Programa do Medicamento Hospitalar. Projectos Estratégicos:

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Programa do Medicamento Hospitalar. Projectos Estratégicos:"

Transcrição

1 Programa do Medicamento Hospitalar Projectos Estratégicos: Boas Práticas na Área do Medicamento Hospitalar; Circuito Integrado do Plano Terapêutico; Comissões de Farmácia e Terapêutica. a. Áreas de intervenção; b. Actividades estruturantes; c. Indicadores de monitorização.

2 Inquérito Identificação do ponto de situação actual; Quadro referência nacional; Instrumento de monitorização do PMH;

3 Inquérito Hospitais do SNS; Utilização de via electrónica para envio e resposta; Apresentação dos resultados: Sessão Pública Relatório a publicar na página do PMH

4 Resultados

5 Resultados Taxa de resposta 100%; n= 80 hospitais: 25 Centrais 37 Distritais 15 Nível 1 3 Psiquiátricos Nº de Farmacêuticos: Total nos hospitais do SNS: 446 Média: 1 farmacêutico por 46 camas Máximo: 16,4 Mínimo: 132,0 Desvio padrão: 25,0 Nº de TCDT: Total nos hospitais do SNS: 515 Média: 1 TCDT por 39 camas Máximo: 18,2 Mínimo: 102,0 Desvio padrão:18,9

6 Boas Práticas na Área do Medicamento Hospitalar

7 Boas Práticas Gestão/Aprovisionamento Gestão/Aprovisionamento Monitorização da evolução económica-financeira dos SF 72 Monitorização do stock físico dos medicamentos de classe A Monitorização da taxa de cobertura dos medicamentos em stock no armazém dos SF Sim Não Monitorização dos stocks existentes nos serviços e sua valorização 35 0% 20% 40% 60% 80% 100% % Hospitais A maioria dos hospitais efectua uma monitorização permanente da evolução económica e financeira e dos stocks dos SF

8 Boas Práticas Distribuição em Ambulatório Dispensa em Ambulatório Distribuição assegurada por farmacêuticos 54 Espaço de fácil acesso desde o exterior 65 Sim Espaço diferenciado dos restantes espaços 43 Não Espaço permite atendimento personalizado 31 0% 10% 20% 30% 40% 50% 60% 70% 80% 90% 100% % de Hospitais Na maioria dos hospitais o espaço não permite um atendimento personalizado

9 Boas Práticas Distribuição no internamento % de camas no internamento com dose unitária % % % % % 48% dos hospitais tem distribuição em dose unitária em mais de 80% do internamento

10 Boas Práticas Automatismos Tecnologias de Automatização Tecnologias do tipo "Kardex" 23 Tecnologias do tipo "FDS" 8 Tecnologias do tipo "Pyxis" 5 Outras tecnologias 2 Sim A implementação de automatismos permite a redução de erros na medicação Analisar as mais valias na prática hospitalar

11 Boas Práticas - Farmacotecnia Preparação de Fórmulas Magistrais e Oficinais Existe preparação e manipulação de medicamentos que permita a preparação de fórmulas magistrais e oficinais 57 Existe manual de procedimentos 19 Existe programa de garantia de qualidade 14 Registo de não conformidade das actividades desenvolvidas nº Hospitais Necessidade de actuar ao nível dos procedimentos como garante da qualidade dos processos

12 Boas Práticas - Farmacotecnia Nutrição parentérica e/ou misturas intravenosas Existe preparação de Nutrição parentérica e/ou misturas intravenosas 25 Existe manual de procedimentos 14 Existe programa de garantia de qualidade 9 Registo de não conformidade das actividades desenvolvidas nº Hospitais Deficiências nos procedimentos/ processo documental

13 Boas Práticas - Farmacotecnia Preparação de Citotóxicos Existe preparação de produtos citotóxicos sob responsabilidade dos SF 25 Existe manual de procedimentos 16 Registo de não conformidade das actividades desenvolvidas 9 Existe programa de garantia de qualidade nº Hospitais Deficiências nos procedimentos/ processo documental

14 Boas Práticas - Farmacotecnia Reembalagem de Medicamentos Existe sistema de reembalagem de medicamentos 71 Permite a recuperação do medicamento sem perda das suas qualidades quando este não é utilizado 61 Existe manual de procedimentos 22 Registo de não conformidade das actividades desenvolvidas 15 Existe programa de garantia de qualidade nº Hospitais Garantir a qualidade e segurança do medicamento após a reembalagem

15 Boas Práticas - Certificação Acreditação/Certificação Sim % Total Área da Gestão/Aprovisionamento e Logística 11 14% 80 Área da Distribuição 12 15% 80 Actividades desenvolvidas na reembalagem 10 14% 71 Actividades desenvolvidas na preparação de fórmulas magistrais e oficinais Actividades desenvolvidas na Nutrição parentérica e/ou misturas intravenosas 8 14% % 25 Actividades desenvolvidas na preparação de citotóxicos 3 12% 25

16 Boas Práticas Farmácia Clínica Farmácia Clínica Monitorização da prescrição médica no acto da sua elaboração 31 Monitorização da administração dos medicamentos 34 Sim Acompanhamento do doente internado, prestandolhe informações 3 Não Acompanhamento do doente em ambulatório, prestando-lhe informações 56 0% 20% 40% 60% 80% 100% % de Hospitais Adequação dos recursos humanos Investimento na Farmácia Clínica

17 Boas Práticas Farmácia Clínica Circuitos de Recolha, tratamento e avaliação de informação Avaliação da gestão do risco 23 Farmacovigilância - RAM 39 Sim Não Área da Farmacocinética 12 0% 20% 40% 60% 80% 100% % Hospitais A maioria dos hospitais não tem circuitos de tratamento da informação relativa à Farmacovigilância e Gestão do Risco

18 Boas Práticas Informação Informação sobre Medicamentos Os Serviços Farmacêuticos respondem atempadamente às questões colocadas 44 Divulgação Activa de Informação aos Profissionais de Saúde 18 Divulgação Activa de Informação aos doentes 14 Existem Metodologias de Avaliação e Tratamento da Informação aos Profissionais de Saúde 9 0% 10% 20% 30% 40% 50% 60% 70% 80% 90% 100% % Hospitais processo reactivo A informação sobre medicamentos é na maioria dos hospitais um

19 Circuito Integrado do Plano Terapêutico

20 Circuito Integrado do Plano Terapêutico Áreas do Sistema de Informação Selecção e Aprovisionamento 68 Sim Distribuição 56 Não Farmacotecnia 7 0% 10% 20% 30% 40% 50% 60% 70% 80% 90% 100% % Hospitais A área da farmacotecnia está pouco integrada nos sistemas de informação

21 Circuito Integrado do Plano Terapêutico 41 hospitais referem ter um sistema de gestão integrada do CIPT centrado no doente Utilização do Sistema de Informação O médico elabora o plano terapêutico 32 O farmacêutico valida a prescrição médica 37 Sim O enfermeiro visualiza o plano terapêutico 27 Não O enfermeiro regista a sua actividade 24 0% 10% 20% 30% 40% 50% 60% 70% 80% 90% 100% % Hospitais n=41 Nem todos os intervenientes utilizam e registam as suas actividades no SI

22 Circuito Integrado do Plano Terapêutico Sistemas de Informação Integrados Existe mais do que um SI na área do medicamento 40 Os SI comunicam entre si Não Sim Garantir a integração dos diferentes sistemas de informação do circuito do medicamento

23 Comissões de Farmácia e Terapêutica

24 Comissões de Farmácia e Terapêutica Funcionamento das CFT % Hospitais Regulamento de Funcionamento 19 Protocolos e normas de procedimento 49 Metodologia para divulgação das decisões Não Sim Lacunas na organização dos processos de trabalho

25 Comissões de Farmácia e Terapêutica Elaboração de Protocolos % Hospitais Não Sim Protocolo definido para a autorização de novos medicamentos Protocolo definido para a autorização de medicamentos offlabel A CFT participa na elaboração de protocolos clínicos

26 Comissões de Farmácia e Terapêutica Monitorização da Utilização Monitorização do cumprimento dos protocolos de utilização 32 Monitorização da utilização off label 25 Sim Monitorização da adenda ao FHNM 53 Monitorização da utilização de novos medicamentos 23 Não 0% 10% 20% 30% 40% 50% 60% 70% 80% 90% 100% % de Hospitais Intervenção ao nível da monitorização do consumo de medicamentos é ainda reduzida na maioria dos hospitais

27 Conclusões (+++) Aumento do nº hospitais/ camas com distribuição em dose unitária no internamento Maior controlo no processo de distribuição de medicamentos ao doente Aumento da utilização dos automatismos na reembalagem e distribuição Aumento da informatização/ integração do circuito do medicamento Monitorização permanente da evolução económico-financeira dos SF

28 Conclusões (- - -) Deficiências estruturais nos sectores do ambulatório e farmacotecnia; Deficiência na definição de procedimentos transversal à área do medicamento hospitalar Lacunas na organização e operacionalização das CFT

29 Intervenções do PMH Prosseguir a aplicação dos projectos previsto no PMH Criação de uma página web do PMH Divulgação das acções do programa; Espaço de partilha de informação entre as CFT

30 Intervenções do PMH Priorizar as acções decorrentes das conclusões do questionário Adequação das estruturas às necessidades actuais dos SF: Ambulatório; Farmacotecnia; Ensaios clínicos Implementação de uma politica de qualidade através da certificação

31 Intervenções do PMH Proposta de criação de programa vertical de financiamento 3 milhões de euros Prémio de Excelência

MINISTÉRIO DA SAÚDE GABINETE DO SECRETÁRIO DE ESTADO ADJUNTO E DA SAÚDE RELATÓRIO DO 1.º QUESTIONÁRIO NACIONAL DO PROGRAMA DO MEDICAMENTO HOSPITALAR

MINISTÉRIO DA SAÚDE GABINETE DO SECRETÁRIO DE ESTADO ADJUNTO E DA SAÚDE RELATÓRIO DO 1.º QUESTIONÁRIO NACIONAL DO PROGRAMA DO MEDICAMENTO HOSPITALAR MINISTÉRIO DA SAÚDE GABINETE DO SECRETÁRIO DE ESTADO ADJUNTO E DA SAÚDE RELATÓRIO DO 1.º QUESTIONÁRIO NACIONAL DO PROGRAMA DO MEDICAMENTO HOSPITALAR Maio 2008 GRUPO DE TRABALHO: Dr. Rui Crujeira Dr.ª Cláudia

Leia mais

O Papel dos Protocolos Clínicos e das Recomendações Terapêuticas na Gestão Hospitalar

O Papel dos Protocolos Clínicos e das Recomendações Terapêuticas na Gestão Hospitalar O Papel dos Protocolos Clínicos e das Recomendações Terapêuticas na Gestão Hospitalar Piedade Ferreira/Rute Reis Infarmed 26 Outubro 2006 Objectivos 2006 Controlo do consumo de medicamentos Milhares Euros

Leia mais

O Plano Terapêutico no Sistema de Gestão Integrada do Plano Terapêutico

O Plano Terapêutico no Sistema de Gestão Integrada do Plano Terapêutico O Plano Terapêutico no Sistema de Gestão Integrada do Plano Terapêutico José Feio Farmacêutico dos Hospitais da Universidade de Coimbra 1º Congresso Internacional de Sistemas e Tecnologias de Informação

Leia mais

República de Angola DNME/MINSA/ ANGOLA

República de Angola DNME/MINSA/ ANGOLA DNME/MINSA/ ANGOLA 1 CONCEITO E ENQUADRAMENTO DA FARMÁCIA HOSPITALAR O Hospital é o local onde as intervenções mais diferenciadas, invasivas e salvadoras de vida devem ter lugar, constituindo-se, por isso

Leia mais

PROGRAMA DO MEDICAMENTO HOSPITALAR

PROGRAMA DO MEDICAMENTO HOSPITALAR MINISTÉRIO DA SAÚDE GABINETE DO SECRETÁRIO DE ESTADO DA SAÚDE PROGRAMA DO MEDICAMENTO HOSPITALAR Grupo de trabalho: Dr. Rui Crujeira Dr.ª Cláudia Furtado Dr. José Feio Dr.ª Fátima Falcão Dr. Paulo Carinha

Leia mais

SISTEMAS E TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO

SISTEMAS E TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO SISTEMAS E TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO Da Prescrição à Administração do Medicamento Sofia Valongo Serviços Farmacêuticos 26-09-2015 OBJETIVO 2 Descrever o papel do Farmacêutico na implementação

Leia mais

Resolução do Conselho de Ministros n.º 105/2000 de 20 de Julho Plano de reorganização da Farmácia Hospitalar

Resolução do Conselho de Ministros n.º 105/2000 de 20 de Julho Plano de reorganização da Farmácia Hospitalar Resolução do Conselho de Ministros n.º 105/2000 de 20 de Plano de reorganização da Farmácia Hospitalar O XIV Governo Constitucional assumiu no seu Programa o compromisso de criar um sistema de saúde mais

Leia mais

SISTEMA INTEGRADO DE QUALIDADE NOS SERVIÇOS DE APOIO CLÍNICO DO CENTRO HOSPITALAR DO BARLAVENTO ALGARVIO

SISTEMA INTEGRADO DE QUALIDADE NOS SERVIÇOS DE APOIO CLÍNICO DO CENTRO HOSPITALAR DO BARLAVENTO ALGARVIO SERVIÇOS FARMACÊUTICOS SERVIÇO IMUNOHEMOTERAPIA SISTEMA INTEGRADO DE QUALIDADE NOS SERVIÇOS DE APOIO CLÍNICO DO CENTRO HOSPITALAR DO BARLAVENTO ALGARVIO SERVIÇO RADIOLOGIA SERVIÇO CENTRAL ESTERILIZAÇÃO

Leia mais

Reorganização do Circuito do Medicamento

Reorganização do Circuito do Medicamento Reorganização do Circuito do Medicamento Paulo Horta Carinha paulo.carinha@hsjoao.min-saude.pt saude.pt Hospital S. João, E.P.E. Serviços Farmacêuticos 1 Seminário Regional Sobre Gestão do Medicamento

Leia mais

Patient Safety. Diagnóstico da Realidade Nacional. 1º Workshop Formativo sobre Segurança Clínica. Susana Ramos

Patient Safety. Diagnóstico da Realidade Nacional. 1º Workshop Formativo sobre Segurança Clínica. Susana Ramos Patient Safety 1º Workshop Formativo sobre Segurança Clínica Susana Ramos Junho 2008 : Projectos de Acreditação nos Hospitais 1999 Manual da Qualidade: Normas e Critérios área da Saúde Normas - Gestão

Leia mais

FARMÁCIA DO HOSPITAL BEATRIZ ÂNGELO OF LANÇA CAMPANHA SOBRE O USO DOS MEDICAMENTOS TEMA DA 7.ª SEMANA APFH BASEADO EM ALEGORIA

FARMÁCIA DO HOSPITAL BEATRIZ ÂNGELO OF LANÇA CAMPANHA SOBRE O USO DOS MEDICAMENTOS TEMA DA 7.ª SEMANA APFH BASEADO EM ALEGORIA EDIÇÃO ANO 2 N.º 11 SET/OUT 2014 BIMESTRAL 3 OF LANÇA CAMPANHA SOBRE O USO DOS MEDICAMENTOS FARMÁCIA DO HOSPITAL BEATRIZ ÂNGELO UMA "CONQUISTA HERCÚLEA" TEMA DA 7.ª SEMANA APFH BASEADO EM ALEGORIA IMPLEMENTAÇÃO

Leia mais

A política do medicamento: passado, presente e futuro

A política do medicamento: passado, presente e futuro A política do medicamento: passado, presente e futuro Barcelos, 27 de março de 2015 Ricardo Ramos (Direção de Avaliação Económica e Observação do Mercado) INFARMED - Autoridade Nacional do Medicamento

Leia mais

GESTÃO INTEGRADA DO MEDICAMENTO HOSPITALAR

GESTÃO INTEGRADA DO MEDICAMENTO HOSPITALAR GESTÃO INTEGRADA DO MEDICAMENTO HOSPITALAR 28/JUNHO/2006 Evolução do consumo de medicamentos Racionalização do uso do medicamento Missão do Serviço Farmacêutico Proporcionar suporte ao tratamento farmacoterapêutico

Leia mais

GUIA DE COMBATE AO DESPERDÍCIO

GUIA DE COMBATE AO DESPERDÍCIO 1 GUIA DE COMBATE AO DESPERDÍCIO GUIA DE COMBATE AO DESPERDÍCIO A Unidade Local de Saúde do Norte Alentejano, EPE ULSNA reconhece que a sustentabilidade é um problema nos cuidados de saúde, pelo que urge

Leia mais

30 ANOS DO CENTRO DE INFORMAÇÃO DO MEDICAMENTO DA ORDEM DOS FARMACÊUTICOS E PERSPECTIVAS FUTURAS. Lisboa 04 Dez 2014 Aurora Simón

30 ANOS DO CENTRO DE INFORMAÇÃO DO MEDICAMENTO DA ORDEM DOS FARMACÊUTICOS E PERSPECTIVAS FUTURAS. Lisboa 04 Dez 2014 Aurora Simón 30 ANOS DO CENTRO DE INFORMAÇÃO DO MEDICAMENTO DA ORDEM DOS FARMACÊUTICOS E PERSPECTIVAS FUTURAS Uma actividade com 50 anos Centros de Informação de Medicamentos Resposta à necessidade de rápido acesso

Leia mais

DECLARAÇÕES EUROPEIAS DA FARMÁCIA HOSPITALAR

DECLARAÇÕES EUROPEIAS DA FARMÁCIA HOSPITALAR DECLARAÇÕES EUROPEIAS DA FARMÁCIA HOSPITALAR As páginas que se seguem constituem as Declarações Europeias da Farmácia Hospitalar. As declarações expressam os objetivos comuns definidos para cada sistema

Leia mais

GESTÃO DOS PRODUTOS FARMACÊUTICOS HOSPITAL DO ESPÍRITO SANTO DE ÉVORA

GESTÃO DOS PRODUTOS FARMACÊUTICOS HOSPITAL DO ESPÍRITO SANTO DE ÉVORA GESTÃO DOS PRODUTOS FARMACÊUTICOS HOSPITAL DO ESPÍRITO SANTO DE ÉVORA António Serrano Presidente do CA ORGANIZAÇÃO Direcção Clínica Presidente do CA Planeamento e Controlo de Gestão Gestor do Medicamento

Leia mais

FARMÁCIA HOSPITALAR: CONCEITO, OBJETIVOS E ATRIBUIÇÕES EUGENIE DESIRÈE RABELO NÉRI FARMACÊUTICA HOSPITALAR CONSULTORA EM FARMÁCIA HOSPITALAR

FARMÁCIA HOSPITALAR: CONCEITO, OBJETIVOS E ATRIBUIÇÕES EUGENIE DESIRÈE RABELO NÉRI FARMACÊUTICA HOSPITALAR CONSULTORA EM FARMÁCIA HOSPITALAR FARMÁCIA HOSPITALAR: CONCEITO, OBJETIVOS E ATRIBUIÇÕES EUGENIE DESIRÈE RABELO NÉRI FARMACÊUTICA HOSPITALAR CONSULTORA EM FARMÁCIA HOSPITALAR Na Presença a Do Amor, Milagres Acontecem. ROBERT SCHULLER PROGRAMA

Leia mais

Grupo MedLog. 35 anos de experiência e inovação em exclusivo na logística da saúde. Susana Quelhas Coimbra, 14 de Outubro 2010

Grupo MedLog. 35 anos de experiência e inovação em exclusivo na logística da saúde. Susana Quelhas Coimbra, 14 de Outubro 2010 Grupo MedLog 35 anos de experiência e inovação em exclusivo na logística da saúde Susana Quelhas Coimbra, 14 de Outubro 2010 MedLog - As Empresas MedLog Passado e Presente Distribuição de medicamentos

Leia mais

ca@hsjoao.min-saude.ptsaude.pt 50 Anos Serviços Farmacêuticos

ca@hsjoao.min-saude.ptsaude.pt 50 Anos Serviços Farmacêuticos Programa do Medicamento Hospitalar Infarmed, 26 de Janeiro 2009 Centro de preparação de medicamentos:. Prof. Doutor António Ferreira ca@hsjoao.min-saude.ptsaude.pt Hospital S. João, E.P.E. Maio 2007 Unidade

Leia mais

Escolha o tipo de entidade: Clínicas Consultórios Hospitais Privados Ordens e Misericórdias

Escolha o tipo de entidade: Clínicas Consultórios Hospitais Privados Ordens e Misericórdias Escolha o tipo de entidade: Clínicas Consultórios Hospitais Privados Ordens e Misericórdias ICare-EHR (ASP) ou Application Service Provider, é uma subscrição de Serviço online não necess ICare-EHR (Clássico)

Leia mais

Portal da Hepatite C [hepc.infarmed.pt]

Portal da Hepatite C [hepc.infarmed.pt] Portal da Hepatite C [hepc.infarmed.pt] Jorge Rodrigues 21 anos de serviço público com valores e ética [Portal da Hepatite C] Sumário 1. Importância do Portal da Hepatite C 2. Doente vs Anonimização 3.

Leia mais

Resolução nº 492 de 26 de novembro de 2008

Resolução nº 492 de 26 de novembro de 2008 Resolução nº 492 de 26 de novembro de 2008 Ementa: Regulamenta o exercício profissional nos serviços de atendimento pré-hospitalar, na farmácia hospitalar e em outros serviços de saúde, de natureza pública

Leia mais

Planificação dos Serviços Farmacêuticos

Planificação dos Serviços Farmacêuticos Planificação dos Serviços Farmacêuticos As modificações introduzidas na Farmácia Hospitalar nas últimas duas décadas Pressupôs uma reorganização e uma nova planificação das estruturas existentes Objectivos

Leia mais

CONVERSAS DE FIM DE TARDE

CONVERSAS DE FIM DE TARDE CONVERSAS DE FIM DE TARDE Rogério Correia A estrutura organizacional do Serviço Missão do SRS Promoção da Saúde Prestação de, Hospitalares e Continuados Prestação de actividades no âmbito da Saúde Pública

Leia mais

Programa do X Governo Regional. Programa do X Governo dos Açores - Área da Saúde

Programa do X Governo Regional. Programa do X Governo dos Açores - Área da Saúde Programa do X Governo dos Açores - Área da Saúde Ponta Delgada, 26 de Novembro de 2008 6 Saúde A saúde é um factor essencial no desenvolvimento do bem-estar da população, e a qualidade neste sector aparece

Leia mais

PROCEDIMENTO DE DISTRIBUIÇÃO DE HEMODERIVADOS NO CENTRO HOSPITALAR DE SÃO JOÃO, EPE

PROCEDIMENTO DE DISTRIBUIÇÃO DE HEMODERIVADOS NO CENTRO HOSPITALAR DE SÃO JOÃO, EPE PROCEDIMENTO DE DISTRIBUIÇÃO DE HEMODERIVADOS NO CENTRO HOSPITALAR DE SÃO JOÃO, EPE Daniela Pina 1, Sónia Ferreira 2, Cláudia Galvão 2, António Carvalho 2, Paulo Horta Carinha 2 1 Escola Superior de Tecnologia

Leia mais

AS TIC E A SAÚDE NO PORTUGAL DE HOJE

AS TIC E A SAÚDE NO PORTUGAL DE HOJE AS TIC E A SAÚDE NO PORTUGAL DE HOJE 18 MARÇO 2015 Centro Hospitalar Psiquiátrico de Lisboa PATROCINDADORES Apoio Patrocinadores Globais APDSI APDSI Conferência As TIC e a Saúde no Portugal de Hoje SESSÃO

Leia mais

Valor do sector do Diagnóstico in vitro, em Portugal. Principais conclusões APIFARMA CEMD. Outubro 2014

Valor do sector do Diagnóstico in vitro, em Portugal. Principais conclusões APIFARMA CEMD. Outubro 2014 Valor do sector do Diagnóstico in vitro, em Portugal Principais conclusões APIFARMA CEMD Outubro 2014 1 APIFARMA Valor do Sector do Diagnóstico in Vitro, em Portugal Agenda I Objectivos e metodologia II

Leia mais

Qualidade dos Serviços Clínicos

Qualidade dos Serviços Clínicos X Qualidade dos Serviços Clínicos ÍNDICE SECÇÃO I SISTEMAS DE GESTÃO E AVALIAÇÃO DA QUALIDADE...2 1. Sistema de Gestão da Qualidade...2 2. Sistema de Gestão Ambiental...3 3. Monitorização e avaliação dos

Leia mais

Logótipo da Entidade

Logótipo da Entidade Logótipo da Entidade Codificação de medicamentos e produtos de saúde Perspectiva do INFARMED, I.P. Helder Mota Filipe INFARMED Autoridade Nacional de Medicamentos e Produtos de Saúde, IP Medicamentos Rastreabilidade

Leia mais

Princípios orientadores para a política do medicamento

Princípios orientadores para a política do medicamento Princípios orientadores para a política do medicamento Aprovado pela Comissão Nacional de Farmácia e Terapêutica Objectivos: Neste documento da Comissão Nacional de Farmácia e Terapêutica (CNFT) discutem-se

Leia mais

O HOSPITAL DO SNS NO FUTURO. Francisco Ramos Presidente do Conselho de Administração do IPOLFG

O HOSPITAL DO SNS NO FUTURO. Francisco Ramos Presidente do Conselho de Administração do IPOLFG O HOSPITAL DO SNS NO FUTURO Francisco Ramos Presidente do Conselho de Administração do IPOLFG 22-06-2016 1. O PASSADO Os problemas A urgência como forma de acesso em primeira linha A combinação público-privado

Leia mais

Programas das cadeiras

Programas das cadeiras Programas das cadeiras Gestão de Unidades de Saúde Pretende-se que os participantes identifiquem os conceitos fundamentais de gestão e a sua aplicabilidade no contexto das unidades de saúde. Desenvolverse-á

Leia mais

Receituário eletrônico: uma mudança de paradigma

Receituário eletrônico: uma mudança de paradigma Inovação, Tecnologia e Operações Receituário eletrônico: uma mudança de paradigma Experiência publica e empresarial em Espanha Eduardo Figueiredo Pensar Global e Agir Local para a Excelência do Varejo

Leia mais

Ensaios Clínicos: A Perspectiva da Indústria Farmacêutica

Ensaios Clínicos: A Perspectiva da Indústria Farmacêutica Ensaios Clínicos: A Perspectiva da Indústria Farmacêutica Plataforma Nacional de Ensaios Clínicos Lançamento Oficial Lisboa, 20 de Março 2012 Paula Martins de Jesus Grupo de Trabalho de Investigação Clínica

Leia mais

Processo Clínico. O próximo passo

Processo Clínico. O próximo passo Processo Clínico Electrónico: O próximo passo Sumário 1. Saúde: Uma Realidade Complexa 2. Implementação de SI na Saúde 2.1. Uma estratégia conjunta 2.2. Benefícios, constrangimentos e, desafios 3. Processo

Leia mais

PARA ONDE VAI O SEU DINHEIRO?

PARA ONDE VAI O SEU DINHEIRO? PARA ONDE VAI O SEU DINHEIRO? Como preparar um orçamento da saúde que o cidadão contribuinte entenda? Os Medicamentos e o Orçamento José A. Aranda da Silva Auditório da Faculdade de Direito da Universidade

Leia mais

1.as Jornadas da Qualidade Centro Hospitalar da Cova da Beira

1.as Jornadas da Qualidade Centro Hospitalar da Cova da Beira 1.as Jornadas da Qualidade Centro Hospitalar da Cova da Beira Os Sistemas de Gestão por Processos Certificação ISO ( e outras) 13 de Novembro de 2009 pág. 1 Fontes de referência: do sistema e processos

Leia mais

Ambulatório. Circuito do Medicamento. Prescrição. Farmácia. Comunitária. Farmácia. Hospitalar. Validação Farmacêutica. Cirurgia de.

Ambulatório. Circuito do Medicamento. Prescrição. Farmácia. Comunitária. Farmácia. Hospitalar. Validação Farmacêutica. Cirurgia de. Farmácia Comunitária Farmácia Hospitalar Validação Farmacêutica Cirurgia de Monitorizações A ST+I tem como missão Ser uma referência Internacional de elevado valor, nos domínios da, garantindo a sustentabilidade

Leia mais

Por outro lado, não há o envolvimento do INFARMED, a entidade reguladora do sector do medicamento, nesta análise especializada.

Por outro lado, não há o envolvimento do INFARMED, a entidade reguladora do sector do medicamento, nesta análise especializada. Análise especializada Política do medicamento, dispositivos médicos e avaliação de tecnologias em saúde Exmos. Senhores, O processo de elaboração do Plano Nacional de Saúde pode ser considerado um bom

Leia mais

Competências Farmacêuticas Farmácia Comunitária Versão 23.xi.15

Competências Farmacêuticas Farmácia Comunitária Versão 23.xi.15 Competências Farmacêuticas Farmácia Comunitária Versão 23.xi.15 1 Competência* reparar manipulados e formulações extemporâneas de medicamentos e produtos de saúde Conteúdos* Tipo de 2 Competência* Aquisição

Leia mais

Introdução. Confiabilidade. Conformidade. Segurança. Optimização e Disponibilidade

Introdução. Confiabilidade. Conformidade. Segurança. Optimização e Disponibilidade Introdução Desenvolvido segundo um modelo de bases de dados relacionais, podem ser realizadas personalizações à medida de cada empresa, em conformidade com o Sistema de Informação existente e diversas

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO EM CUIDADOS FARMACÊUTICOS

PÓS-GRADUAÇÃO EM CUIDADOS FARMACÊUTICOS PÓS-GRADUAÇÃO EM CUIDADOS FARMACÊUTICOS 1. Introdução O papel do farmacêutico, em particular no contexto da Farmácia Comunitária tem vindo a evoluir no sentido de uma maior intervenção do Farmacêutico

Leia mais

Qpoint Rumo à Excelência Empresarial

Qpoint Rumo à Excelência Empresarial 2 PRIMAVERA BSS Qpoint Rumo à Excelência Empresarial Numa era em que a competitividade entre as organizações é decisiva para o sucesso empresarial, a aposta na qualidade e na melhoria contínua da performance

Leia mais

ORDEM DOS FARMACÊUTICOS - RESPOSTA A PEDIDO DE CREDITAÇÃO

ORDEM DOS FARMACÊUTICOS - RESPOSTA A PEDIDO DE CREDITAÇÃO Filipe Leonardo De: suporte@sensocomum.pt Enviado: terça-feira, 16 de Outubro de 2012 18:05 Para: mguedes.silva@mjgs.pt ; joanaviveiro@ordemfarmaceuticos.pt; joaomartinho@ordemfarmaceuticos.pt Assunto:

Leia mais

VITAHISCARE UNIDADES HOSPITALARES

VITAHISCARE UNIDADES HOSPITALARES VITAHISCARE UNIDADES HOSPITALARES APRESENTAÇÃO FUNCIONALIDADES VANTAGENS E CARACTERÍSTICAS MÓDULOS COMPLEMENTARES UNIDADES HOSPITALARES O VITA HIS CARE Unidades Hospitalares é um sistema de informação

Leia mais

INFORMATIZAÇÃO CLÍNICA DOS SERVIÇOS DE URGÊNCIA LINHAS BÁSICAS DE ORIENTAÇÃO

INFORMATIZAÇÃO CLÍNICA DOS SERVIÇOS DE URGÊNCIA LINHAS BÁSICAS DE ORIENTAÇÃO INFORMATIZAÇÃO CLÍNICA DOS SERVIÇOS DE URGÊNCIA LINHAS BÁSICAS DE ORIENTAÇÃO FUNCIONALIDADES TÉCNICAS INFORMATIZAÇÃO CLÍNICA DOS SERVIÇOS DE URGÊNCIA OBJECTIVO Dispor de um sistema de informação, que articule

Leia mais

A IMPLEMENTAÇÃO DA TECNOLOGIA PHARMAPICK NO CHP (PORTUGAL)

A IMPLEMENTAÇÃO DA TECNOLOGIA PHARMAPICK NO CHP (PORTUGAL) A IMPLEMENTAÇÃO DA TECNOLOGIA PHARMAPICK NO CHP (PORTUGAL) Dr.ª Élia Costa Gomes Vogal do Conselho de Administração Drª Patrocínia Rocha Directora Serviços Farmacêuticos São Paulo, 21 Maio 2015 O Porto

Leia mais

Identificação da Empresa. Missão. Visão

Identificação da Empresa. Missão. Visão Identificação da Empresa Designação social: Centro Hospitalar de Lisboa Central, EPE Sede: Rua José António Serrano, 1150-199 - Lisboa Natureza jurídica: Entidade Pública Empresarial Início de actividade:

Leia mais

F - ÁREA PROFISSIONAL FARMÁCIA. FARMÁCIA HOSPITALAR E CLÍNICA - InCor. Titulação: Aprimoramento e Especialização

F - ÁREA PROFISSIONAL FARMÁCIA. FARMÁCIA HOSPITALAR E CLÍNICA - InCor. Titulação: Aprimoramento e Especialização F - ÁREA PROFISSIONAL FARMÁCIA FARMÁCIA HOSPITALAR E CLÍNICA - InCor Titulação: Aprimoramento e Especialização Supervisora: Drª Sonia Lucena Cipriano Características: (duração 12 meses) Dirigido a farmacêuticos,

Leia mais

- A supervisão da conduta de mercado no sector segurador: metodologias de trabalho e avaliação de resultados

- A supervisão da conduta de mercado no sector segurador: metodologias de trabalho e avaliação de resultados Boas práticas no sector segurador - A supervisão da conduta de mercado no sector segurador: metodologias de trabalho e avaliação de resultados Eduardo Farinha Pereira eduardo.pereira@isp.pt Sumário Enquadramento

Leia mais

Qualificação dos Profissionais da. Administração Pública Local

Qualificação dos Profissionais da. Administração Pública Local Qualificação dos Profissionais da Administração Pública Local Amarante - 2009 A sessão de hoje 3 Novembro2009 Objectivos gerais: 1. a) Enquadramento Teórico b) Actividade n.º 1: Descobrindo as Etapas de

Leia mais

Regina Lourenço Maria Piedade Ferreira CHLN, Hospital Santa Maria Janeiro 2009

Regina Lourenço Maria Piedade Ferreira CHLN, Hospital Santa Maria Janeiro 2009 Regina Lourenço Maria Piedade Ferreira CHLN, Hospital Santa Maria Janeiro 2009 Farmácia Hospitalar Aquisição Distribuição Informação Produção Operações relacionadas com o medicamento manipulado, que vão

Leia mais

Gestão Total da Manutenção: Sistema GTM

Gestão Total da Manutenção: Sistema GTM Gestão Total da Manutenção: Sistema GTM por Engº João Barata (jbarata@ctcv.pt), CTCV Inovação Centro Tecnológico da Cerâmica e do Vidro 1. - INTRODUÇÃO Os sub-sistemas de gestão, qualquer que seja o seu

Leia mais

MESTRADO EM GESTÃO DOS SERVIÇOS DE SAÚDE

MESTRADO EM GESTÃO DOS SERVIÇOS DE SAÚDE MESTRADO EM GESTÃO DOS SERVIÇOS DE SAÚDE Programas das cadeiras Gestão de Unidades de Saúde Pretende-se que os participantes identifiquem os conceitos fundamentais de gestão e a sua aplicabilidade no contexto

Leia mais

CEF/0910/28031 Relatório preliminar da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento

CEF/0910/28031 Relatório preliminar da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento CEF/0910/28031 Relatório preliminar da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.9 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora:

Leia mais

Monitorização da Prescrição de Medicamentos Indicadores Nacionais Setembro 2011

Monitorização da Prescrição de Medicamentos Indicadores Nacionais Setembro 2011 Monitorização da Prescrição de Medicamentos Indicadores Nacionais Setembro 2011 Ministério da Saúde Lisboa, 19 de Setembro de 2011 0 1. Enquadramento A denominada prescrição electrónica de medicamentos

Leia mais

GestoFinal Travessa da Barrosa Nº 225 11C 4400-042 Vila Nova de Gaia Tel.. 93 256 45 85 96 264 07 38 www.gestofinal.com info@gestofinal.

GestoFinal Travessa da Barrosa Nº 225 11C 4400-042 Vila Nova de Gaia Tel.. 93 256 45 85 96 264 07 38 www.gestofinal.com info@gestofinal. Projeto de Informatização Gas GestoFinal Travessa da Barrosa Nº 225 11C 4400-042 Vila Nova de Gaia Tel.. 93 256 45 85 96 264 07 38 www.gestofinal.com info@gestofinal.com Versão 4.11 A empresa Criada em

Leia mais

Documento de apresentação Software de Gestão e Avaliação da Formação

Documento de apresentação Software de Gestão e Avaliação da Formação Documento de apresentação Software de Gestão e Avaliação da Janeiro-2010 Para a boa gestão de pessoas, as empresas devem elevar o RH à posição de poder e primazia na organização e garantir que o pessoal

Leia mais

CARTA DE SÃO PAULO 5º CONGRESSO BRASILEIRO SOBRE O USO RACIONAL DE MEDICAMENTOS O USO RACIONAL DE MEDICAMENTOS E A SEGURANÇA DO PACIENTE

CARTA DE SÃO PAULO 5º CONGRESSO BRASILEIRO SOBRE O USO RACIONAL DE MEDICAMENTOS O USO RACIONAL DE MEDICAMENTOS E A SEGURANÇA DO PACIENTE CARTA DE SÃO PAULO 5º CONGRESSO BRASILEIRO SOBRE O USO RACIONAL DE MEDICAMENTOS O USO RACIONAL DE MEDICAMENTOS E A SEGURANÇA DO PACIENTE A realização do I Congresso Brasileiro sobre o Uso Racional de Medicamentos

Leia mais

Os Serviços Partilhados do SUCH

Os Serviços Partilhados do SUCH Os Serviços Partilhados do SUCH ONI e-powered: 1ª Conferência sobre Soluções Integradas para o Sector Público 8 de Abril de 2008 Serviço de Utilização Comum dos Hospitais 7 áreas de negócio Todas operando

Leia mais

A experiência no domínio dos Serviços Partilhados em Saúde

A experiência no domínio dos Serviços Partilhados em Saúde A experiência no domínio dos Serviços Partilhados em Saúde Joaquina Matos Vilamoura, 23 Maio 2009 Quem Somos O que Somos? Visão Missão Ser referência como entidade de Serviços Partilhados na área da Saúde,

Leia mais

Identificação da empresa

Identificação da empresa Identificação da empresa O Centro Hospitalar do Tâmega e Sousa, EPE, criado através do Decreto Lei n.º 326/2007 de 28 de Setembro, com início de actividade a 1 de Outubro de 2007, resultou da fusão de

Leia mais

AS TIC E A SAÚDE NO PORTUGAL DE HOJE

AS TIC E A SAÚDE NO PORTUGAL DE HOJE AS TIC E A SAÚDE NO PORTUGAL DE HOJE 18 MARÇO 2015 Centro Hospitalar Psiquiátrico de Lisboa PATROCINDADORES Apoio Patrocinadores Globais APDSI SIG / Plataforma de Gestão de MCDT (Glintt) Evolução nos modelos

Leia mais

Minhas Senhoras e meus senhores

Minhas Senhoras e meus senhores Cerimónia de entrega de Certificados de Qualidade ISO 9001 Centro Hospitalar de Entre o Douro e Vouga 30 de junho de 2015 Senhor Presidente da Câmara Municipal de Santa Maria da Feira Dr. Emídio Sousa

Leia mais

N.º 5. Periodicidade: Trimestral

N.º 5. Periodicidade: Trimestral Hospital Distrital da Figueira da Foz, E.P.E. Newsletter N.º 5 Dezembro de 2008 Periodicidade: Trimestral hdff@hdfigueira.min-saude.pt Editorial O principal objectivo de todos nós é afirmar na nossa comunidade

Leia mais

Premier. Quando os últimos são os Primeiros

Premier. Quando os últimos são os Primeiros Premier Quando os últimos são os Primeiros Fundada em 1997 Especializada no desenvolvimento de soluções informáticas de apoio à Gestão e consultoria em Tecnologias de Informação. C3im tem como principais

Leia mais

Gestão Ambiental no Sector da Saúde da Região do Algarve

Gestão Ambiental no Sector da Saúde da Região do Algarve Gestão Ambiental no Sector da Saúde da Região do Algarve Organização dos Serviços de Saúde Região do Algarve Nacional Ministério da Saúde Regional ARS Algarve ARS Alentejo ARS Lisboa e Vale do Tejo ARS

Leia mais

Saúde Aviso de Abertura de Concurso para Apresentação de Candidaturas S/1/2007

Saúde Aviso de Abertura de Concurso para Apresentação de Candidaturas S/1/2007 Saúde Aviso de Abertura de Concurso para Apresentação de Candidaturas S/1/2007 Saúde Aviso de Abertura de Concurso para Apresentação de Candidaturas S/1/2007 Nos termos do Regulamento Específico Saúde

Leia mais

Reunião Nacional das Comissões de Ética PERSPECTIVAS FUTURAS DA INVESTIGAÇÃO CLÍNICA EM PORTUGAL

Reunião Nacional das Comissões de Ética PERSPECTIVAS FUTURAS DA INVESTIGAÇÃO CLÍNICA EM PORTUGAL Reunião Nacional das Comissões de Ética PERSPECTIVAS FUTURAS DA INVESTIGAÇÃO CLÍNICA EM PORTUGAL Recursos Humanos Financiamento Condições Legais: Lei de Investigação Clínica Fundo para a Investigação em

Leia mais

Deliberação n.º 105/CA/2007, de 1 de Março Regulamento sobre Autorizações de Utilização Especial e Excepcional de Medicamentos

Deliberação n.º 105/CA/2007, de 1 de Março Regulamento sobre Autorizações de Utilização Especial e Excepcional de Medicamentos Regulamento sobre Autorizações de Utilização Especial e Excepcional de Medicamentos O Decreto-Lei n.º 176/2006, de 30 de Agosto, estabelece no seu artigo 92.º, que o Instituto Nacional da Farmácia e do

Leia mais

A Farmácia Hospitalar no desenvolvimento e implementação de um Sistema Integrado de Informação e Gestão

A Farmácia Hospitalar no desenvolvimento e implementação de um Sistema Integrado de Informação e Gestão A Farmácia Hospitalar no desenvolvimento e implementação de um Sistema Integrado de Trabalho realizado por Maria Margarida da Silva Abreu 1 Francisco Ávila Machado 2 José Feio 2 1 Centro Hospitalar de

Leia mais

Conselho Nacional de Saúde MS OPAS-OMS

Conselho Nacional de Saúde MS OPAS-OMS Conselho Nacional de Saúde MS OPAS-OMS Seminário internacional: Inclusão dos cidadãos em políticas públicas de saúde A participação dos cidadãos no sistema de saúde português Mauro Serapioni Centro de

Leia mais

Linhas de Acção. 1. Planeamento Integrado. Acções a desenvolver: a) Plano de Desenvolvimento Social

Linhas de Acção. 1. Planeamento Integrado. Acções a desenvolver: a) Plano de Desenvolvimento Social PLANO DE ACÇÃO 2007 Introdução O CLASA - Conselho Local de Acção Social de Almada, de acordo com a filosofia do Programa da Rede Social, tem vindo a suportar a sua intervenção em dois eixos estruturantes

Leia mais

Grupo detrabalho dereflexão deum Modelode RSE. versão 1.0

Grupo detrabalho dereflexão deum Modelode RSE. versão 1.0 2010 2012 2015 2009 Grupo detrabalho dereflexão deum Modelode RSE versão 1.0 2010 2012 2015 2009 Linhas deacção / Caminho a Percorrer Monitorização e acompanhamento permanentes, para que as actividades

Leia mais

REFORÇAR Objectivo 1. Melhorar a divulgação da missão/visão para o agrupamento de escolas em toda a comunidade educativa

REFORÇAR Objectivo 1. Melhorar a divulgação da missão/visão para o agrupamento de escolas em toda a comunidade educativa CORECARD > MONITORIZAÇÃO Organização e Processos de Gestão Estratégica Liderar e criar uma cultura de escola Melhorar a divulgação da missão/visão para o agrupamento de escolas em toda a comunidade educativa

Leia mais

Maria Augusta Soares. 15-16 de Dezembro 2010

Maria Augusta Soares. 15-16 de Dezembro 2010 Maria Augusta Soares F ld d de Faculdade d Farmácia F á da d Universidade U d d de d Lisboa L b 15-16 de Dezembro 2010 Panorama Farmacêutico em Portugal Ensino em Ciências i Farmacêuticas Pré graduado

Leia mais

ANÁLISE DE SUSTENTABILIDADE DA EMPRESA NOS DOMÍNIOS, ECONÓMICO, SOCIAL E AMBIENTAL

ANÁLISE DE SUSTENTABILIDADE DA EMPRESA NOS DOMÍNIOS, ECONÓMICO, SOCIAL E AMBIENTAL ANÁLISE DE SUSTENTABILIDADE DA EMPRESA NOS DOMÍNIOS, ECONÓMICO, SOCIAL E AMBIENTAL 1. Sustentabilidade económica A linha estratégica seguida em 2011 e que continuará em 2012 passa por tomada de ações que

Leia mais

Prevenção do Erro e o Medicamento

Prevenção do Erro e o Medicamento Prevenção do Erro e o Medicamento Daniela Garcia 26 de março de 2015 Diretora dos Serviços Farmacêuticos Erro de medicação Qualquer evento evitável que pode causar dano ao doente ou dar lugar à utilização

Leia mais

Nacional sobre Propaganda e Uso Racional de Medicamentos

Nacional sobre Propaganda e Uso Racional de Medicamentos Seminário Nacional sobre Propaganda e Uso Racional de Medicamentos Brasília 31 de agosto,, 1 e 2 de setembro de 2006 Promoção do Uso Racional de Medicamentos Informação aos Prescritores e Dispensadores

Leia mais

Sistemas de Informação na Saúde

Sistemas de Informação na Saúde Os Sistemas de Informação na Vanguarda da Reabilitação João Pimenta Centro de Medicina de Reabilitação do Sul Centro de Medicina de Reabilitação do Sul - Caracterização Capacidade Instalada Gabinetes de

Leia mais

Grupo Parlamentar SAÚDE PELOS UTENTES DO SERVIÇO NACIONAL DE SAÚDE. Exposição de motivos

Grupo Parlamentar SAÚDE PELOS UTENTES DO SERVIÇO NACIONAL DE SAÚDE. Exposição de motivos Grupo Parlamentar PROJECTO DE LEI Nº./ X CARTA DOS DIREITOS DE ACESSO AOS CUIDADOS DE SAÚDE PELOS UTENTES DO SERVIÇO NACIONAL DE SAÚDE Exposição de motivos A espera por cuidados de saúde é um fenómeno

Leia mais

RDC 60. Perguntas e Respostas. RDC nº 60, RDC 60 - PERGUNTAS E RESPOSTAS

RDC 60. Perguntas e Respostas. RDC nº 60, RDC 60 - PERGUNTAS E RESPOSTAS Regulamentação SOBRE AMOSTRAS GRÁTIS DE MEDICAMENTOS RDC 60 Perguntas e Respostas RDC nº 60, de 26 de NOVEmbro de 2009 1 Regulamentação SOBRE AMOSTRAS GRÁTIS RDC 60 Perguntas e Respostas RDC nº 60, de

Leia mais

Competências Farmacêuticas Indústria Farmacêutica Versão 23.xi.15

Competências Farmacêuticas Indústria Farmacêutica Versão 23.xi.15 Competências Farmacêuticas Indústria Farmacêutica Versão 23.xi.15 Competência* Conteúdos*1 *3 a que se candidata + E a que se candidata + E a que se candidata + E a que se candidata + E Tipo de Competência*2

Leia mais

O Recurso a Meios Digitais no Contexto do Ensino Superior. Um Estudo de Uso da Plataforma.

O Recurso a Meios Digitais no Contexto do Ensino Superior. Um Estudo de Uso da Plataforma. O Recurso a Meios Digitais no Contexto do Ensino Superior. Um Estudo de Uso da Plataforma. Universidade de Aveiro Mestrado em Gestão da Informação Christelle Soigné Palavras-chave Ensino superior. e-learning.

Leia mais

Regulamento das Consultas Externas. Índice

Regulamento das Consultas Externas. Índice Índice CAPÍTULO I...4 DISPOSIÇÕES GERAIS...4 ARTIGO 1º...4 (Noção de Consulta Externa)...4 ARTIGO 2º...4 (Tipos de Consultas Externas)...4 ARTIGO 3º...4 (Objectivos do Serviço de Consulta Externa)...4

Leia mais

HOSPITAL GERAL DE ST O. ANTONIO

HOSPITAL GERAL DE ST O. ANTONIO HOSPITAL GERAL DE ST O. ANTONIO Pontos Fracos & Oportunidades de Melhoria Situação inicial - 2004 Inexistência de informação credível; Longas filas de espera à entrada do armazém para o auto abastecimento

Leia mais

Avaliação do modelo e resultados da implementação das TIC no Centro Hospitalar Setúbal

Avaliação do modelo e resultados da implementação das TIC no Centro Hospitalar Setúbal Avaliação do modelo e resultados da implementação das TIC no Centro Hospitalar Setúbal Teresa Magalhães (Vogal do Conselho de Administração e Assistente Convidada na ENSP, UNL) Workshop A Saúde na era

Leia mais

Serviço Nacional de Saúde

Serviço Nacional de Saúde Informação de Custos dos Cuidados de Saúde Serviço Nacional de Saúde A Informação de custos dos Cuidados de Saúde é uma iniciativa do Ministério da Saúde, de abrangência nacional, enquadrada no Programa

Leia mais

PROTEÇÃO DE DADOS NA INFORMAÇÃO DE SAÚDE. Maria Candida Guedes de Oliveira Comisionada de la CNPD

PROTEÇÃO DE DADOS NA INFORMAÇÃO DE SAÚDE. Maria Candida Guedes de Oliveira Comisionada de la CNPD PROTEÇÃO DE DADOS NA INFORMAÇÃO DE SAÚDE Comisionada de la CNPD Novas Tecnologias na Saúde Perigos potenciais do uso da tecnologia: Enorme quantidade de informação sensível agregada Aumenta a pressão económica

Leia mais

Sistema de gestão para dirigir e controlar uma organização no que respeita à qualidade

Sistema de gestão para dirigir e controlar uma organização no que respeita à qualidade COMO ORGANIZAR O SGQ SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE Sistema de gestão para dirigir e controlar uma organização no que respeita à qualidade A Gestão da Qualidade foca o produto / a realização do serviço;

Leia mais

Plano a Médio Prazo e Orçamento 2005. Intervenção no Plenário Assembleia Legislativa da R.A.A. 5 a 8 de Abril de 2005

Plano a Médio Prazo e Orçamento 2005. Intervenção no Plenário Assembleia Legislativa da R.A.A. 5 a 8 de Abril de 2005 Plano a Médio Prazo e Orçamento 2005 Intervenção no Plenário Assembleia Legislativa da R.A.A. 5 a 8 de Abril de 2005 Senhor Presidente da ALRAA Senhoras e Senhores Deputados Senhor Presidente do Governo

Leia mais

Determinantes da Satisfação com Funcionamento Actual & Prioridades de Reforma. Uma Abordagem Qualitativa

Determinantes da Satisfação com Funcionamento Actual & Prioridades de Reforma. Uma Abordagem Qualitativa OS CENTROS DE SAÚDE EM PORTUGAL Determinantes da Satisfação com Funcionamento Actual & Prioridades de Reforma Uma Abordagem Qualitativa Instituição promotora e financiadora Missão para os Cuidados de Saúde

Leia mais

PROGRAMA NACIONAL DE ACREDITAÇÃO EM SAÚDE

PROGRAMA NACIONAL DE ACREDITAÇÃO EM SAÚDE PROGRAMA NACIONAL DE ACREDITAÇÃO EM SAÚDE 2009 3 ÍNDICE I INTRODUÇÃO 4 II MODELO NACIONAL DE ACREDITAÇÃO EM SAÚDE 5 III ÂMBITO DE APLICAÇÃO 8 IV OBJECTIVO GERAL 8 V OBJECTIVOS ESPECÍFICOS 8 VI ESTRATÉGIAS

Leia mais

PERFIL PROFISSIONAL TÉCNICO/A DE APOIO À GESTÃO. PERFIL PROFISSIONAL Técnico/a de Apoio à Gestão Nível 3 CATÁLOGO NACIONAL DE QUALIFICAÇÕES 1/5

PERFIL PROFISSIONAL TÉCNICO/A DE APOIO À GESTÃO. PERFIL PROFISSIONAL Técnico/a de Apoio à Gestão Nível 3 CATÁLOGO NACIONAL DE QUALIFICAÇÕES 1/5 PERFIL PROFISSIONAL TÉCNICO/A DE APOIO À GESTÃO PERFIL PROFISSIONAL Técnico/a de Apoio à Gestão Nível 3 CATÁLOGO NACIONAL DE QUALIFICAÇÕES 1/5 ÁREA DE ACTIVIDADE - ADMINISTRAÇÃO/GESTÃO OBJECTIVO GLOBAL

Leia mais

Serviços Partilhados em Saúde. Interface Jornadas da Saúde Paula Nanita

Serviços Partilhados em Saúde. Interface Jornadas da Saúde Paula Nanita Serviços Partilhados em Saúde Interface Jornadas da Saúde Paula Nanita Lisboa, 22 de Maio de 2007 Unidades de Serviços Partilhados Processos A divisão dos processos entre actividades locais e actividades

Leia mais

Apresentação de Resultados Plano de Ações de Melhoria. www.anotherstep.pt

Apresentação de Resultados Plano de Ações de Melhoria. www.anotherstep.pt Apresentação de Resultados Plano de Ações de Melhoria www.anotherstep.pt 2 Sumário Ponto de situação Plano de Ações de Melhoria PAM Enquadramento e planeamento Selecção das Ações de Melhoria Fichas de

Leia mais

Fórum Crédito e Educação Financeira 25 de Janeiro de 2012. António de Sousa

Fórum Crédito e Educação Financeira 25 de Janeiro de 2012. António de Sousa Fórum Crédito e Educação Financeira 25 de Janeiro de 2012 António de Sousa Realidade: A literacia financeira dos portugueses Resultados do Inquérito do Banco de Portugal à População Portuguesa (2010):

Leia mais