MANUAL DA TORRE ARREFECIMENTO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MANUAL DA TORRE ARREFECIMENTO"

Transcrição

1 MANUAL DA TORRE ARREFECIMENTO Novembro de 2011

2 Índice 1. Regras básicas na realização da experiência Objectivos das experiências Descrição do equipamento Torre Pulverizadores de água Ventiladores de insuflação de ar Dispositivos de regulação de caudal de ar Bomba circuladora de água Resistências de aquecimento de água Quadro eléctrico e de controlo Sistema de aquisição de dados Medição de temperaturas da água Medição do caudal da água Medição do caudal do ar Medição de temperatura e humidade do ar Índice de Figuras FIGURA 1 - VISTA GERAL TORRE ARREFECIMENTO FIGURA 2 - TOPO DA TORRE DE ARREFECIMENTO FIGURA 3 - VENTILADORES DE INSUFLAÇÃO DE AR FIGURA 4 - REGULADORES DE CAUDAL FIGURA 5 - CONTADOR VOLUMÉTRICO ÁGUA FIGURA 6 - MULTIFUNÇÃO KIMO

3 1. Regras básicas na realização da experiência 1. Antes de iniciar qualquer trabalho no laboratório, deve ler as instruções fornecidas para cada aparelho. 2. Não deverá realizar a experiência sozinho. 3. Antes de iniciar o funcionamento da instalação deverá tomar conhecimento do modo de paragem em caso de emergência. 4. A Torre de só deverá funcionar se o depósito inferior e estiver abastecido de água. 5. Só deverão ser ligadas as resistências eléctricas de aquecimento da água depois de todo o circuito estar purgado (todas as tubagens cheias com água). 6. Só deverão ser ligados os ventiladores se estiverem instaladas as condutas de ar. 7. A Torre de arrefecimento deverá ser colocada em funcionamento preferencialmente no exterior, de modo a evitar condensações nas paredes. 8. Ao trabalhar no ajuste de componentes da torre de arrefecimento esta deve-se encontrar sempre sem tensão eléctrica. 9. Antes de executar as medições experimentais, deve saber exactamente quais os resultados experimentais que lhe interessam para realizar os trabalhos, e como os vai obter. 10. Deverá ser cuidadoso doso quando utiliza a torre de arrefecimento. 11. Utilize a torre de arrefecimento única e exclusivamente para o fim a que se destina. 12. Não exceda as condições máximas mas de operação da torre de arrefecimento especificadas nos catálogos: temperatura, pressão, velocidade, etc. 13. Se verificar algo de anormal na utilização da torre de arrefecimento, não hesite em comunicar ao supervisor do laboratório. 14. Certifique-se que desligou a torre de arrefecimento da fonte de tensão quando acabou o seu trabalho. 2

4 2. Objectivos das experiências Determinação da massa de água evaporada através do balanço mássico e comparação com o valor medido. Determinação da capacidade térmica da torre. Determinação do desempenho da torre para diferentes caudais de ar. Determinação do desempenho da torre para diferentes temperaturas de bolbo húmido do ar. 3

5 3. Descrição do equipamento O equipamento é constituído pelos seguintes componentes: Torre arrefecimento Pulverizadores de água Ventiladores de Insuflação de ar Dispositivos de regulação de caudal de ar Bomba de circulação de água Resistências de aquecimento de água Quadro Eléctrico e de controlo Sistemas de medição e aquisição de dados Figura 1 - Vista Geral Torre 4

6 3.1. Torre A torre de arrefecimento do ISEP, com base em torres de arrefecimento já existentes no mercado. Contudo, grande parte das torres de arrefecimento espalhadas pelas empresas portuguesas aumentam a área de transferência de calor entre a água e o ar à custa de um miolo de favos, enquanto que nesta torre se pulveriza a água para o mesmo efeito. A construção é em chapa galvanizada e em painéis de chapa termolacada tipo sandwich, sendo a parede posterior em acrílico para permitir a visualização da queda das gostas de água. A torre de arrefecimento, assim como os vasos de aquecimento de água, dispõem de rodízios com travão para fácil movimentação da instalação Pulverizadores de água A água é aspergida na parte superior da torre, acumula-se no fundo da torre de onde é novamente bombeada para os pulverizadores em cima, logo o fluxo é descendente. A pulverização da água é feita por uma estrutura colocada no topo da torre com um total de 54 pulverizadores, como podemos ver na figura seguinte. O ar é insuflado dentro da torre pela parte inferior (ventiladores), fluxo ascendente. A troca de calor entre os dois fluidos é feita em contra corrente. 5

7 Figura 2 - Topo da torre de arrefecimento 3.3. Ventiladores de insuflação de ar Para a insuflação do ar são utilizados 2 ventiladores axiais com as seguintes características: Marca: DUTCHI Modelo: DMA1-71 K4 Índice de Protecção: IP55 Desfasamento: Cosφ=0,67 Velocidade de rotação: 1715rpm Potência nominal: 300W Frequência: 50Hz Corrente Nominal: 0,94A 6

8 Figura 3 - Ventiladores de insuflação de ar 3.4. Dispositivos de regulação de caudal de ar Na entrada dos ventiladores existem 2 condutas circulares equipadas com reguladores de caudal que permitem variar a quantidade de ar que atravessa a torre de arrefecimento. 7

9 Figura 4 - Reguladores de caudal 3.5. Bomba circuladora de água Para existir circulação da água na torre de arrefecimento é necessário a existência impulsor, na nossa torre é usada uma bomba de drenagem submersível construída em aço AISI304, com as seguintes características: Marca: EFAFLU Modelo: E-SDB Tipo: E-SDB Zero 8

10 3.6. Resistências de aquecimento de água Para simularmos um processo a água é aquecida através de resistências eléctricas, cuja potência máxima é de 3840 W. Essas resistências estão no interior dos dois depósitos verdes, que se vêem no lado esquerdo da Figura Quadro eléctrico e de controlo Na torre de arrefecimento está instalado um quadro eléctrico e de controlo, que permite efectuar o comando e protecção dos ventiladores, bomba e resistências eléctricas Sistema de aquisição de dados Medição de temperaturas da água Para a aquisição dos dados da temperatura é utilizado um DATA LOGGER com as seguintes características: Marca: DELTA-T T Devices Modelo: DL2e Data Logger Este equipamento permite adquirir até um máximo de 64 sinais de vários tipos de sondas diferentes Medição do caudal da água A medição do caudal da água é efectua através de um contador volumétrico com as seguintes características: diâmetro DN (mm): 15 Vazão mín. de fábrica (m³/h): 0,002 Vazão mín. aprovado Qmin.( m³/h): 0,015 Vazão nominal Qn (m³/h): 1,0 Vazão máx. aprovado ado Qmax.( m³/h) : 2 9

11 Figura 5 - Contador volumétrico água Medição do caudal do ar O caudal de ar é medido pelo equipamento multifunção da KIMO AMI

12 Figura 6 - Multifunção KIMO Medição de temperatura e humidade do ar A temperatura e humidade do ar são medidas com o mesmo equipamento da KIMO, mas com a utilização de uma sonda de temperatura/humidade. 11

Recuperadores de Energia RIS H/V...3.2. Recuperadores de Energia RECUP...3.6. Recuperadores de Energia RIS P...3.8

Recuperadores de Energia RIS H/V...3.2. Recuperadores de Energia RECUP...3.6. Recuperadores de Energia RIS P...3.8 Índice Recuperadores de Energia Recuperadores de Energia Recuperadores de Energia RIS H/V...3.2 Recuperadores de Energia RECUP...3.6 Recuperadores de Energia RIS P...3.8 Unidade de Fluxos Cruzados EBF...3.11

Leia mais

Características Unidades Exteriores (Condições Eurovent)

Características Unidades Exteriores (Condições Eurovent) LG SINGLE A (1 ) UNIDADE EXTERIOR As unidades exteriores referenciadas UUxxWH marca LG, são unidades bomba de calor (Modo Reversível) de expansão directa a operar com o fluído frigorigénio R410A. A unidade

Leia mais

Bombas de Calor. O calor é o nosso elemento

Bombas de Calor. O calor é o nosso elemento Bombas de Calor 2º Seminário PPGS Carlos Barbosa TT/SPO-TRTR 1 Bombas de Calor Geotérmicas Índice Definições Funcionamento Performance Instalação Fontes de Problemas 2 Definições Definição de bomba de

Leia mais

7. Exemplos de Aplicação

7. Exemplos de Aplicação 7. Exemplos de Aplicação Neste parágrafo vamos procurar exemplificar o tipo de informação que é possível obter com a leitura deste manual. Pretende-se, a partir de dados típicos, dar uma ideia geral do

Leia mais

VIESMANN VITOSOLIC. Dados técnicos VITOSOLIC 100 VITOSOLIC 200. Controlador para sistemas de energia solar

VIESMANN VITOSOLIC. Dados técnicos VITOSOLIC 100 VITOSOLIC 200. Controlador para sistemas de energia solar VIESMANN VITOSOLIC Controlador para sistemas de energia solar Nº de referência e preços: ver lista de preços VITOSOLIC 100 Controlador electrónico por diferença de temperatura Para sistemas com produção

Leia mais

Equipamentos de queima em caldeiras

Equipamentos de queima em caldeiras Equipamentos de queima em caldeiras Notas das aulas da disciplina de EQUIPAMENTOS INDUSTRIAIS 1 Objectivo do sistema de queima 1. Transportar o combustível até ao local de queima 2. Proporcionar maior

Leia mais

Pack Tempérys. Tempérys. Ventilação de conforto com regulação integrada > ventilação. caixas com bateria de aquecimento integrada e auto-regulada

Pack Tempérys. Tempérys. Ventilação de conforto com regulação integrada > ventilação. caixas com bateria de aquecimento integrada e auto-regulada ventilação Tempérys caixa de insuflação com revestimento duplo e bateria de aquecimento eléctrico Pack Tempérys caixa de insuflação + caixa de extracção com revestimento duplo, sistema de comando e de

Leia mais

Série CAD HE MINI NOVIDADE CAD HE MINI. Recuperadores de calor

Série CAD HE MINI NOVIDADE CAD HE MINI. Recuperadores de calor RECUPERADORES DE CALOR DE CONTRA-FLUXO DE ALTO RENDIMENTO Série NOVIDADE com permutador de contra-fluxo de alto rendimento (até 92%), montados em caixa de aço galvanizado plastificado de cor branca, de

Leia mais

Laboratório de Sistemas de Energia. Ensaio de Colectores Solares Térmicos e Módulos Fotovoltaicos

Laboratório de Sistemas de Energia. Ensaio de Colectores Solares Térmicos e Módulos Fotovoltaicos Laboratório de Sistemas de Energia Ensaio de Colectores Solares Térmicos e Módulos Fotovoltaicos LSE 05-2013 1 Laboratório de Sistemas de Energia Ensaio de Colectores Solares Térmicos segundo as Normas:

Leia mais

Central de Produção de Energia Eléctrica

Central de Produção de Energia Eléctrica Central de Produção de Energia Eléctrica Ref.ª CPEE Tipo 1 Tipo 2 Tipo 3 Tipo 4 Tipo 5 5 a 25 kva 25 a 150 kva 150 a 500 kva 500 a 1.000 kva 1.000 a 2.700 kva Pág. 1 ! Combustível Diesel! Frequência 50

Leia mais

Máquinas de Secar Roupa

Máquinas de Secar Roupa Design. Cada centímetro que vê num aparelho Balay, representa uma enorme dedicação em termos de design, ergonomia e adaptabilidade ao seu dia a dia. Um dos nossos principais objectivos é aliar a facilidade

Leia mais

Gas-Lift - Vantagens

Gas-Lift - Vantagens Gas-Lift - Vantagens Método relativamente simples para operar O equipamento necessário é relativamente barato e é flexível Podem ser produzidos baixos ou altos volumes É efetivo sob condições adversas

Leia mais

Processos de produzir calor utilizando a energia eléctrica:

Processos de produzir calor utilizando a energia eléctrica: A V A C Aquecimento Ventilação Ar Condicionado Aquecimento eléctrico Processos de produzir calor utilizando a energia eléctrica: Aquecimento por resistência eléctrica. Aquecimento por indução electromagnética.

Leia mais

Bomba como bomba de água potável altamente eficiente. Calio-Therm S. Folheto do modelo

Bomba como bomba de água potável altamente eficiente. Calio-Therm S. Folheto do modelo Bomba como bomba de água potável altamente eficiente Calio-Therm S Folheto do modelo Ficha técnica Folheto do modelo Calio-Therm S Todos os direitos reservados. Os conteúdos aqui disponibilizados não podem

Leia mais

Economy Standard Comfort. Perda térmica (W/K) 2,38 2,72 3,27 3,48 3,80 Perda térmica (kwh/24h) (3) 2,28 2,61 3,14 3,34 3,64

Economy Standard Comfort. Perda térmica (W/K) 2,38 2,72 3,27 3,48 3,80 Perda térmica (kwh/24h) (3) 2,28 2,61 3,14 3,34 3,64 4 Informação técnica As seguintes tabelas e desenhos fornecem uma vista geral sobre as dimensões e os valores característicos mais importantes da SolvisMax Gás e da SolvisMax Gás Pur. 4.1 Volumes e perdas

Leia mais

Conceitos gerais. A movimentação do ar e dos gases de combustão é garantida por: Ventiladores centrífugos Efeito de sucção da chaminé

Conceitos gerais. A movimentação do ar e dos gases de combustão é garantida por: Ventiladores centrífugos Efeito de sucção da chaminé TIRAGEM Definição Tiragem é o processo que garante a introdução do ar na fornalha e a circulação dos gases de combustão através de todo gerador de vapor, até a saída para a atmosfera 00:43 2 Conceitos

Leia mais

BOLETIM DE GARANTIA. (N o 05 / 2013) LED do TIMER pisca frequência de 1Hz / segundo. LED do TIMER pisca freqüência de 1Hz / segundo.

BOLETIM DE GARANTIA. (N o 05 / 2013) LED do TIMER pisca frequência de 1Hz / segundo. LED do TIMER pisca freqüência de 1Hz / segundo. BOLETIM DE GARANTIA (N o 05 / 2013) Código de erro do Cassete e Piso-Teto No. TIPO DESCRIÇÃO Flash Blink Código Nota 1 Falha 2 Falha 3 Falha 4 Falha 5 Falha 6 Falha Placa acusa erro no sensor de temperatura

Leia mais

Condensação. Ciclo de refrigeração

Condensação. Ciclo de refrigeração Condensação Ciclo de refrigeração Condensação Três fases: Fase 1 Dessuperaquecimento Redução da temperatura até a temp. de condensação Fase 2 Condensação Mudança de fase Fase 3 - Subresfriamento Redução

Leia mais

Referência do modelo 3. Especificações 4. Antes de usar 5, 6. Peças e acessórios 7

Referência do modelo 3. Especificações 4. Antes de usar 5, 6. Peças e acessórios 7 Página Referência do modelo 3 Especificações 4 Antes de usar 5, 6 Peças e acessórios 7 Instalação 8, 9 Modo de operação para modelos mecânicos Modo de operação para modelos electrónicos 10, 11 12, 13 Drenagem

Leia mais

» AUTOCLAVES MOTORES & ACESSÓRIOS

» AUTOCLAVES MOTORES & ACESSÓRIOS » AUTOCLAVES MOTORES & ACESSÓRIOS www.luisgoncalves.pt HIDROSFERA C/ MEMBRANA INOX IX.001.001 25 L 1 84,00 IX.001.002 60 L ESP 1 210,00 Caracteristicas: Construção em aço IX.001.003 100 L ESP 1 252,00

Leia mais

23/06/2010. Eficiência Energética: Regulamentação, Classificação e Conformidade Técnica. Roberto Lamberts

23/06/2010. Eficiência Energética: Regulamentação, Classificação e Conformidade Técnica. Roberto Lamberts Eficiência Energética: Regulamentação, Classificação e Conformidade Técnica Roberto Lamberts Oficina 09 junho de 2010 1 ETIQUETAGEM DE EDIFICAÇÕES Publicação: junho de 2009. EDIFÍCIOS ETIQUETADOS CETRAGUA

Leia mais

Série TLC, FLC, EFLC, ECOCIRC

Série TLC, FLC, EFLC, ECOCIRC Série TLC, FLC, EFLC, ECOCIRC Circuladores com rotor imerso para sistemas de aquecimento, refrigeração e sanitários 50 Hz SÉRIE TLC - FLC - EFLC CAMPO DE PRESTAÇÕES HIDRÁULICAS A 50 Hz SÉRIE EA - EV -

Leia mais

INSTRUÇÕES SLIDE3000/5000 MOTOR INDUSTRIAL P/PORTA DE CORRER

INSTRUÇÕES SLIDE3000/5000 MOTOR INDUSTRIAL P/PORTA DE CORRER MOTOR INDUSTRIAL P/PORTA DE CORRER INSTRUÇÕES SLIDE3000/5000 A POR FAVOR LER O MANUAL COM ATENÇÃO ANTES DE PROCED- ER A INSTALAÇÃO E UTILIZAÇÃO DO AUTOMATISMO VER.:1.02 REV.:11/2012 INFORMAÇÕES IMPORTANTES

Leia mais

Fundamentos de Engenharia Solar. Racine T. A. Prado

Fundamentos de Engenharia Solar. Racine T. A. Prado Fundamentos de Engenharia Solar Racine T. A. Prado Coletores Solares Um coletor solar é um tipo específico de trocador de calor que transforma energia solar radiante em calor. Duffie; Beckman Equação básica

Leia mais

TORRES DE RESFRIAMENTO REFERVEDORES CONDENSADORES CALDEIRAS

TORRES DE RESFRIAMENTO REFERVEDORES CONDENSADORES CALDEIRAS TORRES DE RESFRIAMENTO REFERVEDORES CONDENSADORES CALDEIRAS TORRES DE RESFRIAMENTO REFERVEDORES CONDENSADORES CALDEIRAS FINALIDADE: Umatorre de resfriamentooutorre de arrefecimentoé um dispositivo de remoção

Leia mais

Equipamento: Chiller

Equipamento: Chiller Equipamento: Chiller Limpeza/lavagem de condensadores Medições e registos de temperatura e pressões de água Medição e registo de consumos dos compressores, reajustes dos térmicos, medições e registos de

Leia mais

Nobreak. 160 e 300 kva. senoidal on-line trifásico PERFIL PROTEÇÕES

Nobreak. 160 e 300 kva. senoidal on-line trifásico PERFIL PROTEÇÕES Nobreak senoidal on-line trifásico dupla convers o 60 a 300 kva 60 kva de 80 a 120 kva 160 e 300 kva PERFIL Os nobreaks on-line de dupla conversão da linha Gran Triphases foram desenvolvidos com o que

Leia mais

Reparação e Manutenção de Tubos

Reparação e Manutenção de Tubos Reparação e Manutenção de Tubos Vasta selecção a partir de uma fonte única. Concepções duradouras exclusivas. Desempenho rápido e fiável. Tipo de modelos Página Bombas de Teste de Pressão 2 9.2 Congeladores

Leia mais

Ficha de identificação da entidade participante

Ficha de identificação da entidade participante Ficha de identificação da entidade participante Instituição Designação Instituto Superior Técnico Professor responsável João Toste Azevedo Contacto 218417993 Email toste@ist.utl.pt Técnico responsável

Leia mais

ESQUENTADORES SENSOR GREEN

ESQUENTADORES SENSOR GREEN ESQUENTADORES SENSOR GREEN SOLUÇÕES DE ÁGUA QUENTE Índice A eficiência na produção de água quente em grandes quantidades 03 Aplicações e Utilizações 05 Benefícios para o Instalador 06 Líder em Tecnologia

Leia mais

Instruções de instalação

Instruções de instalação Instruções de instalação Acessórios Cabos de ligação do acumulador da caldeira de aquecimento Para técnicos especializados Ler atentamente antes da montagem. Logano plus GB225-Logalux LT300 6 720 642 644

Leia mais

Desfruto de um ambiente saudável à temperatura ideal.

Desfruto de um ambiente saudável à temperatura ideal. ventilação Desfruto de um ambiente saudável à temperatura ideal. VENTILAÇÃO ventoinhas ~ de mesa VTR-40 M i 974010344 EAN-13: 8412788015664 Orea ~ Ionizador. ~ Grelha protectora pintada de 45 cm. de diâmetro.

Leia mais

SISTEMAS E INSTALAÇÕES ELÉCTRICAS DE NAVIOS (M422)

SISTEMAS E INSTALAÇÕES ELÉCTRICAS DE NAVIOS (M422) ESCOLA SUPERIOR NÁUTICA INFANTE D. HENRIQUE DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA MARÍTIMA SISTEMAS E INSTALAÇÕES ELÉCTRICAS DE NAVIOS (M422) TRABALHO LABORATORIAL Nº 1 ANÁLISE DE CIRCUITOS ELÉCTRICOS EM REGIME FORÇADO

Leia mais

2º Lista de Exercícios TA 631 (1º sem/2011)

2º Lista de Exercícios TA 631 (1º sem/2011) 2º Lista de Exercícios TA 631 (1º sem/2011) (1) Considerando o sistema mostrado na Figura 1: (a) Projete a tubulação através da abordagem da velocidade econômica; (b) Selecione uma bomba mostrando todos

Leia mais

FICHA TÉCNICA. Depósitos Gama S ZB-Solar. www.vulcano.pt. Novembro 2014

FICHA TÉCNICA. Depósitos Gama S ZB-Solar. www.vulcano.pt. Novembro 2014 Departamento Comercial e Assistência Técnica: Av. Infante D. Henrique, lotes 2E-3E - 1800-220 LISBOA * Tel.: +351.218 500 300 Novembro 2014 FICHA TÉCNICA Depósitos Gama S ZB-Solar www.vulcano.pt FICHA

Leia mais

OPTIPROBE Ficha de dados técnicos

OPTIPROBE Ficha de dados técnicos OPTIPROBE Ficha de dados técnicos O indicador de caudal de baixo custo Instalação fácil Medidas exatas e estáveis Qualidade KROHNE KROHNE ÍNDICE DE OPTIPROBE 1 Características do Produto 3 1.1 O indicador

Leia mais

REDE E SISTEMAS DE ABASTECIMENTO E AQUECIMENTO DE ÁGUAS USANDO FONTES RENOVÁVEIS E NÃO RENOVÁVEIS

REDE E SISTEMAS DE ABASTECIMENTO E AQUECIMENTO DE ÁGUAS USANDO FONTES RENOVÁVEIS E NÃO RENOVÁVEIS GUIA PARA A REABILITAÇÃO REDE E SISTEMAS DE ABASTECIMENTO E AQUECIMENTO DE ÁGUAS USANDO FONTES RENOVÁVEIS E NÃO RENOVÁVEIS PROJETO Cooperar para Reabilitar da InovaDomus Autoria do Relatório Consultoria

Leia mais

Associação Portuguesa dos Engenheiros de Frio Industrial e Ar Condicionado. TREx Executado=Projectado Total acordo nas alterações

Associação Portuguesa dos Engenheiros de Frio Industrial e Ar Condicionado. TREx Executado=Projectado Total acordo nas alterações 7 as JORNADAS DE CLIMATIZAÇÃO Verificação do Comissionamento e da Manutenção Certificados Energéticos e da QAI do SCE Ernesto F. Peixeiro Ramos Ordem dos Engenheiros 8 de Novembro de 2008 Associação Portuguesa

Leia mais

Armário Outdoor com. Free Cooling ou Ar Condicionado. www.facemate.net

Armário Outdoor com. Free Cooling ou Ar Condicionado. www.facemate.net Armário Outdoor com Free Cooling ou Ar Condicionado NOTAS Os armários outdoor estão desenhados para instalação em ambientes de exterior sujeitos a condições de chuva, vento, calor ou radiação solar. O

Leia mais

b!klimax Sistema radiante por tecto e parede

b!klimax Sistema radiante por tecto e parede b!klimax Sistema radiante por tecto e parede Trabalhamos num clima ideal há mais de 30 anos. Um clima que nos fez líderes em Itália no aquecimento e arrefecimento radiantes. Fomos os primeiros a obter

Leia mais

Equipamentos primários. L. Roriz

Equipamentos primários. L. Roriz Equipamentos primários L. Roriz Unidades de Arrefecimento Unidades de Arrefecimento de Ar Unidades Produtoras de Água Refrigerada Sistemas de compressão de vapor Sistemas de expansão directa Sistemas utilizando

Leia mais

Purgador de condensados BK 212.. BK 212-ASME P T. Manual de Instruções 810769-01. P o r t u g u ê s

Purgador de condensados BK 212.. BK 212-ASME P T. Manual de Instruções 810769-01. P o r t u g u ê s Purgador de condensados BK 212.. BK 212-ASME P T P o r t u g u ê s Manual de Instruções 810769-01 Índice Pág. Informações Importantes Utilização... 3 Instruções de segurança... 3 Perigo... 3 Atenção...

Leia mais

Guia de declaração para equipamentos de AVAC&R. (Aplicação dos DL 230/2004 e 132/2010)

Guia de declaração para equipamentos de AVAC&R. (Aplicação dos DL 230/2004 e 132/2010) (Aplicação dos DL 230/2004 e 132/2010) ÍNDICE 1 Objectivo... 3 2 Porquê esta legislação?... 3 3 Quem está abrangido?... 3 4 Quais os equipamentos abrangidos?... 3 5 Dúvidas frequentes... 5 5.1 Equipamentos

Leia mais

ETAMAX. Unidade de tratamento de ar autónoma de elevada eficiência. versões. principais características. Feio & Comp

ETAMAX. Unidade de tratamento de ar autónoma de elevada eficiência. versões. principais características. Feio & Comp ETAMAX Unidade de tratamento de ar autónoma de elevada eficiência Caudais: 4.000-25.000 m 3 /h alta eficiência ETAMAX, são unidades de tratamento de ar novo de elevada eficiência do tipo compacto com circuito

Leia mais

DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO

DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO Objetivo: DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO Representar o processo, possibilitando identificar todos os equipamentos (bombas, válvulas,...), instrumentos (medidores de vazão, nível, pressão, analisadores,...),

Leia mais

Springer - Carrier. Índice

Springer - Carrier. Índice Índice Página 1 - Diagnóstico de Defeitos em um Sistema de Refrigeração... 8 1.1 - Falha: Compressor faz ruído, tenta partir, porém não parte... 8 1.2 - Falha: Compressor funciona, porém não comprime...

Leia mais

Exactidão da medição

Exactidão da medição Exactidão da medição Valores energéticos e grau de rendimento dos inversores fotovoltaicos do tipo Sunny Boy e Sunny Mini Central Conteúdo Qualquer operador de um sistema fotovoltaico deseja estar o mais

Leia mais

AULA 23 ÓRGÃOS ESPECIAIS EM SISTEMAS DE DRENAGEM DE ÁGUAS RESIDUAIS. SANEAMENTO Aula 23 - Sumário

AULA 23 ÓRGÃOS ESPECIAIS EM SISTEMAS DE DRENAGEM DE ÁGUAS RESIDUAIS. SANEAMENTO Aula 23 - Sumário SANEAMENTO Aula 23 - Sumário AULA 23 ÓRGÃOS ESPECIAIS EM SISTEMAS DE DRENAGEM DE ÁGUAS RESIDUAIS Sifões invertidos, descarregadores e instalações elevatórias. Saneamento [A23.1] SIFÕES INVERTIDOS (Artº

Leia mais

Chaminés Cálculos e Normas aplicáveis

Chaminés Cálculos e Normas aplicáveis Chaminés Cálculos e Normas aplicáveis Chaminé de tiragem natural Tem como função permitir a evacuação dos gases, produzidos por uma determinada combustão. Aplicado na extracção de gases de combustão provenientes

Leia mais

RECUPERADORES DE CALOR DE FLUXO CRUZADO Série CADB/T-N F7+F7

RECUPERADORES DE CALOR DE FLUXO CRUZADO Série CADB/T-N F7+F7 Recuperadores de calor, com permutador de fluxos cruzados, certificado por EUROVENT, montados em caixas de aço galvanizado plastificado de cor branca, duplo painel com isolamento interior termoacústico

Leia mais

Características Técnicas Série Quasar

Características Técnicas Série Quasar Descrição do Produto A Série Quasar é uma linha de painéis tipo CCMi (centro de controle de motores inteligente) para baixa tensão e correntes até 3150 A, ensaiados conforme a norma NBR/IEC 60439-1 - TTA

Leia mais

Potência útil A.Q.S. Potência útil A.Q.S. Características básicas Gama PLATINUM MAX (Condensação com micro-acumulação eficiente. Potência útil A.Q.S.

Potência útil A.Q.S. Potência útil A.Q.S. Características básicas Gama PLATINUM MAX (Condensação com micro-acumulação eficiente. Potência útil A.Q.S. Características básicas Gama (Condensação) de Caudal instantâneo Modelo kcal/h kw kcal/h kw l/min com (Δt=25 C) e Água Quente instantânea 2/2 F 5.88 / 17.200 6,8 / 20 20.60 2 13,8 CL.5 28/28 F 7.82 / 20.60

Leia mais

DC Modular Otimizado para consumo mínimo de água

DC Modular Otimizado para consumo mínimo de água DC Modular Otimizado para consumo mínimo de água A água aquecida que retorna do processo ingressa no DryCooler e ao sair é recolhida em um reservatório, sendo bombeada de volta ao processo já na temperatura

Leia mais

BOMBAS DE CALOR PARA A.Q.S. AQUASMART AQUASMART SPLIT SOLUÇÕES DE ÁGUA QUENTE

BOMBAS DE CALOR PARA A.Q.S. AQUASMART AQUASMART SPLIT SOLUÇÕES DE ÁGUA QUENTE BOMBAS DE CALOR PARA A.Q.S. AQUASMART AQUASMART SPLIT SOLUÇÕES DE ÁGUA QUENTE Índice Bombas de Calor para A.Q.S. Um novo grau de eficiência Sistemas eficientes de aquecimento de águas 03 Serviços de Apoio

Leia mais

Solução de Aquecimento de Águas de Elevada Eficiência

Solução de Aquecimento de Águas de Elevada Eficiência Solução de Aquecimento de Águas de Elevada Eficiência Gama 04 Gama de 2013 O que é Therma V? 06 O que é Therma V? Vantagens Therma V 08 Elevada Eficiência Energética 10 Programação Semanal 12 Instalação

Leia mais

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL - INMETRO Portaria INMETRO/DIMEL/Nº 49, de 04 de março de 2008.

Leia mais

O impacto da difusão de ar na QAI

O impacto da difusão de ar na QAI www.decflex.com 2 Dec. Lei 79/2006 - Artigo 4º Requisitos exigenciais Enquadramento legal 1 Os requisitos exigenciais de conforto térmico de referência para cálculo das necessidades energéticas, no âmbito

Leia mais

Acessório misto - dispositivo destinado a reunir dois troços de tubagem de diferentes materiais;

Acessório misto - dispositivo destinado a reunir dois troços de tubagem de diferentes materiais; Para efeitos do Regulamento Técnico Relativo ao Projecto, Construção, Exploração e Manutenção das Instalações de Gás Combustível Canalizado em Edifícios, entende-se por: Acessibilidade de grau 1 - situação

Leia mais

Sistemas de ventilação

Sistemas de ventilação Sistemas de ventilação Ventilação: é uma combinação de processos destinados fornecer o ar fresco e a extrair o ar viciado de um espaço ocupado a A ventilação consiste em fazer a renovação do ar ambiente

Leia mais

Manual Instalador e Utilizador Caldeira de Gaseificação a Lenha OFA WOOD GP

Manual Instalador e Utilizador Caldeira de Gaseificação a Lenha OFA WOOD GP Manual Instalador e Utilizador Caldeira de Gaseificação a Lenha OFA WOOD GP ÍNDICE INTRODUÇÃO... 1. DESCRIÇÃO GERAL DA CALDEIRA DE GASEIFICAÇÃO A LENHA OFA WOOD GP... 2. COMPONENTES FORNECIDOS COM A CALDEIRA...

Leia mais

VAPZ. Acessórios eléctricos. Acessórios

VAPZ. Acessórios eléctricos. Acessórios Controlo ECOWATT Elementos de controlo para sistemas de modelação dos caudais em instalações de ventilação de edifícios públicos, comerciais ou residenciais, que controla continuamente a velocidade dos

Leia mais

CADERNO DE ENCARGOS. Pág.1/12

CADERNO DE ENCARGOS. Pág.1/12 Manutenção do Sistema de climatização dos edifícios escolares da responsabilidade do Município, manutenção do Sistema de AVAC do Arquivo Municipal Alfredo Pimenta e manutenção do sistema de AVAC da Divisão

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÕES DO TACÔMETRO MODELO TC-5060

MANUAL DE INSTRUÇÕES DO TACÔMETRO MODELO TC-5060 MANUAL DE INSTRUÇÕES DO TACÔMETRO MODELO TC-5060 Leia atentamente as instruções contidas neste manual antes de iniciar o uso do instrumento ÍNDICE 1. Introdução... - 1-2. Especificações... - 1-3. Descrição...

Leia mais

VÁLVULAS DE RETENÇÃO MANUAL DE INSTRUÇÕES E MANUTENÇÃO SÉRIE: R

VÁLVULAS DE RETENÇÃO MANUAL DE INSTRUÇÕES E MANUTENÇÃO SÉRIE: R 22/04/2013 MANUAL DE INSTRUÇÕES E MANUTENÇÃO SÉRIE: R cmo@cmo.es http://www.cmo.es pág. 1 MONTAGEM DESCRIÇÃO Directiva sobre máquinas: DIR 2006/42/CE (MÁQUINAS). Directiva sobre equipamentos sob pressão:

Leia mais

Série COMPACT tubular TCBB / TCBT Hélice de alumínio

Série COMPACT tubular TCBB / TCBT Hélice de alumínio COMPACT TCBB/TCBT VENTILADORES HELICOIDAIS TUBULARES Série COMPACT tubular TCBB / TCBT Hélice de alumínio Ventiladores axiais tubulares de virola com tratamento anti-corrosão por cataforésis e pintura

Leia mais

AR CONDICIONADO. Componentes

AR CONDICIONADO. Componentes AR CONDICIONADO AR CONDICIONADO Basicamente, a exemplo do que ocorre com um refrigerador (geladeira), a finalidade do ar condicionado é extrair o calor de uma fonte quente, transferindo-o para uma fonte

Leia mais

metro Anemómetro Um dos instrumentos utilizados na medição da velocidade do vento à superfície são os anemómetros metros de conchas (um tipo

metro Anemómetro Um dos instrumentos utilizados na medição da velocidade do vento à superfície são os anemómetros metros de conchas (um tipo Instrumentos Um dos instrumentos utilizados na medição da velocidade do vento à superfície são os anemómetros metros de conchas (um tipo particular de anemómetros metros de rotação), em que três ou mais

Leia mais

Atlas Copco. Arrefecedores finais, separadores de água e sistemas de purga COMPLETO, FÁCIL DE INSTALAR E MUITO ECONÓMICO

Atlas Copco. Arrefecedores finais, separadores de água e sistemas de purga COMPLETO, FÁCIL DE INSTALAR E MUITO ECONÓMICO Atlas Copco Arrefecedores finais, separadores de água e sistemas de purga COMPLETO, FÁCIL DE INSTALAR E MUITO ECONÓMICO Uma gama de arrefecedores finais efectivos e de separadores de água em conformidade

Leia mais

Este manual de instruções é parte integrante do produto e deve ficar na posse do cliente final. Imagem 1: Vista frontal

Este manual de instruções é parte integrante do produto e deve ficar na posse do cliente final. Imagem 1: Vista frontal Painel de comando e sinalização N.º art. MBT 2424 Manual de instruções 1 Indicações de segurança A instalação e a montagem de aparelhos eléctricos apenas devem ser realizadas por electricistas especializados.

Leia mais

CDP. Desumidificação de ar para piscinas

CDP. Desumidificação de ar para piscinas CDP Desumidificação de ar para piscinas Desumidificação eficiente para ambientes agressivos Em piscinas, spas, zonas de chuveiros a ginásios onde a humidade relativa é elevada e as condensações podem reduzir

Leia mais

ALARME SandSET 101 (Dispositivo de alarme de níveis de lamas e de gorduras) ESQUEMA DE MONTAGEM

ALARME SandSET 101 (Dispositivo de alarme de níveis de lamas e de gorduras) ESQUEMA DE MONTAGEM Art. 701869 ALARME SANSET 101 ALARME SandSET 101 (Dispositivo de alarme de níveis de lamas e de gorduras) ESQUEMA DE MONTAGEM Versão 02_Set.08 1 Art. 701869 SandSET 101 Dispositivo de alarme ACO Passavant,

Leia mais

Central Hidroeléctrica da Calheta de Inverno

Central Hidroeléctrica da Calheta de Inverno Central Hidroeléctrica da Calheta de Inverno Descrição Geral A Central da Calheta de Inverno foi construída em 1992, com o objectivo de aproveitar os caudais excedentários ao abastecimento público e garantidos

Leia mais

Descrição do controlador LCD e parâmetros de configuração

Descrição do controlador LCD e parâmetros de configuração Descrição do controlador LCD e parâmetros de configuração O controlador tem 2 sondas, uma mede a temperatura da água na caldeira e a outra mede a temperatura dos fumos. O controlador mede também a rotação

Leia mais

RELATÓRIO DE ESTÁGIO HOSPITAL DOUTOR MANOEL CONSTÂNCIO INSTALAÇÕES TÉCNICAS. Mestrado em Manutenção Técnica de Edifícios

RELATÓRIO DE ESTÁGIO HOSPITAL DOUTOR MANOEL CONSTÂNCIO INSTALAÇÕES TÉCNICAS. Mestrado em Manutenção Técnica de Edifícios RELATÓRIO DE ESTÁGIO INSTALAÇÕES TÉCNICAS HOSPITAL DOUTOR MANOEL CONSTÂNCIO Mestrado em Manutenção Técnica de Edifícios Fernando Jorge Albino Varela de Oliveira Abrantes Dezembro 2014 ÍNDICE Objectivos

Leia mais

AL 1.3. Capacidade térmica mássica

AL 1.3. Capacidade térmica mássica 36 3. ACTIVIDADES PRÁTICO-LABORATORIAIS AL 1.3. Capacidade térmica mássica Fundamento teórico da experiência A quantidade de energia que se fornece a materiais diferentes, de modo a provocar-lhes a mesma

Leia mais

Módulo VII - 1ª Lei da Termodinâmica Aplicada a Volume de Controle: Princípio de Conservação da Massa. Regime Permanente.

Módulo VII - 1ª Lei da Termodinâmica Aplicada a Volume de Controle: Princípio de Conservação da Massa. Regime Permanente. Módulo VII - 1ª Lei da Termodinâmica Aplicada a Volume de Controle: Princípio de Conservação da Massa. Regime Permanente. Conservação da Massa A massa, assim como a energia, é uma propriedade que se conserva,

Leia mais

SP 400 SHU-2. Instruções de instalação e de manutenção para técnicos especializados. Acumulador de inércia para instalações solares

SP 400 SHU-2. Instruções de instalação e de manutenção para técnicos especializados. Acumulador de inércia para instalações solares Instruções de instalação e de manutenção para técnicos especializados SP 400 SHU-2 Acumulador de inércia para instalações solares 6 720 805 906 (2013/03) PT 6 720 642 603-00.1O Índice Índice 1 Esclarecimento

Leia mais

Compressores portáteis

Compressores portáteis Compressores portáteis Mobilair M 13 M 15 M 17 Compressores de parafuso portáteis com perfil Sigma Caudal: 0,75 a 1,6 m³/min. M13 M15 M17 Compactos e potentes O nível de desempenho não depende do tamanho,

Leia mais

- Enquadramento Legal Abordagem genérica das questões associadas à QAI; Enquadramento Legal.

- Enquadramento Legal Abordagem genérica das questões associadas à QAI; Enquadramento Legal. Cursos de atualização profissional para revalidação da credenciação técnica (nº 6, art. 22º DL79/2006 de 4 Abril) Referenciais mínimos aprovados pela Comissão Tripartida Revalidação da Credenciação a TIM

Leia mais

GreenControl GreenHouse Control System Manual de InstaladorV6.0

GreenControl GreenHouse Control System Manual de InstaladorV6.0 GreenControl GreenHouse Control System Manual de InstaladorV6.0 ProBoard Engenharia Electrotécnica, Lda. Lugar das Caldas, nº12 Tel/Fax : +351 253 924 633 4730 457 Vila de Prado e-mail: info@proboard.pt

Leia mais

CATÁLOGO CATÁLOGO. 03/2011 Caldeiras a gás e tecnologia de condensação

CATÁLOGO CATÁLOGO. 03/2011 Caldeiras a gás e tecnologia de condensação CATALOGUE CATÁLOGO CATÁLOGO 03/2011 Caldeiras a gás e tecnologia de condensação ÍNDICE BOMBAS DE CALOR AUDAX bombas de calor ar/água, monofásicas, com inversão de ciclo NOVO p. 6 Integrador de sistemas,

Leia mais

THERMOCUT 230/E. Instruções de Serviço

THERMOCUT 230/E. Instruções de Serviço Instruções de Serviço PT CARO CLIENTE! Para poder manusear o aparelho cortador de arame quente THERMOCUT da PROXXON em segurança e de acordo com as regras de funcionamento, solicitamos-lhe que leia atentamente

Leia mais

4 SISTEMAS E EQUIPAMENTOS DE CLIMATIZAÇÃO

4 SISTEMAS E EQUIPAMENTOS DE CLIMATIZAÇÃO 35 4 SISTEMAS E EQUIPAMENTOS DE CLIMATIZAÇÃO Em uma instalação de ar condicionado quando o circuito de refrigeração estiver desligado, teremos uma instalação de ventilação simples, onde são controlados

Leia mais

DATA LOGGERS SÉRIE SIMPLE LOGGER II

DATA LOGGERS SÉRIE SIMPLE LOGGER II DATA LOGGERS SÉRIE SIMPLE LOGGER II Modos de programação de registo; Intervalos de registo programáveis; Capacidade de memória para 240.000 medidas; Alimentação por pilhas alcalinas; Ligação a computador

Leia mais

PERÍCIAS DE ENGENHARIA ELÉTRICA

PERÍCIAS DE ENGENHARIA ELÉTRICA PERÍCIAS DE ENGENHARIA ELÉTRICA PERICIAS NAS DIVERSAS ÁREAS DA ENGENHARIA ELÉTRICA 1. PERICIAS EM TRANSFORMADORES Transformadores a óleo e transformadores a seco; Verificação de seus componentes; Ensaios

Leia mais

O conceito do conforto. térmico humano

O conceito do conforto. térmico humano O conceito do conforto 1 térmico humano Projeto FEUP 2014/2015 MIEQ Equipa Q1FQI04_1 Supervisor: José Inácio Martins Monitor: Helder Xavier Nunes 2 1.INTRODUÇÃO Como ocorre a regulação da temperatura corporal

Leia mais

PROJETO DE UMA INSTALAÇÃO DE UTILIZAÇÃO

PROJETO DE UMA INSTALAÇÃO DE UTILIZAÇÃO PROJETO DE UMA INSTALAÇÃO DE UTILIZAÇÃO (RESUMO) Instalações tipo C são instalações abastecidas a partir da rede pública de baixa tensão. Estas instalações são certificadas pela Certiel Associação Certificadora

Leia mais

CATÁLOGO TÉCNICO SELF CONTAINED

CATÁLOGO TÉCNICO SELF CONTAINED CATÁLOGO TÉCNICO SELF CONTAINED Capacidade de 3 a 50TR Estrutura em perfil de alumínio extrudado Tampas rechapeadas e facilmente removíveis Pintura eletrostática a pó Várias opções de montagem e acabamentos

Leia mais

Manual de apoio a curso EFA. Técnico/a de Refrigeração e Climatização ESAB 2011/2012

Manual de apoio a curso EFA. Técnico/a de Refrigeração e Climatização ESAB 2011/2012 1 Manual de apoio a curso EFA Técnico/a de Refrigeração e Climatização ESAB 2011/2012 UFCD 1295 - Instrumentação e controlo - princípios básicos da regulação e complementos de instrumentação Controlos

Leia mais

Smart Probes. Medição inteligente.

Smart Probes. Medição inteligente. Faça o download! Smart Probes. Medição inteligente. testo Smart Probes: Instrumentos de medição compactos e otimizados para smartphone e tablet com a qualidade profissional da Testo. Smart Probes para

Leia mais

CALDEIRAS DE CONDENSAÇÃO A GÁS

CALDEIRAS DE CONDENSAÇÃO A GÁS CALDEIRAS DE CONDENSAÇÃO A GÁS EFICIÊNCIA, FIABILIDADE E TRANQUILIDADE Como funciona uma caldeira de condensação? Os gases de exaustão da caldeira passam através de um condensador, para recuperar o calor

Leia mais

Mezzo Compensação. cozinhas. Hottes > hottes tradicionais grande conforto. descrição técnica. p. 926. hotte de cozinha tradicional Conforto.

Mezzo Compensação. cozinhas. Hottes > hottes tradicionais grande conforto. descrição técnica. p. 926. hotte de cozinha tradicional Conforto. Hottes > hottes tradicionais grande conforto cozinhas Mezzo Compensação hotte de cozinha tradicional Conforto vantagens Compensação integrada. Filtros de choque montados de série. Iluminação encastrada

Leia mais

S A D I José Rui Ferreira

S A D I José Rui Ferreira Concepção de Instalações Eléctricas S A D I José Rui Ferreira Setembro 2000 SADI - Sistema Automático de Detecção de Incêndios Índice - Introdução - Equipamento - Concepção da instalação - Instalação eléctrica

Leia mais

Água Quente. Supraeco W Supraeco W OS. Bombas de calor Ar - Água para produção de A.Q.S. julho 2014. Conforto para a vida

Água Quente. Supraeco W Supraeco W OS. Bombas de calor Ar - Água para produção de A.Q.S. julho 2014. Conforto para a vida Supraeco W Supraeco W OS Bombas de calor Ar - Água para produção de A.Q.S. Água Quente julho 0 Conforto para a vida Bombas de calor SUPRAECO energia água quente ar-água confortopoupança eficiênciacop calor

Leia mais

Instruções de instalação e de assistência técnica. Central de controlo solar. B-sol 300 6720613720-00.1 SD. 6720613744 (2007/04) pt

Instruções de instalação e de assistência técnica. Central de controlo solar. B-sol 300 6720613720-00.1 SD. 6720613744 (2007/04) pt Instruções de instalação e de assistência técnica Central de controlo solar -sol 300 pt 6720613720-00.1 SD Índice Índice 1 Instruções de segurança e esclarecimentos sobre os símbolos 5 1.1 Indicações gerais

Leia mais

Usar o Multímetro O Multímetro:

Usar o Multímetro O Multímetro: Usar o Multímetro Usar um multímetro é algo muito importante para quem trabalha em informática, na área da electrotecnia e electrónica, é um aparelho que nos permite fazer medições de grandezas eléctricas.

Leia mais

Manual de Instruções. C o n t r o l a d o r D i f e r e n c i a l T e m p o r i z a d o. Rev. C

Manual de Instruções. C o n t r o l a d o r D i f e r e n c i a l T e m p o r i z a d o. Rev. C Manual de Instruções C o n t r o l a d o r D i f e r e n c i a l T e m p o r i z a d o Rev. C 1. Descrição Índice 1.Descrição...pág 1 2.Dados Técnicos...pág 3 3.Instalação...pág 4 4.Ajuste e Operação...pág

Leia mais

Todas as unidades são testadas na fábrica antes de serem vendidas! (Possibilidade de assistir aos testes)

Todas as unidades são testadas na fábrica antes de serem vendidas! (Possibilidade de assistir aos testes) 1 Todas as unidades são testadas na fábrica antes de serem vendidas! (Possibilidade de assistir aos testes) ISO 9001 Quality Management System ISO 14001 Environmental Management System 2 Sazonalidade das

Leia mais

Na natureza nada se cria, nada se perde, tudo se transforma Antoine Lavoisier. energia solar

Na natureza nada se cria, nada se perde, tudo se transforma Antoine Lavoisier. energia solar Na natureza nada se cria, nada se perde, tudo se transforma Antoine Lavoisier energia solar Setembro 2013 O ser humano modifica a natureza. A humanidade constrói-se pela cultura, ao mesmo tempo que a cultura

Leia mais

SOLUÇÕES INTELIGENTES PARA EDIFÍCIOS ECOLÓGICAMENTE RESPONSÁVEIS

SOLUÇÕES INTELIGENTES PARA EDIFÍCIOS ECOLÓGICAMENTE RESPONSÁVEIS SOLUÇÕES INTELIGENTES PARA EDIFÍCIOS ECOLÓGICAMENTE RESPONSÁVEIS SOLUÇÕES INTELIGENTES PARA EDIFÍCIOS ECOLÓGICAMENTE RESPONSÁVEIS SOLUÇÕES INTELIGENTES PARA EDIFÍCIOS ECOLÓGICAMENTE RESPONSÁVEIS Gás Climatização

Leia mais