Introdução. Sumário Executivo. Continuidade de Serviço Indicadores Gerais Indicadores Individuais

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Introdução. Sumário Executivo. Continuidade de Serviço Indicadores Gerais Indicadores Individuais"

Transcrição

1

2

3

4 Introdução Sumário Executivo Continuidade de Serviço Indicadores Gerais Indicadores Individuais Qualidade da Onda de Tensão Plano de Monitorização Distorção Harmónica Tremulação ( Flicker ) Desequilíbrio de Fases Valor Eficaz da Tensão Cavas e Sobretensões. Frequência Evolução da Qualidade da Onda de Tensão Relacionamento Comercial. Reclamações Incidentes Estatística (Súmula) Incidentes com Origem na RNT Linhas Transformadores e Autotransformadores Barramentos e Inter-Barras Incidentes com Origem em Sistemas Externos à RNT Incidentes com Energia Não Fornecida (ENF) Incidentes Graves em 5 Indisponibilidades Circuitos de Linha Transformadores e Autotransformadores Comportamento em Serviço dos Principais Equipamentos da Rede Subestações Transformadores de Potência Disjuntores Seccionadores, Descarregadores de Sobretensão e Transformadores de Medição Sistemas de Protecção Actuações Intempestivas

5 Índice Comportamentos Incorrectos e Eficácia dos Sistemas de Protecção Grau de Selectividade dos Sistemas de Protecção Tempo de Actuação dos Sistemas de Protecção Religação Automática Comportamento dos Sistemas de Protecção da RNT em incidentes com Energia Não Fornecida imputável à REN 7 Sistemas de Comando e Controlo 75 textotexto Análise textocomportamental dos Sistemas de Comando e textotexto texto Controlo 75 textotexto Desempenho texto Global dos Sistemas de Comando e textotexto texto Controlo 79 textotexto Linhas texto Comportamento em Serviço Evolução dos Ninhos de Cegonhas nos Apoios das Linhas Melhoria da Qualidade de Serviço Auditorias Anexos. Siglas, Abreviaturas e Definições. Padrões de Qualidade de Serviço. Regras de Cálculo dos Indicadores. Lista de Pontos de Entrega e Interrupções de Serviço 3. Qualidade da Onda de Tensão. Outros Quadros 5. Mapa com os Pontos de Entrega

6 Introdução O Regulamento da Qualidade de Serviço (RQS) estabelece que a REN - Rede Eléctrica Nacional S.A., na sua qualidade de operador da rede de transporte de energia eléctrica no território do continente, deve elaborar anualmente um relatório com informação sobre a qualidade do serviço prestado. É esse o objectivo deste relatório em que a REN, além de apresentar informação detalhada sobre continuidade de serviço e qualidade da tensão, bem como a que se refere aos demais requisitos do RQS que lhe são aplicáveis, fornece dados informativos complementares relativos ao comportamento em serviço dos diversos elementos de rede e principais equipamentos que os constituem. Com esta informação adicional pretende-se contribuir para uma melhor compreensão de alguns aspectos correlacionados com a qualidade de serviço da rede de transporte. Este documento encontra-se organizado em 9 capítulos, contendo informação para: Caracterizar a qualidade de serviço da Rede Nacional de Transporte (RNT), de modo a responder às exigências do RQS; Caracterizar o desempenho global da RNT, prestando particular atenção aos incidentes que ocorreram, à disponibilidade dos elementos da rede e ao funcionamento dos principais equipamentos e sistemas; Indicar as principais acções desenvolvidas pela empresa, ou que a empresa prevê realizar a curto e médio prazo, tendentes a melhorar a qualidade de serviço prestada pela rede de transporte de energia eléctrica; Descrever de forma resumida o resultado das Auditorias efectuadas periodicamente aos sistemas, procedimentos, metodologias e critérios utilizados no cálculo dos indicadores de qualidade de serviço apresentados no presente relatório; Dar a conhecer as reclamações de cariz técnico ou de outra natureza recebidas. O relatório termina com um conjunto de 5 anexos onde se definem os conceitos e se caracterizam os indicadores usados no texto, e onde se apresentam os valores medidos e calculados de todas as grandezas e parâmetros utilizados para avaliar a Qualidade de Serviço. Este relatório da Qualidade de Serviço 5 está igualmente disponível no sítio da Internet. 6

7

8 Sumário Executivo Qualidade de Serviço Continuidade de Serviço A Qualidade do Serviço prestado pela REN, na sua qualidade de operador da rede de transporte de energia eléctrica (adiante designada por RNT), situou-se a um nível muito elevado, com os cinco indicadores gerais de continuidade de serviço estabelecidos no RQS a registarem os melhores valores de sempre, posicionando deste modo a REN ao nível das melhores empresas congéneres europeias. Estes resultados são credores de especial realce se se atender ao facto de terem sido obtidos num ano bastante adverso, em que a rede foi significativamente fustigada pela vaga de incêndios, que assolou com particular frequência e gravidade as regiões Norte e Centro de Portugal continental. Saliente-se o facto de, nos dias mais críticos, aqueles fenómenos terem forçado a retirada simultânea de serviço de duas e, em alguns casos, três linhas de transporte na mesma zona geográfica. No quadro seguinte indicam-se os valores dos cinco indicadores gerais de continuidade de serviço previstos no RQS e de um novo indicador (MAIFI), relativo às interrupções de curta duração (de segundo a 3 minutos), conforme recomendação do CEER (Council of European Energy Regulators) no seu último relatório. Indicadores gerais ENF TIE SAIFI SAIDI SARI MAIFI Energia Não Fornecida MWh Tempo de Interrupção Equivalente minuto Frequência Média de Interrupções Longas do Sistema - Duração Média das Interrupções do Sistema minuto Tempo Médio de Reposição de Serviço do Sistema minuto Frequência Média de Interrupções Curtas do Sistema - 5 (sem int. força maior ou excepcionais) 37,,9,5,33 6,9,3 5 (considerando todas as interrupções) 5,,76,3,3 6,,6 (sem int. força maior ou excepcionais 37,,5,5, 5,, (considerando todas as interrupções) 9,6 6,6,6 6,3 39,, Este conjunto de indicadores, independentemente de se considerarem ou não as interrupções fortuitas ou de força maior, registou uma evolução globalmente muito positiva em relação a, com reflexos na qualidade de serviço sentida pelos clientes finais com instalações directamente ligadas à RNT e pela rede de distribuição. Em termos de continuidade de serviço individual, em 5, ocorreram 3 interrupções longas ( caso se considerem as de força maior), todas com ENF e duração reduzidas, e que afectaram no seu conjunto 3 pontos de entrega (6 considerando as de força maior).

9 Sumário Executivo Os incêndios foram a causa que esteve na origem de maior número de interrupções em 5, representando cerca de 6,5% do número total de interrupções. Em termos de duração das interrupções e de ENF, esta causa correspondeu, a 6,% e 36,% respectivamente. O gráfico seguinte apresenta a evolução dos indicadores gerais de continuidade de serviço nos últimos cinco anos, de cujo cálculo e em conformidade com o RQS foram excluídos os incidentes originados por causa de força maior ocorridos nos anos de 3 e 5, bem como o incidente de carácter excepcional ocorrido em. Evolução dos indicadores da continuidade de serviço na RNT (sem incidentes excepcionais ou motivados por força maior) MAIFI SARI,,,,6,,, ENF SAIDI SAIFI Se exceptuarmos o SARI, que apresenta um comportamento um pouco mais oscilatório, como reflexo da maior ou menor complexidade das intervenções realizadas para reposição do serviço, os restantes indicadores têm tido um comportamento muito favorável, evidenciado pela melhoria (redução) sistemática nos últimos três anos. TIE 3 5 Os vértices do polígono referente ao ano de 5 estão muito próximos do referencial zero o que denota a excelente performance da RNT em 5. Outro aspecto importante que traduz o progressivo aumento de robustez da RNT é o facto de 95% dos pontos de entrega (9% caso fossem incluídas as interrupções devidas a força maior) não ter registado qualquer interrupção de consumos, o que ultrapassa significativamente a média dos cinco anos anteriores (%). Qualidade de Tensão Para avaliar a qualidade da onda de tensão, a REN estabeleceu e implementou um Plano de Monitorização no âmbito do qual foram realizadas, ao longo do ano, medições do teor harmónico, tremulação ( flicker ), desequilíbrio do sistema trifásico de tensões, desvio do valor eficaz de tensão e frequência, nos barramentos de 5 subestações e pontos de interligação da RNT, abrangendo a totalidade dos pontos de entrega onde é viável a medição. A taxa de realização do plano de monitorização proposto à Direcção Geral de Geologia e Energia foi de 95%. Em termos gerais, os valores médios das perturbações são relativamente baixos, sendo cumpridos os limites (indicativos) regulamentares, salvo nalguns casos pontuais em que se verificam desvios em relação aos padrões por margens ligeiras e de uma forma não contínua. Reclamações O nível de desempenho da RNT no referente à continuidade de serviço e qualidade da onda de tensão tem-se reflectido num reduzido número de reclamações recebidas. Em 5 foram formalizadas três reclamações de natureza técnica, que mereceram a melhor atenção por parte da REN. Após análise interna concluiu-se não haver fundamento para tais reclamações, tendo-se informado as entidades reclamantes desse facto. 9

10 Comportamento da Rede e dos seus Equipamentos e Sistemas Incidentes com Repercussão na RNT O comportamento da RNT foi muito bom, apesar do número de incidentes ter excedido em 35% o ocorrido em. A maioria dos incidentes não teve qualquer reflexo na continuidade de serviço observada pelos clientes, o que é revelador da robustez crescente da rede e da eficácia de actuação dos equipamentos técnicos das diversas instalações. Destes, apenas sete incidentes (,% do total) resultaram em interrupções de consumos a clientes finais. Conforme referido, os incêndios florestais constituíram a principal causa dos incidentes, tendo afectado de forma significativa as linhas de kv e kv. Nos gráficos seguintes são indicadas a origem e a causa dos incidentes ocorridos em 5. Origem Causa 3; 5% 3; % 6; 5% 5; 5% 5; % ; 3% 3; 7% 3; 7% 9; 9% 67; % Linhas Autotransf. e Transformadores Incêndios Causas intrínsecas a outras redes Barramentos e I. Barras Elementos de rede exógenos à RNT Aves e árvores Outras Defeitos em equipamentos Acção atmosférica

11 Sumário Executivo Disponibilidade de Linhas e Transformadores de Potência A taxa de disponibilidade dos circuitos de linha, incluindo os respectivos painéis terminais, foi de 9,% (9,% em ) não considerando as indisponibilidades associadas aos trabalhos de uprating ou outros trabalhos não considerados de manutenção. O indicador equivalente para as máquinas transformadoras (transformadores e autotransformadores) registou também uma melhoria ligeira relativamente a, situando-se agora em 99,% (99,% em ). Equipamentos de Subestações No referente ao desempenho dos principais equipamentos é de salientar que, de uma maneira global, a evolução dos indicadores apurados reflecte uma melhoria do comportamento em serviço em relação a anos anteriores. No conjunto dos equipamentos de alta tensão dá-se particular atenção ao comportamento em serviço dos transformadores de potência e disjuntores. No caso dos transformadores de potência as taxas de falhas foram inferiores às registadas em, enquanto, nos disjuntores se situaram em níveis equivalentes aos do ano anterior. Merece relevo especial, dado ter provocado um incidente na rede com 9, MWh de ENF (5 % do total do ano), a fractura de uma coluna isolante de um seccionador de barras de KV, na subestação da Valdigem, em consequência de condições ambientais muito adversas (ventos muito fortes) verificadas naquela instalação. Os sistemas de protecção, apesar das solicitações que tiveram de suportar, nomeadamente na eliminação de curto-circuitos com forte componente resistiva, como é o caso de defeitos originados por incêndios, revelaram um comportamento excelente, com minimização muito significativa do seu impacto na vertente da continuidade de serviço observada pelos clientes. O conjunto dos indicadores de comportamento dos sistemas de protecção registou uma evolução muito positiva em 5, quer nos indicadores intrínsecos às funções de protecção (dependabilidade - 9,%, segurança - 97,% e fiabilidade - 96%), quer em alguns indicadores globais dos sistemas de protecção (eficácia,5% e selectividade 97%). O elevado número de incêndios que afectaram as linhas da RNT, levou a que o tempo médio de actuação dos sistemas de protecção registasse um agravamento significativo, passando de 5 ms em para 6, ms em 5. Em particular, assinala-se a ocorrência de dezoito defeitos nos kv e kv, com tempos de eliminação elevados, sem os quais aquele valor teria sido o melhor de sempre, 77,5 ms. Contudo, é interessante verificar que em termos de frequência acumulada houve uma melhoria significativa do tempo de actuação das protecções. Em 5, % das protecções da RNT actuaram com tempos inferiores a 9 ms enquanto que em tinha sido de 3 ms. Os Sistemas de Comando e Controlo (SCC) tiveram uma actuação bastante positiva, apesar de terem registado algumas anomalias, as quais, de uma forma geral, não condicionaram a globalidade das suas funções. A eficácia de reposição foi globalmente boa, sendo os respectivos valores superiores aos verificados em. Contrariamente ao ano anterior, foi menor o número de problemas em regime de exploração normal com os novos SCC, em parte ultrapassados pela implementação de correcções a problemas detectados e, também, pela adopção de uma metodologia, com resultados mais eficazes, nos ensaios em fábrica dos novos sistemas.

12 Linhas O desempenho das linhas foi significativamente afectado em 5 pelos incêndios. Tal facto é evidenciado, por um lado, pelo aumento de 37% do número médio de defeitos por km de circuito e, por outro, pelo aumento de 65% do número de interrupções permanecentes (de 37 para 6) e respectivo tempo total de interrupção (de 36 para 67 horas). Os componentes e acessórios das linhas, apesar de fortemente expostos à acção dos incêndios, tiveram um comportamento que se pode considerar bastante satisfatório. Além de danos na protecção anticorrosiva dos apoios, registaram-se algumas avarias, de reduzida importância, em acessórios de balizagem, dispositivos de sinalização para aves e equipamentos de fibras ópticas. Evolução do número de defeitos com origem em linhas da RNT por Km de circuito,,, 6,,,,,,9 9, 9, 7,, 7, 7, 7, 6, 6, 5,7 5,5 6,6,9 5, 5,3 5, 5, 5, 5, 5,,3,6,5,6,,, 3,5 3, 3,,,6,,7,,5,3, L kv L kv L 5kV Índice global rede de MAT

13 Sumário Executivo Em Síntese:. A Qualidade do Serviço prestado pela REN no fornecimento de energia eléctrica aos seus clientes situou-se em 5 num patamar nunca antes alcançado, posicionando a REN ao nível das melhores empresas congéneres europeias.. A Qualidade de Serviço proporcionada em 5, é corolário de uma tendência já evidenciada em anos anteriores para uma progressiva e sustentada melhoria do desempenho da RNT, e resulta do esforço contínuo que as diversas áreas da empresa desenvolvem na melhoria dos processos, designadamente: Adequado planeamento, com relevo para as condições de segurança e garantia de abastecimento dos consumos; Qualidade e volume do investimento realizado, designadamente no rejuvenescimento de linhas e subestações mais antigas, Estratégias e políticas de manutenção ajustadas, com reflexos nas condições de segurança e aumento de operacionalidade dos equipamentos; Rapidez e eficácia dos meios técnicos e humanos envolvidos na operação e manutenção da rede de transporte. 3. A REN tem focalizada a sua acção na consolidação dos indicadores de qualidade de serviço e de desempenho já alcançados e, inclusivamente, sempre que possível, para a evolução sustentada para patamares de qualidade ainda mais exigentes. 3

14 Continuidade de Serviço O RQS estabelece os padrões e indicadores de qualidade de serviço, de natureza técnica e comercial, a que deve obedecer o serviço prestado pela REN, na sua qualidade de operador da rede de transporte de energia eléctrica no território do continente. De acordo com o estabelecido no RQS, a caracterização da continuidade de serviço na RNT é efectuada segundo duas vertentes: Qualidade Geral Refere-se ao desempenho global da rede de transporte, avaliada com base nos seguintes indicadores gerais de continuidade de serviço: Energia não fornecida ENF (MWh); Tempo de interrupção equivalente TIE (minutos); Frequência média de interrupções longas do sistema SAIFI; Duração média das interrupções do sistema SAIDI (minutos); Tempo médio de reposição de serviço do sistema SARI (minutos). Dando seguimento a uma recomendação do CEER apresenta-se também, e pela primeira vez, o seguinte indicador: Frequência média de interrupções curtas do sistema MAIFI. Qualidade Individual Refere-se ao desempenho da rede de transporte em cada ponto de entrega (PdE) à rede de distribuição ou a instalações de clientes alimentados em muito alta tensão (MAT), avaliada com base nos seguintes indicadores individuais de continuidade serviço: Frequência das interrupções número de interrupções ocorridas durante um ano; Duração total das interrupções somatório da duração das interrupções ocorridas durante um ano. Além destes a REN apura igualmente o seguinte: Total de energia não fornecida somatório das energias não fornecidas. Embora a REN quantifique a totalidade das interrupções ocorridas no conjunto dos pontos de entrega, independentemente da sua duração, as Normas Complementares, publicadas ao abrigo do RQS, estabelecem que os indicadores gerais e individuais de continuidade de serviço deverão ser calculados com base exclusivamente nas interrupções com duração superior a 3 minutos (interrupções longas). A única excepção será o cálculo do indicador MAIFI (não previsto no RQS), onde o respectivo cálculo foi efectuado com as interrupções de duração igual ou superior a segundo e igual ou inferior a 3 minutos (interrupções curtas). Em 5 foi colocado em serviço um novo ponto de entrega designado por Ródão (RDA), com o nível de tensão de 5 kv. Sendo o número de pontos de entrega uma variável utilizada no cálculo do SAIFI, MAIDI e SAIDI, considerou-se na determinação daqueles indicadores o número de pontos de entrega existentes no final de 5, ou seja, 63 pontos de entrega (ver Quadro do anexo ). A RNT foi significativamente afectada em 5 pela vaga de incêndios que assolou o País, com principal incidência e gravidade nas regiões

15 Continuidade de Serviço Norte e Centro, à semelhança do que já ocorrera no Verão de 3. Dos 3 incidentes com repercussão na RNT, 3 (% do total) foram causados por incêndios florestais, que afectaram significativamente as linhas de kv e kv. O número de incidentes com esta causa foi seis vezes superior ao registado em e cerca do triplo do registado em 3. De salientar o facto de nos dias mais críticos estarem simultaneamente fora de serviço duas e, em alguns casos, três linhas de transporte na mesma zona geográfica. Apesar desta situação adversa e mercê de um reforço de vigilância das linhas situadas nas regiões mais fustigadas pelos incêndios, bem como do excelente comportamento dos equipamentos das diversas instalações, a REN conseguiu evitar repercussões significativas daquela calamidade na qualidade de serviço prestada aos seus clientes. A excepção foi corporizada em incidentes, que afectaram, embora com tempos de interrupção relativamente baixos, os pontos de entrega designados por Subestação de Mogofores ( de Julho, e de Agosto), Mortágua ( de Agosto), Sobral da Serra e Subestação do Ferro (ambos em de Setembro) e Subestação de Pombal ( de Outubro). Deste conjunto de incidentes resultaram 5 interrupções classificadas como longas, com tempos de interrupção entre os,3 e 7,7 minutos e que totalizaram apenas,9 MWh de energia não fornecida. Conforme foi oportunamente indicado à ERSE, aqueles incidentes devem ser considerados de carácter excepcional pois tiveram origem numa causa de força maior, prevista no artigo 3º do RQS e nas Normas Complementares ao RQS publicadas pelo Despacho nº 3 75/3 de de Novembro. Além das interrupções originadas por incêndios, registaram-se 3 interrupções longas, atribuídas a diversas causas de que resultou uma ENF de 37, MWh. Do indicado anteriormente, verifica-se que o ano de 5 constituiu o melhor ano de sempre no que respeita à continuidade do serviço prestado pela RNT. Efectivamente, o indicador Tempo de Interrupção Equivalente (TIE) registou o valor de,76 minutos, dos quais,7 minutos ficaram a dever-se às 5 interrupções longas provocadas por incêndios e que, conforme já referido, configuram situações de força maior. Não considerando aquelas 5 interrupções, o TIE reduz-se a,9 minutos. No Quadro, apresentam-se os valores dos indicadores gerais e individuais registados pela RNT em 5. Interrupções longas causadas por incêndios Restantes interrupções longas Total Indicadores Individuais Número de Interrupções 5 3 Duração das Interrupções (min.) 3,,7 5,9 Indicadores Gerais ENF (MWh),9 37, 5, TIE (min.),7,9,76 SAIFI,,5,3 SAIDI (min.),5,33,3 SARI (min.) 6, 6,9 6, Quadro 5

16 Indicadores Gerais Energia Não Fornecida ENF O valor da ENF na RNT corresponde ao valor estimado da ENF em cada um dos pontos de entrega devido a interrupções de fornecimento verificadas no ano. Em resultado dos incidentes ocorridos na RNT a energia não fornecida em 5 totalizou 37, MWh (5, MWh caso se considerem as interrupções dos incidentes causados por situações de força maior). Na figura, apresenta-se a evolução deste indicador entre 997 e 5. Energia não fornecida - ENF (TI>3min) MWh Incidente de 9 de Maio 575, ,6 3, ,7 Incidente de de Agosto (incêndios-situação de força maior) 3, 73,7 36,96 Incidente de 7 de Novembro ( cliente MAT afectado) 5,5 37, Incidentes (incêndiossituação de força maior),9 37, Figura O ano de 5 apresenta o melhor resultado em termos de ENF registado na RNT nos últimos nove anos. Considerando a totalidade da ENF, verifica-se que as zonas do País mais afectadas foram a zona Norte (5%) e a zona Centro (36%), ver figura. 6

17 Continuidade de Serviço % ENF por zona do País 5% 36% ENF A M Lisboa (%) ENF A M Porto (%) ENF Centro ENF Sul Figura Tempo de Interrupção Equivalente TIE O indicador TIE traduz o tempo de interrupção do sistema com base no valor médio da potência anual. ENF Norte O tempo de interrupção equivalente (TIE) da RNT foi de,9 minutos (,76 minutos incluindo os incidentes causados por incêndios). Na figura 3, mostra-se a evolução deste indicador no período de 997 a 5. Tempo de interrupção equivalente - TIE (TI>3min) Minutos Incidente de 9 de Maio 3,7 5 Incidente de de Agosto (incêndios-situação de força maior) 6, força maior) 6,65 5,93 6,9 3, 3,76,7,9,96,5, ,9 Incidente de 7 de Novembro ( cliente MAT afectado) Incidentes (incêndiossituação de Figura 3 Tal como verificado com a ENF, o ano de 5 apresenta o melhor valor de TIE dos últimos nove anos. 7

18 Frequência Média de Interrupções Longas do Sistema SAIFI O valor do SAIFI representa a frequência média anual das interrupções longas (duração superior a 3 minutos) nos pontos de entrega. longas (,3 caso se incluam os incidentes causados por incêndios), o que constitui o melhor valor de sempre. A figura mostra a evolução do indicador no período de 997 a 5. Em 5, o valor obtido foi de,5 interrupções,,9,,7,6,5,,3,,, Figura SAIFI - Frequência média de interrupções longas do sistema (TI>3 min.),9,33 Incidente de 9 de Maio,3,3, ,3 Incidente de de Agosto (incêndios-situação de força maior),,5, Incidente de 7 de Novembro ( cliente MAT afectado), Incidentes (incêndiossituação de força maior),5,,5 A figura permite verificar uma descida sustentada do indicador nos últimos anos, que se traduz por uma redução de 73% no período de 997 a 5. Frequência Média de Interrupções Curtas do Sistema MAIFI O valor do MAIFI representa a frequência média anual das interrupções curtas (duração igual ou superior a um segundo e igual ou inferior a três minutos) nos pontos de entrega. Em 5, o valor obtido foi de,9 interrupções curtas (,3 caso se excluam os incidentes causados por incêndios), o que constitui o segundo melhor valor do período em análise. A figura 5 mostra a evolução do indicador no período de 99 a 5.

19 Continuidade de Serviço,,9,,7,6 MAIFI - Frequência média de interrupções curtas do sistema (s <=Tint <=3min.),5,,3,,79,,,,7, ,,7, Incidentes (incêndiossituação de força maior),6,3 Figura 5 Duração Média das Interrupções do Sistema SAIDI O valor do SAIDI traduz a duração média anual das interrupções por ponto de entrega. No seu cálculo tomou-se em consideração a duração total das interrupções com duração superior a três minutos e o número total dos pontos de entrega. O valor do SAIDI em 5 foi de,33 minutos (,3 caso se considerem os incidentes causados por incêndios). Tal como o verificado com o SAIFI, o valor do SAIDI constitui também o melhor valor de sempre. A figura 6 mostra a evolução deste indicador no período de 997 a 5. 9

20 SAIDI - Duração média das interrupções do sistema (TI>3 min.) Minutos Incidente de 9 de Maio 9,5 6, 5 6,5,5,9,37,65 Incidente de de Agosto (incêndios-situação de força maior) , 5, Incidente de 7 de Novembro ( cliente MAT afectado) 5,5, Incidentes (incêndiossituação de força maior),5,33 Figura 6 Excluindo os incidentes de carácter excepcional ou motivados por causas de força maior, ocorridos em, 3 e, verifica-se que a diminuição do SAIDI nos últimos anos tem sido feita continuamente e de modo sustentado. O valor de 5 é inferior em 9% ao valor registado no ano de 997. Tempo Médio de Reposição de Serviço do Sistema SARI nos pontos de entrega. O SARI é calculado considerando a duração e o número total de interrupções com duração superior a três minutos. Em 5, o valor do SARI foi de 6,9 minutos (6, incluindo os incidentes causados por incêndios). Na figura 7 mostra-se a evolução deste indicador no período de 997 a 5. O indicador SARI indica o tempo médio de reposição de serviço das interrupções ocorridas

21 Continuidade de Serviço SARI - Tempo médio de reposição de serviço do sistema (TI>3 min.) Minutos 5 Incidente de 7 de Novembro ( cliente MAT afectado) 35 3 Incidente de de Agosto (incêndios-situação de força maior), ,7 5,53 Incidente de 9 de Maio,9,,57 5,69 7,5, , 5, 6,9 Figura 7 Excluindo os incidentes de carácter excepcional ou motivados por causas de força maior, verifica- -se (figura 7) que o ano de 5 apresentou o segundo melhor valor do período em análise. Neste período (997-5) o indicador SARI reduziu-se em 79% (% caso se incluam os incidentes causados por incêndios). Análise Global dos Indicadores Gerais A figura apresenta os valores dos indicadores gerais de continuidade de serviço nos últimos cinco anos, tendo sido excluídos os incidentes originados por causa de força maior (incêndios) ocorridos nos anos de 3 e 5, bem como o incidente de carácter excepcional ocorrido em. Os valores dos indicadores estão referenciados em função dos valores registados no ano de. Deste modo, o ano de é representado por um hexágono regular cuja distância de cada um dos vértices ao centro é a unidade. Para os restantes anos representados no gráfico da figura, a distância dos vértices ao centro corresponde ao factor de grandeza do indicador em causa relativamente ao valor do indicador homólogo registado em. Conforme referido na análise individual de cada indicador geral, o ano de 5 apresentou o melhor resultado em termos de ENF, TIE, SAIFI e SAIDI e, o segundo melhor resultado no referente ao SARI. Com excepção do SARI, que tem tido um comportamento mais oscilatório, reflexo da maior ou menor complexidade das intervenções realizadas, os restantes indicadores têm tido um comportamento muito favorável, evidenciado pelas descidas sustentadas e permanentes ocorridas nos últimos três anos. Os vértices do polígono referente ao ano de 5 estão muito próximos do referencial zero o que denota a excelente performance obtida pela RNT em 5.

22 Evolução dos indicadores da continuidade de serviço na RNT (sem incidentes excepcionais ou motivados por força maior) MAIFI ENF,,,,6,,, TIE SARI SAIFI SAIDI 3 5 Figura Indicadores Individuais No decurso de 5 verificaram-se 3 interrupções com uma duração superior a 3 minutos ( caso se incluam as interrupções longas causadas por incêndios) no fornecimento de energia eléctrica, as quais afectaram apenas 3 (6 com inclusão dos incidentes causados por incêndios) dos 63 pontos de entrega (PdE) da REN (ver Quadro do anexo ). uma foi interrupção parcial (ver anexo definições), ocorrida no PdE de Ferreira do Alentejo (figura 9). Do conjunto das três interrupções próprias, duas foram interrupções totais do ponto de entrega e

23 Continuidade de Serviço Número de interrupções (Tint>3min) por ponto de entrega 3 Figura 9 SVG SET SFA SMR SSE Int. (totais) causa própria Int. (parciais) causa própria Int. (totais) força maior SFE A REN apura a totalidade das interrupções nos pontos de entrega, independentemente da sua duração. Em 5, registaram-se (menos 7% que em ). No Quadro, mostra-se o número total de interrupções dos PdE nos últimos anos. Quadro 3

24 Nas figuras e, apresenta-se, respectivamente, a duração das interrupções e a energia não fornecida por PdE. Minutos Duração total das interrupções (Tint>3min) por ponto de entrega 6 6,6 3,9 6 6,9 7,7 Figura SVG SET SFA SMR SSE Int. (totais) causa própria Int. (parciais) causa própria Int. (totais) força maior 3, 3, SFE

25 Continuidade de Serviço ENF - Energia não fornecida por ponto de entrega (Tint>3min) MWh , 5 5 7, 5 Figura 6, SVG SET SFA SMR SSE Int. (totais) causa própria Int. (parciais) causa própria Int (totais) força maior,, 3,7 SFE No histograma da figura, indicam-se as causas das interrupções longas no abastecimento de energia eléctrica em pontos de entrega. Como é visível a causa com consequências mais gravosas em tempo total de interrupção foi os incêndios e, em termos de ENF, foi a avaria num seccionador. Interrupções em 5 (por causas em %) Número Tint ENF % % % 3% % 5% 6% 7% % 9% % Figura Avaria num Seccionador Descargas atmosféricas Outras causas conhecidas Força maior (incêndios) 5

QUALIDADE DE SERVIÇO DE NATUREZA TÉCNICA NO SECTOR ELÉCTRICO

QUALIDADE DE SERVIÇO DE NATUREZA TÉCNICA NO SECTOR ELÉCTRICO QUALIDADE DE SERVIÇO TÉCNICA A qualidade de serviço de natureza técnica no sector eléctrico está associada à análise dos seguintes aspectos: Fiabilidade do fornecimento da energia eléctrica (continuidade

Leia mais

Relatório de Qualidade de Serviço 2014

Relatório de Qualidade de Serviço 2014 Relatório de Qualidade de Serviço REDE ELÉCTRICA NACIONAL Relatório da Qualidade de Serviço 2012 1 INDICE Introdução 5 Sumário Executivo 8 Continuidade de Serviço 15 Indicadores Gerais 19 Análise Global

Leia mais

RELATÓRIO DE QUALIDADE DE SERVIÇO 2011 REDE ELÉCTRICA NACIONAL

RELATÓRIO DE QUALIDADE DE SERVIÇO 2011 REDE ELÉCTRICA NACIONAL CONTINUIDADE DE SERVIÇO REDE ELÉCTRICA NACIONAL 1 ÍNDICE MENSAGEM DO PRESIDENTE 3 INTRODUÇÃO 5 SUMÁRIO EXECUTIVO 6 01 CONTINUIDADE DE SERVIÇO 01. INDICADORES GERAIS 1 02. ANÁLISE GLOBAL DOS INDICADORES

Leia mais

ACERTOS DE FACTURAÇÃO DE ENERGIA ELÉCTRICA

ACERTOS DE FACTURAÇÃO DE ENERGIA ELÉCTRICA ACERTOS DE FACTURAÇÃO DE ENERGIA ELÉCTRICA Parecer interpretativo da ERSE (ao abrigo do artigo 290.º do Regulamento de Relações Comerciais) Julho de 2005 ACERTOS DE FACTURAÇÃO DE ENERGIA ELÉCTRICA Parecer

Leia mais

Análise da proposta de. condições gerais do. Contrato de Uso das Redes - RARI

Análise da proposta de. condições gerais do. Contrato de Uso das Redes - RARI Análise da proposta de condições gerais do Contrato de Uso das Redes - RARI Junho de 2006 Rua Dom Cristóvão da Gama n.º 1-3.º 1400-113 Lisboa Tel: 21 303 32 00 Fax: 21 303 32 01 e-mail: erse@erse.pt www.erse.pt

Leia mais

f) Processamentos de dados em baixa tensão, designadamente estimativas de consumo e metodologia de aplicação de perfis de consumo.

f) Processamentos de dados em baixa tensão, designadamente estimativas de consumo e metodologia de aplicação de perfis de consumo. NOTA INFORMATIVA RELATIVA AO DESPACHO N.º 2/2007 QUE APROVA O GUIA DE MEDIÇÃO, LEITURA E DISPONIBILIZAÇÃO DE DADOS O Regulamento de Relações Comerciais (RRC) aprovado através do despacho da Entidade Reguladora

Leia mais

RELATÓRIO DA QUALIDADE DE SERVIÇO ANO GÁS 2011-2012

RELATÓRIO DA QUALIDADE DE SERVIÇO ANO GÁS 2011-2012 RELATÓRIO DA QUALIDADE DE SERVIÇO ANO GÁS 2011-2012 Novembro 2012 Índice SUMÁRIO EXECUTIVO... 3 INTRODUÇÃO... 4 CONTINUIDADE DE SERVIÇO E INCIDENTES MAIS SIGNIFICATIVOS... 5 CARACTERÍSTICAS DO GÁS NATURAL...

Leia mais

REDE ELÉCTRICA NACIONAL, REN S.A. CARACTERIZAÇÃO DA REDE NACIONAL DE TRANSPORTE PARA EFEITOS DE ACESSO À REDE EM 31 DE DEZEMBRO DE 2002

REDE ELÉCTRICA NACIONAL, REN S.A. CARACTERIZAÇÃO DA REDE NACIONAL DE TRANSPORTE PARA EFEITOS DE ACESSO À REDE EM 31 DE DEZEMBRO DE 2002 REDE ELÉCTRICA NACIONAL, REN S.A. CARACTERIZAÇÃO DA REDE NACIONAL DE TRANSPORTE PARA EFEITOS DE ACESSO À REDE EM 31 DE DEZEMBRO DE 2002 MARÇO 2003 ÍNDICE 1. ENQUADRAMENTO E OBJECTIVO...1 2. CONTEÚDO...1

Leia mais

Relatório de Qualidade de Serviço. Ano Gás 2009-2010

Relatório de Qualidade de Serviço. Ano Gás 2009-2010 Relatório de Qualidade de Serviço Ano Gás 29-21 15 de Novembro de 21 Índice 1. Enquadramento... 3 2.Qualidade de Serviço Técnico - Continuidade e interrupção de Serviço... 4 2.1 Art. 15º Indicadores gerais

Leia mais

ISEL. Subestação de Alto Mira. Relatório de Visita de Estudo. 27 Maio 2005. Secção de Sistemas de Energia

ISEL. Subestação de Alto Mira. Relatório de Visita de Estudo. 27 Maio 2005. Secção de Sistemas de Energia ISEL INSTITUTO SUPERIOR DE ENGENHARIA DE LISBOA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELECTROTÉCNICA E AUTOMAÇÃO Relatório de Visita de Estudo 27 Maio 2005 Secção de Sistemas de Energia Junho 2005 Índice 1. Enquadramento

Leia mais

CONTRATO DE COMPRA DE ENERGIA ELÉCTRICA UNIDADES DE MICROPRODUÇÃO

CONTRATO DE COMPRA DE ENERGIA ELÉCTRICA UNIDADES DE MICROPRODUÇÃO CONTRATO DE COMPRA DE ENERGIA ELÉCTRICA UNIDADES DE MICROPRODUÇÃO Entre F.., residente em.com o número de contribuinte, [ou 1 ] F..., com sede em,, com o capital social de. euros, matriculada na Conservatória

Leia mais

PROPOSTA DE REGULAMENTO DE OPERAÇÃO INFRA-ESTRUTURAS DAS. Documento Justificativo ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS.

PROPOSTA DE REGULAMENTO DE OPERAÇÃO INFRA-ESTRUTURAS DAS. Documento Justificativo ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS. PROPOSTA DE REGULAMENTO DE OPERAÇÃO DAS INFRA-ESTRUTURAS Documento Justificativo Fevereiro de 2007 ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS Rua Dom Cristóvão da Gama n.º 1-3.º 1400-113 Lisboa Tel:

Leia mais

www.pwc.pt Auditoria nos termos do Regulamento da Qualidade de Serviço Relatório resumo EDP Distribuição, S.A.

www.pwc.pt Auditoria nos termos do Regulamento da Qualidade de Serviço Relatório resumo EDP Distribuição, S.A. www.pwc.pt Auditoria nos termos do Regulamento da Qualidade de Serviço Relatório resumo EDP Distribuição, S.A. Janeiro 2014 Enquadramento A promoção da melhoria contínua da qualidade de serviço no âmbito

Leia mais

2.4. EXECUÇÃO FÍSICA E FINANCEIRA E PROCESSO DE APROVAÇÕES

2.4. EXECUÇÃO FÍSICA E FINANCEIRA E PROCESSO DE APROVAÇÕES 2.4. EXECUÇÃO FÍSICA E FINANCEIRA E PROCESSO DE APROVAÇÕES Aceleração da execução A execução do QCAIII atingia, no final do 1.º semestre de 2001, uma taxa de execução acumulada de cerca de 29% face ao

Leia mais

ISEL. Subestação de Sacavém. Relatório de Visita de Estudo. 6 Dezembro 2005. Secção de Sistemas de Energia

ISEL. Subestação de Sacavém. Relatório de Visita de Estudo. 6 Dezembro 2005. Secção de Sistemas de Energia ISEL INSTITUTO SUPERIOR DE ENGENHARIA DE LISBOA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELECTROTÉCNICA E AUTOMAÇÃO Relatório de Visita de Estudo 6 Dezembro 2005 Secção de Sistemas de Energia Março 2006 Índice 1. Enquadramento

Leia mais

INSTALAÇÕES AT E MT. SUBESTAÇÕES DE DISTRIBUIÇÃO

INSTALAÇÕES AT E MT. SUBESTAÇÕES DE DISTRIBUIÇÃO INSTALAÇÕES AT E MT. SUBESTAÇÕES DE DISTRIBUIÇÃO Função de automatismo: pesquisa de terras resistentes Especificação funcional Elaboração: INTS, ICTS, ISTS e DNT Homologação: conforme despacho CA de 2007-02-13

Leia mais

ELETRICIDADE ELETRICIDADE SETEMBRO 2013. LIBERALIZAÇÃO DO MERCADO ELÉTRICO Mudança de comercializador. 3. Contratar o fornecimento

ELETRICIDADE ELETRICIDADE SETEMBRO 2013. LIBERALIZAÇÃO DO MERCADO ELÉTRICO Mudança de comercializador. 3. Contratar o fornecimento SETEMBRO 2013 LIBERALIZAÇÃO DO MERCADO ELÉTRICO Mudança de comercializador Todos os consumidores de energia elétrica em Portugal continental podem livremente escolher o seu fornecedor desde setembro de

Leia mais

EDP Distribuição Energia, S.A. Rua Camilo Castelo Branco, 43 1050-044 LISBOA www.edpdistribuicao.pt

EDP Distribuição Energia, S.A. Rua Camilo Castelo Branco, 43 1050-044 LISBOA www.edpdistribuicao.pt Este documento está preparado para impressão em frente e verso EDP Distribuição Energia, S.A. Rua Camilo Castelo Branco, 43 1050-044 LISBOA www.edpdistribuicao.pt Errata ao Relatório da Qualidade de Serviço

Leia mais

Protecção contra sobretensões. Descarregadores de sobretensões

Protecção contra sobretensões. Descarregadores de sobretensões Protecção contra Descarregadores Protecção contra As podem muitas vezes causar danos irreparáveis nas instalações eléctricas, bem como, nos equipamentos eléctricos e electrónicos. Os descarregadores são

Leia mais

ELETRICIDADE ELETRICIDADE 1 DEZEMBRO 2014. LIBERALIZAÇÃO DO MERCADO ELÉTRICO Mudança de comercializador. 3. Contratar o fornecimento

ELETRICIDADE ELETRICIDADE 1 DEZEMBRO 2014. LIBERALIZAÇÃO DO MERCADO ELÉTRICO Mudança de comercializador. 3. Contratar o fornecimento ELETRICIDADE 1 DEZEMBRO 2014 LIBERALIZAÇÃO DO MERCADO ELÉTRICO Mudança de comercializador Todos os consumidores de energia elétrica em Portugal continental podem livremente escolher o seu fornecedor desde

Leia mais

Auditoria ao Processo de Mudança de Comercializador. A. Enquadramento e Objectivos. Síntese do Relatório de Auditoria

Auditoria ao Processo de Mudança de Comercializador. A. Enquadramento e Objectivos. Síntese do Relatório de Auditoria A. Enquadramento e Objectivos A EDP Distribuição - Energia, S.A. (EDP Distribuição), empresa que exerce a actividade de Operador de Rede de Distribuição (ORD) de Energia Eléctrica em Média Tensão (MT)

Leia mais

NP EN ISO 9001:2000 LISTA DE COMPROVAÇÃO

NP EN ISO 9001:2000 LISTA DE COMPROVAÇÃO NP EN ISO 9001:2000 LISTA DE COMPROVAÇÃO NIP: Nº DO RELATÓRIO: DENOMINAÇÃO DA EMPRESA: EQUIPA AUDITORA (EA): DATA DA VISITA PRÉVIA: DATA DA AUDITORIA: AUDITORIA DE: CONCESSÃO SEGUIMENTO ACOMPANHAMENTO

Leia mais

ANÁLISE DOS ORÇAMENTOS DE INVESTIMENTOS 2006-2007 ORÇAMENTOS 2005 E DOS RELATÓRIOS DE EXECUÇÃO DOS ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS

ANÁLISE DOS ORÇAMENTOS DE INVESTIMENTOS 2006-2007 ORÇAMENTOS 2005 E DOS RELATÓRIOS DE EXECUÇÃO DOS ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS ANÁLISE DOS ORÇAMENTOS DE INVESTIMENTOS 2006-2007 E DOS RELATÓRIOS DE EXECUÇÃO DOS Outubro 2006 ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS Rua Dom Cristóvão da Gama n.º 1-3.º 1400-113 Lisboa Tel: 21

Leia mais

Segurança e Higiene do Trabalho. Volume XIX Gestão da Prevenção. Guia Técnico. um Guia Técnico de O Portal da Construção. www.oportaldaconstrucao.

Segurança e Higiene do Trabalho. Volume XIX Gestão da Prevenção. Guia Técnico. um Guia Técnico de O Portal da Construção. www.oportaldaconstrucao. Guia Técnico Segurança e Higiene do Trabalho Volume XIX Gestão da Prevenção um Guia Técnico de Copyright, todos os direitos reservados. Este Guia Técnico não pode ser reproduzido ou distribuído sem a expressa

Leia mais

CONTRATO DE COMPRA DE ENERGIA ELÉTRICA UNIDADES DE MICROPRODUÇÃO

CONTRATO DE COMPRA DE ENERGIA ELÉTRICA UNIDADES DE MICROPRODUÇÃO CONTRATO DE COMPRA DE ENERGIA ELÉTRICA UNIDADES DE MICROPRODUÇÃO Entre, residente em com o número de contribuinte, adiante designado(a) abreviadamente por Produtor; e EDP Serviço Universal, S.A., com sede

Leia mais

Norma ISO 9000. Norma ISO 9001. Norma ISO 9004 SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE REQUISITOS FUNDAMENTOS E VOCABULÁRIO

Norma ISO 9000. Norma ISO 9001. Norma ISO 9004 SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE REQUISITOS FUNDAMENTOS E VOCABULÁRIO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALDADE SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE Norma ISO 9000 Norma ISO 9001 Norma ISO 9004 FUNDAMENTOS E VOCABULÁRIO REQUISITOS LINHAS DE ORIENTAÇÃO PARA MELHORIA DE DESEMPENHO 1. CAMPO

Leia mais

ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS. Diretiva n.º 20/2013. Parâmetros de Regulação da Qualidade de Serviço do setor elétrico

ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS. Diretiva n.º 20/2013. Parâmetros de Regulação da Qualidade de Serviço do setor elétrico Diário da República, 2.ª série N.º 227 22 de novembro de 2013 34305 PARTE E ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS Diretiva n.º 20/2013 Parâmetros de Regulação da Qualidade de Serviço do setor elétrico

Leia mais

RELATÓRIO DA QUALIDADE DE SERVIÇO DO SECTOR DO GÁS NATURAL ANO GÁS 2009-2010

RELATÓRIO DA QUALIDADE DE SERVIÇO DO SECTOR DO GÁS NATURAL ANO GÁS 2009-2010 RELATÓRIO DA QUALIDADE DE SERVIÇO DO SECTOR DO GÁS NATURAL ANO GÁS 2009-2010 Março 2011 ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS Este documento está preparado para impressão em frente e verso Rua Dom

Leia mais

Adesão ao Serviço de Interruptibilidade Eléctrica

Adesão ao Serviço de Interruptibilidade Eléctrica DIRECÇÃO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO LIGAÇÃO À REDE TELECOMUNICAÇÕES DE SEGURANÇA ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA Adesão ao Serviço de Interruptibilidade Eléctrica 2012-03-19 ÍNDICE 1. ÂMBITO... 3 2. ESTRUTURA DO

Leia mais

Evolução de alguns indicadores de desempenho das redes eléctricas em Portugal

Evolução de alguns indicadores de desempenho das redes eléctricas em Portugal Evolução de alguns indicadores de desempenho das redes eléctricas em Portugal Jorge Esteves, XI Reunião Ibero-Americana de Reguladores de Energia Madrid, 18 de Junho de 2007 Entidade Reguladora dos Serviços

Leia mais

1. ÂMBITO E DISPOSIÇÕES INTRODUTÓRIAS

1. ÂMBITO E DISPOSIÇÕES INTRODUTÓRIAS REGULAMENTO Selecção de fornecedores qualificados para apresentação de propostas em concursos limitados de serviços de supervisão da construção de linhas e subestações da RNT Novembro 2010 Índice 1. ÂMBITO

Leia mais

MINISTÉRIO DA ECONOMIA E INOVAÇÃO

MINISTÉRIO DA ECONOMIA E INOVAÇÃO MINISTÉRIO DA ECONOMIA E INOVAÇÃO Direcção de Serviços de Estudos e Estratégia Turísticos Divisão de Recolha e Análise Estatística Índice Introdução Proveito Médio de Aposento Conceitos Anexos Proveitos

Leia mais

CONTRATO DE COMPRA DE ENERGIA ELÉTRICA UNIDADES DE MICROPRODUÇÃO

CONTRATO DE COMPRA DE ENERGIA ELÉTRICA UNIDADES DE MICROPRODUÇÃO CONTRATO DE COMPRA DE ENERGIA ELÉTRICA UNIDADES DE MICROPRODUÇÃO Entre, com sede em, com o capital social de ( Euros), matriculada na Conservatória do Registo Comercial de, com o número de matrícula e

Leia mais

DOCUMENTOS DE GESTÃO FINANCEIRA Realizado por GESTLUZ - Consultores de Gestão

DOCUMENTOS DE GESTÃO FINANCEIRA Realizado por GESTLUZ - Consultores de Gestão DOCUMENTOS DE GESTÃO FINANCEIRA Realizado por GESTLUZ - Consultores de Gestão A Análise das Demonstrações Financeiras Este artigo pretende apoiar o jovem empreendedor, informando-o de como utilizar os

Leia mais

Controle e Corte Emergencial de Cargas com Recomposição Automática Através do Sistema SCADA BRASIL

Controle e Corte Emergencial de Cargas com Recomposição Automática Através do Sistema SCADA BRASIL Controle e Corte Emergencial de Cargas com Recomposição Automática Através do Sistema SCADA MONTENEGRO, J. C. F. S. (José Carlos de França e Silva Montenegro) BANDEIRANTE BRASIL MARQUES, R. (Rogério Marques)

Leia mais

Ligações às redes de energia eléctrica. Setembro de 2011

Ligações às redes de energia eléctrica. Setembro de 2011 Ligações às redes de energia eléctrica Setembro de 2011 Índice Competências da ERSE Princípios e conceitos gerais Potência requisitada Procedimentos para ligação de uma instalação à rede Ponto de ligação

Leia mais

DOCUMENTO JUSTIFICATIVO DA ALTERAÇÃO DO REGULAMENTO TARIFÁRIO DO SECTOR DO GÁS NATURAL

DOCUMENTO JUSTIFICATIVO DA ALTERAÇÃO DO REGULAMENTO TARIFÁRIO DO SECTOR DO GÁS NATURAL DOCUMENTO JUSTIFICATIVO DA ALTERAÇÃO DO REGULAMENTO TARIFÁRIO DO SECTOR DO GÁS NATURAL Dezembro 2010 ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS Rua Dom Cristóvão da Gama n.º 1-3.º 1400-113 Lisboa Tel.:

Leia mais

Barómetro Regional da Qualidade Avaliação da Satisfação dos Utentes dos Serviços de Saúde

Barómetro Regional da Qualidade Avaliação da Satisfação dos Utentes dos Serviços de Saúde Avaliação da Satisfação dos Utentes dos Serviços de Saúde Entidade Promotora Concepção e Realização Enquadramento Avaliação da Satisfação dos Utentes dos Serviços de Saúde Índice RESUMO EXECUTIVO...

Leia mais

7010 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-B N. o 287 9 de Dezembro de 2004 REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA

7010 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-B N. o 287 9 de Dezembro de 2004 REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA 7010 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-B N. o 287 9 de Dezembro de 2004 REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA Presidência do Governo Decreto Regulamentar Regional n. o 15/2004/M Aprova o Regulamento da Qualidade de Serviço

Leia mais

II.3.1.1.1. Medidas adoptadas por motivos ambientais e de escassez

II.3.1.1.1. Medidas adoptadas por motivos ambientais e de escassez 66/12 II.3. CARACTERIZAÇÃO ECONÓMICO-FINANCEIRA II.3.1. ABASTECIMENTO DE ÁGUA II.3.1.1. Problemas Ambientais e de Escassez II.3.1.1.1. Medidas adoptadas por motivos ambientais e de escassez A captação

Leia mais

AVALIAÇÃO DA SATISFAÇÃO DO CLIENTE NOS SERVIÇOS SAGRA ONLINE

AVALIAÇÃO DA SATISFAÇÃO DO CLIENTE NOS SERVIÇOS SAGRA ONLINE AVALIAÇÃO DA SATISFAÇÃO DO CLIENTE NOS SERVIÇOS SAGRA ONLINE Relatório de Apreciação Ref.ª IT 08/82/2007 1. Introdução No Centro Operativo e de Tecnologia de Regadio (COTR) a qualidade é encarada como

Leia mais

INSTALAÇÕES AT E MT. SUBESTAÇÕES DE DISTRIBUIÇÃO

INSTALAÇÕES AT E MT. SUBESTAÇÕES DE DISTRIBUIÇÃO INSTALAÇÕES AT E MT. SUBESTAÇÕES DE DISTRIBUIÇÃO Função de automatismo: regulação de tensão Especificação funcional Elaboração: INTS, ICTS, ISTS, DNT Homologação: conforme despacho do CA de 2007-02-13

Leia mais

www.pwc.pt Auditoria nos termos do Regulamento da Qualidade de Serviço Relatório resumo EDP Serviço Universal, S.A.

www.pwc.pt Auditoria nos termos do Regulamento da Qualidade de Serviço Relatório resumo EDP Serviço Universal, S.A. www.pwc.pt Auditoria nos termos do Regulamento da Qualidade de Serviço Relatório resumo EDP Serviço Universal, S.A. Janeiro 2014 Enquadramento A promoção da melhoria contínua da qualidade de serviço no

Leia mais

O TURISMO NO ESPAÇO RURAL 2006

O TURISMO NO ESPAÇO RURAL 2006 O TURISMO NO ESPAÇO RURAL 2006 Elaborado por: Ana Paula Gomes Bandeira Coordenado por: Teresinha Duarte Direcção de Serviços de Estudos e Estratégia Turísticos Divisão de Recolha e Análise Estatística

Leia mais

O TURISMO NO ESPAÇO RURAL 2005

O TURISMO NO ESPAÇO RURAL 2005 O TURISMO NO ESPAÇO RURAL 2005 Elaborado por: Maria Julieta Martins Coordenado por: Teresinha Duarte Direcção de Serviços de Estudos e Estratégia Turísticos Divisão de Recolha e Análise Estatística Índice

Leia mais

REGRAS DE SEGURANÇA JUNTO A INSTALAÇÕES DE MUITO ALTA TENSÃO E ALTA TENSÃO LINHAS DE TRANSPORTE SUBESTAÇÕES, POSTOS DE CORTE E DE SECCIONAMENTO

REGRAS DE SEGURANÇA JUNTO A INSTALAÇÕES DE MUITO ALTA TENSÃO E ALTA TENSÃO LINHAS DE TRANSPORTE SUBESTAÇÕES, POSTOS DE CORTE E DE SECCIONAMENTO REGRAS DE SEGURANÇA JUNTO A INSTALAÇÕES DE MUITO ALTA TENSÃO E ALTA TENSÃO LINHAS DE TRANSPORTE SUBESTAÇÕES, POSTOS DE CORTE E DE SECCIONAMENTO A REN - Rede Eléctrica Nacional, S.A. é a concessionária

Leia mais

ESTRUTURA EMPRESARIAL NACIONAL 1995/98

ESTRUTURA EMPRESARIAL NACIONAL 1995/98 ESTRUTURA EMPRESARIAL NACIONAL 1995/98 NOTA METODOLÓGICA De acordo com a definição nacional, são pequenas e médias empresas aquelas que empregam menos de 500 trabalhadores, que apresentam um volume de

Leia mais

CONDIÇÕES A OBSERVAR PARA O ESTEBELECIMENTO DE POSTO DE TRANSFORMACÃO PRIVATIVO

CONDIÇÕES A OBSERVAR PARA O ESTEBELECIMENTO DE POSTO DE TRANSFORMACÃO PRIVATIVO CONDIÇÕES A OBSERVAR PARA O ESTEBELECIMENTO DE POSTO DE TRANSFORMACÃO PRIVATIVO 1 CONDIÇÕES PRÉVIAS Antes de iniciar qualquer trabalho de montagem, ou antes de adquirir um posto de transformação (PT),

Leia mais

M V O I V M I E M N E T N O T O D E D E C A C R A G R A G A E E D E D E N A N V A I V O I S O

M V O I V M I E M N E T N O T O D E D E C A C R A G R A G A E E D E D E N A N V A I V O I S O MOVIMENTO DE CARGA E DE NAVIOS NOS PORTOS DO CONTINENTE JUNHO DE 2014 (Valores Acumulados) Página 1 de 33 ÍNDICE Factos mais relevantes do movimento portuário no 1º semestre de 2014 0. Movimento por Tipo

Leia mais

AVALIAÇÃO DA COBERTURA TDT EM ARRUDA DOS VINHOS. Centro de Monitorização e Controlo do Espectro

AVALIAÇÃO DA COBERTURA TDT EM ARRUDA DOS VINHOS. Centro de Monitorização e Controlo do Espectro AVALIAÇÃO DA COBERTURA TDT EM ARRUDA DOS VINHOS Centro de Monitorização e Controlo do Espectro 12 de Julho de 2011 Em 2011-07-12, e em complemento à análise de cobertura TDT solicitada para efeitos de

Leia mais

ANA Aeroportos de Portugal Aeroportos e Ruído: Uma Gestão de Compromisso

ANA Aeroportos de Portugal Aeroportos e Ruído: Uma Gestão de Compromisso ANA Aeroportos de Portugal Aeroportos e Ruído: Uma Gestão de Compromisso O ruído tem vindo a assumir um lugar de destaque no conjunto de preocupações dos cidadãos em matéria ambiental. De acordo com informação

Leia mais

DEFINIÇÃO E ANÁLISE DE CONTINGÊNCIAS SEVERAS NA REDE ELÉCTRICA PORTUGUESA

DEFINIÇÃO E ANÁLISE DE CONTINGÊNCIAS SEVERAS NA REDE ELÉCTRICA PORTUGUESA DEFINIÇÃO E ANÁLISE DE CONTINGÊNCIAS SEVERAS NA REDE ELÉCTRICA PORTUGUESA SUSANA ALMEIDA 1, RUI PESTANA 1, F. MACIEL BARBOSA 2 1, REN Rede Eléctrica Nacional, S.A., Portugal Telef: +351 22 00 11 779, fax:

Leia mais

Rede Eléctrica Nacional Gestão do Sistema. Julho/ 2015

Rede Eléctrica Nacional Gestão do Sistema. Julho/ 2015 Rede Eléctrica Nacional Gestão do Sistema Julho/ 2015 1 Indice Organização da REN Organização da Gestão do Sistema Sistema Elétrico Nacional Função Segurança e Operação da RNT Função Equilíbrio Produção

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS. 3. Os comercializadores são responsáveis pelo cumprimento das obrigações decorrentes do acesso à RNTGN por parte dos seus clientes.

CONDIÇÕES GERAIS. 3. Os comercializadores são responsáveis pelo cumprimento das obrigações decorrentes do acesso à RNTGN por parte dos seus clientes. CONDIÇÕES GERAIS Cláusula 1ª Definições e siglas No âmbito do presente Contrato de Uso da Rede de Transporte, entende-se por: a) «Contrato» o presente contrato de uso da rede de transporte; b) «Agente

Leia mais

ORIENTAÇÃO SOBRE PRINCÍPIOS DE AUDITORIA NP EN ISO 19011:2003. Celeste Bento João Carlos Dória Novembro de 2008

ORIENTAÇÃO SOBRE PRINCÍPIOS DE AUDITORIA NP EN ISO 19011:2003. Celeste Bento João Carlos Dória Novembro de 2008 ORIENTAÇÃO SOBRE PRINCÍPIOS DE AUDITORIA NP EN ISO 19011:2003 Celeste Bento João Carlos Dória Novembro de 2008 1 SISTEMÁTICA DE AUDITORIA - 1 1 - Início da 4 - Execução da 2 - Condução da revisão dos documentos

Leia mais

Comunicado. Tarifas e Preços para a Energia Elétrica em 2014

Comunicado. Tarifas e Preços para a Energia Elétrica em 2014 Comunicado Tarifas e Preços para a Energia Elétrica em 2014 De acordo com os procedimentos estabelecidos no Regulamento Tarifário foi submetida, em outubro, à apreciação do Conselho Tarifário, da Autoridade

Leia mais

SISTEMA DE CERTIFICAÇÃO DE ENTIDADES FORMADORAS ASPECTOS PRINCIPAIS DA MUDANÇA

SISTEMA DE CERTIFICAÇÃO DE ENTIDADES FORMADORAS ASPECTOS PRINCIPAIS DA MUDANÇA SISTEMA DE CERTIFICAÇÃO DE ENTIDADES FORMADORAS ASPECTOS PRINCIPAIS DA MUDANÇA O Sistema de Certificação de Entidades Formadoras, consagrado na Resolução do Conselho de Ministros nº 173/2007, que aprova

Leia mais

METODOLOGIA DOS ESTUDOS PARA A DETERMINAÇÃO DA CAPACIDADE DE INTERLIGAÇÃO PARA FINS COMERCIAIS

METODOLOGIA DOS ESTUDOS PARA A DETERMINAÇÃO DA CAPACIDADE DE INTERLIGAÇÃO PARA FINS COMERCIAIS METODOLOGIA DOS ESTUDOS PARA A DETERMINAÇÃO DA CAPACIDADE DE INTERLIGAÇÃO PARA Fevereiro 2007 ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS Este documento está preparado para impressão em frente e verso

Leia mais

M V O I V M I E M N E T N O T O D E D E C A C R A G R A G A E E D E D E N A N V A I V O I S O

M V O I V M I E M N E T N O T O D E D E C A C R A G R A G A E E D E D E N A N V A I V O I S O MOVIMENTO DE CARGA E DE NAVIOS NOS PORTOS DO CONTINENTE 1º TRIMESTRE DE 2014 Página 1 de 34 ÍNDICE Factos mais relevantes do movimento portuário do 1º trimestre de 2014 0. Movimento por Tipo de Carga e

Leia mais

REGULAMENTO TARIFÁRIO

REGULAMENTO TARIFÁRIO REGULAMENTO TARIFÁRIO DO SECTOR ELÉCTRICO Julho 2011 ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS Rua Dom Cristóvão da Gama n.º 1-3.º 1400-113 Lisboa Tel: 21 303 32 00 Fax: 21 303 32 01 e-mail: erse@erse.pt

Leia mais

Boas Práticas Ambientais. Hotéis e Pousadas

Boas Práticas Ambientais. Hotéis e Pousadas Hotéis e Pousadas 2008 Índice Introdução Principais Resultados Utilização Racional de Energia Gestão de Resíduos Uso Eficiente da Água Certificação Ambiental Conceitos 2 Introdução A estratégia nacional

Leia mais

Entendimento do ICP-ANACOM. Originação de chamadas nas redes móveis nacionais

Entendimento do ICP-ANACOM. Originação de chamadas nas redes móveis nacionais Entendimento do ICP-ANACOM Originação de chamadas nas redes móveis nacionais I. Enquadramento Os serviços de originação de chamadas prestados pelos operadores móveis nacionais são definidos como os serviços

Leia mais

INFORMAÇÃO SOBRE FACTURAÇÃO DE ENERGIA REACTIVA PRINCÍPIOS E BOAS PRÁTICAS RECOMENDAÇÃO N.º 1/2010

INFORMAÇÃO SOBRE FACTURAÇÃO DE ENERGIA REACTIVA PRINCÍPIOS E BOAS PRÁTICAS RECOMENDAÇÃO N.º 1/2010 INFORMAÇÃO SOBRE FACTURAÇÃO DE ENERGIA REACTIVA PRINCÍPIOS E BOAS PRÁTICAS RECOMENDAÇÃO N.º 1/2010 Julho 2010 ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS Rua Dom Cristóvão da Gama n.º 1-3.º 1400-113 Lisboa

Leia mais

SUMÁRIO. 3º Trimestre 2009 RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO DA ACTIVIDADE SEGURADORA. Produção de seguro directo. Custos com sinistros

SUMÁRIO. 3º Trimestre 2009 RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO DA ACTIVIDADE SEGURADORA. Produção de seguro directo. Custos com sinistros SUMÁRIO Produção de seguro directo No terceiro trimestre de, seguindo a tendência evidenciada ao longo do ano, assistiu-se a uma contracção na produção de seguro directo das empresas de seguros sob a supervisão

Leia mais

REGULAMENTO DA QUALIDADE DE SERVIÇO DO SETOR ELÉTRICO

REGULAMENTO DA QUALIDADE DE SERVIÇO DO SETOR ELÉTRICO REGULAMENTO DA QUALIDADE DE SERVIÇO DO SETOR ELÉTRICO Outubro 2013 ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS Rua Dom Cristóvão da Gama n.º 1-3.º 1400-113 Lisboa Tel: 21 303 32 00 Fax: 21 303 32 01 e-mail:

Leia mais

ISO 9000:2000 Sistemas de Gestão da Qualidade Fundamentos e Vocabulário. As Normas da família ISO 9000. As Normas da família ISO 9000

ISO 9000:2000 Sistemas de Gestão da Qualidade Fundamentos e Vocabulário. As Normas da família ISO 9000. As Normas da família ISO 9000 ISO 9000:2000 Sistemas de Gestão da Qualidade Fundamentos e Vocabulário Gestão da Qualidade 2005 1 As Normas da família ISO 9000 ISO 9000 descreve os fundamentos de sistemas de gestão da qualidade e especifica

Leia mais

ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS

ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS DESPACHO N.º 5/2010 O Regulamento Tarifário do Sector do Gás Natural (RT), com a última redacção que lhe foi dada pelo Despacho n.º 4 878/2010, publicado no

Leia mais

REGULAMENTO DE OPERAÇÃO DAS INFRA-ESTRUTURAS

REGULAMENTO DE OPERAÇÃO DAS INFRA-ESTRUTURAS REGULAMENTO DE OPERAÇÃO DAS INFRA-ESTRUTURAS DO SECTOR DO GÁS NATURAL Fevereiro 2010 ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS Rua Dom Cristóvão da Gama n.º 1-3.º 1400-113 Lisboa Tel: 213 033 200 Fax:

Leia mais

INQUÉRITO ÀS ENTIDADES GESTORAS NORMA ISO 24510 1 OBJECTIVO DO INQUÉRITO 2 CONSTITUIÇÃO DO INQUÉRITO RELATÓRIO FINAL

INQUÉRITO ÀS ENTIDADES GESTORAS NORMA ISO 24510 1 OBJECTIVO DO INQUÉRITO 2 CONSTITUIÇÃO DO INQUÉRITO RELATÓRIO FINAL INQUÉRITO ÀS ENTIDADES GESTORAS NORMA ISO 24510 RELATÓRIO FINAL 1 OBJECTIVO DO INQUÉRITO A publicação das normas ISO 24500 (ISO 24510, ISO 24511 e ISO 24512), que constituem o primeiro conjunto de normas

Leia mais

AVALIAÇÃO DA COBERTURA TDT EM BUCELAS, FREIXIAL E CHAMBOEIRA

AVALIAÇÃO DA COBERTURA TDT EM BUCELAS, FREIXIAL E CHAMBOEIRA AVALIAÇÃO DA COBERTURA TDT EM BUCELAS, FREIXIAL E CHAMBOEIRA DGE1 - Centro de Monitorização e Controlo do Espectro Xxxxx xxxxxxxxxx Xxx x xx xxxxxxx Xxxx xxxxx Xxxx xxxxxxxx Xxxxxx xxxxxxxx 12 de Junho

Leia mais

CONTRATO DE COMPRA E VENDA DE ENERGIA ELÉTRICA UNIDADES DE MINIPRODUÇÃO

CONTRATO DE COMPRA E VENDA DE ENERGIA ELÉTRICA UNIDADES DE MINIPRODUÇÃO CONTRATO DE COMPRA E VENDA DE ENERGIA ELÉTRICA UNIDADES DE MINIPRODUÇÃO Entre [ ]., com sede em [ ], matriculada na Conservatória do Registo Comercial de [ ], com o número de matrícula e pessoa coletiva

Leia mais

Relatório de evolução da atividade seguradora

Relatório de evolução da atividade seguradora Relatório de evolução da atividade seguradora 1.º Semestre 214 I. Produção e custos com sinistros 1. Análise global 2. Ramo Vida 3. Ramos Não Vida a. Acidentes de Trabalho b. Doença c. Incêndio e Outros

Leia mais

Comunicado. Proposta de Tarifas e Preços para a Energia Elétrica em 2014

Comunicado. Proposta de Tarifas e Preços para a Energia Elétrica em 2014 Comunicado Proposta de Tarifas e Preços para a Energia Elétrica em 2014 Nos termos regulamentarmente previstos, o Conselho de Administração da ERSE apresenta, a 15 de outubro de cada ano, uma proposta

Leia mais

ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS. Despacho n.º 7253/2010

ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS. Despacho n.º 7253/2010 Diário da República, 2.ª série N.º 80 26 de Abril de 2010 21945 PARTE E ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS Despacho n.º 7253/2010 O artigo 276.º do Regulamento de Relações Comerciais (RRC), aprovado

Leia mais

Software comercial para planeamento da distribuição

Software comercial para planeamento da distribuição Software comercial para planeamento da distribuição Existe uma grande variedade de software comercial para planeamento e análise de sistemas eléctricos de distribuição (ver tabela). Muitas das empresas

Leia mais

Norma Nr.016 / 1999 de 29/12 REVOGA AS NORMAS N.º 10/96-R E N.º 11/97-R

Norma Nr.016 / 1999 de 29/12 REVOGA AS NORMAS N.º 10/96-R E N.º 11/97-R Norma Nr.016 / 1999 de 29/12 REVOGA AS NORMAS N.º 10/96-R E N.º 11/97-R AVALIAÇÃO DOS TERRENOS E EDIFÍCIOS DAS EMPRESAS DE SEGUROS E DOS FUNDOS DE PENSÕES Considerando que, de acordo com a regulamentação

Leia mais

A presente norma tem por objecto a definição dos procedimentos a adoptar no que respeita à análise dos pedidos de pagamento (PP).

A presente norma tem por objecto a definição dos procedimentos a adoptar no que respeita à análise dos pedidos de pagamento (PP). 1. OBJECTO A presente norma tem por objecto a definição dos procedimentos a adoptar no que respeita à análise dos pedidos de pagamento (PP). 2. ENQUADRAMENTO JURÍDICO Decreto-Lei n.º 37-A/2008, de 5 de

Leia mais

ÍNDICE 1. OBJECTIVO...2 2. INTRODUÇÃO...2 4. ÂMBITO DE APLICAÇÃO...4 5. ACÇÕES DE MANUTENÇÃO...5 7. RECOMENDAÇÕES DE EXPLORAÇÃO...

ÍNDICE 1. OBJECTIVO...2 2. INTRODUÇÃO...2 4. ÂMBITO DE APLICAÇÃO...4 5. ACÇÕES DE MANUTENÇÃO...5 7. RECOMENDAÇÕES DE EXPLORAÇÃO... ÍNDICE 1. OBJECTIVO...2 2. INTRODUÇÃO...2 3. DISPOSIÇÕES LEGAIS APLICÁVEIS...3 3.1. Inspecções de Instalações Eléctricas...3 3.2. Verificação dos eléctrodos de terra...3 3.3. Limpeza, conservação e reparação

Leia mais

MECANISMO DE ATRIBUIÇÃO DA CAPACIDADE NO ARMAZENAMENTO

MECANISMO DE ATRIBUIÇÃO DA CAPACIDADE NO ARMAZENAMENTO MECANISMO DE ATRIBUIÇÃO DA CAPACIDADE NO ARMAZENAMENTO SUBTERRÂNEO DE GÁS NATURAL FEVEREIRO 2008 ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS Rua Dom Cristóvão da Gama n.º 1-3.º 1400-113 Lisboa Tel.: 21

Leia mais

Ligações às redes de energia eléctrica de instalações consumidoras (em vigor a partir de 12 de maio de 2013)

Ligações às redes de energia eléctrica de instalações consumidoras (em vigor a partir de 12 de maio de 2013) Ligações às redes de energia eléctrica de instalações consumidoras (em vigor a partir de 12 de maio de 2013) Novembro de 2012 Índice Competências da ERSE Princípios e conceitos gerais Potência requisitada

Leia mais

DISCUSSÃO DOS COMENTÁRIOS PROPOSTA DE ALTERAÇÃO DOS REGULAMENTO DO ACESSO ÀS REDES E ÀS INTERLIGAÇÕES REGULAMENTO DE RELAÇÕES COMERCIAIS

DISCUSSÃO DOS COMENTÁRIOS PROPOSTA DE ALTERAÇÃO DOS REGULAMENTO DO ACESSO ÀS REDES E ÀS INTERLIGAÇÕES REGULAMENTO DE RELAÇÕES COMERCIAIS DISCUSSÃO DOS COMENTÁRIOS À PROPOSTA DE ALTERAÇÃO DOS REGULAMENTO DO ACESSO ÀS REDES E ÀS INTERLIGAÇÕES REGULAMENTO DE RELAÇÕES COMERCIAIS REGULAMENTO TARIFÁRIO PARA PERMITIR A SUA APLICAÇÃO NAS REGIÕES

Leia mais

Regulamento da Qualidade de Serviço

Regulamento da Qualidade de Serviço Regulamento da Qualidade de erviço CAPÍTULO I Disposições gerais ECÇÃO I Objecto, campo de aplicação e definições Artigo 1.º Objecto O presente Regulamento estabelece os padrões mínimos de qualidade, de

Leia mais

ARTIGO 29.º - Grupo de Protecção de Dados Pessoais

ARTIGO 29.º - Grupo de Protecção de Dados Pessoais ARTIGO 29.º - Grupo de Protecção de Dados Pessoais 12054/02/PT WP 69 Parecer 1/2003 sobre o armazenamento dos dados de tráfego para efeitos de facturação Adoptado em 29 de Janeiro de 2003 O Grupo de Trabalho

Leia mais

INSTITUTO DE SEGUROS DE PORTUGAL A SUPERVISÃO DAS ENTIDADES GESTORAS DOS SISTEMAS COMPLEMENTARES DE REFORMA

INSTITUTO DE SEGUROS DE PORTUGAL A SUPERVISÃO DAS ENTIDADES GESTORAS DOS SISTEMAS COMPLEMENTARES DE REFORMA INSTITUTO DE SEGUROS DE PORTUGAL A SUPERVISÃO DAS ENTIDADES GESTORAS DOS SISTEMAS COMPLEMENTARES DE REFORMA 1 A regulação e a supervisão prudencial são um dos pilares essenciais para a criação de um clima

Leia mais

Plano de Monitorização da Qualidade de Serviço Técnica 2015-2016

Plano de Monitorização da Qualidade de Serviço Técnica 2015-2016 Plano de Monitorização da Qualidade de Serviço Técnica 2015-2016 DEP Direção de Estudos e Planeamento Setembro de 2014 Índice 1 Introdução... 3 2 Proposta de Plano de Monitorização da Qualidade de Serviço

Leia mais

O que são controladores elétricos? Dispositivo Electronico que melhora a passagem de corrente electrica no circuito Home ou Empresarial.

O que são controladores elétricos? Dispositivo Electronico que melhora a passagem de corrente electrica no circuito Home ou Empresarial. O que são controladores elétricos? Dispositivo Electronico que melhora a passagem de corrente electrica no circuito Home ou Empresarial. Ligue o controlador Power Saver na primeira tomada mais próxima

Leia mais

Plano de Prevenção de Riscos de Gestão, incluindo os de Corrupção e Infracções conexas

Plano de Prevenção de Riscos de Gestão, incluindo os de Corrupção e Infracções conexas Plano de Prevenção de Riscos de Gestão, incluindo os de Corrupção e Infracções conexas Relatório Anual O presente relatório pretende demonstrar o acompanhamento e a forma como os diversos serviços do Município

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DA PROCURA DE ENERGIA ELÉTRICA EM 2016

CARACTERIZAÇÃO DA PROCURA DE ENERGIA ELÉTRICA EM 2016 CARACTERIZAÇÃO DA PROCURA DE ENERGIA ELÉTRICA EM 2016 Dezembro 2015 ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS Este documento está preparado para impressão em frente e verso Rua Dom Cristóvão da Gama

Leia mais

. evolução do conceito. Inspecção 3. Controlo da qualidade 4. Controlo da Qualidade Aula 05. Gestão da qualidade:

. evolução do conceito. Inspecção 3. Controlo da qualidade 4. Controlo da Qualidade Aula 05. Gestão da qualidade: Evolução do conceito 2 Controlo da Qualidade Aula 05 Gestão da :. evolução do conceito. gestão pela total (tqm). introdução às normas iso 9000. norma iso 9000:2000 gestão pela total garantia da controlo

Leia mais

SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE

SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE Objectivos do Curso. No final deste os alunos deverão: Identificar os principais objectivos associados à implementação de Sistemas de Gestão da Qualidade (SGQ) Compreender

Leia mais

ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS. Despacho n.º 18138/2009

ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS. Despacho n.º 18138/2009 31322 Diário da República, 2.ª série N.º 150 5 de Agosto de 2009 PARTE E ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS Despacho n.º 18138/2009 No âmbito do novo período regulatório (2009-2011), a ERSE procedeu

Leia mais

A NORMA PORTUGUESA NP 4427 SISTEMA DE GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS REQUISITOS M. Teles Fernandes

A NORMA PORTUGUESA NP 4427 SISTEMA DE GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS REQUISITOS M. Teles Fernandes A NORMA PORTUGUESA NP 4427 SISTEMA DE GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS REQUISITOS M. Teles Fernandes A satisfação e o desempenho dos recursos humanos em qualquer organização estão directamente relacionados entre

Leia mais

VICE-PRESIDÊNCIA DO GOVERNO REGIONAL, S.R. DO TRABALHO E SOLIDARIEDADE SOCIAL Despacho n.º 492/2009 de 28 de Abril de 2009

VICE-PRESIDÊNCIA DO GOVERNO REGIONAL, S.R. DO TRABALHO E SOLIDARIEDADE SOCIAL Despacho n.º 492/2009 de 28 de Abril de 2009 VICE-PRESIDÊNCIA DO GOVERNO REGIONAL, S.R. DO TRABALHO E SOLIDARIEDADE SOCIAL Despacho n.º 492/2009 de 28 de Abril de 2009 O Decreto Regulamentar n.º 84-A/2007, de 10 de Dezembro, estabeleceu o enquadramento

Leia mais

PROGRAMA OPERACIONAL DA CULTURA

PROGRAMA OPERACIONAL DA CULTURA PROGRAMA OPERACIONAL DA CULTURA Relatório de 2000 1. Introdução e enquadramento. 1.1 Apresentação e síntese do documento O relatório de 2000 do Programa Operacional da Cultura, constitui o 1º relatório

Leia mais

Data de adopção. Referência Título / Campo de Aplicação Emissor. Observações

Data de adopção. Referência Título / Campo de Aplicação Emissor. Observações NP ISO 10001:2008 Gestão da qualidade. Satisfação do cliente. Linhas de orientação relativas aos códigos de conduta das organizações CT 80 2008 NP ISO 10002:2007 Gestão da qualidade. Satisfação dos clientes.

Leia mais

NOTAS PRÉVIAS I - DE APRESENTAÇÃO

NOTAS PRÉVIAS I - DE APRESENTAÇÃO NOTAS PRÉVIAS I - DE APRESENTAÇÃO 1. O presente estudo dá continuidade ao trabalho de natureza estatística relativo às declarações do Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Colectivas (DR Modelo 22 de

Leia mais

Segurança e Higiene no Trabalho. Volume I - Princípios Gerais. Guia Técnico. um Guia Técnico de O Portal da Construção. www.oportaldaconstrucao.

Segurança e Higiene no Trabalho. Volume I - Princípios Gerais. Guia Técnico. um Guia Técnico de O Portal da Construção. www.oportaldaconstrucao. Guia Técnico Segurança e Higiene no Trabalho Volume I - Princípios Gerais um Guia Técnico de Copyright, todos os direitos reservados. Este Guia Técnico não pode ser reproduzido ou distribuído sem a expressa

Leia mais

Planos de Promoção do

Planos de Promoção do Planos de Promoção do Desempenho Ambiental Sector eléctrico Balanço de 5 anos e novas regras 20 de Maio de 2008 Entidade Reguladora dos Serviços Energéticos 1 Enquadramento 4 A tem as seguintes responsabilidades

Leia mais

EDP Renováveis, S.A. Regulamento do Código de Ética

EDP Renováveis, S.A. Regulamento do Código de Ética EDP Renováveis, S.A. Regulamento do Código de Ética 1. Objecto e Âmbito do Regulamento O presente regulamento foi adoptado pelo Conselho Geral e de Supervisão (CGS) e pelo Conselho de Administração Executivo

Leia mais

WWW.PORTAL-ENERGIA.COM

WWW.PORTAL-ENERGIA.COM estatísticas rápidas Setembro/Outubro Nº 55/56 1/22 Índice A.Resumo B. As energias renováveis na produção de electricidade 1. Energia e potência por fonte de energia 2. Energia e potência por distrito

Leia mais