NOVA LEI DA IMIGRAÇÃO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "NOVA LEI DA IMIGRAÇÃO"

Transcrição

1 19 de Junho de 2007 NOVA LEI DA IMIGRAÇÃO Cláudia do Carmo Santos Advogada

2 OBJECTIVOS Desburocratização de procedimentos Adequação da lei em vigor à realidade social Atracção de mão-de-obra estrangeira qualificada Satisfação de necessidades de mão-de-obra estrangeira sazonal Captação de investimento estrangeiro Combate à imigração ilegal Desenvolvimento económico, social e cultural Transposição de directivas comunitárias

3 Novo regime de vistos Visto de estada temporária Visto de residência PRINCIPAIS ALTERAÇÕES Novo regime de Autorização de Residência (AR) AR actividade profissional subordinada AR actividade profissional independente AR actividade investigação/altamente qualificada Criação de documento único

4 VISTOS

5 VISTOS Exercício de actividade profissional em Portugal

6 VISTO DE ESTADA TEMPORÁRIA Nova Lei da Imigração Destina-se a permitir a entrada em território português ao seu titular para: o Tratamento médico em estabelecimentos de saúde o Transferência de cidadãos nacionais de Estados Parte da OMC, no contexto da prestação de serviços ou da realização de formação profissional, cuja duração não ultrapasse, em regra, 6 meses o Exercício de actividade profissional, subordinada ou independente, de carácter temporário, cuja duração não ultrapasse, em regra, seis meses o Exercício de actividade de investigação científica, de actividade docente ou de actividade altamente qualificada, durante um período de tempo inferior a 1 ano o Exercício actividade desportiva amadora o Permanência por períodos superiores a 3 meses, em casos excepcionais, devidamente fundamentados, designadamente o cumprimento dos compromissos internacionais no âmbito da OMC, em sede de liberdade de prestação de serviços o Acompanhamento de familiar sujeito a tratamento médico

7 VISTO DE ESTADA TEMPORÁRIA É válido por 3 meses e para múltiplas entradas Prazo máximo de decisão: 30 dias Parecer prévio do SEF Condições gerais de concessão: o Documento de viagem válido (validade superior à duração da estada) o Seguro de viagem o Não indicação para efeitos de não admissão no Sistema de Informação Schengen o Não indicação para efeitos de não admissão no Sistema Integrado de Informações do SEF o Não sujeição a medida de afastamento do país o Não condenação em pena privativa de liberdade com duração superior a 1 ano o Não ameaça grave para ordem pública, segurança pública ou saúde pública o Meios de subsistência (definidos por portaria), os quais podem ser dispensados aos que provem ter alimentação e alojamento assegurados durante a estada. Esta prova poderá ser efectuada mediante termo de responsabilidade subscrito por cidadão nacional ou estrangeiro habilitado a permanecer regularmente em território português, o qual inclui: a) as condições de estada em Portugal b) a reposição dos custos de afastamento, em caso de permanência ilegal (neste caso, o termo de responsabilidade constitui título executivo)

8 VISTO DE ESTADA TEMPORÁRIA Transferência de trabalhadores (OMC) Condições especiais: o Transferência entre estabelecimentos da mesma empresa ou mesmo grupo de empresas que prestem serviços equivalentes o Transferência referir-se a sócios ou trabalhadores subordinados há, pelo menos, um ano que se incluam numa das seguintes categorias: a) Os que, possuindo poderes de direcção, trabalhem como quadros superiores da empresa e façam, essencialmente, a gestão de um estabelecimento ou departamento, recebendo orientações gerais do concelho de administração b) Os que possuam conhecimentos técnicos específicos essenciais à actividade, ao equipamento de investigação, às técnicas ou à gestão da mesma c) Os que devam receber formação profissional no estabelecimento situado em território nacional

9 VISTO DE ESTADA TEMPORÁRIA Actividade profissional subordinada temporária: Condições especiais: o Titularidade de promessa ou de contrato de trabalho Preferência nacional/comunitária/eee/residência legal É concedido pelo tempo de duração do contrato de trabalho Excepcionalmente concedido para exercício de actividade profissional com duração superior a 6 meses, desde que inserida no âmbito de um contrato de investimento e até ao limite da respectiva execução temporal

10 VISTO DE ESTADA TEMPORÁRIA Actividade de investigação Condições especiais: o Colaboração em centro de investigação reconhecido pelo Ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior o Titularidade de promessa ou contrato de trabalho, de uma proposta ou contrato de prestação de serviços ou de um bolsa de investigação científica Actividade de docente/altamente qualificada Condições especiais: o Titularidade de promessa ou contrato de trabalho ou de uma proposta ou contrato de prestação de serviços

11 Nova Lei da Imigração Destina-se a permitir ao seu titular a entrada em território português a fim de solicitar autorização de residência É válido para duas entradas e habilita o seu titular a permanecer quatro meses em território português 6 Tipos de vistos de residência: o Actividade profissional subordinada o Actividade profissional independente/imigrantes empreendedores o Actividade de investigação/altamente qualificada o Estudo, intercâmbio de estudantes, estágio profissional ou voluntariado o Mobilidade de estudantes do ensino superior o Reagrupamento familiar Prazo máximo de decisão: 60 dias Parecer prévio do SEF Condições gerais (visto de estada temporária) VISTO DE RESIDÊNCIA

12 VISTO DE RESIDÊNCIA Actividade profissional subordinada Preferência nacional/comunitária/eee/acordos livre circulação/residência legal Contingente de oportunidades de emprego; Condições especiais: o Contrato de trabalho ou promessa de contrato de trabalho ou o Manifestação individualizada de interesse da entidade empregadora habilitações, competências ou qualificações reconhecidas e adequadas para o exercício da actividade; e o Título de transporte que assegure regresso. Regime excepcional: o Pode ser emitido a estrangeiros titulares de contrato de trabalho, desde que comprovem que oferta de emprego não foi preenchida.

13 VISTO DE RESIDÊNCIA Actividade profissional independente/emigrantes empreendedores Condições especiais actividade profissional independente: o Contrato ou proposta de contrato de prestação de serviços no âmbito de profissão liberal o Habilitações para exercício de actividade independente, quando aplicável o Título de transporte que assegure regresso Condições especiais emigrantes empreendedores: o Tenham realizado operações de investimento em Portugal ou o Comprovem dispor de meios financeiros disponíveis em Portugal e demonstrem intenção de proceder a operações de investimento em território português

14 VISTO DE RESIDÊNCIA Actividade de investigação/altamente qualificada Condições especiais actividade de investigação: o Colaboração em centro de investigação reconhecido pelo Ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior e o Titularidade de promessa ou contrato de trabalho, de proposta escrita ou contrato de prestação de serviços ou de bolsa de investigação científica Condições especiais actividade altamente qualificada: o Titularidade de promessa ou contrato de trabalho ou de proposta escrita ou contrato de prestação de serviços Prazo máximo para decisão: 30 dias

15 AUTORIZAÇÃO DE RESIDÊNCIA Nova Lei da Imigração Tipos de AR: o Temporária: válida por 1 ano e renovável por períodos sucessivos de 2 anos o Permanente: não tem limite de validade Condições gerais de concessão de AR temporária: o Posse de visto de residência válido o Inexistência de qualquer facto que devesse obstar à concessão do visto o Posse de meios de subsistência o Presença em território português o Alojamento o Inscrição na Segurança Social, quando aplicável o Ausência de condenação por crime que em Portugal seja punível com pena privativa de liberdade de duração superior a um ano o Não se encontrar no período de interdição de entrada em território português subsequente a uma medida de afastamento do país o Ausência de indicação no Sistema de Informação Schengen o Ausência de indicação no Sistema Integrado de Informações do SEF

16 AUTORIZAÇÃO DE RESIDÊNCIA Condições gerais de concessão de AR permanente: o Titularidade de autorização de residência há, pelo menos, 5 anos o Durante os últimos 5 anos de residência em Portugal, não condenação em pena que ultrapasse um ano de prisão o Meios de subsistência o Alojamento o Conhecimento do Português básico Direitos do titular de AR: o Educação e ensino o Exercício de actividade profissional o Orientação, formação, aperfeiçoamento e reciclagem profissionais o Acesso à saúde o Acesso ao Direito e Tribunais, etc. Dispensa especial de visto de residência (contempla mais situações). Regime excepcional (contempla mais situações). Prazo máximo para decisão: 60 dias

17 AR actividade profissional subordinada Condições especiais: AUTORIZAÇÃO DE RESIDÊNCIA o Contrato de trabalho celebrado nos termos da lei o Inscrição na Segurança Social. Regime excepcional de dispensa de visto de residência (SEF): o Contrato de trabalho ou relação laboral comprovada por sindicato o Entrada e permanência legal em território nacional o Inscrição e situação regularizada perante a Segurança Social o SEF comunica concessão de AR ao IEFP (execução do contingente de oportunidade de emprego), IGT (fiscalização do cumprimento de obrigações legais pela entidade empregadora), Administração Fiscal e Segurança Social

18 AR actividade profissional independente Condições especiais: AUTORIZAÇÃO DE RESIDÊNCIA o Constituição de sociedade, declaração de início de actividade junto da Administração e da Segurança Social como pessoa singular ou celebração de contrato de prestação de serviços para o exercício de profissão liberal o Habilitações para o exercício de actividade profissional independente, quando aplicáve o Meios de subsistência o Inscrição na Segurança Social o Quando exigível, declaração da ordem profissional no sentido do preenchimento dos requisitos de inscrição Regime excepcional de dispensa de visto de residência (SEF): o Entrada e permanência legal em território nacional Possibilidade de exercício de actividade profissional subordinada, mediante substituição do título de residência (observância das regras previstas para a concessão da AR para exercício de actividade profissional subordinada)

19 AUTORIZAÇÃO DE RESIDÊNCIA AR actividade investigação/altamente qualificada Condições especiais: o Colaboração em centro de investigação oficialmente reconhecido, nomeadamente através de contrato de trabalho, contrato de prestação de serviço ou de bolsa de investigação científica ou o contrato de trabalho ou contrato de prestação de serviços compatível com o exercício de actividade docente num estabelecimento de ensino superior ou actividade altamente qualificada e o Inscrição na Segurança Social Regime excepcional de dispensa de visto de residência (SEF): o Entrada e permanência legal em território nacional

20 Regime transitório DOCUMENTO ÚNICO Os titulares de visto de trabalho, autorização de permanência, visto de estada temporária com autorização para o exercício de actividade subordinada e visto de estudo consideram-se titulares de Autorização de Residência

21 Obrigada Cláudia do Carmo Santos

22

Autorização de Permanência e Residência O Regime do Golden Visa

Autorização de Permanência e Residência O Regime do Golden Visa Autorização de Permanência e Residência O Regime do Golden Visa O Direito de Residência dos Cidadãos Europeus Qualquer cidadão da UE tem direito de residir em Portugal, por período até 3 meses, sendo titular

Leia mais

I SOCIETÁRIO LEGAL FLASH. LEGAL FLASH I 14 de AGOSTO, 2012

I SOCIETÁRIO LEGAL FLASH. LEGAL FLASH I 14 de AGOSTO, 2012 LEGAL FLASH I SOCIETÁRIO LEGAL FLASH I 14 de AGOSTO, 2012 Lei n.º 29/2012, de 9 de Agosto Novo Regime de Autorização de Residência para Estrangeiros Investidores 2 LEI N.º 29/2012 NOVO REGIME DE AUTORIZAÇÃO

Leia mais

Autorização de Permanência e Residência

Autorização de Permanência e Residência Autorização de Permanência e Residência O Direito de Residência dos Cidadãos Europeus Qualquer cidadão da UE tem direito de residir em Portugal, por período até 3 meses, sendo titular de bilhete de identidade

Leia mais

índice 2 Imigração em portugal Imigração em Portugal Informação Útil 07 Enquadramento Legal 61 Reagrupamento Familiar 73 Acesso à Saúde

índice 2 Imigração em portugal Imigração em Portugal Informação Útil 07 Enquadramento Legal 61 Reagrupamento Familiar 73 Acesso à Saúde 2 Imigração em portugal índice 3 Imigração em Portugal Informação Útil 07 Enquadramento Legal 61 Reagrupamento Familiar 73 Acesso à Saúde 101 Acesso à Educação 115 Reconhecimento de Habilitações e Competências

Leia mais

Flash News. Dinis Lucas e Almeida Santos Sociedade de Advogados RL. ARI / Golden Visa NOVAS REGRAS

Flash News. Dinis Lucas e Almeida Santos Sociedade de Advogados RL. ARI / Golden Visa NOVAS REGRAS Flash News Dinis Lucas e Almeida Santos Sociedade de Advogados RL Boutique law firm geral@dlas.pt www.dlas.com.pt 217 816 010 961 277 028 Av. Republica nº 50 7-A 1050-196 Lisboa ARI / Golden Visa NOVAS

Leia mais

GOLDEN VISA Junho 2013 AUTORIZAÇÃO DE RESIDÊNCIA ATRAVÉS DE INVESTIMENTO EM PORTUGAL

GOLDEN VISA Junho 2013 AUTORIZAÇÃO DE RESIDÊNCIA ATRAVÉS DE INVESTIMENTO EM PORTUGAL GOLDEN VISA Junho 2013 AUTORIZAÇÃO DE RESIDÊNCIA ATRAVÉS DE INVESTIMENTO EM PORTUGAL Portugal já está a atribuir os Golden Residence Permit a cidadãos não- Europeus no caso de realização de determinados

Leia mais

ASSEMBLÉIA NACIONAL CAPÍTULO I

ASSEMBLÉIA NACIONAL CAPÍTULO I ASSEMBLÉIA NACIONAL Lei n.º 3/94 de 21 de Janeiro O Regime Jurídico dos Estrangeiros na República de Angola é parcialmente regulado pela Lei n.º 4/93, de 26 de Maio e pelo Decreto n.º 13/78, de 1º de Fevereiro.

Leia mais

AUTORIZAÇÃO DE RESIDÊNCIA PARA ATIVIDADE DE INVESTIMENTO (ARI) PERGUNTAS MAIS FREQUENTES

AUTORIZAÇÃO DE RESIDÊNCIA PARA ATIVIDADE DE INVESTIMENTO (ARI) PERGUNTAS MAIS FREQUENTES AUTORIZAÇÃO DE RESIDÊNCIA PARA ATIVIDADE DE INVESTIMENTO (ARI) PERGUNTAS MAIS FREQUENTES 1. O que é o regime especial de Autorização de Residência para Atividade de Investimento (ARI)? O regime de ARI

Leia mais

REGIME LEGAL DE ENTRADA E PERMANÊNCIA DE ESTRANGEIROS EM ANGOLA

REGIME LEGAL DE ENTRADA E PERMANÊNCIA DE ESTRANGEIROS EM ANGOLA REGIME LEGAL DE ENTRADA E PERMANÊNCIA DE ESTRANGEIROS EM ANGOLA Edição Online e Coordenação Técnica: Icep Portugal/Unidade Conhecimento de Mercado Elaboração: Delegação do Icep Portugal em Luanda Data:

Leia mais

Guia Jurídico da Imigração em Portugal: Orientações para a Acção Sindical

Guia Jurídico da Imigração em Portugal: Orientações para a Acção Sindical Guia Jurídico da Imigração em Portugal: Orientações para a Acção Sindical Co-financiado por: UNIÃO EUROPEIA Fundo social Europeu 1 Índice Ficha Técnica Autor: Ana Cecília Simões Edição: CGTP-IN, Departamento

Leia mais

2012 Guia do Imigrante

2012 Guia do Imigrante 2012 Guia do Imigrante FICHA TÉCNICA AUTOR: PRESIDÊNCIA DO GOVERNO REGIONAL DOS AÇORES SECRETÁRIO REGIONAL DA PRESIDÊNCIA DIRECÇÃO REGIONAL DAS COMUNIDADES EDIÇÃO: DIRECÇÃO REGIONAL DAS COMUNIDADES COORDENADOR

Leia mais

DECRETO N.º 37/VIII. Artigo 1.º Objecto. Artigo 2.º Sentido e extensão

DECRETO N.º 37/VIII. Artigo 1.º Objecto. Artigo 2.º Sentido e extensão DECRETO N.º 37/VIII AUTORIZA O GOVERNO A ALTERAR O REGIME JURÍDICO QUE REGULA A ENTRADA, PERMANÊNCIA, SAÍDA E AFASTAMENTO DE ESTRANGEIROS DO TERRITÓRIO NACIONAL A Assembleia da República decreta, nos termos

Leia mais

2012 Guia do Imigrante

2012 Guia do Imigrante 2012 Guia do Imigrante FICHA TÉCNICA AUTOR: PRESIDÊNCIA DO GOVERNO REGIONAL DOS AÇORES SECRETÁRIO REGIONAL DA PRESIDÊNCIA DIRECÇÃO REGIONAL DAS COMUNIDADES EDIÇÃO: DIRECÇÃO REGIONAL DAS COMUNIDADES COORDENADOR

Leia mais

MINISTÉRIO DA ADMINISTRAÇÃO INTERNA. 8008 Diário da República, 1.ª série N.º 212 5 de Novembro de 2007

MINISTÉRIO DA ADMINISTRAÇÃO INTERNA. 8008 Diário da República, 1.ª série N.º 212 5 de Novembro de 2007 8008 Diário da República, 1.ª série N.º 212 5 de Novembro de 2007 Assim: Nos termos da alínea a) do n.º 1 do artigo 198.º da Constituição, o Governo decreta o seguinte: Artigo único Concessão de autorização

Leia mais

Índice Geral. 1. Condições de entrada, permanência, saída e afastamento de estrangeiros do território nacional

Índice Geral. 1. Condições de entrada, permanência, saída e afastamento de estrangeiros do território nacional INTRODUCTION 5 Índice Geral Índice Alfabético 11 Índice Cronológico 15 Índice Sistemático 19 Nota Prévia 65 Parte I Estrangeiros em geral 1. Condições de entrada, permanência, saída e afastamento de estrangeiros

Leia mais

REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR LESTE GOVERNO. Decreto n. o 4 /2004 de 7 de Maio REGULARIZAÇÃO DE ESTRANGEIROS EM TERRITÓRIO NACIONAL

REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR LESTE GOVERNO. Decreto n. o 4 /2004 de 7 de Maio REGULARIZAÇÃO DE ESTRANGEIROS EM TERRITÓRIO NACIONAL REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR LESTE GOVERNO Decreto n. o 4 /2004 de 7 de Maio REGULARIZAÇÃO DE ESTRANGEIROS EM TERRITÓRIO NACIONAL A Lei de Imigração e Asilo N. 9/2003 de 15 de Outubro (LIA), veio definir

Leia mais

Proposta de Lei da Imigração Inovações que mudam a vida das pessoas

Proposta de Lei da Imigração Inovações que mudam a vida das pessoas da Imigração Inovações que mudam a vida das pessoas Fui expulso, mas tenho um filho menor a cargo a viver em Portugal. Podem recusar-me a entrada? Sim. A residência de filhos menores em Portugal é apenas

Leia mais

Imigração em Portugal Enquadramento Legal Folheto Informativo

Imigração em Portugal Enquadramento Legal Folheto Informativo Imigração em Portugal Enquadramento Legal Folheto Informativo Lei de Imigração Viver em Portugal Quais os requisitos de entrada em Portugal? Para entrar em Portugal os estrangeiros devem: 1. Ser portadores

Leia mais

Decreto Regulamentar n.º 9/2001. de 31 de Maio

Decreto Regulamentar n.º 9/2001. de 31 de Maio Decreto Regulamentar n.º 9/2001 de 31 de Maio O presente diploma visa alterar o Decreto Regulamentar n.º 5-A/2000, de 26 de Abril (Declaração de Rectificação n.º 7-B/2000), que regulamenta o Decreto-Lei

Leia mais

GOLDEN VISA. Autorização de Residência INFORMAÇÃO LEGAL I. AUTORIZAÇÃ O DE RESIDÊNCIA PARA INVESTIDORES ESTRANGEIROS

GOLDEN VISA. Autorização de Residência INFORMAÇÃO LEGAL I. AUTORIZAÇÃ O DE RESIDÊNCIA PARA INVESTIDORES ESTRANGEIROS INFORMAÇÃO LEGAL GOLDEN VISA I. AUTORIZAÇÃ O DE RESIDÊNCIA PARA INVESTIDORES ESTRANGEIROS As disposições legais em vigor admitem a possibilidade de cidadãos estrangeiros não residentes na União Europeia

Leia mais

Protocolo Bilateral entre o Governo da República Portuguesa e o Governo da República de Angola sobre Facilitação de Vistos. Artigo 1.

Protocolo Bilateral entre o Governo da República Portuguesa e o Governo da República de Angola sobre Facilitação de Vistos. Artigo 1. Protocolo Bilateral entre o Governo da República Portuguesa e o Governo da República de Angola sobre Facilitação de Vistos Artigo 1.º (Objecto) O presente Protocolo tem por objecto a criação de um mecanismo

Leia mais

Decreto Regulamentar 9/2001, de 31 de Maio-I Série B

Decreto Regulamentar 9/2001, de 31 de Maio-I Série B Decreto Regulamentar 9/2001, de 31 de Maio-I Série B Altera e republica o Decreto Regulamentar n.º 5-A/2000, de 26 de Abril, que regulamenta o Decreto-Lei n.º 244/98, de 8 de Agosto, com as alterações

Leia mais

EMBAIXADA DE PORTUGAL PRAIA SECÇÃO CONSULAR VISTOS DE ESTUDO 2015/16. Informações Gerais:

EMBAIXADA DE PORTUGAL PRAIA SECÇÃO CONSULAR VISTOS DE ESTUDO 2015/16. Informações Gerais: S. R. EMBAIXADA DE PORTUGAL PRAIA SECÇÃO CONSULAR Fevereiro/2015 VISTOS DE ESTUDO 2015/16 Informações Gerais: Fases do processo 1. Envio de listas com indicação dos candidatos: Enviadas até 10 de Julho;

Leia mais

REGIME AUTORIZAÇÃO DE RESIDÊNCIA PARA INVESTIMENTO

REGIME AUTORIZAÇÃO DE RESIDÊNCIA PARA INVESTIMENTO REGIME AUTORIZAÇÃO DE RESIDÊNCIA PARA INVESTIMENTO Despacho n.º 1661-A/2013, de 28 de janeiro de 2013 A Lei n.º 29/2012, de 9 de agosto, que alterou a Lei n.º 23/2007, de 4 de julho, que aprova o regime

Leia mais

O PROGRAMA QUALIFICAÇÃO EMPREGO (Portaria Nº 126/2009, de 30 de Janeiro)

O PROGRAMA QUALIFICAÇÃO EMPREGO (Portaria Nº 126/2009, de 30 de Janeiro) 17/02/2009 LABORAL FLASH N.º 2/2009 O PROGRAMA QUALIFICAÇÃO EMPREGO (Portaria Nº 126/2009, de 30 de Janeiro) A Portaria nº 126/2009, de 30 de Janeiro cria o Programa Qualificação Emprego (adiante só Programa)

Leia mais

5º - Regra sobre a gestão de deslocações, Nacionais e Internacionais

5º - Regra sobre a gestão de deslocações, Nacionais e Internacionais 5º - Regra sobre a gestão de deslocações, Nacionais e Internacionais Como se pode constatar na regra 3, a filosofia de imputação de despesas com deslocações e subsistência, está directamente relacionada

Leia mais

AUTORIZA O GOVERNO A ALTERAR A ESTRUTURA ORGÂNICA E AS ATRIBUIÇÕES DO SERVIÇO DE ESTRANGEIROS E FRONTEIRAS, REVOGANDO O DECRETO-LEI N

AUTORIZA O GOVERNO A ALTERAR A ESTRUTURA ORGÂNICA E AS ATRIBUIÇÕES DO SERVIÇO DE ESTRANGEIROS E FRONTEIRAS, REVOGANDO O DECRETO-LEI N DECRETO N.º 36/VIII AUTORIZA O GOVERNO A ALTERAR A ESTRUTURA ORGÂNICA E AS ATRIBUIÇÕES DO SERVIÇO DE ESTRANGEIROS E FRONTEIRAS, REVOGANDO O DECRETO-LEI N.º 440/86, DE 31 DE DEZEMBRO, ESPECIALMENTE PARA

Leia mais

Incentivos à contratação

Incentivos à contratação Incentivos à contratação A empresa poderá beneficiar de incentivos quando pretende contratar novos trabalhadores. Os incentivos de que as empresas podem usufruir quando contratam novos trabalhadores podem

Leia mais

ASPECTOS MAIS RELEVANTES DA NOVA LEI DE IMIGRAÇÃO

ASPECTOS MAIS RELEVANTES DA NOVA LEI DE IMIGRAÇÃO ASPECTOS MAIS RELEVANTES DA NOVA LEI DE IMIGRAÇÃO Lei 23/2007, de 4 de Julho A Lei 23/2007, de 4 de Julho, que estabelece o Regime Jurídico de Entrada, Permanência, Saída e Afastamento de Estrangeiros

Leia mais

S. R. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA DIREÇÃO-GERAL DO ENSINO SUPERIOR

S. R. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA DIREÇÃO-GERAL DO ENSINO SUPERIOR Regulamento de Formação Avançada e Qualificação de Recursos Humanos da Direção-Geral do Ensino Superior (Aprovado por despacho, de 15 de junho de 2012, do Presidente do Conselho Diretivo da Fundação para

Leia mais

RESPONSABILIDADE PENAL DOS ADMINISTRADORES E GERENTES DIREITO LABORAL

RESPONSABILIDADE PENAL DOS ADMINISTRADORES E GERENTES DIREITO LABORAL RESPONSABILIDADE PENAL DOS ADMINISTRADORES E GERENTES DIREITO LABORAL Manhãs do Direito 27 Fevereiro 2014 MARIA PINHO PINHAL Burla relativa a trabalho ou emprego Condições de entrada, permanência e saída

Leia mais

AUTORIZAÇÃO DE RESIDÊNCIA PARA ACTIVIDADE DE INVESTIMENTO (ARI)

AUTORIZAÇÃO DE RESIDÊNCIA PARA ACTIVIDADE DE INVESTIMENTO (ARI) AUTORIZAÇÃO DE RESIDÊNCIA PARA ACTIVIDADE DE INVESTIMENTO (ARI) 投 资 与 移 民 门 道 是 专 门 提 供 投 资 与 移 民 服 务 的 独 立 咨 询 机 构 我 们 的 多 学 科 团 队 精 心 研 究, 旨 在 为 客 户 提 供 最 佳 的 商 业 战 略 和 国 际 投 资 方 案 INVESTIMENTO E EMIGRAÇÃO

Leia mais

CONSULADO DE PORTUGAL CURITIBA

CONSULADO DE PORTUGAL CURITIBA VISTO PARA TRABALHAR EM PORTUGAL Actividade profissional subordinado ( Artº 30) OU Actividade profissional independente ( Artº 31) Os pedidos de visto devem ser apresentados pelo requerente com uma antecedência

Leia mais

VISTOS GOLD NOVAS MODALIDADES ENTRAM. Novas modalidades: EM FUNCIONAMENTO

VISTOS GOLD NOVAS MODALIDADES ENTRAM. Novas modalidades: EM FUNCIONAMENTO VISTOS GOLD NOVAS MODALIDADES ENTRAM EM FUNCIONAMENTO Podem ser atribuídas Autorizações de Residência para Investimento a cidadãos de Estados terceiros i.e., que não pertençam ao Espaço Schengen, que exerçam

Leia mais

L 375/12 Jornal Oficial da União Europeia 23.12.2004

L 375/12 Jornal Oficial da União Europeia 23.12.2004 L 375/12 Jornal Oficial da União Europeia 23.12.2004 DIRECTIVA 2004/114/CE DO CONSELHO de 13 de Dezembro de 2004 relativa às condições de admissão de nacionais de países terceiros para efeitos de estudos,

Leia mais

ATRAIR INVESTIMENTO ESTRANGEIRO PARA PORTUGAL OS REGIMES DOS GOLDEN VISA E DOS RESIDENTES NÃO HABITUAIS

ATRAIR INVESTIMENTO ESTRANGEIRO PARA PORTUGAL OS REGIMES DOS GOLDEN VISA E DOS RESIDENTES NÃO HABITUAIS ATRAIR INVESTIMENTO ESTRANGEIRO PARA PORTUGAL OS REGIMES DOS GOLDEN VISA E DOS RESIDENTES NÃO HABITUAIS ENQUADRAMENTO LEGAL Fontes utilizadas: www.sef.pt; www.portugal.gov.pt ENQUADRAMENTO LEGAL A autorização

Leia mais

Concursos e mobilidade. 5/6 de junho de 2014

Concursos e mobilidade. 5/6 de junho de 2014 Concursos e mobilidade 5/6 de junho de 2014 Regime de seleção, recrutamento e mobilidade do PD A satisfação das necessidades de pessoal docente das escolas é suprida através dos concursos: interno e externo

Leia mais

Ministério da Administração do Território

Ministério da Administração do Território Ministério da Administração do Território A Lei Da Nacionalidade Lei N.º 01/05 De 01 de Julho Tornando se necessário proceder a alterações das principais regras sobre a atribuição, aquisição e perda da

Leia mais

TABELA DE TAXAS E DEMAIS ENCARGOS A COBRAR PELOS PROCEDIMENTOS ADMINISTRATIVOS PREVISTOS NA LEI Nº23/2007, DE 04 DE JULHO

TABELA DE TAXAS E DEMAIS ENCARGOS A COBRAR PELOS PROCEDIMENTOS ADMINISTRATIVOS PREVISTOS NA LEI Nº23/2007, DE 04 DE JULHO TABELA DE TAXAS E DEMAIS ENCARGOS A COBRAR PELOS PROCEDIMENTOS ADMINISTRATIVOS PREVISTOS NA LEI Nº23/2007, DE 04 DE JULHO Com as alterações introduzidas pela Lei 29/2012, de 9 de agosto PORTARIA Nº 1334

Leia mais

População Estrangeira em Portugal 2006 População Estrangeira em Portugal

População Estrangeira em Portugal 2006 População Estrangeira em Portugal 13 de Dezembro 2007 População Estrangeira em Portugal 2006 População Estrangeira em Portugal A propósito do Dia Internacional dos Migrantes (18 de Dezembro), o Instituto Nacional de Estatística apresenta

Leia mais

4290 Diário da República, 1. a série N. o 127 4 de Julho de 2007 PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA

4290 Diário da República, 1. a série N. o 127 4 de Julho de 2007 PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA 4290 Diário da República, 1. a série N. o 127 4 de Julho de 2007 PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA Decreto do Presidente da República n. o 57/2007 de 4 de Julho O Presidente da República decreta, nos termos do

Leia mais

NOTA INFORMATIVA: PORTARIAS 84, 85 E 86/2015 DE 20 DE MARÇO PORTARIA N.º 84/2015, DE 20 DE MARÇO

NOTA INFORMATIVA: PORTARIAS 84, 85 E 86/2015 DE 20 DE MARÇO PORTARIA N.º 84/2015, DE 20 DE MARÇO 9 de Abril 2015 Direito do Trabalho PORTARIA N.º 84/2015, DE 20 DE MARÇO Esta Portaria, publicada em 20 de Março passado, vem criar e regulamentar a Medida de Promoção de Igualdade de Género no Mercado

Leia mais

Lei nº 37/81, de 3 de Outubro

Lei nº 37/81, de 3 de Outubro Lei nº 37/81, de 3 de Outubro TÍTULO I Atribuição, aquisição e perda da nacionalidade CAPÍTULO I Atribuição da nacionalidade Artigo 1.o Nacionalidade originária 1 São portugueses de origem: a) Os filhos

Leia mais

REGULAMENTO MUNICIPAL DE CAMPOS DE FÉRIAS DE MANTEIGAS

REGULAMENTO MUNICIPAL DE CAMPOS DE FÉRIAS DE MANTEIGAS REGULAMENTO MUNICIPAL DE CAMPOS DE FÉRIAS DE MANTEIGAS Preâmbulo Considerando: As competências previstas nos artigos 112º e 241º da Constituição da República Portuguesa; O regime previsto no Decreto-Lei

Leia mais

MINISTÉRIO DA ADMINISTRAÇÃO INTERNA

MINISTÉRIO DA ADMINISTRAÇÃO INTERNA 1658 Diário da República, 1.ª série N.º 54 18 de março de 2013 MINISTÉRIO DA ADMINISTRAÇÃO INTERNA Decreto Regulamentar n.º 2/2013 de 18 de março A Lei n.º 23/2007, de 4 de julho, aprova o regime de entrada,

Leia mais

Reitoria. É revogado o Despacho RT-34/2014, de 2 junho. Universidade do Minho, 5 de dezembro de 2014. O Reitor. António M. Cunha. despacho RT-55/2014

Reitoria. É revogado o Despacho RT-34/2014, de 2 junho. Universidade do Minho, 5 de dezembro de 2014. O Reitor. António M. Cunha. despacho RT-55/2014 Reitoria despacho RT-55/2014 A Universidade do Minho tem vindo a atrair um número crescente de estudantes estrangeiros, que hoje representam um importante contingente da sua comunidade estudantil. Com

Leia mais

MINISTÉRIOS DAS FINANÇAS E DA SAÚDE

MINISTÉRIOS DAS FINANÇAS E DA SAÚDE N. o 98 26 de Abril de 2004 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-B 2571 MINISTÉRIOS DAS FINANÇAS E DA SAÚDE Portaria n. o 428/2004 de 26 de Abril O quadro de pessoal do Instituto Nacional de Saúde Dr. Ricardo Jorge

Leia mais

AVISO N.º 10/2013 de 9 de Julho

AVISO N.º 10/2013 de 9 de Julho Publicado em DR I.ª Série n.º 129 de 9 de Julho AVISO N.º 10/2013 de 9 de Julho ASSUNTO: AQUISIÇÃO OU AUMENTO DE PARTICIPAÇÕES QUALIFICADAS DAS INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS Havendo a necessidade de se adequar

Leia mais

TAX & BUSINESS M E D I D A S D E E S T Í M U L O A O E M P R E G O ( A C T U A L I Z A Ç Ã O ) N º 1 7 / 1 5 INTRODUÇÃO

TAX & BUSINESS M E D I D A S D E E S T Í M U L O A O E M P R E G O ( A C T U A L I Z A Ç Ã O ) N º 1 7 / 1 5 INTRODUÇÃO i N º 1 7 / 1 5 M E D I D A S D E E S T Í M U L O A O E M P R E G O ( A C T U A L I Z A Ç Ã O ) INTRODUÇÃO Nos últimos anos e com o intuito de contrariar os efeitos da recessão económica no emprego, o

Leia mais

SECRETÁRIO REGIONAL DA PRESIDÊNCIA Despacho Normativo n.º 69/2010 de 22 de Outubro de 2010

SECRETÁRIO REGIONAL DA PRESIDÊNCIA Despacho Normativo n.º 69/2010 de 22 de Outubro de 2010 SECRETÁRIO REGIONAL DA PRESIDÊNCIA Despacho Normativo n.º 69/2010 de 22 de Outubro de 2010 Considerando o Regime de enquadramento das políticas de juventude na Região Autónoma dos Açores, plasmado no Decreto

Leia mais

Regulamento n.º 1/2008, de 12 de Maio de 2008

Regulamento n.º 1/2008, de 12 de Maio de 2008 Regulamento n.º 1/2008, de 12 de Maio de 2008 Fundos de Investimento Imobiliário Registo e Autorização de Peritos Avaliadores B.O n.º 18 - I Série Regulamento nº 1/2008 12 de Maio Fundos de Investimento

Leia mais

CÓDIGO DO TRABALHO EDIÇÃO DE BOLSO 2007 ACTUALIZAÇÃO Nº 1

CÓDIGO DO TRABALHO EDIÇÃO DE BOLSO 2007 ACTUALIZAÇÃO Nº 1 CÓDIGO DO TRABALHO EDIÇÃO DE BOLSO 2007 ACTUALIZAÇÃO Nº 1 Código do Trabalho Edição de Bolso - 2007 2 TÍTULO: CÓDIGO DO TRABALHO EDIÇÃO DE BOLSO - 2007 Actualização Nº 1 AUTORES: Texto da Lei EDITOR: EDIÇÕES

Leia mais

Regulamento do Gabinete Erasmus da Faculdade de Direito da Universidade de Lisboa

Regulamento do Gabinete Erasmus da Faculdade de Direito da Universidade de Lisboa Regulamento do Gabinete Erasmus da Faculdade de Direito da Universidade de Lisboa CAPÍTULO I Disposições Gerais Artigo 1º (Objecto) O presente regulamento estabelece a orgânica do Gabinete Erasmus, bem

Leia mais

REGULAMENTO DAS BOLSAS DE INVESTIGAÇÃO PARA PÓS-GRADUAÇÃO E ESPECIALIZAÇÃO DESTINADAS A ESTUDANTES AFRICANOS DE LÍNGUA PORTUGUESA E DE TIMOR LESTE

REGULAMENTO DAS BOLSAS DE INVESTIGAÇÃO PARA PÓS-GRADUAÇÃO E ESPECIALIZAÇÃO DESTINADAS A ESTUDANTES AFRICANOS DE LÍNGUA PORTUGUESA E DE TIMOR LESTE REGULAMENTO DAS BOLSAS DE INVESTIGAÇÃO PARA PÓS-GRADUAÇÃO E ESPECIALIZAÇÃO DESTINADAS A ESTUDANTES AFRICANOS DE LÍNGUA PORTUGUESA E DE TIMOR LESTE CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Artº. 1º. 1. Com o fim principal

Leia mais

EDITAL Nº5/2015 MEDIDA II - INCENTIVO À PARTICIPAÇÃO INDIVIDUAL EM FORMAÇÃO CONCURSO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS

EDITAL Nº5/2015 MEDIDA II - INCENTIVO À PARTICIPAÇÃO INDIVIDUAL EM FORMAÇÃO CONCURSO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS EDITAL Nº5/2015 MEDIDA II - INCENTIVO À PARTICIPAÇÃO INDIVIDUAL EM FORMAÇÃO CONCURSO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS Para os efeitos convenientes torna-se público que se encontra aberto, a partir do

Leia mais

Revisão da Legislação de Quadros e Concursos

Revisão da Legislação de Quadros e Concursos SPGL Sindicato dos Professores da Grande Lisboa Membro da FENPROF Revisão da Legislação de Quadros e Concursos Decreto-Lei n.º 51/2009 de 27 de Fevereiro de 2009 E. Especial; Pré-escolar; 1º Ciclo; 2º

Leia mais

SERVIÇO DE ESTRANGEIROS E FRONTEIRAS

SERVIÇO DE ESTRANGEIROS E FRONTEIRAS SERVIÇO DE ESTRANGEIROS E FRONTEIRAS O SEF pretende dar execução à política de imigração e asilo de Portugal, de acordo com as disposições da Constituição e da Lei e as orientações do Governo. O Serviço

Leia mais

Apenas para referência CEPA. Sector ou. 1. Serviços Comerciais. Subsector. A. Serviços Profissionais. h. Serviços Médicos e Dentários (CPC9312)

Apenas para referência CEPA. Sector ou. 1. Serviços Comerciais. Subsector. A. Serviços Profissionais. h. Serviços Médicos e Dentários (CPC9312) CEPA 1. A maioria do pessoal médico empregue por hospitais e clínicas que sejam empresas de capitais mistos de Macau e do Continente («joint ventures») pode ser constituída por residentes permanentes de

Leia mais

REGRAS PARA A CONCESSÃO DO ESTATUTO DE TRABALHADOR- ESTUDANTE. Artigo 1.º (Valorização pessoal e profissional)

REGRAS PARA A CONCESSÃO DO ESTATUTO DE TRABALHADOR- ESTUDANTE. Artigo 1.º (Valorização pessoal e profissional) REGRAS PARA A CONCESSÃO DO ESTATUTO DE TRABALHADOR- ESTUDANTE Artigo 1.º (Valorização pessoal e profissional) 1. A ERC compromete-se a criar as necessárias condições por forma a proporcionar iguais oportunidades

Leia mais

SEGURANÇA PRIVADO - PEDIDO DE EMISSÃO DE CARTÃO PROFISSIONAL

SEGURANÇA PRIVADO - PEDIDO DE EMISSÃO DE CARTÃO PROFISSIONAL DEPARTAMENTO DE SEGURANÇA PRIVADA Rua da Artilharia 1, n.º 21, 4.º andar 1269-003 LISBOA Telefones: 213 703 990 213 703 900 Fax 213 874 770 E-mail depspriv@psp.pt M 40.1 - PEDIDO DE EMISSÃO DE CARTÃO PROFISSIONAL

Leia mais

SISTEMA DE CERTIFICAÇÃO DE ENTIDADES FORMADORAS ASPECTOS PRINCIPAIS DA MUDANÇA

SISTEMA DE CERTIFICAÇÃO DE ENTIDADES FORMADORAS ASPECTOS PRINCIPAIS DA MUDANÇA SISTEMA DE CERTIFICAÇÃO DE ENTIDADES FORMADORAS ASPECTOS PRINCIPAIS DA MUDANÇA O Sistema de Certificação de Entidades Formadoras, consagrado na Resolução do Conselho de Ministros nº 173/2007, que aprova

Leia mais

Consulado Geral de Angola em Caracas/Venezuela

Consulado Geral de Angola em Caracas/Venezuela REPÚBLICA DE ANGOLA Consulado Geral de Angola em Caracas/Venezuela PEDIDO DE VISTO DE ENTRADA Tratamento Médico Trabalho Ordinário Fixação de Residência Trânsito Privilegiado Permanência Temporária Turismo

Leia mais

Instituto Superior Politécnico de Manica Regulamento de Bolsas de Estudos

Instituto Superior Politécnico de Manica Regulamento de Bolsas de Estudos REPUBLICA DE MOÇAMBIQUE Instituto Superior Politécnico de Manica Regulamento de Bolsas de Estudos Deliberação nº /CI/2007 Reunido em sua Sessão Ordinária no dia 6 de Setembro de 2007, a Comissão Instaladora

Leia mais

ACORDO ENTRE A REPÚBLICA PORTUGUESA E A REPÚBLICA DA BULGÁRIA SOBRE CONTRATAÇÃO RECÍPROCA DOS RESPECTIVOS NACIONAIS.

ACORDO ENTRE A REPÚBLICA PORTUGUESA E A REPÚBLICA DA BULGÁRIA SOBRE CONTRATAÇÃO RECÍPROCA DOS RESPECTIVOS NACIONAIS. Decreto n.º 23/2003 Aprova o Acordo entre a República Portuguesa e a República da Bulgária sobre Contratação Recíproca dos Respectivos Nacionais, assinado em Sófia em 26 de Setembro de 2002 Considerando

Leia mais

Serviço Público Federal Universidade Federal de São Paulo Pró-Reitoria de Pós-Graduação e Pesquisa

Serviço Público Federal Universidade Federal de São Paulo Pró-Reitoria de Pós-Graduação e Pesquisa NOTA INFORMATIVA n.º 01/2015 COORDENADORIA DE PROJETOS E PROGRAMAS INTERNACIONAIS PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA UNIFESP A da UNIFESP, por sua Coordenadoria de Projetos e Programas Internacionais,

Leia mais

Pedido de Visto Schengen

Pedido de Visto Schengen Pedido de Visto Schengen FOTO Este impresso é gratuito 1. Apelido PARTE RESERVADA À ADMINISTRAÇÃO 2. Apelido quando do nascimento (apelido anterior) Data do pedido: 3. Nome(s) próprio(s) Número do pedido

Leia mais

União Europeia Acesso a cuidados de saúde Prestação de serviços de saúde

União Europeia Acesso a cuidados de saúde Prestação de serviços de saúde União Europeia Acesso a cuidados de saúde Prestação de serviços de saúde Legislação da União Europeia Legislação nacional Jurisprudência TJUE Diretiva 2011/24 Proposta de Lei 206/XII Direitos e deveres

Leia mais

ESTATÍSTICAS DA IMIGRAÇÃO 2009

ESTATÍSTICAS DA IMIGRAÇÃO 2009 ESTATÍSTICAS DA IMIGRAÇÃO 2009 Entrada e Permanência I. FONTES OFICIAIS NACIONAIS... 3 Vistos de Estada Temporária (VET) e de Residência (VR), emitidos em 2009, por Tipo de Visto... 4 Vistos de Estada

Leia mais

/-------- '---"'-"---"-~~-;-A"~ 1";;--------------------'\

/-------- '---'-----~~-;-A~ 1;;--------------------'\ !H ~ ASSEMBLEIA NACIONAL "ferva - Feira, 12 de Agosto de 2008 ~ Número 47 SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE /-------- '---"'-"---"-~~-;-A"~ 1";;--------------------'\ i Lei n,o 5/2008. N 47-12 de Agosto de 2008 SÃo

Leia mais

Agências de Viagens e Turismo. guia para empresários e empreendedores

Agências de Viagens e Turismo. guia para empresários e empreendedores Agências de Viagens e Turismo guia para empresários e empreendedores Agências de Viagens e Turismo guia para empresários e empreendedores Índice pág. 1. Viagens Turísticas 5 2. Agências de Viagens e Turismo

Leia mais

Leões de Portugal Associação de Solidariedade Sportinguista, IPSS

Leões de Portugal Associação de Solidariedade Sportinguista, IPSS Leões de Portugal Associação de Solidariedade Sportinguista, IPSS Boletim de Inscrição Instruções de Preenchimento e Entrega 1 - Este boletim é constituído por 4 páginas, sem contar com a presente. 2 -

Leia mais

Situação dos migrantes e seus descendentes directos no mercado de trabalho MANUAL ENTREVISTADOR

Situação dos migrantes e seus descendentes directos no mercado de trabalho MANUAL ENTREVISTADOR DEPARTAMENTO DE ESTATÍSTICAS DEMOGRÁFICAS E SOCIAIS SERVIÇO DE ESTATÍSTICAS DEMOGRÁFICAS Situação dos migrantes e seus descendentes directos no mercado de trabalho MANUAL DO ENTREVISTADOR Março 2008 2

Leia mais

INSTITUTO PORTUGUÊS DO MAR E DA ATMOSFERA, I.P.

INSTITUTO PORTUGUÊS DO MAR E DA ATMOSFERA, I.P. INSTITUTO PORTUGUÊS DO MAR E DA ATMOSFERA, I.P. REGULAMENTO DE BOLSAS DE INVESTIGAÇÃO CIENTIFICA Artigo 1º Âmbito O presente Regulamento, aplica-se às bolsas atribuídas pelo Instituto Português do Mar

Leia mais

OCUPAÇÃO CIENTÍFICA DE JOVENS NAS FÉRIAS

OCUPAÇÃO CIENTÍFICA DE JOVENS NAS FÉRIAS OCUPAÇÃO CIENTÍFICA DE JOVENS NAS FÉRIAS 2015 REGULAMENTO Artigo 1º Âmbito e Enquadramento A Ciência Viva Agência Nacional para a Cultura Científica e Tecnológica promove o programa Ocupação Científica

Leia mais

Contratação. Contrato de trabalho

Contratação. Contrato de trabalho Contratação Contrato de trabalho O contrato de trabalho pode ser escrito ou verbal. Contudo, os seguintes contratos têm de ser reduzidos a escrito: Contrato de trabalho com trabalhador estrangeiro (exceto

Leia mais

FUNCHAL. CAE Rev_3 68312 ACTIVIDADES DE ANGARIAÇÃO IMOBILIÁRIA ÂMBITO:

FUNCHAL. CAE Rev_3 68312 ACTIVIDADES DE ANGARIAÇÃO IMOBILIÁRIA ÂMBITO: O conteúdo informativo disponibilizado pela presente ficha não substitui a consulta dos diplomas legais referenciados e da entidade licenciadora. FUNCHAL CAE Rev_3 68312 ACTIVIDADES DE ANGARIAÇÃO IMOBILIÁRIA

Leia mais

Regime jurídico da qualificação profissional dos técnicos responsáveis por projectos, pela fiscalização de obra e pela direcção de obra

Regime jurídico da qualificação profissional dos técnicos responsáveis por projectos, pela fiscalização de obra e pela direcção de obra Área de Prática - Imobiliário Julho 2009 Regime jurídico da qualificação profissional dos técnicos responsáveis por projectos, pela fiscalização de obra e pela direcção de obra A Lei n.º 31/2009, de 03.07.,

Leia mais

REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DO BANCO LOCAL DE VOLUNTARIADO DE ALENQUER

REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DO BANCO LOCAL DE VOLUNTARIADO DE ALENQUER REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DO BANCO LOCAL DE VOLUNTARIADO DE ALENQUER Preâmbulo A Lei n.º 71/98, de 3 de Novembro, regulamentada pelo Decreto Lei n.º 389/99, de 30 de Setembro, define as bases do enquadramento

Leia mais

Curso de Educação e Formação em Desenho Assistido por Computador / Construção Civil

Curso de Educação e Formação em Desenho Assistido por Computador / Construção Civil Curso de Educação e Formação em Desenho Assistido por Computador / Construção Civil Saída Profissional: Operador CAD Certificação ao nível do 9º Ano / Nível II Laboral Bem-Vindo/a à FLAG! A FLAG é uma

Leia mais

Visto de Permanência Temporária

Visto de Permanência Temporária Visto de Permanência Temporária Documentos necessários: Requerimento fundamentado, dirigido à Missão Consular de Angola, a solicitar o Visto de Permanência Temporária, com assinatura reconhecida no Notário

Leia mais

Decreto-Lei n.º 13/93 de 15 de Janeiro Regula a criação e fiscalização das unidades privadas de saúde

Decreto-Lei n.º 13/93 de 15 de Janeiro Regula a criação e fiscalização das unidades privadas de saúde A leitura deste documento, que transcreve o conteúdo do Decreto-Lei n.º 13/93, de 15 de Janeiro, não substitui a consulta da sua publicação em Diário da República. Decreto-Lei n.º 13/93 de 15 de Janeiro

Leia mais

AVISO Nº. 05/98 DE 30 DE NOVEMBRO. Havendo necessidade de se actualizarem as regras de constituição e funcionamento das Casas de Câmbio;

AVISO Nº. 05/98 DE 30 DE NOVEMBRO. Havendo necessidade de se actualizarem as regras de constituição e funcionamento das Casas de Câmbio; AVISO Nº. 05/98 DE 30 DE NOVEMBRO Havendo necessidade de se actualizarem as regras de constituição e funcionamento das Casas de Câmbio; No uso da competência que é atribuída pelo artigo 580 da Lei nº.

Leia mais

sucessivamente plasmado no nº1 do artigo 20º do Decreto-Lei nº 409/89, de 18 de Novembro e no artigo 18º do Decreto-Lei nº 312/99, de 10 de Agosto

sucessivamente plasmado no nº1 do artigo 20º do Decreto-Lei nº 409/89, de 18 de Novembro e no artigo 18º do Decreto-Lei nº 312/99, de 10 de Agosto Tem a Administração Educativa recorrido, ora com carácter ocasional, ora com carácter regular, à contratação por oferta de escola de pessoal docente detentor de formação especializada para assegurar a

Leia mais

IMIGRAÇÃO, VISTOS E CONTRATAÇÃO DE ESTRANGEIROS

IMIGRAÇÃO, VISTOS E CONTRATAÇÃO DE ESTRANGEIROS IMIGRAÇÃO, VISTOS E CONTRATAÇÃO DE ESTRANGEIROS 27 de Outubro SUSANA PINTO COELHO Auditório SIBS PASSAPORTE PARA MOÇAMBIQUE ÍNDICE Contratação de Estrangeiros Legislação Regimes Contrato de Trabalho Sanções

Leia mais

1718 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-A N. o 97 26 de Abril de 2000 MINISTÉRIO DA ADMINISTRAÇÃO INTERNA. Artigo 4. o. Decreto-Lei n.

1718 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-A N. o 97 26 de Abril de 2000 MINISTÉRIO DA ADMINISTRAÇÃO INTERNA. Artigo 4. o. Decreto-Lei n. 1718 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-A N. o 97 26 de Abril de 2000 MINISTÉRIO DA ADMINISTRAÇÃO INTERNA Decreto-Lei n. o 65/2000 de 26 de Abril O Decreto-Lei n. o 244/98, de 8 de Agosto, veio definir novo regime

Leia mais

DESPACHO ISEP/P/12/2010

DESPACHO ISEP/P/12/2010 DESPACHO ISEP/P/12/2010 Considerando: 1. A necessidade de regulamentar a tramitação do processo de financiamento, pelo Instituto Superior de Engenharia do Porto, de bolsas para a prossecução nas Unidades

Leia mais

Concurso limitado por prévia qualificação para a celebração de acordo quadro para a prestação do serviço de seguro automóvel

Concurso limitado por prévia qualificação para a celebração de acordo quadro para a prestação do serviço de seguro automóvel Concurso limitado por prévia qualificação para a celebração de acordo quadro para a prestação do serviço de seguro automóvel Convite à apresentação de propostas ANCP Outubro de 2010 Índice Artigo 1.º Objecto

Leia mais

TRABALHO TEMPORÁRIO. Trabalho Temporário assenta numa relação triangular traduzida nos seguintes contratos:

TRABALHO TEMPORÁRIO. Trabalho Temporário assenta numa relação triangular traduzida nos seguintes contratos: TRABALHO TEMPORÁRIO O QUE DIZ A LEI OBSERVAÇÕES Trabalho Temporário assenta numa relação triangular traduzida nos seguintes contratos: Contrato de Trabalho Temporário Celebrados entre Ou uma empresa de

Leia mais

REGULAMENTO DO BANCO LOCAL DE VOLUNTARIADO DE AZAMBUJA

REGULAMENTO DO BANCO LOCAL DE VOLUNTARIADO DE AZAMBUJA MUNICÍPIO DE AZAMBUJA REGULAMENTO DO BANCO LOCAL DE VOLUNTARIADO DE AZAMBUJA Aprovado por deliberação da Assembleia Municipal de 19 de Abril de 2011. Publicado pelo Edital n.º 73/2011. Em vigor desde 27

Leia mais

FACULDADE DE TECNOLOGIA DE SÃO VICENTE

FACULDADE DE TECNOLOGIA DE SÃO VICENTE FACULDADE DE TECNOLOGIA DE SÃO VICENTE REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURSOS SUPERIORES SUMÁRIO Apresentação...03 Regulamentação de estágio Estágio...04 Matrícula de estágio...05 Carga Horária e prazo para conclusão...05

Leia mais

Bolsa de Mérito para Estudos Pós-Graduados em Artes

Bolsa de Mérito para Estudos Pós-Graduados em Artes Bolsa de Mérito para Estudos Pós-Graduados em Artes 1. Objectivo: A Fundação Macau (FM) e o Gabinete de Apoio ao Ensino Superior (GAES), em cooperação, criaram a Bolsa de Mérito para Estudos Pós-Graduados

Leia mais

PRESIDÊNCIA DO GOVERNO REGIONAL Resolução do Conselho do Governo n.º 107/2010 de 14 de Julho de 2010

PRESIDÊNCIA DO GOVERNO REGIONAL Resolução do Conselho do Governo n.º 107/2010 de 14 de Julho de 2010 PRESIDÊNCIA DO GOVERNO REGIONAL Resolução do Conselho do Governo n.º 107/2010 de 14 de Julho de 2010 O Programa Estagiar, nas suas vertentes L, T e U, dirigido a recém-licenciados e mestres, recém-formados

Leia mais

Normas de Funcionamento do Banco Local de Voluntariado de Sines

Normas de Funcionamento do Banco Local de Voluntariado de Sines Normas de Funcionamento do Banco Local de Voluntariado de Sines Preâmbulo O Decreto-Lei n.º 389/99, de 30 de Setembro, no art. 21º, atribui ao Conselho Nacional para a Promoção do Voluntariado (CNPV) competências

Leia mais

VISTO DE PERMANÊNCIA TEMPORÁRIA

VISTO DE PERMANÊNCIA TEMPORÁRIA VISTO DE PERMANÊNCIA TEMPORÁRIA Documentos necessários: ESTRANG e O Ã E AÇ Requerimento fundamentado, dirigido à Missão Consular de Angola, a solicitar o Visto de Permanência Temporária, R G I com assinatura

Leia mais

ESTATUTO DO TRABALHADOR-ESTUDANTE

ESTATUTO DO TRABALHADOR-ESTUDANTE ESTATUTO DO TRABALHADOR-ESTUDANTE Data de emissão Janeiro 2005 Data de revisão Janeiro 2005 Autor GabIGT Acesso Público ÍNDICE Págs. 1. Quem é considerado trabalhador estudante? 3 2. Como se pode beneficiar

Leia mais

REGULAMENTO DE CONCESSÃO DE INCENTIVOS AO INVESTIMENTO

REGULAMENTO DE CONCESSÃO DE INCENTIVOS AO INVESTIMENTO REGULAMENTO DE CONCESSÃO DE INCENTIVOS AO INVESTIMENTO Considerando que os Municípios dispõem de atribuições no domínio da promoção do desenvolvimento, de acordo com o disposto na alínea n) do n.º 1 do

Leia mais

Regulamento Municipal de Apoio às Actividades Desportivas

Regulamento Municipal de Apoio às Actividades Desportivas Regulamento Municipal de Apoio às Actividades Desportivas Preâmbulo A Câmara Municipal de Nordeste tem vindo a apoiar ao longo dos anos de forma directa e organizada toda a actividade desportiva no concelho

Leia mais

Gouvijovem. Programa de Apoio à Fixação de Jovens no Concelho de Gouveia. Regulamento

Gouvijovem. Programa de Apoio à Fixação de Jovens no Concelho de Gouveia. Regulamento Gouvijovem Programa de Apoio à Fixação de Jovens no Concelho de Gouveia Regulamento Gouvijovem Programa de Apoio à Fixação de Jovens no Concelho de Gouveia Regulamento Preâmbulo O Concelho de Gouveia vem

Leia mais

FUNDAÇÃO CONVENTO DA ORADA - ESCOLA SUPERIOR GALLAECIA. Regulamento de Bolsas de Investigação Científica. Capítulo I Disposições gerais

FUNDAÇÃO CONVENTO DA ORADA - ESCOLA SUPERIOR GALLAECIA. Regulamento de Bolsas de Investigação Científica. Capítulo I Disposições gerais FUNDAÇÃO CONVENTO DA ORADA - ESCOLA SUPERIOR GALLAECIA Regulamento de Bolsas de Investigação Científica Capítulo I Disposições gerais Artigo 1º Âmbito O presente Regulamento, segue o modelo aprovado pela

Leia mais

Regulamento de Bolsas do CCMar

Regulamento de Bolsas do CCMar Regulamento de Bolsas do CCMar CAPÍTULO I Disposições gerais Artigo 1º Âmbito O presente Regulamento, aprovado pela Fundação para a Ciência e Tecnologia ao abrigo do Decreto-Lei nº 123/99, de 20 de Abril,

Leia mais