Condutas vedadas aos agentes públicos em período

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Condutas vedadas aos agentes públicos em período"

Transcrição

1 1 de 7 15/7/ :51 Este texto foi publicado no site Jus Navigandi no endereço Para ver outras publicações como esta, acesse Condutas vedadas aos agentes públicos em período eleitoral Edgard Manoel Azevedo Filho Publicado em 03/2014. Elaborado em 06/2013. Para tentar frear a utilização indevida do erário nas eleições, a Lei n , de 30 de setembro de 1997, conhecida como Lei das Eleições, inovou ao trazer o rol de condutas vedadas aos agentes públicos em período eleitoral. CONDUTAS VEDADAS AOS AGENTES PÚBLICOS EM PERÍODO ELEITORAL Edgard Manoel Azevedo Filho [1] (#_ftn1) RESUMO Este artigo apresenta um breve estudo sobre as condutas vedadas aos agentes públicos durante o período eleitoral no Brasil, com enfoque no rol previsto na Lei n /97. O trabalho inicia com a identificação do motivo que levou o legislador a estabelecer as condutas vedadas. Assim, busca-se esclarecer a importância e finalidade da inovação legislativa. A seguir, irão se esclarecer os elementos que cercam o tema, como conceito, natureza jurídica, bem jurídico tutelado, classificação, hipóteses materiais previstas em lei, sanções e procedimento judicial. Desta forma, pretende-se conhecer cientificamente o tema para uma melhor compreensão da problemática estabelecida. Nesta fase, esclarecem-se quais são todos os tipos de condutas vedadas previstas pelo legislador, conforme critério cronológico da Lei n /97. Palavras-chaves: Conduta vedada. Eleições. Administração pública. Agente público. INTRODUÇÃO Manter o eleitor blindado contra as práticas ilegais no período eleitoral tem sido um desafio para o legislador e operadores do direito no Brasil. A cada eleição, repetem-se notícias que candidatos, partidos, coligações e agentes públicos praticaram atos de corrupção e de abuso de poder para conseguir o sucesso nas urnas. O mais grave dessa

2 2 de 7 15/7/ :51 infeliz reincidência, é que muitos desses abusos são cometidos com uso do Poder Público. Com a introdução do instituto da reeleição para os chefes do poder executivo pela Emenda Constitucional n. 16, de 4 de junho de 1997, que permite que presidente da república, governadores e prefeitos possam concorrer mais uma vez ao mesmo cargo sem a necessidade de renunciarem, facilitou-se a prática dos atos de abuso de poder nas eleições com a utilização ilegal da máquina administrativa em benefício desses candidatos. Para tentar frear a utilização indevida do erário nas eleições, a Lei n , de 30 de setembro de 1997, conhecida como Lei das Eleições, inovou ao trazer o rol de condutas vedadas aos agentes públicos em período eleitoral (arts. 73 a 78). Essa lista surgiu, portanto, com o fim de ser um freio, um antídoto contra os efeitos indevidos do instituto da reeleição e do uso do Poder Público durante o pleito. DESENVOLVIMENTO O rol de condutas vedadas é limitado (numerus clausus) pela Lei das Eleições e pode ser dividido em três grupos, conforme o critério cronológico de vedação proposto por Roberto Moreira de Almeida (2011, p. 434): Condutas vedadas durante todo o ano eleitoral; Condutas vedadas a partir de abril do ano eleitoral; e Condutas vedadas nos 3 meses que antecedem a eleição. Por constituírem um conjunto cerrado (GOMES, 2010, p. 523), as condutas vedadas são hipóteses de incidência de legalidade estrita, que não autorizam interpretação extensiva e analogia (DA COSTA, 2006, p. 864). Isso deixou de fora outras possíveis formas de abuso de poder praticados com uso da máquina administrativa. Logo, para que as condutas vedadas se caracterizem, é indispensável que estejam provados no processo todos os elementos descritivos do ilícito eleitoral.[2] (#_ftn2) Caso o ato não se enquadre no rol de condutas vedadas, poderá ensejar outros ilícitos, como a improbidade administrativa, nos moldes da Lei n /92. O conceito de conduta vedada pode ser extraído do caput do art. 73 da Lei n /97. Trata-se do ato praticado por agentes públicos, servidores ou não, tendente a afetar a igualdade de oportunidades entre candidatos nos pleitos eleitorais. Para Rodrigo Lópes Zílio (2010, p. 501), pode-se conceituar as condutas vedadas como espécies de abuso do poder político que se revelam pelo desvirtuamento dos recursos materiais (incs. I, II, IV e 10 do art. 73 da lei n /97), humanos (incs. III e V do art. 73 da Lei n /97), financeiros (inc. VI, letra a, VII e VIII do art. 73 da Lei n /97) e de comunicação (inc. VI, letras b e c do art. 73 da Lei n /97) da Administração Pública. A natureza jurídica da conduta vedada é a de ilícito eleitoral, espécie de abuso de poder, conforme tem consignado a doutrina (ZÍLIO, 2010, p. 500) e jurisprudência[3]

3 3 de 7 15/7/ :51 (#_ftn3). Com o fim de ser obstáculo ao uso ilícito do erário nas eleições, a conduta vedada tutela a igualdade formal (RAMAYANA, 2011, p. 527) de oportunidades entre os candidatos e respectivos partidos nos pleitos eleitorais. Busca-se a isonomia de chances entre os candidatos, para que o resultado das eleições seja legítimo pela livre escolha dos eleitores sem a influência do Poder Público. Quer-se evitar o desequilibro financiado pelo erário. Por isso, os agentes públicos devem sempre observar aos princípios constitucionais regentes de suas atividades, mormente os capitulados no art. 37 da Constituição, como legalidade, impessoalidade, moralidade, publicidade, eficiência, licitação e concurso público. Agente público, para fins de conduta vedada, é qualquer pessoa que exerce função pública. O termo abrange os chamados agentes políticos, servidores públicos, militares e particulares que colaboram com o Poder Público (mesários da Justiça Eleitoral e jurados do Tribunal do Júri). Segundo a Lei 9.504/97, reputa-se agente público, quem exerce, ainda que transitoriamente ou sem remuneração, por eleição, nomeação, designação, contratação ou qualquer outra forma de investidura ou vínculo, mandato, cargo, emprego ou função nos órgãos ou entidades da administração pública direta, indireta, ou fundacional (art. 73, 1º). Conforme a classificação cronológica antes mencionada, as hipóteses materiais de condutas vedadas são as seguintes: Condutas vedadas durante todo o ano eleitoral - Cessão ou uso de bens públicos (LE, art. 73, I) - ceder ou usar, em benefício de candidato, partido ou coligação, bens móveis ou imóveis pertencentes à administração direta ou indireta da União, dos Estados, do Distrito Federal, dos Territórios e dos Municípios, ressalvada a realização de convenção partidária; - Uso de bens ou serviços públicos (LE, art. 73, II) - usar materiais ou serviços, custeados pelos Governos ou Casas Legislativas, que excedam as prerrogativas consignadas nos regimentos e normas dos órgãos que integram; - Cessão ou uso de servidor público (LE, art. 73, III) - ceder servidor público ou empregado da administração direta ou indireta federal, estadual ou municipal do Poder Executivo, ou usar de seus serviços, para comitês de campanha eleitoral de candidato, partido político ou coligação, durante o horário de expediente normal, salvo se o servidor ou empregado estiver licenciado; - Uso promocional de bens ou serviços (LE, art. 73, IV) - fazer ou permitir uso promocional em favor de candidato, partido político ou coligação, de distribuição gratuita de bens e serviços de caráter social custeados ou subvencionados pelo Poder Público;

4 4 de 7 15/7/ :51 - Despesas com propaganda institucional além da média de gastos (LE, art. 73, VII) - realizar, em ano de eleição, antes do prazo fixado no inciso anterior, despesas com publicidade dos órgãos públicos federais, estaduais ou municipais, ou das respectivas entidades da administração indireta, que excedam a média dos gastos nos três últimos anos que antecedem o pleito ou do último ano imediatamente anterior à eleição; - Distribuição gratuita de bens, valores ou benefícios pela Administração Pública (LE, art. 73, 10) - No ano em que se realizar eleição, fica proibida a distribuição gratuita de bens, valores ou benefícios por parte da Administração Pública, exceto nos casos de calamidade pública, de estado de emergência ou de programas sociais autorizados em lei e já em execução orçamentária no exercício anterior, casos em que o Ministério Público poderá promover o acompanhamento de sua execução financeira e administrativa; - Propaganda institucional com caráter de promoção pessoal (LE, art. 74) fazer publicidade de atos, programas, obras, serviços e campanhas dos órgãos públicos que constem nomes, símbolos ou imagens que caracterizem promoção pessoal de candidatos, partidos e coligações, ainda que antes das convenções partidárias. Conduta vedada a partir do mês de abril do ano eleitoral - Revisão geral da remuneração dos servidores (LE, art. 73, VIII) - fazer, na circunscrição do pleito, revisão geral da remuneração dos servidores públicos que exceda a recomposição da perda de seu poder aquisitivo ao longo do ano da eleição, a partir do início do prazo estabelecido no art. 7º desta Lei e até a posse dos eleitos. Condutas vedadas nos três meses que antecedem o pleito - Nomeação, admissão, transferência ou dispensa de servidor públicos (LE, art. 73, V) - nomear, contratar ou de qualquer forma admitir, demitir sem justa causa, suprimir ou readaptar vantagens ou por outros meios dificultar ou impedir o exercício funcional e, ainda, ex officio, remover, transferir ou exonerar servidor público, na circunscrição do pleito, nos três meses que o antecedem e até a posse dos eleitos, sob pena de nulidade de pleno direito, ressalvados: a) a nomeação ou exoneração de cargos em comissão e designação ou dispensa de funções de confiança; b) a nomeação para cargos do Poder Judiciário, do Ministério Público, dos Tribunais ou Conselhos de Contas e dos órgãos da Presidência da República; c) a nomeação dos aprovados em concursos públicos homologados até o início daquele prazo; d) a nomeação ou contratação necessária à instalação ou ao funcionamento inadiável de serviços públicos essenciais, com prévia e expressa autorização do Chefe do Poder Executivo; e) a transferência ou remoção ex officio de militares, policiais civis e de agentes penitenciários; - Transferência de recursos (LE, art. 73, VI, a) - realizar transferência voluntária de recursos da União aos Estados e Municípios, e dos Estados aos Municípios, sob pena de nulidade de pleno direito, ressalvados os recursos destinados a cumprir obrigação formal preexistente para execução de obra ou serviço em andamento e com cronograma prefixado, e os destinados a atender situações de emergência e de calamidade pública;

5 5 de 7 15/7/ :51 - Propaganda institucional em período eleitoral (LE, art. 73, VI, b) - com exceção da propaganda de produtos e serviços que tenham concorrência no mercado, autorizar publicidade institucional dos atos, programas, obras, serviços e campanhas dos órgãos públicos federais, estaduais ou municipais, ou das respectivas entidades da administração indireta, salvo em caso de grave e urgente necessidade pública, assim reconhecida pela Justiça Eleitoral; - Pronunciamento em cadeia de rádio e televisão (LE, art. 73, c) - fazer pronunciamento em cadeia de rádio e televisão, fora do horário eleitoral gratuito, salvo quando, a critério da Justiça Eleitoral, tratar-se de matéria urgente, relevante e característica das funções de governo; - Contratação de shows (LE, art. 75) contratar shows artísticos pagos com recursos públicos na realização de inaugurações (essa proibição é aplicável a todas as esferas da administração pública, mesmo sem cargos em disputa); - Participar da inauguração de obras públicas (LE, art. 77) comparecer na inauguração de obras públicas. Praticada qualquer uma dessas condutas vedadas, não há que perquirir se o ato tinha potencialidade ou não para desequilibrar o pleito. Exige-se, tão-somente, seja atingida a igualdade entre os candidatos, pois o caput do art. 73 da Lei n /97 estabelece: condutas tendentes a comprometer a isonomia entre os candidatos. A potencialidade do ato e os resultados ocasionados ao pleito são utilizados, todavia, para a definição das sanções a serem aplicadas e da sua quantificação, quando se tratar de multa. Quanto às sanções legais, a Lei 9.504/97 prevê suspensão imediata da conduta vedada, multa no valor de 5 a 100 mil UFIRs, cassação do registro ou do diploma, sem prejuízo de outras sanções estipuladas em lei. As condutas vedadas caracterizam, igualmente, atos de improbidade administrativa, nos termos do art. 11, inciso I, da Lei n /92. O procedimento judicial aplicável às condutas vedadas é o geral previsto no art. 96 da Lei n /97. A representação pode ser apresentada por candidato, partido, coligação (LE, art. 96, caput) e membro do Ministério Público (CF, art. 127) à Justiça Eleitoral até a data da diplomação dos eleitos (LE, art. 73, 12). Do julgamento cabe recurso no prazo de 3 dias, a contar da publicação da decisão no Diário Oficial (LE, art. 73, 13). O julgamento compete (LE, art. 96): I - aos Juízes Eleitorais, nas eleições municipais; II - aos Tribunais Regionais Eleitorais, nas eleições federais, estaduais e distritais; III - ao Tribunal Superior Eleitoral, na eleição presidencial. CONSIDERAÇÕES FINAIS Por tudo que foi exposto, conclui-se que o rol de condutas vedadas foi importante inovação trazida pela Lei n /97, com o fim de preservar a igualdade formal entre os candidatos ao tentar impedir a utilização indevida da máquina administrativa pelos

6 6 de 7 15/7/ :51 agentes públicos, que foi facilitada com a introdução do instituto da reeleição pela Emenda Constitucional n. 16/97. Conquanto a inovação não abarque todas as formas de condutas proibidas pela utilização do erário nas eleições, ela trouxe um importante freio para os abusos de campanha, notadamente os praticados em benefícios de candidatos à reeleição. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS - ABNT. NBR 6022: informação e documentação artigo em publicação periódica científica impressa apresentação. Rio de Janeiro, DA COSTA, Adriano Soares. Instituições de Direito Eleitoral. 6ª ed. Belo Horizonte: Del Rey, DE ALMEIDA, Roberto Moreira. Curso de Direito Eleitoral. 5ª. ed. Salvador: Jus Podium, GOMES, José Jairo. Direito Eleitoral. 5ª ed. Belo Horizonte: Del Rey, RAMAYANA, Marcos. Direito Eleitoral. 12ª ed. Niterói: Impetus, ZÍLIO, Rodrigo. Direito Eleitoral: noções preliminares, elegibilidade e inelegibilidade, processo eleitoral (da convenção à prestação de contas), ações eleitorais. Porto Alegre: Verbo Jurídico, [1] (#_ftnref1) Bacharel em Direito pela Universidade Federal de Rondônia UNIR (2004). Advogado Eleitoral e Tributarista entre 2004 e Especialista em Direito Público (Constitucional e Administrativo) pela Universidade Federal de Rondônia - UNIR (2007). Especialista em Direito Eleitoral e Direito Processual Eleitoral pela Faculdade de Ciências Humanas, Exatas e Letras de Rondônia FARO (2011). Analista Judiciário do Tribunal Regional Eleitoral de Rondônia desde Foi Assessor-Chefe da Corregedoria Regional Eleitoral e da Presidência do TRE-RO. [2] (#_ftnref2) (...) Com relação às condutas vedadas, é imprescindível que estejam provados todos os elementos descritos na hipótese de incidência do ilícito eleitoral para a imputação das severas sanções de cassação de registro ou de diploma. (TSE. AG 5.817/PA, rel. Min. Caputo Bastos, DJ de 16/09/2005, p. 172). [3] (#_ftnref3) [...] As condutas vedadas (Lei das Eleições, art. 73) constituem-se em espécie do gênero abuso de autoridade. Afastado este, considerados os mesmos fatos, resultam afastadas aquelas. O fato considerado como conduta vedada (Lei das Eleições, art. 73) pode ser apreciado como abuso do poder de autoridade para gerar a inelegibilidade do art. 22 da Lei Complementar no 64/90. O abuso do poder de autoridade é condenável por afetar a legitimidade e normalidade dos pleitos e, também, por violar o princípio da isonomia entre os concorrentes, amplamente assegurado na

7 7 de 7 15/7/ :51 Constituição da República. [...] (Ac. no 718, de , rel. Min. Luiz Carlos Madeira.) Autor Edgard Manoel Azevedo Filho Analista Judiciário Federal do Tribunal Regional Eleitoral de Rondônia desde Bacharel em Direito pela Universidade Federal de Rondônia UNIR (2004). Advogado Eleitoral e Tributarista entre 2004 e Especialista em Direito Público (Constitucional e Administrativo) pela Universidade Federal de Rondônia - UNIR (2007). Especialista em Direito Eleitoral e Direito Processual Eleitoral pela Faculdade de Ciências Humanas, Exatas e Letras de Rondônia FARO (2011). Foi Assessor-Chefe da Corregedoria Regional Eleitoral e da Presidência do TRE-RO. Atualmente é Parecerista Jurídico do TRE-RO. Informações sobre o texto Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

DESPESAS COM PESSOAL NOS 180 DIAS FINAIS DE MANDATO

DESPESAS COM PESSOAL NOS 180 DIAS FINAIS DE MANDATO COORDENAÇÃO-GERAL DE NORMAS DE CONTABILIDADE APLICADAS À FEDERAÇÃO - CCONF GERÊNCIA DE NORMAS E PROCEDIMENTOS DE GESTÃO FISCAL - GENOP DESPESAS COM PESSOAL NOS 180 DIAS FINAIS DE MANDATO Art. 21, parágrafo

Leia mais

MANUAL DE ORIENTAÇÃO AO AGENTE PÚBLICO CONDUTAS E VEDAÇÕES A SEREM OBSERVADAS DURANTE O ANO ELEITORAL

MANUAL DE ORIENTAÇÃO AO AGENTE PÚBLICO CONDUTAS E VEDAÇÕES A SEREM OBSERVADAS DURANTE O ANO ELEITORAL PREFEITURA MUNICIPAL DO NATAL CONTROLADORIA GERAL DO MUNICÍPIO MANUAL DE ORIENTAÇÃO AO AGENTE PÚBLICO CONDUTAS E VEDAÇÕES A SEREM OBSERVADAS DURANTE O ANO ELEITORAL Natal/RN, 05 de dezembro de 2011. APRESENTAÇÃO

Leia mais

ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL PREFEITURA MUNICIPAL DE CORUMBÁ GABINETE DO PREFEITO

ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL PREFEITURA MUNICIPAL DE CORUMBÁ GABINETE DO PREFEITO REGULAMENTO Nº 01, DE 30 DE JUNHO DE 2008 Dispõe sobre normas e procedimentos administrativos a serem observados por servidores da Administração Pública Municipal candidatos ou não a cargos eletivos em

Leia mais

Condutas Vedadas aos Agentes Públicos Federais

Condutas Vedadas aos Agentes Públicos Federais Condutas Vedadas aos Agentes Públicos Federais Bases legais Constituição Federal Lei das Eleições (Lei 9.504/97) Lei das Inelegibilidades (LC 64/90) Código Eleitoral Resoluções do TSE Finalidade da Legislação

Leia mais

agente público no período eleitoral o que pode e o que não pode

agente público no período eleitoral o que pode e o que não pode agente público no período eleitoral o que pode e o que não pode Governo do Estado de São Paulo Geraldo Alckmin Secretaria de Planejamento e Desenvolvimento Regional Julio Semeghini Fundação Prefeito Faria

Leia mais

agente público nas eleições de 2014 o que pode e o que não pode

agente público nas eleições de 2014 o que pode e o que não pode agente público nas eleições de 2014 o que pode e o que não pode Governo do Estado de São Paulo Secretaria de Planejamento e Desenvolvimento Regional Fundação Prefeito Faria Lima Cepam Centro de Estudos

Leia mais

SERVIDORES PÚBLICOS CONDUTAS VEDADAS EM ANO ELEITORAL RELATIVAS A

SERVIDORES PÚBLICOS CONDUTAS VEDADAS EM ANO ELEITORAL RELATIVAS A CONDUTAS VEDADAS EM ANO ELEITORAL RELATIVAS A SERVIDORES PÚBLICOS KLEIDE MARIA TENFFEN FIAMONCINI ADVOGADA DA AMAVI kleide@amavi.org.br / juridico@amavi.org.br O QUE VOCÊ AGENTE PÚBLICO NÃO PODE FAZER!!!

Leia mais

ORIENTAÇÕES GERAIS PARA AS ELEIÇÕES 2008: Condutas Vedadas aos Gestores PúblicosP

ORIENTAÇÕES GERAIS PARA AS ELEIÇÕES 2008: Condutas Vedadas aos Gestores PúblicosP Eleições 2008 ORIENTAÇÕES GERAIS PARA AS ELEIÇÕES 2008: Condutas Vedadas aos Gestores PúblicosP Escola Fazendária Teresina, 16 de Junho de 2008 O Art. 73, da Lei nº n 9.504/97, dispõe serem proibidas aos

Leia mais

Governo de Mato Grosso Auditoria Geral do Estado CARTILHA DE ORIENTAÇÃO AOS AGENTES PÚBLICOS

Governo de Mato Grosso Auditoria Geral do Estado CARTILHA DE ORIENTAÇÃO AOS AGENTES PÚBLICOS Governo de Mato Grosso Auditoria Geral do Estado CARTILHA DE ORIENTAÇÃO AOS AGENTES PÚBLICOS Eleições 2014 ORIENTAÇÕES AOS AGENTES PÚBLICOS DO PODER EXECUTIVO DO ESTADO DE MATO GROSSO PARA AS ELEIÇÕES

Leia mais

ORIENTAÇÕES AOS AGENTES PÚBLICOS DO MUNICÍPIO DE FLORIANÓPOLIS NO ANO ELEITORAL 2016

ORIENTAÇÕES AOS AGENTES PÚBLICOS DO MUNICÍPIO DE FLORIANÓPOLIS NO ANO ELEITORAL 2016 ORIENTAÇÕES AOS AGENTES PÚBLICOS DO MUNICÍPIO DE FLORIANÓPOLIS NO ANO ELEITORAL 2016 Apresentação: As Eleições Municipais ocorrerão no dia 02/10/2016, primeiro domingo do mês de outubro. Escolheremos o

Leia mais

OBRIGAÇÕES NO ÚLTIMO ANO DE MANDATO

OBRIGAÇÕES NO ÚLTIMO ANO DE MANDATO OBRIGAÇÕES NO ÚLTIMO ANO DE MANDATO Tribunal de Contas do Estado do Tocantins Junho/2008 Coordenadoria LRF Obrigações no último ano de mandato 2008 - último ano de mandato municipal. Um ano que prevê uma

Leia mais

DESPESA COM PESSOAL RESTRIÇÕES EM ANO ELEITORAL

DESPESA COM PESSOAL RESTRIÇÕES EM ANO ELEITORAL DESPESA COM PESSOAL RESTRIÇÕES EM ANO ELEITORAL Autoria: Sidnei Di Bacco Advogado 2008 é ano eleitoral e último ano do mandato eletivo dos prefeitos municipais, o que atrai a incidência de diversas restrições

Leia mais

CONDUTAS VEDADAS EM ANO ELEITORAL E FINAL DE MANDATO MUNICIPAL Palestrante: Marcos Fey Probst

CONDUTAS VEDADAS EM ANO ELEITORAL E FINAL DE MANDATO MUNICIPAL Palestrante: Marcos Fey Probst CONDUTAS VEDADAS EM ANO ELEITORAL E FINAL DE MANDATO MUNICIPAL Palestrante: Marcos Fey Probst Promoção: Execução: Condutas vedadas em ano eleitoral Promoção Execução Condutas Vedadas em ano eleitoral Art.

Leia mais

Você pode contribuir para eleições mais justas

Você pode contribuir para eleições mais justas Procuradoria Regional Eleitoral no Estado de SP Defesa da democracia, combate à impunidade. Você pode contribuir para eleições mais justas Os cidadãos e as cidadãs podem auxiliar muito na fiscalização

Leia mais

Eleições 2014 Orientações aos Agentes Públicos

Eleições 2014 Orientações aos Agentes Públicos 1 Eleições 2014 Orientações aos Agentes Públicos Ceará 2014 2 CASA CIVIL Cambeba Elaborado com base em Cartilha editada pela 3 6 9 10 12 13 13 16 19 20 20 21 22 23 23 24 4 26 26 29 30 30 32 34 1. alegar

Leia mais

LEI DE RESPONSABILIDADE FISCAL E LEI ELEITORAL

LEI DE RESPONSABILIDADE FISCAL E LEI ELEITORAL LEI DE RESPONSABILIDADE FISCAL E LEI ELEITORAL RESTRIÇÕES RELATIVAS À EXECUÇÃO ORÇAMENTÁRIA E FINANCEIRA FAZENDA PGE -SPDR 14 de Fevereiro de 2014 Palácio dos Bandeirantes 1 Receita: restrições Recursos

Leia mais

I - nomeação ou exoneração de cargos em comissão e designação ou dispensa de funções de confiança;

I - nomeação ou exoneração de cargos em comissão e designação ou dispensa de funções de confiança; Para navegar entre as ocorrências da expressão pesquisada existem os marcadores "" em cada ocorrência: - Clicando em "" vai para a próxima

Leia mais

ELEIÇÕES 2012 PANORAMA GERAL. NORMAS. CALENDÁRIO. CONDUTAS VEDADAS.

ELEIÇÕES 2012 PANORAMA GERAL. NORMAS. CALENDÁRIO. CONDUTAS VEDADAS. ELEIÇÕES 2012 PANORAMA GERAL. NORMAS. CALENDÁRIO. CONDUTAS VEDADAS. Jair Eduardo Santana(*) Mestre e Direito do Estado pela PUC/SP. Advogado, parecerista e professor. Presta consultoria e assessoramento

Leia mais

ORIENTAÇÕES BÁSICAS PARA CONDUTA DE SERVIDORES PÚBLICOS EM PERÍODO ELEITORAL NO ÂMBITO DO MCTI

ORIENTAÇÕES BÁSICAS PARA CONDUTA DE SERVIDORES PÚBLICOS EM PERÍODO ELEITORAL NO ÂMBITO DO MCTI ADVOCACIA-GERAL DA UNIÃO CONSULTORIA-GERAL DA UNIÃO CONSULTORIA JURÍDICA JUNTO AO MINISTÉRIO DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO ORIENTAÇÕES BÁSICAS PARA CONDUTA DE SERVIDORES PÚBLICOS EM PERÍODO ELEITORAL

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PREFEITURA MUNICIPAL DE SANT ANA DO LIVRAMENTO Palácio Moisés Viana Unidade Central de Controle Interno

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PREFEITURA MUNICIPAL DE SANT ANA DO LIVRAMENTO Palácio Moisés Viana Unidade Central de Controle Interno ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PREFEITURA MUNICIPAL DE SANT ANA DO LIVRAMENTO Palácio Moisés Viana Unidade Central de Controle Interno COMUNICADO UCCI nº 001/2008. ÓRGÃO: Gabinete do Prefeito Municipal, Poder

Leia mais

CONDUTAS VEDADAS AOS AGENTES PÚBLICOS FEDERAIS EM ELEIÇÕES MUNICIPAIS

CONDUTAS VEDADAS AOS AGENTES PÚBLICOS FEDERAIS EM ELEIÇÕES MUNICIPAIS Presidência da República Advocacia-Geral da União Subchefia para Assuntos Jurídicos da Casa Civil AOS AGENTES PÚBLICOS FEDERAIS EM ELEIÇÕES MUNICIPAIS ELEIÇÕES 2008 ADVOCACIA-GERAL DA UNIÃO Presidência

Leia mais

LEGISLAÇÃO / E-mails 4.31

LEGISLAÇÃO / E-mails 4.31 E-mail de 06/06/2006 ASSUNTO: Prorrogação de contrato no período eleitoral ANEXO: Parecer 179/06-AJ Prezados Senhores, Tem o presente a finalidade de encaminhar o Parecer nº 179/2006-AJ, que trata da possibilidade

Leia mais

LIMITES À REALIZAÇÃO DE LICITAÇÕES E CONTRATOS ADMINISTRATIVOS EM ANO ELEITORAL

LIMITES À REALIZAÇÃO DE LICITAÇÕES E CONTRATOS ADMINISTRATIVOS EM ANO ELEITORAL LIMITES À REALIZAÇÃO DE LICITAÇÕES E CONTRATOS ADMINISTRATIVOS EM ANO ELEITORAL 1. INTRODUÇÃO Em anos de eleições municipais, estaduais e federais, devem ser observadas várias limitações à realização de

Leia mais

ESTADO DE PERNAMBUCO PROCURADORIA GERAL DO ESTADO CARTILHA ELEIÇÕES 2014 ORIENTAÇÕES GERAIS AOS AGENTES PÚBLICOS ESTADUAIS

ESTADO DE PERNAMBUCO PROCURADORIA GERAL DO ESTADO CARTILHA ELEIÇÕES 2014 ORIENTAÇÕES GERAIS AOS AGENTES PÚBLICOS ESTADUAIS ESTADO DE PERNAMBUCO PROCURADORIA GERAL DO ESTADO CARTILHA ELEIÇÕES 2014 ORIENTAÇÕES GERAIS AOS AGENTES PÚBLICOS ESTADUAIS 2014 1 - APRESENTAÇÃO A presente cartilha reúne, de forma sistemática e concisa,

Leia mais

LEI DE ACESSO A INFORMAÇÃO

LEI DE ACESSO A INFORMAÇÃO LEI DE ACESSO A INFORMAÇÃO A Lei 12.527 foi sancionada em 18 de novembro de 2011, a chamada Lei de Acesso à Informação, sendo importante instrumento de fortalecimento do regime democrático, uma vez que

Leia mais

Sumário APRESENTAÇÃO DA COLEÇÃO... 13 APRESENTAÇÃO... 15 NOTA À TERCEIRA EDIÇÃO... 17 NOTA À SEGUNDA EDIÇÃO... 19 DIREITO ELEITORAL...

Sumário APRESENTAÇÃO DA COLEÇÃO... 13 APRESENTAÇÃO... 15 NOTA À TERCEIRA EDIÇÃO... 17 NOTA À SEGUNDA EDIÇÃO... 19 DIREITO ELEITORAL... Sumário APRESENTAÇÃO DA COLEÇÃO... 13 APRESENTAÇÃO... 15 NOTA À TERCEIRA EDIÇÃO... 17 NOTA À SEGUNDA EDIÇÃO... 19 CAPÍTULO 1 DIREITO ELEITORAL... 21 1.1. Conceito...21 1.1.1. Competência legislativa em

Leia mais

Manual para o Período Eleitoral do ano de 2014 ORIENTAÇÕES SOBRE A ATIVIDADE PUBLICITÁRIA PARA O PERÍODO ELEITORAL DO ANO DE 2014

Manual para o Período Eleitoral do ano de 2014 ORIENTAÇÕES SOBRE A ATIVIDADE PUBLICITÁRIA PARA O PERÍODO ELEITORAL DO ANO DE 2014 Manual para o Período Eleitoral do ano de 2014 ORIENTAÇÕES SOBRE A ATIVIDADE PUBLICITÁRIA PARA O PERÍODO ELEITORAL DO ANO DE 2014 Subsecretaria de Comunicação 2014 1 ESCLARECIMENTOS INICIAIS Está em curso

Leia mais

ELEICÕES. Condutas Vedadas aos Agentes Públicos Municipais em Período Eleitoral

ELEICÕES. Condutas Vedadas aos Agentes Públicos Municipais em Período Eleitoral SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO 2. DEFINIÇÃO DE AGENTE PÚBLICO PARA FINS ELEITORAIS. 3. DAS S VEDADAS AOS AGENTES PÚBLICOS 3.1 BENS, SERVIÇOS E MATERIAIS 3.2. GESTÃO DE PESSOAL 3.3. PUBLICIDADE 03 04 05 05 07 09

Leia mais

Orientações para o ANO ELEITORAL

Orientações para o ANO ELEITORAL Orientações para o ANO ELEITORAL 2014 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO GUIA DE REFERÊNCIA RÁPIDA CONDUTAS VEDADAS EM ANO ELEITORAL ÁREAS TEMÁTICAS 04 05 09 2 PUBLICIDADE Veiculação de publicidade institucional de

Leia mais

Advocacia-Geral da União Subchefia para Assuntos Jurídicos Casa Civil da Presidência da República Centro de Ética Pública da Presidência da República

Advocacia-Geral da União Subchefia para Assuntos Jurídicos Casa Civil da Presidência da República Centro de Ética Pública da Presidência da República Advocacia-Geral da União Subchefia para Assuntos Jurídicos Casa Civil da Presidência da República Centro de Ética Pública da Presidência da República Comissão de Ética Pública da Presidêcia da República

Leia mais

CONDUTAS VEDADAS AOS AGENTES PÚBLICOS MUNICIPAIS EM PERÍODO ELEITORAL ELEIÇÕES 2014

CONDUTAS VEDADAS AOS AGENTES PÚBLICOS MUNICIPAIS EM PERÍODO ELEITORAL ELEIÇÕES 2014 CONDUTAS VEDADAS AOS AGENTES PÚBLICOS MUNICIPAIS EM PERÍODO ELEITORAL ELEIÇÕES 2014 Procuradoria Geral do Município Procuradoria Consultiva 1ª edição João Pessoa 2014 Endereço: Paço Municipal Praça Pedro

Leia mais

Fique atento às exigências da Legislação Eleitoral

Fique atento às exigências da Legislação Eleitoral Fique atento às exigências da Legislação Eleitoral Em respeito à Legislação Eleitoral, agentes públicos e seus colaboradores devem observar as regras sobre a suspensão de publicidade de atos, programas,

Leia mais

CONDUTAS VEDADAS. José Carlos Macruz Ligia Marquez Simões

CONDUTAS VEDADAS. José Carlos Macruz Ligia Marquez Simões CONDUTAS VEDADAS José Carlos Macruz Ligia Marquez Simões NORMAS PROIBITIVAS: OBJETIVO Visam proteger e tornar eficaz o princípio da igualdade entre partidos políticos, coligações e candidatos A QUEM SE

Leia mais

Orientações para o ANO ELEITORAL. Salvador, Março 2014

Orientações para o ANO ELEITORAL. Salvador, Março 2014 Orientações para o ANO ELEITORAL 2014 Salvador, Março 2014 SUMÁRIO BENS E SERVIÇOS PÚBLICOS 22 APRESENTAÇÃO 04 Cessão ou uso de bens públicos em atividades eleitorais 22 GUIA DE REFERÊNCIA RÁPIDA CONDUTAS

Leia mais

A Vedação da Propaganda Institucional no Período Eleitoral e a Lei 9.504/97

A Vedação da Propaganda Institucional no Período Eleitoral e a Lei 9.504/97 268 Série Aperfeiçoamento de Magistrados 7 Curso: 1º Seminário de Direito Eleitoral: Temas Relevantes para as Eleições de 2012 A Vedação da Propaganda Institucional no Período Eleitoral e a Lei 9.504/97

Leia mais

ORIENTAÇÕES AOS AGENTES PÚBLICOS NO PERÍODO ELEITORAL

ORIENTAÇÕES AOS AGENTES PÚBLICOS NO PERÍODO ELEITORAL SEJA LEGAL ELEIÇÕES 2014 ELEIÇÕES20141 ORIENTAÇÕES AOS AGENTES PÚBLICOS NO PERÍODO ELEITORAL Eleições 2014 - Orientações.indd 1 20/05/2014 09:57:32 EXPEDIENTE 2 MESA DIRETORA: Presidente Ricardo Marcelo

Leia mais

ANÚNCIO DO GOVERNANTE

ANÚNCIO DO GOVERNANTE ANÚNCIO DO GOVERNANTE Por Severino Coelho Viana A chamada propaganda institucional, que deveria ser chamada de anúncio do governante, desvia sutilmente a finalidade constitucional que foi posta, pois o

Leia mais

PUBLICAÇÃO DA PROCURADORIA GERAL DO MUNICÍPIO DE LINHARES

PUBLICAÇÃO DA PROCURADORIA GERAL DO MUNICÍPIO DE LINHARES PUBLICAÇÃO DA PROCURADORIA GERAL DO MUNICÍPIO DE LINHARES Prefeito de Linhares Guerino Luíz Zanon Vice-Prefeito de Linhares Paulo Joaquim do Nascimento Procuradora Geral Nádia Lorenzoni Menelli Secretário

Leia mais

GASTOS PÚBLICOS E REAJUSTE DE SERVIDORES EM ANO ELEITORAL. Número 15 Março de 2006 NOTA TÉCNICA

GASTOS PÚBLICOS E REAJUSTE DE SERVIDORES EM ANO ELEITORAL. Número 15 Março de 2006 NOTA TÉCNICA GASTOS PÚBLICOS E REAJUSTE DE SERVIDORES EM ANO ELEITORAL Número 15 Março de 2006 NOTA TÉCNICA Gastos públicos e reajuste de servidores em ano eleitoral Introdução A discussão sobre o aumento dos gastos

Leia mais

Propaganda Eleitoral. Eduardo Buzzinari Ribeiro de Sá 1 CONSIDERAÇÕES INICIAIS ESPÉCIES DE PROPAGANDA POLÍTICA

Propaganda Eleitoral. Eduardo Buzzinari Ribeiro de Sá 1 CONSIDERAÇÕES INICIAIS ESPÉCIES DE PROPAGANDA POLÍTICA Série Aperfeiçoamento de Magistrados 7 Curso: 1º Seminário de Direito Eleitoral: Temas Relevantes para as Eleições de 2012 Propaganda Eleitoral 85 Eduardo Buzzinari Ribeiro de Sá 1 CONSIDERAÇÕES INICIAIS

Leia mais

MANUAL DE CONDUTAS VEDADAS AOS SERVIDORES PÚBLICOS EM ELEIÇÕES

MANUAL DE CONDUTAS VEDADAS AOS SERVIDORES PÚBLICOS EM ELEIÇÕES MANUAL DE CONDUTAS VEDADAS AOS SERVIDORES PÚBLICOS EM ELEIÇÕES 2 3 I Apresentação II Conceitos Fundamentais II.1. Direitos Políticos Perda e Suspensão dos Direitos Políticos II.2. Elegibilidade e Inelegibilidade

Leia mais

COMO O AGENTE PÚBLICO MUNICIPAL DEVE SE COMPORTAR NAS ELEIÇÕES

COMO O AGENTE PÚBLICO MUNICIPAL DEVE SE COMPORTAR NAS ELEIÇÕES COMO O AGENTE PÚBLICO MUNICIPAL DEVE SE COMPORTAR NAS ELEIÇÕES 2014 Sumário APRESENTAÇÃO 4 DEFINIÇÃO DE AGENTE PÚBLICO PARA FINS ELEITORAIS 5 CONDUTAS VEDADAS AOS AGENTES PÚBLICOS EM CAMPANHAS ELEITORAIS

Leia mais

Propaganda Eleitoral: A Propaganda Subliminar e outras Formas de Publicidade de Aparente Cunho Institucional 1

Propaganda Eleitoral: A Propaganda Subliminar e outras Formas de Publicidade de Aparente Cunho Institucional 1 Série Aperfeiçoamento de Magistrados 7 Curso: 1º Seminário de Direito Eleitoral: Temas Relevantes para as Eleições de 2012 171 Propaganda Eleitoral: A Propaganda Subliminar e outras Formas de Publicidade

Leia mais

MEDIDA: RESPONSABILIZAÇÃO DOS PARTIDOS POLÍTICOS E CRIMINALIZAÇÃO DO CAIXA 2

MEDIDA: RESPONSABILIZAÇÃO DOS PARTIDOS POLÍTICOS E CRIMINALIZAÇÃO DO CAIXA 2 MEDIDA: RESPONSABILIZAÇÃO DOS PARTIDOS POLÍTICOS E CRIMINALIZAÇÃO DO CAIXA 2 16ª P R O P O S T A L E G I S L A T I V A ANTEPROJETO DE LEI Altera a Lei 9.096/95 para prevê a responsabilização dos partidos

Leia mais

ÚLTIMO ANO DE MANDATO

ÚLTIMO ANO DE MANDATO ÚLTIMO ANO DE MANDATO Tribunal de Contas do Estado do Tocantins Março/2012 Najla Mansur Braga Coordenadoria de Acompanhamento Contábil e Gestão Fiscal 2012 - último ano de mandato municipal. Um ano que

Leia mais

SUBSECRETARIA DE COMUNICAÇÃO SOCIAL DA CASA CIVIL

SUBSECRETARIA DE COMUNICAÇÃO SOCIAL DA CASA CIVIL SUBSECRETARIA DE COMUNICAÇÃO SOCIAL DA CASA CIVIL ORIENTAÇÕES PARA A PUBLICIDADE GOVERNAMENTAL DURANTE O PERÍODO ELEITORAL 2014 ORIENTAÇÕES PARA A PUBLICIDADE GOVERNAMENTAL DURANTE O PERÍODO ELEITORAL

Leia mais

Vedação de transferência voluntária em ano eleitoral INTRODUÇÃO

Vedação de transferência voluntária em ano eleitoral INTRODUÇÃO Vedação de transferência voluntária em ano eleitoral INTRODUÇÃO Como se sabe, a legislação vigente prevê uma série de limitações referentes à realização de despesas em ano eleitoral, as quais serão a seguir

Leia mais

A Propaganda Institucional e as Eleições de 2008. Randolpho Martino JúniorJ www.vicosa.com.br/randolpho

A Propaganda Institucional e as Eleições de 2008. Randolpho Martino JúniorJ www.vicosa.com.br/randolpho A Propaganda Institucional e as Eleições de 2008 Randolpho Martino JúniorJ www.vicosa.com.br/randolpho Propaganda Institucional Definição: é a publicidade destinada a divulgar os atos, programas, obras,

Leia mais

Curso A Administração Pública em ano eleitoral

Curso A Administração Pública em ano eleitoral Curso A Administração Pública em ano eleitoral Agentes Públicos Definição: são todas as pessoas físicas incumbidas, definitivamente ou transitoriamente, do exercício de alguma função estatal. (MEIRELLES,

Leia mais

CARTILHA DE ORIENTAÇÕES AOS AGENTES PÚBLICOS DO MUNICÍPIO DE BELÉM NO ANO ELEITORAL.

CARTILHA DE ORIENTAÇÕES AOS AGENTES PÚBLICOS DO MUNICÍPIO DE BELÉM NO ANO ELEITORAL. CARTILHA DE ORIENTAÇÕES AOS AGENTES PÚBLICOS DO MUNICÍPIO DE BELÉM NO ANO ELEITORAL. 2014 Índice: Apresentação Definições Importantes VIsão geral do abuso de poder político e de autoridade Administração

Leia mais

ACUMULAÇÃO DE CARGOS PÚBLICOS POR MILITARES

ACUMULAÇÃO DE CARGOS PÚBLICOS POR MILITARES ACUMULAÇÃO DE CARGOS PÚBLICOS POR MILITARES 1. INTRODUÇÃO O presente estudo tem por finalidade analisar a possibilidade de um militar exercer, na ativa ou na reserva remunerada, outro cargo público e receber,

Leia mais

Eleições 2014 Orientações aos Agentes Públicos

Eleições 2014 Orientações aos Agentes Públicos 1 Eleições 2014 Orientações aos Agentes Públicos Ceará 2014 2 CASA CIVIL Palácio da Abolição Av. Barão de Studart, 505 Meireles CEP: 60.120-000 Fortaleza, Ceará Fone: (85) 3466.4000 www.casacivil.ce.gov.br

Leia mais

Lei 5666/67 FGTS com a adoção do fundo passaram a optar pelo novo sistema, renunciando a estabilidade que estava por vir.

Lei 5666/67 FGTS com a adoção do fundo passaram a optar pelo novo sistema, renunciando a estabilidade que estava por vir. DIREITO DO TRABALHO DIREITO DO TRABALHO PONTO 1: ESTABILIDADE E GARANTIA DE EMPREGO PONTO 2: ESTABILIDADE PONTO 3: GARANTIA ESTABILIDADE (ABSOLUTA que pode ser definitiva ou temporária) E GARANTIA DE EMPREGO

Leia mais

Domicílio eleitoral de deputado federal: possibilidade de concorrer por outra unidade da Federação

Domicílio eleitoral de deputado federal: possibilidade de concorrer por outra unidade da Federação Domicílio eleitoral de deputado federal: possibilidade de concorrer por outra unidade da Federação MIRIAM CAMPELO DE MELO AMORIM Consultora Legislativa da Área I Direito Constitucional, Eleitoral, Municipal,

Leia mais

CURRICULUM VITAE ESCOLARIDADE. Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul Porto Alegre. ATUAÇÃO PROFISSIONAL - ATUAL

CURRICULUM VITAE ESCOLARIDADE. Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul Porto Alegre. ATUAÇÃO PROFISSIONAL - ATUAL CURRICULUM VITAE CURRICULUM VITAE NOME: Rodrigo López Zilio ESCOLARIDADE Graduação: Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul Porto Alegre. Curso de Ciências Jurídicas e Sociais. Conclusão:

Leia mais

Princípios da Administração Pública. Direito Administrativo. Princípios da Administração Pública. Legalidade. Impessoalidade.

Princípios da Administração Pública. Direito Administrativo. Princípios da Administração Pública. Legalidade. Impessoalidade. Direito Administrativo Princípios da Administração Pública Armando Mercadante Fev/2010 Princípios da Administração Pública Princípios expressos no caput do art. 37, CF Legalidade Impessoalidade Moralidade

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PROCURADORIA-GERAL DO ESTADO ELEIÇÕES 2014. Recomendações aos agentes públicos do Estado do Rio Grande do Sul

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PROCURADORIA-GERAL DO ESTADO ELEIÇÕES 2014. Recomendações aos agentes públicos do Estado do Rio Grande do Sul ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PROCURADORIA-GERAL DO ESTADO ELEIÇÕES 2014 Recomendações aos agentes públicos do Estado do Rio Grande do Sul 1 Estado do Rio Grande do Sul Procuradoria-Geral do Estado Coordenação

Leia mais

A execução de programas e concessão de benefícios sociais em ano eleitoral

A execução de programas e concessão de benefícios sociais em ano eleitoral A execução de programas e concessão de benefícios sociais em ano eleitoral A execução de programas e concessão benefícios sociais em ano eleitoral deve ser realizada pela Administração Pública com parcimônia

Leia mais

As bases jurídicas que garantem através dos direitos e deveres a propaganda eleitoral

As bases jurídicas que garantem através dos direitos e deveres a propaganda eleitoral 1 de 7 23/7/2014 13:43 Este texto foi publicado no site Jus Navigandi no endereço http://jus.com.br /artigos/27310 Para ver outras publicações como esta, acesse http://jus.com.br As bases jurídicas que

Leia mais

Audiência Pública da Justiça Eleitoral

Audiência Pública da Justiça Eleitoral PELO VOTO LIVRE E CONSCIENTE Poder Judiciário 33ª Zona Eleitoral de Itacajá Abertura No próximo dia 5 de outubro, o povo brasileiro retorna às urnas, desta vez para escolher prefeitos, vice-prefeitos e

Leia mais

EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR PROMOTOR ELEITORAL DA CIRCUNSCRIÇÃO ELEITORAL DE JARAGUÁ DO SUL SANTA CATARINA.

EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR PROMOTOR ELEITORAL DA CIRCUNSCRIÇÃO ELEITORAL DE JARAGUÁ DO SUL SANTA CATARINA. EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR PROMOTOR ELEITORAL DA CIRCUNSCRIÇÃO ELEITORAL DE JARAGUÁ DO SUL SANTA CATARINA. ALMIRO ANTUNES FARIAS FILHO, brasileiro, casado, representante comercial, portador da carteira

Leia mais

AULA 02 ROTEIRO CONSTITUIÇÃO FEDERAL ART. 5º; 37-41; 205 214; 227 229 LEI 8.069 DE 13/07/1990 ESTATUTO DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE E C A PARTE 02

AULA 02 ROTEIRO CONSTITUIÇÃO FEDERAL ART. 5º; 37-41; 205 214; 227 229 LEI 8.069 DE 13/07/1990 ESTATUTO DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE E C A PARTE 02 AULA 02 ROTEIRO CONSTITUIÇÃO FEDERAL ART. 5º; 37-41; 205 214; 227 229 LEI 8.069 DE 13/07/1990 ESTATUTO DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE E C A PARTE 02 CAPÍTULO VII DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA SEÇÃO I DISPOSIÇÕES

Leia mais

A Lei n /97, que regula as eleições; prevê em seu art. 73 as condutas vedadas aos agentes públicos no período eleitoral.

A Lei n /97, que regula as eleições; prevê em seu art. 73 as condutas vedadas aos agentes públicos no período eleitoral. ELEITORAL: Após a promulgação da Emenda Constitucional n.º 16, de 04 de Junho de 1977, que possibilitou a reeleição, para o segundo mandato consecutivo de cargos eletivos do Poder Executivo. A Lei n. 9.504,

Leia mais

REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL LEI Nº 11.300, DE 10 DE MAIO DE 2006 Dispõe sobre propaganda, financiamento e prestação de contas das despesas com campanhas eleitorais, alterando a Lei n o 9.504, de 30

Leia mais

A veiculação e exibição de logomarcas de órgãos da administração pública em ano eleitoral: O produtor cultural e as vedações da Lei 9.

A veiculação e exibição de logomarcas de órgãos da administração pública em ano eleitoral: O produtor cultural e as vedações da Lei 9. A veiculação e exibição de logomarcas de órgãos da administração pública em ano eleitoral: O produtor cultural e as vedações da Lei 9.504/97 Nuria Bertachini Advogada associada à Drummond e Neumayr Advocacia

Leia mais

No arrazoado, o Chefe da Fiscalização disse que a filmagem em DVD efetuada por esta equipe e ainda que nos deixam preocupados com as filmagens.

No arrazoado, o Chefe da Fiscalização disse que a filmagem em DVD efetuada por esta equipe e ainda que nos deixam preocupados com as filmagens. Vistos, etc. Este procedimento iniciou-se na 76ª Zona Eleitoral quando o Chefe dos Fiscais de Propaganda Eleitoral de Rua, Leonardo Franklin de França, através do expediente constante à fl.17, no qual

Leia mais

PROPAGANDA ELEITORAL

PROPAGANDA ELEITORAL O que é Propaganda Eleitoral? A partir de quando pode ocorrer a propaganda eleitoral? Pode ser realizada propaganda eleitoral em língua estrangeira? Quais os tipos de propaganda eleitoral permitidos? A

Leia mais

Principais diferenças entre CARGO EFETIVO, CARGO EM COMISSÃO e FUNÇÃO DE CONFIANÇA:

Principais diferenças entre CARGO EFETIVO, CARGO EM COMISSÃO e FUNÇÃO DE CONFIANÇA: Prof.: Clayton Furtado LEI 8.112/90 clayton_furtado@yahoo.com.br 1ª AULA 1 - Introdução: a. Histórico: Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA

Leia mais

Prestação de Contas Eleitoral. Flávio Ribeiro de Araújo Cid Consultor Eleitoral

Prestação de Contas Eleitoral. Flávio Ribeiro de Araújo Cid Consultor Eleitoral Prestação de Contas Eleitoral Flávio Ribeiro de Araújo Cid Consultor Eleitoral Janeiro de 2006 ALGUMAS CONSIDERAÇÕES ACERCA DA PRESTAÇÃO DE CONTAS PARA AS ELEIÇÕES DE 2006 Trata-se de um tema revestido

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 22.579. INSTRUÇÃO Nº 111 CLASSE 12ª DISTRITO FEDERAL (Brasília).

RESOLUÇÃO Nº 22.579. INSTRUÇÃO Nº 111 CLASSE 12ª DISTRITO FEDERAL (Brasília). RESOLUÇÃO Nº 22.579 INSTRUÇÃO Nº 111 CLASSE 12ª DISTRITO FEDERAL (Brasília). Relator: Ministro Ari Pargendler. CALENDÁRIO ELEITORAL (Eleições de 2008) O Tribunal Superior Eleitoral, usando das atribuições

Leia mais

Condutas Vedadas. aos Agentes Públicos Federais em Eleições

Condutas Vedadas. aos Agentes Públicos Federais em Eleições Advocacia-Geral da União Subchefia para Assuntos Jurídicos da Casa Civil da Presidência da República Centro de Estudos Jurídicos da Presidência da República Comissão de Ética Pública da Presidência da

Leia mais

PARECER Nº, DE 2013. RELATOR: Senador VALDIR RAUPP

PARECER Nº, DE 2013. RELATOR: Senador VALDIR RAUPP PARECER Nº, DE 2013 Da COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO, JUSTIÇA E CIDADANIA, sobre o Substitutivo da Câmara dos Deputados ao Projeto de Lei do Senado nº 441, de 2012 (nº 6.397, de 2013, na Câmara dos Deputados),

Leia mais

ADVOCACIA & CONSULTORIA EVILSON BRAZ

ADVOCACIA & CONSULTORIA EVILSON BRAZ ADVOCACIA & CONSULTORIA EVILSON BRAZ Rua Rodrigues de Aquino, n.º267, 9º Andar/Sala 903 Edf. Asplan, Centro, João Pessoa/PB (083) 8761-0375/9989-6277/3021-8444 E-mail: evilsonbraz@ig.com.br ******************************

Leia mais

Seção I Das disposições preliminares

Seção I Das disposições preliminares INSTRUÇÃO NORMATIVA N o 6, DE 14 DE MARÇO DE 2014. Dispõe sobre a suspensão da publicidade dos órgãos e entidades do Poder Executivo federal, no período eleitoral de 2014, e dá outras providências. O MINISTRO

Leia mais

ESTADO DE ALAGOAS PROCURADORIA-GERAL DO ESTADO CENTRO DE ESTUDOS DAS CONDUTAS VEDADAS AOS AGENTES PÚBLICOS EM CAMPANHAS ELEITORAIS ELEIÇÕES 2014

ESTADO DE ALAGOAS PROCURADORIA-GERAL DO ESTADO CENTRO DE ESTUDOS DAS CONDUTAS VEDADAS AOS AGENTES PÚBLICOS EM CAMPANHAS ELEITORAIS ELEIÇÕES 2014 ESTADO DE ALAGOAS PROCURADORIA-GERAL DO ESTADO CENTRO DE ESTUDOS DAS CONDUTAS VEDADAS AOS AGENTES PÚBLICOS EM CAMPANHAS ELEITORAIS ELEIÇÕES 2014 Alagoas /2014 PGE/AL Procuradoria-Geral do Estado de Alagoas

Leia mais

12. Assinale a opção correta a respeito da composição e do funcionamento das juntas eleitorais.

12. Assinale a opção correta a respeito da composição e do funcionamento das juntas eleitorais. TRE-MT ANALIS. JUD. ADM CESPE 9. Assinale a opção correta com relação aos órgãos da justiça eleitoral. a) A justiça eleitoral é composta pelo Tribunal Superior Eleitoral ( TSE ), pelo TRE, na capital de

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 22.143. INSTRUÇÃO Nº 100 - CLASSE 12ª - DISTRITO FEDERAL (Brasília).

RESOLUÇÃO Nº 22.143. INSTRUÇÃO Nº 100 - CLASSE 12ª - DISTRITO FEDERAL (Brasília). RESOLUÇÃO Nº 22.143 INSTRUÇÃO Nº 100 - CLASSE 12ª - DISTRITO FEDERAL (Brasília). Relator: Ministro Caputo Bastos. Dispõe sobre pesquisas eleitorais. O Tribunal Superior Eleitoral, usando das atribuições

Leia mais

PROGRAMA TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL

PROGRAMA TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL LÍNGUA PORTUGUESA Compreensão e interpretação de textos Tipologia textual Ortografia oficial Acentuação gráfica Emprego das classes de palavras Emprego do sinal indicativo de crase Sintaxe da oração e

Leia mais

CONTROLADORIA CONDUTAS VEDADAS PARA O ANO DE 2014

CONTROLADORIA CONDUTAS VEDADAS PARA O ANO DE 2014 CONTROLADORIA GERAL MUNICÍPIO DO RECIFE CONDUTAS VEDADAS PARA O ANO DE 2014 LEI 9.504/97 RESOLUÇÃO TSE Nº 23.390/2013 Sumário 1 - INTRODUÇÃO... 3 2 VEDAÇÕES PRESENTES PARA TODO O ANO DE 2014... 4 2.1 DISTRIBUIR

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PREFEITURA MUNICIPAL DE SANT ANA DO LIVRAMENTO Palácio Moysés Vianna Unidade Central de Controle Interno

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PREFEITURA MUNICIPAL DE SANT ANA DO LIVRAMENTO Palácio Moysés Vianna Unidade Central de Controle Interno ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PREFEITURA MUNICIPAL DE SANT ANA DO LIVRAMENTO Palácio Moysés Vianna Unidade Central de Controle Interno PARECER de CONTROLE Nº 015/2011 ENTIDADE SOLICITANTE: Secretaria Municipal

Leia mais

DIREITO ADMINISTRATIVO CONTROLE

DIREITO ADMINISTRATIVO CONTROLE DIREITO ADMINISTRATIVO CONTROLE Atualizado em 12/11/2015 CLASSIFICAÇÕES E SISTEMAS DE CONTROLE CLASSIFICAÇÕES DO CONTROLE Quanto ao posicionamento do órgão controlador: Externo: exercido por um ente que

Leia mais

Licença e afastamento SERVIDOR PÚBLICO V LICENÇA E AFASTAMENTO. Licenças não remuneradas: Licenças: 12/11/2012

Licença e afastamento SERVIDOR PÚBLICO V LICENÇA E AFASTAMENTO. Licenças não remuneradas: Licenças: 12/11/2012 Licença e afastamento Hipóteses em que o servidor não presta serviço, sem perder o cargo. Há 7 hipóteses de licença e 4 hipóteses de afastamento. SERVIDOR PÚBLICO V LICENÇA E AFASTAMENTO Paula Freire Licenças:

Leia mais

WPOS CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DIREITO ELEITORAL DISPLINA: PRINCÍPIOS DE DIREITO ELEITORAL ALUNO: MARCO ANTÔNIO SILVA DE MENDONÇA ATIVIDADE 3: FÓRUM

WPOS CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DIREITO ELEITORAL DISPLINA: PRINCÍPIOS DE DIREITO ELEITORAL ALUNO: MARCO ANTÔNIO SILVA DE MENDONÇA ATIVIDADE 3: FÓRUM WPOS CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DIREITO ELEITORAL DISPLINA: PRINCÍPIOS DE DIREITO ELEITORAL ALUNO: MARCO ANTÔNIO SILVA DE MENDONÇA ATIVIDADE 3: FÓRUM TEMA: Princípio da presunção de inocência versus princípio

Leia mais

REGISTRO DE CANDIDATO

REGISTRO DE CANDIDATO LEGISLAÇÃO APLICÁVEL - Constituição Federal - Código Eleitoral (Lei n. 4737/65) - Lei n. 9.504/97 (Lei das Eleições) - Lei Complementar n. 64/90 (Lei das Inelegibilidades) DISPOSIÇÕES GERAIS REGISTRO DE

Leia mais

Calendário Eleitoral 2012 - Eleições Municipais

Calendário Eleitoral 2012 - Eleições Municipais Calendário Eleitoral 2012 - Eleições Municipais Em ano de eleições municipais é importante estar atento ao calendário eleitoral 2012 para as eleições municipais. O Tribunal Superior Eleitoral/TSE divulgou

Leia mais

DOS LIMITES IMPOSTOS PELO ART. 73, INC. VII, DA LEI FEDERAL Nº 9.605, DE 30 DE SETEMBRO DE 1.997

DOS LIMITES IMPOSTOS PELO ART. 73, INC. VII, DA LEI FEDERAL Nº 9.605, DE 30 DE SETEMBRO DE 1.997 DOS LIMITES IMPOSTOS PELO ART. 73, INC. VII, DA LEI FEDERAL Nº 9.605, DE 30 DE SETEMBRO DE 1.997 Gina Copola (abril de 2.015) I - Reza o art. 73, inc. VII, da Lei federal nº 9.504/97: Art. 73. São proibidas

Leia mais

Prestação de contas do Juízo comum e da Justiça Eleitoral:

Prestação de contas do Juízo comum e da Justiça Eleitoral: PRESTAÇÃO DE CONTAS Prestação de contas do Juízo comum e da Justiça Eleitoral: Conceitos: Nós juízes, em especial os que atuam na área cível, somos acostumados com a obrigação de prestação de contas de

Leia mais

DO MINISTÉRIO PÚBLICO art.170 a art175

DO MINISTÉRIO PÚBLICO art.170 a art175 CONSTITUIÇÃO FEDERAL 88 DO MINISTÉRIO PÚBLICO art.127 a art.130- A Art. 127. O Ministério Público é instituição permanente, essencial à função jurisdicional do Estado, incumbindo-lhe a defesa da ordem

Leia mais

JUÍZO DA 1ª ZONA ELEITORAL DE SÃO PAULO Av. Brigadeiro Luis Antonio, 453 SÃO PAULO CAPITAL. Processo nº 209/08 VISTOS.

JUÍZO DA 1ª ZONA ELEITORAL DE SÃO PAULO Av. Brigadeiro Luis Antonio, 453 SÃO PAULO CAPITAL. Processo nº 209/08 VISTOS. VISTOS. Trata-se de representação formulada pela COLIGAÇÃO SÃO PAULO NO RUMO CERTO em face da COLIGAÇÃO SÃO PAULO, NA MELHOR DIREÇÃO e de GERALDO JOSÉ RODRIGUES ALCKMIN FILHO, nos termos do art. 96 da

Leia mais

EXMO. SR. JUIZ ELEITORAL DA 16ª ZE DE CAXIAS DO SUL RS

EXMO. SR. JUIZ ELEITORAL DA 16ª ZE DE CAXIAS DO SUL RS EXMO. SR. JUIZ ELEITORAL DA 16ª ZE DE CAXIAS DO SUL RS O ELEITORAL, pelo agente signatário, no exercício das funções ditas pelo artigo 127 da Constituição Federal e pelo artigo 78 da Lei Complementar nº

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br Abuso do poder econômico e financiamento das campanhas eleitorais Eneida Desireé Salgado * A preocupação do legislador com o financiamento das campanhas eleitorais revela o reconhecimento

Leia mais

TABELA COM PRAZOS DE DESINCOMPATIBILIZAÇÃO ELEIÇÃO MUNICIPAL. Prefeito Vice-prefeito. 4 meses 6 meses

TABELA COM PRAZOS DE DESINCOMPATIBILIZAÇÃO ELEIÇÃO MUNICIPAL. Prefeito Vice-prefeito. 4 meses 6 meses Cargo Administrador de empresa de economia mista destinada à exploração de transporte urbano, que tem como acionista majoritário o município. TABELA COM PRAZOS DE DESINCOMPATIBILIZAÇÃO ELEIÇÃO MUNICIPAL

Leia mais

LEI COMPLEMENTAR Nº 108, DE 29 DE MAIO DE 2001

LEI COMPLEMENTAR Nº 108, DE 29 DE MAIO DE 2001 LEI COMPLEMENTAR Nº 108, DE 29 DE MAIO DE 2001 Dispõe sobre a relação entre a União, os Estados, o Distrito Federal e os Municípios, suas autarquias, fundações, sociedades de economia mista e outras entidades

Leia mais

I sob o enfoque contábil: Modelo de Projeto de Lei de Controle Interno Controladoria e Auditoria

I sob o enfoque contábil: Modelo de Projeto de Lei de Controle Interno Controladoria e Auditoria Modelo de Projeto de Lei de Controle Interno Controladoria e Auditoria Dispõe sobre a organização e a atuação do Sistema de Controle Interno no Município e dá outras providências. CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES

Leia mais

DECRETO Nº 15.248, DE 02 DE JULHO DE 2013

DECRETO Nº 15.248, DE 02 DE JULHO DE 2013 DECRETO Nº 15.248, DE 02 DE JULHO DE 2013 Regulamenta a concessão da licença para atividade política, do afastamento para o exercício de mandato eletivo e da licença para desempenho de mandato classista

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE DIREITOS HUMANOS RESOLUÇÃO N 137, DE 21 DE JANEIRO DE 2010.

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE DIREITOS HUMANOS RESOLUÇÃO N 137, DE 21 DE JANEIRO DE 2010. PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE DIREITOS HUMANOS RESOLUÇÃO N 137, DE 21 DE JANEIRO DE 2010. Dispõe sobre os parâmetros para a criação e o funcionamento dos Fundos Nacional, Estaduais e Municipais

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 005/2015

RESOLUÇÃO Nº 005/2015 RESOLUÇÃO Nº 005/2015 Regulamenta e publica Edital complementar das regras da Campanha Eleitoral para a eleição dos conselheiros tutelares de Cacique Doble. O Conselho Municipal dos Direitos da Criança

Leia mais

RECOMENDAÇÃO ADMINISTRATIVA N 05/2013

RECOMENDAÇÃO ADMINISTRATIVA N 05/2013 RECOMENDAÇÃO ADMINISTRATIVA N 05/2013 O MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO PARANÁ, pelo Promotor de Justiça que esta subscreve, no exercício das atribuições conferidas pelo inc. II do art. 129 da Constituição

Leia mais

Código de Conduta AeC para Atividades Políticas. Código de Conduta para Atividades Políticas

Código de Conduta AeC para Atividades Políticas. Código de Conduta para Atividades Políticas Código de Conduta para Atividades Políticas 2012 Índice Mensagem dos Acionistas O que é o Código de Conduta Quem deve segui-lo Direitos e Deveres Regras de Conduta Disposições Finais Mensagem dos Acionistas

Leia mais

o mpf/sp e a unifesp notas para a audiência pública

o mpf/sp e a unifesp notas para a audiência pública o mpf/sp e a unifesp notas para a audiência pública unifesp, 23.04.2009 tópicos conhecendo o mpf unifesp e administração pública atuação do mpf/sp na unifesp tutela de direitos coletivos defesa do patrimônio

Leia mais