Minuta de Contrato Administrativo n. ***/2013 CLÁUSULA PRIMEIRA - DO OBJETO:

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Minuta de Contrato Administrativo n. ***/2013 CLÁUSULA PRIMEIRA - DO OBJETO:"

Transcrição

1 Minuta de Contrato Administrativo n. ***/2013 Compromisso celebrado entre [nome da CONTRATANTE], localizada à [inserir endereço completo], inscrita no [caso Administração indireta inserir número do CNPJ], neste ato representada por Senhor (a) [inserir nome completo], residente à [inserir endereço completo], portador da carteira de identidade nº [inserir número], expedida pelo [inserir nome do Órgão expedidor/unidade da federação], inscrito no CPF sob o nº [inserir número], residente e domiciliado [inserir endereço completo], doravante denominada CONTRATANTE, e, de outro lado à empresa [nome da CONTRATADA], localizada à [inserir endereço completo], inscrita no CNPJ sob nº [inserir número do CNPJ], neste ato representada por Senhor (a)[inserir nome completo], residente à [inserir endereço completo], portador da carteira de identidade nº [inserir número], expedida pelo [inserir nome do órgão expedidor/unidade da federação], inscrito no CPF sob o nº [inserir número], residente e domiciliado [inserir endereço completo], doravante denominada CONTRATADA, em conformidade com o que consta do Processo Licitatório n /2013, com fundamento nos Capítulos III ao V, da Lei Federal n /93, e demais legislações correlatas, celebram o presente Contrato Administrativo, fazendo parte deste, independentemente de transcrição o Edital, a Ata de Registro de Preços, as Especificações técnicas e a Proposta de Preços apresentados pela CONTRATADA, mediante as Cláusulas e condições seguintes: CLÁUSULA PRIMEIRA - DO OBJETO: 1.1. CONTRATAÇÃO DE EMPRESA ESPECIALIZADA NA PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE GOVERNANÇA EM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO. CLÁUSULA SEGUNDA DAS ESPECIFICAÇÕES E QUANTIDADES 2.2. As modalidades de serviços de comunicação foram caracterizadas em função de parâmetros técnicos, forma de interligação de cada unidade remota, das características dos serviços (aplicações) que poderão ser utilizados pelos órgãos do governo, e ainda, em função da tecnologia de transmissão adotada. As modalidades de serviços de comunicação são: LOTE I - SERVIÇOS ESPECIALIZADOS EM GOVERNANÇA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO TIC: I - Serviços Especializados de Reorganização de Processos de Tecnologia da Informação e Comunicação - TIC II - Serviços Especializados para Elaboração do Direcionamento Estratégico da Arquitetura de Tecnologia da Informação e Comunicação TIC III - Serviços Especializados para a Estruturação da Arquitetura Corporativa da Tecnologia da Informação e Comunicação TIC IV - Serviços Especializados para a construção da Arquitetura Corporativa de Tecnologia da Informação e Comunicação TIC V - Serviços Especializados de avaliação e diagnóstico do gerenciamento da área de Tecnologia da Informação e Comunicação TIC VI - Serviços Especializados para Elaboração e Implementação de Indicadores para controle da Governança de TIC VII - Serviços Especializados para Estruturação do escritório de projetos de TIC LOTE 02- SERVIÇOS ESPECIALIZADOS EM TECNOLOGIAS DE REDES DE DADOS E TELECOMUNICAÇÕES; I - Serviços Especializados de Análise e Planejamento para Evolução Tecnológica de Redes II - Serviços Especializados de Análise de Desempenho de Redes, Serviços e Aplicações fim-a-fim III - Serviços Especializados de Planejamento, Projeto e Suporte para Aquisição, Implantação, Aceitação e Operação de Rede de Comunicação de Dados IV - Serviços Especializados de Suporte para Migração IPv Fazem parte deste contrato, os seguintes documentos, cujo inteiro teor as partes declaram ter pleno conhecimento: a) Edital; b) Especificação técnica Termo de Referência; c) Proposta de Preços Detalhada e demais documentos apresentados pela CONTRATADA; D) Anexo Único Composição para determinar o preço de cada serviço. COMPOSIÇÃO PARA DETERMINAR O PREÇO DE CADA SERVIÇO 2.4. Os documentos supracitados são considerados suficientes para, em complemento a este contrato definir a sua intenção e, desta forma, reger a execução adequada do objeto contratado dentro dos mais altos padrões da técnica atual.

2 2.5. Em caso de dúvidas da CONTRATADA, na execução deste contrato, estas devem ser dirimidas pela CONTRATANTE, de modo a atender às especificações apresentadas como condições essenciais a serem satisfeitas A partir da assinatura deste contrato, a este passam a ser aplicáveis todos os termos de aditamento que vierem a ser celebrados, e que importem em alteração de qualquer condição contratual, desde que sejam assinados por representantes legais das partes, observados os limites e as formalidades legais que juntamente com a Proposta de Preço da Contratada, passam a integrá-lo independente de transcrição Os preços para os serviços contratados são os constantes da proposta apresentada no Pregão, conforme discriminação abaixo: LOTE I - SERVIÇOS DE DIRECIONAMENTO ESTRATÉGICO EM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO; Item DESCRIÇÃO DO SERVIÇOS/ PORTE Qtd. Valor itário Valor total I - SERVIÇOS ESPECIALIZADOS DE REORGANIZAÇÃO DE PROCESSOS DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO TIC: PORTE I - ( aprovado pela DGTI - setembro/2013) A) planejamento do projeto a.1)elaboração de plano de projeto e cronograma de execução b) modelagem dos processos atuais (AS IS) b.1) conjunto de documentos com a modelagem dos processos atuais e respectivas desconexões; b.2)relatório com o resultado das reuniões de levantamento dos processos. C) remodelagem dos processos (TO BE) c.1) elaboração dos fluxos de atividades dos processos c.2) definição de indicadores das atividades chaves do processo; c.3) definição do relacionamento e interfaces com outros processos; c.4) elaboração da matriz de responsabilidade, com respectivos papéis e responsáveis pelo processo; c.5) elaboração de procedimentos das atividades dos processos; c.6) elaboração da árvore de processos. c.7) documentação com o desenho dos processos modelados, de acordo os itens c.8) definidos para a modelagem; c.9) relatório com os procedimentos das atividades dos processos; c.10) caderno com as métricas dos indicadores. d) capacitação nos processos modelados (TO BE) d.1) material de treinamento; d.2) avaliação do treinamento; d.3) realização do treinamento. e) encerramento e.1) relatório final do projeto, contendo as informações do histórico da execução do projeto; e.2) workshop de entrega dos resultados. (cod siag ) SERVIÇOS ESPECIALIZADOS DE REORGANIZAÇÃO DE PROCESSOS DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO: TIC : PORTE II - ( aprovado pela DGTI - setembro/2013) a) planejamento do projeto a.1)elaboração de plano de projeto e cronograma de execução b) modelagem dos processos atuais (AS IS) b.1) conjunto de documentos com a modelagem dos processos atuais e respectivas desconexões; b.2)relatório com o resultado das reuniões de levantamento dos processos. c) remodelagem dos processos (TO BE) c.1) elaboração dos fluxos de atividades dos processos c.2) definição de indicadores das atividades chaves do processo; c.3) definição do relacionamento e interfaces com outros processos; c.4) elaboração da matriz de responsabilidade, com respectivos papéis e responsáveis pelo processo; c.5) elaboração de procedimentos das atividades dos processos; c.6) elaboração da árvore de processos. c.7) documentação com o desenho dos processos modelados, de acordo os itens c.8) definidos para a modelagem; c.9) relatório com os procedimentos das atividades dos processos; c.10) caderno com as métricas dos indicadores. d) capacitação nos processos modelados (to be) d.1) material de treinamento; d.2) avaliação do treinamento; d.3) realização do treinamento. e) encerramento e.1) relatório final do projeto, contendo as informações do histórico da execução do projeto; e.2) workshop de entrega dos resultados. (COD SIAG ) SERVIÇOS ESPECIALIZADOS DE REORGANIZAÇÃO DE PROCESSOS DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO TIC : PORTE III - ( aprovado pela DGTI - setembro/2013) a) planejamento do projeto a.1)elaboração de plano de projeto e cronograma de execução b) modelagem dos processos atuais (AS IS) b.1) conjunto de documentos com a modelagem dos processos atuais e respectivas desconexões; b.2)relatório com o resultado das reuniões de levantamento dos processos. c) remodelagem dos processos (to be) c.1) elaboração dos fluxos de atividades dos processos c.2) definição de indicadores das atividades chaves do processo; c.3) definição do relacionamento e interfaces com outros processos; c.4) elaboração da matriz de responsabilidade, com respectivos papéis e responsáveis pelo processo; c.5) elaboração de procedimentos das atividades dos processos; c.6) elaboração da árvore de processos. c.7) documentação com o desenho dos processos modelados, de acordo os itens c.8) definidos para a modelagem; c.9) relatório com os procedimentos das atividades dos processos; c.10) caderno com as métricas dos indicadores. d) capacitação nos processos modelados (to be) d.1) material de treinamento; d.2) avaliação do treinamento; d.3) realização do treinamento. e) encerramento e.1) relatório final do projeto, contendo as informações do histórico da execução do projeto; e.2) workshop de entrega dos resultados.(cod SIAG ) SERVIÇOS ESPECIALIZADOS PARA ELABORAÇÃO DO DIRECIONAMENTO ESTRATÉGICO DA ARQUITETURA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO TIC : PORTE I - ( aprovado pela DGTI - setembro/2013) a) planejamento do projeto a.1) plano de projeto e cronograma de execução b) levantamento da situação atual b.1) levantar a arquitetura de aplicações existente. b.2) levantar a arquitetura de dados existente. b.3) levantar a infraestrutura tecnológica existente. b.4) avaliação de gestão de TIC. b.5) relatório da situação atual da TIC do órgão; b.6)relatório da avaliação da gestão da TIC do órgão. c) planejamento estratégico c.1) estudo das diretrizes estratégicas fornecidas pelo Órgão; c.2) levantar informações com a alta direção para realizar o alinhamento dos objetivos de TIC com o modelo de negócio do órgão; c.3) levantar normas, padrões e regulamentos aplicáveis; c.4) definir objetivos e diretrizes estratégias de TIC, alinhados à estratégia do Órgão c.5) relatório com a visão estratégica da TIC d) analisar lacunas e oportunidades de melhorias d.1) diagnóstico da arquitetura de aplicações existente; d.2) diagnóstico da arquitetura de dados existente; d.3) diagnóstico da arquitetura de infraestrutura tecnológica existente; d.4) diagnóstico da gestão de TIC. d.5) relatório de diagnóstico da arquitetura de tic do órgão; d.6) relatório de diagnóstico da gestão de TIC do órgão. e) planejamento tático e.1) propor um direcionamento estratégico para arquitetura de dados; e.2) propor um direcionamento estratégico para arquitetura de aplicações; e.3) propor um direcionamento estratégico para infraestrutura tecnológica; e.4) propor um direcionamento estratégico para gestão de TIC; e.5) propor um direcionamento estratégico para a composição de quadro de pessoal e dos processos que suportam a execução das rotinas de ti. e.6) propor um direcionamento estratégico para a interoperabilidade de TIC e.7) relatório de direcionamento estratégico da arquitetura de tecnologia da informação e comunicação

3 TIC f) planejamento operacional f.1) elaborar plano de ações para a implementação, divulgação e acompanhamento das mudanças necessárias para a transição do cenário atual para o cenário proposto pelo direcionamento estratégico da arquitetura de tecnologia da informação e comunicação TIC; f.2) elaborar plano de mudança, levando em consideração estratégias de divulgação, perfis profissionais adequados à área de TIC. f.3) relatório do planejamento operacional com respectivos projetos. g) encerramento g.1) relatório final do projeto, contendo as informações do histórico da execução do projeto; g.2) workshop de entrega dos resultados. (COD SIAG ) SERVIÇOS ESPECIALIZADOS PARA ELABORAÇÃO DO DIRECIONAMENTO ESTRATÉGICO DA ARQUITETURA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO TIC : PORTE II - ( aprovado pela DGTI - setembro/2013) a) planejamento do projeto a.1) plano de projeto e cronograma de execução b) levantamento da situação atual b.1) levantar a arquitetura de aplicações existente. b.2) levantar a arquitetura de dados existente. b.3) levantar a infraestrutura tecnológica existente. b.4) avaliação de gestão de TIC. b.5) relatório da situação atual da TIC do Órgão; b.6)relatório da avaliação da gestão da TIC do órgão. c) planejamento estratégico c.1) estudo das diretrizes estratégicas fornecidas pelo órgão; c.2) levantar informações com a alta direção para realizar o alinhamento dos objetivos de TIC com o modelo de negócio do órgão; c.3) levantar normas, padrões e regulamentos aplicáveis; c.4) definir objetivos e diretrizes estratégias de TIC, alinhados à estratégia do órgão c.5) relatório com a visão estratégica da TIC d) analisar lacunas e oportunidades de melhorias d.1) diagnóstico da arquitetura de aplicações existente; d.2) diagnóstico da arquitetura de dados existente; d.3) diagnóstico da arquitetura de infraestrutura tecnológica existente; d.4) diagnóstico da gestão de TIC. d.5) relatório de diagnóstico da arquitetura de tic do órgão; d.6) relatório de diagnóstico da gestão de TIC do órgão. e) planejamento tático e.1) propor um direcionamento estratégico para arquitetura de dados; e.2) propor um direcionamento estratégico para arquitetura de aplicações; e.3) propor um direcionamento estratégico para infraestrutura tecnológica; e.4) propor um direcionamento estratégico para gestão de TIC; e.5) propor um direcionamento estratégico para a composição de quadro de pessoal e dos processos que suportam a execução das rotinas de ti. e.6) propor um direcionamento estratégico para a interoperabilidade de TIC e.7) relatório de direcionamento estratégico da arquitetura de tecnologia da informação e comunicação? TIC f) planejamento operacional f.1) elaborar plano de ações para a implementação, divulgação e acompanhamento das mudanças necessárias para a transição do cenário atual para o cenário proposto pelo direcionamento estratégico da arquitetura de tecnologia da informação e comunicação? TIC; f.2) elaborar plano de mudança, levando em consideração estratégias de divulgação, perfis profissionais adequados à área de tic. f.3) relatório do planejamento operacional com respectivos projetos. g) encerramento g.1) relatório final do projeto, contendo as informações do histórico da execução do projeto; g.2) workshop de entrega dos resultados. (COD SIAG ) SERVIÇOS ESPECIALIZADOS PARA ELABORAÇÃO DO DIRECIONAMENTO ESTRATÉGICO DA ARQUITETURA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO TIC : PORTE III - ( aprovado pela DGTI - setembro/2013) a) planejamento do projeto a.1) plano de projeto e cronograma de execução b) levantamento da situação atual b.1) levantar a arquitetura de aplicações existente. b.2) levantar a arquitetura de dados existente. b.3) levantar a infraestrutura tecnológica existente. b.4) avaliação de gestão de TIC. b.5) relatório da situação atual da tic do órgão; b.6)relatório da avaliação da gestão da TIC do órgão. c) planejamento estratégico c.1) estudo das diretrizes estratégicas fornecidas pelo órgão; c.2) levantar informações com a alta direção para realizar o alinhamento dos objetivos de TIC com o modelo de negócio do órgão; c.3) levantar normas, padrões e regulamentos aplicáveis; c.4) definir objetivos e diretrizes estratégias de TIC, alinhados à estratégia do órgão c.5) relatório com a visão estratégica da TIC d) analisar lacunas e oportunidades de melhorias d.1) diagnóstico da arquitetura de aplicações existente; d.2) diagnóstico da arquitetura de dados existente; d.3) diagnóstico da arquitetura de infraestrutura tecnológica existente; d.4) diagnóstico da gestão de TIC. d.5) relatório de diagnóstico da arquitetura de tic do órgão; d.6) relatório de diagnóstico da gestão de TIC do Órgão. e) planejamento tático e.1) propor um direcionamento estratégico para arquitetura de dados; e.2) propor um direcionamento estratégico para arquitetura de aplicações; e.3) propor um direcionamento estratégico para infraestrutura tecnológica; e.4) propor um direcionamento estratégico para gestão de TIC; e.5) propor um direcionamento estratégico para a composição de quadro de pessoal e dos processos que suportam a execução das rotinas de ti. e.6) propor um direcionamento estratégico para a interoperabilidade de TIC e.7) relatório de direcionamento estratégico da arquitetura de tecnologia da informação e comunicação? tic f) planejamento operacional f.1) elaborar plano de ações para a implementação, divulgação e acompanhamento das mudanças necessárias para a transição do cenário atual para o cenário proposto pelo direcionamento estratégico da arquitetura de tecnologia da informação e comunicação? TIC; f.2) elaborar plano de mudança, levando em consideração estratégias de divulgação, perfis profissionais adequados à área de TIC. f.3) relatório do planejamento operacional com respectivos projetos. g) encerramento g.1) relatório final do projeto, contendo as informações do histórico da execução do projeto; g.2) workshop de entrega dos resultados.(cod SIAG ) SERVIÇOS ESPECIALIZADOS PARA A ESTRUTURAÇÃO DA ARQUITETURA CORPORATIVA DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO TIC: PORTE I - ( aprovado pela DGTI - setembro/2013): a) planejamento do projeto a.1) plano de projeto e cronograma de execução b) levantamento dos ativos de arquitetura existentes no órgão b.1) definição do modelo de governança de arquitetura corporativa de TIC; b.2) definir como a arquitetura corporativa de TIC será gerenciada e controlada. b.3) relatório com modelo conceitual de repositório e ativos de arquitetura existentes; b.4) relatório com modelo conceitual de governança da arquitetura corporativa de TIC, descrevendo estrutura organizacional, processos e indicadores de desempenho operacionais. c) planejamento do ciclo de evolução da arquitetura corporativa de TIC c.1) plano do ciclo da arquitetura corporativa de TIC. d) encerramento d.1) relatório final do projeto, contendo as informações do histórico da execução do projeto; d.2) workshop de entrega dos resultados.(cod SIAG ) SERVIÇOS ESPECIALIZADOS PARA A ESTRUTURAÇÃO DA ARQUITETURA CORPORATIVA DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO TIC: PORTE II - ( aprovado pela DGTI - setembro/2013): a) planejamento do projeto a.1) plano de projeto e cronograma de execução b) levantamento dos ativos de arquitetura existentes no órgão b.1) definição do modelo de governança de arquitetura corporativa de TIC; b.2) definir como a arquitetura corporativa de TIC será gerenciada e controlada. b.3) relatório com modelo conceitual de repositório e ativos de arquitetura existentes; b.4) relatório com modelo conceitual

4 de governança da arquitetura corporativa de TIC, descrevendo estrutura organizacional, processos e indicadores de desempenho operacionais. c) planejamento do ciclo de evolução da arquitetura corporativa de TIC c.1) plano do ciclo da arquitetura corporativa de TIC. d) encerramento d.1) relatório final do projeto, contendo as informações do histórico da execução do projeto; d.2) workshop de entrega dos resultados.(cod SIAG ) SERVIÇOS ESPECIALIZADOS PARA A ESTRUTURAÇÃO DA ARQUITETURA CORPORATIVA DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO TIC: PORTE III - ( aprovado pela DGTI - setembro/2013): a) planejamento do projeto a.1) plano de projeto e cronograma de execução b) levantamento dos ativos de arquitetura existentes no órgão b.1) definição do modelo de governança de arquitetura corporativa de TIC; b.2) definir como a arquitetura corporativa de TIC será gerenciada e controlada. b.3) relatório com modelo conceitual de repositório e ativos de arquitetura existentes; b.4) relatório com modelo conceitual de governança da arquitetura corporativa de TIC, descrevendo estrutura organizacional, processos e indicadores de desempenho operacionais. c) planejamento do ciclo de evolução da arquitetura corporativa de TIC c.1) plano do ciclo da arquitetura corporativa de TIC. d) encerramento d.1) relatório final do projeto, contendo as informações do histórico da execução do projeto; d.2) workshop de entrega dos resultados. (COD SIAG ) SERVIÇOS ESPECIALIZADOS PARA A CONSTRUÇÃO DA ARQUITETURA CORPORATIVA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO TIC: PORTE I - ( aprovado pela DGTI - setembro/2013) a) definição do escopo e planejamento do projeto a.1) plano de projeto contendo o escopo, cronograma de execução b) levantamento da situação atual da arquitetura corporativa de TIC b.1) relatório com modelo de repositório e ativos de arquitetura corporativa de TIC existentes. c) elaborar planos de ação para adequar a arquitetura corporativa de TIC c.1) relatório com resultados das ações realizadas, contendo os artefatos que foram elaborados d) elaborar plano de evolução da arquitetura corporativa de TIC d.1) relatório com recomendações de ações a serem realizadas num próximo ciclo da arquitetura corporativa TIC. e) encerramento e.1) relatório final do projeto, contendo as informações do histórico da execução do projeto; e.2) workshop de entrega dos resultados.(cod SIAG ) SERVIÇOS ESPECIALIZADOS PARA A CONSTRUÇÃO DA ARQUITETURA CORPORATIVA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO TIC: PORTE II - ( aprovado pela DGTI - setembro/2013) a) definição do escopo e planejamento do projeto a.1) plano de projeto contendo o escopo, cronograma de execução b) levantamento da situação atual da arquitetura corporativa de TIC b.1) relatório com modelo de repositório e ativos de arquitetura corporativa de TIC existentes. c) elaborar planos de ação para adequar a arquitetura corporativa de TIC c.1) relatório com resultados das ações realizadas, contendo os artefatos que foram elaborados d) elaborar plano de evolução da arquitetura corporativa de TIC d.1) relatório com recomendações de ações a serem realizadas num próximo ciclo da arquitetura corporativa TIC. e) encerramento e.1) relatório final do projeto, contendo as informações do histórico da execução do projeto; e.2) workshop de entrega dos resultados. (COD SIAG ) SERVIÇOS ESPECIALIZADOS PARA A CONSTRUÇÃO DA ARQUITETURA CORPORATIVA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO TIC: PORTE III - ( aprovado pela DGTI - setembro/2013) a) definição do escopo e planejamento do projeto a.1) plano de projeto contendo o escopo, cronograma de execução b) levantamento da situação atual da arquitetura corporativa de TIC b.1) relatório com modelo de repositório e ativos de arquitetura corporativa de TIC existentes. c) elaborar planos de ação para adequar a arquitetura corporativa de TIC c.1) relatório com resultados das ações realizadas, contendo os artefatos que foram elaborados d) elaborar plano de evolução da arquitetura corporativa de TIC d.1) relatório com recomendações de ações a serem realizadas num próximo ciclo da arquitetura corporativa TIC. e) encerramento e.1) relatório final do projeto, contendo as informações do histórico da execução do projeto; e.2) workshop de entrega dos resultados. (COD SIAG ) SERVIÇOS ESPECIALIZADOS DE AVALIAÇÃO E DIAGNÓSTICO DO GERENCIAMENTO DA ÁREA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO TIC: PORTE I - ( aprovado pela DGTI - setembro /2013) a) planejamento do projeto a.1) plano de projeto e cronograma de execução b) avaliação da maturidade dos processos de gestão de tic b.1) relatório da situação atual da tic do órgão, com base no framework cobit 4.1. c) diagnóstico da gestão de ti c.1) relatório com a avaliação da gestão de tic. d) encerramento d.1) relatório final do projeto, contendo as informações do histórico da execução do projeto; d.2) workshop de entrega dos resultados (COD SIAG ) SERVIÇOS ESPECIALIZADOS DE AVALIAÇÃO E DIAGNÓSTICO DO GERENCIAMENTO DA ÁREA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO TIC: PORTE II - ( aprovado pela DGTI - setembro /2013) a) planejamento do projeto a.1) plano de projeto e cronograma de execução b) avaliação da maturidade dos processos de gestão de tic b.1) relatório da situação atual da tic do órgão, com base no framework cobit 4.1. c) diagnóstico da gestão de ti c.1) relatório com a avaliação da gestão de tic. d) encerramento d.1) relatório final do projeto, contendo as informações do histórico da execução do projeto; d.2) workshop de entrega dos resultados(cod SIAG ) SERVIÇOS ESPECIALIZADOS DE AVALIAÇÃO E DIAGNÓSTICO DO GERENCIAMENTO DA ÁREA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO TIC: PORTE III - ( aprovado pela DGTI - setembro /2013) a) planejamento do projeto a.1) plano de projeto e cronograma de execução b) avaliação da maturidade dos processos de gestão de TIC b.1) relatório da situação atual da TIC do Órgão, com base no framework cobit 4.1. c) diagnóstico da gestão de ti c.1) relatório com a avaliação da gestão de TIC. d) encerramento d.1) relatório final do projeto, contendo as informações do histórico da execução do projeto; d.2) workshop de entrega dos resultados (COD SIAG ) SERVIÇOS ESPECIALIZADOS PARA ELABORAÇÃO E IMPLEMENTAÇÃO DE INDICADORES PARA CONTROLE DA GOVERNANÇA DE TIC : PORTE I - (aprovado pela DGTI - setembro/2013) a) planejamento do projeto a.1) plano de projeto e cronograma de execução b) definição dos indicadores b.1) relatório com a definição dos indicadores de governança de TIC. c) elaboração do caderno de indicadores de governança de tic c.1) lista dos indicadores; c.2) insumos para cálculo das métricas dos indicadores: identificar, à partir de análises baseadas nos conhecimentos obtidos ao longo dos trabalhos, quais insumos podem ser

5 mais facilmente obtidos, permitindo uma implementação mais rápida do conjunto de indicadores selecionados; c.3) detalhamento dos indicadores c.4) relatório com o caderno de indicadores de governança de tic. d) encerramento d.1) relatório final do projeto, contendo as informações do histórico da execução do projeto; d.2) workshop de entrega dos resultados. (COD SIAG ) SERVIÇOS ESPECIALIZADOS PARA ELABORAÇÃO E IMPLEMENTAÇÃO DE INDICADORES PARA CONTROLE DA GOVERNANÇA DE TIC : PORTE II - (aprovado pela DGTI - setembro/2013) a) planejamento do projeto a.1) plano de projeto e cronograma de execução b) definição dos indicadores b.1) relatório com a definição dos indicadores de governança de tic. c) elaboração do caderno de indicadores de governança de tic c.1) lista dos indicadores; c.2) insumos para cálculo das métricas dos indicadores: identificar, à partir de análises baseadas nos conhecimentos obtidos ao longo dos trabalhos, quais insumos podem ser mais facilmente obtidos, permitindo uma implementação mais rápida do conjunto de indicadores selecionados; c.3) detalhamento dos indicadores c.4) relatório com o caderno de indicadores de governança de tic. d) encerramento d.1) relatório final do projeto, contendo as informações do histórico da execução do projeto; d.2) workshop de entrega dos resultados. (COD SIAG ) SERVIÇOS ESPECIALIZADOS PARA ELABORAÇÃO E IMPLEMENTAÇÃO DE INDICADORES PARA CONTROLE DA GOVERNANÇA DE TIC : PORTE III - (aprovado pela DGTI - setembro/2013) a) planejamento do projeto a.1) plano de projeto e cronograma de execução b) definição dos indicadores b.1) relatório com a definição dos indicadores de governança de TIC. c) elaboração do caderno de indicadores de governança de TIC c.1) lista dos indicadores; c.2) insumos para cálculo das métricas dos indicadores: identificar, à partir de análises baseadas nos conhecimentos obtidos ao longo dos trabalhos, quais insumos podem ser mais facilmente obtidos, permitindo uma implementação mais rápida do conjunto de indicadores selecionados; c.3) detalhamento dos indicadores c.4) relatório com o caderno de indicadores de governança de tic. d) encerramento d.1) relatório final do projeto, contendo as informações do histórico da execução do projeto; d.2) workshop de entrega dos resultados. (COD SIAG ) SERVIÇOS ESPECIALIZADOS PARA ESTRUTURAÇÃO DO ESCRITÓRIO DE PROJETOS DE TIC : PORTE I - ( APROVADO PELA DGTI - SETEMBRO/2013): a) planejamento do projeto a.1) plano de projeto e cronograma de execução b) levantamento da situação atual da gestão de projeto b.1) levantamento dos documentos e formulários em uso para o gerenciamento dos projetos do órgão; b.2) levantamento do modelo atual de gerenciamento de projetos: b.3) diagnóstico da maturidade dos processos de gerenciamento de projetos. c) treinamento em metodologia de gerenciamento de projetos c.1) desenvolvido em torno de 3 (três) dimensões distintas, porém interligadas e complementares, adequando os conteúdos programáticos aos profissionais que atuarão como gerente de projetos c.1.1) dimensão conceitual dos projetos: c.1.2) dimensão gerencial c.1.3) dimensão de PROJECT MANANGEMENT c.2) relatório de capacitação contendo o material do treinamento realizado. d) elaboração de modelos de documentos e formulários d.1) documentos de concepção de projeto; d.2) documentos de plano de projeto; d.3) documentos de plano de comunicação; d.4) documentos de plano de gerenciamento de risco; d.5) documento com modelos de cronograma; d.6) documentos com modelo de estrutura analítica do projeto; d.7) principais registros para monitoração e acompanhamento de projetos; d.8) demais documentos e formulários para controle de projetos. d.9) relatório contendo os modelos e formulários. e) apoio consultivo no gerenciamento de projetos e.1) solução de dúvidas em relação aos modelos e formulários criados; e.2) melhoria nos modelos e formulários implantados; e.3) apoio na criação de novos modelos e formulários; e.4) realização de oficinas para elaboração de projetos; e.5) acompanhamento em reuniões previamente agendadas; e.6) parecer e direcionamento das ações dos profissionais que atuam no gerenciamento de projetos. f) encerramento f.1) relatório final do projeto, contendo as informações do histórico da execução do projeto; f.2) workshop de entrega dos resultados. (COD SIAG ) SERVIÇOS ESPECIALIZADOS PARA ESTRUTURAÇÃO DO ESCRITÓRIO DE PROJETOS DE TIC : PORTE II - ( APROVADO PELA DGTI - SETEMBRO/2013): a) planejamento do projeto a.1) plano de projeto e cronograma de execução b) levantamento da situação atual da gestão de projeto b.1) levantamento dos documentos e formulários em uso para o gerenciamento dos projetos do órgão; b.2) levantamento do modelo atual de gerenciamento de projetos: b.3) diagnóstico da maturidade dos processos de gerenciamento de projetos. c) treinamento em metodologia de gerenciamento de projetos c.1) desenvolvido em torno de 3 (três) dimensões distintas, porém interligadas e complementares, adequando os conteúdos programáticos aos profissionais que atuarão como gerente de projetos c.1.1) dimensão conceitual dos projetos: c.1.2) dimensão gerencial c.1.3) dimensão de PROJECT MANANGEMENT c.2) relatório de capacitação contendo o material do treinamento realizado. d) elaboração de modelos de documentos e formulários d.1) documentos de concepção de projeto; d.2) documentos de plano de projeto; d.3) documentos de plano de comunicação; d.4) documentos de plano de gerenciamento de risco; d.5) documento com modelos de cronograma; d.6) documentos com modelo de estrutura analítica do projeto; d.7) principais registros para monitoração e acompanhamento de projetos; d.8) demais documentos e formulários para controle de projetos. d.9) relatório contendo os modelos e formulários. e) apoio consultivo no gerenciamento de projetos e.1) solução de dúvidas em relação aos modelos e formulários criados; e.2) melhoria nos modelos e formulários implantados; e.3) apoio na criação de novos modelos e formulários; e.4) realização de oficinas para elaboração de projetos; e.5) acompanhamento em reuniões previamente agendadas; e.6) parecer e direcionamento das ações dos profissionais que atuam no gerenciamento de projetos. f) encerramento f.1) relatório final do projeto, contendo as informações do histórico da execução do projeto; f.2) workshop de entrega dos resultados. (COD SIAG ) SERVIÇOS ESPECIALIZADOS PARA ESTRUTURAÇÃO DO ESCRITÓRIO DE PROJETOS DE TIC : PORTE III - ( APROVADO PELA DGTI - SETEMBRO/2013): a) planejamento do projeto a.1) plano de projeto e cronograma de execução b) levantamento da situação atual da gestão de projeto b.1) levantamento dos documentos e formulários em uso para o gerenciamento dos projetos do órgão; b.2) levantamento do modelo atual de gerenciamento de projetos: b.3) diagnóstico da maturidade dos processos de gerenciamento de projetos. c) treinamento em metodologia de gerenciamento de projetos c.1) desenvolvido em torno de 3 (três) dimensões distintas, porém interligadas e complementares, adequando os conteúdos programáticos aos profissionais que atuarão como gerente de projetos c.1.1) dimensão conceitual dos projetos: c.1.2) dimensão gerencial

6 c.1.3) dimensão de PROJECT MANANGEMENT c.2) relatório de capacitação contendo o material do treinamento realizado. d) elaboração de modelos de documentos e formulários d.1) documentos de concepção de projeto; d.2) documentos de plano de projeto; d.3) documentos de plano de comunicação; d.4) documentos de plano de gerenciamento de risco; d.5) documento com modelos de cronograma; d.6) documentos com modelo de estrutura analítica do projeto; d.7) principais registros para monitoração e acompanhamento de projetos; d.8) demais documentos e formulários para controle de projetos. d.9) relatório contendo os modelos e formulários. e) apoio consultivo no gerenciamento de projetos e.1) solução de dúvidas em relação aos modelos e formulários criados; e.2) melhoria nos modelos e formulários implantados; e.3) apoio na criação de novos modelos e formulários; e.4) realização de oficinas para elaboração de projetos; e.5) acompanhamento em reuniões previamente agendadas; e.6) parecer e direcionamento das ações dos profissionais que atuam no gerenciamento de projetos. f) encerramento f.1) relatório final do projeto, contendo as informações do histórico da execução do projeto; f.2) workshop de entrega dos resultados. (COD SIAG ) LOTE II - SERVIÇOS ESPECIALIZADOS EM TECNOLOGIAS DE REDES DE DADOS E TELECOMUNICAÇÕES: Item DESCRIÇÃO DO SERVIÇOS/ PORTE d Qtd VALOR itário VALOR Total SERVIÇOS ESPECIALIZADOS DE ANÁLISE E PLANEJAMENTO PARA EVOLUÇÃO TECNOLÓGICA DE REDES : PORTE I - ( aprovado pela DGTI - setembro/2013) a) planejamento do projeto a.1) plano de projeto e cronograma de execução b) levantamento da situação atual b.1) relatório detalhado da situação atual da rede e da infraestrutura de comunicação de dados do órgão; b.2) relatório com a análise de lacunas em relação a real necessidade do órgão c) identificar e analisar evoluções tecnológicas de redes c.1) analisar serviços e processos para determinar áreas onde as soluções inovadoras serão mais úteis; c.2) investigar soluções inovadoras que podem melhorar os serviços e processos; c.3) analisar soluções inovadoras potenciais para compreender os seus efeitos e prever a sua influência sobre os serviços e processos; c.4) analisar custos e benefícios das soluções inovadoras potenciais; c.5) elaborar propostas de soluções tecnológicas inovadoras que podem resultar na melhoria dos serviços e processos; c.6) selecionar soluções inovadoras para serem testadas antes da implantação em larga escala; c.7) documentar resultados das avaliações de soluções inovadoras c.8) relatório das de soluções tecnológicas propostas; c.9) relatório com a análise de soluções tecnológicas propostas. d) proposição da solução tecnológica d.1) relatório detalhado com as previsões de demandas de tráfego simuladas; d.2) projeto básico da nova rede que atende as premissas de serviços do órgão e) encerramento e.1) workshop de entrega dos resultados (COD SIAG ) SERVIÇOS ESPECIALIZADOS DE ANÁLISE E PLANEJAMENTO PARA EVOLUÇÃO TECNOLÓGICA DE REDES : PORTE II - ( aprovado pela DGTI - setembro/2013) a) planejamento do projeto a.1) plano de projeto e cronograma de execução b) levantamento da situação atual b.1) relatório detalhado da situação atual da rede e da infraestrutura de comunicação de dados do órgão; b.2) relatório com a análise de lacunas em relação a real necessidade do órgão c) identificar e analisar evoluções tecnológicas de redes c.1) analisar serviços e processos para determinar áreas onde as soluções inovadoras serão mais úteis; c.2) investigar soluções inovadoras que podem melhorar os serviços e processos; c.3) analisar soluções inovadoras potenciais para compreender os seus efeitos e prever a sua influência sobre os serviços e processos; c.4) analisar custos e benefícios das soluções inovadoras potenciais; c.5) elaborar propostas de soluções tecnológicas inovadoras que podem resultar na melhoria dos serviços e processos; c.6) selecionar soluções inovadoras para serem testadas antes da implantação em larga escala; c.7) documentar resultados das avaliações de soluções inovadoras c.8) relatório das de soluções tecnológicas propostas; c.9) relatório com a análise de soluções tecnológicas propostas. d) proposição da solução tecnológica d.1) relatório detalhado com as previsões de demandas de tráfego simuladas; d.2) projeto básico da nova rede que atende as premissas de serviços do órgão e) encerramento e.1) workshop de entrega dos resultados (COD SIAG ) SERVIÇOS ESPECIALIZADOS DE ANÁLISE E PLANEJAMENTO PARA EVOLUÇÃO TECNOLÓGICA DE REDES: PORTE III - ( aprovado pela DGTI - setembro/2013) a) planejamento do projeto a.1) plano de projeto e cronograma de execução b) levantamento da situação atual b.1) relatório detalhado da situação atual da rede e da infraestrutura de comunicação de dados do órgão; b.2) relatório com a análise de lacunas em relação a real necessidade do órgão c) identificar e analisar evoluções tecnológicas de redes c.1) analisar serviços e processos para determinar áreas onde as soluções inovadoras serão mais úteis; c.2) investigar soluções inovadoras que podem melhorar os serviços e processos; c.3) analisar soluções inovadoras potenciais para compreender os seus efeitos e prever a sua influência sobre os serviços e processos; c.4) analisar custos e benefícios das soluções inovadoras potenciais; c.5) elaborar propostas de soluções tecnológicas inovadoras que podem resultar na melhoria dos serviços e processos; c.6) selecionar soluções inovadoras para serem testadas antes da implantação em larga escala; c.7) documentar resultados das avaliações de soluções inovadoras c.8) relatório das de soluções tecnológicas propostas; c.9) relatório com a análise de soluções tecnológicas propostas. d) proposição da solução tecnológica d.1) relatório detalhado com as previsões de demandas de tráfego simuladas; d.2) projeto básico da nova rede que atende as premissas de serviços do órgão e) encerramento e.1) workshop de entrega dos resultados (COD SIAG ) SERVIÇOS ESPECIALIZADOS DE ANÁLISE DE DESEMPENHO DE REDES, SERVIÇOS E APLICAÇÕES FIM-A- FIM : PORTE I - ( aprovado pela DGTI - setembro / 2013 ) a) planejamento do projeto a.1) plano de projeto e cronograma de execução b) levantamento de informações b.1) inventário da rede de dados; b.2) inventário das condições de operação dos equipamentos; b.3) inventário da configuração dos equipamentos; b.4) diagramação da rede de dados; b.5)levantamento da latência da rede; b.6) inventário do endereçamento IP, subnets e VLAN S; b.7) tráfego dos UPLINKS e links WAN; b.8) inventário da gerência da rede; b.9) inventário da rede de backup. b.10 ) relatório com os resultados dos levantamentos e inventários. c) análise de informações c.1) análise da topologia da rede de dados; c.2) análise da configuração e operação dos equipamentos; c.3) análise da latência da rede; c.4) análise do UN UN UN UN

7 endereçamento ip, subnets e VLAN S; c.5) análise do tráfego dos UPLINKS e links WAN; c.6) análise da gerência de rede; c.7) análise da rede de backup. c.8) relatório técnico com o resultado das análises realizadas; c.9) apresentação dos resultados das análises. d) formulação do plano de ações d.1) ações de curto prazo (ações críticas e imediatas); d.2) ações de médio prazo (ações que requerem planejamento); d.3) ações de longo prazo (ações de melhoria); d.4) estimativa de investimento financeiro para cada uma das ações; d.5) estimativa de esforço para cada uma das ações; d.6) nível de dificuldade de implantação de cada uma das ações; d.7) escala de risco de cada uma das ações. d.8) relatório técnico contendo os planos de ação; d.9) apresentação dos planos de ação. e) encerramento e.1) workshop de entrega dos resultados (COD SIAG ) SERVIÇOS ESPECIALIZADOS DE ANÁLISE DE DESEMPENHO DE REDES, SERVIÇOS E APLICAÇÕES FIM-A- FIM : PORTE II - ( aprovado pela DGTI - setembro / 2013 ) a) planejamento do projeto a.1) plano de projeto e cronograma de execução b) levantamento de informações b.1) inventário da rede de dados; b.2) inventário das condições de operação dos equipamentos; b.3) inventário da configuração dos equipamentos; b.4) diagramação da rede de dados; b.5)levantamento da latência da rede; b.6) inventário do endereçamento ip, subnets e VLAN?s; b.7) tráfego dos UPLINKS e LINKS WAN; b.8) inventário da gerência da rede; b.9) inventário da rede de backup. b.10 ) relatório com os resultados dos levantamentos e inventários. c) análise de informações c.1) análise da topologia da rede de dados; c.2) análise da configuração e operação dos equipamentos; c.3) análise da latência da rede; c.4) análise do endereçamento IP, subnets e VLAN?s; c.5) análise do tráfego dos UPLINKS e links WAN; c.6) análise da gerência de rede; c.7) análise da rede de backup. c.8) relatório técnico com o resultado das análises realizadas; c.9) apresentação dos resultados das análises. d) formulação do plano de ações d.1) ações de curto prazo (ações críticas e imediatas); d.2) ações de médio prazo (ações que requerem planejamento); d.3) ações de longo prazo (ações de melhoria); d.4) estimativa de investimento financeiro para cada uma das ações; d.5) estimativa de esforço para cada uma das ações; d.6) nível de dificuldade de implantação de cada uma das ações; d.7) escala de risco de cada uma das ações. d.8) relatório técnico contendo os planos de ação; d.9) apresentação dos planos de ação. e) encerramento e.1) workshop de entrega dos resultados (COD SIAG ) SERVIÇOS ESPECIALIZADOS DE ANÁLISE DE DESEMPENHO DE REDES, SERVIÇOS E APLICAÇÕES FIM-A- FIM : PORTE III - ( aprovado pela DGTI - setembro / 2013 ) a) planejamento do projeto a.1) plano de projeto e cronograma de execução b) levantamento de informações b.1) inventário da rede de dados; b.2) inventário das condições de operação dos equipamentos; b.3) inventário da configuração dos equipamentos; b.4) diagramação da rede de dados; b.5)levantamento da latência da rede; b.6) inventário do endereçamento ip, subnets e VLAN?s; b.7) tráfego dos UPLINKS e links WAN; b.8) inventário da gerência da rede; b.9) inventário da rede de backup. b.10 ) relatório com os resultados dos levantamentos e inventários. c) análise de informações c.1) análise da topologia da rede de dados; c.2) análise da configuração e operação dos equipamentos; c.3) análise da latência da rede; c.4) análise do endereçamento IP, subnets e VLAN?s; c.5) análise do tráfego dos UPLINKS e links WAN; c.6) análise da gerência de rede; c.7) análise da rede de backup. c.8) relatório técnico com o resultado das análises realizadas; c.9) apresentação dos resultados das análises. d) formulação do plano de ações d.1) ações de curto prazo (ações críticas e imediatas); d.2) ações de médio prazo (ações que requerem planejamento); d.3) ações de longo prazo (ações de melhoria); d.4) estimativa de investimento financeiro para cada uma das ações; d.5) estimativa de esforço para cada uma das ações; d.6) nível de dificuldade de implantação de cada uma das ações; d.7) escala de risco de cada uma das ações. d.8) relatório técnico contendo os planos de ação; d.9) apresentação dos planos de ação. e) encerramento e.1) workshop de entrega dos resultados (COD SIAG ) SERVIÇOS ESPECIALIZADOS DE PLANEJAMENTO, PROJETO E SUPORTE PARA AQUISIÇÃO, IMPLANTAÇÃO, ACEITAÇÃO E OPERAÇÃO DE REDE DE COMUNICAÇÃO DE DADOS : PORTE I - ( aprovado pela DGTI - setembro / 2013 ) a) planejamento do projeto a.1) plano de projeto e cronograma de execução b) elaboração de solução técnica b.1) relatórios contendo projetos básicos e memoriais descritivos das soluções a serem adquiridas. c) acompanhamento de aquisições c.1) desenvolvimento de requisitos de aquisição; c.2) desenvolvimento do pacote de documentos de aquisição e do contrato; c.3) acompanhamento técnico da aquisição; c.4) acompanhamento do contrato de aquisição. c.5) relatório com os termos de referencia para aquisição de materiais e serviços que compõe a rede de dados; c.6) relatório com as informações referente ao processo de contratação. d) encerramento d.1) workshop de entrega dos resultados (COD SIAG ) SERVIÇOS ESPECIALIZADOS DE PLANEJAMENTO, PROJETO E SUPORTE PARA AQUISIÇÃO, IMPLANTAÇÃO, ACEITAÇÃO E OPERAÇÃO DE REDE DE COMUNICAÇÃO DE DADOS : PORTE II - ( aprovado pela DGTI - setembro / 2013 ) a) planejamento do projeto a.1) plano de projeto e cronograma de execução b) elaboração de solução técnica b.1) relatórios contendo projetos básicos e memoriais descritivos das soluções a serem adquiridas. c) acompanhamento de aquisições c.1) desenvolvimento de requisitos de aquisição; c.2) desenvolvimento do pacote de documentos de aquisição e do contrato; c.3) acompanhamento técnico da aquisição; c.4) acompanhamento do contrato de aquisição. c.5) relatório com os termos de referencia para aquisição de materiais e serviços que compõe a rede de dados; c.6) relatório com as informações referente ao processo de contratação. d) encerramento d.1) workshop de entrega dos resultados (COD SIAG ) SERVIÇOS ESPECIALIZADOS DE PLANEJAMENTO, PROJETO E SUPORTE PARA AQUISIÇÃO, IMPLANTAÇÃO, ACEITAÇÃO E OPERAÇÃO DE REDE DE COMUNICAÇÃO DE DADOS : PORTE III - ( aprovado pela DGTI - setembro / 2013 ) a) planejamento do projeto a.1) plano de projeto e cronograma de execução b) elaboração de solução técnica b.1) relatórios contendo projetos básicos e memoriais descritivos das soluções a serem adquiridas. c) acompanhamento de aquisições c.1) desenvolvimento de requisitos de aquisição; c.2) desenvolvimento do pacote de documentos de aquisição e do contrato; c.3) acompanhamento técnico da aquisição; c.4) acompanhamento do contrato de aquisição. c.5) relatório com os termos de referencia para aquisição de materiais e serviços que compõe a rede de dados; c.6) relatório com as informações referente ao processo de contratação. d) encerramento d.1) workshop de entrega dos resultados (COD SIAG ) SERVIÇOS ESPECIALIZADOS DE SUPORTE PARA MIGRAÇÃO IPV6 : PORTE I - ( aprovado pela DGTI - setembro / 2013 ): a) planejamento do projeto a.1) plano de projeto e cronograma de execução b) UN UN UN UN UN UN

8 11 12 levantamento de informações b.1) relatório detalhado com os pontos que necessitam ação para a devida migração. c) plano de migração de hardware e software para ipv6 c.1) definir as diretrizes estratégicas que suportarão a migração, incluindo um ROADMAP de migração de acordo com as estratégias corporativas do órgão; c.2) fornecer suporte tecnológico para especificar, analisar e configurar ativos de rede para o nova geração de protocolo de endereçamento ipv6; c.3) fornecer suporte tecnológico para configuração e implantação de redes ipv6; c.4) adequação técnica em linhas de código de software e aplicações legadas. produto 3: c.5) relatório de diretrizes estratégicas para a migração; c.6) relatório descritivo das alterações em hardware e software. d) encerramento d.1) workshop de entrega dos resultados (COD SIAG ) SERVIÇOS ESPECIALIZADOS DE SUPORTE PARA MIGRAÇÃO IPV6 : PORTE II - ( aprovado pela DGTI - setembro / 2013 ): a) planejamento do projeto a.1) plano de projeto e cronograma de execução b) levantamento de informações b.1) relatório detalhado com os pontos que necessitam ação para a devida migração. c) plano de migração de hardware e software para ipv6 c.1) definir as diretrizes estratégicas que suportarão a migração, incluindo um ROADMAP de migração de acordo com as estratégias corporativas do órgão; c.2) fornecer suporte tecnológico para especificar, analisar e configurar ativos de rede para o nova geração de protocolo de endereçamento ipv6; c.3) fornecer suporte tecnológico para configuração e implantação de redes ipv6; c.4) adequação técnica em linhas de código de software e aplicações legadas. produto 3: c.5) relatório de diretrizes estratégicas para a migração; c.6) relatório descritivo das alterações em hardware e software. d) encerramento d.1) workshop de entrega dos resultados (COD SIAG ) SERVIÇOS ESPECIALIZADOS DE SUPORTE PARA MIGRAÇÃO IPV6 : PORTE III - ( aprovado pela DGTI - setembro / 2013 ): a) planejamento do projeto a.1) plano de projeto e cronograma de execução b) levantamento de informações b.1) relatório detalhado com os pontos que necessitam ação para a devida migração. c) plano de migração de hardware e software para ipv6 c.1) definir as diretrizes estratégicas que suportarão a migração, incluindo um ROADMAP de migração de acordo com as estratégias corporativas do órgão; c.2) fornecer suporte tecnológico para especificar, analisar e configurar ativos de rede para o nova geração de protocolo de endereçamento ipv6; c.3) fornecer suporte tecnológico para configuração e implantação de redes ipv6; c.4) adequação técnica em linhas de código de software e aplicações legadas. produto 3: c.5) relatório de diretrizes estratégicas para a migração; c.6) relatório descritivo das alterações em hardware e software. d) encerramento d.1) workshop de entrega dos resultados (COD SIAG ) UN UN CLÁUSULA TERCEIRA DAS OBRIGAÇÕES DA CONTRATADA; 3.1. A CONTRATADA na assinatura deste Instrumento, compromete-se a apresentar o respectivo preposto e substituto eventual, responsável administrativo, que responderá pela execução do contrato, o qual servirá ainda de elemento permanente de ligação com os Órgãos ou Entidades contratantes e deverá mantê-lo no período total em que vigorará o contrato, com poderes de representante legal para tratar dos assuntos relacionados ao contrato junto à CONTRATANTE, em horário comercial, de segunda a sexta-feira, sem ônus adicional para o CONTRATANTE; A indicação do preposto, deverá estar acompanhada de Prova do vínculo laboral deste com a CONTRATADA na assinatura deste Instrumento, compromete-se a apresentar o respectivo preposto, responsável administrativo Para comprovação do requisito que trata o subitem acima, a contratada demonstrará vinculo com o profissional através de apresentação de Carteira de Trabalho e Previdência Social (CTPS) ou Contrato de Prestação de serviço ou Ficha de Registro de Empregado (Autenticada pela DRT) que demonstrem a identificação do profissional. Para o dirigente da empresa, tal comprovação poderá ser feita através da cópia da Ata da Assembleia que o investiu no cargo ou do Contrato Social em vigor Executar o objeto deste Instrumento em prazo não superior ao máximo estipulado Ceder a CONTRATANTE, nos termos do artigo 111 da Lei n.º 8.666/93, c/c o artigo 4º da Lei n.º 9.609/98, o direito patrimonial, a propriedade intelectual de toda e qualquer documentação e produto gerados, logo após o recebimento definitivo dos serviços prestados A CONTRATADA deverá apresentar à Administração da CONTRATANTE, no prazo máximo de 10 (dez) dias úteis, contado da data do protocolo de entrega da via do contrato assinada, comprovante de prestação de garantia correspondente ao percentual de 5% (cinco por cento) do valor de cada ITEM, em conformidade com o parágrafo 1º do artigo 56 da Lei Federal n /93, com a mesma vigência contratual do referido item, podendo optar por caução em dinheiro, seguro-garantia ou fiança bancária Manter sigilo dos dados e informações confidenciais a que tiverem acesso, de acordo com as Normas de Segurança Estadual para Acesso a Informação no âmbito do Poder Executivo do Estado de Mato Grosso e normatizada pela Resolução 008/2010-COSINT Conselho Superior de Informação e Tecnologia da Informação do Estado de Mato Grosso Respeitar as normas e procedimentos de segurança da CONTRATANTE, de acordo com as Políticas e Diretrizes de Segurança da Informação no âmbito do Poder Executivo do Estado de Mato Grosso e normatizada pela Resolução 003/2010- COSINT Conselho Superior de Informação e Tecnologia da Informação do Estado de Mato Grosso Manter os seus técnicos sujeitos às normas disciplinares da CONTRATANTE, porém sem qualquer vínculo empregatício com o Órgão Iniciar a execução dos serviços logo após o recebimento da Ordem de Serviço Apresentar a CONTRATANTE, relação da equipe e respectiva qualificação profissional e comprovantes, exigidos em conformidade com este Instrumento Manter durante a execução do contrato, compatibilidade com as obrigações por ela assumidas, todas as condições de habilitação e qualificação exigidas na licitação; Encaminhar relatório detalhado dos serviços prestado, quando do término da Ordem de Serviço, acompanhado da respectiva fatura, relacionando a Identificação dos serviços executados e concluídos, ou seja, aqueles entregues e aprovados pelo gerente técnico da CONTRATANTE; Caso o serviço seja cancelado pela CONTRATANTE, esta pagará pelas atividades efetivamente concluídas e entregues pela CONTRATADA.

9 3.12. Responder por quaisquer danos causados diretamente aos equipamentos, softwares, informações e a outros bens de propriedade da CONTRATANTE quando esses tenham sido ocasionados por seus técnicos durante a prestação dos serviços objeto desta contratação Responder pelas despesas relativas a encargos trabalhistas, de seguro de acidentes, impostos, contribuições previdenciárias e quaisquer outras que forem devidas e referentes aos serviços executados por seus empregados, os quais não têm nenhum vínculo empregatício com a CONTRATANTE A CONTRATADA deverá executar os serviços nos prazos determinados neste Instrumento; Executar os serviços em conformidade com o(s)plano(s) aprovado(s) Manter-se em comunicação constante e revisar periodicamente o andamento dos trabalhos com a equipe do CONTRATANTE A execução do serviço deverá ser acompanhada por um técnico designado pela CONTRATANTE, Dispor-se a toda e qualquer fiscalização da CONTRATANTE, no tocante ao fornecimento do objeto do contrato, assim como ao cumprimento das obrigações previstas neste Contrato Atender as solicitações de ordem de serviço de acordo com especificações técnicas, procedimentos de controle administrativos, cronogramas físicos que venham ser estabelecidos pelo CONTRATANTE em conjunto com a CONTRATADA Comunicar, de forma detalhada, toda e qualquer ocorrência de acidentes verificada no curso da execução contratual Acatar as orientações do CONTRATANTE, prestando os esclarecimentos solicitados e atendendo às adequações formuladas Não veicular publicidade ou qualquer outra informação acerca das atividades objeto do contrato, sem prévia autorização do CONTRATANTE Ressarcir ao CONTRATANTE o valor correspondente ao pagamento de multas, indenizações ou despesas a este imposta por Autoridade Competente, em decorrência do descumprimento pela (s) CONTRATADA (s) de Leis, Decretos ou Regulamentos relacionados ao objeto desta Especificação Técnica; Refazer, às suas expensas, no prazo de 05 (cinco) dias úteis, após notificação formal, os serviços executados em desacordo com as especificações deste Contrato, seus anexos e com a respectiva proposta, Edital ou que apresentem vício de qualidade Atender, para o devido recebimento do crédito, ao que determina o Decreto 4.752, de 06 de agosto de 2002, no tocante à emissão da Nota Fiscal/Fatura A CONTRATADA ficará obrigada a aceitar, nas mesmas condições deste edital, os acréscimos ou supressões que se fizerem necessários, até 25% (vinte e cinco por cento) do valor inicial atualizado do objeto adjudicado, devendo as supressões acima desse limite serem resultantes de acordo entre as partes Levar ao conhecimento do gestor do contrato, qualquer fato extraordinário ou anormal que ocorrer na execução do objeto contratado, para adoção das medidas cabíveis Assumir inteira responsabilidade pela qualidade dos serviços que executar Os produtos deverão ser entregues às expensas da CONTRATADA na sede da CONTRATANTE; Entregar, para cada unidade do produto, para efeito de aceite do objeto deste Contrato, em até quinze dias, contados da assinatura, o seguinte: Arcar com todas as despesas, diretas ou indiretas, decorrentes do cumprimento das obrigações assumidas, sem qualquer ônus aos órgãos Adotar todas as providências para sanar quaisquer dúvidas ou problemas que se apresentarem na execução do objeto deste contrato Atender prontamente a quaisquer exigências da Fiscalização dos Órgãos ou do CEPROMAT, inerentes ao objeto contratado Responder, integralmente, por perdas e danos que vier a causar diretamente ao Órgãos, ao CEPROMAT ou a terceiros em razão de ação ou omissão, dolosa ou culposa, sua ou dos seus prepostos, independentemente de outras cominações contratuais ou legais a que estiver sujeita A CONTRATADA não será responsável por qualquer perda ou dano resultante de caso fortuito ou força maior ou Por quaisquer obrigações, responsabilidades, trabalhos ou serviços não previstos neste Contrato A CONTRATANTE não aceitará, sob nenhum pretexto, a transferência de responsabilidade da CONTRATADA para terceiros, sejam fabricantes, representantes ou quaisquer outros A CONTRATADA deverá estabelecer um responsável da prestadora para o plano de trabalho; A CONTRATADA deverá participar com técnicos capacitados das reuniões de elaboração, acompanhamento, monitoramento e avaliação do plano de trabalho; A CONTRATADA deverá prestar informações sobre o andamento das atividades; A CONTRATADA deverá executar as ordens de serviços conforme acordado; A CONTRATADA deverá apresentar as evidências da prestação dos serviços; A CONTRATADA deverá apresentar relatório final dos produtos/serviços oferecidos, registrando os aspectos pertinentes ao projeto; A CONTRATADA deverá Executar o objeto deste Contrato em prazo não superior ao máximo aqui estipulado Realizar reuniões de ponto de controle com a CONTRATANTE e o CEPROMAT, destinadas ao acompanhamento da execução dos serviços; Manter durante a execução do contrato, compatibilidade com as obrigações por ela assumidas, todas as condições de habilitação e qualificação exigidas na licitação; Responder pelas despesas relativas a encargos trabalhistas, de seguro de acidentes, impostos, contribuições previdenciárias e quaisquer outras que forem devidas e referentes aos serviços executados por seus empregados, os quais não têm nenhum vínculo empregatício com a CONTRATANTE Obrigações especificas para LOTE I - SERVIÇOS DE DIRECIONAMENTO ESTRATÉGICO EM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO: A contratada deverá apresentar no momento da assinatura do contrato prova de vinculo profissional com profissionais

10 de nível superior, atendendo as quantidades e qualificações exigidas a seguir: Gerente de Projeto I - Graduação: Análise de Sistemas, Ciência da Computação ou Engenharia Elétrica/Eletrônica; Certificações: PMP ou Pós-graduação lato sensu em Gestão de Projetos. Lote 01 - Todos os itens Coordenador Técnico/Gerente de Projeto Adjunto Graduação: Análise de Sistemas, Processamento de Dados, Ciência da Computação ou Engenharia Elétrica/Eletrônica; Certificações: ITIL V3, COBIT e BPS. Lote 01 - Todos os itens Consultor Sênior em Arquitetura Corporativa e Processos de Negócios Graduação: Análise de Sistemas, Ciência da Computação ou Engenharia Elétrica / Eletrônica; Certificações: ITIL V3, COBIT, TOGAF, ISSO/IEC Lote 01 - Itens II, III e IV Consultor Pleno em Processos de Negócios Graduação: Análise de Sistemas, Ciência da Computação ou Engenharia Elétrica/ Eletrônica/ Telecomunicações; Certificações: PMP, TOGAF e SIX SIGMA. Lote 01 - Itens I, V, VI e VII Consultor I Graduação: Formação em Exatas ou Humanas; Certificações: Pós-graduação stricto sensu ou lato sensu em Finanças ou Economia. Lote 1 - Itens I e V Consultor II Graduação: Formação em Exatas Estatística; Certificações: Pós-graduação stricto ou lato sensu em marketing ou Gestão Empresarial /Negócios. Lote 1 - Todos os itens Consultor III Graduação: Formação em Exatas ou Humanas; Certificações: Pós-graduação stricto ou lato sensu em Gestão e Estratégia de Empresas. Lote 1 - Todos os itens Obrigações especificas Para LOTE II - SERVIÇOS DE DIRECIONAMENTO ESTRATÉGICO EM TECNOLOGIAS DE REDES DE DADOS E TELECOMUNICAÇÕES: Manter durante a execução do contrato registro no Conselho Regional de Engenharia e Agronomia - CREA, na forma da Lei 5.194/66, com habilitação em engenharia elétrica, em atendimento à Resolução CONFEA n 413 de 27/06/1997 e Resolução n 266 de 15/12/ A contratada deverá apresentar no momento da assinatura do contrato prova de vinculo profissional com profissionais de nível superior, atendendo as quantidades e qualificações exigidas a seguir: Gerente de Projeto III Graduação: Análise de Sistemas, Ciência da Computação, Engenharia da Computação ou Matemática; Certificações: PMP, CSSLP e CISSP. Lote 02 - Todos os itens Coordenador Técnico/Gerente de Projeto Adjunto Graduação: Análise de Sistemas, Processamento de Dados, Ciência da Computação ou Engenharia Elétrica/Eletrônica; Certificações: ITIL V3, COBIT e BPS. Lote 02 - Todos os itens Consultor Sênior I em Segurança da Informação Graduação: Análise de Sistemas, Ciência da Computação, Engenharia da Computação ou Matemática; Certificações: ISSO Auditor, ISSAP e ISSMP. Lote 02 - Item I A comprovação de vinculo com os profissionais se dará mediante relação explícita e declaração formal de disponibilidade, discriminando nome, função, vínculo, tempo de experiência e qualificações; Relativa ao vínculo: a) Se funcionário: cópia autenticada da carteira de trabalho CTPS ou ficha de registro; b) Se sócio da empresa: cópia do estatuto ou contrato social; c) Se autônomo: cópia autenticada do respectivo contrato com firmas reconhecidas Relativa à experiência: apresentação de Curriculum Vitae relacionando as experiências em ordem cronológica iniciando pela mais recente Relativa à qualificação: apresentação de cópia autenticada dos certificados de graduação, pós-graduação e demais certificações exigidas Quanto às certificações entende-se como legenda: PMP Project Management Professional by PMI Project Management Institute; CSSLP Certified Secure Software Lifecycle Professional; CISM Certified Information Security Manager; CISSP Certified Information Systems Security Professional; ISSAP (CISSP) Infomartion Systems Security Architecture Professional; ISSMP (CISSP) Information Systems Security Management Professional; CISA Certified Information Systems Auditor; SBCI Specialist of Business Continuity by Business Business Continuity Institute-UK (nas categorias ABCI, FBCI, OU MBCI); DRI International - Disaster Recovery Institute USA (nas categorias ABCP, CFCP, CBCP OU MBCP); ITIL version III Foundation Bridge Examination ou ITIL Foundation Certification in IT Service Management; SIX SIGMA - Green or Black Belt Training; BPS - Business Processes School; TOGAF Open Group Architeture Framework; ISO/IEC Auditor Certified. CLÁUSULA QUARTA - DA EXECUÇÃO DO CONTRATO 4.1. LOCAL DE EXECUÇÃO: Nas dependências da CONTRATANTE METODOLOGIA DE ACOMPANHAMENTO PARA CADA SERVIÇO SOLICITADO: Abertura de um plano de trabalho em conjunto com o Órgão solicitante e o prestador de serviços, contendo no mínimo: descrição clara do produto, etapas a serem seguidas, atividades, responsabilidades, cronograma, produtos a serem entregues e quantidade de horas para a execução; A empresa CONTRATADA após confecção do plano de trabalho realizado em conjunto com o Órgão solicitante deverá

11 apresentar à CEPROMAT para aprovação e assinatura do mesmo: I- Execução dos serviços conforme planejado mediante a emissão de ordem de serviço; II- Acompanhamento e monitoramento conforme o plano de trabalho; III- Elaboração dos relatórios de não conformidade e encaminhamento ao CEPROMAT; IV- Atestar o recebimento dos produtos/serviços conforme o plano de trabalho pelo CEPROMAT e Órgão solicitante. V- Encerramento da ordem de serviços e ateste da nota fiscal; VI- Gerenciamento dos riscos da implantação; VII- Finalização e avaliação do plano de trabalho 4.3. DA EXECUÇÃO/ESPECIFICAÇÕES DOS SERVIÇOS: LOTE I - SERVIÇOS DE DIRECIONAMENTO ESTRATÉGICO EM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO SERVIÇOS ESPECIALIZADOS DE REORGANIZAÇÃO DE PROCESSOS DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO TIC Este serviço especializado deverá realizar a reorganização dos processos da área de TIC para aprimorar a atuação do órgão por meio de processos adequados alinhados as suas necessidades. Os processos do órgão deverão ser modelados na forma atual de operação (As Is), analisados, readequados e redesenhados na forma de processos futuros (To Be). Deverão ser revistos e adequados os principais indicadores e controles de eficácia e eficiência dos processos, como também definidos/revisados os documentos gerados pelas atividades dos processos, bem como as atividades constituintes dos processos serão utilizadas como base para revisão dos papéis e responsabilidades das pessoas que neles atuam. Planejamento do projeto O planejamento do projeto deverá contemplar o alinhamento das expectativas e necessidades dos envolvidos no projeto, tanto por parte do órgão quanto da Contratada, definição da equipe de trabalho, escopo do projeto, produtos a serem entregues, cronograma com marcos definidos, riscos identificados, premissas e compromissos assumidos, matriz de responsabilidade e critério de aceitação. Produto 1: Plano de Projeto e Cronograma de execução e entregas. Modelagem dos processos atuais (As Is) Nesta etapa deverá ser realizado o levantamento e a análise de documentos de processos de TIC existentes e também entrevistas com os principais responsáveis pelos processos. O levantamento será realizado considerando as informações já existentes e documentadas (e.g. Objetivos, Missão, Visão, Estrutura Organizacional, Informações sobre os relacionamentos com outras organizações, outros projetos em andamento). A Contratada deverá modelar os processos atuais e caracterizar as principais desconexões existentes. Deverá ser realizada validação da modelagem dos processos atuais com os responsáveis dos processos. Produto 2: Conjunto de documentos com a modelagem dos processos atuais e respectivas desconexões; Relatório com o resultado das reuniões de levantamento dos processos. Remodelagem dos processos (To Be) Nesta etapa deverá ser realizada a modelagem dos processos considerando as desconexões existentes nos processos atuais. Para esta atividade a Contratada deverá realizar entrevistas com os responsáveis pelos processos, com os gestores responsáveis e com os representantes dos usuários dos processos. Para a modelagem dos processos, deverão ser abordados os seguintes itens: Elaboração dos fluxos de atividades dos processos Definição de indicadores das atividades chaves do processo; Definição do relacionamento e interfaces com outros processos; Elaboração da matriz de responsabilidade, com respectivos papéis e responsáveis pelo processo; Elaboração de procedimentos das atividades dos processos; Elaboração da árvore de processos. Produto 3: Documentação com o desenho dos processos modelados, de acordo os itens definidos para a modelagem; Relatório com os procedimentos das atividades dos processos; Caderno com as métricas dos indicadores. Capacitação nos processos modelados (To Be) Nesta atividade a Contratada deverá realizar a capacitação dos profissionais dos órgãos nos processos que foram modelados, de forma que o órgão possa implantar e executar as atividades definidas nos processos de TIC. A Contratada deverá fornecer instruções de como os profissionais do órgão devam realizar a implantação dos processos. Produto 4: Material de treinamento; Avaliação do treinamento; Realização do treinamento. Encerramento Nesta etapa deverá ocorrer o encerramento do projeto, por meio de uma reunião de encerramento com a apresentação dos resultados a todos os envolvidos e os gestores do órgão. Produto 5: Relatório final do projeto, contendo as informações do histórico da execução do projeto; Workshop de entrega dos resultados SERVIÇOS ESPECIALIZADOS PARA ELABORAÇÃO DO DIRECIONAMENTO ESTRATÉGICO DA ARQUITETURA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO TIC Este serviço especializado consiste em elaborar o Direcionamento Estratégico da Arquitetura de Tecnologia da Informação e Comunicação - TIC do órgão para permitir à área de TIC planejar para no mínimo 3 (três) anos os projetos e ações para atender aos serviços do órgão. Também faz parte deste serviço o planejamento dos

12 projetos e ações para gerenciar a TIC, em busca de alternativas e soluções para obter aumento da produtividade, ampliação dos negócios e planejar adequadamente o ambiente tecnológico tanto no desempenho e capacidade como em investimentos, com o foco nas estratégias definidas pelas áreas de negócios do órgão. Planejamento do projeto O planejamento do projeto deverá contemplar o alinhamento das expectativas e necessidades dos envolvidos no projeto, tanto por parte do órgão quanto da Contratada, definição da equipe de trabalho, escopo do projeto, produtos a serem entregues, cronograma com marcos definidos, riscos identificados, premissas e compromissos assumidos, matriz de responsabilidade e critério de aceitação. Produto 1: Plano de Projeto e Cronograma de execução e entregas. Levantamento da Situação Atual Nesta etapa deverá ser realizado o levantar do acervo de TIC existente no órgão, compreendendo: Levantar a arquitetura de aplicações existente. Levantar a arquitetura de dados existente. Levantar a infraestrutura tecnológica existente. Avaliação de gestão de TIC. Produto 2: Relatório da situação atual da TIC do órgão; Relatório da avaliação da gestão da TIC do órgão. Planejamento Estratégico Nesta etapa deverá ser realizada a análise da estratégia do órgão e no desdobramento dessa visão para a área de TIC, compreendendo: Estudo das diretrizes estratégicas fornecidas pelo órgão; Levantar informações com a alta direção para realizar o alinhamento dos objetivos de TIC com o modelo de negócio do órgão; Levantar normas, padrões e regulamentos aplicáveis; Definir objetivos e diretrizes estratégias de TIC, alinhados à estratégia do órgão. Produto 3: Relatório com a visão estratégica da TIC. Analisar Lacunas e oportunidades de melhorias Nesta etapa deverá ser realizada a análise crítica da situação atual com relação à visão estratégica, identificando as principais oportunidades de melhoria, compreendendo: Diagnóstico da arquitetura de aplicações existente; Diagnóstico da arquitetura de dados existente; Diagnóstico da arquitetura de infraestrutura tecnológica existente; Diagnóstico da gestão de TIC. Produto 4: Relatório de diagnóstico da arquitetura de TIC do órgão; Relatório de Diagnóstico da Gestão de TIC do órgão. Planejamento Tático Nesta etapa a Contratada deverá definir aspectos táticos decorrentes das definições estratégicas, compreendendo: Propor um direcionamento estratégico para arquitetura de dados; Propor um direcionamento estratégico para arquitetura de aplicações; Propor um direcionamento estratégico para infraestrutura tecnológica; Propor um direcionamento estratégico para gestão de TIC; Propor um direcionamento estratégico para a composição de quadro de pessoal e dos processos que suportam a execução das rotinas de TI. Propor um direcionamento estratégico para a interoperabilidade de TIC. Produto 5: Relatório de Direcionamento Estratégico da Arquitetura de Tecnologia da Informação e Comunicação TIC. Planejamento Operacional Nesta etapa a Contratada deverá elaborar um planejamento operacional para a orientação e facilitação da transformação organizacional requerida, compreendendo: Elaborar plano de ações para a implementação, divulgação e acompanhamento das mudanças necessárias para a transição do cenário atual para o cenário proposto pelo Direcionamento Estratégico da Arquitetura de Tecnologia da Informação e Comunicação TIC; Elaborar plano de mudança, levando em consideração estratégias de divulgação, perfis profissionais adequados à área de TIC. Produto 6: Relatório do planejamento operacional com respectivos projetos. Encerramento Nesta etapa deverá ocorrer o encerramento do projeto, por meio de uma reunião de encerramento com a apresentação dos resultados a todos os envolvidos e os gestores do órgão. Produto 7: Relatório final do projeto, contendo as informações do histórico da execução do projeto; Workshop de entrega dos resultados

13 SERVIÇOS ESPECIALIZADOS PARA A ESTRUTURAÇÃO DA ARQUITETURA CORPORATIVA DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO TIC Este serviço especializado deverá elaborar a estruturação da Governança de Arquitetura Corporativa de TIC do órgão, criando estrutura, processos e modelos de operação e de referência para dar início ao trabalho de Arquitetura Corporativa no órgão. Planejamento do projeto O planejamento do projeto deverá contemplar o alinhamento das expectativas e necessidades dos envolvidos no projeto, tanto por parte do órgão quanto da Contratada, definição da equipe de trabalho, escopo do projeto, produtos a serem entregues, cronograma com marcos definidos, riscos identificados, premissas e compromissos assumidos, matriz de responsabilidade e critério de aceitação. Produto 1: Plano de Projeto e Cronograma de execução e entregas. Levantamento dos Ativos de Arquitetura existentes no órgão Nesta etapa a Contratada deverá realizar o levantamento dos ativos de arquitetura já existentes no órgão, tais como objetivos estratégicos, inventários de processos, sistemas, infraestrutura e políticas. Também deverá elaborar o modelo conceitual do repositório da arquitetura que irá definir a classificação dos artefatos da arquitetura, como ativos, políticas, padrões, objetivos e iniciativas estratégicas, bem como as estruturas organizacionais, compreendendo: Definição do Modelo de Governança de Arquitetura Corporativa de TIC; Definir como a Arquitetura Corporativa de TIC será gerenciada e controlada. Produto 2: Relatório com modelo conceitual de repositório e ativos de arquitetura existentes; Relatório com modelo conceitual de Governança da Arquitetura Corporativa de TIC, descrevendo estrutura organizacional, processos e indicadores de desempenho operacionais. Planejamento do ciclo de evolução da Arquitetura Corporativa de TIC Nesta etapa deverá ser elaborado o plano de atividades para o ciclo de evolução da Arquitetura Corporativa de TIC, considerando o modelo de repositório e o modelo de governança definido e validado na etapa anterior. O plano deverá contemplar as fases necessárias para a evolução, bem como cronograma de implantação. Produto 3: Plano do ciclo da Arquitetura Corporativa de TIC. Encerramento Nesta etapa deverá ocorrer o encerramento do projeto, por meio de uma reunião de encerramento com a apresentação dos resultados a todos os envolvidos e os gestores do órgão. Poduto 4: Relatório final do projeto, contendo as informações do histórico da execução do projeto; Workshop de entrega dos resultados SERVIÇOS ESPECIALIZADOS PARA A CONSTRUÇÃO DA ARQUITETURA CORPORATIVA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO TIC. Serviço especializados para realização de um ciclo de trabalho para apoio a adequação de Arquitetura Corporativa de Tecnologia da Informação e Comunicação - TIC no órgão. O escopo será definido e realizado em conjunto com a área de Governança de Arquitetura Corporativa de TIC do Estado de Mato Grosso e será limitado ao prazo/recursos estipulados para esse tipo de projeto. Este serviço deve ser executado após a estruturação da Arquitetura Corporativa de TIC do Estado de Mato Grosso para manter o alinhamento com as diretrizes estabelecidas. Definição do escopo e Planejamento do Projeto O planejamento do projeto deverá contemplar o alinhamento das expectativas e necessidades dos envolvidos no projeto, tanto por parte do órgão quanto da Contratada, definição da equipe de trabalho, escopo do projeto, produtos a serem entregues, cronograma com marcos definidos, riscos identificados, premissas e compromissos assumidos, matriz de responsabilidade e critério de aceitação. Produto 1: Plano de Projeto contendo o escopo, cronograma de execução e entregas. Levantamento da situação atual da Arquitetura Corporativa de TIC Nesta etapa a Contratada deverá realizar o levantamento dos ativos de arquitetura já existentes no órgão, tais como objetivos estratégicos, inventários de processos, sistemas, infraestrutura e políticas definidas no escopo do projeto. Produto 2: Relatório com modelo de repositório e ativos de arquitetura corporativa de TIC existentes. Elaborar planos de ação para adequar a Arquitetura Corporativa de TIC Nesta etapa a Contratada deverá elaborar planos de ação de Arquitetura Corporativa de TIC referentes ao escopo definido, tais como elaboração de artefatos, políticas, criação/revisão de modelos, procedimentos etc. Produto 3: Relatório com resultados das ações realizadas, contendo os artefatos que foram elaborados. Elaborar plano de evolução da Arquitetura Corporativa de TIC Nesta etapa a Contratada deverá elaborar um plano de atividades para o próximo ciclo de evolução e construção da Arquitetura Corporativa de TIC. Produto 4: Relatório com recomendações de ações a serem realizadas num próximo ciclo da Arquitetura Corporativa TIC. Encerramento Nesta etapa deverá ocorrer o encerramento do projeto, por meio de uma reunião de encerramento com a apresentação dos resultados a todos os envolvidos e os

14 gestores do órgão. Produto 5: Relatório final do projeto, contendo as informações do histórico da execução do projeto; Workshop de entrega dos resultados SERVIÇOS ESPECIALIZADOS DE AVALIAÇÃO E DIAGNÓSTICO DO GERENCIAMENTO DA ÁREA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO TIC. Serviços especializados para avaliação da maturidade dos processos de TIC na gestão dos recursos, com o objetivo de atingir os requisitos de negócios. Além da avaliação da maturidade deverão ser feitas também recomendações de melhorias para eliminar as lacunas identificadas nos processos de gestão avaliados. A avaliação deverá ser baseada nos objetivos de controles de cada processo selecionado. Planejamento do projeto O planejamento do projeto deverá contemplar o alinhamento das expectativas e necessidades dos envolvidos no projeto, tanto por parte do órgão quanto da Contratada, definição da equipe de trabalho, escopo do projeto, produtos a serem entregues, cronograma com marcos definidos, riscos identificados, premissas e compromissos assumidos, matriz de responsabilidade e critério de aceitação. Produto 1: Plano de Projeto e Cronograma de execução e entregas. Avaliação da maturidade dos processos de Gestão de TIC Nesta etapa deverá ser realizada a avaliação dos processos da gestão de TIC com base em reuniões e com a participação dos representantes ou decisores de TIC do órgão. Deverão ser realizadas avaliações para verificar o nível de maturidade, relevância e desempenho dos processos de TIC, em relação ao modelo de referência CobiT 4.1, resultando em uma visão da situação atual dos processos de TIC. Produto 2: Relatório da situação atual da TIC do órgão, com base no framework Cobit 4.1. Diagnóstico da Gestão de TI Nesta etapa deverá ser realizada a análise das informações coletadas na atividade de avaliação, elaborar a compilação dos resultados da avaliação do órgão e definir metas de maturidade e desempenho a ser alcançado pelos processos avaliados. Produto 3: Relatório com a avaliação da gestão de TIC. Encerramento Nesta etapa deverá ocorrer o encerramento do projeto, por meio de uma reunião de encerramento com a apresentação dos resultados a todos os envolvidos e os gestores do órgão. Produto 4: Relatório final do projeto, contendo as informações do histórico da execução do projeto; Workshop de entrega dos resultados SERVIÇOS ESPECIALIZADOS PARA ELABORAÇÃO E IMPLEMENTAÇÃO DE INDICADORES PARA CONTROLE DA GOVERNANÇA DE TIC. Serviço especializado para elaborar os indicadores de objetivos e processos que nortearão a tomada de decisão na Governança de TIC. Além da elaboração dos indicadores deverão ser feitas também recomendações para a implementação dos indicadores, bem como o modelo que deve ser adotado de relatórios e modelos gráficos para a apresentação de resultados. Planejamento do projeto O planejamento do projeto deverá contemplar o alinhamento das expectativas e necessidades dos envolvidos no projeto, tanto por parte do órgão quanto da Contratada, definição da equipe de trabalho, escopo do projeto, produtos a serem entregues, cronograma com marcos definidos, riscos identificados, premissas e compromissos assumidos, matriz de responsabilidade e critério de aceitação. Produto 1: Plano de Projeto e Cronograma de execução e entregas. Definição dos indicadores Nesta etapa deverá ser realizada a definição dos indicadores associados aos objetivos estratégicos de TIC do órgão com a participação dos representantes ou gestores de TIC do órgão, e com o apoio de documentos estratégicos. Para a definição dos indicadores a Contratada deverá se orientar pelos indicadores pré-definidos no modelo CobiT 4.1. Produto 2: Relatório com a definição dos indicadores de Governança de TIC. Elaboração do caderno de indicadores de Governança de TIC Nesta etapa deverá ser elaborado o caderno com os indicadores de Governança de TIC que deverá conter no mínimo as seguintes informações: Lista dos indicadores; Insumos para cálculo das métricas dos indicadores: identificar, à partir de análises baseadas nos conhecimentos obtidos ao longo dos trabalhos, quais insumos podem ser mais facilmente obtidos, permitindo uma implementação mais rápida do conjunto de indicadores selecionados, considerando: o Insumos que já existem e podem ter sua extração automatizada; o Insumos que podem ser coletados manualmente; o Insumos inviáveis. Detalhamento dos indicadores: o Sigla do Indicador; o Título do indicador; o Finalidade do indicador;

15 o o o o o o o Produto 3: Prazo para revisão do indicador; Insumos para cálculo do indicador; Método de cálculo do indicador; idade de medida; Periodicidade da coleta; Meta dos indicadores; Área responsável pelo indicador. Relatório com o Caderno de Indicadores de Governança de TIC. Encerramento Nesta etapa deverá ocorrer o encerramento do projeto, por meio de uma reunião de encerramento com a apresentação dos resultados a todos os envolvidos e os gestores do órgão. Produto 4: Relatório final do projeto, contendo as informações do histórico da execução do projeto; Workshop de entrega dos resultados SERVIÇOS ESPECIALIZADOS PARA ESTRUTURAÇÃO DO ESCRITÓRIO DE PROJETOS DE TIC. Serviços especializado para estruturar um escritório de projetos de TIC com o objetivo de gerenciar de forma integrada e padronizada o portfólio de projetos do órgão, desde os em execução e bem como os projetos em prospecção e com previsão de realização. Também este serviço deverá contemplar a adoção de boas práticas e metodologias para a gestão dos projetos do portfólio, provendo capacitação aos funcionários gestores de projetos. Planejamento do projeto O planejamento do projeto deverá contemplar o alinhamento das expectativas e necessidades dos envolvidos no projeto, tanto por parte do órgão quanto da Contratada, definição da equipe de trabalho, escopo do projeto, produtos a serem entregues, cronograma com marcos definidos, riscos identificados, premissas e compromissos assumidos, matriz de responsabilidade e critério de aceitação. Produto 1: Plano de Projeto e Cronograma de execução e entregas. Levantamento da situação atual da gestão de projeto Nesta etapa deverá ser realizado o levantamento da situação atual do modelo de gerenciamento de projetos, a maturidade deste modelo e as expectativas para a implantação de um novo modelo, considerando as seguintes atividades: Levantamento dos documentos e formulários em uso para o gerenciamento dos projetos do órgão; Levantamento do modelo atual de gerenciamento de projetos: o Ferramentas; o Processos; o Papéis e responsabilidades; o Relatórios de acompanhamentos. Diagnóstico da maturidade dos processos de gerenciamento de projetos. Produto 2: Relatório da situação atual da gestão de projetos. Treinamento em metodologia de gerenciamento de projetos Nesta etapa a Contratada deverá ministrar treinamento em metodologia de gerenciamento de projetos, de forma a capacitar da equipe técnica do órgão que atuará no gerenciamento dos projetos relacionados ao órgão. O treinamento deverá ter a duração de 16 horas para até 2 turmas de 8 alunos cada turma. O treinamento deverá ser realizado nas dependências da contratante. O Programa de Capacitação deverá ser desenvolvido em torno de 3 (três) dimensões distintas, porém interligadas e complementares, adequando os conteúdos programáticos aos profissionais que atuarão como gerente de projetos, a saber: Dimensão Conceitual dos Projetos: deverá dar ao aluno as orientações para elaboração de Projetos - Plano de Projeto, contemplando o conceito da proposta, possíveis agentes financiadores e o ciclo de vida do projeto, abordando sua implementação, operação, controle e relatórios conclusivos. Dimensão Gerencial: essa dimensão dará ao aluno as ferramentas básicas que serão utilizadas nos módulos posteriores, assim como desenvolver suas habilidades gerenciais fundamentais, de modo que possam pensar gestão de empreendimentos de forma sistêmica, e não de forma isolada, fragmentada e cartesiana; Dimensão de Project Manangement: deverá apresentar ao aluno o padrão PMBOK do PMI, nas Áreas de Conhecimento mais relevantes para o processo de elaboração e gerenciamento de projetos definidas na metodologia. Produto 3: Relatório de capacitação contendo o material do treinamento realizado. Elaboração de modelos de documentos e formulários Nesta etapa deverão ser elaborados os modelos de documentos e formulários que farão parte do novo modelo de gerenciamento de projetos e também na adequação de documentos existentes, a saber: Documentos de concepção de projeto; Documentos de plano de projeto; Documentos de plano de comunicação; Documentos de plano de gerenciamento de risco; Documento com modelos de cronograma; Documentos com modelo de Estrutura Analítica do Projeto; Principais registros para monitoração e acompanhamento de projetos; Demais documentos e formulários para controle de projetos. Produto 4: Relatório contendo os modelos e formulários.

16 Apoio consultivo no gerenciamento de projetos Nesta etapa a contratada deverá disponibilizar consultores para suporte técnico à equipe do escritório de projetos na implantação da nova metodologia de gerenciamento de projetos, contemplando: Solução de dúvidas em relação aos modelos e formulários criados; Melhoria nos modelos e formulários implantados; Apoio na criação de novos modelos e formulários; Realização de oficinas para elaboração de projetos; Acompanhamento em reuniões previamente agendadas; Parecer e direcionamento das ações dos profissionais que atuam no gerenciamento de projetos. Produto 5: Relatório contendo as informações sobre as ações realizadas no apoio consultivo. Encerramento Nesta etapa deverá ocorrer o encerramento do projeto, por meio de uma reunião de encerramento com a apresentação dos resultados a todos os envolvidos e os gestores do órgão. Produto 6: Relatório final do projeto, contendo as informações do histórico da execução do projeto; Workshop de entrega dos resultados LOTE II - SERVIÇOS DE DIRECIONAMENTO ESTRATÉGICO EM TECNOLOGIAS DE REDES DE DADOS E TELECOMUNICAÇÕES: SERVIÇOS ESPECIALIZADOS DE ANÁLISE E PLANEJAMENTO PARA EVOLUÇÃO TECNOLÓGICA DE REDES Este serviço Especializado deverá realizar a análise e planejamento da evolução tecnológica de redes compreendendo o levantamento, seleção e proposta de soluções tecnológicas incrementais e inovadoras que possibilitem a criação ou o aperfeiçoamento das redes dos órgãos do Estado de Mato Grosso. Este Serviço especializados deverá ter por objetivo aumentar a capacidade tecnológica dos serviços de rede de dados dos órgãos estaduais e satisfazer requisitos de qualidade e objetivos de desempenho, incluindo os seguintes itens: Melhorar a qualidade dos serviços prestados pelos órgãos conveniados; Aumentar a produtividade dos órgãos conveniados; Diminuir o tempo de desenvolvimento e implantação de soluções tecnológicas; Elevar o grau de satisfação dos usuários finais; Reduzir o tempo de resposta ou de entrega de soluções tecnológicas; Reduzir o tempo de adaptação às novas tecnologias. Planejamento do projeto Nesta etapa deverá ocorrer o planejamento do projeto contemplando, ao menos, alinhamento das expectativas e necessidades dos envolvidos no projeto, tanto por parte do órgão quanto da Contratada, definição da equipe de trabalho, escopo do projeto, produtos a serem entregues, cronograma com marcos definidos, riscos identificados, premissas e compromissos assumidos, matriz de responsabilidade e critério de aceitação. Produto 1: Plano de projeto e cronograma de execução e de entregas. 1. Levantamento da situação atual Nesta etapa deverá ser realizado o levantamento de toda a infraestrutura de comunicação de dados do órgão. Com o resultado do levantamento deverá ser realizada a análise de lacunas entre a infraestrutura instalada e a real necessidade do órgão, sendo que a Contratada deverá propor nelhorias evolutivas. Produto 2: Relatório detalhado da situação atual da rede e da infraestrutura de comunicação de dados do órgão; Relatório com a análise de lacunas em relação a real necessidade do órgão. Identificar e Analisar Evoluções Tecnológicas de Redes Nesta etapa deverá ser realizada a identificação e análise de soluções tecnológicas inovadoras com potencial de melhorar os padrões de qualidade e desempenho da rede de comunicação de dados do órgão, objetivando a melhoria dos serviços prestados, que deverá contemplar as seguintes atividades: Analisar serviços e processos para determinar áreas onde as soluções inovadoras serão mais úteis; Investigar soluções inovadoras que podem melhorar os serviços e processos; Analisar soluções inovadoras potenciais para compreender os seus efeitos e prever a sua influência sobre os serviços e processos; Analisar custos e benefícios das soluções inovadoras potenciais; Elaborar propostas de soluções tecnológicas inovadoras que podem resultar na melhoria dos serviços e processos; Selecionar soluções inovadoras para serem testadas antes da implantação em larga escala; Documentar resultados das avaliações de soluções inovadoras. Produto 3: Relatório das de soluções tecnológicas propostas; Relatório com a análise de soluções tecnológicas propostas. Proposição da solução tecnológica Nesta etapa deverá ser elaborada a avaliação de previsão de demandas para novos serviços e simulação de tráfego para os mesmos, considerando a elaboração de projeto básico da solução tecnológica.

17 Produto 4: Relatório detalhado com as previsões de demandas de tráfego simuladas; Projeto básico da nova rede que atende as premissas de serviços do órgão. Encerramento Nesta etapa deverá ocorrer o encerramento do projeto, ao menos por meio de uma reunião de encerramento com a apresentação dos resultados. Produto 5 Workshop de entrega dos resultados SERVIÇOS ESPECIALIZADOS DE ANÁLISE DE DESEMPENHO DE REDES, SERVIÇOS E APLICAÇÕES FIM-A-FIM. Este serviço especializados deverá consistir no levantamento da estrutura atual da rede de dados do órgão para a análise de desempenho dos serviços e aplicações e subsidiando a elaboração de um plano de ações para a atualização tecnológica da rede. Planejamento do projeto Nesta etapa deverá ocorrer o planejamento do projeto contemplando, ao menos, alinhamento das expectativas e necessidades dos envolvidos no projeto, tanto por parte do órgão quanto da Contratada, definição da equipe de trabalho, escopo do projeto, produtos a serem entregues, cronograma com marcos definidos, riscos identificados, premissas e compromissos assumidos, matriz de responsabilidade e critério de aceitação. Produto 1: Plano de projeto e cronograma de execução e de entregas. Levantamento de informações Nesta etapa deverá ser realizado o levantamento de informações da rede de comunicação de dados e os principais serviços, devendo ser considerado pela Contratada os seguintes itens: Inventário da rede de dados; Inventário das condições de operação dos equipamentos; Inventário da configuração dos equipamentos; Diagramação da rede de dados; Levantamento da latência da rede; Inventário do endereçamento IP, subnets e VLAN s; Tráfego dos uplinks e links WAN; Inventário da gerência da rede; Inventário da rede de backup. Produto 2: Relatório com os resultados dos levantamentos e inventários. Análise de informações Nesta etapa deverá ser realizada a análise de informações dos levantamentos e inventários da rede de comunicação de dados do órgão, devendo ser considerado pela contratada os seguintes itens: Análise da topologia da rede de dados; Análise da configuração e operação dos equipamentos; Análise da latência da rede; Análise do endereçamento IP, subnets e VLAN s; Análise do tráfego dos uplinks e links WAN; Análise da gerência de rede; Análise da rede de backup. Produto 3: Relatório técnico com o resultado das análises realizadas; Apresentação dos resultados das análises. Formulação do Plano de Ações Nesta etapa deverá se elaborado os planos de ações, sendo que a Contrata deverá prover as seguintes informações: Ações de curto prazo (ações críticas e imediatas); Ações de médio prazo (ações que requerem planejamento); Ações de longo prazo (ações de melhoria); Estimativa de investimento financeiro para cada uma das ações; Estimativa de esforço para cada uma das ações; Nível de dificuldade de implantação de cada uma das ações; Escala de risco de cada uma das ações. Produto 4: Relatório técnico contendo os planos de ação; Apresentação dos planos de ação. Encerramento Nesta etapa deverá ocorrer o encerramento do projeto, ao menos por meio de uma reunião de encerramento com a apresentação dos resultados. Produto 5: Workshop de entrega dos resultados SERVIÇOS ESPECIALIZADOS DE PLANEJAMENTO, PROJETO E SUPORTE PARA AQUISIÇÃO, IMPLANTAÇÃO, ACEITAÇÃO E OPERAÇÃO DE REDE DE COMUNICAÇÃO DE DADOS Este item deverá contemplar os seguintes assuntos: Avaliação e análise da rede (auditoria); Elaboração de Projeto Básico com elementos e especificações técnicas para caracterizar tecnicamente a rede do órgão, objeto da contratação, suporte técnico ao órgão nas atividades de contratação de uma infraestrutura de rede, análise de propostas e suporte técnico e respostas aos questionamento técnicos dos fornecedores que irá subsidiar a escolha da melhor oferta técnica; Fiscalizar, aceitar e coordenar a implantação da rede, seus equipamentos e os serviços de rede contratados atestando o cumprimento de todos itens constantes no Projeto Básico, prestação de serviços para implantação dos equipamentos de rede, links de comunicação e execução de testes funcionais em campo para aceitação da rede, testes laboratoriais e de campo em equipamentos de rede e implantação de testes piloto de redes e piloto de tecnologias. Planejamento do projeto Nesta etapa deverá ocorrer o planejamento do projeto contemplando, ao menos, alinhamento das expectativas e necessidades dos envolvidos no projeto, tanto por parte do órgão quanto da Contratada, definição da equipe de trabalho, escopo do projeto, produtos a serem entregues, cronograma com marcos definidos, riscos

18 identificados, premissas e compromissos assumidos, matriz de responsabilidade e critério de aceitação. Produto 1: Plano de projeto e cronograma de execução e de entregas. Elaboração de solução técnica Nesta etapa deverá ser elaborada a concepção, planejamento e projeto de soluções de rede para atender requistos definidos para os órgãos do Estado de Mato Grosso. Produto 2: Relatórios contendo Projetos Básicos e memoriais descritivos das soluções a serem adquiridas. Acompanhamento de Aquisições Nesta etapa a Contrata deverá realizar o acompanhamento de aquisições que compreenderá a preparação da aquisição e gerenciamento do contrato contendo as seguintes atividades: Desenvolvimento de Requisitos de Aquisição; Desenvolvimento do Pacote de Documentos de Aquisição e do Contrato; Acompanhamento Técnico da Aquisição; Acompanhamento do Contrato de Aquisição. Produto 3: Relatório com os termos de referencia para aquisição de materiais e serviços que compõe a rede de dados; Relatório com as informações referente ao processo de contratação. Encerramento Nesta etapa deverá ocorrer o encerramento do projeto, ao menos por meio de uma reunião de encerramento com a apresentação dos resultados. Produto 4: Workshop de entrega dos resultados SERVIÇOS ESPECIALIZADOS DE SUPORTE PARA MIGRAÇÃO IPV6 Este item de serviço deverá estabelecer as diretrizes gerais de um plano de migração dos ativos de hardware e software do órgão para a nova geração do protocolo da internet, denominado IPv6. Planejamento do projeto Nesta etapa deverá ocorrer o planejamento do projeto contemplando, ao menos, alinhamento das expectativas e necessidades dos envolvidos no projeto, tanto por parte do órgão quanto da Contratada, definição da equipe de trabalho, escopo do projeto, produtos a serem entregues, cronograma com marcos definidos, riscos identificados, premissas e compromissos assumidos, matriz de responsabilidade e critério de aceitação. Produto 1: Plano de projeto e cronograma de execução e de entregas. Levantamento de informações Nesta etapa a Contratada deverá realizar levantamento das informações das configurações do endereço IP existente para suportar o plano de migração. Produto 2: Relatório detalhado com os pontos que necessitam ação para a devida migração. Plano de Migração de hardware e software para IPv6 Nesta etapa deverá ser elaborado o plano de migração para Ipv6 que deverá contender as seguintes atividades: Definir as diretrizes estratégicas que suportarão a migração, incluindo um roadmap de migração de acordo com as estratégias corporativas do órgão; Fornecer suporte tecnológico para especificar, analisar e configurar ativos de rede para o nova geração de protocolo de endereçamento IPv6; Fornecer suporte tecnológico para configuração e implantação de redes IPv6; Adequação técnica em linhas de código de software e aplicações legadas. Produto 3: Relatório de diretrizes estratégicas para a migração; Relatório descritivo das alterações em hardware e software. Encerramento Nesta etapa deverá ocorrer o encerramento do projeto, ao menos por meio de uma reunião de encerramento com a apresentação dos resultados. Produto 4: Workshop de entrega dos resultados DO SIGILO, PROPRIEDADE DAS INFORMAÇÕES, DIREITO PATRIMONIAL E PROPRIEDADE INTELECTUAL A CONTRATADA cederá ao CONTRATANTE o direito patrimonial e a propriedade intelectual em caráter definitivo dos resultados produzidos em consequência deste Contrato, entendendo-se por resultados quaisquer estudos, relatórios, descrições técnicas, dados, esquemas, plantas, desenhos, diagramas, fontes dos códigos dos programas em qualquer mídia, páginas na Intranet e Internet e documentação didática em papel ou em mídia eletrônica. Assim todas as informações obtidas e/ou produzidas decorrentes da contratação execução das atividades são de propriedades da CEPROMAT e/ou Órgãos vinculados a Ata de Registro de Preços n. **/**** A CONTRATADA e todos os funcionários envolvidos no processo de execução das atividades deverão manter sigilo absoluto sobre quaisquer informações da CEPROMAT e órgãos vinculados a este contrato A CONTRATADA, através de seu representante, deverá assinar o Acordo de Confidencialidade de Informação e dar ciência do mesmo a toda sua equipe de profissionais que participarão da execução do contrato ATUALIZAÇÃO TECNOLÓGICA

19 Durante o prazo de vigência do contrato, a CONTRATADA deverá garantir a atualização tecnológica necessárias para a prestação dos serviços As atualizações de programas deverão cobrir todos os programas (software e firmware) de propriedade da CONTRATANTE e incluir o fornecimento de correções (patches) e novas versões/revisões/distribuições (releases) assim que o fabricante as torne disponíveis Entende-se por atualização de programas qualquer correção, pequena modificação, aperfeiçoamento (update), ou desenvolvimento de nova versão (upgrade) efetuado pelo fabricante para os produtos em questão TRANSFERÊNCIA DE CONHECIMENTO E TRANSIÇÃO CONTRATUAL A transferência de conhecimento para o CONTRATANTE, no uso das soluções desenvolvidas pela CONTRATADA, deverá ser viabilizado, sem ônus adicionais para o CONTRATANTE, conforme Plano de Transferência de Conhecimento fornecido pela CONTRATADA, em eventos específicos de transferência de conhecimento, preferencialmente em ambiente disponibilizado pela CONTRATADA, e baseado em documentos técnicos e/ou manuais específicos da solução desenvolvida. O cronograma e horários dos eventos deverão ser previamente aprovados pelo CONTRATANTE A CONTRATADA deverá descrever a metodologia, conforme o Plano de Transferência de Conhecimento, que será utilizada para transferir conhecimento aos técnicos do CONTRATANTE e da nova contratada, os quais poderão ser multiplicadores do conhecimento transferido a outros técnicos ou a usuários finais Em ocorrendo nova licitação, com mudança de fornecedor dos serviços, a CONTRATADA signatária do contrato em fase de expiração, assim considerado o período dos últimos três meses de vigência, deverá repassar para a vencedora do novo certame, por intermédio de eventos formais, os documentos necessários a continuidade da prestação dos serviços, bem como esclarecer dúvidas a respeito de procedimentos no relacionamento entre o CONTRATANTE e a nova contratada SUBCONTRATAÇÃO: Mediante prévia e expressa autorização do ÓRGÃO GESTOR e CONTRATANTE, a CONTRATADA poderá, sem prejuízo das suas responsabilidades contratuais e legais, como única responsável diante da CONTRATANTE, subcontratar os serviço, desde que não alterem substancialmente as cláusulas pactuadas e que não totalize o serviço do Item contratado; Fica sob inteira responsabilidade da CONTRATADA, em relação as subcontratações permitidas, a qualidade, a fidelidade ao objeto e a garantia sobre a totalidade dos serviços prestados; Havendo subcontratação, deverá ser demonstrado e documentado que esta somente abrangerá etapas dos serviços, ficando claro que a subcontratada apenas reforçará a capacidade técnica da CONTRATADA, que executará, por seus próprios meios, a parte principal dos serviços de que trata este projeto básico, assumindo a responsabilidade direta e integral pela qualidade dos serviços contratados; A CONTRATADA responsabiliza-se pela padronização, compatibilidade, gerenciamento centralizado e qualidade da subcontratação; A relação estabelecida neste contrato é exclusivamente entre a CONTRATANTE e a CONTRATADA, não havendo qualquer vínculo ou relação de nenhuma espécie entre a CONTRATANTE e a subcontratada, inclusive no que diz respeito à medição e pagamento direto a subcontratada; A CONTRATADA ao requerer autorização para SUBCONTRATAÇÃO de parte dos serviços, no decorrer do contrato, deverá comprovar perante a Administração a regularidade jurídico, fiscal, previdenciário e trabalhista de sua subcontratada, respondendo pelo inadimplemento destas quando relacionadas com o objeto do contrato No caso de subcontratação, deverá apresentar declaração perante a Administração que: a) cumpre o disposto do art. 7º, inciso XXXIII, da Constituição Federal, para fins do disposto o inciso V, do artigo 27 da Lei nº 8.666/93; c) Que atende os preceitos constantes no inciso III, do artigo 9 da Lei nº 8.666/93 e; d) Que atende os preceitos constantes no inciso X, artigo 144 da Lei Complementar nº 04/90 do Estado de Mato Grosso As empresas subcontratadas também devem comprovar, perante o CEPROMAT e CONTRATANTE, que entre seus diretores, responsáveis técnicos ou sócios não constam funcionários, empregados ou ocupantes de cargo comissionado nos órgãos e entidades da Administração Publica Estadual A empresa contratada é responsável pelos danos causados pela subcontratada à Administração ou a terceiros na execução do objeto subcontratado A empresa contratada compromete-se a substituir imediatamente a empresa subcontratada, na hipótese de extinção da subcontratação, sob pena de aplicação das sanções previstas no edital e seus anexos Aplicam-se às empresas subcontratadas todas as restrições previstas neste Contrato. CLÁUSULA QUINTA DA GARANTIA CONTRATUAL 5.1. Para segurança do CONTRATANTE quanto ao cumprimento das obrigações contratuais, a CONTRATADA deverá apresentar garantia contratual (comprovante), no prazo máximo de 10 (dez) dias úteis após a assinatura do contrato, em conformidade com o 1º, do artigo 56, da Lei Federal n /93, no percentual de 5% (cinco por cento) do valor global do contrato O comprovante da garantia deverá ser apresentado em original, devendo ter sua validade, no mínimo, o prazo de vigência deste Contrato Se a CONTRATADA não apresentar a Garantia Contratual no prazo estabelecido estará sujeita a aplicação da penalidade de Advertência, no caso de fornecimento parcelado ou serviço continuado e multa de até 0,33% (trinta e três décimos por cento) do valor total da Garantia, por dia de atraso A garantia será em conformidade com o a Lei Federal n /93, devendo a CONTRATADA optar por uma das seguintes modalidades: Caução em dinheiro, sendo que o depósito deverá ser feito em nome do CONTRATANTE; Quando a garantia for apresentada em dinheiro, ela será atualizada monetariamente, conforme os critérios estabelecidos pela instituição bancária em que for realizado o depósito.

20 Fiança bancária, tendo como beneficiária direta ao CONTRATANTE; Os títulos da dívida pública, Não sendo aceitos títulos que possuam valores históricos. Os títulos da dívida pública devem ser emitidos sob a forma escritural, mediante registro em sistema centralizado de liquidação e de custódia autorizado pelo Banco Central do Brasil e avaliados pelos seus valores econômicos, conforme definido pelo Ministério da Fazenda e a validade desses títulos deverá ser comprovada junto a Secretaria do Tesouro Nacional STN; Seguro-Garantia, o qual consistirá em contrato firmado entre a CONTRATADA e uma Instituição Seguradora, que assumirá os riscos de eventos relativos a inexecução do contrato ou qualquer prestação devida à Administração Pública, no qual constará como beneficiária o CONTRATANTE, cabendo a CONTRATADA o ônus com o prêmio do referido Seguro; No caso de apresentação de Seguro-Garantia, o valor do prêmio total deverá estar integralmente adimplido com a Seguradora, e a CONTRATADA deverá entregar ao CONTRATANTE, juntamente com a Apólice do Seguro-Garantia, o devido recibo do pagamento do prêmio total, a fim de garantir a efetiva cobertura para a Administração quando for necessário; O Seguro-Garantia para ser aceito deverá ser registrado e validado na Superintendência de Seguros Privados SUSEP; 5.4. Aditado o Contrato, prorrogado o prazo de sua vigência ou alterado o seu valor, ou reduzido o valor da garantia em razão de aplicação de qualquer penalidade, fica a CONTRATADA obrigada a apresentar garantia complementar ou substituí-la, no mesmo percentual e modalidades constantes deste item No caso de prorrogação do prazo contratual, a garantia será liberada após a apresentação da nova garantia Havendo acréscimo ou supressão de serviços, a garantia poderá ser acrescida ou reduzida, guardada a proporção inicialmente estabelecida; 5.7. Após o cumprimento fiel e integral do contrato, inclusive com a resolução de eventuais pendências, o CONTRATANTE devolverá, depois da lavratura do termo de recebimento definitivo do objeto contratual A garantia prestada pela CONTRATADA poderá, a critério da Administração, ser utilizada para cobrir eventuais multas e ou cobrir o inadimplemento de obrigações contratuais, sem prejuízo da indenização extracontratual cabível Se o valor da garantia for utilizado em pagamento de qualquer obrigação, a CONTRATADA obriga-se a fazer a respectiva reposição no prazo máximo de 05 (cinco) dias úteis, contados da data em que for notificada pelo CONTRATANTE No caso de rescisão contratual, até definitiva solução das pendências administrativas e judiciais, a garantia ficará retida pela CONTRATANTE; A garantia somente será restituída à CONTRATADA após o integral cumprimento das obrigações contratuais; A garantia prestada não poderá se vincular a outras contratações;e A garantia referida neste item deverá se estender até, no mínimo, de 03 (três) meses após o término da vigência contratual e somente será liberada ou restituída, no prazo máximo de 90 (noventa) dias, depois de expirado o prazo de vigência do Contrato, ante a comprovação de que a empresa pagou todas as verbas rescisórias trabalhistas decorrentes da contratação. Caso esse pagamento não ocorra até o fim do segundo mês após o encerramento da vigência contratual, a garantia será utilizada para o pagamento dessas verbas trabalhistas diretamente pela Administração; Prazo da garantia de atualização de versão e suporte técnico da solução, no mínimo, doze meses contados do recebimento definitivo; Prazo da garantia dos serviços de instalação, configuração, customização e manutenção da solução, no mínimo, noventa dias contados do recebimento definitivo; A CONTRATADA garante a atualização do software fornecido, pelo período de 12 meses, contados a partir do recebimento definitivo do objeto do contrato A CONTRATADA deverá disponibilizar ao CEPROMAT, em até cinco dias úteis, a liberação de atualizações do software, informando sobre as alterações efetuadas e entregando a(s) mídia(s) correspondente(s) AS GARANTIAS LEGAL E/OU CONTRATUAL NÃO COBREM: Falhas no funcionamento do produto decorrentes de uso inadequado, ou seja, em desacordo com as instruções e/ou recomendações do manual de instrução do produto; Produtos ou peças que tenham sido danificados em consequência de remoção ou manuseio por pessoas não autorizadas; Peças sujeitas ao desgaste natural, descartáveis ou consumíveis, bem como a mão-de-obra utilizada na aplicação das peças e as consequências advindas dessas ocorrências SANÇÃO POR DESCUMPRIMENTO DE OBRIGAÇÕES DE GARANTIA O atraso injustificado na atualização do software implicará multa correspondente a 1% (um por cento) por dia de atraso, calculada sobre o valor do objeto, até o limite de 30% (trinta por cento) do respectivo valor total Na hipótese mencionada no item anterior, o atraso injustificado por período superior a 30 (trinta) dias caracterizará o descumprimento total da obrigação, punível com a sanção previstas neste Contrato.; e Caberá a CONTRATADA, no período de garantia, realizar toda a correção decorrente dos erros ou falhas cometidas na execução dos serviços contratados e/ou decorrentes de integração e adequação sistêmica, desde que, comprovadamente, não tenham se dado em razão das especificações feitas pela CONTRATANTE. CLÁUSULA SEXTA OBRIGAÇÕES DO CONTRATANTE 6.1. Fornecer à CONTRATADA todos os elementos que se fizerem necessários à compreensão dos serviços a serem executados, informações técnicas e dados complementares que se tornem necessários à boa realização dos serviços, colaborando no seu estudo e interpretação Exercer a fiscalização da execução dos serviços, através da idade Setorial de TI do Órgão ou do CEPROMAT A fiscalização por parte do CONTRATANTE não exime, nem reduz a responsabilidade da CONTRATADA no cumprimento dos

TERMO DE REFERÊNCIA. Contratação de empresa para prestação de serviços de treinamento em Information Technology Infrastructure Library (ITIL)V3.

TERMO DE REFERÊNCIA. Contratação de empresa para prestação de serviços de treinamento em Information Technology Infrastructure Library (ITIL)V3. TERMO DE REFERÊNCIA Contratação de empresa para prestação de serviços de treinamento em 1. OBJETO Contratação de empresa para prestação de serviços de treinamento em conceitos da biblioteca ITIL V3 - Infrastructure

Leia mais

CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO X PROJETO BÁSICO: DESCRIÇÃO DOS PROCESSOS DE TI

CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO X PROJETO BÁSICO: DESCRIÇÃO DOS PROCESSOS DE TI CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO X PROJETO BÁSICO: DESCRIÇÃO DOS PROCESSOS DE TI 1. PI06 TI 1.1. Processos a serem Atendidos pelos APLICATIVOS DESENVOLVIDOS Os seguintes processos do MACROPROCESSO

Leia mais

1. Descrição dos Serviços de Implantação da SOLUÇÃO

1. Descrição dos Serviços de Implantação da SOLUÇÃO Este documento descreve os serviços que devem ser realizados para a Implantação da Solução de CRM (Customer Relationship Management), doravante chamada SOLUÇÃO, nos ambientes computacionais de testes,

Leia mais

ESPECIFICAÇÕES DO OBJETO

ESPECIFICAÇÕES DO OBJETO ANEXO IV REFERENTE AO EDITAL DE PREGÃO Nº 022/2013 ESPECIFICAÇÕES DO OBJETO ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DE Nº 001/2013 1. OBJETO DE CONTRATAÇÃO A presente especificação tem por objeto a Contratação de empresa

Leia mais

Gestão da Tecnologia da Informação

Gestão da Tecnologia da Informação TLCne-051027-P0 Gestão da Tecnologia da Informação Disciplina: Governança de TI São Paulo, Outubro de 2012 0 Sumário TLCne-051027-P1 Conteúdo desta Aula Abordar o domínio Adquirir e Implementar e todos

Leia mais

Secretaria de Gestão Pública de São Paulo. Guia de Avaliação de Maturidade dos Processos de Gestão de TI

Secretaria de Gestão Pública de São Paulo. Guia de Avaliação de Maturidade dos Processos de Gestão de TI Secretaria de Gestão Pública de São Paulo Guia de Avaliação de Maturidade dos Processos de Gestão de TI Objetivos As empresas e seus executivos se esforçam para: Manter informações de qualidade para subsidiar

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO DE PESSOAS SEBRAE/TO UNIDADE: GESTÃO ESTRATÉGICA PROCESSO: TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

SISTEMA DE GESTÃO DE PESSOAS SEBRAE/TO UNIDADE: GESTÃO ESTRATÉGICA PROCESSO: TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO SISTEMA DE GESTÃO DE PESSOAS SEBRAE/TO UNIDADE: GESTÃO ESTRATÉGICA PROCESSO: TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Competências Analista 1. Administração de recursos de infra-estrutura de tecnologia da informação 2.

Leia mais

Governança AMIGA. Para baixar o modelo de como fazer PDTI: www.microsoft.com/brasil/setorpublico/governanca/pdti

Governança AMIGA. Para baixar o modelo de como fazer PDTI: www.microsoft.com/brasil/setorpublico/governanca/pdti e d a id 4 m IN r fo a n m Co co M a n ua l Governança AMIGA Para baixar o modelo de como fazer PDTI: www.microsoft.com/brasil/setorpublico/governanca/pdti Um dos grandes desafios atuais da administração

Leia mais

MECANISMOS PARA GOVERNANÇA DE T.I. IMPLEMENTAÇÃO DA. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza

MECANISMOS PARA GOVERNANÇA DE T.I. IMPLEMENTAÇÃO DA. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza MECANISMOS PARA IMPLEMENTAÇÃO DA GOVERNANÇA DE T.I. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza CICLO DA GOVERNANÇA DE TI O CICLO DA GOVERNANÇA DE TI O Ciclo da Governança de T.I. ALINHAMENTO

Leia mais

Termo de Referência. Prestação de Serviços de Treinamento na área de Gerenciamento de Projetos

Termo de Referência. Prestação de Serviços de Treinamento na área de Gerenciamento de Projetos Termo de Referência Prestação de Serviços de Treinamento na área de Gerenciamento de Projetos Maio/2012 Índice 1. OBJETO... 3 2. ESCOPO... 3 3. PRAZO... 7 4. LOCAL DE TREINAMENTO... 7 5. HORÁRIO DE TREINAMENTO...

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA No XXX Contrato por Produto - Nacional. Elaboração de Plano de Diretor de Tecnologia da Informação e Comunicação.

TERMO DE REFERÊNCIA No XXX Contrato por Produto - Nacional. Elaboração de Plano de Diretor de Tecnologia da Informação e Comunicação. TERMO DE REFERÊNCIA No XXX Contrato por Produto - Nacional 1. Função no Projeto: Elaboração de Plano de Diretor de Tecnologia da Informação e Comunicação. 2. Nosso Número BRA/12/010 3. Antecedentes A missão

Leia mais

TERMOS DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA

TERMOS DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA TERMOS DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA 1. PROJETO IDF SAÚDE Nº 07/2014 2. TÍTULO Consultoria individual especializada em Tecnologia da Informação - TI 3. ENQUADRAMENTO DOS TERMOS DE REFERÊNCIA

Leia mais

ANEXO X DIAGNÓSTICO GERAL

ANEXO X DIAGNÓSTICO GERAL ANEXO X DIAGNÓSTICO GERAL 1 SUMÁRIO DIAGNÓSTICO GERAL...3 1. PREMISSAS...3 2. CHECKLIST...4 3. ITENS NÃO PREVISTOS NO MODELO DE REFERÊNCIA...11 4. GLOSSÁRIO...13 2 DIAGNÓSTICO GERAL Este diagnóstico é

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DE REDES E DATA CENTER 1º PERÍODO DE TECNOLOGIA DE REDES

ADMINISTRAÇÃO DE REDES E DATA CENTER 1º PERÍODO DE TECNOLOGIA DE REDES DESENHO DE SERVIÇO Este estágio do ciclo de vida tem como foco o desenho e a criação de serviços de TI cujo propósito será realizar a estratégia concebida anteriormente. Através do uso das práticas, processos

Leia mais

PREGÃO Nº 28/2010 PERGUNTAS E RESPOSTAS

PREGÃO Nº 28/2010 PERGUNTAS E RESPOSTAS Pergunta 1 Qual o valor estimado para a contratação? PREGÃO Nº 28/2010 PERGUNTAS E RESPOSTAS Resposta 1 O valor estimado consta do respectivo processo licitatório, que poderá ser consultado no endereço

Leia mais

Planejamento Estratégico 2011 para implementação de Software Livre

Planejamento Estratégico 2011 para implementação de Software Livre Planejamento Estratégico 2011 para implementação de Software Livre FÓRUM DE SOFTWARE LIVRE - 2010 Valdir Barbosa Agenda Plano estratégico 2011 para uso de Software Livre Diretrizes Objetivos e indicadores

Leia mais

REQUISIÇÃO DE PROPOSTA. 1.1 Desenvolver o Plano de Continuidade de Negócios - PCN com base na ISO 22301.

REQUISIÇÃO DE PROPOSTA. 1.1 Desenvolver o Plano de Continuidade de Negócios - PCN com base na ISO 22301. REQUISIÇÃO DE PROPOSTA Esta Requisição de Proposta foi elaborada pela Gerência de Segurança Empresarial - GESEM da Cartão BRB e tem como objetivo fornecer aos interessados as especificações do objeto abaixo,

Leia mais

AVALIAÇÃO QUALITATIVA E QUANTITATIVA DO QUADRO DE SERVIDORES DA COTEC

AVALIAÇÃO QUALITATIVA E QUANTITATIVA DO QUADRO DE SERVIDORES DA COTEC MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE INSTITUTO CHICO MENDES DE CONSERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE DIRETORIA DE PLANEJAMENTO, ADMINISTRAÇÃO E LOGÍSTICA Coordenação-Geral de Administração e Tecnologia da Informação Coordenação

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA - TR Pregão Eletrônico nº 016/2008

TERMO DE REFERÊNCIA - TR Pregão Eletrônico nº 016/2008 CENTRO DE TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO TERMO DE REFERÊNCIA - TR Pregão Eletrônico nº 016/2008 Anexo II 1 DO OBJETO 1.1 - Prestação de serviços de suporte técnico assistido

Leia mais

Governança de TI com COBIT, ITIL e BSC

Governança de TI com COBIT, ITIL e BSC {aula #2} Parte 1 Governança de TI com melhores práticas COBIT, ITIL e BSC www.etcnologia.com.br Rildo F Santos rildo.santos@etecnologia.com.br twitter: @rildosan (11) 9123-5358 skype: rildo.f.santos (11)

Leia mais

BANRISUL ARMAZÉNS GERAIS S.A. EDITAL DE CREDENCIAMENTO Nº 001/2007 Regida pela Lei nº 8.666/93 e suas alterações

BANRISUL ARMAZÉNS GERAIS S.A. EDITAL DE CREDENCIAMENTO Nº 001/2007 Regida pela Lei nº 8.666/93 e suas alterações BANRISUL ARMAZÉNS GERAIS S.A. EDITAL DE CREDENCIAMENTO Nº 001/2007 Regida pela Lei nº 8.666/93 e suas alterações A Banrisul Armazéns Gerais S.A., atendendo ao disposto nos arts. 13 e 25 II da lei nº 8.666/93,

Leia mais

MINISTÉRIO DA CULTURA FUNDAÇÃO NACIONAL DE ARTES FUNARTE COMISSÃO DE COLETA SELETIVA SOLIDÁRIA HABILITAÇÃO Nº. 01/2014

MINISTÉRIO DA CULTURA FUNDAÇÃO NACIONAL DE ARTES FUNARTE COMISSÃO DE COLETA SELETIVA SOLIDÁRIA HABILITAÇÃO Nº. 01/2014 A Fundação Nacional de Artes FUNARTE realizará, das 9 horas do dia 23 de janeiro de 2014 às 16 horas do dia 28 de janeiro de 2014, procedimento de HABILITAÇÃO das associações e cooperativas de catadores

Leia mais

CONSULTA PÚBLICA até 28/08/2009. até a data acima mencionada

CONSULTA PÚBLICA até 28/08/2009. até a data acima mencionada CONSULTA PÚBLICA O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social BNDES está preparando processo licitatório para contratação de serviços de consultoria técnica especializada, conforme detalhado

Leia mais

Gerenciamento de Processos de Negócio

Gerenciamento de Processos de Negócio Gestão por Processos By Alan Lopes +55 22-99202-0433 alopes.campos@mail.com http://prof-alan-lopes.weebly.com Gerenciamento de Processos de Negócio - Conceitos e fundamentos - Modelagem de processo - Análise

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 080/2014, DE 25 DE JUNHO DE 2014 CONSELHO UNIVERSITÁRIO UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS UNIFAL-MG

RESOLUÇÃO Nº 080/2014, DE 25 DE JUNHO DE 2014 CONSELHO UNIVERSITÁRIO UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS UNIFAL-MG RESOLUÇÃO Nº 080/2014, DE 25 DE JUNHO DE 2014 CONSELHO UNIVERSITÁRIO UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS UNIFAL-MG O Conselho Universitário da UNIFAL-MG, no uso de suas atribuições regimentais e estatutárias,

Leia mais

Relatório de Consultoria PD.33.10.83A.0080A/RT-05-AA. Levantamento da Gestão de TIC

Relatório de Consultoria PD.33.10.83A.0080A/RT-05-AA. Levantamento da Gestão de TIC Relatório de Consultoria PD.33.10.83A.0080A/RT-05-AA Levantamento da Gestão de TIC Cotação: 23424/09 Cliente: PRODABEL Contato: Carlos Bizzoto E-mail: cbizz@pbh.gov.br Endereço: Avenida Presidente Carlos

Leia mais

PDTI UFLA: Plano Diretor de Tecnologia da Informação Segundo Modelo de Referência da SLTI/MPOG

PDTI UFLA: Plano Diretor de Tecnologia da Informação Segundo Modelo de Referência da SLTI/MPOG PDTI UFLA: Plano Diretor de Tecnologia da Informação Segundo Modelo de Referência da SLTI/MPOG Forplad Regional Sudeste 22 de Maio de 2013 Erasmo Evangelista de Oliveira erasmo@dgti.ufla.br Diretor de

Leia mais

Pode Judiciário Justiça do Trabalho Tribunal Regional do Trabalho da 11ª Região ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS DE DIREÇÃO E CHEFIAS DA SETIC

Pode Judiciário Justiça do Trabalho Tribunal Regional do Trabalho da 11ª Região ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS DE DIREÇÃO E CHEFIAS DA SETIC Pode Judiciário Justiça do Trabalho Tribunal Regional do Trabalho da 11ª Região ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS DE DIREÇÃO E CHEFIAS DA SETIC 1. Diretor da Secretaria de Tecnologia da Informação e Comunicação Coordenar

Leia mais

Política Organizacional para Desenvolvimento de Software no CTIC

Política Organizacional para Desenvolvimento de Software no CTIC Política Organizacional para Desenvolvimento de Software no CTIC O CTIC/UFPA Centro de Tecnologia da Informação e Comunicação da Universidade Federal do Pará define neste documento sua Política Organizacional

Leia mais

MGProc Metodologia de Gestão de Processos do Ministério da Fazenda

MGProc Metodologia de Gestão de Processos do Ministério da Fazenda MGProc Metodologia de Gestão de Processos do Ministério da Fazenda AGENDA PMIMF Frente de atuação: Processos Modelo de Gerenciamento de Processos do Ministério da Fazenda MGProc Passo a Passo 1º Passo

Leia mais

PODERJUD1CIÂRIO TRIBUNAL DEJUSTIÇA DO ESTADO DE PERNAMBUCO SECRETARIA DE GESTÃO DE PESSOAS TERMO DE REFERÊNCIA

PODERJUD1CIÂRIO TRIBUNAL DEJUSTIÇA DO ESTADO DE PERNAMBUCO SECRETARIA DE GESTÃO DE PESSOAS TERMO DE REFERÊNCIA PODERJUD1CIÂRIO TRIBUNAL DEJUSTIÇA DO ESTADO DE PERNAMBUCO TERMO DE REFERÊNCIA l. DO OBJETO CONTRATAÇÃO DE CONSULTORIA ESPECIALIZADA EM CLIMA ORGANIZACIONAL PARA ATUAR EM TODAS AS UNIDADES DO PODER JUDICIÁRIO

Leia mais

TRIBUNAL SUPERIOR DO TRABALHO SECRETARIA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO ORDEM DE SERVIÇO Nº 1/SETIN, DE 30 DE SETEMBRO DE 2010

TRIBUNAL SUPERIOR DO TRABALHO SECRETARIA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO ORDEM DE SERVIÇO Nº 1/SETIN, DE 30 DE SETEMBRO DE 2010 TRIBUNAL SUPERIOR DO TRABALHO SECRETARIA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO ORDEM DE SERVIÇO Nº 1/SETIN, DE 30 DE SETEMBRO DE 2010 O SECRETÁRIO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO DO TRIBUNAL SUPERIOR DO TRABALHO, no

Leia mais

Nome do questionário (ID): Levantamento de Governança de TI 2014 (566727)

Nome do questionário (ID): Levantamento de Governança de TI 2014 (566727) Nome do questionário (ID): Levantamento de Governança de TI 2014 (566727) Pergunta: Sua resposta Data de envio: 13/06/2014 14:08:02 Endereço IP: 177.1.81.29 1. Liderança da alta administração 1.1. Com

Leia mais

PROJETO IICA/BRA/09/005 TERMO DE REFERÊNCIA: MODALIDADE PRODUTO

PROJETO IICA/BRA/09/005 TERMO DE REFERÊNCIA: MODALIDADE PRODUTO INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA PROJETO IICA/BRA/09/005 TERMO DE REFERÊNCIA: MODALIDADE PRODUTO 1. IDENTIFICAÇÃO DA CONSULTORIA Contratar consultoria por produto para formular

Leia mais

Módulo 2: Fase de Diagnóstico: Avaliando o uso e a gestão da TI

Módulo 2: Fase de Diagnóstico: Avaliando o uso e a gestão da TI ENAP Diretoria de Desenvolvimento Gerencial Coordenação Geral de Educação a Distância Elaboração do Plano Diretor de Tecnologia da Informação (PDTI) Conteúdo para impressão Módulo 2: Fase de Diagnóstico:

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA (TR) GAUD 4.6.8 01 VAGA

TERMO DE REFERÊNCIA (TR) GAUD 4.6.8 01 VAGA INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA TERMO DE REFERÊNCIA (TR) GAUD 4.6.8 01 VAGA 1 IDENTIFICAÇÃO DA CONSULTORIA Contratação de consultoria pessoa física para serviços de preparação

Leia mais

MASTER IN PROJECT MANAGEMENT

MASTER IN PROJECT MANAGEMENT MASTER IN PROJECT MANAGEMENT PROJETOS E COMUNICAÇÃO PROF. RICARDO SCHWACH MBA, PMP, COBIT, ITIL Atividade 1 Que modelos em gestão de projetos estão sendo adotados como referência nas organizações? Como

Leia mais

DIRETRIZES PARA AQUISIÇÃO DE EQUIPAMENTOS E SERVIÇOS DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO DA AUTORIDADE PÚBLICA OLÍMPICA

DIRETRIZES PARA AQUISIÇÃO DE EQUIPAMENTOS E SERVIÇOS DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO DA AUTORIDADE PÚBLICA OLÍMPICA DIRETRIZES PARA AQUISIÇÃO DE EQUIPAMENTOS E SERVIÇOS DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO DA AUTORIDADE PÚBLICA OLÍMPICA 1 APRESENTAÇÃO Este conjunto de diretrizes foi elaborado para orientar a aquisição de equipamentos

Leia mais

GESTÃO DE CONTINUIDADE DOS NEGÓCIOS EM SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO

GESTÃO DE CONTINUIDADE DOS NEGÓCIOS EM SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO Número da Norma Complementar Revisão Emissão Folha ICMBio Instituto Chico Mendes De Conservação da Biodiversidade Diretoria de Planejamento, Administração e Logística ORIGEM GESTÃO DE CONTINUIDADE DOS

Leia mais

Questionário de Governança de TI 2014

Questionário de Governança de TI 2014 Questionário de Governança de TI 2014 De acordo com o Referencial Básico de Governança do Tribunal de Contas da União, a governança no setor público compreende essencialmente os mecanismos de liderança,

Leia mais

Nome do questionário (ID): Levantamento de Governança de TI 2014 (566727)

Nome do questionário (ID): Levantamento de Governança de TI 2014 (566727) Nome do questionário (ID): Levantamento de Governança de TI 2014 (566727) Pergunta: Sua resposta Data de envio: 08/08/2014 19:53:40 Endereço IP: 150.164.72.183 1. Liderança da alta administração 1.1. Com

Leia mais

Oficina 1 Análise sobre os PDTI s e alinhamento com Governança de TI (GRG e ATHIVA)

Oficina 1 Análise sobre os PDTI s e alinhamento com Governança de TI (GRG e ATHIVA) Projeto 1: Elaboração dos Planos Diretores de TI da Administração Pública de Pernambuco Projeto 2: Elaboração do Plano de Governo em TI Oficina 1 Análise sobre os PDTI s e alinhamento com Governança de

Leia mais

O papel da Auditoria quanto a Segurança da Informação da organização

O papel da Auditoria quanto a Segurança da Informação da organização 22 de julho de 2011 O papel da Auditoria quanto a Segurança da Informação da organização Francisco Fernandes Superintendente Geral de Auditoria de TI Banco Safra Sistema Financeiro Nacional Fonte: Banco

Leia mais

Estudo de Caso. Projeto Correspondência Eletrônica nos Correios S.A.

Estudo de Caso. Projeto Correspondência Eletrônica nos Correios S.A. Estudo de Caso Projeto Correspondência Eletrônica nos Correios S.A. A Presidência dos Correios vislumbrou a possibilidade da Empresa apresentar aos seus clientes um novo serviço, que foi denominado de

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 4, 19 de maio de 2008.

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 4, 19 de maio de 2008. INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 4, 19 de maio de 2008. Dispõe sobre o processo de contratação de serviços de Tecnologia da Informação pela Administração Pública Federal direta, autárquica e fundacional. O SECRETÁRIO

Leia mais

Tribunal Regional Eleitoral de Santa Catarina

Tribunal Regional Eleitoral de Santa Catarina Tribunal Regional Eleitoral de Santa Catarina CONTRATO N. 103/2009 Contrato para prestação de consultoria em Governança de Tecnologia da Informação, autorizado pelo Senhor Eduardo Cardoso, Secretário de

Leia mais

RESOLUÇÃO - TCU Nº 247, de 7 de dezembro de 2011

RESOLUÇÃO - TCU Nº 247, de 7 de dezembro de 2011 RESOLUÇÃO - TCU Nº 247, de 7 de dezembro de 2011 Dispõe sobre a Política de Governança de Tecnologia da Informação do Tribunal de Contas da União (PGTI/TCU). O TRIBUNAL DE CONTAS DA UNIÃO, no uso de suas

Leia mais

SIMULADO: Simulado 3 - ITIL Foundation v3-40 Perguntas em Português

SIMULADO: Simulado 3 - ITIL Foundation v3-40 Perguntas em Português 1 de 7 28/10/2012 16:47 SIMULADO: Simulado 3 - ITIL Foundation v3-40 Perguntas em Português RESULTADO DO SIMULADO Total de questões: 40 Pontos: 0 Score: 0 % Tempo restante: 55:07 min Resultado: Você precisa

Leia mais

DECRETO Nº XX.XXX, DE XX DE XXXXXXXXXXXX DE 2009.

DECRETO Nº XX.XXX, DE XX DE XXXXXXXXXXXX DE 2009. DECRETO Nº XX.XXX, DE XX DE XXXXXXXXXXXX DE 2009. Institui a Política de Tecnologia da Informação e Comunicação no Governo do Estado do Piauí, cria o Sistema de Governança de Tecnologia da Informação e

Leia mais

1. Documento: 23330-2015-2

1. Documento: 23330-2015-2 1. Documento: 23330-2015-2 1.1. Dados do Protocolo Número: 23330/2015 Situação: Ativo Tipo Documento: Termo de Abertura do Projeto Assunto: Planejamento estratégico - Metas Unidade Protocoladora: DADM

Leia mais

IT SERVICES PORTFOLIO. SPEKTRUM IT Services Portfolio 1

IT SERVICES PORTFOLIO. SPEKTRUM IT Services Portfolio 1 IT SERVICES PORTFOLIO SPEKTRUM IT Services Portfolio 1 Ser a única no Brasil a ser certificada pela SAP, mostra como estamos à frente no que tange à transparência em todos os nossos processos e, especialmente,

Leia mais

Nome do questionário (ID): Levantamento de Governança de TI 2014 (566727)

Nome do questionário (ID): Levantamento de Governança de TI 2014 (566727) Nome do questionário (ID): Levantamento de Governança de TI 2014 (566727) Pergunta: Sua resposta Data de envio: 12/06/2014 13:58:56 Endereço IP: 200.252.42.196 1. Liderança da alta administração 1.1. Com

Leia mais

TRIBUNAL SUPERIOR DO TRABALHO PRESIDÊNCIA ATO Nº 345/SETIN.SEGP.GP, DE 16 DE JUNHO DE 2015

TRIBUNAL SUPERIOR DO TRABALHO PRESIDÊNCIA ATO Nº 345/SETIN.SEGP.GP, DE 16 DE JUNHO DE 2015 TRIBUNAL SUPERIOR DO TRABALHO PRESIDÊNCIA ATO Nº 345/SETIN.SEGP.GP, DE 16 DE JUNHO DE 2015 Reestrutura as unidades vinculadas à Secretaria de Tecnologia da Informação SETIN do Tribunal Superior do Trabalho.

Leia mais

HP Network Core Implementation

HP Network Core Implementation HP Network Core Implementation Dados técnicos O serviço HP Network Core Implementation tem como objetivo, através de uma análise técnica no ambiente de rede local, realizar a implementação de uma proposta

Leia mais

Termo de Referência. Serviço de envio de mensagens SMS Short Message Service para dispositivos móveis, pelo período de 24 meses.

Termo de Referência. Serviço de envio de mensagens SMS Short Message Service para dispositivos móveis, pelo período de 24 meses. Termo de Referência Serviço de envio de mensagens SMS Short Message Service para dispositivos móveis, pelo período de 24 meses. Termo de Referência [OBJETO] 1 Termo de Referência Serviço de envio de mensagens

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA. 1. Objeto. 2. Antecedentes. 3. Objeto da Licitação

TERMO DE REFERÊNCIA. 1. Objeto. 2. Antecedentes. 3. Objeto da Licitação TERMO DE REFERÊNCIA 1. Objeto 1.1. Contratação de empresa especializada em auditoria de tecnologia da informação e comunicações, com foco em segurança da informação na análise de quatro domínios: Processos

Leia mais

Diretoria de Informática TCE/RN 2012 PDTI PLANO DIRETOR DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO. Brivaldo Marinho - Consultor. Versão 1.0

Diretoria de Informática TCE/RN 2012 PDTI PLANO DIRETOR DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO. Brivaldo Marinho - Consultor. Versão 1.0 TCE/RN 2012 PDTI PLANO DIRETOR DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Brivaldo Marinho - Consultor Versão 1.0 CONTROLE DA DOCUMENTAÇÃO Elaboração Consultor Aprovação Diretoria de Informática Referência do Produto

Leia mais

Objetivos. PDI - Plano Diretor de Informática. O que é? Como é feito? Quanto dura sua elaboração? Impactos da não execução do PDI

Objetivos. PDI - Plano Diretor de Informática. O que é? Como é feito? Quanto dura sua elaboração? Impactos da não execução do PDI Objetivos Assegurar que os esforços despendidos na área de informática sejam consistentes com as estratégias, políticas e objetivos da organização como um todo; Proporcionar uma estrutura de serviços na

Leia mais

COMPETÊNCIA, CONSCIENTIZAÇÃO E TREINAMENTO

COMPETÊNCIA, CONSCIENTIZAÇÃO E TREINAMENTO COMPETÊNCIA, CONSCIENTIZAÇÃO E TREINAMENTO OBJETIVO DA SEÇÃO Esta seção apresenta a Competência, Conscientização e do Sistema da Qualidade da TELEDATA que atende ao item 6.2.2 Norma ISO 9001:2008. DIRETRIZES

Leia mais

Governo do Estado de Mato Grosso Secretaria de Estado de Planejamento Unidade de Apoio a Projetos Especiais. durante o Estágio Probatório.

Governo do Estado de Mato Grosso Secretaria de Estado de Planejamento Unidade de Apoio a Projetos Especiais. durante o Estágio Probatório. Governo do Estado de Mato Grosso Secretaria de Estado de Planejamento Unidade de Apoio a Projetos Especiais REGULAMENTO 001, DE 10 DE OUTUBRO DE 2013. Regula o Monitoramento da Inserção e das Atividades

Leia mais

GESTÃO DE PROCESSOS E MELHORIA OPERACIONAL O CASO DA ELETROBRAS

GESTÃO DE PROCESSOS E MELHORIA OPERACIONAL O CASO DA ELETROBRAS GESTÃO DE PROCESSOS E MELHORIA OPERACIONAL O CASO DA ELETROBRAS Alberto Wajzenberg Gerente de Desenvolvimento Organizacional alberto.wajzenberg@eletrobras.com Brasilia 7 de novembro de 2013 GESTÃO DE PROCESSOS

Leia mais

Anexo III: Solução de Rede Local - LAN (Local Area Network)

Anexo III: Solução de Rede Local - LAN (Local Area Network) Anexo III: Solução de Rede Local - LAN (Local Area Network) 1. Objeto: 1.1. Contratação de uma Solução de rede de comunicação local (LAN) para interligar diferentes localidades físicas e os segmentos de

Leia mais

Concorrência Conjunta nº 03/2007. Perguntas e Respostas

Concorrência Conjunta nº 03/2007. Perguntas e Respostas Brasília, 02/08/2007 Concorrência Conjunta nº 03/2007 Perguntas e Respostas A Comissão Permanente de Licitação (CPL) registra a seguir perguntas de empresas interessadas em participar do certame em referência

Leia mais

PORTARIA-TCU Nº 385, DE 18 DE DEZEMBRO DE 2009 (Revogada) (Portaria - TCU nº 36, de 31/01/2011, BTCU nº 03, de 31/01/2011)

PORTARIA-TCU Nº 385, DE 18 DE DEZEMBRO DE 2009 (Revogada) (Portaria - TCU nº 36, de 31/01/2011, BTCU nº 03, de 31/01/2011) PORTARIA-TCU Nº 385, DE 18 DE DEZEMBRO DE 2009 (Revogada) (Portaria - TCU nº 36, de 31/01/2011, BTCU nº 03, de 31/01/2011) Dispõe sobre as competências da Secretaria de Infraestrutura de Tecnologia da

Leia mais

GESTÃO DE PROJETOS SICONV APRENDIZADO QUE GERA RESULTADOS

GESTÃO DE PROJETOS SICONV APRENDIZADO QUE GERA RESULTADOS GESTÃO DE PROJETOS SICONV APRENDIZADO QUE GERA RESULTADOS ABORDAGEM Conceitos relacionados ao tema; Legislação aplicável à execução; Modelo de gestão e processo adotado pela Fundep. O que é o SICONV? CONCEITOS

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 3ª REGIÃO

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 3ª REGIÃO Controle de Versões Autor da Solicitação: Subseção de Governança de TIC Email:dtic.governanca@trt3.jus.br Ramal: 7966 Versão Data Notas da Revisão 1 03.02.2015 Versão atualizada de acordo com os novos

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DA SECRETARIA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO SETIC CAPÍTULO I CATEGORIA

REGIMENTO INTERNO DA SECRETARIA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO SETIC CAPÍTULO I CATEGORIA REGIMENTO INTERNO DA SECRETARIA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO SETIC CAPÍTULO I CATEGORIA Art. 1º. A Secretaria de Tecnologia de Informação e Comunicação SETIC é um Órgão Suplementar Superior

Leia mais

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE SECRETARIA-EXECUTIVA SUBSECRETARIA DE PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E ADMINISTRAÇÃO COORDENAÇÃO-GERAL DE GESTÃO DE PESSOAS

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE SECRETARIA-EXECUTIVA SUBSECRETARIA DE PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E ADMINISTRAÇÃO COORDENAÇÃO-GERAL DE GESTÃO DE PESSOAS MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE SECRETARIA-EXECUTIVA SUBSECRETARIA DE PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E ADMINISTRAÇÃO COORDENAÇÃO-GERAL DE GESTÃO DE PESSOAS DIVISÃO DE CAPACITAÇÃO, TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO BOLETIM

Leia mais

Modelo de Contrato de Prestação de Serviços de Consultoria

Modelo de Contrato de Prestação de Serviços de Consultoria Modelo de Contrato de Prestação de Serviços de Consultoria Contrato de locação de serviços que entre si fazem (nome e qualificação de quem está contratando: natureza ou profissão, endereço e dados como

Leia mais

MBA EM GOVERNANÇA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO

MBA EM GOVERNANÇA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAI FLORIANÓPOLIS DIREÇÃO GERAL DA FACULDADE: JOÃO ROBERTO LORENZETT COORDENAÇÃO DA FACULDADE: PRISCILA FAGUNDES COORDENAÇÃO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU: RAFAEL PARACHEN

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇAO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE RONDÔNIA COMISSÃO DE ELABORAÇÃO DO PLANO DIRETOR DE TI

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇAO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE RONDÔNIA COMISSÃO DE ELABORAÇÃO DO PLANO DIRETOR DE TI MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇAO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE RONDÔNIA COMISSÃO DE ELABORAÇÃO DO PLANO DIRETOR DE TI Plano de Trabalho Elaboração do Plano Diretor de Tecnologia da Informação

Leia mais

EDITAL DE SELEÇÃO DE PROJETOS Nº /2012. Anexo II PROGRAMA DE TRABALHO

EDITAL DE SELEÇÃO DE PROJETOS Nº /2012. Anexo II PROGRAMA DE TRABALHO EDITAL DE SELEÇÃO DE PROJETOS Nº /2012 Anexo II PROGRAMA DE TRABALHO Este anexo estabelece o programa de trabalho e resultados para a OSCIP com a fixação de direitos, obrigações, prazos de execução e critérios

Leia mais

Governança de TI UNICAMP 13/10/2014. Edson Roberto Gaseta

Governança de TI UNICAMP 13/10/2014. Edson Roberto Gaseta Governança de TI UNICAMP 13/10/2014 Edson Roberto Gaseta Fundação CPqD Instituição brasileira focada em inovação Experiência em projetos de TI e de negócios Desenvolvimento de tecnologia nacional Modelo

Leia mais

Guia de Mobilização - Vale

Guia de Mobilização - Vale Guia de Mobilização - Vale 2ª Edição Nov/2015 Sumário 1. INTRODUÇÃO... 3 2. APLICAÇÃO... 3 3. MACRO FLUXO DO PROCESSO DE MOBILIZAÇÃO... 3 3.1. CERTIFICAÇÃO... 3 3.2. CONTRATAÇÃO... 4 3.3. MOBILIZAÇÃO...

Leia mais

Visão Geral das Áreas de Conhecimento e dos Processos da Gerência de Projetos

Visão Geral das Áreas de Conhecimento e dos Processos da Gerência de Projetos Visão Geral das Áreas de Conhecimento e dos Processos da Gerência de Projetos GERÊNCIA DE INTEGRAÇÃO GERÊNCIA DO ESCOPO GERÊNCIA DO TEMPO GERÊNCIA DE CUSTO GERÊNCIA DA QUALIDADE Desenvolvimento do Plano

Leia mais

PLANO DE AÇÃO PDTI-PBH

PLANO DE AÇÃO PDTI-PBH 1 PA00 PA00 Preparação para acompanhamento e execução do PDTI Projeto para a criação da instância para acompanhamento e execução do PDTI 2 PA00 Projeto para a criação da metodologia de trabalho 3 PA00

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA Nº 1734 PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA/JURÍDICA CONSULTOR POR PRODUTO

TERMO DE REFERÊNCIA Nº 1734 PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA/JURÍDICA CONSULTOR POR PRODUTO Impresso por: RODRIGO DIAS Data da impressão: 14/09/2012-16:47:15 SIGOEI - Sistema de Informações Gerenciais da OEI TERMO DE REFERÊNCIA Nº 1734 PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA/JURÍDICA CONSULTOR POR

Leia mais

PREFEITURA DE PALMAS SECRETARIA DE GESTÃO E RECURSOS HUMANOS EDITAL DE SELEÇÃO INTERNA N 001/2008

PREFEITURA DE PALMAS SECRETARIA DE GESTÃO E RECURSOS HUMANOS EDITAL DE SELEÇÃO INTERNA N 001/2008 EDITAL DE SELEÇÃO INTERNA N 001/2008 PROGRAMA DE FORMAÇÃO E QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL DOS SERVIDORES DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA MUNICIPAL A SECRETARIA MUNICIPAL DE GESTÃO E RECURSOS HUMANOS, neste ato representada

Leia mais

CobIT. Eduardo Mayer Fagundes. Um framework para a eficiência das organizações de Tecnologia da Informação e Telecomunicações

CobIT. Eduardo Mayer Fagundes. Um framework para a eficiência das organizações de Tecnologia da Informação e Telecomunicações CobIT Um framework para a eficiência das organizações de Tecnologia da Informação e Telecomunicações Eduardo Mayer Fagundes Copyright(c)2008 por Eduardo Mayer Fagundes 1 Agenda 1. Princípio de Gestão Empresarial

Leia mais

ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA

ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA 1. Do objeto 1.1. Contratação de 01 (uma) empresa especializada em avaliação econômica para realizar a avaliação econômica do valor da marca BRB. 2. Objetivo 2.1. A presente

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLEIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLEIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLEIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa DECRETO Nº 51.307, DE 20 DE MARÇO DE 2014. (publicado no DOE n.º 055, de 21 de março de 2014) Estabelece o Sistema

Leia mais

Implantação da Governança a de TI na CGU

Implantação da Governança a de TI na CGU Implantação da Governança a de TI na CGU José Geraldo Loureiro Rodrigues Diretor de Sistemas e Informação Controladoria-Geral da União Palestra UNICEUB Estratégia utilizada para implantação da Governança

Leia mais

Gerenciamento do Escopo do Projeto Produto do Projeto

Gerenciamento do Escopo do Projeto Produto do Projeto Gerenciamento do Escopo do Projeto Produto do Projeto 5. Gerenciamento do escopo do projeto PMBOK 2000 PMBOK 2004 5.1 Iniciação *** Reescrita e transferida para o capítulo 4 5.2 Planejamento do escopo

Leia mais

Referências internas são os artefatos usados para ajudar na elaboração do PT tais como:

Referências internas são os artefatos usados para ajudar na elaboração do PT tais como: Plano de Teste (resumo do documento) I Introdução Identificador do Plano de Teste Esse campo deve especificar um identificador único para reconhecimento do Plano de Teste. Pode ser inclusive um código

Leia mais

TIControle. Governança Corporativa e Gestão Estratégica no Senado Federal. Doris Peixoto Diretora Geral

TIControle. Governança Corporativa e Gestão Estratégica no Senado Federal. Doris Peixoto Diretora Geral TIControle Governança Corporativa e Gestão Estratégica no Senado Federal Doris Peixoto Diretora Geral 11/04/2012 Tópicos para nossa conversa de hoje A migração da Governança de TI para o nível corporativo

Leia mais

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE Modelo de Otimização de SAM Controle, otimize, cresça Em um mercado internacional em constante mudança, as empresas buscam oportunidades de ganhar vantagem competitiva

Leia mais

Ciclos de Melhoria e Inovação dos Processos Caso Sebrae/RJ. Palestrante: Marcelo Lima Gerente TI

Ciclos de Melhoria e Inovação dos Processos Caso Sebrae/RJ. Palestrante: Marcelo Lima Gerente TI Ciclos de Melhoria e Inovação dos Processos Caso Sebrae/RJ Palestrante: Marcelo Lima Gerente TI Agenda O Sebrae/RJ Contexto Inicial Iniciativas de Gestão por Processos Iniciativa Interna Projeto Gestão

Leia mais

ANEXO I NÍVEIS MÍNIMOS DE SERVIÇO EXIGIDOS (NMSE) PARA CONTRATO DE APOIO

ANEXO I NÍVEIS MÍNIMOS DE SERVIÇO EXIGIDOS (NMSE) PARA CONTRATO DE APOIO ANEXO I NÍVEIS MÍNIMOS DE SERVIÇO EXIGIDOS (NMSE) PARA CONTRATO DE APOIO 1. Introdução 1.1. Descrição do serviço Este documento disciplina a cessão de uso permanente da solução de software para Gestão

Leia mais

Faculdade de Tecnologia SENAI/SC em Florianópolis EDITAL DE PROCESSO SELETIVO. Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão de Projetos a distância

Faculdade de Tecnologia SENAI/SC em Florianópolis EDITAL DE PROCESSO SELETIVO. Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão de Projetos a distância Faculdade de Tecnologia SENAI/SC em Florianópolis EDITAL DE PROCESSO SELETIVO Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão de Projetos a distância A Faculdade de Tecnologia SENAI/SC em Florianópolis, informa

Leia mais

Implantação da Governança a de TI na CGU

Implantação da Governança a de TI na CGU Implantação da Governança a de TI na CGU José Geraldo Loureiro Rodrigues Diretor de Sistemas e Informação Controladoria-Geral da União I Workshop de Governança de TI da Embrapa Estratégia utilizada para

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA SECRETARIA EXECUTIVA

MINISTÉRIO DA FAZENDA SECRETARIA EXECUTIVA PROGRAMA DE MODERNIZAÇÃO INTEGRADA DO MINISTÉRIO DA FAZENDA - PMIMF MINISTÉRIO DA FAZENDA SECRETARIA EXECUTIVA ATORES DA REDE DE INOVAÇÃO 2 O MODELO CONTEMPLA: Premissas e diretrizes de implementação Modelo

Leia mais

O Gerenciamento de Projetos no Banco do Brasil S.A. utilizando o CA Clarity PPM. Paulo Bissacot Gerente Executivo

O Gerenciamento de Projetos no Banco do Brasil S.A. utilizando o CA Clarity PPM. Paulo Bissacot Gerente Executivo O Gerenciamento de Projetos no Banco do Brasil S.A. utilizando o CA Clarity PPM Paulo Bissacot Gerente Executivo Histórico 3 Aquisição e Internalização A ferramenta CA Clarity PPM foi adquirida em 2009,

Leia mais

INCUBADORAS DE EMPRESAS EDITAL 01/ 2011 - SEBRAE

INCUBADORAS DE EMPRESAS EDITAL 01/ 2011 - SEBRAE INCUBADORAS DE EMPRESAS EDITAL 01/ 2011 - SEBRAE Anexo I ROTEIRO PARA APRESENTAÇÃO DO PROJETO Modalidade Tipo 1 Aplicação do modelo CERNE 1 Brasília, 2011 Código da Proposta: (Uso do Sebrae): 1. DADOS

Leia mais

Certificação ISO/IEC 27001. SGSI - Sistema de Gestão de Segurança da Informação. A Experiência da DATAPREV

Certificação ISO/IEC 27001. SGSI - Sistema de Gestão de Segurança da Informação. A Experiência da DATAPREV Certificação ISO/IEC 27001 SGSI - Sistema de Gestão de Segurança da Informação A Experiência da DATAPREV DATAPREV Quem somos? Empresa pública vinculada ao Ministério da Previdência Social, com personalidade

Leia mais

PROCESSO DE CONTRATAÇÃO DO DIRETOR GERAL DO IBIO AGB DOCE

PROCESSO DE CONTRATAÇÃO DO DIRETOR GERAL DO IBIO AGB DOCE PROCESSO DE CONTRATAÇÃO DO DIRETOR GERAL DO IBIO AGB DOCE Data: 08/05/2014 Sumário 1. CONTEXTUALIZAÇÃO... 3 2. DESCRIÇÃO DO CARGO... 4 3. QUALIFICAÇÃO... 5 3.1. FORMAÇÃO ACADÊMICA:... 5 3.2. EXPERIÊNCIA

Leia mais

Plano de Ação Política de Gestão de Pessoas

Plano de Ação Política de Gestão de Pessoas Plano de Ação Política de Gestão de Pessoas (Produto 1) TRIBUNAL DE CONTAS DOS MUNICÍPIOS DO ESTADO DA BAHIA PROGRAMA DE MODERNIZAÇÃO DO SISTEMA DE CONTROLE EXTERNO DOS ESTADOS, DISTRITO FEDERAL E MUNICÍPIOS

Leia mais

Governança de TI. Heleno dos Santos Ferreira

Governança de TI. Heleno dos Santos Ferreira Governança de TI Heleno dos Santos Ferreira Agenda Governança de TI Heleno dos Santos Ferreira ITIL Publicação dos Livros revisados 2011 ITIL Correções ortográficas e concordâncias gramaticais; Ajustes

Leia mais

TERMOS DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA

TERMOS DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA TERMOS DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA 1. PROJETO IDF SAÚDE Nº 06/2014 2. TÍTULO Consultoria individual especializada em Engenharia Clínica/Biomédica. 3. ENQUADRAMENTO NO PROJETO Componente

Leia mais

PROPOSTA DE PROJETO DE PESQUISA APLICADA PARA AUXÍLIO FINANCEIRO A CURSOS PROJETO DE TELEFONIA IP

PROPOSTA DE PROJETO DE PESQUISA APLICADA PARA AUXÍLIO FINANCEIRO A CURSOS PROJETO DE TELEFONIA IP Ministério Público do Estado do Paraná PROPOSTA DE PROJETO DE PESQUISA APLICADA PARA AUXÍLIO FINANCEIRO A CURSOS PROJETO DE TELEFONIA IP ALEXANDRE GOMES DE LIMA SILVA CURITIBA - PR 2012-2013 Ministério

Leia mais