Reforço de Potência Aproveitamento Hidroeléctrico de Vila Nova/Venda Nova. (Venda Nova II) Relatório de Visita de Estudo.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Reforço de Potência Aproveitamento Hidroeléctrico de Vila Nova/Venda Nova. (Venda Nova II) Relatório de Visita de Estudo."

Transcrição

1 ISEL INSTITUTO SUPERIOR DE ENGENHARIA DE LISBOA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELECTROTÉCNICA E AUTOMAÇÃO Reforço de Potência Aproveitamento Hidroeléctrico de Vila Nova/Venda Nova (Venda Nova II) Relatório de Visita de Estudo 3 Junho 2005 Secção de Sistemas de Energia Junho 2005

2 Índice 1. Objectivos 2. Enquadramento 3. Localização 4. Descrição da Central Hidroeléctrica Anexos 1. Contactos 2. Docentes do ISEL que acompanharam a visita 1

3 1. Objectivos Observar no local o funcionamento de uma grande central hidroeléctrica. Sensibilizar os alunos para a importância das centrais hidroeléctricas no diagrama de consumos a nível nacional. Reconhecer a complexidade dos sistemas existentes numa central, a nível eléctrico, hidráulico e civil. 2. Enquadramento A visita de estudo enquadrou-se nas disciplinas de Redes de Energia Eléctrica, Produção e Transporte de Energia e Protecções em Sistemas de Energia Eléctrica. 3. Localização A central hidroeléctrica da Venda Nova II situa-se na região norte do território continental português, no concelho de Vieira do Minho, distrito de Braga. Figura 1 Localização da central hidroeléctrica da Venda Nova II A central faz parte do sistema hidroeléctrico da bacia hidrográfica do rio Cávado, o qual é constituído por oito escalões: Alto Rabagão e Venda Nova, no Rio Rabagão, Alto Cávado, Paradela, Salamonde, Caniçada e Penide, no Rio Cávado e por último Vilarinho das Furnas no Rio Homem. 2

4 Figura 2 Esquema hidroeléctrico do sistema Cávado-Rabagão-Homem 4. Descrição da Central O empreendimento Venda Nova II é constituído por uma central subterrânea instalada a uma profundidade de 350 m e um circuito hidráulico em túnel, que liga as albufeiras de Venda Nova e Salamonde. De modo a aproveitar o desnível existente entre estas duas albufeiras, foi adoptado um esquema reversível, que permite turbinar a água da albufeira da Venda Nova para a de Salamonde e alternadamente, a bombagem, em sentido oposto, aproveitando os preços mais baixos da energia nas horas de vazio. Figura 3 Esquema hidroeléctrico da Central Componente Hidráulica O circuito hidráulico é constituído por um túnel de secção circular com aproximadamente 4,5 km de extensão e 6,3 de diâmetro, escavado em rocha granítica, o que permitiu não ser revestido, sendo somente betonado em zonas onde a rocha não oferecia as condições mínimas de segurança. 3

5 A tomada de água para turbinamento está situada na albufeira da Venda Nova, e é constituída por uma estrutura de admissão equipada com grades metálicas fixas, comporta de serviço e comporta ensecadeira. O túnel de admissão em pressão encaminha a água desde da tomada de água até à central. Tem um comprimento aproximado de 2,8 km e uma inclinação média de 14,8 %. Figura 4 Tomada de água para turbinamento Após o accionamento da turbina a água é encaminhada para a albufeira de Salamonde através do túnel de restituição, que tem aproximadamente 1,4 km de extensão e 2,1 % de inclinação média. A tomada de água para bombagem está situada na albufeira de Salamonde, e é constituída por uma estrutura de admissão subdividida em 3 vãos, estando cada um equipado com uma grade metálica amovível, havendo a hipótese de instalar uma comporta ensecadeira nas ranhuras da grade. Figura 5 Tomada de água para Bombagem A caverna da central tem cerca de 200 m extensão sendo o respectivo circuito hidráulico é delimitado por dois desarenadores, um a montante no túnel em carga, outro a jusante no túnel de restituição. A sua principal função é reter os sedimentos, impedindo-os assim entrar para o circuito hidráulico da central. Para que se processe a limpeza dos desarenadores será necessário proceder-se ao esvaziamento das galerias. Está equipada com dois grupos reversíveis iguais, de eixo vertical, constituídos por turbinas-bombas do tipo Francis, com as seguintes características principais: Turbinamento: - Queda útil média: 410 m - Caudal à queda média: 25 m 3 /s - Potência à queda média: 91 MW - Caudal máx. (422 m): 25,5 m 3 /s - Potência máx. (422 m): 97,1 MW Bombagem: - Potência máx.: 94,7 MW - Caudal máx.: 21,3 m 3 /s 4

6 O isolamento hidráulico de cada grupo é assegurado a montante por uma válvula esférica na conduta em carga, e a jusante por uma comporta do tipo vagão, em caixa estanque, no tubo de aspiração. O troço superior, que se desenvolve desde o desarenador a montante até às válvulas esféricas dos grupos é totalmente blindado, ao passo que o troço inferior, que se desenvolve desde as comportas dos tubos de aspiração até ao desarenador a jusante, é revestido a betão armado em toda a sua extensão. O circuito hidráulico possui ainda duas chaminés de equilíbrio, uma a montante da central e outra a jusante. A chaminé de equilíbrio superior está localizada no túnel de admissão em pressão a cerca de 450 m da central, e é constituída por uma câmara de expansão à superfície, que tem a forma de um reservatório circular em betão armado, e um poço vertical de ligação com secção circular. O poço tem uma profundidade aproximada de 410 m, sendo os primeiros 100 m, a partir da superfície, revestido a betão armado com um diâmetro de 5 m, e os restantes 310 m não revestidos Figura 6 - chaminé de com um diâmetro de 4,5 m. Equilíbrio superior A chaminé de equilíbrio inferior está localizada sobre o desarenador a jusante, e dispõe de duas câmaras subterrâneas, uma de alimentação e outra de expansão, ligadas com o túnel de restituição através de um poço vertical de secção circular, revestido, com 5 m de diâmetro e de 58 m de altura. A câmara de expansão tem arejamento através da galeria de ventilação e segurança da central, cujo comprimento é de 600 m e o diâmetro de 3,5 m. O acesso principal à zona da central é realizado através de um túnel, não revestido, com uma secção transversal com 8 m de altura, inclinação média de 11 % e extensão total de cerca de 1,5 km. Além deste túnel a zona da central têm uma segunda ligação com o exterior através da galeria de ventilação e segurança. 5

7 Componente Eléctrica Como já foi referido anteriormente a central está equipada com dois grupos reversíveis iguais, cujos alternadores-motores síncronos (podendo funcionar como compensadores síncronos), têm as seguintes características principais: - Potência nominal, como gerador: 106,4 MVA/grupo - Potência nominal, como motor: 94,7 MVA/grupo - Tensão Nominal: 12 KV - Corrente Nominal: 5,119 KA - Factor de potência: 0,9 - Frequência nominal: 50 Hz - Velocidade Síncrona: 600 rpm Figura 7 Excitratriz do grupo gerador A energia fornecida pelos grupos é transformada para a tensão de 150 kv através de transformadores de potência de 113 MVA e relação de transformação 12/165 kv com regulação de tomadas em vazio. Figura 8 Transformador de potência A ligação entre os transformadores de grupo e o posto de corte é efectuada por cabos de 150 kv, com isolamento de polietileno, instalados no interior de uma caixa de betão que se desenvolve ao longo da soleira do túnel de acesso à central. Figura 9 Junção dos cabos de 150kV O posto de corte é do tipo blindado, isolado a SF6 e estabelece a ligação da central de Venda Nova II à Rede Eléctrica nacional ao nível dos 150 kv. 6

8 Adjacente ao posto de corte, encontra-se um edifício de apoio que se destina à instalação do equipamento de ligação à rede local de distribuição a 15 kv para a alimentação dos serviços auxiliares da central. Este edifício destina-se igualmente a alojar os transformadores de potência associados aos serviços auxiliares atrás referidos, assim como o grupo de emergência a diesel com as seguintes características principais: - Potência nominal: 1 MVA - Tensão Nominal: 400/230 V - Corrente Nominal: 1443 A - Factor de potência: 0,8 - Velocidade Síncrona: 1500 rpm Figura 10 Grupo a Diesel 7

9 Anexos 1. Contactos Reforço de Potência Aproveitamento Hidroeléctrico de Vila Nova/Venda Nova (Venda Nova II) Morada: Central da Venda Nova II Tel. local: Contacto no local: Eng.º Manuel Oliveira 2. Docentes do ISEL que acompanharam a visita Eng.º Jorge de Sousa Coordenador da Secção de Sistemas de Energia Eng.º Moisés Antunes Docente da disciplina de Redes de Energia Eléctrica Eng.º João Lagarto Docente da disciplina de Redes de Energia Eléctrica Eng.º Fernando Matos Encarregado de trabalhos da Secção de Sistemas de Energia. 8

ISEL. Subestação de Alto Mira. Relatório de Visita de Estudo. 27 Maio 2005. Secção de Sistemas de Energia

ISEL. Subestação de Alto Mira. Relatório de Visita de Estudo. 27 Maio 2005. Secção de Sistemas de Energia ISEL INSTITUTO SUPERIOR DE ENGENHARIA DE LISBOA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELECTROTÉCNICA E AUTOMAÇÃO Relatório de Visita de Estudo 27 Maio 2005 Secção de Sistemas de Energia Junho 2005 Índice 1. Enquadramento

Leia mais

ISEL. Subestação de Sacavém. Relatório de Visita de Estudo. 6 Dezembro 2005. Secção de Sistemas de Energia

ISEL. Subestação de Sacavém. Relatório de Visita de Estudo. 6 Dezembro 2005. Secção de Sistemas de Energia ISEL INSTITUTO SUPERIOR DE ENGENHARIA DE LISBOA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELECTROTÉCNICA E AUTOMAÇÃO Relatório de Visita de Estudo 6 Dezembro 2005 Secção de Sistemas de Energia Março 2006 Índice 1. Enquadramento

Leia mais

Grupo Investidor 50,1% 24,5% 24,5% 0,9%

Grupo Investidor 50,1% 24,5% 24,5% 0,9% Gerência Técnica Grupo Investidor 50,1% 24,5% 24,5% 0,9% Grupo Construtor Obras Civis e Montagem Eletromecânica Engenharia Contratada: Fornecimentos Eletromecânicos Fornecimentos Eletromecânicos Principais

Leia mais

Central Hidroeléctrica da Calheta de Inverno

Central Hidroeléctrica da Calheta de Inverno Central Hidroeléctrica da Calheta de Inverno Descrição Geral A Central da Calheta de Inverno foi construída em 1992, com o objectivo de aproveitar os caudais excedentários ao abastecimento público e garantidos

Leia mais

Central Hidroeléctrica da Serra de Água

Central Hidroeléctrica da Serra de Água Central Hidroeléctrica da Serra de Água Descrição Geral A Central da Serra de Água foi inaugurada em 1953, fazendo parte da primeira fase dos aproveitamentos hidroagrícolas realizados na década de cinquenta.

Leia mais

VISITA DA ORDEM DOS ENGENHEIROS REGIÃO NORTE

VISITA DA ORDEM DOS ENGENHEIROS REGIÃO NORTE Reforço de Potência de Bemposta VISITA DA ORDEM DOS ENGENHEIROS REGIÃO NORTE BEMPOSTA, 13 de Novembro de 2010 António Freitas da Costa Agenda 1. Objectivo 2. O Aproveitamento Hidroeléctrico do Douro Internacional

Leia mais

ISEL. Mini-hídrica da Mesa do Galo. Relatório de Visita de Estudo. 3 Junho 2005. Secção de Sistemas de Energia

ISEL. Mini-hídrica da Mesa do Galo. Relatório de Visita de Estudo. 3 Junho 2005. Secção de Sistemas de Energia ISEL INSTITUTO SUPERIOR DE ENGENHARIA DE LISBOA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELECTROTÉCNICA E AUTOMAÇÃO Relatório de Visita de Estudo 3 Junho 2005 Secção de Sistemas de Energia Junho 2005 Índice 1. Objectivos

Leia mais

DECLARAÇÃO AMBIENTAL 2012. Aproveitamentos Hidroelétricos da Direção de Produção Hidráulica

DECLARAÇÃO AMBIENTAL 2012. Aproveitamentos Hidroelétricos da Direção de Produção Hidráulica DECLARAÇÃO AMBIENTAL 2012 Aproveitamentos Hidroelétricos da Direção de Produção Hidráulica Centro de Produção Cávado-Lima Alto Lindoso, Touvedo, Alto Rabagão, Vila Nova/Venda Nova, Vila Nova/Paradela,

Leia mais

declaração ambiental 2013 aproveitamentos hidroelétricos da edp produção

declaração ambiental 2013 aproveitamentos hidroelétricos da edp produção declaração ambiental 213 aproveitamentos hidroelétricos da edp produção Centro de Produção Cávado-Lima Alto Lindoso Touvedo Alto Rabagão Vila Nova/Venda Nova Vila Nova/Paradela Frades/Venda Nova Cascata

Leia mais

APROVEITAMENTO HIDROELÉCTRICO DE AGILDE

APROVEITAMENTO HIDROELÉCTRICO DE AGILDE APROVEITAMENTO HIDROELÉCTRICO DE AGILDE Ribeira de Santa Natália Concelho de Celorico de Basto Acesso rodoviário Açude Canal e conduta forçada Câmara de carga Central hidroeléctrica O aproveitamento hidroeléctrico

Leia mais

ISEL. Centrais Termoeléctricas do Carregado e do Ribatejo. Relatório de Visita de Estudo. 30 Novembro 2004. Secção de Sistemas de Energia

ISEL. Centrais Termoeléctricas do Carregado e do Ribatejo. Relatório de Visita de Estudo. 30 Novembro 2004. Secção de Sistemas de Energia ISEL INSTITUTO SUPERIOR DE ENGENHARIA DE LISBOA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELECTROTÉCNICA E AUTOMAÇÃO Centrais Termoeléctricas do Carregado e do Ribatejo Relatório de Visita de Estudo 30 Novembro 2004

Leia mais

EMPRESA DE ELECTRICIDADE DA MADEIRA SA

EMPRESA DE ELECTRICIDADE DA MADEIRA SA EMPRESA DE ELECTRICIDADE DA MADEIRA SA CENTRAL TÉRMICA DO PORTO SANTO EEM/DSP 1 16 MWe Central Térmica do Porto Santo 1 Descrição Geral A Central Térmica do Porto Santo entrou em funcionamento em 1992,

Leia mais

Barragens de concreto em abóbada com dupla curvatura.

Barragens de concreto em abóbada com dupla curvatura. ANÁLISE DIMENSIONAL Modelos Reduzidos Prof. Manuel Rocha - LNEC Prof. Eduardo C. S. Thomaz Notas de aula Barragens de concreto em abóbada com dupla curvatura. Na década de 60, época do projeto e da construção

Leia mais

AHE SIMPLÍCIO QUEDA ÚNICA* Luiz Antônio Buonomo de PINHO Gerente / Engenheiro Civil Furnas Centrais Elétricas S. A.

AHE SIMPLÍCIO QUEDA ÚNICA* Luiz Antônio Buonomo de PINHO Gerente / Engenheiro Civil Furnas Centrais Elétricas S. A. AHE SIMPLÍCIO QUEDA ÚNICA* Luiz Antônio Buonomo de PINHO Gerente / Engenheiro Civil Furnas Centrais Elétricas S. A. Rogério Sales GÓZ Gerente / Engenheiro Civil Furnas Centrais Elétricas S. A. Brasil RESUMO

Leia mais

APROVEITAMENTO HIDROELÉCTRICO DE EL BORJ (MARROCOS) Concepção, dimensionamento e optimização do aproveitamento

APROVEITAMENTO HIDROELÉCTRICO DE EL BORJ (MARROCOS) Concepção, dimensionamento e optimização do aproveitamento APROVEITAMENTO HIDROELÉCTRICO DE EL BORJ (MARROCOS) Concepção, dimensionamento e optimização do aproveitamento António PEREIRA DA SILVA Engº Civil, MSc Hidráulica e Recursos Hídricos, Director Adjunto

Leia mais

TRABALHO LABORATORIAL Nº 4

TRABALHO LABORATORIAL Nº 4 ESCOLA SUPERIOR NÁUTICA INFANTE D. HENRIQUE DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA MARÍTIMA M422 - SISTEMAS E INSTRALAÇÕES ELÉCTRICAS DE NAVIOS TRABALHO LABORATORIAL Nº 4 ENSAIO DA MÁQUINA SÍNCRONA Por: Prof. José

Leia mais

6 BOMBAS HIDRÁULICAS PROBLEMA 6.1

6 BOMBAS HIDRÁULICAS PROBLEMA 6.1 6 BOMBAS HIDRÁULICAS PROBLEMA 6.1 Uma bomba cujo diagrama em colina é o da figura anexa foi projectada para, com o rendimento máximo de 0,90, elevar o caudal de 10,00 m 3 s -1 à altura total de 100,00

Leia mais

PROJECTO DA ESTAÇÃO ELEVATÓRIA PRINCIPAL DE PEDRÓGÃO, NA PERSPECTIVA DOS EQUIPAMENTOS

PROJECTO DA ESTAÇÃO ELEVATÓRIA PRINCIPAL DE PEDRÓGÃO, NA PERSPECTIVA DOS EQUIPAMENTOS PROJECTO DA ESTAÇÃO ELEVATÓRIA PRINCIPAL DE PEDRÓGÃO, NA PERSPECTIVA DOS EQUIPAMENTOS Pedro SANTOS Eng.º Mecânico, COBA, Av. 5 de Outubro, 323, 1649-011 Lisboa, +351210125000, pgs@coba.pt Luís GUSMÃO Eng.º

Leia mais

AULA 23 ÓRGÃOS ESPECIAIS EM SISTEMAS DE DRENAGEM DE ÁGUAS RESIDUAIS. SANEAMENTO Aula 23 - Sumário

AULA 23 ÓRGÃOS ESPECIAIS EM SISTEMAS DE DRENAGEM DE ÁGUAS RESIDUAIS. SANEAMENTO Aula 23 - Sumário SANEAMENTO Aula 23 - Sumário AULA 23 ÓRGÃOS ESPECIAIS EM SISTEMAS DE DRENAGEM DE ÁGUAS RESIDUAIS Sifões invertidos, descarregadores e instalações elevatórias. Saneamento [A23.1] SIFÕES INVERTIDOS (Artº

Leia mais

PCH BARUÍTO PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS DO PROJETO

PCH BARUÍTO PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS DO PROJETO PCH BARUÍTO PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS DO PROJETO CUIABÁ MT OUTUBRO DE 2003 1 PCH BARUITO PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS DO PROJETO Empreendedor : Global Energia Elétrica S/A Empreendimento:

Leia mais

Licenciatura em Engenharia Electrotécnica e de Computadores. 5º Ano, 2º Semestre. Projecto, Seminário ou Trabalho Final do Curso 2004/2005

Licenciatura em Engenharia Electrotécnica e de Computadores. 5º Ano, 2º Semestre. Projecto, Seminário ou Trabalho Final do Curso 2004/2005 Licenciatura em Engenharia Electrotécnica e de Computadores 5º Ano, 2º Semestre Projecto, Seminário ou Trabalho Final do Curso 2004/2005 Orientador na FEUP: António Machado e Moura Orientadores na EDP

Leia mais

USINA HIDRELÉTRICA (UHE) SINOP EXECUTORA: CONSTRUTORA TRIUNFO SETEMBRO/2015

USINA HIDRELÉTRICA (UHE) SINOP EXECUTORA: CONSTRUTORA TRIUNFO SETEMBRO/2015 USINA HIDRELÉTRICA (UHE) SINOP EXECUTORA: CONSTRUTORA TRIUNFO SETEMBRO/2015 O EMPREENDIMENTO LOCALIZAÇÃO POTÊNCIA MUNICÍPIOS RIO BACIA HIDROGRÁFICA TURBINAS POTÊNCIA INSTALADA Itaúba/MT (Margem Esquerda

Leia mais

Compensação. de Factor de Potência

Compensação. de Factor de Potência Compensação de Factor de Potência oje em dia, praticamente todas as instalações eléctricas têm associadas aparelhos indutivos, nomeadamente, motores e transformadores. Este equipamentos necessitam de energia

Leia mais

ESTUDO APLICADO DE UMA EÓLICA

ESTUDO APLICADO DE UMA EÓLICA Temática Energias Renováveis Capítulo Energia Eólica Secção ESTUDO APLICADO DE UMA EÓLICA INTRODUÇÃO Nesta exposição apresentam-se as equações e os conhecimentos necessários para a resolução dos exercícios.

Leia mais

Postos de transformação. PFS Cabinas Subterrâneas para Postos de Transformação Até 36 kv

Postos de transformação. PFS Cabinas Subterrâneas para Postos de Transformação Até 36 kv Postos de transformação PFS Cabinas Subterrâneas para Postos de Transformação Até 36 kv PFS CABINAS SUBTERRÂNEAS PARA POSTOS DE TRANSFORMAÇÃO DESCRIÇÃO A cabina PFS é uma envolvente monobloco de betão

Leia mais

projecto de postos de transformação

projecto de postos de transformação 123 Henrique Ribeiro da Silva Dep. de Engenharia Electrotécnica (DEE) do Instituto Superior de Engenharia do Porto (ISEP) projecto de postos de transformação {2.ª Parte - Postos em Cabine} Os postos de

Leia mais

C O N S U L T O R E S D E E N G E N H A R I A E A M B I E N T E CENTRAIS HIDROELÉCTRICAS CENTRAL DE CAMBAMBE 2

C O N S U L T O R E S D E E N G E N H A R I A E A M B I E N T E CENTRAIS HIDROELÉCTRICAS CENTRAL DE CAMBAMBE 2 CENTRAIS HIDROELÉCTRICAS CENTRAL DE CAMBAMBE 2 ANGOLA REFORÇO DE POTÊNCIA DO HIDROELÉCTRICO DE CAMBAMBE CONSTRUÇÃO CENTRAL 2 Cliente: ENE - Empresa Nacional de Electridade Aprovação de Projectos, Gestão

Leia mais

4 ESCOAMENTOS COM SUPERFÍCIE LIVRE

4 ESCOAMENTOS COM SUPERFÍCIE LIVRE 4 ESCOAMENTOS COM SUPERFÍCIE LIVRE PROBLEMA 4.1 Trace as curvas representativas das funções geométricas S(h), B(h), P(h). R(h) e da capacidade de transporte de um canal de secção trapezoidal, revestido

Leia mais

Soluções para ventilação e desenfumagem F400-120 (400º/2H) > caixas de ventilação

Soluções para ventilação e desenfumagem F400-120 (400º/2H) > caixas de ventilação Soluções para ventilação e desenfumagem F400-120 ventilação Défumair XTA caixa de desenfumagem à transmissão F400-120 vantagens Desempenhos optimizados. Modularidade: 4 versões possíveis. Construção monobloco.

Leia mais

DIÁLOGO LATINOAMERICANO SOBRE LAS MEJORES PRÁCTICAS EN EL DESARROLLO DE GRANDES CENTRALES HIDROELÉCTRICAS. Carlos Nadalutti Filho

DIÁLOGO LATINOAMERICANO SOBRE LAS MEJORES PRÁCTICAS EN EL DESARROLLO DE GRANDES CENTRALES HIDROELÉCTRICAS. Carlos Nadalutti Filho DIÁLOGO LATINOAMERICANO SOBRE LAS MEJORES PRÁCTICAS EN EL DESARROLLO DE GRANDES CENTRALES HIDROELÉCTRICAS 22.11.2011 - Tucuruí,, Brasil Carlos Nadalutti Filho APROVEITAMENTO HIDROELÉCTRICO DE CAPANDA Início:

Leia mais

Elevatórias de Esgoto Sanitário. Profª Gersina N.R.C. Junior

Elevatórias de Esgoto Sanitário. Profª Gersina N.R.C. Junior Elevatórias de Esgoto Sanitário Profª Gersina N.R.C. Junior Estações Elevatórias de Esgoto Todas as vezes que por algum motivo não seja possível, sob o ponto de vista técnico e econômico, o escoamento

Leia mais

INSTALAÇÕES AT E MT. SUBESTAÇÕES DE DISTRIBUIÇÃO

INSTALAÇÕES AT E MT. SUBESTAÇÕES DE DISTRIBUIÇÃO INSTALAÇÕES AT E MT. SUBESTAÇÕES DE DISTRIBUIÇÃO Sistemas de iluminação, tomadas interiores, extracção de fumos, ar condicionado, centrais de intrusão e incêndio Regras de execução Elaboração: GTRPT Homologação:

Leia mais

APLICAÇÃO DO SOFTWARE ELIPSE E3 PARA AUTOMATIZAR O CENTRO DE OPERAÇÃO DA GERAÇÃO (COG) QUE CONTROLA 17 USINAS HIDRELÉTRICAS DO GRUPO CPFL ENERGIA

APLICAÇÃO DO SOFTWARE ELIPSE E3 PARA AUTOMATIZAR O CENTRO DE OPERAÇÃO DA GERAÇÃO (COG) QUE CONTROLA 17 USINAS HIDRELÉTRICAS DO GRUPO CPFL ENERGIA APLICAÇÃO DO SOFTWARE ELIPSE E3 PARA AUTOMATIZAR O CENTRO DE OPERAÇÃO DA GERAÇÃO (COG) QUE CONTROLA 17 USINAS HIDRELÉTRICAS DO GRUPO CPFL ENERGIA Este case apresenta a aplicação do Elipse E3 para controlar

Leia mais

Conceitos gerais. A movimentação do ar e dos gases de combustão é garantida por: Ventiladores centrífugos Efeito de sucção da chaminé

Conceitos gerais. A movimentação do ar e dos gases de combustão é garantida por: Ventiladores centrífugos Efeito de sucção da chaminé TIRAGEM Definição Tiragem é o processo que garante a introdução do ar na fornalha e a circulação dos gases de combustão através de todo gerador de vapor, até a saída para a atmosfera 00:43 2 Conceitos

Leia mais

CONDIÇÕES A OBSERVAR PARA O ESTEBELECIMENTO DE POSTO DE TRANSFORMACÃO PRIVATIVO

CONDIÇÕES A OBSERVAR PARA O ESTEBELECIMENTO DE POSTO DE TRANSFORMACÃO PRIVATIVO CONDIÇÕES A OBSERVAR PARA O ESTEBELECIMENTO DE POSTO DE TRANSFORMACÃO PRIVATIVO 1 CONDIÇÕES PRÉVIAS Antes de iniciar qualquer trabalho de montagem, ou antes de adquirir um posto de transformação (PT),

Leia mais

Disciplina: Eletrificação Rural. Unidade 3 Geração, transmissão e distribuição da energia elétrica.

Disciplina: Eletrificação Rural. Unidade 3 Geração, transmissão e distribuição da energia elétrica. UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ SETOR DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS DEPARTAMENTO DE SOLOS E ENGENHARIA AGRÍCOLA Disciplina: Eletrificação Rural Unidade 3 Geração, transmissão e distribuição da energia elétrica.

Leia mais

FICHA TECNICA CONTRA RISCO DE INCENDIOS EM EDIFICIOS HABITACIONAIS COMERCIAS E INDUSTRIAIS

FICHA TECNICA CONTRA RISCO DE INCENDIOS EM EDIFICIOS HABITACIONAIS COMERCIAS E INDUSTRIAIS Página 1/5 INSTALAÇÃO ELETRICA CONTADOR ENERGIA / ACE Verificação da não violação do selo do contador Verificação da existência de limitador de potência do distribuidor / Fatura QUADRO ELECTRICO Verificação

Leia mais

EMPRESA DE ELECTRICIDADE DA MADEIRA SA

EMPRESA DE ELECTRICIDADE DA MADEIRA SA EMPRESA DE ELECTRICIDADE DA MADEIRA SA CENTRAL TÉRMICA DA VITÓRIA EEM/DSP 1 117 MWe Central Térmica da Vitória 1 Descrição Geral A Central Térmica da Vitória entrou em funcionamento em 1979, para fazer

Leia mais

Chaminés Cálculos e Normas aplicáveis

Chaminés Cálculos e Normas aplicáveis Chaminés Cálculos e Normas aplicáveis Chaminé de tiragem natural Tem como função permitir a evacuação dos gases, produzidos por uma determinada combustão. Aplicado na extracção de gases de combustão provenientes

Leia mais

Palavras-chave: impacto ambiental, modelação matemática, qualidade da água, eutrofização, gestão de recursos hídricos.

Palavras-chave: impacto ambiental, modelação matemática, qualidade da água, eutrofização, gestão de recursos hídricos. APLICAÇÃO DE UM MODELO DE QUALIDADE DA ÁGUA DO RIO CÁVADO AO ESTUDO DO IMPACTO DA CAPTAÇÃO DE ÁGUA DE AREIAS DE VILAR José M. P. VIEIRA 1 ; António A L. S. DUARTE 2 ; José L. S. PINHO 3 RESUMO A construção

Leia mais

Central de Produção de Energia Eléctrica

Central de Produção de Energia Eléctrica Central de Produção de Energia Eléctrica Ref.ª CPEE Tipo 1 Tipo 2 Tipo 3 Tipo 4 Tipo 5 5 a 25 kva 25 a 150 kva 150 a 500 kva 500 a 1.000 kva 1.000 a 2.700 kva Pág. 1 ! Combustível Diesel! Frequência 50

Leia mais

Gerencia de Planejamento do Sistema GPS FORMULÁRIO DE CONSULTA DE ACESSO

Gerencia de Planejamento do Sistema GPS FORMULÁRIO DE CONSULTA DE ACESSO A consulta de acesso deve ser formulada pelo acessante à acessada com o objetivo de obter informações técnicas que subsidiem os estudos pertinentes ao acesso, sendo facultada ao acessante a indicação de

Leia mais

Equipamentos primários. L. Roriz

Equipamentos primários. L. Roriz Equipamentos primários L. Roriz Unidades de Arrefecimento Unidades de Arrefecimento de Ar Unidades Produtoras de Água Refrigerada Sistemas de compressão de vapor Sistemas de expansão directa Sistemas utilizando

Leia mais

SEPARADORES DE GORDURAS TUBOFURO NATUR-GREASE

SEPARADORES DE GORDURAS TUBOFURO NATUR-GREASE SEPARADORES DE GORDURAS TUBOFURO EN 109 Km 160,3 2425-737 Ortigosa Leiria ; Telf, 244616073 / Fax: 244616074 E-mail: geo@tubofuro,pt www.tubofuro.pt Apresentação Os Separadores de Gorduras são construídos

Leia mais

REVESTIMENTO DE CANAIS NOVOS E REABILITAÇÃO

REVESTIMENTO DE CANAIS NOVOS E REABILITAÇÃO REVESTIMENTO DE CANAIS NOVOS E REABILITAÇÃO APRH JORNADAS TÉCNICAS PROCESSOS CONSTRUTIVOS Lisboa, Outubro de 2011 TENDENTES À MELHORIA DA EFICIÊNCIA DE TRANSPORTE E CANAL António Santos amsantos@dgadr.pt

Leia mais

Pack Tempérys. Tempérys. Ventilação de conforto com regulação integrada > ventilação. caixas com bateria de aquecimento integrada e auto-regulada

Pack Tempérys. Tempérys. Ventilação de conforto com regulação integrada > ventilação. caixas com bateria de aquecimento integrada e auto-regulada ventilação Tempérys caixa de insuflação com revestimento duplo e bateria de aquecimento eléctrico Pack Tempérys caixa de insuflação + caixa de extracção com revestimento duplo, sistema de comando e de

Leia mais

Usina Hidrelétrica Belo Monte APRESENTAÇÃO GERAL DO EMPREENDIMENTO

Usina Hidrelétrica Belo Monte APRESENTAÇÃO GERAL DO EMPREENDIMENTO Usina Hidrelétrica Belo Monte APRESENTAÇÃO GERAL DO EMPREENDIMENTO BREVE HISTÓRICO Estudo de Inventário do rio Xingu: realizados na década de 1970 com relatório técnico emitido no final de 1979 Estudos

Leia mais

RELATÓRIO DE ESTÁGIO HOSPITAL DOUTOR MANOEL CONSTÂNCIO INSTALAÇÕES TÉCNICAS. Mestrado em Manutenção Técnica de Edifícios

RELATÓRIO DE ESTÁGIO HOSPITAL DOUTOR MANOEL CONSTÂNCIO INSTALAÇÕES TÉCNICAS. Mestrado em Manutenção Técnica de Edifícios RELATÓRIO DE ESTÁGIO INSTALAÇÕES TÉCNICAS HOSPITAL DOUTOR MANOEL CONSTÂNCIO Mestrado em Manutenção Técnica de Edifícios Fernando Jorge Albino Varela de Oliveira Abrantes Dezembro 2014 ÍNDICE Objectivos

Leia mais

FICHA TÉCNICA. Depósitos Gama S ZB-Solar. www.vulcano.pt. Novembro 2014

FICHA TÉCNICA. Depósitos Gama S ZB-Solar. www.vulcano.pt. Novembro 2014 Departamento Comercial e Assistência Técnica: Av. Infante D. Henrique, lotes 2E-3E - 1800-220 LISBOA * Tel.: +351.218 500 300 Novembro 2014 FICHA TÉCNICA Depósitos Gama S ZB-Solar www.vulcano.pt FICHA

Leia mais

AUTORES: WOONG JIN LEE ALOISIO JOSÉ DE OLIVEIRA LIMA JORGE FERNANDO DUTRA JOSÉ M. PINHEIRO FRANKLIM FABRÍCIO LAGO CARLOS AUGUSTO V.

AUTORES: WOONG JIN LEE ALOISIO JOSÉ DE OLIVEIRA LIMA JORGE FERNANDO DUTRA JOSÉ M. PINHEIRO FRANKLIM FABRÍCIO LAGO CARLOS AUGUSTO V. AUTORES: WOONG JIN LEE ALOISIO JOSÉ DE OLIVEIRA LIMA JORGE FERNANDO DUTRA JOSÉ M. PINHEIRO FRANKLIM FABRÍCIO LAGO CARLOS AUGUSTO V. GRANATA 1 SUMÁRIO INTRODUÇÃO GENERALIDADES PROJETO CABOS E ACESSÓRIOS

Leia mais

EFICIÊNCIA ENERGÉTICA NA ÁGUAS DO VOUGA

EFICIÊNCIA ENERGÉTICA NA ÁGUAS DO VOUGA EFICIÊNCIA ENERGÉTICA NA ÁGUAS DO VOUGA Tiago PARENTE 1 Fausto OLIVEIRA 2, RESUMO A promoção pela eficiência energética tem sido uma das medidas impostas pelas actuais políticas europeias com o objectivo

Leia mais

Recomendações para instalação de rede interna e de equipamentos a gás.

Recomendações para instalação de rede interna e de equipamentos a gás. Recomendações para instalação de rede interna e de equipamentos a gás. USO DE GÁS NATURAL CANALIZADO NORMAS E LEGISLAÇÃO: ABNT NBR 14570 ABNT NBR 13103 COSCIP código de segurança - decreto estadual nº

Leia mais

ACOMPANHAMENTO DO REFORÇO DE POTÊNCIA SALAMONDE II

ACOMPANHAMENTO DO REFORÇO DE POTÊNCIA SALAMONDE II INSTITUTO SUPERIOR DE ENGENHARIA DE LISBOA Área Departamental de Engenharia Civil ACOMPANHAMENTO DO REFORÇO DE POTÊNCIA SALAMONDE II RUI FILIPE RODRIGUES GOES FERREIRA (Licenciado em Engenharia Civil)

Leia mais

Questionário Preliminar de Risco

Questionário Preliminar de Risco Questionário Preliminar de Risco MULTIRISCOS PME Identificação interna Sucursal Comercial Técnico Agente / Corretor Data da visita Referência Proponente Nome Morada Ocupação do risco Código Postal DESCRIÇÃO

Leia mais

Relatório da inspecção preliminar dos elevadores. (Modelo) Entidade utilizadora : Equipamentos n.º : Empreiteiro dos elevadores : Inspector :

Relatório da inspecção preliminar dos elevadores. (Modelo) Entidade utilizadora : Equipamentos n.º : Empreiteiro dos elevadores : Inspector : Anexo 2 Relatório da inspecção preliminar dos elevadores (Modelo) Relatório n.º: Entidade utilizadora : Equipamentos n.º : Tipo de equipamentos: Empreiteiro dos elevadores : Inspector : Data de inspecção

Leia mais

ROTM800GF ROTM1000GF ROTM1500G2F

ROTM800GF ROTM1000GF ROTM1500G2F Apresentação Os es de Gorduras e Féculas, tipo EcoAlcance são recipientes estanques, destinados à recepção de águas residuais gordurosas procedentes do uso doméstico ou industrial, originadas pelo manuseamento

Leia mais

Rebaixamento do Lençol Freático

Rebaixamento do Lençol Freático Rebaixamento do Lençol Freático Índice 1. Rebaixamento por Poços 2. Bombas Submersas 3. Rebaixamento à Vácuo 4. Norma 5. Método construtivo 6. Equipe de trabalho 1. Rebaixamento Por Poços Rebaixamento

Leia mais

Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto

Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto TEMA: Distribuição eléctrica na FEUP PROBLEMA: Como é feita a distribuição de energia eléctrica na FEUP ALUNOS: Ana Barros, João Carvalho, Maria Ribeiro,

Leia mais

ET720 Sistemas de Energia Elétrica I. Capítulo 3: Gerador síncrono. Exercícios

ET720 Sistemas de Energia Elétrica I. Capítulo 3: Gerador síncrono. Exercícios ET720 Sistemas de Energia Elétrica I Capítulo 3: Gerador síncrono Exercícios 3.1 Dois geradores síncronos estão montados no mesmo eixo e devem fornecer tensões em 60 Hz e 50 Hz, respectivamente. Determinar

Leia mais

Termos de referência para o cadastro das infraestruturas de abastecimento de água e de saneamento de águas residuais

Termos de referência para o cadastro das infraestruturas de abastecimento de água e de saneamento de águas residuais Termos de referência para o cadastro das infraestruturas de abastecimento de água e de saneamento de águas residuais Enquadramento A base do conhecimento de qualquer sistema de abastecimento de água e

Leia mais

Transmissão Subterrânea no Brasil. Julio Cesar Ramos Lopes

Transmissão Subterrânea no Brasil. Julio Cesar Ramos Lopes Transmissão Subterrânea no Brasil Julio Cesar Ramos Lopes 1. Introdução 2. Linhas de Transmissão com Cabos Isolados 3. Cabos Isolados no Brasil X Outros Países 4. Principais Linhas de Transmissão Construídas

Leia mais

ESTAÇÃO ELEVATÓRIA PEDRÓGÃO-MARGEM ESQUERDA E REFORÇO DE POTÊNCIA DO PEDRÓGÃO. CONCEPÇÃO E PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS DAS OBRAS

ESTAÇÃO ELEVATÓRIA PEDRÓGÃO-MARGEM ESQUERDA E REFORÇO DE POTÊNCIA DO PEDRÓGÃO. CONCEPÇÃO E PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS DAS OBRAS ESTAÇÃO ELEVATÓRIA PEDRÓGÃO-MARGEM ESQUERDA E REFORÇO DE POTÊNCIA DO PEDRÓGÃO. CONCEPÇÃO E PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS DAS OBRAS António PINHEIRO (1) ; António MOISÉS (2) ; Carlos GASPAR (3) (1) CEHIDRO,

Leia mais

MANUAL DA TORRE ARREFECIMENTO

MANUAL DA TORRE ARREFECIMENTO MANUAL DA TORRE ARREFECIMENTO Novembro de 2011 Índice 1. Regras básicas na realização da experiência... 2 2. Objectivos das experiências... 3 3. Descrição do equipamento... 4 3.1. Torre... 5 3.2. Pulverizadores

Leia mais

EXERCÍCIOS CORRIGIDOS

EXERCÍCIOS CORRIGIDOS Temática Energias Renováveis Capítulo Energia Eólica Secção EXERCÍCIOS CORRIGIDOS INTRODUÇÃO Vamos testar os conhecimentos adquiridos; para o efeito, propõem-se seis exercícios de diferentes dificuldades:

Leia mais

ENERGIA DAS ONDAS. António F. O. Falcão Instituto Superior Técnico. Seminário sobre a Física e a Energia, Lisboa, 21 de Novembro de 2005

ENERGIA DAS ONDAS. António F. O. Falcão Instituto Superior Técnico. Seminário sobre a Física e a Energia, Lisboa, 21 de Novembro de 2005 ENERGIA DAS ONDAS António F. O. Falcão Instituto Superior Técnico Seminário sobre a Física e a Energia, Lisboa, 21 de Novembro de 2005 Albufeira Marés Correntes de maré ENERGIA DOS OCEANOS Correntes marítimas

Leia mais

Eletrotécnica Geral. Lista de Exercícios 2

Eletrotécnica Geral. Lista de Exercícios 2 ESCOLA POLITÉCNICA DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO PEA - Departamento de Engenharia de Energia e Automação Elétricas Eletrotécnica Geral Lista de Exercícios 2 1. Condutores e Dispositivos de Proteção 2. Fornecimento

Leia mais

Energia Eólica. História

Energia Eólica. História Energia Eólica História Com o avanço da agricultura, o homem necessitava cada vez mais de ferramentas que o auxiliassem nas diversas etapas do trabalho. Isso levou ao desenvolvimento de uma forma primitiva

Leia mais

SERIE B10 STD INFORMAÇÕES TÉCNICAS DADOS TÉCNICOS OPCIONAIS MEDIDAS RPM 2500. ÁREA ATÉ 5m² * TEMPORIZADOR (PROGRAMÁVEL PARA 2 MIN; 5 MIN OU 10 MIN.

SERIE B10 STD INFORMAÇÕES TÉCNICAS DADOS TÉCNICOS OPCIONAIS MEDIDAS RPM 2500. ÁREA ATÉ 5m² * TEMPORIZADOR (PROGRAMÁVEL PARA 2 MIN; 5 MIN OU 10 MIN. SERIE B10 STD INFORMAÇÕES TÉCNICAS DADOS TÉCNICOS Ø MM 100mm RPM 2500 POTENCIA 15W VAZÃO 90 m³/h PRESSÃO 3,5 mmca RUIDO (db) 41 db ÁREA ATÉ 5m² 15 x 15 x 7.7 cm ACABAMENTO PLÁSTICO BRANCO OPCIONAIS * TEMPORIZADOR

Leia mais

Ligações às redes de energia eléctrica de instalações consumidoras (em vigor a partir de 12 de maio de 2013)

Ligações às redes de energia eléctrica de instalações consumidoras (em vigor a partir de 12 de maio de 2013) Ligações às redes de energia eléctrica de instalações consumidoras (em vigor a partir de 12 de maio de 2013) Novembro de 2012 Índice Competências da ERSE Princípios e conceitos gerais Potência requisitada

Leia mais

LOCALIZADOR DE CABOS E CONDUTAS ENTERRADAS SÉRIE EZICAT

LOCALIZADOR DE CABOS E CONDUTAS ENTERRADAS SÉRIE EZICAT LOCALIZADOR DE CABOS E CONDUTAS ENTERRADAS SÉRIE EZICAT Porquê usar um DETETOR de cabos? Evita danificar materiais; Previne acidentes que podem ser mortais; Evita perdas de tempo antes de se realizar uma

Leia mais

VIESMANN VITOSOLIC. Dados técnicos VITOSOLIC 100 VITOSOLIC 200. Controlador para sistemas de energia solar

VIESMANN VITOSOLIC. Dados técnicos VITOSOLIC 100 VITOSOLIC 200. Controlador para sistemas de energia solar VIESMANN VITOSOLIC Controlador para sistemas de energia solar Nº de referência e preços: ver lista de preços VITOSOLIC 100 Controlador electrónico por diferença de temperatura Para sistemas com produção

Leia mais

Introdução ENERGIA ELÉTRICA: GERAÇÃO, TRANSMISSÃO E DISTRIBUIÇÃO.

Introdução ENERGIA ELÉTRICA: GERAÇÃO, TRANSMISSÃO E DISTRIBUIÇÃO. ENERGIA ELÉTRICA: GERAÇÃO, TRANSMISSÃO E DISTRIBUIÇÃO. Introdução A energia elétrica que alimenta as indústrias, comércio e nossos lares é gerada principalmente em usinas hidrelétricas, onde a passagem

Leia mais

ILUMINAÇÃO DE SEGURANÇA

ILUMINAÇÃO DE SEGURANÇA ILUMINAÇÃO DE CIRCULAÇÃO OU DE EVACUAÇÃO Tem como objectivo permitir a evacuação das pessoas em segurança, garantindo ao longo dos caminhos de evacuação condições de visão e de evacuação adequadas e possibilitar

Leia mais

Nota Técnica. Requisitos Gerais para a armazenagem de óleos usados:

Nota Técnica. Requisitos Gerais para a armazenagem de óleos usados: Nota Técnica ARMAZENAGEM DE ÓLEOS USADOS Para efeitos do presente documento, considera-se a definição de óleos usados constante na alínea b) do artigo 2.º do Decreto-lei n.º 153/2003. Define-se reservatório

Leia mais

CALDEIRAS MURAIS DE CONDENSAÇÃO

CALDEIRAS MURAIS DE CONDENSAÇÃO CALDEIRAS MURAIS DE CONDENSAÇÃO BIOS CLASSE 5 NO X MELHORAR A EFICIÊNCIA ENERGÉTICA É UMA DAS GRANDES METAS DA NOSSA SOCIEDADE NO SÉCULO XXI. A GAMA BIOS, BASEADA NA TECNOLOGIA DA CONDENSAÇÃO É UM DOS

Leia mais

Repotenciação de usinas hidrelétricas: capacitação do IEE/USP com vistas à otimização energética do parque brasileiro

Repotenciação de usinas hidrelétricas: capacitação do IEE/USP com vistas à otimização energética do parque brasileiro Superintendência de Regulação dos Serviços de Geração - SRG Workshop: Repotenciação de Usinas Hidrelétricas Brasília-DF 14 de julho de 2011 Repotenciação de usinas hidrelétricas: capacitação do IEE/USP

Leia mais

COMPANHIA DE ÁGUA E ESGOTOS DA PARAÍBA DIRETORIA DE EXPANSÃO GERÊNCIA EXECUTIVA DE PLANEJAMENTO E PROJETOS

COMPANHIA DE ÁGUA E ESGOTOS DA PARAÍBA DIRETORIA DE EXPANSÃO GERÊNCIA EXECUTIVA DE PLANEJAMENTO E PROJETOS 1 ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DO GRUPO GERADOR - 30 KVA ESTAÇÃO ELEVATÓRIA DE ESGOTO - EEE1 JARDIM CIDADE UNIVERSITÁRIA 1. OBJETIVO Esta especificação técnica apresenta as características técnicas e comerciais

Leia mais

A CERTIEL EM 2012. Redes particulares de distribuição de energia elétrica e iluminação exterior. Urgeiriça, 13 de Abril. Jornadas CERTIEL 2012 P 1

A CERTIEL EM 2012. Redes particulares de distribuição de energia elétrica e iluminação exterior. Urgeiriça, 13 de Abril. Jornadas CERTIEL 2012 P 1 A CERTIEL EM 2012 Redes particulares de distribuição de energia elétrica e iluminação exterior Urgeiriça, 13 de Abril CERTIEL 2012 P 1 CERTIEL 2012 P 3 Condomínios fechados Uniformização de critérios Melhores

Leia mais

Produção e Transporte de Energia 2. Produção e Transporte de Energia 2 - Definição de Condições de Ligação à Rede. J. A.

Produção e Transporte de Energia 2. Produção e Transporte de Energia 2 - Definição de Condições de Ligação à Rede. J. A. - Definição de Condições de Ligação à Rede J. A. Peças Lopes Introdução Grande Aumento da Produção Distribuída (PRE): A ligar fundamentalmente nas redes de distribuição e subtransmissão (MT e AT); Aparecimento

Leia mais

SISTEMAS TÉRMICOS DE POTÊNCIA

SISTEMAS TÉRMICOS DE POTÊNCIA SISTEMAS TÉRMICOS DE POTÊNCIA PROF. RAMÓN SILVA Engenharia de Energia Dourados MS - 2013 MÁQUINAS TÉRMICAS MOTORES A PISTÃO Também conhecido como motor alternativo, por causa do tipo de movimento do pistão.

Leia mais

Geração de Energia Elétrica

Geração de Energia Elétrica Geração de Energia Elétrica Aspectos Dinâmicos da Geração Hidroelétrica Joinville, 21 de Março de 2012 Escopo dos Tópicos Abordados Controle de Carga-Frequência Regulação Primária Modelo do Sistema de

Leia mais

Máquinas Eléctricas I

Máquinas Eléctricas I I Máquinas Síncronas Luis Pestana Resumo Máquinas Síncronas Generalidades Principio de funcionamento Aspectos construtivos O gerador síncrono em carga com cargas isoladas Curvas de regulação ligado a um

Leia mais

UHE BELO MONTE PROJETO BÁSICO DE ENGENHARIA

UHE BELO MONTE PROJETO BÁSICO DE ENGENHARIA CÓDIGO DO DOCUMENTO BEL-B-GR-DE-GER-000-0001 GERAL - LOCALIZAÇÃO E ACESSOS UHE BELO MONTE PROJETO BÁSICO DE ENGENHARIA GERAL TÍTULO BEL-B-GR-DE-GER-000-0002 BEL-B-GR-DE-GER-000-0003 BEL-B-GR-DE-GER-000-0004

Leia mais

TLME-2.3 MÁQUINAS ELÉCTRICAS II. Motor Síncrono Trifásico sincronização e arranque. no laboratório. 1. Introdução

TLME-2.3 MÁQUINAS ELÉCTRICAS II. Motor Síncrono Trifásico sincronização e arranque. no laboratório. 1. Introdução ÁQINS ELÉCTRICS II TLE-2.3 1 ** 2001 / 2002 ** SE FEP LEEC TLE-2.3 otor Síncrono Trifásico sincronização e arranque 1. Introdução s máquinas eléctricas síncronas têm funcionamento reversível podendo trabalhar

Leia mais

Esquemas. & diagramas. caderno 3

Esquemas. & diagramas. caderno 3 Esquemas & diagramas caderno 3 Regimes de neutro Norma IEC 60364 A norma IEC 60364 é a norma padrão internacional definida pelo International Electrotechnical Commission relativamente a instalações eléctricas

Leia mais

Ligações às redes de energia eléctrica. Setembro de 2011

Ligações às redes de energia eléctrica. Setembro de 2011 Ligações às redes de energia eléctrica Setembro de 2011 Índice Competências da ERSE Princípios e conceitos gerais Potência requisitada Procedimentos para ligação de uma instalação à rede Ponto de ligação

Leia mais

OPTIPROBE Ficha de dados técnicos

OPTIPROBE Ficha de dados técnicos OPTIPROBE Ficha de dados técnicos O indicador de caudal de baixo custo Instalação fácil Medidas exatas e estáveis Qualidade KROHNE KROHNE ÍNDICE DE OPTIPROBE 1 Características do Produto 3 1.1 O indicador

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 131, DE 11 DE MARÇO DE 2003

RESOLUÇÃO Nº 131, DE 11 DE MARÇO DE 2003 RESOLUÇÃO Nº 131, DE 11 DE MARÇO DE 2003 Dispõe sobre procedimentos referentes à emissão de declaração de reserva de disponibilidade hídrica e de outorga de direito de uso de recursos hídricos, para uso

Leia mais

Case Study Boavista Golf. Sistema de Monitorização e Controlo da Produção de Água para Rega de Campos de Golfe.

Case Study Boavista Golf. Sistema de Monitorização e Controlo da Produção de Água para Rega de Campos de Golfe. Case Study Boavista Golf Sistema de Monitorização e Controlo da Produção de Água para Rega de Campos de Golfe. Introdução Portugal é considerado, por muitos especialistas, um dos melhores lugares para

Leia mais

Tabelas de Dimensionamento

Tabelas de Dimensionamento Com o objetivo de oferecer um instrumento prático para auxiliar no trabalho de projetistas, instaladores e demais envolvidos com a seleção e dimensionamento dos em uma instalação elétrica de baixa tensão,

Leia mais

A Hidroenergia no Contexto Nacional

A Hidroenergia no Contexto Nacional AcquaLiveExpo Um Desafio Geracional A Hidroenergia no Contexto Nacional Luís Braga da Cruz (FEUP) Lisboa 22 de Março de 2012 Os Primeiros Aproveitamentos Hidroeléctricos em Portugal O primeiro ciclo da

Leia mais

Profa. Margarita Ma. Dueñas Orozco margarita.unir@gmail.com

Profa. Margarita Ma. Dueñas Orozco margarita.unir@gmail.com Profa. Margarita Ma. Dueñas Orozco margarita.unir@gmail.com FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA UNIR CAMPUS DE JI-PARANÁ DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA AMBIENTAL CONCEITO CONCEITO Unidade do SAA constituída

Leia mais

FURNAS CENTRAIS ELÉTRICAS S.A. marcelle@furnas.com.br

FURNAS CENTRAIS ELÉTRICAS S.A. marcelle@furnas.com.br FURNAS CENTRAIS ELÉTRICAS S.A. USINAS HIDRELÉTRICAS marcelle@furnas.com.br GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA EMPREENDIMENTOS DO SETOR ELÉTRICO HIDROELETRICOS CGH PCH UHE Potência Instalada < = 1,0 MW 1,0 MW

Leia mais

SIMULADO ABERTO ENEM 2015

SIMULADO ABERTO ENEM 2015 SIMULADO ABERTO ENEM 2015 1) A figura mostra a bela imagem de um gato ampliada pela água de um aquário esférico. Trata-se de uma imagem virtual direita e maior. A cerca do fenômeno óptico em questão, é

Leia mais

INSTALAÇÕES AT E MT. SUBESTAÇÕES DE DISTRIBUIÇÃO

INSTALAÇÕES AT E MT. SUBESTAÇÕES DE DISTRIBUIÇÃO INSTALAÇÕES AT E MT. SUBESTAÇÕES DE DISTRIBUIÇÃO Circuitos BT Regras de execução Elaboração: GTRPT Homologado: conforme despacho do CA de 2007-02-13 Edição: 1ª Emissão: EDP Distribuição Energia, S.A. DNT

Leia mais

Regulação de Velocidade do Gerador Síncrono num Sistema de Aproveitamento Hidroeléctrico

Regulação de Velocidade do Gerador Síncrono num Sistema de Aproveitamento Hidroeléctrico Regulação de Velocidade do Gerador Síncrono num Sistema de Aproveitamento Hidroeléctrico D.D. Almeida e J.P.S. Catalão Departamento de Engenharia Electromecânica Universidade da Beira Interior Calçada

Leia mais

VENDA NOVA III REFORÇO DE POTÊNCIA DO APROVEITAMENTO DE VENDA NOVA

VENDA NOVA III REFORÇO DE POTÊNCIA DO APROVEITAMENTO DE VENDA NOVA GESTÃO DA PRODUÇÃO DE ENERGIA, S.A. VENDA NOVA III REFORÇO DE POTÊNCIA DO APROVEITAMENTO DE VENDA NOVA ESTUDO DE IMPACTE AMBIENTAL RESUMO NÃO TÉCNICO MAIO 2009 1 - NOTA INTRODUTÓRIA O presente documento

Leia mais

Anexo 3 - Questionário específico - construção

Anexo 3 - Questionário específico - construção Anexo 3 - Questionário específico - construção 85 Empresa: Morada: Localidade: Cód. Postal: Distrito: Telefone: NIF: Código de CAE-Rev. 2/92: Actividade principal da empresa: Categoria da Actividade: Número

Leia mais

ESTUDO DE IMPACTE AMBIENTAL

ESTUDO DE IMPACTE AMBIENTAL APROVEITAMENTO HIDROELÉCTRICO DO FRIDÃO ESTUDO DE IMPACTE AMBIENTAL CAPÍTULO III DESCRIÇÃO DO PROJECTO 1. LOCALIZAÇÃO 1.1 Enquadramento Geral e Administrativo O Aproveitamento Hidroeléctrico do Fridão

Leia mais

Protecção contra sobretensões. Descarregadores de sobretensões

Protecção contra sobretensões. Descarregadores de sobretensões Protecção contra Descarregadores Protecção contra As podem muitas vezes causar danos irreparáveis nas instalações eléctricas, bem como, nos equipamentos eléctricos e electrónicos. Os descarregadores são

Leia mais