QUALIDADE DE SERVIÇO DE NATUREZA TÉCNICA NO SECTOR ELÉCTRICO

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "QUALIDADE DE SERVIÇO DE NATUREZA TÉCNICA NO SECTOR ELÉCTRICO"

Transcrição

1 QUALIDADE DE SERVIÇO TÉCNICA A qualidade de serviço de natureza técnica no sector eléctrico está associada à análise dos seguintes aspectos: Fiabilidade do fornecimento da energia eléctrica (continuidade de serviço), através do número e duração das interrupções de fornecimento. Características da forma da onda da tensão alternada (qualidade da onda de tensão), através da evolução dos seus valores de frequência, amplitude, distorção harmónica, desequilíbrio e outros. I. CONTINUIDADE DE SERVIÇO A. INDICADORES GERAIS DE CONTINUIDADE DE SERVIÇO DAS REDES DE TRANSPORTE A caracterização da qualidade de serviço das redes de transporte deve ser efectuada com base em cinco indicadores gerais de qualidade de serviço a determinar pelo operador de rede de transporte. Os indicadores referidos são os seguintes: Energia Não Fornecida ENF (MWh) Tempo de Interrupção Equivalente TIE (minutos) Frequência Média de Interrupções do Sistema SAIFI Duração Média das Interrupções do Sistema SAIDI (minutos) Tempo Médio de Reposição de Serviço do Sistema SARI (minutos) B. INDICADORES GERAIS E PADRÕES DE CONTINUIDADE DE SERVIÇO DAS REDES DE DISTRIBUIÇÃO 1. INDICADORES GERAIS DE CONTINUIDADE DE SERVIÇO Os operadores das redes de distribuição devem caracterizar a continuidade de serviço das redes que exploram, por zona geográfica e nível de tensão, com base nos seguintes indicadores gerais de qualidade de serviço, discriminados por interrupções previstas e acidentais: Energia Não Distribuída END (MWh) Tempo de interrupção equivalente da potência instalada TIEPI (minutos ou horas) 1

2 Frequência média de interrupções do sistema, para as redes de MT e redes de BT SAIFI MT e SAIFI BT. Duração média das interrupções do sistema, para as redes de distribuição de MT e de BT SAIDI MT (minutos) e SAIDI BT (minutos). PADRÕES ASSOCIADOS AOS INDICADORES GERAIS DE CONTINUIDADE DE SERVIÇO Nos regulamentos da qualidade de serviço encontram-se fixados os valores anuais dos padrões para os indicadores gerais de qualidade de serviço, com excepção da END, referentes às interrupções longas (duração superior a 3 minutos). Para efeitos de verificação do cumprimento dos padrões de continuidade de serviço (quer gerais quer individuais), não são consideradas as seguintes situações em que a prestação do serviço de transporte e de distribuição de energia eléctrica pode ser interrompida: Casos fortuitos ou de força maior. Razões de interesse público. Razões de serviço. Razões de segurança. Acordo com o cliente. Facto imputável ao cliente. Consideram-se casos fortuitos ou de força maior os que reúnam as condições de exterioridade, imprevisibilidade e irresistibilidade nomeadamente, situações que resultem da ocorrência de greve geral, alteração da ordem pública, incêndio, terramoto, inundação, vento de intensidade excepcional, descarga atmosférica directa, sabotagem, malfeitoria e intervenção de terceiros devidamente comprovada. Valores padrão anuais para os indicadores TIEPI, SAIFI e SAIDI Indicador TIEPI (h/ano) Nível de tensão MT Zona geográfica Portugal continental Madeira Açores Região Ilha Região Ilha A B C

3 Indicador SAIFI (interrupções /PdE) Nível de tensão MT BT Zona geográfica Portugal continental Madeira Açores Região Ilha Região Ilha A B C A B C SAIDI (horas/pde) A MT B C BT A B C INDICADORES E PADRÕES INDIVIDUAIS DE CONTINUIDADE DE SERVIÇO A continuidade de serviço por ponto de entrega, quer na rede de transporte, quer nas redes de distribuição, deve ser caracterizada com base em dois indicadores individuais: Número de interrupções. Duração total das interrupções, em minutos. Valor dos padrões para os indicadores "Número de interrupções por ano" e "Duração das interrupções" Indicador Número de interrupções por ano Duração das interrupções (horas/ano) Zona geográfica Portugal continental Madeira Açores BT MT AT MAT BT MT Transporte BT MT Transporte A B C A , B C Para efeitos de verificação do cumprimento dos padrões de continuidade de serviço individuais, não são consideradas as situações em que a prestação do serviço de transporte e de distribuição de energia eléctrica pode ser interrompida. 3

4 COMPENSAÇÕES DEVIDAS POR INCUMPRIMENTO DOS PADRÕES INDIVIDUAIS DE CONTINUIDADE DE SERVIÇO O valor da compensação devida ao incumprimento dos padrões individuais de continuidade de serviço depende do valor do padrão associado ao nível de tensão e à zona geográfica na qual se situa a instalação consumidora e de um parâmetro de valorização definido em cada um dos regulamentos da qualidade de serviço. Os clientes ligados a níveis de tensão superiores e situados em zonas geográficas com maior número de clientes têm direito a compensações superiores. As compensações devidas ao incumprimento dos padrões de continuidade de serviço, devem ser comunicadas e pagas de forma automática (sem haver necessidade da sua solicitação por parte do cliente) na facturação do 1.º trimestre do ano seguinte ao que se refere. As fórmulas de cálculo do montante de compensação a ser pago pelos operadores das redes aos clientes, encontram-se descritas no Regulamento da Qualidade de Serviço. II. QUALIDADE DA ONDA DE TENSÃO Em condições normais de exploração, as características da onda de tensão de alimentação no ponto de entrega ao cliente devem respeitar: O disposto na norma NP EN , em MT e BT. O disposto no anexo IV do RQS Portugal continental, em Muito Alta Tensão (MAT) e Alta Tensão (AT). O disposto em norma complementar, para o transporte a 60 kv na Madeira. O disposto no anexo n.º 2 do RQS Açores, para o transporte a 60 kv nos Açores. Para proceder à caracterização da tensão nas redes que exploram, o operador da rede de transporte e os operadores das redes de distribuição devem efectuar medições das seguintes características da tensão: Frequência. Valor eficaz da tensão. Cavas de tensão. Tremulação (flicker). Desequilíbrio do sistema trifásico de tensões. Distorção harmónica. 4

5 A. PORTUGAL CONTINENTAL As medições a efectuar pelo operador da rede de transporte e pelos operadores das redes de distribuição devem ser realizadas num conjunto de pontos seleccionados das respectivas redes, de acordo com a metodologia de verificação das características da tensão estabelecida no próprio RQS Portugal continental. De acordo com a metodologia de verificação das características da tensão, os operadores das redes devem efectuar a medição da qualidade da onda de tensão nas: Rede de transporte num período máximo de dois anos na totalidade dos pontos de entrega em MAT e AT. Redes de distribuição em AT e MT num período máximo de quatro anos nos barramentos de MT de todas as subestações AT/MT. Redes de BT num período máximo de quatro anos nos barramentos de BT de, pelo menos, dois postos de transformação de cada concelho. Na selecção dos pontos a monitorizar, os operadores da rede de transporte e das redes de distribuição devem ter em conta, nomeadamente, os seguintes critérios: Assegurar uma distribuição anual equilibrada, tanto quantitativa como geográfica. Incidir sobre zonas onde exista uma maior concentração de instalações de clientes cujos equipamentos se revelem mais sensíveis às perturbações da onda de tensão. Assegurar que o total anual de semanas de monitorização não é inferior ao verificado no ano anterior. Coordenar entre si, na medida do possível, as acções de monitorização nas respectivas redes. B. REGIÕES AUTÓNOMAS A entidade concessionária do transporte e distribuidor vinculado deve proceder anualmente à caracterização da tensão nas redes de transporte (30 kv e 60 kv) e nas redes de distribuição que explora, em conformidade com os planos de monitorização. A realização dos planos é da responsabilidade das entidades concessionárias do transporte e da distribuição de energia eléctrica em cada arquipélago. A respectiva Direcção Regional do Comércio, Indústria e Energia (DRCIE) é a entidade responsável pela sua aprovação, após consulta à ERSE. A fiscalização do seu cumprimento é da responsabilidade da ERSE. 5

6 Quer para Portugal continental, quer para as regiões autónomas, para além das medições planeadas pelos operadores, os regulamentos da qualidade de serviço prevêem a possibilidade de realização de medições nas seguintes situações: Aquando da apresentação de reclamação, por parte do cliente, à entidade do Sistema Eléctrico Público com a qual se relaciona comercialmente. Monitorização da qualidade da onda de tensão por parte do cliente no ponto de alimentação da sua instalação. Na primeira situação, a entidade reclamada deve realizar as medições complementares às planeadas sempre que a reclamação apresentada pelo cliente o revele necessário. Em relação à medição da qualidade de serviço por parte do cliente, esta deve ser realizada através de sistemas de registo de medida da qualidade de serviço devidamente selados e calibrados. Caso a instalação e selagem dos sistemas referidos sejam efectuadas por acordo escrito entre o cliente e a entidade que lhe presta o serviço de fornecimento de energia eléctrica, os registos por eles produzidos constituem meio de prova nas reclamações. III. ZONAS GEOGRÁFICAS DE QUALIDADE DE SERVIÇO Os regulamentos da qualidade de serviço estabelecem zonas geográficas para as quais é diferenciada a qualidade de serviço prestada. As zonas geográficas estabelecidas, designadas por Zona A, Zona B e Zona C, são definidas da forma que se apresenta no quadro seguinte. Zonas Portugal Continental Madeira Açores Zona A Zona B Capitais de distrito e localidades com mais de clientes. Localidades com um número de clientes compreendido entre e clientes. Localidades com importância administrativa específica e ou com alta densidade populacional. Núcleos sede de concelhos e locais compreendidos entre as zonas A e C. Cidades de Ponta Delgada, Angra do Heroísmo e Horta e localidades com mais de clientes. Localidades com um número de clientes compreendido entre e Zona C Restantes localidades. Restantes locais. Restantes locais. No que se refere à Região Autónoma da Madeira, o Despacho n.º 18/2005/M, de 16 de Fevereiro, publicado em Jornal Oficial da Região Autónoma da Madeira, publicou os mapas e respectivos documentos complementares identificando as zonas geográficas A, B e C. A classificação de uma localidade numa zona geográfica mantém-se durante um período mínimo de 4 anos, independentemente da alteração do número de clientes. De acordo com as zonas geográficas referidas, estão estabelecidos diferentes padrões de qualidade de serviço, correspondendo à Zona A os padrões mais exigentes e à Zona C os padrões menos exigentes. 6

7010 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-B N. o 287 9 de Dezembro de 2004 REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA

7010 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-B N. o 287 9 de Dezembro de 2004 REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA 7010 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-B N. o 287 9 de Dezembro de 2004 REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA Presidência do Governo Decreto Regulamentar Regional n. o 15/2004/M Aprova o Regulamento da Qualidade de Serviço

Leia mais

Regulamento da Qualidade de Serviço

Regulamento da Qualidade de Serviço Regulamento da Qualidade de erviço CAPÍTULO I Disposições gerais ECÇÃO I Objecto, campo de aplicação e definições Artigo 1.º Objecto O presente Regulamento estabelece os padrões mínimos de qualidade, de

Leia mais

ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS. Diretiva n.º 20/2013. Parâmetros de Regulação da Qualidade de Serviço do setor elétrico

ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS. Diretiva n.º 20/2013. Parâmetros de Regulação da Qualidade de Serviço do setor elétrico Diário da República, 2.ª série N.º 227 22 de novembro de 2013 34305 PARTE E ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS Diretiva n.º 20/2013 Parâmetros de Regulação da Qualidade de Serviço do setor elétrico

Leia mais

EDP Distribuição Energia, S.A. Rua Camilo Castelo Branco, 43 1050-044 LISBOA www.edpdistribuicao.pt

EDP Distribuição Energia, S.A. Rua Camilo Castelo Branco, 43 1050-044 LISBOA www.edpdistribuicao.pt Este documento está preparado para impressão em frente e verso EDP Distribuição Energia, S.A. Rua Camilo Castelo Branco, 43 1050-044 LISBOA www.edpdistribuicao.pt Errata ao Relatório da Qualidade de Serviço

Leia mais

www.pwc.pt Auditoria nos termos do Regulamento da Qualidade de Serviço Relatório resumo EDP Distribuição, S.A.

www.pwc.pt Auditoria nos termos do Regulamento da Qualidade de Serviço Relatório resumo EDP Distribuição, S.A. www.pwc.pt Auditoria nos termos do Regulamento da Qualidade de Serviço Relatório resumo EDP Distribuição, S.A. Janeiro 2014 Enquadramento A promoção da melhoria contínua da qualidade de serviço no âmbito

Leia mais

REGULAMENTO DA QUALIDADE DE SERVIÇO DO SETOR ELÉTRICO

REGULAMENTO DA QUALIDADE DE SERVIÇO DO SETOR ELÉTRICO REGULAMENTO DA QUALIDADE DE SERVIÇO DO SETOR ELÉTRICO Outubro 2013 ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS Rua Dom Cristóvão da Gama n.º 1-3.º 1400-113 Lisboa Tel: 21 303 32 00 Fax: 21 303 32 01 e-mail:

Leia mais

Relatório de Qualidade de Serviço. Ano Gás 2009-2010

Relatório de Qualidade de Serviço. Ano Gás 2009-2010 Relatório de Qualidade de Serviço Ano Gás 29-21 15 de Novembro de 21 Índice 1. Enquadramento... 3 2.Qualidade de Serviço Técnico - Continuidade e interrupção de Serviço... 4 2.1 Art. 15º Indicadores gerais

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS. 3. Os comercializadores são responsáveis pelo cumprimento das obrigações decorrentes do acesso à RNTGN por parte dos seus clientes.

CONDIÇÕES GERAIS. 3. Os comercializadores são responsáveis pelo cumprimento das obrigações decorrentes do acesso à RNTGN por parte dos seus clientes. CONDIÇÕES GERAIS Cláusula 1ª Definições e siglas No âmbito do presente Contrato de Uso da Rede de Transporte, entende-se por: a) «Contrato» o presente contrato de uso da rede de transporte; b) «Agente

Leia mais

Restituição de cauções aos consumidores de electricidade e de gás natural Outubro de 2007

Restituição de cauções aos consumidores de electricidade e de gás natural Outubro de 2007 Restituição de cauções aos consumidores de electricidade e de gás natural Outubro de 2007 Ponto de situação em 31 de Outubro de 2007 As listas de consumidores com direito à restituição de caução foram

Leia mais

Ligações às redes de energia eléctrica. Setembro de 2011

Ligações às redes de energia eléctrica. Setembro de 2011 Ligações às redes de energia eléctrica Setembro de 2011 Índice Competências da ERSE Princípios e conceitos gerais Potência requisitada Procedimentos para ligação de uma instalação à rede Ponto de ligação

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS DA QUALIDADE DE SERVIÇO DO SETOR ELÉTRICO

MANUAL DE PROCEDIMENTOS DA QUALIDADE DE SERVIÇO DO SETOR ELÉTRICO MANUAL DE PROCEDIMENTOS DA QUALIDADE DE SERVIÇO DO SETOR ELÉTRICO Junho 2013 ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS Os textos agora propostos para consulta pública carecem ainda de aperfeiçoamentos

Leia mais

CONTRATO DE COMPRA DE ENERGIA ELÉCTRICA UNIDADES DE MICROPRODUÇÃO

CONTRATO DE COMPRA DE ENERGIA ELÉCTRICA UNIDADES DE MICROPRODUÇÃO CONTRATO DE COMPRA DE ENERGIA ELÉCTRICA UNIDADES DE MICROPRODUÇÃO Entre F.., residente em.com o número de contribuinte, [ou 1 ] F..., com sede em,, com o capital social de. euros, matriculada na Conservatória

Leia mais

Relatório de Qualidade de Serviço 2014

Relatório de Qualidade de Serviço 2014 Relatório de Qualidade de Serviço REDE ELÉCTRICA NACIONAL Relatório da Qualidade de Serviço 2012 1 INDICE Introdução 5 Sumário Executivo 8 Continuidade de Serviço 15 Indicadores Gerais 19 Análise Global

Leia mais

Ligações às redes de energia eléctrica de instalações consumidoras (em vigor a partir de 12 de maio de 2013)

Ligações às redes de energia eléctrica de instalações consumidoras (em vigor a partir de 12 de maio de 2013) Ligações às redes de energia eléctrica de instalações consumidoras (em vigor a partir de 12 de maio de 2013) Novembro de 2012 Índice Competências da ERSE Princípios e conceitos gerais Potência requisitada

Leia mais

REGULAMENTO DE ACESSO

REGULAMENTO DE ACESSO REGULAMENTO DE ACESSO ÀS REDES E ÀS INTERLIGAÇÕES DO SETOR ELÉTRICO Dezembro 2014 ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS Rua Dom Cristóvão da Gama n.º 1-3.º 1400-113 Lisboa Tel: 21 303 32 00 Fax:

Leia mais

Plano de Monitorização da Qualidade de Serviço Técnica 2015-2016

Plano de Monitorização da Qualidade de Serviço Técnica 2015-2016 Plano de Monitorização da Qualidade de Serviço Técnica 2015-2016 DEP Direção de Estudos e Planeamento Setembro de 2014 Índice 1 Introdução... 3 2 Proposta de Plano de Monitorização da Qualidade de Serviço

Leia mais

RELATÓRIO DE QUALIDADE DE SERVIÇO 2011 REDE ELÉCTRICA NACIONAL

RELATÓRIO DE QUALIDADE DE SERVIÇO 2011 REDE ELÉCTRICA NACIONAL CONTINUIDADE DE SERVIÇO REDE ELÉCTRICA NACIONAL 1 ÍNDICE MENSAGEM DO PRESIDENTE 3 INTRODUÇÃO 5 SUMÁRIO EXECUTIVO 6 01 CONTINUIDADE DE SERVIÇO 01. INDICADORES GERAIS 1 02. ANÁLISE GLOBAL DOS INDICADORES

Leia mais

DISCUSSÃO DOS COMENTÁRIOS PROPOSTA DE ALTERAÇÃO DOS REGULAMENTO DO ACESSO ÀS REDES E ÀS INTERLIGAÇÕES REGULAMENTO DE RELAÇÕES COMERCIAIS

DISCUSSÃO DOS COMENTÁRIOS PROPOSTA DE ALTERAÇÃO DOS REGULAMENTO DO ACESSO ÀS REDES E ÀS INTERLIGAÇÕES REGULAMENTO DE RELAÇÕES COMERCIAIS DISCUSSÃO DOS COMENTÁRIOS À PROPOSTA DE ALTERAÇÃO DOS REGULAMENTO DO ACESSO ÀS REDES E ÀS INTERLIGAÇÕES REGULAMENTO DE RELAÇÕES COMERCIAIS REGULAMENTO TARIFÁRIO PARA PERMITIR A SUA APLICAÇÃO NAS REGIÕES

Leia mais

REGULAMENTO DE RELAÇÕES COMERCIAIS

REGULAMENTO DE RELAÇÕES COMERCIAIS Eliminado: Maio REGULAMENTO DE RELAÇÕES COMERCIAIS Junho 2007 ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS Rua Dom Cristóvão da Gama n.º 1-3.º 1400-113 Lisboa Tel: 21 303 32 00 Fax: 21 303 32 01 e-mail:

Leia mais

Relatório da Qualidade de Serviço

Relatório da Qualidade de Serviço 213 21 Relatório da Qualidade de Serviço D.E.P.- Direcção de Estudos e Planeamento Maio de 211 214 RELATÓRIO DA QUALIDADE DE SERVIÇO 213 1 INTRODUÇÃO... 3 2 SÍNTESE... 3 2.1 Continuidade de serviço...

Leia mais

Análise da proposta de. condições gerais do. Contrato de Uso das Redes - RARI

Análise da proposta de. condições gerais do. Contrato de Uso das Redes - RARI Análise da proposta de condições gerais do Contrato de Uso das Redes - RARI Junho de 2006 Rua Dom Cristóvão da Gama n.º 1-3.º 1400-113 Lisboa Tel: 21 303 32 00 Fax: 21 303 32 01 e-mail: erse@erse.pt www.erse.pt

Leia mais

CONTRATO TIPO DE FORNECIMENTO DE ENERGIA ELÉCTRICA PARA CLIENTES EM BTN

CONTRATO TIPO DE FORNECIMENTO DE ENERGIA ELÉCTRICA PARA CLIENTES EM BTN CONTRATO TIPO DE FORNECIMENTO DE ENERGIA ELÉCTRICA PARA CLIENTES EM BTN CONDIÇÕES GERAIS 1ª - Objecto do Contrato. Obrigações de serviço público e de serviço universal 1. O presente Contrato tem por objecto

Leia mais

ACERTOS DE FACTURAÇÃO DE ENERGIA ELÉCTRICA

ACERTOS DE FACTURAÇÃO DE ENERGIA ELÉCTRICA ACERTOS DE FACTURAÇÃO DE ENERGIA ELÉCTRICA Parecer interpretativo da ERSE (ao abrigo do artigo 290.º do Regulamento de Relações Comerciais) Julho de 2005 ACERTOS DE FACTURAÇÃO DE ENERGIA ELÉCTRICA Parecer

Leia mais

BTN (Baixa Tensão normal)

BTN (Baixa Tensão normal) CONTRATO DE FORNECIMENTO DE ENERGIA ELÉCTRICA EM BTN (Baixa Tensão normal) CONDIÇÕES GERAIS 1ª - Objecto do Contrato. 1. O presente Contrato tem por objecto o fornecimento de energia eléctrica pela EDP

Leia mais

Compensação. de Factor de Potência

Compensação. de Factor de Potência Compensação de Factor de Potência oje em dia, praticamente todas as instalações eléctricas têm associadas aparelhos indutivos, nomeadamente, motores e transformadores. Este equipamentos necessitam de energia

Leia mais

TARIFÁRIO DE VENDA DE ENERGIA ELÉCTRICA A CLIENTES FINAIS 2011

TARIFÁRIO DE VENDA DE ENERGIA ELÉCTRICA A CLIENTES FINAIS 2011 TARIFÁRIO DE VENDA DE ENERGIA ELÉCTRICA A CLIENTES FINAIS 2011 Despacho nº 15/2010 da Entidade Reguladora dos Serviços Energéticos, RT Regulamento tarifário RRC Regulamento de Relações comerciais Tarifário

Leia mais

ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS. Despacho n.º 7253/2010

ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS. Despacho n.º 7253/2010 Diário da República, 2.ª série N.º 80 26 de Abril de 2010 21945 PARTE E ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS Despacho n.º 7253/2010 O artigo 276.º do Regulamento de Relações Comerciais (RRC), aprovado

Leia mais

Introdução. Sumário Executivo. Continuidade de Serviço Indicadores Gerais Indicadores Individuais

Introdução. Sumário Executivo. Continuidade de Serviço Indicadores Gerais Indicadores Individuais Introdução Sumário Executivo Continuidade de Serviço Indicadores Gerais Indicadores Individuais Qualidade da Onda de Tensão Plano de Monitorização Distorção Harmónica Tremulação ( Flicker ) Desequilíbrio

Leia mais

RELATÓRIO DA QUALIDADE DE SERVIÇO ANO GÁS 2011-2012

RELATÓRIO DA QUALIDADE DE SERVIÇO ANO GÁS 2011-2012 RELATÓRIO DA QUALIDADE DE SERVIÇO ANO GÁS 2011-2012 Novembro 2012 Índice SUMÁRIO EXECUTIVO... 3 INTRODUÇÃO... 4 CONTINUIDADE DE SERVIÇO E INCIDENTES MAIS SIGNIFICATIVOS... 5 CARACTERÍSTICAS DO GÁS NATURAL...

Leia mais

f) Processamentos de dados em baixa tensão, designadamente estimativas de consumo e metodologia de aplicação de perfis de consumo.

f) Processamentos de dados em baixa tensão, designadamente estimativas de consumo e metodologia de aplicação de perfis de consumo. NOTA INFORMATIVA RELATIVA AO DESPACHO N.º 2/2007 QUE APROVA O GUIA DE MEDIÇÃO, LEITURA E DISPONIBILIZAÇÃO DE DADOS O Regulamento de Relações Comerciais (RRC) aprovado através do despacho da Entidade Reguladora

Leia mais

Relatório de Qualidade de Serviço do Sector do Gás Natural da Empresa Sonorgás, SA

Relatório de Qualidade de Serviço do Sector do Gás Natural da Empresa Sonorgás, SA Relatório de Qualidade de Serviço do Sector do Gás Natural da Empresa Sonorgás, SA Sonorgás Sociedade de Gás do Norte, S.A. [Escrever o nome da empresa] SBernardino Ano Gás 2009/2010 Índice 1 Introdução...

Leia mais

ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS. Diretiva N.º 20/2013. Parâmetros de Regulação da Qualidade de Serviço do setor elétrico

ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS. Diretiva N.º 20/2013. Parâmetros de Regulação da Qualidade de Serviço do setor elétrico ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS Diretiva N.º 20/2013 Parâmetros de Regulação da Qualidade de Serviço do setor elétrico O Regulamento da Qualidade de Serviço do setor elétrico (RQS) prevê que

Leia mais

Relatório da Qualidade de Serviço 2013

Relatório da Qualidade de Serviço 2013 Relatório da Qualidade de Serviço 2013 Grupo EDP EDP Distribuição Maio 2014 EDP Distribuição Energia, S.A. Rua Camilo Castelo Branco, 43 1050-044 LISBOA www.edpdistribuicao.pt Este relatório foi escrito

Leia mais

ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS DIRECTIVA N.º 3/2011

ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS DIRECTIVA N.º 3/2011 ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS DIRECTIVA N.º 3/2011 Condições gerais dos contratos de uso das redes de distribuição e de transporte de gás natural e procedimentos para a interrupção e o restabelecimento

Leia mais

Caderno de Encargos Do Procedimento por Negociação, com publicação prévia de Anúncio

Caderno de Encargos Do Procedimento por Negociação, com publicação prévia de Anúncio Caderno de Encargos Do Procedimento por Negociação, com publicação prévia de Anúncio para celebração de contrato de cedência de utilização de diversos espaços, em edifícios municipais, para instalação

Leia mais

ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS. Directiva n.º 3/2011

ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS. Directiva n.º 3/2011 39846 Diário da República, 2.ª série N.º 193 7 de Outubro de 2011 PARTE E ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS Directiva n.º 3/2011 Condições gerais dos contratos de uso das redes de distribuição

Leia mais

Contrato de Fornecimento de Energia Eléctrica Para Cooperantes / Clientes em BTN ao abrigo do regime do mercado liberalizado

Contrato de Fornecimento de Energia Eléctrica Para Cooperantes / Clientes em BTN ao abrigo do regime do mercado liberalizado Cooperativa Eléctrica de Loureiro, C.R.L. Contrato de Fornecimento de Energia Eléctrica Para Cooperantes / Clientes em BTN ao abrigo do regime do mercado liberalizado Condições Gerais: 1ª Objeto do contrato.

Leia mais

REPÚBLICA DE ANGOLA MINISTÉRIO DA ENERGIA E ÁGUAS

REPÚBLICA DE ANGOLA MINISTÉRIO DA ENERGIA E ÁGUAS REPÚBLICA DE ANGOLA MINISTÉRIO DA ENERGIA E ÁGUAS REGULAMENTO DA QUALIDADE DO SERVIÇO Regulamento da Qualidade de Serviço Índice Capítulo I Disposições Gerais... 1 Artigo 1.º Objecto... 1 Artigo 2.º Âmbito...

Leia mais

GUIA DO CONSUMIDOR DE ELECTRICIDADE NO MERCADO LIBERALIZADO

GUIA DO CONSUMIDOR DE ELECTRICIDADE NO MERCADO LIBERALIZADO GUIA DO CONSUMIDOR DE ELECTRICIDADE NO MERCADO LIBERALIZADO RESPOSTA ÀS QUESTÕES MAIS FREQUENTES Agosto 2006 ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS Rua Dom Cristóvão da Gama n.º 1-3.º 1400-113 Lisboa

Leia mais

ERSE Audição Pública sobre os Regulamentos do Sector do Gás Natural. Lisboa, 26 de Julho de 2006

ERSE Audição Pública sobre os Regulamentos do Sector do Gás Natural. Lisboa, 26 de Julho de 2006 ERSE Audição Pública sobre os Regulamentos do Sector do Gás Natural Lisboa, 26 de Julho de 2006 O ponto de vista de uma Distribuidora Modelo proposto a Distribuidora apresenta um plano de desenvolvimento

Leia mais

CONTRATO DE COMPRA DE ENERGIA ELÉTRICA UNIDADES DE MICROPRODUÇÃO

CONTRATO DE COMPRA DE ENERGIA ELÉTRICA UNIDADES DE MICROPRODUÇÃO CONTRATO DE COMPRA DE ENERGIA ELÉTRICA UNIDADES DE MICROPRODUÇÃO Entre, com sede em, com o capital social de ( Euros), matriculada na Conservatória do Registo Comercial de, com o número de matrícula e

Leia mais

FORNECIMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA. Introdução

FORNECIMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA. Introdução FORNECIMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA Introdução A questão do fornecimento de energia elétrica é de suma importância para um funcionamento adequado de equipamentos eletro-eletrônicos. Assim sendo, cabe ao poder

Leia mais

Ordem dos Engenheiros Região Centro Ciclo Sessões técnicas

Ordem dos Engenheiros Região Centro Ciclo Sessões técnicas Ordem dos Engenheiros Região Centro Ciclo Sessões técnicas Evolução QS da rede de distribuição MT em Portugal continental e próximos desafios Coimbra, 14 de Maio de 2012 Direção Despacho e Condução Agenda

Leia mais

CONTRATO DE COMPRA DE ENERGIA ELÉTRICA UNIDADES DE MICROPRODUÇÃO

CONTRATO DE COMPRA DE ENERGIA ELÉTRICA UNIDADES DE MICROPRODUÇÃO CONTRATO DE COMPRA DE ENERGIA ELÉTRICA UNIDADES DE MICROPRODUÇÃO Entre, residente em com o número de contribuinte, adiante designado(a) abreviadamente por Produtor; e EDP Serviço Universal, S.A., com sede

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DAS REDES DE TRANSPORTE E DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉCTRICA DA REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES

CARACTERIZAÇÃO DAS REDES DE TRANSPORTE E DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉCTRICA DA REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES CARACTERIZAÇÃO DAS REDES DE TRANSPORTE E DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉCTRICA DA REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES Situação em 31 de Dezembro de 2014 ELECTRICIDADE DOS AÇORES EDA, S.A. 31 de Março de 2015 ÍNDICE

Leia mais

Evolução de alguns indicadores de desempenho das redes eléctricas em Portugal

Evolução de alguns indicadores de desempenho das redes eléctricas em Portugal Evolução de alguns indicadores de desempenho das redes eléctricas em Portugal Jorge Esteves, XI Reunião Ibero-Americana de Reguladores de Energia Madrid, 18 de Junho de 2007 Entidade Reguladora dos Serviços

Leia mais

Perguntas e respostas frequentes. Extinção das Tarifas Reguladas Eletricidade e Gás Natural

Perguntas e respostas frequentes. Extinção das Tarifas Reguladas Eletricidade e Gás Natural Perguntas e respostas frequentes Extinção das Tarifas Reguladas Eletricidade e Gás Natural 1. O que significa a extinção das tarifas reguladas? A extinção de tarifas reguladas significa que os preços de

Leia mais

CONTRATO DE COMPRA DE ENERGIA ELÉCTRICA A PRODUTORES EM REGIME ESPECIAL

CONTRATO DE COMPRA DE ENERGIA ELÉCTRICA A PRODUTORES EM REGIME ESPECIAL CONTRATO DE COMPRA DE ENERGIA ELÉCTRICA A PRODUTORES EM REGIME ESPECIAL Entre EDP Serviço Universal, S.A., com sede na Rua Camilo Castelo Branco, 43, em Lisboa, com o capital social de 10 100 000 (dez

Leia mais

REGULAMENTO DA QUALIDADE DE SERVIÇO DO SECTOR DO GÁS NATURAL

REGULAMENTO DA QUALIDADE DE SERVIÇO DO SECTOR DO GÁS NATURAL REGULAMENTO DA QUALIDADE DE SERVIÇO DO SECTOR DO GÁS NATURAL Setembro 2006 ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS Rua Dom Cristóvão da Gama n.º 1-3.º 1400-113 Lisboa Tel: 21 303 32 00 Fax: 21 303

Leia mais

Grupo de Trabalho da Qualidade de Energia Elétrica (GT-QEE) Relatório da Reunião n.º 6

Grupo de Trabalho da Qualidade de Energia Elétrica (GT-QEE) Relatório da Reunião n.º 6 Grupo de Trabalho da Qualidade de Energia Elétrica (GT-QEE) Relatório da Reunião n.º 6 Dia: 28 de maio de 2015 Hora: 15h00 a 17h00 Local: ERSE, Rua Dom Cristóvão da Gama 1, 1400-113 Lisboa Participantes:

Leia mais

Continuidade de Serviço nas Redes de Distribuição de Energia Elétrica

Continuidade de Serviço nas Redes de Distribuição de Energia Elétrica Departamento de Engenharia Eletrotécnica Continuidade de Serviço nas Redes de Distribuição de Energia Elétrica Trabalho de Projeto apresentado para a obtenção do grau de Mestre em Automação e Comunicações

Leia mais

REGULAMENTO DE RELAÇÕES COMERCIAIS SETOR ELÉTRICO. Outubro 2012 ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS

REGULAMENTO DE RELAÇÕES COMERCIAIS SETOR ELÉTRICO. Outubro 2012 ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS REGULAMENTO DE RELAÇÕES COMERCIAIS DO SETOR ELÉTRICO Outubro 2012 ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS Rua Dom Cristóvão da Gama n.º 1-3.º 1400-113 Lisboa Tel: 21 303 32 00 Fax: 21 303 32 01 e-mail:

Leia mais

REGULAMENTO TARIFÁRIO

REGULAMENTO TARIFÁRIO REGULAMENTO TARIFÁRIO DO SECTOR ELÉCTRICO Julho 2011 ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS Rua Dom Cristóvão da Gama n.º 1-3.º 1400-113 Lisboa Tel: 21 303 32 00 Fax: 21 303 32 01 e-mail: erse@erse.pt

Leia mais

Diário da República, 2.ª série N.º 5 8 de janeiro de 2016 721

Diário da República, 2.ª série N.º 5 8 de janeiro de 2016 721 Diário da República, 2.ª série N.º 5 8 de janeiro de 2016 721 b) Os perfis de consumo aplicáveis a instalações em Média Tensão (MT), Baixa Tensão Normal (BTN) e Baixa Tensão Especial (BTE), e o diagrama

Leia mais

Auditoria ao Processo de Mudança de Comercializador. A. Enquadramento e Objectivos. Síntese do Relatório de Auditoria

Auditoria ao Processo de Mudança de Comercializador. A. Enquadramento e Objectivos. Síntese do Relatório de Auditoria A. Enquadramento e Objectivos A EDP Distribuição - Energia, S.A. (EDP Distribuição), empresa que exerce a actividade de Operador de Rede de Distribuição (ORD) de Energia Eléctrica em Média Tensão (MT)

Leia mais

MUNICÍPIO DE PORTEL CÂMARA MUNICIPAL

MUNICÍPIO DE PORTEL CÂMARA MUNICIPAL MUNICÍPIO DE PORTEL CÂMARA MUNICIPAL Sistema da Industria Responsável _ SIR Projeto de alteração à Tabela de taxas e licenças municipais decorrente da aplicação do SIR _ Sistema da Industria Responsável

Leia mais

SISTEMA DE CERTIFICAÇÃO DE ENTIDADES FORMADORAS ASPECTOS PRINCIPAIS DA MUDANÇA

SISTEMA DE CERTIFICAÇÃO DE ENTIDADES FORMADORAS ASPECTOS PRINCIPAIS DA MUDANÇA SISTEMA DE CERTIFICAÇÃO DE ENTIDADES FORMADORAS ASPECTOS PRINCIPAIS DA MUDANÇA O Sistema de Certificação de Entidades Formadoras, consagrado na Resolução do Conselho de Ministros nº 173/2007, que aprova

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DA PROCURA DE ENERGIA ELÉCTRICA EM 2006

CARACTERIZAÇÃO DA PROCURA DE ENERGIA ELÉCTRICA EM 2006 CARACTERIZAÇÃO DA PROCURA DE ENERGIA ELÉCTRICA EM 2006 Novembro 2005 ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS Rua Dom Cristóvão da Gama n.º 1-3.º 1400-113 Lisboa Tel: 21 303 32 00 Fax: 21 303 32 01

Leia mais

ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS

ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS DESPACHO N.º 5/2010 O Regulamento Tarifário do Sector do Gás Natural (RT), com a última redacção que lhe foi dada pelo Despacho n.º 4 878/2010, publicado no

Leia mais

PROPOSTA DE REGULAMENTO DE OPERAÇÃO INFRA-ESTRUTURAS DAS. Documento Justificativo ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS.

PROPOSTA DE REGULAMENTO DE OPERAÇÃO INFRA-ESTRUTURAS DAS. Documento Justificativo ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS. PROPOSTA DE REGULAMENTO DE OPERAÇÃO DAS INFRA-ESTRUTURAS Documento Justificativo Fevereiro de 2007 ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS Rua Dom Cristóvão da Gama n.º 1-3.º 1400-113 Lisboa Tel:

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DAS REDES DE TRANSPORTE E DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉCTRICA DA REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES

CARACTERIZAÇÃO DAS REDES DE TRANSPORTE E DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉCTRICA DA REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES CARACTERIZAÇÃO DAS REDES DE TRANSPORTE E DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉCTRICA DA REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES EDA, S. A. - ELECTRICIDADE DOS AÇORES (31 de Dezembro de 2006) ÍNDICE CARACTERIZAÇÃO DO DOCUMENTO

Leia mais

GUIA DO CONSUMIDOR DE ELECTRICIDADE NO MERCADO LIBERALIZADO

GUIA DO CONSUMIDOR DE ELECTRICIDADE NO MERCADO LIBERALIZADO GUIA DO CONSUMIDOR DE ELECTRICIDADE NO MERCADO LIBERALIZADO RESPOSTA ÀS QUESTÕES MAIS FREQUENTES Dezembro 2010 ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS Rua Dom Cristóvão da Gama n.º 1-3.º 1400-113

Leia mais

CONDIÇÕES A OBSERVAR PARA O ESTEBELECIMENTO DE POSTO DE TRANSFORMACÃO PRIVATIVO

CONDIÇÕES A OBSERVAR PARA O ESTEBELECIMENTO DE POSTO DE TRANSFORMACÃO PRIVATIVO CONDIÇÕES A OBSERVAR PARA O ESTEBELECIMENTO DE POSTO DE TRANSFORMACÃO PRIVATIVO 1 CONDIÇÕES PRÉVIAS Antes de iniciar qualquer trabalho de montagem, ou antes de adquirir um posto de transformação (PT),

Leia mais

Produção e Transporte de Energia 2. Produção e Transporte de Energia 2 - Definição de Condições de Ligação à Rede. J. A.

Produção e Transporte de Energia 2. Produção e Transporte de Energia 2 - Definição de Condições de Ligação à Rede. J. A. - Definição de Condições de Ligação à Rede J. A. Peças Lopes Introdução Grande Aumento da Produção Distribuída (PRE): A ligar fundamentalmente nas redes de distribuição e subtransmissão (MT e AT); Aparecimento

Leia mais

Ana Oliveira. Anibal T. de Almeida [aalmeida@isr.uc.pt] Enviado: sexta-feira, 9 de Março de 2001 18:06 Para: De: erse@erse.pt Cc:

Ana Oliveira. Anibal T. de Almeida [aalmeida@isr.uc.pt] Enviado: sexta-feira, 9 de Março de 2001 18:06 Para: De: erse@erse.pt Cc: Ana Oliveira De: Anibal T. de Almeida [aalmeida@isr.uc.pt] Enviado: sexta-feira, 9 de Março de 2001 18:06 Para: erse@erse.pt Cc: anacris@isr.uc.pt Assunto: Comentarios Anexos: ERSE-Revisão dos Regulamentos.doc;

Leia mais

TARIFAS E PREÇOS PARA A ENERGIA ELÉCTRICA E OUTROS SERVIÇOS EM 2009 E PARÂMETROS PARA O PERÍODO DE REGULAÇÃO 2009-2011

TARIFAS E PREÇOS PARA A ENERGIA ELÉCTRICA E OUTROS SERVIÇOS EM 2009 E PARÂMETROS PARA O PERÍODO DE REGULAÇÃO 2009-2011 TARIFAS E PREÇOS PARA A ENERGIA ELÉCTRICA E OUTROS SERVIÇOS EM 2009 E PARÂMETROS PARA O PERÍODO DE REGULAÇÃO 2009-2011 Dezembro 2008 ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS Rua Dom Cristóvão da Gama

Leia mais

ISEL. Subestação de Alto Mira. Relatório de Visita de Estudo. 27 Maio 2005. Secção de Sistemas de Energia

ISEL. Subestação de Alto Mira. Relatório de Visita de Estudo. 27 Maio 2005. Secção de Sistemas de Energia ISEL INSTITUTO SUPERIOR DE ENGENHARIA DE LISBOA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELECTROTÉCNICA E AUTOMAÇÃO Relatório de Visita de Estudo 27 Maio 2005 Secção de Sistemas de Energia Junho 2005 Índice 1. Enquadramento

Leia mais

Manual de Execução de Trabalhos em Equipamento de Contagem de Energia e de Controlo de Potência em instalações BTN ÍNDICE

Manual de Execução de Trabalhos em Equipamento de Contagem de Energia e de Controlo de Potência em instalações BTN ÍNDICE Manual de Execução de Trabalhos em Equipamento de Contagem de Energia e de Controlo de Potência em instalações BTN ÍNDICE 1. Localização e montagem... 2 1.1. Equipamento de contagem... 2 1.2. Dispositivos

Leia mais

ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS. Regulamento n.º 468/2012. Alteração ao Regulamento de Relações Comerciais do Setor Elétrico

ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS. Regulamento n.º 468/2012. Alteração ao Regulamento de Relações Comerciais do Setor Elétrico Diário da República, 2.ª série N.º 218 12 de novembro de 2012 36849 PARTE E ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS Regulamento n.º 468/2012 Alteração ao Regulamento de Relações Comerciais do Setor

Leia mais

PRESIDÊNCIA DO GOVERNO REGIONAL DOS AÇORES. Resolução do Conselho do Governo n.º 161/2006 de 14 de Dezembro de 2006

PRESIDÊNCIA DO GOVERNO REGIONAL DOS AÇORES. Resolução do Conselho do Governo n.º 161/2006 de 14 de Dezembro de 2006 PRESIDÊNCIA DO GOVERNO REGIONAL DOS AÇORES Resolução do Conselho do Governo n.º 161/2006 de 14 de Dezembro de 2006 A SPRAçores Sociedade de Promoção e Gestão Ambiental, S.A., é uma sociedade que tem por

Leia mais

Regras de procedimentos para transporte de bens e

Regras de procedimentos para transporte de bens e Regras de procedimentos para transporte de bens e Os Sistemas de Gestão Técnica na nova regulamentação para a eficiência energética mercadorias em edifícios Associação Portuguesa da Indústria de Refrigeração

Leia mais

EMPRESA DE ELECTRICIDADE DA MADEIRA SA

EMPRESA DE ELECTRICIDADE DA MADEIRA SA EMPRESA DE ELECTRICIDADE DA MADEIRA SA CENTRAL TÉRMICA DO PORTO SANTO EEM/DSP 1 16 MWe Central Térmica do Porto Santo 1 Descrição Geral A Central Térmica do Porto Santo entrou em funcionamento em 1992,

Leia mais

Relatório de Actividades 2003

Relatório de Actividades 2003 Relatório de Actividades 2003 ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS Março 2004 Rua Dom Cristóvão da Gama n.º 1-3.º 1400-113 Lisboa Telefone: 21 303 32 00 Fax: 21 303 32 01 Email: erse@erse.pt www.erse.pt

Leia mais

www.pwc.pt Auditoria nos termos do Regulamento da Qualidade de Serviço Relatório resumo EDP Serviço Universal, S.A.

www.pwc.pt Auditoria nos termos do Regulamento da Qualidade de Serviço Relatório resumo EDP Serviço Universal, S.A. www.pwc.pt Auditoria nos termos do Regulamento da Qualidade de Serviço Relatório resumo EDP Serviço Universal, S.A. Janeiro 2014 Enquadramento A promoção da melhoria contínua da qualidade de serviço no

Leia mais

CONTRATO DE COMPRA E VENDA DE ENERGIA ELÉTRICA UNIDADES DE MINIPRODUÇÃO

CONTRATO DE COMPRA E VENDA DE ENERGIA ELÉTRICA UNIDADES DE MINIPRODUÇÃO CONTRATO DE COMPRA E VENDA DE ENERGIA ELÉTRICA UNIDADES DE MINIPRODUÇÃO Entre [ ]., com sede em [ ], matriculada na Conservatória do Registo Comercial de [ ], com o número de matrícula e pessoa coletiva

Leia mais

A Qualidade da Regulação e os Serviços do Sector Eléctrico Angolano

A Qualidade da Regulação e os Serviços do Sector Eléctrico Angolano A Qualidade da Regulação e os Serviços do Sector Eléctrico Angolano VI Conferência RELOP Per : José Quarta Luanda, 30 31 de Maio de 2013 1 Interacção entre actores do Sistema Eléctrico 2 3 Projectos de

Leia mais

Centro Cultural de Belém

Centro Cultural de Belém Audição Pública sobre a proposta de regulamentação do Gás Natural Centro Cultural de Belém Perspectiva dos consumidores A opinião da COGEN Portugal A. Brandão Pinto Presidente da Comissão Executiva ÍNDICE

Leia mais

FW: Questões no âmbito da 42 Consulta Pública

FW: Questões no âmbito da 42 Consulta Pública Alexandra Paulo De: ERSE Enviado: quinta-feira, 20 de Dezembro de 2012 10:27 Para: Revisao Regulamento Gas Natural 2012 Assunto: FW: Questões no âmbito da 42 Consulta Pública Sinal. de seguimento: Estado

Leia mais

40568 Diário da República, 2.ª série N.º 249 26 de dezembro de 2012

40568 Diário da República, 2.ª série N.º 249 26 de dezembro de 2012 40568 Diário da República, 2.ª série N.º 249 26 de dezembro de 2012 Diretiva n.º 20/2012 Tarifas e preços para a energia elétrica e outros serviços em 2013 As tarifas e preços regulados para a energia

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO N o 615, DE 6 NOVEMBRO DE 2002 (*) Vide alterações e inclusões no final do texto. Aprova o modelo do Contrato de Prestação de Serviço Público de Energia

Leia mais

Palavras-chave: Prioritização de Investimentos; Gestão de Activos; Matriz Multicritério; Rede de Distribuição; Sistema de Informação Geográfica.

Palavras-chave: Prioritização de Investimentos; Gestão de Activos; Matriz Multicritério; Rede de Distribuição; Sistema de Informação Geográfica. GESTÃO DE ACTIVOS Palavras-chave: Prioritização de Investimentos; Gestão de Activos; Matriz Multicritério; Rede de Distribuição; Sistema de Informação Geográfica. A EPAL caracteriza-se por ser uma empresa

Leia mais

REGRAS DE SEGURANÇA JUNTO A INSTALAÇÕES DE MUITO ALTA TENSÃO E ALTA TENSÃO LINHAS DE TRANSPORTE SUBESTAÇÕES, POSTOS DE CORTE E DE SECCIONAMENTO

REGRAS DE SEGURANÇA JUNTO A INSTALAÇÕES DE MUITO ALTA TENSÃO E ALTA TENSÃO LINHAS DE TRANSPORTE SUBESTAÇÕES, POSTOS DE CORTE E DE SECCIONAMENTO REGRAS DE SEGURANÇA JUNTO A INSTALAÇÕES DE MUITO ALTA TENSÃO E ALTA TENSÃO LINHAS DE TRANSPORTE SUBESTAÇÕES, POSTOS DE CORTE E DE SECCIONAMENTO A REN - Rede Eléctrica Nacional, S.A. é a concessionária

Leia mais

REGRAS DE FACTURAÇÃO DE ENERGIA REACTIVA. APIGCEE Associação Portuguesa dos Industriais Grandes Consumidores de Energia Eléctrica

REGRAS DE FACTURAÇÃO DE ENERGIA REACTIVA. APIGCEE Associação Portuguesa dos Industriais Grandes Consumidores de Energia Eléctrica SEMINÁRIO ERSE, 5 de Fevereiro de 2009 REGRAS DE FACTURAÇÃO DE ENERGIA REACTIVA APIGCEE Associação Portuguesa dos Industriais Grandes Baptista Pereira 1 A APIGCEE, abrange sectores-chave da indústria portuguesa

Leia mais

ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS. Despacho n.º 18138/2009

ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS. Despacho n.º 18138/2009 31322 Diário da República, 2.ª série N.º 150 5 de Agosto de 2009 PARTE E ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS Despacho n.º 18138/2009 No âmbito do novo período regulatório (2009-2011), a ERSE procedeu

Leia mais

REGULAMENTO MUNICIPAL DE INSPECÇÃO DE ASCENSORES, MONTA-CARGAS, ESCADAS MECÂNICAS E TAPETES ROLANTES. Preâmbulo

REGULAMENTO MUNICIPAL DE INSPECÇÃO DE ASCENSORES, MONTA-CARGAS, ESCADAS MECÂNICAS E TAPETES ROLANTES. Preâmbulo REGULAMENTO MUNICIPAL DE INSPECÇÃO DE ASCENSORES, MONTA-CARGAS, ESCADAS MECÂNICAS E TAPETES ROLANTES Preâmbulo O Decreto-Lei n. 295/98, de 22 de Setembro, que transpôs para o direito interno a Directiva

Leia mais

REPÚBLICA DE ANGOLA MINISTÉRIO DA ENERGIA E ÁGUAS

REPÚBLICA DE ANGOLA MINISTÉRIO DA ENERGIA E ÁGUAS REPÚBLICA DE ANGOLA MINISTÉRIO DA ENERGIA E ÁGUAS REGULAMENTO DAS RELAÇÕES COMERCIAIS Regulamento das Relações Comerciais Índice Capítulo I Disposições Gerais... 1 Artigo 1. Objecto.... 1 Artigo 2.º Âmbito...1

Leia mais

FORMAÇÃO PROFISSIONAL A FORMAÇÃO CONTÍNUA DE TRABALHADORES NAS EMPRESAS

FORMAÇÃO PROFISSIONAL A FORMAÇÃO CONTÍNUA DE TRABALHADORES NAS EMPRESAS DEPARTAMENTO DE GESTÃO ADMINISTRATIVA DE RECURSO HUMANOS FORMAÇÃO PROFISSIONAL A FORMAÇÃO CONTÍNUA DE TRABALHADORES NAS EMPRESAS OBJECTIVOS DA FORMAÇÃO PROFISSIONAL A Formação Profissional tem como objectivos:

Leia mais

Atributos da Proposta e Preço Contratual

Atributos da Proposta e Preço Contratual Atributos da Proposta e Preço Contratual António José da Silva Coutinho, portador do cartão de cidadão nº. 08419828, com domicílio profissional na Rua Castilho, 165, 4º, 1070-050 Lisboa, na qualidade de

Leia mais

REGRAS DE FACTURAÇÃO DE ENERGIA REACTIVA

REGRAS DE FACTURAÇÃO DE ENERGIA REACTIVA centro tecnológico da cerâmica e do vidro coimbra portugal REGRAS DE FACTURAÇÃO DE ENERGIA REACTIVA PERSPECTIVA DOS CONSUMIDORES DA INDÚSTRIA CERÂMICA Artur Serrano Fernando Cunha ERSE 1 5 de Fevereiro

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DAS REDES DE TRANSPORTE E DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉCTRICA DA REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES

CARACTERIZAÇÃO DAS REDES DE TRANSPORTE E DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉCTRICA DA REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES CARACTERIZAÇÃO DAS REDES DE TRANSPORTE E DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉCTRICA DA REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES Situação em 31 de Dezembro de 2010 ELECTRICIDADE DOS AÇORES EDA, S.A. 31 de Março de 2011 ÍNDICE

Leia mais

Regulamento relativo à manutenção e inspecção de ascensores, monta-cargas, escadas mecânicas e tapetes rolantes da Câmara Municipal da Trofa

Regulamento relativo à manutenção e inspecção de ascensores, monta-cargas, escadas mecânicas e tapetes rolantes da Câmara Municipal da Trofa Regulamento relativo à manutenção e inspecção de ascensores, monta-cargas, escadas mecânicas e tapetes rolantes da Câmara Municipal da Trofa Aprovado em reunião de Câmara de 12 de Setembro de 2003 e em

Leia mais

Regulamento 2010/2011. Cursos de Treinadores de Futebol. Distrital (Nível I)

Regulamento 2010/2011. Cursos de Treinadores de Futebol. Distrital (Nível I) Regulamento 2010/2011 Cursos de Treinadores de Futebol (Nível I) 1.- ORGANIZAÇÃO A responsabilidade dos Cursos de Treinadores é da Federação Portuguesa de Futebol (FPF), através do seu (SF), a quem compete

Leia mais

Qualidade da energia elétrica no Brasil

Qualidade da energia elétrica no Brasil Qualidade da energia elétrica no Brasil Luiz Henrique Capeli Agência Nacional de Energia Elétrica ANEEL Luanda 30 de maio de 2013 Agenda Qualidade da Energia Elétrica Evolução da Regulamentação Qualidade

Leia mais

DECRETO-LEI N.º 68/2002 DE 25 DE MARÇO

DECRETO-LEI N.º 68/2002 DE 25 DE MARÇO A disponibilização para consulta do teor de diplomas legislativos não dispensa a consulta do Diário da República, não se responsabilizando a ERSE pelo seu conteúdo. DECRETO-LEI N.º 68/2002 DE 25 DE MARÇO

Leia mais

ORIENTAÇÃO SOBRE PRINCÍPIOS DE AUDITORIA NP EN ISO 19011:2003. Celeste Bento João Carlos Dória Novembro de 2008

ORIENTAÇÃO SOBRE PRINCÍPIOS DE AUDITORIA NP EN ISO 19011:2003. Celeste Bento João Carlos Dória Novembro de 2008 ORIENTAÇÃO SOBRE PRINCÍPIOS DE AUDITORIA NP EN ISO 19011:2003 Celeste Bento João Carlos Dória Novembro de 2008 1 SISTEMÁTICA DE AUDITORIA - 1 1 - Início da 4 - Execução da 2 - Condução da revisão dos documentos

Leia mais

Sistema de distribuição.

Sistema de distribuição. 1 Impacto de Cargas Eletrônicas Residenciais e Comerciais Eficientes e Não-lineares no Sistema de Distribuição Parte II Medições das Cargas em Alimentadores Típicos M. L. y Gonzalez, S. Visacro F., P.

Leia mais

ISEL. Subestação de Sacavém. Relatório de Visita de Estudo. 6 Dezembro 2005. Secção de Sistemas de Energia

ISEL. Subestação de Sacavém. Relatório de Visita de Estudo. 6 Dezembro 2005. Secção de Sistemas de Energia ISEL INSTITUTO SUPERIOR DE ENGENHARIA DE LISBOA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELECTROTÉCNICA E AUTOMAÇÃO Relatório de Visita de Estudo 6 Dezembro 2005 Secção de Sistemas de Energia Março 2006 Índice 1. Enquadramento

Leia mais

Introdução ao Sistema Elétrico

Introdução ao Sistema Elétrico Fundação Universidade INTRODUÇÃO Federal de Mato AO Grosso SISTEMA do Sul ELÉTRICO 1 Princípios de Eletricidade e Eletrônica Introdução ao Sistema Elétrico Universidade Federal de Mato Grosso do Sul FAENG

Leia mais

BOLSAS DE ESTUDO ANA SOLIDÁRIA REGULAMENTO. Preâmbulo

BOLSAS DE ESTUDO ANA SOLIDÁRIA REGULAMENTO. Preâmbulo BOLSAS DE ESTUDO ANA SOLIDÁRIA REGULAMENTO Preâmbulo Faz parte da missão da ANA - Aeroportos de Portugal, S.A. (ANA) gerir de forma eficiente a rede de infraestruturas aeroportuárias a seu cargo os aeroportos

Leia mais

CATÁLOGO TÉCNICO DE PRODUTO

CATÁLOGO TÉCNICO DE PRODUTO Descrição: Detecte problemas de qualidade da energia mais rapidamente, com maior segurança e detalhes! Com o Analisador de Energia Fluke 434 você consegue localizar, prever, prevenir e detectar problemas

Leia mais