REGISTRO DE CANDIDATO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "REGISTRO DE CANDIDATO"

Transcrição

1 LEGISLAÇÃO APLICÁVEL - Constituição Federal - Código Eleitoral (Lei n. 4737/65) - Lei n /97 (Lei das Eleições) - Lei Complementar n. 64/90 (Lei das Inelegibilidades)

2 DISPOSIÇÕES GERAIS REGISTRO DE CANDIDATO - Só pode lançar candidatos o partido que, até 1 (um) ano antes da eleição, tenha registrado seu Estatuto no TSE, e tenha, até a data da convenção, órgão de direção constituído na circunscrição do pleito (art. 4º, Lei nº 9.504/97). - Candidatos majoritários: registro em chapa única e indivisível. - As condições de elegibilidade e as causas de inelegibilidade devem ser aferidas no momento do pedido de registro da candidatura, ressalvadas as supervenientes ao registro. - Estão sujeitos ao cancelamento do registro os candidatos que, até a data da eleição, forem expulsos do partido, assim decretado pela Justiça Eleitoral, após solicitação do partido. 2

3 DISPOSIÇÕES GERAIS - Condições de elegibilidade (art. 14, 3º, CF). - Domicílio eleitoral e a filiação partidária : até um ano antes da eleição (art. 9º da Lei n /97). - A idade mínima constitucionalmente estabelecida deverá ser observada na data da posse (art. 11, 2º, Lei n /97) sendo: 35 (trinta e cinco) anos para Presidente e Vice- Presidente da República e Senador; 30 (trinta) anos para Governador e Vice-Governador de Estado e do Distrito Federal; 21 (vinte e um) anos para Deputado Federal, Deputado Estadual ou Distrital, Prefeito, Vice-Prefeito e Juiz de Paz; 18 (dezoito) anos para Vereador. 3

4 DISPOSIÇÕES GERAIS - Todo candidato deve ser escolhido em convenção partidária (não há candidatura avulsa). - Certidão de quitação eleitoral: abrangerá exclusivamente a plenitude do gozo dos direitos políticos, o regular exercício do voto, o atendimento a convocações da Justiça Eleitoral para auxiliar os trabalhos relativos ao pleito, a inexistência de multas aplicadas, em caráter definitivo, pela Justiça Eleitoral e não remitidas, e a apresentação de contas de campanha eleitoral. - O candidato cujo registro esteja sub judice poderá efetuar todos os atos relativos à campanha eleitoral, inclusive utilizar o horário eleitoral gratuito. Validade dos votos condicionada ao deferimento do registro em instância superior. 4

5 DISPOSIÇÕES GERAIS Para fins de expedição da certidão considerar-se-ão quites aqueles que: I - condenados ao pagamento de multa, tenham, até a data da formalização do seu pedido de registro de candidatura, comprovado o pagamento ou o parcelamento da dívida regularmente cumprido; II - pagarem a multa que lhes couber individualmente, excluindo-se qualquer modalidade de responsabilidade solidária, mesmo quando imposta concomitantemente com outros candidatos e em razão do mesmo fato. 5

6 COMPETÊNCIA PARA REGISTRO - Do Tribunal Superior Eleitoral: candidatos a Presidente e Vice-Presidente da República. - Dos Tribunais Regionais Eleitorais: candidatos a Governador e Vice-Governador; Senador e seus dois suplentes; Deputado Federal; Deputado Estadual e Deputado Distrital (TRE-DF). - Do Juiz Eleitoral: Prefeito e Vice-Prefeito; Vereador. 6

7 CONVENÇÃO PARTIDÁRIA (arts.7º e 8º da Lei. 9504/97) - Período: de 10 a 30 de de junho do ano em que se realizarem as eleições. - Regras para realização das convenções: tratadas nos estatutos partidários. - No caso de omissão, o órgão nacional do partido deverá estabelecer e publicar normas para escolha e substituição dos candidatos e formação de coligações, no DOU, até 180 dias antes das eleições. 7

8 CONVENÇÃO PARTIDÁRIA (arts.7º e 8º da Lei. 9504/97) - A convenção poderá ser anulada pelo órgão superior do partido quando, na deliberação sobre coligações, o órgão inferior se opuser às diretrizes estabelecidas pelo órgão de direção nacional do partido. - As anulações de deliberações de atos decorrentes de convenção partidária deverão ser comunicadas à Justiça eleitoral no prazo de 30 (trinta) dias após a data limite para o registro de candidatos. - Se, da anulação, houver necessidade de escolha de novos candidatos, o pedido deve ser apresentado nos 10 (dez) dias seguintes à deliberação e até 60 (sessenta) dias antes do pleito. 8

9 COLIGAÇÕES PARTIDÁRIAS ( art. 6º e, da Lei 9.504/97) -São formadas pela união de dois ou mais partidos políticos, dentro da mesma circunscrição, com objetivo de lançarem juntos candidatos a cargos eletivos. - A coligação terá denominação própria, que poderá ser a junção de todas as siglas dos partidos políticos que a integram. - Funcionam como um só partido no relacionamento com a Justiça Eleitoral e no trato dos interesses interpartidários. - Formadas para as eleições majoritária; proporcional ou para ambas. Neste último caso, há possibilidade de formar mais de uma coligação para a eleição proporcional entre os partidos que integram a coligação majoritária. Vedado, entretanto, partido estranho à coligação majoritária. 9

10 DO PEDIDO DE REGISTRO (art. 11, caput da Lei 9.504/97) - Prazo final para partido/coligação requerer o registro: até as 19 horas do dia 5 de julho do ano que se realizarem eleições. - Na eleição majoritária, cada partido ou coligação pode lançar apenas 1 (um) candidato. - Na eleição proporcional, cada partido isolado pode lançar até 150% do número de vagas e, em coligação, até o dobro do número de vagas.(art. 10 e 1º a 4º da Lei 9.504/97) - Percentual de candidatos por sexo: mínimo de 30% e máximo de 70% para candidaturas de cada sexo. 10

11 DOCUMENTOS PARA O REGISTRO (art. 11, 1º, Lei n /97) O pedido de registro deve ser instruído com os seguintes documentos: I - cópia da ata a que se refere o artigo 8º; II - autorização do candidato, por escrito; III - prova de filiação partidária; IV - declaração de bens, assinada pelo candidato; V - cópia do título eleitoral ou certidão, fornecida pelo cartório eleitoral, de que o candidato é eleitor na circunscrição ou requereu sua inscrição ou transferência de domicílio no prazo; 11

12 DOCUMENTOS PARA O REGISTRO (art. 11, 1º, Lei n /97) VI - certidão de quitação eleitoral; VII - certidões criminais fornecidas pelos órgãos de distribuição da Justiça Eleitoral, Federal e Estadual; VIII - fotografia do candidato, nas dimensões estabelecidas em instrução da Justiça Eleitoral; IX propostas defendidas pelo candidato a Prefeito, governador de Estado e a Presidente da República. - Possibilidade de diligências: prazo de 72 (setenta e duas) horas. 12

13 PROCESSAMENTO DO REGISTRO IMPUGNADO (LC n. 64/90) Publicação do edital Impugnação (prazo: 5 dias do edital - art.3º ) Notificação Contestação (prazo: 7 dias da notificação- art. 4º) Inquirição de testemunhas, se houver (prazo: 4 dias da contestação - art. 5º) Diligências, se houver (prazo: 5 dias - art. 5º, 2º ) Alegações finais (prazo comum para as partes: 5 dias - art. 6º ) Sentença (prazo: 3 dias - art. 8º) Recurso (prazo: em 3 dias da publicação da sentença) Contra-razões (prazo: 3 dias) Remessa ao TRE, inclusive por portador (art. 8º 2º imediata). 13

14 VAGAS REMANESCENTES (art. 10, 5º, Lei 9.504/97) - No caso de as convenções não indicarem o número máximo de candidatos, os órgãos de direção dos partidos políticos poderão preencher as vagas remanescentes até 60 (sessenta) dias antes da eleição. SUBSTITUIÇÃO DE CANDIDATOS (art. 13, Lei 9.504/97) - Hipóteses: inelegibilidade; renúncia, falecimento, registro cassado, indeferido ou cancelado. - Prazo para substituição: até 60 (sessenta) dias antes da eleição, observados 10 dias contados do fato ou da decisão (cargo proporcional) 14

15 VARIAÇÃO NOMINAL (art. 12, Lei 9.504/07) O candidato às eleições proporcionais indicará no pedido de registro, além do nome completo, as variações nominais, que pode ser o prenome, sobrenome, cognome, nome abreviado, apelido ou nome pelo qual é mais conhecido, desde que não se estabeleça dúvida quanto à sua identidade, não atente contra o pudor e não seja ridículo ou irreverente. Homonímia: preferências (art. 12, 1º, Lei.9504/97) - Indeferimento de todo pedido de variação de nome coincidente com nome de candidato à eleição majoritária, salvo para candidato que esteja exercendo mandato eletivo ou o tenha exercido nos últimos 4 anos, ou que, nesse mesmo prazo, tenha concorrido em eleição com o nome coincidente. 15

ÍNDICE. Cargos em disputa... 2. Condições de elegibilidade... 2. Convenções partidárias... 3. Coligações partidárias... 4. Número dos candidatos...

ÍNDICE. Cargos em disputa... 2. Condições de elegibilidade... 2. Convenções partidárias... 3. Coligações partidárias... 4. Número dos candidatos... ÍNDICE Cargos em disputa... 2 Condições de elegibilidade... 2 Convenções partidárias... 3 Coligações partidárias... 4 Número dos candidatos... 5 Candidatura avulsa... 6 Pedido de registro... 6 Documentos...

Leia mais

CAPÍTULO I DAS ELEIÇÕES

CAPÍTULO I DAS ELEIÇÕES RESOLUÇÃO Nº 23.373, DE 14.12.2011 INSTRUÇÃO Nº 1450-86.2011.6.00.0000 CLASSE 19 BRASÍLIA DISTRITO FEDERAL RELATOR: MINISTRO ARNALDO VERSIANI INTERESSADO: TRIBUNAL SUPERIOR ELEITORAL Dispõe sobre a escolha

Leia mais

Convenções Municipais para escolha de candidatos a Prefeito, Vice-Prefeito e Vereadores. Principais prazos de desincompatibilização Orientações Gerais

Convenções Municipais para escolha de candidatos a Prefeito, Vice-Prefeito e Vereadores. Principais prazos de desincompatibilização Orientações Gerais Convenções Municipais para escolha de candidatos a Prefeito, Vice-Prefeito e Vereadores Principais prazos de desincompatibilização Orientações Gerais índice A Fundação ao lado do PP-------------------------------------------------Pág.

Leia mais

PARECER DO RELATOR * RELATÓRIO *

PARECER DO RELATOR * RELATÓRIO * PARECER DO RELATOR (Sr. Rodrigo Maia) * RELATÓRIO * Em síntese, as propostas constitucionais ora em análise têm por escopo alterar o sistema político-eleitoral em vigor, de modo a ajustar o sistema eleitoral

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 22.717 INSTRUÇÃO Nº 120 CLASSE 12ª BRASÍLIA DISTRITO FEDERAL.

RESOLUÇÃO Nº 22.717 INSTRUÇÃO Nº 120 CLASSE 12ª BRASÍLIA DISTRITO FEDERAL. RESOLUÇÃO Nº 22.717 INSTRUÇÃO Nº 120 CLASSE 12ª BRASÍLIA DISTRITO FEDERAL. Relator: Ministro Ari Pargendler. Dispõe sobre a escolha e o registro de candidatos nas eleições municipais de 2008. O Tribunal

Leia mais

Sumário APRESENTAÇÃO DA COLEÇÃO... 13 APRESENTAÇÃO... 15 NOTA À TERCEIRA EDIÇÃO... 17 NOTA À SEGUNDA EDIÇÃO... 19 DIREITO ELEITORAL...

Sumário APRESENTAÇÃO DA COLEÇÃO... 13 APRESENTAÇÃO... 15 NOTA À TERCEIRA EDIÇÃO... 17 NOTA À SEGUNDA EDIÇÃO... 19 DIREITO ELEITORAL... Sumário APRESENTAÇÃO DA COLEÇÃO... 13 APRESENTAÇÃO... 15 NOTA À TERCEIRA EDIÇÃO... 17 NOTA À SEGUNDA EDIÇÃO... 19 CAPÍTULO 1 DIREITO ELEITORAL... 21 1.1. Conceito...21 1.1.1. Competência legislativa em

Leia mais

DISPOSIÇÕES GERAIS. LEI N. 9.504, DE 30 DE SETEMBRO DE 1997 Estabelece normas para as eleições. Art. 1º. Art. 2º. Art. 3º

DISPOSIÇÕES GERAIS. LEI N. 9.504, DE 30 DE SETEMBRO DE 1997 Estabelece normas para as eleições. Art. 1º. Art. 2º. Art. 3º LEI N. 9.504, DE 30 DE SETEMBRO DE 1997 Estabelece normas para as eleições. O VICE PRESIDENTE DA REPÚBLICA no exercício do cargo de PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e

Leia mais

TEMAS DEBATIDOS DECISÕES DA COMISSÃO 1- SUPLÊNCIA DE SENADOR. Foram aprovadas as seguintes alterações:

TEMAS DEBATIDOS DECISÕES DA COMISSÃO 1- SUPLÊNCIA DE SENADOR. Foram aprovadas as seguintes alterações: Senado Federal Comissão da Reforma Política TEMAS DEBATIDOS DECISÕES DA COMISSÃO 1- SUPLÊNCIA DE SENADOR a) Redução de dois suplentes de Senador para um; b) Em caso de afastamento o suplente assume; em

Leia mais

MANUAL DE ESCOLHA E REGISTRO DE CANDIDATOS PARA AS ELEIÇÕES MUNICIPAIS I- PROVIDÊNCIAS A SEREM ADOTADAS PELO CANDIDATO:

MANUAL DE ESCOLHA E REGISTRO DE CANDIDATOS PARA AS ELEIÇÕES MUNICIPAIS I- PROVIDÊNCIAS A SEREM ADOTADAS PELO CANDIDATO: Instruções baseadas na Resolução TSE nº 23.373/2011 Elaboração: STELLA BRUNA SANTO Eleições 2012 I- PROVIDÊNCIAS A SEREM ADOTADAS PELO CANDIDATO: 1- Recomendações iniciais: O/A candidato/a deverá priorizar

Leia mais

JUSTIÇA ELEITORAL TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DO RIO GRANDE DO SUL ELEIÇÕES GERAIS 2014 LEGISLAÇÃO E RESOLUÇÕES DO TSE

JUSTIÇA ELEITORAL TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DO RIO GRANDE DO SUL ELEIÇÕES GERAIS 2014 LEGISLAÇÃO E RESOLUÇÕES DO TSE JUSTIÇA ELEITORAL TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DO RIO GRANDE DO SUL ELEIÇÕES GERAIS 2014 LEGISLAÇÃO E RESOLUÇÕES DO TSE PORTO ALEGRE 2014 COMPOSIÇÃO DO PLENO PRESIDENTE Dessembargadora Elaine Harzheim

Leia mais

LEI Nº 9.504, DE 30 DE SETEMBRO DE 1997.

LEI Nº 9.504, DE 30 DE SETEMBRO DE 1997. LEI Nº 9.504, DE 30 DE SETEMBRO DE 1997. Estabelece normas para as eleições. O VICE PRESIDENTE DA REPÚBLICA no exercício do cargo de PRESIDENTE DA REPÚBLICA, Faço saber que o Congresso Nacional decreta

Leia mais

TEMAS DA REFORMA POLÍTICA

TEMAS DA REFORMA POLÍTICA TEMAS DA REFORMA POLÍTICA 1 Sistemas Eleitorais 1.1 Sistema majoritário. 1.2 Sistema proporcional 1.2 Sistema misto 2 - Financiamento eleitoral e partidário 3- Suplência de senador 4- Filiação partidária

Leia mais

3o Se, na hipótese dos parágrafos anteriores, remanescer em segundo lugar mais de um candidato com a mesma votação, qualificar-se-á o mais idoso.

3o Se, na hipótese dos parágrafos anteriores, remanescer em segundo lugar mais de um candidato com a mesma votação, qualificar-se-á o mais idoso. LEI NO 9.504, DE 30 DE SETEMBRO DE 1997 Estabelece normas para as eleições. O Vice-Presidente da República, no exercício do cargo de Presidente da República, Faço saber que o Congresso Nacional decreta

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI Nº 6.996, DE 7 DE JUNHO MAIO DE 1982. Dispõe sobre a utilização de processamento eletrônico de dados nos serviços eleitorais e

Leia mais

REGULAMENTO DO PROCESSO ELEITORAL PARA O CONSELHO DELIBERATIVO AUTÁRQUICO DA AUTARQUIA EDUCACIONAL DO VALE DO SÃO FRANCISCO - AEVSF

REGULAMENTO DO PROCESSO ELEITORAL PARA O CONSELHO DELIBERATIVO AUTÁRQUICO DA AUTARQUIA EDUCACIONAL DO VALE DO SÃO FRANCISCO - AEVSF REGULAMENTO DO PROCESSO ELEITORAL PARA O CONSELHO DELIBERATIVO AUTÁRQUICO DA AUTARQUIA EDUCACIONAL DO VALE DO SÃO FRANCISCO - AEVSF CAPÍTULO I - OBJETO Artigo 1º. Este Regulamento disciplina o Processo

Leia mais

DISPOSITIVOS ESTATUTÁRIOS

DISPOSITIVOS ESTATUTÁRIOS ELEIÇÃO PARA A DIRETORIA EXECUTIVA E CONSELHO FISCAL NACIONAL TRIÊNIO 2016-2019 DISPOSITIVOS ESTATUTÁRIOS CAPÍTULO III DOS DIREITOS E DEVERES DOS ASSOCIADOS/FILIADOS SEÇÃO I DOS DIREITOS Art. 10º - São

Leia mais

ELEIÇÕES MUNICIPAIS 2008

ELEIÇÕES MUNICIPAIS 2008 TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL RIO GRANDE DO SUL ELEIÇÕES MUNICIPAIS 2008 LEGISLAÇÃO E RESOLUÇÕES DO TSE 2ª EDIÇÃO ATUALIZADA ATÉ RES. 22949 DE 02.10.2008 PORTO ALEGRE 2008 Expediente COMISSÃO EDITORIAL Des.

Leia mais

Orientações para o Registro de Candidaturas. Interessados: Partidos políticos e candidatos com domicílio eleitoral no RIO DE JANEIRO

Orientações para o Registro de Candidaturas. Interessados: Partidos políticos e candidatos com domicílio eleitoral no RIO DE JANEIRO Orientações para o Registro de Candidaturas Interessados: Partidos políticos e candidatos com domicílio eleitoral no RIO DE JANEIRO 1 2 TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DO RIO DE JANEIRO COMPOSIÇÃO ATUAL: Desembargador

Leia mais

LEI DOS PARTIDOS POLÍTICOS (Lei n. 9.096/95)

LEI DOS PARTIDOS POLÍTICOS (Lei n. 9.096/95) - Partido Político: pessoa jurídica de direito privado, destinada a assegurar, no interesse democrático, a autenticidade do sistema representativo e a defender os direitos fundamentais definidos na CF.

Leia mais

Comissão Eleitoral Nacional (CEN)

Comissão Eleitoral Nacional (CEN) ORIENTAÇÕES ACERCA DO REGISTRO DE CANDIDATURA DE CHAPA MÓDULO ELEITORAL DO CAU/BR ATÉ A DATA DA ELEIÇÃO 5 DE NOVEMBRO DE 2014. Neste ano o CAU promove eleições para escolher os conselheiros federais e

Leia mais

Database of legal texts

Database of legal texts Database of legal texts Brazil Lei que estabelece normas para as eleições 1997[2009] No. 9504 Source: Presidência da República Federativa Do Brasil URL: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l9504.htm

Leia mais

JUSTIÇA ELEITORAL TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL RIO GRANDE DO SUL ELEIÇÕES LEGISLAÇÃO E RESOLUÇÕES DO TSE. Porto Alegre Maio/2010

JUSTIÇA ELEITORAL TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL RIO GRANDE DO SUL ELEIÇÕES LEGISLAÇÃO E RESOLUÇÕES DO TSE. Porto Alegre Maio/2010 JUSTIÇA ELEITORAL TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL RIO GRANDE DO SUL ELEIÇÕES 2010 LEGISLAÇÃO E OLUÇÕES DO TSE Porto Alegre Maio/2010 JUSTIÇA ELEITORAL TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DO RIO GRANDE DO SUL ELEIÇÕES

Leia mais

REGIMENTO INTERNO ELEITORAL (Aprovado na AGE de 10.08.2011)

REGIMENTO INTERNO ELEITORAL (Aprovado na AGE de 10.08.2011) REGIMENTO INTERNO ELEITORAL (Aprovado na AGE de 10.08.2011) I - Das disposições gerais II - Do processo eleitoral A) Da eleição para a Diretoria e o Conselho Fiscal B) Da eleição para o Conselho de Ética

Leia mais

Domicílio eleitoral de deputado federal: possibilidade de concorrer por outra unidade da Federação

Domicílio eleitoral de deputado federal: possibilidade de concorrer por outra unidade da Federação Domicílio eleitoral de deputado federal: possibilidade de concorrer por outra unidade da Federação MIRIAM CAMPELO DE MELO AMORIM Consultora Legislativa da Área I Direito Constitucional, Eleitoral, Municipal,

Leia mais

Prestação de Contas Eleitorais 2010

Prestação de Contas Eleitorais 2010 Prestação de Contas Eleitorais 2010 Tribunal Regional Eleitoral do Estado do Rio Grande do Sul Secretaria de Controle Interno e Auditoria Contas Eleitorais e Partidárias pcontas@tre-rs.gov.br Legislação

Leia mais

FINANCIAMENTO DE CAMPANHA ELEITORAL. 1. Da arrecadação e aplicação de recursos

FINANCIAMENTO DE CAMPANHA ELEITORAL. 1. Da arrecadação e aplicação de recursos Módulo - 4 FINANCIAMENTO DE CAMPANHA ELEITORAL 1. Da arrecadação e aplicação de recursos Sob pena de rejeição das contas a arrecadação de recursos e os gastos por candidatos, inclusive dos seus vices e

Leia mais

Manual de Convenção. Um ano antes da Convenção Data limite de filiação para ser eleito delegado.

Manual de Convenção. Um ano antes da Convenção Data limite de filiação para ser eleito delegado. Manual de Convenção Um ano antes da Convenção Data limite de filiação para ser eleito delegado. Seis meses antes da Convenção Data limite de filiação para votar e ser votado nas Convenções Municipais.

Leia mais

PONTO DOS CONCURSOS CURSO: DIREITO ELEITORAL - TEORIA E EXERCÍCIOS TREs. 3º Simulado de Direito Eleitoral para TREs. PROFESSOR: RICARDO GOMES AVISOS:

PONTO DOS CONCURSOS CURSO: DIREITO ELEITORAL - TEORIA E EXERCÍCIOS TREs. 3º Simulado de Direito Eleitoral para TREs. PROFESSOR: RICARDO GOMES AVISOS: AVISOS: 1. Os Simulados de Direito Eleitoral para TREs serão com base em Provas da FUNDAÇÃO CARLOS CHAGAS (FCC); 2. Estamos ministrando o CURSO DE DIREITO ELEITORAL para TREs Teoria e Exercícios, iniciado

Leia mais

MATERIAL DE APOIO - PROFESSOR PRESTAÇÃO DE CONTAS PARTE 1 ANTES DA MINIRREFORMA ELEITORAL

MATERIAL DE APOIO - PROFESSOR PRESTAÇÃO DE CONTAS PARTE 1 ANTES DA MINIRREFORMA ELEITORAL Modular - Analistas TRE/TRF Disciplina: Direito Eleitoral Prof.: Thales Tácito Data: 17/10/2009 Aula n 06 MATERIAL DE APOIO - PROFESSOR PRESTAÇÃO DE CONTAS PARTE 1 ANTES DA MINIRREFORMA ELEITORAL 1) APURAÇÃO

Leia mais

MANUAL DE CANDIDATURA DE GRUPOS DE CIDADÃOS ELEITORES

MANUAL DE CANDIDATURA DE GRUPOS DE CIDADÃOS ELEITORES MANUAL DE CANDIDATURA DE GRUPOS DE CIDADÃOS ELEITORES ELEIÇÕES AUTÁRQUICAS 2013 Elaborado com base na legislação atualmente em vigor * * Lei Eleitoral dos Órgãos das Autarquias Locais, aprovada pela Lei

Leia mais

Obrigações Eleitorais

Obrigações Eleitorais Obrigações Eleitorais Votação no Catar Inscrição eleitoral para residentes no Catar Documentação necessária para inscrição eleitoral no Catar Transferência do título de eleitor para o Catar Documentação

Leia mais

Prestação de Contas Eleitorais 2010

Prestação de Contas Eleitorais 2010 Prestação de Contas Eleitorais 2010 Tribunal Regional Eleitoral do Estado do Rio Grande do Sul Secretaria de Controle Interno e Auditoria Contas Eleitorais e Partidárias pcontas@tre-rs.gov.br Legislação

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI Nº 9.100, DE 29 DE SETEMBRO DE 1995. Mensagem de veto Estabelece normas para a realização das eleições municipais de 3 de outubro

Leia mais

ELEIÇÕES GERAIS 2015 EDITAL DE CONVOCAÇÃO

ELEIÇÕES GERAIS 2015 EDITAL DE CONVOCAÇÃO ELEIÇÕES GERAIS 2015 EDITAL DE CONVOCAÇÃO A ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL SECCIONAL DO ACRE, nos termos dos artigos 63 a 67 da Lei nº 8.906/94 (Estatuto da Advocacia e da OAB) e dos artigos 128 a 137-C

Leia mais

1. As eleições do PEDEX 2011 serão realizadas em todo o Paraná no dia 28 de agosto de 2011 das 9 às 17 horas.

1. As eleições do PEDEX 2011 serão realizadas em todo o Paraná no dia 28 de agosto de 2011 das 9 às 17 horas. ORIENTAÇÕES AOS MUNICÍPIOS, SOBRE O PEDEX 2011 PROCESSO DE ELEIÇÕES DIRETAS EXTRAORDINÁRIAS 2011 I- NORMAS GERAIS DAS ELEIÇÕES 1. As eleições do PEDEX 2011 serão realizadas em todo o Paraná no dia 28 de

Leia mais

IGREJA DO EVANGELHO QUADRANGULAR SECRETARIA GERAL DE CIDADANIA www.cidadaniaquadrangular.com ÍNDICE. Protocolo de Inscrição... 03

IGREJA DO EVANGELHO QUADRANGULAR SECRETARIA GERAL DE CIDADANIA www.cidadaniaquadrangular.com ÍNDICE. Protocolo de Inscrição... 03 IGREJA DO EVANGELHO QUADRANGULAR Conselho Nacional de Diretores ÍNDICE Protocolo de Inscrição...................................... 03 Ficha do Candidato à Representante........................... 04 Carta

Leia mais

Eleições 2008 - Sistemas de registro de candidaturas

Eleições 2008 - Sistemas de registro de candidaturas Módulo II - 2º dia de aula >>2. Considerações iniciais>>2.4. Sistema de Candidaturas módulo externo CandEx Cartilha CandEx O CandEx, módulo externo do sistema de candidaturas, foi desenvolvido pelo Tribunal

Leia mais

LIVRO VIII DA ÁREA ELEITORAL

LIVRO VIII DA ÁREA ELEITORAL LIVRO VIII DA ÁREA ELEITORAL Art. 512. O Ministério Público Eleitoral atua perante todas as instâncias e fases do processo eleitoral, na condição de parte ou de custos legis, com a mesma legitimidade assegurada

Leia mais

de 2014, em todo o Brasil.

de 2014, em todo o Brasil. ELEIÇÕES GERAIS Votação acontece em 5 de outubro de 2014, em todo o Brasil. AS BASES DO DIREITO ELEITORAL Constituição da República Arts. 1º, V, 5º, 14-17, 118-121, 220 e outros; Código Eleitoral (Lei

Leia mais

Guia de leitura. Direitos Políticos

Guia de leitura. Direitos Políticos Guia de leitura 1. Questões separadas por assuntos e temas específicos, possibilitando o leitor identificar as questões de modo fácil e prático (basta consultar o sumário). Capítulo I Direitos Políticos

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº INSTRUÇÃO Nº 539-35.2015.6.00.0000 CLASSE 19 BRASÍLIA DISTRITO FEDERAL

RESOLUÇÃO Nº INSTRUÇÃO Nº 539-35.2015.6.00.0000 CLASSE 19 BRASÍLIA DISTRITO FEDERAL RESOLUÇÃO Nº INSTRUÇÃO Nº 539-35.2015.6.00.0000 CLASSE 19 BRASÍLIA DISTRITO FEDERAL Relator: Ministro Gilmar Mendes Interessado: Tribunal Superior Eleitoral Dispõe sobre pesquisas eleitorais para o pleito

Leia mais

n. deputados federais:

n. deputados federais: DEPUTADOS FEDERAIS sistema proporcional, lista plurinominal (partido apresenta vários nomes), lista aberta Art. 45, CF/88: 1º - O número total de Deputados, bem como a representação por Estado e pelo Distrito

Leia mais

RESOLUÇÃO N 2 21.823

RESOLUÇÃO N 2 21.823 tribunal superior eleitoral RESOLUÇÃO N 2 21.823 PROCESSO ADMINISTRATIVO N 2 19.205 - CLASSE 19 a - DISTRITO FEDERAL (Brasília). Relator: Ministro Francisco Peçanha Martins. Interessada: Corregedoria Regional

Leia mais

Comentários à Prova de Analista Judiciário Área Judiciária do TRE/MA provas em 31.08.2015

Comentários à Prova de Analista Judiciário Área Judiciária do TRE/MA provas em 31.08.2015 à Prova de Analista Judiciário Área Judiciária do TRE/MA provas em 31.08. Acerca dos direitos políticos, é correto afirmar a) Ocorrerá cassação dos direitos políticos como consequência da condenação criminal

Leia mais

Manual das Eleições 2016

Manual das Eleições 2016 Manual das Eleições 2016 Manual das Eleições 2016 Supervisão Geral Guilherme de Castro Couto Santos Secretário Executivo PSDB-MG Elaboração de Conteúdos Bruno Augusto Soares Coordenador Financeiro PSDB-MG

Leia mais

A mais um CURSO realizado pela

A mais um CURSO realizado pela A mais um CURSO realizado pela Aqui tem qualificação de Verdade! CONTROLE INTERNO Reforma Política: o que podemos melhorar? Dr. Luiz Fernando Pereira PERÍODO 09h00 X 12h00 09/12/2015 15h às 17h Por gentileza

Leia mais

1. DAS VAGAS, REMUNERAÇÃO, ATRIBUIÇÃO E MANDATO

1. DAS VAGAS, REMUNERAÇÃO, ATRIBUIÇÃO E MANDATO EDITAL N.º 02/2015 O Conselho Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente COMDICA, na forma da Resolução Nº 20/2015, por sua Comissão de Eleição, torna público que se encontra aberto o processo

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 23.364 INSTRUÇÃO Nº 1161-56.2011.6.00.0000 CLASSE 19 BRASÍLIA DISTRITO FEDERAL

RESOLUÇÃO Nº 23.364 INSTRUÇÃO Nº 1161-56.2011.6.00.0000 CLASSE 19 BRASÍLIA DISTRITO FEDERAL RESOLUÇÃO Nº 23.364 INSTRUÇÃO Nº 1161-56.2011.6.00.0000 CLASSE 19 BRASÍLIA DISTRITO FEDERAL Relator: Ministro Arnaldo Versiani Interessado: Tribunal Superior Eleitoral Dispõe sobre pesquisas eleitorais

Leia mais

7.4 Lei nº 9.504, de 30 de setembro de 1997 *

7.4 Lei nº 9.504, de 30 de setembro de 1997 * 7.4 Lei nº 9.504, de 30 de setembro de 1997 * Estabelece normas para as eleições. O Vice-Presidente da República, no exercício do cargo de Presidente da República, Faço saber que o Congresso Nacional decreta

Leia mais

Edital 001/2015-CMDCA

Edital 001/2015-CMDCA Edital 001/2015-CMDCA 1. DO PROCESSO DE ESCOLHA UNIFICADO 1.1- O Conselho Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente (CMDCA) do Município de Senador Canedo torna público que realizará Processo

Leia mais

MANUAL DE CANDIDATURA A PRESIDENTE DA REPÚBLICA

MANUAL DE CANDIDATURA A PRESIDENTE DA REPÚBLICA MANUAL DE CANDIDATURA A PRESIDENTE DA REPÚBLICA PR 2016 LEI ELEITORAL para o PRESIDENTE DA REPÚBLICA (LEPR) Decreto-Lei nº 319-A/76, de 3 de maio Com as alterações introduzidas pelas pelos seguintes diplomas

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 22.250. INSTRUÇÃO Nº 102 CLASSE 12ª DISTRITO FEDERAL (Brasília).

RESOLUÇÃO Nº 22.250. INSTRUÇÃO Nº 102 CLASSE 12ª DISTRITO FEDERAL (Brasília). RESOLUÇÃO Nº 22.250 INSTRUÇÃO Nº 102 CLASSE 12ª DISTRITO FEDERAL (Brasília). Relator: Ministro Gerardo Grossi. Dispõe sobre a arrecadação e a aplicação de recursos nas campanhas eleitorais e sobre a prestação

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 002 ANTAQ, DE 14 DE OUTUBRO DE 2008.

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 002 ANTAQ, DE 14 DE OUTUBRO DE 2008. INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 002 ANTAQ, DE 14 DE OUTUBRO DE 2008. Fixa os critérios e procedimentos para a realização de concursos públicos de provas e títulos, destinados ao provimento dos cargos efetivos do

Leia mais

DECRETO Nº 15.248, DE 02 DE JULHO DE 2013

DECRETO Nº 15.248, DE 02 DE JULHO DE 2013 DECRETO Nº 15.248, DE 02 DE JULHO DE 2013 Regulamenta a concessão da licença para atividade política, do afastamento para o exercício de mandato eletivo e da licença para desempenho de mandato classista

Leia mais

CONSELHO MUNICIPAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE DE VENDA NOVA DO IMIGRANTE ES

CONSELHO MUNICIPAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE DE VENDA NOVA DO IMIGRANTE ES CONSELHO MUNICIPAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE DE VENDA NOVA DO IMIGRANTE ES RESOLUÇÃO CMDCA/VNI-ES Nº 02/2015 DE 28 DE MAIO DE 2015. Dispõe sobre o Edital CMDCA/VNI-ES nº 01/2015 do processo

Leia mais

Ano 2015, Número 242 Brasília, quarta-feira, 23 de dezembro de 2015 Página 2

Ano 2015, Número 242 Brasília, quarta-feira, 23 de dezembro de 2015 Página 2 Ano 2015, Número 242 Brasília, quarta-feira, 23 de dezembro de 2015 Página 2 PRESIDÊNCIA (NÃO HÁ PUBLICAÇÕES NESTA DATA) SECRETARIA JUDICIÁRIA Coordenadoria de Acórdãos e Resoluções Resolução PUBLICAÇÃO

Leia mais

REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL LEI Nº 11.300, DE 10 DE MAIO DE 2006 Dispõe sobre propaganda, financiamento e prestação de contas das despesas com campanhas eleitorais, alterando a Lei n o 9.504, de 30

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº CLASSE 19 BRASÍLIA DISTRITO FEDERAL

RESOLUÇÃO Nº CLASSE 19 BRASÍLIA DISTRITO FEDERAL RESOLUÇÃO Nº INSTRUÇÃO Nº CLASSE 19 BRASÍLIA DISTRITO FEDERAL Relator: Ministro Gilmar Mendes Interessado: Tribunal Superior Eleitoral Dispõe sobre pesquisas eleitorais para as eleições de 2016. O Tribunal

Leia mais

LIMITE DE GASTOS. Cada partido deve fixar o limite de gastos a ser observado, por candidatura(caso Lei não faça)

LIMITE DE GASTOS. Cada partido deve fixar o limite de gastos a ser observado, por candidatura(caso Lei não faça) Prestação de Contas Eleitoral: Legislação x Prática Contador Ruberlei Bulgarelli Julho 2012 LIMITE DE GASTOS Cada partido deve fixar o limite de gastos a ser observado, por candidatura(caso Lei não faça)

Leia mais

O VICE-PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no exercício do cargo de PRESIDENTE DA REPÚBLICA

O VICE-PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no exercício do cargo de PRESIDENTE DA REPÚBLICA LEI Nº 9.504, DE 30 DE SETEMBRO DE 1997 Estabelece normas para as eleições. O VICE-PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no exercício do cargo de PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta

Leia mais

CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA PORTUGUESA 7.ª revisão 2005 (excertos) Princípios fundamentais. ARTIGO 10.º (Sufrágio universal e partidos políticos)

CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA PORTUGUESA 7.ª revisão 2005 (excertos) Princípios fundamentais. ARTIGO 10.º (Sufrágio universal e partidos políticos) CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA PORTUGUESA 7.ª revisão 2005 (excertos) Princípios fundamentais ARTIGO 10.º (Sufrágio universal e partidos políticos) 1. O povo exerce o poder político através do sufrágio universal,

Leia mais

PORANGATU PREV. Regime Próprio de Previdência Social PORANGATU/GO. Edital nº 001/2014

PORANGATU PREV. Regime Próprio de Previdência Social PORANGATU/GO. Edital nº 001/2014 Edital nº 001/2014 ESTABELECE DATAS, PRAZOS, NORMAS E PROCEDIMENTOS SOBRE O PROCESSO DE ELEIÇÃO DIRETA PARA ESCOLHA DE SERVIDOR PARA COMPOR O CONSELHO MUNICIPAL DE PREVIDÊNCIA DO MUNICÍPIO DE PORANGATU-GO.

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DAS ELEIÇÕES PARA DIRETORIA EXECUTIVA GESTÃO 2015-2018 TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

REGIMENTO INTERNO DAS ELEIÇÕES PARA DIRETORIA EXECUTIVA GESTÃO 2015-2018 TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES REGIMENTO INTERNO DAS ELEIÇÕES PARA DIRETORIA EXECUTIVA GESTÃO 2015-2018 TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º - A Associação Nacional dos Técnicos de Fiscalização Federal Agropecuária - ANTEFFA

Leia mais

EDITAL DO 1º PROCESSO SELETIVO DOS CURSOS SUPERIORES NA MODALIDADE PRESENCIAL - VESTIBULAR 1º SEMESTRE - 2015

EDITAL DO 1º PROCESSO SELETIVO DOS CURSOS SUPERIORES NA MODALIDADE PRESENCIAL - VESTIBULAR 1º SEMESTRE - 2015 EDITAL DO 1º PROCESSO SELETIVO DOS CURSOS SUPERIORES NA MODALIDADE PRESENCIAL - VESTIBULAR 1º SEMESTRE - 2015 A Faculdade Meta - FAMETA, Instituição de Ensino Superior comprometida a observar o padrão

Leia mais

a.1.4) Em caso de Associação Civil, a aceitação de novos associados, na forma do estatuto;

a.1.4) Em caso de Associação Civil, a aceitação de novos associados, na forma do estatuto; CHAMAMENTO PÚBLICO Nº 002/2014 QUALIFICAÇÃO DE ENTIDADES PRIVADAS SEM FINS LUCRATIVOS COMO ORGANIZAÇÃO SOCIAL NA ÁREA DE SAÚDE O Município de Fontoura Xavier, Estado do Rio Grande do Sul, pessoa jurídica

Leia mais

Você pode contribuir para eleições mais justas

Você pode contribuir para eleições mais justas Procuradoria Regional Eleitoral no Estado de SP Defesa da democracia, combate à impunidade. Você pode contribuir para eleições mais justas Os cidadãos e as cidadãs podem auxiliar muito na fiscalização

Leia mais

EDITAL DO1º PROCESSO SELETIVO DOS CURSOS SUPERIORES NA MODALIDADE PRESENCIAL - VESTIBULAR 1º SEMESTRE - 2015

EDITAL DO1º PROCESSO SELETIVO DOS CURSOS SUPERIORES NA MODALIDADE PRESENCIAL - VESTIBULAR 1º SEMESTRE - 2015 EDITAL DO1º PROCESSO SELETIVO DOS CURSOS SUPERIORES NA MODALIDADE PRESENCIAL - VESTIBULAR 1º SEMESTRE - 2015 A Faculdade FAPAN Instituição de Ensino Superior comprometida a observar o padrão de qualidade

Leia mais

ELEIÇÕES 2014 ORIENTAÇÕES AOS PRÉ-CANDIDATOS

ELEIÇÕES 2014 ORIENTAÇÕES AOS PRÉ-CANDIDATOS ELEIÇÕES 2014 ORIENTAÇÕES AOS PRÉ-CANDIDATOS - ESCOLHA E REGISTRO DAS CANDIDATURAS - PROPAGANDA ELEITORAL -ARRECADAÇÃO E PRESTAÇÃO DE CONTAS ESCOLHA E REGISTRO DE CANDIDATOS CONVENÇÃO As convenções destinadas

Leia mais

VERITAE TRABALHO - PREVIDÊNCIA SOCIAL - SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO LEX TRABALHO

VERITAE TRABALHO - PREVIDÊNCIA SOCIAL - SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO LEX TRABALHO VERITAE TRABALHO - PREVIDÊNCIA SOCIAL - SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO LEX TRABALHO Orientador Empresarial Despachante Aduaneiro e Ajudante de Despachante Aduaneiro-Exercício das Profissões INSTRUÇÃO NORMATIVA

Leia mais

a) nome completo, sexo, data de nascimento, naturalidade, nacionalidade, estado civil, filiação e nome do cônjuge ou companheiro;

a) nome completo, sexo, data de nascimento, naturalidade, nacionalidade, estado civil, filiação e nome do cônjuge ou companheiro; Instrução CVM 301/99. DA IDENTIFICAÇÃO E CADASTRO DE CLIENTES Art. 3º Para os fins do disposto no art. 10, inciso I, da Lei nº 9.613/98, as pessoas mencionadas no art. 2º (DENTRE OUTRAS, CORRETORAS DE

Leia mais

Cartilha VOTE CONSCIENTE VOTE BEM

Cartilha VOTE CONSCIENTE VOTE BEM Cartilha VOTE VOTE BEM CONSCIENTE O mês de outubro marca a escolha de quem estará, durante os próximos anos, à frente do poder no Brasil. É um dos momentos mais significativos, pois é a hora de o brasileiro

Leia mais

Cada passo, desde o início do Calendário Eleitoral, até o dia da posse, deve ser dado pelo

Cada passo, desde o início do Calendário Eleitoral, até o dia da posse, deve ser dado pelo APRESENTAÇÃO CANDIDATURA VITORIOSA Com a experiência de ter participado em todas as eleições acontecidas desde o ano de 1986, coordenando ou disputando eleições, de haver presenciado vitórias e derrotas

Leia mais

Resolução TSE n. 23.404 (27-02-2014) Capítulo VII artigos 33 a 48

Resolução TSE n. 23.404 (27-02-2014) Capítulo VII artigos 33 a 48 HORÁRIO ELEITORAL 2014 RESOLUÇÃO TSE 23404 Resolução TSE n. 23.404 (27-02-2014) Capítulo VII artigos 33 a 48 Capítulo VII Da Propaganda Eleitoral Gratuita no Rádio e na Televisão Art. 33 A propaganda eleitoral

Leia mais

ROTEIRO PARA PESQUISAS ELEITORAIS

ROTEIRO PARA PESQUISAS ELEITORAIS TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DO PIAUÍ SECRETARIA JUDICIÁRIA COORDENADORIA DE JURISPRUDÊNCIA E DOCUMENTAÇÃO GUIA PRÁTICO 1 ROTEIRO PARA PESQUISAS ELEITORAIS RESOLUÇÃO TSE Nº 23.364/2011 ELEIÇÕES 2012 REGISTRO

Leia mais

FICHA DE INSCRIÇÃO DEFINITIVA

FICHA DE INSCRIÇÃO DEFINITIVA VIA DO CANDIDATO DPE GO 2011 Estado de Goiás CONCURSO: DEFENSOR PÚBLICO DO ESTADO DE GOIÁS EXMO. SR. RICARDO MACIEL SANTANA PRESIDENTE DA COMISSÃO DO CONCURSO PARA DEFENSOR PÚBLICO DO ESTADO DE GOIÁS.

Leia mais

PORTARIA PRESI/SECBE 222 DE 3 DE JULHO DE 2014

PORTARIA PRESI/SECBE 222 DE 3 DE JULHO DE 2014 PODER JUDICIÁRIO PORTARIA PRESI/SECBE 222 DE 3 DE JULHO DE 2014 Dispõe sobre o processo eletivo para escolha dos representantes dos servidores ativos e inativos no Conselho Deliberativo do Pro-Social.

Leia mais

REGULAMENTO ELEITORAL CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS

REGULAMENTO ELEITORAL CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS 1 REGULAMENTO ELEITORAL CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS Art. 1º. Além das disposições constantes do Estatuto Social e do Edital de Convocação, as chapas e candidatos individuais interessados em concorrer

Leia mais

REGRAS Processo Eleitoral ANPEI

REGRAS Processo Eleitoral ANPEI REGRAS Processo Eleitoral ANPEI 1. DA CONSTITUIÇÃO DA COMISSÃO ELEITORAL: Conforme definido no Art. 40, as eleições serão realizadas em conformidade com o disposto neste Estatuto Social e de acordo com

Leia mais

CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES RESOLUÇÃO CFC N.º 1.166/09 Dispõe sobre o Registro Cadastral das Organizações Contábeis. regimentais, O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e RESOLVE: CAPÍTULO I

Leia mais

EDITAL Nº 003/2013 ELEIÇÃO PARA CARGO DE DIRETOR ESCOLAR DAS UNIDADES EDUCATIVAS DA REDE MUNICIPAL DE ENSINO PARA O BIÊNIO 2014/2015.

EDITAL Nº 003/2013 ELEIÇÃO PARA CARGO DE DIRETOR ESCOLAR DAS UNIDADES EDUCATIVAS DA REDE MUNICIPAL DE ENSINO PARA O BIÊNIO 2014/2015. 1 EDITAL Nº 003/2013 ELEIÇÃO PARA CARGO DE DIRETOR ESCOLAR DAS UNIDADES EDUCATIVAS DA REDE MUNICIPAL DE ENSINO PARA O BIÊNIO 2014/2015. A Secretaria, através da Comissão Eleitoral Central, designada pela

Leia mais

Edital de Processo Seletivo Público n. º 01/2015. Comissão Eleitoral do Processo Seletivo

Edital de Processo Seletivo Público n. º 01/2015. Comissão Eleitoral do Processo Seletivo Edital de Processo Seletivo Público n. º 01/2015 Comissão Eleitoral do Processo Seletivo A Comissão Eleitoral do Conselho Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente C.M.D.C.A. de Rio Verde - GO,

Leia mais

REGULAMENTO ELEITORAL DA COOPERATIVA DE POUPANÇA E CRÉDITO DE LIVRE ADMISSÃO DA REGIÃO DE MARINGÁ SICOOB METROPOLITANO TÍTULO I DO OBJETIVO

REGULAMENTO ELEITORAL DA COOPERATIVA DE POUPANÇA E CRÉDITO DE LIVRE ADMISSÃO DA REGIÃO DE MARINGÁ SICOOB METROPOLITANO TÍTULO I DO OBJETIVO REGULAMENTO ELEITORAL DA COOPERATIVA DE POUPANÇA E CRÉDITO DE LIVRE ADMISSÃO DA REGIÃO DE MARINGÁ SICOOB METROPOLITANO TÍTULO I DO OBJETIVO Art. 1 Este Regulamento Eleitoral tem como objetivo disciplinar

Leia mais

Partidas Dobradas ELEIÇÕES 2010 Contabilidade Necessária

Partidas Dobradas ELEIÇÕES 2010 Contabilidade Necessária Partidas Dobradas ELEIÇÕES 2010 Contabilidade Necessária Mattos, José João Appel. Partidas dobradas, eleições 2010 : contabilidade necessária / José João Appel Mattos, Bruno Mendes, Davi de Oliveira Rios.

Leia mais

R E P Ú B A A R A B O

R E P Ú B A A R A B O R E L F SI L P Ú B IC 15 de Novembro A ED ERATIV A D d B O R A e 1889 Fortaleza 2004 C 2004,Tribunal Regional Eleitoral do Ceará Rua Jaime Benévolo, 21 - Centro CEP 60.050-080 Fortaleza- Ceará PABX (00xx85)

Leia mais

Professor Rodrigo Marques de Oliveira Presidente do Conselho Acadêmico do IFMG - Campus Governador Valadares

Professor Rodrigo Marques de Oliveira Presidente do Conselho Acadêmico do IFMG - Campus Governador Valadares SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE MINAS GERAIS CAMPUS GOVERNADOR VALADARES - CONSELHO ACADÊMICO Av. Minas Gerais, 5.189 - Bairro Ouro

Leia mais

ASSEITE-MT Associação das Empresas de Informática e Telecomunicações de Mato Grosso

ASSEITE-MT Associação das Empresas de Informática e Telecomunicações de Mato Grosso ESTATUTO SOCIAL DA ASSEITE-MT Data de Fundação: 12 de agosto de 1985. ÍNDICE GERAL Capítulo I - Identidade Social... 03 Capítulo II Objetivos... 03 Capítulo III Associados... 04 Capítulo IV Rendas... 07

Leia mais

Carta de Serviços aos Cidadãos

Carta de Serviços aos Cidadãos Carta de Serviços aos Cidadãos Tribunal Regional Eleitoral do Rio Grande do Sul: a cada dia mais próximo da comunidade www.tre-jus.br O Tribunal Regional Eleitoral do Rio Grande do Sul é um órgão do Poder

Leia mais

Unisa Universidade de Santo Amaro

Unisa Universidade de Santo Amaro 1 EDITAL DO PROCESSO SELETIVO DE INGRESSO AOS CURSOS SUPERIORES, MODALIDADE DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA EAD DA UNIVERSIDADE DE SANTO AMARO, TURMAS DE AGOSTO 2012. A Magnífica Reitora da Universidade de Santo

Leia mais

DIREITOS FUNDAMENTAIS: NACIONALIDADE E DIREITOS POLÍTICOS

DIREITOS FUNDAMENTAIS: NACIONALIDADE E DIREITOS POLÍTICOS DIREITOS FUNDAMENTAIS: NACIONALIDADE E DIREITOS POLÍTICOS Título II: Dos Direitos e Garantias Fundamentais Capítulo I: Dos Direitos e Deveres Individuais e Coletivos (art. 5º) Capítulo II: Dos Direitos

Leia mais

TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DE ALAGOAS. Direção-Geral Coordenadoria de Controle Interno Assessoria de Contas Eleitorais

TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DE ALAGOAS. Direção-Geral Coordenadoria de Controle Interno Assessoria de Contas Eleitorais TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DE ALAGOAS Direção-Geral Coordenadoria de Controle Interno Assessoria de Contas Eleitorais FINANCIAMENTO DE CAMPANHAS ELEITORAIS E PRESTAÇÕES DE CONTAS NAS ELEIÇÕES DE 2008

Leia mais

Calendário Eleitoral 2012 - Eleições Municipais

Calendário Eleitoral 2012 - Eleições Municipais Calendário Eleitoral 2012 - Eleições Municipais Em ano de eleições municipais é importante estar atento ao calendário eleitoral 2012 para as eleições municipais. O Tribunal Superior Eleitoral/TSE divulgou

Leia mais

EDITAL DO 2º PROCESSO SELETIVO DOS CURSOS SUPERIORES NA MODALIDADE PRESENCIAL - VESTIBULAR 1º SEMESTRE - 2016

EDITAL DO 2º PROCESSO SELETIVO DOS CURSOS SUPERIORES NA MODALIDADE PRESENCIAL - VESTIBULAR 1º SEMESTRE - 2016 EDITAL DO 2º PROCESSO SELETIVO DOS CURSOS SUPERIORES NA MODALIDADE PRESENCIAL - VESTIBULAR 1º SEMESTRE - 2016 A Faculdade Meta, Instituição de Ensino Superior comprometida com o padrão de qualidade e as

Leia mais

Associação dos Participantes da CBS Nossa união é nossa força. Regimento Interno. apcbs@oi.com.br www.apcbs.com.br

Associação dos Participantes da CBS Nossa união é nossa força. Regimento Interno. apcbs@oi.com.br www.apcbs.com.br Associação dos Participantes da CBS Nossa união é nossa força. Regimento Interno apcbs@oi.com.br www.apcbs.com.br ÍNDICE SEÇÃO I - DOS SÓCIOS 1 SEÇÃO II - DA ASSEMBLÉIA GERAL 1 SEÇÃO III - DO CONSELHO

Leia mais

O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais,

O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, RESOLUÇÃO CFC N.º 1.389/12 Dispõe sobre o Registro Profissional dos Contadores e Técnicos em Contabilidade. O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, RESOLVE:

Leia mais

RESOLUÇÃO CFC N.º 1.389/12 Dispõe sobre o Registro Profissional dos Contadores e Técnicos em Contabilidade.

RESOLUÇÃO CFC N.º 1.389/12 Dispõe sobre o Registro Profissional dos Contadores e Técnicos em Contabilidade. RESOLUÇÃO CFC N.º 1.389/12 Dispõe sobre o Registro Profissional dos Contadores e Técnicos em Contabilidade. O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, RESOLVE:

Leia mais

SINDICATO DAS EMPRESAS DO TRANSPORTE DE CARGAS E LOGÍSTICA DO RIO DE JANEIRO - SINDICARGA - REGULAMENTO ELEITORAL

SINDICATO DAS EMPRESAS DO TRANSPORTE DE CARGAS E LOGÍSTICA DO RIO DE JANEIRO - SINDICARGA - REGULAMENTO ELEITORAL 1 Estatuto Social - ANEXO I SINDICATO DAS EMPRESAS DO TRANSPORTE DE CARGAS E LOGÍSTICA DO RIO DE JANEIRO - SINDICARGA - REGULAMENTO ELEITORAL Dispõe sobre o processo eleitoral nos âmbitos da Assembléia

Leia mais

O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES RESOLUÇÃO CFC N.º 1.390/12 Dispõe sobre o Registro Cadastral das Organizações Contábeis. O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, RESOLVE: CAPÍTULO I

Leia mais

LEI Nº 12.034, DE 29 DE SETEMBRO DE 2009.

LEI Nº 12.034, DE 29 DE SETEMBRO DE 2009. LEI Nº 12.034, DE 29 DE SETEMBRO DE 2009. Altera as Leis nºs 9.096, de 19 de setembro de 1995 - Lei dos Partidos Políticos, 9.504, de 30 de setembro de 1997, que estabelece normas para as eleições, e 4.737,

Leia mais

Arrecadação Gastos Prestação de contas

Arrecadação Gastos Prestação de contas Arrecadação Gastos Prestação de contas Tatão Bom de Voto História ilustrativa e simplificada de como arrecadar recursos, realizar despesas e prestar contas à Justiça Eleitoral. Arrecadação Gastos Prestação

Leia mais

Associação Fórum Nacional de Gestores de Inovação e Transferência de Tecnologia Página 1 de 9

Associação Fórum Nacional de Gestores de Inovação e Transferência de Tecnologia Página 1 de 9 Associação Fórum Nacional de Gestores de Inovação e Transferência de Tecnologia Página 1 de 9 ASSOCIAÇÃO FÓRUM NACIONAL DE GESTORES DE INOVAÇÃO E TRANSFERÊNCIA DE TECNOLOGIA FORTEC REGIMENTO INTERNO Sumário

Leia mais