Motores eléctricos em sistemas de controlo

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Motores eléctricos em sistemas de controlo"

Transcrição

1 Instituto Superior de Engenharia do Porto Departamento de Engenharia Electrotécnica Licenciatura em Engenharia Electrotécnica e de Computadores SISEL - Sistemas Electromecânicos Exercícios de 26

2 1. Considere as zonas limite de funcionamento da característica () (binário versus velocidade angular ) de um DC de excitação separada com binário e velocidade nominais, n e n, respectivamente. As figuras A e B representam duas eventuais possibilidades com zonas de funcionamento a velocidades inferior e superior à velocidade nominal n. A sombreado está representada a zona interdita de funcionamento devido a excederem-se os limites nominais. Figura A Figura B n n zona A 1 zona A 2 zona B 1 zona B 2 n n Então, pode afirmar-se que o gráfico correcto está representado: A) A Figura A está correcta e a Figura B está incorrecta B) As Figuras A e B estão ambas correctas C) A Figura A está incorrecta e a Figura B está correcta D) As Figuras A e B estão ambas incorrectas 2. Considere as zonas limite de funcionamento da característica () (binário versus velocidade angular ) de um DC de excitação separada controlado pela armadura (i.e. com excitação constante) com binário e velocidade nominais, n e n, respectivamente. As figuras A e B representam duas eventuais possibilidades com zonas de funcionamento a velocidades inferior e superior à velocidade nominal n. A sombreado está representada a zona interdita de funcionamento devido a excederem-se os limites nominais. Figura A Figura B n n zona A 1 zona A 2 zona B 1 zona B 2 n n Então, para o tipo de controlo efectuado, o sistema pode trabalhar na: A) Zona A 1 B) Zona B 1 C) Zona A 2 D) Zona B 2 1

3 3. Considere o sistema de controlo de velocidade de DC representado na figura. Sejam U na, n e n, a tensão nominal na armadura, o binário nominal e a velocidade nominal do DC, respectivamente. Nesta situação a região de funcionamento do (no plano binário versus velocidade angular ) encontra-se no: A) 1º Quadrante B) 2º Quadrante C) 1º e 2º Quadrantes D) 1º e 4º Quadrantes 4. Considere o sistema de controlo de velocidade de DC representado na figura. Sejam U na, n e n, a tensão nominal na armadura, o binário nominal e a velocidade nominal do DC, respectivamente. - n 2ºQ n 1ºQ n i F =const. 3ºQ 4ºQ - n, Suponha um conversor AC DC tal que U na U a U na permitindo a circulação de corrente eléctrica num só sentido (i.e., I a ). Nesta situação a região de funcionamento do (no plano binário versus velocidade angular ) encontra-se no: A) 1º e 4º Quadrantes B) 1º e 2º Quadrantes C) 2º Quadrante D) 1º Quadrante U a I a 5. Considere o sistema de controlo de velocidade de DC representado na figura. U a i F, Sejam U na e n, respectivamente a tensão nominal na armadura e a velocidade nominal do DC. Então, para i F constante, variando a tensão tal que U a < U na aplicada pelo conversor à armadura do resulta: A) Uma velocidade > n B) Uma velocidade < n C) A tensão U a não tem influência em D) Outro resultado 2

4 6. Considere o sistema de controlo de velocidade de DC representado na figura. Sejam {U an, I an } e { n, n } respectivamente, a tensão e a corrente nominais na armadura e o binário e a velocidade nominal. U a i A i F =const, Suponha um conversor tal que U an U a U an, I an i A I an e que a corrente de excitação i F é mantida constante no valor nominal i Fn. Então, é possível: A) Velocidades n n e frenagem com recuperação de energia B) Velocidades > n e não permite frenagem com recuperação de energia C) Somente o binário = n para velocidades n n D) Binários n n para somente a velocidade = n 7. Considere o sistema de controlo de velocidade de de corrente contínua de excitação separada controlado pela armadura. Sejam, respectivamente, e Τ a velocidade e o binário desenvolvido pelo e u a e i a a tensão e corrente na armadura do. Então, em regime permanente, pode dizer-se que: A) Um aumento da tensão fornecida u a origina um aumento do binário desenvolvido pelo B) Um aumento do binário solicitado pela carga ao origina um aumento da corrente i a C) Não é possível variar a velocidade D) Outra situação 8. Considere o sistema de controlo de velocidade de DC representado na figura. Sejam U na e n, respectivamente a tensão nominal na armadura e a velocidade nominal do DC. U a i F, Então, mantendo constante a tensão U a = U na aplicada pelo conversor à armadura do e variando a corrente de excitação i Fn i F i Fn (onde i Fn é o valor nominal) resulta: A) Uma velocidade > n B) Uma velocidade < n C) A corrente i Fn não tem influência em D) Outro resultado 3

5 9. Considere o sistema de controlo de velocidade de DC representado na figura. Sejam U na, I Fn e n, respectivamente, a tensão nominal na armadura, a corrente nominal de excitação e a velocidade nominal do DC. U a i F, Suponha um conversor com U na U a U na e permitindo a circulação de corrente eléctrica num só sentido. Então, é possível obter: A) Uma frenagem com recuperação de energia B) Velocidades superiores à nominal se i F > I Fn C) Velocidades superiores à nominal se U a U na D) Outro resultado 1. Considere o sistema de controlo de velocidade de DC representado na figura. Sejam U a, i F, e Τ, respectivamente, a tensão na armadura, a corrente de excitação, a velocidade e o binário do DC. Suponha que os conversores são totalmente tiristorizados e que os conversores 1 e 2 estão montados numa configuração anti-paralelo. Então, a situação que melhor se adapta a um funcionamento típico do sistema vem: 1 Bobine interfases 2 i F Rectificador ~ U a, A) O DC pode funcionar nos quatro quadrantes de binário versus velocidade, com valores de velocidade não superiores ao nominal B) O DC pode funcionar em dois quadrantes de binário versus velocidade, com valores de velocidade não superiores ao nominal C) O DC pode funcionar em dois quadrantes de binário versus velocidade, com valores seja inferiores seja superiores aos nominais D) Outro caso 4

6 11. Considere o sistema de controlo de velocidade de um DC através do conversor DC/DC representado na figura. Os parâmetros do sistema são os seguintes: - ensão aplicada U=1 V. - Parâmetros do : Resistência da armadura R a (Ω) Indutância da armadura L a (mh) Constante do K m (V/rpm),5 1,5 - Carga solicita uma corrente na armadura constante de Ia = 1 A. - t on : intervalo de tempo em que o interruptor está ligado (on). - t off : intervalo de tempo em que o interruptor está desligado (off). - =t on t off : período do sinal PWM (Pulse Width Modulation). a) Para um duty cycle D 1 =t on / do interruptor do conversor, o roda à velocidade N 1. Então, para um duty cycle D 2 >D 1, o rodará a uma velocidade N 2, tal que: A) N 2 <N 1 B) N 2 =N 1 C) N 2 >N 1 D) Outro resultado b) A velocidade máxima N máx que o atinge é de: A) N máx =22 rpm B) N máx =19 rpm C) N máx =2 rpm D) N máx =15 rpm 12. Um DC de ímans permanentes possui as seguintes características: P n = 4 kw; U n = 23 V; n = 175 rpm. Este apresenta uma corrente I n = 25 A à carga nominal e uma resistência do circuito da armadura de R a =.97 Ω. Considere desprezáveis as perdas mecânicas do. a) Determine a velocidade de rotação deste quando o binário de carga é L = 15 Nm e a tensão aplicada aos terminais do circuito da armadura é U a = 23 V. b) Determine a tensão que deve ser aplicada aos terminais do circuito da armadura de forma a que o rode a metade da velocidade nominal com o mesmo binário de carga aplicado ( L = 15 Nm). 5

7 13. Considere um sistema de controlo do e as curvas () de binário versus velocidade para o e a carga representados na figura. carga n Então, o sistema electrónico de alimentação do consiste em: A) C) AC AC,, B) alimentação DC D) Outro Inversor, 14. Considere o sistema de controlo de velocidade de accionando uma carga, conforme representado na figura, onde s e Τ representam, respectivamente, o deslizamento e o binário do. Além disso, seja f a frequência da tensão sinusoidal U fornecida pelo inversor. Então, a curva (s) de binário versus deslizamento que melhor se adapta ao funcionamento típico deste sistema no modo U/f constante deverá ser da forma: A) B) C) D) carga s carga s carga carga s s 6

8 15. Considere o sistema de controlo de velocidade de accionando uma carga, conforme representado na figura, onde e Τ representam, respectivamente, a velocidade e o binário. Considere que os valores nominais da tensão e frequência de alimentação são, respectivamente, U n e f n. Além disso, seja n a velocidade nominal do e f a frequência da tensão sinusoidal U fornecida pelo inversor. Inversor U, f, Então, a curva de tensão versus frequência de alimentação U(f) deverá ser da forma: A) U B) U C) U D) U U n U n U n U n f f f f f n f n f n f n < n > n < n > n < n > n < n > n 16. Considere o sistema de controlo de velocidade () de representado na figura., Carga L () Então, para um binário de carga L (), variando o ângulo de disparo ψ dos tirístores obtém-se a característica: ( S velocidade de sincronismo para f=5hz e ψ 2 >ψ 1 >) A) B) Ψ= Ψ 1 L () Ψ 2 Ψ 1 Ψ= L () Ψ 2 S S C) Com o sistema representado na figura não é possível variar a velocidade de um. D) Outro resultado 7

9 17. Considere os dois sistemas de controlo do representados abaixo. Sistema 1 Sistema 2, Inversor, Sejam e, respectivamente as velocidades instantânea e o binário fornecido à carga. Então, pode afirmar-se que, em condições normais de funcionamento: A) Os sistemas 1 e 2 proporcionam uma eficiência energética idêntica B) O sistema 1 permite obter velocidades de rotação superiores à nominal C) Os dois sistemas permitem obter binários inferiores ao nominal D) Outro resultado 18. Considere o sistema de controlo de velocidade de accionando uma carga constituída por um ventilador, conforme representado na figura. Sejam velocidade instantânea do, n - velocidade nominal do, Τ binário instantâneo do, Τ n - binário nominal do., Carga Então, pode dizer-se que: A) O sistema permite obter binários Τ > Τ n (para qualquer valor de ) B) O sistema somente permite obter binários Τ < Τ n e velocidades < n C) O sistema permite obter somente velocidades > n D) O sistema permite obter somente velocidades = n 19. Considere o sistema de controlo do representado na figura. Sejam e n, respectivamente as velocidades instantânea e nominal do e o binário fornecido à carga., Então, o sistema introduz harmónicos de ordem elevada na tensão aplicada ao pelo que: A) Resulta uma velocidade > n B) Resulta somente a velocidade = n mas aumenta o binário fornecido à carga C) Melhora o rendimento energético do qualquer que seja a velocidade D) Outro resultado 8

10 2. Considere o sistema de controlo de velocidade de representado na figura. Inversor, ventilação forçada a) Dado que o sistema incorpora uma unidade de ventilação forçada pode afirmar-se que: A) A carga não solicita binários próximos do nominal para velocidades baixas B) A carga solicita binários próximos do nominal para velocidades baixas C) Para velocidades baixas a carga só solicita binários muito inferiores ao nominal D) O trabalha sempre a velocidades elevadas b) Seja f n = 5 Hz a frequência nominal da tensão de alimentação do. Para velocidades de funcionamento do superiores à nominal, o inversor deve providenciar uma tensão de alimentação com frequência f tal que: A) f = f n B) f < f n C) f > f n C) Indiferente 21. Considere o sistema de controlo de velocidade de síncrono accionando uma carga, conforme representado na figura, onde e Τ representam, respectivamente, a velocidade e o binário (δ - ângulo de carga). Seja f a frequência da tensão fornecida pelo inversor e seja f 1 < f 2 < f 3. Inversor síncrono ventilação forçada, Então, as curvas de binário versus velocidade () serão da forma: A) B) C) D) δ=9º δ=9º δ=9º δ=9º δ=º δ=º δ=º δ=º Considere um sistema de controlo de posição que adopta como actuador um passo a passo. Então, pode dizer-se que se trata de uma aplicação envolvendo: A) Potências muito elevadas (e.g. MW) B) Binários muito elevados (e.g. 1 Nm) C) Uma eficiência energética muito elevada D) Outro resultado 9

11 23. Considere o accionamento de uma carga através de um passo a passo. Então, em geral, trata-se de um accionamento requerendo: A) Elevados binários B) Facilidade de interface com circuito digital de controlo C) Elevadas potências D) Elevada eficiência energética 24. Considere a sequência temporal de excitação de fases de um passo a passo (com três fases) representada na figura. corrente na fase A corrente na fase B corrente na fase C tempo tempo tempo Então, pode dizer-se que se trata de uma sequência de excitação de fases de: A) Uma fase B) Meio passo C) Duas fases D) Outro resultado 25. Considere a alimentação de fases de um passo a passo com as fases A, B, C. A figura representa a corrente nas fases versus tempo. corrente fase A fase B t t fase C t Então, pode dizer-se que se trata de um modo de alimentação: A) Unipolar B) Bipolar C) Outro resultado 26. Considere a alimentação de um passo a passo com duas fases {A, B} representada na figura. corrente na fase A tempo corrente na fase B tempo Então, pode dizer-se que se trata de: A) Uma sequência de excitação de fases de uma fase B) Uma sequência de excitação de fases de meio passo C) Uma sequência de excitação de fases de duas fases D) Uma sequência de excitação de fases de Mini-passo (ou Micro-passo ) 1

12 27. Considere a alimentação bipolar de um passo a passo com duas fases {A,B} em que se pretende adoptar uma sequência de excitação de fases de meio passo. A figura mostra a corrente i A (t) na fase A, onde 8τ representa o período de repetição. I i A (t) corrente na fase A I tempo τ 2τ 3τ 4τ 5τ 6τ 7τ 8τ Então, a corrente na fase B vem: A) i B (t)=i se 2τ<t<3τ, i B (t)=i se 4τ<t<5τ, i B (t)= no restante B) i B (t)=i se τ<t<4τ, i B (t)=i se 5τ<t<8τ, i B (t)= no restante C) i B (t)=i se τ<t<3τ, i B (t)=i se 5τ<t<7τ, i B (t)= no restante D) Outro resultado 28. Considere a sequência temporal de excitação de fases de um passo a passo (com três fases {A,B,C} e alimentação bipolar) da figura onde i A, i B, i C e t representam, respectivamente, as correntes nas fases e o tempo. i A i B t i C t t Então, pode dizer-se que se trata de uma sequência de excitação de fases de: A) Uma fase B) Meio passo C) Duas fases D) Outro resultado 29. Considere a alimentação bipolar de um passo a passo com quatro fases {A,B,C,D}. A figura mostra a corrente i a (t) na fase A, durante um certo período de tempo. I I i a (t) tempo τ 2τ 3τ 4τ 5τ 6τ 7τ 8τ 9τ 1τ 11τ Sabendo que 8τ representa o período de repetição e que se trata de uma sequência de excitação de fases de meio passo, então, pode dizer-se que a alimentação da fase C vem: A) i c (t)=i se τ< t < 4τ, i c (t)=i se 5τ < t < 8τ, i c (t)= no restante, < t < 8τ B) i c (t)=i se 2τ < t < 5τ, i c (t)=i se 6τ < t < 9τ, i c (t)= no restante, τ < t < 9τ C) i c (t)=i se 3τ < t < 6τ, i c (t)=i se 7τ < t < 1τ, i c (t)= no restante, 2τ < t < 1τ D) Outro resultado 11

13 3. Considere a alimentação de um passo a passo no modo bipolar. Então, pode concluir-se que: A) O passo a passo é, necessariamente, de relutância variável B) O passo a passo é, necessariamente, de íman permanente ou híbrido C) Não é possível tirar conclusões sobre o tipo construtivo do passo a passo D) Outro resultado 31. Considere a característica () de binário versus velocidade de um passo a passo representada na figura. zona A zona B zona C Então, pode dizer-se que tipicamente se tem: A) zona A- sobrevelocidade, zona B- arranque/paragem, zona C- ressonância B) zona A- ressonância, zona B- arranque/paragem, zona C- sobrevelocidade C) zona A- ressonância, zona B- sobrevelocidade, zona C- arranque/paragem D) zona A- arranque/paragem, zona B- ressonância, zona C- sobrevelocidade 32. Considere a característica () de binário versus velocidade de um passo a passo representada na figura e uma carga mecânica composta por uma inércia J e um atrito B. zona A Então, pode dizer-se que a zona A A) É invariável com o valor de B B) É variável: () diminui para valores crescentes de B C) É variável: () aumenta para valores crescentes de B D) Outro resultado 33. Considere a característica () de binário versus velocidade de um passo a passo representada na figura. zona A Então, pode dizer-se que a zona A deve ser : A) Adoptada sempre pois o passo a passo apresenta maior eficiência B) Adoptada somente para circuitos de alimentação resistivos C) Evitada pois corresponde a uma instabilidade de funcionamento D) Não existe qualquer razão para adoptar ou evitar a zona A 12

14 34. Considere a característica () de binário versus velocidade de um passo a passo representada na figura. leg Então, se J representar a inércia do rotor e da carga, pode dizer-se que a legenda leg deve ser: A) leg = J crescente B) leg = J decrescente C) leg = J constante D) Outro resultado 35. Considere o circuito de alimentação de um passo a passo representado na figura. Então, trata-se de um circuito do tipo: A) resistivo B) chopper C) bipolar D) Outro tipo de circuito 36. Considere o circuito de alimentação de um passo a passo representado na figura. A introdução do condensador C em paralelo com a resistência série R s pode conduzir a uma melhoria do desempenho em certas situações conforme representado no gráfico binário vs velocidade. Explique, sucintamente, o papel do condensador C, as suas vantagens, limitações e/ou eventuais inconvenientes. 13

15 37. Considere o circuito de alimentação de um passo a passo (MPP) representado na figura seguinte. a) Descreva sucintamente o funcionamento deste circuito. b) Quais as principais vantagens e limitações deste circuito de alimentação dos enrolamentos de MPP? 38. Considere o circuito de alimentação de um passo a passo representado na figura. Quais são as principais vantagens e limitações deste circuito de alimentação dos enrolamentos de MPP. 14

16 39. Considere o passo a passo, multi-secção, com três fases {A, B, C} e 1 dentes no rotor, representado esquematicamente na figura. Determine o passo θ e indique o sentido de rotação quando se alimentam as fases na sequência S = CAB CAB Considere o sistema com um passo-a-passo (MPP) de relutância variável de 4 fases (A, B, C, D) e de 2 pólos representado na figura seguinte. S A S B A S C D B S D C Esboce as sequências temporais de excitação de um passo e de meio passo do MPP no sentido indirecto (i.e. sentido dos ponteiros do relógio) nos diagramas a seguir apresentados. Comece a sequência pela fase A e pela posição do rótor indicada na figura. 15

17 (soluções) Soluções 1. A 2. A (ver página 2.8 dos apontamentos das aulas teóricas) 3. D 4. B 5. B 6. A 7. B (ver página 2.6 dos apontamentos das aulas teóricas) 8. D > n e < n 9. D (ver página 2.12 dos apontamentos das aulas teóricas) 1. A 11. a) C 11. b) B U N = max max R K a I a 12. a) U = R I K a b a a K b = K 175 b =.12 V/rpm P = n 4 = 2π n = Nm = K I K i i = I n n a K i = = 1.64 Nm/A K i = K 12 b) U = R I K a a a b = 183 rpm 15 Ua = = 118,7 V B) 1

18 (soluções) 14. A) 15. D 16. A 17. C 18. B 19. D 2. a) B 2. b) C 21. C) 22. D 23. B 24. B 25. A 26. C 27. B 28. B 29. D a forma de onda da alimentação da fase C é simétrica da apresentada para a fase A 3. B 31. D 32. B 33. C 34. A 35. D (aula prática 7) 36. ver livro Motores passo a passo, pg. 52 (secção 4.5.1) 37. a) O circuito apresentado é o circuito de alimentação com multiplicação de tensão. Supondo o condensador C carregado à tensão de alimentação V cc, quando se inicia a alimentação de uma fase, o transístor é colocado em condução e o díodo D fica polarizado a V=2V cc. Com o fornecimento de corrente ao enrolamento, o condensador descarrega-se parcialmente. Dado que V=V cc v c, onde v c representa a tensão no condensador, a descarga de C implica a diminuição da tensão fornecida. Bloqueando o transístor a alimentação passa pelo díodo D pelo que a tensão fornecida vem V=V cc e o condensador recupera a carga através da resistência R s. 37 b) Este circuito de alimentação proporciona uma subida rápida da corrente através de um aumento da tensão aplicada aos enrolamentos resultante de uma pré-carga de um condensador. Esta estratégia é adoptada em 2

19 (soluções) regimes de arranque e paragem onde permite um desempenho superior ao de um simples circuito resistivo convencional. 38. Circuito de alimentação série. Ver livro Motores passo a passo, pg. 55 (secção 4.5.5) dentes/secção, 3 secções 36 º θ = = 12º 1 3 Sentido horário 4. página 2.36 dos apontamentos das aulas teóricas. 3

PROBLEMAS DE MÁQUINAS ELÉCTRICAS

PROBLEMAS DE MÁQUINAS ELÉCTRICAS PROBLEMAS DE MÁQUINAS ELÉCTRICAS 1. Um dinamo octopolar de 600 r.p.m. com enrolamento em série de 300 condutores activos tem um fluxo por pólo de 5x10 6 Maxwell. Calcule a força electromotriz produzida.

Leia mais

Eletromecânicos de Manutenção Industrial

Eletromecânicos de Manutenção Industrial Eletromecânicos de Manutenção Industrial Motor de passo a passo 2013/ 2014 1 Motores passo a passo Os motores de passo são dispositivos eletromecânicos que convertem pulsos elétricos em movimentos mecânicos

Leia mais

Disciplina: Eletrônica de Potência (ENGC48)

Disciplina: Eletrônica de Potência (ENGC48) Universidade Federal da Bahia Escola Politécnica Departamento de Engenharia Elétrica Disciplina: Eletrônica de Potência (ENGC48) Tema: Conversores CA-CC Monofásicos Controlados Prof.: Eduardo Simas eduardo.simas@ufba.br

Leia mais

AS DIFERENTES TECNOLOGIAS

AS DIFERENTES TECNOLOGIAS Temática Energias Renováveis Capítulo Energia Eólica Secção AS DIFERENTES TECNOLOGIAS INTRODUÇÃO Nesta secção apresentam-se as diferentes tecnologias usadas nos sistemas eólicos, nomeadamente, na exploração

Leia mais

ESTUDO APLICADO DE UMA EÓLICA

ESTUDO APLICADO DE UMA EÓLICA Temática Energias Renováveis Capítulo Energia Eólica Secção ESTUDO APLICADO DE UMA EÓLICA INTRODUÇÃO Nesta exposição apresentam-se as equações e os conhecimentos necessários para a resolução dos exercícios.

Leia mais

Departamento de Engenharia Elétrica Conversão de Energia I Lista de Exercícios: Máquinas Elétricas de Corrente Contínua Prof. Clodomiro Vila.

Departamento de Engenharia Elétrica Conversão de Energia I Lista de Exercícios: Máquinas Elétricas de Corrente Contínua Prof. Clodomiro Vila. Departamento de Engenharia Elétrica Conversão de Energia I Lista de Exercícios: Máquinas Elétricas de Corrente Contínua Prof. Clodomiro Vila. Ex. 0) Resolver todos os exercícios do Capítulo 7 (Máquinas

Leia mais

PEA 2404 - MÁQUINAS ELÉTRICAS E ACIONAMENTOS 113 MÉTODOS DE ALIMENTAÇÃO DOS MOTORES UTILIZADOS EM ACIONAMENTOS

PEA 2404 - MÁQUINAS ELÉTRICAS E ACIONAMENTOS 113 MÉTODOS DE ALIMENTAÇÃO DOS MOTORES UTILIZADOS EM ACIONAMENTOS PEA 2404 - MÁQUINAS ELÉTRICAS E ACIONAMENTOS 113 MÉTODOS DE ALIMENTAÇÃO DOS MOTORES UTILIZADOS EM ACIONAMENTOS Acionamentos de velocidade variável PEA 2404 - MÁQUINAS ELÉTRICAS E ACIONAMENTOS 114 MÉTODOS

Leia mais

Máquinas Eléctricas I

Máquinas Eléctricas I I Máquinas Síncronas Luis Pestana Resumo Máquinas Síncronas Generalidades Principio de funcionamento Aspectos construtivos O gerador síncrono em carga com cargas isoladas Curvas de regulação ligado a um

Leia mais

PRINCIPIO DE FUNCIONAMENTO. Máquinas de corrente contínua

PRINCIPIO DE FUNCIONAMENTO. Máquinas de corrente contínua PRINCIPIO DE FUNCIONAMENTO de corrente contínua GERADOR ELEMENTAR GERADOR ELEMENTAR Regra da Mão Direita e = Blv F = Bli Bornes das de Corrente Contínua Nomenclatura a utilizar nos enrolamentos de máquinas

Leia mais

Trabalho nº 1 Transformador Monofásico

Trabalho nº 1 Transformador Monofásico Trabalho nº 1 Transformador Monofásico O presente trabalho prático laboratorial é composto por um conjunto de ensaios que visam obter o circuito eléctrico equivalente dum transformador. Material necessário

Leia mais

LABORATÓRIOS INTEGRADOS II

LABORATÓRIOS INTEGRADOS II LABORATÓRIOS INTEGRADOS II Trabalhos de MÁQUINAS ELÉCTRICAS 98 / 99 1 INTRODUÇÃO Estes trabalhos consistem na utilização, ensaio ou montagem de algumas das máquinas eléctricas de uso mais frequente, nomeadamente:

Leia mais

Compensação. de Factor de Potência

Compensação. de Factor de Potência Compensação de Factor de Potência oje em dia, praticamente todas as instalações eléctricas têm associadas aparelhos indutivos, nomeadamente, motores e transformadores. Este equipamentos necessitam de energia

Leia mais

TRABALHO LABORATORIAL Nº 4

TRABALHO LABORATORIAL Nº 4 ESCOLA SUPERIOR NÁUTICA INFANTE D. HENRIQUE DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA MARÍTIMA M422 - SISTEMAS E INSTRALAÇÕES ELÉCTRICAS DE NAVIOS TRABALHO LABORATORIAL Nº 4 ENSAIO DA MÁQUINA SÍNCRONA Por: Prof. José

Leia mais

EQUIPAMENTO ELÉCTRICO DOS GERADORES EÓLICOS

EQUIPAMENTO ELÉCTRICO DOS GERADORES EÓLICOS UNIVERSIDADE TÉCNICA DE LISBOA INSTITUTO SUPERIOR TÉCNICO DEEC / Secção de Energia Energias Renováveis e Produção Descentralizada EQUIPAMENTO ELÉCTRICO DOS GERADORES EÓLICOS 1ª Parte Princípio de funcionamento

Leia mais

SISTEMAS ELECTROMECÂNICOS

SISTEMAS ELECTROMECÂNICOS Departamento de Engenharia Electrotécnica e de Computadores GUIAS DE LABORATÓRIO DE SISTEMAS ELECTROMECÂNICOS (LIC. ENGENHARIA AEROESPACIAL) Funcionamento motor da máquina de corrente contínua: características

Leia mais

DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA MARÍTIMA Curso de Engenharia de Sistemas Electrónicos e Marítimos. TRABALHO LABORATORIAL nº 2 de ELECTRÓNICA II

DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA MARÍTIMA Curso de Engenharia de Sistemas Electrónicos e Marítimos. TRABALHO LABORATORIAL nº 2 de ELECTRÓNICA II DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA MARÍTIMA Curso de Engenharia de Sistemas Electrónicos e Marítimos TRABALHO LABORATORIAL nº 2 de ELECTRÓNICA II Osciladores Trabalho prático nº 2 Paulo Chaves 1/7 1. INTRODUÇÃO

Leia mais

Eletrônica Analógica e de Potência

Eletrônica Analógica e de Potência Eletrônica Analógica e de Potência Conversores CC-CC Prof.: Welbert Rodrigues Introdução Em certas aplicações é necessário transformar uma tensão contínua em outra com amplitude regulada; Em sistemas CA

Leia mais

LABORATÓRIOS INTEGRADOS II TRABALHOS PRÁTICOS DE MÁQUINAS ELÉCTRICAS

LABORATÓRIOS INTEGRADOS II TRABALHOS PRÁTICOS DE MÁQUINAS ELÉCTRICAS Laboratórios Integrados II Trabalhos Práticos de Máquinas Eléctricas 2004/2005 LABORATÓRIOS INTEGRADOS II TRABALHOS PRÁTICOS DE MÁQUINAS ELÉCTRICAS Introdução Estes trabalhos consistem na utilização, ensaio

Leia mais

Introdução. Aplicações

Introdução. Aplicações Motor de Passo Introdução Os motores de passo preenchem um nicho único no mundo dos motores controlados. Estes motores são usualmente empregados em aplicações de medição e de controle. Aplicações Aplicações

Leia mais

Conhecer as características de conjugado mecânico

Conhecer as características de conjugado mecânico H4- Conhecer as características da velocidade síncrona e do escorregamento em um motor trifásico; H5- Conhecer as características do fator de potência de um motor de indução; Conhecer as características

Leia mais

LABORATÓRIOS E PRÁTICAS INTEGRADAS I PRÁTICAS LABORATORIAIS DE MÁQUINAS ELÉCTRICAS

LABORATÓRIOS E PRÁTICAS INTEGRADAS I PRÁTICAS LABORATORIAIS DE MÁQUINAS ELÉCTRICAS LABORATÓRIOS E PRÁTICAS INTEGRADAS I PRÁTICAS LABORATORIAIS DE MÁQUINAS ELÉCTRICAS Introdução Estas Práticas Laboratoriais consistem na utilização, ensaio ou montagem de algumas das máquinas eléctricas

Leia mais

4. Conversores de corrente continua-corrente contínua com isolamento

4. Conversores de corrente continua-corrente contínua com isolamento onversores com isolamento galvânico 4. onversores de corrente continuacorrente contínua com isolamento Exercício nº4.1 Pretendese dimensionar um conversor redutor com isolamento galvânico para controlar

Leia mais

Revisão. Gerador Síncrono Tensão induzida no enrolamento do estator

Revisão. Gerador Síncrono Tensão induzida no enrolamento do estator Revisão Gerador Síncrono Tensão induzida no enrolamento do estator Revisão Motor de Indução Geração do campo girante do estator Revisão Motor de Indução Velocidade de rotação do campo girante do estator

Leia mais

Eletrônica Industrial Apostila sobre Modulação PWM página 1 de 6 INTRODUÇÃO

Eletrônica Industrial Apostila sobre Modulação PWM página 1 de 6 INTRODUÇÃO Eletrônica Industrial Apostila sobre Modulação PWM página 1 de 6 Curso Técnico em Eletrônica Eletrônica Industrial Apostila sobre Modulação PWM Prof. Ariovaldo Ghirardello INTRODUÇÃO Os controles de potência,

Leia mais

O que é o motor de passo?

O que é o motor de passo? Universidade Federal Fluminense Centro Tecnológico Escola de Engenharia Curso de Engenharia de Telecomunicações Programa de Educação Tutorial Grupo PET-Tele Motor de Passo Autor atual: Felipe Gonçalves

Leia mais

Figura 1: Ensaio em vazio implementado

Figura 1: Ensaio em vazio implementado Ensaios do Motor Estes ensaios foram indispensáveis, pois foi necessário estimar a resistência por fase e indutância de fugas do motor. Isto foi conseguido operando o motor DC brushless como gerador, com

Leia mais

Escola de Educação Profissional SENAI Visconde de Mauá

Escola de Educação Profissional SENAI Visconde de Mauá Escola de Educação Profissional SENAI Visconde de Mauá Automação Industrial Porto Alegre, Maio de 2014 Revisão: A Prof Vander Campos Conhecer os princípios básicos do inversor de frequência; Saber interpretar

Leia mais

ACIONAMENTOS ELETRÔNICOS (INVERSOR DE FREQUÊNCIA)

ACIONAMENTOS ELETRÔNICOS (INVERSOR DE FREQUÊNCIA) ACIONAMENTOS ELETRÔNICOS (INVERSOR DE FREQUÊNCIA) 1. Introdução 1.1 Inversor de Frequência A necessidade de aumento de produção e diminuição de custos faz surgir uma grande infinidade de equipamentos desenvolvidos

Leia mais

Sensores e Atuadores (2)

Sensores e Atuadores (2) (2) 4º Engenharia de Controle e Automação FACIT / 2009 Prof. Maurílio J. Inácio Atuadores São componentes que convertem energia elétrica, hidráulica ou pneumática em energia mecânica. Através dos sistemas

Leia mais

Servos - Analo gicos e Digitais - Funcionamento, uso e diferenças entre eles!

Servos - Analo gicos e Digitais - Funcionamento, uso e diferenças entre eles! Servos - Analo gicos e Digitais - Funcionamento, uso e diferenças entre eles! É importante lembrar que esta matéria serve para qualquer tipo de servo utilizado em aeromodelismo. Figura 1 Um dos diversos

Leia mais

ABAIXO ENCONTRAM-SE 10 QUESTÕES. VOCÊ DEVE ESCOLHER E RESPONDER APENAS A 08 DELAS

ABAIXO ENCONTRAM-SE 10 QUESTÕES. VOCÊ DEVE ESCOLHER E RESPONDER APENAS A 08 DELAS ABAIXO ENCONTRAM-SE 10 QUESTÕES. VOCÊ DEVE ESCOLHER E RESPONDER APENAS A 08 DELAS 01 - Questão Esta questão deve ser corrigida? SIM NÃO Um transformador de isolação monofásico, com relação de espiras N

Leia mais

PROVA DE AVALIAÇÃO TÉCNICO-MILITAR (PARTE ESPECÍFICA) Mecânicos de Electricidade MELECT

PROVA DE AVALIAÇÃO TÉCNICO-MILITAR (PARTE ESPECÍFICA) Mecânicos de Electricidade MELECT PROVA DE AVALIAÇÃO TÉCNICO-MILITAR (PARTE ESPECÍFICA) Mecânicos de MELECT ESTRUTURA DA PROVA Disciplina Capítulo Nº de questões Automação 01 3 02 2 03 2 01 1 Instalações Eléctricas 03 1 04 1 05 1 06 1

Leia mais

MANUAL. Leia cuidadosamente este manual antes de ligar o Driver. A Neoyama Automação se reserva no direito de fazer alterações sem aviso prévio.

MANUAL. Leia cuidadosamente este manual antes de ligar o Driver. A Neoyama Automação se reserva no direito de fazer alterações sem aviso prévio. 1 P/N: AKDMP5-1.7A DRIVER PARA MOTOR DE PASSO MANUAL ATENÇÃO Leia cuidadosamente este manual antes de ligar o Driver. A Neoyama Automação se reserva no direito de fazer alterações sem aviso prévio. 2 SUMÁRIO

Leia mais

Figura 1 - Diagrama de Bloco de um Inversor Típico

Figura 1 - Diagrama de Bloco de um Inversor Típico Guia de Aplicação de Partida Suave e Inversores CA Walter J Lukitsch PE Gary Woltersdorf John Streicher Allen-Bradley Company Milwaukee, WI Resumo: Normalmente, existem várias opções para partidas de motores.

Leia mais

CONVERSORES E CONTROLADORES DE FASE. Circuitos de retificação monofásicos

CONVERSORES E CONTROLADORES DE FASE. Circuitos de retificação monofásicos CONVERSORES E CONTROLADORES DE FASE Um conversor é um equipamento utilizado para converter potência alternada em potência contínua. Num conversor simples, que usa somente diodos retificadores, a tensão

Leia mais

Processos em Engenharia: Introdução a Servomecanismos

Processos em Engenharia: Introdução a Servomecanismos Processos em Engenharia: Introdução a Servomecanismos Prof. Daniel Coutinho coutinho@das.ufsc.br Departamento de Automação e Sistemas DAS Universidade Federal de Santa Catarina UFSC DAS 5101 - Aula 7 p.1/47

Leia mais

TRABALHO LABORATORIAL Nº 3

TRABALHO LABORATORIAL Nº 3 ESCOLA SUPERIOR NÁUTICA INFANTE D. HENRIQUE DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA MARÍTIMA M422 - SISTEMAS E INSTALAÇÕES ELÉCTRICAS DE NAVIOS TRABALHO LABORATORIAL Nº 3 ENSAIO DE UMA MÁQUINA ASSÍNCRONA TRIFÁSICA

Leia mais

Auto - Transformador Monofásico

Auto - Transformador Monofásico Auto - Transformador Monofásico Transformação de Tensão Transformação de tensão para várias tensões de entrada: U 2, U 3, U 23 = f (U 1 ) 1.1. - Generalidades A função do transformador é transformar a

Leia mais

Inversores de freqüência. Introdução

Inversores de freqüência. Introdução Inversores de freqüência Introdução Desde que os primeiros motores surgiram, os projetistas perceberam uma necessidade básica, controlar sua velocidade, várias técnicas foram utilizadas ao longo dos anos

Leia mais

DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA DEE CURSO DE ENGENHARIA ELÉTRICA

DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA DEE CURSO DE ENGENHARIA ELÉTRICA LABORATÓRIO 9: Acionamento de Motores Assíncronos Trifásicos e Monofásicos Objetivo: Verificar alguns tipos de acionamento de motores elétricos de indução trifásicos e monofásicos. Teoria: Os motores elétricos,

Leia mais

Técnico em Eletrotécnica

Técnico em Eletrotécnica Técnico em Eletrotécnica Caderno de Questões Prova Objetiva 2015 01 Em uma corrente elétrica, o deslocamento dos elétrons para produzir a corrente se deve ao seguinte fator: a) fluxo dos elétrons b) forças

Leia mais

Eletrotécnica Geral. Lista de Exercícios 2

Eletrotécnica Geral. Lista de Exercícios 2 ESCOLA POLITÉCNICA DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO PEA - Departamento de Engenharia de Energia e Automação Elétricas Eletrotécnica Geral Lista de Exercícios 2 1. Condutores e Dispositivos de Proteção 2. Fornecimento

Leia mais

PLANIFICAÇÃO MODULAR ANO LECTIVO 2012 / 2013

PLANIFICAÇÃO MODULAR ANO LECTIVO 2012 / 2013 CURSO/CICLO DE FORMAÇÃO: Técnico de Instalações Elétricas DISCIPLINA: Eletricidade / Eletrónica N.º TOTAL DE MÓDULOS: 8 PLANIFICAÇÃO MODULAR ANO LECTIVO 2012 / 2013 N.º 1 30 Corrente Contínua Identificar

Leia mais

EXERCÍCIOS CORRIGIDOS

EXERCÍCIOS CORRIGIDOS Temática Energias Renováveis Capítulo Energia Eólica Secção EXERCÍCIOS CORRIGIDOS INTRODUÇÃO Vamos testar os conhecimentos adquiridos; para o efeito, propõem-se seis exercícios de diferentes dificuldades:

Leia mais

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular CONVERSORES DE ENERGIA Ano Lectivo 2013/2014

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular CONVERSORES DE ENERGIA Ano Lectivo 2013/2014 Programa da Unidade Curricular CONVERSORES DE ENERGIA Ano Lectivo 2013/2014 1. Unidade Orgânica Ciências da Economia e da Empresa (1º Ciclo) 2. Curso Engenharia Electrotécnica e de Computadores 3. Ciclo

Leia mais

MANUAL. - Leia cuidadosamente este manual antes de ligar o Driver. - A Neoyama Automação se reserva no direito de fazer alterações sem aviso prévio.

MANUAL. - Leia cuidadosamente este manual antes de ligar o Driver. - A Neoyama Automação se reserva no direito de fazer alterações sem aviso prévio. 1 P/N: AKDMP16-4.2A DRIVER PARA MOTOR DE PASSO MANUAL ATENÇÃO: - Leia cuidadosamente este manual antes de ligar o Driver. - A Neoyama Automação se reserva no direito de fazer alterações sem aviso prévio.

Leia mais

MOTORES ELÉTRICOS Princípios e fundamentos

MOTORES ELÉTRICOS Princípios e fundamentos MOTORES ELÉTRICOS Princípios e fundamentos 1 Classificação 2 3 Estator O estator do motor e também constituido por um núcleo ferromagnético laminado, nas cavas do qual são colocados os enrolamentos alimentados

Leia mais

Tutorial de Eletrônica Aplicações com 555 v2010.05

Tutorial de Eletrônica Aplicações com 555 v2010.05 Tutorial de Eletrônica Aplicações com 555 v2010.05 Linha de Equipamentos MEC Desenvolvidos por: Maxwell Bohr Instrumentação Eletrônica Ltda. Rua Porto Alegre, 212 Londrina PR Brasil http://www.maxwellbohr.com.br

Leia mais

Geradores CC Parte 2 Adrielle C. Santana

Geradores CC Parte 2 Adrielle C. Santana Geradores CC Parte 2 Adrielle C. Santana Aplicações dos Geradores CC Atualmente com o uso de inversores de frequência e transformadores, tornou-se fácil a manipulação da Corrente Alternada. Como os geradores

Leia mais

CAPÍTULO 2 - TIPOS DE MÁQUINAS ASSÍNCRONAS TRIFÁSICAS

CAPÍTULO 2 - TIPOS DE MÁQUINAS ASSÍNCRONAS TRIFÁSICAS CAPÍTULO 2 - TIPOS DE MÁQUINAS ASSÍNCRONAS TRIFÁSICAS 2.1 INTRODUÇÃO O objetivo do presente trabalho é estudar o funcionamento em regime permanente e em regime dinâmico da Máquina Assíncrona Trifásica

Leia mais

Utilização de Inversores de Freqüência para Diminuição de Consumo de Energia Elétrica em Sistemas de Bombeamento

Utilização de Inversores de Freqüência para Diminuição de Consumo de Energia Elétrica em Sistemas de Bombeamento VI SEREA Seminário Iberoamericano sobre Sistemas de Abastecimento Urbano de Água EFICIÊNCIA HIDRÁULICA E ENERGÉTICA EM SANEAMENTO Utilização de Inversores de Freqüência para Diminuição de Consumo de Energia

Leia mais

Eletromecânicos de Manutenção Industrial

Eletromecânicos de Manutenção Industrial Eletromecânicos de Manutenção Industrial 2013/ 2014 1 Motor de indução trifásico Máquina capaz de transformar energia elétrica em energia mecânica 2 Motor elétrico Noções fundamentais Máquina destinada

Leia mais

Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Comissão Permanente de Concurso Público CONCURSO PÚBLICO 23 / MAIO / 2010

Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Comissão Permanente de Concurso Público CONCURSO PÚBLICO 23 / MAIO / 2010 Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Comissão Permanente de Concurso Público PR CONCURSO PÚBLICO 23 / MAIO / 2010 ÁREA / SUBÁREA: ELETROTÉCNICA GABARITO MÁQUINAS ELÉTRICAS

Leia mais

EFICIÊNCIA ENERGÉTICA E ACIONAMENTOS DE MOTORES

EFICIÊNCIA ENERGÉTICA E ACIONAMENTOS DE MOTORES EFICIÊNCIA ENERGÉTICA E ACIONAMENTOS DE MOTORES Introdução Um acionamento elétrico moderno é formado normalmente pela combinação dos seguintes elementos: MOTOR: converte energia elétrica em energia mecânica

Leia mais

Levantamento da Característica de Magnetização do Gerador de Corrente Contínua

Levantamento da Característica de Magnetização do Gerador de Corrente Contínua Experiência IV Levantamento da Característica de Magnetização do Gerador de Corrente Contínua 1. Introdução A máquina de corrente contínua de fabricação ANEL que será usada nesta experiência é a mostrada

Leia mais

Introdução: Inversor de Freqüência: Princípios Básicos:

Introdução: Inversor de Freqüência: Princípios Básicos: Introdução: Inversor de Freqüência: Atualmente, a necessidade de aumento de produção e diminuição de custos, se fez dentro deste cenário surgir a automação, ainda em fase inicial no Brasil, com isto uma

Leia mais

Eletrônicos PAE. Componente Curricular: Práticas de Acionamentos. 5.ª Prática Inversor de Frequência Vetorial da WEG CFW-08

Eletrônicos PAE. Componente Curricular: Práticas de Acionamentos. 5.ª Prática Inversor de Frequência Vetorial da WEG CFW-08 1 Componente Curricular: Práticas de Acionamentos Eletrônicos PAE 5.ª Prática Inversor de Frequência Vetorial da WEG CFW-08 OBJETIVO: 1) Efetuar a programação por meio de comandos de parametrização para

Leia mais

MANUAL DRIVE PARA MOTOR DE PASSO MODELO AKDMP5-5.0A

MANUAL DRIVE PARA MOTOR DE PASSO MODELO AKDMP5-5.0A MANUAL DRIVE PARA MOTOR DE PASSO MODELO AKDMP5-5.0A V01R12 Atenção: - Leia cuidadosamente este manual antes de ligar o Driver. - A Akiyama Tecnologia se reserva no direito de fazer alterações sem aviso

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA COLÉGIO TÉCNICO INDUSTRIAL DE SANTA MARIA Curso de Eletrotécnica

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA COLÉGIO TÉCNICO INDUSTRIAL DE SANTA MARIA Curso de Eletrotécnica UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA COLÉGIO TÉCNICO INDUSTRIAL DE SANTA MARIA Curso de Eletrotécnica Apostila de Automação Industrial Elaborada pelo Professor M.Eng. Rodrigo Cardozo Fuentes Prof. Rodrigo

Leia mais

AULAS 03-04 UNIDADE 1 DINÂMICA DE MÁQUINAS ELÉTRICAS (DME) Prof. Ademir Nied ademir.nied@udesc.br

AULAS 03-04 UNIDADE 1 DINÂMICA DE MÁQUINAS ELÉTRICAS (DME) Prof. Ademir Nied ademir.nied@udesc.br Universidade do Estado de Santa Catarina Departamento de Engenharia Elétrica Curso de Pós-Graduação em Engenharia Elétrica AULAS 03-04 UNIDADE 1 DINÂMICA DE MÁQUINAS ELÉTRICAS (DME) Prof. Ademir Nied ademir.nied@udesc.br

Leia mais

Acionamento de Motores CA

Acionamento de Motores CA Fundação Universidade Federal ACIONAMENTOS de Mato Grosso do CA Sul 1 Acionamentos Eletrônicos de Motores Acionamento de Motores CA Prof. Márcio Kimpara Prof. João Onofre. P. Pinto Universidade Federal

Leia mais

MANUAL DRIVE PARA MOTOR DE PASSO MODELO AKDMP5-3.5A

MANUAL DRIVE PARA MOTOR DE PASSO MODELO AKDMP5-3.5A MANUAL DRIVE PARA MOTOR DE PASSO MODELO AKDMP5-3.5A V01R12 Atenção: - Leia cuidadosamente este manual antes de ligar o Driver. - A Akiyama Tecnologia se reserva no direito de fazer alterações sem aviso

Leia mais

Motor de Corrente Contínua e Motor Universal

Motor de Corrente Contínua e Motor Universal Capítulo 14 Motor de Corrente Contínua e Motor Universal Objetivos: Entender o princípio de funcionamento Analisar as características operacionais destes motores ONDE EXISTE ESTE TIPO DE ROTOR? ESPIRA

Leia mais

Motores de Indução ADRIELLE DE CARVALHO SANTANA

Motores de Indução ADRIELLE DE CARVALHO SANTANA ADRIELLE DE CARVALHO SANTANA Motores CA Os motores CA são classificados em: -> Motores Síncronos; -> Motores Assíncronos (Motor de Indução) O motor de indução é o motor CA mais usado, por causa de sua

Leia mais

PROVA ESPECÍFICA Cargo 18

PROVA ESPECÍFICA Cargo 18 27 PROVA ESPECÍFICA Cargo 18 QUESTÃO 41 De acordo com a NBR 5410, em algumas situações é recomendada a omissão da proteção contra sobrecargas. Dentre estas situações estão, EXCETO: a) Circuitos de comando.

Leia mais

Motores de Corrente Contínua:

Motores de Corrente Contínua: p. 1/2 Motores de Corrente Contínua: I F R F I A R A I L V F N F E A ω mec T mec T ele CARGA Máquina CC operando como MOTOR: 1. Inicialmente a máquina se encontra em repouso (ω m = 0); 2. Alimenta-se o

Leia mais

Sistemas de Força Motriz

Sistemas de Força Motriz Sistemas de Força Motriz Introdução; Os Dados de Placa; Rendimentos e Perdas; Motor de Alto Rendimento; Partidas de Motores; Técnicas de Variação de Velocidade; Exemplos; Dicas CONSUMO DE ENERGIA POR RAMO

Leia mais

CORRECÇÃO DO FACTOR DE POTÊNCIA DE UMA INSTALAÇÃO ELÉCTRICA

CORRECÇÃO DO FACTOR DE POTÊNCIA DE UMA INSTALAÇÃO ELÉCTRICA CORRECÇÃO DO FACTOR DE POTÊNCIA DE UMA INSTALAÇÃO ELÉCTRICA Sobre o custo da energia eléctrica inside, consideravelmente, a penalização por baixo factor de potência (Cos ϕ) de acordo com o contrato com

Leia mais

DINÂMICA DE MÁQUINAS

DINÂMICA DE MÁQUINAS DINÂMICA DE MÁQUINAS CAPITULO 2 Momentos de inércia de componentes de máquinas com diferentes geometrias 1. O corpo composto mostrado na figura consiste em uma barra esbelta de 3 kg e uma placa fina de

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS A respeito de sistemas de distribuição de energia elétrica, julgue os itens a seguir. 4 Ao operar em tensão secundária, um sistema de distribuição de energia elétrica funciona

Leia mais

Economia de Energia com Eficiência nos Accionamentos Eficientes

Economia de Energia com Eficiência nos Accionamentos Eficientes Economia de Energia com Eficiência nos Accionamentos Eficientes 1 João Pratas SEW-EURODRIVE EURODRIVE PORTUGAL Departamento de Engenharia Apresentação da SEW-EURODRIVE Portugal Introdução 2 Sistemas de

Leia mais

Comando de motor passo a passo bipolar

Comando de motor passo a passo bipolar Comando de motor passo a passo bipolar Associado a um microprocessador ou simplesmente ligada à tomada paralelo dum computador, esta montagem permitirá o comando dum motor passo a passo de tipo bipolar.

Leia mais

ÃO AO CURSO LEGENDA WS 01 S 01 ENGENHARIA ELÉTRICA. Valor: 1,0. 1 a QUESTÃO. Tomada de 350 W. Luminária de 250 W monofásica. Interruptor simples

ÃO AO CURSO LEGENDA WS 01 S 01 ENGENHARIA ELÉTRICA. Valor: 1,0. 1 a QUESTÃO. Tomada de 350 W. Luminária de 250 W monofásica. Interruptor simples CONCURSO DE ADMISSÃ ÃO AO CURSO DE FORMAÇÃO ENGENHARIA ELÉTRICA CADERNO DE QUESTÕES 2009 1 a QUESTÃO Valor: 1,0 3m 02 g 3m 3m 4m 3m e 6m 4m 6m 6m d 4m 4m 02 02 02 4m 02 S g f 4m S S f e 4m c S d WS ab

Leia mais

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular CONVERSORES DE ENERGIA Ano Lectivo 2010/2011

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular CONVERSORES DE ENERGIA Ano Lectivo 2010/2011 Programa da Unidade Curricular CONVERSORES DE ENERGIA Ano Lectivo 2010/2011 1. Unidade Orgânica Ciências da Economia e da Empresa (1º Ciclo) 2. Curso Engenharia Electrotécnica e de Computadores 3. Ciclo

Leia mais

UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ. Câmpus Ponta Grossa Coordenação do Curso Superior de Tecnologia em Automação Industrial

UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ. Câmpus Ponta Grossa Coordenação do Curso Superior de Tecnologia em Automação Industrial UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ Câmpus Ponta Grossa Coordenação do Curso Superior de Tecnologia em Automação Industrial Jhonathan Junio de Souza Motores de Passo Trabalho apresentado à disciplina

Leia mais

Nota Técnica 003/2010

Nota Técnica 003/2010 Nota Técnica 003/2010 Produto: Crowbar Aplicação: Acionamento da resistência de descarga em motores síncronos Serão discutidos os tópicos a seguir: 1) Conceito de Motores Síncronos 2) Determinação da Resistência

Leia mais

APÊNDICE B. Ensaio da Performance do Protótipo. MATRBDA-HAW560-75kW

APÊNDICE B. Ensaio da Performance do Protótipo. MATRBDA-HAW560-75kW APÊNDICE B Ensaio da Performance do Protótipo MATRBDA-HAW560-75kW 282 LABORATÓRIO DE ENSAIOS ELÉTRICOS - BAIXA TENSÃO WEG MÁQUINAS RELATÓRIO DE ENSAIO DE PROTÓTIPO MATRBDA 560 POTÊNCIA: 75KW / 25KW TENSÃO

Leia mais

GLOSSÁRIO MÁQUINAS ELÉTRICAS

GLOSSÁRIO MÁQUINAS ELÉTRICAS GLOSSÁRIO MÁQUINAS ELÉTRICAS Motor Elétrico: É um tipo de máquina elétrica que converte energia elétrica em energia mecânica quando um grupo de bobinas que conduz corrente é obrigado a girar por um campo

Leia mais

Máquinas Eléctricas I

Máquinas Eléctricas I I Generalidades Luis Pestana Índice Generalidades Gerador de corrente contínua Principio de funcionamento Fem gerada Melhoria de forma de onda Reacção do induzido Comutação Formas de excitação Exc. Separada,

Leia mais

ELECTRÓNICA DE POTÊNCIA

ELECTRÓNICA DE POTÊNCIA ELECTRÓNICA DE POTÊNCIA CONVERSORES CC/CC Redutor, Ampliador e Redutor-Ampliador GRUPO: TURNO: DIA: HORAS: ALUNO: ALUNO: ALUNO: ALUNO: Nº: Nº: Nº: Nº: IST DEEC 2003 Profª Beatriz Vieira Borges 1 CONVERSORES

Leia mais

Conjunto de motor de relutância síncrono de potência aumentada e conversor de frequência Custo de propriedade otimizado para aplicações de bombagem e

Conjunto de motor de relutância síncrono de potência aumentada e conversor de frequência Custo de propriedade otimizado para aplicações de bombagem e Conjunto de de relutância síncrono de potência aumentada e conversor de frequência Custo de propriedade otimizado para aplicações de bombagem e ventilação Po Novo conjunto de de relutância síncrono e conversor

Leia mais

Controle do motor de indução

Controle do motor de indução CONTROLE Fundação Universidade DO MOTOR DE Federal de Mato Grosso do Sul 1 Acionamentos Eletrônicos de Motores Controle do motor de indução Prof. Márcio Kimpara Prof. João Onofre. P. Pinto FAENG Faculdade

Leia mais

Atividade prática Partida estrela + cálculos para motores. Medições preliminares bancada R S R T S T R N S N T N

Atividade prática Partida estrela + cálculos para motores. Medições preliminares bancada R S R T S T R N S N T N Atividade prática Partida estrela + cálculos para motores Objetivos da aula Partir motores de indução trifásicos; Entender a ligação estrela e seus conceitos básicos; e Cálculos úteis para motores. Medições

Leia mais

AULA LAB 01 LABORATÓRIO SEMICONDUTORES DE POTÊNCIA

AULA LAB 01 LABORATÓRIO SEMICONDUTORES DE POTÊNCIA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOIA DE SANTA CATARINA DEPARTAMENTO ACADÊMICO DE ELETRÔNICA CURSO TÉCNICO DE ELETRÔNICA Eletrônica de Potência AULA LAB 01 LABORATÓRIO SEMICONDUTORES DE POTÊNCIA

Leia mais

DRIVER MOTOR DE PASSO AKDMPD8/220

DRIVER MOTOR DE PASSO AKDMPD8/220 DRIVER MOTOR DE PASSO AKDMPD8/220 D8/220-8.2A MANUAL DRIVE PARA MOTOR DE PASSO MODELO AKDMPD8/220-8.2A Atenção: - Leia cuidadosamente este manual antes de ligar o Driver. - A Akiyama Tecnologia se reserva

Leia mais

Capítulo 11 MOTORES ELÉTRICOS DE CORRENTE CONTÍNUA E UNIVERSAL. Introdução

Capítulo 11 MOTORES ELÉTRICOS DE CORRENTE CONTÍNUA E UNIVERSAL. Introdução Capítulo 11 MOTORES ELÉTRICOS DE CORRENTE CONTÍNUA E UNIVERSAL Esta aula apresenta o princípio de funcionamento dos motores elétricos de corrente contínua, o papel do comutador, as características e relações

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO LABORATÓRIO DE CONTROLE (PEE/COPPE) RELATÓRIO TÉCNICO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA INTRODUÇÃO AO FUNCIONAMENTO E AO ACIONAMENTO DE MOTORES DC André Euler Torres Orientador:

Leia mais

PROGRAMAÇÃO FÁCIL DO. Micro Master. Midi Master

PROGRAMAÇÃO FÁCIL DO. Micro Master. Midi Master 1 PROGRAMAÇÃO FÁCIL DO Micro Master E Midi Master Preparado por ASI 1 PS 2 1. PARAMETRIZAÇÃO BÁSICA INICIAL...3 1.1 AJUSTES INICIAIS DO APARELHO...3 1.2 AJUSTE DE TEMPOS DE ACELERAÇÃO E DESACELERAÇÃO...3

Leia mais

MOTORES ELÉTRICOS. Princípios e fundamentos. Eng. Agríc. Luciano Vieira

MOTORES ELÉTRICOS. Princípios e fundamentos. Eng. Agríc. Luciano Vieira Universidade Estadual de Maringá Departamento de Engenharia Agrícola Campus do Arenito MOTORES ELÉTRICOS Princípios e fundamentos Eng. Agríc. Luciano Vieira CLASSIFICAÇÃO Classificação dos motores de

Leia mais

Geradores de corrente contínua

Geradores de corrente contínua Geradores de corrente contínua Introdução: Um motor é uma máquina que tem a função de converter energia elétrica em energia mecânica e um gerador tem a função tem função contrária, ou seja, converter a

Leia mais

Motor de Passo - Arduino

Motor de Passo - Arduino Escola de Engenharia Departamento de Engenharia Mecânica Mestrado em Engenharia Mecatrónica Motor de Passo - Arduino Unidade de Crédito Máquinas de Comando Numérico 20 643 José António Barbosa Goncalves

Leia mais

DEPT. DE ENGENHARIA ELECTROTÉCNICA E DE COMPUTADORES MÁQUINAS ELÉCTRICAS. Caracterização do Transformador Monofásico em Termos de Circuito Equivalente

DEPT. DE ENGENHARIA ELECTROTÉCNICA E DE COMPUTADORES MÁQUINAS ELÉCTRICAS. Caracterização do Transformador Monofásico em Termos de Circuito Equivalente DEPT. DE ENGENHARIA ELECTROTÉCNICA E DE COMPUTADORES MÁQUINAS ELÉCTRICAS Caracterização do Transformador Monofásico em Termos de Circuito Equivalente 1 Primário 220 V c 55 V 55 V 55 V 55 V Secundário Figure

Leia mais

Conversão de Veículos Convencionais em Veículos Eléctricos

Conversão de Veículos Convencionais em Veículos Eléctricos Seminário: Mobilidade Eléctrica: O Veículo Viabilidade da transformação de Veículos Conversão de Veículos Convencionais em Veículos Eléctricos (Experiência adquirida na ESTGV) Vasco Santos (vasco@estv.ipv.pt)

Leia mais

MÁQUINAS ELÉCTRICAS I

MÁQUINAS ELÉCTRICAS I SECÇÃO DE MÁQUINAS ELÉCTRICAS E ELECTRÓNICA DE POTÊNCIA MÁQUINAS ELÉCTRICAS I Máquina Corrente Contínua 2005/2006 1. Máquina Corrente Contínua Objectivos do trabalho: Parte I: Ensaio dos motores de corrente

Leia mais

Mestrado Integrado em Engenharia Electrónica Industrial e Computadores 2006/2007 Máquinas Eléctricas - Exercícios

Mestrado Integrado em Engenharia Electrónica Industrial e Computadores 2006/2007 Máquinas Eléctricas - Exercícios Mestrado Integrado em Engenharia Electrónica Industrial e Computadores 2006/2007 Máquinas Eléctricas - Exercícios Nome Nº ATENÇÃO: A justificação clara e concisa das afirmações e cálculos mais relevantes

Leia mais

TRABALHO LABORATORIAL Nº 5

TRABALHO LABORATORIAL Nº 5 ESCOLA SUPERIOR NÁUTICA INFANTE D. HENRIQUE DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA MARÍTIMA M422 SISTEMAS E INSTALAÇÕES ELÉCTRICAS DE NAVIOS TRABALHO LABORATORIAL Nº 5 ENSAIO DE MÁQUINAS SÍNCRONAS A FUNCIONAR EM PARALELO

Leia mais

EESC-USP LABORATÓRIO DE CONVERSÃO ELETROMECÂNICA DE ENERGIA

EESC-USP LABORATÓRIO DE CONVERSÃO ELETROMECÂNICA DE ENERGIA LABORATÓRIO DE CONVERSÃO ELETROMECÂNICA DE ENERGIA Professores: Eduardo Nobuhiro Asada Luís Fernando Costa Alberto Colaborador: Elmer Pablo Tito Cari LABORATÓRIO N 9: MAQUINA SÍNCRONA: (ângulo de carga,

Leia mais

23/04/2010. T u t o r i a l 2003. Universidade Salvador - Unifacs Núcleo de Pesquisa em Redes de Computadores Salvador Bahia Brasil

23/04/2010. T u t o r i a l 2003. Universidade Salvador - Unifacs Núcleo de Pesquisa em Redes de Computadores Salvador Bahia Brasil Motor de Passo Autor : Ricardo Alexandro de A. Queiroz ( raaq@cpunet.com.br ) Orientador : Augusto Loureiro da Costa ( loureiro@im.ufba.br ) T u t o r i a l 2003 Universidade Salvador - Unifacs Núcleo

Leia mais

Medidas de mitigação de harmônicos

Medidas de mitigação de harmônicos 38 Apoio Harmônicos provocados por eletroeletrônicos Capítulo XII Medidas de mitigação de harmônicos Igor Amariz Pires* A maneira mais comum de mitigar harmônicos é por meio da utilização de filtros. O

Leia mais

Pontifícia Universidade Católica do RS Faculdade de Engenharia

Pontifícia Universidade Católica do RS Faculdade de Engenharia Pontifícia Universidade Católica do RS Faculdade de Engenharia LABORATÓRIO DE ELETRÔNICA DE POTÊNCIA EXPERIENCIA N 11: GRADADORES MONOFÁSICOS OBJETIVO Verificar qualitativa e quantitativamente o funcionamento

Leia mais