INSTALAÇÕES AT E MT. SUBESTAÇÕES DE DISTRIBUIÇÃO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "INSTALAÇÕES AT E MT. SUBESTAÇÕES DE DISTRIBUIÇÃO"

Transcrição

1 INSTALAÇÕES AT E MT. SUBESTAÇÕES DE DISTRIBUIÇÃO Sistemas de iluminação, tomadas interiores, extracção de fumos, ar condicionado, centrais de intrusão e incêndio Regras de execução Elaboração: GTRPT Homologação: conforme despacho do CA de Edição: 1ª Emissão: EDP Distribuição Energia, S.A. DNT Direcção de Normalização e Tecnologia Av. Urbano Duarte, Coimbra Tel.: Fax: Divulgação: EDP Distribuição Energia, S.A. GBCI Gabinete de Comunicação e Imagem Rua Camilo Castelo Branco, Lisboa Tel.: Fax:

2 ÍNDICE 1 OBJECTO SISTEMAS DE ILUMINAÇÃO EXTERIOR Sistema de Iluminação Principal do PEA Comando do Sistema de Iluminação Principal do PEA Sistema de Iluminação de Emergência do PEA Sistema de Iluminação da Placa de Identificação da Instalação SISTEMAS DE ILUMINAÇÃO INTERIOR Sistema de Iluminação Principal do Edifício de Comando Sistema de Iluminação de Emergência do Edifício de Comando SISTEMA DE TOMADAS INTERIORES SISTEMA DE DETECÇÃO DE INTRUSÃO NO EDIFÍCIO DE COMANDO SISTEMA DE DETECÇÃO DE INCÊNDIOS CIRCUITOS DE COMUNICAÇÕES QUADRO DE ILUMINAÇÃO E TOMADAS SISTEMA DE EXTRACÇÃO DE FUMOS SISTEMA DE AR CONDICIONADO... 7 DNT - Direcção de Normalização e Tecnologia Pág. 2/7

3 1 OBJECTO O presente documento destina-se a caracterizar os sistemas de: iluminação exterior e interior, normal e de emergência; tomadas e alimentações BT; quadro de iluminação e tomadas; detecção de intrusão e identificação de entrada; detecção de incêndios; ar condicionado; extracção de fumos. Para cada sistema são indicadas as respectivas condições de instalação. 2 SISTEMAS DE ILUMINAÇÃO EXTERIOR A subestação deve ser dotada com os seguintes sistemas independentes de iluminação exterior: sistema de iluminação principal do Parque Exterior de Aparelhagem (PEA); sistema de iluminação de emergência do PEA. O sistema de iluminação principal do PEA deve ter dois níveis, o normal e o nível de reforço. No nível normal (manual ou automático) apenas é ligada uma das armaduras de cada conjunto, sendo as restantes ligadas no nível de reforço. 2.1 Sistema de Iluminação Principal do PEA O sistema de iluminação principal do PEA será constituído por projectores duplos com lâmpadas de vapor de sódio de alta pressão de 400 W, conforme com o DMA-C72-240/E - Lâmpadas de vapor de sódio de alta pressão Características e ensaios. Devem ser instalados 5 conjuntos no topo das estruturas metálicas tubulares, com uma altura útil (acima do solo) de 4 m, localizados na periferia do PEA e um conjunto directamente na parede lateral do edifício de comando. Como complemento deve ser colocada uma luminária estanque sobre a porta de entrada do edifício de comando. A disposição pode ser observada na planta geral de disposição do equipamento. Os projectores de iluminação devem ser de construção robusta, reguláveis em duas direcções (horizontal e vertical), possuir um vidro de alta resistência (térmica e a choques mecânicos) fixado ao corpo por intermédio de grampos de aço inoxidável no intuito de proteger o compartimento da lâmpada, devendo ser assegurado um índice de protecção não inferior a IP 55. As lâmpadas devem poder ser substituídas pela frente, devendo para isso ser suficiente a libertação dos grampos para abertura do vidro. O braço de montagem de fixação às estruturas tubulares deve ser galvanizado a quente Comando do Sistema de Iluminação Principal do PEA Este sistema de iluminação deve ser comandado por intermédio de um relógio astronómico. O equipamento estará associado a um comutador de 4 posições, como se pode observar no plano relativo ao Quadro Iluminação e Tomadas. As posições do comutador de 4 posições são as seguintes: 0 "Desligado"; 1 "Automático"; 2 "Manual Normal". 3 "Manual de reforço" DNT - Direcção de Normalização e Tecnologia Pág. 3/7

4 O relógio astronómico deve ser instalado no Quadro de Iluminação e Tomadas. O sistema de iluminação principal deve ser alimentado a partir do quadro de iluminação e tomadas, o qual deve ser alimentado a partir do barramento geral dos serviços auxiliares de corrente alternada (SACA). O sistema de iluminação de emergência do EC (Edifício de Comando) deve ser alimentado a partir do armário de serviços auxiliares de corrente contínua. A alimentação das luminárias deve ser feita de forma indirecta com base nos 110 Vcc, através de um sistema de inversor CC/CA. 2.2 Sistema de Iluminação de Emergência do PEA O sistema de iluminação de emergência do PEA, destinado a assegurar a iluminação mínima necessária à circulação de pessoas, deve ser assegurado por luminárias equipadas com lâmpadas de alto rendimento de 18 W, instaladas a 2 m do solo e localizadas de acordo com o indicado na planta geral de disposição do equipamento. As luminárias devem ser estanques e possuir um índice de protecção não inferior a IP 55. Esta iluminação de emergência deve ser accionada durante um período de tempo caracterizável quando ocorrer uma falha geral de alimentação dos serviços auxiliares de corrente alternada. Este sistema pode ainda ser controlado através de botoneira especifica existente na sala de comando junto à porta principal. A botoneira de desligar a iluminação de emergência do edifício de comando desliga também a iluminação de emergência do PEA. 2.3 Sistema de Iluminação da Placa de Identificação da Instalação A placa de identificação da instalação colocada no muro anexo ao portão de entrada da SE deve ser iluminada através de uma armadura florescente, alimentada pelo circuito de iluminação principal do PEA. 3 SISTEMAS DE ILUMINAÇÃO INTERIOR A subestação deve ser dotada com os seguintes sistemas independentes de iluminação interior: Sistema de iluminação principal do Edifício de Comando (EC); Sistema de iluminação de emergência do EC. O sistema de iluminação principal do EC da subestação é constituído por um conjunto de luminárias de montagem saliente, sem difusor, com uma ou duas lâmpadas fluorescentes de 58 W (cor 33). O sistema de iluminação de emergência do EC da subestação é constituído por um conjunto de luminárias de montagem saliente, sem difusor, com uma lâmpada fluorescentes de 18 W (cor 33). As armaduras devem ser colocadas em calha metálica lacada a branco suspensa do tecto. A disposição das luminárias pode ser observada no plano relativo à iluminação principal e de emergência do EC. Estes circuitos de BT devem ser instalados no interior de calhas técnicas de montagem saliente ou nos tubos, caleiras e chão falso existentes. DNT - Direcção de Normalização e Tecnologia Pág. 4/7

5 3.1 Sistema de Iluminação Principal do Edifício de Comando A actuação da iluminação deve ser feita de forma automática através da abertura do coffret existente à entrada do edifício de comando (ou pela actuação do sistema de identificação de entradas, se implementado). O sistema de iluminação principal do EC deve ser alimentado a partir do Quadro de Iluminação e Tomadas, o qual deve ser alimentado a partir do barramento geral dos Serviços Auxiliares de Corrente Alternada (SACA). O plano relativo à iluminação principal e de emergência do EC está disponível em anexo. 3.2 Sistema de Iluminação de Emergência do Edifício de Comando O sistema de iluminação de emergência do EC é alimentado a partir do Armário de serviços auxiliares de corrente contínua. A alimentação das luminárias deve ser feita de forma indirecta com base nos 110 Vcc, através de um sistema de inversor CC/CA (de potencia não inferior a 600W). A iluminação de emergência deve ser accionada durante um período de tempo caracterizável quando ocorrer uma falha geral de alimentação dos serviços auxiliares de corrente alternada e a central de intrusão estiver inactiva, situação correspondente à presença de pessoas na instalação. Este sistema pode ainda ser controlado através de botoneira específica existente na sala de comando junto à porta principal. Para além deste sistema de iluminação deve ainda existir uma lanterna portátil de emergência. A lanterna deve ser antideflagrante, possuir um bloco de baterias niquel-cádmio com carregador em base separada que assegure uma autonomia mínima de 8 horas. O índice de protecção da lanterna não pode ser inferior a IP SISTEMA DE TOMADAS INTERIORES O Edifício de Comando deve ser dotado de um sistema de tomadas interiores, cuja localização pode ser observada no plano relativo às tomadas de usos gerais do EC (Edifício de Comando). Este sistema de tomadas é constituído por tomadas trifásicas com terra, tomadas monofásicas com terra para usos gerais e tomadas monofásicas com terra e protecção contra sobre tensões para a ligação de sistemas electrónicos. Estes circuitos de BT devem ser instalados no interior de calhas técnicas de montagem saliente, ou nos tubos, caleiras e chão falso existentes. 5 SISTEMA DE DETECÇÃO DE INTRUSÃO NO EDIFÍCIO DE COMANDO Este sistema deve ser implementado de acordo com o plano respectivo, e é constituído pelos seguintes equipamentos: central para a detecção de intrusão programável que permita a disponibilização das seguintes sinalizações por contactos livres de potencial: avaria interna; detecção de intrusão; central de intrusão activa e inactiva. detectores de intrusão combinando as tecnologias de micro-ondas e infravermelhos. Os circuitos de BT associados devem ser instalados no interior de calhas técnicas de montagem saliente ou nos tubos, caleiras e chão falso existentes. DNT - Direcção de Normalização e Tecnologia Pág. 5/7

6 A central deve ser activada de forma automática pelo fecho de um coffret localizado junto à porta do edifício. A central deve ser desactivada através da marcação de um código num teclado instalado no interior junto à porta de entrada da subestação. 6 SISTEMA DE DETECÇÃO DE INCÊNDIOS Este sistema deve ser implementado de acordo com o plano respectivo, sendo constituído pelos seguintes equipamentos: central para a detecção de incêndios programável, que permita a disponibilização das seguintes sinalizações por contactos livres de potencial: avaria interna; detecção de incêndio; central activa e inactiva. detectores de incêndio ópticos de fumos e respectivas bases para ligação à central. Os circuitos de BT associados devem ser instalados no interior de calhas técnicas de montagem saliente ou nos tubos, caleiras e chão falso existentes. 7 CIRCUITOS DE COMUNICAÇÕES Deve ser feita uma cablagem estruturada com 12 tomadas telefónicas RJ45 ligadas até ao armário de controlo de comunicações, formando um circuito de cablagem estruturada de classe 5E ligado segundo a norma EIA/TIA 568B. Estes circuitos devem ser instalados no interior de calhas técnicas de montagem saliente ou nos tubos, caleiras e chão falso existentes. Os circuitos da cablagem estruturada têm de ser ensaiados por entidade certificada para tal. 8 QUADRO DE ILUMINAÇÃO E TOMADAS O Quadro de Iluminação e Tomadas (QIT) deve ser de montagem saliente e comportar todos os órgãos de comando, corte e protecção dos circuitos BT. Os sistemas que são alimentados a partir do QIT referidos nesta especificação, devem ser instalados de acordo com o disposto no respectivo plano apresentado em anexo. 9 SISTEMA DE EXTRACÇÃO DE FUMOS O edifício de comando deve ser equipado com um sistema de extracção de fumos constituído por dois extractores instalados junto ao tecto, em posições diametralmente opostas, de acordo com o disposto na planta do edifício de comando. Os extractores devem ser iguais e ter as características indicadas no quadro seguinte: Caudal 5000 m 3 /h Ruído máximo 56dB(A) Dimensões Diâmetro 500 mm Tipo de fixação Na vertical Grelhas Em alumínio com fecho por gravidade Alimentação 110 Vcc Comando Interruptor de duas posições ou botoneiras (único para as duas unidades) localizado junto à porta principal DNT - Direcção de Normalização e Tecnologia Pág. 6/7

7 10 SISTEMA DE AR CONDICIONADO O edifício de comando deve ser equipado com um sistema de ar condicionado constituído por dois conjuntos independentes cujas unidades interiores são colocadas junto ao tecto em posições diametralmente opostas, de acordo com o disposto na planta geral de disposição do equipamento. As unidades devem ser iguais e ter as características indicadas no quadro seguinte: Potência mínima (no modo Arrefecimento) Comutação de modos Alimentação Comando Sinalização 12,6 kw (43 KBTU) Automática Trifásica Por cabo colocado junto à porta principal Avaria geral (por contactos livres de potencial) As unidades deveram possuir unidades de comando separadas. Após falha de energia o sistema de ar condicionado deverá automaticamente voltar a funcionar no mesmo Modo em que se encontrava antes da quebra de energia. DNT - Direcção de Normalização e Tecnologia Pág. 7/7

INSTALAÇÕES AT E MT. SUBESTAÇÕES DE DISTRIBUIÇÃO

INSTALAÇÕES AT E MT. SUBESTAÇÕES DE DISTRIBUIÇÃO INSTALAÇÕES AT E MT. SUBESTAÇÕES DE DISTRIBUIÇÃO Circuitos BT Regras de execução Elaboração: GTRPT Homologado: conforme despacho do CA de 2007-02-13 Edição: 1ª Emissão: EDP Distribuição Energia, S.A. DNT

Leia mais

INSTALAÇÕES AT E MT. SUBESTAÇÕES DE DISTRIBUIÇÃO

INSTALAÇÕES AT E MT. SUBESTAÇÕES DE DISTRIBUIÇÃO INSTALAÇÕES AT E MT. SUBESTAÇÕES DE DISTRIBUIÇÃO Armários de comando e controlo Características Elaboração: GTRPT Homologação: conforme despacho do CA de 2007-02-13 Edição: 1ª Emissão: EDP Distribuição

Leia mais

INSTALAÇÕES AT E MT. SUBESTAÇÕES DE DISTRIBUIÇÃO

INSTALAÇÕES AT E MT. SUBESTAÇÕES DE DISTRIBUIÇÃO INSTALAÇÕES AT E MT. SUBESTAÇÕES DE DISTRIBUIÇÃO Ensaios de funcionamento e verificações gerais Protocolo de ensaios Elaboração: GTRPT Homologado: conforme despacho do CA de 2007-02-13 Edição: 1ª Emissão:

Leia mais

INSTALAÇÕES AT E MT. SUBESTAÇÕES DE DISTRIBUIÇÃO

INSTALAÇÕES AT E MT. SUBESTAÇÕES DE DISTRIBUIÇÃO INSTALAÇÕES AT E MT. SUBESTAÇÕES DE DISTRIBUIÇÃO Rede geral de terras Regras de execução Elaboração: GTRPT Homologação: conforme despacho do CA de 2007-02-13 Edição: 1ª Emissão: EDP Distribuição Energia,

Leia mais

TRANSFORMADORES DE MEDIDA

TRANSFORMADORES DE MEDIDA TRANSFORMADORES DE MEDIDA Transformadores de tensão MT e de 60 kv Características e ensaios Elaboração: DNT Homologação: conforme despacho do CA de 2007-02-13 Edição: 2ª. Substitui a edição de Outubro

Leia mais

OUTRAS INSTALAÇÕES ELÉTRICAS

OUTRAS INSTALAÇÕES ELÉTRICAS OUTRAS INSTALAÇÕES ELÉTRICAS Documento complementar ao Guia de medição, leitura e disponibilização de dados Regras relativas à instalação, manutenção e verificação de equipamentos de medição, cabos e outros

Leia mais

INSTALAÇÕES AT E MT. SUBESTAÇÕES DE DISTRIBUIÇÃO

INSTALAÇÕES AT E MT. SUBESTAÇÕES DE DISTRIBUIÇÃO INSTALAÇÕES AT E MT. SUBESTAÇÕES DE DISTRIBUIÇÃO Estruturas metálicas Características Elaboração: GTRPT Homologado: conforme despacho do CA de 2007-02-13 Edição: 1ª Emissão: EDP Distribuição Energia, S.A.

Leia mais

EDIFÍCIO MARAVILHA JUNHO/2009

EDIFÍCIO MARAVILHA JUNHO/2009 INSTALAÇÕES ELÉCTRICAS GERAIS JUNHO/2009 POSTO DE SECCIONAMENTO E TRANSFORMAÇÃO CENTRAL GERADORA DE EMERGÊNCIA SISTEMAS DE ALIMENTAÇÃO ININTERRUPTA COMPENSAÇÃO DO FACTOR DE POTÊNCIA QUADROS ELÉCTRICOS

Leia mais

INSTALAÇÕES AT E MT. SUBESTAÇÕES DE DISTRIBUIÇÃO

INSTALAÇÕES AT E MT. SUBESTAÇÕES DE DISTRIBUIÇÃO INSTALAÇÕES AT E MT. SUBESTAÇÕES DE DISTRIBUIÇÃO Função de automatismo: regulação de tensão Especificação funcional Elaboração: INTS, ICTS, ISTS, DNT Homologação: conforme despacho do CA de 2007-02-13

Leia mais

APARELHOS DE ILUMINAÇÃO ELÉCTRICA E ACESSÓRIOS

APARELHOS DE ILUMINAÇÃO ELÉCTRICA E ACESSÓRIOS APARELHOS DE ILUMINAÇÃO ELÉCTRICA E ACESSÓRIOS Reguladores de fluxo luminoso Condições de instalação Elaboração: DTI Homologação: conforme despacho do CA de 2010-01-20 Edição: 1ª Emissão: EDP Distribuição

Leia mais

INSTALAÇÕES AT E MT. SUBESTAÇÕES DE DISTRIBUIÇÃO

INSTALAÇÕES AT E MT. SUBESTAÇÕES DE DISTRIBUIÇÃO INSTALAÇÕES AT E MT. SUBESTAÇÕES DE DISTRIBUIÇÃO Função de automatismo: pesquisa de terras resistentes Especificação funcional Elaboração: INTS, ICTS, ISTS e DNT Homologação: conforme despacho CA de 2007-02-13

Leia mais

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS MONTA-AUTOS

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS MONTA-AUTOS ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS MONTA-AUTOS MODELOS MCH 1/8 ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS MONTA AUTOS APLICAÇÃO APLICAÇÃO Transporte vertical de veículos acompanhados do condutor, a cabina terá as dimensões adequadas

Leia mais

Outras configurações de montagem mediante pedido

Outras configurações de montagem mediante pedido 243 4-9m simples a cidade vista através de um prisma de luz com braço duplo e luminárias apoiadas 680 680 Graças ao seu difusor em vidro Ø110 prismático a Cristella desempenha um papel importante na criação

Leia mais

LEDs - uma fonte de inspiração

LEDs - uma fonte de inspiração LEDs - uma fonte de inspiração 2 www.etaplighting.com ETAP Inovar utilizando LEDs 3 Os LEDs estão na moda e não é por acaso. Hoje em dia, esta fonte de luz inovadora oferece uma alternativa económica e

Leia mais

Registos Corta Fumo. Modelo JZ-RS PI/4/17/P/1. CONTIMETRA Lisboa. SISTIMETRA Porto

Registos Corta Fumo. Modelo JZ-RS PI/4/17/P/1. CONTIMETRA Lisboa. SISTIMETRA Porto PI/4/17/P/1 Registos Corta Fumo Modelo JZ-RS Rua do Proletariado15-B 2795-648 CARNAXIDE tel. 214 203 900 fax 214 203 902 contimetra@contimetra.com www.contimetra.com Rua Particular de São Gemil 85 4425-164

Leia mais

Invólucros Metálicos. Cajas Salientes

Invólucros Metálicos. Cajas Salientes Invólucros Metálicos. Cajas Salientes ÍNDICE Descrição Aplicações Referências Exemplo de configuração Instalação Informação ténica Exemplos de compatibilidade Dimensões Descrição Caixa metálica para instalação

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA SUMÁRIO CONTEÚDO PG.. Instalações Elétricas Gerais 02.1. Geral 02.2. Normas 02.3. Escopo de Fornecimento 02.4. Características Elétricas para Iluminação de Uso Geral 02.4.1. Geral 02.4.2. Tensões de Alimentação

Leia mais

scala+lutecia MODELO GRANDE

scala+lutecia MODELO GRANDE scala+lutecia scala+lutecia MODELO GRANDE 8-10.8m Coluna com braço duplo (Scala Maxi) PONTO DE LUZ CONTEMPORÂNEO PARA A CIDADE 4577 1995 1995 Criada por Jean-Michel Wilmotte, a gama Lutecia foi especificamente

Leia mais

ILUMINAÇÃO DE SEGURANÇA

ILUMINAÇÃO DE SEGURANÇA ILUMINAÇÃO DE CIRCULAÇÃO OU DE EVACUAÇÃO Tem como objectivo permitir a evacuação das pessoas em segurança, garantindo ao longo dos caminhos de evacuação condições de visão e de evacuação adequadas e possibilitar

Leia mais

4-12m. maya+equinoxe UMA SOLUÇÃO POLIVALENTE PARA A CIDADE. maya

4-12m. maya+equinoxe UMA SOLUÇÃO POLIVALENTE PARA A CIDADE. maya 87 maya+equinoxe 4-12m maya+equinoxe Braço simples 1610 215 215 1610 1330 2115 1835 410 Braço simples 2115 0 Braço pedonal 770 470 60-80 UMA SOLUÇÃO POLIVALENTE PARA A CIDADE Criado por Jean-Michel Wilmotte,

Leia mais

INSTALAÇÕES AT E MT. SUBESTAÇÕES DE DISTRIBUIÇÃO

INSTALAÇÕES AT E MT. SUBESTAÇÕES DE DISTRIBUIÇÃO INSTALAÇÕES AT E MT. SUBESTAÇÕES DE DISTRIBUIÇÃO Projecto-tipo Memória descritiva Elaboração: INTS, ICTS, ICSE, ISTS, DNT Homologado: conforme despacho do CA de 2007-02-13 Edição: 1ª Emissão: EDP Distribuição

Leia mais

CENTRAIS DE ALARME DE INCÊNDIO / DETECÇÃ

CENTRAIS DE ALARME DE INCÊNDIO / DETECÇÃ CENTRAIS DE ALARME DE INCÊNDIO / DETECÇÃ CENTRAL DE ALARME DE INCÊNDIO ENDEREÇÁVEL O desenvolvimento da central de alarme de incêndio endereçável RM 250 foi focado na simplicidade de operação, tendo em

Leia mais

Pack Tempérys. Tempérys. Ventilação de conforto com regulação integrada > ventilação. caixas com bateria de aquecimento integrada e auto-regulada

Pack Tempérys. Tempérys. Ventilação de conforto com regulação integrada > ventilação. caixas com bateria de aquecimento integrada e auto-regulada ventilação Tempérys caixa de insuflação com revestimento duplo e bateria de aquecimento eléctrico Pack Tempérys caixa de insuflação + caixa de extracção com revestimento duplo, sistema de comando e de

Leia mais

Armário Outdoor com. Free Cooling ou Ar Condicionado. www.facemate.net

Armário Outdoor com. Free Cooling ou Ar Condicionado. www.facemate.net Armário Outdoor com Free Cooling ou Ar Condicionado NOTAS Os armários outdoor estão desenhados para instalação em ambientes de exterior sujeitos a condições de chuva, vento, calor ou radiação solar. O

Leia mais

Solução de Aquecimento de Águas de Elevada Eficiência

Solução de Aquecimento de Águas de Elevada Eficiência Solução de Aquecimento de Águas de Elevada Eficiência Gama 04 Gama de 2013 O que é Therma V? 06 O que é Therma V? Vantagens Therma V 08 Elevada Eficiência Energética 10 Programação Semanal 12 Instalação

Leia mais

Central Hidroeléctrica da Calheta de Inverno

Central Hidroeléctrica da Calheta de Inverno Central Hidroeléctrica da Calheta de Inverno Descrição Geral A Central da Calheta de Inverno foi construída em 1992, com o objectivo de aproveitar os caudais excedentários ao abastecimento público e garantidos

Leia mais

3ª Jornadas Electrotécnicas Máquinas e Instalações Eléctricas

3ª Jornadas Electrotécnicas Máquinas e Instalações Eléctricas 3ª Jornadas Electrotécnicas Máquinas e Instalações Eléctricas Segurança Contra Incêndios em Edifícios Decreto-Lei 220/2008 Portaria 1532/2008 ISEP- Porto - 2010 ISEP - Abril 2010 Cap Eng Luís Bispo 1 Sumário

Leia mais

Bomba como bomba de água potável altamente eficiente. Calio-Therm S. Folheto do modelo

Bomba como bomba de água potável altamente eficiente. Calio-Therm S. Folheto do modelo Bomba como bomba de água potável altamente eficiente Calio-Therm S Folheto do modelo Ficha técnica Folheto do modelo Calio-Therm S Todos os direitos reservados. Os conteúdos aqui disponibilizados não podem

Leia mais

Segurança com tecnologia LED

Segurança com tecnologia LED K9 Segurança com tecnologia LED TECNOLOGIA LED A K9 é uma gama completa de iluminação de emergência com tecnologia LED (Díodo Emissor de Luz), desde a iluminação de presença e iluminação de vias de emergência

Leia mais

O impacto da difusão de ar na QAI

O impacto da difusão de ar na QAI www.decflex.com 2 Dec. Lei 79/2006 - Artigo 4º Requisitos exigenciais Enquadramento legal 1 Os requisitos exigenciais de conforto térmico de referência para cálculo das necessidades energéticas, no âmbito

Leia mais

Soluções para escritórios tehalit.office

Soluções para escritórios tehalit.office Soluções para escritórios tehalit.office A oferta tehalit.office foi concebida para dar resposta à maioria dos problemas de distribuição, de correntes fortes e fracas, na alimentação aos postos de trabalho.

Leia mais

Soluções para ventilação e desenfumagem F400-120 (400º/2H) > caixas de ventilação

Soluções para ventilação e desenfumagem F400-120 (400º/2H) > caixas de ventilação Soluções para ventilação e desenfumagem F400-120 ventilação Défumair XTA caixa de desenfumagem à transmissão F400-120 vantagens Desempenhos optimizados. Modularidade: 4 versões possíveis. Construção monobloco.

Leia mais

Luminárias com factor elevado de protecção

Luminárias com factor elevado de protecção Luminárias com factor elevado de protecção 2 ETAP Benefícios de 50 anos de experiência Em espaços húmidos e/ou bastante sujos, será necessário instalar luminárias estanques. A ETAP tem mais de 50 anos

Leia mais

ISEL. Subestação de Sacavém. Relatório de Visita de Estudo. 6 Dezembro 2005. Secção de Sistemas de Energia

ISEL. Subestação de Sacavém. Relatório de Visita de Estudo. 6 Dezembro 2005. Secção de Sistemas de Energia ISEL INSTITUTO SUPERIOR DE ENGENHARIA DE LISBOA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELECTROTÉCNICA E AUTOMAÇÃO Relatório de Visita de Estudo 6 Dezembro 2005 Secção de Sistemas de Energia Março 2006 Índice 1. Enquadramento

Leia mais

Posto de transformação compacto de manobra interior MT/BT até 1000 kva - 24/36 KV KIOBLOC. índice. apresentação 2. características 3.

Posto de transformação compacto de manobra interior MT/BT até 1000 kva - 24/36 KV KIOBLOC. índice. apresentação 2. características 3. Posto de transformação compacto de manobra interior MT/BT até 1000 kva - 24/36 KV KIOBLOC índice apresentação 2 características 3 componentes 4 instalação 5 gama 6 escolha 8 planos 10 MERLIN GERIN 3 apresentação

Leia mais

S A D I José Rui Ferreira

S A D I José Rui Ferreira Concepção de Instalações Eléctricas S A D I José Rui Ferreira Setembro 2000 SADI - Sistema Automático de Detecção de Incêndios Índice - Introdução - Equipamento - Concepção da instalação - Instalação eléctrica

Leia mais

nano DESCRIção vantagens

nano DESCRIção vantagens 441 382 190 382 190 Ø48 Ø48 Ø60 Ø60 (option) (option) 145 2 x M8 2 x M8 145 139 139 DESCRIção CARACTERISTicas LUMINária Estanquicidade bloco óptico: IP 66 (*) Estanquicidade bloco acessórios eléctricos:

Leia mais

Eunice CRUZ Gestora de produto de Segurança e Sistemas de Gestão de Edifícios

Eunice CRUZ Gestora de produto de Segurança e Sistemas de Gestão de Edifícios Eunice CRUZ Gestora de produto de Segurança e Sistemas de Gestão de Edifícios Introdução à Solução de Gestão de Iluminação Legrand MUNDO MAIS VERDE... MUNDO MAIS VERDE... MUNDO MAIS VERDE... As práticas

Leia mais

// NOVO: Sistema SSG para grandes larguras de abertura

// NOVO: Sistema SSG para grandes larguras de abertura // NOVO: Sistema SSG para grandes larguras de abertura Portões e grades de enrolar Dados de montagem: actualizados em 0.0.007 Abreviaturas utilizadas B U = Largura da construção inferior em aço ET DMS

Leia mais

INSTALAÇÕES AT E MT. Postos de transformação pré-fabricados (prontos a instalar) DMA-C13-912/N NOV 2011. Características e ensaios

INSTALAÇÕES AT E MT. Postos de transformação pré-fabricados (prontos a instalar) DMA-C13-912/N NOV 2011. Características e ensaios INSTALAÇÕES AT E MT Postos de transformação pré-fabricados (prontos a instalar) Características e ensaios Elaboração: DTI Homologação: conforme despacho do CA de 2011-11-02 Edição: 1ª Emissão: EDP Distribuição

Leia mais

Dali Multi3 torna a poupança de energia simples

Dali Multi3 torna a poupança de energia simples Dali Multi3 torna a poupança de energia simples Cada vez mais deverá ser uma realidade, a importância dada à melhoria da eficiência energética dos edifícios e à redução do consumo de energia e correspondentes

Leia mais

VIESMANN VITOSOLIC. Dados técnicos VITOSOLIC 100 VITOSOLIC 200. Controlador para sistemas de energia solar

VIESMANN VITOSOLIC. Dados técnicos VITOSOLIC 100 VITOSOLIC 200. Controlador para sistemas de energia solar VIESMANN VITOSOLIC Controlador para sistemas de energia solar Nº de referência e preços: ver lista de preços VITOSOLIC 100 Controlador electrónico por diferença de temperatura Para sistemas com produção

Leia mais

INSTRUÇÕES GERAIS PARA LUMINÁRIAS DE UTILIZAÇÃO DOMÉSTICA

INSTRUÇÕES GERAIS PARA LUMINÁRIAS DE UTILIZAÇÃO DOMÉSTICA INSTRUÇÕES GERAIS PARA LUMINÁRIAS DE UTILIZAÇÃO DOMÉSTICA INSTRUÇÕES GERAIS PARA LUMINÁRIAS DE UTILIZAÇÃO DOMÉSTICA INSTRUÇÕES DE SEGURANÇA O fabricante aconselha um uso correcto dos aparelhos de iluminação!

Leia mais

UNIDADES DE SAÚDE com SAÚDE INFANTIL

UNIDADES DE SAÚDE com SAÚDE INFANTIL UCF CRIANÇA e ADOLESCENTE UNIDADES DE SAÚDE com SAÚDE INFANTIL Identificação do Estabelecimento Data: / / Designação: Morada: Freguesia: Concelho: Telefone: Fax: Correio Electrónico: Director / Coordenador

Leia mais

Sumário ORIENTAÇÃO TÉCNICA - DISTRIBUIÇÃO OTD 035.02.04 REDE CONVENCIONAL TRANSFORMADORES

Sumário ORIENTAÇÃO TÉCNICA - DISTRIBUIÇÃO OTD 035.02.04 REDE CONVENCIONAL TRANSFORMADORES Sumário 1. Objetivo 2. Âmbito de Aplicação 3. Documentos de Referência 4. Requisitos Ambientais 5. Condições Gerais 6. Estruturas Trifásicas com Transformadores 6.1. Estrutura M1 com Transformador 6.2.

Leia mais

Recuperadores de Energia RIS H/V...3.2. Recuperadores de Energia RECUP...3.6. Recuperadores de Energia RIS P...3.8

Recuperadores de Energia RIS H/V...3.2. Recuperadores de Energia RECUP...3.6. Recuperadores de Energia RIS P...3.8 Índice Recuperadores de Energia Recuperadores de Energia Recuperadores de Energia RIS H/V...3.2 Recuperadores de Energia RECUP...3.6 Recuperadores de Energia RIS P...3.8 Unidade de Fluxos Cruzados EBF...3.11

Leia mais

www.flexidoor.pt PORTAS RÁPIDAS enrolar emparelhar

www.flexidoor.pt PORTAS RÁPIDAS enrolar emparelhar www.flexidoor.pt PORTAS RÁPIDAS enrolar emparelhar PORTAS RÁPIDAS ÍNDICE ÍNDICE Flexidoor Portas Rápidas Portas Rápidas de Enrolar Portas Rápidas de Emparelhar 04 06 11 Componentes Portas Rápidas Constituição

Leia mais

Luminárias com factor elevado de protecção

Luminárias com factor elevado de protecção Luminárias com factor elevado de protecção 2 MAIS DE 60 ANOS DE EXPERIÊNCIA Em espaços húmidos e/ou bastante sujos, será necessário instalar luminárias estanques. A ETAP tem mais de 60 anos de experiência

Leia mais

Central de Detecção de Incêndio 4 Zonas Manual de Instalação

Central de Detecção de Incêndio 4 Zonas Manual de Instalação Central de Detecção de Incêndio 4 Zonas Manual de Instalação Características Quatro zonas com capacidade de teste/isolamento. Dois circuitos de alarme com possibilidade de isolamento. Fonte de alimentação

Leia mais

focal DESCRIÇÃO CARACTERÍSTICAS PROJECTOR VANTAGENS DIMENSÕES MONTAGENS OPÇÕES

focal DESCRIÇÃO CARACTERÍSTICAS PROJECTOR VANTAGENS DIMENSÕES MONTAGENS OPÇÕES focal 325 Ø230 323 245 focal DESCRIÇÃO CARACTERÍSTICAS PROJECTOR Estanquicidade: IP 66 (*) Resistência aos choques (vidro): IK 08 (**) Classe de isolamento eléctrico: I ou II (*) Peso (vazio): 4 kg (*)

Leia mais

PARA LOCAIS PROFISSIONAIS Novos quadros XL³ 125

PARA LOCAIS PROFISSIONAIS Novos quadros XL³ 125 PARA LOCAIS PROFISSIONAIS Novos quadros XL³ 15 1 3 XL³ 15 ATÉ 15 A DE 1 A 4 FILAS DE 18 MÓDULOS Calha extraível sem ferramenta: cablagem facilitada CABLAGEM FACILITADA EXTRAINDO AS CALHAS As novas funcionalidades

Leia mais

COMPACTO E ELEGANTE. Topo decorativo ETAP

COMPACTO E ELEGANTE. Topo decorativo ETAP K1 COMPACTO E ELEGANTE 2 K1 ETAP O design elegante e compacto da K1 pode ser aplicado nos mais variados tipos de interiores. Inclui uma série abrangente de luminárias com diversas fontes de iluminação

Leia mais

Manual de Execução de Trabalhos em Equipamento de Contagem de Energia e de Controlo de Potência em instalações BTN ÍNDICE

Manual de Execução de Trabalhos em Equipamento de Contagem de Energia e de Controlo de Potência em instalações BTN ÍNDICE Manual de Execução de Trabalhos em Equipamento de Contagem de Energia e de Controlo de Potência em instalações BTN ÍNDICE 1. Localização e montagem... 2 1.1. Equipamento de contagem... 2 1.2. Dispositivos

Leia mais

PLANIFICAÇÃO ANUAL DE CONTEÚDOS

PLANIFICAÇÃO ANUAL DE CONTEÚDOS Ensino Secundário ANO LECTIVO 0/0 Disciplina: Praticas Oficinais 0.º Ano Turma C Total de Aulas Previstas (45 min) 00 º Período SET / 7 DEZ 78 º Período 0 JAN / 4 MAR 58 º Período 04 ABR / 4 JUN 4. Unidade

Leia mais

MINICOLUNAS. www.simon.pt. Descrição Aplicações Referências Exemplo de configuração Instalação Informação ténica Exemplos de compatibilidade Dimensões

MINICOLUNAS. www.simon.pt. Descrição Aplicações Referências Exemplo de configuração Instalação Informação ténica Exemplos de compatibilidade Dimensões MINICOLUNAS ÍNDICE Descrição Aplicações Referências Exemplo de configuração Instalação Informação ténica Exemplos de compatibilidade Dimensões Descrição Minicolunas para instalações elétricas de châo para

Leia mais

Sistemas automáticos de detecção de intrusão

Sistemas automáticos de detecção de intrusão EB 2,3 Ciclos de Gondomar AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE GONDOMAR Sistemas automáticos de detecção de intrusão A instalação de sistemas automáticos de detecção de intrusão é, hoje em dia, um facto generalizado

Leia mais

IBM FD Shelter Data Center

IBM FD Shelter Data Center IBM FD Shelter Data Center Site and Facilities Services Fevereiro de 2007 2007 IBM Corporation Data Center IBM FD Shelter Solução chave na mão, desenhada pela IBM, onde estão incluídas as mais avançadas

Leia mais

PROJETO DE UMA INSTALAÇÃO DE UTILIZAÇÃO

PROJETO DE UMA INSTALAÇÃO DE UTILIZAÇÃO PROJETO DE UMA INSTALAÇÃO DE UTILIZAÇÃO (RESUMO) Instalações tipo C são instalações abastecidas a partir da rede pública de baixa tensão. Estas instalações são certificadas pela Certiel Associação Certificadora

Leia mais

FONTES DE ILUMINAÇÃO ELÉTRICA

FONTES DE ILUMINAÇÃO ELÉTRICA FONTES DE ILUMINAÇÃO ELÉTRICA Lâmpadas de vapor de sódio de alta pressão Características e ensaios Elaboração: DTI Homologação: conforme despacho do CA de 2011-11-23 Edição: 3ª. Substitui a edição de JUL

Leia mais

Iluminação de emergência

Iluminação de emergência Iluminação de emergência Não improvise a sua segurança! Catálogo 07 Índice Apresentação... 2 Iluminação de Emergência Rilux... 4 Luxa... 6 Guardian... 8 Sinalização de emergência Astro Guida... 10 Quick

Leia mais

SEDE: ESTRADA MUNICIPAL 533 * BISCAIA - ALGERUZ * 2950-051 PALMELA - PORTUGAL TEL.: +351 21 233 27 55 / 6 / 7 / 8 FAX: +351 21 233 27 46 SITE:

SEDE: ESTRADA MUNICIPAL 533 * BISCAIA - ALGERUZ * 2950-051 PALMELA - PORTUGAL TEL.: +351 21 233 27 55 / 6 / 7 / 8 FAX: +351 21 233 27 46 SITE: SEDE: ESTRADA MUNICIPAL 533 * BISCAIA - ALGERUZ * 295-51 PALMELA - PORTUGAL TEL.: +351 21 233 27 55 / 6 / 7 / 8 FAX: +351 21 233 27 46 SITE: www.salemoemerca.pt - email: geral@salemoemerca.pt MATRICULADA

Leia mais

REATORES ELETROMAGNÉTICOS

REATORES ELETROMAGNÉTICOS REATORES ELETROMAGNÉTICOS Os reatores eletromagnéticos ORION são fabricados com os mais rígidos controles de qualidade conforme normas ABNT - NBR, COPEL (homologados tecnicamente), além de possuírem os

Leia mais

VIESMANN VITOSOL 200-F Colectores planos para aproveitamento da energia solar

VIESMANN VITOSOL 200-F Colectores planos para aproveitamento da energia solar VIESMANN VITOSOL 200-F Colectores planos para aproveitamento da energia solar Dados técnicos Nº de referência e preços: ver lista de preços VITOSOL 200-F Modelo SV2A/B e SH2A/B Colector plano para montagem

Leia mais

corus DESCRIÇÃO CARACTERÍSTICAS PROJECTOR VANTAGENS OPÇÕES MONTAGENS DIMENSÕES

corus DESCRIÇÃO CARACTERÍSTICAS PROJECTOR VANTAGENS OPÇÕES MONTAGENS DIMENSÕES CARACTERÍSTICAS PROJECTOR Estanquicidade: IP 66 (*) Resistência aos choques (vidro): IK 08 (**) Classe de isolamento eléctrico: I (*) Pesos (ex: 510 mm - vazio): 2,9 kg (*) segundo IEC - EN 598 (**) segundo

Leia mais

terra midi maxi roma

terra midi maxi roma midi maxi roma DESCRIÇÃO CARACTERÍSTICAS PROJECTORES Grau de estanquicidade: IP 67 (*) Resistência aos choques: Terra Midi (vidro): IK 10 (**) Maxi (vidro): IK 10 (**) Terra Roma (grelha):ik 10 (**) Resistência

Leia mais

PowerValue 31 7,5-10 - 15-20 kva (Tri/Mono)

PowerValue 31 7,5-10 - 15-20 kva (Tri/Mono) Descrição Técnica PowerValue 31 7,5-10 - 15-20 kva (Tri/Mono) Trifásica, On-line de Dupla-Conversão, VFI Fonte de Alimentação Não Interruptível (UPS) EFACEC Sistemas de Electrónica, S. A. Rua Eng.º Frederico

Leia mais

Instalações Eléctricas: Um Mandamento e Muitas Questões J. Neves dos Santos FEUP 2004 (Revisto em Fevereiro 2006)

Instalações Eléctricas: Um Mandamento e Muitas Questões J. Neves dos Santos FEUP 2004 (Revisto em Fevereiro 2006) Instalações Eléctricas: Um Mandamento e Muitas Questões J. Neves dos Santos FEUP 2004 (Revisto em Fevereiro 2006) O Mandamento nº 1 das Instalações Eléctricas Não Usarás (1 ) sem Protegeres (2) (1)...

Leia mais

Optim HYB Baterias de condensadores automáticas com manobra híbrida

Optim HYB Baterias de condensadores automáticas com manobra híbrida Compensação da Energia Reactiva e Filtragem de Harmónicas Optim HYB Baterias de condensadores automáticas com manobra híbrida Tecnologia para a eficiência energética Máxima precisão na compensação Uma

Leia mais

PLANIFICAÇÃO MODULAR ANO LECTIVO 2012 / 2013

PLANIFICAÇÃO MODULAR ANO LECTIVO 2012 / 2013 CURSO/CICLO DE FORMAÇÃO: Técnico de Instalações Elétricas DISCIPLINA: Práticas Oficinais N.º TOTAL DE MÓDULOS: 5 PLANIFICAÇÃO MODULAR ANO LECTIVO 2012 / 2013 N.º 1 18 Higiene e Segurança no Trabalho Organização

Leia mais

MATERIAIS PARA REDES APARELHAGEM AT E MT

MATERIAIS PARA REDES APARELHAGEM AT E MT MATERIAIS PARA REDES APARELHAGEM AT E MT Disjuntores AT 72,5 kv Características Elaboração: DNT Homologação: conforme despacho do CA de 2007-02-13 Edição: 2ª. Substitui a edição de DEZ 1995 Emissão: EDP

Leia mais

GESTRA. GESTRA Steam Systems. NRR 2-2e. Manual de Instruções 818464-00 Regulador de nível NRR 2-2e

GESTRA. GESTRA Steam Systems. NRR 2-2e. Manual de Instruções 818464-00 Regulador de nível NRR 2-2e GESTRA GESTRA Steam Systems Manual de Instruções 818464-00 Regulador de nível Dimensões Fig. 2 Fig. 1 Tampa transparente Rede (ver placa de características) Equipado com R m Regulador de esvaziamento Prefer

Leia mais

Destaques. Um único sistema de controlo para segurança e conforto; Desempenho elevado e tecnologia de futuro da Siemens;

Destaques. Um único sistema de controlo para segurança e conforto; Desempenho elevado e tecnologia de futuro da Siemens; 1 Não há nada melhor do que saber que a sua família está em casa e em segurança. Agora imagine se pudesse melhorar a segurança e conforto do seu lar apenas com a instalação de um sistema Impossível? Então

Leia mais

INFORMATIVO DE PRODUTO

INFORMATIVO DE PRODUTO Central de Iluminação de Emergência 12 V(cc), 20 A, com Capacidade de 240 W. Código AFB240 A central de iluminação de emergência é alimentada pela rede elétrica predial (110 ou 220 volts) e também possui

Leia mais

COMANDOS ELÉCTRICOS VARIADORES ELECTRÓNICOS :

COMANDOS ELÉCTRICOS VARIADORES ELECTRÓNICOS : COMANDOS ELÉCTRICOS VARIADORES ELECTRÓNICOS : Tri 400V Variador electrónico de tensão monfásica 230V - 50Hz (60Hz a pedido). Caixa PVC, IP 55. Intensidades : 3A - 5A - 9A. Interligação possível de uma

Leia mais

CATÁLOGO ARMÁRIOS E CAIXAS ISOLANTES EM POLIESTER - CAIXAS DE PROTECÇÃO E SECCIONAMENTO (PORTINHOLAS)

CATÁLOGO ARMÁRIOS E CAIXAS ISOLANTES EM POLIESTER - CAIXAS DE PROTECÇÃO E SECCIONAMENTO (PORTINHOLAS) CATÁLOGO ARMÁRIOS E CAIXAS ISOLANTES EM POLIESTER 1 - ENERGIA 1.1 - SÉRIE ADE - ARMÁRIOS DE DISTRIBUIÇÃO - MACIÇOS 1.2 - SÉRIE CPV - ACESSÓRIOS - CAIXAS DE PROTECÇÃO E SECCIONAMENTO (PORTINHOLAS) 1.3 -

Leia mais

Calhas Técnicas Série 10. Série 16. Calhas para Instalações Eléctricas e Telecomunicações (pág. 114-125)

Calhas Técnicas Série 10. Série 16. Calhas para Instalações Eléctricas e Telecomunicações (pág. 114-125) Técnicas para Instalações Eléctricas e Telecomunicações (pág. 1-125) A é composta por: Molduras (pág. 1); de Rodapé (pág. 118); de Chão (pág. 118); para Distribuição (pág. 122). Calha 110x50 BR - Branco

Leia mais

Seminário Mobilidade Eléctrica : o Veículo

Seminário Mobilidade Eléctrica : o Veículo Seminário Mobilidade Eléctrica : o Veículo 8 de Março de 2010 Regulamentação técnica para a aprovação de veículos eléctricos 1 ÍNDICE 1 2 3 4 5 6 7 HOMOLOGAÇÃO DE VEÍCULOS ELÉCTRICOS - ENQUADRAMENTO LEGAL

Leia mais

nano 1 2 a luz sustentável

nano 1 2 a luz sustentável nano 1 2 a luz sustentável 1 nano CARACTERISTicas LUMINária Design: A. Baré DESCRIção A Nano 1 é um bom exemplo de design inteligente. Baseada no conceito da miniaturização, esta luminária pode ser utilizada

Leia mais

Simbologia de instalações elétricas

Simbologia de instalações elétricas Simbologia de instalações elétricas Os símbolos gráficos usados nos diagramas unifilar são definidos pela norma NBR5444, para serem usados em planta baixa (arquitetônica) do imóvel. Neste tipo de planta

Leia mais

FORIXTM MODERNA E VERSÁTIL O ESSENCIAL PARA A INSTALAÇÃO SALIENTE

FORIXTM MODERNA E VERSÁTIL O ESSENCIAL PARA A INSTALAÇÃO SALIENTE FORIXTM MODERNA E VERSÁTIL O ESSENCIAL PARA A INSTALAÇÃO SALIENTE ESPECIALISTA MUNDIAL EM INFRAESTRUTURAS ELÉTRICAS E TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO PARA EDIFÍCIOS FORIX MODERNA O ESSENCIAL PARA Adapta-se a

Leia mais

projecto de postos de transformação

projecto de postos de transformação 123 Henrique Ribeiro da Silva Dep. de Engenharia Electrotécnica (DEE) do Instituto Superior de Engenharia do Porto (ISEP) projecto de postos de transformação {2.ª Parte - Postos em Cabine} Os postos de

Leia mais

Transformadores secos encapsulados. Trihal

Transformadores secos encapsulados. Trihal Transformadores secos encapsulados tipo é um transformador trifásico do tipo seco com bobinagens encapsuladas e moldadas no vazio numa resina époxy contendo uma carga activa. É esta carga activa, composta

Leia mais

www.caiado.pt Produtos Eltako

www.caiado.pt Produtos Eltako Produtos Eltako Os preços apresentados são unitários e não incluem IVA. Estes estão sujeitos a alteração, sem aviso prévio. A TEV2 não se responsabiliza por eventuais erros tipográficos ou de transmissão

Leia mais

SPOT BATTERY EXCHANGER

SPOT BATTERY EXCHANGER SPOT BATTERY ECHANGER SBE RACK V0.3 Manual de Instruções SPOT JET Serviços de Manutenção Industrial, Sociedade Unipessoal, Lda. Rua D. Luís de Noronha 22, 4 Dto. 1050-072 Lisboa Portugal Tel / Fax. (+351)

Leia mais

terra midi DESCRIÇÃO CARATERÍSTICAS PROJETOR PRINCIPAIS VANTAGENS OPÇÕES

terra midi DESCRIÇÃO CARATERÍSTICAS PROJETOR PRINCIPAIS VANTAGENS OPÇÕES terra midi led terra midi CARATERÍSTICAS PROJETOR DESCRIÇÃO O Terra Midi LED é um projector de encastrar no solo equipado com 16 LED de alta potência munidos de lentes que oferecem vários tipos de soluções

Leia mais

Iluminação de Emergência RTIEBT. Rui Florêncio - Gestor de produto

Iluminação de Emergência RTIEBT. Rui Florêncio - Gestor de produto Iluminação de Emergência RTIEBT Rui Florêncio - Gestor de produto Tipos de Estabelecimentos Estabelecimentos industriais; Estabelecimentos de serviços técnicos; Estabelecimentos agrícolas ou pecuários;

Leia mais

Postos de transformação. PFS Cabinas Subterrâneas para Postos de Transformação Até 36 kv

Postos de transformação. PFS Cabinas Subterrâneas para Postos de Transformação Até 36 kv Postos de transformação PFS Cabinas Subterrâneas para Postos de Transformação Até 36 kv PFS CABINAS SUBTERRÂNEAS PARA POSTOS DE TRANSFORMAÇÃO DESCRIÇÃO A cabina PFS é uma envolvente monobloco de betão

Leia mais

Curso Instalador ITED

Curso Instalador ITED Curso Instalador ITED Formação de Actualização UFCD ITED A + ITED B Abril de 2015 Canalizações ITED Ricardo Oliveira Canalizações - Conceitos Classificação de PD Pontos de distribuição Classifica-se como

Leia mais

9SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO. Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº 18/2015

9SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO. Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº 18/2015 Instrução Técnica nº 18/2011 - Iluminação de emergência 449 9SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº 18/2015

Leia mais

Situado na: Rua Cruz de Portugal, Edifício Avenida, loja C

Situado na: Rua Cruz de Portugal, Edifício Avenida, loja C Designação do estabelecimento: MegaExpansão LDA. Situado na: Rua Cruz de Portugal, Edifício Avenida, loja C 8300-135 Silves Telefone: 282441111 Localização geográfica Sul Estrada Nacional 124 Norte Este

Leia mais

Esquemas. & diagramas. caderno 9

Esquemas. & diagramas. caderno 9 Esquemas & diagramas caderno 9 Segurança contra incêndios em edifícios > Simbologia gráfica para plantas Legenda para projectos de SCIE 1 - Resistência ao fogo Elemento resistente ao fogo com função de

Leia mais

Folha de dados - SRB 201ZHX3-24VDC

Folha de dados - SRB 201ZHX3-24VDC 11.09.2012-02:01:05h Folha de dados - SRB 201ZHX3-24VDC Comandos bimanual / Supervisão de comandos bimanuais de acordo com a norma EN 574 III A / SRB 201ZHX3 Supervisão de comandos bimanuais de acordo

Leia mais

INSTRUÇÕES GERAIS ARMÁRIO ATI V2.2

INSTRUÇÕES GERAIS ARMÁRIO ATI V2.2 INSTRUÇÕES GERAIS ARMÁRIO ATI V2.2 MANUAL ITED 1ª EDIÇÃO Para mais informações ou sugestões, contacte o seu distribuidor. Edição 10 Pag 1/8 Mod.100/2 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO...3 2. DOCUMENTOS NORMATIVOS APLICADOS...3

Leia mais

PEA - Eletrotécnica Geral 1 LÂMPADAS ELÉTRICAS ( FONTES LUMINOSAS )

PEA - Eletrotécnica Geral 1 LÂMPADAS ELÉTRICAS ( FONTES LUMINOSAS ) PEA - Eletrotécnica Geral 1 LÂMPADAS ELÉTRICAS ( FONTES LUMINOSAS ) PEA - Eletrotécnica Geral 2 - OBJETIVOS: 1) CONCEITOS BÁSICOS DE FOTOMETRIA E DA AÇÃO DA LUZ SOBRE O OLHO 2) TIPOS DE LÂMPADAS 2.1) LÂMPADAS

Leia mais

TOLDOS. Página. 93 TOLDOS

TOLDOS. Página. 93 TOLDOS Todos os toldos são produzidos por defeito com estrutura de alumínio lacado a branco (standard) e com motorização. Consulte o nosso site para escolher a cor ou padrão pretendido do tecido. Contacte-nos

Leia mais

Manual de Execução de Trabalhos em Equipamento de Contagem de Energia em instalações MT e BTE

Manual de Execução de Trabalhos em Equipamento de Contagem de Energia em instalações MT e BTE Manual de Execução de Trabalhos em Equipamento de Contagem de Energia em instalações MT e BTE 1 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 2. CONTAGEM DE ENERGIA ELÉCTRICA EM MÉDIA E BAIXA TENSÃO ESPECIAL... 3 2.1. Características

Leia mais

PIXELFORCE Representações, Lda Telf: 252 428 094 fax: 252 428 094 WWW.PIXELFORCE.PT

PIXELFORCE Representações, Lda Telf: 252 428 094 fax: 252 428 094 WWW.PIXELFORCE.PT PIXELFORCE Representações, Lda Telf: 252 428 094 fax: 252 428 094 WWW.PIXELFORCE.PT O próximo alvo pode ser a sua casa, durma tranquilo. A paz da mente é o conforto da segurança A Série Conforto da PIXELFORCE

Leia mais

04-05-2010 PARCEIRO AUTORIZADO SIEMENS GRUPO LONGO PLANO

04-05-2010 PARCEIRO AUTORIZADO SIEMENS GRUPO LONGO PLANO A P R E S E N T A Ç Ã O I N S T I T U C I O N A L PARCEIRO AUTORIZADO SIEMENS GRUPO LONGO PLANO 1 SIEMENS SBT SOLUTION BUILDING TECHNOLOGIES ELECTRONIC SECURITY BUILDING CONFORT ( HVAC ) ELECTRONIC SECURITY

Leia mais

GRADES E PORTAS DE ENROLAR

GRADES E PORTAS DE ENROLAR GRADES E PORTAS Tipo de varão Acabamentos Galvanizada acada Inox Concha Aro osango Possibilidade de serem fixas GRADES A Multipreve tem à disposição dos seus clientes uma série de Grades de Enrolar, que

Leia mais

FDS229-R, FDS229-A Luzes intermitentes do receptor acústico de alarmes

FDS229-R, FDS229-A Luzes intermitentes do receptor acústico de alarmes FDS229-R, FDS229-A Luzes intermitentes do receptor acústico de alarmes Para o bus do detector endereçável automático C-NET Cerberus PRO Luzes intermitentes do receptor acústico de alarmes com 11 tonalidades

Leia mais