Financiamento de campanhas e prestação de contas

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Financiamento de campanhas e prestação de contas"

Transcrição

1 Financiamento de campanhas e prestação de contas

2 Crescimento do gasto declarado com campanhas (total nacional) ANO TOTAL DE GASTOS (R$ milhões) ELEITORADO (milhões) CANDIDATOS (unidades) GASTO POR ELEITOR (R$) GASTO POR CANDIDATO (R$ ) , , , , , , , , , ,00 2

3 Alterações em destaque Res /12 Art. 27. É vedado a partido político, comitê financeiro e candidato receber, direta ou indiretamente, doação em dinheiro ou estimável em dinheiro, inclusive por meio de publicidade de qualquer espécie, procedente de (Lei nº 9.504/97, art. 24, I a XI): I entidade ou governo estrangeiro; II órgão da administração pública direta e indireta ou fundação mantida com recursos provenientes do poder público; III concessionário ou permissionário de serviço público; IV entidade de direito privado que receba, na condição de beneficiária, contribuição compulsória em virtude de disposição legal;

4 Alterações em destaque Res /12 V entidade de utilidade pública; VI entidade de classe ou sindical; VII pessoa jurídica sem fins lucrativos que receba recursos do exterior; VIII entidades beneficentes e religiosas; IX entidades esportivas; X organizações não governamentais que recebam recursos públicos; XI organizações da sociedade civil de interesse público; XII sociedades cooperativas de qualquer grau ou natureza, cujos cooperados sejam concessionários ou permissionários de serviços públicos ou que estejam sendo beneficiadas com recursos públicos (Lei nº 9.504/97, art. 24, parágrafo único).

5 Alterações em destaque Res /12 Art. 25. As doações de que tratam esta Seção ficam limitadas (Lei nº 9.504/97, arts. 23, 1º, I e II, 7º e 81, 1º): I a 10% dos rendimentos brutos auferidos por pessoa física, no anocalendário anterior à eleição, declarados à Receita Federal do Brasil, excetuando-se as doações estimáveis em dinheiro relativas à utilização de bens móveis ou imóveis de propriedade do doador, desde que o valor da doação não ultrapasse R$ ,00 (cinquenta mil reais), apurados conforme o valor de mercado, bem como a atividade voluntária, pessoal e direta do eleitor em apoio à candidatura ou partido político de sua preferência; II a 2% do faturamento bruto auferido por pessoa jurídica, no anocalendário anterior à eleição, declarado à Receita Federal do Brasil;

6 Alterações em destaque Res /12 Art A atividade voluntária, pessoal e direta do eleitor em apoio à candidatura ou a partido político de sua preferência não será objeto de contabilidade das doações à campanha, sem prejuízo da apuração e punição de eventuais condutas indevidas e excessos que configurem abuso do poder econômico ou qualquer outra infração a lei.

7 Alterações em destaque Res /12 quitação eleitoral Art º Sem prejuízo do disposto no 1º, a decisão que desaprovar as contas de candidato implicará o impedimento de obter a certidão de quitação eleitoral. O TSE ainda não se posicionou com relação à quitação eleitoral de candidatos das eleições 2008 e 2010 que tiveram suas contas desaprovadas. Diante disso, tendo em vista os termos do art. 53 da Resolução TSE nº /12, poderá haver nesses casos, impedimento ao registro de candidatura às eleições 2012.

8 Enunciado 16 Contas de ex-candidato, prestadas após a data final para o pedido de registro da nova candidatura, não restabelecem as condições para a obtenção de quitação eleitoral. Obs. Contas apresentadas após o julgamento como não prestadas não terão novo julgamento; apenas servirão para divulgação e fixação do termo final da suspensão da quitação eleitoral, qual seja, o término do mandato ao qual concorreu.

9 Enunciado 28 Nas eleições proporcionais, a faculdade de prestar contas por intermédio do comitê financeiro não afasta do candidato a responsabilidade pela tempestividade da entrega. Obs. Caso sejam prestadas fora do prazo as contas estarão sujeitas a ressalvas.

10 Enunciado 29 A prestação de contas de candidato deve ser apresentada individualmente, e não em conjunto com a de partido político, sob pena de não aprovação. Obs. A responsabilidade pelos atos praticados na captação e aplicação de recurso de campanha é do candidato.

11 Enunciado 35 A arrecadação de recursos de qualquer natureza exige a emissão dos correspondentes recibos eleitorais, sob pena de constituir-se falha insanável e comprometer a regularidade das contas. Obs. A veiculação de propaganda em bens particulares (móveis e imóveis) é gratuita, não configura doação estimável e, portanto, não exige emissão de recibo eleitoral. Ac. TRE-MG na CTA nº 8364, de 12/04/2011

12 Enunciado 36 A falta de comprovação da origem dos recursos arrecadados caracteriza vício de natureza grave e insanável, ensejando a não aprovação das contas. Obs. Os repasses de recursos por meio de partidos não legitimam por si só os recursos cuja fonte original deve ser demonstrada sob pena de impossibilidade de utilização, destinação do valor ao Tesouro Nacional e desaprovação das contas.

13 Enunciado 38 É obrigatória a prestação de contas, independentemente de movimentação de recursos, de desistência da candidatura, de indeferimento de registro ou de falecimento do candidato. Obs. A não prestação de contas, mesmo após intimação formal, leva à suspensão da quitação eleitoral.

14 Enunciado 39 A abertura de conta bancária específica de campanha é imprescindível para a aferição da regularidade da prestação de contas, ainda que se trate de renúncia, desistência e substituição de candidatura ou indeferimento do registro. Obs. Tal obrigação se impõe igualmente aos partidos em todos os níveis, exceto nos casos de municípios onde não haja agência ou correspondente bancário. Candidatos a vereador estão dispensados nos municípios com menos de 20 mil eleitores.

15 Enunciado 42 As falhas, ainda que insanáveis, identificadas em processo de prestação de contas, podem ser relativizadas pelo julgador, em homenagem aos princípios da razoabilidade e da proporcionalidade, desde que haja, nos autos, elementos suficientes à comprovação, por outros meios, da regularidade das contas, o que poderá ensejar a sua aprovação com ressalvas.

16 Enunciado 43 Em sede de prestação de contas de campanha, sendo a irregularidade constatada de pequena monta em comparação com o total de recursos envolvidos, é de se aprovar, com ressalva, a prestação de contas, com base nos princípios da razoabilidade e da proporcionalidade.

17 Enunciado 44 A utilização de veículos próprios em campanha não exime os candidatos ou os comitês financeiros, conforme o caso, de declará-los em sua prestação de contas como recursos estimáveis em dinheiro, acompanhados de notas explicativas como descrição, quantidade, valor unitário e avaliação pelos preços praticados no mercado, com indicação da origem da avaliação e do respectivo recibo eleitoral, sob pena de incompatibilidade com eventuais gastos declarados com combustíveis ou lubrificantes

18 Enunciado 45 Despesa realizada com combustíveis sem o correspondente registro de gastos com locação de veículos, ou de doações estimáveis relativas à sua cessão, sem a emissão dos respectivos recibos eleitorais, é causa para desaprovação das contas.

19 Enunciado 47 Findo o prazo exigido pela legislação eleitoral para a apresentação das contas de campanha, a inércia do candidato notificado a prestá-las no prazo de 72 horas acarretará o julgamento de contas como não prestadas, sujeitando o candidato à perda de sua quitação eleitoral.

20 Enunciado 48 Nos casos de abertura obrigatória de conta bancária, a não apresentação de extrato configura óbice insuperável para provocar a desaprovação das contas de campanha. Obs. A possibilidade de obtenção de extratos eletrônicos diretamente dos bancos pela Justiça Eleitoral não exime o candidato da obrigação de fornecer os extratos em meio físico.

21 Enunciado 49 A movimentação de recursos financeiros sem o trânsito pela conta bancária, quando obrigatória, implica desaprovação das contas. Obs. A possibilidade de obtenção de extratos eletrônicos diretamente dos bancos pela Justiça Eleitoral não exime o candidato da obrigação de fornecer os extratos em meio físico.

22 Enunciado 50 O pagamento de despesas de campanha que não se efetivar por meio de cheque nominal ou transferência bancária, quando obrigatória a abertura de conta bancária, é causa para a desaprovação das contas. Obs. Será permitida, nas eleições 2012, a formação de fundo de caixa para pagamento em dinheiro de pequenas despesas de no máximo R$300,00. Os recursos do fundo de caixa deverão transitar previamente pela conta bancária, se obrigatória sua abertura.

23 Enunciado 51 É obrigatória a abertura de conta bancária específica de campanha, ainda que não haja movimentação financeira. Obs. Partidos, comitês financeiros e candidatos a prefeitos em municípios onde não haja agência ou correspondentes bancários e candidatos vereador em municípios com menos de 20 mil eleitores estão dispensados de abrir conta bancária.

24 Ações de controle Controle concomitante de gastos Resolução TRE/MG nº 881/12. Acompanhamento in loco e em tempo real dos gastos de campanha. Sistema informatizado. NF eletrônicas Estados e municípios Verificação das fontes vedadas Cruzamento com a RFB

25 Exame e julgamento das contas Decisão consequências Candidatos Desaprovação das contas Res. TSE /12 Art. 52, 2º Sem prejuízo do disposto no 1º, a decisão que desaprovar as contas de candidato implicará o impedimento de obter a certidão de quitação eleitoral. Ações cabíveis pelo Ministério Público Eleitoral para apuração de abuso de poder econômico. Contas não prestadas Art. 53. A decisão que julgar as contas eleitorais como não prestadas acarretará: I ao candidato, o impedimento de obter a certidão de quitação eleitoral até o final da legislatura, persistindo os efeitos da restrição após esse período até a efetiva apresentação das contas. 25

26 Decisão consequências Ações cabíveis Lei 9.504/97 Art. 30-A Representação por captação/aplicação irregular de recursos de campanha. Perda do registro/diploma; LC 64/90 Art. 22 AIJE Abuso de poder econômico; LC nº135 (ficha limpa) Inelegibilidade por 8 anos - alínea j : os que forem condenados, em decisão transitada em julgado ou proferida por órgão colegiado da Justiça Eleitoral [...] por doação, captação ou gastos ilícitos de recursos de campanha... Código Eleitoral Art. 350 Crime de falsidade ideológica eleitoral: 26

27 Decisão consequências Ações cabíveis Art. 350 (jurisprudência): Recurso Criminal. Denúncia fundada no art. 350 do Código Eleitoral. Omissão em prestação de contas. Possibilidade. Presença de dolo [...] Autoria e materialidade devidamente comprovadas. Conduta típica [...] Redução de 12 (doze) dias-multa para o 06 (seis) dias-multa. Fixação do regime aberto para início do cumprimento da pena... Ac. TRE-MG no RC nº , de 22/09/2011, Rel. Juíza Mariza de Melo Porto.

Pontos da Res. TSE nº 23.376/12 diretamente relacionados à internet: I A Arrecadação dos Recursos a emissão dos Recibos Eleitorais:

Pontos da Res. TSE nº 23.376/12 diretamente relacionados à internet: I A Arrecadação dos Recursos a emissão dos Recibos Eleitorais: Pontos da Res. TSE nº 23.376/12 diretamente relacionados à internet: I A Arrecadação dos Recursos a emissão dos Recibos Eleitorais: Art. 4º Toda e qualquer arrecadação de recursos para a campanha eleitoral,

Leia mais

Art.. 30-A, Lei nº n 9.504/97)

Art.. 30-A, Lei nº n 9.504/97) REPRESENTAÇÃ ÇÃO O POR CAPTAÇÃ ÇÃO O E GASTOS ILÍCITOS DE RECURSOS (Art( Art.. 30-A, Lei nº n 9.504/97) 1. CAIXA DOIS Recursos não contabilizados de campanha eleitoral, que não transitam em conta bancária

Leia mais

TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DE ALAGOAS. Direção-Geral Coordenadoria de Controle Interno Assessoria de Contas Eleitorais

TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DE ALAGOAS. Direção-Geral Coordenadoria de Controle Interno Assessoria de Contas Eleitorais TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DE ALAGOAS Direção-Geral Coordenadoria de Controle Interno Assessoria de Contas Eleitorais FINANCIAMENTO DE CAMPANHAS ELEITORAIS E PRESTAÇÕES DE CONTAS NAS ELEIÇÕES DE 2008

Leia mais

Passo a passo para regularização dos Diretórios Municipais PSDB (prestação de contas).

Passo a passo para regularização dos Diretórios Municipais PSDB (prestação de contas). Passo a passo para regularização dos Diretórios Municipais PSDB (prestação de contas). 1º PASSO: VERIFICAÇÕES: a) Certificar-se junto ao site do TRE quanto à validade do prazo do mandato da direção. b)

Leia mais

PRESTAÇÃO DE CONTAS PERGUNTAS E RESPOSTAS

PRESTAÇÃO DE CONTAS PERGUNTAS E RESPOSTAS PRESTAÇÃO DE CONTAS PERGUNTAS E RESPOSTAS Eleição 2012 Brasília - 2012 Partido do Movimento Democrático Brasileiro Diretório Nacional PMDB - Diretório Nacional Tesouraria Nacional do PMDB Senado Federal

Leia mais

Prestação de contas do Juízo comum e da Justiça Eleitoral:

Prestação de contas do Juízo comum e da Justiça Eleitoral: PRESTAÇÃO DE CONTAS Prestação de contas do Juízo comum e da Justiça Eleitoral: Conceitos: Nós juízes, em especial os que atuam na área cível, somos acostumados com a obrigação de prestação de contas de

Leia mais

A mais um CURSO realizado pela

A mais um CURSO realizado pela A mais um CURSO realizado pela Aqui tem qualificação de Verdade! CONTROLE INTERNO Reforma Política: o que podemos melhorar? Dr. Luiz Fernando Pereira PERÍODO 09h00 X 12h00 09/12/2015 15h às 17h Por gentileza

Leia mais

TRIBUNAL SUPERIOR ELEITORAL RESOLUÇÃO Nº 23.432

TRIBUNAL SUPERIOR ELEITORAL RESOLUÇÃO Nº 23.432 TRIBUNAL SUPERIOR ELEITORAL RESOLUÇÃO Nº 23.432 PROCESSO ADMINISTRATIVO Nº 1581-56.2014.6.00.0000 CLASSE 26 BRASÍLIA DISTRITO FEDERAL Relator: Ministro Henrique Neves Interessado: Tribunal Superior Eleitoral

Leia mais

3. PROCESSO: CONCEITO E FINALIDADE... 27 3.1. Processo eleitoral e seu caráter público... 27 3.2. Processo coletivo... 28

3. PROCESSO: CONCEITO E FINALIDADE... 27 3.1. Processo eleitoral e seu caráter público... 27 3.2. Processo coletivo... 28 STF00094716 Sumório 1. DIREITO ELEITORAL................. 19 2. PROCESSO ELEITORAL................ 25 3. PROCESSO: CONCEITO E FINALIDADE............... 27 3.1. Processo eleitoral e seu caráter público......

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 22.250. INSTRUÇÃO Nº 102 CLASSE 12ª DISTRITO FEDERAL (Brasília).

RESOLUÇÃO Nº 22.250. INSTRUÇÃO Nº 102 CLASSE 12ª DISTRITO FEDERAL (Brasília). RESOLUÇÃO Nº 22.250 INSTRUÇÃO Nº 102 CLASSE 12ª DISTRITO FEDERAL (Brasília). Relator: Ministro Gerardo Grossi. Dispõe sobre a arrecadação e a aplicação de recursos nas campanhas eleitorais e sobre a prestação

Leia mais

CONTABILIDADE ELEITORAL PRESTAÇÃO DE CONTAS

CONTABILIDADE ELEITORAL PRESTAÇÃO DE CONTAS CONSELHO REGIONAL DE CONTABILIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO Departamento de Desenvolvimento Profissional www.crc.org.br - E-mail: cursos@crcrj.org.br CONTABILIDADE ELEITORAL PRESTAÇÃO DE CONTAS LUIS

Leia mais

JUSTIÇA ELEITORAL TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DO RIO GRANDE DO SUL

JUSTIÇA ELEITORAL TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DO RIO GRANDE DO SUL PROCESSO: RE 118-06.2013.6.21.0170 PROCEDÊNCIA: CANOAS RECORRENTE: FRANCIELE CARRETOS STEFFEN RECORRIDA: JUSTIÇA LEITORAL -----------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.Br

BuscaLegis.ccj.ufsc.Br BuscaLegis.ccj.ufsc.Br Eleições 2008: passo a passo da candidatura a vereador Eduardo de Souza Floriano* Com base na legislação atinente ao processo eleitoral, foi elaborado um passo a passo para os candidatos

Leia mais

Tribunal Superior Eleitoral

Tribunal Superior Eleitoral ESOLUÇÃO N O 22.715/2008 INSTRUÇÃO N O 118 RESOLUÇÃO Dispõe sobre a arrecadação e a aplicação de recursos por candidatos e comitês financeiros e prestação de contas nas eleições municipais de 2008. Brasília

Leia mais

LEI Nº 9.504, DE 30 DE SETEMBRO DE 1997.... Da Propaganda Eleitoral no Rádio e na Televisão...

LEI Nº 9.504, DE 30 DE SETEMBRO DE 1997.... Da Propaganda Eleitoral no Rádio e na Televisão... LEI Nº 9.504, DE 30 DE SETEMBRO DE 1997 Estabelece normas para as eleições. Da Propaganda Eleitoral no Rádio e na Televisão Art. 45. A partir de 1º de julho do ano da eleição, é vedado às emissoras de

Leia mais

Ne omucenos. advogados & associados

Ne omucenos. advogados & associados Ne omucenos advogados & associados ANÁLISE JURÍDICA SOBRE A POSSIBILIDADE DE REDUÇÃO DO LIMITE DO FUNDO FISCOFORTE PARA A LIBERAÇÃO DO VALOR RESPECTIVO AOS SINDICALIZADOS E O POSTERIOR RESTABELECIMENTO

Leia mais

DECRETO Nº 5.933, DE 20 DE ABRIL DE 2004.

DECRETO Nº 5.933, DE 20 DE ABRIL DE 2004. DECRETO Nº 5.933, DE 20 DE ABRIL DE 2004. (PUBLICADO NO DOE DE 26.04.04) Este texto não substitui o publicado no DOE Regulamenta a Lei nº 14.546, de 30 de setembro de 2003, que dispõe sobre a criação do

Leia mais

Art. 1º O Decreto nº 1.836, de 6 de novembro de 2008, passa a vigorar acrescido dos seguintes artigos:

Art. 1º O Decreto nº 1.836, de 6 de novembro de 2008, passa a vigorar acrescido dos seguintes artigos: DECRETO Nº 028, de 1º de fevereiro de 2011 Altera o Decreto nº 1.836, de 6 de novembro de 2008, que veda a nomeação de cônjuge, companheiro(a) ou parente, para cargo em comissão, de confiança ou de função

Leia mais

MATERIAL DE APOIO - PROFESSOR PRESTAÇÃO DE CONTAS PARTE 1 ANTES DA MINIRREFORMA ELEITORAL

MATERIAL DE APOIO - PROFESSOR PRESTAÇÃO DE CONTAS PARTE 1 ANTES DA MINIRREFORMA ELEITORAL Modular - Analistas TRE/TRF Disciplina: Direito Eleitoral Prof.: Thales Tácito Data: 17/10/2009 Aula n 06 MATERIAL DE APOIO - PROFESSOR PRESTAÇÃO DE CONTAS PARTE 1 ANTES DA MINIRREFORMA ELEITORAL 1) APURAÇÃO

Leia mais

DE ARRECADAÇÃO ELEIÇÕES

DE ARRECADAÇÃO ELEIÇÕES MANUAL DE ARRECADAÇÃO E APLICAÇÃO DE RECURSOS E DE PREST RESTAÇÃO DE CONT ONTAS ELEIÇÕES 2008 2 a EDIÇÃO Brasília 2008 Tribunal Superior Eleitoral Diretor-Geral da Secretaria Athayde Fontoura Filho Tribunal

Leia mais

JUSTIÇA ELEITORAL TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DO RIO GRANDE DO SUL

JUSTIÇA ELEITORAL TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DO RIO GRANDE DO SUL PROCESSO: PC 1523-68.2014.6.21.0000 PROCEDÊNCIA: PORTO ALEGRE INTERESSADO: KEVIN CHAVES KRIEGER, CARGO DEPUTADO ESTADUAL Nº 11011 -----------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

Palestra: Prestação de Contas Eleitoral. Atila Pedroso de Jesus Conselheiro do CRC MT

Palestra: Prestação de Contas Eleitoral. Atila Pedroso de Jesus Conselheiro do CRC MT Palestra: Prestação de Contas Eleitoral Atila Pedroso de Jesus Conselheiro do CRC MT LEGISLAÇÃO APLICÁVEL: Lei n. 9.504, de 30 de setembro de 1997: - Código Eleitoral (dispõe normas para eleição). Lei

Leia mais

Rua Ulisses Caldas, 81 - Centro - Natal/RN 59025-090 (55)xx84-3232-8863 www.natal.rn.gov.br

Rua Ulisses Caldas, 81 - Centro - Natal/RN 59025-090 (55)xx84-3232-8863 www.natal.rn.gov.br LEI Nº. 6.067, DE 11 DE MARÇO DE 2010. Altera a Lei Ordinária 5.711/06, que dispõe sobre a Organização Administrativa da Câmara Municipal do Natal, e dá outras providências. A PREFEITA DO MUNICÍPIO DE

Leia mais

ANEXO RESOLUÇÃO SEDPAC Nº 15/2015 CRITÉRIOS PARA HABILITAÇÃO PARA ENTIDADES E INSTITUIÇÕES PARA INTEGRAR O COMITRATE

ANEXO RESOLUÇÃO SEDPAC Nº 15/2015 CRITÉRIOS PARA HABILITAÇÃO PARA ENTIDADES E INSTITUIÇÕES PARA INTEGRAR O COMITRATE ANEXO RESOLUÇÃO SEDPAC Nº 15/2015 CRITÉRIOS PARA HABILITAÇÃO PARA ENTIDADES E INSTITUIÇÕES PARA INTEGRAR O COMITRATE Dispõe dos critérios de habilitação e da comprovação da regularidade da personalidade

Leia mais

Arrecadação Gastos Prestação de contas

Arrecadação Gastos Prestação de contas Arrecadação Gastos Prestação de contas Tatão Bom de Voto História ilustrativa e simplificada de como arrecadar recursos, realizar despesas e prestar contas à Justiça Eleitoral. Arrecadação Gastos Prestação

Leia mais

LIMITE DE GASTOS. Cada partido deve fixar o limite de gastos a ser observado, por candidatura(caso Lei não faça)

LIMITE DE GASTOS. Cada partido deve fixar o limite de gastos a ser observado, por candidatura(caso Lei não faça) Prestação de Contas Eleitoral: Legislação x Prática Contador Ruberlei Bulgarelli Julho 2012 LIMITE DE GASTOS Cada partido deve fixar o limite de gastos a ser observado, por candidatura(caso Lei não faça)

Leia mais

JUSTIÇA ELEITORAL TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DO RIO GRANDE DO SUL ACÓRDÃO

JUSTIÇA ELEITORAL TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DO RIO GRANDE DO SUL ACÓRDÃO PROCESSO: RE 13-17.2013.6.21.0077 PROCEDÊNCIA: OSÓRIO RECORRENTE: MINISTÉRIO PÚBLICO ELITORAL RECORRIDA: ANDREA SOUZA TEIXEIRA GONÇALVES Eleições 2012. Recurso Eleitoral. Representação. Doação acima do

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO ELEITORAL PROCURADORIA REGIONAL ELEITORAL DE GOIÁS

MINISTÉRIO PÚBLICO ELEITORAL PROCURADORIA REGIONAL ELEITORAL DE GOIÁS Ex.mo(a) Sr. (a) Juiz(a) Auxiliar do TRE/GO. O MINISTÉRIO PÚBLICO ELEITORAL, pelo Procurador Regional Eleitoral de Goiás, com fundamento no art. 47, da Resolução TSE n 22.250/2006, c/c 25, I, IV e VII,

Leia mais

ELEIÇÕES 2012 CAMPANHA ELEITORAL

ELEIÇÕES 2012 CAMPANHA ELEITORAL 2S SOLUÇÕES pode e não pode Elaboração: Victor Ferreira João de Oliveira 2 COMÍCIOS E REUNIÕES PÚBLICAS Tradicional forma de arregimentação de pessoas para difundir a proposta do candidato, partido ou

Leia mais

CIRCULAR Nº 3.771, DE 4 DE NOVEMBRO DE 2015

CIRCULAR Nº 3.771, DE 4 DE NOVEMBRO DE 2015 CIRCULAR Nº 3.771, DE 4 DE NOVEMBRO DE 2015 Dispõe sobre os procedimentos a serem observados pelas cooperativas de crédito para instrução de processos referentes a pedidos de autorização e dá outras providências.

Leia mais

Prestação de Contas Eleitorais 2010

Prestação de Contas Eleitorais 2010 Prestação de Contas Eleitorais 2010 Tribunal Regional Eleitoral do Estado do Rio Grande do Sul Secretaria de Controle Interno e Auditoria Contas Eleitorais e Partidárias pcontas@tre-rs.gov.br Legislação

Leia mais

TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DO PARÁ SECRETARIA DE CONTROLE INTERNO E AUDITORIA

TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DO PARÁ SECRETARIA DE CONTROLE INTERNO E AUDITORIA TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DO PARÁ SECRETARIA DE CONTROLE INTERNO E AUDITORIA Cartiillha de Arrecadação de Recursos, Gastos Elleiitoraiis e Prestação de Contas BELÉM PARÁ 2012 APRESENTAÇÃO Aproxima-se

Leia mais

Prestação de Contas Eleitorais 2010

Prestação de Contas Eleitorais 2010 Prestação de Contas Eleitorais 2010 Tribunal Regional Eleitoral do Estado do Rio Grande do Sul Secretaria de Controle Interno e Auditoria Contas Eleitorais e Partidárias pcontas@tre-rs.gov.br Legislação

Leia mais

Tribunal Regional Eleitoral do Espírito Santo

Tribunal Regional Eleitoral do Espírito Santo SESSÃO ORDINÁRIA 27-01-2014 PROCESSO Nº 129-48.2013.6.08.0024 - CLASSE 30 NOTAS TAQUIGRÁFICAS Fls. 1/6 RELATÓRIO O Sr. JURISTA GUSTAVO CÉSAR DE MELLO CALMON HOLLIDAY (RELATOR):- Senhor Presidente: Trata-se

Leia mais

MUNICÍPIO DE DOURADOS ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL. REVOGADA PELA LEI Nº 3.548, DE 13.04.2012

MUNICÍPIO DE DOURADOS ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL. REVOGADA PELA LEI Nº 3.548, DE 13.04.2012 REVOGADA PELA LEI Nº 3.548, DE 13.04.2012 LEI N 2.295 DE 19 DE OUTUBRO DE 1999. Dispõe sobre o Incentivo Fiscal para a cultura, cria o Fundo Municipal da Cultura - FMC no Município de Dourados - MS e dá

Leia mais

II - O PAPEL DAS INSTITUIÇÕES NA APLICAÇÃO DA ÉTICA E DA RESPONSABILIDADE SOCIAL

II - O PAPEL DAS INSTITUIÇÕES NA APLICAÇÃO DA ÉTICA E DA RESPONSABILIDADE SOCIAL II - O PAPEL DAS INSTITUIÇÕES NA APLICAÇÃO DA ÉTICA E DA RESPONSABILIDADE SOCIAL 1. Fundamentação filosófica do papel das instituições A relação entre Fenomenologia e Estruturalismo no desenvolvimento

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO ELEITORAL PROCURADORIA REGIONAL ELEITORAL DE GOIÁS

MINISTÉRIO PÚBLICO ELEITORAL PROCURADORIA REGIONAL ELEITORAL DE GOIÁS Ex.mo(a) Sr. (a) Juiz(a) Auxiliar do TRE/GO. O MINISTÉRIO PÚBLICO ELEITORAL, pelo Procurador Regional Eleitoral de Goiás, com fundamento no art. 47, da Resolução TSE n 22.250/2006, c/c 25, I, IV e VII,

Leia mais

ORIENTAÇÕES AOS AGENTES PÚBLICOS DO MUNICÍPIO DE FLORIANÓPOLIS NO ANO ELEITORAL 2016

ORIENTAÇÕES AOS AGENTES PÚBLICOS DO MUNICÍPIO DE FLORIANÓPOLIS NO ANO ELEITORAL 2016 ORIENTAÇÕES AOS AGENTES PÚBLICOS DO MUNICÍPIO DE FLORIANÓPOLIS NO ANO ELEITORAL 2016 Apresentação: As Eleições Municipais ocorrerão no dia 02/10/2016, primeiro domingo do mês de outubro. Escolheremos o

Leia mais

Prefeitura Municipal da Estância Climática de Santo Antonio do Pinhal Estado de São Paulo

Prefeitura Municipal da Estância Climática de Santo Antonio do Pinhal Estado de São Paulo Prefeitura Municipal da Estância Climática de Santo Antonio do Pinhal Estado de São Paulo LEI N 980, DE 14 DE NOVEMBRO DE 2006 Dispõe sobre a criação do Fundo Municipal de Turismo (FUMTUR), no Município

Leia mais

TERMO DE ACORDO OS DIRETÓRIOS DE PARTIDOS POLÍTICOS ATUANTES NA 3ª ZONA ELEITORAL, SEDIADOS NOS MUNICÍPIOS DE ROSÁRIO OESTE, JANGADA e NOBRES/MT,

TERMO DE ACORDO OS DIRETÓRIOS DE PARTIDOS POLÍTICOS ATUANTES NA 3ª ZONA ELEITORAL, SEDIADOS NOS MUNICÍPIOS DE ROSÁRIO OESTE, JANGADA e NOBRES/MT, TERMO DE ACORDO OS DIRETÓRIOS DE PARTIDOS POLÍTICOS ATUANTES NA 3ª ZONA ELEITORAL, SEDIADOS NOS MUNICÍPIOS DE ROSÁRIO OESTE, JANGADA e NOBRES/MT, pessoas jurídicas de direito privado ao final identificadas,

Leia mais

JUSTIÇA ELEITORAL PRESTAÇÃO DE CONTAS - ELEIÇÕES 2014

JUSTIÇA ELEITORAL PRESTAÇÃO DE CONTAS - ELEIÇÕES 2014 JUSTIÇA ELEITORAL PRESTAÇÃO DE CONTAS - ELEIÇÕES 214 PROCESSO Nº:161-68.215.6.5. PROTOCOLO Nº: 47.95/214 ASSUNTO: PRESTAÇÃO DE CONTAS RELATIVA À ARRECADAÇÃO E APLICAÇÃO DE RECURSOS FINANCEIROS NA CAMPANHA

Leia mais

DIREITO ADMINISTRATIVO Prof. Danilo Vieira Vilela. Processo Administrativo Processo Administrativo. Lei n 9784/1999. Conceito. Fases.

DIREITO ADMINISTRATIVO Prof. Danilo Vieira Vilela. Processo Administrativo Processo Administrativo. Lei n 9784/1999. Conceito. Fases. Direito Administrativo UNISO 1 DIREITO ADMINISTRATIVO Prof. Danilo Vieira Vilela Processo Administrativo Processo Administrativo. Lei n 9784/1999. Conceito. Fases. Processo - conjunto de atos dirigidos

Leia mais

REGULAMENTO PROCESSO SELETIVO PARA BOLSA ALUNO CARENTE 2015

REGULAMENTO PROCESSO SELETIVO PARA BOLSA ALUNO CARENTE 2015 SOCIEDADE MINEIRA DE CULTURA MANTENEDORA DA PUCMINAS E DO COLÉGIO SANTA MARIA REGULAMENTO PROCESSO SELETIVO PARA BOLSA ALUNO CARENTE 2015 1. INSCRIÇÃO 1.1 Poderão participar do Processo, de que trata este

Leia mais

JUSTIÇA ELEITORAL TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DO RIO GRANDE DO SUL

JUSTIÇA ELEITORAL TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DO RIO GRANDE DO SUL PROCESSO: PC 2072-78.2014.6.21.0000 PROCEDÊNCIA: PORTO ALEGRE INTERESSADO: IVAR PAVAN, CARGO DEPUTADO FEDERAL Nº: 1330 -----------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

FINANCIAMENTO DE CAMPANHA ELEITORAL. 1. Da arrecadação e aplicação de recursos

FINANCIAMENTO DE CAMPANHA ELEITORAL. 1. Da arrecadação e aplicação de recursos Módulo - 4 FINANCIAMENTO DE CAMPANHA ELEITORAL 1. Da arrecadação e aplicação de recursos Sob pena de rejeição das contas a arrecadação de recursos e os gastos por candidatos, inclusive dos seus vices e

Leia mais

Doação irregular de campanha, Ministério Público e ativismo judiciário

Doação irregular de campanha, Ministério Público e ativismo judiciário Doação irregular de campanha, Ministério Público e ativismo judiciário Por: Carina Barbosa Gouvêa O Supremo Tribunal Federal (STF) reconheceu a repercussão geral, através do plenário virtual, do tema debatido

Leia mais

JUSTIÇA ELEITORAL TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DO RIO GRANDE DO SUL

JUSTIÇA ELEITORAL TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DO RIO GRANDE DO SUL PROCESSO: PC 1832-89.2014.6.21.0000 PROCEDÊNCIA: PORTO ALEGRE INTERESSADO: GERSON LUIS DE BORBA, CARGO DEPUTADO ESTADUAL Nº: 11002 -----------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

ESTATUTO FUNDAÇÃO DE SEGURIDADE SOCIAL BRASLIGHT

ESTATUTO FUNDAÇÃO DE SEGURIDADE SOCIAL BRASLIGHT ESTATUTO FUNDAÇÃO DE SEGURIDADE SOCIAL BRASLIGHT ESTATUTO FUNDAÇÃO DE SEGURIDADE SOCIAL BRASLIGHT ÍNDICE CAPÍTULO I - Da Denominação, Sede e Foro... 4 CAPÍTULO II - Dos Objetivos... 4 CAPÍTULO III - Do

Leia mais

MUNICÍPIO DE CRUZEIRO DO SUL - ACRE GABINETE DO PREFEITO MEDIDA PROVISÓRIA N 002/2013, DE 14 DE MARÇO DE 2013.

MUNICÍPIO DE CRUZEIRO DO SUL - ACRE GABINETE DO PREFEITO MEDIDA PROVISÓRIA N 002/2013, DE 14 DE MARÇO DE 2013. Pág. 1 de 7 MEDIDA PROVISÓRIA N 002/2013, DE 14 DE MARÇO DE 2013. DO: PODER EXECUTIVO AO: PODER LEGISLATIVO DISPÕE SOBRE A POLÍTICA MUNICIPAL DE ATENDIMENTO DOS DIREITOS DO IDOSO, CRIA O FUNDO MUNICIPAL

Leia mais

Administração Financeira de Campanha e Prestação de Contas

Administração Financeira de Campanha e Prestação de Contas Tribunal Regional Eleitoral de Mato Grosso ELEIÇÕES GERAIS 2014 Administração Financeira de Campanha e Prestação de Contas COMISSÃO EDITORIAL Titulares: Nilson Fernando Gomes Bezerra (Presidente) Júlia

Leia mais

O que é associação sem fins lucrativos? Como constituir e como é tributada?

O que é associação sem fins lucrativos? Como constituir e como é tributada? O que é associação sem fins lucrativos? Como constituir e como é tributada? Parecer: I - Conceitos e objetivos: Associação Sem Fins Lucrativos: Associação é uma entidade de direito privado, dotada de personalidade

Leia mais

RESOLUÇÃO TSE 23.276 DAS DOAÇÕES

RESOLUÇÃO TSE 23.276 DAS DOAÇÕES RESOLUÇÃO TSE 23.276 DAS DOAÇÕES As doações poderão ser realizadas por pessoas físicas ou jurídicas em favor do candidato, comitê financeiro e/ou partido político, mediante (art.22): I cheques cruzados

Leia mais

ESTADO DO RIO DE JANEIRO PREFEITURA MUNICIPAL DE SUMIDOURO GABINETE DO PREFEITO

ESTADO DO RIO DE JANEIRO PREFEITURA MUNICIPAL DE SUMIDOURO GABINETE DO PREFEITO LEI MUNICIPAL Nº 1034, DE 10 DE SETEMBRO DE 2012. Dispõe sobre o Conselho Municipal do Idoso (CMI) e o Fundo Municipal do Idoso (FMI) e dá outras publicações. O PREFEITO DO MUNICÍPIO DE SUMIDOURO DO ESTADO

Leia mais

ORIENTAÇÕES GERAIS PARA AS ELEIÇÕES 2008: Condutas Vedadas aos Gestores PúblicosP

ORIENTAÇÕES GERAIS PARA AS ELEIÇÕES 2008: Condutas Vedadas aos Gestores PúblicosP Eleições 2008 ORIENTAÇÕES GERAIS PARA AS ELEIÇÕES 2008: Condutas Vedadas aos Gestores PúblicosP Escola Fazendária Teresina, 16 de Junho de 2008 O Art. 73, da Lei nº n 9.504/97, dispõe serem proibidas aos

Leia mais

Belo Horizonte, junho de 2012. Desembargador Brandão Teixeira Presidente do TRE-MG

Belo Horizonte, junho de 2012. Desembargador Brandão Teixeira Presidente do TRE-MG O adequado controle sobre o financiamento das campanhas eleitorais tem sido objeto de constante aprimoramento por parte Justiça Eleitoral que, no cumprimento de sua missão institucional, busca oferecer

Leia mais

DELIBERAÇÃO Nº 198 23 de janeiro de 1996. O TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO, no uso de suas atribuições constitucionais e legais, e

DELIBERAÇÃO Nº 198 23 de janeiro de 1996. O TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO, no uso de suas atribuições constitucionais e legais, e DELIBERAÇÃO Nº 198 23 de janeiro de 1996 Dispõe sobre a instauração e organização de processos de prestação de contas, tomada de contas e tomada de contas especial, no âmbito da Administração Estadual,

Leia mais

Tribunal Regional Eleitoral de Santa Catarina

Tribunal Regional Eleitoral de Santa Catarina ACÓRDÃO N. 2 9 0 9 3 Relator: Juiz Luiz Henrique Martins Portelinha Recorrente: Ministério Público Eleitoral Recorrido: Sandro Presser Vistos etc., - ELEIÇÃO 2012 - RECURSO ELEITORAL - REPRESENTAÇÃO -

Leia mais

INSTRUÇÃO Nº 402, DE 27 DE JANEIRO DE 2004

INSTRUÇÃO Nº 402, DE 27 DE JANEIRO DE 2004 Ministério da Fazenda Comissão de Valores Mobiliários INSTRUÇÃO Nº 402, DE 27 DE JANEIRO DE 2004 Estabelece normas e procedimentos para a organização e o funcionamento das corretoras de mercadorias. O

Leia mais

Apresenta-se como importante ferramenta para fortalecer a gestão do SUS, promover a adequação, a expansão e a potencialização dos serviços de saúde ¹

Apresenta-se como importante ferramenta para fortalecer a gestão do SUS, promover a adequação, a expansão e a potencialização dos serviços de saúde ¹ Importância do CEBAS Apresenta-se como importante ferramenta para fortalecer a gestão do SUS, promover a adequação, a expansão e a potencialização dos serviços de saúde ¹ - Isenção das Contribuições Sociais;

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DO AMAZONAS JUÍZO DA 37ª ZONA ELEITORAL SENTENÇA

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DO AMAZONAS JUÍZO DA 37ª ZONA ELEITORAL SENTENÇA Protocolo 15488/2011 Ação Representação Autos 220-95.2011.6.04.0000 Classe XLII Representante: Ministério Público Representado: Wellington Lins de Albuquerque Junior Patrona do Maria Benigno OAB/AM A 619

Leia mais

REGULARIDADE DE RECOLHIMENTO DE CONTRIBUIÇÕES PREVIDENCIÁRIAS - Obtenção de CND, CPD-EN e CPD

REGULARIDADE DE RECOLHIMENTO DE CONTRIBUIÇÕES PREVIDENCIÁRIAS - Obtenção de CND, CPD-EN e CPD REGULARIDADE DE RECOLHIMENTO DE CONTRIBUIÇÕES PREVIDENCIÁRIAS - Obtenção de CND, CPD-EN e CPD Matéria elaborada com base na legislação vigente em: 04/04/2013. Sumário: 1 - Introdução 2 - Prova de Inexistência

Leia mais

REGULAMENTO FINANCEIRO DO CDS/PP

REGULAMENTO FINANCEIRO DO CDS/PP DO CDS/PP (APROVADO EM CONSELHO NACIONAL A 24 DE NOVEMBRO DE 2007) Capítulo I Disposições Gerais Artigo 1º (Âmbito de aplicação) 1. O presente Regulamento aplica-se a todos os órgãos nacionais, regionais

Leia mais

MINUTA DE RESOLUÇÃO. Capítulo I DO OBJETO

MINUTA DE RESOLUÇÃO. Capítulo I DO OBJETO MINUTA DE RESOLUÇÃO Dispõe sobre a atividade de corretagem de resseguros, e dá outras providências. A SUPERINTENDÊNCIA DE SEGUROS PRIVADOS - SUSEP, no uso da atribuição que lhe confere o art. 34, inciso

Leia mais

Parágrafo único. O serviço voluntário não gera vínculo empregatício, nem obrigação de natureza trabalhista, previdenciária ou afim.

Parágrafo único. O serviço voluntário não gera vínculo empregatício, nem obrigação de natureza trabalhista, previdenciária ou afim. LEI DO SERVIÇO VOLUNTÁRIO Lei n 9.608, de 18 de fevereiro de 1998 Dispõe sobre o serviço voluntário e dá outras providências Art. 1 Considera-se serviço voluntário, para fins desta Lei, a atividade não

Leia mais

Sentença em 04/12/2012 - PC Nº 29491 Bel. José Góes Silva Filho PROCESSO Nº 294-91.2012.6.05.0096

Sentença em 04/12/2012 - PC Nº 29491 Bel. José Góes Silva Filho PROCESSO Nº 294-91.2012.6.05.0096 JOSÉ BENEDITO CUSTÓDIO PACHECO Sentença em 04/12/2012 - PC Nº 29491 Bel. José Góes Silva Filho PROCESSO Nº 294-91.2012.6.05.0096 Prestação de Contas de Campanha - Eleições 2012 Candidato(a): JOSÉ BENEDITO

Leia mais

Instrução Normativa RFB nº 1.311, de 31 de dezembro de 2012

Instrução Normativa RFB nº 1.311, de 31 de dezembro de 2012 Instrução Normativa RFB nº 1.311, de 31 de dezembro de 2012 DOU de 31.12.2012 Altera a Instrução Normativa RFB nº 1.131, de 21 de fevereiro de 2011, que dispõe sobre os procedimentos a serem adotados para

Leia mais

LEI Nº 15.853 DE 11 DE OUTUBRO DE 2011.

LEI Nº 15.853 DE 11 DE OUTUBRO DE 2011. LEI Nº 15.853 DE 11 DE OUTUBRO DE 2011. 1 Dispõe sobre a criação do Conselho Municipal de Economia Solidária e o Fundo Municipal de Fomento à Economia Solidária e dá outras providências. O Prefeito Municipal

Leia mais

EXCELENTÍSSIMO SENHOR PRESIDENTE DO EGRÉGIO CONSELHO FEDERAL DA ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL

EXCELENTÍSSIMO SENHOR PRESIDENTE DO EGRÉGIO CONSELHO FEDERAL DA ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL EXCELENTÍSSIMO SENHOR PRESIDENTE DO EGRÉGIO CONSELHO FEDERAL DA ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL ALDEMARIO ARAUJO CASTRO, Conselheiro Federal pela Seccional do Distrito Federal, vem perante Vossa Excelência

Leia mais

CONDUTAS VEDADAS EM ANO ELEITORAL E FINAL DE MANDATO MUNICIPAL Palestrante: Marcos Fey Probst

CONDUTAS VEDADAS EM ANO ELEITORAL E FINAL DE MANDATO MUNICIPAL Palestrante: Marcos Fey Probst CONDUTAS VEDADAS EM ANO ELEITORAL E FINAL DE MANDATO MUNICIPAL Palestrante: Marcos Fey Probst Promoção: Execução: Condutas vedadas em ano eleitoral Promoção Execução Condutas Vedadas em ano eleitoral Art.

Leia mais

TOMADA DE CONTAS ESPECIAL

TOMADA DE CONTAS ESPECIAL TOMADA DE CONTAS ESPECIAL COMPARATIVO ENTRE A IN TCU Nº 13/1996 E A IN TCU Nº 56/2007 IN TCU Nº 13/1996 IN TCU Nº 56/2007 Art. 1º Diante da omissão no dever de prestar contas, da não comprovação da Aplicação

Leia mais

CIRCULAR N. 003433 CIRCULAR 3.433 --------------

CIRCULAR N. 003433 CIRCULAR 3.433 -------------- CIRCULAR N. 003433 CIRCULAR 3.433 -------------- Dispõe sobre concessão de autorização para funcionamento, transferência de controle societário, cisão, fusão, incorporação, prática de outros atos societários

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO SECRETARIA DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO SECRETARIA DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO SECRETARIA DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS Vitória, 16 de outubro de 2015. EDITAL 5/2015/SRI A Secretaria de Relações Internacionais (SRI) da Universidade Federal do Espírito

Leia mais

CONSELHO MUNICIPAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE DE ANÁPOLIS-CMDCA

CONSELHO MUNICIPAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE DE ANÁPOLIS-CMDCA CONSELHO MUNICIPAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE DE ANÁPOLIS-CMDCA RESOLUÇÃO Nº. 007/11, de 29 DE NOVEMBRO DE 2011. Dispõe sobre a Captação de Recursos através do Fundo da Infância e Adolescência

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI Nº 12.690, DE 19 DE JULHO DE 2012. Mensagem de veto Dispõe sobre a organização e o funcionamento das Cooperativas de Trabalho;

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE BARRA DO CHOÇA ESTADO DA BAHIA

PREFEITURA MUNICIPAL DE BARRA DO CHOÇA ESTADO DA BAHIA LEI Nº 272, DE 06 DE JUNHO DE 2014. Dispõe sobre a criação do Conselho Comunitário de Segurança Pública e Entidades Afins do Município de Barra do Choça e dá outras Providências. O PREFEITO MUNICIPAL DE

Leia mais

5Recurso Eleitoral n. 153-81.2012.6.13.0021 Zona Eleitoral: Recorrentes:

5Recurso Eleitoral n. 153-81.2012.6.13.0021 Zona Eleitoral: Recorrentes: 5Recurso Eleitoral n. 153-81.2012.6.13.0021 Zona Eleitoral: 21ª, de Bambuí Recorrentes: Ministério Público Eleitoral Coligação Todos Juntos por Bambuí Recorrido: Lelis Jorge da Silva Relatora: Juíza Alice

Leia mais

REQUERIMENTO Nº 139/2013

REQUERIMENTO Nº 139/2013 CÂMARA MUNICIPAL DE ESTEIO GABINETE DO VEREADOR LEONARDO PASCOAL RUA 24 DE AGOSTO, 535, CENTRO, SALA 06 3º ANDAR CEP: 93280-000 - ESTEIO - RS TELEFONE (51) 3458-5015 - FAX (51) 3458-3366 E-MAIL: contato@leonardopascoal.com.br

Leia mais

Pesquisas Eleitorais Res. TSE nº 23.453/15 Lei nº 12.891/2013.

Pesquisas Eleitorais Res. TSE nº 23.453/15 Lei nº 12.891/2013. Pesquisas Eleitorais Res. TSE nº 23.453/15 Lei nº 12.891/2013. PESQUISAS E TESTES PRÉ-ELEITORAIS Duas regras básicas: 1º) para conhecimento pessoal ou uso interno, pode ser feita de forma livre e informal;

Leia mais

Aposentadorias por Tempo de Contribuição e por Idade do. Segurado com Deficiência

Aposentadorias por Tempo de Contribuição e por Idade do. Segurado com Deficiência Art. 70-A. A concessão da aposentadoria por tempo de contribuição ou por idade ao segurado que tenha reconhecido, em avaliação médica e funcional realizada por perícia própria do INSS, grau de deficiência

Leia mais

Ano 2010, Número 043 Brasília, quinta-feira, 4 de março de 2010

Ano 2010, Número 043 Brasília, quinta-feira, 4 de março de 2010 Ano 2010, Número 043 Brasília, quinta-feira, 4 de março de 2010 Página 66 AYRES BRITTO, PRESIDENTE- ARNALDO VERSIANI, RELATOR RICARDO LEWANDOWSKI CÁRMEN LÚCIA- FELIX FISCHER- MARCELO RIBEIRO. PUBLICAÇÃO

Leia mais

Dispõe sobre a Declaração de Débitos e Créditos Tributários Federais (DCTF).

Dispõe sobre a Declaração de Débitos e Créditos Tributários Federais (DCTF). INSTRUÇÃO NORMATIVA SRF Nº 974, DE 27 DE NOVEMBRO DE 2009 Dispõe sobre a Declaração de Débitos e Créditos Tributários Federais (DCTF). O SECRETÁRIO DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL, no uso das atribuições

Leia mais

Instrução Normativa nº 1, de 30 de dezembro de 2010 (Pág. 46) Estabelece procedimentos relativos à certificação de entidades beneficentes de

Instrução Normativa nº 1, de 30 de dezembro de 2010 (Pág. 46) Estabelece procedimentos relativos à certificação de entidades beneficentes de Instrução Normativa nº 1, de 30 de dezembro de 2010 (Pág. 46) Estabelece procedimentos relativos à certificação de entidades beneficentes de assistência social, no âmbito do Ministério do Desenvolvimento

Leia mais

PROJETO DE LEI CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS

PROJETO DE LEI CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS PROJETO DE LEI Dispõe sobre a responsabilização administrativa e civil de pessoas jurídicas pela prática de atos contra a administração pública, nacional ou estrangeira, e dá outras providências. O CONGRESSO

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº CLASSE 19 BRASÍLIA DISTRITO FEDERAL

RESOLUÇÃO Nº CLASSE 19 BRASÍLIA DISTRITO FEDERAL RESOLUÇÃO Nº INSTRUÇÃO Nº CLASSE 19 BRASÍLIA DISTRITO FEDERAL Relator: Ministro Gilmar Mendes Interessado: Tribunal Superior Eleitoral Dispõe sobre pesquisas eleitorais para as eleições de 2016. O Tribunal

Leia mais

Miguel Ângelo Salles Manente

Miguel Ângelo Salles Manente A Responsabilização Objetiva Administrativa de Pessoas Jurídicas pela Prática de Atos contra a Administração Pública, Nacional ou Estrangeira (Lei nº 12.846, de 1º de agosto de 2013) Miguel Ângelo Salles

Leia mais

Art. 1º - Fica aprovado o Regimento Interno da Central do Sistema de Controle Interno, anexo ao presente Decreto.

Art. 1º - Fica aprovado o Regimento Interno da Central do Sistema de Controle Interno, anexo ao presente Decreto. DECRETO N.º 961/08 De 01 de julho de 2008. APROVA O REGIMENTO INTERNO DA CENTRAL DO SISTEMA DE CONTROLE INTERNO, E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. A PREFEITA MUNICIPAL DE VALE DO SOL, no uso de suas atribuições

Leia mais

REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL LEI Nº 11.300, DE 10 DE MAIO DE 2006 Dispõe sobre propaganda, financiamento e prestação de contas das despesas com campanhas eleitorais, alterando a Lei n o 9.504, de 30

Leia mais

Art. 2 o O Programa do Seguro Desemprego tem por finalidade:

Art. 2 o O Programa do Seguro Desemprego tem por finalidade: LEI N o 7.998, DE 11 DE JANEIRO DE 1990 Regula o Programa do Seguro Desemprego, o Abono Salarial, institui o Fundo de Amparo ao Trabalhador FAT, e dá outras providências. c Publicada no DOU de 12-1-1990.

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DO AMAZONAS

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DO AMAZONAS ACÓRDÃO N. 14 AUTOS DE RECURSO ELEITORAL EM PRESTAÇÃO DE CONTAS PROCESSO N.: 544-82.2012.6.04.0022 CLASSE 25 22' ZONA ELEITORAL - SÃO PAULO DE OLIVENÇA - AM PROTOCOLO: 64501/2012 RECORRENTE(S): MINISTÉRIO

Leia mais

REPUBLICADA POR ERRO MATERIAL INSTRUÇÃO NORMATIVA N. 28/TCE/RO-2012

REPUBLICADA POR ERRO MATERIAL INSTRUÇÃO NORMATIVA N. 28/TCE/RO-2012 REPUBLICADA POR ERRO MATERIAL INSTRUÇÃO NORMATIVA N. 28/TCE/RO-2012 Regulamenta a remessa das Declarações de Bens e Rendas dos agentes públicos, prevista nas Leis Federais n. 8.730, de 10 de novembro de

Leia mais

CIRCULAR Nº 3.461. 1º As políticas de que trata o caput devem: VI - receber ampla divulgação interna.

CIRCULAR Nº 3.461. 1º As políticas de que trata o caput devem: VI - receber ampla divulgação interna. CIRCULAR Nº 3.461 Consolida as regras sobre os procedimentos a serem adotados na prevenção e combate às atividades relacionadas com os crimes previstos na Lei nº 9.613, de 3 de março de 1998. A Diretoria

Leia mais

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO TRIUNFO DE DEUS. CAPÍTULO I Da Denominação, Natureza Jurídica, Sede e Regime a que se submete.

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO TRIUNFO DE DEUS. CAPÍTULO I Da Denominação, Natureza Jurídica, Sede e Regime a que se submete. ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO TRIUNFO DE DEUS CAPÍTULO I Da Denominação, Natureza Jurídica, Sede e Regime a que se submete. Artigo 1º - A ASSOCIAÇÃO TRIUNFO DE DEUS, doravante, neste estatuto, denominada pelo

Leia mais

TJD - Santa Catarina. II que ao TJD/SC competirá nomear os membros indicados pelas entidades conveniadas,ou designar e nomear tais membros;

TJD - Santa Catarina. II que ao TJD/SC competirá nomear os membros indicados pelas entidades conveniadas,ou designar e nomear tais membros; Fundamento Legal RESOLUÇÃO N 02/CED/2007 O Presidente do Conselho Estadual de Desportos, no uso de suas atribuições regimentais e de acordo com as deliberações da plenária do CED de 9 de julho de 2007,

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE CERTIFICAÇÃO DE CURSOS BÁSICOS DE ESPORTES DE MONTANHA CAPÍTULO I DO OBJETIVO

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE CERTIFICAÇÃO DE CURSOS BÁSICOS DE ESPORTES DE MONTANHA CAPÍTULO I DO OBJETIVO REGULAMENTO DO PROGRAMA DE CERTIFICAÇÃO DE CURSOS BÁSICOS DE ESPORTES DE MONTANHA CAPÍTULO I DO OBJETIVO Art. 1. Este Regulamento de Comportamento Ético tem por objetivo estabelecer normas e condições

Leia mais

A implementação da Lei Anticorrupção no Brasil

A implementação da Lei Anticorrupção no Brasil A implementação da Lei Anticorrupção no Brasil Ricardo Villas Bôas Cueva Ministro do Superior Tribunal de Justiça Encontro Brasil-Reino Unido: Gestão e Imagem da Justiça Superior Tribunal de Justiça, 18

Leia mais

5 Resultados da pesquisa Análise e tratamento jurisprudencial da prestação de contas

5 Resultados da pesquisa Análise e tratamento jurisprudencial da prestação de contas 5 Resultados da pesquisa Análise e tratamento jurisprudencial da prestação de contas A questão que norteou a presente pesquisa é alusiva à análise da efetividade da atuação da Justiça Eleitoral, na fiscalização

Leia mais

Resolução TSE n. 23.404 (27-02-2014) Capítulo VII artigos 33 a 48

Resolução TSE n. 23.404 (27-02-2014) Capítulo VII artigos 33 a 48 HORÁRIO ELEITORAL 2014 RESOLUÇÃO TSE 23404 Resolução TSE n. 23.404 (27-02-2014) Capítulo VII artigos 33 a 48 Capítulo VII Da Propaganda Eleitoral Gratuita no Rádio e na Televisão Art. 33 A propaganda eleitoral

Leia mais

Redação Original Alteração Proposta Justificativa

Redação Original Alteração Proposta Justificativa QUADRO COMPARATIVO DAS ALTERAÇÕES DO ESTAUTO SOCIAL DO CNBPREV FUNDO DE PREVIDÊNCIA DOS CARTÓRIOS Novembro/2013 Redação Original Alteração Proposta Justificativa Estatuto Social CNBPrev Fundo de Previdência

Leia mais

DECRETO Nº 15.114,DE 8 DE JANEIRO DE 2013 CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS

DECRETO Nº 15.114,DE 8 DE JANEIRO DE 2013 CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS DECRETO Nº 15.114,DE 8 DE JANEIRO DE 2013 Disciplina a celebração de convênios e operações de crédito com previsão de ingresso de recursos financeiros que beneficiem órgãos e entidades da Administração

Leia mais

DEFESAS E RECURSOS PERANTE O TRIBUNAL DE CONTAS DO PARANÁ. Autor: Sidnei Di Bacco/Advogado

DEFESAS E RECURSOS PERANTE O TRIBUNAL DE CONTAS DO PARANÁ. Autor: Sidnei Di Bacco/Advogado DEFESAS E RECURSOS PERANTE O TRIBUNAL DE CONTAS DO PARANÁ Autor: Sidnei Di Bacco/Advogado CONTRADITÓRIO E DEFESA PROCESSO VOLUNTÁRIO Ausência de partes: existem somente o interessado (responsável pela

Leia mais