APARELHOS DE ILUMINAÇÃO ELÉCTRICA E ACESSÓRIOS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "APARELHOS DE ILUMINAÇÃO ELÉCTRICA E ACESSÓRIOS"

Transcrição

1 APARELHOS DE ILUMINAÇÃO ELÉCTRICA E ACESSÓRIOS Reguladores de fluxo luminoso Condições de instalação Elaboração: DTI Homologação: conforme despacho do CA de Edição: 1ª Emissão: EDP Distribuição Energia, S.A. DTI Direcção de Tecnologia e Inovação R. Camilo Castelo Branco, LISBOA Tel.: Fax: Divulgação: EDP Distribuição Energia, S.A. GBCO Gabinete de Comunicação Rua Camilo Castelo Branco, LISBOA Tel.: Fax:

2 ÍNDICE 0 INTRODUÇÃO OBJECTIVO CAMPO DE APLICAÇÃO SISTEMA DE COMANDO DE ILUMINAÇÃO PÚBLICA Sistema actual Novo sistema REGULADOR DE FLUXO LUMINOSO Generalidades Acessibilidades LIGAÇÃO DO REGULADOR DE FLUXO LUMINOSO Ligação em rede aérea Posto de transformação A/AS Posto de transformação AI Condições comuns de montagem em postos de transformação A/AS e AI Ligação em rede subterrânea Postos de transformação CA1/CA Ligação do controlador do regulador de fluxo luminoso Circuitos de comando local Ligação do contacto auxiliar do interruptor Im1 aos contactores K2 e K TERMINAIS PARA LIGAÇÃO DOS CONDUTORES EXTERIORES Terminais para condutores não preparados Terminais para condutores preparados LIGAÇÃO À TERRA Rede aérea Rede subterrânea ESQUEMA ELÉCTRICO DO CONJUNTO QUADROS-ARMÁRIOS... 7 ANEXO A - FIGURAS... 8 DTI Direcção de Tecnologia e Inovação Pág. 2/15

3 0 INTRODUÇÃO No seguimento do Plano de Acção para a Eficiência Energética, cujo enfoque é a redução do consumo de energia em cerca de 20% até ao ano 2020 faz parte a medida (E8M8), orientada para a melhoria da eficiência energética através da instalação de reguladores de fluxo luminoso (RFL). Os sistemas comandados através de reguladores de fluxo luminoso permitem diminuir o consumo de energia e o nível de luminância das lâmpadas em períodos seleccionados de menor actividade. 1 OBJECTIVO O presente documento tem como objectivo definir as condições de instalação de um novo sistema para o comando da iluminação púbica nas redes de baixa tensão alimentadas a partir de postos de transformação aéreos dos tipos EDP-A1/EDP-AS1/EDP-A2/EDP-AS2, EDP-AI1/EDP-AI2 e postos de transformação de cabina do tipo CA1 e CA2. 2 CAMPO DE APLICAÇÃO O sistema tem o seu campo de aplicação na iluminação pública nas redes aéreas quando alimentadas a partir de postos de transformação aéreos dos tipos EDP-A1/EDP-AS1/EDP-A2/EDP-AS2, EDP-AI1/EDP-AI2 e nas redes subterrâneas quando alimentadas a partir de postos de transformação de cabina do tipo CA1 e CA2. 3 SISTEMA DE COMANDO DE ILUMINAÇÃO PÚBLICA 3.1 Sistema actual Actualmente o comando de iluminação pública das redes é constituído pelos seguintes equipamentos: comutador com 5 posições instalado nos quadros do tipo A/AS e AI e comutador de 3 posições instalados nos quadros do tipo CA1 e CA2 para uma tensão de 230 V e uma corrente de 16 A; contactor bipolar, de comando electromagnético, para serviço ininterrupto e tensão estipulada de 230 V, 50 Hz, classe de utilização AC-3 e corrente estipulada não inferior a 32 A para os quadros do tipo A/AS e contactores tripolares, de comando electromagnético, para serviço ininterrupto e tensão estipulada de 400 V, 50 Hz, classe de utilização AC-3 e corrente estipulada não inferior a 32 A para os quadros do tipo AI e CA1 e 63 A para os quadros do tipo CA2, obedecendo ao especificado na norma IEC e IEC Novo sistema O sistema de comando da iluminação pública objecto do presente documento passará a ser realizado através de um regulador de fluxo luminoso. A montagem deste sistema nada invalida que a iluminação pública, caso seja necessário, tenha a possibilidade de continuar a ser comandada através do sistema tradicional, isto é, a solução instalada nos quadros actuais e que se indica na secção 3.1 do presente documento. Para que esta funcionalidade seja realizada, deverá ser instalado um conjunto de equipamentos, nomeadamente, interruptor Im1 e contactores K2 e K3 cujas funcionalidades são indicadas na secção 5.5 do presente documento. DTI Direcção de Tecnologia e Inovação Pág. 3/15

4 4 REGULADOR DE FLUXO LUMINOSO 4.1 Generalidades O regulador de fluxo luminoso deverá ficar ligado na rede de iluminação pública estabelecida a partir da rede aérea junto do primeiro apoio de uma das saídas para a rede de distribuição e na rede subterrânea deve ficar instalado a pelo menos 20 metros de distância do posto de transformação. O regulador de fluxo luminoso deverá ficar instalado no interior de um armário de preferência de material isolante, classe II de isolamento com características construtivas tais que permitam comportar no seu interior todos os equipamentos necessários ao funcionamento do sistema. O armário compreenderá dois compartimentos individualizados, um para alojar os equipamentos a que a EDP Distribuição deverá ter única e exclusivamente acesso, nomeadamente, interruptor Im1 e os equipamentos dos circuitos de comando local (comutador e interruptor) e um outro compartimento para alojar o regulador de fluxo luminoso e os contactores K2 e K3. Nas figuras 2, 4, 6 e 8, do anexo A deste DMA são indicados os esquemas eléctricos dos armários, alimentados a partir de postos de transformação aéreos dos tipos EDP-A1/EDP-AS1/EDP-A2/EDP-AS2, EDP-AI1/EDP-AI2 e postos de transformação de cabina do tipo CA1 e CA Acessibilidades A acessibilidade ao interior do compartimento da EDP Distribuição deverá ser garantida, através de porta exclusiva no armário a qual deverá ser dotada com uma fechadura de cilindro, tipo perfil europeu e segredo EDP Distribuição. 5 LIGAÇÃO DO REGULADOR DE FLUXO LUMINOSO 5.1 Ligação em rede aérea Posto de transformação A/AS A ligação do regulador de fluxo luminoso será feita a partir do condutor da iluminação pública da saída (IP1). Para o efeito o condutor deverá ser interrompido no seu seio estabelecendo-se a partir dessa interrupção a ligação para o regulador de fluxo luminoso. O condutor neutro para a ligação ao regulador de fluxo luminoso derivará do condutor neutro da rede de distribuição. O condutor de saída do regulador de fluxo luminoso para a rede de iluminação pública deverá ser ligado no condutor interrompido (IP1). A partir desta ligação será estabelecido um condutor que ligará ao condutor de iluminação da outra saída (IP2), sendo esta saída desligada no disjuntor instalado no posto de transformação. Na figura 1 do anexo A do presente documento é indicada esta ligação Posto de transformação AI A ligação do regulador de fluxo luminoso será feita a partir dos condutores da iluminação pública das saídas (IP1), (IP2) e (IP3). Para o efeito os condutores de iluminação (IP1) e (IP2) deverão ser interrompidos no seu seio e o condutor de iluminação (IP3) deverá ser interrompido o mais próximo possível da pinça de amarração, estabelecendo-se a partir destas interrupções as ligações para o regulador de fluxo luminoso. O condutor neutro para a ligação ao regulador de fluxo luminoso derivará do condutor neutro da rede de distribuição. DTI Direcção de Tecnologia e Inovação Pág. 4/15

5 As saídas do regulador de fluxo luminoso para a rede de iluminação pública deverão ser ligadas nos condutores interrompidos, devendo a saída (IP3) interligar com a saída (IP4). Na figura 3 do anexo A do presente documento é indicada esta ligação Condições comuns de montagem em postos de transformação A/AS e AI Os condutores de entrada e de saída que interligam o regulador de fluxo luminoso com a rede de iluminação pública serão do tipo LXS 16 mm 2. Nas figuras 1 e 3 do presente documento é indicado o número de condutores que interligam ao regulador de fluxo luminoso. A fixação dos condutores que percorrem o trajecto entre o apoio do posto de transformação e o apoio onde está instalado o armário deverá ser feita com pinças de amarração. Nas interligações entre condutores deverão ser utilizadas uniões do tipo pré-isoladas de 16 mm 2 e conectores de aperto simultâneo. A entrada e a saída dos condutores no armário deverá ser feita pela sua parte inferior sendo os condutores protegidos mecanicamente até ao solo e desde uma altura superior a 2,25 m acima do solo, com tubo do tipo PVC rígido com diâmetro nominal de 40 mm e 10 dan/cm 2, utilizando na fixação dos tubos aos apoios fita de aço e fivela de aço. Nos troços em que os cabos são dispostos no solo, estes deverão ser entubados e enterrados a uma profundidade mínima de 0,5 m. Entende-se este troço como aquele que medeia entre a base do poste e o armário. 5.2 Ligação em rede subterrânea Postos de transformação CA1/CA2 A ligação do regulador de fluxo luminoso será feita a partir dos terminais do contactor instalado no quadro de baixa tensão e as saídas do regulador de fluxo luminoso deverão ser ligadas no quadro de baixa tensão a montante das protecções das saídas para a rede de iluminação. Os condutores de entrada e saída que interligam o regulador de fluxo luminoso com a rede de iluminação pública serão do tipo LSVAV 4x16 mm 2, independentemente de na saída do regulador de fluxo luminoso só serem utilizados 3 condutores de fase. Na figura 5 e 7 do anexo A do presente documento é indicada esta ligação. 5.3 Ligação do controlador do regulador de fluxo luminoso O regulador de fluxo luminoso é dotado de um controlador constituído por um módulo de controlo/gestão. A finalidade desse controlador é definir os parâmetros que irão estabelecer os diagramas relativos ao binómio horas/nível de tensão do comando da iluminação pública. Para que em qualquer momento esses parâmetros possam ser estabelecidos, o controlador deverá ser alimentado através de um circuito monofásico constituído por condutores do tipo H07V-U de 2,5 mm 2 de secção. Esta alimentação derivará do terminal de uma das entradas dos condutores de iluminação que ligam ao regulador de fluxo luminoso e do terminal de ligação do condutor neutro. Com este tipo de alimentação toda o consumo do controlador passará a ser também medido pelo contador. DTI Direcção de Tecnologia e Inovação Pág. 5/15

6 5.4 Circuitos de comando local Por questões de segurança para operações de manutenção, deverão estar disponíveis no compartimento de acesso exclusivo da EDP Distribuição os equipamentos dos circuitos de comando local. Os circuitos de comando local serão constituídos por um interruptor de comando manual (local) e por um comutador de 3 posições e destinam-se a enviar ordens para o controlador do regulador de fluxo luminoso. O interruptor vai permitir colocar o regulador de fluxo luminoso em gestão local de modo a ignorar ordens remotas. O comutador de 3 posições vai permitir, após a colocação do regulador de fluxo luminoso em gestão local (ver parágrafo anterior), efectuar as seguintes operações: bypass (colocação da tensão nominal nas saídas dos circuitos de iluminação pública); colocar a tensão no patamar de poupança máxima; desligar os circuitos de iluminação pública para realizar a manutenção das lâmpadas. A ligação destes circuitos é feita a partir do regulador de fluxo luminoso em cabo do tipo VV 5x2,5 mm 2. Nota 1: Nota 2: a alimentação destes circuitos é proveniente do regulador de fluxo luminoso. os comandos do comutador só serão aceites pelo regulador de fluxo luminoso depois do interruptor entrar em estado manual (local). 5.5 Ligação do contacto auxiliar do interruptor Im1 aos contactores K2 e K3 O interruptor Im1 permitirá, em caso de avaria do regulador de fluxo luminoso, fazer o bypass deste sistema para o comando de iluminação pública tradicional. Este interruptor deverá ficar instalado no compartimento do armário que é de acesso exclusivo por parte da EDP Distribuição. A partir do contacto auxiliar que se encontra inserido no interruptor Im1 será estabelecido um circuito em cabo do tipo VV 2x1,5 mm 2 cuja funcionalidade é dar ordem de abertura/fecho aos contactores K2 e K3. A configuração de estados a implementar deverá será seguinte: Im1 aberto K2 e K3 fechados (regulador de fluxo luminoso em funcionamento); Im1 fechado K2 e K3 abertos (sistema tradicional de comando de iluminação pública em funcionamento). 6 TERMINAIS PARA LIGAÇÃO DOS CONDUTORES EXTERIORES 6.1 Terminais para condutores não preparados Os terminais destinados à ligação directa de condutores não preparados devem ser do tipo roscado (terminais com parafusos) e de aperto indirecto. O aperto ou desaperto destes terminais deve poder ser feito sem o uso de ferramentas especiais. Adicionalmente, a sua concepção deve permitir a ligação indiferenciada de condutores de cobre ou de alumínio sem que tal favoreça a existência de fenómenos de corrosão galvânica. 6.2 Terminais para condutores preparados Os terminais concebidos para ligar condutores preparados devem ser planos e a sua furação deve ser adequada a parafusos com diâmetro nominal de rosca M10 para condutores de alumínio e rosca M6 para condutores de cobre. Estes terminais devem incluir todos os elementos necessários à ligação DTI Direcção de Tecnologia e Inovação Pág. 6/15

7 directa dos condutores, devendo o aperto dos parafusos ser realizado com uma porca e duas anilhas, sendo uma anilha plana e a outra recartilhada ou de pressão. Nos condutores de alumínio do tipo LXS devem ser utilizados conectores do tipo bimetálico pré-isolados de acordo com o especificado no DMA-C33-872/N e nos condutores de alumínio do tipo LSVAV e condutores de cobre devem ser utilizados respectivamente conectores bimetálicos e conectores de cobre de acordo com o especificado na norma DMA-C33-850/N. O binário de aperto a aplicar, consoante a situação aplicável, são indicados nos quadros F e Q da norma IEC LIGAÇÃO À TERRA 7.1 Rede aérea A ligação à terra do regulador de fluxo luminoso deve ser feita através de uma ligação eléctrica com condutor do tipo H07V-U 2,5 mm 2 de secção entre o invólucro do regulador de fluxo luminoso e o terminal de neutro. Como a terra de serviço está ligada ao condutor de neutro o invólucro do regulador de fluxo luminoso fica também ligado a essa terra. 7.2 Rede subterrânea A ligação à terra do regulador de fluxo luminoso deve ser feita ligando entre o terminal de neutro e o eléctrodo de terra um cabo do tipo VV1G35 com bainha exterior preta e isolação verde amarela. Na execução do eléctrodo de terra devem ser utilizadas técnicas e materiais adequados ao tipo de terreno onde vai ser implantado, à sua resistividade e teor de humidade, por forma a garantir valores de resistência de terra baixos (inferiores a 20Ω), sem que o mesmo sofra degradação ao longo do tempo. Nota: a vareta é em aço revestido a cobre com uma espessura de revestimento de 0,7 mm, um diâmetro exterior de 15 mm e um comprimento de 2 m; a espessura de revestimento pode ser reduzida até 0,3 mm, quando os eléctrodos forem executados por tecnologia adequada sujeita a prévia aprovação da fiscalização. 8 ESQUEMA ELÉCTRICO DO CONJUNTO QUADROS-ARMÁRIOS Nas figuras 2, 4, 6 e 8, do anexo A do presente documento são indicados os esquemas eléctricos do conjunto quadros-armários. DTI Direcção de Tecnologia e Inovação Pág. 7/15

8 ANEXO A FIGURAS LXS 1x16 mm2 LXS 2x16 mm2 (IP1) LXS 4x70+16 mm2 LXS 1x16 mm2 PT AS (IP2) LXS 4x70+16 mm2 Nota: A saída IP2 deve ser desligada do contactor no quadro. Fig. 1 - PT AS DTI Direcção de Tecnologia e Inovação Pág. 8/15

9 QUADRO AS LXS 4x70 4x250 A DIN 1 APC 250 A Caixa de terminais de contagem H07V-U 4x2,5 200/5A CL1 PP 5VA H07V-U 6x2,5 H07V-U 1x2,5 230/400V Cu 25x3 DIN 00 APC 125 A H07V-R 1x10 H07V-U 1x2,5 H07V-R 1x10 6 A 6 A TP 32 A 32A / AC3 230 V CIP k1 Resistência 60 W/230 V Relé fotoeléctrico Entrada de IP (LXS 1x16 mm2) Saída de IP (LXS 1x16 mm2) (neutro da rede LXS 1x16 mm2) ARMÁRIO Com Int Saída 1 Saída 2 LXS 4x70+16 Im1 LXS 1x16 mm2 VV 2x1,5 mm2 k2 RFL H07V-U 2,5 mm2 LXS 1x16 mm2 k3 VV 5x2,5 mm2 EDP Fig. 2 - Quadro AS DTI Direcção de Tecnologia e Inovação Pág. 9/15

10 2 LXS 1x16 mm2 2 LXS 1x16 mm2 LXS 2x16 mm2 LXS 4x95+16 mm2 (IP1) LXS 4x95+16 mm2 (IP2) LXS 3x16 mm2 PT AI LXS 4x95+16 mm2 (IP3) LXS 4x95+16 mm2 (IP4) Nota: A saída IP4 deve ser desligada do contactor do quadro. Fig. 3 - PT AI DTI Direcção de Tecnologia e Inovação Pág. 10/15

11 QUADRO AI 2 x LXS 4x95 500/5A CL1 PP 5VA H07V-U 6x2,5 Caixa de terminais de contagem 4x400 A H07V-U 4x2,5 DIN 2 APC 400 A H07V-U 1x2,5 Cu 30x5 230/400V DIN 2 APC 400 A DIN 00 APC 125 A 6 A 6 A Resistência 60 W/230 V 32A / AC3 230 V CIP k1 Relé fotoeléctrico TP Entradas de IP (LXS 3x16 mm2) Saída 1 Saída 2 Saída 3 Reserva Saída de IP (LXS 3x16 mm2) (neutro da rede LXS 1x16 mm2) LXS 4x95+16 ARMÁRIO Com Int LXS 3x16 mm2 k2 H07V-U 2,5 mm2 Im1 VV 2x1,5 mm2 LXS 3x16 mm2 RFL k3 VV 5x2,5 mm2 EDP Fig. 4 - Quadro AI DTI Direcção de Tecnologia e Inovação Pág. 11/15

12 PT CA1 ARMÁRIO Com Int k2 H07V-U 2,5 mm2 Im1 VV 2x1,5 mm2 RFL LSVAV 3x16 mm2 VV 1x35 mm2 k3 LSVAV 4x16 mm2 EDP VV 5x2,5 mm2 LSVAV 3x16 mm2 Nota: A terra do armário deve ficar instalada a uma distância superior a 20 m da terra de protecção do PT TS Fig. 5 - PT CA1 DTI Direcção de Tecnologia e Inovação Pág. 12/15

13 QUADRO CA1 200 A RÉGUA DE TERMINAIS P/ ILUMINAÇÃO DO PT DIN /5 A Ax3 Caixa de terminais de contagem 400 A 230/400V 4x16 mm2 DIN 50 A DIN 1 2 TP 32 A k1 TS LSVAV 4x16 mm2 Com Int ARMÁRIO k2 H07V-U 2,5 mm2 Im1 VV 2x1,5 mm2 RFL Saída 1 Saída 2 Saída 3 Reserva LSVAV 3x16 mm2 k3 VV 5x2,5 mm2 EDP Fig. 6 - Quadro CA1 DTI Direcção de Tecnologia e Inovação Pág. 13/15

14 PT CA2 ARMÁRIO Com Int k2 H07V-U 2,5 mm2 Im1 VV 2x1,5 mm2 RFL LSVAV 3x16 mm2 VV 1x35 mm2 k3 LSVAV 4x16 mm2 EDP VV 5x2,5 mm2 LSVAV 3x16 mm2 Nota: A terra do armário deve ficar instalada a uma distância superior a 20 m da terra de protecção do PT Fig. 7 - PT CA2 DTI Direcção de Tecnologia e Inovação Pág. 14/15

15 QUADRO CA2 200 A RÉGUA DE TERMINAIS P/ ILUMINAÇÃO DO PT DIN /5 A Ax3 Caixa de terminais de contagem 1000 A 230/400V 4x16 mm2 DIN 50 A DIN 1 2 TP 63 A k1 TS LSVAV 4x16 mm2 ARMÁRIO Com Int k2 H07V-U 2,5 mm2 Im1 VV 2x1,5 mm2 RFL Saída 1 Saída 2 Saída 3 Saída 4 Saída 5 Reserva LSVAV 3x16 mm2 k3 VV 5x2,5 mm2 EDP Saída IP 1 Saída IP 2 Fig. 8 - Quadro CA2 DTI Direcção de Tecnologia e Inovação Pág. 15/15

OUTRAS INSTALAÇÕES ELÉTRICAS

OUTRAS INSTALAÇÕES ELÉTRICAS OUTRAS INSTALAÇÕES ELÉTRICAS Documento complementar ao Guia de medição, leitura e disponibilização de dados Regras relativas à instalação, manutenção e verificação de equipamentos de medição, cabos e outros

Leia mais

INSTALAÇÕES AT E MT. SUBESTAÇÕES DE DISTRIBUIÇÃO

INSTALAÇÕES AT E MT. SUBESTAÇÕES DE DISTRIBUIÇÃO INSTALAÇÕES AT E MT. SUBESTAÇÕES DE DISTRIBUIÇÃO Armários de comando e controlo Características Elaboração: GTRPT Homologação: conforme despacho do CA de 2007-02-13 Edição: 1ª Emissão: EDP Distribuição

Leia mais

TRANSFORMADORES DE MEDIDA

TRANSFORMADORES DE MEDIDA TRANSFORMADORES DE MEDIDA Transformadores de tensão MT e de 60 kv Características e ensaios Elaboração: DNT Homologação: conforme despacho do CA de 2007-02-13 Edição: 2ª. Substitui a edição de Outubro

Leia mais

projecto de postos de transformação

projecto de postos de transformação 123 Henrique Ribeiro da Silva Dep. de Engenharia Electrotécnica (DEE) do Instituto Superior de Engenharia do Porto (ISEP) projecto de postos de transformação {2.ª Parte - Postos em Cabine} Os postos de

Leia mais

REGRAS BÁSICAS PARA EXECUÇÃO DE INSTALAÇÕES ELÉCTRICAS DE BT EM LOTEAMENTOS

REGRAS BÁSICAS PARA EXECUÇÃO DE INSTALAÇÕES ELÉCTRICAS DE BT EM LOTEAMENTOS Critérios de aceitação/rejeição: o trabalho é considerado bem executado se cumprir o estabelecido no presente documento, caso contrário não é aceite, devendo proceder-se às correcções necessárias. Nota:

Leia mais

5. Instalações de chegada

5. Instalações de chegada 5. Instalações de chegada As instalações de chegada, adiante designadas também por ramais ou simplesmente chegadas, correspondem ao troço de rede eletrifica entre a rede de distribuição de BT e o sistema

Leia mais

INSTALAÇÕES AT E MT. SUBESTAÇÕES DE DISTRIBUIÇÃO

INSTALAÇÕES AT E MT. SUBESTAÇÕES DE DISTRIBUIÇÃO INSTALAÇÕES AT E MT. SUBESTAÇÕES DE DISTRIBUIÇÃO Sistemas de iluminação, tomadas interiores, extracção de fumos, ar condicionado, centrais de intrusão e incêndio Regras de execução Elaboração: GTRPT Homologação:

Leia mais

PROJETO DE UMA INSTALAÇÃO DE UTILIZAÇÃO

PROJETO DE UMA INSTALAÇÃO DE UTILIZAÇÃO PROJETO DE UMA INSTALAÇÃO DE UTILIZAÇÃO (RESUMO) Instalações tipo C são instalações abastecidas a partir da rede pública de baixa tensão. Estas instalações são certificadas pela Certiel Associação Certificadora

Leia mais

Redes de Distribuição de Energia Eléctrica em Baixa Tensão

Redes de Distribuição de Energia Eléctrica em Baixa Tensão Redes de Distribuição de Energia Eléctrica em Baixa Tensão J. Neves dos Santos/ J. Rui Ferreira FEUP Nov. 2004 1 ÍNDICE: 1. Definições 2. Características Gerais das Redes de Distribuição em Baixa Tensão

Leia mais

A CERTIEL EM 2012. Redes particulares de distribuição de energia elétrica e iluminação exterior. Urgeiriça, 13 de Abril. Jornadas CERTIEL 2012 P 1

A CERTIEL EM 2012. Redes particulares de distribuição de energia elétrica e iluminação exterior. Urgeiriça, 13 de Abril. Jornadas CERTIEL 2012 P 1 A CERTIEL EM 2012 Redes particulares de distribuição de energia elétrica e iluminação exterior Urgeiriça, 13 de Abril CERTIEL 2012 P 1 CERTIEL 2012 P 3 Condomínios fechados Uniformização de critérios Melhores

Leia mais

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS Índices de proteção (IP) 1. IP XX grau de proteção dos invólucros de equipamentos elétricos segundo as normas EN 60529, IEC 60529 1º algarismo: proteção contra corpos sólidos IP 2º algarismo: proteção

Leia mais

GESTRA. GESTRA Steam Systems. NRR 2-2e. Manual de Instruções 818464-00 Regulador de nível NRR 2-2e

GESTRA. GESTRA Steam Systems. NRR 2-2e. Manual de Instruções 818464-00 Regulador de nível NRR 2-2e GESTRA GESTRA Steam Systems Manual de Instruções 818464-00 Regulador de nível Dimensões Fig. 2 Fig. 1 Tampa transparente Rede (ver placa de características) Equipado com R m Regulador de esvaziamento Prefer

Leia mais

Condutores e cabos eléctricos

Condutores e cabos eléctricos Condutores e cabos eléctricos Os condutores utilizados nas instalações eléctricas são geralmente de cobre, ou de alumínio. O condutor eléctrico pode ser divididos em: Condutor nu: é um condutor que não

Leia mais

INSTALAÇÕES AT E MT. SUBESTAÇÕES DE DISTRIBUIÇÃO

INSTALAÇÕES AT E MT. SUBESTAÇÕES DE DISTRIBUIÇÃO INSTALAÇÕES AT E MT. SUBESTAÇÕES DE DISTRIBUIÇÃO Ensaios de funcionamento e verificações gerais Protocolo de ensaios Elaboração: GTRPT Homologado: conforme despacho do CA de 2007-02-13 Edição: 1ª Emissão:

Leia mais

INSTALAÇÕES AT E MT. SUBESTAÇÕES DE DISTRIBUIÇÃO

INSTALAÇÕES AT E MT. SUBESTAÇÕES DE DISTRIBUIÇÃO INSTALAÇÕES AT E MT. SUBESTAÇÕES DE DISTRIBUIÇÃO Rede geral de terras Regras de execução Elaboração: GTRPT Homologação: conforme despacho do CA de 2007-02-13 Edição: 1ª Emissão: EDP Distribuição Energia,

Leia mais

Instrumentação Industrial e Medidas Eléctricas - IPT - DEE Carlos Ferreira

Instrumentação Industrial e Medidas Eléctricas - IPT - DEE Carlos Ferreira Sensores Amedição das grandezas físicas é uma necessidade. Para essa função são utilizados sensores estes convertem a grandeza a medir noutra. No caso da instrumentação a variável de saída é normalmente

Leia mais

INSTALAÇÕES AT E MT. SUBESTAÇÕES DE DISTRIBUIÇÃO

INSTALAÇÕES AT E MT. SUBESTAÇÕES DE DISTRIBUIÇÃO INSTALAÇÕES AT E MT. SUBESTAÇÕES DE DISTRIBUIÇÃO Circuitos BT Regras de execução Elaboração: GTRPT Homologado: conforme despacho do CA de 2007-02-13 Edição: 1ª Emissão: EDP Distribuição Energia, S.A. DNT

Leia mais

Manual de Execução de Trabalhos em Equipamento de Contagem de Energia e de Controlo de Potência em instalações BTN ÍNDICE

Manual de Execução de Trabalhos em Equipamento de Contagem de Energia e de Controlo de Potência em instalações BTN ÍNDICE Manual de Execução de Trabalhos em Equipamento de Contagem de Energia e de Controlo de Potência em instalações BTN ÍNDICE 1. Localização e montagem... 2 1.1. Equipamento de contagem... 2 1.2. Dispositivos

Leia mais

PRS 9. Instruções de funcionamento 810549-00 Programador PRS 9

PRS 9. Instruções de funcionamento 810549-00 Programador PRS 9 PRS 9 Instruções de funcionamento 810549-00 Programador PRS 9 1 Dimensões/Componentes 128.5 169 30.01 (6TE) Fig. 1 A B C D E I H G J F MAX 70 C Fig. 2 MAX 95 % 2 Legenda A B C D E F G H I J Selector S1

Leia mais

INSTALAÇÕES AT E MT. Postos de transformação pré-fabricados (prontos a instalar) DMA-C13-912/N NOV 2011. Características e ensaios

INSTALAÇÕES AT E MT. Postos de transformação pré-fabricados (prontos a instalar) DMA-C13-912/N NOV 2011. Características e ensaios INSTALAÇÕES AT E MT Postos de transformação pré-fabricados (prontos a instalar) Características e ensaios Elaboração: DTI Homologação: conforme despacho do CA de 2011-11-02 Edição: 1ª Emissão: EDP Distribuição

Leia mais

Módulo de Alimentação de Controlo do Motor LQSE-4M-D Controlador de Motor CA 4 saídas. Unidade do. Painel de parede seetouch QSR.

Módulo de Alimentação de Controlo do Motor LQSE-4M-D Controlador de Motor CA 4 saídas. Unidade do. Painel de parede seetouch QSR. LUTRON Módulo de de Controlo do Motor Controlador de Motor CA 4 saídas Módulo de de Controlo do Motor O módulo de alimentação de controlo do motor consiste numa interface que disponibiliza a integração

Leia mais

INSTALAÇÕES AT E MT. SUBESTAÇÕES DE DISTRIBUIÇÃO

INSTALAÇÕES AT E MT. SUBESTAÇÕES DE DISTRIBUIÇÃO INSTALAÇÕES AT E MT. SUBESTAÇÕES DE DISTRIBUIÇÃO Estruturas metálicas Características Elaboração: GTRPT Homologado: conforme despacho do CA de 2007-02-13 Edição: 1ª Emissão: EDP Distribuição Energia, S.A.

Leia mais

Protecção contra sobretensões. Descarregadores de sobretensões

Protecção contra sobretensões. Descarregadores de sobretensões Protecção contra Descarregadores Protecção contra As podem muitas vezes causar danos irreparáveis nas instalações eléctricas, bem como, nos equipamentos eléctricos e electrónicos. Os descarregadores são

Leia mais

VIESMANN VITOSOLIC. Dados técnicos VITOSOLIC 100 VITOSOLIC 200. Controlador para sistemas de energia solar

VIESMANN VITOSOLIC. Dados técnicos VITOSOLIC 100 VITOSOLIC 200. Controlador para sistemas de energia solar VIESMANN VITOSOLIC Controlador para sistemas de energia solar Nº de referência e preços: ver lista de preços VITOSOLIC 100 Controlador electrónico por diferença de temperatura Para sistemas com produção

Leia mais

FORIXTM MODERNA E VERSÁTIL O ESSENCIAL PARA A INSTALAÇÃO SALIENTE

FORIXTM MODERNA E VERSÁTIL O ESSENCIAL PARA A INSTALAÇÃO SALIENTE FORIXTM MODERNA E VERSÁTIL O ESSENCIAL PARA A INSTALAÇÃO SALIENTE ESPECIALISTA MUNDIAL EM INFRAESTRUTURAS ELÉTRICAS E TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO PARA EDIFÍCIOS FORIX MODERNA O ESSENCIAL PARA Adapta-se a

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO INSTALAÇÕES ELÉTRICAS

MEMORIAL DESCRITIVO INSTALAÇÕES ELÉTRICAS SITE: www.amm.org.br- E-mail: engenharia@amm.org.br AV. RUBENS DE MENDONÇA, N 3.920 CEP 78000-070 CUIABÁ MT FONE: (65) 2123-1200 FAX: (65) 2123-1251 MEMORIAL DESCRITIVO ELÉTRICO MEMORIAL DESCRITIVO INSTALAÇÕES

Leia mais

Manual de Execução de Trabalhos em Equipamento de Contagem de Energia em instalações MT e BTE

Manual de Execução de Trabalhos em Equipamento de Contagem de Energia em instalações MT e BTE Manual de Execução de Trabalhos em Equipamento de Contagem de Energia em instalações MT e BTE 1 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 2. CONTAGEM DE ENERGIA ELÉCTRICA EM MÉDIA E BAIXA TENSÃO ESPECIAL... 3 2.1. Características

Leia mais

INDICE. Catálogo de cabos industriais e energia CAPÍTULOS

INDICE. Catálogo de cabos industriais e energia CAPÍTULOS INDICE Catálogo de cabos industriais e energia CAPÍTULOS 1 Cabos de Energia Harmonizados 2 Cabos de Energia - Baixa Tensão (0,6/1kV) 3 Cabos de Energia de Média e Alta Tensão 4 Cabos de Segurança 5 Cabos

Leia mais

INSTALAÇÕES AT E MT. SUBESTAÇÕES DE DISTRIBUIÇÃO

INSTALAÇÕES AT E MT. SUBESTAÇÕES DE DISTRIBUIÇÃO INSTALAÇÕES AT E MT. SUBESTAÇÕES DE DISTRIBUIÇÃO Função de automatismo: pesquisa de terras resistentes Especificação funcional Elaboração: INTS, ICTS, ISTS e DNT Homologação: conforme despacho CA de 2007-02-13

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO DO ITEM R$

ESPECIFICAÇÃO DO ITEM R$ ANEXO 2 Planilha Orçamentária Estimativa de Quantitativos e Preços Máximos Global e Unitários LOTE ÚNICO ESPECIFICAÇÃO DO ITEM Qtde. Unitário R$ Total R$ 01 02 03 04 05 CHAVE NIVEL TIPO BOIA,ATUACAO: ALARME

Leia mais

Interruptores de paragem de emergência de accionamento por cabo e interruptores de accionamento por cabo Programa de fabricação

Interruptores de paragem de emergência de accionamento por cabo e interruptores de accionamento por cabo Programa de fabricação Interruptores de paragem de emergência de accionamento por cabo e interruptores de accionamento por cabo Programa de fabricação Aplicação e formato Interruptores de paragem de e interruptores Aplicação

Leia mais

RECOMENDAÇÕES PARA A INSTALAÇÃO DE QUADROS ELÉCTRICOS

RECOMENDAÇÕES PARA A INSTALAÇÃO DE QUADROS ELÉCTRICOS Objectivo Esta nota técnica apresenta algumas recomendações para a instalação de quadros eléctricos desde a saída dos quadros eléctricos das instalações dos quadristas até á sua instalação em obra. Manuseamento

Leia mais

SEDE: ESTRADA MUNICIPAL 533 * BISCAIA - ALGERUZ * 2950-051 PALMELA - PORTUGAL TEL.: +351 21 233 27 55 / 6 / 7 / 8 FAX: +351 21 233 27 46 SITE:

SEDE: ESTRADA MUNICIPAL 533 * BISCAIA - ALGERUZ * 2950-051 PALMELA - PORTUGAL TEL.: +351 21 233 27 55 / 6 / 7 / 8 FAX: +351 21 233 27 46 SITE: SEDE: ESTRADA MUNICIPAL 533 * BISCAIA - ALGERUZ * 295-51 PALMELA - PORTUGAL TEL.: +351 21 233 27 55 / 6 / 7 / 8 FAX: +351 21 233 27 46 SITE: www.salemoemerca.pt - email: geral@salemoemerca.pt MATRICULADA

Leia mais

REGULAMENTO CENTRO DE EVENTOS FIERGS INSTALAÇÕES ELÉTRICAS

REGULAMENTO CENTRO DE EVENTOS FIERGS INSTALAÇÕES ELÉTRICAS No caso das instalações elétricas existentes nos espaços não comportarem a carga elétrica a ser ligada pelo evento, é necessário que a Contratante apresente os documentos e respeite as condições mínimas

Leia mais

Dados técnicos. necessário. Consumo de corrente Placa de medição não abrangida 3 ma Placa de medição abrangida

Dados técnicos. necessário. Consumo de corrente Placa de medição não abrangida 3 ma Placa de medição abrangida 0102 Designação para encomenda Características Para montagem na caixa Montagem directa em accionamentos normais Directivas europeias para máquinas cumpridas Certificado de verificação de modelos TÜV99

Leia mais

INSTRUÇÕES GERAIS ARMÁRIO ATI V2.2

INSTRUÇÕES GERAIS ARMÁRIO ATI V2.2 INSTRUÇÕES GERAIS ARMÁRIO ATI V2.2 MANUAL ITED 1ª EDIÇÃO Para mais informações ou sugestões, contacte o seu distribuidor. Edição 10 Pag 1/8 Mod.100/2 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO...3 2. DOCUMENTOS NORMATIVOS APLICADOS...3

Leia mais

A solução ideal para instalações residenciais e terciárias

A solução ideal para instalações residenciais e terciárias NOVOS Disjuntores RX 3 A solução ideal para instalações residenciais e terciárias Ambiente Residencial - área úmida Ambiente Residencial Soho - Pequeno Escritório ou Home Office Ambiente Residencial -

Leia mais

W o r l d w i d e P a r t n e r

W o r l d w i d e P a r t n e r GE Consumer & Industrial Power Protection W o r l d w i d e P a r t n e r Série CB Contactores até 45kW NOVIDADE Série PB Unidades de Comando e Sinalização GE imagination at work Série CB Contactores Tipo

Leia mais

Dimensionamento de Colunas

Dimensionamento de Colunas Dimensionamento de Colunas Calcular a potência total ST: Moradia Potência a contratar [kva] T1 6.90 ou 10.35 T2 10.35 ou 13.80 T3 10.35 ou 13.80 T4 13.80 ou 17.25 T5 17.25 Trifásico S T = S habita ções

Leia mais

INSTRUÇÕES GERAIS ARMÁRIO ATI V3.2

INSTRUÇÕES GERAIS ARMÁRIO ATI V3.2 INSTRUÇÕES GERAIS ARMÁRIO ATI V3.2 Para mais informações ou sugestões, contacte o seu distribuidor. Edição 4 Pag 1/8 Mod.100/2 ÍNDICE ÍNDICE...2 1. INTRODUÇÃO...3 2. DOCUMENTOS NORMATIVOS APLICADOS...3

Leia mais

ÍNDICE 1. OBJECTIVO...2 2. INTRODUÇÃO...2 4. ÂMBITO DE APLICAÇÃO...4 5. ACÇÕES DE MANUTENÇÃO...5 7. RECOMENDAÇÕES DE EXPLORAÇÃO...

ÍNDICE 1. OBJECTIVO...2 2. INTRODUÇÃO...2 4. ÂMBITO DE APLICAÇÃO...4 5. ACÇÕES DE MANUTENÇÃO...5 7. RECOMENDAÇÕES DE EXPLORAÇÃO... ÍNDICE 1. OBJECTIVO...2 2. INTRODUÇÃO...2 3. DISPOSIÇÕES LEGAIS APLICÁVEIS...3 3.1. Inspecções de Instalações Eléctricas...3 3.2. Verificação dos eléctrodos de terra...3 3.3. Limpeza, conservação e reparação

Leia mais

Critérios Construtivos do Padrão de Entrada

Critérios Construtivos do Padrão de Entrada Notas: Critérios Construtivos do Padrão de Entrada A fiação do ramal de saída deve ser a mesma fiação do ramal de entrada. O padrão de entrada na zona rural deverá ficar no mínimo de 10 metros e no máximo

Leia mais

NRGS 11-2 NRGS 16-2. Instruções de funcionamento 810336-00 Electrodo de nível NRGS 11-2 Electrodo de nível NRGS 16-2

NRGS 11-2 NRGS 16-2. Instruções de funcionamento 810336-00 Electrodo de nível NRGS 11-2 Electrodo de nível NRGS 16-2 NRGS 11-2 NRGS 16-2 Instruções de funcionamento 810336-00 Electrodo de nível NRGS 11-2 Electrodo de nível NRGS 16-2 Dimensões 173 173 500, 1000, 1500 140 500, 1000, 1500 240 140 337,5 Fig. 1 Fig. 2 2 Componentes

Leia mais

A entrada de energia elétrica será executada através de:

A entrada de energia elétrica será executada através de: Florianópolis, 25 de março de 2013. 1. CONSIDERAÇÕES INICIAIS O presente memorial tem como principal objetivo complementar as instalações apresentadas nos desenhos/plantas, descrevendo-os nas suas partes

Leia mais

CONDIÇÕES A OBSERVAR PARA O ESTEBELECIMENTO DE POSTO DE TRANSFORMACÃO PRIVATIVO

CONDIÇÕES A OBSERVAR PARA O ESTEBELECIMENTO DE POSTO DE TRANSFORMACÃO PRIVATIVO CONDIÇÕES A OBSERVAR PARA O ESTEBELECIMENTO DE POSTO DE TRANSFORMACÃO PRIVATIVO 1 CONDIÇÕES PRÉVIAS Antes de iniciar qualquer trabalho de montagem, ou antes de adquirir um posto de transformação (PT),

Leia mais

ENE065 Instalações Elétricas I

ENE065 Instalações Elétricas I 07/05/2012 ENE065 Instalações Elétricas I Prof.: Ivo Chaves da Silva Junior ivo.junior@ufjf.edu.br Quadro de Distribuição Circuitos Terminais Circuitos Terminais Quadro de Distribuição Quadro de Distribuição

Leia mais

INSTRUÇÕES GERAIS ARMÁRIO ATI

INSTRUÇÕES GERAIS ARMÁRIO ATI INSTRUÇÕES GERAIS ARMÁRIO ATI GERAÇÃO 3.1 Para mais informações ou sugestões, contacte o seu distribuidor. Edição 8 Pag 1/8 Mod.100/2 ÍNDICE índice...2 1. Introdução...3 2. Documentos normativos aplicados...3

Leia mais

CADASTRO TÉCNICO DE FORNECEDORES SISTEMA NORMATIVO CORPORATIVO MATERIAIS PADRONIZADOS APLICADOS EM CÂMARA DE TRANSFORMAÇÃO 15KV - ATENDIMENTO COLETIVO

CADASTRO TÉCNICO DE FORNECEDORES SISTEMA NORMATIVO CORPORATIVO MATERIAIS PADRONIZADOS APLICADOS EM CÂMARA DE TRANSFORMAÇÃO 15KV - ATENDIMENTO COLETIVO SISTEMA NORMATIVO CORPORATIVO CADASTRO TÉCNICO CÓDIGO TÍTULO VERSÃO CD.DT.PDN.03.14.001 03 APROVADO POR MARCELO POLTRONIERI ENGENHARIA E CADASTRO (DEEE) SUMÁRIO 1. OBJETIVO... 3 2. HISTÓRICO DAS REVISÕES...

Leia mais

Esquemas. & diagramas. caderno 3

Esquemas. & diagramas. caderno 3 Esquemas & diagramas caderno 3 Regimes de neutro Norma IEC 60364 A norma IEC 60364 é a norma padrão internacional definida pelo International Electrotechnical Commission relativamente a instalações eléctricas

Leia mais

MATERIAIS PARA REDES APARELHAGEM AT E MT

MATERIAIS PARA REDES APARELHAGEM AT E MT MATERIAIS PARA REDES APARELHAGEM AT E MT Disjuntores AT 72,5 kv Características Elaboração: DNT Homologação: conforme despacho do CA de 2007-02-13 Edição: 2ª. Substitui a edição de DEZ 1995 Emissão: EDP

Leia mais

Redes de Distribuição de Baixa Tensão (versão 1/2015)

Redes de Distribuição de Baixa Tensão (versão 1/2015) Redes de Distribuição de Baixa Tensão (versão 1/2015) 1. Parâmetros Elétricos... 2 2. Redes subterrâneas de BT... 3 2.1. Dimensionamento... 3 2.2. Equipamentos... 4 2.3. Cabos elétricos... 7 2.4. Comprimentos

Leia mais

José Matias, Ludgero Leote, Automatismos industriais - Comando e regulação, Didáctica Editora

José Matias, Ludgero Leote, Automatismos industriais - Comando e regulação, Didáctica Editora AUTOMAÇÃO (M323) CAPÍTULO III Sistemas Eléctricos 2013/2014 Bibliografia José Matias, Ludgero Leote, Automatismos industriais - Comando e regulação, Didáctica Editora Dores Costa, Fé de Pinho, Comando

Leia mais

Datasheet. Solução de DATACENTER Bastidores 19 e Acessórios

Datasheet. Solução de DATACENTER Bastidores 19 e Acessórios Datasheet Solução de DATACENTER Bastidores 19 e Acessórios 2011 Armários 19 de Pavimento Qualidade de construção Desde o conceito até ao mais pequeno pormenor. Os produtos Facemate são cuidadosamente projectados

Leia mais

Acessórios para Redes em Cabos Torçada Ferragens

Acessórios para Redes em Cabos Torçada Ferragens Acessórios para Redes em Cabos Torçada Ferragens Nota: Materiais não tabelados sob consulta Uniões Pré-isoladas Aplicação-Conexão de condutores de redes torçada de B.T. Norma Francesa:-C33-021 CÓDIGO DE

Leia mais

INSTALAÇÕES AT E MT. SUBESTAÇÕES DE DISTRIBUIÇÃO

INSTALAÇÕES AT E MT. SUBESTAÇÕES DE DISTRIBUIÇÃO DA-C13-523/N EV 2007 INSTALAÇÕES AT E T. SUBESTAÇÕES DE DISTRIBUIÇÃO Armários de reagrupamento de cabos Características Elaboração: GTRPT Homologação: conforme despacho do CA de 2007-02-13 Edição: 1ª Emissão:

Leia mais

ISEL. Subestação de Sacavém. Relatório de Visita de Estudo. 6 Dezembro 2005. Secção de Sistemas de Energia

ISEL. Subestação de Sacavém. Relatório de Visita de Estudo. 6 Dezembro 2005. Secção de Sistemas de Energia ISEL INSTITUTO SUPERIOR DE ENGENHARIA DE LISBOA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELECTROTÉCNICA E AUTOMAÇÃO Relatório de Visita de Estudo 6 Dezembro 2005 Secção de Sistemas de Energia Março 2006 Índice 1. Enquadramento

Leia mais

LIGAÇÃO DE CLIENTES DE BAIXA TENSÃO

LIGAÇÃO DE CLIENTES DE BAIXA TENSÃO LIGÇÃO DE CLIENTES DE BIX TENSÃO Soluções técnicas normalizadas Elaboração: DNT Edição: 5ª. (inclui ditamento Repartição dos encargos resultantes do estabelecimento de elementos de uso partilhado sobredimensionados

Leia mais

Descrição do Produto...2. 1. Utilização prevista...2 2. Construção...3 3. Descrição do funcionamento...3 4. Especificações técnicas...

Descrição do Produto...2. 1. Utilização prevista...2 2. Construção...3 3. Descrição do funcionamento...3 4. Especificações técnicas... ÍNDICE Descrição do Produto...2 1. Utilização prevista...2 2. Construção...3 3. Descrição do funcionamento...3 4. Especificações técnicas...4 Instruções de segurança gerais...5 1. Dever de diligência do

Leia mais

COMISSÃO TÉCNICA DE NORMALIZAÇÃO ELETROTÉCNICA CTE 64 Instalações Elétricas em Edifícios

COMISSÃO TÉCNICA DE NORMALIZAÇÃO ELETROTÉCNICA CTE 64 Instalações Elétricas em Edifícios COMISSÃO TÉCNICA DE NORMALIZAÇÃO ELETROTÉCNICA CTE 64 Instalações Elétricas em Edifícios ESQUEMAS TIPO DE UNIDADES DE PRODUÇÃO PARA AUTOCONSUMO (UPAC) março 2015 A secção 712: Instalações Solares Fotovoltaicas

Leia mais

MISTURADOR SUBMERSO RÁPIDO MSR

MISTURADOR SUBMERSO RÁPIDO MSR Indústria e Comércio de Bombas D Água Beto Ltda Manual de Instruções MISTURADOR SUBMERSO RÁPIDO MSR Parabéns! Nossos produtos são desenvolvidos com a mais alta tecnologia Bombas Beto. Este manual traz

Leia mais

APARELHOS DE ILUMINAÇÃO ELÉCTRICA E ACESSÓRIOS

APARELHOS DE ILUMINAÇÃO ELÉCTRICA E ACESSÓRIOS APARELHOS DE ILUMINAÇÃO ELÉCTRICA E ACESSÓRIOS Quadro eléctrico de alimentação Características e ensaios Elaboração: DNT Homologação: conforme despacho do CA de 2005-11-03 Edição: 2ª. Substitui a edição

Leia mais

PADRÃO DE ENTRADA DE INSTALAÇÕES CONSUMIDORAS MANUAL SIMPLIFICADO

PADRÃO DE ENTRADA DE INSTALAÇÕES CONSUMIDORAS MANUAL SIMPLIFICADO PADRÃO DE ENTRADA DE E N E R G I A E L É T R I C A E M INSTALAÇÕES CONSUMIDORAS MANUAL SIMPLIFICADO www.celesc.com.br PADRÃO DE ENTRADA DE E N E R G I A E L É T R I C A E M INSTALAÇÕES CONSUMIDORAS MANUAL

Leia mais

Este manual de instruções é parte integrante do produto e deve ficar na posse do cliente final. Imagem 1: Vista frontal

Este manual de instruções é parte integrante do produto e deve ficar na posse do cliente final. Imagem 1: Vista frontal Painel de comando e sinalização N.º art. MBT 2424 Manual de instruções 1 Indicações de segurança A instalação e a montagem de aparelhos eléctricos apenas devem ser realizadas por electricistas especializados.

Leia mais

Siemens AG 2009 SIRIUS SENTRON SIVACON. Catálogo LV 90 2009. Baixa Tensão Corte, protecção e comando. Answers for industry.

Siemens AG 2009 SIRIUS SENTRON SIVACON. Catálogo LV 90 2009. Baixa Tensão Corte, protecção e comando. Answers for industry. SIRIUS SENTRON SIVACON Catálogo LV 90 2009 Baixa Tensão Corte, protecção e comando Answers for industry. Interruptores de corte em carga, sistemas de barramentos SENTRON 8US Introdução Apresentação geral

Leia mais

FONTES DE ILUMINAÇÃO ELÉTRICA

FONTES DE ILUMINAÇÃO ELÉTRICA FONTES DE ILUMINAÇÃO ELÉTRICA Lâmpadas de vapor de sódio de alta pressão Características e ensaios Elaboração: DTI Homologação: conforme despacho do CA de 2011-11-23 Edição: 3ª. Substitui a edição de JUL

Leia mais

instalação de sistemas de terras

instalação de sistemas de terras 94 José Ribeiro joseribeiro@casafelix.pt instalação de sistemas de terras 1. Capturar o raio. Capturar o raio para um ponto conhecido de ligação preferida utilizando um sistema de ponta captora aérea específica

Leia mais

110,5 x 22,5 x 114 (term. mola)

110,5 x 22,5 x 114 (term. mola) Supervisão de parada de emergência e monitoramento de portas Supervisão de sensores de segurança magnéticos codificados Entrada para 1 ou 2 canais Categoria de Segurança até 4 conforme EN 954-1 Para aplicações

Leia mais

Pedais e pedais de segurança Programa de fabricação

Pedais e pedais de segurança Programa de fabricação Pedais e pedais de segurança Programa de fabricação Formato, tipo de aplicações e versões especiais Pedais e pedais de Tipo de aplicações Os pedais utilizam-se para iniciar ou finalizar operações e processos

Leia mais

PORTFOLIO 2011 EMPRESA

PORTFOLIO 2011 EMPRESA EMPRESA Empreendedorismo, agilidade e profissionalismo são características da Portal-Import, empresa que se destaca cada vez mais no segmento de distribuição de materiais elétricos, automação, marcação

Leia mais

Sistemas de Accionamento Electromecânico

Sistemas de Accionamento Electromecânico Sistemas de Accionamento Electromecânico Comando e protecção de motores Introdução SISTEMAS de ACCIONAMENTO ELECTROMECÂNICO, O que são? Sistemas capazes de converter energia eléctrica em energia mecânica

Leia mais

PARA LOCAIS PROFISSIONAIS Novos quadros XL³ 125

PARA LOCAIS PROFISSIONAIS Novos quadros XL³ 125 PARA LOCAIS PROFISSIONAIS Novos quadros XL³ 15 1 3 XL³ 15 ATÉ 15 A DE 1 A 4 FILAS DE 18 MÓDULOS Calha extraível sem ferramenta: cablagem facilitada CABLAGEM FACILITADA EXTRAINDO AS CALHAS As novas funcionalidades

Leia mais

EDIFÍCIO MARAVILHA JUNHO/2009

EDIFÍCIO MARAVILHA JUNHO/2009 INSTALAÇÕES ELÉCTRICAS GERAIS JUNHO/2009 POSTO DE SECCIONAMENTO E TRANSFORMAÇÃO CENTRAL GERADORA DE EMERGÊNCIA SISTEMAS DE ALIMENTAÇÃO ININTERRUPTA COMPENSAÇÃO DO FACTOR DE POTÊNCIA QUADROS ELÉCTRICOS

Leia mais

www.caiado.pt Produtos Eltako

www.caiado.pt Produtos Eltako Produtos Eltako Os preços apresentados são unitários e não incluem IVA. Estes estão sujeitos a alteração, sem aviso prévio. A TEV2 não se responsabiliza por eventuais erros tipográficos ou de transmissão

Leia mais

Acessórios Desconectáveis 200A

Acessórios Desconectáveis 200A 200A APLICAÇÃO Os Acessórios da Prysmian possuem uma concepção de projeto baseada no sistema plugue - tomada, porém para tensões, permitindo fácil conexão e desconexão de um cabo de potência, de um equipamento,

Leia mais

1 Indicações de segurança

1 Indicações de segurança Actuador regulador universal 1 canal, 50-210 W com entrada binária N.º art. 3210 UP Manual de instruções 1 Indicações de segurança A instalação e a montagem de aparelhos eléctricos apenas devem ser realizadas

Leia mais

Mini Aquecedor série SEC 016 8W, 10W, 13W

Mini Aquecedor série SEC 016 8W, 10W, 13W Mini Aquecedor série SEC 016 8W, 10W, 13W Limitador de temperatura Ampla faixa de alimentação Aquecimento dinâmico Economia de energia elétrica Compacto Aquecedor para aplicação em invólucros de pequeno

Leia mais

Instruções de instalação

Instruções de instalação Instruções de instalação Acessórios Cabos de ligação do acumulador da caldeira de aquecimento Para técnicos especializados Ler atentamente antes da montagem. Logano plus GB225-Logalux LT300 6 720 642 644

Leia mais

Soluções DataCenter Secções

Soluções DataCenter Secções Apresentação A gama de armários para DataCenter Olirack foi concebida para a instalação de equipamentos de telecomunicações e informáticos. Os espaços DataCenter são projectados para serem extremamente

Leia mais

AUTOMATISMO PARA PORTA SECCIONADA INDUSTRIAL MANUAL DE UTILIZAÇÃO E INSTALAÇÃO

AUTOMATISMO PARA PORTA SECCIONADA INDUSTRIAL MANUAL DE UTILIZAÇÃO E INSTALAÇÃO AUTOMATISMO PARA PORTA SECCIONADA INDUSTRIAL MANUAL DE UTILIZAÇÃO E INSTALAÇÃO Por favor leia atentamente o manual antes da instalação e utilização Rev..2 7/03/20 O cadernal foi projectado apenas para

Leia mais

Relé Auxiliar RCA 116

Relé Auxiliar RCA 116 Relé Auxiliar RCA 116 Aplicação, Estrutura e Funcionamento. Aplicação O Relé Auxiliar RCA 116 é especialmente apropriado para uso em instalações de comando manual, controles automáticos e supervisão. O

Leia mais

Motores Automação Energia Transmissão & Distribuição Tintas. Relés de Sobrecarga Térmico Linha RW

Motores Automação Energia Transmissão & Distribuição Tintas. Relés de Sobrecarga Térmico Linha RW Motores Automação Energia Transmissão & Distribuição Tintas Relés de Sobrecarga Térmico Linha RW Relés de Sobrecarga Térmico RW Informações Gerais - Local para identificação - Tecla Reset + Multifunção

Leia mais

Sistema Normativo Corporativo

Sistema Normativo Corporativo Sistema Normativo Corporativo PADRÃO TÉCNICO VERSÃO Nº ATA Nº DATA DATA DA VIGÊNCIA 00-13/07/2009 13/07/2009 APROVADO POR José Rubens Macedo Junior SUMÁRIO 1. RESUMO...3 2. HISTÓRICO DAS REVISÕES...3 3.

Leia mais

ESTRATIFICADOS DE FIBRA DE VIDRO, S.A. Na evolução dos compósitos, a imagem da

ESTRATIFICADOS DE FIBRA DE VIDRO, S.A. Na evolução dos compósitos, a imagem da Tabela de Preços 2008 V I D R O P O L Fabrico de Armários e Caixas para : Energia, Telecomunicações, Gás e Água em Poliéster reforçado a Fibra de Vidro, auto-extinguivel, resistente aos agentes químicos,

Leia mais

Sumário ORIENTAÇÃO TÉCNICA - DISTRIBUIÇÃO OTD 035.04.03 REDE MULTIPLEXADA BT - CONSTRUÇÃO

Sumário ORIENTAÇÃO TÉCNICA - DISTRIBUIÇÃO OTD 035.04.03 REDE MULTIPLEXADA BT - CONSTRUÇÃO Sumário 1. Objetivo 2. Âmbito de Aplicação 3. Documentos de Referência 4. Condições Gerais 5. Requisitos Ambientais 6. Lançamento de Condutores 7. Fixação Definitiva do Condutor 8. Identificação de Fases

Leia mais

Catalogo Técnico. Disjuntor Motor BDM-NG

Catalogo Técnico. Disjuntor Motor BDM-NG Catalogo Técnico Disjuntor Motor BDM-NG Disjuntores-Motor BDM-NG Generalidade: O disjuntor-motor BDM-NG,Tripolar, são termomagnéticos compactos e limitadores de corrente. Ideal para o comando e a proteção

Leia mais

Seu portfolio conta com mais de 3.000 empresas cadastradas e possui uma grande diversidade de produtos com alta qualidade a preços acessíveis.

Seu portfolio conta com mais de 3.000 empresas cadastradas e possui uma grande diversidade de produtos com alta qualidade a preços acessíveis. PORTFOLIO EMPRESA Empreendedorismo, agilidade e profissionalismo são características da Portal-Import, empresa que se destaca cada vez mais no segmento de distribuição de materiais elétricos, automação,

Leia mais

INTRODUÇÃO AOS PRODUTOS KEWTECH

INTRODUÇÃO AOS PRODUTOS KEWTECH INTRODUÇÃO AOS PRODUTOS KEWTECH COMPROVADOR SIMPLIFICADO DE TERRAS EM FORMATO DE PEN KEW 4300 INTRODUÇÃO AOS PRODUTOS KEW O KEW 4300 é um comprovador de resistência da terra, que pode ser usado quando

Leia mais

Acti 9. A eficiência que você merece

Acti 9. A eficiência que você merece Acti 9 A eficiência que você merece Acti 9, a eficiência que você merece Apresentação Acti 9, Eficiente Acti 9, Seguro Acti 9, Simples & inteligente Conclusão 2 40 Anos de experiência e atenção aos nossos

Leia mais

GUIA PRÁTICO DE ATERRAMENTO

GUIA PRÁTICO DE ATERRAMENTO 2014 GUIA PRÁTICO DE ATERRAMENTO MAURÍCIO RODRIGUES DOS REIS SENAI-MG 15/02/2014 GUIA PRÁTICO SOBRE ATERRAMENTO INTRODUÇÃO... Pág.02 CONCEITOS BÁSICOS... Pág.02 MONTAGEM PASSO A PASSO DE ATERRAMENTO...

Leia mais

Pára-raios de Baixa Tensão para Rede de Distribuição Secundária PRBT - RDS

Pára-raios de Baixa Tensão para Rede de Distribuição Secundária PRBT - RDS Pára-raios de Baixa Tensão para Rede de Distribuição Secundária PRBT - RDS O que é? É um Dispositivo de Proteção contra Surtos Elétricos (DPS) para uso em redes de distribuição de energia elétrica de baixa

Leia mais

PLANIFICAÇÃO ANUAL DE CONTEÚDOS

PLANIFICAÇÃO ANUAL DE CONTEÚDOS Ensino Secundário ANO LECTIVO 0/0 Disciplina: Praticas Oficinais 0.º Ano Turma C Total de Aulas Previstas (45 min) 00 º Período SET / 7 DEZ 78 º Período 0 JAN / 4 MAR 58 º Período 04 ABR / 4 JUN 4. Unidade

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA TR 20150139

TERMO DE REFERÊNCIA TR 20150139 TERMO DE REFERÊNCIA TR 20150139 1. DA JUSTIFICATIVA: Dispensa de licitação, via cotação eletrônica, nos termos do decreto estadual Nº 28.397, de 21 de setembro de 2006 para atender SC 13827 - UNBME 2.

Leia mais

Características Técnicas Série Quasar

Características Técnicas Série Quasar Descrição do Produto A Série Quasar é uma linha de painéis tipo CCMi (centro de controle de motores inteligente) para baixa tensão e correntes até 3150 A, ensaiados conforme a norma NBR/IEC 60439-1 - TTA

Leia mais

CENTRO DE EDUCAÇÃO E ESPORTES GERAÇÃO FUTURA

CENTRO DE EDUCAÇÃO E ESPORTES GERAÇÃO FUTURA MEMORIAL DESCRITIVO E JUSTIFICATIVO DE CÁLCULO PROJETO DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS EM MÉDIA TENSÃO 13.8KV CENTRO DE EDUCAÇÃO E ESPORTES GERAÇÃO FUTURA RUA OSVALDO PRIMO CAXILÉ, S/N ITAPIPOCA - CE 1. INTRODUÇÃO

Leia mais

Interruptores Seccionadores SDW Correntes Nominais de 40 a 70 A Versões bipolar, tripolar e tetrapolar

Interruptores Seccionadores SDW Correntes Nominais de 40 a 70 A Versões bipolar, tripolar e tetrapolar Minidisjuntores MBW Correntes nominais de 2 a 70 A Curvas de disparo B e C Versões monopolar, bipolar, tripolar e tetrapolar Interruptores Diferenciais Residuais DRs RBW Sensibilidade de ou 0mA Correntes

Leia mais

>Introdução. 3.1. Construção de cabos para exterior 3.2. Construção de cabos para interior

>Introdução. 3.1. Construção de cabos para exterior 3.2. Construção de cabos para interior 3. Cabos de Fibra Óptica >Objectivo Este módulo tem como objectivo, a introdução às questões relacionadas como desenho de cabos de fibras ópticas, com o sua aplicação em ambientes diversos e com o estudo

Leia mais

Manual de Montagem. Seguidor SPH 4.0

Manual de Montagem. Seguidor SPH 4.0 Manual de Montagem Seguidor 1 - Montagem do Poste Colocação do Poste em Base de Betão (da responsabilidade do cliente). Orientar a furação do Poste, para passagem de cabelagem, o mais a Norte possível.

Leia mais

CATÁLOGO ARMÁRIOS E CAIXAS ISOLANTES EM POLIESTER - CAIXAS DE PROTECÇÃO E SECCIONAMENTO (PORTINHOLAS)

CATÁLOGO ARMÁRIOS E CAIXAS ISOLANTES EM POLIESTER - CAIXAS DE PROTECÇÃO E SECCIONAMENTO (PORTINHOLAS) CATÁLOGO ARMÁRIOS E CAIXAS ISOLANTES EM POLIESTER 1 - ENERGIA 1.1 - SÉRIE ADE - ARMÁRIOS DE DISTRIBUIÇÃO - MACIÇOS 1.2 - SÉRIE CPV - ACESSÓRIOS - CAIXAS DE PROTECÇÃO E SECCIONAMENTO (PORTINHOLAS) 1.3 -

Leia mais

Instruções de Utilização. Equalizador Instabus de 4 vias 0531 00

Instruções de Utilização. Equalizador Instabus de 4 vias 0531 00 Instruções de Utilização Equalizador Instabus de 4 vias 531 Informações acerca do sistema Este aparelho é um produto do Sistema EIB Instabus e está em conformidade com as normas EIBA. Para a compreensão

Leia mais

Sumário ORIENTAÇÃO TÉCNICA - DISTRIBUIÇÃO OTD 035.02.04 REDE CONVENCIONAL TRANSFORMADORES

Sumário ORIENTAÇÃO TÉCNICA - DISTRIBUIÇÃO OTD 035.02.04 REDE CONVENCIONAL TRANSFORMADORES Sumário 1. Objetivo 2. Âmbito de Aplicação 3. Documentos de Referência 4. Requisitos Ambientais 5. Condições Gerais 6. Estruturas Trifásicas com Transformadores 6.1. Estrutura M1 com Transformador 6.2.

Leia mais