Navegação no rio Douro Infra-estruturas e canal

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Navegação no rio Douro Infra-estruturas e canal"

Transcrição

1 SOCIEDADE DE GEOGRAFIA DE LISBOA Jornada sobre Navegação no Rio Douro e transporte fluvial do minério de Moncorvo Navegação no rio Douro Infra-estruturas e canal Luis Carvalho Peixeiro Outubro, 2012 Navegação no rio Douro Infra-estruturas e canal 1

2 ESTRUTURA DA PRESENTE COMUNICAÇÃO 1. BREVE APRESENTAÇÃO DA VIA NAVEGÁVEL DO DOURO a) Características gerais do Canal de Navegação b) A nova Barra do Douro c) As Eclusas do rio Douro d) Os Portos Comerciais existentes 2. OS PRINCIPAIS ESTRANGULAMENTOS IDENTIFICADOS a) Conclusão da dragagem de projecto do canal b) Melhoria das condições de segurança da navegação c) Criação de condições para a navegação nocturna d) Intervenções nas Eclusas 3. A CAPACIDADE DA VIA NAVEGÁVEL a) Cenários de crescimento da actividade marítimo-turística b) Cenários de crescimento da Náutica de Recreio c) Cenários de crescimento do transporte fluvial de mercadorias d) Disponibilidade das Eclusas para novos tráfegos e) Condicionantes impostas pelo regime de cheias 4. TRANSPORTE FLUVIAL DO MINÉRIO DE MONCORVO a) Identificação do Projecto b) Infra-estruturas portuárias c) Restrições a ter em conta na oferta da via navegável d) Investimentos necessários na via navegável Navegação no rio Douro Infra-estruturas e canal 2

3 1. BREVE APRESENTAÇÃO DA VIA NAVEGÁVEL a) CARACTERÍSTICAS GERAIS DO CANAL DE NAVEGAÇÃO Uma via navegável singular Hidrovia com cerca de 200 quilómetros de extensão que permite a navegação do rio Douro desde a barra até à foz do rio Águeda, no limite com o Douro Internacional. É acessível a navios fluvio-marítimos até 2500 toneladas (atualmente apenas até ao porto comercial de Lamego). Largura do canal de navegação: 40 m (leito rochoso) a 60m (leito aluvionar) Profundidade mínima: 4,2 m (mas apenas 2,5 m entre o Pinhão e o Pocinho) Navegabilidade entre a cota 0,0m (Barra) e a cota 125,0m (Barca d Alva) Navegação no rio Douro Infra-estruturas e canal 3

4 1. BREVE APRESENTAÇÃO DA VIA NAVEGÁVEL b) A NOVA BARRA DO RIO DOURO Navegação no rio Douro Infra-estruturas e canal 4

5 1. BREVE APRESENTAÇÃO DA VIA NAVEGÁVEL b) A NOVA BARRA DO RIO DOURO Navegação no rio Douro Infra-estruturas e canal 5

6 1. BREVE APRESENTAÇÃO DA VIA NAVEGÁVEL c) AS ECLUSAS DO RIO DOURO Infra-estruturas ou obras de arte? Os desníveis são vencidos por 5 Eclusas, cujas caldeiras têm comprimentos compreendidos entre 86,0 e 92,0 m e uma largura constante de 12,1 m: Crestuma-Lever (desnível máximo de 13,9 m) Carrapatelo (desnível máximo de 35,0 m) Régua (desnível máximo de 28,5 m) Valeira (desnível máximo de 33,0 m) Pocinho (desnível máximo de 22,0 m) A Eclusa do Carrapatelo, construída em 1971, é uma das maiores do mundo, vencendo um desnível de 35 m ECLUSA DO POCINHO ECLUSA DA VALEIRA ECLUSA DA RÉGUA ECLUSA DE CARRAPATELO ECLUSA DE CRESTUMA Pag. 6 Navegação no rio Douro Infra-estruturas e canal 6

7 1. BREVE APRESENTAÇÃO DA VIA NAVEGÁVEL d) OS PORTOS COMERCIAIS EXISTENTES Porto Comercial da Sardoura Navegação no rio Douro Infra-estruturas e canal 7

8 1. BREVE APRESENTAÇÃO DA VIA NAVEGÁVEL d) OS PORTOS COMERCIAIS EXISTENTES Porto Comercial da Várzea do Douro Navegação no rio Douro Infra-estruturas e canal 8

9 1. BREVE APRESENTAÇÃO DA VIA NAVEGÁVEL d) OS PORTOS COMERCIAIS EXISTENTES Porto Comercial da Régua - Lamego Navegação no rio Douro Infra-estruturas e canal 9

10 1. BREVE APRESENTAÇÃO DA VIA NAVEGÁVEL d) OS PORTOS COMERCIAIS EXISTENTES Porto de Vega Terrón Navegação no rio Douro Infra-estruturas e canal 10

11 2. PRINCIPAIS ESTRANGULAMENTOS IDENTIFICADOS a) CONCLUSÃO DA DRAGAGEM DE PROJECTO DO CANAL Intervenção entre o Pinhão e o Pocinho Zona de intervenção estende-se desde o Pinhão (Albufeira da Régua) e o Pocinho (Albufeira da Valeira), com 2 troços críticos: Foz do Tua (Qta de Malvedos a Alegria Velha 10 km); Foz do Sabor até à barragem do Pocinho 7 km Secção de projecto: canal com largura de rasto de 40 m, taludes 2:1 (v:h) e profundidade mínima garantida 4,2m, para o Nível mínimo de Exploração das Albufeiras (NmE) Estimativa de Volumes de Escavação Cota da rasante de projecto do canal Troço/ Albufeira NmE (m) Profundidade Rasante Projecto Régua 72,00 4,2 m 67,8 m Valeira 103,50 4,2 m 99,3 m O volume global estimado de dragagem para conclusão do canal de navegação, com o perfil de projecto, é de m3 Navegação no rio Douro Infra-estruturas e canal 11

12 2. PRINCIPAIS ESTRANGULAMENTOS IDENTIFICADOS a) CONCLUSÃO DA DRAGAGEM DE PROJECTO DO CANAL Intervenção entre o Pinhão e o Pocinho Exemplo da aplicação da medição das dragagens ao troço imediatamente a jusante da Barragem do Pocinho, com recurso ao módulo de análise do Autocad 3D Civil Extracto Carta Suporte Superfície final com os valoresao da Modelo de Digital dedeterreno Roteiro da vectorial) Via Navegável profundidade (formato Navegação no rio Douro Infra-estruturas e canal 12

13 2. PRINCIPAIS ESTRANGULAMENTOS IDENTIFICADOS b) MELHORIA DAS CONDIÇÕES DE SEGURANÇA DA NAVEGAÇÃO Modernização do Assinalamento Marítimo tendo em conta as características físicas do canal e o regime de correntes, que recomendarão os tipos de marcas a utilizar (enfiamentos em terra, farolins de sectores, balizas ou bóias, - cegas ou luminosas) e o regime de cheias e de descargas de emergência; Implementação de um Sistema AIS (Automatic Identification System) para águas interiores INLAND AIS - para garantir um correcto e eficaz controlo e seguimento permanente e em tempo real, da navegação ao longo do CN, em complemento da rede de comunicações VHF já existente; Elaboração e Operacionalização de um Plano de Emergência ou de Intervenção Rápida para a via navegável, informatizado e georeferenciado, criação de um Centro de Coordenação e, complementarmente, a Reformulação do Plano de Cheias (existente), além da elaboração de um Plano de Comunicações Integrado; Produção e publicação de Cartas de Navegação actualizadas, aprovadas pela Autoridade Marítima. Navegação no rio Douro Infra-estruturas e canal 13

14 2. PRINCIPAIS ESTRANGULAMENTOS IDENTIFICADOS c) CRIAÇÃO DE CONDIÇÕES PARA A NAVEGAÇÃO NOCTURNA Alargamento à navegação nocturna de todas as medidas atrás referidas para melhoria das condições de segurança da navegação, incluindo eventuais medidas adicionais no assinalamento marítimo, quer em número de marcas luminosas quer na instalação de transponders especiais em algumas das bóias, que constituirão uma importante ajuda à navegação; Adequação do sistema de iluminação e de captação de imagens nas eclusas e áreas envolventes e garantia de permanência 24 horas / dia, nas várias eclusas, de meios humanos que garantam a operação dos seus equipamentos e a assistência de segurança durante a operação de eclusagem; Assegurar 24 horas / dia o Serviço de Pilotagem, na entrada / saída da barra, e o serviço dos Práticos do rio ou Mestres de Tráfego Local em toda a via navegável. Navegação no rio Douro Infra-estruturas e canal 14

15 2. PRINCIPAIS ESTRANGULAMENTOS IDENTIFICADOS d) INTERVENÇÕES NAS ECLUSAS Em todas as eclusas os equipamentos e sub-sistemas que as compõem padecem da obsolescência técnica, logística e funcional que lhes é imposta pelos muitos anos que decorreram desde a sua entrada ao serviço. Acções/medidas estratégicas comuns a todas as eclusas que se consideraram mais importantes: Substituir os sistemas electromecânicos de actuação das portas de montante das eclusas por sistemas hidráulicos sincronizados entre lados da comporta; Dotar as portas de jusante de accionamento vertical com sincronismo activo entre lados da comporta; Instalação de sistema de CCTV com capacidade de operação e visualização nocturnas, e registo digital de imagem, para monitorização das operações de eclusagem dos navios; Trabalhos de manutenção correctiva, para repor a condição dos vedantes das comportas das eclusas; Instalação de equipamentos/sistemas de auxílio na caldeira, para escape e fuga, combate a incêndios e socorro a náufragos. Navegação no rio Douro Infra-estruturas e canal 15

16 3. CAPACIDADE DA VIA NAVEGÁVEL a) CENÁRIOS DE CRESCIMENTO DA ACTIVIDADE MARÍTIMO-TURÍSTICA Cenário Base TMCA de passageiros na ordem de 2,0% de 2010 a 2015 e de 1,5% de 2016 a Cenário de Expansão - TMCA de passageiros na ordem de 2,8% de 2010 a 2015 e de 2,2% de 2016 a Projecções da procura da navegação marítimo-turística ECLUSA Crestuma Carrapatelo Régua Valeira Pocinho Total As eclusagens entre 2008 e 2011 da navegação marítimo-turística cresceu a uma TMCA de 2,5%, acompanhando o crescimento de passageiros previsto no Cenário de Expansão Navegação no rio Douro Infra-estruturas e canal 16

17 Número de embarcações CAPACIDADE DA VIA NAVEGÁVEL b) CENÁRIOS DE CRESCIMENTO DA NÁUTICA DE RECREIO Projecções da procura da frota de Recreio Náutico Situação em 1994, e Cen A Cen 2032 B Cen C As eclusagens entre 2008 e 2011 da frota de Recreio Náutico cresceu a uma TMCA de 3,2%, acompanhando o crescimento da frota previsto nos Cenários A e B Cenário Base (A) TMCA da frota da ordem de 3,8% idêntica à verificada na Capitania do Douro ( ). Cenário (B) TMCA da frota da ordem de 3,0%. Cenário (C) TMCA da frota da ordem de 4,7%. ECLUSA Crestuma Carrapatelo Régua Valeira Pocinho Total Navegação no rio Douro Infra-estruturas e canal 17

18 3. CAPACIDADE DA VIA NAVEGÁVEL c) CENÁRIOS DE CRESCIMENTO DO TRANSPORTE FLUVIAL DE MERCADORIAS Foram encarados diferentes cenários de crescimento do transporte fluvial de mercadorias nos 2 portos comerciais em actividade Sardoura e Várzea do Douro. Na última década verificou-se uma tendência clara de decréscimo da actividade. A médio / longo prazo, poderá ser travada esta queda e recuperado o valor máximo de ton, já atingido em 2004 e que é cerca de 1,7 vezes o valor registado em Evolução do tráfego nos portos comerciais em actividade Assinala-se ainda uma manifestação de interesse por parte da Dirección General de Transportes, de Espanha, para activação do Porto de Vega Terrón, com vista ao tráfego fluvial de mercadorias, envolvendo os portos de Vega Terrón e de Leixões, mas que não teve sequência até agora. Navegação no rio Douro Infra-estruturas e canal 18

19 3. CAPACIDADE DA VIA NAVEGÁVEL d) DISPONIBILIDADE DAS ECLUSAS PARA NOVOS TRÁFEGOS Navegação no rio Douro Infra-estruturas e canal 19

20 3. CAPACIDADE DA VIA NAVEGÁVEL d) DISPONIBILIDADE DAS ECLUSAS PARA NOVOS TRÁFEGOS PERFIL ACTUAL DE EXPLORAÇÃO DAS ECLUSAS Distribuição por tipo de operação Taxa de exploração anual (bruta) (período diurno) Perfil por tipo de meio náutico Impacto das intervenções nas eclusas (totais no período ) Total de ECLUSA intervenções Impacto Impacto Impacto planeado imprevisto total (dias) (dias) (dias) CRESTUMA ,5 12,5 CARRAPATELO 12 10,5 5 15,5 RÉGUA VALEIRA POCINHO Total 26 30,5 20,5 51 Navegação no rio Douro Infra-estruturas e canal 20

21 3. CAPACIDADE DA VIA NAVEGÁVEL e) CONDICIONANTES IMPOSTAS PELO REGIME DE CHEIAS Número médio de dias Caudal de Dezembro a Fevereiro (acumulado) médio diário (m3/s) (Média para 11 anos hidrológicos) BARRAGEM superior a: Crestuma Carrapatelo Régua Valeira Pocinho No período de Dezembro a Fevereiro, o caudal máximo para navegar em segurança, nas condições actuais (600m3/s), é ultrapassado em: 38 dias (42% do tempo) na albufeira de Crestuma; 23 dias (26% do tempo) na albufeira de Pocinho; Mesmo para navios fluvio-marítimos tecnológicamente avançados, capazes de navegar em segurança com caudais mais elevados (800 a 1000m3/s), eles deverão parar em cerca de 30% do tempo (1 mês) neste período de Dezembro a Fevereiro Navegação no rio Douro Infra-estruturas e canal 21

22 Local da Barragem Ferradosa Cotas (m) Foz do Sabor Pocinho 3. CAPACIDADE DA VIA NAVEGÁVEL e) CONDICIONANTES IMPOSTAS PELO REGIME DE CHEIAS Q = 700 m3/s Q = m3/s Q = m3/s Q = m3/s Q = m3/s Q = m3/s CURVA DE REGOLFO DA BARRAGEM DA VALEIRA Barragem Caudal de ponta (m3/s) T = 5 T= 10 T = 25 T = 50 T = 100 Valeira Distância à origem (km) Navegação no rio Douro Infra-estruturas e canal 22

23 4. TRANSPORTE FLUVIAL DO MINÉRIO DE MONCORVO a) IDENTIFICAÇÃO DO PROJECTO PROJECTO DE EXPLORAÇÃO DAS MINAS DE FERRO DE MONCORVO DA MTI As embarcações a utilizar serão do tipo Douromax com um deslocamento de ton e porte útil de ton, seguras, com duplo fundo e de fácil manobrabilidade; O Projecto exige que sejam garantidos os ajustamentos da via navegável (dragagem e segurança) e a navegação nocturna; Prevê-se que cada embarcação transporte anualmente cerca de 350 mil toneladas de minério, admitindo um ciclo de transporte de 48 horas e um trabalho anual de 11 meses, perfazendo 330 eclusagens (nos dois sentidos); Com uma frota que permita uma largada do Pocinho de duas em duas horas (mínimo de 24 navios), podem ser escoadas 8,5 milhões de toneladas de minério e 17 milhões com largadas horárias e frota mínima de 48 navios; Nº anual de eclusagens exigido por este tráfego (nos dois sentidos e por eclusa): Para 8,5 milhões ton: 24 x 330 Para 17 milhões ton: 48 x eclusagens eclusagens Navegação no rio Douro Infra-estruturas e canal 23

24 4. TRANSPORTE FLUVIAL DO MINÉRIO DE MONCORVO b) INFRA-ESTRUTURAS PORTUÁRIAS Terminal Portuário para navios graneleiros fluvio-marítimos, implantado na margem direita, imediatamente a jusante da Barragem do Pocinho Parque de recepção e stocagem do minério (cota superior ao nível da maior cheia) Sistema Stacker-Reclaimer s de recolha e alimentação do equipamento de carga dos navios Cais de carga dos navios (mínimo de dois postos) Porto de estacionamento e aprestamento da frota de graneleiros, implantado na margem direita, na Albufeira do Pocinho Cais de espera junto às eclusas para facilitar a gestão do tráfego e contribuir para optimizar a exploração das eclusas (redução das eclusagens de preparação) Estaleiro de Reparação Naval para apoio a esta frota e, em complemento, a toda a restante navegação que opera no Douro Navegação no rio Douro Infra-estruturas e canal 24

25 4. TRANSPORTE FLUVIAL DO MINÉRIO DE MONCORVO c) RESTRIÇÕES A TER EM CONTA NA OFERTA DA VIA NAVEGÁVEL DISPONIBILIDADE DAS ECLUSAS Disponibilidade de eclusagem em Crestuma (descontadas as eclusagens de manutenção) Navegação apenas diurna eclusagens (1 eclusagem 45 min) Navegação diurna + nocturna eclusagens (1 eclusagem 45 min) Operacionalidade efectiva do tráfego tradicional na Eclusa de Crestuma Média dos últimos 4 anos eclusagens (com navios/embarcações) No ano (crescimento de 15% de eclusagens do tráfego tradicional) Utilização pelo novo tráfego de minérios de cerca de metade das eclusagens de preparação que actualmente se verificam no regime diurno; Inexistência de eclusagens de preparação na navegação nocturna (essencialmente transporte de minérios) Disponibilidade remanescente das eclusas para o tráfego de minérios, no horizonte 2020 (canal não navegável em 1 mês/ano, por razões hidrodinâmicas) 11 meses/ano Diurno Diurno + nocturno eclusagens eclusagens Navegação no rio Douro Infra-estruturas e canal 25

26 4. TRANSPORTE FLUVIAL DO MINÉRIO DE MONCORVO c) RESTRIÇÕES A TER EM CONTA NA OFERTA DA VIA NAVEGÁVEL ESTIMATIVA DA QUANTIDADE DE MINÉRIO POTENCIALMENTE TRANSPORTÁVEL ATRAVÉS DA VIA NAVEGÁVEL DO DOURO Considerando : 1 eclusagem de descida 1 navio toneladas de carga Temos: Navegação 11 meses/ano Regime Eclusagens com navios carregados ton/ano Diurno Diurno + nocturno Navegação no rio Douro Infra-estruturas e canal 26

27 4. TRANSPORTE FLUVIAL DO MINÉRIO DE MONCORVO c) RESTRIÇÕES A TER EM CONTA NA OFERTA DA VIA NAVEGÁVEL O CONSUMO DE ÁGUA NAS OPERAÇÕES DE ECLUSAGEM As 4 eclusagens feitas por viagem de navio carregado de minério retiram ao ciclo de produção de energia apenas o volume de água equivalente ao volume de uma caldeira das eclusas atravessadas, ou seja, cerca de m3. Em termos energéticos, essa perda corresponde à energia potencial deste volume de água com uma queda da ordem de 105m (NPA da Alfufeira da Valeira em relação ao nível do mar). (-) (-) (+) (+) (-) (+) (-) m3 Na fase de pleno aproveitamento da capacidade da VN o intervalo entre eclusagens com navios carregados será de 90 minutos, o que significa que o caudal não turbinado, durante os 11 meses de operacionalidade da via navegável, será: m3/5400segundos = 5,5m3/segundo. Este caudal desviado do ciclo energético do Douro, na situação limite de exploração da VN, não ultrapassará cerca de 1% do caulal efluente médio diário, que é de 530m3/s em Crestuma e poderá ter um peso ainda menor quando gerido como parte do caudal regularmente descarregado pelas barragens sem ser turbinado, para regularização dos níveis das albufeiras ou outras razões. Navegação no rio Douro Infra-estruturas e canal 27

28 4. TRANSPORTE FLUVIAL DO MINÉRIO DE MONCORVO d) INVESTIMENTOS NECESSÁRIOS NA VIA NAVEGÁVEL Custos estimados no ESTUDO DE DESENVOLVIMENTO DA NAVEGABILIDADE NO RIO DOURO, a preços de 2010 Canal de navegação (dragagem do canal com rasto de 40 m e 4,2 m de profundidade) 25,5 milhões de euros Eclusas (melhoria dos equipamentos e segurança) 19,5 milhões de euros Segurança (assinalamento marítimo, seguimento e controlo de navegação AIS, plano de emergência / contingência) 9,5 milhões de euros Investimento total 55 milhões Navegação no rio Douro Infra-estruturas e canal 28

29 OBRIGADO PELA ATENÇÃO DISPENSADA Navegação no rio Douro Infra-estruturas e canal 29

NAVEGAÇÃO NO RIO DOURO E TRANSPORTE FLUVIAL DO MINÉRIO DE MONCORVO

NAVEGAÇÃO NO RIO DOURO E TRANSPORTE FLUVIAL DO MINÉRIO DE MONCORVO INTRODUÇÃO E PROGRAMA DA JORNADA MEIOS NECESSÁRIOS PARA A EXPANSÃO DA NAVEGAÇÃO VIABILIDADE DO TRANSPORTE DO MINÉRIO ALGUMAS CONCLUSÕES 1 RIO DOURO VIA NAVEGÁVEL 2 RIO DOURO APROVEITAMENTO HIDROELÉTRICO

Leia mais

Estatística Via Navegável do Douro (VND) 2014

Estatística Via Navegável do Douro (VND) 2014 Estatística Via Navegável do Douro (VND) 214 1. Introdução A Delegação do Douro do IMT, I.P., no âmbito das suas atribuições e competências no que concerne à navegabilidade do douro, da responsabilidade

Leia mais

SEGURANÇA DA NAVEGAÇÃO no CANAL NAVEGÁVEL DO RIO DOURO

SEGURANÇA DA NAVEGAÇÃO no CANAL NAVEGÁVEL DO RIO DOURO SEGURANÇA DA NAVEGAÇÃO no CANAL NAVEGÁVEL DO RIO DOURO ORLANDO TEMES DE OLIVEIRA 1 SEGURANÇA DA NAVEGAÇÃO NO CN Regulamento da VN Canal Navegável (CN) Documentos naúticos Assinalamento Marítimo Sistema

Leia mais

LOCALIZAÇÃO DO NOVO TERMINAL DE CONTENTORES NO BARREIRO

LOCALIZAÇÃO DO NOVO TERMINAL DE CONTENTORES NO BARREIRO LOCALIZAÇÃO DO NOVO TERMINAL DE CONTENTORES NO BARREIRO Acessos Marítimos Terminal Contentores no Barreiro 1 LOCALIZAÇÃO Distância Barra do Tejo TCB = cerca de 10 milhas Tempo de percurso = cerca de 1

Leia mais

Sistema GEODOURO. A LOCALIZAÇÃO ELECTRÓNICA DE EMBARCAÇÕES NA VIA NAVEGÁVEL DO DOURO. LOPES, Francisco; MASSA, Luís

Sistema GEODOURO. A LOCALIZAÇÃO ELECTRÓNICA DE EMBARCAÇÕES NA VIA NAVEGÁVEL DO DOURO. LOPES, Francisco; MASSA, Luís Sistema GEODOURO. A LOCALIZAÇÃO ELECTRÓNICA DE EMBARCAÇÕES NA VIA NAVEGÁVEL DO DOURO. LOPES, Francisco; MASSA, Luís PALAVRAS CHAVE: Embarcações, Localização, Electrónica Apresentação do sistema GEODOURO

Leia mais

PROJECTO DE EXPANSÃO E MODERNIZAÇÃO DO PORTO DA PRAIA.

PROJECTO DE EXPANSÃO E MODERNIZAÇÃO DO PORTO DA PRAIA. PROJECTO DE EXPANSÃO E MODERNIZAÇÃO DO PORTO DA PRAIA. Objecto Geral do projecto: Este projecto insere-se no âmbito do "Projecto Infra-estrutura" do MCA-CV (Millennium Challenge Account Cabo Verde) e tem

Leia mais

A Via Navegável do Douro O Presente e o Futuro

A Via Navegável do Douro O Presente e o Futuro A Via Navegável do Douro O Presente e o Futuro 11 de Outubro de 2012 O canal de navegação do Douro é uma via com cerca de 207 quilómetros de extensão. A jurisdição do IPTM DND, I.P. vai desde a Ponte D.

Leia mais

OPORTUNIDADES DE INVESTIMENTO NO SECTOR DOS TRANSPORTES E LOGÍSTICA DE DISTRIBUIÇÃO

OPORTUNIDADES DE INVESTIMENTO NO SECTOR DOS TRANSPORTES E LOGÍSTICA DE DISTRIBUIÇÃO OPORTUNIDADES DE INVESTIMENTO NO SECTOR DOS TRANSPORTES E LOGÍSTICA DE DISTRIBUIÇÃO FÓRUM ECONÓMICO E DE NEGÓCIOS ANGOLA-ITÁLIA Fevereiro 2014 INDÍCE: Estratégia do Sector 2013-2017; Áreas/Projectos com

Leia mais

NAVEGABILIDADE do ESTUÁRIO do TEJO - APL

NAVEGABILIDADE do ESTUÁRIO do TEJO - APL PLANEAMENTO, COMPETITIVIDADE e SUSTENTABILIDADE 1. Aspectos Gerais da Navegabilidade no Estuário 2. Situação Actual e Futuro 2.1. Assinalamento Marítimo e Apoios à Navegação 2.2. Manutenção de Fundos Dragagens

Leia mais

AS ENERGIAS DO PRESENTE E DO FUTURO 21, 22 de Novembro de 2005 ENERGIA HÍDRICAH

AS ENERGIAS DO PRESENTE E DO FUTURO 21, 22 de Novembro de 2005 ENERGIA HÍDRICAH AS ENERGIAS DO PRESENTE E DO FUTURO 21, 22 de Novembro de 2005 ENERGIA HÍDRICAH ANTÓNIO NIO GONÇALVES HENRIQUES APROVEITAMENTOS HIDRO-ELÉCTRICOS EM PORTUGAL 35 médios m e grandes aproveitamentos hidroeléctricos

Leia mais

PESQUISA CNT DA NAVEGAÇÃO INTERIOR 2013

PESQUISA CNT DA NAVEGAÇÃO INTERIOR 2013 PESQUISA CNT DA NAVEGAÇÃO INTERIOR 2013 Considerando o potencial de expansão do transporte hidroviário, a sua importância para o desenvolvimento econômico, social e ambiental do Brasil e a necessidade

Leia mais

Transporte Marítimo e Portos

Transporte Marítimo e Portos Transporte Marítimo e Portos Disposição de Terminais num Porto - 1 Disposição geral do porto de Leixões. 1 Disposição de Terminais num Porto - 2 Porto de Rotterdam (Holanda), o maior porto europeu. Disposição

Leia mais

Linha do Douro A Importância da Interoperabilidade dos Transportes Ferroviário e Fluvial na Estratégia de Desenvolvimento do Turismo do Vale do Douro

Linha do Douro A Importância da Interoperabilidade dos Transportes Ferroviário e Fluvial na Estratégia de Desenvolvimento do Turismo do Vale do Douro Alberto Aroso - (texto) Dario Silva - (fotos) I I www.transportesemrevista.com I 6 Linha do Douro A Importância da Interoperabilidade dos Transportes Ferroviário e Fluvial na Estratégia de Desenvolvimento

Leia mais

SIIG Sistema de Identificação e Informação Geográfica

SIIG Sistema de Identificação e Informação Geográfica Especializações em Transportes e Vias de Comunicação e Sistemas de Informação Geográfica Transportes / SIG / INSPIRE Painel Lisboa 6 novembro 2012 SIIG Sistema de Identificação e Informação Geográfica

Leia mais

E S T A D O D O P A R A N Á SECRETARIA DE ESTADO DE INFRAESTRUTURA E LOGÍSTICA. Administração dos Portos de Paranaguá e Antonina Superintendência

E S T A D O D O P A R A N Á SECRETARIA DE ESTADO DE INFRAESTRUTURA E LOGÍSTICA. Administração dos Portos de Paranaguá e Antonina Superintendência 7. OS ELEMENTOS DE INTERESSE NO PDZPO Este capítulo apresentará os elementos condicionantes do PDZPO incluídos no PA, quais sejam: As projeções de fluxos de carga; A frota prevista; Os usos previstos do

Leia mais

ELEMENTOS NECESSÁRIOS À INSTRUÇÃO DO PEDIDO DE TÍTULO DE UTILIZAÇÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS

ELEMENTOS NECESSÁRIOS À INSTRUÇÃO DO PEDIDO DE TÍTULO DE UTILIZAÇÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS ELEMENTOS NECESSÁRIOS À INSTRUÇÃO DO PEDIDO DE TÍTULO DE UTILIZAÇÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS I. IDENTIFICAÇÃO DO REQUERENTE Nome/Denominação social, identificação fiscal n.º, com residência/sede em, código

Leia mais

Logística e Gestão da Distribuição

Logística e Gestão da Distribuição Logística e Gestão da Distribuição Depositos e política de localização (Porto, 1995) Luís Manuel Borges Gouveia 1 1 Depositos e politica de localização necessidade de considerar qual o papel dos depositos

Leia mais

TENDÊNCIAS ACTUAIS DA LEGISLAÇÃO DE BARRAGENS. Laura Caldeira

TENDÊNCIAS ACTUAIS DA LEGISLAÇÃO DE BARRAGENS. Laura Caldeira TENDÊNCIAS ACTUAIS DA LEGISLAÇÃO DE BARRAGENS Laura Caldeira Índice 1. Conceitos de segurança estrutural 2. Conceitos de risco 3. Utilização de sistemas de classificação 4. Considerações finais 2 1. Conceitos

Leia mais

APROVEITAMENTO HIDROELÉCTRICO DE AGILDE

APROVEITAMENTO HIDROELÉCTRICO DE AGILDE APROVEITAMENTO HIDROELÉCTRICO DE AGILDE Ribeira de Santa Natália Concelho de Celorico de Basto Acesso rodoviário Açude Canal e conduta forçada Câmara de carga Central hidroeléctrica O aproveitamento hidroeléctrico

Leia mais

PORTO FLUVIAL DE PORTO DE PORTO ALEGRE

PORTO FLUVIAL DE PORTO DE PORTO ALEGRE PORTO FLUVIAL DE PORTO DE PORTO ALEGRE Integrantes: Mauricio Beinlich Pedro Granzotto Características físicas: O Porto de Porto Alegre é o mais meridional do Brasil. Geograficamente, privilegiado em sua

Leia mais

Hidrologia, Ambiente e Recursos Hídricos 2009 / 2010. Rodrigo Proença de Oliveira

Hidrologia, Ambiente e Recursos Hídricos 2009 / 2010. Rodrigo Proença de Oliveira Hidrologia, Ambiente e Recursos Hídricos 2009 / 2010 Rodrigo Proença de Oliveira Simulação do funcionamento de uma albufeira IST: Hidrologia, Ambiente e Recursos Hídricos Rodrigo Proença de Oliveira, 2009

Leia mais

P R O J E T O D E P E S Q U IS A IDENTIFICAÇÃO DO PROJETO. Título: Projeto de Portos no Amazonas. Aluno Pesquisador:Ricardo Almeida Sanches

P R O J E T O D E P E S Q U IS A IDENTIFICAÇÃO DO PROJETO. Título: Projeto de Portos no Amazonas. Aluno Pesquisador:Ricardo Almeida Sanches P R O J E T O D E P E S Q U IS A IDENTIFICAÇÃO DO PROJETO Título: Projeto de Portos no Amazonas Aluno Pesquisador:Ricardo Almeida Sanches Curso: Engenharia Civil Duração: fevereiro de 2008 a junho de 2008

Leia mais

ENEC 2011 - Encontro Nacional de Engenharia Civil

ENEC 2011 - Encontro Nacional de Engenharia Civil ENEC 2011 - Encontro Nacional de Engenharia Civil Sistema Ferroviário: Estagnação ou Desenvolvimento? Alberto Castanho Ribeiro Porto, 21 de Maio de 2011 Estrutura 1. Evolução do Caminho de Ferro 2. Desafios

Leia mais

Redes de Acesso Unificado: Oportunidade ou Necessidade

Redes de Acesso Unificado: Oportunidade ou Necessidade Cisco Innovation Day 20 maio 2014 Porto Estádio do Dragão O que é a APDL? APDL Administração dos Portos do Douro e Leixões, SA - Sociedade Anónima de capitais exclusivamente públicos Tem como função a

Leia mais

O Projeto do Douro. Raquel Maia, 2016

O Projeto do Douro. Raquel Maia, 2016 Raquel Maia, 2016 A Via Navegável do Douro - Jurisdição 1 de junho de 2015 A jurisdição da Via Navegável do rio Douro é transferida para a APDL. Promover e incentivar a navegação na VND; Atribuições e

Leia mais

NAVEGAÇÃO NO RIO DOURO E TRANSPORTE FLUVIAL DO MINÉRIO DE MONCORVO. É esta a pergunta chave da apresentação, mas deixemos a resposta para o fim.

NAVEGAÇÃO NO RIO DOURO E TRANSPORTE FLUVIAL DO MINÉRIO DE MONCORVO. É esta a pergunta chave da apresentação, mas deixemos a resposta para o fim. NAVEGAÇÃO NO RIO DOURO E TRANSPORTE FLUVIAL DO MINÉRIO DE MONCORVO 1 Introdução e programa da Jornada Que futuro para a navegação do Douro? É esta a pergunta chave da apresentação, mas deixemos a resposta

Leia mais

Concurso Público de Concepção para a Elaboração do Projecto do Terminal de Cruzeiros de Lisboa

Concurso Público de Concepção para a Elaboração do Projecto do Terminal de Cruzeiros de Lisboa Concurso Público de Concepção para a Elaboração do Projecto do Terminal de Cruzeiros de Lisboa Breve descrição do projecto Constituem-se como objectivos estratégicos do projecto do Terminal de Cruzeiros

Leia mais

MARINHA MERCANTE COMO UM DOS FACTORES IMPULSIONADORES DE DESENVOLVIMENTO

MARINHA MERCANTE COMO UM DOS FACTORES IMPULSIONADORES DE DESENVOLVIMENTO MARINHA MERCANTE COMO UM DOS FACTORES IMPULSIONADORES DE DESENVOLVIMENTO Arlindo Zandamela Instituto Nacional das Comunicações de Moçambique (INCM) Lisboa, Portugal Zandamela.arlindo@gmail.com Sumário

Leia mais

Visão Ser o porto de referência para as cadeias logísticas da costa leste de África.

Visão Ser o porto de referência para as cadeias logísticas da costa leste de África. Corredor de Nacala Engloba : O Porto de Nacala, elemento central do Corredor; O Sistema ferroviário do Norte de Moçambique O Sistema ferroviário do Malawi; e O troço ferroviário Mchinji/Chipata, que permite

Leia mais

A certificação de Qualidade para a Reparação Automóvel.

A certificação de Qualidade para a Reparação Automóvel. A certificação de Qualidade para a Reparação Automóvel. Projecto A Oficina+ ANECRA é uma iniciativa criada em 1996, no âmbito da Padronização de Oficinas ANECRA. Este projecto visa reconhecer a qualidade

Leia mais

Observação do Comportamento Estrutural da Barragem de Beliche após a Realização de Obras de Reabilitação

Observação do Comportamento Estrutural da Barragem de Beliche após a Realização de Obras de Reabilitação Observação do Comportamento Estrutural da Barragem de Beliche após a Realização de Obras de Reabilitação Fernando Pardo de Santayana Laboratório Nacional de Engenharia Civil (LNEC), Lisboa, Portugal RESUMO:

Leia mais

PORTO DE SEPETIBA PORTAL DO ATLÂNTICO SUL

PORTO DE SEPETIBA PORTAL DO ATLÂNTICO SUL DIFICULDADES DE ACESSO AO PORTO DE SEPETIBA QUE AFASTAM CLIENTES POTENCIAIS SUPERPOSIÇÃO DO FLUXO DA CARGA COM O TRÁFEGO DA BR-101, TIPICAMENTE DE AUTOMÓVEIS, GERA CONFLITOS INDESEJÁVEIS O PORTO FOI CONCEBIDO

Leia mais

Focaliza o aspecto econômico e de formação de preços dos serviços de transporte.

Focaliza o aspecto econômico e de formação de preços dos serviços de transporte. GERENCIAMENTO DO TRANSPORTE Focaliza o aspecto econômico e de formação de preços dos serviços de transporte. Trade-off CUSTO x NÍVEL DE SERVIÇO FORMAÇÃO DO PREÇO FINAL Para elaboração de uma estratégia

Leia mais

MODERNIZAÇÃO E OPERACIONALIZAÇÃO DAS ESTAÇÕES AUTOMÁTICAS DAS REDES DE MONITORIZAÇÃO HIDRO METEOROLÓGICA

MODERNIZAÇÃO E OPERACIONALIZAÇÃO DAS ESTAÇÕES AUTOMÁTICAS DAS REDES DE MONITORIZAÇÃO HIDRO METEOROLÓGICA MODERNIZAÇÃO E OPERACIONALIZAÇÃO DAS ESTAÇÕES AUTOMÁTICAS DAS REDES DE MONITORIZAÇÃO HIDRO METEOROLÓGICA Lisboa, 18 de julho de 2014 Cláudia Brandão APA Missão Propor, desenvolver e acompanhar a gestão

Leia mais

Contributo da AIA no âmbito da Segurança Marítima

Contributo da AIA no âmbito da Segurança Marítima CNAI 10 4ª Conferência Nacional de Avaliação de Impactes Contributo da AIA no âmbito da Segurança Marítima Victor F. Plácido da Conceição Vila Real Trás-os-Montes, 20 de Outubro de 2010 Agenda 1. O Instituto

Leia mais

As tecnologias ao serviço da prevenção e segurança no contexto das pescas portuguesas

As tecnologias ao serviço da prevenção e segurança no contexto das pescas portuguesas As tecnologias ao serviço da prevenção e segurança no contexto das pescas portuguesas ZODPORT EQUIPAMENTOS, ASSISTÊNCIA E ENGENHARIA, S.A. EQUIPAMENTOS DE SEGURANÇA MARÍTIMA 1 ZODPORT 2 INTERNATIONAL MARITIME

Leia mais

Mestrado em Engenharia Civil Apresentação do novo Plano de Estudos

Mestrado em Engenharia Civil Apresentação do novo Plano de Estudos Mestrado em Engenharia Civil Apresentação do novo Plano de Estudos CCMEC, 8 de Junho de 2015 1 Sumário 1 Introdução 2 Estrutura curricular do novo plano Tronco comum Perfil de Edificações Perfil de Estruturas

Leia mais

O que é o porto de Leixões. O porto de Leixões é o maior porto artificial de Portugal.

O que é o porto de Leixões. O porto de Leixões é o maior porto artificial de Portugal. Porto de leixões O que é o porto de Leixões O porto de Leixões é o maior porto artificial de Portugal. História do porto de Leixões O porto de Leixões foi construído na foz do rio leça, aproveitando três

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA BARRAGEM ECLUSA DO CANAL SÃO GONÇALO PARA A REDE PORTUÁRIA TRANSFRONTEIRIÇA VIA HIDROVIA BRASIL URUGUAI

A IMPORTÂNCIA DA BARRAGEM ECLUSA DO CANAL SÃO GONÇALO PARA A REDE PORTUÁRIA TRANSFRONTEIRIÇA VIA HIDROVIA BRASIL URUGUAI A IMPORTÂNCIA DA BARRAGEM ECLUSA DO CANAL SÃO GONÇALO PARA A REDE PORTUÁRIA TRANSFRONTEIRIÇA VIA HIDROVIA BRASIL URUGUAI Este artigo tem como objetivo abordar a importância estratégica da Barragem Eclusa

Leia mais

AHE SIMPLÍCIO QUEDA ÚNICA* Luiz Antônio Buonomo de PINHO Gerente / Engenheiro Civil Furnas Centrais Elétricas S. A.

AHE SIMPLÍCIO QUEDA ÚNICA* Luiz Antônio Buonomo de PINHO Gerente / Engenheiro Civil Furnas Centrais Elétricas S. A. AHE SIMPLÍCIO QUEDA ÚNICA* Luiz Antônio Buonomo de PINHO Gerente / Engenheiro Civil Furnas Centrais Elétricas S. A. Rogério Sales GÓZ Gerente / Engenheiro Civil Furnas Centrais Elétricas S. A. Brasil RESUMO

Leia mais

Apenas para referência. Serviços de transporte marítimo CEPA. Sector ou. 11. Serviços de Transporte. Subsector. A. Serviços de transporte marítimo

Apenas para referência. Serviços de transporte marítimo CEPA. Sector ou. 11. Serviços de Transporte. Subsector. A. Serviços de transporte marítimo Serviços de transporte marítimo CEPA A. Serviços de transporte marítimo H. Serviços de apoio Transporte internacional (transporte de mercadorias e de passageiros) (CPC7211, 7212, excluindo serviços de

Leia mais

DESENVOLVIMENTO PORTUÁRIO DA ILHA BOA VISTA

DESENVOLVIMENTO PORTUÁRIO DA ILHA BOA VISTA PERSPECTIVAS DE DESENVOLVIMENTO PORTUÁRIO DA ILHA BOA VISTA A Economia Caboverdiana tem resistido relativamente bem a crise mundial graças uma boa politica macroeconómica: a divida externa reduziu consideravelmente,

Leia mais

Base Legal da Ação Lei nº 10.233, de 5 de junho de 2001, arts. 81 e 82; Lei nº 5.917, de 10 de Setembro de 1973, e suas alterações.

Base Legal da Ação Lei nº 10.233, de 5 de junho de 2001, arts. 81 e 82; Lei nº 5.917, de 10 de Setembro de 1973, e suas alterações. Programa 2073 - Transporte Hidroviário Número de Ações 107 110S - Melhoramentos no Canal de Navegação da Hidrovia dos Rios Paraná e Paraguai Garantia da navegabilidade durante todo o ano na hidrovia, mediante

Leia mais

Os impostos. na Bacia Loire-Bretagne. Os impostos Novembro 2008 1

Os impostos. na Bacia Loire-Bretagne. Os impostos Novembro 2008 1 Os impostos na Bacia Loire-Bretagne Os impostos Novembro 2008 1 Disposições regulamentares Lei sobre a água e os meios aquáticos (LEMA) de 30/12/2006 Decreto sobre as modalidades de cálculo dos impostos

Leia mais

IMPORTÂNCIA DOS TRANSPORTES

IMPORTÂNCIA DOS TRANSPORTES OS TRANSPORTES IMPORTÂNCIA DOS TRANSPORTES Contribui para a correcção das assimetrias espaciais e ordenamento do território; rio; Permite uma maior equidade territorial no acesso, aos equipamentos não

Leia mais

22/11/2012. Principais características / Acessos. Índice. Os SIG aplicados à Gestão Portuária. Porto de Sines Porta Atlântica da Europa

22/11/2012. Principais características / Acessos. Índice. Os SIG aplicados à Gestão Portuária. Porto de Sines Porta Atlântica da Europa 22/11/2012 Índice Enquadramento do Porto de Sines SIG Histórico Porto de Sines Principais Características Os SIG aplicados à Gestão Portuária Projeto SIIG SIIG - Sistema de Identificação e Informação Geográfica

Leia mais

Grupo Investidor 50,1% 24,5% 24,5% 0,9%

Grupo Investidor 50,1% 24,5% 24,5% 0,9% Gerência Técnica Grupo Investidor 50,1% 24,5% 24,5% 0,9% Grupo Construtor Obras Civis e Montagem Eletromecânica Engenharia Contratada: Fornecimentos Eletromecânicos Fornecimentos Eletromecânicos Principais

Leia mais

4 ESCOAMENTOS COM SUPERFÍCIE LIVRE

4 ESCOAMENTOS COM SUPERFÍCIE LIVRE 4 ESCOAMENTOS COM SUPERFÍCIE LIVRE PROBLEMA 4.1 Trace as curvas representativas das funções geométricas S(h), B(h), P(h). R(h) e da capacidade de transporte de um canal de secção trapezoidal, revestido

Leia mais

Aviso de confidencialidade

Aviso de confidencialidade Aviso de confidencialidade A informação que consta desta apresentação é confidencial. Qualquer forma de divulgação, reprodução, cópia ou distribuição total ou parcial da mesma é proibida, não podendo ser

Leia mais

Termos de referência para o cadastro das infraestruturas de abastecimento de água e de saneamento de águas residuais

Termos de referência para o cadastro das infraestruturas de abastecimento de água e de saneamento de águas residuais Termos de referência para o cadastro das infraestruturas de abastecimento de água e de saneamento de águas residuais Enquadramento A base do conhecimento de qualquer sistema de abastecimento de água e

Leia mais

Análise de sustentabilidade da empresa nos domínios económico, social e ambiental

Análise de sustentabilidade da empresa nos domínios económico, social e ambiental Análise de sustentabilidade da empresa nos domínios económico, social e ambiental Estratégias adoptadas As estratégias adoptadas e o desempenho da APFF nos três domínios da sustentabilidade encontram-se

Leia mais

Porto de Lisboa. Desenvolvimento portuário e Competitividade. Dr. Manuel Frasquilho. Presidente do Conselho de Administração do Porto de Lisboa

Porto de Lisboa. Desenvolvimento portuário e Competitividade. Dr. Manuel Frasquilho. Presidente do Conselho de Administração do Porto de Lisboa Porto de Lisboa Desenvolvimento portuário rio, Logística e Competitividade Dr. Manuel Frasquilho Presidente do Conselho de Administração do Porto de Lisboa 18 de Abril de 2007 Porto de Lisboa Porto de

Leia mais

21 ANEXO IV MAPA GLOBAL DOS PROJETOS PRIORITÁRIOS

21 ANEXO IV MAPA GLOBAL DOS PROJETOS PRIORITÁRIOS ANEXO IV MAPA GLOBAL DOS PROJETOS PRIORITÁRIOS 1330 .1 SECTOR FERROVIÁRIO PROJETO - PRIV. PUB. RTE-T CORREDOR DA FACHADA ATLÂNTICA 734 0 5 0 2 Conclusão do Plano de Modernização -Linha do Norte 400 300

Leia mais

Promoção da actividade resineira em Portugal no âmbito da PAC pós 2013

Promoção da actividade resineira em Portugal no âmbito da PAC pós 2013 Promoção da actividade resineira em Portugal no âmbito da PAC pós 2013 Francisco Avillez (Professor Emérito do ISA, UTL e coordenado científico da AGR.GES) 16 de Abril de 2013 1. Evolução do pinheiro bravo

Leia mais

Concepção do Complexo Portuário da EMBRAPS em Santarém

Concepção do Complexo Portuário da EMBRAPS em Santarém Concepção do Complexo Portuário da EMBRAPS em Santarém Objetivo Elaborar o projeto conceitual do Terminal Portuário da EMBRAPS em Santarém, para exportação de granéis sólidos (soja e milho). O projeto

Leia mais

A Região Autónoma dos Açores é composta por nove ilhas localizadas no Atlântico Norte, entre a América do Norte e a Europa;

A Região Autónoma dos Açores é composta por nove ilhas localizadas no Atlântico Norte, entre a América do Norte e a Europa; 1 2 A Região Autónoma dos Açores é composta por nove ilhas localizadas no Atlântico Norte, entre a América do Norte e a Europa; As ilhas encontram-se dispersas por uma extensão de 600km, desde Santa Maria

Leia mais

NAVEGAR RUMO AO FUTURO

NAVEGAR RUMO AO FUTURO NAVEGAR RUMO AO FUTURO NAVALRIA HISTÓRIA DESDE 2008 2013 Os navios AmaVida e Queen Isabel são entregues em fevereiro, e batizados em março. As atrizes Sharon Stone e Andie MacDowell foram as madrinhas,

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 12, DE 03 DE SETEMBRO DE 2008.

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 12, DE 03 DE SETEMBRO DE 2008. INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 12, DE 03 DE SETEMBRO DE 2008. Dispõe sobre procedimentos referentes à emissão de Declaração de Reserva de Disponibilidade Hídrica (DRDH) e de outorga de direito de uso de recursos

Leia mais

ANÁLISE EXTERNA ANÁLISE INTERNA

ANÁLISE EXTERNA ANÁLISE INTERNA 3. DIAGNÓSTICO ESTRATÉGICO Neste último sub-capítulo do diagnóstico procurar-se-ão cruzar as diversas componentes analisadas nos pontos anteriores, numa dupla perspectiva: Análise externa - a avaliação

Leia mais

DELIBERAÇÃO. Por Deliberação do Conselho de Administração de 24 de Outubro de 2002, foi constituído um Grupo de Trabalho com o seguinte mandato:

DELIBERAÇÃO. Por Deliberação do Conselho de Administração de 24 de Outubro de 2002, foi constituído um Grupo de Trabalho com o seguinte mandato: http://www.anacom.pt/template31.jsp?categoryid=208342 Deliberação de 6.12.2002 DELIBERAÇÃO I Por Deliberação do Conselho de Administração de 24 de Outubro de 2002, foi constituído um Grupo de Trabalho

Leia mais

Vetor UF Nome Localização / Descrição Tipo de Intervenção PAC? Status Extensão

Vetor UF Nome Localização / Descrição Tipo de Intervenção PAC? Status Extensão Angra dos Reis/ Angra dos Reis/ Ampliação/Melhorias Não Planejado 30.000 N.A. Pós 2015 Angra dos Reis: ampliação do Pátio de Aeronaves, Terminal de Passageiros e Ampliação de Pista. Área do Terminal: 450m2.

Leia mais

(RE)VIVER O TEJO (Fórum Empresarial do Mar)

(RE)VIVER O TEJO (Fórum Empresarial do Mar) (RE)VIVER O TEJO (Fórum Empresarial do Mar) Projectos Previstos para o Estuário do Tejo Porto Multifuncional TURISMO CARGA CRUZEIROS NÁUTICA RECREIO DESPORTO MARÍTIMO- TURÍSTICA OUTRAS TUTELLE CONTENTORES

Leia mais

O Futuro do Transporte de Mercadorias

O Futuro do Transporte de Mercadorias O Futuro do Transporte de Mercadorias A diminuição dos custos de transacção na economia portuguesa é fundamental para o aumento de nossa competitividade. Tal diminuição joga-se fundamentalmente no transporte

Leia mais

Ir mais longe até onde for o futuro!

Ir mais longe até onde for o futuro! Ir mais longe até onde for o futuro! DOSSIER DE IMPRENSA 2010 Luís Simões A Luís Simões (LS) é composta por 10 empresas juridicamente autónomas e agrupadas em 3 unidades de negócio: transporte, logística

Leia mais

AEROPORTO DE SALVADOR. Caracterização do Empreendimento da 2ª 2 Pista de Pouso e Decolagem

AEROPORTO DE SALVADOR. Caracterização do Empreendimento da 2ª 2 Pista de Pouso e Decolagem Caracterização do Empreendimento da 2ª 2 Pista de Pouso e Decolagem Gerência de Planos Diretores - Sede Abril/2010 Documento de Planejamento Plano Diretor Aeroportuário rio Objetivo Definição Objetivos

Leia mais

GESTÃO ESTRATÉGICA. Texto de Apoio 1. Análise Económica e Financeira

GESTÃO ESTRATÉGICA. Texto de Apoio 1. Análise Económica e Financeira INSTITUTO POLITÉCNICO DE SETÚBAL ESCOLA SUPERIOR DE CIÊNCIAS EMPRESARIAIS Departamento de Economia e Gestão (ce.deg@esce.ips.pt) GESTÃO ESTRATÉGICA Texto de Apoio 1 à Análise Económica e Financeira Silva

Leia mais

EVOLUÇÃO DO TRANSPORTE MARÍTIMO E O SEU IMPACTO NA INFRA-ESTRUTURA PORTUÁRIA EXECUÇÃO 2013

EVOLUÇÃO DO TRANSPORTE MARÍTIMO E O SEU IMPACTO NA INFRA-ESTRUTURA PORTUÁRIA EXECUÇÃO 2013 1 2 3 EVOLUÇÃO DO TRANSPORTE MARÍTIMO E O SEU IMPACTO NA INFRA-ESTRUTURA PORTUÁRIA EXECUÇÃO 2013 4 5 EVOLUÇÃO DO TRANSPORTE MARÍTIMO O COMÉRCIO INDUZ A OPERAÇÃO DE TRANSPORTE Cabe ao Transporte Marítimo

Leia mais

CONSEQUÊNCIAS ECONÓMICAS DA EXPLORAÇÃO DA REDE DE ALTA VELOCIDADE. 1. Efeitos no PIB da substituição de tráfego

CONSEQUÊNCIAS ECONÓMICAS DA EXPLORAÇÃO DA REDE DE ALTA VELOCIDADE. 1. Efeitos no PIB da substituição de tráfego UNIVERSIDADE CATÓLICA PORTUGUESA Centro de Estudos Aplicados CONSEQUÊNCIAS ECONÓMICAS DA EXPLORAÇÃO DA REDE DE ALTA VELOCIDADE 1. Efeitos no PIB da substituição de tráfego Versão Final João Confraria Sónia

Leia mais

Eng.ª Ana Paula Vitorino. por ocasião da

Eng.ª Ana Paula Vitorino. por ocasião da INTERVENÇÃO DE SUA EXCELÊNCIA A SECRETÁRIA DE ESTADO DOS TRANSPORTES Eng.ª Ana Paula Vitorino por ocasião da Sessão de Encerramento do Colóquio PORTO DE AVEIRO: ESTRATÉGIA E FUTURO, Ílhavo Museu Marítimo

Leia mais

PLANO DIRECTOR DO AEROPORTO REGIONAL DE BRAGANÇA

PLANO DIRECTOR DO AEROPORTO REGIONAL DE BRAGANÇA DEZEMBRO DE 2008 ÍNDICE PLANO DIRECTOR... 2 1.1. INTRODUÇÃO... 2 1.1.1. Antecedentes... 2 1.1.2. Análise da envolvente... 2 1.1.3. Situação actual do aeroporto... 2 1.1.4. Situação futura... 3 1.2. OBJECTIVOS

Leia mais

AULA 23 ÓRGÃOS ESPECIAIS EM SISTEMAS DE DRENAGEM DE ÁGUAS RESIDUAIS. SANEAMENTO Aula 23 - Sumário

AULA 23 ÓRGÃOS ESPECIAIS EM SISTEMAS DE DRENAGEM DE ÁGUAS RESIDUAIS. SANEAMENTO Aula 23 - Sumário SANEAMENTO Aula 23 - Sumário AULA 23 ÓRGÃOS ESPECIAIS EM SISTEMAS DE DRENAGEM DE ÁGUAS RESIDUAIS Sifões invertidos, descarregadores e instalações elevatórias. Saneamento [A23.1] SIFÕES INVERTIDOS (Artº

Leia mais

HIDROVIA SOLIMÕES - AMAZONAS

HIDROVIA SOLIMÕES - AMAZONAS HIDROVIA SOLIMÕES - AMAZONAS MINISTÉRIO DOS TRANSPORTES DNIT Departamento Nacional de Infra-Estrutura de Transportes CODOMAR Companhia Docas do Maranhão AHIMOC Administração das Hidrovias da Amazônia Ocidental

Leia mais

ABERTIS LOGÍSTICA INICIA A CONSTRUÇÃO DO ABERTIS LOGISTICSPARK LISBOA

ABERTIS LOGÍSTICA INICIA A CONSTRUÇÃO DO ABERTIS LOGISTICSPARK LISBOA Dossier de imprensa Comunicação Tel. +34 93 230 50 94 / +34 93 230 51 85 Tel. +34 91 563 66 26 comunicacion@abertislogistica.com ABERTIS LOGÍSTICA INICIA A CONSTRUÇÃO DO ABERTIS LOGISTICSPARK LISBOA O

Leia mais

Principais Investimentos em Infraestruturas Portuárias em Portugal um Balanço da última década. 1.º Congresso de Engenheiros de Língua Portuguesa

Principais Investimentos em Infraestruturas Portuárias em Portugal um Balanço da última década. 1.º Congresso de Engenheiros de Língua Portuguesa + 1 Principais Investimentos em Infraestruturas Portuárias em Portugal um Balanço da última década 1.º Congresso de Engenheiros de Língua Portuguesa José Luís Cacho Presidente da Associação de Portos de

Leia mais

AGENDA. A Vale. O Maior Projeto de Logística da America Latina. - Exportação de Minério. - Logística da Vale de Carga Geral

AGENDA. A Vale. O Maior Projeto de Logística da America Latina. - Exportação de Minério. - Logística da Vale de Carga Geral Vale no Maranhão AGENDA A Vale O Maior Projeto de Logística da America Latina - Exportação de Minério - Logística da Vale de Carga Geral A Vale no Mundo A Vale tem operações mineradoras, laboratórios de

Leia mais

Av. Mauá, nº 1.050 Centro Porto Alegre CEP 90010-110 Telefone: 3288-9200 e-mail: executiva@sph.rs.gov.br

Av. Mauá, nº 1.050 Centro Porto Alegre CEP 90010-110 Telefone: 3288-9200 e-mail: executiva@sph.rs.gov.br Av. Mauá, nº 1.050 Centro Porto Alegre CEP 90010-110 Telefone: 3288-9200 e-mail: executiva@sph.rs.gov.br PORTO DE PORTO ALEGRE Histórico: Início da obra: 28 de outubro de 1911, pelo Governo Federal construído

Leia mais

CANAL DE ACESSO DO PORTO DE PARANAGUÁ : ASPECTOS SOB A ÉGIDE DA AUTORIDADE MARÍTIMA BRASILEIRA (AMB)

CANAL DE ACESSO DO PORTO DE PARANAGUÁ : ASPECTOS SOB A ÉGIDE DA AUTORIDADE MARÍTIMA BRASILEIRA (AMB) CANAL DE ACESSO DO PORTO DE PARANAGUÁ : ASPECTOS SOB A ÉGIDE DA AUTORIDADE MARÍTIMA BRASILEIRA (AMB) SUMÁRIO A QUESTÃO DA SEGURANÇA DA NAVEGAÇÃO SITUAÇÃO ATUAL DO CANAL DE ACESSO AOPORTO DE PARANAGUÁ A

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 131, DE 11 DE MARÇO DE 2003

RESOLUÇÃO Nº 131, DE 11 DE MARÇO DE 2003 RESOLUÇÃO Nº 131, DE 11 DE MARÇO DE 2003 Dispõe sobre procedimentos referentes à emissão de declaração de reserva de disponibilidade hídrica e de outorga de direito de uso de recursos hídricos, para uso

Leia mais

PORTO MEARIM AESA UM PORTO NÃO É GRANDE APENAS POR SEU CAIS, SUA INFRAESTRUTURA OU CAPACIDADE LOGÍSTICA

PORTO MEARIM AESA UM PORTO NÃO É GRANDE APENAS POR SEU CAIS, SUA INFRAESTRUTURA OU CAPACIDADE LOGÍSTICA v UM PORTO NÃO É GRANDE APENAS POR SEU CAIS, SUA INFRAESTRUTURA OU CAPACIDADE LOGÍSTICA UM PORTO É UM GRANDE PORTO QUANDO ELE OFERECE OPORTUNIDADES No litoral Maranhense, na margem leste da Baía de São

Leia mais

As novas barragens e o controlo de segurança

As novas barragens e o controlo de segurança As novas barragens e o controlo de segurança Carlos Pina Investigador Coordenador do LNEC ENEC 2011 - Encontro Nacional de Engenharia Civil FEUP - Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto 21 de

Leia mais

DOCUMENTOS PREVISIONAIS PARA O ANO DE 2004 - ORÇAMENTO DA RECEITA E DA DESPESA - PLANO PLURIANUAL DE INVESTIMENTOS - GRANDES OPÇÕES DO PLANO

DOCUMENTOS PREVISIONAIS PARA O ANO DE 2004 - ORÇAMENTO DA RECEITA E DA DESPESA - PLANO PLURIANUAL DE INVESTIMENTOS - GRANDES OPÇÕES DO PLANO DOCUMENTOS PREVISIONAIS PARA O ANO DE 2004 - ORÇAMENTO DA RECEITA E DA DESPESA - PLANO PLURIANUAL DE INVESTIMENTOS - GRANDES OPÇÕES DO PLANO - RESUMO DE ORÇAMENTO APROVADO EM: C.A. / / C.M. / / A.M. /

Leia mais

ARTIGO TÉCNICO. Os objectivos do Projecto passam por:

ARTIGO TÉCNICO. Os objectivos do Projecto passam por: A metodologia do Projecto SMART MED PARKS ARTIGO TÉCNICO O Projecto SMART MED PARKS teve o seu início em Fevereiro de 2013, com o objetivo de facultar uma ferramenta analítica de confiança para apoiar

Leia mais

2ª Reunião do National Supporting Group (NSG) - Projecto Ele.C.Tra. Lisboa, 13 de Junho de 2015

2ª Reunião do National Supporting Group (NSG) - Projecto Ele.C.Tra. Lisboa, 13 de Junho de 2015 2ª Reunião do National Supporting Group (NSG) - Projecto Ele.C.Tra Lisboa, 13 de Junho de 2015 EMEL EMEL Empresa Municipal de Mobilidade e Estacionamento de Lisboa, E.M. S.A., tem como objecto a gestão

Leia mais

ÁREA DE PRODUÇÃO AQUÍCOLA APA TAVIRA DESPACHO N.º 4223/2014, 21 MARÇO

ÁREA DE PRODUÇÃO AQUÍCOLA APA TAVIRA DESPACHO N.º 4223/2014, 21 MARÇO ÁREA DE PRODUÇÃO AQUÍCOLA APA TAVIRA DESPACHO N.º 4223/2014, 21 MARÇO 9 de abril de 2014 Dinâmica dos usos e atividades da Economia do Mar Pesca e Aquicultura, 2005 a 2012 A atividade aquícola é uma prioridade

Leia mais

INSTRUÇÃO TÉCNICA DPO Nº 001, de 30/07/2007

INSTRUÇÃO TÉCNICA DPO Nº 001, de 30/07/2007 INSTRUÇÃO TÉCNICA DPO Nº 001, de 30/07/2007 Atualizada em 01/04/2013 Objeto: Esta Instrução tem por objeto complementar o item 6 da Norma da Portaria DAEE nº 717/96. Trata dos requerimentos, documentação

Leia mais

SUBSTITUIÇÃO DE GRUPOS ELETROBOMBA: ABORDAGEM DETERMINÍSTICA BASEADA EM ESTUDOS DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA.

SUBSTITUIÇÃO DE GRUPOS ELETROBOMBA: ABORDAGEM DETERMINÍSTICA BASEADA EM ESTUDOS DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA. SUBSTITUIÇÃO DE GRUPOS ELETROBOMBA: ABORDAGEM DETERMINÍSTICA BASEADA EM ESTUDOS DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA. Exemplo: a captação de água em Morgavel. Nuno LOPES; Rodrigo MARQUES Manuel LACERDA; Luís GHIRA

Leia mais

3. TURISMO EM AMBIENTES AQUÁTICOS. 3.3 Mercado de turismo náutico no Brasil;

3. TURISMO EM AMBIENTES AQUÁTICOS. 3.3 Mercado de turismo náutico no Brasil; 3. TURISMO EM AMBIENTES AQUÁTICOS 3.3 Mercado de turismo náutico no Brasil; Breve panorama do mercado de turismo náutico (ou das atividades de lazer náutico?) no Brasil O mercado náutico de lazer envolve

Leia mais

INSTITUTO SUPERIOR DE ECONOMIA E GESTÃO UNIVERSIDADE TÉCNICA DE LISBOA FINANÇAS. MBA 2006/2007 (1º Bloco) Caderno de Exercícios. José Azevedo Pereira

INSTITUTO SUPERIOR DE ECONOMIA E GESTÃO UNIVERSIDADE TÉCNICA DE LISBOA FINANÇAS. MBA 2006/2007 (1º Bloco) Caderno de Exercícios. José Azevedo Pereira INSTITUTO SUPERIOR DE ECONOMIA E GESTÃO UNIVERSIDADE TÉCNICA DE LISBOA FINANÇAS MBA 2006/2007 (1º Bloco) Caderno de Exercícios José Azevedo Pereira I O Conceito de VAL Exercício 1 Na figura seguinte, o

Leia mais

Julho 2006. Plataforma Logística de Lisboa Norte (V.F. Xira Castanheira do Ribatejo)

Julho 2006. Plataforma Logística de Lisboa Norte (V.F. Xira Castanheira do Ribatejo) Julho 2006 Plataforma Logística de Lisboa Norte (V.F. Xira Castanheira do Ribatejo) 1. 2. abertis logística, gestor de infra-estruturas logísticas Conceito de plataforma multimodal 3. Realizações de abertis

Leia mais

Potencial e estratégia de desenvolvimento da energia das ondas em Portugal

Potencial e estratégia de desenvolvimento da energia das ondas em Portugal WAVE ENERGY CENTRE Potencial e estratégia de desenvolvimento da energia das ondas em Portugal Versão 0.1 1 INDICE 11.. OO RREECCUURRSSOO EENNEERRGGÉÉTTIICCOO... 3 22.. AACCTTUUAAIISS PPRROOTTÓÓTTIIPPOOSS

Leia mais

MODULO 1 - IDENTIFICAÇÃO Identificação do requerente Pessoa física. Caixa Postal Município UF CEP DDD Fone Fax E-mail

MODULO 1 - IDENTIFICAÇÃO Identificação do requerente Pessoa física. Caixa Postal Município UF CEP DDD Fone Fax E-mail 1 Definição: Retirada de minerais (como areia, argila e etc.) do fundo dos rios com a utilização de dragas, para fins industriais ou de comercialização. Nome CPF Endereço MODULO 1 - IDENTIFICAÇÃO Identificação

Leia mais

Gestão Centralizada do Controlo de Tráfego. José Pedro Tavares FEUP

Gestão Centralizada do Controlo de Tráfego. José Pedro Tavares FEUP POLÍTICAS DE GESTÃO DE TRÁFEGO RODOVIÁRIO EM MEIO URBANO Gestão Centralizada do Controlo de Tráfego Sistemas, Tecnologias e Condicionantes de Implementação José Pedro Tavares FEUP Ordem dos Engenheiros

Leia mais

Regulamento Municipal de Apoio ao Cooperativismo

Regulamento Municipal de Apoio ao Cooperativismo Regulamento Municipal de Apoio ao Cooperativismo Considerando a necessidade de apoiar a criação e a consolidação de cooperativas residentes no concelho. Considerando a necessidade de incentivar a expansão

Leia mais

DISCURSO PROFERIDO POR VÍTOR CALDEIRA, PRESIDENTE DO TRIBUNAL DE CONTAS EUROPEU

DISCURSO PROFERIDO POR VÍTOR CALDEIRA, PRESIDENTE DO TRIBUNAL DE CONTAS EUROPEU TRIBUNAL DE CONTAS EUROPEU ECA/09/69 DISCURSO PROFERIDO POR VÍTOR CALDEIRA, PRESIDENTE DO TRIBUNAL DE CONTAS EUROPEU ******* APRESENTAÇÃO DO RELATÓRIO ANUAL RELATIVO AO EXERCÍCIO DE 2008 À COMISSÃO DO

Leia mais

RESÍDUOS DA INDÚSTRIA EXTRATIVA O PROCESSO DE LICENCIAMENTO GESTÃO, PROJETO, CONSTRUÇÃO E ENCERRAMENTO DE INSTALAÇÕES DE RESÍDUOS MINEIROS SEMINÁRIO

RESÍDUOS DA INDÚSTRIA EXTRATIVA O PROCESSO DE LICENCIAMENTO GESTÃO, PROJETO, CONSTRUÇÃO E ENCERRAMENTO DE INSTALAÇÕES DE RESÍDUOS MINEIROS SEMINÁRIO GESTÃO, PROJETO, CONSTRUÇÃO E ENCERRAMENTO DE INSTALAÇÕES DE RESÍDUOS MINEIROS SEMINÁRIO RESÍDUOS DA INDÚSTRIA EXTRATIVA O PROCESSO DE LICENCIAMENTO Patrícia Falé patricia.fale@dgeg.pt ESTRUTURA DA APRESENTAÇÃO

Leia mais

ISEP INSTITUTO SUPERIOR DE ENGENHARIA

ISEP INSTITUTO SUPERIOR DE ENGENHARIA ISEP INSTITUTO SUPERIOR DE ENGENHARIA CLOSED CIRCUIT TELEVISION CCTV António Gomes aag@isep.ipp.pt 1 Enquadramento Cada vez é maior o recurso à vigilância através dos sistemas de CCTV, quer como elementos

Leia mais

GRANDES OPÇÕES DO PLANO 2009

GRANDES OPÇÕES DO PLANO 2009 GRANDES OPÇÕES DO PLANO 2009 1. Análise do Plano Plurianual de Investimentos (PPI) O plano plurianual de investimentos para 2009 tem subjacente um planeamento financeiro que perspectiva a execução dos

Leia mais

Projecto WONE - Ferramenta para a Gestão de Perdas

Projecto WONE - Ferramenta para a Gestão de Perdas Seminário A Gestão da Água no Sector Público e Residencial Projecto WONE - Ferramenta para a Gestão de Perdas Coruche, 21 março 2014 AGENDA 1. CONTEXTO DO PAÍS 2. SITUAÇÃO DA EPAL E ESTRATÉGIA ADOTADA

Leia mais

Projeto de Resolução N.º 204/XII/1.ª. Recomenda ao Governo a manutenção da autonomia de gestão dos portos comerciais nacionais. Exposição de motivos

Projeto de Resolução N.º 204/XII/1.ª. Recomenda ao Governo a manutenção da autonomia de gestão dos portos comerciais nacionais. Exposição de motivos Projeto de Resolução N.º 204/XII/1.ª Recomenda ao Governo a manutenção da autonomia de gestão dos portos comerciais nacionais Exposição de motivos Os portos comerciais do sistema portuário nacional têm

Leia mais

Sec. XIX Porta de entrada dos imigrantes e comércio fluvial. 2001-1905 Primeiro estudos técnicos 1914 Construção do molhe sul 1938 Primeiro trecho do

Sec. XIX Porta de entrada dos imigrantes e comércio fluvial. 2001-1905 Primeiro estudos técnicos 1914 Construção do molhe sul 1938 Primeiro trecho do Sec. XIX Porta de entrada dos imigrantes e comércio fluvial. 2001-1905 Primeiro estudos técnicos 1914 Construção do molhe sul 1938 Primeiro trecho do cais (233m) 1950/56 Complementação do cais (total 703m)

Leia mais