito de Awareness (Percepção) em CSCW

O Conceito de Awareness (Percepção) em CSCW O Conceito de Awareness (Percepção) em CSCW Cleidson de Souza cdesouza@ufpa.br Faculdade de Computação Instituto de Ciências Exatas e Naturais Universidade Federal do Pará Leituras obrigatórias da aula

Leia mais

Sistemas Colaborativos: Conceito, Característicasdes e Funcionalidades

Sistemas Colaborativos: Conceito, Característicasdes e Funcionalidades Sistemas Colaborativos: Conceito, Característicasdes e Funcionalidades Carla Oliveira (e-mail) é formada pela FATEC - Faculdade de Tecnologia de São Paulo, no curso de Automação de Escritórios e Secretariado.

Leia mais

Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul Faculdade de Informática / Campus Global

Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul Faculdade de Informática / Campus Global Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul Faculdade de Informática / Campus Global Sistema de Aproveitamento de Disciplinas da Faculdade de Informática da PUCRS: uma sistemática de gerência

Leia mais

Sistemas Cooperativos

Sistemas Cooperativos Comércio Eletrônico e Sistemas Cooperativos Sistemas Cooperativos Prof. Hélio de Sousa Lima Filho helio.slfilho@hotmail.com 1. Definição Sistemas mais dinâmicos Exige maior interação entre os usuários

Leia mais

Sistemas e Sistemas de Informação

Sistemas e Sistemas de Informação Sistemas e Sistemas de Informação 1) Defina pensamento sistêmico. É pensar na empresa como um sistema. A empresa não é vista como um conjunto de partes independentes, buscando alcançar objetivos isolados,

Leia mais

2 Trabalho e Aprendizado em Grupo

2 Trabalho e Aprendizado em Grupo 2 Trabalho e Aprendizado em Grupo Uma crescente parte do trabalho das empresas e instituições não é mais realizada individualmente, com uma pessoa trabalhando sozinha até completar as tarefas. O trabalho

Leia mais

Groupware. Protocolos e Artefatos de Coordenação. Mecanismo de Coordenação. Cleidson de Souza cdesouza@ufpa.br. Artefatos.

Groupware. Protocolos e Artefatos de Coordenação. Mecanismo de Coordenação. Cleidson de Souza cdesouza@ufpa.br. Artefatos. Groupware Tecnologia computacional para auxiliar o trabalho cooperativo Mas Como o trabalho cooperativo é executado? Como as pessoas trabalham em conjunto? Como a tecnologia existente facilita (ou dificulta)

Leia mais

Trabalho colaborativo: uma abordagem inicial

Trabalho colaborativo: uma abordagem inicial Trabalho colaborativo: uma abordagem inicial Graciela M. L. Martins Jean Carlo Faustino Centro de Competência em Aplicações (CCA) Outubro de 2005 RNP/PAL/0290 Trabalho 2005 colaborativo: RNP uma abordagem

Leia mais

Laudon & Laudon Essentials of MIS, 5th Edition. Pg. 1.1

Laudon & Laudon Essentials of MIS, 5th Edition. Pg. 1.1 Laudon & Laudon Essentials of MIS, 5th Edition. Pg. 1.1 SISTEMA DE APOIO À DECISÃO Grupo: Denilson Neves Diego Antônio Nelson Santiago Sabrina Dantas CONCEITO É UM SISTEMA QUE AUXILIA O PROCESSO DE DECISÃO

Leia mais

Módulo II - Aula 3 Comunicação

Módulo II - Aula 3 Comunicação Módulo II - Aula 3 Comunicação O surgimento da comunicação entre as pessoas por meio de computadores só foi possível após o surgimento das Redes de Computadores. Na aula anterior você aprendeu sobre a

Leia mais

Sistemas Distribuídos: Conceitos e Projeto Caracterização de Sistemas Distribuídos

Sistemas Distribuídos: Conceitos e Projeto Caracterização de Sistemas Distribuídos Sistemas Distribuídos: Conceitos e Projeto Caracterização de Sistemas Distribuídos Francisco José da Silva e Silva Laboratório de Sistemas Distribuídos (LSD) Departamento de Informática / UFMA http://www.lsd.deinf.ufma.br

Leia mais

Interface Usuário Máquina. Aula 06

Interface Usuário Máquina. Aula 06 Interface Usuário Máquina Aula 06 Conteúdo Qualidade do Design Acessibilidade Comunicabilidade Usabilidade Experiência do Usuário Usabilidade em Sistemas Computacionais Usabilidade O que você entende por

Leia mais

Uma Arquitetura Genérica para Aplicações Colaborativas

Uma Arquitetura Genérica para Aplicações Colaborativas P FACULDADE DE INFORMÁTICA PUCRS - Brazil http://www.inf.pucrs.br ut Facin Uma Arquitetura Genérica para Aplicações Colaborativas I. Moraes e A. Zorzo TECHNICAL REPORT SERIES Number 006 August, 2000 Contact:

Leia mais

Análise e Projeto de. Aula 01. Profa Cristiane Koehler cristiane.koehler@canoas.ifrs.edu.br

Análise e Projeto de. Aula 01. Profa Cristiane Koehler cristiane.koehler@canoas.ifrs.edu.br Análise e Projeto de Sistemas I Aula 01 Profa Cristiane Koehler cristiane.koehler@canoas.ifrs.edu.br Análise e Projeto de Sistemas I Horário das Aulas: 2as feiras das 10h10 às 11h40 e 5as feiras das 08h25

Leia mais

Sistemas Colaborativos

Sistemas Colaborativos glb Sistemas Colaborativos 2013-2 Sistemas Colaborativos 1 Surgimento dos Sistemas Colaborativos e o gerenciamento de equipes distribuídas. Taxonomia, classificação dos SC de acordo com o local das interações

Leia mais

Ferramenta Colaborativa para Groupware

Ferramenta Colaborativa para Groupware Ferramenta Colaborativa para Groupware Rodolpho Brock UFSC Universidade Federal de Santa Catarina INE Deparrtamento de Informática e Estatística Curso de Graduação em Sistema de Informação rbrock@inf.ufsc.br

Leia mais

Coleção de computadores autônomos interconectados por uma rede, com software projetado para produzir uma aplicação integrada

Coleção de computadores autônomos interconectados por uma rede, com software projetado para produzir uma aplicação integrada Um Sistema Distribuído definido por Tanenbaum é uma coleção de computadores independentes que se apresenta ao usuário como um sistema único e consistente; outra definição, de Coulouris, seria uma coleção

Leia mais

GESTÃO DO CONHECIMENTO EM EMPRESAS ATRAVÉS DE SISTEMAS COLABORATIVOS (GROUPWARE)

GESTÃO DO CONHECIMENTO EM EMPRESAS ATRAVÉS DE SISTEMAS COLABORATIVOS (GROUPWARE) GESTÃO DO CONHECIMENTO EM EMPRESAS ATRAVÉS DE SISTEMAS COLABORATIVOS (GROUPWARE) Denysson Axel Ribeiro Mota Mestrando PPGCI/UFPB André Anderson Cavalcante Felipe Mestrando PPGCI/UFPB RESUMO Apresenta o

Leia mais

Sistemas de Informação

Sistemas de Informação Capítulo 7: Sistemas de Informação Colaborativos 7-1 Sistemas de Informação e as decisões gerenciais na era da Internet James A. O'Brien Saraiva S/A Livreiros Editores, 2001 Editora Saraiva The McGraw-Hill

Leia mais

Engenharia de Software Introdução. Ricardo Argenton Ramos UNIVASF Engenharia de Software I - Aula 1

Engenharia de Software Introdução. Ricardo Argenton Ramos UNIVASF Engenharia de Software I - Aula 1 Engenharia de Software Introdução Ricardo Argenton Ramos UNIVASF Engenharia de Software I - Aula 1 Tópicos Apresentação da Disciplina A importância do Software Software Aplicações de Software Paradigmas

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO - SI

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO - SI SISTEMAS DE INFORMAÇÃO - SI Elaborado e adaptado por: Prof.Mestra Rosimeire Ayres Sistemas Colaborativos Empresariais (ECS) Os sistemas colaborativos nas empresas nos oferecem ferramentas para nos ajudar

Leia mais

I Workhop Brasileiro de Tecnologias para Colaboração WCSCW

I Workhop Brasileiro de Tecnologias para Colaboração WCSCW I Workhop Brasileiro de Tecnologias para Colaboração WCSCW Realização: 13 e 14 de outubro em conjunto com o WebMídia-LA Web 2004 Ribeirão Preto - SP Organização do Workshop: Alberto Raposo PUC-Rio Flávia

Leia mais

Administração de Sistemas de Informação I

Administração de Sistemas de Informação I Administração de Sistemas de Informação I Prof. Farinha Aula 04 Conceito Sistema de Informação é uma série de elementos ou componentes inter-relacionados que coletam (entrada), manipulam e armazenam (processo),

Leia mais

Análise e Projeto de Sistemas. Engenharia de Software. Análise e Projeto de Sistemas. Contextualização. Perspectiva Histórica. A Evolução do Software

Análise e Projeto de Sistemas. Engenharia de Software. Análise e Projeto de Sistemas. Contextualização. Perspectiva Histórica. A Evolução do Software Análise e Projeto de Sistemas Análise e Projeto de Sistemas Contextualização ENGENHARIA DE SOFTWARE ANÁLISE E PROJETO DE SISTEMAS ENGENHARIA DA INFORMAÇÃO Perspectiva Histórica Engenharia de Software 1940:

Leia mais

Introdução ao Modelos de Duas Camadas Cliente Servidor

Introdução ao Modelos de Duas Camadas Cliente Servidor Introdução ao Modelos de Duas Camadas Cliente Servidor Desenvolvimento de Sistemas Cliente Servidor Prof. Esp. MBA Heuber G. F. Lima Aula 1 Ciclo de Vida Clássico Aonde estamos? Page 2 Análise O que fizemos

Leia mais

Sistemas Distribuídos

Sistemas Distribuídos 1 de 9 Sistemas Distribuídos O que é um sistema distribuído? Um conjunto de computadores autonomos a) interligados por rede b) usando um software para produzir uma facilidade de computação integrada. Qual

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 10 PROFª BRUNO CALEGARO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 10 PROFª BRUNO CALEGARO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 10 PROFª BRUNO CALEGARO Santa Maria, 10 de Outubro de 2013. Revisão aula anterior Documento de Requisitos Estrutura Padrões Template Descoberta

Leia mais

O Processo de Desenvolvimento de Software. Engenharia de Software

O Processo de Desenvolvimento de Software. Engenharia de Software O Processo de Desenvolvimento de Software Engenharia de Software 1 Sumário: Software Definição, características e aplicações; Evolução; Crise do Software Problemas e causas; Mitos do Software. Paradigmas

Leia mais

Engenharia de Software Introdução. Ricardo Argenton Ramos UNIVASF Engenharia de Software I - Aula 1

Engenharia de Software Introdução. Ricardo Argenton Ramos UNIVASF Engenharia de Software I - Aula 1 Engenharia de Software Introdução Ricardo Argenton Ramos UNIVASF Engenharia de Software I - Aula 1 Tópicos Apresentação da Disciplina A importância do Software Software Aplicações de Software Paradigmas

Leia mais

Componentes de Software e Criatividade no Desenvolvimento de Sistemas Colaborativos. Marco Aurélio Gerosa gerosa@ime.usp.br

Componentes de Software e Criatividade no Desenvolvimento de Sistemas Colaborativos. Marco Aurélio Gerosa gerosa@ime.usp.br Componentes de Software e Criatividade no Desenvolvimento de Sistemas Colaborativos Marco Aurélio Gerosa gerosa@ime.usp.br Marco A. Gerosa Palestra IC/UNICAMP Sumário Sistemas colaborativos Desenvolvimento

Leia mais

Sistemas de Informações Gerenciais

Sistemas de Informações Gerenciais Sistemas de Informações Gerenciais Aula 4 Sistema de Informação SI baseado em computadores Organização, administração e estratégia Professora: Cintia Caetano INTRODUÇÃO Sistemas de Informação são parte

Leia mais

TABULÆ, UM PROGRAMA DE GEOMETRIA DINÂMICA DESTINADO À APRENDIZAGEM COLABORATIVA

TABULÆ, UM PROGRAMA DE GEOMETRIA DINÂMICA DESTINADO À APRENDIZAGEM COLABORATIVA TABULÆ, UM PROGRAMA DE GEOMETRIA DINÂMICA DESTINADO À APRENDIZAGEM COLABORATIVA Rafael Garcia Barbastefano CEFET/RJ rgb@cefet-rj.br Francisco Mattos Colégio Pedro II Colégio de Aplicação da UERJ franciscorpm@ig.com.br

Leia mais

Módulo 6: Inteligência Artificial

Módulo 6: Inteligência Artificial Módulo 6: Inteligência Artificial Assuntos: 6.1. Aplicações da IA 6.2. Sistemas Especialistas 6.1. Aplicações da Inteligência Artificial As organizações estão ampliando significativamente suas tentativas

Leia mais

Universidade de Brasília Departamento de Ciência da Informação e Documentação Profa.:Lillian Alvares

Universidade de Brasília Departamento de Ciência da Informação e Documentação Profa.:Lillian Alvares Universidade de Brasília Departamento de Ciência da Informação e Documentação Profa.:Lillian Alvares Comunidades de Prática Grupos informais e interdisciplinares de pessoas unidas em torno de um interesse

Leia mais

CAPACITAÇÃO DE PROFESSORES PARA USO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO NO AMBIENTE ESCOLAR DA REDE PÚBLICA

CAPACITAÇÃO DE PROFESSORES PARA USO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO NO AMBIENTE ESCOLAR DA REDE PÚBLICA IV Congresso RIBIE, Brasilia 1998 CAPACITAÇÃO DE PROFESSORES PARA USO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO NO AMBIENTE ESCOLAR DA REDE PÚBLICA Cristina Vermelho, Glaucia da Silva Brito, Ivonélia da Purificação

Leia mais

CURSOS OFERECIDOS. seus objetivos e metas. E também seus elementos fundamentais de Administração, como: PLANEJAMENTO, ORGANIZAÇÃO E CONTROLE.

CURSOS OFERECIDOS. seus objetivos e metas. E também seus elementos fundamentais de Administração, como: PLANEJAMENTO, ORGANIZAÇÃO E CONTROLE. CURSOS OFERECIDOS Access 2007 Aproximadamente 20 horas O aluno aprenderá criar Banco de Dados de forma inteligente, trabalhar com estoques, número de funcionários, clientes etc. Conhecerá ferramentas aprimoradas

Leia mais

Sistemas Distribuídos. Introdução. Edeyson Andrade Gomes. www.edeyson.com.br

Sistemas Distribuídos. Introdução. Edeyson Andrade Gomes. www.edeyson.com.br Sistemas Distribuídos Introdução Edeyson Andrade Gomes www.edeyson.com.br Agenda Definição de Sistemas Distribuídos Evolução Histórica Exemplos Comparação com Sistemas Centralizados Conclusão 2 Definição

Leia mais

Editor de Textos Colaborativo Integrado ao Teleduc

Editor de Textos Colaborativo Integrado ao Teleduc Editor de Textos Colaborativo Integrado ao Teleduc José Alcir de Almeida Simões alcirsimoes@yahoo.com.br Vanessa Lindemann vanessal@ulbra.br Sistemas de Informação ULBRA Cachoeira do Sul Resumo. O trabalho

Leia mais

Tipos de Sistemas de Informação Aula 02 FTC FACULDADE DE TECNOLOGIA E CIÊNCIAS ADMINISTRAÇÃO IV SEMESTRE

Tipos de Sistemas de Informação Aula 02 FTC FACULDADE DE TECNOLOGIA E CIÊNCIAS ADMINISTRAÇÃO IV SEMESTRE Tipos de Sistemas de Informação Aula 02 FTC FACULDADE DE TECNOLOGIA E CIÊNCIAS ADMINISTRAÇÃO IV SEMESTRE Sistemas de informação Manual técnicas de arquivamento e recuperação de informações de grandes arquivos.

Leia mais

FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE Rafael D. Ribeiro, M.Sc,PMP. rafaeldiasribeiro@gmail.com http://www.rafaeldiasribeiro.com.br Princípios da Teoria de Sistemas 1 Grupos diferentes dentro de uma organização necessitam

Leia mais

ANÁLISE DOS PROBLEMAS DE COMUNICAÇÃO EM PROJETOS DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE

ANÁLISE DOS PROBLEMAS DE COMUNICAÇÃO EM PROJETOS DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE ! "#$ " %'&)(*&)+,.- /10.2*&4365879&4/1:.+58;.2*=?5.@A2*3B;.- C)D 5.,.5FE)5.G.+ &4- (IHJ&?,.+ /?=)5.KA:.+5MLN&OHJ5F&4E)2*EOHJ&)(IHJ/)G.- D - ;./);.& ANÁLISE DOS PROBLEMAS DE COMUNICAÇÃO EM PROJETOS

Leia mais

Inteligência Artificial

Inteligência Artificial Inteligência Artificial As organizações estão ampliando significativamente suas tentativas para auxiliar a inteligência e a produtividade de seus trabalhadores do conhecimento com ferramentas e técnicas

Leia mais

Plano Estratégico de Tecnologia de Informação - PETI

Plano Estratégico de Tecnologia de Informação - PETI Plano Estratégico de Tecnologia de Informação - PETI Hercio M. Ferraro Neto Pós-Graduando em Adm. De Sistemas de Informação Neste artigo iremos tratar de uma ferramenta da administração de sistemas de

Leia mais

Usando a modelagem colaborativa no aprendizado da UML

Usando a modelagem colaborativa no aprendizado da UML Usando a modelagem colaborativa no aprendizado da UML Mauro C. Pichiliani 1, Celso M. Hirata 1 1 Divisão de Ciência da Computação Instituto Tecnológico de Aeronáutica (ITA) Caixa Postal 12.228-900 - São

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA Faculdade de Computação Curso de Introdução à Informática Prof: Anilton Joaquim da Silva / Ezequiel Roberto Zorzal

UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA Faculdade de Computação Curso de Introdução à Informática Prof: Anilton Joaquim da Silva / Ezequiel Roberto Zorzal UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA Faculdade de Computação Curso de Introdução à Informática Prof: Anilton Joaquim da Silva / Ezequiel Roberto Zorzal AULA Informática: Aplicações e Benefícios Advocacia

Leia mais

O uso de groupware como ferramenta de auxílio às aulas presenciais no curso de administração e ciências contábeis

O uso de groupware como ferramenta de auxílio às aulas presenciais no curso de administração e ciências contábeis RESUMO O uso de groupware como ferramenta de auxílio às aulas presenciais no curso de administração e ciências contábeis Este trabalho apresenta um estudo exploratório, realizado no centro de ciências

Leia mais

Sistemas de Informações. Daniel Gondim

Sistemas de Informações. Daniel Gondim Sistemas de Informações Daniel Gondim Roteiro da Aula SPT Sistema de Processamento de Transações Visão geral; métodos e objetivos Atividades no processamento de transações Controle de Administração Aplicações

Leia mais

SISTEMAS INTELIGENTES DE APOIO À DECISÃO

SISTEMAS INTELIGENTES DE APOIO À DECISÃO SISTEMAS INTELIGENTES DE APOIO À DECISÃO As organizações estão ampliando significativamente suas tentativas para auxiliar a inteligência e a produtividade de seus trabalhadores do conhecimento com ferramentas

Leia mais

Unidade IV SISTEMAS DE INFORMAÇÃO. Prof. Daniel Arthur Gennari Junior

Unidade IV SISTEMAS DE INFORMAÇÃO. Prof. Daniel Arthur Gennari Junior Unidade IV SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Prof. Daniel Arthur Gennari Junior Sobre esta aula Sistema de informação nos negócios Sistemas de informação no apoio ao processo de tomada de decisão Sistemas colaborativos

Leia mais

Ferramentas de informações e comunicações e as interações possíveis Tecnologias populares para uma Educação à Distância mais Popular.

Ferramentas de informações e comunicações e as interações possíveis Tecnologias populares para uma Educação à Distância mais Popular. Trabalha de Conclusão do Curso Educação a Distância : Um Novo Olhar Para a Educação - Formação de Professores/Tutores em EaD pelo Portal Somática Educar Ferramentas de informações e comunicações e as interações

Leia mais

Nome: Login: CA: Cidade: UF CARTÃO RESPOSTA QUESTÃO RESPOSTA QUESTÃO RESPOSTA

Nome: Login: CA: Cidade: UF CARTÃO RESPOSTA QUESTÃO RESPOSTA QUESTÃO RESPOSTA ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS TURMA 2008 3º PERÍODO - 6º MÓDULO AVALIAÇÃO A3 DATA 09/07/2009 SISTEMAS EMPRESARIAIS Dados de identificação do Acadêmico: Nome: Login: CA: Cidade: UF CARTÃO RESPOSTA

Leia mais

FURB - Universidade Regional de Blumenau TCC - Trabalho de Conclusão de Curso Acadêmico: Fernando Antonio de Lima Orientador: Oscar Dalfovo

FURB - Universidade Regional de Blumenau TCC - Trabalho de Conclusão de Curso Acadêmico: Fernando Antonio de Lima Orientador: Oscar Dalfovo FURB - Universidade Regional de Blumenau TCC - Trabalho de Conclusão de Curso Acadêmico: Fernando Antonio de Lima Orientador: Oscar Dalfovo Roteiro Introdução Sistemas de Informação - SI Executive Information

Leia mais

Integração de Ferramentas de Apoio a Processos Outubro 2010 GUSTAVO VAZ NASCIMENTO

Integração de Ferramentas de Apoio a Processos Outubro 2010 GUSTAVO VAZ NASCIMENTO Integração de Ferramentas de Apoio a Processos Outubro 2010 GUSTAVO VAZ NASCIMENTO AGENDA AGENDA 1. Sobre a Shift 2. Integração de ferramentas de apoio 1. SCMBug Integração entre SCM Tools e ferramentas

Leia mais

Sistemas Colaborativos Simulado

Sistemas Colaborativos Simulado Verdadeiro ou Falso Sistemas Colaborativos Simulado 1. Todos os tipos de organizações estão se unindo a empresas de tecnologia na implementação de uma ampla classe de usos de redes intranet. Algumas das

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO DE PESSOAS SEBRAE/TO UNIDADE: GESTÃO ESTRATÉGICA PROCESSO: TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

SISTEMA DE GESTÃO DE PESSOAS SEBRAE/TO UNIDADE: GESTÃO ESTRATÉGICA PROCESSO: TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO SISTEMA DE GESTÃO DE PESSOAS SEBRAE/TO UNIDADE: GESTÃO ESTRATÉGICA PROCESSO: TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Competências Analista 1. Administração de recursos de infra-estrutura de tecnologia da informação 2.

Leia mais

Sociedade da Informação

Sociedade da Informação Sociedade da Revolução Tecnológica Revolução industrial: ampliação dos músculos m dos homens em forma de equipamentos Mecanização ão. Responsável por mudanças as nas formas de produção existentes Revolução

Leia mais

Fundamentos de Sistemas de Informações: Exercício 1

Fundamentos de Sistemas de Informações: Exercício 1 Fundamentos de Sistemas de Informações: Exercício 1 Fundação Getúlio Vargas Estudantes na Escola de Administração da FGV utilizam seu laboratório de informática, onde os microcomputadores estão em rede

Leia mais

Conceitos. - Sistema de Informação, Estruturas e Classificação. - Dados x Informações. Edson Almeida Junior www.edsonalmeidajunior.com.

Conceitos. - Sistema de Informação, Estruturas e Classificação. - Dados x Informações. Edson Almeida Junior www.edsonalmeidajunior.com. Conceitos - Sistema de Informação, Estruturas e Classificação - Dados x Informações Edson Almeida Junior www.edsonalmeidajunior.com.br Definição de Sistema Uma coleção de objetos unidos por alguma forma

Leia mais

Seu dia é mais inteligente

Seu dia é mais inteligente Seu dia é mais inteligente O 2007 Microsoft Office system é uma plataforma de soluções inteligentes para tarefas operacionais, estratégicas e organizacionais. O conjunto de aplicativos e servidores e a

Leia mais

Tópicos. Engenharia de Software: Uma Visão Geral

Tópicos. Engenharia de Software: Uma Visão Geral Tópicos 2 3 Engenharia de Software: Uma Visão Geral SCE 186 - Engenharia de Software Profs. José Carlos Maldonado e Elisa Yumi Nakagawa 2 o semestre de 2002 A importância do Software Software Aplicações

Leia mais

Fundamentos do uso de tecnologia da informação F U P A C V R B P R O F. C H R I S T I E N L. R A C H I D

Fundamentos do uso de tecnologia da informação F U P A C V R B P R O F. C H R I S T I E N L. R A C H I D Fundamentos do uso de tecnologia da informação O USO CONSCIENTE DA TECNOLOGIA PARA O GERENCIAMENTO F U P A C V R B P R O F. C H R I S T I E N L. R A C H I D Organização 1. Vínculo Administração-Tecnologia

Leia mais

Introdução à Computação

Introdução à Computação Aspectos Importantes - Desenvolvimento de Software Motivação A economia de todos países dependem do uso de software. Cada vez mais, o controle dos processos tem sido feito por software. Atualmente, os

Leia mais

FACULDADE ZACARIAS DE GÓES

FACULDADE ZACARIAS DE GÓES FACULDADE ZACARIAS DE GÓES DIEGO DE JESUS BONFIM EDUCAÇÃO ONLINE Valença Bahia Dezembro 2011 DIEGO DE JESUS BONFIM EDUCAÇÃO ONLINE Resenha a ser apresentada como avaliação da disciplina EAD em Ambiente

Leia mais

Inteligência Empresarial. BI Business Intelligence. Business Intelligence 22/2/2011. Prof. Luiz A. Nascimento

Inteligência Empresarial. BI Business Intelligence. Business Intelligence 22/2/2011. Prof. Luiz A. Nascimento Inteligência Empresarial Prof. Luiz A. Nascimento BI Pode-se traduzir informalmente Business Intelligence como o uso de sistemas inteligentes em negócios. É uma forma de agregar a inteligência humana à

Leia mais

Gerenciamento de Redes

Gerenciamento de Redes Gerenciamento de Redes As redes de computadores atuais são compostas por uma grande variedade de dispositivos que devem se comunicar e compartilhar recursos. Na maioria dos casos, a eficiência dos serviços

Leia mais

AUTOMAÇÃO ESCRITÓRIOS

AUTOMAÇÃO ESCRITÓRIOS AUTOMAÇÃO DE ESCRITÓRIOS PESSOAS, WORKFLOWS,... AUTOMAÇÃO ESCRITÓRIOS Pode-se perceber mudanças no ambiente empresarial, no que concerne às tarefas básicas de um escritório. Algumas habilidades estão se

Leia mais

Laudon K., Laudon J., Sistemas de Informações gerencias, editora Pearson, 2010. Laudon K., Laudon J., Sistemas de Informação, editora LTC, 1999

Laudon K., Laudon J., Sistemas de Informações gerencias, editora Pearson, 2010. Laudon K., Laudon J., Sistemas de Informação, editora LTC, 1999 FSI capítulo 2 Referências bibliográficas: Laudon K., Laudon J., Sistemas de Informações gerencias, editora Pearson, 2010 Laudon K., Laudon J., Sistemas de Informação, editora LTC, 1999 Porter M., Competitive

Leia mais

Curso de Engenharia Formação Geral 1º e 2º anos

Curso de Engenharia Formação Geral 1º e 2º anos Curso de Engenharia Formação Geral 1º e 2º anos DISCIPLINA 1º Bimestre Introdução à Engenharia 40 Informática 40 Matemática 80 Produção de Textos 40 2º Bimestre Cálculo I 80 Física I 80 Inglês 20 Metodologia

Leia mais

Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software

Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE Curso Técnico em Informática ENGENHARIA DE SOFTWARE Prof.: Clayton Maciel Costa clayton.maciel@ifrn.edu.br Clayton Maciel Costa

Leia mais

Curso de Engenharia. Formação Geral 1º e 2º anos

Curso de Engenharia. Formação Geral 1º e 2º anos Curso de Engenharia Formação Geral 1º e 2º anos DISCIPLINA 1º Bimestre Introdução à Engenharia Informática Matemática Produção de Textos 2º Bimestre Cálculo I Física I Inglês Metodologia Científica 3º

Leia mais

Parte II Introdução à Informática. O Computador e o Software

Parte II Introdução à Informática. O Computador e o Software Parte II Introdução à Informática O Computador e o Software Apresentação Microsoft Maior casa de software do mundo www.microsoft.com Definição e classificação do software Custo de um sistema de computador

Leia mais

Capítulo 10 Emulando a Conversação e Trabalho Face-a-Face

Capítulo 10 Emulando a Conversação e Trabalho Face-a-Face Capítulo 10 Emulando a Conversação e Trabalho Face-a-Face Prof. Roberto Willrich 14:48 Emulando a Comunicação e Trabalho F-a-F Objetivo do Capítulo Apresentar algumas aplicações multimídia que permitem

Leia mais

Online Collaborative Learning Design

Online Collaborative Learning Design "Online Collaborative Learning Design" Course to be offered by Charlotte N. Lani Gunawardena, Ph.D. Regents Professor University of New Mexico, Albuquerque, New Mexico, USA July 7- August 14, 2014 Course

Leia mais

Convergência tecnológica em sistemas de informação

Convergência tecnológica em sistemas de informação OUT. NOV. DEZ. l 2006 l ANO XII, Nº 47 l 333-338 INTEGRAÇÃO 333 Convergência tecnológica em sistemas de informação ANA PAULA GONÇALVES SERRA* Resumo l Atualmente vivemos em uma sociedade na qual o foco

Leia mais

Um modelo para gerenciar a comunicação em um ambiente distribuído de desenvolvimento de software

Um modelo para gerenciar a comunicação em um ambiente distribuído de desenvolvimento de software Um modelo para gerenciar a comunicação em um ambiente distribuído de desenvolvimento de software Daniela de Freitas Guilhermino 1 2 danielaf@ffalm.br Tania Fatima Calvi Tait 1 tait@din.uem.br Elisa Hatsue

Leia mais

WORKFLOW. Mapeamento de Processos de Negócio 26/11/2009. Tadeu Cruz, Prof. M.Sc. TODOS OS DIREITOS RESERVADOS

WORKFLOW. Mapeamento de Processos de Negócio 26/11/2009. Tadeu Cruz, Prof. M.Sc. TODOS OS DIREITOS RESERVADOS WORKFLOW Mapeamento de Processos de Negócio Tadeu Cruz, Prof. M.Sc. TODOS OS DIREITOS RESERVADOS É proibido a reprodução total ou parcial de qualquer forma ou por qualquer meio sem a expressa autorização

Leia mais

Engenharia de Software

Engenharia de Software CENTRO UNIVERSITÁRIO NOVE DE JULHO Profº. Edson T. França edson.franca@uninove.br Software Sistemas Conjunto de elementos, entre os quais haja alguma relação Disposição das partes ou dos elementos de um

Leia mais

21/03/2012. WorkFlow. Gestão Eletrônica de Documentos. Workflow HISTÓRICO

21/03/2012. WorkFlow. Gestão Eletrônica de Documentos. Workflow HISTÓRICO WorkFlow Gestão Eletrônica de Documentos Workflow HISTÓRICO 1 CSCW - Computer-supported CooperativeWork trabalho cooperativo auxiliado por computador Estudo dos conceitos que definem e desenvolvem o trabalho

Leia mais

FATORES DE INFLUÊNCIA EM ATIVIDADES COLABORATIVAS. Marcos Augusto F. Borges. M. Cecília C. Baranauskas

FATORES DE INFLUÊNCIA EM ATIVIDADES COLABORATIVAS. Marcos Augusto F. Borges. M. Cecília C. Baranauskas FATORES DE INFLUÊNCIA EM ATIVIDADES COLABORATIVAS Marcos Augusto F. Borges Instituto de Computação - Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) Brasil marcosborges@ig.com.br M. Cecília C. Baranauskas

Leia mais

Sistemas de Apoio à Decisão - SAD (Sistema de Suporte à Decisão-SSD)

Sistemas de Apoio à Decisão - SAD (Sistema de Suporte à Decisão-SSD) Faculdade de Ciências Sociais e Tecnológicas FACITEC Bacharelado em Sistemas de Informação BSI 2B Disciplina: Fundamentos de Sistemas de Informação Professor: Paulo de Tarso Sistemas de Apoio à Decisão

Leia mais

Sistemas de Informações Gerenciais

Sistemas de Informações Gerenciais Sistemas de Informações Gerenciais Intranets, Extranets e a Internet Uma intranet Sites é uma na rede Internet interna a uma organização que utiliza tecnologias da Internet para fornecer um ambiente do

Leia mais

O papel da Economia Digital na Dinamização do Interior. Carlos J. Costa carlos.costa@iscte.pt http://carlosjcosta.wordpress.com

O papel da Economia Digital na Dinamização do Interior. Carlos J. Costa carlos.costa@iscte.pt http://carlosjcosta.wordpress.com O papel da Economia Digital na Dinamização do Interior Carlos J. Costa carlos.costa@iscte.pt http://carlosjcosta.wordpress.com Índice Economia Digital Economia Digital Impactos Economia Open Source - Impactos

Leia mais

Respostas da Lista de Exercícios do Módulo 1: Fundamentos dos SI. Resposta do Exercício 1

Respostas da Lista de Exercícios do Módulo 1: Fundamentos dos SI. Resposta do Exercício 1 Respostas da Lista de Exercícios do Módulo 1: Fundamentos dos SI Resposta do Exercício 1 Fundação Getúlio Vargas Leia o texto e responda o seguinte: a) identifique os recursos de: Hardware: microcomputadores,

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N 72/2009 Aprova o Projeto Político-Pedagógico do Curso de Sistemas de Informação, modalidade

Leia mais

EVER SANTORO www.eversantoro.com.br DOCENCIA > UNIP

EVER SANTORO www.eversantoro.com.br DOCENCIA > UNIP GESTÃO DAS INFORMAÇÕES EVER SANTORO www.eversantoro.com.br DOCENCIA > UNIP CONTEÚDO PROGRAMÁTICO PROGRAMAÇÃO EXPOSIÇÃO DA DISCIPLINA Cultura da informação Informação estratégica Conceito ampliado de informação

Leia mais

Novas Tecnologias para Construção do Prontuário Eletrônico do Paciente

Novas Tecnologias para Construção do Prontuário Eletrônico do Paciente Novas Tecnologias para Construção do Prontuário Eletrônico do Paciente Fabiane Bizinella Nardon 1, Sérgio Furuie 2, Umberto Tachinardi 3 Instituto do Coração do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO DO ESCOPO DE SISTEMA DE SOFTWARE A PARTIR DA UTILIZAÇÃO DA ENGENHARIA DE REQUISITOS

ESPECIFICAÇÃO DO ESCOPO DE SISTEMA DE SOFTWARE A PARTIR DA UTILIZAÇÃO DA ENGENHARIA DE REQUISITOS ESPECIFICAÇÃO DO ESCOPO DE SISTEMA DE SOFTWARE A PARTIR DA UTILIZAÇÃO DA ENGENHARIA DE REQUISITOS Rosiane da Silva Biscaia Discente do curso Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Faculdades

Leia mais

Introdução: Conceitos de Processamento de Dados. Curso Técnico em Informática Eduardo Amaral

Introdução: Conceitos de Processamento de Dados. Curso Técnico em Informática Eduardo Amaral Introdução: Conceitos de Processamento de Dados Curso Técnico em Informática Eduardo Amaral Sociedade agrícola Sociedade industrial Tempos Modernos satiriza a vida industrial: Carlitos é um operário de

Leia mais

Tecnologias e Sistemas de Informação

Tecnologias e Sistemas de Informação Universidade Federal do Vale do São Francisco Curso de Administração Tecnologia e Sistemas de Informação - 02 Prof. Jorge Cavalcanti jorge.cavalcanti@univasf.edu.br www.univasf.edu.br/~jorge.cavalcanti

Leia mais

Política de Uso e Segurança dos Recursos de TI

Política de Uso e Segurança dos Recursos de TI 1 Política de Uso e Segurança dos Recursos de TI Conceitos Desenvolvimento da Informática no Brasil Por que ter segurança? Principais Vulnerabilidades Principais Ameaças às Informações Exemplos de Problemas

Leia mais