CONDUTAS VEDADAS. José Carlos Macruz Ligia Marquez Simões

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CONDUTAS VEDADAS. José Carlos Macruz Ligia Marquez Simões"

Transcrição

1

2 CONDUTAS VEDADAS José Carlos Macruz Ligia Marquez Simões

3 NORMAS PROIBITIVAS: OBJETIVO Visam proteger e tornar eficaz o princípio da igualdade entre partidos políticos, coligações e candidatos

4 A QUEM SE DESTINAM? Aos agentes públicos: quem exerce, ainda que transitoriamente ou sem remuneração, por eleição, nomeação, designação, contratação ou qualquer outra forma de investidura ou vínculo, mandato, cargo, emprego ou função nos órgãos ou entidades da administração pública direta, indireta, ou fundacional. * Atingem também candidatos, partidos políticos e coligações beneficiados

5 CONFIGURAÇÃO: basta a mera prática do ato proibido (presunção legal) APLICAÇÃO DAS SANÇÕES: observância dos critérios da proporcionalidade e razoabilidade TSE: AgR Resp 27896/09 e RO 2232/09 PEÇA PROCESSUAL: Representação (art. 96), proposta até a data da diplomação (art. 73, 12)

6 QUEM PODE PROPOR? candidato partido político coligação Ministério Público ONDE PROPOR? TRE: eleições federais, estaduais e distritais TSE: eleições presidenciais

7 USO DE BENS PÚBLICOS BENS, MATERIAIS E SERVIÇOS cessão ou uso de bens móveis ou imóveis da Administração Pública por partidos políticos, coligações ou candidatos, salvo: realização de convenção partidária uso de residência oficial para contatos, encontros e reuniões para a campanha (sempre fechados e para candidatos à reeleição do Executivo) não pode ter caráter de ato público

8 BENS, MATERIAIS E SERVIÇOS REspe 35702/10: a utilização de veículos que se encontram a serviço da prefeitura do município para ostentar propaganda eleitoral de candidato configura a conduta vedada. Rp 16560/09 SP: campanha eleitoral feita por funcionários do CRM SP no interior da entidade. Uso de bens pertencentes à autarquia. RE 28903/08 SP: utilização de símbolos da atual gestão em bens públicos (árvores e lixeiras).

9 BENS, MATERIAIS E SERVIÇOS RE 31895/08 SP: emissão de mensagem de cunho eleitoral, por intermédio de e mail vinculado à UNESP, utilizando se de provedor público (provedor de e mails da UNESP) AgR RO 2344/09: a utilização de veículo de prefeitura para o transporte de madeira destinada à construção de palanque de comício. RO 2232/09:uso em benefício de candidato de imóvel pertencente à administração indireta da União (pedido de voto dentro de prédio público federal INCRA).

10 BENS, MATERIAIS E SERVIÇOS AgR REspe /11: discurso feito por agente público, durante inauguração de obra pública, no qual manifesta sua preferência por determinada candidatura, não significa que usou ou cedeu o imóvel público em benefício do candidato REspe /04: a vedação do uso de bem público, em benefício de candidato, não abrange bem público de uso comum.

11 BENS, MATERIAIS E SERVIÇOS Rp /11: propaganda eleitoral afixada em veículos estacionados em prédios públicos. Automóveis particulares. Não caracterização. Rp /12: Gravação de programa eleitoral. Biblioteca pública. Meracaptaçãodeimagens. Benefício a candidatura. O que a lei veda é o uso efetivo, real, do aparato estatal em prol de campanha, e não a simples captação de imagens de bem público.

12 BENS, MATERIAIS E SERVIÇOS USO DE MATERIAIS E SERVIÇOS PAGOS COM DINHEIRO PÚBLICO Uso de materiais ou serviços, custeados pelo erário, que excedam as prerrogativas consignadas nos regimentos e normas dos órgãos que integram

13 BENS, MATERIAIS E SERVIÇOS RE 30137/08 SP: vereador e candidato à reeleição que praticou ato de campanha eleitoral em sessão da Câmara (sessão transmitida via rádio, tv e internet, em que proferiu palavras que reforçam as suas qualidades pessoais e criticou os demais vereadores, também candidatos às eleições, os quais estariam fazendo falsas promessas aos cidadãos) REC 25681/06 SP: envio de correspondência por prefeito. Utilização de material custeado pela Municipalidade (divulgação da proposição de ações civis públicas por atos praticados por concorrente quando no comando da prefeitura)

14 BENS, MATERIAIS E SERVIÇOS AREspe 27896/09: utilização de microcomputador e serviço de internet de Câmara Municipal, durante o horário de expediente, para enviar mensagem eletrônica contendo pedido de votos em benefício dos candidatos. Rp /10: Utilização de sítio eletrônico da Presidência da República pela Ministra Chefe da Casa Civil para se pronunciar a respeito de acusações contra si, atribuindo a denúncia a manobras de campanha eleitoral, fazendo referência negativa a um dos candidatos.

15 BENS, MATERIAIS E SERVIÇOS CESSÃO OU USO DE SERVIDOR Cessão de servidor público ou empregado ou uso de seus serviços em comitês de campanha durante o período de expediente, salvo se o servidor ou empregado estiver licenciado

16 BENS, MATERIAIS E SERVIÇOS RE 30153/09 SP: servidor municipal em atividade de campanha eleitoral em período de gozo de férias. Não caracterização. Rp /10 CE: o Secretário Estadual de Turismo, não licenciado do cargo, não pode participar ativamente, inclusive com discurso, em prol de governador candidato à reeleição, em ato de campanha.

17 SERVIDORES PÚBLICOS REGULAR EXERCÍCIO FUNCIONAL: circunscrição do pleito nomear, contratar, demitir sem justa causa, suprimir ou readaptar vantagens, dificultar ou impedir o exercício funcional, remover, transferir ou exonerar servidor 05/07/14 a 31/12/14 salvo: a) a nomeação ou exoneração de cargos em comissão e designação ou dispensa de funções de confiança; b) a nomeação para cargos do Poder Judiciário, do Ministério Público, dos Tribunais ou Conselhos de Contas e dos órgãos da Presidência da República;

18 SERVIDORES PÚBLICOS REGULAR EXERCÍCIO FUNCIONAL: circunscrição do pleito nomear, contratar, demitir sem justa causa, suprimir ou readaptar vantagens, dificultar ou impedir o exercício funcional, remover, transferir ou exonerar servidor 05/07/14 a 31/12/14 salvo: c) a nomeação dos aprovados em concursos públicos homologados até o início daquele prazo; d) a nomeação ou contratação necessária à instalação ou ao funcionamento inadiável de serviços públicos essenciais, com prévia e expressa autorização do Chefe do Poder Executivo; e) a transferência ou remoção ex officio de militares, policiais civis e de agentes penitenciários;

19 SERVIDORES PÚBLICOS Cuidado: é nulo de pleno direito o ato de que resulte aumento de despesa com pessoal expedido entre 05/07 a 31/14 (final do mandato do titular do respectivo Poder ou órgão LRF, art. 21. par. único)

20 SERVIDORES PÚBLICOS REspe /06: Contratação temporária de professores e demais profissionais da área da educação, motoristas, faxineiros e merendeiras. Só escapa da ilicitude a contratação de pessoal necessária ao funcionamento inadiável de serviços públicos essenciais. Daqui resulta não ser a educação um serviço público essencial. Sua eventual descontinuidade, em dado momento, embora acarrete evidentes prejuízos à sociedade, é de ser oportunamente recomposta. Isso por inexistência de dano irreparável à sobrevivência, saúde ou segurança da população.

21 SERVIDORES PÚBLICOS Res /04: não está proibida a realização de concurso público, mas, sim, a ocorrência de nomeações, contratações e outras movimentações funcionais desde os três meses que antecedem as eleições até a posse dos eleitos, sob pena de nulidade de pleno direito. a restrição imposta refere se à nomeação de servidor. Pode acontecer que a nomeação dos aprovados ocorra muito próxima ao início do período vedado pela Lei Eleitoral, e a posse poderá perfeitamente ocorrer durante esse período.

22 SERVIDORES PÚBLICOS AgR Respe /12: o fato de o servidor nomeado para cargo em comissão ter sido exonerado e, logo em seguida, nomeado para cargo em comissão com concessão de maior vantagem pecuniária não permite, por si só, afastar a ressalva do art. 73, V, a, da Lei Eleitoral, porquanto tal dispositivo legal não veda eventual melhoria na condição do servidor.

23 SERVIDORES PÚBLICOS AgR AI /09: dificuldade imposta ao exercício funcional de uma servidora consubstanciado em suspensão de ordem de férias, sem qualquer interesse da administração. Cta /10: nomeações e contratações exceções alcance do preceito legal. As exceções hão de ser interpretadas de forma estrita. Vinga a regra da proibição de nomeações, não estando compreendida na ressalva legal a Defensoria Pública.

24 SERVIDORES PÚBLICOS REVISÃO DE REMUNERAÇÃO: circunscrição do pleito revisão geral salarial que exceda o período inflacionário contado a partir de 1º/01 a vedação começa em 08/04/14 e vai até 1º/01/2015 Não se aplica: remuneração de professores FUNDEB Cuidado: é nulo de pleno direito o ato de que resulte aumento de despesa com pessoal expedido entre 05/07 a 31/12 (final do mandato do titular do respectivo Poder ou órgão LRF, art. 21. par. único)

25 SERVIDORES PÚBLICOS Res /02: o encaminhamento de projeto de lei de revisão geral de remuneração de servidores públicos que exceda à mera recomposição da perda do poder aquisitivo sofre expressa limitação da Lei Eleitoral, na circunscrição do pleito. a aprovação do projeto de lei que tiver sido encaminhado antes do período vedado pela Lei Eleitoral não se encontra obstada, desde que se restrinja à mera recomposição do poder aquisitivo no ano eleitoral a revisão geral de remuneração deve ser entendida como sendo o aumento concedido em razão do poder aquisitivo da moeda e que não tem por objetivo corrigir situações de injustiça ou de necessidade de revalorização profissional de carreiras específicas.

26 SERVIDORES PÚBLICOS Res /02: a aprovação, pela via legislativa, de proposta de reestruturação de carreira de servidores não se confunde com revisão geral de remuneração e, portanto, não encontra obstáculo na proibição contida na Lei Eleitoral.

27 AÇÕES SOCIAIS USO PROMOCIONAL DE AÇÃO SOCIAL fazer ou permitir uso promocional em favor de candidato, partido político ou coligação, de distribuição gratuita de bens e serviços de caráter social custeados ou subvencionados pelo Poder Público não pode haver a vinculação a qualquer partido, coligação ou candidato, no momento da entrega do bem ou da prestação do serviço

28 AÇÕES SOCIAIS AgR REspe /11: a doação de tijolos, em decorrência de programa municipal, efetuada a moradora carente que lhe foram entregues em caminhão, no qual estava fixada propaganda eleitoral dos candidatos à reeleição. REspe 3570/10: os veículos destinados ao transporte escolar e o caminhão de som que anunciava campanha de vacinação ostentavam placas e adesivos de propaganda eleitoral de candidatos.

29 AÇÕES SOCIAIS AREspe 28433/09: uso promocional do programa social de distribuição gratuita de carteiras de motoristas em favor do Governador, candidato à reeleição. AgR REspe 35316/09: a distribuição gratuita de jornal contendo publicidade supostamente institucional não configura uso promocional de ação social, uma vez que não se trata de bem ou serviço de caráter social.

30 AÇÕES SOCIAIS REspe 25890/06: uso de programa habitacional do poder público, por agente público, em período eleitoral, com distribuição gratuita de lotes com claro intuito de beneficiar candidato que está apoiando, com pedido expresso de voto AG 5817/05: candidato em campanha normalmente instado a se manifestar sobre determinado programa que implementou ou pretende implementar, sendo assim permitido que se manifeste sobre ele, não podendo daí concluir se o indevido uso promocional. Para a configuração da infração faz se necessária a efetiva distribuição de bens e serviços de caráter social.

31 AÇÕES SOCIAIS DISTRIBUIÇÃO GRATUITA DE BENS, VALORES OU BENEFÍCIOS é proibida a distribuição gratuita de bens, valores e benefícios, salvo: calamidade pública estado de emergência programas sociais autorizados em lei, com execução orçamentária no exercício anterior esses programas sociais não podem ser executados por entidade nominalmente vinculada a candidato ou por esse mantida acompanhamento da execução financeira e administrativa pelo MP

32 AÇÕES SOCIAIS Res. 7779/10 SC: a conduta vedada prevista no art. 73, 10, não contém restrição quanto ao seu alcance, sendo aplicável a todos agentes públicos da esfera municipal, estadual e federal, independentemente da circunscrição do pleito (estadual, municipal ou federal). AIJE e Rep : distribuição de alimentos, em virtude de programa social preexistente, executado pela Administração Pública Federal (Programa Fome Zero), não se configura em prática de conduta vedada, pois incide na exceção prevista no artigo 73, 10 (produtos foram recebidos para serem distribuídos pelo Município através de programa federal, já em execução há vários anos)

33 AÇÕES SOCIAIS REspe /12 e RO /12:a assinatura de convênios e o repasse de recursos financeiros a entidades privadas para a realização de projetos na área da cultura, do esporte e do turismo não se amoldam ao conceito de distribuição gratuita, sobretudo quando os instrumentos preveem a adoção de contrapartidas por parte das instituições. (subvenções destinadas a cobrir despesas de custeio das entidades beneficiadas, ou seja, gastos de natureza operacional voltados à manutenção e ao funcionamento dos serviços públicos prestados por pessoas físicas ou jurídicas)

34 AÇÕES SOCIAIS AREspe 28433/2009: o programa social (distribuição gratuita de carteiras de motorista), embora autorizado em lei, não estava em execução orçamentária desde ano anterior (2005). A suspensão de sua execução deveria ser imediata. AgR AI 12165/10 e AgR Respe /10: ainda que a distribuição de bens não tenha caráter eleitoreiro, incide o 10 do art. 73 da Lei das Eleições, visto que ficou provada a distribuição gratuita de bens sem que se pudesse enquadrar tal entrega de benesses na exceção prevista no dispositivo legal.

35 AÇÕES SOCIAIS AgR Respe /11: 1. A continuação de programa social (cesta básica) instituído e executado no ano anterior ao eleitoral não constitui conduta vedada. 2. Lei Municipal ampliou o referido programa social, aumentando o número de cestas básicas distribuídas 3. No caso, a distribuição de cestas básicas em 2008 representou apenas a continuidade de política pública que já vinha sendo executada pelo município desde 2007.

36 AÇÕES SOCIAIS Proc RS: um município não está impedido de oferecer vantagem benefícios a determinada empresa para sua instalação na sua circunscrição, durante o ano eleitoral, desde que, de tal incentivo, não advenha promoção de nenhum candidato, partido ou coligação. REspe /05: a conduta deve corresponder ao tipo definido previamente. O elemento é fazer ou permitir uso promocional de distribuição gratuita de bens e serviços para o candidato, quer dizer, é necessário que se utilize o programa social bens ou serviços para dele fazer promoção. (participação de prefeito e vice prefeito em implementação de programa de distribuição de alimentos intitulado Pão e leite na minha casa, sem distribuição de bens. )

37 AÇÕES SOCIAIS RO /12: à falta de previsão em lei específica e de execução orçamentária no ano anterior, é vedada a distribuição gratuita de bens, valores ou benefícios, em ano eleitoral, consistente em programa de empréstimo de animais, para fins de utilização e reprodução. Cta /11: é vedado, no ano das eleições, o implemento de benefício fiscal referente à dívida ativa do Município, bem como o encaminhamento à Câmara de Vereadores de projeto de lei, no aludido período, objetivando a previsão normativa voltada a favorecer inadimplentes.

38 AÇÕES SOCIAIS AgR Al /11: a instituição de programa social mediante decreto não atende à ressalva prevista no art. 73, 10. A mera previsão na lei orçamentária anual dos recursos destinados a esses programas não tem o condão de legitimar sua criação. Pet /10: é proibida a doação de bens em época de eleições, não cabendo distinção quando envolvidos perecíveis. (a origem e a natureza perecível não é suficiente a excepcionar se a regra proibitiva doação pelo IBAMA de bens apreendidos e madeira)

39 OBRAS E SERVIÇOS PÚBLICOS TRANSFERÊNCIA VOLUNTÁRIA DE RECURSOS vedada a transferência voluntária de recursos da União e Estados aos Municípios, entre 05/07 e 05/10, salvo: recursos destinados a cumprir obrigação formal preexistente para a execução de obra ou serviço em andamento e com cronograma prefixado os destinados a atender situações de emergência ou de calamidade pública

40 OBRAS E SERVIÇOS PÚBLICOS Res /04:é vedado à União e aos estados, até as eleições municipais, a transferência voluntária de recursos aos municípios ainda que constitua objeto de convênio ou de qualquer outra obrigação preexistente ao período quando não se destinem à execução já fisicamente iniciada de obras ou serviços, ressalvadas unicamente as hipóteses em que se faça necessária para atender a situação de emergência ou de calamidade pública.

41 OBRAS E SERVIÇOS PÚBLICOS Respe 25324/06: convênio celebrado com o governo do estado para a pavimentação de ruas e construção de casas populares. À União e aos estados é vedada a transferência voluntária de recursos até que ocorram as eleições municipais, ainda que resultantes de convênio ou outra obrigação preexistente, quando não se destinem à execução de obras ou serviços já iniciados fisicamente. (desmembramento de obra em etapas com contratação por meio de procedimentos licitatórios distintos)

42 OBRAS E SERVIÇOS PÚBLICOS AgRg RCL 266/04: a transferência de recursos do governo estadual a comunidades carentes de diversos municípios não caracteriza violação ao art. 73, VI, a, da Lei Eleitoral, porquanto os destinatários são associações, pessoas jurídicas de direito privado.

43 PRONUNCIAMENTO PRONUNCIAMENTO EM CADEIA DE RÁDIO E TELEVISÃO (circunscrição do pleito): pronunciamento em cadeia de rádio e televisão fora do horário eleitoral gratuito vedado entre 05/07 e 05/10, salvo: quando tratar se de matéria urgente, relevante e característica das funções de governo (requisitos) ATENÇÃO: necessidade de autorização da Justiça Eleitoral

44 PRONUNCIAMENTO RE 3582/04 PR: o Prefeito Municipal não pode fazer proselitismo político em rádio comunitária e no período eleitoral tecer comentários tendentes à eleição de seu candidato à própria sucessão.

45 PUBLICIDADE INSTITUCIONAL PUBLICIDADE INSTITUCIONAL: dar à opinião pública notícias sobre os atos, programas, obras e serviços da administração, sempre com caráter educativo, informativo ou orientação social. circunscrição do pleito publicidade institucional de atos, programas, obras e serviços e campanhas vedada entre 05/07 e 05/10, salvo: propaganda de produtos e serviços que tenham concorrência no mercado caso de grave e urgente necessidade pública, assim reconhecida pela Justiça Eleitoral

46 PUBLICIDADE INSTITUCIONAL Rp /11: a prática de conduta vedada exige a comprovação da responsabilidade do agente público, pelo cometimento do ato impugnado (não praticou, anuiu ou autorizou a divulgação das reportagens na página eletrônica da prefeitura). A simples circunstância de chefiar o executivo local, por si só, não permite a conclusão de que o prefeito soubesse de tudo que se passava nos diversos setores da prefeitura.

47 PUBLICIDADE INSTITUCIONAL AgR Respe 35590/10: a infração aperfeiçoa se com a veiculação da publicidade institucional, não sendo exigível que haja prova de expressa autorização da divulgação no período vedado. Os agentes públicos devem zelar pelo conteúdo a ser divulgado em sítio institucional, ainda que tenham proibido a veiculação de publicidade por meio de ofícios a outros responsáveis, e tomar todas as providências para que não haja descumprimento da proibição legal.

48 PUBLICIDADE INSTITUCIONAL Rp /10:Programa semanal Café com o Presidente. Não configura propaganda institucional irregular entrevista que ficou inserida dentro dos limites da informação jornalística, apenas dando a conhecer ao público determinada atividade do governo, sem promoção pessoal, nem menção a circunstâncias eleitorais. AgR Respe 35095/2010: A permanência de publicidade institucional nos três meses anteriores ao pleito constitui conduta vedada pelo art. 73, VI, b, da Lei das Eleições.

49 PUBLICIDADE INSTITUCIONAL ED ED AgR AI 10783/10: Configura propaganda institucional vedada a manutenção de placas de obras públicas colocadas anteriormente ao período previsto no art. 73, VI, b, da Lei das Eleições, quando delas constar expressões que possam identificar autoridades, servidores ou administrações cujos cargos estejam em disputa na campanha eleitoral. AgR AI 12046/11: A conduta vedada fica caracterizada independentemente do momento em que a publicidade institucional foi inicialmente fixada, bastando que a veiculação tenha permanecido dentro dos três meses que antecedem o pleito.

50 PUBLICIDADE INSTITUCIONAL AgR REspe 49260/11: divulgação da atividade parlamentar em sítio da Assembleia Legislativa, não caracteriza a conduta vedada descrita no art. 73, VI, b, da Lei nº 9.504/97.

51 PUBLICIDADE INSTITUCIONAL DESPESAS COM PUBLICIDADE: de 1º/01 a 06/07 despesas com publicidade dos órgãos públicos federais, estaduais ou municipais, ou das respectivas entidades da administração indireta, que: excedam a média dos gastos nos 3 últimos anos de governo OU -do último ano anterior à eleição PREVALECE A QUE FOR MENOR

52 PUBLICIDADE INSTITUCIONAL Cta /08 SP: a vedação não abrange agentes públicos cujos cargos não estejam em disputas. IJE 11029/08 CE: não há vedação a veiculação de publicidade da administração municipal no ano em que se realizam eleições gerais.

53 PUBLICIDADE INSTITUCIONAL AgRg REsp /11: Deve se considerar a realização das despesas e não a liquidação dos valores resultantes dos empenhos. AG 2506/00: Fixação como valor máximo a ser gasto no primeiro semestre do ano eleitoral a quantia referente à metade da média anual dos três anos anteriores. Proporcionalidade não prevista em lei. Impossibilidade de se aumentarem restrições estabelecidas na norma legal.

54 SANÇÕES APLICÁVEIS suspensão imediata da conduta, quando for o caso(*) pagamento de multa no valor de R$ 5.320,00 a R$ ,00 e o dobro em caso de reincidência(*) (*) alcança o agente público, o partido, a coligação e o candidato que se beneficiarem cassação do registro ou do diploma do candidato responder pela prática de ato de improbidade administrativa (Lei 8.429/92, arts. 11, I, e 12, III)

55 CONTRATAÇÃO DE SHOWS ARTÍSTICOS vedação de contratação de shows artísticos pagos com recursos públicos em inaugurações (obras e serviços), entre 05/07 e 05/10

56 SANÇÕES APLICÁVEIS suspensão imediata da conduta, quando for o caso cassação do registro ou do diploma do candidato beneficiado

57 OBRAS E SERVIÇOS PÚBLICOS PARTICIPAÇÃO EM INAUGURAÇÕES DE OBRAS PÚBLICAS comparecimento de candidato ao Poder Executivo ou Legislativo em inaugurações de obras públicas, entre 05/07 e 05/10

58 OBRAS E SERVIÇOS PÚBLICOS AgR REspe /10: o candidato pode exercer as atividades inerentes ao cargo (Chefe do Executivo) paralelamente às atividades de sua campanha eleitoral e tem afastado a aplicação do art. 77 da Lei 9.504/97, quando não há comprovação de que este candidato valeu se da solenidade para promover sua campanha eleitoral. Potencialidade lesiva não demonstrada. Equilíbrio do pleito preservado.

59 OBRAS E SERVIÇOS PÚBLICOS AgR AI 11173/09 Tendo a obra sido inaugurada na gestão de adversário político dos agravados, sem que estes auferissem dividendos político eleitorais com o evento, não incide a sanção prevista no art. 77, parágrafo único, da Lei 9.504/97. As condutas vedadas devem ser examinadas sob o princípio de proporcionalidade e com base no potencial lesivo ao equilíbrio do pleito.

60 OBRAS E SERVIÇOS PÚBLICOS AAG 5324/05 hipótese em que o TRE concluiu não se tratar de obra pública a ensejar a aplicação do art. 77 da Lei 9.504/97. Participação de prefeito, candidato à reeleição, em inauguração de pavilhão cultural do Sebrae. REsp 24790/04 solenidade de sorteio de casas populares não se enquadra no conceito de inauguração de obra pública.

61 OBRAS E SERVIÇOS PÚBLICOS REsp 24852/05 não configura situação jurídica enquadrável no art. 77 da Lei 9.504/97 o comparecimento de candidatos ao local após a inauguração da obra pública, quando já não mais estão presentes os cidadãos em geral. AAG 5291/05 o descerramento de placa de novo nome de praça já existente não configura inauguração de obra pública a que se refere o art. 77 da Lei 9.504/97, sendo tal conduta inerente às atribuições do cargo do administrador público.

62 SANÇÕES APLICÁVEIS sujeita o candidato infrator à cassação do registro ou do diploma

63 ABUSO DE AUTORIDADE configura abuso de autoridade (LC 64/90, art. 22) a infringência do disposto no 1º, do art. 37, da CF, ficando o responsável, se candidato, sujeito ao cancelamento do registro de sua candidatura ou do diploma Publicidade institucional: deve ter caráter educativo, informativo ou de orientação social, dela não podendo constar nomes, símbolos ou imagens que caracterizem promoção pessoal de autoridades ou servidores públicos (CF, art. 37, 1º)

64 ABUSO DE AUTORIDADE Propositura de ação de investigação judicial eleitoral (AIJE) QUEM PODE PROPOR? candidato partido político coligação Ministério Público

65 ABUSO DE AUTORIDADE CONSEQUÊNCIAS DA PROCEDÊNCIA DA AIJE: declaração de inelegibilidade do representado e de quantos hajam contribuído para a prática do ato inelegibilidade para as eleições a se realizarem nos 8 (oito) anos subsequentes à eleição em que se verificou (LC 64/90, alterada pela 135/10, art. 1º, I, d) cassação do registro ou diploma do candidato diretamente beneficiado pelo abuso do poder de autoridade

66

67

SERVIDORES PÚBLICOS CONDUTAS VEDADAS EM ANO ELEITORAL RELATIVAS A

SERVIDORES PÚBLICOS CONDUTAS VEDADAS EM ANO ELEITORAL RELATIVAS A CONDUTAS VEDADAS EM ANO ELEITORAL RELATIVAS A SERVIDORES PÚBLICOS KLEIDE MARIA TENFFEN FIAMONCINI ADVOGADA DA AMAVI kleide@amavi.org.br / juridico@amavi.org.br O QUE VOCÊ AGENTE PÚBLICO NÃO PODE FAZER!!!

Leia mais

agente público no período eleitoral o que pode e o que não pode

agente público no período eleitoral o que pode e o que não pode agente público no período eleitoral o que pode e o que não pode Governo do Estado de São Paulo Geraldo Alckmin Secretaria de Planejamento e Desenvolvimento Regional Julio Semeghini Fundação Prefeito Faria

Leia mais

MANUAL DE ORIENTAÇÃO AO AGENTE PÚBLICO CONDUTAS E VEDAÇÕES A SEREM OBSERVADAS DURANTE O ANO ELEITORAL

MANUAL DE ORIENTAÇÃO AO AGENTE PÚBLICO CONDUTAS E VEDAÇÕES A SEREM OBSERVADAS DURANTE O ANO ELEITORAL PREFEITURA MUNICIPAL DO NATAL CONTROLADORIA GERAL DO MUNICÍPIO MANUAL DE ORIENTAÇÃO AO AGENTE PÚBLICO CONDUTAS E VEDAÇÕES A SEREM OBSERVADAS DURANTE O ANO ELEITORAL Natal/RN, 05 de dezembro de 2011. APRESENTAÇÃO

Leia mais

Condutas Vedadas aos Agentes Públicos Federais

Condutas Vedadas aos Agentes Públicos Federais Condutas Vedadas aos Agentes Públicos Federais Bases legais Constituição Federal Lei das Eleições (Lei 9.504/97) Lei das Inelegibilidades (LC 64/90) Código Eleitoral Resoluções do TSE Finalidade da Legislação

Leia mais

DESPESAS COM PESSOAL NOS 180 DIAS FINAIS DE MANDATO

DESPESAS COM PESSOAL NOS 180 DIAS FINAIS DE MANDATO COORDENAÇÃO-GERAL DE NORMAS DE CONTABILIDADE APLICADAS À FEDERAÇÃO - CCONF GERÊNCIA DE NORMAS E PROCEDIMENTOS DE GESTÃO FISCAL - GENOP DESPESAS COM PESSOAL NOS 180 DIAS FINAIS DE MANDATO Art. 21, parágrafo

Leia mais

ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL PREFEITURA MUNICIPAL DE CORUMBÁ GABINETE DO PREFEITO

ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL PREFEITURA MUNICIPAL DE CORUMBÁ GABINETE DO PREFEITO REGULAMENTO Nº 01, DE 30 DE JUNHO DE 2008 Dispõe sobre normas e procedimentos administrativos a serem observados por servidores da Administração Pública Municipal candidatos ou não a cargos eletivos em

Leia mais

agente público nas eleições de 2014 o que pode e o que não pode

agente público nas eleições de 2014 o que pode e o que não pode agente público nas eleições de 2014 o que pode e o que não pode Governo do Estado de São Paulo Secretaria de Planejamento e Desenvolvimento Regional Fundação Prefeito Faria Lima Cepam Centro de Estudos

Leia mais

Governo de Mato Grosso Auditoria Geral do Estado CARTILHA DE ORIENTAÇÃO AOS AGENTES PÚBLICOS

Governo de Mato Grosso Auditoria Geral do Estado CARTILHA DE ORIENTAÇÃO AOS AGENTES PÚBLICOS Governo de Mato Grosso Auditoria Geral do Estado CARTILHA DE ORIENTAÇÃO AOS AGENTES PÚBLICOS Eleições 2014 ORIENTAÇÕES AOS AGENTES PÚBLICOS DO PODER EXECUTIVO DO ESTADO DE MATO GROSSO PARA AS ELEIÇÕES

Leia mais

ORIENTAÇÕES GERAIS PARA AS ELEIÇÕES 2008: Condutas Vedadas aos Gestores PúblicosP

ORIENTAÇÕES GERAIS PARA AS ELEIÇÕES 2008: Condutas Vedadas aos Gestores PúblicosP Eleições 2008 ORIENTAÇÕES GERAIS PARA AS ELEIÇÕES 2008: Condutas Vedadas aos Gestores PúblicosP Escola Fazendária Teresina, 16 de Junho de 2008 O Art. 73, da Lei nº n 9.504/97, dispõe serem proibidas aos

Leia mais

Eleições 2014 Orientações aos Agentes Públicos

Eleições 2014 Orientações aos Agentes Públicos 1 Eleições 2014 Orientações aos Agentes Públicos Ceará 2014 2 CASA CIVIL Cambeba Elaborado com base em Cartilha editada pela 3 6 9 10 12 13 13 16 19 20 20 21 22 23 23 24 4 26 26 29 30 30 32 34 1. alegar

Leia mais

ORIENTAÇÕES AOS AGENTES PÚBLICOS DO MUNICÍPIO DE FLORIANÓPOLIS NO ANO ELEITORAL 2016

ORIENTAÇÕES AOS AGENTES PÚBLICOS DO MUNICÍPIO DE FLORIANÓPOLIS NO ANO ELEITORAL 2016 ORIENTAÇÕES AOS AGENTES PÚBLICOS DO MUNICÍPIO DE FLORIANÓPOLIS NO ANO ELEITORAL 2016 Apresentação: As Eleições Municipais ocorrerão no dia 02/10/2016, primeiro domingo do mês de outubro. Escolheremos o

Leia mais

CONDUTAS VEDADAS EM ANO ELEITORAL E FINAL DE MANDATO MUNICIPAL Palestrante: Marcos Fey Probst

CONDUTAS VEDADAS EM ANO ELEITORAL E FINAL DE MANDATO MUNICIPAL Palestrante: Marcos Fey Probst CONDUTAS VEDADAS EM ANO ELEITORAL E FINAL DE MANDATO MUNICIPAL Palestrante: Marcos Fey Probst Promoção: Execução: Condutas vedadas em ano eleitoral Promoção Execução Condutas Vedadas em ano eleitoral Art.

Leia mais

OBRIGAÇÕES NO ÚLTIMO ANO DE MANDATO

OBRIGAÇÕES NO ÚLTIMO ANO DE MANDATO OBRIGAÇÕES NO ÚLTIMO ANO DE MANDATO Tribunal de Contas do Estado do Tocantins Junho/2008 Coordenadoria LRF Obrigações no último ano de mandato 2008 - último ano de mandato municipal. Um ano que prevê uma

Leia mais

Você pode contribuir para eleições mais justas

Você pode contribuir para eleições mais justas Procuradoria Regional Eleitoral no Estado de SP Defesa da democracia, combate à impunidade. Você pode contribuir para eleições mais justas Os cidadãos e as cidadãs podem auxiliar muito na fiscalização

Leia mais

I - nomeação ou exoneração de cargos em comissão e designação ou dispensa de funções de confiança;

I - nomeação ou exoneração de cargos em comissão e designação ou dispensa de funções de confiança; Para navegar entre as ocorrências da expressão pesquisada existem os marcadores "" em cada ocorrência: - Clicando em "" vai para a próxima

Leia mais

Condutas vedadas aos agentes públicos em período

Condutas vedadas aos agentes públicos em período 1 de 7 15/7/2014 16:51 Este texto foi publicado no site Jus Navigandi no endereço http://50.116.32.46:8081/artigos/27311 Para ver outras publicações como esta, acesse http://jus.com.br Condutas vedadas

Leia mais

CONDUTAS VEDADAS AOS AGENTES PÚBLICOS MUNICIPAIS EM PERÍODO ELEITORAL ELEIÇÕES 2014

CONDUTAS VEDADAS AOS AGENTES PÚBLICOS MUNICIPAIS EM PERÍODO ELEITORAL ELEIÇÕES 2014 CONDUTAS VEDADAS AOS AGENTES PÚBLICOS MUNICIPAIS EM PERÍODO ELEITORAL ELEIÇÕES 2014 Procuradoria Geral do Município Procuradoria Consultiva 1ª edição João Pessoa 2014 Endereço: Paço Municipal Praça Pedro

Leia mais

ELEICÕES. Condutas Vedadas aos Agentes Públicos Municipais em Período Eleitoral

ELEICÕES. Condutas Vedadas aos Agentes Públicos Municipais em Período Eleitoral SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO 2. DEFINIÇÃO DE AGENTE PÚBLICO PARA FINS ELEITORAIS. 3. DAS S VEDADAS AOS AGENTES PÚBLICOS 3.1 BENS, SERVIÇOS E MATERIAIS 3.2. GESTÃO DE PESSOAL 3.3. PUBLICIDADE 03 04 05 05 07 09

Leia mais

LIMITES À REALIZAÇÃO DE LICITAÇÕES E CONTRATOS ADMINISTRATIVOS EM ANO ELEITORAL

LIMITES À REALIZAÇÃO DE LICITAÇÕES E CONTRATOS ADMINISTRATIVOS EM ANO ELEITORAL LIMITES À REALIZAÇÃO DE LICITAÇÕES E CONTRATOS ADMINISTRATIVOS EM ANO ELEITORAL 1. INTRODUÇÃO Em anos de eleições municipais, estaduais e federais, devem ser observadas várias limitações à realização de

Leia mais

LEI DE RESPONSABILIDADE FISCAL E LEI ELEITORAL

LEI DE RESPONSABILIDADE FISCAL E LEI ELEITORAL LEI DE RESPONSABILIDADE FISCAL E LEI ELEITORAL RESTRIÇÕES RELATIVAS À EXECUÇÃO ORÇAMENTÁRIA E FINANCEIRA FAZENDA PGE -SPDR 14 de Fevereiro de 2014 Palácio dos Bandeirantes 1 Receita: restrições Recursos

Leia mais

ORIENTAÇÕES BÁSICAS PARA CONDUTA DE SERVIDORES PÚBLICOS EM PERÍODO ELEITORAL NO ÂMBITO DO MCTI

ORIENTAÇÕES BÁSICAS PARA CONDUTA DE SERVIDORES PÚBLICOS EM PERÍODO ELEITORAL NO ÂMBITO DO MCTI ADVOCACIA-GERAL DA UNIÃO CONSULTORIA-GERAL DA UNIÃO CONSULTORIA JURÍDICA JUNTO AO MINISTÉRIO DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO ORIENTAÇÕES BÁSICAS PARA CONDUTA DE SERVIDORES PÚBLICOS EM PERÍODO ELEITORAL

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PREFEITURA MUNICIPAL DE SANT ANA DO LIVRAMENTO Palácio Moisés Viana Unidade Central de Controle Interno

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PREFEITURA MUNICIPAL DE SANT ANA DO LIVRAMENTO Palácio Moisés Viana Unidade Central de Controle Interno ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PREFEITURA MUNICIPAL DE SANT ANA DO LIVRAMENTO Palácio Moisés Viana Unidade Central de Controle Interno COMUNICADO UCCI nº 001/2008. ÓRGÃO: Gabinete do Prefeito Municipal, Poder

Leia mais

Orientações para o ANO ELEITORAL

Orientações para o ANO ELEITORAL Orientações para o ANO ELEITORAL 2014 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO GUIA DE REFERÊNCIA RÁPIDA CONDUTAS VEDADAS EM ANO ELEITORAL ÁREAS TEMÁTICAS 04 05 09 2 PUBLICIDADE Veiculação de publicidade institucional de

Leia mais

Advocacia-Geral da União Subchefia para Assuntos Jurídicos Casa Civil da Presidência da República Centro de Ética Pública da Presidência da República

Advocacia-Geral da União Subchefia para Assuntos Jurídicos Casa Civil da Presidência da República Centro de Ética Pública da Presidência da República Advocacia-Geral da União Subchefia para Assuntos Jurídicos Casa Civil da Presidência da República Centro de Ética Pública da Presidência da República Comissão de Ética Pública da Presidêcia da República

Leia mais

ELEIÇÕES 2012 PANORAMA GERAL. NORMAS. CALENDÁRIO. CONDUTAS VEDADAS.

ELEIÇÕES 2012 PANORAMA GERAL. NORMAS. CALENDÁRIO. CONDUTAS VEDADAS. ELEIÇÕES 2012 PANORAMA GERAL. NORMAS. CALENDÁRIO. CONDUTAS VEDADAS. Jair Eduardo Santana(*) Mestre e Direito do Estado pela PUC/SP. Advogado, parecerista e professor. Presta consultoria e assessoramento

Leia mais

LEGISLAÇÃO / E-mails 4.31

LEGISLAÇÃO / E-mails 4.31 E-mail de 06/06/2006 ASSUNTO: Prorrogação de contrato no período eleitoral ANEXO: Parecer 179/06-AJ Prezados Senhores, Tem o presente a finalidade de encaminhar o Parecer nº 179/2006-AJ, que trata da possibilidade

Leia mais

ESTADO DE PERNAMBUCO PROCURADORIA GERAL DO ESTADO CARTILHA ELEIÇÕES 2014 ORIENTAÇÕES GERAIS AOS AGENTES PÚBLICOS ESTADUAIS

ESTADO DE PERNAMBUCO PROCURADORIA GERAL DO ESTADO CARTILHA ELEIÇÕES 2014 ORIENTAÇÕES GERAIS AOS AGENTES PÚBLICOS ESTADUAIS ESTADO DE PERNAMBUCO PROCURADORIA GERAL DO ESTADO CARTILHA ELEIÇÕES 2014 ORIENTAÇÕES GERAIS AOS AGENTES PÚBLICOS ESTADUAIS 2014 1 - APRESENTAÇÃO A presente cartilha reúne, de forma sistemática e concisa,

Leia mais

Orientações para o ANO ELEITORAL. Salvador, Março 2014

Orientações para o ANO ELEITORAL. Salvador, Março 2014 Orientações para o ANO ELEITORAL 2014 Salvador, Março 2014 SUMÁRIO BENS E SERVIÇOS PÚBLICOS 22 APRESENTAÇÃO 04 Cessão ou uso de bens públicos em atividades eleitorais 22 GUIA DE REFERÊNCIA RÁPIDA CONDUTAS

Leia mais

DESPESA COM PESSOAL RESTRIÇÕES EM ANO ELEITORAL

DESPESA COM PESSOAL RESTRIÇÕES EM ANO ELEITORAL DESPESA COM PESSOAL RESTRIÇÕES EM ANO ELEITORAL Autoria: Sidnei Di Bacco Advogado 2008 é ano eleitoral e último ano do mandato eletivo dos prefeitos municipais, o que atrai a incidência de diversas restrições

Leia mais

Fique atento às exigências da Legislação Eleitoral

Fique atento às exigências da Legislação Eleitoral Fique atento às exigências da Legislação Eleitoral Em respeito à Legislação Eleitoral, agentes públicos e seus colaboradores devem observar as regras sobre a suspensão de publicidade de atos, programas,

Leia mais

PUBLICAÇÃO DA PROCURADORIA GERAL DO MUNICÍPIO DE LINHARES

PUBLICAÇÃO DA PROCURADORIA GERAL DO MUNICÍPIO DE LINHARES PUBLICAÇÃO DA PROCURADORIA GERAL DO MUNICÍPIO DE LINHARES Prefeito de Linhares Guerino Luíz Zanon Vice-Prefeito de Linhares Paulo Joaquim do Nascimento Procuradora Geral Nádia Lorenzoni Menelli Secretário

Leia mais

A execução de programas e concessão de benefícios sociais em ano eleitoral

A execução de programas e concessão de benefícios sociais em ano eleitoral A execução de programas e concessão de benefícios sociais em ano eleitoral A execução de programas e concessão benefícios sociais em ano eleitoral deve ser realizada pela Administração Pública com parcimônia

Leia mais

CONDUTAS VEDADAS AOS AGENTES PÚBLICOS FEDERAIS EM ELEIÇÕES MUNICIPAIS

CONDUTAS VEDADAS AOS AGENTES PÚBLICOS FEDERAIS EM ELEIÇÕES MUNICIPAIS Presidência da República Advocacia-Geral da União Subchefia para Assuntos Jurídicos da Casa Civil AOS AGENTES PÚBLICOS FEDERAIS EM ELEIÇÕES MUNICIPAIS ELEIÇÕES 2008 ADVOCACIA-GERAL DA UNIÃO Presidência

Leia mais

A Propaganda Institucional e as Eleições de 2008. Randolpho Martino JúniorJ www.vicosa.com.br/randolpho

A Propaganda Institucional e as Eleições de 2008. Randolpho Martino JúniorJ www.vicosa.com.br/randolpho A Propaganda Institucional e as Eleições de 2008 Randolpho Martino JúniorJ www.vicosa.com.br/randolpho Propaganda Institucional Definição: é a publicidade destinada a divulgar os atos, programas, obras,

Leia mais

ÚLTIMO ANO DE MANDATO

ÚLTIMO ANO DE MANDATO ÚLTIMO ANO DE MANDATO Tribunal de Contas do Estado do Tocantins Março/2012 Najla Mansur Braga Coordenadoria de Acompanhamento Contábil e Gestão Fiscal 2012 - último ano de mandato municipal. Um ano que

Leia mais

QUESTÕES SOBRE A PROPAGANDA ELEITORAL

QUESTÕES SOBRE A PROPAGANDA ELEITORAL QUESTÕES SOBRE A PROPAGANDA ELEITORAL São as seguintes situações as mais comuns de Propaganda Eleitoral: 1. PROPAGANDA ELEITORAL NOS EDIFÍCIOS PÚBLICOS. Nos bens cujo uso dependa de cessão ou permissão

Leia mais

COMO O AGENTE PÚBLICO MUNICIPAL DEVE SE COMPORTAR NAS ELEIÇÕES

COMO O AGENTE PÚBLICO MUNICIPAL DEVE SE COMPORTAR NAS ELEIÇÕES COMO O AGENTE PÚBLICO MUNICIPAL DEVE SE COMPORTAR NAS ELEIÇÕES 2014 Sumário APRESENTAÇÃO 4 DEFINIÇÃO DE AGENTE PÚBLICO PARA FINS ELEITORAIS 5 CONDUTAS VEDADAS AOS AGENTES PÚBLICOS EM CAMPANHAS ELEITORAIS

Leia mais

MANUAL DE CONDUTAS VEDADAS AOS SERVIDORES PÚBLICOS EM ELEIÇÕES

MANUAL DE CONDUTAS VEDADAS AOS SERVIDORES PÚBLICOS EM ELEIÇÕES MANUAL DE CONDUTAS VEDADAS AOS SERVIDORES PÚBLICOS EM ELEIÇÕES 2 3 I Apresentação II Conceitos Fundamentais II.1. Direitos Políticos Perda e Suspensão dos Direitos Políticos II.2. Elegibilidade e Inelegibilidade

Leia mais

ORIENTAÇÕES AOS AGENTES PÚBLICOS NO PERÍODO ELEITORAL

ORIENTAÇÕES AOS AGENTES PÚBLICOS NO PERÍODO ELEITORAL SEJA LEGAL ELEIÇÕES 2014 ELEIÇÕES20141 ORIENTAÇÕES AOS AGENTES PÚBLICOS NO PERÍODO ELEITORAL Eleições 2014 - Orientações.indd 1 20/05/2014 09:57:32 EXPEDIENTE 2 MESA DIRETORA: Presidente Ricardo Marcelo

Leia mais

A Vedação da Propaganda Institucional no Período Eleitoral e a Lei 9.504/97

A Vedação da Propaganda Institucional no Período Eleitoral e a Lei 9.504/97 268 Série Aperfeiçoamento de Magistrados 7 Curso: 1º Seminário de Direito Eleitoral: Temas Relevantes para as Eleições de 2012 A Vedação da Propaganda Institucional no Período Eleitoral e a Lei 9.504/97

Leia mais

SUBSECRETARIA DE COMUNICAÇÃO SOCIAL DA CASA CIVIL

SUBSECRETARIA DE COMUNICAÇÃO SOCIAL DA CASA CIVIL SUBSECRETARIA DE COMUNICAÇÃO SOCIAL DA CASA CIVIL ORIENTAÇÕES PARA A PUBLICIDADE GOVERNAMENTAL DURANTE O PERÍODO ELEITORAL 2014 ORIENTAÇÕES PARA A PUBLICIDADE GOVERNAMENTAL DURANTE O PERÍODO ELEITORAL

Leia mais

LEI DE ACESSO A INFORMAÇÃO

LEI DE ACESSO A INFORMAÇÃO LEI DE ACESSO A INFORMAÇÃO A Lei 12.527 foi sancionada em 18 de novembro de 2011, a chamada Lei de Acesso à Informação, sendo importante instrumento de fortalecimento do regime democrático, uma vez que

Leia mais

, Prefeito Municipal de. FAÇO saber a todos os habitantes deste Município que a Câmara Municipal aprovou e eu sanciono a seguinte Lei:

, Prefeito Municipal de. FAÇO saber a todos os habitantes deste Município que a Câmara Municipal aprovou e eu sanciono a seguinte Lei: PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR Nº Dispõe sobre o Sistema de Controle Interno, cria a Controladoria Municipal e dá outras providências., Prefeito Municipal de FAÇO saber a todos os habitantes deste Município

Leia mais

LEI DOS PARTIDOS POLÍTICOS (Lei n. 9.096/95)

LEI DOS PARTIDOS POLÍTICOS (Lei n. 9.096/95) - Partido Político: pessoa jurídica de direito privado, destinada a assegurar, no interesse democrático, a autenticidade do sistema representativo e a defender os direitos fundamentais definidos na CF.

Leia mais

Pode. Alto-falantes ou amplificadores de som. Pode

Pode. Alto-falantes ou amplificadores de som. Pode O Tribunal Superior Eleitoral publicou a Resolução nº 23.404/14, com as regras sobre propaganda eleitoral a serem seguidas nas eleições de 2014. Estão relacionados abaixo os tipos de propaganda mais comuns

Leia mais

MEDIDA: RESPONSABILIZAÇÃO DOS PARTIDOS POLÍTICOS E CRIMINALIZAÇÃO DO CAIXA 2

MEDIDA: RESPONSABILIZAÇÃO DOS PARTIDOS POLÍTICOS E CRIMINALIZAÇÃO DO CAIXA 2 MEDIDA: RESPONSABILIZAÇÃO DOS PARTIDOS POLÍTICOS E CRIMINALIZAÇÃO DO CAIXA 2 16ª P R O P O S T A L E G I S L A T I V A ANTEPROJETO DE LEI Altera a Lei 9.096/95 para prevê a responsabilização dos partidos

Leia mais

Manual para o Período Eleitoral do ano de 2014 ORIENTAÇÕES SOBRE A ATIVIDADE PUBLICITÁRIA PARA O PERÍODO ELEITORAL DO ANO DE 2014

Manual para o Período Eleitoral do ano de 2014 ORIENTAÇÕES SOBRE A ATIVIDADE PUBLICITÁRIA PARA O PERÍODO ELEITORAL DO ANO DE 2014 Manual para o Período Eleitoral do ano de 2014 ORIENTAÇÕES SOBRE A ATIVIDADE PUBLICITÁRIA PARA O PERÍODO ELEITORAL DO ANO DE 2014 Subsecretaria de Comunicação 2014 1 ESCLARECIMENTOS INICIAIS Está em curso

Leia mais

PROPAGANDA ELEITORAL

PROPAGANDA ELEITORAL PROPAGANDA ELEITORAL Katherine Schreiner katherine@eleitoralbrasil.com.br http://www.eleitoralbrasil.com.br Propaganda Política A expressão propaganda política é empregada para significar, em síntese,

Leia mais

JUÍZO DA 1ª ZONA ELEITORAL DE SÃO PAULO Av. Brigadeiro Luis Antonio, 453 SÃO PAULO CAPITAL. Processo nº 209/08 VISTOS.

JUÍZO DA 1ª ZONA ELEITORAL DE SÃO PAULO Av. Brigadeiro Luis Antonio, 453 SÃO PAULO CAPITAL. Processo nº 209/08 VISTOS. VISTOS. Trata-se de representação formulada pela COLIGAÇÃO SÃO PAULO NO RUMO CERTO em face da COLIGAÇÃO SÃO PAULO, NA MELHOR DIREÇÃO e de GERALDO JOSÉ RODRIGUES ALCKMIN FILHO, nos termos do art. 96 da

Leia mais

Seção I Das disposições preliminares

Seção I Das disposições preliminares INSTRUÇÃO NORMATIVA N o 6, DE 14 DE MARÇO DE 2014. Dispõe sobre a suspensão da publicidade dos órgãos e entidades do Poder Executivo federal, no período eleitoral de 2014, e dá outras providências. O MINISTRO

Leia mais

PROPAGANDA ELEITORAL

PROPAGANDA ELEITORAL O que é Propaganda Eleitoral? A partir de quando pode ocorrer a propaganda eleitoral? Pode ser realizada propaganda eleitoral em língua estrangeira? Quais os tipos de propaganda eleitoral permitidos? A

Leia mais

Código de Conduta AeC para Atividades Políticas. Código de Conduta para Atividades Políticas

Código de Conduta AeC para Atividades Políticas. Código de Conduta para Atividades Políticas Código de Conduta para Atividades Políticas 2012 Índice Mensagem dos Acionistas O que é o Código de Conduta Quem deve segui-lo Direitos e Deveres Regras de Conduta Disposições Finais Mensagem dos Acionistas

Leia mais

REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL LEI Nº 11.300, DE 10 DE MAIO DE 2006 Dispõe sobre propaganda, financiamento e prestação de contas das despesas com campanhas eleitorais, alterando a Lei n o 9.504, de 30

Leia mais

CARTILHA DE ORIENTAÇÃO SOBRE A LEI DE RESPONSABILIDADE FISCAL

CARTILHA DE ORIENTAÇÃO SOBRE A LEI DE RESPONSABILIDADE FISCAL MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO CARTILHA DE ORIENTAÇÃO SOBRE A LEI DE RESPONSABILIDADE FISCAL 1. O que é a Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF)? A Lei de Responsabilidade Fiscal é um código

Leia mais

1. Servidor vinculado ao Código de Conduta da Alta Administração Federal pode desempenhar outras atividades profissionais?

1. Servidor vinculado ao Código de Conduta da Alta Administração Federal pode desempenhar outras atividades profissionais? Atividades Paralelas 1. Servidor vinculado ao Código de Conduta da Alta Administração Federal pode desempenhar outras atividades profissionais? Sim. Nos limites da lei e desde que observadas as restrições

Leia mais

Financiamento de campanhas e prestação de contas

Financiamento de campanhas e prestação de contas Financiamento de campanhas e prestação de contas Crescimento do gasto declarado com campanhas (total nacional) ANO TOTAL DE GASTOS (R$ milhões) ELEITORADO (milhões) CANDIDATOS (unidades) GASTO POR ELEITOR

Leia mais

PERGUNTAS E RESPOSTAS (Extraído do Decreto Nº 1.171, de 22/06/1994 - Código de Conduta da Alta Administração Federal)

PERGUNTAS E RESPOSTAS (Extraído do Decreto Nº 1.171, de 22/06/1994 - Código de Conduta da Alta Administração Federal) PERGUNTAS E RESPOSTAS (Extraído do Decreto Nº 1.171, de 22/06/1994 - Código de Conduta da Alta Administração Federal) ATIVIDADES PARALELAS 1. Servidor vinculado ao Código de Conduta da Alta Administração

Leia mais

Vedação de transferência voluntária em ano eleitoral INTRODUÇÃO

Vedação de transferência voluntária em ano eleitoral INTRODUÇÃO Vedação de transferência voluntária em ano eleitoral INTRODUÇÃO Como se sabe, a legislação vigente prevê uma série de limitações referentes à realização de despesas em ano eleitoral, as quais serão a seguir

Leia mais

Sumário APRESENTAÇÃO DA COLEÇÃO... 13 APRESENTAÇÃO... 15 NOTA À TERCEIRA EDIÇÃO... 17 NOTA À SEGUNDA EDIÇÃO... 19 DIREITO ELEITORAL...

Sumário APRESENTAÇÃO DA COLEÇÃO... 13 APRESENTAÇÃO... 15 NOTA À TERCEIRA EDIÇÃO... 17 NOTA À SEGUNDA EDIÇÃO... 19 DIREITO ELEITORAL... Sumário APRESENTAÇÃO DA COLEÇÃO... 13 APRESENTAÇÃO... 15 NOTA À TERCEIRA EDIÇÃO... 17 NOTA À SEGUNDA EDIÇÃO... 19 CAPÍTULO 1 DIREITO ELEITORAL... 21 1.1. Conceito...21 1.1.1. Competência legislativa em

Leia mais

GASTOS PÚBLICOS E REAJUSTE DE SERVIDORES EM ANO ELEITORAL. Número 15 Março de 2006 NOTA TÉCNICA

GASTOS PÚBLICOS E REAJUSTE DE SERVIDORES EM ANO ELEITORAL. Número 15 Março de 2006 NOTA TÉCNICA GASTOS PÚBLICOS E REAJUSTE DE SERVIDORES EM ANO ELEITORAL Número 15 Março de 2006 NOTA TÉCNICA Gastos públicos e reajuste de servidores em ano eleitoral Introdução A discussão sobre o aumento dos gastos

Leia mais

Eleições 2014 Orientações aos Agentes Públicos

Eleições 2014 Orientações aos Agentes Públicos 1 Eleições 2014 Orientações aos Agentes Públicos Ceará 2014 2 CASA CIVIL Palácio da Abolição Av. Barão de Studart, 505 Meireles CEP: 60.120-000 Fortaleza, Ceará Fone: (85) 3466.4000 www.casacivil.ce.gov.br

Leia mais

Curso A Administração Pública em ano eleitoral

Curso A Administração Pública em ano eleitoral Curso A Administração Pública em ano eleitoral Agentes Públicos Definição: são todas as pessoas físicas incumbidas, definitivamente ou transitoriamente, do exercício de alguma função estatal. (MEIRELLES,

Leia mais

Propaganda Eleitoral: A Propaganda Subliminar e outras Formas de Publicidade de Aparente Cunho Institucional 1

Propaganda Eleitoral: A Propaganda Subliminar e outras Formas de Publicidade de Aparente Cunho Institucional 1 Série Aperfeiçoamento de Magistrados 7 Curso: 1º Seminário de Direito Eleitoral: Temas Relevantes para as Eleições de 2012 171 Propaganda Eleitoral: A Propaganda Subliminar e outras Formas de Publicidade

Leia mais

Propaganda Eleitoral. Eduardo Buzzinari Ribeiro de Sá 1 CONSIDERAÇÕES INICIAIS ESPÉCIES DE PROPAGANDA POLÍTICA

Propaganda Eleitoral. Eduardo Buzzinari Ribeiro de Sá 1 CONSIDERAÇÕES INICIAIS ESPÉCIES DE PROPAGANDA POLÍTICA Série Aperfeiçoamento de Magistrados 7 Curso: 1º Seminário de Direito Eleitoral: Temas Relevantes para as Eleições de 2012 Propaganda Eleitoral 85 Eduardo Buzzinari Ribeiro de Sá 1 CONSIDERAÇÕES INICIAIS

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 005/2015

RESOLUÇÃO Nº 005/2015 RESOLUÇÃO Nº 005/2015 Regulamenta e publica Edital complementar das regras da Campanha Eleitoral para a eleição dos conselheiros tutelares de Cacique Doble. O Conselho Municipal dos Direitos da Criança

Leia mais

Audiência Pública da Justiça Eleitoral

Audiência Pública da Justiça Eleitoral PELO VOTO LIVRE E CONSCIENTE Poder Judiciário 33ª Zona Eleitoral de Itacajá Abertura No próximo dia 5 de outubro, o povo brasileiro retorna às urnas, desta vez para escolher prefeitos, vice-prefeitos e

Leia mais

PARECER Nº, DE 2013. RELATOR: Senador VALDIR RAUPP

PARECER Nº, DE 2013. RELATOR: Senador VALDIR RAUPP PARECER Nº, DE 2013 Da COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO, JUSTIÇA E CIDADANIA, sobre o Substitutivo da Câmara dos Deputados ao Projeto de Lei do Senado nº 441, de 2012 (nº 6.397, de 2013, na Câmara dos Deputados),

Leia mais

Perguntas e Respostas

Perguntas e Respostas Perguntas e Respostas RESPOSTAS ÀS QUESTÕES APRESENTADAS NO SEMINÁRIO EM ANO DE ELEIÇÃO, A REGRA É CLARA, REALIZADO EM 25/03/14, NO AUDITÓRIO I DO PALÁCIO DO PLANALTO. Recomenda-se cautela na utilização

Leia mais

MINUTA DECRETO Nº, DE DE DE 20.

MINUTA DECRETO Nº, DE DE DE 20. MINUTA DECRETO Nº, DE DE DE 20. Regulamenta os artigos 60 e 61 da Lei Nº 9.860, de 01 de julho de 2013, que dispõe sobre o processo de eleição direta para a função de Gestão Escolar das Unidades de Ensino

Leia mais

Calendário Eleitoral 2012 - Eleições Municipais

Calendário Eleitoral 2012 - Eleições Municipais Calendário Eleitoral 2012 - Eleições Municipais Em ano de eleições municipais é importante estar atento ao calendário eleitoral 2012 para as eleições municipais. O Tribunal Superior Eleitoral/TSE divulgou

Leia mais

DECRETO N 6611de 10 de Setembro de 2015.

DECRETO N 6611de 10 de Setembro de 2015. DECRETO N 6611de 10 de Setembro de 2015. Ementa: Estabelece medidas administrativas de racionalização, controle orçamentário e contenção de despesas no que se refere aos gastos com pessoal no âmbito da

Leia mais

ANÚNCIO DO GOVERNANTE

ANÚNCIO DO GOVERNANTE ANÚNCIO DO GOVERNANTE Por Severino Coelho Viana A chamada propaganda institucional, que deveria ser chamada de anúncio do governante, desvia sutilmente a finalidade constitucional que foi posta, pois o

Leia mais

LEI MUNICIPAL Nº 545/2009.

LEI MUNICIPAL Nº 545/2009. LEI MUNICIPAL Nº 545/2009. EMENTA: INSTITUI O PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA, NA EMANCIPAÇÃO SUSTENTADA DAS FAMÍLIAS QUE VIVEM EM SITUAÇÃO DE EXTREMA POBREZA, CRIA O CONSELHO MUNICIPAL DE ACOMPANHAMENTO DO PROGRAMA,

Leia mais

ESTADO DE ALAGOAS PROCURADORIA-GERAL DO ESTADO CENTRO DE ESTUDOS DAS CONDUTAS VEDADAS AOS AGENTES PÚBLICOS EM CAMPANHAS ELEITORAIS ELEIÇÕES 2014

ESTADO DE ALAGOAS PROCURADORIA-GERAL DO ESTADO CENTRO DE ESTUDOS DAS CONDUTAS VEDADAS AOS AGENTES PÚBLICOS EM CAMPANHAS ELEITORAIS ELEIÇÕES 2014 ESTADO DE ALAGOAS PROCURADORIA-GERAL DO ESTADO CENTRO DE ESTUDOS DAS CONDUTAS VEDADAS AOS AGENTES PÚBLICOS EM CAMPANHAS ELEITORAIS ELEIÇÕES 2014 Alagoas /2014 PGE/AL Procuradoria-Geral do Estado de Alagoas

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PREFEITURA MUNICIPAL DE SANT ANA DO LIVRAMENTO Palácio Moysés Vianna Unidade Central de Controle Interno

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PREFEITURA MUNICIPAL DE SANT ANA DO LIVRAMENTO Palácio Moysés Vianna Unidade Central de Controle Interno ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PREFEITURA MUNICIPAL DE SANT ANA DO LIVRAMENTO Palácio Moysés Vianna Unidade Central de Controle Interno PARECER de CONTROLE Nº 015/2011 ENTIDADE SOLICITANTE: Secretaria Municipal

Leia mais

EXMO. SR. JUIZ ELEITORAL DA 16ª ZE DE CAXIAS DO SUL RS

EXMO. SR. JUIZ ELEITORAL DA 16ª ZE DE CAXIAS DO SUL RS EXMO. SR. JUIZ ELEITORAL DA 16ª ZE DE CAXIAS DO SUL RS O ELEITORAL, pelo agente signatário, no exercício das funções ditas pelo artigo 127 da Constituição Federal e pelo artigo 78 da Lei Complementar nº

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO. PORTARIA Nº CF-POR-2012/00116 de 11 de maio de 2012

PODER JUDICIÁRIO. PORTARIA Nº CF-POR-2012/00116 de 11 de maio de 2012 PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL CONSELHO DA JUSTIÇA FEDERAL PORTARIA Nº CF-POR-2012/00116 de 11 de maio de 2012 Dispõe sobre a composição, o funcionamento e as atribuições dos Comitês Gestores do Código

Leia mais

Edital nº 01/2014 Abre período para inscrições ao Processo Eleitoral Suplementar para Cargos de Suplência do Conselho Tutelar de Mariano Moro/RS.

Edital nº 01/2014 Abre período para inscrições ao Processo Eleitoral Suplementar para Cargos de Suplência do Conselho Tutelar de Mariano Moro/RS. Edital nº 01/2014 Abre período para inscrições ao Processo Eleitoral Suplementar para Cargos de Suplência do Conselho Tutelar de Mariano Moro/RS. A Comissão Eleitoral do COMDICAMM de Mariano Moro-RS, no

Leia mais

INCENTIVOS FISCAIS, UMA VISÃO GERAL

INCENTIVOS FISCAIS, UMA VISÃO GERAL INCENTIVOS FISCAIS, UMA VISÃO GERAL Danilo Brandani Tiisel danilo@socialprofit.com.br MOBILIZAÇÃO DE RECURSOS Características da Atividade Atividade planejada e complexa: envolve marketing, comunicação,

Leia mais

Prestação de Contas Eleitoral. Flávio Ribeiro de Araújo Cid Consultor Eleitoral

Prestação de Contas Eleitoral. Flávio Ribeiro de Araújo Cid Consultor Eleitoral Prestação de Contas Eleitoral Flávio Ribeiro de Araújo Cid Consultor Eleitoral Janeiro de 2006 ALGUMAS CONSIDERAÇÕES ACERCA DA PRESTAÇÃO DE CONTAS PARA AS ELEIÇÕES DE 2006 Trata-se de um tema revestido

Leia mais

AUTORIZAÇÃO DE USO DE BEM PERMANENTE EM AMBIENTE EXTERNO A UFRB

AUTORIZAÇÃO DE USO DE BEM PERMANENTE EM AMBIENTE EXTERNO A UFRB AUTORIZAÇÃO DE USO DE BEM PERMANENTE EM AMBIENTE EXTERNO A UFRB 1 BASE LEGAL LEI Nº 8.112, DE 11 DE DEZEMBRO DE 1990 (Dispõe sobre o regime jurídico dos servidores públicos civis da União, das Autarquias

Leia mais

Domicílio eleitoral de deputado federal: possibilidade de concorrer por outra unidade da Federação

Domicílio eleitoral de deputado federal: possibilidade de concorrer por outra unidade da Federação Domicílio eleitoral de deputado federal: possibilidade de concorrer por outra unidade da Federação MIRIAM CAMPELO DE MELO AMORIM Consultora Legislativa da Área I Direito Constitucional, Eleitoral, Municipal,

Leia mais

EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR PROMOTOR ELEITORAL DA CIRCUNSCRIÇÃO ELEITORAL DE JARAGUÁ DO SUL SANTA CATARINA.

EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR PROMOTOR ELEITORAL DA CIRCUNSCRIÇÃO ELEITORAL DE JARAGUÁ DO SUL SANTA CATARINA. EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR PROMOTOR ELEITORAL DA CIRCUNSCRIÇÃO ELEITORAL DE JARAGUÁ DO SUL SANTA CATARINA. ALMIRO ANTUNES FARIAS FILHO, brasileiro, casado, representante comercial, portador da carteira

Leia mais

1 Prefeitura Municipal de Luís Eduardo Magalhães ESTADO DA BAHIA

1 Prefeitura Municipal de Luís Eduardo Magalhães ESTADO DA BAHIA A 1 CNPJ 04.214.41910001-05 DECRETO N 3.091, DE 05 DE JANEIRO DE 2014. "Dispõe sobre a estrutura organizacional da Procuradoria Geral do Município ". O PREFEITO MUNICIPAL DE LUIS EDUARDO MAGALHÃES,, no

Leia mais

Você está recebendo a Cartilha Eleitoral 2014, elaborada pela Abert para orientar a conduta do radiodifusor durante o período eleitoral.

Você está recebendo a Cartilha Eleitoral 2014, elaborada pela Abert para orientar a conduta do radiodifusor durante o período eleitoral. Cartilha Eleitoral 2014 Caro Associado da ABERT, Você está recebendo a Cartilha Eleitoral 2014, elaborada pela Abert para orientar a conduta do radiodifusor durante o período eleitoral. O desconhecimento

Leia mais

CARTILHA: DIREITOS E VANTAGENS DOS SERVIDORES PÚBLICOS UNIDADE ADMINISTRATIVO FINANCEIRA - UNAFIN

CARTILHA: DIREITOS E VANTAGENS DOS SERVIDORES PÚBLICOS UNIDADE ADMINISTRATIVO FINANCEIRA - UNAFIN CARTILHA: DIREITOS E VANTAGENS DOS SERVIDORES PÚBLICOS UNIDADE ADMINISTRATIVO FINANCEIRA - UNAFIN 1. Que vantagens além do vencimento podem ser pagas ao servidor? a) indenizações, que não se incorporam

Leia mais

3LEI Nº 438 DE 09 DE SETEMBRO DE 2014

3LEI Nº 438 DE 09 DE SETEMBRO DE 2014 3LEI Nº 438 DE 09 DE SETEMBRO DE 2014 Dispõe sobre a consignação em folha de pagamento de agente político e servidor da administração municipal do executivo e do legislativo e dá outras providências. O

Leia mais

LEI COMPLEMENTAR Nº 108, DE 29 DE MAIO DE 2001

LEI COMPLEMENTAR Nº 108, DE 29 DE MAIO DE 2001 LEI COMPLEMENTAR Nº 108, DE 29 DE MAIO DE 2001 Dispõe sobre a relação entre a União, os Estados, o Distrito Federal e os Municípios, suas autarquias, fundações, sociedades de economia mista e outras entidades

Leia mais

LEI 11.438, DE 29 DE DEZEMBRO DE

LEI 11.438, DE 29 DE DEZEMBRO DE LEI 11.438, DE 29 DE DEZEMBRO DE 2006 Dispõe sobre incentivos e benefícios para fomentar as atividades de caráter desportivo e dá outras providências. * V. Dec. 6.180/2007 (Regulamenta a Lei 11.438/2006).

Leia mais

TEMAS DEBATIDOS DECISÕES DA COMISSÃO 1- SUPLÊNCIA DE SENADOR. Foram aprovadas as seguintes alterações:

TEMAS DEBATIDOS DECISÕES DA COMISSÃO 1- SUPLÊNCIA DE SENADOR. Foram aprovadas as seguintes alterações: Senado Federal Comissão da Reforma Política TEMAS DEBATIDOS DECISÕES DA COMISSÃO 1- SUPLÊNCIA DE SENADOR a) Redução de dois suplentes de Senador para um; b) Em caso de afastamento o suplente assume; em

Leia mais

SUMÁRIO PREFÁCIO... 13 AGRADECIMENTOS... 15 APRESENTAÇÃO... 17 NOTA INTRODUTÓRIA...

SUMÁRIO PREFÁCIO... 13 AGRADECIMENTOS... 15 APRESENTAÇÃO... 17 NOTA INTRODUTÓRIA... XXSUMÁRIO PREFÁCIO... 13 AGRADECIMENTOS... 15 APRESENTAÇÃO... 17 NOTA INTRODUTÓRIA... 19 1. A TRISTE REALIDADE DA POLITICAGEM BRASILEIRA: UMA VERDADE QUE PRECISA SER ENFRENTADA COM RIGOR E FIRMEZA PELAS

Leia mais

Maratona Fiscal ISS Direito tributário

Maratona Fiscal ISS Direito tributário Maratona Fiscal ISS Direito tributário 1. São tributos de competência municipal: (A) imposto sobre a transmissão causa mortis de bens imóveis, imposto sobre a prestação de serviço de comunicação e imposto

Leia mais

CARTILHA DE ORIENTAÇÕES AOS AGENTES PÚBLICOS DO MUNICÍPIO DE BELÉM NO ANO ELEITORAL.

CARTILHA DE ORIENTAÇÕES AOS AGENTES PÚBLICOS DO MUNICÍPIO DE BELÉM NO ANO ELEITORAL. CARTILHA DE ORIENTAÇÕES AOS AGENTES PÚBLICOS DO MUNICÍPIO DE BELÉM NO ANO ELEITORAL. 2014 Índice: Apresentação Definições Importantes VIsão geral do abuso de poder político e de autoridade Administração

Leia mais

Prestação de contas do Juízo comum e da Justiça Eleitoral:

Prestação de contas do Juízo comum e da Justiça Eleitoral: PRESTAÇÃO DE CONTAS Prestação de contas do Juízo comum e da Justiça Eleitoral: Conceitos: Nós juízes, em especial os que atuam na área cível, somos acostumados com a obrigação de prestação de contas de

Leia mais

PERGUNTAS E RESPOSTAS SOBRE RPPS

PERGUNTAS E RESPOSTAS SOBRE RPPS PERGUNTAS E RESPOSTAS SOBRE RPPS 1 - O que vem a ser regime próprio de previdência social (RPPS)? R: É o sistema de previdência, estabelecido no âmbito de cada ente federativo, que assegure, por lei, ao

Leia mais

INSTITUTO FÓRUM NACIONAL DOS SECRETÁRIOS E DIRIGENTES ESTADUAIS DE TURISMO - INFORUM ESTATUTO SOCIAL SUMÁRIO

INSTITUTO FÓRUM NACIONAL DOS SECRETÁRIOS E DIRIGENTES ESTADUAIS DE TURISMO - INFORUM ESTATUTO SOCIAL SUMÁRIO 1 INSTITUTO FÓRUM NACIONAL DOS SECRETÁRIOS E DIRIGENTES ESTADUAIS DE TURISMO - INFORUM ESTATUTO SOCIAL SUMÁRIO CAPITULO I - DA DENOMINAÇÃO, DOS FINS, DA SEDE E DO PRAZO Art. 2º Para a consecução dos seus

Leia mais

Prefeitura Municipal de Nova Ubiratã Gestão: 2009/2012

Prefeitura Municipal de Nova Ubiratã Gestão: 2009/2012 INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 018 /2011/CSCI Versão: 01 Aprovação em: 17 de novembro de 2011 Ato de Aprovação: 018/2011 Unidades Responsáveis: Assessoria de Imprensa e Comunicação Social DISPÕE SOBRE PROCEDIMENTOS

Leia mais

CAPÍTULO III DA REESTRUTURAÇÃO

CAPÍTULO III DA REESTRUTURAÇÃO LEI N 3934 DISPÕE SOBRE A REESTRUTURAÇÃO E REORGANIZAÇÃO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DO MUNICIPIO DE CACHOEIRO DE ITAPEMIRIM E DÁ OUTRA PROVIDÊNCIAS. A Câmara Municipal de Cachoeiro de Itapemirim,

Leia mais

LIVRO VIII DA ÁREA ELEITORAL

LIVRO VIII DA ÁREA ELEITORAL LIVRO VIII DA ÁREA ELEITORAL Art. 512. O Ministério Público Eleitoral atua perante todas as instâncias e fases do processo eleitoral, na condição de parte ou de custos legis, com a mesma legitimidade assegurada

Leia mais

FINANCIAMENTO DE CAMPANHA ELEITORAL. 1. Da arrecadação e aplicação de recursos

FINANCIAMENTO DE CAMPANHA ELEITORAL. 1. Da arrecadação e aplicação de recursos Módulo - 4 FINANCIAMENTO DE CAMPANHA ELEITORAL 1. Da arrecadação e aplicação de recursos Sob pena de rejeição das contas a arrecadação de recursos e os gastos por candidatos, inclusive dos seus vices e

Leia mais