Você pode contribuir para eleições mais justas

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Você pode contribuir para eleições mais justas"

Transcrição

1 Procuradoria Regional Eleitoral no Estado de SP Defesa da democracia, combate à impunidade. Você pode contribuir para eleições mais justas Os cidadãos e as cidadãs podem auxiliar muito na fiscalização do cumprimento da legislação eleitoral. Os fatos irregulares referentes às eleições de 2014 ocorridos no Estado de São Paulo devem ser relatados à Procuradoria Regional Eleitoral no Estado de São Paulo (PRE/SP), por meio do endereço eletrônico: Confira abaixo informações sobre o trabalho da PRE/SP e sobre o que é e o que não é permitido aos chamados pré-candidatos. Caso você fique sabendo de algum fato que ache que pode ser uma conduta irregular, informe à PRE/SP. É importante relatar o fato, descrevendo-o com detalhes, informando o lugar da ocorrência, a data, quem estava presente, o agente que realizou a conduta, se algum pré-candidato ou pessoa filiada ao partido foi favorecida com ela, se algum pré-candidato ou pessoa filiada ao partido estava presente e qualquer outra informação que possa ser importante para a investigação. Se possível, também é importante que a notícia de irregularidade seja feita com imagens do acontecimento e indicação de testemunhas. 1

2 O Ministério Público Eleitoral e as Eleições de 2014 Nos termos do artigo 27 do Código Eleitoral, compete aos Procuradores Regionais Eleitorais, integrantes do Ministério Público Federal, a atuação junto aos Tribunais Regionais Eleitorais (TREs). Nas eleições de 2014, competirá aos TREs o processamento e julgamento originário de todas as ações que envolvam os cargos de deputado estadual, deputado federal, senador e governador de estado. Assim, nas eleições de 2014, em São Paulo, a atuação originária do Ministério Público Eleitoral será do Procurador Regional Eleitoral no Estado de São Paulo (PRE/SP), que é quem deve atuar perante o Tribunal Regional Eleitoral no Estado. As atribuições da Procuradoria Regional Eleitoral no Estado de São Paulo envolvem atuação em processos penais eleitorais, processos cíveis eleitorais, procedimentos administrativos eleitorais e também atuação no âmbito da inclusão eleitoral. A PRE/SP deve, portanto, atuar para o cumprimento da legislação eleitoral, realizando diversas investigações e ajuizando os processos judiciais cabíveis. 2

3 Como os eleitores podem auxiliar a ação do Ministério Público Eleitoral? A PRE/SP está sempre atenta aos acontecimentos cotidianos que envolvem o direito eleitoral, todavia, é impossível que os Procuradores Regionais Eleitorais estejam em vários lugares ao mesmo tempo. Assim, sempre que os cidadãos e as cidadãs acharem que está ocorrendo alguma irregularidade, devem procurar a PRE/ SP para que esta possa investigar se houve algum tipo de ilícito ou crime eleitoral. Ao relatar a irregularidade, é importante que a pessoa dê o maior número possível de informações e, se possível, notícia de testemunhos ou provas da irregularidade (por exemplo, foto). Os relatos de atos ilícitos podem ser feitos através da página da PRE/SP na internet, no seguinte endereço: A PRE/SP analisa todas as notícias de irregularidades relatadas pelos cidadãos. Após cuidadosa análise, caso não esteja configurada nenhuma irregularidade, a PRE/SP, expondo seus motivos, arquiva o procedimento. Todas as decisões tomadas são fundamentadas no direito eleitoral. É importante que o cidadão e a cidadã relatem qualquer fato que acreditem ser uma irregularidade eleitoral, ainda que não tenham certeza absoluta. A PRE/SP analisará cuidadosamente todos os fatos relatados. 3

4 Condutas vedadas aos pré-candidatos Os chamados pré-candidatos não podem realizar uma série de condutas. Muitas delas referem-se ao período pré-eleitoral, sendo permitidas na campanha eleitoral. Os pré-candidatos não podem: realizar campanha eleitoral antes do dia 6 de julho do ano das eleições (há exceções, informadas abaixo, confira!); é importante ressaltar que a campanha eleitoral não pode ser realizada antes do dia 6 de julho por qualquer meio, inclusive pela internet, seja em sites, seja nas redes sociais; realizar propaganda intrapartidária antes do dia 26 de maio de 2014; captar recursos materiais para a campanha antes do período eleitoral. Imagem: Confira a seguir as explicações sobre as condutas vedadas aos pré-candidatos. 4

5 Propaganda eleitoral A PRE/SP é uma fiel defensora da liberdade de expressão, relembrando sempre a importância do embate de ideias políticas para o voto consciente. No âmbito eleitoral, a liberdade de expressão e de informação é crucial para o voto consciente do eleitor. Todavia, a legislação eleitoral proíbe a propaganda eleitoral antes do dia 6 de julho do ano das eleições (artigo 36 da Lei 9.504/1997 e Resolução /2013 TSE). A propaganda eleitoral é aquela que visa a obtenção de votos para um determinado candidato. Assim, nenhum pré-candidato ou outro político pode realizar propaganda eleitoral antecipada antes do dia 6 de julho de Cada caso tem suas características, razão pela qual deve ser analisado especificamente. No entanto, de modo geral, constituem propaganda eleitoral antecipada aquelas condutas que visam à obtenção de voto dos eleitores. A legislação eleitoral aponta algumas exceções a esta regra: Os filiados a partidos políticos e pré-candidatos podem participar de entrevistas, programas, encontros ou debates no rádio, na televisão e na internet, inclusive com a exposição de plataformas e projetos políticos, desde que observado pelas emissoras do rádio e de televisão o dever de conferir tratamento isonômico (artigo 36-A, I, da Lei 9.504/1997); Realização de encontros, seminários e congressos, em ambien- 5

6 te fechado e às expensas dos partidos políticos, para tratar da organização dos processos eleitorais, discussão de políticas públicas, planos de governo ou alianças partidárias visando às eleições, podendo tais atividades ser divulgadas pelos instrumentos de comunicação intrapartidária (artigo 36-A, II, da Lei 9.504/1997); Realização de prévias partidárias e sua divulgação pelos instrumentos de comunicação intrapartidários e pelas redes sociais, bem como a divulgação de atos de parlamentares e debates legislativos, desde que não se faça pedidos de votos; também é permitida a manifestação e o posicionamento pessoal sobre questões políticas nas redes sociais (artigo 36-A, III, IV e V). Divulgação de atividades parlamentares. É importante salientar que a divulgação deve ser uma prestação de contas sobre o mandato do parlamentar e não uma plataforma para o lançamento de futura candidatura. A propaganda eleitoral não se confunde com a propaganda partidária. A propaganda partidária é realizada em todos os semestres, exceto naqueles em que ocorrem eleições, e tem por finalidade difundir os programas partidários; transmitir mensagens aos filiados sobre a execução do programa partidário, dos eventos com este relacionados e das atividades congressuais do partido; divulgar a posição do partido em relação a temas político-comunitários; promover e difundir a participação política feminina, dedicando às mulheres o tempo que será fixado pelo órgão nacional de direção partidária, observado o mínimo de 10% (artigo 45 da Lei 9.096/1995). 6

7 Propaganda intrapartidária A propaganda intrapartidária só é permitida nos 15 dias anteriores à data marcada pelo partido para realizar a convenção de escolha dos candidatos. É vedado o uso de rádio, televisão e outdoor (artigo 36, 1º da Lei 9.504/1997). Será permitida a partir de 26 de maio de 2014, conforme a Resolução /2013 do TSE. A propaganda intrapartidária é realizada pelo filiado com o objetivo de ser escolhido, pelo partido, como candidato nas eleições, escolha ocorre em convenção partidária. 7

8 Captação de recursos materiais Toda a movimentação financeira da campanha eleitoral deve ser realizada apenas no período eleitoral. Isto acontece pois toda a movimentação deve ser registrada em conta bancária, a ser aberta pelo Comitê Financeiro do partido (artigo 22 da Lei 9.504/1997). Este Comitê é criado em até dez dias úteis após a convenção partidária que escolhe os candidatos (artigo 19 da Lei 9.504/1997). Assim sendo, a movimentação financeira da campanha eleitoral só pode acontecer após a convenção partidária, criação do Comitê Financeiro, registro deste na Justiça Eleitoral e abertura de conta bancária. O objetivo do registro da movimentação financeira em conta bancária é a fiscalização das receitas e dos gastos de campanha. Esta fiscalização também é exercida pelo Ministério Público Eleitoral. A arrecadação de recursos materiais que não transitem pela conta bancária, bem como a sua não declaração na prestação de contas configuram o chamado caixa dois, prática ilegal e extremamente perniciosa para a democracia brasileira. Como já apontado, a criação da conta bancária serve para a fiscalização das receitas e dos gastos de campanha. Isto é importante, dentre outros motivos, para fiscalizar a observância do limite de gastos com a campanha. A cada ano, antes da data prevista para a realização de convenções, uma lei deverá fixar o limite dos gastos de campanha para os cargos em disputa, considerando as peculiaridades locais. Caso a referida lei não seja editada até a data estabelecida, caberá a cada partido político fixar o limite de gastos, comunicando à Justiça Eleitoral, que dará a essas informações ampla publicidade (artigo 17-A da Lei 9.504/1997). 8

9 Além da movimentação de todos os recursos na conta bancária criada pelo Comitê Financeiro e, portanto, sujeita à fiscalização da Justiça Eleitoral, outras normas devem ser observadas para a arrecadação de recursos. As pessoas físicas só poderão doar para a campanha eleitoral valor correspondente à 10% dos seus rendimentos brutos auferidos em 2013, conforme o artigo 23 da Lei 9.504/1997. Já as pessoas jurídicas só poderão doar 2% do seu faturamento bruto em Agentes públicos Os ocupantes de cargos eletivos devem ter a atenção redobrada com as suas condutas. Qualquer ilícito com viés eleitoral (veja exemplos abaixo), mesmo ocorridos antes do registro de candidatura, pode ser objeto de Ação de Investigação Judicial Eleitoral, resultando em cassação do registro, mandato ou diploma e inelegibilidade por oito anos. É o típico exemplo do mandatário que usa de seu cargo (governador, senador, deputado) desde o início do ano para obter dividendos eleitorais, muitas vezes deslocando servidores de suas atividades normais para aquelas tipicamente de campanha ou preparatória de campanha. Agentes públicos não podem: Ceder ou usar bens públicos em favor de candidatos, partidos políticos ou coligações (art. 73, I da Lei 9.504/1997). Ceder ou usar servidor público para realização de campanhas (por exemplo, trabalhando em comitês eleitorais) (art. 73, III da Lei 9.504/1997). Fazer uso promocional de bens públicos em favor de candidatos, partidos políticos ou coligações (art. 73, IV da Lei 9.504/1997). Nomear, admitir, transferir ou dispensar servidor público nos três meses que antecedem as eleições até a posse dos eleitos 9

10 (art. 73, V da Lei 9.504/1997). Fazer propaganda institucional (do próprio governo) nos três meses que antecedem as eleições (art. 73, VI, b da Lei 9.504/1997) apenas para os casos em que os cargos estão em disputa (por exemplo, nas eleições gerais, a proibição não se aplica aos prefeitos). Fazer pronunciamento em cadeia de rádio ou televisão nos três meses que antecedem as eleições (art. 73, VI, c da Lei 9.504/1997) apenas para os casos em que os cargos estão em disputa (por exemplo, nas eleições gerais, a proibição não se aplica aos prefeitos). Realizar, em ano de eleição, despesas com publicidade dos órgãos públicos ou de entidades da administração indireta que excedam a média dos gastos nos três últimos anos que antecedem o pleito ou do último ano imediatamente anterior à eleição (art. 73, VII da Lei 9.504/1997). Dar aumento geral para os servidores públicos além do que for considerado perda do poder aquisitivo naquele ano (art. 73, VIII da Lei 9.504/1997). Contratar shows pagos com recursos públicos nos três meses que antecedem as eleições (art. 75 da Lei 9.504/1997). Fazer distribuição gratuita de bens, valores ou benefícios por parte da Administração Pública, exceto nos casos de calamidade pública, de estado de emergência ou de programas sociais autorizados em lei e já em execução orçamentária no exercício anterior (art. 73, 10º da Lei 9.504/1997). 10

Propaganda Eleitoral. Eduardo Buzzinari Ribeiro de Sá 1 CONSIDERAÇÕES INICIAIS ESPÉCIES DE PROPAGANDA POLÍTICA

Propaganda Eleitoral. Eduardo Buzzinari Ribeiro de Sá 1 CONSIDERAÇÕES INICIAIS ESPÉCIES DE PROPAGANDA POLÍTICA Série Aperfeiçoamento de Magistrados 7 Curso: 1º Seminário de Direito Eleitoral: Temas Relevantes para as Eleições de 2012 Propaganda Eleitoral 85 Eduardo Buzzinari Ribeiro de Sá 1 CONSIDERAÇÕES INICIAIS

Leia mais

FINANCIAMENTO DE CAMPANHA ELEITORAL. 1. Da arrecadação e aplicação de recursos

FINANCIAMENTO DE CAMPANHA ELEITORAL. 1. Da arrecadação e aplicação de recursos Módulo - 4 FINANCIAMENTO DE CAMPANHA ELEITORAL 1. Da arrecadação e aplicação de recursos Sob pena de rejeição das contas a arrecadação de recursos e os gastos por candidatos, inclusive dos seus vices e

Leia mais

Sumário APRESENTAÇÃO DA COLEÇÃO... 13 APRESENTAÇÃO... 15 NOTA À TERCEIRA EDIÇÃO... 17 NOTA À SEGUNDA EDIÇÃO... 19 DIREITO ELEITORAL...

Sumário APRESENTAÇÃO DA COLEÇÃO... 13 APRESENTAÇÃO... 15 NOTA À TERCEIRA EDIÇÃO... 17 NOTA À SEGUNDA EDIÇÃO... 19 DIREITO ELEITORAL... Sumário APRESENTAÇÃO DA COLEÇÃO... 13 APRESENTAÇÃO... 15 NOTA À TERCEIRA EDIÇÃO... 17 NOTA À SEGUNDA EDIÇÃO... 19 CAPÍTULO 1 DIREITO ELEITORAL... 21 1.1. Conceito...21 1.1.1. Competência legislativa em

Leia mais

REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL LEI Nº 11.300, DE 10 DE MAIO DE 2006 Dispõe sobre propaganda, financiamento e prestação de contas das despesas com campanhas eleitorais, alterando a Lei n o 9.504, de 30

Leia mais

Você está recebendo a Cartilha Eleitoral 2014, elaborada pela Abert para orientar a conduta do radiodifusor durante o período eleitoral.

Você está recebendo a Cartilha Eleitoral 2014, elaborada pela Abert para orientar a conduta do radiodifusor durante o período eleitoral. Cartilha Eleitoral 2014 Caro Associado da ABERT, Você está recebendo a Cartilha Eleitoral 2014, elaborada pela Abert para orientar a conduta do radiodifusor durante o período eleitoral. O desconhecimento

Leia mais

Condutas Vedadas aos Agentes Públicos Federais

Condutas Vedadas aos Agentes Públicos Federais Condutas Vedadas aos Agentes Públicos Federais Bases legais Constituição Federal Lei das Eleições (Lei 9.504/97) Lei das Inelegibilidades (LC 64/90) Código Eleitoral Resoluções do TSE Finalidade da Legislação

Leia mais

A LUTA DOS JUÍZES PELA ÉTICA NA POLÍTICA

A LUTA DOS JUÍZES PELA ÉTICA NA POLÍTICA A LUTA DOS JUÍZES PELA ÉTICA NA POLÍTICA APRESENTAÇÃO O financiamento das campanhas eleitorais tem sido, até hoje, matéria por poucos conhecida, restrita em grande medida aos órgãos julgadores, à classe

Leia mais

ORIENTAÇÕES AOS AGENTES PÚBLICOS DO MUNICÍPIO DE FLORIANÓPOLIS NO ANO ELEITORAL 2016

ORIENTAÇÕES AOS AGENTES PÚBLICOS DO MUNICÍPIO DE FLORIANÓPOLIS NO ANO ELEITORAL 2016 ORIENTAÇÕES AOS AGENTES PÚBLICOS DO MUNICÍPIO DE FLORIANÓPOLIS NO ANO ELEITORAL 2016 Apresentação: As Eleições Municipais ocorrerão no dia 02/10/2016, primeiro domingo do mês de outubro. Escolheremos o

Leia mais

Prestação de Contas Eleitoral. Flávio Ribeiro de Araújo Cid Consultor Eleitoral

Prestação de Contas Eleitoral. Flávio Ribeiro de Araújo Cid Consultor Eleitoral Prestação de Contas Eleitoral Flávio Ribeiro de Araújo Cid Consultor Eleitoral Janeiro de 2006 ALGUMAS CONSIDERAÇÕES ACERCA DA PRESTAÇÃO DE CONTAS PARA AS ELEIÇÕES DE 2006 Trata-se de um tema revestido

Leia mais

Cooperativismo E eleições

Cooperativismo E eleições Cooperativismo E eleições 2010 Cooperativismo E eleições 2010 2010. Organização das Cooperativas Brasileiras A reprodução parcial ou total desta publicação é autorizada, desde que citada a fonte. Organização

Leia mais

A Propaganda Institucional e as Eleições de 2008. Randolpho Martino JúniorJ www.vicosa.com.br/randolpho

A Propaganda Institucional e as Eleições de 2008. Randolpho Martino JúniorJ www.vicosa.com.br/randolpho A Propaganda Institucional e as Eleições de 2008 Randolpho Martino JúniorJ www.vicosa.com.br/randolpho Propaganda Institucional Definição: é a publicidade destinada a divulgar os atos, programas, obras,

Leia mais

AMAJUM. No próximo dia 7 de outubro, o povo brasileiro retorna às urnas, desta vez para escolher prefeitos, vice-prefeitos e vereadores.

AMAJUM. No próximo dia 7 de outubro, o povo brasileiro retorna às urnas, desta vez para escolher prefeitos, vice-prefeitos e vereadores. No próximo dia 7 de outubro, o povo brasileiro retorna às urnas, desta vez para escolher prefeitos, vice-prefeitos e vereadores. Produção: Ação conjunta: Tribunal Regional Eleitoral de Mato Grosso Parceiro:

Leia mais

MEDIDA: RESPONSABILIZAÇÃO DOS PARTIDOS POLÍTICOS E CRIMINALIZAÇÃO DO CAIXA 2

MEDIDA: RESPONSABILIZAÇÃO DOS PARTIDOS POLÍTICOS E CRIMINALIZAÇÃO DO CAIXA 2 MEDIDA: RESPONSABILIZAÇÃO DOS PARTIDOS POLÍTICOS E CRIMINALIZAÇÃO DO CAIXA 2 16ª P R O P O S T A L E G I S L A T I V A ANTEPROJETO DE LEI Altera a Lei 9.096/95 para prevê a responsabilização dos partidos

Leia mais

SERVIDORES PÚBLICOS CONDUTAS VEDADAS EM ANO ELEITORAL RELATIVAS A

SERVIDORES PÚBLICOS CONDUTAS VEDADAS EM ANO ELEITORAL RELATIVAS A CONDUTAS VEDADAS EM ANO ELEITORAL RELATIVAS A SERVIDORES PÚBLICOS KLEIDE MARIA TENFFEN FIAMONCINI ADVOGADA DA AMAVI kleide@amavi.org.br / juridico@amavi.org.br O QUE VOCÊ AGENTE PÚBLICO NÃO PODE FAZER!!!

Leia mais

Palestra: Prestação de Contas Eleitoral. Atila Pedroso de Jesus Conselheiro do CRC MT

Palestra: Prestação de Contas Eleitoral. Atila Pedroso de Jesus Conselheiro do CRC MT Palestra: Prestação de Contas Eleitoral Atila Pedroso de Jesus Conselheiro do CRC MT LEGISLAÇÃO APLICÁVEL: Lei n. 9.504, de 30 de setembro de 1997: - Código Eleitoral (dispõe normas para eleição). Lei

Leia mais

LIVRO VIII DA ÁREA ELEITORAL

LIVRO VIII DA ÁREA ELEITORAL LIVRO VIII DA ÁREA ELEITORAL Art. 512. O Ministério Público Eleitoral atua perante todas as instâncias e fases do processo eleitoral, na condição de parte ou de custos legis, com a mesma legitimidade assegurada

Leia mais

A mais um CURSO realizado pela

A mais um CURSO realizado pela A mais um CURSO realizado pela Aqui tem qualificação de Verdade! CONTROLE INTERNO Reforma Política: o que podemos melhorar? Dr. Luiz Fernando Pereira PERÍODO 09h00 X 12h00 09/12/2015 15h às 17h Por gentileza

Leia mais

Governo de Mato Grosso Auditoria Geral do Estado CARTILHA DE ORIENTAÇÃO AOS AGENTES PÚBLICOS

Governo de Mato Grosso Auditoria Geral do Estado CARTILHA DE ORIENTAÇÃO AOS AGENTES PÚBLICOS Governo de Mato Grosso Auditoria Geral do Estado CARTILHA DE ORIENTAÇÃO AOS AGENTES PÚBLICOS Eleições 2014 ORIENTAÇÕES AOS AGENTES PÚBLICOS DO PODER EXECUTIVO DO ESTADO DE MATO GROSSO PARA AS ELEIÇÕES

Leia mais

OBRIGAÇÕES NO ÚLTIMO ANO DE MANDATO

OBRIGAÇÕES NO ÚLTIMO ANO DE MANDATO OBRIGAÇÕES NO ÚLTIMO ANO DE MANDATO Tribunal de Contas do Estado do Tocantins Junho/2008 Coordenadoria LRF Obrigações no último ano de mandato 2008 - último ano de mandato municipal. Um ano que prevê uma

Leia mais

Condutas vedadas aos agentes públicos em período

Condutas vedadas aos agentes públicos em período 1 de 7 15/7/2014 16:51 Este texto foi publicado no site Jus Navigandi no endereço http://50.116.32.46:8081/artigos/27311 Para ver outras publicações como esta, acesse http://jus.com.br Condutas vedadas

Leia mais

TEMAS DEBATIDOS DECISÕES DA COMISSÃO 1- SUPLÊNCIA DE SENADOR. Foram aprovadas as seguintes alterações:

TEMAS DEBATIDOS DECISÕES DA COMISSÃO 1- SUPLÊNCIA DE SENADOR. Foram aprovadas as seguintes alterações: Senado Federal Comissão da Reforma Política TEMAS DEBATIDOS DECISÕES DA COMISSÃO 1- SUPLÊNCIA DE SENADOR a) Redução de dois suplentes de Senador para um; b) Em caso de afastamento o suplente assume; em

Leia mais

O VICE-PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no exercício do cargo de PRESIDENTE DA REPÚBLICA

O VICE-PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no exercício do cargo de PRESIDENTE DA REPÚBLICA LEI Nº 9.504, DE 30 DE SETEMBRO DE 1997 Estabelece normas para as eleições. O VICE-PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no exercício do cargo de PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta

Leia mais

ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL PREFEITURA MUNICIPAL DE CORUMBÁ GABINETE DO PREFEITO

ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL PREFEITURA MUNICIPAL DE CORUMBÁ GABINETE DO PREFEITO REGULAMENTO Nº 01, DE 30 DE JUNHO DE 2008 Dispõe sobre normas e procedimentos administrativos a serem observados por servidores da Administração Pública Municipal candidatos ou não a cargos eletivos em

Leia mais

SUMÁRIO. Nota do autor... 9 Apresentação e estrutura do livro... 11 Lista de Abreviaturas de Termos Processuais e Legais... 13

SUMÁRIO. Nota do autor... 9 Apresentação e estrutura do livro... 11 Lista de Abreviaturas de Termos Processuais e Legais... 13 SUMÁRIO Nota do autor... 9 Apresentação e estrutura do livro... 11 Lista de Abreviaturas de Termos Processuais e Legais... 13 Parte I DIREITO MATERIAL... 17 Abuso do poder econômico... 17 Captação ilícita

Leia mais

ORIENTAÇÕES GERAIS PARA AS ELEIÇÕES 2008: Condutas Vedadas aos Gestores PúblicosP

ORIENTAÇÕES GERAIS PARA AS ELEIÇÕES 2008: Condutas Vedadas aos Gestores PúblicosP Eleições 2008 ORIENTAÇÕES GERAIS PARA AS ELEIÇÕES 2008: Condutas Vedadas aos Gestores PúblicosP Escola Fazendária Teresina, 16 de Junho de 2008 O Art. 73, da Lei nº n 9.504/97, dispõe serem proibidas aos

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 22.579. INSTRUÇÃO Nº 111 CLASSE 12ª DISTRITO FEDERAL (Brasília).

RESOLUÇÃO Nº 22.579. INSTRUÇÃO Nº 111 CLASSE 12ª DISTRITO FEDERAL (Brasília). RESOLUÇÃO Nº 22.579 INSTRUÇÃO Nº 111 CLASSE 12ª DISTRITO FEDERAL (Brasília). Relator: Ministro Ari Pargendler. CALENDÁRIO ELEITORAL (Eleições de 2008) O Tribunal Superior Eleitoral, usando das atribuições

Leia mais

TEMAS DA REFORMA POLÍTICA

TEMAS DA REFORMA POLÍTICA TEMAS DA REFORMA POLÍTICA 1 Sistemas Eleitorais 1.1 Sistema majoritário. 1.2 Sistema proporcional 1.2 Sistema misto 2 - Financiamento eleitoral e partidário 3- Suplência de senador 4- Filiação partidária

Leia mais

MANUAL DE ORIENTAÇÃO AO AGENTE PÚBLICO CONDUTAS E VEDAÇÕES A SEREM OBSERVADAS DURANTE O ANO ELEITORAL

MANUAL DE ORIENTAÇÃO AO AGENTE PÚBLICO CONDUTAS E VEDAÇÕES A SEREM OBSERVADAS DURANTE O ANO ELEITORAL PREFEITURA MUNICIPAL DO NATAL CONTROLADORIA GERAL DO MUNICÍPIO MANUAL DE ORIENTAÇÃO AO AGENTE PÚBLICO CONDUTAS E VEDAÇÕES A SEREM OBSERVADAS DURANTE O ANO ELEITORAL Natal/RN, 05 de dezembro de 2011. APRESENTAÇÃO

Leia mais

PHS SP. 1º Curso de Marke.ng Polí.co. I - Aspectos Legais da pré- campanha

PHS SP. 1º Curso de Marke.ng Polí.co. I - Aspectos Legais da pré- campanha 1º Curso de Marke.ng Polí.co I - Aspectos Legais da pré- campanha Palestrante: Dra. Patricia Brasil Especialista em Direito Eleitoral pela EJEP Escola Eleitoral Paulista do TER/SP Especialista em Direito

Leia mais

PARECER Nº, DE 2013. RELATOR: Senador VALDIR RAUPP

PARECER Nº, DE 2013. RELATOR: Senador VALDIR RAUPP PARECER Nº, DE 2013 Da COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO, JUSTIÇA E CIDADANIA, em decisão terminativa, sobre o Projeto de Lei do Senado nº 441, de 2012, do Senador Romero Jucá, que altera a redação dos art. 8º,

Leia mais

ELEIÇÕES 2012 PANORAMA GERAL. NORMAS. CALENDÁRIO. CONDUTAS VEDADAS.

ELEIÇÕES 2012 PANORAMA GERAL. NORMAS. CALENDÁRIO. CONDUTAS VEDADAS. ELEIÇÕES 2012 PANORAMA GERAL. NORMAS. CALENDÁRIO. CONDUTAS VEDADAS. Jair Eduardo Santana(*) Mestre e Direito do Estado pela PUC/SP. Advogado, parecerista e professor. Presta consultoria e assessoramento

Leia mais

Eleições 2014 Orientações aos Agentes Públicos

Eleições 2014 Orientações aos Agentes Públicos 1 Eleições 2014 Orientações aos Agentes Públicos Ceará 2014 2 CASA CIVIL Cambeba Elaborado com base em Cartilha editada pela 3 6 9 10 12 13 13 16 19 20 20 21 22 23 23 24 4 26 26 29 30 30 32 34 1. alegar

Leia mais

PARECER Nº, DE 2013. RELATOR: Senador VALDIR RAUPP

PARECER Nº, DE 2013. RELATOR: Senador VALDIR RAUPP PARECER Nº, DE 2013 Da COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO, JUSTIÇA E CIDADANIA, sobre o Substitutivo da Câmara dos Deputados ao Projeto de Lei do Senado nº 441, de 2012 (nº 6.397, de 2013, na Câmara dos Deputados),

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº TÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS

RESOLUÇÃO Nº TÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS RESOLUÇÃO Nº INSTRUÇÃO Nº xxxx CLASSE 19ª BRASÍLIA DISTRITO FEDERAL. Relator: Ministro Dispõe sobre a arrecadação de recursos financeiros de campanha eleitoral por cartões de crédito O Tribunal Superior

Leia mais

META 4. LEITURA OBRIGATÓRIA Legislação: CRFB/88, arts. 6 o 17; Doutrina: Direitos sociais; Nacionalidade; Direitos Políticos e Partidos Políticos.

META 4. LEITURA OBRIGATÓRIA Legislação: CRFB/88, arts. 6 o 17; Doutrina: Direitos sociais; Nacionalidade; Direitos Políticos e Partidos Políticos. META 4 LEITURA OBRIGATÓRIA Legislação: CRFB/88, arts. 6 o 17; Doutrina: Direitos sociais; Nacionalidade; Direitos Políticos e Partidos Políticos. EXERCÍCIO 1. (FGV - 2008 - Senado Federal - Policial Legislativo

Leia mais

Prestação de Contas Eleitorais 2010

Prestação de Contas Eleitorais 2010 Prestação de Contas Eleitorais 2010 Tribunal Regional Eleitoral do Estado do Rio Grande do Sul Secretaria de Controle Interno e Auditoria Contas Eleitorais e Partidárias pcontas@tre-rs.gov.br Legislação

Leia mais

RESOLUÇÃO TSE 23.276 DAS DOAÇÕES

RESOLUÇÃO TSE 23.276 DAS DOAÇÕES RESOLUÇÃO TSE 23.276 DAS DOAÇÕES As doações poderão ser realizadas por pessoas físicas ou jurídicas em favor do candidato, comitê financeiro e/ou partido político, mediante (art.22): I cheques cruzados

Leia mais

ELEIÇÕES LIMPAS : CONTRA O FINANCIAMENTO PRIVADO E EM DEFESA DO FINANCIAMENTO DEMOCRÁTICO DE CAMPANHA

ELEIÇÕES LIMPAS : CONTRA O FINANCIAMENTO PRIVADO E EM DEFESA DO FINANCIAMENTO DEMOCRÁTICO DE CAMPANHA ELEIÇÕES LIMPAS : CONTRA O FINANCIAMENTO PRIVADO E EM DEFESA DO FINANCIAMENTO DEMOCRÁTICO DE CAMPANHA O atual sistema político brasileiro está viciado. Abre caminho para a corrupção eleitoral e para uma

Leia mais

Calendário Eleitoral 2012 - Eleições Municipais

Calendário Eleitoral 2012 - Eleições Municipais Calendário Eleitoral 2012 - Eleições Municipais Em ano de eleições municipais é importante estar atento ao calendário eleitoral 2012 para as eleições municipais. O Tribunal Superior Eleitoral/TSE divulgou

Leia mais

Prestação de Contas Eleitorais 2010

Prestação de Contas Eleitorais 2010 Prestação de Contas Eleitorais 2010 Tribunal Regional Eleitoral do Estado do Rio Grande do Sul Secretaria de Controle Interno e Auditoria Contas Eleitorais e Partidárias pcontas@tre-rs.gov.br Legislação

Leia mais

Fique atento às exigências da Legislação Eleitoral

Fique atento às exigências da Legislação Eleitoral Fique atento às exigências da Legislação Eleitoral Em respeito à Legislação Eleitoral, agentes públicos e seus colaboradores devem observar as regras sobre a suspensão de publicidade de atos, programas,

Leia mais

O SR. NELSON MARQUEZELLI (PTB - sp) pronuncia o. seguinte discurso: Sr. Presidente, Sras. e Srs. Deputados,

O SR. NELSON MARQUEZELLI (PTB - sp) pronuncia o. seguinte discurso: Sr. Presidente, Sras. e Srs. Deputados, O SR. NELSON MARQUEZELLI (PTB - sp) pronuncia o seguinte discurso: Sr. Presidente, Sras. e Srs. Deputados, encontra-se em curso, no Congresso Nacional, uma proposta de reforma que aborda questões consideradas

Leia mais

LEI DOS PARTIDOS POLÍTICOS (Lei n. 9.096/95)

LEI DOS PARTIDOS POLÍTICOS (Lei n. 9.096/95) - Partido Político: pessoa jurídica de direito privado, destinada a assegurar, no interesse democrático, a autenticidade do sistema representativo e a defender os direitos fundamentais definidos na CF.

Leia mais

agente público nas eleições de 2014 o que pode e o que não pode

agente público nas eleições de 2014 o que pode e o que não pode agente público nas eleições de 2014 o que pode e o que não pode Governo do Estado de São Paulo Secretaria de Planejamento e Desenvolvimento Regional Fundação Prefeito Faria Lima Cepam Centro de Estudos

Leia mais

ELEIÇÕES LIMPAS PROJETO DE LEI Nº, DE 2013

ELEIÇÕES LIMPAS PROJETO DE LEI Nº, DE 2013 O Congresso Nacional decreta: ELEIÇÕES LIMPAS PROJETO DE LEI Nº, DE 2013 Dispõe sobre o financiamento das campanhas eleitorais e o sistema das eleições proporcionais, alterando a Lei no 4.737, de 15 de

Leia mais

PUBLICAÇÃO DA PROCURADORIA GERAL DO MUNICÍPIO DE LINHARES

PUBLICAÇÃO DA PROCURADORIA GERAL DO MUNICÍPIO DE LINHARES PUBLICAÇÃO DA PROCURADORIA GERAL DO MUNICÍPIO DE LINHARES Prefeito de Linhares Guerino Luíz Zanon Vice-Prefeito de Linhares Paulo Joaquim do Nascimento Procuradora Geral Nádia Lorenzoni Menelli Secretário

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL PROCURADORIA REGIONAL ELEITORAL DE PERNAMBUCO

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL PROCURADORIA REGIONAL ELEITORAL DE PERNAMBUCO MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL PROCURADORIA REGIONAL ELEITORAL DE PERNAMBUCO REF.: REPRESENTAÇÃO N.º 717/2006 CLASSE 16 REPRESENTANTE: PARTIDO DOS TRABALHADORES - PT REPRESENTADO: PARTIDO SOCIAL DA DEMOCRACIA

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br Abuso do poder econômico e financiamento das campanhas eleitorais Eneida Desireé Salgado * A preocupação do legislador com o financiamento das campanhas eleitorais revela o reconhecimento

Leia mais

3. PROCESSO: CONCEITO E FINALIDADE... 27 3.1. Processo eleitoral e seu caráter público... 27 3.2. Processo coletivo... 28

3. PROCESSO: CONCEITO E FINALIDADE... 27 3.1. Processo eleitoral e seu caráter público... 27 3.2. Processo coletivo... 28 STF00094716 Sumório 1. DIREITO ELEITORAL................. 19 2. PROCESSO ELEITORAL................ 25 3. PROCESSO: CONCEITO E FINALIDADE............... 27 3.1. Processo eleitoral e seu caráter público......

Leia mais

FINANCIAMENTO PÚBLICO OU PRIVADO PARA AS CAMPANHAS

FINANCIAMENTO PÚBLICO OU PRIVADO PARA AS CAMPANHAS FINANCIAMENTO PÚBLICO OU PRIVADO PARA AS CAMPANHAS ELEITORAIS? ADRIANA CUOCO PORTUGAL 1 (30/01/2012) A interferência do poder econômico nos rumos políticos de um país tem sido uma fonte de constante preocupação

Leia mais

Prestar contas é fácil: um guia passo a passo

Prestar contas é fácil: um guia passo a passo Lembre-se de que este guia foi elaborado para facilitar a sua compreensão do que é prestar contas à Justiça Eleitoral. Todas as normas, que contêm o assunto detalhadamente, estão disponíveis na página

Leia mais

Prestar contas é fácil: um guia passo a passo

Prestar contas é fácil: um guia passo a passo Quais as regras que devem ser observadas para a Prestação de Contas nas Eleições 2012? Além das normas contidas na Lei nº 9.096/1995 (a Lei dos Partidos Políticos) e na Lei nº 9.504/1997 (a Lei das Eleições),

Leia mais

I - nomeação ou exoneração de cargos em comissão e designação ou dispensa de funções de confiança;

I - nomeação ou exoneração de cargos em comissão e designação ou dispensa de funções de confiança; Para navegar entre as ocorrências da expressão pesquisada existem os marcadores "" em cada ocorrência: - Clicando em "" vai para a próxima

Leia mais

Financiamento de campanhas e prestação de contas

Financiamento de campanhas e prestação de contas Financiamento de campanhas e prestação de contas Crescimento do gasto declarado com campanhas (total nacional) ANO TOTAL DE GASTOS (R$ milhões) ELEITORADO (milhões) CANDIDATOS (unidades) GASTO POR ELEITOR

Leia mais

ÚLTIMO ANO DE MANDATO

ÚLTIMO ANO DE MANDATO ÚLTIMO ANO DE MANDATO Tribunal de Contas do Estado do Tocantins Março/2012 Najla Mansur Braga Coordenadoria de Acompanhamento Contábil e Gestão Fiscal 2012 - último ano de mandato municipal. Um ano que

Leia mais

COMO O AGENTE PÚBLICO MUNICIPAL DEVE SE COMPORTAR NAS ELEIÇÕES

COMO O AGENTE PÚBLICO MUNICIPAL DEVE SE COMPORTAR NAS ELEIÇÕES COMO O AGENTE PÚBLICO MUNICIPAL DEVE SE COMPORTAR NAS ELEIÇÕES 2014 Sumário APRESENTAÇÃO 4 DEFINIÇÃO DE AGENTE PÚBLICO PARA FINS ELEITORAIS 5 CONDUTAS VEDADAS AOS AGENTES PÚBLICOS EM CAMPANHAS ELEITORAIS

Leia mais

Inelegibilidade: A Questão das Doações de Campanha nas Eleições 2010

Inelegibilidade: A Questão das Doações de Campanha nas Eleições 2010 Inelegibilidade: A Questão das Doações de Campanha nas Eleições 2010 27 André Fernandes Arruda 1 INTRODUÇÃO O presente trabalho pretende abordar o tema da aplicação da pena de inelegibilidade nas representações

Leia mais

Reforma Política Democrática Eleições Limpas 13 de janeiro de 2015

Reforma Política Democrática Eleições Limpas 13 de janeiro de 2015 Reforma Política Democrática Eleições Limpas 13 de janeiro de 2015 A Coalizão é uma articulação da sociedade brasileira visando a uma Reforma Política Democrática. Ela é composta atualmente por 101 entidades,

Leia mais

LEI 13.165/2015 (Reforma eleitoral com o objetivo de reduzir os custos das campanhas)

LEI 13.165/2015 (Reforma eleitoral com o objetivo de reduzir os custos das campanhas) Página1 INTRODUÇÃO Resumo das principais alterações promovidas pela LEI 13.165/2015 (Reforma eleitoral com o objetivo de reduzir os custos das campanhas) Elaborado em 01/10/2015 Márcio André Lopes Cavalcante

Leia mais

agente público no período eleitoral o que pode e o que não pode

agente público no período eleitoral o que pode e o que não pode agente público no período eleitoral o que pode e o que não pode Governo do Estado de São Paulo Geraldo Alckmin Secretaria de Planejamento e Desenvolvimento Regional Julio Semeghini Fundação Prefeito Faria

Leia mais

de 2014, em todo o Brasil.

de 2014, em todo o Brasil. ELEIÇÕES GERAIS Votação acontece em 5 de outubro de 2014, em todo o Brasil. AS BASES DO DIREITO ELEITORAL Constituição da República Arts. 1º, V, 5º, 14-17, 118-121, 220 e outros; Código Eleitoral (Lei

Leia mais

PROPAGANDA ELEITORAL

PROPAGANDA ELEITORAL PROPAGANDA ELEITORAL Katherine Schreiner katherine@eleitoralbrasil.com.br http://www.eleitoralbrasil.com.br Propaganda Política A expressão propaganda política é empregada para significar, em síntese,

Leia mais

TRIBUNAL SUPERIOR ELEITORAL RESOLUÇÃO N 23.089 INSTRUÇÃO N 126 - CLASSE 19ª - BRASÍLIA - DISTRITO FEDERAL.

TRIBUNAL SUPERIOR ELEITORAL RESOLUÇÃO N 23.089 INSTRUÇÃO N 126 - CLASSE 19ª - BRASÍLIA - DISTRITO FEDERAL. TRIBUNAL SUPERIOR ELEITORAL RESOLUÇÃO N 23.089 INSTRUÇÃO N 126 - CLASSE 19ª - BRASÍLIA - DISTRITO FEDERAL. Relator: Ministro Arnaldo Versiani. CALENDÁRIO ELEITORAL (Eleições de 2010) O Tribunal Superior

Leia mais

ASPECTOS DA LEGISLAÇÃO ELEITORAL SOBRE PROPAGANDA ELEITORAL

ASPECTOS DA LEGISLAÇÃO ELEITORAL SOBRE PROPAGANDA ELEITORAL ENCONTRO NACIONAL DE COMUNICAÇÃO DO PCdoB - Eleições 2010 ASPECTOS DA LEGISLAÇÃO ELEITORAL SOBRE PROPAGANDA ELEITORAL Paulo Machado Guimarães Advogado e Assessor Jurídico da Direção Nacional do PCdoB e

Leia mais

O que fazer para reformar o Senado?

O que fazer para reformar o Senado? O que fazer para reformar o Senado? Cristovam Buarque As m e d i d a s para enfrentar a crise do momento não serão suficientes sem mudanças na estrutura do Senado. Pelo menos 26 medidas seriam necessárias

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PREFEITURA MUNICIPAL DE SANT ANA DO LIVRAMENTO Palácio Moisés Viana Unidade Central de Controle Interno

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PREFEITURA MUNICIPAL DE SANT ANA DO LIVRAMENTO Palácio Moisés Viana Unidade Central de Controle Interno ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PREFEITURA MUNICIPAL DE SANT ANA DO LIVRAMENTO Palácio Moisés Viana Unidade Central de Controle Interno COMUNICADO UCCI nº 001/2008. ÓRGÃO: Gabinete do Prefeito Municipal, Poder

Leia mais

Pode. Alto-falantes ou amplificadores de som. Pode

Pode. Alto-falantes ou amplificadores de som. Pode O Tribunal Superior Eleitoral publicou a Resolução nº 23.404/14, com as regras sobre propaganda eleitoral a serem seguidas nas eleições de 2014. Estão relacionados abaixo os tipos de propaganda mais comuns

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº xx.xxx INSTRUÇÃO Nº 952-19.2013.6.00.0000 CLASSE 19 BRASÍLIA DISTRITO FEDERAL

RESOLUÇÃO Nº xx.xxx INSTRUÇÃO Nº 952-19.2013.6.00.0000 CLASSE 19 BRASÍLIA DISTRITO FEDERAL RESOLUÇÃO Nº xx.xxx INSTRUÇÃO Nº 952-19.2013.6.00.0000 CLASSE 19 BRASÍLIA DISTRITO FEDERAL Relator: Ministro Dias Toffoli Interessado: Tribunal Superior Eleitoral Dispõe sobre pesquisas eleitorais para

Leia mais

ORIENTAÇÕES AOS AGENTES PÚBLICOS NO PERÍODO ELEITORAL

ORIENTAÇÕES AOS AGENTES PÚBLICOS NO PERÍODO ELEITORAL SEJA LEGAL ELEIÇÕES 2014 ELEIÇÕES20141 ORIENTAÇÕES AOS AGENTES PÚBLICOS NO PERÍODO ELEITORAL Eleições 2014 - Orientações.indd 1 20/05/2014 09:57:32 EXPEDIENTE 2 MESA DIRETORA: Presidente Ricardo Marcelo

Leia mais

REGISTRO DE CANDIDATO

REGISTRO DE CANDIDATO LEGISLAÇÃO APLICÁVEL - Constituição Federal - Código Eleitoral (Lei n. 4737/65) - Lei n. 9.504/97 (Lei das Eleições) - Lei Complementar n. 64/90 (Lei das Inelegibilidades) DISPOSIÇÕES GERAIS REGISTRO DE

Leia mais

A Vedação da Propaganda Institucional no Período Eleitoral e a Lei 9.504/97

A Vedação da Propaganda Institucional no Período Eleitoral e a Lei 9.504/97 268 Série Aperfeiçoamento de Magistrados 7 Curso: 1º Seminário de Direito Eleitoral: Temas Relevantes para as Eleições de 2012 A Vedação da Propaganda Institucional no Período Eleitoral e a Lei 9.504/97

Leia mais

expert PDF Trial Prestação de Contas Eleitorais Res. 23.406/14 TSE Setembro 2014 Elaborado por: Grupo de Trabalho CRC SP

expert PDF Trial Prestação de Contas Eleitorais Res. 23.406/14 TSE Setembro 2014 Elaborado por: Grupo de Trabalho CRC SP Palestra Prestação de Contas Eleitorais Res. 23.406/14 TSE Elaborado por: Grupo de Trabalho CRC SP Prestação de Contas Eleitorais A reprodução total ou parcial, bem como a reprodução de apostilas a partir

Leia mais

Audiência Pública da Justiça Eleitoral

Audiência Pública da Justiça Eleitoral PELO VOTO LIVRE E CONSCIENTE Poder Judiciário 33ª Zona Eleitoral de Itacajá Abertura No próximo dia 5 de outubro, o povo brasileiro retorna às urnas, desta vez para escolher prefeitos, vice-prefeitos e

Leia mais

Advocacia-Geral da União Subchefia para Assuntos Jurídicos Casa Civil da Presidência da República Centro de Ética Pública da Presidência da República

Advocacia-Geral da União Subchefia para Assuntos Jurídicos Casa Civil da Presidência da República Centro de Ética Pública da Presidência da República Advocacia-Geral da União Subchefia para Assuntos Jurídicos Casa Civil da Presidência da República Centro de Ética Pública da Presidência da República Comissão de Ética Pública da Presidêcia da República

Leia mais

JUSTIÇA ELEITORAL TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DO RIO GRANDE DO SUL ACÓRDÃO

JUSTIÇA ELEITORAL TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DO RIO GRANDE DO SUL ACÓRDÃO PROCESSO: Cta 397-85.2011.6.21.0000 PROCEDÊNCIA: PORTO ALEGRE INTERESSADO: PARTIDO PROGRESSISTA- PP Vistos, etc. Consulta. Eleições 2012. Questionamento sobre a possibilidade da manutenção, em período

Leia mais

ELEIÇÕES 2012 CAMPANHA ELEITORAL

ELEIÇÕES 2012 CAMPANHA ELEITORAL 2S SOLUÇÕES pode e não pode Elaboração: Victor Ferreira João de Oliveira 2 COMÍCIOS E REUNIÕES PÚBLICAS Tradicional forma de arregimentação de pessoas para difundir a proposta do candidato, partido ou

Leia mais

CONDUTAS VEDADAS AOS AGENTES PÚBLICOS MUNICIPAIS EM PERÍODO ELEITORAL ELEIÇÕES 2014

CONDUTAS VEDADAS AOS AGENTES PÚBLICOS MUNICIPAIS EM PERÍODO ELEITORAL ELEIÇÕES 2014 CONDUTAS VEDADAS AOS AGENTES PÚBLICOS MUNICIPAIS EM PERÍODO ELEITORAL ELEIÇÕES 2014 Procuradoria Geral do Município Procuradoria Consultiva 1ª edição João Pessoa 2014 Endereço: Paço Municipal Praça Pedro

Leia mais

ESTADO DE PERNAMBUCO PROCURADORIA GERAL DO ESTADO CARTILHA ELEIÇÕES 2014 ORIENTAÇÕES GERAIS AOS AGENTES PÚBLICOS ESTADUAIS

ESTADO DE PERNAMBUCO PROCURADORIA GERAL DO ESTADO CARTILHA ELEIÇÕES 2014 ORIENTAÇÕES GERAIS AOS AGENTES PÚBLICOS ESTADUAIS ESTADO DE PERNAMBUCO PROCURADORIA GERAL DO ESTADO CARTILHA ELEIÇÕES 2014 ORIENTAÇÕES GERAIS AOS AGENTES PÚBLICOS ESTADUAIS 2014 1 - APRESENTAÇÃO A presente cartilha reúne, de forma sistemática e concisa,

Leia mais

CARTILHA DO VOTO CONSCIENTE

CARTILHA DO VOTO CONSCIENTE CARTILHA DO VOTO CONSCIENTE ART. 1, 1 da Constituição Federal de 88: Todo o poder emana do povo, que o exerce por meio de representantes eleitos ou diretamente, nos termos desta Constituição. Voto consciente:

Leia mais

Edital nº 01/2014 Abre período para inscrições ao Processo Eleitoral Suplementar para Cargos de Suplência do Conselho Tutelar de Mariano Moro/RS.

Edital nº 01/2014 Abre período para inscrições ao Processo Eleitoral Suplementar para Cargos de Suplência do Conselho Tutelar de Mariano Moro/RS. Edital nº 01/2014 Abre período para inscrições ao Processo Eleitoral Suplementar para Cargos de Suplência do Conselho Tutelar de Mariano Moro/RS. A Comissão Eleitoral do COMDICAMM de Mariano Moro-RS, no

Leia mais

PROPAGANDA ELEITORAL

PROPAGANDA ELEITORAL O que é Propaganda Eleitoral? A partir de quando pode ocorrer a propaganda eleitoral? Pode ser realizada propaganda eleitoral em língua estrangeira? Quais os tipos de propaganda eleitoral permitidos? A

Leia mais

COMISSÃO DIRETORA PARECER Nº 1.311, DE 2013

COMISSÃO DIRETORA PARECER Nº 1.311, DE 2013 COMISSÃO DIRETORA PARECER Nº 1.311, DE 2013 Redação final do Projeto de Lei do Senado nº 441, de 2012 (nº 6.397, de 2013, na Câmara dos Deputados). A Comissão Diretora apresenta a redação final do Projeto

Leia mais

ELEICÕES. Condutas Vedadas aos Agentes Públicos Municipais em Período Eleitoral

ELEICÕES. Condutas Vedadas aos Agentes Públicos Municipais em Período Eleitoral SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO 2. DEFINIÇÃO DE AGENTE PÚBLICO PARA FINS ELEITORAIS. 3. DAS S VEDADAS AOS AGENTES PÚBLICOS 3.1 BENS, SERVIÇOS E MATERIAIS 3.2. GESTÃO DE PESSOAL 3.3. PUBLICIDADE 03 04 05 05 07 09

Leia mais

FINANCIAMENTO DE CAMPANHAS ELEITORAIS

FINANCIAMENTO DE CAMPANHAS ELEITORAIS FINANCIAMENTO DE CAMPANHAS ELEITORAIS ANA LUIZA BACKES Consultor Legislativo da Área XIX Ciência Política, Sociologia Política, História, Relações Internacionais MARÇO/2014 Ana Luiza Backes 2 SUMÁRIO 1.

Leia mais

Manual para o Período Eleitoral do ano de 2014 ORIENTAÇÕES SOBRE A ATIVIDADE PUBLICITÁRIA PARA O PERÍODO ELEITORAL DO ANO DE 2014

Manual para o Período Eleitoral do ano de 2014 ORIENTAÇÕES SOBRE A ATIVIDADE PUBLICITÁRIA PARA O PERÍODO ELEITORAL DO ANO DE 2014 Manual para o Período Eleitoral do ano de 2014 ORIENTAÇÕES SOBRE A ATIVIDADE PUBLICITÁRIA PARA O PERÍODO ELEITORAL DO ANO DE 2014 Subsecretaria de Comunicação 2014 1 ESCLARECIMENTOS INICIAIS Está em curso

Leia mais

Diretrizes de Cobertura Jornalística

Diretrizes de Cobertura Jornalística Introdução As eleições 2014 marcam a quarta cobertura eleitoral da Empresa Brasil de Comunicação - EBC. Desde a primeira eleição, a EBC divulga para seus funcionários e para o público em geral um Manual

Leia mais

Financiamento de Campanhas Eleitorais. Brasília - DF 09/10/2014

Financiamento de Campanhas Eleitorais. Brasília - DF 09/10/2014 Financiamento de Campanhas Eleitorais Brasília - DF 09/10/2014 Democracia representativa Direito de votar e ser votado Financiamento de campanhas Financiamento de campanhas Nº Nome Partido Receitas 21

Leia mais

INSTRUÇÃO Nº xxx-xx.xxxx.x.xx.xxxx CLASSE 19 BRASÍLIA DISTRITO FEDERAL

INSTRUÇÃO Nº xxx-xx.xxxx.x.xx.xxxx CLASSE 19 BRASÍLIA DISTRITO FEDERAL RESOLUÇÃO Nº xx.xxx INSTRUÇÃO Nº xxx-xx.xxxx.x.xx.xxxx CLASSE 19 BRASÍLIA DISTRITO FEDERAL Relator: Ministro Dias Toffoli Interessado: Tribunal Superior Eleitoral Dispõe sobre pesquisas eleitorais para

Leia mais

Resolução TSE n. 23.404 (27-02-2014) Capítulo VII artigos 33 a 48

Resolução TSE n. 23.404 (27-02-2014) Capítulo VII artigos 33 a 48 HORÁRIO ELEITORAL 2014 RESOLUÇÃO TSE 23404 Resolução TSE n. 23.404 (27-02-2014) Capítulo VII artigos 33 a 48 Capítulo VII Da Propaganda Eleitoral Gratuita no Rádio e na Televisão Art. 33 A propaganda eleitoral

Leia mais

Cartilha VOTE CONSCIENTE VOTE BEM

Cartilha VOTE CONSCIENTE VOTE BEM Cartilha VOTE VOTE BEM CONSCIENTE O mês de outubro marca a escolha de quem estará, durante os próximos anos, à frente do poder no Brasil. É um dos momentos mais significativos, pois é a hora de o brasileiro

Leia mais

23.216 - INSTRUÇÃO Nº 22-06.2010.6.00.0000 CLASSE 19 BRASÍLIA DISTRITO FEDERAL.

23.216 - INSTRUÇÃO Nº 22-06.2010.6.00.0000 CLASSE 19 BRASÍLIA DISTRITO FEDERAL. 23.216 - INSTRUÇÃO Nº 22-06.2010.6.00.0000 CLASSE 19 BRASÍLIA DISTRITO FEDERAL. Relator: Ministro Arnaldo Versiani. Interessado: Tribunal Superior Eleitoral. Dispõe sobre a arrecadação de recursos financeiros

Leia mais

COMISSÃO DIRETORA PARECER Nº, DE 2013

COMISSÃO DIRETORA PARECER Nº, DE 2013 COMISSÃO DIRETORA PARECER Nº, DE 2013 Redação final do Substitutivo ao Projeto de Lei do Senado nº 441, de 2012. A Comissão Diretora apresenta a redação final do Substitutivo ao Projeto de Lei do Senado

Leia mais

CONDUTAS VEDADAS EM ANO ELEITORAL E FINAL DE MANDATO MUNICIPAL Palestrante: Marcos Fey Probst

CONDUTAS VEDADAS EM ANO ELEITORAL E FINAL DE MANDATO MUNICIPAL Palestrante: Marcos Fey Probst CONDUTAS VEDADAS EM ANO ELEITORAL E FINAL DE MANDATO MUNICIPAL Palestrante: Marcos Fey Probst Promoção: Execução: Condutas vedadas em ano eleitoral Promoção Execução Condutas Vedadas em ano eleitoral Art.

Leia mais

CONDUTAS VEDADAS AOS AGENTES PÚBLICOS FEDERAIS EM ELEIÇÕES MUNICIPAIS

CONDUTAS VEDADAS AOS AGENTES PÚBLICOS FEDERAIS EM ELEIÇÕES MUNICIPAIS Presidência da República Advocacia-Geral da União Subchefia para Assuntos Jurídicos da Casa Civil AOS AGENTES PÚBLICOS FEDERAIS EM ELEIÇÕES MUNICIPAIS ELEIÇÕES 2008 ADVOCACIA-GERAL DA UNIÃO Presidência

Leia mais

Pesquisas Eleitorais Res. TSE nº 23.453/15 Lei nº 12.891/2013.

Pesquisas Eleitorais Res. TSE nº 23.453/15 Lei nº 12.891/2013. Pesquisas Eleitorais Res. TSE nº 23.453/15 Lei nº 12.891/2013. PESQUISAS E TESTES PRÉ-ELEITORAIS Duas regras básicas: 1º) para conhecimento pessoal ou uso interno, pode ser feita de forma livre e informal;

Leia mais

Prefácio 11 Introdução 13

Prefácio 11 Introdução 13 Sumário Prefácio 11 Introdução 13 1. Contextualização: Internet, redes sociais sob a ótica da responsabilidade jurídica e o Marco Civil da Internet 17 1.1 A regulamentação jurídica da internet 19 1.1.1

Leia mais

SUBSECRETARIA DE COMUNICAÇÃO SOCIAL DA CASA CIVIL

SUBSECRETARIA DE COMUNICAÇÃO SOCIAL DA CASA CIVIL SUBSECRETARIA DE COMUNICAÇÃO SOCIAL DA CASA CIVIL ORIENTAÇÕES PARA A PUBLICIDADE GOVERNAMENTAL DURANTE O PERÍODO ELEITORAL 2014 ORIENTAÇÕES PARA A PUBLICIDADE GOVERNAMENTAL DURANTE O PERÍODO ELEITORAL

Leia mais

Doação irregular de campanha, Ministério Público e ativismo judiciário

Doação irregular de campanha, Ministério Público e ativismo judiciário Doação irregular de campanha, Ministério Público e ativismo judiciário Por: Carina Barbosa Gouvêa O Supremo Tribunal Federal (STF) reconheceu a repercussão geral, através do plenário virtual, do tema debatido

Leia mais