Fique atento às exigências da Legislação Eleitoral

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Fique atento às exigências da Legislação Eleitoral"

Transcrição

1 Fique atento às exigências da Legislação Eleitoral Em respeito à Legislação Eleitoral, agentes públicos e seus colaboradores devem observar as regras sobre a suspensão de publicidade de atos, programas, obras, serviços e campanhas dos órgãos e entidades do Poder Executivo Federal, entre outras regras de conduta específicas para o período eleitoral entre 5 de julho e 5 de outubro de 2014, em caso de 1º turno. Ou 5 de julho a 26 de outubro de 2014, em caso de 2º turno para eleições presidenciais. 1. QUEM PODE SER PUNIDO PELA LEI ELEITORAL Qualquer pessoa que preste serviço ao Ministério da Saúde está sujeita ao controle da legislação eleitoral. As vedações alcançam todos que exercem mandato, cargo, emprego ou função no Ministério da Saúde ou em suas entidades, ainda que de forma transitória ou sem remuneração, mediante eleição, nomeação, designação, contratação ou qualquer outra forma de investidura ou vínculo. Isso significa que as regras de conduta durante o período eleitoral abrangem servidores, consultores, colaboradores, apoiadores, bolsistas, terceirizados e estagiários do Ministério e órgãos vinculados Funasa, Into, Inca, Fiocruz, ANS, Anvisa, INC, Hemobrás e hospitais federais. Penalidade: as condutas vedadas caracterizam atos de improbidade administrativa. Os responsáveis estão sujeitos à multa de R$ 5 mil a R$ 100 mil e poderão ter o registro ou diploma cassado. 2. CONDUTAS VEDADAS SOBRE A PARTICIPAÇÃO EM EVENTOS E INAUGURAÇÕES DE OBRAS PÚBLICAS Qualquer gestor pode comparecer a eventos durante o período eleitoral, desde que candidatos não estejam presentes. Cabe ressaltar ainda que o gestor não pode compor mesa com candidatos nem cita-los em seus pronunciamentos. A recomendação é que, antes de confirmar participação no evento, o convidado verifique com o Cerimonial se haverá candidatos na ocasião. Contratar shows artísticos (ao vivo ou gravado) para inauguração de obras ou serviços públicos. Fazer pronunciamento em cadeia de rádio e televisão fora do horário eleitoral gratuito (salvo quando, a critério da Justiça Eleitoral, tratar-se de matéria urgente, relevante e característica das funções de governo).

2 Veicular, ainda que gratuitamente, propaganda eleitoral na internet, em sítios oficiais ou hospedados pelo Ministério da Saúde. SOBRE O USO DE MOBILIÁRIOS, SERVIÇOS MATERIAIS E DE PESSOAL Uso de bens do Ministério da Saúde espaços físicos, veículos, material de escritório e impressoras em atividade com finalidade eleitoral ou que possa configurar favorecimento a candidatos ou coligação partidária. Não é permitido, inclusive, o uso desses bens para deslocamento até uma atividade eleitoral ou para troca de informações sobre campanha. A mesma orientação vale para o uso de computadores, celulares e s funcionais e até pessoal de computador institucional. Fazer ou permitir o uso promocional de serviços e programas do Ministério da Saúde em favor de candidato, partido político ou coligação partidária. Isso não significa que os programas ou ações devam ser interrompidos, o que se interdita é a utilização em favor de candidato. Ceder servidores e colaboradores do Ministério da Saúde ou usar de seus serviços em atividades de campanha eleitoral, de partido político ou coligação partidária durante o expediente normal. As exceções são para servidores licenciados, de férias ou fora do horário de trabalho ou de suas atividades. SOBRE CONTRATAÇÃO E AUMENTO SALARIAL Nomear, contratar, demitir sem justa causa, exonerar, retirar vantagens ou mesmo dificultar o exercício funcional de servidores e colaboradores durante o período eleitoral até a posse dos eleitos. Fazer revisão geral da remuneração dos servidores públicos que exceda a recomposição da perda de seu poder aquisitivo ao longo do ano da eleição. O aumento da despesa com pessoal expedido nos 180 dias anteriores ao final do mandato do presidente da República. Nomeação ou exoneração de cargos em comissão ou dispensa de funções de confiança. Nomeação dos aprovados em concursos públicos homologados até o dia 4 de julho de Nomeação ou contratação necessária à instalação ou para o funcionamento de serviços públicos essenciais, com prévia e expressa autorização do Chefe do Poder Executivo. SOBRE A TRANSFERÊNCIA DE RECURSOS Realizar transferência voluntária de recursos do Ministério da Saúde aos Estados, DF e Municípios, sob pena de nulidade de pleno direito. Apenas podem ser realizadas as transferências de recursos destinados a cumprir

3 obrigação formal preexistente para execução de obra ou serviço em andamento e com cronograma prefixado, e os destinados a atender situações de emergência e de calamidade pública. É proibida a operação de crédito por antecipação de receita no último ano de mandato do Presidente da República. É vedado ao Presidente da República, nos últimos dois quadrimestres do seu mandato, contrair obrigação de despesa que não possa ser cumprida integralmente dentro dele, ou que tenha parcelas a serem pagas no exercício seguinte sem que haja suficiente disponibilidade de caixa para este efeito. Transferência de recursos entre órgãos e entidades públicas federais. Exemplo: do Ministério da Saúde para Universidades Federais. Transferência, por meio de Portarias, de recursos previstos em políticas ou programas do Ministério da Saúde, por não se tratarem de transferências voluntárias. Conceitua-se como transferência voluntária a entrega de recursos correntes ou de capital a outro ente da Federação, a título de cooperação, auxilio ou assistência financeira, que não decorra de determinação constitucional, legal ou os destinados ao Sistema Único de Saúde (cf. art. 25 da Lei Complementar nº 101, de 4 de maio de 2000). Transferência, por meio de convênios ou contratos de repasse de recursos do Ministério da Saúde para Estados, DF e Municípios: Se o empenho tiver sido realizado até 04/07/2014, o repasse poderá ser realizado durante o período eleitoral; Se empenho tiver sido realizado após 04/07/2014, o repasse só poderá ser realizado depois do período eleitoral. Repasse de recursos para entidades privadas. Embora não estejam proibidas, as transferências deverão ser analisadas, caso a caso, sob pena de ser considerada ilícita - o que sujeitaria o ato administrativo e o agente público às sanções prescritas no art. 22 da Lei Complementar nº 64, de Repasses de convênios e contratos para obras e serviços em andamento. O Tribunal Superior Eleitoral entende que são considerados em andamento os projetos já fisicamente iniciados. Transferências de recursos destinadas a atender situações de emergência e de calamidade pública. Os recursos deverão ser suspensos após a situação de emergência ou estado de calamidade ser controlada, mesmo que os municípios e estados ainda necessitem de apoio para mitigar os danos decorrentes dos

4 eventos adversos que deram causa à situação de emergência ou ao estado de calamidade. SOBRE A CONDUTA ESPECÍFICA PARA MINISTROS, SECRETÁRIOS E CARGOS DE CONFIANÇA Expor publicamente divergências com outra autoridade administrativa federal ou criticar-lhe a honorabilidade e o desempenho funcional. Fazer promessas em eventos eleitorais, ainda que de forma implícita, cujo cumprimento dependa do cargo público que esteja exercendo, tais como realização de obras, liberação de recursos e nomeação para cargos ou empregos. Exercer, formal ou informalmente, função de administrador de campanha eleitoral. Participar de atividade eleitoral em que haja conflito de interesse com sua função ou cargo público. Participar de evento político-eleitoral em viagens com seus próprios meios, bem como cumprir outros compromissos. 3. AÇÕES DE COMUNICAÇÃO E PUBLICIDADE SOBRE O USO DE MARCAS Utilização da marca do Governo Federal durante o período eleitoral. A aplicação da marca do Governo Federal deve ficar suspensa em publicidade ou qualquer outra forma de comunicação. Ela não poderá figurar, por exemplo, nos meios de atendimento ao público que sejam móveis, volantes ou itinerantes, nas instalações provisórias destinadas ao atendimento do público, em fachadas e laterais de prédios públicos, entre outros. Cartazes nos corredores. Recomenda-se que cartazes, banners e folders com marcas de governo, programas ou serviços sejam removidos. Caso a remoção não possa ser feita, é preciso cobrir as logomarcas com adesivos e garantir que não sejam retirados. Marcas, nomes e siglas do Ministério da Saúde. Toda e qualquer forma de aplicação da marca do Governo Federal deverá ser interrompida, bem como as marcas de programas específicos. Recomenda-se que o nome do órgão, das outras áreas do ministério e vinculadas sejam utilizados na cor preta. Uso de logomarcas de programas e serviços específicos deve ser suspenso durante o período eleitoral. Caso estes sejam considerados, em portaria, como programas ou serviços de utilidade pública, a veiculação pode ser feita, desde que sejam respeitadas as seguintes regras: nome em preto, negrito ou itálico sem identificações, slogans, desenhos e cores. O uso de marcas de governos anteriores também está suspenso. Não será permitida a aplicação de marcas de governo, programas ou serviços específicos em assinaturas de .

5 Para deletar esses símbolos, siga as instruções: 1. Clique em Arquivo, no topo da sua caixa de ; 2. Em seguida, clique em Opções (lado esquerdo da caixa que será aberta); 3. Clique em , do lado esquerdo; 4. Por fim, clique em Assinaturas (terceiro item do lado direito); 5. Edite sua assinatura RETIRANDO as marcas do Governo Federal. Apenas está permitido o uso do selo do Sistema Único de Saúde (SUS) por sua representação institucional. SOBRE AS ATIVIDADES DE COMUNICAÇÃO Fotos, vídeos e infográficos podem ser mantidos nos sites, desde que em área sem destaque e devidamente datados. É necessário comprovar que se trata de conteúdo histórico. Com relação às fotos novas, está permitida a divulgação de fotos e vídeos de autoridades da pasta, desde que não constem candidatos a qualquer cargo. As imagens também não devem apresentar marcas, slogans e símbolos em seu enquadramento. Não é necessário retirar conteúdo noticioso veiculado antes de 5 de julho de É recomendado que o material noticioso seja disponibilizado em área sem destaque e que esteja devidamente datado. O objetivo é comprovar que discursos, entrevistas e pronunciamentos de autoridades que estão concorrendo a um cargo eletivo foram produzidos e divulgados antes do período eleitoral. Os textos jornalísticos poderão ser disponibilizados pela assessoria de imprensa, inclusive no ambiente digital. Entretanto, deve-se evitar análises valorativas de ações e programas, bem como comparação entre governos. Recomenda-se priorizar as informações de interesse direto do cidadão (prestação de serviço). Apenas as páginas institucionais/oficiais do Ministério da Saúde no Facebook, Instagram e Twitter ficarão ativas. Nelas só poderão ser produzidos conteúdos de utilidade pública, relativos à prestação de serviço. Todo e qualquer conteúdo que possa favorecer candidatos deve ser removido dos sites do Ministério da Saúde. Devem ser mantidos nos sítios eletrônicos vinculados ao Ministério da Saúde apenas materiais de utilidade pública que estejam de acordo com as regras citadas acima.

6 Os demais perfis do Ministério em outras mídias sociais deverão ser ocultados. São eles: Flickr, Youtube, Slideshare, Soundcloud e aplicativos. Os posts anteriores a 5 de julho de 2014 podem ser mantidos desde que estejam devidamente datados. Todavia, não devem ser reeditados ou promovidos com o objetivo de voltarem a aparecer em destaque na linha do tempo. Se houver comentário, e por esta razão voltarem a ficar disponíveis em área de destaque, deverão ser ocultados ou excluídos. As áreas de comentários em redes sociais e portais devem ficar suspensas durante o período eleitoral. Deverá ser apresentado texto para orientar os leitores, conforme sugestão: Caro internauta, O espaço para comentários deste canal está temporariamente desabilitado em observância ao que estabelece a legislação eleitoral. Deverão ser retirados dos sites/portais/youtube todas as peças de ações publicitárias.

ORIENTAÇÕES GERAIS PARA AS ELEIÇÕES 2008: Condutas Vedadas aos Gestores PúblicosP

ORIENTAÇÕES GERAIS PARA AS ELEIÇÕES 2008: Condutas Vedadas aos Gestores PúblicosP Eleições 2008 ORIENTAÇÕES GERAIS PARA AS ELEIÇÕES 2008: Condutas Vedadas aos Gestores PúblicosP Escola Fazendária Teresina, 16 de Junho de 2008 O Art. 73, da Lei nº n 9.504/97, dispõe serem proibidas aos

Leia mais

CONDUTAS VEDADAS EM ANO ELEITORAL E FINAL DE MANDATO MUNICIPAL Palestrante: Marcos Fey Probst

CONDUTAS VEDADAS EM ANO ELEITORAL E FINAL DE MANDATO MUNICIPAL Palestrante: Marcos Fey Probst CONDUTAS VEDADAS EM ANO ELEITORAL E FINAL DE MANDATO MUNICIPAL Palestrante: Marcos Fey Probst Promoção: Execução: Condutas vedadas em ano eleitoral Promoção Execução Condutas Vedadas em ano eleitoral Art.

Leia mais

ORIENTAÇÕES AOS AGENTES PÚBLICOS DO MUNICÍPIO DE FLORIANÓPOLIS NO ANO ELEITORAL 2016

ORIENTAÇÕES AOS AGENTES PÚBLICOS DO MUNICÍPIO DE FLORIANÓPOLIS NO ANO ELEITORAL 2016 ORIENTAÇÕES AOS AGENTES PÚBLICOS DO MUNICÍPIO DE FLORIANÓPOLIS NO ANO ELEITORAL 2016 Apresentação: As Eleições Municipais ocorrerão no dia 02/10/2016, primeiro domingo do mês de outubro. Escolheremos o

Leia mais

Condutas Vedadas aos Agentes Públicos Federais

Condutas Vedadas aos Agentes Públicos Federais Condutas Vedadas aos Agentes Públicos Federais Bases legais Constituição Federal Lei das Eleições (Lei 9.504/97) Lei das Inelegibilidades (LC 64/90) Código Eleitoral Resoluções do TSE Finalidade da Legislação

Leia mais

Manual para o Período Eleitoral do ano de 2014 ORIENTAÇÕES SOBRE A ATIVIDADE PUBLICITÁRIA PARA O PERÍODO ELEITORAL DO ANO DE 2014

Manual para o Período Eleitoral do ano de 2014 ORIENTAÇÕES SOBRE A ATIVIDADE PUBLICITÁRIA PARA O PERÍODO ELEITORAL DO ANO DE 2014 Manual para o Período Eleitoral do ano de 2014 ORIENTAÇÕES SOBRE A ATIVIDADE PUBLICITÁRIA PARA O PERÍODO ELEITORAL DO ANO DE 2014 Subsecretaria de Comunicação 2014 1 ESCLARECIMENTOS INICIAIS Está em curso

Leia mais

DESPESA COM PESSOAL RESTRIÇÕES EM ANO ELEITORAL

DESPESA COM PESSOAL RESTRIÇÕES EM ANO ELEITORAL DESPESA COM PESSOAL RESTRIÇÕES EM ANO ELEITORAL Autoria: Sidnei Di Bacco Advogado 2008 é ano eleitoral e último ano do mandato eletivo dos prefeitos municipais, o que atrai a incidência de diversas restrições

Leia mais

GASTOS PÚBLICOS E REAJUSTE DE SERVIDORES EM ANO ELEITORAL. Número 15 Março de 2006 NOTA TÉCNICA

GASTOS PÚBLICOS E REAJUSTE DE SERVIDORES EM ANO ELEITORAL. Número 15 Março de 2006 NOTA TÉCNICA GASTOS PÚBLICOS E REAJUSTE DE SERVIDORES EM ANO ELEITORAL Número 15 Março de 2006 NOTA TÉCNICA Gastos públicos e reajuste de servidores em ano eleitoral Introdução A discussão sobre o aumento dos gastos

Leia mais

ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL PREFEITURA MUNICIPAL DE CORUMBÁ GABINETE DO PREFEITO

ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL PREFEITURA MUNICIPAL DE CORUMBÁ GABINETE DO PREFEITO REGULAMENTO Nº 01, DE 30 DE JUNHO DE 2008 Dispõe sobre normas e procedimentos administrativos a serem observados por servidores da Administração Pública Municipal candidatos ou não a cargos eletivos em

Leia mais

ELEIÇÕES 2012 PANORAMA GERAL. NORMAS. CALENDÁRIO. CONDUTAS VEDADAS.

ELEIÇÕES 2012 PANORAMA GERAL. NORMAS. CALENDÁRIO. CONDUTAS VEDADAS. ELEIÇÕES 2012 PANORAMA GERAL. NORMAS. CALENDÁRIO. CONDUTAS VEDADAS. Jair Eduardo Santana(*) Mestre e Direito do Estado pela PUC/SP. Advogado, parecerista e professor. Presta consultoria e assessoramento

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 22.579. INSTRUÇÃO Nº 111 CLASSE 12ª DISTRITO FEDERAL (Brasília).

RESOLUÇÃO Nº 22.579. INSTRUÇÃO Nº 111 CLASSE 12ª DISTRITO FEDERAL (Brasília). RESOLUÇÃO Nº 22.579 INSTRUÇÃO Nº 111 CLASSE 12ª DISTRITO FEDERAL (Brasília). Relator: Ministro Ari Pargendler. CALENDÁRIO ELEITORAL (Eleições de 2008) O Tribunal Superior Eleitoral, usando das atribuições

Leia mais

Orientações sobre PROPAGANDA ELEITORAL

Orientações sobre PROPAGANDA ELEITORAL TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DE MINAS GERAIS Secretaria Judiciária Eleições 2012 Orientações sobre PROPAGANDA ELEITORAL O Tribunal Superior Eleitoral publicou a Resolução nº 23.370/2011, com as regras sobre

Leia mais

Orientações sobre PROPAGANDA ELEITORAL

Orientações sobre PROPAGANDA ELEITORAL TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DE MINAS GERAIS Secretaria Judiciária Eleições 2012 Orientações sobre PROPAGANDA ELEITORAL As regras sobre a veiculação de propaganda eleitoral estão contidas na Lei das Eleições

Leia mais

A MESA DIRETORA, no uso de suas atribuições, vem, na forma regimental, apresentar o seguinte PROJETO DE RESOLUÇÃO: JUSTIFICATIVA

A MESA DIRETORA, no uso de suas atribuições, vem, na forma regimental, apresentar o seguinte PROJETO DE RESOLUÇÃO: JUSTIFICATIVA Ao Colendo Plenário PROJETO DE RESOLUÇÃO Nº 0003/2015, DE 12/02/2015. A MESA DIRETORA, no uso de suas atribuições, vem, na forma regimental, apresentar o seguinte PROJETO DE RESOLUÇÃO: Regulamenta os gastos

Leia mais

Você pode contribuir para eleições mais justas

Você pode contribuir para eleições mais justas Procuradoria Regional Eleitoral no Estado de SP Defesa da democracia, combate à impunidade. Você pode contribuir para eleições mais justas Os cidadãos e as cidadãs podem auxiliar muito na fiscalização

Leia mais

MANUAL DE ORIENTAÇÃO AO AGENTE PÚBLICO CONDUTAS E VEDAÇÕES A SEREM OBSERVADAS DURANTE O ANO ELEITORAL

MANUAL DE ORIENTAÇÃO AO AGENTE PÚBLICO CONDUTAS E VEDAÇÕES A SEREM OBSERVADAS DURANTE O ANO ELEITORAL PREFEITURA MUNICIPAL DO NATAL CONTROLADORIA GERAL DO MUNICÍPIO MANUAL DE ORIENTAÇÃO AO AGENTE PÚBLICO CONDUTAS E VEDAÇÕES A SEREM OBSERVADAS DURANTE O ANO ELEITORAL Natal/RN, 05 de dezembro de 2011. APRESENTAÇÃO

Leia mais

Propaganda Eleitoral

Propaganda Eleitoral Noções gerais sobre Propaganda Eleitoral Diogo Mendonça Cruvinel Assistente de Apoio à Propaganda Eleitoral TRE-MG 2º Seminário de Legislação Eleitoral Câmara Municipal de Belo Horizonte 24/04/2014 Legislação

Leia mais

GESTÃO FISCAL RESPONSÁVEL EM ÚLTIMO ANO DE MANDATO

GESTÃO FISCAL RESPONSÁVEL EM ÚLTIMO ANO DE MANDATO GESTÃO FISCAL RESPONSÁVEL EM ÚLTIMO ANO DE MANDATO CONSELHEIRO PRESIDENTE JOSÉ CARLOS ARAÚJO CONSELHEIRA VICE-PRESIDENTE MARA LÚCIA BARBALHO DA CRUZ CONSELHEIRO CORREGEDOR SEBASTIÃO CEZAR LEÃO COLARES

Leia mais

I - nomeação ou exoneração de cargos em comissão e designação ou dispensa de funções de confiança;

I - nomeação ou exoneração de cargos em comissão e designação ou dispensa de funções de confiança; Para navegar entre as ocorrências da expressão pesquisada existem os marcadores "" em cada ocorrência: - Clicando em "" vai para a próxima

Leia mais

Desafios dos Novos Gestores Eleitos 2013/2016

Desafios dos Novos Gestores Eleitos 2013/2016 Desafios dos Novos Gestores Eleitos 2013/2016 Orçamento e Lei de Responsabilidade Fiscal Patrícia Sibely D Avelar Secretária Municipal de Fazenda de Lagoa Santa FORMAÇÃO Graduada em Ciência Contábeis.

Leia mais

OBRIGAÇÕES NO ÚLTIMO ANO DE MANDATO

OBRIGAÇÕES NO ÚLTIMO ANO DE MANDATO OBRIGAÇÕES NO ÚLTIMO ANO DE MANDATO Tribunal de Contas do Estado do Tocantins Junho/2008 Coordenadoria LRF Obrigações no último ano de mandato 2008 - último ano de mandato municipal. Um ano que prevê uma

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL PROCURADORIA DA REPÚBLICA EM RORAIMA RECOMENDAÇÃO Nº 58/2014 MPF/RR

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL PROCURADORIA DA REPÚBLICA EM RORAIMA RECOMENDAÇÃO Nº 58/2014 MPF/RR MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL PROCURADORIA DA REPÚBLICA EM RORAIMA RECOMENDAÇÃO Nº 58/2014 MPF/RR Referência: procedimento administrativo nº Excelentíssima Senhora Governadora eleita do Estado de Roraima,

Leia mais

REGULAMENTO CURTA UM ROCK

REGULAMENTO CURTA UM ROCK REGULAMENTO CURTA UM ROCK 1. DO CONCURSO 1.1 As instituições de ensino superior controladas direta ou indiretamente pela ESTÁCIO PARTICIPAÇÕES S.A, doravante denominadas ESTÁCIO, dentre as quais a SESES

Leia mais

Prezado Associado da AGERT,

Prezado Associado da AGERT, Prezado Associado da AGERT, A AGERT apresenta o MANUAL AGERT ELEIÇÕES 2014 com o objetivo de auxiliar os radiodifusores associados na compreensão da legislação eleitoral vigente, para facilitar o trabalho

Leia mais

TRIBUNAL SUPERIOR ELEITORAL RESOLUÇÃO N 23.089 INSTRUÇÃO N 126 - CLASSE 19ª - BRASÍLIA - DISTRITO FEDERAL.

TRIBUNAL SUPERIOR ELEITORAL RESOLUÇÃO N 23.089 INSTRUÇÃO N 126 - CLASSE 19ª - BRASÍLIA - DISTRITO FEDERAL. TRIBUNAL SUPERIOR ELEITORAL RESOLUÇÃO N 23.089 INSTRUÇÃO N 126 - CLASSE 19ª - BRASÍLIA - DISTRITO FEDERAL. Relator: Ministro Arnaldo Versiani. CALENDÁRIO ELEITORAL (Eleições de 2010) O Tribunal Superior

Leia mais

Governo de Mato Grosso Auditoria Geral do Estado CARTILHA DE ORIENTAÇÃO AOS AGENTES PÚBLICOS

Governo de Mato Grosso Auditoria Geral do Estado CARTILHA DE ORIENTAÇÃO AOS AGENTES PÚBLICOS Governo de Mato Grosso Auditoria Geral do Estado CARTILHA DE ORIENTAÇÃO AOS AGENTES PÚBLICOS Eleições 2014 ORIENTAÇÕES AOS AGENTES PÚBLICOS DO PODER EXECUTIVO DO ESTADO DE MATO GROSSO PARA AS ELEIÇÕES

Leia mais

CARTILHA DE FISCALIZAÇÃO E ACOMPANHAMENTO DE CONVÊNIOS.

CARTILHA DE FISCALIZAÇÃO E ACOMPANHAMENTO DE CONVÊNIOS. Secretaria de Agricultura, Irrigação e Reforma Agrária do Estado da Bahia 2011 CARTILHA DE FISCALIZAÇÃO E ACOMPANHAMENTO DE CONVÊNIOS. DIROP Diretoria de Orçamento Público 1 Sumário Apresentação......03

Leia mais

REGULAMENTO Registre sua Atitude

REGULAMENTO Registre sua Atitude REGULAMENTO Registre sua Atitude 1. DO CONCURSO 1.1 As instituições de ensino superior controladas direta ou indiretamente pela ESTÁCIO PARTICIPAÇÕES S.A, doravante denominadas ESTÁCIO, dentre as quais

Leia mais

DESPESAS COM PESSOAL NOS 180 DIAS FINAIS DE MANDATO

DESPESAS COM PESSOAL NOS 180 DIAS FINAIS DE MANDATO COORDENAÇÃO-GERAL DE NORMAS DE CONTABILIDADE APLICADAS À FEDERAÇÃO - CCONF GERÊNCIA DE NORMAS E PROCEDIMENTOS DE GESTÃO FISCAL - GENOP DESPESAS COM PESSOAL NOS 180 DIAS FINAIS DE MANDATO Art. 21, parágrafo

Leia mais

Informações para o dia da eleição

Informações para o dia da eleição Tribunal Regional Eleitoral do Ceará Justiça Eleitoral Informações para o dia da eleição NO DIA DA ELEIÇÃO O QUE É PERMITIDO? É permitida a manifestação individual e silenciosa da preferência do cidadão

Leia mais

Programa de Fortalecimento das Cadeias e Arranjos Produtivos Locais - APLs

Programa de Fortalecimento das Cadeias e Arranjos Produtivos Locais - APLs Programa de Fortalecimento das Cadeias e Arranjos Produtivos Locais - APLs Realização de Convênios Convênios São acordos firmados por entidades públicas, ou entre estas e organizações particulares para

Leia mais

LIMITES À REALIZAÇÃO DE LICITAÇÕES E CONTRATOS ADMINISTRATIVOS EM ANO ELEITORAL

LIMITES À REALIZAÇÃO DE LICITAÇÕES E CONTRATOS ADMINISTRATIVOS EM ANO ELEITORAL LIMITES À REALIZAÇÃO DE LICITAÇÕES E CONTRATOS ADMINISTRATIVOS EM ANO ELEITORAL 1. INTRODUÇÃO Em anos de eleições municipais, estaduais e federais, devem ser observadas várias limitações à realização de

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE COMUNICAÇÃO SOCIAL

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE COMUNICAÇÃO SOCIAL 00170.002641/2013-70 PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE COMUNICAÇÃO SOCIAL OFÍCIO-Circular nº 07/2014/SECEX/SECOM-PR Brasília, 20 de março de 2014. A Sua Excelência o Senhor Fernando Luiz Albuquerque

Leia mais

Como Funcionam as Eleições Municipais. Penas de crimes eleitorais. candidato, penalizada de acordo com o art. 39, 5º da Lei 9.504/97.

Como Funcionam as Eleições Municipais. Penas de crimes eleitorais. candidato, penalizada de acordo com o art. 39, 5º da Lei 9.504/97. 35 candidato, penalizada de acordo com o art. 39, 5º da Lei 9.504/97. Guia do Eleitor Calendário Eleitoral A distribuição de qualquer tipo de propaganda eleitoral, como santinhos ou panfletos, punível

Leia mais

agente público nas eleições de 2014 o que pode e o que não pode

agente público nas eleições de 2014 o que pode e o que não pode agente público nas eleições de 2014 o que pode e o que não pode Governo do Estado de São Paulo Secretaria de Planejamento e Desenvolvimento Regional Fundação Prefeito Faria Lima Cepam Centro de Estudos

Leia mais

SERVIDORES PÚBLICOS CONDUTAS VEDADAS EM ANO ELEITORAL RELATIVAS A

SERVIDORES PÚBLICOS CONDUTAS VEDADAS EM ANO ELEITORAL RELATIVAS A CONDUTAS VEDADAS EM ANO ELEITORAL RELATIVAS A SERVIDORES PÚBLICOS KLEIDE MARIA TENFFEN FIAMONCINI ADVOGADA DA AMAVI kleide@amavi.org.br / juridico@amavi.org.br O QUE VOCÊ AGENTE PÚBLICO NÃO PODE FAZER!!!

Leia mais

1º CONCURSO DE FOTOGRAFIAS DO SEMINÁRIO DE EXTENSÃO DA UNIOESTE REGULAMENTO

1º CONCURSO DE FOTOGRAFIAS DO SEMINÁRIO DE EXTENSÃO DA UNIOESTE REGULAMENTO 1º CONCURSO DE FOTOGRAFIAS DO SEMINÁRIO DE EXTENSÃO DA REGULAMENTO Do Concurso: O 1º Concurso de Fotografias do Seminário de Extensão da Unioeste - SEU, tem o objetivo de integrar os extensionistas, estimular

Leia mais

agente público no período eleitoral o que pode e o que não pode

agente público no período eleitoral o que pode e o que não pode agente público no período eleitoral o que pode e o que não pode Governo do Estado de São Paulo Geraldo Alckmin Secretaria de Planejamento e Desenvolvimento Regional Julio Semeghini Fundação Prefeito Faria

Leia mais

REGULAMENTO CONCURSO CULTURAL MOSTRA DE ENSAIOS E SABORES AUDIOVISUAIS - MESA

REGULAMENTO CONCURSO CULTURAL MOSTRA DE ENSAIOS E SABORES AUDIOVISUAIS - MESA REGULAMENTO CONCURSO CULTURAL MOSTRA DE ENSAIOS E SABORES AUDIOVISUAIS - MESA Este Concurso Cultural, denominado Mostra de Ensaios e Sabores Audiovisuais- MESA" (Concurso) é promovido pela INFOGLOBO COMUNICAÇÃO

Leia mais

TERMO DE ACORDO OS DIRETÓRIOS DE PARTIDOS POLÍTICOS ATUANTES NA 3ª ZONA ELEITORAL, SEDIADOS NOS MUNICÍPIOS DE ROSÁRIO OESTE, JANGADA e NOBRES/MT,

TERMO DE ACORDO OS DIRETÓRIOS DE PARTIDOS POLÍTICOS ATUANTES NA 3ª ZONA ELEITORAL, SEDIADOS NOS MUNICÍPIOS DE ROSÁRIO OESTE, JANGADA e NOBRES/MT, TERMO DE ACORDO OS DIRETÓRIOS DE PARTIDOS POLÍTICOS ATUANTES NA 3ª ZONA ELEITORAL, SEDIADOS NOS MUNICÍPIOS DE ROSÁRIO OESTE, JANGADA e NOBRES/MT, pessoas jurídicas de direito privado ao final identificadas,

Leia mais

ORIENTAÇÕES AOS AGENTES PÚBLICOS NO PERÍODO ELEITORAL

ORIENTAÇÕES AOS AGENTES PÚBLICOS NO PERÍODO ELEITORAL SEJA LEGAL ELEIÇÕES 2014 ELEIÇÕES20141 ORIENTAÇÕES AOS AGENTES PÚBLICOS NO PERÍODO ELEITORAL Eleições 2014 - Orientações.indd 1 20/05/2014 09:57:32 EXPEDIENTE 2 MESA DIRETORA: Presidente Ricardo Marcelo

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº., DE DE DE 2013.

PROJETO DE LEI Nº., DE DE DE 2013. PROJETO DE LEI Nº., DE DE DE 2013. Dispõe sobre as cores e símbolos utilizados em logotipo e projeto de comunicação visual dos órgãos públicos dos poderes executivos municipal e estadual e dá outras providências.

Leia mais

PUBLICAÇÃO DA PROCURADORIA GERAL DO MUNICÍPIO DE LINHARES

PUBLICAÇÃO DA PROCURADORIA GERAL DO MUNICÍPIO DE LINHARES PUBLICAÇÃO DA PROCURADORIA GERAL DO MUNICÍPIO DE LINHARES Prefeito de Linhares Guerino Luíz Zanon Vice-Prefeito de Linhares Paulo Joaquim do Nascimento Procuradora Geral Nádia Lorenzoni Menelli Secretário

Leia mais

A mais um CURSO realizado pela

A mais um CURSO realizado pela A mais um CURSO realizado pela Aqui tem qualificação de Verdade! CONTROLE INTERNO Reforma Política: o que podemos melhorar? Dr. Luiz Fernando Pereira PERÍODO 09h00 X 12h00 09/12/2015 15h às 17h Por gentileza

Leia mais

ESPAÇO CULTURAL BRDE SANTA CATARINA Espaço Cultural Governador Celso Ramos REGULAMENTO PARA REALIZAÇÃO DE EXPOSIÇÕES DE ARTES VISUAIS.

ESPAÇO CULTURAL BRDE SANTA CATARINA Espaço Cultural Governador Celso Ramos REGULAMENTO PARA REALIZAÇÃO DE EXPOSIÇÕES DE ARTES VISUAIS. ESPAÇO CULTURAL BRDE SANTA CATARINA Espaço Cultural Governador Celso Ramos REGULAMENTO PARA REALIZAÇÃO DE EXPOSIÇÕES DE ARTES VISUAIS Calendário 2010 1. OBJETO O presente Regulamento estabelece normas

Leia mais

Pesquisas Eleitorais Res. TSE nº 23.453/15 Lei nº 12.891/2013.

Pesquisas Eleitorais Res. TSE nº 23.453/15 Lei nº 12.891/2013. Pesquisas Eleitorais Res. TSE nº 23.453/15 Lei nº 12.891/2013. PESQUISAS E TESTES PRÉ-ELEITORAIS Duas regras básicas: 1º) para conhecimento pessoal ou uso interno, pode ser feita de forma livre e informal;

Leia mais

LEI Nº 9.504, DE 30 DE SETEMBRO DE 1997.... Da Propaganda Eleitoral no Rádio e na Televisão...

LEI Nº 9.504, DE 30 DE SETEMBRO DE 1997.... Da Propaganda Eleitoral no Rádio e na Televisão... LEI Nº 9.504, DE 30 DE SETEMBRO DE 1997 Estabelece normas para as eleições. Da Propaganda Eleitoral no Rádio e na Televisão Art. 45. A partir de 1º de julho do ano da eleição, é vedado às emissoras de

Leia mais

Estado do Rio de Janeiro PREFEITURA MUNICIPAL DE CANTAGALO Secretaria Municipal de Governo e Planejamento

Estado do Rio de Janeiro PREFEITURA MUNICIPAL DE CANTAGALO Secretaria Municipal de Governo e Planejamento 1 LEI DE RESPONSABILIDADE FISCAL GUIA PRÁTICO PARA O CIDADÃO O que é a LRF? A Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF), ou Lei Complementar nº 101, é o principal instrumento regulador das contas públicas no

Leia mais

www.pontodosconcursos.com.br

www.pontodosconcursos.com.br AVISOS: 1. Os Simulados de Direito Eleitoral para TREs terão por base as Provas da FUNDAÇÃO CARLOS CHAGAS (FCC); 2. Estamos ministrando o CURSO DE DIREITO ELEITORAL para TREs Teoria e Exercícios Maiores

Leia mais

EDITAL Nº 009/CCEI, DE 14 DE OUTRUBRO DE 2015 Processo Eleitoral para Coordenação de Curso Técnico Subsequente em Eletrônica

EDITAL Nº 009/CCEI, DE 14 DE OUTRUBRO DE 2015 Processo Eleitoral para Coordenação de Curso Técnico Subsequente em Eletrônica EDITAL Nº 009/CCEI, DE 14 DE OUTRUBRO DE 2015 Processo Eleitoral para Coordenação de Curso Técnico Subsequente em Eletrônica O DIRETOR GERAL DO CAMPUS CEILÂNDIA, nomeado pela Portaria IFB nº 48 de 16 de

Leia mais

#eucurtoacampanha #selfieemcena

#eucurtoacampanha #selfieemcena REGULAMENTO PROMOÇÃO CULTURAL Selfies nas Redes Sociais A Promoção cultural selfies nas redes sociais ( Promoção ) é promovida pelo SINPARC - Sindicato dos Produtores de Artes Cênicas de Minas Gerais,

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 002 ANTAQ, DE 14 DE OUTUBRO DE 2008.

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 002 ANTAQ, DE 14 DE OUTUBRO DE 2008. INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 002 ANTAQ, DE 14 DE OUTUBRO DE 2008. Fixa os critérios e procedimentos para a realização de concursos públicos de provas e títulos, destinados ao provimento dos cargos efetivos do

Leia mais

MÍDIAS SOCIAIS. Manual de Conduta

MÍDIAS SOCIAIS. Manual de Conduta MÍDIAS SOCIAIS Manual de Conduta Apresentação O Sistema Ocemg, atento às mudanças de mercado e preocupado em estar sempre próximo de seus públicos de interesse, assume o desafio de se posicionar também

Leia mais

Ano 2010, Número 043 Brasília, quinta-feira, 4 de março de 2010

Ano 2010, Número 043 Brasília, quinta-feira, 4 de março de 2010 Ano 2010, Número 043 Brasília, quinta-feira, 4 de março de 2010 Página 66 AYRES BRITTO, PRESIDENTE- ARNALDO VERSIANI, RELATOR RICARDO LEWANDOWSKI CÁRMEN LÚCIA- FELIX FISCHER- MARCELO RIBEIRO. PUBLICAÇÃO

Leia mais

TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO FISCAL MÓDULO TÉRMINO DE MANDATO MANUAL DE UTILIZAÇÃO.

TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO FISCAL MÓDULO TÉRMINO DE MANDATO MANUAL DE UTILIZAÇÃO. TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO FISCAL MÓDULO TÉRMINO DE MANDATO MANUAL DE UTILIZAÇÃO Versão 2008 Janeiro/2009 SIGFIS-Sistema Integrado de Gestão Fiscal : Manual

Leia mais

REGULAMENTO CONCURSO DE BOLSAS 2016

REGULAMENTO CONCURSO DE BOLSAS 2016 REGULAMENTO CONCURSO DE BOLSAS 2016 Com o objetivo de ampliar oportunidades aos estudantes interessados em aprender a língua francesa, num ensino de qualidade e prestígio, a Aliança Francesa de Porto Alegre

Leia mais

ÚLTIMO ANO DE MANDATO

ÚLTIMO ANO DE MANDATO ÚLTIMO ANO DE MANDATO Tribunal de Contas do Estado do Tocantins Março/2012 Najla Mansur Braga Coordenadoria de Acompanhamento Contábil e Gestão Fiscal 2012 - último ano de mandato municipal. Um ano que

Leia mais

Capítulo I Das Organizações Sociais. Seção I Da Qualificação

Capítulo I Das Organizações Sociais. Seção I Da Qualificação Lei n.º 9.637, de 15 de maio de 1998 Dispõe sobre a qualificação de entidades como organizações sociais, a criação do Programa Nacional de Publicização, a extinção dos órgãos e entidades que menciona e

Leia mais

Edital Concurso Cultural Tempos de Energia

Edital Concurso Cultural Tempos de Energia Edital Concurso Cultural Tempos de Energia O concurso cultural TEMPOS DE ENERGIA, iniciativa promovida pelo Museu da Energia de São Paulo, tem como objetivo fomentar a produção artística e cultural que

Leia mais

PROJETO DE RESOLUÇÃO Nº.../2010

PROJETO DE RESOLUÇÃO Nº.../2010 PROJETO DE RESOLUÇÃO Nº.../2010 Revoga a Resolução Legislativa 02/2001 e disciplina a administração o e o funcionamento da TV Câmara Santa Maria. Art. 1º - Esta resolução disciplina os objetivos, os princípios,

Leia mais

Regulamento do Concurso de Fotografia Ser verde é...

Regulamento do Concurso de Fotografia Ser verde é... Regulamento do Concurso de Fotografia Ser verde é... O Concurso de fotografias Ser verde é..., doravante denominado Concurso, realizado pelo Green Group das Nações Unidas no Brasil (doravante denominada

Leia mais

BIZU DA LEI Nº 9.784/99 (PARTE 1) PROFESSOR: ANDERSON LUIZ. Quadro de Avisos:

BIZU DA LEI Nº 9.784/99 (PARTE 1) PROFESSOR: ANDERSON LUIZ. Quadro de Avisos: Quadro de Avisos: Prezados(as) concurseiros(as), Espero que todos estejam bem! A fim de auxiliá-los(as) no estudos da Lei nº 9.784/99, que regula o processo administrativo no âmbito da Administração Pública

Leia mais

REGULAMENTO. BIBLIOTECA Dr. ÉLCIO COSTA COUTO

REGULAMENTO. BIBLIOTECA Dr. ÉLCIO COSTA COUTO 1 REGULAMENTO BIBLIOTECA Dr. ÉLCIO COSTA COUTO DA FINALIDADE ARTIGO 1º - A biblioteca Dr. Élcio Costa Couto da Faculdade de Filosofia Ciências e Letras do Alto São Francisco FASF, mantida pelas Obras Sociais

Leia mais

carregando Brasil Governo Federal Ministério da Educação

carregando Brasil Governo Federal Ministério da Educação isu de 22 25/11/2013 11:59 Sisu - Sistema de Seleção Unificada. MEC - Ministério da Educação carregando Brasil Governo Federal Ministério da Educação Termo de Adesão 1 - Dados cadastrais da Instituição

Leia mais

NORMATIVOS INTERNOS DO GRUPO - NIG

NORMATIVOS INTERNOS DO GRUPO - NIG 1. OBJETIVO A presente política tem como principal objetivo assegurar que os Colaboradores do Rendimento (GRUPOBRSA) observem os requisitos da Lei nº 12.846, de 1º de agosto de 2013 conhecida como Lei

Leia mais

Telefone: (55)37428801

Telefone: (55)37428801 Telefone: (55)37428801 3 - Local de Oferta: CAMPUS DE SILVEIMinistério da Educação - MEC Secretaria de Educação Superior - SESu Sistema RA MAR de Código: 144917 Endereço: Rua Francisco Guerino, 407 Complemento:

Leia mais

Ministério da Educação - MEC Secretaria de Educação Superior - SESu Sistema de Seleção Unificada - Sisu Termo de Adesão - 1ª edição de 2015

Ministério da Educação - MEC Secretaria de Educação Superior - SESu Sistema de Seleção Unificada - Sisu Termo de Adesão - 1ª edição de 2015 Ministério da Educação - MEC Secretaria de Educação Superior - SESu Sistema de Seleção Unificada - Sisu Termo de Adesão - 1ª edição de 2015 1 - Dados cadastrais da Instituição de Educação Superior - IES

Leia mais

DECRETO Nº 29.290, DE 22 DE JULHO DE 2008 DODF de 23.07.2008

DECRETO Nº 29.290, DE 22 DE JULHO DE 2008 DODF de 23.07.2008 DECRETO Nº 29.290, DE 22 DE JULHO DE 2008 DODF de 23.07.2008 Dispõe sobre o afastamento para estudo, congressos, seminários ou reuniões similares de servidor e empregado da Administração Pública Distrital

Leia mais

Seção I Das disposições preliminares

Seção I Das disposições preliminares INSTRUÇÃO NORMATIVA N o 6, DE 14 DE MARÇO DE 2014. Dispõe sobre a suspensão da publicidade dos órgãos e entidades do Poder Executivo federal, no período eleitoral de 2014, e dá outras providências. O MINISTRO

Leia mais

Ministério da Educação - MEC Secretaria de Educação Superior - SESu Sistema de Seleção Unificada - Sisu Termo de Adesão - 1º edição de 2013

Ministério da Educação - MEC Secretaria de Educação Superior - SESu Sistema de Seleção Unificada - Sisu Termo de Adesão - 1º edição de 2013 Ministério da Educação - MEC Secretaria de Educação Superior - SESu Sistema de Seleção Unificada - Sisu Termo de Adesão - 1º edição de 2013 1 - Dados cadastrais da Instituição de Educação Superior - IES

Leia mais

COMISSÃO DE CONTROLE INTERNO RELATÓRIO ANUAL DE CONTROLE INTERNO OBJETO: 2014 GESTOR/ORDENADOR DE DESPESAS:

COMISSÃO DE CONTROLE INTERNO RELATÓRIO ANUAL DE CONTROLE INTERNO OBJETO: 2014 GESTOR/ORDENADOR DE DESPESAS: COMISSÃO DE CONTROLE INTERNO RELATÓRIO ANUAL DE CONTROLE INTERNO OBJETO: Contas relativas ao exercício de 2014 GESTOR/ORDENADOR DE DESPESAS: Vereadora Maria das Dores Campos A. Lousado I APRESENTAÇÃO Em

Leia mais

PROGRAMA NACIONAL DE PÓS-DOUTORADO - 2011: CONCESSÃO INSTITUCIONAL ÀS IFES. Diretrizes para Elaboração do Projeto Institucional

PROGRAMA NACIONAL DE PÓS-DOUTORADO - 2011: CONCESSÃO INSTITUCIONAL ÀS IFES. Diretrizes para Elaboração do Projeto Institucional PROGRAMA NACIONAL DE PÓS-DOUTORADO - 2011: CONCESSÃO INSTITUCIONAL ÀS IFES Diretrizes para Elaboração do Projeto Institucional 1 Objetivos O Programa Nacional de Pós-doutorado da CAPES PNPD/2011: Concessão

Leia mais

LEI DE RESPONSABILIDADE FISCAL E LEI ELEITORAL

LEI DE RESPONSABILIDADE FISCAL E LEI ELEITORAL LEI DE RESPONSABILIDADE FISCAL E LEI ELEITORAL RESTRIÇÕES RELATIVAS À EXECUÇÃO ORÇAMENTÁRIA E FINANCEIRA FAZENDA PGE -SPDR 14 de Fevereiro de 2014 Palácio dos Bandeirantes 1 Receita: restrições Recursos

Leia mais

REGULAMENTO DO CONCURSO DE ESCOLHA DAS SOBERANAS DA 7ª FEICÁ DE BOA VISTA DO BURICÁ CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS

REGULAMENTO DO CONCURSO DE ESCOLHA DAS SOBERANAS DA 7ª FEICÁ DE BOA VISTA DO BURICÁ CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS REGULAMENTO DO CONCURSO DE ESCOLHA DAS SOBERANAS DA 7ª FEICÁ DE BOA VISTA DO BURICÁ CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS Art. 1 - O presente regulamento dispõe sobre a realização e funcionamento do Concurso

Leia mais

Normas da Assessoria de Comunicação

Normas da Assessoria de Comunicação Normas da Assessoria de Comunicação Julho de 2014 10 passos para uma boa comunicação na internet 10 passos para uma boa comunicação na internet 1) Normas para envio das informações que devem ser publicadas

Leia mais

REGULAMENTO DO CONCURSO DE ESCOLHA DAS SOBERANAS DA 1ª EXPO PORTO DE PORTO VERA CRUZ DIVERSIDADE E TURISMO ÀS MARGENS DO RIO URUGU AI

REGULAMENTO DO CONCURSO DE ESCOLHA DAS SOBERANAS DA 1ª EXPO PORTO DE PORTO VERA CRUZ DIVERSIDADE E TURISMO ÀS MARGENS DO RIO URUGU AI REGULAMENTO DO CONCURSO DE ESCOLHA DAS SOBERANAS DA 1ª EXPO PORTO DE PORTO VERA CRUZ DIVERSIDADE E TURISMO ÀS MARGENS DO RIO URUGU AI CAPÍTULO I - DISPOSIÇÕES GERAIS Art. 1 - O presente regulamento dispõe

Leia mais

UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA UNB CENTRO DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA CEAD-UNB PROCESSO SIMPLIFICADO DE SELEÇÃO CHAMADA PÚBLICA Nº 01/2014 CEAD-UNB

UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA UNB CENTRO DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA CEAD-UNB PROCESSO SIMPLIFICADO DE SELEÇÃO CHAMADA PÚBLICA Nº 01/2014 CEAD-UNB UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA UNB CENTRO DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA CEAD-UNB PROCESSO SIMPLIFICADO DE SELEÇÃO CHAMADA PÚBLICA Nº 01/2014 CEAD-UNB A Diretora do Centro de Educação a Distância da Universidade de

Leia mais

Orientações para o ANO ELEITORAL. Salvador, Março 2014

Orientações para o ANO ELEITORAL. Salvador, Março 2014 Orientações para o ANO ELEITORAL 2014 Salvador, Março 2014 SUMÁRIO BENS E SERVIÇOS PÚBLICOS 22 APRESENTAÇÃO 04 Cessão ou uso de bens públicos em atividades eleitorais 22 GUIA DE REFERÊNCIA RÁPIDA CONDUTAS

Leia mais

Pode. Alto-falantes ou amplificadores de som. Pode

Pode. Alto-falantes ou amplificadores de som. Pode O Tribunal Superior Eleitoral publicou a Resolução nº 23.404/14, com as regras sobre propaganda eleitoral a serem seguidas nas eleições de 2014. Estão relacionados abaixo os tipos de propaganda mais comuns

Leia mais

TRIBUNAL SUPERIOR DO TRABALHO PRESIDÊNCIA ATO Nº 590/DILEP.CIF.SEGPES.GDGSET.GP, DE 30 DE AGOSTO DE 2013

TRIBUNAL SUPERIOR DO TRABALHO PRESIDÊNCIA ATO Nº 590/DILEP.CIF.SEGPES.GDGSET.GP, DE 30 DE AGOSTO DE 2013 TRIBUNAL SUPERIOR DO TRABALHO PRESIDÊNCIA ATO Nº 590/DILEP.CIF.SEGPES.GDGSET.GP, DE 30 DE AGOSTO DE 2013 Dispõe sobre as regras e procedimentos adotados para concessão, indenização, parcelamento e pagamento

Leia mais

MEMÓRIAS BRASILEIRAS: BIOGRAFIAS Edital N 13/2015

MEMÓRIAS BRASILEIRAS: BIOGRAFIAS Edital N 13/2015 MEMÓRIAS BRASILEIRAS: BIOGRAFIAS Edital N 13/2015 Publicado no DOU de 29/07/15 seção 3 pág. 33 DIRETORIA DE PROGRAMAS E BOLSAS NO PAÍS DPB Coordenação- Geral de Programas Estratégicos CGPE A Coordenação

Leia mais

No arrazoado, o Chefe da Fiscalização disse que a filmagem em DVD efetuada por esta equipe e ainda que nos deixam preocupados com as filmagens.

No arrazoado, o Chefe da Fiscalização disse que a filmagem em DVD efetuada por esta equipe e ainda que nos deixam preocupados com as filmagens. Vistos, etc. Este procedimento iniciou-se na 76ª Zona Eleitoral quando o Chefe dos Fiscais de Propaganda Eleitoral de Rua, Leonardo Franklin de França, através do expediente constante à fl.17, no qual

Leia mais

INFORMATIVO ES PECIAL - PROCURADORIAS. ASSUNTO: Manual prático de operação do PJe-JT para Procuradores de entes públicos

INFORMATIVO ES PECIAL - PROCURADORIAS. ASSUNTO: Manual prático de operação do PJe-JT para Procuradores de entes públicos INFORMATIVO ES PECIAL - PROCURADORIAS Data: 17/8/2015 ASSUNTO: Manual prático de operação do PJe-JT para Procuradores de entes públicos 1) Criação da Procuradoria, formas de notificação/citação e atribuições

Leia mais

Vedação de transferência voluntária em ano eleitoral INTRODUÇÃO

Vedação de transferência voluntária em ano eleitoral INTRODUÇÃO Vedação de transferência voluntária em ano eleitoral INTRODUÇÃO Como se sabe, a legislação vigente prevê uma série de limitações referentes à realização de despesas em ano eleitoral, as quais serão a seguir

Leia mais

Art. 1º O Decreto nº 1.836, de 6 de novembro de 2008, passa a vigorar acrescido dos seguintes artigos:

Art. 1º O Decreto nº 1.836, de 6 de novembro de 2008, passa a vigorar acrescido dos seguintes artigos: DECRETO Nº 028, de 1º de fevereiro de 2011 Altera o Decreto nº 1.836, de 6 de novembro de 2008, que veda a nomeação de cônjuge, companheiro(a) ou parente, para cargo em comissão, de confiança ou de função

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº INSTRUÇÃO Nº 539-35.2015.6.00.0000 CLASSE 19 BRASÍLIA DISTRITO FEDERAL

RESOLUÇÃO Nº INSTRUÇÃO Nº 539-35.2015.6.00.0000 CLASSE 19 BRASÍLIA DISTRITO FEDERAL RESOLUÇÃO Nº INSTRUÇÃO Nº 539-35.2015.6.00.0000 CLASSE 19 BRASÍLIA DISTRITO FEDERAL Relator: Ministro Gilmar Mendes Interessado: Tribunal Superior Eleitoral Dispõe sobre pesquisas eleitorais para o pleito

Leia mais

ESTADO DE MATO GROSSO CÂMARA MUNICIPAL DE CUIABÁ

ESTADO DE MATO GROSSO CÂMARA MUNICIPAL DE CUIABÁ INSTRUÇÃO NORMATIVA SC Nº. 001/2011 DISPÕE SOBRE OS PROCEDIMENTOS E EXECUÇÃO DAS ATIVIDADES DE COMUNICAÇÃO DA CÂMARA MUNICIPAL DE CUIABÁ. Versão: 01 Aprovação: 26/09/2011 Ato de aprovação: 26/09/2011 Unidade

Leia mais

Você tem um sonho...

Você tem um sonho... Você tem um sonho... Divulgar mais sua empresa. Ter mais clientes? Vender mais? Um site pode ajudar... O QUE EU PRECISO SABER ANTES DE TER UM SITE? 1. É preciso ter a noção exata de qual produto/serviço

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS UNIDADE UNIVERSITÁRIA DE GOIÁS CURSO DE LICENCIATURA EM GEOGRAFIA

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS UNIDADE UNIVERSITÁRIA DE GOIÁS CURSO DE LICENCIATURA EM GEOGRAFIA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS UNIDADE UNIVERSITÁRIA DE GOIÁS CURSO DE LICENCIATURA EM GEOGRAFIA REGIMENTO INTERNO DO LABORATÓRIO DE CARTOGRAFIA E GEOPROCESSAMENTO JOSÉ COELHO Seção I - Das Disposições

Leia mais

CHAMADA PÚBLICA FAPESC/SEBRAE/SC 03/2011 PROGRAMA SINAPSE DA INOVAÇÃO OPERAÇÃO SC III Cláusulas e Condições de Execução dos Projetos

CHAMADA PÚBLICA FAPESC/SEBRAE/SC 03/2011 PROGRAMA SINAPSE DA INOVAÇÃO OPERAÇÃO SC III Cláusulas e Condições de Execução dos Projetos 1 CLÁUSULA PRIMEIRA DA ACEITAÇÃO DAS CLÁUSULAS E CONDIÇÕES 1.1 As Cláusulas e Condições aqui expressas, aprovadas pelo Comitê Gestor do e publicadas no site da FAPESC, normatizam a execução dos projetos

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE DIREITOS HUMANOS RESOLUÇÃO N 137, DE 21 DE JANEIRO DE 2010.

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE DIREITOS HUMANOS RESOLUÇÃO N 137, DE 21 DE JANEIRO DE 2010. PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE DIREITOS HUMANOS RESOLUÇÃO N 137, DE 21 DE JANEIRO DE 2010. Dispõe sobre os parâmetros para a criação e o funcionamento dos Fundos Nacional, Estaduais e Municipais

Leia mais

Advocacia-Geral da União Subchefia para Assuntos Jurídicos Casa Civil da Presidência da República Centro de Ética Pública da Presidência da República

Advocacia-Geral da União Subchefia para Assuntos Jurídicos Casa Civil da Presidência da República Centro de Ética Pública da Presidência da República Advocacia-Geral da União Subchefia para Assuntos Jurídicos Casa Civil da Presidência da República Centro de Ética Pública da Presidência da República Comissão de Ética Pública da Presidêcia da República

Leia mais

APRESENTAÇÃO GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 86, DE 21 DE JULHO DE 2011

APRESENTAÇÃO GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 86, DE 21 DE JULHO DE 2011 APRESENTAÇÃO GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 86, DE 21 DE JULHO DE 2011 Dispõe sobre a utilização do Selo da Lei de Incentivo ao Esporte, das Logomarcas do Ministério do Esporte, do Governo Federal e

Leia mais

PODER EXECUTIVO MUNICIPAL DE ITIQUIRA- MT

PODER EXECUTIVO MUNICIPAL DE ITIQUIRA- MT INSTRUÇÃO NORMATIVA SCS Nº 002/2012, DE 31 DE OUTUBRO DE 2012. Versão nº 01 Aprovação em: 31/10/2012 Ato de Aprovação: Decreto Municipal nº 053/2012 Unidade Responsável: Departamento de Comunicação I -

Leia mais

1. TERMOS E CONDIÇÕES GERAIS PARA ASSINATURA DO SITE VAGAS EM COMUNICAÇÃO

1. TERMOS E CONDIÇÕES GERAIS PARA ASSINATURA DO SITE VAGAS EM COMUNICAÇÃO 1. TERMOS E CONDIÇÕES GERAIS PARA ASSINATURA DO SITE VAGAS EM COMUNICAÇÃO 1. DAS PARTES 1.1. De um lado, a CONTRATADA site VAGAS EM COMUNICAÇÃO de propriedade da Aoki Mídia e Comunicação, registrada sob

Leia mais

O VICE-PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no exercício do cargo de PRESIDENTE DA REPÚBLICA

O VICE-PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no exercício do cargo de PRESIDENTE DA REPÚBLICA LEI Nº 9.504, DE 30 DE SETEMBRO DE 1997 Estabelece normas para as eleições. O VICE-PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no exercício do cargo de PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta

Leia mais

Orientações para o ANO ELEITORAL

Orientações para o ANO ELEITORAL Orientações para o ANO ELEITORAL 2014 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO GUIA DE REFERÊNCIA RÁPIDA CONDUTAS VEDADAS EM ANO ELEITORAL ÁREAS TEMÁTICAS 04 05 09 2 PUBLICIDADE Veiculação de publicidade institucional de

Leia mais

Referencial GBC Brasil Casa MANUAL DO CANDIDATO: PROVA CONSULTOR GBC BRASIL CASA

Referencial GBC Brasil Casa MANUAL DO CANDIDATO: PROVA CONSULTOR GBC BRASIL CASA Referencial GBC Brasil Casa MANUAL DO CANDIDATO: PROVA CONSULTOR GBC BRASIL CASA Agosto de 2014 1 Green Building Council Brasil SUMÁRIO Inscrição para o exame... 3 Requisitos de qualificação... 3 Agendamento

Leia mais